Você está na página 1de 50

Universidade

Federal do Piauí
Centro de Tecnologia
Curso de Engenharia de Produção
Disciplina: Ergonomia

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 18/04/2016


Motivação – Exemplos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 2


Motivação – Exemplos

Controle remoto com 37 teclas –


executa 72 funções

Uma pessoa que não estivesse


atrelada as “novas tecnologias”
terá que passar um bom tempo
lendo o manual, ou pedindo ajuda
a alguém
Isso sem contar com a disposição
físicas das teclas e o seu tamanho...
porém o design desse controle
parece melhor

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 3


Motivação – Exemplos

Suas teclas não


funcionais não Proximidade
chegam a ser
visualmente
desagradáveis...

Porém um deles Similaridade


levou em
consideração o gestalt
Continuidade

A ergonomia relaciona-se com outras áreas. Aqui é um exemplo da relação


com engenharia do produto
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 4
Motivação – Exemplos
Já experimentou comer uma sopa com um garfo?

Difícil comer uma sopa com um garfo...


Para uma sopa, utilize uma colher... Você nem deve
pensar para escolher...
A colher é o melhor utensílio para comer a sopa pois
essa é líquida. O garfo serve para alimentos rígidos
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 5
Motivação – Exemplos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 6


Motivação – Exemplos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 7


Motivação – Exemplos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 8


Motivação – Exemplos

Controle remoto com 37 teclas –


executa 72 funções

Uma pessoa “comum” terá que


passar um bom tempo lendo o
manual, ou seja, praticamente
fazer um curso
Operação de enchimento de um produto final em sacos de 20 kg
Tempo
Peso Postura Rotação de tronco Desconforto
Repetição

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 9


Motivação – Exemplos

Controle remoto com 37 teclas –


executa 72 funções

Uma pessoa “comum” terá que


passar um bom tempo lendo o
manual, ou seja, praticamente
fazer um curso
Operação de paletização de um produto final em sacos de 20 kg
Tempo
Peso Postura Curvatura da coluna Desconforto
Repetição

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 10


O que é Ergonomia?
A ergonomia adapta as tecnologias de acordo com a
necessidade humana, levando em consideração a
relação homem e atividade produtiva
É a tecnologia projetual das comunicações entre
homens e máquinas, trabalho e ambiente
ABERGO
"Entende-se por Ergonomia o estudo das interações das
pessoas com a tecnologia, a organização e o ambiente,
objetivando intervenções e projetos que visem melhorar,
de forma integrada e não-dissociada, a segurança, o
conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas"
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 11
Objetivos básicos da Ergonomia

Reduzir a fadiga, estresse, erros e


acidentes, proporcionando
segurança, sagsfação e saúde aos
trabalhadores, durante o seu
relacionamento com esse sistema
produtivo (IIDA, 2005)

Para vocês que serão engenheiros, devem-se lembrar que a


ergonomia SEMPRE adapta o trabalho ao homem e que sua
adoção no ambiente do trabalho acarreta melhorias em
relação ao trabalhador
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 12
Ergonomia: contexto histórico

Ergon = Trabalho Nomos = Lei, Regra

Ela existe desde os primórdios!


Na história antiga, foi difundida pelos egípcios, gregos e romanos
Está presente no mundo atual de forma tão intensa, que às vezes
não notamos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 13


Evolução da Ergonomia – Período moderno

Século Manuseio inadequado de cargas


XVII

Século Riscos físicos (temperatura, umidade)


XVIII

Século XIX Estudos epidiemológicos

Estudo (empírico) sobre as pás –


Século XX fisiologia do trabalho

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 14


Evolução da Ergonomia – Período moderno
Primeira e segunda guerra Fit the man to the job

Comitê Inglês analisa a saúde e segurança do Estresse, traumas e


trabalhador “atuantes” na guerra acidentes

Psicólogos, engenheiros e médicos juntam-se Rápidos avanços


para promover melhor segurança e conforto tecnológicos

Período pós guerra Fit the job to the man

Human Factors &


Criação do Ergonomics Research Factors
Ergonomics

Análises
Análise da situação real
Ergonômicas
Ferramentas básicas da Gestão da Qualidade 15

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 14


Ergonomia no Brasil

Escola de Eng.
De Produção USP Itiro IIda

Desenho UFRGS Bergmiller


industrial

Escola de
Psicologia USP (Ribeirão Preto) Centro de especialização
Humana

Atualidade

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 16


Domínios da especialização em ergonomia
O International Ergonomics Association (IEA, 2014), subdivide
a ergonomia em três domínios:
Ergonomia física
Ocupa-se com as características anatômicas, antropométricas,
fisiológicas e biomecânicas dos seres humanos na medida que se
relacionam com atividade física (PINHEIRO e CRIVELÁRIO, 2014)

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 17


Domínios da especialização em ergonomia
Ergonomia organizacional
Diz respeito à otimização de sistemas sócio-técnicos,
incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e
processos (PINHEIRO e CRIVELÁRIO, 2014)

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 18


Domínios da especialização em ergonomia
Ergonomia cognitiva
Relaciona-se com processos mentais como percepção,
memória, raciocínio e resposta motora, na medida que eles
afetam as interações entre os humanos e outros elementos
de um sistema (PINHEIRO e CRIVELÁRIO, 2014)

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 19


Estudos referentes a ergonomia
A Ergonomia inicia-se com o estudo das características do
trabalhador para, depois, projetar o trabalho que ele
consegue executar, preservando a sua saúde
A profissional que atua no campo de ergonomia é chamado
de ergonomista
Eles realizam o planejamento, projeto e avaliação de tarefas,
postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas,
tornando-os compauveis com as necessidades, habilidades
e limitações das pessoas
Tais pesquisadores apresentam distintas abordagens
metodológicas na ergonomia. O sistema homem-máquina-
ambiente é uma abordagens que veremos mais a frente
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 20
Ergonomia na empresa

Um dos principais desafios de aplicar a ergonomia na


empresa é convencer os gestores de sua importância

Há um consenso entre os ergonomistas que a ergonomia


numa primeira visão está ligada a saúde e segurança do
trabalhador, buscando garantir a mesma. Para o gestor
tende a significar maior eficiência e menor custo
Contudo, pode-se pensar em ergonomia como fator
auxiliador na alimentação de uma cultura de segurança e
até mesmo numa perspectiva de sustentabilidade (VIDAL,
2011), tornando-se rentável
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 21
Ergonomia na empresa
Na busca por maior otimização de processos e
rentabilidade atrelada com menores custos, o escopo
empresarial trouxe algumas modificações na organização
do trabalho. Pode parecer espetacularmente bom, mas...
Os estudos de tempos e movimentos, padronização de
tarefas e planejamento da organização ficaram a cargo da
gerência que se apropriou do saber do operário
(GUIMARÃES, 2011)
Assim, o trabalho deve ser efetuado visando apenas os
fins e não os meios. PORÉM, a questão da eficiência não
pode ser o eixo central da ergonomia
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 22
Ergonomia na indústria automotiva
Exemplo real
Em uma determinada indústria automotiva situada no Brasil,
alguns setores de produção possuem condições ambientais
atenuadas, além de exigirem esforço físico

Diante disso, o departamento médico faz um


acompanhamento da relação “Absenteísmo x Região corpórea
x Causas”
Posteriormente faz-se uma análise ergonômica por uma
empresa prestadora de serviço
O método adotado pela indústria foi o revezamento de
atividades no setor. Isso minimizou os problemas...
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 23
Ergonomia na empresa
Trabalho escravo
Outro exemplo atual é a
terceirização. Uma modalidade
extrema de trabalho flexível,
possibilitando trabalhar até na
própria casa. Do ponto de vista
da ergonomia e das leis
trabalhistas, essa terceirização
tem seu lado perverso

Além disso, há estudos que mostram que os


trabalhadores terceirizados tendem a sofrer um
maior número de acidentes de trabalho
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 24
Ergonomia: Imprensa nacional

Para uma sopa, utilize uma colher... Você nem deve


pensar para escolher...

A colher é o melhor utensílio para comer a sopa, pois


essa é líquida. O garfo serve para alimentos rígidos

29/09/2006 – Acidente entre o boeing 737 da GOL (Manaus-


Brasília) e o jato Legacy. Faleceram 154 pessoas

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 25


Ergonomia: Imprensa nacional
Imagine as “estradas aéreas” verticais e horizontais entre as
duas cidades em que o boeing fazia o seu trajeto. Somado aos
dispositivos de controle de segurança e orientação “da torre”,
parece impossível que um acidente deste porte aconteça. Por
mais inconclusivo que seja (embora tenha apontado para o
transponder), tiveram algum projeto ergonômico inadequado....
Software – O software de plano de voo deveria entrar na tela
independente dos controladores. O jato estava a 36 mil pés e não 37
Localização – As aeronaves devem aparecer SEMPRE nas telas dos
radares dos controladores. Contudo, alguns dizem que isso não
acontece
Jornada de trabalho dos controladores – Alguns controladores
faltaram, fazendo com que outros assumissem uma dupla função
Carga mental – Pelo mesmo motivo anterior, eles controlavam um
número maior de aviões que o recomendado internacionalmente
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 26
A ergonomia e as ciências
Durante muito tempo a fisiologia e psicologia dominaram a
ergonomia, mas nas últimas décadas a sociologia, antropologia
e a ciência das engenharias contribuíram para a expansão do
conhecimento (SANTOS, BRAVIANO e FIALHO, 2005)

Ciências naturais Ciências sociais


Física Psicologia
Biologia Sociologia
Químca Antropologia

Não há um método definido a nível geral


Experiência, habilidade e tempo

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 27


Sistema homem-máquina-ambiente
“É a unidade básica de estudo de ergonomia e considera que o
homem realiza suas atividades em postos de trabalho que
podem ser classificados como postos de pilotagem (cockpits),
postos industriais (bancadas) e postos de escritórios (offices)”
(MÁSCULO, 2007)
Relação de dualidade baseada em Kroemer e Grandjean (2005)

Velocidade Vagaroso
Precisão Pouca energia
Força Pouca força
Contudo, é mais flexível
e adaptável

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 28


Sistema homem-máquina-ambiente
Parece improvável, mas o ser humano e a máquina estabelecem
relações recíprocas para alcançar uma meta (SOARES e DINIZ, 2011), SE
as qualidades forem usadas corretamente (CORRÊA e BOLETTI, 2015)
A ergonomia vem contribuir para uma melhor interação e compreensão
do sistema homem-máquina-ambiente a fim de otimizar o bem estar do
agente operacional e bom desempenho global do sistema (FONSECA e
CASSANO, 2011)

Adventos Máquinas Problemas no


tecnológicos complexas trabalho

Em uma atividade dentro de uma substação o engenheiro deve estar


sempre alerta pois se tomar uma decisão errada pode ocasionar sérias
consequências
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 29
Máquinas de um sistema

Para a ergonomia, a máquina abrange qualquer tipo de


artefato usado pelo homem para realizar um trabalho ou
melhorar o seu desempenho
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 30
Máquinas de um sistema
De acordo com Iida (2005) pode-se ter dois tipos de
máquinas:
Tradicionais Cognitivas

Algumas máquinas servem para


aperfeiçoar as atividades humanas

Deve-se ressaltar que as máquinas às vezes podem ser


considerados agentes autônomos (HOC, 2007)
Ex: Sistema automático de gestão de voo em aeronáutica
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 31
Interações entre elementos de um sistema
Ambiente externo

Ambiente interno

A nível de melhoria, desenvolve-se um projeto de ergonomia


Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 32
Interações entre elementos de um sistema

Dirigir um carro é um
ótimo exemplo!

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 33


Exemplo de ergonomia: indústria automotiva

Fonte: Bhise (2012)


Considerações que um ergonomista deve fazer em uma
indústria automobilística numa visão holística
Motorista/passageiro Veículo Ambiente

Características
Recursos
Limitações Portfólio
Espaço
Sistemas de
Componentes
Estrada
Metas da Ergonomia: Tráfego
Conforto, segurança - minimização Clima
do esforço físico e mental Dia/Entardecer/Noite

Performance: Como/quando fazer, tempo de conclusão tarefa, erros


Percepção: Qualidade, harmonia, emoções, marca
Preferência: Gosta/não gosta, mais/menos 34
Exemplo de ergonomia: indústria automotiva

Fonte: Bhise (2012)

Desde meados dos anos de 1970 a indústria automotiva começou a colocar a


maior ênfase nos campos aerodinâmica e ergonomia para satisfazer a
economia de energia e as necessidades de conforto (BHISE, 2012)
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 35
Antropometria na indústria automotiva
A utilização de conceitos
antropométricos permite um
melhor design do automóvel

Contudo, o estudo deve verificar


várias amostras de populações
diferentes e de características
Fonte: Gyi (2013)

físicas distintas

Idade, sexo, altura e peso são


extremamente relevantes para
antropometria

Adaptar as ferramentas e instrumentos de um automóvel ao homem


tornou-se essencial. Os vários recursos existentes nesse intuito
transformaram-se em uma grande vantagem competitiva
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 36
Biomecânica na indústria automotiva
1 2 3
Fonte: Bhise (2012)

1 Assentos altos Pés suspensos, pressão nas coxas

Desconforto
2 Almofada longa Lacuna na região lombar
3 Encosto muito curvado Restringe pequenos movimentos

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 37


Cognição na indústria automotiva
Estudo de caso
1) Detecção de fadiga mental do motorista
2) Novo feedback da utilização do freio ABS

A premissa é de que quando estamos sonolentos, nós


bocejamos, temos as pálpebras mais pesadas e a pulsação
desacelera um pouco
A tese é fornecer uma informação adicional para o motorista
sobre a ativação do ABS
É imprescindível considerar a adaptação do motorista, ou seja,
a presença de uma nova tecnologia pode causar alterações no
seu comportamento de forma positiva ou negativa (ULSOY e
AKMAKCI, 2012)
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 38
Ergonomia na indústria automotiva
Estudo de caso
Em uma determinada indústria automotiva situada no Brasil,
alguns setores de produção possuem condições ambientais
atenuadas, além de exigirem esforço físico

Diante disso, o departamento médico faz um


acompanhamento da relação “Absenteísmo x Região corpórea
x Causas”
Posteriormente faz-se uma análise ergonômica por uma
empresa prestadora de serviço
O método adotado pela indústria foi o revezamento de
atividades no setor. Isso minimizou os problemas...
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 39
Softwares de ergonomia na indústria automotiva

Existem softwares ergonômicos voltados para o design de


automóveis. Citam-se dois:

RAMSIS ErgoMan
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 40
Sistema homem-máquina-ambiente: Interface
Os estudos de Pinheiro e França (2006) exibem a interação
entre o homem e a máquina dentro de um ambiente, por
intermédio de uma interface
Adaptado de Fonseca e Cassano (2011)

Homem Máquina

Interface
A interface fornece a tradução entre as duas entidades
(SOMMERER, JAIN e MIGNONNEAU, 2008), ou seja, entre dois
ambientes verificando aspectos que façam a interconexão
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 41
Sistema homem-máquina-ambiente: Interface
Atualmente, nos dispositivos eletrônicos o entendimento
de uma interface é fundamental. Os trabalhadores devem
ser capacitados para os novos dispositivos

Tais dispositivos tornaram-se portáteis, mais velozes e


eficientes e muitas vezes com telas acopladas que servem
como uma interface gráfica
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 42
Tela
Sob a ótica da ergonomia, deve-se tomar cuidado na posição da tela
posicionando-se no melhor ângulo possível de acordo com a
atividade desempenhada

Dependendo do ângulo visão, pode-se comprometer o trabalho de


dispositivos elétricos ou simplesmente na interpretação de dados
sensoriais. As telas devem ser reguláveis, evitando posturas forçadas
(FONSECA e CASSANO, 2011)
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 43
Tela: Leituras, textos e informações
As informações exibidas na tela
devem seguir uma série de
preceitos ergonômicos, que são
elencados por Fonseca e
Cassano (2011): características
do trabalhador e da tarefa,
experiência e conhecimento
prévio, simplificação das telas
ao máximo para reduzir
qualquer carga de trabalho
desnecessária

Outra questão importante é o cuidado com as cores para não embaralhar o


usuário, porém se forem poucas cores que possuem uma combinação
certa, torna-se uma interface amigável ao usuário
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 44
Tela: Leituras, textos e informações (cores)
Cor de fundo
Cor do caractere Utilizar Evitar
Amarelo Magenta, vermelho Branco, azul, verde
Magenta Branco, azul, verde Vermelho
Azul, magenta, verde e
Branco vermelho Amarelo
Azul Verde, branco Vermelho
Verde Amarelo, branco Azul
Vermelho Amarelo, branco Magenta, azul
Adaptado de Fonseca e Cassano (2011)

As cores além de causar uma boa ou má interface gráfica ao


usuário, podem influenciar a parte textual
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 45
Tela: Leituras, textos e informações (cores)
A leitura de um texto A leitura de um texto A leitura de um texto
preto sobre um fundo preto sobre um fundo preto sobre um fundo
branco é considerada branco é considerada branco é considerada
mais confortável do que a mais confortável do que a mais confortável do que a
leitura de um texto em leitura de um texto em leitura de um texto em
branco sobre fundo preto branco sobre fundo preto branco sobre fundo preto

Para a ergonomia e segurança do trabalho o vermelho é


usado para despertar atenção ao trabalhador
Alguns objetos chamam mais atenção do que outros e o olhar é
sempre desviado para sinais mais salientes (GUIMARÃES, 2004)
As informações textuais que aparecem no contexto do trabalho
em forma de manuais, bulas, especificações, rótulos de
produtos, etiquetas e letreiros juntos de máquinas (IIDA, 2005)
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 46
Leituras, textos e informações
Para economizar
papel um
Procedimento
Operacional Padrão
(POP) sobre
manutenção de
motores foi feito em
linhas longas e
poucas espaçadas.
Fácil de ler, certo?
A ilusão de ótica é um fator perigoso para segurança do trabalho e a
ergonomia faz com que isso seja evitado
Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 47
Leituras, textos e informações
Normalmente em um ambiente industrial os trabalhadores buscam
informações de forma sistêmica, rápida e precisa para obter
informações ou solucionar uma dúvida. Tem-se opções...

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 48


Leituras, textos e informações
A utilização de símbolos pode auxiliar a indiretamente a leitura
dado que ajuda a captar a informação e memorizar. Em
contrapartida deve-se ter cuidado na simbologia utilizada...

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 49


Leituras, textos e informações

Hélio Cavalcanti Albuquerque Neto 50