Você está na página 1de 14

Programa Semestral Laboratório Física IV – Ótica e

Física Moderna
Apostila Laboratório (professor)
Complemento Livro: Fundamentos de Física IV
Halliday, Resnick, Walker – 8ª Edição
Tópicos:
Ondas
Imagens
Interferência
Osciloscópio
Física Moderna – Semicondutores
Diodo

Relatórios – 10 pontos

Prova prática - 5 Pontos

Seminário – 5 pontos
Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna
Prática 01- Movimento Harmônico simples (pêndulo)
“Entregar relatório individual”
Objetivos:
- Analisar o período de oscilação do pêndulo em função da massa.
- Analisar o período de oscilação do pêndulo em função do
comprimento.
- Determinar a aceleração da gravidade g

Y(X,t)=Ymsen(KX –WT)
1 – Montar a prática acima.

2 – Preencha a tabela abaixo com a devida prática:


Massa Tempo 10 Período (T) (s) Freqüência
oscilações 1
f 
T

3 – Preencha a tabela abaixo com a devida prática:


comprimento Tempo 10 Período (T) (s) Freqüência
oscilações 1
f 
T

4 – Calcular g com Tmed da tabela do item 2:

L
T  2
g
Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna
Prática 02- Análise gráfica T2xL em um pêndulo simples

“Entregar relatório individual”

Objetivos:
- Analisar o gráfico T2xL em um pêndulo simples
- Encontrar graficamente o valor da gravidade g.
- Determinar a aceleração da gravidade g graficamente.

Essa dependência não é qualquer, mas a razão de T²/L é aproximadamente


constante, ou seja T² = k .L .

A confecção de um gráfico com y = T² ou y = m .x em função de x = L, é de


grande importância para o estudo de pêndulo simples.

1 – Montar a prática da figura 1.


Figura 1
3 – Preencha a tabela abaixo com a devida prática:
Comprimento Tempo 10 Período (T) (s) Freqüência
(L) em metros oscilações (s) 1
f 
T

4– A aceleração da gravidade g pode ser obtida através do coeficiente angular m, do


gráfico com os valores de x e y acima e aplicando na equação abaixo:

4 2
g=
m

y2  y1
m
x2  x1

Trace o gráfico T2xL e encontre a aceleração da gravidade graficamente.

Prática 2 – Parte B
Cálculo y=ax+b utilizando regressão linear

Esse método nos diz que:


 N   N N

 N  xi yi     xi  yi 
a   i 1   i1 i 1 
2
N
 N 
N  xi    xi 
2

i 1  i 1 
__ __
b  y a x
 N N

 N

  x i  yi 
  xi yi    i1 i 1 
 i 1   N 
 
r  
  N   
2
 N  
2

N  i    N
x  i  
y
 x 2   i 1   x  y 2   i1  
 i 1
i
N   i 1
i
N 
   
   

Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna


Prática 03 – Refração da luz, lei de Snell.
Objetivo: Determinar o índice de refração do acrílico.
A lei de Snell - Descartes relaciona os ângulos de incidência e refração com os índices de
refração (figura abaixo).
Figura 1 - Refração de um raio quando passa de um meio (1) menos refringente para uma
meio (2), mais refringente.

Enunciado da lei de Snell Descartes:A razão entre o seno do ângulo de incidência ( 1) e o


seno do ângulo de refração ( 2) é constante e esta constante é igual ao índice de refração
relativo, para um dado comprimento de onda.
sen 1 / sen 2 = n2 / n1
onde:

1 ângulo de incidência (ângulo que o raio incidente faz com a normal, N)

2 ângulo de refração (ângulo que o raio refratado faz com a normal, N)

n2 índice de refração do meio 2

n1 índice de refração do meio 1

1 – Montar o banco ótico utilizando como lente de material


acrílico.

2 – Preencha a tabela abaixo com a devida prática:


Ө1 Ө2 n2

10º
15º
20º
25º
30º
35º
40º
__
3 – Calcular n2

Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna


Prática 04
Introdução ao uso de osciloscópio
Parte 1: Calibração do instrumento
Parte 2: Onda senoidal
Procedimento:

Ligar o gerador de onda ao osciloscópio identificando os controles e verificando sua


função, os controles do osciloscópio devem estar inicialmente ajustados da seguinte forma:

SWEEP MODE EM AUTO, COUPLING EM AC, SOURCE EM VERT, V MODE EM


CH1, (INV:OFF), SLOPE EM +, TRIGGER LEVEL EM “12 HORAS”.

VERTICAL: POSITION EM “12 HORAS”, VARIABLE EM CAL, VOLTS/DIV EM


5V/DIV.

HORIZONTAL: POSITION EM “12 HORAS”, VARIABLE EM CAL, TIME/DIV 2


ms/DIV x10 MAF EM OFF.

2 – Após ligar o osciloscópio e calibra-lo, varie a freqüência de:

Freqüência no Período lido no Freqüência obtida


1
gerador de ondas osciloscópio a partir de f  T
200 Hz
210 Hz
220 Hz
230 Hz
240 Hz
250 Hz
260 Hz
270 Hz

3 – Para o caso devido encontre Vpico e Vpico-a-pico

Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna


Prática 05
Introdução ao uso de osciloscópio
Parte 1: Calibração do instrumento

Parte 2: Onda contínua


Procedimento:

2 – Após ligar o osciloscópio e calibra-lo, varie a tensão elétrica medindo no osciloscópio e


no multímetro encontrando o erro:

Tensão elétrica no Tensão elétrica no Erro (%)


voltímetro (V) osciloscópio (V)
10
10,5
11
11,5
12
12,5
13
13,5
14
14,5
15
15,5

Tensão elétrica no Tensão elétrica no Erro (%)


voltímetro (V) osciloscópio (V)
16
16,5
17
17,5
18
19,5
20

3 - Varie de 0V a 440 V utilizando o varivolt

valor obtido  valor adotado


Erro  x100
valor adotado

Laboratório Física IV – Ótica, ondas e física moderna


Prática 06

1 - Semicondutores (Diodo)
Figura a – Polarização Direta do diodo

Figura b – Simbologia do diodo Figura c – Circuito com diodo

Figura b – Diodo emissor de luz (LED)


2 – Após ligar o circuito acima, ligue o osciloscópio ao LED, varie a
tensão elétrica de:

Tensão elétrica na Tensão elétrica no Tensão elétrica no


fonte (V) voltímetro osciloscópio
0,2 V
0,4 V
0,6 V
0,8 V
1,0 V
1,2 V
1,4 V
1,6 V
1,8 V
2,0 V
2,2 V
2,4 V
2,6 V
2,8 V
3,0 V
3,2 V
3 - Varie de 0V a 440 V utilizando o varivolt e meça o PIV, ou seja, a
tensão inversa no diodo.