Você está na página 1de 2

Notas Explicativas as Demonstrações Contábeis do exercício findo em 31 de dezembro

de 2017
Contexto operacional: Câmara Municipal de Vereadores de São João do Piauí – PI é uma
entidade jurídica de direito público e de administração indireta.
REFERENTE A EDIÇÃO DE DECRETOS DE CREDITOS SUPLEMENTARES
COM ANULAÇÃO NO EXECUTIVO.
A gestão da Câmara Municipal de São João do Piauí do período 2017 a 2018, ao analisar
o orçamento de 2017, observou-se que as dotações que estavam no orçamento para o legislativo
municipal, estavam abaixo da necessidade para execução das despesas que tinham a ser
executadas, tais como: folha de pagamento de subsídio de vereadores, contribuição
previdenciária patronal e despesas de serviços prestados de terceiros - pessoa física, ou seja,
manutenção da Câmara Municipal.
Diante desta situação, analisamos a receita efetiva do exercício anterior (2016), e
constatamos que o limite de repasse de duodécimo, não seria comprometido, caso precisasse
aumentar o repasse.
Verificado e constatado a possibilidade, solicitamos do senhor prefeito, através de oficio
que editasse um decreto de crédito suplementar, referente ao exercício 2017, para que
complementasse a dotação orçamentaria do legislativo, para fazer jus as despesas que
necessitava de cobertura de orçamento.
Através do decreto número 1, foi feito essa complementação. Verificamos também, que
era necessário remanejar orçamento para outras áreas, para fazer cobertura orçamentaria as
despesas com contribuição patronal e despesas com serviços prestados de terceiros pessoas
físicas, pois, quando se aumenta o gasto com folha de pagamentos ou serviços prestados pessoas
físicas, aumenta-se também, o gasto com contribuição previdenciária patronal.
Então, foi editado no decorrer do exercício de 2017, 4 (quatro) decretos de créditos
suplementares com anulação no executivo de numeração 1, 3, 13 e 14, sendo que o decreto
número 1, fora publicado pelo o município, ou seja, nos demais, não estávamos solicitando um
credito adicional, e sim um credito remanejamento dentro do orçamento existente no município.
Os valores dos decretos são tão pequenos, que jamais causariam um impacto relevante
em qualquer outra área do orçamento do município. No entanto, editamos outros ofícios com a
minuta dos decretos e encaminhamos para o executivo em datas de diferentes, os mesmos foram
recepcionados, só que não foram assinados e também não foram publicados, mas não nos
comunicaram dessa decisão, ou seja, até o presente momento, estávamos cientes, que os
mesmos tinham sido publicados, pois não recebemos a negativa do município por escrito da
não publicação.
Podemos verificar no resumo em anexo, que apesar de termos, solicitado através de
decreto a suplementação, os valores de repasse de duodécimo referente ao exercício de 2017,
ficou dentro do limite de 6,90% em relação a receita efetiva de 2016, o valor das despesas não
ultrapassou o limite prudencial, a despesa com folha de pagamento ficou muito abaixo do
Limite prudencial, e ainda ficou um saldo positivo de dotação orçamentária de R$ 124.915,82
(Cento e vinte e quatro mu, novecentos e quinze reais e oitenta e dois centavos), maior que o
valor solicitado, ou seja, no geral, se quer usamos este valor solicitado, Ficando caracterizado
a boa-fé, na operação.