Você está na página 1de 47

NOTA DE AULA

PROF. JOSÉ GOMES RIBEIRO FILHO

ONDAS SONORAS
1 INTRODUÇÃO
De todas as ondas mecânicas da natureza, as mais importantes em nosso cotidiano são as ondas longitudinais
que se propagam em um meio, em geral o ar, e que são chamadas de ondas sonoras. Isso porque o ouvido humano
possui uma sensibilidade impressionante, sendo capaz de detectar ondas sonoras até de intensidade muito baixa. Além
do seu uso na comunicação falada, nossos ouvidos captam uma infinidade de ruídos existentes no ambiente, desde o
som proveniente de alimentos que estão sendo preparados até o som de um carro que se aproxima. A capacidade de
ouvir sons de animais predadores, que não são visíveis durante a noite, foi essencial para a sobrevivência de nossos
ancestrais, então não é exagero afirmar que existimos graças ao nosso sentido da audição altamente desenvolvido.
Até o momento, discutimos as ondas mecânicas principalmente em termos de deslocamentos; muitas vezes,
contudo, é mais apropriado descrever ondas sonoras em termos de flutuações de pressão, porque o ouvido é muito
sensível a elas. Estudaremos as relações entre flutuação de deslocamento, flutuação de pressão e intensidade, bem
como o vínculo entre essas grandezas e a percepção do som pelo ouvido humano.

2 ONDAS SONORAS
A definição mais geral de som é a de uma onda longitudinal que se propaga em um meio. Nossa principal
preocupação neste capítulo é com a propagação do som no ar; porém, o som pode se propagar no meio gasoso, líquido
ou sólido. Você já deve ter notado claramente a propagação do som em sólidos se o alto-falante do seu vizinho está
instalado próximo à sua parede.
As ondas sonoras mais simples são ondas senoidais, as quais possuem valores definidos para a amplitude, a
frequência e o comprimento de onda. O ouvido humano é sensível aos sons com frequências compreendidas entre 20 e
20000 Hz, que delimitam o intervalo audível, mas usamos também a palavra som no caso de frequências maiores
(ultrassom) ou frequências menores (infrassom) do que os limites do intervalo audível. As ondas sonoras geralmente se
propagam em todas as direções a partir da fonte, com amplitudes que dependem da direção e da distância entre o
ouvinte e a fonte. Por enquanto, nos concentraremos no caso ideal de uma onda sonora que se propaga apenas no
sentido positivo do eixo Ox. Uma onda é descrita por uma função de onda y(x, t), que fornece o deslocamento
instantâneo y de uma partícula em um meio para uma posição x no instante t como na equação:
y(x, t) = A cos (kx- ωt)
Lembre-se de que em uma onda longitudinal os deslocamentos são paralelos à direção da propagação da onda,
de modo que as distâncias x e y serão paralelas e não ortogonais, como no caso da propagação de uma onda
transversal. A amplitude A é o deslocamento máximo da partícula a partir da posição de equilíbrio. Portanto, A também
é chamada de amplitude de deslocamento.
ONDAS SONORAS COMO FLUTUAÇÕES DE PRESSÃO
Vamos agora examinar os deslocamentos e variações de pressão associados a uma onda sonora senoidal que se
propaga no ar. Uma onda desse tipo pode ser produzida movendo-se senoidalmente um êmbolo na extremidade
esquerda do tubo (como na figura 1).

FIGURA 1 Uma onda sonora é produzida em um tubo


cheio de ar, movendo o êmbolo para a frente e para trás.
Como as oscilações de um elemento de ar (representado
pelo ponto) são paralelas à direção de propagação da
onda, ela é uma onda longitudinal.

A figura 2a mostra uma onda se propagando para a direita em um tubo longo cheio de ar. O movimento do
êmbolo para a direita desloca o elemento de ar mais próximo e comprime esse ar; o movimento do êmbolo para a
esquerda permite que o elemento de ar se desloque de volta para a esquerda e que a pressão diminua. Como cada

1
elemento de ar afeta o elemento que está ao lado, os movimentos do ar para a direita e para a esquerda e as variações
de pressão se propagam ao longo do tubo como uma onda sonora.

FIGURA 2 (a) Uma onda sonora que se propaga com velocidade v em um tubo longo cheio de ar é composta por uma
série de expansões e compressões periódicas do ar que se deslocam ao longo do tubo. A onda é mostrada em um
instante arbitrário. (b) Uma vista horizontal ampliada de uma pequena parte do tubo. Quando a onda passa, um
elemento de ar de espessura Δx oscila para a esquerda e para a direita em movimento harmônico simples em torno da
posição de equilíbrio. No instante mostrado em (b) o elemento se encontra deslocado de uma distância s para a direita
da posição de equilíbrio. O deslocamento máximo, para a direita ou para a esquerda, é sm.

Considere o elemento de ar de espessura Δx da figura 2b. Quando a onda atravessa essa parte do tubo o
elemento de ar oscila para a esquerda e para a direita em movimento harmônico simples em torno da posição de
equilíbrio. Assim, as oscilações dos elementos de ar produzidas pela onda sonora progressiva são semelhantes às
oscilações dos elementos de uma corda produzidas por uma onda transversal, exceto pelo fato de que a oscilação dos
elementos de ar é longitudinal, e não transversal.
Como os elementos da corda oscilam paralelamente ao eixo y, escrevemos os deslocamentos na forma y(x, t).
Por analogia, como os elementos de ar oscilam paralelamente ao eixo x, poderíamos escrever os deslocamentos na
forma x(x, t); entretanto, para evitar confusão da função x com a variável x vamos usar a notação s(x, t).
Para mostrar que os deslocamentos s(x, t) são funções senoidais de x e de t, é possível usar uma função seno ou
uma função co-seno. Neste capítulo vamos usar uma função co-seno, escrevendo
s(x, t) = sm cos(kx - ωt) [1]
A figura 3 identifica as várias partes desta equação. O fator sm é a amplitude do deslocamento, ou seja, o
deslocamento máximo do elemento de ar em qualquer sentido a partir da posição de equilíbrio (veja a figura 2b). O
número de onda k, a frequência angular ω, a frequência f, o comprimento de onda λ, a velocidade v e o período T de
uma onda sonora (longitudinal) são definidos do mesmo modo e obedecem às mesmas relações que para uma onda
transversal, exceto pelo fato de que agora λ é a distância (na direção de propagação) para a qual o padrão de
compressões e expansões associado à onda começa a se repetir (veja a figura 2a). (Estamos supondo que sm é muito
menor do que λ.)

FIGURA 3 Função deslocamento.

Quando a onda se propaga, a pressão do ar em qualquer posição x da figura 2a varia senoidalmente, como
veremos agora.

2
Considere um elemento de ar oscilante de seção reta A e espessura Δx, com o centro deslocado de sua posição
de equilíbrio de uma distância s como mostrado na figura 2b. De acordo com a definição de módulo volumétrico,
expressamos a variação da pressão no elemento de gás em função de sua variação em volume:
V
P  B [2]
V
A grandeza V da equação 2 é o volume do elemento, dado por
V = AΔx [3]
A grandeza ΔV da equação 2 é a variação de volume que ocorre quando o elemento é deslocado. Essa variação de
volume acontece porque os deslocamentos das duas extremidades do elemento não são exatamente iguais, diferindo
de um valor Δs. Assim, podemos escrever a variação de volume como
ΔV = AΔs. [4]
Substituindo as equações 3 e 4 na equação 2 e passando ao limite diferencial, obtemos
s s
P  B  B [5]
x x
O símbolo  mostra que a derivada da equação 5 é uma derivada parcial que nos diz como s varia com x quando o
tempo t é mantido constante. De acordo com a equação 1, tratando t como uma constante temos, portanto,
s 
 [sm cos(kx  t)]  ksmsen(kx  t)
x x
Substituindo este resultado para a derivada parcial na equação 5, obtemos
P  Bksmsen(kx  t) [6]
Fazendo ΔPm = Bksm, obtemos a amplitude da pressão, ou seja, o máximo aumento ou diminuição de pressão associado
à onda.
A figura 4 mostra s(x, t) e ΔP para uma onda senoidal quando t = 0. Mostra também o quanto as partículas
individuais da onda estão deslocadas nesse momento. Embora s(x, t) e ΔP descrevam a mesma onda, essas funções têm
uma diferença de fase de um quarto de ciclo; em um dado instante, o deslocamento é máximo quando a flutuação de
pressão é igual a zero e vice-versa. Em especial, note que as compressões (pontos de maior pressão e densidade) e
expansões (pontos de menor pressão e densidade) são pontos de deslocamento zero.

FIGURA 4 Três formas de descrever uma onda sonora.

A amplitude da pressão é diretamente proporcional à amplitude do deslocamento sm, como era de se esperar, e
depende também do comprimento da onda. Para uma dada amplitude, ondas com comprimentos de onda λ curtos
(valores elevados do número de onda k = 2π/λ) apresentam variações de pressão maiores, porque os máximos e
mínimos são comprimidos e se aproximam mais entre si. Um meio que possui um valor elevado de B precisa de uma
amplitude da pressão relativamente maior para produzir um dado deslocamento, porque um valor de B elevado indica

3
um meio menos compressível, ou seja, uma pressão mais elevada é necessária para produzir uma dada variação de
volume.
PERCEPÇÕES DAS ONDAS SONORAS
As características físicas de uma onda sonora estão diretamente relacionadas à percepção desse som por um
ouvinte. Para uma dada frequência, quanto maior for a amplitude da pressão de uma onda sonora senoidal, mais
elevada será a intensidade sonora. A relação entre a amplitude da pressão e a intensidade sonora não é muito simples e
varia de uma pessoa a outra. Um fator importante é que o ouvido não possui a mesma sensibilidade para todas as
frequências do intervalo audível. Um som com uma dada frequência pode parecer mais forte do que outro com
amplitude igual, mas com frequência diferente. Para uma frequência de 1000 Hz, a amplitude mínima da pressão que
pode ser detectada por um ouvido normal é igual a aproximadamente 3.10–5 Pa; para produzir a mesma intensidade
sonora a 200 Hz ou a 15000 Hz, o valor é cerca de 3.10–4 Pa. A percepção da intensidade também depende da saúde do
ouvido. A perda de sensibilidade para altas frequências na extremidade do intervalo audível ocorre, geralmente, com o
envelhecimento; porém, pode ser agravada pela exposição a barulhos com níveis excessivamente elevados. Estudos
revelam que muitos músicos jovens de bandas de rock sofrem um dano permanente no ouvido e apresentam uma
audição típica de pessoas com mais de 65 anos de idade. Os fones de ouvido de aparelhos de som usados em volume
muito alto também constituem uma ameaça para a audição. Tome cuidado!
A frequência de uma onda sonora é o fator principal que determina a altura de um som, a qualidade que nos
permite distinguir um som ‘agudo’ de um som ‘grave’. Quanto maior for a frequência do som (dentro do intervalo
audível), mais aguda será a altura do som que um ouvinte perceberá. A amplitude da pressão também desempenha um
papel na determinação da altura do som. Quando um ouvinte compara duas ondas sonoras de mesma frequência, mas
com valores diferentes de amplitude de pressão, o som de maior amplitude da pressão é percebido como mais forte,
porém com uma altura menor, parecendo mais grave.
Sons musicais têm funções de onda mais complicadas do que uma simples função senoidal. A flutuação de
pressão de uma onda sonora produzida por uma clarineta é mostrada na figura 5a. O padrão é tão complexo porque a
coluna de ar em um instrumento de sopro como a clarineta vibra não apenas na frequência fundamental, mas também
em muitos outros harmônicos ao mesmo tempo. A onda sonora produzida no ar que circunda o instrumento conterá a
mesma quantidade de cada harmônico, ou seja, a mesma composição harmônica. A figura 5b mostra a composição
harmônica do som de uma clarineta. O processo matemático de traduzir um gráfico da pressão em função do tempo,
como o da figura 5a, em um gráfico de composição harmônica, como o da figura 5b, chamado de Análise de Fourier.

FIGURA 5 Diferentes representações do som de (a), (b) uma clarineta e (c), (d) uma flauta doce. (Gráficos adaptados
a partir de R. E. Berg e D. G. Stork, The Physics of Sound, Prentice-Hall, 1982.)

Dois tons produzidos por instrumentos diferentes podem ter a mesma frequência fundamental (e, portanto, a
mesma altura), porém são percebidos de maneiras diferentes em virtude da presença de quantidades diferentes dos
diversos harmônicos. Essa diferença, conhecida como cor do tom, qualidade ou timbre, geralmente é descrita de modo
subjetivo mediante o uso de expressões como um tom ‘redondo’, ‘estridente’, ‘metálico’ ou ‘melodioso’. Um tom rico
em harmônicos, como o tom da clarineta representado nas figuras 5a e 5b, geralmente soa como ‘fino’ e ‘agudo’,
enquanto um tom contendo basicamente o harmônico fundamental, como o som produzido por uma flauta doce,
representado nas figuras 5c e 5d, é mais ‘melodioso’ e ‘redondo’. O mesmo princípio se aplica à voz humana, que é
outro exemplo de um instrumento de sopro: as vogais ‘a’ e ‘e’ soam de modo diferente devido a diferenças em sua
composição harmônica.

4
Outro fator importante para a determinação do timbre é o comportamento no princípio (ataque) e no final
(decaimento) de um tom. O tom de um piano começa com uma pancada e a seguir se extingue gradualmente. O tom de
um cravo, além de possuir uma composição harmônica diferente, começa muito mais rapidamente com um clique, e os
harmônicos mais elevados começam antes dos harmônicos mais baixos. Quando a tecla é solta, o som se extingue muito
mais rapidamente do que o som do piano. Efeitos semelhantes podem ser observados em outros instrumentos
musicais. O músico que toca um instrumento de sopro ou de corda possui um controle considerável sobre o ataque e o
decaimento do tom, e essas propriedades ajudam a definir as características próprias de cada instrumento.
Diferentemente dos tons feitos por instrumentos musicais ou das vogais da voz humana, o ruído é uma
combinação de todas as frequências, não apenas frequências harmônicas, ou seja, frequências múltiplas de uma
frequência fundamental. (Um caso extremo é o ‘ruído branco’, que contém quantidades iguais de todas as frequências
ao longo do intervalo audível.) Exemplos de ruídos são o som do vento e o som sibilante produzido quando você
pronuncia a consoante ‘s’.

3 VELOCIDADE DAS ONDAS SONORAS


Vimos que a velocidade de uma onda transversal em uma corda depende da tensão F e da densidade linear μ:
v  F /  . Qual é a expressão correspondente para a velocidade das ondas sonoras em um gás ou um líquido? De que
propriedades do meio a velocidade depende? Podemos levantar uma hipótese a respeito dessas questões lembrando-
nos de uma afirmação que fizemos no capítulo de ondas mecânicas: nas ondas mecânicas em geral, a expressão da
velocidade da onda é da forma
Força restauradora que atua durante o retorno ao equilíbrio
v
Força resistiva inercial durante o retorno ao equilíbrio
Uma onda sonora no interior de um fluido provoca compressões e expansões no fluido, logo o termo da força
restauradora na expressão acima precisa ser relacionado com a facilidade ou a dificuldade de comprimir o fluido. É
precisamente isso o que o módulo de compressão B do meio nos diz. Conforme a segunda lei de Newton, a inércia é
relacionada à massa.
A quantidade de massa de um fluido de grande volume é descrita por sua densidade, ou massa por unidade de
volume, ρ. (A grandeza correspondente para uma corda é a massa por unidade de comprimento, μ.) Logo, esperamos
que a velocidade das ondas sonoras seja da forma v  B /  .
Para verificar nossa hipótese, deduziremos a velocidade das ondas sonoras em um fluido dentro de um tubo.
Esta é uma situação de importância, já que todos os instrumentos musicais de sopro são fundamentalmente tubos em
que uma onda longitudinal (som) se propaga em um fluido (ar). A voz humana é produzida com base no mesmo
princípio; as ondas sonoras se propagam no trato vocal humano, que é basicamente um tubo cheio de ar ligado aos
pulmões em uma das extremidades (a laringe), enquanto a outra extremidade (a boca) está em contato com o ar
exterior. Nessa dedução, seguiremos as etapas usadas na dedução para achar a velocidade das ondas transversais
(Capítulo anterior), portanto talvez seja bom você revisar aquele tópico.
VELOCIDADE DO SOM EM UM FLUIDO
Considere um pulso isolado de compressão do ar que se propaga da direita para a esquerda, com velocidade v,
em um tubo como o da figura 2. Vamos escolher um referencial que se move com a mesma velocidade que o pulso. A
figura 6a mostra a situação do ponto de vista deste referencial. O pulso permanece estacionário e o ar passa por ele
com velocidade v, movendo-se da esquerda para a direita.

FIGURA 6 Um pulso de compressão se propaga da


direita para a esquerda em um tubo longo cheio de ar. O
referencial da figura foi escolhido de tal forma que o
pulso permanece em repouso e o ar se move da
esquerda para a direita. (a) Um elemento de ar de
largura Δx se move em direção ao pulso com velocidade
v. (b) A borda dianteira do elemento penetra no pulso.
São mostradas as forças (associadas à pressão do ar)
que agem sobre as bordas dianteira e traseira.

Seja P a pressão do ar não perturbado e P + ΔP a pressão na região do pulso onde ΔP é positivo devido à
compressão. Considere um elemento de ar com espessura Δx e seção reta A, movendo-se em direção ao pulso com

5
velocidade v. Quando esse elemento de ar penetra no pulso a borda dianteira encontra uma região de maior pressão,
que reduz a velocidade do elemento para v + Δv, onde Δv é um número negativo. Essa redução de velocidade termina
quando a borda traseira do elemento penetra no pulso, o que exige um intervalo de tempo dado por
x
t 
v
Vamos aplicar a segunda lei de Newton ao elemento. Durante o intervalo de tempo Δt, a força média exercida
sobre a borda traseira do elemento é PA, dirigida para a direita, e a força média exercida sobre a face dianteira é (P +
ΔP)A, dirigida para a esquerda (figura 6b). Assim, a força resultante média exercida sobre o elemento durante o
intervalo Δt é
F = PA - (P + ΔP)A = -ΔPA [7]
O sinal negativo indica que a força resultante que age sobre o elemento de ar aponta para a esquerda na figura 6b. O
volume do elemento é AΔx; e assim, com a ajuda da equação Δt = Δx/v, podemos escrever a massa como
Δm = ρΔV= ρAΔx = ρAvΔt [8]
A aceleração média do elemento durante o intervalo Δt é
v
a [9]
t
Assim, de acordo com a segunda lei de Newton (F = ma) e as equações 7, 8 e 9, temos:
v
PA  (Avt)
t
que pode ser escrita na forma
P
v 2   [10]
v / v
O ar que ocupa um volume V( = AvΔt) fora do pulso sofre uma redução de volume ΔV(= AΔvΔt) ao penetrar no pulso.
Assim,
V Avt v
  [11]
V Avt v
Substituindo a equação 11 e a equação 2 na equação 10, temos:
P P
v 2    B
v / v V / V
Explicitando v, obtemos
B
v [12]

Portanto, a velocidade de propagação de um pulso ondulatório longitudinal em um fluido depende somente do módulo
de compressão B e da densidade ρ do meio.
Embora tenhamos deduzido a equação 12 para uma onda se propagando em um tubo, ela se aplica a toda onda
longitudinal se propagando em um fluido de grande volume. Logo, a velocidade do som se propagando no ar ou na água
é determinada por essa equação.
VELOCIDADE DO SOM EM UM SÓLIDO
Quando uma onda longitudinal se propaga em uma barra sólida, a situação é ligeiramente diferente. Uma barra
pode se deformar lateralmente quando é comprimida longitudinalmente, enquanto um fluido no interior de um tubo
com seção reta uniforme não pode se deformar lateralmente. Usando o mesmo tipo de raciocínio que fizemos na
dedução da equação 12, podemos mostrar que a velocidade de propagação de um pulso longitudinal na barra é dada
por

v [13]

onde Y é o módulo de Young.
Tal como no caso da dedução de uma onda transversal em uma corda, as equações 12 e 13 valem para uma
onda senoidal, bem como para qualquer tipo de onda periódica, e não apenas para o caso especial discutido nesta
dedução.
A tabela 1 lista a velocidade do som se propagando em diversos materiais em grandes volumes. A velocidade de
propagação do som no chumbo é menor do que a velocidade do som no alumínio ou no aço porque o chumbo possui
um módulo de compressão menor e uma densidade maior do que aqueles metais.

6
VELOCIDADE DO SOM EM UM GÁS
A maioria das ondas sonoras que encontramos em nossa vida diária se propaga no ar. Ao usar a equação 12 para
calcular a velocidade de uma onda sonora no ar, não devemos nos esquecer de que o módulo de compressão de um gás
depende da pressão do gás: quanto maior a pressão aplicada a um gás para comprimi-lo, mais ele resiste a uma
compressão adicional e, portanto, maior o módulo de compressão. A expressão para o módulo de compressão de um
gás que se pode usar na equação 12 é
B = γP0 [14]
onde P0 é a pressão de equilíbrio do gás. A grandeza γ (a letra grega ‘gama’) é denominada razão das capacidades
caloríficas. É um número adimensional que caracteriza as propriedades térmicas do gás. Por exemplo, a razão das
capacidades caloríficas do ar γ = 1,40. Em condições normais de pressão atmosférica, P0 = 1,01105 Pa, portanto B =
(1,40)(1,013.105 Pa) = 1,42.105 Pa. Esse valor é minúsculo se comparado ao módulo de compressão de um sólido típico,
que está aproximadamente entre 1010 e 1011. Isso não é de surpreender, pois não é nada mais do que uma afirmação de
que o ar é muito mais fácil de comprimir do que o aço.
A densidade ρ de um gás depende também da pressão, que, por sua vez, depende da temperatura. No fim das
contas, a razão B/ρ para um dado tipo de gás não depende da pressão, apenas da temperatura. Conforme a equação 12,
isso significa que a velocidade do som em um gás é, fundamentalmente, uma função da temperatura T:
RT
v [15]
M
Essa expressão incorpora diversas grandezas que você talvez reconheça de seus estudos sobre gases ideais. A
temperatura T é a temperatura absoluta em kelvins (K), igual à temperatura em Celsius mais 273,15; logo, 20 °C
correspondem a T = 293,15 K. A grandeza M é a massa molar, ou massa por mol da substância de que o gás é composto.
A constante do gás, R, possui o mesmo valor para todos os gases. O valor numérico mais aproximado de R atualmente é
R = 8,314472 (15) J/mol · K que, por razões práticas de cálculo, podemos aproximar para 8,314 J/mol · K.
Para qualquer gás, γ, R e M são constantes, e a velocidade da onda é proporcional à raiz quadrada da
temperatura absoluta. Veremos posteriormente que a equação 15 é quase idêntica à expressão para a velocidade
média das moléculas de um gás ideal. Isso mostra que as velocidades sonoras e as velocidades moleculares são
intimamente relacionadas; contudo, explorar essa analogia está além dos nossos objetivos.
Na discussão precedente, desprezamos a natureza molecular do gás, que foi considerado um meio contínuo. Na
realidade, sabemos que um gás é constituído por moléculas que se movem aleatoriamente, separadas por distâncias
grandes em comparação com seus diâmetros. As vibrações que constituem as ondas que se propagam em um gás se
sobrepõem no movimento térmico aleatório. Sob a pressão atmosférica, uma molécula se desloca uma distância média
da ordem de 10–7 m entre as colisões, enquanto a amplitude do deslocamento de uma onda sonora fraca é de 10–9 m.
Podemos imaginar que uma onda sonora se propagando em um gás seja semelhante ao movimento de um enxame de
abelhas; o enxame como um todo oscila ligeiramente enquanto cada abelha se move de modo aparentemente aleatório
dentro do conjunto.

4 INTENSIDADE DO SOM
As ondas sonoras, como todas as ondas progressivas, transferem energia de uma região do espaço para outra.
Vimos na mecânica que uma forma útil de se descrever a energia transportada por uma onda sonora é por meio da
intensidade (designada pela letra I), que é igual à taxa temporal média com a qual a energia é transportada, por unidade
de área, através de uma superfície perpendicular à direção de propagação da onda. Vamos ver agora como expressar a
intensidade de uma onda sonora em termos da amplitude do deslocamento sm ou da amplitude da pressão Pmáx.
INTENSIDADE E AMPLITUDE DE DESLOCAMENTO

7
Para simplificar, vamos considerar uma onda sonora se propagando no sentido positivo do eixo Ox, de modo a
podermos usar as expressões para o deslocamento s(x, t) e a flutuação de pressão ΔP — equações 1 e 6,
respectivamente. Vimos também na mecânica que a potência é igual ao produto da força pela velocidade. Portanto, a
potência por unidade de área nessa onda sonora é igual ao produto da flutuação de pressão ΔP (força por unidade de
área) pela velocidade da partícula vs(x, t). A velocidade da partícula vs(x, t) é a velocidade no tempo t daquela porção do
meio ondulatório na coordenada x. Usando as equações 1 e 6, encontramos
s(x,t)
v s (x,t)   smsen(kx  t)
t
P.v s (x,t)  [Bksmsen(kx  t)][smsen(kx  t)]
P.v s (x,t)  Bksm2sen2 (kx  t)
A intensidade é o valor médio de ΔP.vs(x, t), por definição. Para qualquer valor de x, o valor médio da função
sen2 (kx – ωt) ao longo de um período T = 2π/ω é igual a 1/2, logo
1
I  Bksm2 [16]
2
Usando as relações ω = vk e v2 = B/ρ, podemos transformar a equação 16 na forma
1
I B2 sm2
2
Essa relação mostra por que em um sistema estereofônico o dispositivo que possui frequência baixa (o alto-falante
woofer) deve vibrar com amplitude maior do que o dispositivo com frequência alta (o alto-falante tweeter) para
produzirem a mesma intensidade sonora.
INTENSIDADE E AMPLITUDE DA PRESSÃO
Geralmente é mais útil expressar I em termos da amplitude da pressão ΔPmáx. Usando a relação ΔPm = Bksm e a
relação ω = vk, obtemos
2
Pmáx vP2
I  máx [17]
2Bk 2B
Usando a relação de velocidade da onda v2 = B/ρ, podemos também escrever a equação 17 nas formas
alternativas
2
Pmáx P2
I  máx .
2v 2 B
Convidamos você a verificar essas expressões.
A potência média total transportada ao longo de uma superfície por uma onda sonora é igual ao valor da
intensidade da onda sobre a superfície multiplicado pela área da superfície quando a intensidade é uniforme ao longo
da superfície. A potência sonora total emitida por uma pessoa falando em um tom de conversa normal é
aproximadamente igual a 10–5 W, enquanto um grito forte corresponde a 3.10–2 W. Se todas as pessoas de uma cidade
com 10 milhões de habitantes conversassem ao mesmo tempo, a potência total emitida seria de 100 W, equivalente ao
consumo de potência de uma lâmpada de filamento de porte médio.
Se a fonte sonora emite ondas em todas as direções de maneira uniforme, a intensidade diminui com o
aumento da distância r da fonte segundo a lei do inverso do quadrado: a intensidade é proporcional a 1/r2. Discutimos
essa lei e suas consequências no capítulo anterior. Se o som se move predominantemente em uma direção, a lei do
inverso do quadrado não é aplicável e a intensidade diminui com a distância de modo mais lento do que 1/r2 (figura 7).
A relação do inverso do quadrado também não é aplicável dentro de espaços fechados porque a energia do som
pode chegar a um ouvinte por reflexão nas paredes e no teto. Com efeito, parte do trabalho de um arquiteto ao
projetar um auditório é ajustar essas reflexões de modo que a intensidade seja tão uniforme quanto possível em todo o
auditório.

FIGURA 7 Colocando as mãos próximas à boca, como


mostra a fotografia, você dirige as ondas sonoras que
saem de sua boca de modo a evitar que elas se
propaguem para os lados. Dessa forma, a intensidade
diminui com a distância mais lentamente do que seria
esperado pela lei do inverso do quadrado, e você pode ser
ouvido a distâncias mais longas.

8
A ESCALA DECIBEL
Como o ouvido é sensível a um intervalo de intensidade muito grande, geralmente se adota uma escala
logarítmica para as intensidades. O nível da intensidade sonora β de uma onda sonora é definido pela equação
I
  (10dB)log [18]
I0
Nessa equação, I0 é uma intensidade de referência, escolhida com o valor 10–12 W/m2, perto do limiar da audição
humana de 1000 Hz. Lembre-se de que o símbolo ‘log’ representa um logaritmo na base 10. Os níveis de intensidade
sonora são expressos em decibéis, abreviados por dB. Um decibel é uma fração igual a 1/10 do bel, uma unidade criada
em homenagem a Alexander Graham Bell (o inventor do telefone). Como em muitos casos o bel é inconvenientemente
grande, o decibel é a unidade usual para o nível da intensidade sonora. Quando a intensidade de uma onda sonora for
igual a I0 ou 10–12 W/m2, seu nível de intensidade sonora será igual a 0 dB. Uma intensidade de 1 W/m2 corresponde a
120 dB. Na tabela 2, fornecemos o nível da intensidade sonora de diversos sons familiares em decibéis. Podemos usar a
equação 18 para conferir o nível da intensidade sonora β de cada intensidade indicada na tabela.

Como o ouvido não possui a mesma sensibilidade para todas as frequências do intervalo audível, alguns
medidores do nível da intensidade sonora fornecem pesos diferentes para as frequências. É o que acontece com a
chamada escala dBA, que dá menos ênfase a frequências muito baixas e muito altas, às quais o ouvido é menos sensível
do que a frequências intermediárias.

5 ONDAS ESTACIONÁRIAS E MODOS NORMAIS


Quando ondas longitudinais (sonoras) se propagam em um fluido no interior de um tubo com comprimento
finito, elas são refletidas nas extremidades do mesmo modo que as ondas transversais em uma corda. A superposição
das ondas que se propagam em sentidos opostos também forma uma onda estacionária. Tal como no caso de uma onda
estacionária transversal em uma corda, ondas estacionárias longitudinais (modos normais) em um tubo podem ser
usadas para criar ondas sonoras no ar circundante. Esse é o princípio operacional da voz humana, bem como de muitos
instrumentos musicais, inclusive todos os instrumentos de sopro, metais e órgãos de tubos.
As ondas transversais em uma corda, inclusive as ondas estacionárias, são em geral descritas somente em
termos dos deslocamentos da corda. Porém, como já vimos, as ondas longitudinais em um fluido podem ser descritas
tanto em termos de deslocamento do fluido quanto em termos de variação da pressão no fluido. Para evitar confusão,
vamos usar a expressão nó de deslocamento para designar um ponto do fluido com deslocamento igual a zero e ventre
de deslocamento para o ponto no qual o deslocamento é máximo.
Podemos demonstrar a existência de ondas longitudinais em uma coluna de gás usando um aparelho chamado
tubo de Kundt (figura 8). Um tubo de vidro horizontal da ordem de 1,0 m de comprimento está fechado em uma de suas
extremidades, e na outra contém um diafragma flexível que pode transmitir vibrações. Um alto-falante vizinho é
acionado por um oscilador de áudio e um amplificador e força o diafragma a vibrar senoidalmente com uma frequência
que podemos variar. As ondas sonoras no interior do tubo são refletidas na extremidade fechada do tubo. Espalhamos
uma pequena quantidade de pó leve pela parte inferior do tubo. À medida que variamos a frequência do som, passamos
por frequências em que as amplitudes das ondas estacionárias se tomam tão grandes que o pó é varrido ao longo do
tubo pelo gás em movimento. Assim, o pó fica em repouso nos locais onde existem nós de deslocamento (onde o gás
não se move). A distância entre dois nós adjacentes é igual a λ/2, e podemos medir essa distância. Lemos a frequência
no mostrador do oscilador, e a seguir calculamos a velocidade v das ondas usando a relação v = λ f.

9
FIGURA 8 Demonstração de ondas estacionárias por meio de um tubo de Kundt. As regiões sombreadas representam a
densidade do gás no instante em que a pressão do gás nos nós de deslocamento é máxima ou mínima.

A figura 9 mostra os movimentos de nove partículas diferentes dentro de um tubo cheio de gás em que há uma
onda sonora estacionária.

FIGURA 9 Em uma onda sonora estacionária, um nó de


deslocamento N é um ventre de pressão (um ponto em que a
pressão flutua ao máximo) e um ventre de deslocamento V é um
nó de pressão (um ponto em que a pressão não flutua).

Uma partícula em um nó de deslocamento (N) não se move, enquanto uma partícula em um ventre de
deslocamento (V) oscila com amplitude máxima. Note que as partículas em lados opostos do nó de deslocamento
vibram em fases opostas. Quando uma dessas partículas se aproxima da outra, o gás entre elas é comprimido e a
pressão aumenta; quando elas se afastam, ocorre uma expansão do gás e a pressão diminui. Logo, quando ocorre um
nó de deslocamento, o gás sofre uma compressão máxima e as variações de pressão e de densidade acima e abaixo do
valor médio atingem um máximo. Em contraste, as partículas dos lados opostos de um ventre vibram em fase; as
distâncias entre as partículas são aproximadamente constantes e não existe nenhuma variação da pressão nem da
densidade em um ventre de deslocamento.
Usamos o termo nó de pressão para descrever um ponto da onda longitudinal estacionária no qual a pressão e a
densidade não variam, e o termo ventre de pressão para descrever um ponto no qual variações da pressão e da
densidade atingem valores máximos. Usando esses termos, podemos resumir nossas observações sobre ondas
longitudinais estacionárias do seguinte modo:
Um nó de pressão corresponde sempre a um ventre de deslocamento, e um ventre de pressão corresponde sempre a um
nó de deslocamento.
A figura 8 mostra uma onda longitudinal estacionária no instante em que a variação da pressão atinge seu valor
máximo; a região sombreada mostra que a densidade e a pressão do gás atingem máximos e mínimos nos nós de
deslocamento (designados pela letra N).

10
Quando ocorre reflexão na extremidade fechada de um tubo (uma extremidade com uma barreira rígida ou com
uma tampa), o deslocamento das partículas nessa extremidade é sempre igual a zero, de modo análogo a uma
extremidade fixa de uma corda. Logo, a extremidade fechada de um tubo é um nó de deslocamento e um ventre de
pressão; as partículas não se movem, porém, a variação da pressão é máxima. Uma extremidade aberta de um tubo é
um nó de pressão porque ela está aberta para a atmosfera, onde a pressão permanece constante. Portanto, uma
extremidade aberta é sempre um ventre de deslocamento, analogamente ao caso da extremidade livre de uma corda;
as partículas se deslocam com amplitude máxima, mas a pressão não varia. (Estritamente falando, um nó de pressão
ocorre em um ponto um pouco mais além da extremidade livre do tubo. Porém, quando o diâmetro do tubo for
pequeno em comparação ao comprimento de onda, o que é verdade para quase todos os instrumentos musicais, esse
efeito pode ser desprezado.) Logo, as ondas longitudinais em uma coluna de fluido são refletidas nas extremidades
fechadas e abertas de um tubo, exatamente como ocorre com as ondas transversais refletidas em extremidades fixas e
livres de uma corda, respectivamente.
ÓRGÃOS E INSTRUMENTOS DE SOPRO
A aplicação mais importante das ondas longitudinais estacionárias é a produção de tons musicais por
instrumentos de sopro e instrumentos com tubos de ar. Um órgão constitui um dos exemplos mais simples (figura 10).

FIGURA 10 Tubos de órgão de tamanhos diferentes produzem


tons com frequências diferentes.

O ar é fornecido por foles ou ventoinhas, com uma pressão manométrica da ordem de 103 Pa (10–2 atm), na
extremidade inferior do tubo (figura 11). Uma corrente de ar emerge da abertura estreita na extremidade da superfície
horizontal e a seguir é direcionada para a parte superior da abertura, chamada de boca do tubo. A coluna de ar no tubo
começa a vibrar e ocorrem diversos modos normais possíveis, tal como no caso de uma corda esticada. A boca sempre
funciona como uma extremidade aberta; logo, ela é um nó de pressão e um ventre de deslocamento. A outra
extremidade do tubo (no topo da figura 11) pode estar fechada ou aberta.

FIGURA 11 Seção reta do tubo de um órgão em dois instantes


separados por meio período. As letras 'N' e ‘V' indicam,
respectivamente, um nó e um ventre de deslocamento. As partes
mais escuras indicam pontos nos quais a variação de pressão é
máxima, e as partes mais claras indicam pontos nos quais a
variação de pressão é igual a zero.

Na figura 12, as duas extremidades do tubo estão abertas, de modo que elas são nós de pressão e ventres de
deslocamento. Um tubo de órgão que possui as duas extremidades abertas é chamado de tubo aberto. A frequência
fundamental f1 corresponde a uma configuração de onda estacionária com um ventre em cada extremidade e um nó de
deslocamento no meio do tubo (figura 12a). A distância entre dois ventres adjacentes é sempre igual a meio
comprimento de onda e, neste caso, ele é igual ao comprimento L do tubo; λ/2 = L. A frequência fundamental
correspondente, obtida da relação f = v/λ é dada por
v
f1  [19]
2L

11
As figuras 12b e 12c mostram o segundo e o terceiro harmônicos (o primeiro e o segundo sobretons); seus
padrões de vibração apresentam dois e três nós de deslocamento, respectivamente. Para estes, meio comprimento de
onda é igual a L/2 e L/3, respectivamente, e as frequências são o dobro e o triplo da frequência fundamental,
respectivamente. Ou seja, f2 = 2f1 e f3 = 3f1. Para qualquer modo normal de um tubo aberto de comprimento L deve
existir um múltiplo inteiro de meios comprimentos de onda, e os comprimentos de onda λn possíveis são dados por
n 2L
L n ou n  (n  1,2,3,...) [20]
2 n
As frequências correspondentes fn são obtidas por fn = v/λn, de modo que todas as frequências dos modos
normais para um tubo aberto nas duas extremidades são dadas por
nv
fn  (n  1,2,3,...) [21]
2L
O valor n = 1 fornece a frequência fundamental, n = 2 fornece o segundo harmônico (primeiro sobretom), e
assim por diante. Alternativamente, podemos escrever fn  nf1 (n  1,2,3,...) onde f1 é dada pela equação 19.

FIGURA 12 Seção reta de um tubo aberto mostrando os três primeiros modos normais. As regiões sombreadas indicam
variações de pressão. As curvas indicam os gráficos do deslocamento ao longo do tubo em instantes de tempo
separados entre si pela metade do período. As letras 'N' e 'V’ indicam, respectivamente, um nó e um ventre de
deslocamento; trocando as posições obtemos, respectivamente, um ventre e um nó de pressão.

A figura 13 mostra um tubo aberto na extremidade esquerda, mas fechado na extremidade direita. Esse tubo é
chamado de tubo fechado em uma extremidade, ou simplesmente tubo fechado. A extremidade esquerda (aberta) é um
ventre de deslocamento (nó de pressão), porém a extremidade da direita (fechada) corresponde a um nó de
deslocamento (ventre de pressão). A distância entre um nó e o ventre adjacente é sempre igual a um quarto do
comprimento de onda. A figura 13a mostra o modo com frequência mais baixa; o comprimento do tubo é igual a um
quarto do comprimento de onda (λ/4). A frequência fundamental é f1 = v/λ1 ou
v
f1  [22]
4L
Esse valor é a metade da frequência fundamental de um tubo aberto de mesmo comprimento. Em linguagem de
música, a altura de um tubo fechado é uma oitava menor (um fator de dois na frequência) do que a de um tubo aberto
de mesmo comprimento. A figura 13b mostra o modo seguinte, em que o comprimento de onda do tubo é três quartos
do comprimento de onda, correspondendo a uma frequência 3f1. Na figura 13c, L = 5λ/4 e a frequência é igual a 5f1. Os
comprimentos de onda possíveis são
n 4L
L n ou n  (n  1,3,5...) [23]
4 n
As frequências dos modos normais são dadas por fn = v/λn, ou
nv
fn  (n  1,3,5,...) [24]
4L
ou
fn  nf1 (n  1,3,5,...)

12
onde f1 é dado pela equação 22. Vemos que o segundo, o quarto e todos os harmônicos pares não estão presentes. Em
um tubo fechado em uma das extremidades, a frequência fundamental é f1 = v/4L e somente os harmônicos de ordem
ímpar na série (3f1,5f1...) são possíveis.

FIGURA 13 Seção reta de um tubo fechado mostrando os três primeiros modos normais, assim como os nós e os ventres
de deslocamento; trocando as posições obtemos; respectivamente, um ventre e um nó de pressão. Somente os
harmônicos de ordem ímpar podem ocorrer.

Uma possibilidade final seria um tubo fechado em ambas as extremidades, contendo nós de deslocamento e
ventres de pressão nas duas extremidades. Esse caso não tem utilidade prática como instrumento musical, pois não há
forma de fazer as vibrações saírem do tubo.
Em um tubo de um órgão em uso, diversos modos estão presentes simultaneamente; o movimento do ar é uma
superposição desses modos. Tal como no caso de uma corda vibrante, uma onda estacionária complexa se propaga no
tubo produzindo uma onda sonora progressiva no ar circundante com uma composição harmônica semelhante à da
onda estacionária. Um tubo muito fino produz uma onda sonora rica em harmônicos superiores, os quais nós ouvimos
como um tom fino e 'agudo'; um tubo grosso produz basicamente o harmônico fundamental, ouvido como um tom
macio, mais parecido com o tom de uma flauta. A composição harmônica também depende da forma da boca do tubo.
Até o momento falamos sobre tubos de órgãos, porém essa discussão se aplica a outros instrumentos de sopro.
A flauta e a flauta doce são diretamente análogos. A principal diferença é que esses instrumentos possuem buracos ao
longo do tubo. Usando os dedos, podemos abrir ou fechar os buracos, alterando o comprimento efetivo L da coluna de
ar e, portanto, fazendo variar a altura do som. Em contraste, cada tubo individual de um órgão pode tocar apenas uma
nota. A flauta e a flauta doce funcionam como tubos abertos, enquanto uma clarineta funciona como um tubo fechado
(fechado na extremidade onde se sopra e onde se localiza a palheta, e aberto na outra extremidade, por onde sai o ar).
As equações 18 e 22 mostram que as frequências de qualquer instrumento de sopro são proporcionais à
velocidade do som v na coluna de ar no interior do instrumento. Como mostra a equação 15, v depende da
temperatura; seu valor aumenta quando a temperatura aumenta. Portanto, a altura de todos os instrumentos musicais
se eleva com o aumento da temperatura. Se alguns tubos do órgão estiverem em temperaturas diferentes de outros, o
órgão soará desafinado.

6 RESSONÂNCIA E SOM
Muitos sistemas mecânicos têm modos normais de oscilação. Como vimos, esses modos incluem colunas de ar
(como em um órgão de tubo) e cordas esticadas (como em uma guitarra). Em cada modo, cada partícula do sistema
descreve um MHS com a mesma frequência deste modo. Colunas de ar e cordas esticadas possuem uma série infinita de
modos normais, porém o conceito básico está intimamente relacionado com o oscilador harmônico simples já discutido
em capítulos passados, que possui um único modo normal (ou seja, uma única frequência com a qual ele oscila depois
de ser perturbado).
Suponha que você aplique uma força variando periodicamente sobre um sistema que pode oscilar. O sistema é
então forçado a oscilar com a mesma frequência da força aplicada (chamada de força propulsora). Esse movimento
denomina-se oscilação forçada. Já falamos sobre as oscilações forçadas de um oscilador harmônico, e sugerimos que
você faça uma revisão desse assunto. Em particular, descrevemos o fenômeno da ressonância mecânica. Um exemplo
simples de ressonância ocorre quando você empurra o seu primo em um balanço. O balanço é um pêndulo; ele possui

13
apenas um modo normal cuja frequência é determinada pelo comprimento do pêndulo. Quando empurramos
periodicamente o balanço com essa frequência, podemos fazer a amplitude do movimento aumentar. Porém, quando
empurramos o balanço com uma frequência diferente, este praticamente não se move.
A ressonância também ocorre quando uma força periódica é aplicada a um sistema com muitos modos normais
de vibração. Você pode ver um exemplo na figura 14a.

FIGURA 14 (a) O ar em um tubo aberto é forçado a oscilar com a mesma frequência que as ondas sonoras senoidais
provenientes de um alto-falante. (b) Este gráfico, que se chama curva de ressonância do tubo aberto, mostra a
amplitude das oscilações do ar no tubo aberto em função da frequência da força propulsora.

Um tubo aberto de um órgão é colocado nas proximidades de um alto-falante, alimentado por um amplificador,
emitindo ondas senoidais puras com frequência f que pode variar ajustando-se o amplificador. O ar no interior do tubo
aberto é forçado a oscilar com a mesma frequência f da força propulsora produzida pelo alto-falante. Em geral, a
amplitude desse movimento é relativamente pequena, e o ar no interior do tubo não se move em nenhum dos modos
normais mostrados na figura 12. Entretanto, quando a frequência f da força propulsora tiver um valor próximo ao de
uma das frequências dos modos normais, o ar no interior do tubo oscilará com a mesma frequência desse modo normal,
e a amplitude aumentará consideravelmente. A figura 14b mostra a amplitude das oscilações do ar no tubo em função
da frequência f da força propulsora. A forma desse gráfico é chamada de curva de ressonância do tubo; ela forma picos
quando o valor da frequência f é igual a uma das frequências dos modos normais do tubo. A forma detalhada da curva
de ressonância depende da geometria do tubo.
Se a frequência da força propulsora for exatamente igual a uma das frequências dos modos normais, a
amplitude da oscilação forçada atingirá seu valor máximo. Caso não houvesse atrito nem nenhum outro mecanismo de
dissipação de energia, uma força propulsora com a frequência de um modo normal continuaria a adicionar energia ao
sistema e a amplitude cresceria indefinidamente. Nesse caso ideal, os picos da curva de ressonância da figura 14b
seriam infinitamente grandes. Contudo, em sistemas reais existe sempre alguma dissipação de energia, ou
amortecimento; a amplitude da oscilação na ressonância pode ser muito grande, mas não pode ser infinita.
O ‘som das ondas do mar’ que você ouve quando encosta o ouvido em uma concha do mar é produzido por
ressonância. O ruído do som do ar do lado de fora da concha é uma mistura de ondas sonoras com quase todas as
frequências audíveis, forçando a oscilação do ar no interior da concha. A concha funciona como se fosse o tubo de um
órgão, contendo um conjunto de frequências dos modos normais; portanto, o ar no interior da concha oscila com mais
intensidade nessas frequências, produzindo o som característico que você ouve. Para ouvir outro fenômeno
semelhante, tire a tampa da sua bebida favorita e sopre através da extremidade superior aberta. O ruído é produzido
pelo seu sopro e o ‘tubo do órgão’ é a coluna de ar acima da superfície livre do líquido. Caso você beba um pouco da
bebida e repita a experiência, você ouvirá um tom mais baixo porque o comprimento do ‘tubo’ aumentou, e as
frequências dos modos normais são menores.
A ressonância também ocorre quando uma corda esticada é obrigada a oscilar. Suponha que uma das
extremidades de uma corda esticada seja mantida fixa enquanto a outra extremidade vibra com pequenas amplitudes
produzindo ondas estacionárias. Quando a frequência do mecanismo propulsor não for igual a uma das frequências dos
modos normais da corda, a amplitude nos ventres será bastante pequena. Contudo, quando a frequência for igual a
uma das frequências dos modos normais, a corda entrará em ressonância e a amplitude dos ventres passará a ser muito
maior do que a amplitude dos ventres da extremidade livre que oscila. A extremidade propulsora não é precisamente
um nó, porém ela está mais próxima de um nó do que de um ventre quando a corda entra em ressonância. As
fotografias mostradas na figura 15 foram feitas desse modo, mantendo-se a extremidade da esquerda fixa e fazendo a
extremidade da direita oscilar verticalmente com pequena amplitude; as ondas estacionárias com amplitudes elevadas
são produzidas quando a frequência da oscilação da extremidade direita for igual a uma frequência fundamental, ou
quando for igual à frequência de um dos três primeiros sobretons.

14
FIGURA 15 (a) - (d) Fotografias feitas com tempo de exposição longo mostrando ondas estacionárias em uma corda
esticada. De (a) até (d) a frequência da oscilação produzida pela mão na extremidade direita aumenta e o comprimento
de onda da onda estacionária diminui.

É fácil demonstrar a ressonância em um piano. Pressione para baixo o pedal do amortecedor, ou sustain (o
pedal do lado direito), de modo que a eliminar o amortecimento e permitir que as cordas vibrem livremente, e a seguir
cante em um tom constante para dentro do piano. Quando você para de cantar, o piano parece continuar cantando a
mesma nota. As ondas sonoras de sua voz excitam vibrações nas cordas que possuem frequências naturais próximas das
frequências (a fundamental e os demais harmônicos) presentes na nota que você cantou.
Um exemplo mais espetacular é dado por uma cantora que quebra um cálice de cristal quando sua voz é
amplificada pela ressonância. Um cálice de vinho de cristal de boa qualidade possui frequências normais de vibração
que você pode ouvir dando-lhe uma leve batida. Quando uma cantora emite uma nota em volume muito alto com uma
frequência exatamente igual a uma das frequências desses modos normais, as oscilações que ocorrem no cálice podem
se superpor, dando origem a uma oscilação com uma amplitude tão elevada que será capaz de quebrar o cálice (figura
16).

FIGURA 16 A frequência do som deste trompete atinge um valor


exatamente igual a uma das frequências dos modos normais da taça
de cristal. As vibrações da taça produzidas pela ressonância possuem
uma amplitude suficientemente elevada para fazer a taça quebrar.

A ressonância é um conceito muito importante, não só para sistemas mecânicos, como também para todas as
áreas da física. Em eletricidade, você aprenderá exemplos de ressonância em circuitos elétricos.

7 INTERFERÊNCIA DE ONDAS
O termo interferência agrupa os fenômenos ondulatórios que ocorrem quando duas ou mais ondas se
superpõem na mesma região do espaço. Como vimos, uma onda estacionária é um exemplo simples de interferência:
duas ondas se propagando em sentidos opostos ao longo de um meio se superpõem dando origem a uma onda
estacionária que possui nós e ventres que não se movem.
A figura 17 mostra outro exemplo de interferência que envolve ondas que se espalham no espaço. Dois alto-
falantes, mantidos em fase pelo mesmo amplificador, emitem ondas sonoras senoidais idênticas com a mesma
frequência constante. Colocamos um microfone no ponto P da figura, equidistante dos dois alto-falantes. As cristas das
ondas emitidas pelos dois alto-falantes percorrem distâncias iguais nos mesmos intervalos de tempo e chegam
simultaneamente ao ponto P. Portanto, as ondas chegam em fase e ocorre uma interferência construtiva. A amplitude

15
total da onda em P é igual ao dobro da amplitude de cada onda individual, e podemos medir essa amplitude total com o
microfone.

FIGURA 17 Dois alto-falantes alimentados pelo mesmo


amplificador. A interferência construtiva ocorre no ponto
P, e a interferência destrutiva ocorre no ponto Q.

Deslocamos agora o microfone para o ponto Q, no qual a diferença entre as distâncias até os microfones é igual
a meio comprimento de onda. Então as duas ondas chegam ao ponto Q com uma diferença de fase equivalente a meio
ciclo; uma crista positiva da onda proveniente de um alto-falante chega ao ponto no mesmo instante em que chega
outra onda com uma crista negativa. Nesse caso, ocorre interferência destrutiva, e a amplitude medida no microfone é
muito menor do que quando um único alto-falante está presente. Quando as amplitudes das ondas provenientes dos
alto-falantes forem iguais, as duas ondas se cancelam completamente no ponto Q, e a amplitude total da onda
resultante é igual a zero.
A interferência construtiva ocorre quando a diferença entre as distâncias percorridas pelas duas ondas for igual
a um número inteiro de comprimentos de onda, 0, λ, 2λ, 3λ... Em todos esses casos, as ondas chegam em fase ao
microfone (figura 18a). Quando a diferença das distâncias entre o microfone e cada alto-falante for igual a um número
semi-inteiro de comprimentos de onda, λ/2, 3λ/2, 5λ/2..., as ondas chegam ao microfone com fases opostas e ocorrerá
interferência destrutiva (figura 18b). Nesse caso, pouca ou nenhuma energia sonora flui em direção ao microfone que
está diretamente em frente aos alto-falantes. Em vez disso, a energia é dirigida para os lados, onde ocorre interferência
construtiva.

FIGURA 18 Dois alto-falantes alimentados pelo mesmo amplificador emitindo ondas em fase. Somente as ondas
direcionadas aos microfones são indicadas, e elas estão separadas para maior clareza. (a) Ocorre interferência
construtiva quando a diferença entre os dois caminhos for igual a 0, λ, 2λ, 3λ ... (b) Ocorre interferência destrutiva
quando a diferença entre os dois caminhos for igual a 0, λ/2, 3λ/2, 5λ/2 ...

Os efeitos de interferência são usados para controlar ruídos provenientes de fontes sonoras muito intensas, tais
como usinas que utilizam turbinas a gás ou células para testar motores a jato. O método consiste em usar fontes
sonoras adicionais localizadas em certos pontos do espaço para produzir interferência destrutiva com o som que não é
desejado, e cancelá-lo. Microfones instalados na área controlada enviam sinais de volta para as fontes sonoras

16
adicionadas, que ajustam continuamente as frequências emitidas de modo a otimizar a interferência destrutiva na área
controlada.

8 BATIMENTOS
No tópico anterior, comentamos sobre os efeitos de interferência que ocorrem quando duas ondas com
amplitudes diferentes e mesma frequência se superpõem na mesma região do espaço. Vejamos agora o que ocorre
quando há superposição de duas ondas de mesma amplitude, mas de frequências levemente diferentes. Isso ocorre, por
exemplo, quando tocamos simultaneamente dois diapasões com frequências ligeiramente diferentes, ou quando dois
tubos de um órgão que deveriam ter a mesma frequência ficam ligeiramente desafinados.
Considere um ponto particular do espaço onde as duas ondas se superpõem. Os deslocamentos das ondas
individuais nesse ponto são apresentados em função do tempo na figura 19a. O comprimento total do eixo do tempo
representa um segundo, e as frequências são 16 Hz (senóide que começa abaixo do eixo do tempo) e 18 Hz (senóide
que começa acima do eixo do tempo). Aplicando o princípio da superposição, adicionamos os deslocamentos em cada
instante para achar o deslocamento total no respectivo instante. O resultado dessa superposição é o gráfico indicado na
figura 19b. Em certos instantes, as duas ondas estão em fase; seus máximos coincidem e as duas amplitudes se somam.
Porém, como as curvas possuem frequências ligeiramente diferentes, as duas ondas não podem ficar sempre em fase.
Com efeito, em certos instantes (como t = 0,50 s na figura 19), elas estão completamente fora de fase. Nesse caso, as
duas ondas se cancelam, e a amplitude total é zero.
A onda resultante representada na figura 19b parece uma única onda senoidal com uma amplitude variável que
vai desde zero até um valor máximo e depois retorna a zero. Neste exemplo, a amplitude atinge dois máximos e dois
mínimos consecutivos em um segundo; logo, a frequência desta variação de amplitude é igual a 2 Hz. A variação da
amplitude produz variações de intensidade denominadas batimentos, e a frequência dessa variação de intensidade
denomina-se frequência dos batimentos. Neste exemplo, a frequência do batimento é a diferença entre as duas
frequências. Quando a frequência dos batimentos for de poucos hertz, conseguimos ouvi-la como uma ondulação ou
pulsação no tom.

FIGURA 19 Os batimentos são flutuações na amplitude produzidas pela superposição de duas ondas sonoras que
possuem frequências ligeiramente diferentes, como, por exemplo, 16 Hz e 18 Hz. a) Ondas individuais. b) Onda
resultante da superposição das duas ondas. A frequência dos batimentos é 18 Hz - 16 Hz = 2 Hz.

Podemos demonstrar que a frequência dos batimentos é sempre dada pela diferença das duas frequências fa e
fb. Suponha que fa seja maior do que fb; os períodos correspondentes são Ta e Tb, sendo Ta < Tb. Se as ondas começassem
em fase para t = 0, elas voltariam a ficar em fase quando a primeira onda percorresse um ciclo a mais do que a segunda.
Isso ocorreria quando o valor de t fosse igual a Tbat, o período dos batimentos. Seja n o número de ciclos da primeira
onda no tempo Tbat; então o número de ciclos da segunda onda no mesmo tempo é (n – 1) e, portanto, obtemos as
relações
Tbat = nTa e Tbat = (n-1)Tb
Eliminando n entre essas duas equações, achamos
Ta Tb
Tbat 
Tb  Ta
O inverso do período dos batimentos é a frequência dos batimentos, fbat = 1/Tbat, portanto,

17
Tb  Ta 1 1
fbat   
Ta Tb Ta Tb
e finalmente,
fbat = fa - fb [25]
Conforme afirmamos, a frequência dos batimentos é a diferença entre as duas frequências. Ao usar a equação 25,
lembre-se de que fa é a frequência mais elevada.
Uma dedução alternativa da equação 25 consiste em listar as funções que descrevem as curvas da figura 19a e a
seguir somá-las. Suponha que, em certo ponto, as duas ondas sejam dadas por sa(t) = sm sen 2πfat e sb(t) = – sm sen 2πfbt.
Usamos a seguinte identidade trigonométrica
1 1
sena  senb  2sen (a  b)cos (a  b)
2 2
Podemos então escrever a onda resultante s(t) = sa (t) + sb (t) do seguinte modo
 1  1
sa (t)  sb (t)  2smsen (2)(fa  fb )t  .cos (2)(fa  fb )t
 2  2
O fator da amplitude (a grandeza entre colchetes) varia lentamente com uma frequência ½ (fa - fb). O fator co-seno varia
com uma frequência igual à frequência média ½ (fa + fb). O quadrado da amplitude, que é proporcional à intensidade do
som que o ouvido detecta, passa por dois máximos e dois mínimos em cada ciclo. Logo, a frequência dos batimentos
que ouvimos fbat é o dobro da grandeza ½ (fa - fb) ou, precisamente, fa – fb, concordando com a equação 25.
Os batimentos entre dois tons podem ser ouvidos até uma frequência de batimentos da ordem de 6 ou 7 Hz.
Duas cordas de piano ou dois tubos de um órgão que apresentam uma diferença de frequência da ordem de 2 ou 3 Hz
possuem um som ondulatório ou ‘desafinado’, embora alguns registros de órgão contenham dois conjuntos de tubos
propositalmente afinados para que as frequências dos batimentos sejam da ordem de 1 a 2 Hz para se obter um efeito
ondulatório suave. Escutar os batimentos é uma técnica importante para afinar todos os instrumentos musicais.
Quando há diferenças de frequências maiores do que cerca de 6 ou 7 Hz, não escutamos mais batimentos
individuais, e a sensação conflui para uma consonância ou a uma dissonância, dependendo da razão entre as
frequências dos batimentos. Em alguns casos, o ouvido percebe um tom chamado de diferença de tom, com uma altura
igual à frequência dos batimentos dos dois tons. Por exemplo, se você escuta um assobio que produz sons de 1800 Hz e
de 1900 Hz quando emitido, você ouvirá não somente esses tons, mas também um tom muito mais baixo de 100 Hz.
Os motores de aviões que possuem diversas hélices propulsoras devem ser sincronizados de modo a não
produzir batimentos desagradáveis, que são ouvidos como intensos sons pulsantes. Em alguns aviões, a sincronização é
feita eletronicamente; em outros, o piloto faz isso ‘de ouvido’, tal como se procede para afinar um piano.

9 O EFEITO DOPPLER
Você já deve ter notado que, quando um carro se aproxima de você buzinando, parece que a frequência do som
diminui à medida que ele se afasta. Esse fenômeno, descrito pela primeira vez no século XIX pelo cientista austríaco
Christian Doppler, denomina-se efeito Doppler. Quando existe um movimento relativo entre uma fonte sonora e um
ouvinte, a frequência do som percebido pelo ouvinte é diferente da frequência do som emitido pela fonte. Um efeito
semelhante ocorre com a luz e com as ondas de rádio; voltaremos a comentar a respeito disso mais adiante.
Para analisar o efeito Doppler do som, vamos estabelecer uma relação entre o desvio da frequência e as
velocidades da fonte e do ouvinte em relação ao meio (geralmente o ar) através do qual a onda sonora se propaga. Para
simplificar, consideraremos somente o caso particular no qual a velocidade da fonte e a velocidade do ouvinte possuem
direções ao longo da linha reta que os une. Sejam vS e vO as componentes da velocidade do som e da velocidade do
ouvinte, respectivamente, em relação ao meio ao longo dessa linha reta. Vamos considerar positivo o sentido do
ouvinte O para a fonte sonora F. A velocidade do som vs em relação ao meio será sempre considerada positiva.
OUVINTE EM MOVIMENTO
Vamos inicialmente supor um ouvinte O se movendo com velocidade vO e se aproximando de uma fonte F
(figura 20). A fonte emite uma onda sonora com frequência fF e comprimento de onda λ = vs/fF. A figura mostra diversas
cristas de onda, separadas pela mesma distância λ. As cristas das ondas que se aproximam do ouvinte movem-se com
uma velocidade de propagação em relação ao ouvinte igual a (vs + vO). Assim, a frequência fO das ondas que chegam ao
local onde se situa o ouvinte (ou seja, a frequência ouvida pelo observador) é dada por
v s  v o v s  vo v v   v 
fo   ou fo   s o  fF   1  o  fF [26]
 vs / fF  vs   vs 
Portanto, quando um ouvinte se aproxima da fonte sonora (vO > 0), como indicado na figura 20, ele ouve um
som com uma frequência mais elevada (altura mais elevada) do que a frequência ouvida quando ele está em repouso.

18
FIGURA 20 Um ouvinte que sé aproxima de uma fonte ouve um som com uma frequência maior do que a frequência da
fonte, porque a velocidade relativa entre o ouvinte e a onda é maior do que a velocidade da onda v.

Podemos usar um raciocínio semelhante para calcular a frequência detectada pelo ouvinte quando ele está se afastando
da fonte. Nesse caso as cristas das ondas que se aproximam do ouvinte movem-se com uma velocidade de propagação
em relação ao ouvinte igual a (vs - vO). Assim, a frequência fO das ondas que chegam ao local onde se situa o ouvinte (ou
seja, a frequência ouvida pelo observador) é dada por
vs  vo vs  vo  v v   vo 
fo   ou fo   s o  fF   1   fF [27]
 v s / fF  vs   vs 
Portanto, quando um ouvinte se afasta da fonte sonora (vO < 0), ele ouve um som com uma frequência menor
(altura mais baixa) do que a frequência ouvida quando ele está em repouso.
Podemos condensar as equações 26 e 27 na equação
 v  vo 
fo   s  fF [28]
 vs 
FONTE EM MOVIMENTO
Suponha agora que, além do ouvinte, a fonte também se mova, com velocidade vF (figura 21). A velocidade do
som em relação ao meio no qual ela se propaga (o ar) é ainda igual a vs, pois essa velocidade só depende das
propriedades do meio e não se altera quando a fonte se move. Porém, o comprimento de onda não é mais v/fF. Vejamos
por quê. O tempo para a emissão de um ciclo da onda é T = 1/fF. Durante esse tempo, a onda se deslocou uma distância
vsT = vs/fF, e a fonte se moveu uma distância vFT = vF/fF. O comprimento de onda é a distância entre duas cristas
sucessivas, distância esta que é determinada pelo deslocamento relativo entre a fonte e o ouvinte. Como podemos ver
na figura 21, o deslocamento relativo entre um ouvinte e a fonte é diferente para um ouvinte que está na frente da
fonte e para um ouvinte que está atrás da fonte. Na região à direita da fonte na figura 21 (ou seja, na frente da fonte), o
comprimento de onda é
v s v F v s  vF
 frente    [29]
fF fF fF
Na região à esquerda da fonte (ou seja, atrás da fonte), o comprimento de onda é
v s  vF
atrás  [30]
fF
Em razão do movimento da fonte, as ondas se comprimem na frente da fonte e se distendem atrás da fonte.
Como λ = v/f, a frequência fo ouvida pelo observador na frente é:
vs vs  vs 
fo    f [31]
 frente v s  vF  v s  v F  F
fF
Ou seja, a frequência observada é aumentada sempre que a fonte estiver se movendo em direção ao observador.
Quando a fonte se afasta de um observador estacionário, como é o caso para o observador atrás, ele mede um
comprimento de onda de λatrás que é maior que λ e ouve uma frequência diminuída:

19
vs vs  vs 
fo     fF [32]
 atrás v s  vF  v s  vF 
fF
Podemos condensar as equações 31 e 32 na equação
 vs 
fo    fF [33]
 v s  vF 

FIGURA 21 As cristas das ondas emitidas por uma fonte em movimento ficam comprimidas na frente da fonte (do lado
direito neste desenho) e se dilatam atrás da fonte (do lado esquerdo neste desenho).

FONTE EM MOVIMENTO E OUVINTE EM MOVIMENTO


Finalmente, combinando as equações 28 e 33, temos a seguinte relação geral de frequência observada, que
inclui as quatro condições descritas pelas equações 26, 27, 31 e 32:
 v  vo 
fo   s  fF [34]
 vs  vF 
esta equação inclui todas as possibilidades do movimento da fonte e do ouvinte (em relação ao meio) ao longo da reta
que os une. Quando o ouvinte está em repouso, vO é igual a zero. Quando o ouvinte e a fonte estão em repouso ou
quando se deslocam com a mesma velocidade em relação ao meio, então vO = vF e fO = fF.
Embora o efeito Doppler aconteça tipicamente com ondas sonoras, é um fenômeno comum a todas as ondas.
Por exemplo, o movimento relativo da fonte e do observador produz um deslocamento de frequência em ondas de luz.
O efeito Doppler é usado em sistemas de radar da polícia para medir as velocidades dos veículos a motor. Da mesma
forma, os astrônomos o usam para determinar a velocidade das estrelas, galáxias e outros objetos celestes em relação à
Terra.

10 ONDAS DE CHOQUE
Você provavelmente já ouviu um “estrondo sônico” provocado por um avião voando com velocidade maior do
que a velocidade do som. Podemos entender qualitativamente por que isso ocorre examinando a figura 22. Seja vF o
módulo da velocidade do avião em relação ao ar, de modo que ele é sempre positivo. O movimento do avião no ar
produz som; quando vF é menor do que a velocidade do som vS, as ondas na parte frontal do avião são comprimidas
com um comprimento de onda dado por:
v s  vF
 frente 
fF
À medida que a velocidade do avião vF se aproxima da velocidade do som vs, o comprimento de onda tende a
zero e as cristas das ondas se agrupam (figura 22a). O avião precisa exercer uma grande força para comprimir o ar que
encontra pela frente; pela terceira lei de Newton, o ar exerce sobre o avião uma força igual e contrária igualmente
grande. Assim, ocorre um grande aumento do arraste do ar (resistência do ar) à medida que a velocidade do avião se
aproxima da velocidade do som, um fenômeno conhecido como ‘barreira do som’.
Quando o módulo de vF é maior do que o módulo de vs, a fonte do som se desloca com velocidade supersônica,
e as equações do efeito Doppler não podem mais ser usadas para a velocidade do som na parte frontal da fonte. A
figura 22b mostra o que ocorre em uma seção reta. À medida que o avião se move, ele desloca o ar das vizinhanças e

20
produz som. Diversas cristas de ondas são emitidas a partir do nariz do avião; cada crista se espalha ao longo de círculos
cujos centros coincidem com a posição do avião no momento em que ele emite a crista. Depois de um tempo t, a crista
emitida no ponto S1 se espalhou circularmente até um raio vst, e o avião se deslocou uma distância maior vFt, atingindo
o ponto S2. Você pode notar que existe interferência construtiva das ondas ao longo da reta envoltória que faz um
ângulo α com a direção da velocidade do avião, produzindo uma crista de onda de amplitude muito grande ao longo
dessa reta. Essa crista com amplitude grande denomina-se onda de choque (figura 22c).

FIGURA 22 Cristas de onda em tomo de uma fonte sonora S movendo-se (a) ligeiramente mais devagar do que a
velocidade do som vs e (b) mais rápido do que a velocidade do som vs. (c) Fotografia de um avião a jato T-38 que se
desloca com velocidade 1,1 vez a velocidade do som. Ondas de choque distintas são produzidas pelo nariz, pelas asas e
pela traseira do avião. Os ângulos dessas ondas variam porque, ao se mover em torno do avião, o ar é acelerado e
retardado, de modo que a velocidade relativa do avião em relação ao ar, vF, é diferente em diferentes pontos.

Observando o triângulo retângulo mostrado na figura 22b, podemos ver que o ângulo α é dado por
vs t vs
sen    [35]
vF t vF
Na relação anterior, vF é a velocidade da fonte (o módulo de sua velocidade) em relação ao ar, sendo sempre
positiva. A razão vF/vs denomina-se número de Mach. Ele é maior do que um para todas as velocidades supersônicas, e o
valor de sen α na equação 35 é igual ao inverso do número de Mach. A primeira pessoa a quebrar a barreira do som foi
o capitão Chuck Yeager, da força aérea dos Estados Unidos, pilotando o Bell X-1 com velocidade igual a 1,06 Mach, no
dia 14 de outubro de 1947.
Na verdade, as ondas de choque ocorrem em três dimensões; uma onda de choque forma um cone em torno da
direção do movimento da fonte. Se a fonte (possivelmente um avião a jato supersônico ou a bala de um rifle) se move
com velocidade constante, o ângulo α é constante, e a onda de choque se move acompanhando a fonte. É a chegada ao
solo dessa onda de choque que produz o estrondo sônico que você ouve depois que um avião supersônico passa pela
vertical acima do ponto onde você se encontra. Quanto maior for o avião, mais intenso será o estrondo sônico. A onda
de choque produzida no solo pelo avião supersônico Concorde voando a uma altura de 12000 m produz um aumento
repentino na pressão do ar de cerca de 20 Pa. Na parte dianteira do cone da onda de choque não existe nenhum som.
No interior do cone, um ouvinte em repouso ouve o som com frequência deslocada pelo efeito Doppler do avião que se
afasta.
As ondas de choque têm aplicações fora do âmbito da aviação. Elas são usadas para quebrar cálculos nos rins e
na vesícula sem a necessidade de cirurgias invasivas, mediante o emprego de uma técnica que recebeu o extravagante
nome de litotripsia extracorpórea por ondas de choque. Uma onda de choque produzida fora do corpo é focalizada por
um refletor ou por uma lente acústica que faz com que ela incida o mais próximo possível do cálculo. Quando as tensões
resultantes sobre o cálculo superarem seu limite de tensão de ruptura, ele se quebra em diversos fragmentos que
podem ser eliminados. Essa técnica requer uma determinação precisa do local onde se encontra o cálculo, o que pode
ser feito por meio de técnicas de imagem com ultrassom.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

01 Porque a intensidade do eco é menor que a do som original?


SOLUÇÃO
O som, ao se propagar através de um meio material, perde energia devido, entre outras coisas, ao fenômeno de
absorção. Consequentemente, a intensidade diminui.

21
02 Em uma onda sonora com intensidade moderada, a variação máxima da pressão é da ordem de 3,0.10–2 Pa acima e
abaixo da pressão atmosférica Pa (nominalmente igual a 1,013.105 Pa ao nível do mar). Calcule o deslocamento máximo
correspondente em uma frequência de 1000 Hz. Nas condições normais de pressão atmosférica e densidade, a
velocidade do som é 344 m/s, e o módulo de compressão é 1,42.105 Pa.
SOLUÇÃO
Este problema envolve a relação entre duas formas diferentes de descrever uma onda sonora: em termos de
deslocamento e em termos de pressão. A variável procurada é a amplitude sm do deslocamento. A amplitude da pressão
Pmáx, a velocidade da onda v, a frequência f e o módulo de compressão B são dados. A variável que queremos achar, A,
está relacionada a Pmáx pela equação Pmáx = Bksm. Usamos também a relação ω = vk para encontrar o número de onda k
a partir de v e da frequência angular
ω = 2πf.
O deslocamento máximo é sm = Pmáx/Bk. Pela equação ω = vk, o número de onda é
 2f 2.100
k    18,3 rad / m
v v 344
logo
Pmáx 3.102
sm    1,2.10 8 m
Bk (1,42.105 )(18,3)

03 Quando uma onda sonora entra no ouvido, ela produz vibrações do tímpano que, por sua vez, produzem oscilações
nos minúsculos ossos do ouvido médio, chamados de ossículos (ver figura abaixo).

Essas oscilações são finalmente transmitidas ao ouvido interno, que está cheio de líquido; o movimento desse fluido
perturba as células capilares no ouvido interno, as quais transmitem impulsos ao nervo que se liga ao cérebro,
transportando a informação de que existe um som. A parte móvel do tímpano possui uma área aproximadamente igual
a 43 mm2, e a área do estribo (o menor ossículo), onde ele se liga ao ouvido interno, é aproximadamente igual a 3,2
mm2. Para o som mencionado no exemplo anterior, determine
a) a amplitude da pressão
b) a amplitude do deslocamento da onda no fluido que enche o ouvido interno. A velocidade do som nesse fluido é
cerca de 1500 m/s.
SOLUÇÃO
Usando a área do tímpano e a amplitude da pressão encontradas no exercício resolvido 1, a força máxima exercida pela
onda sonora no ar é Fmáx = Pmáx Stímpano. Logo, a amplitude da pressão no fluido do ouvido interno é
Fmáx Pmáx S tímpano (3.10 2 )(43)
Pmáx(ouvido int erno)     0,40 Pa
Sestribo Sestribo 3,2
b) Para calcular o deslocamento máximo, usamos novamente a relação sm = Pmáx/Bk, como no exercício resolvido 1. O
fluido no ouvido interno é constituído principalmente de água, que possui um módulo de compressão muito maior do
que o ar, visto que o ar é muito mais difícil de ser comprimido. A compressibilidade da água (infelizmente também
simbolizada pela letra k) é igual a 45,8.10–11 Pa–1, logo Bfluido = 1/(45,8.10–11 Pa–1) = 2,18.109 Pa. Calculamos o valor do
número de onda k usando o valor de ω encontrado no exercício resolvido1 e v = 1500 m/s para o fluido do ouvido
interno. Assim,
 (2)(100)
k ouvido interno    4,2 rad / m
vouvido interno 1500
Juntando tudo, o deslocamento máximo do fluido no ouvido interno é
Pmáx(ouvido int erno) 0,40
A ouvido int erno    4,4.10 11 m
BflúidoKouvido int erno (2,18.109 )(4,2)

22
04 Você utiliza um gerador de sinal eletrônico para produzir uma onda sonora senoidal no ar. A seguir você aumenta a
frequência da onda de 100 Hz para 400 Hz, enquanto mantém a amplitude de pressão constante. Que efeito isso exerce
sobre a amplitude de deslocamento da onda sonora?
i) Torna-se quatro vezes maior;
ii) torna-se duas vezes maior;
iii) não varia;
iv) reduz-se à metade;
v) reduz-se a um quarto.
SOLUÇÃO
v). Como vimos, a amplitude de deslocamento é sm = Pmáx /Bk. A amplitude da pressão e o módulo de compressão B não
se alteram, mas a frequência f aumenta de um fator igual a 4. Assim, o número de onda k = ω/v = 2πf/v também
aumenta de um fator 4. Como A é inversamente proporcional a k, a amplitude de deslocamento se reduz a 1/4. Em
outras palavras, em frequências mais altas, um menor deslocamento máximo é necessário para produzir a mesma
flutuação máxima de pressão.

05 Um navio usa um sistema de sonar para detectar objetos submersos (ver figura abaixo).

O sistema emite ondas sonoras embaixo da água e mede o intervalo de tempo que a onda refletida (eco) leva para
retornar ao detector. Determine a velocidade das ondas sonoras na água usando a relação v  B /  e ache o
comprimento de onda de uma onda com frequência igual a 262 Hz.
Dado: o módulo de compressão da água B = 2,18.109 Pa.
SOLUÇÃO
Como o módulo de compressão é B = 2,18.109 Pa. Obtemos
B 2,18.109
v   1480 m / s
 1.103
O comprimento de onda é dado por
v 1480
   5,65 m
f 262

06 Qual é a velocidade de uma onda sonora que se propaga em uma barra de chumbo?
SOLUÇÃO
Sabendo que Y = 1,6.1010 Pa e ρ = 11,3.103 kg/m3 (ou seja, 11,3 vezes a densidade da água), teremos:
 1,6.1010
v   1200 m / s
 11,3.103

07 Calcule a velocidade das ondas sonoras no ar na temperatura ambiente (T = 20 °C), e encontre o intervalo de
comprimentos de onda no ar em que o ouvido humano (que consegue escutar frequências entre 20 Hz até cerca de
20000 Hz) é sensível. A massa molar média do ar (uma mistura principalmente de nitrogênio e oxigênio) é 28,8.10–3
kg/mol e a razão das capacidades caloríficas γ = 1,40.
SOLUÇÃO
Usamos a relação v  RT / M para achar a velocidade do som e a relação v = fλ para calcular o comprimento de onda
que corresponde a cada frequência. Em T = 20 °C, encontramos
RT (1,4).(8,314).(293)
v   344 m / s
M 28,8.10 3
Usando esse valor de v e a expressão λ = v/f, descobrimos que a 20 °C, uma nota de 20 Hz corresponde a um
comprimento de onda de 17 m, e uma nota de 20000 Hz corresponde a um comprimento de onda de 1,7 cm.

23
08 O mercúrio é 13,6 vezes mais denso do que a água. Com base na tabela 1, qual desses líquidos possui um módulo de
compressão maior?
i) mercúrio;
ii) água;
iii) os módulos são praticamente iguais;
iv) não há dados suficientes para decidir.
SOLUÇÃO
i). Como vimos, velocidade das ondas longitudinais (som) em um fluido é dada por v  B /  . Podemos reagrupar essa
expressão para obter uma expressão para o módulo de compressão B em função da densidade do fluido e da velocidade
do som v: B = ρv2. A 20 °C, a velocidade do som no mercúrio é ligeiramente menor do que na água (1451 m/s contra
1482 m/s), mas a densidade do mercúrio é maior do que a da água por um grande fator (13,6). Logo, o módulo de
compressão do mercúrio é maior do que o da água por um fator de (13,6)(1451/1482) = 13,0.

09 Ache a intensidade da onda sonora do exercício resolvido 2, considerando Pmáx = 3,0.10–2 Pa. Assuma uma
temperatura de 20 °C para a qual a densidade do ar é dada por ρ = 1,20 kg/m3 e a velocidade do som v = 344 m/s.
SOLUÇÃO
Podemos calcular I a partir de Pmáx, ρ e v, usando a relação I  Pmáx
2
/ 2 B . Conforme essa equação,
2
Pmáx (3.102 )2
I   1,1.10 6 J / (s.m2 )  1,1.106 W / m2
2v 2(1,20)(344)

10 Em um dia de inverno, o som viaja a 336 m/s. Encontre a temperatura atmosférica. A velocidade do som a 0 °C é 332
m/s.
SOLUÇÃO
A velocidade do som é proporcional à raiz quadrada da temperatura absoluta. A velocidade do som a 0° C ou 273 K é de
332 m/s. Se a temperatura atmosférica for T,
336 T

332 273
2
 336 
T  273.    280K
 332 
T  7C

11 Uma onda sonora de 20 Hz possui a mesma intensidade da onda sonora de 1000 Hz do exercício resolvido 2. Calcule
a amplitude A e a amplitude da pressão Pmáx para a onda sonora de 20 Hz.
SOLUÇÃO
1
Observando a relação I  B2 sm2 , vemos que, se uma onda em um dado meio (mesmo ρ e mesmo B) possui a
2
mesma intensidade I em duas frequências diferentes, então o produto ωsm deve ter o mesmo valor para ambas as
frequências. Pelo exercício resolvido 2, sm = 1,2.10–8 m a 1000 Hz, portanto
(20 Hz) sm20 = (1000 Hz)(1,2.10–8 m)
sm20 = 6,0.10–7 m = 0,60 μm
Você percebeu por que não precisamos converter as frequências em frequências angulares? Visto que a intensidade é a
mesma para ambas as frequências, a relação I  Pmáx 2
/ 2 B mostra que a amplitude da pressão Pmáx também deve ser a
–2
mesma para as duas ondas. Portanto, Pmáx = 3,0.10 Pa para f = 20 Hz.

12 Em um concerto ao ar livre, desejamos que a intensidade do som a uma distância de 20 m do conjunto de alto-
falantes seja igual a 1 W/m2. Supondo que a intensidade das ondas sonoras seja igual em todas as direções, qual deve
ser a potência acústica do som emitido pelo conjunto de alto-falantes?
SOLUÇÃO
Levantamos a hipótese de que os alto-falantes estejam no nível do solo e que a potência acústica seja espalhada
uniformemente sobre um hemisfério de raio igual a 20 m, ou seja, estamos supondo que nenhuma potência seja
absorvida pelo solo. A área da superfície do hemisfério é igual a ½ 4π (20)2, ou aproximadamente 2500 m2. A potência
acústica necessária é o produto dessa área pela intensidade.
A potência do conjunto de alto-falantes é
(1 W/m2)(2500 m2) = 2500 W = 2,5 kW.

24
13 Uma exposição de dez minutos a um som de 120 dB produz um desvio típico do limiar de audição a 1000 HZ de 0 dB
até cerca de 28 dB durante alguns segundos. Uma exposição a um som de 92 dB durante dez anos produz um desvio
permanente da sensibilidade de até 28 dB. A que intensidades correspondem 28 dB e 92 dB?
SOLUÇÃO
I
Podemos usar a relação   (10dB)log para calcular a intensidade I que corresponde a cada valor do nível de
I0
intensidade sonora β. Dividindo ambos os membros dessa relação por 10 dB e a seguir usando a relação 10log x = x,
obtemos
I = I010β/(10 dB)
Quando β = 28 dB,
I = (10–12 W/m2)10(28 dB/10 dB) = (10–12 W/m2)102,8 = 6,3.10–10 W/m2
De forma similar, para β = 92 dB,
I = (10–12 W/m2)10(92 dB/10 dB) = 1,6.10–3 W/m2

14 Imagine um modelo idealizado no qual um pássaro (considerado uma fonte puntiforme) esteja emitindo um som
com potência constante, em uma intensidade que varia com o inverso do quadrado da distância entre o pássaro e o
ouvinte. Qual é a variação da intensidade do som quando você se afasta até o dobro da distância inicial entre você e o
pássaro?
SOLUÇÃO
Assinalamos os pontos P1 e P2 na figura abaixo:

I
Usamos duas vezes (uma para cada ponto) a relação   (10dB)log , a definição de nível de intensidade sonora. Usamos
I0
a lei do inverso do quadrado vista no capítulo anterior, para relacionar as intensidades nesses dois pontos. A diferença
do nível de intensidade sonora, β2 – β1, é dada por:
 I I  I
2  1  (10dB)  log 2  log 1   (10dB)log 2
 I0 I0  I1
Agora usamos a relação, I2/I1 = r12/r22, logo
r12 r12 1
2  1  (10dB)log  (10dB)log  (10dB)log  6dB
r22 (2r1 )2 4
Uma diminuição na intensidade de fator 4 corresponde a uma diminuição de 6 dB negativos no nível de intensidade
sonora.

15 Você dobra a intensidade de uma onda sonora no ar ao mesmo tempo em que mantém a frequência inalterada. (A
pressão, a densidade e a temperatura do ar também permanecem inalteradas.) Que efeito isso terá sobre a amplitude
do deslocamento, a amplitude da pressão, o módulo de compressão, a velocidade do som e o nível de intensidade
sonora?
SOLUÇÃO
sm e Pmáx aumentam de um fator igual a 2 , B e v não se alteram, β aumenta em 3,0 dB. As relações B = γP0 e
v  RT / M mostram que o módulo de compressão B e a velocidade do som v permanecem constantes porque as
1
propriedades físicas do ar não se alteraram. Pelas relações I  B2 sm2 e I  Pmáx
2
/ 2 B , a intensidade é proporcional
2
ao quadrado da amplitude do deslocamento, ou o quadrado da amplitude da pressão. Assim, dobrar a intensidade
significa que tanto A quanto Pmáx aumentam de um fator igual a 2 . Pelo exercício resolvido anterior vimos que
multiplicar a intensidade por um fator de 2(I2/I1 = 2) corresponde a somar (10 dB) log (I2/I1) = (10 db) log 2 = 3,0 dB ao
nível de intensidade sonora.

25
16 Um alto-falante direcional lança contra a parede uma onda sonora de comprimento de onda A (figura abaixo). A que
distância da parede você pode ficar para não ouvir nenhum som?

SOLUÇÃO
O seu ouvido detecta variações de pressão no ar; um aumento ou diminuição de pressão sobre o tímpano faz com que
ele se mova ligeiramente para dentro ou para fora, um movimento que gera um sinal elétrico enviado para o cérebro.
(Provavelmente você está familiarizado com a sensibilidade dos seus ouvidos para variações de pressão, porque já· deve
ter sentido seus ouvidos ficarem 'tapados' ao subir uma montanha ou ao viajar de avião.) Portanto, você não ouve
nenhum som quando seu ouvido está em um nó de pressão, que corresponde a um ventre de deslocamento. A parede é
um nó de deslocamento; a distância entre um nó e o ventre adjacente é igual a λ/4 e a distância entre dois ventres
consecutivos é igual a λ/2. Assim, as distâncias d da parede para as quais nenhum som será ouvido são
d = λ/4 (primeiro ventre de deslocamento e nó de pressão)
d = λ/4 + λ/2 = 3λ/4 (segundo ventre de deslocamento e nó de pressão)
d = 3λ/4 + λ/2 = 5λ/4 (terceiro ventre de deslocamento e nó de pressão)
e assim por diante. Se o alto-falante não fosse altamente direcional, esse efeito seria muito difícil de ser observado,
porque ocorreriam reflexões das ondas sonoras no solo, no teto e em outros pontos da parede.

17 Em um dia em que a velocidade do som é igual a 345 m/s, a frequência fundamental de um tubo fechado é igual a
220 Hz.
a) Qual é o comprimento desse tubo fechado?
b) O segundo sobretom desse tubo possui o mesmo comprimento de onda que o terceiro harmônico de um tubo
aberto. Qual é o comprimento de onda do tubo aberto?
SOLUÇÃO
Sendo este um tubo fechado (aberto em uma extremidade e fechado na outra), as frequências do modo normal são
dadas pela relação fn  nv / 4L , que usaremos para calcular o comprimento L da frequência no item (a). No item (b),
precisamos comparar essa situação com a de um tubo aberto, cujas frequências são dadas pela relação fn  nv / 2L .
a) como em um tubo fechado f1 = v/4L, o comprimento do tubo fechado é
v 345
L fechado    0,392m
4f1 4(220)
b) A frequência do primeiro sobretom de um tubo fechado é f3= 3f1, e a frequência do segundo sobretom é f5 = 5f1:
f5 = 5f1 = 5 (220 Hz) = 1100 Hz
Como os comprimentos de onda são os mesmos, as frequências são iguais, de modo que a frequência do terceiro
harmônico do tubo aberto é também igual a 1100 Hz. O terceiro harmônico de um tubo aberto é dado por 3f1 = 3(v/2L).
Igualando essa expressão a 1100 Hz, obtemos
345
1100  3 e L aberto  0,470m
2(L aberto )

18 Um tubo aberto e um tubo fechado têm o mesmo comprimento L. Determine a relação entre as frequências de seus
n-ésimos sobretons.
SOLUÇÃO
Em um tubo aberto, todos os harmônicos estão presentes, mas em um tubo fechado, apenas estão presentes
harmônicos ímpares. Assim, em um tubo aberto, o segundo harmônico é o primeiro sobretom, o terceiro harmônico é o
segundo sobretom e assim por diante. Em um tubo fechado, o terceiro harmônico é o primeiro sobretom, o quinto
harmônico é o segundo sobretom e assim por diante. Se v é a velocidade do som, a frequência do n-ésimo sobretom em
um tubo aberto é
v
fa  (n  1)
2L
Em um tubo fechado, a frequência do n-ésimo sobretom é

26
v
ff  (2n  1)
4L
então
fa 2(n  1)

ff (2n  1)

19 Um diapasão vibra a 264 Hz. Encontre o comprimento de um tubo fechado mais curto que irá ressoar com o
diapasão. A velocidade do som no ar é de 350 m/s.
SOLUÇÃO
A frequência de ressonância de um tubo fechado de comprimento L é nv/4L onde n é um número inteiro impar positivo
e v é a velocidade do som no ar. Para ressoar com o diapasão dado,
nv
 264
4L
ou
n.350
L
4.264
Para L ser mínimo, n = 1, então teremos:
350
Lmín   33cm
4.264

20 Se você conectar uma mangueira a uma extremidade de um tubo de metal e soprar ar comprimido dentro dele, o
tubo produzirá um tom musical. Se, em vez disso, você soprar hélio comprimido para dentro do tubo à mesma pressão e
temperatura, o tubo produzirá
i) o mesmo tom,
ii) um tom mais alto ou
iii) um tom mais baixo?
SOLUÇÃO
(ii). O hélio é menos denso e possui uma massa molar menor do que o ar, portanto o som se desloca mais rápido no
hélio do que no ar. As frequências de modo normal em um tubo são proporcionais à velocidade do som; logo, a
frequência e, portanto, a altura, elevam-se quando o ar no tubo é substituído pelo hélio.

21 Um tubo fechado emite um som nas vizinhanças de uma guitarra fazendo vibrar com grande amplitude uma de suas
cordas. Fazemos a tensão da corda variar até achar a amplitude máxima. O comprimento da corda é igual a 80% do
comprimento do tubo fechado. Sabendo que a corda e o tubo vibram com a mesma frequência fundamental, calcule a
razão entre a velocidade de propagação da onda na corda e a velocidade de propagação do som no ar.
SOLUÇÃO
Usando o índice inferior a para designar grandezas do ar e o índice inferior c para designar grandezas da corda, temos f1a
= f1c. A relação f1 = v/4L fornece a frequência fundamental de um tubo fechado; e a relação f1 = v/2L fornece a
frequência fundamental de uma corda de guitarra que é fixa em ambas as extremidades. Essas expressões envolvem a
velocidade da onda no ar (va) e na corda (vc), e os comprimentos do tubo e da corda; sabemos que Lc = 0,8 La, e que a
variável que queremos encontrar é a razão vc/va. Pela relação f1 = v/4L, sabemos que f1a = va/4 La, e pela relação f1 = v/2L
sabemos também que f1c = vc/2 Lc. Igualando essas relações, encontramos
va v
 s
4L a 2L s
Substituindo Lc = 0,8 La na relação anterior e reagrupando os termos, achamos
vs
 0,4
va

22 Uma corda de 100 g de massa e 1 m de comprimento vibra no modo fundamental próxima de uma das extremidades
de um tubo aberto de 4 m de comprimento. O tubo então ressoa, também no modo fundamental. Sendo de 320 m/s a
velocidade do som no ar do tubo, calcule a força tensora na corda.

27
SOLUÇÃO
No tubo: λ = 2L ⇒ λ = 8 m
f = v/λ = 320/8 ⇒ f = 40 Hz
Na corda: f = 40 Hz
λ = 2L ⇒ λ = 2 m
v = λ f = 2 · 40 ⇒ v = 80 m/s
δ = m/L = 0,1/1 ⇒ δ = 0,1 kg/m
F F
v  80 
 0,1
F = 640 N

23 Um tubo fechado de comprimento L possui uma frequência fundamental igual a 220 Hz. Em qual dos seguintes tubos
haverá ressonância se um diapasão de frequência igual a 660 Hz soar perto do tubo? (Pode haver mais de uma resposta
correta.)
i) um tubo fechado de comprimento L;
ii) um tubo fechado de comprimento 2L;
iii) um tubo aberto de comprimento L;
iii) um tubo aberto de comprimento 2L.
SOLUÇÃO
(i) e (iv). Haverá ressonância se 660 Hz for uma das frequências de modo normal do tubo. Um tubo fechado possui
frequências de modo normal que são múltiplos ímpares de sua frequência fundamental. Portanto, o tubo (i), que tem
uma frequência fundamental de 220 Hz, tem também uma frequência de modo normal de 3(220) = 660 Hz. O tubo (ii)
possui o dobro do comprimento do tubo (i); pela relação f1 = v/4L, a frequência fundamental de um tubo fechado é
inversamente proporcional ao comprimento, então o tubo (ii) tem uma frequência fundamental de ½ (220 Hz) = 110 Hz.
As suas outras frequências de modo normal são 330 Hz, 550 Hz, 770 Hz..., portanto um diapasão de 660 Hz não
provocará ressonância. O tubo (iii) é aberto e do mesmo comprimento que o tubo (i), logo sua frequência fundamental é
o dobro da frequência fundamental do tubo (i), ou 2(220) = 440 Hz. Suas outras frequências de modo normal são
múltiplos inteiros da frequência fundamental, ou 880 Hz, 1320 Hz. Nenhuma delas é igual à frequência de 660 Hz do
diapasão. O tubo (iv) também é aberto, mas possui o dobro do comprimento do tubo (iii), portanto suas frequências de
modo normal são a metade das frequências do tubo (iii): 220 Hz, 440 Hz, 660 Hz. Logo, o terceiro harmônico ressoará
com o diapasão.

24 Afinar a corda de um instrumento musical é ajustar a tensão dessa corda até que a frequência de seu modo
fundamental de vibração coincida com uma frequência predeterminada. Uma forma usual de se afinar um violão
consiste em afinar uma das últimas cordas (valendo-se de memória musical ou da comparação com algum som-padrão,
obtido por meio de diapasão, piano, flauta etc.) e usar tal corda para afinar as outras que ficam abaixo dela. (A figura a
seguir ilustra em detalhe o braço de um violão.) Um aluno do Professor Gomes, acostumado a afinar seu violão, afina
inicialmente a corda número 5. Assim, para afinar a corda número 4, ela pressiona a corda 5 entre o quarto e o quinto
trasto, percute-a, observa-se que a corda 4 vibra e o quão intensamente vibra em consequência desse procedimento. O
aluno vai ajustando a tensão na corda 4 e repetindo tal procedimento até que ela vibre com a maior amplitude possível.
Quando isso ocorre, essa corda está afinada.

Com base no acima exposto, atenda às seguintes solicitações.


a) Dê o nome do fenômeno físico que fundamenta esse processo de afinação do violão.
b) Com base em seus conhecimentos de acústica, explique como esse fenômeno ocorre no processo de afinação do
violão.
SOLUÇÃO
a) O fenômeno físico solicitado é a ressonância.
b) À medida que a intensidade da força tensora na corda 4 vai sendo alterada, altera-se a frequência de seu modo
fundamental de vibração. A ressonância ocorre quando essa frequência iguala-se à frequência fundamental da corda 5
pressionada.

28
25 Uma onda estacionária é produzida devido a uma superposição da onda incidente e a onda refletida a partir de uma
fronteira. Observa-se que a amplitude no antinó é 9 vezes a do nó. Determine qual a porcentagem da intensidade da
onda incidente corresponde a intensidade da onda refletida.
SOLUÇÃO
Chamemos de Ai e Ar as amplitudes da onda incidente e da onda refletida respectivamente. Então
Amplitude do antinó = Ai + Ar
Amplitude do nó = Ai - Ar
Dado
Ai  Ar A
 9  r  0,8
A i  Ar Ai
A intensidade é proporcional ao quadrado da amplitude. Consequentemente
2
Ir  Ar 
    (0,8)2  0,64  64%
Ii  Ai 

26 O esquema abaixo representa um trombone de Quincke. A fonte é um diapasão próximo a F. O ouvinte constata
intensidade mínima para d1 = 5 cm e novamente para d2 = 15 cm. Qual o comprimento de onda do som dentro do tubo?

SOLUÇÃO
Para d = 0: OBF – OAF = x
Para d1= 5 cm: OBF– OAF = x + 10 = i λ/2 (I)
Para d2 = 15 cm:
OBF – OAF = x + 30 = (i + 2) λ/2 (II)
(i e i + 2 são números ímpares consecutivos)
Fazendo (II) – (I), vem: λ = 20 cm

27 Dois alto-falantes pequenos, A e B (figura abaixo), são alimentados por um mesmo amplificador e emitem ondas
senoidais em fase. Se a velocidade do som for igual a 350 m/s,

a) em que frequências a interferência construtiva ocorre no ponto P?


b) Em que frequências a interferência destrutiva ocorre no ponto P?
SOLUÇÃO
Calculamos os comprimentos das trajetórias de A a P e de B a P pelo teorema de Pitágoras. Interferências construtivas
ocorrem quando a diferença entre as trajetórias percorridas for igual a um número inteiro de comprimentos de onda,
enquanto a interferência destrutiva ocorre quando a diferença entre os comprimentos das trajetórias é um número
semi-inteiro de comprimentos de onda. Para encontrar as frequências correspondentes, usamos a relação v = λ f.
A distância do alto-falante A até o ponto P é [(2,0)2 + (4,0)2]1/2 = 4,47 m, e a distância entre o alto-falante B e P é [(1,0)2 +
(4,0)2]1/2 = 4,12 m. A diferença entre as trajetórias seguidas pelas ondas é d = 4,47 m - 4,12 m = 0,35 m.
a) Ocorre interferência construtiva quando a diferença entre as trajetórias percorridas d for igual a um número inteiro
de comprimentos de onda, d = 0, λ, 2λ..., ou d = 0, v/f, 2v/f ... = nv/f. Logo, as frequências possíveis são

29
nv 350
fn  n (n  1,2,3...)
d 0,35
fn  1000Hz, 2000Hz, 3000Hz...
b) Ocorre interferência destrutiva quando a diferença entre as trajetórias percorridas d for igual a um número semi-
inteiro de comprimentos de onda, d = λ/2, 3λ/2, 5λ/2 ..., ou d = v/2f, 3v/2f, 5v/2f... = nv/2f. Logo, as frequências
possíveis são
nv 350
fn  n (n  1,3,5...)
2d 2(0,35)
fn  500Hz, 1500Hz, 2500Hz...

28 Suponha que o alto-falante A da figura abaixo emita uma onda sonora senoidal de frequência 500 Hz, e que o alto-
falante B emita uma onda sonora senoidal de frequência 1000 Hz. Que tipo de interferência ocorrerá entre essas duas
ondas?

i) interferência construtiva em vários pontos, inclusive o ponto P, e interferência destrutiva em vários outros pontos;
ii) interferência destrutiva em vários pontos, inclusive o ponto P, e interferência construtiva em vários pontos;
iii) nem (i), nem (ii).
SOLUÇÃO
iii). Interferências construtivas e destrutivas entre duas ondas ocorrem apenas se as duas ondas possuem a mesma
frequência. Neste caso, as frequências são diferentes, então não há pontos em que as duas ondas sempre reforcem uma
à outra (interferência construtiva) ou sempre anulem uma à outra (interferência destrutiva).

29 Um diapasão vibra com uma frequência de 440 Hz, enquanto um segundo diapasão vibra em uma frequência
desconhecida. Quando se fazem soar ambos os diapasões simultaneamente, escuta-se um tom que cresce e diminui em
intensidade três vezes por segundo. Qual é a frequência do segundo diapasão?
i) 434 Hz;
ii) 437 Hz;
iii) 443 Hz;
iv) 446 Hz;
v) 434 Hz ou 446 Hz;
vi) 437 Hz ou 443 Hz.
SOLUÇÃO
vi). A frequência de batimento é 3 Hz, portanto a diferença entre as frequências dos dois diapasões também é 3 Hz.
Assim, o segundo diapasão vibra em uma frequência de 443 Hz ou de 437 Hz. Você pode verificar as duas possibilidades
comparando as alturas dos dois diapasões quando eles soam juntos: a frequência é 437 Hz se o segundo diapasão
possuir uma altura menor, e de 443 Hz se possuir uma altura maior.

30 Duas flautas idênticas produzem sons fundamentais com frequência de 300 Hz a 27 °C. Se a temperatura do ar em
uma flauta for aumentada para 31° C, qual será o número de batimentos ouvidos por segundo?
SOLUÇÃO
Fazendo v1 como a velocidade do som a 27 ° C e v2 a 31° C. Então
1/2
v 2  273  31 
  1,007
v 1  273  27 
Como a frequência é proporcional à velocidade do som, teremos:

30
f2 v 2
  1,007
f1 v1
f2  f1 .1,007
f2  300.1,007  302Hz
Então a frequência dos batimentos será fb = 302 - 300 = 2 Hz

31 A corda de um violão emite uma nota de 440 Hz na sua tensão correta. A corda é esticada mais um pouco e produz 4
batimentos por segundo com um diapasão de frequência 440 Hz. Encontre a frequência da nota emitida por esta corda
quando esticada.
SOLUÇÃO
A frequência de vibração de uma onda em uma corda aumenta com o aumento da tensão. Assim, a nota emitida pela
corda será um pouco maior que 440 Hz. Uma vez que produz 4 batimentos por segundo com 440 Hz, a frequência será
de 444 Hz.

32 Uma sirene da polícia emite uma onda senoidal com frequência ff = 300 Hz. A velocidade do som é 340 m/s.
a) Calcule o comprimento de onda das ondas sonoras quando a sirene está em repouso em relação ao ar.
b) Quando a sirene se move a 30 m/s (108 km/h), determine o comprimento de onda das ondas situadas na frente e
atrás da fonte.
SOLUÇÃO
Usamos a relação v = λf para calcular o comprimento de onda quando a sirene da polícia está em repouso. Quando a
sirene está em movimento, calculamos o comprimento de onda de ambos os lados da sirene por meio das equações
vs  v f v v
 frente  e  atrás  s f .
ff ff
a) Quando a fonte está em repouso,
v 340
   1,13 m
ff 300
b) Esta situação é retratada na figura.

Na frente da sirene
v s  v f 340  30
 frente    1,03 m
ff 300
Atrás da sirene
v s  v f 340  30
 atrás    1,23 m
ff 300
33 Se o ouvinte O está em repouso e a sirene do exercício resolvido anterior se afasta de O com velocidade de 30 m/s,
que frequência o ouvinte escuta?
SOLUÇÃO
A figura abaixo mostra a situação.

Sabemos, do exercício resolvido anterior, que ff = 300 Hz, e sabemos também que vO = 0 e vf = 30 m/s. (A velocidade da
fonte, vf, é positiva porque ela se move no mesmo sentido que aponta do ouvinte para a fonte.)
Teremos então:
vs 340
fo  ff  (300)  276Hz
vs  v f 340  30

31
34 Se a sirene se afasta do ouvinte com velocidade de 45 m/s em relação ao ar, e o ouvinte se aproxima da sirene com
velocidade de 15 m/s em relação ao ar, que frequência o ouvinte escuta o som?
SOLUÇÃO
A figura a seguir mostra a situação.

Tanto a velocidade da fonte, vf = 45 m/s, quanto a do ouvinte, vO = 15 m/s, são positivas, porque os dois vetores
apontam no sentido do ouvinte para a fonte.
Encontramos
vs  v o 340  15
fo  ff  (300)  277 Hz
vs  v f 340  45

35 Um carro de bombeiros que emite uma sirene de frequência 700 Hz está viajando em direção a uma parede vertical
refletora com uma velocidade de 2 m/s. Se a velocidade do som for de 350 m/s, calcule o número de batimentos
ouvidas em um segundo
a) pelo motorista do carro de bombeiros,
b) por uma pessoa de pé entre o carro de bombeiros e a parede, e
c) por uma pessoa de pé atrás do carro de bombeiros.
SOLUÇÃO
a) O motorista ouvirá dois sons, um vindo diretamente da sirene e o outro refletido na parede. ff = frequência do som
direto = 700 Hz. O som refletido pode ser imaginado vindo da imagem do espelho (mostrado na figura).

O observador (motorista) está se aproximando desta fonte de imagem que também está se aproximando dele com a
mesma velocidade. Portanto, a frequência de som ouvida por ele é dada por (v0 = vf)
v  v0
fo  ff s
vs  v f
350  2
fo  700  708Hz
350  2
Número de batimentos ouvidos por segundo = ff - f = 708 - 700 = 8
Frequência de batimentos = 8 Hz
b) Uma pessoa de pé em A ouvirá dois sons, um da sirene que se aproxima dele e o outro da imagem espelhada da
sirene também se aproximando dele com a mesma velocidade. Por isso, ele não ouvirá batimentos.
c) Uma pessoa de pé em B ouvirá dois sons, um da sirene recuando dele e o outro da imagem espelhada da sirene se
aproximando dele com a mesma velocidade.
vs 350
f1  ff  700  696 Hz
vs  v f 350  2
vs 350
f2  fo  700  704 Hz
vs  vf 350  2
Frequência de batimentos = f2 - f1 = 704 - 696 = 8 Hz

36 As ondas em duas cordas A e B estão ligeiramente fora de sintonia e produzem batimentos com frequência de 6 Hz.
Quando a tensão na corda A é ligeiramente diminuída, a frequência dos batimentos é reduzida para 3 Hz. Se a
frequência original da corda A for 324 Hz, qual a frequência de B?
SOLUÇÃO

32
Dados que fA = 324 Hz, fb = 6 Hz e fB = ?
Onde fA = frequência da onda na corda A
fB = frequência da onda na corda B
fb = frequência dos batimentos.
A frequência da onda na corda B é fB = fA ± fb = 324 ± 6 = 330 ou 318 Hz
A frequência da onda em uma corda é proporcional à raiz quadrada da tensão. Portanto, se a tensão em A for
ligeiramente diminuída, sua frequência será ligeiramente reduzida, ou seja, ela se tornará menor que 324 Hz. Se a
frequência da onda na corda B for 330 Hz, a frequência do batimento aumentaria para um valor superior a 6 Hz se a
tensão em A for reduzida. Mas a frequência de batimento diminui para 3 Hz. Portanto, a frequência de B não pode ser
de 330 Hz; É, portanto, 318 Hz. Quando a tensão em A é reduzida, sua frequência torna-se 324 - 3 = 321 Hz, o que
produzirá batimentos de frequência 3 Hz com a onda na corda B de frequência 318Hz.

37 Um fio é esticado entre dois suportes rígidos com certa tensão. Observa-se que o fio ressoa no n-ésimo harmônico a
uma frequência de 420 Hz. A próxima maior frequência na qual o fio ressoa é de 490 Hz. Determine o valor de n.
SOLUÇÃO
A frequência do n-ésimo harmônico é de 420 Hz. A frequência do harmônico (n + 1)-ésimo harmônico é 490 Hz. Assim
sendo,
n T (n  1) T
420  e 490 
2L m 2L m
Dividindo uma pela outra teremos:
490 (n  1)
  n6
420 n

38 Uma fonte sonora de frequência 90 Hz está se movendo em direção a uma parede com uma velocidade vf = v/10,
onde v é a velocidade do som no ar. Determine a frequência de batimentos do som ouvido por um observador entre a
parede e a fonte.
SOLUÇÃO
O observador ouve dois sons - um que vem diretamente da fonte que se aproxima e o outro som após a reflexão na
parede (o que pode ser considerado como vindo da imagem espelhada da fonte). A frequência aparente da fonte que se
aproxima é
v v
fo  ff  90  100Hz
v  vf v  v / 10
Quando o observador está entre a parede e a fonte, a frequência aparente do som refletido a partir da parede também
é fo. Portanto, a frequência dos batimentos é fb = fo - fo = 0. O observador não ouvirá nenhum batimento.

39 Dois diapasões idênticos oscilam a 442 Hz. Uma pessoa é colocada em algum ponto no caminho entre os dois.
Calcule a frequência de batimento percebida por este indivíduo se
a) a pessoa permanece imóvel e os diapasões são deslocados para a direita a 31,3 m/s;
b) os diapasões permanecem estacionários e o ouvinte move-se para a direita a 31,3 m/s.
SOLUÇÃO
Usando a equação do efeito Doppler teremos:
a) Observador parado e fonte em movimento
343 343
f1  442  486Hz e f2  442  405Hz
343  31,3 343  31,3
Logo Δf = 81 Hz
b) Observador em movimento e fonte em parada
343  31,3 343  31,3
f1  442  402Hz e f2  442  482Hz
343 343
Logo Δf = 80 Hz

40 Um apito emite som de frequência 540 Hz e gira num círculo de raio 2 m a uma velocidade angular de 15,0 rad/s.
Quais são as frequências máximas e mínimas ouvidas por um ouvinte, situado em repouso do centro do círculo?
(velocidade do som = 330m/s).
SOLUÇÃO

33
Considere o apito girando no sentido horário, figura abaixo. No ponto A a velocidade linear do apito será para o ouvinte
distante e em B longe do ouvinte.

A frequência máxima será ouvida quando o apito estará em A e a mínima quando estiver em B:
vs = ωr = 15.2 = 30 m/s
então:
330 330
fmáx  540  594Hz e fmín  540  495Hz
330  30 330  30

41 O Concorde está voando com Mach igual a 1,75 a uma altura de 8000 m, onde a velocidade do som é igual a 320 m/s.
Quanto tempo depois de o avião passar verticalmente sobre sua cabeça você ouvirá o estrondo sônico?
SOLUÇÃO
A figura abaixo mostra a situação no momento exato em que a onda de choque atinge você no ponto O. Um tempo t (a
variável procurada) transcorreu desde que o avião passou bem em cima de sua cabeça, e durante esse tempo o avião,
cuja velocidade é v, percorreu uma distância vSt. Usamos trigonometria para calcular t.

Como vimos, o ângulo α é dado por


v
sen  
vS
logo
1
  arcsen  34,8
1,75
A velocidade do avião é a velocidade do som multiplicada pelo número de Mach:
vS = (1,75)( 320 m/s) = 560 m/s
Pela figura, temos
800
tan  
vS t
800
t  20,5s
560(tan34,8)

EXERCÍCIOS PARA RESOLVER

01 Uma máquina barulhenta em uma fábrica produz um som de amplitude de deslocamento igual a 1,0 μm, mas a
frequência desse som pode ser ajustada. A fim de prevenir danos aos ouvidos dos trabalhadores, a amplitude de
pressão máxima das ondas sonoras é limitada a 10,0 Pa. Nas condições dessa fábrica, o módulo de compressão do ar é
1,42.105 Pa. Qual é o som de frequência mais alta para o qual essa máquina pode ser ajustada sem exceder o limite
recomendado? Essa frequência é audível para os trabalhadores?

34
02 Considere uma onda sonora no ar com amplitude de deslocamento igual a 0,0200 mm. Calcule a amplitude da
pressão para as frequências:
a) 150 Hz;
b) 1500 Hz;
c) 15000 Hz.
Em cada caso, compare os resultados com a pressão do limiar da dor, que é igual a 30 Pa.

03 a) Em um líquido com densidade igual a 1300 kg/m3, propaga-se uma onda longitudinal com frequência igual a 400
Hz e comprimento de onda igual a 8,0 m. Calcule o módulo de compressão do líquido.
b) Uma barra metálica com 1,50 m de comprimento possui densidade igual a 6400 kg/m3. Uma onda sonora longitudinal
leva um tempo de 3,90.10–4 s para ir de uma extremidade até a outra da barra. Qual é o módulo de Young do metal?

04 Para uma temperatura de 27 °C, qual é a velocidade de uma onda longitudinal


a) no hidrogênio (massa molecular igual a 2,02 g/mol)?;
b) no hélio (massa molecular igual a 4,0 g/mol)?;
c) no argônio (massa molecular igual a 39,9 g/mol)?

05 A constante γ para o oxigênio, bem como para o hidrogênio é de 1,40. Se a velocidade do som em oxigênio for 470
m/s, qual será a velocidade no hidrogênio à mesma temperatura e pressão?

06 A temperatura absoluta do ar em uma região aumenta linearmente de T1 a T2 em um espaço de largura d. Encontre o


tempo que leva uma onda sonora para passar pela região em termos de T1, T2, d e a velocidade v do som em 273 K.
Avalie este tempo para T1 = 280 K, T2 = 310 K, d = 33 m e v = 330 m/s.

07 Um oscilador vibrando a 1250 Hz produz uma onda sonora que se desloca em um gás ideal a 325 m/s quando a
temperatura do gás é 22 °C. Em um certo experimento, você precisa que o mesmo oscilador produza um som de
comprimento de onda igual a 28,5 cm nesse gás. Qual deveria ser a temperatura do gás para obter esse comprimento
de onda?

08 Qual é a diferença entre a velocidade de propagação de ondas longitudinais no ar a 27 °C e sua velocidade de


propagação a –13 °C?

09 Deduza a expressão para o módulo de compressão de um gás B = γP0. Onde P0 é a pressão de equilíbrio do gás e a
grandeza γ é a razão das capacidades caloríficas.

10 Uma onda sonora no ar a 20°C tem uma frequência igual a 150 Hz e uma amplitude de deslocamento igual a 5,0.10–3
mm. Para essa onda sonora, calcule:
a) a amplitude da pressão (em Pa);
b) a intensidade (em W/m2);
c) o nível da intensidade sonora (em decibéis).

11 Uma coluna de soldados, marchando a 120 passos por minuto, segue o ritmo da batida de um tambor que é tocado
na frente da coluna. Observa-se que os últimos soldados da coluna estão levantando o pé esquerdo quando os
primeiros soldados estão levantando o pé direito. Qual é o comprimento aproximado da coluna?

12 a) Qual é o nível da intensidade sonora no ouvido quando a intensidade do som é igual a 0,500 μW/m2?
b) Qual é o nível da intensidade sonora nas proximidades de um bate-estacas quando a amplitude de pressão do som é
de 0,150 Pa e a temperatura é igual a 20 °C?

13 Para uma pessoa com audição normal, o som mais fraco que pode ser ouvido a uma frequência de 400 Hz possui
uma amplitude de pressão aproximadamente igual a 6,0.10–5 Pa. Calcule a intensidade correspondente e o nível da
intensidade sonora a 20 °C.

14 A intensidade devida a diversas fontes sonoras independentes é igual à soma das intensidades individuais.
a) Quando quatro bebês choram simultaneamente com a mesma intensidade, em quantos decibéis o nível da
intensidade sonora é maior do que o nível da intensidade quando apenas um bebê chora?

35
b) Para aumentar novamente o nível da intensidade sonora no mesmo número de decibéis calculado no item (a),
quantos bebês chorando são necessários?

15 A boca de um bebê está a 30 cm de distância do ouvido do pai e a 1,50 m de distância do ouvido da mãe. Qual é a
diferença entre o nível da intensidade do som ouvido pelo pai e o nível da intensidade do som ouvido pela mãe?

16 Uma onda plana que penetra em um material reduz a sua intensidade em 6 dB quando percorre 15 cm. Que
distância deve penetrar para reduzir o seu nível de intensidade em 10 dB?

17 Um alto-falante de potência constante é ouvido a uma distância de 240 m. Qual é o nível de intensidade a 60 m?

18 Duas pessoas A e B distantes entre si 10 m, estão alinhadas normalmente a uma parede. Se a pessoa A, mais longe da
parede, chamar a pessoa B e esta percebe a chamada direta com um nível de intensidade de 20 dB, a que distância se
encontra B da parede se ela está localizado onde se deixa de receber o som refletido na parede?

19 Quantas pessoas devem gritar a 60 db cada, para produzir um nível de intensidade de 80 db?

20 A diferença entre os níveis de intensidade emitida por duas sirenes é de 60 dB. Encontre a razão entre suas
intensidades.

21 Caio localizado 1 m de uma fonte sonora recebe um nível de intensidade de 40 dB. Que distância mínima a partir da
fonte, deve estar localizado Caio, para não ouvir o som emitido pela fonte?

22 O nível de som em um ponto é aumentado em 30 dB. Por qual fator aumentou a amplitude de pressão?

23 A uma distância de 10 km, um berrante de 100 Hz, considerado como uma fonte pontual, é ouvido muito baixo. A
que distância começará a causar dor nos ouvidos?

24 Você está parado a uma distancia D de uma fonte que emite ondas sonoras, de forma igual, em todas as direções.
Caminha 50,0 m em direçao à fonte e observa que a intensidade das ondas foi dobrada. Calcule a distância D.

25 Ondas estacionárias são produzidas numa corda, sendo de 60 cm o comprimento de onda. Determine, em
centímetros, os três menores valores possíveis para o comprimento da corda.

26 A frequência fundamental de um tubo aberto em ambas as extremidades é 594 Hz.


a) Qual é o comprimento desse tubo? Se agora fechamos uma extremidade, calcule
b) o comprimento de onda e
c) a nova frequência fundamental.

27 Ondas sonoras estacionárias são produzidas em um tubo de comprimento igual a 1,20 m. Para o modo fundamental
e os dois primeiros sobretons, determine a posição ao longo do tubo (medida a partir da extremidade esquerda) dos nós
de deslocamento e dos nós de pressão supondo que
a) o tubo possui as duas extremidades abertas;
b) a extremidade esquerda do tubo está fechada e a extremidade direita do tubo está aberta.

28 Um diapasão vibrando na frequência de 800 Hz produz ressonância em um tubo de coluna de ressonância. A


extremidade superior está aberta e a extremidade inferior está fechada pela superfície da água que pode ser variada. As
ressonâncias sucessivas são observadas em comprimento de 9,75 cm, 31,25 cm e 52,75 cm. Calcule a velocidade do som
no ar a partir desses dados.

29 Ache a frequência fundamental e a frequência de cada um dos três primeiros sobretons de um tubo de 45,0 cm de
comprimento sabendo que
a) o tubo possui as duas extremidades abertas;
b) uma das extremidades do tubo está fechada. Use o valor v = 344 m/s.
c) Em cada um dos casos anteriores, qual é o número de harmônicos superiores que podem ser ouvidos por uma pessoa
capaz de ouvir frequências no intervalo de 20 Hz até 20000 Hz?

36
30 Um tubo aberto e fino é mantido com sua extremidade inferior imersa em água. O nível da água é ajustado para
produzir o máximo som quando o diapasão x é agitado sobre a extremidade superior do tubo. Por simplicidade,
considere que somente as frequências fundamentais estão envolvidas.

Sabendo que o comprimento do tubo acima do nível da água é Y e que o comprimento do tubo na água é Z, pede-se:
a) Determine o comprimento de onda do som no ar, como função de Y e Z.
b) O comprimento desta onda do som na água independe do comprimento Z? Esse comprimento de onda será maior,
menor ou igual ao do som no ar? Justifique
c) No tempo necessário para o diapasão realizar uma vibração completa, determine a distância que a onda viajará no ar
em número de comprimentos de onda.

31 Uma das cordas de um violão possui massa 0,25 g, comprimento 50 cm e encontra-se presa em suas extremidades
sob uma tensão de 500 N. Considere que uma onda estacionária é gerada nesta corda. As vibrações na corda são
transmitidas ao ar, gerando assim uma onda sonora.
a) Classifique as ondas envolvidas neste problema quanto à direção de oscilação do meio em relação à direção de
propagação da onda e quanto ao número de dimensões espaciais em que se dá a propagação da energia.
Justifique sua resposta.
b) Calcule a razão entre os comprimentos de onda das ondas no ar e na corda. Determine a frequência do harmônico
fundamental da corda.

32 Uma corda de um violoncelo tem comprimento L, para o qual a frequência fundamental é f.


a) De qual comprimento  precisa a corda ser diminuída com o dedo, para mudar a frequência fundamental para rf?
b) Qual o valor de  para L = 0,80 m e r = 6/5?
c) Para r = 6/5, qual a razão entre o comprimento de onda da nova onda sonora emitida pela corda e a emitida antes da
colocação do dedo?

33 A corda lá de um violino está muito esticada. São ouvidos 4,00 batimentos por segundo quando a corda é tocada
junto com um diapasão que oscila exatamente na frequência do lá de concerto (440 Hz). Qual é o período de oscilação
da corda do violino?

34 Uma corda presa em ambas as extremidades, tem ressonâncias sucessivas em comprimentos de onda de 0,54 m para
o harmônico n e 0,48 m para o harmônico n + 1. Determine o comprimento da corda, o valor de n e o comprimento de
onda do modo fundamental.

35 Um bloco de alumínio pendurado no extremo de uma corda vibra em seu primeiro harmônico quando o seu
comprimento é L.

Julgue as seguintes afirmações. Justifique.


l. O comprimento de onda do primeiro harmônico diminui.
II. Para que a velocidade do primeiro harmônico não mude, o novo comprimento da corda vibrante deve ser
 
L al alcool .
al

37
III. A velocidade da onda na corda diminui.
IV. A frequência de oscilação da onda aumenta.

36 Uma das extremidades de uma corda horizontal é fixa e a outra passa sobre uma roldana sem atrito onde é
pendurado um peso. A frequência do som fundamental emitida pela corda é de 392 Hz. Se o corpo é submerso
totalmente em água, a frequência baixa para 343 Hz. Calcule da densidade do corpo.

37 Um tubo sonoro aberto tem um comprimento de 5 cm.


a) Encontre a frequência fundamental de vibração neste tubo.
b) Qual é o harmônico mais alto desse tubo que é audível? A velocidade do som no ar é de 340 m/s e a faixa audível é
de 20 - 20 000 Hz.

38 Duas sucessivas frequências de ressonância em um tubo aberto são 1944 Hz e 2592 Hz. Encontre o comprimento do
tubo. A velocidade do som no ar é de 324 m/s.

39 Um pistão está montado em um tubo cilíndrico de pequena seção transversal com a outra extremidade do tubo
aberta. O tubo ressoa com um diapasão de frequência de 512 Hz. O pistão é gradualmente puxado para fora do tubo e
verifica-se que ocorre uma segunda ressonância quando o pistão é puxado para fora através de uma distância de 32,0
cm. Calcule a velocidade do som no ar do tubo.

40 Considere a situação mostrada na figura abaixo. O fio que tem uma massa de 4,00 g oscila em seu segundo
harmônico e coloca a coluna de ar no tubo em vibrações em seu modo fundamental. Supondo que a velocidade do som
no ar seja de 340 m/s, encontre a tensão no fio.

41 Ao encher-se um recipiente com água, o som produzido fica mais agudo com o passar do tempo.
a) Explique por que isso ocorre.
b) Determine uma expressão para a frequência fundamental do som em função do tempo, para o caso de um recipiente
cilíndrico com 6 cm de diâmetro e 30 cm de altura, sabendo que a vazão do líquido é de 30 cm3/s. Suponha que a
velocidade do som no ar no interior do recipiente seja 340 m/s.

42 O Professor Gomes sopra na extremidade aberta de um tubo de ensaio e produz uma onda sonora estacionária
fundamental na coluna de ar do interior do tubo. A velocidade do som no ar é igual a 344 m/s, e o tubo de ensaio
funciona como um tubo fechado.
a) Sabendo que o comprimento da coluna de ar no tubo de ensaio é igual a 14,0 cm, qual é a frequência dessa onda
estacionária?
b) Qual seria a frequência da onda estacionária supondo que o tubo de ensaio esteja completamente cheio de água?

43 Dois alto-falantes, A e B (ver figura abaixo), são alimentados por um mesmo amplificador e emitem ondas senoidais
em fase. O alto-falante B está a uma distância de 2,0 m à direita do alto-falante A. A velocidade do som no ar é igual a
344 m/s. Considere um ponto Q ao longo da extensão da linha reta que une os dois alto-falantes, situado a uma
distância de 1,0 m à direita do alto-falante B. Os dois alto-falantes emitem ondas sonoras que se propagam diretamente
dos alto-falantes até o ponto Q.

38
a) Qual é a menor frequência capaz de produzir interferência construtiva no ponto Q?
b) Qual é a menor frequência capaz de produzir interferência destrutiva no ponto Q?

44 Dois alto-falantes, A e B (ver figura abaixo), são alimentados por um mesmo amplificador e emitem ondas senoidais
em fase. O alto-falante B está a uma distância de 2,0 m à direita do alto-falante A. Os dois alto-falantes emitem ondas
sonoras com uma frequência igual a 206 Hz e a velocidade do som no ar é igual a 344 m/s. Considere um ponto P ao
longo da linha reta que une os dois alto-falantes e situado entre os alto-falantes a uma distância x à direita do alto-
falante A. Os dois alto-falantes emitem ondas sonoras que se propagam diretamente dos alto-falantes até o ponto P.

a) Quais são os valores de x em que ocorre interferência destrutiva no ponto P?


b) Quais são os valores de x em que ocorre interferência construtiva no ponto P?
c) Os efeitos de interferência como aqueles que você encontrou nos itens (a) e (b) quase nunca são ouvidos no
equipamento de som estereofônico da sua casa. Por quê?

45 Dois alto-falantes estão separados por uma distância de 2,40 m. Uma pessoa fica a uma distância de 3,20 m
diretamente na frente de um dos alto-falantes como mostrado na figura abaixo. Encontre as frequências no intervalo
audível (20-2000 Hz) para as quais o ouvinte ouvirá um som de intensidade mínima. Velocidade do som no ar = 320 m/s.

46 Dois alto-falantes, A e B, são alimentados por um mesmo amplificador e emitem ondas senoidais em fase. O alto-
falante B está a uma distância de 12,0 m à direita do alto-falante A. A frequência das ondas emitidas por cada um dos
alto-falantes é 688 Hz. Você está em pé entre os dois alto-falantes, sobre a linha reta que os une, em um ponto onde há
interferência construtiva. A que distância você precisa andar na direção do alto-falante B para atingir um ponto de
interferência destrutiva?

47 Por que a seguinte situação é impossível? Dois alto-falantes idênticos são forçados a vibrar pelo mesmo oscilador a
uma frequência de 200 Hz. Eles estão no solo a uma distância d = 4,00 m um do outro. Começando longe dos alto-
falantes, o Professor Gomes caminha diretamente na direção ao da direita, como mostrado na figura abaixo. Depois de
passar por três mínimos em intensidade de som, ele anda até o próximo máximo e para. Ignore qualquer reflexão do
som do solo.

39
48 Num tanque de ondas, duas fontes F1 e F2 oscilam em fase com frequências f e 3/2f respectivamente, produzindo
ondas que se superpõem no ponto P, conforme a figura abaixo:

As distâncias das fontes F1 e F2 ao ponto P são 1,2 m e 1,6 m, respectivamente. Determine os maiores comprimentos de
onda possíveis de cada fonte, que sejam menores que as distâncias ao ponto P, para que haja uma interferência
destrutiva nesse ponto.

49 Na figura, F1 e F2 são fontes sonoras idênticas que emitem, em fase, ondas de frequência f e comprimento de onda λ.
A distância d entre as fontes é igual a 3 λ. Determine a menor distância não nula, tomada a partir de F2, ao longo do eixo
x, para a qual ocorre interferência construtiva.

50 Na figura, F1 e F2 são duas fontes puntuais iguais, de luz monocromática em fase. A tela T está colocada a 10,0 m de
distância. Icialmente F1 e F2 estavam encostadas. Afastando-se F2 e F1 observou-se no ponto A um primeiro
x
escurecimento quando L = 1,00 mm. Considerando a aproximação 1  x  1  para x << 1, determine a distância L
2
para o terceiro escurecimento.

51 Duas fontes sonoras F1 e F2 estão inicialmente separadas de 2,5 m. Dois observadores A e B estão distantes 10 m da
fonte F1, sendo que o observador A está no eixo x e o observador B, no eixo y, conforme indica a figura. As duas fontes
estão em fase e emitem som numa frequência fixa f = 170 Hz. Num dado instante, a fonte F2 começa a se deslocar
lentamente ao longo do eixo x, afastando-se da fonte F1. Com esse deslocamento, os dois observadores detectam uma
variação periódica na intensidade do som resultante das duas fontes, passando por máximos e mínimos consecutivos de
intensidade. Sabe-se que a velocidade do som é 340 m/s nas condições do experimento.

Levando em conta a posição inicial das fontes, determine:


a) a separação La entre as fontes para a qual o observador A detecta o primeiro mínimo de intensidade;
b) a separação Lb entre as fontes para a qual o observador B detecta o primeiro máximo de intensidade.

40
52 Duas fontes sonoras, A e B, mostradas na figura abaixo, emitem ondas senoidais em fase e com a mesma frequência.

Considerando-se a velocidade do som igual a 340 m/s, o professor Gomes pede que você determine a menor frequência
capaz de produzir:
a) interferência construtiva no ponto P.
b) interferência destrutiva no ponto P.

53 Uma fonte S e um detector de ondas de rádio D estão localizados ao nível do solo a uma distância d (ver figura
abaixo).

Ondas de rádio de comprimento λ chegam a D, pelo caminho direto ou por reflexão, numa certa camada da atmosfera.
Quando a camada está numa altura H, as duas ondas chegam em D exatamente em fase. À medida que a camada sobe,
a diferença de fase entre as duas ondas muda, gradualmente, até estarem exatamente fora de fase para uma altura da
camada H + h. Expresse λ em termos de d, h e H.

54 Dois violonistas tentam tocar a mesma nota de comprimento de onda igual a 6,50 cm ao mesmo tempo, mas um dos
instrumentos está levemente desafinado e toca uma nota de comprimento de onda igual a 6,52 cm. Qual é a frequência
do batimento que esses músicos ouvem quando tocam juntos?

55 Dois tubos abertos em uma extremidade e fechados em outra, medem cada um 1,14 m de comprimento. Um desses
tubos é encompridado em 2,0 cm. Calcule a frequência do batimento que eles produzem quando tocam juntos em sua
frequência fundamental.

56 Há dez batimentos por segundo entre o segundo harmônico de um tubo aberto, de 8,5 m de comprimento, e o
terceiro harmônico de outro tubo, fechado. Dos dois sons, o mais grave é o primeiro. Determine o comprimento do
tubo fechado, sabendo que a velocidade do som no ar é 340 m/s.

57 Um observador escuta a buzina de um carro em duas situações diferentes. Na primeira, o observador está parado e o
carro se afasta com velocidade V; na segunda, o carro está parado e o observador se afasta com velocidade V. Em qual
das duas situações o tom ouvido pelo observador é mais grave? Justifique sua resposta.

58 Um automóvel e uma ambulância movem-se numa estrada, lado a lado, no mesmo sentido, com velocidades
constantes e iguais a 72 km/h. A sirene da ambulância emite um som de frequência igual a 1 280 Hz. A partir de certo
instante, o motorista do automóvel imprime à sua viatura a aceleração de 1 m/s2 no sentido do movimento. Sabendo
que a velocidade de propagação do som no ar é de 340 m/s, determine o espaço percorrido pelo automóvel até seu
motorista ouvir um som de frequência igual a 1240 Hz. Admita que o ar esteja parado em relação à Terra, à qual são
referidas as velocidades mencionadas.

41
59 Dois trens estão se movendo um em direção ao outro em velocidades de 72 km/h e 54 km/h em relação ao solo. O
primeiro trem soa um apito de frequência de 600 Hz. Encontre a frequência do apito, como é ouvido por um passageiro
no segundo trem
a) antes do encontro dos trens e
b) depois que os trens se cruzaram. A velocidade do som no ar é de 340 m/s.

60 O motorista de um carro que se aproxima de uma parede vertical percebe que a frequência da buzina do seu carro
muda de 440 Hz para 480 Hz quando ele é refletido a partir da parede. Encontre a velocidade do carro sabendo que a
velocidade do som é de 330 m/s.

61 Um carro se afasta de uma parede 90 km/h e vai em direção a um observador emitindo um som com frequência de
600 Hz. No entanto sopra um vento de 30 m/s na direção e sentido do movimento do veículo. Determine as frequências
que o observador percebe
a) diretamente de carro;
b) após reflexão na parede. A velocidade do som é 340 m/s.

62 Um carro se move com uma velocidade v = 60 m/s, e buzina entre dois ouvintes fixos A e B, conforme indicado como
figura. Sabendo que o comprimento de onda do som emitido pelo carro é λ = 17 m, qual é o comprimento das ondas
recebidas por tais ouvintes?

63 Um trem-bala move-se com velocidade de 60 m/s para leste. O apito do trem emite um som com frequência 400 Hz.
Considere a velocidade do som no referencial de repouso da atmosfera como 340 m/s.
a) Determine a frequência do som do apito que uma pessoa na estação ouve ao observar o trem partir.
b) Considere agora a presença de vento soprando para oeste com velocidade 10 m/s. Determine a frequência que a
pessoa na estação irá detectar.
c) Considere agora que o trem move-se em uma trajetória circular. Qual a frequência do som percebida por alguém no
centro da circunferência descrita pelo trem?

64 Um trem que se aproxima de uma travessia ferroviária a uma velocidade de 120 km/h soa um apito curto na
frequência 640 Hz quando está a 300 m do cruzamento. A velocidade do som no ar é de 340 m/s. Qual será a frequência
ouvida por uma pessoa parada em uma estrada perpendicular à pista que passa pelo cruzamento a uma distância de
400 m da travessia?

65 O Professor Gomes observa uma ambulância, dotada de uma sirene que emite um som de frequência constante F,
aproximando-se de um enorme anteparo extenso, imóvel, perpendicular à sua trajetória, com velocidade constante de
10 m/s. Nessas condições, o motorista ouve o som refletido pelo anteparo com uma frequência aparente de 700 Hz. Se
o anteparo passar a se mover em relação ao solo com velocidade 15 m/s, indo ao encontro da ambulância, o motorista
perceberá, para o som refletido no anteparo, qual frequência sonora aparente? A velocidade do som no ar vale 340 m/s
e a ambulância mantém velocidade constante durante todo o episódio.

66 Um trem está se movendo com uma velocidade constante u ao longo de uma pista circular. Uma sirene em sua parte
dianteira está emitindo um som de frequência f. Se u = v/10, onde v é a velocidade do som, determine a frequência
aparente de som ouvida por um passageiro na extremidade traseira do trem.

42
67 Uma sirene colocada em uma plataforma ferroviária está emitido um som de frequência de 5 kHz. Um passageiro
sentado em um trem em movimento A registra uma frequência de 5,5 kHz enquanto o trem se aproxima da sirene.
Durante a viagem de retorno em um trem diferente B, ele registra uma frequência de 6,0 kHz enquanto se aproxima da
mesma sirene. Determine a relação entre a velocidade do trem B e a do trem A.

68 Uma pequena fonte sonora vibrando com uma frequência de 500 Hz é girada em um círculo de raio 100/π cm a uma
velocidade angular constante de 5,0 rotações por segundo. Um ouvinte se situa no plano do círculo. Encontre a
frequência mínima e máxima do som observado. Considere a velocidade do som no ar = 332 m/s.

69 Uma fonte que emite som na frequência 4000 Hz, está se movendo ao longo do eixo Y com uma velocidade de 22
m/s. Um ouvinte está situado no chão na posição (660 m, 0). Encontre a frequência do som recebido pelo ouvinte no
momento em que a fonte cruza a origem. Velocidade do som no ar = 330 m/s.

70 Uma banda tocando música com uma frequência f está se movendo em direção a uma parede a uma velocidade u.
Um motorista está seguindo a banda com a mesma velocidade u. Se v é a velocidade do som, determine a frequência de
batimentos ouvida pelo motorista?

71 A sirene de uma ambulância emite sons na frequência de 550 Hz. Um detector estacionário registra as frequências
vindas da sirene. O gráfico ao lado ilustra o fenômeno. A velocidade do som no ar é de 340 m/s.

a) Com as informações fornecidas, é possível afirmar se a ambulância está se aproximando ou se afastando do detector?
Justifique.
b) Construa um gráfico da velocidade da ambulância em função do tempo de 0 até 40 s.

72 Um deficiente visual encontra-se no cruzamento de duas avenidas muito movimentadas. No cruzamento, além do
sinal luminoso, há um sinal sonoro, que apita quando a indicação do sinal luminoso é verde para os pedestres, indicando
que ele pode atravessar o cruzamento. Ao ouvir este sinal, o cego ouve também a sirene de uma ambulância. Por conta
disto, ele para e percebe que o som emitido pela sirene da ambulância tem a frequência diminuída em relação àquela
que ele ouviria se a ambulância estivesse em repouso em relação a ele. Com base nesta informação, e supondo que a
ambulância se move com velocidade constante, você conclui que o cego pode atravessar a rua ou não? Justifique.

73 Quando em repouso, uma corneta elétrica emite um som de frequência 512 Hz. Numa experiência acústica, um
estudante deixa cair a corneta do alto de um edifício. Qual a distância percorrida pela corneta, durante a queda, até o
instante em que o estudante detecta o som na frequência de 485 Hz? (Despreze a resistência do ar e considere g =
9,8m/s2.)

74 Um apito usado para chamar cães tem uma frequência de 30 kHz. O cão, entretanto, o ignora. O dono do cão, que
não pode escutar frequências acima de 20 kHz, decide usar o efeito Doppler para descobrir se o apito funciona de ma-
neira adequada. Pede a um amigo que sopre o apito no interior de um carro em movimento, enquanto ele permanece
parado ouvindo,
a) Qual precisa ser a velocidade do carro e qual a direção para que o dono escute o apito a 20 kHz (se ele estiver fun-
cionando)? O experimento em questão é prático?
b) Refaça para uma frequência do apito igual a 22 kHz, em vez de 30 kHz.

75 O cone das ondas de choque criado pelo ônibus espacial em um instante durante a sua reentrada na atmosfera
forma um ângulo de 58° com a direção de seu movimento. A velocidade do som nessa altitude é 331 m/s.
a) Qual é o número de Mach do ônibus espacial nesse instante, e
b) com que velocidade (em m/s) ela está se deslocando em relação à atmosfera?

43
c) Qual seria o seu número de Mach e o ângulo do cone das ondas de choque se ela viajasse na mesma velocidade, mas
em altitudes baixas, onde a velocidade do som é 344 m/s?

76 O que você ouviria se estivesse bem atrás (à esquerda) do avião supersônico da figura a seguir?

i) um estrondo sônico;
ii) o som do avião, com desvio de Doppler nas frequências mais altas;
iii) o som do avião, com desvio de Doppler nas frequências baixas;
iv) nada

Respostas
01 f = 3,86 103 Hz, sim
02 a) 7,78 Pa b) 77,8 Pa c) 778 Pa
03 a) 1,33.1010 Pa b) 9,47.1010 Pa
04 a) 1,32.103 m/s b) 1,02.103 m/s c) 323 m/s
05 1880 m/s
2d 273
06 t 
v T2  T1
07 81,4 °C
08 24 m/s
09 Demonstração
10 a) 1,95 Pa b) 4,58.10−3 W/m c) 96,6 dB
11 L = 171,5 m
12 a) 57 dB b) 74,4 dB
13 I = 4,4.10-12 W/m2, β = 6,4 dB
14 a) 6,0 dB b) 12
15 14,0 dB
16 25 cm
17 12 dB
18 45 m
19 100 pessoas
20 106
21 d = 100 m
22 32
23 10−2 m
24 D = 171 m
25 30 cm; 60 cm; 90 cm
26 a) 0,290 m b) 1,16 m c) 297 Hz
27 a) Nós de deslocamento:
Fundamental: 0.60 m
1° sobreton: 0,30 m; 0,90 m
2° sobreton: 0,20 m; 0,60 m; 1,00 m
Nós de pressão:
Fundamental: 0; 1,20 m
1° sobreton: 0; 0,60 m; 1,20 m

44
2° sobreton: 0; 0,40 m; 0,80 m; 1,20 m
b) Nós de deslocamento:
Fundamental: 0
1° sobreton: 0, 0,80 m
2° sobreton: 0; 0,48 m; 0,96 m
Nós de pressão:
Fundamental: 1,20 m
1° sobreton: 0,40 m; 1,20 m
2° sobreton: 0,24 m; 0,72 m; 1,20 m
28 var = 344 m/s
29 a) f1 = 382 Hz, f2 = 764 Hz, f3 =1146 Hz, f4 =1528 Hz b) f1 = 191 Hz, f3 = 573 Hz, f5 = 955 Hz, f7 =1337 Hz
30 a) λ = 4 Y b) Não há relação. c) λ
31 a) Na corda: Transversal e unidimensional. No ar: Longitudinal e tridimensional. b) λar / λcorda = 0,34; fn=1 = 1000 Hz.
 1
32 a) l  L  1   b) 0,14 m c) 5/6
 r 
33 T = 2,25.10-3 s
34 L = 2,16 m; n = 8; λ0 = 4,32 m
35 I. Verdadeiro II. Verdadeiro III. Verdadeiro IV. Falso
3
36 4,27 g/cm
37 a) 3400 Hz b) 5°
38 25 cm
39 328 m/s
40 T = 11,6 N
41 a) A altura da parte livre (acima do líquido) diminui com o preenchimento do recipiente. Por esta diminuição, o
comprimento de onda do som diminui. Como a velocidade do som é constante, a diminuição do comprimento de onda
leva ao aumento da frequência (som mais agudo).
2550 
b) f 
9  t
42 a) 614 Hz b) 1230 Hz
43 a) 172 Hz b) 86 Hz
44 a) x = 1,42 m b) x = 1,83 m
c) Tratar os alto-falantes como fontes pontuais não é uma boa aproximação para essas dimensões, e o som atinge esses
pontos depois de refletir das paredes, teto e piso.
45 600 Hz ≤ f ≤ 1980 Hz
46 x = 0,125 m
47 O homem passa por apenas dois mínimos; Um terceiro mínimo é impossível.
48 λ1 = 0,80 m e λ2 = 0,53 m
49 5λ/4
50 L = 2,24 mm
51 a) 3,0 m, b) 6,6 m
52 fmín = 68 Hz para a interferência construtiva fmín = 34 Hz para a interferência destrutiva.
53   2[d2  4(H  h)2 ]1/2  2(d2  4H2 )1/2
54 16 batimentos/s
55 13 batimentos/s
56 L = 5,1 m
57 Na segunda situação
58 250 m
59 a) f = 666 Hz b) f = 542 Hz
60 52 km/h
61 a) 643,5 Hz b) 555,5 Hz
62 λ’ = 14 m
63 a) f = 340 Hz b) f = 341,5 Hz c) f = 400 Hz
64 680 Hz
65 770 Hz
66 f
67 vB/vA = 2

45
68 Fmín = 485 Hz Fmáx = 515 Hz
69 4018 Hz
2fu
70 fb 
v u
71 a) A ambulância afasta do observador.
b)

72 Pode atravessar.
73 19,3 m
74 a) v = 617 km/s; Não b) v = 123 km/s
75 a) 1,18 b) 390 m/s c) 1,13; 61,9°
76 iii)

46