Você está na página 1de 16

Compostos de Coordenação

Isomeria

1
Isomerismo

• Isômeros: dois compostos com as mesmas fórmulas, mas


diferentes arranjos dos átomos.
• Isômeros de esfera de coordenação e isômeros de ligação:
têm estruturas diferentes (ex: ligações diferentes).
• Isômeros geométricos e isômeros óticos são
estereoisômeros (i.e. têm as mesmas ligações, mas
diferentes arranjos espaciais dos átomos).
• Isômeros estruturais têm diferentes conectividades dos
átomos.

2
Isomerismo

• Estereoisômeros têm a mesma conectividade, mas


diferentes arranjos espaciais dos átomos.

3
Isomerismo

4
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Alguns ligantes podem coordenar-se de diferentes
maneiras.
• Isto é, o ligante pode se ligar ao metal de diferentes
maneiras.
• Esses ligantes dão origem à isomeria de ligação.
• Exemplo: o NO2- pode se coordenar através do N ou do O
(por exemplo, nos dois complexos [Co(NH3)5(NO2)]2+
possíveis).
• Quando o nitrato coordena-se através do N, ele é chamado
de nitro.
– O pentaaminonitrocobalto(III) é amarelo.
• Quando ONO- coordena-se através do O, ele é chamado de
nitrito.
– pentaaminonitritocobalto(III) é vermelho. 5
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Similarmente, o SCN- pode se coordenar através do S ou do N.
– A isomeria de esfera de coordenação ocorre quando ligantes do lado
de fora da esfera de coordenação entram para a esfera de
coordenação.
– Exemplo: o CrCl3(H2O)6 tem três isômeros de esfera de
coordenação: [Cr(H2O)6]Cl3 (violeta), [Cr(H2O)5Cl]Cl2.H2O (verde), e
[Cr(H2O)4Cl2]Cl.2H2O (verde).

Isomerismo estrutural
• Considere o complexo quadrático plano [Pt(NH3)2Cl2].
• Os dois ligantes NH3 podem estar tanto a 90° como a 180° entre si.

6
Isomerismo

Estereoisomerismo

7
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• O arranjo espacial dos átomos nos isômeros cis e trans é
diferente.
• Esse é um exemplo de isomeria geométrica.
• No isômero cis, os dois grupos NH3 são adjacentes. O
isômero cis (cisplatina) é usado na quimioterapia.
• O isômero trans tem os dois grupos NH3 transversais entre
si.
• É possível encontrar isômeros cis e trans em complexos
octaédricos.

8
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Por exemplo, cis-[Co(NH3)4Cl2]+ é violeta e trans-
[Co(NH3)4Cl2]+ é verde.
• Os dois isômeros têm diferentes solubilidades.
• Em geral, os isômeros geométricos têm propriedades físicas
e químicas diferentes.
• Não é possível formar isômeros geométricos com
tetraedros. (Todos os vértices de um tetraedro são
idênticos.)

9
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Os isômeros óticos são imagens especulares que não
podem ser superpostas uma na outra.
• Os isômeros óticos são chamados enantiômeros.
• Complexos que podem formar enantiômeros são quirais.
• A maior parte do corpo humano é quiral (as mãos, por
exemplo).

10
Isomerismo

Isomerismo estrutural

11
Isomerismo

Isomerismo estrutural

12
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• As enzimas são as substâncias mais altamente quirais
conhecidas.
• A maior parte das propriedades físicas e químicas dos
enantiômeros são idênticas.
• Conseqüentemente, os enantiômeros são muito difíceis de
separar.
• As enzimas fazem um trabalho muito bom catalisando as
reações de apenas um enantiômero.
• Assim, um enantiômero pode produzir um efeito fisiológico
específico enquanto sua imagem especular produz um
efeito diferente.
13
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Os enantiômeros são capazes de girar o plano de luz
polarizada.
• Conseqüentemente, eles são chamados de isômeros óticos.
• Quando a luz polarizada horizontalmente entra em uma
solução oticamente ativa.
• À medida que a luz emerge da solução, o plano de
polaridade é alterado.
• A imagem especular de um enantiômero gira o plano de luz
polarizada no sentido oposto.

14
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Soluções destrorrotatórias giram o plano de luz polarizada
para a direita. Esse isômero é chamado de isômero d.
• Soluções levorrotatórias giram o plano de luz polarizada
para a esquerda. Esse isômero é chamado de isômero l.
• As moléculas quirais são oticamente ativas por causa de
seu efeito na luz.
• As misturas racêmicas contêm quantidades iguais de
isômeros l e d. Elas não têm nenhum feito como um todo no
plano de luz polarizada.

15
Isomerismo

Isomerismo estrutural
• Pasteur foi o primeiro a separar o tartarato de amônio
racêmico (NaNH4C4H9O6) através da cristalização da
solução e fisicamente retirando os cristais que giram da
esquerda para a direita da mistura usando um microscópio.
• O tartarato oticamente puro pode ser usado para separar
uma mistura racêmica do [Co(en)3]Cl3: se o tartarato d é
usado, o d-[Co(en)3]Cl3 precipita, deixando o l-[Co(en)3]Cl3
em solução.

16