Você está na página 1de 4

Psicomotricidade

Psicomotricidade – “coisa híbrida” – campo interdisciplinar


Estudar e investigar as noções psíquicas e sistêmicas entre corpo e mente

Como?
Duas grandes formas tradicionalmente – duas correntes
Psicomotricidade funcional – centrada na funcionalidade, questões neuropsicomotoras,
esquema corporal, corpo real
Nossa capacidade motora tem um substrato por trás que é neurológico
Fundamentação teórica: neurociências
Psicomotricidade relacional – um pouco da funcionalidade, corpo real e entramos na
dimensão do corpo imaginário, corpo dos afetos, relações tônico-emocionais. Não se preocupa
com o esquema corporal, mas com a imagem corporal.

- Esquema corporal é igual em todos nós:


- Fatores psicomotores
Tonicidade
Noção do corpo (Sentido sinestésico do corpo)
Equilíbrio
Praxias (global/fina)
Estrutura espaço-tempo
Lateralidade

- Imagem corporal é diferente em todos nós, associada a nossa história


Vida intrauterina
Mãe suficientemente boa (Winnicott)
Envelopamento

Winnicott
- objeto primário da criança: mãe
A criança precisa de ter um contato constante pra mãe
- preocupação materna primária
- normalmente, cria-se depois dos primeiros pontapés dentro da barriga
- Até os 6 meses de idade: capacidade da mãe de sonhar o filho, desejar o filho, querer
o filho, imaginar o filho no futuro, queira envolver constantemente aquela criança com
ela
- mães têm dificuldade de aceitar o corpo como grávida – luto pela perda da
funcionalidade
- diferente de mãe suficientemente boa
- mãe suficientemente boa
- a partir dos 6 meses, a criança começa a se afastar, mas sente medo e volta aos
braços da mãe: angústia da separação – momentos em que a criança tem que estar
presente para conter a criança
- a mãe tem que deixar a criança ter liberdade pra se afastar
- holding
- cuidados afetivos com a criança
- handling
- cuidados físicos: lavar, alimentar, vestir, pôr num ambiente quente
Habitar o corpo
Ter uma imagem de si, consciência de ser
Processo de construção egoica da criança: eu corporal, eu psíquico. Através das trocas tônico-
afetivas entre a mãe e a criança (é envelopada, alimentada) -> ela começa a perceber que ela é
diferente do outro. Até os 6 meses, ela não distingue que a mãe é diferente dele – distinguir
entre a boca dela e o seio, por exemplo (estado fusional – não há estrutura egoica)

- Traços autistas: cortes do convívio entre a criança e a mãe até os 6 meses de idade

Psicomotricistas
- intuito terapêutico e profiláticos
- reassegurar as crianças nas situações que não estão resolvidas na relação objetal
- corpo imaginário: corpo que expressa o que está no inconsciente da criança
- fantasmas corporais/ objetos maus da criança (aquilo que incomoda a criança)

Como a criança através do corpo demonstra seus fantasmas, através do movimento e do jogo?

Adultos expressam o que lhes ficou de quando eram crianças


Idosos – perda de funções – angústia da perda

Através do corpo, podemos ler os fantasmas da criança. Como a criança se sente com ela
própria.

Catarse - entrar em contato com aquilo que estava recalcado (escondido) em nós. E o
repetimos.

Corpo: processo de associação de ideias não é verbal, mas no jogo. Em ações, de


comportamentos. Através do corpo.

- Identificação/ Diagnóstico
Pode ser feito através da observação, depois pode ter um check-list de comportamentos que
espera
Observação factual: descrever tudo que observa e retirar o que lhe interessa.
Avaliação: testes ou questionários – instrumentos
Sem identificação/diagnóstico, não deve-se ter um planejamento ou intervenção.

- Perfil intraindividual de aquisições básicas (competências básicas) – Perfil psicomotor


Áreas fortes (adquiridas) e áreas a desenvolver
Tonicidade
Noção do corpo
Equilíbrio (estático/dinâmico)
Praxia fina
Estrutura espaço-tempo
Lateralidade
- Formulação de objetivos
Definir objetivos específicos a cada 3 meses (áreas fortes e fracas)
Planejar objetivos operacionais (em cada sessão)
Associar tarefas a um objetivo operacional -> alcançar determinados objetivos específicos
Devemos começar sempre a intervenção clínica, educativa por uma área forte -> não começar
por um insucesso
Alternar entre área forte e área fraca – o tempo da área fraca e da área forte é diferente
Noções do corpo: fechar os olhos, tocar uma parte do corpo e nomear
Espaço-tempo: lançar a bola até a parece e chegar até a parede antes da bola
Uma área fraca – sentimos “insucesso”

- o professor define que só quer acompanhar por no máximo 3 anos – não ficar repetindo
demais – escolher outro psicomotricista

- Domínio cognitivo (Obj geral)


Melhorar a atenção (obj específico)
- manter a atenção durante a atividade (obj operacional)
Melhorar o processamento simultâneo
Melhorar o processamento sucessivo
Repetição de elementos de acordo com uma sequência ou ordem específica
- Melhorar a planificação
- Melhorar a expressão oral
- Melhorar a expressão escrita
- Domínio relacional
- melhorar a estabilidade co
Desenvolver as competências sociais
- Domínio psicomotor
Melhorar a tonicidade
Melhorar a noção do corpo
Melhorar o equilíbrio estático
Melhorar o equilíbrio dinâmico

- Plano reeducativo-terapêutico individualizado (PRETI)


Objetivos neuropsicomotores
Objetivos cognitivos
Questões relacionais/afetivas

- Implementação de programas

- Avaliação reabilitacional
Processo de reavaliação (no final ou no meio) – mas reavaliar sessão a sessão
Manual da avaliação psicológica – autor:

Vitor da Fonseca: tese de doutorado – associar os fatores psicomotores a uma teoria de


neuropsicologia – testes do Luria

Luria: A proficiência motora é fruto de um funcionamento neuronal. O nosso funcionamento


cortical está dividido em 3 unidades funcionais:
- 1ª unidade funcional: Tônus e equilíbrio (tronco cerebral – sistema ativador articular
ascendente – ativar o sistema de vigilância “arousal” – estar alerta, atenção e sistema ativador
articular descendente - )
- 2ª unidade funcional: Lateralidade, noção do corpo e estrutura espaço-tempo
Córtex gnósico: capacidades perceptivas, nosopráticas (interpretar as informações sensoriais e
realizar um gesto)

Córtex parietal, occipital (visão), temporal (audição – codificar o que é dito)


Área de Wernick – identificar o significado das palavras – entender o que é dito
Córtex somato-sensorial
Área associativa – associa lobos – sulco central

Primeira camada dos neurônios: recebe as informações


Segunda camada de neurônios: decodificam as informações (dar sentido)
Terceira camada de neurônios: onde se armazenam as informações (memórias)

- 3ª unidade funcional: Praxias globais e finas


Córtex frontal e pré-frontal.
No córtex frontal tem uma parte motora
Realização do movimento planejado. Planejar (pré-frontal)
Capacidade de planejar, decidir comportamentos, ações, movimentos.