Você está na página 1de 6

PROJETO: “SEMEAR: HORTA COMUNITÁRIA URBANA”

A inserção de hortas urbanas comunitárias detém potencial socioambiental ao transformar um


terreno urbano, inerte ou em desuso em terreno agricultável; no qual este passará a ser
referencial de preservação e cuidado, fortalecendo os laços de cidadania e solidariedade entre
os moradores do entorno.

A. INFORMAÇÕES GERAIS

Período de início: 1° trimestre de 2018 (atualmente o projeto esta na fase de apresentação e


busca de parcerias municipais e privadas).

Autoria e execução: Fernando Bernardes Costa; contato: (34) 9 9927-4489; e-mail:


fndo86@gmail.com

Colaboradora: Angélica Carvalho Lemos

Recursos: a manutenção do projeto será através de doações dos participantes e instituições de


apoio, sejam estas de fim comercial ou sem fins lucrativos.

Parceiros: etapa em andamento (o presente projeto encontra-se na etapa de apresentação para


Associação de Moradores do Bairro Frei Eugênio e Guanabara).

Categoria: Projeto.

Área temática principal: Educação Ambiental.

Palavras-chave: educação ambiental, horta urbana comunitária, produção orgânica,


agroecologia, agricultura urbana e periurbana, alimentação saudável.

Público alvo: moradores vinculados a Associação dos Moradores dos Conjuntos Guanabara e
Frei Eugênio (AIFEG).

Abrangência geográfica: Uberaba (Triângulo Mineiro-MG).

Área específica de implantação: Bairro Frei Eugênio.


B. DESCRIÇÃO

1. Introdução

A produção de alimentos em um contexto não rural é tão antiga quanto a origem das cidades,
contudo somente em meados da década de 1990, a chamada agricultura urbana e periurbana
(AUP), ganha relevância no cenário nacional, assumindo papel importante na integração para
os processos de desenvolvimento sustentável entre pessoas e o ambiente (COSTA et al,
2015).

Hortas urbanas possuem potencial para promoção de saúde, geração de renda, revitalização de
espaços públicos, geração de atividades de lazer e mesmo recuperação ambiental de área
urbana, seja ela desenvolvida por indivíduos, grupos, de maneira formal ou informal
(SERAFIM E, DE BRITO DIAS, 2013).

Sendo de manutenção com baixo investimento energético, para a inserção da horta urbana, a
compostagem se apresenta imprescindível ao promover o reaproveitamento de resíduos em
qualquer escala. O termo compostagem está associado ao processo de tratamento dos resíduos
orgânicos sejam eles de origem urbana, industrial, agrícola e florestal. Para Silva 2008 apud
Santos e colaboradores, compostagem é um processo de reciclagem natural de resíduos
sólidos orgânicos no qual os transforma em adubo (composto), que nada mais é do que o
resultado do processo controlado de decomposição bioquímica do material utilizado (DOS
SANTOS et al apud SILVA, 2008).

Com vistas aos benefícios próprios da atividade, a prefeitura de Uberaba oferece aos
proprietários dos terrenos utilizados, isenção de IPTU como forma de incentivo para
utilização e uso mais racional dos espaços urbanos. Ainda a Secretaria de Agricultura,
Pecuária e Abastecimento, fornece assistência agronômica e completo preparo do solo, até
mesmo confecção dos canteiros. Dados da prefeitura de Uberaba indicam atualmente ao
menos 101 hortas urbanas.

Para o presente projeto a implantação ocorrerá inicialmente de forma piloto, em específico no


bairro Frei Eugênio, a partir da apresentação e solicitação de parceria a Associação dos
Moradores dos Conjuntos Guanabara e Frei Eugênio (AIFEG), localizada na rua Sebastião
Francisco Dutra, 1780, Conjunto Frei Eugenio, Uberaba.
2. Objetivo geral

 Promover a inserção de horta urbana comunitária em áreas e espaços urbanos.


2.1 Objetivos específicos

2.1.1 Fortalecer a troca intergeracional e o convívio comunitário entre os moradores do


bairro, fortalecendo os laços de amizade e respeito entre os participantes;

2.1.2 Estimular hábitos alimentares saudáveis;


2.1.3 Inserção de práticas de cooperação e trabalho em equipe;
2.1.4 Favorecer a aquisição de troca de conhecimentos acerca da temática Agricultura
Urbana, incluindo o reaproveitamento de resíduos residenciais para geração de
composto e adubação;
2.1.5 Incentivar os participantes ao cultivo da horta em suas residências.

3. OPERACIONALIZAÇÃO DO PROJETO

Para implantação da Horta Urbana Comunitária será realizada reunião com a AIFEG afim de
iniciar o projeto piloto da horta comunitária urbana no próprio espaço da Associação.

O processo de implantação está baseado na participação da comunidade representada pela


AIFEG, sendo esta imprescindível para a manutenção e continuidade do projeto; por isso o
enfoque na discussão das ações e realização das atividades deve ser de cunho coletivo. Segue
abaixo as subetapas do projeto em que serão executadas após o alcance do consentimento do
uso da área em questão e adesão dos moradores do bairro (cabe informar que a participação
de número mínimo de 5 moradores já possibilita implantação do projeto):

a) Realização de uma visita ao local onde se pretende implantar a horta, analisando


fatores como: as condições do solo, disponibilidade de água e número de pessoas
envolvidas;
b) Encontro (convite aos moradores do bairro Frei Eugênio e Guanabara) para troca e
doação de mudas à Horta Urbana Comunitária;
c) Roda de conversa sobre a importância do consumo de alimentos orgânicos;
d) Limpeza e cercamento das áreas destinadas para as Hortas;
e) Preparação dos canteiros e do solo (calcário e adubação);
f) Elaboração participativa sobre as orientações do uso do espaço pelos participantes;
g) Acompanhamento e orientação contínua;
h) Desenvolvimento de novos encontros e rodas de conversa comunitária.

Em específico visando à adesão e acolhimento da comunidade ao presente projeto, serão


propostas estratégias de interação, a saber, as subetapas que contemplam encontros e rodas de
conversa na Associação dos Moradores do respectivo bairro; como o evento local de troca e
doação de mudas entre os moradores e orientações acerca do consumo de alimentos orgânicos
e frescos.

Por fim, cabe destacar que a produção será adotada seguindo os referenciais que contemplam
técnicas orgânicas de produção, logo não serão adotados o uso de agrotóxicos e a utilização
de fertilizantes sintéticos (adubo químico). A diversidade de plantas através do cultivo de
culturas intercalares também será incentivada, além do sistema de compostagem.

4. CRONOGRAMA

Mês 1 2 3 4 5 6
Apresentação do projeto AIFEG e convite x
para a participação dos moradores
Divulgação e promoção dos encontros na x x X
AIFEG
Aquisição de materiais e x x x x x x x
ferramentas/equipamentos
Identificação, seleção, limpeza e preparo do x x x
terreno
Plantio e manutenção da horta e colheita x x x x x

5. RECURSOS NECESSÁRIOS

Recursos humanos:

Para a implantação do projeto serão necessários ao menos 5 participantes, a saber:

 Uma pessoa com experiência em agroecologia e educação ambiental;


 Uma pessoa vinculada a liderança comunitária;
 Três pessoas com vivência em cultivo de plantas e hortaliças, como moradores.

Recursos Materiais:

 Infraestrutura: área agricultável;


 Equipamentos para manejo da terra/preparação do solo/encanteiramento/manutenção:
kit de ferramentas (enxada, regador, rastelo), materiais para o sistema de irrigação e
iluminação;
 Cercamento do local e colocação de placas de identificação e segurança;
 Insumos: mudas e sementes, calcário e adubo orgânico (compostagem). A quantidade
de insumos pode variar conforme a análise do solo;
 A solicitação de apoio a fim da aquisição dos materiais e ferramentas necessários para
preparação dos canteiros e manutenção da horta será realizada por campanha no bairro
visando à doação destes materiais por parte dos moradores e estabelecimentos
comerciais. Ainda poderá ser feito solicitação de apoio à Secretaria de Agricultura,
Pecuária e Abastecimento (SAGRI) e EMATER.

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O projeto busca incentivar inicialmente os moradores do bairro Frei Eugênio para


implantação da horta urbana comunitária, promovendo a saúde alimentar por meio do
consumo de hortaliças e legumes frescos e orgânicos e estimular os moradores que
participarem a construir, renovar e transferir o aprendizado para os seus lares. Pretende-se
estender o presente projeto aos demais bairros do município, assim a execução deste no bairro
Frei Eugênio se caracteriza em projeto piloto; desta forma o presente projeto esta sujeito a
alterações se necessário após a vivência no bairro Frei Eugênio.

7. REFERÊNCIAS

SILVA, Maria Esther de Castro e (Coord.). Compostagem de lixo em pequenas unidades de


tratamento. Viçosa: CPT, 2008. 259 p.

DE NOVAES, Joelma Paiva et al. 14639-Avaliação do processo de compostagem dos


resíduos sólidos orgânicos produzidos no Instituto Federal de Brasília–Campus
Planaltina. Cadernos de Agroecologia, v. 8, n. 2, 2013.
Referência complementar

FERNANDES, Fernando et al. Manual prático para a compostagem de biossólidos. Rio de


Janeiro: ABES, 1999. 84 p.

SERAFIM, Milena Pavan; DE BRITO DIAS, Rafael. Agricultura urbana: análise do


Programa Horta Comunitária do Município de Maringá (PR). Tecnologia social políticas
públicas, p. 133, 2013.

Você também pode gostar