Você está na página 1de 4

16 de agoro, 2017

Glossário sobre Bitcoins


Desvendando um pouco o ambiente das criptomoedas

Altcoins – Como são chamadas criptomoedas alternativas lançadas após o sucesso


do bitcoin. No geral, são quaisquer outras moedas digitais, exceto o bitcoin.

Assinatura – A combinação de chaves públicas e privadas que prova a propriedade do


bitcoin em uma carteira e autoriza a transação.

Bitcoin – Pode se referir ao protocolo ou a unidade da moeda digital. Foi a primeira


cryptocurrency com processamento descentralizado e público e disponibilizada através
de software de código aberto (open source).

Bloco – É um registro de um conjunto de transações dentro da blockchain. No Bitcoin,


a cada 10 minutos (em média) um novo bloco com transações é processado e anexado
à sua blockchain por meio da mineração.

Blockchain – Local de registro público de blocos de transações em ordem cronológica,


indexando origem e destino de cada uma das transações. A blockchain é compartilhada
entre todos os nodes da rede (descentralizada). Ela é usada para verificar se foram
verificadas as condições para que ocorram as transações das moedas digitais (ex:
saldo suficiente do remetente), impedir duplo gastos e manter a segurança do protocolo
como um todo.
Carteira (wallet) – Local onde você armazena suas moedas digitais. Contém sua
chave privada e permite que você faça pagamentos e transferências. Uma carteira
pode ser hot (conectada à internet) ou cold (desconectada, por exemplo, em papel ou
usando um dispositivo USB).

Chave (pública/privada) – Para usar as criptmoedas você precisa de uma chave


pública e uma privada. A chave pública funciona como um endereço de e-mail ou o
número de sua conta bancária: você pode compartilhar quando quiser receber moedas
digitais, indiscriminadamente. Já a chave privada é um fragmento de dados secreto que
garante que você gaste as criptomoedas a partir de uma carteira específica por meio de
uma assinatura criptografada, como se fosse uma senha. Por isso, ela deve ser
mantida em segurança e não deve ser divulgada.

Corretora (Exchange) – Sites onde você pode comprar, vender ou trocar moedas
digitais por moedas tradicionais (como dólares americanos, reais ou euros) ou por
outras moedas digitais (além do bitcoin, hoje existem mais de 1.000 outras
criptomoedas).

Criptografia – Conjunto de técnicas empregadas para proteger determinados dados de


forma a torna-los ininteligíveis a quem não deva ser capaz de decifrar a mensagem. No
caso das criptomoedas, servem para garantir a segurança de protocolo, das transações
processadas e dos usuários.

Criptomoedas – Também chamas de moedas digitais, são os tokens emitidos por um


Criptoprotocolo, geralmente em retribuição aos mineradores pelo processamento de
transações. Também podem ser programadas com base em um desses
Criptoprotocolos e emitidas por uma empresa terceira a fim de funcionar como um
token para utilização de seus serviços.

Criptoprotocolos – São softwares de código aberto (open source) com uma série de
regras pré-determinadas que compreendem, fundamentalmente, como serão
processadas as transações que nelas ocorrem, a forma de incentivo destinada àqueles
que se propuserem a processar essas transações e a maneira bem como número de
tokens (moedas digitais) que será emitido.

Ethereum – Criptoprotocolo utilizado principalmente para smart contratcs (contratos


inteligentes). Como o bitcoin, emite uma moeda digital própria.

Hard Fork (garfo) – Espécie de divisão em uma blockchain que resulta em duas
blockchains diferentes. Isso pode ocorrer se não houver consenso da rede em
atualizações de software ou na programação de determinado Criptoprotocolo. O Hard
Fork resultará, portanto, em uma nova blockchain com cryptocurrencies distintas da
original. Exemplos disso são a Namecoin e o recente BCash (Bitcoin Cash ou BCH),
resultantes de forks do bitcoin, e o Ether (ETH) e Ethereum Classic (ETC), resultantes
de um fork so protocolo Ethereum.

ICO (Initial Coin Offers) – Oferta inicial de moedas, na tradução livre. É uma maneira
de empresas emitirem suas próprias moedas digitais e angariarem fundos globalmente,
em formato que lembra o IPO tradicional e o crowdfunding.

Litecoin – Versão “light” do Bitcoin, o Criptoprotocolo também permite fazer


pagamentos e tem sua própria blockchain.

Mineração – Processo que utiliza computadores e/ou placas especiais para realizar
cálculos matemáticos e confirmar as transações da rede, mantendo a segurança de
determinado protocolo. Como recompensa pelos serviços, os mineradores recebem as
taxas das transações confirmadas, além de novas moedas digitais emitidas a cada
novo bloco criado.

Pool de mineração – Grupo de mineradores que decidiram combinar seu poder de


processamento para mineração em conjunto. Isso permite incrementar as chances de
recompensas maiores, sendo os ganhos distribuídos entre os participantes do pool.

P2P – Quer dizer peer to peer (na tradução em português, de pessoa para pessoa).
Sistema que permite que cada indivíduo interaja diretamente com outros, sem
necessidade de intermediários, como bancos, por exemplo.

A taxa de hash (Hash Rate) – Unidade de medida do poder de processamento da


rede de um Criptoprotocolo, que deve fazer operações matemáticas intensivas para fins
de segurança. Quando a rede atinge uma taxa de hash de 10 Th/s, significa que ela
pode processar 10 trilhões de cálculos por segundo.

Um abraç o,

Equipe Empiricus
Fontes:

https://bravenewcoin.com/industry-resources/bitcoin-101/glossary/

https://bitcoin.org/pt_BR/vocabulario

https://blockgeeks.com/guides/blockchain-glossary-from-a-z/