Você está na página 1de 11
Atualização Legislativa Previdenciária Professor Francisco Júnior www.profranciscojunior.com.br p. 1 de 11

Atualização Legislativa Previdenciária

Atualização Legislativa Previdenciária Professor Francisco Júnior www.profranciscojunior.com.br p. 1 de 11
Atualização Legislativa Previdenciária Professor Francisco Júnior www.profranciscojunior.com.br p. 2 de 11

Atualização Legislativa Previdenciária

Atualização Legislativa Previdenciária Professor Francisco Júnior www.profranciscojunior.com.br p. 2 de 11
Atualização Legislativa Previdenciária Olá, como prometido pelo Facebook , segue este PDF com as PRINCIPAIS

Atualização Legislativa Previdenciária

Olá, como prometido pelo Facebook, segue este PDF com as

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Espero que seja muito útil a você e que as estude bem, pois elas cairão em nosso

concurso. Bons estudos.

Sumário

1.

2. Lei 13.063/2014 Isenção para o aposentado por invalidez e para o pensionista inválido quanto à

Introdução

3

perícia após os 60 anos

4

3.

Reforma da Previdência MP nº 664, de 30 de dezembro de 2014

5

3.1 Pensão por morte

6

3.2 Auxílio-Reclusão (Será devido nas mesmas condições da Pensão por Morte, conforme Lei

8.213/91, art. 80, e observadas as informações contidas nesse artigo)

7

3.3 Auxílio-Doença

9

3.4 Aposentadoria por Invalidez

10

3.5 Instrução Normatiza nº 77/INSS, de 22 de janeiro de 2015

10

1. Introdução

No ano de 2014 praticamente não houve alteração na Lei de Benefícios

da Previdência Social, a Lei 8.213/91. Ocorre que no apagar das luzes desse ano,

o Governo decidiu tirar o atrasado, lançando a Lei 13.063/2014 e as Medidas

Provisórias 664 e 665. Destaque para a penúltima que, pela profundidade das

mudanças que implementou, vem sendo chamada pelos especialistas de

“Reforma da Previdência” ou de “Minirreforma da Previdência”.

Atualização Legislativa Previdenciária Já em 2015, foram alterados os valores de reajuste dos benefícios pagos

Atualização Legislativa Previdenciária

Já em 2015, foram alterados os valores de reajuste dos benefícios pagos pelo INSS e demais valores constantes do Regulamento da Previdência Social. Compreendem-se aqui os valores do salário-de-contribuição e o valor para se considerar o trabalhador de baixa de renda. Tudo isso se deu pela Portaria Interministerial MPS/MF nº 013, de 09 de janeiro de 2015.

Também em 2014, no dia 22 de janeiro, foi publicada a Instrução Normativa nº 77 (IN nº 77/INSS) que substituiu a IN º 45.

2. Lei 13.063/2014 Isenção para o aposentado por invalidez e para o pensionista inválido quanto à perícia após os 60 anos

Essa lei alterou a o art. 101, da Lei 8.213/91, inserindo nele os §§ 1º e 2º. Veja:

Art. 101. O segurado em gozo de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e o pensionista inválido estão obrigados, sob pena de suspensão do benefício, a submeter-se a exame médico a cargo da Previdência Social, processo de reabilitação profissional por ela prescrito e custeado, e tratamento dispensado gratuitamente, exceto o cirúrgico e a transfusão de sangue, que são facultativos. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

§ 1o O aposentado por invalidez e o pensionista inválido estarão

isentos
isentos

do exame de que trata o caput após completarem

(Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

60 (sessenta) anos de idade

.

§ 2o A isenção de que trata o § 1o

não se aplica

quando o exame tem as

seguintes

finalidades

: (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

I - verificar a

concessão do

conforme dispõe o art. 45;

necessidade de assistência permanente

de outra pessoa para a

(vinte e cinco por cento) sobre o valor do benefício,

acréscimo de 25%

(Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

II - verificar a recuperação da capacidade de trabalho, mediante

que se julgar apto;

solicitação do

(Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

aposentado ou pensionista

Atualização Legislativa Previdenciária III - subsidiar autoridade judiciária na concessão de art. 110. (Incluído

Atualização Legislativa Previdenciária

III - subsidiar autoridade judiciária na concessão de art. 110. (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

curatela
curatela

, conforme dispõe o

Da leitura, a inteligência que fazemos é que:

1. O aposentado por invalidez e o pensionista inválido estarão isentos do exame médico, ou seja, da perícia no INSS, após completarem 60 (sessenta) anos de idade.

continua obrigado a

submeter-se à perícia a cargo do INSS, independentemente da idade.

3. Essa isenção é excetuada em três situações, ou seja, haverá três hipóteses em que o aposentado por invalidez e o pensionista inválido deverão, mesmo depois dos 60 anos, submeterem-se à perícia médica no INSS. São elas:

2. O segurado em gozo de

auxílio-doença

a. Para verificar a necessidade de assistência permanente de outra pessoa para a concessão do acréscimo de 25% no valor da aposentadoria por invalidez;

b. Verificar a recuperação da capacidade de trabalho, mediante solicitação do aposentado ou pensionista que se julgar apto;

c. Subsidiar autoridade judiciária na concessão de curatela.

3. Reforma da Previdência MP nº 664, de 30 de dezembro de 2014

Esta MP alterou vários artigos da Lei 8.213/91 no tocante a:

1. Pensão por morte;

2. Auxílio-Reclusão;

3. Auxílio-Doença e;

4. Aposentadoria por Invalidez.

3.1 Pensão por morte Atualização Legislativa Previdenciária Alteração Vigência    Exclusão do

3.1 Pensão por morte

Atualização Legislativa Previdenciária

Alteração

Vigência

 

Exclusão do dependente quanto direito à pensão, quando este tenha participado dolosamente da morte do segurado e tenha sido condenado judicialmente por isso.

Desde de 30 de dezembro de 2014, ou seja, vigeu imediatamente.

Obrigatoriedade de comprovar união estável, tanto para cônjuges quanto para companheiros, por no mínimo 02 (dois) anos anteriores ao fato gerador, ou seja, ao óbito do segurado. Tal regra não se aplica quando o segurado falecer em decorrência de acidente ou quando o cônjuge ou companheiro tenha ficado inválido depois da união estável ou casamento e antes do óbito do segurado.

Desde

14

de

janeiro de

2015.

Necessidade de comprovação de carência por no mínimo 24 (vinte e quatro) meses entre o início da união estável ou casamento e o óbito do segurado. Tal regra não será aplicada quando a morte do segurado for decorrente de acidente ou doença relacionada ao trabalho e nos casos em que ele estiver, no momento do falecimento, em gozo de auxílio-doença ou de qualquer tipo de aposentadoria.

Desde

de

março

de

2015.

Redução da RMI Renda Mensal Inicial desse benefício para somente 50% do salário-de-benefício, acrescido de 10%

Desde

de

março

de

2015.

Atualização Legislativa Previdenciária para cada dependente , limitada a   100%.  A

Atualização Legislativa Previdenciária

para

cada

dependente,

limitada

a

 

100%.

A duração do gozo desse benefício também sofre alteração, que leva em conta a idade do parceiro/cônjuge bem como a sua expectativa de sobrevida na data do falecimento do segurado.

Desde

de

março

de

2015.

Fica assim (parceiro/cônjuge):

   

Duração:

 

Menores de 22 anos

3 anos

A partir de 22 anos até menor de 28 anos

6 anos

A partir de 28 anos até menor de 33 anos

9 anos

A partir de 33 anos até menor de 39 anos

12 anos

A partir de 39 anos até menor de 44 anos

15 anos

A partir de 44 anos

 

Vitalícia

3.2 Auxílio-Reclusão (Será devido nas mesmas condições da Pensão por Morte, conforme Lei 8.213/91, art. 80, e observadas as informações contidas nesse artigo)

Alteração

Vigência

 

Exclusão do dependente quanto direito ao auxílio-reclusão, quando este tenha participado dolosamente da morte do segurado e tenha sido condenado judicialmente por isso.

Desde de 30 de dezembro de 2014, ou seja, vigeu imediatamente.

Obrigatoriedade de comprovar união estável, tanto para cônjuges quanto para companheiros, por no mínimo 02 (dois) anos anteriores ao fato gerador, ou seja, à prisão do segurado. O segurado

Desde

14

de

janeiro de

2015.

Atualização Legislativa Previdenciária recolhido à prisão não pode estar   recebendo remuneração

Atualização Legislativa Previdenciária

recolhido à prisão

não

pode

estar

 

recebendo remuneração de empresa, nem em gozo de auxílio-doença, de aposentadoria ou de abono de

permanência em serviço.

 

Necessidade de comprovação de carência por no mínimo 24 (vinte e quatro) meses entre o início da união estável ou casamento e a prisão do segurado. O segurado recolhido à prisão não pode estar recebendo remuneração de empresa, nem em gozo de auxílio-doença, de aposentadoria ou de abono de permanência em serviço.

Desde

de

março

de

2015.

Redução da RMI Renda Mensal Inicial desse benefício para somente 50% do salário-de-benefício, acrescido de 10% para cada dependente, limitada a

100%.

Desde

de

março

de

2015.

A duração do gozo desse benefício também sofre alteração, que leva em conta a idade do parceiro/cônjuge bem como a sua expectativa de sobrevida na data da prisão do segurado.

Desde

de

março

de

2015.

Fica assim (cônjuge/parceiro):

 

Duração:

 

Menores de 22 anos

3 anos

A partir de 22 anos até menor de 28 anos

6 anos

A partir de 28 anos até menor de 33 anos

9 anos

A partir de 33 anos até menor de 39 anos

12 anos

A partir de 39 anos até menor de 44 anos

15 anos

A partir de 44 anos

Vitalícia

3.3 Auxílio-Doença Atualização Legislativa Previdenciária Alteração Vigência    O valor para o

3.3 Auxílio-Doença

Atualização Legislativa Previdenciária

Alteração

Vigência

 

O valor para o auxílio-doença ficou limitado à média aritmética simples dos 12 (doze) últimos salários-de- contribuição. Entrarão nesse cálculo os salários-de- contribuição desde julho de 1994 até o mês anterior à DAT Data do Afastamento do Trabalho.

Para DAT

Data

do

Afastamento

do

Trabalho

ocorrida a

partir

de

março de 2015.

 

O segurado empregado agora, para entrar no gozo desse benefício, deverá estar afastado de suas atividades por no mínimo 30 dias. Só a partir do 31º dia é que receberá o auxílio pelo INSS, ficando a empresa responsável pelos primeiros 30 dias.

Para DAT

Data

do

Afastamento

do

Trabalho

ocorrida a

partir

de

março de 2015.

 

Não haverá mais atualização trianual da lista com doenças e afecções que isentam de carência nos casos de segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, fosse acometido de alguma delas. Essa lista era elaborada pelos Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Previdência Social a cada três anos.

Desde

de

março

de

2015.

3.4 Aposentadoria por Invalidez Atualização Legislativa Previdenciária Alteração Vigência    O

3.4 Aposentadoria por Invalidez

Atualização Legislativa Previdenciária

Alteração

Vigência

 

O segurado empregado agora, para entrar no gozo desse benefício, deverá estar afastado de suas atividades por no mínimo 30 dias. Só a partir do 31º dia é que receberá a aposentadoria por invalidez pelo INSS, ficando a empresa responsável pelos primeiros 30 dias.

Para

DAT

Data

do

Afastamento

do

Trabalho

ocorrida a

partir

de

março de 2015.

 

Não haverá mais atualização trianual da lista com doenças e afecções que isentam de carência nos casos de segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, fosse acometido de alguma delas. Essa lista era elaborada pelos Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Previdência Social a cada três anos.

Desde

de

março

de

2015.

3.5 Instrução Normatiza nº 77/INSS, de 22 de janeiro de 2015

Esta IN substituiu a IN 45/INSS e ainda não está atualizada pelas alterações da MP nº 664, salvo quanto à exclusão do dependente que participou dolosamente do óbito do segurado, e por isso tenha sido judicialmente condenado, quanto à pensão por morte e o auxílio-reclusão. As demais alterações, todavia, com certeza serão feitas.

: Some às observações feitas

aqui as demais regras já vigentes, pois as alterações não dispensam a aplicação

Por fim, cabe-me fazer uma

advertência

Atualização Legislativa Previdenciária do restante do regramento quanto aos benefícios. Precisamos considerar o todo

Atualização Legislativa Previdenciária

do restante do regramento quanto aos benefícios. Precisamos considerar o todo da Lei. Fique esperto!

Espero ter ajudado.

Grande abraço.

Professor Francisco Júnior,

04 de março de 2015

.