Você está na página 1de 146

)

SBN 978-85-90085-37-9

I III ~ I
9 788590 085379
GERAL O KINDERMANN
PROFESSOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARll'IA

PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRlCOS DE


POTÊNCIA

Volume 3

Edição
do
Autor

Florianópo lis - se
2008

)
)
© by Geraldo Kindermann
]ª edição: 2008

Agradecimentos
Capa: Marcos Fischbom
Revisão: Roberto de Souza Salgado o autor agradece em especial
Editoração: Geraldo Kindermanll
)
.:. A minha família: Maria das Dores (esposa) e aos fi lhos:
Katiuze, Krisley e Lucas, pela ajuda na logística e na digitação
Ficha Catalográfica do texto .

•:. Ao Professor Roberto de Souza Salgado da UFSC, por ler


cuidadosamente o texto e dar importantíssimas contribuições
técnicas.
K51p Kindem1ann, Geraldo, 1949-
Proteção de sistemas elétricos de potência / Geraldo .:. Aos engenheiros Adriano Pauli, Everton Pizolatti Medeiros,
Kindermann. - Florianópolis - Se: Edição do autor, Giovanni Baptista Fabris e Luís Roberto Fernandes da
2008 . Eletrosu l, e Levi Souto Júnior da Tractebel pelas discussões e
v.3: iI. contribuições técnicas.
Bibliografia. ISBN: 978-85-90085-37-9 .:. Marcos Fischborn, pela elaboração da capa e Mauricio
Sperandio pelo assessoramento de infonnática.
1. Sistemas de energia elétrica - Proteção. 2. Energia
elétrica - Geração. 3. Relés elétricos. 4. Relés de .:. Aos inúmeros alunos, da Graduação e Pós-graduação, que
proteção. L Título. contribuíram com desenhos.
CDU: 621.316 .9

Agradecimento em especial ao LABPLAN, principalmente aos


professores, técnicos, analistas, mestrandos e doutorandos, que de um modo
É proibida a reprodução total ou parcial deste livro sem a autorização ou de outro sempre estiveram presentes na motivação, contribuição e
do autor. assessoramento na elaboração do livro.
Apresentação

o Laboratóri o de Planejamento de Sistemas de Energia E létrica -


LabPlan, do Departamen to de Engenharia Elétrica da Un iversidade Federa l de
Santa Catarina, tem por objetivos realizar e promover o desenvolvimento de ,
ativ idades de pesquisa, ensino e extensão na área de Sistemas de Energia Elétrica
(SEE) com ênfase nos aspectos de planejamento e análise, nos segmentos de
Indice Geral
geração, transmissão e di stribuição.
A atuação dos professores do LabPlan, desde a sua constitui ção em
1992, tem envolvido uma divers idade de ativi dades e contribuições à sociedade que
extrapo lam em muito o escopo de atividades regulares nos cursos de graduação e
pós-gradu ação em Engenharia EJétrica. Dentre essas atividades destacam-se a
Capítulo 1 - Proteção de Geradores Síncronos
publicação de li vros e artigos técnicos e a intensa interação com os diversos
agentes do setor eJétrico brasileiro, realizada por meio de cursos de 1. 1 Introd ução ... ... ....... .... ....... ... ...... ... ........................ ... .... .. ..... ....... .. ... ... ... ........ ... 1
aperfeiçoamento e de especialização, consultari as especializadas e proj etos de 1.2 Perturbações na Máq uina Síncrona ...... ......... .... ....... .. .. ....... ....... ... ........ ....... .. :2
pesquisa e desenvo lvimento.
1.3 A Proteção do Gerador Síncrono ......... ..... ... .. .. ............... ... .. .. .... .... ..... ..... ..... .. 5
) O presente livro representa uma contribuição inédita do Professor
IA Tipos de Proteções do Gerador S íncrono ............ .. ....... .... ..... .......... .... ..... " .... 5
Geraldo Kindermann à sua extensa obra que abrange publicações nas áreas de
) 1. 5 Geradores Síncronos acoplados ao Sistema E létrico ....... ........... .. .... ...... ... ..... 8
projetos elétricos, engenharia de segurança e proteção de sistemas elétricos de
) potência . Especificamente, nesta obra são abordados os temas relacionados à 1.6 Curto-Circuito na Bobina da Armadura do Gerador Síncrono ... ... .............. . 12
proteção de geradores sincronos, barramentos de subestações, reatares e bancos de
1.7 Proteção Diferencial do Gerador Síncrono ... ... .... ..... .. ......... .. ...... ........... ...... 19
capacitores. Os temas são descritos com a riqueza didática que caracteriza as
pub li cações do autor, devendo contri buir tanto para fins acadêmicos quanto aos 1.8 Trecho não Protegido pela Proteçào 87 ... ..... ......... ..... ... .... ... ..... ... .... .... .... .... 22
diversos profissionais técnicos e engenheiros que estiverem envolvidos com os 1.9 Proteção Contra Falhas entre Esp,iras ... ............ ..... .... .. ,.... .. ... ..... ..... ..... ... ..... 25
desafios da incorporação, ao sistem.a eléh'ico brasileiro, dos inúmeros projetos de
l.l O Proteção de Seqüência Negativa do Gerador Síncrono .... ,... ... .... .. ... ... ...... ... 28
) geração de fontes alternativos previstos para os próximos anos.
1.11 Relé de Sobreexcitação do Gerador Síncrono .. .. ..... .... .... ..... ........... ........ ..... 35
Seguindo a tradição de publicações anteriores, o desenvolvimento dos
temas da presente obra fo i fortemente sustentado pela extensa experiência 1.1 2 Proteção por Perda de Exci tação ...... ............ .... ..... ...... ........ ............. ..... .. ... .. 36
acadêmica e prática do autor; vivenciada nos inúmeros cw-sos ministrados em 1.13 Proteção de Sobretemperatura .... ... .. .. ............. .. ......... ..... .. ...... ....... ... ... ...... .. . 39
) universidades e empresas no Brasil, e em diversos países da América Latina e
1.14 Relé de Imagem Térmica .... ... ..... ..... ...... .. ............. ... .... ......... .............. .... ...... 40
África, bem como nos diversos trabalhos de consultoria técnica prestados à
Agênc ia Nacional de Energia Elétrica. 1.15 Proteção de Falha do Disjuntor do Gerador. .... ..................... ...... ...... ..... ... ... . 41
) 1.1 6 T ipos de Aterramentos dos Geradores Síncronos .... ......... .... ... ... .. .... ...... ...... 43
) Prof. Ildemar CassaDa Decker 1.17 Classificação do Sistema Aterrado ...... ... ........ ........ .... ........... ... ............... .... .48
) Supervi sor do LabPlao - UFSC

)
II I II

1. 1t: 0ettilo Itil-{c:rtll n.}s T ç lTlll1a i ~ {jtmdt)r SIJlI:J'(Jno ""'" .. ... '" .. " .. " .... 5\1
L1l)
Capítulo 2 - Proteção de Barras
1.1 9 Sisl~ma Al~ rraJ c, ......... ,................... " """" ....... .... ............. '''''''''' ... 5.2
LI Introd uçào ..................................... ....... . . .. " 126
] .20 Sisl~m3 Isolado ..... ................ .. .......... " .. " ........... .. .. ...... ..... .. ... ""." ... .... 5.2
Defeito na Barra ...................................... " .................................... ........ . 12"'1
1. 21 Sistema Aterrado com Resistência ................ ...... .. .. .......... " ... ...... .. .... .......... 5-1
Proteçào para Defeito na Barra ...... .. .. .. ........................................... ............ 128
1.22 Sistema Aten'ado com Resistênc ia no Enrolamento ~ do Transformador de
2.4 Proteção de Barras ............... ..... .............. .... ....................... ... ......... ............. 129
Ale rramento ............ ... ........ ............ .... ........... ..... ...... ........ ..""."" .. "" ... " .. ... .. 7 1
2.5 Proteçào Diferencial de Barras com Relé de Sobrecorrente ......... ....... ...... . 129
1.23 TP Único"."." .. " .. . " " ... . " .... " .. " ... " ....... .... ...... ............... "."."" .... " .. .... .... .... 76
2.6 Proteção Diferencial Percentual de Bana ..... ................... ............ ...... .. .. ..... 138
1.24 AteITamento RessonaJlte .. " .... " ....... "." ........... " ..... " .......... " ... "" ... " ........... " 79
2.7 Proteção de Barra de Alta Impedância .. .......... ................. ... ... .................... 141
1.25 Sistema Aterrado com Bai xa Impedância .......................................... .... .... .. . 80
2.8 Proteção de Bana por Comparação Direcional ............ .... ............... .... .. .... . 142
1.26 Sistema Aterrado ......................... " ............................ ................... ..... ...... ..... 86
2.9 Proteção de Bana por Acop lador Linear ...... ....... ...... ............. .... ................ 145
1.27 Proteção de Máquina Síncrona com Aterramento Sólido .... "." ...... .. ............ 86
2.10 Ananjos de Banas de Subestação ............ .......................... .. ..... ...... ... ....... 152
1.28 Proteção Diferencial da Máquina Síncrona COIll Aterramento por uma
Impedância ... ... .... ." .. ..... ....... ..... .............. .... .......... ... ..... ...... ........ .. .............. .. 87 2.1 1 Bana Simples .... .............................. ....... ............ .................... .. .. ...... .. ........ 153
1.29 Proleção de Máquina Síncrona pel a 3" Harmônica ................... " .... " .... ........ 88 2. 12 Barra Simples Seccionada .... ..... ...................... ................. .. ........................ 155
1.30 Proteção de Defeitos à Terra no Rotor............................. ............ ... ..... ......... 96 2. JJ Barra em Anel Seccionada ......................................................... .. ............... 161
1.31 Energização Ac idental do Gerador Síncrono ............. " .. ............................ .. . 98 2. 14 Ananjo Barra Principal e de Transferência " ''''' '''''''' ' '''",,,,, ,, ,,,,,,,,,, ,, ,,,,,,,, 165
1.32 Proteção de Retag uarda do Gerador Síncrono ......................................... .. . 100 2.15 Barra Dupla a 4 chaves .. ..... .... ...................... .. ........................... .. ........ .. .. ... 170
1.33 Proteção de Mínima Impedância ............ , .... ....... ....... ................ ... .. ...... .... " 101 2. 16 Barra Dupla a 5 chaves ....................... .... ................. .. ................................. 174
1.34 Proteção de Sobrecorrente ................. .. ......... .. ... .... ... .................. .. " ............ 106 2.17 Disjuntor e Meio .............................. ........ ..... .... ... .. ..... .. .. .... ...... ... .. ............. 175
1.35 Proteção ele Perda de Potencial.. ......... ....................................... .. ...... .. ....... 107 2.1 8 Arranjo Tipo Barra Dupla e Disjuntor Duplo ... .. .. .. ......... ... .... .................... 179

1.36 Re lé de Bloqueio " ''' '''' ''''''''''''''''''''' '' '''''''''''''''''''''''''''''''''''' '' ''' ''''''''''''''' 108 2. 19 Arranjo Tipo Disjuntor e um Terço .. .. ......... .... .. ....................... .................. 181
] .37 Proteção de Sobrecorrente com Restrição de Tensão .... ............................. III
1.38 Proteção contra Motorização .. , .... .. .. .. ....................... .... ........ .. .................... 1 12 Capítulo 3 - Proteção de Reatores
1.39 Proteção dos Mancais ............................ .. .................................... .. ............. 113 3.1 Reator de L inha .. ... .... ..... ............................... .. ................... ........... .............. 183
1.40 Proteção Contra Sobrevelocidade ..... .. ..... .... ........ .. ....................... .... .......... 115 3.2 Reator de Núcleo de Ar .. ......... ................................................. ...... ...... ... ... 185
1.41 Proteção de Vibração ........ .. .. ........ ... .... .... .. ............... .... .. ....... .... ... .. ........ .. .. ] 17 3.3 Reator de Núcleo de Magnético com Gaps Imerso em Óleo ........ .. .. .......... 186
1.42 Grade de Tomada D'água ...... .. .......... .... .... """"' " '''''' '' '' ............................ 117 3.4 Proteção do Reator de Núcleo de Ar ............. ................. ................ .. ... ....... 187
1.43 Comporta de Tomada D'água .. ...... .. ..... .... .................. .. .............. .. .............. 11 8 3.5 Proteção do Reator a Óleo .............. .. ... ........ ...... .. .......... .. .... .. ..................... 189
1.44 Proteção contra Freqüência Anormal .. .. .. .. .... .. ....................... ......... .... ....... 118
1.45 Efe itos da Freqüênc ia na Turbina das Usinas Térmicas ....... ........... .......... . 118 Capítulo 4 - Proteção de Banco de Capacitores
1.46 Sincron ismo .............. " ....... .. ... ............ ...... ............ ...... ............... ....... ,.... .... . 124 4. 1 Introdução .............. ...... .... .. .... .... ......... .... ......... ... ... ...... .. ............ .. ...... ...... ... 194
I'

, 1 --'
.,-. l <l pacno!.. .. .. .. .. . ............. ........ ........... ..... ....... .. ...... .......... .. ... ..... 196
-u Unidades Capacitivas ... ... .... .. ...... ........ .. ... ....... ........ ........... ...... .. .. .. ...... ... 197
-J..-~ Caixa s sem Elos Fusíveis ....... ............ ... ........ ...... ....... ... .............. .. .............. 197
-+. 5 Caixas Capac itivas com Elos Fusíveis Externos ... .... ... .... ..... .... ... .... ........ .. 199
-+.6 Caixas Capacitivas com Elos Fusíveis Internos ..... ....... .. .. ... .... .... .. .. .. ........ 201
4.7 Ligações dos Bancos de Capacitares ...... ..... .... .... ............ ..... ............ .......... 203
4. 8 Características dos Capac itares ... ........ .......... .. .. .... ... ....... ....... .. .. .. ....... ..... .. 204
4.9 Esquema (Instalação) de Grandes Bancos de Capacitares ... .... ..... .. .. ..... .. .. 206
4.10 Banco de Capacitores Conectado em Estre la Aterrada .. .. .. .... ..... ..... ..... ... .. 208 Capítulo 1
4. 11 Banco de Capacitares Conectado em Estrela Não Aterrada ...... .... .. .... .... .. 213
4. 12 Banco de Capacitares Conectado em Dupla Estrela Não Aterrada .. .. ... .. ... 215
4 .13 Banco de Capacitares - Ligação Tipo H ... .. .. .... ... ............ ... .... ...... ............ .. 217
4.14 Energização de uma Uuidade Capacitiva ....... ......... .... ... ........... ...... ... ... ..... 218
4.15 Energização de uma Unidade Capacitiva em Paralelo ....... ....... ...... ......... .. 221
4.16 Proteção de Banco de Capacitares Conectado em Estrela Aterrada ... .. .... .. 226
Proteção de Geradores Síncronos
4 .17 Proteção de Banco de Capacitores Conectado em Delta ..... .... .... .. ... .......... 235
4.18 Proteção de Banco de Capacitares em Estrela Isolada ................. .. ..... ..... .. 237
4 .1 9 Proteção de Banco de Capacitares Instalado em Dup la Estrela Iso lada .... 242
4.20 Proteção de Banco de Capacitares Instalado em Dupla Estrela Aterrada .. 250

Apêndice A - Nomenclatura da Proteção ....................................... 252


)
1.1 Introdução
)
Bibliografia ........................... .. .......................... ....... ............ ......... ...... ............273
A máquina síncrona, operando como gerador, é um equ ipamento v ital ao
) sistema elétrico. Sua capacidade de geração limita a demanda que pode ser suprida.
O sistema elétrico é mantido por poucos geradores, sendo que sua carga está
)
distribuída em milhares de pontos.
)
Sendo o gerador um equipamento complexo, o qual possui peças girantes,
está sujeito a maiores riscos.
) O princípio de funcionamento da máquina síncrona, como gerador, está
)
simbolicamente representado na figura 1.1. 1.

)
Capítulo 1 Proteçào de Ge radores S in':ro no.

·
"V
D;l pr lpna
' muq
. ulllà
' Sll1trO I1 ::l I AfmaJu rn
l ROlOr

t -<> Da máqllina primária .


VV"v--- ~ - - 1--1- --'
As perturbações no sistema elétrico sào decorrentes da:
Bateria Reostatolcampo
Rotor
• Retü'ada súbita de carga;
• Inserção de cargas pesadas:
Excitatriz
• Retirada súb ita de geração:
'iic
• C urtos-circuitos (3<1>, 3<1> - t, 2<1>, 2<1> - t e 1<I> - t ) :

Figura I 1. 1 - Máquina Síncrona Operando como Gerador • Sobrecargas;

A máquina síncrona é composta, basicamente, dos seguintes componentes: • Abertura de fase;

~ ArmadLlTa: que corresponde ao estator, onde estão alojadas as bobinas • Cargas fortemente desequilibradas;
das fases. Essas bobinas, construtivamente estão disuibuídas ao longo do • Descargas atmosféricas diretas e indiretas.
estator, tendo uma em relação à outra urna defasagem mecânica de 1200.
Deste modo, nas bobinas serão induzidas tensões elétricas defasadas de As perturbações na máquina síncrona são:
120° elétricos.
@ Na armadura
~ Rotor: é a peça constituída por um núcleo magnético, envolvido por lima
bobina. A bobina é alimentada por corrente continua, para criar o campo
* Falha na isolação entre espiras;
magnético de excitação, necessário para induzir as tensões nas bobinas * Falha na isolação entre bobinas e carcaça;
do estator.
* Movimentação das espiras devido às forças elétricas e
~ Excitação: é a fonte de tensão contínua, necessária para gerar a con'ente magnéticas, provocadas pelas correntes de cUlto-circuito ;
de campo de excitação da bobina do rotor. Existem vários esquemas de
exc itatriz, com escovas ou sem escovas (brushless).
* Aquecimento nas bobinas e materiais do estator;

~ Máquina primária: é a fonte geradora de potência mecânica motriz,


* Não equalização de campos elétricos e magnéticos no
material do núcleo da armadura ;
necessária para efetuar o g iro do rotor da máquina síncrona. A máquina
Plimária é a fonte da energia que será transfOlmada em energia elétrica. * Abertura de espiras.
@ No rotor
1.2 Perturbações na Máquina Síncrona .:. Falha na isolação entre espiras ;

A máquina síncrona, acoplada ao sistema elétrico, está sujeita a diversos .:. Falha na isolação entre as bobinas e a carcaça;
tipos de pelturbações provenientes do:
4 Capítulo 1 Proteçào de Geradores Síncronos 5

.:. Movimentação das espi ras, devido às fo rças elétricas e Exc itaçào 10.1 0° 0
magnéticas p rovocadas pe las correntes dos CLlltOS-
ci rcu itos; Adução/Sucção 8,5 1'70
.:. Movimentação das espiras, devido à fo rca centrifuga Mancai 13,30%
provocada pela sobrevelocidade do rotor;
Serv iço AlL'{iliar
.:. Aquecimento nas bobinas e material do rotor;
Quadro de Comanrlo II I fif)OJ
.:. Não eq ual ização de campos elétricos e magnéticos no
material do núcleo do rotor; Tabela 1.2.1 - Falhas dos equipamentos de wna Usina llidrelétrica [74]

.:. Abertura de espiras;


1.3 A Proteção do Gerador Síncrono
.:. Perdas de campo (excitação);
.:. Problemas mecânicos e de aquecimento dos mancais do A proteção utilizada no gerador síncrono é, principalmente, devido a:
rotor; a) Curto-circuito
.:. Problemas na escova.
~ Entre espiras;
® Nos serv iços aUlu liares ~ Entre fases;
Problemas nos equipamentos que compõem os serviços auxiliares,
~ Fase e carcaça;
próprios para a operação e regulação da máquina, afetam as
condições de operação do gerador sincrono. ~ T lifásico.

® Máquina primária b) Falha de flillcionamento


Problemas em qualquer componente vital, principalme nte nas [29 Perda de excitação;
turbinas, comprometem a operação do conjunto da geração. Os [29 Carga desequilibrada;
problemas principais são os decorrentes da vibração ou movimento
anômalo das palhetas nas turbinas térmicas, e outros no [29 Sobrevelocidade;
distribui dor. [29 Vibração;
Apresenta-se, na tabela 1.2 .1 , levantamento estatístico das taxas de fa lhas [29 Sobrecarga;
dos equipamentos de uma usina bidrelétrica.
[29 Sobretensão.
Usina Hidrelétrica

Equipamento
Percentual de
Ç~ II,
1.4 Tipos de Proteções do Gerador Síncrono
) Visando cobrir todos os defeitos e demais anoffi1alidades as proteções mais
Gerador 28,73%
utilizadas em geradores síncronos são as seguintes:
n
o "~YVr de Velocidade 21,28%
) • Proteção de sobrecorrente (50,51);
Turbina Hidráulica 12,23%
I II I • Proteção diferencial (87) ;

)
)

)
Capítu lo 1 Proteçào de Geradores S íncronos 7 )
6

• Proteçào de sub teosão (27);

• Proteção de sobretensão (59);

• Proteção de seqüênc ia negativa (46):

• Proteçào de imagem télmica (49);

• Proteção de perda de excitação (40);


o y
• Proteção de so breexc itação (24); "O
til
E "0:
• Proteção de distância (21) ; 87T o
';;;(Y!Yli
~ I t:,. I I i w(63\ í:::\ í:::\. í.::\
• Proteção direcional de potência (32); I- '_.~~.~-~ . ~

• Proteção de freqüência (81);

• Proteção de perda de sincronismo (78);

• Proteção de balanço de tensão (60);

• Proteção de tem (grollnd) (64);

• Proteção de balanço de corrente (6 1);

• Proteção de mancaI (38);

• Proteção contra vibrações (39).


Apresenta-se, na figura 1.4.1, o diagrama unifilar de proteção de uma
unidade, gerador síncrono e transformador elevador, de grande porte, de uma usina
hidrelétrica. .
A figura 1.4.2 mostra o diagrama unifi1ar de uma unidade geradora que
sofre um curto-circui-to no ponto F.

TCrot-!
~~13~====
i

Curto-
circuito

Figura 1.4.2 - Curto-circuito em F

As correntes de curto-circuito ia e is, que alimentam o defeito em F, são


provenientes dos 2 lados, isto é, do gerador síncrono e do sistema elétrico Figura 1.4.1 - Proteçào de um Gerador Síncrono e Transformador Elevador de uma Usina
conectado à barra. Hidrelétrica
8 Cap ítul o 1 Proteção de Geradores Síncronos 9

o s istema de proteção existente abre primeiro o disjuntor 52 e. portanto, ela maqu ina. Portanto. para se conectar ao sistema elétrico e l1ecessario se adequar à
momentanem11ente a configuração da figura 1.4.2 passa a ser a da figura lA.3. tensão de transmissão. Deste modo. dependendo das características do sistema
elétrico. é possível utilizar os segu intes tipos de conexâo:
G iG
F

E9 -~
a) Gerador síncrono diretamente acoplado ao sistema

o gerador síncrono é diretamel1te acoplado ao sistema elétrico, quando a


Curto- tensão gerada é igual a do sistema. Deste modo a conexão é fe ita simplesmente
circuito pelo fechamento do disjuntor. A tlgura 1.5.1 mostra este tipo de conexão.
Figura 1.4.3 - Curto-circuito em F, com o Disjuntor 52 Aberto
Na figura lA .3 o estado aberto do disjuntor 52 está assínalado em negrito, ) LT 2
sendo que a partir do instante de sua abertura o sistema elétrico não contribuí mai s
com conente de curto-circuito. Porém, como o gerador síncrono está excitado e
girando, o curto-circuito continua a ser alimentado pela máquina síncTona.
Portanto, imediatamente após a abertura do disjuntor 52, dá-se à abertura do

t t
disjuntor 41, desligando o circuito de excitação do gerador síncrono. Deste instante
)
em diante, a conente de curto-circuito proveniente da máquina se extingue
gradualmente (lentamente) devido à existência no rotor de magnetismo remanente.
Dependendo do porte da máquina síncrona, a conente se extingue na faixa de 5s a
lOs. A figuTa 1.4.4 mostra as cOlTentes de curto-circuito, com a seqüência dos
I s""
eventos das aberturas dos disjuntores. ~ -.....:s:seccionadora
Corrente Disjuntor \

\
\
,, À Gerador
'-
~síncrono
'- ....
.....
Figura 1.5. 1 - Gerador Síncrono Acoplado Diretamente ao Sistema Elétri co
Esta ligação é utilizada em sistemas elétricos de pequeno porte.
) Abertura
$' "\ Abertura
Tempo
do do b) Gerador síncrono e transformador acoplado ao sistema elétrico
disjuntor 52 disjuntor 41
) Geralmente cada gerador síncrono está acoplado a um transformador
Figura 1.4.4 - Seqüência dos eventos das operações dos disjuntares elevador com a conexão ao sistema elétrico feita por meio de um disjuntor, como
mostra a figura 1.5.2.
1.5 Geradores Síncronos acoplados ao Sistema Elétrico O ajuste de tensão entre o gerador e o sistema de potência conectado à
) bana é feito pelo transformador. Esta conexão é a mais usual, sendo empregada
Os geradores síncronos têm sua tensão terminal detenninada pelas quando o sistema de geração é de g rande porte, com o gerador associado a um
) limitações construtivas e qualidade dos materiais isolantes utilizados na confecção transforrnador; forrnando uma unidade.
)
)

)
10 Capítulo I Proteçào de Geradores Síncronos II

9 ~ X ~I Barra

1
1 1 Barra
T Transformador

L ~cionadora
Disjuntor
~ -ss;-~,,~""
\ o",,,toe

~ Transformador
~ ~~~~:~:
Figura 1.5.3 - Gerador Síncrono Acoplado ao Transformador
'X'
~
Gerador
Síncrono

Figura 1.5.2 - Unidade Geradora e Transformador Acoplado ao Sistema Elétrico

c) Gerador síncrono acoplado ao sistema elétrico através de um


transformador

f
Neste esquema a unidade geradora está acoplada ao sistema elétrico através
Barra
de um transformador, como mostra a figura l.5.3. A di ferença desta situação em
relação a anterior, é que o gerador pode ser desconectado do transformador. II
Esta conexão é usada em geradores de médio e pequeno porte. T'M~om,oo,
d) Geradores Síncronos acoplados a um transformador
Nesta situação vários geradores síncronos são conectados ao sistema
elétrico através de um transformador. A figura 1.5.4 mostra este tipo de conexão.
A A A Gerador
~ ~ ~ Síncrono
Figura 1.5.4 - Geradores Sincronos Acoplados ao Transfolluador
J'1 Capítulo I Proteção de Gerado res Síncronos 13

Esta conexão é usada em geradores de pequeno porte. bobinas da a1l11adura conectadas em ''1'. e aLeITado no neutro {30r uma impedância
Zj\ .
e) Geradores síncronos acoplados a um tra nsformado r de 3 enrolamentos

Neste tipo de esquema dois geradores fazem a sua conexão ao sistema Bobinas da Armadura
elétrico, atra vés de um transformador de 3 enrolamentos. A figura 1..5.5 mostra um C
di agrama unifilar deste ti po de conexão. N
B
A
)

Transformador
Figura 1.6. J - Gerador Síncrono Ligado em Y, Aterrado por uma Impedânc ia ZN
Neste gerador síncrono o defeito pode ocorrer a p% do enrolamento da
bobina do estator.
Transformador
Curto-circuito Trifásico
auxiliar

Supondo a ocorrência de um defeito trifásico a p % a partu' do neutro (N) da


bobina do estator, conforme mostra a figura 1.6.2.

Bobinas da Armadura
C
Figura l.5 .5 - Geradores Sín'cronos Acoplados ao Transformador de 3 Enrolamentos N
Observa-se, na figura 1.5 .5, o transformador de serviço auxiliar conectado B
no lado de baixa tensão do transformador de 3 enrolamentos. . A
l~
p% Local do defeito
1.6 Curto-Circuito na Bobina da Armadura do Gerador
Síncrono
)
Figura 1.6.2 - Curto-circuito a p% do Em'olamento
Casos de curto-circuito no sistema elétrico, nos quais o gerador síncrono
Como o curto-circuito trifásico é equilibrado, tem-se somente a
faz palie, foram analisados na referência [5]. Aqui se analisam os tipos de cnrtos-
representação do modelo de seqüência positiva, como está representado na figura
)
circuitos que podem ocorrer em qualquer ponto da bobina da armadura da máquina 1.6.3.
síncrona. Na bobina (enrolamento) da armadura são illduzidas as tensões elétricas,
) sendo que defeitos em algum ponto das espiras provocarão correntes de curto- Assim,
) circuito. A figura 1.6.1 representa um gerador síncrono operando à vazio, com as pE E
I cc3$p% =X = X = I cc3<v (1.6.1)
P G G
)

)
T

14 Capítulo I Proteçào de Geradores Síncronos 15

Conforme o circ uito da tigura 1.6.5, tem-se que :


~ terminal
. . pE
pE
(1 _ p)E (1 - p)XG Ial = -la2 = --"----
pX G + pX 1
De acordo com [5J e aplicando a matriz transformação das componentes de
seqüências nas componentes de fases, o btém-se:
.
IB = -lc
. = ----
.J3.E
Figu ra 1.6.3 - Seqüêucia Positiva do Enrolamento do Gerador Síncrono, para o Curto- XG + X2
circu ito a p%
A intensidade da corrente de curto-circuito bi fásica depende do tipo de
Observa-se que, para o curto-circuito tr ifásico, a corrente independe do rotor da máquina síncrona, o qual pode ser:
ponto da bobi na do estator em que ocorreu o defeito e tem o mesmo valor no
~ Máqujna síncrona de rotor liso
terminal da máq uina síncrona, isto é, a 100% do enro lamento.

Curto-circuito Bifásico
Neste caso X G =X 2 e, assun:

Para o curto-circu ito b ifásico, mostrado na figura 1.6.4, supondo ter .J3 E
ocorrido num ponto a p% das bobinas do estator das fases B e C, tem-se os Icc2<p =2' X
G
mode los de seqüência pos itiva e negativa conectados em paralelo, como mostra a
~ Máquina síncro na de rotor sali ente
figura 1.6.5.

Bobinas da Armadura
Neste caso X G * X 2 ' tal que:
.J3·E
I cc2~ = - - - -
N Xo + X2
a p% da bobina
Portanto, pode-se concluiT que o valor da corrente de curto-ciTcuito bifás ica
A
é o mesmo e i:ndepende da localjzação do ponto de defeito no enrolamento da
bobina do estator (annadma).

Curto-circuito monofásico à terra


Figura 1.6.4 - Curto-circuito Bifásico A ocorrência de um cllTto-circuito monofásico para a terra (carcaça), em
um ponto p% do enrolamento da bobina do estator, é ilustrada na figura 1.6.6.
Apresenta-se uma máquina síncrona genérica, que está aterrada por um
P~ (1 - p)X2
impedância :lN' A máquina pode apresentar a impedância do aterramento com os
seguintes valores:
.:. Zero, ou seja, solidamente atenada .
•:. Não muito elevada, com o objetivo de apenas limitar a conente de defeito
Figura 1.6.5 - Circuitos de SeqUência Pos.iti va e Negati va Conectados em Paralelo a um valor considerado.
Cap ítulo 1 Proteção de Geradores Síncronos 17
16

••• Mu ito elevada, para li mitar consideravelmente a corrente de defeito. Pelo c ircui to. 3::. COITen tes de seqüéncias são i guai ~ e obtidas por:
.:. l nfi nita: isto é, sem aterramento.

Bobinas da Armadura
C
i = ________3~p_E____~_
N cc IIp-terra (X X X),.., z' ( 1.6.2)
B P G + 2+ O + .J N
A Portanto, a conente de curto-circuito monofásica a tena dependerá do local
do defeito e da impedância conectada ao neutro do gerador síncrono. Assim, pode-
Curto-circuito se analisar os casos a seguir:
à carcaça .:. Máquina síncrona solidamente aterrada: neste caso a corrente de curto-
Figura 1.6.6 - Curto-circuito Monofásico à Carcaça ci.rcuito será
Para este tipo de defeito os circuitos de seqüência positiva, negativa e zero . 3E
são conectados em série, como mostra a figura l.6.7 . Iccl<j>-tena = X X X ( 1.6.3)
G + 2 + O

- ~~
nnnl~'--_'--""", ~ , •. __ \V • Portanto, a con ente de curto-circuito independe do loca l do defeito.
(1 _ p)E (1 - p)X G
pE .:. Máqullla síncrona atenada com uma impedância de valor elevado, ta l
Seqüência positiva que Z N >>> (X G + X 2 + X O), nesse caso a conente de curto-
circuito será
. pE
Iccl<j>-terra = Z (1.6.4 )
N
(1-p)X 2
) Portanto, pela expressão 1.6.4, a corrente de curto-circuito dep enderá
Seqüência negativa da localização do defeito.
A figura 1.6.7 mostra, graficamente, a corrente de curto-circuito à carcaça,
em função do ponto de defeito.
'Como a COlTente de curto-circuito à carcaça depende do ponto de defeito,
) (1 - p)X O as espiras iniciais mais próximas do neutro não ficarão cobertas pela proteção
) diferencial (87). Isto OCOlTe porque as correntes de defeito menores que o ajuste do
Seqüência zero relé 87 não serão eliminadas. Ou seja, dependendo da máquina síncrona e da
impedância de atenamento, por exemplo, um percenulal de 5% a 10 % da bobina
da armadura pode ficar sem proteção. Portanto necessita-se de outros esquemas de
proteção para cobrir esses h'echos.
)
Figura 1.6.7 - Circuitos de Seqüênci a Positiva, Negativa e Zero Conectados em Série
Cap ítulo J Proleção de Geradores Síncronos 19
18

3E
I cc ent re esp iras == X X X ( 1.6.5)
G + :2 + I )

Portanto, pela expressào 1.6.5, a corrente de curto-circuito entre espiras


inde penderá do loca l do defeito e terá o mesmo valor do curto-c ircuito monofás icu
a terra da máquina síncrona so lid amente aterrada.
l ,justo do rele 87

1. 7 Proteção Diferencial do Gerador Síncrono


! 100% p% espiras
N~ .
~ Terminal da Bobina A proteção diferenc ial (87), protege o gerador de defeitos na bobina do
.. da Armadura estator (armadura). O esquema é o mesmo utili zado no transformador, mas com a
l-F recho desprotegido fac ilidade de que, na proteção do gerador. as correntes de entrada e saída sào
pelo relé 87 iguais. Isto facil ita a aquisição (compra) de TCs i guais, diminuindo os erros de
Figura 1.6.7 - Gráfico da COITente de Curto-circuito em Função do Ponto de Defeito relação de transformação, tão comuns em transformadores de potênci a.
Afigura 1.7.1 mostra a proteção diferencial típica, utilizada na proteção
Curto-circuito entre espiras dos enro lamentos do estator (armadura) da máquina síncrona.
A figura 1.6.8 mostra o caso em que um cmto-circuito ocorre entre espiras Gerador Síncrono
de uma bo bina da armadura da máquina síncrona.

Bobina da Armadura
C
N
8
A
ti
;%% espiras em 87

curto
Figura 1.6.8 - Curto-circuito entre Espiras 87

O trecho de espiras em curto-circuito pode ser interpretado como )


correspondendo a um pequeno gerador, separado do gerador principal. Nesse caso,
o cUlto-circuito é do tipo monofásico para a carcaça e os circuitos de seqüência 87
estão conectados em série, tal que as correntes de seqüência são dadas por
. .' pE Figura 1.7.1 - Proteção Diferencial dos Enrolamentos da Máquina Síncrona
I aO = Ia 1 = I a2 == -p-X--+-p!-X--+-p-X- Essa proteção é adequada para defeitos que causam curto-circuito nos
G 2 o
enmlamentos da bobinas do estator, que são:
A corrente do defei to será dada pela expressão 1.6.5 .
10 Capítul o 1 Proteção de Geradores Síncronos II

"7 Curto-ci rc uito trifásico: Quando a proteção diferencial engloba a uoidad.: de geração. constituída pelo
conjunto gerador e tranSfOnllador elevado r. como apresentado na figura 1.7.3. a
"7 Cuno-circu ito bifásico;
proteção é chamada de diferencial longa.
"7 C urto-circuito monofásico para a carcaça. em gerador síncrono com
aterramento sólido do neutro :
"7 CUlto-c ircuito monofásico para a carcaça (tena) com alguma restrição,
nos geradores que tenham atenamento com alta impedância no neutro.
Conforme apresentado no item l.6, a proteção diferenc ial pode também
atuar para defeitos monofásicos à carcaça, com restrição nos geradores que têm
urna impedância considerável conectada no neutro dos seus emolamentos.
Outro esquema de proteção diferencial do tipo auto balanço, utilizada em
máqu inas de pequeno porte, é apresentado na figura 1.7.2.

o
c
eg
Vi
Õ
-o
E
o'"
)
Figura 1.7.2 - Proteção Diferencial Tipo Autobalanço
A proteção utilizada é de sobreconente que está fazendo a função da
proteção diferencial. O TC é do tipo janela, com núcleo toroidal, na qual, em
operação n0l111al, as conentes elétricas de entrada e saída, sâo iguais. Um defeito
interno provoca um desbalanço de conente, tal que, se a diferença for maior do que
o ajuste da proteção, o relé de sobrecorrente atua. Nesse tipo de proteção para
) máquinas de pequeno porte é requerido que os TCs sejam de baixa relação e, para
evitar a saturação, os relés utilizados, devem ser de baixa carga (burden). Note que
)
TC de baixa relaçâo fornece no secundário uma corrente elétrica de amplihlde mais
elevada, sensibilizando me1hor o relé de sobrecolTente. ;z
-N
) A proteção apresentada na figura 1.7.1 é conhecida como proteção
diferenci al curta; isto é, específica dos enrolamentos das bobinas da armadura. Figura 1.7.3 - Proteção Diferencial Longa
)
)
12 CapínIlo I Proteçâo de Geradores Síncronos 23

Na figura 1.7.3 observa-se que o transformador elevador, co nectado ao .fi, z r-.


gerador síncrono. é do tipo l:::, - Y. Por esta razão as correntes de operação . no lado p= V . RT C · 1 ' JuSl< K7 (I.S.1)
primário e secundário. estão defasadas de ± 30°, o que far ia a proteção d iferencial LL

atuar desnecessariamente. Para contornar este pro bl ema há a necessidade de O trecho protegido está mostrado na fi gura 1.6.7.
compensar a rotação de ± 30°, fazendo as ligações dos TCs co mo indicado no Exemplo 1.8.1: Um gerador síncrono de pólos sal ientes, bobinas da armadura
item 4. 8 ela referência [52 ]. conectadas em Y, 30MV A, 13 ,8kV, 60Hz, está funci onando à vazio, com tensão
nominal em seus term inais. A reatância subtransitória do eixo d ireto é igual a O,2 pu
Este tipo de transfonnador é preferido porque todos os cUli os-circui tos
e a reatância de seqüência negativa vale O,25pu. A reatância de seqüência zero va le
monofás icos à telTa, no lado do sistema elétrico, não passam pel o aterramento do
O,08pu.
gerador síncrono; e as harmônicas de 3" ordem e seus múltiplos, normalmente
geradas no gerador síncrono, não passam ao sistema elétrico. Calcular:
a) A corrente e a impedância base.
1.8 Trecho não Pr otegido pela P roteção 87 ?
I = Sbase Z - V base
Com o objetivo de lim itar a corrente de curto-circuito à ten'a, para que os
base '3. V base
-y .J
base - S
base
danos sejam minimizados, as máquinas síncronas deve m operar com uma
impedância conectada ao neutro. Esse procedimento prejudica a proteção I = 30M z = (13,8ky
diferenci al que não cobre mais 100% das espiras do enrolamento da armadu ra. O base fi. 13,8k base 30M
trecho não protegido é dev ido ao va lor da corrente de ajuste no relé 87, isto é, ao
I ajuste do relê 87 . I l base = 1255A I Z base = 6,348Q I
A corrente de defe ito monofásico à carcaça, na bobina da annadura da b) A corrente de curto-circuito 3<1> nos terminais do gerador síncrono.
máquina síncrona, é dada pela expressão 1.6.4, isto é
Utilizando-se a expressão 1.6. 1, tem-se
I = pE
CCilj>-lerrn Z E 1
N ICC3$ = - ,,- = - = 5pu = 5I base = 5 ·1255 = 6275A
O h'ecbo desprotegido é limi tado pela corrente de defe ito, a qual é igual a X dl 0,2
corrente de ajuste do relé 87, isto é
c) A corrente de curto-circuito 3<j> a 40% no enrolamento da armadura do
pE gerado r síncrono.
I C ClII>- tma = Z = I ajus le 8 7 . RTC
N

ZN
P = - _. RTC· I ajuste 87 d) A corren te de cu r to-circuito 2 <j> nas fases b e c, nos terminais do gerad or
E síncrono.
Como E = VLL tem-se
fi
,

I = - --
fi ·E _ .fi ·I = 3,845pu = 3,845 x 1255 = 4825,4A
:...--..-
CC 2 <j> X" + X 0,2 + 0,25
di 2
2-1- Capítulo I Proteçào de Geradores Síncronos 25

e) O valor da impedância de aterramento (ZN)' para que a corrente de Utilizando a expressão 1.6.3. tem-se
curto-circuito I ~ - terra nos terminais do gerador síncrono, fique limitada 3E
1CC I'v-terr3 = -X-,-,--X-
, --X-
em lOA. di + _+ ~',
Desprezando-se as impedâncias do gerador síncrono e utilizando-se a
3·]
expressão 1. 6.4, tem-se I cc l$-term = = 5,6pll = 5,6 x 1255 = 71 03,3A
0,20 + 0,25 + 0,08

I CC I$- terra = 7103,3A


i) A corrente de falta no caso em que a bobina do estator está com defeito e
10 = 13,8k Z = 13,8k = 796,70. ocorre um curto-circuito ]~ - terra a 20% do enrolamento. O gerador
.J3 x ZN N ..j3;10
síncrono tem neutro solidamente aterrado.
f) No gerador síncrono utiliza-se a proteção diferencial, que é alimentada
por conjuntos de TCs de 1200/5. Qual o percentual do enrolamento da 120% do enro lamento = I CC I<j>- terra = 71 03,3A
armadura protegido pela proteção 87, que tem Iajuste 87 = 0,2A ?
1.9 Proteção Contra Falhas entre Espiras
Utilizando-se a expressão 1.8.1, tem-se

P
= .J3 .Z N .RTC. I .
V ajuste 87
= .J3 x 796,7 . 1200 .
13 8k 5
° '
2
No esquema apresentado na figura 1.7.1 a proteção diferencial 87, não é
sensível para defeitos entre espiras. Isto ocorre porque as correntes de entrada e
LL ' saída nos TCs são iguais. Para obter-se a proteção de defeitos entre espiras, utiliza-
se uma proteção diferencial especial, chamada função 61, a qual pode ser realizada
P = 4,80pu = 480% por vários relés, e que depende do porte do gerador e do esquema adotado.
Conclusão: A proteção diferencial não protege nenhum trecho do Há váIios tipos de esquemas para a proteção de falhas entre espiras, que
)
enrolamento da bobina do estator para curto-circu ito 1~ - terra. pode ser aplicado a geradores sí ncronos que tem majs de um emolamento por fase.
) g) Repetir o item anterior para uma resistência de500., conectada no neutro Um possível esquema de proteção entre espiras está apresentado na figura
do gerador síncrono. 1.9. 1, de um gerador sÍ ncrono que tem fase divjdida (Split).

P
= .fi. Z N . RTC . 1 .
VLL ajuste 87
= .J3 x 50. 1200 .
13 8k 5
° '
2
Aplicando-se a I" lei de Kirchhoff no ponto k da fi gura 1. 9.\ , obtém-se
. . .
II = 12 + Irelé 61
'

p = 0,3pu = 30%

Conclusão: Para um curto-circuito 1~ - terra , a proteção diferencial cobre


Na operação normal, isto é, sem defeito, as correntes de fase são divididas
70% do enrolamento, a partir do terminal do gerador síncrono. Os 30% restantes do
e p assam pelos enrolamentos da mesma fase. As COlTentes ii e I 2 são iguais e
) enrolamento, junto ao neutro, estão desprotegidos.
circulam nos secundários dos TCs, sem passarem pelo relé 61.
) h) A corrente de curto-circuito l~ - terra nos terminais do gerador síncrono,
para o caso de neutro solidamente aterrado.
)
Capítulo 1 Proteçào de Geradores Sí ncronos
26

A B c Uma varianll:! do esq uema de proteção da figura 1. 9. I é apfl:~sl:!ntada na


figura 1.9.3.

Figw·a 1.9.1 - Proteção de Falhas entre Espiras


Figura 1.9.3 - Proteçào contra C LlIto-circuito e ntre Espiras
Havendo defeito (cUlto-circuito) entre espiras, como está indicado na
. Outro esquema baseado na utilização de um TC toroidal , que abraça de
figura 1.9.2, a diferença de conente dos 2 enrolamentos da mesma fase passará
maneIra transversa a mesma fase dos enro lamentos da máquina síncrona. é
pelo relé 61, que atnará de modo instantâneo.
apresentado na figura 1.9.4.
A B c

Figura 1.9.4 - TC Toroidal para a Proteção ~ontra Curto-circu ito entre Espiras da mesma
Figura 1.9.2 - Curto-circuito entre Espiras Fase
Capítu lo J Proteção de Geradores Síncronos

Muitos geradores síncronos nâo usam proteção para defeito entre espiras. A B e
por se r ra ra essa ocorrência. Outra razão deve-se ao aspecto construtivo da
máquilJa síncrona de grande porte. onde são colocadas. uma ou duas espiras por
ranhura. Desse modo , o nível da tensão elétrica elJtre espiras é baixo, não forçand o
a isolação. Entretanto, se o gerador não tiver proteçâo para defeito entre espiras, e I,

na ocorrência dessa falha, este defeito evo lui, gerando outros danos, que só será
eliminado com atuação de alguma proteção exis tente. Geralmente, o defeito evolui
rapidamente para um cmio-circuito à carcaça.

i,
1.10 Proteção de Seqüência Negativa do Gerador Síncrono

Quando o sistema opera desequilibrado ou em cLUto-circuito diferente do


3~, a componente de seqüência negativa estará sempre presente. Os estudos
envolvendo as componentes de seqüências positiva negativa e zero estão
apresentados na referência [5]. A componente de seqüência negativa é dada pela
>ij___• ___{" .~.,~ .". ";;:':.: ..:0:.:,',,1
expressão.
" • • ". 0." ." •••• , . : ' , ", :." •• ":

« TC auxiliar com •
dois prima rias ia - ic,
i a2 =±(i a + â2í b +âiJ (1 .10.] )
jX R' R
Desenvol vendo a expressão 1.11 .1 obtém-se
~--------~~~.- - - -- - - - - -
i a2 =~ (ía + â2 jb +â1c +ie - ie ) Fun ção 46
3 Figura 1.10.1 - Esquema para o Relé de Seqüência Negativa
Neste esquema, para que o relé de sobretensão 59 opere como a função de
proteção 46, isto é, para que o mesmo sej a sensibilizado pela componente de
) seqüência negativa, o módulo da impedância deve ser Z = R, isto é
iaz =±[í a -ie + â2ib +{l+á)ic ] Z = R' + jX = ZL'60 o = RL60 0

±
i a2 = [ia - ie - i b L'60 o + i eL'60o] R,=R
2

)
3i a2 = ia - ie + (( - ib )L'60 o (1 .10.2) X=.J3. R
2
Deve-se utilizar conexões com TCs principais e au xili ares para se
conseguÍl' obter a expressão l .11.2, tal que o relé 46 sej a sensibilizado pela Pelo esquema da fi gura 1.10.1 o relé 46 será sensível a
) seqüência negativa. Um exemplo de esquema é apresentado na figura 1.10.1.
)
Relé 46 = R(i a - iJ+ (( - ib)RL60°
)

I '
~o Capítu lo 1 Proteçào de Geradores Síncronos 31

As componentes de seqüência negati va representam um conjunto de 3


fasores eq uilibrados. que giram na velocidade síncrona. mas em sentido contrário
Co nsiderando a expressão 1.11.2, obtém-se ao da ve locidade síncrona da seqüência pos itiva. Portanto, a fre qüência relativa da

~ 3Ri" III
seqüência negativa, em relação à seqüência positiva, é de 120Hz. As conen tes de
III Relé46 (1.11.3) seqüência negativa, dentro da máquina síncrona. agem como freios
eletromagnéticos que produzem vi.brações e aquecimento:

Porta llto, de acordo com a expressão 1.10.3 o relé 46 é sensibilizado pela 7 nos enrolamentos do estator;
componente de seqüência negativa . Se a subestação utiliza relés eletromecânicos 7 no enrolamento do rotor;
para a proteção de seqüência negativa (46), o circuito coneto da fig LIra 1.10.1 deve
ser instalado. Isto sempre representou a dificuldade para esse tipo de proteção com 7 no núcleo do material fenomagnético e nas fenagens que compõem a
relés e letromecânicos, sendo por isso raramente utilizada. estrutura da máquina.

Para os atuais relés digitais multifunção a incorporação da função 46, isto Os aquecimentos, no emolamento do rotor, núcleo e fenagens são dev ido a
é, de seqüência negativa, é obtida pelo algoritmo desenvolv ido pelo fabricante. O freqüência da conente de seqüência negativa ser 120Hz, o que acentua a geração
relé processa, de acordo com o seu algoritmo interno, o módulo da conente da de con·entes induzidas de Foucault e o aumento de perdas por histerese.
expressão 1.10.1; ou sej a, O gerador síncrono apresenta, para as COlTentes de seqüênc ia negativa, dois
limites de supOltabilidade, devido principalmente aos efeitos ténnicos, defmidos
(1. 10.4) como:
x Limite de suportabilidade em regim e pennanente (regime contínuo);
O conteúdo Irelé 46 conesponde somente a componente de seqüência
x Limite de suportabilidade dinâmico (de curta duração).
negativa, tal que, se a conente for maior que o valor ajustado, o relé 46 atua.
A s uportabilidade em regime contínuo caracteriza o fato de que o gerador
Esta proteção é própri a para defeitos de alta impedância, inclusive para
sincrono poder admitir a COlTente de seqüência negativa 12 , sem danos, cujo va lor
auxiliar ou funcionar como redundância para defeito à tena de alta impedância.
é apresentado na tabela l.1 0.1.
Apesar do gerador síncrono ser projetado para gerar tensões de seqüência
positiva, na operação podem acontecer várias anormalidades ql1e produzem Note que as conentes de seqüência negativa, no limite mostrado na tabela
componentes de seqüência negativa. O aparecimento da componente de seqüência 1.10.1, não produzem danos ao gerador síncrono, mas diminuem sua capacidade
negativa é causado por: operativa.

® Qualquer cmto-circuito diferente do trifásico; A suportabilidade para correntes de seqüência negativa severas é
caracterizada pelo aquecimento no rotor, que deve ser limitado no tempo fornecido
® Cargas desbalanceadas; pe la expressão.
® Abertura de fase na rede elétrica; I~ x t =K (1.10.5)
® Abelwra de pólo do disjuntor; Onde:
® Rompimento de um elo fusivel na rede de distribuição; t ~ tempo de defeito da conente de seqüência negativa;
® Falha no enrolamento do estator. 12 ~ conente de seqüência negativa;
37 Ca pítulo 1 Proteção de Geradores Si nc ro nos 33

K ~ parâmetro característico do gerador síncrono, relativo a sllportabilidade


Refrigeração Va lor·p';rlrK III
térmica.
Corrente de 40
Gerador seqüênc ia negat iva
Ca racterística
Síncrono
I 2 em % I N III :" íncrono
30

III rL-nu 'm enrolamento :0


10%
amortecedor
Pólos Salientes
10
5% Rotor C ilíndri co
)

) TI .c.. . o III fi 10%


-- III
to
~ 960MVA com
8% Tabela 1.1 0.2 - Valores de K
resfriamento direto
Rotor C ilíndrico III
Onde:
I
A

R ,O,lu''"j'a' j ~-,I VnJ'Vn_IIM'VL\1 A cnUmlLl1 III


r ;~'u, nto direto
6% s~ potência aparente em MVA da máquina síncrona

1201 a J SOOMVA rc· ,(n}"n~n III A proteção da seqüência negativa é feita por um relé de sobrecorrente
5%
resfriamento direto temporizado , conectado a um filtro de seqüência negativa, como mostra a figura
l.10.2.
Ta be la 1.10.1 - Suportabilidade da Corrente de SeqUência Negativa em Regime
Permanente [5 6]

A energia dissipa~aem uma resistência R é dada, genericamente, por


Rft. Este valor é limitado pela temperatura de suportabilidade dos componentes
da máquina síncrona. O valor que representa R é genérico e está distribuído em
vários Locais da máquina síncrona. Portanto, esta limitação só é detenninada pelo
fabricante, após ensaios e medições com injeção de seqüência negativa na máquina
síncrona.
Fi gura 1.10.2 - Proteção de Seqüência Negativa
O valor de K depende do porte e do projeto da máquina síncrona. Seus
valores são fornecidos na tabela 1.10.2 . Geralmente o relé de sobrecorrente tem duas temporizações, uma de tempo
inverso e outra de tempo definido, conforme apresentado na figura 1.10.3.
Para máquinas que não se enquadram na tabela o fabricante deve ser
consultado. A temporização com tempo inverso é feita, para a proteção de seqüência
)
negativa, acima do limite permissível de regime contínuo, e o ajuste do relé 46 é tal
) Em relação às tabelas 1.10.1 e 1.10.2 note que se l ~ x t ~ K, o gerador que
) síncrono pode se danificar.
1 2pemliSSivel ~ I ajuste 46(tempo in verso) < (0,8 a 1)INomin nl (1.1 0.6)

)
34 Cap ítulo 1 Proteção de Geradores Si ncrollo s 35

do rolor e seus compo nemes esmrào sujeitos a Lima fone elevação de temperatura.
As correntes de seqüência negativa produzirão \'ibrações no rotor. as quai s sào
pemic iosas aos mancaIs.
I~ X [= K Dessa forma . para se avaliar a extensão dos possíveis danos causados pela
operação desequilibrada, assim como estabelecer limites para este tipo de operação,
é de suma importância o conhecimento da componente de seqüência negativa da
corrente de carga. A figura 1.10.4 apresenta estes limites operativos.

Tempo definido -- -- --------- j----------------------------


0. 12
I, Região de Operação
] j,jUS1C46( tcmpu in \ l!rS \ll lujusll::'\IJ ,lempCl ddinidoJ
=> Crítica
3
Figura 1_1 0.3 - Curva de Atuação do Relé 46 '"
.6
'"
Ol
~ Doa
Recomenda-se a escolha do ajuste mais próximo possível da igualdade da
'"iJc
expressão l. 10.6, sendo o va lor de 12 permi ssivcl obtido na tabela 1.10.2. '(1)

'13-
(I)
(J)

Para COlTentes de sequencia negativa severas a atuação do relé 46 é em 0D4 Região de Operação
tempo definido, com o seguinte ajuste Admissível

Injuste .j 6( lempo iddinido) = (0,8 a l )lNominal ( 1.10.7)

Para essas correntes de seqüência negativa severas pode-se, na proteção, 040 O'j() 060 070 0.80 0_90 100

zerar o tempo definido, tomando-o instantâneo ou, dependendo da filosofia da Corrsnte de campo (pu)

empresa, deixar uma pequena temporização para discretizar a atuação no tempo.


Isto faci lita o diagnóstico na oscilografia e a seqüência de eventos para o estudo
Figura 1. 10.4 - Limites Operativos Impostos pela Componente de Seqüência Negativa
pós-defeito. Além disso, observa-se também que o ajuste do instantâneo causa o
problema de perda de seletividade para curto-circuito na linha de transmissão.
1.11 Relé de Sobreexcitação do Gerador Síncrono
Portanto, conclui-se que o enrolamento do rotor da máquina síncrona é
extremamente sensível às componentes de seqüência negativa e zero, oriundas da
operação desequilibrada ou dos defeitos, inclusive à ten-a. Os fundamentos em que se baseia a proteção de sobreexcitação, [l.mção 24,
foi desenvolvida no item 1.12 do volume 2 dessa coleção.
A conente de seqüência negativa, na annadma, irá dar Oligem a um campo
giJante, com a mesma velocidade, porém em sentido contrário ao campo criado O fluxo magnético máximo no interior do núcleo do h'ansfonnador ou na
pelo rotor, induzindo correntes parasitas de freqüência dupla na massa metálica do V
estrutura da máquina síncrona é diretamente proporcional ao termo - ; isto é,
rotor. Da mesma forma, uma componente de seqüência zero, na annadura, irá f
induzir uma corrente à freqüência fundamental no rotor.
V
Posto que estas correntes irão circular pelos ané is de retenção, em ambas J, "
'YmaXI0l0
oc -f ( 1.11.1 )
extremidades, estabelecendo um caminho de baixa resistência, e toda a superfície
36 Capítul o I Proteção de Geradores Síncronos 37

Portanto, de acordo com a ex pressão 1. 12.1 , sob freqüencia nominal. um ® AberUlra aciden tal \indevida) do disjuntor de campo {.!iI):
aumento na tensão , provoca um aumento no tluxo magnético, produzindo um
® Mau contato nas escovas (se tiver) da excitatriz:
aqu ecimento não desejado no núcleo do transformador ou da máquina síncrona.
® Operação indevida da proteção de perda de excitação (40):
Todos os transformadores estão sujeitos a aquecimentos no núcleo,
provocados pelo excesso de fluxo magnético, mas o maior cuidado deve-se ter no ® En'os de operação.
caso de transfol1nadores de grande porte, principalmente os acoplados a unidades
geradoras. Estes transformadores estão mais sujeitos a sobretensões provocadas, As principais conseqüências ela perda de excitação são:
principalmente, por problema na excitação das máquinas síncronas. Estas ~ Súbita sobrevelocidade elo Totor:
sobretensões aplicadas às bobinas podem elevar excessivamente o fluxo magnético
do núcleo do h'ansfonnador, provocando aquecimento, com elevação acentuada da ~ Sobreaquecimento no rotor. O aquecimento no rotor de máquinas
temperatura, comprometendo o núcleo e principalmente os materiais componentes síncronas de rotor li so é mais acentuado, devido a não existência de
da isolação. emolamento amOltecedor. Este aquecimento pode provocar sérios
danos ao rotor, no período de 2 a 3 minutos.
Os transformadores e geradores síncronos, dependendo da tecnologia e dos
materiais empregados na sua fabricação, os mesmos apresentam uma curva de ~ Sobreaquecimento no estator de qualquer tipo de máquina, isto
danos em relação ao excesso de t1uxo magnético, ou seja, da relação de V/Rz. porque, na perda da excitação devido a um curto-circuito nos
telminais da bobina de campo, o rotor, devido a sobrevelocidade.
Como os modernos relés digitais têm o recurso de "personalizar" curvas de gira numa velocidade maior que o campo girante das correntes
ahlação, pode-se ajustar uma curva de atuação que seja uma réplica da curva de estatóricas mantidas pelas COITentes do sistema elétrico. Portanto, o
dano do transfOlmador ou do gerador síncrono, deslocada para baixo em tomo de rotor passa a funcionar como um gerador de indução (assíncrono).
20%. Neste caso, as correntes no estator podem atingir magnihlde
variando de 2 a 5 vezes o valor nominal.
1.12 Proteção por Perda de Excitação ~ Se, na operação normal, o gerador síncrono estiver fomecendo
reativo ao sistema elétrico, a perda da excitação fará com que:
Na operação nornial do gerador síncrono, conectado ao sistema elétrico,
toda transferência de energia é feita pelo acoplamento magnético do campo girante ® O gerador passe a absorver grande quantidade de
do rotor com o campo girante da almadura. Ou seja, a máquina primária transfere reativo do sistema elétrico. A absorção de reativo pode
energià através do rotor, que giJa fortemente acoplado ao campo girante da ir até 7 vezes a potência nominal da máquina;
armadura. O campo girante do rotor é mantido pela excitatriz. A excitatriz é a fonte ® Haja queda de tensão nos seus terminais.
DC que gera uma corrente de campo necessária para a criação do campo magnético
~ Produz perhlrbação, de modo a comprometer a estabilidade das
no rotor. A máquina primária é responsável pela geração do torque necessário para
manter o rotor girando na velocidade síncrona. A perda da excitação provoca sérias máquinas da mesma usina, colocando em risco o sistema elétrico.
) conseqüências na máquina síncrona e, portanto, deve-se prover uma proteção para Na operação de uma máquina síncrona conectada ao sistema elétrico, a
esta finalidade. impedância representa um ponto distante da máquina, que está representada na
Apresentam-se as causas que podem provocar a perda de excitação: figura 1.12.1 pelo lugar geoméh'ico das cargas.

® Curtos-circuitos na bobina do campo do rotor; Numa máquina síncrona operando nOTInalmente, a perda súbita de
excitação resulta em que a trajetória da impedância seja, por exemplo, aquela
)
® Abertura na bobina de campo do rotor; indicada para os pontos 1, 2 e 3 assinalados na figura 1.12.1, estabilizando-se na
® Falha no circuito da excitatriz; região do lugar geométrico de perda de exc itação.

I
38 Capítu lo I Proteção de Geradores Síncronos 39

jX lugar geométrico jX lugar geonlel ri co


das cargas da~ carg.as

x x
x x
.• 3 ......• 3
.' .'.
Relé de
x
...... x
R R
..... -
x x x x

excitação

Figura 1. 12. 1 - Ponto (Ie Operação Longe da Impedância da Máquina Síncrona Figura 1.12.3 - Ajuste da Proteção de Admitância

Isto é, sem excitação a impedância da máquina síncrona é quase que Onde:


puramen,te reativa e está posicionada sobre a parte negativa do eixo jX da figura
1. 12.1. E por isso, que na perda de excitação, a máquina passa a absorver muito X d --+ reatância síncrona do eixo direto da máquina síncrona;
reativo do sistema elétri co, afundando a tensão elétrica no barramento da
X~I --+ reatânc ia h'ansitória do e ixo direto da máquina síncrona.
subestação, colocando em riscos os outros geradores síncronos da usina.
Para prover a proteção contra perda de excitação utiliza-se a fun ção de Observa-se, ainda, que quando ocolTe a perda de excitação a impedância da
proteção 40, que é realizada pela proteção ele admitância, como está representada máquina síncrona entra na zona de atuação da proteção de admüância (2 1), o qual
na figura 1. 12.2. opera de modo instantâneo.

Transformador
1.13 Proteção de Sobretemperatura
Ilr&~~~C---r--<]lIE-----1
G ~J
..- TP
A'
Várias são as causas que geram aquecimento no interior da máquina
síncrona. Geralmente, os aquecimentos são causados por:
® Curto-circuito interno;
Figura 1.12.2 - Proteção com a Função 40 ® Curto-circuito extemo;
O relé de distância 2 1, tipo admitância, está fazendo a função 40; isto é, a ® Sobrecarga;
proteção contra perda de excitação da máquina síncrona. Este relé de admitância 21 ® Falha na refrigeração;
está direcionado para o interior da máquina síncrona e seu ajuste deve cobrir a zona
do lugar geométrico das impedâncias de perda de excitação da figura 1.1 2. 1. Isto é ® Contatos entre lâminas no núcleo do estator;
conseguido com o relé de admitância que tenha um deslocamento (offiet) de ® Descargas parciais intennitentes no interior da estrutura da máquina;
- X d/2 e ajustado com o valor de X d , como mostra a figura 1.12.3.
® Falha na isolação dos materiais da esh'utura metálica do estator.

)
40 Ca pítulo I Proteçâo de Geradores Síncronos 41

Os aquecimentos gerados provocam elevação de temperatura, ponanto, os corrente de carga. Mas, como a instalaçào de termômelros do tipo RTD é mais
termômetros devem ser estrategicamente colocados nos pontos mais quentes da facilitada na máquina síncrona, a proteção de temperatura é cobena pelos
máquina sincrona. Os termômetros a lt!l11 de medir a temperatw-a, podem agir como termômetros, e a proteção de imagem térmica nào é muito usual.
dispositivo de proteção, na sinalização (alanne) ou até o des ligamento da máquina
síncrona se necessário.
1.15 Proteção de Falha do Disjuntor do Gerador
O termômetro, função 26, é utilizado para medir a temperatura no local da
sua instalação, que pode ser dentro dos enrolamentos das bobinas do estator rotor e Na proteção de fa lba do disjuntor do gerador ou do conjunto gerador e
) do transformador elevador [52]. transforn1ador, não se pode contar com a proteção de sobrecon'ente 50BF
Em máquina síncrona, os tenn ômetros mais utilizados são do tipo: apresentada na referência [5 2J, isto porque o seu ajus te não cobre toelos os defeitos
no gerador e no b·ansformador. Ou seja, pequenos defeitos internos ao conjunto
• A termopar, o qual gera uma tensão elétrica, que aciona um gerador e transfonnador, não sensibilizarão a proteção de sobreconente 50BF.
galvanômetro, cuja deflexão indica a temperatw-a, e se o termômeh'o Deste modo, o relé de bloqueio 86 faz a função do 50BF, como mostra a figura
for digital, a tensão e léh'ica gerada é utilizada para a medição da 1.15.l.
temperatura;
• Termômeh'o RTD (Resistence Temperahlre Detector), em que a
+

"h
resistência modifica o seu valor com a temperahlra. Proteção do 86

T,~~:fo~~a~o, ~ 62X 62BF


O termômetro alocado no enrolamento do rotor gira na velocidade da
máquina síncrona, p0l1anto, suas medidas, devem ser transmitidas via sinal de

)
rádio ou por processo óptico.
Geralmente, o fator que determina a capacidade de transmissão de potência
no gerador e no transformador é a temperahu'a limite do matelial de isolação
86 ~~
52a
í: 52a

utilizado na fabricação.
O nível de temperatura é estabelecido pelo grau de dissipação da energia Figura 1.15.1 - Falha do Disjuntor em Gerador
térmica gerada como perda nos diversos componentes do transformador de acordo
com as exigências operativas do sistema eléh·ico. Nesse esquema, o relé de bloqueio 86 só será ativado pela atuação de
alguma proteção do grupo gerador e transformador. Com o fechamento do contato
do relé de bloqueio, a bobina de abertura será ativada, com a conseqüente abertura
1.14 Relé de Imagem Térmica do disjuntor. Geralmente o tempo de aberhlra do disjuntor dá-se em até lOOros. Se
o disjuntor falhar, isto é, não conseguir eliminar o defeito interno ao conjunto
O relé de imagem ténnica, função 49, detecta a temperatura do ponto mais gerador e transformador, a proteção de falha do disjuntor deverá atuar. Isto OCOlTe
quente do gerador síncrono ou do transformador operando com sobrecarga em na seguinte seqüência:
regime permanente. A sobrecarga provoca aquecimento nos ellTolamentos do
~ A proteção do gerador ou transformador atua, ativando o relé de
estator e do rotor, 00 material magnético e em toda estmtura da máquina síncrona.
bloqueio 86;
O aquecimento nos enrolamentos do transformador, utilizando a proteção por
imagem térmica é apresentado na referência [52]. ~ O relé de bloqueio 86 fecha o seu contato 86, ativando simultaneamente
a bobina de aberhu'a do disjuntor e o relé auxiliar 62X;
) A proteção de imagem térmica 49 em geradores síncronos, identicamente a
proteção de transformadores, pode ser feita indiretamente pela infonnação da ~ O relé auxiliar 62X fecha o seu contato 62X;
)

)
41 Capitu lo I Proteçào ele Geradores Síncronos 43

~ Como o disjuntor tàlha, o defeito (corrente de curto-circuito ) no por segurança, há UI1l intertravamento elo disjuntor com suas seccionadoras; isto é.
h·ansformador ou gerador continua a existir e, com o fechamento do as secc ionadoras só poderão ser abertas após a abertura do disjuntor. E no caso de
cantata 62X. o relé de tempo 62BF é ativado; tàlba do disjuntor, deve-se providenciar um esquema para a liberação da abertura
das seccionadoras do disjuntor tàlhado. Para essa liberação geralmente se ublizam
~ Transcorrido o tempo ajustado (geralmente de 150ms a 200ms) no re lé
os cantatas auxiliares do re lé de bloqueio 86BF.
de tempo 62BF o seu contato é fechado:
~ Com o fechamento do contato 62BF ativa-se o relé de bloqueio 86BF,
1.16 Tipos de Aterramentos dos Geradores Síncronos
que promove a seqüência programada de abertura dos disjuntores, de
modo a eliminar o defeito.
Quando o gerador síncrono tem um atenamento sólido a proteção
Note que o tempo ajustado no re lé 62BF é maior que o tempo de abertura di.ferencial 87 é adequada, mas quando o atenamento é feito com uma alta
do disj untor, isso para não interferir na operação normal do disj untor. impedância, essa proteção flca prejudicada. Por essa razão, as seguintes medidas
Salienta-se a não utilização de religamento automático para defeitos no complementares devem ser implementadas para assegurar a proteção para os
conjunto gerador e transformador. defeitos I CC l<lHerru que podem ocorrer:
Apenas para exemplificar, a figura 1.1 5.2 mostra uma usina com 3 lO no circuito tenllinal do gerador síncrono até as bobinas primárias do
unidades geradoras conectadas a uma barra, com 2 saídas de linhas de transmissão. transformador elevador;
Nesta usi na, supõe-se que haja um defeito no gerad or 1, que foi detectado pela
proteção, mas houve fa lba na abeltma do disjuntor 1. • nas espiras à carcaça, na bobina do estator.
Para a proteção contra falha à terra nas bobinas ou no circuito terminal do
gerador até os enro lamentos da bobina primária do transformador elevador, há
vários tipos de esquemas de proteção que dependem do tipo de aterramento
executado.
Os alerramentos da máquina síncrona podem ser:

a) Máquina síncrona solidamente aterrada

Neste caso, Z N = O. A figura 1.16.1 apresenta este caso.


B

~---------------. C

Figura 1.1 5.2 - Defeito no Gerador Síncrono 1, com Falha no Disjuntor 1


Como o disjuntor I falbou, o esquema de proteção de falha de disjuntor
deve providenciar a aberturas dos disjuntares 2, 3,4 e 5; nesse caso, toda a usina é
desligada. Por comando manual local ou remoto , a equipe de operação da usina A
deve providenciar a abeliura das seccionadoras do disjuntor 1 e, após, recompor a
normalidade ele operação do restante ela usina com o sistema elétrico. Geralmente, Figura 1.1 6.1 - Máquina Síncrona Solidamente Aterrada

I
44 Capitulo 1 Proteçào de Geradores Sincronos 45

b) Máquina síncrona aterrada por uma impedância B

A figura 1.16 .2 representa um gerador sineroDo atenado com uma c


impedância genérica Z N.

c Reatância

A
estator
Figura 1.16.4 - Máquina Síncrona Atenada por lima Reatância

e) Máquina síncrona aterrada por um transformador

A
A figura 1.16.5 mostra uma máquina síncrona ateu·ada através de um
transfonnador.
B
Figura 1.16.2 - Máquina Síncrona Aterrada por uma Impedância

c) Máquina síncrona aterrada por uma resistência c


A figura 1.16.3 mostra uma máquina síncrona atenada por uma resistência.

Rsecundário

A
)
F igura 1.16.3 - Máq uina Síncrona Aterrada por uma Resistência Transformador
de Distribuição
d) Máquina síncrona aterrada por uma reatância Figura 1.1 6.5 - Máqui na Síncrona Aterrada por um Transformador

A figura 1. 16.4 mostra uma máquina síncrona atenada através de uma O transfonnador utilizado é um transformador monofásico de distribuição.
) reatâneia. Este tipo de aterramento é idêntico ao do item c, apenas que a resistência efetiva
vista pelo atenamento do gerador é a que está colocada no sec un dário do
)

)
Capitu lo 1 Proteção de Geradores Sínc ron os 47
.+6

transformad o r de di stribuição, refl etida ao prim ário, cuj o valor é obtido pela Em qualq uer s istema e létrico se mpre há o efe ito da capac itância dos
ele mentos dos componentes entre si e em re lação à ca rcaça (terra). No sistema
expressão 1 .16. J .
aterrado a innuência dessas cap ac itâncias é desprezível e é desconsiderada. M as.

R = R primário = ( N
N
: J~ ( 1. 16. 1)
no sistema isolado a influencia das capacitânci as deve ser considerada. As
tCrr.J lllcn to R scc ull dario capacitânc ias existentes na m áquina síncrona podem ser, simbo licamente,
rep resentadas como indi cado na fig ura. 1.16 .8.
Portanto. quando OCOlTe um defeito I CCi<I>- terra' a resistenc ia efetiva do B

ateITamento tem o va lor dado pela expressão 1.1 6. 1. No mode lo de seqUênc ia zero c
a resistência efetiva do aterramento é multiplicada po r 3 .

t) Máquina Síncrona aterrada por um capacitor

o esquema de uma máqui.na síncrona aterr'ada por um capac itor está


represen tado na fi gura 1.1 6 .6.
,----------------------------s
A
~------------- c

l' IT ces'a'o,.'.""

Figura 1.16.8 - Capacitâncias da Máquina Síncrona


A Nesta figura as capacitân cias entre as bobinas do estator foram

"'~~I
representadas fonnando uma ligação em 6.. Mas, na modelagem utilizada para a
análise de defeito na máquina síncrona isol ada, a representação das capac itáncias
entre as bobinas do estator, em Y , é mais adequada. Essa representação esta
mostrada na fi gura 1.16.9.
Figura 1.1 6. 6 - Máquina Síncrona Aterrada por um Capac itor
B
g) Máquina síncrona isolada c
A figura 1.16.7 apresenta uma máquina síncrona isolada.

r-------------------------~B
~----------- C

A
Ce,ta,,,, .V l' T T l' I T ce""o,.,e",
Figura 1.16.9 - Capacitâncias da Máquina Síncrona
Figura 1.16.7 - Máquina Síncrona Isolada
48 Capítu lo I Proteção de Geradores Sincrono 49

h) Aterramento Ressonante R(J ---7 é a resistt:mcia de seqüencia zero total do sistema elétrico até o ponto de
Neste caso. a máquina síncrona é aterrada por meIO de uma bobina defeito. Na resistência R o já está incluída a resistência 3R N do aterrame11lo.
especialmente proj etada. tal que enh'a em ressonância com a s capacitâncias
equivalentes estator-tena. Essa bobina recebe váli as denominações, uma delas é Sal ienta-se que, num sistema elétJi co. dependendo do local do defeito l ~­
bobina de Peterson. O esquema para a máquina síncrona com a bobina de tetTa, pode haver trechos atelTados e trechos isolados .
aterramento ressonante é o mesmo da figura 1.16.4. Uma classificação geral de sistemas de atenamento , com mais detal bes é
apresentada na tabela 1.17 .1.
1.17 Classificação do Sistema Aterrado
Relação entre os parâmetros das
O sistema elétrico pode ser aterrado através do neu tro da ligação do seqüências
gerador síncrono, podendo ser classificado com o: j c Cl Ip-lerra V f,seCC I$- terra
Classe do aterramento
Xo Ro Ro i c C3<p
"t> solidamente atenado; VraseRP
XI XI Xo
"t> com res istência;
Efeti vamen te 0-3 O- I > 0,60 s2
"t> com indutância;
Aterrados Muito
"t> com capacitância; efetivamente
0- 1 0-0,1 > 0,95 < 1,5
"t> atenamento ressonante. Baixa
0 - 10 ~2 < 0,25 < 2,5
Geralmente, sem muitos detalhes, a classificação dos sistemas elétricos Pouco resistência
atenados ou isolados é feita da seguinte forma:
Iso lados Baixa
3 - 10 O- I > 0,25 < 2,3
7 o sistema é considerado atenado quando X o s 3X I e R o < XI ' impedância
sendo que nessã condição a tensão fase à terra não ultrapassa a 38,5% Alta
de sobretensão em relação à sua tensão nominal durante o defeito l~­ > 100 S (- I ) < 0,01 s 2,73
resistência
tena;
Alta
7 S istema é considerado isolado quando X o > 3X I e R o~ XI' > 10 <2 < 0,25 s 2,73
Isolados impedância
sendo q ue nessa condição a tensão fase à tena ultrapassa a 38,5% de
sobretensão em relação à sua tensão nominal durante o defeito I ~­ Resistência
> 10 >2 < O,l O s 2,73
tena. e indutância
Note que: Ressonante < 0,01 ::; 2,73
XI ---7 é a reatância de seqüência positiva total do sistema elétrico até o ponto de Isolados < - 40 < 0,08 s3
defeito; capacitivos - 40 aO > 0,08 >3
X o ---7 é a reatância de seqüência zero total do sistema elétrico até o ponto de Tabela 1.17.1 - Classificação dos Sistemas de AteITamentos
)
defeito . Na reatância X o já está incluída a reatância 3X N do ateITamento;
)

)
Capítulo I Proteção de Geradores Síncronos 51
50

Xg
1.18 Defeito l<p-terra nos Terminais do Gerador Síncrono
+ _J\I\I\_-'
Representa-se, na figura 1.18.1 , o esquema contendo os elementos
Xg
necessários para a análise de defeitos 1~-t elTa nos tenninais do gerador síncrono.

Terminal

Figura 1.18.2 - Curto-circuito I <jl-terra nos Tenninais do Gerador Síncrono

Rg jX g
i" Rg jX g i" 3R N j3X ;-; Rg J'X g i :l U
I

Cestator.Y l' l' l' l' IT I

C est:tor.terr.

C2 Ca
+

V'O
Figura 1.8.1 - Representação Trifilar do Gerador Síncrono

Onde:

C estator ~ é a capacitância, por fase , na representação em Y das capacitâncias Fi gura l.l 8.3 - Modelos das Seqüênc ias Ligados em Série
existentes entre duas bobinas do estator do gerador síncrono; A capacitância de seqüência zero é:
Cestatar- terra ~ é a capacitância, por fase, da bobina do estator à carcaça (tena). C o == Cestator-tcIT<.1

. As capacitâncias da figura 1.18.1 são as mesmas representadas na figura As reatâncias capacitivas são
1.16.9.
A figura 1.18.2 mostra um curto-circuito 1~- tena na fase "a", no terminal
do gerador síncrono operando a vazio, com tensão nominal.
Para esse tipo de cUlto-circuito os modelos de seqüência são ligados em 1
X co :=--
série, como mostra a figura 1.18.3. roCa 2rrfC a
As capacitâncias de seqüência positiva e negativa são iguais e são obtidas Do circuito da figura 1.18.3 tem-se
por:
. . . V
C l C 2 Cestator + C estator- terra I =1 = I = ai
L := :=
ai .2 aO 2 [(R g + jX g) II (- jX cl)]+[R g +3R N + j(X g +3X N )]II (- jX co)
( 1.1 8. 1)

;
52 Capítu lo I Proteção de Geradores Síncronos 53

A corrente verdadeira, que flui da fase "a" para a telTa. é dada por:
( 1.20.])
ia = Icc l<j> -,erra = iao + i al + ( 2 = 3i"1
Este tipo de sistema isolado pode ser feito com:
Analisando-se a expressão U 8.1, pode-se considerar as duas situações
extremas, apresentadas a seguir. çf> Aterramento resistivo:
çf> Aterramento indutivo;
1.19 Sistema Aterrado çf> AteITamento capacitivo:

No sistema aterrado a reatância capacttIva apresenta um valor muito çf> Aterramento por uma impedância ZN = RN + jX N .
elevado e não influencia as impedânc ias equivalentes de seqüência positiva,
negativa e zero. Assim, as correntes de seqüência são obtidas desconsiderando os Um dos problemas dos sistemas fortemente isolados é o transitório elevado
efeitos capacitivos; é são dada, genericamente, pela expressão 1.19.1. de tensão que surge devido a:

. . . V ® abertura e fechamento de disjuntores;


Ial = I = Iao
a2
= 2(R +
g j X g) + [R g +a~RN + j(X g + 3X N)] (1.19. 1)
® disrupção de arcos elétricos;
Pela expressão l.1 9. 1 pode-se considerar os sistemas aterrados de acordo ® atuação de pára-raios;
com sua classe (tabela 1.17. 1), que são:
® defeitos no sistema;
"t- Solidamente atelTados, onde R N =O e XN = O. ® abertura de fases;
"t- Aterrados com resistência, onde X N = O. ® ferro-ressonância ;
"t- Aterrados com reatância, onde R N = O. ® descargas parciais.
Esses transitórios produzem desgastes na isolação e, geralmente, fazem
Nesses tipos de sistemas as correntes de cmto-circuito são elevadas e podem surgir outros arcos elétricos que geram novos transitórios de tensão, com valores
comprometer a integridade dos componentes da instalação. ainda mais elevados, danificando a isolação. A isolação fragi lizada coloca em ri sco
o sistema de geração, porque um defeito de grande porte pode ocorrer, causando o
1.20 Sistema Isolado desligamento do sistema.
Pode-se, assim, fazer uma análise extremista, comparando-se o surgimento
o sistema fortemente isolado tem o seu aterramento efetuado por uma alta dos transitórios de tensão nos sistemas fOlt emente aterrados e nos sistemas
impedância. Neste caso, ZN = R N + jX N tem um valor comparável ao valor da fortemente isolados. No sistema aterrado os transitórios de tensão gerados são
reatância capacitiva da seqüência positiva e zero. Portanto, o efeito capacitivo menores e mais referenciados à terra; e, por isso, diz-se que este sistema "segura"
) natural dos componentes da instalação do gerador síncrono não pode ser (mantém) a tensão. Já nos sistemas fOliemente isolados, qualquer arco elétrico
desconsiderado. Mas, pode-se desprezar os parâmetros série, resistivo e indutivo, gerado cria transitórios elevados de tensão, que provoca a reignição do próprio arco
)
da bobina do estator do gerador síncrono, que são muito pequenos. Assim, a ou geram novos arcos elétricos. Em conseqüência, surgem, sucessivamente , novos
expressão 1.18.1 se toma transitórios de tensão, cada vez mais elevados, até danificar (romper) a isolação.
POltanto, diz-se que o sistema fOliemente isolado não "segura" a tensão.
)

)
)
54 Capítul o I Proteçào de Gerador es Sí ncronos 55

o problema de tensões elevadas é uma carac terística de s istemas Nesse caso, a expressão 1. 18. 1 fic a sendo a exp ressão 1.2 1.1.
fo rtemenle iso lados, mas na realidade o sistema tem algum aterra mento e pode-se
observar q ue, com :1 melhoria da qu alidade do aterram ento, os va lores dos i = i ,=i = V ai
v
= _ '_ Va 1_
I ___ (J.2 1.1 )
t3R ) // (- J'X co ) )
transitórios de tensões diminuem. Essa cons ideração será analisada com mais
ai L aO
\ 1\ 3R jX L V
detalhes na seção seguinte . A conente de curto-circuito 1<I> - terra é dada por:
Outro prob lema do si stema isolado é que, na ocorrência do primeiro defeito
1~ -teLTa, há uma elevação na tensão das fases não envolvidas no defei to (ver figma i = 3i = 3Val
CC I,p-,em ai ('R) / / (_ 'X )
1.2 1.3), aumentando o gradiente de potencial na isolação das fases sãs com a .J N J Cu
carcaça (terra). Esse aumento pode acelerar os danos e facilitar o smgimento de i - Vai _ 3Va 1
novos arcos elétricos nos pontos mais fragilizados da isolação. Sendo esse um dos CC1.p- ,errn - RN jX ( 1.21.2)
motivos pelo qual as tensões dos geradores síncronos de sistemas isolados não co
elevem ser muito altas. A primeira parcela da expressão l.21.2 é a conente que ílui (sobe) através
De um modo gera! o nível dos transitórios de tensão depende da relação do ateITamento resistivo; e a segunda parcela é a COITente que passa no atelTamento
fictício das capacitâncias do estator à terra (ver figura 1.21.2).

Geralmente, nesse tipo de sistema, as COITentes elétricas de defeito são


menores que 50A, mas os va lores mais comuns vão de até 25A.

1.21 Sistema Aterrado com Resistência

Este caso é apresentado na figma 1.1 8.2, onde o aterramento é efetuado


somente pela resistência R N . O circuito de seqüência, para o defeito 1~-terra da
figura 1.1 8.3, é o circuito simplificado que está apresentado na figura 1.2 1.1.
TTT ~ C estator-Ierra

ico.l

Figura 1.21 .2 - Distribuição das Correntes do Defeito 1!j>-terra

A conente que sobe no ateITamento do gerador é dada pela expressão


1.21.3.

i N -- Vai
(1.21.3)
RN
A COlTente que sobe no ateITamento das capacitâncias fictícias é dada pela
expressão 1.21.4.
Figura 1.21. 1 - Circuito Simplificado para o Sistema Aterrado com uma Elevada · _ j 3Val
l co - (1.21.4)
Resistêocia RN X co
56 Capítulo 1 Proteção de Geradores Síncrono 57

Note que a sQll1a das COlTentes nos capacitores fictíc ia fori1ece De acordo com esta figura pode-se observar que a corrente Toe está
(U= i"h+ jae ( 1.21.5 ) adiantada de 90° em relação a tensão Va, . O mesmo ocorre para a corrente i a!> ' que
Na operação normal do gerador, isto é, antes da ocolTência do defeito, as está adiamada de 90° em re lação a tensão Vah . Portanto. cons iderando a expressão
tensões Llas fases mantêm o ponto neutro no mesmo potencial da teITa, confOlme 1.21.5 e a figura 1.21.4, conclui-se que
ilustrado na figura 1.2 1.3.
( 1.11.6)

. o
i _ Ico L 30
ab - -!3 ( 1.11.7)

N =terra Com a introdução da resistência R N' no atenamento do gerador síncrono,


) Va =terra
terra
verifica-se que o nível dos transitórios de tensão depende da relação X co Esta
V, 3R N
Figura 1.21.3 - Referência à Terra relação está apresentada na figma 1.21.5.

Na ocolTência do defeito lep-telTa, na fase "a", o seu potencial fica idênti co __V-,-,T"""ns",;"""",,--_ % 400
ao da terra (ver figura 1.21.3). Portanto, pode-se observar que a tensão na V Pico da Tensào Nominnl \
res istência RN é idêntica a tensão de fase do gerador síncrono. Velifica-se, também,
que há uma sobretensão aplicada na isolação das fases sãs de -!3v rase ' Essa é a
300 "-í '........
mesma tensão aplicada nas capacitâncias do estator à carcaça, que são
desequilibradas, gerando .caminhos para as correntes de seqüência zero, como 200
mostra a figura 1.21.2.
As tensões aplicadas nas fases capacitivas geram as correntes mostradas na 100
figura '1.2 1.4. 0.5 1.0 1.5 2.0

Figura 1.21.5 - Valores do Transitório de Tensão em Função de R N

Verifica-se, na figura 1.21.5 que, para valores de R N que satisfazem a


) inequação 1.21.8, os transitórios existentes na instalação ficam limitados a valores
de até 250% dos valores de pico da tensão nominal do gerador síncrono.
terra
X co 2 1 (1.21.8)
3R N
N este nível de transitórios de tensão não se consegue reacender e nem
)
gerar novos arcos elétricos no sistema, evitando-se danos na isolação.
Figura J .2 1.4 - Con'entes nas Capacitâncias
)

)
58 Capítulo 1 Proteçào de Geradores SíncTOl1os . 59

Além da caracterí stica anterior, procura-se efetu ar um atelTamento com Gerador Síncrono Tral1stonnadM

UI resistência R N que satisfaz a inequação na igualdade; assim


-----,rr---''--''~'---, ~Olm''--+---I O

t-"__ 01 ~:
c
( 1.21.9l ~"----I

I ::J

t-"Olm''--~--I~
Essa consideração aufere ao sistema elétrico aterrado com uma resistência
R N elevada as segu intes van tagens:

© Diminui o deslocamento do neutro ;


© limita as sobretensões transitórias a valores seguros;
© Reduz a excitação nos TPs;
© Reduz a possibilidade de ferro-ressonância, que pode aCOITeI entre as Figura 1.2 1.6 - Transformador ele Distribuição no AteITamento elo Gerador Sínc rono
capacitâncias naturais e as indutâncias dos equipamentos (TCs, TPs, Onde:
transformadores e bobinas do gerador) da instalação;
Ns ~ é o número de espiras do enrolamento secundário do transformador de
© Reduz a possibilidade de inversão do neutro;
distribuição;
© Produz sensibilidade para a operação dos relés para defeitos l~-telTa,
exceto para defeitos na bobina do estator, próximos ao neutro do Np ~ é o número de espIras do enrolamento Plimáno do transformador de
gerador sincrono. Os relés podem ser utilizados para alarme e/ou distribuição;

I,
abertura do disjuntor;
V NS ~ é a tensão nominal do secundário do transformador de distribuição;
© Limita as cOlTentes de defeito l~-telTa no sistema para valores de até
20A. V NP ~ é a tensão nominal do primário do transfonnador de distribuição.
A desvantagem desta prática é a utilização de uma resistência de valor A resistência Rs tem um valor bem baixo e está submetida ao mesmo níve l
I
I
elevado, projetada para atuar no mesmo nível da tensão nominal do gerador
síncrono.
da tensão secundária do transformador de distribuição .
A corrente de defeito, que passa no secundário do transformador de
Para contornar o problema da alta resistência, diretamente conectada no distribuição, é
neutro do gerador síncrono, pode-se utilizar um transfonnador de distribuição com
o emolamento primário diretamente conectado nesse neutro e a telTa, com uma
resistência de pequeno valor conectada no seu secundário, confolTlle apresentado
i == (~)t
S N
S
= (VNP)i
V N
NS N

na figura 1.21.6.
O transformador de distribuição deve ser dimensionado para suportar a
A resistência Rs, a ser conectada no secundário do transfolTllador de conente de curto-circuito l~-telTa nos terminais do gerador síncrono, dmante o
distribuição, deve ser tal que tenha o mesmo efeito da Tesistência de terra RN ligada tempo de abertma do disjuntor. A potência aparente do transformador é igual à
no neutro do gerador síncrono. Seu valor é dado por potência dissipada no resistor de aterramento; isto é

Rs =(N s )2
R ==(VVNS )2 R (1.21. 10) ( 1.21. 11)
N N N
P NP
60 Capítulo I Proteção de Ge radores Síncro nos 61

Po rtamo, o val or nominal d a potência apar ente do trans fomlador de o esq uema do resistor de ateiTamento com o transformador de distrib uiçào
di stribuição depende do tempo em que o transformador tlca exposto à sobrecarga é muito utilizado nas us inas gera doras, pri ncipalmente onde o gerador síncro no está
do curto-circuito. A suporta bilidade do transformador de distribui ção, com respeito acoplado a um trànsformador elev:l dor.
à sobrecarga, está relacionada aos efeitos térmico e eletromagnético. A sobrecarga
A seguir apresenta-se um exemplo comp leto da utilizacào do
no -transformador de distribuição, por um período cmto de tempo, é dada pe la
tranSfOlmador de distribuição no a terramento de tuna unidade geradora .
tabela 1.2 1.1 [51 ], ou mais precisamente pelo grátlco da tlgura 1.21.7 .
E xemplo 1.21.1: Um gerador sincrono opera numa usina confo rme o esquema
Múltip lo da Potência apresentado no diagrama unifilar da figura 1.21.8.
Duração da Sobrecarga Nom ina l do
J ranSfOnllador

lOs 10,5
I
60s 4,7
I
10min 2,6
I
30min 1,9
I
2h 1,4 Figura 1.21.8 - Diagrama Unifilar
I Os parâmetros dos equipamentos da instalação são:
Tabela 1.21.1 - Fatar de Sobrecarga Permissível por um Curto Período Tempo do
~ Gerador síncrono (G): 100MVA, 13,8kV, 60Hz, X d = X 2 = 0,16pu, X o
Transformador de Distribuição Conectado no Neutro do Gerador Sincrono
= 0,1 Opu, 0,30).lF/fase-teiTa;

, ~ T ransformador principal (TI): 100MVA, 13,8/230kV, Xl = O, l Opu,


0,08IlF/fase-terra no lado ~;
. , ,
, I
I
~ T ransfonnador de serviço auxiliar (TSA) : 4SkVA, 13,8kV!240V,
, I
O,009).lF/fase-terra no lado de AI;
0 ,o I Se~un.dos . •1
) I
~•

'::J
·
7 ~ TP: O,OOIIlF/fase-terra;
)

)
~
·
3
Minv.lQs
,
~

~
Pára-raios (cubículo de surto): 0,2IlF/fase-terra;
Cabos da instalação no nível de 13,8kV: O,Ol IlF/fase-terra.
,
Z l A
II II
~'7.to ~ 10 .JO ..a;)!I060 Kl1OQ
O gerador síncrono está com suas características nominais e opera sem
Tempo carga.

Figura 1.2 1.7 - Fator de Sobrecarga versus Tempo da Sobrecarga a) Calcular a corrente para um curto-circuito 3<1> na barra A.

As tensões secundárias do transformador de distribuição, mais utilizadas, 1


são de 120V e 240V. IcC301> = - - = 6,25pu
0,16
)
)

I
62 Capítul o I proteção de Geradores Síncronos 63

100M A reatância capacitiva total é


-,f3=3-.j-3-,8-k =4183,6A
1 1 _____ = 4420.97 n
X co = - - = - - -
ú),C u 2nfCo 2n x 60 x 0,611 fase
1("(" 3$ = 6,25 x 4183,6 = 26,15kA
Considerando 6.5 .9, tem-se
Curtos-circuitos 3<p iêm correntes elevadas, porém a ocorrê ncia desse tipo
de defeito é rara.
b) Calcular a corrente para um curto-circuito l ~-terra na barra A,
R = X co = 4420,97
considerando aterramento sólido no gerador síncrono.
N 3 3
I = 3 _
CC I ~-lerrn 0,16+ 0,16+0,10 -7,143pu = 1473,65 60

d) P ara o caso do item c, calcular as correntes que fluem da instalação para


I CC 'lp-;erra = 29,9kA
um defeito l q,-ter ra na bar ra A.
. A c~rrente de curto-circuito I ~-teITa é elevada, porque o neutro do gerador
Transformando RN e X co em pu, tem-se
smcrono esta so lidamente atelTado e sua reatância Íl1tem a é muito baixa.
c) Calcular a resistência RN que se deve conectar no neutro, na ligação Y do
gerador síncrono, de modo que tenha o mesmo efeito da r eatância
z = V~ase = (1 3,8k y = 1 9044Q
Base S 100M '
Base
capacitiva à terra da instalação.
A tabela 1.2 1.2 apresenta as capacitâncias fase à terra dos elementos da x = 4420,97 = 2321 45 u
instalação do gerador síncrono. co 19044
, ' P
Capacitâ ncias
Com ponentes R = 1473,656
~lFlfase - te ITa N 1,9044
,., rador síncro no 0,3 0
RN = 773,82pu
I Transformador 0,08
Note-se que os valores anteriores, em pu, são muitas vezes maiores que os
I Transformador valores característicos dos equipamentos. Desse modo, os valores característicos
0,009
auxiliar dos equipamentos são desconsiderados. Portanto, para esse tipo de curto-circu ito
TP 0,00 1 1~-terra, os 3 modelos de seqüência são conectados em série, mas o único que
limita a corrente de curto-circuito é o da seqüência zero, conforme apresentado na
Pára-raios 0,20 figura 1.21.9.
Cabos 0,01 As correntes de seqüência são
Total 0,60 . 1L Oo
IRO = = 430,76 I1pu = 1,8A
Tabela 1.2 1.2 - Capac itânc ias Naturais dos Componentes da Insta lação 2321,45
64 Capítu lo I Proteçào de Geradores Síncronos 65

iR ico
3R 2321,45pu -j2321,45pu
i a l = 1.1 = t ao
ii" = 3.1 17L6 0uA
5,4A
a
TO
W R s = 0,44570 O 7.636L45° A
Figura 1.2 1.9 - Circui to de Seqüência para o ClU·to-circuito l ~-telTa 3 10,5 A 0,6!1F L-...+--1'
)
. lL Oo
! 5,4 L90o A
I ro =. ~ = j430,76 ~lpU = 1,8L900A
- J 2321,4) Figura 1.2 1.10 - Correntes na Instalação para o Defei to 1$-ten'a na Ban'a A
. o
i = llerra das capacitãncias L 3 O
ab .J3
i ao = i al = i a2 = 1,8 + j1,8 = 2,5455 L 45° A
A conente que sobe no atenamento do gerador síncrono é
e) Dimensionar o transformador monofásico de distribuição que deverá ser
i terra do Gerador = 3i Ro = 3 X 1,8 = 5,4A usado como um transformador de aterramento (figura 1.21.11), de modo
que uma resistência colocada no seu secundário tenha o mesmo efeito da
A conente que sobe no atenamento das capacitâncias nahlrais da
resistência de terra do item c. O transformador de distribuição deverá
instalação à terra é
suportar, sem problemas, o defeito l~-terra por um tempo de IOmin.
i terra das Capacitãncias = 3ic o = 3 X 1,8L 900 = 5,4 L 900 A A T1 B

~~-+--<H
A conente que sai da fase "a" para a terra é a própria corrente de curto-
circuito 1~-terra, isto é
.. °
=
I cc l.p-terra 31. 0 = 3 X 2,5455 L 45 = 7 ,636L 45° A
~~
A figura 1.21.10 apresenta a distribuição das correntes durante a falta.
)
As correntes nas fases capacitivas são calculadas com auxílio das
) expressões 1.21.6 e 1.21.7; isto é Figura 1.2 1.11 - Transfonnador de AtelTamento
)
i = i terra das capacitàneias L - 30° 5,4L 900 X 1L - 30° Confonne explicado anterionnente, na consideração da figura 1.21 .3, a
) ae .J3 .J3 tensão no primário do transformador de atenamento pode ter o mesmo valor da
tensão de fase do gerador síncrono ; mas, para considerar todos os tipos de defeitos,
i ac = 3,117 L60 0 A
)

)
66 Capítulo I Proteção de Geradores Síncronos 67

utiliza-se a tensão de linha do gerador sincrono, isto é, 13 ,8kY. POIianto , a relação


V~ = Rs1s
de transfo rmação aclotada deve ser de 13,8kV/240V.
Durante o curto-circuito I ~-terra, a potência aparente no resistor de I = 138°°1 = 13 800 x5
s 240 Ima do Gerador 240 ,4
aterramen to é a sua própria potência ativa, que vale
Is = 31 0,5A
Scurto-circuito == RN I"~c:rr~ do G erador
2 V s = 0,4457 X 310,5
S C_rlo- cin:uito = 1473,656x5,4 = 42,97 1kVA
o valor nominal da potência do transfonnador de distribuição vai depender Vs = 13 8,39Volts
do tempo da sobrecarga de lOnrin, con siderada nesse exemplo. POlianto, pela
tabela 1.21.1. o fator de sobrecarga é de 2,6. Assim, POlianto, para um defeito 1~-telTa em qualquer ponto da instalação na
saída do gerador síncrono, a tensão no secundálio do res istor terá sempre o mesmo
s No mina l -
- S ClIfto-c irc ui W
26
42,97 valor. Assim, basta então utilizar uma proteção de sobretensão (59) com um ajuste
, 2,6 inferior a este valor. Por exemplo, ajuste de 60 Volts . Como esse defeito ocorre
co m pequena corrente de curto-circuito, pode-se temporizar o relé de so brete nsão
. ai = 16,53 KVA III 59. .

h) Calcular a corrente de fuga ao solo, pelas capacitâncias naturais da


Deve-se escolher o transformador de ateuamento próx.imo dessa potência
instalação do gerador sÍnCl"ono operando em regime permanente.
nominal.
1) Dimensionar a resistência a ser colocada no secundário do transformador I 13,8k =18~
de aterramento de modo que tenha o mesmo efeito da resistência de terra FlIga = -fj x 4420,77 ' fas e
do item c.
As correntes naturais de fuga, pelas capacitâncias, na operação nonnal do
Neste caso, basta transferir a resistência do primário para o secundário, isto sistema, são :
é . o . o
IA = 1,8L:90 A Ic = 1,8L: -150 A
R = ( 240 ) 21473656 A figura 1.2 1.1 2 mostra o diagrama fasorial das 3 correntes de fuga e a
s 13800 '
figura 1.2 1.1 3 mostra as correntes nas capacitâncias.

II R s =0,44570 II
Verifica-se que o pequeno valor da resistência no secundário produz o
mesmo efeito da alta resistência colocada no plimálio, o que é uma das vantagens
dessa prática.
g) Calcular o valor da tensão na resistência do secundário, para o defeito 1~­
terra na barra A.
FigLlra 1.21.12 - Diagrama Fasorial
Este valor é
68 Capítul o 1 Proteção de Geradores Sincrono5 69

c b a As con-entes nas capacitâncias estão apresentadas na figura 1.21.1 O.

Exercício proposto 1.21.1: U III sistema elétrico é re presentado pelo diagrama


uni filar da figura J .21.15.
A T B
: ,•... ---_'
Sistema ".

't--H
~--.---.--....--_t___< , : Elélrico':

~ 11 -.-. . ----.. '


( Equivalente':

Figura 1.21.13 - Correntes nas Capacitâncias


A corrente de seqüência zero, na capacitância, é
) . o Figura 1.21. 15 - Diagrama Un ifilar
Ieo = 1,8L90 A
Gerador síncrono: 160MVA, 18kV, 60Hz, Xd = X2 = 0,2 1pu, Xo = O,lOpu,
As COITentes de seqüência nas capacitâncias estão apresentadas na figura 0,24 flF ffase-terra;
l.21.14.
Transformador principal: 160MVA, 18/345kV, XT = O,15 pu, O,03flF/fase-terra
c b a no lado f':.. e O,012flF/fase entre AT e BT;
Transformador auxiliai": 15MVA, 18kV1240V, O , 004~lF/fase-terra no lado
deAT;
TP: O,0005flFffase·tena;
Pára-I"aios: 0,25flF/fase-terra;
Cabos: da instalação no nível de 18kV: O,004flF/fase-teITa;
Sistema elétrico equivalente: lOOMV A, 345kV, XI = Xz = 4%, Xo = 12%;
Figura 1.21 .14 - Correntes de Seqüência nas Capacitâncias Transformador de distribuição: 18kV/240V.
As correntes verdadeiras [5] são obtidas por
a) Calcular a COlTente de curto-circuito 3<1> na Barra A
i Verdadeiras = i RP + i Defe ito sem carga (1.2 1.1 O) Resposta: 48,6kA
POltanto, pelas figuras 1.21.12 e 1.21.13, pode-se fazer b) Calcular a corrente no gerador síncrono, para um curto-circuito 3<1> na Barra
. . . o o A.
) I A(verdadeira) = I co - IA + = 1,8L90 -1,8L:90 = O
Resposta: 24,67kA
) . . . o o o
IB (verdadeira) = Ieo - I B + = 1,8L:90 -1,8L: - 30 = 3,117 L120 A c) Calcular a resistência elétrica a ser conectada no secundário do
) transformador de distribuição, de modo que a resistência equivalente no
. . . o o o
I C(verdadeirn) = I eo - Ic + = 1,8L:90 -1,8L: - 150 = 3,117 L:60 A
)
70 Capítu lo I Proteçâo de Gerad ores Síncro nos 71

atelTalTlento do gerador s íncrono teru1a o mesmo va lor da rea tânc ia pro teção 59 deve ser maior que a te nsão obtida para o defeito 1~ -terra na barra de
capac it iva da insta laçào. alta tensão e me no r que a te nsão obtida para o defeito I ~- te rra na ban a de ba ixa
tensão. No caso do esquema da fi gura 1.2 1.15, o aj uste da proteção 59, deve ser
Resposta: 0,2974.0

d) Para um curto-circuito l ~-te lTa na ban'a A, ca lc ul ar a corrente elétrica q ue V B<llTi:! d~ A lta < V r\j uste do Se) < V Barra dt: Bai~::I
sobe no aterrame nto do gerador síncrono .
11,S4V < V f\j usled059 < 138,S lV
Resp osta: 6,21A
e) Para um cUlto-circulto l ~-tena na barra A , calcular a corrente elétrica que V Ajuste da 59 = 60V
sobe na capacitância da fase "sã" .
Resposta: 3,585A 1.22 Sistema Aterrado com Resistência no Enrolamento t:.. do
t) Para um curto-circ uito ] ~- te rra na ban a A, calcular a tensão elétrica na Transformador de Aterramento
resistência secundária.
R esposta : 13 8,51V Nas máquinas síncronas que operam iso ladas ou sâo aterradas com uma
impedância elevada, os defei tos mo nofásicos à terra não provocam CUlt o-circuito
g) Dimensionar o transformador de distribuição, de modo a sup ortar o curto- ou as COITentes são muito baixas, prejudicando a sensibilidade das proteções de
circuito l~-terra na bana A, por 5min. sobrecon·ente. Um esquema de proteção adequado para este caso é apresentado na
R esposta: 21 ,5kVA fi gura 1.22 .1.
Transformador

I
h) Calcular a corrente de fuga ao solo, pelas capacitâncias naturais da
instalação do gerador síncrono, operando em regime permanente.
Resposta: 2,07A (9- 1,----<][ ..
'fI ~
i) Qual o valor da tensão na fase " sã", em relação à terra, para um cmto-
circuito l~-ten'a na balTa A .
G
TPs T I\=- D.

~
Resposta: 18kV

j) Qual a corrente de CUlto-circuito l~-terra na barra B.


Figura 1.22.1 - Proteção de Gerador Síncrono Iso lado
Resposta : 2879,89A
O diagrama trifilar deste esquema é apresentado na figura 1.22.2.
k) Para o curto-circuito 1~-terra na barra B, utilizando a capacitância de
acoplamento entre as fases ATe BT do transformador principal, Esse esquema é mais utilizado em geradores síncronos isolados, que
determinar a tensão elétrica no relé 59, isto é, a tensão sobre a resistência operam em paralelo, conectados a um tranSf0TI11ador elevador. Esse tipo de ligação
Rs. apresenta uma conexão à terra através do transformador de atertamento ligado em
Resposta: ll ,54V Y - l!., onde os enrolamentos do l!. estão conectados a uma resistência Rs. POltanto,
o efeito desta resistência, no modelo de seqüência zero, é o mostrado na fi gura
Observação: Nesse tipo de sistema, aterrado com alta resistência, o defeito l~-terra 1.22.3.
no lado de AT do transformador principal foi detectado pela proteção 59 (função
64S), conectada em paralelo com a resistência Rs. Portanto, o ajuste de tensão da

Capitulo I Proteçâo de Geradores Síncronos 73

Gerador Síncrono
T rnnsfonnadur As tensões nas bobinas Plirnár ias dos TPs sào:
Va = O

l ____ _
V( V. \Ic =\1ca
V"
Ligado em !';. Portanto, supondo q ue as tensões já estão referidas ao secundário dos TPs,
ou em Y não tem-se
aterrado
Vrelé59 = 3\1ao = V. + \lb + Vc = \lba + Voa
Pelo diagrama fasarial da figura l.22.4, obtém-se
Rs
. r;::; o
Vrelé59 = 2,,3VLl'< cos30
59

Função 64 Figura
Para as redes secundárias 3<1> de 220V ou 120V, usualmente utilizadas na
1.22.2 - Proteção de Tensão de Seqüência Zero no Gerador Síncrono Isolado subestações, a relação do TP pode ser de:
• • ~ Sistema 3<1> de 220V: relação de V LN/ l27V;
~ Sistema 3<1> de 120V: relação de V LN/69,3Y.
Rs <====> O valor da resistência Rs deve ser dimensionado para se ter a mesma
reatância capacitiva da instalação elétrica, mas como é dificil e imprecisa a
obtenção desses valores, pode-se fazer a adoção da tabela 1.22.l , cujos valores
foram resultados de experiência prática.
Figura 1.22 .3 - Transformador de Aterramento com Res istência dentro do.ó. e o seu
Modelo de Seqüência Zero
Tensão nominal Relação de
I Res istência Rs
I
)

}
Nesse esquema de ligação, com 3 TPs conectados em Y - f:,. aberto, pode-
se veriftcar, por exemplo, que se o defe ito l <l> -teu a ocoue na fase "a", o diagrama
fasorial das tensões é o mostrado na figura 1.22.4.
do sistema

2,4kV
transformação

2400/1 20
8 25 0.0
Potência em Rs para
o defeito l ~-terra no
sistema

17SW
I
4,16kV 4200/120 125.0 3S0W
I
} 7,2kV 7200/1 20 8S.o S10W
I
)
13,8 kV 13800/120 S10W
) .S v, =terra
8S.o
I
Tabela 1.22. 1 - Valores TípiCOS de Rs
) Figm a 1.22.4 - Di agrama Fasorial das Tensões Submetidas aos TPs

)
7-1 Capítulo I Proteção de Gerad ores Síncronos 75

Exemplo 1.22.1: A instalação do gerador síncrono é a mesma do exemplo 1.21.1, í RO = 1,8A, Conseqüentemente, as COlTentes secundári as ào todos Iguai s e sào
mas o aterramento é feito p - r um transformador Y - 11, com resistência secundária
dadas por
Rs dentro do 11, O transformador de ateITamento é constituído por 3 unidades
monofásicas com relação de transformação de 13,8kV / IlOV.
a) Calcular o valor da resistência Rs a ser colocado dentro do 11; isto é, no
secundário do transfOl'mador de aterramento, para que seu efeito no primário
seja equivalente à reatância capacitiva da instalação do gerador síncrono. Iso = 207 A
o . d) Calcular a tensão elétrica imposta na resistência Rs, durante a ocorrência
Considerando que X co = 4420,97 - - ; e, pelo modelo de seqüêncla zero do defeito l<jl-terra na barra A.
fase
da fi gura 1.22 .3 , tem-se que VS = 3Vo = R si so = 1,002 x 207
R S ( 1l0 primáriol - X
3 - co Vs = 207,41V
Portanto, deve-se ajustar a proteção 59, que está fazendo a fu nçào 64, em
R S(no primorio) = 3 x 4420,97 = 13262,910
um valor bem abaixo do valor calculado. Geralmente, ajusta -se o a proteção 59
para o valor de 1/3 da tensão calcu lada . Assim, o ajuste é
R S( nOprim:íri o) = 13262,910
V 207,41
' ndo a reSI'steAnCl'a R Seno primil rio) para o SeC1J11da' [' ['0, na unidade
Trans-C:el'J
LI VAjusle d059 =- = = 69,14V
3 3
monofásica, tem-se
e) Dimensionar as unidades monofásicas do transformador de aterramento, de

R s -
_(VNS)~
V R S( no primario)
=(~J21326291
13800 '
modo a suportar, sem problemas, o defeito l<jl-terra por um tempo de 5min.
NP Durante o curto-circuito l<jl-terra, as 3 unidades monofásicas devem suprir
a potência dissipada na resistência Rs. Assim,
R s = 1,0020
3S curto = RsI~o
b) Para um defeito l<jJ-terra na barra A, calcular a corrente elétrica que sobe
2
no aterramento do transformador de aterramento.
Scurto-circuito = 1,002 3X 207 = 14' 312kVA
Todas as correntes, para esse tipo de defeito, foram calcu ladas no exemplo
1.21.1. Portanto, a corrente que sobe no aterramento do transformador é a mesma
Pe la tabela 1.21,1, o fator de sobrecarga é 3. Assim,
que sobe pe lo aterramento do gerador síncrono do exemplo 6.5.1, isto é

I terra do Transformador = 3I Ro = 3 x 1,8 = 5,4A sNominal -- Scurto-circuito


3
14,312
---
3
c) Calcular a corrente elétrica que passa no secundário do transformador de
aterramento. SNomin al = 4,77 kVA I
Note que, no transformador de ateITamento, só passa a COITeilte de Deve-se escolher o transfonnador monofásico próx imo dessa potência
seqüência zero e, portanto, em cada fase, no primário, as correntes são iguais a nominal.
76 Capítulo I Proteção de Geradores Síncronos 77

t) Fazer o diagrama trililar, contendo todas as correntes do defeito l<l>-terra na Em regime de operação normal a tensão no secundário do TP é igual à
ban:a A. tensão de fase, isto é
O diagrama trifi lar está mostrado na figura 1.22.4. V re1é = VLNlnomm al1
b Para um defe ito I cjl-ten a, no sistema, pode ocorrer a seguinte situação:
c a) Defeito na fase "a"
1,8 A 1,8A
Nesse caso a tensão da fase vai a zero. Portanto, a tensão no relé é
i" = 3.1 17 60° A
Vre1é = O
a
b) Defeito na fase "b" ou "c"
iab= 3,1 17L 120' A 7,636L 45° A
Supondo defeito 1cjl-tena na fase "b", esta tensão cai a zero e o di agrama
fasorial de tensões é o mostrado na figura 1.23 .2.

207A V.
207,4 1V
+

N ./
..//Vab
Função 64
//
Figura 1.22.4 - Diagrama Trifil ar

1.23 TP Único te~ Vb =terra =O

Figura l.23.2 - Diagrama Fasorial de Tensões


Para alarme ou proteção de um sistema isolado pode-se utilizar um simples
TP, como indicado na figura 1.23.1.
Portanto, a tensão na proteção é

c Vre1é = V._ 1erra = V.b = .J3VLN (1.23.1)

Esse valor é o mesmo se o defeito for na fase " c".


b
Portanto, nesse esquema deve-se utilizar uma proteção de sobretensão e
a subtensão (59/27) com os seguintes ajustes:

Vrelé27 :s; (50 - 70)%VLN

VreléS9 ~ (120 - 140)%V LN

Figura 1.23. 1 - Simples TP


(

78 Capítulo I Proteçào de Geradores Síncronos 79


(
o inconven iente da adoção desse esquema, na proteção de sistema isolado, 1.24 Aterramento Ressonante
é a possibilidade de ocorrência de ferro-ressonância. quando a reatância capac itiva
(Xc) do sistema iso lado for igualou próx.ima da reatânci a de excitação (X cT ) do o atelTamento é ressonante qua ndo o reator instalado no neutro do gerador
TP . A equação que expressa o efeito de ferro-ressonânc ia na tensão ap licada no TP síncrono tem uma reatância que entra em ressonância com à reatância capacitiva da
é instalação. Nesse caso, examinando a figura 1.18.3, verifica-se que o trecho do (
.J3VLL modelo de seqüênc ia zero, apresenta, uma resul tante de impedância infinita.
V rc1é = 3 __
X
(_' (1.23.2) A impedância equi valente do parale lo, do h'echo de seqüência zero é
XeT infi nita e, portanto, o gerador síncrono está verdadeiramente isolado da terra.
Apenas como análise, supor a ocoITência dos seguintes casos: O reator, nessa si tuação, também é conhecido por '"Bobina de Peterson" ou
o sistema é dito "Sistema Neutrali zador de Defeito l~-tena" porque a corrente de
a) Situação extrema, em que X c = 3X eT ; teoricamente a teosão no re lé vai defeito à terra em qualquer loca l da instalação, é zero.
(
para o infinito, mas na realidade a saturação do TP limita este va lor.
Na prática essa corrente de defeito é muito pequena e não produz dano no
b) Se Xc = 2,5X eT , tem-se gerador, inclusive não consegue sustentar arcos elétricos que por ventura venham a
apaTecer. O reator tem lapS, que durante o defeito à tena podem ser ajustados até
V re1é = !,3VLL = 6VLN que a corrente seja zero .
.) - 2,5
O Teator é o mesmo do apresentado na figura 1.16.4, mas pode-se utilizar
A feno-ressonância causa os seguintes efeitos: um reator de menor valor com o emprego da in stalação via secundário de um
transfoTI11ador de distribu ição, como mostra a figura 1. 24.1.
® Saturação do TP;
® Distorção da onda de tensão;
® Inversão do neutro, fazendo a tensão no relé subir acentuadamente.
Para evitar a feiTo-ressonância , tão comum no sistema isolado, deve-se
instalar uma resistência Rs no secundário do TP, a qual deve ter valor elevado,
para neutralizar o surgimento de ferro-ressonância entre o sistema e o TP. A figura
1.23.3 apresenta a instalação do TP com a resistência Rs no secundário.
c .-- ... -----.

b ~ _ _ U=J Reatar

Figura 1.24.1 - Reatar no Secundário do Transfomlador de Distribuiçào


Quando o esquema de ateITamento ressonante é utilizado no sistema de
distribuição há a dificuldade em se estabeleeer à ressonância. Isto é devido à
característica própria deste sistema, de variar sua configuração pelas manobras de
Figura 1.23.3 - TP com a Resistência Rs
80 Capírulo 1 Proteção de Geradores Síncronos
( 81

chaves, ocasionando sempre con'entes nos defeitos à terra. Essa pequena COITente
pode ser detectada por uma proteção de sobrecorrente que aciona um alarme. Se o
alanne persistir. por exemplo, por 15 a 25s, procede-se o chaveamento, cUlio-
circuitando o reatar parcialmente ou totalmente. Assim, a corrente de defeito toma-
( se alta, provocando a atuação da proteção específica para esta situação.
50/51GS

1.25 Sistema Aterrado com Baixa Impedância

Nesse lipo de classe de atelTamento, com baixa impedância no defeito 1$-


( terra a corrente de curto-circuito é da ordem de 50 a 600A. Nessa faixa de COlTente
é possível reconhecer, mas não com precisão o local da ocorrência do defeito. O
( Figura l.25.1 - Reator de AteITamento no Gerador Síncrono
reconhecimento do local ou zona do defeüo é importante para caracterizar a
seletividade da proteção. b) Reator ou resistor conectado no neutro do transformador de aterramellto
Seletividade é a propriedade que os dispositivos da proteção têm de isolar Y -.6..
somente a área com defeito, de modo a deixar o menor número possível de
{ A figura 1.25.2 mostra um resistor conectado no neutro da estrela do
consumirores sem energia. Portanto, esta determinada área ou zona, do sistema
transformador de atenamento.
( elétrico, deve ser selecionada para a atuação de uma função de proteção específica.
Se, para um defeito numa zona selecionada, outra proteção atua, diz-se que houve
perda da seletividade. Geralmente a perda da seletividade ocorre devido a:
® Ajuste errado da proteção;
® Defeito no relé;
® Defeito no disjuntor;
® Atuação do religador de distribuição; que em sua operação normal,
para defeito no ramal após o elo fusível ou seccionalizador, produz
perda momentânea da seletividade.
50/51GS
Nos tipos de sistemas aterrados com baixa impedância tem-se COlTentes
diferentes de curto-circuito, sendo, assim, possível, mesmo sem muita precisão,
delinear os trechos com defeitos e assim selecionar as zonas para a atuação da 50/51GS
proteção, de modo instantâneo ou temporizado.
Nesse nível de COlTente de curto-circuito pode-se usar os seguintes tipos de
atenamento: Figura 1.25.2 - ResÍstor no Neutro do Transformador de Aterramento Y - /'o,.

a) Reator ou resistor conectado no neutro do gerador síncrono. c) Reator ou resisto r conectado no neutro do transformador de aterramento
zig-zag.
A figura 1.25.1 mostra um reator conectado no neutro da estrela do gerador
síncrono. A figura l.25.3 mostra um res istor conectado no neutro da estrela do
transformador de atelTamento em zig-zag.
(

82 Capítulo I Proteçào de Geradores Si ncronos


8'
c.)

a) Qu al a reatáncia equ ivalente do sistema, em pu, na base do transformador?


600M
S CUrlOIPU I = --- = 20pu
30M
I
Xs =S = 20 = 0,05pu
cun OlPU'

b) Qual o valor, em pu, da co .... ente de cur to-circuito 3~ na bana A ? (

1
l cc3~A = - - = 20pu
50/51GS 0,05 (

c) Qual a corrente de curto-circuito 3~ na ba r ra B? (

1
I CC3<f!B = = 6,666pu
0,05 + 0,1
Figura 1.25 .3 - Resistor no Neutro do Transformador Zig-Zag
30M
Essa, proteção de sobrecorrente, pode ser aplicada para a proteção de l base = h = 1255,lA
geradores síncronos, bem como para trechos de sistemas elétricos em que estejam ,,3 x 13,8k
instalados transformadores de aterramentos, como os mostrados nas figuras
anteriores. J CC3c~B = 6,666 x 1255,1 = 8367,3A
Essa proteção de sobrecorrente pode ser uma proteção complementar a d) Qual a con-ente de curto-circuito l <1>-terra na barra B, considerando que o
outras proteções. Por exemplo, a proteção de linha instalada no referido setor, Y do transformador está solidamente aterrado? ,
\
poderá ser instantânea ou temporizado (geralmente em 0,5s). Se a proteção de linha
Para esse curto-circuito os modelos de seqüência estão conectados em
falhar, então após 0,8s atua o relé 51GS (Ground Sensor) da proteção do série, como mostra a figura 1.25.5.
transformador do aterramento.

Exemplo 1.25.1: Dado o diagrama unifilar da figura 1.25.4.


lL900 = j (0,05 + 0,1 + 0,05 + 0,1 + O,l)ja'
B lL900 = jO,4i n,

/'si;;~~~'~:
(Elétrico:,
ATs-E r-------~--
\!=qUivale~~i.) Ia = 3 x 2,5 = 7,5pu = 9413,2A
~-ÕÕ-MV~ L.~ 1--------
e) Calcular o reato!" a ser conectado no aterramento da conexão Y, para que o
de Curto- 30MVA XR
circuito 138/13.8kV- curto-cil-cuito 14>-terra, na barra B, seja de 300A.
X= 10% O circuito é o mesmo da figura 1.25.5, com o reatar inseIido na seqüência
Figura 1.25.4 - Diagrama Unifilar zero, como mostra a figura 1.25 .6.
l
(

84 Capítulo 1 Proteção de Geradores Sí ncron os 85

i n = 31"1= 300A
(
jO.IO i" . 100
( i al = 100A 101 =-- pu
Seqüência Positiva
l has<

l L90 0 = j (0,4 + 3X) 100


lhas"

j 0,05 j 0,10 ia" x = 4,05pu = 4,05 (13,8k)2 = 25,71Q


Seqüência Negativa 30M
t) Substituir o reato r do item "e" por um resistor para que a corrente de
curto-circuito lq,-terra, na barra B, seja de 300A.
O circuito é o mesmo da figura 1.25.6, com a substituição do reator pelo
jX TO jO,IO i,o resistor. A corrente elétrica que passa por R tem um defasamento desconhecido e
Seqüência Zero pode ser representada por
(
i al = ( 2 = i ao = 100L a [A]
Figura l .25.5 - Modelos de Seqüência em Série . . . IOOLa
I al = Ia ' = 1nO = pu = 0,07967 La pu
- 1255,1
jO,IO . i IL900 = (jO,4 + 3R)0,07967 L a
Ia' =-::;-
Seqüência Positiva j 0
3R + '0 4 = IL 90
J , 0,07967 La
3R + jO,4 = 12,5517 L(90o - a)
jO,05 jO,10 i'2 (3R)1 +(0,4)2 =(12,5517)1
Seqüência Negativa R =4,181pu = 26,54Q
Observação: Como o valor do resistor R, no neutro, é muito superior ao da
impedância interna do gerador síncrono, pode-se obter, aproximadamente o seu
valor pelo emprego da expressão
jX TO
Seqüência Zero 13,8k = 26 55Q
.J3 x 300 '
Para o cálculo exato deve-se usar componentes de seqüência ou considerar
Figura 1.25.6 - Seqüência zero com o Reatar a queda de tensão na bobina do gerador síncrono.
(

86 Cap ítulo I Proteção de Geradores Síncronos 87

1.26 Sistema Aterrado 1.28 Proteção Diferencial da Máquina Síncrona com


Aterramento por uma Impedância
Confo nne definido no item 1.1 7 e na tabela 1.1 7.1 , as impedâncias de
seqUência do sistema atenado devem satisfazer as re lações Nesse caso, como a proteção diferencial tradicional começa a ser (
prejudicada, pode-se util izar uma variante da proteção diferencial, conhecida como
e proteção à ten'a restringida ou tena restrita, mostrada na figura 1.28. 1.

Nesses casos o neutro está ligado diretamente à terra ou aterrado por meio
de uma impedância de valor reduzido . Nesse tipo de sistema. as con'entes de curto-
circuito I ~-telTa, dependendo do local de defeito, podem ser elevadas e inclusive
superiores as COlTentes de curto-circuito tlifásica. O nível de curto-ciTcuito pode (
valiar, dependendo do local do defeito, cuja COITente de defeito depende:
Da configuração do sistema elétrico proj etado;
7-
r
7- Dos parâmetros dos equipamentos e componentes da instalação ;
7- Do local do defeito;
, .. 7- Da resistência de cantata no local do defeito.
Esse sistema aterrado é utilizado no sistema de transmissão,
subtransmissão e distribuição.

1.27 Proteção de Máquina Síncrona com Aterramento Sólido

Para os defeitos à carcaça, além da proteção diferencial 87, pode também


ser utilizado o esquema de proteção da figura 1.27.1.
8

c o
c:
§
.5
CIl
...
o
-o
e
d)
o

A
U
z
I- • -N
Figura 1.27.1 - Proteção Função 64
Figura 1.28 .1 - Proteção Diferencial de Terra Restringida
88 Capitul o I Proteção de Geradores Síncronos

1.29 Proteção de Máquina Síncrona pela 3 3 Harmônica 0/ Tensões de 3" hamlô ni ca positiva nos lerminais do gerador síncrono;
0/ Diminuição da tensão ele 3ª harmôni ca até o va lor zero. com inversão
Com a utilização da 3" harmônica é possivel a proteção de 100% dos do sinal na clireção do ne utro do enrolamento:
emolamentos do estator de um gerador síncrono. Verifica-se que quando a máquina
0/ No neutro há inversão da tensão de 3ª hannôllica.
síncrona opera sempre há a produção, ao longo do enrolamento da bobina do
estator, de tensão eléh'ica na freqüência de 180 Hertz, isto é, de 3ª- harmônica; e de Desde a operação a vazio até a plena carga, as tensões de 3" hannónica
outras componentes de menor importância. Salienta-se, ainda, que as componentes mantém o mesmo comportamento; apenas ocone um aumento no seu va lor.
de seqüênc ia zero e as ham1ônicas ímpares múltiplas de 3 estão todas em fase .
Portanto, essa característica justifica a freqüente utilização de transfonnador /). - Y b) GeradOl" síncrono com defeito à terra no neutro
como elemento de acoplamento com o sistema elétrico, porque as harmônicas
A fi gura 1.29.2 mostra o perfil da tensão da 3ª hannôn ica ao longo do
naturalmente geradas pelo gerador síncrono ficam confinadas no circuito primári o enrolamento do estator, para um defe ito monofásico à teLTa no neu tro do gerador
do transformador e não são injetadas no sistema e létrico . síncrono .
A seguir, anausa-se o comportamento do gerador síncrono em três
situações de operação:

a) Gerador Síncrono em operação normal

A operação nonnal do gerador síncrono compreende desde a operação a


vazio até a plena carga. A produção de tensão de 3ª harmônica (VJ H) em relação a
I Sem Carga
terra, ao longo de enrolamento do estator, é ilustrada na figura 1.29.1 .
100% p% espiras
f
Bobina do 7
Terminal da Bobina da
estator
Armadura
Figura 1.29.2 - Perfi l da Tensão da 3ª HarmôllÍca para Defeito no Neutro do Gerador
Síncrono

p% espiras Como o defeito à tena OCOLTeu no neutro, a tensão neste ponto é idêntica à
da tena, ou seja, tem o valor zero; e a componente V J H, ao longo do enrolamento,
Bobina do cresce em direção ao tenninal do gerador síncrono.
Terminal da Bobina da
estator
Armadura c) Gerador síncrono com defeito a terra no terminal
Figura 1.29.1 - Produção de Tensão de 3ª hannônica na Operação NOllnal A figura 1.29.3 mostra o perfil da tensão da 3ª harmônica (VJH) ao longo
Onde: do enrolamento do estator, para um defeito monofásico à terra no terminal do
gerador síncrono.
VJH ~ é a tensão da 3ª hannônica ao longo do enrolamento da bobina do estator
em relação à terra. Como o defeito à ten'a foi no tell11inal do gerador síncrono, a tensão VJ H,
neste ponto, é a mesma da tena e em direção ao neutro, decrescendo, com o valor
Ao longo do enrolamento do estator nota-se as seguintes situações: máximo negativo no neuh·o.
90 Capítu lo I Proteçào de Geradores Síncro nos 91

I I I I +

I Y
59 59GS R1 R2

!.
Bobina do
estator \ /\
"
/-~ ·.:"-:· -·r·~ · -:~:--:7~~r: --:~·=--:x=·-:,'"A.: -- ·-·-_
27
1
R1 I R2 i ( 86

Sem Carga
N~4++r~~~~~~----~
p% espi ras ·r
Figura 1.29 .5 - Esquema Funcional em DC da Proteçào de Subtensào da 3~ HarmônÍca no
Terminal da Bobina da
Armadura Neutro
No esquema da figura 1.29.5 as proteções 59GS e 27 estão sintonizadas na
Figura 1.29.3 - Perfi l da Tensão da 3ª Harmôn.ica, para Defeito no Terminal do
freqüência de 180Hz e o relé 59 é normal.
Gerador Síncrono
Na operação normal do gerador síncrono, isto é, na ausência de defeito. a
Portanto, com a utilização da medição da 3ª hamlônjca, no neutro e no
tensão reversa de 3ll harmônica no neutro mantém o relé de subtensão 27
terminal, é possível desenvolver técnicas de proteção contra defeitos monofásicos a
desoperado, isto é, o seu contato se mantém aberto.
ten·a em 100% do enrolamento do gerador síncrono. Com o emprego desta técnica,
desenvolveram-se vários esquemas de proteção. A seguir, ana li sam-se os defeitos monofás icos a tena na bobina do estator.
Um desses esquemas é o que utiliza, por exemplo, a subtensão de 3ª a) defeitos monofásicos a terra no trecho que vai de 10% a 100% do
hannônica no neutro, conforme ilustrado na figura 1.29.4. enrolamento do estator.
Gerador Síncrono T rans formador
Neste caso, de acordo com a figma 1.29.3, a tensão reversa de 3ª
harmônica, no neutro, é elevada, e ocorre a seguinte seqüência de operação:
• A proteção 59GS opera, fechando o seu contato 59GS;
• Com o fechamento do cantata 59GS, ativa-se o temporizador R2;
___ I • Transco rrido o tempo ajustado no tempori zador R2 o seu cantata é
fechado;
• Com o fechamento do contato do R2 , ativa-se o relé de bloqueio 86,
que providencia:
• Abertura do disjuntor principal;
• Abertura do disjuntor de campo;
Figura 1.29.4 - Subtensão da 3ª Harmôruca no Neutro
• Acionamento do fre io, para a parada do rotor da
O filtro passa-alto apresentado na figura 1.29.4 deixa passar a componente máquina síncrona;
na freqüência de 180Hz; isto é, a da 3a harmônica.
• Alanlle;
O esquema funcional em DC, dessa proteção, está mostrado na figura
1.29.5. • Se necessário, o possível disparo de COlo
92 Capítulo I Proteção de Geradores Sí ncronos 93

b) Defeitos monofásicos a terra no tr·echo que vai até 10% do enrolamento do


estator.

Neste caso, a tensão de Jª hannônica, no neutro, é nula ou muito próxima


de zero , e a tensão nos terminais do gerador síncrono se eleva ou se mantém
próxima da nominal , mas já o suficiente para operar o 59. A seqüência de atuação
da proteção se dá como segue:
• Com o decréscimo da tensão de 3ª hannônica, o 27 opera (por drop -
out), fechando o seu contato 27;
• A sobretensão ou a tensão nos terminais do gerador síncrono opera o
59, que fecha o seu contato 59;
• Com o fechamento dos contatos 27 e 59 ativa-se o temporizador R 1;
• Transconido o tempo ajustado no temporizador Rl ativa-se o relé 86, Filtro
que dispara e aciona os dispositivos programados. 180Hz
----------o
Outra variante de proteção de falba à tena em 100% do enrolamento é
conhecida por proteção por "tensão residual de terceiro harmônico", que é .>'"
apresentada na figura 1.29.6. v
tO
o
A figma 1.29.7 mostra o diagrama funcional em DC da proteção o::: CJ) Iro
->'" 11) u-
e
apresentada na figura 1.29.6. ::J
U.

59GS
I + ->
v

.. ..................

o
e"
.~
CI:l

o
"E
Figura 1.29.7 - Esquema Funcional em DC o"
Outra possibilidade de proteção do gerador é a denominada de "proteção
de falha à tena por comparação entre tensões de 3ª hannônica na fase e no neutro",
que utiliza o mesmo esquema apresentado na figura 1.29.6. Com a diferença de que
se considera que a proteção 59GS está, também, sintonizada, na freqüência da 3"
harmónica. Assim, é feita a comparação das tensões em 180Hz, isto é Figura 1.29 .6 - Proteção por Tensão Residual de 3M Hamlônica
V 3H do relé S9GS - V 3H do relé 59 > V 3H aj uste
(

9-1 Capítulo j Proteçào de Geradores Síncronos 95 (

Se houver defeito à terra no enrolamento, a diferença de tensão terá va lor Nesta técnica, utiliza-se a i njeção ele um sina l de subfreqüéncia, mais
(
maior que o ajuste e a proteção operará. precisamen te um s inal em freqüência sub-ham1õn ica, geralmente de y, ou v.. da
Uma altemativa de proteção, utilizada em geradores síncronos de g rande freqüência fundamental. Como mostra a figura 1.29.8, uma fonte de tensão
porte. é a estratégia de inj eçào de sinal ele subfreqüência, como ilustra o esquema independente gera um sinal senoidal na freqüência de 20Hz, por exemplo. e através
(
ela figura 1.29.8. do transformador, injeta o slnal no neutro do gerador síncrono.
(
Na operação nonllal isto é, sem defeito lllonofásico à tena na bobina do
estator, nào haverá corrente de 20Hz passando pelo TC da proteção 51. (

No caso da oconência de um defeito monofásico à tena na bobina do


estator, haverá um caminho fechado para a circulação da conente em 20 Hz, que
será detectada pelo 51, cuja atuação oconerá de acordo como o esquema funcional
em DC da figura 1.29.9.

59GS
IT IT I I
51 R1 y R 2
+

~ 7 tr
Figura 1.29 .9 - Esquema Funcional em DC da Proteção por lnjeção de Sinal em Freqüência
Sub-hannônica
A proteção baseada na técnica da injeção de sinal sub-hanllônico tem as
seguintes vantagens:
© Protege 100% do enrolamento do estator;
© É menos sensível a influência das capacitâncias parasitas do circuito do
gerador, devido ao aumento da reatância capacitiva deconente da baixa
freqüência do sinal injetado;
© Aumenta a conente de defeito em freqüência de sub-harmônica,
l
devido a diminuição da reatância indutiva, deconente da baixa
freqüência do sinal injetado;
© É independente das influências da freqüência em 60Hz e, portanto, esta
proteção está sempre ativa durante o procedin1ento de partida e parada
do gerador síncrono.
l
A desvantagem é a necessidade da utilização e manutenção dos
Figura] .29.8 - lnjeção de Sina l de Subfreqüência equ ipamentos para gerar o sinal de injeção em sub-harmônica.
...
(

96 Capítulo I Proteção de Gerado res Síncronos 97


(

1.30 Proteção de Defeitos à Terra no Rotor N


(

(
o circuito de excitação da máquina síncrona, que é composto pela
excitatriz, cablagem, escovas (se tiver) e enrolamento de campo, opera isolado da
tena. Deste modo, a ocorrência do primeiro defeito à terra não caracteriza um
( curto-circuito e, portanto, a máquina continua a operar normalmente. Se este
defeito não for conigido pela manutenção há o perigo da ocorrência do segundo
defeito. Este segundo defeito pode oconer aleatoriamente em qualquer lugar do
circuito de excitação. Dependendo da posição dos 2 defeitos a conente de curto-
circuito pode ser elevada, danificando severamente o gerador síncrono. Em
conseqüência. os trabalhos de manutenção serão prolongados e o gerador síncrono
Fig ura 1.30.1 - Método da Divisão de Tensão
ficará indisponível por um tempo longo.
Usa-se uma proteção de corrente, com sensibilidade acentuada à variação
Os 2 defeitos podem causar: da corrente, a qual está conectada dividindo a resistência à terra em duas pmtes
® Vibração acentuada, prejudicando espiras e mancais da máquina; iguais (figura 1.30.1). Portanto, a conexão à terra é feita pela resistência em série
com o circuito da exc itatriz do gerador síncrono.
( ® Geração de fluxos magnéticos desbalanceados no entreferro das
cabeças polares da máquina; Ocorrendo um defeito à carcaça, por exemplo, em F da figura 1.30.2, a
corrente de defeito à tena circula pelo relé, que atua atival1do o alarme ou
® Geração de correntes de seqüência negativa, com produção acentuada disparando o disjuntor.
de calor, comprometendo a isolação e a estrutura annada do gerador;
® Variação na tensão gerada e na impedância interna, produzindo
perturbação no sistema elétrico.
Para evitar a pQssibilidade de ocolTência do segundo defeito, deve-se
promover ações efetivas no momento do aparecimento do primeiro defeito. Assim,
deve-se implementar técnicas para a detecção do primeiro defeito e proceder como
indicado a seguir: \
I
/
• Acionar a equipe de manutenção, para análise do defeito, que pode, I
I
dependendo da gravidade, deflagrar ou não a parada da máquina \ S _--
síncrona; ---------~------------
Figura l.30 .2 - Defeito a Terra em F
• Desligamento automático e parada da máquina sincrona.
Esta proteção não é sensível ao defeito à carcaça no meio do enrolamento
Existem vários métodos de detecção do primeiro defeito à terra no circuito
de campo.
de excitação, que são:
l b) Método da Injeção de CA
a) Método da Divisão de Tensão
Consiste; como mostra a figura 1.30.3, em injetar pennanentemente, tensão
O esquema representativo deste método é o da figura 1.30.1.
elétrica alternada no circuito do rotor. Ocorrendo um defeito, aparecerá tensão no
relé de tensão 64R.
(

98 Capítulo I Proteção de Geradores Síncronos 99 (

• Manual:
• Automat izado. fe ito por dispositivos elétrico:, COl1 vêllcionais ou por (
C LP (Conu'olador Lógico Programá vel).
(
O procedimento para a paltida normal do gerador síncrono é sumarizado
noS seguintes passos:
(
./ Disjuntor do gerador aberto:
(
./ Aumento da rotaçâo do rotor do gerador síncrono até a
~FonteCA velocidade nominal;
./ Aum ento da excitaçâo até atingir a tensão nominal; (

./ Sincronização do gerador com a ban a do sis tema elétrico: (

Figura j .30.3 - Método da lnjeção de sinal CA ./ Fechamento do disjuntor.


c) Método de Injeção de sinal em De O gerador síncrono acopla-se na rede elétri ca em estado de flu tuação, isto
é, sem carga.
o esquema representativo deste método está na figura l.30.4.
A en ergização acidenta l (inadvertida) do gerador síncrono pode ocolTer
por:
® En'o do operador;
® Defeito no circuito de contro le de partida;
® Fechamento indevido do disjuntor de modo mono, bi ou
tripolar;
® Surgimento de arcos elétricos enh'e os pólos do disjuntor,
quando aberto .
A proteção mais simples é feita por uma função de sobrecorrente
supervisionado por um relé de subtensão, como mostra a figura 1.31.1.

Transformador

~~II ~
Figura 1.30.4 - Método da Injeção de Sinal DC
II
1.31 Energização Acidental do Gerador Síncrono
Ô 1- ~
Disjuntor
Antes do início da partida de um gerador síncrono é feita a verificação e a aberto
adequação de todos os equipamentos necessário ao processo. O processo de
Figura 1.31 .1 - Proteção contra Energização Acidenta l do Gerador Síncrono
partida é feito passo a passo e pode ser:
100 Capítul o I Proteçào de Geradores Síncronos 101

Supor, inicialmente que o gerador slncrono esteja parado. Nessa situação ,fI Abrir o disjuntor do campo (~1 ):
s ua velocidade angular e a tensão nos seus terminais são nulas e a proteção de
( iY Cortar o t1uxo de águaivapol"I gás:
subtensão 27 já está operada (contato fechado). Se, nesse momento, OCOITer uma
( energização acidental. O gerador síncrono será conectado indevidamente ao cP Aplicar freios:
sistema elétTico. Assim, em relação ao sistema elétrico, a máquina síncrona se
( cP lnjetar CO2 .
comp0l1a como um motor parado; e, em conseqüência, a corrente inicial reversa
( tem valor elevado, provocando a atuação da proteção de sobrecorrente 50, que de Dependendo do tipo de defeito a equipe de manutenção de e proceder a
acordo com o esquema funciona l, em DC, da figura 1.3l.2, atuará o relé 86, com a uma vistoria minuciosa, para a restauração da máquina síncrona.
(
conseqüente abertma do disjuntor.
Apresenta-se, na tabela 1.32.1 , uma estatística de falhas dos componentes

+ 50 1 dos geradores na Suécia.

27
1 Gerador Síncrono
E lemento Taxa de FaUla

~
Estato r 14,3%
(
Estator falha à tetTa 28 ,6%

Rotor 14,3%

Rotor íàlba à ten'a 7, 1%


Fig ura 1.3 1.2 - Esq uema F uncional em DC da Proteção da Figura 1.31.1
Perda da excitação 35 ,7%
Normalmente o ajuste da proteção de subtensão 27 é
Tabe la L.32.1 - F alhas dos Componentes do Gerador Síncrono [5 I]
VZ7 .jUste = 800/0 Vnominal
Dependente do .porte do gerador síncrono e do sistema, a energização 1.33 Proteção de Mínima Impedância
inadvertida poderá provocar uma corrente de até 4Inomina' ; portanto, o ajuste da
proteção de sobrecorrente 50, pode ser Este tipo de proteção é feito com a função de impedância (21), a qual visa
proteger o enrolamento do estator. Esta proteçâo é complementar às proteções
Isoajuste = (0,8 a 1,3)Inomina' principais do gerador síncrono.
Durante a operação normal do gerador síncrono a tensão nominal ap licada Instala-se uma proteção 21, como uma proteção adicional do estator e
no relé 27 bloqueia a atuação da proteção de sobrecorrente 50. parte do transformador, como indicado no diagrama unifilar da figura 1.33. l.

1.32 Proteção de Retaguarda do Gerador Síncrono

A freqüência de falhas em geradores síncronos é baixa, mas os danos


produzidos provocam indisporubilidade. Na ocorrência de um defeito, a seqüência
da atuação da proteção depende do local da anomalia e do tipo de dano, mas no
geral a proteção deve: Figura I .33.l - Proteção do Gerador Síncrono pela Proteção 2 1
cP Abrir o disjuntor plincipal (52);

"-
l
(

102 Capítulo 1 Proteção de Geradores Sínc ronos 103

Geralmente a proteção 2 1 é cons tituída de 2 zonas de atuaçào, cujos ajustes jX


utilizados sào:
1" zona: O ajuste deve ser de 70% da impedância do transformador elevador. Esta
fo lga de 30% é para não haver ri sco de alcançar as linhas de transmissão
conectadas à barra do lado de alta tensão do transfonnador. Nessa zona, a atuação (
da proteção 21 é instantânea ou pode ter uma pequena temporização de, por
exemplo. 0,05s.
R
2" zona : O ajuste dessa zona deve ser de 100% da impedância do transfo1'l1Jador
elevador mais 50% da menor impedância da Linha de transmissão conectada a
barra. Essa zona é temporizada entre 0,5s e I s, dependendo da fil osofia da empresa
e da proteção das linhas de transmissão.
1" zona para disjuntor aberto: Nesse caso, como o gerador síncrono está
desacoplado do sistema elétrico, não há preocupação de alcance das linhas de
transmissão a jusante podendo-se fazer o ajuste do segu indo modo: Figura 1.33.2 - Diagrama jX verslIs R da proteção

Dependendo da filosofia da empresa é comum dotá-la de uma pequena


Z
lzolla( disjunlor aberlO) = 120o/co max
' {ZTranSlormUdor
Z }
(1.33 .1) temporizarão, com o objetivo de discretizar os tempos de atuação dos relés, para
Gerador Síncrono
que a seqü ência de eventos fique bem definida, facilitando a análi se da oscilogI'afia
Uti liza-se 120% da impedância de maior valor para garantir a total nos estudos pós-defeito. Note-se que a temporização adotada de 0,05s não
cobeltura do emolamento do estator. Note que se o gerador síncrono estiver em possibilita a coordenação das proteções envolvidas; portando, ambas as proteções
funcionamento, mas desacoplado do sistema elétrico, ele também estará sujeito a atuam no relé 86, mas com atuações discreta no tempo.
defeitos, e essa filosofia confere proteção para esse caso. O tempo de atllação pode A 2a zona tem sua temporização em:
ser instantâneo ou temporizado em 0,05s.
"t. 0,4 ou 0,5s: coordenada com a proteção instantânea da linha de
A figura 1.33.2 mostra o diagrama jX versus R, com as impedâncias dos transmissão, para defeito s em até 50% da menor lin11a conectada à
elementos e as zonas cobertas pela proteção 2 1. bana do lado de alta tensão,
Na figura 1.33 .2, apresenta-se a proteção de impedância com característica "t. Is: valor adotado porque esta zona só atua em caso de fa lha das
convencional e do tipo paralelogramo (qradrilateral). Nota-se que o centro das proteções específicas existentes e a zona da impedância coberta do
zonas, isto é, o ponto de impedância zero, é o local da instalação do TP, porque o gerador síncrono encontra-se em local em que os defei tos são mais
curto-circuito neste ponto, leva a tensão sobre o relé 2 1 a zero. A proteção de difíceis de ocorrer e são de pequenas intensidades, portanto de menores
impedância 21 utilizada não é direcional; portanto, a 1a zona do 21 pode cobrir danos à máquina.
totalmente ou parcialmente a impedância do estator do gerador síncrono, e a 2a
Essa proteção, também, pode ser sensibilizada por: oscilação de potência
zona produzindo a cobertura completa.
no sistema, perda de excitação e partida indevida.
Como o gerador tem outras proteções que atuam instantaneamente e como
a proteção de mínima impedância é concebida a título complementar, sua atuação Exemplo 1.33.1: Apresenta-se, na figura 1.33.3, um esquema de uma un idade de
pode ser instantânea ou temporizada. geração dotada de proteção contra mínima impedância.

l
104 Capítulo 1 Proteção de Gerado res Síncronos 105

Observação: Este aj uste cobre 55,56% do enrolamento do estator. no sentido dos


tenrunaÍs ao neutro.
" Ajuste da 2" zona:
'II
Impedância vista até 50% da LT 3

:l alé 50% LT3 = jO,31 74 + 0,5 x 0,1482L:81 ° = 0,3907 L:88,3° O


F igura J .33.3 - Digrama Unifilar 3000 115 _
Z '(zona) = 0,3907 x - - x - -- = 1,9)350
Dados: - 5 13800
Gerador Síncrono: 60MVA, 13 ,8kV, X~ = 0,18pu= 0,5713.0 Z 2(20 na) = 1,9530
Transformador: 60MV A, 13 ,8/230kV, XT = O, lpu Temporização = 0,58
TC: 3000/5
Observação: Este ajuste cobre 68,38% do enro lamento do estator, no sentido dos
TP: 13,8kVIl15V
tennÍnais ao neutro. Neste trecho as tensões no material iso lante são maiores e mais
· o
Linha de Transmissão 1: ZLTI = 84L:79 O sujeitas a defeitos.
· o 7 Ajuste da I a zona, com o disjuntor aberto:
Linha de Transmissão 2: ZLT2 = 248L:71 O
· o O ajuste é
Linha de Transmissão 3: Zm = 41,18L:81 O
Resolução: , {O,57130}
Z Izona (d ..ISJunlor aberto) =120 oYo max 0,31740
A impedância, em Ohm, do transformador no lado de BT é

(13,8k)2 Z - 1 2 05713 3000 115


XT(BT) = 0,1 x = 0,31740 l zona (disjunlor aberto ) - , X , x -5- x 13800
60M
A impedância na menor LT, referida ao lado de BT do transformador é Zl zona(disjuntor aberto) = 3,42780
Temporização = 0,05s

l
.
ZLT3(BT)
( )
= --
13,8k '-
230k
o o
41,18L:81 = 0,1482L:8 1 O
Obselvação: Este ajuste cobre 100% do enrolamento do estator.
7 Ajuste da 1a zona: A proteção apresentada anteriormente é a mais utilizada, mas pode-se usar
l as alternativas mais simples descritas a seguir.
l 3000 115
Z I(ZODU) = 0,7 x 0,3174-- x - - = 1,1110 Por exemplo, pode-se utilizar a proteção do enrolamento do gerador
5 13800
síncrono, utilizando uma proteção de distância 21, do tipo admitância, direcionada
= 1,1110
ZI (ZODa )
reversamente, isto é, dos terminais para dentro da máquina, como mostra a figura
1.33.4.
Temporização = 0,05s
106 Capítulo 1 proreção de Ge radores Síncronos (
107

utilização da proteção 59 (função 64). conectada a filtro passa-baixa para não (


permitir a passagem da terceira hannôni ca (FTH), como mostra a figura 1.34.1 .
(

(
(

Figura 1.33.4 - Proteção Reversa do Enrolamento do Gerador Síncrono


(
o ajuste pode ser de 120% da impedância do enrolamento.
Outra alternativa é a proteção do enrolamento do gerador síncrono e do
(

T~
transfonnador, com a utilização da proteção 21 , do tipo admitância, direcionada
reversamente, como mostra a figura 1.33.5. ZN (

T ~
E@JI3~
FTH
III

~Yí
Figura l.34. J - Filtros de Terceira Harmônica
O filtro passa-baixa bloqueia a passagem de correntes com freqüências
superiores a 90Hz. POlianto, é bloqueada a passagem de conentes elétricas na
Figura 1.33 .5 - Proteção Reve rsa do Gerador Síncrono e do Transformador freqüência de terceira harmônica (l80Hz), deixando entrar no re lé praticamente só
O ajuste, nesse caso, é: as correntes de freqüência nominal (60Hz). Assim , a proteção de sobretensão 59
pode distinguir somente as tensões geradas pelos defeitos.
Zajusre ,I = 1 ,2(ZOerador + Ztransfomlador)
1.35 Proteção de Perda de Potencial
1.34 Proteção de Sobrecorrente
A proteção de perda de potencial ou de balanço de tensão (60) é utilizada
A proteção de sobrecorrente utilizada na ligação do aterramento do neutro como um comparador de potencial de dois ou mais elementos. Essa proteção é
do gerador sincrono, que tem uma resistência considerável no seu neutro, apresenta utilizada para verificar as tensões em TPs, figura 1.35.1.
os seguintes problemas:
® na sensibilidade no relé de sobrecorrente devido a diminuição das TP \L \L TP
~
2
correntes de defeito;
60
® das correntes de terceira harmônicas e de seus múltiplos de ordem Relés RV
ímpares, geradas normalmente pelo gerador síncrono. Figura 1.35.1 - Relé 60 entre dois TPs
Portanto, essas harmônicas podem provocar atuação indevida da proteção Se um TP falhar, haverá u m desbalanço de tensão nos secundários dos TPs
de sobrecOlTente, principalmente quando o gerador opera com alguma saturação na que será detectado pela proteção 60.
aljmentação de carga pesada. Uma maneira de contornar esse problema é a
108 Capítulo 1 Proteçào de Geradores Síncronos 109

A integlidade dos TPs é vital para a qualidade ela operação, elo conb·ole e 86PS ~ é acionado pela proteçào devido a defeito no sistema elétrico, exrerno a
ela proteção. A anomalia de tensão no secundálio do TI pode prejudicar o usina. Sua atuação é no sentido de desacoplar, de maneira nào abru pta. o gerador
desempenho de vários equipamentos, e ocorre devido: síncrono do sistema e lérrico. A seqüéncia de ações de sua atuação é:
® Curto-circuito (defe ito) no TP: á> Agir no regulador de velocidade (RV), para zerar a potência a6va
gerada (P = O) e, após :
® Defeito no circu ito secundário do TP;
á> Promover a abertura do disj untor principal (52).
® Problema de contato no circuito primário ou seclrndário do TP ;
Assim , com a abeltura do disjuntor (52), a máquina síncrona contin ua
® Rompimento indevido do elo fusíve l do TP. excitada, girando na sua velocidade nominal, mas desacoplada do sistema elétrico.
As falhas provocam perdas ou desbalanço nas tensões secundáli as do TP, Como o defeito foi externo, a máquina está pronta para voltar a operação. Como o
afetando todos os relés que dependem da tensão p ara o seu funcionamento. Por RV diminuiu a potência ativa do gerador síncrono a zero, esse procedi mento de
exemplo, a perda de tensão no secundário do TP, mas com a presença da con ente desaCoplanlellto é fe ito sem perda de carga; também deno minado de procedimento
no circuito do TC, faz operar indevidam ente a proteção de distância 2I. sem rejeição de carga. Desse modo, a ação do 86PS não provoca perturbação
Conseqüentemente, a perda ou desba lanço das tensões no secundário do TP, drástica no sistema elétrico remanescente.
podem p rovocar atuação indevida da proteção, ou impedir a atuação, quando Observação: 86PS significa Parada Sem rej eição de carga.
necessário. M uitos equipamentos de controle, que dependem da tensão, também
serão afetados. Geralmente, a atuação da proteção 60, bloqueia os dispositivos de 86PR ~ é ocionado pela proteção para defeito não severo nos eleme ntos
pro teção, tais como: proteção de distância, subexcitação (40), 32, 51V, e muda a (dispositivos) que compõem a unidade de geração . A atuação do relé de bloqueio
atu ação do regulador de tensão para o m odo manual. 86PR deflagra a seguinte seqüência de acões:
~ Abertura do disjuntor prin cipal (52), ou sej a, toda a potência a6va do
1.36 Relé de Bloqueio gerador é cOliada abruptamente; isto é, com a conseqüente rej eição de
carga.
o relé de bloqueio (86) é um equipamento auxiliar, que opera de forma ~ Abertura do disjuntor da excitação (4 I);
extremamente rápida (aprõximadam ente 17ms), com a finalidade de realizar várias
funções, tai s como : ~ Ocone um aumento na velocidade do gerador e imediata atuação do
RV no disb·ibuidor, para diminuir adequadamente a vazão de água, de
© Acionar a abertura ou fechamento de disjuntores; modo a manter a máquina síncrona girando na velocidade nominal.
© Provocar alarme visual e sonoro; Assim, o gerador fica girando n a velocidade nominal, com mínima
vazão de água e sem carga (speed no load), que também, é denominado
© Intertravar ou habilitar os equipamentos de proteção, medição ,
de marcha à vazio.
comunicação, manobra ou de controle;
© Etc .. .
o gerador síncrono girando na velocidade nominal fica preparado para
entrar imediatamente em operação, após a remoção do defeito. Note que o defeito
o relé de bloqueio, uma vez acionado, bloqueia o fechamento do disjuntor, não oconeu no gerador, mas sim em algum componente associado a sua operação.
e o seu rearme só é possível com a intervenção humana.
Geralmente os defeitos não severos, mais comuns, são:
Na usina geradora, de acordo com a filosofia de operação e contro le da
°
empresa, acionamento o relé de bloqueio pode ter as seguintes denominações:
@ Falha no regulador de tensão (RT);
@ Perda de excitação.
- - - ------.1 ·

11 0 Capítulo I Proteção de Ge radores Síl1cronos III

o R V tem sua ação no sentido de prov idenciar o fec hamento do o fechamento total do distribuidor de água pe lo RV, não veda tO la lmente a
distribuidor, de modo otimizado, para não danifi car nenhum componente e suavizar vazão de água nas turbinas do gerador, daí a necessidade de aUlação do freio, para
o golpe de aríete. A figura 1.36 .1 mostra o distri buidor de água da hubina garantir a parada a máquina. Nas tennelétri cas não há necessidade da utilização de
hid ráu lica, juntamente com o regulador de velocidade t65). freios. (

Observação: 86PR, significa Parada co m Rejeição de carga. (

(
86E ~ é ac ionado para defeitos elétricos severos na unidade geradora, tais como os
curtos-circuitos. Nesse caso, deve-se parar a máquina . Geralmente a ativação do
Distribuidor
_<___-\ --...c.--- de Agua rel é de bloqueio 86E é feita pelas proteções 64S, 87G e 2 1bad-up.

86M ~ é acionado quando há um defe ito de origem mecânica na usi na. A


operação é semelhante a do 86PR. Os prob lemas dessa nahlreza sào os que

.--_·
- - - -
oconem:
i9 nos mancais:

t
Regulador de
i9 vibrações anormais;
Velocidade
-====- ~ i9 no mecanismo do distribuidor de água;
II ~ i9 no RV.
F igura 1.36 . 1 - Distribuidor de Água e Regulador de Velocidade [59] 86H ~ é acionado quando ocorre um defeito mecânico, porém com necessidade de
Nas hidrelétricas, na seqüência de parada, quando a velocidade diminui fechamento das comportas da tomada de água. Geralmente o 86H é acionado
abai xo de um certo valor, é ac ionado um freio (sapata) ludráulico para parar a quando há defeito no RV, no qual fica inoperante para promover o fechamento do
máquina. Ver figura 1.36.2. di stribuidor de água.

Observação: Pode-se, também, no lugar do relé de bloqueio, utilizar o relé auxili ar


de desligamento (94). Ou seja, as proteções atuam no relé de desligameto 94, que
providenciará a abertura dos disjuntares, e o relé de bloqueio 86 terá a função de \..
não permitir o fechamento do disjuntor.

1.37 Proteção de Sobrecorrente com Restrição de Tensão

Este tipo de proteção é, geralmente, usado em pequenos gerador ou como


baclalP para os outros geradores. Quando os geradores síncronos trabalham em
plena carga, o seu ponto de operação encontra-se no "joelho" da curva de
sahlração. Neste ponto, a sua reatância de operação é a reatância saturada, a qual é
menor do que a reatância não sahlrada (síncrona). Portanto, na ocorrência de um
curto-circuito externo ao gerador, em que haja, por exemplo, falha da proteção de
Figura 1.36.2 - Freios (sapatas) linha, a tensão decresce e a reatância do gerador passa a ser a saturada. Assim, a
diminuição da corrente e da tensão, prejudica a operação da proteção existente. Daí
11 2
Capítulo 1 Proteção de Geradores Síncronos 11 3

a necessidade de se utili zar à proteção de sobreconente com restrição de tensão ® Qualquer perda de fo rça motriz.
(51 V), dado que o seu ajuste diminui com a tensão, aumentando a sensibilidade da
proteção. Nesse tipo de esquema, na operação normal, o relé '27 mantém o relé 51 A motOlizarão pode causa r os seguintes problemas :
desativado, quando ocon'e um defeito com queda de tensão, o relé 27 opera, • prej~udi c a a turbina hidráulica, devido, principalmente. ao efeito da
ativando o relé 51 V. O ajuste [52] da proteção de sobreconente 51 V é cavitação;
Ajuste 5 JV = Ajuste s l x f(V) • as máquinas a diesel ou gás podem incendiar e explodir;
Geralmente o relé 27 é conectado entre duas fases . A proteção do 5 1V é • nas turbinas das máquinas térmicas, a perda de ve locidade, reduz a
própria para curtos-circuitos 2<1> e 3<1>. refiigeração e em conseqüência ocone o superaquecimento nas
A proteção de sobrecorente 51 V fornece, também, cobertura adicional para palhetas.
a falba da proteção diferencial do gerador ou do transfornmdor. . A proteção contra motorizarão é feita pela proteção direcional de potência
Essa proteção é, também, utilizada quando a reatância do gerador síncrono (32) . dlIeclOnada para dentro da máquina e ajustada em 3 a 10% da potência
nOI~mal do gerador síncrono. Geralmente, a temporização é indicada pelo
é alta, por exemplo, maior que 1,05pu.
fabrIcante da turbina.
Note que se a motorização for leve, isto é, com a máquina girando quase
1.38 Proteção contra Motorização
e~ flutuaç.ã? no sistema elétrico, o retorno de potência ativa será muito pequeno,
nao senslbl hzando a proteção.
Os geradores síncronos operam fornecendo potência ativa ao sistema
elétrico; ou seja, o campo magnético do rotor está com um certo ângulo de carga A figura 1.38.1 mostra o diagrama do gerador síncrono, com a proteção
(a) à frente do campo girante criado pelas COlTentes nas bobinas do estator que direcional de potência 32.

E @n;pl 3 ~ ~
suprem o sistema elétrico. Nessa situação, a máquina primária, que fornece força T
motriz ao eixo, está suprindo, através do gerador síncrono , potência ativa ao
Jlill-----+-i
~~f-----
sistema elétrico. (

Várias situações (causas) podem, subitamente, modificar as condições de l@


operação do gerador síncrono, fazendo com que o mesmo opere como um motor,
passando a consumir potência ativa da rede. Esse processo de mudança de gerador +-
para motor é conhecido como motorizarão. Figura 1.38. l - Proteção contra Motorizarão do Gerador Síncrono
Observe que, na motorizarão do gerador síncrono, a proteção de seqüência
Geralmente as anomalias que provocam a motorizarão, do gerador
negativa (46) não opera. Isto porque, apesar de haver reversão nas conentes
síncrono, são: elétri~as , estas pelmanecem equilibradas, não gerando conentes de seqüência
® Defeito nos mancais; negatlVa. A proteção 46 só operaria se a motorização ocon'esse de mane ira
desequilibrada.
® Defeito no circuito de excitação;
® Defeito na turbina; 1.39 Proteção dos Mancais
® Defeito interno no gerador;
A máquina síncrona deve operar equilibrada isto é, os esforços
® Perda de fluxo d'água injetada na turbina, causado por vazamento na eletromagnéticos, o aquecimento e distribuição de conentes na três fases são
tubulação forçada ou defeito no distribuidor d'água; idênticos e, assim, o eixo gira dentro das especificações técnicas de normalidade.
114 Capítulo 1 Proteçào de Geradores Síncronos
115

Entretanto. várias situações produzem problemas nos mancais, tais como: 1.40 Proteção Contra Sobrevelocidade
® Defeito na inj eçào de óleo lubrificante nos mancais; (
A sobrevelocidade no rotor do gerador síncrono pode ser causada por:
® Desgastes dos mancais; (
./ Imenupção brusca de cargas:
® Operação desbalanceada da máquina síncrona; (
Falha no regulador de velocidade'
® Curto-circuito na máquina ou no sistema elétrico; (
Defeito no distribu idor d'água das turbinas hidráulicas ou na válvula
® Defeito mecânico na máquina; distribu idora de vapor, nas pás das hlrbil1as térmicas.
® Sobrevelocidade. . A sobrevelocidade afeta mais os geradores hidráulicos, onde o rotor do
Essas anomalias geram vibração e calor no mecanismo do mancaI. O calor conjunto gerador - turbina tem maior diâmetro e inércia. As turbinas hi dráulicas
provoca aumento na temperatura do óleo e na área do mancaI. podem llti lizar os seguintes métodos para a proteçào contra sobreveloc idade ( 12):
A proteção do manca i (38) pode ser feita pela detecção da temperatura, o a) Método elétrico
que é feita por um dispositivo térmico, convenientemente instalado nas sapatas dos
mancais, que pode ser por: Esse método utiliza um pequeno gerador síncrono, cujo rotor é constituído
de ímã permanente, acop lado ao e ixo do gerador síncrono principal (figura 140.1).
á> Tennopares;
á> Termômetro RTD (Resistence Temperature Detector), em que a
resistência modifica o seu valor com a temperatura.
Os dispos itivos ténnicos são aj ustados para operarem em dois estágios, um
para o alarme e outro para o desligamento do gerador síncrono.
Geralmente, o aju~te é:
© Alarme em 75°C;
© Desligamento em 80°e.
l
O diagrama de atuação da proteção 38 é mostrado na figura 1.39 .1.

Figura 1.40.1 - Gerador Síncrono de Ímã Permanente - Proteção de Sobrevelocidade

, Um relé . de freqüê~cia 8 1 é insta lado na saida do pequeno gerador


s l ~c~ono . A v~locldade ro~acIOnal do eixo da máquina está relac ionada à freqüência
eletnca no rele 81 , por meIO da expressão 1.10.1.

120f
N eixo( IU'M ) = - - ( 1.40.1 )
Figura 1.39.1 - Esquemático da Proteção do Mancai p ela Proteção 38 p
Geralmente a temperatura é ajustada 10°C acima da referência da Onde:
temperatura nOlmalizada.
11 6 Cap ítulo I Proteçào de Geradores Síncronos 117

( NeIX" CRPMI ---7 ve locidade rotacional emRPM do eixo da máq uina síncrona; If II
P ---7 número de pares de pó los do gerador síncrono com imã permane nte: I
f freqüência elétrica, em Hz, no gerador síncrono com ímã pellIlaneme, lida
---7
pelo relé 81.
A freqüência no relé 81 é

P
( f =--N
120 eIXO (RPM )
(1.40.2)

A proteção de sobrefreqüência (810) ama no relé 86, conforme mostra a


fi gura 1.40.2.
( + I 810
Figura 1.40.3 - Proteção de Sobreveloeidade por Ação Mecánica [59J

1.41 Proteção de Vib ração

As vibrações dos eixos, junto aos mancais do gerador síncrono e da


turbina, devem ser monitoradas por um sensor de vibração, que pode ser do tipo
Figura 1.40.2 - Proteção de Sobreve loeidade indutivo ou piezoelétrico.

Geralmente, no método elétrico, o ajuste da sobrevelocidade é: A proteção contra vibração (39) é feita por um sensor de vibração que deve
ser instalado:
7 Máquinas ténnicas: de 9 a 11 %;
o no eixo junto aos mancais da turbina;
7 Máquinas hidráulicas, de 40%.
o no eixo junto aos mancais do gerador síncrono.
b) Método mecânico
O sensor também pode detectar excentricidade e dilatação do eixo.
É utilizado um dispositivo mecamco, do tipo êmbolo, semelhante ao
regulador de velocidade (tipo Watts). Esse mecan.ismo funciona pela ação da força 1.42 Grade de Tomada D'água
centrífuga nas duas bolas metálicas, que se distanciam do eixo de acordo com a
velocidade de rotação, possibilitando fechar os contatos elétricos para o alarme ou
A grade na tomada d'água tem a função de impedir a entrada, na tubulação
ativação do relé de bloqueio 86, para o desligamento da máquina. A figura 1.40.3
forçada, de objetos de determinado tamanho, que vêm anastados pela água do rio
mostra o esquema funcional da proteção de sobreveio cidade (12).
ou da represa. Esses objetos podem danificar o distribuidor d água e a própria
Geralmente, o ajuste da proteção de sobreveio cidade do dispositivo hrrbina. Os objetos trazidos pela água são : galhos e troncos de árvores, tambores de
mecânico já vem pré-estabelecido pelo fabricante da turbina, ficando na faixa de 40 plástico, barris, animais mortos , plantas aquáticas, etc ...
a 60% de sobrevelocidade.
O serviço de manutenção prevê a Íl1speção e a limpeza periódica da grade
ou emergencial, após enchentes.
ll t. Capítu lo I Proteçào de Geradores Síncronos 11 9

Se houver obstrução da grade de tomada d 'água a vazão da água na turb ina U ma turbina a vapor é composta de vanos es tági os de palhetas, desde
(
dimin ui . A medi ção da vazão ou ve loc idade da água é fe ita por sensor diferencial palhetas muito pequenas, nos estágios de alta pressão, até seções de palh etas com
de pressão, que sinaliza essas ocorrências. alguns metros, nos estágios de baixa pressão. Cada palheta possu i sua freqüencia
natural de ressonância característica. A freqüência natural de ressonância de
oscilação, para as palhetas das turbinas, consiste de duas partes [72]:
1.43 Comporta de Tomada D'água
® da freqüência natural de oscilação, quando a paIJ1eta está estacionária:
(
A comporta de tomada d'água é fechada quando há necessidade de ® da freqüência de oscilação da palheta, que depende do comprimento
manutenção (programada ou não) ou na situação de emergência, em decorrência desta e da velocidade da oscilação.
de:
O efeito das freqüências nahrrais de oscilação das palhetas, para diferentes
@ Defeito no distlibuidor de água para a turbina; velocidades, é ilustrado por um conjunto de curvas chamadas de "Diagrama de
Campbell", como mostrado na figura 1.45.I.
@ Defeito (vazamento) na hlbulação forçada .
Na operação normal as comportas sâo mantidas erguidas por um sistema 540 • freqüências induzid as pela inj . de vapor . 7
(mú ltiplas da ro tação nominal) ~
hidráulico de pressurização do ó leo. Através de contro le manual ou de emergência 6
a pressão do óleo é liberada e o processo para o fechamento da compo rta se dá pela
ação da grav idade.
..
{S420
âJ
5 .~''""
<o
L:
E
(
õõ
..
a. 300 4 :;;
L:

1.44 Proteção contra Freqüência Anormal ..


"O

U
'"
3 ~
~~ 180 ~~~_...,~~;,...;~,....~-:~ E
cr 2 ~
Várias ocorrências levam o gerador sÍ11crono a operar em so brefreqüência '"
.t: o
ou subfreqüência.
A sobrefreq Liência ocolTe numa reJelçao de cargas ou quando, devido a o 10 20 30 40 50 60 70 80
contin gências, o sistema opera ilhado. Geralmente a sobrefreqüência é controlada velocidade (rps)

pelo regulador de ve locidade; caso este apresente defeito o gerador síncrono deve Figura 1.45.1 - Freqüências Ressonantes das Palhetas [62]-[72]
ser df<s ligado. A sobrevelocidade no gerador síncrono ajuda a refrigerar melhor a
máquma. As três curvas (quase) horizontais indicadas, representam freqüências
naturais ressonantes para as palhetas da turbina a vapor.
A subfreqüência pode OCOITer por:
As linhas diagonais representam os harrnôrucos para uma dada velocidade
~ Perda súbita de geração; da turbina. Por exemplo, para a velocidade do eixo da turbina de 60 rev/s, o
~ Ilharnento do sistema com excesso de cargas; segundo harrnônico é 120 Hz, o terceiro é 180 Hz e sétimo é de 420 Hz. Pode-se
observar na figura 1.45.1 , que na operação normal em 60Hz, a freqüência de giro
~ Defeito no regulador de velocidade. da turbina e suas harmônicas, não coincidem com as freqüências naturais de
A subfreqüência, geralmente, provoca sobreexcitação, com aquecimento do ressonância das palhetas. Assim, na operação normal, e."itn-se a sintonia com as
rotor e do estator. Geralmente, a proteção deve atuar com temporização. freqüências ressonantes, resguardando a integridade das palhetas.
Entretanto, durante o processo de partida, ou seja, desde a máquina parada
1.45 Efeitos da Freqüência na Turbina das Usinas Térmicas até a sua velocidade nominal, várias hannônicas, proveniente do processo de
Capítulo I Proteçào de Geradores Síncronos PI
120

aceleração do eixo da turbina. se aproximarão da freqüência de ressonância natural Por outro lado, operar no nível B ocasionará uma fa lha com 10.000 cic los
das pa lhetas, resultando em vibrações pemjciosas durante essas passagens. e, para o maior nível de amplitude C a tàlha irá oconer com J .000 ciclos.
(
Os diagramas das figuras 1.45.2 e 1.45.3 ilustram o fenômeno envolvendo Um estudo sobre os dados de freqüência de vibração para diferentes tipos
a operação fora da fre qüência nominaL de estágios para definição do tempo aceitável para operação fora da freqüência é
dado na figura 1.45.4.
o _ 64
110
U> N
e
~
E. 63
lO
'> Ü 62
Q) c:
u ' Q)

( ,"o- 61
~c
J ~ 60
~ B .. u.
e. 59
EA
<I:
58

60 Hz Sobrefreqüência
57
Subfreqüência
56
Figura 1.45.2 - Aumento da Amp litucle de Vibração da Palheta Operanclo fora da 55
Freqüência Nominal [62] 0,01 0,1 10 100 1000 10000
Tempo (minutos)
A fig ura 1,45.2 mostra a amp litude de vibração para a composição de todos
os estágios da turbina, em função da freqüência de rotação. Nota-se que, à medida Figura I A5.4 - L imites da Turb ina [51]
em que a turbina opera fora da freqüência nom.inal, a amplihlde de vibração Esta figma mostra os limites de tempo cumulativo para operação da turbina
aumenta e o processo de dano ao equipamento é acumulativo. fora da freqüência nominal, em toda a sua vida útil. Assim, a figura 1,45.4
(
Os níveis de amplitude A, B e C, na figura 1.45.2, são novamente representa o tempo mínimo estimado para ruptura de algum componente estrutural
( da palheta, geralmente os anéis de consolidação e bandagens. Quando há a ruphua
apresentados na figura 1.45.3, na qual uma curva de fadiga típica para estruturas de
( desses componentes, não há uma falha catastrófica, mas sim uma mudança no
palhetas é mostrada.
comportamento de vibração da palheta, que nOlmalmente consiste em aproximar
!,. sua freqüência natural à rotação nominal. Isso poderá resultar na falba da palheta
sob condições nominais de operação.
Segundo a figura 1.45.4, o desvio na freq üência de 5% ou mais, resulta que
o tempo ao dano se toma muito curto e não é prático operar mais do que poucos
segundos nesta faixa [5 1].
FAIXA SEGURA
y
É importante notar que o efeito de operação fora da freqüência nominal é
--~4 cumulativo. Por exemplo, dois minutos de operação em 58 Hz, representará dois
N° de cicios atê a falha em uma amplitude
minutos a menos no tempo de tolerância acumulada para esta freqüência.
Figura 1.45.3 - Amplitude da Vibração pelo Número de ciclos até a Falha [62] Uma redução de carga, por exemplo, causará um aumento de 2,5% da
Observa-se que, abaixo do nível A, a amplitude de vibração é freqüência (61,5 Hz), sendo o tempo limite de operação da máquina síncrona, nesta
suficientemente baixa para que as palhetas possam operar indefini damente, sem freqüência, de aproximadamente 35 minutos, o qual está dentro de valores práticos
para a ação do operador em reduzir os ajustes de velocidade. Nestas condições,
que haj a nenhum dano.
mesmo que o regulador de velocidade não responda rapidamente, o operador tem
122 Capítulo I Proteção de Geradores S íncronos (
123

tempo para se decidir pelo controle manual e reduzir o ajuste referência de carga, o esquema da figura 1.45.5 mostra a prOleção de heqüência e de tensão na
an tes que lima substancial perda de vida da turbina ocorra. saída do gerador síncrono.
Por outro lado, a operação da turbina a vapor, em condiçào de
subfreqüência, é mais crítica, pois o operador não tem a ação de controle.
Estabelecer uma proteção de subfreqüência para a turbina ténnica não é tão
simples, pois requer alguns conhecimentos do comportamento e performance do
programa de retirada de carga durante os distúrbios no sistema. Tal procedimento
necessita, essencialmente da coordenação entre um relé de freqüência de tempo
definido e a curva variável de capabilidade da turbina. Além disso, como o efeito
da operação em subfreqüência é cumulativo, tem-se ainda o histÓlico das
oconências, que deve ser considerado. Se a máquina operou em freqUências
reduzidas por um período considerável, no passado, os tempos de operação do relé
devem ser reduzidos no futuro. (

Apenas como dados ilustrativos, os limites de operação levantados pelos


fabricantes das turbinas Ansaldo (UTLC) e Skoda (UTLB) são apresentados, (
respectivamente, nas tabela 1.45.1 e tabela 1.45.2.

Tempo de Operação até


Variação da Freqüência
a falha

Ilimitada ± 1,0 Hz (59 a 61 Hz)


Figura 1.45 .5 - Proteção de Freqüência e de Tensão
90 min ± 1,Oa 1,4Hz (58,6a61,4Hz) As faixas de operação são mostradas na figura 1.45.6.
12 min
II ± 1,4 a 2,0 Hz (58 a 62 Hz) f Sobrevelocidade
Sobretensão
10 min
II ± 2,0 a 3,0 Hz (57 a 63 Hz)

Tabela 1.45.1 - Limites de Tempo de Operação - Ansaldo [63 ]

Faixa de
freqüências
Potência da
turbina Duração máxima de
Duração durante ,.
período 12 meses de
uma ocorrência
(Hz) (% Pn) operação V
Sobre carga
Subte nsão
360 min
Subfreq üência
lIn II' 120 min

10 min Figura 1.45.6 - Faixas da Proteção

Tabela 1.45.2 - Limites de Tempo de Operação abaixo de 60 Hz - Skoda [63]


\24 Capítulo I Proteção de Geradores Síncronos 125

1.46 Sincronismo Apenas a título de infollllaçào, se o fechamento do disjuntor não ocorrer


com freqüências absolutamente iguais, haverá um pequeno escorregamento (slip)
entre as tensões do gerador síncrono e da fase correspondente do sistema elétrico.
o gerador síncrono deve ser conectado a rede elétrica de modo tlutuante: Apenas para ilustrar melhor, se o sinal de techamento do disjuntor for enviado
isto é, o acoplamento é feito sem haver troca de potência ativa e reativa.
quando o ângulo for zero, como o mesmo demora lllll tempo para o fechamento
Para atender a essas condições o gerador síncrono e o sistema de energi.a efetivo dos seus contatos, o ângulo da defasagem dos fasores do gerador e do
elétrica devem ter: sistema elétrico é o dado na figum 1.46.2.
* A mesma ligação (seqüência) das tàses; E
Q)

* A rotação do campo girante no mesmo sentido; Ol

'"
Ul

'"
* A mesma freqüência elétrica; W
"O

'"
* O mesmo valor eficaz das tensões elétricas; D

~ 2001----~---~~~~----~---1

* O defasamento angular nulo entre os fasores correspondentes.


Ol
,«c

Sob essas condições o fechamento do disjuntor ocorre acoplando o


gerador síncrono ao sistema elétrico no estado flutuante.
Note que as duas primeiras condições do sincronismo são sempre
o 0,1 0,2 0,5
Tempo de fechamento do
estabelecidas na instalação dos equi pamentos e as condições restantes podem ser disjuntor em s
feitas de modo:
Figura \.46 .2 - Defasagem Angu lar entre o Gerador Síncrono e o Sistema Elétrico
If Manual;
Na prática, nunca ocorre o fechamento do disjuntor no pouto exato do
If Automatizado. sincronismo. Sempre há uma pequena diferença de velocidade dos dois campos
O modo automatizado é feito pela função 25, que obtém as informações do girantes e do tempo do fechamento dos contatos do disjuntor. Como a diferença é
lado do gerador síncrono e do sistema elétrico, conforme apresentado na figura muito pequena o acoplamento ocorre sem danos para a máquina. Como a
1.46.l. velocidade relativa entre os dois fasores da mesma fase é medida e o tempo de
comando do fechamento do disjuntor é conhecido, o dispositivo 25 pode efetuar o
disparo de fechamento do disjuntor um pouco antes do ponto zero, para que o
fechamento efetivo se dê o mais próximo do zero de defasagem.

Figura 1.46.1 - Relé de Sincronismo


O dispositivo que compõe a função (relé) 25 atua no gerador síncrono, de
modo a levá-lo às condições do sincronismo e, então, procede ao fechamento do
disjuntor.
(

126 Proteção de Ba rras 127


(
decorrência de inspeção. manute nção prevemiva. corretiva, ou de emergencia
devido a prob lemas (defe itos mecâ nicos ou elétricos) nos equipamentos.
Historicamente. ou para atender as exigências atuais da legislação e
objetivando a continuidade do serv iço, surgiram as seguintes configurações de (
banas : (
• BalTa simples; (
• Barra simples seccionada;
(
• Barra principal e de transferênci a;
Capítulo 2 • BalTa em ane l;
(
• Bana dupla;
• Barra disjuntor e meio;
• Barra dupla e disjuntor duplo;
• Barra disjuntor e um terço. (

Proteção de Barras 2.2 Defeito na Barra


Por ser formada por cabos ou tubos que estão fim1emente fixados e por
estar localizada no interior de uma área protegida no pátio da subestação e por ser
constituída de dimensões pequenas, as possibilidades de defeitos numa barra são
reduzidas, porém os defeitos são de alto risco devido:
2.1 Introdução ® A corrente de curto-circuito l~-ten'a ser de alto valor, isto porque, a
resistência da malha ser muito baixa;
Em termos de circuito, uma barra de um sistema elétrico representa um nó ® Os curtos-circuitos estarem localizados dentro da área da subestação,
elétrico. Na prática, a barra é um elemento da subestação, a qual pode ser colocando em risco os equipamentos vizinhos e a segurança humana,
constituída de cabos ou tubulações (vergalhões) de aluminio ou cobre, lembrando principahnente devido a explosões, fogo e estilhaços de material;
em termos visuais uma verdadeira barra.
® Atuação da proteção de barras, desconectando a barra do sistema
O sistema elétrico é h'ifásico, desse modo um banamento é constituído de
elétrico, com alta perda da continuidade de serviço;
3 banas, no qual são conectadas as linhas de transmissão, transformadores, banC{)
de capacitores, etc. O conjunto de todos os equipamentos de um elemento elétrico ® A retirada da barra, dependendo da sua importância e porte, pode
que se conecta a uma barra é conhecido por bay. Por exemplo, o bay de uma linha comprometer a segurança do sistema elétrico.
de transmissão, é constituído de toda as ferragens, pórticos, TCs, TPs, Os defeitos na barra são mais raros e não se tem uma estatística confiável
seccionadoras , di sj untores , pára-raios, e os dispositivos de supervisão, controle, das ocorrências. Mas, segundo [51], esses defeitos correspondem aproximadamente
medição e proteção. Dependendo do pOlte da subestação e da quantidade de bays, a a 5% daqueles ocorrido no sistema elétrico.
barra pode ter uma grande dimensão. Apresenta-se, na tabel a 2.2.1, uma estatística das causas de defeitos na L
Dependendo da sua impOltância, a subestação pode ser constituída de barra de uma subestação desabrigada.
diversas barras, para possibilitar manobras visando a continuidade de serviços, em
128 Cap ítulo 2 Proteção de BalTas 129

Defeito na BalTa a) Nos istemas elétricos com proteção trad icional. onde a proteção de
retaguarda ou de 23 zona dos re lés de di stância incl ui na sua zona de
Tipo e núme ro d e defeitos N úme ro To tal de seletividade a barra da subestação a j usante. Essa proteção de
Causa do defeito
Desce- to tal de defei tos retaguarda a montante é temporizada.
na barra 1q,-t 3q,-t
2<H 3<1>
nhecido defeitos em %
b) Proteção de distância local, a qual pode utilizar um deslocamento
Flas bover 20 6 I - - 27 1l (recuo) para cobrir a barra ou usar uma zona reversa.
Defeito no
c) Proteção diferencial própria para a barra. que é a mais adequada para
16 2 2 - - 20 15,5 barras importantes.
disjuntor
Defei to na
seccionadora
19 2 - - 1 22 17 2.4 Proteção de Barras
Defe ito na Dependendo do porte da subestação, os seguintes esquemas podem ser
4 I 1 3 - 9 7
isolação utili zados para a proteção de ban'a:
Defeito no TC 3 - - - - 3 7_ ,.J~ !9 Proteção diferencial de barras com relé de sobrecolTente:
Erro de manobra 8 I 5 I - 15 11 ,6 !9 Proteção cliferencial de barras com relé diferencial percentual;
Esquecimento do
!9 Proteção diferenc ial de barras de alta impedância;
aterramento
I 8 - - 15 11 ,6
!9 Proteção diferencial de barras com relé de sobrecolTente direcional:
6
temporário usado !9 Proteção diferencial de barras com acoplares lineares.
na manutenção
Esses métodos são descritos a seguir.
Contato ac idental 5 - 2 - - 7 5,4
Desmoronamento 2.5 Proteção Diferencial de Barras com Relé de Sobre-
ou queda de 4 1 - 1 - 6 4,7
corrente
estrutura
Desco nhec ida 2 1 I I 5 3,9 Essa proteção de barra se fundamenta na 1a lei de Kirchhoff, a qual
estabelece que a soma algébrica das correntes que convergem a uma barra é uula.
Total pi cada tipo
87 15 19 6 2 129 -
Portanto, na operação normal, tem-se que
de defeito
Percentagem pi L. i na barra = O
cada tipo de 67,4 11 ,6 14,7 4,7 1,6 - 100
defeito Para defeito na barra, tem-se que

Tabela 2.2.1 - Ocorrência de Tipo de Defeito em Ban'a [51] L. ioa barra 1= O


A corrente diferencial deve passar no relé de sobrecorrente, o qual
2.3 Proteção para Defeito na Barra providenciará a abertura do disjuntor.
Na figura 2.5 .l mostra-se o diagrama unifilar de uma barra genérica com
Dependendo do grau de importância da subestação, a proteção de barra
" u" conexôes.
pode ser feita pelos seguintes tipos de esquemas:
130 Ca pítulo 2 Proteção de BalTas l31 (

Barra CurtO-C ircu ito

TC,

TC,

i, iJ

LT, LT,
i, i. i, iJ i._, i. i rct!: 5'!
Figura 2.5.1 - Proteçào de Barra com Relé de Sobrecoo'ente (
LT, LT, LT, LT1
Nessa figura 2.5. 1 convencionou-se que todas as conentes estão entrando LTn' l LT"

na barra. Supondo a re lação dos TCs de I: I, a corrente que passa no relé de Figura 2.5.2 - Defeito na Barra
sobrecorrente é dada pela expressão 2.5. 1. Portanto, a corrente de curto-ci rcu ito na barra, vista pelo relé de
. . . . . • . n . sobrecorrente, será
I,elO5o = II +1 2 +1) +14 +" '+ lj + .. ·+ l n = IIj (2.5 .1 )
j=1
i relé 50 = 1defeilo na barrd > Iajuste do 50 ~ O relé de sobrecorrente ahla
Aplicando-se aI" lei de KirChl10ff na barra, obtém-se
A proteção de ban'a não deve operar para qualquer defeito externo à barra.
11
A figura 2.5.3 mostra o caso de mn defe ito fora da bana, mas muito próximo do
ii + i 2+ í) + í4 + ... + ij + ... + i n = 2:)j =O (2.5 .2) TC k •
j= 1

a qual, substituída na expressão 2.5. 1, fornece

lê 50 =O ~ o relé de sobrecorrente não ahla

Essa proteção é conhecida como proteção diferencial não percentual, pois


não possui corrente de restrição, mas somente corrente de operação. TC,

Nota-se que, na operação normal do sistema elétrico, algumas COlTentes


entram e outras saem da bana, de modo a atender a expressão 2.5. 1.
Note que essa proteção feita por um relé de so brecorrente
i,
Para um defeito na barra, como mostra a figru-a 2.5 .2, todas as conentes
fluem para o curto-circuito. LT, LT, LT, LTn-l
A corrente de cru-to-circuito na barra é dada pe la expressão 2.5.3 .
n
Figura 2.5.3 - Defeito no Ponto k fora da Barra
idefoilo na barra = i i + i 2 + i) + í4+ ... + i j + ... + i n = 2)j i:- O (2.5.3) Note que a intensidade do curto-circuito na barra e na saída de qu alquer
j=1 TC é a mesma. Portanto, a corrente de curto-circuito em k será
13:2 Capítulo 2 proteção de Barras 133

n submetido às contribu ições de corrente de todas as conexões à barra. Isto pode


( ' uno em l = i cu rlo na barra = Lj=1í 1 acan'etar a sua saturaçâo e provocar a atuação indevida do relé de so breconente.
Se os TCs foram bem dimensi onados, como recomendado no capitul o 1 da
As conentes que chegam na balTa, pelas linhas, sâo as mesmas do CLllio- referência [46], não haverá problema de saturação, porque essas conentes de curto-
circuito na própria balTa. A corrente que flui na Linha k, para o defeito em k, é a circuito atendem o critério de sobrecorrente de 20Inomina l, o qual manterá sua classe
mesma que flui pela linha para o curto-circuito na balTa, mas essa corrente não é de exatidão. Mas, na realidade. devido a grande quantidade de TCs empregado na
vista pelo TC k . 1\-a figura 2.5 .3 verifica-se que a corrente i~ sai da barra, passa pelo proteção de balTa, o critério de 20Inominal não é atendido, assim, deve-se prever o
TC k e vai para o defeito em lc Portanto, aplicando-se a ] a Lei de Kirchhoff no maior nível de saturação dos TCs, para compensar no ajuste do relé de
ponto k , tem-se sobrecorrente.

ík + í~ = i curto cm k = i curto na barra


o maior níve l de saUtração será alcançado pelo TC k que ullTapassar o
critério de sobreconente de 20lnominal e tiver a maior relação entre a corrente de
n cmio-circuito e a corrente nominal do primário. fsto é, a saturação será mais crítica
ik+ i~ = Ij=1ij = r eu rtn na barro para o TC k que tenha

i;, = i eurlo na barra - Ík Onde:


POlianto, a corrente vista pelo TCk, para um cmto-circuito em k, é a j ~ representa o TCj que está com curto-circuito próx imo mas extern o à ball-a ;
COlTente total de ctuio-circuito na barra, subtraída da conh-ibuição de corrente da
LTk _ I -I
R.= curto na barra j , sendo que Ij é a conente que flui pela conexão j para o
Assim, a corrente que passa no TCk é dada pela expressão 2.5.4. J lpril11ãrio do rCj

n n curto-circuito na bana.
i~ = ~)j -i k = Iij (2 .5-4) A seguir analisa-se o funcionamento do TC operando de modo normal e
j=1 j=l"k sahlrado.
A corrente que passa no relé de sobrecorrente é dada por O modelo do circuito equivalente do TC operando nonnalmente ,
apresentado no item 1.8 da referência [46], é novamente mostrado na figura 2.5.4.
l,elé5o = iij - ( - i~ = fi j - Ok + iJ=iij - (urto na barra
j=l j=l j=I
Barra

i relé 50 = i cuno na barra - i curto na barra

irelé50 = O ~ para defeito em k (2.5 .5) +

Portanto, para um defeito externo à barra, isto é, em k, a proteção Vs z' Cllrg as dos Rdl2l>
diferencial, feita por meio do relé de sobrecorrente, teoricamente não atua.
Na prática esse esquema de proteção apresenta um inconveniente, que pode
ser analisado pela expressão 2.5 .4, isto é, verifica-se que para um curto-circuito ~
externo à barra, por exemplo, em k , cada TC estará sujeito a conente nonnal de
Transformador ~
Transformador
Terminal do
Secundário
cLllio-circuito, com exceção do TCk , que através do qual fluirá a soma de todas as Ideal
Real
outras conentes. Portanto, o TC que está próximo do curto-circuito ficará
Figura 2.5.4 - Circu ito Equivalente Completo do TC
(

Cap ítu lo 2 Proteçâo de Barras 135


(
Como o primário tem poucas espiras e as perdas no materi al distorcida, co m alto conteúdo de harmônicas. Como na proteção a priori dade é a
ferromagnético são pequenas, pode-se simplificar o model o da figura 2.5.4, rapidez, costuma-se uti lizar os T Cs com classe de exatidão de até 10%. Esse é o
tomando-o conforme mostrado na figura 2.5.5. conteúdo aceitável, mas a partir da í as distorções são mais acentu adas, pro"ocando (
Barra graves desvios no desempenho dos equipamentos que compõem a proteção.
comprometendo a qual idade desta . Os pri ncipais problemas são a perda e a
distorção da sensibilidade, seletiv idade e coordenação das proteções, podendo,
is indevidamente provocar a atuação ou a não atuação destas.
c) Operação dentro da saturação do TC
_i p_ +
R TC Quanto mais se avança no joelho da curva de magnetização do TC. menos
conente será enviada aos relés e mais corrente será exigida para a magneti zação do
(
núcleo do TC. Portanto, operando dentro da sahlração do TC, parte da corrente
será enviada para a magnetização (excitação) do núcl eo. Assim, com o au mento do
1
- - __ - - - ___ __ __ _ _ _ _ - - _ _ I nível de sahlração do núcleo do TC, tem-se que
(

i ip (
Figura 2.5.5 - Circuito Equivalente Simplificado do TC .E -+ RTC
{
Aplicando-se a I a Lei de Kirchhoff no nó, obtém-se Is -+ O
Ip . . Considerando-se o TC operando completamente saturado, o seu circu ito
- - = Is +I E equivalente é o apresentado na figura 2.5 .6.
RTC
Barra

i S =~-i
RTC E
(2.5.6)

Onde
l
RTC
i E .-+ representa o erro do TC.
Os três casos seguintes de operação do TC são de interesse prático:
a) Operação normal
Na operação normal, isto é, dentro de sua precisão, pode-se consideraT Figura 2.5 .6 - Circuito Equiva lente do TC Completamente Saturado <-
i E = O. Assim, a expTessão 2.5.6 se toma
Na saturação, a impedância jX m ~ O e, portanto, o núcleo do TC é

i =~
representado por um curto, como está mostrado na figura 2. 5.6. Desse modo, a
(2.5.7) corrente no secundário do TC é zero. Pode-se, também, desconsiderar a reatância
s RTC
de dispersão do secundálio.
b) Operação no joelho da saturação
Portanto, verifica-se, no circuito equivalente, um curto-circuito na sua
Na operação do TC no "joelho" da saturação, a corrente i E aumenta bobina de excitação, de modo que não haverá nenhuma (ou pouca) con'ente na
saída do secundário do TC, de modo que os relés não serão sensibilizados pela
consideravelmente. Desse modo a corrente enviada ao secundário do TC estará
136 Capítulo 2 Proteção de Ban'as 13 7

corrente do defeito, ou seja, a proteção não atua. Esse é o caso ele "recusa" de
atuação ela proteção. Isso mostra a relevància do bom dimensionamento dos Tes,
para não prejud icar a qualidade do desempenho da proteção.
Para análise futura, considerando o TC saturado, o circuito equivalente é o Supondo que esta coo'ente i'k sej a mui to ·elevada. de modo a saturar o TC k.
mostrado na figura 2.5.7. o circuito equi valente será o da figura 2.5 .9.
Barra

~-------- - ----l

i .!:.
f'
RTC
;+- { z
i~ Cü rgl15 dos Re i'::;
TC,

L -_ _ _..L-_ _ _ _ _ _ •••••• • ••• jJ


~Terminal do
Secundário

Figura 2.5.7 - Circuito Equ ivalente do TC Saturado


Apresenta-se, a seguir, o caso em que a saturação do TC pode prej udicar o
desempenho da proteção diferencial com relés de sobrecorrente. Esse é o caso de Figura 2.5.9 - Circuito Equivalente, Considerando o TCk Saturado
defeito extemo à barra, mas próximo ao TC. Portanto, a corrente que passa no relé 87 é dada pe la expressão 2.5.8.
Na figura 2.5.8 apresenta-se um curto-circuito na saida do TC k . Para
. Rs "' Rs "
facilitar a aná lise, na figura 2.5.8, a linha k foi colocada a direita. Ire'é87 = L: Ij = Ik (2.5 .8)
R 8? + R s j;]"k R S7 +Rs
Geralmente Rre'é87 » R s , tal que a expressão 2.5. 8 é aproximada por
. R ·,
Ire'é87 = _ s- I k (2.5.9)
TC, R S?
Portanto, verifica-se que, devido à saturação, o relé 87 será sensibilizado
pela corrente da expressão 2.5 .9, podendo fazer a proteção atuar para um defeito
fora da barra. Para evitar que o relé 87 venha a atuar, para a pior falta extema à
ii barra, o seu ajuste deve ser superior ao valor da expressão 2.5.9, isto é

LT, LT, LT, LT,


LT,
(2.5. 10)
Figura 2.5.8 - Curto-circujto em k, na Saída do TC k
Para o curto-circuito em k, o TC k será submetido à maior corrente, a qual Em decorrência do exposto e dos dados extraídos de experiências práticas
será do esquema de proteção diferencial de barra com relés de sobrecorrente,
recomenda-se a adoção desse esquema, nos seguintes casos:
(

138 Capítulo 2 Proteçào de Barras lJ9 (

© sistema de pequeno porte; o estudo e a análise aprofundada da proteçào diferencia l percentual está (
© barras com poucas conexões; apresentado na refe íência [52].
© níveis de curtos-circuitos não muitos elevados; A figura 2.6.2 mostra a conexão de Li ma proteção diferenci al percenrual de
bana de uma subestação. (
© bana não próxima de geração;
© TCs dentro da precisào, de acordo com o fato r de sobrecolTente:
© para evitar a influência da componente de , dotar a proteção com uma
pequena temporização. Só utilizado em caso de barra com alto
conteúdo da componente dc na corrente de curto-circuito, é se o

~
emprego da temporização nào causa danos em equipamento da
subestação.

2.6 Proteção Diferencial Percentual de Barra


Barra
I
A utilização da proteção diferencial percentual na barra confere melhor
qua lidade à proteção, principalmente para os curtos-circuitos elevados fora da I (

~
barra, isto porque a região de restrição da proteção confere maior estabilidade,
principa lmente para a saturação de algum TC. Para acentuar ainda mais esta
consideração, pode-se prover a proteção diferencial percenhlal de entradas
independentes para as correntes de cada TC, de forma a que cada conente tenha ~
sua característica própria de restrição. A proteção pode, também, ser dotada de
dois ou mais ajustes de declividade (slope), isto é, declividade baixa para as
correntes menores e declividades altas para as correntes maiores (na região da 12
saturação do TC).
A figura 2.6. 1 mostra a característica de operação de uma proteção
diferencial percentual, com dois ajustes de declividade (slope). L2

Figura 2.6.2 - Conexão de urna Proteção Diferencial Percentual


'operação
Na operação normal ou para um curto-circuito externo à baITa tem-se
. . .
Região de I, = 12 + 13
Operação
Assim, na proteção diferencial percentual (87), tem-se

._. _._.J:~ Ioperaçãodo87 = li, - i 2 - i 3 1


= zero
Região de
__...-....-.._-...-...-....-...-....-....-....-...l.l~_~~.j.-
...-. - Restrição li, +i +i 1= Valor elevado
2 3
lrestriçaõ do 87 =
3
' reSlrição
Com uma forte restrição e fraca operação a proteção diferencial percentual
Figura 2.6.1 - Proteção Diferencial Percentual com Dois Ajustes de Dec liv idade (87) não atua.
140 C apítulo 2 Proteção de BalTas 141

Para um curto-circuito na barra (figura :2.6 .3), as cOlTentes t e i3 é submetida a uma elevada COlTente de operação e uma red uzida corrente de
restrição . Desse modo. tem-se a garantia da atuação da proteção 87.
invertem o sentido.
Para evitar a atuação para um curto-circuito externo, mas próximo à barra,
L,
~
o ajuste da decli vidade na proteção deve ser maior, para considerar um celio grau
(~ de saturação do TC da lin]1a de transmissão sob curto-circuito.
II
,
2.7 Proteção de Barra de Alta Impedância

~
Seglilldo a expressão 2.5.10 o aumento do valor de R S7 reduz a
sensibilidade de corrente elétrica na proteção, tornando-a menos influenciada pelo
R, efeito da saturação do TC. Desse modo, essa proteção é chamada de "alta

1~
Barra 87r~ impedância", e nesse caso, em vez de medir a con·ente, passa-se a usar a tensão
~T~·
I I op l1OOOr\
• vvvu
como fator de atuação da proteção.
A proteção de barra de alta impedância utiliza o mesmo esquema da

$
R3
Curto- proteção de barra com relé de sobrecorrente. Essa proteção é usada com o
2 circuito
propósi to de contornar o problema da sahlração causada pelo TC, durante a
oconência do curto-circuito fora da baITa, mas próximo ao TC. Esse esquema de
'\ \ proteção é o mostrado na figura 2.7.1.
(f-l (..J a
(il 13
<1 12
Resistor
L3 não linear
(Thyrite)
Figura 2.6.3 - ClIIio-circuito na Ban·a
Na proteção 87, tem-se
I operação do 87 = Iii + i 2 + i 3 1= Valor elevado

b
Desse modo, as restrições das correntes i2 e i3 anulam ou quase anulam a
Figura 2.7. 1 - Proteção de Barra de Alta Impedância
restrição da corrente ii. Portanto, a proteção 87 fica praticamente sem restrição
Na figura 2.7.1, a função de proteção 87L é um relé de sobretensão (59),
interna. que está contida num circuito LC sintonizado (ressonante) na freqüência de 60Hz.
A CotTente de operação na proteção 87 se toma igual à soma das correntes; Note que quando um TC satura, na entrada "a" e "b" do circuito da figura 2.7. 1
ou seja, quando ocorre um curto-circuito na bana, a proteção diferencial percentual
(

14 7 Capítul o 2 Proteção de Barras 143

aparece uma tensão (VOh = R R7 I R7 )' que deve ser menor que a do ajuste do relé Na operação normal do sis tema elétrico tem-se co rrentes emrando e saindo
(
da bana. de modo a satisfazer a 1a lei de Kirchh off. O esquem áti co em De do
87 L. funcionamento da proteção é mostrado na figu ra 1.8.:2 . (
Portanto, o relé 87L evita a atuação da proteção para defeito fora da barra,
mesmo que algum TC venha a saturar, e previne o efeito da COlTente De existente + (
52b(DJ1) 6711
nos primeiros instantes do cUlto-circuito. (

O ramo contendo a proteçâo de sobrecOITente 87H atua para defeitos


francos na barra. Para correntes de curto-circuito elevadas na barra, a tensão "ab" 52b(DJ2) 67L2 (
fica elevada, garantindo a atuação do relé de sobretensão 87L. Mas, para agilizar a
atuação da proteção, emprega-se, adicionalmente, o relé de sobrecorrente 87H. No
caso de curto-circuito elevado na balra, a tensão "ab" é elevada e utiliza-se o 52b(DJ3) 67L3
Tbyrite (resistor não linear) com o intuito de limitar a tensão sobre o relé 87H.
Portanto o Thyrite protege o relé de sobrecorrente 87H de sobretensão,
principalmente no momento da ocorrência de curto-circuito elevado na balTa. O 52b(DJ4) 67L4
relé de sobrecorrente 87H atua em até 2 ciclos e o relé de sobretensão 87L atua no
período 3 a 6 ciclos elétricos.
52b(DJ5) 67L5 (
2.8 Proteção de Barra por Comparação Direcional
Disjuntares da Barra
A proteção de balra por comparação direcional é fe ita utilizando-se apenas
relés direcionais de sobrecorrente (67). Figura 2.8.2 - Diagrama Funcional da Proteção de Barra com Relés Direcionais
No sistema em anel, quando ocorre um defeito (curto-ciTcuito) na bana Nesse diagrama, 52b do disjuntor, significa contato auxiliar nomlalmente
todas as COlTentes convergem para a balTa, e, portanto, pode-se utili zar proteções fechado (NF) quando o disjuntor 52 está aberto. Portanto, quando o disjuntor 52
direcionais voltadas (diligidos) à ban·a. A figura 2.8.1 mostra, por exemplo, a está fechado, o seu contato auxiliar 52b está abelto.
utilização de proteções de sobrecorrente direcionais ap licada a uma barra de um
Na figura 2.8.1, com o sistema em operação nOffilal ou com um CllltO-
sistema elétrico em anel.
circuito fora da barra, sempre haverá alguma corrente saindo da barra, isto é,
contrária à direcionalidade da proteção 67. Nesse caso esse relé direcional 67
mantém o seu contato abelto, não ocon'endo a atuação da proteção de barra. Note
que todos os contatos das proteções direcionais estão em série.
Caso ocorra um defeito na ban-a, todas as COlTentes terão sentido em
direção à barra e todas as proteções direcionais operam, fechando os seus contatos
e energizando o relé auxiliar de disparo 94, que providencia a abertuTa de todos os
disjuntores ligados à barra.
Esse esquema de proteção de barra, com proteções de sobrecorrente
direcionais pode ser utilizado, principalmente em subestações com poucas
conexões na barra, por exemplo, até 5. O ajuste das proteções de sobrecorrentes
direcionais deve ser superiores as correntes nominais das linhas cOlTespondentes. A
Figura 2.8. 1 - Operação Normal do Sistema Elétrico
saturação do TC não é um problema para esse tipo de proteção.
144 Capítulo 2 Proteção de Banas 145

o inconven iente nesse tipo de an anj o deve-se às seguintes razôes: Se ocorrer um curto-c ircuito na li nh a radial L3 , as proteções de
® a existência de muitos conta tos em série no esquema funcional em DC, sobrecorrente direci onais da linha LI e L } atuarão, mas atuará também o rel é de
tal que a falba de um deles compromete toda a proteção. Portanto, uma sobrecorrente da linha radial, que providenciará a abertura do disjuntor 3 e do seu
manutenção rigorosa e efetiva é requerida, de modo a preservar a contato NF , impedindo a atuação da proteção de bana.
integridade dos contatos dos relés. As proteções de sobrecorrente direcionais da figura 2.8.3 devem ter ajustes
® Para um curto-circuito na barra a tensão cai a zero, prejudicando a superiores a corrente nominal da linha radial. No curto-circuito 1<\> -tena na barra,
operação da proteção 67 . Por isso, é recomendada a tensão de poderá haver contribllÍção de COlTente pela linha radial, se a mesma estiver
polarização em quadratura [46]. Para curto-circuito 3<\> , há a conectada a um transfonnador f( i:l. .
necessidade de se empregar recursos de memorização de tensão pré-
falta para a energização das bobinas de tensâo da proteção 67. 2.9 Proteção de Barra por Acoplador Linear
Outro cuidado especial deve-se ter na proteção de bana de um sistema em
anel, que contenha alguma linha radial. A figura 2.8 .3 mostra o caso de uma barra A proteção tradiciona l, feita com TC normal , isto é, com núcleo de
de um sistema em anel, com uma linha radial. material ferromagnético, tem como principal desvantagem a possível saturação do
TC na linha de transmissão com defeito externo. Esta Saturação pode causar a
Barra Radial operação indevida da proteção de bana.
R Proteção de O acop lador linear, também conhecido como transdutor linear, é
Sobrecorrenle constituído de um secundário enrolado num núcleo de material não magnético.
Anel Como o fluxo magnético passa através do ar, o acoplamento magnético com o
secundário é muito fraco . Por esse motivo o secundário do acoplador linear é
Anel constru ído com mui tas esp iras, conferindo à bobina do secundário uma
característica de bobina de potencial, tal que a tensão no secundário é proporcional
à conente no primário. Portanto, o acop lamento é através de uma impedância
Figura 2.8 .3 - Sistema em Anel com uma Linha Radial múhla e op era de modo linear sem TÍsco de sahlração.

+ r
O esquema ftmcional em DC é o da figura 2.8.4 .

6lL1

67L2
O acoplador linear, rep resentado pela figura 2.9.1, é um transdutor linear,
construído de tal modo que a tensão no secundáTÍo (Vs ) é proporcional à conente
do primário (I p ) , isto é

(2.9. 1)
Proteção de
Sobrecorrente ou
(2.9.2)

Onde
Figura 2.8.4 - Esquema Funcional em DC
\Is ~ é a tensão no seclrndário do acoplador linear;
Quando da oCOlTência de um defeito na barra haverá corrente de curto-
circuito em direção à barra pelas linhas de transmissão LI e L 2 , mas nâo haverá Ip ~ é a corrente no primário do acoplador linear;
contribuição pela linha LJ , porque a mesma é radial. Nesse caso o relé auxiliar de
XM ~ é a reatância múhJa do acoplador linear.
disparo 94 será ativado e provocará a abelturas dos disjuntores da barra.
t
l
(

146 Capitulo 2 Proteção de Barras 147

Portanto. pela anál ise da e'\pressão 2.9.4 a tensão sob a proteção c 7 tem a
~~i~~~~~~L~___________________ característica da J a lei de Kirchhoft- ap licada à bana. Por esse moti\"o. esse tipo de
proteção é conhecida como proteção diferenc ial de tensão de barra. (
~ + vs - ;

Figura 2.9. 1 - Acop lador Linear Note que , na operação normal do s istema elétrico. L)k = O, tal que a
k=1
Baseado nesta característica do acoplador linear pode-se utilizar um tensão na proteção 87 é nula.
esquema apropriado para a proteção diferencial de tensão de bana.
Desse modo, ajusta-se um valor de tensão na proteção 87 e se houver um
Por exemplo, a proteção diferencial de tensão de batTas, de um sistema defe ito na ban'a, então se
elétrico em anel, com a utilização do transdutor de acop lamento linear, é mostrada
na figura 2 .9.2. V S7 > VajuSle do reléS7 H a proteção 87 opera.
Barra Para que essa análise fique mais ev idente a figura 2.9.3 mostra um sistema
elétrico normal, em anel, onde se considera que as correntes elétricas entram na
barra pe las linhas de tTansmissão L I e L1 e saem pelas linhas L), L.j e L5.
Barra

Figura 2.9.2 - Proteção Diferencial de Tensão de Barras com Acoplador Linear


A proteção de sobretensão 59, está fazendo a função de proteção
diferencial 87, e a tensão nesse disposi tivo é dada por
5
Figura 2.9.3 - Operação NOlmal do Sistema Elétrico
V87 = VI + V2 + V3 + \14 + \15 =LVk (2.9.3)
k =1 Pode-se verificar que as tensões de saída nos transdutores lineares das
linhas de transmissão L J , L4 e L5 invel1em as tensões , de modo que a tensão sob a
Considerando todos os transdutores iguais e substituindo a expressão 2.9.2 proteção 87 é dada por
em 2.9.3, obtém-se
5 V relé 87 = VI + \12 - \13 - V~ - \15
= jXr-JI + j X M i 2 + jX Mi 3 + jX M i 4 + jX Mi 5 = j XML)k
" 87
k= 1 Vre lé 87 = jX M (ii + Í 2 - i3 - i4 - iJ (2 .9.5)
5
\187 = jXMLi k (2.9.4) Ap li cando-se a 1a lei de Kirchhoff na bana, tem-se
k=1
148 Capitulo 2 proteção de Barras 149

11 + i 2 = i3 + Í-j + Í, Como a tensão ubmetida na proteção 87 é maior que o seu ajuste. a


proteção atua, providenciando a abertura dos disjun tores conectados à barra.
i I+ t 2- i3- i4 - is = O A figura 2.9.6 apresenta um defeito fo ra da barra , mas próx.imo do
Substituindo a expressão anterior na expressão 2.29.5, tem-se transdutor linear.
Barra
Vrelé 87 = O
Portanto a proteção 87 não atua.
Para um defeito na barra, como mostra a figura 2.9.5, todas as correntes de
linha se dirigem à barra.
Curto-circuito

Figura 2.9.6 - Defeito na Saída do Transdutor ]


Nesse caso a tensão na proteção 87 será
VS7 = -VI + V2 + V3+ V4 + V5 = jX(- ii + i 2 + 13+ i 4 + is)
Pela 1a Lei de K.irchboff, aplicada à barra, obtém-se
ii = i 2+ i3+ i-j + is
- iJ + í 2 + i 3 + i 4 + is = O
Figura 2.9.5 - Defeito na Barra
Substituindo a equação anterior na expressão da proteção 87, tem-se
Assim, a tensão na proteção 87 é
VS7 = O H a proteção 87 não opera.
V relé 87 = IVI + V2 + V3 + V4 + V5 1 = IjXMIikl
k= 1
As vantagens de se usar o transdutor linear, para a proteção diferencial de
tensão de barra, são:
A corrente de curto-circuito na barra é dada por
© Ausência de saturação;
5

trta n3 barra = ii + i 2 + i3 + i 4 + i 5 = L)k © Fácil ajuste;


k=1 © Fácil manutenção;
Portanto, a tensão na proteção 87 é © Em caso de abertura do secundário o transdutor não se danifica;
V re1é 87 = XMIcurta na ban-a > Vajuste da relé 87 © Alta rapidez na resposta;
© Alta confiabilidade.
150 Capítulo 2 Proteção de Barras IS]

As desva ntagens de seu emprego são: i cd~ = 2-1·,8L7 lU9" kA


(
® Todos os transdutores devem ser iguais;
® A empresa deve adquirir e instalar os transdutores lineares em todas as
conexões com a barra;
® Todos os transdutores lineares devem ser utilizados exc lusivamente
para esse esquema de proteção. Isto é, esses transdutores não podem
ser compartilhados com outras funções.
Exemplo 2.9.1: A figura 2.9.7 apresenta o di agrama unifilar de lima subestação,
onde mostra as correntes para uma detelUlil1ada conctição de operação do sistema
elétrico. O acoplador linear tem uma relação de acoplamento de 1000%v '
Barra

Figura 2.9 .8 - Defeito na Barra


A tensão na proteção 87 é
V87 =VI + V2 + V3 + V4
VS7 = 40L800 + 30L70o + 25 L 90 u + 30L7So
i4= 400A . 87 = 124L78,39° V (Curto - circuito na barra)
Nota: Basta ajustar a proteção 87 para o valor de um terço da tensão obtida sob
L1 L2 L3 curto-circuito na barra. O ajuste recomendado na proteção 87 é
Figura 2.9.7 - Operação Norma l do Sistema Elétrico

a) Verificar a tensão na proteção 87. V - V87 sob curto na barra


ajuste no 87 - 3
A tensão na proteção 87 é
VS7 = - V4 - V3 - V} + VJ c) Verificar a tensão na proteção 87 para um curto-circuito fora da barra, mas
próximo do acoplador linear da linha L3. A figura 2.9.9 mostra as correntes
. S SoS o S o para esse defeito.
V87 = - --400 - - -500L20 - - -320L26 + - -1198,S9L 15
1000 1000 1000 1000 A tensão na proteção 87 é
V87 = -2 - 2,SL200 -1,6L26° + 6L1So
\187 = VI + \12 - \13 + V4
V87 = zero (Situação nOlmal de operação) V87 = 40 L 800 +30L 700 -99,6386L75,49° +30L7So
b) Verificar a tensão na proteção 87 para um curto-circuito na barra, onde as VS7 = zero (a proteção não opera)
correntes do defeito estão mostradas na figura 2.9.8.
IS'"' apítulo2 proteção de Barras 153

seguir. passa-se J. ctescre\.el alguns arranjos tradIcionais de barras.


utilizados em subestação.
i; = 1 9927.72L7 5,49" A
2.11 Barra Simples
Um ananj o com bana simples é uma configuração de uma subestação com
uma única barra. A figura 2.11. 1 mostra um arranjo de bana simples.
.
1"30 =
o
24,8L78,39 kA
[4 = 6L75"kA
1 L,

~I
L,
Íl = 6L700 kA. O
L2 I) = 5L90 kA
L3
Figura 2.9.9 - Defeito Próximo da Barra
Nota: Como se devia esperar a proteção não deve atuar, porque o defeito Barra Simples
foi externo à zona de seletividade da proteção.
I
2.10 Arranjos de Barras de Subestação
V árias configurações nos arranjos de banas de subestação foram *~ ~
~ f·
desenvolvidas ao longo dos anos, devido, principalmente, à necessidade de se obter
maior continuidade de serviços de energia elétrica, em decorrência de defeitos ou
manutenção na bana ou em equipamentos do conjunto pertencente à barra.
Dependendo da c;onfiguração do ananjo, várias alternativas de manobras
são possíveis, o que caracteriza o grau de flexibilidade da barra, possibilitando,
L,l
Figura 2. 11 . 1 - Barra Simples
desse modo, a manutenção da continuidade dos serviços, que é traduzida em
Essa configuração de barra simples não tem possibilidade de manobras
confiabilidade da barra .
para manter a continuidade de serviço, caso haja necessidade de manutenção em
Para cada configuração de b anas adotada deve-se fazer uma análise algum componente do sistema, tal como: disjuntor, seccionadora ou a própria
criteriosa, para que a proteção possa cobrir todas as manobras, a qual pode ser por: bana. Por exemplo, caso haja defeito ou necessidade de manutenção no disjuntor 2,
7 Superposição de zonas; deve-se então seguir o procedimento:
7 Transferência do esquema de proteção, acompanhando as novas ® Desligar o disjuntor 2;
configurações; ® Abrir as seccionadoras do disjuntor 2.
7 Uso de esquema de proteção em separado. Nesse caso a linha de transmissão 2 será desligada durante o tempo da
Para atender a essas possibilidades de manobras faz-se uso de manutenção do disjuntor 2.
intertravamento, por: Toda a subestação será desligada se houver defeito ou necessidade de
i9 Uso de contatos auxiliares dos disjuntores e seccionadoras; manutenção na:
i9 Relés intermediários. ® bana;
154 Capítulo 2 Proteçào de BalTas 155

® em alguma seccionadora ligada à barra; Se a seccionadora b)pass estiver fechada deve-se adequar o esquema de
® Oll em qualquer equipamento conectado à barra. proteção para transferir o disparo para outro disjuntor, de moclo a elim.inar o
defeito. (
Se houver falha no mecanismo de abernu·a de algum disjuntor, a
subestação deverá ser desligada. Pelmanecendo assim, dmante o tempo de (
procedimento de manobras para abrir as seccionadoras do disjuntor, de modo a 2.12 Barra Simples Seccionada
(
isolá-lo da barra, e do tempo de fechamento dos demais disjlmtores, para a
recomposição das linhas de transmissão. Por esse motivo, essa configuração de PaTa aumentar a confiabilidade do esquema anterior de bana simples,
(
batu simples tem confiabilidade e flexibilidade reduzidas. pode-se seccionar a barra. O seccionamento pode ser feito de modo simples ou
múltiplo e efetuado por seccionadora ou por disjuntor.
A proteção de barra simples é feita como mostra o esquema da figura
2. 11.2. Por exemplo. a figura 2 .1 2. 1 mostra um esquema de secc ionamento
L, simples efetuado por uma seccionadara.

I L, L2 I
~ Seccionadora de r-h'
Barra A
\
I seccionamento
(fie)
\
I Barra B
I I" I 1 I
~ ~ ~ ~ cP ~
G G G G [, L·r
Figura 2.12.1- Seccionamento Simples por Seccionadora
\
Figura 2.11.2 - Proteção da Barra SimpLes l
Dependendo da necessidade, pode-se dotar, para alguns disjuntares ou Nessa configuração o sistema pode operar com o seccionamento aberto ou
fechado. A chave de seccionamento, também é conhecida por chave interligadora l
mesmo para todos , a configuração tipo bypass. A seccionadora tipo bypass está
apresentada na figura 2 .1 1.3. de barras.
Nesse esquema aumenta-se a confiabilidade, devido à maior flexibilidade
bypass
de manobras para efetuar o isolamento da balTa com defeito. Quando do defeito em
""----.
~~o-L--.I_
uma barra, mantém-se a outra barra operando e, portanto, perde-se somente uma
parte da subestação.
Dependendo da posição da chave de seccionamento e, se houver defeito,
Figura 2.11.3 - Seccionadora tipo Bypass por exemplo, na bana B, pode m ocorrer os seguintes casos:
J 56 Capítu lo 2 Proteçào de Barras 157
(

( a ) Se a subestação opera com as barras em separado, isto é, com a secc ionadora do ~ abrir as seccionadoras do disjuntor 2.
seccionamento aberta, a proteção de barra B desligará somente a barra com defeito,
As manobras nos disjun tores e chaves secc ionadoras dev em ser feitas na
( sendo que a outra barra continua a operar normalmente.
seqüência indicada. O tempo de manobra completa da chave secc ionadora é
b) Se o sistema opera com as duas barras conectadas, a proteção de barra re lativamente longo, comparado ao tempo de manobra dos d isj untores. As chaves
desconecta toda a subestação. Em seguida, para restaurar a continuidade de serviço seccionadoras podem ser operadas de modo man ual ou motori zadas. Para
da b an'a A deve-se, por processo manual ou automatizado, efetuar as seguintes caracterizar essa distinçào, o Apêndice A, indica que a:
manobras: .,. Seccionadora manual é designada pela função 29:
• abrir a chave de secc ionamento (tie); .,. Seccionadora motorizada ou automatizada é designada pela função 89.
• fechar o disjuntor 1, assim a bana A será energizada; Por segurança, as operações das seccionadoras devem ser confirmadas por
• fechar os disj un tores 3, 4 e 5, assim as linhas L3, L4 e Ls serão inspeção visual no local.
conectadas. Apresenta-se, na figura 2. 12.2, a proteção de barras para a balTa simples
Portanto, a bana A da subestação ficará fora de serviço somente durante o seccio nada por uma secc ionadora.
tempo da execução das manobras. L,

Anali sa-se, a seguir, os procedimentos de manobras para a retirada e


restauração de elementos de uma subestação que opera normalmente com a chave
de seccionamento fec hada.
a) Manutenção na barra B Seccionadora de
seccionamento
(tie)
Para isolar a barra B do sistema elétrico, deve-se efetuar as seguintes B
manobras :
x abrir os disjuntores 6, 7 e 8;
x abrir o disjuntor 2;
x abrir a seccionadora de seccionamento;
x abrir todas as seccionadoras dos disjuntores que foram abertos
anterionnente.
L, L,
Assim, a barra B será desconectada com segurança e a bana A é mantida
em operação. Figura 2.12.2 - Proteção de Barras
b) Manutenção no disjuntor 2 Note que, quando a seccionadora (fie) está aberta, as barras A e B operam
separadamente. Portanto, para um defeito na barra B, somente essa barra será
A manutenção deve ser precedida de estudos para a elaboração da
desligada e a balTa A continua a operar normalmente.
programação das intervenções. Portanto, para o des ligamento do disjuntor 2 deve-
se verificar o quanto da carga da bana B pode ser suprida pela linha LI . Nesse Com a seccionadora (fie) fechada, as duas barras A e B operam conectadas,
caso, por exemplo, supor que a linha LI pode assumir, além das cargas das linhas e a proteção de barra desconecta as 2 barras da operação.
L3 , L4e Ls, mais a carga da linha L6. Portanto, o procedimento de manobras será: O diagrama esquemático em DC da proteção da figura 2.l 2.2 é apresentado
{? abrir os disjuntores 7 e 8; na figura 2.12.3.
{? abrir o disjuntor 2;
(

158 Capítulo 2 J59 (


Proteção de BalTas

a necessidade da proteção da barra A, também ativar o relé de bloqueio 86B . Após


+ 87A I 89a(üe) 89a(lie) I 878 as abelturas dos disjuntores os operadores da subestação deverão abrir a
(
1868

FFH~
seccionadora (fie) e recompor a balTa B. (
Observação: No diagrama esquemático De da figura 2.12.3 , utilizou-se o relé de
bloqueio (86) muito empregado na proteção com r~lés eletromecânicos. ~as
(
52a
atualmente, dependendo da fi losofia da empresa, utlhza-se no lugar do rele de
bloqueio, o relé auxiliar de disparo (94). O relé auxiliar de disparo (desligal:nento) ,
Figura 2.12.3 - Esquemático em De da Proteção de Banas uma vez ativado, provoca a abertura do disjuntor, e o relé de bloqueIO (86)
(
bloqueia a operação de fechamento do disjuntor.
Nessa figura:
Na figura 2. 12. 1 o seccionamento da barra foi feito por uma seccionadora,
./ 89a(tie) --+ representa o contato auxiliar, normalmente aberto, da chave
mas pode-se fazer o seccionamento por um disjuntor, como mostra figura 2. 12.4.
seccionadora (fie) que tem operação motorizada. A letra "a" significa
que o contato auxiliar da chave seccionadora está nonnalmente aberto
(NA) quando a seccionadora está aberta (fora de operação). A letra "b"
significa que o contato auxiliar da chave seccionadora está
normalmente fechado (NF) quando a chave está aberta (fora de
operação) .
./ 52a --+ contato auxiliar, normalmente aberto (NA), do disjuntor que
está abelio (fora de operação). O contato 52a acompanha na operação o
estado dos contatos principais do disjuntor.
De acordo com o esquema apresentado velifica-se a seguinte atuação da
proteção para as condições aba ixo :
a) Seccionadora (fie) aberta e ocorre um curto-circuito na barra A.
A seqüência da atuação da proteção é:
• A proteção da barra A opera, fechando o contato 87 A;
• Ativa-se o relé de bloqueio 86A, que providencia a abertura dos
disjuntores 1,3, 4 e 5.
Portanto a barra B continua a operar normalmente. Figura 2.12.4 - Seccionamento por Disjuntor (Tie Breaker)
b) Seccionadora (fie) fechada e ocorre um curto-circuito na barra A. A vantagem da colocação do disjuntor de seccionamento é que, se houver
A seqüência da atuação da proteção é: defeito em uma barra, a proteção de barra isola esta barra, sem perda da
continuidade de serviço da barra sem defeito. Nesse caso, a proteção de barra abre
7 A proteção da barra A opera, fechando o contato 87 A; todos os disjuntores conectados à barra com defeito, incluindo o disjuntor de l
7 Ativam-se os relés de bloqueio 86A e 86B; seccionamento.
7 Abrem-se os disjuntores 1,2,3, 4,5,6, 7 e 8. Apresenta-se, na figura 2.12.5, a proteção de barra para a configuração
Note que, esse curto-circuito na barra A, foi considerado externo pela com disjuntor de acoplamento (seccionamento).
proteção da barra B. Portanto, a proteção da barra B não atua para esse defeito, daf
160 Capítulo 2 Proteção de Barras 16 1

L,
2.13 Barra em Anel Seccionada
O arranj o de ban'a simples seccionada pode ser estendido a ban'a l11ulti-
seccionada.
A barra multi-seccionada pode se fec har, fOilllando um anel que é
denominado de "barra em anel seccionada". como mostra por exemplo, a figura
A B
2. 13.1.

Figura 2.12.5 - Proteção de Barra com Disjuntor de Acoplamento (fie)


O esquema funcional é idêntico ao caso anterior, com a vantagem de que
somente a barra sob defeito será desconectada. O esquemático da proteção é o da
figura 2.12.6.

+ l"A 86A I 878


1 Figura 2. 13.1 - Barra em Anel Seccionada
Se houver defeito ou necessidade de intervenção na barra A, deve-se
efetuar os seguintes procedimentos:
o Desligar os disjuntores 1 e 2;

Figura 2.12.6 - Esquema em DC da PJoteção de Barra da Figura 2.12.5


o Desligar o disjuntor de linha da subestação remota;

, . Pel~ ~~álise dos esquemas das figuras 2.12.5 e 2.12.6, pode-se verificar as
o Abrir as respectivas seccionadoras dos disjuntores 1 e 2 e do disjuntor
remoto;
vanas possibilIdades de manobras e atuação da proteção. Por exemplo, supondo
defeito na barra B a seqüência de atuação da proteção é a seguinte: o Fechar a seccionadora de aterramento (não mostrada na figura 2.13.1).
i9 A proteção 87B da barra B atua, fechando o contato 87B; Com essas manobras a barra A estará segura e liberada para a respectiva
i9 Ativa-se o relé de bloqueio 86B, que fecha os contatos 86B; intervenção.
i9 Com o fechamento dos contatos 86B, ativam-se as bobinas de Há várias alternativas de colocação de disj untores e seccionadoras nas
aberturas (BA), que abrem os disjuntores 2,6, 7, 8 e tie. linhas de transmissão. Por exemplo, com referência à figura 2. l3.1, poder-se-ia
implementar apenas seccionadoras nas linhas, como apresentado na figura 2.l3 .2.
Verifica-se, para esse defeito na barra B, que a ·barra A continua a operar
sem perda da continuidade de serviço.
(
162
Capítu lo 2 proteção de BalTas 16J

"- x~;< /
e a proteção remota deve abrir o seu disj untar para des ligar a linha de transmissão (
na outra subestação.
Se ocorrer um defeito em Fc as proteçàes PI e P~ atuam abrindo os (
disj untores 1, 2 e 4. E, após a verificação do defeito em F2 , pode-se fecha r o

~y ~
disj untor 4, recompondo a linlla 4.
(
Note-se que nesse esquema utilizam-se 8 T Cs e, po r razões econômi cas, na
prática empregam-se, no esquema, T Cs com 2 enrolamentos secundários. como
mostra a figura 2.13.4.
(

/C
/ ~ "'-
Figura 2. 13.2 - Alternativa de Configuração
. _ Nesse arra~jo em anel nã,o há uma proteção de bana especifica, porque a
plo!eçao .de barra e feIta pela propna proteção da linha de transmissão . A figura
2. b J eVIdencIa essa proteção.

Figura 2.13.4 - TCs com 2 Secundários


No esquema da figura 2. 13.4 o defeito em FI é eliminado pela atuação da
proteção PI , desligando os disjuntores 1 e 2.
Na ocorrência de um defeito em F 2 a proteção PI atua, desligando os
disjuntores 1 e 2, porém o defeito continua a ser alimentado pelas linhas LT4 , LT3 e
LT2 . Note que após a abertura dos disjuntores 1 e 2 o defeito em F2 não está
coberto por nenhuma proteção local e, portanto, as proteções das linhas de
transmissão das outras subestações deverão atuar para eliminar esse defeito . Isto é,
as proteções remotas dessas linhas deverão abrir os seus disjuntores, para eliminar
o defeito em F2 (a subestação local será desligada). Esse é um problema decorrente
Figura 2. 13.3 - Proteção em Anel de se utilizar TC com 2 secundários. Defeito nesse local é dificil de ocorrer, mas
. Na figura 2.13.3, PI , P2, PJ e P4 representam as proteções adotadas para as como a conseqüência do efeito é devastador, outras providências de proteção
respecÍlvas Ir.nhas. Essas prote..?ões têm .características direcionais. Por exemplo, devem ser tomadas para contornar esse problema. Por exemplo, pode-se dotar o
para um defeIto em FI a proteçao PI , da 1ll1ha L I, atua abrindo os disjuntares 1 e 2, relé de distância com um pequeno deslocamento reverso (offs et), ou utilizar a
proteção denominada de blind spat, para cobrír esses " pontos cegos".
164 Capitulo 2 Proteçào de Ban'as 165
(
A seguir, apresenta-se a proteção llógica) b/ind sp al para cobrir o defeito 2.14 Arranjo Barra Principal e de Transferência
em F2 (pomo cego ). Essa lógica baseia-se na consideração de que se, a proteção PI
( amou e há corrente passando no TC\, é porque o defeito é do tipo F2 . Assim, deve- O arranjo barra principal e ele transferênci a, apresentado na figura 2. j 4. L é
se configurar uma lógica com essa consideração. Coloca-se um relé de um ti po de configuração em que a barra de transferência opera como bypass,
(
sobrecorrente conectado no TC ] e o esquema em DC para a lógica blind spat é a associada com o disju ntor de transferência, em substitu ição a qualquer disj untor da
mostrada na figura 2.13.5. subestação .
+
Í 94(DJ1 )
+ +
.." ......... " ...~
50 .... . -
.... -.. .
Disjuntor de
Transferência
Relé de (fie)
Tempo BA(OJ4) . ---. TOO

T 52a (OJ4)

Figura 2.13 .5 - Proteção Blind Spa!


Os comandos são feitos em circuitos DC em separados, como apresentado
na figura 2 .13 .5 .
Para um defeito em F2 , a seqüência da atuação da proteção blind spat é:
7- A proteção PI atua, ativando o relé auxiliar de disparo 94, que abre os
disjuntores I e 2;
7- Com abertura do disjuntor 1, o seu contato 52b(DJd fecha ;
7- Como o defeito em F2 não é eliminado, o relé de sobrecorrente ligado
no TC] opera, fechando o contato 50;
Figura 2. 14.1 - Barra Principal e de Transferência
7- Com o fechamento do contato 50, o relé auxiliar de tempo (T) é
l ativado; Na operação normal a subestação opera somente com a barra principal, tal
que, desta forma, todas as seccionadoras e disjuntores de linha estão fechados.
l 7- Transcorrido o tempo TI no relé de tempo, o seu contato fecha; Nessa situação a barra de transferência pode estar:
7- Com o fechamento do contato TI , ativa-se a bobina de abertura do -./ Sem tensão, isto é, totalmente desconectada da ban'a principaL Nesse
<..
disjuntor 4; caso, o disjuntor de transferência está aberto, com suas seccionadoras
7- Com a abertnra do disjuntor 4, fecha-se o seu contato 52b(DJ4 ); fechadas ou abertas.
7- Transcorrido o tempo T 2 no relé de tempo, fecha-se o contato T 2; -./ Com tensão, isto é, o disjuntor de transferência e suas seccionadoras
7- Com o fechamento do contato T2 , ativa-se o transmissor de sinal TR, estão fechados .
que envia um sinal de comunicação, para o disparo direto TDD do Note que quando a barra de transferência está inoperante todas as
disjuntor do outro terminal da linba de transmissão L4. seccionadoras " f ' estão abertas.

l
(

16 6 Cap ítulo 2 Proteção de Barras 167

Se houver defe ito na ban a principal ou em qualquer seccionadora da balTa 'to Fechar a secc ionadora da conexão da barra de transferência com a
principal , toda a subestação será desligada pela proteção. linha L 6 , isto é, fechar a seccio nadora "6f" :
No esquema da figura 2. 14.1 a alimentação é fei ta pelas linhas de 'to Fechar o disjuntor de transferência:
transmissão LI e L2 e as cargas pelas linhas L3 a L8.
'to Abrir o disjuntor 6: r
Sem precisar desligar o circuito, esse esquema apresenta a flexibilidade de 'to Abrir as seccionadoras do disjuntor 6, isto é. abrir as seccionadoras
permitir retirar para a manutenção qualquer disjuntor, porque a sua função fica (
"6d" e "6e" .
transfelida para o disjuntor de transferência. A seguir passa-se a considerar
algumas intervenções. A linha L6 é alimentada pelo disjuntOJ de transferência, portanto a proteção
dessa linha deve atuar nesse disjuntor. (
a) Manutenção no disjuntor 1.
Se houver defeito na barra principal, toda a subestação será desligada pela
Para isolar o disjtmtor 1 do sistema elétrico, deve-se : proteção .
'to Fechar as seccionadoras do disjuntor de transferência; Pode-se melhorar a flexibilidade e continuidade desta subestação, dotando
'to Fechar a seccionadora de conexão da barra de transferência do a bana principal de seccionamento por disjuntor ou chave de seccionamento .
disjuntor que será desligado, isto é, fechar a seccionadora "I c"; A proteção de barra, para o caso de arranjo de barra principal e de
'to Fechar o disjuntor (fie) de transferência; transferência, é a apresentada no diagrama unifilar da figura 2. 14.2.
~ ~
'to Abrir o disjtmtor 1, que sofrerá a manutenção ;
'to Abrir as seccionadoras do disjuntor I , isto é, abrir as seccionadoras
" la" e " Ib".
Com essas operações o disjuntor de transferência assume o lugar do
disjuntor 1. Portanto, nessa seqüência de manobras, deve-se, de modo manual ou
automático, operar a chave de transferência (43), para que a proteção da linha LI
atue no disjuntor de transferência . A chave de transferência (43) de proteção, pode
ser:
~ de 2 posições: Normal- Transferência. Na posição Normal, a atuação
da proteção, abre o disjuntor de linha. Na posição Transferência, a
atuação da proteção, abre o disjuntor de transferência.
~ de 3 posições: Normal - Intermediária - Transferência. Igual a
anterior, só que na posição Intermediária, a atuação da proteção, abre
os disjuntores de linha e de transferência.
A operação da chave de transferência pode ser, manual ou automática, com
controle local ou remoto.
Para a retirada do disjuntor I todas as operações de manobra se processam
sem perda da continuidade de serviço.
b) Manutenção no disjuntor 6.
Parar isolar o disjuntor 6 do sistema elétrico deve-se:
'to Fechar as seccionadoras do disjuntor de transferência; Figura 2.14.2 - Proteção de Barra do Arranjo Barra Principal e de Transferência
168 Capítulo? Proteção de Barras 169

o esquemático em De para essa proteção de balTas, é o da figura 2.1-4.3. x a prottção de barra 87 alUa, Fechando o seu contata 87 e o relé
di rec ional 6"" atua, fechando o seu cantata 67NA e abrindo o contato
~I 67NF:
x Com os contatos 87 e 67NA fechados ativa-se a bobina de abertura
(BA) do disjuntor de transferência, abrindo-o. Note que só o disjuntor
de transferência é aberto , sem perda da continuidade de serviço.

Caso b) Barra de transferência operando.


Supondo-se, por motivo de necessidade de manutenção. que a barra de
transferência está operando e o disjlmtor de transferência está substituindo um
disjuntor em manutenção . Nessa situação os seguintes casos são analisados:
Figura 2.1 4.3 - Esquema em De da Proteção de Bana
( bl - disjuntor 2 em manutenção
Com o objetivo de melhorar a qualidade da proteção é adicionado, no
esquema da figura 2.14.2, uma proteção de sobrecorrente direcional 67, com Nesse caso o disjuntor de h·ansferência está ocupando o lugar do disjuntor
direcionabdade voltada para a barra de transferência. Sempre que a proteção de 2. Nessa condição, podem ocorrer os seguintes defeitos :
barra 87 atuar e a corrente estiver na direção do 67 apenas o disjuntor de • Defeito na barra principal.
transferência deverá ser aberto.
A seqüência da atuação da proteção é:
Para melhor caracterizar essas atuações passa-se, a seguir, a ana lisar as
alternativas de operação do esquema apresentado. ../ Atua a proteção 87, fechando o contato 87. Note que o relé 67 não
(
atua, porque a corrente está em sentido contrário ao de sua
Caso a) Bana principal ativa. atuação.
{ ../ Com o fechamento do contato 87 ativa-se o relé de bloqueio 86,
Considera-se, nesse caso, que toda a subestação está operando somente
que abre todos os disjuntores, inclusive o disjuntor de
com a barra principal e, portanto, o disjuntor de transferência pode estar:
transferência.
@ Aberto: a barra de transferência está sem tensão, isto é, está desligada;
• Defe ito na balTa de transferência.
@ Fechado: a barra de transferência está com tensão, mas sem corrente
A seqüência da atuação é:
(sem carga).
Nessa situação podem ter as seguintes ocolTências: ../ Atuam as proteções 87 e 67, fechando os cantatas 87 e 67NA e
abrindo o contado 67NF;
aI - No caso de um defeito na barra principal, a seqüência da proteção é:
../ Com o fechamento dos cantatas 87 e 67NA ativa-se a bobina de
7 a proteção de barra 87 atua, fechando o seu contato 87. Note que a abertura (BA), abrindo o disjuntor de transferência. Note que
proteção 67 não atua, porque não passa corrente por ela. somente a LT2 foi desconectada e o restante da subestação
7 Com o fechamento do contato 87 ativa-se o relé de bloqueio 86, que continua em serviço.
abre todos os disjuntores do esquema da figura 2.14.2, inclusive o
Se outro disjuntor estiver em manutenção a proteção atua semelhantemente
disjuntor de transferência.
ao caso anterior.
a2 - Se o disjuntor de transferência estiver fechado e ocorrer um defeito na ban·a de
transferência, a seqüência da atuação da proteção é:
----------------------------------~( .
(
170
Capítulo 2 Proteçào de Barras 171
(
2.15 Barra Dupla a 4 chaves © Defeito em secc ionadora . (
Ocorrendo uma fal ha a proteção atua e o sistema será des li gado. mas
Apresenta-se, na fig ura. 2. 15.1 , um esquema de arranjos de barra dupla a 4 sempre haverá a possibi lidade de isolar o equipamento com defeito e restaurar a
chaves secclOnadoras, mUIto utllJzado nas subestações com nível de tensão de 138 continuidade tota l de serviço. O sistema ficará desenergizado somente durante o
230 e 345kY. ' (
tempo gasto para efetuar os procedimentos de manobras na subestação.
(
Por exemplo, supondo que toda a subestação esteja operando somente com
a barra A e ocorre um defeito nesta barra. Devid o a essa oconência a proteção da
barra A desliga toda a subestação, abrindo os disjuntares 1, 2, 3, 4 e 5. Após a
Barra A análise da ocorrência em que detectou-se o defeito na barra A deve-se seguiJ uma
seqüência de manobras pré-definidas, para passar toda a operação da subestação
para a barra B. O procedimento da seqüência de manobras é:
7 Abrir todas as seccionadoras "b";
7 Fechar todas as seccionadoras "c";
7 Fechar os disj untores 1 e 4.
7 Fechar os disjuntores 2 e 3.
Barra B Se toda a subestação está operando somente com a bana A e caso haja
necessidade de intervenção no disjuntor 2, deve-se fazer as seguintes manobras:
../ Fechar as seccionadoras do disjuntor de transferência;
../ Fechar o disjuntor de transferência;
Figura 2.] 5.1 - Barra Dupla a 4 Chaves
../ Fechar a seccionadora "2d";
Pode-se verificar que, no esquema de cada bay, as entradas ou saídas
../ Abrir o disjuntor 2;
a~r.esentam um disjuntor associado com 4 seccionadoras, daí a denominação de um
dISjuntor a 4 chaves. Para esse caso sempre a barra B será usada como barra de ../ Abrir as seccionadoras "2a" e "2b".
transferência. Note que, no caso acima, a bana B foi usada como barra de transferência.
. .?esquema de arranjo de barra dupla pode operar em várias combinações Por isso, esse esquema de barra dupla a 4 chaves, também, é conhecido por barra
pOSSIbilItando uma flex ibilidade muito boa. ' principal e plincipal de transferência (barra P-PT).
As possibilidades são múltiplas, tais como: Nesse esquema de arranjo de barra dupla sempre haverá manobras para
tirar qualquer disjuntor de serviço. Portanto, devido aos graus de fle xibilidade e
• Operar co~. somente uma barra, sendo que a outra fica a disposição
para ser uhhzada como barra de transferência;
confiabilidade apresentados, esse esquema de bana dupla é muito utilizado pelas
empresas de energia elétrica, sendo, porém mais caro. Por esta razão, ele é
• Operar com as duas barras, possibilitando diversas combinações . empregado nas tensões de 138, 230 e 345kV.
A confiabilidade é devida a continuidade permanente de serviço Nesse esquema, existem várias possibilidades de operação. Porém, sempre
para: que se deseja tirar de operação um disjuntor, deve-se passar toda a subestação a
© Defeito na balTa; operar na barra A, para depois fazer a manobra desejada, usando-se sempre a bana
B como ban-a de transferência. Isto evidencia um excesso de manobras, que é uma
© Defeito em disjuntor; característica desse esquema de arranjos de barras.
Proreçào de Barras 173
172 Capitulo I

? ~squema de proteção atua identicamente ao arranjo de barra pr incipal e a) Sistema operando somente com a barra A.
de transíe~·encJa . Como anal isado anteriolmente, a p referência é de operar sempre Nesse caso todas as secciolladoras "b'" estão fec hadas e a barra B pode ou
com a balra A como sendo a pnnclpal, e a bana B utilizada como transferência não estar energizada. mas sem carga.
havendo assim várias combinações de manobras para a utilização desse alTanjo. .
Se ocorrer um defeito na barra A, a seqüência de awação da proteção é:
A proteção de barra é a apresentada na figura 2.15.2.
.. Atua a proteção 87:
L, L, .. Ativa-se o relé de bloqueio , que provoca a abertura de todos os
disjuntores, inclusive o de transferência.
b) Disjuntor 2 em manutenção.
Com o disjuntor 2 em manutenção o circuito da linha L2 está sendo
protegido pelo disjuntor de transferência (Ue) e a barra B está sendo utilizada. No te
que, nessa situação, as seccionadoras 2a, 2b e 2c estào abertas e a 2d fechada . As
seguintes ocorrências sào possíve is:
• Curto-circuÜo na bana A.
A proteção atua na seqüência:
./ Atua a proteção 87;
./ Ativa-se o relé de bloqueio, que abre todos os disjuntares.
• Curto circuito na bana B.
A proteção atua na seqüência:
Figura 2.1 5.2 - Proteção de Bana .,. Atuam as proteções 87 e 67, isto é, fecham-se os contatos 87 e
O esquema funcional em DC é o da figura 2. 15 .3. 67NA e abre-se o contato 67NF;
.,. Abre o disjuntor de transferência e o restante do sistema continua a
8;1 operar normalmente.
N ote que neste caso, o defeito na barra B continua a ser alimentado pela

ar 6
6N
: :;bl=
fie
(tl~ c"--- ""
BA1
linha de transmissão l.,z. Esse defeito pode ser eliminado pela 2" zona da proteção
do outro terminal da linha de transmissão l.,z, ou pode-se, acionar a transmissão de
disparo direto para abrir o disjuntor do terminal remoto. Essa ação de transmitir o
sinal de disparo direto só é feita com a chave seccionadora tipo bypass fechada,
que no caso é a chave seccionadora "2d" bypass do disjuntor 2.
Deve-se considerar que, quando o disjuntor 2 estiver em manutenção, a
~ ........... 52a .--------. chave de transferência 43, migrou toda a ação da proteção da linha de transmissão
LT2 para o disparo do disjuntor de transferência (tie). A chave de transferência 43
Figura 2.15.3 - Esquema Funcional em De pode, também, ativar a lógica de transferência de disparo direto.
~ seguir, passa-se a analisar a atuação da proteção para a lgumas posições
c) Sistema operando com as duas barras.
no alTanjo.
(
174 Capíndo 2 Proteçào de Barras l75

Supor o arranjo ativado do seguinte modo: A proteção de barra, para essa co nfiguração, é a apresentada na fig ura
tf Barra A com as linhas de transmissão L I e L 2 ; 2. 16.2.
tf Ban'a B com as linhas de tra ns missão L3 e L4 ; L,

éf> Disjuntor de transferência fechado.


Nessa situação, se ocorrer defeito na barra A, tem-se a seguinte seqüência (
TP
da atuação da proteção:
• A proteção 87 atua;
• Ativa-se o relé 86, que fecha os contatos 86NA e abre o 86NF; (
• Como os cantatas auxiliares das chaves seccionadoras I b e 2b estão
fechados, ativam-se as bobinas de abertura BA I e BA2, abrindo-se os
disjuntares 1 e 2, abrindo-se, também, o disj untor de transferência.
Note que, devido às chaves 3b e 4b estarem abertas, os circuitos 3 e 4
se mantém em operação.
Disjuntor oe
2.16 Barra Dupla a 5 chaves Transferência
(tie)

Para dotar de maior versati lidade o esquema de barra dupla a 4 chaves, em Figura 2.1 6.2 - Proteção para o Arranjo de Barra Dupla a 5 Chaves
que qualquer barra passa ser utilizada como transferência, utiliza-se o esquema de O esquemático em DC é praticamente o mesmo do apresentado na
arranjo de barra dupla com um disj untor a 5 chaves, como mostra a figura 2.16. 1. figura 2. 15.3 com algumas variações.
Existem várias lógica de esquemático em DC, para a proteção de barras,
mas, quem identifica em qual barra o circuito está conectado, são os estados das
Disjuntor de seccionadoras "a" e "b".
Transferência
Barra A
(tie) \
2.17 Disjuntor e Meio
A configuração de barra de uma subestação, conhecida como arranjo de
barra tipo "disj untor e meio", é mostrada na figura 2.17 .1.
Essa configuração apresenta elevado grau de flexibilidade e confiabilidade,
porque qualquer defeito na barra, chave, disjuntor ou outro equipamento da
Barra B
configuração, será eliminado pela ação da proteção, sem perda da continuidade de
serviço. Esse arranjo de um disjuntor e meio apresenta custos elevados, sendo, por
esse motivo, empregado em subestações de sistemas de extra alta tensão , tais como
os de 440, 500, 525 e 765kY.
Figura 2. 16. j - Barra Dupla a 5 Chaves
Para melhor caracterizar os graus de flexibilidade e de confiabilidade
Verifica-se que, nesse esquema, qualque r barra .pode ser usada como barra apresentados por esse tipo de arranjo, analisa-se as seguintes contingências:
de transferência.

l
176 Capítulo 2 Proteção de Barras l77
(

( e) M anutenção em qualquer disjuntor.

( Basta etetuar o seguinte procedimento:


Barra A
© abrir o disjuntor correspondente:
© abrir as respectivas seccionadoras .
t) Manutenção em qualquer barra.
Basta efetuar o seguinte procedimento:
( ./ abrir os disjuntores da barra;
./ abrir as respectivas seccionadoras conectadas à barra.
A proteção das barras da subestação com alTanjo de disjuntor e meio é feita
em separado nas duas barras, associada com as proteções das linhas de transmissão,
como apresentado na figura 2. 17.2.
L,
L, Barra A

Barra B

(
Figura 2.17.1 - Arranjo de Barra tipo Disjuntor e Meio
a) Defeito na linha de transmissão Ll.
P1 "-tF P2
P3

Nesse caso a proteção providenciará a abertura dos disjuntores 1 e 2


desligando a linha de transmissão LI da subestação. O restante da subestação
continua a operar normalmente.
b) Defeito na linha de transmissão L4.
Idem item "a", ou seja, proteção providenciará a abertura dos disjuntores 2 P4 PS P6

e 3, desligando a linha de transmissão L4. O restante da subestação continua a


operar normalmente.
c) Defeito na barra B.
A proteção da barra B abre os disjuntores 3, 6 e 9, sem perda de qualquer
serviço.
d) Defeito na barra A.
Barra B
A proteção da barra A abre os disjuntores 1, 4 e 7, sem perda de qualquer
serviço. Figura 2. 17.2 - Proteção da Subestação com Arranjo de Disjuntor e Meio
(

Proteção de Barras 179


178 Capítulo 2

Note-se que, nesse esquema, os TCs das proteções de barras e das L Ts l:, Barra A
estão entrelaçados nos disjuntares, de modo a superpor as zonas de proteção. O (
esquemático em DC está apresentado na figura 2. 17.3.
(

P1
I ......... ........-.-...• P6
I 86B
I 87B ~ (

RB~ ~ - . RM9 ...... 52a .....


ft-r'86B (

Figura 2.17.3 - Esquemático em De do Arranjo de Barras de Disjuntor e Meio (


Analisa-se, a seguir, as possíveis ocorrências na subestação.
a) Defeito na barra A.
A seqüência da atuação da proteção é a seguinte:
'7 A proteção 87 A de barra atua, fechando o seu contato 87 A;
'7 Ativa-se o relé de bloqueio 86A, que fecha o seu cantata 86A;
'7 Com o fechamento do cantata 86A, ativam-se as bobinas de abertura
abrindo-se os disjtmtores 1, 4 e 7. '
b) Defeito em F.
A seqüência da atUação da proteção é:
(f> Atua a proteção PI da LIl, que fecha o cantata PI;
Barra B
(f> Ativam-se as bobinas de abertura 1 e 2, abrindo-se os disjuntares 1 e 2.
Note que no caso de defeito em F a proteção do outro extremo da LT l deve
abrir os disjuntores da subestação remota. Figura 2. 17.4 - TCs com Dois Secundários
A estratégia de colocação dos TCs na configuração de arranjo de disjuntor Entretanto, deve-se salientar que o curto-circuito nesses pontos é de
e meio, da figura 2.17.2, é correta do ponto de vista da proteção, mas devido ao raríssima ocorrência. Esses pontos cegos podem ser cobertos pela lógica blind spat,
fator econômico, utiliza-se TC com dois secundários, como está apresentado na como apresentado na secção 2.13 . O ponto cego, também é denominado,
figura 2.17 A. dependendo do fabricante do relé, de zona morta ou endfault.
Nesse esquema perde-se um pouco da qualidade da proteção,
principalmente nos defeitos localizados em FI. F2 e F3, como assinalados na figura 2.18 Arranjo Tipo Barra Dupla e Disjuntor Duplo
2. 17.4. Note que cada um desses pontos está coberto pela proteção, mas não está
coberto pelos disjuntares da subestação. Isto é, os disjuntares locais não A configuração de barra de uma subestação, conhecida como "arranjo de \
conseguem eliminar o curto-circuito. barra dupla e disjuntor duplo" é a mostrada na fi gura 2.18.1.
180 Capítulo 2 Proteçào de BalTas 181

2.19 Arranjo Tipo Disjuntor e um Terço

Barra A A configuração de barra de uma subestação. conhecida como '" arranjo de


disju ntor e um terço", é a mostrada na figura 2.1 9. 1.

Barra A

Barra B

Figura 2. 18. 1 - BalTa Dupla e Disjuntor Duplo


O esquema de proteção para a barra dupla e disjuntor duplo está mostrado
na figura 2.18.2.
L, Barra A

P1 P2 P3
"-t P4

Figura 2. 19. 1 - Disjuntor e Um Terço


Barra B L3
A proteção de barra adotada para esse arranjo de "disjuntor e um terço"
Figura 2. 18.2 - Proteçào da Subestação com Arranjo de Barra Dupla e Disjuntor Duplo
está apresentada na figura 2.19 .2.
(
182 Capí tulo 2 183 (

L. L" Barra A L3

(
P1
~ P2
~ P3
~ Capítulo 3

P5 P7
Proteção de Reatores

3.1 Reator de Linha

P4 P6 PS
o reator de linha, também denominado de reator shunt, é utilizado na linha
de transmissão, para absorver reativo com o propósito de regular a tensão .
Dependendo do tipo construtivo o reator de linha pode ser:
x Monofásico;
x Trifásico.
Em função da caracteristica, do custo e da necessidade do sistema elétrico,
o reator pode ser instalado do seguinte modo:

Barra B L7 cP> No início da linha;


cP> No final da linha;
Figura 2.19.2 - Proteção de Ban'a do Arranjo Disjuntor e Um Terço
cP> Em ambos tenninais da linha de transmissão.
A proteção segue as mesmas considerações feitas para o arranjo de
Em relação ao grau de manobrabilidade do reator, este pode ser:
subestações com disjlrntor e meio.
7 Reator com disjlffitor na conexão com a linha de transmissão;

\.
184 Capítulo 3 Proteçào de Reatores 185

7 Reatar com disjumor no temlinal próximo ao neuu'o da ligação Y A figura 3.1.3 apresenta o diagrama w1ifilar da instalação dos reatores em
aterrado; ambos lado da linha de transmissão.
7 Reator com secc ionadora na conexão com a linha de transmissão:
7 Reatar diretamellte conectado a linha de transmissão.
Apresenta-se na figura 3.1.1 várias conexões de reatores com a linha de
transmissão.

Figura 3 .l .3 - Reatares Instalados na Linha de T ransTIÚssão


Durante a operação de sistemas elétricos, na linha de transmissão longa, há
Seccianadara geração acentuada de reativo devido às capacitâncias distribuídas. Essa geração de
reativo acarreta elevação do perfil de tensão ao longo da linha de transmissão. Este
Reatar
fenômeno de elevação de tensão, denominado de efeito Ferranti, e está apresentado
na figura 3.1.4.
Efeito Ferranti______ VN + lN

Figura 3.1 .1 - Conexões de Reatares


VN - - - - . =... =..=.-.=
....=
....:::::
....:::::
....:::::
....::::
....:::: ....
=:
....::::
... =. ::.. : :.-. _. ._. . . . . . ..
Na figura 3.1.1 , os reatares apresentados estão conectados em Y aterrada,
mas no sistema elétrico é muito usado a ligação dos reatores em 8. ou em Y não
aterrada. Para se ter um controle na quantidade de reativo absorvido, pode-se
Figura 3.1.4 - Efeito Ferranti
adicionar no banco de reatores, um reato r no neutro na estrela, conectado a uma
chave seccionadora tipo bypass, como mostra a figura 3.1.2. Portanto, o reato r (ou os reatares) pode ser conectado na linha de
transmissão durante os períodos de carga leve (madrugada), onde a linha gera
muito reativo. Desse modo, o reatar consome parte do reativo da linha de
transmissão de forma a controlar a tensão próxima do valor nominal. Em regime
nOlmal de operação do sistema e principalmente na hora de carga pesada (hora da
ponta) o reator deve ficar fora de serviço.
Construtivamente há 2 tipos de reatares, que são:
• Reator de núcleo de ar;
• Reator de núcleo de ferromagnético imerso em óleo.

3.2 Reator de Núcleo de Ar


o reator com núcleo de ar é construído com uma bobina enrolada num
núcleo de material não magnético e é utilizado para sistemas elétricos com níveis
l de tensões baixas (por exemplo, até 3SkV). Geralmente, para controlar o reativo do
lado de alta tensão, esses reatores são instalados via terciário do transformador
Figura 3.1.2 - Reator no Neutro da Ligação em Y principal da subestação.

l
t
(
186 Capítulo 3 187 (

(
As vantagens do reator de núcleo de ar sào:
© baixo peso;
© baixas perdas; (
© baixo custo; (
© ausência de correntes de inrush na sua energização;
© possuir uma indutância constante, tendo linearidade na geração de
fluxo magnético, não produzindo harrnônicas na sua operação. (

As principais desvantagens são: (

© limitações de tensão;
© baixa capacidade de potência;
© fluxo magnético livre no ar, produzindo indução de correntes em
metais e interferência eletromagnética em equipamentos vizinhos;
© Exige maior espaço para a sua instalação.

3.3 Reator de Núcleo de Magnético com Gaps Imerso em Óleo


Esse reator é idêntico a um transformador sem o enrolamento secundário.
O seu núcleo de material ferromagnético é constituído de gaps , com o objetivo de Fotografia 3.3 .1 - Reatar Trifásico e seu Rad iador
manter uniformidade na sua indutância e reduzir o fluxo residual (remanente) no
As princ ipais desvantagens são:
núcleo. Todo o material e o circuito do reator operam imersos em óleo mineral
contido no tanque metálico do reator. O núcleo magnético e o tanque metálico o Muito pesado;
confinam o fluxo magnético de modo a não interagir com outros equipamentos da o Geração de harmôoicas:
subestação. Devido a não haver força contra-magnetomotriz no secundário, que é o
caso de um transfonnador comum, a reação magnética do reatar está no próprio
o Geração de muito calor, necess itando de radiares ou de até refrigeração
forçada:
fluxo -magnético. Desse modo o fluxo magnético é elevado, com produção de
barmôllÍcas e acentuada perda de calor, necessitando do óleo e de radiadores para o o Preço elevado:
dissipar o calor gerado e controlar a temperatura. Geralmente, os radiadores são o Manutenção, devido ao maior número de componentes;
maiores que o próprio reatar, que é o caso, por exemplo, o mostrado na fotografia o Inte nsas vibrações devido aos gap .
3.3.l.
As vantagens do reatar com núcleo magnético imerso no óleo são: 3.4 Proteção do Reator de Núcleo de Ar
l
© Possibilidade de operar com maior potência;
O reatar de núcleo de ar é insta lado no terciário do transformador que
© Fluxo magnético confinado no núcleo;
opera co mo um c ircuito isolado da ten-a. Nessa instalação, os tipos de curto-
© Pode ser constituído de uma unidade monofásica ou trifásica; CirCLl ito que podem ocorrer no reatar são:
© Operação com tensão mais elevada;
a) Curto-circuito 3(p nos terminais de entrada ou próximo dos enrolamentos
© Ocupa menos espaço na aérea da subestação. do rea tor_
188 Capitul o 3 Proteçào de Reatores \89

Esse tipO de c urto-circuÍm é rmíssimo de OCOlTer, pois. geralmente, os Em relação ao esquema da figura 3 .4. 1. L) relé de sobretensão 59 está
bancos ele reatores sã formados por unidades monofás icas. instaladas em fazendo a função de proteção (64 l. Essa proreção detecta uma sobretensão no relé
separados. para gara ntir o nível de iso lamento requerido pela rede elétrica. O curto- 59. quando ocorre u m defeiro a terra em algum ponto do circuito secundári o
circuito 3<jJ produz pouco dano no reato r, porque a tensão eléh'ica cai a zero, tirando isolado. Note que a corrente de defeito a rena. pode ser detem1inada (controlada)
o reatar de serviço. pelo valor da resistência elétrica projetada.
b) Curto-circuito 2q, nos terminais de entrada ou próximo dos enrolamentos Devido estar conectado dentro do b. aberto, o relé 59 só é sensível a tensão
do reatar. de seqüência zero. E como as 3ilS hannônicas geradas no reator estão em fase com
Mesmo caso do item "a". as componentes de seqüência zero, deve-se dotar o relé ou o circu ito do 11 de filtros
para não deixar passar as 305 hannônicas.
c) Curto-circuito l q,-terra Nesse tipo de esquema de proteção, não se pode localizar o defeito. Por
O curto-circuito lq,-telTa no barramento ou dentro do reator, apesar de ser o esse motivo, a atuação da proteção pode alarmar ou desligar o disjtmtor do circuito
mais comum, pouco dano produz, porque a resistência R inserida no transformador terciário . Portanto, após a atuação da proteção, deve-se fazer uma busca do defeito ,
de ateITamento limita o valor da corrente de curto-circuito. Portanto, em relação ao o que pode estar localizado em qualquer equipamento, inclusive no reatar.
curto-circuito, a proteção pode ser constituída de: O curto-circuito entre espiras na bobina do reator, praticamente não
../ Proteção de sobrecorrente; modifica a coo'ente de operação, e, portanto é difícll de ser detec tado. Uma
../ Proteção diferencial; proteção que pode ser usada para esse caso, é a baseada no balanço de tensão (60)
nas 3 fases do reato r.
../ Proteção de seqüência negativa.
Essas proteçàes já foram apresentadas nas referências [46] e [52].
3.5 Proteção do Reator a Óleo
Descreve-se a seguir a proteção adequada para o circuito terciário iso lado da terra e
para defeitos que envolvem a quebra da isolação à carcaça do reatar. A proteção do
As pri ncipais falhas que ocorrem no reator imerso em óleo são :
reator é feita indiretamente pelo relé de sobretensão (5 9) que está conectado no
secundário em b. aberto do transformador de ateITamento [5] , confonne x Falha de fase a terra, que ocorre em qualquer ponto do circuito interno
apresentado na figura 3.4 .1. do reatar ao seu tanque metálico que está aterrado. As falhas podem
Ba rra Terciári a do Trans formador ocorrer na bobina interna do reator à sua carcaça, etc .. . Essas falhas
podem provocar correntes elevadas na fase envolvida, dependendo da
.9 distância em qlle se encontra da bucha do reator. Quanto mais distante
c
"
:~ da bucha do reatar, menor a corrente de defeito.
o
x Falhas entre espiras resulta numa diminuição da impedância do reator,
e conseqüentemente um pequeno aumento na magnitude na corrente da
fase envolvida. No local da falha ocorre aumento da temperatura,
aumento da pressão do óleo e liberação de gás. Se esse defeito não por
eliminado os danos no local evoluem para uma falta de maior
gravidade.
x Outras falhas ocorrem no reatar, tais como, baixo nível de óleo
provocado, por exemplo, por vazamento, perda da ventilação, etc ...
Função 64
Por esse motivo o reatar com núcleo magnético e imerso em óleo requer
mais dispositivos de proteção.
Figura 3.4.1 - Proteção do Reator
(

191 (
190 Capítu lo 3 Proteção de Reatores

Conforme apresentado na seção 3.1, há varios modos de conexão do reator a) Proteçâo por sobrecorrente
na linha de transmissão. tal que a ah13ção da proteção pode ser das seguintes Geralmente a proteçào de sobrecolTellte do reatar utiliza o esquema
formas : mostrado na figura 3.5.1. (
a) Reator de linha conecrado através de uma seccionadora. (
No caso de ocorrência de defeito no reator, a proteção deve desligar o (
disjuntor da linha na subestação loca l e enviar um sinal de transferência de disparo
direto para o disjuntor remoto da outra extremidade da Enha de transmissão. Após
a linha de transmissão ser desligada, abre-se a seccionadara do reator. Se o sistema
possa operar sem o reator, procede-se a energização da linha de transmissão.
b) Reatar com disjuntor próplio.
A proteção do reato r abre o seu disjuntor, sem causar interrupção na
continuidade do serviço. A proteção do reato r deve estar coordenada com a
proteção da linha de transmissão .
Uns dos problemas da utilização do reator shunt com núcleo magnético é a
possibilidade do mesmo entrar em ressonância co m as capacitâncias shunt da linha
de transmissão.
Para prevenir a maioria dos defeitos no reator utilizam-se as seguintes
proteções:
../ Proteção de sobrecorrente (50, 51);
Figura 3.5.1 - Proteção de Sobrecorrellte do Reatar
../ Proteção diferencial (87); Considerando as correntes no secundário do TC , em geral, os ajustes do
../ Proteção de distância (2 1); relé de sobrecorrente são:
../ Proteção de temperatura (26);
Iajusle 51 = 1,SIN do realor
../ Proteção de imagem térmica (49);
../ Proteção a Gás (63). Iajusle 50 = SI N do realor
Geralmente as manobras com o reato r causam perturbações no sistema < I N do realor
elétrico, as quais prejudicam o con'eto funcionamento da proteção. As pril1cipais I.jusle 51 N - S
perturbações provocadas pela abemlra ou energização são:
@ Componentes DC de longa duração; Iajusle SON 2': 2IN do realor

@ Correntes transitórias de baixa freqüência.


b) Proteção Diferencial
Os curtos-circuitos entre espiras são de dificil detecção pelos relés de
proteção. Geralmente é o re lé 63 que percebe indiretamente esse defeito . Se houver A proteção diferencial, bem como a de sobre corrente de terra, utilizada na
sobretensão sustentada, a proteção 59 deve tirar o reator de operação. proteção do reatar shunt, está mostrada na figura 3.5.2.
As proteções utilizadas no reato r já foram apresentadas nas referências [46] Para a proteção de terra, pode-se utilizar a proteção diferencial de terra
e [52]. Portanto a seguir mostra-se, sem entrar em detalhes, os esquemas de como mostra a figura 3.5.3.
proteção do reator.
192 Ca pí tulo 3 Proteçào de Reswres 193

As proteções ~6, -1-9 e 63 funcionam de lünna idêntica aquelas a-presemadas


para transformadores de subestação [5:2]. Gera lmente essas proteções opera m em 2
estágios, sendo que o 1" estágio aeiona apena o alarme e o :2" estágio aciona o
desligamento do disjuntor.
Confonne comelltado na secção 3.1 1 da refe rencia [52], se o reator não for
manobráve l, a proteção do próprio reator deve comandar a aberhlra dos disjuntores
locais e enviar um sinal de transferência de disparo direto para a abeliura do
disjw1tor remoto localizado na outra ponta da linha de transmissão. Mosn·a-se. na
figura 3.5.4, um reator shunt ligado diretamenre na linha de transmissão de uma
subestação com arranj o de barras do tipo um disj untor e meio.

~L:-rA_'---,.,. .- _ _ _ _L_in_h_a_d_e_T_r_a_n_sm_is_sa_ trríI1


__S_U.....Jb'.;~:~
-o____ I •

Figura 3.5.2 - Proteção Diferencial do Reator


(- ~
@J ;
I Trn"~~~,: ~' '1 :
Figura 3.5.4 - Reator Conectado Diretamente na Linha de Transmissão
Pelo esquema da figura 3.5.4, caso haja defeito DO reator a proteção deve
abrir os 2 disjuntores locais indicados e ativar a transferência de disparo direto para
abrir os 2 disjuntores remotos da subestação B. Após a abertura dos 4 disjuntores,
deve-se abrir a chave seccioDadora do reator. Caso o sistema possa operar sem o
reator, deve-se recompor a linha de transmissão.

Figura 3.5.3 - Proteção Diferencial de Ten'a do Reator


(
194 (
Proteçào de Banco de Capac itores 195
(
7 Pelos capacitares ou bancos de capaCilOJes. estrategicamente in talados
na rede elétrica.
Os bancos de capacitores são Lnstalados para suprir a potência reativa dos
elementos indutivos do sistema. A sua instalação deve representar a estratégia mais
económica para o suprimento de reativo para o sistema elérrico. A localização mais
adequada deve ser nos seguintes pontos: (

i9 Junto às cargas indutivas;


~ Em pontos da rede elétrica mais adequado para o controle de tensão.
(
Capítulo 4 Nas redes de distribuição, os capacitores são instalados. estrategicamente,
na rede aérea, para o controle de tensão. No sistema elétrico de maior porte, de
acordo com a necessidade, os bancos de capacitores são instalados nas subestações.
A fotografia 4.1.1 mostra um grande banco de capacitores de lOOMVAr e 230kV,
instalado no pátio da subestação GravataÍ 11, no município de Gravataí - RS.

Proteção de Banco de Capacitores


(

4.1 Introdução

No sistema elétrico, envolvendo geração, transmissão, distribuição e cargas


elétricas, os elementos fisicos da instalação são compostos pelas impedâncias,
cujas conexões são feitas de acordo com a configuração da rede elétrica. As (
impedâncias do sistema são formadas pelas resistências e indutâncias dos (
elementos que compõem o sistema elétrico. Em relação às indutâncias, que podem
ser indutivas ou capacitivas, pode haver predominância de uma delas, dependendo
do local, da carga e do horário. Fotografia 4.1.1 - Banco de Capacitores na Subestação Gravataí Il
Os equipamentos elétricos existentes, que constituem as cargas, são Os principais beneficios, com a instalação de bancos de capacitores, são:
predominantemente indutivos. Portanto, durante a operação do sistema elétrico, as © Redução de perdas no sistema elétrico;
cargas indutivas necessitam de energia reativa. Essas potências reativas são © Controle do perfil da tensão no sistema elétrico;
supridas:
© Melhoria do fator de potência;
$- Pelos geradores síncronos das usinas hidrelétricas e tennelétricas;
© Liberação da capacidade de transporte de energia elétrica pelos
$- Pelos compensadores síncronos; alimentadores, transformadores, geradores, etc.
$- Pelas capacitâncias naturais da rede elétrica;
197
196 Capítulo 4 Proteção de Banco de Capacltores

4.2 Capacitor 4.3 Unidades Capacitivas


o capaci tor e um dispositivo formado. essencialmente. por duas placas As unidades capacitivas são as caixas formadas por vários elementos
condutoras em paralelo. entre as quais é colocado um dielétrico. Construtivamente capacitores associados em paralelo e em série.
as placas são constituídas de alumínio ou chumbo e os dielétr icos são materiais que As ca ixas capacitivas podem ser construídas:
sofreram modificações técnicas ao longo dos ar:tOs.
• Sem elos fusíveis;
Os dielétricos mais usados são:
• Com elos fusíveis internos;
• Papel do tipo Kraft, impregnado com óleo;
• Com elos fusíveis externos.
• Papel e plástico impregnado com óleo; A figura 4.3 . 1 mostra uma caixa capacitiva genérica.
• Filme metalizado;
• Filme plástico .
Antigamente, no capacitor, utilizava-se, o óleo Askarel, que devido ser
cancerígeno e não biodegradáveL por segurança humana e da natureza, não é mais
usado.
Os capacitores à base de papel apresentam problemas na uniform idade do
dielétrico. Os pontos inegulares do papel apresentam menor rigidez dielétt'ica e,
em conseqüência, concentram campos elétricos, propiciando enfraquecimento e
envelhecimento do material. Nesses pontos afloram mais descargas elétricas
parciais, que evoluem para um curto-circuito entre as placas condutoras. O curto-
circuito no papel e óleo libera calor e gases, com o estufamento e a possível
explosão da unidade capacitiva.
Atualmente os capacitores utilizam dielétricos plásticos à base de
polipropileno e apresentam as seguintes características :
./ Uniformidade na rigidez dielétrica;
./ Menor espessura do dielétrico;
./ Unidades mais compactas;
Figura 4.3 .1 - Caixa Capacitiva [79]
./ Maior potência reativa; Os itens a seguir mostram detalhes internos construtivos das caixas
./ Menor percL:'l por potência reativa liberada;
capacitivas .
./ Menor taxa de falha;
./ Maior confiabilidade; 4.4 Caixas sem Elos Fusíveis
./ Menor possibilidade de explodir.
A caixa capacitiva sem elos fusíveis é apresentada na figura 4.4.1.
Uma característica adicional, apresentada por esta unidade capacttlva, é
que quando ocorre um defeito, o curto-circuito no local provoca um arco elétrico Essa caixa apresenta poucos elementos capacitivos. (c~pacitores) em paralelo e
que dissolve o filme plástico, colando as duas placas condutoras. Deste modo o muitos em série. Os vários capacitores em ass~claçao formam ~lm capacito r
capacitor deixa de existir, evitando-se, assim, a sua explosão. equivalente, que gera uma potência reativa capac\tlVa (Q) que sera entregue ao
sistema elétrico.
(

Proteção de Banco de Capacitores


199 (
198 Capítulo 4

A resistência de descarga não assegura que a lensão caia a zero, daí a


necessidade de se instalar, na saída do banco de capacitores, uma chave
Dispositivo seccionadora de aten·amento. A chave seccionadora de atenamento deverá ficar
Caixa
\"":;;::::::t..:s:-rd:::.e descarga fechada quando o banco estiver desligado , assegurando, assim, a descarga
Capacitiva completa do banco de capacitores.
de (
Potência A figura 4.4.2 a seguir mostra, uma ligação de caixas capacitivas.

~
formando um banco de capacitores conectado em estrela aterrada.
Cca ixa lFase a lFase b 1 Fase c
I I I
I I I
Figura 4.4.1 - Caixa Capacitiva sem Elos Fusíveis T T~
i 1
Caixa Capacitiva
sem Fusível Interno

Quando ocone um defeito (curto-circuito) em um capacitor intemo da


1 1 1
caixa, o filme de polipropileno queima colando as placas condutoras de alumínio
eliminando esse elemento capacitivo com defeito. Assim, todo o grupo d~
capacitores em paralelo com o capacitor em defeito ficam inativos. Os capacitores
restantes, em série, sofrerão um pequeno acréscimo de tensão . Esse acréscimo de
T I J
Figura 4.4.2 - Banco de Capacitares Conectado em Estrela Aterrada
tensão nos capacitores remanescentes compensará parte da potência reativa
suprida. Assim, a caixa capacitiva continua a operar, mas com uma tensão ap licada O banco de capacitores da figura 4.4.2 deverá ter um esquema de proteção
maior em cada elemento capacitivo interno. As caixas capacitivas são associadas apropriado.
com ligação em paralelo e em série, de acordo com o esq uema adotado na
instalação elétrica. A resistência apresentada na figura 4.4.1 corresponde ao 4.5 Caixas Capacitivas com Elos Fusíveis Externos
dispositivo de descarga interna da caixa capacitiva. Isto é, quando a caixa
capacitiva é desativada (desligada) a energia armazenada nos capacitores intemos é A unidade de capacitor de potência com elo fusível externo é idêntica à da
descarregada nessa resistência. Um tempo típico de descarga, para reduzir a tensão figura 4.4.1, mas contendo muitos elementos capacitivos internos em série e
ao valor igualou inferior a 50V, é fornecido na tabela 4.4.1. poucos em paralelo, como mostra a figura 4.5.1.
O curto-circuito no elemento capacitivo intemo da caixa queima o filme de
polipropileno (dielétrico), colando as placas condutoras. Assim, o elemento
capacitiva
capacitivo (capacitor) fica em curto-circuito, retirando de operação os elementos
S 600V I m' capacitivos em paralelo. Quando ocorre defeito nos outros e:ementos, a c~rren~e da
caixa aumenta até a abertura do elo fLlsível extemo. A fusao do elo fuSlvel e um
> 600V III ~ ·"'m sinalizador, indicando que a caixa capacitiva está fora de operação.

Tabela 4.4 .1 - Tempo de Descarga após a Desconexão da Caixa Capacitiva


(
200 CapíruJ o .j. Proreçào de BanCl) d" C"p!tciluro:, 701

A moia mamem·. elo Úl:'l\él rt:IlClonaJu. J:.m caso de ruptura, o elo atuado
e fac ilmente sinalizado, como 'TIostra a fotografia . .L5 .3.

t
( Dispositivo
Caixa v-..i=::=t..=s;:--;---=d=-=-e descarga
Capacitiva
de
Potência

Elemento
Capacitivo

Figura 4. 5. 1 - Caixa Capacitiva com Elo Fusível Externo


A fotografia 4.5.2 mostra os elos fusíveis das caixas capacitivas de um
banco de capacitares de instalados em uma subestação.

Fotografia 4.5.3 - Elo Fusível Rompido

No banco de capacitares as caixas capacitivas são usadas em composições


de grupos em paralelo e em série, como mostra a figura 4.5.4.

4.6 Caixas Capacitivas com Elos Fusíveis Internos


l São caixas capacitivas formadas por elementos capacitivos internos com
fusíveis, cujos grupos são constituídos por muitos elementos em paralelo, e com os
grupos conectados em série. A figura 4.6.1 mostra a constituição de uma unidade
capacitiva com elos fusíveis internos.
Fotografi a 4.5.2 - Elos Fusíveis das Caixas Capacitivas

(
(
202
Capítulo 4 Proteçào de Banco de Capacitares 203 (
=
Caso ocon'a um cLlJto-c ircuito em um elemento capaci tivo interno a
corrente rompe o elo fusível conespondente. Os elementos capacitivo desse grupo
ficarão submetidos a uma sobretensão, enquanto que nos demais grupos haverá
lima redução de te nsão. As caixas capacitivas po derão ser conectadas em várias
combinações. Por exemplo, a figura 4.6.~ mostra um banco de ca pac itore-

I
conectado em estrela aterrada.
Fase a J Fase bI Fase c
r

I I'
11 1
T 1 T 2
i, _mm M~
T ;h-h---M T
111 1
I I'
T 1
rnnn M~
T 2T 3 --- m-. M T
111 1
I I'
T 1
rmn M~
T 2 T 3h-u-u MT
1

i ~ 1 i
.
(

c~ix:2:apaCi tiVa com I: :I:

tf *
!,::,

Fusivel In terno

Figura 4.5.4 - Ligação em '1 tr-;-f..--2-f.. .:-3-----------M


--'t tf f 1 2 3_____ Mi 1 2 3_mm_ Mt
l i
o u

Bucha de
~ ~ Passagem ~ r ~
r-I ~
C aixa
Capacitiva
de
Potência

~
II
i'
;*
*
i'

j::
~
Dis positivo
de descarga

... ~
Figura 4.6.2 - Ligação em Estrela Aterrada

4.7 Ligações dos Bancos de Capacitores


Ap resenta-se, na figura 4_7.1, as ligações comumente empregadas no uso
de capacitores em derivação (shun t} .
~
A
Ca paci~ t-

Y~ Y~Y Yr:eY Y~y'


i' ; j:: i' ; ; Ccaixa
"- ~

~~ 1..,~ I
Fus ível i' ; * ;:
i' ; ;:
* ;: j:: ;:
Delta Aterrada Isolada
T i::f,
Isolada
T
Figura 4.7. 1 - Ligações Típicas
Figura 4.6. 1 - Caixa Capacitiva com Fusíveis internos A ligação em dupla estrela pode tam bém ser atenada.
A figura 4.7.2 apresenta urna conexão em estrela isolada do tipo H.
10-l Capítulo -l Proteçào de Banco de CapacilOres 105

nnn c-
V
Xc
-+
capacltàncla, em [F] . do ci:lpaciror:
tensão elétrica. em (V]. no capaciror:
-+ reatância capacitiva. em [.o], do capaci tor:

H H H
T T T T T T
Q -+ potência reativa, em [VAr], do capocitor.
As unidades (cai xas) capacitivas de al ta tensão são fabricadas para suprir
potência reativa na ordem de 25; 50; 100: 150; 200: 300 e 400 kV Ar. nas tensões
de 2 ,4; 2,77; 4, 16; 4,8; 6,64; 7,'2; 7,62; 7.96; 8,32; 9,54; 9,96; 11 ,4; 12,47; 13 ,28:
F igura -l. 7.2 - Ligação em Estrela Iso lada Tipo H 13,8; 14,4; 15, 125: 19,92; 20,8: 21 ,6; 22,8; 23,8 e 23,94 kV.
A conexão em estre la tipo H pode, também ser aterrada. A ca ixa capacitiva supre a potência nominal, sob tensão nominal. Se a
Nas figuras 4.7.1 e 4.7.2 o capacitor equivalente representa as várias tensão submetida fo r diferente da nominal o suprimento de reativo varia e pode ser
combinações série e paralelo das caixas capacitivas. calculado pela expressão 4.8 .3.

4.8 Características dos Capacitores Qnovo -


V novo
Qnominal ( V .
)2 (4.8.3)
nom in al

A caixa capacitiva, ou simplesmente capacitor de potência, é representada


Exemplo 4.8.1: Uma caixa capacitiva tem a seguinte especilicação, na sua placa:
pela figura 4.8.1.
100kVA.r e 7,96kY. Qual a potência reativa liberada pela unidade capacitiva na
tensão de 8,5kV?
Solução:
Aplicando-se a expressão 4.8 .3 , tem-se

Q _
8.)kV
= lOOk( 8,5k
7,96k
)1
Figura 4.8.1 - Capacitor de Potência
Q 85 kV = 114 kV Ar
As expressões, relativas ao capacitor, são:
Na operação fora da normalidade (75] o capacitor pode:
1 1
V=XcI=-I=--I 7 operar com até 135% da potência nominal ;
wC 2rrfC
7 operar com 180% da corrente nominal ;
7 operar com a tensão, na freqüência industrial, sujeita aos limites da
(4.8 .1) tabela 4.8.1.
Pode-se verilicar que em regime permanente o capacitor pode operar
10% acima da tensão nominal.
(4.8.2) 7 A tensão de pico, em qualquer momento, não pode exceder a 20% da
tensão de pico da tensão fundamental em 60Hz. Isso porque,
Onde: dependendo da conexão utilizada no banco de capacitores, as
f -+ freqüência, em [Hz], da rede elétrica; h3imônicas existentes defonnam a tensão original.
(
206
Capítu lo 4 Proteção de Banco de CapaciLOres

Duração de sobrete nsão no capacitar. na freq üenci


industrial (
(
Fata r da sobretensão em t t
Duração pennitida relação à tensão nominal do G,""" , 1 Ei~" , (

rI:1 :2:3:4
ITrr~~Ml
capacitar
6 ciclos 220
15 ciclos
1s
2,00
1,70
G,"p02
:5: M: C,,,~
(

15s
[min
30min
140
1,30

1,25
G"pj i i i 1i~;~uu i
2
T ' T T ' T'(f ' T
C
- MT
E,

pemlanentemente 1,10
Tabela 4. 8.1 - Suportabilidade de Sobretensão no Capac itor [66]

4.9 Esquema (Instalação) de Grandes Bancos de Capacitores


A figura 4.9.1 apresenta um esquema genérico de conexões de caixas de
G,~osIT 1
III I I'~~;~'m 1
T 2 T 3T 4 T 5 T Coa"" MT
capacitor de potência protegidos individualmente, por elos fusíveis, e fom1ando
uma fase de um sistema elétrico trifásico. Neutro I
Figura 4.9. 1 - Esquema Genérico de Unidades Ca~acitivas em Paralelo e em Série,
Onde:
Constihlindo uma Fase de um Banco de Capacltores conectados em Estrela
C caixa ~ capacitância de uma caixa capacitiva; A capacitância total de um grupo é dada por

Eu -* tensão de linha a neutro, da fase "a", do sistema trifásico, no qual o banco c grupo = M C caixa (4 .9.1.)
está instalado;
A capacitância, por fase, do banco trifásico é dada por
M -* número de caixas capacitivas em paralelo no grupo;
S -* número de grupos em série, em uma fase do banco de capacitores. _l_=S. _ __ C =: MC caixa
(4.9.2)
fase S
C fllse M C caixa
Na instalação da figura 4.9.l todas as unidades capacitivas (caixas) são
iguais . A tensão eléttica em cada grupo ou em cada caixa capacitiva é a mesma e é
o grupo é fonnado por várias caixas capacitivas em paralelo e todos os dada por
grupos são iguais. Os grupos são associados em série, para fonnar uma fase do
banco de capacitares do sistema h·ifásico . E caixa = Egrupo = SE a (4.9.3)

A corrente elétrica que passa em cada caixa capacitiva é


208 Capítu lo <+ Proreçào oe Banco de Capacitores 209

___E.-e"'--l-- = 2n f C CJI:" ESa


S ·- - - -
21t f C"alX" G rupo 1
Egnrpu
Curt~
I cuixu -?
- _11:
f C
caixa.
E.
S (-1 .9 .4)
circuito J....._I-_I-...._ ....._ ..._ _ _----'

A corrente na tàse do banco de capacitores é


Grupo 2

4.10 Banco de Capacitores Conectado em Estrela Aterrada


<-1 .9 .5)

1'1'1'1'1'r- MI
No banco de capacitores conectado em estrela atelTada a tensão na fase se
mantém se uma ou algumas caixas capac itivas saem de operação.
A figura 4.10.1 apresenta um defeito (cwio-circuito) em uma caixa
capacitiva. Por facilidade de exposição, foi considerado o defeito na primeira caixa.
No instante do curto-circuito, os capacitores sem defeito , do mesmo grupo,
vão descarregar sua energia sobre a caixa defe ituosa. Neste periodo o e lo fusível
Dão rompe e, assim, o transitório se extingue. A caixa defeihlOsa fica sem tensão e
drena toda a corrente da fase do banco capacitivo. Note que o defeito em wna
caixa Dão caracteriza um c!llio-circuito no banco, isto porque a corrente elétrica é
limitada pelos capacitores dos gmpos remanescentes. Durante o defeito a tensão
elétrica sobre o gmpo defeituoso é zero, tal que, momentaneamente, o gnlpO deixa S·M
Idefeito = S -1 l caixa (4. 10.2)
de operar no conjunto. A corrente elétnca que passa na caixa defeituosa será toda a
corrente da fase do banco, e é dada por
Essa corrente de defeito deverá romper o elo fusível. O elo fusível
I defeito -- M·E a adequado deverá ser dimensionado de acordo com a expressão 4 .10.3.
1
(S -I) - - I . <I < IdcfeilO
21tf C eaixa caL,a elo 10 (4. 10.3)

(4. 10.1)
ou
I Banco < I < I Banco _
S·M
_
(4.10.4)
E S·M
I delei'o = 2n fC caixa t- S -1
M elo 10 S-1
Pela expressão 4 .10.4, para que o elo fus ível possa se fundir, quando da
Comparando-se esta equação com a expressão 4.9.4, tem-se ocorrência de um defeito em uma caixa capacitiva, deve haver um número mínimo
210 Capítulo 4 Proteção de Banco de Capacitares 211

(
de caixas capacitivas em para lelo, em um grupo do ban co de capaci tares . A tabe la A tabela 4.10 . I apresenta a conente que passa na caixa capaciti va com
4. 10.1 ap resenta essa condição mínima. defeito e a tensão nos terminais das caixas remanescentes do gru po.
O elo fusível de . . . e romper antes do tempo de ruptura e de explosão da (
Número minimo Porce ntagem da caixa capaciti va . O fa blicante fomece a curva de dano (estuíà mento e explosão ) da
N úmero (S) de de caixas em Múltiplo da corrente tensão nominal nas (
caixa. Ass im, todos os e los fusíve is, que tenh am curvas de fu são máx ima, abaixo
gmpos em para lelo , por de uma caixa, para caixas remanescentes
grupo da curva de dano da caixa, são possíveis de serem instalados . Após a f usão do e lo
série, por fase defe ito na cai..xa do mesmo grupo, após
fusível as caixas capacitivas do seu grupo entram novame nte em o peração. A
Mm inimo a fusão do elo
figura 4.10 .2 mostra o gru po das caixas capacitas com um e lo rompido.
1 1 Próprio curto
I I I -

2 6 12,0
I I I 109%

3 8 12,0
I I I 109%
(
4 9 12,0 109%
I I I
5 9 11 ,2
I I I 109,8%

6
I 9
I 10,8
I 109%
I
7 lO 1I ,7 109,4%
I I I I
8 10 11 ,4 109,5%
I I I
9
I LO ll ,2
I < 110%
I
10 I 10 11 , 1 <1l0%
I
11 10 11 ,0 < 110%

12 11 12,0 < 110%

13 11 11 ,9 < 110%

14 11 11,8 < 110%

15 11 11,8 < 110% Figura 4. 10.2 - E lo Rompido


A capacitância total dos grupos e sua associação em série, para uma fase,
16 II 11,7 < 110%
são novamente apresentadas na figura 4 .10.3 .
Tabela 4. 10. 1 - Número Mínimo de Caixas Capacitivas em Paralelo, no Grupo, de acordo
com a Associação em Série da conexão do Banco em Estrela Aterrada
(
(
~1 2 Capítu lo 4 Proteçào de Banco de Capacitores ' 13

( pr -,elado. gc:ctlmeme. na terceira Cc 1\" _dpaLlli", 'eti rada. <.: obreten ào nas
t:
(
Grupo 1
unhaI
I (M-1 ) C ca" a ,
.: ai\.as rel11uoescc::o tt'S do mesnw gmpo e mDlor ~lue í O""
A c:orreme délrica que ~assa pele., til' de ligação a celTa é dada pe la

Grupo 2 I MC caixa :
expressão -t.1 0.7.

I = N 1
Grupo 3 T MC caixa En
NOULrO S(M _ N) + N fase nomlai
(-\,,[0.7)

ou

GmpoS
Neutro
+ MCcaixa
M ·N
I Neu"" = S(M _ N) + N I caiou Ilonnn l (4.10.8)

Figura 4. 10.3 - Fase do Banco de Capacita res com o Primeiro Grupo sem Lima Caixa 4.11 Banco de Capacitores Conectado em Estrela Não
Capacitiva Aterrada
Sem uma caixa capacitiva a tensão submetida no gmpo correspondente
cresce e seu valor é dado por C ~mo . inicialmente, a instalação da estrela não aterrada é feita equilibrada,
na operaçao nonnal o ponto central desta conexão está no mesmo potencial do
1
neutro (terra) de um sistem a aterrado.
E _ w(M - l ) ccaixa Na operação nonnal equilibrada a tensão e a COlTente são as mesmas
grupo defeituoso - 1 1 E.
_. + (S-l)- - indicadas nas expressões 4.9 .3, 4.9.4 e 4.9.5.
ro (M -1 )ccaixa roMe cai,,, Quando ocorre um defeito em uma caixa capacitiva, a corrente de curto-
circuito é dada por
M
E grupo de,elluoso
" . = S(M -1) + 1 E n (4 . 10 . 5)
I .. = 3MS I (4. 11.1 )
de leito 3S _ 2 caixa

A sobretensão nos capacitores do gmpo, de acordo com a tabela 4.8. 1, não


pode ser maior do que 10%. Com a fusão do elo fusível a caixa capacitiva com defeito é retirada de
operação e a instalação remanescente da estrela iso lada opera desequilibrada. A
A expressão 4.10.5 é usada para a retirada de uma caixa capacitiva, mas
tensão nas caixas capacitivas remanescentes do grupo se eleva. Se várias caixas
para o caso de N caixas capacitas retiradas, no mesmo gmpo, a expressão 4. 10.6
capacitivas (N) são retiradas, no mesmo grupo, a tensão se eleva e o seu va lor é
fornece a tensão submetida aos capacitores remanescentes do grupo.
dado por
M
Egrupo N re .irados = S(M _ N)+ N En (4.10.6) E - 3M E (4. 11.2)
G rupo N retiradas - 3S(M _ N) + 2N a

Note que com a retirada de caixas capacitivas a tensão cresce no grupo


Supondo que N caixas capacitivas são retiradas, no mesmo gmpo, o neutro
corresponden~e e se reduz nos outros grupos associados em série. Deve-se prever
da estrela isolada vai se deslocar em relação ao neutro de um sistema equil ibrado
que, com caIxas capacltlvas retIradas, a tensão nas caixas remanescentes não
OLl aterrado. A expressão 4.1 1.3 fornece o valor do des locamento do neutro .
ttltrapasse 10% da tensão nominal de uma caixa . Em banco de capacitores bem

l
(

~l-l Capítu lo 4 Proteção de Banco de Capacitares ? 15 (

E
Desloca mo",o do NCllt ro
= 3S(M _ NN) + 2N E" l4. 11.3) II 16
II 11
II 11,5
II < 110%
II
Tabela 4. 11 .1 - Nú me ro Mínimo de Caixas Capaci ti vas em Paralelo, no Grupo, de aco rdo (
Para garantir ambos, a fusão do elo fusível e que a tensão não ultrapasse com a Associação em Série, para Banco de Capacitares Co nectado em Estrela Isolada
10% da tensão nominal, a tabela 4. 1. 1 aprese nta a quantidade mínima de caixas (
capacitiv3s em paralelo, para a instalação desejada. 4.12 Banco de Capacitores Conectado em Dupla Estrela Não (

Número mínimo
Aterrada
Porcentagem da
Número (S) de de caixas em Mú ltip lo da corrente tensão nominal nas
grupos em paralelo, por de uma ca ixa, para A dupla estrela consiste de dois bancos de capacitores, cada um conectado
caixas remanescentes
série, por fase gmpo defe ito na caixa do mesmo grupo, após em estre la isolada, com os neutros interligados, conectados em paralelo em um
M mínim o a fusão do elo sistema elétrico trifásico . A figma 4.1 2.1 mostra este tipo de ligação.
(
I 4 12,0
I 109%
I (

2 8 12,0
I 109%

3 9 11,6
I 109,5%

4 10 12,0
I 109%

5 lO 11,5 110%

6 10 11 ,2 110%
"'~
7 10 11,0 1l0% .8
·u
'c."
8 11 12,0 109,5% '"
Ü
Q)
"O
o
9 11 11 ,9 <110% "c:
'"
CD

10 II 11 ,8 <110%
I
11 II 11 ,7 <110%
I Estrela A Estrela B
12 II 11 ,6
I <110%
I Figura 4.12.1 - Dupla Estrela Isolada
13 II 11 ,6
I <110%
I A tensão em cada caixa capacitiva é a mesma obtida pela expressão 4.9.3 .
A corrente normal que passa por uma caixa capacitiva é dada pela expressão 4.9.4.
14 II 11 ,5
I <1 10%
I Na ocorrência de um defeito a corrente de curto-circuito que passa pela
r -- caixa com defeito é dada pela expressão 4.12. 1.
I
I
15 11 li ,5
I <110%
I

l
21 6 Capítulo 4 Proteçào de Banco 0<' CapaCltor.:" 21 7

(-tl2.1 )
IJ
I lU 11.
II lU9.-l" o
I 0.091

Após a abertura do elo fusível o grupo perderá a caixa capacltlva


I
I 10 l iA
II 109 .7"" 0.ü78

defeituosa e haverá uma elevação de potencial nos capacitores desse grupo. A


expressão 4. 12.2 dá o valor da tensão nos capacitores do grupo. para o caso de N
15
I 10 I J.2
II 109,8~o 0.068

caixas retiradas. 9
I 10 11 ,0
II 110% 0.061

E .
Grupo N rehroJas
= 6M E
6S( M - N) + 5 N ' (4.12.2)
10
I 11 12 ,0
I 109. 1% 0.054

II
I 11 11,9
I 109,2% 0.049
Com as N caixas capacitivas retiradas de um mesmo grupo haverá um
12 11 11.8 109.2% 0,045
deslocamento do ponto central dos bancos de capacitores conectados em dupla
estrela. Pelo cabo condutor que conecta os centros da dupla estrela fluirá uma
corrente elétrica, cuj o valor é dada pela ex.pressão 4.12.3 .
13 II
I 11,8 109.3% 0,042

1 . = 3MN I . (4.12.3)
14 \I
I I I) 109,3% 0.039

Neutro 6S(M _ N)+ SN calxa 15 II


I 11,6 109,4% 0,036

A tabela 4.12.1 apresenta o número mínimo de unidades que deve conter


cada grupo, para possibilitar a fusão do elo fusível e manter a tensão abaixo de
16
I 11
I 11,6 109,4% 0,034

10% de sobretensão nos capacitores do grupo. Tabela 4.12.1 - Número Mínimo de Ca ixas Capaci lvas em Para lelo, no Grupo, de acordo
com a Associaçào em Série, para Banco de Capacitores Conectados em Dupla Estre la
M últiplo da Isolada
Número Porcentagem da
corrente de uma Esta tabela apresenta, também, a corrente que passa na caixa capacitiva
Número tS) mínimo de
tensão nominal
Mú ltiplo da caixa, para a com defeito e a tensão nos capaci tares remanescentes do grupo.
de grupos em caixas em nas caixas
corre nte de uma con'ente que
série, por paralelo, por remanescentes
caixa, para passa pelo
fase, em cada gru po do mesmo 4.13 Banco de Capacitores - Ligação Tipo H
defeito na caixa neutro, dev ido à
estrela grupo, após a
Mminimo retirada de uma
fusão do e lo
unidade A figura 4.13.1 mostra um banco de capacitores conectado em estrela
isolada, onde em cada fase apresenta uma ligação do tipo H.
1
I 2
I 12,0
I 109, 1%
I 0,545

2
I 7
I 12,0
I 109, 1%
I 0,272

3
I 8
I 11 , I
I 109,9%
I 0,183

4
I 9
I 11,4
I 109,6%
I 0,137

5
I 10
I 12,0
I 109,1%
I 0,109
I
Figura 4.13.1 - Ligação Tipo H em Cada Fase
(

2 18 Capítulo 4 11 9
Proteção de Banco de Capaciwres

Na operação normal, a corrente não c ircula pelo TC, e qualquer defeito em Como o propósito espec ifico é o da ob tenção da corrente máx.ima de
uma unidade capacitiva provoca um desequilíbrio, fl uindo corrente elétrica no inrush. pode-se desconsiderar a resistência R do circui to da figura ..U 4.L porque

l braço (ponte) contendo o TC da li gação em H. Assim, o relé será sensibilizado e,


dependendo da gravidade do defeito, o alalme será ativado ou ocorrerá a abeltura
do disjuntor ou da chave seccionadora (que opera sob carga).
Essa configuração tipo H foi , inicialmente, muito utilizada na Europa e na
seu valor não influi na pane inicial do transitório (posteriormente amortece a onda
de tensão e corrente). Portanto. a resistência R será desconsiderada, para íàcilitar a
análise e obtenção do valor da COLTente de inrush . Nesse circuito a indutância L
representa a indutância equivalente do sistema elétrico.
(

(
Austrália; hoje é adotada em todo o mundo, inclusive no Brasil.
Na fig ura 4. 14.1 a soma das tensôes elétricas no circuito é dada por
A conexão de banco de capacitores em estrela, com ligação tipo H pode, (
também ser aterrada. Por exemplo, o banco de capacitores, apresentado na
(4. 14.1) (
fotografia 4. 1.1 , é conectado em estrela aterrada, com ligação tipo H. Esse banco
de capacitares é formado, em cada fase, por 4 caixas capacitivas por gmpo, sendo (
17 gl11pOS em série, perfazendo no total 204 caixas capacitivas, produzindo A tensão elétrica no capacitar é
100MVAr em 230 kY.
Vc(t)==~ Ji(t)'d(t) 4. 14.2)
4.1 4 Energização de uma Unidade Capacítiva C
Substituindo a expressão 4.14.2 na 4.14.1 , tem-se
Antes da energização, o capacitar está descarregado, isto é, sem tensão nos
seus terminais. Quando LUlla unidade capacitiva é energizada, ocorre uma corrente vma,'. == L di(t) + ~ Ji(t) . d(t) (4. 14.3)
de elevada magnitude de curta duração. Essa corrente é conhecida como corrente dt C
de inmsh. Portanto, o capacitor passa pelos seguintes estágios, na energização:
Aplicando a Transformada de Laplace na expressão 4.14 .3 , resulta
+ Sem tensão e corrente antes da energização;
Corrente de innlsh no período da energizaçã6; V . 1
~ == LS I(S) - 1(0) + - I(S) (4. 14.4)
+ Tensão e COlTente de regime permanente depois da energização. S CS
A corrente de inrush possui freqüências bem maiores que a fundamental. A Sendo 1(0) = O, obtém-se
amplitude inicial da corrente de inmsh vai depender da característica da rede
elétrica e do valor instantâneo da tensão no inicio da energização. A máxima V Ill ÚX == (LS + _1 I(S)
S CS
J
amplitude da corrente de inrush ocorre no instante da energização que tenha o
valor máximo da tensão elétrica da rede. Desse modo, a fim de simplificar a
obtenção da corrente de inrush máxima, a energização da unidade capacitiva ocorre I(S) - V C 1 == Vmáx . 1
- máx LCS 2 +1 L S2 + _1_
supondo o sistema elétrico composto por uma fonte de tensão contínua, com valor
igual ao de crista da tensão alternada da rede. Com esta consideração o circuito LC
elétrico de energização do capacitor é o da figura 4.14.1. ? 1
Considerando CD õ= - - , tem-se
LC

~~
Vmáx ~ c Jvc(t)
I(S) == V mãx . 1 ?
L S-+Cú õ
?

Aplicando-se a Transformada Inversa de Laplace, obtém-se


Figura 4 .14.1 - Circuito Equivalente para a Energização do Capacitor
(

:220 Ca pi[Ulo 4 Proreçào de Banco de Lapat:)tores 221

14. 14.5) Sabendo que Z"Irl" = ~


'L
Ct conhecida COn1L1 impedância característica do

( .;ÍrcUlto cie energlzação do capacitar, tem-se


e substituindo COo na última expressão, obtém-se
(
I . = .fivrase 14.14.9)
( (4.14.6) max Zsuno

Onde cor) é a freqüência angular natural do circuito e a freqüência natural A expressão 4.14.9 fornece o valor máximo da corrente de inrush para a
energização de uma caixa capacitiva ou de um banco de capacitares.
da corrente de inrush no período transitório é dada por
Note que as proteções utilizadas nào devem atuar dmante a energização de
1
( coa = 2nfo = .JLC um banco de capacitores.
Observação: Nos bancos de capacitores instalados nas subestações, que não
( possuem bobinas de amortecimentos, a corrente de inrush pode atingir até IS vezes
f = 1 a corrente nominal.
( (4. 14.7)
o 2n.JLC
4.15 Energização de uma Unidade Capacitiva em Paralelo
Note que, pela expressão 4.14.6, a corrente de inrush é considerada
senoidal. Isso se deve pela desconsideração da resistência R. Porém, na realidade O circuito da figura 4.15.1 ilustra a situação em que uma rede eh!trica
essa seno ida I de freqüência fo decresce amortecida pela resistência R. opera conectada a um banco de capacitores e deseja-se conectar uma nova unidade
capacitiva. O circuito equivalente, durante a energização, é mostrado nesta figura.
O valor de clista da COlTente de inrush é

Imãx = V mãxf t

O valor de crista da tensão e seu valor eficaz são relacionados por


Vmáx = .fivrase ; e substituindo na expressão anterior, tem-se
Figura 4.15 .1 - Energização de uma Nova Unidade Capacitiva
(4.14.8) Onde:

A expressão 4.14.8, pode ser reescrita como


LI ~ indutância equivalente do circuito da fonte até o banco instalado

max ft
I . =.fiVfa se
L 2 ~ indutância equivalente do circuito entre o banco existente e a unidade
capacitiva energizada
CI ~ capacitância equivalente do banco de capacitares instalado
C2 ~ capacitância equivalente da unidade capacitiva a ser energizada
-",
Capítulo 4 Proreção de Banco de Capacitares 223
=
Identicamenre ao apresentado no item anterior. a consideração da fonte de
tensão é a mesma, ou seja, o chaveamento na energizaç:ão OColTe com o valor
máximo da tensão da rede elétrica.
Note que, pelo esquema apresentado na figura 4.15 .1, qu ando do
i ( t ) = Vma,
. r""
L
eq
sen( .jL~
L C
<q cq
t) (4. l 5.1) (

chaveamento da unidade capacitiva C 1 aCOITem dois transitórios distintos. Um o valor máximo da correme de inrush será (
transitório ocorre entre a fonte e a nova unidade lnserida e o outro transitório
Ocorre entre os dois capacitares. Dos dois transitórios, o que representa maior r::: . ~-
I max =v2V 105< L
{Ee
4 _ J2v
Z
fase l-l.15. 2)
amp litude e freqüência na cou'ente de inrush é o transitório existente entre as duas eq surto
unidades capacitivas; portanto, somente este será considerado. Assim, no modelo

~ Ceq
do circuito apresentado na figura 4.15.1 não se considera a parte que envolve a
fonte de tensão, e o circuito simplificado fica sendo o da figura 4. 15.2. Z suno = (
eq
(
A freqüência natural da conente transitória do inrush é dada por
1
V máx f -----;===
o - 21t)L C
eq eq

Observação: Como a indutância en~e o: do~~Sac~~:~~o~:S2~ ~1~i~~ ~:~:: : ~~~:~~:


de inrush tem valor elevado, po?en o.a ln", b b'na de amortecimento que é
Figura 4. 15.2 - Circuito Si mplificado para a Energização entre dois Capacitares . I P , comum dImenSiOnar uma o I ,
nOluma. ortanto, e d fase do banco de capacitores. Esta bobina de
) 4.15.3.
Associando as duas unidades capacitivas obtém-se o circuito da figura instalada em se.ne e~ ca a d inntsh a valores adequados, preservando
i am?rtecim~nttOgnIUdla1~~r~a: ~~:~~~e se~cionadoras,
aSSim, a rn e . . . disjuntores e, principalmente,
I evitando a fusão do elo fusíve l das caixas capaCltIvas.

E lo 4151' Uma subestação tem a instalação apresentada na figura 4.15.4.


V máx xemp . . . 1,2 MVAr
L, =4m
~I
E
Figura 4. 15.3 - Circuito Reduzido para a Energização dos dois Capacitares
13,8kV lO.
Disjuntor 'li

----H
Note que a fonte de tensão do circuito da figura 4.15.3 representa o valor
da condição inicial no capacitor C 1 no instante do chaveamento.
ra>fu~---------~IN
L, =8,5m E
O circuito da figura 4. 15.3 tem a mesma configuração do circ uito da figura lO.
C'I
4.1 4.1 , portanto as soluções são idênticas. Assim, adaptando as soluções tem-se, a Disjuntor 1,2 MVAr
partir da expressão 4.14.6, a nova expressão 4 .1 5.1 para a corrente máxima de
inrush entre duas unidades capacitivas. ~I
'li
. - Instalação de dois Bancos de Capacitares em uma Subestação
F·19ura 4 . 154
225
224 Capítu lo 4 j>rmeção de Banco dI! (~pacitores

Inicialmente. os do is bancos de capacitores estão des ligados. A llupedància 1p' nu ai = 50,2 A


equi\alente da barra de 13,8kV é de Z SE = OA29pu (Base: 13,8kV e lOOMVA) . · J a o cba, eamento do primeiro
e) Calcular a máxima COI'rente d e mrus I par
Na subestação. devido ao tipo de estrutura empregada. o cabeamento tem banco de capacitores. .
Para esse cálculo, deye-se utilizar a expressão ~. I -L 8 . apresentada a segmr
0,7021 !!H. Devido ao aspecto construtivo o banco de capacitar apresenta uma
c
~
lU
indutància típica de 5 ~H. I ma.' = ..J27Y.rase -L
a) Calcular a indutância equivalente do sistema elétrico até a barra da
subestação, Onde :
Considerando Z SE = X SE = 0,429 pu, tem-se V - YLinho = 13,8k = 7967,43Y
f!IS< -.J3 .J3
X =0429·Z
SE' Base'
=0429 . V~ase
S
=0429 . (13,ky =081 690
' 100M ' C=C\ =16,71~tF
Base
L = L SE + L I + L 2 + L-I + L Banco de Capaci, res
X SE = 2n:fL SE
L = 2166,84 + 6,0 + 1,75+ 2,8 + 5,0 = 2 182,39 !lH
L - X SE _ 0,8169 ,-----
SE - 2rrf - 2n:.60 " 16,7 1!l
lm:ix =.fi x 7967,4:> 2182, 39 !l
L SE = 2166,84 !lH
b) Calcular as ind utâncias equivalentes dos cabeamentos indicados na figura
I máx = 985,95 A
4.15.4. 1 1
f - ----============
LI =0, 7021 x8,5~6,0 !lH 0 - 2nM 2n~2182,39!l x 1 6 ,71!l
L 2 =LJ = 0,7021 x2,5=1,750 !lH fo = 833,42Hz
L4 = L; = 0,7021 x 4 ~ 2,80!lH 1) C alcular a máxima corrente d e mrus · h para o chaveamento do segundo

c) Calcular a capacitância do banco de capacitores. banco de capacitor. .


Para esse cálculo deve-se utilizar a expressão 4.15.2, apresentada a segUIr

r'"
Da expressão 4.8. 1, tem-se

-e -roy
l - 2rr Qfy 2 1,2M
C
1- 2 - 2 -
2n: · 60(13,8k?
I mãx
= ""V fase L
eq

e, =e 2 = 16,71 !lF Onde:


d) Calcular a corrente nominal do banco de capacitor.
C =
CI ·e2 = 8,35 !lF
I Sno m in al 1,2M eq e , + e2
no min al -.J3v . nommal .J3 X 13,8k Leq = L4 + L 2 + LJ + Ls + 2L Banco de Capaci tores
(
')") ~
~~ I (
Proteção de Banco de Capacitores
226 Capítul o 4

L." = 2,80 + 1,75 + 1,75 + 2,8 + 2 x 5,0 = 19,10 ~lH (

(
I . =.fi x 7967 43 8,35~ (
Inax ' 19,l~
(
1m3x = 7450A
(
f = 1 = 1
o 21[~L<q Ceq 21[~19,1~ x 8,35p
(
fo = 12602,6Hz
(
Observação : Para diminuir o valor da corrente máx ima de inrush, bem como sua
freqüência natural do transitório , deve-se projetar, convenientemente, uma (
indutância de amortecimento a ser instalada em série com o banco de capacitores. (
Ul
A fotografia 4. L I mostra as 3 bobinas que formam a indutância de amortecimento
.9'"
do banco de capacitares (lOOMV Ar, 230kV) tipo H, conectado em estre la aterrada, -ü
m
a.
da subestação Gravataí II. Pode-se, também utilizar outras técnicas, tais como a m (
()
pré-inserção de uma resistência R, ou proceder o chaveamento na tensão zero. Q)
"O
o (
U
c:
4.16 Proteção de Banco de Capacitores Conectado em Estrela '"
ro
Aterrada
A ligação do banco de capacitores em estrela aterrada ou com neutro
aterrado, foi apresentada n-a figura 4.7.1. Mostra-se, a seguir, alguns esquemas de
proteção, aplicados a conexão de banco de capacitares em estrela aterrada.
A figura 4.16.1 apresenta um tipo de esquema de proteção de um banco de
capacitares em estrela aterrada, acoplado ao banamento de uma subestação.
A proteção de sobrecorrente protege o banco de capacitores no caso de Figura 4.16.1 - Proteção de Banco de Capacitares em Estrela Aterrada
qualquer defeito (curto-circuito) do TC até o interior do banco. A proteção de
sobrecorrente atua para defeitos graves, promovendo a abertura do disjuntor local Os defeitos no banco de capacitores são os que ocorrem por:
ou do barramento. • Curto-circuito entre caixas capacitivas;
Muitas empresas, para banco de capacitores de pequeno porte, adotam a
proteção de sobrecorrente antes do barramento, como mostra o diagrama unifilar da • Curto-circuito entre uma caixa capacitiva e o suporte metá lico do
banco;
figura 4.16.2.
Se o defeito for no banco de capacitares a proteção de sobreconente alua, • Defeitos em qualquer local do circuito de entrada da instalação do
banco;
abrindo o disjuntor do balTamento. Imediatamente, deve-se abrir a chave
seccionadora do banco de capacitores e restabelecer as condições operativas do • Curto-circuito interno à caixa capacitiva _
barramento.
118
Capínllo -I Proteçâo de Banco de CJ.pacuores 129

[IpC Oe I gacãe.. ~IS Cl1frCn:~s de 3- hanllÔnl23 t: s~u ~ múltlpiu~ de ordem impar


t1uem elo neutro para " lerra. P,)rtanto. 113 necessidaele ele Se: Ulil iZaf fi ltros para
derivar 3S harmónicas do ;elé ele sobretensão. Assim. n3 resistência R circula a
com::nte fundamentaL relativa a retirada da caixa capacitiva. cuja tensão gerada
será mon itorada pela proteção 59 . O valor ele R é da ordem de 5 a 250.. A primeira
caixa capacitiva retirada do banco de capacitores deve ser sinalizada, através de
alarme acionado pela proteção 59. Portanto, o ajuste da proteção 591 (unidade
lllstantânea), deve ser menor que a tensão gerada pela retirada da primeira caixa.
50N/
/51N A coneute que circula na ligação à ten'a, para N caixas capac itivas
retiradas num mesmo grupo. é dada pela expressão 4.10.7 ou 4.10.8 . Considerando
··: ..:.

~
o valor de R o ajuste pa.ra provocar o alarme na unidade de proteção 59, para uma
Disjuntor
· .
...--- -~ -- ---)
caixa capaciriva retirada. deve ser

Secionadora
v < R · lNc:ulTO I ca ix..l rt:tirudn (-1.16.1 )
ajuSte 591 - a

I 1 I Barra
1
onde:

~
a = {1,5 para re lé eletromecânico
Chave a Óleo 1,1 para relé digital
To.
Para ajustar a proteção de sobretensão 59T (temporizada), eleve-se
e·········] considerar o núme ro N de caixas retiradas, que produza uma sobretensão acima de

11
Alimentadores
/
":&'
.
59fT

Alarme
10% nas caixas capacitivas remanescente do mesmo grupo. Portanto, o ajuste da
proteção 59T é obtido através da inequação
v
ajuste 59T -
< R . I Neutro paro N ca ixas ,eliradas
a (4. 16.2)

Nessa expressão , lNeutro para N · d as é a corrente relativa às N caixas


·reura
c:lIxas 1

Figura 4.16.2 - Diagrama Unifilar com a Proteçào de Sobrecorrente no Barramento


retiradas, que produz sobretensão maior que 10% nas caixas capacitivas
A proteção de sobrecorrente não cobre todos os tipos de defeitos. Outras remanescentes do mesmo gmpo da caixa com defeito. As sobretensões nas caixas
prote?õ~s são necessárias, como a de seqüência negativa (46), de sobrecarga (49), e capacitivas são calculadas peja expressão 4. 10.6. A proteção de sobretensão 59T
de illll1UUa corrente (37), também conhecida por subcorrente. Até o momento e tem uma temporização de 0,5s e sua atuação abre a chave a óleo ou o disjuntor
nos li,,:'os de proteção (vo lume 1 e 2), apresentou-se vários tipos de esquemas 'de local. O defeito em uma caixa capacitiva ou em N caixas não corresponde a um
proteçao, pOlian to, não serão mais descritas as proteções externas do banco de CUlto-circuito elevado no sistema e, portanto, não há necessidade de se ter um
cap.a~itor~s. A se~uir, apresent~-se as proteções para defeitos em caixas capacitavas dispositivo de abertura de elevada capacidade de IUptura como um disjuntor, o que
llldlvlduals, aSSOCiadas aos efeitos com a sua retirada de operação. permite usar uma chave a óleo com abertura sob carga .
. Cada caixa capacitiva está protegida pelo seu próprio elo fusível. A retirada Outro esquema de proteção que também pode ser utilizado é o balanço de
da caixa, pelo rompimento do elo fusível , será detectada pela proteção de tensão, função 60, que está apresentado numa única fase, na figura 4 .16.3.
sobretensão (59), que nessa situação está fazendo a função de proteção 64. Nesse
,.

(
23 0
Capírulo4 Proteção de Banco de Capac ita res 231 (

(
TP
(

(
'"~ (
=ªu
rn 59
Relé

0-
co Função
O 60 (
Q) rn
-o TP CD
o E
u
c
CO
(]J
3 "ü
CIl
Q.
CIl
o
CD
-o
o
ü
c
CIl
CI)

Figura 4.16 .3 - Proteção por Balanço de Tensão do Banco de Capacitores em Estrela


Aterrada.
Ne~~e esquema, quando alguma unidade capacitiva sai do gmpo, provoca
um deseqmhbno de tensão det~ctado pela proteção de balanço de tensão 60, que Figura 4.16.4 - Proreção por Balanço de Tensão
pode aClOnar um alarme ou desltgar o banco de capacitares. Essa proteção é imune Se a subestação tem dois bancos de capacitares instalados em estrela
ao desbalanço de tensão proveniente do sistema elétrico. A desvantaoens é a aterrada, pode-se utilizar um esquema de proteção de balanço de corrente, com o
necessidade de 6 TPs para a proteção total do banco de capacitores. b mostra a fig ura 4.16.5.
Outro esquema, de balanço de tensão de seqUência zero, é o apresentado na Na operação normal não circula corrente fundamental no relé de
figura 4.16.4. sobrecorrente. As harmónicas de terceira ordem e seus múltiplos não passam no
A proteção de sobretensão 59 está conectada no secundário de 3 TPs, relé, devido aos TCs estarem conectados em oposição às suas marcas de
formando uma conexão em 11 aberto. N a operação nonnal a proteção 59 é polaridade. Portanto, esta proteção não necessita de fi ltro para as hatmônicas.
submetida à soma das 3 tensões, isto é Assim, quando ocon-e um defeito em alguma caixa capacitiva a corrente flui pela
ligação à terra e será detectada pela proteção de balanço de corrente 6l. Essa
V'9 = IV. + V + Vel== zero
b proteção apresenta as seguintes vantagens:
Se alguma unidade capacitiva é retirada, as tensões nos primálios dos TPs ..í Não é sensível ao desbalanço das tensões do sistema elétrico;
se to:n am desba.lanceadas. O grau de desequilíbrio de tensão, que reflete a ..í Não é afetada pelas hannônicas _
quantldad.e de caixas capacitivas retiradas, é detectado pela proteção 59 . Assim, Uma variante desse esquema é a proteção aplicada na ligação tipo H (tipo
," deve-se aJustar.o 591 para acionar o alanne, no 10 estágio, e o 59T para desligar o ponte), na conexão estrela aterrada. Esse esquema é apresentado na figura 4 .16.6.
banco de capacitores, no 20 estágio.

l
( ,1'")
_J_
Capítulo -+ PrOleção dt! Banco oe CapacilOre; 2.3.3

( Qualque r unidade deÍCl tuosa \ cm ..:urto-circuuo ou aoena I pr0\ oca um


( deseqUIlíbrio na fase. com a conseqüente clrcLllação Je conente no relé de balanço
61.
(
Outro esquema de protec:'io de tàse dl\ idlda. por balanço de correme. é
apresentado na figura 4.1 6.7 .
.
~
( I
u
g
~
aJ
80L120U A

Figura 4. 16.5 - Esq uema da Pro teção de Balanço de Corrente


'"<D
.9

ai
a.
ai
U
~ '--"-0-.....
o
g
"
tIl

Figura 4.16.7 - Proteção de Fase Dividida, por Balanço de Corrente


Para o banco de capacitores, operar em estrela aterrada, a chave
seccionadora (g), na figura 4 .1 6.7, deverá estar fechada. Cada fase é composta por
dois conjuntos, tal que a corrente da fase é dividida, não circu lando corrente no relé
de balanço. Este tipo de proteção representa a função de proteção 6 1.
Para exemp lificar este caso, apresenta-se uma operação de um banco de
capacitores, na qual as correntes elétricas estão indicadas na figura 4.16.7. Para
Fig ura 4. 16.6 - Proteção para a Ligação Tipo H, para a Estrela Aterrada facilitar a aná lise, o TC considerado é de relação I: I. Em caso de rompimento do
Proteçào de Banco de Capacitores 135
::3-1 Capítul o 4
(
elo fusíve l de uma caixa capac itiva a correntes na mesma fase se desequilibram, © Existência de uma corrente passand pela Iigaçào à terra, em caso de
(
força ndo a COlTente de desbalanço a passar pelo relé 61. A fi gura 4. 16.8 mostra as defeito em alguma unidade capacitiva:
correntes para o caso da retirada de uma caixa capacitiva da fase da esquerda. © O banco de capacitores apresenta um caminho de ba ixa impedància à
teiTa, para as tensões induzidas por descargas atmosféricas. (
Os principais inconvenientes são: (
® Se o banco possui somente um grupo em sene, por fase . o Cllrto- (
circuito em uma wridade capacitiva correspo nde a um curto-circuito no
sistema elétrico. Essa corrente de curto-circuito é elevada, necessitando (
80L120"A
80L- 12o"A
de um elo fusível de valor muito alto ou até de um elo fusi vel limitador
76A
de corrente;
® Um desequilíbrio no sistema elétrico. que alimenta o banco de (
capacitares, poderá provocar a operação indevida do relé de neutro; (
l
,I
® O banco de capacitores em estrela atelTada fornece um caminho de
escoamento à terra, para as correntes de 3" ham1ônica e suas múltiplas
I· de 3;
® As correntes de curto-circuito nas unidades capaci tivas são de maiores
valores, em relação a outros tipos de conexões.

4.17 Proteção de Banco de Capacitores Conectado em Delta


Bancos de capacitores conectados em tl são utilizados em sistemas
elétricos com tensão até 2,4 kV.
Apresenta-se, na figura 4. 17. I , um esquema de proteção típica com relé de
sobrecorrente.
Alternativamente, pode-se adotar uma proteção de balanço (diferenc ial),
por fase, para banco de capacitores que tenha fase dividida, conforme mostra a
figura 4.17.2.
Figura 4.1 6.8 - Corrente de Desbalanço no Relé 61 Essa proteção de fase dividida é idêntica àquela empregada para detectar
. Apresenta-se, a seguir algumas considerações gerais sobre o banco de curto-circuito entre as espiras do gerador síncrono, descrita na seção 1.10.
capacitares conectado em estrela aterrada. Esse tipo de ligação apresenta as Na operação normal a corrente numa mesma fase se divide em igual
segumtes características: amplitude, não circulando corrente no relé 61. Se alguma unidade capacitiva sai de
© Maior segurança à instalação, devido ao neutro aterrado, as tensões nas operação, devido à fusão do seu elo fusível , surge uma corrente de desbalanço no
fases se mantêm, a despeito do defeito em alguma unidade capacitiva relé 61.
da outra fase; Nos esquemas apresentados nas figuras 4.17.1 e 4.17.2 recomenda-se
© Baixo custo de operação; instalar, pelo menos, 2 TPs entre fases, para a medição e a ação dos dispos itivos de
controle no banco de capacitares. Esses TPs constituem um caminho de
© Pequena área ocupada na subestação;
escoamento para as descargas dos capacitores do banco.

l
(
7'
( ProIeçào de Banco LI<! Capacltores
-.)
~3ó Capitulo 4
(
Uma das pnnclpai: \·al1t· gens da II ação de banco de capacitare::. em ~ é a
r mexlsténcia de hannô11lcas ...\. desvamag<::m deste tipO de conexão são:
( If Necess idade de elos fuslvei s de alta capacidade de ntprura. porque esse
banco de capacitares é muitas vezes utilizado com apena" um grupo
série. por fase.
~ No caso da adoção da proteção de balanço de corrente. o custo é alto
devido ao número de TCs requeridos .

4.18 Proteção de Banco de Capacitores em Estrela Isolada


Existem vários esquemas de proteção de bancos de capacitores conectados
( em estrela isolada, sendo apresentados. a seguir, os principais utilizados para esse
( tipo de conexão.
Uma das alternativas para a proteção de um banco de capacitares
(
conectado em estrela isolada é o esquema de proteção da figura 4.18.1.

Figura 4.1 7.1 - Prmeçào com Relé de Sobrecorrenre em Banco de Capacitores Co nectado
em 6.

ln
\. Q)

B
'(3
ro
C-
ro
Ü
Q)
"O
o
U
c:
ro
ro

F igura 4. 17.2 - Proteção de Balanço na Fase Dividida Figura 4. 18. 1 - Proteção de Banco de Capacitores em Estrela Isolada
~38
Capítulo 4 Proteção de Banco de Capac ilOres 239 (
=
A proteção de sobrecorrente. na entrada do banco ele capac itares. fimc iona
do mesmo modo que aquela do item 4. 16.
Na operação nOlmal , o neu tro do banco de capacitares isolado é idêntico ao
neu tro de u ma instalaçao aten'ada, isto é, não há deslocamento do neutro e o valor (
de tensão no relé 59 será zero. Na retirada de alguma un idade capacit iva as
capacitàncias das 3 fa ses se desequilibram, deslocando o neutro do banco de
capacitares . O deslocamento, que co n'esponde a uma tensão desviada do ne utro (
original, será detectado pel o re lé 59. O deslocamento do neutro, detectado p elo relé (
59, da retÍTada de N cai xas capacitivas de um mesmo grupo, é calculado pela
expressão 4. 11. 3. que está novamente reescrita na expressão 4.1 8.1. (
Ul
~
E = N E g
Desloc-am"fllO do Neulro 3S(M _ N) + 2N a (4.1 8.1 )
u
ro (
a.
ro
U
Note que o TP fOlma um caminho de escoamento para as descargas QJ
(
"O
residuais dos capacitares do banco. o
U
c
A fotografia 4.1 8.2 mostra 3 TPs, cujos seclmdários estão conectados em I'J. ro
ClJ
aberto, para a ligação do relé 59 do esquema apresentado na figura 4.l8.1.

Cenlelhador

impedância
Figura 4.l8 .3 - Proteção de Alta lmpedância
Esse esquema utiliza um TP de . alta impedância para mant~r a
característica de isolamento à telTa do banco. Qualquer retirada de caIXa capadCltLVa
resulta no deslocamento d o neu tr o, na .qual , . a tensão que correspon
d" d TPe aoo
deslocamento será submetida ao terminal pnrnano do TP. No secun ano o. .
relé de sobretensão 59 poderá acionar o alarme ou desli~ar o banco de capacltOles.
A tensão de deslocamento do neutro é dada pela expressao 4. 18.1. _ .
De um modo geral, as características e vantagens da IDstalaçao de bancos
Fotografia 4. 18.2 . 3 TPs do Esquema de Proteção da Figura 4.18.1 de capacitares em estrela isolada são: . .. _. .

r
Outro tipo de proteção, também possível para o banco de capacitores em • Menor corrente de curto-circuito em lima caixa capacltlva com detelto,
estrela isolada, é o apresentado na figura 4. 18.3.
• Necessidade de elo fusíve l individual de menor capacidade de ~lptura;
• Menor sensibil idade ao desequilíbrio de tensão no sistema elétnco ;
2-10 Capirulo -I Proreçào de Banco de Capacitores 24 1

• J ne isténclU Je harmom.:as· 6am"

• I lenor 30bretellsã nos capacitorc5 rell1anescentes. -=u: relaçàú aos


cutros ti pos de conexões:
• Ocupação de pouco espaço na subesração.

As principa is desvantagellS deste tipo de conexão são:

JJ:> Necessidade de uma proteção mais dispendiosa:


JJ:> Necessidade de uma proteção adicional para as descargas atmosféricas.
A fotografIa 4.18.-1 mostra o TP empregado no esquema de proteção da
figura -l. 18.3 .

Figura 4.18.5 - Proteção com Capacitar de AteITamento


Pode-se, ainda, utilizar o esquema de proteção na ligação tipo H para a
estrela isolada, conforme ilustra a figura 4.18.6.
(

Fotografia 4.18.4 - TP do esquema da figura 4.18.3


Uma outra alternativa de proteção, que pode ser utilizada, é a apresentada
na figura 4.1 8.5.
O funcionamento desta proteção é idêntico ao do esquema mostrado
anteriormente. Neste esquema instala-se um relé 59, de tempo inverso , acoplado a
um divisor capacitivo. Na retirada de caixa capacitiva haverá uma diferença de
potencial entre o neutro do banco de capacitores e a terra. Essa tensão será dividida
entre os capac itores de ateITamento associados em série. O relé de sobretensão 59
poderá acionar o a larme ou desligar o banco de capacitores.
Figma 4.18.6 - Esquema de Proteção na Ligação Tipo H para a Estrela Isolada
(

Capítulo 4 2. B (
Proteção de Banco de Capacitares

Outro esquema de proteção, que pode ser uti lizada para a conexão estrela
(
isolada, é o mesmo da configuração da figura 4.16 .7. com a chave seccionadora
"g" abe11a. (
Um relé digital pode ser usado na proteção par balanço de tensão (função
60), do neutro da estrela do banco de capacitares em relação ao neutro da rede
eléhica. Este esquema de proteção é apresentado na figura 4.1 8.7. (
(

50/51

Figura 4.1 9.1- Proteção com Relé de Sobrecorrente para a Dupla Estrela Iso lada
3MN I .
I Neulro = 6S(M _ N) + 5N Cal,"

O relé de sobrecorrente deve ser ajustado de fonua a acionar o alarme para


a primeira caixa defeituosa retirada e desligar o banco de capacitares para o caso de
Figura 4.18 .7 - Proteção por Balanço de Tensão de Neutros caixas defeituosas extras serem retiradas, com sobretensão maior que 10% nas
caixas remanescentes.
4.19 Proteção de Banco de Capacitores Instalado em Dupla Outro esquema de proteção de banco de capacitores, que utiliza o princípio
de desbalanço de tensão dos neutros das estrelas , é apresentado na figura 4.1 9.2.
Estrela Isolada
Para N caixas retiradas o desvio de tensão entre os neutros das conexões
Um esquema de proteção típico para o banco de capacitares consiste na estrela é dado pela expressão 4.19.1 .
utilização de um relé de sobrecorrente (função 61) conectado entre os neutros da
_ 6M E
dupla estrela, COiUO mostra a figura 4. 19.1. E D",loca me nto do neulro - 6S(M _ N) + 5N a (4.19. 1)
A retirada de uma caixa capacitiva provoca o desequilíbrio entre as duas
estrelas. A corrente, de desequilíbrio, que passa no cabo de ligação dos dois A figura 4 .1 9.3 apresenta um esquema alternativo para a proteção de banco
neutros, para N caixas retiradas no mesmo grupo, é dada pela expressão 4. 12.3, que de capac itores instalado em dupla estre la isolada.
está reescrita a seguir.

---- I
Pruteçào de Banco Je Capa ' itores "45
2-14 Capitulo '-I-

Nesse esqllcma de pruteção. clJne\.:ta-se um TP de aira impedáncia entre o


neutro da dupla estre la e a terra. r} TP mantt:!lll .1 car:tclerístic3 isolada da dupla
estrela.
o desvio dú neurro será detectado pelo ;:ele de ,obretensão 59l\i. Ne 'se
esquema pode-se usar as proteções 59 e '1 7. com o: segLlinte ajUSTes :
7 Proteção 59N. ajustado em 110% :
.,. Proteção ? Th. aj ustado em 95%.
Note que mll!tas vezes. dependendo da fi losofia de operação da empresa, a
proteção 27N desconecta o banco de capacitores dura nte o processo de
recompos ição do barramento da subestação.
A ligação de banco de capaciwres em dupla estre la apresenta as seguintes
vantagens:
~ Os distúrbios do sistema elétrico não se transmitem ao cirCLlito de
TQP~ proteção do banco:
RM ~ O sistema de proteção apresenta baixo custo;
5.
~ O sistema de proteção é simples ;
Figura 4.1 9.2 - Desbalanço de Tensão entre os Neutros das Estrelas
~ Não há via de escoamento para as harmônicas de terceira ordem e seus
múltiplos.
As desvantagens desse t ipo de conexão são :
~ Ocupação de uma área considerável na subestação;
~ Necessidade de maior barramento e quantidade de material para as
conexões;
~ Necessidade de isolar o neutro com a mesma Tensão Suportável de
Isolamento (TSI) do sistema elétrico.

Exemplo 4.19.1: No barramento de 13,8kV de uma subestação encontra-se


instalado um banco de capacitares conectado em dupla estrela isolada. A caixa
capacitiva usada na fonnação do banco tem a seguinte especificação: 1OOkV Ar e
2,77kV. Cada fase da conexão estrela é constituída de 3 grupos associados em
série. Cada grupo é formado por 14 caixas em paralelo. O esquema de proteção
adotado é o da figura 4.19.1.
a) Calcular a corrente nominal de uma caixa capacitiva.

I. . = 100k = 36 I A
Figura 4. 19.3 - Proteção com TP de Alta Impedância nomm . 1da C. IX.2,77k '
246 Ca pitul o 4 Pr oteção de Banco de Capacita res

b) Calcu lar a potencia r eativa nominal do ba nco de capacito.'es em d upla f) Calcular a corrente de curto-circuito que passa por uma caixa capacitiva
estrela, com defeito.
S==3 e M ==14 A expressão 4.12. 1 fornece

== 2 · 3 · S· Nl . Q == 2 · 3 , 3 · 14 · 1OOk
6MS 6 . 14 ·3 ., 4 6
Qnomm,,1 do Banco nom tn al da caixa
l dcfeito == 6S _ )~ l caixa == X .J ,
6 ·3-5
Q nom illal do Banco == 25,2 MV Ar
Ideleito == 670,7 A
c) Calcular a potência reativa real suprida pelo banco de capacitores em dupla
estrela, na tensão do barramento, g) Dimensionar o elo fusível de uma caixa capacitiva.
Usando a expressão 4. 10.3, obtém-se
13,8k
Vfase == f3 == 7,967kV 670,7 A
34,6A < l eio < 10
A tensão ap licada em cada caixa capacitiva é
34,6 A < l eio < 67,07 A
V Vfase 7,967k ~
caixa == S == 3 == 2,65) kV De acordo com a referência [8], o elo adequado é

~ . A ~o tênc i a reativa suprida por uma ca ixa capacitiva é dada pela expressão
Elo fusivel == 40K
4.8 ..J , 15to e h) Calcular a tensão nas caixas capacitivas remanescentes do grupo em que
ocorreu a fusão do elo fusível e uma caixa foi retirada.
Q. == 1OOk( 2,655k) 2 Pela expressão 4.12.2 , tem-se
c, ,,a 2,77k
6 · 14 7967k
Q caix. == 91,869 kV Ar ElcaL~aretirada == 6.3(14-1)+5.1 '
A potência suprida pelo banco é
E, caixa retirada == 2,8 kV
Q sup rida == 2·3· S· M . Q ca ixa == 2 ·3·3 · 14 · 91,869k
A sobretensão nas caixas remanescentes do grupo é dada por
Q suprida == 23,15 MVAr
- (2,8k-2,77k) 100
d) Calcula.' a corrente real na caixa capacitiva, Sobretensao I caixa retirada == 2,77k .

I . == Qcai,a == 91,869k Sobretensão I caixa retirada = 1,08%


caIXa Vcaixa
. 2655k
,
i) Para a retirada de uma caixa capacitiva, calcular a corrente que passa no
lcai.. = 34,6 A cabo de ligação dos neutros das estrelas do banco de capacitores.
e) Calcular a corrente na fase de uma estrela do banco. Usando a expressão 4.12.3, tem-se

I rase == M ·lcai xa = 14 · 34,6 INeutro(1 caixa retirada)


3·14·1
== 6. 3(l4 -1) + 5 . 1 x ,) ,
""46

I làse == 484,4 A
I Neulro(, caixa retirad o) == 6,08A
Capitulo 4 Proteção de Banw de CapacllOres

IO.~3?
J)Repetir IlS /ten;, !l " ! rar:.:l. . to .... C li}.<j<;; rapacitivus f'eri radas no mesmo 20.-l6A
grupo. 20° 0 14.53!\
Os resultaJos dos calculos ~ão mostrau06 na rabeia ·U 9. 1.
, Ca lxas reti radas
I , Tabela 4.19.2 - Resultados
SobretensàJ no m) Ajustar o relé 50N para disparar o alarme para a primeira caixa
I N
I
grupo I Nouu'o
! capacitiva retirada.
I 1 1,08,}o 6,08A De acordo com [46] o ajuste do relé SON deve ser
! 2 6.9% 12.86A I < I relc(l c,i. a retirada)
I 5(lN - a
3 I 13,4% 20,46A

i 4 I 20% 29,06A onde:


Tabela 4. j 9.1 - Resultados do Cálculo _ {1,5 para relé eletromecânico
k) Dimensionar o TC a ser instalado no cabo de ligação da dupla estrela. a - 1,1 para relé digital
Considerando [46] e verificando que as couentes de defeito da tabela m I ) Para relé eletromecânico, tem-se
4.19.1 são pequenas, qualquer TC de baixa relação estará adequado. Uma prática,
geralmeme empregada. é escolher o TC mais próx imo da média obtida pela 3,04
I 50N ~ -- ISO N ~ 2,02 A
expressão. 1,5
TC = I Neutr" paro I U% de sobretensãQ + I Neutro da primeira caixa retirada Os Taps disponíveis no relé eletromecânico SON estão na faixa de 0,5 a 4A
:2 e, p0l1anto, escollle-se para o ajuste o Tap = 2A.
Note que no relé eletromecânico o fator a = 1,5 visa garanti.r que a
20,46 + 6,08 ] "
TC == == .J 27 operação do relé esteja 50% acima do torque de ajuste.
2 '
Adota-se m2) Para relé digital, tem-se
3,04
TC==!Q I SON ~ -- ISON ~ 2,76A
5 1,1
I) Calcular as correntes que passam no relé de sobrecorrente. O ajuste do relé digital é feito com base no valor da conente; portanto,
A couente que passa através do relé é dada por pode ser
ISO N( relé digital) == 2,5 A
I - INeutro
rele - TC Observação: Com o ac ionamento do alarme do relé. 50N a equip~ técnica
As couentes no relé são mostradas na última coluna da tabela 4 19.2 responsável pela subestação deverá identificar a caixa defeItuosa e restaura-la.

Caixas retiradas Sobretensão no


n) Ajustar o relé 51N para desligar o banco de capacitores na r etirada de
grupo INeutro lrelé caixas capacitivas que produzem sobretensão maior que 10% 110 grupo.
N
Pela tabela 4. 19.1 , no caso da retirada de 3 caixas, o banco de capacitores
I 1,08% 6,08A 3,04A
deve ser desligado .
2 6,9% 12,86A 6,43A
250 Cap[tu lo4 Proteção de Banco de Capac Ilores 25 1

De acordo com [-1-6] o ajus te do relé 51N, em relação as con'entes no


secundário do TC, deve satisfuzer a inequação
I
i'.e ulro( ~ cai.:\as retirados) <
1
51 N -
< 1i\eutro(j cai.,xas reüradas )
a
111 111 (

(
" 10,23
6A.) < I SI N ~ --
a
nl ) Para relé eletromecânico 5lN
F igura 4.2 0.1 - Proteç ão pa ra a Dupla Estre la Aterrada
6,43A < 15 IN ::; 6,82A
Um esquema alternativo, que utiliza um TC com dois primários é (
Os Taps disponiveis do relé 51N estão na faixa de 4 a 16A e, portanto, o apresentado na figura 4.20.2.
aj uste é prejudicado. Entretanto, deve-se adotar o Tap superi or mais pró ximo, o
qual é o Tap = 7A. Neste caso; 10,23 = 1 46 , o que corresponde a 46% acima do
7 '
tarque de ajuste do relé eletromecânico. A temporização do relé 51N é de 5s.
n2) Para relé di gital 51 N
111 111 (

6,43A < I 5 IN ::; 9,3A


Portanto, o ajuste do relé 51 N digital pode ser
I SI N (d igita l) = 8A

4.20 Proteção de Banco de Capacitores Instalado em Dupla Figura 4 .20.2 - Proteção com TC de Duplo Primári o
Estrela Aterrada
Há vários esquemas de proteção para a conexão em dupla estrela aterrada.
Muitos desses esquemas seguem filosofias de operação seme lhantes aos dos itens
anteriores.
A seguir, apresenta-se, concisamente, uma proteção semelhante àquela
aplicada à ligação da estrela aterrada, mas que utiliza dois TCs e um relé, cujo
esquema é mostrado na figura 4.20.1.
Qualquer retirada de caixa capacitiva haverá um desequilíbrio entre as duas
estrelas. A corrente será detectada pela proteção 61, que dependendo do grau do
desequilíbrio pode acionar o alarme ou abrir o disjuntor ou chave seccionadora.
Este esquema evita a operação do relé para curto-circuito externo.
(
( 252
( Noménclatu ra da Plote~ào 253
(
Elemt:UlL princlpal.f/I/lSfeJ" elem<!I1f1
( Eltmem, t>r;n( ipa! 0'1 me~l" ~ ,) JISpCI~lll " IIJ!cIal quc st:rvc, "ela Jirclame nt<!
( 0"1 por Ill krll1edl f~ de: ,1ulns dI"pt'S iti' o::. <ld m !s~i ,.e i ~, para pur :.1111 equipamemo
em oper.tç3.o ÜU f (lfJ j", se r, 1'::(..

( 2. Relé de partida ou 'echamento temporizado tlime-delay sta7ting. 0 1" c/osing-


relay)
( Também chamado de relé de tempo de partida ou fechamen to. É um d ispositivo
que funciona de modo a proporcionar um retardamento proposita l de tempo
antes ou após qualquer instante. Pode ser usado durante a operação, numa
Apêndice A seqüencia de intervalos de chaves ou 110 sistema de relés de proteção. exceto os
especificamente assinalados quanto às filOções j á consagradas dos números 48 ,
62 e 79 .

3. Relé de controle ou interbloqueio (checking or interloeking relay )


É um relé que opera em consonância à situação de certo número de outros
dispositivos (ou rI um certo número de condições predeterminadas ) nu m
equipamento, para franquear o prosseguimento ou a cessação de uma seqüência
operacional, ou poss ibilitar um controle de situação desses dispositivos ou
dessas condições, para qualquer fi nalidade.
Nomenclatura da Protecão > 4. Contactor prin cipal (master contacto r)
Contactor princ ipal ou mestre é um dispositivo geralmente controlado por outro
de função 1 ou equiva lente, e que serve para ligar os circuitos de contro le
necessári os para pôr em funcionamento um equipamento sob as condições
desejadas e desliga-lo sob outras condições ou anormalidades.

S. Dispositivo de interrupção (stopping deviee)


Também chamado de dispositivo de paralisação, é um dispositivo de conh'o le
A numeração a seguir representa a desi - _ .
elementos, aparelhos e dispositivos uti lizados nosg:açao da r:-u~.çao exerc Ida pelos utilizado principalmente para desativar um equipamento e mantê-lo fo ra de
a padronIzação da antiga ASA e na atual C37-? d ;';CU ltOS eletllcos de acordo com operação. Este dispositivo pode ser operado manualmente ou eletricamente de
Standarts Institute). A numel'aca~o e' . - a EE/ANSl (Amen can Nati onaI modo local ou remoto. Em proteção no caso de desligamento anornlal, utiliza-se
. . , Importante porque . b l ' a função 86.
slmpllficadamente a fimção d . I . sun o Icamente representa
'1' . os e ementos equlpame t d' ..
uÍl LZados em manuais relatóri d' ' . n os e ISpOSIOVOS que são
proteção de sistemas elétricos ~'IECIag(rIaltnas u?lfilares e trifilares de esquemas de 6. Disjuntor de partida (starting cirel/il breaker)
' . n ematIOna l Electrot I . I C . Disjuntor de partida é um dispositivo cuja função é de ligar uma máquina à sua
a traves da resolução IEC 6061 7 tiliz ' ec lillca omnllss ion)
u a o modo !!fafico em ve d ' . fonte de tensão de partida.
representar a função exercida A .. b Z o numenco para
d I ' seglllJ apresenta-se o m d ' .
e a gumas representacões por simbolo gr'fi d IE o o numenco da ANSI e
, . a lCOS a C 606 17. 7. Disjuntor do circuito anódico (an ode circllit bl'eaker)
l

~ --
254 (
Apênd ice A
Nomenclatura da Protcção 255

É um di:jumor empregado nos c ircuitos anód icos de um retificador de otênc ia (


c?m a fin alidade de IJJtelTomper o circuito do retificador caso l · P <, E um dispositivo que funciona quando a elocidade rotac ional de LIma maqu ina
· arco e Ietn
cIrcUIto ou um ' .co de retomo. - laJa um curto- cai abaixo de LUTI valor predeterminado. Pela IEC 60617 é representado pelo
símbolo I00< I
8. dD.iSP oSitivo de desligamento d a energia de controle (control power
,lsconnectiflg device) 15. Dispositivo de ajuste ou comparação de velocidade ou freqüência (speed or (
E u.m dispositivo de desligamento. tal como um in terrupror de fac frequency- matching device) (
c.oOJ~nto d~ cbaves fusíveis, utilizados com a finalidade de, respect~~a~uen~~n É um dispositivo que tem a finalidade de alcançar e de manter a velocidade e ou
llgaI. e deslJgar a fonte de energIa de controle do equipamento ou d b ' a freqüência de uma máquina ou de um sistema elétrico igual à ou (
geraIS de comando. as arras
aprox imadamente igual à, de outra máquina ou sistema. (
9 . .I?ispositivo de reversão (reversiflg device) 16. Dispositivo de controle de carga para bateria
E ,um dIspositivo empregado com a finalidade de inverter o campo de uma Dispositivo que tem a fmalidade de controlar e manter a carga da bateria ou
maqUIna ou para pOSSIbILItar quaisquer outras funções de reversão. banco de baterias.

10. ~have comutadora de seqüência das unidades (l/nit sequence switch) 17. Chave de derivação ou de descarga (shllnting, 01' discharge, switch)
E uma cha_ve comutadora utILIzada, em equipamentos de unidades múltiplas É um interruptor que serve para abrir ou fechar um circuito delivado dos
para n~odlÍlcar ~ seqüênc ia na qual as unidades possam ser colocadas e . tenminais de qualquer peça ou aparelho (exceto um resistor), tal com
operaçao ou desligadas. m enrolamento de induzido de máquina, um capacitor, um reator, etc ...
Observação: Excluem-se os dispositivos que desempenham operações de
11. !ransformador de controle (potência) derivações tais que possam toma-se necessários no processo de partida de
E o transfonuador utilizado para o circuito de controle. máquinas pelos dispos:itivos de função número 6 ou 42, ou seus equivalentes, e
também exclui a função do dispositivo número 73, que serve para a inserção e
12. pispos.itivo .de sobrevelocidade (over-speed device) desinserção de resistores.
E. um :ISPOSItIVO que quando a velocidade rotacional ultrapassa um certo valor
aJ.usta.~ opera, abnndo ou fechando um contato. Por exemplo é o caso do 18. Dispositivo de aceleração ou desaceleração (accelerating 01' decelerating
~1~POSltIVO" também conhecido por chave centrífuga que funcioda por ação da device)
o~ça . centrIfuga, fechando ou abrindo um contato, caso a velocidade da É um dispositivo que tem a ftmção de fechar ou provocar a mudança de
maquma ultrapasse um valor determinado. Pela IEe 606 17 \.
circuitos utilizados para aumentar ou diminuir a velocidade de uma máquina.
representada pelo símbolo r:=l
~.
esta função é
I..
19. Contacto r de transição de partida-marcha (starting-to-running transition
13. pispositivo ~e rotação síncrona (synchrOnolls-speed device) contactor)
E ,qu~lque,r dISpOSrtlvo que opera aproximadamente à velocidade síncron d É um dispositivo que tem a fmalidade de dar partida e causar automaticamente
maquma SIDerona. Por exemplo, tal dispositivo pode ser: a a sucessivas transferências de modo a levar a máquina a sua velocidade normal
• um mtemlptor de velocidade centrifttcro' sob tensão nominal da rede elétrica de alimentação.
• um relé de tensão; o ,

• um relé de mínima corrente. 20. Válvula operada eletricamente (electrically operated valve)
É uma válvula elétrica, operada localmente ou remotamente, que fechando ou
14. Dispositivo de subvelocidade (under-speed device) abrindo, controla a passagem do fluxo em uma tubulação. Esta válvula é
empregada em:
257
256 .'\pendic<! . omenclalura Lla Pn){~.;ãv

;- de conferência (comprovação) de
., tubulação de vacuo: '75 DISpositivo t. slllcron\zaçao flU ..
- . ._. . .. sr/lchronism-dleck devILe)
• tubdação de ar comprimido: sincronismo (syndn'Ollhl/l]5, 01. . '. C' 'sri, erem uel1ITO dos
. . . _ quandl\ dOlS ClrCL:ltO!> em -""' c;
• tl.lbulação de gás; E lU11 disposltl 'o que .üpc;.~~ . . I de tàse e de tensão. para permitir ou
limHes desejados de rrequenc la, angu os
.. tubulação de óleo. etc ..
provocar à conexão desse dois ClfCUltoS .
21. Relé de distância (distance relay) , . t - do equipamento {temperatura do
É um relé que opera quando a impedància, admitância ou a reatància , vista pelo 26. DispOSItiVO termlco. de pro eça; dor) (apparatus thermal device or
enrolamento ou do oleo do tTans orma
relé, diminui ou aumenta alem dos Iinres redeterrninadOS (ajustados). Pela
IEC 606 17 é representado pelo símbolo Z < . overtemperatllre relay) _ . d · npe ratura exceder um valor
. . '. e tunclOna quan o a reI .
( E um diSpOSi tiVO qu d d d caso quando a temperatura carr
22. Disjuntor equalizador (eqllalizer circllit breaker) ou disjuntor do circuito predeterminado (ajustado) ou de~en ~~ o té~mico de proteção pode ao mesmo
abaixo de um valor ajustado. °ldlSPosdttlvlo ') ou 3 estáaios de aruação.
de balanceamento d' t perarura atua e ter e , - o
É um disjuntor que serve para controlar ou ligar e desligar 0 equalizador ou o tempo me rr. a em _ .. diversas a licaçÕes. tais como:
circuito de balanceamento de COlTente para o campo de uma máquina, ou para o Estes dispOSitivoS sao utll1:ados em . lam!to primário do transformador
.:. Termometro d o eruO · . . . f d
equipamento de regulação, numa instalação de unidades múltiplas. .:. Tem1ômetro do enrolamento secundar.lo do nans orma or
.!. Termômerro do óleo do tranSf0TI11adOl . .
23. Dispositiv o de controle de temperatura (tempertltre control design) .:. Termõmetro do enrolamento amortecedor de uma maqlllna
É um dispositivo regulador da temperatura, ou sej a, funciona para elevar ou
~cr~ .' -d-q
abaixar a temperatura de uma máquina e/ou ouh'oS aparelhos, ou de qualquer .;. Dispositivo térmico do resistor de llmltaçao e l:ar b r .d
outro meio, quando a respectiva temperatura cai abaixo ou se eleva acima de um ••• Dis osirivo térmico de proteção de um :l1elO IqUI o
valor predeterminado (ajustado). • quaYquer, tanto no aquecimento como no restnamento
Observação : U m exemplo deste caso é o termostato que liga um aquecedor de
um ambiente de um quadro elétrico, ou um painel de um conjunto de chaves
Pela IEC 60617 é representado pelo símbolo ~.
elétricas, quando a temperatura cai para um valor determinado; já nos casos em
que se deseja que o aparelho funcione com uma temperatura bem estabelecida e 27. Relé de subtensão (IIndervoltage ~ela~~tri a abaixa além de um valor ajustado.
É 11m relé que opera quando a tensao e e c ~
ajustada, o dispositivo de controle de temperatura recebe a designação da
Pela lEC 60617 é representado pelo símbolo ~.
função 90T, que , por exemplo, é o caso do tennostato da geladeira, do freezer,
de câmaras frigoríficas e dos ambientes climatizados.
28. Detector de chamas (fla~e ~etector) de uma chama piloto ou chama
24. Disjuntor contactor ou seccionadora de interligação (seccionamento) de É um dispositivo que s~n~llza a p~~se~çaCom aplicação principalmente em:
principal em aparelho, p~mels ou am len e.
\ barras ou relé contra sobreexcitação ou Volts por Hertz
Dependendo da função esta numeração pode designar um dos elementos acima. • Turbma a gas
No caso da proteção contra sobreexcitação em Volts por Hertz, o relé opera • Caldeira a vapor
quando a tensão vai além de um valor pré-ajustado maior que a nominal ou • Detector de fumaça
quando a tensão for menor ou igual a nominal a uma freqüência inferior a • Detector de raios infravermelho
nominal, é utilizada principalmente para prevenir excesso de fluxo magnético
. )d .lamento (isolating contactor) .'
no núcleo do transformador elevador do gerador síncrono. '9
- .
Contactor (secclOnadora e
. '
ISO '1' d ara desconectar um clrcmto,
bave utl lZa a p
Seccionadora de Isolamento e uma c _ t emergências ou desligamentos
principalmente nos casoS de manutençao , tes es,

(
(

Apéndice A 259
258 Nomenclatura da Proteção
(

pro longados. Nas subestações. estas seccionadoras. operam sem ser motorizada objeti vo de curto-circ ui tar seus anéis coletores. ou de engatar ou desengatar os
com abertura sem carga. isto é, com processo de abe rtura mecânica no local e contatos de um retifi cador mecânico.
to talmente manual.
36. Dispositivo de polaridade ou polarização (polarity device or polarizing
30. Relé anunciador (annunciator relay) ~~h~ . ..
É um dispositivo de reposicionamento não-automático que fomece um certo É um dispositivo que opera ou permite a operação de outro dlSpOSltl VO somente (
número de indicações visuais a respeito do funcionamento de di spositi vos de se estiver de acordo com uma polaridade p rede tenmnada o u venfica a presença
proteção e que pode também desempenhar (sinalizar) uma função de colocação de uma tensão de polarização num equipam ento.
fora de operação de um equipamento. Por exemplo, a bandeirola de sinalização .
37. Relé de mínima corrente ou de mínima potência (undercurrel1t ur
31. Dispositivo de excitação separada (separate excitatioll device) underpower relay) • . .
É um dispositivo que liga um circuito, tal como o campo de derivação de um É um relé que opera quando a corrente ou o fluxo pote~lc La, decresce aba Lxo d~ (
gerador de COLTente contínua para a excitação do campo de uma máquina um valor pré-ajustado. O relé de mínima corrente, tambem, e conhecLdo por rele
síncrona, Oll que energiza os circuitos de excitação e de ignição de um de subcorrente. Pela IEC 60617 são representados respectLvamente pelos
retificador de potencia. símbolos [ ; ] e ~.
32. Relé direcional de potência (directional power device) 38. Dispositivo de proteção de sobretemperatura de mancai (bearillg protective
É um relé que opera num valor desejado do fluxo de energia numa dada direção, device) .
ou no caso de retificador de potência opera por efeito de energia reversa É um dispositivo que funciona quando a temperatura do mancaI do eLXO da
resultante de arco inverso nos circuitos anódicos ou catódicos. Pela lEC 60617 é máquina for excessiva ou sob outras condições mecânicas anonnaLS, assocIadas
ao mancai, tais como desgaste indevido, que resulta em excessIvo aWJlento da
representado pelo símbolo IIri> I. temperatura do mancaI.
33. Chave de posição (position switch) 39. Sinalizador de condição mecânica (mechanical condition monito~-) . '
É um inteITllptor que liga (ativa) ou desliga (desativa) um contato quando o É um dispositivo que funciona quando da ocorrência de uma condLçao m:,camca
dispositivo ou peça principal de um aparelho (que não tiver número de função) anormal (exceto a associada com mancais na forma abranglda pel.a funça~ 38),
atinge determinada posição. tal como excessiva vibração, excentricidade, expansão, choque, mclmaçao ou
falha de vedação.
34. Chave de seqüência-mestre (motor-operated seqllence switch 01' mastel'
seqlle/lce device) 40. Relé de campo, proteção contra subexcitação ou perda de campo (fieM
É um dispositivo tal como urna chave de conta tos múltiplos, ou equivalente, ou
relay) . .
um dispositivo de programação, tal como um computador, que estabelece ou É um relé que opera com a ocorrência de falha (Curto~clr~uLto.) ou com um v.alor
determina a seqüência operativa dos principais dispositivos num equ ipamento, anormalmente baixo da corrente de campo de uma maquma SlOcrona, ou ~OI um
durante a partida ou parada ou durante outras operações de ligações e valor excessivo da componente reativa da corrente de armadura da r~a.qULna
desligamentos em seqüência. síncrona, que provoca a subexcitação da máquina no caso capacltLvo e
superexcitação no caso indutivo . ,. .
35. Dispositivo de manobra das escovas ou para curto-circuitar os anéis do O relé 40 é colocado nos terminais da maquma smcrona, em caso de perda da
coletor (brush-operating, or slip-ring- short-circuiting, device) excitação, a impedância do emolamento da arm.adura varia e entra dentro da
É um dispositivo utilizado para manobrar as escovas, com o objetivo de zona de atuação do relé de admitância (21) dlrecLOnado para o lOrenor da
levantar, abaixar ou deslocar os anéis coletores de uma máquina, ou com o

L
261
260 .-\pcndILt: ....

,:lt- .LI]" 1'1,':11(\11 • ~I rrl,lXlI !idaü<:. d 'SI Ill. li Li IS!,0 , 1[1\l' L'Um I lún \,::lo -1-5 de verá
maqui na"
, , ' ':0111 um J e~ k,
. cam elltn 1,). ,j"I'eil de X d" I~_ . [Te ~'le l:ilS'-,
.. '1' ' ' I com
> to ' o r'::.e 1. n\ Id~nL i~.;~' ,luJ ' Z~IÇ:'I' I-,cal m, r~I1lOla pa ", ,1stemJ·je -llpe!~ i Sih.l ,
~ f1O~ l uonam ~nro e~ta razendo .j fu ncào
"excnacão ' -+(I . 01I "~Cj". plO .lcçao
" ..:onrra perda _ . da 1

-16. Relé dE: i Jl,, ~rsã{j de fa ses ou desequilíbdO das correntes de fase Ireverse-
-H. ~isjuntor ou .chave d: campo (fie/([ circllit breaker)
phase. or pTlase- balance. currelll rela)')
É um rele que opera quando as correntes polifásicas estLverem em seqüenc ia de
~
E um d.1Sp,OSltlVO que hmCIOna para ligar ou d es li gar a corrente de campo de tàse inversa. ou quando as COlTente polifásicas forem desequilibradas Oll
uma maqullla síncrona. contiverem componentes de seqUênCia negativas acima de um certo valor
ajustado. Po ' exemplo. no caso de sobre correntes instantâneas ou temporizadas
-12. ~iSjbu~tor ou eh.ave de operação normal (running circuit breaker) de seqüéncia negati\-·a. pode ler reresel1tado por 50/51Q (46). Pela TEC 60617
am emé conheClClo
funcão o de l' ()' corno
d fi .disjuntor
. de marc h~ e.' um d lsposltrvo
' . . cuja principal
. . .. .loar e mhvamente uma maqullla à sua fo nte de ten ã d é representado pelo símbolo I2 > ,
altmentaçao ou a sua tensão operacional de funcionamento, s o e
47. Relé de tensão de seqüência de fase (phase-seq uence I'oltage reja)')
É um relé que funciona quando o valor da seqUência de fase das tensões
-13. Dispositivo de transferência manual ou seletor (chave comutadora)
pol ifásicas ul trapassa um determinado va lor aj ustado Opera também quando
(!nalllw1 t1'lll1sfer 01' selector device)
ocorre inversão de tàse. subtensão ou perda de fase. Pela lEC 60617 é
E um dlspositivo operado manualmente ou por via computacional (loca lmente
ou remotamenre) qUe comuta os circuitos de controle a fim de mod'fj .. representado pelo símbolo í U 2 > \.
~~e~:~~ de operação do equipamen to. Em relação a esta função I c~:~s:,a~~~ 48. Relé de seqüência incompleta (incomplete sequence rela)')
v'
./ Operaçâ~ do disjun:or com ou sem religamento automático
Relé de seqüêl1cia de operação jucompleta é um relé que geralmente faz o
Regul~ç~o de tensao do transformador de modo manual
equipamento reto rnar a ua posição no rmal, bloqueando o funciouamento se a
automatlco ou seqüêl1cia nonnal de partida, marcha e parada não for adequadamente
./ Ventilação forçada do transformador em modo I completada dentro de um tempo predeterminado.
automátiço mauua ou Caso este dispositivo sej a utilizado apenas para alarme , o mesmo poderá ser
~ Bloqueio ou d~sbloqueio do esquema de rejeição de carga designado por 48A.
Mudan~a de dIsparo para o disjuntor de transferência de ba
provem 49. Relé térmico de máquina ou t ransformador (machine, 01' transformer,
t d' . do sistema de proteção da linha de tra nsmlssao
ente ' _ querra
em o lSjUntor fora de operação. thermal relaJ~
É um relé que opera quando a temperatma do enrolamento da armadlll'a, de
outro enrolamento ou elemento da máquina, suj eito à sobrecarga de uma
44.:~~ ~etartid~seqüencial de unida~e (unit- sequence startil1g relaj')
máquina, excede um valor predeterminado. Ou a temperatma de um retificador
~~~j1~;:OU~~d:~~Pq:~~ntos de unidades múltiplas, quando da ocor~~~~ae~~~a~~:
. e e que nClOna para dar partida a próxima lmidade dis '
de potência ou dos enrolarnentos um transformador de força, exceder um valor
evena entrar em funCIOnamento. predeterminado, decorrente de um aumento de carga. No transfonnador de força
este relé é conhecido por relé de imagem ténnica. Esta fi.mçâo 49 é própria para
45. monitor)
Sinalizador de condições atmosféricas anormais (atmospheric condltion
.. sinalizar o nível de sobrecarga de um equipamento elétrico. Pode ser designado
por:
~Llrn d~SPOSi~ivo que funciona quaudo da oconênc ia de cond icões atmosféricas • 49AT - Imagem tém1ica do enrolamento de AT do trausformador;
_ ormalS, ta como presença de emanações daninhas misturas . • 49MT _ Imagem térmica do enrolamento de MT do transformador;
hlrnaça, ou fogo. Por exemplo, a subestação ficou imersa' em fumaça e;:;~~;::~ • 49BT _ Imagem térmica elo enrolamento de BT do transfonnador.

J
1
(
262
Apêndice A Nome nclat ura da Pmteção 263 (

Pela IEC 606 17 é rep resentado pelo sí mbo lo m. permiúr ou não a operação do rele 5 1, pe la IEC 606 17 é representado
(
(

50. ~elé de sobrecorrente instantâneo (il1stantaneolls overeurl'ent, ar rate-of- I,'l(" ~I


pelo símbo lo ~: (
rIse relay) .:. 51 C - re lé de sobrecOlTente tempo rizado com contro le de torque.
É um relé ~ue opera instanta.oeamente se a corrente de cUI1o-circuito decorrente
(
de um defe Ito, no sIst ema eletn co o u no eq uipamento, ultrapassa r um alor pré- Pela lEC 60617 é representado pelo símbolo I, ~; ,I .
aj ustado.
Esta flmção é explicitada por várias nominações, tai s como: 52. Disjuntor de corrente alternada (ac cil'clIit breakel')
'7 50N - relé de sobrecorrente instantân eo de ne utro' É um disjuntor de CA utilizado para fechar ou abril" Wl1 cucuito el étrico sob (
'7 50G - relé de sobrecorrente instantâneo de terra: ta mbém cbamado de condições no rmais ou anormais . Sob condições anormais. entendem-se as de
50GS (Gro und Sensor); e mergências e as de fa lhas, principa lmente as de curtos-circuitos no sistema
'7 50BF - relé de proteção contra falha do disjuntor, tam bém chamado elétrico. Por exemplo: (
50/62BF (Breaker Failure): • 52L - di sjunto r de linha;
'7 50V_ - relé de sobrec.orre~te i~~tantâneo com restriçào (co ntro le) de • 52G - disj untor do gerador;
tensao. O ajuste_do rele 50 e van avel com o va lor da tensão V, podendo • 52B - disj untor de barra; (
ser para subtensao ou para sobretensão; • 52T - di sjuntor de transferência de banas.
'7 50Q - rel é de sobrecorreote instan tân eo de seqU ência negativa, também
pode ser nommado de 46. 53. Relé excitador ou relé de gerador C C (ex citeI' 01' de gellerator relay)
Pela IEC 606 17 é representado pelo símbolo IT:~:~]' É um relé que na sua operação altera sucessivamente o campo da excitação de
uma máquina de conente contínua para que sua partida se dese nvolva
51. ~elé des.obrecorrente temporizado em CA (ac time overclIrrent relay ) gradualmente.
E .um rele que atua com um retardo intencional de tempo, quando a COITente
eletnca alte~ada em um circuito exceder um va lor pré-ajustado . O retardo de 54. Disjuntor de corrente contínua de alta velocidade (high-speed dc circuit
tempo do rele 51 pode ser: breaker)
• de tempo definido; É um disjuntor de corrente contínua desenvolvido para que sua operação de
• de tempo inverso . abertura e fechamento seja extremamente rápida.
Esta fúnçào é também explicitada por várias nominações, tais como:
.:. 51N - relé de sobrecorrente tempOlizado de neutro, pe la IEC 60617 é 55. Relé de fator de potência (power factor relay)
É um relé que atua quando o fator de potênc ia de um circuito de corrente
representado pelo símbolo Iti;.- >,1 ; alternada cai abaixo de um valor pré-ajustado. Pela IEC 60617 é representado
.:. 51 G - relé de sobrecorrente temporizado de terra, também chamado de pelo símbolo Icos <P > I.

5 IGS, pela LEC 60617 é representado pelo símbolo I,' tJ 56. Relé de aplicação de campo (field application relay)
.:. 51 Q - relé de sobrecorrente temporizado de seqüên~ia negativa É um relé que controla automaticamente a aplicação de exc itação de campo de I
também pode ser nominado de 46' ' um motor de corrente alternada em um certo ponto determinado no ciclo de
.:. 51 V_ - relé ~e sobrecorrente tem~orizado com restrição (controle) de operação.
tensao. O aJ uste do relé 51 é variável com o valor da tensão V
I
I podendo ser para subtensão ou para sobretensão. Esta restlição pod~ 57. Dispositivo de colocação em curto-circuito ou de ligação a terra (short-
eirclIiting ar grollnding device)
I
,
I
~ .,
264
.'"'ipêndict:: ... t :"Iomenclarura \la l'r"[t:\;.H 265

E um disposlti\ l. 4 Ut' quando em opera.,:ào comut<l a posição normal de ll/)1


E UI II I elC ,;Uç ,)pc-r 'IU' ;:;0,' 'lIDiJ. ~bJ, dllercll.,:.i de c.:urreU le l k élllraúa ou saida
':: lrcu llo para 1 pos ição de cu rto-c IrCU ire. Tendo a funcão d~ iJoaçào a t
d' . . ~ o erra. o de dOIs l,'CJlt,):, dll::tpas"ar ,mI \ial'n' pré-a.lu;;tadv. E. ta ~ lIção é muito
ISPO;;I!I ." pW"'Ol:a U é!terramellto das tàses se lecionadas. O l:Omando desta
utilizad" 11.1 proreçàü de tu lU) de \.apacilores em enrolament0s de mesma fase
operaç~~ pode ser manuaJ no local, automático ou via remota pelo sistema de
supervlsao e controle. de geradores SllJcr0l10s.
Na função ligação 3 tena, é nas empresas de energia elétrica, denominada de
62. Relé de fechamento ou de abertura temporizada (time-de/a}' stopping, or
secclOnadora de arenamenro de LT. que providenci a o aterramento da LT
.
os segumtes ob"~etl vos: ~m opening relay)
É um relé temporiz::tdo que opera em conjunto com o dispositivo que dá inicio à
• curto-circuitar a L Ta telTa:
operação de fechamento, paralisação 011 abertura de uma seqUência antomática
• descarregar as possíveis cargas elétricas estáticas acumuladas: de um sistema de relés de proteção . Por exemplo. a nmção conj unta 50/61Bf.
• garantir o potencial nulo na LT:
denominada tàlha do isj untor. é ativada por um curto-circuito com a atuação
• adequar a L T para os serviços de manutenção. com respeito à do relé 50. que energiza o relé 62. se transcorrido o tempo ajustado no relé 62, o
segurança bumana.
mesmo opera, deTOnando uma seqüência pré-estabelecida de operação de outros
relés de proteção, objetivando a abeltura dos disjuntares cio local ou remoto .
58. ~elé de falha de retificaçã o (rectification failure relay) Observação: Bf é abreviatura de Breaker Failure .
E um relé que funciona se um ou mais ânodos de um retificador de força falhar
em acender-se, O ll se detectar um arco elétrico de retomo, ou se houver a faLba 63. Relé de pressão, ou de nível, ou de fluxo de líquido ou gás (liqllid or gaz
de um dlodo em conduzir ou bloquear adequadamente. pressure, lel'el, ol' flolV rela)')
É wn relé que opera de acordo com o seu elemento ativo. Por exemplo, o relé de
59. ~elé de sobretensã o (oJlervoltage relay)
pressão opera quando a pressão do líquido ou gás diminuir ou ultrapassar um
E um relé que .opera quando a tensão elétrica ultrapassa um va lor previamente valor pré-aj ustado. Já o relé de nível ou de flu xo de gás ou líquido, opera de
estabeleCido (aj ustado) .
dois modos: com acúmulo de gás em uma câmara ou com wua taxa de fluxo
Esta função pode também ser designada por:
passante de líquido ou gás acima de um valor pré-ajustado.
~ 59Q - relé de sobretensão de seqüência negativa; O relé Buchholz, função 63, também conhecido como relé de gás, é o relé que
~ 59N -:- relé de sobretensão residual ou relé de sobretensão de neutro opera com nível de gás acumulado ou com LUIl fluxo de gás passante acentuado .
(tambem chamado de 64G). Pela LEe 60617 é representado pelo É um importante relé usado na proteção de transformadores de potência, cuja
símbolo IU,sd > I. função vem designada por:
Pela LEC 60617 é representado pelo sím bolo ~. + 63T - Relé Buchholz do transformador;
• 63C - Relé Buchho lz do comutador do transfonnador.
60. ~elé de ?alanceamento de tensão (Jloltage balance relay) Já o relé de pressão 63, usado nos compaltimentos encapsulado e pressurizado
E um rele q~e ?pera quando a diferença de tensão de dois circuitos ultrapassar de gás SF6 das subestações blindadas, opera quando a pressão diminui abaixo de
um valor pre-aJ~stado. Este :elé é usando principalmente para detectar a perda um valor ajustado .
do sma] de tensao dos CirCUitos de proteção ou controle alimentados por TPs No transformador de força a função 63VS, representa o relé de Válvula de
que podem ser causados por: ' Segurança (válvula de alívio de pressão) que dispara quando a pressão interna
./ queima de elo fusível ; ultrapassa o valor estabelecido . ela sua mola de retenção .
./ abertura ou problema de contato no circ uito·
./ falha no enrolamento do TP. ' 64. Relé de proteção de terra (ground protectiJle relay)
É um relé que opera quando da oconência de lima falha do isolamento contra a
61. Relé de balançeamento de corrente (cllrrent balance I'elay) telTa de uma máquina. transfOlmador, ou de outro equipamento, ou sob efeito de
I
(
(
Nomenclatura da Proteção 267
266 Apêndice A

arco elétrico a terra de uma máquina de CC. Estes relés podem ser por corrente .:. 67N - re lé de obreco rrente direcional de ne utro (instantâneo ou (
ou por tensão, para a sua identific ação, os di agramas uni fi lares devem indicar se
são alimentados por corrente via TC ou por tensão via T P.
§
temporizado). pela IEC 60617 é represen tado pelo símb~lo t: ;I
(

Observação: .:. 67G - relé de sobrecorrente di recionaJ de terra. (lllstantaneo ou (


-7 Se o relé for alimentado por TC , também pode ser utilizado com o uma temporizado);
unidade 51 ou 61 . .:. 67Q - relé de sobreCOITente direcioLlal de seqüência negativa .
-7 Se o relé for alimentado por TP , também pode ser utilizado como uma (
Pela IEC 60617 é representado pel o símbolo \1 I» \.
unidade 59N ou 64G. (
7- A função 64, também pode ser designada para proteção de carcaça,
68. Relé de bloqueio (bloeking relay) (Relé de bloqueio por oscilação de
massa-cuba ou tanque, sendo utilizada em transformadores de força de
até5MYA . potência) .
É um relé de dá partida a um sinal piloto para bloquear o desltgamento em
7- A função 64R (ou 64F) designa proteção à terra do rotor, ou 64G (ou
defeitos externos a uma linha de transmissão ou em outro aparelho sob (
64S) designa proteção à terra da bobina da annadura da máquina
determinadas condições , ou coopera com outros dispositivos para bloquear o
síncrona.
desligamento ou bloquear o religamento quando não há sincronismo ou qua~do
Pela IEC 60617 é representado pe lo símbolo II t > I. há oscilação de potênci a. Por exemplo, esta designação pode ser a d.o rele de (
bloqueio (68) que é usado no esquema de proteção denomll1ado de SIstema de
65. ReguladO!· (governor) Bloqueio com Comparação Oirecional (Blocking) , neste caso, quando OCOITe
Regu lador é um conjunto de equipamentos com controle elétrico ou mecânico, um curto-circuito ex temo a LT, o relé 21 que está direcionado para fora da L T
utilizado para a regulagem do fluxo de água, vapor ou outro meio da máquina vê o defeito e ativa o relé 68, este envia através do sistema de telecomunicação
motriz para fmalidades de prover a partida, a manutenção da velocidade, à carga um sinal de bloqueio para não permitir a abertura do disjuntor da barra opo~ta.
constante ou a parada. Já, por exemplo, o relé 68P tem a função de relé de bloqueIO "po~ osc llaçao de
Por exemplo, o regulador de velocidade de Watts, tem esta função . potencia, isto é, quando ocorre uma rápida oscilação de poten.cla no sIstema
elétrico, o relé de proteção (por exemplo, o relé 21) pode operar mdevldamente,
66. Dispositivo limitador do número de operações ou dos intervalos de tempo neste caso o relé 68P bloqueia a abertura do disj untor.
em que se efetuam as operações (notehing, or jogging device)
É um ·dispositivo contador do número de operações com a finalidade de pellTIitir 69. Dispositivo de controle permissivo (permissive eontrol device)
somente um número de operações especificado no equipamento, ou um número Também denominado de dispositivo de consenso, é geralmente um comutador
específico de operações sucessivas dentro de um intervalo de tempo de duas posições, operável manualmente ou remotamente e que, numa posição,
especificado. Também pode ser um dispositivo que funciona para acionar um pelmite o fechamento de um disjuntor ou a co locaç~o de um eq.Ulpamento em
circuito periodicamente ou em frações de intervalos de tempo específicos para operação e, na outra, evita que o disjuntor ou o eqUIpamento sejam postos em
pem1Ítir intermitente aceleração ou avanço de uma máquina a baixas operação.
velocidades, para se obter o adequado posicionamento mecânico.
70. Reostato cletricamente operado (eleetrieally operated r/teostat)
67. Relé de sobrecorrente direcional em CA (ae direetional overcurrenl relay) É uma resistência variável cujo valor é controlado eletricamente. Este controle
É um relé que opera, somente quando, a COITente elétrica alternada flui em uma pode ser contínuo ou discreto, efetuado por contactor auxiliar, ou de pOSIção, Oll
detem1inada direção, com valor maior do que o seu pré-ajustado. Este relé não de limite.
produz diretamente disparo do disjuntor, mas apenas mon itora a operação de
outros relés. 71. Relé de nível de líquido ou gás (leveI switeh)
Esta função 67 recebe várias designações, tais co mo:

l -e l
268 "iomenchuu r a .1" PnHe"ãt 269

E ldl1 i'eI~ qLiCllPcrJ po, Ull' dado a!or cio nÍ\·t! dt li u!Ilk , III g:ts . .lU 1pu':] P'.'I· ~ d .ll ?,,(!', !,. í' I;.·..:::·. ue r~llll _L ;;in.:r:-n.~1l10 d::: i1lnqull1a j incrona. No
lima da© l:t:\[l d:,\ ariaç:io deste valor. ,1stelll..t ,..'erl',·' - 'Jt tl lzaoli p:lrd . pro[~dk) de Jscil3ção de potênc ia
,-\ fun ;ar ; I I também é utilizada para 3 Illdi cd.:ào jú J1l\' I d . :'J leL no plincip31!lK"}l<': L"l ~I vs de \ irai i mponánLi~. e _]ue .. eSTe L 3.~O ) rele "' 8 provoca
,'eservalori (\ (tn nque de expansão) do rransformndor de potencia. . o desligamel1 LV ti\.\ (lisJuntor. Pela I EC 60(; 1- é :-epresentadu pelo símbolo I <D >:
72. Disjuntor de corrente contínua (de circuit breaker) 79. Relé de religamento em CA (ac reclosillg rela)')
É um disjuntor par::;. ser utilizado em um circuito de força de corrente contíuua. É um relé temporizado que etetua (\ re!igamento do disjuntor em um circuito de
~
73. Cont~lctor de resistor de carga (load-resistor contactor) conente alremada. Pela IEC 606 17 é representado pelo símbolo l==:!J.
É um conlactor usndo para inserir uma determinada -esistência, em série ou em
paralelo. para produzir um degrau de variação de -arga. ou uma determinada 80. Relé de subtensão em CC (jIoJV switch)
variação de carga num circuito de potênc ia, ou para ligar e desl igar um circuito É um re lé que opera quando a tensão de um circuito em CC cai abaixo de um
de resistência elétrica de aquec imento de ambiente. ou para acender ou apagar valor predetenninado.
uma lâmpada. ou ligar e desl igar o resistar de carga regenerativa de um Observação: A função 80 é tambem empregada para relé de fluxo de líquido ou
retificador de porencia ou de outra máquina. no seu circuito ou fo ra dele. gás. que controla o fluxo de líquido ou gás, ou em dados indices de mudança
desses valores.
74. Relé de alarme (alarm relay)
É um íelé dife rente do de um relé anunciador (como o abrangido pela função 81. Relé de freqüência (freqllency relay)
30). utilizado par~ operar diretamente. ou em conjunção com Wll alanne visual É um relé que a1:1.1a quando a freqüência elétlica se desv ia da nominal e, se
ou acústico. mantém por certo te mpo, aquém ou além de certo valor predeterminado (por
exemplo, 8 J o/u (overlunder)) ou por lima preestabelecida taxa de mudança da
75. Mecanismo de mudan ça de posição (positioll changing mechanism) freqüencia.
É um mecanismo empregado para realizar uma mu dança de um dispositivo O relé desta função pode ser assim denom inado:
principa l de uma posição para outra n um equi pamento. Por exemplo, o 7 81u - relé de subfreqüência, pela IEC 606 17 é representado p elo
mecanismo de comutação de um disj untor para as posições: ligado, desligado. símbolo If < I.
posição de teste ou removível. 7 810 - relé de sobrefreqüência, pela IEC 606 J7 é representado pelo
símbolo [[2].
76. Relé de sobrecorrente em CC (dc overcttrrent relay)
É um relé que atua quando a intensidade da COlTente de um circuito contínua 82. Relé de religamento em CC (dc reclosing relay)
excede um va lor de aj uste. É um relé temporizado que efetua o religamento do disjuntor em um circuito de
conente contínua.
77. Transmissor de impu lsos (pulse transmitter)
Transmissor de impu lsos é empregado para gerar e transmitir impulsos v ia 83. Relé de transferência a utomática ou de controle automático seletivo
sistema de telecomunicação. como o obj etivo transferir o sinal ao aparelho (automatic selective controi, or transf er, relay)
receptor remoto . É um relé que promove a tran sferência automática de uma operação, de um
l comando ou da proteção, ou efetua o controle automático seletivo de algumas
l 78. Relé de medição de ângulo de fase, ou de proteção fora de fase (p hase funções pré-estabelecidas .
angle measul"Íng. or out-oJ-step protective relay)
É um relé que atua quando o ângu lo de tàse, entre duas tensões ou entre duas 84. Mecanismo operacional (operating mecllanism)
COlTentes ou entre tensão e corrente, excede um va lor prede lenninado. Este relé

(
(
270 Nomenclatu ra da Proteção I
pendice A 27l
(
É uma função que designa um compl eto mecani smo ou servo-mecanismo 88. Motor a uxiliar ou motor gerador (al/xiliary motor, or motor generalOr)
eh~tri co, inclusive o motor operac ionaL os so lenóides, as chaves de posição, etc. São dispos itivos empregados como equipa mento auxi liar, tais como bomba.
pa ra um comutado r de deri vações, Lun regul ador de tensio, ou qualquer outra vent iladores, excitadores . ampl ificadores magné ticos rotativas, etc ...
peça ou apare lho similar que, de outra fOIm a, não possu i número de fu nção.
89. Chave separadora ou chave secionadora (tine switch) (
85. Relé receptor de onda portad ora ou de fio-piloto (carriel~ or pilot-wire É um interruptor do tipo chave secc ionadora, que só é operáve l sem carga. ( ,
I'eceiver relay) uti lizada para p oss ibili tar manobras com o obj eti vo de mudança na configuração
É Wll relé que é operado ou bloqueado por um sinal de onda portadora emitido do sistema elétrico. A operação desta seccionado ra é motorizada com contro le
remo ~amente pelo relé 77 da outra barra, no caso de relé co m fio-p iloto o sinal é loca l ou remoto . (
recebIdo dlre tamente pe lo circuito elétrico fis ico consti tuído de um par de
cond utores. 90. Dispositivo de regulação (reglllating device)
É um dispositivo que funciona para regular uma quantidade ou qua ntidades, tais
86. ,Relé de bloq ueio de religamento (Iocking-ollt relay) como tensão. corrente, fo rça ve loc idade, freqüência, temperatura e carga. a um
f: um relé auxiliar que opera no sentido de desligar um equipamento ou certo va lor ou entre cel10s limites (gera Lmente próximos) para máq ui nas. linhas (
ClICUltOS, seu rea rme pode ser manua l ou elétrico, mas somente pela intervenção de interli gação ou outros apare lh os. (
humana. O relé de bloque io é ac ionado quando a proteção que atuou fo i Exemplo, a função relé 90 efetua no comutador o contro le de m udanças de raps
claSS Ifica da como imped itiva, daí a necessidade do rea1111e ser cuidadoso do transformador de potência.
somente ser fei to após a investigação do defeito. A função do relé de bl o que i ~
pode ser assim apresentada: 91. Relé direcional de tensão (voltage directional relay)
• 86M - relé de bloqueio mecânico É um relé que opera quando a tensão, através de um disj untor abe110, ou
• 86E - relé de bloque io elétrico contactar, excede certo va lor em uma dada direção.
Geralmente o relé de bloqueio, p ro move a abertura dos disjuntores efetua o
a larme, s inalização e outras funções. O relé auxili ar 86, quando e~e r(Jizado 92. Relé direcion al de tensão e potência (voltage and power directional relay)
opera muito ráp ido, ou sej a, fecha os seus contatos em I cicio el étrico É um relé que permi te ou causa a interligação de dois circu itos quando a
(aproximadamente em 17 ms). dife rença de te nsão entre eles exceder um dado valor numa p re determinada
direção e faz com que esses dois circ uitos sej am des ligados entre si quando o
87. ~elé de p roteção difere ncial (diffel'ential protective rewy) fluxo de potênci a entre eles exceder um dado valor na direção oposta.
E um relé de proteção que funciona por uma percentage m ou ângulo de fase ou
outra difere nça quantitativa de COlTentes elétricas ou de outras !lrandezas 93. Contactol' de mudan ça de campo (field changing contactol) l
e létricas. <o
É um contactar que func iona no sentido de incrementar ou diminu ir, de um
Podem ter várias designações: passo, o valor do campo de excitação numa máqui na .
./' 87T - relé dife rencial do transformador de 2 ou 3 enrolamentos .
./' 87G - relé diferencial do gerador síncrono . 94. Relé de d esligamento, ou de disparo livre, ou permissão de d eliligamento
./' 87GT - relé diferencial do grupo gerador-transformador. (tripping, 01' trip-free relay)
./' 87B - relé diferencial de balTas, pode ser de baixa, média ou alta É um relé aux iliar que funciona para provocar o disparo de um disjuntor ou de
impedância. um contactar ou equipamento, ou para permitir o seu imediato disparo por
./' 87M - relé diferencia l de motores, pode ser do tipo percentual ou outros dispos itivos, ou evitar o imediato re-fechamento de um interrupto r de um
autobalanceado . circuito se o mesmo deveria abrir automaticamente, mesmo se seu circ uito de
Pela IEC 606 17 é representado pelo símbolo ~. fec hamento for mantido fechado. O relé de desligamento tem geralmente vários
conta tos auxiliares, e após a operação o mesmo se rearma automaticamente

S; ..
I Ul1tL (ue' J para :l SUa p,.)sJçào normaL Este- rd6 é semelhc1l1te L~O relê 86. com H
drfer<::n.;<.! ql:e o relé 94 .5e auto reaJm:1 .;: u rele 36 so ser..! :t;;Jrnlado cora a
mter ~nção humana.

95. Usados para aplicações especíticas em instalações individuais. não cobertos


pelos números anteriores. Por exemplo: A utilização da medida Volts/Hen z está
provisoriamente saindo da função 24 e está sendo utilizada como fLmção 95 .

98. Oscilografia
Dispositivo oscilógrafo, para poss ibilitar o diagnóstico pós-perturbação de
ocorrência de defeitos no s istema elétrico. Por exemplo, tem-se o Registrador
Digital de Perturbação (RDP).

101. Chave de transferência


É uma chave seccionadora uti lizada especialmente para efetuar as manobras de
transferência, principalmente as de transferência de barras.

Bibliografia

I. C. R. Mason. The Art and Science of Protecti ve Relaying. John Wiley & Sons,
New York, 1967.

2. Westinghouse Electric Corporation. Applied P rotective Relaying. Newmark,


1976.

3. P. M. Andersol1. Analysis of Faulted Power Systems. The Iowa State


University Press, 1973 .

4. WestinghoLlse Electric Corporation. Transmission and Distribution- Reference


Book. East Pittsburg - PA, 4 lh edition, 1950.

5. G. Kindermann. CURTO-CIRCUITO. Edição do Autor - Florianópolis - SC,


2006, 4ª ed ição.
(

274 Bibliografia 275

6. G. K indermann e J. M . Campagnolo. ATERRAlVlEN TO ELÉTRlCO . Edição 18. A. J. Urdaneta; H . Resrrepo: S. Marquez and J. Sanches. Coordinat ion of
do A utor - Florianópolis - se, 2002, sª edição . Directiona l Ove rCllrrent Re lay Timing Usin g Linear Programm ing. IEEE
Tra ll sac ti on sonPower D e l ivery,v. l 1.n.1.p . 12~ - 128 , Jan ll ary. 1 996.
(
7. A. E . Fitzgerald e C. J. Kingsley e A . Kusko . M.ÁQUINAS ELÉTRlCAS.
Editora McGraw-Hill do Brasil, 1978. 19. R. W. A. T uma. A náli se de A lgoritmos para a Proteção de Distância Digital.
Dissertação de Mestrado. U n.ive rsidade Federal de Santa C atarina. Agosto de
8. G. Kjndennann . Distribuição de Energia Elétli ca. Publ icação Intema - 103 199 0.
páginas - EELIUFSC, 1990.
20. G . Kindermanl1. CHOQUE ELÉT RICO. Edição do Auto r - F lorianópo lis - Se.
2005 , 3ª edição. f
9. 1. Mamede Fo. MANUAL DE EQUIPA..MENTOS ELÉTRICOS. Livros
Técnicos e Científicos Editora Ltda - 1993 .
2 1. C. A. Arana. Proteccioll de Fa lias a Tierra eu Sistemas de Distribuicio n.
10. A. C. Caminha. INTRODUÇÃ O À PROTEÇÃO DOS SISTEMAS Universidad Nacional de lnge niería - Lima - Peru. Publi cação intema, 1998.
ELÉTRlCOS. Editora Edgard B1ücher Ltda, 1977 .
22. A. A. M . B. Cotrim. Instalações Elétricas . Prentice Hall. 4" edi ção, 2003 .
11. M . D. Djurié, Z. M . Radojevié e V. V. Terzija . Distance Protection and Fault
Location Utilizing Only Phase Current Phasors. IEEE Transactioos on Pow er 23. W . Szlichta. Sistema de Apoio à Tomada de Decisão na Reco mpos ição de
Del ivery, Vol, 13, No. 4, October 1998. Unidades Geradoras Após Llm Desligamento por Dispos iti vos de Proteção .
Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Julho de
12. NBR6856 - Transfonnador de Corrente - ABNT - abriV1992 . 1997. (

(
13. O. S. Klock Jr. Programa Computacional para Verificacão da Coordenacão e 24 . A . Hertz and P. Fauquembergue. Fault Díagnosis at Substations Based on
Auxílio na Determinação dos Aj ustes de Re lés D irecion;is de Sobrecorrel;te de Sequential Event Recorders - Proceedings ofthe IEEE, v . 80, n. 5, p . 684-688,
Neutro de Linhas de Transmissão. Dissertação de Mestrado , Universidade May 1992 .
Federa l de Santa Catarina, Novembro de 1998.
25. E. P. Medeiros; 1. W. Gliidtner. Introdução à proteção de Sistemas Elétricos .
14. W . English and C. Rogers. Automating Relay Coordination. IEEE Computer ELETROSUL - Publicação interna, 107 páginas, 1993.
(
Applications in Power, p . 22-25, July, 1194 .
26. A. Ravindranath; M. Chander. Power System Protection and Switcbgear. l
15. S. H. Horowitz and A. G. Phadke. Power System Relaying . England, Research Wiley Eastern Limited, 1977.
Studies Press, 1992.
27. G . Killdennann. Sobretensão no Sistema de Distribuição de Energia E létrica.
16. G. Kindermann. Proteção de Sistemas Elétricos de Potência. Publicação Publ icação Interna - 120 páginas - EELIUFSC, 1991.
Intema - 140 p áginas - EELIUFSC, 1987.
28. S. H. Horowitz. Protective Re laying for Power Systems. IEEE Press, New
17. A. W. So; K. K . L i; K . T. Lai and K. Y. F ung. Application of Genetic York, 1980.
A1goritlrm for Overcurrent Relay Coord ination. IEE 6 th lntemational
COllferellce on Developmellts in Power Protectio n, p. 66-69, 1997. 29. J. A. Jardini . Sistemas Digitais para Automação da Geração, Transmi ssão e
Distribuição de Energia E létli ca . Edição do Autor - 1996.

..
(

( _"h I .;. f·\. . ..1~· .I.st.;)n . Pr ..~jle ..... (l· a:: ~elay~. TheJ: T h cvr~ J.JlC P -ac ti"'~ 01. 1. ~" J. ~ ..... ra I I I' \ "'\'.1z:: J ,( R. \... á ;dldv \'1 P. Dias . Pro teçâo de
ElL lü". l npman 311d HalL Lundon, 11l77. SI Sfr'\l1.l~ El~tr ic l~· - LIJ.lt Edi t'll:lln ·<:'·l.'lên r i" - 2002

( 3 1. G. PROTEÇ.: Ü CONTRA DESC\RGAS ATMOSFÉRICA


r';:InGc lTn:'iOD .
I~
-.:l. :':. c. Ta ':are~ ~ \-. "-OUí~. P. E. lJ Caplpos. '\1. c. Lima - Análise de
EM E:::TRUTURAS EDIFICWAS. Edição do Autor - Florianópolis - ,:,c. desempeílho da pr,)leçào diferencial dos uansformadores dt: potencia com o
( 2003. 3~ edição. emprego do .~ T·EM TP . X\" SWTEE . 199c)
(
32. NBR 6821 - Transfo rmador de Corrente - Método de Ensaio. -l..J. . J. Prollsalid is: tvI et ai. "1m estlgauoll of Transfomler Sympathetlc lnruslf·.
( IPS· 9 ~ . Seathe. E.U.A .. 197'.

( 33. T. S. ! 1. Rao. Power ~ ystem Protection: Static Relays. Tata McGraw-Hill


Pubushin3 Coo Ltd .. New DelllÍ. 1981. -+5. R. Yacamini. -"The calculation Df inrush CllITe nt in Three-phase TranSf01111er".
IEE-B. VOL.133 . No . L Jan. 1986. pg31 -40 .
3..f. A. '\/1. Fedoseev. Proteção por Relés nos Sistemas Elétricos. \"-neshtorgizdat.
;Vloscou. 1934. -16. G. Kindennao.n. PROTEÇÀO DE SISTEMA.S ELÉTRICOS DE POTÊNCiA-
Volume I . Edição do Autor - Florianópolis - Se. 2005. '2 d edição.
35. C. A. M. Guimaràes . Proteção de Sistemas Elétricos com Relés
Microproc ssados . r postila - FUPAIl1999. ..fI. ONS - Operador Naciona l do Sistema Eleuico - Procedi mentos de Rede .

36. E. B. DaYidsoD e A. Wright. Some Factors Affecring the Ac urracy of Distance· 48 ANEEL - Agência Nac ional de E nergia Eletrica.
type Protec tive Equ ipment Under Eru1h-fau lt Condition. Proceedings IEE.
1963, ! 10. p.1678. 49. IEEE Std. C37.102-1 995, "IEEE Guide for AC Generator Protection.

37. NBR 6855 - Transformador de Potenciallndutivo - Especificações - ABNT . 50. NBR 5380 - Transfonnador de Potência - Método de Ensaio. ABNT -
abriUi992. maio/1993.

38 . IEC 6080 I -4: 1988 Electromagnetic Compatibility for Industrial-process 51. P. M. Andersol1 Power System Protection. A John Wi ley&Soo.s, Ine.,
Measurement and Control E quipmen t, Part 4: Electrical fast transient/burst Publicati on, 1999 .
requiremen ts, Gra u de severidade 4 (4 kV na fonte de alimentação, 2 kV nas
entradas e saídas)-(teste tipo) . 52. G. Kindennann. PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA -
Vo lume 2. Edição do A utor - Florianópolis . SC, 2006.
39. B. J. Mann, I. F. MorrisOD. App lication of digital computers to power system
protection., Joumal of the lnstitute of E ngineers (Índia) vol. 52, n. 10, Jun 53 . ANSI/IE EE Std. C37.97-l979, "IEEE Guide for Protective Relay A plications
1972, pp. 235-'238. to Power Buses", IEEE, New York, 1979.

40. SEL - Schweitzer Engineering Laboratories. Vários ru1igos de proteção e 54. ANSlfTEEE Std. C57.13 -1 978, "Current Transformer Accuracy C lass ifieation
l catálogos de Relés Digitais. for Relaying", IEEE, New York, 1978.

41. NBR 7097 - Relé de Medição com mais de uma grandeza de Al imentação de 55. ANSI/I EEE Std. C37. 109-1988. "IEEE Guide for the Protective of Shunt
Entrada a tempo dependente especificado. ABNT/dezembroIl 981 . Reactors", IEEE standards, New York, 1988.

- ----iiK:I10&..:.'
(

278 Bibliografia 279 (

56. Norrna IEEE C62.92-1989 - IEEE Gu ide for lhe Application of Neutral 69. P. Gi l!. Eleetrical Power Equipment Maintenance and Testing. Marcel Dekker,
Grounding io Electrical Utility Sysrems - Pan [[ - Ground ing af Synchrollolls Il1c., lSBN: 0-8247-9907-0, New York. 1998.
Ge neraior Systems.
70 . T. GÕnen. Electrical Power Distributi on System Engineering. McGraw-Hill
Book Company. ISBN: 0-07-023707-7, 1986. (
57. NBR 5416/1997 - Aplicação de Cargas em T ransforrnadores de Potência -
Procedimento .
71. C. R. Bayliss. Transnllssioo and Distribution Electrical Engine"ring. ISBN: 0-
58. NBR 5440/1999 - Transfonnadores para Redes Aéreas de Distribuição - 7506-4059-6. Newnes, 1999.
Padronização.
72. R. E. Wamer, T. L. Dillmann and M. S. BaldwID. Off frequency Turbine
59. J. L. Blackburn. Symetrical Componentes for Power Systems Engineering. Generator Unit Operation. - Proc. Am. Power Coru., 38, pp. 570-580, 1976 .
Marcel Delzker, Inc. New York, 1993 .
73. T. A. Short. EJectricaJ Power Distribution. Handbook, CRC Press, ISBN: 0-
60. G. Kinderrnann. Proteção de Geradores Síncronos. Publicação lntema - 113 8493 -1791-6,2004.
páginas, EEL/UFSC, 200 1.
74. ABRAGE - Associação Brasileira das Grandes Empresas Geradoras de
61. D. L. Beeman. Industrial Power System Handbook. 1st ed. New Yo rk: Energia Elétrica.
McGraw-Hill Company, Ine., 1955.
75. ANSIIIEEE Std. 18-2002 "IEEE Standard for Shunt Power Capacitors" .
62. J. Berdy, P. G. Brown and L. E. Goff, "Protection ofSteam Turbine Generators
During Abnorrnal Frequeney Conditions", A paper presented at the Missouri 76 . Inducon do Brasil Capacitares S.A. Manl18\ de Capacitores de Potência.
Valley Eleetric Associatioo Engineering Conference, Kansas City, MO, April
1978. 77. M. Campagno lo. Proteção de Bancos de Capacitores. Publicação Interna - 33 t
páginas - EEL/UFSC, 1988.
63 . L. A. M. Baptista, "Operação da Turbina em Regime de Subfrequência",
Tractebel Energia, Central de Manutenção e Serviços, Manutenção Mecânica 78 . G. R. Newcomb. "Film/Foil Power Capacitor" IEEE lntematianal Symposium
2003 . ' 00 Electrical Insulatlon, Boston, MA, 1980.

64. Siemens - Vários catálogos de Relés Numéli cos. 79. G. Brunello; B. Kasztenny; C. Wester - Shunt Capacitor Bank FundamentaIs
and Protection - Conference for Protective Relay Engineers - Texas A&M
65. M. S. Dhillon, D. A. Tziouvaras, "Proteção de Banco de Capacitores sem Uoiversity - Apri18-10-2003.
fusíveis usando Relés Digitais" SEL.
80. NBR 5356 - Transformador de Potência - Especificação. ABNT.
66. ANSII1EEE Std. 18-1992, "lEEE Standard for Shunt Power Capac itors".
81. NBR 5060 - Guia para Instalação e Operação de Capacitares de Potêocia.
67. ANSIILEEE C37.99 - (2000), "IEEE Guide for Protection of Shunt Capacitor
Banks". r'
1
I
68. R . Natarajan. Power System Capacitors. Taylcr & Francis, ISBN: 1-57444-
710-6, Boca Raton, Florida 2005.