Você está na página 1de 32

Aula 04 (parte 2)

Realidades de Goiás p/ Polícia Civil-GO (Agente)


Professor: Sergio Henrique
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

SUMÁRIO
00. Bate papo inicial. Pág. 02
1. O Agronegócio. Pág. 03
2. Os meios de transporte em Goiás. Pág. 09
3. Goiás e a globalização. Pág. 14
4. Exercícios Propostos. Pág. 20
5. Considerações finais. Pág. 31

01406544108

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 1
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

00. BATE PAPO INICIAL.


Olá amigo concurseiro. É com muita alegria que o recebo
novamente. Estudar as aulas anteriores é fundamental para que você
possa compreender muitas das coisas que vamos tratar aqui. Leia com
atenção seu texto de apoio, releia e pratique exercícios. Aos poucos o
conteúdo básico vai ficar retido na sua memória. Claro que para isso é
muito importante você fazer suas próprias anotações, ou em forma de
resumo ou anotações nos exercícios, não importa, você escolhe. O
importante é estudarmos bastante e nos concentrarmos nos estudos.
Estimule sua disciplina e procure motivação pensando em seus sonhos.
Bons estudos.

01406544108

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 2
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

1. O AGRONEGÓCIO.
A modernização ocorreu em toda a agropecuária. A mecanização
da produção de cana e de soja principalmente. As lavouras de
policultura na maioria das vezes são irrigadas. Os agriculsters, os
modernos conglomerados logísticos da produção pecuária, cujo mais
destacado projeto é o da Perdigão, colaboram para que Goiás seja um
dos maiores produtores de carne do Brasil. A qualidade deficiente da
infraestrutura é o principal fator apontado como entrave ao
desenvolvimento do agronegócio.

A cana de açúcar no estado de Goiás mais que triplicou no até


2010, e apesar de uma oscilação na produção de cana, a produção
ainda é bastante alta e é o segundo destaque agrícola, logo atrás da
soja, tanto em área quanto quantidade produzida.
Até 2012 a produção canavieira teve um aumento progressivo.
O governo federal estimulou a expansão do agronegócio da cana, pois
01406544108

estava ocorrendo um estímulo ao uso do etanol combustível. Com a


queda dos preços internacionais do petróleo, e com a diminuição dos
incentivos, a atividade teve uma retração. A crise europeia também
refletiu, pois são grandes compradores do açúcar brasileiro

O etanol pode ser produzido através de cana de açúcar


(tecnologia brasileira), milho (tecnologia estadunidense). A Europa
concorre no seu mercado interno com o açúcar de beterraba.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 3
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(UEG – SECTEC – Nível Superior – 2013)


A cana-de-açúcar na safra de 2000/2001 representava 4,5% de
toda a área plantada em Goiás e em 2009/2010 passou a ocupar
12,8% da área de uso agrícola, portanto, houve crescimento de
315,8% nos últimos dez anos.

MARQUES, D. M. F. et al. Produção e preço da cana-de-açúcar em


Goiás. Conjuntura Econômica Goiana, n. 23 (2004). Goiânia:
Secretaria de Gestão e Planejamento do Estado de Goiás, 2012. p.31.

O texto aborda a expansão dos canaviais e do setor


sucroalcooleiro em Goiás. Essa expansão foi consequência

(A) da implantação de um programa de incentivos do governo


federal aos pequenos e médios produtores para o plantio a custos
subsidiados.
Errada. A expansão do setor sucroalcoleiro foi estimulada
e cresceu principalmente pelo agronegócio do Plantation.
(B) da existência de grandes extensões de áreas com pastagens
degradadas, as quais, segundo o Plano Nacional de Agroenergia, são
prioritárias para a expansão.
Correta. A atividade pecuária degrada o solo devido ao
01406544108

pisoteio do gado e é uma atividade que ocupa muito espaço. No


plano nacional de agroenergia é prioridade expandir a produção
canavieira em áreas já ocupadas e degradadas pela pecuária.
Uma forma de manejo do solo para seu melhor aproveitamento.
Os solos são devidamente corrigidos, principalmente com a
calagem, que consiste em aplicar cal virgem para neutralizar o
ph ácido do solo.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 4
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(C) do financiamento direto realizado pelo governo estadual para


aquisição de terras destinadas aos grandes produtores.
Errada. Os financiamentos para o setor sucroalcoleiro
foram federais.
(D) do dinamismo econômico implantado no eixo sul-sudeste, que
adotou políticas ambientais mais rígidas para essa atividade.
Errada. A atividade de produção da cana de açúcar, bem
como seu beneficiamento provoca um grande impacto
ambiental, tanto na atmosfera pela queima dos resíduos,
quanto no solo pelo intenso uso de agrotóxicos. Contudo as leis
ambientais são rígidas, de maneira uniforme em elementos
gerais, mas com caracterizações específicas de cada bioma, por
exemplo a de área preservada. O dinamismo econômico do sul-
sudeste se originou de um processo de industrialização e
ocupação do solo que não se preocupava com o
desenvolvimento sustentável. As leis ambientais têm tendência
a tornarem-se cada vez mais vigilantes.
Resposta certa, alternativa b).

(UEG – Policia Militar/GO – Soldado – 2013) Goiás apresentou,


a partir da década de 1970, um acelerado aumento na produção
agrícola, o que contribuiu para que o estado se tornasse um grande
01406544108

exportador de grãos para o mercado exterior. Um fator que contribuiu


para isso foi

(A) a criação de colônias agrícolas e assentamentos populares no


estado, que passou a cultivar grãos em larga escala.
Errada. As principais colônias agrícolas foram criadas na
marcha para o oeste, política de ocupação do centro oeste na
década de 30 e 40, como por exemplo a colônia de CERES.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 5
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(B) a existência de grandes bacias hidrográficas que permitiram a


expansão das lavouras irrigadas no sudoeste goiano.
Errada. Tem a ver com a política de expansão do
agronegócio, e de implantação de tecnologias de cultivo
adequadas as condições de clima e solo.
(C) a expansão do cultivo nas grandes extensões de solos sobre
chapadões planos e o clima favorável aos cultivos de verão.
Correta. Um dos fatores geográficos favoráveis para a
expansão da agropecuária em Goiás, é que seu relevo é
planáltico de topos planos, ou seja, chapadões, e isso é uma das
condições ideais para a mecanização. Toda a região é bastante
irrigada e seu regime de chuvas concentradas no
verão/primavera. É uma condição climática ideal para cereais
que podem ser produzidos por agricultura de sequeiro ou
cultivos irrigados.
(D) a implantação de políticas públicas de incentivo à produção
agrícola voltadas principalmente para o pequeno e médio produtor.
Errada. O estado de Goiás é fruto do planejamento estatal
e do empreendedorismo de muitos pioneiros. Sempre foram
criadas políticas de desenvolvimento, mas a maioria delas é
voltada ao grande produtor, normalmente modelo de plantation
(monoculturas de exportação feitas em grandes propriedades e
01406544108

mecanizadas).

Resposta certa, alternativa c).

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 6
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Impulsos econômicos do planejamento:

(UEG – Policia Militar/GO – Soldado – 2013) Sobre a urbanização


e a rede urbana do estado de Goiás até 1970, verifica-se que

(A) mais de 75% dos núcleos urbanos existentes tiveram suas


origens diretamente relacionadas às atividades da mineração.
Errada. As cidades mais antigas do estado como Corumbá,
Pirenópolis e Goiás surgiram da mineração, mas não esta
porcentagem que é muito grande. A maioria das cidades
goianas desenvolveu-se a partir da Marcha para o Oeste, no Era
Vargas, o período Ludovico e a partir da década de 70.
(B) a chegada da ferrovia no sul de Goiás proporcionou o
surgimento de uma rede urbana local, que se tornou o principal eixo
de industrialização.
(C) ao longo da BR-153 estabeleceram-se empreendimentos
industriais de transformação, incentivando a criação de novos
municípios.
(D) nenhuma cidade nasceu exclusivamente em função do
processo de industrialização, mas cidades goianas sofreram influências
significativas da expansão capitalista.
Correta. As cidades goianas desenvolveram-se
01406544108

principalmente a partir da expansão capitalista da agricultura e


da integração ao território nacional através de estradas, que
são importantes vetores de desenvolvimento. Com a criação de
Goiânia e Brasília principalmente, várias cidades nasceram da
integração.

Resposta certa, alternativa d).

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 7
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(UEG – Policia Militar/GO – Cadete – 2013) A pecuária constituiu


importante elemento na ocupação do território goiano durante e pós-
período mineratório. O rebanho bovino formado por gado vacum
contribuiu para a fixação de populações no interior do estado, bem
como para o surgimento de novos povoados, às margens e
entroncamentos dos caminhos utilizados no transporte das tropas. São
exemplos de cidades que tiveram sua origem diretamente ligada a tais
fatores:
Esta questão explora a importância dos meios de
comunicação e transportes para o desenvolvimento regional. As
estradas são vetores do desenvolvimento pois em suas bordas
surgem serviços e aglomerados urbanos. Então temos que ter
em mente que o modelo econômico e a atividade em certo
momento, são determinantes para o desenvolvimento urbano e
em cada momento da História, um elemento foi gerador de
desenvolvimento e urbanização. Em Goiás, as cidades surgiram
principalmente da mineração, do planejamento estatal e das
estradas. A pergunta é direta: quais cidades que surgiram a
partir de povoados em entroncamentos dos caminhos antigos.
Alternativa [C] correta. As três cidades surgiram às
margens e entroncamentos de estrada. É muito comum que os
povoamentos antigos, bem01406544108
como os mais recentes,
desenvolvam-se às margens da cidade. Piracanjuba surgiu das
estradas que ligavam à região mineradora de Pirenópolis. Era
um orago, ou seja, uma capela com oratório. E em 1811 uma
epidemia de Varíola em Pirenópolis, que na época chamava-se
Nova Ponte, contribuiu para o crescimento do município. Varjão
em 1925, surgiu de uma gleba à beira do caminho doada por
uma família, para que a igreja formasse um patrimônio. Com as
várias epidemias da época, por exemplo, a malária assolou a
região que aumentou o povoamento de vargem grande. Com a

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 8
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

criação de Goiânia o município integrado regionalmente


cresceu mais. Itaberaí surgiu às margens do rio das pedras e
foi um importante entrepostos para os tropeiros.

(A) Trindade, Caldas Novas e Teresina de Goiás


(B) Itaberaí, Piracanjuba e Varjão
(C) Morrinhos, Cavalcante e São Miguel do Araguaia
(D) Rio Verde, Jataí e Pilar de Goiás

Resposta certa, alternativa b).

2. OS MEIOS DE TRANSPORTE EM GOIÁS.

Goiás até o século XVIII era integrada ao litoral pelos caminhos


dos Goiases, de São Paulo ao Sul de Goiás.
As ferrovias, ao serem implantadas no estado, foram um grande
fator de modernização. Atualmente a principal ferrovia que integra
Goiás aos estados litorâneos, é a ferrovia centro-atlântica. Ela interliga
Goiânia-DF-sul de Goiás, BH, Triângulo Mineiro- até o litoral do RJ.
As ferrovias no Brasil são todas especializadas no transporte de
01406544108

commodities e são privatizadas desde meados da década de 90. As


ferrovias passaram por decadência principalmente na década de 50
com a opção da implantação de ferrovias por JK.

O transporte rodoviário:

Rodovias federais: As rodovias federais estão divididas em 5


tipos desde 1967. Quem realizou a organização e padronização das

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 9
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

rodovias federais, foi o extingo órgão público GEIPOT – Empresa


brasileira de planejamento e transporte. Foi extinto em 2001 e
substituído pelo DNIT – Departamento de infraestrutura e transportes.
Os principais traçados são:

Rodovias radiais: (BR-1 a BR-100).

As rodovias radiais partem todas do anel viário de Brasília e


irradiam do DF e do estado de Goiás. Sua numeração é contada a partir
do sentido Norte e aumenta no sentido horário.

As radiais que cortam o estado de Goiás são:

 BR-010 (Belém – Brasília). 1.091 km de extensão.


 BR-20 (Brasília - Fortaleza). 1.882 Km.
 BR-30 (Brasília - Campinho-Ba). 1.111 Km.
 BR-40 (Brasília – Campos-RJ). 1.154 km.
 BR-50 (Brasília – Santos-SP). 1.051 km.
 BR-60 (Brasília – Bela Vista -MS). 1.281 Km.
 BR-70 (Brasília – Cárceres- (MT). 1.317,7 Km.
 BR-080 (atravessa o sudoeste o Pará em direção à Manaus).
3.604 km.

Rodovias longitudinais: (BR-101 a BR-200).


01406544108

As rodovias longitudinais são traçadas no sentido dos meridianos


(em direção norte sul). Sua numeração aumenta de Leste para Oeste.

As longitudinais que cortam Goiás:

 BR-153. Transbrasiliana [Tucuruí (PA) - Aceguá (RS)]. 3749


Km.

Rodovias transversais: (BR-201 a BR 300).

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 10
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

As rodovias transversais cruzam o Brasil na direção Leste-


Oeste. Sua numeração aumenta em direção ao sul.

A transversal mais importante de Goiás é a BR 251 (Ilhéus e


Cuiabá).

Rodovias diagonais: (BR-301 a BR- 400).

As rodovias diagonais cruzam o país na direção nordeste-


sudoeste ou sudeste-noroeste.

 BR-364 [Porto Velho (RO) até São Paulo]. 2.100 km.

Rodovias de ligação: (BR-401 em diante).

São aquelas que unem duas rodovias entre si.

Os meios técnicos-científicos-informacionais, ou seja, todo


o equipamento tecnológico que permita maior integração, mobilidade
e circulação de mercadorias e informações. Cada vez mais o país é
mais integrado e os espaços relativos tornam-se menores pela
proximidade que as comunicações permitem, seja por ferrovias ou
internet.

Hidrovias:

 Hidrovias Tocantins-Araguaia.
 Hidrovia tietê-Paraná. (Conchas-SP – São Simão-GO).
01406544108

Aeroportos:

É um estado bastante atendido por aeroportos, e têm voos


nacionais e internacionais, principalmente no aeroporto do DF e
Goiânia.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 11
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(UEG – Policia Militar/GO – Soldado – 2013)


Tentaremos mostrar a seguir porque foi preciso buscar fora do
estado a mão de obra para a construção civil, e a vida dos operários
na edificação de uma nova Capital que viria a trazer o “progresso” para
os proprietários de terra, para os grupos oligárquicos e para os
capitalistas em geral.

CHAUL, Nasr N. Fayad. A construção de Goiânia e a transferência


da capital. Goiânia: CEGRAF, 1988. p. 111.

O fato de que parte considerável dos operários e técnicos que


trabalharam na construção de Goiânia foi trazida de fora do estado se
explica porque
01406544108

(A) o projeto de construção de uma nova capital era impopular


para os muitos entusiastas das tradições da antiga Vila Boa de Goyaz.
Errada. O projeto da construção de Goiânia foi muito
popular na época, e contou com todo o apoio do governo federal
naquela época sobre o comando de Vargas. Claro que as elites
políticas tradicionais da cidade de Goiás, a antiga capital,
opuseram-se a tal projeto, pois para eles significaria a perda de
prestígio político.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 12
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

(B) o governo dos Caiado investia pouco na qualificação de mão


de obra, inexistindo instituições de Ensino Superior em Goiás nos anos
1920.
Errada. A Lei n. 631, de 02 de agosto de 1918, promoveu
uma reforma educacional e visava organizar a instrução
primária em Goiás, a partir da qual a introdução do Grupo
Escolar foi um marco importante. Não podemos afirmar isso
exclusivamente de Caiado, pois no Brasil daquela época, a
instrução pública era muito precária, mesmo ela voltada à elite.
A primeira instituição de ensino de Goiás foi a UCG
(universidade católica de Goiás) e a UFG (universidade federal
de Goiás) em 1959 e 1960 respectivamente.
(C) o conflito gerado pela passagem da Coluna Prestes em Goiás
provocou a desarticulação das escolas de nível técnico existentes no
estado.
Errada. A Passagem da coluna prestes em Goiás foi
duramente combatida por Caiado, e não desarticulou escolas de
nível técnico pois não existiam. No final desta década criam
uma escola de magistério público.
(D) o maior contingente da população de Goiás era de
trabalhadores rurais, sem a experiência e o conhecimento técnico
necessários para obras de maior vulto.01406544108

Correta. A Goiânia de Pedro Ludovico foi criada com os ares


da modernidade que queria representar. Foram usadas as
técnicas mais modernas da construção civil da época. A maior
parte dos operários e engenheiros e técnicos vieram de outras
regiões do país. Além da população goiana ser escassa era
predominantemente um perfil de trabalhador rural.

Resposta certa, alternativa d).

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 13
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

3. GOIÁS E A GLOBALIZAÇÃO.
Uma das características da economia na atualidade, é sua
desconcentração espacial. É a desconcentração industrial que cada vez
mais beneficia Goiás. Possui uma infraestrutura de estrada muito
ramificada e integrada ao resto do país (mesmo que boa parte delas
esteja em condições precárias). É drenada pela bacia do Paraná e em
território passa a Hidrovia tietê paraná.
Por ser um estado de produção tradicionalmente primária, está
passando por um maior desenvolvimento de suas cidades e da
industrialização. A principal vantagem da hidrovia é que liga São Paulo
aos mercados consumidores do Mercosul.
O principal fator que favorece a instalação de indústrias no
Estado, é sua localização estratégica: central e bastante integrada ao
território nacional e também vários incentivos fiscais, estaduais e
federais, como a Lei Kandir (que retira o ICMS – imposto de circulação
de mercadorias e serviços de produtos primários) ou pouco
transformada.

O Mercosul:
O Mercado Comum do Sul surgiu em 1991, através do tratado
de Assunção. Seus efeitos passam a ser produzidos a partir de 94,
pois os países integrantes tiveram um tempo para adaptar-se aos
01406544108

novos acordos. Foi articulado principalmente por Brasil e Argentina, as


principais economias sul americanas. Surgiu como um mecanismo de
adaptação competitiva na nova realidade econômica global que surgiu
com o fim da guerra fria.
Podemos destacar como os principais pontos do tratado de
Assunção:

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 14
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

 Livre circulação de bens, serviços e fatores produtivos (capital e


trabalho).
 Eliminação das restrições incidentes no comércio recíproco.
 Estabelecimento de uma T.E.C. (tarifa externa comum).
 Adoção de uma política comercial comum.
 Políticas macroeconômicas e setoriais coordenadas (negociar
taxas de juros, câmbio próximas).

O bloco surgiu com o objetivo de uma integração no modelo de


uma união aduaneira. Podemos dizer que é uma união aduaneira
imperfeita, pois os principais pontos do tratado são difíceis de
serem implantados. A principal razão da dificuldade de
integração é justamente o desnível econômico entre os
países, pois é difícil encontrar uma política econômica comum ao
Brasil e Paraguai. O Brasil possui uma economia industrial
01406544108

diversificada e é um grande exportador de commodities, o Paraguai


é bem pobre. Como encontrar o equilíbrio? Como estabelecer um
regime tributário comum? Está aí um dos grandes desafios da
integração. O bloco prevê inclusive livre circulação de pessoas,
contudo há muito ainda a fazer para a consolidação dos objetivos
do bloco.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 15
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Países membros: Os atuais membros são:


 Brasil.
 Argentina.
 Uruguai.
 Paraguai.
 Venezuela.
E a Bolívia e o Chile? Você me pergunta. E lhe digo: Não são
membros do bloco, são países associados. O que é isso? Possuem
vários acordos com o Mercosul e usufruem de vantagem, no entanto
não participam das decisões de cúpula, nem da T.E.C (tarifa externa
comum). Diante da dificuldade de integração econômica a Bolívia e
Chile principalmente prefere realizar acordos bilaterais (entre dois, dois
lados. Principalmente os EUA), assim possuem maior autonomia de
controle de sua inflação, câmbio e juros.

Tratado de Ouro Preto (94): desenha a estrutura institucional


do bloco.

(UEG – IMB/GO – Pesquisador/Ciências Sociais – 2013)


A globalização da economia é hoje uma realidade do século XXI.
Com isso, a inserção neste novo mundo requer que as diversas
economias, entre países ou entre estados, sejam competitivas. É por
01406544108

essa razão que a globalização pode representar, por um lado,


oportunidades para economias que sejam competitivas. Por outro lado,
essa nova onda imposta pela história pode significar ameaças para as
economias que não sejam competitivas.

CORREIA, Salatiel Pedrosa Soares. Goiás: a globalização e o


futuro. Goiânia: Editora da UCG, 2005. p. 25.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 16
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

No que se refere ao estado de Goiás, as mudanças econômicas


acarretadas pela globalização trouxeram possibilidades de
desenvolvimento e dinamização da economia regional. Nesse sentido,
no cenário do mundo globalizador, é um fator estratégico para a
competitividade da economia goiana

A pergunta é direta e simples: quais os fatores estratégicos


que dão competitividade aos produtos goianos?
(A) o baixo valor da dívida pública do estado de Goiás em relação
ao PIB, permitindo a amortização progressiva do estoque da dívida por
meio do fluxo de pagamentos contínuos.
Errada. Quando é uma prova de aspectos gerais, é muito
difícil que seja a correta, pois seria de baixíssima seletividade,
dada a dificuldade. A dívida pública do estado de Goiás é alta.
Incompleto.
(B) o superávit na produção de energia elétrica, resultante da
construção, pelo governo estadual, de grandes e médias usinas
hidrelétricas e o aproveitamento da energia ociosa das usinas
sucroalcooleiras.
(C) a fertilidade natural do solo do cerrado, que apresenta baixa
lixiviação e índices de ph favorável, permitindo a diminuição dos custos
de insumos agrícolas na produção voltada para o mercado externo.
01406544108

Errada. O solo do cerrado não é muito fértil, em muito


trechos é pouco desenvolvido, e necessita de manejo, o mais
comum é a calagem. Por ser um solo de zona tropical, ele tem
maior chance de apresentar o problema da lixiviação, ou seja,
do solo “lavado” pela água que dissolve seus nutrientes.
(D) a localização estratégica no centro do país, com possibilidade
de utilização de meios de transportes diversificados, atrativa para
empresas interessadas na distribuição de produtos para o Brasil e
Mercosul.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 17
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Correta. A alternativa fala por si mesma. Há uma


infraestrutura variada de aeroportos, hidrovias, rodovias
federais e estaduais que permite a mobilidade e integração do
estado na economia regional.

Resposta certa, alternativa d).

Impactos ambientais das atividades econômicas:

(UEG – Auxiliar de autópsia – 2003)

Sobre o meio ambiente rural, considere as proposições a seguir:

I. Poluição química, erosão dos solos e desertificação são algumas das


formas de degradação ambiental que ocorrem no meio ambiente rural.

Correta. Poluição e contaminação da água e solos por


agrotóxicos e outros químicos. O excesso de fertilizantes por
exemplo provoca a eutrofização. O grande desgaste de
degradação do solo pela erosão pode provocar desde voçorocas
até a desertificação da área.

II. Fertilizantes, adubos químicos e agrotóxicos são transportados


pelas águas das chuvas e pela irrigação, contaminando os solos e
aquíferos. 01406544108

Correta. Fertilizantes, adubos e agrotóxicos são


dissolvidos pela água e são transportados contaminando rios e
lençóis freáticos.

III. O voçorocamento é um problema ambiental que, nas áreas rurais,


provoca danos econômicos irreversíveis para o produtor, além de
degradar a paisagem.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 18
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Correto. Voçoroca é quando a erosão chega a estágios


avançados e abre uma fenda no solo que aumenta conforme
aumenta a erosão. Em boa parte dos casos as voçorocas são
irreversíveis. Em sua fase inicial de formação denominamos
ravina. O processo pode ser controlado com reflorestamento
neste estágio. Quando a voçoroca é avançada, os danos são
irreversíveis.

IV. A mudança técnica ocorrida na produção agrícola (utilização de


adubos químicos, inseticidas, herbicidas e mecanização do preparo do
solo, cultivo e colheita) caracterizou-se como sendo a Revolução Verde.

Correto. Revolução verde foi a revolução na produtividade


proporcionada por novas tecnologias de cultivo principalmente
a partir da década de 70. O início do desenvolvimento do
agronegócio e de novas tecnologias de plantio.

Marque a alternativa CORRETA:

a) Apenas as proposições I e II são verdadeiras.

b) Apenas as proposições II e III são verdadeiras.

c) Todas as proposições são verdadeiras.

d) Todas as proposições são falsas.


01406544108

Resposta: [C].

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 19
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

4. EXERCÍCIOS PROPOSTOS.

1. (Ufg 2012) Na última década, o Brasil atingiu um patamar elevado


de crescimento econômico. Isso ocorreu mediante a implementação de
fortes investimentos estatais na ampliação de infraestrutura básica.
Um dos métodos adotados é o Sistema de Integração Intermodal, que
se caracteriza como
a) um modo de organizar as empresas em rede, de forma a garantir
que, independente da concorrência, elas possam ampliar seus
rendimentos e gerar divisas para o país.
b) um processo de readequação dos modos de arrecadação de
impostos pelos estados brasileiros para aumentar os investimentos
em infraestrutura.
c) uma política do governo federal que passou a exigir dos estados
maiores investimentos nos setores aeroportuários para garantir
maior abastecimento do mercado interno.
d) uma articulação entre os governos dos estados, com apoio do
governo federal, para garantir maior arrecadação sobre a circulação
de mercadorias.
e) um mecanismo de ligação entre os meios de transportes fluviais,
ferroviários e terrestres, possibilitando mais rapidez e menores
custos no deslocamento da produção.
01406544108

2. (Ufg 2006) Leia o trecho a seguir:

Na segunda metade do século XX a construção de diversas


infraestruturas de circulação contribuiu para ligar as diversas regiões
[do Brasil] entre si com a região concentrada. É assim que a expansão
da rede rodoviária brasileira passa de 302.147 km em 1952 para
1.657.769 km em 1995, sendo seu maior crescimento na década de
1970.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 20
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. "O Brasil: território e


sociedade no início do século XXI". 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.
p. 65. [Adaptado].

A construção da infraestrutura, indispensável para a integração do


mercado interno, na década de 1970,

a) provocou o crescimento superior da região metropolitana de São


Paulo, comparativamente ao do território nacional.
b) proporcionou a criação de programas estatais, como a Marcha para
o Oeste, com o intuito de ocupar o interior do Brasil.
c) configurou uma nova hierarquia urbana nacional com a ligação de
centros urbanos regionais ao centro econômico do país.
d) possibilitou o crescimento da agricultura familiar, impulsionada
pelos investimentos estatais, mediante pressão dos movimentos
sociais organizados.
e) acirrou a competição entre os estados e os municípios pela
instalação de novas empresas, por meio da guerra fiscal.

3. (Ufg 2005) Observe o mapa a seguir:

01406544108

SANTOS, M; SILVEIRA, M. L. "O Brasil: território e sociedade no

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 21
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

início do século XXI. 4 ed. São Paulo: Record, 2002. p. VII.

Com o atual fenômeno da globalização, o território brasileiro é


chamado a oferecer as bases materiais à economia globalizada, que
conjuga as cadeias de produção e consumo às redes de circulação. A
conjugação dessas cadeias, nas regiões, com a rede de comunicação
de telefonia celular móvel, pode ser identificada pela

a) dispersão da rede na Região Norte, devido à criação da Zona Franca


de Manaus.
b) dispersão da rede na Região Centro-Oeste, devido ao
desenvolvimento do turismo ecológico.
c) concentração da rede no litoral da Região Nordeste, em
consequência da localização dos portos.
d) concentração da rede na Região Sul, em consequência da presença
da população de origem europeia.
e) concentração da rede na Região Sudeste, devido à presença do
capital financeiro.

4. (Fgv 2016) A Geografia dos Transportes estuda os sistemas de


movimento do território, isto é, o conjunto de sistemas de engenharia
e de fluxos materiais ou imateriais que respondem pela ligação entre
os lugares. 01406544108

Sobre os sistemas de movimento do território no Brasil, NÃO é correto


afirmar:
a) O sistema aquaviário de longo curso é o vínculo, quase exclusivo,
do comércio exterior.
b) O sistema ferroviário, instalado em áreas selecionadas do território,
movimenta grandes fluxos unifuncionais.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 22
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

c) A integração dos diferentes sistemas técnicos de transportes resulta


em uma densidade homogênea de fluxos pelo território.
d) A evolução tecnológica do sistema de movimento aeroviário
aumenta a velocidade dos fluxos e a capacidade de carga das
aeronaves.
e) O sistema rodoviário realiza a maior parte dos fluxos de passageiros
e de carga devido à sua flexibilidade em relação aos outros modais.

5. (Fgv 2014) Um turista inglês tem duas possibilidades de viagem:


Punta Cana ou Lençóis Maranhenses. Analise essas possibilidades
apresentadas no mapa.

01406544108

Os dados representados no mapa tornam evidente que no Brasil há


a) deficiência na infraestrutura de transporte.
b) fraca potencialidade turística.
c) pequeno número de destinos turísticos.
d) pequena importância econômica do setor de turismo.
e) falta de segurança para os turistas estrangeiros.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 23
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

6. (Fgv 2012) Analise os gráficos sobre meios de transporte no Brasil.

Comparando os gráficos, pode-se concluir que:


a) sob o aspecto de custo do frete, a diferença entre a matriz I e a II
é mínima.
b) a matriz II favorece a economia dos fretes e é menos poluidora que
a matriz I.
c) a matriz I emite menos gases poluidores do que a II, que, por sua
vez, é mais econômica.
d) ambas oferecem vantagens: a matriz I é mais expandida, e a II
garante economia de combustível.
e) ambas têm pontos positivos: a matriz I, maior capacidade de
01406544108

expansão, e a II permite maiores velocidades.

7. (Fgv 2006) Nestes últimos anos, a movimentação da produção de


milhões de toneladas de soja tem requerido cada vez mais velocidade
com qualidade e baixos custos, pois o frete é um componente
importante no preço final de produtos agrícolas. Pode-se mesmo
afirmar que a distribuição seletiva de grandes sistemas de transporte
tem provocado profundas transformações no uso do território

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 24
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

brasileiro.

Assinale a alternativa que apresenta um título adequado ao texto.

a) A organização do espaço geográfico é fator importante para o


aumento da competitividade do setor agroindustrial.
b) A cadeia produtiva da soja caracteriza-se pela aliança entre grandes
empresas nacionais detentoras de modernas tecnologias.
c) O crescimento do agronegócio tem provocado fortes impactos
geoecológicos no espaço nacional.
d) A necessidade de aumentar a produtividade agrícola tem elevado o
nível tecnológico dos complexos agroindustriais.
e) A conquista dos novos mercados latino-americanos para produtos
como a soja tem sido acompanhada pelo crescimento de meios
técnico-científicos.

8. (Fgv 2003) Leia o texto a seguir.

"Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística


(IBGE) revelou que 12,6% dos lares brasileiros contavam com um
microcomputador no ano passado, sendo que a maior concentração
dos equipamentos era no sudeste do País e a menor no nordeste."
Fonte: http://www.networkexpress.com.br
01406544108

Assinale a alternativa que se relaciona diretamente ao texto


apresentado.

a) A Região Nordeste tem-se tornado o destino de indústrias de mão


de obra intensiva, que saem da Região Sudeste em busca de
incentivos fiscais, terrenos baratos, baixo custo de vida e salários.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 25
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

b) A extensão do território brasileiro é, em si, um fator importante na


análise das diferenças nos padrões de distribuição dos contingentes
populacionais e das formas de apropriação da natureza.
c) O território brasileiro diferencia-se quanto à densidade de sua rede
técnica, que apresenta maior fluidez nas regiões de economia
integrada aos fluxos internacionais e menor fluidez nas áreas de
economia estagnada.
d) A Região Sudeste vive um processo de reestruturação do espaço
produtivo, com a expansão da indústria, na direção dos eixos viários
que ligam o interior à capital, e a formação de novos polos industriais.
e) As diferenças climáticas verificadas no território brasileiro são
responsáveis pelos contrastes naturais verificados entre as Regiões
Sudeste e Nordeste, em especial as diferenças quanto aos índices
pluviométricos.

9. (Fgv 2002) Os projetos de infraestrutura para o escoamento da


produção também começam a sair do papel, como as hidrovias dos rios
Madeira e Araguaia, as estradas que ligarão a região ao Pacífico e aos
portos do Norte do país e a expansão dos trilhos da Ferronorte.

Fonte: adaptado de Figueiredo, Lucas. "Revista Primeira Leitura",


no 02, abril de 2002, p.46.

01406544108

O texto faz referência:

a) à expansão da fronteira agrícola em direção à Amazônia ocidental,


em função da crescente demanda por madeira e extratos vegetais no
mercado mundial.
b) à estruturação da Região Centro-Oeste como importante polo
agropecuário exportador, integrado aos grandes mercados mundiais
de soja e carnes.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 26
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

c) aos efeitos do Mercosul, que intensificou o fluxo de produtos


agrícolas brasileiros, como a laranja e a cana-de-açúcar, para países
da América Latina.
d) aos projetos governamentais de integração que visam à
consolidação do Merconorte, tendo a Venezuela e o Chile como
corredores de exportação.
e) às estratégias geopolíticas e controle das fronteiras Norte e Oeste
do país através da expansão e integração das vias de circulação.

01406544108

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 27
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Gabarito:

Resposta da questão 1:
[E]

Como mencionado corretamente na alternativa [E], o Sistema de


Integração Intermodal é o planejamento estratégico do sistema de
transportes, aproveitando a potencialidade de cada um dos modais,
otimizando a circulação e o escoamento da produção.
Estão incorretas as alternativas:
[A], porque o conceito não se refere à competitividade das
empresas;
[B], porque o conceito não se refere ao sistema tributário;
[C], porque o sistema não concebe o investimento em um só
modal, mas, ao contrário, na integração dos diferentes modais;
[D], porque o conceito não se refere ao sistema de arrecadação
de impostos do governo em suas diferentes esferas.

Resposta da questão 2:
[C]

Resposta da questão 3: 01406544108

[E]

Resposta da questão 4:
[C]

O Brasil apresenta uma distribuição desigual das infraestruturas


de transportes no território e, portanto, a densidade dos fluxos de
pessoas e mercadorias é muito heterogênea. As regiões Sul e Sudeste
apresentam maior densidade.

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 28
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

Resposta da questão 5:
[A]

Como mencionado corretamente na alternativa [A], o longo


tempo para o deslocamento do turista em território brasileiro denuncia
que a indústria do turismo é deficiente, principalmente no tocante à
questão de infraestrutura de transporte, perdendo dessa forma,
competitividade para áreas adjacentes.
Estão incorretas as alternativas:
[B] e [C], porque existe uma imensa potencialidade turística no
Brasil com grande número de destinos, pouco explorados em razão da
deficiência de infraestrutura;
[D], porque a indústria do turismo tem grande relevância;
[E], porque embora a segurança pública no país seja também
deficiente, o tema da questão aborda a infraestrutura de transportes.

Resposta da questão 6:
[B]

Com um litro de combustível o transporte rodoviário transporta


25 toneladas, o ferroviário 125 toneladas e o hidroviário 575 toneladas,
01406544108

portanto, a matriz II, por utilizar transportes com menor consumo de


combustível, é menos onerosa e menos poluidora, como citado
corretamente na alternativa [B].
Estão incorretas as alternativas:
[A], pois o custo do frete do transporte rodoviário predominante
na matriz I é elevado e, portanto, a diferença de custo entre as
matrizes é expressiva;
[C], pois a matriz II é mais econômica e polui menos;

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 29
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

[D], pois embora a matriz I seja a mais expandida, ou seja, a


predominante no país, apresenta elevados custos de operação e
manutenção;
[E], pois a matriz I permite maiores velocidades com o transporte
rodoviário.

Resposta da questão 7:
[A]

Resposta da questão 8:
[C]

Resposta da questão 9:
[B]

01406544108

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 30
Economia goiana II.

Prof. Sérgio Henrique.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS.
Muito bem, querido amigo concurseiro. Se chegou até aqui é um
bom sinal. Sinal de que estudou com a atenção todo o conteúdo e
acompanhou a resolução dos exercícios. Não se esqueça da
importância de ler a teoria completa e sempre consultá-la. Não esqueça
dos seus objetivos e dedique-se com toda a força para alcança-los.
Sonhe alto, pois “quem sente o impulso de voar, nunca mais se
contentará em rastejar”. Te encontro na nossa próxima aula.
Bons estudos, um grande abraço e foco no sucesso.

Até logo...

Prof. Sérgio Henrique Lima Reis.

01406544108

WWW.ESTRATEGIACONCURSOS.COM.BR 31