Você está na página 1de 4

Responsável: André Francisco

Valor: 3,0

COMO CONTROLAR A VELOCIDADE DE UMA TURBINA HIDRÁULICA?

O regulador de velocidade na turbina hidráulica atua na velocidade e na potência ativa fornecida ao


gerador e por fim ao sistema elétrico, que no caso do Brasil necessita operar em 60hz.

O regulador atua no circuito hidráulico do distribuidor da turbina no caso das turbinas Francis e Kaplan,
e no bico injetor no caso de turbinas Pelton, ele regula ao volume de água que entra na turbina onde a
energia hidráulica é convertida em energia mecânica.

Em hidrelétricas que utilizam turbinas Francis, a velocidade da turbina é controlada utilizando óleo sob
pressão que sai da válvula distribuidora e chega aos servomotores, estes acionam simultaniamente um
anel de regulação e este aciona todo o conjunto de bielas que mudam a direção das palhetas móveis do
distribuidor abrido-as ou fechando-as.

QUAIS OS EQUIPAMENTOS USADOS PARA ESTA FINALIDADE?

Os reguladores de velocidade são divididos em três componentes principais:

Circuito Hidráulico: Fornece e acumula óleo pressurizado para acionar as válvulas do distribuidor da
turbina. O circuito hidráulico gerencia o óleo e o movimento das válvulas diretrizes, essas válvulas
direcionam o fluxo de óleo para os servos motores atuando no comando.

O circuito hidráulico é comoposto pelos seguintes componentes:

Reservatório de óleo: Acumulador de òleo, local onde são instaladas as motobombas e válvulas do
circuito de bombeamento

Motobombas: Bomba de fuso, fornece vazão e pressão ao comando da movimentação do distribuidor.

Valvulas de retenção: Não permite reorno do óleo para o reservatório.

Valvulas comutadoras: Direciona o fluxo de óleo entre o reservatório de óleo e o trocador de calor.

Valvulas de descarga: É uma válvula de segurança, que é abreta em caso de exesso de pressão.

Trocadores de Calor: Utilizado para resfriar o óleo.

Acumulador de òleo e ar: Utilizado em situações de segurança, com ele é possível comandar o
distribuidor em caso de queda de energia.

Compressor de ar: Repõe a pressão do ar consumida no tanque.

Válvulas de Intermitência: Controla a pressão no tanque de óleo.

Vaçvulade isolamento: Utilizada quando a turbina esta parada, ela isola parte do circuito hidráulico que
aciona o distribuidor.

Sistema de regulação: Movimenta o distribuidor, utilizado o óleo pressurizado.


Válvula distribuidora: após receber o sinal do atuador ela executa os comando hidráulicos de
fechamento e abertura das pás através do servo motor.

Bobina de imersão: Trandutor eletro-hidráulico, após receber o sinal do regulador de velocidade emite
um comando para abrir ou fechar as pás.

Filtro de óleo: evita que impurezas chegem à bobina de imersão.

Êmbolo de travamento mecânico: Em caso de rejeição de carga, controle da frequência da tensão


elétrica o êmbolo trava a válvula distribuidora na posição fechada.

Vàlvula de Segurança: Em casos de emergência o distribuidor pode ser fechado imediatamente através
da válvula de segurança.

Válvula de comando de emergência: Comanda o movimento da da válvula de emergência

Válvula de bloqueio: Trava e destrava as palhetas diretrizes ligadas às válvula distribuidora.

Servomotores: São os motores que geram movimento ao aro de regulação.

Aro de regulação: Transmite movimento do servo motor para os bicos injetores ou palhetas diretrizes

Dispositivo de sobrevelocidade: atua em conjunto com a válvula de emergência, caso a rotação atinge
numero acima do limite é acionada e direciona o óleo sob pressão para ajustar a velocidade.

Redutor de pressão: Reduzir a presão disponível ao atuador;

Transdutores de posição: Garante a estabilidade e qualidade do sistema.

Bomba do mancal escora: Mancais aconcionam os movimentos mecânicos dos eixos, a bomba do
mancal fornece suporte axial ao rotor da turbina.

Circuito Elétrico: São os acionadores dos elementos hidráulicos como motores e fonte de alimentação,
também indicadores de processo como nível de óleo e pressão.

Controle do compressor de ar
Controle do grupo moto bomba
Controle do acumulador de ar-óleo
Nível de óleo do acumulador
Posição da válvula de isolamento
Pressão de óleo no regulador
Acionamento das moto bombas

Circuito Eletrônico: Emite sinais eletrônicos para os atuadores, informando a necessidade fechamento e
abertura das palhetas diretrizes ou bicos injetores.

No circuito eletrônico que são verificados:


•Verificar o erro de velocidade agregado ao sistema;
• Fornecer características de estatismo;
• Controle da potência ativa disponível ao sistema elétrico;
• Ajuste do valor de referência;
• Característica PID do compensador.

Principais componentes eletrônicos do circuito

•Controlador Lógico programável (CLP): Executa a lógica da programação, enviando sisnais para os
atuadores;
•Interface humano-máquina: Realiza a comunicação do homem e a máquina atrés de tela de inteface;
assim é possível fazer a supervisão das grandezas associadas à turbina como alarmes, velocidade,
abertura do distribuidor, rotação, etc;
•Fonte de alimentação:
•Trandutores de posição do distribuidor: dispositivo que atua como sonar indicando a posição do
distribuidor;
•Transdutores de potência: Capta sinais de tensão e corrente e consegue gerar de 2 à 10V, sendo
possível controlar a potência ativa demandada.
•Relés:
•Interface de comunicação serial
•Disjuntores
•Componentes para interface de sinais
•Dispositivo de seleção do tipo de controle
•Dispositivo de ajuste dos valores de referência (potência frequência, abertura do distribuidor e rotação
da turbina).

Esquema de controle turbina Francis

Para controlar a velocidade de uma turbina usa-se uma válvula proporcional (como mostra na imagem
abaixo) ou um regulador de pressão unido a um sensor de leitura ótico para medir a rotação (anel
fechado).
Como se comporta o rendimento da turbina quando está velocidade é controlada?

Otimizar o rendimento da turbina, evitando desgastes desnecessários do equipamento e controlando o


fluxo do fluido ao longo do processo. Pesquisar no google.

No Sistema Elétrico Brasileiro o estatismo é ajustado em 5% em todos reguladores, o que significa uma variação de
3 Hz (5% de 60Hz) na frequência do sistema, provoca uma variação de 100% na potência ativa gerada.
Normalmente a variação é da ordem de décimos de Hz o que permite uma ação efetiva dos reguladores de
velocidade. Variação da ordem de 3 Hz correspondente à carga total do sistema e consequentemente conduz a um
Black-out (FUTIKAMI et al., 2003). Se a frequência da máquina estabilizar em 59,7 Hz houve uma perda de
geração de 20% e automaticamente cada unidade terá que gerar uma potência adicional de 20%. Se a frequência
estabilizar em 60,3 Hz ocorre um excesso de geração de 20% e cada unidade geradora terá que reduzir em 20% o
valor de sua potência ativa. O valor de 5% para ajuste de regulação de velocidade e estatismo é dado pela ONS para
todos os reguladores de velocidade interligados no sistema elétrico nacional (FUTIKAMI et al., 2003).

- HTTPS://NUPET.DAELT.CT.UTFPR.EDU.BR/TCC/ENGENHARIA/DOC-
EQUIPE/2012_1_05/2012_1_05_MONOGRAFIA.PDF