Você está na página 1de 12

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DOM BOSCO - UNDB

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CARLOS ALBERTO FERREIRA DA SILVA JUNIOR

CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DA NR-18 EM OBRAS VERTICAIS


MULTIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS DO MARANHÃO

São Luís
2015
CARLOS ALBERTO FERREIRA DA SILVA JUNIOR

CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DA NR-18 EM OBRAS VERTICAIS


MULTIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS DO MARANHÃO
Projeto de monografia apresentado ao Curso de
Engenharia Civil, da Unidade de Ensino Superior Dom
Bosco – UNDB, como requisito parcial para obtenção
do título de bacharel em Engenharia Civil.

Orientador(a): Prof. Esp. em Segurança do Trabalho

São Luís
2015
SUMÁRIO

1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO............................................................. 3
1.1 Tema.............................................................................................................. 3
1.2 Delimitação do tema.......................................................................................... 3
21.1.1 PROBLEMA................................................................................................ 3
1.1.2 Hipóteses........................................................................................................
2.1 4
3 OBJETIVOS.................................................................................................... 5
3.1 Geral.................................................................................................................. 5
3.2 Específicos......................................................................................................... 5
4 JUSTIFICATIVA......................................................................................... 5
5 REFERENCIAL TEÓRICO........................................................................... 6
6 METODOLOGIA.............................................................................................. 8
7 CRONOGRAMA............................................................................................... 10
REFERÊNCIAS................................................................................................. 11
3

1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Nome do Aluno: Carlos Alberto Ferreira da Silva Junior


E-mail: kabecojr@gmail.com
Telefone: (98) 99906-0652; (98) 98123-7954

1.1 Tema

Aplicação da NR-18 em obras verticais.

1.2 Delimitação do tema

Custo de implantação da NR-18 em obras verticais multifamiliares no município de São Luís


do Maranhão.

2 PROBLEMA

Ao longo da última década o Brasil passou por um desenvolvimento considerado


acelerado no setor da construção civil, tal fato é correlacionado ao aumento do poder de
consumo da população brasileira. Com isso, viu-se um desenvolvimento variado de uma gama
de obras por todo o país, como obras de infraestrutura, residenciais, comerciais e outras
diversidades.
Como substrato desse desenvolvimento acelerado o Brasil viu-se diante de acertos
e erros perante a arte de construir com qualidade. Por um lado as iniciativas corretas devem
ser aplaudidas e repetidas, já pelo outro, as incorretas devem ser identificadas e sanadas da
melhor forma possível. Contudo, agir eficientemente para sanar os problemas que este setor
apresenta não é tarefa fácil, pois muitas das vezes os erros são transformados em custos
pesados para o desenvolvimento do projeto.
Baseado nos erros e incertezas a prosperidade do projeto é degradada. Assim, o
desdobramento do projeto é encarecido e, às vezes, inviabilizado pelo complemento do
orçamento primordial, independente da natureza do investimento, público, privado ou misto.
Conforme essa conjectura é notório durante o cotidiano, problemas como obras mal
executadas, obras abandonadas, aditivos estratosféricos, dentre outras consequências visíveis.
4

Podem ser apontadas diversas causas que levem a tal problemática discorrida,
como causas antiéticas, onde soa comum neste país os termos superfaturamento e corrupção, e
as causas técnicas, como os más dimensionamentos e detalhamentos dos itens inerentes ao
desenvolvimento de um projeto, na qual neste país também se faz comum por não ter
competência, ou displicência, dos profissionais técnicos responsáveis pelo projeto. Tais
causas colocam em cheque a confiança nesse tipo de profissional e, portanto, devem ser
atenuadas, sobretudo, no que tange a falta de competência.
Sobre o contexto do dimensionamento e detalhamento dor orçamentos para
desenvolvimentos de projetos, é comum verificar-se a composição dos insumos, tempo
previsto de duração, mão de obra e encargos trabalhistas, mas é amiúde não prever a
quantificação necessária dos itens que dão suporte a execução da obra, no que tange as
condições e ambiente do trabalho na construção civil, previsto pelo Ministério do Trabalho.
Por fim, sabe-se que isso é um equivoco e pode gerar despesas adicionais durante
o progresso do projeto, expondo-o às consequências discorridas anteriormente. Assim, diante
do exposto, o quanto isso pode influenciar economicamente e qualitativamente o
desenvolvimento e controle de um projeto de obras verticais, conforme escolhido para o
estudo?

2.1 Hipóteses

A pesquisar em desenvolvimento parte do princípio da necessidade e


obrigatoriedade de implantar as exigências da NR-18 em obras verticais. Onde encontra-se,
apesar da obrigatoriedade, diversos problemas correlacionado a sua falta ou má implantação
nas obras. Dessa forma, ao longo do desenvolvimento e conclusão almeja-se analisar os itens
exigidos por essa presente norma regulamentadora e as influencias destes para a obra.
Portanto, diante do contexto exposto é exequível supor hipóteses sobre a
problemática abordada, tais como:
a) Identificar os itens presentes na NR-18 que influenciam as construções
verticais;
b) Quantificar e qualificar as influências para esse tipo de construção e seus
responsáveis conforme o estudo teórico e de campo;
c) Estimar de forma precisa ou percentual o quanto os custos de implementação
dos itens presente na determinada norma citada podem custar a empresa;
5

d) Verificar as consequências da falta de aplicação da NR-18 para os responsáveis


da obra.
e) Apresentar uma conclusão considerando as condições possíveis e encontradas,
em termos econômicos para a empresa.

3 OBJETIVOS

3.1 Geral

Analisar os custos correlacionados com a implantação das medidas previstas na


NR-18, que dispões sobre as condições e ambiente do trabalho na construção civil, em obras
verticais multifamiliares no município de São do Maranhão. Partindo do pressuposto no que
tange o seguimento orçamentário, controle e qualidade da obra.

3.2 Específicos

a) Verificar na NR-18 quais os itens aplicáveis em construção de obras verticais;


b) Identificar os itens que geram custos para o desenvolvimento da obra;
c) Comparar a natureza dos custos gerados por esses determinados itens;
d) Realizar uma análise sobre o orçamento realizado, para desenvolver as obras
estudas, de como os custos correlacionados aos itens são abordados no desenvolvimento
do orçamento.
e) Compreender se os itens abordados influenciam no controle e qualidade da
obra;

4 JUSTIFICATIVA

Esta presente pesquisa inicia-se pela constante verificação durante o período


acadêmico da não orçamentação dos itens de segurança e higiene do trabalho, ou apenas parte
deles, dispostos na NR-18. Que por sua vez promove e compromete a reputação dos
profissionais que trabalham nesta área, pelo fato de duvidar-se dos erros corriqueiros com este
tipo de situação, o que gera desconfiança e falta de qualidade no serviço prestado.
Além do fato, que destrinchar esta presente norma contribui efetivamente para a
carreira profissional do Engenheiro Civil, em quaisquer das áreas de sua atuação. Isso
6

colabora como referência para os futuros trabalhos acadêmica a serem desenvolvidos nesta
área, onde se encontra uma grande lacuna de acervos a respeito do foco proposto.

5 REFERENCIAL TEÓRICO

A atividade desempenhada pela indústria da construção civil, no quesito


competitividade é semelhante às demais, com a evolução dos processos construtivos e a
globalização aumenta progressivamente a competitividade neste presente setor. Partindo desse
pressuposto, o investimento em planejamento e orçamentação passou a ser considerado um
fator inerente a sobrevivência de qualquer empresa desse seguimento. Dessa forma, evitar o
máximo de desperdício em qualquer fase do projeto é sempre visto com bons olhos pelos
responsáveis da empresa.
O Engenheiro Civil Aldo Dórea Mattos é considerado um dos principais nomes
deste país no quesito de planejamento e orçamentação, em alguns de seus livros ele traz
muitas observações sobre o planejamento e a orçamentação, além de mostrar a sua
importância e aplicação. Mattos (2010), cita que estudos realizados no Brasil e no exterior
indicam que o planejamento e controle tem papel significativo nas empresas, na medida em
que tem forte impacto no desempenho da produção. Pois ele, refere-se que “deficiências no
planejamento e no controle estão entre as principais causas da baixa produtividade do setor,
de suas elevadas perdas e da baixa qualidade dos seus produtos”.
Além do planejamento, Mattos (2006) fala sobre o mérito da orçamentação para a
empresa, da seguinte forma, “Um dos fatores primordiais para um resultado lucrativo e o
sucesso do construtor é uma orçamentação eficiente. Quando o orçamento é mal feito,
fatalmente ocorrem imperfeições e possíveis frustrações de custo e prazo”. Isso mostra que
para o desenvolvimento de um projeto é fundamental planejar e orçar com um grau de
competência elevado, com a finalidade de alcançar resultados satisfatórios em termos de
economia, de duração e de qualidade.
Em termos literários, planejamento segue a linha de raciocínio que o fato de
determinar um conjunto de atividades para otimizar um determinado objetivo. Já a
orçamentação é a avaliação do custo do serviço ou da obra. Ao analisar essas definições
percebe-se que para desempenhar essas atividades, planejar ou orçar, é inerente conhecimento
técnico na área de atuação.
Tratando-se do setor de construção civil, existe uma gama de componentes que
geram custo para o projeto e o planejamento. Os mais comuns considerados em termo dos
7

custos diretos são a mão-de-obra de operários, material, equipamento, e em termos de custos


indiretos a equipe de supervisão e apoio, despesas gerais do canteiro de obras, taxas, dentre
outros. Isso mostra a total displicência para alguns outros itens que devem ser considerados na
fase de planejamento e orçamentação com a finalidade de evitar transtornos econômicos ou de
duração do projeto, como os itens previstos na NR-18 que são obrigatórios e muitas das vezes
são lembrados somente no momento de sua utilização. Dessa forma, o substrato é aumento do
custo do projeto, aumento de duração, ou até mesmo problemas com o Ministério do Trabalho
por não conceder as devidas condições de desenvolvimento conforme previsto na presente
norma citada.
Pela evidente necessidade de análise e levantamento em faze de planejamento e,
sobretudo, na fase de orçamentação que esta pesquisa tem por finalidade desenvolver o tema
de “Custo de implantação da NR-18 em obras verticais multifamiliares no município de São
Luís do Maranhão”. Tal desafio, baseia-se nas determinações da Norma Regulamentadora 18,
Condições e Meio Ambiente e Meio Ambiente na Indústria na Construção, disposta pelo
Ministério do Trabalho deste Presente País.
Nos termos da Norma Regulamentadora 1 - Condições Gerais (NR-1), é exposto
em seu primeiro item a seguinte afirmativa, conforme a seguir.
“1.1. As Normas Regulamentadoras - NR, relativas à segurança e medicina do
trabalho, são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos
órgãos públicos da administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos
Poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela
Consolidação das Leis do Trabalho – CLT”.
Portanto, pelo fato de ter caráter obrigatório as empresas de construção devem
obedecer às disposições previstas na NR-18 a risca, caso não cumpra a empresa pode sofrer
punições de acordo com esta presente norma. Dessa forma, é significante conhecer os itens
que estão dispostos nesta norma para planejar a sua aquisição e uso, além de colocar seus
itens no orçamento a fim de evitar os problemas descritos anteriormente, e as penalizações do
Ministério do Trabalho por descumprimento dessa norma.
Com o embasamento da NR-18 e com dos dados que serão obtidos do estudo de
campo, dentre as quais será estabelecido algumas obras de construção vertical multifamiliares
para a obtenção dos dados, será feito uso de algumas técnicas de planejamento para
correlacionar os itens e sua importância em termos econômicos. Tais como o conceito
empregado na técnica da Curva ABC.
Segundo a editora PINI, em seu site de denominação Equipe de Obra Pine, é
definido o conceito de Curva ABC da seguinte forma, “A curva ABC é um orçamento
organizado de modo a destacar os itens - insumos, mão de obra e equipamentos - que mais
8

pesam no custo total de uma obra ou de um serviço. Assim, os elementos mais relevantes da
tabela aparecem logo nas primeiras linhas, facilitando sua visualização e controle”. Essa
pressente técnica é usualmente utilizada para análise dos insumos, equipamento e mão-de-
obra seguindo a mesma displicência de não considerar os itens de higiene e segurança do
trabalho previsto em norma.
Por fim, além de identificar os itens presentes no contexto de higiene e segurança
do trabalho presente na norma disposta pelo Ministério do trabalho será feita uma comparação
com os demais custos da obra usualmente considerados pelo planejamento e orçamento da
obra, uma comparação entre cada custo correlacionado a NR-18 entre si para composição da
curva ABC entre os itens de segurança e higiene do trabalho e por ultimo uma comparação
com as punições pela falta de implantação dos itens da NR-18.
Assim, deseja-se alcançar os objetivos gerais e específicos propostos para este
projeto de pesquisa. Com qualidade e eficiência satisfatória.

6 METODOLOGIA

Esta presente pesquisa a ser realizada para o embasamento ao desenvolvimento da


monografia sobre “O custo de implementação da NR-18 em obras de construção verticais
multifamiliares no município de São Luís do Maranhão” será subsequente de um estudo de
caso de onde se classifica como qualitativo e quantitativo, partindo do referencial teórico
disponível em análise de amostras e estudo da literatura disponível em jornais, sites de
empresas do ramo estudado, documentários, artigos, livros e revistas. Assim, terá caráter
descritivo e comparativo, evidenciando uma abordagem analítica e conclusiva fundamentada
nas no material de apoio.
O principal referencial teórico a ser abordado neste projeto de pesquisa,
primeiramente, são as informações disponíveis na NR-18. A partir dos itens e informações
pertinentes ao contexto e delimitação abordados será possível prosseguir o desenvolvimento
do estudo de caso, onde serão acompanhadas algumas amostras de obras verticais com a
finalidade de presenciar como as informações contidas nessa norma regulamentadora são
consideradas na prática.
O substrato das informações retiradas da análise das obras serão quantificados,
qualificados e comparados com as diversas obras entre si. Isso tem por finalidade criar
sensibilidade das influências dos itens estudados para cada obra, com as características
regionais do Maranhão.
9

Sobre as obras a serem estudas está se estimando, inicialmente, uma quantidade


de 100 colaboradores por obra, variando em 20 colaboradores para mais ou para menos.
Dessa forma, pela complexidade da pesquisa estima-se que serão analisadas de 3 a 5 obras
neste presente município de São Luís.
Ao final da pesquisa, pretende-se desenvolver o artigo com base nas análises dos
levantamentos de dados feitos, teórico e prático. Dessa forma, espera-se enquadra-se nas
exigências impostas ou propostas pelos regulamento desta presente instituição.
10

7 CRONOGRAMA

2015 2016
ATIVIDADES

Mar.
Nov.

Abr.

Ago.
Mai.
Out.

Jun.
Dez.

Jan.

Fev.

Jul.
Elaboração do Projeto de
X X
Monografia
Levantamento Inicial do
X X X X
Material Bibliográfico
Submissão do Projeto à
X
Coordenação de Curso
Formulação do Plano
X X
Provisório do Assunto
Leitura e Análise das
Fontes Bibliográficas X X X X X X X
e/ou Documentais
Coleta de Dados X X X X
Análise dos Dados X X X
Elaboração da
X X X X X X X
Monografia
Entrega da Monografia X
Defesa da Monografia X
Tabela 1- Cronograma de Desenvolvimento Monografia.
11

REFERÊNCIAS

MATTOS, Ald oDórea. Planejamento e controle de obras. São Paulo; Pini, 2010.

MATTOS, Aldo Dórea. Como preparar orçamentos de obras: dicas para orçamentistas,
estudos de caso, exemplos. São Paulo: Editora Pini, 2006.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. NR-1: Disposições Gerais. Brasília: SSST/MTb:


FUNDACENTRO, 2009.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. NR-18: condições e meio ambiente de trabalho na


indústria da construção. Brasília: SSST/MTb: FUNDACENTRO, 2011

PINI. PINI WEB Equipe de Obra. Orçamentista. Disponível em: <


http://techne.pini.com.br/engenharia-civil/157/orcamentista-figura-estrategica-no-
organograma-das-construtoras-profissional-garante-286697-1.aspx>, Acesso dia: 01.10.2015.