Você está na página 1de 4

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – OS ERROS DAS EMPRESAS VAREJISTAS

por Luiz Otavio da Silva Nascimento*

extraído da 2a Edição do livro Êxodo –

da visão à ação – uma proposta para o varejo brasileiro,

publicado pela Editora SENAC-SP.

Qualquer que seja a estratégia adotada por uma empresa, ela deve ser apoiada
pelo trinômio Tecnologia – Recursos Humanos – Processos, que precisam estar
totalmente alinhados entre si. Em termos de Tecnologia é comum encontrar
empresas varejistas que, na ânsia de acompanhar o avanço tecnológico,
transformam-se em verdadeiras software houses que estão constantemente
tentando desenvolver um sistema sempre inacabado. E, em função disso, a
informação não é disponível, os indicadores não são confiáveis e a decisão é
lenta e fica prejudicada.

Esse tipo de empresa precisa abandonar definitivamente essa idéia e se


concentrar no seu negócio básico que é prestar excelentes serviços ao seu
público-alvo. Deve deixar o desenvolvimento para quem é especializado. O
importante é saber como implantar tecnologia no menor tempo possível,
agregando valor à operação.

Ao se lançarem no campo da Tecnologia da Informação, as empresas incorrem


nos erros enumerados e analisados por DION1 (1997):

1
DION, James E.; The 10 Worst Mistakes a Retailer Makes when Purchasing
Technology, J. C. Williams Group, 86th Annual Convention of National Retail Federation,
Janeiro 1997.
} 1o Erro... Não dar treinamento ou fazê-lo de forma incompleta.
Treinamento pode custar muito mais caro que o software, mas deve ser feito
de forma completa, abordando pelo menos quatro níveis (pré-instalação,
instalação, encerramento do mês e uso estratégico);
} 2o Erro... Não haver entendimento total das necessidades e dos
benefícios. Muitas empresas compram TI sem nenhuma análise de
necessidades e quantificação dos custos e benefícios. Compram,
simplesmente, porque todo mundo diz que elas precisam;
} 3o Erro... Comprar por preço. Varejistas desenvolvem estratégias para
estimular os clientes a comprarem qualidade e serviços. Mas, tal qual o
velho ditado casa de ferreiro, espeto de pau, compram TI daquele que
oferece o menor preço;
} 4o Erro... Desenvolver sistemas com nenhuma ou, então, com muitas
segmentações. Segmentação é necessária, mas não adianta querer, num
primeiro instante, fragmentar o seu universo. Adote a regra de nunca
ultrapassar dez. Por exemplo, não divida os produtos em mais de dez linhas;
} 5o Erro... Não fazer backup de nada e não proteger sistemas. Problemas
acontecem, mas podem ser resolvidos se a empresa tiver cópias atualizadas
dos sistemas e dados. Recomenda-se o uso de senhas, bloqueios contra
joguinhos e uso sistemático de antivírus para proteger os sistemas;
} 6o Erro... Não estimar ou subestimar a conversão dos dados existentes. É
necessário fazer uma estimativa realista do tempo e dos recursos para fazer
a conversão dos dados existentes. Aproveite para analisar que dados devem
ser mantidos. Imprima e arquive os outros dados que não serão mais
utilizados;
} 7o Erro... Não ter proteção elétrica e no-breaks. Novamente, problemas
acontecem e dados importantes podem ser perdidos pela não existência
dessas proteções;
} 8o Erro... Software universal versus software exclusivo. Aqui valem alguns
conselhos: não seja cobaia de ninguém. Compre o software mais utilizado
pelo seu segmento de mercado procurando ver se o mesmo é customizável;
} 9o Erro... Software sem aplicações básicas e/ou que não permitem links.
Não adianta comprar sistemas que não têm aplicações básicas ou, então,
que exigem nova digitação de dados já capturados, uma vez que não
permitem links;

3
} 10o Erro... Não ter documentação. Software e hardware sem
documentação não servem. Assegure-se de que o fornecedor entregue
manuais detalhados, possui help-line, dá treinamento e suporte.

Ao analisar TI e sua aplicação no varejo, devemos também considerar que


quando uma realidade muda, passa a ser regida por novas leis. Não perceber
essas mudanças faz a empresa perder competitividade. Aperfeiçoar
procedimentos e técnicas anteriores é inútil – pelo simples fato de que as leis
que os legitimaram não existem mais. Foram revogadas pela nova realidade.

Finalmente, um último lembrete: aqueles que não aprendem com os erros estão
condenados a repetir os mesmos erros. Vale também observar duas regras
básicas na implementação de TI e as três coisas mais importantes.

Regra 1 – TI tem que gerar benefícios para o cliente.

Regra 2 – Se a TI não for gerar benefícios para o cliente não a implemente.

As três coisas mais importantes na implementação de TI são: treinamento,


treinamento e treinamento.

Luiz Otavio da Silva Nascimento. Engenheiro, especializado em Marketing pela


Fundação Getúlio Vargas. Mestre em Administração de Empresas pela Universidade
Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com cursos nos Estados Unidos (Darden
Business School da University of Virginia) e na França (L’École des Hautes Etudes
Commerciales – HEC – Paris). Tem mais de 25 anos de experiência na geração de
resultados e na gestão de empresas varejistas e industriais, dentre as quais Perrier,
Cisper-Owens Illinois, Smuggler, Carrier e Lojas Renner.

Atualmente é Sócio-Diretor Geral da Merita Consultoria Empresarial, Sócio-Diretor e


Membro do Conselho de Administração da PBS – People & Business Solutions, Diretor
Comercial do Grupo Simus, especializado em soluções em Processos e em Tecnologia da

4
Informação para o varejo. É membro do IBGC – Instituto Brasileiro de Governança
Corporativa e do Retail Council do GLG – Gerson Lehrman Group. É professor da cadeira
de Inteligência Competitiva e Conhecimento do Consumidor do Mestrado em Gestão de
Marketing em Serviços e Varejo da Universidade Anhembi-Morumbi (Laureate
International Universities).

Foi um dos fundadores do IPDV – Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Varejo e


Sócio-Diretor da Gouvêa de Souza & MD. Palestrante nacional e internacional, tem
diversos artigos publicados e é autor do livro “Êxodo – da visão à ação – uma proposta
para o varejo brasileiro”. Também é co-autor do livro “Varejo: Administração de
Empresas Comerciais”, ambos publicados pela Editora Senac São Paulo. Seu próximo
livro “Gestor Eficaz – práticas para ser bem sucedido num ambiente empresarial
competitivo” será lançado em outubro deste ano pela Editora Novo Conceito (Book
Business).