Você está na página 1de 13

PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF.

MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

Direito Constitucional
Professor Marcelo Sobral

1
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

1. Direitos e Garantias Fundamentais.


o Conceito de casa.
o Interceptação telefônica X quebra de sigilo telefônico.
o Direito de reunião. Requisitos e elementos.
o Associação - caráter paramilitar - dissolução e suspensão das atividades - representação X
substituição dos filiados.
o Extradição de brasileiro e estrangeiro.
o Brasileiro nato (3 hipóteses) X naturalizado (2 hipóteses).
o Cargos privativos de brasileiro nato.
o Hipóteses de perda da nacionalidade.
o Desincompatibilização e inelegibilidade reflexa por parentesco.
o Eleição de militar.
o Ação de impugnação de mandato eletivo
Súmula Vinculante 03 STF: Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-se o
contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato
administrativo que beneficie o interessado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial
de aposentadoria, reforma e pensão.
Súmula Vinculante 05 STF: A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não
ofende a Constituição.
Súmula Vinculante 11 STF: Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga
ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a
excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da
autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade
civil do Estado.
Súmula Vinculante 18 STF: A dissolução da sociedade ou do vínculo conjugal, no curso do mandato, não afasta
a inelegibilidade prevista no § 7º do artigo 14 da Constituição Federal.
Súmula Vinculante 21 STF: É inconstitucional a exigência de depósito ou arrolamento prévios de dinheiro ou
bens para admissibilidade de recurso administrativo.
Súmula Vinculante 25 STF: É ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do
depósito.
Súmula Vinculante 40 STF: A contribuição confederativa de que trata o art. 8º, IV, da Constituição Federal, só
é exigível dos filiados ao sindicato respectivo.
Súmula Vinculante 45 STF: A definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas
normas de processo e julgamento são da competência legislativa privativa da União
STF conclui julgamento sobre ensino religioso nas escolas públicas
Em sessão plenária realizada na tarde desta quarta-feira (27), o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou
improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439 na qual a Procuradoria-Geral da República
(PGR) questionava o modelo de ensino religioso nas escolas da rede pública de ensino do país. Por maioria
dos votos (6 x 5), os ministros entenderam que o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras pode ter
natureza confessional, ou seja, vinculado às diversas religiões.

2
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

Alexandre de Moraes – vencedor – IMPROCEDENTE A ADI


O Estado, portanto, observado o binômio Laicidade do Estado (CF, art. 19, I)/Consagração da Liberdade
religiosa (CF, art. 5º, VI) e o princípio da igualdade (CF, art. 5º, caput), deverá atuar na regulamentação do
cumprimento do preceito constitucional previsto no artigo 210, §1º, autorizando na rede pública, em
igualdade de condições, o oferecimento de ensino confessional das diversas crenças, mediante requisitos
formais e objetivos previamente fixados pelo Ministério da Educação. Dessa maneira, será permitido aos
alunos que voluntariamente se matricularem o pleno exercício de seu direito subjetivo ao ensino religioso
como disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, ministrada de acordo
com os princípios de sua confissão religiosa (...).

2. Nacionalidade.
a. Quem é brasileiro nato? E naturalizado?
b. Cidadã holandesa, a serviço da Espanha, tem seu filho no Brasil. O filho é brasileiro?
c. Lei pode estabelecer distinções entre brasileiros natos e naturalizados?
d. Quais são os cargos privativos de brasileiro nato?
e. Quais são as hipóteses de perda da nacionalidade do brasileiro?

3. Direitos Políticos.
a. Quem não pode se alistar?
b. O que significa cassação de direitos políticos?
c. Cite quatro categorias de inelegibilidade relativa.
d. Cabe reeleição do Chefe do Poder Executivo? E o Vice?
e. O que significa “desincompatibilização”?
f. Nos termos da CF/88, quem é inelegível no território de jurisdição do titular?
g. O ex-cônjuge do titular do cargo que tenha se separado no curso do mandato permanece
inelegível?
h. Fale sobre a eleição do militar.
i. Que tipo de lei pode estabelecer novos casos de inelegibilidade?
j. Cabe impugnação do mandato eletivo?
k. Quais são as hipóteses de perda/suspensão de direitos políticos?

4. Organização Político-Administrativa.
a. Criação de Estados (dois requisitos) X criação de Municípios (quatro requisitos).
b. Repartição de Competências:
c. Legislar sobre Seguridade Social (União) X Previdência Social (concorrente).
d. Legislar sobre organização, garantias, direitos e deveres das polícias civis (concorrente).
e. Legislar sobre Direito Processual (União) X Procedimento em Matéria Processual
(concorrente).

3
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

f. Legislar sobre produção e consumo (concorrente).


g. Legislar sobre trânsito e transporte (União) X estabelecer e implantar política de educação
para a segurança do trânsito (comum).
h. Legislar sobre juntas comerciais (concorrente).
i. Legislar sobre assistência jurídica e Defensoria Pública (concorrente).
j. Competência concorrente - ausência de norma geral da União?
k. Estados – duas competências expressas - gás canalizado (não cabe regulação por MP) e
instituição de regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões (via lei
complementar).
Jurisprudência do STF.
Súmula Vinculante 02 STF: É inconstitucional a lei ou ato normativo estadual ou distrital que disponha sobre
sistemas de consórcios e sorteios, inclusive bingos e loterias.
Súmula Vinculante 39 STF: Compete privativamente à União legislar sobre vencimentos dos membros das
polícias civil e militar e do corpo de bombeiros militar do Distrito Federal.
Súmula Vinculante 46 STF: A definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas
normas de processo e julgamento são da competência legislativa privativa da União.

5. Administração Pública.
o Função de confiança X cargo em comissão.
o Teto de vencimentos entre os Poderes.
o Equiparação remuneratória. Cabe?
o Acumulação remunerada de cargos públicos.
o Percepção simultânea de proventos de aposentadoria - hipóteses? (três).
o Servidor Público investido em mandato eletivo.
o Aposentadoria compulsória.
o Critérios diferenciados para concessão de aposentadoria (três hipóteses).
o Redução em 5 anos requisitos para aposentadoria.
o Incidência da contribuição previdenciária para servidores ativos, inativos e portadores de
doença incapacitante.
o Abono de permanência.
Jurisprudência do STF.
Direito de greve e carreiras de segurança pública.
O exercício do direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, é vedado aos policiais civis e a todos os
servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança pública. É obrigatória a participação do
Poder Público em mediação instaurada pelos órgãos classistas das carreiras de segurança pública, nos termos
do art. 165 do Código de Processo Civil (CPC), para vocalização dos interesses da categoria. (Informativo 860
STF).
A justiça comum, federal ou estadual, é competente para julgar a abusividade de greve de servidores
públicos celetistas da Administração pública direta, autarquias e fundações públicas. Tema 544 da
Repercussão Geral.

4
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

Súmula Vinculante 06 STF: Não viola a Constituição o estabelecimento de remuneração inferior ao salário
mínimo para as praças prestadoras de serviço militar inicial.
Súmula Vinculante 13 STF: A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por
afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica
investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de
confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante
designações recíprocas, viola a Constituição Federal.
Súmula Vinculante 15 STF: Não viola a Constituição o estabelecimento de remuneração inferior ao salário
mínimo para as praças prestadoras de serviço militar inicial.
Súmula Vinculante 16 STF: Os artigos 7º, IV, e 39, § 3º (redação da EC 19/98), da Constituição, referem-se ao
total da remuneração percebida pelo servidor público.
Súmula Vinculante 33 STF: Aplicam se ao servidor público, no que couber, as regras do regime geral da
previdência social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, § 4º, inciso III da Constituição
Federal, até a edição de lei complementar específica.
Súmula Vinculante 42 STF: É inconstitucional a vinculação do reajuste de vencimentos de servidores
estaduais ou municipais a índices federais de correção monetária.
Súmula Vinculante 43 STF: É inconstitucional toda modalidade de provimento que propicie ao servidor
investir-se, sem prévia aprovação em concurso público destinado ao seu provimento, em cargo que não
integra a carreira na qual anteriormente investido.
Súmula Vinculante 44 STF: Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo
público.
Súmula Vinculante 55 STF: O direito ao auxílio-alimentação não se estende aos servidores inativos

6. Poder Executivo.
o Competências do PR que admitem delegação:
Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:
VI – dispor, mediante decreto, sobre:
a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem
criação ou extinção de órgãos públicos;
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;
XII - conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei;
XXV - prover e extinguir os cargos públicos federais, na forma da lei;
Parágrafo único. O Presidente da República poderá delegar as atribuições mencionadas nos incisos VI, XII e
XXV, primeira parte, aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado-Geral da
União, que observarão os limites traçados nas respectivas delegações.
o Responsabilidade do PR:
Art. 86. Admitida a acusação contra o Presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados
será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou
perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.
§ 1º O Presidente ficará suspenso de suas funções:

5
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

I - nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal;
II - nos crimes de responsabilidade, após a instauração do processo pelo Senado Federal.
§ 2º Se, decorrido o prazo de cento e oitenta dias, o julgamento não estiver concluído, cessará o afastamento
do Presidente, sem prejuízo do regular prosseguimento do processo.
§ 3º Enquanto não sobrevier sentença condenatória, nas infrações comuns, o Presidente da República não
estará sujeito a prisão.
§ 4º O Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos
estranhos ao exercício de suas funções.

Jurisprudência do STF:
Processamento de governador: autorização prévia da assembleia legislativa e suspensão de funções. Não
há necessidade de prévia autorização da assembleia legislativa para o recebimento de denúncia ou queixa
e instauração de ação penal contra governador de Estado, por crime comum, cabendo ao Superior Tribunal
de Justiça (STJ), no ato de recebimento ou no curso do processo, dispor, fundamentadamente, sobre a
aplicação de medidas cautelares penais, inclusive afastamento do cargo. (Informativo 863 STF).
Autonomia federativa: crimes de responsabilidade e crimes comuns praticados por governador É vedado
às unidades federativas instituir normas que condicionem a instauração de ação penal contra governador
por crime comum à previa autorização da casa legislativa, cabendo ao Superior Tribunal de Justiça (STJ)
dispor, fundamentadamente, sobre a aplicação de medidas cautelares penais, inclusive afastamento do
cargo.
(…)
O Supremo Tribunal Federal (STF) alterou o entendimento a respeito da necessidade de autorização prévia
das assembleias legislativas para instauração de ação penal. Afirmou que a orientação anterior, que
privilegiava a autonomia dos Estados-membros e o princípio federativo, entrou em linha de tensão com o
princípio republicano, que prevê a responsabilização política dos governantes. Verificou que, ao longo do
tempo, as assembleias legislativas bloquearam a possiblidade de instauração de processos contra
governadores. (Informativo 863 STF).

7. Poder Judiciário.
o Estatuto da magistratura. 1) Natureza? LC. 2) Iniciativa? Exclusiva STF.
o Promoção obrigatória do Juiz – 3 vezes consecutivas ou 5 alternadas em lista de
merecimento.
o Onde deve morar o Juiz? Comarca, salvo autorização Tribunal.
o Remoção de Juiz X recusa promoção mais antigo.
o Cabe delegação de atos a servidor? Sim – expediente e sem caráter decisório.
o Composição do TST x Composição do TRT.
o Competências do Poder Judiciário:
▪ Crime político: 1) orig JF e RO do STF.
▪ Litígio entre Estado Estrang/Org Int X U/E/DF/T : orig STF. Se for contra M ou pessoa
domiciliada no país: orig JF e RO STJ.
▪ Conflito entre tribunais.

6
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

▪ Exequatur?
▪ RE X REsp. RE: lei local x lei federal – conflito federativo.
▪ Incidente de deslocamento de competência.
▪ Súmula vinculante: 1) Quorum: 2/3; 2) Reiteradas decisões matéria constitucional;
3) Vincula quem? Jud + Adm Pública; 4) Quem pode pedir revisão? STF +
legitimados ADI.
Jurisprudência do STF.
Reclamação e esgotamento das vias ordinárias de impugnação. Para o Colegiado, a reclamação somente é
cabível quando esgotados todos os recursos ordinários na causa em que proferido o ato supostamente
contrário à autoridade de decisão do STF com repercussão geral reconhecida. Nesses termos, a hipótese de
cabimento prevista no art. 988, § 5º, II, do CPC deve ser interpretada restritivamente, sob pena de o STF
assumir, pela via da reclamação, a competência de pelo menos três tribunais superiores (Superior Tribunal
de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho, Tribunal Superior Eleitoral), para o julgamento de recursos contra
decisões de tribunais de segundo grau de jurisdição. (Informativo 845 STF).
É válida a penhora em bens de pessoa jurídica de direito privado, realizada anteriormente à sucessão desta
pela União, não devendo a execução prosseguir mediante precatório. - STF CONFIRMOU O CONTEÚDO DA
OJ SDI1-343 TST!!!. (Informativo 853 STF).
É aplicável o regime dos precatórios às sociedades de economia mista prestadoras de serviço público
próprio do Estado e de natureza não concorrencial. (Informativo 858 STF).
Conselhos profissionais e sistema de precatórios Os pagamentos devidos, em razão de pronunciamento
judicial, pelos Conselhos de Fiscalização não se submetem ao regime de precatórios.
O Plenário reconheceu que os conselhos de fiscalização profissional são autarquias especiais — pessoas
jurídicas de direito público, que se submetem à fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU) e ao sistema
de concurso público para a seleção de pessoal. Além disso, esses órgãos são dotados de poder de polícia e
poder arrecadador. Entretanto, eles não participam do orçamento público, não recebem aporte do Poder
Central nem se confundem com a Fazenda Pública. (Informativo 861 STF).
Súmula Vinculante 23 STF: A Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar ação possessória
ajuizada em decorrência do exercício do direito de greve pelos trabalhadores da iniciativa privada.
Súmula Vinculante 37 STF: Não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar
vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia.
Súmula Vinculante 53 STF: A competência da Justiça do Trabalho prevista no art. 114, VIII, da Constituição
Federal alcança a execução de ofício das contribuições previdenciárias relativas ao objeto da condenação
constante das sentenças que proferir e acordos por ela homologados.

8. Funções Essenciais à Justiça.


a. AGU:
i. Representação judicial : União.
ii. Consultoria: só do Poder Executivo!
iii. Nomeação do AGU: A Advocacia-Geral da União tem por chefe o Advogado-Geral
da União, de livre nomeação pelo Presidente da República dentre cidadãos maiores
de trinta e cinco anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada.

7
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

b. Defensoria Pública:
i. Organização da DPU: Lei Complementar da União.
ii. Normas gerais para organização das DPEs: Lei Complementar da União.
iii. Defensores públicos: inamovibilidade + impossibilidade do exercício da advocacia
fora das atribuições.
iv. DPEs + DPU: autonomia funcional / autonomia administrativa / iniciativa de
proposta orçamentária.
v. Princípios institucionais: unidade, indivisibilidade e independência funcional.
vi. Aplica, no que couber, art. 93 e art. 96, II, CF:
1. Ex: Art. 93, XIII: o número de juízes na unidade jurisdicional será
proporcional à efetiva demanda judicial e à respectiva população
2. Ex: Art. 96, II: propor ao Poder Legislativo: a criação e a extinção de cargos e
a remuneração dos seus serviços auxiliares e dos juízos que lhes forem
vinculados;
c. Remuneração das carreiras no tópico "Funções Essenciais à Justiça": subsídio.

Jurisprudência do STF.
Deliberação negativa do CNJ e competência do STF. Não compete ao Supremo Tribunal Federal (STF)
apreciar originariamente pronunciamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que tenha julgado
improcedente pedido de cassação de ato normativo editado por vara judicial. A Segunda Turma reiterou,
assim, jurisprudência firmada no sentidode que não cabe ao STF o controle de deliberações negativas do CNJ,
isto é, daquelas que simplesmente tenham mantido decisões de outros órgão. (Informativo 840 STF).
PGR e conflito de atribuição entre órgãos do ministério público. Cabe ao Procurador Geral da República a
apreciação de conflitos de atribuição entre órgãos do ministério público. No caso, instaurara se conflito
negativo de atribuições entre ministério público estadual e ministério público federal, para apuração de
crime contra o mercado de capitais previsto no art. 27 E da Lei 6.385/1976. O Tribunal consignou que a
competência para a apreciação de conflitos de atribuição entre membros do ministério público, por não se
inserir nas competências originárias do STF (CF, art. 102, I), seria constitucionalmente atribuída ao Procurador
Geral da República, como órgão nacional do ministério público. (Informativo 835 STF).

Apenas TJAA
9. Partidos Políticos.
Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania
nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e
observados os seguintes preceitos: Regulamento
I - caráter nacional;
II - proibição de recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou de
subordinação a estes;
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.

8
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

§ 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir sua estrutura interna e estabelecer regras
sobre escolha, formação e duração de seus órgãos permanentes e provisórios e sobre sua organização e
funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações nas eleições majoritárias,
vedada a sua celebração nas eleições proporcionais, sem obrigatoriedade de vinculação entre as
candidaturas em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatutos estabelecer
normas de disciplina e fidelidade partidária. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
§ 2º Os partidos políticos, após adquirirem personalidade jurídica, na forma da lei civil, registrarão seus
estatutos no Tribunal Superior Eleitoral.
§ 3º Somente terão direito a recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na
forma da lei, os partidos políticos que alternativamente: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
97, de 2017)
I - obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no mínimo, 3% (três por cento) dos votos
válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação, com um mínimo de 2% (dois por
cento) dos votos válidos em cada uma delas; ou (Incluído pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
II - tiverem elegido pelo menos quinze Deputados Federais distribuídos em pelo menos um terço das
unidades da Federação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
§ 4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de organização paramilitar.
§ 5º Ao eleito por partido que não preencher os requisitos previstos no § 3º deste artigo é assegurado o
mandato e facultada a filiação, sem perda do mandato, a outro partido que os tenha atingido, não sendo
essa filiação considerada para fins de distribuição dos recursos do fundo partidário e de acesso gratuito
ao tempo de rádio e de televisão. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)

Apenas AJAJ / OJAF


10. Processo Legislativo.
a. Existe hierarquia entre LO e LC? Não.
b. Emenda Constitucional.
i. Iniciativa.
1. Um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado
Federal
2. Presidente da República
3. Mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da Federação,
manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros
ii. Limites circunstanciais: vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de
estado de sítio.
iii. Cláusulas pétreas:
1. forma federativa de Estado
2. voto direto, secreto, universal e periódico
3. separação dos Poderes
4. direitos e garantias individuais
iv. Limites formais:

9
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

1. matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por


prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão
legislativa.
2. A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em
dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos
dos votos dos respectivos membros.
v. Promulgação pelas mesas CD / CF.
c. Iniciativa popular:
i. Apresentação à Câmara dos Deputados.
ii. Subscrição por 1% do eleitorado nacional distribuído por, no mínimo, 5 estados, e
em cada estado mínimo 0,3% dos eleitores.
d. Iniciativa privativa / reservada do Presidente da República. Não cabe delegação. Hipóteses
1. fixem ou modifiquem os efetivos das Forças Armadas
2. disponham sobre
a. criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração
direta e autárquica ou aumento de sua remuneração
b. organização administrativa e judiciária, matéria tributária e
orçamentária, serviços públicos e pessoal da administração dos
Territórios
c. servidores públicos da União e Territórios, seu regime jurídico,
provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria
d. organização do Ministério Público e da Defensoria Pública da União,
bem como normas gerais para a organização do Ministério Público
e da Defensoria Pública dos Estados, do Distrito Federal e dos
Territórios
e. criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública,
observado o disposto no art. 84, VI
f. militares das Forças Armadas, seu regime jurídico, provimento de
cargos, promoções, estabilidade, remuneração, reforma e
transferência para a reserva.
e. Medida provisória.
i. Requisitos: relevância e urgência.
ii. Apresentação ao CN – inicia a votação na CD.
iii. Matérias vedadas:
1. nacionalidade, cidadania, direitos políticos, partidos políticos e direito
eleitoral
2. direito penal, processual penal e processual civil
3. organização do Poder Judiciário e do Ministério Público, a carreira e a
garantia de seus membros
4. planos plurianuais, diretrizes orçamentárias, orçamento e créditos
adicionais e suplementares, ressalvado o previsto no art. 167, § 3º

10
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

5. que vise a detenção ou seqüestro de bens, de poupança popular ou qualquer


outro ativo financeiro
6. reservada a lei complementar
7. já disciplinada em projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional e
pendente de sanção ou veto do Presidente da República
iv. Prazo: 60 dias (contados da publicação) + 60 dias. Após o prazo anterior, perde a
eficácia desde a origem. E o CN regula as situações constituídas via Decreto
Legislativo. Se tal Decreto não for editado até 60 dias da perda da eficácia da MP: as
situações conservar-se-ão regidas pela MP.
v. MP não apreciada até 45 dias da publicação: entra em regime de URGÊNCIA - tranca
a pauta!
vi. Recesso parlamentar: suspende o prazo da MP.
f. Veto do Presidente da República:
i. Motivos: inconstitucional ou contrário ao interesse público.
ii. Total ou parcial. Cabe veto de palavra? Não. Só de artigo, parágrafo, alínea ou inciso.
iii. Prazo para o Presidente vetar: 15 dias úteis. Se ficar em silêncio após esse prazo:
sanção tácita.
iv. Presidente vetou: veto apreciado em sessão conjunta do CN – em 30 dias do
recebimento, só pode ser derrubado pela maioria absoluta dos Deputados e
Senadores.
v. Veto derrubado: PL enviado ao Presidente para promulgação em 48 horas. Se não o
fizer: Presidente do Senado. Se não o fizer: Vice-Presidente do Senado.

11. Finanças Públicas.


a. A quem o banco central não pode conceder empréstimos? Ao Tesouro Nacional e a qualquer
órgão ou entidade que não seja instituição financeira.
b. Onde serão depositadas as disponibilidades de caixa da União, dos Estados, do DF e dos
Municípios? No banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e dos
órgãos ou entidades do Poder Público e das empresas por ele controladas, em instituições
financeiras oficiais, ressalvados os casos previstos em lei.
c. Qual o prazo para o Poder Executivo publicar o relatório resumido da execução
orçamentária? Até trinta dias após o encerramento de cada bimestre.
d. O que deve constar da lei orçamentária anual?
I - o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder
Público;
II - o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente,
detenha a maioria do capital social com direito a voto;
III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos a ela
vinculados, da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos
e mantidos pelo Poder Público.

11
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

e. Quais projetos devem ser apreciados pelas duas casas do Congresso Nacional na forma do
regimento comum?
Plano plurianual, às diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais.
f. Quando as emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser
aprovadas?
As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser aprovadas quando
incompatíveis com o plano plurianual
g. Como poderão ser utilizados os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou rejeição
do projeto de lei orçamentária anual, ficarem sem despesas correspondentes?
Poderão ser utilizados, conforme o caso, mediante créditos especiais ou suplementares, com
prévia e específica autorização legislativa
h. Qual o limite para as emendas individuais ao projeto de lei orçamentária?
As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão aprovadas no limite de 1,2%
(um inteiro e dois décimos por cento) da receita corrente líquida prevista no projeto
encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a metade deste percentual será destinada a
ações e serviços públicos de saúde

12. Ordem Social.


a. Quem deve financiar a seguridade social?
Por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos
provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e
das seguintes contribuições sociais:
I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei,
incidentes sobre:
a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados,
a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo
empregatício;
b) a receita ou o faturamento;
c) o lucro;
II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não
incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime
geral de previdência social de que trata o art. 201;
III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele
equiparar.
b. É possível a instituição de outras fontes de receita?
4º A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da
seguridade social
c. Qual é a consequência para a pessoa jurídica em débito com a Seguridade Social?
Não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais
ou creditícios

12
PAPA CONCURSOS | REVISÃO DE VÉSPERA – TRT 6ª REGIÃO | PROF. MARCELO SOBRAL | DIREITO CONSTITUCIONAL

d. Quais entidades são isentas de contribuição para a seguridade social?


As entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em
lei
e. Em quais contribuições não é possível a concessão de remissão ou anistia?
I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes
sobre:
a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer
título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício;
II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição
sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que
trata o art. 201;

13