Você está na página 1de 134

Farmacologia II

Licenciatura em Farmácia

Diabetes Mellitus

Sofia Viana
DIABETES TIPO I
DIABETES TIPO I
DIABETES TIPO II
Diabetes Tipo 1 Diabetes Tipo 2
Porque é que a Diabetes é uma Preocupação?

Porque atinge
vários orgãos
(Cérebro, Olhos,
Rins, Nervos e
vasos periféricos e
Coração)
e porque tem
consequências
muito graves

Complicações
Crónicas
da Diabetes
Principais Complicações Crónicas da Diabetes
Os Diabéticos apresentam um risco 2 a 4x superior
de EAM e mortalidade CV do que não-diabéticos
Principal causa de internamento dos doentes diabéticos

27%
Porque é que a Diabetes é uma Preocupação?

>65% das Mortes em


Diabéticos são por Causa CV

Outras Causas Doença CV


28% dos internamentos por AVC são de diabéticos
31% dos internamentos por EAM são de diabéticos
Let’s see…
Porque é que a Diabetes é uma Preocupação?
Proporções Epidémicas:
Projeções globais 2011 – 2030

22%
Diabetes Atlas, 5th Ed SPD (IDF, 2011).
Crescimento também em idades mais jovens
A Prevalência da diabetes continua a aumentar em Portugal

Prevalence of Diabetes and Prediabetes


in Portugal (20-79 years)

From: PREVADIAB-SPD, Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes. 2015

40.7 % of portuguese adults have Diabetes or


Intermediate hyperglycemia

More than 3.1 millions of adults


Prediabetes (Hiperglicemia intermédia)

Impaired Fasting Glucose Impaired Glucose Tolerance Glycated hemoglobin


(IFG) (IGT) (HbA1c)
100 110 125 (mg/dl) 140 199 (mg/dl)
5.7 % 6.4 %

WHO WHO
ADA ADA ADA

Prediabetes as a key stage to implement preventive


measures against T2DM development
Como e porquê chegamos a este ponto?
Os GENES ou o AMBIENTE/hábitos?
Tantos os GENES como o AMBIENTE?
Obesidade e Sedentarismo
Também nos adolescentes e jovens…

Obesidade e Sedentarismo
Mortalidade por Diabetes em Portugal vs Europa
7 anos de vida perdidos devido à Diabetes
DIABETES TIPO 2
(não insulinopedendente)

INSULINORESISTÊNCIA

MICRO Hiperglicemia Hiperinsulinemia MACRO


ANGIOPATIAS ANGIOPATIAS

Complicações cardiovasculares

AVC / EAM

INCAPACIDADE MORTE
Graves consequências…
Custos Pessoais e Sócio-Económicos Significativos

- Morte precoce

- Incapacitação grave
- Custos pessoais e
familiares

- Custos económicos
- Invalidez
- Medicação
- Hospitalização
- Cuidados médicos
Porque é que pouco ou nada fazemos?
Porque a Diabetes é uma Doença Silenciosa e Progressiva
Pré-diabetes e Síndrome Metabólica
Síndrome Metabólica e Complicações CVs

CARDIOVASCULAR COMPLICATIONS
Como evolui a doença? O papel da insulina

Normal conditions
Resistência à Insulina - Como?
In diabetic/obese patients
Resistência à Insulina vs Hiperglicemia
Redução da sensibilidade à insulina (Resistência)

Disfunção do receptor (GLUTs) Defeitos na transmissão do sinal

HIPERGLICÉMIA
Resistência à Insulina vs Hiperglicemia

Hiperglicemia
Consequências da Resistência à Insulina

Destruição das células Desenvolvimento de Lesão


Beta pancreáticas Aterosclerótica
Consequências da Resistência à Insulina

Destruição das Formação de


Células Beta lesão aterogénica
Pancreáticas

Evolução da Evolução das


Doença Complicações CVs
Destruição das Células Beta Pancreáticas
Evolução da Doença
Destruição das Células Beta pancreáticas
Evolução da Doença

Destruição das células


Beta pancreáticas

Diabetes
“Declarada”
Formação de lesão aterogénica
Evolução das Complicações CVs

CARDIOVASCULAR COMPLICATIONS
A Resistência à Insulina é só a ponta do Iceberg
Um conjunto de alterações cardiometabólicas
Um estado de Multi-Complicações
Stresse Oxidativo, Inflamação e Resistência à Insulina
Obesity and Sedentarism
(and Genetics)

Adipose Liver
Tissue Muscle

FFAcids Glucose

Oxidative  ROS  Cytokins Chronic


Stress  Antioxidants  Adiponectin Inflammation

INSULIN RESISTANCE

BETA-CELL DYSFUNCTION CARDIOVASCULAR COMPLICATIONS


Hiperglicemia, hiperlipidemia, stresse oxidativo e IR
Hyperlipidaemia

(NADPH oxidase)

Formação de ROS

Glucotoxicidade
Aumento de ROS com redução das defesas antioxidantes
Inflamação e Resistência à Insulina
Inflamação e Resistência à Insulina

Num
indivíduo
Magro
Inflamação e Resistência à Insulina

Num
Indivíduo
Obeso

Diabesidade Lipotoxicidade
Obesidade, inflamação e complicações CVs

Evolução das Complicações CVs Evolução da Doença


Disfunção Endotelial e Estado Pró-trombótico
Stresse Oxidativo, Inflamação e Resistância à Insulina
Obesity and Sedentarism
(and Genetics)

Adipose Liver
Tissue Muscle

FFAcids Glucose

Oxidative  ROS  Cytokins Chronic


Stress  Antioxidants  Adiponectin Inflammation

INSULIN RESISTANCE

BETA-CELL DYSFUNCTION CARDIOVASCULAR COMPLICATIONS


Como prevenir ou Controlar os factores
reverter esta de Risco para a DCV
situação? na Diabetes
Quais são os Factores de Risco
para a DCV na Diabetes
Quais são os
Factores de Risco
para a DCV na Diabetes
Não modificáveis Modificáveis
(ou dificilmente modificáveis)
Factores Risco Não Modificáveis

Hereditários (Diabetes familiar)


Factores Étnicos
Diabetes Gestacional
Idade
Factores Risco Modificáveis
Hiperglicemia e Resistência à Insulina
Obesidade/excesso de gordura abdominal
Inactividade Física (Sedentarismo)
Pressão Arterial Elevada
Dislipidemia (colesterol e TGs)
Hábitos tabágicos, Álcool e Stress
A Obesidade como factor de risco para a Doença CV
Risco de Diabetes em função do quociente cintura/anca
Existe maior prevalência da diabetes em
Obesos ou pessoas com excesso de peso
90% dos Diabéticos têm Excesso de
Peso ou são mesmo Obesos
Como se controlam
os factores de risco

Alterações de Estilo de Vida


e/ou
Terapêutica Farmacológica
Mudanças de Estilo de Vida
Hábitos Dietéticos mais correctos:
Redução de Ingestão de Gorduras e Sal
Mudanças de Estilo de Vida
Actividade Física Moderada e Regular
Actividade Física Moderada e Regular
― Efeitos benéficos a diferentes níveis ―

 Obesidade

 Bem estar
psicológico  Hipertensão

EXERCÍCIO FÍSICO
 Bem estar Regular
 Osteoporose
Físico Moderado
Aeróbico

 Tonicidade  Dislipidemia
Muscular

Diabetes

( Glicemia)
Mudanças de Estilo de Vida
Alteração de outros hábitos: Tabaco e Álcool

Evitar Stress
Controlo da Glicemia (HbA1c), PA e Obesidade
Medicação (a diferentes níveis)

Statins
Fibric acid derivatives Dyslipidemia

ACE inhibitors
ARBs
β-blockers
CCBs Hypertension
Diuretics
Metformin
TZDs
Sulfonylureas Hyperglycemia
Nonsulfonylureas Insulin resistance
Secretagogues
Insulin
Incretinas Atherosclerosis
ASA Platelet activation
Clopidogrel and aggregation
Ticlopidine
ANTIDIABÉTICOS ORAIS
Objectivos Terapêuticos no
Tratamento da Diabetes

Controlo intensivo
da Glicémia
(HbA1c)

3 Importantes Ensaios
Clínicos
(ACCORD, ADVANCE e VADT)
Sugeriram que não
tem impacto
significativo na
redução de eventos e
mortalidade CVs
R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
É necesssário mais do que controlo glicémico…

Evitar a Prevenir a
progressão da progressão das
Doença complicações

Efeito protector Efeito citoprotector nos


das Células Beta Órgãos alvo:
Pancreáticas - Coração e - Vasos
- Rins, - Retina e - Nervos

Há algum fármaco capaz de o fazer?


Incretinas em condições fisiológicas:

Gastric inhibitory polypeptide (GIP)

Glucagon-Like Peptide-1 (GLP-1)


Incretins – under physiological conditions
Incretinas em condições fisiológicas:
Terapias “Incretin-Based”
i) Inibidores da Dipeptidil Peptidase-IV (DPP-IV)
Vildagliptina
Sitagliptina
Saxagliptina

ii) Análogos da Glucagon-Like Peptide-1 (GLP-1)


Exenatide (Byetta)
Liraglutide
Albiglutide
Several tissue protective actions (including Pancreas)
Glucose/ Lipid Insulin
HbA1c Metabolism Resistance

Oxidative stress Inflammation Apoptosis

Pancreas -cell
Nephropathy
Gliptins
\
Liver and Muscle
Retinopathy
Adipose Tissue
Neuropathy
Heart & vessels

Macrovascular complic.
Microvascular complic.
R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
(Continuação)

R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
Quadros especiais

R. Duarte, J. Silva Nunes, J. Dores, E. Rodrigues, J. F. Raposo, D. Carvalho, P. C. Melo, J. Sequeira Duarte, C. Simões Pereira, J. L. Medina, pelo Grupo de
Trabalho para as Recomendações Nacionais da SPD para o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2. Recomendações Nacionais da SPD para
o Tratamento da Hiperglicemia na Diabetes Tipo 2 – Versão Resumida. Revista Portuguesa de Diabetes. 2013; 8 (1): 30-41.
Quadros especiais (continuação)
Quadros especiais (continuação)
Quadros especiais (continuação)
Let’s see…