Você está na página 1de 51

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO
DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

LICENCIATURA E BACHARELADO
Aprovado na reunião do Colegiado do Curso de Ciências Sociais de ____________

Coordenadora:
Profa. Mariana Thorstensen Possas
Vice-Coordenador:
Profa. Sue
Representantes Depto Antropologia:
Prof. Moisés Lino e Silva
Prof. Marco Tromboni Nascimento
Representante Depto Ciência Política:
Prof. Carla Galvão
Representante do Depto de Educação II:
Adriana Franco Queiroz
Representante Discente:
Miguel Montanari

Abril / 2018
1. JUSTIFICATIVA E PERFIL DO CURSO

LICENCIATURA E BACHARELADO

O cientista social é o profissional habilitado a compreender de modo amplo o conjunto das


relações sociais, num mundo marcado por aceleradas transformações econômicas,
tecnológicas, políticas e morais, que se impõem sobre uma herança de desigualdades,
divergências e antagonismos históricos existentes entre diferentes povos e culturas, ou
entre grupos e segmentos sociais formadores de uma mesma sociedade. A celeridade e o
caráter multifacetado desses processos de mudanças objetivas e subjetivas impõem a
necessidade de sua caracterização adequada, através de conceituações coerentes,
necessariamente interdisciplinares, capazes de reconhecer, e não escamotear, a
complexidade dos problemas do mundo e da vida em sociedade contemporâneos. O
cientista social vai então propor e analisar diferentes linhas de compreensão e explicação
dos fenômenos, buscando evitar as armadilhas do senso comum, assim como as
simplificações ideológicas convenientes a pontos de vista parciais.

O Curso de Ciências Sociais tem por objetivo formar profissionais que tenham amplo
domínio dos fundamentos teórico-metodológicos das três disciplinas específicas das
Ciências Sociais: Antropologia, Ciência Política e Sociologia, fornecendo-lhes
instrumentos conceituais que possibilitem a elaboração de interpretações críticas sobre os
fatos e acontecimentos sociais, assim como prepará-los para propor e assessorar iniciativas
de intervenção social baseadas nestes conhecimentos. Busca, assim, desenvolver a
capacidade de análise e o senso crítico acerca dos fenômenos sócio-culturais e políticos de
relevância global, dedicando especial atenção à compreensão da sociedade brasileira em
suas complexas particularidades.

Ministrado fundamentalmente pelos Departamentos de Antropologia, de Ciência Política e


de Sociologia da UFBA, o curso oferece ao estudante duas habilitações possíveis. O
bacharelado em Ciências Sociais, voltado para a pesquisa acadêmica, e a Licenciatura em
Ciências Sociais, voltada especialmente para o Ensino Médio.

2
A formação é comum às quatro habilitações até o quarto semestre, conformando um Ciclo
Básico de 1224 horas. Este inclui entre seus componentes curriculares principalmente
disciplinas dessas três áreas, cada uma delas já marcada internamente por sua vocação
interdisciplinar, o qual procura estabelecer um alicerce teórico e metodológico denso e
compacto que possibilitará, a partir do quinto semestre, maior especialização nas
habilitações particulares.

Esta formação básica interdisciplinar garante o domínio dos principais conteúdos teóricos e
metodológicos das Ciências Sociais, o contato com as suas bibliografias clássicas e
contemporâneas fundamentais, seus principais temas e preocupações, sem deixar de
apontar suas divergências paradigmáticas no plano epistemológico, assim como as
implicações dessas orientações no plano político-ideológico, contribuindo assim para a
formação de um juízo crítico necessário à abordagem dos mais diversos temas de
relevância acadêmica e social.

A partir do quinto semestre, a ênfase recai sobretudo sobre os aspectos metodológicos e


técnicos da produção e reprodução do conhecimento, seja através de disciplinas
obrigatórias específicas de cada habilitação, seja através da condução pelo próprio aluno de
pesquisa orientada ou da prática supervisionada do ensino, conforme a habilitação.

Também a partir daí, é facultada maior liberdade para o aluno na escolha de seu percurso
formativo, com a predominância de componentes curriculares optativos, estimulando
assim, desde a graduação, a eleição de temas e abordagens particulares que conformarão
seu perfil profissional individual. Este princípio de especialização livre, em caráter
exploratório, é desenvolvido de forma preparatória tanto para as diferentes possibilidades
oferecidas pelo mercado de trabalho, quanto para a escolha de caminhos mais
especializados em nível de pós-graduação.

No sentido da maior integração com esta última, e, portanto, do contato mais direto com a
produção de conhecimento efetivamente desenvolvida pelos docentes, e não apenas com a
mera reprodução de saberes consolidados, ao aluno de graduação serão oferecidos
regularmente alguns componentes optativos sem conteúdo pré-especificado, cujos temas
monográficos e abordagens teórico-metodológicas são aqueles já em desenvolvimento
pelos docentes nos vários grupos de pesquisa e programas de pós-graduação ligados aos
três departamentos: o Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, o Programa

3
Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos, o Programa de Pós-
Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, ainda é
assim? e o Programa de Pós-Graduação em Antropologia.

Ao se formar, o aluno da licenciatura recebe o diploma de Licenciado em Ciências Sociais


que lhe dará a prerrogativa de ministrar aulas de Sociologia ou disciplinas afins nos
ensinos Fundamental e Médio. A licenciatura tem no seu currículo matérias de formação
pedagógica ministradas pela Faculdade da Educação da UFBA. Além destas disciplinas, o
aluno realizará a prática do ensino através de um estágio supervisionado de 544 horas em
escolas do ensino fundamental e médio. Além disso, realizará pelo menos 200 horas de
Atividades Complementares, isto é, extracurriculares, entre aquelas propostas pelo próprio
colegiado do curso, conforme adiante, e aquelas desenvolvidas em outros espaços de
atuação acadêmica e profissional, dentro e fora da UFBA, devidamente registradas e
reconhecidas junto ao colegiado. O tempo mínimo para integralização do curso é de 8
semestres e o máximo de 16 semestres letivos, com carga horária total de 3xxx horas.

Ao se formar, o aluno dos bacharelados recebe o título de Bacharel em Ciências Sociais.


Além de um leque maior de disciplinas optativas, o bacharelado tem no seu currículo
disciplinas metodológicas e de técnicas de pesquisa que o habilitarão a conduzir o
exercício prático de uma pesquisa empírica orientada por um docente da área em que
pretende se especializar, desde a fase da construção do objeto de pesquisa, passando pelo
planejamento, a execução e a redação de uma monografia original, defendida perante uma
banca examinadora. Participará de um seminário permanente no âmbito do qual
compartilhará sua experiência de pesquisa com os demais alunos, realizará a defesa de sua
monografia e participará de uma programação de encontros acadêmicos com palestrantes
convidados. Além disso, realizará pelo menos 100 horas de Atividades Complementares,
extracurriculares, nos mesmos moldes da Licenciatura. O tempo mínimo para
integralização do curso é de 8 semestres e o máximo de 16 semestres letivos, com carga
horária total de 2516 horas.

Bases legais

4
A presente proposta político-pedagógica do Curso de Ciências Sociais, bacharelado
e licenciatura, de graduação plena, da Universidade Federal da Bahia, tem o seguinte
amparo legal:
1
Criação / autorização: Decreto 10.664 de 20/10/1942
Reconhecimento: Decreto 17.206 de 21/11/1944
2
- Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96;

- Diretrizes Curriculares para os cursos de Ciências Sociais - Antropologia, Ciência política


e Sociologia - estabelecidas pela Resolução nº 17/02 - CES/CNE, integrante do Parecer nº
1363/01 - CES;

- Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica,


em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena - instituídas pela Resolução nº
01/2002 - CP/CNE, integrante do Parecer nº 009/2001/CP;

- Parecer n.28/01-CP/CNE que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de


formação de professores da Educação Básica em nível superior, curso de licenciatura de
graduação plena;

- Resolução nº 02/2002 - CP/CNE, integrante do Parecer nº 28/01 - CP/CNE, que institui a


duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de formação de professores da
Educação Básica em nível superior.

- Resolução 2015 ???

2. PERFIL DO EGRESSO

O campo de atuação do cientista social, tendo em vista sua formação marcadamente


interdisciplinar, apresenta diferentes perspectivas de inserção profissional em um mercado
de trabalho caracterizado hoje pela exigência de flexibilidade e criatividade em ambientes
mutáveis. As áreas de atuação do cientista social são tão diversas quanto a sua formação,

5
seja como funcionário público, seja como empregado na iniciativa privada ou como
consultor independente. Desde a mais tradicional área do ensino e da pesquisa até o
chamado terceiro setor, passando por funções em instituições públicas, organizações
internacionais, órgãos e institutos que fazem pesquisas de opinião ou de mercado,
empreendimentos públicos e privados que interferem com a vida de populações, etc., são
as possibilidades de aplicação destas três áreas do conhecimento social. Partidos políticos,
sindicatos, movimentos sociais e organizações não-governamentais dedicadas aos mais
diversos temas, são espaços onde o conhecimento do cientista social é valorizado e
procurado. A mediação de conflitos e a conciliação de interesses, assim como a
identificação e o fomento de demandas sociais diversas constituem-se em um campo de
intervenções que se amplia no mundo contemporâneo, abrindo possibilidades para o
profissional desta área.

A formação do Licenciado em Ciências Sociais qualifica-o também para o trabalho em


instituições educacionais diversas, públicas e privadas, tanto no âmbito do ensino, como
professor da educação básica, quanto em outras áreas do trabalho educacional situadas fora
do âmbito da escola formal. Fazem parte dessa formação profissional o contato com a
investigação científica de fenômenos sociais, bem como com a reflexão acerca de aspectos
políticos e culturais da ação educativa enquanto uma das formas de intervenção social.
Com o diploma, o profissional está apto também a prosseguir na carreira acadêmica,
continuando seus estudos no bacharelado, ou indo diretamente para o mestrado e
doutorado, quando então se abrirá o mercado da educação superior.

O campo de trabalho do Bacharel em Ciências Sociais exige o reconhecimento de


situações sociais complexas e o uso diferenciado da linguagem pelas instituições, uma vez
que se situa normalmente entre fronteiras institucionais. Como profissional, pode atuar no
planejamento e gestão social, elaboração de laudos e pareceres, consultorias, coordenação
de grupos técnicos, assessorias, e formação dos recursos humanos em todo tipo de
instituições da sociedade civil que atuam sobre a esfera das políticas públicas e sociais
mais amplas – saúde, educação, meio ambiente, segurança, planejamento urbano, lazer,
trabalho, promoção da cidadania e da igualdade, comunicação social, etc. Como docente
ou pesquisador na área acadêmica, têm à sua frente instituições de pesquisa e cursos
universitários, além dos programas de pós-graduação, assim como amplas áreas de
atividades de extensão que surgem do contato das universidades com a sociedade.

6
3. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES GERAIS

LICENCIATURA E BACHARELADOS:

- Conhecimento continuamente atualizado da bibliografia teórica e metodológica, clássica


e contemporânea, das três áreas das Ciências Sociais - Antropologia, Ciência Política e
Sociologia;

- Capacidade de articular teoria e pesquisa, através da participação em núcleos, grupos,


projetos e programas de pesquisa;

- Capacidade de colaborar com o próprio desenvolvimento das Ciências Sociais no Brasil,


através da sua participação em associações profissionais, encontros científicos e outros
meios de divulgação reconhecidos;

- Capacidade de articular conhecimento e prática social, através da identificação e


caracterização de demandas sociais por meio da pesquisa, assim como o planejamento e
execução de ações de intervenção social voltadas para elas;

- Capacidade didática e pedagógica para transmitir seus conhecimentos, no âmbito


especificamente educacional ou não, sem abrir mão de coerência epistemológica, mas
sempre discernindo e explicitando as implicações éticas e políticas de suas escolhas e
decisões teóricas e metodológicas;

- Reconhecer, em sua prática profissional, o seu papel social como educador, pesquisador e
agente de transformações e na construção do ordenamento institucional do país, tendo
sempre em vista a promoção dos direitos humanos e da cidadania, assim como a efetivação
da igualdade de oportunidades;

- Compromisso com a ética profissional e os valores democráticos.

7
4. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESPECÍFICAS

LICENCIATURA

- Domínio dos principais conteúdos básicos da antropologia, da ciência política e da


sociologia, sabendo adaptá-los às diferentes atividades educacionais conforme as
características de seu público, suas condições materiais, seus universos de referência, nível
intelectual e de acordo com a modalidade de ensino;

- Relacionar tais conteúdos básicos, objeto de ensino, com: a) aspectos, tendências ou


movimentos atuais de uma região, do país e do mundo; b) fatos significativos da vida
pessoal, social e laboral dos alunos e da comunidade em que se insere a escola ou outro
espaço educacional em que atue;

- Compreender os processos de sociabilidade no âmbito da escola que interferem nos


processos de ensino e aprendizagem, e a maneira como estes se relacionam com o contexto
político e institucional da escola ou outro espaço educacional, na perspectiva de intervir
construtivamente sobre eles;

- Reconhecer as características sócio-culturais dos alunos e de seu meio social, seus temas
de interesse e suas necessidades materiais e simbólicas, incorporando-os às atividades
didáticas enquanto temas sociais transversais ao currículo escolar;

- Reconhecer os diferentes valores cognitivos, afetivos, estéticos e morais de diferentes


grupos, segmentos e classes sociais vigentes nas sociedades complexas e relacioná-los com
aqueles da experiência dos educandos, levando-os a ampliarem os referenciais que
informam suas práticas e representações culturais e adquirir uma perspectiva auto-crítica
com relação a estas;

- Considerar os temas da ética e da cidadania, da sexualidade e das relações de gênero, do


preconceito racial e étnico, e da diversidade cultural em geral, objetos tradicionais das
Ciências Sociais, tomando-os como contextualização para a transmissão dos conteúdos

8
(conforme os PCN do Ensino Médio) e enquanto “temas transversais” (de acordo com os
PCN do Ensino Fundamental), sempre os associando com as questões de poder que
necessariamente implicam;

- Transpor os limites da sala de aula, propondo ações pedagógicas interdisciplinares,


articuladas em torno de temas locais, mas de relevância geral, de modo a envolver a
comunidade escolar em ações de intervenção social, na perspectiva da promoção da
cidadania e do empoderamento da comunidade maior em que aquela se insere.

BACHARELADO:

- Capacidade de análise e interpretação das diferentes situações sociais com base no


conhecimento crítico dos fundamentos, enfoques, temas, preocupações e tendências
teóricas e metodológicas do campo interdisciplinar das Ciências Sociais;

- Elaboração, planejamento, coordenação, busca de novos recursos, assessoramento e


desenvolvimento de projetos de pesquisa e de intervenção social a partir de quaisquer
espaços públicos e privados já institucionalizados ou em processo de formação;

- Realização de perícias e laudos, diagnósticos sócio-culturais, relatórios sobre impactos


sócio-ambientais, projetos e relatórios de pesquisa e atividades de extensão e outras peças
técnicas de prova judicial, licenciamentos e identificações diversos;

- Escrever artigos e ensaios sobre temas sociais, culturais e políticos em diversos tipos de
mídia e voltados a públicos diversos, e para comunicações em congressos, encontros e
fóruns acadêmicos ou não;

- Capacidade de realizar funções específicas em todas as esferas da administração pública e


demais poderes constituídos, seja no plano municipal, estadual ou federal.

5. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

LICENCIATURA:

9
O TCC da habilitação Licenciatura em Ciências Sociais, é o “Relatório Final de Estágio
Docente Supervisionado” entregue pelo aluno ao professor da disciplina EDC168 –
Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais II, e sua avaliação compõe a nota
final do componente curricular atribuída pelo mesmo ao aluno, após o que o encaminhará
ao Colegiado do Curso de Ciências Sociais para registro e arquivamento.

BACHARELADO:

O TCC da habilitação Bacharelado em Ciências Sociais assume três formatos: 1)


Monográficos; 2) Performáticos; 3) Aplicados. Os trabalhos monográficos podem assumir
a forma de uma monografia ou de um artigo científico. Os trabalhos performáticos podem
assumir a forma de uma peça de teatro, uma instalação ou material áudio-visual. Os
trabalhos aplicados podem assumir a forma de projeto de intervenção, relatório de estágio
de pesquisa ou de uma consultoria.

O processo de elaboração do TCC será feito sob orientação de um professor do


Departamento correspondente à área de opção do estudante. Professores de outros
departamentos da UFBA também podem orientar, sob aprovação do Colegiado. Co-
orientação.

A avaliação final de todas as modalidades de TCC será realizada por uma banca
examinadora, composta por três membros, o orientador, o professor da atividade “TCC”
respectiva e um terceiro convidado, especialista da área de pesquisa do estudante. A nota
atribuída pela banca será a nota do componente “TCC”.

O objeto de avaliação de todas as modalidades de TCC será a defesa do estudante perante a


banca e o trabalho escrito, entregue com pelo menos uma semana de antecedência à banca.
No caso dos trabalhos performáticos e aplicados, o trabalho escrito consistirá em um
relatório de pesquisa, em que o objeto da pesquisa, a discussão teórica e o processo de
construção do produto final estejam claramente descritos.

O TCC será desenvolvido no âmbito de duas disciplinas e três atividades semestrais


alocadas no Colegiado do Curso de Ciências Sociais:

10
As três atividades são: Pesquisa Orientada I e II e TCC.
As disciplinas são: Projeto de Pesquisa e Seminário de Pesquisa.

Cada Departamento vai ofertar os referidos componentes curriculares, de modo a termos


cadeias de formação específica em cada área de conhecimento: antropologia, sociologia e
ciência política. Os componentes Seminário de Pesquisa e TCC devem ser cursados em
paralelo à Pesquisa Orientada I e II, isto é, a inscrição semestral nos primeiros, obriga a
inscrição nos segundos.

O componente curricular “Pesquisa Orientada” abriga a relação orientador / orientando e


têm uma carga horária semanal prevista de duas horas, ou 34 horas de orientação
presencial por semestre, passível de reprovação por falta ou por conceito. A relação de
orientação deverá ser formalizada por escrito junto ao Colegiado para que seja autorizada,
no semestre subseqüente, a inscrição do aluno na atividade “Pesquisa Orientada”, na turma
correspondente a este docente/orientador.

O componente “Seminário de Pesquisa Orientada”, por sua vez, reúne todos os alunos de
uma área de concentração e que estejam inscritos no componente “Pesquisa Orientada”
respectivo e tem uma carga horária semestral de 68 horas. É uma atividade semanal de 4
horas (68 horas em cada semestre) dividida em duas partes. Na primeira, se dá o encontro
dos alunos regularmente matriculados nas Práticas de Pesquisa, em fase de elaboração do
projeto, execução da pesquisa ou redação da monografia. A finalidade desta primeira parte
é promover a troca de experiências entre os alunos, discutir e acompanhar o
desenvolvimento e execução da pesquisa, auxiliar a relação entre orientador e orientando,
sem interferir em seu conteúdo teórico e metodológico específico, cuja responsabilidade é
do orientador, mas atentando para as questões de forma e padronização das apresentações,
ritmo de execução e dificuldades diversas comumente experimentadas pelos alunos, além
de zelar pelo enquadramento das monografias nas demais normas gerais definidas pelo
Colegiado do Curso.

Ambas têm como pré-requisito a disciplina “Projeto de Pesquisa” em Antropologia ou


Ciência Política ou Sociologia, conforme o caso, alocadas nos respectivos departamentos.
Ao final desta disciplina o aluno deverá ter definido um objeto de pesquisa e indicado um

11
orientador. Isto é, o docente responsável por esta disciplina ajudará o aluno a definir o
nome de um docente que atue na área de pesquisa mais próxima do objeto de pesquisa que
pretende investigar, e intermediará a aceitação da orientação por este último.

Idealmente o TCC deve ser realizado em dois semestres, podendo estender-se por um
terceiro, conforme diferenças metodológicas e empíricas inerentes à natureza do objeto de
estudo abordado pelo aluno, e a critério de seu orientador, com o consentimento do
Colegiado do Curso.

6. ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Os alunos da Licenciatura em Ciências Sociais deverão integralizar 200 horas de


Atividades Complementares, isto é, extra-curriculares, e os do Bacharelado em Ciências
Sociais deverão integralizar 100 horas, entre aquelas propostas pelo próprio colegiado do
curso, conforme adiante, e aquelas desenvolvidas em outros espaços de atuação acadêmica
e profissional, dentro e fora da UFBA, devidamente registradas e reconhecidas junto ao
colegiado. São entendidas como Atividades Complementares ao currículo, a participação
em congressos, seminários, encontros científicos e profissionais, cursos, mini-cursos e
oficinas e demais eventos relacionados direta ou indiretamente à formação acadêmica e ao
exercício profissional do cientista social, assim como aquelas de maior duração como
monitorias, estágios extracurriculares, atividades de extensão, de representação estudantil,
participação orientada em pesquisas conduzidas por docente (desde que não tenham sido
objeto de Aproveitamento de Estudos de componentes curriculares optativos previstos no
REGPG/UFBA), realizados na UFBA ou em outras instituições acadêmicas, órgãos,
programas ou serviços de natureza educacional ou intervenção social.

Para que tais atividades sejam validadas como Atividades Complementares, e traduzidas
em carga horária para a integralização do curso, os estudantes devem levar o comprovante
(certificado ou equivalente) original da atividade realizada ao colegiado, que
imediatamente anotará no histórico do aluno o número de horas correspondentes.

Os seminários, palestras, e particularmente as defesas públicas de trabalhos de conclusão


de curso (TCC) poderão ser assistidos voluntariamente por todos os alunos do Curso de
Ciências Sociais, independentemente de ano de ingresso ou habilitação que estejam

12
cursando, o que será estimulado pela computação desta carga horária a título de Atividades
Complementares, à razão de duas (02) horas por evento.

7. ESTÁGIO CURRICULAR (LICENCIATURA)

O Estágio Docente Supervisionado do aluno da Licenciatura em Ciências Sociais, com


duração mínima de 408 horas, será realizado no âmbito de 4 disciplinas oferecidas pela
Faculdade de Educação da UFBA: Estágio I, II, III, IV envolvendo uma fase preparatória
onde o aluno desenvolve competências docentes e discute os componentes de um
planejamento de ensino, assim como aprende a elaborar projetos de ensino.

Nesta fase ainda, o aluno participará de experiências interdisciplinares de ensino,


observando sistematicamente programas e projetos de educação profissional, educação
especial de jovens e adultos ou educação à distância, em instituições escolares ou não.
Além disso, desenvolve atividades de planejamento e avaliação de ensino-aprendizagem
vinculadas à sua área específica, Ciências Sociais, no âmbito da educação básica. Só então
o aluno aplica estes conhecimentos teórico-metodológicos do ensino, adquiridos nas etapas
anteriores, na prática efetiva do ensino em sala de aula, e elabora, ao final, seu “Relatório
Final de Estágio Docente Supervisionado” o qual, depois de avaliado pelo docente
responsável pela disciplina Estágio IV é encaminhado digitalmente ao Colegiado do Curso
de Ciências Sociais para registro interno e arquivamento.

8. AVALIAÇÃO DE ENSINO/APRENDIZAGEM

O sistema de avaliação adotado no curso segue o disposto nas normas da UFBA,


particularmente no REGPG, contemplando variações quanto aos instrumentos,
periodicidade e volume das avaliações de acordo com as especificidades dos componentes
curriculares. As principais características do sistema vigente são as seguintes:

Avaliação semestral do desempenho dos alunos, considerando:

a) Avaliação da participação: freqüência às aulas, realização das atividades propostas


dentro e fora da sala de aula, realização dos trabalhos escritos demandados. A esta
avaliação pode ser atribuída uma nota de zero a 10 ou um conceito, sendo que ao final do

13
semestre o professor deve transformar este conceito em nota ou em pontos a serem
acrescidas às notas.
b) Avaliação do desempenho na aprendizagem: pode considerar provas tradicionais,
trabalhos acadêmicos escritos (individuais ou em grupos), atividades práticas, e outras
ferramentas de avaliação compatíveis com os objetivos da disciplina. A esta avaliação pode
ser atribuída uma nota de zero a 10, com uma casa decimal.
c) A metodologia de avaliação da aprendizagem é definida pelo professor ou professores
responsáveis pelo componente curricular, no respectivo plano de curso, apreciada/aprovada
pela plenária do Departamento.
d) Cada componente curricular poderá atribuir ao aluno um mínimo de duas e um máximo
de seis notas. A decisão cabe a (aos) professor (es) responsável (eis) no âmbito do plano de
curso conforme acima indicado.
e) O aluno que alcançar média igual ou superior a 5,0 (cinco) nas avaliações parciais será
considerado aprovado na disciplina.
f) A freqüência mínima do aluno no componente curricular é de 75% da carga horária total
do curso.

9. ORIENTAÇÃO ACADÊMICA

A orientação acadêmica na UFBA é regulada pelos arts 138 a 146, do REGPG. De acordo
com o regulamento, o objetivo da orientação é contribuir para a integração dos estudantes à
vida universitária, contemplando aspectos pedagógicos, itinerário curricular, informações
sobre políticas e normas da Universidade, assistência estudantil, participação em projetos e
eventos, realização de estágios e aconselhamento acadêmico-profissional.

O mecanismo de orientação, que cabe ao Colegiado de cada curso estabelecer, serão


encontros regulares entre estudantes e professores orientadores, previamente indicados
pelo Colegiado e ouvidos os Departamentos. Cada professor orientador será responsável
por um grupo de 10 estudantes, os quais serão acompanhados, preferencialmente, pelo
mesmo professor até o final do curso. A pedido do orientador ou do orientando, o
Colegiado pode autorizar a substituição do orientador.

As atribuições do orientador acadêmico são as seguintes (art. 141, REGPG):

14
a) Acompanhar o desenvolvimento acadêmico geral dos estudantes sob sua
orientação;
b) Atender regularmente aos estudantes sob sua orientação, divulgando no início de
cada semestre letivo, local, dia e hora para atendimento;
c) Planejar um fluxo curricular compatível com seus interesses e necessidades de
desempenho acadêmico;
d) Elaborar, em conjunto com o orientando, um plano adequado de estudos;
e) Orientar a tomada de decisão relativo à matrícula, trancamentos e aproveitamento
de estudos;
f) Diagnosticar problemas e dificuldades que estejam interferindo no desempenho do
estudante e orientá-lo na busca de soluções;
g) Emitir parecer sobre pleitos realizados pelo aluno no âmbito do Colegiado.

As atividades de orientação acadêmica serão acompanhadas pelo Colegiado que


periodicamente vai avaliar sua eficiência e adequação. Ao final de cada semestre o
Colegiado fará o registro das atividades de orientação, a partir dos relatórios dos
professores orientadores.

10. HORÁRIO E DURAÇÃO DAS AULAS

O curso de Ciências Sociais da UFBA é matutino, de modo que todas as disciplinas


oferecidas pelos três departamentos diretamente ligados ao curso (Antropologia,
Sociologia e Ciência Política) serão oferecidas entre o período das 7:00 da manhã às 13:00.

As disciplinas obrigatórias têm 4h/a semanais, distribuídos em dois encontros semanais, de


2h/a cada. As disciplinas optativas também estão organizadas em 4h/a semanais e podem
ser ministradas em dois formatos: dois encontros semanais de 2h/a ou um encontro
semanal de 4 h/a.

As disciplinas, obrigatórias e optativas serão oferecidas em todos os dias da semana,


devendo o colegiado garantir que não haja choque de horários entre as disciplinas daquele
semestre.

15
16
GRADES CURRICULARES DAS HABILITAÇÕES:
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS
1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE
340 horas 340 horas 340 horas 340 horas 408 horas 340 horas 340 horas 136 horas
INTRODUÇÃO HISTÓRIA E PENSAMENTO ETNOGRAFIA FUNDAMENTOS ORGANIZAÇÃO DA
À METODOLOGIA FILOSOFIA NAS SOCIAL FCH PSICOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO OPTATIVA OPTATIVA
EM CIÊNCIAS CIÊNCIAS SOCIAIS BRASILEIRO EDUCAÇÃO BRASILEIRA
SOCIAIS FCH FCH EDCA01 EDCA02
FCH

DIDÁTICA E DIDÁTICA E
INTRODUÇÃO À NATUREZA, ECONOMIA E CIÊNCIA E MAGIA PRAXIS PRAXIS OPTATIVA OPTATIVA
ANTROPOLOGIA CULTURA E POLÍTICA NA NA ANTROPOLOGIA PEDAGÓGICA I PEDAGÓGICA II
FCH SOCIEDADE ANTROPOLOGIA FCH EDCA11 EDCA12
FCH FCH291

INTRODUÇÃO Á SOBERANIA, ELITISMO, INSTITUIÇÕES ESTÁGIO I ESTÁGIO II ESTÁGIO III ESTÁGIO IV


CIÊNCIA POLÍTICA CONTRATO E PLURALISMO E POLÍTICAS EDC EDC EDC EDC
FCH LIBERALISMO DEMOCRACIA BRASILEIRAS 102 h/a 102 h/a 102 h/a 102 h/a
68h/a FCH FCH FCH301

LETE46
INTRODUÇÃO Á ESTRUTURA E AÇÃO, RELAÇÃO E INTERAÇÃO E LIBRAS (Linguagem EDUCAÇÃO E EDUCAÇÃO OPTATIVA
SOCIOLOGIA TRANSFORMAÇÃO SOCIABILIDADE SISTEMA SOCIAL Brasileira de Sinais) RELAÇOES ETNICO- GÊNERO E
FCH SOCIAL FCH FCH 68 h/a RACIAIS DIVERSIDADES
FCH

LEITURA, PRÁTICA PRÁTICA PRÁTICA PENSAMENTO


DISCURSO E PEDAGÓGICA I PEDAGÓGICA II PEDAGÓGICA III POLÍTICO OPTATIVA OPTATIVA OPTATIVA
PRODUÇÃO DE FCH FCH FCH BRASILEIRO
TEXTOS EM FCH
CIÊNCIAS SOCIAIS DOC 68h/a
FCH
18 x 68 = 1224 (Ciclo Básico) + 3 x 68 = 204 (PP) + 6 x 68 = 408 (Lic) + 68 (LIBRAS) 8 x 68 = 544 (OPT) + 544 horas (ES) = 2xxx horas
2992 horas+ 200 horas (AC) = 3xxx horas (mín. 3200)

18
BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE


340 horas 340 horas 340 horas 340 horas 340 horas 340 horas 340 horas 340 horas
INTRODUÇÃO HISTÓRIA E PENSAMENTO ETNOGRAFIA OPTATIVA DE OPTATIVA DE
À METODOLOGIA FILOSOFIA NAS SOCIAL FCHE91 PESQUISA PESQUISA OPTATIVA OPTATIVA
EM CIÊNCIAS CIÊNCIAS SOCIAIS BRASILEIRO 68h/a FCH FCH
SOCIAIS FCH FCH
FCH

INTRODUÇÃO À NATUREZA, ECONOMIA E CIÊNCIA E MAGIA ANTROPOLOGIA PROJETO DE SEMINÁRIO DE TCC


ANTROPOLOGIA CULTURA E POLÍTICA NA NA ANTROPOLOGIA CONTEMPORÂNEA PESQUISA PESQUISA (Antro, Socio, Poli)
FCH SOCIEDADE ANTROPOLOGIA FCH FCH (Antro, Socio, Poli) (Antro, Socio, Poli) FCH
FCH FCH291 FCH FCH 34h/a
68 h/a 68h/a

SOBERANIA, ELITISMO, INSTITUIÇÕES CIÊNCIA POLÍTICA PESQUISA PESQUISA


INTRODUÇÃO Á CONTRATO E PLURALISMO E POLÍTICAS CONTEMPORÂNEA OPTATIVA DE ORIENTADA I ORIENTADA II
CIÊNCIA POLÍTICA LIBERALISMO DEMOCRACIA BRASILEIRAS FCH PESQUISA (Antro, Socio, Poli) (Antro, Socio, Poli)
FCH FCH FCH FCH301 68h/a FCH FCH
34 h/a 34h/a

ESTRUTURA E INDIVÍDUO E AÇÃO E TEORIAS DO PODER


INTRODUÇÃO Á TRANSFORMAÇÃO SOCIEDADE INTERAÇÃO E E DOMINAÇÃO OPTATIVA OPTATIVA OPTATIVA
SOCIOLOGIA SOCIAL FCH SOCIAL FCH
FCH FCH FCH

LEITURA,
DISCURSO E LABORATÓRIO DE LABORATÓRIO DE LABORATÓRIO DE PENSAMENTO
PRODUÇÃO DE PESQUISA I: PESQUISA II: PESQUISA III: POLÍTICO OPTATIVA OPTATIVA OPTATIVA
TEXTOS EM QUALITATIVA QUANTITATIVO ETNOGRAFIA BRASILEIRO
CIÊNCIAS SOCIAIS FCH FCH FCH FCH
FCH 68h/a 68h/a
68h/a

18 x 68 = 1224 horas (Ciclo Básico) + 8 x 68 + 3x34 = 646 (Pesq) + 8 x 68 = 544 (OPT) = 2414 horas

19
2416 + 100 (AC) = 2516 horas

10. ELENCO DOS COMPONENTES CURRICULARES, DEPARTAMENTO, CARGA HORÁRIA, NATUREZA E PRÉ-
REQUISITOS:

CICLO BÁSICO COMUM ÀS DUAS HABILITAÇÕES (17 disciplinas):

Código Disciplina Departamento/Colegiado C.H. Natureza Pré- Observação


requisitos
FCH Introdução à Metodologia em Ciências Sociais Colegiado CISO/Socio 68 Obrigatória Não Novo
FCH Leitura, Discurso e Produção de texto em Ciências Colegiado CISO/Antro 68 Obrigatória Não Novo
Sociais
FCH História e Filosofia nas Ciências Sociais Colegiado CISO/C. Pol 68 Obrigatória Não Novo
FCH Introdução à Antropologia Antropologia 68h Obrigatória Não Novo
FCH Introdução à Ciência Política Ciência Política 68h Obrigatória Não Novo
FCH Introdução à Sociologia Sociologia 68h Obrigatória Não Novo
FCH Natureza, Cultura e Sociedade Antropologia 68h Obrigatória Introd Antro Antro II
FCH Soberania, Contrato e Liberalismo Ciência Política 68h Obrigatória Introd Politica II
FCH Estrutura e Transformação Social Sociologia 68h Obrigatória Não Socio I e II
FCH Pensamento Social Brasileiro Sociologia 68h Obrigatória Não Formação
Soc
brasileira
FCH Economia e Política na Antropologia Antropologia 68h Obrigatória Não Antro III

20
FCH Elitismo, Pluralismo e Democracia Ciência Política 68h Obrigatória Não Política III
FCH Indivíduo, Sociedade e Modernização Sociologia 68h Obrigatória Não Socio II e III
FCHE91 Etnografia Antropologia 68h Obrigatória Não
FCH Antropologia, Ciência e Magia Antropologia 68h Obrigatória Não Antro
FCH Instituições Políticas Brasileiras Ciência Política 68h Obrigatória Não Org.Pol.Bras
FCH Teorias da Ação e Interação Sociologia 68h Obrigatória Não Soc III

CICLO PROFISSIONALIZANTE DA LICENCIATURA (306120) (xx disciplinas) :

Código Disciplina Departamento C.H. Natureza Pré-requisitos Observação


EDCA01 Fundamentos Psicológicos da Educação Educação I 68h Obrigatória Intros
EDCA02 Organização da Educação Brasileira Educação I 68h Obrigatória Intros
EDCA11 Didática e Práxis Pedagógica I Educação II 68h Obrigatória Intros
EDCA12 Didática e Práxis Pedagógica II Educação II 68h Obrigatória Intros
LETE Libras
EDC Estágio I Educação II 102h Obrigatória Intros + PP
EDC Estágio II Educação II 102h Obrigatória Estágio I
EDC Estágio III Educação II 102h Obrigatória Estágio I e II
EDC Estágio IV Educação II 102h Obrigatória Estágio I, II e III
Optativa 68h Optativa Intros
Optativa 68h Optativa

21
Optativa 68h Optativa
Optativa 68h Optativa
Optativa 68h Optativa
Optativa 68h Optativa
Optativa 68h Optativa
Optativa 68h Optativa

COMUNS AO CICLO PROFISSIONALIZANTE DOS BACHARELADOS:

Código Disciplina Departamento C.H. Natureza Pré-requisitos Observação


FCH Laboratório de Pesquisa Qualitativa em Ciências Sociais Sociologia 68h Obrigatória Não Novo
FCH Laboratório de Pesquisa Quantitativa em Ciências Sociais Ciência Política 68h Obrigatória Não Novo
FCH Laboratório de Pesquisa de Campo e Etnografia Antropologia 68h Obrigatória Não Novo
ICI114 Documentação II Docum. e Informação 68h Obrigatória Não há

ESPECÍFICOS DE CADA ÀREA:

ANTROPOLOGIA
Código Disciplina/Atividade Depart./Coleg. C.H. Natureza Pré-requisitos Observação
FCH Antropologia Contemporânea Antropologia 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III
FCH Elaboração de Projeto de Antropologia 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III

22
Pesquisa em Antropologia
FCHE Pesquisa Orientada em 34h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III + Projeto
Coleg. CISO
Antropologia (Atividade) Pesquisa em Antrop.
FCHE Seminário de Pesquisa em 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III + Projeto
Coleg. CISO
Antropologia (Atividade) Pesquisa em Antrop.
FCH Trabalho de Conclusão de Curso 34h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III +
(TCC) Coleg. CISO Projeto Pesquisa em Antrop. + Seminário
Pesquisa Antrop.

CIÊNCIA POLÍTICA
Código Disciplina/Atividade Depart./Coleg. C.H. Natureza Pré-requisitos Observação
FCH Política Contemporânea C. Política 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III
FCH Projeto de Pesquisa em Ciência 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III
C. Política
Política
FCHF01 Pesquisa Orientada em Ciência 34h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III
Coleg. CISO
Política (Atividade)
FCHE99 Seminário de Pesquisa em 68h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III
Coleg. CISO
Ciência Política
FCH Trabalho de Conclusão de Curso 34h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III +
(TCC) Coleg. CISO Projeto Pesquisa em Antrop. + Seminário em
Antrop.

SOCIOLOGIA

23
Código Disciplina/Atividade Depart./Coleg. C.H. Natureza Pré-requisitos Observação
FCH Teorias do Poder e 68h Obrigatória Intros
Sociologia
Dominação
FCH Projeto de Pesquisa em 68h Obrigatória Intros + Intro Met+ Lab. Pesquisa I, II e III
Sociologia
Sociologia
FCH Pesquisa Orientada em 34h Obrigatória Intros + Lab. Pesquisa I, II e III + Projeto Pesquisa
Coleg. CISO
Sociologia (Atividade) em Sociologia
FCH Seminário de Sociologia 68h Obrigatória Intros + Lab. Pesquisa I, II e III + Projeto Pesquisa
Coleg. CISO
em Sociologia
FCH Trabalho de Conclusão de 34h Obrigatória Ciclo básico + Lab. Pesquisa I, II e III + Projeto
Curso (TCC) Coleg. CISO Pesquisa em Sociologia + Seminário em
Sociologia

ELENCO DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS COMUNS A TODAS AS HABILITAÇÕES:


Obs.: O aluno da Habilitação Licenciatura deverá cursar 08 disciplinas optativas, e o aluno de qualquer das três Habilitações do Bacharelado
deverá cursar 11 disciplinas optativas, dentre as abaixo relacionadas.

Código Disciplina Departamento C.H. Natureza Pré-req. Observação


FCH Antropologia da Ética Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia Queer Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia do Desenvolvimento Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Sócio-antropologia do uso de substâncias psicoativas mantém? Antropologia 68h Optativa
FCH Antropologia Visual Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia do Trabalho Antropologia 68h Optativa Nova

24
FCH Antropologia da Globalização Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia da Arte Antropologia 68h Optativa Nova
FCH031 Introdução à arqueologia Antropologia 68h Optativa
FCH045 Arqueologia brasileira Antropologia 68h Optativa
FCH Antropologia dos Território e das Territorialidades Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia e Ecologia Antropologia 68h Optativa Nova
FCH245 Curso Monográfico em Antropologia Antropologia 68h Optativa Pode ser cursada
mais de uma vez
FCH Antropologia da Cidade Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia Linguística Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia das Relações Afroindígenas Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Antropologia de Gênero e Sexualidade Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Patrimônio e memoria social Antropologia 68h Optativa Nova
FCH Estado e Políticas Públicas Ciência 68h Optativa Nova
Política
FCH Teoria da Representação Política Ciência 68h Optativa Nova
Política
FCH História das Instituições Políticas Brasileiras Ciência 68h Optativa Nova
Política
FCH Processos de hegemonia e contra-hegemonia mantem? Ciência 68h Optativa Nova
Política
FCH Mídia e Política mantem? Ciência 68h Optativa Nova
Política
FCH Tópicos de teoria política contemporânea mantem? Ciência 68h Optativa Nova. Pode ser
cursada mais de
Política
uma vez
FCH243 Curso monográfico em ciência política mantem? Ciência 68h Optativa Pode ser cursada
mais de uma vez
Política

25
FCH323 Autoritarismo e democracia mantém? Ciência 68h Optativa
Política
FCH326 Movimentos políticos no Brasil mantém? Ciência 68h Optativa
Política
FCH163 História das idéias políticas mantém? Ciência 68h Optativa
Política
FCH Análise Social do Brasil a partir de dados secundários Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Entrevistas e Grupos Focais como técnica de investigação social Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Pesquisa Survey I: planejamento e aspectos cognitivos Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Pesquisa Survey: execução e análise Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teoria Fundamentada nos Dados (TFD): usos e possibilidades de Sociologia 68h Optativa Nova
construção teórica
FCH Observação direta e etnografia na sociologia Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Formas de abordagem e análise de dados qualitativos na Sociologia 68h Optativa Nova
sociologia
FCH Análise e manejo de dados sobre violência, criminalidade e Sociologia 68h Optativa Nova
punição
FCH Teorias da Modernidade Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teoria Crítica e Escola de Frankfurt Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teorias da Prática Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teorias dos Sistemas Sociais Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teorias pós-coloniais Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia do Intelectual Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Saúde Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia do Direito Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Introdução à Criminologia Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia Urbana Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia do Crime Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Punição Sociologia 68h Optativa Nova

26
FCH Estudos Urbanos Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Família Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Arte Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Ciência e da Tecnologia Sociologia 68h Optativa Nova
FCH265 Sociologia da Desigualdade Social Sociologia 68h Optativa
FCH Teoria Social, Raça e Racismo Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Estudos de Gênero e Sexualidade Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teoria Social, Corpo e Corporeidade Sociologia 68h Optativa Nova
FCH172 Sociologia Rural Sociologia 68h Optativa Nova
FCH244 Curso Monográfico em Sociologia mantem??? Sociologia 68h Optativa Pode ser cursada
mais de uma vez
FCH170 Sociologia do Trabalho Sociologia 68h Optativa
FCH Estratificação e Classes sociais Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Trabalho, cidadania e reconhecimento Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia do Conhecimento Sociologia 68h Optativa Nova
FCH210 Sociologia da Religião Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Estudos sobre Religiões Afro-brasileiras Sociologia 68h Optativa Nova
FCH171 Sociologia do Desenvolvimento Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Estudos de Globalização Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Teoria Social e Meio Ambiente Sociologia 68h Optativa Nova
FCH Sociologia da Solidariedade Sociologia 68h Optativa Nova

27
28
EMENTÁRIO DOS COMPONENTES CURRICULARES

29
COMPONENTES CURRICULARES ALOCADOS NO COLEGIADO DO CURSO
Códigos e ementas das ATIVIDADES

FCH Pesquisa Orientada em Antropologia


Pesquisa executada pelo discente, orientada individualmente por docente indicado pelo colegiado, visando redação e defesa do Trabalho de
Conclusão de Curso na área de Antropologia do Bacharelado em Ciências Sociais.

FCH Seminário de Pesquisa em Antropologia


Seminário semanal permanente, conduzido por docente indicado pelos departamentos, para os alunos que estão realizando o Trabalho de
Conclusão de Curso, na área de Antropologia, para os quais visa à troca de experiências de pesquisa entre si, contato com pesquisadores
convidados, e preparação para as respectivas defesas.

FCH Trabalho de Conclusão de Curso em Antropologia


Organização das defesas dos trabalhos de conclusão do bacharelado e participação em todas as bancas daquela área disciplinar.

FCH Pesquisa Orientada em Ciência Política


Pesquisa executada pelo discente, orientada individualmente por docente indicado pelo colegiado, visando redação e defesa do Trabalho de
Conclusão de Curso na área de Ciência Política do Bacharelado em Ciências Sociais.

FCH Seminário de Pesquisa em Ciência Política


Seminário semanal permanente, conduzido por docente indicado pelos departamentos, para os alunos que estão realizando o Trabalho de
Conclusão de Curso, na área de Ciência Política, para os quais visa à troca de experiências de pesquisa entre si, contato com pesquisadores
convidados, e preparação para as respectivas defesas.

FCH Trabalho de Conclusão de Curso em Ciência Política


Organização das defesas dos trabalhos de conclusão do bacharelado e participação em todas as bancas daquela área disciplinar.

FCH Pesquisa Orientada em Sociologia


Pesquisa executada pelo discente, orientada individualmente por docente indicado pelo colegiado, visando redação e defesa do Trabalho de

30
Conclusão de Curso na área de Sociologia do Bacharelado em Ciências Sociais.

FCH Seminário de Pesquisa em Sociologia


Seminário semanal permanente, conduzido por docente indicado pelos departamentos, para os alunos que estão realizando o Trabalho de
Conclusão de Curso, na área de Sociologia, para os quais visa à troca de experiências de pesquisa entre si, contato com pesquisadores
convidados, e preparação para as respectivas defesas.

FCH Trabalho de Conclusão de Curso em Sociologia


Organização das defesas dos trabalhos de conclusão do bacharelado e participação em todas as bancas da área disciplinar.

FCH Introdução à Metodologia em Ciências Sociais


Apresentação do fazer pesquisa social a partir de um texto de cada uma das áreas das Ciências Sociais. Censo comum, outro saberes e
conhecimento cientifico: conceitos, leis e generalizações teóricas; método científico. Ciências naturais e ciências humanas: causalidade e
determinismo, subjetividade e objetividade. Observação e experimentação; indução, dedução e inferência. Modelos de construção teórica:
falácias, explicação, compreensão e a formalização de modelos, tipologias e teorias sociológicas
Competências: identificação das origens e das possibilidades do fazer das ciências sociais.

FCH Leitura, Discurso e Produção de Texto em Ciências Sociais


Abordagem, de modo reflexivo e prático, dos vários letramentos dos campos da Antropologia, Ciência Política e Sociologia. Diversos gêneros
textuais/discursivos como fichamento, resumo, resenha, seminário, artigo científico, dentre outros, serão estudados a partir das situações sociais
em que são produzidos enfatizando o tema, o conteúdo, o estilo, a situação de produção, a autoria, o modo de circulação de forma a colaborar
com o processo contínuo de letramento do (a) estudante (a) e com sua maior autonomia e protagonismo na vida universitária

FCH História e Filosofia nas Ciências Sociais


Iluminismo e contra-iluminismo; conceito de progresso e as formas de uma história universal na reflexão iluminista; filosofias da história;
concepções cíclicas e lineares do tempo histórico; a noção de história como magistra vitae; romantismo, conservadorismo e as críticas ao
racionalismo abstrato.

31
COMPONENTES CURRICULARES ALOCADOS NOS DEPARTAMENTOS
códigos e ementas das DISCIPLINAS

OBRIGATÓRIAS
FCH Introdução à Antropologia
1. O que fazem os antropólogos; a unidade humana e a diversidade sociocultural. 2. Conceitos básicos: cultura, etnocentrismo, relativismo. 3.
Método antropológico e etnografia. 4. Diversidade temática: família, sexualidade, racismo, ciência e meio-ambiente.

FCH Introdução à Ciência Política


1.Introdução aos elementos básicos constitutivos da ciência política. Objeto e método da ciência política. Campo de atuação. 2. Conceitos de
poder, poder político, dominação. 3. Debate clássico sobre república e democracia. 4. Estado moderno.

FCH Introdução à Sociologia


1.Abordagem sociológica e a definição do objeto da sociologia. 2. Condições sócio-históricas do nascimento e emergência da sociologia como
disciplina acadêmica, as ideias de seus precursores intelectuais; 3. Interpretações da Modernidade oferecidas pelos autores clássicos fundadores
da disciplina e seus interlocutores. 4. Reflexões críticas sobre o desenvolvimento colonial da sociologia e seus novos rumos.

FCH Natureza, Cultura e Sociedade


Os problemas da natureza, cultura e sociedade acompanham a antropologia desde a sua formação. De um lado, a antropologia aspirou um
modelo de fazer ciência no formato das ciências naturais; de outro, ela procurou se autonomizar desses campos disciplinares propondo outras
abordagens. Contemporaneamente, a disciplina retoma criticamente essas questões, como também questiona as possibilidades das mesmas,
perguntando-se sobre as dicotomias implícitas que estruturam tais conceitos e as tensões entre biológico, cultural e social.

FCH Soberania, Contrato e Liberalismo

32
1) soberania, contrato e jusnaturalismo; 2) liberalismo, constitucionalismo e teoria da separação de poderes; e 3) as críticas socialista e
conservadora ao liberalismo.

FCH Estrutura e Transformação Social

Diretrizes teóricas e metodológicas de dois clássicos do pensamento sociológico: Émile Durkheim e Karl Marx. Durkheim: Problemas relativos
à integração e regulamentação social das sociedades modernas, assim como a elaboração de uma abordagem metodológica que contribuiu para a
consolidação da sociologia enquanto disciplina científica. Karl Marx: alienação, ideologia e luta de classes, compreendidas segundo as
premissas do materialismo-histórico. O Capital. Mediações dialéticas por meio das quais o autor fundamentou suas críticas à economia política e
ao modo de produção capitalista.

FCH Economia e Política na Antropologia


A disciplina examina, através das principais correntes teórico-metodológicas da antropologia, como as diversas sociedades organizam a
autoridade e o poder e quais as bases materiais que estruturam as suas relações sociais. Serão discutidos temas relativos aos processos de
centralização política, as relações entre sociedade e Estado, a criação das desigualdades, as teorias da troca, da dádiva e da mercadoria, produção
e consumo e o processo de globalização.

FCH Elitismo, Pluralismo e Democracia


Estuda a teoria política que repercute transformações políticas e sociais vinculadas à emergência dos trabalhadores na cena política do Ocidente,
o avanço do sufrágio universal como realidade empírica e a ampliação/difusão e posterior contestação da democracia política e das instituições
representativas em sociedades complexas e de massa. Os eixos temáticos são: 1. Teoria das elites e seus desdobramentos ulteriores na vertente
competitiva da teoria democrática; 2. Debate entre elitistas (monistas) e pluralistas; 3. Elite e classe: o conceito de hegemonia e papel dos
intelectuais; 4. Liderança e decisão política: autoridade x representação como fundamento da política moderna.

FCH Indivíduo, Sociedade e Modernidade

33
Apresentação de autores clássicos da sociologia, fundamentais para a consolidação da disciplina ao longo do XX, que se debruçaram sobre os
problemas da ação social, relação social e sociabilidade. Começando por Max Weber, a partir de suas contribuições metodológicas e
epistemológicas, e de sua definição da ação social como objeto da sociologia, a disciplina avançará para as reflexões de Georg Simmel e Norbert
Elias sobre a relação entre indivíduo e sociedade. Serão apresentadas também, a partir desses três autores, suas teorias da modernidade e da
modernização ocidental, as quais serão debatidas criticamente a partir de problemas centrais de suas obras, tais como racionalização,
individualização e civilização.

FCH Ciência e Religião na Antropologia


Estudo etnográfico de modos distintos de pensamento e conhecimento. Dentre os temas a serem explorados, incluímos os seguintes tópicos:
formas de construção do mundo, guerra das ciências, cosmologias, eficácia da magia, epistemologia, ontologia.

FCH Pensamento Político Brasileiro


Estuda textos e autores brasileiros representativos da formação e desenvolvimento de um pensamento político voltado à narrativa e à
compreensão dos vínculos entre, de um lado, a formação social brasileira, em sua historicidade e, de outro, as instituições, valores e práticas
políticas vigentes no momento de cada obra, analisadas na sua dimensão metodológica e na articulação de seus conteúdos com questões
controversas nas interpretações sociológicas sobre o Brasil e com temas e matrizes intelectuais da teoria política, clássica e contemporânea.

FCH Teorias da Ação e Interação social


A disciplina tem como objetivo iniciar a discussão em torno de vertentes da teoria social que desenvolvem abordagens à ação/interação:
sociologias influenciadas pelo pragmatismo (Escola de Chicago e Interacionismo Simbólico), pela fenomenologia (A. Schutz e
Etnometodologia) e a abordagem sistêmica de Talcott Parsons. Entre as questões enfocadas no curso, destacam-se: o lugar atribuído as normas,
valores e situação no quadro de referência da ação; interação, linguagem e processos interpretativos; vida cotidiana e a organização do raciocínio
prático dos atores.

FCH Etnografia
Sobrevôo pela etnografia, primeiro refletindo acerca do que ela consiste e o que ela não é. Realização de leituras etnográficas clássicas e
recentes no intuito de compreender suas singularidades e generalidades. Por fim, a partir da literatura indicada, discussão sobre as críticas,
reflexões e ponderações a respeito das propriedades do texto etnográfico.

FCH Instituições Políticas Brasileiras Contemporâneas

34
1. Estrutura dos sistemas políticos nas sociedades contemporâneas. 2. Democracia como perspectiva a partir do contexto da transição
democrática brasileira. 3. A transição em retrospectiva a partir da vigência da Carta de 1988. 4. O processo Constituinte de 1988. 5. A
Constituição de 1988 e o novo pacto federativo. 6. As relações executivo-legislativo e o presidencialismo de coalizão no Brasil. 7. Dinâmica do
sistema partidário e eleitoral. 8. Reforma Política. Poder Executivo e arenas decisórias. 9. O poder executivo e o processo de reforma do Estado.
10. Judicialização, República e Separação de Poderes. 11. Mudanças e perspectivas na democracia brasileira.

FCH Pensamento Social Brasileiro

Caracterização do desenvolvimento da teoria social no Brasil, identificando movimentos intelectuais decisivos desse processo, seus contextos
socioculturais, seus principais autores/correntes e repertórios. A análise dessa produção está centralizada na temática relacionada às
“interpretações do Brasil”, mais especificamente às questões sobre identidade, nacionalismo e modernidade. Serão analisados três grandes
movimentos intelectuais: a formação do pensamento social (Império até 1930); a consolidação institucionalizada do pensamento social (década
de 1930 até 1980); a produção contemporânea.

FCH Teoria Antropológica Contemporânea


Discutir a produção antropológica contemporânea priorizando a introdução de novas temáticas e dilemas teóricos.

FCH Teoria Política Contemporânea

Estudo das principais correntes do pensamento político a partir do pós-guerra, cobrindo o debate contemporâneo sobre: 1) liberalismo e
republicanismo; 2) teoria democrática (poliarquia, deliberação, participação); 3) teorias da justiça.

FCH Teorias do Poder e Dominação


Análise dos debates sociológicos contemporâneos sobre os temas da dominação e do poder, no período que vai do entre-guerras até o início do
século 21. Serão apresentadas correntes teóricas críticas que se constituem e se desenvolvem após a morte de pais fundadores da disciplina e que
tematizam a dominação simbólica sob diversos aspectos, as configurações e reconfigurações do poder, o capitalismo tardio, o embate entre
imperativos sistêmicos e comunicativos, as lutas por reconhecimento, as novas formas de dominação gestionária, bem como o conhecimento e
as formas de classificação produzidos pelo processo da colonialidade.

FCH Prática Pedagógica em Ciências Sociais (Antropologia)

35
Experiências de construção de conhecimentos ou de desenvolvimento de procedimentos próprios ao exercício da docência; Contribuição na
formação da identidade do professor como educador. Observação e reflexão, análise e produção de material didático, discussão de documentos
da organização do trabalho na escola e na educação, utilização e desenvolvimento de tecnologias educacionais, práticas investigativas sobre
ensino, resolução de situações-problema próprias do contexto escolar ou educacional, estudo do contexto educacional, articulação com as
famílias.
FCH Prática Pedagógica em Ciências Sociais (Ciência Política)
Experiências de construção de conhecimentos ou de desenvolvimento de procedimentos próprios ao exercício da docência; Contribuição na
formação da identidade do professor como educador. Observação e reflexão, análise e produção de material didático, discussão de documentos
da organização do trabalho na escola e na educação, utilização e desenvolvimento de tecnologias educacionais, práticas investigativas sobre
ensino, resolução de situações-problema próprias do contexto escolar ou educacional, estudo do contexto educacional, articulação com as
famílias.

FCH Prática Pedagógica em Ciências Sociais (Sociologia)


Experiências de construção de conhecimentos ou de desenvolvimento de procedimentos próprios ao exercício da docência; Contribuição na
formação da identidade do professor como educador. Observação e reflexão, análise e produção de material didático, discussão de documentos
da organização do trabalho na escola e na educação, utilização e desenvolvimento de tecnologias educacionais, práticas investigativas sobre
ensino, resolução de situações-problema próprias do contexto escolar ou educacional, estudo do contexto educacional, articulação com as
famílias.

EDCA01 Fundamentos Psicológicos da Educação


A psicologia como ciência e sua aplicação à educação. Fundamentos teórico-epistemológicos da relação psicologia-educação. Principais
correntes da psicologia e suas aplicações educacionais. Discussões contemporâneas na psicologia da educação e na análise psico-educativa do
trabalho escolar. A psicologia na formação de professores
EDCA02 Organização da Educação Brasileira
Estudo do sistema educacional brasileiro na sua organização didática, administrativa e financeira e dos fatores históricos, sociais, políticos e
econômicos que determinam a sua atual organização. As políticas públicas contemporâneas de educação.
EDCA11 Didática e Práxis Pedagógica I
Análise, explicação e organização da prática pedagógica escolar enquanto prática social específica, à luz da contribuição das ciências da
educação. Estudo dos fundamentos epistemológicos da Didática na formação do educador e construção da identidade docente. Relações
fundamentais no processo de trabalho docente: ensino/aprendizagem; sujeito/objeto/construção do conhecimento; teoria/prática;
conteúdo/forma; professor/aluno; aluno/aluno. Organização da dinâmica da prática pedagógica: o processo do planejamento.

36
EDCA12 Didática e Práxis Pedagógica II
Estudo do planejamento de ensino nas suas etapas, modalidades, componentes didáticos e tipologia. Planos e projetos didáticos. Observação e
diagnóstico da prática educativa em escolas e/ou espaços alternativos de educação (ONG, projetos educacionais alternativos, escolas
comunitárias etc.). Vivência pedagógica, sob a forma de simulação em sala de aula (micro- aulas).
ICI114 Documentação II
Conhecimento da origem da informação e dos instrumentos e recursos para a elaboração e a publicação do trabalho técnico-científico.

EDC Estágio I
Estágio Supervisionado, Legislação e Concepções de Estágio; Estágio, docência e pesquisa; Administração escolar e contradições da
educação; Observação, registro e reflexão da estrutura, funcionamento, recursos e público-alvo da escola. Instrumentos de estágio: projeto
e relatório.

EDC Estágio II
História e níveis de ensino da Sociologia no Brasil: Ensino Médio, EJA e Educação Profissionalizante; Escola pública como espaço de
produção de conhecimento; Gestão pedagógica e atuação didática do professor regente; Observação das relações professor-aluno e
coparticipação em sala de aula

EDC Estágio III


O ensino da Sociologia na perspectiva das teorias, conceitos ou temáticas: PCNs e livros didáticos; Coparticipação nas aulas para
planejamento e organização das atividades pedagógicas. Planejamento para intervenção pedagógica/regência em espaços educativos;
Elaboração de projeto e execução da intervenção/regência pedagógica;

EDC Estágio IV
Desafios e perspectivas da disciplina de Sociologia no ensino médio EJA e Educação Profissionalizante; Planejamento de conteúdo para
regência/intervenção pedagógica em espaços educativos; Elaboração de projeto e execução da regência/intervenção pedagógica;
Socialização da experiência docente com apresentação de relatório final do estágio; Gestão escolar??????

FCH Laboratório de Pesquisa em Ciências Sociais: Abordagem Qualitativa

FCH Laboratório de Pesquisa em Ciências Sociais: Abordagem Quantitativa

37
1. Desenhos de pesquisa quantitativa; 2. Métodos quantitativos e survey; 3. Estruturação de instrumentos: variáveis, escalas e indicadores; 4.
Análise estatística exploratória: medidas de centro e dispersão; 5. Teste de hipóteses; 6. Construção de tabelas e gráficos; 7. Análise de dados
quantitativos

FCH Laboratório de Pesquisa de Campo e Etnografia

FCH Projeto de Pesquisa em Antropologia


Instrumentalizar os alunos do Curso de Ciências Sociais, com área de concentração em Antropologia, com os conteúdos básicos necessários à
realização da investigação cientifica; fornecer elementos teórico-metodológicos que possibilitem uma melhor compreensão das questões
antropológicos; exercitar o manuseio do instrumental de pesquisa em Antropologia; elaborar o projeto de pesquisa com vistas à realização do
trabalho de conclusão do curso.

FCH Projeto de Pesquisa em Ciência Política


Instrumentalizar os alunos do Curso de Ciências Sociais, com área de concentração em Ciência Política, com os conteúdos básicos necessários à
realização da investigação cientifica; fornecer elementos teórico-metodológicos que possibilitem uma melhor compreensão dos problemas e
fatos políticos; contribuir para as análises qualitativas e quantitativas através do manuseio do instrumental de pesquisa em Ciência Política;
elaborar o projeto de pesquisa com vistas à realização do trabalho de conclusão do curso.

FCH Projeto de Pesquisa em Sociologia


Instrumentalizar os alunos do Curso de Ciências Sociais, com área de concentração em Sociologia, com os conteúdos básicos necessários à
realização da investigação cientifica; fornecer elementos teórico-metodológicos que possibilitem uma melhor compreensão dos problemas e
fatos sociológicos; contribuir para as análises qualitativas e quantitativas através do manuseio do instrumental de pesquisa em Sociologia;
elaborar o projeto de pesquisa com vistas à realização do trabalho de conclusão do curso.

38
OPTATIVAS

FCH Perícias e Laudos Antropológicos

FCH Escrita Etnográfica

FCH Antropologia da Ética


Neste curso, usaremos uma combinação de estudos teóricos e de casos etnográficos examinando questões de corrupção, moralidade, liberdade e
ética, explorando as maneiras pelas quais as pessoas moldam a si e aos outros por meio desses temas. Analisaremos diferentes formas de teorizar
os processos pelos quais as pessoas abordam dilemas éticos e a forma como a ética muda ao longo do tempo e do espaço. Na seção final do
curso, veremos que formas morais como a bioética, os direitos humanos e a própria vida estão sendo modificadas em todo o mundo. Em relação
a isso, terminaremos o curso perguntando se a antropologia pode ou não se tornar uma ferramenta para o entendimento de formas éticas e morais
mais matizadas.

FCH Antropologia Queer


O curso visita a literatura teórica, e de abordagem etnográfica, sobre a sexualidade queer. Em um movimento simétrico, examinaremos também
como a disciplina antropológica tem sido constitutivamente moldada por temas sexuais. Desde de uma perspectiva queer, as discussões vão
identificar em que condições a sexualidade se intersecciona com uma amplitude de temas, tais como: poder, raça, feminismo, trabalho, religião,
colonialismo e globalização.

FCH Antropologia do Desenvolvimento


O curso oferece um exame radical do desenvolvimento enquanto um ideal, enquanto prática e enquanto uma indústria. Ao longo do semestre,
vamos sustentar a interação entre uma avaliação teórica do desenvolvimento e uma compreensão etnográfica crítica de projetos de
desenvolvimento em suas operações diárias no Brasil e no mundo.

FCH Antropologia Visual

39
O objetivo da disciplina é oferecer uma introdução à discussão sobre os usos das imagens na Antropologia e capacitar os estudantes em
diferentes abordagens visuais da disciplina: a fotografia e o vídeo como métodos de pesquisa, como objetos de reflexão e de análise e como
meio de divulgação de resultados antropológicos. As discussões em sala de aula partirão da leitura de textos propostos e da visualização de
materiais (audio)visuais.

FCH Antropologia do Trabalho


Dentre as principais preocupações deste curso voltado para uma reflexão do mundo do trabalho e dos/as trabalhadores/as de um ponto de vista
antropológico destacam-se: (a) as transformações no mundo do trabalho; (b) a importância da construção e da transmissão da memória dos
movimentos operários; (c) a importância do estudo comparado sistemático entre movimentos de trabalhadores/as urbanos e rurais, habitualmente
estudados de formas estanques por especialistas; (d) uma visão ampla do trabalho envolvido em outras esferas da vida social.

FCH045 Arqueologia brasileira


A disciplina aborda diferentes aspectos da ocupação humana do território brasileiro, desde as primeiras instalações de caçadores coletores
pleistocênicos até as frentes expansionistas pós-coloniais do século XIX. Neste abrangente panorama diacrônico serão analisadas,
especialmente, as relações existentes entre os diferentes ambientes naturais e os dispositivos adaptativos criados pelos grupos humanos, em
diferentes momentos históricos
Pensamento Antropológico Clássico no Brasil
Reflexão sobre a antropologia produzida no Brasil. Análise das perspectivas e paradigmas de diversas escolas e a sua articulação com o contexto
antropológico mundial.

Etnologia do Brasil
Estudos dos grupos sociais e étnicos básicos na formação da sociedade brasileira.

Etnias e culturas africanas


Análise etno-histórica da contribuição africana e formação na cultura brasileira.

Antropologia Urbana
A redefinição das categorias básicas da Antropologia na interpretação dos fenômenos urbanos contemporâneos.

Antropologia das Sociedades Camponesas

40
Antropologia Simbólica

Antropologia Política.

Antropologia Médica

Antropologia Econômica

Antropologia do negro no Brasil

Antropologia das sociedades indígenas.

Antropologia da Saúde

Antropologia da Religião

Antropologia da Família e do parentesco

Antropologia da Etnicidade e do nacionalismo

Antropologia da Educação

Antropologia Biológica I

Antropologia Biológica II

FCH Antropologia da Globalização

41
O curso examina dimensões socioculturais da globalização a partir de uma perspectiva antropológica. Começa por engajar criticamente com
conceitos mais básicos da área, tais como: lugar, fronteiras, movimento, estado e migração. Em seguida, procede para o debate sobre as diversas
contribuições etnográficas que a antropologia apresenta à compreensão da vida em contextos globais, transnacionais e diaspóricos. Entre outros,
os tópicos a serem discutidos incluem: processos identitários de cunho etno-racial ou religioso, cidadania flexível, culturas sexuais globais,
famílias diaspóricas, fluxos de capital, mídia e tecnologia.

FCH Antropologia da Arte


Propõe-se uma discussão sobre os conceitos de arte e estética, numa perspectiva teórica da antropologia, a partir de linguagens
artísticas produzidas em diferentes contextos socioculturais. Para tanto, música, teatro, dança, artes visuais, performances, rituais etc., serão
considerados objetos antropológicos.

FCH245 Curso Monográfico em Antropologia


Esta disciplina tem por objetivo oferecer aos alunos do Curso de Ciências Sociais elementos de temas que estão sendo pesquisados pelos
professores, assim como dos referenciais teórico-metodológicos da área de Antropologia que estão sendo utilizados pelos mesmos, com o
objetivo de promover uma maior integração entre pesquisa e ensino, assim como entre a graduação e a pós-graduação.
FCH Antropologia Linguística
Definida como o estudo do discurso e da língua no contexto das pesquisas antropológicas, a Antropologia Linguística insere-se na longa tradição
de debates das humanidades sobre as relações entre Língua e Cultura. A disciplina procurará enfatizar a linguagem como recurso cultural e a fala
como prática para enfocar o discurso situado de atores sociais, participantes de diferentes comunidades culturais e linguísticas, incluindo temas
como: as variações linguísticas, as performances orais, a indexicalidade, a etnopoética, a análise do discurso, a ideologia linguística, a relação
entre língua e poder, a transcrição e tradução, escrita e oralidade, dentre outros.

FCH Antropologia dos Territórios e das Territorialidades

42
O curso abarca a contribuição antropológica para o conhecimento sobre territórios, territorialidades, bem como lugares e percepção de paisagens
por múltiplos grupos sociais. Durante o curso o aluno será incentivado a refletir teoricamente e criticamente sobre diferentes perspectivas de
terra e território, ao mesmo tempo em que possa adentrar em casos etnográficos nos quais grupos sociais indígenas, quilombolas, comunidades
tradicionais e outros coletivos urbanos e rurais constitui a diferença e sua identidade ao redor de formas especificas de socialidade, percepção,
uso do espaço e relação com os Estados Nacionais. Abordarmos as técnicas de pesquisa e descrição que articulam etnografia e cartografia, bem
como conhecimentos eco-geográficos outros na garantia jurídica de direitos territoriais e humanos, na gestão territorial e em políticas públicas,
refletindo sobre suas sobreposições, conflitos e articulações.

FCH311 Antropologia e Ecologia


Durante o curso usaremos uma combinação de estudos teóricos, de casos etnográficos e experiências práticas para abordar as diferentes questões
antropológicas contemporâneas relacionadas à percepção, conhecimento e experiência que nós e outros diversos (humanos, não-humanos)
desenvolvemos em interação no ambiente. O curso promoverá uma reflexão etnograficamente orientada sobre os dualismos modernistas em
torno dos pares mente e mundo, natureza e cultura, ambiente e sociedade, tradicional e moderno, bem como compreender as contribuições das
antropologias pós-humanistas e da critica antropológica da ecologia política, do desenvolvimento sustentável e de questões em torno do
antropoceno no Brasil e no mundo.

FCH Antropologia da Cidade


Familiarizar os alunos com a discussão sobre a cidade, o fenômeno urbano, a urbanização e produção dos espaços urbanos na
contemporaneidade, com ênfase nestes temas no Brasil e na cidade de Salvador, discutindo o processo de produção de seu(s) centro(s) e
periferia(s), margens, bairros autoconstruídos, diversas formas de habitar e cidadania.

FCH Antropologia das Relações Afroindígenas


O curso tem como objetivo propiciar reflexões sobre os efeitos de dois processos avassaladores que marcam a constituição do Brasil como nação
e, em termos mais amplos, do próprio mundo moderno, capitalista, globalizado: o genocídio indígena e a diáspora africana. A especialização
disciplinar do campo das Ciências Sociais em torno da Etnologia Indígena e dos Estudos Afro-Brasileiros fez com que o tema das relações entre
afrodescendentes e indígenas no Brasil fosse abordado sempre de modo tangencial

FCH Antropologia de Gênero e Sexualidade

43
Abordar as distintas formas em que a antropologia aborda gênero e sexualidade a partir da leitura e discussão de estudos substantivos. O curso
explora a diversidade humana no que tange aos modos sociais e culturais de conceber, constituir e praticar diferenças de gênero, bem como
apresenta as principais abordagens teóricas aplicadas a esse campo.

FCH Patrimônio e Memoria Social


O componente curricular está voltado para o processo de patrimonialização, seus objetos, agentes e as circunstâncias sócio-históricas do seu
desenvolvimento, à luz de dois aspectos que merecem particular atenção, isto é, o princípio de permanência na materialidade e o principio de
recorrência da imaterialidade. Os casos analisados tratarão tanto do Brasil como de outros Países, enfatizando a natureza discursiva e
polissêmica característica do patrimônio, bem como os mecanismos oriundos dos processos de afirmação do sentimento coletivo de pertinência
e, portanto, de identidade.

FCH Análise de Políticas Públicas

A Ciência Política e a análise de políticas públicas; ferramentas e tipologias para análise de política pública; Perspectivas teóricas sobre Estado e
formação de políticas: o debate pluralismo/elitismo; neo-marxismo; novo institucionalismo; teoria da escolha racional; abordagens cognitivas;
Transformações do Estado contemporâneo e novos paradigmas de política pública: reestruturação dos sistemas de proteção social; novo
gerencialismo público; descentralização, empowerment e participação social; Os estudos de políticas públicas no Brasil: problemas e debates;
Ciclo de decisão e avaliação de políticas públicas.

FCH Teoria e metodologia de pesquisa em história das ideias

Abordagens teóricas e metodológicas no campo da história do pensamento político e história dos conceitos; relação entre filosofia política e
historiografia das ideias; linguagem, representação e ideologia; a “virada linguística”; a Escola de Cambridge e o contextualismo linguístico; a
história dos conceitos alemã; estudos de recepção; a história conceitual do político na França; o debate teórico-metodológico no campo da
história do pensamento político brasileiro.

FCH Metodologia de Intervenção Social


Técnica e elaboração de projetos de intervenção social a partir de diagnósticos locais; o planejamento estratégico; elaboração de marco zero;
avaliação e monitoramento de políticas sociais.

44
FCH Estado e Políticas Públicas
Sistema político, Estado e governo na ordem contemporânea. 2) Condicionantes políticos e institucionais que incidem sobre o processo de
intervenção governamental: 3) O Estado e as orientações de políticas no pós-guerra: surgimento e crise do Estado de Bem-Estar Social; a crise
dos anos 80 e o surgimento do neoliberalismo. 4) Os processos de reforma do Estado na América Latina: atores e instituições que influenciaram
as reformas dos anos 90; modelos exógenos e endógenos de regulação de políticas 5) Processo político, mudanças econômicas e padrões de
intervenção estatal na América Latina e Brasil: países emblemáticos e tendências recentes.

FCH Processos de hegemonia e contra-hegemonia mantém?


A disciplina visa estudar os processos de hegemonia e contra-hegemonia. Partindo do referencial teórico gramsciano, serão trabalhados os
conceitos de infra-estrutura, superestrutura, estado, sociedade civil, cultura, partido, mídia e outros correlacionados, assim como estas esferas
podem se inter-relacionar estrutural e conjunturalmente. Tendo como base as contribuições de Antonio Gramsci, serão estudados outros autores
que passaram a trabalhar com seus conceitos assim como aqueles que influenciaram a sua elaboração teórica. A disciplina procurará, a partir
deste referencial, contribuir para a compreensão tanto das ações políticas, sociais e culturais que têm como objetivo a conservação da ordem,
como daquelas que têm levado ou possam levar a transformações de caráter contra-hegemônico.
FCH Mídia e Política mantém?
Aborda as complexas relações entre mídia e política, especialmente no mundo contemporâneo, visando a compreensão da importância (poderes
e limites) dos chamados meios de comunicação de massa, a partir da década de 20 do século XX, seja como instrumentos capazes de influenciar
o conteúdo das opiniões e opções políticas (a partir da construção, em prazos variados, de cenários, representações e imagens sobre
acontecimentos, personalidades e instituições), sejam como ambiente que altera a forma de se fazer a política.
FCH Representação política e movimentos sociais mantém?
Discute o sentido da política e do político e a possibilidade de ampliação das formas clássicas de representação política, enfatizando os debates
que evidenciam “crises ou “déficits” dessas representações e o papel ocupado pelas ações coletivas nas dinâmicas das atuais democracias.
Analisa as principais perspectivas contemporâneas sobre os movimentos sociais e algumas experiências concretas, observando as suas interações
com o campo político institucional.
FCH243 Curso Monográfico em Ciência Política mantém
Esta disciplina tem por objetivo oferecer aos alunos do Curso de Ciências Sociais elementos de temas que estão sendo pesquisados pelos
professores, assim como dos referenciais teórico-metodológicos da área de Ciência Política que estão sendo utilizados pelos mesmos, com o
objetivo de promover uma maior integração entre pesquisa e ensino, assim como entre a graduação e a pós-graduação.
FCH323 Autoritarismo e Democracia mantém?

45
Destaca a trajetória teórica e histórica da Democracia, do Autoritarismo e das Transições de um regime não democrático para um democrático,
mostrando as diversas experiências que ocorreram nessas transições e as diversas formas existentes no interior de cada regime. Aborda as
contribuições teóricas mais atuais
FCH326 Movimentos Políticos no Brasil mantém?
O objetivo deslindar as relações de poder no interior do Estado brasileiro. Para isto trataremos fundamentalmente de três questões. A primeira é a
origem, formação e desenvolvimento político do Estado brasileiro, elementos de sua composição, vícios e tradições de sua política. O Estado
estamental burocrático, como signo de atraso político e econômico. A segunda é a relação entre o Estado e a grande propriedade, as conivências
e cumplicidades desta relação e as vantagens e privilégios que ela garante para ambos ao longo de nossa história. Veremos também como isto se
desenvolveu entre nós e as deformações políticas que nos trouxe, onde cada um comete suas ilicitudes e irresponsabilidades sociais com a
cobertura e garantia do outro. A terceira é o resultado de tudo isto nos levando ao regionalismo como expressão maior do modus fasciendi de
nossa política. O Estado estabeleceu com a grande propriedade uma relação vertical, individual, particular, justamente para evitar o ajuntamento,
o fortalecimento e o "perigo" de um pólo aglutinador do outro lado. Esta relação fragmentária e ao mesmo tempo frouxa do Estado com a grande
propriedade, leva-a a se organizar regionalmente pra garantir seus privilégios frente ao Estado.
FCH163 História das idéias políticas mantem?
Estuda os momentos mais marcantes da trajetória do pensamento político desde o “mundo antigo” até o “pensamento político contemporâneo”.
O enfoque teórico-metodológico contemplará fatores econômico-sociais proporcionando uma visão geral da evolução histórica do pensamento
político, buscando reconstruir totalidades dinâmicas e em conflito.
FCH Análise Social do Brasil a partir de dados secundários
Apresentação dos principais bancos de dados existentes. Trabalhos e usos práticos de dados secundários em análises do Brasil. Tabulação,
transporte/adaptação de banco de dados. Noções de SPSS. Formatação de tabelas e estatística descritiva. Uso de banco de dados... A despeito de
existirem Censo, PNAD, Big Data, CIS, CESOP, latino barômetro.

FCH Pesquisa Survey I: planejamento e aspectos cognitivos


Elaboração de projeto de survey, desenho amostral, elaboração do instrumento de pesquisa, cuidados cognitivos, elaboração de livro código,
análise de instrumentos de pesquisa.

FCH Pesquisa Survey II: execução e análise


Treinamento de campo, execução, planilhamento, elaboração de banco de dados (SPSS), análise de dados de survey (SPSS), análise descritiva,
análise inferencial, correlações e causalidade.

FCH Formas de abordagem e análise de dados qualitativos na sociologia

46
Análise de discurso, de conteúdo, narrativas, representações e softwares para manejo de dados qualitativos

FCH Entrevistas e Grupos Focais como técnica de investigação social


A disciplina visa fornecer os principais fundamentos e usos das técnicas de entrevistas e ‘grupos focais’ como instrumentos de pesquisa social.
Abordar a origem e desenvolvimento dessas técnicas dentro das Ciências Sociais como possibilidade de pesquisa qualitativa. Discutir os usos
em diferentes campos do saber, como saúde, estudos eleitorais e de mercado. Analisar as possibilidades de integração com outras técnicas de
pesquisa. A disciplina terá também caráter prático, pois os alunos também realizarão grupos focais, aprendendo as diferentes etapas que
envolvem dessas técnicas.

FCH Teoria Fundamentada nos Dados (TFD): usos e possibilidades de construção teórica
Possibilidades de fontes diversificadas para realização de Teoria Fundamenta nos Dados. Codificação aberta. Codificação secundária.
Dimensões analíticas. Proposições teóricas. Usos em campos carentes de teoria. Usos de software.

FCH Análise e manejo de dados sobre violência, criminalidade e punição


Apresentação das técnicas quantitativas nos campos da violência, crime e punição. Manejo, elaboração e entendimento de índices e dados
usualmente utilizados pelas análises sociológicas sobre crime, violência e punição. Usos de dados descritivos. Leitura de dados inferenciais.
Análises de correlação, causalidade e identificação de falácias sobre crime, violência e punição. Interações de dados quantitativos e qualitativos.

FCH Observação direta e etnografia na sociologia


Postura e prática etnográfica, cuidados éticos, lugar de fala (auto-análise do pesquisador), escrita etnográfica, técnicas de observação, pesquisa
relacional em temas sociológicos ou abordados sociologicamente como religião, urbano, violência, etc.

FCH Teorias da modernidade


A disciplina visa apresentar um panorama das discussões sobre a modernidade, aqui entendida como um fenômeno ou processo cuja explicação
se encontra na própria raiz do surgimento e desenvolvimento da Sociologia. Ela parte da caracterização do mundo moderno realizada por autores
clássicos do pensamento sociológico, como Marx, Weber, Simmel e Tönnies. Em seguida, revisita vertentes do século 20, como a teoria crítica,
as teorias da modernização de linhagem estrutural-funcionalista, a pós-modernidade, a teoria da modernização reflexiva e a civilizational
analysis. Em sua parte final, dirige a atenção para teorizações recentes surgidas na periferia do sistema mundial criticando o viés eurocêntrico e
colonial que informou grande parte do conhecimento sociológico.

FCH Teoria Crítica e Escola de Frankfurt

47
FCH Teorias da Prática

FCH Teorias dos Sistemas Sociais

FCH Teorias pós-coloniais

FCH Epistemologia das Ciências Sociais


Questões epistemológicas relacionadas às condições de objetividade e neutralidade do conhecimento nas ciências sociais. O curso está dividido
em três grandes partes. A primeira parte busca articular o debate sobre a objetividade do conhecimento com a questão do senso comum nas
ciências sociais. Na segunda parte será discutida a prática científica, a formação de paradigmas científicos e os critérios de transformação do
campo científico. Na terceira parte serão apresentadas visões críticas da prática científica nas ciências sociais, com perspectivas da teoria crítica,
pós-estruturalismo e desconstrução, crítica pós-colonial e teorias da complexidade.

FCH Sociologia do Intelectual

FCH Sociologia da Saúde

FCH Sociologia do Direito


A disciplina busca resgatar o direito como objeto de investigação sociológica e apresentar algumas possibilidades de pesquisa na área, tanto do
ponto de vista teórico como empírico. Dentre as várias possibilidades teóricas, elegemos trabalhar com autores como Niklas Luhmann, Max
Weber e Michel Foucault. Do ponto de vista empírico, as pesquisas utilizadas vão tratar de temas como imparcialidade dos julgamentos, fluxo de
justiça, ensino do direito, investigação criminal e produção de inquéritos policiais, existências de ordens jurídicas alternativas, etc.

FCH Introdução à Criminologia

48
Introdução ao pensamento criminológico. Escolas criminológicas. Criminologia do fato e da reação social. Teorias criminológicas
contemporâneas. Discussão de pesquisas empíricos em temas como: criminalidade urbana, punição, funcionamento do sistema de justiça
criminal, sistemas de pensamento sobre o crime e a pena etc.

FCH244 Curso Monográfico em Sociologia


Esta disciplina tem por objetivo oferecer aos alunos do Curso de Ciências Sociais elementos de temas que estão sendo pesquisados pelos
professores, assim como dos referenciais teórico-metodológicos da área de Sociologia que estão sendo utilizados pelos mesmos, com o objetivo
de promover uma maior integração entre pesquisa e ensino, assim como entre a graduação e a pós-graduação.
FCH Sociologia urbana

FCH Sociologia do Crime


Reflexões sociológicas a respeito do crime, tratado portanto como objeto sociológico e não como uma categoria do direito, que gera efeitos no
mundo jurídico. Autores e obras clássicas da sociologia e da criminologia serão trabalhados como exemplos de possíveis abordagens
sociológicas do tema. Também serão trabalhados aspectos diversos e correlatos, como o conceito de desvio, controle social e punição, que
complementam o estudo do tema.

FCH Tópicos em Sociologia Urbana


A disciplina analisa um conjunto de fenômenos contemporâneos vinculados aos espaços urbanos. Produzindo uma sociologia das cidades e nas
cidades, a disciplina discute processos como a segregação sócio-espacial, mercantilização, privatização e gentrification, city marketing e
empresariamento da gestão urbana, sociabilidades urbanas e usos dos espaços públicos, entre outros. Com um foco interdisciplinar, privilegia
tanto a análise de conceitos relevantes para os estudos urbanos contemporâneos quanto o estudo de fenômenos e processos históricos concretos,
buscando contextualizá-los em diversas realidades nacionais, regionais e locais.

FCH Sociologia da Arte


FCH Sociologia da Ciência e da Tecnologia
FCH265 Sociologia da Desigualdade Social
FCH Teoria Social, Racismo e Antirracismo
O curso vai abordar o debate existente sobre o conceito de raça como construção social, e aprofundar a discussão sobre as expressões do
racismo na contemporaneidade, tratando do caso do racismo anti-negro, mas também ressaltando que outras categorias sociais – como povos
indígenas e imigrantes – têm sido objeto de racismo, não apenas no Brasil, mas em outros países da América Latina, Europa e Ásia. As

49
referências utilizadas vão permitir que os estudantes se familiarizem com as distintas perspectivas analíticas existentes nesse campo quando se
trata de definir o racismo como fenômeno social com expressões que variam ao longo do tempo (antigo, novo, simbólico, cultural,
individualista), bem como vai permitir que estes se aproximem do debate teórico e político sobre o antirracismo

FCH Estudos Raciais e Étnicos no Brasil


Familiarizar os estudantes com o debate teórico e metodológico que existe no campo dos estudos raciais e étnicos, concentrando a atenção em
três áreas: preconceito e discriminação raciais; desigualdades raciais; e políticas de enfrentamento do preconceito, discriminação e desigualdades
raciais. As referências utilizadas tratarão da definição dos conceitos mais importantes nesse campo, e serão voltadas para a investigação desses
temas na sociedade brasileira contemporânea, recorrendo a estudos que utilizam metodologia qualitativa (estudos sobre preconceito e
discriminação, e sobre políticas), e quantitativa (estudos sobre desigualdades), e que tratam de educação, mercado de trabalho, vio lência,
produção cultural e outros.
FCH Sociologia Rural
Estudo sociológico das formas de produção no campo, da representação dos espaços rurais e urbanos como elementos sociais, culturais e
historicamente construídos, das sociabilidades culturais, políticas e históricas, abordando as permanências e as mudanças nas relações de
trabalho e no meio ambiente provocadas pelo processo de industrialização no Brasil. Compreensão do rural como uma cosmologia criadora de
um “modus vivendi” que tem sua referência nas práticas agrícolas e pecuárias, e que dialeticamente subsiste quando tais atividades são
transformadas e reestruturadas pela lógica da modernidade urbana. Análise sobre a inter-relação entre o rural e o urbano nas diferentes realidades
locais e regionais brasileiras. Discussão sobre a estrutura agrária e das políticas agrícolas estatais. Enfoque sócio-antropológico sobre a
manutenção do homem no campo e o desenvolvimento rural por meio de uma visão crítica.

FCH Sociologia do Trabalho


FCH Estratificação e Classes sociais
FCH Trabalho, cidadania e reconhecimento
FCH Sociologia do Conhecimento
FCH Sociologia da Religião
FCH Estudos sobre Religiões Afro-brasileiras

FCH Sociologia do Desenvolvimento


A disciplina tem por objetivo analisar a questão do desenvolvimento nas sociedades capitalistas. Inicialmente, apresenta as diversas teorias sobre
o desenvolvimento tal como se apresentam na literatura sociológica clássica e contemporânea, discutindo os papéis e interrelações entre

50
Sociedade, Mercado e Estado. Posteriormente, discute processos empíricos relativos ao desenvolvimento, à formação do capitalismo e à
modernização, especialmente na América Latina e no Brasil.

FCH Estudos de Globalização


Alan
FCH Sociologia Ambiental
Discussão sobre o agravamento das condições ambientais no período pós-guerras e suas consequências para a teoria social contemporânea. Em
linhas gerais, serão apresentadas algumas das principais correntes da sociologia ambiental – ecologismo radical, construtivismo, sociologia do
risco, teoria da modernização ecológica, justiça ambiental e ecossocialismo –, destacando-se a maneira específica pela qual cada uma dessas
vertentes articula o diagnóstico da crise ecológica com possíveis estratégias para superá-la. O curso ressalta ainda o potencial da sociologia para
a articulação de conhecimentos interdisciplinares com base em estudos de caso a respeito das mudanças climáticas, transição energética,
conflitos hídricos, segurança alimentar e em outras pesquisas empíricas que explicitam as diversas contradições entre o atual modo de produção
e os limites ecossistêmicos.

FCH Sociologia da Solidariedade


Geraldo
FCH007 Introdução à Sociologia II
O curso visa introduzir o aluno ao estudo sistemático dos conceitos e métodos da sociologia moderna e, em particular, às análises sociológicas
sobre o Brasil contemporâneo. Na primeira parte, enfoca-se o surgimento da sociologia, a constituição do seu método e corpo conceitual e sua
institucionalização na Europa e Estados Unidos do século passado e das primeiras décadas. Na segunda parte, examinam-se as origens de uma
análise propriamente sociológicas sobre o Brasil e seu povo, através dos estudos sobre o caráter de sua estrutura social e política, a identidade
nacional e o desenvolvimento econômico como possibilidade de ingresso no mundo moderno.

FCH Indivíduo e Sociedade


O curso visa introduzir o estudo das teorias sociológicas, tendo como eixo de análise a relação entre indivíduo e sociedade. A disciplina inicia
com uma reflexão sobre os autores e teorias clássicas da sociologia, apresentando obras e conceitos fundamentais. Segue-se então o debate sobre
a relação entre indivíduo e sociedade, pensando a dualidade entre ação e estrutura, condutas individuais e sistemas sociais. Por fim, serão
debatidas as relações entre individualização, identidade e subjetividade na modernidade, a partir de teorias contemporâneas.

51