Você está na página 1de 17

REPÚBLICA DE ANGOLA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
ESCOLA DO ENSINO SECUNDÁRIO ―22 DE NOVEMBRO‖ PUNIV
TRABALHO DE BIOLÓGIA

 Curso: Ciências Físicas e Biológicas


Sala:
Turma: A
Turno: Tarde
O DOCENTE
______________________
Baptista Pedro
Luanda, aos 25 de Junho de 2018
INTEGRANTES DO GRUPO

Freima Zuacata Domingos nº22

Genilsa Africana Manuel nº23

Guilherme Cassua Cassule nº24

Irmani Diogo da Cruz nº25

Joseth Neto nº58

Joaquim Felisberto Catunana Kubata nº29

José Daniel Francísco de Carvalho nº30

2
INDÍCE
1-INTRODUÇÃO ................................................................................................................................4
2-CONCEITOS ...................................................................................................................................5
2.1.TESTÍCULOS ...........................................................................................................................6
2.2.ESCROTO OU BOLSA ESCROTAL ......................................................................................8
2.2. PÉNIS.......................................................................................................................................9
2.3. Polução Noturna ....................................................................................................................10
3.Vias Espermáticas .........................................................................................................................11
4.Glândulas Anexas .........................................................................................................................13
4.1.Ejaculação...............................................................................................................................14
5.Testosterona ..................................................................................................................................15
6.CONCLUSÃO ................................................................................................................................16
6.BIBLIOGRÁFIA..............................................................................................................................17

3
1-INTRODUÇÃO

Todo ser vivo tem um tempo limitado de vida: nasce, cresce, envelhece e
morre. Várias espécies continuam povoando a Terra graças a capacidade de
reprodução. Um ser é capaz de se reproduzir para gerar um descendente fértil,
que por sua vez, também se reproduz, e a espécie se perpetua. Neste trabalho irá
ser apresentado o Sistema reprodutor masculino, sua constituição e respectiva
localização de cada órgão neste mesmo sistema.

4
2-CONCEITOS

O sistema reprodutor masculino é o sistema responsável pela produção dos


gâmetas masculinos, tal como a maturação e introdução destes no aparelho
reprodutor feminino. Como processos fisiológicos relacionadas a essas funções, há a
produção de hormónios e do sémen. Sua forma e função estão intimamente
relacionadas à evolução dos sistemas de acasalamento em primatas e ao conflito
sexual entre macho e fêmea.

Existem três formas de se dividirem os órgãos do sistema genital masculino:


anatomicamente, funcionalmente ou embriologicamente. A divisão anatómica
compreende uma parte externa e uma parte interna. Na parte externa, está o pénis e
o escroto, tal como as camadas do testículo. A parte interna compreende as vias
espermáticas, as glândulas acessórias e os testículos. É formado por diversos
órgãos, os testículos, os epidêmios, os ducto deferentes, as glândulas seminais,a
próstata, o ducto ejaculatório e o pénis.

Constituição geral do sistema reprodutor masculino:

 Testículos;

 Escroto (bolsa escrotal ou saco escrotal);

 Pénis;

 Vias espermáticas: epidídimos, canais (ductos) deferentes, uretra;

 Glândulas anexas: próstata, vesículas seminais, glândulas bulbouretrais.

5
2.1.TESTÍCULOS

É o órgão onde se formam os espermatozóides,são as gônadas masculinas .

Cada testículo é composto por um emaranhado de tubos, os túbulos seminíferos,


onde ocorre a formação dos espermatozóides (espermatogênese). Em meio aos
túbulos seminíferos, as células intersticiais ou de Leydig (nomenclatura antiga)
produzem os hormónios sexuais masculinos, sobretudo a testosterona,
responsáveis pelo desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos e dos
caracteres sexuais secundários.
A produção de gâmetas e hormónios começa na puberdade.

Obs.: A espermatogênese pode ser interrompida se um homem usar muitas roupas


justa se fizer exercícios com elas ou se ele permanecer muito tempo em banhos de
imersão com água quente, pois a temperatura dos testículos muda. A
espermatogênese só volta a ocorrer quando a temperatura dos testículos estiver
adequada.

Estrutura:

 Ductos ou túbulos seminíferos:

 Células de Sertoli: sustentação.

 Epitélio germinativo: formação dos espermatozóides.

 Células intersticiais ou de Leydig: produção de testosterona.


6
Tamanho e crescimento dos testículos

Durante a puberdade, os testículos crescem para dar início à espermatogênese. O


seu tamanho depende da produção de esperma (quantidade de espermatogênese
sendo feita nos testículos), fluido intersticial e produção de fluido das células de
Sertoli.

Após a puberdade, o volume dos testículos pode ser aumentado em até 500% se
comparado com o tamanho antes da puberdade.

A função dos testículos à semelhança dos ovários (nas mulheres) é a produção


das células responsáveis pela fecundação, os espermatozóides, além da produção
de esperma os testículos são também os principais responsáveis pela produção
7
de hormonas masculinas, de onde se destaca a testosterona. Estas controlam o
desenvolvimento de algumas características do homem de onde se destacam, o
crescimento dos pêlos, bem como a voz, barba, largura dos ossos ou o
desenvolvimento muscular.

2.2.ESCROTO OU BOLSA ESCROTAL

Na linguagem popular, é referido como o ―saco‖, e trata-se das bolsas que seguram o
testículo em posição afastada do corpo. Sua funcionalidade, para além da sustentação
dos testículos é essencial no processo reprodutivo. O escroto é o responsável pelo
desenvolvimento de temperaturas adequadas para a formação de espermatozoides
férteis. Um espermatozóide leva cerca de 70 dias para ser produzido. Eles não podem
se desenvolver adequadamente na temperatura normal do corpo (36,5°C). Assim, os
testículos se localizam na parte externa do corpo, dentro da bolsa escrotal, que tem a
função de termorregulação (aproximam ou afastam os testículos do corpo), mantendo-
os a uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3 °C abaixo da corporal, garantindo
assim a temperatura ideal para a formação dos espermatozóides como já foi referido.

8
2.2. PÉNIS

Pênis: é considerado o principal órgão do aparelho sexual masculino, sendo formado


por dois tipos de tecidos cilíndricos: dois corpos cavernosos (constituídos por
pequenos espaços separados por músculos e tecido fibroso) e um corpo esponjoso
(envolve e protege a uretra).
Na extremidade do pénis encontra-se a glande - cabeça do pénis, onde podemos
visualizar a abertura da uretra. Com a manipulação da pele que a envolve – o
prepúcio - acompanhado de estímulo erótico, ocorre a inundação dos corpos
cavernosos e esponjoso, com sangue, tornando-se rijo, com considerável aumento do
tamanho (erecção). O prepúcio deve ser puxado e higienizado a fim de se retirar dele
o esmegma (uma secreção sebácea espessa e esbranquiçada, com forte odor, que
consiste principalmente em células epiteliais descamadas que se acumulam debaixo
do prepúcio). Quando a glande não consegue ser exposta devido ao estreitamento do
prepúcio, diz-se que a pessoa tem fimose.

O pénis é um Órgão copulador que possui em seu interior três cilindros de tecido
esponjosos (os corpos cavernosos), formado por veias e capilares sanguíneos
modificados. Os corpos cavernosos ao se encher de sangue provocam a ereção do
pênis. A região anterior do pênis forma a glande, onde a pele é fina e apresenta
muitas terminações nervosas, o que determina grande sensibilidade à estimulação
sexual. A glande é recoberta por uma prega protetora de pele chamada prepúcio, às
vezes removida cirurgicamente por meio da circuncisão
 Formado por dois tipos de tecidos cilíndricos:

1- dois corpos cavernosos;

2- um corpo esponjoso  envolve e protege a uretra.

 Glande: na extremidade do pênis  onde pode ser visualizada a abertura


(óstio) da uretra.

9
Prepúcio: pele que envolve e protege a glande  deve ser puxado e higienizado
a fim de se retirar o esmegma  secreção sebácea espessa e esbranquiçada,
com forte odor, que consiste principalmente de células epiteliais descamadas que
se acumulam debaixo do prepúcio.

Frênulo do prepúcio: prega mediana que passa da camada profunda do prepúcio


à parte da face uretral adjacente ao óstio externo da uretra.

Fimose: quando a glande não consegue ser exposta devido ao estreitamento do


prepúcio.

Circuncisão ou postectomia: procedimento cirúrgico para a correção da fimose.

No pénis em repouso a quantidade de sangue que entra e sai é a mesma.

Ereção: inundação dos corpos cavernosos e esponjoso com sangue, tornando o


pênis rijo, com considerável aumento do tamanho  excitação sexual e durante
o sono  é comum ereções noturnas durante o sono REM (sonhos) 
fundamentais para preservar os corpos cavernosos e o mecanismo da ereção

2.3. Polução Noturna

É a ejaculação (emissão ou descarga do sêmen ou esperma) durante o sono 


freqüentemente relacionada com um sonho erótico  mais comum da puberdade
até os 20 anos.

Sêmen = espermatozóides + líquido da próstata + líquido das vesículas seminais

10
3.Vias Espermáticas

Epidídimos: O epidídimo é uma estrutura em forma de C, constituída de cabeça, corpo


e cauda, situada na margem posterior de cada testículo. Além de atuar como via
condutora de gametas também armazena espermatozóides até o momento da
ejaculação. É no epidídimo que os espermatozóides sofrem a maturação durante seu
desenvolvimento, que ocorre aproximadamente em 2 meses, são dois tubos
enovelados que partem dos testículos, onde os espermatozóides são armazenados.
Lá eles terminam a sua maturação (adquirem o flagelo, ganhando mobilidade) e ficam
lá até a hora da eliminação durante o ato sexual.

Ducto ejaculatório : O ducto ejaculatório é formado pela junção do ducto


deferente com o ducto da vesícula seminal. O ducto ejaculatório também constitui
via condutora de gametas, porém possui menor dimensão e calibre do que as
demais vias condutoras de espermatozóides. Seu trajeto passa pelo interior da
próstata.

Ductos deferentes: O ducto deferente é o prolongamento da cauda do


epidídimo, sendo a estrutura responsável pela condução do espermatozóide
até o ducto ejaculatório, dois tubos que partem dos epidídimos, circundam a

11
bexiga urinária e unem-se ao ducto ejaculatório, onde desembocam as vesículas
seminais.

Uretra: canal destinado à saída de urina e de esperma  os músculos na entrada


da bexiga se contraem durante a ereção para que nenhuma urina entre no sêmen
e nenhum sêmen entre na bexiga  os espermatozóides não ejaculados são
reabsorvidos pelo corpo dentro de algum tempo.

A uretra é comumente um canal que percorre o interior do pénis, abrindo-se para o


exterior na extremidade da glande, é destinado para a urina, mas os músculos na
entrada da bexiga se contraem durante a erecção para que nenhuma urina entre no
sémen e nenhum sémen entre na bexiga. Todos os espermatozóides não ejaculados
são reabsorvidos pelo corpo dentro de algum tempo.

12
4.Glândulas Anexas

A função primordial das glândulas anexas é facilitar a progressão dos


espermatozóides nas vias genitais. São elas: vesículas seminais, próstata e
glândulas bulbo-uretrais.

Próstata: glândula localizada abaixo da bexiga urinária  secreta substâncias


alcalinas que neutralizam a acidez da urina e ativa os espermatozóides.

A próstata é a maior glândula acessória do sistema reprodutor masculino. Sua


secreção é viscosa e alcalina; tem por função neutralizar a acidez da urina residual
acumulada na uretra e também a acidez natural da vagina. A próstata envolve a
porção inicial da uretra, onde lança sua secreção através de uma série de
pequenos dutos.

Vesículas seminais: responsáveis pela produção de um líquido que age como


fonte de energia para os espermatozóides  constituído principalmente por
frutose.

As vesículas seminais são em número de duas, situadas na parte póstero-inferior


da bexiga; possuem formato sacciforme e inferiormente sua extremidade torna-se
estreita e reta para formar o ducto da vesícula seminal. As suas secreções fazem
parte da constituição do líquido seminal, e atuam na ativação dos
espermatozóides.

As vesículas seminais são basicamente duas glândulas que produzem um líquido


nutritivo, o fluído seminal, que contêm o açúcar frutose, cuja função é nutrir os
espermatozóides. Sua secreção é lançada no duto ejaculatório e constitui cerca de
60% do volume total do fluído eliminado durante o ato sexual. A vesícula também
secreta prostaglandinas.

13
Glândulas bulbouretrais ou de Cowper: sua secreção transparente é lançada
dentro da uretra para limpá-la e preparar a passagem dos espermatozóides.
Também tem função na lubrificação do pênis durante o ato sexual.

4.1.Ejaculação

No clímax do ato sexual, o esperma ou sêmen, constituído pelos espermatozóides


e pelas secreções das glândulas acessórias, é expulso do corpo por contrações
rítmicas da parede dos dutos espermáticos. A eliminação dos espermatozóides é
chamada ejaculação.

14
5.Testosterona

A testosterona é o principal harmónio sexual masculino e um esteroide


anabolizante. Em humanos do sexo masculino, a testosterona desempenha um
papel fundamental no desenvolvimento de tecidos reprodutores masculinos, como
testículos e próstata, bem como a promoção de características sexuais
secundárias, como o aumento da massa muscular, aumento e maturação dos
ossos e o crescimento do cabelo corporal. Além disso, a testosterona está
envolvida na saúde, no bem-estar e na prevenção da osteoporose. Níveis
insuficientes de testosterona nos homens podem levar a anormalidades, incluindo
fragilidade e perda óssea.

A testosterona também é usada como medicamento para tratar hipogonadismo


masculino e certos tipos de câncer de mama. Uma vez que os níveis de
testosterona diminuem gradualmente à medida que os homens envelhecem, a
testosterona sintética — em alguns casos — é prescrita para homens mais velhos
para neutralizar essa deficiência.

A testosterona é um esteroide. É sintetizado em várias etapas a partir do colesterol


e é convertido no fígado para metabólitos inativos. Ele exerce sua ação através da
ligação e activação do receptor de andrógenos.

Nos seres humanos e na maioria dos outros vertebrados, a testosterona é secreta


da principalmente pelos testículos dos machos e, em menor medida, pelos ovários
das fêmeas. Em média, em homens adultos, os níveis de testosterona são cerca
de 7-8 vezes maiores do que em fêmeas adultas. Como o consumo metabólico de
testosterona nos machos é maior, a produção diária é cerca de 20 vezes maior
nos homens. As mulheres são mais sensíveis ao harmónio.

A testosterona é Produzida nos testículos pelas células intersticiais ou de Leydig.

Efeitos no feto:

 acelera a formação do pênis, da bolsa escrotal, da próstata, das vesículas


seminais, dos ductos deferentes e dos outros órgãos sexuais masculinos.

 faz com que os testículos desçam da cavidade abdominal para a bolsa


escrotal.

15
6.CONCLUSÃO

Ao fim deste trabalho Concluímos de que a função do sistema reprodutor


masculino passa por produzir os espermatozóides e depositá-los no interior do
trato reprodutor feminino. O sistema reprodutor masculino humano é uma série de
órgãos localizados fora do corpo e ao redor da região pélvica de um macho, que
contribui com o processo reprodutivo.

16
6.BIBLIOGRÁFIA

1. ↑ Introduction to the Reproductive System. SEER's Training Website. U.S. National


Cancer Institute's Surveillance, Epidemiology and End Results (SEER) Program.
2. ↑ Reproductive System 2001 Body Guide powered by Adam
3. ↑ STD's Today National Prevention Network, Center for Disease Control, United States
Government, retrieving 2007
4. ↑ Sexual Reproduction in Humans. 2006. John W. Kimball. Kimball's Biology Pages,
and online textbook.
5. ↑ a b Hormones of the Reproductive System 2006. John W. Kimball. Kimball's Biology
Pages, and online textbook.
6. ↑ Werdelin L, Nilsonne A (January 1999). "The evolution of the scrotum and testicular
descent in mammals: a phylogenetic view". J. Theor. Biol. 196 (1): 61–72.
DOI:10.1006/jtbi.1998.0821. PMID 9892556.

7.↑ Descent of the testicles. P.Z. Myers. Pharyngula. 2004.

8. DANGELO,JOSÉ GERALDO;FATTINI,CARLO AMÉRICO;Anatomia Humana- editora


Atheneu,2007,181-198p.

17

Você também pode gostar