Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL


DISCIPLINA: Tópicos Especiais em Antropologia II: Teorias da Cultura (30 horas – 2 créditos)
PROFESSOR: Aloir Pacini
PROGRAMA

1. Conteúdo Programático
Ementa: A disciplina pretende refletir sobre a (re)formulação do conceito de cultura a
partir de discussões recentes desenvolvidas no campo da antropologia.
Assim, tem como objetivo fundamental dar suporte à formação teórica dos estudantes
de pós-graduação da área das ciências sociais do PPGAS e procedentes de outras áreas da pós-
graduação em geral. A disciplina também está aberta a estudantes regulares de outras pós-
graduações da UFMT que tenham interesse nesta temática.

2. Metodologia de Ensino e Avaliação


A disciplina será ministrada às sextas-feiras das 14 às 18 horas no período de 15/08 a
10/10 o que equivaleria a 7 aulas de 4 horas e uma de 2 horas.
Avaliação: leitura de um dos textos propostos em azul em cada dia de aula com
reflexão pessoal “tipo resenha” a ser entregue aos colegas e professor (mais ou menos uma
página)1; texto escrito para participação no I Colóquio de Antropologia da UFMT (14 a
17/10/2014) ou Seminário do ICHS (11 a 14/11/2014) ou outra atividade acadêmica a critério
do professor. Este texto escrito também pode ter formato de um artigo ou texto para a
participação em Seminários de Antropologia, conforme proposta acima. A nota deste texto
será somada com a outra nota calculada a partir da média dos textos apresentados para
entregar aos colegas e professor (participação/frequência em aula) e dividida por 2.
OBS 1: Sob nenhum pretexto estudantes com frequência inferior a 75% serão aprovados.
Supõe-se a leitura já realizada de Franz Boas e GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa:
Por uma Teoria Interpretativa da Cultura. In: A Interpretação das Culturas. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1989 [1973].
OBS 2: O esquema básico está em © APONTAMENTOS DE ANTROPOLOGIA SOCIOCULTURAL
2011-2012 – Prof. Dr. Xerardo Pereiro – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
(UTAD) – antropólogo – Correio electrónico: xperez@utad.pt Web:
www.utad.pt/~xperez/

Aula 01 – 22/08/2014: Teorias da cultural...


KAPLAN, David e MANNERS, Robert A. Teoria da Cultura. Zahar Ed. 1975 [19722]
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: introduções...

Aula 02 – 29/08/2014: Genealogia da cultura.


KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]– (Introdução:
guerras culturais, p. 21- 44).

1
Nota de leitura: além de trazer algo do texto que permite aos colegas compreendê-lo, é importante pensar o
que estes textos despertam em mim? Repercussões... reflexões sobre os textos lidos e questões para serem
discutidas em aula.
2
Culture Theory na série Foundations of Modern Antropology dirigida por Marshall D. Sahlins.

1
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 2: 79-103; cap. 4: 153-177;
cap. 5: 179-219 (outra tradução em Cultura e razão prática. Zahar Editores, 1979: 185-
225;
FELDMAN-BIANCO, B. Introdução In. Antropologia das Sociedades Contemporâneas: Métodos.
Global, São Paulo. 1987: 7-41 (Antropologia da ação).

Aula 03 – 05/09/2014: Cultura como religião em Geertz.


KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]– (cap. 1 e 2, p.
45-102; Cap. 3: Cultura como religião e como grande ópera, p. 105-159).
GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a Antropologia. Zahar Ed, 2001. cap. 10 – Cultura (kultur,
culture), mente (geist, esprit), cérebro... 11 – O mundo em pedaços: Cultura e política
no fim do século. O que é cultura, se não é um consenso?
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 6-7: 227-246; cap. 8-9: 247-
291; introdução à terceira parte e cap. 10: 295-316; cap. 11: 317-376;

Aula 04 – 12/09/2014: Cultura como Biologia em David Schneider.


(Boaventura de Souza Santos no Centro Cultural às 10 horas!)
KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]. Cap. 4: David
Schneider: Biologia como cultura. in: 161-205.
GILLIAM, Angela. “Laços de Sangue”: os fundamentos raciais do Estado-nação transnacional.
In FELDMAN-BIANCO, Bela & CAPINHA, Graça. Estudos de Cultura e Poder. Identidades.
Hucitec, São Paulo. 2000: 41-72 (disponível online).
WOLF, Eric R. Cultura, ideologia, poder e o futuro da Antropologia. 1998. Entrevista in Mana
4(1): 153-163. Leitura para todos!
FELDMAN-BIANCO, Bela e RIBEIRO, Gustavo L. Antropologia e Poder: contribuições de Eric
Wolf. Brasília: Editora UNB. 2003. (Introdução; Eric Wolf por ele mesmo p. 59-69;
Cultura: panaceia ou problema? p. 291-306; Encarando o poder: velhos insights, novas
questões: p. 325-343; Trabalho de campo e teoria: p. 345-360).

Aula 05 – 19/09/2014: História como cultura em Sahlins


KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]– (Cap. 5: História
como Cultura, p. 207-258).
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 12: 377-441; cap. 13: 443-
501;
CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Etnicidade: da cultura residual mas irredutível. in Cultura com
aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.
BARTH, Fredrik. A análise da cultura nas sociedades complexas. In LASK, Tomke. O Guru, o
iniciador e outras variações antropológicas. Contracapa. 2000: p. 107-139.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 2001 (Introdução e Conclusão)

Aula 06 – 26/09/2014: Etnografia, multiculturalismo e identidades.


KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]– (Cap. 6:
admirável mundo novo, p. 259-286).
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac & Naify, 2010.
SAHLINS, Marshall. O "pessimismo sentimental" e a experiência etnográfica: por que a cultura
não é um "objeto" em via de extinção (parte I). 1997. Mana 3: 41-74.

2
BHABHA, Homi. Interrogando a Identidade – Frantz Fanon e a Prerrogativa Pós-Colonial. in O
Local da Cultura, Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2001: 70-103
FELDMAN-BIANCO, Bela. Identidades: in: FELDMAN-BIANCO, Bela & CAPINHA, Graça. Estudos
de Cultura e Poder. Identidades. Hucitec, São Paulo. 2000: 13-18.
CASTRO, Mary Garcia. Transidentidades no local globalizado. Não identidades, margens e
fronteiras: vozes de mulheres latinas nos E. U. A. in: FELDMAN-BIANCO, Bela &
CAPINHA, Graça. Estudos de Cultura e Poder. Identidades. Hucitec, São Paulo. 2000
149-175.

Aula 07 – 03/10/2014: As culturas na pós-modernidade


KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002 [1999]– (Cap. 7: Cultura,
diferença, identidade, p. 287-311).
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 15: 533-560;
SAHLINS, Marshall. O "Pessimismo Sentimental" e a Experiência Etnográfica: Por que a Cultura
não é um "Objeto" em Via de Extinção (parte II). 1997. Mana 3: 103-150.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A editora. 2006.
VELHO, Otávio. Globalização: antropologia e religião. Mana, abr. 1997, vol. 3: 133-154.
HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In. Identidade e diferença: a perspectiva dos
estudos culturais. Petrópolis / RJ: Ed. Vozes.

Aula 08 – 10/10/2014 – Culturas híbridas ou mestiças


HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional.
Mana, abr. 1997, vol.3, n.1, p. 7-39.
VIERTLER, Renate Brigitte. Ecologia Cultural. Uma Antropologia da mudança. Ed. Ática. 1988.
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 14: 501-532;
SAHLINS, Marshall. Cultura na Prática. Editora da UFRJ, 2007: cap. 16: 561-617;
GRUZINSKI, Serge. O Pensamento Mestiço. Companhia das Letras. 2001: 39-62.
BELLO, Angela Ales. Culturas e Religiões. Uma leitura fenomenológica. EDUSC. 1998: 141-184.
SAHLINS, Marshall. Esperando Foucault, ainda. Cosacnaify, 57 p. (digitalizado);