Você está na página 1de 11

DA SÉRIE: ROMANOS: O EVANGELHO DA JUSTIÇA DE DEUS PÁGINA ANTERIOR | PRÓXIMA PÁGINA

Material de Fundo e Argumento do Livro

A. Material de Apoio
O material a seguir aborda questões de importância histórica para a carta de Paulo aos Romanos. Esta carta é
sem dúvida o documento mais importante da fé cristã; está por trás de virtualmente todos os grandes
movimentos de Deus nos últimos 1900 anos.

1. Autor

Embora não haja disputa sobre a autoria paulina, pode ser útil ensaiar, resumidamente, por que esse é o caso.

UMA. EVIDÊNCIA EXTERNA

Os antigos escritores incluíam regularmente os romanos em sua lista de documentos autênticos. Marcion, o
fragmento Muratoriano e um fluxo constante de escritores patrísticos que começam com Inácio, Policarpo,
Justino, Mártir e Irineu, todos assumem sua autoria paulina sem defesa.

B. EVIDÊNCIA INTERNA

“Desde a igreja pós-apostólica até o presente, com quase nenhuma exceção, a epístola foi creditada a
Paulo. Se a afirmação do apóstolo de ter escrito as cartas gálatas e coríntias é aceita, não há base razoável para
negar que ele escreveu Romanos, já que ecoa muito do que está nos escritos anteriores, ainda que não
servilmente ”. 1
Em outras palavras, uma vez que adotamos uma carta dizendo que Paulo é seu autor (por razões inatacáveis),
então temos um padrão de comparação. As cartas coríntias e os gálatas têm sido apenas referências de
autenticidade. E os romanos se encaixam com seu estilo e ponto de vista teológico; além disso, não apresenta
nenhum problema histórico ou outro (por exemplo, eclesiológico) para a autoria paulina.
2. Data e Local de Origem

Esta epístola pode ser datada com relativa certeza. Foi escrito entre 56 e 57 EC. Paulo declara em 15.26-28
que ele acabou de completar a arrecadação de fundos para os pobres crentes em Jerusalém depois de visitar os
crentes na Macedônia e na Acaia. Isso corresponde a Atos 20: 1-2 , identificando o tempo de composição
como o ano depois que Paulo deixou Éfeso em sua terceira viagem missionária.
Paulo estava na Grécia quando escreveu a carta, provavelmente em Corinto. Isto é visto em dois comentários
incidentais: (1) Febe da vizinha Cencréia era aparentemente o portador da carta (16: 1-2) e (2) Caio, que é o
anfitrião de Paulo (16:23), era um proeminente líder cristão em Corinto ( 1 Coríntios 1:14 ).
3. Destino / Audiência
Romanos 1: 7, 15 identificam esta carta como sendo enviada aos cristãos em Roma. Eles eram
predominantemente crentes gentios, como é evidenciado pelas declarações de Paulo para esse efeito em 1: 5,
12-14 e 11:13. Mas havia provavelmente um forte elemento judaico também porque (1) o uso pesado do AT
sugere isso e (2) já que Paulo não encontrou esta igreja, muito provavelmente o elemento judaico seria mais
forte do que em uma de suas congregações.
4. Ocasião e Propósito 2
A ocasião e o propósito estão tão interligados para esta epístola que eles devem ser tratados como um
só. Paulo expressou seu desejo de ir para o oeste todo o caminho para a Espanha (15: 22-24, 28). Como ele já
havia proclamado o evangelho nos principais centros do leste, agora parecia bom para ele ir para o oeste. Mas,
como era seu costume, ele precisava de um "lar emocional", uma base de operações. Antioquia providenciara
que no oriente e Éfeso na Ásia Menor; Paulo esperava que Roma ficasse no oeste. Consequentemente, ele
escreveu esta carta, explicando seu evangelho com cuidado e plenamente, na esperança de que os cristãos
romanos o abraçassem completamente. Além disso, uma vez que sua vida já estava em perigo dos judeus
( Atos 17: 5, 13; 20: 3), Paulo pode ter sentido a necessidade de escrever seus pensamentos sobre o evangelho
de uma maneira sistemática, e não devido a circunstâncias ocasionais. 3
Em suma, o propósito da ocasião de Paulo para escrever Romanos é triplo: (1) ele estava indo para o oeste e
precisava ter uma base de operações em uma igreja que compartilhasse tanto sua visão quanto sua
teologia; (2) ele sabia que sua vida estava em perigo e queria dar algo de uma apresentação mais equilibrada e
sistemática de seu evangelho, para deixar como um memorial; e (3) ele detectou que o antissemitismo surgia
na igreja romana através da influência do edito de Cláudio (para expulsar os judeus de Roma em 49 dC) e
queria dar uma correção teológica a essa atitude.

5. Origem da Igreja

À luz de Rm 15:20 , não há dúvida de que a igreja em Roma não foi fundada por um apóstolo. Isso sugere que
Pedro ainda não estava em Roma. Muito provavelmente, a igreja veio a existir através dos convertidos que
retornaram a Roma, formando Jerusalém após a festa de Pentecostes em 33 EC ( Atos 2:10 ). 4 Mas esta igreja
não teria sido muito bem doutrinada. Marcos pode muito bem ter ido a Roma no início dos anos 50, tanto para
preceder a vinda de Paulo quanto para sustentar quaisquer falhas doutrinárias nos convertidos. 5
6. Tema

Como a mais sistemática de todas as cartas de Paulo, Romanos aborda em detalhes o kerygma paulino, ou
seja, o evangelho de Deus. Romanos 1: 16-17 , que conclui a saudação / introdução, melhor articula o tema de
todo o livro: "a justa revelação de Deus no evangelho".
B. Argumento
Paulo abre sua epístola aos romanos com a introdução mais longa de quaisquer de suas obras canônicas (1: 1-
17). Aqui ele cumprimenta os santos (1: 1-7) que ele nunca havia conhecido, e expressa tanto agradecimento
por eles (1: 8-10) quanto um profundo desejo de visitá-los (1: 11-15). O tema da epístola (lidando com a
justiça de Deus), no final desta introdução (1: 16-17), serve como uma ponte para o corpo do livro.
A transição é especialmente vista na comparação entre vv. 17 e 18: em ambos algo de Deus é revelado. No v.
17 é a justiça de Deus; no v. 18, a fim de estabelecer a necessidadepor esta justiça, a ira de Deus é
revelada. Esta segunda seção da epístola (1: 18–5: 11), cujo tema é a imputação da retidão (isto é, justificação
forense) lida essencialmente com duas questões: pecadores e salvação. Paulo primeiro elabora sobre a
pecaminosidade da humanidade (1: 18–3: 20), demonstrando a necessidade universal da justiça. Ele começa
escolhendo o exemplo mais óbvio: a culpa dos gentios (1: 18-32). As razões para essa culpa são mencionadas
pela primeira vez: elas suprimiram o conhecimento de Deus (1: 18-23). O resultado dessa supressão é que
Deus os libera para as conseqüências de seus pecados (1: 24-32). Mas, para que os judeus não pensem que são
menos culpados, Paulo se dirige ao pecado deles (2: 1–3: 8). Na verdade, ele argumenta que, se alguma
coisa, eles são mais culpados do que os gentios porque eles têm revelação de Deus e são seus privilegiados (3:
1-8), ainda assim eles são hipócritas sobre a verdadeira retidão interna (2: 17-29). Paulo conclui a primeira
metade desta seção principal com a prova das escrituras de que "judeus e gentios estão todos em pecado" (3:
9-20).
Agora que Paulo estabeleceu a necessidade de justiça para todas as pessoas, ele demonstra sua provisão (3:
21–5: 11). Primeiro, foi revelado através da fidelidade de Jesus Cristo, sendo concedido a todos os que
confiam nele (3: 21-26). Segundo, os termos para outorgar essa justiça (ou seja, fé) são os mesmos para todos,
porque Deus é Um (3: 27-31). Terceiro, Paulo apóia esta assombrosa afirmação com a prova da vida de
Abraão (4: 1-25). Em essência, Abraão é visto como pai dos judeus e dos gregos - isto é, ele é um tipo
daqueles que são salvos pela fé. Isto é ilustrado pela evidência de que Abraão não foi justificado pelas obras
(4: 1-8), nem pela circuncisão (4: 9-12), mas exclusivamente pela fé nas promessas de Deus (4: 18-25). Assim
também a sua descendência espiritual é justificada pela fé e não pela lei (4: 13-17, 23-25).

Paulo transita a fé de Abraão para a nossa fé em Cristo (4: 23-25), então conclui a seção sobre justificação
com as implicações dessa justificação (5: 1-11). Mas o "portanto" em 5: 1 remonta a ilustração de Abraão. De
muitas maneiras, 3: 21-4: 25 é uma apologética com 5: 1-11 sendo a aplicação. Visto que todos são pecadores
e não há parcialidade com Deus (3: 22-23), tanto judeus como gentios devem obter essa justiça da mesma
maneira, e o mesmo Deus deve ser Deus de todos (3: 27-31). Essa nova revelação da justiça de Deus é
afirmada pelo AT (3:21) e ilustrada pelo exemplo de Abraão (4: 1-25). Não há como escapar: se um homem
tem Cristo, ele tem paz com Deus agora - e a Lei nada acrescenta à sua salvação (5: 1-2). Consequentemente,
ele exulta na esperança da glória de Deus (5: 1-5).Como os pecadores eram completamente incapazes de lidar
com o pecado deles. Mas Cristo veio no tempo certo e morreu por isso (5: 6-8). O resultado escatológico disso
será escapar da ira de Deus (5: 9-11).
Tendo estabelecido a base do prazer de Deus em nós, isto é, a imputação da justiça (ou justificação forense),
Paulo agora discute a concessão de justiça, ou santificação (5: 12-8: 39). Esta é a terceira seção principal da
epístola. De certa forma, há uma trilogia pura encontrada nesses oito primeiros capítulos. O apóstolo primeiro
discute a justificação que é a salvação da penalidade do pecado (3: 21–5: 11). Então ele trata
da santificação ou salvação do poder do pecado (5: 12-8: 17). Finalmente, ele fala da glorificação que é a
salvação da presença do pecado (8: 18-39). 6
Paulo expõe seus pontos de vista sobre a santificação usando os temas gêmeos de reinar e escravidão. Ele
começa contrastando o reino da graça com o reino do pecado (5: 12-21). Embora muitos estudantes do NT
colocassem 5: 12-21 na segunda seção maior (isto é, sob “Justificação”), “as palavras 'justo', 'justiça' e 'fé' vêm
da primeira parte da citação [ Hab 2]. : 4 em Rom 1:17 ] como dado por Paulo, são de ocorrência muito
freqüente de 1:17 a 5:11, e quase totalmente ausente depois. Por outro lado, os termos que significam 'vida' (e
'morte') ocorrem regularmente nos capítulos 5:12 a 7: 1. ” 7 Assim, o apóstolo parece estar sinalizando que
agora está captando um novo tópico.
Em 5: 12-21 Paulo se move além da questão legal da justificação. O que é essencial para chegar até aqui é que
a justiça imputada aborda a condenação da lei, enquanto a justiça transmitida aborda a incapacidade da
carne. Isto é, a justificação é forense, afirmando enfaticamente que nossa posição diante de Deus é de
retidão. Mas a justificação, como a Lei, não pode fazer nada contra a carne. É por isso que Paulo agora se
volta para a justiça concedida e dá a base de nossa união com Cristo. Nossa união com Cristo é mais do que
forense; é orgânico . 8 Como Adão foi nosso representante no pecado, trazendo morte a todos (5:12), também
Cristo é nosso representante na justiça, trazendo vida a todos (5:18). 9
Já que os crentes estão em Cristo - e, portanto, eles estão seguros de sua salvação, por que não deveriam
continuar pecando? Paulo responde isso na segunda parte desta seção (6: 1-23). Primeiro, eles não devem
continuar ( ἐπιμένωμεν , epuimenōmen ) no pecado por causa de sua união com Cristo - união em sua morte
e sua vida (6: 1-14). Segundo, eles não devem pecar ( ἁμαρτήσωμεν , hamartēsōmen ) porque tal ato leva à
escravização do pecado (6: 15-23). Isso é especialmente hediondo porque nossa libertação da escravidão do
pecado significa redenção para o serviço de Deus (6:22), uma vez que fomos comprados com um preço.
Tendo estabelecido as razões pelas quais não devemos pecar, Paulo agora se volta para a questão de como não
pecar (7: 1-8: 17). Negativamente, nem nossa carne nem a Lei podem fazer nada por nós nesse
empreendimento (7: 1-25). Positivamente, somos santificados pelo ministério do Espírito (8: 1-17).
O capítulo sete é notoriamente difícil de interpretar. Paulo está falando aqui (usando "eu") em um sentido
autobiográfico? Em caso afirmativo, ele está falando sobre sua vida anterior como incrédulo ou sua vida atual
como cristão? (Ambos os capítulos sete e oito são verdadeiros dele ao mesmo tempo?). Ou ele está falando
figurativamente - seja de crentes em geral ou incrédulos em geral?

No meu entendimento, Paulo está lidando principalmente com a questão de como alguém lida com o problema
do pecado presente - independentemente de ele ser crente ou incrédulo. Isso é visto da seguinte maneira. A
exegese mais consistente desta perícope vê o "eu" como a mesma pessoa ao longo de 7: 7-25. 10 Se assim for,
então ele é o incrédulo antes que a Lei fosse dada (v. 9: “uma vez que eu vivi separado da lei”; cf. 5:13) - E,
portanto, nãoum incrédulo judeu. Mas ele também é judeu incrédulo: “Sabemos que a lei é espiritual; Eu não
sou espiritual, vendido como escravo do pecado ”(7:14). Além disso, Paulo acabara de terminar dizendo que
os crentes não estão debaixo da Lei (7: 5). Mas ele também é o crente (v. 25: "Eu mesmo em minha mente sou
um escravo da lei de Deus"; v. 18: "Eu tenho o desejo de fazer o que é bom"; cf. também vv. 21-
22; contra 3:12). 11 À luz dessa evidência, parece que Paulo não está discutindo cronologicamenteem 3: 20-8:
17 (como se dissesse: "depois da salvação, trataremos da santificação"). Em vez disso, ele está lidando com
duas questões distintas, embora interligadas: a imputação da justiça e a concessão da justiça. O capítulo sete é
suprema, então, lidando com a questão de como alguém luta contra o pecado interior - e como alguém tenta
agradar a Deus. Tem sua aplicação para todas as pessoas que tentam lutar contra o pecado / agradar a Deus
sujeitando a carne a comandos externos, como se isso pudesse realizar qualquer coisa.
O apóstolo começa o capítulo sete, no entanto, com um lembrete para os crentes: estamos mortos para a lei (7:
1-6). Visto que é assim, não temos que tentar agradar a Deus ao nos aproximarmos de seus comandos. Mas
isso significa que a lei é ruim? Não, é simplesmente impotente sobre o pecado (7: 7-13). A Lei pode ser
comparada a uma colher estéril mergulhada em um copo de água com sedimentos no fundo (que representa
nossa carne). Quando a colher desperta o sedimento, não produz pecado ; antes, apenas revela isso
(7:13). Mas, ao mesmo tempo, é impotente para limpar o sedimento. 12
Por melhor que seja a Lei, a carne é igualmente má (7: 14-25). E também é impotente para obedecer à lei. O
ponto de 7: 7-25 é que, independentemente de quem tenta combater o pecado - seja crente ou incrédulo -, se o
seu método é submeter a carne à Lei, ele fracassará. Concentrando-se na Lei, um padrão objetivo e frio,
necessita sujeitar a carne a ela, porque a Lei é a serva da carne. Mas desde que os crentes estão mortos para a
Lei, eles são capazes de obter vitória sobre a carne (7: 6, 24-25). 13
Agora vem a boa notícia: aqueles que estão organicamente conectados com Cristo não apenas não são
condenados (8: 1), mas também são libertos da lei que somente poderia produzir pecado e morte (8: 2). Como
isso é feito? Pelo Espírito de Deus que capacita os crentes a obterem vitória progressiva sobre o pecado (8: 1-
8), a morte (8: 9-11) e a escravidão (8: 12-17). O Espírito não é um padrão externo, objetivo e frio, mas um
caloroso testemunho interno em nossos corações de que Deus é nosso Pai (8: 14-17) —promover que estamos
organicamente conectados a Deus Pai, não apenas judiciosamente justificados por Deus o juiz. 14
Finalmente, Paulo conclui esta seção discutindo o objetivo da santificação (8: 18-39), que é a nossa futura
glória - baseada, como é, tanto na justificação forense quanto na união orgânica com Cristo (8: 28-30). Essa
glória precisa ser mantida em mente especialmente durante os sofrimentos atuais que enfrentamos,
simplesmente porque o mundo não é um lugar perfeito (8: 18-27). Mas, para que ninguém desista, achando
que sua participação na glória está em risco, Paulo conclui com um hino de segurança (8: 31-39).

A quarta seção principal agora se volta para uma questão que estaria na mente de seus leitores: Se Deus é tão
justo, como ele poderia dar a Israel tantos privilégios (incluindo promessas incondicionais) e então rejeitar seu
povo escolhido? Os capítulos 9–11 lidam com essa questão (note especialmente 9: 6— “Não é como se a
palavra de Deus tivesse falhado”), a vindicação da justiça de Deus em relação a Israel.

Embora a principal preocupação de Paulo seja justificar a justiça de Deus, ele prefacia suas observações
expressando sua profunda tristeza pelo estado não-arrependido de Israel (9: 1-5). Então ele detalha como Deus
lidou com a nação no passado (9: 6-33). Em essência, a escolha de Deus foi completamente soberana e
graciosa (9: 1-29), como pode ser visto na própria história de Israel (9: 6-13), bem como na base do princípio
da soberania de Deus (9:14 -29). Além disso, eles rejeitaram o Messias ao se apegarem à Lei (9: 30-33).

O trato atual de Deus com Israel, então, só pode ser interpretado com base no passado (10: 1-21). Mais uma
vez, Paulo prefacia suas observações expressando seu desejo pela salvação de Israel (10: 1). Atualmente,
judeus e gentios têm acesso igual a Deus (10: 1-13). No entanto, a nação ainda não se arrepende, apesar de
repetidamente ouvir a mensagem (10: 14-21).

Isso ainda não responde à questão dos pactos incondicionais de Deus com seu povo escolhido. Israel persistirá
em sua desobediência, ou chegará um momento em que eles se arrependerão? Paulo responde a isso no
capítulo 11. Ele aponta, primeiro, que a rejeição de Deus à nação não é completa, pois Deus ainda tem seu
remanescente na nação (11: 1-10). Além disso, a rejeição não é final (11: 11-32). De fato, o presente
“enxerto” dos gentios não apenas funciona para trazer a salvação aos gentios, mas também deve despertar a
inveja dos judeus, o que esperamos que os estimule a buscar a Cristo (11: 11-24). Quando o número de
gentios estiver cheio, então Israel voltará para Deus (11: 25-32). Por isso, todos os crentes devem ser gratos,
pois a janela aberta de salvação não durará para sempre.

O que resta a ser dito sobre a justiça de Deus? Apenas a questão muito pragmática de como deve ser aplicada
pelos crentes (12: 1-15: 13). Primeiro, deve ser aplicado entre os crentes (12: 1-21). Isto é realizado por uma
consagração de nossas vidas a Deus, à luz de tudo o que ele fez por nós (12: 1-2). Uma vez que nos
comprometemos com ele, podemos começar a servir aos outros. Este serviço deve ser feito pelo emprego de
dons espirituais para o benefício do corpo (12: 3-8) e com uma atitude de amor sincero - tanto para os crentes
como para os incrédulos (12: 9-21).

Segundo, a justiça de Deus deve ser aplicada no estado (13: 1-14). Demonstramos a justiça de Deus
submetendo-nos às autoridades pagãs (13: 1-7) e amando nossos vizinhos (13: 8-10). A urgência para tal ação
se deve ao fato de que “nossa salvação está mais próxima agora do que quando cremos primeiro” (13:11) -
isto é, por causa de nossa esperança do retorno do Senhor (13: 11-14).

Terceiro, aqueles crentes cuja fé é forte e que têm uma boa compreensão de sua morte para a Lei, não devem
julgar os irmãos mais fracos (14: 1–15: 13). Nem o fraco nem o irmão forte devem condenar o outro, mas
devem reconhecer a liberdade que todos têm em Cristo (14: 1-12). Mas sua liberdade não deve se tornar uma
pedra de tropeço para os fracos: a liberdade deve dar lugar ao amor (14: 13-23). Ou seja, as liberdades de um
crente não devem fazer com que outro irmão peca pelo fato de este último absorver algo contra sua
consciência (14:23). Em última análise, o crente forte (bem como o fraco) deve imitar a Cristo em sua
abnegação (15: 1-13), ao invés de usar a liberdade como um meio para agradar a si mesmo.

Paulo conclui sua epístola (15: 14-16: 27) com uma breve explicação de sua missão, tanto em geral (15: 17-
21) quanto especificamente com referência aos romanos (15: 22-33), seguidos de saudações finais. (16: 1-27)

C. Esboço de Ensino 15
I. Introdução: A Revelação da Justiça de Deus (1: 1-17)

A. Saudação (1: 1-7)

B. Ação de Graças e Saudade (1: 8-15)

1. A oração de agradecimento de Paulo pelos romanos (1: 8-10)

2. O desejo de Paulo de visitar os romanos (1: 11-15)

C. O tema da epístola (1: 16-17)

II. Justificativa: A imputação da justiça (1: 18–5: 11)


A. Condenação: A Necessidade Universal da Justiça (1: 18–3: 20)

1. A culpa dos gentios (1: 18-32)

uma. A base da culpa gentílica (1: 18-23)

b. Os resultados da culpa gentílica (1: 24-32)

2. A Culpa dos Judeus (2: 1–3: 8)

uma. A teimosia dos judeus (2: 1-16)

b. A hipocrisia dos judeus (2: 17-29)

c. O privilégio dos judeus (3: 1-8)

3. A Prova da Culpa Universal (3: 9-20)

B. Salvação: A Provisão Universal da Justiça (3: 21–5: 11)

1. Manifestação da Provisão Universal de Justiça (3: 21-26)

2. Unificação: O Deus Universal da Justiça (3: 27-31)

3. Justificação da Justificação Universal: Prova da Vida de Abraão (4: 1-25)

uma. Abraão justificado pela fé, não obras (4: 1-8)

b. Abraão justificado pela fé, não circuncisão (4: 9-12)

c. A semente de Abraão justificada pela fé, não pela lei (4: 13-17)

d. Abraão justificado pela fé na promessa (4: 18-25)

1) Explicação da Esperança de Abraão (4: 18-22)

2) Aplicação: Fé em Cristo (4: 23-25)

4. Exultação por causa da Certeza da Justificação (5: 1-11)

uma. Presente: Paz com Deus (5: 1-5)

b. Passado: Impotência dos Pecadores (5: 6-8)


c. Futuro: fugir da ira de Deus (5: 9-11)

III Santificação: O Impartamento da Retidão (5: 12-8: 39)

A. O Reino da Graça vs. O Reino do Pecado (5: 12-21)

B. O Fundamento da Santificação (6: 1-23)

1. União com Cristo (6: 1-14)

uma. O Divino Reconhecimento (6: 1-10)

b. O reconhecimento do crente (6:11)

c. A responsabilidade do crente (6: 12-14)

2. Escravidão à justiça (6: 15-23)

C. A incapacidade da carne e a lei para santificar (7: 1-25)

1. A relação do crente com a lei (7: 1-6)

2. A lei é boa, mas estéril (7: 7-13)

3. A carne é má e impotente (7: 14-25)

D. O Poder do Espírito para Santificar (8: 1-17)

1. Sobre o pecado (8: 1-8)

2. Sobre a morte (8: 9-11)

3. Sobre a escravidão (8: 12-17)

E. O Objetivo da Santificação (8: 18-39)

1. Sofrimentos presentes (8: 18-27)

2. Glória do Futuro (8: 28-30)

3. Hino de Segurança (8: 31-39)

IV. Reivindicação da justiça de Deus em seu relacionamento com Israel (9: 1–11: 36)
A. As transações do passado de Deus com Israel (9: 1-33)

1. Prefácio: A Profunda Aflição de Paulo por causa dos Grandes Privilégios de Israel (9: 1-5)

2. A Graça da Eleição de Deus (9: 6-29)

uma. Visto na História de Israel (9: 6-13)

b. Visto em Princípio (9: 14-29)

3. A rejeição da nação do Messias via legalismo (9: 30-33)

B. Os presentes de Deus com Israel (10.1-21)

1. Igualdade com os gentios (10.1-13)

2. Obstinação dos judeus (10.14-21)

C. As Relações Futuras de Deus com Israel (11.1-33)

1. A rejeição não é completa (11.1-10)

2. A Rejeição não é Final (11: 11-32)

uma. O presente “enxerto” dos gentios (11: 11-24)

b. A futura salvação de Israel (11: 25-32)

3. Doxologia: em louvor da sabedoria de Deus (11,33-36)

V. Aplicação: Justiça de Deus no Trabalho (12: 1–15: 13)

A. Geral: Na Assembléia (12: 1-21)

1. A Vida Consagrada (12,1-2)

2. O Uso de Dons Espirituais (12: 3-8)

3. A sinceridade do amor (12: 9-21)

B. No Estado (13: 1-14)

1. Em relação às autoridades (13: 1-7)


2. Em relação aos vizinhos (13: 8-10)

3. Por causa de nossa esperança escatológica (13: 11-14)

C. Specifics: Em Relação aos Crentes Fracos (14: 1-15: 13)

1. Julgamento e o Princípio da Liberdade (14.1-12)

2. Blocos de Tropeço e o Princípio do Amor (14.13-23)

3. Egoísmo e a imitação de Cristo (15.1-13)

VI. Conclusão: O Propósito, Planos e Louvor de Paulo em Relação à Disseminação da Retidão (15: 14-16: 27)

A. A Missão de Paulo Explicada (15.14-33)

1. Sua Razão para Escrever (15.14-16)

2. Sua obra entre os gentios (15: 17-21)

3. Seu plano para visitar Roma (15.22-33)

B. Saudações Finais (16: 1-27)

1. Saudações aos fiéis em Roma (16: 1-16)

2. Advertências sobre os Irmãos Divisores (16: 17-20)

3. Saudações dos crentes com Paulo (16: 21-24)

4. Bênção Final (16: 25-27)

1
EF Harrison, Romanos em O Comentário Bíblico do Expositor, 3-4.
2
Para um tratamento mais completo, que concorda com essa visão em grande medida, ver
Harrison, Romanos , 5-6.
3
Se alguém tivesse apenas 1 a 2 Coríntios, ele poderia concluir que Paulo era um legalista; se ele tivesse
apenas gálatas, ele poderia concluir que Paulo era licencioso. Romanos é o equilíbrio entre os
outros Hauptbriefe , e é tão precisamente porque não havia uma grande necessidade de sua produção.
4
Essa data antiga é confirmada pela declaração de Suetônio de que o edito de Cláudio de 49 EC para expulsar
os judeus foi por causa de “perturbações por instigação de Chrestus” ( Cláudio25), em que o latim
provavelmente truncou Χριστός . Em outras palavras, os judeus em Roma estavam causando problemas por
causa da propagação do cristianismo para aquela cidade em 49 EC.
5
Veja a introdução de Mark para uma elaboração mais completa sobre essa hipótese.
6
Em nosso esboço, reunimos esses dois últimos segmentos, pois a glorificação é vista como a meta da
santificação e está muito ligada a ela no capítulo 8.
7
M. Black, Romans (Comentário Bíblico do Novo Século), 26.
8
Isto não quer dizer que 5: 12-21 favoreça a visão de liderança seminal, porque o caminho para nossa união
orgânica com Cristo ainda é através da justificação (5:18: “o resultado de um ato de justiça foi justificação que
traz vida para todos os homens ”[NIV]).
9
Uma prova de que Paulo está se dirigindo à inadequação da carne mais do que a condenação da lei é o fato
de que ele está contrastando Cristo com Adão - um ato cujo ato se aplica mesmo àqueles “que não pecaram
por quebrar um mandamento” (5: 14), precisamente porque “antes da lei ser dada, o pecado estava no mundo”
(5:13).
10
Tão judicioso como um exegeta como CEB Cranfield, ele tropeça neste ponto (como faz a maioria),
tentando se divorciar de 7: 7-13 de 7: 14-25 - mesmo que a primeira pessoa do singular seja usada por toda
parte.
11
O argumento que é freqüentemente usado por aqueles que mantêm a visão autobiográfica do incrédulo (isto
é, Paulo antes de sua conversão) é que os verbos do presente são presentes históricos (tão recentemente,
Douglas Moo, Romans [Wycliffe], loc. Cit. ). Mas essa visão é virtualmente impossível por duas razões: (1)
Paulo seria a única exceção a sua condenação da humanidade, pois, como incrédulo, ele desejava fazer o bem
e era escravo da lei de Deus (7:18, 21-22). 25); e (2) os presentes históricos estão sempre na terceira
pessoa (ver meu “ João 5 , 2 e a Data do Quarto Evangelho”, Biblica 71 [1990] 177-205).
12 O
crédito é devido a S. Lewis Johnson, Jr., por esta ilustração.
13
Aqueles que desejam ter seu bolo e comê-lo também - a saber, submetendo o crente à Lei, embora com a
ajuda do Espírito - parecem contradizer a declaração muito forte em 7: 6 (“Mas agora, morrendo para o que
uma vez nos ligou, fomos liberados da Lei para servirmos no novo caminho do Espírito, e não no velho modo
da letra ”. Paulo passa algum tempo nesse ponto por causa dos judaizantes que insistem que os gentios
também estejam debaixo da lei.
14
Paulo parece estar sutilmente indicando que a nova aliança agora está operando nos crentes, pois cada um de
nós conhece a Deus por meio de seu Espírito. Assim o reino foi inaugurado na era atual. Além disso, em
8:16, συμμαρτυρέω é usado para descrever o Espírito dando testemunho ao nosso espírito de que somos
filhos de Deus. Embora συν- verbos prefixados muitas vezes carregam a conotação de associação, este verbo
em particular é apenas uma forma reforçada de μαρτυρέω (assim BAGD), indicando que, não Deus, são os
destinatários de seu testemunho (por mais ajuda, ver meu ensaio sobre Romanos 8:16 e o Testemunho do
Espírito).