Você está na página 1de 13

Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação

XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

Fake news, pós-verdade e o consumo de informações1

Pollyana Ferrari2

Resumo

No atual século XXI as sociedades confrontam-se com mudanças comportamentais aceleradas e desencadeadas
pela sociedade da informação. Essas mutações impõem a necessidade e a urgência de repensar o tempo presente
e o jornalismo a partir da mediação das telas dos dispositivos móveis. A febre das fake news,
ou mentiras, uma vez que notícias falsas não são notícias têm feito bem ao jornalismo. Um consumidor que
queria apenas vivenciar informações sem pensar, voltou-se para assinaturas de veículos com credibilidade.

Palavras-chave: fake news, jornalismo, pós-verdade

Abstract

In today's 21st century societies are confronted with behavioral changes accelerated and triggered by the
information society. These mutations impose the need and the urgency to rethink the present time and the
journalism from the mediation of the screens of the mobile devices. The fever of fake news, or lies, since fake
news is not news have done well to journalism. A consumer who just wanted to experience information without
thinking, turned to credible vehicle signatures.

Key words: fake news, journalism, After truth

“Penso, logo existo”, frase dita pelo filósofo francês René Descartes e imortalizada no
filme Blade Runner, popularizou uma discussão sobre a máquina inteligente na década de
1980 e a essência do humano ligada ao pensar. No presente do século XXI a informação
mediada por uma tela de dispositivo móvel não é mais um privilégio de poucos, ela está
presente na vida de grande parte da população global. O conceito de pós-verdade surge nesta
sociedade atual que se move em torno das pessoas, das suas histórias, de seus costumes e das
suas experiências de vida. Novos meios e interatores, alta saturação das mídias tradicionais e

1
Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho Estudos de Jornalismo do XXVI Encontro Anual da Compós,
Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017.
2
Pollyana Ferrari é jornalista, professora no Programa de Pós-Graduação Tecnologias da Inteligência e Design
Digital e no Departamento de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Doutora
em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo (USP), e-mail: pollyana.ferrari@gmail.com

www.compos.org.br 1
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

consumidores cada vez mais imersos na presentificação proporcionada pelas telas faz com
que a metáfora penso, logo existo, seja alterada para compartilho, logo existo.
In Limbo (2015) é um documentário sobre nossa memória interligada global. À deriva,
está memória gigante, na nuvem, explora seus próprios sonhos e medos. "A Internet sabe
mais sobre mim do que minha própria mãe – que eu mesmo", diz um dos especialistas
entrevistados no documentário, que vai mostrando como os grandes datacenters se
transformaram nesta memória gigante que tudo vê. Estamos construindo coletivamente uma
nova catedral? Ou estamos construindo um gigantesco cemitério de dados? E o que é pior,
um cemitério de dados falsos e manipuláveis, que ganha escala nesta busca por
compartilhamentos e curtidas a qualquer preço.
O Parlamento britânico criou uma comissão para investigar como detectar e impedir a
publicação de informações maliciosas na Internet. Na Alemanha iniciou-se uma ofensiva
contra a propagação de boatos com aparência de veracidade e o primeiro passo foi um acordo
com a rede social Facebook e o centro de pesquisa jornalística Correctiv3, para evitar a
propagação de informações manipuladas. Em fevereiro, o Google fez um alerta a alguns
repórteres e colunistas norte-americanos sobre a tentativa de hackers de tentarem roubar suas
senhas e invadir a caixa de e-mails, assim como ocorreu com o partido Democrata durante a
campanha presidencial nos Estados Unidos. No mesmo período, nasce no Brasil a primeira
agência de fact-checking, a Lupa4. Na Espanha, o programa televisivo El Objetivo5 passou
em fevereiro a ser o primeiro do país a realizar fact checks de vídeos. Em Portugal, o
Observador6, que faz fact checks desde 2015, amplia o serviço para reportagens em vídeo.
Contrassenso pensarmos que a era Trump possa trazer algum respiro para o jornalismo, que
anda totalmente sufocado por fake news. “Quaisquer pesquisas negativas são notícias falsas,
como as pesquisas da CNN, ABC, NBC nas eleições”, tuitou Trump, no dia 06 de fevereiro,
redefinindo a expressão. Em declaração à imprensa, o assessor da Casa Branca, Sebastian

3
The Correctiv is a German nonprofit investigative journalism newsroom whose stated goal is "to give citizens
access to information.", disponível em https://correctiv.org/en/
4
http://piaui.folha.uol.com.br/lupa/
5
http://www.lasexta.com/programas/elobjetivo
6
http://observador.pt/especiais/como-vao-ser-os-novos-fact-checks-do-observador/

www.compos.org.br 2
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

Gorka diz que a administração continuará usando o termo “notícias falsas” até que a
imprensa entenda que “atacar” o presidente é incorreto. Gorka confessa, portanto, tratar-se de
estratégia política que nada tem a ver com a veracidade do que é dito sobre Trump. Essa
declaração nos remete a (LAGE, 2014, p. 21) quando diz que a informação deixou de ser
apenas ou principalmente fator de acréscimo cultural ou recreação para tornar-se essencial à
vida das pessoas. E o âmbito da informação necessária ampliou-se muito além da capacidade
individual de acesso do homem comum a outras fontes.
O assunto é complexo, tanto que o Observador criou categorias de classificação durante a
checagem da veracidade. “Às vezes, a resposta a uma pergunta é “sim” ou “não”; outras
vezes, a resposta é menos categórica. E o objetivo dos fact checks não é fazer de conta que o
mundo é simples ou — pior — simplista. Por isso, os fact checks do Observador têm seis
conclusões possíveis: Certo, Praticamente Certo, Esticado, Inconclusivo, Enganador e
Errado”, explica o diretor executivo, Miguel Pinheiro. “A tecnociência está cancelando o
equilíbrio entre o tempo natural e o tempo humano. Para realizar seu poder sobre o mundo,
anulou a distância entre meios e fins”, diz o psiquiatra e filósofo italiano Mauro Maldonato7
(2012) no livro Paisagens de tempo.
Um bom exemplo desta anulação de distâncias é o Snapchat, rede social, disponível para
download no iPhone e para iPad (iOS) e Android, que sugere uma forma diferente de
conversar com os seus amigos. O APP desenvolvido por estudantes da Universidade de
Stanford, nos Estados Unidos, é o melhor exemplo de presentificação que temos em 2016 e já
ultrapassou o WhatsApp em compartilhamento de imagens. Segundo dados da PhotoWorld8,
8.796 fotos são compartilhadas por segundo na plataforma e foi uma das poucas plataformas
que escapou das fake news durante a eleição presidencial norte-americana. Outro exemplo
pertinente é o uso de algoritmos pelo Facebook. Para o pesquisador nova-iorquino e autor do
blog BuzzMachine, Jeff Jarvis, em artigo9 na plataforma Medium, “as tecnologias usadas
pelo Facebook são top down (de cima para baixo), seja para formular uma regra ou para, em
seguida, permitir que o algoritmo cumpra essa regra. Isso não é só eficiente (quem precisa de

7
Trecho disponível em
http://www.sescsp.org.br/online/edicoessesc/221_AS+PALAVRAS+ENTENDIDAS+COMO+SEIVA+E+NUT
RICAO.
8
https://cewe-photoworld.com/how-big-is-snapchat/
9
https://medium.com/@jeffjarvis/dear-mark-zuckerberg-d0b48675dfaf#.ev6qlv5vk

www.compos.org.br 3
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

editores e pessoas de serviço ao cliente?), mas como também acreditam que é justo, já que
são igualmente aplicadas para todos. É escala. Exceto a vida não segue escala e isso é um
problema no Facebook e em todas as empresas que se reconhecem como empresa pós-mídia
de massa (...). Em outro trecho da publicação10, Jarvis diz que o problema com o pensamento
algorítmico, paradoxalmente, é que ele continua com uma mentalidade de massa. E, na
grande maioria dos casos, não dá conta das fake news, que já nascem embasadas em pós-
verdades.
Transpor para formatos digitais processos sociais em curso não é uma tarefa fácil, pois o
que chamamos de mídia social hoje compreende, segundo Raquel Recuero, “um fenômeno
complexo, que abarca um conjunto de novas tecnologias de comunicação mais participativas,
mais rápidas e mais populares”. O que exige das empresas um caráter de processo
permanente, que vai se modificando durante o mapeamento dos acontecimentos em tempo
real. Mas como manter a credibilidade dos fatos publicados? Conteúdo de qualidade custa e
talvez estejamos começando a ver a volta dos serviços por assinatura, pois os leitores
começam a se preocupar com a veracidade do que é lido nas redes sociais e buscam assinar
veículos confiáveis e que tenham serviços de fact checks.
Para o estrategista de mídia Ryan Holiday (2012, p. 26-27), “a preocupação da mídia já foi
proteger seu nome; na internet a preocupação é construir um nome. Em vez de pesquisar um
tópico e comunicar suas descobertas ao público, os jornalistas simplesmente pegam citações
obrigatórias – mas artificiais – de ´especialistas´ para validar seu jornalismo de visualizações
de páginas”. E isso estamos vendo acontecer também no Facebook, que continua rejeitando
seu papel de editor de conteúdo, apesar de exerce-lo por meio dos algoritmos. Como uma

10
Facebook’s The problem at work here is algorithmic thinking. Facebook’s technologists, top down, want to
formulate a rule and then enable an algorithm to enforce that rule. That’s not only efficient (who needs editors
and customer-service people?) but they also believe it’s fair, equally enforced for all. It scales. Except life
doesn’t scale and that’s a problem Facebook of all companies should recognize as it is the post-mass-media
company, the company that does not treat us all alike; like Google, it is a personal-services company that gives
every user a unique service and experience. The problem with algorithmic thinking, paradoxically, is that it
continues a mass mindset.ficient (who needs editors and customer-service people?) but they also believe it’s fair,
equally enforced for all. It scales. Except life doesn’t scale and that’s a problem Facebook of all companies
should recognize as it is the post-mass-media company (...). The problem with algorithmic thinking,
paradoxically, is that it continues a mass mindset.

www.compos.org.br 4
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

receita de bolo, Holiday vai explicando no livro “Acredite, estou mentindo: confissões de um
manipulador das mídias” como funciona o segmento da pós-verdade. Para ele, os blogueiros
– e aqui vale uma ressalva, pois o autor chama de blogueiros, todos os produtores
independentes de conteúdo digital – vasculham a internet à procura de coisas para escrever a
respeito, pois precisam postar várias vezes ao dia para conseguir cliques e assim anúncios.
Eles examinam Twitter, Facebook, seções de comentários, comunicados à imprensa, blogs
rivais e outras fontes para desenvolver seu material. “Acima deles estão centenas de
jornalistas de nível médio, on-line e off-line, em blogs, revistas e jornais, que usam esses
blogueiros como fontes e filtros. Eles têm que escrever constantemente também e fazer a
mesma busca por histórias, só que de modo mais estruturado”, explica Holiday, que chega ao
topo desta pirâmide onde estão os grandes sites, publicações e redes de TV com abrangência
nacional. Esses, por sua vez, buscam seu material nos sites menores, aproveitando suas dicas
para transformá-las em assuntos verdadeiramente nacionais.
O fake news não é novo e nem nasceu com os blogueiros, só amplificou, como tudo que é
postado nas redes sociais. Para o historiador cultural americano, Robert Darnton11, na “longa
história de desinformação, a atual manifestação de falsas notícias já garantiu um lugar
especial, com Kellyanne Conway, primeira mulher nomeada gerente de campanha de Donald
Trump, que, em agosto de 2016, inventou um massacre no Kentucky para defender uma
proibição aos viajantes de sete países muçulmanos. Na Idade Média as fake news já faziam
sucesso na cobertura midiática. Pietro Aretino, por exemplo, “tentou manipular a eleição
pontifícia de 1522, escrevendo sonetos perversos sobre todos os candidatos (exceto o favorito
de seus patronos Medici) e colando-os para o público admirar no busto de uma figura
conhecida como Pasquino, perto da Piazza Navona em Roma. O ´pasquinade´ então se
transformou em um gênero comum de difundir notícias desagradáveis, a maioria delas falsas,
sobre figuras públicas”, relembra Darnton em recente artigo para The New York Review of
Books.

“A internet não existe em si”


Conforme propõe o antropólogo britânico Daniel Miller, é saudável contemplar a
possibilidade de que a internet não existe em si, de que ela é criada de uma forma própria por

11
http://www.nybooks.com/daily/2017/02/13/the-true-history-of-fake-news/

www.compos.org.br 5
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

cada povo, a partir de suas motivações e das maneiras como eles a interpretam para
equacionar necessidades particulares como ocorreu com o movimento batizado de Primavera
Árabe, iniciado primeiramente na Tunísia12. É fundamental compreendermos o caráter
rizomático13 da Internet para analisarmos algumas transformações que estão em curso no
contexto das fake news, seja em novos suportes para o jornalismo ou coberturas políticas já
pensadas com o uso de ferramentas de fact checks. Como defendido por Henry Jenkins, em
Cultura da Convergência, os antigos consumidores eram passivos, previsíveis, indivíduos
isolados e seu trabalho era silencioso e invisível. Já os novos são ativos, migratórios,
mostram um declínio na lealdade a redes ou meios, são socialmente conectados e seus
trabalhos são barulhentos e públicos (JENKINS, 2008, p.35). Ou seja, o novo comportamento
do consumidor também ajuda a propagar as fake news.
Em primeiro lugar, nota-se a ampliação das formas de conexão entre indivíduos e, entre
indivíduos e grupos. Esse aspecto proporciona a horizontalidade da comunicação e, portanto,
a ruptura com o aspecto característico dos meios de comunicação tradicionais que se
organizavam a partir da relação entre um emissor e muitos receptores. Nesse sentido, a
internet proporciona, em primeiro lugar, a multiplicidade e heterogeneidade das conexões.
Cada ponto da rede pode realizar conexões infinitas com múltiplos pontos descentralizados,
um rizoma geolocalizável de ocupação de espaços, que estão em constante movimento, pois
vivemos um presente “tagueado”, ou seja, um tempo que pode ser resgatado a qualquer
minuto por bancos de dados, mas que não se torna desejado, pois a presentificação se impõe
sobre a memória. Como o vivenciar é líquido e, no minuto seguinte, estamos vivenciando
outra postagem, o tempo necessário para o cérebro verificar a veracidade do fato narrado fica
prejudicado, pois na maioria das vezes, só para citar um exemplo, os consumidores
compartilham a informação apenas pelo título, sem dar o trabalho de ler o texto completo ou
mesmo verificar a fonte de informação.

12
A onda de manifestações e protestos, que a imprensa batizou de “Primavera Árabe”, iniciada na Tunísia no dia
18 de dezembro de 2010, por meio de protestos contra a corrupção policial e maus tratos após a autoimolação do
vendedor de rua Mohamed Bouazizi, por anos assediado pelas autoridades tunisianas. O ato de Bouazizi
funcionou como um símbolo de ação para a população, e sua história se espalhou pelo Oriente Médio através do
Twitter com a hashtag #SidiBouzid, alcançando 13 mil tuites, enquanto a mídia oficial não cobria o que
realmente estava acontecendo e o governo tunisiano bloqueava sites e prendia ativistas.
13
Conceito definido pelos filósofos franceses Gilles Deleuze e Felix Guattari.

www.compos.org.br 6
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

De acordo com a teoria de Robert Logan, colaborador direto de McLuhan – atualmente


uma das maiores referências no conceito de “Ecologia da Mídia” – todas as linguagens
surgiram em resposta à necessidade do ser humano de processar uma sobrecarga de
informações. Ou seja, cada vez que o homem se via incapaz de organizar as informações
recebidas – de maneira inteligível não apenas para si mesmo, mas para todos ao seu redor –
utilizando-se dos sistemas simbólicos já existentes, ele criava uma nova linguagem 14. As
mentiras surgem neste cenário de saturação de informações que vivemos nos últimos 20 anos
da World Wide Web. Por isso, acreditamos que seja um momento promissor para o
jornalismo, no qual veículos com credibilidade contabilizam um aumento das receitas de
assinaturas como constatado pelo The New York Times, Washington Post, El Pais, entre
outros.

Instagram, Snapchat e fake news


O Instagram, por exemplo, criou uma nova linguagem, já que até o formato quadrado das
fotos postadas no APP virou padrão imagético. Atualmente, o ato de fotografar vem ancorado
na vivência, o que dá mais trabalho para tornar-se um segmento da pós-verdade, como é
também o caso dos vídeos ao vivo. Não estamos afirmando que é impossível produzir
notícias falsas no Instagram ou Snapchat, mas ressaltando que o tempo de produção para a
foto falsa, ou o roteiro fake previamente pensado para o vídeo ao vivo exigem maior
elaboração por parte do veículo. Por amostragem, encontramos mais fake news em posts de
texto, tuites de 140 caracteres e fotos/montagem publicadas em blogs e portais. O vídeo ao
vivo é um bom exemplo deste século da vivência, em contraposição ao século XX,
considerado como o “século da coexistência”, segundo Lucia Santaella. Na mesma linha de
pensamento situa-se Kerckhove que vai nos dizer que “não é o mundo que está a tornar
global, somos nós. Desta forma o mundo ao invés de ser representado passa a ser
experienciado e atuado”. Neste contexto atual precisamos, como ensinava Gilberto Velho
(2013, p. 10), mergulhar nos problemas de nossos dias, de nosso país, para apalpá-los e

14
LOGAN, Robert K. The Sixth Language: Learning a Living in the Internet Age (A Sexta Linguagem:
aprendendo a Viver na Era da Internet. Toronto: Pub Stoddart, 2000.

www.compos.org.br 7
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

percebe-los. Como experienciar é algo frugal, os consumidores não se preocupam com a


veracidade do fato.
Haveria nisso um paradoxo pedindo uma explicação. De um lado, é abusivamente
mencionado o extraordinário progresso das ciências e das técnicas, das quais um dos frutos
são os novos materiais artificiais que potencializam a precisão e a memória digital. De outro
a possibilidade de assistir produtos audiovisuais em qualquer lugar e a qualquer momento a
partir da internet é o que vem sendo chamado de TV Everywhere. Como promover o fact-
checking na TV everywhere? O que acreditamos ser importante ressaltar aqui é que a TV em
qualquer lugar é outro exemplo de presentificação, tornando-se referência obrigatória à
aceleração contemporânea e todas as vertigens que se cria, a começar pela própria
velocidade, sendo de fundamental importância embasar sua produção em ferramentas de
checagem da veracidade muito bem estruturadas para se ter êxito.
Segundo o estudo “The rise of fact-checking sites in Europe“15, do Reuters
Institute, há em 2017, 113 organizações dedicadas ao factchecking: “Mais de 90 por cento
foram fundadas desde 2010; e cerca de 50 foram lançadas nos últimos dois anos. Jornais
como Washington Post, The New York Times e Le Monde têm apostado neste formato de
apuração seja para texto, áudio, fotos ou vídeos. Para Traquina (2013, p. 112), “o estudo das
notícias deve abraçar uma obrigação de analisar o que talvez possa muito bem ser o eixo
central do campo do jornalismo, utilizando o termo “campo” no sentido de Pierre Bourdieu,
de um campo intelectual. A imprensa, por exemplo, teve um grande papel de mediação no
século XIX, por exemplo, já que as tecnologias de impressão vão fazer das narrativas
impressas grandes propulsoras da cultura de massa. E hoje assistimos a mídia social fazendo
esse mesmo papel com a comunicação digital que presenciamos na internet. O que a nova
“timeline” do Facebook nos mostra, por exemplo, é que o compartilhamento veio para ficar e
virou sinônimo de tempo escorregadio. Curtimos para deixar uma marca, mas em 80% os
casos é uma marca sem procedência garantida. O Poynter Institute, por exemplo, elaborou
um código de princípios para sua Rede Internacional de Fact-Checking16, que vem sendo
adotado por diversos veículos noticiosos. Os principais itens do código são: 1) compromisso

15
http://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/The%20Rise%20of%20Fact-
Checking%20Sites%20in%20Europe.pdf
16
http://www.poynter.org/about-the-international-fact-checking-network/

www.compos.org.br 8
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

com o não-partidarismo e com a justiça; 2) compromisso com a transparência das fontes; 3)


compromisso com a transparência do financiamento; 4) compromisso com a transparência da
metodologia; 5) compromisso com correções abertas e honestas. Segundo a mitologia, Ciclope
significa gigante com um só olho na testa, cabendo como sinônimo desse tempo atual, onde
não conseguimos, compartilhar e filtrar ao mesmo tempo. Estamos com um olho só, às vezes,
presos a sedução do participar, do ser visto, que o tempo do compartilhamento incessante
gera, sem se preocupar com a veracidade do que se está compartilhando. Para tentar
organizar o caos em torno das fake news surgiram códigos, como os elaborados pelo Poynter,
que tentam esquematizar o que se cunhou chamar de "pós-verdade".
Segundo a definição do dicionário Oxford, pós-verdade ('post-truth' em inglês) é um
adjetivo que faz referência a "circunstâncias em que os fatos objetivos têm menos influência
na formação de opinião pública do que os apelos emocionais e as opiniões pessoais". O termo
foi escolhido como a palavra do ano de 2016 pelos dicionários britânicos Oxford e só vem
reforçar a presentificação do consumo onde os apelos emocionais e as opiniões falam mais
alto do que a verdade. Um estudo da Universidade de São Paulo17 mostra algumas
características comuns das fake news: utiliza-se sites registrados com domínio .com ou .org
(sem o .br), o que dificulta a localização, pois não possuem a mesma transparência que os
domínios registados no Brasil. Não trazem qualquer identificação dos seus administradores,
corpo editorial ou expediente. As notícias normalmente são opinativas e publicadas sem
assinatura. Os sites ou blogs possuem logomarcas e nomes muito parecidos com sites
jornalísticos tradicionais, o que confundem o leitor. A interface gráfica é poluída e, na
maioria das vezes, imita um grande site de notícias com novas reportagens a cada minuto.
Nota-se a presença de muitas propagandas (ads do Google), entre outros macetes que ajudam
a enganar o leitor. O mercado da pós-verdade e das fake news levantam questões conceituais
da profissão que merecem ser repensadas como, por exemplo, o cuidado constante
na apuração, o senso crítico e a formação mais abrangente, além da compreensão ampla de
metodologia e pesquisa.
O público se torna parte do trabalho ao remodelar componentes textuais e visuais de um
projeto (...). O problema é que não sabemos lidar com essa mediação presentificada. “O

17
Estudo da USP embasa lista dos 10 maiores sites de "falsas notícias" no Brasil.
https://www.issoenoticia.com.br/artigo/projeto-da-usp-lista-10-maiores-sites-de-falsas-noticias-no-brasil 3/14

www.compos.org.br 9
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

mundo aparece através das notícias como se fosse iluminado por uma strobe light – vemos
poses exageradas, posturas desajeitadas, faces ameaçadoras, mas os movimentos seguros que
podem dar significado a essas aparições têm frequentemente lugar no escuro”, diz Mich
Stephens no livro A history of News (1988). Interpretar e decodificar essa presentificação em
base de dados está transformando o jeito de se fazer Jornalismo. As notícias falsas são frugais
como um brigadeiro gourmet e na opinião do jornalista Leandro Beguoci, publisher da
Revista Nova Escola, elas “só existem porque as pessoas precisam de notícias, verdadeiras ou
não, para alimentar as próprias certezas. No mercado das convicções, elas oferecem uma
solução customizada para cada necessidade. Mas isso não tem nada a ver com Jornalismo”.
O surgimento de agências de fact-checking mostra que nada mais continua a ser como era
antes: o livro não é mais o que era, o jornal não cessa de se transformar, a foto, o cinema e o
vídeo se expandem até a perda de quaisquer fronteiras. Tudo é efêmero. E um fator que
impulsionou a avalanche de fake news foi a evolução do meio internet, transformando os
consumidores em pessoas ávidas, como profetizou (LÉVY, 1999), para experimentar formas
de comunicação diferentes daquelas que as mídias clássicas nos propunham. A cultura
participativa, apontada por (SHIRKY, 2010) mostra estreitamente esta relação entre
transmídia e inteligência coletiva, com uso dos meios de comunicação e a mobilização de um
conteúdo, seja ele on-line ou off-line. Nesse contexto, o jornalismo ético está voltando para
sua essência; do mesmo modo que os biólogos fizeram. Segundo Lipton (2007, p. 16), o
ambiente funciona como uma espécie de “empreiteiro”, que interpreta e monta as estruturas e
é responsável pelas características da vida das células. Mas é a “consciência” celular que
controla os mecanismos da vida, e não os genes.
Não seria diferente no ambiente social. Pedimos comida pelo celular, mas também
frequentamos feiras de produtos orgânicos. Vamos na balada de música eletrônica e também
ouvimos jazz enquanto ajudamos na horta comunitária do bairro. Pedimos pizza pelo APP,
mas também cozinhamos para os amigos. A gente não é uma coisa ou outra, somos as duas,
temos uma consciência que nos move, seja em busca de seus pares, de causas, ou de
jornalismo com credibilidade. Para PEBORGH (2013:104), a gestão bem-sucedida dos
recursos compartilhados é essencial para estabelecer uma boa comunicação e um vínculo de
confiança entre as partes, bem como uma visão comum de futuro. Nunca se
discutiu tanto o jornalismo, pois as eleições americanas trouxeram à tona a dimensão dos
riscos trazidos por informações falsas, manipuladas.

www.compos.org.br 10
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

Os jornalistas que vivem controlados pelo relógio, obcecados pela novidade, travam,
segundo Nelson Traquina, “uma luta aparentemente perdida de reagir aos últimos
acontecimentos”. Eles esquecem – mergulhados na linha de produção – de ter um tempo de
decantação como ensinava Deleuze. É preciso tempo para apurar, equipes e verba para
construir credibilidade na era da pós-verdade. Como pensavam Milton Santos e Paulo Freire,
a globalização nasce perversa no século XX, mas pode ser repensada se trouxer de volta a
dignidade humana. Veículos tradicionais e éticos já estão vendo melhorias em suas receitas
de assinatura, pois a eleição do presidente Trump veio alertar globalmente sobre os riscos das
notícias falsas para a sociedade.

Considerações finais
Fica evidente a necessidade de um novo olhar para a questão da pós-verdade no campo
teórico-acadêmico, capaz de ir além da tendência de tratá-las de forma compartimentada,
apenas levando em conta o quesito fake news. Ser um comunicador ético é uma postura para
a vida e deve também permear todas as produções jornalísticas. Os tempos realmente estão
conturbados, a vida mais complexa e os algoritmos mais sofisticados, mas a prestação de
serviço, com credibilidade e embasada em princípios éticos, continua sendo um dos
principais pilares do Jornalismo e a implantação de códigos de princípios para fact checks nas
redações veio para validar o noticiário junto ao leitor. Iniciativas coletivas entre veículos
maiores e menores – em uma ajuda mútua – só podem trazer benefícios e receitas para os
grupos de mídia.

Referências bibliográficas
BRETON, Philippe, Proulx, Serge. A Explosão da Comunicação. Lisboa: Bizâncio, 1997.
CANAVILHAS, João. SATUF, Ivan (Orgs.) Jornalismo para dispositivos móveis:
produção, distribuição e consumo. Covilhã: UBI/Labcom, 2015. Disponível em
http://www.labcom-ifp.ubi.pt/livro/137. Acessado em 09/09/2016.
CORTÁZAR, Julio. O jogo da amarelinha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.
COUTO, Mia. Espaços Ficcionais. São Paulo: Autêntica, 2008.
DARNTON, Robert. A questão dos livros: passado, presente e futuro. Trad. Daniel
Pellizzari. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

www.compos.org.br 11
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

DELEUZE, G. & GUATTARI, F., Mil Platôs - Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de


Janeiro: Ed. 34, 1997.
ECO, Umbero e CARRIÈRE, Jean-Claude. Não contem com o fim do livro. Trad. André
Telles. Rio de Janeiro: Record, 2010.
FERRARI, Pollyana. A força da Mídia Social: interface e linguagem jornalística no
ambiente digital (2.ed.). São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.
FILATRO, A. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. São Paulo:
Senac São Paulo, 2004.
FOUCAULT M. Vigiar e Punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.
HILLIS, Daniel W. The Pattern on the stone: The Simple Ideas That Make Computers
Work. Boston: Basic Books, 1998.
HOLIDAY, Ryan. Acredite, estou mentindo: confissões de um manipulador das mídias.
São Paulo: Cia Editora Nacional, 2012.
JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.
JOHNSON, Steven. Cultura da Interface: como o computador transforma nossa
maneira de criar e comunicar. Trad. Maria Luísa X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2001.
JOHNSON, Steven. De onde vêm as boas ideias. Trad. Maria Luísa X. de A. Borges. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 2010.
KERCKHOVE, Derrick De. A pele da cultura. São Paulo: Annablume, 2009.
LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio
de Janeiro: Record, 2014.
LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da
informática. São Paulo, Editora 34, 1999.
LIPTON, Bruce H. A biologia da crença: o poder da consciência sobre a matéria e os
milagres. São Paulo: Butterfly, 2007.
MCLUHAN, Marshall. Understanding Media: The Extensions of Man. New York:
McGraw-Hill, 1964.
MORAES, Denis, Mutaciones de lo visible – comunicación y procesos culturales en la
era digital. Buenos Aires: Paidós, 2010.
MURRAY, Janet. Inventing the Medium: Principles of interaction design as a cultural
practice. London: The MIT Press, 2012.

www.compos.org.br 12
www.compos.org.br/anais_encontros.php
Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação
XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo - SP, 06 a 09 de junho de 2017

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.


PEBORGH, Ernesto V. Redes: o despertar da consciência planetária. São Paulo: DVS,
2013.
SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Editora Paulus,
2007.
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-
científicoinformacional. São Paulo, Hucitec, 1994.
SHIRKY, C. A cultura da participação. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2010.
STEPHENS, Mitchel. A history of News. New York: Penguin Books, 1988.
TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. A tribo jornalística: uma comunidade
interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, Vol. II, 2013.
THOMPSON, Robert J. Television’s second golden age: from Hill Street Blues to ER.
Syracuse: Syracuse University Press, 1997.
VELHO, Gilberto. Antropologia urbana: Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal.
Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

www.compos.org.br 13
www.compos.org.br/anais_encontros.php