Você está na página 1de 355

Obras de Maria Helena da Rocha Pereira: estudos sobre a Grécia Antiga:

dissertações
Autor(es): Pereira, Maria Helana da Rocha
Publicado por: Imprensa da Universidade de Coimbra
URL URI:http://hdl.handle.net/10316.2/38601
persistente:
DOI: DOI:http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0677-4

Accessed : 18-Jun-2018 15:47:40

A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis,
UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e
Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos.

Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de


acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s)
documento(s) a partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença.

Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s)
título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do
respetivo autor ou editor da obra.

Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito
de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste
documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por
este aviso.

pombalina.uc.pt
digitalis.uc.pt
OBRAS DE

MARIA HELENA DA ROCHA PEREIRA

ESTUDOS SOBRE
A GRÉCIA ANTIGA
D I S S E R TA ÇÕ E S

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN


IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
(Página deixada propositadamente em branco)
(Página deixada propositadamente em branco)
C o -E diç ão
Fundação Calouste Gulbenkian
E-mail: info@gulbenkian.pt
Imprensa da Universidade de Coimbra
E-mail: imprensauc@ci.uc.pt
Vendas online: http://livrariadaimprensa.uc.pt

C oor de naç ão edi tor i a l


Imprensa da Universidade de Coimbra

C oncep ç ão gr á f ic a
António Barros

I n fogr a f i a da C a pa
Carlos Costa

I n fogr a f i a
Imprensa da Universidade de Coimbra

P r é - for m ataç ão e e l a bor aç ão dos í n dice s


Martinho Soares

E x ec uç ão gr á f ic a
Gráfica de Coimbra

ISBN
978-989-26-0528-9

isbn Digital
978-989-26-0677-4

DOI
http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0677-4

D ep ósi to l ega l
366589/13

© O u t u bro 2013, I m pr e nsa da U n i v er si da de de C oi m br a


(Página deixada propositadamente em branco)
PREFÁCIOS I

A publicação das Obras Completas de Maria Helena da Rocha Pereira,


que agora se inicia, representa um merecido testemunho de homena­
gem a uma figura central da vida intelectual e cultural portuguesa das
últimas seis décadas.
A obra de Maria Helena da Rocha Pereira constitui, desde as suas
primeiras etapas académicas, reeditadas neste primeiro volume, um
monumento impressionante de rigor científico, de conhecimento
exaustivo das fontes originais, de domínio seguro da bibliografia es­
pecializada em pelo menos seis línguas, mas sobretudo de capacidade
de análise aprofundada, de desconstrução crítica e de formulação de
hipóteses originais sobre a matéria em causa. A sua abordagem constrói­
‑se sempre per asperam, fundamentando num aparato crítico de solidez
exemplar cada passo do processo dedutivo, mas nem por isso as suas
interpretações são menos inovadoras e combativas, ou se sente menos
a sua convicção interior e a sua ligação apaixonada às temáticas que
escolheu. A escrita de Maria Helena da Rocha Pereira é sempre uma
escrita de combate, de uma luta permanente pela  procura e produção
de novo conhecimento.
A sua relação com o legado cultural da Antiguidade nunca se res­
tringiu a uma reflexão puramente filológica, relegada para um passado
remoto sem repercussões no presente. Para Maria Helena da Rocha
Pereira, pelo contrário, a herança da Antiguidade Clássica integra o
núcleo duro da Cultura Ocidental, no seu todo, não como mero patri­
mónio histórico venerado à distância mas como uma referência ética
fundamental cuja lição é eminentemente intemporal naquilo que nos
revela a cada momento da própria essência da condição humana. Nos
clássicos encontra assim chaves insubstituíveis para abordar, com um
olhar sempre enraizado nas grandes opções dos nossos dias, os valo­
res maiores da cidadania, da dignidade, da consciência, da justiça, da
beleza, da sabedoria.
Maria Helena da Rocha Pereira, de há muito minha estimada amiga,
é uma colaboradora imprescindível da atividade da Fundação Calouste
Gulbenkian em múltiplos domínios. O seu percurso cruza­‑se ao longo
II

do último meio século com o desta instituição, tanto no campo do en­


sino como no da investigação e edição científicas, e nesse cruzamento
a Fundação muito beneficiou do seu conselho lúcido, do seu elevado
sentido deontológico e da sua dedicação ilimitada. É, pois, com orgulho
que a Fundação Calouste Gulbenkian se associa a este projeto editorial,
na certeza de que este constitui sem qualquer dúvida um contributo da
maior relevância para a bibliografia dos Estudos Clássicos em Portugal
e do pensamento português.

Artur Santos Silva

julho de 2013
PREFÁCIOS III

Numa altura em que o país tem ainda bem fresca na memória a


recente e tão honrosa classificação, pela UNESCO, da Universidade
de Coimbra, Alta e Sofia como Património Mundial da Humanidade,
importa ainda assim recordar que essa atribuição não ficou a dever­‑se
apenas ao património arquitetónico preservado, reconhecidamente
de enorme valor, mas também ao papel central que a Universidade
teve, ao longo de séculos, na projeção da cultura e língua portuguesas,
contribuindo assim para que Portugal se afirmasse como agente par­
ticularmente ativo na formação da história da humanidade. Este tipo
de património imaterial acaba, de resto, por ser ainda mais valioso,
na medida em que não se confina a um espaço geográfico determina­
do, mas antes leva as suas marcas a todo o universo onde a lusofonia
mantém presença perene e atuante.
Numa instituição académica, esse património imaterial vai sendo
construído, ao longo de séculos, pelo contributo continuado — e tantas
vezes discreto ou mesmo esquecido — de toda a estrutura universitária,
sendo que parte essencial do processo decorre da qualidade da pesquisa
desenvolvida e da formação facultada nesse mesmo espaço de estudo
e de reflexão. Os trabalhos produzidos pela Prof. Doutora Maria Helena
da Rocha Pereira, enquanto investigadora e docente, representam,
precisamente, um desses paradigmas notáveis de qualidade e dedica­
ção incondicional à ciência e à cultura —  capazes por isso mesmo de
construir a grandeza de uma instituição de referência dentro dos meios
académicos mais exigentes.
Que a Imprensa da Universidade de Coimbra tenha a oportunidade de
publicar a obra da Prof. Doutora M. H. da Rocha Pereira é seguramente
um dos momentos marcantes de uma casa editorial que celebra agora
os 240 anos de existência. Que o possa fazer ao abrigo de uma parceria
com a Fundação Calouste Gulbenkian, trata­‑se por certo de uma circuns­
tância altamente simbólica e feliz, dado que a autora dedicou dezenas
de anos do seu incessante labor à colaboração com estas instituições.
Que o lançamento desta iniciativa ocorra quando é Diretor da
IUC um dos inúmeros discípulos da autora será, sem dúvida, um
IV

mero acaso sem grande importância, mas que marcará, de forma


indelével, quem já tanto beneficiou, a nível pessoal, do saber e
orientação de um Mestre verdadeiramente especial. Possam agora
muitos mais leitores continuar a usufruir, igualmente, de uma obra
magna e sempre atual.

Delfim Ferreira Leão

Coimbra, julho de 2013


NOTA PRÉVIA V

NOTA PRÉVIA

Encontram­‑se nestes dez volumes, agrupadas por assuntos, obras da


autora publicadas ao longo de mais de seis décadas.
Um lugar especial é ocupado pelo primeiro tomo, que contém a tese
de doutoramento (Concepções Helénicas de Felicidade no Além, de Homero
a Platão) e a de concurso para professor associado (Sobre a Autenticidade
do Frg. 44 Diehl de Anacreonte). Os outros são, na sua maioria, Scripta
Minora. Assim, o Vol. II compreende uma série de quarenta e nove arti­
gos, constituídos por Estudos sobre a Grécia Antiga, que, principiando
por uma parte teórica de considerações sobre o mito, se ocupam em
seguida de vários autores helénicos, desde Homero a Plutarco.
No terceiro se juntaram traduções com introdução e notas, de poetas
gregos do séc. V a.C., desde Píndaro (sete odes) aos grandes trágicos, como
Sófocles (Antígona, Ájax) e Eurípides (Medeia, As Troianas, As Bacantes).
O volume IV é dedicado à Arte Antiga, num total de vinte e um estudos.
No volume V juntaram­‑se seis artigos sobre Roma e mais dez consa­
grados à Europa e ao Legado Clássico.
Ao volume VI pertencem o Latim Medieval, com obras médicas de
Pedro Hispano, e ainda o Regimento de Saúde Salernitano.
O volume VII contém mais obras em Latim Medieval (hagiografias
dos Portugaliae Monumenta Historica: S. Rosendo, Santa Senhorinha e
S. Teotónio) e, sobretudo, livros em Latim Renascentista (a Oração
de Sapiência de Belchior Beleago, um breve estudo sobre As Orações
de Sapiência e a Universidade e ainda Louvores Latinos ao Colóquio dos
Simples e Drogas).
Ao Vol. VIII cabem trinta e nove artigos sobre a Recepção das fontes
clássicas em Portugal, desde uma apreciação de ordem geral (Portugal e a
Herança Clássica) até considerações sobre A situação do tradutor literário,
bem como dois estudos sobre Helenismos.
No Vol. IX figuram quinze artigos sobre autores vários de
Língua Portuguesa até à oração Os caminhos da harmonia de uma
VI

língua única, apresentada na Academia Brasileira de Letras, a


convite desta, e à série de doze breves estudos subordinados ao
título Camoniana Varia.
O Vol. X, por sua vez, compreende três partes distintas: um conjunto
de recensões críticas publicadas em revistas nacionais e estrangeiras;
a série de “Notícias e Comentários” que figuram nos sucessivos volumes
das revistas Humanitas e Boletim de Estudos Clássicos; uma sequência de
textos provenientes de Biblos, a publicação anual da Faculdade de Letras
de Coimbra, no período em que a sua direcção estava entregue à autora
destas linhas; bem como textos avulsos sobre figuras notáveis da vida
universitária. No seu conjunto, encontram­‑se aqui dados que contri­
buem para os estudiosos poderem reconstituir o desenvolvimento dos
Estudos Literários, e, particularmente, dos Estudos Clássicos no nosso
País durante largos decénios.
Devido à presença de características que facilmente se compreendem,
ficaram excluídas deste plano as seguintes obras:
­‑ Pausaniae Graeciae descriptio. Edição crítica na Bibliotheca Scriptorum
Graecorum et Romanorum Teubneriana. Leipzig, 3 vols., 1ª ed. 1978­‑1981;
2ª ed. 1989­‑1990.
­‑ Estudos de História da Cultura Clássica. Lisboa, Fundação Calouste
Gulbenkian, 2 vols.
­‑ Vol. I. Cultura Grega, 1ª ed. 1966; 11ª ed. 2012.
­‑ Vol. II. Cultura Romana, 1ª ed. 1984; 4ª ed. 2008.
­‑ Platão, A República. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. Introdução,
tradução do grego e notas. 1ª ed. 1972; 13ª ed. 2012.
­‑ Hélade. Antologia da Cultura Grega. Organização e tradução do gre­
go. 1ª ed., Coimbra, Instituto de Estudos Clássicos, 1959; 10ª ed. Lisboa,
Guimarães Editores, 2009.
­‑ Romana. Antologia da Cultura Latina. Organização e tradução do
original. 1ª ed., Coimbra, Instituto de Estudos Clássicos, 1976 (com o
título Res Romanae); 6ª ed. Lisboa, Guimarães Editores, 2010.
­‑ Poesia Grega Arcaica. Antologia. (no original grego). Coimbra, Instituto
de Estudos Clássicos, 1ª ed. 1979; 2ª ed. 1994.
O mesmo sucedeu com os artigos das Enciclopédias Verbo (404);
Logos (42) e Biblos (18); e ainda com os editados nos fascículos do Grande
Dicionário de Literatura Portuguesa e Teoria Literária de José João Cochofel
(10) e com aquele que consta do Lexicon Iconographicum Mythologiae
Classicae (Basileia – Paris) e outro do Dicionário Luís de Camões.

Dados estes esclarecimentos, apenas me resta agradecer à Imprensa


da Universidade, ao seu Conselho Editorial e ao seu Director, Prof. Doutor
Delfim Ferreira Leão, a sua disponibilidade e interesse em editar estes
NOTA PRÉVIA VII

trabalhos dentro das limitações acima expostas, e bem assim à Fundação


Calouste Gulbenkian, pelo seu apoio em viabilizar esta edição. E, por
último, formular votos por que ela possa ainda ser útil aos estudiosos,
não obstante a variedade de épocas em que os trabalhos nela contidos
foram escritos.

Maria Helena da Rocha Pereira

Coimbra, Fevereiro de 2013


(Página deixada propositadamente em branco)
ÍNDICE GERAL
(Página deixada propositadamente em branco)
P refácios..........................................................................................................................I

CONCEPÇÕES HELÉNICAS
DE FELICIDADE NO ALÉM
DE HOMERO A PLATÃO

Nota preliminar........................................................................................................... 17

1ª Parte — A Evolução da Crença num A lém Feliz

Capítulo I — A s crenças mais antigas....................................................................... 21


a) Testemunhos arqueológicos...............................................................................................21
b) Testemunhos Literários..................................................................................................... 24
1-Mitos de terras longínquas.................................................................................. 26
α) Campos Elísios......................................................................................................................... 26
β) Ilhas dos Bem-aventurados................................................................................................... 28
γ) Leuce......................................................................................................................................... 30
δ) Os Hiperbóreos........................................................................................................................ 34
ε) O Jardim das Hespérides........................................................................................................ 36
2- Bem-aventurança no Hades................................................................................ 39
Capítulo II — Ideias Sobre um A lém Feliz Durante os Séculos VI e V A.C............ 47
a) Orfismo e Pitagorismo.......................................................................................................47
b) Empédocles...........................................................................................................................51
c) Testemunhos da poesia lírica e dramática......................................................................53
d) Testemunhos Epigráficos...................................................................................................59
Capítulo III — Platão.................................................................................................. 63
a) O mito do Górgias............................................................................................................... 66
b) O mito do Fédon...................................................................................................................67
c) O mito de Er......................................................................................................................... 68
d) O mito do Fedro....................................................................................................................70
e) O mito do diálogo pseudo-platónico Axíoco....................................................................72
Capítulo IV — A s L âminas de Ouro............................................................................ 75
2ª Parte —A nálise das Descrições L iterárias

Capítulo I — δ, 561 seqq............................................................................................... 85


Capítulo II — A s Ilhas dos Bem-aventurados em H esíodo....................................... 91
Capítulo III — Píndaro................................................................................................ 99
a) O mito da IIª Olímpica........................................................................................................ 99
1— κενεὰν παρὰ δίαιταν (65)................................................................................. 102
2—ἔτειλαν Διὸς ὁδόν (70)...................................................................................... 103
3— παρὰ Κρόνου τύρσιν (70).................................................................................. 104
4—μακάρων / νᾶσον (71 ‑ 72)................................................................................ 109
5— ὅρμοισι τῶν χέρας ἀναπλέκοντι καὶ στεφάνους (74)................................... 110
6— ὃν πατὴρ ἔχει μέγας ἑτοῖμον αὐτῷ πάρεδρον,.............................................. 112
b) O fragmento 129 Snell = 114 Bowra = 135 Turyn........................................................... 115
Capítulo IV — «A s rãs» de A ristófanes.................................................................. 121
Capítulo V — Os Mitos Escatológicos de Platão. .................................................. 127
a) O mito do «Górgias» (523A-527E).................................................................................... 128
b) O mito do «Fédon» (107D-114C)....................................................................................... 131
c) O mito de Er («Rep.» X, 614A-621D)................................................................................ 133
d) O mito do «Fedro» (246A-257B)....................................................................................... 135
Capítulo VI — O mito do «Axíoco» (371A - 372A)....................................................139

3ª Parte - Os T emas

1- δ, 561-569............................................................................................................................ 145
2- Hesíodo, «Trabalhos e Dias» 167-173.............................................................................. 146
3- Descrições do além em Píndaro...................................................................................... 146
a) Ol.II, 61-67............................................................................................................ 146
b) Ol. II, 68-83.......................................................................................................... 147
c) O Frg. 129 Snell.................................................................................................... 147
4- «As Rãs» de Aristófanes.................................................................................................. 148
5- Os mitos escatológicos de Platão.....................................................................................149
a) O mito dos «Górgias»......................................................................................... 149
b) O mito do «Fédon» (107D-114C)......................................................................... 149
c) O mito de Er (Rep. X, 614A-621D)...................................................................... 150
d) O mito do «Fedro».............................................................................................. 150
6- O mito do «Axíoco».......................................................................................................... 151

Bibliografia................................................................................................................ 153
a) Edições e «Scholia» de autores clássicos....................................................................... 155
b) Bibliografia Geral..............................................................................................................161
SOBRE A AUTENTICIDADE DO
FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Nota preliminar......................................................................................................... 179


Introdução ................................................................................................................. 183

1ª Parte — A nálise das poesias autênticas de A nacreonte.

Capítulo I — Os temas e as ideias............................................................................. 191


Capítulo II —Os metros............................................................................................. 203
Capítulo III — L inguagem e estilo............................................................................ 209
Capítulo IV — Comparação com as «A nacreontea»............................................... 217

2ª Parte— Notícia histórica sobre o problema


da autenticidade do frg. 44 Diehl

Capítulo único — Notícia histórica do problema. ................................................. 227

3ª Parte — Fundamentação das dúvidas


sobre a autenticidade do frg. 44 Diehl

Capítulo I — A s Ideias. .............................................................................................. 233


1 —Confronto com a ideologia da Anacreonte .................................................. 233
2—Esboço da evolução das ideias contidas no frg. 44 Diehl.............................. 235
α) — A velhice ........................................................................................................................... 235
β) — O Hades e o Tártaro.......................................................................................................... 254
γ) — «irremeabilis unda»......................................................................................................... 277

Capítulo II — A linguagem........................................................................................ 287


Conclusão. .................................................................................................................. 295
Bibliografia................................................................................................................ 301
Índice de autores........................................................................................................ 315
a) Antigos................................................................................................................. 317
b) Modernos............................................................................................................. 322
Índice de palavras e expressões anacreônticas...................................................... 339
(Página deixada propositadamente em branco)
CONCEPÇÕES HELÉNICAS
DE FELICIDADE NO ALÉM
DE HOMERO A PLATÃO
Edições "Maranus", Porto, 1955
DISSERTAÇÃO DE DOUTORAMENTO
EM FILOLOGIA CLÁSSICA
NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
(Página deixada propositadamente em branco)
A MEUS PAIS
(Página deixada propositadamente em branco)
NOTA PRELIMINAR

É sabido que os helenos nunca tiveram um corpo de doutrina estabe-


lecido acerca do destino das almas e do modo da sua sobrevivência. Este
mesmo facto fez com que diversos mitos se formassem e coexistissem
durante séculos, e por vezes o mesmo autor se tornasse intérprete de
mais do que uma tradição escatológica.
Para nós, a perspectiva sombria do Hades homérico é a primeira
forma que essas concepções assumiram. Mas, por outro lado, quando
se menciona, pela primeira e única vez na Odisseia, a possibilidade de um
homem continuar a existir numa região privilegiada, a que se dá o nome
de Campos Elísios, as palavras que traduzem esse pensamento dão claro
testemunho da antiguidade da crença. Ao lado desta existiam outras,
de que algumas perderam o significado no volver dos anos, entrando
depois na mitologia sob uma rubrica diferente, e outras pela sua se-
melhança, vieram a confundir‑se inextricavelmente com a mais antiga
versão que conhecemos.
Foi sobretudo a literatura que nos preservou os documentos que permi-
tem reconstituir estes mitos. O elemento emocional que entra nestas con-
cepções — o poeta tornava‑se arauto da esperança humana — e o aspecto
puramente estético de que facilmente se revestia — concretizando‑se em
visões deleitosas — faziam delas um tema de eleição, que quase todos os
escritores aproveitaram. Deste modo, um estudo desta feição da religião
grega facilmente se volve em ensaio de estética literária.
Porém a análise de uma obra de arte deve compreender todos os as-
pectos, desde o problema das fontes ideológicas às minúcias da crítica
textual. Só depois de conhecido o fundo comum da tradição, é possível
apreciar o aproveitamento que dela fizeram os autores, assim como é
necessário estabelecer um texto, sobre o qual se baseie a consideração
do seu estilo.
Estavam assim naturalmente determinadas duas partes do meu tra-
balho: a primeira tinha de estudar, de um modo geral, a evolução da
crença num além feliz, fazendo uso de todos os dados que permitissem
reconstituir esse processo; a segunda, de ocupar‑se dos desenvolvimentos
literários a que tais concepções deram lugar, analisando os pontos de
crítica do texto cuja solução afectava a interpretação do mesmo, para
considerar em seguida o seu aspecto estilístico. Encontrava‑se assim
aberto o caminho para a terceira parte, na qual se podiam já distinguir
os temas de que cada poeta se serviu, denunciando desse modo, embora
sob a influência de uma tradição literária importante, a sua própria ma-
neira de conceber a felicidade. Depois de se terem enumerado as formas
correntes dessa noção, e de ter analisado o seu tratamento literário,
pareceu‑me interessante procurar surpreender, através da escolha dos
tópicos, o modo de pensar dos autores. E fácil é concluir que os mitos
platónicos, dando expressão poética a um pensamento eminentemente
filosófico, mesmo quando põe de parte a habitual argumentação dia-
léctica, para usar a forma livre da alegoria, imprimiram às crenças na
felicidade no além um cunho que não mais se desvaneceu. Daí os limites
que demarquei a este estudo. O que se segue, mesmo quando embelezado
pela fantasia de Plutarco, ou caricaturado pela irreverência de Luciano,
apresenta um interesse diminuto e não passa de um pálido reflexo do
poder criador de alguns dos maiores poetas helénicos.
Antes de concluir esta breve nota, não quero deixar de agradecer a to-
das aquelas entidades ou pessoas que tornaram possível este trabalho, em
especial às Universidades de Coimbra e de Oxford, a quem devo a minha
preparação, através dos seus mestres ilustres, dos quais é justo que
saliente, pelo papel que desempenharam na minha formação clássica,
o Prof. Doutor Carlos Ventura e o Prof. E. R. Dodds, D. Litt., a cujo vasto
saber e nunca desmentida afabilidade não recorri nunca em vão; e ao
Instituto de Alta Cultura, que, concedendo‑me bolsas de estudo e ou-
tras facilidades, por duas vezes me proporcionou longas e proveitosas
estadias na mais antiga cidade universitária britânica.

Coimbra, Janeiro de 1955.


1ª PARTE
A EVOLUÇÃO DA CRENÇA NUM ALÉM FELIZ
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO I
AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS

É escassa a informação que possuímos sobre as crenças mais anti-


gas. Das duas fontes de que dispomos para o conhecimento dessa época,
a saber, a arqueológica e a literária, apenas a primeira remonta a um
período pre‑helénico. Nos próximos parágrafos tentarei dar um sumá-
rio dos dados mais importantes, para seguidamente os interpretar, na
medida em que isso for possível.

a) Testemunhos arqueológicos

É fora de dúvida que o testemunho da arqueologia confirma a existência de


uma crença em qualquer forma de sobrevivência, sem a qual não é concebível
que se continuasse a abastecer os mortos de alimentos e a colocar‑lhes nos
túmulos objectos de que se haviam servido durante a vida. Os achados feitos
em sepulturas, desde a Idade do Bronze até ao alvorecer da Idade do Ferro,
provam que se supunha que uma espécie de vida no túmulo era o destino
atribuído aos mortos em geral. Deve ter sido esta a concepção mais primitiva
do além, não só entre a população pre‑helénica, como entre outras também.
Segue‑se‑lhe uma extensão deste conceito, segundo a qual a existência se
prolonga, não já no próprio túmulo, mas numa mansão comum a todos os
que deixaram a vida. Esta alteração começa a manifestar‑se no final da Idade
do Bronze, em diversos pontos da parte oriental do Mediterrâneo, e não é
difícil acreditar que ela tenha surgido como uma consequência natural da
substituição da prática da inumação pela da cremação1. Esta última apare-
ce no período sub‑micénico, sem que, contudo, se verifique uma transição

1 Cf. J. A. K. Thomson, Studies in the Odyssey, p. 25; Chadwick, The Heroic Age,

p. 398; Ridgeway, Early Age of Greece, cap. VII.


22 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

brusca 1. Concomitantemente com esta evolução, as condições materiais


do túmulo foram transferidas para a mansão dos mortos. Em consequência
disso, tal lugar aparecia à imaginação dos vivos como uma vasta extensão
de sombra, podridão e lodo. Em breve veremos a especial importância que
estas características assumiram na modelação das concepções do além.
Além destes achados em sepulturas, dispomos presentemente de um
pequeno número de monumentos, que parecem ter estado de algum modo
relacionados com as concepções escatológicas na época pre‑helénica,
a saber, o sarcófago de Haghia Triada e o chamado «Anel de Nestor».
Porém, nenhum deles pode ser interpretado com segurança, devido ao
facto de serem ambos documentos pouco menos que isolados na época
minóica e ainda a outras circunstâncias que vamos enumerar.
O sarcófago de Haghia Triada tem sido objecto de muita discussão desde
o seu aparecimento, principalmente porque não se lhe conhecia paralelo,
até se descobrir o larnax de Episkopi. Desnecessário será, para o nosso pre-
sente intuito, repetir aqui todas as interpretações, propostas até à data, de
tão enigmático monumento, as quais se encontram inventariadas por M. P.
Nilsson na sua obra Minoan‑Mycenaean Religion and its Survival in Greek Religion2.
Apenas focaremos os pontos principais: parece não haver dúvida de que
as cenas aí representadas estão de qualquer modo relacionadas com o des-
tino da pessoa inumada; contudo, o que nós observamos não são cerimónias
fúnebres, mas cultuais; e fácil é distinguir elementos egípcios, como as vestes
dos sacerdotes e a barca, entretecidos com símbolos inegavelmente minói-
cos, como os machados de dois gumes, a árvore e os chifres de consagração.
Por outro lado, atribuiu‑se o sarcófago, por razões de estilo, na ausên-
cia de elementos externos que permitam datá‑lo, como sejam achados
feitos no túmulo, ao período de transição do Minóico Recente II para o
Minóico Recente III.
Combinando todos estes dados com a escassez de túmulos da época
áurea da civilização minóica, e, por outro lado, com a riqueza e abundân-
cia dos monumentos fúnebres micénicos, M. P. Nilsson conclui que aquele
deve ter sido executado para qualquer abastado chefe micénico, de acordo
com os usos desse povo, e que, como os artistas minóicos não tinham pre-
cedentes em matéria de pinturas funerárias, se serviram dos modelos que
eram do seu conhecimento, delineando assim uma cena de culto divino3.

1 Os dados encontram‑se em J. Wiesner, Grab und Jenseits. Untersuchungen im

Ägäischen Raum zur Bronzezeit und frühen Eisenzeit.


2 Cap. XIII, The Sarcophagus from Haghia Triada, pp. 426‑443 e ainda pp. 629‑630.

3 Pp. 442‑443: «It seems that a mingling of Mycenaean veneration for the mighty

Dead and Egyptian divinization of the dead, covered with a garb of Minoan divine
cult, accounts satisfactorily for these astonishing funeral paintings».
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 23

Actualmente, a presença dos Micénios em Creta, durante o Minóico


Recente II e o III, acaba de ser confirmada pelo testemunho da linguística,
graças à decifração da Linear B das tábuas de Cnossos1. Tudo isto prova que
houve transmissão de ideias e formas de um para outro povo.
O outro monumento arqueológico tem sido também objecto de dis-
cussão, em grau não inferior ao precedente, mas a sua autenticidade está
sujeita a sérias dúvidas. Trata‑se do «Anel de Nestor», no qual Sir Arthur
Evans2 e outros viram a representação de uma cena do além. Na verdade,
o famoso descobridor do Palácio de Minos tomou as largas zonas, que se-
param os quatro sectores da superfície, como o tronco e ramos da «árvore
da vida» e a parte superior esquerda, com as suas borboletas e crisálidas
suspensas sobre as duas figuras sentadas, como um símbolo do além feliz.
M. P. Nilsson tem suspeitas acerca da autenticidade do anel, baseando‑se
em que as cenas parecem ter como centro natural a corte do leão, que se
encontra no canto superior direito — como se me afigura evidente — e que
uma zoolatria dessa espécie era desconhecida no mundo minóico. É este
facto precisamente que o faz pensar que o gravador da cena transformou,
por desconhecimento dos costumes da época, o que devia ser uma mesa
de sacrifícios no pedestal da imagem sagrada do Leão3. Quanto à interpre-
tação das borboletas e crisálidas como prefiguração do destino das almas,
rejeita‑a, por demasiado subtil para o tempo. Por estes motivos, cuja vali-
dade não podemos infirmar, somos forçados a pôr de parte, como sujeitas
a caução, as informações que este monumento poderia ministrar‑nos.
Nem tão‑pouco podemos apoiar‑nos noutras peças arqueológicas, como
os anéis de ouro de Tirinto e Atenas, embora por causas diferentes. Pelo
que toca ao primeiro, houve já quem visse nele uma representação da
cena da partida de Menelau e Helena para os Campos Elísios4; no segundo,
pensou‑se poder distinguir a figura de Hermes Psicopompo. Num e noutro
caso se pode objectar que eram cenas da vida comum, e não da mitologia,
que se gravavam nos tempos mais antigos5 e que qualquer delas é passível
de diversas interpretações, às quais assiste o mesmo grau de probabilidade.

1 Cf. M. Ventris and J. Chadwick, Evidence for Greek Dialects in the Mycenaean Archi-

ves, in Journal of Hellenic Studies, vol. LXXIII, 1953, pp. 85‑103, especialmente p. 84.
2 Sir Arthur Evans, ‘The Ring of Nestor’: a glimpse into the Minoan after‑world and

a sepulchral treasure of gold signet‑rings and bead seals from Thisbe, Boeotia, in Journal
of Hellenic Studies, vol. XLV, 1925, pp. 1‑75, e Palace of Minos, vol. II, pp. 155 seqq.,
The Ring of Nestor.
3 Minoan‑Mycenaean Religion 2 ..., p. 50.

4 Uma cena semelhante aparece no anel de ouro de Creta (citado por M. P.

Nilsson, ibidem), mas também, não deve ter significado mitológico.


5 Cf. M. P. Nilsson, op. laud., pp. 38‑39, onde se encontra uma discussão exaus-

tiva do assunto e bibliografia.


24 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

b) Testemunhos literários

A Ilíada parece desconhecer qualquer outra possibilidade, pelo que


toca aos últimos fins do homem, que não seja ir para o Hades. Por mais
honrarias de que alguém tenha sido alvo durante a vida, por motivo da sua
ἀριστεία, apenas as trevas infernais o aguardam no além. Os mortos são
todos descritos como εἴδωλα καμόντων1...... ἄταρ φρένες οὐκ ἔνι πάμπαν2.
O mesmo se verifica com a Odisseia, onde são chamados ἀμενηνὰ κάρηνα 3;
e tudo isto está em perfeita concordância com a mísera condição que se
encontra tão dramaticamente retratada na famosa exclamação de Aquiles:

βουλοίμην κ᾽ ἐπάρουρος ἐὼν θητευέμεν ἄλλῳ,


ἀνδρὶ παρ᾽ ἀκλήρῳ, ᾧ μὴ βίοτος πολὺς εἴη,
ἢ πᾶσιν νεκύεσσι καταφθιμένοισιν ἀνάσσειν.
(λ 489‑491)

Os mortos podem continuar a exercer as actividades a que se haviam


dedicado em vida. Assim, Aquiles é príncipe, Minos é juiz e Órion anda à
caça, mas daí não lhes advém qualquer espécie de felicidade.
Se esta era a concepção popular grega do além 4 ou uma invenção de
Homero 5 , que prevaleceu sobre as ideias anteriores, é pergunta a que
não é fácil responder, por falta de provas concludentes num ou noutro
sentido. Tudo leva a crer que uma boa fonte de informações sobre este
problema se perdeu com os poemas cíclicos, que parecem ter incluído
extensas narrativas de carácter escatológico 6. Porém o seu estado frag-
mentário não nos permite formular quaisquer hipóteses.
No estado actual dos nossos conhecimentos, tem‑se por certo
que não houve quebra na linha de continuidade da civilização entre
Micénios e Gregos, quer na arqueologia, quer na língua. Por outro lado,
as características que distinguem os Micénios do povo cuja cultura
herdaram, ou seja, os Minóicos, definem, sem dúvida, uma concepção
da vida diferente 7 . Que o seu modo de encarar a morte era igualmente

1 Ψ 72.
2 Ψ 104.
3κ 521, 536; λ 29, 49. etc.
4Segundo a teoria de M. P. Nilsson, Minoan‑Mycenaean Religion, pp. 620‑621, e outros.
5 Tese de E. Rohde em Psyche.

6 É conhecido, pelo menos, um caso seguro, em que se seguiu uma tradição diferente — o mito

de Caronte, que constava da Μινυάς. Cf. Pausânias, X, XXVIII‑XXXI, especialmente X, XXVIII, 2.


7 Encontram‑se inventariadas por M. P. Nilsson em Minoan‑‑Mycenaean Religion2,

pp. 17‑20 e Homer and Mycenae, p. 72. Na primeira dessas obras, a p. 30, o autor
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 25

divergente, demonstram‑no os costumes funerários, uma vez que os


túmulos micénicos eram construídos com extrema magnificência,
que falta por completo nas sepulturas minóicas. Porém, se o carácter
acentuadamente guerreiro dos monumentos micénicos está em perfeito
acordo com o espírito bélico que anima a Ilíada, outro tanto não se
pode afirmar acerca das práticas observadas nos funerais, pois há um
único exemplo – e este tão notável que ocupa todo o penúltimo canto
do poema — que se possa classificar, sem hesitações, de sobrevivên-
cia de antigos usos. Estes últimos, por sua vez, estão mais próximos
do culto dos heróis, cuja ausência nos poemas homéricos é notória,
do que da noção de sombras errantes no Hades, que estes definem.
É de crer que fosse Homero, como supõe E. R. Dodds 1 , o primeiro a
formular a distinção entre cadáver e fantasma. O facto é confirmado,
em minha opinião, pelo uso das partículas ἦ ῥά na exclamação soltada
por Aquiles, depois de lhe ter aparecido o fantasma de Pátroclo, as
quais servem para pôr em relevo a novidade da experiência que ele
acaba de sofrer:

ὢ πόποι ἦ ῥά τίς ἐστι καὶ εἰν Ἀίδαο δόμοισιν


ψυχὴ καὶ εἴδωλον, ἀτὰρ φρένες οὐκ ἔνι πάμπαν·
(Ψ 103‑104)

Em conclusão, os escassos elementos de que dispomos não nos per-


mitem afirmar se o Hades da Ilíada estava já na tradição ou não, tanto
mais que sabemos como é variável o uso que os poemas homéricos fazem
de ideias e objectos micénicos 2 .
Mas há ainda outra concepção do além de que encontramos um eco
na Odisseia. Dela vamos tratar em seguida.

declara: «In the first edition of this book, I regarded Minoan and Mycenaean
religion as almost identical, though not without pointing to certain differences.
This was rash, for images may cover very different ideas and conceal them. The
art of a cultured people develops under a number of fixed art‑types, which are
used constantly. When an unlettered but gifted people, having only the rudi-
ments of art comes into contact with such a store of fixed types, it takes them
over, but the underlying religious ideas may be of a quite different order. In such
circumstances monuments may be deceptive, as regards religion».
1 The Greeks and the Irrational, p. 136.

2 Que Homero era tido por a melhor autoridade em crenças relativas ao

Hades — como aliás em muitos outros assuntos — demonstra‑o aquele passo


da Rep. III, 386A‑387B, em que Platão condena as descrições da morte pelos
poetas, como uma fonte de temores para a humanidade. Todos os exemplos aí
citados são homéricos!
26 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

1 — Mitos de terras longínquas

α) Campos Elísios

Afirma‑se nos versos 561‑569 do Livro IV da Odisseia que Menelau


não está destinado a sofrer a morte 1 , mas será enviado pelos deuses
para os Campos Elísios, pelo facto de ser marido de Helena e, como tal,
genro do próprio Zeus. A região para onde ele será levado está situada
ἐς πείρατα γαίης, é dotada de um clima ideal, que torna a vida mais
fácil, e Radamanto encontra‑se lá. O uso da palavra ἀνθρώποισιν em
565 e ἀνθρώπους em 568 mostra que aí habitavam outros homens. Por
conseguinte, há duas ideias a anotar: (1) Menelau escapa à morte; (2)
aquela terra destina‑se a homens privilegiados.
O clima é muito semelhante ao que é atribuído ao Olimpo em ζ 42 seqq.,
facto que fácil é explicar pela circunstância de ambos os lugares serem
ideais. Também ῥηίστη βιοτή em 565 é uma expressão paralela a θεοὶ ῥεῖα
ζώοντες em ζ 138, δ 805, ε 122, que descreve a vida dos deuses.
Mas isto não significa, em minha opinião, que se deva postular a
identidade dos dois lugares. O emprego repetido da palavra ἄνθρωποι
e a indicação da situação não nos deixam dúvidas sobre o assunto 2 .
Quanto à origem desta concepção, de todo alheia às ideias sobre o além
expressas noutras partes dos poemas homéricos, muito se tem discutido
desde a antiguidade. Já os escoliastas procuravam elucidá‑la com o auxílio
da etimologia. Dou a seguir um exemplo típico dessas tentativas:

Ἠλύσιον πεδίον ‑ ἐκ τοῦ λύω. λύονται γὰρ τῶν βιωτικῶν δεσμῶν


οἱ ἀπελθόντες ἐκεῖ. Καὶ κατὰ πλεονασμὸν τοῦ η Ἠλύσιον... Ἀπίων
διὰ πολλῶν κατασκευάζει τὴν περὶ Κάνωβον καὶ Ζεφυρίου πεδιάδα
Ἠλύσιον εἰρῆσθαι ἀπὸ τῆς Νείλου ἰλύος πέρατα δὲ γῆς, τῆς Αἰγυπτίας.
ἐπὶ θαλάσσῃ γάρ κεῖται. 3

1 A interpretação de que Menelau não estava destinado a morrer em Argos,

mas sim mais tarde, nos Campos Elísios, não precisa de ser considerada sequer.
Sobre isso veja‑se E. Rohde, Psyche I, p. 76, nota 1.
2 A possibilidade de certos homens se tornarem deuses é, por conseguinte,

um caso diferente. Calipso promete a imortalidade a Ulisses, se ele consentir em


permanecer junto dela (ἀθάνατός τ᾽ εἴης, ε 209) e Ino Leucoteia havia sido mortal:

....................ἣ πρὶν μὲν ἔην βροτὸς αὐδήεσσα,


νῦν δ᾽ ἁλὸς ἐν πελάγεσσι θεῶν ἒξ ἔμμορε τιμῆς.
(ε 334‑335)
3 Dindorf, Scholia Graeca in Homeri Odysseam, ad locum.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 27

Os lexicógrafos antigos explicavam‑na de idêntico modo. Assim por


exemplo Hesíquio, s. u.:

Ἠλύσιον. μακάρων νῆσος. εἴρηται δὲ ἐν ἴσῳ τῷ οὐ λύσιον. ὅπου οὐ


διαλύονται ἀπὸ τῶν σωμάτων αἱ ψυχαὶ καὶ οἱ μέν φασι περὶ Αἴγυπτον
εἶναι, οἱ δὲ περὶ Λέσβου. Ἄλλοι κεκεραυνωμένον χωρίον ἢ πεδίον. τὰ δὲ
τοιαῦτά εἰσιν ἄβατα. καλεῖται δὲ καὶ ἐνηλύσια Πολέμων δὲ Ἀθηναίους
φησὶ καὶ ἄλλοι τὸ κατασκηφθὲν Χωρίον ἢ ἱερὸν. καὶ παράδεισος.

Suidas repetiu estas palavras com relativa fidelidade, acrescentando


apenas ἱερὸν περὶ Ἅιδην.
Também o Etymologicon Magnum esclarece (p. 341, 5):

Ἐνηλύσια λέγεται εἰς ἃ κεραυνὸς εἰσβέβληκεν, ἃ καὶ ἀνατίθεται Διὶ


καταιβάτῃ καὶ λέγεται ἄδυτα καὶ ἄβατα.

Esta etimologia foi retomada, em tempos modernos, por J. G. Vuertheim1.


Também Wilamowitz considerou a palavra como um nome comum, com
o sentido de «geheiligt», «unzugänglich», e não como um nome próprio2.
A relacionação com a raiz *ἐλυθ, ‑ que é extremamente tentadora ‑
foi proposta por Fick 3 e explicada por Saussure 4 como um alongamento
rítmico do ἐ‑. Mas, ainda que assim fosse, ἐ‑ daria εἰ‑ e não ἠ‑, conforme
Wackernagel observou 5. L. Meyer 6 também reconhece a impossibilidade
desta etimologia. Boisacq7 continua a atribuir‑lhe o sentido fundamental
de «plaine de l’arrivée» e E. Rohde 8 traduz «Land der Hingegangen».
Entendo que a palavra não pode ser explicada por uma raiz grega e
que a sua associação, desde os tempos mais antigos, com Radamanto,
cujo nome está claramente ligado à Creta primitiva, conforme já foi
demonstrado 9 , indica uma origem minóica. É esta também a conclusão

1 Rhadamanthys, Ilithyia, Elysion, in Medelingen der Akademie van Wetenskappen


te Amsterdam, 1925, LIX, p. 1.
2 Glaube der Hellenen, II, p. 15, nota 1.

3 Vergleichendes Wörterbuch der indogermanischen Sprachen 3, Göttingen, 1874‑6, I, p. 200.

4 Mélanges Graux, p. 740 seqq.

5 Dehnungsgesetz der griechischen Composita. Basel, 1889, p. 5.

6 Griechisches Etymologisches Wörterbuch, I, p. 640.

7 Dictionnaire étymologique de la Langue Grecque 4 , p. 322.

8 Psyche, I, p. 76.

9 Por L. Malτen, Elysion und Rhadamanthys in Jahrbuch des kaiserlich deutschen

Archäologischen Instituts, Berlin, 1913, Band XXVIII, pp. 35‑51. O mesmo autor
discute também a origem de ἤλυσις que surge três vezes em Eurípides (Phoin.
28 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

a que chegou M. P. Nilsson 1, embora com base noutros argumentos, no-


meadamente que a concepção do Elísio é tão estranha às ideias do além
nos poemas homéricos que não pode deixar de vir de outro povo, o qual
certamente seria o minóico 2 . É esta a proveniência que se atribui aos
nomes em que entra o elemento ‑ νθ ‑; e a brevidade da expressão ὅθι
ξανθὸς ‘Ραδάμανθυς; liga, de uma maneira indiscutível, o nome do herói
com o Elísio, ao mesmo tempo que prova a difusão desta última concepção.

β) Ilhas dos Bem‑aventurados

Hesíodo, nos seus Trabalhos e Dias, consagra seis versos à descrição de um


lugar especial, que denomina μακάρων νῆσοι, onde alguns homens da quarta
geração, que não pereceram em Tebas ou em Tróia, foram instalados por
Zeus, a fim de fruírem de u�������������������������������������������������
m������������������������������������������������
a vida agradável. A situação desta terra longín-
qua é idêntica à da Odisseia, como idênticos são também alguns pormenores,
tais como a proximidade do Oceano, as facilidades de vida e o privilégio de
escaparem à morte. Contudo existem algumas diferenças que não têm sido
convenientemente postas em relevo. Quero referir‑me à situação em que
eles se encontram em relação ao comum da humanidade: acentua‑se que
ficarão separados desta (δίχ’ ἀνθρώπων, 167) e voltam a ser qualificados de
ἥρωες (172). O determinativo das ilhas que habitam ‑ μακάρων ‑ também
mostra que o estado a que foram elevados é algo semelhante ao dos deuses,
pois era a estes principalmente que aquele epíteto se aplicava na antiga
epopeia3. Os exemplos dessa acepção são numerosíssimos, tanto em Homero

844, Hec. 67, Heracl. 1041). Wackernagel (Dehnungsgesetz, p. 37) explica o η como
proveniente de uma formação analógica de uma palavra simples a partir de uma
composta, como ἔπηλυς, εἰσηλυσίη, de modo que o η poderia ter‑se desenvolvido
regularmente por meio desse tipo de alongamento. Malten considera a palavra
como uma criação de Eurípides, a partir do composto, uma vez que não aparece
em qualquer outro texto grego, com excepção de uma glossa de Hesíquio sem
citação de fonte: ἠλυσίη ὁδός, teoria esta que tem muito de provável. As etimolo-
gias semíticas de Ἠλύσιον não merecem ser discutidas.
1 Minoan‑Mycenaean Religion, p. 623.

2 Calino ignora por completo tal possibilidade, mesmo para os filhos dos deuses:

οὐ γάρ κως θάνατόν γε φυγεῖν εἱμαρμέρον ἐστὶν


ἄνδρ’, οὐδ’ εἰ προγόνων ἦι γένους ἀθανάτων.

(Frag. I, 12‑13 Diehl).

3 A história da evolução do sentido desta palavra foi feita por L. Malten, op. laud.,

p. 38, nota 4, e E. Rohde, Psyche, I, p. 308, nota 1. Sobre o seu significado corrente
no séc. V a. C. elucida‑nos o frg. 488 Kock de Aristófanes.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 29

como em Hesíodo e na poesia elegíaca e lírica primitiva. Os versos 135‑142


dos Trabalhos e Dias ilustram bem a futura evolução do sentido da palavra:

…………………οὐδ’ ἀθανάτους θεραπεύειν  


ἤθελον οὐδ’ ἔρδειν μακάρων ἱεροῖς ἐπὶ βωμοῖς,
ᾗ θέμις ἀνθρώποις κατὰ ἤθεα. τοὺς μὲν ἔπειτα
Ζεὺς Κρονίδης ἔκρυψε χολούμενος, οὕνεκα τιμὰς
οὐκ ἔδιδον μακάρεσσι θεοῖς οἳ Ὄλυμπον ἔχουσιν.
αὐτὰρ ἐπεὶ καὶ τοῦτο γένος κατὰ γαῖα κάλυψε,
τοὶ μὲν ὑποχθόνιοι μάκαρες θνητοὶ καλέονται,
δεύτεροι, ἀλλ’ ἔμπης τιμὴ καὶ τοῖσιν ὀπηδεῖ.

O adjectivo é, portanto, usado três vezes. No verso 136, μακάρων empregado


absolutamente torna manifesto que se designam os deuses. No verso 139 ape-
nas qualifica θεοῖς. Em 141 está referido aos homens da segunda geração que
se tornaram ὑποχθόνιοι μάκαρες, uma espécie de divindades subterrâneas1.
Parece‑me que, no verso 171, μακάρων conserva ainda algo do primitivo
significado da palavra2.
Outro ponto não menos importante é que não se faz menção de Radaman-
to, cuja associação com os Campos Elísios em δ 561 seqq. era tão estreita que
bastava a simples frase ὅθι ξανθὸς Ῥαδάμανθυς para definir o lugar.
Além disso, nada sugere a possibilidade de outras quaisquer pessoas
jamais serem mandadas para essas ilhas. Destinavam‑se unicamente aos
ἥρωες; da quarta geração.
De tudo isto parece poder‑se concluir que, a princípio, as concepções de
Campos Elísios e Ilhas dos Bem‑aventurados eram distintas. O facto de as duas
mais antigas referências conhecidas darem a estas regiões privilegiadas nomes
diferentes é bastante significativo.
M. P. Nilsson chama a atenção para a circunstância de as Ilhas dos Bem‑aven-
turados dos antigos egípcios serem providas de grande abundância de alimentos,
e de Hesíodo insistir na mesma qualidade3. A coincidência pode explicar‑se,
alegando que um solo extremamente rico representava igualmente o cúmulo

1 Para a interpretação deste passo por Platão, veja‑se Crat. 397E‑398D. Cf.

também E. Meyer in Genethliakon Robert, p. 173, e Farnell, Greek Hero‑Cults and


Ideas of Immortality, pp. 12‑13.
2 Usener (Sintflutsagen, p. 214) citada por Waser in Pauly‑Wissowa, s. u. Elysion,

entende que «Das Land der Götter und der Aufenthaltsort der Seligen sind nicht
nur unter demselben Bilde angeschaut worden, sondern ursprünglich eins». Já
não é este o caso dos Campos Elísios homéricos, mas podem talvez discernir‑se
alguns vestígios dessa concepção nas Ilhas dos Bem‑aventurados de Hesíodo.
Evidentemente que considero o verso 169 espúrio.
3 Minoan‑Mycenaean Religion, pp. 626‑627.
30 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

da felicidade para o povo do Delta e para o autor dos Trabalhos e Dias. Mas tam-
bém é muito provável que as Ilhas dos Bem‑aventurados dos egípcios fossem
conhecidas dos Minóicos, como a barca e todo o estilo da cena representada
no sarcófago de Haghia Triada parecem comprovar.
É de crer que fossem do conhecimento dos Minóicos duas concepções
ligeiramente diferentes de um além feliz, das quais uma se teria origi-
nado nesse povo e a outra teria sido trazida do Egipto. Dada a similari-
dade do seu conteúdo, em breve se confundiram e, quando aproveitadas
e desenvolvidas para fins literários, o quadro obtido era quase o mesmo.
De tal modo que, mais tarde, já não há possibilidade de as distinguir 1.
Seja como for, as μακάρων νῆσοι parecem ter‑se tornado mais po-
pulares, pois as encontramos mencionadas no skolion de Harmódio e
Aristogéiton, em época tão antiga como seja o final do séc. VI a. C. 2 .
Outras citações posteriores, como as de Aristófanes, Vespae, 639‑640,
Platão, Symposium, 179E‑180B e Menexenus 235C confirmam esta asserção;
para não falar dos muitos exemplos epigráficos, a partir do séc. I a. C.

γ) Leuce

Segundo Proclo, Χρηστομαθείας γραμματικῆς τὸ β’ 3 , a Aithiopis assi-


nalava um destino muito especial a Aquiles:

…..καὶ μετὰ ταῦτα ἐκ τῆς πυρῆς ἡ Θέτις ἀναρπάσασα


τὸν παῖδα εἰς τὴν Λευκὴν νῆσον διακομίζει.

A mais antiga referência a este mito, que chegou até nós, consta do
frg. 48B Bergk de Alceu:

..... Ἀχίλλευς ὀ τὰς Σκυθίκας μέδεις

1 Demonstra‑o claramente o epigrama 461 da Anthologia Palatina (Appendix

Noua) = Kaibel, E. g., 649:

Οὺκ ἔθανες, Πρώτη, μετέβης δ’ἐς ἀμείνονα χῶρον,


Καὶ ναίεις μακάρων νήσους θαλίῃ ἐνὶ πολλῇ,
ἔνθα κατ’ Ἠλυσίων πεδίων σκιρτῶσα γέγηθας,
ἄνθεσιν ἐν μαλακοῖσι, κακῶν δ’ἔκτοσθεν ἁπάντων.
........................................................................................

e ainda Luciano, Ιup. Conf. 17, Verae Historiae, II, 14.


2 Sobre a data deste Skolion veja‑se C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry from Alcman

to Simonides, pp. 416‑421.


3 Cod. Marc. 454. f. 4 r (p. 57‑58 na edição de Kinkel dos Epicorum Graecorum Fragmenta)
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 31

mas já os comentadores antigos tinham dúvidas se este era o herói da


Ilíada ou outro do mesmo nome 1 .
Seguem‑se‑lhe três exemplos seguros do séc. V a. C.:
O primeiro é de Píndaro, Νem. IV, 49‑50:

ἐν δ’Εὐξείνῳ πελάγει φαεννὰν Ἀχιλλεύς


νᾶσον..........................................

Os outros dois são de Eurípides, Andr. 1260‑1262:

τὸν φίλτατον σοὶ παῖδ᾽ ἐμοί τ᾽ Ἀχιλλέα


ὄψῃ δόμους ναίοντα νησιωτικοὺς
Λευκὴν κατ᾽ ἀκτὴν ἐντὸς εὐξείνου πόρου.

e Iph. Taur., 435‑438:

τὰν πολυόρνιθον ἐπ᾽ αἶαν,


λευκὰν ἀκτάν, Ἀχιλλῆος
δρόμους καλλισταδίους,
ἄξεινον κατὰ πόντον;

Destas citações pode inferir‑se que Leuce era o nome dado a uma ilha
no Ponto Euxino, onde Aquiles morava, para além da sua vida humana.
Parece que esse lugar era destinado a ele só; confirma‑o a tradição
conservada por Quinto de Esmirna, IV, 769‑779, segundo a qual Poséidon
consolara Tétis, assegurando‑lhe que ia criar uma ilha no Ponto para o
filho da deusa marinha lá viver 2. No mesmo passo afirma‑se claramente
que ele será honrado como um deus, e é comparado a Dioniso e Hércules:

Οὐ γὰρ ὃ φθιμένοισι μετέσσεται, ἀλλὰ θεοῖσιν,


ὡς ἠὺς Διόνυσος, ἰδὲ σθένος Ἡρακλῆος,
οὐ γάρ μιν μόρος αἰνὸς ὑπὸ ζόφον αἰὲν ἐρύξει,
οὐδ’ Ἁίδης, ἀλλ’αἶψα καὶ ἐς Διὸς ἵξεται αὐγὰς
καὶ οἱ δῶρον ἔγωγε θεουδέα νῆσον ὀπάσσω
Εὔξεινον κατὰ πόντον, ὅπη θεὸς ἔσσεται αἰὲν
σὸς πάις...............................................................

(δ, 770‑776)

1 Eustathius ad Dionys. Per. 306: Ἄλλοι δέ φασιν ἕτερον εἶναι τοῦτον Ἀχιλλέα παρὰ

Σκύθαις βασιλέα τῶν τόπων, ὃς ἠράσθη τε τῆς Ἰφιγενείας πεμφθείση; ἐκεῖ καὶ ἔμεινεν
ἐπιδιώκων, ἐξ οὗ τόπος Ἀχίλλειον, οἱ δὲ τοῦτο λέγοντες παραφέρουσι μάρτυρα τὸν
Ἀλκαῖον λέγοντα......
2 O mesmo mito se encontra também em Filóstrato, Her., 212 K.
32 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Novamente se torna evidente, portanto, que a ilha lhe era inteira-


mente consagrada.
Com efeito, as outras referências tardias apenas mencionam pessoas direc-
tamente relacionadas com Aquiles, como sejam Helena, na qualidade de sua
mulher nessa ilha1, ou Ifigénia, em sua procura2, ou ainda os heróis troianos,
seus antigos companheiros3. Plínio4 e Pompónio Mela5 situavam lá o seu túmulo.
Segundo Escher, esta afirmação seria incompatível com a lenda precedente6.
Creio, porém, que podia ter tido origem num desenvolvimento tardio do culto
do herói, que se associava naturalmente ao túmulo ou cenotáfio. Outra lenda,
que nos foi transmitida por Eustátio7, conta que Orestes, quando soube que
tinha matado Neoptólemo inadvertidamente, o sepultou e consagrou a sua
espada, depois do que se dirigiu a Leuce, para apaziguar o espírito de Aquiles.
Também isto faz lembrar o culto dos heróis.
Se examinarmos de perto o mito de Diomedes, depara‑se‑nos uma con-
fusão semelhante. Dele disse Íbico que morava numa ilha no Mar Adriático,
segundo o schol. Pind., Nem. X, 78, ao passo que o skolion de Harmódio o co-
locava nas Ilhas dos Bem‑aventurados. Grande parte dos autores tardios dão
ao seu culto carácter nitidamente divino. O mesmo aconteceu com Mémnon.
Conquanto as provas sejam escassas, uma vez que as citações mais
antigas se encontram em estado fragmentário (como acontece no poema
cíclico e no passo de Alceu) ou são demasiado vagas (como sucede com
as referências de Píndaro 9 e de Eurípides), parece que estes casos de-
vem colocar‑se num nível diferente. Nos tempos primitivos, as pessoas
que iam para os Campos Elísios ou para as Ilhas dos Bem‑aventurados
não sofriam a morte, nem recebiam culto depois. Ao passo que a cena
na Aithiopis tem lugar depois de o corpo de Aquiles ter estado na pira,
e só posteriormente a mãe o tornou imortal. O caso é semelhante ao
do mito final da Telegoneia, que refere como Telégono, tendo matado
seu pai, por engano, levou o corpo deste, juntamente com Telémaco

1Pausânias, III, XIX, 11‑13; Filóstrato, Heroica, III, 26; sem indicação de lugar;
Schol. Eur., Androm. 229.
2 Licofron, 186‑187; 188‑191; 200‑201.

3 Pausânias, III, XIX, 11‑13; Cónon, Narr. 18.

4 IV, 16.

5 II, 98.

6 In Pauly‑Wissowa, s. u. Achilleus.

7 Comment. ad Odysseam, 1696, 45. Outra referência ao seu oráculo em Arriano,

p. 398, 32.
8 O próprio Píndaro diz que Atena o tornou imortal (Nem. X,7).

9 No entanto, a comparação com os outros nomes citados no mesmo contexto

sugere que se trata de culto dos heróis. Cf. schol. ad locum.


1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 33

e Penélope, a Circe, sua mãe, que os tornou imortais. Para E. Rohde 1 ,


trata‑se de um paralelo à Entrückung de Menelau em δ.
Em meu entender, a lenda tem um sentido inteiramente diferente,
pelos motivos acima expostos.
De um modo geral, creio que não se pode apresentar melhor exemplo
da inconsistência das crenças relativas ao além do que a variedade de
destinos que foram atribuídos a Aquiles.
Já vimos que no Canto XI da Odisseia ele não é mais do que uma
sombra no Hades, embora seja príncipe 2 . Na Aithiopis era arrebatado
para Leuce. Esta versão foi seguida por muitos autores tardios, mas,
antes deles, por Píndaro e Eurípides. O mesmo Píndaro que conserva
este mito em Nem. IV, 49‑50, diz noutro passo que Tétis o levou para as
Ilhas dos Bem‑aventurados, depois de ter conseguido o assentimento
de Zeus (Ol. II, 79‑80), e não faz suspeitar sequer da possibilidade da sua
sobrevivência na descrição da cena dos seus funerais (Isth. VIII, 57‑60
e ainda Paean VI, 98‑99). Na imaginação popular, Aquiles vivia nas Ilhas
dos Bem‑aventurados pelo menos desde os fins do séc. VI a. C, porquanto
o skolion de Harmódio e Aristogéiton assim o proclamava; a citação de
Platão, Symposium 179E‑180B parece derivar da mesma origem. Alguns
autores tardios, como Apolodoro, Epitome, V, 5 e o schol. Lícofron 172, 3
acrescentaram que desposou lá Medeia. Pelo menos, dois dos poetas
líricos primitivos, Íbico e Simónides, mencionam o mesmo facto, mas
situam‑no nos Campos Elísios, como Apolónio de Rodes 4 . Que tivesse
casado aí com Políxena, como disse Séneca 5, ou com Helena em Leuce 6
é questão de pouco interesse para o problema. Todas estas lendas
apenas têm um significado, a saber, que havia um sentimento geral de
que o mais valoroso dos Aqueus devia ter melhor sorte, de tal modo
que, a despeito de todo o peso da autoridade dos poemas homéricos,
a imaginação popular em breve encontrou outra possibilidade para a
sobrevivência do famoso guerreiro. Esta tomou a forma do culto de

1 Psyche, I, pp. 87‑88. Para o mesmo autor, Leuce deve identificar‑se com as

μακάρων νῆσοι (ibidem, II, p. 371 seqq., nota 2, e também II, p. 369 seqq., nota 2).
2 O fragmento 9, 37‑38 Diehl de Tirteu mostra que nem aos grandes guerreiros

se atribuía uma distinção especial no além:

πάντες μιν τιμῶσιν ὁμῶς νέοι ἠδὲ παλαιοί,


πολλὰ δὲ τερπνά παθὼν ἔρχεται εἰς Ἀίδην.

3 O schol. ad 798 não dá indicação de lugar.


4 Argonautica, IV, 811 seqq. e schol. ad locum.
5 Troades, 942‑944.
6 Citado acima p. 32, n. 1.
34 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

heróis 1 , que foi localizado numa ilha especial 2 . Outros colocaram‑no


naquelas regiões longínquas, onde habitavam homens de parentesco
divino, pela vontade dos deuses (Campos Elísios) ou para onde tinham
sido arrebatados os heróis contemporâneos da guerra de Tróia (Ilhas
dos Bem‑aventurados). Estas duas últimas concepções, que em breve se
fundiram numa só, parecem ter prevalecido. Porém o mito de Leuce não
ficou completamente esquecido; pelo contrário, foi recebendo novos
acrescentos até que o encontramos rodeado de lendas marinhas, como
acontece com as narrativas de Pausânias e Filóstrato e muitos outros
autores tardios.
Em conclusão, julgo que este caso ilustra admiravelmente o processo
pelo qual alguns mitos originariamente diferentes podiam convergir
sobre a mesma pessoa e confundir‑se no decorrer do tempo. É evidente
que as versões tardias não ligam especial importância ao nome do lugar
da sobrevivência do herói. Mas em qualquer época, nunca Leuce foi
descrita como um sítio privilegiado, ao contrário do que se verificava
com os Campos Elísios e as Ilhas dos Bem‑aventurados.

δ) Os Hiperbóreos

Segundo Heródoto3, os Hiperbóreos foram mencionados pela primeira


vez pelo autor dos Epigoni e por Hesíodo. O seu nome não consta dos
poemas homéricos. Por sua vez, o Hino Homérico a Dioniso 4 fala deste
povo e o mesmo fazem Aristeas 5 e Alceu 6 . O próprio Heródoto discute
a sua existência demoradamente, embora não a aceite 7 . Continuaram

1 Depois de ter examinado os testemunhos existentes, Farnell concluiu que

o culto de Aquiles foi sempre do género do dos heróis e que, embora possa ter
começado anteriormente a Homero, foi difundido pela influência das epopeias.
Cf. Greek Hero‑Cults and Ideas of Immortality, p. 289.
2 Discordo, por conseguinte, de L. Malten, Elysion und Rhadamanthys, quan-

do diz que deve ter sido esta a primeira tentativa de localização do país dos
bem‑aventurados.
3 IV, 32: ἀλλ᾽ Ἡσιόδῳ μὲν ἐστὶ περὶ Ὑπερβορέων εἰρημένα, ἔστι δὲ καὶ Ὁμήρῳ ἐν

Ἐπιγόνοισι, εἰ δὴ τῷ ἐόντι γε Ὅμηρος ταῦτα τὰ ἔπεα ἐποίησε.


4 V, 29.

5 Frg. 5 (Heródoto, IV, 13); frg. 6 (Heródoto, IV, 16; Pausânias, V, VII, 9 (4); frg.

7 (Pausânias, I, XXIV, 6) Kinkel.


6 Frg. 1,2, 4 Bergk.

7 IV, 32‑35.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 35

a fazer‑se investigações nesse sentido até aos escritores mais tardios,


mas esse aspecto da questão não interessa ao nosso presente estudo 1 .
O que aqui importa é considerar a descrição poética que deles faz
Píndaro em P. X, 29‑46, que claramente os apresenta como um povo
idealizado ou mítico 2 . Diversas características que definem a mansão
dos bem‑aventurados na IIª Olímpica estão também presentes aqui.
Tratarei deste ponto na IIª Parte, mas convém assinalar desde já que
não há caminho, ou de barco ou a pé, que leve a esse lugar, e que as
palavras finais da descrição

ἐς ἀνδρῶν μακάρων ὅμιλον

contêm o adjectivo μακάρων que recorda as Ilhas dos Bem‑aventurados.


Outro exemplo de uso poético deste tema é‑nos fornecido por Ba-
quílides na Ode III, 58‑62, onde se lê que Apolo arrebatou a Creso e a
suas filhas para os Hiperbóreos. É, tanto quanto podemos saber, um
caso único. O motivo está claramente expresso:

δι’ εὐσέβειαν

Até o verbo empregado, κατένασσε, é o mesmo dos Trabalhos e Dias,


168. Além de que é fora de dúvida que tal lugar é apresentado como
idêntico à mansão dos eleitos.
É provável que a descrição pindárica dos Hiperbóreos, com as suas
afinidades com a das Ilhas dos Bem‑aventurados, induzisse Baquílides,
cerca de trinta anos mais tarde 3 , a colocar lá Creso e as suas filhas,
criando assim um paraíso especial para os grandes devotos de Apolo,
entre o povo consagrado a este deus 4. É digno de nota o facto de os dois

1 A enumeração completa e interpretação dos testemunhos existentes foi feita


por O. Crusius no Lexikon de Roscher, col. 2805‑2835. Cf. também A. H. Krappe,
ΑΠΟΛΛΩΝ ΚΥΚΝΟΣ in Classical Philology, vol. XXXVII, 1942, pp. 353‑370, que favo-
rece a identificação com Heligoland.
2 Em Ol. III, 16, Isthm. VI, 23 e Paean VIII (b) 1 Snell há unicamente ligeiras

referências. Contudo, aí são ainda um povo acessível, ao passo que em P. X estão


foras de alcance. Esta incongruência foi já assinalada por E. Rohde (Der griechis-
che Roman und seine Vorläufer, p. 312, nota). Como teremos ocasião de ver, não é
o único caso em que Píndaro usou tradições diferentes.
3 A mesma interpretação foi dada por A. Körte, Das Land der Hyperboreer in

Archiv für Religionswissenschaft, vol. X, 1907, pp. 152‑153. A Ode de Baquílides deve
ter sido composta em 468 a. C., quer dizer, trinta anos mais tarde do que a Xª
Pítica de Píndaro.
4 Sobre o «Apolo Hiperbóreo» cf. E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, pp.

141 e 161‑162, nota 36.


36 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

mais importantes santuários da divindade serem sugeridos (Δαλογενής)1


ou nominalmente mencionados (ἐς ἀγαθέαν ἀνέπεμψε Πυθώ) no mesmo
contexto, formando assim uma espécie de moldura em volta dos dois
pontos centrais: ἐς Ὑπερβορέους e δι’εὐσέβειαν.
Todo o mito tendia para esta conclusão2, cuja finalidade era apresentar
agradáveis perspectivas de futuro a alguém que era, ele mesmo, um grande
devoto de Apolo; daí o relevo que se dá às recompensas da εὐσέβεια.
O poeta esforçava‑se por consolar Hierão de Siracusa com a esperança
num além feliz, exactamente como Píndaro tinha feito a Hierão na IIª
Olímpica, ao delinear a brilhante descrição das Ilhas dos Bem‑aventura-
dos. Na Ode III a parte central do mito é diferente, mas a conclusão é
parecida: apenas se substituíram as μακάρων νῆσοι pelos Hiperbóreos,
uma variante que era autorizada pela íntima associação deste povo
com Apolo e que possivelmente foi sugerida pelo quadro que o próprio
Píndaro havia traçado da sua maneira de viver.
Contudo, este exemplo permaneceu único 3 . De modo que podemos
dizer que só uma vez o país dos Hiperbóreos contou entre os lugares
dos bem‑aventurados.

ε) O Jardim das Hespérides

Contrariamente ao que se passava com os Hiperbóreos, o Jardim


das Hespérides parece ter sido, em tempos recuados, um lugar dos
bem‑aventurados. Nunca é mencionado nos poemas homéricos, mas
Hesíodo fala dele três vezes 4 , dizendo que fica πείρασιν ἐν γαίης (518),
πέρην κλυτοῦ Ὠκεανοῖο (215, 274). É essa a localização tradicional:
além do Oceano, nos confins da terra. As Hespérides são caracterizadas

1 Sobre a relação entre as lendas dos Hiperbóreos e Delos, cf. Heródoto,

IV, 33‑35.
2 A mesma história, com grande número de variantes, foi narrada por Heródo-

to, I, 86‑88, para ilustrar uma máxima inteiramente diversa. Evidentemente que
o ponto de vista do historiador não podia também deixar de ser outro. O pintor
da famosa ânfora do Museu do Louvre parece ter conhecido o mito na versão do
sacrifício voluntário, como Baquílides.
3 Otto Crusius, Aus den Dichtungen des Bacchylides in Philologus, vol. LVII,

1898, p. 155, apresenta a sugestão de Baquílides ter recolhido esta lenda num
poema sacerdotal do séc. VI a. C. A hipótese, porém, carece de provas, além de
ser desnecessária.
4 Teogonia, 215‑216, 274‑275, 517‑520. Os versos 215‑217 são suspeitos para

A. Meyer. Porém, mesmo que fossem interpolados, não se alterava a posição


do problema.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 37

como λιγύφωνοι (275, 518); a elas está confiada a guarda das árvores
que produzem os pomos dourados (215‑216).
É duvidoso, por falta de provas concludentes, se deverá relacionar‑se
este aspecto da lenda com a fábula da Árvore da Vida, que é comum
a tantos povos da Antiguidade ‑ conforme sugere M. P. Nilsson 1 ‑ mas
também nada nos leva a negar esse parentesco. Seja como for, deve
tratar‑se de um mito antigo, do qual só alguns ecos chegaram até nós.
Há ainda breves referências a ele em Mimnermo2, Sófocles3 e Isócrates4.
No fragmento do Προμηθεὺς Λυόμενος apud Estrabão, 4, p. 183, o texto
não é suficientemente claro, mas parece que se opõe a situação das
Hespérides à do Cáucaso (τῶν ὁδῶν ἀπὸ Καυκάσου πρὸς Ἑσπερίδας).
O belo passo em Eurípides, Hippolytus, 742‑751, é um desenvolvimen-
to poético da informação de Hesíodo, com alguns pormenores novos,
possivelmente da autoria do poeta, como sejam as fontes de ambrósia
e a exuberância de vegetação.

Comparando estes exemplos com o frg. 297 Nauck de Sófocles:

ἐν Διὸς κήποις ἀροῦσθαι μόνον εὐδαίμονας ὄλβους

e o verso 271 das Nuvens de Aristófanes:

εἴτ᾽ Ὠκεανοῦ πατρὸς ἐν κήποις ἱερὸν χορὸν ἵστατε Νύμφαις,

que claramente o descrevem como um jardim dos deuses, em concordân-


cia com o Frg. 33 de Ferecides 5 e o verso 164 do Hino III de Calímaco 6 ,
ficaremos habilitados a compreender a relação remota entre este lugar
e as μακάρων νῆσοι.
As Hespérides vieram a ficar intimamente associadas aos trabalhos
de Hércules e é desse modo que vasos e moedas as representam mais

1 Minoan‑Mycenaean Religion, p. 628.


2 Frg. 10, 8‑9 (Diehl).
3 Trachiniae, 1099‑1100. Aí faz‑se referência ao dragão que guardava os pomos

dourados. O mesmo acontece em Eurípides, Her., 394‑399; Apolónio de Rodes, IV,


1396 seqq.; Pausânias, VI, XIX, 8.
4 Helena, 24.

5 Apud schol. Apolónio de Rodes, IV, 1396, onde se declara que os pomos de

ouro foram um presente nupcial da Terra a Hera, e que esta os plantou no jardim
dos deuses: εἰς τὸν τῶν θεῶν κῆπον.
6 Denomina‑os «prado de Hera» (Ἥρης ἐκ λειμῶνος) designação que deve

corresponder ao mesmo lugar.


38 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

tarde. É muito provável que a aventura de Hércules nessa região tenha


sido a primeira expressão mítica da vitória do herói sobre a morte,
conforme conjecturou M. P. Nilsson 1 , e que, quando o significado da
fábula se desvaneceu, se tenha adicionado ao ciclo o episódio da cap-
tura de Cérbero, para formar «um fim lógico e natural». Isto indica que
a concepção era pre‑helénica, conforme nota o mesmo investigador 2 .
À semelhança do que aconteceu com mitos afins, também este foi
localizado em diferentes regiões por autores tardios. Um deles, o pseu-
do‑Apolodoro, foi mesmo ao ponto de o situar entre os Hiperbóreos 3 :

…….. ἑνδέκατον ἐπέταξεν ἆθλον παρ’ Ἐσπερίδων χρύσεα μῆλα κομί-


ζειν. ταῦτα δ’ ἦν, οὐχ ὥς τινες εἶπον ἐν Λιβύῃ, ἀλλ’ ἐπὶ τοῦ Ἄτλαντος ἐν
Ὑπερβορέοις...........

O exemplo mostra a confusão que naturalmente tendia a estabelecer‑se


entre países idealizados.
Há ainda outros lugares míticos que têm sido incluídos nesta série,
tais como a ilha de Calipso e a de Circe, e ainda os jardins de Alcínoo,
e, de um modo geral, o país dos Feaces, com base, especialmente, nas
relações destes com Radamanto, mencionadas em η 323 4 . Mas as in-
formações desse passo da Odisseia são demasiado vagas para poderem
servir de argumento, além de que os Feaces são sempre descritos como
um povo real. Será mesmo difícil encontrar em qualquer outra parte
do poema mais belo quadro da tranquilidade da vida familiar do que o
que eles nos oferecem. Também não me parece que haja motivo sufi-
ciente para tomar as ilhas de Calipso e de Circe como primitivas terras
dos mortos, a despeito da invenção tardia da Telegoneia, a que já fiz
referência. Seguindo este princípio, em breve chegaríamos à conclusão
de que quase todos os países descritos na primeira metade da Odisseia
eram desta natureza também.

1The Mycenaean Origin of Greek Mythology, p. 214.


2Idem, ibidem, e ainda Minoan‑Mycenaean Religion, p. 628. Cf. também L. Malten,
Elysion und Rhadamanthys, in Jahrbuch des kaiserlich Deutschen Archäologischen Insti-
tuts, XXVIII, 1912, pp. 35 seqq.. Contestado por P. Capelle, Elysium und Inseln der
Seligen, in Archiv für Religionswissenschaft, XXV, pp. 245 seqq. e XXVI, pp. 17 seqq.
3 2, 5, 11.

4 É esta a teoria de A. Schulten in Pauly‑Wissowa, s. u. μακάρων νῆσοι, vol.

XIV, col. 628‑632. Este autor acredita na possibilidade de identificação desde os


tempos homéricos. Em meu entender, a localização sempre vaga destas regiões
é parte integrante do mito, que implica a falta de conhecimento directo desses
lugares inacessíveis e distantes. As tentativas para os situar no mapa são tardias.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 39

Em conclusão, direi que estas terras longínquas, cujo acesso era apenas
facultado a certos homens privilegiados, eram todas parte de velhos mitos.
Alguns destes abriram caminho na tradição literária e vieram a tornar‑se
numa espécie de lugar comum, com o andar dos tempos, como aconteceu
com os Campos Elísios e as Ilhas dos Bem‑aventurados. Outros foram per-
dendo o seu significado com o decorrer dos anos. Mas todos tinham de
comum a qualidade de dar expressão concreta ao anseio de uma vida melhor.

2 — Bem‑aventurança no Hades

Além dos casos que temos estado a considerar, os quais parecem ser to-
dos reminiscências de uma antiga tradição mitológica, surge‑nos uma outra
concepção, pelo menos a partir do século VII a. C. — é a que se conserva no
Hino Homérico a Deméter. Aí se afirma que todos os que contemplaram os ritos
sagrados de Elêusis terão um destino diferente no Hades:

ὄλβιος, ὃς τάδ᾽ ὄπωπεν ἐπιχθονίων ἀνθρώπων:


ὃς δ᾽ ἀτελὴς ἱερῶν ὅς τ᾽ ἄμμορος, οὔ ποθ᾽ ὁμοίων
αἶσαν ἔχει φθίμενός περ ὑπὸ ζόφῳ εὐρώεντι.

(480‑482)

A mesma promessa encontra confirmação num conhecido fragmento


de Sófocles (753 Nauck):

....................................................... ὡς τρισόλβιοι
κεῖνοι βροτῶν οἳ ταῦτα δερχθέντες τέλη
μόλωσ’ ἐς Ἅιδου, τοῖσδε γὰρ μόνοις ἐκεῖ
ζῆν ἐστι, τοῖς δ’ ἄλλοισι πάντ’ ἔχει κακά.

e muito provavelmente, no fragmento 121 Bowra ( = 137 Snell) de Píndaro1:

ὄλβιος ὅστις ἰδὼν κεῖν’ εἶσ’ ὐπὸ χθόν’.


οἶδε γὰρ βίου τελευτάν,
οἶδεν δὲ διόσδοτον ἀρχάν.

e noutros autores tardios, que não importa mencionar aqui.

1 Clem. Alex., Strom. III, 518 declara que o texto se refere aos Mistérios de

Elêusis; tal asserção foi impugnada, mas é hoje geralmente aceite. A semelhança
de linguagem entre este passo e o do Hino Homérico a Deméter é flagrante, e é de
crer que o fragmento tivesse pertencido a um treno por um ateniense, conforme
Böckh demonstrou, o que constituí mais um argumento a favor dessa hipótese.
40 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Em todos estes três casos se declara que quem tiver visto certas ceri-
mónias (ὄπωπεν, δερχθέντες, ἰδών) e cumprido determinados ritos é na
verdade ὄλβιος, pois escapará aos males que há no Hades. Por conseguinte,
a iniciação nos Mistérios de Elêusis garantia um lugar privilegiado no
Hades. As palavras que descrevem estes últimos, ὑπὸ ζόφωι εὐρώεντι,
mostram que eles eram concebidos nos moldes que conhecíamos já dos
poemas homéricos. Se a fórmula lhes era anterior ou não, é problema
que não podemos esclarecer. De qualquer modo, é essa concepção do
Hades que fornece o ponto de partida para a promessa de melhor sorte1.
Outra novidade consiste em ser esse destino especial acessível a qual-
quer espécie de pessoas, desde que tenham sido iniciadas nos Mistérios.
Estes dois factos concorrem para demonstrar que, na sua forma
primitiva, não havia ligação entre este género de além feliz e aqueles
que anteriormente analisámos.
Os Mistérios de Elêusis, que faziam estas promessas 2, datam da época
micénica, conforme o provam os dados arqueológicos. Demonstrou‑se
que o enorme telesterion continha restos desse tempo, e a forma deste
confirma a opinião, implícita no uso de termos que significam «contem-
plar», em documentos literários, de que alguma coisa se mostrava aos
iniciados 3 . Se tinham lugar ou não quaisquer representações de cenas
infernais ou do rapto de Prosérpina, é ainda assunto de controvérsia 4 ,
uma vez que a arqueologia não nos ajuda neste ponto e os monumentos
literários guardam silêncio sobre este, como sobre outros problemas
relativos aos Mistérios de Elêusis.
É fora de dúvida que eles se interessavam pelos últimos fins da
humanidade. Se, porém, essa parte da doutrina era essencial ou não
e se era original ou adventícia, não há testemunhos suficientes para
decidir. O mais antigo documento literário menciona‑a como um ponto

1 W. K. C. Guthrie, Orpheus and Greek Religion, cap. V, The Future Life as seen by

Orpheus toca neste ponto, mas admite, entre o Elísio e esta nova concepção, uma
continuidade que eu não julgo existir. Igualmente discordo de M. P. Nilsson quando
diz encontrar aqui «ein Nachhall der minoischen Vorstellung von Elysion» (Geschichte
der griechischen Religion, I, p. 448).
2 Sobre estes, bem como sobre a importância do Hino Homérico a Deméter para a

arqueologia, vide George Emanuel Mylonas, The Hymn to Demeter and her sanctuary
at Eleusis, Washington University Studies, March 1942.
3 Cf. Noack apud M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, pp. 627‑628.

Andócides, De Mysteriis, 31 é ainda mais preciso: πρὸς δὲ τούτοις μεμύησθε καὶ ἑοράκατε
τοῖν θεοῖν τὰ ἱερά. M. P. Nilsson enumera três espécies de práticas: δεικνύμενα,
δρώμενα, λεγόμενα (op. laud., I, p. 626).
4 M. P. Nilsson nega‑o sem reservas (Geschichte der griechischen Religion, I, pp.

627‑628). Alii alia...


1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 41

importante, mas isso não nos elucida se pertencia já ao culto na sua


forma primitiva.
Quanto aos Mistérios em geral, os dados arqueológicos fazem‑nos
remontar, como já vimos, à época micénica. A etimologia, por sua vez,
não nos fornece informações seguras. Os antigos relacionavam Ἐλευσίς
com ἐλεύθω, dando‑lhe o significado de «lugar da chegada», ou seja, o
lugar atingido por Deméter na sua peregrinação errante em busca da
filha1. A explicação tem todo o aspecto de um caso de etimologia popular.
Os filólogos modernos tentaram esclarecer a origem da palavra associan-
do‑a com o nome do Elísio ou com o da deusa da vegetação Eleithyia 2 ,
cuja origem cretense estabeleceria a ligação entre os Mistérios e a reli-
gião minóica. Quanto ao primeiro caso, é foneticamente impossível. Com
relação à segunda possibilidade, Wackernagel 3 considera esse nome e
formas afins, a saber Ἐλείθυα, Εἰλήθυια, Ἐλευθία, ión. ‑ίη, lac. Ἐλευσία,
cret. Ἐλεύθυια, beóc. Εἰλείθεια, ‑ια, como pré‑helénicas, baseando‑se
na sua relação com o nome de cidade Ἐλευθέρνα, que contém uma ter-
minação pré‑grega usada em topónimos, mas não vê motivo para supor
que Ἐλευσίς provém do mesmo tema, uma vez que a forma lacónica,
Ἐλευσία, sem dúvida a mais tentadora, deriva de Ἐλευθία, por meio
da alteração da aspirada em espirante, que é um fenómeno caracte-
rístico desse dialecto 4 . Por outro lado, o nome do festival Ἐλευσίνια,
com uma forma lacónica Ἐλ ευhύνια 5 , e o do mês Ἐλ ευσ ύνιος que
ocorre em Creta 6 e em Tera 7 , devem estar relacionados com o epíteto
Ἐλευσίνιος que habitualmente qualificava Deméter, embora algumas
vezes se aplicasse também a outros deuses 8 . M. P. Nilsson apresenta a
hipótese de Deméter Eleusínia ter prevalecido sobre Eleithyia e de se

1 Libânio, I, 2, 471 (Foerster). O nome comum Ἐλευσίς não aparece antes do

séc. I da nossa era (Cornuto).


2 A primeira tentativa foi feita por A. Rutgers van der Loeff, De ludis Eleusiniis,

Diss. Leyde, 1903, pp. 13 seqq.


3 Apud M. P. Nilsson, Minoan‑Mycenaean Religion, pp, 521 seqq.

4 Interpretação apresentada primeiro por Ross e confirmada em seguida por

Keil e Foucart (citados por Dittenberg, Sylloge Inscriptionum Graecarum, I, 252).


Cf. ainda Bechtel, Die griechischen Dialekte, II. Band, Berlin, 1923, pp. 302‑303, e
C. D. Buck, Introduction to the Study of the Greek Dialects, p. 55, § 64 e a imitação da
pronúncia lacónica na Lisístrata de Aristófanes. O fenómeno encontra‑se registado
pela primeira vez em inscrições do século IV a. C.
5 I. G. 5 (1) 213.11 (século V a. C.).

6 G. D. I. 5183. Ἐλευσύνιος in S. I. G. 712.8.

7 Test. Epict. 2, 7, 33.

8 A Zeus na Iónia, segundo Hesíquio, e a Ártemis na Sicília e em Antioquia, Idem, Lib. Or. 11.109.
42 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ter apropriado do culto desta deusa, como Apolo fez a Hyakinthos 1 .


A questão é bastante obscura. É quase certo que vários mitos se fundiram
num só em Elêusis e que alguns deles deviam ser pre‑helénicos 2. Porém
não nos é possível conhecer esse processo evolutivo, porquanto a nossa
mais antiga informação sobre os Mistérios mostra o ciclo já completo
nas suas partes essenciais 3 .
Em conclusão, o testemunho da arqueologia faz remontar o santu-
ário de Elêusis à época micénica e o mais antigo documento literário
declara que os Mistérios asseguravam um lugar melhor no Hades aos
seus iniciados, pelo menos desde o século VII a. C. 4 . As próprias pala-
vras pelas quais se exprime essa promessa parecem mostrar que ela se
originou entre um povo que acreditava que um Hades sombrio como
o que figura nos poemas homéricos era o último destino da humanidade.
Quer isto dizer que a religião dos Mistérios encontrou um dos seus me-
lhores apoios em encorajar a esperança dos homens num além melhor,
esperança essa que tendia a desenvolver‑se naturalmente com o andar
dos tempos. É muito provável que outras religiões congéneres, que se
praticavam noutros lugares da Grécia e especialmente na Itália do Sul
e na Sicília, augurassem recompensas semelhantes aos seus mystae 5 .
A promessa de bem‑aventurança no além não implicava necessaria-
mente a crença em castigos; contudo, o frg. 753 Nauck de Sófocles parece
confirmar a sua existência 6 . Porém o caso do significado da expressão
famosa ἐν βορβόρῳ κεῖσθαι, que em geral se inclui nesta rubrica, deve

1Minoan‑Mycenaean Religion, p. 522.


2Cf. M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, pp. 447‑448; Wilamo-
witz in Sitzungsberichte der Berliner Akademie, 1908, p. 331, e Glaube der Hellenen,
I, p. 98. A. W. Persson, Der Ursprung der eleusinischen Mysterien, in Archiv für Reli-
gionswissenschaft, 1922, pp. 287‑309 reivindica a sua origem cretense. A tese de
Foucart acerca da proveniência egípcia (Les Mystères d’Eleusis, pp. 114 seqq.) quase
não carece de ser mencionada.
3 Dioniso não está ainda incluído. Sobre a identificação deste deus com lacchos

vide E. R. Dodds, edição das Bacantes de Eurípides, p. 157.


4 Sobre a data do Hino a Deméter vide a edição de Allen‑Halliday dos Hinos Homéricos.

5 Cf. A. J. Festugière, Les Mystères de Dionysos (suite) in Revue Biblique, vol. XLIV,

1935, pp. 366‑396, especialmente p. 393.


6 Contestado por M. P. Nilsson, Early Orphism and Kindred Religious Movements

in Harvard Theological Review, vol. XXVIII, 1935, pp. 101‑230. («The widespread
fear of various punishments in Hades may have caused people to be initiated
at Eleusis, but there is no evidence that these mysteries knew of punishments
in the Other Life»). Que não era necessário observar regras de vida especiais
demonstra‑o a famosa anedota acerca da pergunta de Diógenes: Τί λέγεις, ἔφη,
κρείττονα μοῖραν ἕξει Παταικίων ὁ κλέπτης ἀποθανὼν ἢ Ἐπαμεινώνδας ὅτι μεμύηται;
(apud Plutarco, Moralia, II, 21).
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 43

ser encarado sob um aspecto diferente. Conforme sugere E. R. Dodds 1 ,


ela deve ter‑se originado na extensão das condições do túmulo ao Hades.
Com efeito, ἐν βορβόρῳ não contradiz o ζόφῳ εὐρώεντι no qual os
mortos se encontram mergulhados. Ambas as características — σκότος
καὶ βόρβορος — aparecem unidas no verso 273 das Rãs de Aristófanes,
no passo em que Xântias se queixa de nada mais ver. Os versos 145‑146
desenvolvem apenas o segundo destes tópicos:

.................εἶτα βόρβορον πολὺν


καὶ σκῶρ ἀείνων.........................

Um passo de Ésquilo (Euménides, 385‑387) confirma esta hipótese, se,


como Dindorf e Wiesler, interpretarmos ἀνηλίῳ λάμπᾳ como «podridão
sem sol» (aplicado à morada das Erínias); com efeito, não há exemplo de
λάμπη significar «luz», como pretendeu Sidgwick. Deve tratar‑se aqui
de um dos termos médicos usados pelo poeta, pois a palavra aparece
duas vezes em Hipócrates 2 .
Há ainda um exemplo de βόρβορος num fragmento da poesia elegíaca
primitiva, atribuído a Ásio Sâmio 3 :

ἥρως εἱστήκει βορβόρου έξαναδύς.

no qual Wilamowitz 4 «defunctum ex Acherusia palude redeuntem ag-


nouit», como informa Diehl no seu aparato crítico.
O estado do texto não permite muitas conjecturas. Mesmo que, de facto,
aluda a um morto, não sabemos se o lugar donde ele vem é o Hades ou
o túmulo. A palavra ἥρως faz pensar no segundo caso, e então a hipótese
acima referida acerca da origem desta ideia encontraria uma confirmação
decisiva.
Evitar o βόρβορος geral do Hades era uma das vantagens de se ser
iniciado. Ἐν βορβόρῳ κεῖσθαι era a sorte que aguardava toda a gente;
os Mistérios prometiam um lugar melhor. Com o decorrer do tempo,
o sentido originário da expressão obliterou‑se e esta acabou por ser
tomada na acepção de castigo 5 .

1 The Greeks and the Irrational, p. 172, nota 102.


2 Citado por Prof. Dodds em aulas na Universidade de Oxford.
3 V. 4 Diehl 3 .

4 T. G. 60 3 .

5 Cf. M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, p. 652, e History of Greek

Religion, p. 218.
44 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

O facto verificou‑se não só com Elêusis, como também com outras


religiões de mistérios. Daí a confusão que surge quando tentamos de-
terminar a quais dentre eles se deve atribuir a ideia.
Nos versos 145‑151 e 273‑276 das Rãs de Aristófanes a referência
é certamente a pessoas não iniciadas em Elêusis, conquanto a noção
de castigo pelos pecados cometidos seja dominante nesses passos.
Ao σκότος καὶ βόρβορος no qual jazem corresponde:

μόνοις γὰρ ἡμῖν ἥλιος


καὶ φέγγος ἱλαρόν ἐστιν,
ὅσοι μεμυήμεθ᾽ εὐ‑
σεβῆ τε διήγομεν
τρόπον περὶ τοὺς ξένους
καὶ τοὺς ἰδιώτας.
(454‑459)

Os dois famosos passos de Platão sobre o mesmo assunto já não são


tão claros. No Fédon 69C não se dá nome especial aos Mistérios 1 e em
Rep. II, 363C‑E, «Museu e o seu filho» pode incluir mais do que um rito
dessa espécie 2 .
Um escritor tardio, Aristides, afirma claramente a origem eleusiniana
dessa concepção 3 :

…………… ἔχειν τὰς ἐλπίδας ὡς ἄμεινος διάξοντας, καὶ οὐκ


ἐν σκότῳ τε καὶ βροβόρῳ κεισομένους, ἃ δὴ τοὺς ἀμυήτους
ἀναμένειν.

1 Καὶ κινδυνεύουσι καὶ οἱ τὰς τελετὰς ἡμῖν οὗτοι καταστήσαντες οὐ φαῦλοί τινες εἶναι,

ἀλλὰ τῷ ὄντι πάλαι αἰνίττεσθαι ὅτι ὃς ἂν ἀμύητος καὶ ἀτέλεστος εἰς Ἅιδου ἀφίκηται ἐν
βορβόρῳ κείσεται, ὁ δὲ κεκαθαρμένος τε καὶ τετελεσμένος ἐκεῖσε ἀφικόμενος μετὰ θεῶν
οἰκήσει.
Cf. também o conhecido dito de espírito em Aristófanes, Pax, 374‑375:

ἐς χοιρίδιόν μοί νυν δάνεισον τρεῖς δραχμάς:


δεῖ γὰρ μυηθῆναί με πρὶν τεθνηκέναι.

2 Sobre isto veja‑se E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, p. 234, nota 82.

A afirmação de que τοὺς δὲ ἀνοσίους αὖ καὶ ἀδίκους εἰς πηλόν τινα κατορύττουσιν ἐν
Ἅιδου καὶ κοσκίνῳ ὕδωρ ἀναγκάζουσι φέρειν não é decisiva. Na Lesche dos Cnídios
em Delfos, Polignoto pintou algumas figuras que transportavam água em vasos
perfurados, mas apenas as designou por ἀμύητοι (Pausânias, X, XXV‑XXXI, espe-
cialmente X, XXXI, 9‑11). O comentário de Olimpiodoro a Platão, Phaedo, 68 C (p.
48, 20 Norvin) tem, na verdade «a not very impressive authority» (E. R. Dodds,
op. laud., p. 172, nota 102).
3 22.10 Keil.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - AS CRENÇAS MAIS ANTIGAS 45

De um modo geral, parece que a ideia de jazer no lodo pertencia ao


núcleo tradicional de concepções e que a promessa de evitar esse des-
tino foi o processo mais impressionante que os Mistérios encontraram
de concretizar a melhor sorte dos iniciados. Como o culto de Elêusis é
o mais antigo, é fácil de supor que foi aí que a fórmula foi criada e que
mais tarde se estendeu a outros lugares.
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO II
IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ
DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C.

a ) Orfismo e Pitagorismo

O movimento religioso conhecido sob o nome de Orfismo tem sido


assunto de muita discussão e continua ainda a ser, em muitos aspectos,
uma questão em aberto. Os testemunhos sobre a sua verdadeira natu-
reza e importância na antiga Grécia, depois de se terem avolumado
numa mole ingente de citações tardias, encontram‑se agora reduzidos
a proporções consideravelmente mais modestas 1 .
Entre os problemas que ainda aguardam resposta conta o de explicar
a solução de continuidade existente entre o cantor chamado Orfeu, que
Íbico2, Simónides3 e outros celebraram, e que se encontrava representado
na métopa do tesouro de Sícion em Delfos, e o movimento religioso, que
dele tomou o nome, cuja doutrina estava expressa em livros que circu-
lavam nos séculos V e IV a. C. 4 . Estes últimos eram atribuídos a Orfeu,
mas já autoridades de não menos peso do que Íon de Quios, Epígenes e
Aristóteles tinham suspeitas sobre a sua autenticidade. Apesar disso,
acreditou‑se durante muito tempo — e há quem ainda o acredite 5 — que

1 Sobre a evolução das doutrinas acerca do Orfismo entre os principais especialistas

e os resultados do desbaste operado no acervo de interpretações falsas ou forçadas que


se haviam acumulado, vide E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, pp. 147‑149, com
as notas 79 a 96 (pp. 168‑172). O alarme foi dado por Wilamowitz, Glaube der Hellenen,
II, pp. 199 seqq. Sobre as possíveis origens do Orfismo vide E. R. Dodds, op. laud., nota
29 da p. 160 e 97 da p. 172.
2 Frg 10 a Bergk.

3 Frgs. 40 e 41 Bergk.

4 Platão, Rep. II, 364 E.

5 W. K. C. Guthrie, The Greeks and their Gods, p. 312.


48 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

um poema escatológico órfico estava na base de todos os mitos sobre


o além que figuram em poetas do século V a. C., bem como em Platão,
e que as lâminas de ouro contêm uma amostra desse poema. Quanto
a Platão, não há possibilidade de admitir que um só e mesmo modelo,
seja órfico ou não, está no fundo dos seus quatro mitos escatológicos;
o mesmo se verifica com os diversos tratamentos dados por Píndaro ao
mesmo tema. Sobre as lâminas de ouro, não há provas suficientes para
as declarar de origem órfica, como veremos mais adiante.
Por agora, consideremos as únicas informações seguras sobre os ór-
ficos, que podemos coligir de citações antigas. Assim, sabemos que se
abstinham de derramar sangue 1 e eram vegetarianos 2 , que ensinavam
que o corpo era uma prisão da alma 3 e que o pecado podia ser purificado
neste mundo e no outro por meio de certos ritos διὰ θυσιῶν καὶ παιδιᾶς
ἡδονῶν.4 Este último ponto de doutrina permite‑nos supor que acredi-
tavam na transmigração, conforme observa E. R. Dodds, conquanto esse
facto não esteja atestado na época clássica 5 . Por outro lado, a noção de
catharsis estava directamente ligada à de promessas de um além feliz,
as quais eram certamente parte importante da sua doutrina. Podemos
mesmo admitir, seguindo M. P. Nilsson, que contrariamente ao que se
passava com os Mistérios de Elêusis, os órficos insistiam mais na pers-
pectiva dos castigos do que na das recompensas 6 .
A noção de penas e de justiça no mundo subterrâneo parece, todavia,
ter precedido em muito o ensino dessa seita, porquanto a encontramos
expressa duas vezes na Ilíada 7 , pelo menos para os perjuros:

Ζεῦ πάτερ Ἴδηθεν μεδέων κύδιστε μέγιστε,


Ἠέλιός θ᾽, ὃς πάντ᾽ ἐφορᾷς καὶ πάντ᾽ ἐπακούεις,
καὶ ποταμοὶ καὶ γαῖα, καὶ οἳ ὑπένερθε καμόντας
ἀνθρώπους τίνυσθον ὅτις κ᾽ ἐπίορκον ὀμόσσῃ,
ὑμεῖς μάρτυροι ἔστε, φυλάσσετε δ᾽ ὅρκια πιστά.
(Γ 276‑280)

1Aristófanes, Ranae, 1032.


2Euripides, Hippolytus, 952 seqq.
3 Platão, Cratylus, 400 C.

4 Platão, Rep. II. 364E‑365A.

5 The Greeks and the Irracional, p. 148.

6 Minoan‑Mycenaean Religion, p. 631.

7 Em λ, 568‑571, não se trata de um julgamento. Minos, tal como Órion, apenas

continua a exercer as funções que desempenhara durante a vida. Títio, Tântalo


e Sísifo sofrem as consequências da sua ὕβρις. O frg. 87 Bergk de Álcman parece
indicar que Tântalo a princípio expiava o seu crime no Olimpo. Cf. Welcker, Alc-
manis fragmentum de Tantalo in Rheinisches Museum, 1856, pp. 242‑254.
1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 49

e novamente, em termos mais precisos:

ἴστω νῦν Ζεὺς πρῶτα θεῶν ὕπατος καὶ ἄριστος


Γῆ τε καὶ Ἠέλιος καὶ Ἐρινύες, αἵ θ᾽ ὑπὸ γαῖαν
ἀνθρώπους τίνυνται, ὅτις κ᾽ ἐπίορκον ὀμόσσῃ,
(Τ 258‑260)

A mesma ideia, quando expressa por Ésquilo, parece derivar de fonte


popular 1 e não teológica, como supôs E. Rohde 2 :

……οὐδὲ μὴ ‘ν Ἅιδου θανὼν


φύγῃ ματαίων αἰτίας, πράξας τάδε.
κἀκεῖ δικάζει τἀμπλακήμαθ᾽, ὡς λόγος,
Ζεὺς ἄλλος ἐν καμοῦσιν ὑστάτας δίκας.
(Suppl. 228‑231)

A designação aqui atribuída a Hades não diverge muito de Ζεὺς κατα-


χθόνιος em Ι 457 ou de Ζεὺς χθόνιος em Sófocles, Oedipus Coloneus, 1606.
As funções exercidas em Eumenides, 273‑275, são novamente as mesmas3:

μέγας γὰρ Ἅιδης ἐστὶν εὔθυνος βροτῶν


ἔνερθε χθονός,
δελτογράφῳ δὲ πάντ᾽ ἐπωπᾷ φρενί.

Além destes exemplos, encontramos referências ao julgamento no


Hades em Supplices 414‑416 e Eumenides 339‑340 4 .
A noção de justiça e castigos no além foi crescendo em importância, como
teremos ocasião de ver mais adiante. Entretanto convém acentuar que, tal

1 Cf. Dieterich, Nekyia, p. 126.


2 Psyche, I, pp. 309‑310 e nota 2 da p. 309.
3 O fragmento 506 Nauck da Melanippe de Eurípides dá a impressão de ser uma

paródia destes versos. Um outro fragmento de Ésquilo, publicado em Pap. Oxy.


2256.9 (a) também fala, no verso 21, de uma função semelhante. No entanto, aí
a autora do registo parece ser Δίκη:

γράφουσα] τἀμπλακήματ’ ἐν δέλτωι Διό[ς

o que E. Lobel aproxima, com razão, da tradição conservada por Luciano, De


Mercede Conductis, 12 (τοῦτ’ ἐκεῖνο, ἐκ τῶν Διὸς δέλτων ὁ μάρτυς) e do schol. B à Ilíada A
175 (Ζεὺς κατεῖδε χρόνιος εἰς τὰς διφθέρας).
4 Evidentemente que também estas afirmações foram já etiquetadas como

«órficas». Sobre isso veja‑se E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, p. 137 e p.
158, nota 13.
50 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

como todas as outras crenças relativas à outra vida, também esta era uma
ideia corrente de que se apropriaram, remodelando‑a, algumas seitas.
Muitos outros movimentos religiosos, que compreendiam ritos de ini-
ciação e prometiam recompensas na outra vida aos seus μύσται se devem
ter desenvolvido na Grécia e na Itália meridional, durante os séculos VI
e V a. C.
Porém o mais importante de todos parece ter sido o Pitagorismo.
Que esta seita estava estreitamente ligada ao Orfismo, demonstra‑o o
facto de terem sido atribuídos poemas órficos a alguns dos seus mais
antigos representantes, bem como ao próprio Pitágoras 1 .
De positivo sabe‑se que compartilhavam de alguns dos preceitos
órficos, como abstenção de certas qualidades de alimentos e prática
de catharsis 2 ; ensinavam também que o corpo era a prisão da alma e
acreditavam na transmigração.
A mais notável diferença entre ambos é que o Orfismo nunca foi
reforçado por um sistema filosófico, como o Pitagorismo. As teorias
deste último sobre os números e harmonia do cosmos, por exemplo,
pertencem ao nível especulativo 3 .
A lenda atribuía ao fundador da comunidade uma série de transmi-
grações e uma descida ao Hades, durante a qual ele teria presenciado
os castigos 4 e o julgamento 5 que aí tinham lugar.
O mesmo mito foi utilizado por Aristofonte 6 , ao satirizar os pitagó-
ricos. O passo é especialmente interessante, porque nos dá uma ideia
da noção que tinham das recompensas no além:

Α. ἔφη καταβὰς ἐς τὴν δίαιταν τῶν κάτω


ἰδεῖν ἑκάστους, διαφέρειν δὲ πάμπολυ

1 Jâmblico, Vita Pythagorea, 28, 146‑147. Íon de Quios afirmou que Pitágoras

escrevera alguns poemas sob o nome de Orfeu e Epígenes atribuiu quatro com-
posições órficas a membros da comunidade pitagórica. Não sabemos se teriam
sido estes os primeiros carmes órficos que existiram. Cf. E. R. Dodds, The Greeks
and the Irrational, p. 149.
2 Ao que parece, por meio de ἐπῳδαί (Jâmblico, Vita Pyth., 64 seq., 110‑114, 163

seq.; Porfírio, Vita Pyth., 33). Sobre a catharsis pela música vide Aristóxeno, frg.
26 Wehrli (citado por E. R. Dodds, op. laud., p. 99, nota 107).
3 Outras diferenças menores, já assinaladas por E. R. Dodds, op. laud., nota 95, p.

171, são que o culto de Apolo era essencial para o Pitagorismo, ao passo que Dioniso
era o deus do Orfismo, e que a primeira destas seitas era aristocrática, e a segunda
provavelmente popular.
4 Diógenes Laércio, VIII, 21.

5 Idem. VIII, 35. Cf. Jâmblico, Vita Pyth. 155, 179.

6 Apud Diógenes Laércio, VIII, 38 = Meineke, C. G. F. III, 364.


1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 51

τοὺς Πυθαγοριστὰς τῶν νεκρῶν: μόνοισι γὰρ


τούτοισι τὸν Πλούτωνα συσσιτεῖν ἔφη
δι᾽ εὐσέβειαν. B. δυσχερῆ θεὸν λέγεις,
εἰ τοῖς ῥύπου μεστοῖσιν ἥδεται ξυνών.

Como se vê, não estamos muito longe das palavras depreciativas de


Platão na Rep. II, 363C‑D, ao referir que a bem‑aventurança no além, pro-
metida por «Museu e o seu filho», consistia num perpétuo symposium no
Hades. É natural que Platão visasse mais do que uma seita, ao escrever
isto. Comparando este passo com a paródia de Aristofonte, é lícito concluir
que as ideias dos pitagóricos acerca dos prémios pela εὐσέβεια não eram
muito diferentes.
Um trecho de Aristóteles (Anal. post. B 11.94 b 33) mostra que também
acreditavam em castigos no Tártaro.
De um modo geral, pode dizer‑se que, seguindo os Mistérios de Elêu-
sis, todas as outras doutrinas asseguravam um lugar especial no Hades
aos seus iniciados. A noção de castigos foi tomando cada vez maior vul-
to, e, ao mesmo tempo, a crença nas recompensas pela εὐσέβεια foi‑se
amplificando até chegar a um conceito moral de prémio pela virtude.
A referência aos pecadores no Hades, em Ranae, 146‑150 e 274‑2751, mostra
que tal conceito devia ser corrente em Atenas, no século V a. C. Mas nada
de perfeitamente definido se tinha ainda originado nesta remodelação
de ideias populares, sob a influência de crenças teológicas.

b) Empédocles

A mesma doutrina da transmigração das almas se ensinava nos


Καθαρμοί de Empédocles. As teorias deste filósofo têm sido, com razão,
relacionadas com o pitagorismo2 e o grande homem «dotado da sabedoria
de vinte vidas humanas», que se menciona no frg. 129 Diels, tem todas
as probabilidades de ser Pitágoras, conforme já foi notado. No passo
em que diz, por exemplo, que «quando um homem poluiu de um modo
pecaminoso as suas mãos, com sangue, ou se deixou arrastar pela discórdia,

1 Uma espécie de eco destas palavras pode discernir‑se na paródia da solene


advertência do hierofante, 354‑371. O verso 151 contém um aproveitamento cómico
semelhante.
2 Principalmente por Wilamowitz in Berliner Sitzungsberichte 1929, p. 655; Tho-

mas, Ἐπέκεινα, p. 129; Bidez, La Biographie d’Empédocle, pp. 121‑122; E. R. Dodds,


The Greeks and the Irrational, nota 81, p. 169. Sobre a interpretação de Empédocles
como «a very old type of personality... already an anachronism in the V. century»,
em linha de continuidade com Orfeu e Pitágoras, vide op. laud., p. 146.
52 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ou foi perjuro, tem de andar errante três vezes dez mil períodos da
mansão dos bem‑aventurados, incarnando durante esse tempo em
todas as espécies de formas mortais e mudando de um para outro dos
caminhos penosos da vida», tudo isto por um decreto da Necessidade 1 ,
estamos muito próximos das sucessivas transmigrações e do κύκλος
Ἀνά γ κης que Diógenes Laércio incluía nas doutrinas pitagóricas. 2
Por outro lado, o fragmento 117 Diels, que alude às metamorfoses ante-
riores de Empédocles, não está em desacordo com aqueles tão discutidos
versos de Xenófanes 3 , relativamente aos quais não há razão suficiente
para duvidar que se trata das teorias pitagóricas da metempsicose.
Outro passo que tem sido sujeito a muitas interpretações é o frag-
mento 121 Diels, no qual se descreve um lugar estranho:

……………...........….ἀτερπέα χῶρον
ἔνθα Φόννος τε Κότος τε καὶ ἄλλων ἔθνεα κηρῶν
αὐχμηραί τε Νόσοι καὶ Σήψιες ἔργα τε ῥευστά
Ἄτης ἂν λειμῶνα κατὰ σκότος ἠλάσκουσιν.

Destes versos têm pensado uns que se referem ao Hades 4 outros que
se aplicam ao nosso próprio mundo 5 As palavras ἀτερπέα e σκότος per-
tencem, sem dúvida, ao vocabulário corrente das descrições da região
infernal. Mas parece não ser este o caso de Empédocles, que empregou
ἄπλετος αὐγή no fragmento 135,2, para pintar o reino dos deuses, e σκο-
τόεσσα δόξα no fragmento 132,2, aludindo ao que se passa sobre a terra6.
É certo que Virgílio colocou aproximadamente os mesmos males perso-
nificados à entrada do Hades, nos versos 273‑281 do Canto VI da Eneida.
Mas, por outro lado, tudo leva a crer que Lucrécio foi influenciado pelo
passo de Empédocles de que estamos a ocupar‑nos, no famoso quadro da
transposição dos horrores do inferno para a vida, em De Rerum Natura, III,

1Frg. 115 Diels.


2Pythagoras,VIII, I, § 14.
3 Frg. 6 Bergk.

4 Maass, Orpheus, p. 313; Wilamowitz, Die Καθαρμοί des Empedokles in Berliner

Sitzungsberichte, 1929, pp. 636‑638.


5 E. Rohde, Psyche, II, p. 178, nota 1; Bignone, Empedocle. pp. 493‑494; W. Kranz,

Die Katharmoi und die Physika des Empedokles in Hermes, vol. LXX, 1935, p. 114, nota
1; W. Jaeger, The Theology of the Early Greek Philosophers, pp. 149, 238, nota 91; E. R.
Dodds, The Greeks and the Irrational, nota 114, p. 174.
6 Ambos os exemplos em Walther Kranz, Die Katharmoi des Empedokles in

Hermes, 1935, vol. LXX, p. 114, nota 1, e em Diels. Die Fragmente der Vorsokratiker,
1950, I, p. 360.
1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 53

978‑1023 1. Por sua vez, os antigos concordavam em que o lugar aludido


era a terra, e não o Hades 2.
Mas o poeta agrigentino também era capaz de imaginar uma vida
aprazível, como fez, por exemplo, ao retratar a felicidade de que se
gozava na idade do Ouro, no fragmento 128.
O poema de Empédocles sobre as purificações parece nunca se ter
tornado popular em época alguma, mas, em compensação, exerceu so-
bre os filósofos posteriores uma influência não despicienda. Teremos
ocasião de o reconhecer ao tratar dos mitos de Platão.

c) Testemunhos da poesia lírica e dramática

A primitiva poesia lírica e elegíaca fala sempre do Hades em termos


homéricos 3 e, ao mesmo tempo que Píndaro compunha os seus versos
sobre temas escatológicos, Simónides observava tristemente 4 :

ὁ δ’ ἄφυκτος ὁμῶς ἐπικρέμαται θάνατος,


κείνου γὰρ ἴσον λάχον μέρος οἵ τ’ ἀγαθοί
ὅστις τε κακός.

É claro que isso pode ser meramente acidental, dado o estado frag-
mentário em que essa espécie de poesia chegou até nós. Se não fosse
o escoliasta de Apolónio de Rodes, IV, 814, nunca saberíamos que Íbico
e Simónides mencionaram os Campos Elísios, pelo menos uma vez, a
propósito do destino de Aquiles. E continuamos a ignorar os termos
exactos em que o fizeram.

1 Epicuro, III, 124, sugere mesmo e Macróbio, in Somn. Scip. I, 10, 9 seqq. apre-

senta essa alegoria como uma opinião corrente. Mas os versos de Empédocles
devem ter sido a fonte de Lucrécio neste passo.
2 Por exemplo, Teo de Esmirna, p. 149, 4 Hiller; Calcídio in Tim. 79, p.

143, 17 Wr.; Hierocl., Ad carm. aureum 24 ad v. 54 seqq. (τὰ περὶ γ ῆν); Te-
místio, Or. XIII, 178. A única excepção é Proclo, in Tim. III, 325 Diehl, que
o identifica com a planície mencionada no final do mito do Livro X da
República de Platão.
3 Por exemplo: Calino, frg, 1, 12‑13; Tirteu, frg. 9, 31‑32, 37‑38; Mimnermo,

frg. 2, 13‑14; Teógnis de Mégara, 973‑978; Safo, frg, 58; Alceu, frg. 82; Anacreonte,
frg. 44 (edição de Diehl). Baquílides tem na Ode V, 56‑175, uma bela descrição do
Hades. Sobre o caso especial de arrebatamento para os Hiperbóreos, na Ode III,
59, cf. supra, pp. 34‑36
4 Frg. 9, 3‑5 Diehl.
54 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

No estado actual dos nossos conhecimentos, apenas Píndaro fornece


importante contributo para o estudo do desenvolvimento da crença
num além feliz.
Há muito se reconheceu a impossibilidade de reconstituir uma doutri-
na escatológica única a partir dos dados dispersos na poesia de Píndaro.
Parece que deve ter feito uso de diferentes concepções, na medida em
que elas se adaptavam melhor às circunstâncias de cada composição.
Por conseguinte, temos de estudar separadamente os diversos trechos,
embora possamos compará‑los, sempre que nisso haja conveniência.
Na II.ª Olímpica há que distinguir duas partes, uma principalmente
teórica e outra inteiramente poética. A primeira contém uma referência
ao julgamento no Hades, imediatamente a seguir à morte (versos 57‑60),
uma descrição das recompensas dos ἐσλοί, ou seja, daqueles οἵτινες
ἔχαιρον εὐορκίαις e dos sofrimentos que aguardam os maus (versos
61‑67), após a qual se fala dos que conservaram as suas almas afastadas
do pecado durante três existências sucessivas em cada lado. A outra
parte (versos 71 a 83) encerra a descrição das Ilhas dos Bem‑aventurados,
onde eles continuarão a viver.
Muitas são as fontes que têm sido atribuídas a este passo 1. Julgo não
haver dúvida de que se trata de um quadro compósito, como Thomas
reconhece 2 . Procedamos, consequentemente, à análise de cada uma
dessas partes.
Desnecessário se torna atribuir o julgamento no Hades a qualquer
doutrina especial. Acabámos de ver, numa das secções precedentes,
que era crença geral desde os tempos mais remotos 3 Aqui não se dá
nome ao juiz — apenas se designa por τις. Na Ilíada, somente o perjúrio
é mencionado como um pecado passível de castigo no além, certamente
devido ao facto de se invocarem as divindades que exercem vingança
sobre os que infringiram os seus juramentos. É provável que, quando
Píndaro define, no verso 66, a espécie de pessoas que merece uma vida

1 Orfismo (Dieterich, Nekyia; L. Malten, Elysion und Rhadamanthys in Jahrbuch

des kaiserlich Deutschen Archäologisehen Instituts, vol. XXVIII, pp. 35‑51); Órfico‑pi-
tagorismo (M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, p. 705, «unsicher»);
Pitagorismo (H. J. Rose, The Ancient Grief in Greek Poetry and Life). Opinião contrária
em Wilamowitz, Pindaros, pp. 248 seqq.; em Glaube der Hellenen, II, p. 57 chama‑lhe
apenas «die Geheimlehre an die Theron glaubt».
2 H. W. Thomas, Ἐπέκεινα, p. 112, que propõe como fontes os Mistérios de

Elêusis e o Pitagorismo (no que respeita à transmigração, apenas). Cf. ibidem p.


16, nota 50, e p.155.
3 Confirma‑o um passo de Platão, Rep. I, 330D: οἱ...... λεγόμενοι μῦθοι περὶ τῶν

ἐν Ἅιδου, ὡς τὸν ἐνθάδε ἀδικήσαντα δεῖ ἐκεῖ διδόναι δίκην. Cf. também Meineke, C.
G. F., IV, 67: κρίσις ἐν Ἅιδου.
1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 55

sem alterações nem cuidados como οἵτινες ἔχαιρον εὐορκίαις, tenha


tido em mente uma reminiscência homérica.
Segue‑se a descrição das duas espécies de destinos que aguardam
as almas após o julgamento. O texto não dá qualquer indicação sobre
o lugar, mas não é crível que o poeta se refira à vida sobre a terra, em
virtude do que se lê nos versos 61‑62 e 66‑67. Esta ausência de localização
deve‑se, em meu entender, à circunstância de se dar mais importância
aqui ao status do que ao locus. O comparativo ἀπονέστερον no verso 62
resume o género de vida dos ἐσλοί, assim como πόνον define a sorte
de τοὶ δ’ em 67. Uma existência inalterável, tranquila, anódina parece
ser o leit‑motiv deste estado neutro.
A relação exacta entre os ἐσλοί e aqueles ὅσοι ἐτόλμασαν ἐστρίς /
ἑκατέρωθι μείναντες ἀπὸ πάμπαν ἀδίκων ἔχειν ψυχάν não é muito cla-
ra. Se, porém, compararmos este passo com outro de Platão (Phaedrus,
249A), conseguiremos esclarecer melhor o problema. Aí se afirma que
os filósofos, quando, durante três períodos sucessivos de mil anos,
escolheram o mesmo género de vida, ao fim desse tempo recebem as
suas asas e seguem o seu caminho; mas os demais, quando acabaram
a sua primeira vida, são julgados, e depois do julgamento alguns vão
para lugares de correcção debaixo da terra e cumprem a sua pena, ao
passo que os outros são elevados, por justiça, a um lugar celeste, onde
vivem de maneira digna da existência que haviam levado na sua for-
ma humana. Se abstrairmos das alusões ao mito das asas, tudo o mais
coincide com a doutrina de Píndaro.
A outra parte é unicamente poética. Até onde podemos saber, é esta
a primeira vez que Elísio e Ilhas dos Bem‑aventurados se confundem com
o além dos Iniciados. Encontra‑se lá o legislador homérico, Radamanto1,
o lugar não é subterrâneo, e o verso 74, ὅρμοισι τῶν χέρας ἀναπλέκοντι
καὶ στεφάνους, sugere‑nos a ideia de um symposium e da prática de ritos
sagrados, em concordância com as concepções atribuídas a «Museu e o
seu filho» por Platão na Rep. II, 363C‑D.
Parece que Píndaro fez uso aqui das teorias de qualquer seita re-
ligiosa, na qual Terão estava iniciado, e as combinou com a tradição
poética acerca da mansão dos bem‑aventurados. Se essas teorias eram
órficas ou pitagóricas, ou ambas as coisas, ou se eram ensinadas por
qualquer religião de mistérios da Itália Meridional, não temos elementos

1 Não creio que se deva subentender a presença de Cronos nem de Reia nas

Ilhas, conforme demonstrarei na IIª Parte. Desnecessário é, portanto, supor que a


deusa se encontra lá por simetria com Prosérpina no Hades (Wilamowitz, Pindaros,
pp.493‑495). O seu nome é mencionado apenas como mãe de Zeus, tal como no
verso 12 da mesma Ode.
56 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

suficientes para o determinar. Mas a comparação com o passo do Fedro


que citámos acima é favorável à hipótese de a base ideológica deste
trecho da IIª Olímpica ser de origem pitagórica. A combinação desta
com a tradição literária acerca de uma terra longínqua onde viviam
os bem‑aventurados foi a contribuição pessoal de Píndaro para o mito.
Agora, pela primeira vez, as Ilhas dos Bem‑aventurados não são
já um lugar para aqueles que foram arrebatados pelos deuses. Estão
patentes a todos ὅσοι ἐτόλμασαν ἐστρὶς / ἑκατέρωθι μείναντες ἀπὸ
πάμπαν ἀδίκων ἔχειν ψυχάν. São um prémio pela virtude. No entanto,
a velha e familiar tradição da «Entrückung» conserva‑se ainda visível
sob as palavras Ἀχιλλέα τ’ ἔνεικ’ (79) e no facto de se apontarem como
exemplos apenas heróis.
No fragmento 129 Snell, o poeta utilizou a tradição acerca da
bem‑aventurança no Hades. Demonstra‑o não só a asserção de Plutarco
περὶ τῶν εὐσεβῶν ἐν Ἅιδου1 , como também a palavra κάτω, logo no
começo. O lugar é apresentado como um país aprazível, com a sua luz
e as suas árvores, altares dos deuses, sacrifícios, assim como todas as
distracções favoritas de um grego que dispusesse de meios de fortuna:
cavalos, exercícios de ginástica, jogos de xadrez e música 2 .
A maneira mais natural de imaginar o além foi sempre pintá‑lo como uma
continuação das ocupações desta vida. Podem reconhecer‑se vestígios disso
até na Odisseia, conforme já dissemos. É, por conseguinte, perfeitamente
lógico que, quando esse além era representado como um lugar agradável,
se transferissem para o quadro todos os entretenimentos mais apreciados.
No fragmento 133 Snell há uma alusão clara à doutrina da transmigra-
ção. A «o pesar antigo» que aí se menciona deve dizer respeito ao mito
de Zagreus, conforme foi demonstrado por H. J. Rose 3 .
Finalmente, no fragmento 137 Snell, que deve ter pertencido a um
treno por um ateniense, conforme Böckh provou, é evidente que estamos
em face da doutrina dos Mistérios de Elêusis, sobretudo se compararmos
a linguagem em que está expressa com a que é usada no Hino Homérico
a Deméter e no fragmento 753 Nauck de Sófocles.
No século V a. C, andavam em curso diversas doutrinas sobre o além.
Píndaro deve ter feito uso de mais do que uma. Além disso adaptou às
crenças teológicas do seu tempo a velha tradição mitológica sobre as

Consolatio ad Apoll. 120C.


1

Sobre a possível origem destes tópicos, vide infra, IIª Parte, Cap. III, b).
2

3 The Ancient Grief in Greek Poetry and Life, que se deve completar com o artigo

do mesmo autor, The Grief of Persephone in Harvard Theological Review, 1943, pp.
242‑250. Sobre as razões para atribuir o mito ao Orfismo primitivo, vide E. R.
Dodds, The Greeks and the Irrational, pp. 155‑156.
1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 57

terras longínquas, que tinha sido conservada por Homero e Hesíodo.


Aliás, esta não se havia confinado exclusivamente à Literatura. No fi-
nal do século VI a. C., o skolion de Harmódio e Aristogéiton dizia que o
primeiro destes heróis não morrera: constava que continuava a viver
(σέ φασιν εἶναι) nas Ilhas dos Bem‑aventurados, onde estavam também
Aquiles e Diomedes. A cantiga mantinha‑se fiel às velhas crenças; es-
capavam à morte, devido à sua eminente ἀριστεία.
Outros exemplos, entre a segunda metade do século V a. C. e os co-
meços do século IV a. C., como Aristófanes, Vespae, 639‑640, Platão, Rep.
VII, 519 C, Menexenus, 235C, que têm o aspecto de expressões coloquiais
correntes, provam que essa concepção se tinha tornado popular. É pro-
vável que em Ranae, 85 Aristófanes aluda ainda ao mesmo 1 . Por outro
lado, toda a primeira parte dessa comédia é uma paródia dos Mistérios
de Elêusis, em cuja base está a noção de que os iniciados continua-
riam a celebrar os seus ritos sagrados no Hades. Num fragmento dos
Ταγηνίσται (488 Kock), temos novamente o desenvolvimento das ideias
atacadas por Platão em Rep. II, 363C‑D. O mesmo se verifica com os frag-
mentos 108 e 130 Kock dos Μεταλλῆς e dos Πέρσαι de Ferécrates, que
exploram o assunto ad nauseam. Fácil se torna calcular que o processo
era idêntico nas outras comédias perdidas em que se descrevia o Hades.
Mas, voltando a Aristófanes, há ainda outra concepção que se reflecte
nas suas peças, a qual deve ter sido igualmente crença corrente entre
os seus concidadãos. É a que figura em Pax, 832‑834:

ΟΙΚ. οὐκ ἦν ἄρ᾽ οὐδ᾽ ἃ λέγουσι, κατὰ τὸν ἀέρα


ὡς ἀστέρες γιγνόμεθ᾽, ὅταν τις ἀποθάνῃ;
ΤΡΥ. μάλιστα. ΟΙΚ. καὶ τίς ἐστιν ἀστὴρ νῦν ἐκεῖ;

O contexto mostra que a ideia se tinha tomado popular, e os epitáfios


do século V a. C. confirmam o facto 2 .
Aparece também várias vezes em Eupírides, como, por exemplo, em
Electra, 59; Helena, 1015‑1016; Orestes,1086‑1087; Supplices, 531‑536; frgs.
839 e 971 Nauck. Em Supplices 1140‑1142 a doutrina não é tão clara:

...αἰθὴρ ἔχει νιν ἤδη,


πυρὸς τετακότας σποδῷ:
ποτανοὶ δ᾽ ἤνυσαν τὸν Ἅιδαν.

1 Ἐς μακαρίαν, Equites, 1151, é provavelmente um eufemismo, cujo sentido se

deve esclarecer por comparação com o fragmento 488 Kock dos Ταγηνίσται.
2 Vide infra, na alínea Testemunhos epigráficos.
58 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Duas interpretações se podem oferecer para explicar este passo:


ou se trata de uma oposição entre o destino da ψυχή e o do εἴδωλον,
à maneira da que se estabelece para Hércules no final do Canto XI
da Odisseia 1 ou se está a fazer uso da doutrina pitagórica que colocava
o Hades no éter 2. Em face dos exemplos precedentes, a segunda hipótese
parece mais provável.
No entanto, a antiga concepção do Hades como mansão subterrânea
dos mortos surge com toda a frequência 3 . Nem à própria Alceste se
atribui outro destino (359, 851‑853, etc.); nos versos 743‑746, o coro
alude, dubitativamente, à possibilidade de lhe ser lá concedido um lugar
melhor: εἰ δέ τι κἀκεῖ / πλέον ἔστ’ ἄγαθοῖς.
As referências às Ilhas dos Bem‑aventurados surgem quando o desti-
no das figuras do drama estava tradicionalmente ligado a elas: é o que
sucede na Helena, 1676‑1677, e Bacchae, 1338‑1339.
Há ainda outros passos — e esses são muito provavelmente aqueles em
que o poeta exprime as suas próprias convicções, e não as das suas figuras —
que apenas patenteiam a dúvida. É o caso dos fragmentos 638 e 833 Nauck.
Há também um trecho extremamente céptico, nos versos 191‑197
do Hipólito, de cuja autenticidade se tem suspeitado, a título de ser
pouco adequado à figura que o pronuncia ‑ a ama ‑ e de o dímetro
anapéstico cataléctico do verso 190 parecer dever formar o fim na-
tural do discurso desta 4. Porém, tiradas filosóficas na boca das amas
são fenómeno comum em Eurípides (cf. Medeia,119‑130) e os versos
já na Antiguidade eram citados como pertencentes a este passo 5 .

Versos 601‑603.
1

Ignora‑se a época da sua formação. Jâmblico, Vita Pyth., 82, cita entre as
2

perguntas a que os discípulos dessa escola deviam saber dar resposta: Τί ἐστιν αἱ
μακάρων νῆσοι; ἥλιος καὶ σελήνη.
3 Entre muitos outros exemplos, citarei: Electra, 122‑123, 142‑144, 677;

Hippolytus, 829, 1366‑1367, 1386 1388; Ion, 1273‑1274; Iphigenia Taurica, 158‑159,
184‑185; frgs. 533, 534 Nauck.
4 Por exemplo, por W. S. Barrett, que acrescenta a estes argumentos o de as

interpolações terem começado a fazer‑se muito cedo nos manuscritos.


5 As obras conservadas dos outros dois grandes trágicos nunca sugerem

outra possibilidade para além da morte que não sejam as trevas do Hades, com
excepção do frg. 753 Nauck de Sófocles, já citado, no qual se alude ao destino
privilegiado que aguarda os iniciados nos Mistérios de Elêusis. Também no
Philoctetes, 1440‑1444, se esboça vagamente a ideia de prémio pela εὐσέβεια,
embora nada de definitivo se possa concluir destes versos:

.................οὐ γὰρ ηὑσέβεια συνθνῄσκει βροτοῖς


κἂν ζῶσι κἂν θάνωσιν, οὐκ ἀπόλλυται.

Quanto à noção de julgamento e castigos em Ésquilo, vide supra, pp. 49-50


1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 59

Todos os exemplos que temos estado a analisar mostram como este


género de crenças era vago e inconsistente, a ponto de ser possível
encontrar duas ou mais concepções diferentes no mesmo autor e até
na mesma obra. Vamos ver em seguida que algumas dessas eram já
populares, como, por exemplo, a que dizia que as almas iam para o
αἰθήρ1 , e que outras eram já bem conhecidas, mas só mais tarde atin-
giram o auge da vulgarização, como aconteceu com a das Ilhas dos
Bem‑aventurados.

d) Testemunhos epigráficos

As informações que se podem colher em documentos epigráficos são


extremamente escassas, porquanto apenas era costume mencionar o nome
e o δῆμος nos epitáfios gregos, até ao século V a. C.. Entre as poucas ex-
cepções a esta regra, conta uma inscrição do século VI a. C., C. Ι. Α. Ι, nº
481 = Kaibel, E.G. 16, 1, proveniente de Atenas e composta por dois versos
mutilados. Lê‑se no primeiro:

] ον, ἀώριον εἰς Ἁίδαο

Por conseguinte, ir para o Hades era o sombrio destino que se supu-


nha aguardar o morto, mesmo quando, como o outro verso prova, ele
causara uma grande dor com a sua partida.
Depois de 500 a. C. encontram-se descrições do mundo subterrâneo
feitas nos moldes tradicionais, uso esse que se prolonga até à época
romana.

1 A concepção de que a alma era uma parte que se soltara do éter foi atribuída

a Pitágoras por Diógenes Laércio, VIΙΙ, 28:

καὶ ζῆν μὲν πάνθ᾽ ὅσα μετέχει τοῦ θερμοῦ. διὸ καὶ τὰ φυτὰ ζῷα εἶναι. ψυχὴν μέντοι
μὴ ἔχειν πάντα. εἶναι δὲ τὴν ψυχὴν ἀπόσπασμα αἰθέρος καὶ τοῦ θερμοῦ καὶ τοῦ ψυχροῦ,
τῷ συμμετέχειν ψυχροῦ αἰθέρος. διαφέρειν τε ψυχὴν ζωῆς. ἀθάνατόν τ᾽ εἶναι αὐτήν,
ἐπειδήπερ καὶ τὸ ἀφ᾽ οὗ ἀπέσπασται ἀθάνατόν ἐστι.

A propósito desta teoria, E. R. Dodds cita (The Greeks and the Irrational, nota
112, p. 174) a definição de alma como um sopro ou ar quente, no frg. 2 de
Anaxímenes, a qual tendia a flutuar, elevando‑se, quando solta pela morte na
atmosfera, como sugere o frg. 24 de Empédocles, καπνοῖο δίκην ἀρθέντες. Num
epitáfio do século IV a. C. do Pireu (Kaibel, E. G., 41, citado adiante) parece
haver também uma reminiscência desta doutrina, na expressão αἰθὴρ ὑγρὸς
ἔχει, principalmente.
Sobre o αἰθήρ em epitáfios, vide infra 60-61
60 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Ainda no século V a. C. aparece outra noção diferente, que é a de que


as almas vão para o αἰθήρ, ao passo que os corpos permanecem nos tú-
mulos. O primeiro exemplo conhecido é o famoso epitáfio dos Atenienses
caídos em Potideia, do século V a. C.:

αἰθὴρ μὲν ψυχὰς ὑπεδέξατο, σώ[ματα δὲ χθών]


………………………………………………………..
(C. I. A., I, 442 = Kaibel, E. G., 21 b, 1)

A mesma ideia figura novamente num epitáfio do século IV a. C,


encontrado no Pireu:

…………………………………………………
Αἰθὴρ ὑγρὸς ἔχει, σῶμα δὲ τύμβος ὅδε.
(Kaibel, E. G., 41)

e em muitos outros exemplos, que se estendem até à época romana.


A partir do século IV a. C. encontram‑se também inscrições que de-
nunciam influência de Elêusis 1. A crença na imortalidade não se afirma
nunca antes dessa mesma época. Os velhos mitos dos Campos Elísios
e das Ilhas dos Bem‑aventurados parecem ter atingido grande voga
entre o século I a. C. e o século I da nossa era 2, conquanto se conheçam
exemplos até um período muito tardio 3 .
Por conseguinte, o interesse dos testemunhos epigráficos resulta
do facto de eles provarem que, de entre todas as concepções de que
temos estado a ocupar‑nos, nenhuma estava suficientemente divulgada
para figurar em epitáfios nos tempos mais recuados, excepto o quadro
sombrio do Hades. A circunstância de a bem‑aventurança prometida
aos iniciados nos Mistérios de Elêusis ou noutros ser só raramente
mencionada torna manifesto que estes não tiveram nunca a influência
preponderante que alguns autores lhes têm atribuído 4 . Apenas a ideia

1Especialmente Kumn, n. 426, n. 16 e Ἀρχαιολ. Ἐφημ., 1883, p. 146, n. 20.


2Por exemplo, I. G. R. 4, 1579 (Teos); E. G. 107 (Atenas); E. G. 338, 1‑2 (Cízico);
E. G. 648 (Roma); E. G 649 (Roma); E. G. 414 (incerti loci); E. G. 511 a (Acrida, Epiro);
E. G. 618 a (Roma).
3 Encontra‑se um tratamento exaustivo do assunto em C. M. Kaufmann, Die

Jenseitshoffnungen der Griechen und Römer nach den Sepulchralinschriften, Freiburg in


Breisgau, 1897, e R. Lattimore, Themes in Greek and Roman Epitaphs, The University
of Illinois Press, Urbana, Illinois, 1942.
4 Cf. A. J. Festugière, L’Idéal Religieux des Grecs et l’Évangile, Paris, 1932 (Cap. V,

Les Croyances Populaires en l’Immortalité).


1ª PARTE - CAPÍTULO II - IDEIAS SOBRE UM ALÉM FELIZ DURANTE OS SÉCULOS VI E V A. C. 61

de que as almas vão para o αἰθὴρ parece ter sido muito popular, graças
à influência do epitáfio dos heróis de Potideia 1 .
Porém, de um modo geral, é de crer que os epitáfios tenham se-
guido uma espécie de moda, e por isso talvez nem sempre sejam um
guia seguro para as ideias populares. Se não soubéssemos por outras
fontes que o mito das Ilhas dos Bem‑aventurados estava largamente
difundido na Atenas do século V a. C., pensaríamos que tal fenómeno
não ocorrera antes do século I a. C., pelo testemunho das inscrições.
E, evidentemente, o acaso desempenha um grande papel na recuperação
das provas epigráficas 2 .

1 Penso que esta crença deve parte da popularidade de que gozou ao facto

de que αἰθὴρ tinha também sido considerado uma morada dos deuses, parale-
lamente ao Olimpo e a οὐρανός, desde que a Odisseia, ε 50, dissera, a propósito
de Hermes, que

..... ἐξ αἰθέρος ἔμπεσε πόντωι

Encontramos fórmulas do género de ἰσοθέων τάξις μακάρων (Preger, n. 12) ou


ἦλθε πρὸς ἀθανάτους (Ἀρχ. Ἐφημ. 1883, p. 182, v. 8) em epitáfios do século IV a. C. e
pode até ler‑se uma vez que a alma foi para o Olimpo (E. G. 159 — Atenas) ou para
junto de Zeus (Kaibel in Rheinisches Museum, XXXIV, 1879, 718 a, 3‑4 — Óstia).
2 Das artes plásticas não pode derivar‑se qualquer informação para o nosso

assunto. O grande quadro de Polignoto na Lesche dos Cnídios em Delfos (Pausânias,


X, XXV‑XXXI) apenas tratava do Hades e, conquanto representasse o destino dos
ἀμύητοι, parece que não dava qualquer indicação acerca dos privilégios usufruídos
pelos μεμυημένοι. Mais tarde, nos começos do século IV a. C., foram pintadas algumas
cenas do mundo infernal em vasos da Itália Meridional, mas os bem‑aventurados não
encontravam aí lugar. No entanto, a presença dos três juízes tradicionais nalguns
deles implica a possibilidade de recompensas para os bons.
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO III
PLATÃO

Como muitos outros dos seus contemporâneos, Platão servia‑se, por


vezes das designações tradicionais para exprimir a ideia de um além
feliz, como acontece, por exemplo, na Republica VII, 540B‑C, ao dizer
que os que souberam ser bons guardiões da πόλις iriam para as Ilhas
dos Bem‑aventurados 1 , ao passo que na mesma obra, VI, 498C, apenas
se afirma que aos que bem viveram será certamente atribuído um des-
tino em proporção com os seus méritos, e em Leges, 904B‑905B não se
dá nome especial a esse lugar. A mesma esperança se encontra expressa
em Phaedo, 63B‑C.
Na Apologia, 29B, Sócrates declara nada saber περὶ τῶν ἐν Ἅιδου;
mais adiante, o dilema apresentado em 40C condu‑lo à concepção
tradicional (τὰ λεγόμενα) de que as almas vão εἰς ἄλλον τόπον (40E),
onde todas se reúnem. O facto mais digno de nota neste passo é que,
conquanto seja do Hades que se fala e se nomeiem alguns dos seus
mais conhecidos habitantes, os termos em que se imagina a sobre-
vivência nesse lugar são os que definem um além feliz. Os ἀμενηνὰ
κάρηνα homéricos não estão presentes, nem por um momento, no
espírito do autor. A διατριβὴ αὐτόθι consiste numa permuta real de
pensamentos e ideias (41B).
A ideia de uma melhor sorte para os bons na outra vida está associada
à noção de julgamento no Hades. Esta última é também mencionada na
Apologia, 41A‑C. É aí que, pela primeira vez, até onde podemos saber,
se atribuem nomes aos juízes, e o único caso em que eles são quatro.

1 Terão culto como δαίμονες, se a pítia concordar, ou apenas como εὐδαίμονες

τε καὶ θεῖοι no caso contrário. Sobre a equivalência entre εὐδαίμονες e θεῖοι,


cf. Theaet. 176E. Outros exemplos de referências às Ilhas dos Bem‑aventurados
encontram‑se em Symposium, 179E‑180B, Menexenus, 235C, Rep. VII, 519C.
64 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Vimos já que a crença no julgamento no além se pode fazer remontar até


Ésquilo, e mesmo nessa altura parecia não ser novidade1. Para esse poeta, o
juiz é o próprio Hades, ao passo que Píndaro se limita a designá‑lo pelo pro-
nome indefinido τις, talvez para evitar proferir o nome de tão temido deus2.
Na Apologia, 41 A, encontramos Minos, Éaco, Radamanto e Triptólemo
como juízes dos mortos, e o próprio Platão apresenta a ideia como tradicional:

οἵπερ καὶ λέγονται ἐκεῖ δικάζειν,

É esta a única vez que se nos depara o nome de Triptólemo nessa situa-
ção. O facto tem sido explicado, com bastante probabilidade, como uma
concessão feita ao auditório ático, pois essa figura estava intimamente
relacionada com os Mistérios de Elêusis 3 .
Minos estava destinado a ser juiz no Hades, desde que no Canto XI
da Odisseia fora representado na continuidade do exercício das funções
que lhe haviam incumbido durante a vida.
Radamanto, como legislador tradicional dos Campos Elísios, estava natu-
ralmente associado ao irmão, uma vez que se pensou que as almas tinham
de passar pelo tribunal, antes de atingirem as Ilhas dos Bem‑aventurados.

1 Cf. também Leges, 959B, onde se afirma que os que deixaram esta vida serão

julgados καθάπερ ὁ νόμος ὁ πάτριος λέγει, palavras estas em que deverá ver‑se uma
referência à doutrina de Elêusis, e vide supra, pp. 48-50.
2 Sobre o temor que causava o nome do deus infernal, temos dois preciosos

testemunhos: o frg, 246.10 Kock, versos 10‑14 (de Filémon ?):

…..........… ἔστι κἀν Ἅιδου κρίσις


ἥνπερ ποιήσει θεὸς ὁ πάντων δεσπότης,
οὖ τοὔνομα φοβερόν, οὐδ’ ἂν ὀνομάσαιμ’ ἐγώ,
ὃς τοῖς ἁμαρτάνουσι πρὸς μῆκος βίου
δίδωσι.

e um passo de Platão, Cratylus, 403A:

Τὸ δὲ Πλούτωνος, τοῦτο μὲν κατὰ τὴν τοῦ πλούτου δόσιν, ὅτι ἐκ τῆς γῆς κάτωθεν ἀνίεται ὁ
πλοῦτος, ἐπωνομάσθη. ὁ δὲ «Ἅιδης», οἱ πολλοὶ μέν μοι δοκοῦσιν ὑπολαμβάνειν τὸ ἀειδὲς προσειρῆσθαι
τῷ ὀνόματι τούτῳ, καὶ φοβούμενοι τὸ ὄνομα «Πλούτωνα» καλοῦσιν αὐτόν.

3 Porém os pintores de vasos do século IV a. C„ na Itália Meridional, incluíam‑no

por vezes entre os três juízes infernais. O facto deve ser devido à influência ática, que
também está patente na técnica desses artistas. Num vaso de Altamura, Triptólemo
aparece representado juntamente com Éaco e Radamanto, e no de Karlsruhe figura
só com Éaco, talvez devido à circunstância de esse vaso estar quebrado. No famoso
krater de Nova‑Iorque, Hades está sentado no lugar do juíz, como em Ésquilo, mas deve
tratar‑se de um caso especial, porquanto está em causa o crime de Teseu e Pirítoo.
Para uma interpretação completa deste importante documento, vide P. Jacobsthal,
The Nekyia Krater in New‑York, in Metropolitan Museum Studies, vol. V, 1934, pp. 117 seqq.
1ª PARTE - CAPÍTULO III - PLATÃO 65

O mais difícil de explicar é Éaco. Dele dissera Píndaro que ditava as


suas sentenças mesmo aos deuses:

…………δῖον ἔνθα τέκες


Αἰακὸν βαρυσφαράγῳ πατρὶ κεδνότατον
ἐπιχθονίων. ὃ καὶ
δαιμόνεσσι δίκας ἐπεί‑
ραινε………..
(I., VIII, 21‑24)

Isócrates afirmara que παρὰ Πλούτωνι καὶ Κόρῃ μεγίστας τιμὰς ἔχων
παρεδρεύειν ἐκείνοις (Euagoras, 15). A sua identificação com οἰκέτης
Ἅιδου nas Rãs é duvidosa, visto que só aparece nos escólios e manus-
critos de menor valor 1 . Contudo, mais tarde podemos ver que Éaco era
invocado nessa qualidade num papiro mágico 2 .
No mito do Górgias, diz‑se que Radamanto julga os naturais da Ásia,
Éaco os da Europa, e que Minos preside 3. No Fédon apenas se afirma que
as almas vão εἰς δή τινα τόπον, οἷ δεῖ τοὺς συλλεγέντας διαδικασαμέ-
νους εἰς Ἅιδου πορεύεσθαι4 e no mito de Er somente ouvimos falar de
δικαστάς 5 ; o mesmo se verifica com o mito do Fedro 6 .
O facto de os juízes dos infernos só serem designados pelos seus
nomes na Apologia e no Górgias e o modo por que o são na primeira
destas obras mostram que Platão usara uma ideia corrente, que mais
tarde abandonou 7 .
As noções de julgamento e subsequente separação das almas, de acor-
do com os seus méritos, e de penas temporárias, habitualmente em
relação com a metempsicose, estão todas presentes no fundo dos mitos
platónicos do além; unicamente, a importância que assumem varia em
função do lugar que ocupam no desenvolvimento do aspecto que se
considera. Desse modo, no mito do Górgias, toda a atenção se concentra
à volta da ideia de justiça, ao passo que no do Fédon o ponto principal
é a ordem do cosmos e a situação que as almas ocupam nesse todo, e no

1 Cf. Wilamowitz, Glaube der Hellenen, II, p. 184 nota 2.


2 Papyri Graecae Magicae IV, 1417.
3 524A.

4 107D.

5 614C.

6 249A‑B.

7 Os três juízes, como modelos de rectidão, figuram em Isócrates, Panathen., 205

e em Demóstenes, XVIII, 127. Radamanto, apenas, em Eurípides, Cyclops, 273‑274.


Sobre o mesmo, cf. ainda Píndaro, P. II, 73‑75.
66 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

mito de Er o problema da transmigração e da escolha do destino é o


mais proeminente 1 . O mito do Fedro ilustra a doutrina das ideias puras
e da anamnese, mantendo‑se num nível cosmológico.

a) O mito do Górgias

Se analisarmos mais de perto cada um dos mitos, em breve poderemos


concluir que o do Górgias é o que está mais dependente da tradição épica,
como já Thomas notou 2 . Ouvimos falar primeiramente da partilha dos
reinos, tal como Homero a refere em O 187‑195, e, depois, das Ilhas dos
Bem‑aventurados, como a mansão dos bons, e do Tártaro, como a pri-
são dos que terão de ser castigados. Ambas as designações pertenciam
ao núcleo tradicional e é nesse sentido consagrado que Platão as usa.
Os juízes encontram‑se num prado (λειμών), que por sua vez está situado
numa τρίοδος, de onde partem os dois caminhos que levam, um à terra
dos eleitos e outro ao lugar de castigo dos maus 3 .
O prado estava na tradição desde o ἀσφοδελὸς λειμών de λ 539, re-
petido em ω 13; temos depois os prados dos iniciados no Hades das Rãs
e, mais tarde, os λειμῶνες ἱεροὶ καὶ ἄλσεα das lâminas de ouro (32 f 6),
o de um fragmento citado por Proclo como órfico (Frg. 222 Kern) e de
Diodoro I, 96. Acerca da τρίοδος tem‑se dito geralmente que se originou
no ensino pitagórico; e figura também nas já citadas lâminas de ouro.
Mas podemos explicá‑la simplesmente como uma necessidade topográ-
fica, que por força tinha de derivar da ideia de que as almas seguiam
para dois destinos opostos, de acordo com o seu comportamento na vida.

1 Olimpiodoro caracteriza‑os deste modo (in Plat. Gorg., p. 221 Norvin): ….ἰστέον

δὲ ὄτι εἰσὶν ἐκεῖ δικασταί, εἰσὶ καὶ τὰ κολαστήρια καὶ πρὸς τούτοις αὐτοὶ οἱ
κρινόμενοι. ἐν μὲν οὖν τῷ Φαίδωνι περὶ αὐτῶν τῶν κολαστικῶν τόπων διαλέ-
γεται, ὅτι εἰσὶ τέτταρες ποταμοὶ καὶ ὅτι ἐν τῇ Ἀχερουσίᾳ λίμνῃ ἀποκαθαίρονται
αἱ ψυχαί, καὶ ἄλλα ὅσα καὶ οἱ ποιηταὶ λέγουσιν... ἐν μέντοι ταῖς Πολιτείαις
περὶ τῶν κρινομένων. ἐνταῦθα δὲ περὶ τῶν δικαστῶν κρινόντων.
Neste ponto, tinha razão, mas é evidente que não podemos dar‑lhe crédito
quando declara: πανταχοῦ γὰρ ὁ Πλάτων παρῳδεῖ τὰ τοῦ Ὀρφέως (Olimpiodoro in
Plat. Phaedonem Commentaria, p. 58 Norvin), apresentando inúmeros excertos de
poesia órfica da época helenística para provar a sua asserção. A tese de H. W.
Thomas é, fundamentalmente, um desmentido deste capcioso depoimento.
2 H. W. Thomas, Ἐπέκεινα, pp. 6, 8 seqq.

3 H. W. Thomas, op. laud., p. 12, nota 32, supõe que as Ilhas dos Bem‑aventu-

rados estão no mundo infernal, como o lugar dos iniciados no Hino Homérico a
Deméter, baseando‑se na frase ἀτεχνῶς παραδείγματα ἀνηρτημένους ἐκεῖ ἐν Ἅιδου
ἐν τῷ δεσμωτηρίῳ (525C), Porém neste contexto só se faz referência aos ἰάσιμοι e
ἀνίατοι e em ἐν τῇ τριόδῳ ἐξ ᾗς φέρετον τὼ ὁδώ (524A) estão implícitas duas direcções
opostas. Mas o caso em si não tem grande importância.
1ª PARTE - CAPÍTULO III - PLATÃO 67

Porém a particularidade de as marcar como curáveis ou incuráveis e de


lhes assinalar castigos temporários ou perpétuos, conforme o caso, é
provavelmente de origem pitagórica.
O desenvolvimento da ideia de justiça, exposto na alegoria dos três
juízes indigitados para julgar os homens depois de mortos, e não em vida,
parece ser o contributo pessoal de Platão para a construção do mito 1.

b) O mito do Fédon

No mito do Fédon o interesse principal reside na exposição da teoria


da ordenação do cosmos. Faz‑se menção, evidentemente, do julgamento
e do Hades (107D‑E), mas sem se insistir nesses pontos. O propósito do
autor aqui é descrever os πολλοὶ καὶ θαυμαστοὶ τῆς γῆς τόποι (108C),
o que não tarda a fazer.
O quadro da verdadeira terra, com a sua beleza irradiante, contrasta
com a descrição das cavernas, em que vivemos2, e do abismo do Tártaro.
A exposição acerca dos rios, que correm de e para esse sítio, conserva
alguns traços da tradição, que se tornam mais evidentes quando os ve-
mos relacionados com o destino das almas, uma vez que é nos pântanos
do Aqueronte que estas permanecem por um maior ou menor período
de tempo, aguardando a transmigração (113 A), e são lançadas fora pelo
Piriflegetonte ou pelo Cócito, segundo a natureza dos seus crimes. Todo
o lugar está impregnado de dramática ansiedade, que lhe vem dos gritos
dos condenados (114A).
Uma das mais interessantes novidades é que os justos são agora re-
compensados com uma vida na verdadeira terra e os filósofos habitarão
ἄνευ τε σωμάτων em lugares ainda mais belos (114C).
O problema das fontes deste mito foi já exaustivamente discutido
por Thomas 3 pelo que se torna desnecessário analisá‑lo de novo aqui.

1 Tem‑se discutido se a metempsicose está implícita neste mito (P. Friedländer,

Platon, I, 1928, pp. 210 seq. e 214 seq.) ou não (Wilamowitz, Platon, I, p. 226; von
Arnim, Platos Jugenddialoge, p. 163; H. W. Thomas, Ἐπέκεινα, p. 71, nota 65). Pelo
menos, a teoria não se encontra explicitamente mencionada.
2 A ideia é aparentada com a do mito da caverna em Rep. VII 514A‑517B, como

Thomas justamente observou, op. laud. pp. 84 e 89.


3 Op. laud., pp. 85‑96. Entre as fontes prováveis contam os escritos de Diógenes

de Apolónia, Anaxágoras, Empédocles e Arquitas. As conclusões de Thomas


encontram‑se resumidas a pp. 96‑97: «Diese Vorstellungen aus der Wissenschaift
und Naturphilosophie seiner Zeit hat Platon natürlich gekannt, und Anregungen
für seine mythisch‑phantasievollen Kombination mögen ihm die vorhandenen
Verstellungselemente sicher geboten haben, aber im einzelnen sind die Analogien
sämtlich so schawach, dass man nicht von Vorbildern Platons sprechen kann».
68 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

É altamente provável que Platão tenha feito uso de alguns elementos


que eram parte da doutrina dos filósofos iónicos, mas muito da teoria
exposta deve ter sido original, como o mostra a refutação de Aristóteles,
em Meteor. II 2. 355 b 32 seqq., da descrição platónica do Tártaro como
nascente comum de todas as águas.
Mas o próprio Platão nos fornece algumas informações sobre o assunto.
Em meu entender, as palavras de Símias, que antecedem directamente
a exposição sobre a forma e estado de equilíbrio da terra, destinam‑se
a acentuar que o autor estava ao par das teorias cosmológicas do seu
tempo, mas tinha uma que lhe era própria:

Περὶ γάρ τοι γῆς καὶ αὐτὸς πολλὰ δὴ ἀκήκοα, οὐ μέντοι ταῦτα
ἃ σὲ πείθει ἡδέως οὖν ἂν ἀκούσαιμι.
(108D)

A descrição da verdadeira terra é introduzida pela palavra que


costuma usar‑se para apresentar um mito: λέγεται (107D). Quando se
chega à exposição acerca dos rios, a tradição poética é mencionada
mais de que uma vez (Homero, 112A; ὃν ἐπονομάζουσι 113B; ὃν δὴ
ἐπονομάζουσι, 113C; ὡς οἱ ποιηταὶ λέ γουσιν 113C), de maneira que
nos leva a concluir que Platão estava a adaptar antigas ideias às novas
formas do seu pensamento.
De sua invenção era também a descrição da verdadeira terra e a ideia
da presença dos deuses nos templos sobre ela existentes, como causa
máxima de felicidade para os homens.

c) O mito de Er

No mito final da República, o lugar de acção já não é o Hades, ou a


verdadeira terra, os κοῖλα e o Tártaro, mas a totalidade do cosmos.
Há duas partes principais na narrativa: a primeira forma o cenário cos-
mológico, a segunda consagra‑se quase exclusivamente ao problema do
livre arbítrio na transmigração.
O todo é apresentado como uma história contada por um panfílio, Er,
filho de Armeno, facto que só por si é indicativo da origem de algumas
das ideias, conforme já se disse 1 . Por outro lado, o convívio de Platão
com magos caldaicos é já ponto assente, e a presença de Eudoxo de

1 Bidez, Eos ou Platon et l’Orient, cap. VI, Le Mythe d’Er. Contestado por Thomas,

Ἐπέκεινα, p. 159. Sobre a relação entre a experiência de Er e o saber oculto de um


xamã, vide E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, pp. 210 e 225, nota 8.
1ª PARTE - CAPÍTULO III - PLATÃO 69

Cnido na Academia deve estar relacionada com o conhecimento que o


filósofo tinha das teorias orientais sobre a astronomia 1 .
Os duplos χάσματα que conduzem ao céu e à terra e a ida e vinda
e saudações das almas são pormenores comuns a alguns mitos irania-
nos do Avesta, ao passo que as cores dos pesos do fuso correspondem
aproximadamente aos símbolos dos planetas, do Sol e da Lua, entre os
sacerdotes caldaicos 2. Nos movimentos dos pesos e no canto harmónico
das sereias reflectem‑se ideias pitagóricas 3 . Também a Ananke era uma
concepção dessa mesma escola 4, como o era igualmente a possibilidade
de reincarnação em forma humana ou animal 5. Esta última doutrina era
comum a Empédocles 6 .
A βροντή que se ouvia, sempre que uma alma que ainda não tinha
acabado de cumprir a sua pena no Tártaro tentava subir até ao prado
(615E), parece ser uma reminiscência da doutrina que Aristóteles atribuiu
aos pitagóricos, Anal. Post. B 11.94 b. 33: καὶ εἰ (sc. βροντᾷ), ὡς οἱ Πυθαγόρειοί
φασιν, ἀπειλῆς ἕνεκα τοῖς ἐν τῷ Ταρτάρῳ, ὅπως φοβῶνται7 . O mesmo se
pode dizer com relação aos βροντὴ καὶ σεισμός finais, que assinalam
o começo de uma nova incarnação das almas, em 621B; prova‑o uma
informação conservada por Eliano, de que os pitagóricos explicavam
os tremores de terra como σύνοδος τῶν τεθνεώτων8 . Finalmente, na
última cena, quando as almas bebem do rio Ἀμέλης, no Λήθης πεδίον,
é de crer que as ideias pitagóricas tenham actuado na mente do escritor.
As Parcas derivam da tradição mitológica. Mas a parte central, e mais
importante, em que se descreve a escolha dos destinos por algumas
personalidades muito conhecidas, deve ser inteiramente nova. O papel

1 O papiro encontrado na biblioteca do filósofo epicurista Filodemo informa‑nos

de que um hóspede caldaico estava presente nos últimos momentos de Platão


(citado por J. Bidez, op. laud.).
2 Observação de Bidez, Les Couleurs des Planètes dans le Mythe d’Er, Bruxelles,

1935.
3 Jâmblico, Vita Pyth. 82 = VS. 58 (45) C 4: ἄκουσμα: ὅπερ ἐστὶν ἡ ἁρμονία,

ἐν ᾗ αἱ Σειρῆνες.
4 Ἀνάγκην περικεῖσθαι τῷ κόσμῳ (Diels, Doxogr., 321). Cf. Thomas, op. laud., p.

101, nota 221. Desempenhava também um papel importante nos Καθαρμοί de


Empédocles (frg. 115 Diels).
5 Sobre a dificuldade de reconciliar a reincarnação em animais com a teoria

platónica da alma, vide E. Rohde, Psyche, II, pp. 276 seq., nota 4, e Thomas, op.
laud., pp. 74‑75.
6 Frag. 117 Diels.

7 VS. 58 (45) C 1.

8 Var. Hist. IV, 17 = VS. 58 (45) C 2. Cf. Thomas, op. laud., p. 77 e a bibliogra-

fia citada nesse lugar. Para uma discussão exaustiva das fontes do mito, vide
ibidem, pp. 97‑107,
70 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

do livre arbítrio nesta escolha é acentuado com toda a solenidade: Αἰτία


ἑλομένου. θεὸς ἀναίτιος (617 E).
Sobre a parte cosmológica do mito, tem‑se suposto que ela descreva
uma representação mecânica do céu 1 e a coluna de luz em 616Β tem sido
diversamente identificada, desde a antiguidade, com a Via Láctea ou o eixo
do mundo. Thomas reconcilia os dois pontos de vista: baseando‑se nas
indicações fornecidas pelo texto do Timeu2, conclui que o eixo do cosmos,
que era por sua vez uma parte da alma do mundo e o centro da ordem do
universo, tomava o aspecto de uma coluna de luz para os que chegavam.
Em meu entender, não deve insistir‑se demasiado na base astronómica
do mito. O autor parece ter‑se servido dela apenas na medida em que
lhe fornecia um cenário para o seu tema central da escolha dos destinos.
É essa também a razão pela qual os motivos usuais dos mitos escatológi-
cos são quase completamente postos de parte. Os juízes são anónimos e
colocados μεταξὺ τούτων (614C), quer dizer, entre os χάσματα. O λειμών
(614E) tornou‑se um lugar de reunião das almas que vêm das aberturas.
Os castigos no Tártaro, que constavam de Phaedo 114Α, são aqui subs-
tituídos pelos ἄνδρες......ἄγριοι, διάπυροι ἰδεῖν (615E), que empurram
as almas e as torturam, e a esperança no perdão dos ofendidos, que
ainda brilhava em Phaedo 114B, desvaneceu‑se agora completamente,
para dar lugar a sentimentos de terror (616A). Portanto, devem ter sido
utilizados na elaboração deste mito elementos de proveniência diversa,
mas o conjunto evidencia uma unidade, que não teria sido possível,
se as linhas mestras da construção não fossem da invenção platónica.

d) O mito do Fedro

Uma grande parte do mito do Fedro é estranha ao assunto aqui tratado;


por conseguinte, apenas os passos que lhe dizem respeito serão considerados.
Baseando‑se na semelhança entre as designações ἀληθείας πεδίον
(248B) e Ἄτης λειμών (frg. 121 dos Καθαρμοί) e ainda entre θεσμός τε
Ἀδραστείας ὅδε (248C) e ἔστιν Ἀνάγκης χρῆμα, θεῶν ψήφισμα παλαιόν
(frg. 115), Diels3, Kranz4 e Thomas5 reconheceram uma grande influência

1 E. Franck, Plato und die sogenannten Pythagoreer, Halle, 1923, p. 344, nota 69

(apud Thomas, op. laud., p. 103).


2 34B‑40C.

3 VS. 31 (21) C 1.

4 Kranz in VS. I 5 .

5 Op. laud., p. 125.


1ª PARTE - CAPÍTULO III - PLATÃO 71

de Empédocles. Quanto ao primeiro caso, vimos já que o prado do filósofo


agrigentino não deve situar‑se no Hades 1. O segundo ponto deve estar
certo; podemos mesmo adicionar‑lhe a personificação de Αnanke no mito
de Er. O exílio da companhia dos deuses é também uma reminiscência dos
versos finais do frg. 115 de Empédocles, onde o poeta se declara φυγὰς
θεόθεν καὶ ἀλήτης.
A teoria da ἀνάμνησις, conquanto não esteja claramente explícita nos
Καθαρμοί, segundo a interpretação dada ao prado de Ate, está certamen-
te implícita e constitui, por sua vez, a parte central do mito do Fedro.
Porém a finalidade da ἀνάμνησις aqui é completamente diferente da que
tinha no mito de Er. Aí ela actuava nas almas naqueles estranhos lugares
onde estas se saudavam, e atingia a sua máxima potência no momento em
que escolhiam os seus novos destinos, para desaparecer logo que bebiam
do rio da planície do Letes. Aqui, a ἀνάμνησις desempenha um papel muito
importante no comportamento das almas depois de terem caído na terra.
O aspecto mais interessante deste mito é, em meu entender, a ten-
tativa que faz de traduzir em imagens as ideias puras, que as almas se
esforçam por alcançar.
O cenário é todo novo 2, e apenas escassos fragmentos das concepções
tradicionais restam aqui e ali, como o ἀληθείας πεδίον (248B), onde
πεδίον é uma reminiscência do vocabulário escatológico, e o λειμών,
que dá o melhor pasto à alma (248B), e ainda os castigos subterrâneos
(249A, 256D). Por outro lado, a ideia de rolar durante nove mil anos
à volta e por baixo da terra, com o espírito delirante (257A), não é fácil de
explicar. Era costume marcar a duração das penalidades com números 3,
mas o processo de expiação é diferente e só poderá ser compreendido
no plano cosmológico de todo o mito.
Há um julgamento (249A) e as almas podem reincarnar em animais
ou regressar à sua condição humana (248B‑249B). Os filósofos recebem
uma recompensa especial, como aliás em todos os outros mitos plató-
nicos. Neste, consiste em se tornarem novamente alados e seguirem o

1 Supra, pp. 61-62.


2 A interpretação astronómica que depois deu a Academia não nos interessa aqui.
3 Píndaro diz que «no nono ano» Perséfone liberta as almas que expiaram a

sua antiga mágoa (frg. 133 Snell). Empédocles fala de τρὶς.........μυρίας ὥρας (frg.
115 Diels). Em Rep., X, 615A, há uma viagem de mil anos por baixo da terra.
Os números do Fedro concordam com os do mito de Er, quanto ao período de
transmigração das pessoas vulgares; porém os filósofos têm de escolher a mesma
vida durante três épocas sucessivas com a mesma extensão, a fim de reaverem
as suas asas (248E‑249B). A περιήλυσις pitagórica (Heródoto II, 123) durava três
mil anos. Os múltiplos de três são frequentes nestes casos.
72 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

seu caminho, depois do terceiro período de mil anos (249C), ao passo


que os outros têm de ser julgados e submetidos a mais transmigrações.

Comparando os mitos escatológicos, verificamos que Platão não seguiu


sempre o mesmo modelo em todos eles, facto que, só por si, seria a negação
da tese de Dieterich, de que um poema órfico estava na base dos quatro1.
A noção de julgamento depois da morte, naturalmente seguido de re-
compensas e castigos, que é comum a todos, estava na tradição helénica.
A crença na transmigração, que é fundamental para o mito de Er e o do Fedro,
está atestada, pelo menos, para os pitagóricos2 e Empédocles.
Podemos facilmente assinalar diversos estádios no modo platónico
de considerar o além. O mito do Górgias mantém‑se, em grande parte,
próximo da tradição épica, e, conquanto introduza a noção de almas
curáveis e incuráveis, parece ter excluído a transmigração; o Fédon
incorpora crenças escatológicas numa teoria do cosmos, em que são
refundidas algumas doutrinas geográficas; o mito de Er parece combinar
princípios astronómicos, talvez de origem oriental, com ensinamentos
pitagóricos sobre a ordenação do mundo, para assim formar o cenário
para o momento supremo da escolha dos destinos; as mesmas preocu-
pações astronómicas estiveram presentes na elaboração do fundo em
que se desenrola o mito do Fedro, que constitui uma exemplificação
da teoria da anamnese e das ideias puras. Deste modo, a mitologia e a
tradição foram gradualmente postas de parte.

e) O mito do diálogo pseudo‑platónico Axíoco

Diferente é o caso do diálogo pseudo‑platónico Axíoco, que tem o aspecto


de um catálogo das crenças que se tinham acumulado no decorrer dos séculos.
Pensam alguns autores que a escatologia deste mito depende da de
Possidónio 3. Outros entendem, com mais probabilidade, que estamos em
face de uma fusão de velhas crenças tradicionais com teorias do Orfis-
mo, Pitagorismo e da religião dos Mistérios 4 . Cumont chama a atenção

1Nekyia, p. 125.
2No Meno, 81A, Platão parece atribuí‑la aos pitagóricos: ἀκήκοα γὰρ ἀνδρῶν τε
καὶ γυναικῶν σοφῶν que é o seu modo habitual de se referir a essa seita, conforme
nota E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, p. 225, nota 5.
3 K. Meister, De Axiocho, 1915; J. Carcopino, La Basilique Pythagoricienne de la

Porte Majeure, Paris, 1927.


4 Chevalier, Étude Critique du Dialogue Pseudo‑Platonicien de l’Axiochos e Ettig,

Acheruntica.
1ª PARTE - CAPÍTULO III - PLATÃO 73

para o facto de o ὑπόγειον estar relacionado de perto com uma antiga


concepção astrológica síria; esta circunstância, combinada com a se-
melhança existente entre o Hades do Axíoco e o dos babilónios, ajudaria
a esclarecer os motivos da escolha da figura de Góbrias para narrar o
conto 1 . Julgo que, na verdade, há influências orientais no quadro, mas
foram sobretudo as literárias que prevaleceram.
O facto mais interessante é talvez a προεδρία dada aos iniciados
(371D), uma vez que já não são só esses, mas também os εὐσεβεῖς que
têm direito a um destino melhor no além.
A situação do Hades é descrita com precisão e de um modo que indica
uma época tardia: a sua extensão iguala a da terra e ocupa o hemisfério
inferior (371B). Os rios e juízes encontram‑se reduzidos apenas a dois,
por razões desconhecidas.
A exposição acerca do τόπος εὐσεβῶν inclui um extenso catálogo
dos entretenimentos desta vida. No Tártaro figuram todos os pecadores
conhecidos, com a particularidade de os portadores de vasos perfurados,
que conhecíamos como ἀμύητοι através da descrição, por Pausânias,
da pintura de Polignoto na lesche dos Cnídios em Delfos 2 e do Górgias,
493B‑C, estarem agora identificados com as Danaides e de serem as
Poenae que queimam, com os seus archotes, os condenados, que animais
selvagens lambem. É esta a única parte da imaginária do Hades que não
é antiga, e que fácil é assinalar como um produto da arte helenística.

1 Les Enfers selon l’Axiochos in Comptes‑Rendus des Séances de l’Académie des Ins-

criptions et Belles Lettres, 1920, pp. 272‑285.


2 Pausânias, X, XXXI, 9‑11.
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPITULO IV
AS LÂMINAS DE OURO

Existe ainda uma outra espécie de testemunho das crenças no além


que merece ser considerado: trata‑se daquele que nos fornecem as tão
discutidas lâminas de ouro. Até agora, encontraram‑se em túmulos onze
desses documentos e, conquanto a sua data varie entre o século IV a. C. e o
II da nossa era, o seu conteúdo mantém‑se sensivelmente o mesmo, de tal
maneira que nos autoriza a crer que pertenciam a um só e mesmo poema.
A doutrina que neles se exprime tem sido diversamente atribuída
ao Orfismo 1 , Órfico‑pitagorismo 2 , Pitagorismo 3 ou certos mistérios da
Itália Meridional, provavelmente báquicos 4 , embora sob a influência
do Pitagorismo também 5 .
Porém agora, com o aparecimento da nova lâmina de Farsália, a po-
sição do problema alterou‑se, pois fica demonstrado que, pelo menos
no século IV a. C. esse culto não estava confinado à Itália Meridional
e Creta, conforme se supunha. É de crer que estivesse bastante difun-
dido e que só o acaso tenha sido responsável pelo aparecimento dos
primeiros testemunhos na Magna Grécia.

1 Comparetti, Laminette Orphiche; Olivieri, Lamellae Aureae Orphicae; O. Kern,

Orphicorum Fragmenta, p. 104, 32; W. K. C. Guthrie, Orpheus, pp. 171‑182 e The Greeks
and their Gods, pp. 371‑375; M, P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, pp. 644
e 777; P. Frutiger, Les Mythes de Platon; S. Eitrem, Opferritus und Voropfer der Griechen
und Römer, in Videnskapselskapets Skriften, II, Hist.‑Filos. Klasse, 1914, n° 1, pp. 53‑55.
2 A. Dieterich, Nekyia, p. 125; K. Ziegler in Pauly‑Wissowa, s. u. «Orphische

Dichtung».
3 H. W. Thomas, Ἐπέκεινα.

4 Wilamowitz, Glaube der Hellenen, II, p. 102; A. Festugière, Les Mystères de Dio-

nysos (suite) in Revue Biblique, vol. XLIV, 1935, pp. 366‑396.


5 J. Wieten, De tribus laminis aureis quae sepulcris Thurinis sunt inuentae, Am-

stelodami, 1915.
76 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Por outro lado, a semelhança da doutrina exposta nas diferentes


lâminas, independentemente da época a que pertencem, permite‑nos
supor que tais ideias podiam igualmente ser anteriores ao século IV a.
C. De qualquer modo, não é arriscado pensar que eram, pelo menos,
contemporâneas dos mitos de Platão.
Examinemos agora os próprios documentos. Podem repartir‑se em
quatro grupos diferentes, que devem representar passos diversos do
poema. Um deles compreende a lâmina de Petélia1, as três de Eleuterna2
e a recém‑descoberta de Farsália 3 . A outro pertence uma das lâminas
de Túrios 4 . Três outras, achadas também em Túrios 5 e uma aparecida
em Roma 6 podem agrupar‑se noutra secção. Por último, há ainda uma
outra lâmina de Túrios 7, cujo texto oferece grandes dúvidas, a despeito
das muitas tentativas feitas para o esclarecer. Diels supõe que contém
um hino a Deméter. O conjunto parece ser apenas uma longa enume-
ração de deuses com os seus atributos. No entanto, a comparação com
o conteúdo das outras e a convicção de que elas devem ter sido gravadas
de memória, e não copiadas de um original, conforme mostrarei adiante,
leva‑me a pensar que o poema que serviu de base continha uma extensa
invocação aos deuses, que aparece resumida em καὶ ἀθάνατοι θεοὶ ἄλλοι
ou em καὶ θεοὶ καὶ δαίμονες ἄλλοι em três lâminas de Túrios e na de
Roma, e apenas se conservou completa naquela de que estamos a tratar.
O primeiro grupo é o mais interessante, por conter uma descrição
da paisagem do além. Em frente do palácio do Hades, declaram as lâminas
de Petélia e de Farsália, há duas fontes, das quais uma está guardada
por φύλακες, e um cipreste branco.
Todos estes pormenores não são fáceis de explicar, principalmente
desde que se verificou que, ao passo que a lâmina de Petélia adverte
o morto de que não deve aproximar‑se da fonte do lado esquerdo, mas
sim pedir água da outra, que corre τῆς μνημοσύνης ἀπὸ λίμνης, a lâmina
de Farsália inverte as suas posições respectivas, dizendo que a nascente

1 Kaibel, IGIS, 638; Olivieri, a 1 , p. 12; G. Murray, apud J. Harrison, Prolegomena

to the Study of Greek Religion, I.


2 Collitz, Griechische dialektische Inschriften, 4959 a ; Olivieri, b 1 , p. 14; G. Mur-

ray, op. cit., II, III, IV.


3 Editada por Νικολάου Μ. Βερδελῆ in Ἀρχαιολ. Ἐφ. 1951, p. 99.

4 Kaibel, IG, XIV, 642; Olivieri A 2 , p. 16; G. Murray op. cit., V.

5 Kaibel, Inscr. Gr. S. et It. 641, 1, 2, 3; Olivieri, A (p. 4), B (p. 9), C (pp. 10‑11);

G. Murray, op. cit., VII, VIII, IX.


6 Comparetti in Atene e Roma, VI, 1903, pp. 161‑170; Olivieri B 2 , p. 18; G.

Murray, op. cit., X.


7 Comparetti, Laminette orphiche; Olivieri, d, p. 22; G. Murray, op. cit., VI.
1ª PARTE - CAPITULO IV - AS LÂMINAS DE OURO 77

que se deve evitar é ἐνδέξια. A única explicação possível para este


facto é que os excertos do poema conservados nas lâminas não eram
copiados, mas escritos de cor, o que deu lugar às muitas variantes que
se lhes conhecem. É provável que o homem que gravou a de Farsália
apenas se recordasse de que um dos pontos principais era a fonte do
lado direito, e por isso mencionou‑a em primeiro lugar, sem se dar conta
de que assim alterava o significado ligado à sua orientação.
A identificação da árvore não é fácil de fazer com segurança. Com
toda a razão escreveu A. B. Cook: «it is hardly to be explained as a whi-
te poplar, despite the name (λευκή) and the chthonian associations of
that tree; yet another possibility would be to suppose that the λευκὴ
κυπάρισσος was in fact the East Indian species, Cupressus glauca or the
Cupressus niuea. On the whole, however, it seems most likely that the tree
of the tablets was a miraculous cypress, its peculiarity consisting in its
assimilation to that other Borderland tree, the white poplar» 1. O mesmo
autor acrescenta que esta paisagem é muito semelhante à do Elísio celta.
Após esta descrição, começa o discurso do morto aos φύλακ ες,
parte do qual se conserva também nas lâminas de Eleuterna. A frase
mais importante é Γῆς παῖς εἰμι καὶ Οὐρανοῦ ἀστερόεντος, pois mostra
a relação entre a doutrina aqui expressa e a que se contém nas outras
lâminas, uma vez que a genealogia apresentada é a mesma que se atri-
buía aos deuses 2. De modo que καὶ γὰρ ἐγὼν ὑμῶν γένος ὄλβιον εὔχομαι
εἶμεν (e suas variantes), das lâminas de Túrio, é apenas outra maneira
de exprimir a ascendência divina. O regresso a essa mesma origem é
afirmado pelas palavras θεὸς ἐγένου ἐξ ἀνθρώπου, noutra lâmina da
mesma proveniência, e por νόμῳ ἴθι θία γεγῶσα, na romana.
A lâmina de Petélia acrescenta ainda que o morto, depois de beber
da fonte da memória, reinará entre os heróis.
A nova lâmina, de Farsália, omite este pormenor, mas atribui um nome
ao morto: Ἀστέριος ὅνομα. É incerto se se trata do apelido verdadeiro 3,
como acontece com Καικιλία Σεκουνδεῖνα na lâmina romana, ou de um
nome genérico, dado a todos os mystae, para significar a origem celeste
da alma, mas a segunda hipótese parece mais provável.
A lâmina de Túrios que coloquei no grupo II está muito mutilada. Con-
tudo, não é difícil supor que πεφυλαγμένον poderia dizer‑se dos guardas
que estavam junto da fonte e que δεξιὰν ὁδοιπορῶν é uma referência

1 Zeus, A Study in the Ancient Religion, vol. ΙΙΙ, pp. 420 seqq.
2 Cf. Hesíodo, Theogonia, 45, 105‑106.
3 Sobre o nome próprio Ἀστέριος, vide Pape, Wörterbuch der griechischen

Eigennamen, s. u.
78 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

à mesma orientação que se aconselhava na lâmina de Petélia. Segue‑se


uma alusão aos sofrimentos passados e ao estado actual da alma, a mis-
teriosa frase ἔρυφος ἐς γάλα ἔπετες; e, por último, fala‑se dos prados
e bosques de Perséfone como de um lugar aprazível.
As quatro lâminas do grupo III contêm o discurso feito pelo morto
aos deuses. Insiste‑se especialmente no estado de pureza da alma. Esta
afirma ainda que se escapou da penosa roda e regressou ao seio da deusa
ctónia. Uma das lâminas repete a frase ἐς γάλα ἔπετον.
A teoria que afirma a origem pitagórica destas concepções apoia‑se
nos seguintes argumentos:
(1) As fontes são uma representação concreta das ideias de λήθη e
μνήμη, que eram familiares aos Pitagóricos1.
(2) o cipreste era uma árvore sagrada para essa seita2;
(3) era hábito pitagórico colocar «passes» nos túmulos3.
A estes motivos pode juntar‑se o uso do símbolo do κύκλος para figurar
a vida humana, que foi atribuído a Pitágoras por Diógenes Laércio4. Além
disso, a palavra κεραυνόν, que consta do texto do grupo III, pode também
explicar‑se por um passo já citado de Aristóteles, que a associa à doutrina
da transmigração 5. A preferência por δεξιόν, como o melhor caminho,
entre os Pitagóricos, está assinalada noutro fragmento do mesmo filósofo 6.
A teoria da influência báquica, combinada com esta, foi sustentada
por J. Wieten, baseando‑se especialmente na interpretação de ἔριφος
como símbolo de Dioniso, como consta de uma glossa de Hesíquio
(Ἔριφος. ὁ Διόνυσος) e de γάλα como uma palavra ritual dos mistérios
desse deus ‑ e não a Via Láctea, como também já foi proposto 7 — con-
forme se pode deduzir de um passo de Tito Lívio, I, 13,12 e de Cássio
Hermina, Non s. u. lacte, p. 483 (= Peter, Fr. H. R. 36), Além disso, toma
Εὔκλεες como uma forma de Εὔκολος, de quem Hesíquio dissera que
era Hermes παρὰ Μεταποντίνοις.

1 H. W. Thomas, Ἐπέκεινα. Sobre a preferência pitagórica pelas expressões

simbólicas, vide Diógenes Laércio, VIII, 17‑18.


2 J. Wieten, De tribus laminis aureis quae sepulcris Thurinis sunt inuentae, pp. 17

seqq., cita Jâmblico, V. P., 154‑155.


3 Idem, ibidem, p. 18. O texto citado é o de Diodoro, V, 28 e Jâmblico, V.P. 178.

4 VIII, 1, 14. Citado por E. R. Dodds (em aulas na Universidade de Oxford).

5 Aristóteles, Anal. Post. B 11.94 b. 33.

6 Aristóteles, frg. 185 Rose:....... τὸ οὖν δεξιὸν καὶ ἄνω καὶ ἔμπροσθεν ἀγαθὸν

ἐκάλουν, τὸ δὲ ἀριστερὸν καὶ κάτω καὶ ὄπιστεν κακὸν ἔλεγον.


7 Por Dieterich, Nekyia. Mas Delatte (apud J. Wieten, op. laud.) demonstrou que

a Via Láctea era, para os Pitagóricos, o ponto de passagem, não o de chegada, das
almas. Comparetti e Olivieri (op. laud.) supõem que γάλα está usado como símbolo
da inocência. Nenhuma destas interpretações é satisfatória.
1ª PARTE - CAPITULO IV - AS LÂMINAS DE OURO 79

Entendo que Εὔκλεες deve ler‑se em aposição a Εὐβουλεῦ1. Ambas as


palavras aparecem sem partícula copulativa numa das lâminas e ambas
podiam ser dirigidas a Hades como um eufemismo (cf. Hesíquio e Suidas,
s. u. u.), de modo que nenhum outro deus é mencionado individualmente,
além dos componentes do par ctónio 2 . O sentido da expressão ἔριφος
ἐς γάλα ἔπετον continua incerto. É provável que essa frase figurasse
num contexto no qual fosse inteligível, mas, justamente pelo seu valor
simbólico e pela sua forma incompreensível aos não‑iniciados, em breve
fosse isolada dele e adoptada como uma das fórmulas mágicas de maior
efeito, que não se devia esquecer.
Em face da escassez de provas e do estado do texto, apenas podemos
concluir que as lâminas de ouro conservam alguns fragmentos de um
poema mais extenso, que se destinavam a servir de guia à alma do morto
que acreditara nessa doutrina. Da natureza das variantes que apresen-
tam, deduz‑se que pelo menos os trechos mais importantes tinham sido
aprendidos de cor por quem os gravou, donde resultaram as divergên-
cias mencionadas. O interesse maior das lâminas de ouro reside no facto
de serem o único documento cultual dessa época, de que temos conheci-
mento. Se o fundo de doutrina que lhes assiste é pitagórico ou não, é ponto
difícil de estabelecer, mas é, pelo menos, muito provável que assim seja.

ADDENDA

Desde a primeira edição deste livro, em Janeiro de 1955, apareceram


mais lâminas de ouro, em número que excede em muito o das onze aqui
descritas e analisadas. Os lugares onde foram encontradas as primeiras
distribuíam‑se pela Magna Grécia (Petélia, Túrios), Sicília, Roma, Creta e
Tessália. Depois surgiram, ano após ano, mais vinte e oito lâminas, num
espaço geográfico muito alargado, que abrange, para além da Magna
Grécia, Hipónion (na Calábria), da Sicília (Entela), de Creta (Milopótamos,
Retímnon) e da Tessália (Pelina, Feras), um exemplo em Lesbos, três na
Acaia, dois na Élide, nove na Macedónia e ainda dois de local incerto.
Todos estes achados foram sucessivamente descritos e discutidos em
artigos de revistas da especialidade. Presentemente, existe já uma boa

1 Cf. J. Harrison, Prolegomena to the Study of Greek Religion3, p. 587. Contestado por
Olivieri, op. laud., p. 100; L. Malten, in Archiv für Religionswissenschaft, 1909, p. 440.
2 Os nomes dos dois deuses infernais aparecem frequentemente associados

na Odisseia, v. g. k 491, 534, 564; λ 47. Cf. ainda Ilíada, Ι, 457, 569. A influência da
linguagem dos poemas homéricos sobre a das lâminas de ouro foi já assinalada
por Olivieri, entre outros.
80 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

edição Teubneriana por A. Bernabé, Poetae Epici Graeci. Orphicorum et Orphicis


similium testimonia et fragmenta fasc. I et II, München, Saur, 2003‑2004, e
outra comentada por Fritz Graf e Sarah Iles Johnston, Ritual Texts for the
Afterlife. Orpheus and the Bacchic Gold Tablets, London, Routledge, 2007.
Para a questão que aqui nos ocupa, diremos apenas que o conteúdo
de várias destas lâminas é frequentemente semelhante, ou até mesmo
igual, ao das já conhecidas. Outras ainda constam de umas linhas muito
incompletas, ou mesmo só do nome do possuidor.
Ao primeiro grupo, ou seja, às lâminas cujo texto é quase coincidente
com o das que anteriormente juntei, por conterem uma descrição da pai-
sagem do além (o palácio do Hades, duas fontes, uma das quais guardada
por φύλακες e com um cipreste branco ao lado) podemos associar a lâmina
de Hipónion, embora notemos desde já que os dois versos finais contêm
uma informação muito importante: que depois de ter bebido do Lago
da Memória, o iniciado seguirá pela via sagrada, por onde transitam outros
mistas e bacchoi 1. Este é um dos dados em que se apoiam os defensores
da relação entre os iniciados nestes mistérios e o culto de Baco (ao passo
que a presença do Pitagorismo está hoje geralmente excluída). Ora essa
relação principiou a ser estabelecida por Domenico Comparetti desde
os finais do século XIX e encontra agora uma confirmação na lâmina de
Pelina e também na de Anfípolis2. Na de Pelina, Baco é apresentado como
um libertador. E reaparece, embora alterada, a enigmática frase ἔριφος
ἐς γάλα ἔπετον que já conhecíamos de duas lâminas de Túrios3. Esta nova
forma substitui o animal que salta ou cai no leite: primeiro por um touro
e depois por um carneiro.
Ora o epíteto de ταυροφάγος (que já figurava no fr. 668 de Sófocles)
aparece num passo de As Rãs de Aristófanes (v. 357) atribuído a Cratino.
No seu comentário à edição da peça, Dover4 considera‑o como uma forma
de assimilar esse comediógrafo ao próprio deus.
Mas o epíteto em questão não está sozinho. Como já vimos, logo a seguir
à referência ao touro que saltou para o leite, vem uma que apenas substitui
o animal por outro, que passou a ser o carneiro. Para estas alterações, não
se encontra uma explicação satisfatória. Apenas podemos admitir a hipótese
de Sarah Johnston5, de entre as muitas soluções propostas, a melhor será a
de que a frase “caiu no leite” ou “saltou para o leite” quer dizer “ficar no

1 N.º 1 na edição de Graf – Johnston, à qual nos reportaremos sempre.


2 N.os 26 e 30.
3 N.os 3 e 5.
4 Aristophanes, Frogs, Oxford 1993, p. 240.
5 Op. cit., cap. 4.
1ª PARTE - CAPITULO IV - AS LÂMINAS DE OURO 81

meio da abundância” ou “iniciar um novo começo”, e que era uma maneira


de afirmar a ventura dos iniciados1. Por sua vez, é importante sublinhar,
como fez Graf, que o facto de aqueles três versos quebrarem o ritmo
dos hexâmetros só poderia ter uma explicação: é que se tratava de uma
exclamação que reproduzia as fórmulas rituais2.
Deve salientar‑se, por outro lado, que as lâminas mais expressivas são as
que contêm a descrição do além, a que já aludimos. São aquelas a que Sarah
Johnston chama “geográficas”, por oposição a outras, que são catárticas.
Quando completas, englobam a referência à bem edificada casa de Hades,
ao cipreste branco, às duas fontes – uma, perigosa, da qual muitas almas
se apressam a beber, outra, a do Lago da Memória, que as levará pelo bom
caminho. Mantém‑se a ocasional confusão entre a localização dessas fontes
(à direita ou à esquerda) e o enigma acerca do “cipreste branco”. Diversas
conjecturas têm sido formuladas, das quais a mais provável parece a de
Zuntz, que supõe que λευκός não se refere simplesmente à cor branca, mas
ao brilho que a árvore projecta no sombrio além3.
Outras lâminas contêm apenas o nome do iniciado (como 23, 24 e 32‑36)
ou um nome e declaração de que é um μύστας (21‑22). Uma (19) está ainda
por publicar.
Por último, lembremos que tudo o que se relaciona com a figura de
Orfeu é sujeito a interpretações díspares, e mais ainda quando se liga à
de um dos deuses mais estranhos – Dioniso – envolto na tradição de uma
proveniência asiática, como se lê nessa peça extraordinária que é As Ba-
cantes de Eurípides, quando agora se sabe que o seu nome já figurava no
século XIII a.C., em tabuinhas em Linear B, juntamente com os de outros
deuses micénicos, e que havia uma inscrição votiva num templo de Ceos,
onde o seu culto se efectuara sem descontinuidade desde o século XV a.C.
Quanto à difusão das lâminas de ouro, há ainda uma questão que foi
levantada por Gordon4: como explicar que um objecto dispendioso – visto
que as lâminas eram sempre de ouro – pudesse ser adquirido por tantos
iniciados em tantos lugares dispersos? A esta questão económica seja‑me
permitido acrescentar outra: a relativa uniformidade destes textos não
pode nem deve pôr‑se em paralelo, como muitas vezes tem sido feito,
com a riqueza e variedade dos quatro mitos escatológicos de Platão, que
analisámos no capítulo anterior.

1 A autora refere (p. 207, n. 61) os principais proponentes desta tese: Zuntz,

Graf, Bernabé e Jiménez San Cristóbal.


2 Ritual Texts for the Afterlife, cit. p. 138.

3 Persephone. Three Essays on Religion and Thought in Magna Graecia, Oxford 1971,

apud Sarah Johnston, op. cit., p. 109.


4 Na recensão a esta obra em Greece and Rome 55 (2008), 305.
(Página deixada propositadamente em branco)
2ª PARTE
ANÁLISE DAS DESCRIÇÕES LITERÁRIAS
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO I
δ, 561 seqq.

Pelo facto de conterem a mais antiga referência, no que nos resta


da Literatura Grega, a outra espécie de vida no além que não seja a
existência no Hades, os versos 561‑569 do Livro IV da Odisseia têm dado
lugar a muitas discussões sobre a sua autenticidade. Bekker e Hennings
omitiram‑nos, Nitzsch excluiu 562‑569 e Kirchhoff e Fick atetizaram
565‑568. Acentuou‑se o facto de eles serem aparentemente irreconci-
liáveis com o Canto XI e até com certos passos escatológicos da Ilíada.
É inegável que, através dos poemas homéricos, se supõe sempre que o
Hades é o último fim de tudo para toda a gente. Mas em δ 569 1 expõe‑se
claramente a razão pela qual Menelau terá um destino especial:

οὕνεκ᾽ ἔχεις Ἑλένην καί σφιν γαμβρὸς Διός ἐσσι.

Por conseguinte, o privilégio de Menelau escapar à morte deve‑se


ao seu parentesco com um deus e não tem nada de comum com a sor-
te das pessoas vulgares. Portanto, não há contradição com as ideias

1 O verso era suspeito para um escoliasta antigo, que escreveu: τινὲς φίλος

ἐσσι. ἐν ἐνίοις δὲ οὐ φέρεται ὁ στίχος διὰ τὸ ἀκύρως ἔχειν τὴν ἀντωνυμίαν. οὐ γὰρ Διὸς
γαμβρὸς ὁ Μενέλαος (Cf. Dindorf, Scholia Graeca in Homeri Odysseam, ad. loc.). Mas na
verdade, em Γ 199 e 418 afirma‑se que Helena é filha de Zeus. Também Bérard é
de opinião que no verso 569 «nous avons le type du vers ajouté σαφηνείας χάριν»
(Introduction à l’Odyssée, II, p. 358) e mete‑o entre parênteses rectos na sua edi-
ção Budé. Acrescenta ainda (p. 359): «Ce pronom σφιν ne signifie rien... Certains
proposaient de rapporter ce pronom à un mot du vers précédent, ἀνίησιν, qui
est un verbe à la troisième personne du singulier, mais dont ils faisaient (on ne
sait comment) un datif pluriel ἀνίῃσιν...». Entendo que σφιν não é destituído de
sentido, antes tem o significado que Merry e Stanford lhe atribuem nas suas res-
pectivas edições, a saber, «aos seus olhos», referido a ἀθάνατοι (564). É, portanto,
um dativo não‑reflexo, que exprime a pessoa interessada no caso (cf. Schwyzer,
Griechische Grammatik, II, p. 190).
86 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

expressas em ψ 69‑81, em ψ 103‑107, ou mesmo em λ. É um caso único,


com relação aos heróis da Ilíada e da Odisseia. O argumento de que a pro-
fecia acerca do destino de Menelau é supérflua no contexto não é válido
num poema como este 1 .
Por outro lado, a frase ὅθι ξανθὸς ‘Ραδάμανθυς (564) deve ter‑se tam-
bém em linha de conta. O facto de nada mais se lhe ter acrescentado,
nem mesmo um verbo, indica que se tratava de uma concepção muito
conhecida, conforme E. Rohde 2 e M. P. Nilsson 3 notaram. É este, em meu
entender, o argumento mais decisivo em favor da antiguidade dessa crença.
Mas, mesmo que rejeitemos as teorias que condenam todo o passo,
temos ainda de considerar as dos editores que, como Kirchhoff, excluem
os versos 565‑568, quer dizer, aqueles mesmos que contêm a descrição do
Ἠλύσιον πεδίον. A sua semelhança com o conhecido quadro do Olimpo
em ζ 42‑46 (que, por sua vez, eram suspeitos para Bergk e outros e fo-
ram omitidos por Bérard) faz com que alguns filólogos tenham dúvidas
acerca da sua autenticidade. Porém, agora que as antigas ideias sobre
fórmulas e repetições homéricas foram refundidas 4 podemos subscrever
sem receio a opinião de van Leeuwen: «Splendidos tamen uersus... non
facile quisquam patiatur sibi eripi».
Com efeito, se procurarmos referências ao Olimpo em toda a exten-
são dos poemas homéricos, em breve concluiremos que esta é a mais
pormenorizada.
Habitualmente, a mansão dos deuses é descrita por meio de um epíte-
to, como ἀγαννίφος (A 420, Σ 186), αἰγλήεις (A 532, N 243), αἰπύς (Ε 367,
868, O 84), μακρός (A 402, Ω 694), μέγας (A 530, Θ 443), νιφόεις (Σ 616),
πολυδειράς (A 499, Ε 754) e πολύπτυχος (Θ 411, Y 5), na Ilíada. Nenhum
destes casos, ou outros semelhantes, que omiti, está em desacordo com
a descrição de ζ, nem com outras indicações sobre a morada dos deuses.
Há uma única excepção a assinalar: os epítetos ἀγάννιφος e νιφόεις,
que, evidentemente, estão em oposição com οὔτε χιὼν ἐπιπίλναται,
em ζ 44. Já foi notado que o Olimpo, sempre que figura na Ilíada parece
ser a alta montanha da Tessália que tem esse nome, e que na verdade

1Apresentado por E. Rohde, Psyche, p. 70, nota 1.


2Idem, ibidem, I, p. 77.
3 M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, p. 303: «Gerade die Kürze

des Ausdrucks ὅθι ξανθὸς ‘Ραδάμανθυς zeigt dass es eine typische wohlbekannte
Verbindung war». P. Capelle, que não aceita o passo como homérico, supõe que
ele provém de um Νόστος de Menelau (Elysium und Inseln der Seligen, in Archiv für
Religionswissenschaft, XXV, 1917, pp. 245‑264 e XXVI, 1918, pp. 17‑40).
4 Milman Parry, Studies in the Epic Technique of Oral Versemaking, I. Homer and

Homeric Style in Harvard Studies in Classical Philology, vol. XLI, 1930; e também M.
P. Nilsson, The Mycenaean Origin of Greek Religion, cap, I, pp. 19‑20.
2ª PARTE - CAPÍTULO I - δ, 561 SEQQ. 87

estava coberta de neves, de onde se derivavam esses epítetos. Uma pe-


quena alteração deve ter ocorrido na Odisseia, onde esse nome 1 figura
apenas dezassete vezes — contra setenta e sete exemplos na Ilíada — em
contextos que não atribuem à mansão dos deuses as condições habi-
tuais das grandes elevações 2 . Parece estar situado acima da atmosfera
da vida humana e mais alto do que as nuvens. Pode servir de exemplo
o seguinte passo, υ 102‑105:

………………………….…. τοῦ δ᾽ ἔκλυε μητίετα Ζεύς,


αὐτίκα δ᾽ ἐβρόντησεν ἀπ᾽ αἰγλήεντος Ὀλύμπου,
ὑψόθεν ἐκ νεφέων…………………………………………….

Nos outros casos, o Olimpo é apenas qualificado de μακρός (κ 307,


ο 43, υ 73, ω 351) ou mencionado sem epíteto (υ 55), por vezes na bem
conhecida fórmula οἳ Ὄλυμπον ἔχουσιν (ζ 240, θ 331, μ 337, ξ 394, σ 180,
τ 43) 3 . A única excepção é constituída por λ 313‑316, onde o Olimpo é,
sem dúvida, apresentado como a montanha que os gigantes tentaram
colocar sob o Ossa, na sua luta contra os deuses. Mas esses versos per-
tencem a uma interpolação, que quase todos os filólogos reconhecem
como tal. O caso de α 102 = ω 488 pode explicar‑se como uma repetição
da fórmula de Α 44 e Ω 121 κατ’ Ὀλύμποιο καρήνων4 .
Por conseguinte não é necessário admitir, como Eustátio 5 , que há
neve, chuva e vento nas vertentes do Olimpo, mas não no cume, onde
fica a mansão dos deuses. Em minha opinião, a diferença provém de
uma evolução do pensamento, que corre paralela ao desenvolvimento
da concepção das divindades. Todos reconhecem que estas são mais
humanas e vivas na Ilíada. A sua morada pode ser αἰπύς 6 , μέγας 7 , μα-
κρός 8 , mas fica realmente sobre uma montanha. Na Odisseia há uma

1 Cf. Autenrieth, Schulwörterbuch zu den Homerischen. Gedichten, 11. verbesserte

Auflage besorgt von Dr. Adolf Kaegi, Leipzig und Berlin, Teubner, 1908, s. u.
2 Sobre o significado originário de Olimpo e a sua identificação, veja‑se

também M. P. Nilsson, Homer and Mycenae, pp. 268‑269 e The Mycenaean Origin
of Greek Mythology, pp. 228‑234.
3 Outras designações da morada, dos deuses, como οὐρανός, αἰθήρ, não interes-

sam aqui.
4 Outras fórmulas de sentido equivalente encontram‑se em Λ 77, Υ 22, Θ 25,

Ξ 225, Τ 114, Ξ 154.


5 Commentarii ad Homeri Odysseam, Lipsiae, 1825.

6 E 367, 868, Ο 84.

7 A 530, Θ 443.

8 A 402, Ε 399, Θ 199, 410, Σ 142, Ω 694, etc.


88 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

tendência para tornar os deuses mais abstractos e mais distantes dos


seres humanos. De onde, em ζ 42‑43:

…………..ὅθι φασὶ θεῶν ἕδος ἀσφαλὲς αἰεὶ


ἔμμεναι…………………………………………………..

processo este de introduzir uma descrição que tem causado certa surpresa1.
Quanto à objecção de V. Bérard, de que γλαυκῶπις, do verso 47,
nunca se encontra só, excepto num passo de Θ (certamente 420), já
atetizado pelos antigos 2 , fácil é argumentar que, embora essa seja de
facto a regra, os exemplos não‑suspeitos de Θ 373, Θ 406, β 433, γ 135,
ν 389 demonstram que, como o qualificativo era usado só para Atena
(diversamente do que se passava com outros epítetos dos deuses), não
havia obrigatoriedade de repetir o nome para se ser claro.
Acresce que a preferência por descrições da natureza é uma caracterís-
tica da Odisseia, conforme já tem sido notado. Basta lembrar o exemplo de
Esquéria, que é contemplada por Hermes à sua chegada à ilha de Calipso
(ε 55‑74). Podemos mesmo comparar essa descrição com a dos jardins
de Alcínoo, por um lado, e com os versos que retratam o Olimpo e os Cam-
pos Elísios, por outro, o que nos reconduzirá ao nosso ponto de partida.
Os quatro lugares são descritos como dotados de uma beleza ex-
cepcional, que lhes é conferida pela exuberância da natureza. Sobre
a situação dos Campos Elísios e do Olimpo somos informados de uma
maneira vaga (πείρατα γαίης, δ 563 e ὅθι φασὶ θεῶν ἕδος ἀσφαλὲς αἰεὶ
ἔμμε ναι, ζ 42‑43). O mesmo acontece com Esquéria, que é definida
apenas como uma ilha distante (νῆσον……. τηλόθ’ ἐοῦσαν, ε 55). Já os
jardins de Alcínoo estão mais próximos da humanidade: diz‑se que ficam
ἔκτοσθεν δ’ αὐλῆς ……. ἄγχι θυράων (η 112), e até se particularizam
as suas dimensões (τετράγυος, η 113). Não entraremos em pormenores
aqui 3 , mas convém notar que em η 112‑131 temos uma descrição mi-

1 Discordo das conclusões de Mackrodt, Der Olymp in Ilias und Odyssee, Al-

tenburg, 1882, quando diz, seguindo La Roche, que φασί tem «den Stempel
der Unechtheit», porque só afirmações claras são próprias da poesia épica,
e observa que esse verbo apenas é empregado, em contexto semelhante, em
passos duvidosos, como Β 783 e Ω 615. Entendo que o uso de φασί neste verso
é intencional, para implicar a ideia de que o conhecimento directo do Olimpo
não foi concedido a ninguém, o que é uma maneira de sugerir a impossibilidade
de jamais contemplar esse formoso lugar.
2 Introduction à l’Odyssée, II, p. 55. �����������������������������������������
Bérard supõe que se trata de uma interpo-
lação hesiódica e talvez mesmo de um resto de poesia mais antiga. Nenhuma
destas hipóteses é fácil de provar.
3 Para uma discussão da topografia do jardim e das prováveis interpolações,

veja‑se V. Bérard, op. cit., ΙΙΙ, pp. 36 seqq.


2ª PARTE - CAPÍTULO I - δ, 561 SEQQ. 89

nuciosa de um belo jardim, à qual não faltam as notações de carácter


prático: περὶ δ’ ἕρχος (113), árvores que produzem frutos maravilhosos,
que nunca apodrecem (δένδρεα μακρά, 114, discriminadas mais adian-
te), ἀλῳή (122), κοσμηταὶ πρασιαί (127), a divisão em diferentes partes,
a preparação do vinho e, finalmente, as duas fontes (129‑131), uma
das quais era para os usos do palácio. Este último pormenor traz‑nos
de novo à vida corrente.
Na ilha de Calipso também há árvores, mas são apenas parte do
cenário: κλήθρη, αἴγειρος, εὐώδης κυπάρισσος (64); enumeram‑se al-
guns pássaros (65‑67) e faz‑se menção de uma videira à porta da gruta
da ninfa (68‑69), de quatro fontes que deitam água pura (70‑71) e prados
cobertos de violetas e aipo (72‑73) 1 . Os dois últimos tópicos, ou seja,
as fontes e o prado florido, passarão para as descrições de outros países
fabulosos.
Consideremos agora os dois quadros mais semelhantes, o do Olimpo
e o dos Campos Elísios. É digno de nota o facto de o processo literário
adoptado ser semelhante. É assim que se mencionam as qualidades
negativas em primeiro lugar:

δ 561‑569 ζ 42‑47
οὐ νιφετός (566) οὔτε χιὼν ἐπιπίλναται (44)
οὔτ᾽ ἂρ χειμὼν πολὺς (566)
οὔτε ποτ᾽ ὄμβρος (566) οὔτε ποτ᾽ ὄμβρῳ δεύεται (43‑44)

A descrição de δ opõe depois outros factos a estes, por meio de ἀλλ’


(567), a mesma partícula que aparece em ζ a separar as duas partes. Porém
aqui pode notar‑se uma pequena diferença: os ventos, cuja ausência fora
previamente estabelecida em ζ 43 (οὔτ᾽ ἀνέμοισι τινάσσεται) são reduzi-
dos ao zéfiro, em δ 567, o mesmo vento brando que fazia amadurecer os
frutos nos jardins de Alcínoo (η 119) 2. Acentua‑se depois a proximidade
do Oceano (568) e a sua presença refrescante ἀναψύχειν (568).

1 O Rei do Egipto, Ptolomeu Euergetes II (247‑222 a. C.) propôs a lição σίου,

em vez de ἴου, baseando‑se em que as violetas não costumam crescer nos prados
(vide edição de Stanford, I, p. 296). Mas ambas as flores escolhidas tinham um
significado especial: bastará lembrar as ἰοστέφανοι Ἀθῆναι e as coroas de aipo
dadas aos vencedores dos Jogos Nemeios e Ístmicos.
2 No resto dos poemas homéricos, o zéfiro é sempre indicado como um

vento perigoso (para V. Bérard, esta coincidência era uma prova da origem
egípcia dos dois mitos; mas o regime dos ventos diverge suficientemente, de
umas para outras partes do mundo helénico, para dispensar tal hipótese).
Sobre a relação entre este facto e a provável cidade natal de Homero, vide
Stanford, Ι, p. 325.
90 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

É interessante notar que a parte correspondente da descrição do


Olimpo segue um modelo diverso. Insiste‑se especialmente no brilho
do ar que envolve essa região:

………………………………………………….ἀλλὰ μάλ᾽ αἴθρη


πέπταται ἀννέφελος, λευκὴ δ᾽ ἐπιδέδρομεν αἴγλη.
(ζ 44‑45)
Outra diferença estilística reside no facto de se fazer uso de verbos
(dando assim lugar a «rimas», que eram altamente apreciadas pelos
antigos comentadores), ao passo que em δ se empregam adjectivos com
o verbo copulativo subentendido.
O género de vida que os deuses levam no Olimpo é mencionado em
último lugar:

τῷ ἔνι τέρπονται μάκαρες θεοὶ ἤματα πάντα.


(ζ 46)

Tanto o verbo τέρπονται como o adjectivo μάκαρες se encontram em


quase todas as descrições posteriores de um além feliz. Por isso, mais in-
teressante se torna observar que ambas as palavras faltam na mais antiga
versão literária dessa concepção. Com efeito, apenas se pode ler em δ 565:

τῇ περ ῥηίστη βιοτὴ πέλει ἀνθρώποισιν.

E a última palavra da descrição volta a ser ἀνθρώπους (568).


Depois de termos comparado estes quatro episódios, podemos concluir
que todos eles são tentativas para imaginar um quadro de vida melhor,
na qual a natureza é mais amável para os homens. Essa excelência mani-
festa‑se ou através da contínua maturação dos frutos (jardins de Alcínoo)
ou apenas pela beleza da paisagem (ilha de Calipso) ou pela amenidade
do clima (Olimpo e Campos Elísios). Alguns dos tópicos empregados são
comuns, outros específicos, como vimos resumidamente. É provável que
o modelo dos jardins de Alcínoo fosse de origem minóica, conforme já se
propôs1; o que se pode, pelo menos» afirmar é que os frescos recuperados
em Cnossos e noutros lugares da ilha de Creta mostram igual riqueza de
vegetação. Mas, de um modo geral, entendo que em todos eles o poeta
não fez mais do que dar livre curso à tendência humana para idealizar
uma vida melhor.

1 A hipótese é de Stanford, na sua edição comentada da Odisseia, I, p, 325.


2ª PARTE - CAPÍTULO II - AS ILHAS DOS BEM‑AVENTURADOS EM HESÍODO 91

CAPÍTULO II
AS ILHAS DOS BEM‑AVENTURADOS
EM HESÍODO

Como a curta referência a um além feliz, prometido apenas aos iniciados,


no final do Hino Homérico a Deméter (480‑482), não contém um único elemento
descritivo, além da afirmação de que o lugar que lhes é destinado fica também
no Hades, não temos de considerar esses versos neste ponto.
O exemplo mais antigo, que chegou até nós, de colocação em ilhas,
da mansão dos bem‑aventurados 1 é o que se encontra em Hesíodo, Op. et
D., 167‑173. Contudo, a situação é a mesma da Odisseia: ἐς πείρατα γαίης
(168). E, conforme E. Rohde observou 2, nada nos impede de supor que os
Campos Elísios de Homero ficassem numa ilha também. Seja como for,
o que importava era que tal região fosse muito distante e dificilmente

1 Conquanto Capelle suponha (Elysium und Inseln der Seligen in Archiv für Reli-
gionswissenschaft, XXVI, 1918, p. 33) que as palavras originais do texto homérico
deviam ser ἐς μακάρων νήσους e não ἐς Ἠλύσιον πεδίον, não há provas convincentes
para aceitar tal argumento.
2 E. Rohde, Psyche, I, pp. 104‑105: «Die ‘elysische Flur’ uns als eine Insel zu

denken, nötigt der Name nicht, er verbietet es auch nicht... nur eine Insel, rings
vom Meere umgeben, gibt das Bild eines völlig von der Welt getrennten, unbe-
rufenen, unzugänglichen Zufluchtsorts». Que os poetas posteriores não viram
a diferença entre as Ilhas dos Bem‑aventurados e os Campos Elísios de Homero,
de tal modo que, quando manifestamente pensavam no passo da Odisseia (como
o prova a linguagem empregada), eram capazes de situar Menelau nas Ilhas,
demonstra‑o o seguinte epigrama do Peplus Aristoteleus:

3. Ἐπὶ Μενελάου.
Ὄλβιος ὦ Μενέλαε, σύ τ’ ἀθάναθος καὶ ἀγήρως
ἐν μακάρων νήσοις, γαμβρὲ Διὸς μεγάλου.

Sobre a diferença originária entre os dois lugares, vide supra, pp. 28‑30.
92 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

acessível. No passo de Hesíodo de que estamos a tratar, acentua‑ se que


vivem longe dos contactos humanos vulgares:

τοῖς δὲ δίχ᾽ ἀνθρώπων βίοτον καὶ ἤθε᾽ ὀπάσσας.


(167)

A descrição em si limita‑se a um pequeno número de indicações.


Insiste‑se especialmente na felicidade do seu estado: ἀκηδέα θυμὸν
ἔχοντες 170; ὄλβιοι ἥρωες, 172. Acrescenta‑se mais um pormenor so-
bre a situação desse lugar: παρ᾽ Ὠκεανὸν βαθυδίνην (171). Os últimos
dois versos contêm os elementos descritivos mais importantes de todo
este passo: a terra oferece‑lhes os seus doces frutos três vezes no ano
(172‑173). Este é o ponto mais alto no sonho de felicidade de um la-
vrador: um solo que produz espontaneamente as mais ricas colheitas,
e isso com uma frequência superior à dos mais privilegiados lugares
da bacia do Mediterrâneo, com os quais os gregos estavam familiariza-
dos. Não é de admirar que este esboço de uma vida de bem‑aventurança
esteja muito mais próximo do quadro de um estado onde se observam
as normas da Justiça, Op. et D., 225‑237. Ambas as descrições terminam
com o mesmo hemistíquio homérico:

φέρει ζείδωρος ἄρουρα.

que torna uma ainda mais próxima da outra. Mas, neste segundo caso,
temos um quadro baseado na vida real, embora num mais alto grau de
perfeição, e por conseguinte o desenvolvimento do tema faz‑se num
sentido diferente: acentua‑se principalmente a nota da fecundidade
através da abundância de fruta nas árvores e prosperidade de vida para
homens e gados. O contraste vem logo a seguir, por meio da enumeração
dos males que se abatem sobre um estado injusto (238‑247): doenças,
fome, esterilidade e destruição completa. Estes tópicos provinham,
conforme observa P. Mazon na sua edição 1, de um esquema tradicional,
que aparece pela primeira vez na Odisseia τ 109‑114, e no qual julga ver
restos de antigas fórmulas religiosas.
Nos versos 42‑44 sugere‑se o mesmo tipo de vida ideal para um lavrador:

κρύψαντες γὰρ ἔχουσι θεοὶ βίον ἀνθρώποισιν:


ῥηιδίως γάρ κεν καὶ ἐπ᾽ ἤματι ἐργάσσαιο,
ὥστε σε κεἰς ἐνιαυτὸν ἔχειν καὶ ἀεργὸν ἐόντα.

1 Edição Budé, 1951, p. 95, nota I.


2ª PARTE - CAPÍTULO II - AS ILHAS DOS BEM‑AVENTURADOS EM HESÍODO 93

Este passo conduz‑nos directamente a um outro aspecto da concep-


ção de Hesíodo acerca da evolução da humanidade, que está expres-
sa no muito conhecido e não menos discutido mito das cinco raças.
Aí encontramos uma condição humana para o passado correspondente
à felicidade de que gozam os heróis nas Ilhas dos Bem‑aventurados.
Porém, neste caso, situa‑se na terra:

πρὶν μὲν γὰρ ζώεσκον ἐπὶ χθονὶ φῦλ᾽ ἀνθρώπων


νόσφιν ἄτερ τε κακῶν καὶ ἄτερ χαλεποῖο πόνοιο
νούσων τ᾽ ἀργαλέων, αἵ τ᾽ ἀνδράσι Κῆρας ἔδωκαν.
(Op. et D., 90‑92)

Estes primeiros versos fornecem apenas uma pintura negativa, cujas


linhas principais são desenvolvidas um pouco mais adiante, numa descrição
completa da raça de ouro (109‑126). Mas, se a expressão νόσφιν ἄτερ τε
πόνων καὶ ὀιζύος (113) nos faz lembrar as palavras precedentes, a frase

ὥς τε θεοὶ δ᾽ ἔζωον ἀκηδέα θυμὸν ἔχοντες


(112)

aproxima‑se manifestamente do verso 170 1 que caracteriza o estado de


espírito dos heróis que foram para as Ilhas dos Bem‑aventurados. Sobre
a condição especial dos homens da idade do ouro, acrescentam‑se mais
algumas notas:

……………………………………………οὐδέ τι δειλὸν
γῆρας ἐπῆν, αἰεὶ δὲ πόδας καὶ χεῖρας ὁμοῖοι
(113‑114)

e ainda

θνῇσκον δ᾽ ὥσθ᾽ ὕπνῳ δεδμημένοι. ἐσθλὰ δὲ πάντα


τοῖσιν ἔην………………………………………………………………..
(116‑117)

O próprio vocabulário nos faz lembrar descrições de uma vida feliz


já conhecidas: o uso de τέρπονται (115) é como um eco de ζ 46 e a ex-
pressão ὥς τε θεοὶ δ᾽ ἔζωον (112), prova que o poeta estava, na verdade,

1 Sigo o texto tradicional de Hesíodo, pondo de parte, por conseguinte, as lições

de Diodoro neste passo, as quais aliás não afectam o sentido geral do contexto.
94 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

a pensar na maneira de viver dos deuses; depois as palavras κακῶν


ἔκτοσθεν ἁπάντων (115), e muito especialmente a insistência na ferti-
lidade da terra, novamente por meio da mesma fórmula:

καρπὸν δ᾽ ἔφερε ζείδωρος ἄρουρα


(117)

embora amplificada pelo verso seguinte

αὐτομάτη πολλόν τε καὶ ἄφθονον

Na verdade, o único pormenor novo é a menção de festas

τέρποντ᾽ ἐν θαλίῃσι
(115)

criando assim um tópico diferente para futuras descrições, conforme


veremos adiante.
Evidentemente que não é de admirar a semelhança de todos estes
passos, uma vez que todos eles pretendem delinear o quadro de um nível
de vida melhor, ou projectada no passado, como é o caso do mito da idade
do ouro e de um pequeno número de alusões dispersas à mesma lenda,
também citadas acima, ou apresentada simplesmente como um destino
especial, concedido somente a certos heróis 1 , como acontece com as
Ilhas dos Bem‑aventurados. Ambos os temas foram extremamente bem
sucedidos através de toda a Literatura Grega e Latina. É muito provável
que um e outro fossem motivos tradicionais, mas para nós, é este o seu
primeiro tratamento literário 2.
Seja como for, é interessante acentuar a insistência com que Hesíodo
fala da felicidade derivada da riqueza das colheitas e da ausência de
necessidade de cultivar os campos.
Ainda falta discutir um grupo de versos incompletos, que os melho-
res manuscritos omitem, mas foram conservados no Papiro de Genebra
(B Rzach). Estes referem‑se a Cronos, como soberano dos bem‑aven-
turados, e à sua libertação das cadeias que o prendiam. O acrescento
divide‑se em duas partes, a primeira das quais consiste no verso 169,

Apenas os heróis da quarta geração tiveram acesso a elas e nada leva a crer
1

que tal distinção voltasse a ser conferida.


2 Sobre isto veja‑se o artigo de H. C. Baldry, Who invented the golden age? in

Classical Quarterly, New Series, vol. II, n.° 1‑2, January‑April 1952, pp. 83‑92.
2ª PARTE - CAPÍTULO II - AS ILHAS DOS BEM‑AVENTURADOS EM HESÍODO 95

que também consta de alguns códices deteriores. Contrariamente, 169 b‑e


apenas figuram no citado Papiro de Genebra ( século V da nossa era ).
A própria posição dos versos no poema tem sido matéria de con-
trovérsia: Pepmüller coloca‑os a seguir a 171, Weil, Rzach e P. Mazon
depois de 173, como nos escólios de Proclo.
Conquanto 169 tenha sido confirmado por Marcelo Sidónio, Epigr.
Gr. ed. Kaibel 1046, 9 e Zenóbio, III, 86, todos os melhores manuscritos
o omitem (os do grupo Ω, Ψ, Φ, na classificação de Rzach) e não posso
deixar de subscrever o juízo transmitido por Proclo: τοῦτον καὶ τοὺς
(Schoemann: τòv codd.) ἑξῆς ὡς φληναφώδεις ἐξοκίζουσι τῶν Ἡσιόδου
‑ e isso, não só baseando‑me na tradição manuscrita, mas também em
motivos de ordem ideológica. Os editores modernos são unânimes em
rejeitá‑los todos.
Observando o caso mais de perto, há vários pontos a considerar. Em
primeiro lugar, afirma‑se no verso 169 que os bem‑aventurados vivem
τηλοῦ ἀπ’ ἀθανάτων e que Cronos é o seu soberano, asserção esta que
é contrária à do verso 851 da Teogonia 1 :

Τιτῆνές θ᾽ ὑποταρτάριοι, Κρόνον ἀμφὶς ἐόντες,

Foi a presença de Cronos que acarretou a explicação contida em


169b acerca da libertação do deus, mito esse que é certamente mais
tardio. Os restantes três versos (169 c‑e ) acentuam a nota da felicidade
dos heróis.
A relação entre Cronos e as Ilhas dos Bem‑aventurados pode ter sido
motivada pelo mito da Idade do Ouro, como supuseram E. Rohde 2 e M.
P. Nilsson 3 . E. Rohde acrescenta ainda: «Es ist schwer zu sagen, welche
von ihnen die andere beeinflusst haben mag» 4, porquanto pode ser que
só por mero acaso não conheçamos o mito da Idade do Ouro antes de
Hesíodo. De qualquer modo, essa relação não estava estabelecida nos
Trabalhos e Dias.
Em resumo, procurei traçar um paralelo entre a descrição de Hesíodo
da Idade do Ouro, em Op. et D. 109‑126, e a das Ilhas dos Bem‑aventurados,
ibidem, 167‑173. Tal paralelo foi ainda alargado ao quadro do estado

1 Considero esse episódio autêntico, na sua maior parte, e não vejo razão para

acreditar, como Jacoby e Mazon, que oito poetas diferentes trabalharam na sua
elaboração.
2 Psyche I, pp. 105‑106.

3 Geschichte der griechischen Religion, I, p. 485.

4 Op. laud., I, p. 106.


96 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

justo, ibidem, 225‑237 1 . Este processo mostrou‑nos que a causa princi-


pal de felicidade parecia residir na fertilidade do solo, que é, afinal, o
escopo máximo do próprio poema. A frase καρπὸν…………φέρει ζείδωρος
ἄρουρα encontra‑se, com variantes mínimas, em todos os três passos. O
outro tópico fundamental do estado de beatitude está também expres-
so pelas mesmas palavras, ἀκηδέα θυμὸν ἔχοντες (112, 170), às quais
corresponde εἰρήνη em 228.
Por outro lado, tudo isto se assemelha ao estado dos deuses na Odis-
seia, ζ 42 seqq. e ao dos habitantes dos Campos Elísios em δ 561 seqq.
Se compararmos δ 561 seqq. com Op. et D. 167 seqq., pode concluir‑se
que em‑ ambos os casos os bem‑aventurados não têm de sofrer a morte,
são simplesmente arrebatados: («entrückt», para empregar a palavra
consagrada desde a publicação da Psyche) ou pelos deuses (ἀθάνατοι
πέμψουσν δ 564) ou pelo próprio Zeus (Ζεὺς Κρονίδης κατένασσε πατὴρ
Op. et D. 168 ). No caso de Hesíodo, o destino especial que coube em sorte
a alguns heróis da quarta geração é apontado como um facto histórico,
pois parece não ser acessível a mais ninguém. O emprego do verbo que
refere o acto da divindade no aoristo, κατένασσε 168, contribui para
acentuar o facto de a decisão ter sido tomada por uma vez 2 . Os versos
seguintes têm todos os verbos no presente, porquanto aquele privilegiado

1 A esta série pode adicionar‑se o mito do Jardim das Hespérides, mencionado

na Teogonia 215‑216, 274‑275, 518. Dos três passos, o mais interessante para o
assunto em causa é 215‑216, onde se diz que as filhas da Noite moram para além
do Oceano e tomam conta das maçãs de ouro e das árvores que as produzem:

Ἑσπερίδας θ᾽, αἶς μῆλα πέρην κλυτοῦ Ὠκεανοῖο


χρύσεα καλὰ μέλουσι φέροντά τε δένδρεα καρπόν.

Os outros dois passos não fazem mais do que repetir que habitam para além
do Oceano, e qualificá‑las de λιγύφωνοι. Deve ainda observar‑se que em 275 se
esclarece que se encontram perto da Noite (ἐσχατιῇ πρὸς Νυκτός) e em 517‑519
acrescenta‑se que é no lugar onde Atlas segura o mundo; ambas as afirmações
concordam com um discutido passo da Teogonia, 744‑757. Sobre a situação das
Hespérides no Ocidente longínquo cf. os conhecidos versos de Mimnermo, que
descrevem a viagem da taça dourada de Hélios

…………………………..χώρου ἀφ’ Ἑσπερίδων


γαῖαν ἐς Αἰθιόπων…………………………………
(Frg. 1O Diehl, vv. 8‑9)

Sobre outras localizações deste jardim fantástico e as relações deste mito com
o dos Campos Elísios e o das Ilhas dos Bem‑aventurados, vide supra, pp. 40-43.
O pseudo‑Apolodoro, 2.5.11 confunde‑o com o dos Hiperbóreos.
2 O particípio ὀπάσσας, 167 está fora da questão, pois tinha de estar no aoristo,

em virtude de exprimir anterioridade em relação ao verbo principal.


2ª PARTE - CAPÍTULO II - AS ILHAS DOS BEM‑AVENTURADOS EM HESÍODO 97

género de vida prossegue (ναίουσιν 170, ἔχοντες 170, φέρει 173) 1. Nada
leva a crer, por conseguinte, que haja possibilidade de outras pessoas
irem para esses lugares. O mito serve apenas para fornecer uma con-
clusão semelhante à dos das raças precedentes.
Portanto, até esta altura, apenas o Hino Homérico a Deméter falava
de um além feliz como de um futuro que aguardava os iniciados. Em
Hesíodo, diversamente do que acontece com δ 569, não há um motivo
aparente; assim como a raça de ouro se tornou em δαίμονες……………………./
ἐπιχθόνιοι (122‑123) 2, a de prata se volveu em ὑποχθόνιοι μάκαρες (141)
e a de bronze foi para o Hades (153‑155), a quarta geração pereceu junto
de Tebas (161‑163) ou de Tróia (164‑165) e parte dela foi recompensada
com outra existência (βίοτον, 167) nas Ilhas dos Bem‑aventurados 3 .

1 Quanto a ἐμβασιλεύει, em 169, há uma v. l. ἐμβασίλευε em Proclo, que não faz

sentido. Considero esse verso interpolado, conforme expus acima.


2 Sobre a interpretação platónica do sentido de δαίμονες neste passo, vide

Cratylus, 397E‑398C. E. Meyer in Genethliakon Robert, p. 173 supõe que pertenciam


a outra versão da história de Cronos.
3 C. Pascal em Le Credenze d’Oltretomba nelle Opere Letterarie dell’ Antichità Clas-

sica, Catania, 1912, vol. II, cap. XX, diz que o frg. 26 Diehl 3 de Sólon se refere
provavelmente à vida no Elísio. Esta teoria tem sido contestada. Também discordo
dela, por dois motivos: (1) a descrição menciona apenas factos da vida corrente,
como o processo de alimentação e as facilidades que a terra oferece para esse
fim e (2) um passo de Platão, no Critias, 113A‑B, é claro índice de velhas lendas
em curso sobre a Atlântida ou qualquer outro país fabuloso, mas de modo al-
gum associado com a mansão dos mortos. Evidentemente que só a recuperação
eventual do resto dos iambos de Sólon poderia elucidar‑nos sobre a questão de
uma maneira decisiva.
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO III
PÍNDARO

Entre os diversos passos de Píndaro, já considerados na Iª Parte, em


que se fala do além dos bem‑aventurados, há apenas dois que, pela sua
extensão e pelos elementos descritivos que contêm, importa analisar
aqui. Como são bastante diferentes, começarei por estudar cada um
separadamente, para depois poder compará‑los.

a) O mito da IIª Olímpica

Todo o mito da IIª Olímpica tem dado lugar a muitas discussões sobre
a sua verdadeira interpretação. Comecemos pela parte teórica, ou seja,
a que vai do verso 56 a 70.
A primeira dificuldade em esclarecê‑la provém da controvérsia em
volta do significado do advérbio αὐτίκα, que Rauchenstein substituiu
por αὖτις, emenda essa que foi acatada por vários comentadores que
se lhe seguiram, mas que me parece desnecessária.
A confusão em todo este passo origina‑se principalmente no em-
prego repetido e assimétrico da partícula δέ. Para tentar esclarecê‑lo,
começarei por analisá‑lo. A fim de facilitar esse trabalho, dividi‑lo‑ei
em secções diferentes, cada uma das quais constitui um todo em si, mas
formando todas elas um desenvolvimento de εἰ δέ νιν ἔχων τις οἶδεν
τὸ μέλλον no verso 56:

Penalidade das almas más, a seguir ao julgamento debaixo da terra:

ὅτι θανόντων μὲν ἐν-


θάδ᾽ αὐτίκ᾽ ἀπάλαμνοι φρένες
ποινὰς ἔτεισαν, τὰ δ᾽ ἐν τᾷδε Διὸς ἀρχᾷ
100 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ἀλιτρὰ κατὰ γᾶς δικάζει τις ἐχθρᾷ


λόγον φράσαις ἀνάγκᾳ
(57‑60)

Destino dos ἐσλοί:

ἴσαις δὲ νύκτεσσιν αἰεί,


ἴσαις δ᾽ ἐν ἁμέραις ἅλιον ἔχοντες, ἀπονέστερον
ἐσλοὶ δέκονται βίοτον, οὐ χθόνα τα‑
ράσσοντες ἐν χερὸς ἀκμᾷ
οὐδὲ πόντιον ὕδωρ
κενεὰν παρὰ δίαιταν, ἀλλὰ παρὰ μὲν τιμίοις
θεῶν οἵτινες ἔχαιρον εὐορκίαις,
ἄδακρυν νέμονται
αἰῶνα………………………………………………………………………..
(61‑67)

Destino dos maus:

……………………..τοὶ δ᾽ ἀπροσόρατον ὀκχέοντι πόνον


(67)

Destino de ὅσοι δ᾽ ἐτόλμασαν ἐστρὶς


ἑκατέρωθι μείναντες ἀπὸ πάμπαν ἀδίκων ἔχειν
ψυχάν………………………………………………………………….
…………………………………………………………………………….
(68 a 83)

Nota‑se que há uma alternativa entre os bons e os maus, como entre


a luz e a sombra.
Entendo que ἐνθάδε se liga a θανόντων, formando assim contraste
com κατὰ γᾶς 1 ; que ἀπάλαμνοι deve significar «injusto», conforme
a interpretação de Liddell‑Scott e outros, e não «fracos», no sentido
dos ἀμενηνὰ κάρηνα homéricos 2 (confirma‑o o uso lírico da palavra e

1 Assim pensa Deubner in Hermes, vol. XLIII, 1908, p. 630. H. W. Garrod in

Classical Quarterly, I, 1907, pp. 144‑147, atribui um sentido temporal a ἐνθάδε, e


toma o conjunto como significando «imediatamente». Em minha opinião, o uso
das partículas μέν‑δέ serve manifestamente para sublinhar o contraste desejado
e a noção de sequência imediata é dada pelo advérbio αὐτίκα.
2 O primeiro sentido foi aceite por Wilamowitz, Pindaros, pp. 248‑249; M. P.

Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, p. 655, nota 7; W. J. Goodrich in


2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 101

pede‑o, no contexto, ποινὰς ἔτεισαν); que em 61‑62 se deve compre-


ender que os dias são sempre iguais e as noites também, construindo,
por conseguinte, αἰεὶ com ἴσαις‑ ἴσαις e não com ἅλιον ἔχοντες 1 , e
excluindo a hipótese de gozarem o dia quando é noite sobre a terra e
vice‑versa 2, ou de terem perpetuamente a luz do sol 3 (como já observei,
ao analisar o conteúdo ideológico deste passo, na Iª Parte, a noção de
igualdade inalterável é o motivo principal desta felicidade incolor); e
que o segundo termo de comparação, que se deve subentender com
ἀπονέστερον, é τοῦ ἐνθάδε βίου 4 .
O problema máximo é a relação existente entre os ἐσλοὶ do verso
63, mais adiante definidos como οἵτινες ἔχαιρον εὐορκίαις, em 66, e os
que tiveram a força moral de se absterem de toda a injustiça (ἀπὸ πά-
μπαν ἀδίκων ἔχειν ψυχάν) durante três vidas sucessivas. Se não fosse
a presença de ἑκατέρωθι, poderíamos identificá‑los, admitindo que o
que se diz a seguir descrevia um paraíso definitivo, por oposição ao
precedente, de 61 a 67. Porém o advérbio em questão implica claramente
a crença na metempsicose. Que Píndaro a aceitava como um meio de
purificação, demonstra‑o o frg. 133 Snell, onde se diz que Perséfone
manda as almas que pagaram a sua pena pela «antigο pesar» 5 ἐς τὸν
ὕπερθεν ἅλιον. Mas aí o contexto é diferente e não devemos forçar as
diversas versões escatológicas de Píndaro a uma unidade que não têm.
De qualquer modo, parece‑me muito difícil admitir, como geralmente
se tem feito, desde o tempo de Aristarco, que este passo da IIª Olímpica
dê a entender que se podem cometer pecados também no outro mundo.
Não se conservam testemunhos em autor nenhum que nos habilitem a
crer que jamais se acreditou em tal possibilidade. E as palavras ἑκατέρωθι
μείναντες não nos obrigam a aceitar tão extravagante doutrina.
Por outro lado, a descrição de 61‑67 não convém à vida neste mundo,
mas ao mesmo tempo não dá qualquer indicação sobre a sua localização.
Mas, se compararmos este passo com um de Platão, Phaedrus 249A,
compreenderemos que as primeiras são as almas sujeitas ao julgamento,

Classical Quarterly, II, 1908, pp. 31‑33. O segundo foi defendido por E. Rohde,
Psyche, II, pp. 208‑209, nota 3, e Garrod in Classical Quarterly, I, 1907, pp. 144‑147.
1 Como em Bergk 3 (equinócio) e Wilamowitz (ausência de estações). A variante

de Wilamowitz parece‑me melhor.


2 Interpretação de Mommsen.

3 Interpretação de Moscópulo e Böckh.

4 E não uma referência às penalidades dos maus, como propôs Dissen.

5 Cf. a interpretação dada por H. J. Rose a tão discutido fragmento em The Ancient

Grief in Greek Poetry and Life e The Grief of Persephone in Harvard Theological Review, 1943,
pp. 247‑250.
102 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ao passo que as segundas são as completamente puras 1 . Esta interpre-


tação parece‑me a mais satisfatória.
Por conseguinte, nesta primeira parte tenta‑se descrever uma vida
isenta de cuidados, sem trabalho nem sofrimento, em moldes semelhan-
tes, portanto, aos do quadro da Idade do Ouro. Ao que parece, têm um
sol especial 2 , dias sempre iguais e noites, também, não precisam de se
esforçar para conseguir extrair a sua alimentação da terra ou do mar;
passam uma existência pacífica e sem lágrimas.
Isto conduz‑nos ao primeiro ponto de crítica textual que desejo
discutir, antes de entrar na análise da concepção propriamente dita.

1 — κενεὰν παρὰ δίαιταν (65)

No MS. C lê‑se καινεάν que Moscópulo e Triclínio corrigiram para κει-


νάv. O MS. A tem κενεόν, assim como os escoliastas e Αrato. Madvig propôs
κείναv. De um modo geral, κεινάv foi preferido pelos comentadores do
século XIX (Gildersleeve, Fennell) e Farnell ainda o conserva, ao passo que
κενεάν tem sido adoptado pelos editores mais recentes ( Aimé‑Puech, C.
M. Bowra, A. Turyn, B. Snell, Galiano) Liddell‑Scott também lêm κεινάv.
Como Farnell, penso que o demonstrativo não seria tolerável, por
causa do sentido. Portanto a escolha fica limitada a duas fórmulas poé-
ticas, κεινάv e κενεάν (o masculino κενεόν não seria adequado). Ambas
estavam na tradição homérica e ambas foram usadas por Píndaro 3 . Por
outro lado, a sinizese pode torná‑las metricamente iguais. Contudo, é
conveniente atentar em que no esquema métrico deste passo:

˘ˉ˘˘˘ˉ˘ˉ˘˘˘ˉ˘˘˘ˉ
Vide supra, p. 71-72.
1

A comparação com o frg. 133 Snell (ἐς τὸν ὔπερθεν ἅλιον) favorece esta hipótese.
2

Os escoliastas bizantinos interpretaram o passo de outro modo, como já se disse.


Assim, por exemplo, Thomas Magister: Οἱ δὲ ἐσθοὶ καὶ ἀγαθοὶ δέρχονται καὶ ὁρῶσιν
αἰεὶ καὶ πάντοτε ἥλιον ἐν ἴσαις νύκτεσιν, ἴσαις δὲ ἡμέραις, τουτέστιν ὅσον καιρὸν ἔχομεν
ἡμέραν καὶ ὅσον νύκτα, ἐκεῖνοι ἀεὶ ἐλλάμπονται ἔχοντες βίον ἀπονέστερον τῶν ἐν τῷ
βίῳ. Em Moscópulo encontra‑se uma paráfrase semelhante, que ainda esclarece:
ἤγουν ἀεὶ ἐν φωτὶ ὄντες. Como já expus acima, entendo que nesta primeira parte se
refere principalmente a nota da inalterabilidade das condições de vida dos bons.
3 Um caso semelhante ocorre na Ol. III, 45, onde o MS. D ac e os schol. têm

κεῖνος, que Schroeder corrigiu para κενεός; e Wackernagel para κενὸς ἄν. Κενε-
ός no genitivo plural deve ler‑se no frg. 140 a, verso 55‑ (Snell) = 192, verso 29
(A. Turyn). Também κενεά em Ol. X, 93. A forma κενεά é dada como dórica em
Gregório Coríntio, Dial. Dor. 34, mas isso pouco nos ajuda, pois os dialectos são
essencialmente fictícios em literatura, e muito em especial no poeta tebano.
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 103

a única razão para se marcar uma syllaba anceps no metro iâmbico é


precisamente este verso 65, porquanto são longos os lugares corres-
pondentes através de toda a ode.
A lição de Moscópulo e Triclínio parece‑me preferível, embora não
se possa apresentar nenhum argumento decisivo, devido ao facto de o
poeta ter usado ambas as formas e de a métrica não excluir definitiva-
mente uma ou outra possibilidade.

2 — ἔτειλαν Διὸς ὁδόν (70)

Aqui as dificuldades têm a sua origem no próprio facto de se men-


cionarem a seguir dois lugares desconhecidos. Tanto o caminho de Zeus
como a torre de Cronos não constam de mais nenhum autor.
Já se propôs a interpretação de Διὸς ὁδὸν como a Via Láctea 1 mas
tal concepção é bastante mais tardia. Outros entendem, como Farnell,
que tal expressão pode sugerir viagens frequentes de Zeus às Ilhas dos
Bem‑aventurados, para estar em comunhão com estes últimos 2. Fennell,
na sua edição, diz encontrar aqui uma reminiscência idêntica à que
figura no mito do Fedro, especialmente em 246E. Mesmo que não acei-
temos este segundo argumento, pois a narrativa de Platão se desenrola
num nível cosmológico inteiramente diverso, a hipótese de Farnell tem
bastante de verosímil, como se verá adiante.
O mesmo Fennell encontra um paralelo para este caminho no frg. 30
Snell, no qual se declara que as Parcas levaram Témis a Zeus:

…………………………..ποτὶ κλίμακα σεμνὰν


ἆγον Οὐλύμπου λιπαρὰν καθ’ ὁδὸν
σωτῆρος ἀρχαίαν ἄλοχον Διὸς ἔμμεν.
(3‑5)

Sobre isto escreve: «κλίμακα. Cf. Ol. II, 70, where Κρόνου τύρσιν se-
ems to answer to κλ., Διὸς ὁδὸν tο λιπαρὰν καθ’ ὁδὸν, the ‘milky way’,
cf. Ov. Met. I, 168‑171» 3

1 Apresentada por Böckh, Opusc. II, 708. Quinto de Esmirna, XI, 224 seqq., des-

creve um caminho semelhante, que conduz do céu ao Ἠλύσιον πεδίον (citado por
E. Rohde, Psyche, II, p, 213, nota 2, que observa com razão que os bem‑aventurados
não vinham do céu).
2 The Works of Pindar, vol. II, p. 19

3 Pindar, The Nemean and Isthmian Odes... by C. A. M. Fennell, p. 220, nota 7.


104 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Não me parece que haja correspondência entre κλίμακα e Διὸς ὁδὸν,


a não ser que ela se baseie na comum qualidade de serem ambos os lu-
gares dificilmente acessíveis. Sendo assim, poderíamos acrescentar que
o caminho que Témis tem de seguir é semelhante, em situação, ao dos
bem‑aventurados, pois também se fala de Ὠκεανοῦ παρὰ παγᾶν no verso 2.
Entendo, porém, que a expressão deve antes comparar‑se à θαυμαστὰν
ὁδὸν, que na P. X, 30 leva aos Hiperbóreos, cujo país tem muito de comum
com as Ilhas dos Bem‑aventurados, pois é também um lugar fabuloso. Um
caminho maravilhoso, que às pessoas vulgares não era dado percorrer,
conduzia a esse local de magia. Aquele de que estamos a tratar parecia es-
tar directamente relacionado com Zeus, porquanto os habitantes das Ilhas
eram μάκαρες, como as divindades, e o seu legislador um assessor do pai dos
homens e dos deuses. Não é de estranhar que deste último tomasse o nome.

3 ‑ παρὰ Κρόνου τύρσιν (70)

O significado de τύρσιν não oferece qualquer dúvida: designa sempre


uma fortaleza. Contudo, conforme já tem sido notado, os bem‑aventurados
vivem numa região longínqua, mas não fortificada 1. O problema tem de
buscar a solução, por conseguinte, no sentido da preposição παρά no
contexto. Das três construções possíveis de παρά, importa aqui lembrar
que, quando rege acusativo, pode significar:

I. ao lado de, junto, perto.


II. ao longo de.
III. além de.

Uma das traduções mais aceites tem sido «ao longo de». Mas no Le-
xicon Pindaricurn de Rumpel encontramos ad como equivalente latino.
E Gildersleeve deu a interpretação seguinte 2 :
«Not ‘along’, as in prose, but ‘to the neighborhood of ’ as if παρὰ
Κρόνου, ‘to the court of Kronos’, who presides over the happy isles».

1 Não se conhece por enquanto outro exemplo de emprego desta palavra em

Píndaro. Cf. Rumpel, Lexicon Pindaricum, s. u., que agora se deve completar com
o index uerborum apenso à edição de Snell. A lição τύρσιν, além de não oferecer
variantes, está confirmada por Olimpiodoro, Schol. in Platonis Phaed., p. 91 Fickh
e Hérmias Alexandrino, Schol. in Platonis Phaedrum ad 248E Couvreur. O escoliasta
de Píndaro explica: τύρσιν. πόλιν. κυρίως δὲ τὸ τεῖχος (Drachmann, I, p. 92) e diz
que é o título que o poeta dá às Ilhas dos Bem‑aventurados. Nesse caso, para que
designá‑las logo a seguir pelo nome consagrado?
2 Pindar, The Olympian and Pythian Odes... by R. L. Gildersleeve, ad locum.
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 105

Este sentido encontra paralelo em Σ 143, εἶμι παρ’ Ἤφαιστον. Mas


baseia‑se na suposição de que Cronos governava as Ilhas dos Bem‑aven-
turados. Já vimos que o verso dos Trabalhos e Dias em que se falava disso
não é de Hesíodo 1 , e vamos ver que o deus cujo nome tem de suben-
tender‑se nos versos 76‑77 desta mesma Ode não é Cronos. Por outro
lado, sabemos que o mesmo Cronos fora sempre colocado pelos poetas
anteriores a Píndaro no Tártaro, debaixo da terra, entre os Titãs 2 , num
lugar além do Oceano, por vezes. Apresento a seguir alguns exemplos:

Ilíada, Θ,477‑481:
Ὥς γὰρ θέσφατόν ἐστι. σέθεν δ᾽ ἐγὼ οὐκ ἀλεγίζω
χωομένης, οὐδ᾽ εἴ κε τὰ νείατα πείραθ᾽ ἵκηαι
γαίης καὶ πόντοιο, ἵν᾽ Ἰάπετός τε Κρόνος τε
ἥμενοι οὔτ᾽ αὐγῇς Ὑπερίονος Ἠελίοιο
τέρποντ᾽ οὔτ᾽ ἀνέμοισι, βαθὺς δέ τε Τάρταρος ἀμφίς.

Ilíada, Ξ, 200‑204:
Εἶμι γὰρ ὀψομένη πολυφόρβου πείρατα γαίης,
Ὠκεανόν τε θεῶν γένεσιν καὶ μητέρα Τηθύν,
οἵ μ᾽ ἐν σφοῖσι δόμοισιν ἐῢ τρέφον ἠδ᾽ ἀτίταλλον
δεξάμενοι Ῥείας, ὅτε τε Κρόνον εὐρύοπα Ζεὺς
γαίης νέρθε καθεῖσε καὶ ἀτρυγέτοιο θαλάσσης.

Ilíada, Ξ, 273‑274:
……………………………………..ἵνα νῶϊν ἅπαντες
μάρτυροι ὦσ᾽ οἳ ἔνερθε θεοὶ Κρόνον ἀμφὶς ἐόντες.

Ilíada, Ο, 225:
οἵ περ ἐνέρτεροί εἰσι θεοὶ, Κρόνον ἀμφὶς ἐόντες.

Hesíodo, Teogonia, 850‑851:


τρέε δ᾽ Ἀίδης, ἐνέροισι καταφθιμένοισιν ἀνάσσων,
Τιτῆνές θ᾽ ὑποταρτάριοι, Κρόνον ἀμφὶς ἐόντες.

Destes passos se conclui que Cronos estava com os Titãs no Tártaro.


Que este último era uma fortaleza confirma‑o Θ13‑16:

1 Portanto as conclusões atingidas por H. C. Baldry no seu artigo Who invented

the golden Age? in Classical Quarterly, 1952, pp. 83‑92, quanto à fusão do mito da
idade do ouro com o da soberania de Cronos sobre as Ilhas dos Bem‑aventurados,
devem colocar‑se em época mais tardia da literatura grega.
2 Encontra‑se ainda um eco deste mito em Platão, Cratylus, 404A.
106 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ἤ μιν ἑλὼν ῥίψω ἐς Τάρταρον ἠερόεντα,


τῆλε μάλ᾽, ἧχι βάθιστον ὑπὸ χθονός ἐστι βέρεθρον,
ἔνθα σιδήρειαί τε πύλαι καὶ χάλκεος οὐδός,
τόσσον ἔνερθ᾽ Ἀΐδεω ὅσον οὐρανός ἐστ᾽ ἀπὸ γαίης.

Os versos da Ilíada citados acima, Ξ 200‑204, precisam que essa fortaleza


está situada ἐς πείρατα γαίης, além do Oceano e nas profundezas da terra.
A mesma localização e forma é atribuída ao Tártaro pelos versos 720
seqq. da Teogonia 1 nos quais, depois de se desenvolver o famoso passo
de Θ 13‑16, se afirma:

τὸν πέρι χάλκεον ἕρκος ἐλήλαται. ἀμφὶ δέ μιν νὺξ


τριστοιχεὶ κέχυται περὶ δειρήν, αὐτὰρ ὕπερθεν
γῆς ῥίζαι πεφύασι καὶ ἀτρυγέτοιο θαλάσσης.
(726‑728)
e, alguns versos mais adiante:

τοῖς οὐκ ἐξιτόν ἐστι. θύρας δ᾽ ἐπέθηκε Ποσειδέων


χαλκείας, τεῖχος δὲ περοίχεται ἀμφοτέρωθεν.
(732‑733)
Outros passos, cuja autenticidade tem sido contestada, referem que aí
se encontram também as raízes da terra, do mar e do céu (vv. 736 seqq.).
É este o modelo tradicional, que deve ter sido familiar a Píndaro, não
o do verso 169 dos Trabalhos e Dias. O verso 291 da IVª Pítica demonstra
que ele também conhecia o mito da libertação dos Titãs:

λῦσε δὲ Ζεὺς ἄφθιτος Τιτᾶνας…………………………..

mas isso não nos impede de supor que na IIª Olímpica o poeta seguiu
a velha tradição. Um exemplo semelhante do uso de duas versões di-
ferentes do mesmo mito aparece‑nos na mesma Ode, nos versos 79‑83,
onde se diz que Aquiles foi para as Ilhas dos Bem‑aventurados, ao passo
que em N. IV, 49‑50, lemos que se encontra numa ilha no Ponto Euxino:

………………...............ἀτὰρ
Αἴας Σαλαμῖν᾽ ἔχει πατρῴαν.
ἐν δ᾽ Εὐξείνῳ πελάγει φαεννὰν Ἀχιλεύς
νᾶσον……………………………

1 Discuti este passo em Humanitas, vol. V‑VI, 1953‑4, Acerca do Hades em Hesíodo.
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 107

seguindo, portanto, outra tradição, que também chegou até nós atra-
vés de Pausânias, III, XIX, 11‑13, que dá à ilha o nome de Leuce, e de
outros autores 1 .
Se procurarmos referências ao Tártaro no próprio texto de Píndaro,
podemos verificar que o poeta o imaginou como um lugar profundo (ἐς
τὸν βαθὺν Τάρταρον, Paean IV, 44; Ταρτάρου πυθμένα Frg. 207, 1 Snell)
e terrível (ἐν αἰνᾷ Ταρτάρῳ, P. I, 15), onde jaz Tifeu (ibidem, 16).
Não se encontram outras menções do Tártaro nas obras que nos
restam deste poeta da luz 2 .
Por outro lado, as referências dispersas a Cronos não nos habilitam
a formar uma ideia concreta das suas funções, porquanto em todos os
outros passos ele é nomeado como pai de Zeus 3 , de Poséidon 4 ou de
Quíron 5 ou em relação com certos dados topográficos 6 .
Quanto a Radamanto, apenas aparece outra vez, como juiz incorruptível:

…………..ὁ δὲ Ῥαδάμανθυς εὖ πέπραγεν, ὅτι φρενῶν


ἔλαχε καρπὸν ἀμώμητον, οὐδ᾽ ἀπάταισι θυ‑
μὸν τέρπεται ἔνδοθεν,
οἷα ψιθύρων παλάμαις ἕπετ᾽ αἰεὶ βροτῷ.
(P. II, 73‑75)

Comparando quanto ficou dito até agora com o já citado verso 30


da Xª Pítica, podemos concluir que Διὸς ὁδόν era certamente um cami-
nho especial e privilegiado que levava a lugares maravilhosos. E, como
Cronos não estava nas Ilhas dos Bem‑aventurados, mas no Tártaro, é
concebível que a sua morada ficasse na passagem, uma vez que ambos
os sítios se encontravam nas margens do Oceano e nos confins da terra.
O Tártaro foi sempre imaginado como uma fortaleza; por conseguinte,
a palavra τύρσιν não deve surpreender‑nos. Alguns séculos mais tarde,
Virgílio escolheu o seu equivalente latino para lhe descrever o aspecto
externo no Canto VI da Eneida:

1 Cf. supra, pp. 30-32.


2 Até as referências ao Hades são proporcionalmente escassas; o único passo
em que se contém uma breve descrição é OI. IX, 33‑35.
3 Por exemplo, Ol. IV, 6; VII, 67; P. I, 71; III, 57; IV, 23; Ν. I, 16; IX, 19, 28; X, 76.

4 Ol. VI, 29; IX, 56; P. II, 25, etc.

5 P. IV, 115.

6 É o Κρόνιον ou Κρόνιος λόφος (e. g. Ol. I, 111; III, 23; V, 17; VI, 64), que apenas

tem interesse geográfico, pois designava uma colina a N. W. do vale de Olímpia.


Sobre os ritos que aí se executavam, cf. M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen
Religion, I, p. 481.
108 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

…………………………….stat ferrea turris ad auras,


(554)

Entendo, portanto, que a expressão do verso 70, παρὰ Κρόνου τύρσιν,


significa que tinham de passar ao longo da torre de Cronos. Tomo pois
a preposição num dos seus sentidos habituais, após um verbo de movi-
mento. Tal valor pode exemplificar‑se em Píndaro, nos seguintes casos:

…………………………..πόρευσ᾽ Ἀχέροντος ἀκτὰν παρ᾽ εὔσκιον


(P. XI, 21)

Αἰγυπτίαν Μένδητα, πὰρ κρημνὸν θαλάσσας


(Frg. 201, 1 Snell)1

e em Homero e outros autores é extremamente frequente. Esta interpre-


tação pode oferecer uma dificuldade, porquanto o ἔνθα que se segue tem
sido considerado como um desenvolvimento de Κρόνου τύρσιν (entre
outros, por Böckh apud Rumpel, Lexicon Pindaricum, s. u.). Conquanto o
uso de Píndaro forneça grande número de paralelos para essa acepção,
há casos que provam que ἔνθα pode ser empregado numa relação mais
distante e vaga com o que se disse anteriormente, conforme acontece em
Ol. VII, 69‑74, ou com o que estava na mente do poeta, como em N. X, 19‑24:

Βραχύ μοι στόμα πάντ᾽ ἀναγή‑


σασθ᾽, ὅσων Ἀργεῖον ἔχει τέμενος
μοῖραν ἐσλῶν. ἔστι δὲ καὶ κόρος ἀνθρώ‑
πων βαρὺς ἀντιάσαι.
ἀλλ᾽ ὅμως εὔχορδον ἔγειρε λύραν,
καὶ παλαισμάτων λάβε φροντίδ᾽. ἀγών τοι χάλκεος
δᾶμον ὀτρύνει ποτὶ βουθυσίαν Ἥ‑
ρας ἀέθλων τε κρίσιν.
Οὐλία παῖς ἔνθα νικάσαις δὶς ἔ‑
σχεν Θεαῖος εὐφόρων λάθαν πόνων.

e no Péan V, 37‑45:

ἰήϊε Δάλι’ Ἄπολλον.


καὶ σποράδας φερεμήλους

1 Sobre a inexactidão geográfica que este verso reflecte, cf. Élio Aristides, or.

Αἰγυπτίος 112 (II, p. 298, 21 Keil), citado por Α, Turyn na sua edição (= Frg. 241).
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 109

ἔκτισαν νάσους ἐρικυδέα τ’ ἔσχον


Δᾶλον, ἐπεί σφιν Ἀπόλλων
δῶκεν ὁ χρυσοκόμας
Ἀστερίας δέμας οἰκεῖν·
ἰήϊε Δάλι’ Ἄπολλον·
Λατόος ἔνθα με παῖδες
εὐμενεῖ δέξασθε νόῳ θεράποντα

4 – μακάρων / νᾶσον (71 ‑ 72)

Todos os manuscritos que incluem este passo da IIª Olímpica


apresentam a lição μακάρων / νᾶσον com excepção apenas de G,
que tem μακάρων / νᾶσος. Por outro lado, os escoliastas bizantinos
confirmam esta variante isolada, explicando‑a como um acusativo
do plural dórico.
Discuti já noutro lugar 1 a possibilidade de admitir esta v. l., que tem a
vantagem de se conformar com a tradição. Considerei aí outros exemplos
discutíveis de acusativo dórico, já citados por Fennell na sua edição, a
saber, Ol. I, 53 e N. III, 24, 29. Como o resultado métrico é o mesmo 2 , a
escansão dos versos em que se encontram não nos ajuda 3 .
O único exemplo certo do singular num contexto idêntico é o que se
lê no verso 1677 da Helena 4 :

μακάρων κατοικεῖν νῆσόν ἐστι μόρσιμον.

que é manifestamente uma reminiscência da Odisseia, δ 567 seqq., quan-


to ao teor da profecia. Aqui o texto é seguro, de modo que temos de

1 Notas a um Passo de Píndaro in Humanitas, IV, 1952, pp. 7‑12.


2 Cf. M. Lejeune, Traité de Phonétique Grecque, pp. 112‑113 e C. D. Buck, Introduc-
tion to the Study of the Greek Dialects 1, p. 63.
3 Para uma discussão de vestígios de metagrammatismos em Píndaro, cf. J. Iri-

goin, Histoire du Texte de Pindare, pp. 25‑26.


4 A outra referência conhecida a um além feliz, em Eurípides, dá um nome ge-

nérico ao lugar:
……………σὲ δ᾽ Ἄρης Ἁρμονίαν τε ῥύσεται
μακάρων τ᾽ ἐς αἶαν σὸν καθιδρύσει βίον.
(Bacchae, 1338‑1339)

Cadmo, a quem a professia é dirigida, não a considera uma benção. Cf. edição
das Bacantes de E. R. Dodds, pp. 222 e 224‑225.
110 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

aceitar o singular 1 . No artigo de que falei acima, sugeri a hipótese de


o verso de Píndaro se ter alterado muito cedo em νᾶσον, por se não
ter compreendido o acusativo dórico, dando assim origem à forma que
aparece em Eurípides.
Com efeito, se procurarmos citações das Ilhas dos Bem‑aventu-
rados através da Literatura Grega, facilmente concluiremos que o
seu número foi sempre plural, como convém ao carácter vago desse
lugar. Só mais tarde, quando o desenvolvimento dos conhecimentos
geográficos fez com que se tentasse atribuir uma situação concreta a
cada nome, podemos encontrar uma asserção, como a de Plutarco na
Vita Sertorii, VIII, de que tais Ilhas eram duas. Na época clássica, em
qualquer outro autor, depara‑se‑nos sempre o indefinido do plural 2 .
Todas estas razões me levam a crer que o acusativo dórico representa
a lição genuína, embora esta possa ter sido alterada tão cedo que já
Euripides a conhecesse numa forma diferente.

5 — ὅρμοισι τῶν χέρας ἀναπλέκοντι καὶ στεφάνους (74)

É este um dos mais discutidos versos de Píndaro. Darei, por isso,


primeiramente um resumo da questão.

1 Exemplos tardios, como o que se conserva numa inscrição da época romana

(E. Pottier‑Am. Hauvette‑Besnault, Inscriptions d’Erythrée et de Thrace in Bulletin de


Correspondance Hellénique, IV, 1880, pp. 177‑180), não interessam aqui.
2 Enumero a seguir as citações das Ilhas dos Bem‑aventurados que se encontram até

ao século IV a. C. (além das que já foram analisadas): o skolion de Harmódio e Aristogéiton


(Frg. 8 Bergk‑Hiller); Aristófanes, Vespae, 639‑640; Platão, Symposium, 179E‑180B, Menexenus
235C, Rep. VII, 519C, 540B‑C. Em Heródoto, III, 26, depara‑se‑nos um caso muito especial:
aí se afirma que o nome do grande oásis do deserto de El‑Khargeh devia traduzir‑se em
grego como μακάρων νῆσοι. Alguns manuscritos (ABCP, sigla Hudiana) têm o singular, mas
os restantes códices, Eustátio in Odysseam, p. 1509 e Olimpiodoro apud Phot. Bibl. 61 a Bekker
apresentam a lição νῆσοι. Entre os editores modernos, o texto Budé e o Teubner têm o sin-
gular, ao passo que o de Oxford prefere o plural. Entendo que νῆσος pode admitir‑se aqui,
sem com isso implicar discordâncias das ideias helénicas correntes, pelo motivo de o oásis
ser só um e de Heródoto estar a traduzir uma palavra egípcia, conforme foi demonstrado
por W. Spiegelberg, Die Übersetzung des Wortes Oase bei Herodot III, 26 in Zeitschrift für Ägyp-
tische Sprache und Altertumskunde, 42. Band, 1. Heft, 1906, p. 85 (para uma opinião diferente,
veja‑se C. Sourdille, La Durée et l’Étendue du Voyage d’Hérodote en Égypte, p. 168, nota 3). Além
disso, os oásis eram mansões dos mortos para os antigos egípcios (cf. G. Maspero, Études de
Mythologie et d’Archéologie Égyptiennes, vol. II, p. 422 seqq., Le nom antique de la Grande‑Oasis,
et les idées qui s’y rattachent), e Estrabão, 7. 91 compara‑os a ilhas (citado por How e Wells,
Commentary on Herodotus, I, p. 263). Para uma discussão da probabilidade de identificação
da Ὄασιν πόλιν vide ibidem pp. 262‑263). Em conclusão, embora o plural fosse correcto, é
mais natural encontrar aqui o singular:

ὀνομάζεται δὲ ὁ χῶρος οὗτος κατὰ Ἐλλήνων γλῶσσαν μακάρων νῆσος.


2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 111

O verbo da frase (ἀναπλέκοντι) está aparentemente construído com dois


acusativos, χέρας e στεφάνους, o que não faz sentido. Alguns manuscritos
tentaram remediar a situação, alterando χέρας para um dativo (χέραιν C
supra lineam) ou mudando o acusativo στεφάνους para um dativo, emenda
essa que figura em alguns códices como uma correcção (em L, C e N) e é
confirmada, além disso, pelos escoliastas bizantinos. Isto significa que a
falta de simetria na construção apareceu como um erro a muitos copis-
tas. O mesmo aconteceu a alguns editores do século XIX, como Fennell e
Gildersleeve, que também adoptaram στεφάνοις. Por outro lado, Karsten
propôs κροτάφους e Hermann στεφάνας. Bergk sugeriu que se alterasse
ὅρμοισι para ὅρμοις ἑ (forma da preposição ἐκ em inscrições lócrias) e que
se tomassem ὅρμοισι e στεφάνοις, como acusativos eólicos; esta emenda
tem o inconveniente de ir buscar formas a dois dialectos para explicar um
só verso. Uma glossa declarava que se devia supor o acusativo κεφαλάς,
para corresponder a χέρας, lição essa que Böckh preferiu.
Com efeito, ὅρμοι usava‑se propriamente para o pescoço e peito, e
στεφάνοι para a cabeça, como observou Gildersleeve 1. Mas ambas as pa-
lavras aparecem juntas em N. IV, 17 (ὅρμον στεφάνων) 2. Por outro lado,
um passo citado por Fennell na sua edição 3 contém um bom exemplo
demonstrativo do uso de trazer nas mãos grinaldas de flores:

Ἀλφεοῦ ἔρνεσι φράξαι χεῖρα τιμὰν………….


(I. I, 66)

Parece‑me, portanto, que se deve considerar este caso como um dos


usos pindáricos da assimetria, de modo que ἀναπλέκοντι foi primeito
empregado no seu sentido próprio de «entretecer», «entrelaçar», tendo
como objecto χέρας, e depois subentendido, na acepção do simples
πλέκω «tecer» 4 , o mesmo verbo que encontramos, por exemplo, em
Ι. VIII, 66‑67:

……………………….ἁλίκων τῷ τις ἁβρόν


ἀμφὶ παγκρατίου Κλεάνδρῳ πλεκέτω
μυρσίνας στέφανον……………………………

1 Pindar, The Olympian and Pythian Odes... by R. L. Gildersleeve, p. 151.


2 Farnell, no seu comentário, diz que este exemplo não convém (vol. II, p.
19). Trata‑se, na verdade, de um valor figurado, mas mostra o nexo entre as
duas palavras.
3 P. 35.

4 Por zeugma, como Galiano observa na sua edição de Píndaro, Olímpicas, vol.

I, ad locum. Aimé‑Puech também dá a mesma interpretação.


112 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Em suma, o passo alude a um símbolo característico da concepção


helénica de felicidade: as coroas de flores que eram usadas na celebra-
ção de um symposium 1 ou pelos mystae nas suas procissões 2 . Ambas as
ideias podem ter sido combinadas aqui.

6 ‑ ὃν πατὴρ ἔχει μέγας ἑτοῖμον αὐτῷ πάρεδρον,


πόσις ὁ πάντων Ῥέας ὑπέρτατον ἐχοίσας θρόνον.
(76‑77)

É também passo muito discutido, pelo que começarei por dar um


resumo das mais notáveis variantes e correcções.
Quase todos os manuscritos lêm aqui:

ὃν πατὴρ ἔχει γᾶς ἑτοῖμον αὐτῷ πάρεδρον,


πόσις ὁ πάντων Ῥέας ὕπατον ἐχοίσας παῖς θρόνον.

Como os versos não ofereciam bom sentido nem métrica, propuse-


ram‑se diversas emendas, desde tempos antigos. Assim, os escoliastas
bizantinos melhoraram grandemente o texto, alterando ὕπατον em
ὑπέρτατον e suprimindo παῖς a seguir a ἐχοίσας. Outra correcção tinha
já sido proposta por Aristarco, que queria que se lesse πόσιος em vez de
πόσις, tornando assim o pai dos deuses e dos homens um companheiro
de bebidas de Radamanto; tal proposta, evidentemente, não encon-
trou aceitação. Por outro lado, Dídimo entendeu que era a Cronos que
os versos se referiam. Esta interpretação também causa dificuldades,
porquanto o primeiro destes dois versos se refere claramente ao facto
de Radamanto ser o assessor de seu pai Zeus, e o segundo menciona o
esposo de Reia como sendo aparentemente o mesmo deus.3 Para resolver
esta aporia, Dissen e Schneidewin propuseram aceitar a lição de ma-

1 Para uma descrição de um symposium, por um poeta anterior a Píndaro, com

στέφανοι e todos os prazeres que lhe competiam, veja‑se um frg. de Xenófanes


em Diehl, Anthologia Lyrica, I, 1‑12.
Os Hiperbóreos, em P. X, 40, usam coroas de louro:

δάφνᾳ τε χρυσέᾳ κόμας ἀναδήσαν‑


τες εἰλαπινάζοισιν εὐφρόνως.

2 O mesmo hábito foi transferido para os iniciados no Hades por Aristófanes,

Ranae, 324‑336. Porém, em Platão, Rep. ΙΙ 363C‑E, é provável que outras seitas
religiosas estejam também incluídas.
3 Não me parece aceitável que πατὴρ μέγας seja Cronos. Nunca esse deus foi

considerado dessa forma senão em época muito tardia (por exemplo, H, Orph. 13,
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 113

nuscritos interpolados, lendo portanto Κρόνος em vez de γᾶς no verso


76, a despeito de tal modificação contradizer abertamente uma bem
definida teogonia. Editores do século XIX, como Fennell e Gildersleeve,
aceitaram esse texto com relutância. Fennell acrescentou em nota que
suspeitava que πατρός era a lição original, a qual teria desaparecido
por estar a seguir a πατήρ, donde teria resultado a alteração do paren-
tesco das entidades nomeadas. Christ sugeriu ὅν τε Γᾶς ἔχει πάις. Outra
conjectura foi ainda apresentada por Pauw, pela qual se substituía γᾶς
e a lacuna que se lhe seguia nos códices por μέγας, palavra que tinha a
vantagem de lembrar um bem conhecido epíteto homérico dos deuses.
A decifração do Pap. Oxyrh. 2092, onde se continha o adjectivo μέγας,
veio demonstrar que se tratava de uma emenda brilhante. Infelizmen-
te, o mesmo papiro omite o verso 77, de modo que temos de resolver o
problema com os nossos próprios recursos.
Seja como for, o texto tal como está não é satisfatório. Que Radaman-
to era filho de Zeus é facto seguro, desde que a Ilíada assim o afirmara
(Ξ 321‑322), e que estava associado a um lugar longínquo, onde certas
pessoas privilegiadas viviam felizes, declarava‑o a Odisseia, em δ 564
seqq. O bom senso deste herói fora enaltecido por Teógnis, como sendo
algo de excepcional 1 . Tudo isto está em perfeita concordância com o
que se diz nos versos 75 e 76. Mas o verso seguinte está em desacordo
flagrante com toda a mitologia, pois que afirma que o seu pai era tam-
bém o esposo de Reia, a deusa do mais alto trono.
Penso que o verso pode ser facilmente emendado, de modo a fazer
sentido sem alterar o metro, se o lermos desta maneira:

ὃν πατὴρ ἔχει μέγας ἑτοῖμον αὐτῷ πάρεδρον,


πάις ὁ πάντων Ῥέας ὑπέρτατον ἐχοίσας θρόνον.

A palavra πάις, que está em aposição ao sujeito do verso precedente,


apenas tem de alterar a sua posição, passando para o começo da linha,
a fim de se obter a verdadeira genealogia do deus: é filho de Reia e o
grande pai de Radamanto, que actua como seu assessor, exactamente
como Témis em Ol. VIII, 21‑23:

1), Ao passo que a Zeus. era dado constantemente esse título. O próprio Píndaro
nos fornece disso uma prova no frg. 57 Snell:

Δωδωναῖε μεγασθενές
ἀριστότεχνα πάτερ

1 Cf. Diehl, Anthologia Lyrica, I, 701:


οὐδ’ εἰ σωφροσύνην μὲν ἔχοις ‘Ραδαμάνθυος αὐτοῦ,
114 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ἔνθα σώτειρα Διὸς ξενίου


πάρεδρος ἀσκεῖται Θέμις
ἔξοχ᾽ ἀνθρώπων………….

Explica‑se assim a presença de πάις no verso, tal como figura nos ma-
nuscritos, deslocado do lugar que lhe competia, desde que alguém escre-
vera πόσις na sua vez, por influência de Κρόνον, em 70; a substituição de
ὑπέρτατον por ὕπατον deve ter sido também consequência dessa alteração.
Deste modo, o verso 77 é todo ele um desenvolvimento à volta do
nome de Zeus. Esta maneira de o designar está de acordo com a invo-
cação que lhe é dirigida no verso 12 da mesma Ode:

ἀλλ᾽ ὦ Κρόνιε παῖ Ῥέας,…………………

e ainda encontra paralelo no frg. 144 Snell:

Ἐλασίβροντα παῖ Ῥέας

A métrica não se alterava, ainda que lêssemos παῖς, que formaria


a primeira sílaba de um crético, sem a resolução implicada por πόσις.
No entanto, pode‑se conservar a correspondência exacta com os ou-
tros epodos, escandindo παῖς como nos poemas homéricos e em Safo.
Embora se não encontrem outros exemplos do dissílabo em Píndaro,
o facto de ele estar na tradição épica é suficiente para fazer admitir a
possibilidade do seu uso pelo poeta.

Agora que examinámos os pontos mais controversos do mito da IIª


Olímpica, é possível coligir os elementos descritivos que nele se contêm
e indicar as suas fontes prováveis.
No primeiro lugar privilegiado de que se fala, a ideia de felicidade é
dada por meio de negativas (οὐ χθόνα ταράσσοντες ἐν χερὸς ἀκμᾷ / οὐδὲ
πόντιον ὕδωρ… ἄδακρυν νέμονται /αἰῶνα) e pela insistência no motivo
da regularidade do clima (ἴσαις δὲ νύκτεσσιν……. ἴσαις δ᾽ ἁμέραις………
αἰεί……………………….).
E finalmente, no verso 70 e seguintes, encontra‑se a descrição de um
sítio ainda superior. A brisa oceânica sopra em sua volta; há flores de ouro,
algumas em árvores, outras trazidas pela água1 e os bem‑aventurados co-

1 Dissen, apud Gildersleeve, supõe que se trata de uma alusão ao σέλινον que

coroava os vencedores dos Jogos Ístmicos; a planta crescia em lugares pantanosos,


como se depreende de um passo da Ilíada, Β, 776 ἐλεόθρεπτόν τε σέλινον.
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 115

roam as suas cabeças de grinaldas, que eles mesmos entrelaçaram. Vivem


sob a legislação de Radamanto, que é o assessor de Zeus. Segue‑se uma
breve enumeração desses heróis (Peleu, Cadmo, Aquiles).
O primeiro elemento — brisa do Oceano — e o último — a presença de
Radamanto — ascendem claramente à concepção homérica de δ 561 seqq.
Mas há duas novidades: as flores de ouro e as coroas com que elas se tecem.
Quanto ao segundo ponto, parece ter sido usado para servir um duplo
propósito: ajudar a sugerir a ausência de trabalho, visto que não se men-
ciona qualquer outra ocupação, e insinuar a continuidade, no além, dos
banquetes que alegravam esta vida.
As flores de ouro dão a nota de brilho que não costuma faltar na poesia
de Píndaro. Aliás, o adjectivo xρυσοῦς era sem dúvida favorito do poeta,
como símbolo de excelência. De um modo geral, pode dizer‑se que a palavra
se usava muitas vezes com relação aos deuses1. Daí, por extensão, servia
para qualificar quanto se prendesse com um modo de vida semelhante.

b) O fragmento 129 Snell = 114 Bowra = 135 Turyn

O famoso fragmento 129 Snell, conservado por Plutarco em Consolatio


ad Apoll. 35, p. 120C, trata igualmente da felicidade no além.
Mas, ao passo que na IIª Olímpica se explicava com algum pormenor o
caminho seguido para lá chegar e que a região estava rodeada pelo mar
de todos os lados, aqui nada mais se sabe excepto que fica κάτω e isso,
talvez, devido ao estado fragmentário do texto2. O facto adverte‑nos de
que Píndaro não se conformava sempre com os mesmos esquemas e de que
via neste género de poesia escatológica mais uma oportunidade para criar
beleza do que um pretexto para expor as suas próprias ideias sobre o além.
O primeiro verso tem sido diferentemente interpretado, ou no sentido de
que recebem os raios solares com toda a força, enquanto é noite na terra,
ou no do que têm luz especial, mesmo quando é escuro aqui. Conquanto
tenha havido uma teoria na Antiguidade, corrente entre os egípcios3, de
que o sol brilhava entre os mortos, quando era noite sobre a terra, essa

1 Cf. H. L. Lorimer, Gold and Ivory in Greek Mythology in Greek Poetry and Life,

pp. 14‑33.
2 O fragmento 137 Snell implica a mesma situação.

3 E. Wikén, Die Kunde der Hellenen von dem Lande und den Völkern der Apenninen

Halbinsel bis 300 v, Chr., Diss. Lund. 1937, supõe que a ideia era de origem helénica
(citado por Ch. Picard, Les religions préhelléniques (Crète et My cènes), Paris, Presses
Universitaires de France, 1948, p. 216).
116 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ideia não era doutrina aceite entre os gregos na época de Píndaro 1, e o


estilo conciso do poeta favorece a segunda hipótese. Por outro lado, a luz
brilhante, como característica de um lugar especial e excelente2 era já
um dos tópicos principais da descrição do Olimpo em Homero (ζ 44‑45).
Os três versos seguintes são dedicados à paisagem: há prados de rosas
vermelhas e árvores umbrosas de incenso, em frente da sua cidade (προ-
άστιον αὐτῶν), e frutos de ouro. O dístico imediato enumera as ocupações
dos bem‑aventurados: os cavalos e exercícios de ginástica, xadrez e a música
da lira. O verbo usado para exprimir o gozo destes prazeres, τέρπονται,
lembra também o verso 46 do Canto VI da Odisseia.
Sem dúvida que se transferiram para o além os entretenimentos
favoritos de um grego abastado, como sejam os cavalos e os exercícios
físicos 3 . Mas é interessante notar que já se encontrou um tabuleiro de
xadrez num túmulo micénico 4 . Quanto à lira, deve ser um contributo

A ideia de o Sol poder brilhar entre os mortos foi apresentada como uma
1

severa vingança na Odisseia, μ, 382‑383:

εἰ δέ μοι οὐ τίσουσι βοῶν ἐπιεικέ᾽ ἀμοιβήν,


δύσομαι εἰς Ἀίδαο καὶ ἐν νεκύεσσι φαείνω.

O facto de se ter suspeitado da autenticidade deste passo não diminui o seu


interesse.
2 Sobre o significado da luz para os antigos, veja‑se o artigo de Rudolf Bult-

mann, Zur Geschichte der Lichtsymbolik im Altertum in Philologus, Band 97. Heft 1/3,
1948, pp. 1‑36. As regiões infernais são designadas simplesmente por δυσήλιον
κνέφας em Eumenides, 396.
3 Como sugere E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, pp. 137‑138 e p. 159, nota

14, talvez a ideia se tivesse originado nos sacrifícios de cavalos na pira cremató-
ria, como os que na Ilíada se executam em honra de Pátroclo. Sobre a prática de
queimar animais, especialmente esses, com o falecido dono, vide J. Wiesner, Grab
und Jenseits. Untersuchungen im Ägäischen Raum zur Bronzezeit und frühen Eisenzeit,
p. 136, nota 3; p. 152, nota 11; p. 160 e nota 8. Sobre πεσσοί, idem, ibidem p. 146.
4 Encontra‑se no Museu de Herakleion, em Creta. Heródoto, II, 122‑123, ao

contar o mito egípcio da catábase de Rampsinito, acrescenta que ele jogou os


dados no Hades com Deméter:……………καὶ κεῖθι συγκυβεύειν τῇ Δήμητρι, καὶ τὰ μὲν
νικᾶν αὐτὴν, τὰ δὲ ἑσσοῦσθαι ὑπ᾽ αὐτῆς, καί μιν πάλιν ἄνω ἀπικέσθαι δῶρον ἔχοντα
παρ᾽ αὐτῆς χειρόμακτρον χρύσεον…………
Mas esta espécie de jogo com a própria deusa deve estar relacionada com cenas
mágicas, comuns em contos populares. Os egípcios apreciavam muito esse entreteni-
mento, pois tem‑se encontrado grande número de dados em túmulos (British Museum
Guide, pp. 87 e 178). Row e Wells, no seu Commentary on Herodotus, I, p. 225, citam a his-
tória de Satni, conservada num papiro ptolomaico, que ganhou o livro mágico depois
de vencer num jogo, e também o mito relatado por Plutarco (De Is. et Os., c. 12) de que
Hermes ganhou a Selene (Ísis), ao xadrez, a septuagésima segunda parte de cada dia e
que com isso se fizeram cinco «dias intercalados». Sobre o apreço em que os egípcios
tinham os jogos desse género, vide Erman‑Ranke, Aegypten und Aegyptisches Leben in
Altertum, pp. 290 seqq.
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 117

pessoal do poeta, que contrasta com um passo de Teógnis de Mégara (I,


973‑976 Diehl), em que ele se queixa de que nenhum homem encontrará
deleite no Hades:

Οὐδεὶς ἀνθρώπων, ὃν πρῶτ’ ἐπὶ γαῖα καλύψῃ


εἰς τ’ Ἔρεβος καταβῇ, δώματα Περσεφόνης,
τέρπεται οὔτε λύρης οὔτ’ αὐλητῆρος ἀκούων
οὔτε Διωνύσου δῶρ’ ἐπαειρόμενος.

Estes versos pertencem a um tempo em que as perspectivas de um além


feliz estavam confinadas aos heróis ou aos iniciados. Portanto não admira
que nem todos os poetas mencionassem tal possibilidade.
A suposição de que as ocupações desta vida continuariam na outra
era tão antiga como natural. Podem ainda descobrir‑se vestígios dela
no episódio de Minos, no Canto XI da Odisseia (Minos é juiz no Hades,
porque exercera essas funções durante a vida) e nos versos 1160‑1161
do Agamémnon, entre outros exemplos.
Voltando ao fragmento 129, há ainda mais alguns pontos a considerar.
Particularmente interessante, sob o ponto de vista estilístico, é o verso 7
(5 em A. Turyn), que termina com uma arrojada metáfora:

……..παρὰ δέ σφισιν εὐανθὴς ἅπας τέθαλεν ὄλβος.

pela qual a costumada referência à fertilidade do solo é transferida para


um nome abstracto, a própria felicidade (ὄλβος), por meio do emprego do
adjectivo εὐανθὴς e do verbo τέθαλεν.
O verso seguinte introduz um novo dado, a saber, a menção de um aro-
ma agradável, que envolve a região (ὀδμὰ δ’ ἐρατὸν κατὰ χῶρον κίδναται).
O fragmento termina com uma referência à continuidade dos sacrifícios
feitos nos altares dos deuses. É mais uma maneira de pôr em evidência a
virtude da εὐσέβεια1, que distingue os bem‑aventurados.
Pelo que toca à crítica textual, apenas dois pontos requerem atenção
neste passo. O primeiro é a lição σκιαράν, de Plutarco, que foi alterada
para σκιαρᾷ por Böckh e para σκιαρόν por Bergk, ao passo que Snell pro-
põe (λιβάνων) σκιαρᾶν, seguido de uma lacuna. Esta última conjectura
difere da de Bergk em que, fazendo concordar o adjectivo com λιβάνων,
lhe atribui sentido activo, contrariamente ao que sucede com σκιαρόν,
que tem de se tomar como passivo, qualificando προάστιον. Sendo este
adjectivo formado com um sufixo que permite indiferentemente um ou

1 Εὐσεβῶν χῶρον, como Plutarco diz explicitamente.


118 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

outro valor1, ambas as correcções são possíveis. Porém a de Snell, se por


um lado tem a vantagem de ser, paleograficamente muito fácil, pois a
acentuação é geralmente omissa nos manuscritos, tem o inconveniente
de alterar também a palavra precedente. Parece‑me que a conjectura de
Böckh, também adoptada por A. Turyn, é preferível. porque estabelece o
desejado paralelismo com os outros dativos.
O outro ponto é χρυσοκάρποισι, que Böckh corrigiu em χρυσέοις καρποῖς
e que Wilamowitz2 deixou inalterado, embora inserindo δενδρέοις adiante
do verbo. A palavra χρυσόκαρποι figura também em Dioscórides como
substantivo, com o significado de uma determinada espécie de hera de
bagas amarelas, o que fez com que Paton3 sugerisse que podia ser o visco
ou «Ramo de Ouro». Como Farnell, penso que a correcção de Wilamowitz é
demasiado violenta e prefiro a de Böckh4. Entendo que χρυσέοις καρποῖς é
um bom paralelo para ἄνθεμα δὲ χρυσοῦ da IIª Olímpica e ao mesmo tempo
uma reminiscência dos frutos de ouro do jardim das Hespérides.
Em conclusão, deve acentuar‑se que muitos dos elementos desta des-
crição não são novos5. Mas o que é realmente novo, e característico de um
grande poeta, é a maneira de os apresentar.

1 O próprio Píndaro dá um exemplo disso em Ol. III, 14 (σκιαρᾶν παγᾶν) e 18

(σκιαρόν τε φύτευμα).
2 Pindaros, p. 497.

3 The Golden Bough in Classical Review, XXV, 1911, p. 205.

4 Adoptada também por Aimé‑Puech, A. Turyn e C. M. Bowra.

5 Alguns deles são comuns à descrição da terra dos Hiperbóreos, em P. X,

29‑48. É um país ao qual conduz um caminho maravilhoso (30). Há festas e


sacrifícios, presta‑se culto à Musa, canta‑se e toca‑se flauta. Os Hiperbóreos
celebram festas coroados de áureos louros, não sofrem doenças nem velhice,
penas ou guerras. Estão livres do tribunal de Némesis. Todos estes dados fazem
lembrar o mito da IIª Olímpica e o fragmento 129 Snell. Há ainda um último
pormenor que sublinha o efeito, graças ao emprego do próprio adjectivo que
é característico destas descrições:

ἐς ἀνδρῶν μακάρων ὅμιλον.

Este passo ajuda‑nos a compreender melhor os versos 58‑62 da Ode III de Ba-
quílídes, onde se diz que Apolo arrebatou Creso e suas filhas para os Hiperbóreos
(cf. supra, pp. 35-36). A descrição de Píndaro é inteiramente poética e nada tem
de comum com muitas outras informações que podemos coligir noutros autores.
Apenas fez uso de um certo número de tópicos característicos de lugares fabulosos.
Alguns elementos destas descrições são também comuns à que se contém no
discutidíssimo óstracon de Safo, que se conserva na Biblioteca Laurenziana‑Medicea
de Florença e foi publicado pela primeira vez por Medea Norsa, Dai Papiri della Società
Italiana in Annali della Scuola Normale Superioce di Pisa, Lett., Scíenze e Filosofia, Serie II,
vol. VI, pp. 1‑15, Bologna, 1937, e discutida depois por R. Pfeiffer, Vier Sappho‑Strophen
auf einem Ptotemäischen Ostrakon in Philologus, Band 92, 1937, pp. 117‑123, W. Schu-
bart, Bemerkungen zu Sappho, in Hermes, 73. Band, 1938, pp. 297‑306 e A. Turyn, The
2ª PARTE - CAPÍTULO III - PÍNDARO 119

Às sugestões de cor (contidas em φοινικορόδοις e χρυσέοις), de con-


trastes de luz e sombra (λάμπει μὲν μένος ἀελίου… καὶ λιβάνῳ σκιρᾷ…
πυρὶ τηλεφανεῖ) e até de natureza olfactiva (ὁδμὰ δ’ἐρατὸν κατὰ χῶρον
κίδναται) contam entre as principais contribuições que se nos deparam
nesta breve citação.
Os outros passos em que Píndaro expõe concepções do além não perten-
cem a este capítulo, porquanto se mantêm num nível puramente teórico.

Sapphic Ostrakon in Transactions and Proceedings of the American Philological Association,


vol. LXXIII, 1942, pp. 308‑318. A. Turyn argumenta que, embora seja evidente que é
o τέμενος da deusa que se descreve, está pintado nas cores convencionais do paraíso
grego e aponta os elementos comuns: templo, bosque, altares, incenso, água fresca,
rosas, sombras, sossego, prado florido, aroma aprazível. Conclui que uma fonte co-
mum, a saber, os poemas órficos, deve ter fornecido o fundo do quadro. Não vejo a
necessidade desta hipótese e subscrevo inteiramente o juízo de R. Pfeiffer, de que
não se trata aqui de «Märchenland» ou «Zaubergarten», mas da mais pura e sentida
beatitude. Por outro lado, se seguíssemos o critério de A. Turyn, seríamos forçados
a acreditar que o frg. 1 Diehl de Xenófanes que, depois de mencionar εὐῶδες μῦρον
(v. 3) e ἄνθεος ὀζόμενος (v. 6), diz:

ἐν δὲ μέσοισ’ ἁγνὴν ὀδμὴν λιβανωτὸς ἵησι


ψυχρὸν δ’ἐστιν ὕδωρ καὶ γλυκὺ καὶ καθαρόν.

e mais adiante, vv. 11‑12:

βωμὸς δ’ἄνθεσιν ἂν τὸ μέσον πάντῃ πεπύκασται,


μολπὴ δ’ἀμφὶς ἔχει δώματα καὶ θαλίη.

é, não a descrição de um symposium, como nos informa Ateneu, 11, 462c mas um
poema «órfico». Alguns destes elementos ocorrem ainda no frg. 128 Diels de
Empédocles, na descrição da Idade do Ouro:

τὴν οἵ γ’ εὐσεβέεσσιν ἀγάλμασιν ἱλάσκοντο


γραπτοῖς τε ζῴοισί μύροισί τε δαιδαλεόδμοις
σμύρνης τ’ἀκρήτου θυσίαις λιβάνου τε θυώδους,
ξανθῶν τε σπονδὰς μελίτων ῥίπτοντες ἐς οὖδας.

Apenas é lícito concluir que os tópicos que pertenciam a cenas do culto dos
deuses eram habitualmente transferidos para qualquer descrição de um lugar de
bem‑arventurança, quer este fosse imaginado no passado, ou no futuro, ou simples-
mente um momento de poesia pura, como parece ser o caso no fragmento de Safo.
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO IV
«AS RÃS» DE ARISTÓFANES

Durante os séculos V e IV a. C., a comédia parece ter feito largo uso


dos temas escatológicos, para divertimento da audiência. Conquanto
apenas As Rãs tenham chegado completas até nós, sabemos que, além de
outra peça do mesmo Aristófanes, Γηρυτάδες, houve também Κραπάτα-
λοι e Μεταλλῆς de Ferécrates, Ἀρχίλοχος e Χίρων de Cratino, Δῆμοι de
Êupolis e talvez ainda Μοῦσαι de Frínico. É extremamente provável que
em todas essas comédias se parodiassem as crenças na outra vida, para
fazer rir as pessoas dos seus própris temores e esperanças. Mas, como
os fragmentos de todas essas obras são tão escassos que poucas informa-
ções nos ministram, temos de nos limitar aos elementos que se podem
coligir de As Rãs 1 . Por outro lado, o único extracto, desse género, um
pouco mais extenso, que chegou até aos nossos dias, a saber, o frg. 108
Kock dos Μεταλλῆς de Ferécrates, não nos deve fazer lamentar a perda
de produções literárias dessa espécie. Os rios de sopa e peixe e outros
requisitos do paraíso alimentar, que aí se descreve, são desprovidos de
interesse para o assunto que me propus, embora tenham importância
para nos ajudar a compreender melhor certos escritos de Luciano.
O caso de Aristófanes, porém, é diferente, porque nunca deixa de
ser um artista, mesmo quando está unicamente a meter a ridículo as
ideias dos outros.
É evidente que a sua descrição de um além feliz não pode ser anali-
sada da mesma maneira que as dos outros poetas. Não se deve esquecer

1 É duvidoso se As Rãs são ou não uma paródia do Peirithoos perdido de Eurípides.

L. Radermacher nega resolutamente tal possibilidade (na sua edição de As Rãs, Ein-
leitung). G. Murray pensa que os versos 464 seqq. podem ser uma paródia do referido
drama (The Athenian Drama: III, Euripides, na tradução de As Rãs, depois reimpressa
em The Frogs of Aristophanes, notas ad locum). A perda dessa tragédia inibe‑nos de
pronunciar um juízo definitivo.
122 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

que muitas vezes há jogos de palavras sobre assuntos do dia e ridículos


ocasionais, que deixaram de ser inteligíveis para nós.
De um modo geral, as ideias populares devem ter prevalecido sobre as
filosóficas1. Por isso mesmo, a comédia tem um alto interesse, porque nos
dá um conspecto do que deviam ter sido as concepções mais correntes so-
bre o além entre os atenienses médios, no final do século V a. C. O primeiro
ponto a notar é que, conquanto Aristófanes mencione algures na mesma
peça, assim como noutras 2 também, as Ilhas dos Bem‑aventurados, estas
não são sequer consideradas no corpo da obra. Há um lugar privilegiado,
mas é no Hades, e destina‑se aos iniciados. Por conseguinte, destes dois
mitos relativos à bem‑aventurança no além, um dos quais aparece pela
primeira vez, na literatura, nos Trabalhos e Dias e outro no Hino Homérico
a Deméter 3 é do último apenas que temos de tratar aqui.
É ponto assente que são os rituais e concepções dos iniciados nos Mis-
térios de Elêusis que se parodiam nesta peça, porquanto são claramente
designados mais do que uma vez (por exemplo, 337‑338 e 382‑386). Até
que ponto chegou a imitação, é que não é possível delimitar. A maior
parte dos comentadores é de opinião que foram os Grandes Mistérios
que serviram de modelo. Por sua vez, T. G. Tucker tentou provar que
foram os Mistérios Menores ou Ἀνθεστήρια que se celebravam em Ate-
nas 4 . Entendo que não há vantagem em procurar identificar as flores,

1 No prólogo à sua edição, L. Radermacher escreveu: «Es ist eine Mischung

voa volkstümlichen und theologischen Anschauungen».


2 Um exemplo seguro em Vespae, 639‑640. O facto de o coro dizer que teve

a impressão de que o julgamento decorria nas Ilhas dos Bem‑aventurados, tão


maravilhoso era o discurso que ouvira, implica o conhecimento desse mito por
parte dos espectadores. A expressão ἐς μακαρίαν em Equites, 1151, já não é tão
clara (cf. o que ficou dito na p. 57, nota 1). O verso 85 das Ranae, ἐς Μακάρων
εὐωχίαν parece conter uma referência à mesma concepção, segundo informa o
escoliasta: ὡς περὶ τετελευτηκότος λέγει. ὡσανεὶ εἶπε τὰς μακάρων νήσους. ὅτι
Ἀρχελάῳ τῷ βασιλεῖ μέχρι τελευτῆς μετ’ ἄλλων πολλῶν συνῆν ἐν Μακεδονίᾳ
καὶ μακάρων εὐωχίαν ἔφη ἐν τοῖς βασιλείοις διατριβήν.
Deste modo torna‑se uma «Kontamination aus beiden Redewendungen»,
como nota Süss na sua edição (Bonn, 1911). Merry sugere um jogo de palavras
baseado na sílaba inicial de Μακ‑ἐδόνων e de Μακ‑άρων, assim como entre ἀγαθός
(84) e Ἀγάθων (83) (ed. de Oxford, Clarendon Press). Encontra‑se paralelo para
tais jogos de palavras — que são extremamente frequentes em Aristófanes — na
mesma comédia, verso 336 (χορείαν) e 338 (χοιρείων κρεῶν).
3 Entre o Hino Homérico a Deméter e Aristófanes, o que resta da literatura grega

apenas fornece duas referências à mesma ideia, a saber, o frg. 753 Nauck (= frg. 837
Pearson) de Sófocles e, provavelmente, o frg. 137 Snell de Píndaro (= 121 Bowra).
4 Na introdução à sua edição, Londres, 1906. A interpretação deste comentador

baseia‑se, em parte, na lição δι’ ἄγορᾶς (adoptada por Apolodoro Tarsense) no


verso 320, em vez de Διαγόρας (segundo Aristarco). O assunto encontra‑se dis-
cutido em Radermacher, op. laud., p. 181, que cita Wilamowitz, Die Textgeschichte
2ª PARTE - CAPÍTULO IV - «AS RÃS» DE ARISTÓFANES 123

o prado e a época do ano, como faz esse editor, porquanto, Aristófanes


apenas pintou uma paisagem, idealizada e trabalhou sobre aspectos
gerais do ritual de Elêusis.
Também já se afirmou que há dois Hades distintos em As Rãs, separa-
dos por uma porta, e que o poeta não teve sequer a preocupação de os
reconciliar 1. Isso é exacto em certa medida, mas julgo que no começo da
catábase, desde o aparecimento de Caronte, no verso 180, até ao encontro
de Dioniso com Xântias, no outro lado do lago, as ideias tradicionais
acerca do Hades não estão menos inextricavelmente fundidas com as
inovações de Aristófanes, para fins cómicos, do que, por exemplo, na
segunda parte, no episódio de Éaco, cujas palavras ameaçadoras, quando
Dioniso bate à porta, vangloriando‑se de ser Hércules, são um catálogo
dos mais conhecidos, horrores do mundo infernal 2 .
Seja como for, a parte do Hades onde decorre a acção, desde o verso
271 a 459 (parte essa que já fora sumariamente delineada por Hércules
em 145‑164) retrata sem dúvida o Hades dos iniciados, embora no esti-
lo próprio da comédia. Nesse lugar há duas secções que facilmente se
podem distinguir, uma onde os criminosos são castigados 3 e outra onde
os iniciados cantam (ᾄδουσι 320, ἀνεγείρετε μολπὴν 370, τῇ φωνῇ μολ-
πάζων 379, ἑτέραν ὕμνων ἰδέαν 382, ζαθέαις μολπαῖς 383, ᾠδαῖσι 396),
dançam (χορείαν 336, ἡμετέροισι χοροῖσιν 354, ἐχόρευσεν 356, μύσταισι
χοροῖς 370, χορεῦσαι 388, χορείας 396, χορεύειν 407, 415) e têm seus
folguedos (παίζουσιν 319, παίζων 376, παῖσαι 388, παίσαντα 392, παίζειν
407, παίζων 415, παίζοντες 442, 452). É essa segunda parte que interessa
considerar neste capítulo. Além das atitudes já referidas, mencionam‑se
alguns objectos cultuais trazidos por Íaco (μυρρινῶνας καὶ θιάσους
156, στέφανον μύρτων 330, φλογέας λαμπάδας 340). A música já fora
incluída (αὐλῶν………………..πνοή 154 e κρότον χειρῶν πολύν 157). Tudo
isto deve ter feito parte das cerimónias que se celebravam em Elêusis.

der griechischen Lyriker, pp. 80 seqq.. A segunda alternativa, que também é a do


escoliasta, está mais no espírito da comédia.
1 Cf. L. Radermacher, Das Jenseits im Mythos der Hellenen. Untersuchungen über

antiken Jenseitsglauben, cap. I.


2 Cf. M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, I, p. 769.

3 Apenas βόρβορον πολὺν e σκῶρ άείνων se mencionam em 145‑146 e, novamen-

te, σκότος καὶ βόρβορος em 273. A escuridão é uma bem conhecida característica
do Hades, desde os tempos mais antigos. Mas acerca de βόρβορος neste contexto
pensa‑se em geral que pertence estritamente à linguagem religiosa. A expressão
ἐν βορβόρῳ κεῖσθαι seria aplicada para descrever a sorte dos não iniciados nos
infernos. Discuti já esta questão na Iª Parte (pp. 2-45). Aqui apenas desejo pôr
em relevo o facto de serem pecadores, e não somente pessoas iniciadas, os que
sofrem essa penalidade (vv. 145‑151).
124 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

A característica mais notável da mansão dos iniciados é a luz bri-


lhante que têm, proveniente não só dos archotes 1 , como também do
Sol, que os ilumina:

μόνοις γὰρ ἡμῖν ἥλιος


καὶ φέγγος ἱλαρόν ἐστιν,
(454‑455)

Outros elementos da paisagem são já bem conhecidos, como o λειμών


(326, 344), coberto de flores (ἀνθηρὸν ἕλειον δάπεδον 352, εὐανθεῖς
κόλπους / λειμώνων 373‑374; ἀνθοφόρον ἀν᾽ ἄλσος 441 e eἰς πολυρρό-
δους / λειμῶνας ἀνθεμώδεις, 448‑449).

1 Mencionada no verso 340, num passo duvidoso, em 344 (φλογὶ φέγγεται δὲ

λειμών) e, de novo num texto pouco seguro, em 351. Quanto ao verso 340, a maioria
dos manuscritos e a edição aldina lêem:

ἔγειρε φλογέας λαμπάδας ἐν χερσὶ γὰρ ἥκεις τινάσσων,

A v. l. ἥκει, que foi adoptada por muitos editores modernos, é preferível. Mas
o verso tem sílabas a mais, pelo que se têm experimentado diversas correcções.
Assim, Bergk, na edição Teubner, pontua de modo diferente, separando o impe-
rativo do resto da linha, e depois transpõe τινάσσων para outro lugar e mete‑o
entre parênteses:

ἔγειρε. φλογέας λαμπάδας ἐν χερσὶ [τινάσσων] γὰρ ἥκει,

Considera τινάσσων uma glossa acrescentada para explicar um acusativo pouco


habitual. Tucker seguiu‑o. Outros editores, como Van Leeuwen, Kock e Rogers,
omitem γὰρ ἥκει. L. Radermacher e Coulon incluem entre parênteses ou supri-
mem mesmo λαμπάδας, apoiando‑se na v. l. de um escoliasta. Esta última solução
é difícil de admitir, porquanto não há exemplos de φλογέας como substantivo e
altera‑se a métrica. Esta exige, para perfeita correspondência com a estrofe, a
supressão de –– , o que se consegue, tanto omitindo τινάσσων (como fizeram
̆
alguns, segundo informa o escoliasta da edição aldina), como γὰρ ἥκει. É de crer
que ou o particípio, ou a partícula com o verbo no indicativo se originassem
numa glossa marginal. E, dentre as duas possibilidades, a segunda é sem dúvida
a que tem mais aspecto de interpolação. Uma nota ἥκει γὰρ, a explicar que Íaco
se aproximava, teria sido incorporada no texto por algum copista que houve
por bem dar uma feição mais poética à ordem das palavras, invertendo‑a, mas
não reparou na alteração métrica subsequente. No verso 351, φλέγων também
causa dificuldade. Blaydes e Van Leeuwen propuseram φαίνων e Bothe φλέξων.
Hermann, Dindorf, Voss e Coulon lêem φέγγων, que satisfaz sob o ponto de vista
da métrica e do estilo. Radermacher e Hall e Geldart retêm φλέγων. Conquanto
a lição dos manuscritos apresente uma palavra mais comum nesta construção, a
métrica favorece φέγγων cujo uso está exemplificado nesta peça pelo verso 344.
Há uma certa insistência na ideia de luz incandescente através desta antístrofe:
φλογέας 340, φωσφόρος ἀστήρ 342, φλογὶ φέγγεται 344, λαμπάδι φέγγων 351. Sobre a
métrica de todo este passo, vide M. Platnauer, Antistrophic Variation in Aristophanes
in Greek Poetry and Life, p. 250 (Ionic).
2ª PARTE - CAPÍTULO IV - «AS RÃS» DE ARISTÓFANES 125

Afirma‑se também que habitam muito perto do palácio de Plutão,


em 162‑163:

οὗτοι γὰρ ἐγγύτατα παρ᾽ αὐτὴν τὴν ὁδὸν


ἐπὶ ταῖσι τοῦ Πλούτωνος οἰκοῦσιν θύραις.

e, de novo, nos versos 434‑436:

μηδὲν μακρὰν ἀπέλθῃς,


μηδ᾽ αὖθις ἐπανέρῃ με,
ἀλλ᾽ ἴσθ᾽ ἐπ᾽ αὐτὴν θύραν ἀφιγμένος.

e sabem tudo aquilo sobre que Dioniso deseja ser informado (161).
Em resumo, pode dizer‑se que prados cobertos de rosas, um sol bri-
lhante, danças com coroas de flores e archotes, tudo isso constitui a
felicidade dos iniciados, que parece consistir em continuar a celebração
dos Mistérios no Hades 1 . O quadro é algo semelhante àquele em que
os μάκαρες da IIª Olímpica e os εὐσεβεῖς do frg. 129 Snell de Píndaro
gozavam a bem‑aventurança no além.
Há ainda outro lugar mencionado em As Rãs, que costuma andar as-
sociado com esse mesmo estado; trata‑se de um dos nomes que figuram
na discutida enumeração de Caronte, no verso 186:

τίς ἐς τὸ Λήθης πεδίον…………………….

Aí ainda não se designa o rio, que depois havia de tornar‑se famoso,


mas unicamente os Campos do Olvido, expressão esta em certo modo
paralela a ἀναπαύλας ἐκ κακῶν καὶ πραγμάτων do verso precedente 2 .

1 A celebração dos ritos de Elêusis é descrita como τὰ μυστῶν δ’ ὄργια em


Eurípides, Hercules, 613.
2 Em Teógnis de Mégara, I, 1215‑1216 Diehl, fala‑se de uma cidade καλὴ Ληθαίῳ

κεκλιμένη πεδίῳ. O contexto mostra, porém, que se deve tratar de um dos muitos
lugares desse nome que havia na Grécia, talvez do que estava situado ao pé de
Lebadeia, na Beócia. Cf. Pape, Wörterbuch der griechischen Eigennamen, s. u.
Em Safo, ε ΄, 4, 11‑13 Lobel,

λωτίνοις δροσόεντας [ὄ]‑


χ[θ]οις ἴδην Ἀχέρ [οντος]

encontra‑se uma maneira de descrever o Hades que não tem paralelo conhecido
na literatura grega: parece adoptar‑se a flor‑de‑lótus como um belo símbolo
poético do olvido. Cf. o efeito de comer lótus no episódio dos lotófagos, na Odis-
seia. É curioso notar que se vêem muitas dessas flores nas paisagens do Livro dos
Mortos dos Egípcios.
126 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

Mas também é provável que ao mesmo tempo o conjunto fosse um jogo


de palavras, conforme G. Murray sugere1, baseado na semelhança de sons,
em volta de uma proposta, «made by some member of the war party, to
take the offensive against Sparta by sailing round the Laconian coast
— as Tolmides had done — and landing at Λεύκη πεδίον, Ὄνου γνάθος
(Strabo, 8, 363), and Ταίναρον».
As Rãs reflectem diversas concepções do além, como já disse. Todas
elas serviram a mesma finalidade de fazerem as pessoas rir dos seus
próprios temores, como também das suas esperanças, mas as que foram
utilizadas para o Hino dos Iniciados ficaram transformadas em poesia
do mais puro lirismo.

1 The Athenian Drama. III. Euripides (que inclui uma tradução de As Rãs, depois

reimpressa em The Frogs of Aristophanes), comentário ad locum.


CAPÍTULO V
OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO

O destino das almas e as questões com ele relacionadas são um tema


muito comum nos diálogos de Platão. Aqui,porém, apenas me ocuparei
daqueles passos em que é possível colher elementos descritivos respei-
tantes à bem‑aventurança no além.
Deve, no entanto, notar‑se, antes de mais nada, que o uso que
Platão faz da tradição varia de acordo com o fim que o autor se pro-
põe atingir em determinada ocasião ou ainda com outros motivos
desconhecidos. Assim, os juízes no além, que se diz serem quatro na
Apologia 41A (exemplo único que chegou até ao nosso conhecimento),
encontram‑se reduzidos a três no Gorgias 524A; a etimologia popular
que associava o nome do Hades com ἀειδής é aceite no Phaedo 80D e
rejeitada no Cratylus 404B.
Uma das concepções mais conhecidas de um além feliz exprimia‑se
frequentemente no mito das Ilhas dos Bem‑aventurados. Platão serviu‑se
dele, como de um modo de dizer corrente, no Menexenus 235C, onde
se diz por ironia que os rhetores falavam tão maravilhosamente bem e
enalteciam por tal forma a vida do Estado, que durante quatro ou cinco
dias pareceu a Sócrates que não habitava na terra, mas nas Ιlhas dos
Bem‑aventurados. Novamente no Symposium, 179E‑180B se faz referência
ao mito de Aquiles ter sido transportado para esse lugar distante, como
prémio pela sua coragem e lealdade (uma versão diferente, portanto,
da da IIª Olímpica de Píndaro).
Outro exemplo ainda aparece na Republica, VII, 519C, onde se diz que
os que dedicaram a sua vida ao estudo não desejam tornar‑se chefes
do estado ἡγούμενοι ἐν μακάρων νήσοις ζῶντες ἔτι ἀπῳκίσται. Na
mesma obra, VII, 540B‑C supõe‑se que os homens públicos que, depois
de terem ganho uma boa soma de conhecimentos, tomaram conta do
governo, para benefício dos seus concidadãos, merecem passar mais
128 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

tarde para as Ilhas dos Bem‑aventurados. 1 Finalmente, no Phaedo 115D,


lê‑se que Sócrates acredita que irá para um país especial, que define

εἰς μακάρων δή τινας εὐδαιμονίας,

O adjectivo μάκαρ pode referir‑se igualmente aos deuses e aos bem‑aventura-


dos; mas o substantivo εὐδαιμονία parece descrever antes o estado dos últimos2.
A mesma concepção das Ilhas dos Bem‑aventurados foi ainda usada no mito
escatológico que parece ter sido o mais antigo, do modo que vamos ver em seguida.

a) O mito do «Górgias» (523A‑527E)

Embora a cronologia das obras de Platão continue a ser um ponto


controverso, o mito escatológico do Górgias parece ser mais antigo do
que os outros três, e nisso concorda com o critério linguístico de or-
denação dos diálogos, conforme observa P. Frutiger 3 .
Está colocado sob a autoridade de Homero, cujo nome se repete mais
de uma vez 4 . No entanto, a crença num julgamento no além, à qual se
faz referência logo a seguir, está talvez implícita em Homero (Γ 276‑280;
Τ 258‑260), mas não no passo citado no Górgias, porquanto Minos é juiz
no Canto XI da Odisseia (quer esses versos sejam uma interpolação ou
não), mas num sentido diferente do que tem aqui.

É curioso notar que o povo atribuía uma recompensa semelhante, por feitos
1

políticos, a Harmódio, no skolion já citado, do final do século VI a. C.


2 Cf. Rep. VII, 540 C; Crat. 398B‑C. O adjectivo εὐδαίμων ajuda a caracterizar

o género de vida que levam as almas que regressam aos astros, em Tim. 42B. Cf.
ainda Eurípides, Bacchae, 72‑77:


μάκαρ, ὅστις εὐδαίμων
τελετὰς θεῶν εἰδὼς
βιοτὰν ἁγιστεύει καὶ
θιασεύεται ψυχὰν
ἐν ὄρεσσι βακχεύων
ὁσίοις καθαρμοῖσιν,

com o comentário de E. R. Dodds ad locum, na sua edição dessa tragédia, pp. 72‑73:
«μάκαρ describes this happiness from the point of view of an observer; εὐδαίμων
(one of the keywords of the play) gives it from the experient’s point of view and
suggests the reason for it (‘having a good δαίμων’)».
3 Les Mythes de Platon, Étude philosophique et littéraire.

4 Cf. H. W. Thomas, Ἐπέκεινα. Untersuchungen über das Überlieferungsgut in

den Jenseitsmythen Platons, pp. 6, 8 seqq.


2ª PARTE - CAPÍTULO V - OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO 129

Os elementos descritivos que se podem colher no texto são a bifur-


cação (ἐν τῇ τριόδῳ 524Α) e o prado (ibidem), no qual ela se situa, e
de onde dois caminhos distintos levam as almas, ou ao Tártaro, que é
classificado de δεσμωτήριον (523B), ou às Ilhas dos Bem‑aventurados.
Tem‑se feito remontar a origem do λειμών ao ἀσφοδελὸν λειμῶνα
de λ 539 1 e de ω 13. Um prado fazia também parte da mansão dos

1 O significado da denominação homérica tem oferecido dúvidas. O schol. pro-

punha já uma v. l. σποδελόν, para dar o sentido de «campo de cinzas». Outro ponto
obscuro é o que resulta da falta de relação definida entre ἀσφοδελὸν e λειμῶνα
porquanto as duas palavras estão em aposição. Cf. V. Bérard, Introduction à l’Odyssée,
vol. I, p. 198. Por sua vez, Stanford comenta na sua edição, ad locum: «The asphodelus
ramosus is a lean, spiky plant with inconspicuous flowers, and is most commonly
found in desolate ground». O facto de Plínio, Historia Natutalis, XXI, 68, afirmar que
se plantava nos túmulos (citado por Stanford, ibidem) também não é concludente,
porque pode tratar‑se de um uso tardio. Para uma discussão completa da matéria,
veja‑se o artigo de G. Soury, La vie de l’au‑delà. Prairies et Gouffres in Revue des Études
Anciennes, 1944, pp. 169‑178.
A planta era extremamente vulgar e fácil de obter na Grécia antiga (como o
prova o verso 41 dos Trabalhos e Dias de Hesíodo), tanto como o é na actual. Este
facto, combinado com o uso da mesma expressão em dois passos do Hino Homé-
rico a Hermes (221 e 344), que Liddell‑Scott traduzem por «the flowery mead»,
e onde na verdade não há qualquer relação com o Hades, leva‑me a crer que
estamos em presença de uma fórmula épica, paralela a λειμὼν ἀνθεμόεις, que
se encontra em B 467 (ἔσταν δ᾽ ἐν λειμῶνι Σκαμανδρίῳ ἀνθεμόεντι) e em μ 159
(φθόγγον ἀλεύασθαι καὶ λειμῶν’ άνθεμόεντα) ou ainda λειμῶνες μαλακοί, ε 72
(ἀμφὶ δὲ λειμῶνες μαλακοὶ ἠδὲ σελίνου), Hino a Deméter, 7 (λειμῶν᾽ ἂμ μαλακὸν
καὶ ἀγαλλίδας ἠδ᾽ ὑάκινθον), Hino a Apolo, 118 (λειμῶνι μαλακῷ: μείδησε δὲ
γαῖ᾽ ὕπερθεν), Hino a Hermes, 198 (ἐκ μαλακοῦ λειμῶνος ἀπὸ γλυκεροῖο νομοῖο),
Hino a Pan, 25 (ἐν μαλακῷ λειμῶνι, τόθι κρόκος ἠδ᾽ ὑάκινθος). Nalguns destes
exemplos especificam‑se as flores pelos seus nomes. O mesmo acontece com
ἀσφοδελὸν λειμῶνα, que certamente era considerada apenas como uma fórmu-
la para designar um prado. Coisa semelhante se verifica nas obras de Camões,
para quem os campos estavam quase sempre esmaltados de boninas. Bastará
citar alguns exemplos (para as Éclogas, os números e páginas são os da edição
da série Acta Vniuersitatis Conimbrigensis, Coimbra, 1953):

Os campos esmaltando de boninas


(Écloga II, «Ao longo do sereno», p. 351)

O campo, como dantes, não se esmalta


De boninas azuis, brancas, vermelhas:
(Écloga V, «A quem darei queixumes», p. 385)

De boninas que o prado ameno veste


(Écloga III, «Passado já algum tempo que os amores», p. 369)

Qual campo revestido de boninas


(Lusíadas, I, 58)

Em todos estes passos, como noutros ainda, bonina é um simples sinónimo


de flor, conforme demonstrou Augusta Gersão Ventura, Subsídios para o estudo da
130 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

iniciados em As Rãs de Aristófanes (326, 344, 373‑374, 448‑449) e não


é alheio de todo ao cenário do frg. 129 Snell de Píndaro, embora não
esteja explicitamente designado. Consta também de uma das lâminas
de Túrios. Fazia parte, por conseguinte, do núcleo tradicional das re-
presentações do além. Mas em Platão passou a ser apenas o lugar onde
se executavam os julgamentos.
Deve‑se notar que não há indicações sobre a situação desse pra-
do, nem das Ilhas dos Bem‑aventurados, nem do Tártaro. Não é de
crer que sejam subterrâneos, pois o costumado advérbio κάτω não
aparece. Tem de concluir‑se que são simplesmente opostos ao lugar
onde vivemos, ἐ νθάδε (527 A), por um outro advérbio, ἐκεῖ (527 A)
ou ἐκεῖσε (527B).
Acrescenta‑se ainda que os que vão para as Ilhas dos Bem‑aventurados
viverão lá ἐν πάσῃ εὐδαιμονίᾳ ἐκτὸς κακῶν (523B). As duas últimas
palavras lembram imediatamente o verso 115 dos Trabalhos e Dias, onde
Hesíodo descreve a condição humana na Idade do Ouro:

τέρποντ᾽ ἐν θαλίῃσι κακῶν ἔκτοσθεν ἁπάντων.

Evidentemente que não é forçoso supor que se trata de uma fór-


mula estereotipada, mas o exemplo serve para provar que a noção de
bem‑aventurança, quer fosse referida ao passado ou projectada no
futuro, se concretizava facilmente em termos semelhantes.
As Ilhas dos Bem‑aventurados eram governadas por alguns ἐπιμεληταί
(523B), a que não são dados nomes. E não há mais indicações sobre esse
lugar privilegiado.
Em conclusão, no mito do Górgias o interesse concentra‑se à volta
do julgamento das almas e dos destinos que lhes competem. Essas são
as verdadeiras novidades da narração: que há três juízes, dos quais
um tem a jurisdição suprema, e cujos nomes são discriminados, e que
há castigos, tanto para as almas incuráveis, como para as que são
susceptíveis de cura. Não se oferece qualquer descrição da mansão
dos bons. Fazendo uso do conhecido mito das μακάρων νῆσοι, o autor
não precisava de entrar em pormenores. Somente quando apresenta
paisagens e lugares da sua invenção é que o poeta se compraz em lhes
definir os contornos.

Flora Camoniana, IV, Coimbra, 1933. A bonina, que é uma flor dos campos vulgar,
deve ter produzido no poeta quinhentista uma impressão semelhante à que o
asfodelo causou aos antigos.
2ª PARTE - CAPÍTULO V - OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO 131

b) O mito do «Fédon» (107D‑114C)

O mito do Fédon compõe‑se de diversas partes, das quais apenas


algumas dizem respeito ao tema deste capítulo. Tentarei primeiro
delimitá‑las, para depois analisar os passos que interessam.
Como habitualmente, há uma introdução, que começa com as pala-
vras λέγεται δὲ οὕτως (107D). Essa parte apresenta o esquema de toda
a narrativa: refere‑se ao julgamento das almas, conduzidas por um
δαίμων para um lugar a que se não dá nome (εἰς δή τινα τόπον, οἷ δεῖ
τοὺς συλλεγέντας διαδικασαμένους εἰς Ἅιδου πορεύεσθαι 107D), aos
castigos que deverão purificar os maus, e ao prémio que recebem os bons,
de seguirem imediatamente para τὸν αὐτῇ ἑκάστη τόπον προσήκοντα
(108C); depois, à constituição da terra, com uma região superior, me-
lhor e mais bela do que a nossa, e os lugares corruptos onde habitamos,
que não são mais do que uma imagem degradada daquela (108C‑110B).
Após esta breve comparação, começa a descrição propriamente dita
(110B), novamente com o verbo λέγεται, desta vez seguido pela partí-
cula τοίνυν, que responde ao convite, anteriormente endereçado por
Símias a Sócrates, para continuar a sua narrativa. Agora, em vez dos
termos genéricos que se nos deparavam na primeira parte, tais como
ἐκεῖνός ἐστιν ὁ ἀληθῶς οὐρανὸς καὶ τὸ ἀληθινὸν φῶς καὶ ἡ ὡς ἀληθῶς
γῆ (109E) e ainda ἐκεῖνα δὲ αὖ τῶν παρ᾽ ἡμῖν πολὺ ἂν ἔτι πλέον φανείη
διαφέρειν (110A), surge o quadro completo da terra, principiando por
uma exposição sobre a sua forma e cores, quando vistas do exterior. É
aqui que se encontra a primeira sugestão cromática, que é imediatamente
desenvolvida (11OC): os tons são semelhantes aos usados pelos pintores,
mas mais brilhantes e mais puros. Discriminam‑se expressamente a
púrpura, o ouro e o branco; os outros incluem‑se numa praeteritio (καὶ
ἐκ τῶν ἄλλων χρωμάτων συγκειμένην ὡσαύτως, καὶ ἔτι πλειόνων καὶ
καλλιόνων ἢ ὅσα ἡμεῖς ἑωράκαμεν 110C). O conjunto parece ser de
uma cor uniforme, devida à mistura de todos esses cambiantes cheios
de brilho com os vapores exalados das cavernas em que vivemos.
A seguir à noção de cor, aparece a nota da abundância, da plenitude
de vida de uma natureza mais rica: δένδρα, ἄνθη, καρπούς, ὄρη (11OD).
Até as pedras têm o seu lugar, insistindo‑se novamente na beleza das
suas tonalidades, na sua transparência, no seu toque macio. Estes tópicos
novos trazem consigo outro: o das pedras preciosas (entre as quais se
designam expressamente σάρδιά τε καὶ ἰάσπιδας καὶ σμαράγδους), que
vêm acrescentar o seu fulgor a este quadro irradiante de luz (110D‑E),
mais adiante completado com o ouro e a prata (11OE), de molde a cons-
tituir um espectáculo que dá felicidade contemplar (111A). Há também
animais, em maior variedade, e, finalmente, seres humanos (111A). Sobre
132 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

estes diz‑se que parte mora ἐν μεσογαίᾳ, outros junto do ar (que para
eles substituí o mar), e outros ainda ἐν νήσοις ἃς περιρρεῖν τὸν ἀέρα
πρὸς τῇ ἠπείρῳ οὔσας (111A). Este último lugar tem sido identificado
com as Ilhas dos Bem‑aventurados 1. Na verdade, podíamos estar em face
de uma tentativa de reconciliação de tradições divergentes acerca do
local da mansão dos eleitos. Tal conjectura parece‑me desnecessária.
Julgo que a intenção do autor era muito simplesmente dar a entender
que, como nós, esta raça de homens superiores podia viver no interior
do continente, à beira‑mar ou em ilhas. De passagem, acentua ainda a
diferença entre as regiões cercadas pela água comum e as rodeadas de
ar (111B). Esses seres são também superiores pela qualidade dos seus
sentimentos e intelecto (111 B). Têm templos, onde os deuses habitam
de verdade, e com eles têm comércio. O Sol e a Lua vêem‑se tal como
são. A tudo isto acrescenta‑se ainda a εὐδαιμονία (111C).
Logo a seguir vem a descrição da terra onde vivemos, com o Tárta-
ro nos seus mais íntimos recessos, e uma exposição da teoria acerca
do curso das águas, com os quatro rios principais (111C‑113D), que
nos conduz novamente ao lugar sem nome onde as almas se encon-
tram para serem julgadas. Esse episódio não nos interessa aqui 2 , com
excepção da última parte, onde se faz referência àquelas ἂν δόξωσι
διαφερόντως πρὸς τὸ ὁσίως βιῶναι (114B). É portanto a essa espécie
de almas que é dado habitar na verdadeira terra, aquela que anterior-
mente se descrevera:

…..ἄνω δὲ εἰς τὴν καθαρὰν οἴκησιν ἀφικνούμενοι καὶ ἐπὶ γῆς


οἰκιζόμενοι.
(114C)

Entre estas, porém, há ainda uma classe que se deve distinguir, a


daqueles que se consagraram inteiramente à filosofia e que assim se
purificaram por completo. Esses viverão para sempre, incorpóreos, em
lugares demasiado maravilhosos para se poderem descrever:

……..καὶ εἰς οἰκήσεις ἔτι τούτων καλλίους ἀφικνοῦνται, ἃς οὔτε


ῥᾴδιον δηλῶσαι οὔτε ὁ χρόνος ἱκανὸς ἐν τῷ παρόντι.
(114C)

Na edição Budé, por exemplo (de L. Robin).


1

Deve notar‑se que também aqui, como no Górgias, há uma classe de pecado-
2

res que é susceptível de se purficar, e, o que é mais, alguns deles parecem ser
castigados pelos seus crimes e, ao mesmo tempo, recompensados pelo bem que
fizeram (113D).
2ª PARTE - CAPÍTULO V - OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO 133

De um modo geral, a parte do mito que diz respeito ao assunto em


causa é a descrição da verdadeira terra, que se encontra enquadrada
na tentativa de cosmografia. Platão imaginou‑a como um lugar onde
se gozava uma vida de bem‑aventurança, embora fale de outro ainda
melhor e mais belo, no final, conforme acabámos de ver. Como todos os
sítios desse género, é superior em tudo àquele em que habitamos. Mas
no Fédon insiste‑se em especial nos efeitos de luz e cor. Aos tópicos tão
conhecidos já das belas árvores, flores e frutos, acrescentam‑se agora
os das pedras preciosas, ouro e prata, maior variedade de animais e
homens mais bem dotados, e estabelece‑se a equivalência entre a nossa
água e o ar deles, e entre o nosso ar e o seu éter. A ideia dos templos
dos deuses não é nova, mas é‑o a da presença destes últimos e a do seu
convívio com os homens. A palavra εὐδαιμονία, com a qual se encerra
essa parte da narrativa (111C), põe em relevo o significado do conjun-
to: o seu sentido mostra claramente como esta maneira de viver está
integrada nas bênçãos da presença divina e resume o sentimento de
felicidade completa, de que lhes é dado gozar.

c) O Mito de Er («Rep.» X, 614A‑621D)

Ao analisarmos este mito, que apresenta uma concepção do univer-


so absolutamente diferente da do anterior, vamos deter‑nos com mais
demora naqueles passos que se prendem directamente com o tema em
estudo.
Como todos os outros mitos escatológicos, divide‑se em três partes,
das quais a primeira forma a introdução (614A), a do meio contém a
narrativa (614B‑621B) e a última a conclusão, que consiste numa exor-
tação à virtude (621C‑D).
O primeiro lugar que se menciona recebe apenas a designação de
τόπον τινὰ δαιμόνιον (614C); junto dele encontram‑se as almas, num
prado (λειμών 614E, 616B). É aí que estão os juízes e que se vêem duas
aberturas em baixo e duas em cima (614C). Essas aberturas (χάσματα)
marcam o caminho que as almas seguem: duas são para descer ou subir
para o céu, depois de a sentença lho ter ordenado, e as outras duas para
ir para a terra ou regressar de lá.
O encontro das almas e suas conversas dá lugar à descrição de cas-
tigos, que conduz ao caso particular de Ardieu. Este, ao mesmo tempo,
oferece um exemplo de penalidades perpétuas, que se desenrolam num
quadro impressionante e dramático, em que há almas a quem é recusada
a passagem, e que ἄνδρες…… ἄγριοι, διάπυροι ἰδεῖν (615E) torturam e
empurram novamente para o abismo.
134 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

A parte que se segue trata da estrutura do universo.


O primeiro elemento a ser notado é φῶς….. οἷον κίονα……. λαμπρότε-
ρον δὲ καὶ καθαρώτερον (616B). Tudo o mais, a cintura do céu e o fuso
da Necessidade, com um gancho de diamante e pesos encaixados uns nos
outros, cada um dos quais com uma cor diferente (ποικίλον, λαμπρότατον,
ξανθότερα, λευκότατον, ὐπέρυθρον), mas alguns parecidos, as sereias
a tocar, acompanhadas pelo canto das Parcas, tudo isto denuncia uma
concepção astronómica, que foi revestida de forma poética. Quanto à
cor dos pesos, que parecem ser usados como símbolos dos planetas, do
Sol e da Lua, já vimos 1 que estava de acordo com os ensinamentos dos
sacerdotes caldaicos sobre o assunto. Como é costume da língua grega,
descreve‑se mais o brilho do que a tonalidade propriamente 2 .
A cena seguinte é preenchida com a narrativa da escolha das sortes e
do comportamento das almas nessa ocasião, de acordo com a sua passada
experiência (617D‑619E). Em breve surgem os exemplos ilustrativos de
figuras célebres, numa espécie de réplica do Canto XI da Odisseia, quase
com os mesmos heróis em cena, mas em atitudes diferentes. Uma vez
que o seu destino foi confirmado pelas Parcas e ratificado por Ananke,
as almas seguem para o Λήθης πεδίον (621A), onde bebem do rio Ame-
les e adormecem. Após a meia‑noite, são despertas por um trovão e
um tremor de terra e fogem como estrelas. Esta metáfora de natureza
cósmica põe fim à narrativa da maneira mais adequada. O acordar de
Er termina o mito (621B).
O τῆς Λήθης πεδίον que aqui se menciona em relação com a metemp-
sicose, não era novo na literatura grega. É de crer até que se tivesse
tornado popular, porquanto fora citado por Aristófanes entre as loca-
lidades do Hades (Ranae, 186). Platão aplica o mesmo nome ao próprio
rio, por extensão, algumas linhas mais adiante:

………………καὶ τὸν τῆς Λήθης ποταμόν…………


(621 C)

O rio em si é denominado Ἀμέλης, que é, sem dúvida, um nome


significativo, não menos do que Letes. É interessante notar que, mais
tarde, o curso de água conservará a denominação da planície e andará
especialmente associado aos Campos Elísios. Porém no mito de Er temos
um tipo de paisagem completamente oposto, pois é κενὸν δένδρων τε

1 Cf. supra p. 69.


2 Cf, J. Bidez, Les Couleurs des Planètes dans le Mythe d’Er le Pamphylien.
2ª PARTE - CAPÍTULO V - OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO 135

καὶ ὅσα γῆ φύει (621A) e o caminho para lá faz‑se διὰ καύματός τε καὶ
πνίγους δεινοῦ (621A).
Se procurarmos colher elementos acerca da mansão dos bem‑aven-
turados (que, como no Fédon, pode ser temporária), depara‑se‑nos uma
grande escassez de informações. Apenas podemos saber que o seu ca-
minho é fácil e celeste (619E), que levavam uma vida agradável e vêem
coisas maravilhosas: τὰς δ᾽ αὖ ἐκ τοῦ οὐρανοῦ εὐπαθείας διηγεῖσθαι καὶ
θέας ἀμηχάνους τὸ κάλλος (615A).
Aqui toda a atenção do poeta se concentra no sistema do cosmos,
castigos e destino das almas. Escolheu a descrição do universo, com
a sua harmonia de cores, formas e sons, para desenvolver o tema da
beleza e da ordem, e os castigos para contraste daquele. A felicidade
dos bem‑aventurados só podia ser descrita por meio de praeteritio, para
não perturbar o equilíbrio da composição.

d) O mito do «Fedro» (246A‑257B)

O famoso mito do cocheiro e dos seus dois cavalos constitui a quarta


narrativa escatológica dos diálogos de Platão.
Aqui a atenção está voltada principalmente para o passado das al-
mas, a fim de explicar a teoria da reminiscência da beleza. Como nos
mitos do Fédon e de Er, a cosmologia alterna a cada passo com a mais
pura invenção poética.
Assim, a procissão dos deuses e das almas (246D‑247E), que por mo-
mentos parece apoiar‑se na teoria astronómica da revolução dos plane-
tas 1 , recebe um cunho poético com a descrição daquele ὑπερουράνιος
τόπος que ninguém enalteceu ainda suficientemente (247C). O processo
que Platão usa para sugerir a sua beleza é talvez uma das suas mais so-
berbas realizações estilísticas. O lugar é designado, algumas linhas mais
abaixo, por τὸ ἀληθείας….. πεδίον (248B) e identificado com a Verdade
e a Beleza. Por consequência, é ἀχρώματός τε καὶ ἀσχημάτιστος καὶ
ἀναφὴς οὐσία ὄντως οὖσα, ψυχῆς κυβερνήτῃ μόνῳ θεατὴ νῷ (247C).
Este processo de definir por meio de negativas põe em relevo a impos-
sibilidade da percepção sensorial. O gozo dessa pura abstracção invade
a alma aos poucos, e os sentimentos que daí resultam são que ἀγαπᾷ τε
καὶ θεωροῦσα τἀληθῆ τρέφεται καὶ εὐπαθεῖ (247D).
O conhecimento que a alma adquire é definido de maneira muito
semelhante:

1 Cf. E. R. Dodds, The Greeks and the Irrational, p. 261, nota 53.
136 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

…….καθορᾷ δὲ ἐπιστήμην, οὐχ ᾗ γένεσις πρόσεστιν, οὐδ᾽ ἥ


ἐστίν που ἑτέρα ἐν ἑτέρῳ οὖσα ὧν ἡμεῖς νῦν ὄντων καλοῦμεν,
ἀλλὰ τὴν ἐν τῷ ὅ ἐστιν ὂν ὄντως ἐπιστήμην οὖσαν.
(247D‑E)

Mais adiante (250B), descreve‑se a própria Beleza:

Κάλλος δὲ τότ᾽ ἦν ἰδεῖν λαμπρόν………….

e esse espectáculo é qualificado de μακαρίαν ὄψιν τε καὶ θέαν. Poucas


linhas depois, o uso de termos pertencentes à religião dos Mistérios
sublinha o efeito deste todo:

…………………….εἶδόν τε καὶ ἐτελοῦντο τῶν τελετῶν ἣν


θέμις λέγειν μακαριωτάτην, ἣν ὠργιάζομεν, ὁλόκληροι μὲν
αὐτοὶ ὄντες καὶ ἀπαθεῖς κακῶν ὅσα ἡμᾶς ἐν ὑστέρῳ χρόνῳ
ὑπέμενεν, ὁλόκληρα δὲ καὶ ἁπλᾶ καὶ ἀτρεμῆ καὶ εὐδαίμονα
φάσματα μυούμενοί τε καὶ ἐποπτεύοντες ἐν αὐγῇ καθαρᾷ,
καθαροὶ ὄντες καὶ ἀσήμαντοι………………………………….……….……
(250B‑C)

Citei todo este passo, apesar de extenso, para mostrar até que ponto
as reminiscências da linguagem do culto penetraram nele: o adjectivo
μάκαρ (no superlativo), que a princípio se usava para descrever a con-
dição dos deuses e depois um estado semelhante para os homens (cf.
μακάρων νῆσοι); em seguida, ὠργιάζομεν, ἀπαθεῖς κακῶν, εὐδαίμονα e,
mais do que quaisquer outras palavras,μυούμενοι e ἐποπτεύοντες que
lembram insistentemente os ritos de iniciação 1 .
Conquanto o mito esteja construído com um sistema de imagens
completamente novo, notam‑se pelo menos duas concessões à tradição
antiga: a uma delas já se fez referência — é o uso deπεδίον para desig-
nar a mansão da Beleza pura (τὸ ἀληθείας…… πεδίον 248B) — a outra é
o λειμών que se destina a traduzir em termos materiais o processo de
alimentação da alma (νομὴ ἐκ τοῦ ἐκεῖ λειμῶνος, 248B).
A parte da narrativa em que se conta a queda das almas, o desper-
tar da reminiscência da Beleza e a luta entre o cocheiro e os seus dois
cavalos (249C‑256A) não precisa de ser considerada aqui. Apenas me
ocuparei do passo que se refere ao seu destino.

1 A linguagem é muito semelhante à que é usada em Symposium 210A, como

observa L. Robin (edição Budé).


2ª PARTE - CAPÍTULO V - OS MITOS ESCATOLÓGICOS DE PLATÃO 137

As almas que terminaram a sua primeira existência são julgadas e


afirma‑se (249A‑B) que algumas delas expiam as suas culpas debaixo
da terra (εἰς τὰ ὑπὸ γῆς δικαιωτήρια ἐλθοῦσαι δίκην ἐκτίνουσιν) e as
que provaram ser justas vão para certo lugar celeste, onde levarão uma
vida digna do seu anterior comportamento (εἰς τοὐρανοῦ τινα τόπον
ὑπὸ τῆς δίκης κουφισθεῖσαι διάγουσιν ἀξίως οὗ ἐν ἀνθρώπου εἴδει
ἐβίωσαν βίου 249A‑B).
Portanto, a região assinalada aos bons é apenas vagamente designada,
conquanto se indique explicitamente que fica no céu. Cerca do final do
mito, fala‑se novamente do destino que aguarda as almas, de acordo
com o uso que fizeram dos dons do amor. Aquelas que se comportaram
de um modo filosófico são elevadas nas suas asas e ganham uma vitória
completa, como os atletas olímpicos; as que tiveram um procedimento
mediano não obtêm as suas asas, mas, como recompensa pelo esforço
para as ganhar, são isentas de ir para as trevas dos lugares subterrâneos,
seguem ἤδη τῆς ὑπουρανίου πορείας; as que prevaricaram sofrem um
castigo terrível: andarão a rolar durante nove mil anos à volta e por
baixo da terra, em estado de loucura (256D‑257A).
Deve notar‑se que, embora se possam discernir alguns vestígios dos
castigos tradicionais na escuridão dos lugares infernais, as recompen-
sas, bem como as penalidades, são de natureza essencialmente astral.
Em conclusão, o mito do Fedro, nas partes que dizem respeito ao
presente estudo, não contém uma descrição minuciosa das regiões a
que alude, mas antes procura sugeri‑las, por meio de negativas. Podem
apontar‑se, aqui e ali, alguns vestígios da antiga tradição, mas, de um
modo geral, a narrativa funda‑se num processo estilístico inteiramente
novo, que procura afastar todo o contacto com os símiles habituais.
Agora o cenário é o céu. As cores desvaneceram‑se, e as formas também.
Apenas se conservou a luz radiante da própria Beleza.

Comparando os quatro mitos escatológicos de Platão, podemos con-


cluir que seguem um plano diferente e que se situam em níveis diversos1.

1 O mito da Atlântida, contado no Crítias 112E‑121C, está de certo modo re-

lacionado com estes, na medida em que se descreve uma região fabulosa e bela.
Os tópicos de exuberância da vida animal e vegetal (114D‑115B, 117B), da abundân-
cia de rios e fontes, da existência de santuários e culto da justiça, pertencem ao
núcleo tradicional. A descrição minuciosa da geografia e história do país constitui
a parte exclusiva do mito. Deve, contudo, acentuar‑se que se imagina sempre esse
povo como formado por homens vivos, sujeitos até à degradação (120E seqq.) e
não se exigiam qualidades ou títulos especiais para habitar entre eles.
O tema da Idade do Ouro, que está também relacionado com este, foi igualmente
tratado por Platão duas vezes, nas Leis IV, 713A‑714B e no Políticο 269A‑274E. No
segundo desenvolvimento (271D‑272B) encontram‑se algumas características
138 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

O mito do Górgias está claramente ligado à tradição homérica, em-


bora já nele se evidenciem alguns traços novos. O do Fédon constrói um
vasto cenário geográfico, onde a luz, a cor e a forma desempenham o
papel mais importante. No mito de Er depara‑se‑nos uma cosmologia,
na qual os efeitos visuais e auditivos ocupam um lugar não menos
proeminente, embora o problema central não deixe nunca de ser o da
escolha do destino. O mito do Fedro coloca definitivamente a cena no
céu e retira deliberadamente todos os pormenores que possam sugerir
objectos materiais.

que lembram a descrição de Hesíodo, mas quase todos os pormenores são muito
diferentes desta. De comum há a produtividade das árvores e a ausência de neces-
sidade de cultivar a terra. Insiste‑se, porém, nas condições sociais: a inexistência
de leis, de posse de mulheres ou crianças, de vestuário ou camas, e a vida passada
ao ar livre. O último traço—a erva que oferece um leito macio—acentua a identi-
ficação do homem antigo com a natureza. É curioso notar que esta descrição de
um passado de bem‑aventurança presa à terra nada tem de comum com o mesmo
estado de espírito no Fedro, que está associado ao céu. O poeta podia sempre criar
algo de completamente novo, mesmo trabalhando sobre temas tradicionais. Os
mitos escatológicos são disso a melhor prova.
CAPÍTULO VI
O MITO DO «AXÍOCO» (371A ‑ 372A)

Ainda que o Axíoco fosse considerado um diálogo autêntico de Pla-


tão, haveria razão suficiente para pensar que o mito com que termina
fora acrescentado por uma mão muito mais tardia. Mas não há sequer
necessidade de formular tal hipótese, porquanto a autoria da obra foi
já negada na Antiguidade e continua a sê‑lo modernamente.
A estrutura, o pensamento e o estilo, que nela se encontram, levaram
a essa conclusão 1 . Essas mesmas diferenças são comuns à parte final,
que em seguida vamos analisar.
Uma breve introdução (371 A) coloca o conto sob a autoridade do
mago Góbrias, o qual, por sua vez, teve conhecimento dele através de
seu avô, que o lera em tábuas de bronze provenientes dos Hiperbóreos.
Tudo isto pretende acentuar a remota antiguidade do mito, assim como
as suas origens lendárias.
Depois começa a narração sem mais preâmbulos. Na primeira par-
te diz‑se que as almas vão para um lugar sombrio, debaixo da terra
(ἄδηλον…….τόπον, κατὰ τὴν ὑπόγειον οἴκησιν 371 A), onde fica o palácio
de Plutão. Estes tópicos são antigos, mas não platónicos (o filósofo diz
sempre ἐκεῖ, sem mais indicações acerca da posição). O facto de a morada
do deus dos infernos ser designada por βασίλεια também denota uma
época tardia. Por outro lado, δῶμα Ἀίδαο teve sempre grandes portões;
mas nunca ninguém se lembrou de descer a pormenores do género de
particularizar que estes tinham chaves de ferro (371B). Mencionam‑se
ainda dois dos mais conhecidos rios do Hades ‑ o Aqueronte e o Cócito
‑ que transportam as almas que vão ser julgadas. Há dois juízes, cujos

1 A enumeração completa dessas particularidades foi feita por M. Chevalier,

Étude critique du dialogue pseudo‑platonicien l’Axiochos sur la mort et l’immortalité de


l’âme, Lyon, 1914.
140 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

nomes são também indicados — Minos e Radamanto 1 — sentados no


πεδίον ἀληθείας, expressão esta que conhecíamos do Fedro, mas num
contexto diferente. Aqui o sentido de ἀλήθεια é logo esclarecido nas
próximas linhas: as almas são interrogadas acerca do seu comportamen-
to durante a vida, sem que haja possibilidade de iludir as perguntas.
A parte que se segue descreve τὸν τῶν εὐσεβῶν χῶρον2. Enumeram‑se
os seguintes tópicos: clima suave, que faz produzir toda a espécie de frutos,
nascentes de água pura, prados com toda a qualidade de flores, de matizes
variegados, conversas com filósofos, teatros para os poetas, representações
coreográficas e musicais, symposia e festas que se oferecem espontanea-
mente, à maneira das dos coregas; ausência de sofrimento, vida agradável;
nem excesso de invernia, nem de calma: um ar brando, temperado pelos
raios do Sol. Um lugar especial (προεδρία) é apanágio dos iniciados, que aí
prosseguem na celebração dos seus ritos sagrados, os mesmos que Hércules
e Dioniso haviam presenciado, antes de descerem ao Hades.
Tudo isto é dito numa enumeração contínua, como num catálogo. E
um catálogo é na verdade, porquanto todos os mais conhecidos tópicos
da bem‑aventurança no além estão aqui reunidos.
Embora muitos deles sejam comuns a descrições similares — uma vez
que todas procuram imaginar um lugar ideal — alguns acusam clara-
mente a sua origem. Assim, a fertilidade da terra é dado importante em
Hesíodo, os prados cobertos de flores aparecem em Píndaro (mas o poeta
qualifica‑os de φοινικορόδοις em vez de ποικίλοις…..) e em Aristófanes,
as διατριβαὶ δὲ φιλοσόφων sugerem uma reminiscência de Platão, Apo-
logia, 41C, os banquetes e danças eram uma ideia muito conhecida dos
mystae de Elêusis e de outros 3 ; e, a encerrar a lista, a nota da ausência
dos excessos do frio ou do calor dá a impressão de ser uma paráfrase
de δ 566. As fontes eram parte do aprazimento dos jardins de Alcínoo
e da ilha de Calipso; essa parece ser também a sua função aqui, e não,
por exemplo, a que lhes é adstrita nas lâminas de ouro.
O autor pode ter tirado da sua fantasia os θέατρα ποιητῶν, embora
eles tenham o ar de um simples desenvolvimento do tema da música das
liras no fragmento 129 Snell de Pindaro. As εἰλαπίναι αὐτοχορήγητοι,
que são novidade, não podem considerar‑se uma invenção muito feliz.
A tudo isto tinha ainda de acrescentar‑se alguma coisa: havia que
conservar a noção de um lugar especial, reservado aos iniciados, des-

1 Tal como os rios, também os juízes estão reduzidos a dois. As suas funções

não estão discriminadas.


2 Esta designação não está atestada antes do século II a. C. (CΙG. I, n. 2449).

3 Cf. Platão, Rep. II, 363C‑D.


2ª PARTE - CAPÍTULO VI - O MITO DO «AXÍOCO» (371A ‑ 372A) 141

de o Hino Homérico a Deméter. Para os distinguir, o autor confere‑lhes a


προεδρία; nessa situação continuam a celebrar os seus ritos sagrados.
A secção seguinte trata dos castigos, de uma maneira que causa certa
confusão: diz‑se que os pecadores vão para o Érebo e o Caos, através do
Tártaro, para onde são conduzidos pelas Erínias. A menção do Tártaro
arrasta um novo catálogo, desta vez dos criminosos célebres. Lêm‑se
os nomes de Tântalo, Títio e Sísifo e, antes deles ainda, o das Danaides.
Este último caso assume particular importância, porquanto o mito das
ὑδρεῖαι ἀτελεῖς não tinha sido atribuído a ninguém em especial na época
clássica. Ainda em Platão (Górgias 493B‑C), onde a história é imputada
a qualquer italiano ou siciliano, a penalidade não é adstrita a uma
figura definida. Na Νέκυια de Polignoto 1 apareciam com a designação
de ἀμύητοι. A primeira vez que receberam nome próprio foi na época
romana, conforme já foi notado 2 .
Em 372A depara‑se‑nos o último traço desta descrição: os condena-
dos são lambidos por animais selvagens e queimados pelos archotes
das Poenae (os brandões acesos tinham sido anteriormente atributos
correntes das Erínias, não daquelas entidades abstractas) e assim são
atormentados por toda a espécie de males.
As duas partes da narrativa, a que trata do εὐσεβῶν χῶρος e a que
descreve o χῶρος ἀσεβῶν são, por conseguinte, como dois catálogos de
toda a espécie de prazeres e de horrores que a imaginação poética e
a popular 3 tinham acumulado no decorrer dos séculos. Até o processo
de apresentar essa enumeração — frases curtas, principiando por um
adjectivo ou um substantivo, todas correndo paralelas, numa construção
de uma uniformidade monótona — acentua essa característica do mito.
O Axíoco tem sido quase unanimemente atribuído ao século I a. C; por
conseguinte, a sua data está fora da meta que me propus. Se analisei aqui
o seu mito, foi por causa da sua íntima correlação com as obras platóni-
cas e porque, de um modo geral, a estratificação, que nele está contida,
de ideias sobre o além, nos dá um bom exemplo do pouco interesse que
tais concepções teriam para a literatura, se os maiores poetas da Grécia
não tivessem pensado que se podia surpreender através delas um reflexo
de eterna beleza. Cada um dos autores, cujas criações estudámos, fê‑lo à
sua maneira, embora trabalhando sobre um esquema tradicional; nessa
diversidade residiu o interesse da análise do desenvolvimento do tema.

1 Pausânias, X, XXXI, 9‑11.


2 Cf. M. Chevalier, op. laud.
3 Muitos destes tópicos encontram‑se também em inscrições. Cf. Lattimore,

Themes in Greek and Roman Epitaphs.


(Página deixada propositadamente em branco)
3ª PARTE
OS TEMAS
(Página deixada propositadamente em branco)
Agora que analisámos todos os desenvolvimentos do quadro da
bem‑aventurança no além, desde Homero a Platão, estamos habilitados
a compreender, através dos temas preferidos por cada poeta, como a
ideia de felicidade podia ser expressa de maneiras tão variadas, a des-
peito do peso de uma importantíssima tradição literária, de molde a
reflectir a feição particular do espírito de cada autor.

1 — δ, 561‑569

Nos tempos homéricos, uma das principais diferenças entre os deuses


e os homens era que os primeiros gozavam de uma vida livre de dificul-
dades – θεοὶ ῥεῖα ζώοντες. Os Campos Elísios deviam ser uma imagem
dessa condição, e, por conseguinte, tomaram os seus traços distintivos
da própria morada dos imortais. Daí as semelhanças na descrição dos
dois lugares, que tivemos ocasião de observar.
O tema da facilidade de vida 1 , que evolucionou naturalmente para o
da excelência do clima 2 , foi certamente o mais antigo de todos. Como
acessório deste, desenvolveu‑se o tema da frescura agradável 3 e da
presença do Oceano 4 . As condições naturais do clima grego e o género
de vida que este determinava postulavam esses dois tópicos, sem que
haja necessidade de pressupor importação estrangeira para os justifi-
car. O tema da distância 5 , para sugerir a dificuldade do acesso a esse
lugar, era o complemento necessário para sublinhar a qualidade única
da existência que aí se levava.

1 τῇ περ ῥηίστη βιοτὴ πέλει ἀνθρώποισιν (565).


2 οὐ νιφετός, οὔτ᾽ ἂρ χειμὼν πολὺς οὔτε ποτ᾽ ὄμβρος (566).
3 ἀλλ᾽ αἰεὶ Ζεφύροιο λιγὺ πνείοντος ἀήτας

Ὠκεανὸς ἀνίησιν ἀναψύχειν ἀνθρώπους (567‑568).


4 Idem.

5 καὶ πείρατα γαίης (563).


146 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

2 — Hesíodo, «Trabalhos e Dias», 167‑173

O mesmo tema da inacessibilidade, acrescido do relevo dado à separa-


ção da humanidade 1, bem como o da presença do Oceano 2, encontram‑se
também na descrição de Hesíodo.
O tema da facilidade de vida desenvolveu‑se agora no da fertili-
dade do solo 3 , que concretizava, para o autor de um poema agrário,
os benefícios mais relevantes que dela se derivam. E, pela primeira
vez, entrou no quadro da bem‑aventurança no além uma nota de
felicidade de ordem moral, sob a forma do tema da ausência de
cuidados 4 .

3 — Descrições do além em Píndaro

Mais uma vez temos de tratar separadamente das descrições esca-


tológicas deste poeta.

a) Ol. II, 61‑67

Neste primeiro quadro insiste‑se acima de tudo na nota da igualda-


de e regularidade de vida. O tema da excelência do clima reduziu‑se
à uniformidade do tempo e das estações 5 e o motivo da facilidade de
vida transformou‑se no da ausência de trabalho 6 . Este último é agora
expresso por um adjectivo 7 que sublinha o tom neutro em que está
composto todo o quadro.

1 δίχ᾽ ἀνθρώπων (167).


ἐς πείρατα γαίης (168).
2 παρ᾽ Ὠκεανὸν βαθυδίνην (171).

3 .............................…………μελιηδέα καρπὸν

τρὶς ἔτεος θάλλοντα φέρει ζείδωρος ἄρουρα (172‑173).


4 ἀκηδέα θυμὸν ἔχοντες (170).

5 ἴσαις δὲ νύκτεσσιν αἰεί,

ἴσαις δ᾽ ἐν ἁμέραις ἅλιον ἔχοντες…………. (61‑62).


6 ……..............…………..οὐ χθόνα τα‑

ράσσοντες ἐν χερὸς ἀκμᾷ


οὐδὲ πόντιον ὕδωρ
κενεὰν παρὰ δίαιταν………. (63‑65).
7 ἄδακρυν νέμονται
αἰῶνα……………………………… (66‑67).
3ª PARTE - OS TEMAS 147

b) Ol. II, 68‑83

A segunda parte do mito opõe as suas cores brilhantes à acromia da


descrição precedente.
Muitos dos temas homéricos e hesiódicos estão novamente presen-
tes. Entre eles, o de uma frescura agradável, proveniente das brisas do
Oceano 1. O tema da facilidade de vida, que em Hesíodo consistia na fer-
tilidade do solo, desenvolveu‑se aqui no motivo puramente decorativo
de uma paisagem aprazível 2 cuja beleza é acentuada pela irradiação de
luz 3 , que é característica da noção pindárica da perfeição.
O tema da ausência de cuidados é apenas sugerido por meio da alu-
são às actividades dos bem‑aventurados 4 , que não são mais do que a
continuação das ocupações mais agradáveis desta vida.

c) O Frg. 129 Snell

O mesmo tema da continuação das actividades deleitosas da vida está


largamente desenvolvido neste fragmento. A selecção inclui não só os
interesses habituais de um grego rico, como também o gosto particular
do poeta pela música 5 .
O tema da excelência do clima encontra‑se novamente expres-
so em termos de uma bela paisagem 6 e, de acordo com o estilo
de Pindaro, os motivos de luz e brilho têm uma parte importante

1 ……………ὠκεανίδες
αὖραι περιπνέοισιν (71‑72).
2 …………ἄνθεμα δὲ χρυσοῦ φλέγει,

τὰ μὲν χερσόθεν ἀπ᾽ ἀγλαῶν δενδρέων,


ὕδωρ δ᾽ ἄλλα φέρβει (72‑73).
3 ἄνθεμα δὲ χρυσοῦ φλέγει (72)

ἀγλαῶν δενδρέων (73).


4 ὅρμοισι τῶν χέρας ἀναπλέκοντι καὶ στεφάνος (74).

5 καὶ τοὶ μὲν ἵπποις γυμνασίοισι…………

τοῖ δὲ πεσσοῖς
τοὶ δὲ φορμίγγεσσι τέρπονται………..(6‑7)
……………………………………………………
αἰεὶ θύα μειγνύντων πυρὶ τηλεφανεῖ
παντοῖα θεῶν ἐπὶ βωμοῖς (9‑10).
6 φοινοκορόδοις τ’ἐνὶ λειμώνεσσι προάστιον αὐτῶν

καὶ λιβάνῳ σκιαρᾷ


καὶ χρυσέοις καρποῖς βέβριθεν (3‑5).
148 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

na descrição 1 . Mas o deleite não é percebido apenas através de


sensações visuais e auditivas: um aroma agradável espalha‑se por
toda a região 2 .
Por conseguinte, diversos temas se combinaram para levar à pleni-
tude do gozo da vida, através dos sentidos. Até o motivo da ausência
de cuidados foi transformado num prazer positivo, que se exprime
numa arrojada metáfora 3 na qual o nome abstracto que define a con-
dição moral dos bem‑aventurados está acompanhado de um epíteto
e de um verbo que costumavam ser empregados para descrever a
própria natureza.

4 — «As Rãs» de Aristófanes

As Rãs têm o especial interesse de nos deixar surpreender alguns


aspectos da concepção de felicidade no além para os iniciados de
Elêusis. Esta exprime‑se como uma continuação das ocupações mais
aprazíveis da vida, as quais naturalmente consistiam no prossegui-
mento da celebração dos mistérios, com as actividades acessórias da
música 4 e da dança 5 .
O motivo da beleza da paisagem não está ausente 6 nem tam-pouco
a insistência no gozo da luz 7 .

1 φοινοκορόδοις (3); λιβάνῳ σκιαρᾷ (4); χρυσέοις καρποῖς (5); πυρὶ τηλεφανεῖ (9).
2 ὀδμὰ δ’ἐρατὸν κατὰ χῶρον κίδναται (8).
3 …………τέρπονται, παρὰ δέ σφισιν εὐαν‑
θὴς ἅπας τέθαλεν ὄλβος (7).
4 αὐλῶν………………. πνοή (154); αὐλῶν πνοῆς (313); δουσι (320); ἀνεγείρετε μολπὴν (370);
τῇ φωνῇ μολπάζων (379); ἑτέραν ὕμνων ἰδέαν (382); ζαθέαις μολπαῖς (383); ᾠδαῖσι (396).
5 χορείαν (336); ἡμετέροισι χοροῖσιν (354); μύσταισι χοροῖς (370); τὸν σαυτῆς χορόν
(386); χορεῦσαι (388); τῆσδε τῆς χορείας (396); χορεύειν (407, 415).
6 λειμῶνα (326); λειμών (343); ἀνθηρὸν ἕλειον δάπεδον (352); εὐανθεῖς κόλπους /λειμώ-
νων (373‑374); ἀνθοφόρον ἀν᾽ ἄλσος (441); εἰς πολυρρόδους / λειμῶνας ἀνθεμώδεις (448‑449).
7 φῶς κάλλιστον (155);
μόνοις γὰρ ἡμῖν ἥλιος
καὶ φέγγος ἱλαρόν ἐστιν (454‑455).
E, com grande insistência, no hino de Íaco:
φλογέας λαμπάδας (340);
φωσφόρος ἀστήρ (342);
φλογὶ φέγγεται δὲ λειμών (343);
λαμπάδι φέγγων (351).
3ª PARTE - OS TEMAS 149

5 — Os mitos escatológicos de Platão

a) O mito do «Górgias»

As Ilhas dos Bem‑aventurados mencionam‑se duas vezes no Górgias 1


sem que sejam acompanhadas de qualquer descrição. Apenas o tema
da felicidade moral gozada pelos que lá habitam se encontra expresso,
em termos que sugerem a semelhança com a condição dos deuses 2 .

b) O mito do «Fédon»

Na descrição da verdadeira terra deparam‑se‑nos novamente muitos


dos velhos tópicos já conhecidos. O tema da exuberância de vida, que
tem grande relevo, inclui não só a fertilidade do solo 3 como um mais
alto nível na existência dos seres animados 4 e até nos minerais 5 , e
ainda o tópico da excelência do clima 6 . As notações de cor e brilho
ocupam um lugar proeminente 7 ; adiciona‑se um tema novo — o da
pureza 8 .
Tema novo também é o motivo da presença real dos deuses nos
seus templos 9 . Este tópico do gozo proveniente do convívio com
seres divinos é consequência do princípio geral de que tudo quanto
há sobre a verdadeira terra é ὡς ἀληθῶς, mas, ao mesmo tempo,
toca uma nota de felicidade moral até aí desconhecida. Ἀ ληθής
e καθαρός são as duas qualidades primaciais que distinguem esse
mundo do nosso.

1 523 B; 526 C.
2 ἐν πάσῃ εὐδαιμονίᾳ ἐκτὸς κακῶν (523 B).
3 ……. τὰ φυόμενα φύεσθαι, δένδρα τε καὶ ἄνθη καὶ τοὺς καρπούς (110 D); ὄντα πολλὰ

πλήθει καὶ μεγάλα καὶ πανταχοῦ τῆς γῆς (111 A).


4 ζῷα δ᾽ ἐπ᾽ αὐτῇ εἶναι ἄλλα τε πολλὰ καὶ ἀνθρώπους….. (111 A); ἐκείνους ἀνόσους

εἶναι καὶ χρόνον τε ζῆν πολὺ πλείω τῶν ἐνθάδε. Καὶ ὄψει καὶ ἀκοῇ καὶ φρονήσει καὶ
πᾶσι……. (111 B);
5 καὶ τοὺς λίθους ἔχειν ἀνὰ τὸν αὐτὸν λόγον κ. τ. λ. (110 D).

6 τὰς δὲ ὥρας αὐτοῖς κρᾶσιν ἔχειν τοιαύτην ὥστε ἐκείνους ἀνόσους εἶναι…. (111B).

7 ἡ γῆ αὐτὴ ἰδεῖν…. ποικίλη…. κ. τ. λ. (110 B‑D).

8 Com grande ênfase: αὐτὴν δὲ τὴν γῆν καθαρὰν ἐν καθαρῷ κεῖσθαι τῷ οὐρανῷ (109

B); καθαρωτέρων (110C); οἱ λίθοι εἰσὶ καθαροὶ καὶ οὐ κατεδηδεσμένοι οὐδὲ διεφθαρμένοι
ὥσπερ οἱ ἐνθάδε (110 E).
9 καὶ δὴ καὶ θεῶν ἄλση τε καὶ ἱερὰ αὐτοῖς εἶναι, ἐν οἷς τῷ ὄντι οἰκητὰς θεοὺς εἶναι

(111 B); Sublinhado ainda pela palavra εὐδαιμονίαν (111 C).


150 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

A mansão ainda mais bela, para onde apenas os filósofos merecem


seguir, descreve‑se pelo processo da praeteritio 1. Contudo, apresenta um
tópico completamente novo, o de que viverão incorpóreos nesses lugares2.
É uma consequência da teoria do σῶμα‑σῆμα 3 que abre um caminho
novo para as representações platónicas da felicidade no além.

c) O mito de Er

Como o mito do Górgias, também o de Er só se refere ao além feliz


em termos breves, e a maior parte das vezes por meio de uma praeteri-
tio. Assim, as almas que descem do céu apenas falam de gozo moral 4 e
de espectáculos para os quais não há palavras 5 . Mais tarde, lemos que
as recompensas são o oposto das penalidades acabadas de descrever 6 .
Apenas o tema da pureza se pode inferir da palavra que descreve a
condição das almas que descem do céu 7 .

d) O mito do «Fedro»

A breve referência à vida digna da sua anterior existência, que levam


as almas boas depois do julgamento 8 , é pouco elucidativa.
Mas noutros passos, ao descrever o ὑπερουράνιον τόπον, os motivos
de luz e brilho desempenham o papel mais importante 9 .
Depois, os elementos fornecidos pela percepção sensorial são gra-
dualmente afastados, até chegar àquela ausência completa de dados
objectivos, feita por meio de negativas, que é a mais notável caracte-
rística do estilo deste mito, e prepara o tema da felicidade numa forma
incorpórea 10 já anunciado pelo Fédon.
Na concepção de uma existência bem‑aventurada, deixaram‑se para
trás os tópicos habituais de felicidade e exuberância de vida, para atingir
aqui o gozo exclusivamente intelectual das ideias puras.

1 καὶ εἰς οἰκήσεις ἔτι τούτων καλλίους ἀφικνοῦνται, ἃς οὔτε ῥᾴδιον δηλῶσαι οὔτε ὁ

χρόνος ἱκανὸς ἐν τῷ παρόντι (114 C).


2 ἄνευ τε σωμάτων ζῶσι τὸ παράπαν εἰς τὸν ἔπειτα χρόνον (114 C).

3 Cf. Phaedrus, 250 C.

4 εὐπαθείας (615 A).

5 καὶ θέας ἀμηχάνους τὸ κάλλος (615 A).

6 καὶ αὖ τὰς εὐεργεσίας ταύταις ἀντιστρόφους (616 B).

7 ἐκ τοῦ οὐρανοῦ καθαράς (614 D).

8 ……………….ἀξίως……………..(249 B).

9 κάλλος δὲ τότ᾽ ἦν ἰδεῖν λαμπρόν (250B); περὶ δὲ κάλλους………….. ἔλαμπεν (250 C‑D).

10 ἐκβαίνουσι τοῦ σώματος……………. (256 D).


3ª PARTE - OS TEMAS 151

6 — O mito do «Axíoco»

Todos os velhos temas da fertilidade do solo 1, da frescura aprazível 2,


beleza da paisagem 3 e continuação das actividades agradáveis desta
vida 4, assim como o da excelência do clima 5, se encontram reunidos no
mito do Axíoco. O motivo da felicidade moral está também expresso 6 .

Em conclusão, pode afirmar‑se que a escolha de temas para sugerir a


noção de felicidade reflecte não só o humano desejo geral de uma vida
melhor, como também as concepções pessoais de cada autor.
É que todos eles trabalharam sobre dados comuns, que a princípio eram
impostos pela tradição mitológica, mas em breve se transformaram num mo-
tivo literário em contínuo desenvolvimento. Analisar o contributo especial
que cada poeta apresentou e relacionar os aspectos para ele predominantes
com a sua psicologia é surpreender a própria essência da noção de felicidade
para alguns dos espíritos mais esclarecidos da antiga Hélade.
É assim que em Homero os bem‑aventurados gozam de facilidades
de vida que os tornam semelhantes aos deuses. Um país de clima ideal,
de onde o esforço e o sofrimento físico estivessem banidos — os dois
temas fundamentais da Odisseia, a cada passo recordados no epíteto mais
constante de Ulisses, πολύτλας— é o mais antigo conceito de felicidade
no além, que se nos depara.
Para Hesíodo é sobretudo a espontânea fertilidade do solo que
constitui o bem‑estar da geração privilegiada que habita nas Ilhas dos
Bem‑aventurados. A um poema de exaltação do trabalho agrícola con-
vinha em absoluto um ideal também agrário.
Em Píndaro, o poeta da luz, não nos surpreende que esta seja elemento
constante em todas as suas descrições escatológicas. Um lugar colorido e
brilhante, onde ao prazer físico dos jogos que contribuíam para o desenvol-
vimento da beleza do corpo se juntava o deleite espiritual da música, era,
para o poeta tebano, a concretização de uma vida ideal.
Aristófanes empresta aos iniciados de Elêusis o mesmo amor pela
luz, pelo canto e pelas danças. Continuar a celebrar os ritos sagrados
no além era sem dúvida o conceito de felicidade dos próprios mystae,

1 ἄφθονοι μὲν ὧραι παγκάρπου γονῆς βρύουσι (371 C).


2 πηγαὶ δὲ ὑδάτων καθαρῶν ῥέουσι (371 C).
3 παντοῖοι δὲ λειμῶνες ἄνθεσι ποικίλοις ἐαριζόμενοι (371 C).

4 διατριβαὶ δὲ φιλοσόφων κ. τ. λ. (371 C‑D).

5 οὔτε γὰρ χεῖμα σφοδρὸν κ. τ. λ. (371 D).

6 καὶ ἀκήρατος ἀλυπία καὶ ἡδεῖα δίαιτα (371 D).


152 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

mas foi sobretudo o aspecto visual, estético, dessas manifestações, que


mais impressionou o poeta de As Rãs.
É ainda a mesma nota do gozo da beleza através de sensações, sobre-
tudo de natureza visual, que Platão refere ao longo do mito do Fédon.
Porém, mesmo aí, já há dois tópicos novos que prenunciam a evolução
do pensamento do filósofo neste particular: a presença real dos deuses
e a libertação das almas dos corpos em que viviam, como elementos de
felicidade máxima. Esta ascensão gradual ao domínio da abstracção vai
culminar no mito do Fedro, onde, na ausência de dados materiais, as almas
gozam, juntamente com as divindades, da contemplação das ideias puras.
A noção de que a bem‑aventurança no além devia ser de natureza
puramente intelectual surgiu, pela primeira vez, do cérebro de um filó-
sofo, como era de esperar. Representa uma meta alcançada na evolução
do pensamento escatológico, cuja importância não é demais encarecer.
Porém as outras concepções, que acabámos de ver, de tal modo reflec-
tem o amor pela beleza da forma e das cores, o desejo de gozo da vida
física em toda a sua plenitude, que menosprezá‑las seria pôr de parte
uma das características mais marcantes do espírito helénico.
BIBLIOGRAFIA
(Página deixada propositadamente em branco)
A) EDIÇÕES*1 E SCHOLIA DE AUTORES CLÁSSICOS

APOLODORO

JAMES GEORGE FRAZER, Apollodorus, The Library, with an English translation


by... The Loeb Classical Library. London, Heinemann, 1921, 2 vols.

APOLÓNIO DE RODES

W. MOONEY, The Argonautica of Apollonius Rhodius, edited with introduction


and commentary by... Dublin University Press, 1912.
H. KEIL, Scholia uetera e codice Laurentiano edidit... Apolonii Argonautica emen-
dauit, apparatum criticum et prolegomena adiecit R. MERKEL, Lipsiae,
sumptibus et typis B. G. Teubneri, 1854.

ARISTÓFANES

THEODOR KOCK, Ausgewählte Komödien des Aristophanes. Drittes Bändchen,


Die Frösche, Sammlung griechischer und lateinischer Schriftsteller mit
deutschen Anmerkungen herausgegeben von M. Haupt und H. Sauppe.
Berlin, Weidmannsche Buchhandlung, Dritte Auflage, 1887.
BENJAMIN BICKLEY ROGERS, The Comedies of Aristophanes, edited, transla-
ted and explained by... IX. The Frogs, X. The Ecclesiazusae. London, George
Bell & Sons, 1902.

* Para não alongar demasiado a lista, omiti as citações das edições teubneria-

nas, oxonienses e Budé, que foram consultadas sempre que existiam.


156 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

J. VAN LEEUWEN, Aristophanis Ranae cum prolegomenis et commentariis


edidit... Lugduni Batauorum, apud A. W. Sijthoff, 1895.
W. W. MERRY, Aristophanes. The Frogs, with introduction aud commentary
by… 5. edition, Oxford, at the Clarendon Press [repr. 1947].
G. MURRAY, The Frogs of Aristophanes, translated into English rhyming ver-
se by... London, George Alien and Sons, 1908 [anteriormente incluído na
obra do mesmo autor, The Athenian Drama, III, Euripides, London, George
Allen and Sons, 1902].
L. RADERMACHER, Aristophanes, Frösche. Einleitung, Text und Kommentar
von... Zweite Auflage mit einem Nachwort, Zusätzen aus dem Handex-
emplar des Verfassers und weiteren Hinweisen besorgt von WALTHER
KRAUS. Wien, Österreichische Akademie der Wissenschaften, Phil.‑Hist.
Klasse, Sitzungsberichte, 198. Band, 4 Abh., 1954.
WILHELM SÜSS, Die Frösche des Aristophanes mit ausgewählten antiken
Scholien herausgegeben von... Kleine Texte für theologische und phi-
lologische Vorlesungen und Übungen herausgegeben von Hans Lietz-
mann. 66. Bonn. A. Marcus und E. Weber‘s Verlag, 1911.
T. G. TUCKER, The Frogs of Aristophanes edited with introduction, commen-
tary and critical notes by... London, Macmillan and Co. Ltd., 1906.
W. J. M. STARKIE, The Clouds of Aristophanes, with introduction, English
prose translation, critical notes and commentary, including a new
transcript of the scholia of the Codex Venetus Marcianus 474. London,
Macmillan and Co. Ltd., 1911.
WILLIAM G. RUTHERFORD, Scholia Aristophanica, London, Macmillan and
Co., 1896, 3 vols.
TH. KOCK, Comicorum Atticorum Fragmenta, 1880‑88, 3 vols.
A. MEINEKE, Fragmenta Comicorum Graecorum, 1839‑57, 5 vols.

CALÍMACO

RUDOLFUS PFEIFFER, Callimachus edidit... Vol. I, Fragmenta, 1949; Vol. II,


Hymni et Epigrammata, 1953. Oxonii, e typographeo Clarendoniano.

ÉSQUILO

A. SIDGWICK, Aeschylus, Eumenides with introduction and notes by... 2. Edi-


tion. Oxford, at the Clarendon Press, 1895.
BIBLIOGRAFIA GERAL 157

EURÍPIDES

E. R. DODDS, Euripides, Bacchae edited with introduction and commentary


by... The Plays of Euripides. Oxford, at the University Press, 1944.
A. Y. CAMPBELL, Euripides, Helena edited with commentary and general
remarks by... University Press of Liverpool, 1950.
A. NAUCK, Tragicorum Graecorum Fragmenta, Editio Secunda. Lipsiae, in
aedibus B. G. Teubneri, 1889.
E. SCHWARTZ, Scholia in Euripidem collegit recensuit edidit... �������������
Berolini, ty-
pis et impensis Georgii Reimer, 1887‑91, 2 vols.

FILÓSOFOS (fragmenta)

HERMANN DIELS, Die Fragmente der Vorsokratiker. 6. verbesserte Auflage


herausgegeben von WALTHER KRANZ. Berlin, Weidmannsche Verlags-
buchhandlung, 1951. 3 vols.

HERMANNUS USENER, Epicurea edidit... Lipsiae in aedibus B. G. Teubneri, 1887.

HESÍODO

FELIX JACOBY, Hesiodi Carmina. Pars I. Theogonia, Berolini apud Weidman-


nos, 1930.
F. A. PALEY, The Epics of Hesiod with an English commentary. London, 1883.
T. A. SINCLAIR, Hesiod, Works and Days. London, Macmillan, 1932.
U. VON WILAMOWITZ MOELLENDORF, Hesiodos Erga erklärt von... Berlin,
Weidmannsche Buchhandlug, 1928.

HISTORIADORES (fragmenta)

FELIX JACOBY, Die Fragmente der griechischen Historiker. Berlin, Weidmann-


sche Buchhandlung, I, 1923.
158 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

HOMERO

P. VON DER MÜHLL, Homeri Odyssea recognouit... Editiones Helueticae. Ba-


sileae, in aedibus Helbing und Lichtenhahn, [1946].
W. B. STANFORD, The Odyssey of Homer. London, Macmillan, 1950, 2 vols.
W. DINDORF, Scholia Graeca in Homeri Odysseam. Oxford, 1855.
EUSTATHIUS, Commentarii ad Homeri Odysseam. Leipzig, 1825‑26, 2 vols.

HINOS HOMÉRICOS

T. W. ALLEN, W. R. HALLIDAY, E. E. SIKES, The Homeric Hymns edited by... 2.


edition. Oxford, at the Clarendon Press, 1936.

INSCRIÇÕES

A. BOECKIUS, Corpus Inscriptionum Graecarum, Academiae Litterarum Re-


giae Borussicae. Berolini, vol. I, 1828.
A. KIRCHHOFF, Corpus Inscriptionum Atticarum, Academiae Litterarum Re-
giae Borussicae. Inscriptiones Atticae Euclidis anno uetustiores. Beroli-
ni, apud Georgium Reimerum, 1873.
W. DITTENBERGER, Sylloge Inscriptionum Graecarum, 3. ed., 1915‑24, 4 vols.
KAIBEL, Epigrammata Graeca. Berlin, 1878.
ALEXANDER OLIVIERI, Lamellae Aureae Orphicae, edidit commentario in-
struxit... Kleine Texte für Vorlesungen und Übungen herausgegeben
von Hans Lietzmann. 133. Bonn, A. Marcus und E. Weber‘s Verlag, 1915.

LÍCOFRON

G. KINKEL, Lycophron, Alexandra recensuit, scholia uetera codicis Marciani


addidit... Lipsiae, in aedibus B. G. Teubneri, 1880.

LÍRICOS (praeter Pindarum)

J. H. EDMONDS, Lyra Graeca, The Loeb Classical Library. London, Heine-


mann, [repr. 1952], 3 vols.
BIBLIOGRAFIA GERAL 159

E. LOBEL,Ἀλκαίου Μέλη. The Fragments of the Lyrical Poems of Alcaeus


edited by... Oxford, at the Clarendon Press, 1927.
R. JEBB, Bacchylides, The Poems and Fragments. Cambridge, at the University Press, 1905.
F, G. KENYON, The Poems of Bacchylides, London, 1897.
E. LOBEL, Σαπφοῦς Μέλη. The Fragments of the Lyrical Poems of Sappho,
edited by... Oxford, at the Clarendon Press, 1925.

MITÓGRAFOS

ANTONIUS WESTERMANN, Mythographi. Scriptores Poeticae Historiae Graecae


edidit... Brunsvigae, 1843.

PÍNDARO

L. R. FARNELL, The Works of Pindar, translated with literary and critical


commentaries. London, Macmillan, 1930, 3 vols.
C. A. M. FENNELL, Pindar, The Olympian and Pythian Odes with notes expla-
natory and critical, introduction and introductory essays by... new edi-
tion. Cambridge University Press, 1893.
—, Pindar, The Nemean and Isthmian Odes with notes explanatory and criti-
cal, introduction and introductory essays by... new edition, Cambridge
University Press, 1899.
M. FERNÁNDEZ‑GALIANO, Píndaro, Olímpicas. Clásicos Emerita Griegos y
Latinos con notas. Consejo Superior de Investigaciones Científicas. Ma-
drid, 1944, 2 vols.
B. L. GILDERSLEEVE, Pindar, The Olympian and Pythian Odes, with an introduc-
tory essay, notes and indexes by... Harper’s Classical Series for Schools and
Colleges, American Book Company, New York, Cincinnati, Chicago, [1885].
A. TURYN, Pimdari Carmina cum Fragmentis edidit... Academia Polona Litte-
rarum et Scientiarum. Cracoviae, 1948.
A. B. DRACHMANN, Scholia Vetera in Pindari Carmina, Leipzig, Teubner, 1903. 3 vols.

PLATÃO

WILLY THEILER, Platonis Gorgias edidit... Editiones Helueticae. Bernae, A.


Francke, AG, s. a.
160 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

OLAUS GIGON, Platonis Phaedo edidit... Editiones Helueticae. Bernae, A.


Francke, AG, [1943].
WILLIAM NORVIN, Olympiodori Philosophi in Platonis Gorgiam Commentaria
edidit... Lipsiae, Teubner, 1936.
C. E. FINCKH, Olympiodori Scholia in Platonis Phaedonem. Heilbronnae, 1847.
WILLIAM NORVIN, Olympiodori Philosophi in Platonis Phaedonem Commenta-
ria edidit... Lipsiae, Teubner, 1913.
P. COUVREUR, Hermiae Alexandrini in Platonis Phaedrum Scholia. Biblio-
thèque de l‘École des Hautes Études, vol. 133. Paris, Bouillon, 1901.
BIBLIOGRAFIA GERAL 161

B) BIBLIOGRAFIA GERAL

J. T. ADDISON, La Vie après la Mort dans les Croyances de l’Humanité.


Paris, Payot, 1936.

T. W. ALLEN, Homer. The Origins and Transmission. Oxford, at the Claren-


don Press, 1924.

E. AMÉLINEAU, L’Enfer Égyptien et l’Enfer Virgilien. Étude de Mythologie


Comparée. Paris, Impr. Nationale, 1915.

C. BAILEY, Some Greek and Roman Ideas of a Future Life. Cambridge Uni-
versity Press, 1915.

H. C. BALDRY, Who Invented the Golden Age? in Classical Quarterly, N. S.,


vol. II, n.° 1‑2, Jan.‑April 1952, pp. 83‑91.

F. BAR, Les Routes de l’Autre‑Monde. Descentes aux Enfers et Voyages


dans l’Au‑Delà. Paris, Presses Universitaires, 1946.

S. E. BASSETT, The Second Necyia in Classical Journal, vol. XIII, 1918, pp. 521‑526.

—, The Second Necyia Again in American Journal of Philology, 1923, pp.


44‑52.

BEAUVOIS, L’Elysée Transatlantique et l’Éden Occidental in Revue de


l’Histoire des Religions, t. VII et VIII, 1883, pp. 273‑318, 673‑727.

FRIEDRICH BECHTEL, Die griechischen Dialekte. Berlin, Weidmannsche


Buchhandlung, II. Band, 1923.

V. BÉRARD, Introduction à l’Odyssée. Paris, Les Belles Lettres, 1933. 3 vols.

—, L’Odyssée d’Homère. Étude et Analyse. Paris, Mellotée, [1931].

S. BEZDECHI, La Théorie des Peines Futures chez Platon et Jean Chrysos-


tome in Anuarul Institutului de Studi Clasice, Cluj. Cartea Româneasca,
vol. II, 1933‑35, pp. 1‑33 [em romeno, com resumo em francês].

J. BIDEZ, La Biographie d’Empédocle. Université de Gand, 1899.

—, Les Couleurs des Planètes, dans le Mythe d’Er. Extrait des Bulletins de
l’Académie Royale de Belgique, Classe des Lettres. Bruxelles, 1935.

—, Eos ou Platon et l’Orient. Gifford Lectures, Saint Andrews. Bruxelles, 1945.


162 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

ETTORE BIGNONE, Empedocle. Studio critico. Traduzione e commenta del-


le testimonianze e dei frammenti. Torino, Fratelli Bocca Editori, 1916.

L. BLOCH, Zum homerischen Hymnus auf Demeter in Philologus, 1892, pp. 65‑71.

C. M. BOWRA, Greek Lyric Poetry from Alcman to Simonides. Oxford, at


the Clarendon Press, 1926.

PIERRE BOYANCÉ, La Religion Astrale de Platon à Cicéron in Revue des


Études Grecques, vol. LXV, nº 306‑8, 1952, pp. 312‑50.

C. D. BUCK, Introduction to the Study of the Greek Dialects, Revised edition.


Ginn and Co. Boston, New York, Chicago, London.

RUDOLF BULTMANN, Zur Geschichte der Lichtsymbolik im Altertum in


Philologus, Band 97, Heft 1/3, 1948, pp. 1‑36.

P. CAPELLE, Elysium und Inseln der Seligen in Archiv für Religionswis-


senschaft, XXV, 1927, pp. 245‑264; XXVI, 1928, pp. 17‑40.

JÉRÔME CARCOPINO, La Basilique Pythagoricienne de la Porte Majeure,


Paris, L’Artisan du Livre, 1927.

JOAQUIM DE CARVALHO, Notícia Histórico‑Filosófica in Platão, Fédon, Di-


álogo sobre a imortalidade da alma, 2ª edição corrigida e aumentada.
Coimbra, Atlântida, 1954.

H. MUNRO CHADWICK, The Heroic Age. Cambridge, at the University Press, 1912.

J. CHEVALIER, Étude Critique du Dialogue Pseudo‑Platonicien l’Axiochos


sur la Mort et sur l’Immortalité de l’Âme, Thèse... Lyon, 1914.

J. COMAN, Le Rapport des Idées Égyptiennes et Orphiques sur le Sort de


l’Âme dans l’Au‑Delà, Bucaresti, Graiul Românesc, 1934,

A. B. COOK, Zeus. A Study in Ancient Religion. Cambridge, at the Univer-


sity Press. Vol. II, 1925; vol. III, 1940.

C. C. COULTER, The Happy Otherworld and Fairy Mistress Themes in the


Odyssey in Transactions and Proceedings of the American Philological
Association, vol. LVI, 1925, pp. 37‑53.

OTTO CRUSIUS, Aus den Dichtungen des Bakchylides in Philologus, Band


LVII (N. F., Bd. XI), 1898, pp. 150‑183.

FR. CUMONT, Les Enfers selon l’Axiochos in Comptes‑Rendus des Séances


BIBLIOGRAFIA GERAL 163

de l’Académie des Inscriptions et Belles Lettres, 1920, pp. 272‑285.

—, Lucrèce et le Symbolisme Pythagoricien des Enfers in Revue de Philo-


logie, t. XLIV, 1920, pp. 229‑240.

—, Les Religions Orientales dans le Paganisme Romain. 4. éd. Paris, Paul


Geuthner, 1929.

—, Recherches sur le Symbolisme Funéraire des Romains. Paris, Paul


Geuthner, 1942.

—, Lux Perpetua, Paris, Paul Geuthner, 1949.

M. M. DANIEL, A Future Life as Represented by the Greek Tragedians in


The Classical Review, vol. IV, 1890, pp. 81‑95.

P. DECHARME, Mythologie de la Grèce Antique, 3. éd., revue et corrigée.


Paris, Garnier Frères.

K. DEICHGRÄBER, Eleusinische Frömmigkeit und Homerische Vorstellungswelt


im Homerischen Demeterhymnus. Akademie der Wissenschaften und der
Literatur. Abhandlungen der Geistes‑ und Sozialwissenschaftlichen Klasse.
N.° 6, 1950, pp. 501‑538.

DELANDINE, L’Enfer des Peuples Anciens ou Histoire des Dieux Infernaux,


de leur Culte, de leurs Temples, de leurs Noms, de leurs Attributs. Avec
la description des morceaux célèbres de peinture, gravure et sculpture
des artistes anciens qui ont représenté ces divinités. Paris, 1784.

LUDWIG DEUBNER, Totengericht (Pind. Ol. II 57‑60) in Hermes, XLIII. Band,


4. Heft, 1908, pp. 638‑642.

H. DIELS, Himmels‑ und Höllenfahrten von Homer bis Dante in Neue Jahr-
bücher für das Klassische Altertum, 1922, pp. 239‑254.

A. DIETERICH, Nekyia. Beiträge zur Erklärung der neuentdeckten Petrusa-


pokalypse. Leipzig, Teubner, 1. Aufl. 1893; 2. Aufl. 1913.

E. R. DODDS, The Greeks and the Irrational. Sather Classical Lectures. Uni-
versity of California, 1951.

A. DÖRING, Die eschatologischen Mythen Platons in Archiv für Geschichte


der Philosophie. Band VI, Heft 4. 1893, pp. 475‑490.

DRACHMANN, Pindari Carmina recensuit Otto Schroeder in Berliner Phi-


164 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

lologische Wochenschrift, 21. Jahrgang, n.° 21, 25. Mai 1901, col. 640‑647.

JACQUELINE DUCHEMIN, Essai sur le Symbolisme Pindarique: Or, Lumière et


Couleurs, in Revue des Études Grecques, vol. LXV, 1952, nº 304‑305, pp. 46‑58.

R. EGGER, Aus der Unterwelt der Festlandkelten in Wiener Jahreshefte,


Band XXXV, 2. Heft, 1943, pp. 99‑137.

S. EITREM, Opferritus und Voropfer der Griechen und Römer in Videnskaps-


selskapets Skriften, II, Hist.‑Filos. Klasse, nº 1, Kristiania, 1914.

—, The Necromancy in the Persai of Aeschylos in Symbolae Osloenses,


vol. VI, 1928, pp. 1‑16.

—, La Magie Comme Motif Littéraire chez les Grecs et les Romains in


Symbolae Osloenses, 1941, pp. 39‑83.

A. ERMAN, Aegypten und Aegyptisches Leben im Altertum neu bearbei-


tet von HERMANN RANKE. Tübingen, J. C. B. Mofar (Paul Siebeck), 1922.

—, Die Religion der Aegypter, Ihr Werden und Vergehen in vier Jahrtau-
senden. Berlin und Leipzig, Walter de Gruyter & Co., 1934,

G. ETTIG, Acheruntica Siue Descensuum apud Veteres Enarratio in Leipziger


Studien, XIII, 1891, pp. 251‑410.

ARTHUR EVANS, The Palace of Minos. London, Macmillan & Co. Ltd.,
1926‑36, 4 vols.

—,«The Ring of Nestor»: a glimpse into the Minoan afterworld and a sepul-
chral treasure of gold signet‑rings and beadseals from Thisbe, Boeotia in
Journal of Hellenic Studies, vol. XLV, 1925, pp. 1‑75.

L. R. FARNELL, Greek Hero‑Cults and Ideas of Immortality. The Gifford


Lectures. Oxford University Press, 1921.

K. FEHR, Die Mythen bei Pindar. Diss. Zürich, 1936.

A. J. FESTUGIÈRE, L’Idéal Religieux des Grecs et l’Évangile, Paris, Librairie


Lecoffre, 1932.

—, Les Mystères de Dionysos (suite) in Revue Biblique, vol. XLIV, 1935, pp. 366‑396.

J. G. FRAZER The Golden Bough: a Study in Magic and Religion. 3. ed.,


1911‑15, 12 vols.
BIBLIOGRAFIA GERAL 165

C. FRIES, Zur orphischen Nekyia‑interpolationen in Philologische Wo-


chenschrift, 1927, col. 1598.

P. FRUTIGER, Les Mythes de Platon. Étude philosophique et littéraire.


Thèse... Genève, Paris, Alcan, 1930.

E. GALLETIER, Études sur la Poésie Funéraire Romaine d’après les Inscrip-


tions. Paris, Hachette, 1922.

H. W. GARROD, On Four Passages of Pindar in Classical Quarterly, vol. I,


1907, pp. 144‑147.

J. GIRARD, Le Sentiment Religieux en Grèce, d’Homère à Eschyle. Paris,


Hachette, 1869,

W. J. GOODRICH, A Passage of Pindar Reconsidered in Classical Quarterly,


vol. II, 1908, pp. 31‑33.

E. GRAF, Ad aureae aetatis fabulam symbola in Leipziger Studien zur Clas-


sischen Philologie, VIII, pp. 1‑84.

GREGORII CORINTHII ET ALIORVM GRAMMATICORVM, Libri de Dialectis


Linguae Graecae quibus additur nunc primum editus Manuelis Moscho-
puli Libellus de Vocum Passionibus recensuit et cum notis Gisb. Koenii,
Fr. Jac. Bastii, Jo. Franc. Boissonadi suisque edidit Godofr. Henr. Schae-
ffer. Lipsiae, sumtibus Jo. Aug. Gottl. Weigel, 1811, 2 vols.

J. G. GRIFFITHS, In Search of the Islands of the Blest in Greece and Rome,


vol. XVI, 1947, pp. 122‑126.

W. H. GRUNDIG, De Inferorum in Graeca Comoedia Partibus. Diss. Leipzig,


Extr. in Jahrbuch der Philosophischen Fakultät zu Leipzig, 1921, pp. 23‑26.

E. GRISET, L’Elisio i Prischi Elleni. Pinerolo, Chiantore Mascarelli, 1929.

A. M. GUILLEMIN, Une Imitation de Lucrèce par Virgile in Humanités


(Classes de Lettres), X, 1934, pp. 183‑186.

W. K. C. GUTHRIE, Orpheus and Greek Religion, A Study of the Orphic Mo-


vement. London, Methuen and Co. Ltd., 1935.

—, The Greeks and their Gods, London, Methuen and Co. Ltd.

F. HOMMEL, Die Inseln der Seligen im Mythus und Sage der Vorzeit, München, 1901.

J. IRIGOIN, Histoire du Texte de Pindare. Paris, Klincksieck, 1952.


166 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

J. ITHURRIAGUE, La Croyance de Platon à l’Immortalité et à la Survie de


l’Âme Humaine. Paris, Gamber, 1931.

GEORG IWANOWITSCH, Opiniones Homeri et Tragicorum Graecorum de


Inferis per Comparationem Excussae. Diss... Erlangen. Berolini, 1894.

P. JACOBSTHAL, The Nekyia Krater in New York in Metropolitan Museum


Studies, vol. V, 1934, pp. 117 seqq.

WERNER JAEGER, The Theology of the Early Greek Philosophers. The Gi-
fford Lectures, 1936. Oxford, at the Clarendon Press, 1947.

G. JÉQUIER, Le Livre de ce qu’il y a dans l’Hadès. Bibliothèque de l’École


des Hautes Études. Paris, Emile Bouillon, Éditeur, 1894.

HUGO JURENKA, Der Mythus in Pindars erster Olympischer Ode und


Bakchylides III in Philologus, Band LIX, Heft 2 (N. F., Band XIII, H. 2),
1900, pp. 313‑315.

C. M. KAUFMANN, Die Jenseitshoffnungen der Griechen und Römer nach


den Sepulcralinschriften. Ein Beitrag zur monumentalen Eschatologie,
Freiburg in Breisgau, Herdersche Verlagshandlung, 1897.

KARL KERÉNYI, Pythagoras und Orpheus, Berlin, 1937.

—, Zu Verg, Aen. VI, Pindar, Platon und Dante in Philologische Wochenschrift,


1925, col. 279‑288 [resumo em alemão de uma obra escrita em húngaro].

OTTO KERN, Orphicorum Fragmenta, Berolini, apud Weidmannos, 1922.

A. KÖRTE, Das Land der Hyperboreer in Archiv für Religionswissenschaft,


X. Band, I. Heft, 1907, pp. 152‑153.

WALTHER KRANZ, Die Katharmoi und die Physika des Empedokles in Her-
mes, vol. 70, 1935, pp. 111‑119.
—, Empedokles, Antike Gestalt und Romantische Neuschöpfung. Erasmus
Bibliothek. Zürich, Artemis Verlag, 1949.

ALEXANDER H. KRAPPE, ΑΠΟΛΛΩΝ ΚΥΚNΟΣ in Classical Philology, vol.


XXXVII, n.° 4, 1942, pp. 353‑370.

J. KROLL, Gott und Hölle. Der Mythus vom Descensuskampfe. Leipzig, Teubner,
1932.

A. K. LAKE‑MICHELS, The Golden Bough of Plato in American Journal of


Philology, 1945, pp. 59‑63.
BIBLIOGRAFIA GERAL 167

R. LATTIMORE, Themes in Greek and Roman Epitaphs. Illinois Studies in


Language and Literature, vol. 28, 1942.

K. LEHRS, Vorstellungen der Griechen über das Fortleben nach dem Tode in
Populäre Aufsätze aus dem Altertum. Leipzig, Teubner, 1875, pp. 303‑362.

ISIDORE LÉVY, La Légende de Pythagore de Grèce en Palestine. Paris,


Champion, 1927.

—, Les Croyances Égyptiennes, Grecques et Juives sur la Vie d’Outre‑Tom-


be in Revue de l’Université de Bruxelles, vol. XXXIV, 1929, pp. 403‑429.

CURTIUS LIEDLOFF, De Tempestatis, Necyomanteae, Inferorum Descriptionibus


quae apud Poetas Romanos primi p. Ch. saeculi leguntur. Diss. Lipsiae, 1864.

IVAN LINFORTH, The Arts of Orpheus, Berkeley and Los Angeles, Univer-
sity of California Press, 1941.

W. L. LORIMER, Gold and Ivory in Greek Mythology in Greek Poetry and Life,
Essays presented to Gilbert Murray, Oxford University Press, 1936, pp. 14‑33.

L. W. LYDE, Contexts in Pindar with reference to the meaning of φέγγος.


Manchester University Press, 1935.

V. D. MACCHIORO, La Catabasi Orfica in Classical Philology, vol, XXIII,


1928, pp. 239‑249.

R. MACKRODT, Der Olymp in Ilias und Odyssee. Altenburg, Oskar Bonde, 1882.

L. MALTEN, Elysion und Rhadamanthys in Jahrbuch des kaiserlich Deutschen


Archäologischen Instituts, Band XXVIII, 1913, pp. 35‑51.

—, W. von Otto, Der griechische Mensch und die Nachwelt in Gnomon, 20.
Band, Heft 3, 1944.

M. TH. — H. MARTIN, Traditions Homériques et Hésiodiques sur le Séjour


des Morts in Annuaire de l’Association pour l’Encouragement des Étu-
des Grecques en France, vol. XII, 1878, pp. 1‑21.

C. MASPERO, Études de Mythologie et d’Archéologie Égyptiennes. Biblio-


thèque Égyptologique. Paris, Ernest Leroux, 1893.

P. MASQUERAY, Euripide et ses Idées. Paris, Hachette, 1908.

MARTINUS MEISTER, De Axiocho Dialogo. Dissertatio Inauguralis philo-


logica. Vratislaviae, Wilh. Gottl. Korn, 1915.
168 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

J. MESK, Tantalos bei Pindar in Charisteria Rzach, Reichenberg, 1930, pp. 142‑147.

KARL MEULI, Odyssee und Argonautika. Untersuchungen zur griechischen Sa-


gengeschichte und zum Epos. Berlin, Weidmannsche Buchhandlung, 1921.

E. MEYER, Hesiods Erga und das Gedicht von den fünf Menschengesch-
lechtern in Genethaliakon Robert. Berlin, Weidmannsche Buchhan-
dlung, 1910, pp. 157‑188.

JEAN MONNIER, La Descente aux Enfers. Étude de Pensée Religieuse, d’Art


et de Littérature. Thèse... Paris, 1904.

G. E. MYLONAS, The Hymn to Demeter and her Sanctuary at Eleusis. Wa-


shington University Studies, 1942.

W. NESTLE, Euripides, der Dichter der griechischen Auf klärung. Stutt-


gart, W. Kohhammer, 1901.

M. P. NILSSON, The Mycenaean Origin of Greek Mythology, Sather Classi-


cal Lectures, vol. 8. Cambridge, at the University Press, 1932.

—, Homer and Mycenae. London, Methuen and. Co. Ltd., 1933.

—, Early Orphism and Kindred Religious Movements in Harvard Theolo-


gical Review, vol. 28, 1935, pp. 181‑230.

—, Geschichte der griechischen Religion. Handbuch der Altertumswis-


senschaft herausgegeben von Walter Otto. München, C. H. Beck‘sche
Verlagsbuchhandlung. Band I, 1941, Band II, 1950.

—, The Immortality of the Soul in Greek Religion in Eranos, 1941, pp. 1‑16.

—, The Minoan‑Mycenaean Religion and its Survival in Greek Religion. 1.


ἄι
ed. Lund, 1927; 2. revised ed. Lund, 1950.

E. NORDEN, Vergilstudien. I. Die Nekyia; ihre Komposition und Quellen in


Hermes, Band XXVIII, 1893, pp. 360‑406.

—, P. Vergilius Maro Aeneis Buch VI, erklärt von... 3. Auf lage. Leipzig,
Teubner, 1926.

MEDEA NORSA, Dai Papiri della Società Italiana in Annali della R. Scuola
Normale Superiore di Pisa, Ser. II, vol. VI, 1937, pp. 1‑15.

ANTONIUS‑FRIDERICUS OZANAM, De Frequenti apud Veteres Poetas He-


roum ad Inferos Descensu, Theses... Parisiis, 1839.
BIBLIOGRAFIA GERAL 169

A. PARROT, Le Refrigerium dans l’Au‑Delà. Paris, Ernest Leroux, 1937.

CARLO PASCAL, Le Credenze d’Oltretomha nelle Opere Letterarie


dell’Antichità Classica. Catania, Francesco Battiato, 1912, 2 vols.

—, Dioniso. Saggio sulla Religione e la Parodia Religiosa, in Aristofane.


Catania, Francesco Battiato, 1911.

MILMAN PARRY, Studies in the Epic Technique of Oral Verse‑Making. I.


Homer and Homeric Style in Harvard Studies in Classical Philology, vol.
XLI, 1930.

W. R. PATON, «The Golden Bough» in Classical Review, vol. XXV, 1911, p. 205.

Q. PATRONI, Tra Sogni ed Ombre in Compagnia d’Omero in Atene e Roma,


vol. VII, n.° 1‑2, 1926, pp. 1‑81.

PAULY‑WISSOWA, Real Enzyclopädie der Klassischen Altertumswissenschaft.


Stuttgart, J. B. Metzlerscher Verlag, s. u. u. Elysion, μακάρων νῆσοι, Or-
phische Dichtung, Rhadamanthys.

AXEL PERSSON, Der Ursprung der eleusinischen Mysterien in Archiv für


Religionswissenschaft, XXI. Band, pp. 287‑309.

—, The Religion of Greece in Prehistoric Times. Sather Classical Lectures.


University of California Press, 1942.

R. PFEIFFER, Σαπφοῦς Μέλη edited by Lobel in Gnomon, 2. Band, Heft 6,


1926.

—, Vier Sappho‑Strophen auf einem Ptolemäischen Ostrakon in Philolo-


gus, 92. Band, 1937, pp. 117‑125.

CHARLES PICARD, Les Religions Préhelléniques (Crète et Mycènes). Col-


lecttion «Mana». Paris, Presses Universitaires, 1948.

E. DES PLACES, Pindare et Platon. Paris, Beuchesne et ses Fils, 1949.

M. PLATNAUER, Antistrophic Variation in Aristophanes in Greek Poetry


and Life, Essays presented to Gilbert Murray. Oxford University Press,
1936, pp. 241‑256.

E. POTTIER — AM. HAUVETTE‑BESNAULT, Inscriptions d’Érythrées


et de Théos in Bulletin de Correspondance Hellénique, vol. IV, 1880,
pp.179‑180.
170 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

L. RADERMACHER, Das Jenseits im Mythos der Hellenen. Untersuchungen


über antiken Jenseitsglauben, Bonn, A. Marcus und E. Weber’s Verlag, 1903.

—, Aristophanes’ Frösche. Einleitung in Anzeiger der Akademie der Wis-


senschaften in Wien, LVIII. Band, 1921, pp. 47‑49.

SALOMON REINACH, Cultes, Mythes et Religions. Paris, Leroux, 1906, 5 vols.

E. RICHARDSON, The Myth of Er (Plato, Republic, 616B) in Classical Quar-


terly, vol. XX, 1926, pp. 113‑133.

A. DE RIDDER, L’Idée de la Mort en Grèce à l’Époque Classique. Thèse...


Paris, 1896.

WILLIAM RIDGEWAY, The Early Age of Greece. Cambridge, at the Univer-


sity Press, vol. 1, 1901; vol. II, 1931.

C, ROBERT, Die Nekyia des Polygnot. Halle, Max Niemeyer, 1892.

E. ROHDE, Der griechische Roman and seine Vorläufer. Leipzig, 2. Auf lage,
1900; 3. Auf l., 1914.

—, Psyche. Seelencult and Unsterblichkeitslehre der Griechen. 9. und 10.


Auf lage milt einer Einführung von Otto Weinreïch. Tübingen, J. C. B.
Mohr (Paul Siebeck), 1925.

A. RÖMER, Zur Kritik und Exegese der Frösche des Aristophanes in Rhei-
nisches Museum, 1908, pp. 341‑369.

W. H. ROSCHER, Ausführliches Lexikon der Griechischen und Römischen


Mythologie. Leipzig, Teubner, 1884‑1890, s. u. u. Acchilles, Hesperides,
Hyperboreer, Leuke.

H. J. ROSE, The Ancient Grief in Greek Poetry and Life, Essays presented to
Gilbert Murray. Oxford University Press, 1936, pp. 79‑96.

—, The Grief of Persephone in Harvard Theological Review, 1943, pp. 247‑250.

J. RUMPEL, Lexicon Pindaricum. Lipsiae, Teubner, 1883.

W. SCHUBART, Bemerkungen zu Sappho in Hermes, 73. Band, 1938, pp.


297‑306.

P. SCHUBERT, Die Eschatologie des Posidonius. Diss.... Bonn. Leipzig, 1927.

C. SCHUCHHARDT, Jenseitsglauben in der europäischen Vorgeschichte.


BIBLIOGRAFIA GERAL 171

Ist Homers Unterweltsbild nordisch? in Forschungen und Fortschritte,


Berlin, 1940, n.°12, pp. 13‑15.

A. SCHULTEN, Die Inseln der Seligen in Geographische Zeitschrift, XXXII.


Band, 1924‑1926, pp. 229‑247,

F. SOLMSEN, Chaos and «Apeiron». Estratto dagli Studi Italiani di Filolo-


gia Classica, N. S., vol. XXIV, fasc. 3‑4, Firenze, Felice Le Monnier, 1950.

C. SOURDILLE, La Durée et l’Étendue du Voyage d’Hérodote en Égypte.


Paris, Ernest Leroux, 1910.

G. SOURY, La Vie de l’Au‑Delà, Prairies et Gouffres in Revue des Études


Anciennes, 1944, pp. 169‑178.

W. SPIEGELBERG, Die Übersetzung des Wortes Oase bei Herodot, III, 26 in


Zeitschrift für Aegyptische Sprache und Altertumskunde, 42. Band, 1.
Heft, 1906, p. 85.

J. A. STEWART, The Myths of Plato. London, Macmillan, 1905.

F. STREINZ, De Necyia Homerica in Programm des Staats‑Ober‑Gymna-


siums zu Klagenfurt, 1896.

H. W. THOMAS, Ἐπέκεινα, Untersuchungen über das Überlieferungsgut in


den Jenseitsmythen Platons, Diss. Müchen, 1938.

J. A. K. THOMSON, Studies in the Odyssey, Oxford, at the Clarendon Press,


1914.

A. TURYN, The Sapphic Ostrakon in Transactions and Proceedings of the


American Philological Association, vol, 73, 1942, pp. 308‑318.

M. VENTRIS AND J. CHADWICK, Evidence for Greek Dialects in the Mycenaean


Archives in Journal of Hellenic Studies, vol. LXXIII, 1935, pp. 84‑103.

J. G. VUERTHEIM, Rhadamanthys, Ilithyia, Elysion in Mededeelingen der


Koninklijke Akademie van Wetenschappen te Amsterdam, LIX, Serie A,
1925, n.° 1 [com um resumo em alemão].

C. WELCKER, Alcmanis Fragmentum de Tantalo in Rheinisches Museum,


1856, pp. 242‑254.

JOSEPH WIESNER, Grab und Jenseits. Untersuchungen im Ägäischen Raum


zur Bronzezeit und frühen Eisenzeit. Religionsgeschichtliche Versuche
172 CONCEPÇÕES HELÉNICAS DE FELICIDADE NO ALÉM - DE HOMERO A PLATÃO

und Vorarbeiten. XXVI. Band. Berlin, Alfred Töpelmann, 1938.

JAN HERMANNUS WIETEN, De Tribus Laminis Aureis quae in Sepulchris


Thurinis Sunt Inuentae. Specimen litterarium inaugurale. Amsteloda-
mi, apud J. Clausen, 1915.

U. VON WILAMOWITZ‑MOELLENDORF, Homerische Untersuchungen. Ber-


lin, Weidmannsche Buchhandlung, 1884.

—, Die Ilias und Homer. Berlin, Weidmannsche Buchhandlung, 1916.

—, Platon. Berlin, Weidmannsche Buchhandlung, 1919, 2 vols.

—, Pindaros. Berlin, Weidmannsche Buchhandlung, 1922.

—, Die Kαθαρμοί des Empedokles in Sitzungsberichte der preussischen


Akademie der Wissenschaften. Berlin, 1929, pp. 626‑661.

—, Der Glaube der Hellenen. Berlin, Weidmannsche Buchhandlung 1931,


2 vols.

AUGUSTUS WINKLER, De Inferorum in Vasis ltaliae Inferioris Repraesen-


tationibus. Diss. Vratislaviae, 1888.

W. J. WOODHOUSE, The Composition of Homer’s Odyssey. Oxford, at the


Clarendon Press, 1930.

A. M. YOUNG, The Frogs of Aristophanes as a Type of Play in Classical


Journal vol. XXIX, 1933‑34, pp. 23‑32.

TH. ZIELINSKY, La Guerre à l’Outretombe chez les Hébreux, les Grecs et


les Romains in Mélanges Bidez, Bruxelles, 1934, pp. 1023‑1042.
SOBRE A AUTENTICIDADE DO
FRAGMENTO 44 DIEHL
DE ANACREONTE
Edições "Maranus", Porto, 1961
DISSERTAÇÃO DE CONCURSO PARA
PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO
DO 1º GRUPO DA 1ª SECÇÃO DA
FACULDADE DE LETRAS DE COIMBRA
(Página deixada propositadamente em branco)
A MEUS PAIS
A MINHA IRMÃ
(Página deixada propositadamente em branco)
NOTA PRELIMINAR

O estudo que apresento versa uma questão de autoria de um pe-


queno poema, cuja expressão amaneirada me impressionou como nota
dissonante no conjunto de fragmentos de Anacreonte, desde o dia, já
longínquo, em que o ouvi comentar, pela primeira vez, ao Prof. R. Pfei-
ffer, nas suas aulas sobre Lírica Grega Arcaica.
Muitos outros trabalhos, entretanto, ocuparam a minha atenção, mo-
tivo por que só agora me foi possível examinar o problema. Pude assim
verificar que, além dos habituais critérios linguísticos e literários, que
ajudam a debater as questões de autenticidade, e do exame crítico das
fontes transmissoras, havia que analisar e situar no tempo o substrato
ideológico que informa o fragmento.
Deste modo, um ensaio, que essencialmente respeitaria à história
literária, tem de envolver aspectos muito curiosos e característicos do
pensamento e da cultura grega em geral. Esta a razão por que mais de
uma vez foi necessário ultrapassar os limites cronológicos da época
arcaica, em busca de paralelos, porventura mais tardios, que esclare-
cessem o conteúdo do pequeno texto e permitissem sugerir a data da
sua composição.
(Página deixada propositadamente em branco)
Antes de terminar esta breve nota, quero agradecer aos meus
antigos Professores na Universidade de Oxford, E. R. Dodds e
Ed. Fraenkel, as sugestões e indicações bibliográficas com que
generosamente me auxiliaram, e ao Instituto da Alta Cultura o
ter‑me facilitado mais uma estadia de um mês nas bibliotecas
daquela cidade universitária britânica.
(Página deixada propositadamente em branco)
INTRODUÇÃO

É sabido que grande número de problemas de atribuição e autenticidade


na lírica grega arcaica está longe de ter obtido uma solução satisfatória. E os
leitores habituais dos Oxyrhinchus Papyri sentem, tanto como os seus editores,
as dificuldades que cada novo volume apresenta. Por vezes, é a extrema brevi-
dade do fragmento recém‑descoberto que não fornece elementos suficientes
para a identificação do mesmo. Outras, são as referências dos antigos ou a
métrica que sugerem uma atribuição provisória. Lembremos, como casos
recentes, os excertos contidos no Pap. Berol. 16.139 e Pap. inv. 20 do Museu
Ashmoleano de Oxford, que B. Snell incluiu na sua primeira 1 e segunda2
edição de Píndaro como dubia, com os números 336 e 343, respectivamente,
e, que acaba de acolher, com os números 24 e 25, entre os ditirambos, na
sétima impressão de Baquílides3 depois da análise feita por Lobel4.
As dificuldades de atribuição não são, porém, apenas consequência
da descoberta de papiros em estado fragmentário, sem indicação de
autor. Em todos os tempos houve problemas de autenticidade, mesmo
em relação a textos de grande envergadura. Lembremos, por exemplo,
que Proclo declarou apócrifa a República de Platão, e Panécio nada me-
nos do que o Fédon 5 !
A questão agrava‑se singularmente, quando se trata de autores
apenas conhecidos por tradição indirecta, e, portanto, quase só atra-
vés de fragmentos. É o caso de todos os líricos do cânon alexandrino,

1 Pindari Carmina cum Fragmentis edidit Bruno Snell. Lipsiae in aedibus B. G.

Teubneri, 1953.
2 Idem, ibidem, 1955.

3 Bacchylidis Carmina cum Fragmentis post Fr. Blass et Guil. Suess septimum

edidit Bruno Snell. Lipsiae in aedibus B. G. Teubneri, 1958.


4 Ox. Pap. 23 (1956), p. 28.

5 Para este e outros exemplos, veja‑se o artigo de Manuel Fernández Galiano,

«Los problemas de autenticidad en la literatura griega» in Revista de la Universidad


de Madrid, vol. I, n,° 2, 1952, pp. 213‑238.
184 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

com excepção de Píndaro — e, esse mesmo, chegado até nós sob a for-
ma de antologia. Aos poucos, a recuperação intermitente de papiros
tem reparado algumas lacunas, por vezes de uma forma espectacular,
como sucedeu quando, em 1879, F. G. Kenyon publicou o papiro A do
British Museum, de Baquílides; outras vezes, abrindo novos horizontes
ao conhecimento da obra do poeta, como acontece com os inúmeros
fragmentos de muitos outros sub‑géneros da lírica coral (que não os
epinícios), cultivados por Píndaro, e trechos reveladores do tão mal
conhecido e tão importante Estesícoro 1 .
Diferente é, porém, pelo menos até à data, a posição de Anacreonte.
O número de fragmentos novos encontrados é restrito: apenas o
papiro de Oxirinco 2321 2 com catorze, e talvez o 2322 3, com dois. Inútil
será entrar aqui na respectiva análise, que já foi feita mais do que uma
vez 4 , e tem conduzido a conclusões diversas, como habitualmente sucede,
quando se trabalha sobre textos mutilados. Frisemos apenas que pou-
co trazem de novo à interpretação da obra do poeta 5 , porquanto, dos
quatro fragmentos que o seu mais recente editor, B. Gentili, imprime
como composições das quais é possível compreender o sentido (fr. 60

1 Publicados por E. Lobel no vol. 23 (1956) dos Oxyrhinchus Papyri e estudados

por Werner Peek, «Die Nostoi des Stesichoros» in Philologus, Band 102, Heft 3/4,
1958, pp. 169‑177.
2 Lobel propõe, embora dubitativamente, a identificação do v. 13 do fr. 1 com

a informação de Eustátio, 1329, 34 (fr. 157 Bergk) e do frg. 2 com o frg. 57 Bergk.
Sobre as dificuldades desta última, ele mesmo adverte o leitor no comentário da
p. 59. Gentili julga‑a improvável (na sua edição de Anacreonte, Romae, in aedibus
Athenaei, 1958, pp. 195‑196).
3 Publicados também por E. Lobel e C. H. Roberts in The Oxyrhinchus Papyri,

Part XXII, 1954, pp. 54‑63. Lobel dá como duvidosa a atribuição do conteúdo do
Pap. 2322, que B. Gentili considera autêntico e Gallavotti não. Cf. a nota seguinte.
4 Especialmente por Paul Maas, «Anakreon und Ibykus» in Acme, 1955, VIII,

2‑3, pp. 113‑114; L. Alfonsi, «Sul nuovo Anacreonte» in Aegyptos, 1955, 35, pp.
201‑205; C. Gallavotti «Anacreonte e la chioma recisa» in La Parola del Passato,
1955, XL, pp. 41‑47; idem, «Un restauro di Anacreonte», ibidem, pp. 47‑50; K. Latte
in Gnomon, 1955, 27, pp. 495‑497; R. Merkelbach in Archiv für Papyrusforschung,
1956, 16, pp. 96‑98; E. Paratore in La Fiera Letteraria, XI, 4, 1956, pp. 5 e 7; W. Peek,
«Neue Bruchstücke frühgriechischer Dichtung» in Wissenschaftliche Zeitschrift der
Univetsität Halle, 1956, 5, pp. 196‑202; A. Barigazzi, «Sul nuovo Anacreonte» in
Athenaeum, 1956, 34, 1‑2, pp. 139‑151; B. Gentili, «I nuovi frammenti papiracei di
Anacreonte» in Maia, 1956, VIII, pp. 181‑196 (depois reproduzido e actualizado,
como apêndice à sua edição de Anacreonte, cit., 1958, pp. 179‑218); B. Snell in
Antike und Abendland, 1957, 6, pp. 150 seqq. ; C. Gallavotti in Gnomon, 1957, 29, pp.
420 seqq.; e C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, pp. 278‑282 e 286‑289. Acrescente‑se
ainda a breve discussão de D. L. Page na sua crítica à edição de Gentili in The
Classical Review, December 1959, pp. 235‑237.
5 As principais novidades são de ordem métrica. Vide A. M. Dale, «Greek Metric

1936‑1957» in Lustrum, 2, 1957, pp. 5‑51, especialmente p. 7.


INTRODUÇÃO 185

e 65, respectivamente 1 e 4 de Oxy. Pap. 2321, e 71 e 72, como desdobra-


mento do fr. 1 de Oxy. Pap. 2322, de cuja autoria, aliás, Lobel duvida), o
primeiro é mais um exemplo de carme erótico de espírito satírico; o
segundo retoma as imagens do frg. 27 Diehl, se é que não foi escrito
pouco depois daquele, conforme sugere Gentili 1 ; o terceiro e o quarto,
que devem, sem dúvida, separar‑se em dois poemetos distintos, como
fazem Latte, Peek e Gentili, são de autenticidade controversa, por mo-
tivos relacionados com a sua linguagem e estilo.
Embora haja muito de casual na recuperação dos textos em papiros,
parece que a afirmação de Wilamowitz, de que a glória das Anacreontea 2
e a evolução da ética 3 fizeram esquecer o poeta arcaico, permanece,
grosso modo, válida. Só assim se explica que a obra autêntica do vate
de Teos, suficientemente popular para este ser representado em vasos
mais do que uma vez 4 e frequentemente citado pela comédia 5 , e tão

1 Pp. 48‑49. «Una variazione dello stesso tema», afirma a p. 202.


2 «Es ist wohl kein Zufall, dass Aegypten keinen Rest gebracht hat: die Anakre-
onteen hatten das Interesse an den echten Liedern zerstört» —lê‑se em Sappho
and Simonides, p. 110. Gentili, na introdução à sua edição, p. IX, já fala de um
desmentido parcial a esta asserção, dado pelos dois novos papiros.
3 Ibidem, pp. 155‑156.

4 Cf. ed. Gentili e bibliografia aí citada, p. XXIII e n. 60, e p. 84. Aos três

vasos citados por S. Papaspyridi‑Karouzou, «Anacréon à Athènes» in Bulletin


de Correspondance Hellénique, 1942‑1943, LXVI‑LXVII, pp. 248‑254, e por G. M. A.
Richter, Attic Red‑Figured Vases, A Survey, New Haven, 1946, pp. 44 e 58, acresce o
do Museu de Copenhague. Os vasos são: um fragmento de calyx‑krater pelo Pintor
de Cleófrades, em Roma (Beazley, ARV, p. 123 n.°29); uma lekythos assinada pelo
oleiro Gales, Gallatin, CV, est. 23, 3‑4, em Siracusa; uma kylix de Oitos, em Londres,
Beazley, ARV, p. 40, n.° 69 (verso). Cf. ainda Ch. Picard, «Art et Littérature: sur
trois exégèses» in Revue des Études Grecques, 1948, pp. 344‑349. A taça de Oltos
(c. 515 a. C.) e a lekythos do Pintor de Gales (c. 490 a. C.) encontram‑se também
reproduzidos e descritos por Karl Schefold, Die Bildnisse der antiken Dichter, Redner
und Denker, Basel, Benno Schwabe & Co. Verlag, 1943, pp. 50‑51. A estátua conser-
vada na Glyptotek Ny Carlsberg de Copenhague, considerada como uma cópia da
da Acrópole, feita na época dos Antoninos, figura a pp. 64‑65. A pp. 172‑173, n.
15, pode ainda ver‑se uma moeda de bronze, de Teos, cunhada c. 90 p. C , com
a efígie do poeta.
5 Aristófanes, Dait., fr. 223, p. 449 Kock = Ath. 15.646a (citado adiante, p. 28)

e Thesm. 160‑163:

………………………………………Σκέψαι δ’ὅτι
Ἴβυκος ἐκεῖνος κἀνακρέων ὁ Τήιος
κἀλκαῖος, οἵπερ ἁρμονίαν ἐχύμισαν,
ἐμιτροφόρουν τε κἀχλίδων Ἰωνικῶς.

É curioso notar que a associação de Alceu e Anacreonte como autores célebres


de skolia é comum aos dois passos.
186 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

admirado que tinha a sua estátua na Acrópole 1 , fosse obliterada em


proveito das suas imitações.
O problema da relação entre Anacreonte e as Anacreontea, levantado
pouco depois do aparecimento da edição príncipe daquelas, em 1554,
está suficientemente estudado e esclarecido. Limitar‑me‑ei, portanto,
a resumir os pontos principais.
Logo após a sua publicação, surgem dúvidas, pela deficiente indica-
ção de fontes dada por Henri Étienne, que só informa vagamente ter
visto o códice na Universidade de Lovaina 2 . Apenas três anos depois,
já Fr. Robortellus, no seu Liber de arte s. ratione corrigendi antiquos libros,
Patav., 1557, p. 26, declara que se trata unicamente de «insulsos quos-
dam posterioris aeui lusus» 3 . E assim, enquanto os poetas, de Ronsard
a Goethe, de Leopardi a Castilho, traduzem ou imitam as Anacreontea,
os eruditos discutem a sua autenticidade. Em 1776, Fischer julga que
escassamente haverá na colecção um poema de Anacreonte. Barnes e
Baxter reagem, mas Bentley fundamenta criticamente as suas dúvidas.
Seguem‑no vários outros, até que Bergk 4 nega decididamente a autoria
de qualquer dos poemetos. E, se F. G. Welcker ainda atribui alguns ao
escritor arcaico, Duentzer 5 regressa em breve à opinião de Bergk. Im-
portante a selecção e classificação de Stark 6. Wolf, Mueller e Bernhardy
juntam‑se lhe, mas, em 1840, Lindau torna a defender a autenticidade,
alterando os versos conforme era necessário. Rose admite a existência
de poemas genuínos, ao lado dos outros.
Que todas as odes publicadas por Henri Etienne são apócrifas, com
excepção de alguns fragmentos contidos de p. 52 em diante, ninguém
duvida actualmente 7 . Problema que continua ainda em aberto é se

1 Maximus Tyrius, XXXVII, p. 42 Hob. Pausânias I, 25, 1. O assunto foi es-

tudado por G. Hafner, «Anakreon und Xanthippos» in Jahrbuch des Deutschen


archäologischen Instituts, Berlin, 1956, LXXI, pp. 1‑28.
2 Ἀνακρέοντος Τηίου μέλη. Teii odae ab Henrico Stephano luce et Latinitate nunc

primum donatae. Lutetiae apud Henricum Stephanum, MDLIIII. Prefácio.


3 Citado por Holly, Quaestiones Anacreonteae, Marburg, 1855, p. 8. Nesta exposição,

seguimos principalmente o resumo deste autor, no capítulo I desse livro.


4 Lipsiae, 1834.

5 «Über die mutmassliche Entstehung unserer Sammlung der sogenannten

Anakreonteen» in Zeitschrift für die Altertumswissenschaft, 1836, Nr. 94, Sp. 754‑760,
especialmente Sp. 757.
6 Carolus Bernhardus Stark, Quaestionum Anacreonticarum Libri Duo, Lipsiae

apud Voigt et Fernan, 1846.


7 É curioso que é a partir desse ponto que H. Étienne afirma:

Τῶν ἑξῆς μελῶν τὰ μέν ἐστιν Ἀνακρέοντος, τὰ δ’οὔ.


INTRODUÇÃO 187

todas as citações feitas pelos antigos como sendo de Anacreonte lhe


pertencem de facto. O caso é especialmente agudo num poeta como
este, cuja temática interessou a uma numerosa hoste de imitadores em
todos os tempos, desde a antiguidade até aos contemporâneos 1 , e cujo
estilo se prestava ao decalque. Além de que os seus transmissores são
muito tardios. Aristófanes 2 , Crítias 3 , Platão 4 quase só nos informam
sobre alguns dos seus temas. A mais antiga citação que chegou até nós
encontra‑se incorporada numa das muitas paródias contidas nas Aves
de Aristófanes 5 — é o primeiro verso do frg. 52 Diehl:

Ἀναπέτομαι δὴ πρὸς Ὄλυμπον πτερύγεσσι κούφαις

A que se lhe segue é já do séc. III a. C. — os dois versos reproduzidos


por Crisipo, περὶ ἀποφατικῶν 22:

οὐ δηὖτε ἔμπεδός εἰμι


οὐδ’ ἀστοῖσι προσηνής.

A maioria é constituída por citações do séc. II, III, e até IV. Um gran-
de contingente é fornecido pelos escoliastas e pelos lexicógrafos do
período bizantino. Até mesmo o papiro de Oxirinco 2321 é apenas do
começo do séc. II da nossa era.
Por outro lado, o facto de conhecermos deste autor unicamente frag-
mentos, de que só um ou outro poderão considerar‑se odes completas,
dificulta extremamente a questão.

1 Lembremos que ainda há pouco João Maia incluiu uma «Anacreontea» no

seu livro de poemas Écloga Impossível, Lisboa, Círculo de Poesia, 1960. As mais
antigas imitações portuguesas que conhecemos são as de António Ferreira (vide o
nosso estudo «Alguns Aspectos do Classicismo de António Ferreira» in Humanitas,
XI‑XII, 1960, pp. 80‑111, especialmente pp. 93‑95). Para a Itália, leia‑se o trabalho
de L. A. Michelangeli, Anacreonte e la sua fortuna nei secoli, con una rassegna critica
su gl’ imitatori e i traduttori italiani delle «Anacreontee», Bologna, Zanichelli, 1922.
2 Cf. nota 2 da p. 85.

3 Vide infra p. 193-194 e nota 2 da p. 193.

4 Phaedrus 235c e ainda Charmides 157e. O pseudo‑Platão, Theages 125d‑e (frg.

118 Bergk) refere‑se a uma canção dada como bem conhecida, mas de cujo texto
pouco ou nada diz. De qualquer modo, o diálogo deverá atribuir‑se ao séc. III‑II
a. C. (cf. Platon, tome XIII, 2e. partie, Dialogues Suspects. Texte établi et traduit par
Joseph Souilhé, Paris, Les Belles Lettres, 1930, pp. 141‑142).
5 V. 1373. Omitimos o frg. 86 Diehl, referido em Plut. 1002 e 1075:

πάλαι ποτ’ ἦσαν ἄλκιμοι Μιλήσιοι

cuja autenticidade é duvidosa.


188 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Para estudar o problema da autenticidade do frg. 44 Diehl = 43 Bergk,


tentaremos, no entanto, em primeiro lugar, delinear um esboço da te-
mática de Anacreonte, partindo dos fragmentos cuja extensão permita
classificá‑los com alguma segurança. Ao mesmo tempo, iremos anotando
as ideias que os informam, para reconstruirmos, na medida do possí-
vel, a mundividência do poeta. Veremos as relações com a métrica, e
o modo de expressão, e acusaremos as semelhanças e divergências em
relação às Anacreontea. Numa segunda parte, historiaremos as doutrinas
apresentadas sobre o fragmento em causa. Analisaremos seguidamente
o seu conteúdo sob o ponto de vista ideológico e estilístico, depois de
o ter aproximado, tanto da obra reconhecidamente autêntica, como da
de seus antecessores e contemporâneos, que estudaremos em função
da temática envolvida. Deste modo, coligiremos elementos que nos
permitam avaliar da autoria do excerto.
1ª PARTE
ANÁLISE DAS POESIAS
AUTÊNTICAS DE ANACREONTE
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO I
OS TEMAS E AS IDEIAS

É nosso intento analisar, nesta primeira parte, apenas os fragmentos de


Anacreonte cuja autenticidade nunca suscitou dúvidas fundamentadas, e, dentre
esses, aqueles de que resta o suficiente para se fazer ideia do seu conteúdo.
Deste modo, ficam excluídos, pela primeira cláusula, os seguintes
(além do 44 Diehl, de que nos ocuparemos noutro capítulo):

7 Diehl = mel. adesp. 78 Bergk = 186 Gentili


(atribuído por Crusius, negado por Bergk) 1
20 D = 35 B = 117 G
(negado por Hecker)
28 D = 65 B = 37 G
(negado por Bergk na primeira edição, transferido depois
para as Anacreontea e, na quarta edição, colocado dubitativa-
mente entre os carmes genuínos; Weber igualmente lhe nega a
autenticidade)
51a D = 124 B = 91 G
(negado por Blass)
56 D = 36 B = 187 G
(atribuído a Alceu por Wilamowitz e Sitzler; a Alceu ou Safo
por Lobel‑Page; duvidoso para Gentili)
64 D = 72b B = 188 G
(atribuído por conjectura por Bergk; duvidoso para Gentili)
82 D = 92 B = 49 G
(negado por Holly e Weber; duvidoso para Bergk).

1 Para as referências exactas, veja‑se o aparato crítico de Bergk, Diehl e Gentili,

ad loc. Designaremos pela respectiva maiúscula cada um destes editores. Um núme-


ro não acompanhado de indicação de proveniência dirá sempre respeito a Diehl.
192 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

86 D = 85 B = 53 G
(duvidoso para Wilamowitz, que o atribuiu a Timocreonte
de Rodes, e para Bergk)
92 D = 78 B = 76 G
(atribuído a Álcman por Sitzler)
95 D = 80B = 80 G
(atribuído a Hipónax por Knox)
99 Bergk
(Meineke deu‑o como composto por um Anacreonte o Moço)
Pap. Oxy. 221, col. VII, 5‑12 = 190 G
(atribuído a Píndaro por Grenfell e Hunt; a Anacreonte por
Platt e Ludwich; duvidoso para Gentili)
Pap. Oxy. 2322 = 71, 72, 73 G
(duvidoso para Lobel; negado por Gallavotti; aceite por Latte,
Peek, Snell, Merkelbach, Gentili) 1 .

Suprimindo os epigramas, de autoria controversa na sua quase to-


talidade 2 , e ainda os fragmentos que constam apenas de uma linha,
ou até de duas, mas que não chegam a formar uma frase completa ‑ e
que só ocasionalmente podem ser úteis ‑ restam‑nos uns trinta e cinco
excertos para servir de base ao nosso trabalho.
Principiaremos por coligir, nos passos conservados, algumas indica-
ções de carácter auto‑biográfico.
A mais conhecida, a do frg. 8 Diehl, faz lembrar o frg. 22 Diehl de
Arquíloco, e, como ele, deve estar incompleta:

ἐγώ τ’ ἂν οὔτ’ Ἀμαλθέης


βουλοίμην κέρας οὔτ’ ἔτεα
πεντήκοντά τε κἀκατὸν
Ταρτησσοῦ βασιλεῦσαι.

Este é o negativo do quadro: ausência de ambição 3 . O fragmento de


elegia que tem o número 96 em Diehl é mais completo, pois que, ao
gosto alheio, contrapõe o do autor:

1 A edição de Bergk refere ainda a suspeita de inautenticidade lançada por Wel-

cker in Rheinisches Museum, XI, 230 seqq., sobre a segunda estrofe do frg. 5 (14 Bergk).
Diehl já nem sequer menciona esta hipótese no seu aparato, nem tão‑pouco Gentili.
2 C. M. Bowra, Early Greek Elegists2, pp. 180‑181, admite a possibilidade de alguns

serem autênticos (100, 101, 107 e 108 Diehl).


3 Sobre os motivos usados (cornucópia de Amalteia, reino de Tartessos) vide

C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, pp. 291‑292.


1ª PARTE - CAPÍTULO I - OS TEMAS E AS IDEIAS 193

οὐ φιλέω, ὃς κρητῆρι παρὰ πλέωι οἰνοποτάζων


νείκεα καὶ πόλεμον δακρυόεντα λέγει,
ἀλλ’ ὅστις Μουσέων τε καὶ ἀγλαὰ δῶρ’ Ἀφροδίτης
συμμίσγων ἐρατῆς μνήισκεται εὐφροσύνης.

As canções que o poeta considera próprias dos banquetes não são as


de tema bélico, mas aquelas em que se mistura a arte das Musas com o
amor, no meio da amável alegria 1. Há, sem dúvida, uma certa semelhança
entre este ideal e o expresso no frg. 12 Diehl de Estesícoro, como já foi
notado, entre outros, por Gentili, na sua edição de Anacreonte. Somen-
te, a inspiração do nosso poeta não se eleva a assuntos divinos; apenas
pretende que a boa disposição do festim parta dos temas escolhidos.
Porque estes são agradáveis é que o poeta sente que devia ser apre-
ciado pelos seus ouvintes e suspira, no frg. 32 Diehl:

ἐμὲ γὰρ λόγων <ἐμῶν> εἵνεκα παῖδες ἂν φιλοῖεν·


χαρίεντα μὲν γὰρ ἄιδω, χαρίεντα δ’ οἶδα λέξαι.

Tais palavras estão de acordo com os testimonia de autores antigos,


de que salientamos apenas alguns dos mais expressivos:

…ὡς Ἀριστοφάνης παρίστησιν ἐν Δαιταλεῦσιν λέγων οὕτως·


«Ἆισον δή μοι σκόλιόν τι λαβὼν Ἀλκαίου κἀνακρέοντος.»

(Athen. 15. 646 a)

O mesmo autor, em 13.600 d, refere deste modo a temática de Anacreonte2:

…………..ὃν ὁ σοφὸς ὑμνῶν αἰεί ποτε Ἀνακρέων πᾶσίν ἐστιν διὰ


στόματος. λέγει οὖν περὶ αὐτοῦ καὶ ὁ κράτιστος Κριτίας τάδε·

τὸν δὲ γυναικείων μελέων πλέξαντα πότ’ ὠιδὰς


ἡδὺν Ἀνακρείοντα Τέως εἰς Ἑλλάδ’ ἀνῆγεν,
συμποσίων ἐρέθισμα, γυναικῶν ἠπερόπευμα,
αὐλῶν ἀντίπαλον, φιλοβάρβιτον, ἡδύν, ἄλυπον.
οὔ ποτέ σου φιλότης γηράσεται οὐδὲ θανεῖται,

1 O frg. 65 Diehl confirma a antipatia do poeta por quantos têm um carácter


sombrio e difícil.
2 Os versos de Crítias foram analisados por Wilamowitz, Sappho und Simonides,

pp. 108‑110, que os supõe derivados do livro Περὶ Ἀνακρέοντος de Chamaileon,


citado pelo mesmo Ateneio, 1599 Bergk, P. L. G., II, p. 283, admite uma lacuna
entre o verso 4 e o 5.
194 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ἔς τ’ ἂν ὕδωρ οἴνωι συμμιγνύμενον κυλίκεσσι


παῖς διαπομπεύηι, προπόσεις ἐπιδέξια νωμῶν,
παννυχίδας θ’ ἱερὰς θήλεις χοροὶ ἀμφιέπωσιν,
πλάστιγξ θ’ ἡ χαλκοῦ θυγάτηρ ἐπ’ ἄκραισι καθίζηι
κοττάβου ὑψηλαῖς κορυφαῖς Βρομίου ψακάδεσσιν.

A expressão συμποσίων ἐρέθισμα confirma o dito de Aristófanes,


referido no excerto anterior, e, de um modo geral, os versos 3‑4 carac-
terizam com exactidão as preferências do autor.
Da sua predilecção pela vida de banquetes em estreita ligação com
o elemento erótico, cantos e danças, se fizeram eco as artes plásticas,
quer a cerâmica, representando‑o acompanhado de komastai, a cantar ao
som da lira, em vasos de figurais vermelhas do último quartel do séc. VI
e primeiro do V a. C. 1, quer a escultura, figurando‑o do seguinte modo:

Ἔστι δὲ ἐν τῆι Ἀθηναίων ἀκροπόλει καὶ Περικλῆς ὁ Ξανθίππου καὶ


αὐτὸς Ξάνθιππος, ὃς ἐναυμάχησεν ἐπὶ Μυκάληι Μήδοις. Ἀλλ’ ὁ μὲν
Περικλέους ἀνδριὰς ἑτέρωθι ἀνάκειται, τοῦ δὲ τοῦ Ξανθίππου πλησίον
ἕστηκεν Ἀνακρέων ὁ Τήιος, πρῶτος μετὰ Σαπφὼ τὴν Λεσβίαν τὰ πολλὰ
ὧν ἔγραψεν ἐρωτικὰ ποιήσας· καὶ οἱ τὸ σχῆμά ἐστιν οἷον ἄιδοντος ἂν
ἐν μέθηι γένοιτο ἀνθρώπου.
(Pausânias, I, 25, 1)

Também os dois epigramas de Leónidas 2 fazem análoga representação


do poeta, quer o seu modelo tenha sido uma estátua, quer uma pintura,
conforme conjecturou Wilamowitz, com maior probabilidade 3.
Com o testemunho de Pausânias, acima citado, concorda ainda o de
um escritor que viveu dois séculos depois, Himério:

Σαπφὼ καὶ Ἀνακρέων ὥσπερ τι προοίμιον τῶν μελῶν, τὴν


Κύπριν ἀναβοῶντες οὐ παύονται.
(Or. 19 Schenkl)

1 Cf. supra, nota 4 da p. 185, e a descrição de Wilamowitz, Sappho und Simoni-

des, p. 102 e n. 1, e, modernamente, as de Karl Schefold, Die Bildnisse der antiken


Dichter, Redner und Denker, pp. 50 e 64.
2 306 e 307 da Anthologia Planudea.

3 Sappho und Simonides, pp. 103‑105. Sobre a identificação da estátua da Acrópole, veja‑se a

edição de Pausânias por Hitzig e Bluemner, Berolini, 1896, vol. I, p. 276, e ainda Wilamowitz,
op. cit., p. 106; ou, mais recentemente, G. Hafner, «Anakreon und Xanthippos» in Jahrbuch des
Deutschen archaelogischen Instituts, Berlin, 1956, 71, pp. 1‑28, e Karl Schefold, Die Bildnisse der
antiken Dichter, Redner und Denker, p. 64. Gisela M. A. Richter, Greek Portraits. II. To what extent were
they faithful likenesses?, Bruxelles, Collection Latomus, XXXVI, 1959, p. 39, aceita também que o
original desta cópia romana fosse do século V a. C.
1ª PARTE - CAPÍTULO I - OS TEMAS E AS IDEIAS 195

Em Roma, a impressão de conjunto revelada através de um texto de


Cícero é a mesma:

………..Nam Anacreontis quidem tota poesis est amatoria,


(Tusc. Disp. IV. 71)

Este mesmo motivo levou Platão a chamar‑lhe σοφός no Fedro 1 , ao


falar das autoridades, anteriores a Sócrates, que haviam tratado do amor.
O que acabámos de ver está de acordo, em grande parte, com os escassos
testemunhos auto‑biográficos de Anacreonte que chegaram até nós2. É igual-
mente adequado para nos revelar as principais directrizes da sua poesia3.
Estas podem agrupar‑se em três assuntos principais: o amor, os
banquetes, a troça. Designaremos as composições correspondentes,
à maneira grega, respectivamente, por erotika, sympotika e skoptika.
A predilecção por estes temas, se mais não soubéssemos acerca do
poeta, já nos daria um perfil moral suficientemente nítido e nos faria
compreender por que era muito apreciado como autor de skolia. 4 . Mas
vejamos separadamente cada um deles.
Os erotika abrangem diversos fragmentos consagrados à Μοῦσα
παιδική (3, 4, 40 Diehl), à confissão de uma nem sempre bem sucedida
reincidência no amor 5 (5, 17, 26, 45, 79 Diehl), ao desespero, que o leva a

1 235c.
2 Omitimos informações como as do já citado Ateneio X, 429b, quando afirma
ἄτοπος ὁ Ἀνακρέων ὁ πᾶσαν αὑτοῦ τὴν ποίησιν ἐξαρτήσας μέθης, κ. τ. λ. ou a famosa
pergunta de Séneca, Ep., 88, 37, libidinosior Anacreon an ebriosior uixerit. O assunto
encontra‑se estudado, em relação com a evolução da ética antiga, por Wilamowitz,
Sappho und Simonides, pp. 102‑112.
3 Dos seus partheneia, nada sabemos de positivo. O Oxy. Pap. 221, col. VII, 5‑12,

é pouco claro. O passo de Luciano, Ver. Hist. II, 113, é uma simples paródia. E o já
citado fragmento de Crítias fala de γυναικείων μελέων, que é arriscado identificar
com partheneia.
4 «Seine Lyrik gehört unmittelbar mit dem zusammen, was man in Athen

Skolien nennt» — como afirmou Wiiamowitz, Sappho und Simonides, p. 120.


Sobre os três tipos de skolia que os antigos distinguiam (hinos aos deuses, antes
de principiar o symposion; cantigas à desgarrada, em que cada conviva entoava um
verso; odes dos grandes poetas, destinadas a essas ocasiões festivas) é essencial o
testemunho de Dicearco (schol. in Plat. Gorg. 451e), citado por A. H. Harvey, «The
Classification of Greek Lyric Poetry» in The Classical Quarterly, New Series, vol. V,
N. 3‑4, July‑October 1955, pp. 157‑175, especialmente p. 164.
5 B. Snell, Die Entdeckung des Geistes, p. 101, caracteriza bem este sentimento,

em contraste com o de Safo:

«So meisterhaft Anakreon seine Liebe in immer neuen Bildern malt,


der Gedichtsanfang: «Wieder liebe ich...» hat seine ursprüngliche Kraft
eingebüsst. Sappho’s Liebe ist derart, dass der Satz nur bedeuten kann:
196 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ambicionar a morte como única libertação possível (42 Diehl), ao gracioso


ataque à jovem trácia que o desdenha (88 Diehl) e que ele quer ensinar
a viver na corte de Samos 1 , e a quem repudia, talvez, no frg. 98 Diehl.
Nalgumas composições, a velhice é apresentada como um obstáculo a que
o seu amor seja correspondido: é o caso dos frgs. 5 e 53 Diehl. O frg. 39
Diehl parece descrever, por metáfora, os movimentos assustados de uma
jovem tímida; o 23 e o 77 apresentam γυναῖκας λεγούσας da maneira de
que falou Hermógenes, περὶ ἰδεῶν, II, 3, p. 323 seq. Rabe.
No frg. 69 Diehl, o poeta saciado toca a lira, em honra da φίληι…παιδὶ
ἁβρῆι 2 . Estamos, pois, já no ambiente dos komastai.
Outros poemas têm como cenário o próprio symposion, mas entrelaçam
os dois temas. É o caso do conhecido frg. 27 Diehl, que transcrevemos no
texto e arranjo estrófico de Bergk, em quatro dímetros iónicos anaclómenos:

Φέρ’ ὕδωρ, φέρ’ οἶνον, ὦ παῖ,


φέρε δ’ ἀνθεμεῦντας ἡμῖν
στεφάνους, ἔνεικον, ὡς δὴ
πρὸς Ἔρωτα πυκταλίζω.

O frg. 4 do Pap. Oxy. 2321 (= 65 Gentili) usa o mesmo verbo do quarto


verso logo de começo, convida também ao symposion nas últimas linhas,
mas é produto de uma situação psíquica diversa: o poeta felicita‑se por
haver escapado à influência de Eros, e pretende mesmo comemorar essa
vitória. Eis a transcrição adoptada por Gentili, depois das várias correc-
ções propostas pelo próprio, e, sobretudo, por Lobel, Peek, Barigazzi:

χα]λεπῶς δ’ἐπυκτάλιζο[ν

νῦν δ’] ἀνορέω τε κἀνακύπτω,
̅ ̆ ̆ ]. ωι πολλὴν ὀφείλω
τὴ]ν χάριν ἐκφυγὼν Ἔρωτα,
Δεύ]νυσε παντάπασι, δεσμ[ῶν

es ist mein immer wiederkehrendes Schicksal, dass ich lieben und leiden
muss: sie begreift damit das Gesetz ihres Wesens, den Rythmus ihres
Empfindens. Bei Anakreon klingt es leicht fertig, wenn er fünfmal sagt:
«Wieder habe ich mich verliebt.......

Para uma opinião contrária, veja‑se C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 283, n. 1.
1 Segundo a interpretação de Wilamowitz, Sappho und Simonides, pp. 117‑120.

Para outra opinião, veja‑se C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, pp. 271‑272, que situa
o poema na época da permanência de Anacreonte em Abdera.
2 O passo está corrupto. Wilamowitz propõe que se leia um nome próprio,

talvez Πολιάρχηι. Cf. Sappho und Simonides, p. 103, n. 1.


1ª PARTE - CAPÍTULO I - OS TEMAS E AS IDEIAS 197

τῶ]ν χαλεπῶν δι’ Ἀφροδίτη[ν


̅ ]̆ φέροι μὲν οἶνον ἄγγε[ι.
̅ ]φέροι
̆ δ’ ὕδω[ρ] πάφλ[αζον,
καὶ] δὲ καλέοι [..]ιν[
–] χάρις, ἄρτ [̣ ιο]ς δ[˘ ̅ ˘ ̶
].[
………………………………………………
A semelhança vocabular com o frg. 27 foi logo notada por Lobel na
editio princeps do texto 1 . Gentili compara do mesmo modo as duas com-
posições e supõe que esta foi escrita a seguir à outra 2 .
Curioso é também assinalar a presença de uma invocação a Dioni-
so, em meio da euforia da libertação de Eros e dos pesados liames de
Afrodite. Com efeito, as três divindades figuram como companheiras
de folguedos no frg. 2 Diehl:

Ὦναξ, ὧι δαμάλης Ἔρως


καὶ Νύμφαι κυανώπιδες
πορφυρέη τ’ Ἀφροδίτη
συμπαίζουσιν, ἐπιστρέφεαι δ’
ὑψηλὰς ὀρέων κορυφάς,
γουνοῦμαί σε, σὺ δ’ εὐμενής
ἔλθ’ ἡμίν, κεχαρισμένης δ’
εὐχωλῆς ἐπακούειν·
Κλευβούλωι δ’ ἀγαθὸς γενεῦ
σύμβουλος, τὸν ἐμὸν δ’ ἔρωτ’,
ὦ Δεύνυσε, δέχεσθαι.

Mas como explicar que estes mesmos deuses sejam comuns àquele frag-
mento e ao que acabámos de citar, e que costuma ser considerado um hino?
Muito antes de se descobrir este papiro de Οxirinco, a resposta
encontrava‑se na interpretação dada por Wilamowitz à ode transcrita:
o poema foi também elaborado para um symposion, para o qual se con-
vida o deus 3 e a sua comitiva; o próprio facto de Eros não fazer parte

1 The Oxyrhinchus Papyri, Part XXII, 1954, p. 59.


2 Pp. 48‑49 e 202 da sua edição. Para D. L. Page, o verso 7 marca possivelmente
o início de um novo poema (na recensão à obra anterior, in The Classical Review,
vol. IX, nº 3, December 1959, p. 237).
3 Num lugar onde se bebia, estava o deus no seu ambiente, pelo menos desde

o tempo de Arquíloco:

ἕωθεν ἕκαστος ἔπινεν· ἐν δὲ Βακχίηι<σιν>


(111 Diehl)
198 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

do culto, nem tão‑pouco Afrodite, prova que não se trata de um hino.


A introdução da figura da deusa é da responsabilidade do poeta 1 .
Encontram‑se também referências a Dioniso noutros passos: à sua voz
tonitruante (frg. 11 Bergk), à sua comitiva de ménades (frg. 48 Diehl),
como termo de comparação para os comastas (frg. 131 Bergk, segundo a
correcção de Wilamowitz) ou ainda numa exortação a celebrar condig-
namente a festa do deus:

ἐπὶ δ’ ὀφρύσιν σελίνων στεφανίσκους


θέμενοι θάλειαν ἑορτὴν ἀγάγωμεν
Διονύσωι.
(frg. 37 Diehl)

Nenhuma nos autoriza, na verdade, a ver no frg. 2 Diehl mais do que


uma associação ocasional das duas divindades.
Como é sabido, as coroas enfeitavam os Gregos em todas as grandes
manifestações da sua vida: nos sacrifícios, nos casamentos, nos ban-
quetes 2 . Outros fragmentos de Anacreonte lhes fazem referência: o 33
e o 76 Diehl e o 123 Bergk. Estes conduzem‑nos de novo, segundo tudo

Cfr. também, para a associação de Cípria e Dioniso, o frg. 20 Diehl de Sólon e o


20 b Snell, vv. 5‑9, de Baquílides, e ainda, embora mais tardios, os versos 68‑72
do Ciclope de Eurípides.
1 «Hier wird wirklich der Gott mit seinem Gefolge eingeladen; aber es ist

kein Kultlied, denn Eros ist überhaupt keine Person für den Gottesdienst, und
Aphrodite hat mit Dionysos keine Kultgemeinschaft. Aber dieser Gott kommt
ja wirklich alle zwei Jahre zu den trieterischen Festen in die Menschenwelt,
und zu ihm, der nicht nur beseligenden Rausch, sondern jede Begeisterung
weckt, gehören in der Empfindung und der Phantasie des Dichters die Götter,
die er neben ihm nennt, weil sie ihn auch begeistern. Wohin er den Gott ruft,
sagt et nicht, aber wir fühlen es leicht: die Gesellschaft der Zechbrüder ist
versammelt; es ist wohl in der Frühlingszeit, da dem Gotte von den Ioniern die
Anthesterien gefeiert werden.... Und daneben die Nymphen im Tanze, die ihren
Herrn ja auch auf den Vasen begleiten, und Aphrodite : sie hinzuzufügen ist
dem Dichter eigentümlich.» (Sappho und Simonides, p. 115). C. M. Bowra, Greek
Lyric Poetry, pp. 283‑284, segue na mesma esteira. Cf. ainda Hermann Fränkel,
«Eine Stileigenheit der frühgriechischen Literatur» in Nachrichten von der Ge-
sellschaft der Wissenschaften zu Göttingen, Phil.‑hist. Klasse, 1924, p. 85 = Wege
und Formen frühgriechischen Denkens, München, C. H. Beck, 1960, p. 60: «Nach
dem Vorbild der irdischen Festen, mehr als nach Glauben und Mythos, ist ja
der Götterthiasos zusammengestellt». A explicação de Gentili, na introdução
à sua edição, p. XXI, não é satisfatória.
O autor da Anacreontea XLIII também juntou as três divindades.
2 Cf. M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, München, Beck, 1941, vol.

I, p. 116. Um bom testemunho antigo é o frg. 81b Lobel‑Page de Safo.


1ª PARTE - CAPÍTULO I - OS TEMAS E AS IDEIAS 199

leva a crer, ao ambiente do symposium, onde se joga o kóttabos siliciano 1,


onde se serve o vinho em medidas adequadas 2 .
Este último ponto encontra‑se claramente expresso no frg. 43 Diehl
= 63 Bergk, no qual ambos os editores supuseram uma lacuna, ao passo
que Von der Mühll in Hermes, LXXV, 1940, pp. 422‑425, crê que se trata
de dois poemas diferentes, cantados em momentos diversos do banquete.
A dificuldade provém do facto de Ateneio citar as duas partes separa-
damente 3 . Os termos em que as referências são feitas provam, porém,
que se trata de um mesmo poema, como demonstrou Ed. Fraenkel 4 . As
instruções aí fornecidas são muito importantes, para se conhecer a
atitude do poeta:

Ἄγε δή, φέρ’ ἡμίν, ὦ παῖ,


κελέβην, ὅκως ἄμυστιν
προπίω, τὰ μὲν δέκ’ ἐγχέας
ὕδατος, τὰ πέντε δ’ οἴνου
κυάθους, ὡς ἀνυβρίστως
ἀνὰ δεῦτε βασσαρήσω.

*
ἄγε δηὖτε, μηκέt’ οὕτω
πατάγωι τε κἀλαλητῶι
Σκυθικὴν πόσιν παρ’ οἴνῳ
μελετῶμεν, ἀλλὰ καλοῖς
ὑποπίνοντες ἐν ὕμνοις.

Especialmente significativas são ἀνυβρίστως, na primeira parte, e ἀλλὰ


καλοῖς ὑποπίνοντες ἐν ὕμνοις, que acentuam a moderação na bebida e o
carácter requintado dos entretenimentos que a acompanham.

1 Frg. 41 Diehl. O kóttabos foi celebrado em verso por um poeta, já citado, do

séc. V a. C , Crítias (frg. 1 Bergk= l Diehl) e pintado em vasos gregos de figuras


vermelhas (Cat. Campan., IV. D. 862. Tillyard, Hope Vases 245, est. 34 e 32, sítula
da Apúlia em Dublin, Museu Nacional. Tillyard, Hope Vases, 230, est. 32, krater de
sino da Apúlia, no Museu de Eton College). O assunto foi estudado por Otto Jahn,
«Kottabos auf Vasenbildern» in Philologus, 1867, p. 206. A estes acrescentei o kra-
ter pelo Pintor de Manchester, pertencente a uma colecção particular de Lisboa
(em artigo publicado in Archivo Español de Arqueologia, XXXI, 1958, pp. 165‑168).
Ateneio, XV, 666b, ocupou‑se também deste entretenimento. Muitos autores
clássicos o mencionam; o próprio Aristófanes faz‑lhe diversas referências nas
suas comédias (Ach. 525; Nub. 1073; Pax 343, 1244).
2 Frg. 22 e 58 Diehl.

3 X, 427a; XI, 475c.

4 Horace, Oxford, at the Clarendon Press, 1957, p. 179, n. 2.


200 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Um contemporâneo do nosso poeta, Xenófanes, também se expri-


mira de modo semelhante, mas com muitos mais pormenores, acerca
do comportamento a observar durante o banquete, de que ele era
uma espécie de mestre de cerimónias 1 . Não se trata, portanto, de uma
atitude isolada. O que é interessante notar é que, a despeito destes
repetidos protestos de moderação, não foi através deles, mas de outros,
como talvez o frg. 99 Diehl, que o viram os pintores de vasos do final
do séc. VI a. C. e o escultor da estátua da Acrópole (possivelmente do
tempo de Péricles) e ainda mais a posteridade, como se evidenciou
através dos testemunhos atrás citados e como claramente se patenteia
nas Anacreontea.
A terceira das facetas mais características do poeta de Teos é a re-
velada pelas composições trocistas, skoptika, que, embora muitas vezes
executadas no espírito de Arquíloco, aparecem também em medidas
eólicas.
A mais célebre até há pouco conhecida era a invectiva contra Ár-
temon (frg. 54 Diehl), em que se contrasta, com uma precisão gráfica,
a figura boçal do antigo pobretão com os requintes de efeminado
luxo com que agora ele pretende disfarçar a sua grosseria. A esta
veio juntar‑se recentemente o frg. 1 do Papiro de Oxirinco 2321 (=
60 Gentili), onde de igual modo se estabelece um contraste cheio
de ironia, mas, desta vez, entre a aparente inocência e brandura de
Herotima e o seu real comportamentο 2 . Também o frg. 55 Diehl deve

Elegia 1 Diehl. Sobre esta, veja‑se C. M. Bowra, Problems in Greek Poetry, cap.
1

«Xenophanes on Songs at Feasts».


2 Considero que o verso final do papiro:

λεωφ]όρε, λεωφόρ’ Ἡρο[τ]ίμη,

pertence ainda ao poema. Se, como Latte, Merkelbach, Bowra e Page, supusermos
que é já o início de um novo carme, e virmos uma oposição irreconciliável entre a
figura tímida, descrita nos primeiros versos, e a cortesã impudica do último, será
possível aceitar que καλλιπρόσωπε παίδων se dirige a um jovem. Mas tal oposição
não é irreconciliável; pelo contrário, é um malicioso quadro, que opõe as aparên-
cias de um carácter timorato à realidade de um procedimento escandaloso, como
notaram Paratore e Gentili. A. Barigazzi, «Sul nuovo Αnacreonte» in Athenaeum, N.
S., Vol. XXXIV, fasc. 1‑2, 1956, pp. 139‑151, complica desnecessária e ousadamente
o problema, ligando‑o com o tema do cabelo cortado, mediante o suplemento:

σ[ὺ δ’ ἑκών κ’ ἔκειρας]

no v. 6, e interpretando os discutidos «campos de jacinto» como «cabeleira».


Deste modo, pode também considerar‑se como pertencente ao poema o verso
de Herotima. Page mantém‑se num prudente cepticismo: «The reconstruction
is necessarily a chain of guesses, the sense depending on the supplements»
1ª PARTE - CAPÍTULO I - OS TEMAS E AS IDEIAS 201

ser dirigido a uma cortesã. O frg. 11 Diehl ataca alguém da espécie de


Ártemon. O frg. 16 é‑lhe seguramente dirigido, visto que menciona
o seu nome. Os iambos dos frgs. 80 e 87, o 71, 62 Diehl e talvez ainda
alguns excertos curtíssimos, como o 151, 154, 161, 162 e 168 Bergk, e
ainda um pequeno fragmento citado por J. Martin 1 devem igualmente
ter tido intenção satírica.
Dos restantes versos de Anacreonte, podemos ainda referir uma
breve descrição da invernia, contida no frg. 6 Diehl, que seguramente
servia de introdução à expressão de qualquer sentimento pessoal, pois
a natureza nunca constitui só por si, como é sabido, tema central de um
poema grego arcaico. É de conjecturar que se seguisse qualquer convite
a beber e a procurar um agradável conforto no interior da casa, como
sucede no frg. 338 Lobel‑Page de Alceu.
Alguns outros poemas ocupavam‑se do momento político. Destes,
temos apenas insignificantes fragmentos, como o 10 Bergk, o 19, 25,
talvez o 57, 67, 74 e 81 Diehl 2. O 19 e o 25, pelo menos, devem referir‑se
a Polícrates, confirmando assim o dito de Estrabão:

Καὶ δὴ καὶ πᾶσα ἡ ποίησις πλήρης ἐστὶ τῆς περὶ αὐτοῦ μνήμης.
(XIV, 638)
e ainda o de Himério:

Ἤιδε δὲ ὁ Ἀνακρέων τὴν Πολυκράτους τύχην Σαμίων τῆι θεᾶι


πεμπόντων τὰ ἱερά.
(Or. 30 Schenkl)

De uma obrigação destas se deve ter desempenhado o poeta, quanto


à cidade de Magnésia, ao compor o hino a Ártemis que consta do frg. 1
Diehl, um hino que sai fora dos moldes habituais desse tipo de obras,

(recensão à edição de Gentili, cit., in The Classical Review, N. S., vol. IX, n.° 3,
December 1959, p. 237). Para pormenores de crítica textual, veja‑se a mencio-
nada edição de Gentili, ad locum, e pp. 179‑194, e ainda C. M. Bowra, Greek Lyric
Poetry, pp. 286‑287, n. 1.
1 Na recensão crítica à edição de Gentili, publicada na Revue des Études Grec-

ques, LXXIII, Janvier‑Juin 1960, pp. 273‑274. Consta dos escólios aos Fenómenos
de Arato, contidos na penúltima linha do fol. 43 r° do Scorialensis Σ. III. 3. É o
seguinte:

Ὅτι μὴ οἰνοπίων.

J. Martin supõe que se trata de um jogo de palavras sobre o nome Oinopion e


lembra os compostos οἰνοποτάζω (frg. 96 Diehl), οἰνοπότης (frg. 99 Diehl), οἰνοπότις
(frg. 162 Bergk).
2 Sobre estes veja‑se a interpretação de M. Treu, Von Homer zur Lyrik, pp. 287‑291.
202 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

como observou Wilamowitz 1 , reservando para o final um pequeno jogo


de palavras, tanto ao gosto do seu autor 2 .
Quanto ao frg. 2 Diehl, já vimos anteriormente as razões por que
não deve incluir‑se nesta categoria. O frg. 91 Diehl é endereçado a uma
deusa, como afirmou H. Fränkel 3 .
O pequeno dístico à memória de um amigo, contido no frg. 90 Diehl, não é
um epigrama, como Bergk supôs, imprimindo‑o entre as composições desse
tipo, com o número 114, mas um brinde, como demonstrou Wilamowitz4.
O frg. 75 Diehl parece pertencer igualmente a um brinde:

ἐγὼ δ’ ἔχων σκύπφον Ἐρξίωνι


τῶι λευκολόφωι μεστὸν ἐξέπινον.

Pelo que acabámos de ver se conclui que as ideias expressas na lírica


de Anacreonte não são muito variadas nem profundas 5 . Nem mesmo
quando o sentimento religioso poderia manifestar‑se com alguma gra-
vidade, o poeta deixa de insuflar um gracioso tom de ironia, conforme
sucede no frg. 1 Diehl. A nota mais constante é a do desejo do prazer,
embora moderado, com afastamento dos lados sombrios da vida, como
tão bem documenta o frg. 96 Diehl. O amor é a paixão dominante, que
se polariza em volta de figuras várias, com insistências e reincidências
contínuas (δηὖτε). Especialmente significativas são as metáforas que
ligam por forma ousada o vocabulário da embriaguez com o erótico,
como o μεθύων ἔρωτι do frg. 17 Diehl e ἔρωτα πίνων do 163 Bergk, confe-
rindo assim à frase um valor expressivo excepcional.

1 Sappho und Simonides, pp. 113‑114. Comparando este fragmento com o 2 Diehl,

Crusius afirma no seu artigo sobre Anacreonte in Pauly‑Wissowa, I, col. 2041:


«Der Arthemishymnus.... scheint religiös gehalten; aber schon in das Gebet an
Dionysos tritt ein erotisches Motiv ein».
2 Hermann Fränkel, «Eine Stileigenheit der frühgriechischen Literatur» in

Nachrichten von der Gesellschaft der Wissenschaften zu Göttingen, Phil.‑hist. Klasse,


1924, p. 84, n. 3 = Wege und Formen frühgriechischen Denkens, pp. 59‑60, n. 1, dis-
corda e propõe a emenda:

οὐ γὰρ ἀνημέρους ποιμαίνοις πολιήτας

com base no significado homérico de ποιμαίνειν. Mas a evolução semântica entre


os Poemas Homéricos e a lírica é considerável: lembremos somente o contraste
entre a psyche da Ilíada e a do frg. 4 Diehl de Anacreonte. Sobre a interpretação
do passo, veja‑se ainda C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 274 e n. 3.
3 Dichtung und Philosophie des frühen Griechentums, pp. 389 seqq. Contra: Weber, Anacreontea, p. 79.

4 Sappho und Simonides, p. 106.

5 Conforme observa M. Treu, Von Homer zur Lyrik, p. 287, o scholion a Ésquilo, Prom. V. 128

(ἠρέσθηι λίαν τοῖς μέλεσι τοῦ τραγικοῦ) deixa entrever outras possibilidades do seu espírito.
CAPÍTULO II
OS METROS

É sabido que Anacreonte empregou um grande número de metros,


e, embora ficasse conhecido sobretudo como lírico, e incluído no
respectivo cânon alexandrino, cultivou, também a poesia iâmbica e a
elegíaca. Desta última, restam quatro fragmentos (96, 97, 98 e 99 Diehl)
considerados autênticos. Dos iambos, Diehl apresenta dezanove, de que
uns nove devem pertencer a Anacreonte e encontrar‑se nesse metro. A
versificação trocaica abrange os fragmentos 88, 89, 90, 91, 93 e 94 Diehl.
Os demais metros empregados são os eólicos (em que avultam noto-
riamente o glicónico e o ferecrateu) e os iónicos. Estes últimos aparecem
puros, em tetrâmetros, trímetros ou dímetros, ou numa variedade típica
do poeta, que dele tomou o nome 1: o anacreôntico, a que os metricistas
preferem chamar dímetro iónico anaclómeno. Nesta espécie de metro
é que o poeta de Teos se tornou célebre, e foi essa medida, juntamente

1 A. M. Dale, The Lyric Metres of Greek Drama, p. 116, e W. R. Hardie, Res Metrica,

p. 172, admitem a possibilidade de ter sido Anacreonte o inventor desta medida.


Mas a verdade é que ela aparece já em Safo, nos frgs. 87 Diehl (= 134 Lobel‑Page)
e 144 Diehl (= 133 Lobel‑Page) referidos por Heféstion, 12.4 e 14.7, respecti-
vamente, como anaclómenos. B. Snell, Griechische Metrik, p. 21, cita estes dois
exemplos, e ainda o frg. 145 Diehl (= 20 incerti auctoris Lobel = 23 incertum utrius
auctoris fragmenta Lobel‑Page). Para o segundo, Gentili, Metrica Greca Arcaica, p.
121, evita a dificuldade com um metr. iam. + enopl. de 8 sílabas. Quanto ao frg.
133, Page, Sappho and Alcaeus, An Introduction to the Study of Ancient Lesbian Poetry,
p. 322, analisa‑o como anceps seguida de gl. + bacch.
É sabido que, muitas vezes, o nome de um metro é derivado do de um poeta
que viveu séculos depois de ele ter sido inventado, mas que o empregou com
grande frequência. É o caso, por exemplo do asclepiadeu.
Sobre a análise do ionicus a minore, veja‑se ainda o comentário de E. R. Dodds
a pp. 72‑73 da sua segunda edição das Bacantes de Eurípides (The Plays of Euri-
pides, Oxford, 1960).
204 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

com o dímetro iâmbico cataléctico (ou hemiambo) que os autores das


Anacreontea utilizaram com mais frequência 1 .
Os metros empregados por Anacreonte foram já estudados mais do
que uma vez. Mesmo pondo de parte os discutidos e ultrapassados tra-
balhos de Kikauka 2, dispomos ainda das observações de Wilamowitz 3, e,
mais recentemente, das de Gentili 4 , além das dos tratados sistemáticos
de versificação grega. Aqui vamos considerar apenas as relações entre
o metro empregado e o tema desenvolvido 5 , pelo que nos limitaremos
aos mais bem representados.
Os ritmos eólicos são usados sobretudo para a poesia erótica, quer
na combinação estrófica de glicónicos com ferecrateus, quer em ascle-
piadeus ou em dímetros coriâmbicos.
Exemplos de arranjos estróficos da primeira espécie são os frgs. 3,
4 e 5 Diehl. A estes podemos ainda acrescentar os frgs. 6 e 8 6 Diehl, de

1 Cf.
Koster, Traité de Métrique Grecque 2, p. 97. Sobre o emprego e vantagens dos
iónicos, veja‑se Wilamowitz, Isyllos von Epidauros, p. 131:
«Für Anakreon ist vor allem charakteristich, dass er nur aufsteigende loniker
hat.... Die glücklichste Vereinigung von Freiheit und Selbstbeschränkung, wie
es die Weise jonischer Kunst ist, macht Anakreon zum grössten Meister in der
Verskunst seines Stammes».
2 P. Kikauka, Περὶ τῶν Ἀλκαίου καὶ Σαπφοῦς καὶ Ἀνακρέοντος μέτρων in Acta Univer-

sitatis Latviensis, XVIII, 1928, pp. 3‑52, e «Mètres de la poésie grecque monodique»,
in Acta Universitatis Latviensis, Series Nova, II, 1, 1931, pp. 1‑192.
3 Isyllos von Epidauros, pp. 131‑135.

4 Metrica Greca Arcaica, pp. 155‑187.

5 Apesar das restrições de P. Maas, Griechische Metrik, p. 19, para a época arcaica.

Sobre este assunto, pode ver‑se o capítulo «L’Art d’Anacréon et son Expression
Rythmique», do estudo de Émile Martin, Essai sur tes Rythmes de la Chanson Grec-
que Antique, Paris, Klincksieck, 1953, que é por vezes sugestivo, mas nem sempre
convincente. De resto, o autor ainda se atém à antiquada escansão logaédica.
Desde Bergk, Anacreontis carminum reliquiae, 1834, pp. 28 seqq., que se aceitou
que a obra do poeta constava de cinco livros, divididos de acordo com o me-
tro, consoante a notícia de Suidas e o epigrama 9, 239, da Anthologia Palatina.
Refutaram este ponto de vista T. Kehrhahn, «Anacreontea», in Hermes, 1914,
pp. 481‑507 (que supõe seis) e Gentili, na sua edição, p. XXVIII (que pensa em
nove ou dez).
6 A escansão do primeiro verso tem sido bastante discutida.
Na verdade, o texto conservado:

ἐγώ τ’ ἂν οὔτ’ Ἀμαλθέης


˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅
é um dímetro iâmbico (como mede Gentili). Para regularizar o metro, Casaubon
emendou para

ἐγὼ δ’ οὔτ’ ἂν Ἀμαλθέης


̆ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ˘ ̅
1ª PARTE - CAPÍTULO II - OS METROS 205

que se conserva apenas uma estrofe, mas que, muito provavelmente,


eram também de inspiração erótica no resto do contexto.
Ainda neste grupo, podemos considerar o frg. 2 Diehl, que, como vimos,
participa ao mesmo tempo da poesia dedicatória, erótica e de symposion.
O frg. 1 Diehl mostra que um poema apenas dedicatório, de carácter cívico
e religioso, se podia exprimir também nas mesmas medidas.
O glicónico seguido de ferecrateu, ou seja, o priapeu, aparece no
frg. 69 Diehl, de timbre marcadamente erótico, o que está de acordo

que dava o desejado glicónio. Seguiu‑o Bergk, nos seus Poetae Lyrici Graeci. Diehl,
com base em Wilamowitz, Griechische Verskunst, p. 235, e Rupprecht in Bayerische
Blätter für das Gymnasial‑Schulwesen, 61, 1925, p. 50, regressam ao texto dos ma-
nuscritos. A emenda de Mehlhorn,

ἐγωγ’ οὔτ’ ἂν……………………

seguida por Koster, melhora o texto sob o ponto de vista métrico, bem como a
de Blass:

κἀγὼ δ’οὔτ’ ἂν……………………

A de Tyrwhitt

ἐγώ τ’ οὔτ’ ἂν……………………

não é estilisticamente recomendável. Gentili mantém o texto tradicional e como


Wilamowitz, op. cit., p. 236, n. 1, compara a métrica com a do verso 2 do frg. 16
Diehl, em que a um glicónico sucede um dímetro iâmbico.
O mesmo Wilamowitz, op. cit., p. 235 e n. 2, cita, para demonstrar a equiva-
lência entre esses dois metros, o v. 5 do frg. 2 Bergk (apoiado por dois paralelos,
M 282 e Arist. Nub. 279).

ὑψηλὰς ὀρέων κορυφάς


̅ ̅ ̅ ̆ ̅ ̆ ̆ ̅
protestando contra a emenda de Barnes, seguida por Bergk (e rejeitada por Diehl):

ὑψηλὰς κορυφάς ὀρέων


̅ ̅ ̅ ̆ ̆ ̅ ̆ ̅
É certo que a tradição manuscrita pode manter‑se neste caso, escandindo o
verso como um «wilamowitziano» (a que Gentili, Metrica Greca Arcaica, pp. 156 e
159, chama dímetro ou glicónico poli‑esquemático). B. Snell, Griechische Metrik,
p. 31, tem este passo como incerto, mas inclina‑se para aceitar a equivalência
entre o dímetro iâmbico e o glicónico em 8,1 e 16,2. Parece‑me, no entanto,
preferível, atendendo à regularidade do esquema estrófico dos glicónicos com
ferecrateus em Anacreonte, aceitar a emenda de Casaubon, seguida por Bergk
e Koster, que aponta o verso como exemplo de glicónico a p. 222 do seu Traité
de Métrique Grecque 2 . O estado do frg. 16 Diehl = 21 Bergk não permite que nos
apoiemos nele como exemplo (cf. Bergk appar. crit. ad locum, e Wilamowitz, Isyllos
von Epidauros, p. 133, n. 11).
206 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

com a origem deste ritmo, usado para celebrar o deus da fertilidade,


conforme sugere Koster 1 .
O longo asclepiadeu (hipercataléctico), a seguir a um glicónico, no
frg. 17 Diehl, ajuda a sugerir o movimento da pesada queda de um corpo
que se atira das alturas:

Ἀρθεὶς δηὖτ’ ἀπὸ Λευκάδος


̅ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ˘ ̅
πέτρης ἐς πολιὸν κῦμα κολυμβεῶ μεθύων ἔρωτι.
̅ ̅ ̅ ˘˘ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
Que os glicónicos podiam igualmente servir para os skoptika, pro-
vam‑no os três versos incompletos do frg. 11 Diehl.
No entanto, este tipo de poemas prefere o ritmo iâmbico — conforme
mandava uma tradição que já vinha de Arquíloco — ou o coriâmbico. É
o caso da violenta invectiva contra Ártemon (frg. 54 Diehl) 2 e dos novos
fragmentos do Papiro de Oxirinco 2321 ( = 60 e 65 Gentili) 3 .
Também a indignação do frg. 52 Diehl se exprime nesse ritmo.
Os tetrâmetros trocaicos contribuem, sem dúvida, para dar vida e
movimento à graciosa e maliciosa metáfora da poldra da Trácia, no

1 Traité de Métrique Grecque 2, p. 245.


2 «Choriamben wie die Anakreons auf Artemon sind von lamben kaum zu schei-

den, und sie bestehen aus Dimetern» (Wilamowitz, Griechische Verskunst, pp. 285‑286).
3 O primeiro oferece algumas dúvidas. Cf. as notas métricas, a p. 110 da edição

de Gentili. J. Irigoin, «Colon, vers et strophe dans la lyrique monodique grecque»


in Revue de Philologie, de Littérature et d’Histoire Ancienne, XXXI, 1957, pp. 234‑238,
analisa‑ o como dois dímetros coriâmbicos, seguidos de um trímetro coriâmbico
cataléctico. Parece, de facto, predominar o ritmo coriâmbico. A. M. Dale, «Greek
Metric 1936‑1957» in Lustrum, 2, 1957, p. 7, considera‑o uma modificação do
metro iónico.
Quanto ao frg. 45 Diehl, ºhesita‑se entre o iónico e o iâmbico. Heféstion dá‑o
como exemplo de tetrâmetro iónico braquicataléctico. Wilamowitz, Griechische
Verskunst, p. 230, classifica‑o, e com razão, como uma forma do dímetro coriâm-
bico (sendo o primeiro membro um dímetro iónico cataléctico e o segundo um
dímetro iâmbico, também cataléctico), embora o autor pudesse tê‑lo como iónico:

˘˘ ̅ ̅˘˘ ̅|˘ ̅˘ ̅|˘ ̅ ̅


Em Isyllos von Epidauros, p. 134, observa mesmo: «Auch hier zeigt sich die nahe
Verwandtschaft der loniker und lamben».
Koster, op. cit., p. 205, tem como predominante o ritmo iónico. Gentili, na
sua edição, p. 109, duvida, e propõe, como em Metrica Greca Arcaica, pp. 165‑166,
analisá‑lo em parteneio + dim. iamb. cat.
Nas mesmas condições está o frg. 46.
1ª PARTE - CAPÍTULO II - OS METROS 207

frg. 88 Diehl 1 . É, no entanto, no mesmo ritmo trepidante que, no frg.


90 Diehl, o poeta brinda à memória de Aristoclides, e que, no frg. 91
Diehl, se dirige a uma deusa, pedindo‑lhe que o escute 2 .
Os iónicos puros ou os anaclómenos, sem dúvida um dos metros fa-
voritos de Anacreonte, aparecem num grande número de fragmentos.
Excluindo deste grupo os que são tão curtos que não se lhes adivinha o contex-
to, ou até mesmo os que oferecem uma escansão pouco segura, temos ainda uma
γυνὴ λέγουσα no frg. 23 Diehl, um carme de assunto político no 25 e um grupo
de temas eróticos nos frgs. 26, 29 e 40. É muito provável que este tipo de canções
fosse especialmente usado nos banquetes, ao lado das que já vimos, em ritmos
eólicos. Seja como for, os frgs. 21, 32, 36, 39, 42 e talvez 483, todos em medida
iónica, parecem dever colocar‑se nesse ambiente festivo. E o 22, 27, 37, 41 e 43
revelam mesmo, no seu conteúdo, as circunstâncias para que foram compostos.
Ora, dentre estes, apenas dois são mais extensos, embora não completos: o 27
e o 43, ambos em dímetros iónicos4. O primeiro é exclusivamente anaclómeno:

Φέρ’ ὕδωρ, φέρ’ οἶνον, ὦ παῖ,


˘ ˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
φέρε <δ’> ἀνθεμόεντας ἡμίν
̆ ̆ ̅ ̆ ̅ ̆ ̅ ̅
στεφάνους, ἔνεικον, ὡς δή
̆ ̆ ̅ ̆ ̅ ̆ ̅ ̅
πρὸς Ἔρωτα πυκταλίζω.
̆ ̆ ̅ ̆ ̅ ̆ ̅ ̅
No segundo, alternam os puros com os anaclómenos:

ἄγε δή, φέρ’ ἡμίν, ὦ παῖ,


̆ ̆ ̅ ˘ ̅˘ ̅ ̅
κελέβην, ὅκως ἄμυστιν
˘ ˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
προπίω, τὰ μὲν δέκ’ ἐγχέας
˘ ˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
ὕδατος, τὰ πέντε δ’ οἴνου
˘˘ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅

1 Aristóteles, Rhet. III, 1409a, diz que parece correr: ἔστι γὰρ τροχερὸς ῥυθμὸς τὰ
τετράμετρα (referido por E. Martin, op. cit. pp. 307 e 316).
2 Que a κούρη é uma deusa, e não uma mortal, provam‑no os epítetos em-

pregados, conforme demonstrou H. Fränkel, Dichtung und Philosophie des frühen


Griechentums, pp. 389 seq.
3 Segundo Heféstion, seguido por Koster, p. 204. Mas cf. Gentili, na sua edição,

ad locum, e Metrica Greca Arcaica, pp. 166‑167.


4 Diehl e Snell escandem o primeiro em tetrâmetros iónicos. Bergk escreve‑o

em quatro dímetros (frg. 62).


208 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

κυάθους, ὡς ἀνυβρίστως
˘˘ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ̅
ἀνὰ δεῦτε βασσαρήσω.
˘˘ ̅˘ ̅ ˘ ̅ ̅
Os quatro primeiros versos têm anáclase, o quinto consta de dois
dímetros iónicos e o sexto é de novo anaclómeno.
Na segunda estrofe, temos:

ἄγε δηὖτε, μηκέt’ οὕτω


̆ ̆ ̅ ˘ ̅˘ ̅ ̅
πατάγωι τε κἀλαλητῶι
̆ ̆ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
Σκυθικὴν πόσιν παρ’ οἴνωι
̆ ̆ ̅ ˘ ̅ ˘ ̅ ̅
μελετῶμεν, ἀλλὰ καλοῖς
̆ ̆ ̅˘ ̅ ˘ ̅ ̅
ὑποπίνοντες ἐν ὕμνοις.
̆ ̆ ̅ ̅ ˘ ˘ ̅ ̅
Portanto, quatro versos anaclómenos e o último formado por um
dímetro iónico puro.
O metro, particularmente musical e elegante, parece ter sido em-
pregado de preferência nas canções sympotika. Alguns fragmentos cur-
tos mostram, contudo, que também podia usar‑se para versar temas
alheios ao grupo definido pelo já citado frg. 96 Diehl. No entanto, a
preponderância com que surge neste tipo de composições torna mais
compreensível a sua grande voga junto dos imitadores de Anacreonte:
para eles, estava ligado aos temas ligeiros que desenvolviam.
CAPÍTULO III

LINGUAGEM E ESTILO

A linguagem de Anacreonte foi já exaustivamente estudada por Weber,


na sua dissertação intitulada Anacreontea, Gottingae, 1892, depois de o ter
sido parcialmente por outros1. Começaremos, portanto, por resumir as suas
conclusões.
Encontram‑se no vocabulário do poeta termos épicos, especialmente
frequentes nos hinos κλητικοί (γουνοῦμαι, 1,1 D; ἐλαφηβόλος, 1, 1 D;
θρασυκάρδιος 1, 5 D; ἁλιπόρφυρος, 138 Bergk; πόλεμον δρακυόεντα, 96,
2 D, etc.). Outras palavras são de uso comum ao iónico e eólico, como
κελέβη (22 D; 43, 2 D); πηκτίς (69 D); outras ainda, de origem iónica,
como ἁβρῶς (69, 3 D); δίζημαι (4,2 D), πολιήτης (1,8 D). Acrescem ex-
pressões tiradas do uso cotidiano, no género de ἀβακίζω (65,3 D), βερ-
βέριον (54,1 D), μυθιήτης (25, 1 D), σινάμωρος (36 D ). Tais expressões
predominam, como é natural, no fragmento de ataque a Ártemon (54 D).
A um pequeno número de vocábulos atribui Weber origem estrangeira:
persa (ἀκινάκη, 136 Bergk), lídia (βάρβιτος 2 , 143 Bergk; μαγάδις 3 , 70,

1 Nomeadamente por C. B. Stark, Quaestionum Anacreonticarum Libri Duo,

Leipzig, 1846, Liber I, cap. I, § 3; Holly, Quaestiones Anacreonteae, Marburg, 1885,


pp. 25‑27; A. Fick, «Die Sprachform der altionischen und altattischen Lyrik» in
Beiträge zur Kunde der indogermanischen Sprachen herausgegeben von Dr. Adalbert
Bezzenberger, IX. Band, Göttingen, 1886, pp. 242‑272.
2 De origem duvidosa, possivelmente frigia, para J. B. Hofmann, Etymologisches

Wörterbuch des Griechischen, München, 1950, s. u., e Hjalmar Frisk, Griechisches


etymologisches Wörterbuch, Heidelberg, 1955, s. u.
3 Para Hofmann, apenas «kleinasiat. Fremdwort».
210 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

1 Diehl), trácia (βασσαρίς1 , 48 Diehl; σαῦλος 2 , 48 Diehl e 168 Bergk) ou


sícula (κότταβος 3 , λατάζω 4 (41 Diehl).
A morfologia e sintaxe foram igualmente estudadas por Weber, que
notou, a propósito desta última, a sua simplicidade 5 .
Sobre o estilo, depois de algumas observações de Weber6, as primeiras
de importância foram as de Wilamowitz, que nota a sua simplicidade,
clareza e verdade 7 , qualidades que partilha com Arquíloco e os Lésbios
e que contrastam com as do seu contemporâneo, e possivelmente com-
panheiro na corte de Polícrates de Samos, Íbico. Para o demonstrar,
analisa os frgs. 1, 2, 14 e 75 Bergk do poeta de Teos, e depois os frgs. 1
e 2 Bergk do de Régio. Tais qualidades, acrescenta, só voltarão a surgir
na comédia ática.
Seguidamente, o grande contributo para o estudo do estilo de Anacreonte
foi fornecido por Hermann Fränkel, no seu artigo «Eine Stileigenheit der
frühgriechischen Literatur», publicado nas Nachrichten von der Gesellschaft
der Wissenschaften zu Götingen, Philologisch‑historische Klasse, 1924, Heft
1, pp. 63‑103, e Heft 2, pp. 105‑127, e reproduzido mais tarde no livro Wege
und Formen frühgriechischen Denkens, München, 1955, pp. 40‑96 8; a estes
trabalhos devem ainda acrescentar‑se as pp. 378‑390 de outra obra sua,
Dichtung und Philosophie des frühen Griechentums, New York, 1951.
Hermann Fränkel refere‑se também à «fusão de realidade com poe-
sia», à frescura, à «maravilhosa finura e elegância de apresentação» 9 ,
mas não se restringe a estas generalidades.

Βασσάρα: «afro‑iberisches Wort», diz Hofmann, com base no léxico de Hesí-


1

quio. «Ohne Etymologie», declara, mais categoricamente, Frisk.


2 Hofmann atribui‑lhe uma raiz *bhesēu‑, de onde também ψῆν.

3 Hofmann propõe *qotṷ‑mbos. Frisk declara mais cautelosamente: «Da sich die

genaue und ursprüngliche Bedeutung von κότταβος nicht mehr ermitteln lässt,
schweben eigentlich alle Etymologien in der Luft.... Der Ursprung des Wortes
wäre im westlichen Mittelmeerraum zu suchen». No entanto, a proveniência do
jogo insinua a origem do nome:

Κότταβος ἐκ Σικελῆς ἐστι χθονός, ἐκπρεπὲς ἔργον,


(Crítias, Elegia I, 1 Bergk)

4 O verbo deriva de λάταξ (* λατακ‑), ao qual Hofmann encontra parentes indo‑europeus.

O latim latex, ‑icis, por sua vez, é que seria originário do grego da Sicília.
5 Especialmente a pp. 24‑25.

6 Op. cit., pp. 25‑30.

7 Sappho und Simonides, p. 121.

8 A segunda edição, de 1960, conserva a mesma paginação.

9 P. 84 do artigo das GN. Em Dichtung und Philosophie, p. 378, precisa ainda:

«Seine Gedichte sind zügig, frisch und beschwingt.»


1ª PARTE - CAPÍTULO III - LINGUAGEM E ESTILO 211

Assim, encontra, no frg. 3 D, «eine scharfe Gliederung der Rede nach


den metrischen Kola» e verifica que esta adaptação da frase à cadên-
cia da estrofe é frequente, e deve ter feito com que as composições de
Anacreonte fossem das mais cantáveis.
Nota ainda o agrupamento repetido de três membros, como no frg.
6 D: Ποσιδηϊών ‑ νεφέλαι — χειμῶνες — e nos frgs. 1, 2 e 5 D. Observa
também que, tal como Íbico, o poeta já ultrapassou o «estilo acumula-
tivo» (reihender Stil) 1 , a λέχις εἰρομένη que Aristóteles 2 aponta como
característica dos autores arcaicos.
Mais recentemente ainda, M. Treu, na sua tese Von Homer zur Lyrik,
München, 1955, consagra algumas páginas ao mesmo assunto. Verifica que
a Anacreonte interessam sobretudo as notações de ordem visual, como
λοξὸν ὄμμασι βλέπειν (88, 1 D ), διοσκεῖν (3, 3 D ), χάσκειν πρός τινα (5,
8 D) , παμφαλᾶν (160 B), παρθένιον βλέπων ( 4 , 1 D ) , κυανώπιδες (2,2
D ) , ou outros vocábulos referentes aos sentidos, como ἁβρῶς ἐρόεσσαν,
ψάλλω πηκτίδα (69, 2‑3 D), ῥαδινοί (40,2 D e 165 B), τερένων ἡμιόπων
(18, 2 D), ao andar e movimento, como σαῦλα βαίνων (168 B), σαῦλαι
βασσαρίδες (48 D), κοῦφα σκιρτῶσα (88 , 5 D), πτερύγεσσι κούφαις (52, 1
D), ou ainda a contrastes de cores, como em 89 D 3.
O estudo de B. A. Van Groningen, La Composition Littéraire Archaïque
Grecque, deuxième édition, Amsterdam, 1960, não se ocupa especialmente
de Anacreonte, como é natural, porquanto, por um lado, os fragmentos
com extensão suficiente para serem analisados segundo os métodos
propostos pelo autor são muito poucos; e, por outro lado, o processo de
composição do poeta de Teos ultrapassa frequentemente, como já vimos,
a prática arcaica. Esta mesma característica acabada de mencionar o
tornou de tão fácil imitação para a posteridade.
No seu estudo sobre Anacreonte, incluído em Greek Lyric Poetry, second
edition, Oxford, 1961, C. M. Bowra insiste na importância da escolha
das palavras para alcançar tão brilhantes efeitos.

De quantos fragmentos líricos seguramente autênticos chegaram até


nós, apenas oito excedem a reduzida meta de cinco versos seguidos:
1, 2, 5, 43, 54, 88 e (embora mutilados) os frgs. 1 e 4 do Oxy. Pap. 2321.
A estes poderíamos acrescentar fragmentos como o 3, 4, 6, 8, 27, 69,

1 «Eine Stileigenheit....», pp. 84‑86. Em Dichtung und Philosophie, p. 381, apre-

senta outros exemplos e lembra (nota 6) que Mimnermo, frg. 1,3, e Sólon, frg.
14,4, também usam os grupos de três membros.
2 Rhet. III, 1409 a 24.

3 Pp. 286‑295, especialmente 293‑295. Omitimos os exemplos extraídos de

fragmentos de autenticidade duvidosa.


212 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

96, que, pelo menos, formam uma frase completa, quanto à sintaxe e
quanto ao sentido.
Mais significativo ainda é observar que, de todos estes excertos,
apenas os frgs. 2 e 88 são geralmente considerados odes completas.
Também o frg. 5 pôde ser tido nessa conta, a despeito da prudente re-
serva de Wilamowitz 1 ; no frg. 1, supunha o mesmo helenista que nada
faltava 2 , mas não assim Bergk 3 , Kehrhahn 4 e Meyer. Com efeito, como
nota o primeiro, a frase fica em suspenso no final do carme. Os novos
fragmentos, mesmo os mais extensos, são mutilados e incompletos.
Sendo assim, as bases em que assentamos a nossa análise são
manifestamente insuficientes. Podemos, no entanto, tirar algumas
conclusões, e até mesmo, ocasionalmente, apoiar as nossas deduções
em fragmentos menores, dada a simplicidade e clareza dos processos
usados pelo poeta.
Cada substantivo é, em regra, imediatamente acompanhado de um
epíteto (δαμάλης Ἔρως, 2, 1; Νύμφαι κυανώπιδες, 2, 2; ξανθὴ παῖ Διός,
1, 2; θρασυκαρδίων ἀνδρῶν, 1, 5‑6; χρυσοκόμης Ἔρως, 5, 2; νήνι ποικι-
λοσαμβάλωι, 5, 3). Por vezes, há uma disjunção, como em ὑψηλὰς ὀρέων
κορυφάς (2, 5), ἀγρίων / δέσποιν’ Ἄρτεμι θηρῶν (1, 2‑3), σφαίρηι δεῦτέ
με πορφυρέηι (5, 1), e sobretudo,

Μεγάλωι δηὖτέ μ’ Ἔρως ἔκοψεν ὥστε χαλκεύς,


πελέκει, χειμερίηι δ’ ἔλουσεν ἐν χαράδρηι.
. .
do frg. 45, onde o adjectivo μεγάλωι deixa na espectativa o ouvinte
até ao começo do próximo verso, embora o sentido entretanto se vá
insinuando através do verbo ἔκοψεν e da comparação ὥστε χαλκεύς.
A segunda frase repete o processo exactamente, menos a comparação 5.

1 Sappho und Simonides, p. 116: «Auch da brauchen wir nicht mehr als wir haben,

wenn auch nicht geleugnet werden soll, dass der Dichter fortfahren konnte.»
2 Op. cit., pp. 113‑114.

3 P. L. G., III, p. 253.

4 «Anacreontea» in Hermes, 1914, pp. 481‑507. Para outras opiniões, vide C. M.

Bowra, Greek Lyric Poetry, pp. 273‑274.


5 Sobre a natureza das metáforas aqui utilizadas, vide C. M. Bowra, Greek

Lyric Poetry, pp. 290‑291, que compara a primeira com a situação em γ 442‑450
e a segunda com Teógnis 347‑348. Para Bowra, temos aqui um exemplo de uma
atitude característica do poeta:

«In his avoidance of anything which might savour of pomposity


and to keep his usual air of not making too much show of his feelings,
Anacreon uses familiar phrases.»
1ª PARTE - CAPÍTULO III - LINGUAGEM E ESTILO 213

Qualquer destas construções estava, aliás, na tradição poética.


Adjectivação dupla, e ainda com dois compostos, encontra‑se no
frg. 91 Diehl.
Mais típico é o agrupamento de três membros, de que falámos an-
teriormente, o qual se torna muito sensível, como já foi notado 1 nos
frgs. 1 e 2 (na tríplice invocação a Ártemis ἐλαφηβόλε, ξανθὴ παῖ Διóς,
ἀγρίων δέσποιν’ Ἄρτεμι θηρῶν e δαμάλης Ἔρως, καὶ Νύμφαι κυανώπιδες,
πορφυρέη τ’ Ἀφροδίτη), ou ainda no grupo de três figuras que inicia o
frg. 5 (σφαίρηι… πορφυρέηι. χρυσοκόμης Ἔρως. νήνι ποικιλοσαμβάλωι).
Uma repartição simétrica, não já dos motivos, mas das atitudes de
espírito, através das frases que as exprimem, é a que podemos observar
no frg. 88. Primeiro, uma invocação com a respectiva pergunta:

Πῶλε Θρηικίη, τί δή με λοξὸν ὄμμασι<ν> βλέπουσα


νηλεῶς φεύγεις; δοκέεις δέ μ’ οὐδὲν εἰδέναι σοφόν.

Segue‑se uma advertência, em que continua sempre a usar‑se o


mesmo símile da poldra da Trácia:

ἴσθι τοι, καλῶς μὲν ἄν τοι τὸν χαλινὸν ἐμβάλοιμι,


ἡνιάς δ’ ἔχων στρέφοιμί <σ’> ἀμφὶ τέρματα δρόμου·

Os dois últimos versos põem em contraste esta perspectiva com o


comportamento actual da jovem — sempre desenhada sob o disfarce da
metáfora — e fornecem a razão do mesmo:

Deve notar‑se que o passo de Teógnis oferece dificuldades: δὲ κύων foi emen-
dado para δὲ κακῶν por Ahrens, para δ’ ἀέκων por Heimsoeth, ἐγὼ κάνθων por
Herwerden, νέων por Hartel. O MS. g tem κιών na margem. Bergk, ad locum, pensa
numa fábula desconhecida, hipótese que Carrière (ad locum, p. 44, n. 1 e p. 107)
rejeita. Bowra, op. cit., p. 291, n. 1, supõe uma fonte comum na sabedoria popular
ou na fábula. Mas as χαράδραι são um elemento característico da paisagem grega,
desde a Ilíada, Δ, 452‑455, E 87‑88 e Π 389‑392 (consideradas dinamicamente) e
Álcman, frg. 58 Diehl (estaticamente apresentadas) até à descrição de Pausânias
(II.25.2: διαβάντων ποταμὸν χείμαρρον Χάραδρον καλούμενον). Note‑se sobretudo que
em Δ 452‑455 a adjectivação deve ter oferecido o modelo a Teógnis:

Ὡς δ’ ὅτε χείμαρροι ποταμοὶ κατ’ ὄρεσφι ῥέοντες


ἐς μισγάγκειαν συμβάλλετον ὄβριμον ὕδωρ
κρουνῶν ἐκ μεγάλων κοίλης ἔντοσθε χαράδρης,
τῶν δέ τε τηλόσε δοῦπον ἐν οὔρεσιν ἔκλυε ποιμήν·

Os versos 282‑283 do Canto XXI da Ilíada também apresentam uma imagem


algo semelhante a esta.
1 Por Hermann Fränkel, «Eine Stileingenheit....», p. 85.
214 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

νῦν δὲ λειμῶνάς τε βόσκεαι κοῦφά τε σκιρτῶσα παίζεις·


δεξιὸν γὰρ ἱπποπείρην οὐκ ἔχεις ἐπεμβάτην.

O frg. 5 também conta duas partes simetricamente repartidas, em


coincidência com os kola métricos. A primeira traça as premissas do
quadro, a segunda, as consequências. O contraste é sublinhado pelo jogo
das partículas, como muito bem notou Weber 1 : «Duo enuntiata sunt,
quorum alterum, quod antecedenti contrariam sententiam continet, per
δέ inchoatur, et per μέν‑δέ amplificatur, cuius primum colon duobus
enuntiatis bis interrumpitur (v. 5 ἐστὶν γὰρ ἀπ’ εὐκτίτου Λέσβου et v.
7 λευκὴ γάρ). Schema igitur est hoc: α a b β b 1 γ b 2 c.»
Quase simétrica igualmente a repartição dos dois dísticos elegíacos do
frg. 96, em que o primeiro é o negativo, o segundo o positivo do ideal de
Anacreonte. É fácil ainda observar a oposição entre os νείκεα καὶ πόλεμον
δακρυόεντα do v. 2 e Μουσέων τε καὶ ἀγλαὰ δῶρα Ἀφροδίτης do v. 3.
A mesma simetria podemos ainda notar no que resta de outra com-
posição, o frg. 69 Diehl:

Ἠρίστησα μὲν ἰτρίου λεπτοῦ μικρὸν ἀποκλάς,


οἴνου δ’ ἐξέπιον κάδον, νῦν δ’ ἁβρῶς ἐρόεσσαν
ψάλλω πηκτίδα, τῆι φίληι κωμάζων †παιδὶ ἁβρῆι.

em que o glicónico do segundo verso termina a primeira parte, des-


critiva de um passado recente, e o ferecrateu que o continua lhe opõe,
com um enérgico νῦν δέ, a actual ocupação do poeta.
O curto, mas expressivo, frg. 4 também conjuga admiravelmente o sentido
com a métrica, de onde lhe advém a impressão de elegância formal que se
desprende do todo. Um vocativo com seus atributos ocupa o primeiro verso
completo. O segundo opõe, na sua primeira metade, a atitude do poeta (δίζημαί
σε) à do ser amado, expressa na segunda (σὺ δ’οὐ κοεῖς)2. Nova bipartição no
verso seguinte, entre οὐκ εἰδώς, que continua o membro de frase anterior,
e o seu complemento, que, por sua vez, preencherá o ferecrateu do quarto
verso com as palavras mais importantes: a famosa metáfora ψυχῆς ἡνιοχεύεις.
Também no frg. 1 do Oxy. Pap. 2321 = 60 Gentili se pode apreciar,
apesar das muitas falhas no texto, uma idêntica oposição antitética,
nomeadamente entre a primeira e a segunda estrofes conservadas e o
resto do poema. De notar, aliás, que o contraste 3 entre a aparência de

1 Op. cit., p. 28.


2 Conjectura de Bergk.
3 Que Anacreonte apreciava estes contrastes, prova‑o o frg. 4 Diehl.
1ª PARTE - CAPÍTULO III - LINGUAGEM E ESTILO 215

Herotima, e a vigilância a que está submetida, e o seu real comporta-


mento deve principiar 1 a meio do v. 6:

ἀτιτάλλειν· σ[ὺ δὲ
ˉ˘ βόσκεαι
Uma oposição entre o passado e o presente da mesma figura é a que
vamos encontrar no frg. 54 Diehl, em que três grupos de três versos,
enumerando os antigos hábitos de Ártemon, contrabalançam os três
finais, introduzidos por νῦν δέ. Como não conhecemos a continuação do
fragmento, ignoramos se a simetria ia mais longe. Aliás, deve observar‑se
que a apresentação do sujeito da frase, no v. 5:

ὁ πονηρὸς Ἀρτέμων

quebra habilmente uma acumulação de particípios descritivos com seus


complementos, que poderia tornar‑se monótona 2 .
No frg. 1 temos uma série de invocações, que ocupam os três pri-
meiros versos, às quais se segue uma oração relativa, que estabelece a
transição dos atributos normais de Ártemis para os que, de momento,
permitem que se lhe dirija esta prece, e vai culminar, no v. 7, com o
particípio χαίρουσα, como que a marcar o bom augúrio que o facto re-
presenta; termina com a razão da preferência da deusa, baseada num
pequeno jogo de palavras, com elogiosas implicações políticas, como
observaram Wilamowitz 3 e Bowra 4 .
O frg. 2, sob vários pontos de vista semelhante a este, apresenta uma
composição um tanto diversa. O verbo próprio para a prece (γουνοῦμαι)
só aparece a cinco versos de distância do vocativo inicial, que, por sua

1 Para outras interpretações deste fragmento, vide supra, pp. 200‑201, n. 2.


2 Weber, op. cit., p. 29, analisa em pormenor o fragmento:

«Schema igitur est hoc: (A:) a b c d e (B:) α α b ………… a ex tribus colis per
καί inter se coniunctis compositum est, quorum primum et tertium apposi-
tione amplificata sunt; in d item tria sunt cola per μέν, δέ, δέ cohaerentia. Per
totum primum membrum participia tantum inueniuntur. Hominis nomen v.
5 prolatum (ὁ πονηρὸς ὁ Ἀρτέμων) v. 11 sic uariatur: πάις Κύκης.»

3 Sappho und Simonides, pp. 113‑114. Hermann Fränkel, «Eine Stileigenheit....»,

p. 84, n. 3, discorda. Cf. supra, pp. 201-202 n. 2. Já notámos a predilecção de Ana-


creonte por jogos de palavras, supra, p. 201, n. 1.
4 Greek Lyric Poetry, pp. 273‑274, que põe também em relevo o possível signi-

ficado do emprego de epítetos tradicionais gregos, como πότνια θηρῶν, ξανθὴ παῖ
Διός e ἐλαφηβόλε para a Ártemis asiática, em vez dos seus atributos selvagens,
em uso naquela região.
216 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

vez, é seguido da descrição do thiasos, sob a forma de uma oração relativa


e de uma aposição 1 . Os versos 6 a 8 contêm a parte genérica do pedido.
Conclui com a prece, feita a título particular, de exercer influência sobre
Cleobulo, para que este lhe corresponda 2 .
Um bom exemplo de dissimetria, para dar maior variedade, é o da
colocação do terceiro sujeito no frg. 6 Diehl:

Μεὶς μὲν δὴ Ποσιδηϊών


ἕστηκεν νεφέλαι δ’ ὕδ<ε>ι
<βρίθονται>, βαρὺ δ’ ἄγριοι
χειμῶνες παταγεῦσι.

A anáfora é um processo frequente em Anacreonte. Weber aponta


como exemplos certos o fragmento 3 de Cleobulo (3), ο 32 (χαρίεντα μὲν
γὰρ ἄιδω, χαρίεντα δ’οἶδα λέξαι), e o 27. No frg. 43, é difícil assegu-
rarmo‑nos do seu emprego, em face das dúvidas que impendem sobre
a composição a que pertenciam 4 . Mas o novo fragmento 4 do Pap. Oxy.
2321 = 65 Gentili utiliza‑o seguramente:

] φέροι μὲν οἶνον ἄγγε[ι.


¯˘ ] φέροι δ’ὕδω[ρ] πάφλ[αζον,
¯˘
Um particípio de valor causal, lançado no fim da frase, com o seu
complemento, dá uma notória expressividade ao frg. 17 e ao frg. 26
Diehl, que assim adquirem verdadeiro valor dramático 5 .

1 Weber, Anacreontea, p. 27, considera esta construção um bom exemplo de λέξις

εἰρομένη. Hermann Fränkel, «Eine Stileigenheit....», p. 85, entende que o é apenas


gramaticalmente, pois se explica pela influência do estilo arcaico do κλητικὸς ὕμνος.
2 Weber, Anacreontea, p. 27, adopta o seguinte esquema:

a α β a 1 b c d e.

3 Op. cit., p. 25. Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 284, ao analisar este fragmento,

sugere como fonte literária provável o frg. 70 Diehl de Arquíloco, mas nota que
aqui o poeta «improves upon this device and turns it from complaint to love.
It helps to lessen the impact of the forceful words ἐρέω and ἐπιμαίνομαι and the
climax is simply that Anacreon gazes on Cleobulus. He takes the situation as it
is, and is not too distressed that it ends in nothing but looks.»
4 Cf. pp. 37‑38 e n. 4 da p. 37.

5 Apesar das dúvidas de Hermann Fränkel, «Eine Stileigenheit...», p. 86, sobre

a seriedade desta afirmação.


CAPÍTULO IV
COMPARAÇAO COM AS «ANACREONTEA»

Alguns dos processos estilísticos mencionados no capítulo anterior


foram amplamente utilizados pelos autores das Anacreontea, em especial
o da anáfora, de que chegam a abusar 1 .

φέρε μοι κύπελλα θεσμῶν,


φέρε μοι νόμους κεράσσω,
(II, 3‑4)

Τί σοι θέλεις ποιήσω,


Τί σοι, λάλευ χελιδόν!
(X, 1‑2)

Θέλω, θέλω φιλῆσαι.


(XIII, 1)

πόθεν, πόθεν πέτασαι;


πόθεν μύρων τοσούτων
(XV, 2‑3)
Ἄγε, ζωγράφων ἄριστε,
γράφε, ζωγράφων ἄριστε,
(XVI, 1‑2)

Ἡδυμελὴς Ἀνακρέων,
ἡδυμελὴς δὲ Σαπφώ.
(XX, 1‑2)

1 Na citação das Anacreontea usaremos sempre os números da edição de Prei-

sendanz, Lipsiae, Teubner, 1912.


218 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Vejam‑se ainda, entre outras, IX, 2,3,9,19; XII, 12; XXIII, 1‑2; XXIX,
1‑3; XXXVIII, 7‑10; XXXIX, 1‑2; XLIV, 6‑9; XLV; e sobretudo, o exagero
da Anacreontea ΧΧΙ:

Ἡ γῆ μέλαινα πίνει,
πίνει δένδρεα δ’ αὐτήν.
πίνει θάλασσα δ’ αὔρας,
ὁ δ’ ἥλιος θάλασσαν,
τὸν δ’ ἥλιον σελήνη·
τί μοι μάχεσθ’, ἑταῖροι,
καὐτῶι θέλοντι πίνειν;

A estreita ligação entre as palavras e o metro, que vimos em composições


autênticas, desapareceu, porque a métrica já não era sentida, mas apenas
imitada.
Muitos dos temas versados pelo poeta de Teos são também desen-
volvidos pelos seus imitadores. Será instrutivo fazer a comparação
entre alguns originais e seus derivados, para podermos apreciar as
diferenças.
Algumas semelhanças temáticas 1 foram notadas por Gentili na sua
edição, e. g., entre o frg. 8 Diehl e a Anacreontea VIII, entre o frg. 5 Diehl,
v. 6 seqq., e a Anacreontea VII, e entre o frg. 82 Diehl e a Anacreontea XLVII.
O primeiro exemplo proclama a ausência de ambições do autor, ex-
pressa através de um paradigma mitológico (a cornucópia de Amalteia)
e outro suposto histórico (a longevidade do rei de Tartessos). O poeta da
Anacreontea VIII faz idênticas declarações nos quatro primeiros versos,
mas escolhe um exemplo histórico (Giges), a inveja e a tirania, para
compor o quadro negativo do seu ideal de vida. É precisamente essa
escolha que nos assegura que o modelo presente deve ter sido Arquíloco,
frg. 22 Diehl (facto, aliás, também lembrado por Gentili):

Οὔ μοι τὰ Γύγεω τοῦ πολυχρύσου μέλει


οὐδ’ εἷλέ πώ με ζῆλος οὐδ’ ἀγαίομαι
θεῶν ἔργα, μεγάλης δ’ οὐκ ἐρέω τυραννίδος·
ἀπόπροθεν γάρ ἐστιν ὀφθαλμῶν ἐμῶν.

1 As diferenças principais entre o autêntico Anacreonte e as Anacreontea fo-

ram estudadas sobretudo por C. B. Stark, Quaestionum Anacreonticarum Libri Duo,


Lipsiae, 1846, e Holly, Quaestiones Anacreonticae, Marburg, 1‑855; e resumidas por
Crusius, no seu artigo em Pauly‑Wissowa, col. 2044‑2046, e M. F. Galiano, «Los
Problemas de Autenticidad en la Literatura Griega» in Revista de la Universidad
de Madrid, cit., pp. 223‑226. Para as divergências métricas, veja‑se Koster, Traité
de Métrique Grecque 2, pp. 96‑97 e 202‑203.
1ª PARTE - CAPITULO IV - COMPARAÇAO COM AS «ANACREONTEA» 219

Não sabemos a continuação do texto de Arquíloco, mas é pouco pro-


vável que seguisse as mesmas linhas da Anacreontea VIII.
No segundo exemplo, apenas há de comum o desdém das mulheres
pelos seus cabelos, reveladores de uma idade avançada: por serem bran-
cos, diz o poema arcaico 1; por serem inexistentes, afirma a sua imitação.
O terceiro exemplo é um caso muito discutido, pois já não se trata
de influência ou semelhança, mas, pura e simplesmente, de repetição
de um dístico, quase pelas mesmas palavras.
Na verdade, os dois versos do frg. 82:

Ὁ μὲν θέλων μάχεσθαι —


πάρεστι γάρ — μαχέσθω.

encontram‑se enquadrados na Anacreontea XLVII, nos versos 8‑9:

Ἐγὼ γέρων μέν εἰμι,


νέων πλέον δὲ πίνω·
κἂν δεήσηι με χορεύειν,
Σειληνὸν ἐν μέσοισι
μιμούμενος χορεύσω
σκῆπτρον ἔχων τὸν ἀσκόν.
ὁ νάρθηξ δ’ οὐδέν ἐστιν.
ὁ μὲν θέλων μάχεσθαι,
παρέστω καὶ μαχέσθω.
ἐμοὶ κύπελλον, ὦ παῖ,
μελίχρουν οἶνον ἡδύν
ἐγκεράσας φόρησον.
ἐγὼ γέρων μέν εἰμι,
<νέων πλέον δὲ πίνω·>

O contexto fala de competição, na bebida e na dança, entre o autor


e os jovens, e, portanto, os dois versos não se encontram deslocados.
Citados por Heféstion, περὶ ἰαμβικοῦ V, 3, como exemplos de díme-
tros catalécticos, figuram igualmente num escólio a Aristófanes, Plut.
302; no gramático Plotius Sacerdos VI, 520,8; e (só a primeira linha) no

1 Edmonds, Lyra Graeca, vol. Ι, p. 437, n. 1, supõe que κάρη λευκόν se refere a

calvície, e não a cabelos brancos. Mas um exemplo homérico como

…… πολιόν τε κάρη πολιόν τε γένειον,

de Χ 74 (fórmula repetida em O 516) exclui qualquer dúvida.


220 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

anonymus metricus do Papiro de Oxirinco 220, col. X, 3 (possivelmente,


todos derivados do primeiro) 1 . Os versos eram, portanto, citados como
paradigma métrico.
Mas é precisamente pela sua estrutura rítmica que Holly 2 lhes nega a
autenticidade, afirmando que não há exemplos de dímetros iâmbicos ca-
talécticos seguidos3 antes de Herondas e lembrando ainda que Heféstion
introduz a citação com as palavras τὸ καλούμενον Ἀνακρεόντειον, ao passo
que, quando se refere aos versos autênticos, escreve παρὰ τῶι Ἀνακρέοντι
ou Ἀνακρέων συνέθηκεν4. Este ponto de vista é confirmado por Weber5 que
lembra que esse metro apenas figura no frg. 28 Diehl6, cuja autenticidade
nega por outros motivos ( emprego de μέλομαι e de βρύοντα μίτραις).

1 Holly, op. cit., pp. 15‑16, supõe a derivação para o escoliasta e Plócio a partir

de Heféstion.
2 Op. cit., pp. 15‑16, e cf. bibliografia aí referida.

3 Koster, Traité de Métrique Grecque 2, pp. 96‑97, encontra‑os, mas não cita senão

este fragmento.
4 Op. cit., p. 16, remetendo para Mehlhorn 13, e ainda p. 35. Em todos os frag-

mentos referidos por Heféstion, num total de vinte — e com tal conhecimento
das obras de Anacreonte que é por ele que sabemos, por exemplo, que γουνοῦμαί
σ’ἐλαφηβόλε era o primeiro da colectânea — se pode confirmar a distinção esta-
belecida, excepto três. São eles:

Σίμαλον εἶδον ἐν χορῶι πηκτίδ’ ἔχοντα καλήν.


(72)

que é imediatamente precedido das palavras ὅμοιον Ἀνακρεοντείωι τῶιδε (15, 22,
p. 55 C), e ainda:

ἐρέω τε δηὖτε κοὐκ ἐρέω


καὶ μαίνομαι κοὐ μαίνομαι.
(79)

ἔστε ξένοισι μειλίχοισ’ ἐοικότες,


στέγης <τε> μοῦνον καὶ πυρὸς κεχρημένοις.
(85)

que são apresentados como estando num metro οἷον τὰ Ἀνακρεόντεια ὅλα ἄισματα
γέγραπται (5,2, p. 16 C ).
Se o primeiro fragmento apenas foi mencionado por Heféstion, o segundo foi‑o
também pelo escoliasta a Aristófanes, Plut. 253 — que, aliás, refere só o segundo
verso — e o terceiro consta igualmente de Plutarco, Notit. adu. stoic. 20, p. 1068b,
que cita os dois versos, ao passo que o metricista antigo só transcreve um. No
entanto, o facto de Heféstion derivar um adjectivo do nome do poeta, chamando
ao dímetro τὸ καλούμενον Ἀνακρεόντειον (5, 3, 16 C.) apenas prova, como observa
Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 271, n. 2, que ele usou essa medida.
5 Op. cit., p. 12, n. 6.

6 Actualmente escande‑se de outro modo, em anaclómenos. O facto de o pri-

meiro verso estar incompleto possibilita, de resto, várias divisões.


1ª PARTE - CAPITULO IV - COMPARAÇAO COM AS «ANACREONTEA» 221

Na sua edição, Gentili afirma, no comentário ad locum, que a presença desta


citação no texto do Anonymus Oxy., «qui ex Anacreonte non ex cantiunculis
Anacreonteis quae dicuntur exempla sumit» prova que é genuína1.
Ora o Pap. Oxy. 220 é do final do séc. I A. D. portanto, ligeiramente
anterior a Heféstion e à mais antiga referência a uma Anacreontea re-
conhecida como tal 2 . Poderá, quando muito, fornecer‑nos um terminus
a quo 3 , e provar‑nos que a confusão já existia nessa época.
É possível ainda discernir reflexos das canções de Anacreonte em
muitas das Anacreontea. Reflexos por vezes fugidios, ideias afeiçoadas
noutro sentido, mas, em todo o caso, derivadas das do poeta arcaico.
Assim, por exemplo, o convite para trazer as taças e o vinho para
o symposion, expresso repetidamente nos frgs. 27 e 43 Diehl, ecoa em
Anacreont. II, XLVII, XLVIII. Mas o resto das composições diverge: a
Anacreont. II lembra os dísticos elegíacos do frg. 96 Diehl, no seu desejo
de postergar a gesta épica, em favor das canções de mesa. 4 Nada mais
elucidativo do que o contraste entre a naturalidade e frescura do poeta
antigo, que sugere os feitos guerreiros através de uma expressão homé-
rica ( πόλεμον δακρυόεντα) e o mais recente, que pede a lira de Homero
φονίης ἄνευ χορδῆς.
Não menos marcada é a antinomia entre o combate com Eros, dos
frgs. 5 e 27 Diehl, e ainda do Pap. Oxy. 2321, frg. 4 = 65 Gentili, e o da
Anacreontea XIII. Também nesta última se fala de uma provocação
(προὐκαλεῖτο), mas, em vez da bola purpúrea de Eros, temos toda a

1 Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 271, cita‑os como autênticos.


2 Em Aulo Gélio, XIX, 9.
3 Diversas são as opiniões acerca da repartição cronológica das Anacreontea.

Hanssen (apud Holly, op. cit.) divide‑as em três partes: a mais antiga, 1,4, 6‑15
(núcleo primitivo, conhecido por Aulo Gélio e os escoliastas de Aristófanes) e
16 a 21, talvez da época de Adriano (sendo 2,3 e 5 bizantinas); 22 a 35, do perí-
odo romano, e de um só autor; e 36 a 60, já com elementos bizantinos. Crusius
apresenta algumas variantes a este esquema, no seu artigo em Pauly‑Wissowa.
Sitzler (apud Galiano, cit.) considera um grupo mais antigo, talvez helenístico
(1‑20), outro intermédio (21‑34) e outro muito tardio (35‑60). Stark vai até ao
séc. X A. D. Bergk supõe a existência de duas colectâneas, uma com hemiambos,
outra em dímetros iónicos. Reunidas estas, acrescentaram‑lhes cantigas novas; e,
por último, os bizantinos adicionaram‑lhes outras semi‑bárbaras. Holly diverge
ligeiramente de Hanssen (tendo 1, 4, 6‑15 e 22‑28 como do séc. 1 a. C. ou A. D.;
16 a 20 como do tempo de Luciano; 22 a 35, da época romana; as restantes, mais
tardias, sendo 2, 3, 5, 37, 38, 42‑45, 54, 59 e 60 bizantinas, e 40, 41, 46, 48, 49, 50
e 58 as mais recentes). Alii alia....
De qualquer modo, teríamos, ou de recuar a data da Anacreontea XLVII para
a época romana, ou de supor, como Holly (p. 35), que o seu autor aproveitou a
citação de Heféstion.
4 Por sua vez, as Anacreont. XXIII e XLII são variantes desta.
222 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

precisão de contornos e amor do pormenor da arte alexandrina: τόξον


(5), χρυσείην φαρέτρην (6), καὶ δοῦρα καὶ βοείην (10), — e ainda o
simbolismo dos versos finais.
O motivo dos cabelos brancos, que figura no mesmo frg. 5 Diehl,
surge na Anacreont. LI, não já com o importante significado psicológico
que assume no desenrolar daquele pequeno drama, mas apenas para dar
lugar a uma amaneirada metáfora, que favoreça as pretensões do poeta:

ὅρα, κἀν στεφάνοισιν


ὅπως πρέπει τὰ λευκά
ῥόδοις κρίνα πλακέντα.

O novo fragmento de Esmérdias, que é o primeiro do Pap. Oxy. 2322 =


71 Gentili, é, como vimos anteriormente, de atribuição contestada.
Fosse qual fosse o seu autor, revela influências de Arquíloco 1 , como já
foi notado, na metáfora da cabeleira que ensombra o pescoço, e deve
ter dado origem, por sua vez, à hiperbólica imagem do começo da Ana-
creont. XVIIIb:

Παρὰ τὴν σκιὴν Βαθύλλου


καθίσω· καλὸν τὸ δένδρον,
ἁπαλὰς δ’ ἔσεισε χαίτας
μαλακωτάτωι κλαδίσκωι·

A semelhança vocabular com os frgs. 46 e 47 Diehl leva, aliás, a supor


que também estes estavam na mente do poeta.
De um modo geral, predominam nas Anacreontea dois ideais de vida que são
cantados e desenvolvidos até à saciedade: o amor senil e o gosto da embriaguez.
É, de resto, como um velho apaixonado e apreciador de vinho que
a Anacreontea I retrata Anacreonte, aquele poeta que a última peça da
colectânea e o autor do poemeto XX declaram querer imitar 2 .
O amor é frequentemente apresentado sob forma alegórica, em curtas
cenas em que Eros é o actor principal (VI, XIII, XIX, XXV, XXVIII, XXX,
XXXI, XXXIII, XXXV). O vinho é exaltado, sobretudo, como libertador

……………………………… ἡ δέ οἱ κόμη
1

ὤμους κατεσκίαζε καὶ μετάφρενα.


(Frg. 25 Diehl).
2 É de admitir que, dentro da própria colectânea das Anacreontea, os autores

mais recentes tenham imitado os mais antigos, como propôs Holly na segunda
parte da sua dissertação Quaestiones Anacreonteae; nomeadamente, que a ode XII
derive da IX e a XLIX da XLVIII.
1ª PARTE - CAPITULO IV - COMPARAÇAO COM AS «ANACREONTEA» 223

de cuidados (IX, XII, XVIIIa, XXI, XXXVIII, XLV, XLVIII, XLIX, L, LVI). O
tema da velhice e o desejo de gozar ainda a vida, sobretudo os prazeres
do amor, é também frequente (VII, XXXIX, XL, XLVII, LI, LII, LIII). Já
vimos com quanta moderação Anacreonte tratava o motivo da ebrietas
e como, por exemplo, o frg. 53 Diehl apenas afirma que, olhando para a
sua barba grisalha, Eros «voa ao largo, com o sopro das suas asas doura-
das». Quando as contrastamos com as poesias autênticas, as imitações
acusam uma divergência, no modo de desenvolver os temas, comparável
à que separa a pureza de linhas da arte iónica da deformação barroca
da época helenística.
(Página deixada propositadamente em branco)
2ª P A R TE
NOTÍCIA HISTÓRICA SOBRE O PROBLEMA DA
AUTENTICIDADE DO FRG. 44 DIEHL
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPITULO ÚNICO
NOTÍCIA HISTÓRICA DO PROBLEMA

O fragmento 44 Diehl = 43 Bergk de Anacreonte foi‑nos transmitido


unicamente por Estobeu 4, 51, 12, e parece estar completo. É composto
de doze versos iónicos, na maioria anaclómenos 1 .

Πολιοὶ μὲν ἡμὶν ἤδη


κρόταφοι κάρη τε λευκόν,
χαρίεσσα δ’ οὐκέτ’ ἥβη
πάρα, γηράλεοι δ’ ὀδόντες,
γλυκεροῦ δ’ οὐκέτι πολλὸς
βιότου χρόνος λέλειπται·

διὰ ταῦτ’ ἀνασταλύζω


θαμὰ Τάρταρον δεδοικώς·
Ἀίδεω γάρ ἐστι δεινὸς
μυχός, ἀργαλέη δ’ ἐς αὐτὸν
κάτοδος· καὶ γὰρ ἑτοῖμον
καταβάντι μὴ ἀναβῆναι.

Pela sua pureza rítmica, o fragmento é dado como exemplo de ana-


creônticos por diversos metricistas 2 .

1 Bergk, seguido por Crusius, imprimiu‑os como dois tetrâmetros, «ohne jeden
Schatten eines Grundes», como declara peremptoriamente Wilamowitz (Isyllos
von Epidauros, p, 131); «so falsch wie möglich», afirma T. Kehrhahn («Anacreon-
tea» in Hermes, 1914, p. 501), pois a unidade é de seis kola, como mostram os dois
iónicos puros do quinto verso.
2 Por exemplo, por Rupprecht, Einführung in die griechische Metrik, p. 51; Koster,

Traité de Métrique Grecque 2, pp. 201‑202 (que, aliás, supõe que são tetrâmetros, e
não dímetros); Gentili, La Metrica dei Greci, p. 21.
228 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Mas algumas vozes se têm levantado, que põem em dúvida a auten-


ticidade do pequeno poema.
A primeira foi a de G. Bernhardy, que, no seu Grundriss der griechischen
Literatur 1 , afirma:

«Ohne nähere lokale Bezeichnung redet Anakreon in erotischen Liedern von


seinem ergrauten oder greisen Haar, fr. 15. 23. 80. nebst den Nachweisungen
bei Bergk p. 200‑212. Sie zeigen wie gern man ihn unter der Figur eines Greises
dachte; doch ist auszuscheiden (wenn man auch die beiden ersten Verse für
älter halten möchte) fr. 41 das widrige Zerrbild eines völlig verwüsteten Greises,
dem vor dem Schauern des nahen Todes und der Unterwelt graut; selbst im
Stil verrät es nichts von der Anmut und lebendigen Frische dieses Mannes.
Über ein so ungünstiges Urteil verwundert sich noch Bergk, Lyr. p. 785.»

E mais adiante, na nota 8 da p. 617, de novo alude ao mesmo como


«das mönchische Fr. 41».
Bergk opôs‑se, com efeito, a esta doutrina, e, ainda na quarta edição dos Po-
etae Lyrici Graeci, onde o fragmento já tem o número 43, nota no aparato crítico:

«Miro iudicio Bernhardy Hist. Litt. Graec. II 500 et 503 (p. 614 ed. 2)
hoc carmen a monacho Anacreonti subditum esse censet.»

Muitos anos mais tarde, em 1924, Hermann Fränkel voltou a suspeitar


da autenticidade do fragmento, por razões de ordem estilística 2 :

«Das klapprige Fgr. 44 [43] mit dem greulichen διὰ ταῦτα möchte ich
dem Anakreon absprechen und zu den Anakreonteen stellen.»

Diehl refere esta opinião no seu aparato crítico, sem se pronunciar 3.


Em 1951, ao publicar Dichtung und Philosophie des frühen Griechentums,
H. Fränkel declarou, na nota 22 da p. 388, ter abandonado a sua hipó-
tese, convencido por Paul Maas. No entanto, observa, na mesma p. 388,
depois de considerar o poemeto como uma daquelas composições em
que os Gregos pensavam na morte para se incitarem ao gozo da vida e
da juventude:

1 Zweite Bearbeitung, Zweiter Teil: Geschichte der griechischen Poesie, Erste Ab-

teilung: Epos, Elegie, lamben, Metrik. Halle, 1856, p. 614, Anmerkung 6.


2 «Eine Stileigenheit der frühgriechischen Literatur» in Nachrichten von der

Gesellschaft der Wissenschaften zu Göttingen, Philologisch‑historische Klasse, 1924,


pp. 63‑103 e 105‑127. O passo referido consta da nota 4 da p. 85.
3 Ad locum.
2ª PARTE - CAPITULO ÚNICO - NOTÍCIA HISTÓRICA DO PROBLEMA 229

«Wehleidig und überdies banal, wirken diese Verse peinlich, auch wenn
man, um allen Möglichkeiten gerecht zu werden, eine Ironie des Dichters
in sie hineinliest, der sein Selbstmitleid selbst noch belächelt. Welch ein
Gegensatz sogar zu Mimnermos, der sich den Tod herbeiwünschte für den
Augenblick, wo ihn im Alter die beseligende Liebeskraft verlassen würde!»

Em consequência da mudança de opinião, o artigo das Göttinger Nachri-


chten, ao ser reimpresso em Wege und Formen des frühgriechischen Denkens, em
1955, excluiu da nota em que se encontrava a frase anteriormente transcrita1.
A mesma atitude se mantém na segunda edição desta obra, acabada de publicar2.
A impressão colhida por Hermann Fränkel no seu primeiro estudo tem
sido partilhada por outros especialistas da lírica grega arcaica, entre os
quais R. Pfeiffer 3, que observa que o excerto soa a anacreôntico e que o
torna um tanto suspeito o facto de ser o único exemplo de Anacreonte
citado na antologia de Estobeu 4, no capítulo sobre a morte; e nota ainda
a sua ausência de profundidade.
Até mesmo alguns comentadores italianos sugerem, por vezes, embora
indirectamente, a suspeita de inautenticidade E assim, se Zuretti5 por um lado,
dá razão a Bergk na sua crítica a Bernhardy, já B. Lavagnini6 escreve em nota:

«È uno dei frammenti originali più vicini per lo spirito alle Anacreontee».

Por sua vez, F. M. Pontani7 faz, entre outras considerações, as seguintes:

«Ecco questa poesia, ove la confessione della rovina fisica s’ apre


a sospiri di rimpianto (quant’ è bella giovinezza, quanto dolce la vita
sull’ orlo dell’ Ade) e conclude in un brivido e nei singhiozzi. L’ ombra
e il freddo dell’ aldilà sono ormai nelle carni e nel cuore; lo sguardo e
il canto si sbarrano nell’ evocazione dell’ineluttabile, senza che affïori

1 Agora n. 4 das pp. 60‑61.


2 C. H. Beck’sche Verlagsbuchhandlung, München, 1960, pp. 60‑61, nota 4.
3 Em aulas, na Universidade de Oxford.

4 Além deste, Estobeu apenas refere um fragmento de Anacreonte, no livro

4,21 (capítulo περὶ κάλλους) 24, p. 491 H. (46 Diehl), mas este é confirmado pelos
testemunhos concordantes de Ateneio, 12, 540 (que o parafraseia) e de Eliano,
V.H., 9.4, como veremos no final.
5 Anacreonte, Odi Scelte commentate da C. O. Zuretti. Collezione di Classici

Greci e Latini. Chiantore, Torino, 1944, p. 9.


6 Aglaia. Nuova Antologia della Lirica Greca da Callino a Bacchilide. Paravia, terza

edizione, p. 172.
7 Pleiadi. Frammenti di Lirica Greca. Convivium, Collana di Autori Greci e Latini,

Roma, Gismondi, [1952], p. 207.


230 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

neppure più (se la lirica è integra) il rifugio del carpe diem, il farmaco
dell’ attimo lieto strappato ancora alla rapacità della morte. Squallore e
terrore sono snelliti dal tono e dal ritmo di canzone, apparso cosi vicino
alle Anacreontiche da indurre dubbi, ma a torto, sull’ attribuzione di
questi versi. Anacreonte è quasi sempre uno stilista e uno stilizzatore
elegante. È un errore scambiare per freddezza e letteratura la sua pudica
misura formale.»

Também a A. Colonna 1 não passa despercebida a semelhança:

«Piccolo carme completo, in cui il tenue argomento della giovinezza


che fugge, cedendo il posto ai malanni della vecchiezza, è trattato con
una mestizia dolce e rassegnata, che si ritrova dapertutto nelle imitazioni
posteriori (poesie anacreontee).»

Temos, por conseguinte, uma pequena ode, que parece completa,


de tom e ideário suficientemente diferenciado do de Anacreonte, para
suscitar a alguns estudiosos dúvidas quanto à sua autenticidade.
Em seguida estudaremos o fragmento, considerando a natureza das
ideias nele expostas, em confronto com o que sabemos acerca do pen-
samento do poeta de Teos e dos seus antecessores e contemporâneos,
e analisando‑o sob o ponto de vista da linguagem e do estilo.

1 L’Antica Lirica Greca, Torino, Lattes, terza edizione, 1956, p. 179.


3ª P A R TE
FUNDAMENTAÇÃO DAS DÚVIDAS
SOBRE A AUTENTICIDADE
DO FRAGMENTO 44 DIEHL
(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO I
AS IDEIAS

0 autor do fragmento 44 Diehl começa por se descrever a si mesmo


como um velho, a quem pouco tempo resta de vida. Por isso suspira,
temendo o Tártaro medonho; terrível é a descida para o Hades, e de lá
não se pode regressar.
Há, portanto, nesta composição, um sentido de decadência e de
tristeza, que se vai acentuando, à medida que se acumulam as razões
de perder a esperança (διὰ ταῦτ’, 7; γάρ, 9; γάρ, 11). Em seguida, veremos
em que medida esta atitude de espírito se coaduna com o que sabemos
do poeta de Teos.

1 — Confronto com a ideologia de Anacreonte

Admitindo mesmo, com Bowra1, que este fragmento tivesse sido com-
posto durante a segunda estadia de Anacreonte em Atenas, e, portanto,
muito mais tarde do que o 89 Diehl:

εὖτέ μοι λευκαὶ μελαίνηισ’ ἀναμεμείξονται τρίχες.

resta‑nos ainda a dificuldade de o colocar ao lado do tom despreo-


cupado e ligeiro com que o poeta aborda o tema da velhice no frg. 5
Diehl, em que a donzela de Lesbos desdenha os seus cabelos brancos.
O frg. 53, apesar de muito incompleto, parece revelar uma atitude
conformada:

1 Greek Lyric Poetry, pp. 305‑306.


234 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

̆ ˘ ˘ ˘ – – ˘ < Ἔρως, ὅς> μ’ἐσιδὼν γένειον


ὑποπόλιον χρυσοφαέννων πτερύγων ἀήταις
παραπέτεται.

O único verso que constitui o frg. 91 Diehl é uma invocação à Musa 1


de um poeta já velho, mas que deseja ainda ser inspirado por ela.
É possível que o novo fragmento do Pap. Oxy. 2321, 11 + 3 = Gentili
62, se estivesse menos mutilado, ajudasse a elucidar esse passo, pois
nos versos 7‑9 se lê:

ἀλλ’ ἐρόεντα[
δῶρα πάρεστ[ι
Πιερίδων, β[

Os excertos conservados não mostram, por conseguinte, uma atitude tão


pessimista como a revelada pelo frg. 44 Diehl. Pelo contrário, o único que
lhe é comparável em extensão, o 5 Diehl, menciona de passagem a razão do
desprezo da jovem, para fazer incidir toda a atenção no motivo real do mesmo:

πρὸς δ’ἄλλην τινὰ χάσκει.

Uma poesia de momento, uma graça improvisada no banquete para


atingir a jovem tocadora que usa sandálias coloridas e é natural de Les-
bos, conforme conjecturou Wilamowitz 2 . Perpassa nela um ligeiro tom
de ironia, que é uma faceta característica do espírito de Anacreonte.
Finalmente, o frg. 42 chama pela morte como libertadora das penas,
que tudo leva a crer sejam de amor, como as do frg. 52 e 17:

ἀπό μοι θανεῖν γένοιτ’· οὐ γὰρ ἂν ἄλλη


λύσις ἐκ πόνων γένοιτ’ οὐδαμὰ τῶνδε.

Em qualquer destes três passos acabados de citar encontramos o mesmo


desespero amoroso, que procura uma solução extrema para o seu caso.
Nada das calculadas, premeditadas e solitárias reflexões do frg. 44 Diehl.
Os outros dois temas que podem distinguir‑se neste poemeto — o
do Hades e o da irreversibilidade da morte— não foram versados por
Anacreonte nos restantes fragmentos conhecidos.

Cf. supra, p. 202 e n. 3.


1

Sappho and Simonides, pp. 116‑117. Bowra, Greek Lyric Poetry, pp. 284‑286, segue
2

em parte esta interpretação.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 235

2 — Esboço da evolução das ideias contidas no frg. 44 Diehl

Em seguida consideraremos a evolução das noções dos Gregos sobre


os mesmos três assuntos, desde Homero à idade clássica. Não estamos
em presença de um pensador. E, portanto, o modo de encarar estes
problemas deve ter sido condicionado pelas ideias da época.

α) — A velhice

Nos Poemas Homéricos fala‑se mais do que uma vez sobre a velhi-
ce. Entre as figuras principais da Ilíada, há dois anciãos que gozam do
maior prestígio e respeito: Príamo e Nestor 1 . Já não combatem, porque
as suas poucas forças o não permitem, mas incitam os outros à luta.
Agamémnon maravilha‑se ante a energia com que Nestor exorta os seus
soldados. Este último lamenta não poder entrar na refrega e conclui
que guiar os seus homens com a voz é agora o seu papel 2 :

ἀλλὰ καὶ ὧς ἱππεῦσι μετέσσομαι ἠδὲ κελεύσω


βουλῆι καὶ μύθοισι· τὸ γὰρ γέρας ἐστὶ γερόντων.

Os velhos valem pela sua eloquência e conselho, como se acentua no


canto terceiro, ao descrever a reunião junto das Portas Ceias, na muralha
de Troia3, precisamente no momento em que vai principiar a τειχοσκοπία:

εἵατο δημογέροντες ἐπὶ Σκαιῆισι πύληισιν,


γήραϊ δὴ πολέμοιο πεπαυμένοι, ἀλλ’ ἀγορηταὶ
ἐσθλοί, τεττίγεσσιν ἐοικότες, οἵ τε καθ’ ὕλην
δενδρέωι ἐφεζόμενοι ὄπα λειριόεσσαν ἱεῖσιν·
τοῖοι ἄρα Τρώων ἡγήτορες ἧντ’ ἐπὶ πύργωι.
(Γ, 149‑153)

Justamente porque valem pelo conselho é que Agamémnon afirma,


na assembleia do Canto II 4 , que, se tivesse dez homens como Nestor,
lhe seria fácil conquistar Tróia.

1 Uma excelente caracterização destas duas figuras encontra‑se em C. M.


Bowra, Tradition and Design in the Iliad, Oxford, at the Clarendon Press, 1958, pp.
206‑207 e 210‑211.
2 Δ 322‑323. Cf. K 77‑79. Em Θ 99‑117, Diomedes salva Nestor de uma tentativa

bélica demasiado arriscada para os seus muitos anos.


3 Também em Σ 514‑515 os velhos estão a presenciar o combate, das muralhas.

4 369‑374.
236 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Na verdade, os jovens são volúveis, e os velhos, prudentes. É por isso


que, para selar o pacto que permitiria substituir a guerra por um duelo,
Menelau exige a presença de Príamo 1 .
Os mais novos devem ouvir os conselhos dos anciãos, diz Nestor no
Canto 1 2. De resto, a idade só por si merece respeito 3, como lembra Prí-
amo aos Troianos, quando anuncia o seu projecto de ir pedir a Aquiles
o cadáver de Heitor. O Pelida lamenta, por sua vez, não poder prestar
assistência ao seu velho pai 4 . Ele mesmo testemunha a sua considera-
ção para com Nestor, oferecendo‑lhe uma taça, apesar de o idoso rei
de Pilos não poder tomar parte nas competições desportivas em honra
de Pátroclo 5 , e trata afectuosamente Fénix, seu antigo preceptor, por
ἄττα γεραιέ, em Ι 607.
A idade e os seus sinais exteriores, juntos à triste sorte de Príamo,
despertam em Aquiles a compaixão, quando aquele vai pedir‑lhe a res-
tituição do corpo de Heitor:

αὐτίκ’ ἀπὸ θρόνου ὦρτο, γέροντα δὲ χειρὸς ἀνίστη


οἰκτείρων πολιόν τε κάρη πολιόν τε γένειον.
(Ω 515‑516)

Velhice lamentável é, de facto, a de Príamo, como se lembra mais de


uma vez na epopeia 6 . Nem se encara outra possibilidade neste poema
guerreiro. Mesmo fora do caso particular do rei de Troia ou de Peleu,
a senectude é qualificada de forma que não deixa dúvidas ao modo
como a encaram: λυγρόν7, χαλεπόν8, στυγερόν9, ὀλοόν10. O primeiro destes
adjectivos é frequentemente empregado, nos Poemas Homéricos, para

Γ 108‑110. Os imortais honram os anciãos, lê‑se em Ψ 788.


1

A 259. Cf. Ι 60‑62.


2

3 Χ 418‑420.

4 Ω 540‑542.

5 Ψ 643‑650. Aliás, a palavra γέρας («presente de honra», «recompensa»), usada

noutros passos (e.g., Δ 323), está etimologicamente relacionada com γέρων («velho»),
γῆρας («velhice») e γραῦς («velha»). Sobre a dificuldade de explicação da diferença
de quantidade entre a vogal tónica de γέρας e a de γῆρας e as hipóteses propostas
para a resolver, veja‑se H. Frisk, Griechisches etymologisches Wörterbuch, vol. I, 305.
6 Χ 59‑71, 74‑76.

7 K 79. Σ 434. Ψ 644.

8 Θ 103. Ψ 623.

9 T 336.

10 ὀλοῶι ἐπὶ γήραος οὐδῶι, Ω 487.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 237

qualificar a morte 1 . O terceiro também se usa para o mesmo efeito 2 ,


ou para referir a doença 3 . O último aparece em fórmulas relativas à
guerra 4 ou ao destino fatal 5 .
Muito do que acabámos de afirmar vale igualmente para a Odisseia.
Assim, por exemplo, a mesma veneração pelos velhos, pelo seu conselho
e saber, se evidencia a cada passo neste poema. De Nestor se afirma
novamente que é muito sábio 6 . Outro tanto se declara a propósito de
Haliterses 7 , que apenas não é respeitado por Eurímaco, porque este,
como os demais pretendentes, é insolente 8 . Porque, por exemplo, um
jovem bem educado, como Telémaco, tem vergonha, até, de interrogar
um ancião, como Nestor 9 . Na corte de Alcínoo, quando todos ficam
silenciosos, após a súplica de hospitalidade feita por Ulisses à rainha
Arete, é o mais velho dos conselheiros, que é também o mais eloquente,
o primeiro a pedir ao rei que se pronuncie 10; ao passo que, no Canto III,
Atena, disfarçada em Mentor, declara que é só por amizade que a equi-
pagem do barco que transportou Telémaco a Pilos obedece a um chefe
tão jovem, pois são todos da mesma idade 11. E, inversamente, Penélope
desculpa à ama de Ulisses que a tenha ido chamar no meio do sono, em
atenção aos muitos anos que conta:

………………… σὲ δὲ τοῦτό γε γῆρας ὀνήσει.


(ψ 24)
No poema há um velho infeliz, e de aspecto miserável, que é Laertes,
γήραι τειρόμενον12 ; dele cuida uma idosa siciliota 13. Mas, segundo o autor

1 λυγρὸν ὄλεθρον, γ 93. A velhice associada à morte surge em M 323. Ε 136 = η

257 = ψ 336. ε 218.


2 στυγεροὶ θάνατοι, μ 341.

3 νοῦσον τε στυγερήν, Ν 670.

4 ὀλοοῖο… πολέμοιο, Γ 133.

5 μοῖρ’ ὀλοή, Π 849.

6 γ 243‑246.

7 β 15‑16, 157‑159.

8 β 177‑193.

9 γ 24.

10 η 155‑157. Euricleia já tem poucas forças, mas é sensata e ponderada (τ

353‑356).
11 γ 363‑364.

12 ω 233.

13 α 188‑193; ω 211‑212. A descrição mais extensa figura em ω 226‑240.


238 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

do mesmo canto XXIV, Atena infunde‑lhe novo vigor, para ajudar Ulisses
a defender‑se dos partidários dos pretendentes que matara 1 .
Também o rei de Ítaca se apresenta alquebrado no seu palácio, dis-
farçado em mendigo 2 .
A maior diferença em relação à Ilíada, no que concerne ao tratamen-
to deste tema, é que na Odisseia, surge mais do que uma vez o ideal de
uma velhice feliz, rodeada de atenções de uma família respeitadora 3 .
E não é só no suspeito canto XXIV que ele se encontra, numa fórmula
que parece uma variante de Δ 323:

τοιούτωι δὲ ἔοικεν, ἐπεὶ λούσαιτο φάγοι τε,


εὑδέμεναι μαλακῶς· ἡ γὰρ δίκη ἐστὶ γερόντων.
(ω 254‑255)

Também na cena que Aristófanes de Bizâncio e Aristarco consideravam


a última da epopeia, quando Ulisses transmite a Penélope a profecia de Ti-
résias acerca do seu fim, esta acha agradável a perspectiva da longevidade:

“……………………………..θάνατος δέ μοι ἐξ ἁλὸς αὐτῶι


ἀβληχρὸς μάλα τοῖος ἐλεύσεται, ὅς κέ με πέφνηι
γήραι ὑπὸ λιπαρῶι ἀρημένον· ἀμφὶ δὲ λαοὶ
ὄλβιοι ἔσσονται. τὰ δέ μοι φάτο πάντα τελεῖσθαι.”
τὸν δ’ αὖτε προσέειπε περίφρων Πηνελόπεια·
“εἰ μὲν δὴ γῆράς γε θεοὶ τελέουσιν ἄρειον,
ἐλπωρή τοι ἔπειτα κακῶν ὑπάλυξιν ἔσεσθαι.”
(ψ 281‑287)

Da fala de Ulisses, quatro versos repetem, salvo no final, as palavras


de Tirésias em λ 134‑137. Mas um quadro de felicidade idêntico, do
homem que envelhece calmamente no meio dos seus, encontra‑se em
α 217‑218, em δ 207‑211 e ainda em τ 367‑368:

ὅσσα σὺ τῶι ἐδίδους ἀρώμενος, εἷος ἵκοιο


γῆράς τε λιπαρὸν θρέψαιό τε φαίδιμον υἱόν·

ω 520.
1

σ 10, 52‑53. τ 360, etc.


2

3 Esta distinção foi já apontada por Wolfgang Schadewaldt, «Lebenszeit und Grei-

senalter im frühen Griechentum» in Die Antike, Berlin, vol. 9, 1933, pp. 282‑302, espe-
cialmente p. 288. O mesmo autor observa ainda que, tanto na Ilíada como na Odisseia,
falta «jede Spur davon, dass der Dichter uns das Grauen vor dem kommenden Alter
empfinden liesse» (p. 288).
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 239

Digna de nota é também a adjectivação que agora cabe à palavra


γῆρας, que igualmente figura, como já vimos, em λ 136 = ψ 283, ou ainda
com a variante λιπαρῶς γηρασκέμεν (δ 210).
Uma velhice aprazível é a que Ulisses prepara através dos seus longos
sofrimentos. É a perspectiva que se oferece ao herói insistentemente
qualificado de πολύτλας. Semelhante ideal de vida estava vedado aos
protagonistas da Ilíada. Mas não é essa, certamente, a única razão justi-
ficativa da mudança no modo de considerar a senectude, pois esta corre
paralelamente às demais linhas evolutivas que postulam um desnível
cronológico de meio século entre os dois poemas.

O texto de Hesíodo refere‑se mais do que uma vez à idade avançada,


mas em termos que não divergem dos homéricos. Pode deparar‑se‑nos
mesmo numa interpolação como τ 360 = Erga 93, ou numa fórmula idên-
tica (γῆράς τ’οὐλόμενον Th. 225; κακῶι ἐπὶ γήραος οὐδῶι Erga 331 1 ; ὀλοὸν…
γῆρας Th. 604).
Os imortais são ἀθάνατοι καὶ ἀγήρωι 2 .
O mito das cinco idades diz‑nos algo sobre a maneira de encarar
esta época da vida. Um dos grandes privilégios da raça de ouro era que

………………………………………….. οὐδέ τι δειλόν


γῆρας ἐπῆν ……………………………………………….
(Erga, 113‑114)

E a raça de prata, que ainda gozava de algumas vantagens, vivia


cem anos em estado infantil, em casa, junto de suas mães. Mas, quando
atingiam o termo da juventude, duravam muito pouco, devido à sua
loucura 3 .
A Teogonia inclui γῆράς τ’οὐλόμενον entre os males gerados pela Noi-
te 4 . Mas, por outro lado, caracteriza favoravelmente a velhice, quando
apresenta a razão de Pontos receber o cognome de γέρων:

οὕνεκα νημερτής τε καὶ ἤπιος, οὐδὲ θεμιστέων


λήθεται, ἀλλὰ δίκαια καὶ ἤπια δήνεα οἶδεν·
(Th., 235‑236)

1 Cf. ἐπὶ γήραος οὐδῶι Χ 60, ο 348. Ὀλοῶι ἐπὶ γήραος οὐδῶ Ω 487. Γήραος
οὐδόν ο 246, ψ 212.
2 Th. 277. Cf. ainda Th. 305 e a fórmula homérica citada na nº 1 da p. 237.

3 Erga, 130‑134.

4 V. 225.
240 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Os versos 185‑188 e 331‑332 de Erga supõem o respeito por essa idade


da vida, como sentimento normal, e 376‑379 do mesmo poema deixam
antever o mesmo ideal de feliz longevidade da Odisseia. O frg. 220 Rzach
opõe de uma maneira incisiva as três idades:

Ἔργα νέων, βουλαὶ δὲ μέσων, εὐχαὶ δὲ γερόντων

Deste modo, podemos concluir que o pensamento de Hesíodo, neste


ponto, não é mais do que uma variante do dos Poemas Homéricos.

Talvez deva datar‑se de 700 a. C. 1 um dos Hinos Homéricos, o quinto,


que, não tendo embora grande valor literário, é interessante por nos
dar a conhecer, pela primeira vez, um dos mais significativos mitos da
antiguidade: o destino de Titono, para quem Eos conseguira a imortali-
dade, mas se esquecera de pedir também a juventude eterna. Afrodite,
que conta a história, não deseja que suceda o mesmo a Anquises, porque:

νῦν δέ σε μὲν τάχα γῆρας ὁμοίιον ἀμφικαλύψει


νηλειές, τό τ’ ἔπειτα παρίσταται ἀνθρώποισιν,
οὐλόμενον καματηρόν, ὅ τε στυγέουσι θεοί περ.
(244‑246)

A lenda não aparece em Homero 2, mas surgirá de novo em Safo e em


Mimnermo, como veremos adiante.
A eterna juventude estava ligada à imortalidade, como já tivemos
ocasião de verificar, através da fórmula homérica ἀθάνατος καὶ ἀγήρως,
que aparece, por exemplo, em Μ 323; ε 136 = η 257 = ψ 336; ε 218; e vai
reflectir‑se em Hesíodo, Th. 277 e 949 e nos Hinos Homéricos (II. 242, 260;
III. 151; V. 214).
No mesmo Hino a Afrodite, a velhice recebe os epítetos tradicionais
de ὀλοιόν (224) e de στυγερόν (233), νηλειές (245), οὐλόμενον καματηρόν, ὅ

Vide The Homeric Hymns edited by T. W. Allen, W. R. Halliday and E. E. Sikes,


1

second edition, Oxford, at the Clarendon Press, 1936, pp. 350‑351.


2 Conforme observam Allen‑Halliday‑Sikes, op. cit., p. 366. O mito foi depois

aproveitado para dissertar sobre o tema por um filósofo estóico, Aríston de


Quios, ou pelo peripatético Aríston de Ceos (o texto de Cícero, De Senectute, 3,
que o cita, não é seguro. Cf. Cicéron, Caton l’ Ancien, Texte établi et traduit par
P. Wuilleumier, Paris, Les Belles Lettres, 1955, notas ad locum e notice, pp. 54‑60).
O mito da longevidade da Sibila de Cumas, que também se esquecera de pedir
a Apolo o dom da juventude continuada, segundo Ovídio, Met., XIV, 130‑153, é,
afinal, um desenvolvimento diverso da mesma ideia básica.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 241

τε στυγέουσι θεοί περ (246). Em 228‑229, dão‑se como sinais do peso dos
anos o tom grisalho do cabelo e da barba:

αὐτὰρ ἐπεὶ πρῶται πολιαὶ κατέχυντο ἔθειραι


καλῆς ἐκ κεφαλῆς εὐηγενέος τε γενείου,

e, mais adiante, no verso 234:

οὐδέ τι κινῆσαι μελέων δύνατ’ οὐδ’ ἀναεῖραι,

Os três tópicos têm clara ascendência homérica, como aliás qua-


se todos os que se encontram nos Hinos. Basta lembrar Ψ 627‑628
e Ω 516.
Outro tanto podemos afirmar quanto ao pedido, feito por Anquises
a Afrodite, em V, 105‑106, de lhe conceder atingir uma idade avançada,
cheio de consideração e de prosperidade.

Em Arquíloco, é provável que a velhice servisse de assunto à sua


mordacidade. Os frgs. 113 e 114 Diehl (= 235 Lasserre‑Bonnard = 80
Adrados), que Elmsley reuniu num só, criticam o murchar da pele, sob
a garra de κακοῦ γήραος.
Quanto ao frg. 50 Diehl, já Hiller 1 afirmou que não deve ser autên-
tico, e, como observa Bonnard 2 , lembra, pelo estilo e pela métrica, um
poeta da comédia nova. É de crer, no entanto, que a obra de Arquíloco
contivesse objurgatórias nesse tom.

Outro iambógrafo, Semónides de Amorgo, num fragmento repassado


de pessimismo (1 Diehl), em que se põe em foco a inanidade do esforço
humano perante a omnipotência de Zeus, conta γῆρας ἄζηλον entre os
tristes fins que aguardam o homem, ao lado da doença, da guerra, dos
naufrágios e dos suicídios.
Muito mais interessante ainda, para o nosso ponto de vista, é o frg.
29 Diehl. A autoria deste texto tem sido contestada, desde que Bergk,
pela primeira vez, conjecturou que ele fosse do escritor da «Sátira
contra as Mulheres». Tem a seu favor, no entanto, Wilamowitz, Sybel,
Pomtow, Kern 3, e, mais recentemente, Lesky 4. Não nos propomos discu-

1 Apud Diehl 3, app. crit. ad locum.


2 Na edição Budé de Arquíloco, ad locum.
3 Cf. Diehl 3 , app. crit. ad locum.

4 Geschichte der griechischen Literatur, A. Francke Verlag, Bern, p. 108.


242 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

tir o problema, porquanto é alheio ao nosso propósito, e, de qualquer


modo, ainda que fosse de Simónides de Ceos, como reza o passo de
Estobeu, 4,34, 28, que no‑lo transmitiu, permaneceria dentro dos limi-
tes cronológicos que nos importam. De resto, a semelhança ideológica
com o fragmento citado anteriormente é, sem dúvida, favorável à sua
inclusão no magro legado poético de Semónides.
Trata‑se de um grupo de dísticos elegíacos (talvez mesmo de uma
elegia completa), que desenvolve o famoso verso do Canto VI da Ilíada 1,
pronunciado durante o recontro de Glauco e Diomedes:

οἵη περ φύλλων γενεή, τοίη δὲ καὶ ἀνδρῶν

o mesmo que servirá de mote ao frg. 2 Diehl de Mimnermo 2 .


Os homens, continua, não se lembram de que hão‑de envelhecer e
morrer, que a juventude e a vida são breves. O conhecimento desse facto
deve levar‑nos a gozar os prazeres até ao fim.

Em Mimnermo, o mesmo tema aparece‑nos revestido do esplendor


de belas metáforas poéticas, e, além disso, com algumas ideias pessoais.
As Keres agora não são somente as da morte, como nota Adrados na
sua edição 3 , mas sim

ἡ μὲν ἔχουσα τέλος γήραος ἀργαλέου,


ἡ δ’ ἑτέρη θανάτοιο………………………….
(frg. 2 Diehl,vv. 6‑7)

É provável que, tal como em Χ 210‑213, se opunham na balança de


Zeus as δύο Κῆρε τανηλεγέος θανάτοιο de Aquiles e de Heitor, e em Θ 70‑74
sucedia o mesmo com a dos Troianos e a dos Aqueus, e em Ι 411 Aqui-
les falava do duplo caminho (διχθαδίας κῆρας) que o esperava — perecer
glorioso em Ílion ou morrer velho, mas obscuro, na sua pátria — do

1 V. 146. A este propósito, observa Schadewaldt, «Lebenszeit und Greisenal-

ter....», cit., p. 294, que esta composição é «für uns besonders merkwürdig, weil
sie alte homerische Motive aufgreift und seltsam in die neue Lebensstimmung,
jetzt die Stimmung gleichgültiger Entsagung, verwandelt.»
2 As duas composições foram comparadas, entre outros, por C. M. Bowra,

Early Greek Elegists 2 , pp. 22‑24, que aventa a hipótese de Semónides ter escrito
o seu poema depois do de Mimnermo. Aquele, diz, retira a parca consolação da
juventude para a substituir por um completo nihilismo, em que as únicas coisas
agradáveis parecem ser esperanças destinadas a falhar.
3 P. 219, n. 4.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 243

mesmo modo aqui o poeta se refira a duas Keres como alternativas,


ambas desagradáveis 1 .
Em Mimnermo os dois males estão, portanto, equiparados. Os versos
seguintes ainda vão mais longe:

Αὐτὰρ ἐπὴν δὴ τοῦτο τέλος παραμείψεται ὥρης,


αὐτίκα δὴ τεθνάναι βέλτιον ἢ βίοτος·
(Vv. 9‑10)

E logo surge a enumeração dos flagelos que a acompanham: a pobreza,


a carência de filhos, as doenças incuráveis.
O frg. 4 Diehl confirma amplamente o dístico acabado de citar, atra-
vés de um exemplo mítico:

Τιθωνῶι μὲν ἔδωκεν ἔχειν κακὸν ἄφθιτον <ὁ> Ζεύς


γῆρας, ὃ καὶ θανάτου ῥίγιον ἀργαλέου.

O frg. 6 marca o limite ideal da vida: sessenta anos.


O frg. 5 insiste ainda sobre os inconvenientes de ἀργαλ έον καὶ
ἄμορφον/γῆρας 2 , que torna o homem irreconhecível e lhe debilita os
olhos e o espírito.
O frg. 3 vai ao ponto de negar honra e afecto ao pai idoso (contra-
riamente à tradição homérica).

Bem diferente era a atitude dos Espartanos, pelo menos tal como no‑la
revela Tirteu, ao afirmar que o antigo combatente é honrado mais do
que todos, mesmo depois de avançado em anos 3 , e ao incitar os jovens
a que não se submetam ao opróbrio de consentir que os velhos caiam
no campo da batalha, comprazendo‑se numa pormenorização dramática
do quadro, que tem as suas raízes literárias na Ilíada 4 . É de notar que
igualmente se descreve o guerreiro idoso à maneira homérica, como

ἤδη λευκὸν ἔχοντα κάρη πολιόν τε γένειον


(23)

1 Diferente é o caso de M 326‑327, onde são μυρίαι.


2 Vv. 2‑3.
3 Frg. 9 Diehl, vv. 39‑42. Sobre o respeito dos Lacedemónios pelos anciãos,

dá‑nos um testemunho tardio Cícero, De Senectute, 63‑64.


4 X 71‑76. O frg. é o 6.7 Diehl, vv. 21‑28.
244 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

No frg. 14 Diehl, Sólon também fala de κακὸν γῆρας 1 , como estava


na tradição. Mas o legislador de Atenas era um homem que gostava
de examinar por si mesmo os problemas da vida e reflectir sobre eles,
para emitir uma opinião pessoal, exactamente como no‑lo apresenta o
famoso episódio narrado por Heródoto 2, que, se é historicamente falso,é
psicologicamente certo. E assim, no frg. 19, analisa as idades da vida,
assinalando, como já foi notado 3 , o progresso intelectual trazido pelo
volver dos anos. O princípio do frg. 22 contém o que se supõe ser, desde
Diógenes Laércio 4 , a resposta aos versos de Mimnermo acima citados:

ὀγδωκονταέτη μοῖρα κίχοι θανάτου.

Este desejo, só por si, esclareceria para nós o pensamento do autor


acerca das vantagens da velhice. Mas um outro verso, que nos foi trans-
mitido por diversas fontes, e que deve pertencer ao mesmo contexto,
explica claramente a razão 5 :

γηράσκω δ’αἰεὶ πολλὰ διδασκόμενος.

Também Xenófanes, no frg. 7 Diehl, invoca os anos para apoiar a


sua autoridade:

εἴπερ ἐγὼ περὶ τῶνδ’ οἶδα λέγειν ἐτύμως.

E no frg. 8 refere‑se a alguém cuja debilidade é superior à de um velho.

Se considerarmos agora o mais tardio dos grandes elegíacos, Teóg-


nis de Mégara, verificamos que há um retrocesso na atitude perante

V. 10.
1

Livro I, cap. 30‑33. A discussão acerca da historicidade da entrevista com


2

Creso pode ler‑se em W. W. How and J. Wells, A Commentary on Herodotus, Oxford,


at the Clarendon Press, 1950, vol. I, pp. 66‑67.
3 Cf. nota 1 da p. 197 da edição de Adrados. A autenticidade deste curioso

fragmento, negada por Porson e Usener, é o tema central do já citado artigo de


W. Schadewaldt, «Lebenszeit und Greisenalter im frühen Griechentum». Com
razão duvida da influência do culto de Apolo Délio e lhe encontra as fontes na
medicina popular e em Hesíodo; pois nada tem de ingénuo, antes é fruto de uma
profunda experiência (pp. 300‑302). Sobre este assunto, veja‑se ainda C. M. Bowra,
Early Greek Elegists 2 pp. 75‑76 e 100‑102.
4 I. 60.

5 Como diz Schadewaldt, «Lebenszeit und Greisenalter...», cit., p. 302, é «der

frühe Vorbote einer wieder neuen Lebensgesinnung». Note‑se que o mesmo


pensamento aparecerá expresso de forma diferente em Ésquilo, Agamémnon, 584.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 245

a idade. O horror à velhice, transparece através de muitos dos seus


dísticos, e alguns mesmo, como os 567‑570, «Mimnermum sapiunt»,
conforme declara Diehl no seu aparato crítico. A velhice e as febres
são tomadas como termos de comparação, para definir o horror que é
a pobreza (173‑174), a qual é ainda pior que a morte (181‑182). Aparece
associada a esta última em 768 (num passo, aliás, datável de c. 480 a. C.,
pois que fala do assalto dos Medos) e oposta a esta, como flagelo pior,
em 1069‑1070. A velhice deve ser honrada (271‑278; 821‑822; e 937‑938,
onde é manifesto o modelo de Tirteu).
O dístico 527‑528 põe em evidência o sentimento de desespero pelo
volver dos anos 1 ,

Ὤ μοι ἐγὼν ἥβης καὶ γήραος οὐλομένοιο,


τοῦ μὲν ἐπερχομένου, τῆς δ’ ἀπονισσομένης.

A mesma noção é amplificada em 1129‑1132.


Regressa à adjectivação já conhecida: πολιόν (174), οὐλόμενον (272,
527, 768, 1012), οὐλόμενον καὶ ἄμορφον (1021) 2 , ἀργαλέον (1132).
Não surpreende, aliás, que, nesta colectânea, que parece ser de muitas
mãos, e na qual prevalece uma concepção utilitarista da vida, se reúnam
para qualificar a velhice e exaltar a juventude todos os lugares‑comuns
até aí acumulados.

Os líricos desenvolvem por vezes os mesmos assuntos dos elegíacos,


como é sabido, pois a distinção entre os dois géneros era muito mais
formal do que temática.
E assim, é fácil concluir, mesmo através de um rápido exame aos
fragmentos conservados, que a antinomia juventude‑velhice também
os preocupou.
Em Álcman, o frg. 94 Diehl parte de um facto prosaico, embora per-
tencente à tradição homérica — a debilidade das suas pernas de velho
— para as imagens aladas dos alcíones que vogam à flor das ondas, e que
apagam a triste realidade, para deixar o ouvinte no domínio da utopia:

Οὔ μ’ ἔτι, παρθενικαὶ μελιγάρυες ἱερόφωνοι,


γυῖα φέρειν δύναται· βάλε δὴ βάλε κηρύλος εἴην,

1 Para Schadewaldt, «Lebenszeit und Greisenalter....», cit., este epigrama é

«die denkbar kürzeste Prägung für die neue Lebensstimmung, die Homer noch
nicht kannte und die mit dem Zeitalter der Lyrik plötzlich durchbricht: für das
Grauen vor der unaufhaltsam verrinnenden Zeit.» (p. 292).
2 Num verso imitado de Mimnermo.
246 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ὅς τ’ ἐπὶ κύματος ἄνθος ἅμ’ ἀλκυόνεσσι ποτῆται


νηλεὲς ἦτορ ἔχων, ἁλιπόρφυρος ἱερὸς ὄρνις.

Parece que Alceu se refere à própria velhice no frg. 50 Lobel‑Page


(= 86 Diehl), ao pedir que vertam perfumes na sua cabeça, que tanto
sofreu, e no peito idoso 1 :

κὰτ τὰς πόλλα π[αθοίσας κεφάλας χεε μοι μύρον


καὶ κὰτ τὼ πολ[ίω στήθεος

Os dois primeiros versos, restituídos por Bergk (frg. 42), a partir de


uma citação de Plutarco, Quaest. Conuiu., III, 1, 3, p. 647e, são confirmados
e continuados pelo Papiro 1233, que parece conter um convite à bebida
(πωνόντων), para esquecer as preocupações. No entanto, o contexto não
é seguro. Outro tanto sucede com o fragmento 39 Lobel‑Page = 80 Diehl.
O frg. 119 Lobel‑Page = 117 Diehl refere‑se talvez à velhice de Pítaco,
mas fá‑lo sob forma alegórica, comparando‑o com o fruto da videira 2 .
No entanto, o estado do texto é tal, que tudo o que se possa afirmar
não passa de mera conjectura.
Uma citação feita pelo escoliasta de Sófocles, Oed. Col. 954 (= frg.
117 Bergk = 442 Lobel‑Page = 206 Reinach‑Puech) é, paradoxalmente,
a informação mais completa que possuímos a este respeito. Nela se
assevera que Alceu mencionara, como provérbio muito conhecido, ὅτι
ὁ θυμὸς ἔσχατον γηράσκει. Em vez dos sinais de decadência física usual-
mente apontados como característicos da velhice, teríamos aqui uma
observação de natureza psicológica, que, aliás, já andava em curso no
seu tempo.
Pelo que toca à insegurança do contexto, a situação não é muito
melhor em Safo. E, contudo, dois papiros vieram trazer ao nosso co-
nhecimento fragmentos em que a poetisa descrevia a velhice — possi-
velmente, a sua própria.
O frg. 21 Lobel‑Page = 32 Diehl apenas deixa adivinhar o tema através
de uma referência concreta 3 :

χρόα γῆρας ἤδη

Cf. Page, Sappho and Alcaeus, p. 242.


1

Cf. Page, Sappho and Alcaeus, p. 242, n. 3.


2

3 «Vetulae corporis delicias tabescentes describi censuit Wil.» — refere Diehl

no seu aparato crítico. «La strophe 2 parle de la vieillesse» nota Aimé‑Puech a


p. 218 da edição de Reinach. Omitimos a ousada reconstituição de Edmonds, Lyra
Graeca, vol. I, p. 213.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 247

Esta mesma frase surge no v. 13 do frg. 58 Lobel‑Page = 65a Diehl:

]ντα χρόα γῆρας ἤδη.

Os dois versos seguintes acrescentam:

]ντο τρίχες ἐκ μελαίναν


]αι, γόνα δ’[ο]ὐ φέροισι

É fácil reconhecer, no primeiro, uma referência ao embranquecimen-


to dos cabelos; no segundo, ao debilitamento dos joelhos, tal como já
figurava no frg. 94 de Álcman 1 que, por sua vez, fora antecedido pelos
versos 627‑628 do Canto XXIII da Ilíada.
O segundo e o terceiro tópicos eram, portanto, lugares‑comuns da tradi-
ção poética. O primeiro, a avaliar pela sua presença nestes dois fragmentos,
parece ter sido o sinal físico da velhice que mais impressionou a poetisa2.
Seria particularmente interessante conhecer a conclusão do poema,
e poder aceitar a versão de Manfred Hausmann:

Mich aber verlangt’s


immer noch nach
Anmut und goldner Fülle.
Dies Herrliche hat
stets mich umglänzt,
weil ich die Sonne liebe.

que Snell transcreve na sua obra Die Entdeckung des Geistes 3 para in-
duzir que Safo, como, aliás, os poetas arcaicos em geral, não tenta dar
sentido ao progresso da idade.
Sucede, porém, que a parte final é extremamente obscura, de tal
modo que só podemos repetir com Page: «I have no conception of the
meaning of the last two lines» 4 .

1 A semelhança com o texto de Álcman foi já salientada por F. Stiebitz, que


tentou reconstituir o poema in Philologische Wochenschrift, 1926, 1259 seqq. (apud
Diehl, appar. crit. ad locum).
2 Aliás, figurava já em Arquíloco, frg. 113 Diehl, possivelmente com referência

a uma mulher. Cf. supra, p. 241.


3 Hamburg, Claassen Verlag, 3. Auflage, 1955, p. 102. O tema da velhice em

Safo é sumariamente delineado por Schadewaldt, «Lebenszeit und Greisenalter...»,


cit., pp. 293‑294.
4 Sappho and Alcaeus, p. 130, n. 1.
248 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

O mesmo editor e comentador inclui este fragmento entre os poemas de Safo


em que se faziam alusões às lendas divinas ou heróicas, para ilustrar casos pessoais
(e.g., 16, 17, 23). Neste era a de Titono, para quem Eos conseguira duração eterna,
mas se esquecera de impetrar também a permanência da juventude. Já vimos
como tal mito figura no V. Hino Homérico, a Afrodite1. Possivelmente, a autora
aproveitava o seu significado para explicar a situação em que se encontrava2.
No frg. 121 Lobel‑Page = 100 Diehl, declara‑se demasiado velha (γε-
ραιτέρα), para corresponder à proposta que lhe foi feita 3 .

É célebre o símile do Ἰβύκειος ἵππος, a que se refere Platão no Par-


ménides 137a, e cujo contexto foi preservado no comentário de Proclo.
O pequeno poema conta uma reincidência amorosa, como tantas outras
líricas arcaicas, desde o frg. 101 Diehl de Álcman. De importante, há aqui
a circunstância de tal acontecimento se verificar na velhice do autor,
como se deduz da metáfora usada na segunda parte e do próprio passo
do Parménides que o parafraseia.
Com efeito, depois de descrever a atitude de Eros — a identificar com
o objecto da paixão, como disse Wilamowitz 4 — o poeta compara‑se a
um cavalo outrora premiado, a quem custa ter de entrar novamente
em luta. O confronto com Anacreonte impõe‑se: o novo ataque de Eros,
através de uma atitude provocante (o lançar da bola purpúrea no frg.
5; aqui, a contemplação «com ternos olhos sob as suas pálpebras escu-
ras» e as inúmeras seduções); depois, o tema da velhice, que neste se

Vide supra, p. 240.


1

Eis como Page comenta o passo: «The earlier lines (13‑15) are concerned
2

with the disadvantages of old age, evidently with a personal reference (17 τί κεν
ποείην;). The end of the poem included a brief allusion to Tithonus, for whom
the enamoured Dawn obtained eternal life but not eternal youth. It is obvious
that the reference to the legendary persons is introduced to illustrate a personal
theme» (p. 130). Aimé‑Puech, na n. 1 da p. 248 da edição de Reinach, não vê razão
convincente para crer que se trate de uma queixa da própria Safo pela sua sorte,
com base no v. 16:

ἦσθ’ ἴσα νεβρίοισιν

Mas a posição das primeiras letras no papiro dissipa este argumento. É pre-
ferível escrever, como Lobel:

]ησθ’ ἴσα νεβρίοισιν

No verso seguinte, figura já a primeira pessoa, como nota Page no passo


acima transcrito.
3 Cf. Sappho and Alcaeus, p. 142, n. 1.

4 Sappho und Simonides, p. 125.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 249

expande numa metáfora extraída de um desporto favorito dos Gregos 1


e no poeta de Teos da maneira que já vimos anteriormente.

Em Píndaro encontram‑se inúmeras referências à velhice, de que


algumas reflectem a antiga ideia de horror, associando‑a com a morte,
outras antevêem o quadro tranquilo de uma senectude feliz.
No primeiro caso estão as palavras que Zeus dirige a Pólux, na Xª.
Nemeia, propondo‑lhe o dilema de viver no Olimpo sem o irmão ou de
conservar a companhia de Castor, sendo sujeito a perecer:

......…………..εἰ μὲν θάνατόν τε φυγὼν καὶ


γῆρας ἀπεχθόμενον
αὐτὸς Οὔλυμπον θέλεις <ναίειν ἐμοί>
σύν τ’ Ἀθαναίαι κελαινεγχεῖ τ’ Ἄρει,
ἔστι σοι τούτων λάχος·…………………………………...
(83‑85)

A velhice é qualificada de πολιόν em Isthm. VI. 15, e associada à morte.


Num contexto idêntico surge em Isthm. VII. 40‑42. No Péan I. 1 fala‑se de
ὀδυνηρὰ γήραος. Outras vezes é designada por meio de perífrases com
valor de eufemismos, como sucede em Ol. X. 86‑87, Pyth. IV. 157‑158, Nem.
III. 72‑74 (neste último passo, com referência às três idades da vida).
Tradicional é também considerar os velhos bons conselheiros. Assim,
exalta‑se na IVª Pítica (281‑282) a ponderação de Damófilo, um jovem
de corpo, mas centenário no bom senso.
O ideal da velhice serena, que já vimos delineado mais do que uma
vez na Odisseia, surge com frequência nos versos do poeta tebano, quer
como anseio próprio, projectado vagamente num futuro distante:

…………………..ὁ δὲ λοιπὸς εὔφρων


ποτὶ χρόνος ἕρποι………………….
(Nem. VII. 67‑68)

quer como voto formulado em favor dos seus clientes:


εἰ γάρ σφισιν ἐμπεδοσθενέα βίοτον ἁρμόσαις
ἥβαι λιπαρῶι τε γήραϊ διαπλέκοις
εὐδαίμον’ ἐόντα, παίδων δὲ παῖδες ἔχοιεν αἰεί
γέρας τό περ νῦν καὶ ἄρειον ὄπιθεν.
(Nem. VII. 98‑101)

1 A comparação com Anacreonte foi feita também por Wilamowitz, Sappho and

Simonides, p. 126, e o tema do Ἰβύκειος ἵππος seguido pelo mesmo helenista até
Euripides, Her. 120 (cf. op. cit., p. 125, n. 2 ).
250 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

É um modo de ver idêntico que leva o poeta da Vª Olímpica — fosse ele


Píndaro ou não — a augurar a Psáumis, o destinatário dessa ode, que já
não era muito jovem1, uma velhice tranquila, cercado pelos seus filhos,
no gozo ainda dos cavalos que eram a sua paixão de Ὀλυμπιόνικος:

αἰτήσων πόλιν εὐανορίαισι τάνδε κλυταῖς


δαιδάλλειν, σέ τ’, Ὀλυμπιόνικε, Ποσειδανίοισιν ἵπποις
ἐπιτερπόμενον φέρειν γῆρας· εὔθυμον, ἐς τελευτάν,
υἱῶν, Ψαῦμι, παρισταμένων…………………………………
(20‑23)

É que os trabalhos da juventude, quando executados sob a égide da


justiça, asseguram esse privilégio 2 :

ἐκ πόνων δ’, οἳ σὺν νεότατι γένωνται


σύν τε δίκαι, τελέθει πρὸς γῆρας αἰὼν ἡμέρα.

Caso contrário, mais vale vida curta que velhice ignorada (ἀνώνυμον
γῆρας), como declara Pélops, ao invocar Poséidon, em Ol. I. 82‑83.
É curioso encontrar, reunidos deste modo, no mesmo poeta, dois
conceitos opostos de senectude, um, que vê nela uma idade odiosa ou
dolorosa, e outro, que a considera como uma fase doce e tranquila. O
primeiro representa a tradição da Ilíada; o segundo, a da Odisseia. Para
quem conhece a incoerência do pensamento de Píndaro noutros domí-
nios 3 , nada surpreende que o mesmo se verifique neste.

As escassas referências que se encontram na obra de Baquílides


testemunham o emprego de qualificativos tradicionais (πολιὸν…
γῆρας, Odes III. 88‑89; πολιοκρόταφον / γῆρας, frg. 25 Snell, vv. 2‑3).
O encómio 20a Snell,vv. 7‑10, oferece um texto muito pouco seguro
para se tirarem conclusões estáveis.

No único dos grandes trágicos que ainda viveu na época arcai-


ca, encontra‑se um fragmento citado por Estobeu IV, 50, 7, que
exalta o sentido da justiça alcançado pelos anos. É o 400 Nauck 2
de Ésquilo:

Cf. Ol. IV, 25‑27.


1

Nem. IX, 44. Um pensamento idêntico se exprime no frg. 214 Snell.


2

3 Nomeadamente no escatológico. Estudei esse aspecto em Concepções

Helénicas de Felicidade no Além, de Homero a Platão, Coimbra, 1955, pp. 30‑36


e 99‑119.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 251

Γῆρας γὰρ ἥβης ἐστὶν ἐνδικώτερον.

A noção de progresso, de renovamento do espírito que pode animar


um corpo alquebrado, transparece do seguinte verso, que retoma o
pensamento de Sólon, já citado 1 :

ἀεὶ γὰρ ἡβᾶι τοῖς γέρουσιν εὐμαθεῖν.


(Ag. 584)

Também digna de nota é uma bela descrição da velhice, em que é fácil


reconhecer, numa feliz transposição, o enigma da esfinge e a metáfora
homérica das folhas das árvores 2 , para terminar com uma imagem de
expressão tipicamente esquiliana:

Ἡμεῖς δ’ ἀτίται σαρκὶ παλαιᾶι


τῆς τότ’ ἀρωγῆς ὑπολειφθέντες
μίμνομεν ἰσχύν
ἰσόπαιδα νέμοντες ἐπὶ σκήπτροις.
ὅ τε γὰρ νεαρὸς μυελὸς στέρνων
ἐντὸς ἀνάισσων
ἰσόπρεσβυς, Ἄρης δ’ οὐκ ἔνι †χώραι,
τό θ’ ὑπεργήρων φυλλάδος ἤδη
κατακαρφομένης τρίποδας μὲν ὁδούς
στείχει, παιδὸς δ’ οὐδὲν ἀρείων
ὄναρ ἡμερόφαντον ἀλαίνει.
(Ag. 72‑82)
Outras ideias sobre a senectude, esparsas pelas tragédias conservadas,
enquadram‑se sem esforço na tradição já examinada 3 .

1 P. 244.
2 Em Ag. 966‑967 pode distinguir‑se uma variante da mesma metáfora, usada,
embora, com aplicação diversa.
3 Respeito pela idade (Eum. 847) ou falta do mesmo (Ag. 1621‑1624; Eum,

727‑728); superior capacidade de persuasão (Suppl. 774‑775); qualidades para go-


vernar (Suppl. 666‑667); de um jovem sensato, diz‑se que o espírito é idoso (Sept.
622); sinais físicos da velhice, como a barba branca e a debilidade dos membros
(Pers. 1056 e 913‑914, este com uma triste ironia); o ideal da senectude tranquila
entrevê‑se, como uma nostálgica impossibilidade, em Pers. 263‑265 e 580‑583;
Ag. 328‑329; Choeph. 908.
Estes tópicos encontram‑se, com pequenas variantes, nos outros grandes
trágicos. Por exemplo, em Sófocles, os versos 625 e 632 do Aiax falam das cãs, e
os 1017‑1018 do azedume aumentado pela idade: tudo nela é mau, entendimento,
palavras, pensamento (frg. 863 Nauck 2) e a longa vida é dolorosa (frg. 512 Nau-
ck 2); apesar disso, os velhos são mais ávidos de viver (frg. 63 Nauck 2); por outro
lado, são sensatos (frg. 239 Nauck 2) e experientes (frg. 603 Nauck 2); no famoso
252 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Em conclusão, depois desta breve análise do desenvolvimento do


tema da velhice na época homérica e arcaica, podemos afirmar que a
maior parte dos poetas, desde a Ilíada, viu nela um flagelo, comparável
à doença e à morte. Tal atitude atinge a nota mais aguda em Mimnermo,
que repetidamente 1 contrasta os amáveis dons da juventude com a la-
mentável decadência da idade provecta, um dos muitos males com que
Zeus atormenta os homens 2, e proclama a vantagem de morrer antes de
alcançar essa fase da vida3. A mesma atitude pessimista vamos encontrar
num iambógrafo seu contemporâneo, Semónides de Amorgo, que, aliás,
conclui de modo diferente: exortando a gozar os prazeres enquanto é
tempo ‑ claramente, como sucede no frg. 29 Diehl, ou veladamente,
como no frg. 1 Diehl e talvez ainda no frg. 4 Diehl 4 .
A esta corrente se opõe Sólon, que, pela primeira vez, até onde po-
demos saber, é capaz de apreciar o progresso intelectual decorrente da
acumulação dos anos.

estásimo sobre o desencantamento da vida, Oedipus Col. 1211‑1248, a senectude


é caracterizada como execrável, impotente, insociável, ponto de convergência
de todos os males. Em Eurípides, é igualmente descrita como impotente (Her.
110‑113), triste e odiosa (Her. 649) e implacável (Suppl. 1108). Cf. ainda Bacch. 1251
e frgs. 25, 575, 637 e 1080 Nauck 2. O frg. 509 Nauck 2 diz que é só voz e sombra.
Para se corrigirem, os homens precisavam de conhecer duas vezes a adolescência
e a velhice (Her. 655‑672; Suppl. 1084‑1093). Mas o coro, apesar de ancião, ainda
gosta de cantar (Her. 676‑686), e a idade tem a vantagem da experiência e do
bom conselho (Phoin. 528‑530 e frgs. 291, 508 e 619 Nauck 2). Muitos outros passos
aludem apenas aos sinais físicos da idade, como os cabelos brancos (Andr. 348;
Hec. 500, 652; Her. 910; Suppl. 35, 170, 289), à barba grisalha (Her. 693) ou às rugas
(Suppl. 50), ou ainda aos membros pesados (Her. 119‑120, 230‑231; Ion 1041‑1042;
Suppl. 171‑172) ou à falta de forças (Heracl. 636). Cf. ainda o frg. 369 Nauck 2.
A maneira de ver de Aristófanes não anda longe desta. Os cabelos brancos (Ach.
600, 692‑693; Eq. 520, 908; Vesp. 1064, 1192), as rugas (Plut. 1051), as manifestações
de debilidade (Vesp. 275‑278), o peso dos membros (Ach. 219‑221) juntam‑se a alguns
traços especificamente ao gosto dos cómicos, como os olhos remelosos do coro de
anciãos em Lys. 301, a carência de dentes em Ach. 715, Plut. 266, 1057‑1059, Vesp. 164,
a calvície em Plut. 266, e os prazeres citados em Vesp. 737‑740. Em Ach. 702 e Plut. 266
fala‑se do dorso curvado, e em Nub. 129 os velhos são caracterizados como lentos e
esquecidos. No entanto, outro passo desta última peça (993) lembra o respeito a ob-
servar para com eles. Vesp. 441 declara‑os sujeitos a mil males. Ferécrates refere‑se à
sua incapacidade no frg. 248 Kock, embora no frg. 146 Kock aluda ao saber adquirido
pelos anos; e, no frg. 82,3 Kock, censura a falta de dentes. Também Sófron, frg. 54
Kaibel (Stob. IV, 50, 65) afirma que «a velhice destestável consome‑nos e seca‑nos».
1 Frgs. 1, 2, 5 Diehl.

2 Conclusão dos frgs. 1 e 2 Diehl.

3 Frg. 6 Diehl.

4 Para Reitzenstein (citado por Diehl, app. crit. ad locum, e Adrados, notas ad

locum), os fragmentos 1, 2 e 3 seriam parte de um mesmo poema. Adrados inclina‑se


para juntar apenas 3 e 4. Afigura‑se‑me que 3 ganha mais luz comparado com o
final de 1 do que com 2.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 253

Dentre os líricos, é Íbico quem mais nos interessa, por celebrar o tema
do amor entrelaçado com o da velhice, tal como o seu contemporâneo e
provavelmente comensal na corte de Polícrates de Samos, Anacreonte,
fizera no frg. 5 Diehl. E, como este, no referido passo ou ainda no frg.
45 Diehl, exprime‑se através de metáforas de grande efeito.
Quanto ao tema da velhice tranquila e honrada, verificámos que se
anunciava na Odisseia, não só nas partes que podem considerar‑se mais re-
centes, como nas seguramente mais antigas. Encontramo‑lo depois num dos
mais vetustos Hinos Homéricos1, em Tirteu2, e em Píndaro3, repetidas vezes.
O tópico surge, por conseguinte, como um incitamento a cometer
altos feitos, para depois gozar a honra que daí deriva, nos poetas de ideal
heróico; como uma advertência para aproveitar o prazer da hora que
passa, no espírito amargo dos iambógrafos; como motivo de lamentações
sobre a tristeza e brevidade da vida, nos pessimistas; como causa da
reflexão sobre o desenvolvimento do espírito humano, nos moralistas.
É possível que, se alguns fragmentos estivessem completos, verificás-
semos que a segunda atitude não era separável da terceira. No estado
actual da transmissão manuscrita, porém, elas devem distinguir‑se.
O espírito com que se encaram as duas idades opostas — juventude
e velhice — altera‑se, dos Poemas Homéricos até à época da lírica: é
nesta última que ganha expressão literária o terror de envelhecer, como
notou Schadewaldt 4 .
Nas composições que apenas tocam no assunto acidentalmente, assina-
laremos que há um pequeno número de características físicas que se focam
com mais insistência: os cabelos ou a cabeça brancos5, a barba grisalha6,
a pele flácida7, os membros débeis8. A adjectivação é quase a mesma, de
tal modo que podemos dizer que se constituem fórmulas que os poetas
empregam tradicionalmente, como, πολιὸν κάρη, πολιοκρόταφον γῆρας,
πολιὸν γῆρας. Do mesmo modo se opõe a penosa velhice à doce juventude9.

1 V. 105‑106.
2 Frg. 9, 35‑42.
3 Ol. V 20‑23. Nem. VII 67‑68, 98‑101. Nem. IX 44.

4 «Lebenszeit und Greisenalter....», cit., p. 285 e passim. Cf. supra, p. 245, n. 1.

5 X 74. Ω 516. Safo, frg. 58 Lobel‑Page. Anacreonte, frg.5 Diehl. Baquílides, Ode

III 88‑89 e frg. 25 Snell. Teógnis de Mégara, 174.


6 X 74. Ω 516.

7 Arquíloco, frg. 113 Diehl. Safo, frg. 21 e 58 Lobel‑Page.

8 Ψ 627‑628. Álcman, frg. 94 Diehl. Safo, frg. 58 Lobel‑Page.

9 γήραος ἀργαλέου (Mimnermo, frg. 2 Diehl, v. 6). ἀργαλέον… γῆρας (idem,

frg. 5 Diehl, vv. 2‑3; frg. 1 Diehl, v. 10). ἄνθος πολυήρατον….ἥβης (Semónides de
Amorgo, frg. 29 Diehl, v. 6), χαριεστάτη ἥβη (Ω 348, κ 279).
254 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

β) O Hades e o Tártaro

A Ilíada refere‑se inúmeras vezes a Hades, o deus inflexível e impla-


cável 1, o Ζεὺς καταχθόνιος (Ι 457), a quem coube, na partilha do mundo,
o reino dos mortos:

Τρεῖς γάρ τ’ ἐκ Κρόνου εἰμὲν ἀδελφεοί, οὓς τέκετο Ῥέα


Ζεὺς καὶ ἐγώ, τρίτατος δ’ Ἀίδης ἐνέροισιν ἀνάσσων·
τριχθὰ δε πάντα δέδασται, ἕκαστος δ’ ἔμμορε τιμῆς·
ἤ τοι ἐγὼν ἔλαχον πολιὸν ἅλα ναιέμεν αἰεὶ
παλλομένων, Ἀίδης δ’ ἔλαχε ζόφον ἠερόεντα,
Ζεὺς δ’ ἔλαχ’ οὐρανὸν εὐρὺν ἐν αἰθέρι καὶ νεφέληισι·
γαῖα δ’ ἔτι ξυνὴ πάντων καὶ μακρὸς Ὄλυμπος.
(Ο 187‑193)

Em Υ 61‑66, quando os deuses voltam a entrar em combate, é tal a


violência da refrega que Hades se assusta:

ἔδεισεν δ’ ὑπένερθεν ἄναξ ἐνέρων Αἰδωνεύς,


δείσας δ’ ἐκ θρόνου ἆλτο καὶ ἴαχε, μὴ οἱ ὕπερθεν
γαῖαν ἀναρρήξειε Ποσειδάων ἐνοσίχθων,
οἰκία δὲ θνητοῖσι καὶ ἀθανάτοισι φανείη
σμερδαλέ’ εὐρώεντα, τά τε στυγέουσι θεοί περ·
τόσσος ἄρα κτύπος ὦρτο θεῶν ἔριδι ξυνιόντων.

Se algumas vezes aparece com atributos pessoais, como κλυτόπωλος 2,


ou se fala do seu barrete, que o torna invisível 3 , na maior parte dos
casos ele identifica‑se com as regiões que habita, que são tenebrosas e

Ι 158.
1

E 654. Λ 445. Π 625. Aliás, o deus quase não tem culto nem mitos, como
2

observa M. P. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, Vol. I, p. 424. Sobre as


associações ctónias do epíteto κλυτόπωλος, vide idem, ibidem, p. 425.
3 E 845. Os antigos explicavam o nome do deus como sendo composto de ἀ +

εἰδές, «invisível», como lemos em Platão, Crátilo, 403a (que propõe outra origem,
mais de acordo com o seu pensamento: ligação com εἰδέναι— 404b). O Fédon 81c
parece seguir a doutrina corrente, bem como o Górgias 493b. Cf. ainda Plutarco,
De Lat. Viu. 6,3 e De primo frigido 9, 948e‑f. Sobre a posição— nem sempre concor-
dante — dos linguistas actuais e a ligação da etimologia antiga com o mito da
«Tarnkappe», veja‑se H. Frisk, Griechisches etymologisches Wörterhuch, I, pp. 33‑34,
e bibliografia aí citada. M. P. Nilsson, Geschichte. der griechischen Religion, vol. I, p.
425 e n. 1, admite que se trata de um conhecido motivo popular, que foi adaptado
a Hades, e acrescenta: «Darin liegt aber ein Hinweis darauf, dass das Wort als
‘unsichtbar’ verstanden wurde.»
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 255

cheias de bolor, como se viu no exemplo citado acima 1 . O seu palácio


tem portas bem cerradas (πυλάρτης Θ 367, N 415) e é εὐρυπυλής (Ψ 74).
Αs πύλαι são referidas em diversos contextos 2 .
Fala‑se da existência de um rio, que as ψυχαί, εἴδωλα καμόντων, só
podem atravessar depois da cremação, e que não é nomeado em Ψ 73
(ὑπὲρ ποταμοῖο), mas que Θ 369 identifica com o Estige 3. É o lugar para
onde irão todos os mortos, sem qualquer excepção.
De resto, a maior parte das vezes o Hades é simplesmente mencionado
como um sinónimo de morte 4 . Um passo como Χ 482‑483:

Νῦν δὲ σὺ μὲν Ἀίδαο δόμους ὑπὸ κεύθεσι γαίης


ἔρχεαι,………………………………………………………

dá uma indicação clara sobre a posição do reino infernal, indicação


essa que é confirmada pelo uso do verbo κάτειμι em Ξ 457 e em Y 294.
Quanto ao Tártaro, apenas dois cantos falam dele.
Em Ξ 279 5 , Hera jura por

τοὺς ὑποταρταρίους, οἳ Τιτῆνες καλέονται.

O mesmo canto, nos versos 203‑204, referira‑se mais vagamente à


situação de Cronos:

………………………………ὅτε τε Κρόνον εὐρύοπα Ζεύς


γαίης νέρθε καθεῖσε καὶ ἀτρυγέτοιο θαλάσσης·

Em 274, a posição é idêntica, bem como em Ο 225. Em Θ 478‑481,


colhem‑se mais informações sobre a sua localização:

…………………..οὐδ’ εἴ κε τὰ νείατα πείραθ’ ἵκηαι


γαίης καὶ πόντοιο, ἵν’ Ἰάπετός τε Κρόνος τε

1 Cf. ainda Φ 56. Ψ 51.


2 E 646. Ι 312. Ψ 71.
3 Em Β 755, Ξ 271 e O 37, a água do Estige é mencionada como garantia de

juramento inviolável.
4 Alguns exemplos: A 3. Γ 322. E 190, 654 = Λ 445 = Π 625. Z 487. Λ 55. Π 856 =

X 362. Y 294. Φ 48. X 52, 213. Ψ 19, 244. Ω 246, 593.


5 É grande a semelhança deste verso com o 851 da Teogonia:

Τιτῆνές θ’ ὑποταρτάριοι, Κρόνον ἀμφὶς ἐόντες,

verso que, por sua vez, figura num contexto idêntico ao de Y 61‑66.
256 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ἥμενοι οὔτ’ αὐγῆις Ὑπερίονος Ἠελίοιο


τέρποντ’ οὔτ’ ἀνέμοισι, βαθὺς δέ τε Τάρταρος ἀμφίς·

No começo do mesmo canto, em 13‑16, Zeus ameaça os deuses de


os lançar ao Tártaro, se continuarem a intervir na guerra de Troia, e,
ao fazê‑lo, informa‑nos da posição desse lugar, em relação ao Hades:

ἤ μιν ἑλὼν ῥίψω ἐς Τάρταρον ἠερόεντα,


τῆλε μάλ’, ἧχι βάθιστον ὑπὸ χθονός ἐστι βέρεθρον,
ἔνθα σιδήρειαί τε πύλαι καὶ χάλκεος οὐδός,
τόσσον ἔνερθ’ Ἀΐδεω ὅσον οὐρανός ἐστ’ ἀπὸ γαίης·

Este passo é muito semelhante a uma das partes da «Titanomachia»,


contada na Teogonia. O Canto VIΙΙ da Ilíada, bem como o Canto XIV, é
geralmente considerado tardio, a despeito dos arcaísmos que contém 1 ,
e por isso não repugna aceitar, como Mazon 2, que o modelo aqui tivesse
sido Hesíodo.
A Odisseia também se refere com frequência à ida para o Hades como
sinónimo de morrer 3 e às abomináveis portas 4 que cerram aquele lu-
gar. A água do Estige figura no juramento de Calipso, em ε 184‑187, em
condições semelhantes às que encontrámos na Ilíada.
A νέκυια de λ, preparada por κ 490‑574, e a sua imitação de ω 1‑204
contêm, naturalmente, a maior quantidade de indicações. Na verdade,
a topografia do Hades aparece agora muito mais pormenorizada do que
anteriormente: fica para além do Oceano, do pequeno promontório e do
bosque de Perséfone; ao lado do Estige, mencionam‑se, pela primeira
vez, mais três rios, o Aqueronte, o Piriflegetonte e o Cócito; e ainda a
pedra sita na confluência dos dois cursos de água 5 e o prado de asfódelo6.

1 Cf. Peter von der Mühll, Kritisches Hypomnema zur Ilias, Schweizerische Bei-

träge zur Altertumswissenschaft, Basel, 1952, p. 144.


2 Na sua edição da Ilíada, Paris, Les Belles Lettres, 1956, vol. II, pp. 25‑26, n.

1. Para G. S. Kirk e J. E. Raven, The Presocratic Philosophers, Cambridge, 1957, p.


11, Hades «parece ser uma variante ilógica de uma palavra original ‘terra’, como
em Theog. 720».
3 γ 410 = ζ 11. δ 834. ι 524. κ 175. ξ 207‑208. ο 350. υ 208. ω 264.

4 ξ 156‑157.

5 κ 508‑515.

6 λ 539. O mesmo aparece em ω 13, juntamente com outros pormenores que

parecem ser da invenção da segunda νέκυια: as Portas do Sol e o País dos Sonhos.
A pedra é agora qualificada de branca e a cena decorre nas profundezas da terra
(ὑπὸ κεύθεσι γαίης, 204).
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 257

É importante observar que na Odisseia não há referências ao Tártaro.


Encontram‑se alguns supliciados numa parte do Canto XΙ, sem dúvida
mais recente 1 , mas estão no Hades: Títio, Tântalo 2 e Sísifo sofrem ali o
castigo pela sua hybris para com os deuses.

Omitindo todos os outros aspectos da escatologia homérica, que não


interessam ao nosso propósito, vejamos seguidamente quais os dados
fornecidos por aqueles dos Hinos Homéricos que podem atribuir‑se ao
séc. VΙII‑VΙΙ a. C.
No Hino a Deméter, há grande número de referências a Hades, como
raptor de Perséfone, portanto, como deus (2‑3, 79, 336). Os qualifica-
tivos que então recebe são aproximadamente os mesmos dos Poemas
Homéricos (στυγερός 395, κυανοχαίτα καταφθιμένοισιν ἀνάσσων 347;
πολυσημάντωρ 31, 84, 376; κρατερός 404, 430; πολυδέγμων 17, 31, 404,
430; πολυώνυμος 18; ἄναξ ἐνέρων Ἀϊδωνεύς 357). Os seus domínios
são situados nas profundezas da terra (ὑπὸ κεύθεα γαίης 340, 415; ὑπὸ
κεύθεσι γαίης 398) e mergulhados nas vastas trevas bolorentas (ὑπὸ
ζόφον ἠερόεντα 80, 446, 464; ἀπὸ ζόφου ἠερόεντος 337, 402; ὑπὸ ζόφωι
εὐρώεντι 482). Outras vezes recebe (como em Θ368; Ι 572; Π 327; κ 528;
λ 37, 564; μ 81; υ 356) a denominação de Érebo (ἐλθεῖν ἐξ Ἐρέβευς 409;
ἐξαγαγεῖν Ἐρέβευσφι 349; εἰς Ἔρεβος 335).
Só em V 154 é que encontramos a fórmula tradicional que equivale
a morrer, quando Αnquises propõe a Afrodite:

σῆς εὐνῆς ἐπιβὰς δῦναι δόμον Ἄϊδος εἴσω.

Ao Tártaro encontra‑se uma referência, que consta do Hino a Apolo,


335‑336, e alude ao castigo dos Titãs, em termos similares aos da Ilíada
e da Teogonia 3 :

1 Pode ver‑se um resumo das teorias propostas sobre a estrutura de λ em Van

der Valk, Beiträge zur Nekyia, Kampen, 1935, Cap. I, § 2.


2 Em Álcman, frg. 72 Diehl, o lugar do suplício era o Olimpo (cf. Welcker,

«Alcmanis fragmentum de Tantalo» in Rheinisches Museum, 1856, pp. 242‑254). Os


Νόστοι colocavam‑no neste mundo. Em Píndaro, Ol. Ι 55‑64 e Isthm. VIII 9‑10, não
há indicação de lugar. Sobre a repartição das duas versões (castigo pela pedra
iminente ou pela sede e fome), veja‑se a nota à minha edição de Belchior Beleago,
Oração sobre o Estudo de Todas as Disciplinas, Porto, Centro de Estudos Humanísticos,
Colecção Amphitheatrum, II, 1959, p. 94.
3 Vide supra, p. 255 e n. 5.

Sobre a cronologia relativa da Teogonia e desta segunda parte do terceiro dos


Hinos Homéricos, veja‑se a edição de Allen‑Halliday‑Sikes, cit., p. 193.
258 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Τιτῆνές τε θεοί τοὶ ὑπὸ χθονὶ ναιετάοντες


Τάρταρον ἀμφὶ μέγαν, τῶν ἐξ ἄνδρες τε θεοί τε.

O Tártaro, que, como já vimos, apenas se menciona em cantos tardios


da Ilíada e está ausente da Odisseia, é, pelo contrário, diversas vezes
referido na Teogonia. Estes factos levam‑nos a acatar a hipótese de Tho-
mas 1 , de que esta noção, bem como a das Ilhas dos Bem‑aventurados,
não estava inicialmente na tradição homérica. O que, a nosso ver, não
significa que não fossem ambas antigas, possivelmente até anteriores

Há ainda na colectânea mais duas referências ao Tártaro, mas figuram num


poema certamente mais tardio, o Hino a Hermes. Em ambas se menciona a ameaça
de Apolo, de castigar o seu jovem irmão de modo idêntico:

ῥίψω γάρ σε βαλὼν ἐς Τάρταρον ἠερόεντα,


εἰς ζόφον αἰνόμορον καὶ ἀμήχανον· οὐδέ σε μήτηρ
ἐς φάος οὐδὲ πατὴρ ἀναλύσεται, ἀλλ’ ὑπὸ γαίηι
ἐρρήσεις ὀλίγοισι μετ’ ἀνδράσιν ἡγεμονεύων.
(256‑259)

resumido em 374:

πολλὰ δέ μ’ ἠπείλησε βαλεῖν ἐς Τάρταρον εὐρύν,

A ameaça de atirar para o Tártaro deuses indisciplinados tem, evidentemente,


as suas raízes em Θ 13‑17. Aqui, porém, surge uma novidade inesperada: Hermes
vagueará nessa prisão como guia de «homens pequenos». Allen‑Halliday‑Sikes,
no seu comentário ad locum, pp. 318‑319, lembram que há crianças no Hades em
Virgílio, Aen. VI 427, e Luciano, Catapl. 5, 6, e entendem que Hermes só poderá
comandar a quem for pequeno como ele. Humbert, na sua edição, p. 127, n. 1,
propõe como alternativa que o deus seja guia das almas, que são representadas
como «pequenas figuras humanas». Parece‑me mais provável ver aqui simples-
mente uma reminiscência de Σ 519 (λαοὶ δ’ ὑπολίζονες ἦσαν), junta a mais uma
demonstração da atitude jocosa, quase parodística, do autor do hino: Hermes é
pequeno, pois nasceu na véspera (v. 376); poderá comandar a quem for pequeno
como ele — mas no Tártaro, que é a prisão destinada aos que ofenderam grave-
mente os deuses. De resto, não deve insistir‑se muito, a meu ver, na lógica deste
passo, produto de uma época, aliás, mais tardia que a que temos estado a analisar.
As razões apresentadas por Allen‑Halliday‑Sikes, cit., pp. 275‑‑276, para colo-
car este poemeto no séc. VIΙ a. C. são pouco convincentes. Humbert, por sua vez,
na notícia introdutória da sua edição, pp. 114‑115, opta pelo final do séc. VI. A.
Lesky, Geschichte der griechischen Literatur, p. 83, propõe a mesma centúria, mas,
por outro lado, nota grandes semelhanças com a comédia antiga. Mas à objecção
da inobservância do digamma, da lira de sete cordas, da prosperidade de Delfos,
junta‑se o espírito burlesco da narrativa, que sugere, pelo menos, o séc. V a. C.
1 Hans Werner Thomas, Ἐπέκεινα. Untersuchungen über das Ueberlieferungsgut

in den Jenseitsmythen Platons, München, 1938, Cap. !. A distinção entre os dois lu-
gares tinha já sido assinalada, entre outros, por M. Th. — H. Martin, «Traditions
homériques, et hésiodiques sur le séjour des morts» in Annuaire de l’Association
pour l’Encouragement des Études Grecques en France, 1878, pp. 1‑21.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 259

à de Hades e de Planura Elísia. Apenas verificamos que devem ter apa-


recido pela primeira vez nos poemas de Hesíodo.
Do Hades fala‑se nos Trabalhos e Dias 153, usando uma fórmula ho-
mérica, mas acrescentando‑lhe uma epíteto novo 1 :

βῆσαν ἐς εὐρώεντα δόμον κρυεροῦ Ἀίδαο

Em 455‑456 2, 821‑822 e 850 da Teogonia é apresentado como um deus,


e em 309‑312 faz‑se referência ao seu «cão de voz brônzea, com cinquen-
ta cabeças, insaciável e forte». Nos versos 767‑774, trata‑se com mais
pormenor de Cérbero (agora não nomeado), como guarda do palácio de
Hades e Perséfone. O passo interessa‑nos, porque faz parte da descrição
do lugar do castigo dos Titãs e coloca o Hades em frente ao Tártaro:

Ἔνθα θεοῦ χθονίου πρόσθεν δόμοι ἠχήεντες................


(767)

Em frente a esse mesmo lugar, o texto que chegou até nós coloca ainda
a casa da Noite, e o sítio onde esta saúda o Dia, que nunca chega a coabitar
com ela 3 e também a morada dos seus filhos, o Sono e a Morte 4, o ponto
onde Atlas sustenta o céu5, a mansão de Estige6, e as raízes e extremidades
da terra escura, do sombrio Tártaro, do mar estéril e do céu estrelado 7.
Os qualificativos são idênticos: ἐς Τάρταρον εὐρύν (868), Τάρταρά τ’
ἠερόεντα (682, 721) 8 .

1 Do seu possível significado tratei já em «Acerca do Hades em Hesíodo», in


Humanitas, V‑VI, 1954, pp. 65‑70. No frg. 96, v. 80, Rzach, ocorre outra fórmula
homérica.
2 ……………….ὃς ὑπὸ χθονὶ δώματα ναίει

νηλεὲς ἦτορ ἔχων,………………….........…


3 746‑757.

4 758‑766.

5 746‑748.

6 775‑806.

7 736‑739 = 806‑810.
8 O verso 119 afirma que o Tártaro é um dos quatro primeiros seres existentes,
juntamente com Caos, Gaia e Eros. E logo nesse passo o localiza:

Τάρταρά τ’ ἠερόεντα μυχῶι χθονὸς εὐρυοδείης,

Mas é natural que estejamos em face de uma interpolação tardia, feita para
«aperfeiçoar» a descrição dos infernos, e pertencente, portanto, aos fins do séc.
VII ou começos do VI, como supõem G. S. Kirk e J. E. Raven, The Presocratic Philo-
sophers, p. 23. Na verdade, são omitidos os versos 118‑119 em Platão, Symp. 178b,
pseudo‑Aristóteles, MXG 1, 957a 11, Sexto Empírico, Adu. Phys. I, 8, e Estobeu I,
260 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

A localização do Tártaro é precisada pelos primeiros versos do passo


que de início considerámos, quando se refere que os Titãs foram lança-
dos ὑπὸ χθονὸς εύρυοδείης (717) 1 e agrilhoados num sítio que se encontra

τόσσον ἔνερθ’ ὑπὸ γῆς ὅσον οὐρανός ἐστ’ ἀπὸ γαίης·


τόσσον γάρ τ’ ἀπὸ γῆς ἐς Τάρταρον ἠερόεντα.
ἐννέα γὰρ νύκτας τε καὶ ἤματα χάλκεος ἄκμων
οὐρανόθεν κατιὼν δεκάτηι κ’ ἐς γαῖαν ἵκοιτο·
ἐννέα δ’ αὖ νύκτας τε καὶ ἤματα χάλκεος ἄκμων
ἐκ γαίης κατιὼν δεκάτηι κ’ ἐς Τάρταρον ἵκοι.
(720‑725)

O que vimos já sobre um passo muito semelhante do Canto VIII da


Ilíada (13‑16) leva‑nos a seguir a opinião dos que encontram na Teogo-
nia a fonte de tais versos. É de notar, com efeito, que aqui não se alude

9.5, pp. 112‑113 Wachsmuth. Sobre o 119, o escoliasta anotou: ἀθετεῖται. Apenas
Calcídico o refere in Tim. 122. «The schol.’s doubt, and post‑Platonic omissions,
may have originated in Plato’s omission; or the line may have been felt to be
incongruous, having been added at the time when the variant descriptions of
Hades accrued» — propõem os mesmos autores ingleses, a p. 25. A p. 23, supõem
que tais acrescentos teriam sido feitos no princípio do séc. VI a. C. As relações
entre Caos e Tártaro são por eles discutidas a pp. 30‑31. Acrescentemos ainda
que o verso 693 das Aves de Aristófanes:

Χάος ἦν καὶ Νὺξ Ἔρεβός τε μέλαν πρῶτον καὶ Τάρταρος εὐρύς·

não ajuda a esclarecer o problema, pois a paródia pode referir‑se a uma teogonia
perdida (a ser a de Hesíodo, datava o acrescento em causa para antes de 414 a.
C., ano da estreia da comédia).
Noutro passo interpolado, Th. 822, o Tártaro aparece novamente personificado.
Em 841 e 851 é referido como um local profundo, nos recessos da terra.
O Hino Homérico Hermes prova que esta adjectivação (ἠερόεις) se podia aplicar
a qualquer gruta:

ἄντρωι ἐν ἠερόεντι κατὰ ζόφον………………


(359)

1 Em Th. 620 ocorre uma fórmula semelhante para fazer referência à prisão

dos Gigantes, e, mais adiante, em 653 e 658, diz‑se que eles estavam encarcerados
ὑπὸ ζόφου ἠερόεντος. Não se precisa, porém, aí, qual a denominação do lugar. Só
em 669 é que se explica que

οὕς τε Ζεὺς ἐρέβεσφιν ὑπὸ χθονὸς ἧκε φόωσδε.


Ora Érebo é filho de Caos (123) e, em 515, um lugar de castigo subterrâneo,
para onde Zeus precipita o insolente Menécio, com o seu raio (o caso tem, aliás,
um certo paralelismo com o de Tifeu, filho do Tártaro (821‑822), que também é
arrojado ao vasto Tártaro por Zeus, em 868). Na Odisseia, é sinónimo de Hades (κ
528. λ 37, 564. μ 81. υ 356), bem como no Hino Homérico a Deméter (335, 349, 409).
Ferecides de Siro colocava também o Tártaro nas profundezas, e considerava‑o
lugar de castigo dos deuses, a avaliar pelo passo de Celso apud Origen. C. Celsum
VI, 42 (= Diels‑Kranz 7B5).
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 261

sequer ao Hades, que não figurava na tradição que o poeta estava a se-
guir, embora, sem dúvida alguma, fosse do seu conhecimento. O autor
de Θ é que teve a preocupação de conciliar os dois mitos, supondo o
Hades equidistante da Terra e do Tártaro. Idêntica preocupação deve
atribuir‑se ao aedo dos versos 767 seqq., ao colocar a mansão dos deuses
infernais nas cercanias 1 .
O Tártaro é descrito com alguns pormenores: está cercado por uma
cinta de bronze e por uma tríplice muralha de sombra, que se difunde
em volta da sua abertura 2 , portões de bronze e limiar da mesma sólida

1 Jacoby, Hesiodi Carmina. Pars 1. Theogonia, Berlin, 1930, considera que todo

este longo passo foi composto por oito poetas diferentes, sem contar com as in-
terpolações menores. F. Solmsen, «Chaos and Apeiron», in Studi Italiani di Filologia
Clássica, XXIV, fasc. 3‑4, Firenze, 1950, não vê contradições, nem a necessidade
de supor que um poeta colocou o mundo infernal debaixo da terra e outro nos
confins do Ocidente, à maneira homérica. No artigo citado na nota 1 da p. 125,
pareceu‑me preferível esta interpretação (p. 66). Hoje, porém, entendo que,
embora Hesíodo não seja nada dogmático, como acentua Solmsen, passos como
767‑774 não devem ser do mesmo autor dos restantes versos.
Mais recentemente, B. A. van Groningen, La Composition Littéraire Archaïque
Grecque 2, Amsterdam, 1960, pp. 275‑281, estudou este passo, aplicando‑lhe as te-
orias acerca da composição literária arcaica desenvolvidas na primeira parte do
livro. Em sua opinião, o verso 720, e talvez o seguinte, foram «comme un rhizome
vigoureux qui a fait pousser un rejeton après un autre» (p. 279). Considera cinco
ramificações partidas desse verso (p. 281):

a. 732‑735 (a mais directa e a mais antiga, que se liga imediatamente a 881 seq.)
b. 721‑725,726‑730
c. 807‑810, 811‑819, variante imediata de a.
d. 736‑739, 740‑745, 746‑757, 758‑766
e. 767‑773 e talvez 775‑806.

A propósito desta última, acrescenta: «On y trouve la conception «normale»


du royaume d’ Hadès et de Perséphone, qui n’intéresse pas Hésiode.»
Nestes grupos, parece‑me mais difícil de aceitar a cronologia relativa de a e
b. Para apoiar esta última, o autor observa que o passo não afirma expressamen-
te que os Gigantes de Cem Braços guardavam os Titãs, mas que a ideia estava
implícita no verso 718. Tal implicação não se me afigura necessária, nem sequer
latente. O que poderemos dizer é que a finalidade de 726‑727 é reforçar e ex-
plicar 718. Kirk e Raven, The Presocratic Philosophers, p. 31, contrastam 736‑745 e
811‑815, para concluir:

«Both passages contain inconsistencies and impossibilities which


indicate that they are somewhat superficial expansions who were either
careless or stupid.»

Como observam a seguir os mesmos autores, não é possível aceitar que as


raízes da Terra, Mar, Céu e Tártaro estejam neste último.
2 726‑727, 732‑733.
262 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

liga 1 . Independentemente das diversas autorias que aqui se possam


reconhecer, interessa‑nos verificar que todo o conjunto revela uma
concepção idêntica, nas suas linhas gerais: é um lugar de castigo para
as divindades 2 , subterrâneo, medonho e inacessível.
É possível que, ao tratar da descrição de Hesíodo, tenha incluído nela mais
do que um dos rapsodos, seus imitadores. De qualquer modo, o poema que va-
mos ver em seguida é, sem dúvida, obra de um bom conhecedor daquele poeta.
O Escudo de Hércules refere‑se ao Hades, como destino das almas,
em 151, num passo considerado como uma interpolação por Schwarz,
Lehrs, Rzach, Studniczka. Os versos 226‑227 mostram conhecer o gorro
do deus, que torna invisíveis os seus portadores.
Além destes dois passos pouco significativos, existe ainda um terceiro3,
a versos 254‑255, cujo texto tem sido muito discutido:

βάλλ’ὄνυχας μεγάλους, ψυχὴ δὲ Ἄιδόσδε κατῆιεν


Τάρταρον ἐς κρυόενθ’. αἱ δὲ φρένας εὖτ’ ἀρέσαντο

A referência é às Keres, que se apoderam de qualquer dos homens


em combate, que tenha sido derrubado ou ferido, para o matarem ime-
diatamente. O texto, como está, postula a identificação entre o Hades
e o Tártaro, e, sendo assim, teríamos aqui o exemplo mais antigo dessa
confusão 4 , pois, como já vimos, as interpolações à Ilíada ou à Teogonia
não a fazem em parte alguma. Por sua vez, os Hinos Homéricos datáveis
do séc. VII a. C. apenas falam do Tártaro como lugar subterrâneo, onde
os Titãs estão encerrados 5; do Hades fazem menção algumas vezes, nos
termos tradicionais 6 .

1 811‑812. É provável que tenhamos aqui unicamente o eco de uma fórmula

homérica: ο χαλκοβατὲς δῶ de A 426; Ξ 173; Φ 438, 505; θ 321; ν 4 (referente ao palácio


de Zeus no Olimpo, nos quatro primeiros exemplos; ao de Hefestos, no quinto;
e ao de Alcínoo, no sexto). Talvez deva ligar‑se a este caso a Mansão de Bronze
mencionada nos vv. 227‑228 da Helena de Eurípides e paralelos citados por H.
Grégoire na nota da p. 59 da sua edição, Les Belles Lettres, Paris, 1950.
Para Kirk e Raven, The Presoctatic Philosophers, pp. 10‑11, significa que é firme
e inamovível como o céu (cf. P 425).
2 Confirmado pelo frg. 126 Rzach (citação de Filodemo, περὶ εὐσεβ. 34 G).

3 Inspirado certamente em Σ 535‑540.

4 O Scutum tem sido datado dos começos do séc. VI a. C., por exemplo, por

R. M. Cook in The Classical Quarterly, XXXI, 1937, pp. 204‑213, e J. L. Myres in The
Journal of Hellenic Studies, LXI, 1941, pp. 17‑38 (apud C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry,
p. 80 e n. 1).
5 Vide supra, p. 257.

6 Hino a Afrodite, 153‑154.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 263

Sucede, porém, que o texto não é seguro neste passo. Assim, ψυχή é a
lição de B, mas D F Ω b Ψ têm ψυχήν1 . Κατῆιεν é a lição de Wolf e Rzach,
mas I traz κατῆεν, B κατ’είεν e Z κάτειεν, e os restantes apógrafos κατεῖεν,
que o mesmo Rzach supõe derivar de uma grafia mais antiga, ΚΑΤΕΙΕΝ.
Deiters considera todo o passo, de 252 a 255, posterior.
Dodds 2 sugere a possibilidade de uma interpolação desde ψυχή até
κρυόεντα.
Para além das variantes dos códices, acumulam‑se, na verdade, as
dificuldades de interpretação. Carlo Russo sumaria‑as na sua edição,
em nota à p. 141, com a respectiva bibliografia, e no aparato crítico ad
locum. Com efeito, o sujeito de βάλλ’ é necessariamente plural, razão
por que Hermann emendou para βάλλ<ον> ἔπειτ’ ὄνυχας, eliminando ou
μεγάλους ou Ἄιδόσδε. Lennep, seguido por Schwarz, pensou na correcção
βάλλ<ον ὁμῶς>ὄνυχας, omitindo μεγάλους. Mariotti prefere

βάλλ<ον ὁμῶς> ὄνυχας μεγάλους, ψυχὴν δὲ [Ἄιδόσδε καθίεν]


Τάρταρον ἐς κρυόενθ’…………………………………………………………………

texto que Carlo Russo adopta, embora hesite em apresentar outra


emenda, baseada no verso 263:

βάλλ<ον χεῖράς τ’ἠδ’> ὄνυχας [μεγάλους]

Com efeito, a haplologia βάλλ’ ὄνυχας por βάλλον ὄνυχας é muito mais
difícil de aceitar do que βάλλον ὁμῶς ὄνυχας facilitada pela semelhança
entre μ e ν nos manuscritos medievais.
Qualquer destas correcções acabadas de mencionar elimina do texto
a referência ao Hades, com a vantagem, que o mesmo editor aponta, de
evitar assim uma identificação que é mais tardia (para ele, o primeiro
exemplo é Anacr. 44, 8 seqq.), pois não estava feita em Homero, nem em
Hesíodo, nem nos Hinos Homéricos.
A aceitação do acusativo ψυχήν por outro lado, postula a correcção
καθίεν de Schwarz, apoiada num escólio de Z: «ἔπεμπον».
Sendo assim, parece lícito concluir que o autor do Scutum apenas
incluíra neste ponto do seu poema o nome do Tártaro, possivelmente
porque ao seu espírito era mais impressionante este lugar de castigo,

1 Aliás, como nota Carlo F. Russo, na sua edição do Scutum (Biblioteca di Studi
Superiori, La Nuova Italia Editrice, Firenze, 1950, p. 39), o Ms. B omite muitas
vezes o ν final.
2 Por carta.
264 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

descrito com tanto pormenor na Teogonia, como prisão de divindades 1 ,


ou porque entendesse que as Keres levavam os mortos para o sítio que
elas mesmas habitavam 2 . Talvez nesta altura já existisse o passo de Θ
13, ἐς Τάρταρον ἠερόεντα, que se repete no Hino a Hermes, 256, e contém
uma fórmula de que esta parece um decalque 3 .
Para uma época posterior, já não havia obstáculos: o Tártaro aca-
bara por se transformar numa parte do Hades, onde se puniam graves
criminosos. Por sua vez, todos tinham presentes fórmulas do tipo de
κηρὶ δαμεὶς Ἄιδόσδε βεβήκειν (ζ 11) ou de ψυχὰς Ἄιδι προϊαψεν (Α 3).
É natural que Ἄιδόσδε tenha vindo inserir‑se no texto, quando, pela
primeira vez, faltaram algumas sílabas no verso, perdidas pela haplolo-
gia. A falta de unidade e de estabilidade das crenças escatológicas dos
Gregos tudo possibilitava.
Os iambógrafos referem‑se ao Hades como destino final de um ho-
mem 4 , e outro tanto acontece com os elegíacos 5 . Todos são concordes
quanto à sua localização subterrânea, exprimindo‑a até, por vezes, em
termos homéricos, como sucede no primeiro verso do seguinte dístico
de Teógnis de Mégara:

………………καὶ ὅταν δνοφερῆς ὑπὸ κεύθεσι γαίης


βῆις πολυκωκύτους εἰς Ἀΐδαο δόμους,
(243‑244)

e ainda no verso 427:

………………………………..πύλας Ἀΐδαο περῆσαι

expressão ecoada por εἰς Ἀΐδαο περᾶν, de 906.


Em 701‑712, descreve o Hades como σκιερὸν χῶρον ἀποφθιμένων,
dotado de κυανέας τε πύλας. Em 802, usa a expressão δύσεται εἰς Ἀΐδεω

1 Carlo Russο, op. cit., pp. 18‑19, conta esta entre as imagens de gosto hiper-

bólico do autor do Scutum.


2 Eurípides, Her. 870, atribui‑lhes essa proveniência (embora anteriormente,

nos versos 480‑484, fizesse delas filhas de Hades). Na Odisseia ainda levavam os
mortais para o Hades (γ 410 = ζ 11); em ξ 207‑208, é­‑se mais claro ainda:

ἀλλ’ ἦ τοι τὸν κῆρες ἔβαν θανάτοιο φέρουσαι


εἰς Ἀίδαο δόμους·………………………………………….

3 Por sua vez, a fórmula Τάρταρον ἐς κρυόενθ’ foi imitada por um «órfico» (frg.

222 Kern).
4 E.g.: Αrquíloco, Pap. Oxy. 2310, frg. 1, col. I, 38 = Lasserre, frg. 35, v. 34. Semó-

nides de Amorgo, frgs. 1, v. 14, e 7, v. 117 Diehl.


5 E.g.: Tirteu, frg. 9, v. 38 Diehl; Mimnermo, frg. 2, v. 14 Diehl; Teógnis, vv. 725‑728.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 265

e, em 917, a tradicional κατέβη δόμον Ἄϊδος εἴσω, semelhante à de


1014, εἰς Ἀΐδεω δῶμα μέλαν κατέβη. Em 1204, apenas ὑπὸ γῆν εἶσι. Em
973‑978, dá‑se‑lhe a designação de Érebo e palácio de Perséfone, e, em
1296, é δώματα Περσεφόνης.
O mesmo Corpus Theognideum refere‑se ao Tártaro nos versos 1029‑1036:

Τόλμα, θυμέ, κακοῖσιν ὅμως ἄτλητα πεπονθώς·


δειλῶν τοι κραδίη γίνεται ὀξυτέρη.
μὴ δὲ σύ τ’ ἀπρήκτοισιν ἐπ’ ἔργμασιν ἄλγος ἀέξων
ἔχθει μηδ’ ἄχθου, μηδὲ φίλους ἀνία,
μηδ’ ἐχθροὺς εὔφραινε. θεῶν δ’ εἱμαρμένα δῶρα
οὐκ ἂν ῥηϊδίως θνητὸς ἀνὴρ προφύγοι,
οὔτ’ ἂν πορφυρέης καταδὺς ἐς πυθμένα λίμνης,
οὔθ’ ὅταν αὐτὸν ἔχηι Τάρταρος ἠερόεις.

O homem mortal não poderá escapar ao destino que os deuses lhe


talharam, quer mergulhe nos recessos do mar, quer o detenha o Tárta-
ro. Α adjectivação deste último pertence a uma fórmula que ascende a
Θ 13. Pode supor‑se, portanto, que o poeta se refere ao Tártaro com o
mesmo sentido do passo da Ιlíada; mas a reminiscência literária eviden-
te inclina‑nos a admitir que a escolha recaiu sobre esse lugar, por ser
o mais fundo que se conhecia, mais que o mar— βάθιστον ὑπὸ χθονός
ἐστι βέρεθρον, como se lia em Θ 14.
Os líricos apresentam, no seu mutilado texto, referências frequentes
ao Hades, como termo último da existência dos mortais 1 .
Safo, por exemplo, fala de Ἀίδα δόμωι (frg. 55,3 Lobel‑Page) e Alceu
de Ἀίδαο δῶμα (frg. 48, 15 Lobel‑Page). Qualquer deles alude por vezes
ao mesmo lugar, nomeando apenas o rio Aqueronte, como neste passo
da poetisa 2 :

λωτίνοις δροσόεντας [ ὄ‑
χ [̣ θ]οις ἴδην Ἀχερ‑[

1 E.g.: Álcman, Parthen. 32; Alceu, frg. 60a, v. 5, talvez 186, v. 4, e 296a, v. 5, e
talvez 117b, v. 38 (números de Lobel‑Page).
2 Frg. 95 Lobel‑Page, vv. 12‑13. Outros exemplos: Safo, frg. 65, 10 Lobel‑Page;

Alceu, frg. 38a, 2 e 8 Lobel‑Page; Melanípides, frg. 3,2 Diehl; Simónides, frg.
13a, 18 Diehl. Cf. Ésquilo, Septem 854‑860 e Ag. 1160‑1161, que cita o Cócito e o
Aqueronte. Quanto ao lótus do frg. 95 de Safo, lembrem‑se os campos dessa flor,
junto de Tebas, em Eurípides, Phoiniss., 1571, que sugerem uma fórmula literária
comparável aos «campos de asfódelo» homéricos.
266 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

O mesmo faz Baquílides 1 com o Cócito, na sua formosa descrição


da Ode V, 56‑175, onde imagina as almas aglomeradas ao longo da sua
torrente, como as folhas impelidas pelo vento no Monte Ida (63‑67).
Do Tártaro fala Alceu, no frg. 77a Lobel‑Page, em contexto tão mu-
tilado que nada se pode afirmar; e no frg. 286a, 4, lê‑se ὑποταρτάριον
palavra que sugere uma possível referência ao mito dos Titãs.
Sabemos pelo Etymologicon Magnum 427, 48, e por Hesíquio e ainda
outras fontes 2 que Estesícoro qualificara uma vez o Tártaro de ἠλίβατον.
É provável que o autor do poema sobre Cérbero 3 se expandisse lar-
gamente sobre a sua concepção dos lugares infernais. Porém, o que
chegou até nós sobre tal assunto limita‑se a um curto fragmento que
opõe Hades a Apolo:

κάδεα δὲ στοναχάς τ’ Ἀίδας ἔλαχεν


(22, 3 Diehl)

Quanto a Píndaro, ao lado das inúmeras referências, com o sentido


habitual, ao Hades 4 ou apenas a um dos seus rios 5 , encontramos três
menções do Tártaro.

Destas, uma dá‑o como lugar de prisão de Tifeu, nos moldes deline-
ados por Hesíodo, Theog. 820‑828:

ὅς τ’ ἐν αἰνᾶι Ταρτάρωι κεῖται, θεῶν πολέμιος,


Τυφὼς ἑκατοντακάρανος·…………………………….
(Py. I, 15‑16)

Outra é a que consta do frg. 207 Snell, demasiado curto para se poder recons-
tituir o seu contexto, embora seja lícito supor que respeitava ao mesmo mito:

Ταρτάρου πυθμένα †πτίξεις ἀφανοῦς


σφυρηλάτοις ἀνάγκαις

1 No frg. 60 Snell, verso 18, lê‑se Ἀχέρον[τι.], e, duas linhas mais abaixo, Ἀΐδαο,

mas o contexto é pouco claro.


2 Cf. frg. 83 Bergk.

3 Pollux 10.152.

4 Ol. VIII 72‑73. Ol. X 92‑93. Py. III 11. Py. V 96. Ne. VII 30‑31. Isthm. I 68. Isthm. VI 15.

5 Py. XI 21. Ne. IV 85. Frg. 143 Snell.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 267

Diferente é o caso da terceira, que pertence à fala de Exanthios, he-


rói de Ceos, que sobreviveu a um tremor de terra, com que os deuses
castigaram aquela ilha:

χθόνα τοί ποτε καὶ στρατὸν ἀθρόον


πέμψαν κεραυνῶι τριόδοντί τε
ἐς τὸν βαθὺν Τάρταρον ἐμὰν μα‑
τέρα λιπόντες καὶ ὅλον οἶκον εὐερκέα·
(Paeanes IV, 42‑45)

A data provável, atribuída por Snell a este péan, é posterior a 458.


Nesta altura, portanto, era possível afirmar que os deuses castigavam
uma população submergindo‑a nas profundezas do Tártaro, como pri-
mitivamente Zeus fizera aos Titãs vencidos.

São aproximadamente da mesma década 1 as duas tragédias de És-


quilo que mais interesse oferecem sob este ponto de vista: o Prometeu
Agrilhoado e as Euménides.
Na primeira, o verso 236 refere‑se ao Hades nos termos tradicionais 2.
Pouco antes, em 219‑221, aludira‑se ao mito da prisão de Cronos e dos
Titãs no Tártaro, acto esse em que Prometeu fora o auxiliar de Zeus:

1 Quanto ao Prometeu, as opiniões variam. Dada a existência de um terminus a

quo em 479/8, fornecido pela referência à erupção do Etna no drama, e o conhe-


cimento de que Ésquilo esteve em Siracusa em 470, quando se cantou a Iª Pítica,
o Prof. Dodds (em aulas, na Universidade de Oxford) inclina‑se para uma data
não muito posterior a esta última. Pode ver‑se uma discussão do assunto em A.
Lesky, Die tragische Dichtung der Hellenen, Göttingen, Vandenhoeck und Ruprecht,
1956, p. 80 e n. 1, e em M. Pohlenz, Die griechische Tragödie Göttingen, 1954, vol.
II, p. 35. Quanto à Oresteia, é sabido que ganhou o primeiro prémio em 458 a. C.
2 Outro tanto sucede em Ag. 1291. O Hades é também a mansão dos mortos

em Sept. 321‑322, Ag. 1527‑1529, Choe. 355‑359 (não nomeado), Eum. 95‑97 (não
nomeado). Da morada subterrânea e tenebrosa dos que partiram se fala ainda
em Pers. 222‑223, 839, 922‑924. Em Pers. 637 apenas se situa Dario νέρθεν e, em
Prom. 570‑573, Argos, mesmo depois de morto, parece a Io emergir ἐξ ἐνέρων,
para continuar a persegui‑la. Choe. 405 (νερτέρων τ υραννίδες) e 475 (θεῶν
<τῶν> κατὰ γᾶς), Choe. 147 e Ag. 1023 e ainda Pers. 222‑223 e 624 sugerem ou
descrevem a posição do Hades. Metáforas como ἦ δίκτυόν τί γ’ Ἅιδου (Ag. 1115),
Ἅιδου μητέρ’ (Ag. 1235) mostram a equivalência deste nome à morte. O frg. 267
Nauck 2 , citado por Platão, Phaed. 107e‑108a, refere‑se ao caminho único que
conduz até esse lugar.
Em Sept. 856 prefere‑se nomear o Aqueronte; em Sept. 690, o Cócito, e em Ag.
1160‑1161, os dois rios. Hades é denominado rei dos mortos em Pers. 629, e, em
Suppl. 157‑158, chama‑se‑lhe τὸν πολυξενώτατον, / Ζῆνα τῶν κεκμηκότων expressão
que recorda Ζεὺς τε καταχθόνιος de I 457 (cf. também Ζεὺς χθόνιος de Sófocles, Oed.
Col. 1606). No verso 231 da mesma tragédia, Ésquilo refere‑se ao deus de modo
semelhante: Ζεὺς ἄλλος. Em Ag. 1386‑1387, é (segundo a conjectura de Enger):
268 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ἐμαῖς δὲ βουλαῖς Ταρτάρου μελαμβαθής


κευθμὼν καλύπτει τὸν παλαιγενῆ Κρόνον
αὐτοῖσι συμμάχοισι……………………………….

É natural que o mesmo Prometeu imaginasse para si, como alternativa


preferível à sua presente situação, um castigo idêntico:

………………………..εἴς τε κελαινόν
Τάρταρον ἄρδην ῥίψειε δέμας
τοὐμὸν ἀνάγκης στερραῖς δίναις·
(1050‑1052)

Noutro passo, igualmente se propõe uma solução que Prometeu


considera menos dolorosa: transferir o seu castigo para debaixo da
terra, a fim de que nem homens nem deuses pudessem rejubilar com
a sua desgraça:

εἰ γάρ μ’ ὑπὸ γῆν νέρθεν θ’ Αἵδου


τοῦ νεκροδέγμονος εἰς ἀπέραντον
Τάρταρον ἧκεν,
δεσμοῖς ἀλύτοις ἀγρίως πελάσας,
ὡς μήτε θεὸς μήτε τις ἄλλος
τοῖσδ’ ἐγεγήθει.
(152‑157)

Aqui temos o Tártaro colocado a uma profundidade maior do que


o Hades, tal como postulava Θ 13‑16. Este facto autoriza‑nos a supor
que, nos versos 1026‑1029, se devam continuar a considerar distintos
os dois lugares:

τοιοῦδε μόχθου τέρμα μή τι προσδόκα,


πρὶν ἂν θεῶν τις διάδοχος τῶν σῶν πόνων
φανῆι, θελήσηι τ’ εἰς ἀναύγητον μολεῖν
Ἅιδην κνεφαῖά τ’ ἀμφὶ Ταρτάρου βάθη.

. . . . . . . . . . . . . τοῦ κατὰ χθονός


Διὸς νεκρῶν σωτῆρος . . . . . . . . . . .

No Prom. 433, uma curta descrição, em termos tradicionais:

κελαινὸς [δ’] Ἄιδος ὑποβρέμει μυχὸς γᾶς,

coloca o Hades entre as forças da natureza.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 269

Com efeito, em 235‑236 da mesma tragédia, afirmara‑se que os homens


iam para o Hades. Só a Cronos e aos Titãs cabia o castigo do Tártaro
(219‑221). Assim é que em Suppl. 415‑416 e em Eum. 267‑275, onde se
alude às punições aos criminosos, a referência é só e sempre ao Hades.
Nas Euménides, mais de uma vez se afirma que as Erínias habitam no
Tártaro, Assim, por exemplo, Apolo declara, referindo‑se a elas:

κακῶν δ’ ἕκατι κἀγένοντ’, ἐπεὶ κακόν


σκότον νέμονται Τάρταρόν θ’ ὑπὸ χθονός,
μισήματ’ ἀνδρῶν καὶ θεῶν Ὀλυμπίων.
(71‑73)

Em 115, são designadas por κατὰ χθονὸς θεαί. Em 387, residem na


ἀναλίωι λάμπαι1 e em 395‑396 acrescenta‑se:

καίπερ ὑπὸ χθόνα τάξιν ἔχουσα


καὶ δυσάλιον κνέφας.

A mesma vaga localização em 1007 (κατὰ γῆς), em 1023 (ἐς τοὺς ἔνερθε
καὶ κατὰ χθονὸς τόπους) e em 1036 (γᾶς ὑπὸ κεύθεσιν ὠγυγίοισιν).
No verso 417, elas mesmas declaram:

Ἀραὶ δ’ ἐν οἴκοις γῆς ὑπαὶ κεκλήμεθα.

Em 950‑952, Atena afirma que

…………………………..μέγα γὰρ δύναται


πότνι’ Ἐρινὺς παρά τ’ ἀθανάτοις
τοῖς θ’ ὑπὸ γαῖαν………………………….

e este valimento das Erínias junto dos deuses ctónios torna compre-
ensível que elas pudessem perseguir os criminosos, não só em terra e
no mar (249‑251 ), como até no Hades (334‑340; 422‑423). Nem depois
de mortos lhes escaparão:

τοῖς ὁμαρτεῖν, ὄφρ’ ἄν


γᾶν ὑπέλθηι· θανὼν δ’
οὐκ ἄγαν ἐλεύθερος.
(338‑340)

1 Sobre as interpretações possíveis deste passo, vide Concepções Helénicas de

Felicidade no Além, de Homero a Platão, p. 43.


270 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Uma afirmação destas liga facilmente duas noções primitivamente


distintas, como eram as de Hades e Tártaro. De resto, a transferência das
Erínias para este último lugar parece ter sido feita por Ésquilo1 embora
estivesse definida desde Homero a sua localização subterrânea 2 . Uma
longa tradição associava o Tártaro à ideia de prisão e castigo, embora
só para divindades. Era natural que estas entidades vingadoras viessem
a ser lá situadas. Mais ainda: uma vez que os dois lugares subterrâneos
tendiam a confundir‑se, e introduzida a noção de juízo e castigos no
além, compreende‑se que se viesse a supor que o Tártaro era uma parte
do Hades, onde eram supliciados os grandes culpados. É essa, aproxi-
madamente, a noção que encontraremos depois nos mitos platónicos 3 .
No entanto, a confusão acima aludida não se opera ainda entre os
grandes trágicos, como poderemos verificar num rápido exame aos
dramas de Sófocles e de Eurípides.
No Édipo em Colono mantém‑se ainda a noção de que o Tártaro é des-
tinado aos grandes criminosos, e o Hades à generalidade dos homens 4 .
Efectivamente, Édipo, ao lançar as suas maldições sobre Polinices,
exclama:

τοιαῦτ’ ἀρῶμαι, καὶ καλῶ τὸ Ταρτάρου


στυγνὸν πατρῶιον ἔρεβος, ὥς σ’ ἀποικίσηι,
καλῶ δὲ τάσδε δαίμονας, καλῶ δ’ Ἄρη
τὸν σφῶιν τὸ δεινὸν μῖσος ἐμβεβληκότα.
(1389‑1392)

1 Sobre a evolução das Erínias, veja‑se a introdução de Sidgwick à sua edição

comentada das Euménides, Oxford, at the Clarendon Press, 1895, pp. 18‑21.
2 I 571‑572. T 259‑260.

3 No Górgias, a bifurcação conduz ao Tártaro ( δεσμωτήριον, 523b e 524a), e

às Ilhas dos Bem‑aventurados, sem que se indique a respectiva localização nem


se distinga entre o primeiro e o Hades (cf. 525b, 525c, 525e, 526b). No Fédon, as
almas caminham para o Hades (107d, 108a), e o Tártaro, com os seus rios, fica
nos mais íntimos recessos da terra (112a‑113c); as que tiveram uma existência
média permanecem nas margens do Αqueronte (113d) e as incuráveis no Tártaro
(113e); as culpadas de graves delitos, mas susceptíveis de expiação, são trazidas
do segundo destes lugares para as margens dos rios, até obterem o perdão das
suas vítimas (113e‑114b). O mito de Er e o do Fedro transcendem a topografia
habitual, para se colocarem num plano cosmológico. No entanto, no primeiro
ainda se alude a uma viagem subterrânea das almas que sofreram castigo (615a)
e aos criminosos precipitados no Tártaro (616a), e em 619a fala‑se do Hades nos
termos tradicionais. No segundo, ainda se faz referência a castigos ὑπὸ γῆς (249a).
4 Para uma interpretação diferente, vide G. Iwanowitsch, Opiniones Homeri et

tragicorum Graecorum de inferis per comparationem excussae, Diss. Erlangen, Berolini,


1894. É significativo que em Poet. 1456a Aristóteles se refira a ὅσα ἐν Ἅιδου como
constituindo um grupo numeroso de tragédias.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 271

Uns versos mais adiante, em 1440, Antígona antevê, para o mesmo


Polinices, a ida para o Hades, e, em 1461 e 1547‑1548, e 1551‑1552, Édi-
po fala do mesmo lugar como o seu próximo destino. É essa divindade
que invoca o Coro, bem como a Cérbero, «guarda indomável» do Hades,
filho da Terra e do Tártaro (1556‑1578). Hades é sinónimo de morte em
1220‑1223, 1689‑1692.
Nas restantes tragédias conservadas de Sófocles, são frequentes as
alusões ao Hades como destino dos mortais ou sinónimo de trespasse
(e.g.: Ájax, 517, 606‑608, 635, 660, 865, 1035, 1192‑1194; Ant. 361‑362,
580‑581, 653‑654, 804‑805, 810‑822, 911‑912, 1205, 1241, 1284‑1285; Electra,
137‑139, 463, 542, 832‑836, 948‑950, 1342; Oedip. Rex, 29‑30, 971‑972, 1372;
Phil. 624, 861, 1211‑1212, 1349; Trach., 4, 119‑121, 281‑283, 1040‑1043,
1085, 1161; frg. 478, 615 e 781 Nauck 2 ) ou como deus (Ant. 519‑521, 542,
777‑780, 1074‑1076; Electra 110, 184; Trach. 497‑502, 1097‑1098).
Outro tanto se pode afirmar acerca de Eurípides, que se refere inú-
meras vezes ao Hades ou figuras a ele associadas, ou simplesmente à sua
localização subterrânea, em contextos semelhantes (e.g.: Alc. 24‑26, 73,
124‑126, 252‑263, 357‑362, 436‑444, 455‑463, 743‑746, 870‑871, 900‑902;
Andr. 414, 503‑505, 543‑544, 850, 1078, 1217; Bacch. 857‑859, 1156‑1158,
1361‑1362; El 662; Hec. 1‑2, 49, 136‑137, 208‑210, 367‑368,418,483,1032­
‑1033,1105‑1106; Hel. 61‑62, 175‑178, 969‑971, 1122‑1123, 1161; Heracl.
218‑219, 513‑514, 911‑914, 949‑951; Her. 22‑25, 45‑46, 116‑117, 145‑146,
296‑297, 352‑353, 426‑435, 562‑564, 607‑619, 621, 736, 770, 807‑808,
1101‑1105, 1170, 1276‑1278, 1415 — grupo referente às aventuras de
Hércules —, 453, 483‑484, 491, 838‑839, 1025‑1027, 1119, 1247, 1331; Hipp.
56‑57, 829, 836‑838, 895‑896, 1366‑1367, 1387‑1388, 1416‑1419, 1447; Ion
953, 1235, 1273‑1274, 1439‑1442, 1494‑1496; Iph. Aul. 461, 539‑540; Iph.
Taur. 157‑158, 168‑169, 184‑185, 285‑286, 369‑370; Med. 1059, 1109‑1111,
1233‑1235; Or. 1109, 1522, 1584; Phoen. 810‑811, 1311‑1312, 1575‑1576;
Suppl. 75, 271‑274, 543‑546, 773, 796‑797, 920‑922, 925‑927, 1004‑1005,
1021‑1022; Troad. 445, 597; frg. 860 Nauck 2 . Em Andr. 1192, Hec. 1077,
Her. 1119, é usado como termo de comparação.
Todos estes passos provam a existência de uma bem estabelecida
tradição acerca do Hades. Quanto ao Tártaro, surge também, no Hércules,
Hipólito, Orestes e Fenícias.
O primeiro destes passos, o verso 870 1 de Her., refere‑se às Keres como
habitantes dessa região, invocadas pelo herói na sua loucura:

δεινὰ μυκᾶται δὲ Κῆρας ἀνακαλῶν τὰς Ταρτάρου.

1 Seguimos a correcção de Canter. O verso é de autenticidade duvidosa para Murray.


272 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Igual residência parece atribuir‑se às Erínias, que são chamadas


γοργῶπες ἐνέρων ἱέρεαι, δειναὶ θεαί em Or. 261, para, nos versos 264‑265,
Orestes, no seu delírio, exclamar:

μέθες· μί’ οὖσα τῶν ἐμῶν Ἐρινύων


μέσον μ’ ὀχμάζεις, ὡς βάληις εἰς Τάρταρον.

O doente julga que a irmã é uma dessas terríveis divindades, que


intenta arrebatá‑lo para os lugares temerosos em que habita. Este passo
faz entrever a possibilidade de o Tártaro estar já aberto aos simples
mortais pecadores, nota E. R. Dodds 1. Mas o facto é igualmente eviden-
te no Hipólito, quando Ártemis diz a Teseu que a sua vergonha devia
ocultar‑se nesse lugar:

πῶς οὐχ ὑπὸ γῆς τάρταρα κρύπτεις


δέμας αἰσχυνθείς,
(1290‑1291)
Nas Fenícias, 1604‑1605, Édipo desejaria que o Citéron se tivesse pre-
cipitado no abismo sem fim do Tártaro, em vez de o criar para tantas
desgraças:

………………………..Ταρτάρου γὰρ ὤφελεν


ἐλθεῖν Κιθαιρὼν εἰς ἄβυσσα χάσματα,

É ainda como abismo que lhe faz referência o coro do Hércules,


906‑909, em ligação com um exemplo mitológico:

ἢ ἤ· τί δρᾶις, ὦ Διὸς παῖ, μελάθρωι;


τάραγμα ταρτάρειον ὡς ἐπ’ Ἐγκελάδωι ποτέ, Παλλάς,
ἐς δόμους πέμπεις.

Destes cinco exemplos 2, pode concluir‑se que o Tártaro é apresentado


como um lugar subterrâneo onde moram divindades temíveis, invocado
pelos loucos nas suas crises, ou por Édipo, na sua situação desesperada,
e destinado a crimes extraordinários.

Plato, Gorgias, a revised text with introduction and commentary, Oxford, at


1

the Clarendon Press, 1959, p. 377. O passo do Oed. Col. que citei na p. 270 supõe
as mesmas doutrinas.
2 Segundo Steph. Byz., s. v. Τάρταρος, p. 696, Eurípides teria empregado a

palavra Ταρταρίτης, para designar os habitantes desse lugar, no drama satírico


Euristeu (Meineke, Poet. Com. Gr. Frg., p. 756, nº 342).
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 273

Em Aristófanes quase não se menciona, a despeito de se cruzarem


nos versos das suas comédias desvairadas tradições escatológicas 1 .
Especialmente significativo a este propósito é que as Rãs se situam
exclusivamente no Hades 2 , mesmo quando se referem a expiação de
crimes (145‑150, 274‑275).
Do Tártaro fala‑se na parábase das Aves, ao parodiar uma teogonia,
e, possivelmente, este nome estará na base de um jogo de palavras do
verso 475 das Rãs, sobre a moreia tartéssica 3 . No verso 192 das Nuvens,
é colocado muito fundo 4 .
O fragmento dos Μεταλλῆς de Ferécrates, citado por Αteneio 6, p. 268e
(= 108 Kock), contém um diálogo em que uma das interlocutoras, depois
de ouvir exaltar os excepcionais requisitos alimentares das regiões
inferiores, exclama:

οἴμ’ ὡς ἀπολεῖς μ’ ἐνταῦθα διατρίβουσ’ ἔτι,


παρὸν κολυμβᾶν, ὡς ἔχω, ᾽ς τὸν Τάρταρον!

É provável que aqui tenha sido escolhido este lugar terrível, e não o
Hades 5 , para acentuar mais a inverosimilhança das afirmações. Seria,
pois, uma atitude de espírito comparável à que informa os versos 2‑3
do frg. 488 Kock dos Tagenistai de Aristófanes:

1 Vide Concepções Helénicas de Felicidade no Além, de Homero a Platão, pp. 57 e


121‑126.
2 Embora a mitologia relativa a esses lugares seja jocosamente aproveitada

em Ach. 391, Eq. 1030‑1032, Lys. 605‑607, Pax 313‑315, Plut. 278, Thesm. 1040, Vesp.
762‑763 (paródia de um verso de Eurípides), frg. 149‑150 Kock (e certamente em
todo o Gerytades) e na primeira parte das Rãs. É digno de nota o facto de, em Ranae
69‑70, se pôr em dúvida que haja lugar mais profundo do que o Hades:

……………………πότερον εἰς Ἅιδου κάτω;


καὶ νὴ Δί’ εἴ τί γ’ ἔστιν ἔτι κατωτέρω.

Será interessante lembrar, a este propósito, o frg. 28 Diels de Xenófanes, em


que se afirma que «para baixo, a terra continua indefinidamente», usando uma
formulação «mais popular do que intelectual», como observam Kirk e Raven, The
Presocratic Philosophers, p. 11.
3 É a interpretação adoptada, por exemplo, por V. Coulon, na sua edição de

Aristófanes (Paris, Les Belles Lettres, tome IV, 1954, p. 108 e n. 2), W . W . Merry
(Oxford, at the Clarendon Press, repr. 1947, p. 26) e W. B. Stanford (London, Mac-
Millan, 1958, p. 115). Radermacher (Zweite Auflage, Wien, 1954, p. 215) e Süss
(Berlin, 1935, p. 35) preferem outras explicações.
4 Ὁ ὑπὸ γῆν κατώτατος τόπος ‑ como explica o schol. ad locum.
5No frg. 81 Kock dos Krapataloi, citado por Ateneio 14,646c, é só do Hades que
o poeta fala. Muitas outras comédias perdidas parecem também ter tido como
cenário esse lugar.
274 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

……………………………………..ἓν δέ σοι φράσω,


ὅσωι τὰ κάτω κρείττω’ στὶν ὧν ὁ Ζεὺς ἔχει·

Verifica‑se, portanto, que são estas as ideias prevalecentes durante


todo o séc. V a. C.: o Tártaro é lugar de castigo, para certos casos; o
Hades, a mansão dos que pereceram, de um modo geral.
Talvez estes factos concorram para fornecer a explicação mais
plausível para a confusão que parece verificar‑se neste skolion de um
contemporâneo de Simónides, Timocreonte de Rodes 1 :

Ὤφελέν σ’, ὦ τυφλὲ Πλοῦτε, μήτε γῆι μήτ’ ἐν


θαλάσσηι μήτ’ ἐν ἠπείρωι φανῆμεν,
ἀλλὰ Τάρταρόν τε ναίειν κ’ Ἀχέροντα· διὰ σὲ γὰρ πάντ’
<ἔνι> ἐν ἀνθρώποις κακά.
(frg. 5 Diehl)

Um dos rios do Hades, aquele que desde os líricos arcaicos se usava


mais frequentemente para designar essas paragens, é colocado junto
do Tártaro.
Este último lugar é, portanto, invocado como sítio destinado aos
grandes castigos, àqueles que se atribuíam às divindades.
A noção de que também os seres humanos poderão ser punidos no
além está implícita em Γ 276‑280 e T 258‑260, com relação aos perjuros.
Mas a primeira menção conhecida de julgamento no Hades consta de
textos de Ésquilo (Suppl. 228‑231 e 414‑416; Eum. 273‑275 e 339‑340; Pap.
Oxy. 2256.9 (a) ) e de Píndaro (Ol. II 56‑60) 2 .
Como observa E. R. Dodds na sua edição do Górgias de Platão3, estando
a doutrina de Píndaro, neste último passo, associada à metempsicose,
poderemos aceitar a informação de Jâmblico (Vita Pythagorea 155, 179;
cf. Diog. Laert. VIII.35), de que a doutrina do julgamento foi ensinada
por Pitágoras.
Por outro lado, um passo de Aristóteles (Anal. Post. B. 11.94b 33) refere
uma doutrina pitagórica, segundo a qual o trovão servia para assustar os
que estavam no Tártaro. Aliás, os biógrafos de Pitágoras atribuíam‑lhe
uma descida às regiões infernais, onde teria presenciado os castigos e

1 Veja‑se, sobre este skolion, C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 350. O poeta é

aí estudado de pp. 349 a 358.


2 Analisei a questão em Concepções Helénicas de Felicidade no Além, de Homero a

Platão, pp, 48‑50.


3 Op. cit., pp. 373‑374.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 275

o julgamento que aí se efectuavam 1 . Por sua vez, os tremores de terra


eram, para eles um σύνοδος τῶν τεθνεώτων2 .
Analisando os dados até agora obtidos, podemos concluir que havia
primitivamente dois mitos distintos, certamente também diferenciados
quanto à origem: o do Hades, lugar para onde iam os homens depois
da morte, tal como se afirma repetidamente ao longo dos Poemas Ho-
méricos 3 , e o do Tártaro, onde estavam prisioneiros Cronos e os Titãs,
como explica o texto de Hesíodo 4 . Esta segunda lenda figura em curtas
referências na Ilíada, em passos provavelmente mais tardios, e talvez
mesmo imitados da Teogonia.
Durante o séc. VII e até ao final do séc. VI a. C., verificamos que
a distinção prevalece, uma vez que damos por corrupto o verso 254
do Scutum. Esta afirmação parece poder manter‑se para o séc. V a. C.,
embora possam já discernir‑se, num ou noutro autor, indícios de uma
confusão que acabará por conduzir à identificação dos dois lugares, em
época muito posterior.
Entretanto, tinham‑se desenvolvido as doutrinas escatológicas, sob
a influência das religiões de Mistérios e do Pitagorismo.
Ora a noção de castigo, que esta última especialmente acentuava,
postula, necessariamente, a existência de um local onde ele se execute,
diverso daquele para onde vão todos os mortais. Sendo teatro da punição
de divindades desde o início, estava naturalmente indicado o Tártaro
para esse efeito. É talvez assim, a avaliar pelas escassas indicações que
possuimos, que o vêem os Pitagóricos — para não falar dos Órficos, cuja
doutrina está muito insuficientemente documentada para as épocas
arcaica e clássica — e é assim que o verá Platão 5 .
Deste modo, qualquer mortal continuava a esperar que iria para o
Hades, quer fosse o Sócrates da Apologia (40e‑41c), quer um daqueles
simples desconhecidos que, entre o séc. IV a. C. e o II p. C. levavam
consigo uma lâmina de ouro, para saberem o que haviam de responder

1 Diog. Laert. VIII, 21 (κατελθόντα αὐτὸν εἰς Ἅιδου) e 35 (τὴν ἐν Ἅιδου κρίσιν). Cf.

Jâmblico, Vita Pythagorea, 155, 179.


2 Aelianus, Var. Hist. IV, 17 = VS. 58 (45) C. 2.

3 Menelau escapa à morte e tem um destino especial, por ser genro de Zeus

(δ 561‑569). É um caso excepcional e único.


4 O verso 169 dos Trabalhos e Dias situa Cronos nas Ilhas dos Bem‑aventurados,

e os 169b‑e do Papiro de Genebra contam a sua libertação por Zeus. Expus em


Concepções Helénicas de Felicidade no Além, de Homero a Platão, pp. 94‑96, as razões
por que considero esses versos espúrios.
5 Cf. supra, p. 270, n. 3. Os castigos do final do Canto XI da Odisseia, certamente

interpolação tardia, não dizem respeito ao comum dos mortais, mas apenas a
figuras mitológicas isoladas.
276 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

aos deuses infernais 1 . Nenhum, pelo menos antes da idade helenística,


aceitaria com indiferença a perspectiva de ir para o Tártaro 2 .
Para formarmos uma ideia da época em que se desvaneceu esta
distinção, é instrutivo comparar o tratamento de um mesmo tema —
desejo de, como Orfeu, ir buscar um morto querido — em Eurípides e
num poeta alexandrino.

O primeiro diz assim, nos versos 357‑362 de Alceste:

εἰ δ’ Ὀρφέως μοι γλῶσσα καὶ μέλος παρῆν,


ὥστ’ ἢ κόρην Δήμητρος ἢ κείνης πόσιν
ὕμνοισι κηλήσαντά σ’ ἐξ Ἅιδου λαβεῖν,
κατῆλθον ἄν, καί μ’ οὔθ’ ὁ Πλούτωνος κύων
οὔθ’ οὑπὶ κώπηι ψυχοπομπὸς ἂν Χάρων
ἔσχον, πρὶν ἐς φῶς σὸν καταστῆσαι βίον.

No final do Epitáfio de Bíon, 115‑126, Mosco escreveu:

………………………………………………………………εἰ δυνάμαν δέ,


ὡς Ὀρφεὺς καταβὰς ποτὶ Τάρταρον, ὥς ποκ’ Ὀδυσσεύς,
ὡς πάρος Ἀλκεΐδας, κἠγὼ τάχ’ ἂν ἐς δόμον ἦλθον
Πλούτεος, ὥς κέ σ’ ἴδοιμι καί, εἰ Πλούτηϊ μελίσδηι,
ὡς ἂν ἀκουσαίμαν τί μελίσδεαι. Ἀλλ’ ἄγε Κώραι
Σικελικόν τι λίγαινε καὶ ἁδύ τι βουκολιάζευ·
Καὶ κείνα Σικελά, καὶ ἐν Αἰτναίαισιν ἔπαιζεν
ἀιόσι, καὶ μέλος οἶδε τὸ Δώριον· Οὐκ ἀγέραστος
ἐσσεῖθ’ ἁ μολπά, χώς Ὀρφέϊ πρόσθεν ἔδωκεν
ἁδέα φορμίζοντι παλίσσυτον Εὐρυδίκειαν,
καὶ σέ, Βίων, πέμψει τοῖς ὤρεσιν. Εἰ δέ τι κἠγών
συρίσδων δυνάμαν, παρὰ Πλουτέϊ κ’ αὐτὸς ἄειδον.

Vide o trabalho citado na nota 4 da página 257, a pp. 238-243, e, sobre os


1

testemunhos epigráficos, ibidem, pp. 221-222, e ainda Karl Maria Kaufmann, Die
Jenseitshoffnungen der Griechen und Römer nach den Sepulcralinschriften. Ein Beitrag zur
monumentalen Eschatologie, Freiburg in Breisgau, 1897, que apresenta um esquema
comparativo que permite concluir que só se encontram referências ao Tártaro,
nesses domínios, na época romana.
Omito aqui a possibilidade de uma sobrevivência feliz, que estudei na obra
referida acima.
2 É curioso notar que mesmo autores mais tardios, como Demóstenes (XVIII,

27. XXXIV, 104), Pseudo‑Demóstenes, XXV, 53 — exemplos citados por Nilsson,


Geschichte der griechischen Religion, II, p. 230), e até Calímaco (Ai. IV 15. Ep. II 6, IV
2, X 1, XIII 6, XXIII 2, XLI 2. Hy. I 62, III 222, IV 277, V 130) só mencionam o Hades.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 277

Aqui é evidente que Hades e Tártaro são tomados como sinónimos 1 .


Para estabelecer essa equivalência antes da época helenística, não dis-
pomos, porém, de dados seguros.

γ) «Ιrremeabilis unda»

Desde os Poemas Homéricos que se estabelecera entre homens e


deuses uma diferença fundamental: aqueles são mortais, ao passo que
estes são αἰὲν ἐόντες. Dos καταθνητῶν falam Ζ 123, γ 114, ι 502, ρ 587, τ 285,
υ 76, ψ 126. Em Κ 440‑441, a oposição é completa:

………………..τὰ μὲν οὔ τι καταθνητοῖσιν ἔοικεν


ἄνδρεσσιν φορέειν, ἀλλ’ ἀθανάτοισι θεοῖσιν.

O frg. 82,2 Rzach de Hesíodo junta tudo num só verso:

ἀθανάτοισι θεοῖσι καταθνητοῖς τ’ ἀνθρώποις,

A mesma oposição aparece também, com algumas variantes, no Hino


Homérico a Deméter, nos versos 22, 45, 55, 73, 269, 403; no Hino Homérico
a Apolo, 68‑69; no Hino Homérico a Hermes, 161, 441, 576.
Dois substantivos comuns, μοῖρα e κήρ, servem, por extensão de sen-
tido, para indicar que chegaram os últimos momentos da vida de um
.
guerreiro.

1 Em Platão, Symp. 179d, era ainda ao Hades que Orfeu descia, de acordo com

a tradição. É curioso que, nos começos do séc. ΙΙΙ a. C., Hermesiânax de Cólofon,
Λεοντίου III, 2 (frg. 2 Diehl), também coloca a cena nesse lugar. O desenvolvimento
deste tema foi parcialmente estudado por J. Heurgon, «Orphée et Eurydice avant
Virgile» in Mélanges d’Archéologie et d’Histoire de l’École Française de Rome, Paris,
1932, pp. 6‑60.
O autor de um hino a Deméter, recuperado num papiro do séc. III a. C. (Pap.
Berol. 11793 = Diehl, II, 6, p. 130), ao referir‑se à partilha do mundo, afirma que:

Ἀγεσίλας δ’ ἔλαχεν τὸν Τά[ρταρον εὐ]ρὺν ἕπεσθαι.

Uma confusão semelhante à do texto citado acima se opera em Plutarco, que


situa os castigos no Tártaro em De genio Socratis, 22, p. 592d, e no Hades em De
superst., 4, p. 167a. Coloca ambos os lugares nas profundezas da terra em De facie in
orbe lunae, 25, p. 940e‑f, ao comentar os versos de Homero Y 64 e Θ 16. Lembre‑se,
a este propósito, que, na época romana, Hades, Tártaro e Elísio acabaram por ser
transferidos para a lua (cf. Nilsson, Geschichte der griechischen Religion, II, p. 471).
Sobre a evolução das crenças escatológicas na época helenística e romana,
veja‑se a mesma obra de Nilsson, vol. II, pp. 220‑230 e 520‑535, respectivamente.
278 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Umas vezes é θάνατος apenas que se refere 1, outras θάνατος καὶ μοῖρα 2,
outras θάνατος καὶ κήρ ou somente κήρ ou κῆρες θανάτοιο3 , outras ainda,
apenas μοῖρα4 ou κήρ5.
De qualquer modo, são sempre os deuses que a enviam 6 :

……….....ὅτε δή σε θεοὶ θάνατόνδε κάλλεσαν;

ou, mais explicitamente, como declara Aquiles, quando acaba de matar Heitor:

τέθναθι . κῆρα δ’ ἐγὼ τότε δέξομαι ὁππότε κεν δή


Ζεὺς ἐθέληι τελέσαι ἠδ’ ἀθάνατοι θεοὶ ἄλλοι.
(Χ 365‑366)
Esta decisão, noutros passos, é imputada à Moira irrevogável, sobre a qual
apenas Zeus parece ter poder, como se depreende do discutido passo do Canto
XVI da Ilíada, versos 441‑443 (repetido em Χ 179‑181), em que Hera, escan-
dalizada com a proposta de Zeus, de retirar Sarpédon do combate, exclama7:

ἄνδρα θνητὸν ἐόντα, πάλαι πεπρωμένον αἴσηι


ἂψ ἐθέλεις θανάτοιο δυσηχέος ἐξαναλῦσαι;
ἔρδ’· ἀτὰρ οὔ τοι πάντες ἐπαινέομεν θεοὶ ἄλλοι.

Se alguém ultrapassasse ou antecipasse esta data, fá‑lo‑ia ὑπέρμορα


(Β 155), ὑπὲρ μόρον (Y 30, Φ 517), ὑπὲρ μοῖραν (Y 336), ὑπὲρ αἶσαν (Γ 59.
Z 487), ὑπὲρ Διὸς αἶσαν (P 321) — o que nunca chega a suceder, porque
acorre sempre algum deus para o evitar.
A Moira é iniludível, e os guerreiros homéricos tinham do facto plena
consciência. É o que afirma Sarpédon em Μ 323‑328. O próprio Hércules
não conseguiu escapar‑Ihe, apesar do amor que Zeus lhe tinha 8 , como
lembra Aquiles em Σ 115‑121, ao anunciar à mãe a sua resolução ina-
balável de vingar Pátroclo, ainda que com sacrifício da própria vida.

E.g.: Γ 173, 309. N 544. Σ 464. X 361.


1

E.g.: Γ 101. E 83. Π 853. Φ 110. μοῖρα θανάτοιο: N 602. β 100.


2

3 E.g.: B 302, 834 = Λ 332. Θ 70 = Χ 210. I 411. Π 47, 687. Φ 548. Χ 202. λ 171 = λ 398. ξ 207.

4 E.g.: E 613‑614. Π 849. Φ 82‑83. X 5, 303. Ψ 80. γ 269. λ 292. τ 592‑593. χ 413. ω 29.

Personificada em Ω 209‑210.
5 E.g.: M 113. N 665. Σ 535 (personificada). Ψ 78‑79. Φόνον καὶ κῆρα: Γ 6.

6 Π 693. Cf. Χ 297,

7 Neste passo lê‑se αἶσα, que é nitidamente equivalente a μοῖρα (e.g.: A 416‑418.

Π 707. Ω 224‑225). Desta palavra deriva αἴσιμον (O 274), formação comparável a


μόρσιμον (O 613).
8 A impossibilidade de os deuses valerem aos seus favoritos é frisada também

na Odisseia, γ 236‑238, em contexto diverso.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 279

É que a morte derruba igualmente valentes e cobardes, como se lê


em Ζ 487‑489:

οὐ γάρ τίς μ’ ὑπὲρ αἶσαν Ἄϊδι προϊάψει·


μοῖραν δ’ οὔ τινά φημι πεφυγμένον ἔμμεναι ἀνδρῶν,
οὐ κακόν, οὐδὲ μὲν ἐσθλόν, ἐπὴν τὰ πρῶτα γένηται.

E a psyche, uma vez saída da boca do homem, não mais volta a entrar:

ἀνδρὸς δὲ ψυχὴ πάλιν ἐλθεῖν οὔτε λεϊστή


οὔθ’ ἑλετή, ἐπεὶ ἄρ κεν ἀμείψεται ἕρκος ὀδόντων’.
(I 408‑409)
Um passo como Χ 361‑363 define bem o processo, tal como era visto
pelos aedos homéricos:

Ὣς ἄρα μιν εἰπόντα τέλος θανάτοιο κάλυψε.


ψυχὴ δ’ ἐκ ῥεθέων πταμένη Ἄϊδόσδε βεβήκει,
ὃν πότμον γοόωσα λιποῦσ’ ἀνδροτῆτα καὶ ἥβην.

Estas mesmas palavras descrevem também a morte de Pátroclo,


em Π 855‑857.
No Canto XII da Odisseia, Circe põe em contraste o lamentável destino
de Ulisses e seus companheiros, acabados de regressar do Hades, com
o do comum dos mortais:

σχέτλιοι, οἳ ζώοντες ὑπήλθετε δῶμ’ Ἀΐδαο,


δισθανέες, ὅτε τ’ ἄλλοι ἅπαξ θνήισκουσ’ ἄνθρωποι.
(21‑22)

Na Teogonia, não só Θάνατος, como Μόρος e Κήρ, aparecem frequen-


temente personificados, como era de esperar nesse poema 1 . Noutros
passos de Hesíodo, encontramos as velhas fórmulas homéricas, do
género de θανάτου τέλος ἀμφεκάλυψε 2 . Os homens são expressivamente
qualificados de κηριτρεφέων ἀνθρώπων em Erga 418 3 . Também em Erga
92 se faz referência às Keres.

1 Th. 211‑212, 217, 756, 758‑766. Thanatos é considerado como irmão de Hypnos

em Ξ 231,Π 454, 671‑683.


2 Cf. também o frg. 160 Rzach, v. 6: τέλος θανάτοιο κάλυψεν.

3 Talvez este epíteto tenha inspirado o aedo de Θ a chamar aos inimigos κύνας

κηρεσσιφορήτους (527).
280 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

A noção de que é necessário impedir os mortos de sair do Hades,


embora implícita em Ψ 72‑76 e Θ 369 (referência ao rio) e, de um modo
geral, em todos os contextos que falam de portas bem cerradas, aparece
pela primeira vez na Teogonia, em passo provavelmente interpolado, que
descreve o artifício usado por Cérbero para esse efeito:

……………………...........................………ἐς μὲν ἰόντας


σαίνει ὁμῶς οὐρῆι τε καὶ οὔασιν ἀμφοτέροισιν,
ἐξελθεῖν δ’ οὐκ αὖτις ἐᾶι πάλιν, ἀλλὰ δοκεύων
ἐσθίει, ὅν κε λάβηισι πυλέων ἔκτοσθεν ἰόντα.
(770‑773)

Também os Titãs estavam impossibilitados de sair do Tártaro, por-


que Poséidon o fechou com portas de bronze (732‑733). Poucos versos
antes, acentuara‑se bem o perfeito hermetismo do local, dizendo‑o
encerrado por um muro da mesma liga metálica, e cercado por uma
tríplice fila de sombras na sua entrada, que se compara a um colo ou
gargalo (726‑727).
Os outros imitadores do estilo homérico não se afastam do modelo nas
raras referências ao tema. Assim, Θάνατος e Κῆρες surgem associadas no
Hino a Deméter, 262, e, no Hino a Afrodite, 269, fala‑se da μοῖρα…. θανάτοιο.
O pseudo‑hesiódico Scutum personifica as Keres em 249 e a morte
(Ἀχλύς) em 264‑270.

Os elegíacos referem‑se naturalmente a esta última com frequência,


sem se desviarem muito da terminologia homérica, como é caracterís-
tico deste género literário 1 .
Assim, em Tirteu depara‑se‑nos novamente a οὐλομένη μοῖρα…. θανά-
του (frg. 5, 5 Diehl), θανάτου δὲ μελαίνας/κῆρας (frg. 8, 5‑6 Diehl) — que
o guerreiro deve agora amar como se fossem os raios do sol — e até a
κῆρα τανηλεγέος θανάτοιο (frg. 9, 35 Diehl).
Também Calino se refere à μοῖρα...... θανάτου em 1, 15 Diehl. Mas os dois passos
mais significativos, para o nosso propósito, são os versos 8‑9 da mesma elegia:

…………………θάνατος δὲ τότ’ ἔσσεται, ὁππότε κεν δή


Μοῖραι ἐπικλώσωσ’………………………………......

e, sobretudo, os versos 12‑13:

1 Sobre a estreita dependência dos elegíacos em relação ao formulário homé-

rico, veja‑se C. M. Bowra, Early Greek Elegists 2, p. 43.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 281

οὐ γάρ κως θάνατόν γε φυγεῖν εἱμαρμένον ἐστίν


ἄνδρ’, οὐδ’ εἰ προγόνων ἦι γένος ἀθανάτων.

A ambos é fácil, aliás, encontrar precedentes homéricos.


O autor pretende exortar os soldados ao combate. Esse o motivo por
que insiste na inevitabilidade da morte, querendo assim insinuar que ela
não ocorrerá mais depressa, pelo facto de se estar no campo de batalha.
Já vimos que Mimnermo apresenta a novidade de reduzir as Keres a duas1
(a da velhice e a da morte), em contraposição com as μυρίαι de M 326‑327. A
adjectivação do frg. 4,2 Diehl (θανάτου...... ἀργαλέου) está nos moldes tradicionais.
Nos quatro versos finais, apostos a um fragmento de Sólon por Diehl 2,
acentua‑se que as riquezas se não podem levar para o Hades e que ninguém
foge, nem mesmo pagando, à morte e a outros flagelos que castigam o homem.
A perspectiva iniludível do fim pode notar‑se em muitos dísticos do
Corpus Theognideum, nomeadamente em 567‑570, 767‑768, 1007‑1012,
1033‑1036, 1070a‑b e 1187‑1190.
Omitindo 725‑728, que são certamente de Sólon, resta‑nos ainda
a elegia 1123‑1128, em que se faz referência ao destino de Ulisses,
em moldes que têm suscitado dificuldades aos comentadores. Tem‑se
interpretado como significando a admiração pelo facto de o herói ter
conseguido regressar do Hades, ou como a simples afirmação de que
ele, apesar de ter escapado a tantos perigos, teve de ir para os infernos,
como qualquer mortal vulgar. Esta segunda hipótese, defendida por
Carrière na sua edição 3 , é sem dúvida preferível.
Outro autor, possivelmente, o dos versos 703‑712, já celebrara a
habilidade de Sísifo, que conseguira regressar do Hades, graças às suas
palavras astuciosas.

No frg. 1 Diehl de Semónides de Amorgo, enumeram‑se as diversas


causas que põem termo à vida humana: a velhice, a doença, a guerra, o
naufrágio, o enforcamento. E, retomando o dito homérico, prossegue:

οὕτω κακῶν ἄπ’ οὐδέν. ἀλλὰ μυρίαι


βροτοῖσι κῆρες κἀνεπίφραστοι δύαι
καὶ πήματ’ ἐστίν…………………………..
(20‑22)

1 Cf. supra, pp. 242-243. O frg. 5 Diehl dos Adespota, a ser de Mimnermo, como

sugere Diehl, atribui‑lhes de novo um número indeterminado.


2 Frg. 14 Diehl, vv. 7‑10. Sobre as dúvidas de atribuição, veja‑se o aparato

crítico de Diehl, ad locum.


3 Paris, Les Belles Lettres, 1948, pp. 128‑130.
282 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Outras breves referências ao tema da morte não interessam ao nosso


propósito1.

Os líricos tocam com frequência no tópico que temos estado a tratar.


Íbico exprime, no frg. 23 Diehl, a irreversibilidade da vida:

οὐκ ἔστιν ἀποφθιμένοις


ζωᾶς ἔτι φάρμακον εὑρεῖν.
»s
Em Simónides, um fragmento como o 12 Diehl sugere a tradição da
elegia guerreira:

ὁ δ’αὖ θάνατος ἔκιχε καὶ τὸν φυγόμαχον·

ao passo que o frg. 2 Diehl do mesmo autor lembra a terminologia homérica2:

ἀποτρέποισι Κῆρας

Mas os mais expressivos são os frgs. 8 e 9 Diehl. No primeiro, apro-


veita uma reminiscência da Odisseia 3, para definir o aniquilamento que
a todos espera, sejam quais forem as qualidades e riqueza das pessoas.
O segundo confirma e amplifica a mesma maneira de pensar:

ἀνθρώπων ὀλίγον μέν


κάρτος, ἄπρακτοι δὲ μεληδόνες, αἰῶνι δ’ ἐ<ν> παύρωι πόνος ἀμφὶ πόνωι
ὁ δ’ ἄφυκτος ὁμῶς ἐπικρέμαται θάνατος·
κείνου γὰρ ἴσον λάχον μέρος οἱ τ’ ἀγαθοὶ
ὅστις τε κακός.

É provável que aqui se oculte, sob o verbo έπικρέμαται, a sugestão


da pedra de Tântalo, que se tinha tornado um lugar‑comum da poesia
grega, pelo menos desde Arquíloco 4 .
O mesmo sentimento de iminência da morte se patenteia em Píndaro,
por exemplo em Ol. Ι 82, Χ 104‑105; Nem. VII 19‑20; Isthm. VII 42‑43. Em
Nem. VII 30‑31, a afirmação é feita em termos mitológicos (κῦμ’ Ἀίδα…..),

Frg. 3 e 29,8‑9 Diehl.


1

Sobre a natureza do contexto a que pertenceria este fragmento, vide Wila-


2

mowitz, Sappho und Simonides, pp. 206‑209.


3 Sobre o modo deste aproveitamento, vide C. M. Bowra, Greek Lyric Poetry, p. 325.

4 Frg. 55 Diehl. Cf. Píndaro, Isthm. VIII, 9‑10.


3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 283

bem como no frg. 143 Snell, onde, ao elogiar a condição dos deuses, se
proclama:

κεῖνοι γάρ τ’ ἄνοσοι καὶ ἀγήραοι


πόνων τ’ ἄπειροι, βαρυβόαν
πορθμὸν πεφευγότες Ἀχέροντος.

As referências de Baquílides mantêm um acentuado cunho homérico,


quer quando falam da μοῖρ’ ὀλοά ( Ode V, 121), quer quando aludem às
determinações da αἶσα (Dith. XVII 24‑28 e frg. 24 Snell).
Deixámos para o fim deste exame aos líricos um dos fragmentos mais
antigos a considerar. É o 38 Lobel‑Page de Alceu, onde se lê:

πῶνε[.......] Μελάνιππ’ ἄμ’ ἔμοι τι[..].[


†ὄταμε[...] διννάεντ’ Ἀχέροντα μεγ [̣
ζάβαι[ς ἀ]ελίω κόθαρον φάος [
ὄψεσθ’, ἀλλ’ ἄγι μὴ μεγάλων ἐπ[
καὶ γὰρ Σίσυφος Αἰολίδας βασίλευς [
ἄνδρων πλεῖστα νοησάμενος [
ἀλλὰ καὶ πολύιδρις ἔων ὑπὰ κᾶρι [
διννάεντ’ Ἀχέροντ’ ἐπέραισε, μ[
α]ὔτω<ι> μόχθον ἔχην Κρονίδαις βα [̣
μελαίνας χθονός………………………….

Apesar das lacunas do papiro, o sentido geral da composição é claro:


o poeta exorta a esquecer no vinho os desgostos, pois todos estamos
destinados a atravessar os redemoinhas do Aqueronte — até Sísifo, que
escapou da primeira vez, teve de lá voltar. É, como observa Page 1 , o
primeiro tratamento literário conhecido desta parte do mito de Sísifo,
pois a Odisseia só mencionava o castigo que lhe coube no Hades 2 .
É possível que o autor dos versos 703‑712 do Corpus Theognideum, que
vimos anteriormente 3 , se tenha inspirado nestes. De resto, a popula-
ridade da história do Eólida encontra‑se amplamente documentada no
séc. V a. C. 4 .

1 Sappho and Alcaeus, pp. 300‑303.


2 λ 593‑600.
3 Supra, p. 159.
4 As referências foram coligidas por D. Page, Sappho and Alcaeus, p. 302.
284 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Em Ésquilo, Persae, 688‑690, acentua‑se a dificuldade oposta 1 a quem


tem de sair do Hades:

………………………………ἐστὶ δ’ οὐκ εὐέξοδον,


ἄλλως τε πάντως, χοἱ κατὰ χθονὸς θεοί
λαβεῖν ἀμείνους εἰσὶν ἢ μεθιέναι.

E Prometeu conta entre os benefícios conferidos à humanidade


a concessão da esperança, que lhe tirou a obsessão da morte (Prom.
248‑250). A irreversibilidade desta encontra‑se expressa nos versos
568‑569 do Agamémnon:

παροίχεται δέ, τοῖσι μὲν τεθνηκόσιν


τὸ μήποτ’ αὖθις μηδ’ ἀναστῆναι μέλειν·

Tal como no final do frg. 14 Diehl de Sólon 2 , põe‑se em relevo a ine-


xorabilidade de Thanatos num fragmento muito citado da Níobe 3 :

Mόνος θεῶν γὰρ θάνατος οὐ δώρων ἐρᾶι,


οὔτ’ ἄν τι θύων οὔτ’ ἐπισπένδων ἄνοις,
οὐδ’ἔστι βωμός οὐδὲ παιωνίζεται·
μόνον δὲ Πειθὼ δαιμόνων ἀποστατεῖ.

Em resumo, podemos concluir que a noção da inevitabilidade da


morte se exprime com frequência nos Poemas Homéricos, quer ligada

1 A mesma noção vai ecoar neste passo de Eurípides, Her. 297, embora expressa

de outro modo:

Καὶ τίς θανόντων ἦλθεν ἐξ Ἅιδου πάλιν;

Cf. também Her. 431‑432:

τὰν δ’ ἀνόστιμον τέμνων


Χάρωνος ἐπιμένει πλάτα.

e o frg. 868 Nauck 2:

θεοὶ χθόνιοι
ζοφερὰν ἀδίαυλον ἔχοντες
ἕδραν…………………………….

2 Vide supra, p. 281


3 Frg. 161 Nauck 2.
3ª PARTE - CAPÍTULO I - AS IDEIAS 285

às personificações de Moira ou Keres, quer independentemente delas.


Tal processo encontra‑se também nos líricos arcaicos com frequência.
Α psyche não pode tornar a entrar no corpo humano, como assevera
a Ilíada, em passo já citado 1 .
Em Hesíodo — ou num seu continuador — essa noção concretiza‑se,
em ligação com a mitologia escatológica, através da lenda de Cérbero.
É precisamente a este aspecto do problema que nos importa atender.
E, neste particular, são os testemunhos do frg. 38 Lobel‑Page de Alceu e
do frg. 143 Snell de Píndaro, juntos aos de Ésquilo, que mais interesse
assumem para nós, pois mostram que a noção de irreversibilidade da
travessia do Aqueronte estava firmemente estabelecida na época arcaica.

1 I 408‑409. Vide supra, p. 279


(Página deixada propositadamente em branco)
CAPÍTULO II
A LINGUAGEM

Se, no que toca à métrica, não há, como vimos, particularidade algu-
ma digna de relevo, outro tanto não sucede no que respeita ao léxico.
É conveniente, portanto, que analisemos a linguagem empregada.
Os dois versos iniciais:

Πολιοὶ μὲν ἡμὶν ἤδη


κρόταφοι κάρη τε λευκόν,

não contêm palavra alguma que não estivesse dentro da tradição ho-
mérica. A fórmula da Ilíada Χ 74 e Ω 516:

πολιόν τε κάρη πολιόν τε γένειον

bem como λευκὸν…… κάρη de Tirteu, frg. 7, 23 Diehl, estão‑lhe muito próximas1.
Aliás, este tipo de adjectivação ocorre indiferentemente em qualquer
época (como pode ver‑se pelos exemplos de Eurípides, citados na n. 1
da p. 114), e não é menos frequente na helenística (e.g. Teócrito XXX
13; Calímaco, Ep. XXI, 6, Hy. II, 14), chegando a empregar‑se πολιός sem
substantivo, para designar as cãs ou pessoas idosas, como nos dois
últimos exemplos.
Outro tanto vale para χαρίεσσα… ἥβη, que encontra fáceis paralelos
em Homero. Lembremos, por exemplo, χαριεστάτη ἥβη de Ω 348 e κ 279.
Diferente é o caso do adjectivo γηράλεος, que tem os seus primeiros
exemplos em Ésquilo, Pers. 171 e em Píndaro, Pyth. IV 121. Aplicado a

1 Cf. ainda πολιοκροτάφους τε γέροντας Θ 518, retomado por Baquílides em


πολιοκρόταφον γῆρας do frg. 25, 2‑3 Snell.
288 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

substantivos concretos, é frequente na época alexandrina. Assim Teó-


crito, XXIX, 27‑29, e, sobretudo, XIV, 68‑69 1 .

…………………. ἀπὸ κροτάφων πελόμεσθα


Πάντες γηραλέοι………………………………….

O emprego de βίοτος, por oposição a Hades como sinónimo de morte,


está documentado, por exemplo, em Mimnermo, frg. 2 Diehl, vv. 9‑10,
e, mais tardiamente, em Eurípides (Her. 736; Hipp. 1366‑1367; Suppl.
1004‑1005). Os excertos citados nas pp. 243 e 253, n. 9, mostram‑nos
que ἀργαλέος também ocorre com frequência em contextos similares.
A prosaica construção διὰ ταῦτα, do verso 7, foi a causa desencadeante
de dúvida para Hermann Fränkel, como já vimos anteriormente 2 . Lembre‑se
ainda, a este propósito, que διὰ τοῦτον figura na Anacreontea XXIX, por três
vezes (10, 11, 14).
Segue‑se‑lhe um hápax — ἀνασταλύζω — que tem provocado grandes
dificuldades. Scaliger tentou mesmo um impossível ἄλαστα λύζω e Hartung ἄρ’
ἀσταλύζω. Nem este composto nem o simples se encontram documentados em
autor algum. Apenas se conhece uma glosa pouco segura de Hesíquio:

ἀσταλύζειν· ἀναβλύζειν· κλαίειν

e ainda:

ἀστυλάζει· λυπεῖ<ται?> μετὰ κλαυθμοῦ

que ajudam a compreender a forma. Weber pensa num ἀ‑ protético, como em


ἄσταχυς = στάχυς, ἀσπαίρω = σπαίρω3, solução essa que não é comprovável.
O Hades é descrito como um δεινὸς μυχός. Esta última palavra usava‑se
com frequência para designar um íntimo recesso, ou de uma casa 4 ou de uma
gruta 5 . Na Teogonia, 119, em verso certamente interpolado, aparece associada
ao Tártaro:

Τάρταρά τ’ ἠερόεντα μυχῶι χθονὸς εὐρυοδείης,

Outros exemplos na A. P.: 5, 128 (ῥυτίδες); 9,242 (σανίς).


1

P. 228.
2

3 Anacreontea, p. 70. Acerca das dúvidas que impendem sobre estes casos de

prótese, veja‑se H. Frisk, Griechisches etymologisches Wörterbuch, s. u. u.


4 E.g. Χ 440. γ 402. δ 304. η 346. χ 270.

5 ε 226. ι 236. ν 363, ω 6. Hino Homérico a Hermes, 246 e 252.


3ª PARTE - CAPÍTULO II - A LINGUAGEM 289

É frequente para descrever o Hades, a partir de Ésquilo, como, por exemplo,


no verso 433 do Prometeu1:

κελαινὸς [δ’] Ἄιδος ὑποβρέμει μυχὸς γᾶς.

No verso 11, a palavra κάτοδος oferece a maior de todas as dificuldades


linguísticas implicadas pelo frg. 44 Diehl.
O próprio Gentili observa no seu aparato:

«Κάτοδος = «descensus». Hic tantum hac significatione apud ueteres».

Com efeito, para designar o trajecto para o Hades, usam‑se com fre-
quência, desde os tempos homéricos, compostos com o prefixo κατα‑,
mas nunca o que figura no fragmento.
Assim, embora seja mais habitual utilizar‑se, neste contexto, o verbo
simples, como βεβήκει 2 ou ἔρχεαι 3 , podemos encontrar em ψ 252 κατέβην
δόμον Ἄιδος εἴσω, em Χ 425, κατοίσεται, em Ξ 457 κατίμεν e em Υ 294 κάτεισι.
Esta prática mantém‑se ainda, por exemplo, em Eurípides, que em-
prega καταβήσηι em Andr. 544, e βέβηκ’ em Her. 24 (ao passo que em Hec.
1106 se lê μελάγχρωτα πορθμὸν ἄξω)4 .
Em Ésquilo, há um verso de Os Persas, já citado, que define a dificul-
dade de sair do Hades:

……………………………ἐστὶ δ’οὐκ εὐέξοδον


(688)

Outro composto de ὁδός, em contexto semelhante, pode encontrar‑se


em Teócrito XII, 19, a qualificar o rio infernal:

……………………………..ἀνέξοδον εἰς Ἀχέροντα·

Outro ainda figura num conhecido Epigrama de Calímaco (XIII, 3‑4):

1 Cf. também μυχὸν Ἅιδου de Timóteo, frg. 3a Diehl, v. 13, em texto, aliás, muito
pouco seguro, e, em Sófocles, μυχοὺς... τοῦ κάτω θεοῦ (Aiax 571 ); em Eurípides, ἐν
μυχοῖς χθονός (Her. 37), ἐξ ἀνηλίων μυχῶν / Ἅιδου (Her. 607‑608), Ἅιδου τ’ ἐρυμνῶν
ἐξανήγαγεν μυχῶν (Heracl. 218), χθονὸς ὑπὸ σκοτίων μυχῶν (Ion 1239), ἐν μυχῶι χθονός
(Suppl. 545), ἐς μυχοὺς χθονός (Suppl. 926).
2 E.g. Χ 362.

3 E.g. Χ 482‑483.

4 Segundo uma notícia de Suidas, havia uma comédia de Nicofonte intitulada

ἐξ Ἅιδου ἀνιών (Meineke I 256 apud Kock Ι 776).


290 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

ὦ Χαρίδα, τί τὰ νέρθε; ‘πολὺ σκότος.’ αἱ δ’ ἄνοδοι τί;


‘ψεῦδος.’ ὁ δὲ Πλούτων; ‘μῦθος.’ ἀπωλόμεθα.

É curioso notar que este poeta emprega a palavra κάθοδος em dois


dos fragmentos conservados (115, 15 e 178, 26 Pfeiffer), mas não com
o sentido de «descensus».

O seu contemporâneo Apolónio de Rodes, ao referir‑se a um caminho


de acesso ao Hades, também não usa esse termo:

ἔνθα μὲν εἰς Ἀίδαο καταιβάτις ἐστὶ κέλευθος,


(Argon. II 353)

e, num epigrama anónimo da Anthologia Palatina, lê‑se:

εἰς Ἀΐδην ἰθεία κατήλυσις.


(X, 3, 1)

A noção de que o caminho do Hades é irreversível está, como já


vimos, amplamente documentada, embora a grande maioria dos exem-
plos seja alexandrina, e até romana, como pode deduzir‑se da simples
observação da lista elaborada por Gow, no seu comentário ao passo
citado de Teócrito 1 .
Nada disto, porém, invalida a estranheza do termo, porquanto a pala-
vra consagrada para designar a descida ao Hades foi sempre κατάβασις,
e nunca se deu este sentido a κάθοδος, antes da época romana.
Sob o ponto de vista lexical, podemos, portanto, afirmar que o fragmen-
to contém algumas palavras que levantam dificuldades à sua autenticidade.
Destas, para considerar apenas as maiores, uma é um hápax, outra
não aparece documentada com aquele sentido antes da época romana.
Quanto ao primeiro caso, é certo que os compostos com ἀνα‑ são
frequentes em Anacreonte, conforme observa Gentili na sua edição 2 ,
citando até ἀνα…..βασσαρήσω, também hápax, do frg. 43, 6 Diehl;
ἀναμεμείξονται, do frg. 89 Diehl; e ἀνασεσυρμένην, do frg. 18 Gentili; e
ainda ἀναχείσθω, do frg. 22 Diehl e ἀνορέω τε κἀνακύπτω, do frg. 65,2
Gentili 3. Mas o mesmo comentador não deixa de acrescentar a esta série

1 Cambridge University Press, 1950, vol. II, p. 225.


2 P. 202, n. 2.
3 P. 16.
3ª PARTE - CAPÍTULO II - A LINGUAGEM 291

alguns empregos verificados nas Anacreontea: ἀναστενάζω (XVIIIa 4) e


ἀναστενάξας (XXVIII 15).
Aos exemplos tirados de Anacreonte podemos adicionar ainda
ἀναπέτομαι, do v. 1 do frg. 52 Diehl.

Das Anacreontea não é difícil coligir um elevado número:

ἀνὰ ‑ ἅλλομαι (XXXIII 29)


ἀνὰ ‑ ἅψας (XXXIII 15)
ἀνὰ ‑ δονήσω (LX 1)
ἀναβαίνειν (XXXI 8)
ἀναθάλλειν (LV 41)
ἀναθάλπειν (XXXIII 21)
ἀναμέλπειν (XXXVIII 2.27)
ἀναπνεῖν (XLI 4)
ἀναχέειν (LVII 3)

Daqui se pode concluir que os compostos com ἀνα‑ tinham grande


preferência por parte dos autores de Anacreontea. A prova está longe
de ser decisiva, mas também não favorece a hipótese da autenticidade.
A outra palavra, κάτοδος, não sendo um hápax propriamente dito,
é‑o em parte visto que apresenta um sentido nunca exemplificado na
época arcaica ou clássica. Weber acentua bem o facto 1 :

«Hoc loco “descensus” est; ualde igitur differt ab usitata huius uoca-
buli notione: nam de reditu saepissime inuenies, sed nullo alio loco nisi
ab Anacreonte in uetustiore lingua Graeca sic usurpatum esse uidetur.»

E cita seguidamente exemplos de Aristóteles, Part. An. IV, 11, p. 690b


30 (com o sentido de «engulir»), de Luciano, Dial. mort. 27,1, e de Plutar-
co, Is. et Os. 69. Destes, os que nos interessam são o segundo (que alude
ao local da descida) e o terceiro (referente ao acto em si), por serem os
que apresentam um significado próximo do do nosso texto:

Ἀντίσθενες καὶ Κράτης, σχολὴν ἄγομεν· ὥστε τί οὐκ ἄπιμεν


εὐθὺ τῆς καθόδου περιπατήσοντες, ὀψόμενοι τοὺς κατιόντας οἷοί
τινές εἰσι καὶ τί ἕκαστος αὐτῶν ποιεῖ;
(Luciano, Dial. mort. 27,1)

1 Anacreontea, p. 81.
292 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Καὶ Βοιωτοὶ τὰ τῆς Ἀχαίας μέγαρα κινοῦσιν ἐπαχθῆ τὴν


ἑορτὴν ἐκείνην ὀνομάζοντες, ὡς διὰ τὴν τῆς κόρης κάθοδον
ἐν ἄχει τῆς Δήμητρος οὔσης.
(Plutarco, Is. et Os. 69, p. 378e)

A estes acrescentarei dois de Pausânias e mais outro de Luciano,


além de um epigráfico. O primeiro, em II. 13.3 refere‑se ao Canto XI da
Odisseia, que designa por ἐν Ὀδυσσέως ἐς Ἅιδου καθόδωι. O segundo,
em II. 37.5, diz respeito ao local onde Dioniso desceu ao Hades para ir
buscar sua mãe Sémele:

εἶδον δὲ καὶ πηγὴν Ἀμφιαράου καλουμένην καὶ τὴν Ἀλκυονίαν


λίμνην, δι’ ἧς φασιν Ἀργεῖοι Διόνυσον ἐς τὸν Ἅιδην ἐλθεῖν Σεμέλην
ἀνάξοντα, τὴν δὲ ταύτηι κάθοδον δεῖξαί οἱ Πόλυμνον.

Também uma inscrição da ilha de Rodes, do tempo de Caracala,


publicada in Oesterreichísche Jahreshefte, VII, 1904, p. 92 seqq., linha 24
seqq., se refere a este mito dionisíaco, usando a mesma terminologia,
mas aludindo a uma dupla descida (καὶ ταῖς τοῦ θεοῦ δὲ καθόδοις δυσί).
Luciano, no seu diálogo Necyomanteia, emprega igualmente este vocábulo
no cap. 2 (embora mais adiante, no cap. 6, use o consagrado κατάβασις):

μὴ πρότερον εἴπηις, ὦ’γαθέ, τὰ δεδογμένα πρὶν ἐκείνα


διελθεῖν ἃ μάλιστ’ ἂν ἡδέως ἀκούσαιμί σου, τίς ἡ ἐπίνοιά σοι
τῆς καθόδου ἐγένετο, τίς δ’ ὁ τῆς πορείας ἡγεμών, εἶθ’ ἑξῆν ἅ τε
εἶδες ἅ τε ἤκουσας παρ’ αὐτοῖς·

É certo que é considerável o número de expressões que Ana-


creonte usou pela primeira vez 1 , ou foi mesmo o único a empre-

Enumerando apenas as que se encontram em texto seguro, temos:


1

ἑορτὴν ἀγάγωμεν (37,2 D). ἀγκύληι (41 D). τὠκινάκηι (136 B). ἄμυστιν (43,2
D). πέντε <τε> καὶ τρὶς ἀναχείσθω (22 D). ἀπὸ δ’ἐξείλετο θεσμὸν μέγαν (24 D).
ἀστραγάλαι (34,1 D). ξυλίνους ἀστραγάλους (54,2 D).
Βασσαρίδες (48 D). παρθένιον βλέπων (4,1 D). με λοξὸν ὄμμασι<ν> βλέπουσα (88,1 D).
φρένες ἐκκεκωφέαται (94,1‑2 D). ’πανέρχομαι (73 D). ἐπίβωτον (23 D). ἐρίβρομον
Δεύνυσον (11,1‑2 B). εὐμενής (2,6 D).
ἠγάνωι (50 D). ἡδυμελὲς χελιδοῖ (61 D). ἡμετέρειον (66 D). ἡμιόπων ὑπ’ αὐλῶν
(18,2 D). ἧσε (148 B).
ἁπαλὴν κάσιν (12 D). κελέβηι (22 D). κελέβην (43,2 D. 58,2 D). κεροέσσης ἀπὸ
μητρός (39,2‑3 D). κίβδηλον βίον (54,6 D). κόκκυξ (60 D). κολυμβέω (17,2 D).
Σικελὸν κότταβον (41 D). κυάθους (43,5 D).
κότταβον λατάζων (41 D). ὑποθυμίδας λωτίνας (33 D).
μαργοσύνην (77,2 D). μελιχρὸν οἶνον (58,1‑2 D). σκύπφον μεστόν (75,1‑2 D).
μνήισκεται εὐφροσύνης (96,4 D). μυθιῆται (25,1 D). μυροποιόν (71 D).
3ª PARTE - CAPÍTULO II - A LINGUAGEM 293

gar 1 , como podemos verificar rapidamente, percorrendo o index


uocabulorum da tese de Weber.
De um grande número destes vocábulos, muitos representam ape-
nas a novidade do objecto mencionado, como κελέβηι (22) ou κελέβην

Ναυκρατίτην (στέφανον) (76, 2 D).


οἰνηρὸς θεράπων (161 B). οἰνοπότης (99 D). οἰνοπότις γυνή (162 B). ὀρσολόπος
Ἄρης (74 D). ὀχάνοιο (81,2 D).
πέπειρα (77,1 D). ὁ περιφόρητος Ἀρτέμων (16,2 D). πολυκρότηι σὺν Γαστροδώρηι
(80,2‑3 D). πρόπινε (40,1 D). πρόπιω (43,3 D). προσηνής (19,2 D). πώγωνα (54,9 D).
ῥεραπισμένωι νώτωι (166 B).
σινάμωροι (36 D). σκυτίνηι μάστιγι (54,8 D). σόλοικον φθόγγον (93 D). στέγης
(85,2 D). σύμβουλος (2,10 D). συνηβᾶν (29 D. 52,2 D).
τρύγα (21,2 D).
ὑποπίνοντες (43,11 D).
φαλακρὸς Ἄλεξις (62 D).
χάσκει (5,8 D). χρυσόπεπλε κούρη (91 D).
ψάλλω (69,3 D; 70,1 D).
Observe‑se, no entanto, que ἀστραγάλη (fem.) é uma varia lectio antiga em Ψ 88.
Quanto a κόκκυξ, a palavra já figurava em sentido próprio em Hesíodo, Op. 486; o Et.
M. 524.51 e Et. Gud. 332.22, que citam o fragmento de Anacreonte, tomam o nome
da ave neste passo como símbolo da covardia; Wilamowitz, Isyllos von Epidauros, p.
132, n. 9, e Weber, Anacreontea, p. 86, como o da estultícia. Devem retirar‑se desta
lista a expressão μελιχρὸν οἶνον, que se lê no frg. 338, 6‑7 Lobel‑Page, de Alceu,
e στέγης, cuja forma eólica o mesmo poeta emprega no frg. 357, 1 Lobel‑Page.
1 Da lista de hapax, citaremos:

τῶν ἀβακιζομένων (65,4 D). ἀδοιάστως (97 D).


ἀνὰ δεῦτε βασσαρήσω (43,6 D). βερβέριον, καλύμματ’ ἐσφηκωμένα (54,1 D).
δαμάλης Ἐρως (2,1 �������������������������������������������������������
D������������������������������������������������������
). Κλεόβουλον δὲ διοσκέω (3,3 ������������������������
D�����������������������
). δίτοκον (145 �������
B������
). δω-
ριάζειν (35 D).
κἀθελοπόρνοισιν (54,5 D). εὐέθειρα κούρη (91 D).
θωμιχθείς (54,8 D).
ἱπποπείρην (88,8 D).
καθέρματα (54,10 D). ἥλιε καλλιλαμπέτη (50a D). Καρικοεργέος ὀχάνοιο (81,1‑2
D). καταχύδην πίνουσα (80,3‑4 D). κνύζη καὶ πέπειρα (77,1 D).
λάλαζε (80,2 D).
μεναίχμην (74 D).
νήνι ποικιλοσαμβάλωι (5,3 D). πυκταλίζω (27,2 D).
σκιαδίσκην ἐλεφαντίνην (54,11 D). στεφανίσκους (37,1 D).
τρικύαθον κελέβην (58,2 D).
ὑποπόλιον (53,2 D).
χήλινον ἄγγος (38,1 D). χρυσοφαέννων πτερύγων (53,2 D).
Deste grupo deve agora retirar‑se πυκταλίζω, que apareceu num dos poemetos
do Pap. Oxy. 2321 (frg. 65,1 Gentili) e ainda outras palavras que têm surgido em
documentos epigráficos. É o caso de δίτοκον, decifrado numa inscrição cirenaica
(A. J. A. 17.162), de εὐέθειρα, que apareceu no Egipto (Sammelbuch gr. Urkunden
aus Aegypten 4127.21—referido a Ísis), de στεφανίσκους, que se encontrou em Cós
(SIG 1106.122) e já figurava em autores como Diosc. 1.30.4, Longo 1.9, Anacreontea
XLII, 5, etc. (citações de Liddell‑Scott).
Os novos fragmentos permitem ainda acrescentar à primeira série (nota an-
terior) παντάπασι (frg. 65,5 Gentili) e ἀνακύπτω (frg. 65,2 Gentili) e, à segunda,
ἀνορέω (ibidem, 2).
294 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

(43,2; 58,2), Σικελὸν κότταβον (41), κότταβον λατάζων (41), κυάθους


(43,5), σκύπφον (75). Outros são verdadeiros «achados» poéticos, como
παρθένιον βλέπων (4,1), με λοξὸν ὄμμασι<ν> βλέπουσα (88,1) ou os
epítetos ἐρίβρομον Δεύνυσον (11,1‑2 Bergk), ἡδυμελὲς χελιδοῖ (61),
χρυσόπεπλε κούρη (91).
Deve notar‑se que uma percentagem considerável das palavras indi-
cadas figura no frg. 54 Diehl, nos violentos tetrâmetros contra Ártemon;
outros exemplos pertencem igualmente a excertos de espírito satírico.
Ao lado destes, temos os compostos na melhor tradição épica, como
εὐέθειρα, χρυσοφαέννων, καλλιλαμπέτης.
De qualquer modo, entre os vocábulos aduzidos, é possível encon-
trar formações paralelas a ἀνασταλύζω, mas nenhuma que sugira um
emprego como o de κάτοδος na época arcaica.
CONCLUSÃO
(Página deixada propositadamente em branco)
Já vimos, umas vezes directa, outras indirectamente, que muitos
indícios concorrem para pôr em dúvida a autenticidade do frg. 44 Diehl
de Anacreonte.
Quanto à temática nele desenvolvida, podemos sistematizar as con-
clusões decorrentes da análise diacrónica que fizemos.
Pelo que toca aos sintomas do envelhecer, todos eles pertencem à
tradição literária que estudámos, com excepção do pormenor da deca-
dência dos dentes, pormenor este, que, aliás, não abona as qualidades
de invenção poética do autor, antes o aparenta ao espírito da comédia
(cf. os exemplos de Aristófanes e de Ferécrates, citados nas pp. 114-115,
nota 1). A própria adjectivação também não é nova. O que quer dizer
que, sob este ponto de vista, o fragmento pode situar‑se indiferente-
mente em qualquer época posterior aos Poemas Homéricos. Não está,
porém, de acordo com a atitude de Anacreonte perante a velhice. Os
fragmentos conservados sobre este tema revelam, efectivamente, uma
maneira diversa, permeada de auto‑ironia, de considerar a situação.
O segundo tópico, o do Hades confundido com o Tártaro, comporta
o maior obstáculo à questão da autoria. Efectivamente, os dois lugares
e os mitos que lhes correspondiam eram primitivamente distintos. O
Hades era o destino comum dos mortais, o Tártaro só para os suplicia-
dos divinos. A semelhança de localização e certas características, como
a escuridão e o bolor, a transferência das Erínias, que perseguiam e
castigavam os criminosos, para o segundo local, a expansão das dou-
trinas escatológicas das religiões de Mistérios e do Pitagorismo, que
dão importante papel às punições, levam a considerar o Tártaro como
uma parte do Hades e a colocar nele os pecadores humanos. Este último
facto é pressuposto por algumas referências de Sófocles e Eurípides e
claramente expresso nos mitos de Platão relativos ao além.
A identificação dos dois lugares, preparada pelo condicionalismo
acabado de expor, deve ter tido um processo muito mais longo. Com
efeito, uma vez que o Tártaro era um sítio de torturas pelos crimes co-
metidos, nenhum grego normal encarava a hipótese de ser esse o seu
destino, depois de morto. Era, naturalmente, ao Hades que se referia,
298 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

nessas circunstâncias, esse Hades onde as religiões de Mistérios lhe


asseguravam um lugar especial. Para falar em ir para o Tártaro, era
necessário que os sentidos ligados a esse local durante a época arcaica
e clássica se tivessem de todo obliterado. Tal facto parece ter ocorrido
na época helenística.
O terceiro tema, contido nos dois versos finais, é fácil de encontrar,
desde os Poemas Homéricos, e aparece formulado em termos mitológi-
cos em Θ 369 (caso de Hércules) e em Ψ 72‑76 (caso geral). Mais tarde,
em Alceu, como aliás também em Píndaro, é ainda a travessia dο rio, e
não a descida, que é apresentada como símbolo da impossibilidade de
regressar. Em Ésquilo, é a saída, sem indicação do sentido em que há‑de
ser feita. Tal indicação surge‑nos num passo de Teócrito, e em outros
autores helenísticos, mas o facto pode ser acidental.
Se a métrica não oferece dificuldades (embora tão‑pouco as elimine,
porquanto os dímetros iónicos anaclómenos eram uma das medidas
favoritas dos imitadores do poeta de Teos, além de que eram usados
por este último sobretudo em alegres canções de mesa), a linguagem
não deixa de apresentar algumas, devido ao emprego de palavras não
documentadas, e, sobretudo, ao uso de um termo que não aparece nunca
com tal sentido, antes da época romana.
O processo literário de Anacreonte, da adjectivação regular de cada
substantivo, por vezes com disjunção, é observado, mas não o carac-
terístico trikolon 1 . A antítese com que termina o poemeto (oposição de
καταβάντι a ἀναβῆναι) não consegue imprimir à composição o crescendo
tão característico do velho poeta. Ausente ainda aquela adjectivação de
compostos ao gosto épico, e, sobretudo, aquelas inesperadas associações
de palavras que dão o timbre da originalidade do lírico iónico. Apenas,
em vez disso, o emprego de vocábulos tradicionais e gastos dentro do

Nem sequer podemos encontrar perfeito rigor na artificiosa simetria que


1

lhe aponta Weber, Α nacreontea, pp. 29‑30 :

«Poeta senectute sese esse confectum neque adhuc iuuenem cum dicturus
est, hoc ita uariatum reddit, ut utraque res, quae alteri opposita sit (h. e.
senectus et iuuentus) exprimatur binis membris eundem sensum indican-
tibus, quae non iuxta ponuntur, sed alterno ordine ...... Schema igitur non
est a a b b, sed hoc: a b a b, si ea membra, quae ad idem pertinent, iisdem
litteris designamus. Quod toto in enuntiato factum esse uidemus, in primo
eius membro repetitur. Nam poeta, qui canum esse caput dicere uult, cum
scribit πολιοὶ μὲν ἡμὶν ἤδη κρόταφοι κάρη τε λευκόν, duas notiones, quarum
utraque capitis canitiem significat, pro una posuit, easque ex diuerso collo-
catas. κρόταφοι cum tempora sint, κάρη hoc loco non caput esse potest,
sed uertex tantum, ut alio loco, So. El. 1310 γέλωτι τοὐμὸν φαιδρὸν ὄψεται
κάρα, de uultu dicitur. Versu tertio adiectiuo bis a substantiuo suo disiuncto
collocationem esse artificiose implicitam uides.»
CONCLUSÃO 299

respectivo contexto, com excepção dos casos particulares que analisá-


mos no último capítulo.
Em último lugar, lembremos ainda que estamos em presença de um
fragmento com uma fonte única: Estobeu.
Este compilador cita Anacreonte duas vezes, no decurso da sua longa
selecta: no cap. XXI (περὶ κάλλους) do tomo IV, 24 (frg. 46 Diehl)— par-
cialmente comprovado por Ateneio XII, 540c e Eliano, Var. Hist. 9,4, e
actualmente vinculado à interpretação do novo frg. 71 Gentili ‑ e no
cap. LI (περὶ θανάτου καὶ ὡς εἴη ἄφυκτος) do mesmo tomo, 12.
Contrariamente a outros fragmentos de Αnacreonte, que têm a
aboná‑los grande número de autoridades, este é dos que assentam
numa única informação. E precisamente em Estobeu se têm verificado
enganos de atribuição — que, aliás, não surpreendem, nos milhares de
citações feitas por esse autor.
Os exemplos mais flagrantes são os das confusões entre Simónides
e Semónides, entre Sólon e Teógnis de Mégara.
Assim, o frg. 1 Diehl de Semónides de Amorgo é atribuído por Estobeu,
IV, 34 (περὶ τοῦ βίου ὅτι βραχὺς καὶ εὐτελὴς καὶ φροντίδων ἀναμεστός),
15, a Simónides de Ceos. O mesmo ocorre com o frg. 29 Diehl (idem,
ibidem, 28) e com o frg. 2 (idem, ibidem, IV, 56 (παρηγορικά) 5) e o frg.
3 (idem, ibidem, IV, 53 (σύγκρισις ζωῆς καὶ θανάτου), 2), o frg. 4 (idem,
ibidem, IV, 41 (ὅτι ἀβέβαιος ἡ τῶν ἀνθρώπων εὐπραξία μεταπιπτούσης
ῥαιδίως τῆς τύχης), 7), o frg. 5 (idem, ibidem, IV, 50 (περὶ γήρως ὅτι οὐ
φαῦλον), 19), e o frg. 7 (idem, ibidem, IV, 22 (περὶ γάμου), 193).
Os versos 719‑728, que a mesma fonte atribui a Teógnis (IV, 33
(σύγκρισις πενίας καὶ πλούτου), 7) dá‑os Plutarco, Sólon, 2,3, como sendo
do legislador ateniense (= frg. 14 Diehl). O facto repete‑se exactamente
do mesmo modo no frg. 4, vv. 9‑12 Diehl, de Sólon, que lhe são adjudi-
cados por Plutarco, Sólon, 3,2 e dados a Teógnis por Estobeu em III, 1
(περὶ ἀρετῆς), 8).
É de notar, no entanto, que, precisamente no número anterior à
primeira citação de Semónides que referimos, Estobeu transcrevera um
fragmento autêntico do poeta lírico (IV, 34 (περὶ τοῦ βίου ὅτι βραχὐς),
14 = 7 Diehl). Igualmente se consideram genuínos, por exemplo, o frg.
8 (IV, 51 περὶ θανάτου καὶ ὡς εἴη ἄφυκτος), 5), ο frg. 10 (I, 1 (ὅτι θεὸς
δημιουργὸς τῶν ὀντων), 10) e ο frg. 12 (IV, 51 περὶ θανάτου καὶ ὡς εἴη
ἄφυκτος), 7).
No caso de Semónides e Simónides, a homonímia resultante do
itacismo torna compreensível que cedo se tenham confundido os dois
autores, apesar da diversidade do seu espírito e da sua arte. O de Sólon e
de Teógnis de Mégara é mais uma prova de que o processo de formação
do Corpus Theognideum já estava totalmente obliterado no séc. VI p. C.
300 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

É de crer que uma confusão se tenha igualmente produzido na citação


12 do cap. 51 do Livro IV. Desde o séc. II p. C. que se tem como certa
a existência de Anacreontea, devido ao texto de Aulo Gélio que contém
uma, em XIX, 9. Há motivos para supor que o frg. 82 Diehl, conhecido
desde o final do séc. I p. C., fosse outra. É provável, pelas razões ex-
postas, que o frg. 44 Diehl deva também situar‑se na época romana.
Efectivamente, acusa divergências, nos seus processos literários, de
quanto vimos sobre a obra autêntica, nos três primeiros capítulos da
primeira parte deste estudo, e semelhanças com os dos imitadores,
que delineámos no capítulo quarto. Embora habilmente metrificado,
e conservando no início um pouco do ritmo frásico do poeta arcaico,
sem conseguir, no entanto, o famoso trikolon, termina num amaneirado
e sombrio jogo de palavras, envolvido numa terminologia datável do
séc. II p. C. e apoiado numa ideologia que, por sua vez, parece não ser
anterior à época helenística.
BIBLIOGRAFIA
(Página deixada propositadamente em branco)
a) EDIÇÕES*1

ANACREONTE E «ANACREONTEA»

Anacreontis Teii Odae, ab HENRICO STEPHANO luce et Latinitate nunc pri-


mum donatae. Lutetiae, apud Henricum Stephanum, MDLIIII.

Anacreontis Teii Carmina ex recensione W. BAXTER. Editio altera. Londinii


Augustae. A. D. 1710.

Anacréon. Traduction et étude par F. MATTHEWS. Phototypies du manuscrit et


de la reproduction de Spaletti. Paris, Presses Universitaires de France, 1927.

Anacreonte, Odi Scelte. A cura di C. O. ZURETTI. Collezione di Classici Greci


e Latini. Chiantore‑Torino, 1944.

Anacreon. Edidit BRUNO GENTILI. Romae, in aedibus Athenaei, 1958.

ARISTÓFANES

Aristophanes. The Frogs. With introduction and notes by W. W. MERRY,


Oxford, at the Clarendon Press. Fifth edition, 1947.

Aristophanes, Frösche. Einleitung, Text und Kommentar von LUDWIG RA-


DERMACHER. Oesterreichische Akademie der Wissenschaften. Philo-
sophisch‑historische Klasse. Zweite Auf lage. Wien, 1954.

Aristophanes. The Frogs. Edited with introduction, revised text, commen-


tary and index by W. B. STANFORD. London, Macmillan & Co. Ltd., 1958.

* Para abreviar, omitimos a referência às edições da Colecção Teubner, Oxo-

niense e Budé, que foram consultadas, sempre que existiam.


304 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Die Frösche des Aristophanes. Mit ausgewählten antiken Scholien herausgege-


ben, von W. SUESS. Kleine Texte für Vorlesungen und Uebungen, 66. Un-
veränderter Neudruck. Berlin, Verlag von Walter de Gruyter & Co., 1935.

ATENEIO

Athenaeus, The Deipnosophists, with an English translation by CHARLES BURTON


GULICK in 7 vols. Loeb Classical Library, London, Heinemann, repr. 1950‑1957.

CALÍMACO

Callimachus. Edidit RUDOLFUS PFEIFFER. Oxford, at the Clarendon Press.


Vol. I, Fragmenta, 1949. Vol. II, Hymni et Epigrammata, 1953.

CÓMICOS (Fragmentos)

Comicorum Atticorum Fragmenta ed. TH. KOCK, Lipsiae, Teubner, 1880, 3 vols.

Poetarum Comicorum Graecorum. Fragmenta post A. MEINEKE recognouit et


Latine transtulit FRID. HENRICUS BOTHE, Parisiis, Firmin‑Didot, 1855.

ELEGÍACOS

Líricos Griegos. Elegiacos y yambógrafos arcaicos. Texto y traduction por FRAN-


CISCO R. ADRADOS. Colección Hispánica de Autores Griegos y Latinos.
Barcelona, Alma Mater. Vol. I, 1956. Vol. II, 1959.

ÉSQUILO

Aeschylus, Agamemnon. Edited with a Commentary by EDUARD FRAENKEL.


Oxford, at the Clarendon Press, 1950, 3 vols.

Aeschylus, Eumenides. With introduction and notes by A. SIDGWICK. Second


Edition. Oxford, at the Clarendon Press, 1895.
BIBLIOGRAFIA 305

The Persae of Aeschylus. Edited with introduction, critical notes and com-
mentary by H. D. BROADHEAD. Cambridge, at the University Press, 1960.

The Prometheus Vinctus of Aeschylus. With introduction and critical and ex-
planatory notes by E. E. SIKES and ST. J. B. WYNNE WILLSON. London,
Macmillan and Co., Limited, 1898.

ESTOBEU

Ioannis Stobaei Anthologium. Recensuerunt CURTIUS WACHSMUTH et OTTO


HENSE. Editio altera. Berolini apud Weidmannos, 1958. 5 vols.

EURÍPIDES

Euripides, Bacchae. Edited with introduction and commentary by E. R. DODDS.


The Plays of Euripides. Oxford University Press, second edition, 1960.

FILÓSOFOS (Fragmentos)

HERMANN DIELS, Die Fragmente der Vorsokratiker. 6. Verbesserte Auf lage


herausgegeben von WALTHER KRANZ. Berlin, Weidmannsche Verlags-
buchhandlung, 1951, 3 vols.

HEFÉSTION

Hephaestionis Alexandrini Enchiridion iterum edidit THOMAS GAISFORD.


Oxonii, 1855, 2 vols.

HESÍODO E PSEUDO‑HESÍODO

FELIX JACOBY, Hesiodi Carmina Pars I. Theogonia. Berolini apud Weidmannos, 1930.

Hesiodi Scutum a cura di CARLO F. RUSSO. Biblioteca di Studi Superiori. La


Nuova Italia Editrice, Firenze, 1950.
306 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

HINOS HOMÉRICOS

T. W. ALLEN, W. R. HALLIDAY, E. E. SIKES, The Homeric Hymns. Second edi-


tion. Oxford, at the Clarendon Press, 1936.

HOMERO

Homeri Odyssea recognouit P. VON DER MUEHLL. Editiones Helueticae.


Basileae, in aedibus Helbing & Lichtenhahn, 1946.

IAMBÓGRAFOS

Líricos griegos. Elegiacos y yambógrafos arcaicos. Texto y traduccion por


FRANCISCO R. ADRADOS. Colección Hispánica de Autores Griegos y La-
tinos. Barcelona, Alma Mater. Vol. I, 1956. Vol. II, 1959.

LÍRICOS (Excepto Anacreonte)

Poetae Lyrici Graeci. Quartis curis recensait THEODORUS BERGK. Lipsiae, in


aedibus B. G. Teubneri. Vol. II, 1915. Vol. Ill, 1882.

J. M. EDMONDS, Lyra Graeca. Loeb Classical Library, revised and augment-


ed edition. London, Heinemann, 3 vols. 1952.

Poetarum Lesbiorum Fragmenta ediderunt EDGAR LOBEL et DENYS PAGE.


Oxford, at the Clarendon Press, 1955.

Alcman: The Partheneion. By DENYS L. PAGE. Oxford, at the Clarendon Press, 1951.

Alcmane, I Frammenti. Testo critico, traduzione, commentario a cura di AN-


TONIO GARZYA. Hermes, Collana di Testi Antichi, 4. Napoli, Casa Editrice
Dr. Silvio Viti, [1954].

Bacchylides. The Poems and Fragments. Edited with introduction, notes and prose
tanslation by Sir RICHARD JEBB. Cambridge, at the University Press, 1905.

Pindari Carmina cum Fragmentis edidit ALEXANDER TURYN. ������������


Academia Po-
lona Litterarum et Scientiarum, Cracoviae, 1948.
BIBLIOGRAFIA 307

A. COLONNA, L´ Antica Lirica Greca. Torino, S. Lattes & Co. Editori. Terza
edizione riveduta, 1956.

B. LAVAGNINI, Aglaia. Nuova Antologia della lirica greca da Callino a Bacchilide.


Torino, G. B. Paravia & Co. Terza edizione, nona ristampa, s. a.

F. M. PONTANI, Pleiadi. Frammenti di Lirica Greca. Convivium, Collana di Au-


tori Greci e Latini. Roma, Casa Editrice Gismondi, [1952].

LUCIANO

Lucianus ab IMMANUELE BEKKERO recognitus. Lipsiae, F. A. Brockhaus, 1853, 2 vols.

PAPIROS

E. LOBEL and C. H. ROBERTS, The Oxyrhinchus Papyri, Part XXII. London,


Egypt Exploration Society, 1954.

PAUSÂNIAS

H. HITZIG und H. BLUEMNER, Pausaniae Graeciae Descriptio. Berolini, apud


S. Calvary & Co. 1896. 6 vols.

Pausanias, Description of Greece, with an English translation by W. H. S. JONES.


Loeb Classical Library, London, Heinemann, 4 vols., 1959‑1961.

PLATÃO

Plato, Gorgias. A Revised Text with Introduction by E. R. DODDS. Oxford, at


the Clarendon Press, 1959.

PLUTARCO

Plutarchi Chaeronensis Scripta Moralia. Ed. FRIDERICUS DUEBNER. Parisiis,


Firmin‑Didot, 1841‑1844, 3 vols.
308 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Plutarch’s Moralia with an English translation by HARDY CHERNISS and


WILLIAM C. HELMBOLD in 15 vols. Loeb Classical Library, London, Hei-
nemann, 1957. Vols. I‑XII.

SEXTO EMPÍRICO

Sextus Empiricus with an English translation by R. G. BURY, in 4 vols. Loeb


Classical Library, London, Heinemann, 1953.

TEÓCRITO

Theocritus edited with a translation and commentary by A. S. F. GOW.


Cambridge University Press, 1950. 2 vols.

TRÁGICOS (Fragmentos)

A. NAUCK, Tragicorum Graecorum Fragmenta. Editio secunda. Lipsiae, in ae-


dibus B. G. Teubneri, 1889.
BIBLIOGRAFIA 309

b) ESTUDOS

A. BARIGAZZI, «Sul nuovo Anacreonte» in Athenaeum, N. S., Vol. XXXIV,


fasc. I ‑II, 1956, pp. 139‑151.

G. BERNHARDY, Grundriss der griechischen Literatur. Mit einem vergleichen-


den Ueberblick der Römischen. Zweite Bearbeitung. Zweiter Teil: Ge-
schichte der griechischen Poesie. Erste Abteilung: Epos, Elegie, Iam-
ben, Melik. Halle, 1856.

E. BETHE, Die griechische Poesie. In Einleitung in die Altertumswissenschaft


von A. GERCKE und E. NORDEN. Leipzig, Teubner, 1910.

C. M. BOWRA, Early Greek Elegists. Second edition. Heffer Series, Cambrige,


1960.

——, Greek Lyric Poetry. Second edition. Oxford, at Clarendon Press, 1961.

——, Problems in Greek Poetry. Oxford, at the Clarendon Press, 1953.

O. CRUSIUS, Anakreon in PAULY WISSOWA, I, 2, Stuttgart, (1894), Sp.


2035‑50.

A. M. DALE, The Lyric Metres of Greek Drama. Cambridge, at the University


Press, 1948.

——, «Greek Metric 1936‑1957» in Lustrum, Band II, Göttingen, 1957, pp. 5‑51.

E. R. DODDS, The Greeks and the Irrational. Sather Classical Lectures. ����
Uni-
versity of California, 1951.

H. DUENTZER, «Ueber die mutmassliche Entstehung unserer Sammlung


der sogenannten Anacreontea» in Zeitschrift für die Altertumswissen-
schaft, 1836, Nr. 94, 3, Sp. 754‑760.
310 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

G. ETTIG, «Acheruntica siue Descensuum apud Veteres Enarratio» in Leip-


ziger Studien, XIII, 1891, pp. 251‑410.

G. S. FARNELL, Greek Lyric Poetry. London, Longmans, Green & Co. 1891.

A. FICK, «Die Sprachform der altionischen und altattischen Lyrik» in Bei-


träge zur Kunde der indogermanischen Sprachen herausgegeben von Dr.
Adalbert Bezzenberger, XI, 1886, pp. 242‑272; XIII, 1888, pp. 173‑221.

EDUARD FRAENKEL, Horace. Oxford, at the Clarendon Press, 1957.

HERMANN FRÄNKEL, «Eine Stileigenheit der frühgriechischen Literatur»


in Nachrichten von der Gesellschaft der Wissenschaften zu Göttingen, Philo-
logisch‑Historische Klasse, 1924, Heft 1, pp. 63‑103. Heft 2, pp. 105‑127.

——, Dichtung und Philosophie des frühen Griechentums. Philological Monographs


published by the American Philological Association. New York, 1951.

——, Wege und Formen frühgriechischen Denkens. Literarische und philosophie-


geschichtliche Studien. München, Beck. Erste Auf lage, 1955. Zweite Auf la-
ge, 1960.

M. FERNÁNDEZ GALIANO, «Los problemas de autenticidad en la literatura


griega» in Revista de la Universidad de Madrid, vol. I, nº 2, 1952, pp. 213‑238.

CARLO GALLAVOTTI, «Anacreonte e la chioma recisa» in La Parola del Pas-


sato, fasc. XL, Gennaio‑Febbraio 1955, pp. 41‑47.

——, «Un restauro d’ Anacreonte» in La Parola del Passato, fasc. XL, Gen-
naio‑Febbraio 1955, pp. 47‑50.

B. GENTILI, Metrica Greca Arcaica. Messina‑Firenze, Casa Editrice G. D’Anna, 1950.

——, La metrica dei Greci. Messina‑Firenze, Casa Editrice G. D.’Anna, 1952.

W. H. GRUNDIG, De inferorum in Graeca comoedia partibus. Diss. Leipzig. Estr.


in Jahrbuch der philosophischen Fakultät zu Leipzig, 1921, pp. 23‑26.

G. HAFNER, «Anakreon und Xanthippos» in Jahrbuch des Deutschen Archäo-


logischen Instituts, Band 71, 1956, pp. 1‑28.

FRIDERICUS HANSSEN, « Quaestiuncula Pseudoanacreontica» in Commen-


tationes Philologae quibus Ottoni Ribbeckio... congratulantur discipuli Lipsien-
ses. Lipsiae in aedibus B. G. Teubneri, 1888.

W. R. HARDIE, Res Metrica. An Introduction to the Study of Greek and Roman


Versification. Oxford University Press, 1934.
BIBLIOGRAFIA 311

A. E. .HARVEY, «The Classification of Greek Lyric Poetry» in The Classical


Quarterly, N. S., Vol. 5, n.° 3‑4, 1955, pp. 157‑175.

——, «Homeric Epithets in Greek Lyric Poetry» in The Classical Quarterly,


N. S., Vol. 7, n.° 3‑4, 1957, pp. 206‑223.

F. J. HOLLY, Quaestiones Anacreonteae. Diss. Erlangen. Marburgi, 1885.

JEAN IRIGOIN, Recherches sur les mètres de la lyrique chorale grecque. La struc-
ture du vers. Paris, Librairie C. Klincksieck, 1953.

——, «La structure des vers éoliens» in L’Antiquité Classique, tome XXV,
fasc. 1, 1956, pp. 5‑19.

——, «Colon, vers et strophe dans la lyrique monodique grecque» in Re-


vue de Philologie, de Littérature et d’Histoire Anciennes, 3e Série, Tome XXXI,
Fasc. 2, 1957, pp. 234‑238.

GEORG IWANOWITSCH, Opiniones Homeri et Tragicorum Graecorum de Inferis


per Comparationem Excussae. Diss. Erlangen. Berolini, 1894.

WERNER JAEGER, Paideia. Die Formung des griechischen Menschen. Berlin,


Walter de Gruyter, dritte Auf lage, Band I, 1954.

C. M. KAUFMANN, Die Jenseitshoffnungen der Griechen und Römer nach den


Sepulcralinschriften. Ein Beitrag zur monumentalen Eschatologie. Freiburg in
Breisgau, Herdersche Verlagsbuchhandlung, 1897.

T. KEHRHAHN, «Anacreontea» in Hermes, 1914, pp. 481‑507.

PETERIS KIKAUKA, Περὶ τῶν Ἀλκαίου καὶ Σαπφοῦς καὶ Ἀνακρέοντος


Μέτρων in Latvijas Universitates Raksti (Acta Universitatis Latviensis), XVI-
II, Riga, 1928, pp. 3‑52.

——, «Mètres de la poésie grecque monodique» in Latvijas Universitates Raksti


(Acta Universitatis Latviensis). Series Nova, II, Riga, 1931‑1933, pp. 1‑192.

G. S. KIRK and J. RAVEN, The Presocratic Philosophers, Cambridge University


Press, 1957.

W. J. W. KOSTER, Traité de métrique grecque suivi d’un précis de métrique latine.


Deuxième édition. Leyde, A. W. Sijthoff, 1953.

J. KROLL, Gott und Höhle. Der Mythus vom Descensuskampfe. Leipzig, Teubner, 1932.

GIULIANA LANATA, «La Poetica dei lirici greci arcaici» in Antidoron Hugoni
312 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

Henrico Paoli oblatum. Istituto di Filologia Classica, Facoltà di Lettere, Uni-


versità di Genova, 1956, pp. 168‑182.

R. LATTIMORE, Themes in Greek and Roman Epitaphs. Illinois Studies in Lan-


guage and Literature, vol. 28. Urbana, 1942.

K. LEHRS, «Vorstellungen der Griechen über das Fortleben nach dem


Tode» in Populäre Aufsätze aus dem Altertum, Leipzig Teubner, 1875, pp.
303‑362.

A. LESKY, Geschichte der griechischen Literatur. Bern, A. Francke Verlag, 1958.

PAUL MAAS, Griechische Metrik in Einleitung in die Altertumswissenschaft,


herausgegeben von ALFRED GERCKE und EDUARD NORDEN. 3. Auf lage,
Leipzig, Teubner, 1927.

——, «Anakreon und Ibykos» in Acme, VIII, 2‑3, 1955, pp. 113‑114.

EMILE MARTIN, Essai sur les rythmes de la Chanson Grecque Antique. Paris,
Librairie C. Klincksieck, 1953.

J. MARTIN, compte‑rendu de GENTILI, Anacreon, in Revue des Etudes


Grecques, LXXIII, N.° 344‑346, Janvier‑Juin 1960, pp. 273‑274.

M. TH.— H. MARTIN, «Traditions Homériques et Hésiodiques sur le Séjour


des Morts» in Annuaire de L´Association pour l’Encouragement des Etudes
Grecques en France, XII, 1878, pp. 1‑27.

F. MARTINAZZOLI, Ethos ed eros nella poesia greca. La Nuova Italia Editrice.


Biblioteca di Cultura, 27. Firenze, s. a.

JEAN MONNIER, La Descente aux Enfers. Etude de Pensée Religieuse, d’Art et de


Littérature. Thèse... Paris, 1904.

M. P. NILSSON, Geschichte der griechischen Religion. Handbuch der Alter-


tumswissenschaft herausgegeben von WALTER OTTO. C. H. Beck‘sche
Verlagsbuchhandlung. Müchen, I. Band, 1941; II. Band, 1950.

ANTONIUS FRIDERICUS OZANAM, De Frequenti apud Veteres Poetas Heroum


ad Inferos Descensu. Theses... Parisiis, 1839.

DENYS PAGE, Sappho and Alcaeus. An Introduction to the Study of Ancient Les-
bian Poetry. Oxford, at the Clarendon Press, 1955

——, review of GENTILI, Anacreon in The Classical Review, N. S., vol. IX, n.°
3, December 1959, pp. 234‑237.
BIBLIOGRAFIA 313

G. PERROTTA, Storia delta Letteratura Greca, Milano 1956, seconda edizione, 3 vols.

RUDOLF PFEIFFER, «Gottheit und Individuum in der frühgriechischen Ly-


rik» in Ausgewählte Schriften, München, Beck, 1960, pp. 42‑54.

CH. PICARD, «Art et Littérature: Sur trois exégèses» in Revue des Etudes
Grecques, LXI, n.° 286‑288, 1948, pp. 337‑357.

L. MASSA POSITANO, «Note ai lirici greci» in La Parola del Passato, I, 1946,


pp. 347‑372.

L. RADERMACHER, Das Jenseits im Mythos der Hellenen. Untersuchungen über


antiken Jenseitsglauben. Bonn, A. Marcus und E. Weber‘s Verlag, 1903.

AMÉRICO DA COSTA RAMALHO, Διπλᾶ Ὁνόματα no estilo de Aristófanes, Fa-


culdade de Letras, Instituto de Estudos Clássicos, Coimbra, 1952.

G. M. A. RICHTER, Attic Red‑Figured Vases. Α Survey. New Haven, 1946.

——, Greek Portraits. II. To what extent were they faithful likenesses? Bruxelles,
Collection Latomus, XXXVI, 1959.

A. DE RIDDER, L’Idée de la Mort en Grèce à l’Epoque Classique. Thèse. Paris, 1896.

E. ROHDE, Psyche, Seelencult und Unsterblichkeitslehre der Griechen. 9. und 10.


Auf lage mit einer Einführung von Otto Weinreich. Tübingen, J. C. B.
Mohr (Paul Siebeck), 1925.

K. RUPPRECHT, Einführung in die griechische Metrik, 3. Vollständig umgear-


beitete Auf lage, Max Hueber Verlag, München, 1950.

W. SCHADEWALDT, «Lebenszeit und Greisenalter im frühen Griechen-


tum» in Die Antike, 9, 1933, pp. 282‑303.

K. SCHEFOLD» Die Bildnisse der antiken Dichter, Redner und Denker. Benno
Schwabe & Co. Verlag, Basel, 1943.

O. SCHROEDER, Grundriss der griechischen Versgeschichte. Carl Winter Uni-


versitätsbuchhandlung. Heidelberg, 1930.

BRUNO SNELL, Die Entdeckung des Geistes. Studien zur Entstehung des Europäischen
Denkens bei den Griechen. Hamburg, Claassen Verlag. Dritte Auflage, 1955.

——, Griechische Metrik. Göttingen, VandenHoeck und Ruprecht, 1955.

F. SOLMSEN, «Chaos and Apeiron». Estratto dagli Studi Iatliani di Filologia


Classica, N. S., Vol. XXIV, fasc. 3‑4. Firenze, Felice Le Monnier, 1950.
314 SOBRE A AUTENTICIDADE DO FRAGMENTO 44 DIEHL DE ANACREONTE

CAROLUS BERNHARDUS STARK, Quaestionum Anacreonticarum Libri Duo.


Lipsiae apud Voigt et Fernan, 1846.

H. W. THOMAS, Ἐπέκεινα. Untersuchungen über das Ueberlieferungsgut in den


Jenseitsmythen Platons. Diss. München, 1938.

M. TREU, Von Homer zur Lyrik. München, Beck, 1955.

B. A. VAN GRONINGEN, La Composition Littéraire Archaïque Grecque. Procédés


et Réalisations. N. V. Noord‑Hollandsche Uitgevers Maatschappij. Ams-
terdam. Deuxième édition, 1960.

CARLOS SIMÕES VENTURA, «A significação de πετασθείς numa ode ana-


creôntica» in Humanitas, IV, 1952, pp. 43‑59.

PETER VON DER MÜHLL, Kritisches Hypomnema zur Ilias, Schweizerische


Beiträge zur Altertumswissenschaft, Heft 4. Basel, Verlag Friedrich
Reinhardt, AG, 1952.

L. WEBER, Anacreontea. Diss. Gottingae, 1892.

C. WELCKER, «Alcmanis fragmentum de Tantalo» in Rheinisches Museum,


1856, pp. 242‑254.

G. H, C. WIEDEMANN, Quaestionis de antiquitate carminum Anacreonteorum


Particula I. Petropoli, 1843.

U. VON WILAMOWITZ‑MOELLENDORF, Der Glaube der Hellenen. [Neuer


Druck], Basel, Benno Schwabe &. Co. Verlag, 1956. 2 vols.

——, Griechische Verskunst. Zweite unveränderte Auf lage, Hermann Gent-


ner Verlag, Darmstadt, 1958.

——, Isyllos von Epidauros. Philologische Untersuchungen, Berlin, Weid-


mannsche Buchhandlung, 1886.

——, Sappho und Simonides. Untersuchungen über griechische Lyriker. Berlin,


Weidmannsche Buchhandlung, 1913.
ÍNDICE DE AUTORES
CONCEPÇÕES HELÉNICAS
DE FELICIDADE NO ALÉM
DE HOMERO A PLATÃO
(Página deixada propositadamente em branco)
Os números em itálico indicam as páginas.

a) A ntigos

Aithiopis uide Cíclicos (poemas). 275, 51; 313, 148, n. 4; 320, 123; 148, n. 4;
Alceu, Frgs. Bergk, 1, 34 e n.6; 2, 34 e n. 326, 130; 324‑336, 112 e n. 2; 326, 124; 148,
6; 4, 34 e n. 6; 48B, 30; 32; 82, 53, n. 3. n. 6; 330, 123; 336, 122, n. 2; 123; 148, n. 5;
Álcman, Frg. 87 Bergk, 48, n. 7. 337-338, 122; 338, 122, n. 2; 340, 123; 124,
Anaxágoras, 67, n. 3. n. 1; 148, n. 7; 342, 124, n. 1; 148, n. 7; 343,
Anaxímenes, Frg. 2, 59, n. 1. 148, n. 6; 148, n. 7; 344, 124 e n. 1; 130; 351,
Andócides, De Mysteriis, 31, 40, n. 3. 124, n. 1; 148, n. 7; 352, 124; 148, n. 6; 354,
Anthologia Palatina, App. Noua,461, 30, 123; 148, n. 5; 356, 123; 357, 80; 370, 123;
n. 1. 148, n. 4; 148, n. 5; 373‑374, 124; 130; 148,
Apolodoro, Epitome, V, 5, 33. n. 6; 379, 123; 148, n. 4; 382, 123, n. 4; 148;
Pseudo-Apolodoro, 2, 5, 11, 38 e n. 3. 382-386, 122; 383, 123, n. 4; 148; 386, 148,
Apolodoro Tarsense, 122, n. 4. n. 5; 388, 123; 148, n. 5; 392, 123; 396, 123;
Apolónio de Rodes, Argonautica, IV, 811 148, n. 4 e n. 5; 407, 123; 415, 123; 434-436,
seqq., 33 e n. 4; IV, 1396 125; 441, 124; 148, n. 6; 442, 123; 448‑449,
seqq., 37, n. 3. 124; 130; 148, n. 6; 407, 148, n. 5; 415, 148,
Schol. Apol. Rhod., Argon., IV, 811 seqq., n. 5; 452, 123; 454-455, 124; 148, n. 7; 1032,
33 e n. 4; 1396, 37 e n. 3. 48, n. 1.
Arato, 102. Vespae, 639‑640, 30; 57; 110, n. 2;
Aristarco, 112; 101; 122, n. 4. 122, n. 2;
Aristeas, Frgs. Kinkel 5, 34, e n. 5; 6, 34, Gerytades, 121.
e n. 5; 7, 34, e n. 5. Frg. 488 Kock, 28, n. 3; 56 e n. 1.
Aristides 22, 10 Keil, 44 e n. 3. Schol. Ranae, 122, n. 2;
Aristófanes, 57; 121-126; 140; 151; 155. Aristofonte, C. G. F., III, 364 (Meineke),
Equites, 1151, 57, n. 1; 122, n. 2. 50 e n. 6; 51.
Lysistrata, 41, n. 4. Aristóteles, 47.
Nubes, 271, 37. Anal. Post. B. 11.94b 33, 51; 69 e n. 7;
Pax, 374‑375, 44, n. 1; 832‑834, 57. 78 e n. 5.
Ranae, 65; 66; 80, n. 4; 121-126; 148; Meteor. II. 2.355b 32 seqq., 68.
152; 156; 83, 122, n. 2; 84, 122, n. 2; 85, 57; Peplus Aristoteleus 3, 91 e n. 2.
122, n. 2; 121-126; 145‑146, 43; 145‑151, 44; Frg. 185 Rose, 78 e n. 6.
145-154, 123; 146-150, 51; 154, 123; 148, Aristóxeno, Frg. 26 Wehrli, 50, n. 2.
n. 4; 155, 148, n. 7; 156, 123; 157, 123; 161, Arquitas, 67, n. 3.
125; 162-163, 125; 180, 123; 186, 125; 134; Arriano, 398, 32, 32, n. 7.
271-459, 123; 273, 43; 273‑276, 44; 274- Ásio Sâmio, Frg. Diehl, v 4, 43 e n. 3.
Ateneu, 11.462c, 118-119, n. 5. Estrabão, 4, 183, 37; 7, 91, 110, n. 2; 8,
363, 126.
Baquílides, Ode III, 58-62, 35-36; 118, n. Etymologicon Magnum, 27.
5; 53, n. 3 ; V, 56-175, 53, n. 3. Êupolis, Demoi, 121.
Eurípides, 57-58; 110.
Calcídio, in Tim. 79, p. 143, 17 Wr., 53, n. 2. Alc. 359, 58; 743-746, 58; 851-853, 58.
Calímaco, Hymn. III, 164, 37 e n. 6. Andr. 1260-1262, 31; 32; 33.
Calino, Frg. 1, 12-13 Diehl, 28, n. 2; 53, n. 3; Bacchae 81; 72-77, 128, n. 2; 1338-1339, 58;
Cássio Hermina, Non s. u. lacte, p. 483 (= 109, n. 4.
Peter, Fr. H. R. 36), 78. Cyclops 273-274, 65, n. 7.
Cíclicos (poemas) Aithiopis, 30; 32; 33; Electra 59, 57; 122‑123, 58, n. 3; 142‑144,
Epigoni, 34. 58, n. 3; 677, 58, n. 3.
Minyas, 21, 24, n. 6. Hec. 67, 27-28, n. 9.
Telegoneia, 32; 38; Hel. 1015-1016, 57; 1616-1677, 58; 1677,
Clemente Alexandrino, Strom. III, 518, 109.
39, n. 1. Her. 394-399, 37, n. 3; 613, 125, n.1; 1041,
Cónon, Narrationes 18, 32, n. 3. 27-28, n. 9.
Cornuto, 41, n. 1. Hippol. 190, 58; 191-197, 58; 742-751, 37;
Cratino, Archilocus, 80. 829, 58, n. 3; 952, 48, n. 2; 1366‑1367, 58,
Chiron, 80. n. 3; 1386, 58, n. 3; 1388, 58, n. 3.
Ion 1273-1274, 58, n. 3.
Demóstenes, XVIII, 127, 65, n. 7. Iph. Taur.158-159, 58, n. 3; 184-185, 58, n.
Dídimo in Ol. II, 112. 3; 435-438, 31; 32, 33.
Diodoro, 93; I, 96, 66; V, 28, 78, n. 3. Medea 119-130, 58.
Diógenes de Apolónia, 67, n. 3. Orestes 1086-1087, 57.
Diógenes Laércio, VIII, 1, 14, 52 e n. 2; 78 Phoin. 844, 27-28, n. 9.
e n. 4; 17-18, 78, n. 1; 21, 50, n. 4; 28, 59, n. Suppl. 531-536, 57; 1140-1142, 57-58.
1; 38, 50, n. 6; 42. Peirithoos, 121, n. 1.
Dioscórides, 118. Frgs. Nauck 506, 49, n. 3; 533, 58, n.3; 534,
58, n. 3; 638, 58; 833, 58; 839, 57; 971, 57.
Eliano, Var. Hist. IV, 17 = VS. 58 (45) C 2, Schol. Eur., Andr., 229, 32, n.1.
69 e n. 8. Eustátio ad Dionys. Perieg. 306, 31,
Élio Aristides, Or. Αegyptius 112 (II, p. n. 1.
298, 21 Keil), 108, n. 1. Comment. ad Odysseam, 1549, 110,
Empédocles, Katharmoi, 51-53; 69, n. 4; n. 2; 1696, 45, 32 e n. 7.
71, 72; Frgs. Diels 24, 59, n. 1; 115, 52, n.
1; 69, n. 4; 71 e n. 3; 117, 52; 69, n. 6; 121, Ferécides, Frg. 33, 37 e n. 5.
52; 70; 128, 53; 118-119, n. 5; 129, 51; 132, Ferécrates, Crapatali, 121.
2, 52; 135, 2, 52. Metalles Frg. 108 Kock, 57; 121.
Epicuro, III, 124, 53, n. 1. Persae, Frg. 130 Kock, 57.
Epígenes, 47; 50, n. 1; Filémon (?), C. F. G. IV, 67 Meineke, 54,
Epigoni uide Cíclicos (poemas). n. 3; 64, n. 2.
Epigrammata Graeca uide Inscrições. Filóstrato, Heroica, III, 26, 31, n. 2; 32 e
Ésquilo, 58, n. 5; 64. n. 1; 34.
Agam. 1160-1161, 117. Frinico, Musae, 121.
Eumenides, 273-275, 49; 339-340, 49
e n. 4; 385‑387, 43; 396, 116, n. 2. Gregório Coríntio, Dial. Dor. 34, 102, n. 3.
Suppl. 228-231, 49; 414-416, 49.
Prom. Lyom. Apud Strab. 4 p. 183, 37. Hérmias Alexandrino, in Plat. Phaedr.
P. Oxyr. 2256. 9 (a), 49, n. 3. 248E Couvreur, 104, n. 1.
Heródoto, I, 86-88, 36, n. 2; II, 122-123, 1; 103-104, 25; 103-107, 86; 104, 24, n. 2; Ω
116, n. 4; 123, 71, n. 3; III, 26, 110, n. 2; IV, 121, 87; 615, 88, n. 1; 694, 86; 87, n. 8.
13, 34, n. 5; 16, 34, n. 5; 32, 34 e n. 3; 32- Schol. A 175, 49, n. 3.
35, 34 e n. 7; 33-35, 36, n. 1; Odisseia, 56, 86, 87, 88, 91, n. 2; 151. α 102,
Hesíodo, 28-30; 34; 37; 57; 91-97; 137-138, 87; β 433, 88; γ 135, 88; δ 561-569, 26-28;
n. 1; 140; 147; 151. 29; 85-90; 96; 115; 145; 562-569, 85; 563, 88;
Theogonia, 45, 77, n. 2; 105-106, 77, n. 145, n. 5; 564, 85, n. 1; 86; 96; 564 seqq.,
2; 215, 36; 215‑216, 36, n. 4; 37; 96, n. 1; 113; 565, 26; 90; 145, n. 1; 565-568, 85; 86;
215‑217, 36, n. 4; 274, 36; 274‑275, 36, n. 566, 89; 140; 145, n. 2; 567-568, 109; 145,
4; 96, n. 1; 275, 37; 96, n. 1; 513, 96, n. 1; n. 3, 4; 567, 89; 568, 26; 89; 90; 569, 85, n.
517‑519, 96, n. 1; 517‑520, 36, n. 4; 518, 1; 97; 805, 26; ε 50, 61, n. 1; 55-74, 88; 55,
36; 37; 96, n. 1; 720 seqq., 106 e n. 1; 726- 88; 64, 89; 65-67, 89; 68-69, 89; 70-71, 89;
728, 106; 732-733, 106; 736 seqq., 106; 744- 72-73, 89; 72, 129, n. 1; 122, 26; 26, n. 2;
757, 96, n. 1; 850-851, 105; 851, 95 e n. 1. 334-335, 26, n. 2; ζ 86; 42-46, 26; 86-88;
Op. et D., 41, 129, n. 1; 42-44, 92; 90-92, 96; 42-43, 88; 43-44, 89; 43, 89; 44, 86; 89;
93; 106-201, 92-94; 109-126; 93; 95; 112, 44-45, 90; 116; 46, 93; 116; 47, 89; 240, 87;
93, 96; 113, 93; 113-114, 93; 115, 93; 94; η 112-131, 88-89; 112, 88; 113; 88; 89; 114,
116-117, 93; 117, 94; 118, 94; 122-123, 97; 89; 119, 89; 122, 89; 127, 89; 129-131, 89;
135-142, 29; 136, 29; 139, 29; 141, 29; 97; 323, 38; θ 331, 87; κ 307, 87; 491, 79, n.
153-155, 97; 161-163, 97; 164-165, 97; 167, 2; 521, 24 e n. 3; 534, 79, n. 2; 536, 24 e n.
28; 96 e n. 2; 97; 146, n. 1; 167-173, 28-30; 3; 564, 79, n. 2; λ 64; 86; 117; 128; 29, 24 e
91-97; 146; 168, 35; 91; 96; 146, n. 1; 169, n. 3; 47, 79, n. 2; 49, 24 e n. 3; 313-316, 87;
29, n. 2; 94-95; 97, n. 1; 106; 169b, 95; 169b‑e, 489-491, 24; 539, 66; 129-130 e n. 1; 568-
94-95; 169c‑e, 95; 170, 92; 93; 96; 97; 146, n. 571, 48, n. 7; 601-603, 58 e n. 1; μ 159, 129,
4; 171, 29; 92; 95; 96; 146, n. 2; 172, 28; 92; n. 1; 337, 87; 382-383, 116, n. 1; ν 389, 88;
172-173, 92; 146, n. 3; 95; 97; 225-237, 92; ξ 394, 87; ο 43, 87; σ 180, 87; τ 43, 87; 92;
96; 228, 96; 238-247, 92. υ 55, 87; 73, 87; 102-105, 87; ω 13, 66; 129;
Schol. Procl. O. Et D. 169, 95; 97, n. 1. 351, 87; 488, 87.
Hesíquio, 25; 27-28, n. 9 ; 41, n. 8. Schol. δ 569, 26.
Hiérocles ad C. Aur. 24 ad v. 54 seqq., 53, Hinos Homéricos II, 39-45; 42, n. 4; 56;
n. 2. 141; 7, 129, n. 1; 480-482, 39 e n. 1; 40; 66,
Hipócrates, 43. n. 3; 91; 97; 122, n. 3; 141; III, 118, 129, n. 1;
Homero, 34, n. 1; 57; 89, n. 2; 91; 108; 128; IV, 198, 129, n. 1; 221, 129, n. 1; 334, 129, n.
145; 151. 1; V, 29, 34 e n. 4; XIX, 25, 129, n. 1.
Ilíada, 24; 25; 31; 54; 85; 86; 87; 116, n. 3. Α Hymni Orphici, 13, 1, 112-113, n. 3.
44, 87; 402, 86; 87 e n. 8; 420, 86; 499, 86;
530, 86; 87 e n. 7; 532, 86; Β 467, 129, n. 1; Íbico Frg. 10 A Bergk, 47 e n. 2.
776, 114, n. 1; 783, 88, n. 1; Γ 199, 85, n. 1; Apud Schol. Pind. Nem. X, 7, 32,
276-280, 48; 128; 418, 85, n. 1; Ε 367, 86; Apud Schol. Apol. Rhod., Argon.,
87, n. 6; 399, 87, n. 8; 754, 86; 868, 86; 87, IV, 811 seqq., 33, n. 4; 53.
n. 7; Θ 13-16, 105; 106; 25, 87, n. 5; 199, 87 Inscrições C. I. A., I, 442 = E. G. 21b, 1, 60.
e n. 8; 373, 88; 406, 88; 410, 87 e n. 8; 411, C. I. A., I, 481 = E. G. 16, 59.
86; 420, 88; 443, 86; 87e n. 7; 477-481, 105; C. I. A., I, 2449, 140, n. 2.
Ι 457, 49; 569, 79, n. 2; 79, n. 2; Λ 77, 87, n. E. G. 16, 59; 21b, 1, 60; 41, 59, n. 1; 107, 60,
4; Ν 243, 86; Ξ 154, 87, n. 4; 200-204, 105; n. 2; 159, 61, n. 1; 338, 1-2, 60, n. 2; 414,
106; 225, 87, n. 4; 273-274, 105; 321-322, 60, n. 2; 511, 60, n. 2; 618 a, 60, n. 2; 648,
113; Ο 84, 86; 87e n. 6; 187-195, 66; 225, 60, n. 2; 649, 30, n. 1; 60, n. 2.
87, n. 4; Σ 142, 87 e n. 8; 143, 105; 186, 86; G. D. I. 5183, 41 e n. 6.
616, 86; Τ 114, 87, n. 4; 258-260, 49; 128; Υ I. G. 5 (1). 213.11, 41 e n. 5.
5, 86; 22, 87, n. 4; Ψ 69-81, 86; 72, 24 e n. I. G. R. 4, 1579, 60, n. 2.
S. I. G. 712.8, 41 e n. 6. Minyas uide Cíclicos (poemas).
Ἀρχ. Ἐφημ., 1883, p. 182, n. 8, 61, n. 1; Moscópulo, 101, n. 3; 102 e n. 2; 130.
p. 146, n. 20, 60, n. 1.
Bulletin de Correspondance Hellénique, IV, Olimpiodoro in Gorg. p. 221 Norvin, 66,
1880, pp. 177‑180, 110, n. 1. n. 1.
Kaibel in Rheinisches Museum, 34 (1879), in Phaed. p. 48, 20 Norvin, 44, n. 2; p.
718 a, 3‑4, 61, n. 1. 58 Norvin, 66, n. 1; p. 91 Fickh, 104, n. 1.
Kumn, n. 426, n. 16, 60, n. 1. ap. Phot. Bibl. 61 a Bekker, 110, n. 2.
Preger n. 12, 61, n. 1. Ovídio, Met., I, 168-171, 103.
Test. Epict. 2, 7, 33, 41 e n. 7. Papiros P. G. Magicae IV, 1417, 65, n. 2.
Lamellae Aureae, 48; 66; 74-81. P. Oxy. 2092, 113; 2256.9 (a), 49, n. 3.
Collitz, Gr. Dial. Inschr. 4959a , 76 e Pausânias, I. XXIV, 6, 34, n. 5; III, XIX,
n. 2; 77-78. 11‑13, 32, n.1, 3; 34; 107; VI, XIX, 8, 37, n.
Kaibel, I. G. XIV, 642, 76, n. 4; 77-78; 130. 3; X, XXV-XXXI, 44, n. 2; 61, n. 2; XXVIII-
I. G. S. I. 641, 1, 2, 3; 76, n. 5; 78; 638, XXXI, 24, n. 6; XXXI, 9-11, 44, n. 2; 73, n.
76 e n. 1; 77-79. 2; 141, n. 1.
Ἀρχ. Ἐφημ., 1951, p. 99, 76, n. 3; Píndaro, 48; 53-59; 99-119; 146-147.
77-78. Ol. I, 109; 107, n. 6; II, 54-56; 125; 12,
Atene e Roma, VI (1903), pp. 161- 55, n. 1; 114; 56-83, 54-56; 99-119; 118, n.
170, 76, n. 6; 77-79. 5; 151-152; 56-70, 54-55; 99-103; 114; 56,
Olivieri, d, 76 e n. 7. 99; 57-60, 54-55; 100; 57, 99; 100-101; 58,
Íon de Quios, 47; 50, n. 1. 100-101; 59, 64; 100-101; 61-62, 54-55; 101;
Isócrates, Euagoras 15, 65. 57, 100; 101; 58, 100; 58-60, 64; 101; 61-62,
Helena, 24, 37 e n. 4. 55; 101; 146, n. 5; 61-67, 54; 100; 101; 146;
Panathenaicus, 205, 65, n. 7. 62, 55; 101; 63, 101-102; 63-65, 146, n. 6;
65, 103; 66, 54; 101; 66-67, 55; 146, n. 7; 67,
Jâmblico, Vita Pythagorea 28, 50, n. 1; 64 55; 100; 68-83, 35; 36; 100; 147; 68-69, 55;
seq., 50, n. 2; 82 = V. S. 58 (45) C 4, 58, n. 55-56; 69-70, 101; 69, 101; 70, 103-109; 114;
2; 69, n. 3; 110-114, 50, n. 2; 146-147, 50, n. 71-72, 109-110; 147, n. 1; 71-73, 54; 114-115;
1; 155, 50, n. 5; 163 seqq., 50, n. 2; 178, 78, 72-73, 147, n. 2; 72, 118; 147, n. 3; 73, 147, n.
n. 3; 179, 50, n. 5. 3; 74, 55; 110-112; 147, n. 4; 75, 113; 76, 113;
77, 113; 76-77, 105; 112-115; 79-80, 33; 79,
Lamellae aureaei uide Inscrições 56; 79-83, 106; III, 14, 118, n. 1; 16, 35, n. 2;
Libânio I, 2, 471 Foerster, 41, n. 1. 18, 118, n. 1; 23, 107, n. 6; 45, 102, n. 3; IV,
Lícofron, 186-187, 32, n. 2; 187-191, 32, n. 6, 107, n. 3; V, 17, 107, n. 6; VI, 29, 107, n. 4;
2; 200-201, 32, n. 2. 64, 107, n. 6; VII, 67, 107, n. 3; 69-74, 108;
Schol. 172, 33. VIII, 21-23, 113; IX, 33-35, 107, n. 2; 56,
Luciano, 121. 107, n. 4; X, 93, 102, n. 3.
Iup. Conf. 17, 30, n. 1. Pyth. I, 15, 107; 16, 107; 71, 107, n.
De Mercede Conductis, 12, 49, n. 3. 3; II, 25, 107, n. 4; 73-75, 65, n. 7; 107; III,
Verae Histor. II, 14, 30, n. 1. 57, 107, n. 3; IV, 23, 107, n. 3; 115, 107, n. 5;
Lucrécio, III, 978-1023, 52-53 e n. 1. 291, 106; X, 29-46, 35 e n. 2 e 3; 118, n. 5;
30, 104; 107; 40, 112, n. 1; 46, 35; 118, n. 5;
Macróbio in Somn. Scip. I, 10, 9, seqq., XI, 21, 108.
53, n. 1. Nem. I, 16, 107, n. 3; III, 24, 109; 29,
109; IV, 17, 111; 49-50, 31; 33, 106; IX, 19,
Marcelo Sidónio, E. G. Kaibel, 1046, 9, 95. 107, n. 3; 28, 107, n. 3; X, 7, 32 e n. 8; 19-24,
108; 76, 107, n. 3.
Mimnermo, Frgs. Diehl 2, 13-14, 53, n. 3; Isth. I, 66, 111; VI, 23, 35, n. 2; VIII,
10, 8-9, 37 e n. 2; 96, n. 1. 21-24, 65; 57-60, 33; 66-67, 111.
Paean IV, 44, 107; V, 37-45, 108; VI, 68; 113A, 67; 113B, 68; 113C, 68; 113D,
98-99, 33; VIII, (b) 1, 35, n. 2; 132, n. 2; 114A, 67; 70; 114B, 70; 132; 114C,
Frgs. Snell, 30 (6), 2, 104; 3-5, 103-104. 67; 132; 150, n. 1, 2; 115D, 128.
57, 112-113, n. 3; Phaedrus 246A-257B, 66; 70-72; 135-
129, 56; 115-119; 125; 130; 140; 1-2, 138; 140; 246D-247E, 135; 246E, 103; 247C,
116; 119; 140; 147-148; 151-152; 3-5, 116; 147, 135; 247D, 135; 247D-E, 135; 248B-249B, 71;
n. 6; 3, 119; 148, n. 1; 4, 117; 119; 148, n. 1; 248B, 70; 71; 135; 136; 248C, 70; 248E-249B,
5, 118; 148, n. 1; 6-7, 116; 147, n. 5; 7, 116; 71, n. 3; 249A, 55; 71; 101; 249A-B, 65 e n. 6;
117; 148, n. 3; 8, 117; 148, n. 2; 9-10, 117; 137; 249B, 150, n. 8; 249C, 72; 249C-256A;
147, n. 5; 9, 118; 148, n. 1. 136; 250B, 136; 150, n. 9; 250B-C, 136; 250C,
133, 56; 71, n. 3; 101 e n. 5; 102, n. 2. 150, n. 3; 250C-D, 150, n. 9; 256D, 71; 150, n.
137, 39; 40; 56; 115, n. 2; 122, n. 3. 10; 256D-257A, 137; 257A, 71.
140 a, 55, 102, n. 3. Politicus 269A-274E, 137, n. 1; 271D-
144, 114. 272B, 137-138, n. 1.
201, 1, 108. Rep. I, 330D, 54, n. 3; II, 363C-D, 51;
207, 107. 55; 57; 140, n. 3; 363C-E, 44 e n. 2; 112, n. 2;
Schol. Ol. II, 61-62, 101 e n. 1; 65, 364E, 47, n. 4; 364E‑365A, 48 e n. 4; 386A-
102; 70, 104, n. 1; 70-71, 109; 74, 110; 76- 387B, 25, n. 2; VI, 498C, 63; VII, 514A-
77, 112; III, 45, 102, n. 3; N. IV, 49-50, 32, 517B, 67, n. 2; 519C, 57, 63, n. 1; 110, n. 2;
n. 9; X, 7, 32. 127; 540B-C, 63 e n. 1; 110, n. 2; 127; 540C,
Platão, 48; 53; 63-73; 76; 81; 127-138; 139; 128, n. 2; X, 614A, 133; 614A-621D, 66;
140; 145; 149-150; 152. 68-70; 71; 72; 133-135; 138; 150; 614B-621B,
Apol. 29B, 63; 40C, 63; 40E, 63; 65; 133; 614C, 65, n. 5; 70; 133; 614D, 150, n.7;
41A, 64; 127; 41A-C, 63; 41B, 63; 41C, 140. 614E, 70; 133; 615A, 71, n. 3; 135; 150, n. 4;
Crat. 397E-398D, 29, n. 4; 97, n. 2; 615E, 69; 70; 133; 616A, 70; 616B, 70; 133;
398B-C, 128, n. 2; 400C, 48, n. 3; 403A, 64, 134; 150, n. 6; 617D-619E, 134; 619E, 134;
n. 2; 404A, 105, n. 2; 404B, 127. 621A, 134; 135; 621B, 69; 134; 621C, 134;
Crit. 112E-121C, 137, n. 1; 113A-B, 621C‑D, 133.
97, n. 3; 114D-115B, 137, n. 1; 117B, 137, n. Sympos. 179E-180B, 30; 33; 63, n. 1;
1; 120 seqq., 137, n. 1. 110, n. 2; 127; 210A, 136, n. 1.
Gorg. 493B-C, 73; 141; 523A-527E, Theaet. 176E, 63, n. 1.
65; 66-67; 72; 128-130; 132, n. 2; 138; 149; Tim. 34B-40C, 70, n. 2; 42B, 128, n. 2.
150; 523B, 129; 130; 149, n. 1, 2; 524A, 65 e Schol. Olimp. Gorg. p. 221 Norvin,
n. 3; 66, n. 3; 127; 129; 525C, 66, n. 3; 526C, 66, n. 1; Phaed. 68C, p. 48, 20 Norvin, 44,
149, n. 1; 527A, 130; 527B, 130. n. 2; p. 58 Norvin, 66, n. 1; p. 91 Fickh,
Leg. 713A-714B, 137, n. 1; 904B- 104, n. 1.
905B, 63; 959B, 64, n. 1. Herm. Alexandr. Phaedr. 248E
Menex. 235C, 30; 57; 63, n. 1; 110, n. Couvreur, 104, n. 1.
2; 127. Procl. in Timaeum III, 325 Diehl,
Meno 81A, 72, n. 2. 53, n. 2.
Phaedo 63B-C, 63; 69C, 44-45 e n. 1; Pseudo-Platão, Axiocus 371A, 139;
80D, 127; 107D, 65 e n. 4; 68; 131; 107D-E, 371A-372A, 72-73; 139-141; 151; 371B, 73;
67; 107D-114C, 65; 67-68; 72; 131-133; 135; 139; 371C, 151, n. 1, 2, 3; 371C-D, 151, n. 4;
138; 149-150; 152; 108C, 67; 131; 149; 108C- 371D, 73; 151,n. 5, 6; 372A, 141.
110B, 149; 108D, 68; 109B, 149, n. 8; 109E, Plínio, IV, 16, 32 e n. 4; XXI, 68, 129, n. 1.
131; 110ª, 131; 110B, 131; 110B-D, 149, n. 7; Plutarco, Moralia II, 21, 42, n. 6;
110C, 131; 149, n.8; 110D, 131; 149, n.3, 5; Cons. ad Ap. 35, 120C, 56 e n. 1; 115;
110D-E, 131; 110E, 131; 149, n. 8; 11A, 131; 117, n. 1.
149, n. 3, 4; 111B, 132; 149, n. 4, 6, 9; 111C, De Is. et Osir. c. 12, 117, n. 4.
132; 133; 149, n. 9; 111C-113D, 133; 112A, Vita Sertorii VIII, 110.
Pompónio Mela II, 98, 32 e n. 5. b) Modernos
Porfírio, Vita Pythagorea 33, 50, n. 2.
Possidónio, 72. Aimé-Puech, 102; 111, n. 4; 118, n. 4.
Proclo, Chrest. Gramm. II, pp. 57-58 T. W. Allen, 42, n. 4.
Kinkel, 30, n. 3. Von Arnim, 67, n. 1.
Schol. Hes. Op. et D. 169, 94; 95; 97, Autenrieth, 87, n. 1.
n. 1.
in Tim. III 325 Diehl, 53, n. 2. H. C. Baldry, 94, n. 2; 105, n. 1.
Frg. 222 Kern, 66. W. S. Barret, 58, n. 4.
F. Bechtel, 41, n. 4.
Quinto de Esmirna, IV, 769-779, 31; 770- Bekker, 85.
776, 31; XI, 224 seqq., 103, n. 1. V. Bérard, 85, n. 1; 86; 88 e n. 2, 3; 88, n. 2;
129, n. 1.
Safo, 114. N. M. Βερδελῆ, 76, n. 3.
V, 4, 11-13 Lobel, 125, n. 2. Th. Bergk, 86; 101, n. 1; 111; 117; 124, n. 1.
Frg. 58 Diehl, 53, n. 3. A. Bernabé, 80; 81, n. 1.
óstracon, 118-119, n. 5. Besnault, 110, n. 1.
Séneca, Troades, 942-944, 33 e n. 5. J. Bidez, 51, n. 2; 68, n. 1; 69, n. 1, 2; 134,
Simónides, Frg. 9, 3-5 Diehl, 53 e n. 4; 40 n. 2.
Bergk, 47 e n. 3; 41 Bergk, 47 e n. 3. E. Bignone, 52, n. 5.
apud Schol. Apol. Rod., Argon. IV, Blaydes, 124, n. 1.
811 seqq., 33, n. 4; 53. Böckh, 39, n. 1; 56; 101, n. 3; 103, n. 1; 108;
Skolion de Harmódio e Aristogéi- 111; 117; 118 e n. 4.
ton (Frg. 8 Bergk-Hiller), 30 e n. 2; 32; E. Boisacq, 27 e n. 7.
33; 57; 110, n. 2; 128, n. 1. Bothe, 124, n. 1.
Sófocles, Oed. Col. 1606, 49. C. M. Bowra, 30, n. 2; 102; 118, n. 4.
Phil. 1440-1444, 58, n. 5. C. D. Buck, 41, n. 4; 109, n. 2.
Trach. 1099-1100, 37, n. 3. R. Bultmann, 116, n. 2.
Frags. Nauck, 297, 37; 668, 80; 753,
39; 40; 42; 56; 58, n. 5; 122, n. 3. P. Capelle, 38, n. 2; 86, n. 3; 91, n. 1.
Sólon, Frg. 26 Diehl, 97, n. 3. J. Carcopino, 72, n. 3.
Suidas, 25, 79. H. M. Chadwick, 21, n. 1.
J. Chadwick, 23, n. 1.
Telegoneia uide Cíclicos (poemas) M. Chevalier, 72, n. 4; 139, n. 1; 141, n. 2.
Temístio, Or. XIII, 178, 53, n. 2. W. Christ, 113.
Teo de Esmirna, p. 149, 4 Hiller, 53, n. 2. Collitz, 76, n. 2.
Teógnis de Mégara, I, 701, 113, n. 1; Comparetti, 75, n. 1; 76, n. 6, 7; 78, n. 7; 80.
973-976, 117; 973-978, 53, n. 3; 1215-1216, A. B. Cook, 77 e n. 1.
125, n. 2. V. Coulon, 124, n. 1.
Thomas Magister, 102, n. 2. J. S. Cristóbal, 81, n. 1.
Tirteu, Frg. 9 Diehl, 31-32, 53, n. 3; 37- O. Crusius, 35, n. 1; 36, n. 3.
38, 33, n. 2; 53, n. 3. Fr. Cumont, 72 e 74, n. 1.
Triclínio, 102; 103.
Delatte, 78, n. 7.
Virgílio, Eneida VI, 273-281, 52; 554, 108. Deubner, 100, n. 1.
E. Diehl, 43; 112, n. 1; 113, n. 1.
Xenófanes, Frg. 1, 1-12 Diehl, 112, n. 1; H. Diels, 52, n. 6; 69, n. 4; 70 e n. 3; 76.
118-119, n. 5; 6 Bergk, 52 e n. 3. A. Dieterich, 49, n. 1; 54, n. 1; 72 e n. 1; 75,
n. 2; 78, n. 7.
Zenóbio, III, 86, 95. Dindorf, 26, n. 3; 43; 85, n. 1; 124, n. 1.
Dissen, 101, n. 4; 112; 114, n. 1. Karsten, 111.
Dittenberg, 41, n. 4. C. M. Kaufmann, 60, n. 3.
E. R. Dodds, 18; 25 e n. 1; 35, n. 4; 42, n. 3; Keil, 44, n. 4.
43 e n. 1, 2; 44, n. 2; 47, n. 1; 48; 49, n. 4; 50, O. Kern, 75, n. 1.
n. 1, 2, 3; 51, n. 2; 52, n. 5; 56, n. 3; 59, n. 1; Kirchhoff, 85; 86.
68, n. 1; 72, n. 2; 78, n. 4; 109, n. 4; 116, n. 3; Th. Kock, 124, n. 1.
128, n. 2; 135, n. 1. A. Körte, 35, n. 3.
S. Eitrem, 75, n. 1. W. Kranz, 52, n. 5, 6; 70 e n. 4.
Erman, 116, n. 4.
Ettig, 72, n. 4. R. Lattimore, 60, n. 3; 141, n. 3.
A. Evans, 23 e n. 2. La Roche, 88, n. 1.
van Leeuwen, 86; 124, n. 1.
L. R. Farnell, 29, n. 4; 34, n. 1; 102; 103; M. Lejeune, 109, n. 2.
111, n. 2; 118. Lidell-Scott, 100; 102; 129, n. 1.
C. A. M. Fennell, 102; 103 e n. 3; 109; 111 e E. Lobel, 49, n. 3; 125, n. 2.
n. 3; 113. A. Rutgers van der Loeff, 41, n. 2.
A. J. Festugière, 42, n. 5; 60, n. 4; 75, n. 4. H. L. Lorimer, 115, n. 1.
Fick, 27 e n. 3; 85.
P. Foucart, 41, n. 4; 42, n. 2. Maass, 52, n. 4.
E. Franck, 70, n. 1. R. Mackrodt, 88, n. 1.
P. Friedländer, 67, n. 1. N. Madvig, 102.
P. Frutiger, 75, n. 1. L. Malten, 27-28, n. 9; 28, n. 3; 34, n. 2; 38,
n. 2; 54, n. 1; 79, n. 1.
M. F. Galiano, 102; 111, n. 4. G. Maspero, 110, n. 2.
H. W. Garrod, 100, n. 1, 2. K. Meister, 72, n. 3.
Geldart, 124, n. 1. W. W. Merry, 85, n. 1; 122, n. 2.
B. L. Gildersleeve, 102; 104 e n. 2; 111 e A. Meyer, 36, n. 4.
n. 1; 113; 114, n. 1. E. Meyer, 29, n. 4; 97, n. 2.
W. J. Goodrich, 100, n. 2. L. Meyer, 27 e n. 6.
Gordon, 81, n. 4. Milman Parry, 86, n. 4.
F. Graf, 80 e n. 1; 81 e n. 1. Mommsen, 101, n. 2.
W. K. C. Guthrie, 40, n. 1; 47, n. 5; 75, n. 1. G. Murray, 76, n. 1, 2, 4, 5, 6, 7; 121, n. 1;
126, n. 1.
Hall, 124, n. 1. G. E. Mylonas, 40, n. 2.
W. R. Halliday, 42, n. 4.
J. Harrison, 76, n. 1; 79, n. 1. M. P. Nilsson, 22; 23 e n. 4, 5; 24, n. 4, 7; 28
Am. Hauvette, 110, n. 1. e n. 1; 29; 37, n. 1; 38, n. 1; 40, n. 1, 3, 4; 41
Hennings, 85. e n. 3, 6; 42, n. 5; 48; 54, n. 1; 75, n. 1; 86 e
Hermann, 111; 124, n. 1. n. 3, 4; 87, n. 2; 95 e n. 3; 100, n. 2; 107, n. 6;
W. W. How, 110, n. 2; 116, n. 4. 123, n. 2.

J. Irigoin, 109, n. 3. Nitzsch, 85.


Noack, 40, n. 3.
P. Jacobsthal, 64, n. 3. Medea Norsa, 118, n. 5.
F. Jacoby, 95, n. 1. Olivieri, 75, n. 1; 76, n. 1, 2, 4, 5, 6, 7; 78, n.
W. Jaeger, 52, n. 5. 7; 79, n. 1, 2.
S. I. Johnston, 80 e n. 1; 81 e n. 3.
W. Pape, 77, n. 3; 125, n. 2.
A. Kaegi, 87, n. 1. C. Pascal, 97, n. 3.
Kaibel, 76, n. 1, 4, 5. W. R. Paton, 118 e n. 3.
Pauly-Wissowa, 29, n. 2; 32, n. 6; 38, n. 4; Usener, 29, n. 2.
75, n. 2.
Pauw, 113. M. Ventris, 23, n. 1.
Pepmüller, 120. A. F. G. Ventura, 129-130, n. 1.
A. W. Persson, 42, n. 2. Voss, 124, n. 1.
R. Pfeiffer, 118-119, n. 5. J. G. Vuertheim, 27 e n. 1.
Ch. Picard, 115, n. 3.
M. Platnauer, 124, n. 1. J. Wackernagel, 27 e n. 5; 27-28, n. 9; 41;
E. Pottier, 110, n. 1. 102, n. 3.
P. Waser, 29, n. 5.
L. Radermacher, 121, n. 1; 122, n. 1; 122, Weil, 95.
n. 4; 123, n. 1; 124, n. 1. Welcker, 48, n. 7.
Ranke, 116, n. 4. J. Wells, 110, n. 2; 116, n. 4.
Rauchenstein, 99. Wiesler, 43.
W. Ridgeway, 21, n. 1. J. Wiesner, 22, n. 1; 116, n. 3.
L. Robin, 132, n. 1; 136, n. 1. J. Wieten, 75, n. 5; 78 e n. 2, 7.
Rogers, 124, n. 1. E. Wikén, 115, n. 3.
E. Rohde, 24, n. 5; 26, n. 1; 27 e n. 8; 28, n. U. von Wilamowitz-Moellendorf, 27; 42,
3; 33 e n. 1; 35, n. 2; 49 e n. 2; 52, n. 5; 69, n. 2; 43 e n. 4; 47, n. 1; 51, n. 2; 52, n. 4; 54,
n. 5, 86 e n. 2; 86, n. 1; 91 e n. 2; 95 e n. 2; n. 1; 55, n. 1; 65, n. 1; 67, n. 1; 75, n. 4; 100,
100-101, n. 2; 103, n. 1. n. 2; 101, n. 1; 118 e n. 2; 122, n. 4.
H. J. Rose, 54, n. 1; 56 e n. 3; 78, n. 6; 101,
n. 5. K. Ziegler, 75, n. 2.
W. H. Roscher, 35, n. 1. Zuntz, 81 e n. 1, 3.
Ross, 41, n. 4.
J. Rumpel, 104 e n. 1; 108.
A. Rzach, 94; 95.

F. Saussure, 27 e n. 4.
Schneidewin, 112.
Schoemann, 95.
W. Schubart, 118, n. 5.
A. Schulten, 38, n. 4.
E. Schwyzer, 85, n. 1.
A. Sidgwick, 43.
B. Snell, 102; 104, n. 1; 117.
C. Sourdille, 110, n. 2.
G. Soury, 129, n. 1.
W. Spiegelberg, 110, n. 2.
W. B. Stanford, 85, n. 1; 89, n. 1, 2; 90, n.
1; 129, n. 1.
W. Süss, 122, n. 2.

H. W. Thomas, 51, n. 2; 54 e n. 2; 66 e n. 1,
2, 3; 67 e n. 1, 2, 3; 68, n. 1; 69, n. 4, 5, 8; 70
e n. 1, 5; 75, n. 3; 78, n. 1; 102, n. 2; 128, n. 4.
J. A. K. Thomson, 21, n. 1.
T. G. Tucker, 122 e n. 4; 124, n. 1.
A. Turyn, 102; 108, n. 1; 118 e n. 4; 118-119,
n. 5.
ÍNDICE DE AUTORES
SOBRE A AUTENTICIDADE DO
FRAGMENTO 44 DIEHL
DE ANACREONTE
(Página deixada propositadamente em branco)
a) A ntigos

Os números em itálico indicam as páginas.

Alceu 185, n. 5; 191, 246; 298; 198, 207; 39 196, 207; 40 195, 207; 41 199, n.
Frgs. Lobel-Page: 38a 265, n. 2; 283; 1, 207, 210; 42 196, 207, 234; 43 199, 207, 221;
39 246; 48,15 265; 50 246; 60a, 5 265, n. 1; 44 188, 191, 226-300; 45 195, 206 e n. 3, 253;
77a 266; 117b, 38 265, n. 1; 119 246; 186, 4 46 222, 299; 47 222; 48, 207 e n. 3, 210; 51a
265, n. 1; 286a, 4 266; 296a, 5 265, n. 1; 338 191; 48 198; 52 187, 206, 234, 290; 53 196,
201; 292-293, n. 1; 357 292-293, n. 1; 442 223, 233; 54 200, 206, 215, 293-294; 55 200;
246. 56 191; 57 201; 58 199, n. 1; 62 201; 64 191;
Álcman 192; 245-246; 247, n. 1; Parthen. 32 65 193, n. 1; 67 201; 69 196, 205, 214; 71 201;
265, n. 1; frg. 58 Diehl 212-213, n. 5; frg. 72, 220, n. 4; 74 201; 75 202; 76 198; 77 196;
72 Diehl 122 257, n. 2; frg. 94 Diehl 245- 79 195, 220, n. 4; 80 201; 81 201; 82 191, 218,
246, 247 e n. 1, 253, n. 8; frg. 101 Diehl 248. 219, 300; 85, 220, n. 4; 86 187, n. 5, 192; 87
Anacreonte e Pseudo-Anacreonte 184- 201; 88 196, 203, 207 e n. 1; 89 203, 233, 290;
188, 192, 195 e n. 2, n. 3, n. 4; 196, n. 1; 198; 90 202, 203, 207; 91 202, 203, 207 e n. 2, 213,
201; 202 e n. 1; 203 e n. 1; 204; 204-205, n. 6; 234; 92 192; 93 203; 94 203; 95 192; 96 192,
207; 208; 209; 210; 211; 214 e n. 3; 215, n. 3; 201, n. 1, 202, 203, 208, 221; 97 203; 98 196,
216; 218 e n. 1; 220, n. 4; 223; 229 e n. 4; 230; 203; 99 200, 201, n. 1, 203; 100 192, n. 2; 101
233; 234; 248; 249, n. 1; 253; 290; 292-293, n. 192, n. 2; 107 192, n. 2; 108 192, n. 2; 145
1; 297-300; 203, n. 1;
Frgs. Bergk 1 210; 2 204-205, n. 6, Frgs. Gentili 18 290; 60 184, 200,
210; 10 201; 11 198, 294; 14 210; 21 204-205, 206; 65 185, 196, 206, 290 e n. 3, 293, n. 1; 71
n. 6; 57 184, n. 2; 63 199; 75 210; 99 192; 185, 299; 72 185;
131 198; 157 184, n. 2; 123 198; 136 209; Frg. apud Schol. in Arati Phaen. Ms.
138 201; 143 209; 151 201; 154 201; 161 201; Scorial. Σ. III. 3. fol. 43 r° 201, n. 1.
162 201 e n. 1; 163 202; 168 209; 210; Anacreontea 185, 186, 188, 198, n. 1, 200;
Frgs. Diehl 1 201, 202, 205, 210; 2 204; 209; 217-223; 290; 300;
197, 198, 202 e n. 1, 205; 3 195, 204; 4 195, I 222; II 217, 221; VI 222; VII 218, 223; VIII
202, n. 1, 204, 214, n. 3; 5 195, 196, 204, 218, 218, 219; IX 218, 222, n. 2, 223; X 217; XII
221, 222, 233, 234, 248, 253 e n. 5; 6 201, 204, 218, 222, n. 2, 223; XIII 217, 221, 222; XV
216; 7 191; 8 192, 204 e n. 6, 218; 11 201, 217; XVI 217; XVIII 290; XVIIIa 223, 290;
206; 16 201, 204-205, n. 6; 17 195, 202, 206, XVIIIb 222; XIX 222; XX 217; XXI 218,
216, 234; 19 201; 20 191; 21 207; 22 199, n. 223; XXIII 218, 221, n. 4; XXIV 218; XXV
2, 207, 290; 23 196, 207; 25 201, 207; 26 195, 222; XXXVIII 218, 222, 223; XXIX 288;
207, 216; 27 185, 196, 197, 207, 221; 28 191, XXX 222; XXXI 222, 291; XXXIII 222, 291;
220; 29 207; 32 193, 207; 33 198; 36 207; 37 XXXV 222; XXXVIII 291; XXXIX 218,
223; XL 223, 291; XLI 291; XLII 221, n. 4, Part. Anim. IV, 11, p. 690b 30 291;
223, 293, n. 1; XLIV 218, 263; XLV 218, 223; Poet. 1456a 270, n. 4;
XLVII 218, 219, 221 e n. 3; XLVIII 221, 222, Rhet. III 1409a 207, n. 1; 211 e n. 2.
n. 2, 223; XLIX 222, n. 2, 223; L 223; LI 222, Pseudo-Aristóteles MXG, 957a 11 259,
223; LII 223; LIII 223; LV 291; LVI 223; LVII n. 8.
291. Arquíloco 200; 206; 210; 241; 247, n. 1; 282
Anacreonte-o-Moço 192. e n. 4.
Anthologia Palatina IX, 239 204, n. 5; X, Frgs. Diehl 22 192; 25 222 e n. 1; 50
3, 1 290. 241; 55 282, n. 4; 70 216, n. 3; 111 197, n. 3;
Apolónio de Rodes, Argon. II, 353 290. 218; 219; 113 241; 114 241, 253, n. 7;
Arato Frgs. Lasserre-Bonnard: 35, v. 34
Schol. in Arati Phaen. Ms. Scorial. Σ. 264, n. 4.
III. 3. 201, n. 1. Ateneio 199 e n. 1; 6 273; 10.427a 199,
Aristarco 238. n. 1; 10.429b 195, n. 2; 11.475c 199, n. 1;
Aristófanes: 187, 199, n. 1; 221, n. 3; 273; 12.540c 299; 13.600d 193-194; 14.646 273,
297; n. 5; 15.646a 193 e n. 2; 229 e n. 4.
Ach. 219-221 251-252, n. 3; 391 273, Aulo Gélio XIX 9 221, n. 2, n. 3, 300.
n. 2; 525 199, n. 1; 600 251-252, n. 3; 692-
693 251-252, n. 3; 702 251-252, n. 3; 715 Baquílides 183, 184, 250; 266 e n. 1; 283;
251-252, n. 3; Odes III 88-89 250, 253, n.5; V 56-
Aues 273; 693 259-260, n. 8; 1030- 175 266, 63-67 266, 121 283;
1032 273, n. 2; 1373 187 e n. 5 ; Ditirambos XVII 24-28 283; frg. 24
Eq. 520 251-252, n. 3; 908 251-252, n. 183; frg. 25 183;
3; Frgs. Snell 20a 7-10 250; 20b, 5-9
Lys. 301 251-252, n. 3; 605-607 273, 197-198, n. 3; 24 283; 25 2-3 250, 253, n.5,
n. 2; 287, n. 1; 60, 18 266, n. 1.
Nub. 129 251-252, n. 3; 192 273; 279
204-205, n. 6;1073 199, n. 1; Calcídico in Tim. 122 259-260, n. 8.
Pax 313-315 273, n. 2; 343 199, n. 1; Calímaco 289-290;
1244 199, n. 1; Ai. IV 15 276, n. 2;
Plut. 253 220, n. 4; 266 251-252, n. 3, Ep. II, 6 276, n. 2; IV, 2 276, n. 2; X, 1
251-252, n. 3; 278 273, n. 2; 302 219; 1002 276, n. 2; XIII, 3-4 289, 6 276, n. 2; XXI, 6
187, n. 5; 1057-1059 251-252, n. 3; 1075 187, 287; XXXIII, 2 276, n. 2; XLI, 2 276, n. 2;
n. 5; Hy. I 62 276, n. 2; II, 14 287; III, 222
Ranae 273 e n. 2; 69-70 273, n. 2; 145- 276, n. 2; IV, 277 276, n. 2; V 130 276, n. 2;
150 273; 274-275 273; 475 273; Frgs. Pfeiffer 15 290; 26 290; 115
Thesm. 160-163 185, n. 5; 1040 273, 290; 178 290.
n. 2; Calino 280;
Vesp. 164 251-252, n. 3; 275-278 251- Frg. 1 Diehl: 1, 15, vv. 8-9 e 12-13
252, n. 3; 441 251-252, n. 3; 737-740 251-252, 280.
n. 3; 762-763 273, n. 2; Cameleonte vide Chamaileon.
Gerytades 273, n. 2; Celso apud Orig. C. Celsum VI 260, n. 1.
Frgs. Kock 82, 3 251-252, n. 3; 146 Chamaileon 193, n. 2.
251-252, n. 3; 149-150 273, n. 2; 223 185, n. Cícero
5; 488 vv. 2-3 273-274; De Senectute 3 240, n. 2; 63-64 243,
Schol. in Nubes 192 273, n. 4. n. 3;
Aristófanes de Bizâncio 238. Tusc. Disp. IV. 71 195.
Aríston de Ceos 240, n. 2. Crisipo, Περὶ ἀποφατικῶν 22 187.
Ariston de Quios 240, n. 2. Crítias 187, 193, n. 2; 195, n. 3; 199, n. 1;
Aristóteles, Anal. Post. B 11.94 b. 33 274; 210, n. 3;
Frg. 1 Diehl 199, n. 1; Frg. 8 Diehl 194. Estêvão de Bizâncio vide Stephanus
Bizantius.
Demóstenes XVIII, 27 276, n. 2; XXXIV, Estobeu 1.1.10 299; 1.9.5 259-260, n. 8;
104 276, n. 2. 3.1.8 299; 4.21.24 299; 4.22.193 299; 4.33.7
Pseudo-Demóstenes XXV, 53 276, n. 2. 299; 4.34.14 299; 4.34.28 242; 4.34.15 299;
Dicearco 195, n. 4. 4.34.28 299; 4.41.7 299; 4.50.7 250; 4.50.19
Diógenes Laércio I. 60 244 e n. 4; VIII. 21 299; 4.51.5 299; 4.51.7 299; 4.51.12 227, 229
275, n. 1, 35 274, 275, n. 1. e n. 4, 299, 300; 4.53.2 299; 4.56.5 299.
Dioscórides 1.30.4 293, n. 1. Estrabão XIV.638 201.
Etymol. Gud. 332.22 292-293, n. 1.
Eliano V. H. 4.17 (= VS. 58 (45) C.2) 275, Etymol. Magn. 427 48 266; 524.51 292-293,
n. 2; 9.4 229 e n. 4; 299. n. 1.
Ésquilo 267-270; 284; 289; 298; Eurípides 251-252, n. 3; 270; 271; 272, n. 2;
Oresteia 267, n. 1; 273, n. 2; 276; 287; 289; 297;
Agam. 72-82 251; 238-329 251, n. 3; Alc. 24‑26 271; 73 271; 124‑126 271;
584 244, n. 5, 251; 966-967 251, n. 2; 1023 252‑263 271; 357‑362 271, 276; 436‑444
267, n. 2; 1115 267, n. 2; 1160-1161 265, n. 271; 455‑463 271; 743‑746 271; 870‑871
2, 267, n. 2; 1235 267, n. 2; 1291 267, n. 2; 271; 900‑902 271;
1386-1387 267, n. 2; 1527-1529 267, n. 2; Andr. 348 251-252, n. 3; 414 271;
1621-1624 251, n. 3; 503‑505 271; 544 289; 543‑544 271; 850
Choeph. 147 267, n. 2; 355-359 267, n. 271; 1078 271; 1192 271; 1217 271;
2; 908 251, n. 3; Bacch. 203, n. 1; 857‑859 271;
Eum. 267; 71-73 269; 95-97 267, n. 2; 1156‑1158 271; 1251 251-252, n. 3;
115 269; 249-251 269; 267-275 269; 273-275 1361‑1362 271;
274; 334-340 269; 338-340 269; 387 269; Cycl. 68-72 197-198, n. 3;
339-340 274; 395-396 269; 417 269; 422-423 El. 662 271;
269; 727-728 251, n. 3; 847 251, n. 3; 950-952 Hec. 1‑2 271; 49 271; 136‑137 271;
269; 1007 269; 1023 269; 1036 269; 208‑210 271; 367‑368 271; 418 271; 483
Pers. 171 287; 222-223 267, n. 2; 263- 271; 500 251-252, n. 3; 652 251-252, n. 3;
265 251, n. 3; 580-583 251, n. 3; 624 267, 1032‑1033 271; 1077 271; 1105‑1106 271;
n. 2; 629 267, n. 2; 637 267, n. 2; 688 289; 1106 289;
688-690 284; 839 267, n. 2; 913-914 251, n. Hel. 61‑62 271; 175‑178 271; 227-
3; 922-924 267, n. 2; 1056 251, n. 3; 228 262, n. 1; 969‑971 271; 1122‑1123 271;
Prom. V. 128 202, n. 5; 152-157 268; 1161 271;
219-221 267-268, 269; 235-236 269; 236 Heracl. 218 289, n. 1; 218‑219 271;
267; 248-250 284; 433 267-268, n. 2, 289; 513‑514 271; 636 251-252, n. 3; 911‑914 271;
568-569 284; 570-573 267, n. 2; 1026-1029 949‑951 271;
268; 1050-1052 268; Her. 271; 22‑25 271; 24 289; 37 289,
Sept. 321-322 267, n. 2; 622 251, n. 3; n. 1; 45‑46 271; 110-113 251-252, n. 3;
690 267, n. 2; 854-860 265, n. 2; 856 267, n. 2; 116‑117 271; 119-120 251-252, n. 3;120 249,
Suppl. 157-158 267, n. 2; 228-231 n. 1; 145‑146 271; 230-231 251-252, n. 3;
274; 321 267, n. 2; 414-416 274; 415-416 296‑297 271; 297 284, n. 1; 352‑353 271;
269; 666-667 251, n. 3; 774-775 251, n. 3; 426‑435 271; 431-432 284, n. 1; 453 271;
Frgs. Nauck 2 161 284 e n. 3; 267 267, 480-484 264, n. 2; 483‑484 271; 491 271;
n. 2; 400 250-251 e n. 2. 562‑564 271; 607-608 289, n. 1; 607‑619
Frg. Pap. Oxy. 2256.9(a) 274; 271; 621 271; 649 251-252, n. 3; 655-672
Schol. in Prom. V. 128 202, n. 5. 251-252, n. 3; 676-686 251-252, n. 3; 736
Estesícoro 184, 266; 271, 288; 770 271; 807‑808 271; 838‑839
Frg. 83 Bergk 266, n. 2; 271; 870 264, n. 2, 271; 906-909 272; 910
Frg. 12 Diehl 193; Frg. 22 Diehl 266. 251-252, n. 3; 1025‑1027 271; 1101‑1105
271; 1119 271; 1170 271; 1247 271; n. 3; 256; 259-260, n. 8; 262; 263; 275 e n. 4;
1276‑1278 271; 1331 271; 1366-1367 288; 279;
1415 271; Theog. 256; 262; 264; 275; 279; 119
Hipp. 271; 272; 56‑57 271; 829 271; 259 e 259-260, n. 8, 288; 123 260, n. 1; 151
836‑838 271; 895‑896 271; 1290-1291 272; 262; 211-212 279, n. 1; 217 279, n. 1; 225
1366‑1367 271; 1387‑1388 271; 1416‑1419 239; 226-227 262; 235-236 239; 252-255
271; 1447 271; 263; 254-255 262; 263 263; 277 239, n. 2,
Ion 953 271; 1041-1042 251-252, n. 240; 305 239, n. 2; 309-312 259; 455-456
3; 1235 271; 1239 289, n. 1; 1273‑1274 271; 259; 515 260, n. 1; 604 239; 620 260, n. 1;
1439‑1442 271; 1494‑1496 271; 653 260, n. 1; 658 260, n. 1; 669 260, n. 1;
Iph. Aul. 461 271; 539‑540 271; 682 259; 717 260; 718 261, n. 1; 720 256, n.
Iph. Taur. 157‑158 271; 168‑169 271; 2, 261, n. 1; 721 259; 720-725 260; 726-727
184‑185 271; 285‑286 271; 369‑370 271; 261, n. 1, n. 2, 280; 732-733 261, n. 2, 280;
Med. 1059 271; 1109‑1111 271; 736-739 259, n. 7; 736-745 261, n. 1; 746-
1233‑1235 271; 748 259, n. 5; 746-757 259, n. 3; 756 279, n.
Or. 271; 261 272; 264-265 272; 1109 1; 758-766 259, n. 4, 279, n. 1; 767 259; 767-
271; 1522 271; 1584 271; 774 259, 261 e n. 1; 770-773 280; 775-806
Phoen. 271; 528-530 251-252, n. 3; 259, n. 6; 806-810 259, n. 7; 811-812 262;
810‑811 271; 1311‑1312 271; 1571 265, n. 2; 811-815 261, n. 1; 820-828 266; 821-822
1575‑1576 271; 1604-1605 272; 259, 260, n. 1; 822 259-260, n. 8; 841 259-
Suppl. 35 251-252, n. 3; 75 271; 170 260, n. 8; 851 259-260, n. 8; 850 259; 851
251-252, n. 3; 171-172 251-252, n. 3; 271‑274 255, n. 5; 868 259; 949 240; 257 e n. 3; 258;
271; 289 251-252, n. 3; 543‑546 271; 545 259;
289, n. 1; 773 271; 796‑797 271; 920‑922 Op. et D. 92 279; 93 239; 113-114 239;
271; 925‑927 271; 926 289, n. 1; 1004‑1005 130-134 239, n. 3; 153 259; 169 275; 185-
271, 288; 1021‑1022 271; 1084-1093 251- 188 240; 331 239; 331-332 240; 376-379
252, n. 3; 1108 251-252, n. 3; 240; 418 279; 486 292-293, n. 1;
Troad. 445 271; 597 271; Scutum 275; 249 280; 264-270 280;
Frgs. Nauck 2 25 251-252, n. 3; 291 Frgs. Rzach 80 259, n. 1; 82, 2 277;
251-252, n. 3; 369 251-252, n. 3; 508 251-252, 96 259, n. 1; 126 262, n. 2; 160, v. 6 279, n.
n. 3; 509 251-252, n. 3; 575 251-252, n. 3; 2; 220 240;
619 251-252, n. 3; 637 251-252, n. 3; 860 271; Schol. in Theog. 259-260, n. 8.
868 284, n. 1; 1080 251-252, n. 3; Hesíquio 210, n. 1; 266; 288.
Frg. Eur. apud Steph, Byz. 272, n. 2. Himério 194;
Eustátio 1329. 34 184, n. 2. Or. Schenkl 19 194; Or. Schenkl 30
201.
Ferecides de Siro, frg. 7B5 Diels-Kranz Hinos Homéricos vide Homero.
260, n. 1. Hipónax 192.
Ferécrates, Frgs. Kock: 108 273; 297. Homero 221, 235, 240; 263; 270; 275 e n. 3;
Filodemo, Περὶ εὐσεβ. 34 G 262, n. 2. 277; 284-285; 285; 297; 298;
Ilíada 202, n. 1; 235; 238, n. 3; 239;
Heféstion 203, n. 1; 206 e n. 3; 207, n. 3; 243; 250; 252; 254; 256; 257; 258; 262; 265;
219; 220 e n. 1; 220, n. 4; 221 e n. 3. 275;
Hermesiânax de Cólofon, frg. 2 Diehl A 3 255, n. 4, 264; 259 236, n. 2; 416-418
277, n. 1. 278, n. 7; 426 262, n. 1;
Hermógenes, Περὶ ἰδεῶν II.3.p.323 seq. Β 155 278; 302 278, n. 3; 369-374 235 e n. 4;
Rabe 196. 755 255, n. 3; 834 278, n. 3;
Heródoto I. 30-33 244 e n. 2. Γ 6 278, n. 5; 30 278; 59 278; 101 278, n. 2;
Herondas 220. 108-110 236, n. 1; 133 237, n. 4; 149-153
Hesíodo e Pseudo-Hesíodo 239-240; 244, 235; 173 278, n. 1; 276-280 274; 309 278, n.
1; 322 255, n. 4 4; 297 278, n. 6; 303 278, n. 4; 361 278, n. 1;
Δ 322-323 235 e n. 2; 323 236, n. 5, 238; 361-363 279; 362 255, n. 4, 289, n. 2; 365-
452-455 212-213, n. 5; 366 278; 418-420 236, n. 3; 425 289; 440
Ε 83 278, n. 2; 87-88 212-213, n. 5; 136 237, 288, n. 4; 482-483 255, 289, n. 3;
n. 1; 190 255, n. 4; 654 254; 845 254, n. 3; Ψ 19 255, n. 4; 51 255, n. 1; 71 255, n. 2;
613-614 278, n. 4; 646 255, n. 2; 72-76 280, 298; 73 255; 74 255; 78-79 278, n.
Θ 256; 261; 13 264, 265; 13-16 256, 260, 268; 5; 80 278, n. 4; 88 292-293, n. 1; 244 255, n.
13-17 257-258, n. 3; 14 265; 16 277, n. 1; 70 4; 623 236, n. 8; 627-628 241, 247, 253, n. 8;
278, n. 3; 99-117 235 e n. 2; 103 236, n. 8; 643-650 236, n. 5; 644 236, n. 7;
321 262, n. 1; 367 255; 369 255, 280; 369 298; Ω 209-210 278, n. 4; 224-225 278, n. 7; 246
478-481 255; 518 287, n. 1; 527 279, n. 3; 255, n. 4; 348 253, n. 9, 287; 487 236, n. 10,
Ζ 242; 123 277; 487-489 279; 487 255, n. 4, 239, n. 1; 515-516 236; 516 241, 253, n.5, n.
278; 6, 287; 540-542 236, n. 4; 593 255, n. 4;
I 60-62 236, n. 2; 158 254, n. 1; 312 255, n. Odisseia 237; 238 e n. 3; 240; 249; 250;
2; 408-409 279, 285, n. 1; 411 242, 278, n. 253; 256; 257; 258; 282; 283;
3; 457 254, 267, n. 2; 571-572 270, n. 2; 572 α 188-193 237, n. 13; 217-218 238;
257; β 15-16 237, n. 7; 100 278, n. 2; 157-159 237,
K 77-79 235 e n. 2; 79 236, n. 7; 440-441 n. 7; 177-193 237, n. 8;
277; γ 24 237, n. 9; 93 237, n. 1; 114 277; 236-
Λ 55 255, n. 4; 332 278, n. 3; 445 254, 255, 238 278, n. 8; 243-246 237, n. 1; 269 278, n.
n. 4; 4; 363-364 237, n. 11; 402 288, n. 4; 410 256,
M 21-22 279; 113 278, n. 5; 323 237, n. 1; n. 3, 264, n. 2;
240; 323-328 278; 326-327 243, n. 1, 281; δ 207-211 238; 210 239; 304 288, n. 4; 561-
Ν 415 255; 544 278, n. 1; 602 278, n. 2; 665 569 275, n. 3; 834 256, n. 3;
278, n. 5; 670 237, n. 3; ε 136 240; 184-187 256; 218 237, n. 1,
O 37 255, n. 3; 187-193 254; 225 255; 274 240; 226 288, n. 5; 346 288, n. 4;
278, n. 7; 516 219, n. 1; 613 278, n. 7; ζ 11 256, n. 3, 264, n. 2;
Π 47 278, n. 3; 389-392 212-213, n. 5; 625 η 155-157 237, n. 10; 257 237, n. 1;
254, n. 2, 255, n. 4; 687 278, n. 3; 707 278, n. ι 236 288, n. 5; 502 277; 524 256, n. 3;
7; 849 237, n. 5; 856 255, n. 4; 327 257; 441- κ 175 256, n. 3; 279 253, n. 9, 287; 490-574
443 278; 693 278, n. 6; 849 278, n. 4; 853 256; 508-515 256, n. 5; 528 257, 260, n. 1;
278, n. 2; 855-857 279; λ 256; 257; 275, n. 5; 292; 37 257, 260, n. 1;
Ξ 256; 173 262, n. 1; 203-204 255; 271 255, 134-137 238, 136 239; 292 278, n. 4; 539
n. 3; 274 255; 279 255; 457 255, 289; 256, n. 6; 171 278, n. 3; 398 278, n. 3; 564
Ρ 321 278; 257, 260, n. 1; 593-600 283, n. 2;
Σ 115-121 278; 434 236, n. 7; 464 278, n. 1; μ 81 257, 260, n. 1; 341 237, n. 2;
514-515 235 e n. 3; 519 257-258, n. 3; 535 ν 363 288, n. 5;
278, n. 5; 535-540 262, n. 3; ξ 11 264; 156-157 256, n. 4; 207 278, n. 3;
T 258-260 274; 259-260 270, n. 2; 336 236, 207-208 256, n. 3, 264, n. 2;
n. 9; ο 348 239, n. 1; 350 256, n. 3;
Υ 61-66 254, 255, n. 5; 64 27