Você está na página 1de 2

PROFESSORA: JANAINA ARRUDA

TURMA: CARREIRAS POLICIAIS


PORTUGUÊS
DATA: 11/05/2018

Questões

5. A correção e os sentidos do texto seriam


preservados caso o trecho “contra os” (ℓ.3) fosse
substituído por aos.

6. Seriam preservados os sentidos originais, bem


como a correção gramatical do texto, caso a
expressão “em tudo” (ℓ.15) fosse substituída por
1. O sentido do trecho “Me lembre a Dolores” (ℓ.9) com tudo.
seria alterado caso ele fosse reescrito como Me
lembre da Dolores.
7. Considerando-se as regências do verbo esquecer
prescritas para o português, estaria correta a
seguinte reescrita para a oração “Já esqueci a
língua” (v.13): Já esqueci da língua.

8.
1 É preciso compreender que o preso conserva os
demais direitos (educação, integridade física,
2. Na linha 19, a contração “pelas” poderia ser segurança, saúde, assistência jurídica, trabalho e
substituída por com as, mantendo-se a correção outros) adquiridos 4 como cidadão, uma vez que a
gramatical e o sentido do texto. perda temporária do direito de liberdade em
decorrência dos efeitos de sentença penal refere-se
tão somente à liberdade de ir e vir. Isso, geralmente,
7 não é o que ocorre.

No trecho “refere-se tão somente à liberdade de ir e


vir” (l.6), o emprego do sinal indicativo de crase
deve-se ao fato de a locução “tão somente” exigir
complemento antecedido pela preposição a.

9.
16 Corroborando a visão do MPF, o TRF2 entendeu que a
veiculação de vídeos potencialmente ofensivos e fomentadores
do ódio, da discriminação e da intolerância contra religiões de
19 matrizes africanas não corresponde ao legítimo exercício do
direito à liberdade de expressão. O tribunal considerou que a
liberdade de expressão não se pode traduzir em desrespeito às
3. A regência do verbo preferir observada no quarto 22 diferentes manifestações dessa mesma liberdade, pois ela
período do texto é típica da variedade culta do encontra limites no próprio exercício de outros direitos
fundamentais.
português europeu, sendo pouco frequente na
variedade brasileira do português, principalmente
em textos informais. Nas linhas 21 e 22, o emprego do sinal indicativo de
crase em “às diferentes” justifica-se pela regência de
4. No trecho “estado de que meu coração precisava” “desrespeito”, que exige complemento antecedido
(ℓ. 19 e 20), a preposição “de” é regida pela formal da preposição a, e pela presença de artigo feminino
verbal “precisava”, não pela palavra “estado”. plural antes de “diferentes”.

10.

O CONHECIMENTO É O ESCUDO 1
PROFESSORA: JANAINA ARRUDA
TURMA: CARREIRAS POLICIAIS
PORTUGUÊS
DATA: 11/05/2018

foi resolvido. Entretanto, a consciência ou a sensibilidade, a 14. Nas linhas 12 e 13, o emprego da preposição
7 sensação nua e crua da dor de dente, do rubor, do salgado, “com”, em “com a criminalidade e a violência”, deve-
continua sendo um enigma embrulhado em um mistério dentro
do impenetrável. Quando nos perguntamos o que é a se à regência do vocábulo “conexos”.
10 consciência, não temos melhor resposta que a de Louis
Armstrong quando uma repórter perguntou-lhe o que era o jazz:
“Moça, se você precisa perguntar, nunca saberá”.

Seriam mantidos o sentido e a correção gramatical


do texto caso fosse introduzida a preposição sobre 15. Na linha 28, sem prejuízo da correção gramatical
imediatamente após “perguntou-lhe” (l.11). e do sentido original do texto, a preposição “a”, em
“ao qual”, poderia ser suprimida.
11.
7 Com o computador é diferente. Você faz tudo que ele manda.
Ou precisa fazer tudo ao modo dele, senão ele não aceita.
Simplesmente ignora você. Mas se apenas ignorasse ainda
seria
10 suportável. Ele responde. Repreende. Corrige. Uma tela
vazia,
muda, nenhuma reação aos nossos comandos digitais, tudo
bem. Mas quando você o manda fazer alguma coisa, mas
13 manda errado, ele diz “Errado”. Não diz “Burro”, mas está

A correção gramatical do texto seria preservada 16. Na linha 10, é possível a substituição de “de a”
caso se inserisse a preposição a logo após a forma por da, sem que se altere o sentido do texto.
verbal “ignora”, na frase “Simplesmente ignora você”
(l.9).

12.
22 O Sr. Dr. Estêvão Soares levou a sua amabilidade
ao ponto de pedir a comédia para ler segunda vez, e ontem
ao encontrar-se na rua com o Sr. Oliveira, de tal
25 entusiasmo vinha possuído que o abraçou estreitamente,
com grande pasmo dos numerosos transeuntes.
Da parte de um juiz tão competente em matérias 17. Seria mantida a correção gramatical do texto, se
28 literárias este ato é honroso para o Sr. Oliveira. a preposição “de”, em sua primeira ocorrência, no
Estamos ansiosos por ler a peça do Sr. Oliveira, e trecho “de 17 de dezembro de 1663 a 28 de
ficamos certos de que ela fará a fortuna de qualquer teatro. setembro de 1665” (L.6), fosse substituída por entre.
31 O amigo das letras.
13 Só no Império, em 1832, com o Código de Processo
Na linha 29, a oração introduzida pela preposição Penal do Império, iniciou-se a sistematização das ações do
“por” remete a uma ação anterior ao estado descrito Ministério Público. Na República, o Decreto n.º 848/1890, ao
na oração “Estamos ansiosos”. 16 criar e regulamentar a justiça federal, dispôs, em um capítulo,
sobre a estrutura e as atribuições do Ministério Público no
âmbito federal.
13.
22 O Sr. Dr. Estêvão Soares levou a sua amabilidade
ao ponto de pedir a comédia para ler segunda vez, e ontem
ao encontrar-se na rua com o Sr. Oliveira, de tal 18. A correção gramatical do texto seria mantida
25 entusiasmo vinha possuído que o abraçou estreitamente, caso a expressão “sobre a” (l.17) fosse substituída
com grande pasmo dos numerosos transeuntes. por acerca da.

Na linha 23, o termo introduzido pela preposição


“para” exerce a função de complemento do verbo
“pedir”.

Gabarito:
1C 2C 3E 4C 5E 6C 7E 8E 9C 10E 11E 12E 13E
14E 15E 16E 17E 18E

O CONHECIMENTO É O ESCUDO 2

Interesses relacionados