Você está na página 1de 2

Processo Penal II - Caso concreto 6 – AV1

Nome: Graciane Pessanha Silva Alves Mat.: 201607400375

Semana 6
Semprônio, motorista de um Uber, dirigia seu veículo pela pista de esquerda (pista de
ultrapassagem), sendo certo que a sua frente estava o carro de Felizberto, septuagenário,
que dirigia a aproximadamente 50 Km/h, o que impedia, na ocasião, Semprônio de fazer
a ultrapassagem. Quando Felizberto parou o seu carro em um sinal de trânsito,
Semprônio desceu de seu Uber e começou a desferir chutes e socos na lataria do carro
do idoso. Uma viatura da PM que passava pelo local autuou Semprônio e o conduziu a
sede policial onde foi lavrado termo circunstanciado, uma vez que a Autoridade Policial
entendeu que ocorrera crime do art. 163, do CP. Semprônio não aceitou a proposta de
transação penal oferecida pelo MP, sendo certo que o mesmo diante da recusa, ofereceu
denúncia em face do mesmo. Ocorre que Semprônio ocultou-se para não ser citado e,
diante disso, o Magistrado orientou o oficial de justiça a proceder à citação por hora
certa, na forma do art. 362 do CPP. Pergunta-se: Agiu corretamente o Magistrado no
caso em conformidade com o procedimento sumaríssimo?

Resposta:

______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Doutrina:
Parágrafo 1 Artigo 66 da Lei nº 9.099 de 26 de Setembro de 1995
Art. 66. A citação será pessoal e far-se-á no próprio Juizado, sempre que possível, ou por mandado.
Parágrafo único. Não encontrado o acusado para ser citado, o Juiz encaminhará as peças existentes ao
Juízo comum para adoção do procedimento previsto em lei.
JURISPRUDENCIAS:

Processo
ACJ 96999 DF
Orgão Julgador
Primeira Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do D.F.
Publicação
DJU 25/11/1999 Pág. : 15
Julgamento
5 de Outubro de 1999
Relator
SILVÂNIO BARBOSA DOS SANTOS
Ementa
REPARAÇÃO CIVIL. REVELIA. EFEITOS. PREVALÊNCIA DE DISPOSITIVO
DO CPC. INVIABILIDADE.
1) SE A OFICIALA DE JUSTIÇA, POR TRÊS VEZES, COMPARECEU AO
APARTAMENTO DO RECORRENTE, INCLUSIVE, ENTRE 06H00MIN E
07H00MIN, SENDO INFORMADA DA SUA AUSÊNCIA, CORRETA A
CITAÇÃO/INTIMAÇÃO POR "HORA CERTA" NA PESSOA DO PORTEIRO DO
PRÉDIO.
2) O JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CONSTITUI UM SISTEMA JUDICIAL A
PARTE DA JUSTIÇA COMUM, NÃO TENDO PREVALÊNCIA DISPOSITIVOS
DO CPC SOBRE PRINCÍPIOS DAQUELA, ENTRE OS QUAIS, O DA
INFORMALIDADE.
Acordão
CONHECER O RECURSO. NEGAR PROVIMENTO. UNÂNIME.Indexação

“TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS – A citação é o ato processual pelo


qual o réu é chamado para o processo, tomar conhecimento da ação que tramita contra
si e, somente na impossibilidade de sua realização é que os autos são remetidos às
Justiça comum. A simples tentativa de intimação do autor do fato para audiência
preliminar, por si só, não tendo o condão de modificar a competência, se não foi
ofertada denúncia e nem houve frustrada a citação do autor.” (5ª. Câmara Criminal –
Relatora Desembargadora Maria Celeste Porto – Conflito de Competência nº.
1.0000.05.429468-1/000).

“TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS – A remessa precoce do feito para o


Juízo comum, por não ser encontrado o réu quando da intimação para audiência
preliminar, não afasta a competência do Juizado Especial Criminal, pois, somente se
não encontrado para citação, o processo prosseguirá na Vara Criminal comum, ante a
necessidade de citação por edital. Declarada a competência do Juiz suscitado.”
(Conflito de Competência nº. 2.0000.00.511878-5/001 – Relator Ediwal José de Morais
– 4ª. Câmara Criminal – julgado em 21 de setembro de 2005).