Você está na página 1de 4

Meio: Imprensa Pág: 54

País: Portugal Cores: Cor

Period.: Mensal Área: 19,00 x 27,50 cm²

ID: 75533239 01-07-2018 Âmbito: Desporto e Veículos Corte: 1 de 4

CONDUÇÃO
ALPINE A110 vs RENAULT MEGANE R.S. 280 EDC

PRIMA.
Alpine A110 e Mégane R.S. chegam ao mesmo tempo ao nosso
mercado, propondo duas formas distintas de aceder a um desportivo.
Partilham o novo motor 1.8 turbo mas em tudo o resto são bem
diferentes. Fomos à procura dessas diferenças no circuito do Estoril
-s,.:: Francisco Mota Paulo Ca listo
Meio: Imprensa Pág: 55

País: Portugal Cores: Cor

Period.: Mensal Área: 19,00 x 27,50 cm²

ID: 75533239 01-07-2018 Âmbito: Desporto e Veículos Corte: 2 de 4

renascimento da Alpine através do escape desportivo de saída central e a caixa de du-

0
começou com um pequeno pla embraiagem arranca com suavidade. Entro em pista comas
desportivo de dois lugares e "shift-lights" do painel de instrumentos a mudar para verme-
motor central, inspirado no lho e dou mais uma patilhada, suave e rápida. Na primeira tra-
Ano do passado. Ao mesmo vagem, o escape larga umas detonações fantásticas e os 1103 kg
tempo, a Renault lança o mostram logo benefícios, reduzindo velocidade com naturali-
novo Mégane R.S. herdeiro dade. Na curva seguinte, provoco uma entrada com excesso de
de uma referência entre os velocidade, para ver a suspensão de triângulos sobrepostos a
desportivos de motor e tra- fazer aquilo em que é melhor manter a roda dianteira exterior
ção à frente. A ocasião de os perpendicular ao piso, maximizando a aderência e retardando
comparar no circuito do Estoril era imperdível. a subviragem. A retomada de aceleração faz a traseira baixar e
Depois de ter ficado encantado com o estilo nostálgico da car- a frente levantar levemente, provando que a taragem de molas,
roçaria, o cockpit do Ano não desiludiu. A posição de condu- barras estabilizadoras e amortecedores é mais macia que nos
ção é muito baixa, rente ao chão mas com boa visibilidade; o rivais mais pesados. Querendo uma atitude neutra, o Ano não
volante e os pedais estão bem posicionados e os bancos Sabelt tem problema em manter os quatro Michelin Pilot Sport 4 bem
têm bom apoio lateral, apenas critico as costas por não rep- agarrados ao chão, com o motor a subir facilmente de regime
tarem em inclinação, uma cedência ao peso, que assim se fica até ao corte e a caixa a responder com prontidão. Nas curvas
por 13,5 kg por banco. Como não há caixa manual em opção, rápidas, a inclinação lateral é maior que a norma, mas não com-
na consola estão os botões D, N e R, para selecionar M e fazer promete o equilibrio ou a eficácia, até porque a aceleração late-
as passagens nas patilhas metálicas fixas à coluna, é preciso ral chega aos 1,3g.
carregar duas vezes no D; e para a posição P, é preciso fazer o
mesmo no N. De resto, faltam porta-objetos e a qualidade dos DIVERTIDO E FÁCIL DE DOMAR
plásticos é desigual, havendo ainda componentes partilhados Mas não foi para bater tempos por volta que o Ano foi feito,
com modelos Renault bem mais baratos, como os da climati- dizem os 130 engenheiros que nele trabalharam: a prioridade
zação e o monitor central. Boa escolha a de colocar o botão dos foi para o divertimento, que num pequeno dois lugares de mo-
modos de condução (Normal/Sport/Track) no volante. Sem tor central e tração atrás quer dizer sobreviragem controlável,
muito tempo para experimentar todas as combinações, vou di- mesmo por quem tenha pouca experiência. Em modo Track, o
reto para o Track que coloca o ESP num modo liberal. O motor
1.8 turbo, passa a "canta?' de forma bem mais entusiasmada,

r40100001~
Meio: Imprensa Pág: 56

País: Portugal Cores: Cor

Period.: Mensal Área: 19,00 x 27,50 cm²

ID: 75533239 01-07-2018 Âmbito: Desporto e Veículos Corte: 3 de 4

CONDUÇÃO
AL P INE A110 vs RENAULT MEGANE R.S. 280 EDC

ESP deixa a traseira deslizar até ângulos que já exigem corre-


ção, mas o melhor é desligá-lo, o que pode ser feito em todos
os modos. Passando a uma condução mais acrobática, o Ano
ajuda em vez de complicar. Com excesso de acelerador a par-
tir do meio da curva, os pneus relativamente estreitos (205, à
frente e 235, atrás) acabam por perder aderência de forma mui-
to progressiva, dando imenso tempo ao condutor de aplicar a
contrabrecagem necessária para terminar a curva numa deriva
consistente e controlada. Querendo aproveitar a massa do mo-
tor central, pode retardar-se a travagem para a fase de rotação
e provocar logo aí a deriva da traseira, para depois a alimentar
com o acelerador, mantendo um ângulo de "dri ft" com o volan-
te, de maneira muito fácil. Parece que o Ano nasceu para isto!
Quando se tem uma relação peso/potência de 4,3 kg/cv e distri- obediência nas reduções. A outra grande diferença
do Méga-
buição de pesos de 44/56, tudo fica mais fácil. ne R.S. para o Ano é a direção às rodas traseiras 4Control que
Os o-ioo km/h em 4,5 s fazem-se com o Launch Control, sem- rodam uni máximo de 2,7 graus na direção oposta às
da frente
pre com a sensação de que o carro ganha velocidade com na- até aos too km/h, em modo Race. Ajudam a
frente a entrar na
turalidade, a prova do seu baixo peso e que faz lembrar as sen- trajetória e a mitigar a subviragem, nota-se o
efeito final, sem
sações de condução dos Lotus Elise. Mas o Alpine é bem mais perceção de nenhuma artificialidade do 4Control.
Em pista, o
refinado na maneira como ultrapassa a barreira da aderência controlo de massas parece mais rigoroso que no Ano,
e a ade-
e como o amortecimento está calibrado. Claro que falta ver rência dos pneus claramente superior, com 235/40 R18
de série
como será sobre estradas imperfeitas, mas alguns dos correto- e 245/25 R19, em opção. É possível provocar a traseira
com uma
res mais altos da pista do Estoril já deram boas indicações. travagem em apoio, mas não tanto quanto na geração anterior.
De resto, quando se volta ao acelerador para sair das curvas
EFICAZ E RÁPIDO médias e lentas, a frente tem tendência a alargara linha, exigin-
Vindo do banco rasteiro do Ano, o do Mégane parece um SUV! do dosear o acelerador. Isto porque a unidade ensaiada
tinha o
A primeira sensação vem do espaço superior e da melhor im- chassis Sport. Um teste na pista de Jerez dela Frontera com
o
pressão de qualidade. A posição de condução é muito boa para chassis Cup, que acrescenta suspensão desportiva e um auto-
um familiar deste tamanho, só as patilhas da caixa EDC estão blocante, provou que é de longe a opção mais eficiente,
pratica-
muito acima e são muito curtas, tanto mais que também são fi- mente eliminando a subviragem. Pelo contrário, os
amortece-
xas. O botão R.S. na consola dá acesso aos modos de condução dores do chassis Sport, com batentes hidráulicos, conseguem
e faço o mesmo que no Ano, passando logo para o modo Race conservar um apreciável nível de conforto. Mas também
aqui
que desliga o ESP. A sensação de maior peso começa logo no fica por saber como será a comparação como Ano, em estrada.
arranque, levando o motor ao "red-line" nem parece que tem A Renault anuncia os o-ioo km/h em 5,8 segundos, ou
seja, 1,3
mais 28 cv, atingindo uns respeitáveis 28o cv ao mesmo regi- segundos mais lento que o Alio e um consumo combinado
de
me de 6o0o rpm e com mais 79 Nm de binário máximo. Tanto 6,9 limo km, que fica o,81/loo km/h acima. O peso volta a falar.
o coletor de escape como o de admissão e a cabeça do motor A conclusão a tirar é simples: o Ano é claramente mais diverti-
são diferentes da especificação usada no Ano. Mas a questão é do de guiar em pista que o Mégane R.S. 28o EDC. Como chas-
mesmo o peso: o Mégane R.S. pesa mais 327 kg. Contra o alumí- sis Cup, este aproxima-se mas nunca vai conseguir contrariar
o
nio da estrutura e carroçaria do Ano,o aço do Mégane não faz peso superior. Contudo, a realidade do dia-a-dia nem sempre
milagres e a relação peso/potência fica pelos 5,1 kg/cv. passa por um pequeno desportivo de dois lugares que custa
A linearidade de entrega de potência é muito boa e a caixa de 66 mil euros. Os cinco lugares, mala decente e 40 48o euros
do
dupla embraiagem, com relações diferentes, tem a mesma boa Mégane R.S. até o fazem parecer uma pechincha. O
Meio: Imprensa Pág: 57

País: Portugal Cores: Cor

Period.: Mensal Área: 19,00 x 27,50 cm²

ID: 75533239 01-07-2018 Âmbito: Desporto e Veículos Corte: 4 de 4

AMBIENTE
O Megone
P.S. tem as
diferenças de
estilo, interior
e exterior, que
o identificam
claramente
como a versão
desportiva da
gama. O 4110
faz uma bela
interpretação
atual de um
clássico do
passado

1~11•!_,~