Você está na página 1de 24

2

CAMPO ELÉTRICO
ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
Eletromagnetismo - FEELT31405

Prof. Fernando Pasquini Santos


2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
CONTEÚDO
I. LEI DE COULOMB

Introdução e revisão de análise vetorial (1)


I. Lei de Coulomb (2)
Campo
II. Lei de Gauss (3)
Estacionário
Eletricidade III. Potencial (4)

Propriedades I. Condutores (5)


de Materiais II. Dielétricos (6)
Campo → Lei de Biot-Savart, Lei de
Estacionário Ampère e Potencial (7)
Magnetismo
Propriedades → Paramagnetismo,
de Materiais ferromagnetismo, etc. (8)
Campos “Eletricidade Lei de Faraday e Corrente
Variantes + de Deslocamento (9)
no Tempo Magnetismo”
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

O QUE VOCÊ DEVE SABER...


1. Lei de Coulomb - equação descrevendo a
interação entre partículas eletricamente
carregadas (forma escalar e vetorial)
2. Equações de intensidade de campo
elétrico a partir de cargas elétricas
• Pontuais
• Densidade de cargas
• Linha de cargas
• Lâmina de cargas
3. Esboço de campos elétricos por linhas de
força.
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

LEI DE COULOMB
• Em 1779, o engenheiro militar Charles Augustin de Coulomb
estabelece a relação entre força elétrica, quantidade de
carga e distância, enfatizando a semelhança desta com a
teoria de Isaac Newton para a gravitação.

• A força de repulsão é diretamente


proporcional à quantidade de carga
de dois corpos e inversamente
proporcional ao quadrado da
distância entre eles.

onde 𝐹 é dado em newtons (N)


𝑄1 e 𝑄2 em coulombs (C)
𝑅 em metros (m)
e 𝑘 é a constante de proporcionalidade...
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

LEI DE COULOMB
• Constante de proporcionalidade:

onde 𝜖0 é chamado de constante elétrica ou


permissividade do espaço livre, e tem valor, no SI, de

e, portanto, a lei de Coulomb também pode ser


expressa como:
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
LEI DE COULOMB
– FORMA VETORIAL
• A distância entre as cargas envolve uma linha reta. Em
forma vetorial, tem-se:

onde a12 é um vetor


unitário na direção de 𝑅12 ,
ou seja:

Esta força é
mútua!
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
LEI DE COULOMB
– FORMA VETORIAL
• Exemplo: uma carga 𝑄1 = 3 × 10−4 C no ponto 𝑀 1,2,3 e
uma carga 𝑄2 = −10−4 C no ponto 𝑁(2,0,5) (ambas no
vácuo). Qual a força exercida por 𝑄1 em 𝑄2 ?
Solução:

com módulo e vetor unitário


Assim,
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

INTENSIDADE DE CAMPO ELÉTRICO


• Ao movimentar uma carga em torno de outra, nota-se um
campo de força associada àquela carga.
• Chame-se a carga em movimento de de carga de teste 𝑄𝑡 .
A força exercida nela por uma carga 𝑄1 é dada por

• Pode-se descrever esta força como uma força por unidade


de carga, que define a intensidade de campo elétrico 𝑬1
decorrente da carga 𝑄1 , em newtons por coulomb (N/C) ou
volts por metro (V/m):
Note que, caso a carga 𝑄1 esteja na origem (0,0,0),
a expressão para a intens. de campo elétrico será
𝑄1
𝐸= â
4𝜋𝜖0 𝑅2 𝑟
(onde â𝑟 é o vetor unitário em coord. esféricas)
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

INTENSIDADE DE CAMPO ELÉTRICO


• Vamos agora generalizar a posição de 𝑄1 , obtendo, assim,
um campo vetorial. Seja uma carga 𝑄 localizada no ponto
de origem 𝒓′ = 𝑥 ′ a𝑥 + 𝑦 ′ a𝑦 + 𝑧 ′ a𝑧 . Qual é o campo elétrico no
ponto genérico 𝐫 = 𝑥a𝑥 + 𝑦a𝑦 + 𝑧a𝑧 ?

• As forças de coulomb são lineares – ou seja, a intensidade


de campo elétrico resultante de duas ou mais cargas
pontuais pode ser somada.

(para 𝑛 cargas pontuais)


2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

INTENSIDADE DE CAMPO ELÉTRICO


• Exemplo: encontre 𝑬 no ponto 𝑃(1,1,1) causada por quatro
cargas idênticas de 3 nC (nanocoulomb) localizadas em
𝑃1 (1,1,0), 𝑃2 (−1,1,0), 𝑃3 (−1, −1,0) e 𝑃4 1, −1,0 .
Solução:
𝑄 3×10−9
= = 26.97 V ∙ 𝑚
4𝜋𝜖0 4𝜋×8.854×10−12
𝒓 = a𝑥 + a𝑦 + a𝑧 , 𝒓1 = a𝑥 + a𝑦
e, portanto, 𝒓 − 𝒓1 = a𝑧 ;
Da mesma forma,
𝒓 − 𝒓2 = 2a𝑥 + a𝑧 ,
𝒓 − 𝒓3 = 2a𝑥 + 2a𝑦 + a𝑧 e
𝒓 − 𝒓4 = 2a𝑦 + a𝑧
Assim,
𝒓 − 𝒓1 = 1, 𝒓 − 𝒓2 = 5, 𝒓 − 𝒓3 = 3 e 𝒓 − 𝒓4 = 5
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

INTENSIDADE DE CAMPO ELÉTRICO


• Exemplo: encontre 𝑬 no ponto 𝑃(1,1,1) causada por quatro
cargas idênticas de 3 nC (nanocoulomb) localizadas em
𝑃1 (1,1,0), 𝑃2 (−1,1,0), 𝑃3 (−1, −1,0) e 𝑃4 1, −1,0 .
Solução:
4
𝑄 1 𝒓 − 𝒓𝑚
𝑬= ෍ 2
=
4𝜋𝜖0 𝒓 − 𝒓𝑚 𝒓 − 𝒓𝑚
𝑚=1
1 a𝑧 1 2a𝑥 + a𝑧 1 2a𝑥 + 2a𝑦 + a𝑧 1 2a𝑦 + a𝑧
= 26.96 2 + + 2 +
1 1 ( 5)2 5 3 3 ( 5)2 5
= 6.82a𝑥 + 6.82a𝑦 + 32.8a𝑧 V/m
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
INTENSIDADE DE CAMPO ELÉTRICO
• Exemplo: encontre 𝐸𝜌 , 𝐸𝜙 e 𝐸𝑧 no ponto 𝑃 8,12,2 dada uma
carga de 2-𝜇𝐶 no ponto 𝑃(4,3,5).
Solução:
𝑄 𝑄 𝑹𝐴𝑃
• Considere que 𝐄P = a𝐴𝑃 =
4𝜋𝜖0 𝑹𝐴𝑃 4𝜋𝜖0 𝑹𝐴𝑃 3

𝑹𝐴𝑃 = 4a𝑥 + 9a𝑦 − 3a𝑧 , e, assim,


2×10−6 4a𝑥 +9a𝑦 −3a𝑧
𝐄P = 1.5 = 65.9a𝑥 + 148.3a𝑦 − 49.4a𝑧
4𝜋𝜖0 106

• Passando o ponto P para coordenadas cilíndricas:


12
𝜌 = 82 + 122 = 14.4, 𝜙 = tan−1 = 56.3°, e 𝑧 = 𝑧
8
• Assim,
𝐸𝜌 = 𝐄P ∙ a𝜌 = 65.9 cos 56.3° +148.3 sin 56.3° = 159.7 𝑉/𝑚
𝐸𝜙 = 𝐄P ∙ a𝜙 = −65.9 sin 56.3° +148.3 cos 56.3° = 27.4 𝑉/𝑚
𝐸𝑧 = 𝐸𝑧 = 49.4 𝑉/𝑚
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGAS


• Pode-se visualizar um espaço preenchido por cargas
separadas por distâncias mínimas, e descrever este espaço
com uma densidade volumétrica de cargas 𝜌𝑣 , com
unidade de coulomb por metro quadrado (C/m3). Assim,
para uma distribuição homogênea, tem-se:

Assim, também pode-se definir:


Cargas em Cargas em Cargas em
um volume: uma superfície: uma linha:

𝑄 = ම 𝜌𝑣 𝑑𝑣 𝑄 = ඵ 𝜌𝑆 𝑑𝑆 𝑄 = න 𝜌𝐿 𝑑𝐿
𝑣𝑜𝑙. 𝑠𝑢𝑝.
𝜌𝐿 : densidade linear
𝜌𝑆 : densidade superficial de carga
de carga
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

DISTRIBUIÇÕES VOLUMÉTRICAS DE CARGAS


• Exemplo: obtenha o total de carga contida no raio de elétrons.
Solução:
𝑄 = ම 𝜌𝑣 𝑑𝑣 =
𝑣𝑜𝑙.
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

DISTRIBUIÇÕES VOLUMÉTRICAS DE CARGAS


• Exemplo: obtenha o total de carga contida no raio de elétrons.
Solução:
Por fim,
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

DISTRIBUIÇÕES VOLUMÉTRICAS DE CARGAS


• Pode-se, enfim, reescrever a expressão de intensidade de
campo elétrico em função de uma densidade volumétrica.
• Dada uma contribuição pequena Δ𝑬:

• Obtém-se a intensidade de campo elétrico:


2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LINHA DE CARGAS


• Seja uma linha de cargas de densidade 𝜌𝐿 se estendendo de
− ∞ a ∞ no eixo 𝑧. Qual a intensidade de campo elétrico 𝑬?
• 1º passo: há alguma simetria? (coord. cilíndricas)
• Sim: no eixo 𝑧 e na coordenada 𝜙. O campo
não deve variar com estes parâmetros.
• Componentes 𝐸𝑧 se cancelam em um ponto
genérico (de cima e de baixo)

• Assim, escolhe-se um ponto genérico


𝑃(0, 𝑦, 0). O campo incremental é dado por:

onde
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LINHA DE CARGAS


• Seja uma linha de cargas de densidade 𝜌𝐿 se estendendo de
− ∞ a ∞ no eixo 𝑧. Qual a intensidade de campo elétrico 𝑬?
• Assim,

• E como apenas 𝑬𝜌 está presente,


pode-se simplificar para

• E, calculando-se o campo total:

(pode-se mostrar que 𝐸𝑧 será igual a zero.)


2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LINHA DE CARGAS


• Seja uma linha de cargas de densidade 𝜌𝐿 se estendendo de
− ∞ a ∞ no eixo 𝑧. Qual a intensidade de campo elétrico 𝑬?

• Portanto:
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LINHA DE CARGAS


• E se a linha infinita de cargas não estiver na origem do eixo 𝑧?
Considere uma linha paralela ao eixo 𝑧 em 𝑥 = 6 e 𝑦 = 8.
• A ideia é trocar as variáveis – a nova
distância 𝜌 será 𝑅 = 𝑥 − 6 2 + 𝑦 − 8 2
(da linha a um ponto genérico) e o novo
vetor a𝜌 será a𝑅 .
• Utilizando a fórmula anterior:
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LÂMINA DE CARGAS


• Agora, qual será 𝑬 em uma lâmina de cargas de densidade 𝜌𝑆
se estendendo infinitamente no eixo 𝑦𝑧?
• Considerar a simetria: 𝑬 não
deve mudar ao longo do eixo 𝑦
e 𝑧 – apenas 𝐸𝑥 está presente.
• A ideia é pensar em infinitas
linhas de cargas no eixo 𝑧 se
estendendo pelo eixo 𝑦.
• A densidade de carga destas
linhas será 𝜌𝐿 = 𝜌𝑆 𝑑𝑦 ′ .
• A distância 𝜌 entre uma destas
linhas e um ponto 𝑃 𝑥, 0,0
genérico será 𝑅 = 𝑥 2 + 𝑦 2 .
• A contribuição 𝑑𝐸𝑥 será:
𝜌𝐿
𝑑𝐸𝑥 = a ∙a
2𝜋𝜖0 𝜌 𝜌 𝑥
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB

CAMPO DE UMA LÂMINA DE CARGAS


• Agora, qual será 𝑬 em uma lâmina de cargas de densidade 𝜌𝑆
se estendendo infinitamente no eixo 𝑦𝑧?
𝜌𝐿
𝑑𝐸𝑥 = a ∙a
2𝜋𝜖0 𝜌 𝜌 𝑥
Substituindo os termos:

E integrando no eixo 𝑦:

Porém, se o campo estiver no eixo negativo de 𝑥, temos


... e por isso usa-se o vetor
unitário normal ao plano a𝑁 :
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
LINHAS DE FORÇA
E ESBOÇO DE CAMPOS
• Linhas de força: linhas imaginárias em
cada ponto do espaço sob influência
de um campo elétrico, empregadas
para visualizar melhor a atuação do
campo elétrico. Propriedades:
• Começam nas cargas positivas e
terminam nas cargas negativas;
• A tangente à linha de força
passando por qualquer ponto no
espaço fornece a direção do
campo elétrico naquele ponto;
• A intensidade do campo elétrico
em qualquer ponto é
proporcional ao número de linhas
por unidade de área transversal
perpendicular às mesmas.
2 – CAMPO ELÉTRICO ESTACIONÁRIO
I. LEI DE COULOMB
LINHAS DE FORÇA
E ESBOÇO DE CAMPOS
• As equações das linhas de força são obtidas da equação

(onde 𝑥 e 𝑦 são os pontos que definem a linha)


• Exemplo: considere o campo de uma linha uniforme de cargas
com 𝜌𝐿 = 2𝜋𝜖0 ,
ou

Assim, temos a equação diferencial

ou que fornece: