Você está na página 1de 24

PORTUGUÊS

Prof. Diógenes Afonso


www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

COMPOSIÇÃO DE IDÉIAS: ABORDAGEM MORFOSSINTÁTICA E SEMÂNTICA

A DESARTICULAÇÃO DE IDÉIAS NA COMPOSIÇÃO DO PERÍODO

Leia o texto que se segue:

TEXTO I

É necessário a universidade receba apoio oficial, no sentido de promover não só aulas


regulares, executar estudos e pesquisa, produza conhecimentos, cumpra seus fins. As
pesquisas são essenciais, elaborarem as respostas aos desafios recebem, estejam ligadas
ao espaço, estejam ligadas ao tempo.

Manuel Correia de Andrade, “A Questão do Ensino Público (2)”, in, JC, 06/04/2003, p. 9 – (com adaptações)

O parágrafo acima é constituído de _____ períodos cujo papel é transmitir idéias formadas a respeito
de determinado aspecto de nossa vida. Entretanto, se analisarmos as idéias distribuídas ao longo dos
mencionados períodos, perceberemos que elas carecem de “costura”, de “amarração”, isto é, falta-lhes
articulação.

A ARTICULAÇÃO DE IDÉIAS NA COMPOSIÇÃO DO PERÍODO

Agora releia o texto, acima, estruturado de outro modo:

TEXTO IA

É necessário que a universidade receba apoio oficial, no sentido de promover não só


aulas regulares, como também executar estudos e pesquisas, para que produza
conhecimentos e cumpra seus fins. As pesquisas são essenciais a fim de elaborarem as
respostas aos desafios que recebem, quer estejam ligados ao espaço, quer estejam ligados
ao tempo.

Manuel Correia de Andrade, “A Questão do Ensino Público (2)”, in, JC, 06/04/2003, p. 9 – (com adaptações)

A utilização dos conectivos, em ambos os períodos, indica-nos que a exposição de idéias – acerca do
mundo que nos circunda, de nossa própria visão das coisas e de nós mesmos – requer articulação ou,
para usar uma expressão lingüística mais apropriada, necessita de coesão. Esta é constituída por
elementos de diversa natureza morfossintática e semântica, entre eles, destacam-se os conectivos
conjuncionais e relativos.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 1


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

SISTEMATIZANDO A ARTICULAÇÃO DE IDÉIAS NO PERÍODO COMPOSTO

Podemos estabelecer comunicação verbal a partir de uma unidade de sentido – que denominamos
período – das seguintes formas:

(a) Expondo idéias, estruturando-as em torno de uma oração (Período_____________________).

(b) Expondo idéias, organizando-as por meio de mais de uma oração (Período_____________________)

É em relação a esta última possibilidade de composição de idéias que pretendemos discutir.

Leia a manchete em destaque abaixo:

TEXTO II

(JC, 01/09/2007)

Leia os períodos que se seguem:

(01) É urgente o combate à prostituição infantil.

(02) É importante que se combata a prostituição infantil.

(03) Crianças prostituídas revelam uma mazela social abominável.

(04) Crianças que se prostituem revelam uma mazela social abominável

(05) À noite, é comum a constatação da prostituição infanto-juvenil nas avenidas da cidade.

(06) Quando anoitece, é comum a constatação da prostituição infanto-juvenil nas avenidas da cidade.

Em (01), (03) e (05), as expressões destacadas veiculam idéias a partir de determinadas e


específicas funções sintáticas. Vejamos:

(01) o combate à prostituição infantil  Sujeito (em forma de termo)

(03) prostituídas  Adjunto Adnominal (em forma de termo)

(05) À noite  Adjunto Adverbial (em forma de termo)

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 2


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

Em (02), (04) e (06), as expressões em destaque, também, transmitem idéias e exercem


determinadas e específicas funções sintáticas. Vejamos:

(02) que se combata a prostituição infantil.  Sujeito (em forma de oração subordinada)

(04) que se prostituem  Adjunto Adnominal (em forma de oração subordinada)

(06) Quando anoitece  Adjunto Adverbial (em forma de oração subordinada)

Com essa abordagem, pretendemos, inicialmente, mostrar que as idéias, ao serem expostas,
assumem determinada função sintática no período, “apropriando-se” de estruturas definidas na língua
como um termo ou como uma oração subordinada (Período Composto por Subordinação de
Idéias).

CONECTIVOS E ESTRUTURAS MORFOSSINTÁTICO-SEMÂNTICAS NO PERÍODO COMPOSTO

PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO DE IDÉIAS

O Período Composto por Subordinação de Idéias é aquele constituído por oração principal e
oração subordinada:

(a) Oração Principal: Contém a idéia principal do período e apresenta um de seus termos (função
sintática) em forma de oração subordinada.

(b) Oração Subordinada: Relaciona-se à oração principal e exerce determinada função sintática
(funções: substantivas, adjetiva ou adverbial).

Vejamos, agora, o quadro das funções sintáticas a partir das quais as idéias podem ser veiculadas
numa estrutura subordinada:

Sujeito
Objeto direto
Objeto indireto
FUNÇÕES SUBSTANTIVAS
Predicativo
Complemento nominal
Aposto

FUNÇÃO ADJETIVA Adjunto adnominal

FUNÇAO ADVERBIAL Adjunto adverbial

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 3


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS

 Exercem, em relação à oração principal, funções sintáticas próprias de substantivo (sujeito,


objeto direto, objeto indireto, predicativo, complemento nominal e aposto).

 São introduzidas pelos conectivos1 que ou se, chamados de conjunções integrantes2.

Estruturas Morfossintáticas da Oração Principal

Oração Subordinada Substantiva Subjetiva

ORAÇÃO PRINCIPAL (Estruturas básicas)  ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA

(1) VL + PS
SUBEJTIVA
(2) Voz passiva sintética (VTD/VTDI + SE)
 (____________________ em
(3) Voz passiva analítica
forma de oração)
(4) Verbos intransitivos (3ª pes. sing.)

(07) É urgente que se combata a prostituição infantil.


(08) Ainda não se sabe que medidas serão adotadas no combate à prostituição infantil.
(09) É sabido que a prostituição infantil é uma mazela social abominável.
(10) Acontece que a prostituição infantil é uma mazela social abominável.

Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta

ORAÇÃO PRINCIPAL (Estruturas básicas)  ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA

(1) VTD sem OD OBJETIVA DIRETA



(2) VTDI+ OI sem OD (____________________ em
forma de oração)

(11) Governo determina que se combata a prostituição infantil.


(12) Governo informou à sociedade que intensificará o combate à prostituição infantil..

1
É necessário informar que as Orações Subordinadas podem relacionar-se à Oração Principal sem a
presença de conectivos. Essa possibilidade será estudada no momento oportuno.

2
As Orações Subordinadas Substantivas podem não ser introduzidas por conjunção integrante, mas, sim,
por pronomes indefinidos ou interrogativos e advérbios interrogativos.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 4


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta

ORAÇÃO PRINCIPAL (Estruturas básicas)  ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA

(1) VTI sem OI OBJETIVA INDIRETA



(2) VTDI + OD sem OI (____________________ em
forma de oração)

(13) Muitos caminhoneiros não se opõem a que se combata a prostituição infantil.


(14) Muitos caminhoneiros avisaram os policiais federais de que combaterão a prostituição infantil.

Oração Subordinada Substantiva Predicativa

ORAÇÃO PRINCIPAL (Estruturas básicas)  ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA

(1) SUJEITO + VL PREDICATIVA



(____________________ em
forma de oração)

(15) O ideal é que se combata a prostituição infantil diariamente.

Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal

ORAÇÃO PRINCIPAL (Estruturas básicas)  ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA

(1) NOME sem COMPLEMENTO COMPLEMENTO NOMINAL



(____________________ em
forma de oração)

(16) As informações dos caminhoneiros são úteis a que se combata a prostituição infantil.
(17) Naquele momento, teve a convicção de que deveria do combate à prostituição infantil.

Oração Subordinada Substantiva Apositiva

CARACTERÍSTICAS DA ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA APOSITIVA

 Esclarece um termo da oração principal;


 Geralmente é colocada entre dois pontos ( : ) – raramente, entre vírgulas ( , ) ou travessões
( -- );
 Podem ser precedidas de expressões do tipo: A SABER, ISTO É, OU SEJA;
 O QUE não é considerado conjunção integrante, mas palavra expletiva.

(18) A população só deseja isto: que se combata a prostituição infantil.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 5


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

OBSERVAÇÃO:

(a) Como apontado na segunda nota de rodapé – página 4 – as Orações Subordinadas


Substantivas podem ser introduzidas por conectivos que não sejam conjunções
integrantes. Vejamos:

(20) Todos nós devemos saber como participar do combate à prostituição infantil.
(21) Todos nós devemos saber onde buscar informações sobre o combate à prostituição infantil.
(22) Todos nós devemos saber por que se engajar no combate à prostituição infantil.
(23) Todos nós devemos saber quando se engajar no combate à prostituição infantil.
(24) Todos nós devemos saber quem dissemina a prostituição infantil.

EXERCITANDO

01. As substantivas objetivas indiretas e as completivas nominais apresentam características em


comum: ambas são obrigatoriamente preposicionadas; ambas completam o sentido de um termo da
principal. O que as distingue é a natureza do termo que está sendo completado. Classifique as
orações sublinhadas, escrevendo entre parênteses o número.

(1) para as objetivas indiretas


(2) para as completivas nominais

(a) Mas a Vale não tem estimativa segura de quanto alumínio, estanho, zinco e cromo existem lá
dentro. ( )
(b) Por isso, há suspeita de que o episódio de Angico foi uma farsa e de que a cabeça atribuída ao
rei do cangaço era de um outro qualquer. ( )
(c) Muitos se recusam a reconhecer Lampião como um herói social. ( )
(d) Quando ele era criança tinha a impressão de que para todo o mal havia remédio. ( )
(e) Eles acabam com qualquer ilusão de que para tudo existe uma solução simples. ( )
(f) Esqueceram-se de que o invisível também ocupa espaço no universo. ( )

02. Use o código proposto para classificar as orações subordinadas substantivas grifadas.

(1) Subjetiva
(2) Objetiva direta
(3) Objetiva indireta
(4) Predicativa
(5) Completiva nominal
(6) Apositiva

I. O povo brasileiro só deseja uma coisa: que muitos políticos honrem os seus mandatos. ( )
II. A verdade é que a manipulação genética sem uma discussão ética aprofundada causará
problemas a longo prazo. ( )

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 6


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

III. O Cebrid, Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas, constatou que 53,2% dos
estudantes das capitais dos país consomem álcool. ( )
IV. É extremamente necessário que o povo brasileiro conquiste sua cidadania. ( )
V. Alguns cientistas são favoráveis a que se discuta eticamente o avanço da ciência. ( )
VI. O Cebrid também informou à sociedade que, depois da bebedeira, 11% se envolvem em
briga. ( )
VII. Um grupo de cientistas informou os congressistas de que a ciência e a ética não se excluem.
( )
VIII. Tinha a plena consciência de que o avanço da ciência traria benefícios à população. ( )
IX. Urge que todos os brasileiros tomem consciência de sua cidadania. ( )
X. Verificou-se que, na esfera do poder público, há corrupção generalizada. ( )
XI. Foi verificado que personalidades políticas influentes se envolveram em corrupção ( )
XII. Ninguém duvida de que a ciência trouxe avanços significativos. ( )

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 7


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS

TEXTO III

A COMPADECIDA:

Não, João, por que iria eu me zangar? Aquele é o versinho


que o Canário Pardo escreveu para mim(1) e que eu
agradeço. Não deixa de ser uma oração, um invocação. Tem
umas graças, mas isso até a torna alegre e foi coisa de que
eu sempre gostei. Quem gosta de tristeza é o diabo.

(Ariano Suassuna. O Auto da Compadecida. p. 171)

Observe as possibilidades de reescritura do fragmento (1), destacado no texto:

(25) O Canário Pardo escreveu aquele versinho para mim.


(26) Aquele é o versinho escrito pelo Canário Pardo para mim.
(27) Aquele é o versinho o qual o Canário Pardo escreveu para mim.

Em (25), pode-se notar que a exposição de idéias se dá por meio de uma estrutura constituída de
apenas uma oração, portanto a estrutura configura um período simples.

Em (26), pode-se perceber que a exposição de idéias também se dá por meio de uma estrutura
constituída de apenas uma oração, portanto a estrutura configura um período simples. Entretanto, caso
se considere o termo em destaque como objeto de análise morfossintática, constatar-se-á que esse
elemento textual se relaciona, de um modo particular, a versinho e exerce a função sintática de
adjunto adnominal em forma de termo (não estruturado em torno de um verbo ou locução verbal).

Em (27), a exposição de idéias se organiza por meio de uma estrutura constituída de duas orações,
logo a análise aponta para um período composto. Nesse período, o termo escrito (adjunto adnominal
em forma de termo) se transforma em uma oração subordinada adjetiva (adjunto adnominal em
forma de oração) introduzida pelo conectivo (o qual) chamado pronome relativo.

Orações subordinadas introduzidas por conectivos relativos (pronomes relativos: que3, quem,
onde; o(s) qual(is), a(s) qual(is), cujo(s), cuja(s), quanto(s), quanta(s)) são denominadas
adjetivas e exercem função de adjunto adnominal.

3
O QUE será pronome relativo quando, no contexto lingüístico, houver a possibilidade de substituição por
o(s) qual(is), a(s) qual(is).

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 8


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

Valores Semânticos das Orações Adjetivas

(30) O versinho que o Canário Pardo escreveu para mm parece uma oração ou invocação.
(31) O versinho, que o Canário Pardo escreveu para mm, parece uma oração ou invocação.

Em (30), a oração destacada limita, restringe a expressão antecedente (O versinho): não é


qualquer versinho escrito pelo Canário Pardo, mas um versinho específico, determinado. Orações
Subordinadas Adjetivas que particularizam o sentido de um nome antecedente (substantivo ou
pronome) são classificadas, sintático-semanticamente, como restritivas. Na escrita, elas ligam-se a um
nome antecedente sem o auxílio de pontuação (vírgulas, travessões ou parênteses).

Em (31), a oração destacada explica a expressão antecedente (O versinho): não é um versinho,


específico, determinado, mas qualquer dos versinhos escritos pelo Canário Pardo. Orações
Subordinadas Adjetivas que generalizam o sentido de um nome antecedente (substantivo ou
pronome) são classificadas, sintático-semanticamente, como explicativas. Na escrita, elas ligam-se a
um nome antecedente com o auxílio de pontuação (vírgulas, travessões ou parênteses).

Funções Sintáticas dos Pronomes Relativos

Leia o período (32) abaixo e, em seguida, observe as etapas utilizadas para a descoberta da função
sintática do pronome relativo.

(32) O versinho que foi escrito pelo Canário Pardo parece uma oração ou uma invocação.

ISOLAR A ORAÇÃO SUBORDINADA ADJETIVA

(32A) O versinho que foi escrito pelo Canário Pardo parece uma oração ou uma invocação.

SUBSTITUIR O PRONOME RELATIVO PELO ANTECEDENTE

4
(32B) O VERSINHO foi escrito pelo Canário Pardo

DEFINIR A FUNÇÃO SINTÁTICA DO SUBSTITUO DO PRONOME RELATIVO


PELO ANTECEDENTE

(32C) O VERSINHO foi escrito pelo Canário Pardo é sujeito da oração, logo o QUE (Pronome

Relativo) também possui a mesma função sintática.5

4
Às vezes, faz-se necessário reordenar a oração, isto, usa-la na ordem direta (sujeito + verbo).
5
A função sintática do substituto do pronome relativo QUE, será a função do próprio QUE.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 9


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

EXERCITANDO

01. Classifique as orações adjetivas e defina a função sintática dos pronomes relativos:

(a) “Foi ele que me levou ao seminário.”

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(b) Isto é tudo quanto quero.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(c) “Os acontecimentos a que me refiro eram relativos à minha infância.”

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(d) A pessoa a quem sou grato receberá inúmeras homenagens.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(e) Conheço bem o desastrado que tu és.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(a) As máquinas pelas quais foram arados os campos ficarão no celeiro.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(g) O lugar por onde ando fica nas estrelas.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(b) As casas cujos portões foram pintados estão à venda.

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

(i) “Ardia aquela fogueira que me esquentava a vida inteira.”

Adjetiva: _____________________
Função Sintática do pronome relativo: _____________________

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 10


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

TEXTO IV

PÍLULA DA DISCÓRDIA

por Daniel Pinheiro

Distribuição do contraceptivo de emergência causa polêmica


entre Igreja Católica e Ministério da Saúde

A decisão da Secretaria Municipal de Saúde do Recife, de disponibilizar a pílula do dia seguinte durante o
carnaval, causou mais que polêmica. A Diocese de Recife e Olinda entrou com ação no Ministério Público de
Pernambuco para que o procedimento fosse suspenso, na segunda-feira 28, por considerar o medicamento
“abortivo”, e, portanto, ilegal. No entanto, o MP indeferiu o pedido na terça-feira 29, ao afirmar ter provas
05 suficientes de que o contraceptivo não causa aborto.

A iniciativa provocou comentários de José Gomes Temporão, ministro da Saúde, contra a atitude do
arcebispo José Cardoso Sobrinho, dizendo que a Igreja Católica, desta maneira, se afasta dos jovens. O
arcebispo, que havia dito que a disponibilização era “criminosa e imoral”, rebateu o ministro, afirmando que a
questão também é religiosa.

10 CartaCapital ouviu o ministro Temporão. Confira a íntegra da entrevista.

CartaCapital: Qual é a sua opinião pela polêmica causada pelo pedido de suspensão do fornecimento
de pílulas do dia seguinte feito pela Pastoral da Saúde da Arquidiocese de Olinda e Recife?

José Gomes Temporão: Esta é uma polêmica que volta à baila de quando em quando. O Ministério da Saúde
defende a utilização do preservativo como combate principalmente às doenças sexualmente transmissíveis, mas
15 também como método contraceptivo. E a pílula do dia seguinte é um método que complementa esse método
contraceptivo, caso a usuária tenha a consciência de que outros métodos falharam. Eu acho negativo que a
Igreja Católica promova uma interferência em uma iniciativa de saúde pública respaldada pelo ministério da
Saúde, pela OMS (Organização Mundial da Saúde, órgão veiculado à ONI para questões de Saúde), por pregar a
abstinência antes do casamento e o sexo apenas dentro do matrimônio e com fins reprodutivos. Mas este é um
20 dogma de uma religião, que quer estender a sua crença a todos os indivíduos, e não apenas a seus fiéis, como
deveria ser. É uma ação que tem prevista a distribuição de 20 milhões de preservativos durante o Carnaval no
País inteiro – o dobro do ano passado –, dentro dos 600 milhões previstos para distribuição ao longo do ano.
Quanto à iniciativa de Olinda e Recife, essa foi uma decisão da Secretaria de Saúde, que verificou por meio de
estudos que a gravidez indesejada aumenta de modo considerável durante as festas e tomou uma decisão que
25 diz respeito à saúde pública, e não a dogmas e crenças. Decisão essa que está em acordo com as políticas de
direitos sexuais e de reprodução determinadas pelo Ministério da Saúde. Vale lembrar que a concessão da pílula
do dia seguinte só pode ser feita após a mulher que praticou ato sexual e não tem certeza do funcionamento de
outros métodos de concepção passar por médico que vai receitar a pílula e só assim ela pode retirar o
medicamento em uma farmácia específica. Mais uma vez, há que se dizer que a iniciativa da Igreja Católica é
30 extremamente conservadora em relação ao sexo, o que é um disparate nos dias atuais.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 11


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

CC: Há uma outra entidade que pediu a suspensão da distribuição de pílulas do dia seguinte em
Recife, Olinda e Paulista, em Pernambuco, alegando que é um medicamento abortivo e com muitas
contra-indicações.

JGT: O juiz também rejeitou o pedido desta entidade. Por quê? Porque existem centenas de estudos científicos
35 mostrando e comprovando que a pílula do dia seguinte não é um método abortivo. Pelo contrário, ela atua
impedindo a fecundação, impedindo o encontro do óvulo com o espermatozóide. Então, não sendo um método
abortivo, ele está totalmente dentro do que do que é defendido em publicações oficiais e políticas oficiais do
Ministério da Saúde, do Conselho Federal de Medicina e da Academia Nacional de Medicina.

CC: Há uma confusão entre a distribuição, como acontece com os preservativos, e a disponibilização,
40 que é o caso da pílula do dia seguinte?

JGT: Exatamente, exatamente. Este é o equívoco. O Ministério está distribuindo um medicamento de uso muito
específico. A pílula do dia seguinte é fornecida de maneira específica e seletiva, por prescrição de um médico. É
uma situação completamente distinta.

CC: Qual é a sua opinião sobre essa interferência da Igreja Católica em uma iniciativa de saúde
45 pública?

JGT: Eu acho que tem uma questão central aí, que eu considero que é um abuso, que é a tentativa de estender
para toda sociedade um dogma que é específico de uma determinada religião. É razoável que uma determinada
religião exija de seus fiéis um comportamento compatível com seus dogmas. Aí os fiéis vão seguir esse padrão
de comportamento ou não. Agora querer que toda a sociedade siga esse dogma, e mais, querer interferir numa
50 conduta médica, isso é o mais grave. É como se o bispo quisesse estar assumindo o lugar do médico e arbitrar
quem deve ter acesso a um determinado medicamento ou não, baseado em critérios absolutamente leigos. Em
critérios que quem acredita, acredita. E quem não acredita tem o direito de não acreditar. E principalmente,
chamar a atenção, porque a Igreja se separou do Estado brasileiro há muito tempo, não é? Mas parece que tem
gente que insiste em querer submeter a vontade do Estado e da população a padrões filosóficos, morais e
55 religiosos de determinados setores e de determinadas crenças. Isso é inadmissível nos dias de hoje.

CC: A disponibilização de pílulas do dia seguinte é uma iniciativa contra a vida, como alegam as
ações sugeridas pela Pastoral da Saúde da Arquidiocese de Olinda e Recife e pela Associação de
Defesa dos Usuários de Seguros, Planos e Sistemas de Saúde?

JGT: Pelo contrário. Como não há concepção, não há fertilização, não há aborto. E no caso do método
60 anticoncepcional, pelo contrário, o uso da camisinha garante a vida e impede a transmissão de doenças
sexualmente transmissíveis, principalmente a Aids, que é uma doença que mata. Existem 200 mil brasileiros no
País em tratamento desta doença e 600 mil brasileiros são portadores do vírus. Então, nós temos uma
epidemia, sob controle, mas a questão da informação, da educação e do acesso aos métodos de prevenção são
fundamentais. Defender o contrário disso, aí sim, é defender a morte. Querer que as pessoas morram sem
65 proteção, isso não é possível no Brasil dos dias de hoje.

(CartaCapital, 06/02/2008 – ed. 481 – http://www.cartacapital.com.br/ - com adaptações)

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 12


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

Leia os períodos que se seguem:

(33) A Diocese de Recife e Olinda entrou com ação no Ministério Público de Pernambuco para que o
procedimento fosse suspenso, na segunda-feira 28... (linhas 02-03)

(34) E a pílula do dia seguinte é um método que complementa esse método contraceptivo, caso a
usuária tenha a consciência... (linhas 15-16)
(35) Mas este é um dogma de uma religião, que quer estender a sua crença a todos os indivíduos, e não
apenas a seus fiéis, como deveria ser. (linha 59)
(36) Como não há concepção, não há fertilização, não há aborto. (linhas 19-21)

Em (33), (34), (35) e (36), temos períodos compostos em que uma das orações (oração
subordinada) exerce função sintática de adjunto adverbial em relação à oração principal e é
introduzida pelos respectivos elementos de ligação (conjunções subordinativas adverbiais): PARA
QUE, CASO, COMO e COMO.

Orações subordinadas que exercem função sintática de adjunto adverbial são chamadas de
Adverbiais.

Valores Semânticos e Estruturas Sintáticas

VALOR SEMÂNTICO ESTRUTURA SINTÁTICO-SEMÂNTICA

I. CAUSA Subordinada Adverbial Causal


II. COMPARAÇÃO Subordinada Adverbial Comparativa
III. CONCESSÃO Subordinada Adverbial Concessiva
IV. CONDIÇÃO Subordinada Adverbial Condicional
V. CONFORMIDADE Subordinada Adverbial Conformativa
VI. CONSEQÜÊNCIA Subordinada Adverbial Consecutiva
VII. FINALIDADE Subordinada Adverbial Final
VIII. PROPORÇÃO Subordinada Adverbial Proporcional
IX. TEMPO Subordinada Adverbial Temporal

I.

SUBORDINADA ADVERBIAL CAUSAL


 Expressa a causa ou aquilo que origina o fato da oração principal.
 Outros conectivos ou articuladores causais: como...
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 13


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

(39) A Secretaria Municipal de Saúde do Recife determinou a disponibilização da “pílula do dia seguinte”
durante o carnaval,

porque
já que foi constatado o aumento da gravidez indesejada em períodos de
visto que grandes festividades.

uma vez que

II.

SUBORDINADA ADVERBIAL COMPARATIVA


 Revela o segundo elemento da comparação em termos de igualdade, inferioridade ou superioridade.
 Outros conectivos ou articuladores comparativos: qual, que, quanto (correlacionados com termos
intensivos da oração principal: (tal...qual, mais...que, menos...que tanto...quanto), que nem...
 Posposta à principal, a oração comparativa, geralmente, não se separa por vírgula.

(40) Diante de uma gravidez indesejada das filhas, muitos pais se sentem

como
assim como marinheiros de primeira viagem em meio a uma tempestade.
(tal) qual

III.

SUBORDINADA ADVERBIAL CONCESSIVA


 Expressa aquilo que poderia impedir ou modificar o fato da oração principal, sem que o faça.
 O conectivo concessivo opõe enunciados com orientações argumentativas diferentes, prevalecendo,
na continuidade do texto, o que se declara na oração principal.
 Outros conectivos ou articuladores concessivos: se bem que, posto que, por mais que, por menos
que, apesar de que, sem que (= embora não)...
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal, ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 14


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

(41) Devem-se respeitar os dogmas das diversas religiões

embora
conquanto
não se comungue com eles muitas vezes.
ainda que
mesmo que

IV.

SUBORDINADA ADVERBIAL CONDICIONAL


 Expressa a condição para que o fato da oração principal ocorra.
 Outros conectivos condicionais: sem que (= a se não), salvo se, dado que, a menos que, a não
ser que...
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal, ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

(42) A “pílula do dia seguinte” deve ser ingerida

se houver a confirmação de falha de outros métodos contraceptivos.


caso haja a confirmação de falha de outros métodos contraceptivos.
desde que haja a confirmação de falha de outros métodos contraceptivos.
a menos que haja a confirmação de falha de outros métodos contraceptivos.

V.

SUBORDINADA ADVERBIAL CONFORMATIVA


 O fato da oração principal realiza-se de acordo com o que expressa a oração conformativa.
 A proposição da principal se realiza de acordo com a enunciação marcada pelo conectivo ou
articulador conformativo.
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal, ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 15


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

(43) O uso da “pílula do dia seguinte” não é um método abortivo,

como
conforme
demonstram centenas de estudos científicos.
consoante
segundo

VI.

SUBORDINADA ADVERBIAL CONSECUTIVA


 Expressa a conseqüência, o efeito do fato mencionado pela oração principal.
 Sempre posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula.

(44) Em grandes festividades, o número de gravidez indesejada era (tão) intenso

que
de modo que
a Secretaria Municipal de Saúde do Recife decidiu disponibilizar a
de maneira que “pílula do dia seguinte”.
de forma que

VII.

SUBORDINADA ADVERBIAL FINAL


 Expressa a meta, o objetivo, a finalidade do fato mencionado na oração principal.
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

(45) A Secretaria Municipal de Saúde do Recife disponibilizou a “pílula do dia seguinte”

a fim de que
fosse evitada uma gravidez indesejada no período carnavalesco.
para que

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 16


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

VIII.

SUBORDINADA ADVERBIAL PROPORCIONAL


 Expressa a dimensão proporcional entre os fatos.
 Outros conectivos proporcionais: quanto mais... (mais), quanto menos... (menos), quanto
menos... (menos)...
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

(46) A decisão de disponibilizar a “pílula do dia seguinte” foi tomada pela Secretaria Municipal de Saúde
do Recife

à medida que
se constatava, em períodos de grandes festividades, o aumento
à proporção que
no número de gravidez indesejada.
ao passo que

IX.

SUBORDINADA ADVERBIAL TEMPORAL


 Apresenta um fato como anterior, posterior ou simultâneo a outro expresso na oração principal.
 Outros conectivos temporais: antes que, depois que, desde que, todas as vezes que, cada vez
que, até que, mal...
 Posposta à principal, pode, opcionalmente, ser separada por vírgula; anteposta à principal ou nela
intercalada, o uso da vírgula torna-se obrigatório.

(47) A Secretaria Municipal de Saúde do Recife disponibiliza a “pílula do dia seguinte”

quando
sempre que se aproximam períodos de grandes festividades.
logo que

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 17


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

CONECTIVOS E ESTRUTURAS MORFOSSINTÁTICO-SEMÂNTICAS NO PERÍODO COMPOSTO

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO DE IDÉIAS

O Período Composto por Coordenação de Idéias é aquele constituído por orações


coordenadas, isto é, independentes sintaticamente entre si. São classificadas como:

(a) Oração Coordenada Assindética: É estruturada em seqüência, sem a presença de articuladores


(conjunção coordenativa ou síndeto).

(b) Oração Coordenada Sindética: Conta com a presença de articuladores (conjunção coordenativa
ou síndeto), expressando, semanticamente, relações lógicas.

Vejamos, agora, a abordagem das orações coordenadas sindéticas e as relações sintáticas e


semânticas que expressam:

Valores Semânticos e Estruturas Sintáticas

VALOR SEMÂNTICO ESTRUTURA SINTÁTICO-SEMÂNTICA

I. ADIÇÃO Coordenada Sindética Aditiva


II. ADVERSIDADE, OPOSIÇÃO Coordenada Sindética Adversativa
III. ALTERNÂNCIA Coordenada Sindética Alternativa
IV. CONCLUSÃO Coordenada Sindética Conclusiva
V. EXPLICAÇÃO Coordenada Sindética Explicativa

I.

ARTICULAÇÃO SINTÁTICA ARTICULAÇÃO SEMÂNTICO-DISCURSIVA

Sindética ADITIVA  Expressa adição, enumeração, podendo trazer implícita a idéia de


sucessividade temporal ou de conseqüência.
 Representa enunciados que funcionam como argumentos para uma
mesma conclusão.
 Conectivos ou articuladores aditivos: e, nem, ainda, além disso,
não só... mas também, não só... como também (termos
correlativos: não só aparece na primeira coordenada; mas também,
como também aparecem na segunda coordenada).
 Só dispensa a vírgula quando possui o mesmo sujeito ou é introduzida
por e, nem.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 18


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

(48) A diocese de Recife e Olinda não gostou da disponibilização da “pílula do dia seguinte”, feita pela
Secretaria Municipal de Saúde,

e entrou com uma ação no Ministério Público de Pernambuco. O


arcebispo desejava evitar o que considera um atentado contra os
além disso
dogmas da Igreja que representa.

(49) A diocese de Recife e Olinda não só repudiou a disponibilização da “pílula do dia seguinte”, feita
pela Secretaria Municipal de Saúde,

mas também entrou com uma ação no Ministério Público de Pernambuco. O


arcebispo desejava evitar o que considera um atentado contra os
como também
dogmas da Igreja que representa.

II.

ARTICULAÇÃO SINTÁTICA ARTICULAÇÃO SEMÂNTICO-DISCURSIVA

Sindética ADVERSATIVA  Expressa oposição, contraste, adversidade.


 Os períodos em que há coordenadas adversativas constituem
enunciados com orientações argumentativas distintas, devendo
prevalecer, na continuidade do texto, o sentido do enunciado marcado
pelo articulador adversativo.
 Conectivos ou articuladores adversativos: mas, porém, contudo,
todavia, no entanto, entretanto.
 O articulador vem precedido de vírgula se estiver no início da oração e
isolado por vírgulas (dupla virgulação) se aparecer no meio da
oração; neste último caso, usa-se ponto-e-vírgula entre as orações.

(50) A diocese de Recife e Olinda entrou com uma ação no Ministério Público de Pernambuco contra a
decisão da Secretaria Municipal de Saúde de disponibilizar a “pílula do dia seguinte”,

mas
contudo
o MP indeferiu o pedido.
entretanto
porém

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 19


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

III.

ARTICULAÇÃO SINTÁTICA ARTICULAÇÃO SEMÂNTICO-DISCURSIVA

Sindética ALTERNATIVA  Expressa alternância ou exclusão.


 Os períodos em que há coordenadas alternativas constituem
enunciados com orientações argumentativas distintas (disjunção),
mas sustentam a mesma conclusão.
 Conectivos ou articuladores alternativos: ou, ou...ou, quer...quer,
ora...ora (todos os articuladores obrigatoriamente aparecem
repetidos nas duas orações coordenadas, exceto ou).
 Os articuladores que iniciam a oração vêm precedidos de vírgula,
exceto o ou quando ligar orações com o mesmo sujeito.

(51) A Secretaria Municipal de Saúde do Recife tomou a decisão de disponibilizar a pílula do dia seguinte

não estaria vislumbrando uma questão de saúde pública na


ou gravidez indesejada, ocorrida sempre no período de grandes
festividades.

(52) Ou a Secretaria Municipal de Saúde do Recife tomava a decisão de disponibilizar a pílula do dia
seguinte

não estaria vislumbrando uma questão de saúde pública na


ou
gravidez indesejada cuja ocorrência se dá sempre no período de
grandes festividades.

IV.

ARTICULAÇÃO SINTÁTICA ARTICULAÇÃO SEMÂNTICO-DISCURSIVA

Sindética CONCLUSIVA  Expressa conclusão, apresentando uma proposição como decorrência


lógica do que se enuncia em outra proposição.
 A conclusiva encadeia-se sobre enunciados anteriores, tomados como
premissas; uma dessas premissas, a que representa uma verdade
universal, permanece oculta.
 Conectivos ou articuladores conclusivos: logo, pois (posposto ao
verbo), portanto, por conseguinte.
 O articulador vem precedido de vírgula se estiver no início da oração e
isolado por vírgulas (dupla virgulação) se aparecer no meio da oração.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 20


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

(53) O Ministério Público de Pernambuco, sabiamente, indeferiu o pedido da diocese de Recife e Olinda;

deve ter considerado, pois, a distribuição da “pílula do dia seguinte”, feita pela
Secretaria Municipal de Saúde, uma questão de
saúde pública.

(54) O Ministério Público de Pernambuco, sabiamente, indeferiu o pedido da diocese de Recife e Olinda,

logo
deve ter considerado a distribuição da “pílula do dia seguinte”,
portanto feita pela Secretaria Municipal de Saúde, uma questão de saúde
pública.
por conseguinte

V.

ARTICULAÇÃO SINTÁTICA ARTICULAÇÃO SEMÂNTICO-DISCURSIVA

Sindética EXPLICATIVA  Expressa explicação ou justificativa para o que se enuncia na


oração anterior.
 A explicativa encadeia-se sobre o enunciado anterior para justificá-lo
(a segunda oração é justificativa para o locutor ter enunciado a
primeira).
 O articulador vem precedido de vírgula.

(55) O Ministério Público de Pernambuco, sabiamente, indeferiu o pedido da diocese de Recife e Olinda;

pois
considerou a “pílula do dia seguinte” um medicamento não
porque
abortivo.
porquanto

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 21


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

EXERCITANDO

Fundação Carlos Chagas

01. (TRF – 1ª REGIÃO – Outubro/2001) – O sentido da frase Ao se doparem, os viciados em drogas


geralmente experimentam um bem-estar não sofrerá alteração ao se substituir a expressão
sublinhada por

A) Quando se dopam.
B) Para se doparem.
C) A menos que se dopem.
D) A fim de que se dopem.
E) Ainda quando se dopam.

02. (TRF – 5ª REGIÃO – Junho/2003) – Poupado das visões particularizadas dos corpos atingidos, o
telespectador é induzido a uma percepção asséptica de cada bombardeio.
No contexto do período acima, o segmento sublinhado tem como função exprimir uma
A) finalidade.
B) dúvida.
C) causalidade.
D) decorrência.
E) improbabilidade.

Transporte, em sentido geral, é a ação ou o efeito de levar pessoas ou bens de um lugar a outro. O
sistema de transporte é vital para o comércio interno e externo, a fixação dos custos de bens e serviços,
a composição dos preços, a regularização dos mercados, a utilização da terra e a urbanização. É um
elemento fundamental para a solução de problemas básicos de saúde e educação: nas cidades, porque
facilitam o acesso das populações aos centros de ensino e saúde; nas zonas rurais, porque permitem a
penetração dos meios de divulgação cultural, técnico-profissional e sanitária necessários à melhoria das
condições de trabalho e produtividade.

03. (TRF – 5ª REGIÃO – Junho/2003) –...nas cidades, porque facilitam o acesso das populações aos
centros de ensino e saúde. (2º parágrafo).
O segmento grifado acima introduz no contexto a noção de
A) tempo.
B) causa.
C) finalidade.
D) conseqüência.
E) proporcionalidade.

04. (TRF – 5ª REGIÃO – Agosto/2003) – A expressão grifada pode ser substituída corretamente pela
expressão entre parênteses, sem prejuízo para o sentido original, na frase:
A) Só que a descoberta não é obra de brasileiros. (na medida em que)
B) uma vez que o fóssil foi contrabandeado para fora do país. (porquanto)
C) os restos petrificados de animais e vegetais que um dia compuseram nossa fauna e flora. (com os
quais)

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 22


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

D) em chapada que reúne alguns dos mais fabulosos tesouros fossilizados do país. (cuja chapada)
E) mas, pela legislação de países da Europa, os espécimes foram obtidos regularmente. (se bem que)

05. (TRF – 5ª REGIÃO – Agosto/2003) – Lá não é ilegal particulares encontrarem e venderem fósseis
- exceto quando subtraídos de sítios previamente selecionados.
Considerado o contexto, a redação que preserva o sentido original do segmento grifado é:
A) desde que selecionados antecipadamente nos locais das escavações.
B) a não ser que retirados do seio da terra antes do tempo permitido.
C) só se oriundos de locais que não foram vistoriados com antecedência.
D) a menos que retirados de locais já demarcados.
E) se forem obtidos prioritariamente em localidades escolhidas.

06. (TRF – 4ª REGIÃO – Maio/2004) – Isso se deve ao fato de que, apesar de todo o avanço... (meio do
1º parágrafo)
O segmento grifado no fragmento acima introduz no contexto a noção de
A) causa.
B) condição.
C) restrição.
D) inclusão.
E) conseqüência.

07. (TRF – 1ª REGIÃO – Dezembro/2006) – De quebra, a publicação insinua que há dúvidas sobre a
capacidade do sistema de saúde cubano fazer frente a esse quadro.
A frase acima conservará a correção e o sentido caso se substituam os elementos sublinhados,
respectivamente, por

A) apesar disso – confrontar-se com esse quadro


B) não obstante – enquadrar esse fato
C) além disso – enfrentar esse quadro
D) ainda assim – ficar face a face com esse quadro
E) por isso mesmo – enquadrar-se nisso

08. (TRF – 4ª REGIÃO – Março/2007) – Eles são compatíveis sim, desde que, desde que a atividade
seja bem planejada e bem gerenciada (último parágrafo)
Identifica-se na frase acima relação de, respectivamente,
A) fato e conseqüência.
B) explicação e temporalidade.
C) afirmativa e ressalva.
D) temporalidade e restrição.
E) causa e finalidade.

09. (TRF – 3ª REGIÃO – Agosto 2007) – O emprego do elemento sublinhado compromete a coerência
da frase:
A) Cada época tem os adolescentes que merece, pois estes são influenciados pelos valores socialmente
dominantes.
B) Os jovens perderam a capacidade de sonhar alto, por conseguinte alguns ainda resistem ao
pragmatismo moderno.
C) Nos tempos modernos, sonhar faz muita falta ao adolescente, bem como alimentar a confiança em
sua própria capacidade criativa.

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 23


PORTUGUÊS
Prof. Diógenes Afonso
www.diafonso.com - http://diafonsoparanapuka.blogspot.com - diafonsoport@yahoo.com.br

D) A menos que se mudem alguns paradigmas culturais, as gerações seguintes serão tão conformistas
quanto a atual.
E) Há quem fique desanimado com os jovens de hoje, porquanto parece faltar-lhes a capacidade de
sonhar mais alto.

A força da fé

Não importa quais são os rituais, nem mesmo a quem são dirigidas as orações. Embora não haja
consenso científico sobre o assunto, vários estudos revelam que a prática religiosa ajuda as pessoas a
atingirem níveis mais altos de tranqüilidade. Provavelmente, há outros mecanismos a serem levados em
conta, além da fé. Mas, em si mesmo, o exercício da espiritualidade traz atitudes e posturas benéficas,
como mostram depoimentos de líderes religiosos. Todos eles recomendam meios de chegar ao equilíbrio.
Um dos principais recursos é a meditação.

10. (TRF – 1ª REGIÃO – Agosto/2007) – O segmento Embora não haja (1º parágrafo) pode ser
substituído, sem prejuízo para o sentido da frase a que pertence, por

A) Não obstante falte.


B) Desde que não haja.
C) Ainda que houvesse.
D) A menos que não haja.
E) Conquanto não falte.

11. (TRF – Analista Judiciário - Informática) – "Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e
cobraria mais caro, moro longe." O significado do período acima está corretamente expresso em:
A) Mesmo que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo cobrando mais caro, portanto moro longe.
B) Caso tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, mas cobraria mais caro, pois moro longe.
C) Embora tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porém cobraria mais caro; moro longe, pois.
D) Desde que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, pois cobraria mais caro, contanto que moro
longe.
E) Salvo se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porque cobraria mais caro, mesmo morando
longe.

12. (COVEST) – O valor semântico do trecho: “já que o sistema produtivo passou a ser internacional” seria alterado,
se fosse iniciado por:

A) porque D) uma vez que


B) porquanto E) visto que
C) ainda que

Aspectos Morfossintáticos e Semânticos da Língua Portuguesa - 24