Você está na página 1de 23

MODELO DE SOLOW: O MODELO

BÁSICO Profa. Maria Isabel Busato


SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO
Hipóteses do Modelo
 Economia fechada e sem governo;
 Economia produz um único bem que pode ser investido ou consumido
(PIB);
 Os fatores de produção são transformados através de uma função de
produção que contém um conceito de máximo possível através da
transformação dos Fatores de Produção;
 Mercados competitivos, estrutura de equilíbrio geral, com livre
mobilidade de fatores;
 Preços flexíveis (todos os preços, incluindo juros, salários etc), reagindo à
oferta e procura, logo determinados pela escassez relativa;
Há certo ‘estado das artes’, por ora exógeno.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO

A primeira questão que queremos colocar para discussão é:


É possível que uma economia desfrute de taxas de crescimento
positivas simplesmente economizando e investindo em seu estoque
de capital?
Qual é a resposta do Modelo Básico de Solow para tal questão?
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO

A estrutura básica do Modelo de Solow:


O modelo de Solow foca 4 variáveis: Produto (Y), Capital (K), Emprego
(L) e Tecnologia (A), inicialmente daremos ênfase em um modelo sem
progresso técnico.
O modelo é construído em torno de duas equações:
1) Uma função de produção que descreve como os insumos (K,L) são
combinados para gerar produto (Y)

2) Uma equação de acumulação de capital.


SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: FUNÇÃO DE
PRODUÇÃO
Função de Produção:
𝒀𝒕 = 𝑭(𝑲𝒕 , 𝑳𝒕 )
Onde:
𝑌𝑡 é o fluxo de produto produzido no tempo t;
𝐾𝑡 representa o capital físico, tal com máquina, prédios, etc.;
𝐿𝑡 representa o número de trabalhadores e as horas de trabalho;
 Assume-se um setor de produção no qual o produto é homogêneo e pode ser consumido
(C) ou Investido (I).
 O investimento é usado para criar novas unidades de bens de capital ou para repor a
depreciação.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: FUNÇÃO DE
PRODUÇÃO
Propriedades da função de produção neoclássica:
1) RETORNOS CONSTANTES DE ESCALA
𝐹(λK, λL) = λ F(K,L) para qualquer λ > 0
É importante notar que a definição de escala inclui somente os dois insumos rivais.
2) Rendimentos marginais positivos, mas decrescentes:
𝜕𝐹 𝜕2 𝐹
> 0, <0
𝜕𝐾 𝜕𝐾 2
𝜕𝐹 𝜕2 𝐿
> 0, <0
𝜕𝐿 𝜕𝐿
O uso adicional do fator variável adiciona positivamente o produto, mas essas adições
decrescem com o aumento do uso do fator variável
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: FUNÇÃO DE
PRODUÇÃO
Propriedades da função de produção neoclássica:
3) Condições Inada (Inada, 1963)
𝜕𝐹 𝜕𝐹
lim = lim =∞
𝐾→0 𝜕𝐾 𝐿→0 𝜕𝐿

𝜕𝐹 𝜕𝐹
lim = lim =0
𝐾→∞ 𝜕𝐾 𝐿→∞ 𝜕𝐿
O produto marginal do capital (ou trabalho) se aproxima do infinito se o capital (ou
trabalho) se aproxima a zero, e se aproxima a zero, se o capital (ou trabalho) tende para o
infinito.
4) Essencialidade
𝐹 0, 𝐿 = 𝐹 𝐾, 0 = 0
É Impossível produzir com zero de algum dos insumos.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: FUNÇÃO DE
PRODUÇÃO
Uma forma funcional específica que atenda a tais propriedades, para expressar a Primeira
equação Fundamental do modelo, a Função Cobb-Douglas:
Eq 1 𝑌 = 𝐾 𝛼 𝐿1−𝛼
α é constante com valor 0 < α < 1.
O modelo de Solow quer então mostrar de que maneira o crescimento do estoque de
capital, e o crescimento populacional (sem considerar por ora os avanços técnicos)
interagem e como afetam a produção total de bens e serviços.
a) discutiremos a oferta total a partir de uma função e produção do tipo Cobb-Douglas.
b) apresentaremos a demanda através de sua forma intensiva (variáveis por trabalhador) e
dividiremos a produção por trabalhador (y) em consumo por trabalhador (c) e investimento
por trabalhador (i)
Logo: y = c + i, equação que retomaremos ao longo da exposição
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: FUNÇÃO DE
PRODUÇÃO

A função de Produção na forma intensiva (per capita)


𝑌 𝐾 𝛼 𝐿1−𝛼
= =⇒
𝐿 𝐿
Eq (2) 𝑦 = 𝑘 𝛼
Onde:
𝑌 𝐾
𝑦= 𝑒𝑘=
𝐿 𝐿
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: EQUAÇÃO DE
ACUMULAÇÃO DE CAPITAL

A segunda equação fundamental: Acumulação de Capital


Eq (3) 𝐾 = 𝑠𝑌 − 𝑑𝐾 reescrevendo
𝐾 𝑌
Eq (3.1) =𝑠 −𝑑
𝐾 𝐾

𝐾 = 𝐾𝑡 − 𝐾𝑡−1 variação do estoque de capital por ‘período’, ou seja, 𝐾 = 𝑑𝐾


𝑑𝑡

s = Taxa de poupança => S/Y


d = taxa de depreciação
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: EQUAÇÃO DE
ACUMULAÇÃO DE CAPITAL

Escrevendo a equação de acumulação de capital em sua forma intensiva (em


termos per capita)
𝐾
Sabe-se que 𝑘 = ; Vamos aplicar log e derivar essa equação em relação ao
𝐿
tempo para encontrar taxas.
Log k = log K – log L => Derivando em relação ao tempo temos
𝑘 𝐾 𝐿
Eq (3.2) = − 𝑟𝑒𝑒𝑠𝑐𝑟𝑒𝑣𝑒𝑛𝑑𝑜
𝑘 𝐾 𝐿
𝐾 𝑘 𝐿
Eq (3.3) = + , Igualando 3.3 e 3.1 temos
𝐾 𝑘 𝐿
𝑘 𝑌
Eq (3.3) =𝑠 −𝑑−𝑛
𝑘 𝐾
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: EQUAÇÃO DE
ACUMULAÇÃO DE CAPITAL

(cont...)Equação capital forma intensiva (em termos per capita)


𝑘 𝑌 𝑌 𝐾
Eq (3.3) = 𝑠 − 𝑑 − 𝑛, fazendo ( ) ( ) 𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠
𝑘 𝐾 𝐿 𝐿
Eq (3.4) 𝑘 = 𝑠𝑦 − 𝑑 + 𝑛 𝑘
No estado estacionário 𝑘=0 => 𝑠𝑦 = 𝑑 + 𝑛 𝑘

A equação 3.4 (de acumulação de capital per capita) permite afirmar que:
A acumulação de capital per capita, 𝑘, tende a aumentar se aumenta ‘s’;
e tende a diminuir se a depreciação ou o crescimento populacional
crescem.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: AS DUAS
EQUAÇÕES FUNDAMENTAIS NA FORMA INTENSIVA

Eq (2) 𝑦 = 𝑘𝛼

Eq (3.4) 𝑘 = 𝑠𝑦 − 𝑑 + 𝑛 𝑘 em s.s 𝑠𝑦 = 𝑑 + 𝑛 𝑘

Agora estamos aptos a analisar algumas mudanças em seus parâmetros.


SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: EFEITO MUDANÇA
NA TAXA DE POUPANÇA
As simulações a seguir foram produzidas imaginando uma economia
inicialmente em s.s com as seguintes condições iniciais:
s old: 0,3 ; s new: 0,4 ; k inicial=9 ; d=0,1
À nova taxa de poupança o capital aumenta, mas não imediatamente para o
novo nível de s.s (k*), de modo que ao nível de k inicial, o investimento
supera o necessário para manter k constante. Mais recursos são usados
para i e delta k é positivo, logo k começa a crescer. 𝑘 cai gradativamente
devido à hipótese de rendimentos decrescentes para o capital.
Logo, mudanças na taxa de poupança geram efeito-nível permanente nas
variáveis per capta e efeito taxa apenas temporário.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: EFEITO MUDANÇA NA
TAXA DE POUPANÇA

s ̇ k
0,45 0,70 18
0,4
0,60 16
0,35
0,50
0,3 14
0,25 0,40
12
0,2 0,30
0,15 10
0,20
0,1
0,10 8
0,05
0 0,00 6
49

127
133
1
7
13
19
25
31
37
43

55
61
67
73
79
85
91
97
103
109
115
121

139
145
151 1 16 31 46 61 76 91 106 121 136 151 1 16 31 46 61 76 91 106 121 136 151

i c y
1,8 2,6 4,5

1,6 2,4 4
1,4 2,2
3,5
1,2 2

1 1,8 3

0,8 1,6 2,5


0,6 1,4
2
0,4 1,2

0,2 1 1,5
1 16 31 46 61 76 91 106 121 136 151 1 16 31 46 61 76 91 106 121 136 151 1 16 31 46 61 76 91 106 121 136 151
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: PROPRIEDADES DO S.S.

Em s.s 𝑠𝑦 ∗ = 𝑑 + 𝑛 𝑘 ∗ Os asteriscos indicam que as variáveis se encontram em s.s.


𝑠𝑦 ∗
Logo, 𝑘∗ = , mas 𝑦 ∗ = 𝑘 ∗𝛼
𝑛+𝑑

1
𝑠𝑘 ∗𝛼 𝑠 𝑠
Então 𝑘 ∗ = => 𝑘 ∗1−𝛼 = => 𝑘 ∗ = Substituindo na fção de produção
1−𝛼
𝑛+𝑑 𝑛+𝑑 𝑛+𝑑
𝑦 ∗ = 𝑘 ∗𝛼

𝑠
Temos: 𝑦 ∗ =
1−𝛼
𝑛+𝑑
Assim, em s.s
Δs > 0 => Δy > 0 ou seja, maior taxa de poupança implica nível de produto per capta maior;
Δn ou Δf > 0 => Δy < 0, maiores taxas de cresc populacional ou de depreciação, implicam menor nível de
produto per capta.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: PROPRIEDADES
DO S.S.
Taxa de crescimento do produto agregado Y
𝑌
Sabe-se que 𝑦 =
𝐿
𝑑 log 𝑦 𝑑 log 𝑌 𝑑 log 𝐿 𝑦 𝑌 𝐿
Log y = log Y – log L (derivando em t) temos: = - => = −
𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑦 𝑌 𝐿
𝑦 𝑌
Como em s.s. =0, temos que =𝑛
𝑦 𝑌

Taxa de crescimento do estoque de capital agregado, K


𝐾 𝑘 𝐾
Sabe-se que 𝑦 =  log k = log K – log L (derivando em t) temos: = −𝑛
𝐿 𝑘 𝐾
𝑘 𝐾
Como em s.s. 𝑘=0, temos que 𝐾
=𝑛

Logo a tx de crescimento do produto (Y) e do capital (K) em ss é ‘n’


SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO: SÍNTESE DOS
RESULTADOS
Trajetória de Crescimento equilibrado
Solow Básico – sem progresso técnico
Variável Taxa de crescimento

Y* n
K* n
C* = (1-s) Y* n
I* = sY* n
W* = 1   * Y * n
*   * Y * n
y* 0
k* 0
c*=(1-s) y* 0
i*=sy* 0
w*= 1   * y * 0
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO

Conclusão:
A experiência mostra que crescimento e investimento possuem taxas
positivamente relacionadas no LP e no modelo de Solow o efeito de um
aumento permanente da taxa de poupança (e no investimento) leva apenas a
efeitos transitórios sobre as taxas de crescimento per capta no longo prazo.
Além disso, a experiência mostra que as variáveis per capta têm crescimento
positivo no LP, o que essa versão do modelo também não é capaz de
explicar.

Logo, o modelo básico de Solow não dá uma resposta satisfatória para tais
fatos. As extensões do modelo buscam dar respostas mais aceitáveis para
esses.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO – ANÁLISE DA
DISTRIBUIÇÃO

Análise da Distribuição no modelo neoclássico:


Os fatores de produção são remunerados de acordo com suas produtividades
marginais (isso pode ser derivado das condições de maximização de lucro. Da max
lucro sabe-se que o valor do PmgL (p*PmgL)=W
𝑌 = 𝐾 𝛼 𝐿1−𝛼 (1)
𝜕𝑌 𝐾 𝛼
𝑃𝑚𝑔𝐿 = = 1−𝛼 𝐾 𝛼 𝐿−𝛼 ⇒ 𝑃𝑚𝑔𝐿 = (1 − 𝛼) (2)
𝜕𝐿 𝐿
𝜕𝑌 𝐿 1−𝛼
𝑃𝑚𝑔𝐾 = = 𝛼𝐾 𝛼−1 𝐿1−𝛼 ⇒ 𝑃𝑚𝑔𝐾 = 𝛼 (3)
𝜕𝐾 𝐾
De 2 e 3 pode-se notar que um aumento na quantidade de Trabalho (capital), faz cair (aumentar) a produtividade
marginal do trabalho e aumentar (cair) a produtividade marginal do capital.
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO – ANÁLISE DA
DISTRIBUIÇÃO
Reescrevendo os produtos marginais, para discutir distribuição:
𝑌
𝑃𝑚𝑔𝐿 = 1 − 𝛼 (4) (Para provar basta substituir a função de produção em Y)
𝐿
𝑌
𝑃𝑚𝑔𝐾 = 𝛼 (5)
𝐾
Podemos agora verificar que se os fatores são remunerados às suas respectivas produtividades
marginais, o parâmetro α de fato informa quando da renda se destina à m.d.o e quanto se destina ao
capital.
F(K,L) = (PmgL x L) + (PmgK x K) ou, de modo equivalente:
F(K,L) = wL + rK = Y
O que significa que o pagamento aos fatores exaure o produto. Y = wL + rK e (...)
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO – ANÁLISE DA
DISTRIBUIÇÃO

Disso resulta que o montante total pago à mão de obra é simplesmente igual a (1- α ), vejamos:
𝑌
𝑃𝑚𝑔𝐿 ∗ 𝐿 = 1 − 𝛼 ∗𝐿 ⇒ 1−𝛼 𝑌
𝐿

Logo (1-α)Y é a participação dos salários na produção.


𝑌
𝑃𝑚𝑔𝐾 ∗ 𝐾 = 𝛼 ∗ 𝐾 ⇒ 𝛼𝑌
𝐾

Logo αY é a participação da remuneração do capital na produção.


Esse resultado mostra que a Participação/distribuição da renda correspondente à
m.d.o e ao capital são uma constante. Bem como, a proporção entre a renda do capital
e do trabalho, também são uma constante (α/1- α).
SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO – ANÁLISE DA
DISTRIBUIÇÃO

Logo, graficamente podemos construir (equilíbrio mercado de trabalhos e de


capital) (pegar gráficos nas planilhas de apoio)