Você está na página 1de 29

Circuitos Multiplexadores

e Demultiplexadores

Parte I - Multiplexadores

Aula 18

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 1


ebert@ifsc.edu.br
Conteúdo
-Circuito Multiplexador
-Aplicações
-Circuito Demultiplexador
-Aplicações

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 2


ebert@ifsc.edu.br
Multiplexadores e Demultiplexadores
Os multiplexadores e os demultiplexadores são mais dois exemplos
de circuitos classificados como circuitos lógicos combinacionais.

Relembrando:

Um circuito lógico combinacional é aquele em que a variável de saída


é uma função determinada pelas variáveis de entrada num dado instante do
tempo, isto é, é um circuito no qual as saídas dependem das entradas.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 3


ebert@ifsc.edu.br
Multiplexador (Multiplex ou Mux)
Um multiplexador. multiplexer, mux ou multiplex é um dispositivo
que codifica as informações de duas ou mais fontes de dados num único canal.

São utilizados em situações onde o custo de implementação de canais


separados para cada fonte de dados é maior que o custo e a inconveniência de
utilizar as funções de multiplexação/demultiplexação.

Enfim:

Usado para enviar informações contidas em vários canais (fios), a um


só canal (fio).

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 4


ebert@ifsc.edu.br
Multiplexador analógico

Filtro canal 1 Imagem


Filtro canal 2
Amplificadores
Filtro canal 3
Som
Filtro canal 4

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 5


ebert@ifsc.edu.br
Multiplexador digital
Entrada
Entrada de dados
de dados
I0
I0 I1
MUX 2 Saída
MUX 4 Saída
I1 I2
I3

Seleção Seleção
A Seleção (A) Saída A B
Seleção (AB) Saída

0 I0 00 I0
1 I1 01 I1
10 I2
11 I3

Entradas de Seleção (endereçamento) ⇒ escolhe qual canal de informação


de entrada será conectada à saída.
24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 6
ebert@ifsc.edu.br
Mux 2

Seleção (A) Saída

0 I0
1 I1

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 7


ebert@ifsc.edu.br
Simulação

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 8


ebert@ifsc.edu.br
Mux 4

Seleção (AB) Saída

00 I0
01 I1
10 I2
11 I3

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 9


ebert@ifsc.edu.br
CI – TTL 74xx153

Entradas Saída

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 10


ebert@ifsc.edu.br
Mux 8 – TTL 74151

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 11


ebert@ifsc.edu.br
MUX quádruplo de duas entradas
1 bit de seleção - 74ALS157

Este sistema é utilizado quando precisa-se selecionar um conjunto


de dados simultaneamente.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 12


ebert@ifsc.edu.br
Associação de Multiplexadores
Os multiplexadores podem ser encontrados prontos em circuitos
integrados comerciais, mas o número de entradas é limitado, devido ao
tamanho e número de terminais de conexão.

Quando se necessita de um mux com um número de canais de entrada


maior do que os encontrados comercialmente em um circuito integrado, ou
quando é necessário multiplexar mais de um canal de saída simultaneamente,
temos que fazer a associação de dois um mais multiplexadores de forma a
ampliar o número de canais de entrada ou de saída.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 13


ebert@ifsc.edu.br
Associação em paralelo
Esta associação é importante quando se necessita selecionar informações digitais
de vários bits simultaneamente.

Assim sendo, utiliza-se um mux com um número de canais de entrada igual ao


número de informações a serem multiplexadas, e o número de mux’s igual ao
número de bits destas informações.

Ex: Deseja-se multiplexar informações provenientes de quatro circuitos diferentes,


sendo cada informação composta de 3 bit´s, e apenas uma informação de 3 bits
deve estar presente na saída do circuito por vez.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 14


ebert@ifsc.edu.br
Solução:

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 15


ebert@ifsc.edu.br
Associação em série
Ampliação da capacidade dos canais de entrada de um sistema multiplex é
feita através da multiplexação das saídas de dois ou mais multiplexadores.

I0
S0
Mux-2
I1

Mux-2 S

I2
Mux-2 S1 A
I3

Multiplex de 4 canais a partir de Multiplex de 2 canais

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 16


ebert@ifsc.edu.br
Outra forma de ampliar da capacidade
de um Sistema Multiplex

A partir de 2 mux 8,
podemos fazer um mux 16

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 17


ebert@ifsc.edu.br
Redução da capacidade de um Mux
Entrada Entrada
de dados de dados
I0 I0
I1 I1
MUX 4 Saída
MUX 4 Saída
I2 I2
I3 I3

Seleção Seleção
A B
A
Seleção (A) Saída

0 I0
Um mux 4 foi transformado em um mux 2.
1 I3

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 18


ebert@ifsc.edu.br
Endereçamento seqüencial num
Sistema Multiplex

I0

. S
. Mux - 8
.

I7

Contador 0-7

O contador gera uma sequência binária, de modo a fazer a


varredura de todos os dados da entrada, jogando-os na saída, um de cada vez.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 19


ebert@ifsc.edu.br
Aplicações

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 20


ebert@ifsc.edu.br
Outras aplicações
 Roteamento de Dados
 Conversão Paralelo-Série
 Sequenciamento de Operações
 Geração de funções Lógicas

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 21


ebert@ifsc.edu.br
Roteamento de Dados
Em um relógio digital que mostra hora:min ou dia:mês.

Vantagens:

Compartilhamento dos circuitos dos decodificadores e os displays.

Economia de energia, conexões, componentes e área na placa.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 22


ebert@ifsc.edu.br
24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 23
ebert@ifsc.edu.br
24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 24
ebert@ifsc.edu.br
Geração de funções Lógicas
Implementa funções lógicas diretamente da tabela verdade, sem a necessidade
de determinar a função minimizada.

Obs.: Esta não é uma solução boa, quando se pretende gravar o circuito final em
um Dispositivo Lógico Programável.
24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 25
ebert@ifsc.edu.br
Exercícios
1) Esquematize um circuito multiplex de 64 canais, utilizando apenas blocos
de 8 canais.

2) A figura abaixo apresenta os sinais de seleção e de informações de entrada


de um multiplex de 2 canais. Esboce o sinal multiplexado na saída.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 26


ebert@ifsc.edu.br
3. Considere as formas de onda da figura abaixo. Aplique estes sinais ao
74138 da seguinte forma: W em A0, X em A1, Y em A2 e Z em E3. As
entradas E1 e E2 devem permanecer em nível baixo. Desenhe as formas de
onda para as saídas S0, S3, S6 e S7.

4. Mostre como um MUX de 16 entradas de dados (1 bit cada) pode ser


usado para gerar a função lógica

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 27


ebert@ifsc.edu.br
5. Determine a função realizada pelo circuito abaixo, implementado com três
multiplexadores de duas entradas de dados de 1 bit.

6. Dado um MUX de oito entradas de dados (1 bit cada), mostre como o


mesmo pode ser utilizado para implementar a função lógica Z=AB+BC+AC.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 28


ebert@ifsc.edu.br
7. Projete um MUX com quatro entradas de dados (1 bit cada) usando 5
portas NAND e 2 portas NOT.

8. Usando um MUX de oito entradas de dados (1 bit cada) implemente a


função lógica que produz um nível alto somente quando suas quatro variáveis
de entrada (A, B, C e D) estiverem no mesmo nível lógico, ou quando as
variáveis B e C estiverem em níveis diferentes.

9. Obtenha a função lógica simplificada implementada pelo circuito abaixo.

24/06/2013 IFSC - Prof. Cláudio L. Ebert 29


ebert@ifsc.edu.br