Você está na página 1de 9

COMO FUNCIONA O MICROSCÓPIO ELETRÔNICO

Existe um limite para o menor objeto que podemos visualizar por meios ópticos e que é dado pelo
comprimento de onda da luz utilizada. Com a substituição da luz por um feixe de elétrons
conseguimos visualizar objetos muito menores, com amplificações que chegam a centenas de
milhares de vezes. O microscópio eletrônico é hoje um instrumento de pesquisa indispensável para a
aproximação do homem dos limites do micro-cosmos. Veja neste artigo como funciona este
importante dispositivo eletrônico.
Para vermos qualquer objeto devemos iluminá-lo. A luz que o objeto reflete e absorve, em relação ao
fundo que também reflete ou absorve esta luz nos dá o necessário contraste para sua visualização
(figura 1).

Quando pensamos nos objetos que nos envolvem, de dimensões consideradas normais, a luz
disponível não tem qualquer efeito quanto a uma eventual dificuldade de visualização.
Com a inversão do microscópio óptico comum entretanto, os primeiros problemas começaram a
aparecer.
As lentes usadas não refratavam os diversos comprimentos de onda da luz comum no mesmo modo,
e esta diferença fazia com que nas grandes ampliações contornos dos objetos ficassem "coloridos".
Apareciam franjas de cores que se separavam do espectro da luz branca, dificultando a visualização
dos contornos dos pequenos objetos que então perdiam a definição, (figura 2).
Estas franjas que já haviam sido notadas em outros experimentos, notadamente os feitos por
Newton Huygens, Fresnel e outros já haviam revelado que a luz branca era formada por uma
"mistura" de comprimentos de ondas de uma ampla faixa, sendo estes correspondentes as de
diversas cores, (figura 3).

Ao mesmo tempo que os fabricantes de microscópios e também de telescópios se esforçavam para


desenvolver aparelhos em que este efeito não se fizesse sentir, com o aperfeiçoamento das lentes
acromáticas, por exemplo, e nos casos dos telescópios dos tipos refletores (Newtonianos), a natureza
da luz era colocada em prova numa disputa de gigantes envolvendo Huygens e Newton, (figura 4)
Enquanto uma afirmava que a luz era formada por um corpúsculos (Newton) o outro (Huygens)
afirmava que a luz era constituída por ondas.
Newton perdeu a disputa, mas somente parcialmente. A natureza da luz, como onda
eletromagnética logo foi comprovada e com isso os fenômenos que afetam a construção de muitos
instrumentos ópticos puderam ser melhor compreendidos e superados.
Mas, justamente a natureza ondulatória da luz é que pode explicar uma limitação para a ampliação
dos microscópios que já citamos na introdução.
Uma onda pode refletir-se ou absorvida por um objeto cujas dimensões não sejam muito menores
que seu comprimento. Se o objeto se torna muito pequeno em relação ao comprimento da onda, ela
começa a ignorá-lo passando por ele como se nada existisse no local, (figura 5).
O comprimento da onda da luz do espectro visível é um número muito pequeno. os 4500 aos 7000
Angstroms desse espectro visível correspondem a dimensões de 0,45 a 0,7 microns ou milionésimos
de metros.
Tratam-se de dimensões extremamente pequenas para objetos do mundo visível mas não para o
mundo que os cientistas desejam observar com seus microscópios.
Não podemos visualizar moléculas e átomos de muitas substâncias justamente por suas dimensões
estarem abaixo destes valores e portanto a luz comum não permite a sua iluminação individual para
observação.
Existem mesmo alguns seres vivos cujas dimensões se aproximam deste limite o que dificulta
justamente a observação com o aparecimento de fenômenos relativos a reflexão de luz.
Foi justamente a natureza ondulatória de um tipo de radiação que não se suspeitava ter esta
propriedade que deu a solução para o nosso problema.
Experiências feitas com raios catódicos, que nada mais são do elétrons disparados por um catodo,
revelaram que estas partículas tinham propriedades semelhantes a da luz.
Os elétrons manifestavam os fenômenos de difração, interferências típicas das ondas
eletromagnéticas o que permitia associar a sua natureza corpuscular também uma natureza
ondulatória.
Cálculos revelam que aos elétrons era possível associar um comprimento de onda muitas vezes
menor que os comprimentos de onda da luz comum, (figura 6).
De Broglie demonstrou que um feixe de elétrons acelerados a 50 kV, equivalem a uma radiação cujo
comprimento de onda seria 0,0055 nm (nanômetros) o que significava a possibilidade de usarmos
isso como uma poderosa fonte de iluminação.
Veio então a idéia de um microscópio eletrônico, ou seja, usando um feixe de elétrons em lugar da
luz para "iluminar" os objetos que deveriam ser observados.
A primeira vantagem interessante que se observou no sistema é que não seria possível usar lentes
comuns de vidro, mas em seu lugar campos magnéticos, (figura 7).

Urna lente comum desvia os raios de luz, modificando sua trajetória no caso de um microscópio,
conforme mostra a figura 8.
Uma "lente" magnética é simplesmente um campo que aplicado de maneira determinada pode
modificar a trajetória dos elétrons da mesma forma que um raio de luz ao passar por uma lente de
vidro.
Da mesma forma podemos usar lentes eletrostáticas.
Isso é possível porque podemos deflexionar um feixe de elétrons por meio de campos já que estes
possuem cargas elétricas.
Se podemos trabalhar melhor com o feixe de elétrons, temos de considerar outras dificuldades no
uso deste tipo de microscópio.
A primeira refere-se ao fato de que não podemos "ver" os elétrons, pois seu comprimento de onda
está muito além do espectro visível.
O que se faz então é usar Visores (telas especiais) ou então chapas fotográficas que podem ser
excitados pelos elétrons e assim projetar as imagens.
Outra dificuldade a ser considerada é que, enquanto a luz comum ao iluminar um ser vivo não lhe
afeta significativamente, se não for muito forte, um feixe de elétrons o mata.
Desta forma, os espécimes que devem ser observados não podem estar vivos se for usado o
microscópio eletrônico.
Esta dificuldade e ainda ampliada pelo fato de que o feixe de elétrons produzido no interior de
microscópio precisa de vácuo para se movimentar.
Isso significa, que o local em que está o espécime observado deve estar também no vácuo, o que
mataria qualquer ser vivo ali colocado.
A ESTRUTURA DE UM MICROSCÓPIO ELETRONICO
Na figura 9 temos a estrutura básica de um microscópio eletrônico de transmissão.
O catodo do tubo produz um feixe de elétrons que é acelerado por uma tensão entre 40 000 e 100
000 volts.
Um conjunto de lentes eletrônicas reduz a espessura do feixe de elétrons de modo que ele ilumine a
área desejada.
A corrente é então controlada por lentes adicionais, depois de passar pela imagem de modo a se
obter a amplificação desejada que pode variar entre 1 000 e 250 000 vezes.
Esta corrente de elétrons incide então numa tela fluorescente onde é projetada a imagem numa
chapa fotográfica para registro.
Como o feixe de elétrons passa através da amostra neste tipo de microscópio, denominado de
transmissão a amostra deve ser muito fina, para que haja penetração e dispersão segundo as
diversas densidades do material analisado.
Preparo especial do material a ser é analisado permite obter imagens com melhor definição.
Um outro tipo de microscópio eletrônico é o "de exploração" tendo sido desenvolvido a partir de
1948 mas somente industrializado a partir de 1965.
Este microscópio tem sua estrutura básica mostrada na figura 10.

A principal vantagem deste microscópio é a sua capacidade de observar imagens de superfícies


ásperas com um mínimo de necessidade de preparação da amostra.
O princípio de funcionamento deste microscópio lembra muito o da televisão.
Um feixe de elétrons é produzido por um canhão eletrônico e por meio de um circuito de deflexão
apropriados ele varre o objeto a ser observado.
Os elétrons que são refletidos pelo objeto são então focalizados por novos conjuntos de lentes
eletrônicas e incidem numa tela fornecendo assim a imagem final.
A fonte de elétrons deste microscópio é um filamento de tungstênio que tem sua emissão acelerada
por tensões ente 1 000 e 50 000 volts.
Com materiais especiais na emissão de elétrons e um foco preciso, pode-se obter imagens muito
brilhantes de objetos tão pequenos como 5 a 10 nm.
Este tipo de microscópio tem um poder maior de focalização e também de amplificação. As imagens
podem ser ampliadas de 10 a 100 000 vezes simplesmente controlando as correntes das bobinas de
exploração.

USOS DO MICROSCÓPIO ELETRONICO


Este tipo de equipamento não encontra seu uso somente no campo da medicina. Na verdade, em
todos os ramos da engenharia, da química e da física encontramos casos em que a observação de
espécimes muito pequenos se faz necessária.
Na eletrônica em especial, quando nos nossos dias os dispositivos se torna cada vez menores, um
exame de sua estrutura em todos os pormenores só é possível com a ajuda de um microscópio
eletrônico.
A diminuta estrutura de um simples chip só é possível com a ajuda deste tipo de equipamento que
pode ajudar o pesquisador encontrar as melhores geometrias para o desempenho desejado.

Whikipedia:
No microscópio eletrônico não há lentes de cristal e sim bobinas, chamadas de lentes
eletromagnéticas.

Existem três tipos de microscópio eletrônico básico:

 De transmissão - usado para a observação de cortes ultrafinos;


 De varredura (ou M.E.V.) - capaz de produzir imagens de alta ampliação para a observação
de superfícies;
 De tunelamento (ou M.E.V.T.) - para visualização de átomos.