Você está na página 1de 10

I CARTILHA DE ORIENTAÇÃO PARA A

ERRADICAÇÃO DO FENÔMENO DA
CMDCA - Campinas
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE
CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA
CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
VDCCA
DE CAMPINAS

Comissão de Combate à Violência Doméstica


Contra Crianças e Adolescentes/Quebrando o Silêncio
Rua Ferreira Penteado, 1331
Cambuí - Campinas - SP
Telefone: 3254-9263
Fax: 3254-9357
E-mail: cmdcacampinas@hotmail.com

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPINAS

COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS


DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
DE CAMPINAS
CMDCA
COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE

COMISSAO DE VDCCA

I
I

MATERIAL ELABORADO PELA


COMISSÃO DE COMBATE À VIOLÊNCIA
DOMÉSTICA
CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
DO CMDCA - CAMPINAS/SP

ÍNDICE
1. INTRODUÇÃO
Projeto Gráfico: 2. DEVER DE TODOS
Marilia Cotomacci 3. VAMOS COMEÇAR FALANDO
Maurício Squarisi DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
4. COMO IDENTIFICAR A VDCCA
Ilustrações
5. MARCAS VISÍVEIS QUE A VDCCA
MAURÍCIO SQUARISI
PODE DEIXAR
6. O QUE FAZER
Campinas,SP - março 2005
7. BIBLIOGRAFIA
1

I
I
1. INTRODUÇÃO Um fator importante desta violência é que
as Crianças vitimizadas, podem tornar-se adultos
que vitimizarão seus filhos.

A Violência Doméstica contra Crianças e


Adolescentes - VDCCA, praticada por pais,
responsáveis ou outros parentes, denominada
Violência Doméstica é muito comum na maior
parte do mundo, inclusive no Brasil e vem
preocupando e mobilizando profissionais de
diversas áreas e
a sociedade em geral.
Uma criança que devido à Violência Doméstica
necessite de atendimento hospitalar,
normalmente foi vítima de violências menos
severas sem que a comunidade denunciasse,
ou seja, a escola, o centro de saúde,
a igreja e a vizinhança.
A omissão em não denunciar os casos de
O que caracteriza a Violência Doméstica Violência Doméstica contra as Crianças
é o abuso do poder do mais forte - o adulto, e Adolescentes, pode ocasionar seqüelas físicas e
contra o mais fraco - a Criança. emocionais para o resto da vida e a própria morte.
2 3

I
I
2. DEVER DE TODOS EXISTEM 4 TIPOS DE VIOLÊNCIA
DOMÉSTICA RECONHECIDOS
É dever de todos, denunciar qualquer tipo de
VDCCA, conforme determina a Constituição
Bater, beliscar, espancar, puxar orelhas
Federal no seu artigo 227 § 4º e o ECA no seu
e cabelos,ou seja, tudo que vai desde um tapa
artigo 4º, prevendo punição não só para os que
até o espancamento, deixando ou não marcas
praticam a violência como também para os que
evidentes,chegando ou não a fatalidade
se omitem em denunciá-la.
da morte, são formas de VIOLÊNCIA FÍSICA.

Ameaçar, amedrontar, gritar, acusar, xingar,


zombar, criticar, humilhar, discriminar ou exigir
3. VAMOS COMEÇAR FALANDO
demais de uma criança, são formas de
DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA VIOLÊNCIA PSCOLÓGICA
A Violência Doméstica contra a Criança e o
Adolescente inclui toda ação ou omissão praticada
por seus pais, parentes ou responsáveis,
causando-lhes algum tipo de dano. Essa forma de
violência representa um abuso do poder do adulto
em relação à Criança e ou Adolescente,
que ao invés de protegê-los, coloca-os em risco
4 5

I
I
Falar obsenidades, expor a Criança à 4. COMO IDENTIFICAR
materiais pornográficos
A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
(fotos, revistas e filmes)
esfregar-se, tocar ou manipular
CONTRA A CRIANÇA E
partes intimas com o O ADOLESCENTE
objetivo do prazer, forçar São vários os indícios que as Crianças e
a criança a praticar atos Adolescentes vítimas de Violência Doméstica
pornográficos, usar o Adolescente/Criança para podem apresntar.
obter prazer sexual, manter relação sexual com Obviamente, cada pessoa reage de modo
ou sem penetração, com ou sem violência são particular e não existe um comportamento isolado
formas de VIOLÊNCIA SEXUAL. que possa confirmar a ocorrência de
Violência Doméstica.

Descuidar em relação à alimentação, à saúde,


à vida escolar, vestuário, higiene,
não provendo as necessidades básicas
materiais e emocionais, deixar de supervisonar
as atividades de maneira a prevenir riscos são
são formas de NEGLIGÊNCIA.
6 7

I
I
TIPOS DE VIOLÊNCIA CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA

VIOLÊNCIA FÍSICA Oculta e justifica as lesões da criança de modo


não convicente ou contraditório; geralmente
considera a Criança má e desobediente; pode
existir abuso de álcool ou drogas;
INDICADORES FÍSICOS
as expectativas sobre as Crianças são
NA VÍTIMA excessivamente idealizadas;defende uma
Presença de lesões no corpo,tais disciplina severa;normalmente tem antecedentes
como: queimaduras, feridas, cortes, de Violência Doméstica na família.
mordidas, cortes, vergões,fraturas
que não condizem com a causa
atribuída. Ocultação de lesões
antigas e não explicadas.

COMPORTAMENTO DA VÍTIMA

Muito agressivo, apático,temeroso,


hiperativo ou depressivo, tendências ;
auto-destrutivas e ao isolamento, .
baixo auto-estima, tristeza,
medo exessivo dos pais, relato de
causas pouco prováveis às lesões fugas
de casa, problemas de aprendizado,
faltas freqüentes na escola.
8 9

I
NEGLIGÊNCIA
I VIOLÊNCIA SEXUAL
INDICADORES FÍSICOS
INDICADORES FÍSICOS NA VÍTIMA
NA VÍTIMA
Dor ou inchaço na área genital ou anal.
O desenvolvimento da Criança é
Secreções na vagina ou no pênis;
abaixo do esperado; problemas
infecções urinárias; doenças sexualmente
físicos e necessidades não
transmissíveis; comprometimento no
atendidas; doenças reincidentes
controle das fezes e urina; dificuldades
ou não tratadas; desnutrição;
e doenças emocionais
desidratação e falta de higiene;fadiga;
vestimenta inadequada ao clima.
COMPORTAMENTO DA VÍTIMA
COMPORTAMENTO DA VÍTIMA Apresenta comportamento sexual inadequado à
Comportamento calmo demais ou agitado;faltas idade; fugas de casa; não confia em adultos;
e atrasos constantes à brincadeiras sexuais agressivas; vergonha
escola e ao atendimento excessiva; idéias ou tentativas de suicídio;
médico; comportamentos auto-flagelação;depressão;
imaturos ou depressivos. sentimento de culpa; baixa auto-estima.

CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA


Evita contatos da Criança com a comunidade,
É apática e passiva, parecendo não se importar
Principalmente da escola como espaço de
com a situação da criança;
socialização; é muito possessiva; acusa a
descuidada com a higiene, não
Criança de promíscua, sedutora e
demonstrando
de ter atividade sexual fora de
preocupação com as
casa; crê que o contato sexual
necessidades
é a forma de amor familiar.
da criança.
Oculta o abuso sexual e
10 alega outro agressor para11 proteger a família

I
I
VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA
Demostra expectativas irreais sobre a Criança;
INDICADORES FÍSICOS NA VÍTIMA rejeita; aterroriza;
despreza; deprecia;
Comportamentos imaturos; distúrbios do sono e
descreve a criança
dificuldades na fala; faz xixi na cama;
como maldosa
problemas de saúde como obesidade, falta de
ou diferente
apetite, alergias, bronquite, asma.
das demais;
exige demais.

COMPORTAMENTO DA VÍTIMA
Comportamentos tímidos, agressivos, destrutivos
e auto-destrutivos; baixa auto-estima;
isolamento ; depressão; idéia e tentativa de
suicídio; insegurança.

12 13

I
I

I
5. MARCAS VISÍVEIS QUE A VDCCA
FIVELA FACA
PODE DEIXAR
Um sinal ou sintoma são motivos de alarme.
Um conjunto de sinais e sintomas indica a
ocorrência de Violência Doméstica.
Raramente uma prova se apresenta sozinha.

I I
Para isso, temos que estar atentos e vigilantes FERRODE PASSAR FIO ENRROLADO
para sinais de Violência Doméstica:
Eles indicam que é necessário agir rápido.
Suspeitando de violência física, atenção para
algumas marcas de queimaduras e objetos:

I
CIGARRO MORDIDAS

I
VARA/CHICOTE MÃOS/DEDOS

I CINTO

14
GARFOS

I
PÉS

15
LÂMPADAS
6. O QUE FAZER
I 7. BIBLIOGRAFIA
Notifique ou denuncie
ao Conselho Tutelar
e exija providências imediatas. Prefeitura Municipal Rio de Janeiro, Cartilha
Procure Ajuda “PROTEGENDO NOSSSAS CRIANÇAS
caso voce reconheça que E ADOLESCENTES”
comete VDCCA. Rio de Janeiro - RJ - 1996

Conselho Tutelar Azevedo. M. A. Guerra.V.N.A.


• Região Noroeste/Sudoeste “A SÍNDROME DO PEQUENO PODER”
• Região Norte/Sul/Leste Iglu - São Paulo - 1989
Av. Francisco Glicério 1269
2º andar - Centro - Campinas/SP Azevedo. M. A. Guerra.V.N.A.
Fone (19) 3236.2349 e 3236.3378 “COM LICENÇA, VAMOS À LUTA”
Guia de Bolso Telelacri - Iglu - São Paulo - 1998
Centros de Defesa:
CRAMI - Centro Regional de Maus Tratos na Infância ABRAPIA - Maus Tratos contra a Criança
Rua Suzely Norma Bove 274 - V. Brandina - Campinas/SP e Adolescente. Proteção e Prevenção.
Fone(019) 3251.1234 Guia de orientação para profissionais de saúde.
Autores & Agentes Associados - Petrópolis - 1992
CEDECA - Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Ministério da Saúde
Rua General Câmara 177 - Centro - Campinas/SP
FONE (019) 3231.2601 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
Brasília - 1990
DDM - Delegacia da Mulher
Av. Gov. Pedro de Toledo 1.161 - Bonfim - Campinas/SP DESLANDES. S. F.
Fone (019) 3242.7752 E 3242.7608 “PREVENIR A VIOLÊNCIA:
UM DESAFIO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE”
Em caso de danos físicos providencie Boletim de FIOCRUZ/ENSP/CLAVEZ - Rio de Janeiro - 1994
Ocorrência pois, quando necessário, só assim será possível
o exame de corpo delito.
16 17