Você está na página 1de 2

b) Dimensionamento à flexão simples ou composta

A flexão em uma estaca decorre quase sempre de esforços provenientes de seu manuseio,
transporte e estocagem, sendo a situação crítica de dimensionamento a que corresponde ao
manuseio por um único ponto.

Segundo a NBR 6118 (ABNT, 2014), o momento máximo nessa condição crítica é dado pela
expressão , onde “b” é o comprimento em balanço e “p” corresponde ao peso próprio da
estaca por metro linear. Deve ser considerada, em pelo menos 30%, a majoração desse valor
do momento fletor obtido, a fim de considerar os efeitos de impactos decorrentes ao
manuseio da estaca até a torre do bate estaca. Desta forma, . Uma vez calculado o valor do
momento máximo para o dimensionamento da estaca, determina-se a armadura necessária
em função de uma distribuição de armadura previamente adotada com auxílio de uma tabela
de valores de cálculo. Vale lembrar que a armadura a flexão deve ser considerada uma cada
face da estaca, pois durante o processo de manuseio à torre do bate estaca, qualquer uma das
faces poderá sofrer atuação dos momentos máximos considerados no dimensionamento.

Para o dimensionamento à flexão de estacas com seção transversal quadrada ou retangular,


podem ser adotados os valores apresentados na tabela 3:

Dimensionamento à tração

Segundo a NBR 6118 (ABNT, 2014), no dimensionamento à tração, considera-se que a taxa de
armadura está condicionada à limitação da abertura de fissuras, o valor característico da
abertura de fissuras determinado para cada parte da região de envolvimento deve ser o menor
entre os obtidos pelas expressões que seguem:

(2.2.8.11)

( ) (2.2.8.12)

Onde:

= tensão de tração no centro de gravidade da armadura considerada.

= diâmetro da barra de aço.

= taxa de armadura passiva ou ativa aderente. = módulo de elasticidade do aço da barra


considerada.

= resistência média à tração do concreto √ .

= coeficiente de conformação superficial da armadura passiva considerada (CA-50 = 2,25).

Em elementos estruturais armados, a armadura de tração mínima deve ser determinada pelo
dimensionamento da seção a um momento fletor mínimo dado pela equação 2.2.8.13,
respeitada a taxa mínima absoluta de 0,15%.

(2.2.8.13)

42

Onde é o momento resistente da seção transversal de concreto, relativo à fibra mais


tracionada.
A taxa de armadura deve limitar a abertura de fissuras em atendimento aos valores prefixados:
0,2 mm para estacas não protegidas e cravadas em meio de agressividade ambiental muito
forte, 0,3 mm para estacas não protegidas e cravadas em meio de agressividade ambiental
moderada e forte, e 0,4 mm para estacas não protegidas e cravadas em meio de agressividade
ambiental fraca.

2.2.9 Métodos dinâmicos de controle

Os métodos dinâmicos de controle estimam a capacidade de carga de fundações profundas,


baseados na previsão e/ou verificação do seu comportamento sob ação de carregamento
dinâmico. Dentre eles estão as fórmulas dinâmicas e os métodos que utilizam a “Equação da
Onda”.

As fórmulas dinâmicas baseadas na medida da nega e repique elástico durante a cravação de


estacas continuam sendo uma ferramenta importante para o controle do comprimento de
cravação e avaliação da capacidade de carga, mesmo com o surgimento da “Teoria da Equação
da Onda” (SMITH, 1960), que impulsionou a instrumentação de campo para o controle de
fundações profundas. A utilização de métodos simples continua sendo uma exigência dos
engen