Você está na página 1de 88

ESTRUTURAS DE AÇO-06

Prof. Alberto Leal, MSc.


Grupo HCT
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 2

Objetivo
• Apresentação dos conceitos básicos e práticas recomendadas para
proteção anticorrosiva.

• Apresentação do projeto de um edifício de 4 (quatro) pavimentos.


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 3

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais

• Um importante aspecto do tratamento


anticorrosiva refere-se à preparação
da superfície do metal.

• Aderência das tintas por ligações


físicas, químicas ou mecânicas.

• A ligação mecânica depende, dentre


outros fatores, da rugosidade
superficial.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 4

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais

• É importante que as estruturas


metálicas sejam devidamente
limpas e que qualquer tipo de
impureza seja retirada.

• É comum erros construtivos


associados à preparação
superficial.

• Muitos sistemas construtivos são


montados sem tratamento prévio
em fábrica.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 5

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais
• A carepa de laminação é um
contaminante oriundo do processo
de fabricação do aço.

• Após a retirada da carepa de


laminação, deve-se efetuar a
limpeza das impurezas com
solvente (thinner).

• A limpeza superficial pode ocorrer


da seguinte forma:

 Manual.
 Mecânica.
 Jateamento abrasivo.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 6

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais

• As limpezas do tipo manual não são


indicadas para ambientes de média e
alta agressividade ambiental.

• Além disso, uma desvantagem


associada a este tipo de
procedimento é a baixa produtividade
e eficiência.

• Costuma-se denominar limpezas


manuais pelo padrão ST-2.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 7

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais

• As limpezas mecânicas são indicadas


para ambientes de baixa e média
agressividade.

• Apresentam uma boa produtividade e


são adequadas para construção em
construções em geral.

• Costuma-se denominá-las por


“limpeza mecânica padrão ST-3”.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 8

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais

• A limpeza por jateamento abrasivo é


indicada para ambientes altamente
agressivas.

• Apresenta elevada produtividade e


eficiência.

• Permite uma limpeza mais profunda


e de melhor qualidade se comparada
aos métodos anteriores.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 9

1. Proteção anticorrosiva
1.1 Considerações iniciais
• A areia e granalha de aço são
abrasivos amplamente utilizados
para limpezas por jateamento.

• A areia apresenta pouca


possibilidade de reutilização do
abrasivo. Consome cerca de 70% do
material num ciclo inicial.

• As granalhas são formados por tipos


especiais de aço, com elevada dureza
e poder abrasivo.

• Apresenta uma maior vida útil em


relação à areia.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 10

1. Proteção anticorrosiva
1.2 Padrão de limpeza superficial
Padrões de limpeza

• ST-2: Limpeza manual com escovas,


raspadores e lixas.

• ST-3: Limpeza Mecânica com escovas


rotativas pneumáticas ou elétricas.

• SA-1: Jato ligeiro “ brush-off”,


executado de forma rápida e
considerado como uma “escovada” do
aço.

• SA-2: Jato comercial, executado de


forma que cerca de 65% da carepa é
eliminada.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 11

1. Proteção anticorrosiva
1.2 Padrão de limpeza superficial
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 12

1. Proteção anticorrosiva
1.2 Padrão de limpeza superficial
Padrões de limpeza

• SA-2 1/2: Jato ao metal quase


branco, removendo cerca de 95% da
carepa de laminação. Cor da
superfície: Cinza Clara com algumas
poucas manchas.

• SA-3: Jato ao metal branco. 100% da


carepa é removida Grau máximo de
limpeza. Cor da superfície: Cinza
Clara e Uniforme.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 13

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas

• As tintas usadas nas estruturas


metálicas em geral são líquidsa e
requerem cuidados com o
acondicionamento.

• Outro aspecto importante


relacionado às tintas refere-se à
homogeneização dos componentes
antes da aplicação.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 14

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas

• Deve-se observar a vida útil após a


mistura dos dois componentes (A +B)
nas fichas técnicas dos fabricantes.

• Em alguns casos, os fabricantes


recomendam o emprego de diluentes
para facilitar a aplicação das tintas.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 15

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas

• Intervalo entre demãos é informado


usualmente pelo fabricante e
depende das condições climáticas no
instante de aplicação.

• Vale destacar que se o tempo máximo


entre demãos, informado pelo
fabricante, for alcançado, a peça deve
ser lixada superficialmente.

• Medida anterior visa garantir


aderência entre as camadas.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 16

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas

• Intervalo entre demãos é informado


usualmente pelo fabricante e
depende das condições climáticas no
instante de aplicação.

• Vale destacar que se o tempo máximo


entre demãos, informado pelo
fabricante, for alcançado, a peça deve
ser lixada superficialmente.

• Medida anterior visa garantir


aderência entre as camadas.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 17

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas

• A aplicação da tinta pode ser feita de


diferentes maneiras.

 Rolos.
 Trinchas.
 Pistolas elétricas.

• Técnicas de pintura cruzada. Uma


Demão com rolos e trinchas numa
direção. A demão subsequente, numa
direção perpendicular.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 18

1. Proteção anticorrosiva
1.3 Aplicação das tintas
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 19

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Devem prever raios para o entalhe


não inferiores a 50 mm, de forma a
permitir um tratamento adequado da
superfície.

• Previsto na norma brasileira de


estruturas de aço ABNT NBR
8800:2008.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 20

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Deve-se tomar cuidados especiais


para não prejudicar o trabalho de
preparação e pintura durante etapa
de transporte.

• É usual observar problemas de


corrosão precoce nas estruturas
metálicas em função de transporte
inadequado.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 21

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Um ponto crítico quando o assunto é


corrosão refere-se aos cordões de
solda.

• É importante que a pintura seja feita


numa faixa mais larga em relação à
largura do cordão.

• Além disso, os cordões não podem


apresentar porosidade ou trincas que
possam prejudicar o desempenho
quanto à corrosão.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 22

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Em ligações soldadas, um aspecto


relevante é a continuidade do cordão.

• Cordões contínuos não apresentam


riscos associados à corrosão por
frestas.

• Por outro lado, cordões intermitentes


devem ser preenchidos por massa
plástica ou outro tipo de material que
impeça o acúmulo de água e
impurezas nas frestas.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 23

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Conforme afirmado anteriormente,


este tipo de situação favorece a
corrosão, perda de durabilidade e
aumento dos custos de manutenção.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 24

1. Proteção anticorrosiva
1.4 Práticas recomendadas

• Conforme afirmado anteriormente,


este tipo de situação favorece a
corrosão, perda de durabilidade e
aumento dos custos de manutenção.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 25

2. Edifício com quarto pavimentos


2.1 Apresentação do edifício
• O edifício possui 4 pavimentos e é
composto por estruturas de aço e
painel wall.

• Espaçamento entre pórticos: 7.500


mm.
3.000

• Ação variável: 2 kN/m2


mm

7.500 mm • Ação permanente: 1 kN/m2

• Pé direito de 3.000 mm
• Vão livre de 7.500 mm
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 26

2. Edifício com quarto pavimentos


2.1 Apresentação do edifício
• Ligações rígidas entre as vigas e
pilares.

• Ligações rígidas entre os pilares e as


fundações.

• Espaçamento entre as vigas máximo


entre as vigas: 1.250 mm.
3.000
mm

7.500 mm
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 27

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Tabela 1 – Painel Wall Brasilit


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 28

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Tabela 2 – Painel Wall Eternit


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 29

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Figura 1 – Modulação do painel


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 30

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Figura 2 – Elementos de fixação


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 31

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Figura 3 – Parafusos autoatarraxantes


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 32

2. Edifício com quarto pavimentos


2.2 Características do painel wall

Figura 4 – Revestimentos
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 33

2. Edifício com quarto pavimentos


2.3 Efeito do vento

A velocidade básica de vento, definida pela ABNT NBR 6123:1988,


adotada por este projeto é de 35 m/s.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 34

2. Edifício com quarto pavimentos


2.3 Efeito do vento

Numa das tabelas presentes na referida norma brasileira, define-se o


Fator S2 para avaliação das pressões de vento. Os fatores S1 e S3
foram definidos com valores unitários.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 35

2. Edifício com quarto pavimentos


2.3 Efeito do vento

Fator S3 definido para o Grupo 2.


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 36

2. Edifício com quarto pavimentos


2.3 Efeito do vento

Coeficiente de arrasto:
𝐶𝑎𝑦 = 1,25

1,25
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 37

2. Edifício com quarto pavimentos


2.3 Efeito do vento
Pressão dinâmica

𝑞1 = 0,635 𝑘𝑁/𝑚2
𝑞2 = 0,721 𝑘𝑁/𝑚2
𝑞3 = 0,781 𝑘𝑁/𝑚2

𝑞𝑘 = 0,613 × 𝑉𝑘 2

1,25
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 38

2. Edifício com quarto pavimentos


2.4 Pré dimensionamento

𝛿 = 30% ∙ 4,13 = 1,24 𝑐𝑚

𝛿𝑎𝑑𝑚 = 3,00 𝑐𝑚

η = 𝛿 𝛿𝑎𝑑𝑚 = 42% OK

A configuração adotada, com as vigas e pilares compostas por W360x39,0 e


W360x51 respectivamente, o deslocamento do topo do pórtico está em
conformidade com o limite máximo estabelecido pela ABNT NBR
8800:2008: H/400 - Combinação frequente 30% 𝛿𝑣𝑒𝑛𝑡𝑜,𝑘 .
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 39

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5 Dimensionamento estrutural

Observando agora o dimensionamento estrutural, um procedimento


geralmente adotado consiste na avaliação de 3 (três) combinações para
efeito do Estado Limite Último (ELU).
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 40

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.1 Ação Permanente
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 41

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.2 Ação Variável
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 42

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.3 Vento
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 43

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.4 Combinação-01

A primeira combinação observada


refere-se às ações permanentes e
variáveis atuantes no nível do
pavimento. Observe que as ações de
vento e forças nocionais não foram
consideradas nesta combinação.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 44

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.4 Combinação-01
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 45

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.5 Combinação-02

• A segunda combinação observada


refere-se às ações permanentes,
variáveis (principal) e ações de
vento (secundária) atuantes no
nível do pavimento.

• Novamente, as forças nocionais


não foram consideradas neste
estudo preliminar.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 46

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.5 Combinação-02
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 47

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.6 Combinação-03

• A terceira combinação observada


refere-se às ações permanentes,
variável (secundária) e ações de
vento (principal) atuantes no nível
do pavimento.

• As forças nocionais não foram


consideradas neste estudo
preliminar.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 48

2. Edifício com quarto pavimentos


2.5.6 Combinação-03
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 49

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6 Avaliação preliminar das vigas
• Em relação às vigas, nota-se que a
combinação mais desfavorável
refere-se àquela de no 02.

• Na região da ligação viga/pilar, no


2º pavimento, o momento fletor
totaliza 185,7 kN.m

• Neste sentido, pode-se efetuar, a


priori, o dimensionamento a partir
das planilhas do CBCA para
avaliação dos Estados Limites
Últimos – Flambagem Local da
Alma (FLA) e Flambagem Local da
Mesa (FLM).
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 50

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6 Avaliação preliminar das vigas

• Nota-se que, em relação aos referidos Estados Limites Últimos, o perfil


W360x38,9 apresenta capacidade resistente adequada para a
combinação mais desfavorável.

• É válido ressaltar que ainda deve-se considerar o efeito da não


linearidade geométrica, o comportamento do elemento em relação à
flexão composta e o Estado Limite Último – Flambagem Lateral por
Torção (FLT).
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 51

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6 Avaliação preliminar das vigas

• Outro ponto importante é que, caso o Estado Limite Último –


Flambagem Lateral por Torção (FLT) seja preponderante no
dimensionamento, pode-se especificar contenções laterais para que a
viga possa ser aprovada em termos de segurança.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 52

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares

• Sobre os pilares, nota-se que devem


ser consideradas as combinações de
no 02 e 03.

• Na região da ligação fundação/pilar,


na base do 1º pavimento,
combinação no 02, o momento fletor
totaliza 95 kN.m e esforço normal de
compressão de 752 kN.

• Neste sentido, pode-se efetuar, a


priori, o dimensionamento a partir
das planilhas do CBCA para
avaliação da flexão composta.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 53

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 54

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 55

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares

• Os pilares W360x51,0 estão aprovados nesta análise preliminar, desde


que seja considerado o efeito favorável do coeficiente 𝐶𝑏 para a
combinação em questão.

• Nota-se que a capacidade resistente mencionada pela planilha


considera, conservadoramente, o coeficiente 𝐶𝑏 com valor unitário.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 56

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares
• Nota-se que o referido coeficiente, nesta
configuração de esforços solicitantes, aumenta
a capacidade resistente à Flambagem Lateral
por Torção em 2,18, aproxidamente.

12,5𝑀𝑚á𝑥
𝐶𝑏 = ≤ 3,0
2,5𝑀𝑚á𝑥 + 3,0𝑀𝐴 + 4,0𝑀𝐵 + 3,0𝑀𝐶

12,5 ∙ 130,2
𝐶𝑏 = = 2,18
2,5 ∙ 130,2 + 3,0 ∙ 80,0 + 4,0 ∙ 29,7 + 3,0 ∙ 20,6

• Neste sentido, o aproveitamento da capacidade


resistente é de 93%. OBS: O momento
resistente será dado, agora, pela plastificação
total da seção transversal.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 57

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Avaliação preliminar dos pilares
• Não é aconselhável trabalhar com um
aproveitamento dos pilares tão próximos do
limite máximo estabelecido pela ABNT NBR
8800:2008.

• A consideração da não linearidade geométrica


e das forças nocionais vai aumentar os
esforços solicitantes, podendo conduzir a
análise a não conformidade em relação aos
requisitos normativos.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 58

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6 Não linearidade geométrica

Nas estruturas reais, é preciso levar em consideração o equilíbrio


estrutural numa configuração deformada. Neste sentido, foi adotada uma
avaliação aproximada através do Método da Amplificação dos Esforços,
baseado nos coeficientes B1 e B2.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 59

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02

O coeficiente B1 foi admitido com seu valor unitário, visto que geralmente não
é relevante em projetos de edifícios usuais de aço. O Coeficiente B2 foi
determinado inicialmente e, em função de apresentar valores superiores a 1,10,
foi desenvolvida uma redução da rigidez dos elementos do pórtico, conforme
recomendado pela ABNT NBR 8800:2008.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 60

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02
Estrutura lt
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 61

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02
Estrutura nt
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 62

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02

Momento fletores

Estrutura lt: 𝐵2 ∙ 𝑀𝑙𝑡 = 1,11 × 63,40 = 70,37 kN.m


𝑀𝑆𝑑 = 99,67 kN.m
Estrutura nt: 𝐵1 ∙ 𝑀𝑛𝑡 = 1,00 × 29,30 = 29,30 kN.m
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 63

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02

Esforços Normais

Estrutura lt: 𝐵2 ∙ 𝑁𝑙𝑡 = 1,11 × 30,00 = 33,30 kN


𝑁𝑐,𝑆𝑑 = 749,48 kN
Estrutura nt: 𝑁𝑛𝑡 = 716,18 kN
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 64

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 65

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.1 Combinação-02

• Novamente, é importante mencionar que o momento fletor resistente de


cálculo, levando em consideração efeito favorável conduzido pelo
coeficiente 𝐶𝑏 , é dado por 280 kN.m.

• Neste sentido, o aproveitamento da capacidade resistente do pilar é de


90%.

𝑁𝑐,𝑆𝑑 𝑁𝑐,𝑅𝑑 + (8 9) ∙ 𝑀𝑆𝑑 𝑀𝑅𝑑 ≅ 0,58 + 0,32 ≅ 90%


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 66

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03

O coeficiente B1 foi admitido com seu valor unitário, visto que geralmente não
é relevante em projetos de edifícios usuais de aço. O Coeficiente B2 foi
determinado inicialmente e, em função de apresentar valores superiores a 1,10,
foi desenvolvida uma redução da rigidez dos elementos do pórtico, conforme
recomendado pela ABNT NBR 8800:2008.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 67

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03
Estrutura lt
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 68

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03
Estrutura nt
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 69

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03

Momento fletores

Estrutura lt: 𝐵2 ∙ 𝑀𝑙𝑡 = 1,10 × 105,50 = 116,05 kN.m


𝑀𝑆𝑑 = 139,35 kN.m
Estrutura nt: 𝐵1 ∙ 𝑀𝑛𝑡 = 1,00 × 23,30 = 23,30 kN.m
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 70

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03

Esforços Normais

Estrutura lt: 𝐵2 ∙ 𝑁𝑙𝑡 = 1,10 × 58,197 = 64,01 kN


𝑁𝑐,𝑆𝑑 = 678,95 kN
Estrutura nt: 𝑁𝑛𝑡 = 614,94 kN
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 71

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 72

2. Edifício com quarto pavimentos


2.6.2 Combinação-03

• Novamente, é importante mencionar que o momento fletor resistente de


cálculo, levando em consideração efeito favorável conduzido pelo
coeficiente 𝐶𝑏 , é dado por 280 kN.m.

• Neste sentido, o aproveitamento da capacidade resistente do pilar é de


96%.

𝑁𝑐,𝑆𝑑 𝑁𝑐,𝑅𝑑 + (8 9) ∙ 𝑀𝑆𝑑 𝑀𝑅𝑑 ≅ 0,52 + 0,44 ≅ 96%


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 73

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7 Forças nocionais
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

• Na avaliação estrutural do pórtico de quatro pavimentos, uma última


etapa deve ser realizada, relativa à consideração das forças nocionais
atuantes na estrutura.

• Segundo a ABNT NBR 8800:2008, a consideração de tal efeito pode ser


realizada através do valor 0,3% Nsd para cada pavimento.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 74

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7.1 Combinação-03
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 75

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7.1 Combinação-03
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

Momento fletores

Não Linearidade Geométrica: 𝑀𝑆𝑑 = 139,35 kN.m



𝑀𝑆𝑑 = 150,15 kN.m
Forças nocionais: 𝑀𝑆𝑑,𝐹𝑁 = 10,80 kN.m
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 76

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7.1 Combinação-03
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

Esforços Normais

Não Linearidade Geométrica: 𝑁𝑐,𝑆𝑑 = 678,95 kN



𝑁𝑐,𝑆𝑑 = 683,481 kN
Forças Nocionais: 𝑁𝑐𝑆𝑑,𝐹𝑁 = 4,531 kN
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 77

2. Edifício com quarto pavimentos


2.7.1 Combinação-03

• Tendo em vista que o momento fletor resistente é dado por 280 kN.m,
sabe-se que o aproveitamento da capacidade resistente do pilar é de,
aproximadamente, 100%.

𝑁𝑐,𝑆𝑑 𝑁𝑐,𝑅𝑑 + (8 9) ∙ 𝑀𝑆𝑑 𝑀𝑅𝑑 ≅ 0,52 + 0,48 ≅ 100%


PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 78

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

Uma vez determinados os esforços solicitantes finais para algumas


combinações e sabendo que o pilar W360x51,0 está em conformidade com
os requisitos mínimos de segurança estabelecidos pela ABNT NBR
8800:2008, é possível desenvolver as verificações de forma “manual”.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 79

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

1º Passo: Determinação do esforço normal resistente de cálculo

𝐴𝑔 𝑓𝑦 64,8 ∙ 34,5
λ0 = = = 1,026 χ = 0,643
𝑁𝑒 𝜋 2 ∙ 20.000 ∙ 968 3002
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 80

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

1º Passo: Determinação do esforço normal resistente de cálculo

λ𝑓 = 7,37 < 0,56 𝐸 𝑓𝑦


Não há problemas relacionados à
instabilidade local da mesa 𝑄𝑆 = 1,00
λ𝑤 = 42,75 < 1,49 𝐸 𝑓𝑦
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 81

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares

• A largura efetiva dos elementos tipo AA é dada por:

𝐶𝑎 é um coeficiente igual a 0,38 para mesas ou


𝐸 𝐶𝑎 𝐸
𝑏𝑒𝑓 = 1,92 ∙ 𝑡 ∙ 1− ≤𝑏 almas de seções tubulares retangulares e 0,34
𝜎 𝑏 𝑡 𝜎 para todos os outros elementos.

𝜎 é a tensão que pode atuar no elemento


OBS: A tensão 𝜎 pode ser adotada, analisado, tomada igual a χ ∙ 𝑓𝑦 . O fator χ obtido
conservadoramente, igual a 𝑓𝑦 . para 𝑄 = 1,0.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 82

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares

20.000 0,34 20.000


𝑏𝑒𝑓 = 1,92 ∙ 0,72 ∙ 1− = 31,59
0,643 ∙ 34,5 42,75 0,643 ∙ 34,5

• Tendo em vista que a largura efetiva é maior do que a largura do elemento


(𝑏 = 30,8 cm), pode-se afirmar que não haverá redução de efetividade pela
flambagem local da alma. Em outras palavras, pode-se afirmar que 𝑄𝑎
assume valor unitário.
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 83

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

1º Passo: Determinação do esforço normal resistente de cálculo

𝑁𝑐,𝑅𝑑 = 𝑄 ∙ χ ∙ 𝐴𝑔 ∙ 𝑓𝑦 𝛾𝛼1
𝑁𝑐,𝑅𝑑 = 1.306,81 kN
𝑁𝑐,𝑅𝑑 = 1,0 ∙ 0,643 ∙ 64,8 ∙ 34,5 1,10
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 84

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

2º Passo: Determinação do momento fletor resistente de cálculo


• Mesa e alma compactas
λ𝑓 = 7,37 < 0,38 𝐸 𝑓𝑦 = 9,1
𝑀𝑝 = 𝑍 ∙ 𝑓𝑦 = 899,5 ∙ 34,5 = 31.032,75 kN.cm
λ𝑤 = 42,75 < 3,76 𝐸 𝑓𝑦 = 90,5
𝑀𝑅𝑑 = 𝑀𝑝 𝛾𝛼1 = 28.211,59 kN.cm
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 85

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

2º Passo: Determinação do momento fletor resistente de cálculo

𝑙𝑏 = 300 𝑐𝑚 > 𝑙𝑏𝑝

𝑟𝑦 =3,87 cm 1,38 𝐽𝐼𝑦 27𝐶𝑤 𝛽1 2


𝑙𝑏𝑟 = 1+ 1+ = 474,60 𝑐𝑚
𝐽𝛽1 𝐼𝑦
𝑙𝑏𝑝 = 42 ∙ 𝑟𝑦 = 162,54
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 86

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

2º Passo: Determinação do momento fletor resistente de cálculo

𝑙𝑏 − 𝑙𝑏𝑝
𝑀𝑛 = 𝑀𝑝 − (𝑀 − 𝑀𝑟 )
𝑙𝑏𝑟 − 𝑙𝑏𝑝 𝑝 𝑀𝑅𝑑 = 𝑀𝑝 𝛾𝛼1

𝑀𝑅𝑑 = 28.211,59 kN.cm


𝑀𝑛 = 2,18 × 25.886,08 > 𝑀𝑝
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 87

2. Edifício com quarto pavimentos


2.8 Cálculo dos pilares
R4 R4

R3 R3

= +
R2 R2

R1 R1

Estrutura real Estrutura nt Estrutura lt

3º Passo: Verificação da segurança estrutural pela equação de interação.



𝑁𝑐,𝑆𝑑 683,48
= = 0,523 > 0,20
𝑁𝑐,𝑅𝑑 1.306,81 ′
𝑁𝑐,𝑆𝑑 ′
8 𝑀𝑆𝑑
+ ≅ 0,996 < 1,00
′ 𝑁𝑐,𝑅𝑑 9 𝑀𝑅𝑑
𝑀𝑆𝑑 150,15
= = 0,532
𝑀𝑅𝑑 282,11
PROF. ALBERTO LEAL, MSc. ESTRUTURAS DE AÇO 88

Referências bibliográficas
• ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS (ABNT). NBR 8800 – Projetos de 1kN 2kN
estruturas de concreto – Procedimentos.
2008. V
M

• Pfeil, Walter. Estruturas de aço: N


dimensionamento prático / Walter Pfeil,
Michèle Pfeil – 8ed. Rio de Janeiro, 2009.
1kN 2kN
• Bellei, Ildony Hélio. Edifícios industriais em
aço. 2ed. São Paulo : Pini, 1998.

1m 2m 3m

Interesses relacionados