Você está na página 1de 19

FUNDAMENTOS DA ENGENHARIA

Moral e Ética

Prof. Dr. Giuseppe Cavalcanti de Vasconcelos


Bacharelado em Engenharia Civil
Estrutura da apresentação:

 Apresentar os conceitos de Moral;

 Apresentar os conceitos de Ética;

 Cronologia da Ética;

 Considerações finais.
M oral

 Moral é uma palavra de origem latina, que provém do termo


moris (“costume”). Trata-se de um conjunto de crenças,
costumes, valores e normas de uma pessoa ou de um grupo
social, que funciona como um guia para agir. Isto é, a moral
orienta relativamente às ações que são corretas (boas ou
positivas) e aquelas que são incorretas (más ou negativas).
Ética

 Ética é um conjunto de valores e princípios universais que


regem as relações humanas.

 A ética está relacionada à opção, ao desejo de realizar a vida,


mantendo com os outros relações justas e aceitáveis. Via de
regra está fundamentada nas idéias de bem e virtude,
enquanto valores perseguidos por todo ser humano e cujo
alcance se traduz numa existência plena e feliz.
Moral e Ética

MORAL E ÉTICA ANDAM DE MÃOS DADAS E SE CONFUNDEM.

No centro da ética aparece o dever, ou obrigação moral,


conduta correta.

 A moral existe sem a ética mas, a ética não existe sem moral.
Moral x Ética

Ética = ethos Moral = mos, mores


Princípios Regras para as ações
Universais coletivas
(pressão interna) (pressão externa)

Reflexão e Valores Hábitos e Costumes


Morada humana Normas sociais
A ética pressupõe análise e reflexão antes do agir. Toda
existência tem o lado da alteridade, isto é, da dimensão
do OUTRO.
Cronograma

Historicamente, a idéia de Ética surgiu na antiga Grécia, por volta de 500 –


300 a.C, através das observações de Sócrates e seus Discípulos.
Idade Antiga

Sócrates refletiu sobre a natureza do bem moral,


na busca de um princípio absoluto de conduta.
Duas formulações mais conhecidas:

“Nada em excesso”

“Conhece-te a ti mesmo”

“Uma coisa posso afirmar e provar com palavras


e atos: é que nos tornamos melhores se cremos
que é nosso dever seguir em busca da verdade
desconhecida.”
Virtudes:
Justiça
ordena e harmoniza
Prudência ou sabedoria
põe ordem em nossos pensamentos
Fortaleza ou valor
faz com que o prazer se subordine ao
dever
Temperança
serenidade, autodomínio

O homem tem seu ser no VIVER, no SENTIR e na


RAZÃO.
Ele não pode apenas viver, mas viver racionalmente,
com a razão.
O maior bem? A vida virtuosa.
A maior virtude: a inteligência.
Idade Medieval

Santo Agostinho (354-430). Teorias Éticas Fundamentais


Fundamentou a moral cristã. O St. Tomás Aquino (1225-1274). No
objetivo da moral é ajudar os essencial concorda com Santo
seres humanos a serem felizes, Agostinho, mas procura
mas a felicidade suprema consiste fundamentar a ética tendo em conta
num encontro amoroso do as questões colocadas na
homem com Deus. antiguidade clássica por Aristóteles.
Ética Moderna (Séc. XV – XVII)

Descartes (1596-1650). Este filósofo simboliza toda a fé


que a Idade Moderna deposita na razão humana. Só ela
nos permitiria construir um conhecimento absoluto. Em
termos morais mostrou-se, todavia muito cauteloso. O
seu único princípio ético consistia em seguir as normas e
os costumes morais que visse a maioria seguir, evitando
deste modo rupturas ou conflitos.

John Locke (1632-1704). Este filósofo parte do


princípio que todos os homens nascem com os
mesmos direitos (Direito á Liberdade, à Propriedade,
à Vida). A sociedade foi constituída, através de um
contrato social, que visava garantir e reforçar estes
mesmos direitos. Neste sentido, as relações entre os
homens devem ser pautadas pelo seu escrupuloso
respeito.
Ética Moderna (Séc. XV – XVII)

David Hume (1711-1778). Defende que as nossas ações


são em geral motivadas pelas paixões. Os dois princípios
éticos fundamentais são a utilidade e a simpatia.

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), concebe o


homem como um ser bom por natureza (mito do "bom
selvagem) e atribui a causa de todos os males à
sociedade e à moral que o corromperam. O Homem
sábio é aquele que segue a natureza e despreza as
convenções sociais. A natureza é entendida como algo
harmonioso e racional.
Ética Contemporânea (Séc. XIX – XX)
Jeremy Bentham (1748-1832). A maior felicidade para
o maior número de pessoas. Esta ética é chamada
“moral do bem estar”, o bem é útil para o individuo e o
coletivo(Universalismo). A ética contemporânea
também surge numa época de progressos em varias
ordens, e exercem seus influxos até os dias de hoje.

Immanuel Kant (1724-1804). Partindo de uma


concepção universalista do homem, afirma que este só
age moralmente quando, pela sua livre vontade,
determina as suas ações com a intenção de respeitar os
princípios que reconheceu como bons. O que o motiva,
neste caso, é o puro dever de cumprir aquilo que
racionalmente estabeleceu sem considerar as suas
consequências.
Ética Contemporânea (Séc. XIX – XX)

Jurgen Habermas (1929). Após a 2ª Guerra Mundial,


Habermas surge a defender uma ética baseada no
diálogo entre indivíduos em situação de equidade e
igualdade. A validade das normas morais depende de
acordos livremente discutidos e aceites entre todos os
implicados na ação.
Hans Jonas (1903-1993). Perante a barbárie
quotidiana e a ameaça da destruição do planeta,
Hans Jonas, defende uma moral baseada na
responsabilidade que todos temos em preservar e
transmitir às gerações futuras uma terra onde a
vida possa ser vivida com autenticidade. Daí o seu
princípio fundamental: "Age de tal modo que os
efeitos da tua ação sejam compatíveis com a
permanência da uma vida humana autêntica na
terra".
Importância da Ética:

Humberto Maturana, 1928.


A importância da ética hoje se dá pela necessidade, por
uma questão de sobrevivência; considerando que a
humanidade passa por um momento de anseio por uma
vida melhor e acima de tudo digna e feliz. Podemos dizer
que o tema mais ecumênico que existe atualmente é o da
dignidade humana, vida com qualidade e por fim, a
felicidade.
A Nova Ética:

Tenzin Gyatso 1935. Ética ambiental é aplicação da ética


social a questões de comportamento em relação ao
ambiente. Trata-se de modos de agir que se sustentem
sobre uma conscientização ecológica cultural e sobre
uma transformação da sensibilidade sobre a vida.

 Os problemas ambientais não dependem de uma simples


solução técnica; pedem uma resposta ética, requerem uma
mudança de paradigma na vida pessoal, na convivência social,
na produção de bens de consumo e, principalmente, no
relacionamento com a natureza.
Sociedade e Ética:
As pessoas são obrigadas a conviver em sociedade, isso a
despeito das diferenças de crenças e valores que cada uma
atribui às coisas e aos fatos da vida e, da mesma forma,
independentemente dos conflitos de interesses que tais
diferenças venham a causar.

Questões Éticas:
Quais os critérios que norteiam as escolhas que um homem
faz em sua vida ? Quais são os valores que pautam suas ações ?
Quais objetivos pretende atingir com quais meios efetivará sua
realização ? Afirma-se que toda ação deve ser justa e boa. Mas,
o que determina a justiça e a bondade? O que é ser justo ? O
que é ser bom?
Bibliografia:
Aristóteles: Ética a Nicômano (São Paulo: Abril Cultural 1976).
Dimenstein, Gilberto. O cidadão de papel, A infância, adolescência e os
Direitos Humanos no Brasil. 20º Edição. Ed. Ática, São Paulo, 1994.
Dalai Lama. Uma Etica Para o Novo Milenio. Ed. Sextante, 2002
http://tpd2000.vilabol.uol.com.br/etica1.html
http://www.almg.gov.br/bancoconhecimento/tematico/EtiCid.pdf
http://recantodasletras.uol.com.br/textosjuridicos/504357
MARINI, Mons. Carlo Maria; ECO, Umberto. Diálogo sobre ética. Instituto
Ethos, 2002.
KANT, Emmanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo:
Martin Claret, 2002.
Kant: Die Grundlage der Metaphisik der Sitten (Frankfurt: Gesamte Werke,
vol. 4, 1986).
VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. Rio de Janeiro: 23ª ed. Civilização
Brasileira, 2002.
Obrigado.
CONTINUA...