Você está na página 1de 9

1

Universidade Federal de Juiz de Fora


Colégio Técnico Universitário
Departamento de Mecânica

Disciplina: Usinagem Prof. José Luiz Cuco

Calculando a rotação por minuto (rpm) a partir da


velocidade de corte

Os conjuntos formados por engrenagens, polias e correias são


responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Um
motor pode girar a 1000 rotações por minuto (rpm) e a máquina necessitar
apenas de 100, como é o caso de varias operações realizadas no torno
mecânico. Isto é possível por causa de combinações entre polias e correias e
das engrenagens que modificam a relação de transmissão.
Em manutenção e reforma de máquina nem sempre o mecânico tem em
mãos os dados sobre a rpm original da máquina. Nesse caso, fazendo cálculos
ele encontrará a solução.
A velocidade dos motores é dada em rpm, sendo, portanto, o número de
voltas completas que um eixo, uma polia ou uma engrenagem dá no período
de tempo de um minuto. Porém, o termo correto para indicar a grandeza
medida em rpm é frequência e pode se dizer assim: qual a frequência do giro
dessa polia ou dessa engrenagem por minuto.
A velocidade fornecida por um conjunto transmissor depende da relação
entre os diâmetros das polias. Polias de diâmetros iguais transmitem para a
máquina a mesma rpm do motor.

Fig.1
2

Se a polia que fornece o movimento (polia motora) é maior que a polia


movida (a que recebe o movimento), a velocidade transmitida para a máquina
é maior.

Fig. 2

Se a polia movida é maior que a polia motora, a velocidade transmitida


para a máquina é menor.

Fig. 3

n1- rotação do elemento motor;


Matematicamente: n1 = D2 n2-rotação do elemento movido;
n2 D1 D2- Diâmetro do elemento movido;
D1 – Diâmetro do elemento motor.

Em que n1 e n2 são as rpm das polias motora e movida,


respectivamente, e D2 e D1 são os diâmetros das polias movida e motora.
Da mesma forma, quando o conjunto transmissor de velocidade é
composto por engrenagens, o que faz alterar a rpm é o numero de dentes.
Engrenagens que trabalham juntas, a distância entre os dentes é sempre igual.

Engrenagem com o mesmo número de dentes apresentam a mesma rpm.

Fig. 4
3

Engrenagens com número diferentes de dentes apresentam mais ou


menos rpm, dependendo da relação entre o menor ou o maior número de
dentes das engrenagens motora e movida.

n1 = Z2
Matematicamente: n2 Z1

Observação geral: quando as polias ou engrenagens estão ligadas ao mesmo


eixo, a rotação de todas é a mesma o que não vale dizer para velocidade
periférica que é outro estudo.

Cálculo de rpm de polias

A furadeira de bancada abaixo, semelhante a do nosso laboratório, está


sem a placa de identificação. Então, o jeito é: vamos calcular?

Você tem: a velocidade do motor e os diâmetros das polias motoras e


movidas. Como as polias motoras e movidas são de tamanhos diferentes suas
velocidades também serão diferenciadas.
N1 = 600 rpm N2 = ? D2 = 200 D1 = 60 Substituindo os valores

n1 = D2
n2 D1
4

Cálculo de Rotação em conjuntos redutores de velocidade

Os conjuntos redutores de velocidade agrupam polias com tamanhos


desiguais de um modo diferente do mostrado com a furadeira.

Fig. 7

Observe que esse conjunto é composto de dois estágios. Nesse caso,


temos que descobrir qual é a polia motora e a movida e aplicar a formula já
mencionada.

Primeiro estágio: n1= 1000 ; n2 = ? ; D2 = 150 ; D1 = 60


Segundo estágio:

Cálculo de rpm de engrenagem


A fórmula para calcular engrenagem é semelhante para o cálculo de
polia, mudando o diâmetro para a quantidade de dentes, onde: n1 é a rpm da
5

engrenagem motora; n2 da engrenagem movida; Z2 a quantidade de dentes da


engrenagem movida; Z1a quantidade de dentes da engrenagem motora.
Veja como devemos proceder para descobrir a velocidade final de uma
máquina, cujo sistema de redução de velocidade tenha duas engrenagens: a
primeira (motora) tem 20 dentes e gira a 200 rpm e a segunda (movida) tem
40 dentes.

n1 = Z 2 n1 = 200
n2 = n1.z1 = 200x20 = 4000 = 100 rpm
n2 Z 1 n2 = ?
Z2 40 40
z2 = 40
z1 = 20
A fórmula será a mesma para um conjunto com várias engrenagens.

Fig.9

Primeiro estágio:

n1 = 300
n2 = 300 x 30 = 9000 = 150 rpm
n2 = ?
60 60
z2 = 60
z1 = 30

Como é possível calcular o diâmetro da polia usando a mesma fórmula


para o cálculo da rpm, pode-se calcular também o número de dentes de uma
engrenagem. Então, calcule o número de dentes da engrenagem B da figura
acima.

n1 = Z 2
n2 Z 1
6

n1 = 300
n2 = 150
Z2 = 300 x 30 = 9000 = 60 dentes
z2 = ? 150 150
z1 = 30

Velocidade de corte

Para que uma ferramenta corte um material é necessário que um se


movimente em relação ao outro a uma velocidade adequada.
Na indústria mecânica, os tornos, as furadeiras, as fresadoras, as plainas e
as retificadoras são máquinas operatrizes que produzem peças por meio de
corte do metal. Esse processo se chama usinagem.
Quando a usinagem é realizada em máquina com movimento circular,
calcula-se a rpm da peça ou da ferramenta que está realizando o trabalho.
Quando se tratar de plainas, o movimento é linear alternado, nesse caso,
calcula-se o número de golpes por minuto, ou seja, o gpm ou NG.

Para calcular a rpm, seja da peça no torno, seja da fresa ou da broca,


usaremos a velocidade de corte. Velocidade de corte é o espaço que a
ferramenta percorre cortando o material, dentro de um determinado tempo.

A velocidade de corte depende de muitos fatores:

1- Tipo do material da ferramenta;


2- Tipo do material a ser usado;
3- Tipo de operação a ser realizada;
4- Condições da refrigeração;
5- Condições da máquina.

Podemos utilizar fórmulas e tabelas para identificação velocidades de


corte e até mesmo para obtenção das RPMs de acordo com a operação, com o
tipo de material da ferramenta e com o tipo de material a ser usinado.

Cálculo de rpm em função da velocidade de corte.


Rpm = Vc x1000
xD
7

Pode-se encontrar também representada pela letra N sendo o número de


rpm.
Fórmula Simplificada
Fórmula geral
N = Vc x 318 porque 1000 = 1000 = 318,...

N = Vc x 1000 D  3,14

xD
N = número de rpm;
Vc = velocidade de corte do material, da peça Fórmula Prática  Exata
ou da ferramenta;
D = diâmetro do material; N = Vc x 320
 = 3,14 letra grega que equivale aproximada D
mente a 3,14 e está relacionada a milímetro.

Como o diâmetro das peças é dado em milímetro e a velocidade de corte é


dada em metros por minuto, é necessário transformar a unidade de medida em
metros para milímetro. Daí a utilização do fator 1000 na fórmula de cálculo da
rpm.

Problema

1) Para tornear um tarugo de aço ABNT 1020 com diâmetro de 80mm


utilizando ferramenta de aço
rápido, qual a rpm indicada? Vc = 25m/min (encontrado na tabela)
Dados: D = 80mm
n = vc.1000 N=?
d.

n = 25 .1000 Atenção  No cálculo foi encontrado 99,5 rpm. Nas


80 . 3,14 máquinas, nem sempre a rpm está exata, podendo está a
mais ou a menos.
n = 25000
251,2

n = 99,5 rpm

n = 100 rpm
8

Para realizar as operações de fresagem ou furação, a formula para o


cálculo da rpm é a mesma, devendo-se considerar o diâmetro da fresa ou da
broca, dependendo da operação a ser executada.

Cálculo de rpm para retificação

Para retificar uma peça cilíndrica, além de determinar sua rpm, é preciso
também calcular a do rebolo. Devido à velocidade de corte do rebolo ser dada
em metros por segundo (m/seg) se faz necessário multiplicar a fórmula
original por 60. Isto é feito para transformar a velocidade de metros por
segundo (m/seg) para metros por minuto (m/min).

N = Vc.1000.60
D.

Problema 1) Caso você precise retificar um eixo de aço ABNT 1020 de


50mm de diâmetro com um rebolo de 300 mm de diâmetro deve-se, então,
encontrar a rpm do rebolo, sabendo-se que a velocidade de corte na tabela é de
25m/seg.
Vc = 25m/seg (tabela) n = 25 .1000 .60
D = 300 mm (diâmetro do rebolo) 300. 3,14
n=? n = 1500000
n = Vc.1000.60 942
d.
n = 1592,3

n = 1592 rpm

n = vc.1000
d.
Atenção: a rpm da peça é calculada pela fórmula, portanto, a
medida do diâmetro da peça a ser retificada não interessa para o calculo da rpm
do rebolo. Nesse problema, o rebolo deve girar a aproximadamente 1592 rpm.

Cálculo de golpe por minuto (gpm) em função da velocidade de


corte
9

Usinando por meio da plaina limadora o movimento é linear, portanto,


calcula-se o gpm, ou seja, o numero de golpes que a ferramenta dá por minuto.

gpm = vc.1000
2.c
gpm = número de golpes/min
C = curso da máquina multiplicado por 2 porque o movimento é de vaivém.
O curso é igual ao comprimento da peça mais a folga de entrada e saída.
C = Comprimento da peça + folga 1 + folga 2

1) Imagine que você precise aplainar uma placa de aço 1020 de 150mm de
comprimento com uma ferramenta de aço rápido. Os dados que você
tem são:
Vc = 12 m/min (da tabela)
C = 150 mm + 20mm (folga)
Gpm = ?
Substituir os dados na forma

gpm = vc.1000 = 12.1000 = 35,29  gpm = 36


2.c 2 . 170
A plaina deverá ser regulada para gpm mais próximo.