Você está na página 1de 2

5 dúvidas sobre escadas

Tenha ou não um desenho exclusivo, a escada deve garantir segurança e


conforto às pessoas

Da redação





 0






Divulgação

A escada foi moldada na obra e fixada na parede antes das pedras. “Em vez de
estar apoiada na parte mais alta e na parte mais baixa, ela fica pendurada em balanço”,
explica o engenheiro Pedro Kopschitz. Para isso, ele reforçou as paredes ao preencher
os blocos vazados com aço e concreto. Corrimão de metalon com cabos de aço da
Metalúrgica Arte Colonial. Projeto do escritório A4 Arquitetos.
1. O que determina um bom projeto?

2. Quais as medidas de conforto e segurança de uma escada?


É preciso ser minucioso na execução. Veja quais os números da escada ideal:
Largura mínima do degrau: 60 cm
(Atenção: quanto mais largo o degrau, maior a sensação de segurança.)
Profundidade do piso (parte a ser pisada): entre 27 e 30 cm.
Altura entre os degraus (espelho): entre 15,5 e 19 cm.
Inclinação: entre 30 e 35 graus em relação ao piso. Mais inclinada que isso, ela ocupa
menos espaço, mas se torna um empecilho para idosos e crianças.
Distância mínima entre degraus e cobertura: 2 m
Para verificar se as medidas estão proporcionais e, portanto, a escada oferece passos
confortáveis, respire fundo e aplique a seguinte fórmula: multiplique a altura do espelho por
dois. A esse resultado, some a profundidade. O valor total tem de se aproximar de 64 cm.
Lembre-se ainda de que as quinas não podem ser muito arredondadas, para não prejudicar a
firmeza do passo, nem muito vivas, ou causarão ferimentos em caso de acidente. E, se
houver crianças ou idosos na casa, por exemplo, o piso deve ser de material antiderrapante
ou receber acabamentos com essa característica, como as lixas ou os sulcos colocados nas
beiradas dos degraus.
3. É obrigatório ter corrimão?
"Há regras específicas de acordo com a utilização da escada. As de uso público devem ter
obrigatoriamente corrimão", diz o arquiteto César Bergström, professor da Faculdade de
Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Nas casas, esse
elemento pode ser dispensado ou não - é uma escolha do arquiteto e do morador. Se ambos
optarem por ele, sua altura segura é de 90 cm.

4. Quais são os formatos de escadas mais comuns?


- Reta: boa para ambientes de no máximo 3,25 m de altura, ou fica cansativa demais. Se a
distância for maior, divida a escada em dois ou mais lances, com patamares.
- L e U: seus patamares servem de pontos de observação. É necessário ter essa parada toda
vez que a estrutura mudar de direção. Embaixo destas escadas, cria-se um espaço livre,
perfeito para lavabos ou despensas.
- Caracol: é o que ocupa menos espaço. O diâmetro mínimo de 1,50 m garante que os
degraus não fiquem estreitos demais junto do eixo.

5. Quais são os cuidados necessários na compra de modelos pré-fabricados?


Após escolher o modelo, procure um fornecedor conhecido no mercado: aceitar uma
indicação de amigos ou de antigos clientes da empresa é uma boa idéia. No showroom, faça
um teste. Isso mesmo: suba e desça algumas vezes os degraus para sentir, literalmente, se
eles são firmes.
Concreto: precisa estar bem liso. "Nas áreas externas, se ele estiver poroso, ficará mais
frágil à umidade e às chuvas", conta o técnico em edificações e fabricante Rogério Chuba,
de São Paulo.
Madeira: esse tipo de estrutura pede cortes mais retos e encaixes perfeitos. "É preciso
habilidade para fortalecer os encaixes sem que a peça fique excessivamente robusta", diz
Alfredo Modica, da NGK Madeiras. As espécies mais indicadas para essas estruturas são o
jatobá e o ipê (e todas as outras que são duras, resistentes e, em geral, mais escuras).
Metal: o aço carbono é a matéria-prima mais usada no modelo caracol. O segredo está em
observar o nivelamento da escada. Basta verificar se as hastes do corrimão estão paralelas
ao eixo da escada. Observe, ainda, se as soldas são uniformes e se os parafusos estão
escondidos.

Interesses relacionados