Você está na página 1de 16

A CASA DO PORTUGUÊS EMIGRANTE EM FRANÇA

(Re)configurações de práticas e de discursos identitários a


partir da arquitetura popular

ANA SARAIVA NEVES


Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA)

1.ENQUADRAMENTO quanto bairro com forte presença portuguesa e oureense


A casa do português emigrante em França é um dos em particular.
campos da investigação antropológica que venho desen- Ourém localiza-se no centro de Portugal, distrito de San-
volvendo sobre práticas e discursos identitários associados tarém, mas tem maior proximidade geográfica e afinidade
a expressões da arquitetura popular. cultural com o município de Leiria. Integra 18 freguesias,
Nesse contexto, o presente artigo incide no itinerário re- com povoamento tendencialmente disperso, à excepção
sidencial destes emigrantes entre 1970 e a atualidade, tra- das cidades de Ourém e de Fátima. O concelho apresenta
tando especialmente o campo da construção da habitação, duas feições geomorfológicas mais ou menos demarca-
mais do que o da sua ocupação. Aborda motivações, deci- das, com reflexos nas expressões económicas e culturais
sões e opções inerentes à construção destas casas, numa nomeadamente ao nível da agricultura, que ditou a sub-
perspetiva de cultura material das representações identi- sistência da população local durante gerações sucessivas
tárias dos proprietários. Simultaneamente, a realização de (Neves 2001). A área mais a sul assenta no maciço calcário
leituras cruzadas entre a casa, o proprietário emigrante, o estremenho, onde a natureza calcária dos solos, a escassez
projetista, o construtor e o vizinho residente permitiu-me de linhas de água à superfície e a aridez dos solos condicio-
identificar permanências, mudanças e reconfigurações de naram uma agricultura de sequeiro. Na área mais a norte,
práticas e de discursos destes atores nos últimos 40 anos. que acolhe as duas freguesias em estudo (Espite e Urquei-
A observação de terreno, as conversas semi-dirigidas e ra), predominam os arenitos e as ribeiras favoráveis a uma
a realização de entrevistas a emigrantes (os que foram e agricultura de regadio.
os que são), sustentaram esta análise de caráter essencial- O segundo terreno em estudo situa-se na periferia de
mente empírico, além da indispensável bibliografia e docu- Paris, a designada Île-de-France. Em 2011, Champigny-
mentação sobre o tema, incluindo produções audiovisuais. -sur-Marne foi o meu principal foco de observação por ser
Foram dois os terrenos escolhidos para este estudo, um bairro mítico da ocupação portuguesa (Tavares 1995).
por comporem a trajetória residencial dos emigrantes que Visitei ainda bairros vizinhos habitados por oureenses, de-
acompanhei: Ourém, com trabalho de campo realizado signadamente Villiers-sur-Marne, St. Maur, Chennevières,
nas freguesias contíguas de Espite e Urqueira, e o Vale do Bonneuil e Ormesson. Durante a estadia, observei as casas
Marne (em França), privilegiando Champigny-sur-Marne en- e as dinâmicas dos portugueses em período laboral e de

85
descanso (com participação nas suas rotinas de fim-de- Por um lado, ocupa os mesmos territórios e é erguida
-semana). para e pelos sucessores dos antigos habitantes das casas
A realização de trabalho de campo em terrenos france- rurais. Por outro lado, difere nos materiais, nas formas e
ses e portugueses abriu-me caminho a uma leitura compa- nos volumes dos edifícios, assim como nas relações com
rativa entre as performances destes emigrantes no país de o espaço (interiores e envolvente), com a terra e com o
acolhimento e na aldeia natal, numa relação indissociável trabalho, numa relação especial com a produção agrícola.
entre a casa, a atitude do proprietário, a forma como se Difere na situação económica dos proprietários comparati-
projeta e como é representado pelos outros. Com efeito, vamente aos pequenos agricultores e jornaleiros, dos quais
o emigrante representa-se na sua casa e esta, por sua vez, descenderam muitos dos emigrantes. Ou mesmo na pró-
representa-o, como elemento de mediação com os outros. pria relação com a economia ao deixar de funcionar como
Por sua vez, os seus apreciadores e detractores também se instrumento de produção (Oliveira & Galhano 1992). Rom-
projetam através das representações que fazem dela. Es- pe ainda com a imagem de fixação da arquitetura aos con-
tes investimentos "fazem parte da luta simbólica de classes, textos locais e regionais (de imutabilidade ou de mudança
do jogo do crédito e do descrédito, do mercado quotidia- lenta) ao manifestar materialmente a influência de estilos de
no dos bens simbólicos e dos valores sociais” (Gonçalves outros terrenos, inclusive estrangeiros.
1996: 201). É uma arquitetura que reflete a atitude permeável dos
Antes de avançar com algumas leituras, é oportuno re- seus proprietários, na combinação de influências estran-
fletir sobre o lugar que a casa do emigrante ocupa na rela- geiras com expressões locais, mas também a sua visão
ção com os pressupostos da arquitetura popular. otimista de um regresso bem sucedido ao país que deixa-
Conhecem-se algumas incursões prévias no terreno, ram. É ainda uma imagem material forte do processo de
ainda na década de 1960, que viriam a ser conhecidas mais transformação do panorama rural em Portugal no séc. XX,
tarde, nomeadamente a da antropóloga Colette Callier-Bois- tornando ainda mais oportuna a reflexão sobre as fronteiras
vert sobre o Soajo (1999), embora não com uma aborda- da arquitetura popular. Neste contexto, recorro ao antropó-
gem explícita à casa do emigrante. Mas foi na década de logo Garcia Canclini (1998) que analisando a cultura popu-
1980, com o 2º Congresso da Associação dos Arquitetos lar considera a associação restritiva do popular ao passado
Portugueses, que instalava no país o debate sobre estas rural um obstáculo ao entendimento das mudanças nas so-
casas (Moutinho 1981), prolongando-se em crescendo nos ciedades industriais e urbanas. O autor defende ainda que
anos seguintes. Estas expressões tornavam-se objetos ali- a preservação pura das tradições não é necessariamente a
ciantes do interesse académico em Portugal. Através de melhor solução num processo de reprodução social, pre-
tematizadas e disciplinares diferentes (arquitetura, antropo- ferindo uma postura flexível e ajustada à complexidade da
logia, sociologia, geografia) vêm sendo consubstanciadas atualidade.
em artigos e em teses de mestrado e de doutoramento (Ro- No campo específico da arquitetura popular, entre ou-
seta 1988, Silvano 1990, Silvano & Coelho 1993, Leite 1990 tros contributos, sublinho as reflexões de Roselyne de Villa-
e 1998, Raposo et all 1995, César 1996, Gonçalves 1996, nova (2006), João Leal (2009, 2009-1) e Álvaro Domingues
Castro 1998, Villanova 2006, Almeida 2008). (2011). Através de diferentes visões disciplinares, estes in-
Relativamente à posição da casa do emigrante na arqui- vestigadores incentivam-nos a pensar sobre a necessidade
tetura popular, não se revendo no conceito de arquitetura de flexibilizarmos o conceito de arquitetura popular, confe-
erudita, incorpora traços que também não preenchem os rindo-lhe maior abertura. João Leal concretamente, propõe
critérios convencionais da arquitetura popular. o alargamento do estudo a “novas expressões da arquitec-

86
tura popular/vernácula de acordo com uma conceção reno- com condições de vida precárias eram os que mais alinha-
vada do que é hoje o popular” (Leal 2009: 66), onde cabem vam numa emigração laboral, na maioria dos casos com
por exemplo, as casas em estudo. destino a França (Goldey 1982). Mas emigravam com o de-
Em suma, esta flexibilização, também aqui defendida, sejo de regressarem (Silvano 1990).
enquadra parcialmente a casa do emigrante no terreno da Marie-Christine Volovitch-Tavares (1995), refere que
arquitetura popular, com pontos de identificação e outros os primeiros portugueses que se instalaram no bidonville
de desvio relativamente ao que tem sido aceite e estabiliza- de Champigny, um bairro social improvisado, partiram de
do como arquitetura popular. Apresenta um estatuto híbri- uma região no centro de Portugal, referindo-se a Espite.
do, um lugar nas margens comparativamente às casas dos Com base em registos conhecidos, posiciona a primeira
residentes locais que não absorveram influências externas geração destes emigrantes oureenses em França por altura
de forma tão explícita e assumidamente propositada. da primeira guerra mundial. Durante a investigação, pude
Em suma, a casa do emigrante é um bom pretexto para reforçar estas informações com documentos de correspon-
se pensar a fluidez da arquitetura popular num ajustamento dência incorporados no Arquivo Histórico Municipal e com
ao presente. Não estando integrada no conceito de arqui- narrativas partilhadas por oureenses.
tetura popular em toda a extensão, propõe-se como mais Os movimentos migratórios para França aumentam
uma expressão, não da arquitetura popular, mas das arqui- significativamente em 1960, como já foi mencionado. Sal-
teturas populares, perante a diversidade e a permeabilidade vador, um ex-emigrante, natural e atualmente residente em
que as revestem. Espite, expressa orgulhosamente a afirmação de Espite na
diáspora para França: “Agente fala com quase toda a gente
2. OS CAMPOS, A EMIGRAÇÃO, O RETORNO E A (RE) do país e toda a gente conhece Espite porque aquela zona
EMIGRAÇÃO: 1960 – 2012 de Champigny era toda povoada por Espite. Eram milhares
Em Portugal e especificamente em Ourém, a agricultura e milhares de pessoas naquelas barracas. Foram os de Es-
foi a principal fonte de subsistência de gerações sucessivas, pite que hastearam em maio de 68 a bandeira de Portugal
permanecendo como setor económico dominante durante em Champigny.”
a primeira metade do séc. XX. Era uma prática intuitiva, de Numa primeira fase, emigraram os homens para esca-
pequena escala que assentava num trabalho duro e numa parem à pobreza, à guerra colonial e ao conservadorismo
rotina anual. Não tinha uma estrutura laboral organizada, imposto no país. Assegurado o mínimo de estabilidade la-
pelo que dependia da cooperação familiar e de compadrio, boral e residencial, seguiram-lhes as mulheres. O censo de-
assegurando o sustento de famílias inteiras (Baptista 1996). mográfico de 1970 relativo a Ourém registava, pela primeira
Em meados do séc. XX, a industrialização instalava-se vez desde 1864, uma quebra demográfica acentuada (des-
no país e a emigração ganhava expressão, especialmente cida para 42.745 habitantes).1 Continuou a decrescer em
junto dos trabalhadores rurais. Intensificou-se em 1960, 1980 (41.376 habitantes)2 e em 1991 (40.185 habitantes).3
como sugerem as estatísticas demográficas nomeadamen- Muitos casais regressaram à aldeia de origem em 1980
te na região e no concelho. Em Ourém, os camponeses e em 1990, um fenómeno verificado noutros territórios

1 INE Censos 1970 XI, Recenseamento Geral da População, Lisboa.

2 INE Censos 1980 XII, Recenseamento Geral da População, Lisboa.

3 INE Censos 91 XIII, Recenseamento Geral da População, Lisboa.

87
do país num contexto favorável ao retorno (Poinard 1983, nas suas aldeias, que sonhavam vir a habitar. Para estes, o
Amaro 1985, Rocha-Trindade et all 1988). Investiram na sentido de pertença à aldeia tornava-se mais significativo do
criação de micro-empresas nos setores da transformação e que o sentido de pertença ao país, num sentido de identida-
da construção civil, com benefícios para a economia local, de muito localizado (Villanova 2006).
com reflexos designadamente no aumento da população A maioria dos proprietários entrevistados referiu não ter
em 2001, para 46.216 habitantes.4 recorrido a empréstimos para construir a casa, investindo
Nos anos recentes, o agravamento económico do ali as primeiras poupanças da emigração. Com essa op-
país refletiu-se na falência de empresas de construção em ção, além de atribuírem à casa na aldeia a prioridade dos
Ourém, uma das áreas motoras da economia local. Foi o seus investimentos, revelavam espírito de sacrifício e uma
mote para a retoma local da emigração, novamente com capacidade de poupança ancorada a um projeto de vida a
destino recorrente para França. O perfil destes emigrantes médio prazo, sob o lema «trabalhar no presente para des-
é composto por jovens assalariados sem formação acadé- cansar no futuro».
mica superior e por empresários da construção civil. Estes Relativamente às opções de construção destas casas,
enveredam especialmente pela emigração pendular, com foram vários os fatores que contribuíram, nomeadamente o
empreitadas que ajustam com empresas de construção contato com outras representações identitárias, a aspiração
portuguesas sedeadas em França, ou com emigrantes in- ao conforto e à projeção social, mas também a afirmação
vestidores em habitações próprias. de materiais e de técnicas industriais nacionais na constru-
ção, gerando logo à partida, uma condição favorável à ex-
3. A CONSTRUÇÃO NA ALDEIA DE ORIGEM: 1970-2012 pansão da contaminação de estilos, como adiante se verá.
A construção de casas em Espite e Urqueira de portu- Numa análise cruzada de entrevistas, projetos de arqui-
gueses emigrados em França ganhou expressão em mea- tetura e observação de edifícios, sobressaíram oscilações
dos de 1970, intensificando-se até 1990. O fenómeno é no fluxo de construção ao longo dos últimos 40 anos e foi
confirmado pelo número elevado de pedidos de licencia- possível identificar os tipos de habitação mais recorrentes
mento5 e pela observação de casas no terreno. A maioria em cada período. De um modo geral, são três as fases de
dos processos tinha início no verão, coincidindo com o pe- construção destas casas em Espite e Urqueira, seguida-
ríodo de férias dos requerentes em Portugal. Eram depois mente expostas com a necessária flexibilidade e consciên-
acompanhados por familiares, ou por projetistas locais, re- cia de variações.
munerados para o efeito.
Foi uma tendência comum a muitos terrenos do país, Primeira fase: Final de 1960 - primeira metade de 1970.
especialmente nas regiões mais a norte. Fernando Martins Os primeiros projetos em arquivo do Município remon-
(2004) associa este investimento às alterações políticas e tam a este período. Com a obrigatoriedade de licenciamen-
socioeconómicas otimistas em Portugal, em que os emi- to por esta altura, as plantas de arquitetura com memórias
grantes se sentiram motivados para construírem habitação descritivas sumárias tinham-se tornado entretanto sistemá-

4 INE, Censos 2001 XIV, Recenseamento Geral da População, Lisboa.

5 Município de Ourém, Arquivo de Obras particulares. Foi realizada a análise de projectos de arquitectura entre 1960 e 2013, pelo método de amostragem. A
partir da segunda metade de 1970 regista-se um aumento progressivo de projetos de arquitetura de proprietários emigrantes em França.
Foram consultados 124 projetos de arquitetura com anotações aos seguintes aspetos: residência/profissão/idade do proprietário, identificação/residência/
formação do projetista; duração da obra; o orçamento estimado; tipologia e matérias aplicadas na construção; programa funcional e projeto de alterações.
Seguidamente, foram selecionados 32 casos paradigmáticos da “casa de emigrante” e submetidos a uma análise mais aprofundada. A seleção dos exemplos
incidiu principalmente nas freguesias de Espite e de Urqueira.

88
ticas. Eram assinadas sobretudo por engenheiros técnicos. Segunda fase: Meados de 1970 - 1990.
As casas de emigrantes apresentavam orçamentos mé- Durante estes anos a construção de casas dos emigran-
dios de construção entre 300 e 400 mil escudos e mal se tes residentes em França foi particularmente intensa, regis-
distinguiam casas que eram erguidas, pela mesma ocasião, tando um grande aumento de pedidos de licenciamentos
pelos residentes locais. Estas, por sua vez, passavam por no Município. A euforia da construção neste período pode-
uma transformação que começara a tornar-se visível por vol- rá estar associada à proliferação do mercado imobiliário e
ta dos anos 50, num abandono progressivo dos modelos ao aumento da capacidade financeira dos emigrantes. Nes-
de casa associada ao pequeno e médio trabalhador rural se registo, o custo médio das moradias em geral aumentou
(agricultor, ou assalariado). A expansão dos materiais de consideravelmente, os modelos arquitetónicos tornaram-se
construção industrial, em substituição dos materiais e das mais complexos e os volumes maiores, numa valorização
técnicas artesanais localmente dominantes (adobe, taipa assumida dos espaços amplos.
e pedra calcária para as paredes estruturantes e tabique Como já foi de algum modo referido, o tema das op-
para as divisórias interiores), assim como a entrada de dese- ções arquitetónicas relativas a estas casas tem sido deta-
nhadores e engenheiros técnicos na conceção, que antes lhadamente tratado por vários investigadores (Raposo et
apenas se verificava em situações excecionais, geralmen- all 1995, César 1996, Gonçalves 1996, Castro 1998). Em
te aliadas a casos económica e socialmente privilegiados, descrições de habitações constantes nestes estudos, rea-
contribuíram para esta mudança. Estes fatores, de resto, lizados em vários territórios, especialmente nas regiões a
intervieram simultaneamente nas casas de residentes e de norte do Tejo, encontro afinidades com as que identifiquei
emigrantes, com reflexos comuns. no terreno em apreço, pelo que remeto esta descrição para
Estas novas habitações distinguiam-se das antigas ca- os referidos estudos.
sas dos trabalhadores rurais nomeadamente pelas paredes Não obstante, sublinho em jeito de síntese caraterísti-
em marmorite (numa expressão dos materiais industriais) cas como: a grande inclinação das águas da cobertura e
e, nalguns casos, pela integração de mirantes sugerindo o revestimento com telhas pretas, a amplitude das áreas, a
uma afinidade com ténue as moradias francesas, embora complexidade e a exuberância das formas e dos materiais,
também se registassem mirantes em algumas habitações as mansardas, os mirantes, as grades de ferro pintadas de
da vila local. preto, ou a paleta de cores vivas (usadas também em casas
Estava em marcha um processo de reconfiguração da de residentes).
imagem das arquiteturas locais, que tinha dominado as De acordo com a maioria dos relatos dos proprietários,
aldeias ao longo de gerações sucessivas. Esta transforma- as influências da arquitetura francesa intervieram na conce-
ção, de algum modo lenta ou pouco assumida, projetava ção do projeto através de uma das seguintes vias: revistas
um sinal de abandono em curso dos campos como forma francesas (o proprietário apresentava ao projetista a revista
de subsistência, em prol da emigração e do operariado fa- com a indicação de um modelo que lhe agradava); foto-
bril pelos residentes enquanto alternativas mais compensa- grafias de casas francesas (com uma imagem geralmente
doras. confinada ao exterior da habitação); visitas a exposições de
arquitetura em Paris: “trouxe a fotografia de uma maqueta
que vi numa exposição em Paris;”6 planos ou esboços con-

6 Salvador.

89
cebidos por um desenhador residente em França; ou mes- Progressivamente, a autoconstrução deu lugar à ad-
mo, replicação de modelos de casas construídas na aldeia judicação da obra a empreiteiros locais. Muitos eram ex-
por outros emigrantes. -emigrantes, também com contato visual e experiência de
Todavia, a análise destes processos de negociação en- construção em França, que se tornavam úteis na execução
tre as influências arquitetónicas importadas e as opções de pormenores arquitectónicos como as mansardas e al-
locais exigia-me uma verificação no local. Em 2011, numa guns vãos maiores. Tinham um papel importante na esco-
curta estadia de campo em França, na região do Marne, lha dos materiais de construção e dos revestimentos. Para
pude confirmar semelhanças entre casas de portugueses pouparem o proprietário a deslocações ao país e para não
ali residentes e as casas que observara em Espite e em Ur- comprometerem a obra, assumiam frequentemente a esco-
queira. Com o apoio de operários da construção civil foi- lha dos materiais, adotando como critérios a disponibilida-
-me possível identificar várias moradias erguidas em 1980 de dos materiais na casa de comércio mais próxima e as
e 1990, que se esbatem na imagem destes aglomerados tendências de venda. Tinham, por isso, um peso importan-
urbanos. te nas decisões e no resultado da obra. Em entrevista, um
A mansarda ou o mirante são peças recorrentes, numa empreiteiro dizia que era fácil realizar alterações ao projeto
solução de rentabilização das áreas de construção através durante a construção, até porque a fiscalização municipal
do aproveitamento do sótão. A cobertura varia entre a telha era reduzida.
preta ou de cerâmica vermelha e os ladrilhos de ardósia. Por maior que fosse a afinação entre este, o projetista e
Estas e as habitações implantadas nas aldeias de origem o construtor, nem sempre o resultado correspondia ao que
dos emigrantes divergem principalmente nos materiais e o emigrante tinha imaginado. Esta falha devia-se em parte
nos revestimentos das paredes exteriores e na tendência ao facto de não poder acompanhar a obra. Em entrevista,
para um aumento dos volumes em Portugal. Com efeito, vários proprietários lamentaram os desvios relativamente
durante este tempo de construção galopante, o Plano Dire- aos modelos que tinham idealizado numa apropriação de
tor Municipal não tinha sido ainda implementado, facilitan- imagens das arquiteturas francesas. Um dos fatores des-
do as escolhas dos terrenos e as dimensões das áreas de se desvio pode estar associado ao tal recurso de materiais
construção. adquiridos no mercado local, ou nacional, em virtude do
Até meados de 1980, prevalecia a autoconstrução, que custo dispendioso da sua importação. Paralelamente, so-
ocupava os meses de férias grandes dos proprietários. bretudo a partir de 1980 começava a vingar a noção de que
Uma das principais atividades económicas dos emigran- a aquisição de materiais em Portugal era vantajosa perante
tes oureenses em França era a construção civil, o que lhes a emergência de novidades e diversidade de oferta no mer-
conferia experiência e domínio de pormenores que renta- cado nacional.
bilizavam em casa própria (Raposo et all 1995). A casa era Verifica-se portanto, uma tendência para a combinação
erguida faseadamente, chegando a demorar anos. Num ve- entre o estilo importado e os materiais locais, reforçando a
rão era colocada a «placa», no verão seguinte era rebocada imagem exuberante e dissonante que estes modelos proje-
e «fechada» e assim sucessivamente até aos acabamentos. tam, com impacto na alteração da paisagem local. A impor-
Beneficiavam da colaboração dos pais, sogros e irmãos, tação de influências das arquiteturas francesas da área de
numa espécie de cooperação familiar herdada do modelo residências destes portugueses, a emergência de um novo
adotado pelas gerações anteriores com relação à gestão paradigma de construção rural perfilado com o mercado
dos campos e do agregado doméstico, em que toda a fa- industrial e com o desejo de progresso, assim como a inter-
mília participava. ferência de técnicos projetistas (na mistura, por vezes alea-

90
tória, entre traços representativos de arquiteturas residentes As casas dos emigrantes suscitaram reações contra-
com traços de arquiteturas comuns em França), promove- ditórias por parte de muitos residentes nas freguesias em
ram expansão destes modelos híbridos contaminados com estudo. Uma realidade também identificada noutras locali-
traços de outro espaço geográfico e cultural: são de dois dades a propósito deste tipo de construção. Na maior parte
lados e de lado nenhum. dos casos, os residentes que conviviam com estas «novas»
As habitações conhecidas como casas de emigrantes expressões emitiam observações negativas como o desa-
ajudaram a marcar um novo tempo para as aldeias, numa justamento à paisagem, ou às casas «tradicionais portu-
aproximação crescente aos modelos sociais e culturais vi- guesas». Dirigiam-se-lhes de forma pejorativa: “casas com
gentes em meio urbano. Em certa medida, marcaram tam- muitas janelas e telhados para a neve”.
bém o fim do tempo das casas do trabalhador agrícola, às Foram entrevistados alguns técnicos municipais que du-
quais o emigrante não queria voltar a habitar porque o re- rante este período desempenhavam funções na avaliação
metiam para aspetos do passado, e a imagem da miséria, dos projetos, os quais, sem exceção, referiram as posições
de que se pretendiam distanciar. de contrariedade com que emitiam os pareceres relativa-
A transição da casa camponesa para a casa do emi- mente a estas propostas de casas. Desidério Fernandes,
grante português expressa ainda a mudança de um tempo dirigente do Município de Ourém na década de 1990, com
onde prevalecia um modelo de casa estabilizado entre pro- responsabilidade nas obras particulares, verbaliza estas po-
prietário e construtor, com a conceção assente num saber sições: “Achávamos alguns projectos descabidos e até co-
difundido oral e geracionalmente, para um tempo em que meçamos por dar informação negativa. Mas não tínhamos
passava a assentar na inovação pela via da experimentação base legal nenhuma. Tentámos mentalizá-los. Mas depois
através de novos atores envolvidos no processo (engenhei- percebemos que a influência era muita, não havia nada a
ros técnicos e desenhadores). fazer para os demover.” Mas este município, tal como ou-
Não obstante estes emigrantes desejarem afirmar-se tros (Gonçalves 1996: 216), apesar de não instituir regula-
socialmente na aldeia onde cresceram, rompendo com o mentos condicionadores de modelos, ou de caraterísticas
passado, as suas casas não se reviam na linguagem senho- construtivas que se desviassem daquelas comummente
rial, tal como eles. Apesar de conterem alguns elementos adotadas, implementou a obrigatoriedade da aprovação da
na tentativa de conferirem uma dimensão social mais dis- cor das fachadas a partir de meados de 1980. Quando o
tinta ao proprietário (a volumetria, os espaços amplos, os branco não era a opção, era exigida a aprovação pelos aos
mirantes, ou as balaustradas), os materiais «nobres» como serviços técnicos municipais mediante a apresentação de
a pedra, eram substituídos pelo cimento e por outras maté- uma amostra de cor.
rias industriais. Neste território, a um discurso de contestação manifes-
Paralelamente, persistiram algumas manifestações ru- tado por técnicos e residentes locais, contrapunha-se um
rais, numa espécie de compromisso com a terra agrícola. outro veiculado por alguns habitantes, para os quais estas
Era o caso da construção de duas cozinhas, uma das quais casas eram sinais visíveis de progresso para a aldeia ao
conhecida como cozinha agrícola, cuja designação consta- projetarem uma imagem de sucesso que lhes agradava.
va nos projetos de arquitetura. Era a cozinha mais utilizada Manifestavam o gosto por estas arquiteturas, não tanto ver-
durante o período de férias e mesmo após o regresso defi- balmente, mas sobretudo pela replicação total ou parcial de
nitivo, ficando posicionada na área mais reservada da casa, modelos instalados pelos emigrantes.
geralmente a tardoz, com acesso ao terreno ocupado com Estamos pois, perante uma dualidade de posicionamen-
a horta. tos à escala local, influenciada pelos contextos profissionais

91
e intelectuais dos detratores versus apreciadores. A uma ses em estudo, manifestados designadamente na arquitetu-
tendência depreciativa por parte de indivíduos mais letra- ra local, onde se inscrevem estas casas.
dos e com emprego, sobretudo em áreas de serviços, con- Foi um tempo de limbo, em que os habitantes acaba-
trapunha-se uma tendência valorativa por indivíduos com vam de deixar os campos como meio de subsistência, mas
menores habilitações académicas e em especial com pro- sem sedimentarem novas esferas de atividade; em que as
fissões ligadas ao ramo da construção (Gonçalves 1996: antigas arquiteturas rurais eram postas de parte, mas em
214). Mas sublinhe-se o caráter de tendência, não linear, que estas novas arquiteturas também não colhiam consen-
desta dualidade. Paralelamente, na opinião pesava o fator so. Foi parte visível do processo de mudança cultural en-
de proximidade familiar com os proprietários das referidas tre o rural e o pós-rural, pautado por experimentação, com
casas. Um irmão por exemplo, resguardava-se mais de te- poucas bases de programação aplicada às construções de
cer comentários depreciativos em relação a estas casas que casas nestes terrenos, num tempo em que as participações
um vizinho que não tivesse familiares nessas condições, o dos arquitetos nestas aldeias eram limitadas a projetos de
que era raro pois a maioria tinha familiares emigrantes e habitações erguidas por indivíduos económica, social e in-
com casa erguida na aldeia. telectualmente privilegiados, de resto excecionais (confor-
Os residentes projetavam nestas casas as representa- me processos de licenciamento em Arquivo Municipal de
ções que construíam dos emigrantes, variando em função Ourém).
de fatores como a ligação afetiva e a identificação com a fi- Num estudo realizado por Dimitris Dalakoglou (2010)
losofia e o percurso de vida destes indivíduos. À construção sobre a construção de casas na Albânia por albaneses
representativa destas como o espelho de uma atitude altiva, emigrados na Grécia, foram identificados aspetos comuns
arrogante dos emigrantes e da invasão e do desrespeito com as representações sociais e culturais dos emigrantes
para com os valores de equilíbrio da aldeia, contrapunha-se portugueses em França, não obstante as especificidades
outra: a da materialização de uma atitude de coragem, de sociopolíticas de cada realidade. São seguidamente apre-
sucesso e com contributo para o progresso local. sentados alguns resultados de representações culturais
Mas não foram os residentes locais, os que conviviam fi- com analogias entre as duas realidades, através de uma
sicamente com estas construções, os protagonistas na sua leitura comparativa que assenta num exercício de análise
transformação em assunto. A construção da sua imagem essencialmente empírico.
negativa, um pouco por todo o país, partiu essencialmente - Em ambos os casos o país de origem e o país de aco-
de cosmopolitas e intelectuais de várias áreas, desde aca- lhimento dos emigrantes estão relativamente próximos,
démicos, jornalistas, arquitetos, técnicos, ou apologistas de facilitando-lhes a realização relativamente frequente de des-
causas pela salvaguarda dos patrimónios culturais (Ribeiro locações.
1987, Saramago 1998). As críticas aumentavam de tom, - Tal como os portugueses, os albaneses investiram na
com espaço em artigos de opinião e, por isso passaram construção de casa no país natal, perto da família, ainda
também a merecer a atenção por parte de investigadores, que nem sempre confiantes no regresso definitivo. Esta de-
não apenas enquanto objeto material, mas também en- cisão ajudou-os a afirmarem a pertença ao lugar de origem,
quanto objeto de representações pelos residentes e pelos legitimando-a materialmente. Manifestaram ainda por esta
críticos. via a necessidade de garantia da segurança da velhice e o
O período entre 1970 e 1990 pode ser entendido como desejo de continuarem ligados à família que não emigrou. A
um tempo de negociação de transformações arquitetóni- manutenção dos laços familiares e a continuidade geracio-
cas, económicas, sociais e culturais nos terrenos portugue- nal dos vínculos com a aldeia de origem foi uma das prin-

92
cipais razões referidas para a construção da casa na aldeia com a sensação permanente de obra inacabada.
de origem. Encerra aqui esta leitura comparativa entre os emigran-
- É identificada a tendência para os emigrantes albane- tes portugueses e os emigrantes albaneses nas relações
ses e os emigrantes oureenses pagarem a construção com com as suas casas nos países de origem, para a retoma de
economias de poupança. Por um lado, não estavam dis- uma análise circunscrita às freguesias deste ensaio.
postos a pôr em causa a estabilidade financeira que tanto A partir de meados de 1990, estes oureenses emigra-
desejaram; por outro lado, através da construção de casa dos na região do Marne começavam a manifestar sinais de
própria, sem recurso a crédito, cumpriam uma importante mudança de atitude em relação à construção das casas
etapa do enriquecimento a que se comprometeram consi- na aldeia de origem desde 1970. É uma etapa intermédia,
go próprios. sobretudo no que toca à tipologia de construção, que de
A principal atividade económica dos dois grupos de algum modo poderia dar continuidade à fase anterior, ou in-
proprietários era a construção, que lhes conferiu saber em- tegrar a fase seguinte. Este curto período, sensivelmente si-
pírico essencial para intervirem mais no processo constru- tuado na segunda metade de 1990, teve um papel de tran-
tivo. Em ambos os terrenos os proprietários referem-se ao sição entre duas condutas representadas pelos emigrantes:
processo construtivo da casas utilizando sobretudo o verbo Uma conduta pautada pela afirmação de sucesso perante a
«fiz» e não o verbo «construí». Dimitris Dalakoglou atribui o comunidade de origem, expresso na grandeza e exuberân-
discurso ao facto de estes emigrantes despirem o papel de cia da casa; e uma conduta pautada pela estratégia de (re)
construtores (enquanto função profissional) para assumi- integração na aldeia, como adiante se refere.
rem um papel mais imaterial e emotivo e menos material e
operativo. Construir é para os outros, num ato estritamente Terceira fase: Final de 1990 - 2012.
profissional e impessoal. Fazer pressupõe um projeto de A diminuição do investimento em casa na aldeia de
vida pessoal, o que se aplica também ao caso de estudo origem e a alteração de opções arquitetónicas configuram
em análise. uma terceira etapa no panorama local das casas dos emi-
Nos dois casos a família tinha um papel ativo no acom- grantes portugueses em França.
panhamento da obra, sendo-lhes delegado num voto de Na linha do que já foi referido com relação aos habi-
confiança. Justifico-o como a estratégia de reforço do vín- tantes locais, muitos dos emigrantes que tinham erguido
culo afetivo e do compromisso com a família. Este envolvi- casa com caraterísticas ostensivas durante os anos 70, 80
mento familiar na construção e, mais tarde na manutenção e inícios de 90, manifestam hoje arrependimento. Durante
da casa, viria a contribuir para alimentar os laços de proxi- o trabalho de campo foram registados comentários como:
midade, já acima salientados. “Uma casa muito grande;” 7 “está fechada durante a maior
- Durante as férias e em curtas permanências no país parte do ano e estraga-se. Os filhos não vão dar valor à casa
de origem, os atores dos dois países ocupavam e alguns e vão perder a ligação à terra. Foram outros tempos… nem
ainda ocupam o tempo com aquisições de equipamentos pensámos muito quando decidimos construir;”8 “fiz-lhe alte-
e acessórios para a casa e com reparações e pequenas al- rações porque havia coisas com pouco jeito.”9
terações, num espírito de bricoleur, em esforço contínuo e

7 Salvador, natural e residente em Espite, 65 anos ex-emigrante no Vale do Marne.

8 Manuel Araújo, natural de Espite, 55 anos, emigrante no Vale do Mane.

9 Carlos Santos, natural e residente em Urqueira, 64 anos, ex-emigrante no Vale do Marne.

93
Estes comentários projetam uma reconfiguração dos sinvestimento, entre os quais a preferência pela aquisição
seus posicionamentos, que passam designadamente: de casa no país de acolhimento em detrimento de uma
- Pela mudança da imagem ideal que tinham de uma casa na aldeia, com futuro de ocupação incerto; a entrada
casa para si e para as suas famílias (uma casa grande, com em vigor do Plano Diretor Municipal de Ourém em 2001,
uma importação assumida de estilo como negação do es- com efeitos condicionadores na expansão imobiliária; ou
tilo residente); mesmo o aumento significativo dos custos de construção.
- Pela reavaliação da forma e dos objetivos de vida. Por Ao ritmo deste fenómeno de abrandamento, decorria
um lado, expressam o mau investimento num sonho que um esbatimento das reações locais de censura e de elogio
em tantos casos acabaria por não se concretizar (muitos em relação às habitações erguidas sobretudo entre 1970 e
emigrantes nunca regressaram definitivamente). Por ou- 1990. Ambas as posições por parte dos residentes, antes
tro lado, valorizam uma perspetiva de fruição do presente mais extremadas, aproximavam-se de um registo oscilante
através da melhoria da qualidade de vida em França, não entre alguma indiferença e resignação em relação a estas
obstante assumirem também a incapacidade de pouparem casas, confluindo progressivamente para a sua assimilação
como conseguiam no passado. Esta nova atitude reflete a como elementos da paisagem. Atualmente muitos residen-
desaceleração do investimento, antes centrado na poupan- tes ouvidos, entendem que estas começam a fazer parte de
ça em prol de uma vida melhor no futuro para os próprios um tempo do passado e atribuem-lhe a categoria de mar-
e para os descendentes. É uma mudança de paradigma da cos de memória: “agora já não fazem casas dessas. Isso
relação do emigrante português com a poupança. Conti- foi mais há 30 e há 20 anos… já nos habituámos a elas.”12
nuam a manter uma vida regrada, mas não estão dispostos Voltando à relação dos emigrantes com a casa na aldeia,
a sacrificar-se e à família por uma casa na aldeia, sem saber os que contrariando a tendência «fizeram» recentemente
sequer se algum dia a irão habitar: “Eu já não penso que te- casa na aldeia, têm idades médias entre 40 e 60 anos e
nho que mandar dinheiro para Portugal, que tenho que ter raramente assumem um regresso definitivo (Almeida 2008).
uma “casa-museu” em Portugal. Eu vivo em França, o meu Os oureenses entrevistados justificam a construção com a
conforto está lá e aqui tenho o indispensável.”10 garantia de privacidade familiar durante as curtas perma-
- E pela crítica à perda de «marcos identitários na al- nências no país (assim não ficam sujeitos aos ritmos e im-
deia», como as casas de arquitectura tradicional na aldeia postos pelos familiares) e com a expetativa de investirem
de origem. Esta posição traz implícita a convicção do pre- num espaço de descanso onde pretendem passar períodos
juízo que casas como as suas provocaram na aldeia que mais longos após a reforma.
hoje desejam ver reabilitada, ao encontro da visão urbana Constroem ainda numa apropriação de aspetos de uma
monumentalizadora da paisagem rural: “Se fosse hoje tinha cultura rural em vias de desaparecimento e para que os fi-
recuperado a casa dos meus pais.”11 lhos não se desvinculem das suas raízes. Estes luso-des-
Em meados de 1990 o número de projetos de casas de cendentes, por sua vez, encaram a casa como uma espécie
emigrantes desacelerou e de 2000 em diante quase perdeu de destino exótico de férias, relevando algum afastamento
expressão. no sentido de pertença ao lugar.
Foram vários os fatores que contribuíram para este de- As opções de construção tornaram-se mais sóbrias. No

10 Maria de Fátima Marques Vieira, natural de Espite, 55 anos, emigrante no Vale do Mane.

11 Manuel Araújo.

12 Tiago Marques, 34 anos, residente em Espite.

94
interior, verifica-se uma ligeira redução de áreas, designa- veram-lhes características exteriores que remetiam para o
damente do «salão», ou «sala de jantar» e de algumas afi- estereótipo da casa do emigrante dos anos 70 e 80, como
nações ao programa funcional. Em jeito de parênteses, as mansardas, azulejos, telhado preto, ou portadas de ma-
opções relacionadas com a redução das áreas poderão de deira; substituíram as cores fortes por cores suaves (beije,
algum modo estar associadas à mudança da dimensão real branco, salmão) e introduziram várias águas e alpendres
e idealizada da ocupação. Por um lado, a família nuclear re- apoiando-os em colunas de calcário.
duziu numericamente (número inferior de filhos). Por outro As novas condutas sugerem uma estratégia de (re)in-
lado, quando vêm de férias, estes portugueses em diáspora tegração do emigrante na aldeia de origem pela via da re-
vivem a iminência de um afastamento relativo aos familiares conciliação da casa com a paisagem, adotando o modelo
residentes, refletido na diminuição de encontros de convívio da casa socialmente aceite, sem descurar o papel influente
em suas casas, o que, em certa medida deixa de justificar dos projetistas e as tendências do mercado imobiliário.
«áreas sociais» tão grandes. Após um distanciamento essencial para o apaziguar de
Mas eles não pretendem desvincular-se dos familiares, memórias de associação à pobreza e outras imagens ne-
dos vizinhos e da aldeia, ou não construíam na aldeia, o que gativas, encaram agora o projeto com estas caraterísticas
também contribui para a aposta num projeto conciliador, como uma reaproximação aos campos, num movimento de
que não se demarque das casas dos residentes. Alinha- valorização da natureza, da «reconciliação» com a terra e
dos com estes ideais, sem desvalorizar a necessidade de do acesso a uma alimentação saudável. Estes portugueses
ajustamento às tendências do mercado, aderem a projetos emigrantes desejam participar na reconstrução da aldeia
idênticos aos dos residentes e contratam os mesmos inter- idílica.
venientes, desde a conceção á construção. Afinal, a construção da imagem dos campos como es-
As cores suaves foram reassumidas, registando-se ain- paços de qualidade de vida e de redutos de identidade cul-
da a tendência para o redimensionamento dos volumes, tural passa também pela arquitetura, e eles arrogam a si um
proporcionalmente à redução das áreas funcionais, como papel proativo na reposição de referenciais dessa mesma
já foi mencionado. arquitetura «tradicional».
Uma alteração significativa nas imagens destas casas
foi o recurso a elementos construtivos conotados com íco- 4. CASAS DE PORTUGUESES NO MARNE: CASOS DE
nes da arquitetura tradicional em Portugal, numa lógica de CONSTRUÇÃO RECENTE
reabilitação da mesma. Aos projetistas locais solicitam bei- Os bairros visitados na periferia de Paris (Champigny,
ral à portuguesa, cornijas, telheiros com colunas de pedra, Villiers-sur-Marne, St. Maur, Chennevières, Bonneuil e Or-
ícones da reabilitação desejada da imagem padronizada da messon) integram moradias, entre as quais casas de portu-
arquitetura tradicional do país. Nas memórias descritivas gueses. Também esta identificação beneficiou do apoio de
dos projetos estes termos passaram a figurar e no terreno Sérgio, operário da construção civil que participou inclusi-
as aldeias passaram a acolher cada vez mais casas com ve, na construção de algumas.
varanda e alpendre. Confirma-se a tendência para estes emigrantes adqui-
Por sua vez, proprietários entretanto regressados e ou- rirem casa em França: “É preferível comprar que arrendar.
tros ainda emigrantes, fizeram alterações às habitações, Quando se arrenda, o dinheiro vai todo e ficamos sem
aproximando-as das locais erguidas recentemente. Remo- nada.”13 Dizem ainda preferir moradia a apartamento para

13 Sérgio Santos, 37 anos, natural de Urqueira, emigrante em Champigny.

95
terem uma pequena horta. Reiteram desse modo a relação colhas comparativamente à que tinha nas casas erguidas
de continuidade com a terra, agora não como garante de na aldeia em períodos anteriores. Pode inclusive, acompa-
subsistência como nas gerações anteriores de trabalhado- nhar presencialmente a obra.
res rurais, mas como um complemento á economia domés- Assiste-se ainda ao aumento da exportação de materiais
tica e como lazer. de construção para França, com a contratação de emprei-
Nalguns casos compram casas antigas que recuperam tadas para a construção das habitações a residentes de
ou reconstroem aos sábados com a participação de familia- Ourém (rebocos, azulejo e caixilharia). É neste regime de
res ou vizinhos portugueses. Reconhecem no entanto, que prestação que intervêm os emigrantes pendulares, alguns
esta prática de solidariedade foi mais sólida no passado: dos quais, empresários da construção civil.
“Agora cada um dedica-se à família e quase não nos vemos. Os emigrantes compram materiais de construção no
Não é como antes.”14 mercado português durante o período de férias, ajustando
Quando adjudicam a construção, os processos são a sua deslocação com empresas transportadoras locais:
mais rápidos. As paredes são erguidas com blocos de be- “Agora o emigrante que saiu daqui vai mandar um camião
tão e revestidas com ravalement: “É usado em quase tudo… com azulejo, a caixilharia, cola para as juntas e madeiras
aplica-se primeiro uma resina para agarrar e depois o rava- para uma casa que está a fazer em França.”16 Noutra oca-
lement. É uma espécie de tapa misérias... nem é preciso sião, o empresário de uma transportadora de camionagem
rebocar.”15 confirmava o fluxo significativo de material de construção
Sobre a tipologia das habitações, sobressaem as cober- que transporta para França.
turas pouco inclinadas e telha cerâmica, persianas, moldu- Os atores (proprietários, operários da construção civil,
ras em cantaria de pedra (em alguns casos originária de projetistas e fornecedores de materiais) atribuem a tendên-
Portugal, com destaque para as molduras em calcário). cia da aquisição de materiais e mão-de-obra em Portugal
Estas casas partilham algumas características com a ge- a razões como: o preço acessível (mesmo com o custo do
neralidade casas erguidas na última década em Espite e transporte); a diversidade e a qualidade da oferta dos ma-
Urqueira, de emigrantes e de residentes. Mas também con- teriais portugueses; os preços acessíveis de mão-de-obra
têm traços comuns a outras casas nestes bairros franceses, portuguesa; a qualidade do trabalho executado por estes
revelando uma vez mais um fenómeno de contaminação. operários comparativamente aos de operários de outras
Durante a investigação foram identificados alguns casos nacionalidades (turcos e italianos); e a disponibilidade de
de arquitetos residentes em Ourém, que trabalham em par- engenheiros e arquitetos portugueses para projetarem,
ceria com técnicos luso-descendentes residentes em Fran- confrontados com a redução de trabalho. Finalmente, conti-
ça na conceção de projetos para esse território. Após uma nua a pesar o fator da solidariedade, sobretudo em relação
primeira viagem para conhecerem o espaço de implanta- a vizinhos da aldeia ou da origem: “Sempre ajudamos os
ção do projeto, desenvolvem-no e recorrem à internet para de cá.”
discutirem os processos de decisão com o proprietário. Um Após o povoamento das aldeias em estudo e de tantas
método que permite a este uma maior participação nas es- outras com expressões da arquitetura francesa, é a vez de

14 Fernanda Ribeiro, 47 anos, natural de Urqueira, emigrante no Vale do Marne.

15 Sérgio Santos.

16 Paula Gameiro, natural e residente em Urqueira. Gerente de empresa de caixilharia.

96
alguns bairros franceses habitados por portugueses «im- Para Alejandro Portes (2004) esta é uma das formas de
portarem» expressões arquitetónicas de Portugal. Estes transnacionalismo com maior aplicação no contexto atual.
emigrantes investem cada vez menos no sonho de um re- Ainda com relação á análise deste fenómeno como
gresso definitivo a Portugal e substituem-no pela constru- uma expressão de transnacionalismo, das várias permissas
ção de casa em França, adaptando-o ao país que habitam enunciadas por Linda Basch e co-autoras (1994) sublinho
realmente. Transferem para lá a imagem de um país de que duas num ajustamento ao contexto: a de que é um proces-
já não se envergonham, que deu o salto no progresso, mas so em que os emigrantes criam esferas sociais geradoras
que hoje está a «saldos» e com futuro incerto. de cruzamentos de fronteiras nacionais através dos seus
Estas casas de emigrantes portugueses, seja na aldeia quotidianos, das relações sociais, económicas e políticas;
de origem, seja no bairro de destino, são manifestações visí- e a de que o termo transnacional intervém para assinalar a
veis do fenómeno de transnacionalismo, que incide em ati- fluidez com a qual as ideias, os objetos, o capital e as pes-
vidades transfronteiriças de base privada, onde se incluem soas se movem entre fronteiras, como se verifica no estudo
os migrantes, nomeadamente através da importação e/ou de caso.
exportação de bens de/ou para os seus países de origem.

97
98
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DOMINGUES, Álvaro, Vida no Campo, Equações de arquitetu-
ra, Porto, Dafne Editora, 2011.
AMARO, Rogério Roque, “«Ei-los que voltam»: problemas e de-
safios do regresso dos emigrantes”, in: Revista crítica de Ciências GOLDEY, Patrícia, “Emigrantes e camponeses: Uma análise
Sociais n.º 15/16/17, maio 1985. da literatura sociológica”, in: Análise Social, vol. XVIII (71) 1982,
533-553.
ALMEIDA, Aníbal, Os portugueses em França na hora da refor-
ma, Editions Lusophone, 2008. GONÇALVES, Albertino, Imagens e clivagens, os Residentes
face aos Emigrantes, Porto, Biblioteca das Ciências do Homem,
ANDERSON, Benedict, Imagined Communities – Reflections Edições Afrontamento, 1996.
in the Origin and Spread of nacionalism, London/New York, verso,
1991. LEAL, João, Etnografias Portuguesas (1870 – 1970): Cultura
popular e Identidade Nacional, Lisboa, Publicações Dom Quixote,
ANIDO, Nayade & FREIRE, Rubens, “A existência de ciclos 2000.
emigratórios na emigração portuguesa”, in: Análise Social, vol. XII
(45), 1976-1, 179-186. LEAL, João, “Usos da ruralidade: apresentação” in: Etnográfi-
ca, maio de 2007. 11 (1):57-62, 2007.
BASCH Linda, SHILLER, Nina Glick & BLANC, Cristina Szan-
ton, Nations Unbond, transnational Project, postcolonial predica- LEAL, João, Arquitectos, Engenheiros e Antropólogos: Estudos
ments and deterritorialized Nation-States, Gordon and Breach Pu- sobre Arquitectura popular no Século XX Português, Porto, Funda-
blishers, 1994. ção Arquitecto Marques da Silva, 2009.

BAPTISTA, Fernando Oliveira: «Declínio de um tempo longo», LEAL, João, “Entre o Vernáculo e o Híbrido: A partir do Inqué-
in: O voo do arado, Museu Nacional de Etnologia, Lisboa, 1996. rito à Arquitectura Popular em Portugal,” in: Colóquios de Outono
2009, Intersecções: Antropologia e Arquitectura, Universidade de
BAUMAN, Zigmund, Modernity and ambivalence, Cambridge, Coimbra, 2009-1.
Polity, 1991.
LEITE, Carolina, Ironias de sempre: casas de emigrante e dis-
BRANCO, Jorge de Portugal, “Le emigration et son contexte: cursos sobre o gosto, Relatório de síntese para provas de APCC,
Quélqués elements de reflexion sur le Portugal”, in: LATITUDES n° Braga, Universidade do Minho, 1990.
5 - abril/mai 1999.
LEITE, Carolina, Eva, depois do paraíso – Modos de habitar e
CALLIER-BOISVERT, Colette, Dinâmicas do Mundo Rural, Et- identidade no percurso migratório, tese para obtenção do grau de
nografias da Mudança: Soajo, entre Migrações e Memórias, Lis- doutoramento, Braga, Universidade do Minho, 1998.
boa-Paris, FCG / Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 1999.
LOFGREN, Orvar, The nationalization of culture, Ethnologia
CANCLINI, Néstor Garcia, Culturas híbridas, Edusp, 1998. Europea, 1989.

CASTRO, Alexandra, O gosto na arquitectura popular: as casas MARTINS, Fernando Ribeiro, Pinhal Interior Sul e o Regresso
dos emigrantes de dupla residência França - Portugal, tese de mes- de Emigrantes (1975-2001), tese para obtenção do grau de douto-
trado em Sociologia do Território, Lisboa, ISCTE, 1998. ramento, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2004.

CÉSAR, Ana Cristina Borges Pereira, A casa do emigrante MOUTINHO, Mário, “Casas dos emigrantes ou arquitectura do
português - caracterização arquitectónica e sua contextualização, emigrante” in: Documentos do 2.º Congresso da A.A.P.: Os Arqui-
tese de mestrado, Porto, Faculdade de Engenharia, Universidade tectos e o Ordenamento do Território, Lisboa, 1981.
do Porto, 1996.
NEVES, Ana Saraiva, Memórias Etnográficas do Concelho de
DALAKOGLOU, Dimitris “Migriting-remitting-‘building’-dwe- Ourém, Ourém, Câmara Municipal de Ourém, 2001.
lling: house-making as ‘proxy’ presence in postsocialist Albania,”
in: Journal of the Royal Antropological Institute (N.S.) 16, 761-777,
2010.

99
OLIVEIRA, Ernesto Veiga & GALHANO, Fernando, Arquitectu- TAVARES, Marie-Christine Volovitch, Portugais à Champigny,
ra Tradicional Portuguesa, Publicações Dom Quixote, Portugal de le temps des baraques, Éditions Autrement – série Monde/ Fran-
Perto, 1992. çais d’ailleurs, peule d’ici, n.º 86, Paris, 1995.

POINARD, Michel [1979] «Emigrantes retornados de França: a VENTURI, Robert, BROWN, Denise Scott & IZENOUR, Steven,
reinserção na sociedade portuguesa», Análise Social, vol. XIX (76): Learning from Las Vegas: The forgotten symbolism of architectural
261-296, 1983. form; England, The MIT Press, Cambridge, Massachussets, and
London, 1972.
PORTES, Alejandro, “Convergências teóricas e dados empíri-
cos no estudo do transnacionalismo imigrante,” in: Revista crítica VILLANOVA, Roselyne, Double Residence: A Space for Inter-
de Ciências Sociais, 69, Outubro, 2004. generational Relations. Portuguese Immigrants in France in the
Twentieth and Twenty-First Centuries, Institut Parisien de recher-
RAPOSO, Isabel, VILLANOVA, Roselyne & LEITE Carolina, Ca- che, architecture, urbanistique, société, AUS CNRS, Translated
sas de sonhos, Paris, Edições Salamandras, 1995. from the French by Gabrielle Varro, R. de Villanova, Portuguese
studies Review 14 (2), 2006/7: 241-261, 2006.
RIBEIRO, Orlando, “Entre-Douro-e-Minho”, in: Revista da Facul-
dade de Letras – Geografia. Porto, I série, Vol. III: 5-11, 1987.

ROCHA-TRINDADE, Maria Beatriz, JACINTO, Rui, CORDEIRO,


Ana Paula & ROSETA, Helena, “O estilo maison: o elevador da gló-
ria”, Jornal de Letras, de 3 a 9 de maio de 1988.

SAID, Edward, Culture and imperialism, Londres, 1993.

SANTOS, António, O Fenómeno Migratório na Região Centro.


Regresso e Reinserção na Diocese de Coimbra, Coimbra, Comis-
são de Coordenação da Região Centro, Secretaria de Estado das
Comunidades Portuguesas, Caritas Diocesana de Coimbra, 1988.

SARAIVA, Ana, Casas rurais na Alta Estremadura, Leiria, CE-


PAE/Folheto, 2012.

SARAMAGO, José, Viagem a Portugal, s/l, Ed. Caminho, 1985.

SILVANO, Filomena, “Lémigration en tant que processus de


déplacement et de recomposition de l’habitat”, in: Sociedade terri-
tório, Ano 5 /Setembro, n.º especial, Enjeux sociaux et transforma-
tions du territoire, 1990.

SILVANO, Filomena & COELHO, Tereza, “Sobre a constru-


ção de uma casa, Antropologia Portuguesa, Práticas artísticas da
modernidade”, Coimbra Vol. 11, Departamento de Antropologia,
1993.

SILVANO, Filomena, "Vidas em trânsito", in: Ethnologia - Tra-


balho de campo, Departamento de Antropologia da FCSH-UNL,
Lisboa, Cosmos: 163-174, 1997.

SOBRAL, José Manuel, “O Genuíno, o Espúrio e a Identidade


Local: um Estudo de Caso das Políticas de Património em Meio
Rural, in: Etnográfica, vol. VIII (2): 243-271, 2004.

100