Você está na página 1de 5

Multiplexação TDM

Multiplexação é a técnica que permite compartilhar em um único meio de transmissão duas ou mais transmissões de forma independente e simultânea.

A multiplexação é efetuada por dois dispositivos, o

multiplexador que combina sinais de entrada em um

meio e o demultiplexador que separa os sinais novamente para suas respectivas saídas.

Objetivando o atendimento exclusivo de serviços de voz, foi desenvolvida ainda antes dos anos 60 uma tecnologia de hierarquia digital para canais de comunicação onde ocorre multiplexação sucessiva usando-se TDM (Time Division Multiplex).

Na TDM, bytes (conjuntos de oito bits) são transmitidos em ciclos pelo canal, medindo-se a taxa de transmissão em bits por segundo (bit/s) ou kilobits por segundo (kbit/s).

Os canais da hierarquia PDH são agrupados, formando os níveis hierárquicos. Assim, 32 canais de 64 kbit/s formam um canal com 2,048 Mbit/s, via intercalação sequencial de bytes, compondo assim um canal de hierarquia de primeira ordem (E1). Combinações de canais de hierarquia de primeira ordem compõem canais de hierarquia de segunda ordem, através do mecanismo denominado intercalação sequencial de bits. Quatro canais de 2 Mbit/s formam um canal de segunda ordem de 8 Mbit/s (E2). Quatro destes formam a terceira ordem em 34 Mbit/s (E3) que, por sua vez, formam a quarta ordem em 140 Mbit/s (E4). Chega-se a quinta ordem em 565 Mbit/s (E5).

Considera-se a PDH uma tecnologia em descompasso com a evolução dos sistemas de telecomunicação devido à impossibilidade de identificação de canais individuais dentro dos fluxos de bits de hierarquias superiores. Vem sendo substituída por sistemas SDH (Synchronous Digital Hierarchy).

As tecnologias SDH são utilizadas para

multiplexação TDM com altas taxas de bits, tendo a fibra óptica como meio físico preferencial de transmissão. Entretanto, possui ainda interfaces elétricas que permitem o uso de outros meios físicos de transmissão, tais como enlaces de rádios digitais

e sistemas ópticos de visada direta, que utilizam feixes de luz infravermelha.

PDH

1

PDH - significa "Plesiochronous Digital Hierarchy", termo em inglês para "Hierarquia Digital Plesiócrona". A palavra plesiochronous é originada do grego e significa "quase síncrono".

Até o final da década de 1950 o sistema de telefonia consistia quase inteiramente de linhas de

transmissão analógicas. As Linhas-tronco consistiam de múltiplos canais de voz que utilizavam simultaneamente a multiplexação por divisão de freqüência (FDM). Isso implicou a utilização de moduladores, demoduladores caros e filtros para cada canal de voz, e as pressões comerciais fizeram

a necessidade de desenvolver novas tecnologias e equipamentos de comutação mais econômicos.

Com a digitalização de um canal de voz que até então era analógico para um canal digital de 64 kbps (designada como sinalização digital de nível zero, ou simplesmente DS0 ) utilizando modulação de código de impulso (PCM), facilitou o uso da multiplexação por divisão de tempo (TDM) para multiplexar um número de canais de voz para uma linha tronco conhecido como T-carrier na América do Norte e no Japão (o equivalente europeu usado na maior parte do resto do mundo é chamado de E-carrier ).

Linhas T1 eram originalmente fio de cobre de quatro pares ou cabos coaxiais, mas estes têm sido amplamente substituídos por fibra óptica.

O tributário T1 originalmente realizado a 24 canais

de voz digitais, cada um com uma taxa de 64 kbps.

Cada quadro TDM na linha T1 realizada de 24 bytes de dados de voz (8 bits por canal de voz), mais um

único bit de enquadramento para facilitar a

sincronização de desmultiplexagem e pelo receptor.

Uma vez que cada um dos bytes de dados representa uma amostra 125μs voz, a taxa de trama requerida era 8000 quadros por segundo. A taxa de bits total de uma linha T1 é por conseguinte 8,000 x ((24 x 8) + 1) = 1544000 bits por segundo (Mbps), 1,544 e é designado como nível de sinalização digital 1 ou DS1.

O sistema E-tributário desenvolvido

pela Conferência Europeia das Administrações de Correios e Telecomunicações (CEPT), beneficiaram

de lições aprendidas durante o desenvolvimento do T-carrier tecnologia, aperfeiçoar e melhorar o sistema anterior.

Como o DS0, o canal de voz básica E0 tem uma taxa de 64 kbps. Um transportador E1, no entanto, tem um total de 32 intervalos de tempo por quadro. Cada intervalo de tempo consiste em somente 8 bits (ou seja, um canal de intervalo de tempo por 8-bit), dando uma taxa de bits total de 8.000 x 32 x 8 = 2048000 bits por segundo (2,048 Mbps).

Um intervalo de tempo (TS0) é reservado para o enquadramento, enquanto um segundo intervalo de tempo (TS16) pode ser usado para sinalização finalidades (ou seja, para controlar a configuração de chamada e terminação).

2

O formato do quadro T1 (FB = bit de enquadramento)
O formato do quadro T1 (FB = bit de enquadramento)
O formato de quadro E1 (timeslots 1-15 e 17-31 são utilizados para dados) Os transportadores
O formato de quadro E1 (timeslots 1-15 e 17-31 são
utilizados para dados)
Os transportadores T1 e E1
são o primeiro nível de
multiplexagem no Digital

Na Hierarquia Digital Plesiócrona (PDH), as quatro operadoras de primeiro nível são multiplexados em conjunto para criar um suporte de segundo nível maior capacidade. Cada nível subsequente deste a hierarquia digital multiplexada é em quatro ou mais operadoras a partir do nível inferior (a única exceção é o DS1C nível intermediário entre DS1 e DS2 no sistema norte-americano).

As

Americana, hierarquias digitais europeias e japonesa Plesiócrona são mostrados na tabela abaixo.

cada nível de Norte

taxas

de

bits

para

Níveis PDH e taxas de bits

 

Nível da

América

   

portadora

do Norte

Europa

Japão

Canal de voz / dados

64 kbps

64 kbps

64 kbps

 

(DS0)

(E0)

Primeiro nível

1,544 Mbps

2,048

1.544

(DS1)

Mbps (E1)

Mbps

24

canais

32 canais

24 canais

Nível

3,152 Mbps

N / D

N / D

Intermediário

(DS1C)

48

canais

Segundo nível

6,312 Mbps

8,448

6,312

(DS2)

Mbps (E2)

Mbps

96

canais

128

canais

96

   

canais

ou

7,786

Mbps

120

canais

Terceiro nível

44,736

34,368

32,064

 

Mbps

Mbps (E3)

Mbps

(DS3)

512

canais

480

672 canais

 

canais

Quarto nível

274,176

139,264

97,728

 

Mbps

Mbps (E4)

Mbps

(DS4)

2048

1.440

4032

canais

canais

canais

Quinto nível

400,352

565,148

565,148

 

Mbps

Mbps (E5)

Mbps

(DS5)

8192

8192

5760

canais

canais

canais

3

A hierarquia europeia aumenta o número de canais

por um fator de quatro em cada nível mais elevado, mas se você olhar para as taxas de bits brutos para cada nível, você vai observar que na verdade é significativamente maior do que quatro vezes a taxa do nível abaixo dele em bit. Isso é porque uma certa quantidade de sobrecarga adicional é necessária a fim de assegurar que a multiplexação e demultiplexagem pode ser realizada com sucesso.

da hierarquia (do significa

perto e chronos significando tempo) significa que

grego

O Plesiochronous natureza

Plesio

são

garantidos para ter exatamente o mesmo tempo,

mesmo que a taxa de bits nominal é o mesmo.

fluxos

de

bits

de

diferentes

fontes

não

Isto é devido ao fato de que cada parte do equipamento de troca usa seu próprio relógio interno para fins de sincronização. Embora esses relógios são extremamente precisos, haverá bastante diferença nas taxas de bits reais dos afluentes que alimentam um determinado nível de multiplexação para exigir alguma sobrecarga adicional, a fim de fornecer a sincronização necessária.

adicional, a fim de fornecer a sincronização necessária. A hierarquia multiplexer para a versão europeia do

A hierarquia multiplexer para a versão europeia do PDH

Suponha que (para os fins desta discussão) que o multiplexer é multiplexação de quatro fluxos de dados de entrada em uma única operadora. A taxa do portador de dados nominal é quatro vezes superior à de qualquer dos seus quatro afluentes, embora a taxa de saída de dados a sua agregação

é ligeiramente maior do que quatro vezes a taxa de

dados nominal de afluentes, a fim de que ele seja capaz de lidar com sinais de entrada.

O uso de intercalamento de bits, e a presença de

bits de preenchimento no fluxo de dados multiplexados, significa que é praticamente impossível para extrair os dados pertencentes a um canal sem a demultiplexagem dos dados de alto nível baixo para o nível requerido. Para extrair um único canal de 64 kbps a partir de um tronco 565,148 Mbps, a hierarquia completa de de- multiplexadores é necessária, como mostra a ilustração abaixo. O mesmo princípio aplica-se a inserção de um canal ou afluente numa corrente de dados multiplexados adicionados.

A latência adicional e aumentou a possibilidade de

ocorrência de erros, reduzindo, assim, a

confiabilidade da rede.

A falta de padronização, tanto entre as redes PDH que operam em diferentes partes do mundo e entre os concorrentes fabricantes de equipamentos, tem como interoperabilidade severamente a utilização de equipamentos obrigando a ter circuito de conversão caros entre as redes que operam na Europa, América do Norte e Japão. O aumento da demanda por largura de banda praticamente ditou

o uso das tecnologias óptica síncrona que eram

tanto padronizado e escalonável, e levou ao desenvolvimento da Rede Synchronous Optical(SONET) na América do Norte e do Synchronous Digital Hierarchy (SDH) na Europa e no resto do o mundo.

4

PDH fez pouca disposição para a gestão da rede, e

da necessidade de totalmente de-multiplex um

portador de alto nível para extrair um sinal de nível

mais baixo significa que o aumento da capacidade das redes PDH além de um certo ponto não era economicamente viável.

O principal fator econômico foi o custo do

equipamento necessário em cada ponto de conexão cruzada dentro da rede onde quer canais individuais

ou fluxos de dados multiplexados de baixo nível

pode ter de ser extraídos.

multiplexados de baixo nível pode ter de ser extraídos. Figura 1- A hierarquia multiplexer completo deve
multiplexados de baixo nível pode ter de ser extraídos. Figura 1- A hierarquia multiplexer completo deve
multiplexados de baixo nível pode ter de ser extraídos. Figura 1- A hierarquia multiplexer completo deve

Figura 1- A hierarquia multiplexer completo deve ser usado para descartar ou adicionar um canal de 64kbps.

TDM: Multiplexação por divisão no tempo

Multiplexação é uma técnica empregada para permitir que várias fontes de informação compartilhem um mesmo sistema de transmissão.

Na multiplexação por divisão no tempo estas fontes de informação compartilham um trem de bits ocupando slots de tempo diferentes.

1

2

3

1 2 3 n

n

Quadro

Os slots a serem ocupados pelas várias fontes de

informação são organizados em quadros (frames) que contém um ciclo de alocação de slots de tempo. Este ciclo é repetido indefinidamente durante a transmissão.

Frame 1(slot 1 a n)

Frame 2(slot 1 a n)

Frame 1(slot 1 a n) Frame 2(slot 1 a n) Frame N (slot 1 a n)

Frame N (slot 1 a n)

Canalização

O conjunto de slots dedicados a uma fonte, de um frame para o outro, é chamado de canal ou tributário.

Este tutorial apresenta os principais padrões de canalização definidos pela UIT: PDH, SDH e SONET.

TDM: PDH

O padrão PDH de transmissão de sinais foi

concebido para uma arquitetura de multiplexação assíncrona. Cada canal multiplexado opera de forma plesiócrona, ou seja, com um relógio que não é sincronizado com os relógios dos outros canais apesar de ser nominalmente idêntico, dentro de limites estabelecido por normas.

O canal PDH de menor hierarquia é composto por

um conjunto de canais multiplexados de 64 kbit/s.

Entretanto, o número de canais desse conjunto não é padronizado.

A tabela a seguir mostra a hierarquia PDH

utilizada na América do Norte e Europa. O padrão

5

PDH Europeu, recomendado pelo UIT (G.702), é o adotado na maior parte do mundo, inclusive no Brasil.

 

América do

 
 

Norte

 

Europa

Hierarquia

   
       

Digital

Taxa de

Taxa de Bits

-

Bits

(Kbit/s)

-

(Kbit/s)

0 DS0

   

64

E0

 

64

 

DS1

     

1 ou

1

544

E1

2

048

T1

   
 

DS2

     

2 ou

6

132

E2

8

448

T2

   
 

DS3

     

3 ou

T3

32 064

E3

34 368

4 DS4 97 728 E4 139 264
4 DS4
97 728
E4
139 264

Cada canal é sincronizado pelo equipamento multiplex através de justificação positiva (inserção de bits). Após a sincronização os canais são multiplexados por intercalamento bit a bit, para compor o quadro (frame) da hierarquia PDH.

Cada passo da multiplexação utiliza um equipamento multiplex específico, com posições rígidas para cada tributário (canal). Para extrair tributários de menor hierarquia torna-se necessário demultiplexar os canais de hierarquia até essa hierarquia. A figura a seguir ilustra esse processo, usando como exemplo o padrão PDH adotado no Brasil.

até essa hierarquia. A figura a seguir ilustra esse processo, usando como exemplo o padrão PDH