Você está na página 1de 5

MEMENTO DO COMANDANTE DA PATRULHA

RECEBIMENTO DA MISSÃO

- Fazer anotações e retirar dúvidas sobre os itens relacionados 1) Inimigo (DiCoVAP)

-

- Dispositivo, Composição, Valor, no itinerário e no objetivo, e moral.

- Atividades recentes e atuais.

- Equipamento, armamento e uniforme.

- Atividades da F Ae.

- Identificação.

- Grau de instrução.

- Peculiaridades.

- Possibilidades e limitações. 2) Forças amigas

- Localização dos postos amigos.

- Limites da zona de ação.

- Outras tropas na área.

- Reforço.

- Apoio de fogo.

- Elementos infiltrados, simpatizantes, guias e informantes.

- Prescrições quanto a presos e mortos. 3) Terreno (OCOAO)

- Observação e campos de tiro.

- Cobertas e abrigos.

- Obstáculos.

- Acidentes capitais (de nossa posse e do inimigo).

- Outros aspectos (faixas de infiltração e rotas de aproximação aérea).

- Possibilidades de reconhecimento, meios disponíveis etc. 4) Condições meteorológicas

- Início do crepúsculo matutino náutico (ICMN) e fim do crepúsculo

vespertino náutico (FCVN).

- Lua (grau de luminosidade durante os deslocamentos e ação no objetivo).

- Ventos.

- Chuvas (previsão).

- Temperatura.

- Influência da maré.

- Influência do gradiente térmico no emprego de fumígenos (lapse, inversão ou neutralidade). 5) Meios disponíveis

- Cartas, croquis, fotografias, relatórios e outros.

- Meios para o deslocamento.

- Guias, mateiros, rastreadores e práticos.

- Especialistas.

- Material, armamento e equipamento especial.

- Restrições impostas pela situação e pelo comando (prazos, locais etc).

Localização.

6) Missão

- SFC, retirar dúvidas sobre os elementos essenciais de inteligência e outros dados pertinentes ao cumprimento específico da missão. 7) População

- Atitude perante a tropa.

-

- Atividades predominantes.

- Existência na região do objetivo.

- Procedimentos e condutas a serem adotadas.

8) Elementos a contactar, resgatar e capturar

- Identificação, características e fotos.

- Senha, contra-senha e sinal de reconhecimento.

- Sinais de ponto limpo e ativado.

- Estória-cobertura. 9) Regras de Engajamento

- Condutas de engajamento com o inimigo ou forças adversas. 10) Comando e comunicações

- Instruções para a exploração das comunicações e eletrônica (IE Com Elt).

- Horários de ligação.

- Localização dos PC.

- Senha, contra-senha e sinal de reconhecimento.

- Acerto de relógio. 11) Coordenação e controle

- Horários impostos

- Ultrapassagem das linhas amigas.

- Unidades de apoio.

- Especialistas.

- Briefings.

- Outras patrulhas.

- Ligações com tropas amigas.

- Linhas e pontos de controle.

Localização.

ESTUDO SUMÁRIO DA MISSÃO

- É um processo mental e sintético baseado em perguntas. No entanto, o Cmt da Pa

deverá fazer as anotações que julgar necessárias a fim de facilitar o seu estudo de situação. Responder:

- O quê? (poderá ser retirada da O Op do Esc Supe, no seu parágrafos 2º -Missão

ou de ordem verbal aonde serão identificadas as ações impostas e visualizadas as ações complementares).

- Quando? (horários do início do deslocamento, da ação no objetivo, do

retraimento etc).

- Onde? (local do Obj, Itn, distâncias, meios de Trnp, tempo de deslocamento etc).

PLANEJAMENTO DA UTILIZAÇÃO DO TEMPO

- Prazo para o cumprimento da missão (do recebimento da missão à entrega do relatório) um exemplo

- Confecção e entrega do relatório / manutenção

- Regresso às linhas amigas

- Retraimento até o PRPO/PRDO e reorganização

- Ação no objetivo

- Tomada do dispositivo

- Rec aproximado e CRA (confirma ou refuta e atualiza)

- Deslocamento até o PRPO

-

-

- Inspeção final

- Ensaios

- Inspeção inicial (material e aprestamento)

- Emissão da ordem à patrulha

- Planejamento detalhado

- Reconhecimento (sempre que possível)

- Emissão da ordem preparatória

- Planejamento preliminar

- Recebimento da missão

Partida

Ajustes

ORDEM PREPARATÓRIA

A fim de facilitar a sua emissão, organizar os Esc e Gp para a entrada no local da

12. RECONHECIMENTO

(informar o pessoal que irá no Rec, abordar prescrições de interesse geral e o local da emissão da O Rec)

13. COMUNICAÇÕES

- Comunicações (determinar os patrulheiros que devem anotar).

- Senha e contra-senha do escalão superior e patrulha e Pa, bem como horários para mudança.

- Sinal Rec, senha e contra-senha para contatos.

- Sinal Rec, Frq Pcp e Altn do escalão superior e da patrulha, horários e senhas para mudança.

- Indicativos rádio.

- Autenticações.

- Horários de ligação.

- Prescrições rádio.

- Processo de Codificação da IE Com Elt.

- Sinais convencionados (pirotécnicos, visuais e acústicos).

- Outros dados da IE Com Elt.

14. DIVERSOS

a. Instruções Particulares (atribuir responsabilidades)

- Auxílio ao Cmt no planejamento detalhado (SCmt, Cmt Esc e Cmt

Gp - SFC).

- Auxílio ao gerente na distribuição do material

- Recebimento e Prep do Mat dos homens empregados no planejamento

 

ordem.

Confecção do caixão de areia, croqui ou outros meios visuais para a emissão da O Pa (sugestão: situação, missão, quadro-horário, quadro-horário do ensaio, O Mvt,

-

1.

SITUAÇÃO (explicar sucintamente a situação geral e particular)

plano de embarque e carregamento, quadro auxiliar de navegação, quadro das TAI,

a.

Forças Inimigas (localização e natureza).

PRPO, quadro do Rec Aprox, objetivo, quadro de condutas

b.

Forças Amigas (localização e natureza).

alternativas, Com Elt etc).

 

- Escolha do Loc ensaio.

2.

MISSÃO (conforme a recebida do escalão superior)

- Treinamento de sinais e gestos (alto, avante, congelar etc).

 

- Ensaio da estória-cobertura caso recebida do Esc Supe.

3.

ORGANIZAÇÃO (enunciar funções)

- Prescrições para alimentação e pernoite (SFC).

4.

QUADRO-HORÁRIO (aquilo que interessa aos patrulheiros a partir da O Prep,

- Preparo e testes de equipamentos e materiais especiais (pré-sintonia e impermeabilização das estações rádio, testes de explosores e bobinas, OVN,

transmitido na ordem cronológica)

GPS etc).

5. UNIFORME E EQUIPAMENTO INDIVIDUAL

6. ARMAMENTO E MUNIÇÃO

7. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES

8. MATERIAL DE DESTRUIÇÕES

9. MATERIAL ESPECIAL

10. RAÇÃO E ÁGUA

11. MATERIAL E PESSOAL PARA O RECONHECIMENTO E ENSAIO

- Preparo da Pa para missões específicas (lançamento de meios de travessia de cursos d’água, preparo de remos, outros Eqp especializados para infiltração, fardos, Vtr, Blz Anv, conversação terra-avião etc) - SFC.

b. Outras prescrições

- Cadeia de Cmdo (checar).

- Durante a preparação da Pa estarei

reconhecendo o objetivo até tal hora etc).

- A próxima reunião será às da O Pa etc).

- Dúvidas?

- Acerto dos relógios (Quando eu disser: “Hora”, serão segundos fora; “Hora”).

(planejando em tal local,

(local), para

;

(hora), em

(expedição

minutos fora;

2. MISSÃO

- Como recebida do Esc Supe (CHECAR).

3. EXECUÇÃO

a. Conceito da Operação

1) Explicar sucintamente como pretende cumprir toda a missão na seqüência cronológica das ações, (sem ressaltar detalhes de coordenação ou missões específicas). b. Prescrições Diversas (Ordens aos Elem Subordinados) 2) Deslocamento até PRPO

 

ORDEM À PATRULHA

a)

Hora de Partida.

-

Deverá ser emitida baseada no planejamento detalhado, podendo sofrer

b)

Formação inicial e ordem de movimento.

alguma alteração durante sua expedição (SFC), durante os ensaios ou nos tempos destinados aos ajustes.

C)

Itinerário de ida (conforme quadro auxiliar de navegação).

d)

Meios, processos de deslocamento e medidas de coordenação e controle nos

SITUAÇÃO

a. Forças Inimigas (que podem atuar contra a Pa) - DiCoVAP

- Localização.

- Valor, composição e dispositivo.

- Armamento, equipamento e uniforme.

-

- Atividades recentes e atuais.

- Movimentos.

- Atividades da Força Aérea.

- Possibilidades e limitações.

Identificação.

b. Forças Amigas

- Localização, limites da Z Aç (até dois Esc acima/Elm Viz).

- Contatos.

- Apoios (de fogo, aéreo, outros).

- Outras Pa.

- Atividades da Força Aérea.

c. Meios recebidos e retirados (quais, a partir de, até quando e como).

d. Área de Operações e Condições Meteorológicas

Conclusão a respeito das conseqüências para a nossa Pa de:

diversos trechos.

e) Planos de embarque e carregamento (SFC) . f) Prováveis pontos de

reunião itinerário.

g) Segurança nos deslocamentos e altos (POCO).

h) Passagem por pontos críticos, pelos postos avançados amigos. 2.1) Ocupação do PRPO

a)

b) Dispositivo e seqüência de ocupação.

c) Medidas especificas

Localização

3) Ação no objetivo Reconhecimento aproximado do objetivo (o que reconhecer, seqüência, quem, onde, por onde, medidas de coordenação e controle, missões específicas, horários). - OLHOS NO OBJETIVO

- Tomada do dispositivo (seqüência e liberação dos grupos, quem, onde, por onde, medidas de coordenação e controle, missões específicas, horários).

- Ação no objetivo (caracterização do início da ação, detalhar cronologicamente quem faz o quê, como e para quê).

-

ICMN - FCVN - visibilidade.

 

- Retraimento para o PRPO (seqüência, quem, onde, por onde, medidas de

-

Lua (fase) - visibilidade.

 

coordenação e controle, horários).

-

Neblina - visibilidade.

 

-

Ventos (Dir, Vel e quadrante) - Emp fumígenos, Lç Sup.

 

- Reorganização no PRPO (cheque de baixas, equipamento/ armamento e

-

Chuva - Prep Mat e transitabilidade.

 

munição - BEM).

-

Temperatura - Mat e moral.

 

-

Gradiente - Emp fumígenos.

-

Características

do

terreno

(pontos

nítidos,

obstáculos

etc).

(OCOAO)

4)

Regresso

Hora de regresso.

Itinerário de regresso.

Meios, processos de deslocamento e medidas de coordenação e controle nos diversos trechos.

Formação inicial e ordem de movimento.

Planos de embarque e carregamento (SFC).

Prováveis pontos de reunião.

Segurança nos deslocamentos e altos.

Passagem pelos postos avançados amigos.

5)

Outras Prescrições

a)

Situações de contingência (nas diversas fases da operação).

b)

Ações em áreas perigosas e pontos críticos (POCO - Pare, Olhe, Cheire e Ouça).

c)

Ações em contato com o inimigo (TAI).

d)

Reorganização após dispersão.

e)

Tratamentos com PG, mortos e feridos inimigos.

f)

Conduta com mortos e feridos amigos.

g)

Conduta ao cair PG.

h)

Conduta para pernoites (base de patrulha, área de reunião, ARC).

i)

Medidas especiais de segurança.

j)

Destino do material especial.

l)

Rodízio de material pesado.

m) Contato com elemento amigo.

n) Ligação com outras patrulhas.

o) Prioridades nos trabalhos de OT.

p) Linhas de controle.

q) Apoio de fogo (onde, até quando e como solicitar).

r) Documentos a serem conduzidos (procedimentos para destruição).

s) Procedimentos para ensaios e inspeções.

t) EEI.(Elementos essenciais de inteligência)

u) Estória-cobertura coletiva.

v) Conduta com civis.

4. LOGÍSTICA

Ração, água, Armt/Mun (prescrições p/ o cumprimento da missão - consumo).

Prescrições para o ressuprimento (SFC) (hora, local, quantidade, balizamentos etc).

Uniforme e equipamento especial (confirmar/alterar O Prep).

Medidas de higiene (SFC).

Localização do atendente ou homem-saúde na patrulha.

Local PS, posto de refúgio, P Col PG etc.

Processo de evacuação (pessoal e material).

5. COMANDO E COMUNICAÇÕES

a. Comunicações

(Retificar ou ratificar e checar)

Senha e contra-senha, horários e sinal para mudança.

Sinal Rec, senha e contra-senha para contatos.

Sinal Rec, Frq Pcp e Altn do escalão superior e da patrulha, horários e sinais para

mudança.

Indicativos rádio.

Autenticações.

Horários de ligação.

Prescrições rádio. Processo de codificação e outros dados da IE Com Elt. Sinais convencionados (pirotécnicos, visuais e acústicos).

b. Comando

- Localização Cmt e SCmt (durante o Itn de ida, Rec, Aç Obj, reorganização e regresso às L Ami).

- Cadeia de comando (confirmar/alterar O Prep).

- Dúvidas? (CHECAR O CONHECIMENTO)

OBSERVAÇÕES

- Inspecionar o conhecimento de missões específicas e de aspectos

que devam ser do conhecimento geral, por parte dos patrulheiros (senhas, freqüências etc).

- Checar o conhecimento das missões individuais e coletivas (se for o caso, fazê-lo no caixão de areia).

- Checar acerto de relógios.

- Ao final da O Pa o Cmt deverá explanar como o ensaio deverá ser conduzido pelo SCmt.

INSPEÇÃO INICIAL

- A inspeção inicial visa a permitir ao comandante da patrulha uma avaliação sobre o grau de preparação dos homens, quanto ao conhecimento detalhado da missão, bem como o estado do equipamento, do armamento e o moral da patrulha.

Em função do fator tempo, a inspeção inicial pode ser dividida em teórica e prática.

a. Inspeção teórica

- Checar as missões dos escalões, grupos e homens utilizando meio visual.

b. Inspeção prática (checar)

1) Uniforme e equipamento individual. 2) Armamento e munição. 3) Material de destruição. 4) Material especial (viatura, embarcação, bolsa de primeiros socorros, GPS etc). 5) Material de comunicações. 6) Documentação (extratos de carta, croquis de itinerários, extratos de IE Com Elt etc). 7) Pessoal: camuflagem, estado físico etc.

-
-

ENSAIO

Realizar o ensaio da patrulha por partes:

a. Ensaio dos grupos e de missões específicas (Aç Obj) b. Ensaio dos escalões e da patrulha como um todo (geral)

- Deslocamentos e altos (com os meios de Trnp).

- Gestos e sinais convencionados.

- Emissão de ordens.

- Senhas e contra-senhas, sinais de Rec.

- Ações em áreas perigosas e pontos críticos.

- Ação no objetivo (ênfase).

- Retraimento.

- Passagem nos postos avançados amigos.

- TAI (ofensivas e defensivas).

- Mudança de formação.

- Ocupação de base de patrulha, área de reunião e ARC (SFC).

- Abrir e fechar rede de comunicações.

- Contar (efetivo da Pa).

- Plano de carregamento e embarque.

INSPEÇÃO FINAL

- Checar se os itens considerados falhos na inspeção inicial e ensaios foram corrigidos e/ou reajustados (camuflagem, equipamento etc).