Você está na página 1de 5

AO ILMO (A). SR (A).

GERENTE EXECUTIVO DA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA


SOCIAL DE [CIDADE]

XXXXXXX, brasileiro, maior, casado, encanador,


inscrito no CPF sob o nº 266.178.110-20, residente e
domiciliado nesta cidade, vem por meio de seus
procuradores, requerer
REVISÃO FÁTICA DE APOSENTADORIA
COM CONVERSÃO DE APOSENTADORIA POR
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO EM
APOSENTADORIA ESPECIAL,
pelos seguintes fundamentos fáticos e jurídicos:

I - DOS FATOS

O Requerente recebe o benefício de aposentadoria por tempo de


contribuição NB XXX.XXX.XXX-XX desde 04/05/2010. Por ocasião da concessão do
benefício foram reconhecidos 33 anos, 3 meses e 26 dias de tempo de
contribuição, motivo pelo foi concedida aposentadoria proporcional, o que
reduziu consideravelmente a renda do benefício.

Entretanto, na data de início do Benefício o Demandante já preenchia todos os requisitos


para a concessão do benefício de aposentadoria especial, conforme tabela abaixo:

Admissã Empregado Atividad


Saída Tempo de contribuição
o r e

Página 1 de 5
08 meses de tempo de serviço especial
Auxiliar convertidos em11 meses e 06 dias de
01/06/19 31/01/19 de tempo de serviço comum. Atividade
XXXXX
74 75 carpinteir considerada insalubre conforme itens 1.1.6
o do Decreto 53.831/64 e 1.1.5 do Decreto
83.080/79.
13/05/19 14/07/19 Serviços 01 ano e 19 dias de tempo de serviço
XXXXX
76 77 Gerais comum.
04 anos e 01 dia de tempo de serviço
especial convertidos em 05 anos, 07
Ajudante
meses e 07 dias de tempo de serviço
01/06/19 01/06/19 de
XXXXXX comum.
77 81 Carpinteir
Atividade considerada insalubre conforme
o
itens 1.1.6 do Decreto 53.831/64 e 1.1.5 do
Decreto 83.080/79.
02 anos, 01 mês e 07 dias de tempo de
serviço especial convertidos em 02
anos, 09 meses e 09 dias de tempo de
02/01/19 08/02/19 Carpinteir
XXXXX serviço comum.
82 84 o
Atividade considerada insalubre conforme
itens 1.1.6 do Decreto 53.831/64 e 1.1.5 do
Decreto 83.080/79.
01 ano, 06 meses, e 14 dias de tempo
de serviço especial convertidos em 02
anos, 01 mês e 15 dias de tempo de
02/04/19 15/10/19 Carpinteir
XXXXXXXX serviço comum.
84 85 o
Atividade considerada insalubre conforme
itens 1.1.6 do Decreto 53.831/64 e 1.1.5 do
Decreto 83.080/79.
04 anos, 06 meses e 12 dias de tempo
de serviço especial convertidos em 06
anos, 04 meses e 04 dias de tempo de
02/01/19 13/07/19 Carpinteir
XXXXXXXX serviço comum.
86 90 o
Atividade considerada insalubre conforme
itens 1.1.6 do Decreto 53.831/64 e 1.1.5 do
Decreto 83.080/79..
01/12/19 03/05/20 XXXXXX Carpinteir 19 anos, 05 meses e 10 dias de tempo

Página 2 de 5
de serviço especial convertidos em 27
anos, 02 meses e 10 dias de tempo de
serviço comum.
Atividade Especial enquadrada nos
90 10 o
códigos 1.1.6 do Decreto 53.831/64;
1.1.5 do Decreto 83.080/79; 2.0.1 do
Decreto 2.172/97 e 2.0.1 do Decreto
3.048/91.
CARÊNCIA 33 anos, 3 meses e 26 dias
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 46 anos, 2 meses e 20 dias
TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL 32 anos e 5 meses e 10 dias

II = DO DIREITO

O § 1º do art. 201 da Constituição Federal determina a contagem


diferenciada dos períodos em que os segurados desenvolveram atividades
especiais. Por conseguinte, a Lei 8.213/91, regulamentando a previsão
constitucional, estabeleceu a necessidade do desempenho de atividades nocivas
durante 15, 20 ou 25 anos para a concessão da aposentadoria especial,
dependendo da profissão e /ou agentes nocivos, conforme previsto no art. 57 do
referido diploma legal.

É importante destacar que a comprovação da atividade especial até


28 de abril de 1995 era feita com o enquadramento por atividade profissional
(situação em que havia presunção de submissão a agentes nocivos) ou por
agente nocivo, cuja comprovação demandava preenchimento pela empresa de
formulários SB40 ou DSS-8030, indicando o agente nocivo sob o qual o
segurado esteve submetido. Todavia, com a nova redação do art. 57 da Lei
8.213/91, dada pela Lei 9.032/95, passou a ser necessária a comprovação real
da exposição aos agentes nocivos, sendo indispensável a apresentação de
formulários, independentemente do tipo de agente especial.

Além disso, a partir do Decreto nº 2.172/97, que regulamentou as


disposições introduzidas no art. 58 da Lei de Benefícios pela Medida Provisória

Página 3 de 5
nº 1.523/96 (convertida na Lei nº 9.528/97), passou-se a exigir a apresentação
de formulário-padrão, embasado em laudo técnico, ou por meio de perícia
técnica. Entretanto, para o ruído e o calor, sempre foi necessária a
comprovação através de laudo pericial.

No entanto, os segurados que desempenharam atividade considerada


especial podem comprovar tal aspecto observando a legislação vigente à data
do labor desenvolvido.

A fim de comprovar a especialidade de suas atividades nos períodos


controversos o Requerente apresenta sua CTPS onde estão anotadas as
profissões de auxiliar de carpinteiro, ajudante de carpinteiro e
carpinteiro, bem como, formulários PPPs em relação aos períodos de
01/06/1974 a 31/01/1975, 01/06/1977 a 01/06/1981, 02/01/1982 a
08/02/1984, 02/04/1984 a 15/10/1985, 02/01/1986 a 13/07/1990 e de
01/12/1990 a 03/05/2010.

Dessa forma, o Requerenta já possuía tempo de serviço especial


suficiente para a concessão do benefício de aposentadoria para aposentadoria
especial quando efetuou o pedido administrativo de aposentadoria. Isto porque,
de acordo com os Decretos 53.831/64, 83.080/79, 2.172/97 e 3.048/99, torna-se
necessária a exposição a agentes nocivos durante 25 anos de serviço para a
concessão da aposentadoria especial e no caso em tela, o Demandante adquiriu
o direito ao benefício, haja vista que possui 32 anos e 5 meses e 10 dias.

III - DO PEDIDO

ISSO POSTO, requer:

a) O reconhecimento como tempo de serviço especial os períodos de


01/06/1974 a 31/01/1975, 01/06/1977 a 01/06/1981, 02/01/1982 a
08/02/1984, 02/04/1984 a 15/10/1985, 02/01/1986 a 13/07/1990 e de
01/12/1990 a 03/05/2010;
Página 4 de 5
b) A revisão do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição NB
XXX.XXX.XXX.XXX-X, convertendo-o em benefício de aposentadoria
especial, pois comprovado que na DER do benefício o Autor já possuía mais
de 25 anos de tempo de serviço especial, e consequente revisar o cálculo da
RMI do benefício para que corresponda a 100% do salário de benefício, sem
incidência do fator previdenciário;

c) Subsidiariamente, na remota hipótese de não serem reconhecidos os 25


anos de atividades especiais para a aposentadoria especial, efetuar a
conversão de todos os períodos de tempo de serviço especial em tempo de
serviço comum, pela aplicação do fator de conversão 1,4, e revisar a RMI do
benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, computando o
acréscimo de tempo de contribuição decorrente do reconhecimento de
tempo de serviço especial neste processo e sua conversão em tempo de
serviço comum.

d) O pagamento de todas as parcelas vencidas decorrentes da presente


revisão, a partir da DIB do benefício.

Cidade, data.

Átila Moura Abella Elenilse Keller Tesser


OAB/RS 66.173 OAB/RS 87.510

Página 5 de 5