Você está na página 1de 8

DEFINIÇÃO DO DIPr

Internacionalização da vida

Globalização

Arbitrariedade de qualquer definição


De fato, há muita divergência na doutrina de direito internacional privado

Resolver conflitos de leis no espaço.

Conflito de leis? Diferentes ordenamentos jurídicos


Espaço? Estados diferentes

A QUESTÃO É ESPACIAL
Não é uma questão temporal. De leis no tempo.

Regular relações jurídicas que transcendem fronteiras nacionais

relações jurídicas entre indivíduos, pessoas físicas ou jurídicas, em que há um


elemento estrangeiro ou de estraneidade

ELEMENTO ESTRANGEIRO

FATO COMUM
FATO ESTRANGEIRO
FATO MISTO
Direito que produz o diálogo entre diferentes ordenamentos jurídicos
Auxilia na regulamentação das relações que não ficam adstritas a uma
única ordem jurídica

ELEMENTO DE CONEXÃO
 NACIONALIDADE
 DOMICÍLIO
 LUGAR DA CELEBRAÇÃO
 LUGAR DA ENTREGA DA OBRIGAÇÃO

O elemento de conexão é normativo, vazio de conteúdo.


Apenas aponta qual lei deve ser aplicada
Asséptica, neutra.

TÉCNICA
Mais do que um direito verdadeiro, uma técnica de
aplicação do Direito.

Direito Internacional Privado é um direito adjetivo,


não substantivo; de fundo formal, e não material.
E mais, diferente do DIP, não é uma estrutura
normativa concreta.
Mas um ramo do direito nacional.
O DIPr é sempre um direito interno a cada Estado.
Ou seja, cada Estado possui seu próprio DIPr, seu
próprio método de indicar a lei aplicável ao caso.

OBJETO
Doutrina Italiana e alemã
Conflito de leis

Doutrina francesa
Nacionalidade, Condição jurídica do estrangeiro, concurso de jurisdição, direitos
adquiridos

Direito Constitucional? É Direito Constitucional. Direito público.


Direito Internacional Público? Produz reflexos no DIP, mas não é DIP

• CONFLITOS DE LEIS NO ESPAÇO

Principal conteúdo do DIPr.


Aplicação de um método específico de Direito Internacional
Privado, para encontrar a lei aplicável no caso concreto.
Qualificação: enquadramento jurídico
Lei aplicável
Aplicação (dentro dos limites de aplicação do direito estrangeiro)

• CONCURSO DE JURISDIÇÃO

Questão de competência jurisdicional.


Antes de que o processo inicie.
Julgamento ocorrido no estrangeiro, mas que deve ser executado
no Brasil.
Homologação de sentença estrangeira.
Quem faz? STJ
Ordem pública, Bons costumes, Soberania.

• NACIONALIDADE
Formas originárias e derivadas de aquisição de nacionalidade;
Perda de nacionalidade
Apatrídia
Casamento

• CONDIÇÃO JURÍDICA DO ESTRANGEIRO (MIGRANTE)

Estatuto que regula a situação do estrangeiro em território nacional.


Direitos e deveres
Entrada e permanência
Vistos
Lei de Migração, maio de 2017
Vigor em novembro
Sofreu com veto
• DIREITOS ADQUIRIDOS
Mobilidade das relações jurídicas, quando nascem em uma jurisdição, mas
repercutem os efeitos em outra

Conflitos Interespaciais
Não É DIPr

Os LIMITES À APLICAÇÃO DO DIREITO ESTRANGEIRO


NÃO CABEM NESSES CONFLITOS (Ordem Pública...)

NÃO HÁ HOMOLOGAÇÃO

Bolívia: Pluralismo jurídico


Ley de Deslinde Jurisdiccional
DO OUTRO PONTO DE VISTA: VISTO DE FORA

À vista dos conflitos interestaduais que podem vir a ocorrer em


ordens jurídicas com diversas unidades territoriais, muitos
tratados já trazem a expressa determinação (por meio de
“cláusula federal”) de que as remissões feitas pela norma de DIPr
de um Estado às leis de outro hão de ser compreendidas como
respeitantes à cada unidade territorial (estadual, provincial,
cantonal etc.) individualmente considerada. Nesse sentido, v.g., o
art. 19, § 1º, da Convenção de Roma sobre a Lei Aplicável às
Obrigações Contratuais, de 1980: “Sempre que um Estado
englobe várias unidades territoriais, tendo cada uma as suas
regras próprias em matéria de obrigações contratuais, cada
unidade territorial é considerada como um país, para fins de
determinação da lei aplicável por força da presente convenção”.

Discricionariedade estatal
Se existe uma lei dizendo que será aplicado o direito estrangeiro, isso se dá
simplesmente porque o Estado do lex fori quis assim.

SOBERANIA
NÃO-INTERVENÇÃO
Nomenclatura

Por seu caráter instrumental seria o DIPr um


direito?
Direito ou técnica jurídica-processual?

Internacional?
Temas internacionais, mas fontes internas
Diferenciar do DIP

Privado
Aqui há uma divisão na doutrina.
Via de regra, para reger questões de direito civil,
empresarial, de família, sucessões, obrigações...

não versa, atualmente, apenas questões de índole estritamente “privada”,


regulando correntemente temas que escapam a essa alçada (v.g.,
assuntos criminais, fiscais, econômicos, tributários, administrativos,
processuais etc.).24

O qualificativo “privado” diria, assim, respeito às pessoas por detrás da


relação jurídica, não à matéria de fundo presente nessa mesma relação.
Direito privado internacional

Nomantologia (nomos + ante + logos)


Direito Intersistemático
Direito Transnacional

Fontes

Internas...
Essas normas estão perfeitamente inseridas na ordem jurídica interna dos
Estados,
Tratados
mas vêm gradativamente ocupando espaço em tratados e convenções
internacionais, bem como em regulamentos da União Europeia.

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO UNIFORME