Você está na página 1de 10

Índice:

Introdução ......................................................................................................................... 1

Textos Multiusos-texto expositivo-explicativo ................................................................ 2

Definição .......................................................................................................................... 2

Objectivo .......................................................................................................................... 2

Organização ...................................................................................................................... 2

Tipos de enunciados ......................................................................................................... 3

Características linguísticas ............................................................................................... 4

Concordância do verbo com o sujeito .............................................................................. 4

Conectores discursivos ..................................................................................................... 6

Conclusão ......................................................................................................................... 8

Referencias Bibliográficas ................................................................................................ 9


Introdução

Falar dos textos multiusos é falar acerca dos textos com varias utilidades caso disso é o
caso do texto expositivo-Explicativo que por sua vez pode ser entendido como sendo
um tipo de texto que tem por objectivo principal a transmissão de conhecimentos a
cerca de uma dada realidade, isto é, fazer-saber ou fazer-conhecer (fazer-perceber).
Desta feita, esses tipos de textos tem características peculiares que facilitem a sua
identificação, isto é, o texto possuem marcas essências que de fácil notar, de exemplo
temos: a sua organização, os tipos de enunciados, a linguagem entre outras
características. No desenvolvimento a seguir estará bem explícito todas as
características.

1
Textos Multiusos-texto expositivo-explicativo

Definição

O Texto Expositivo-Explicativo é um tipo de texto que tem por objectivo principal a


transmissão de conhecimentos a cerca de uma dada realidade, isto é, fazer-saber ou
fazer-conhecer (fazer-perceber).
Daí, podemos concluir a priori que o texto visa a transformação do estado cognitivo dos
sujeitos aos quais se destina, informando-os de forma clara, objectiva, coesa e coerente
sobre um assunto ou problema de que se supõe eles serem detentores de um saber
insatisfatório.

Objectivo
Como se pode notar, o Texto Expositivo-Explicativo apenas apresenta uma informação,
que se considera nova, partindo de um saber que se pressupõe que o leitor o detenha.
Daí que a linguagem usada neste tipo de texto tem muito a ver com o tipo de público-
alvo ao qual ele se destina.
Neste tipo de texto, há o predomínio de duas funções de linguagem, nomeadamente a
função referencial (aquela que se usa para transmitir informações novas) e a função
meta linguística (usada em segmentos que visam explicar ou esclarecer o sentido de
uma noção ou expressão anterior)

Neste tipo de textos, podemos identificar três momentos ou fases (correspondentes às


partes do texto), a saber:
A fase do questionário (que contém de forma explícita ou implícita uma questão que se
vai responder ao longo do texto, ou simplesmente pela anunciação do tema / assunto /
problema da exposição) correspondente à introdução; A fase da resolução,
correspondente ao corpo explicativo ou desenvolvimento e a fase da conclusão.

Organização

O texto expositivo-explicativo compreende três momentos essenciais:

 Questão ou exposição do tema (introdução);


 Explicação/resolução (desenvolvimento);

2
 Desfecho (conclusão).

A primeira fase pode conter uma questão

Embora muitas vezes esta não esteja expressa numa interrogativa directa (pode ser um
problema, que gera dúvidas) — ou a exposição do tema. Por vezes, a fase de questão
está expressa no título do texto.

Na fase da explicação/resolução, é solucionada a questão levantada na introdução, a


partir de explicações. Este momento corresponde ao desenvolvimento do texto.

A fase do desfecho diz respeito ao encerramento do texto depois de terem sido


apresentadas todas as explicações sobre o assunto tratado. Nesta fase pode ser feita uma
síntese dos assuntos expostos no texto.

Tipos de enunciados

No tangente à organização discursiva deste tipo de texto, podemos identificar três tipos
de enunciados:

Enunciados Expositivos
Contendo as informações com as quais o autor do texto pretende fazer saber, ou seja,
transmitir os novos saberes;

Enunciados Explicativos
Com os segmentos explicativos visando fazer compreender o que se transmite;

Enunciados Baliza
Com a finalidade de marcar as articulações do discurso, isto é, anunciar o que vai ser
dito; resumir o que se disse, ou seja, estabelecer os nexos de ligação entre as diversas
partes do texto.

3
Características linguísticas

Relativamente às características linguísticas, o Texto Expositivo – Explicativo


apresenta:
O uso do presente do indicativo com o valor gnómico (atemporal), uma vez que se
refere a factos que são tidos como verdadeiros por parte de quem os anuncia, portanto,
uma verdade que perdura independentemente do tempo em que ela é dita.
Emprego da construção passiva como uma estratégia de impessoalizar o discurso
científico. Sendo o texto científico objectivo o sujeito deve estar afastado do seu
discurso e isso consegue-se com o recurso à passiva. O texto científico é monológico.
As normalizações são usadas para condensar o que foi dito e assegurar a progressão do
texto;
Não se usam os adjectivos valorativos, a não ser que eles sejam necessariamente
exigidos pelo discurso.
As expressões explicativas permitem ao emissor tornar mais clara a sua comunicação e
orientam a compreensão do leitor;

Concordância do verbo com o sujeito

Com Sujeito Simples

O verbo concorda com o sujeito em pessoa e em número, esteja o sujeito expresso ou


subentendido.

Eu sobrevivi.

Eles fugiram das zonas afectadas.

Evitaram grandes moles. (evitaram — eles)

Com Sujeito Composto

a) Em número:

 Se o sujeito surge antes do verbo, este vai, geralmente, para o plural (O João e a
irmã ajudaram os pais.);

4
 Se o sujeito estiver depois do verbo (sujeito posposto), emprega-se tanto o plural
como o singular (Ajudaram os pais, o João e a irmã. I Ajudou os pais, o João e a
irmã.);
 Se o sujeito for representado por um pronome indefinido, tal como ninguém, nada
ou tudo, o verbo fica no singular (Tudo ficou destruído pelo vendaval.);
 Quando o verbo se refere a um elemento, excluindo outros, fica no singular (O João
ou a irmã contará o sucedido.).

Contudo, emprega-se o verbo no plural quando se pretende dar ênfase a mais do que um
elemento (Nem o João, nem a irmã falarão!).

b) Em pessoa:

 Se um dos elementos do sujeito for da primeira pessoa, o verbo passa para essa

pessoa (Eu, o João e a irmã fomos exemplares.);

 Se um dos elementos do sujeito for da segunda pessoa, não havendo nenhum da

primeira, o verbo vai para a segunda pessoa (Tu e o Nádia ides contar a história.);

 Se todos os elementos do sujeito forem da terceira pessoa. o verbo vai para essa

pessoa (Homens e mulheres enfrentaram as chuvas fortes.);

 Se o sujeito contiver a expressão «a maior parte de» seguida de um nome no plural,

o verbo pode surgir no plural ou no singular (A maior parte dos moradores

migraram paro zonas seguras. /A maior parte dos moradores migrou para zonas

seguras.).

Com Sujeito Colectivo

Se o sujeito for colectivo partitivo (determinando unia parte) com um complemento que
designa o todo, o verbo pode concordar com o complemento (A maior parte dos
moradores migraram para zonas seguras. Assim, grande parte da cidade ficou ocupada.).

5
Com Pronome Relativo Como Sujeito

O verbo de orações cujo sujeito é o pronome relativo que concorda com o seu
antecedente em pessoa e em número (Eles, que agiram rapidamente, ficaram livres das
enxurradas. Eu, que vi tudo, testemunho.);

Se a oração tiver por sujeito quem, o verbo vai para a terceira pessoa do singular (Foi
ela quem relatou.).

Verbos impessoais há verbos que são usados apenas em alguns tempos.

Modos ou pessoas.

Uma das razões por que tal acontece prende-se com o facto de a ideia expressa pelo
verbo não poder ser aplicada a determinadas pessoas. São verbos impessoais:

 Os verbos que exprimem fenómenos da Natureza, como alvorecer, amanhecer,

anoitecer, chover, chuviscar, estiar, nevar, orvalhar, relampejar, saraivar, trovejar,

ventar. (Amanheceu. É um novo dia!);

 O verbo haver, com o significado de existir (Houve momentos de pânico.);

 O verbo fazer quando indica tempo decorrido (Faz dez anos que não via tanta

chuva.);

 Os verbos tratar e bastar quando regidos de preposição (Trata-se de condições

atmosféricas extremas. 1 Basta que olhes para o céu para o verificares.).

Conectores discursivos

Os conectores discursivos são os elementos que vão assegurar as relações entre as


diversas partes do texto.
No Texto Expositivo – Explicativo, os conectores são usados com frequência e são de
natureza lógica.
Eles marcam laços de adição, oposições, laços de consecução ou de causalidade;

6
No que diz respeito ao vocabulário, recorre-se a um vocabulário especializado. Isto quer
dizer que se um texto é do ramo de biologia, por exemplo, irá recorrer a expressões da
linguagem técnica que um biólogo deve dominar.
Um gestor ou administrador de uma determinada empresa ou instituição, também deve
possuir e dominar um vocabulário próprio da área que ele administra. O mesmo poder-
se-ia dizer relativamente às outras áreas do saber.
Observe-se que quando se fala de linguagem técnica especializada não se pretende de
forma nenhuma dizer que se deva usar uma linguagem rebuscada e incompreensível,
pois quanto mais compreensível for o texto, mais facilmente ele alcança os objectivos
para os quais foi produzido.

7
Conclusão

No que diz respeito aos textos multiusos- texto expositivo-explicativo, ficamos a saber
acerca da própria definição desses tipos de textos, as suas características, o seu
objectivo, a sua forma de organização, o tipo de discurso usado nesses tipos de textos,
entre outras formas de identificação. Desta forma como jeito de conclusas podemos
afirmar que os textos expositivos-explicativos sao textos que servem param persuadir e
convencer acerca de algo. Desta forma os enunciados usados mostram de forma clara
como ocorre essa forma de persuadir

8
Referencias Bibliográficas

Manuais
 KLEIMAN, Ângela. Oficina de Leitura: Teoria e Prática. São Paulo: Editora
UNICAMP, 1993.

 VYGOTSKY, Jean. Linguagem e Pensamento da Criança. São Paulo: Martins Fontes,


1986

Internet
 Http://tondinho.blogspot.com/2010/04/o-texto-expositivo-explicativo.html

Você também pode gostar