Você está na página 1de 27

Formatted: Different first page header

Fluidodinâmica Computacional na avaliação de métodos para


dimensionamento de ventiladores centrífugos

César Augusto Borges Caldart, Estevan Grosch Tavares1

Resumo:

Palavras-chave: Análise Fluidodinâmica Computacional; Ventiladores Centrífugos;


Dimensionamento.

1. Introdução Formatted: No bullets or numbering

Ventiladores centrífugos são máquinas turbodinâmicas utilizadas para o Formatted: Indent: First line: 0"

deslocamento de gases, em especial o ar. O funcionamento do dispositivo se dá


com a entrada De ar pelo centro do equipamento. A entrada do fluido no rotor se dá
em sentido axial e, este é descarregado radialmente em uma carcaça, denominada
de voluta. Uma vez no interior da turbomáquina, o ar é rotacionado pelas pás, e
ganha aceleração centrífuga. Por conta dessa aceleração, o fluido é fortemente
impulsionando contra as paredes da carcaça. Intuitivamente, essa estruturapossui
características dimensionais próprias, para direcionar o fluido até a abertura de
descarga.
Ventiladores e sistemas de ventilação local exaustora têm grande
destaque referente a campos de aplicação. Atualmente, tem-se ouvido e visto o
apelo às questões ligadas a saúde e segurança do trabalhador. Aumentou-se o
número de intervenções dos órgãos responsáveis, obrigando as empresas
melhorarem a eficiência, ou implantar tais equipamentos de proteção coletiva. Além
desse seguimento, ventiladores são muito utilizados em processos industriais, tais
como fornecedores de ar para combustão, transporte pneumático, insufladores de
altos-fornos, pulverizadores de carvão entre outras (MACINTYRE, 2014). Santos
(2013) também relata que a aplicação de ventiladores em operações como controle
de temperatura, distribuição de ar, umidade e a eliminação de agentes poluidores do
ambiente, tornou-se cada vez mais comunm devido ao aumento do desempenho
dos equipamentos encontrados no mercado. Diante do exposto, ressalta-se que
cada uma dessas aplicações exige certo tipo de ventilador e consequentemente,
dimensionamento e configurações específicas.
O presente trabalho tem como objetivo avaliar numericamente via método
dos volumes finitos, ventiladores centrífugos, obtidos por quatro modelos analíticos
existentes na literatura, a partir dos mesmos requisitos de operação. Estes métodos
analíticos de dimensionamento de ventiladores centrífugos, baseados em conjuntos
de equações algébricas, estão presentes na literatura de ventilação industrial, e são
considerados adequados para o dimensionamento do equipamento, que é objeto do
presente estudo. Commented [1]: Adicionei este parágrafo para fechar o capitulo
da introdução.

2. Revisão Bibliográfica Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt, Bold


Formatted: Font: Bold
Na presente revisão bibliográfica serão apresentados os tipos de
Formatted: Indent: Left: 0.3", No bullets or numbering
ventiladores centrífugos, os parâmetros de projeto, e os métodos algébricos de
dimensionamento de ventiladores centrífugos. Commented [2]: Coloquei este parágrafo para iniciar o capitulo

2.1 Tipos de ventiladores centrífugos Formatted: Font: Bold

Os ventiladores centrífugos podem ser caracterizados pelo nível


energético de pressão, a forma de pás e quanto ao número de rotores. A Tabela 1
apresenta a classificação de ventiladores centrífugos quanto à sua capacidade de
geração de pressão. Quanto a forma das pás, os ventiladores podem ser
classificados de acordo com o ângulo e formato. Destes, os mais conhecidos são os
ventiladores centrífugos de pás radiais, de pás inclinadas para frente, de pás
inclinadas para trás, com pás em formato de aerofólio e pás curvadas para trás.
Quanto ao número de rotores, os ventiladores centrífugos são classificados entre os
de simples estágio e duplo estágio (CLEZAR, ANO e SANTOS, 2017).

Tabela 1 – Classificação dos ventiladores

Tipo N° estágios Características Especificação

Baixa pressão: até 200 mmH2O Ventilador centrífugo

1 Média pressão: 200 a 800 mmH2O Ventilador centrífugo


Ventilador
centrífugo
Alta pressão: 800 a 2500 mmH2O Soprador

Compressor ou
>1 Δp até 100000 mmH2O
turbocompressor
Formatted: Font: Bold
Fonte: Adaptado de Macintyre (2014) e Santos (2017)

2.2 Parâmetros de projeto


Quanto aos parâmetros de projeto requisitados, nos ventiladores
centrífugosdois parâmetros têm maior destaque: a vazão, que é o volume de ar
deslocado por unidade de tempo, a pressão total do ventilador, que é a diferença de
pressão total entre a entrada e a saída da turbomáquina (CLEZAR, ano). A pressão
total é a soma algébrica da pressão estática e dinâmica. A pressão dinâmica é a
medida da energia total disponível na corrente de ar. Considera-se a parcela
decorrente do comportamento dinâmico do fluido Já a pressão estática é a medida
da parcela de energia potencial do sistema. É representada pela diferença entre a
pressão absoluta em um determinado ponto do ventilador ou dos dutos adjacentes e
a pressão absoluta do ambiente (atmosférica). A pressão estática. (SANTOS, 2017).
Além da pressão e vazão, a altitude de instalação e a temperatura do Commented [3]: Esta figura com as pressões é desnecessária,
ao meu ver.
fluido são parâmetros secundários, que complementam os requisitos fundamentais Formatted: Justified, Indent: First line: 0.79"

para o dimensionamento do equipamento. Outras grandezas, relacionadas mais


diretamente no dimensionamento do ventilador, também influenciam e, por
conseguinte, interferem nas condições de funcionamento do mesmo, e merecem
serem citadas: velocidade angular; diâmetro de saída do rotor; potência; rendimento
hidráulico, mecânico e total (MACINTYRE, 2014).

2.3 Métodos de dimensionamento Formatted: Font: Bold

Devido ao grau de importância e conteúdo disponibilizado para consulta,


destacam-se quatro autores com seus roteiros de dimensionamento: Tedeschi
(1969) com seu Projeto de Máquinas -TOMO I e II; Henn (2006) com seu Máquinas
de Fluxo; Bran e Souza (1969) com seu Máquinas de Fluxo: Turbinas , bombas e
ventiladores; e Souza (....) com seu Projeto de máquinas de Fluxo – Tomo Formatted: Not Highlight

V.Tedeschi (1969) apresenta um roteiro misto onde se combina método analítico


com parâmetros selecionados por meio de análise gráfica de curvas padronizadas
de acordo com alguns parâmetros de projeto. Participam das condições de contorno
os requisitos do projeto (Vazão, pressão, etc..) e também outras variáveis do
dimensional final que devem ser estimadas para uma primeira aproximação (ângulo
de saída das pás, por exemplo). Portanto, é muito importante o conhecimento pleno
da aplicação, para que as estimativas não fujam da condição real (por exemplo, o
conhecimento do tipo de rotor: radial, pás para trás, etc...). Em relação a voluta, o
autor mostra o dimensionamento pelo traçado de Arquimedes, com definição das
arestas do quadrado central e dos raios centralizados em cada vértice do mesmo.
Henn (2006) traz um roteiro muito mais analítico que Tedeschi (1969),
sendo que a análise gráfica fica restrita para a seleção de parâmetros
direcionadores do projeto da voluta. Há um incremento das condições de contorno,
exigindo além dos requisitos do projeto, fatores ligados ao escoamento interno do
fluido, tais como os rendimentos (volumétrico, hidráulico, atrito de fluído) e
coeficientes ligados a resistência dos materiais. No entanto, ainda exige uma
estimativa inicial do ângulo de saída das pás. O dimensionamento da voluta segue o
principio do traçado de Arquimedes. Um fato a ser ressaltando é que Henn (2006)
referencia Tedeschi (1969) em alguns equacionamentos.
Bran e Souza (1969) também mostram um método misto de cálculo,
porém, mais simplificado. Utilizam como condições de contorno os requisitos do
projeto e diferentemente dos autores anteriores, exigem como estimativa inicial o
número de pás do rotor. Também, há necessidade de envolver nos cálculos as
condições ambientais do local. Em relação ao projeto da voluta, mudam totalmente a
forma de atuação. Fazem o traçado pela técnica de arcos tangentes, com intervalos
angulares igualmente divididos dentro de uma circunferência, com o raio proveniente
de algebrismo com o dimensional do rotor. A quantidade de arcos vai de acordo
com a pretensão do projetista.
Já Souza (...) apresenta o mais completo método de dimensionamento Formatted: No underline

entre os quatro selecionados, sendo puramente analítico. Fazem parte das


condições de contorno os requisitos de projeto, as condições do ambiente, os
rendimentos do escoamento e as propriedades mecânicas do material estrutural.
Como estimativa inicial, exige apenas um parâmetro adimensional relacionado à
influência do número de pás. É o procedimento com o maior número de passos.
Assim como Bran e Souza (1969), também utiliza a técnica dos arcos tangentes
para traçar a voluta. Diferentemente dos demais autores onde alguns parâmetros
construtivos são obtidos por comparações ou estimativas, Souza (...) propõe um
roteiro de onde deriva, de forma totalmente analítica, todas as informações Formatted: Font color: Auto

pertinentes ao projeto. A questão dos erros propagados pela análise gráfica é


inexistente. Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt, Font color: Auto
Diante dessas premissas, justifica-se a necessitade Formatted: Font color: Auto
Formatted: Indent: First line: 0.79"
projetartridimensionalmente ventiladores de acordo com cada um dos quatro
métodos de dimensionamento supracitados, usando as mesmas condições de
contorno e ensaiá-los via CFD. O intuito écomparar os resultadosdesenvolvidas por Formatted: Font: Not Bold, Font color: Auto
Formatted: Font: Not Bold, Not Italic, Font color: Auto
meio da confecção de curvas parciais de vazão x pressão, vazão x potênciavazão x
rendimento, a fim de buscar o método mais eficiente. Commented [4]: Joguei a parte que tu descreve os roteiros de
dimensionamento aqui. Motivo: Eles não são o escopo principal do
teu TCC, mas sim o CFD. Você usou eles para calcular o
Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt, Font color: Auto
Formatted: Font color: Auto

Commented [5]: Insira aqui de onde tu irou esta classificação.


Ou seja, referencie.

Commented [6]: Converta p/ mmH2O, para uniformizar com os


dados acima.

Formatted: Font: Bold


2.5 Análise Fluidodinâmica Computacional - CFD

Antes do advento dos modernos softwares de simulação fluidodinâmica, o


procedimento mais adequado para o estudo e a previsão do desempenho das
turbomáquinas era a construção de protótipos em pequena escala, aproveitando-se
da confiabilidade inerente as leis de semelhança dos ventiladores. No início, era
necessário construir modelos com diferentes perfis das pás e das palhetas buscando
melhorar o desempenho das máquinas, impactando diretamente no custo de
produção (MOURA, ...).. Com o desenvolvimento computacional, as simulações
tonaram-se puramente numéricas. Moura (...), fala que com o surgimento da
fluidodinâmica computacional foi possível obter uma melhor precisão e rapidez nos
cálculos prévios das turbomáquinas, diminuindo a necessidade de construção de
diversos protótipos (método da tentativa e erro), levando a uma redução do custo de
desenvolvimento desses equipamentos. Já Bazani (...) relata que na fase de projeto, Formatted: Highlight

a simulação numérica permite certa liberdade para alteração de parâmetros de


projeto e também uma rápida avaliação dos impactos gerados nos resultados.
A modelagem matemática da simulação fluidodinâmica baseia-se nas equações
governantes de fenômenos ligados à mecânica dos fluidos. Segundo Honório (...), o
embasamento teórico para a simulação é oriundo dos seguintes conteúdos:
- Conservação da massa;
- Segunda lei do movimento de Newton;
- Princípio da quantidade de movimento;
- Primeira lei da termodinâmica;
- Segunda lei da termodinâmica.
- Equações de Navier-Stokes
Formatted: Indent: First line: 0.79", Tab stops: 1.23", Left

Dentro da análise fluidodinâmica computacional (CFD) observa-se uma Formatted: Tab stops: 1.23", Left

segmentação de etapas a fim de facilitar a simulação. Ao mesmo tempo que cada


uma é responsável por certa função, estão interligadas. Santos (2017) apresenta
como etapas básicas de uma simulação CFD:
- Modelagem da geometria a ser analisada;
- Geração da malha;
- Seleção das condições de contornos;
- Seleção dos demais parâmetros de entrada, incluindo modelos de turbulência;
- Seleção dos parâmetros de convergência do programa;
- Obtenção da solução;
- Visualização e Pós-processamento dos resultados.

2.5.1 Modelos de turbulência Formatted: Font: Bold

A alta velocidade do movimento do rotor junto com sua geometria


proporciona elevados números de Reynolds ao escoamento interno. Desta forma, o
comportamento turbulento prepondera; e isso explica ao menos em parte, a
dificuldade de se encontrar soluções analíticas aos modelos propostos. A aplicação
de modelos de turbulência adequados ao tipo de regime é um fator crucial para o
alcance do máximo desempenho e principalmente de soluções com erros aceitáveis.
De qualquer forma, os principais modelos são funções da energia cinética
turbulenta e sua dissipação. É possível encontrar equações escritas em função da
energia cinética turbulenta k, da taxa de dissipação de energia cinética turbulenta ε,
da taxa de dissipação específica ω ou do comprimento característico turbulento,lt.
Assim surgem os modelos de duas equações: k-ε, k-ω, k-lt, etc. Desses, os mais
usados são k-ε, k-ω e suas combinações (Moura, ...)
Existem diversos modelos de turbulência. Cada um apresenta melhores
resultados quando aplicados em determinadas condições do escoamento. Cada
modelo de turbulência tem suas particularidades e restrições, cabendo ao
engenheiro saber utilizá-los adequadamente. Para Santos (2017), o Modelo k-ε é
considerado o modelo padrão da indústria, pois provou ser estável e numericamente
robusto. Fornece boas previsões para muitos escoamentos de interesse da
engenharia, entretanto há aplicações para as quais este modelo pode não ser tão
apropriado. Por outro lado, Gomes (2010) traz os seguintes exemplo. O modelo SST
k-ω é uma combinação entre os modelos k-ω e k-ε. O primeiro é utilizado nas áreas
de escoamento com curvaturas e próximos à parede; já o modelo k-ε é usado fora
dessas regiões.Aproveitasse assim, o melhor desempenho dos dois modelos.

2.5.2 Tipos de domínio Formatted: Font: Bold, Font color: Custom


Color(RGB(0,0,10))
Formatted: Font: Bold
Para facilitar a análise de CFD de turbomáquinas é necessário diferenciar
as áreas com movimento das áreas estacionárias. Isso é realizada a fim de
simplificar a geração da malha, melhorando a eficiência da análise. Contudo, com
essa subdivisão, acaba por ser gerada outra região bem específica, justamente
devido ao fato de que as entre os domínios criados acabam não coincidindo. O
tratamento realizado para atender tais regiões é a criação de interfaces, por meio de
ferramentas específicas dos softwares. Segundo Junior (...), cria-se um domínio
estático, representando a voluta e difusores, e outro domínio rotativo, representando
o rotor da máquina. Essa divisão gera a necessidade de uma interface entre os dois
domínios, já que muitas vezes as malhas não coincidem, o que aumenta a
solicitação computacional de memória e capacidade de processamento.

2.5.3 Geração de malha Formatted: Font: Bold, Font color: Custom


Color(RGB(0,0,10))
Formatted: Font: Bold

Um dos passos mais importantes da análise de CFD é a geração da Formatted: Tab stops: 0.39", Left + 0.49", Left
Formatted: Indent: First line: 0.79", Tab stops: 0.39", Left
malha. A seleção do tipo de elemento com as características mais adequadas deve + 0.49", Left

atender perfeitamente as condições do escoamento, se adaptando a geometria do


equipamento. Também é passível de utilização a mistura de dois elementos.
Contudo é importante que o número destes também seja selecionado corretamente,
a fim de não extrapolar altos valores, tornando a análise demasiadamente extensa;
tampouco ser reduzido de modo a influenciar negativamente na confiabilidade dos
resultados. Junior (...) relata a sobre o uso de elementos tetraédricos para malhas
tridimensionais; porém junto às paredes essa malha gera imprecisões na distribuição
de pressão, comprometendo-a. Por outro lado, Santos (2017) simulou ventiladores
usando malhas estruturadas composta por elementos hexaédricos, tetraédricos e
prismáticos. Gomes (...) destaca a superioridade da malha hexaédrica sobre a
tetraédrica, principalmente no quesito de refinamento. A última tem necessidade de
maior refinamento, especialmente nas paredes.

2.5.4 Discretização do domínio Formatted: Font: Bold

A análise de CFD se baseia em métodos numéricos aplicados as


equações diferenciais fundamentais da Mecânica dos fluidos. Por ser um
procedimento iterativo, se processa até que o resíduo entre iterações atinja um
patamar que esteja abaixo de um valor aceitável.. Após dfinição dos domínios, a
solução obtida é o reflexo do comportamento da variável num todo, o que impõe um
grau de acerto confiável, mesmo para geometrias complexas. Quanto maior for o
número de pontos considerados, mais próximos da solução real estarão os
resultados obtidos. Alguns dos métodos mais conhecidos de discretização são o
método dos elementos finitos, diferenças finitas e volumes finitos, sendo este último
o mais utilizado nos programas de CFD por razões históricas de desenvolvimento.
(BAZZANI, ...)
Apesar de adotar-se os mesmos requisitos de projeto, dependendo do
fabricante, tem-se a oferta de ventiladores com diferentes características
construtivas. Ainda que todos convirjam para o mesmo tipo (centrífugo), seus
tamanhos, ângulos, número de pás, entre outros parâmetros, acabam por
apresentar diferentes valores; em alguns casos a divergência é demasiadamente
expressiva, ao ponto de não se encontrar qualquer semelhança,como se, a priori,
cada fabricante possuísse seu método singular de dimensionamento. Em muitos
casos práticos, essa diferenciação tonar-se um inconveniente, pois as divergências
impactam diretamente sobre o dimensional final, e consequentemente, sobre seu
peso e formato. Ou seja, a falta de um padrão interfere diretamente sobre questões
como custo/benefício/eficiência, fatores determinantes para um bom projeto de
ventilação local exaustora. Com diferentes opções, o cliente acaba com problemas
para realizar a seleção, tanto de peças novas, quanto de reposição.
. Portanto, é plausível que a variabilidade de características dimensionais
de ventiladores entre os diferentes fabricantes é decorrente da existência de
diversos métodos teóricos para dimensionamento. Observa-se que a maioria destas
metodologias possui conteúdo gráfico ou analítico/gráficos. Portanto, podem
ocasionar divergências nas interpretações e análises.

MATERIAIS E MÉTODOS
Diante da literatura selecionada para embasamento dos métodos de
dimensionamento, o primeiro passo tomado foi a construção de um roteiro
sequencial, onde descreveu-se o passo a passo de cada um dos métodos, a fim de
organizar o trabalho. Isso é importante porque cada autor tem sua forma de
apresentar o equacionamento. Foi adotado o cuidado de buscar em cada uma das
metodologias todas as variáveis de entrada (as condições de contorno) e as
variáveis saídas, que são os parâmetros utilizados no modelamento. Ressalta-se
que os referenciais não possuem as mesmas condições de contorno; porém, todos
apresentam nos dados de entradas os requisitos de projeto básicos. Esse fato
possibilita a comparação posterior de resultados. A tabela ... apresenta os
parâmetros de entrada de cada um dos métodos.

Tabela ...- Parâmetros de entrada e seus respectivos métodos de dimensionamento.

Método Parâmetros de entrada comuns Grandeza

Vazão nominal m3/s

Todos Pressão total nominal m

Rotação do rotor rpm

Ângulo de saída do rotor °

Índice de ocupação das pás adm


Tedeschi (1969)
Rendimento hidráulico adm

Massa específica kg/m3

Ângulo de saída do rotor °

Rendimento hidráulico; adm

Rendimento de atrito de fluido; adm


Henn (2006)
Rendimento volumétrico inicial; adm

Massa específica kg/m3


Coeficiente de resistência ao
adm
cisalhamento
Número de pás unid.
Bran e Souza
Massa específica kg/m3
(1969)
Pressão atmosférica Pa

Pressão atmosférica Pa

Temperatura do fluido °C; °C

Fator de estrangulamento adm


Souza (...)
Rendimento hidráulico; adm

Rendimento de atrito de fluido; adm

Rendimento volumétrico inicial; adm


Fonte: O autor, 2018

Os requisitos de projeto comuns entre os quatro métodos usados como


condições de contorno foram elencados baseando-se em um desenho já
comercializado por determinado fabricante. A adoção dessa prática é necessária,
pois se utiliza como base de comparação um ventilador já testado e em
funcionamento, que se mostrou dentro do regime para qual foi projetado. Salienta-se
que o propósito de todos os métodos de dimensionamento em estudo é a obtenção
de ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, por motivos já esclarecidos. A
tabela... mostra a quantificação das condições de contorno utilizadas nos métodos.

Tabela... condições de contorno usadas nos diferentes métodos de


dimensionamento de ventiladores

Varáveis de entrada Valor Grandeza

Vazão nominal 5,83 m3/s


Requisitos
básicos do Rotação do rotor 1950 rpm
projeto
Pressão total 3928 Pa
Requisitos
Índice de ocupação das pás 0,95 adm
estruturais e
do
escoamento Rendimento hidráulico 0,85 adm

Rendimento de atrito de fluido 0,95 adm

Rendimento volumétrico 0,9 adm


Coeficiente de resistência ao
17 adm
cisalhamento
Massa específica 1,2 kg/m3

Ângulo de saída do rotor 45 °

Número de pás 18 unid.

Pressão atmosférica 101325 Pa


Condições
ambientais
Temperatura do fluido 20 °C

Fonte: O autor, 2018.

A tabela mostra a quantificação de todos os parâmetros. Cada autor possui


suas especificidades, que foram vistas na tabela.... Os requisitos estruturais e de
escoamento foram os divulgados e utilizados pelos autores em suas literaturas.
Adotou-se as condições ambientais padrão para o dimensionamento.
Após a elaboração dos roteiros resumidos, as informações foram transferidas
para uma planilha eletrônica a fim de facilitar os equacionamentos e sistematizar a
inserção das entradas e obtenção dos resultados.
As saídas de cada um dos métodos de dimensionamento não são as
mesmas, mas possuem em comum os parâmetros principais de construção do rotor
e da voluta. A diferenciação fica a cargo de um maior ou menor nível de
detalhamento, do que se faz necessário ao projeto do equipamento. Isso é
decorrente do fato de que cada método de dimensionamento possui mais ou menos
detalhes. A tabela ... mostra os principais parâmetros necessários à construção do
rotor e voluta. Frisa-se que independente da metodologia usada, os parâmetros
construtivos abaixo são comuns a todos. Assim, todos os ventiladores projetados
ficam no mesmo patamar para o ensaio comparativo.
Tabela... Parâmetros de saída dos métodos de dimensionamento de ventiladores
Parâmetros de Parâmetros de
Denominação Denominação
Saída Saída
Lado do quadrado do
Diâmetro de
D5m f traçado de
saída do rotor
Arquimedes
Raio n° 8 (final)
Diâmetro de
método de Bran e
D4m entrada do R8
Souza (1969)/ Souza
rotor
(...)
Raio n° 7 (interm.)
Ângulo das pás método de Bran e
β4m R7
na entrada Souza (1969)/ Souza
(...)
Raio n° 6 (interm.)
Ângulo das pás método de Bran e
β5m R6
na saída Souza (1969)/ Souza
(...)
Raio n° 5 (interm.)
método de Bran e
Z Número de pás R5
Souza (1969)/ Souza
(...)
Raio n° 4 (interm.)
método de Bran e
Largura na
Souza (1969)/ Souza
b4 entrada do R4
(...); raio final métodos
rotor
Tedeschi
(1969)/Henn(2006)
Raio n° 3 (interm.)
método de Bran e
Largura na Souza (1969)/ Souza
b5 R3
saída do rotor (...); raio interm.
métodos Tedeschi
(1969)/Henn(2006)
Raio n° 2 (interm.)
método de Bran e
Souza (1969)/ Souza
Rp Raio da pá R2
(...); raio interm.
métodos Tedeschi
(1969)/Henn(2006)
Raio n° 1 (interm.)
método de Bran e
Comprimento
Souza (1969)/ Souza
ae da boca de R1
(...); raio inicial.
saída da voluta
métodos Tedeschi
(1969)/Henn(2006)
Raio n° 0 (inicial)
Largura da
método de Bran e
be boca de saída R0
Souza (1969)/ Souza
da voluta
(...)
Fonte: o autor, 2018.

De posse dessas informações, tornou-se possível a construção da geometria


3D dos ventiladores e das demais partes complementares em software CAD. A
geração da malha no ventilador como uma peça única pode ocasionar erros no
algoritmo, dificuldades no controle do número de elementos e em demais
parâmetros de controle, além de prolongar demasiadamente o tempo de simulação.
Assim, a fim de facilitar a geração da malha, bem como possibilitar a criação dos
domínios específicos na simulação numérica, cada ventilador foi dividido em três
geometrias distintas, as quais foram projetadas individualmente: bocal de entrada,
rotor e voluta.
Em relação a voluta, segundo (....) é aconselhável realizar um incremento na
geometria da voluta, que é a extensão do bocal de saída do fluido. Este artifício é
realizado nas regiões onde há possibilidade de ocorrer recirculações. A ideia é levar
a região de descarga até um ponto em que há somente a saída de fluxo,
possibilitando a aplicação da condição de contorno de saída (outlet) sem
interferências relevantes. Para tanto, o bocal de saída da voluta foi estendido até o
comprimento de 2,5 vezes a maior aresta de saída.
Para o modelamento em três dimensões dos quatro ventiladores a partir dos
parâmetros de saída que foram calculadas, utilizou-se o programa Solid Works
2017. Após, os arquivos foram exportados para a Plataforma ANSYS, onde se
realizou as análises de CFD e demais procedimentos necessários ao ensaio
numérico.
A plataforma Ansys utilizada no trabalho foi a 16.0. Inicialmente, construiu-se
as geometrias para as simulações por meio da eliminação da parte estrutural do
ventilador. Desta forma, foi possível criar um domínio cujo volume é, integralmente, a
massa de ar contida no interior da turbomáquina e que realmente irá participar do
processo dinâmico. O procedimento foi executado utilizando ferramentas próprias do
Design Modeler, seção da plataforma utilizada na manipulação geométrica dos
componentes a serem analisados. A função Boolean foi usada para a ação. Após,
procedeu-se com a geração da malha, por meio do Meshing.
Para garantir a estabilidade dos resultados, na geração da malha foi utilizado
o método baseado no algoritmo Patch Independent. Este tem como prioridade a
geração de elementos com boa uniformidade. Optou-se por uma malha não
estruturada, com predominância de tetraedros. Como parâmetro diretriz do algoritmo
adotado selecionou-se o tamanho máximo do elemento, considerado como .... ; já
para tamanho mínimo do elemento, o valor de 5 mm foi adotado. Isso resultou em
uma malha de 1.153.897 volumes. Outro ponto importante nessa etapa é a seleção
do tipo de refinamento. Optou-se por uma malha baseada em curvatura. Esse
refinamento é indicado para estruturas com geometrias onde se tem a
predominância de partes circulares.
É necessário também o agrupamento de faces de interesse, por meio da
criação de áreas específicas. Estas servirão como base para inserção das condições
de contorno. A entrada (inlet), a saída (outlet), as paredes estacionárias (wall
stationary), as paredes rotativas (wall rotating) e as regiões de contato entre
diferentes domínios (interfaces) foram definidas. Em relação aos demais parâmetros
configuráveis, foram usados os valores padrões automaticamente selecionados pelo
programa.
Para a realização da análise de CFD, optou-se pela utilização do CFX da
plataforma Ansys como software específico. Na etapa inicial, unem-se as três
malhas criadas a partir da subdivisão do ventilador anteriormente realizada,
originando novamente uma única estrutura. Desta forma, para cada um dos
ventiladores montados, três domínios são criados, com base nas características
dinâmicas de cada parte que constitui o equipamento. A configuração foi a seguinte:
Formatted: Centered

- Entrada - Domínio estacionário. Fluido contínuo. Pressão de referência de 1 atm;


- Rotor - Domínio rotativo, com velocidade angular igual ao parâmetro de projeto
usado nos dimensionamentos;
- Voluta – Domínio estacionário.

Foram consideradas as propriedades do ar a 25ºC, fluido como meio contínuo


e pressão de referência de 01 atm. Nas simulações foi utilizado o modelo de
turbulência k-ε devido ao seu melhor desempenho nas regiões fora da camada
limite; e intensidade de turbulência de 10%, com o comprimento de escala turbulenta
de 0,1 m.
Após a definição dos domínios e de suas características, as condições de
contorno pré-estabelecidas devem ser aplicadas, naquelas regiões criadas a partir
das faces de interesse, ainda na etapa de geração da malha. Além, devem-se
aplicar funções de interface nas regiões de contato entre dois domínios. O objetivo é
a interpolação de informações de um domínio para outro, garantindo a continuidade
do fluido no interior da estrutura. As condições de contorno utilizadas foram em
suma: paredes (wall), entrada (inlet), saída (outlet). A seguir serão apresentadas as
condições de contorno e regiões de interface aplicadas em cada domínio:

 Voluta

- Faces externas - Condições de contorno de parede lisa, sem escorregamento (de


modo a captar os efeitos viscosos do ar) e sem movimento relativo nas faces
externas;
- Face de saída – Condição de contorno de saída de fluxo. Descarga para
atmosfera, com pressão estática de 01 atm (condição ambiente);
- Região de contato entre domínios rotor e voluta - Função de interface.

 Rotor

- Faces externas - Condições de contorno de parede lisa, sem escorregamento (de


modo a captar os efeitos viscosos do ar) e com movimento relativo;
- Região de contato entre domínios rotor e voluta – Função de interface;
- Região de contato entre domínios rotor e bocal de entrada – Função de interface.

 Bocal de entrada

- Faces externas - Condições de contorno de parede lisa, sem escorregamento (de


modo a captar os efeitos viscosos do ar) e sem movimento relativo nas faces
externas;
- Face de entrada - região de entrada de fluxo foi definida por vazão mássica [kg/s];
- Região de contato entre domínios bocal de entrada e rotor– Função de interface;

Na seção de pré-processamento do CFX, nas configurações do solver, foram


ajustados o controle de convergência e o critério de parada. Foi estipulado um
número máximo de 100 iterações e um critério de parada para quando o valor RMS
das variáveis pressão e velocidade atingisse 0,001. Para o esquema de interpolação
do termo advectivo foi utilizado o método Upwind (esquema de advecção de primeira
ordem). Todas as simulações são realizadas em regime permanente.

Com o intuito de obter as curvas parciais dos ventiladores modelados, depois


da inserção de todas as condições de contorno, foram efetuadas 05 simulações
variando em cada uma, o valor da vazão mássica no bocal de entrada. Os valores
de vazões de entrada utilizados na confecção das curvas parciais foram calculados
a partir da vazão nominal (Qn) usada no dimensionamento inicial dos quatro
métodos. Os valores usados nas simulações foram correspondentes a 0,25*Qn;
0,5*Qn; Qn; 1,25*Qn e 1,5*Qn.
No pós-processamento, foi realizada a leitura da pressão na entrada e na
saída do ventilador. A diferença algébrica entre estes dois valores corresponde ao
valor da pressão total desenvolvida por cada ventilador. Além dessa variável,
também foram mensurados os torques desenvolvidos no rotor. Desta forma, pode-se
calcular o rendimento teórico de cada ventilador. A apresentação dos resultados
alcançados se dará por meio de curvas de vazão x pressão e vazão x rendimento.
Salienta-se que a velocidade angular foi mantida constante (igual a rotação de
projeto) em todas as curvas geradas.
A partir das leituras das pressões totais e dos torques desenvolvidos foi
possível a comparação da eficiência entre os 04 métodos analisados nesse trabalho
e assim, constatar qual deles demonstra os melhores resultados, quando analisados
via simulação fluidodinâmica computacional.
Formatted: Line spacing: 1.5 lines

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A aplicação dos parâmetros de entradas que foram selecionados a cada um dos


quatro métodos de dimensionamento de ventiladores apresentou como saídas
valores divergentes, mesmo sendo utilizados os mesmos requisitos de projeto. A
tabela...apresenta os resultados obtidos após o cálculo com a planilha eletrônica.

Parâmetros Método Formatted: Line spacing: 1.5 lines


de Saída Tedeschi Henn Bran e Souza Souza
Grandeza
(1969) (2006) (1969) (...)

D5m Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

D4m Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

β4m ° Formatted: Line spacing: 1.5 lines

β5m ° Formatted: Line spacing: 1.5 lines

Z Formatted: Line spacing: 1.5 lines


unid.

b4 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

b5 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

Rp Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

ae Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

be Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

f X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R8 X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R7 X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R6 X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R5 X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R4 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R3 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R2 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R1 Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm

R0 X X Formatted: Line spacing: 1.5 lines


mm
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Antes da apresentação dos resultados das simulações fluidodinâmicas é Formatted: Indent: First line: 0.59"

importante realizar a análise comparativa dos principais parâmetros dimensionais


obtidos após a aplicação dos quatro métodos de dimensionamento e que foram
utilizados na confecção dos modelos tridimensionais. A tabela... apresenta as
características construtivas dos rotores. Salienta-se que no ventilador, o rotor é o
constituinte que tem a maior influência sobre o desempenho fluidodinâmico das
turbomáquinas. Desta forma, nessa análise foram desconsideradas as variações nos
parâmetros construtivos da voluta e da entrada.

Tabela.... – Principais parâmetros dimensionais dos rotores obtidos.

Método
Parâmetro Unidade
Tedeschi Bran e Souza
Henn (2006) Souza (2012)
(1969) (1969)
D5m 733 700,71 864,86 881,1 mm
D4m 447 498,43 536,22 535,87 mm
β4m 38,9 21,86 26,41 21,04 °
β5m 45 45 45 45 °
Z 20 21 18 18 unid.
b4 125,23 228,12 134,05 179,87 mm
b5 155,51 162,27 83,11 102,8 mm
Rp 105,56 195,69 308,59 1002,53 mm

Fonte: o Autor, 2018.

Basicamente, são esses oito parâmetros que possuem a maior influência Formatted: Indent: First line: 0.59"

sobre as curvas dos ventiladores. Observa-se que todos os valores divergiram entre
si. Destacam-se as diferenças apresentadas pelo diâmetro de saída do rotor e pelas
larguras de entrada e saída do componente. Essa considerável variabilidade anuncia
que ocorrerão expressivas diferenças dos resultados oriundos das simulações
computacionais. Diante de tantas geometrias diferentes é esperado que o
comportamento dinâmico do fluido se pronuncie de formas distintas, podendo
mostrar proximidade com as condições reais, ou manifestar resultados totalmente
divergentes. Ressalta-se que, teoricamente, os métodos deveriam originar modelos
relativamente parecidos, uma vez que todos partem das mesmas premissas de
projeto e usam a abordagem teórica baseada no triângulo de velocidades.
Para as simulações CFD adotou-se uma rotação fixa igual a 1950 RPM,
variando a vazão mássica na entrada do modelo tridimensional, segundo a
sequência relatada na parte de materiais e métodos. Realizou-se a leitura da
pressão total e do torque no eixo, referentes a cada valor de vazão. É importante a
consideração de valores acima e abaixo do ponto para o qual os modelos foram
dimensionados, pois se tem uma leitura mais confiável dos seus desempenhos. A
partir das grandezas obtidas na simulação numérica, se obteve as curvas parciais
dos ventiladores. Denominou-se parcial, pois a princípio apenas uma única
velocidade de rotação foi considerada. Elas são ferramentas de suma importância
para entender e analisar o comportamento da turbomáquina. Como ponto de partida
da discussão, a tabela ... apresenta as pressões totais obtidas a partir da simulação
fluidodinâmica utilizando a vazão de projeto como condição inicial.

Tabela ... – Pressões totais na vazão de projeto

Pressão Total, [ mmca ]


Vazão,
3 Tedeschi Bran e Souza
(m /h) Henn (2006) Souza (2012)
(1969) (1969)
21.000 -36,193 148,08 256,7 404

Fonte: O autor, 2018

Observa-se uma grande discrepância de valores. O método IV apresentou o Formatted: Indent: First line: 0.59"

melhor resultado. O erro relativo em base a pressão de projeto, que era de 400
mmca, foi de apenas 1 %. Essa averiguação inicial já fornece indicativos de qual dos
métodos teóricos se mostrará com o comportamento mais próximo ao real. Os
métodos II e III acabaram por apresentar pressões bem inferiores à esperada. Já o
método I apresentou um comportamento totalmente anômalo.
Adentrando ao campo dos resultados provenientes das simulações CFD, a
figura... apresenta o sentido das linhas de corrente num dos modelos.

Figura... – Linhas de corrente em um dos modelos simulados Formatted: Centered


Formatted: Centered, Indent: First line: 0.59", Tab stops:
2.48", Left

Fonte: O autor, 2018.


Formatted: Indent: First line: 0.59"

A análise das linhas de corrente originadas demonstra que o a simulação


ocorreu corretamente, pois se observa a passagem por todos os componentes que
constituem o modelo. Outro crucial é que sentido do fluxo está correto, uma vez que
nota-se nitidamente o avanço em direção do bocal de saída. Após essa
comprovação, podem-se apresentar as curvas de vazão versus pressão total de
cada modelo.

Figura... – Curva vazão versus pressão total para os métodos avaliados.


Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt, Font color: Red

Fonte: O autor, 2018.


Observa-se que, basicamente, todas as curvas seguem a tendência dos Formatted: Indent: First line: 0.59"

ventiladores que é a redução da pressão total com o aumento da vazão. Isso ocorre
devido à disponibilidade de energia do sistema. Porém, apesar das curvas
possuírem comportamentos similares, novamente o método IV apresenta os
resultados mais condizentes com o regime estudado. Os demais modelos mostraram
níveis de pressão total insatisfatórios para a aplicação. A curva referente ao método
I indica o desenvolvimento de uma pressão na entrada do ventilador superior a da
saída. E isso é imprescindível, uma vez que o sentido do fluxo impossibilita que
pressões positivas ocorram na entrada do ventilador. Assim, é outro fator que
confirma a existência de problemas com a geometria, especialmente nas larguras de
entrada e saída do rotor. Dentre os modelos, é aquele que possui as características
construtivas mais divergentes.
Além dos resultados relacionados com os parâmetros de pressão e vazão,
também merece destaque as curvas de vazão versus eficiência e vazão versus
potência consumida. A partir do torque medido no eixo de cada um dos modelos,
tornou-se possível o cálculo das grandezas associadas a quantidade de trabalho
realizado. Basicamente, o equipamento é configurado para transferir energia
mecânica ao fluido por meio da rotação das pás. A partir da multiplicação dos
torques obtidos pela rotação especificada foi possível calcular a potência
correspondente. A figura .... apresenta as curvas de vazão versus potência para os
valores usados nas simulações.

Figura ... – Curvas de potência consumida em função da vazão aplicada


Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt, Font color: Red
Formatted: Right: -0"

Fonte: O autor, 2018.

A potência consumida nos ventiladores é diretamente proporcional a pressão Formatted: Indent: First line: 0.59"

total desenvolvida e também a vazão de trabalho. No caso das curvas parciais


acima, nota-se que a influência da vazão é mais considerável, pois é a grandeza que
sofre as maiores variações. Observa-se que a potência consumida no eixo aumenta
quase linearmente dentro da faixa de vazões considerada. Esse incremento linear
da taxa de transferência de energia também é proveniente da redução do
desempenho. Precisa-se de mais energia para realizar o mesmo trabalho. Os
ventiladores possuem essa tendência de decaimento do rendimento quando
afastados do intervalo de operação. Com o objetivo de visualizar e comparar os
rendimentos obtidos numericamente para cada um dos métodos são apresentados
os resultados de vazão versus rendimento no gráfico..

Gráfico;... – Rendimentos dos modelos em função da vazão aplicada


Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt

Fonte: O autor, 2018.

Comercialmente, somente é viável o trabalho com ventiladores que Formatted: Indent: First line: 0.59"

apresentem rendimento maior que 60%. Valores inferiores a esse não são indicados
por questões de eficiência energética. Considerando-se esse patamar, somente o
modelo obtido com método IV seria plausível de aplicação. Os demais métodos são
pouco eficientes. Os bons rendimentos observados no método IV são
consequências diretas dos valores das pressões totais obtidas, próximas aos valores
teóricos. Como nos demais casos, nos quais as pressões totais desenvolvidas
ficaram bem aquém do planejado, o rendimento acabou seguindo na mesma
direção.
Ressalta-se que o torque calculado numericamente no eixo do rotor leva em
consideração apenas a reação de inércia do fluido nas pás do rotor. Os efeitos de
perdas por atrito mecânico ou vibração são desprezadas, visando a simplificação
dos modelos e redução do tempo de processamento. O incremento ascendente no
rendimento do método I pode ser desconsiderado, pois é reflexo das sobre pressões
positivas observadas em sua entrada.
Um ponto crucial que certamente influenciou os resultados foram as Formatted: Indent: First line: 0.59"

características dos métodos empregados no dimensionamento. Dentre os quatro


referenciais utilizados, somente SOUZA (2012) apresentou um roteiro puramente
analítico, que pode ser estendido a qualquer caso. Outro ponto importante é a
complexidade do método, que explora uma sequência lógica e extensa de cálculos,
a partir dos parâmetros de projeto. Os demais possuíam, além dos procedimentos
analíticos, também gráficos de apoio, onde se selecionava parâmetros a serem
usados em cálculos subsequentes. Assim, os resultados sofrem a influência da
acuracidade de quem seleciona e também da aplicabilidade das curvas, pois a
maioria delas é de uso genérico. Outro agravante é a ausência de um roteiro
completo, sendo que alguns dados devem ser arbitrados. Todas essas implicações
acabam por contribuir negativamente no desempenho dos modelos.
Como ideia principal desse trabalho era a comparação dos desempenhos Formatted: Font color: Auto

dos diferentes métodos teóricos de dimensionamento, não houve preocupação


nesse primeiro momento, com ajustes mais finos no solver do CFX. Para reduzir o Formatted: Font color: Auto

tempo computacional, foi adotado nas simulações um número de iterações


máximas, acarretando num critério de convergência com residual RMS estabelecido
entre 0,01 a 0,001, que é considerado solto. Também se utilizou resoluções de
primeira ordem, minimizando o tempo de processamento. Definindo o método
teórico mais confiável, sugere-se que trabalhos posteriores refinem a
parametrização do software, para obtenção de resultados ainda mais confiáveis.

Fonte: o Autor

Observa-se pela análise da tabela que todos os parâmetros divergiram. Destacam- Formatted: Space After: 0 pt

se as diferenças apresentadas pelo diâmetro de saída do rotor. O parâmetro


influencia diretamente no dimensional do ventilador e também sobre outras
variáveis. Portanto, tem grande peso comercial, principalmente no que tange o peso
do equipamento e consequentemente, seu custo de fabricação.
Referências Formatted: Line spacing: 1.5 lines

CLEZAR, Carlos Alfredo; NOGUEIRA, Antonio Carlos Ribeiro. Ventilação industrial.


Florianópolis: Ed. UFSC, 1999. 298 p.

MACINTYRE, Archibald Joseph. . Ventilação industrial e controle da poluição. 2 Formatted: Font: Bold

ed. Rio de Janeiro: LTC, c1990. 403 p.


CLEZAR, Carlos Alfredo; NOGUEIRA, Antonio Carlos Ribeiro. Ventilação Formatted: Justified, Line spacing: 1.5 lines
Formatted: Font: Bold
industrial. Florianópolis: Ed. UFSC, 1999. 298 p.
Formatted: Left, Line spacing: 1.5 lines

SOUZA, Zulcy de. Projeto de máquinas de fluxo: tomo V : ventiladores com rotores Formatted: Line spacing: 1.5 lines

radiais e axiais. 1. ed Itajubá, MG: Acta; Rio de Janeiro: Interciência, 2012. 237 p.
SOUZA, Zulcy de. Projeto de máquinas de fluxo: tomo V : ventiladores com Formatted: Font: Bold
Formatted: Justified, Line spacing: 1.5 lines
rotores radiais e axiais. 1. ed Itajubá, MG: Acta; Rio de Janeiro: Interciência, 2012.
237 p.
2010. Formatted: Font: (Default) Arial
Formatted: Line spacing: 1.5 lines, Tab stops: 2.03", Left
Formatted: Font: (Default) Arial, 12 pt