Você está na página 1de 12

AULA PRÁTICA 1

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE PARTIÇÃO (ÓLEO-


ÁGUA) DO ÁCIDO MANDÉLICO

O coeficiente de partição óleo-água (log P) é definido como a relação das concentrações


da substância em óleo e em água. Para se determinar o valor de P realiza-se experimento
no qual se mistura quantidade conhecida da substância em um solvente orgânico
imiscível com a água (n-octanol, éter etílico, clorofórmio, acetato de etila) que mimetiza a
fase oleosa, e em água e, após as separações das fases orgânicas e aquosas, determina-
se a quantidade da substância em cada uma das fases. Para se calcular o valor de log P
utiliza-se a seguinte expressão:

Log P = [Forgânica]/[Faquosa]

Forgânica - concentração da substância na fase orgânica


Faquosa - concentração da substância na fase aquosa

O ácido mandélico é um antisséptico urinário mas também é utilizado em tratamentos


estéticos (peelings). O valor de log P encontrado na literatura é 1.
OH
OH
ÁCIDO MANDÉLICO
O

PARTE EXPERIMENTAL

EXPERIMENTO 1 – Encontrar a concentração real da solução de ácido mandélico

• - transferir 15 mL de solução de ácido mandélico (aproximadamente 1g/100 mL)


para um erlenmeyer;
• - adicionar 2 gotas de fenolftaleína e titular com solução de hidróxido de sódio
padronizada (concentração de aproximadamente 0,1 mol/L) até viragem;
• - Anotar o volume consumido e realizar os cálculos.
EXPERIMENTO 2 – Encontrar a concentração da fase aquosa após a partição
- transferir 15 mL de solução de ácido mandélico (aproximadamente 1g/100mL) para um
funil de separação;
- adicionar 15 mL de éter etílico e agitar vigorosamente (CUIDADO!);
- deixar em repouso até ocorrer a separação em camadas e recolher a fase aquosa em
um erlenmeyer.;
- adicionar 2 (duas) gotas de fenolftaleína e titular com solução de hidróxido de sódio
padronizada (concentração de aproximadamente 0,1 mol/L) até viragem;
- Anotar o volume consumido e realizar os cálculos.

CÁLCULOS

a) Calcular a concentração de ácido mandélico na solução original em g/L, g/100mL,


g/mL.
b) Calcular a concentração de ácido mandélico na solução aquosa após a extração
em g/L, g/100mL e g/mL.
c) Calcular a concentração de ácido mandélico que passou para a fase etérea em g/L,
g/100mL e g/mL.
d) Calcular o coeficiente de partição do ácido mandélico. Observando-se o valor de p
obtido pode-se concluir que o ácido mandélico é mais hidrofílico ou lipofílico?

QUESTÕES

1. Qual a relação entre a lipofilicidade de um fármaco e sua absorção no organismo?

2. Uma alíquota de 20 mL de uma solução de ácido acetilsalicílico (PM=180,16 g/mol) foi


titulada com solução de hidróxido de sódio 0,5 mol/L, consumindo 5 mL. Outra alíquota de
20 mL de solução de ácido acetilsalicílico foi transferida para um funil de separação,
adicionando-se em seguida 20 mL de n-octanol. Agitou-se o funil e esperou-se a
separação das fases. A fase orgânica foi extraída e titulada com a solução de soda
disponível no laboratório (0,5 mol/L). Após a titulação, o volume consumido foi de 3,1 mL
de NaOH. Qual é o valor do coeficiente de partição do AAS?
3. Uma amostra de 200 mg de ácido ftálico foi dissolvida em 25 mL de água destilada. A
solução foi transferida para um funil de separação, adicionaram-se 25 mL de éter etílico,
agitou-se e recolheu-se a fase aquosa em um erlenmeyer. Adicionaram-se duas gotas de
solução de fenolftaleína e titulou-se com solução de hidróxido de sódio a 0,036 mol/L.
Foram consumidos 22 mL da solução titulante.

O
a) Escreva a equação da reação do ácido ftálico com o
OH
hidróxido de sódio.
O
b) Calcule o coeficiente de partição óleo/água do ácido
ftálico. O ácido ftálico apresenta caráter mais hidrofílico OH
ou lipofílico? ÁCIDO FTÁLICO

ANEXOS 1

A seguir está apresentada tabela com valores de constante de hidrofobicidade (π)


para diversos grupos substituintes. Estes dados são importantes para encontrar valores
teóricos de coeficiente de partição (log P), o que ajuda a prever a solubilidade de diversos
compostos.
TABELA 1 – Valores de π (pi) para diversos substituintes

SUBSTITUINTE π SUBSTITUINTE π
SUBSTITUINTE π

SUBSTITUINTE π

2.04

REVISÃO
ANEXOS 2

PREVISÃO DA SOLUBILIDADE

Composto:

• HIDROFÍLICO: VALOR NEGATIVO (teórico) ou VALOR MENOR QUE 1


• LIPOFÍLICO: VALOR POSITIVO (teórico) ou VALOR MAIOR QUE 1

Log P MAIOR QUE +0,5 ⇒ INSOLÚVEL EM ÁGUA (SOLUBILIDADE < 3,3%;


LIPOFÍLICO)
Log P MENOR QUE +0,5 ⇒ SOLÚVEL EM ÁGUA (HIDROFÍLICO)

QUESTÃO: Determinar o coeficiente de partição do cloranfenicol a partir da tabela do ANEXO1 e


prever sua solubilidade em água.
AULA PRÁTICA 2

TÍTULO: INFLUÊNCIA DO pKa E DO pH SOBRE A ABSORÇÃO


GASTRINTESTINAL DE FÁRMACOS

OBJETIVO: Será observada a influência do pH na relação das concentrações de formas


ionizadas e não-ionizadas de fármacos de caráter ácido (ácido acetilsalicílico), neutro
(paracetamol) e básico (p-aminofenol).

INTRODUÇÃO

A maioria dos fármacos pode ser classificada como ácidos ou bases fracas. Segundo a
teoria de Brönsted-Lowry um ácido é definido como um doador de prótons e uma base como
aceptora de prótons. As propriedades ácido-base dos fármacos influenciam na sua absorção e
conseqüentemente na sua biodistribuição.
A figura a seguir apresenta fármacos de caráter ácido. Os fármacos de caráter ácido
quando doam prótons originam sua base conjugada. A base conjugada do ácido é um composto
aceptor de prótons.
Exemplos de fármacos ácidos:

ÁCIDO BASE CONJUGADA


O
O
N
+
N
OH H + O
N
H N
O H
O

fenobarbital
O O

OH O O
O
+
H +

N N
Cl Cl
O O

indometacina
O O

NH + N
H +
S S
O O O O
sacarina
A teoria de Brönsted-Lowry define uma base como uma molécula que recebe prótons.
Nesse caso, o produto resultante da adição de um próton é o ácido conjugado.
A figura a seguir apresenta exemplos de fármacos de caráter básico.

BASES ÁCIDO CONJUGADO

O O
N N
O-Na+ +
+ OH
H
N N + Na++
H H
O O

fenobarbital sódico

O O

O O-Na+ O OH

+ + + Na++
H
N N
Cl Cl
O O
indometacina sódica

O O

N-Na+ + H
+
NH + Na++
S S
O O O O
sacarina sódica

HN H2N+
+
+ H

OH OH

efedrina

É possível observar que esses fármacos correspondem as bases conjugadas dos


fármacos ácidos apresentados anteriormente. Além disso, o ácido conjugado resultante, nesse
segundo caso, corresponde aos ácidos também apresentados na figura anterior.
A figura a seguir representa reações ácido-base do fenobarbital e fenobarbital sódico com
a água. Nesse caso, é importante lembrar do caráter anfotérico da água. A água pode comportar-
se como uma base fraca recebendo o próton (formando H3O+, ácido forte) ou como um ácido fraco
doando um próton para formar uma base (OH-)
O
O
N
N
OH
H2O + O
N + H3O+
H N
O H
O

O
O
N
N
O-Na+
H2O OH
N + OH- (Na++)
H N
O H
O

Os fármacos, em sua maioria, são eletrólitos fracos, com as propriedades de ácidos e


bases fracas que se ionizam parcialmente em solução. Em solução, apresentam uma parte
ionizada e outra não ionizada.
Na ionização, o equilíbrio entre a parte ionizada e a fração não-ionizada é indicada pelos
símbolos K, pK, Ka e pKa.
Se, por exemplo, estudarmos a dissociação do ácido carbônico (H2CO3) teremos a seguinte
reação:

HCO - + H+
H 2 CO 3 3
ácido carbônico bicarbonato íon hidrogênio

Esta reação, quando atinge o equilíbrio, tem a seguinte constante de dissociação:

K = [H3CO- ] x [ H+ ]/ [H2CO3]

Nesta relação, o numerador indica as frações ionizadas do ácido carbônico, e o


denominador, a parte não ionizada, que é o próprio ácido carbônico. No que se refere à absorção,
a parte ionizada é mais dificilmente absorvida por difusão simples do que a parte não ionizada.
A constante de dissociação iônica pode ser indicada sob a forma de seu logaritmo
negativo, assumindo a representação de pK. A letra p representa o logaritmo negativo (base 10)
da constante de dissociação. K é então substituído por pK ou pKa, que será o logaritmo negativo
da constante de ionização de um ácido ou uma base.
A relação entre pH e pKa é indicada pelas seguintes equações:

Ka +
HA H + A-

Ka = [H+] x [A-]/[HA]
Ka/[H+] = [A-]/[HA]
-log Ka/[H+] = -log [A-]/[HA]
-log Ka – (-log [H+] = -log [A-]/[HA]
pKa – pH = -log [A-]/[HA]
pKa = pH + log [HA]/[A-] ⇒ para fármacos ácidos
pKa = pH + log [A-]/[HA] ⇒ para fármacos básicos

Um fármaco administrado oralmente deve atravessar várias membranas antes de atingir


seu local de ação. A taxa pela qual a maioria dos fármacos atravessa as membranas lipoprotéicas
é determinada principalmente pelo grau de solubilidade lipídica ou coeficiente de partição.
Como descrito anteriormente a grande maioria dos fármacos são eletrólitos fracos pois são
substâncias que ionizam-se parcialmente em solução e portanto existe uma mistura de formas
ionizadas e não ionizadas. As espécies moleculares são as espécies lipossolúveis. A porção
ionizável da molécula geralmente apresenta baixa solubilidade lipídica e sua passagem através da
membrana é mínima.
Quando um fármaco é um ácido ou uma base orgânica fraca a sua solubilidade lipídica é
grandemente afetada pelo pH do meio e pelo seu grau de dissociação (pKa).
A atividade dos fármacos está relacionada ao grau de ionização o qual é afetado pelo pH do meio.

PARTE EXPERIMENTAL

FUNDAMENTO

Considerando-se que as formas não-ionizadas de um fármaco são mais solúveis em solventes


orgânicos e menos solúveis em água que as formas ionizadas, a quantidade de fármaco em um
solvente orgânico será proporcional à quantidade de fármaco na forma não ionizada. Adota-se
modelo de sistema gastrintestinal na forma de tubos de ensaio contendo soluções aquosas com
pH 1 e pH 8, representando, respectivamente, os meios gástrico e intestinal. As paredes gástricas
e intestinais são representadas por acetato de etila adicionada ao meio. Quanto maior a
quantidade de soluto encontrado no solvente orgânico no final da experiência, maior terá sido a
absorção.
TÉCNICA
Serão ensaiados três fármacos: ácido acetilsalicílico, um ácido fraco (pka=5,0), paracetamol,
quase neutro (pKa=10) e o p-aminofenol, básico (pKa =6,0).

1. - preencher seis tubos de ensaio com soluções de fármaco (20 mg PAF, 30 mg AAS e 40
mg PCT), ácido ou solução tampão, e o solvente orgânico conforme indicado na tabela
abaixo.
2. - agitar com vigor cada tubo e deixar em repouso para garantir a separação das fases;
3. - com auxílio de tubos capilares aplicar as fases orgânicas de cada um dos tubos sobre as
placas de sílica fluorescente (vide tabela);
4. - deixar secar as placas e examiná-las sob luz ultravioleta;
5. - comparar as intensidades das manchas para cada fármaco ensaiado, especificando cada
mancha como F (forte) ou f (fraco) no espaço apropriado na tabela.

Tubo Fármaco HCl (pH =1) Tampão (pH =8) Acetato de etila Resultado
(mg) mL mL (mL) (F ou f)
1 AAS (30 toques) 3 - 3
2 AAS (30 toques) - 3 3
3 PCT (40 toques) 3 - 3
4 PCT (40 toques) - 3 3
5 PAF (15 toques) 3 - 3
6 PAF (15 toques) - 3 3

CÁLCULOS
1. Calcular para os três fármacos em pH 1 e pH 8, as relações entre as concentrações de formas
dissociadas e não dissociadas e verificar se os resultados do ensaio (dimensões das manchas)
estão de acordo com o que pode ser previsto pelos cálculos.

2. Considere o seguinte experimento realizado com o paracetamol e o ácido acetilsalicílico:


- A 100 mg de cada fármaco adicionaram-se 5 mL de solução aquosa com pH 1 e 5 mL de
solvente orgânico e agitou-se, vigorosamente.
- A 100 mg de cada fármaco adicionaram-se 5 mL de solução aquosa com pH8 e 5 mL de
solvente e agitou-se vigorosamente.
Considerando os valores teóricos encontrados no exercício anterior, apresente uma tabela
indicando, para cada um dos fármacos, em qual dos experimentos (pH 1 ou 8) a concentração do
fármaco é maior na fase orgânica.
QUESTÕES

1. Escreva a equação de reação ácido-base entre o ácido acetilsalicílico (pKa = 4) e a água. Com
base na equação, preveja, qualitativamente, em que pH (ácido ou básico) a relação das
concentrações de formas ionizadas e não ionizadas será maior.

2. Repita o exercício 1 para: a) ácido benzóico; b) ciprofloxacino; c) anilina

3. Proponha uma explicação: embora tanto o paracetamol quanto o para-aminofenol possuam um


nitrogênio com par de elétrons livres, apenas o nitrogênio do p-aminofenol tem caráter básico.

CH3
O
N OH H2N OH
H

PARACETAMOL p-AMINOFENOL
4. Responda as questões sobre os fármacos a seguir.

4.1 Onde serão absorvidos preferencialmente os fármacos abaixo (estômago – pH 1,2 ou intestino
– pH 6,5)?
4.2 Qual a forma predominante no plasma (pH 7,4) ?

a)ácido salicílico (pKa=3,0) b)p-clorofenol (pKa=9,4) c)sulfadiazina (pKa=6,5)


OH O N
Cl OH H2 N S N
O H
O N

OH

5. Discuta a relação do coeficiente de partição (log P) e constante de ionização de um fármaco e


seu comportamento no organismo.

EXERCÍCIOS EXTRAS:

1) Dos pares de estrutura que seguem indique o que se pede, JUSTIFICANDO PLENAMENTE
SUA RESPOSTA:
A)Quais estruturas são mais ácidas?
a)

OH O 2N OH
OU

b)

H 2N COOH O 2N COOH
OU

B) Quais estruturas são mais básicas?

a)

H 3C NH2 NH2
OU

b)

H 2N NH2 O2N NH2


OU

2) Qual seria as ligações entre os fármacos a seguir e os receptores hipotéticos?

a)
O b)
H2N N
O O Cl
N N
N
H

3) Correlacione a forma preferencial do fármaco (molecular ou ionizada) para a absorção e


interação com o receptor.