Você está na página 1de 2

21/03/18 -> Projeto Estruturalista: Percurso

 Sistema (conceito matemático)


o Firth -> Circuitos matrimoniais, que se expressam em centenas de rituais de trocas,
podem ser redutíveis a mais ou menos 35 operações fundamentais
o Combinações de relações  matemática combinatória/qualitativa

Mauss + Linguística Estrutural

Levy-Strauss utiliza esses argumentos de Firth e Mauss para reforçar a ideia de que

Sistema = Social --> Transe, Permuta, Mediação

 “Ensaio sobre a dádiva” Mauss

 Circuito/troca (Kula)  Teoria da reciprocidade (Levy-Strauss)  Sociedade=Reciprocidade


o Vínculo social é troca entre grupos biológicos (família)
 Aliança explica o parentesco

Dádiva  Dar - Receber – Retribuir  Mauss:

 Gratuita e Obrigatória
 Força (Hau) -> espírito da coisa dada -> Não há separação entre pessoa e coisa/não há
separação entre pessoa e coisa dada (res)
 Há um espírito/razão (Hau) na coisa dada que exige o dar, receber e retribuir, o espírito
exige a troca constante/ voltar ao local de origem

 Levy-Strauss  Inconsciente  Leis do pensamento simbólico (Leis universais do Espírito


Humano)

 Modo de operação combinatório


 Inconsciente  Mediador entre o Eu e o Outro (Relação/comunicação)  confronto
colonial

Mana  Deslizamento entre significante e significado (Complementaridade)  Signos para os


linguistas  Dar significado à experiência do mundo, para isso precisamos do código simbólico 
Significante flutuante

Objetivo/Subjetivo  Pensamento simbólico tem uma objetividade  Ele se objetiva, se coloca


para fora  Mito -> Pensamento simbólico objetivado

Pela linguagem que “nasce” o “Eu”, o reconhecimento do “Eu”

Dar-receber-retribuir = Hau  “Hau” significante único para as três operações  Mauss não
percebeu isso, diz Levy-Strauss
Kant: Razão  operatória/ não substancial como em Descartes

Séc. XIX  Esforço para retirar da ciência o pensamento metafísico/ da coisa em-si

Durkheim  Sociedade (totalidade abstrata)  Consciência Coletiva  Simbolismo (fenômeno


coletivo)

Mauss  Sociedade  Consciência Coletiva  Relacional  Constituição social do simbolismo

Levy-Strauss  Constituição simbólica do social  Comunicação

Levy-Strauss retorna ao kantismo  kantismo sem sujeito transcendental  Ir além da metafísica


 Existe uma realidade última das coisas, mas o conhecimento humano não dá conta dela (coisa
em-si incognoscível)  diálogo com neo-kantianos.

Significante  forma mais elevada da razão humana

Séc. XIX para o XX  Racionalismo em crise (Nietzsche, por exemplo)

Correntes irracionalistas, existenciais e fenomenológicas  criticados por Levy-Strauss

Bertsionismo  intuicionista  criticado por Levy-Strauss

Levy-Strauss  Conhecer é selecionar aspectos da realidade  Racionalidade: que se nutre do


concreto. Realidade se dá em diversos níveis, que são descontínuos.

Levy-Strauss  Aproximação Marx e Rousseau  Necessidade de ir para uma realidade


subjacente(não transcendente  metafísica --> fenomenologia e existencialismo) pela
razão/intelecto nas ciências sociais  Construção de modelos  Redução sistemática da realidade
para poder estudar as propriedades desse modelo  Visa produzir um conhecimento se utilizando
do empírico, mas ir além dele.  Relação entre o sensível e o racional.  Objetivo: Atingir um
super-racionalismo (integrar o sensível ao racional)  superar o cartesianismo  Projeto
epistemológico através da antropologia.

Polêmica Levy-Strauss e Sartre: Sobre o sujeito e a história

Continuidade entre vivência e realidade (fenomenologia -> existencialismo)

 Levy-Strauss Descontinuidade entre vivência e realidade  Também em Bourdieu (pós-


marxista)  Mas ele critica a objetividade

Influência do marxismo, geologia e psicanálise