Você está na página 1de 397

TALMUD BAVIL

Livro 7
traduzido por MICHAEL L. RODKINSON
Livro 7 (Vol. XIII e XIV)

[1918]

Tratado Baba Bathra (Último Portão)


TALMUD BAVIL
traduzido por MICHAEL L. RODKINSON
Livro 7 (Vol. XIII e XIV)

[1918]

Tratado Baba Bathra (Último Portão)

Tratado Baba Bathra, Parte I

Página de
rosto Notas Explicativas Conteúdo de
Dedicação Sinopse dos Sujeitos do Tratado Baba Bathra (Último
Portão). Capítulo I Capítulo II Capítulo III Capítulo IV Capítulo V Apêndice

Tratado Baba Bathra, parte II

Título Página
Explicações Observações Conteúdo da
Dedicação Sinopse dos Sujeitos Capítulo VI Capítulo VII Capítulo
VII. Capítulo IX Capítulo X
p. Eu

NOVA EDIÇÃO

DO

TALMUD BAVIL
Texto Original, Editado, Corrigido, Formulado e Traduzido para o Inglês

DE

MICHAEL L. RODKINSON
SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA (DANOS)

TRATADO BABA BATHRA

(ÚLTIMA PORTA, PARTE I.)

Volume V. (XIII.)

BOSTON

A SOCIEDADE DE TALMUD

1918

Escaneado em Sacred-texts.com, outubro de 2002. JB Hare, redator.


p. ii

OBSERVAÇÕES EXPLICATIVAS
Na nossa tradução, adotamos esses princípios:

I. Tenan do original - Nós aprendemos em um Mishna; Tania - Nós


aprendemos em um Boraitha; Itemar - foi ensinado.

2. As perguntas são indicadas pelo ponto de interrogação e são imediatamente


seguidas pelas respostas, sem serem marcadas.

3. Quando no original ocorrem duas declarações separadas pela frase, Lishna


achrena ou Waïbayith Aema ou Ikha d'amri (literalmente, "caso contrário
interpretado :), traduzimos apenas o segundo.

4. Como as páginas do original são indicadas em nossa nova edição em


hebraico, não é considerado necessário marcá-las na edição em inglês, sendo
esta apenas uma tradução da segunda,

s. Palavras ou passagens entre parênteses () denotam a explicação dada por


Rashi à sentença ou palavra anterior. Os parênteses quadrados [] contêm
comentários das autoridades do último período de construção do Gemara.

COPYRIGHT, 1903, DE MICHAEL L. RODKINSON.

COPYRIGHT 1916, DA NOVA SOCIEDADE PUBLICAÇÃO DE


TALMUD
p. iii

PARA ELE

QUEM É O FILHO DA SUA FILANTROPIA E A HUMANIDADE

ALTAMENTE REALIZADA PELAS PESSOAS DE MAIOR

NOVA YORK E PAÍS

O SAMUEL GREENBAUM HONROSA

JUSTIÇA DO TRIBUNAL SUPREMO

ESTE VOLUME É RESPEITOSAMENTE DEDICADO PELO SUA


ADMIRER

E AMIGO

MICHAEL L. RODKINSON

Nova York, 1º de janeiro de 1902.


p. v

CONTEÚDO.
CAPÍTULO I.
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS CASAS, PÁRAIS E CAMPOS EM
PARCERIA OU EM CONJUNTO; A PARTILHA EM PARTIÇÕES, CERCAS E
PAREDES; OLHANDO PARA A PROPRIEDADE DE OUTRO; RECLAMAÇÕES
PAGAS ANTES DE DEVIDO; DEVERES DE UM PARA SUA CIDADE - RUAS, ETC
.; CIDADANIA POR LAPSO DE TEMPO E RELATIVAMENTE AO TAMANHO DE
UM JARRO RESPONSÁVEL PELA DIVISÃO 1
CAPÍTULO II.
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS AO ESPAÇO A SER ESQUERDO
ENTRE UM IMÓVEL EO OUTRO, SER DE UM OU DOIS TIPOS. Sob quais condições
um inquilino pode colocar um forno em sua habitação. EM QUE CIRCUNSTÂNCIAS
UMA LOJA EM UM JARRO PODE SER PREVENTIDA. RELATIVAMENTE AO
ESPAÇO A SER ENTREGUE ENTRE CIDADE E COBERTURAS DE POMBOS,
ÁRVORES, CAVES, CEMITÉRIOS E TRANSPORTE 55
CAPÍTULO III
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS À OCUPAÇÃO (HAZAKAH) - EM QUE
TEMPO E EM QUE RESPEITAR DÁ TÍTULO. REPLEVINS POR
TRIBUNAL. PROPRIEDADES OCUPADAS POR UM DEFENDENTE QUE É MAIS
DO QUE O AUTOR, MAS IGUAL, EM EVIDÊNCIA. UM PROTESTO CONTRA A
OCUPAÇÃO EM SUA PRESENÇA OU AUSÊNCIA POR UM DOS
ADMINISTRADORES. A escrita das contas de venda e ações de presente. OCUPANTES
QUE VINHAM DE HERANÇA. AS OCUPANTES DE ESPECIALISTAS,
PARCEIROS, JARDINS E GUARDIÕES. OBTER PROPRIEDADES DOS
COLECIONADORES CONTRATANTES DE ATRIBUIÇÕES E
IMPOSTOS. ASSISTÊNCIA - DE QUEM PODEM SER ACEITES. PROPRIEDADES
PESSOAIS PARA AS QUAIS A LEI DE OCUPAÇÃO FAZ E NÃO SE
APLICA. ABERTURA DE JANELAS E PORTAS PARA PROPRIEDADES DE
VIZINHOS OU PARCEIROS, E CONSTRUÇÃO DE CAVERNAS, PITES, ETC., SOB
TERRA PÚBLICA 83
p. vi

CAPÍTULO IV
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS A VENDAS INCONDICIONAIS E
CONDICIONAIS OU PRESENTES DE EDIFÍCIOS, CASAS E PALÁCIOS: O QUE É E
O QUE NÃO ESTÁ INCLUÍDO; E TAMBÉM RELATIVAMENTE AOS JARDINS,
CASAS DE BANHO E CASAS DE PRENSA PARA O PETRÓLEO E
VINHO. VENDAS DE TODAS AS CIDADES, VALES, CAMPOS, POÇOS, ETC. 147
CAPÍTULO V.
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS VENDAS DE NAVIOS, BARCOS,
ANIMAIS E EQUIPAS; SOBRE OS OLHOS DE POMBOS E BEASTS; ÁRVORES,
COM O SOLO E SEM. COMO ADQUIRIR TÍTULO À FRUTA E FLAX DE ARTIGOS
QUE SE TORNARAM MAIS OU MAIS BARATOS ENTRE O TEMPO DE VENDA E
ENTREGA. EM QUE TEMPO OS COMERCIANTES E LOJISTAS TINHAM QUE
CORRIGIR SEUS PESOS E MEDIDAS, E DE QUE MATERIAL OS PESOS PODEM E 167
NÃO PODERÃO SER REALIZADOS?
APÊNDICE A MISHNA I., CAP. III., PÁGINA 83 214
p. vii

SINOPSE DE ASSUNTOS

DO

TRATADO BABA BATHRA


(ÚLTIMA PORTA).
CAPÍTULO I.

MISHNAS eu . Para III. No caso de dividir parcerias em um pátio, onde e de


que parede será construída. Está negligenciando a propriedade de outro
considerado injurioso? De que tamanho o quintal deve ser adequado para a
divisão. Uma casa de oração pode ser desmontada antes que o novo prédio
esteja pronto? A lenda de Herodes, o grande, com Simeão b. Shatuh Como
Herodes construiu o templo sem o consentimento do governo romano. No que
diz respeito a partições, cercas em jardins de parceiros e vales. O prefeito não
pode ser obrigado a participar das despesas das cercas se o patrimônio de um
vizinho estiver cercado por três lados? Se há uma parede, e um dos
proprietários afirma que seu vizinho não suportou sua parte da despesa. Um
devedor que diz: eu paguei minha dívida antes do vencimento. Se o
demandante exigisse seu dinheiro muito depois do vencimento. Aquele que
afirma: "Eu nunca pedi emprestado" deve ser considerado como se ele
dissesse: "Eu nunca paguei". Como e onde é um parapeito a ser feito e de que
tamanho? Se houvesse dois pátios um sobre o outro; havia dois inquilinos e o
telhado do inferior afundou; houve um que construiu um muro contra a janela
do seu vizinho, etc. Dois irmãos dividiram um legado, um palácio e um belo
jardim, e este último construiu um muro na borda do jardim. Havia uma nota
pertencente a órfãos, contra a qual a outra parte mostrava um recibo, um
palácio e um belo jardim, e este construiu um muro na beira do jardim. Havia
uma nota pertencente a órfãos, contra a qual a outra parte mostrava um
recibo, um palácio e um belo jardim, e este construiu um muro na beira do
jardim. Havia uma nota pertencente a órfãos, contra a qual a outra parte
mostrava um recibo,1 a 16

MISHNA IV. A partilha na construção de um portão para um pátio, bem como


para uma muralha da cidade. Quem é obrigado a pagar impostos e taxas de
uma cidade? O rabino abriu seus celeiros de cereais nos anos de fome, etc. Por
quanto tempo alguém deve morar em uma cidade para ser taxado? A caridade
deve ser recolhida por duas pessoas e distribuída por três. Um pode ser
prometido ou não para caridade? Quem dos pobres deve ser investigado antes
do apoio, e quem apoiou imediatamente sem inquérito? E aquele que implorou
de porta em porta? A virtude da caridade é igual à soma das virtudes de todos
os outros mandamentos juntos. "Foi-me dito pela criança que foi corrigida por
sua mãe", etc. Aquele que está fazendo caridade secretamente é maior do que
Moisés, nosso mestre. Como está o verso, Prov. xxi. 21, para ser
entendido? Todo aquele que fizer o seu trabalho de fazer caridade será
abençoado com filhos tendo sabedoria, riqueza, etc. A discussão de Aqiba
com Tarnusruphus. Como as despesas anuais do agregado familiar para um
são apontadas (no céu) em cada Rosh Hashana, assim são seus
p. viii

perdas. Graça é caridade que se aproxima dos redentores, etc. Como os


nascidos de Israel podem ser criados? Rabban Johanan b. Zakkai questionou
seus discípulos quanto ao significado do verso, Prov. xiv. 34, etc. Iphra
Hurmiz, a mãe do Rei Sabur, enviou quatro cem dinares para a caridade para
R. Ammi, etc. Se alguém comprou um pedaço de terra, ainda que pequena, ele
é considerado um cidadão imediatamente, 16 -32

MISHNA V. Os parceiros não podem se obrigar a dividir. Esta é a regra: se,


após a divisão, cada parte retiver seu nome anterior, então pode-se obrigar o
parceiro a dividir. Um quintal deve ser dividido de acordo com as portas, etc.
Os quatro ells que são permitidos para cada porta são para descarga. Se um
dos habitantes de um beco deseja abrir a porta que leva do seu quintal para
outro beco. Habitantes de becos que desejam fazer portas para a rua podem ser
impedidos pelo público. A profecia foi tirada dos profetas e foi dada aos
sábios, aos lunáticos e aos filhos (como isso deve ser entendido). Havia um
homem que comprou uma propriedade perto da propriedade de seu sogro (que
não tinha filhos do sexo masculino). A lei "Ou você admite ou eu concedo",
quando é aplicada? O caso das escravas que Huna legou a seus filhos. Podem
ou não os livros da Bíblia serem ligados juntos? Qual deve ser o tamanho dos
rolos sagrados? O que foi colocado na arca e como. A ordem dos profetas e
quem os escreveu? Quem era Jó - um israelita ou um gentio - e a que horas
existia se existisse? As lendas sobre Satanás e Jó. Satanás foi mais afligido do
que o próprio Jó, etc. Satanás e Penina tentaram (com suas acusações) agradar
ao Céu, etc. A explicação das passagens dirigidas para fora do vento da
tempestade, etc., etc. Por que Jó não foi duplamente recompensado com filhas,
como ele estava com os filhos e com toda a sua propriedade? Há três para
quem o Santo, bendito seja Ele, deu um gostinho do mundo que virá neste
mundo. Há seis a quem o anjo da morte não dominou. Há quatro que
morreram sem pecado e como. A ordem dos profetas e quem os
escreveu? Quem era Jó - um israelita ou um gentio - e a que horas existia se
existisse? As lendas sobre Satanás e Jó. Satanás foi mais afligido do que o
próprio Jó, etc. Satanás e Penina tentaram (com suas acusações) agradar ao
Céu, etc. A explicação das passagens dirigidas para fora do vento da
tempestade, etc., etc. Por que Jó não foi duplamente recompensado com filhas,
como ele estava com os filhos e com toda a sua propriedade? Há três para
quem o Santo, bendito seja Ele, deu um gostinho do mundo que virá neste
mundo. Há seis a quem o anjo da morte não dominou. Há quatro que
morreram sem pecado e como. A ordem dos profetas e quem os
escreveu? Quem era Jó - um israelita ou um gentio - e a que horas existia se
existisse? As lendas sobre Satanás e Jó. Satanás foi mais afligido do que o
próprio Jó, etc. Satanás e Penina tentaram (com suas acusações) agradar ao
Céu, etc. A explicação das passagens dirigidas para fora do vento da
tempestade, etc., etc. Por que Jó não foi duplamente recompensado com filhas,
como ele estava com os filhos e com toda a sua propriedade? Há três para
quem o Santo, bendito seja Ele, deu um gostinho do mundo que virá neste
mundo. Há seis a quem o anjo da morte não dominou. Há quatro que
morreram sem pecado Satanás foi mais afligido do que o próprio Jó, etc.
Satanás e Penina tentaram (com suas acusações) agradar ao Céu, etc. A
explicação das passagens dirigidas para fora do vento da tempestade, etc., etc.
Por que Jó não foi duplamente recompensado com filhas, como ele estava
com os filhos e com toda a sua propriedade? Há três para quem o Santo,
bendito seja Ele, deu um gostinho do mundo que virá neste mundo. Há seis a
quem o anjo da morte não dominou. Há quatro que morreram sem
pecado Satanás foi mais afligido do que o próprio Jó, etc. Satanás e Penina
tentaram (com suas acusações) agradar ao Céu, etc. A explicação das
passagens dirigidas para fora do vento da tempestade, etc., etc. Por que Jó não
foi duplamente recompensado com filhas, como ele estava com os filhos e
com toda a sua propriedade? Há três para quem o Santo, bendito seja Ele, deu
um gostinho do mundo que virá neste mundo. Há seis a quem o anjo da morte
não dominou. Há quatro que morreram sem pecado deu um gostinho do
mundo para vir neste mundo. Há seis a quem o anjo da morte não
dominou. Há quatro que morreram sem pecado deu um gostinho do mundo
para vir neste mundo. Há seis a quem o anjo da morte não dominou. Há quatro
que morreram sem pecado32 -54

CAPÍTULO II.

MISHNAS eu . Para III. Quanto espaço deve ser deixado entre uma
propriedade e outra? Para quem é retirar-se de suposta lesão, o suposto
injuriador ou aquele que seria ferido? É preciso remover uma lagoa para
embeber o linho das ervas, o alho das cebolas e a mostarda das abelhas. Três
vãos de espaço e rebocadas com cal - ambos são necessários, ou um deles é
suficiente? É permitido a alguém anular sua urina perto da parede do
vizinho? Sob quais circunstâncias pode-se ou não colocar um forno no andar
inferior de uma casa. Um dos parceiros em um pátio pode impedir que seu
parceiro crie uma loja ou não? Com que idade uma criança pode ser levada
para a escola. A promulgação de Josué b. Gamla sobre o ensino de
crianças. Em que circunstâncias a afirmação "Você está cortando meu
sustento" se aplica? "55 -67
MISHNAS IV . Para XII . A que distância uma escada deve ser removida do
pombal do vizinho. A distância entre um pombo e a cidade. Se um caso que
deveríamos julgar por uma maioria seria diferente se
p. ix

de acordo com a proximidade, como deve ser julgado? Quanto espaço deve
ser deixado para a cidade ao plantar uma árvore frutífera do lado de fora; e
quanto a um selvagem, a uma alfarroba e a um sicômoro. Quanto aos celeiros,
aos cemitérios e aos curtumes. A Shekhinah ocupa todo lugar. O mundo é
como uma varanda sem a quarta parede, etc. De que lado da cidade um
curtume pode ser colocado. Aquele que deseja aumentar sua sabedoria,
recitará suas orações para o sul, etc. A uma distância de vinte e cinco elfos
deve ser deixado quando se planta uma árvore, etc. Não se deve plantar uma
árvore perto do campo de seu vizinho, etc. É proibida a derrubada de uma
árvore que dê fruto à medida de uma praga. Uma árvore que esteja a menos de
dezesseis metros da fronteira da propriedade de outro é considerada roubo,
etc. Se os galhos de uma árvore estiverem inclinados para o campo de outra
árvore, O que é para ser feito? Os galhos de uma árvore que pendem do solo
público podem ser cortados, de modo que um veio com seu cavaleiro pode
passar livremente,67 -82

CAPÍTULO III

MISHNA I. A lei da ocupação - para o que faz e não se aplica. De onde é


deduzido? Que horas são necessárias para isso e como um protesto contra ele
deve ser feito. Os três anos de hazakah devem ser interrompidos? Quem atesta
a ocupação das casas? Os muitos casos de casas ocupadas que os proprietários
reivindicaram trouxeram perante diferentes rabinos dos Amoraim que
decidiram de forma diferente. Se alguém afirma: "Foi dos meus pais", e o
outro afirma o mesmo. Houve um que disse: "Eu possuía um documento mas
perdi o verdadeiro, e esta é uma cópia correta", houve outro caso semelhante a
respeito de uma centena de zuz em dinheiro. Foi murmurado entre as pessoas
que Rabha b. Sharshum se apropriara de terras pertencentes a órfãos, e Abayi
mandou buscá-lo. Um arrancou um pedaço de prata de seu vizinho e o caso
foi levado antes de R. Ami. Havia um barco sobre o qual duas partes
brigavam, cada uma alegando que era dele. Se cada uma das partes alegar:
"Esta propriedade pertencia aos meus pais." Se testemunhas testemunharam
que o queixoso carregou uma cesta de frutas deste campo sobre os ombros do
acusado, a hazakah é efetuada imediatamente. Está arando uma hazakah ou
não? Se alguém fez um hazakah nas árvores e outro no chão, o dono das
árvores dividiu o solo? ou não? Se alguém fez um hazakah nas árvores e outro
no chão, o dono das árvores dividiu o solo? ou não? Se alguém fez um
hazakah nas árvores e outro no chão, o dono das árvores dividiu o solo?83 -
100
MISHNAS II . E III . Há três terras concernentes à lei de hazakah. Se alguém
foge de uma cidade por causa do crime, e um ocupa sua propriedade, a lei de
hazakah se aplica. Como se deve protestar? Um protesto não é na presença de
alguém para ser considerado? Em que circunstâncias o tribunal anuncia ao réu
que sua propriedade será vendida. Como é quando ele lhes disse para escrever
um ato de presente sem uma explicação? Um hazakah para o qual não há
reclamação não deve ser considerado. Como assim? O que aconteceu com
Anan e Kahana, que colocaram suas cercas nas propriedades dos outros. Se o
pai consumiu um ano e seu filho dois, ou vice-versa, ou cada um deles um ano
e o comprador deles um ano, é considerado uma hazakah? A lei da hazakah
não se aplica a especialistas, agricultores, etc. Pode alguém que deveria estar
interessado em um caso ser uma testemunha? Alguém tem o direito de dizer:
"Eu me desliguei completamente desta propriedade"? Se A roubou B de um
campo e o vendeu para C, então D vem com uma reclamação, B tem então o
direito de ser uma testemunha de C? Se alguém vendesse um campo para o
vizinho sem
p. x

segurança, ele não tem o direito de se qualificar como testemunha sobre


isso. O anúncio de Rabha ou Papa sobre um artigo que um gentio tira de um
israelita. Se alguém deu a sua roupa a um especialista, este último
reivindicando dois zuz e o proprietário um. Se alguém trocou seus utensílios
por outros na casa de um especialista, etc. "Venha e eu lhe direi o que os
vigaristas de Pumbeditha estão fazendo." Pode um jardineiro ser levado como
testemunha em caso de reclamação ou não? Um ladrão - nem ele nem seu
filho tem hazakah, mas seu neto tem. Um especialista ou um jardineiro que
cessou sua profissão, um filho separado de seu pai e uma mulher divorciada -
todos eles são considerados, em um caso de hazakah, homens em geral. Se
alguém vendeu sua propriedade por coação, a venda é válida. Por quê? Tabba
enforcou Pappi em uma árvore, para obrigá-lo a vender-lhe o seu campo. Se
testemunhas testemunharem, assinaram uma nota cujo valor ainda não havia
sido pago, mas foi preparado pelo mutuário para o caso de encontrar alguém
que lhe desse o empréstimo. "Eu fiz isso apenas com a intenção de agradar
meu marido, mas não com a intenção de vendê-lo." Não há ocupação na
propriedade de uma mulher casada? Se alguém pediu emprestado ao seu
fiador e sobrecarregou sua propriedade para ele por um documento, e depois
ele o libertou? Não se deve aceitar resgates de mulheres, escravos ou
crianças. Se alguém que era o homem de negócios da casa, e as notas de
venda e notas estavam em seu nome, afirma: "Tudo isso é meu" - qual deveria
ser a evidência? Concernente a um presente ou herança de irmãos. Não é
dever de todo israelita salvar a propriedade de seu vizinho de danos quando o
perigo está próximo? Não pode haver hazakah melhor do que levantar, já que
esse ato dá título a um em tudo. O patrimônio dos idólatras, se vendido a um
israelita, e o segundo não fez hazakah sobre ele, é como um deserto. Se um
israelita compra um campo de um gentio e outro israelita vem e toma posse
dele (antes que a nota fiscal chegue ao comprador). "Foi-me dito pelo Exilarch
Uqban as seguintes três coisas: ( Se um israelita compra um campo de um
gentio e outro israelita vem e toma posse dele (antes que a nota fiscal chegue
ao comprador). "Foi-me dito pelo Exilarch Uqban as seguintes três coisas:
( Se um israelita compra um campo de um gentio e outro israelita vem e toma
posse dele (antes que a nota fiscal chegue ao comprador). "Foi-me dito pelo
Exilarch Uqban as seguintes três coisas: (a ) Que a lei do governo deve ser
respeitada como uma lei da Torá, "etc., 100 -134

MISHNAS IV . Para X. O que e sob quais circunstâncias as testemunhas


colusivas precisam pagar. Se houvesse três irmãos e um estranho. Há uma
diferença no uso de artigos - em alguns casos aplica-se hazakah e, em alguns
casos, não. Essa regra sempre é válida? Os maravilhosos ditos e atos de
Bnaha. Hazakah não se aplica a canos móveis presos a drenos, etc. O que deve
ser considerado uma janela egípcia? Para um invólucro do tamanho de uma
extensão em largura, hazakah se aplica. Não se deve abrir as janelas para o
quintal, mesmo quando ele é um parceiro nele. Não se deve abrir, em um pátio
pertencente a parceiros, uma porta ou janela oposta à do parceiro, etc. Não se
deve fazer um buraco em terreno público. "Havia recintos da propriedade do
R. Ammi em frente a um beco" etc. Quando o segundo templo foi
destruído, muitos de Israel se separaram de comer carne e beber vinho. Tal
coisa não deve ser decretada, que a maioria da congregação não poderia
suportar,134 -146

CAPÍTULO IV

MISHNAS eu . Para v . Se alguém vende uma casa incondicionalmente. Se


alguém vende uma propriedade, ele deve escrever na nota fiscal: "Eu não
reservo nada para mim". Se E possui um campo adjacente ao campo de A de
leste a oeste, e B é de
p. XI

norte a sul, e ele vem para vendê-lo, etc. Se A e B eram parceiros em um


campo, e A vendia sua parte para C. Se alguém vendesse uma casa com a
estipulação de que a diya superior (câmara) estava reservada para ele . Se
alguém vendeu a casa para um homem e os diæta para outro. O título não é
dado a um poço, embora seja mencionado que se vendeu a profundidade e a
altura. A diferença entre uma venda e um presente. Se vendesse uma casa, ele
vendia a porta, o ferrolho e a fechadura, mas não a chave. Se alguém vendesse
um quintal, as casas. paredes, caves e cavernas estão incluídos, mas não
propriedade móvel. Se alguém vende uma gráfica, a venda inclui a calha, a
prensa ou a prensa, etc., 147-166.
MISHNAS VI . TO IX . Se alguém vende uma casa de banho, a venda não
inclui as tábuas no chão. Se alguém vende uma cidade, a venda inclui casas,
etc., mas não propriedade móvel. Se alguém vende um campo, a venda inclui
as pedras que são necessárias para seu uso. Da passagem, Gen. xxxiii. 17,
inferimos que o limite é vendido ao comprador com o campo
biblicamente. Um depositário que afirma que devolveu o depósito, etc. Ao
vender um campo, se ele contém um poço, cisterna, etc., eles não estão
incluídos na venda 158 -166

CAPÍTULO V.

MISHNAS eu . Para v . Como se deve adquirir o título de um barco? Para uma


nota promissória, o título é dado por transferência e nota de venda: adquirir
título para ela e para todas as dívidas que ela contém é tradicional e também
de acordo com o senso comum. Uma nota de venda a um vagão não inclui as
mulas quando não engatadas, e vice-versa . O valor pago pode servir como
prova? Se alguém vende uma bunda, o chicote não está
incluído. O khumni não está incluído no arnês. O que faz khumnisignificar? Se
alguém vendeu uma bunda, seu potro é vendido; mas se uma vaca, o bezerro
não é. Se alguém compra a ninhada de um galinheiro; de uma colméia. Se
alguém compra uma árvore para cortá-la, ela deve começar uma extensão do
solo; um sicômoro inoculado, três vãos; um tronco de sycamores, dois. Se
exatamente três vãos, é benéfico para o crescimento da árvore, etc., 167 -175

MISHNAS VI . TO IX . Se alguém comprar duas árvores dentro do campo de


seu vizinho, o solo abaixo não é vendido; se três, é. Em relação às ofertas de
primeiros frutos. Se os galhos fossem largos. Quanto espaço deve ser deixado
entre as árvores em questão, que deve ser considerado o comprador? Um ato
praticado é mais importante para provas. Como deve ser o chão? saudade para
o comprador ser medida? Se alguém vendeu duas árvores situadas em seu
campo e uma na fronteira. Existem quatro costumes legais relativos a
vendas. Se alguém vendesse trigo vermelho-escuro e se encontrasse branco,
ou vice-versaPor que atos o título é dado à fruta e ao linho? Os vasos do
comprador dão título a ele em todo lugar, exceto em locais públicos. Existem
quatro costumes legais que dizem respeito aos vendedores, etc. O título de
propriedade é adquirido por dinheiro, escritura ou hazakah; e ao título de
propriedade pessoal é dado apenas por desenho. Para uma coisa que
geralmente é levantada, o título é dado levantando; e geralmente desenhado,
desenhando. Se alguém contratar um empregado para trabalhar para ele no
celeiro por um dinar por dia, com a condição de que ele trabalhe para ele pelo
mesmo preço na época da colheita. Se alguém vendeu vinho ou azeite, e que
ser vem mais caro ou mais barato, 175 -190

MISHNAS X . E XI . Se alguém manda seu filhinho ao lojista com


um pundiun (dupondius), mas a criança perde o issar e quebra o copo. E se
p. xii

um toma um vaso de um especialista, para examiná-lo, ele é responsável por


um acidente. O atacadista deve limpar suas medidas uma vez em trinta dias. O
excesso de peso deve ser dado e quanto? A punição por medições falsas é
mais difícil do que por adultério. É mais difícil enganar um plebeu do que
enganar o santuário. A balança deve estar pendurada em três vãos no ar, etc.
Pesos não devem ser feitos de estanho, chumbo, cassiterita ou outros tipos de
metal. Não se deve manter em sua casa uma medida injusta, mesmo que ele a
use para uma câmara. Se os anciãos da cidade quiserem ampliar as medidas,
não devem ser mais do que um sexto deles. Do verso Ezek. xlv. 12 podem ser
inferidas três coisas, etc. "Aqueles que previnem frutos" etc. - quem são
entendidos por isso? Não deve ser exportado da Palestina coisas pelas quais se
sustenta. Pode ser rezado soprando chifres mesmo no sábado, quando os
negócios se tornam monótonos. Não se deve emigrar da Palestina para
outroprovíncias , a menos que o preço do grão tenha aumentado, etc. "Quando
nosso pai Abraão partiu deste mundo, todos os grandes homens das nações se
levantaram em um arquivo e disseram:" etc. "Eu me lembro quando uma
criança costumava quebrar um pedaço de alfarroba, filetes de mel vazariam
"etc., 190 -203

HAGADAH

As famosas lendas de Rabba bb Hana: Ondas, Hurnim ben Lilith, um roebuck


de um dia, jacaré. O peixe que destruiu sessenta cidades. O peixe com duas
barbatanas. Sobre o leviatã, masculino e feminino. O banquete dos justos no
mundo por vir. O pássaro com a cabeça no céu. Os gansos dos quais um rio
inteiro de gordura estava correndo. O comerciante árabe que acompanhou
Rabba no deserto e mostrou-lhe a morte do deserto na época de Moisés. O
lugar onde Korach com sua companhia foi engolido, onde a terra e o céu se
encontram, etc. O que R. Johanan tem a dizer. Jehuda da Mesopotâmia. O que
aconteceu com Eliezer e Jehoshua enquanto estava no navio. O que Huna
b. Nathan contou. As copas ( chupas ) para cada vertical no mundo por vir. Os
dez chupasfeito para Adão o primeiro no paraíso. Sobre Hiram, o rei de Tiro,
que dizia ser um deus. O aumento de Jerusalém no futuro, 203 -213

APÊNDICE.

Usucapio na lei romana 214


p. 1

TRACT BABA BATHRA (ÚLTIMA


PORTA).
CAPÍTULO I.

REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS CASAS, PÁRAIS E


CAMPOS EM PARCERIA OU EM CONJUNTO; A PARTILHA EM
PARTIÇÕES, CERCAS E PAREDES; OLHANDO PARA A
PROPRIEDADE DE OUTRO; RECLAMAÇÕES PAGAS ANTES DE
DEVIDO; DEVERES DE UM PARA SUA CIDADE - RUAS, ETC
.; CIDADANIA POR LAPSO DE TEMPO E RELATIVAMENTE AO
TAMANHO DE UM JARRO RESPONSÁVEL PELA DIVISÃO.

MISHNA I.: Parceiros em um pátio cercado por duas casas, cada uma delas
pertencente a um dos parceiros, um dos quais (ou ambos) podem querer fazer
uma Me'hitza (partição) no quintal, a parede deve ser construída em o meio
exatamente. O material para isso e todas as outras coisas deve ser como é
habitual no país; a saber: no caso de pedras desnudas (das quais a espessura é
geralmente de seis vãos), cada uma delas deve dar a sua parte de espaço e
material por três vãos; no caso de pedras lavradas, para dois e meio; no caso
de meias tijolos, entre os quais geralmente se inserem areia e pequenas pedras,
para dois; e no caso de tijolos inteiros, um e meio se estende a cada um
deles. Portanto, quando acontece que tal muro cai, o espaço e o material dele
pertencem a ambos igualmente. O mesmo acontece com um jardim em lugares
onde eles são geralmente cercados: se um dos parceiros deseja construir uma
cerca, o outro não pode impedi-lo, nem reter sua parte da despesa. Nos vales,
no entanto, em lugares onde não é comum cercar, não se pode obrigar seu
parceiro a compartilhar com ele, mas ele pode construir uma cerca sobre sua
própria porção, e fazer um cercado do lado de fora (como um sinal de que
pertence apenas a ele); e, portanto, se tal cerca cair, o material pertence
somente a ele. Se, no entanto, tal for construído conjuntamente, deve estar
exatamente no meio, e um invólucro deve ser feito em ambos os lados (como
um sinal de que foi construído conjuntamente); e, portanto, se cair, o espaço e
o material pertencem a ambos. ninguém pode compelir seu parceiro a
compartilhar com ele, mas ele pode construir uma cerca sobre sua própria
porção e fazer um cercado do lado de fora (como um sinal de que pertence
apenas a ele); e, portanto, se tal cerca cair, o material pertence somente a
ele. Se, no entanto, tal for construído conjuntamente, deve estar exatamente no
meio, e um invólucro deve ser feito em ambos os lados (como um sinal de que
foi construído conjuntamente); e, portanto, se cair, o espaço e o material
pertencem a ambos. ninguém pode compelir seu parceiro a compartilhar com
ele, mas ele pode construir uma cerca sobre sua própria porção e fazer um
cercado do lado de fora (como um sinal de que pertence apenas a ele); e,
portanto, se tal cerca cair, o material pertence somente a ele. Se, no entanto,
tal for construído conjuntamente, deve estar exatamente no meio, e um
invólucro deve ser feito em ambos os lados (como um sinal de que foi
construído conjuntamente); e, portanto, se cair, o espaço e o material
pertencem a ambos. e um recinto deve ser feito em ambos os lados (como um
sinal de que foi construído conjuntamente); e, portanto, se cair, o espaço e o
material pertencem a ambos. e um recinto deve ser feito em ambos os lados
(como um sinal de que foi construído conjuntamente); e, portanto, se cair, o
espaço e o material pertencem a ambos.
p. 2

GEMARA: Os escolásticos, ao interpretarem o Mishna, estavam prestes a


explicar a palavra Me'hitza como significando divisão, de acordo com
Números xxxi. 43, onde a palavra Ma'htzis é usada no sentido de dividida em
metades; e o Mishna vem ensinar que quando ambos decidiram dividir seus
fundamentos, um deles pode obrigar o outro a se unir na construção de tal
muro, mesmo se ele se opuser a fazê-lo, a partir do qual se deve inferir que
olhar para o a propriedade de outra pessoa é considerada prejudicial. Mas
talvez a expressão Me'hitza signifique apenas uma partição, de acordo com o
que aprendemos em um Tosephtha, que se uma partição (que divide a vinha
de outros tipos de produtos) quebrar, o proprietário dos outros produtos deve
notificar o proprietário. da vinha duas vezes que ele deveria cercá-lo, e se ele
não fizer isso, os produtos são proibidos e o proprietário da vinha é
responsável. E como neste Tosephtha a palavra Me'hitza é usada com o
significado de uma cerca, então pode ser que em nossa Mishna também
signifique uma cerca. E o Mishna ensina que, se ambos decidiram construir
uma cerca, então cada um deles deve se juntar à sua criação, mas não de outra
maneira. A partir do qual se deve inferir que olhar para a propriedade de outra
pessoa não é considerado prejudicial? Se é assim, então por que o Mishna
declara "o A partir do qual se deve inferir que olhar para a propriedade de
outra pessoa não é considerado prejudicial? Se é assim, então por que o
Mishna declara "o A partir do qual se deve inferir que olhar para a
propriedade de outra pessoa não é considerado prejudicial? Se é assim, então
por que o Mishna declara "oparede deve ser, "etc.? Deveria ser" , deve ser
construído ". Por outro lado, se o Mishna significa que eles decidiram dividir,
por que a expressão" Me'hitza "? Deveria ser" para reduzir pela metade,
"como as pessoas dizem:" Venha para reduzir pela metade nossos bens "; e
também, se olhar for considerado injurioso, por que a declaração do Mishna",
se ambosque ensina que com os Escritos Sagrados é diferente: não é permitido
ser dividido, mesmo que ambos concordem em fazê-lo. Agora, o Mishna é
explicado como tratar de
p. 3
um quintal que não é suficiente para divisão. Então, o que importa - mesmo
que ambos tenham decidido dividir suas terras, eles não poderiam se
retratar? Disse R. Assi em nome de R. Johanan: Trata-se de um caso em que
já se fazia com a cerimónia de um sudário . Mas mesmo assim, o que
importa? Afinal, foi decidido apenas verbalmente, e eles podem se
retratar? Fala de um caso em que as partes de cada uma já estavam
marcadas. R. Ashi, no entanto, disse: Ele fala de um caso em que cada um
deles já fez hazakha (assentamento) de sua parte, de modo que eles
adquiriram o título e não podem mais se retratar. (A expressão no Mishna para
meio-tijolos é khphisin.) Disse R. A'ha b. R. Ivia para R. Ashi: De onde
sabemos que esta expressão significa meio-tijolos e a extensão adicional é
para o material que é colocado entre eles? Talvez signifique pedras desfeitas,
e este vão adicional é para o canto projetado. E ele respondeu: O significado
das palavras da Mishna é tradicionalmente explicado.

Disse Abayi: Um intervalo só é necessário quando, entre os meios-tijolos,


pequenas pedras e areia são colocadas, mas se apenas argila, um intervalo não
é necessário. Devemos supor que uma parede, quatro ellas de altura, de pedras
cortadas, precisa da espessura de cinco vãos? Não era a altura das paredes do
primeiro Templo trinta e três, e a espessura era apenas de seis palmos, e ainda
assim se mantinha? O período adicional sustentou-o. Por que, então, eles
fizeram as paredes do segundo templo ainda mais espessas? Porque uma
espessura de seis vãos pode sustentar apenas uma altura de trinta ells, mas não
maior, e o segundo Temple era muito mais alto. E de onde deduzimos
isso? De [Ageu, ii. 9]: "Maior será a glória desta última casa do que a da
primeira". Rabh e Samuel, e de acordo com outros R. Johanan e R. Elazar,
diferem na explicação deste verso. Segundo um, significa o próprio edifício; e
de acordo com o outro, significa os anos da sua existência. Na realidade,
porém, era em ambos os aspectos mais glorioso.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: o Mishna significa, dando os


tamanhos, com a lima, ou sem? Disse R. Na'hman b. Itz'hak: O senso comum
diz que isso significa com o limão; pois, sem a cal, os tamanhos mencionados
na Mishna não seriam corretos (já que, sem a cal, ela não se sustentaria, e a
cal, é claro, aumentaria o tamanho). Mas não pode ser dito que isso significa
sem o cal, e porque o tamanho do. O tempo não alcança um período, portanto
o Mishna não conta
p. 4

isto? Mas o estado de Mishna não dura um ano e meio? Pode-se dizer que,
porque as duas metades formam um vão, portanto é contado. Venha e
ouça! (Erubin, p. 28 :) "A trave em questão deve ser larga o suficiente para
sustentar a metade de um tijolo, que tem três vãos de comprimento e
largura." Lá ele trata de um grande, e parece ser assim, como se diz: "Uma
metade de um tijolo, três vãos", etc., a partir do qual se deve inferir que há um
meio tijolo menor que é não do tamanho mencionado, e esse é o tamanho em
nossa Mishna, onde os dois meios juntos medem apenas três vãos com a
cal. R. Hisda disse: Não se deve desmontar uma casa de oração até que outra
seja construída; de acordo com alguns, porque pode ser negligenciada por
acidente, e de acordo com os outros, porque até que o novo seja construído lá
eles não terão lugar para a oração. E a diferença é que, quando há outro lugar
para a oração, de acordo com o último, pode ser feito.

Maremar e Mar Zutra costumavam desmontar a casa de oração de verão no


inverno e a casa de inverno de oração no verão. Disse Rabhina para R. Ashi:
Como é isso? Quando o dinheiro para o novo prédio já foi coletado pelo
tesoureiro, o velho pode ser desmembrado ou não? E ele respondeu: Mesmo
assim, uma redenção de prisioneiros pode acontecer, para a qual a soma pode
ser usada. Mas como é que todo o material para o novo edifício já estava
preparado? E ele voltou: Mesmo assim, o caso acima pode acontecer, e o
material seria vendido para esse propósito. Se sim, então mesmo quando já
está construído? E ele respondeu: Um edifício concluído não é costume
vender para tal propósito. E tudo isso foi dito no caso de nenhum sinal de
ruína ser visto no antigo prédio; mas se houvesse tal, poderia ser desmontado
imediatamente. R. Ashi, por exemplo, Vi isso na casa de oração de Sura,
separei e coloquei a cama ali, e não a tirei até que todo o prédio estivesse
pronto. Diz-se mais sobre esse Baba b. Buta aconselhou Herodes a desmontar
o antigo Templo com o propósito de construir um novo. Isso não era contra a
lei, como declarado acima por R. Hisda: "Não se deve desmontar", etc.? Se
desejar, você pode dizer que ele viu um sinal de ruína no antigo; e se você
desejar, pode-se dizer que é diferente com um rei, que normalmente não se
retrai de sua palavra, como, "Não se deve desmontar", etc.? Se desejar, você
pode dizer que ele viu um sinal de ruína no antigo; e se você desejar, pode-se
dizer que é diferente com um rei, que normalmente não se retrai de sua
palavra, como, "Não se deve desmontar", etc.? Se desejar, você pode dizer
que ele viu um sinal de ruína no antigo; e se você desejar, pode-se dizer que é
diferente com um rei, que normalmente não se retrai de sua palavra, como,por
exemplo , Samuel disse que se o rei dissesse: "Eu removerei esta grande
montanha", isso seria feito.

Herodes era servo dos hasmoneanos e havia um


p. 5

menina entre eles em quem ele lançou seus olhos. Um dia ele ouviu uma voz
dizendo que um servo que deveria se rebelar naquele dia teria sucesso. Então
ele matou todos os seus superiores, exceto esta menina; e quando ela viu que
ele pretendia se casar com ela, ela subiu ao telhado e proclamou: "Se
acontecer que alguém se declare descendente dos hasmoneus, saiba que ele é
um escravo, pois todos os Hasmoneans foram mortos, exceto eu mesmo. e
agora me suicio atirando-me deste telhado ". Disse Herodes para si mesmo:
Quem insiste no que está escrito? xvii. 15]: "Do meio de teus irmãos, porás
um rei" etc.? Os rabinos, como os líderes de Israel. Ele, portanto, matou todos
os rabinos e deixou apenas Baba b. Buta, para receber conselhos dele quando
necessário; mas ele o cegou. Certo dia, Herodes veio (incógnito) e sentou-se
diante dele, dizendo: "Que o mestre veja o que o escravo mau Herodes fez". E
ele respondeu: "O que posso fazer com ele?" E ele disse: "Maldito seja
ele." Mas Baba respondeu com o verso [Eccl. x. 20]: "Mesmo em teus
pensamentos, tu não deves amaldiçoar um rei." Herodes disse: "Mas ele não é
um rei". E Baba respondeu: "Que ele seja rico apenas, está escrito [ibid.,
Ibid.]: 'Em suas câmaras de cama, não amaldiçoar os ricos.' E mesmo que ele
seja apenas um governante, está escrito (Êxodo 27:27): 'Um governante entre
o teu povo, tu não amaldiçoarás.' E Herodes disse: 'Isto é somente quando ele
faz como o povo de Israel. mas ele, Herodes, faz o contrário ". E ele se juntou:
"Eu tenho medo dele". Herodes continuou: "Mas não há ninguém que possa
lhe dizer como só você e eu estamos aqui. "E Baba reuniu-se com o verso
acima citado:" Para um pássaro do ar pode levar o som ", etc Então se uniu
Herodes:" Eu sou Herodes, e não sabia que os rabinos foram tão
cuidadosos. Se eu estivesse ciente disso, eu não deveria tê-los matado; mas
agora anseio por seu conselho; talvez quanto a isso você encontrará algum
remédio para mim. "E Baba respondeu:" Você cegou os olhos do mundo,
como está escrito. xv. 24]: 'Se por inadvertência da congregação'. talvez
quanto a isso você encontrará algum remédio para mim. "E Baba respondeu:"
Você cegou os olhos do mundo, como está escrito. xv. 24]: 'Se por
inadvertência da congregação'. talvez quanto a isso você encontrará algum
remédio para mim. "E Baba respondeu:" Você cegou os olhos do mundo,
como está escrito. xv. 24]: 'Se por inadvertência da congregação'. 1Vai, pois, e
ocupa-te com os olhos do mundo, que é agora o templo, como está escrito
[Ezek. xxiv. 21]: 'Eu profano meu santuário. . . o desejo 2 de seus olhos ", e
por isso eu aconselho você a reconstruir o Templo".
p. 6

E Herodes disse: "Temo o governo romano". Reuna-se Baba: "Envie um


mensageiro a Roma, pelo qual levará um ano até que ele chegue lá, e deixe-o
permanecer lá por um ano, e seu retorno também levará um ano, e durante os
três anos você pode desmontar este Templo e construir um novo ". Herodes o
fez, e a resposta foi: "Se você ainda não separou o antigo, deixe-o assim; se
você já o desmembrou, não construa um novo; e se você já tiver desmontado e
também reconstruído, tal é o costume de escravos ruins: eles buscam
conselhos depois que a coisa já está feita .É verdade, você é agora o
governante. Seu registro, no entanto, está em nossos arquivos, nos quais pode
ser visto que você está não é um rei, nem um descendente de reis, é apenas
marcado: "Herodes, o servo, se libertou". Dizia-se que aquele que não havia
visto o novo Templo de Herodes, em toda sua vida, não havia visto um belo
prédio. "Com que material ele construiu?" perguntou Rabha. Com pedras de
mármore ornamentadas de cores diferentes, as pedras não estão em linha reta,
mas alternadamente projetando e recuando, as lacunas sendo destinadas a
receber a cal. Ele pretendia cobri-lo com ouro, mas os rabinos o aconselharam
a não fazê-lo, porque, por mais que fosse, parecia tão resplandecente quanto
as ondas do mar.

Mas por que Baba deu a Herodes tal conselho? Não R. Jehudah em nome de
Rabh, ou em nome de Jehoshua b. Levi, diga que Daniel foi punido por dar
um bom conselho a Nabucodonosor, como está escrito [Dan. iv. 24: "Portanto,
ó rei, aceita o meu conselho para ti e expia os teus pecados pela justiça"
etc. Com o Templo era diferente, pois, exceto pelo rei, não poderia ser
reconstruído. E de onde sabemos que Daniel foi punido? Ele foi jogado na
cova dos leões [ibid. vi.].

" E todas as outras coisas " etc. O que a expressão adiciona? Aqueles lugares
onde é costume fazer tal divisão de espinhos.

" Portanto, se acontecer que tal muro caia ", etc. Isto não é auto-
evidente? Significa que, se o muro cair na parte de um deles, ou se, no edifício
do mesmo, um dos parceiros tiver de construir tudo da sua parte, para que não
se diga que o outro parceiro deve ser considerado um autor para quem é para
trazer provas, vem nos ensinar que isto não é assim.

" O mesmo é o caso de um jardim ", etc. Este parágrafo não se


contradiz? Afirma: "O mesmo é o caso, etc., onde é costume fazer uma
cerca"; do qual é
p. 7

inferir que, se não fosse costumeiro, não se pode obrigar outro a


participar. Então, como deve ser entendido a última parte, que afirma: "Em
um vale, etc., onde não é costume fazer uma cerca", etc .; a partir do qual é
para ser inferido que, se não houver tal costume em tudo, ele pode ser
obrigado a participar? E isso é contraditório, uma vez que até mesmo em
relação a um jardim, onde não havia tal costume, ele não é compelido. Tanto
quanto menos em um vale, onde não há tal costume? Disse Abayi: Significa
dizer assim: Em um jardim, mesmo onde não era o costume, e em um vale,
onde era costume, fazer uma cerca, o parceiro pode ser obrigado a se
juntar. Disse Rabha para ele: Se é assim, a que propósito é declarado " no
entanto"" Portanto ", disse ele," significa assim: em relação a um jardim, onde
não há nenhum costume, deve ser considerado como se fosse costume fazer
uma cerca; no entanto, em um vale, onde não é o costume, deve ser
considerado como se o costume não fosse cercar. Portanto, no primeiro caso,
ele deve ser obrigado a participar, e no segundo ele não é.
" Mas alguém pode colocar a cerca no espaço de sua própria parte " etc.
Como será o recinto? Disse R. Huna: Ele deve estar inclinado para o
interior. Por que não para o exterior? Porque então o parceiro poderia cortá-lo
e alegar que a parede foi construída em conjunto. Mas o mesmo não pode ser
feito mesmo quando se inclina para o interior? A união (à cerca) seria
reconhecida. Mas o Mishna não declara claramente " fora "? A objeção
permanece.

R. Johanan, no entanto, disse que o Mishna significa não exatamente um


recinto, mas um sinal manchado de barro, a extensão de um ell, do lado de
fora. E porque não por dentro? Porque então o parceiro poderia marcar tal
fora, para reivindicar que foi feito por ambos. Mas mesmo agora, o parceiro
pode eliminá-lo com o objetivo de fazer tal afirmação? A raspagem pode ser
reconhecida (como artificial). Se, no entanto, a divisória fosse feita de
espinhos, não pode haver remédio com um sinal, a menos que um escreva em
uma nota e ponha em guarda no tribunal. 1 Então Abayi sustenta.

" Se, no entanto, tal foi construído conjuntamente ", disse Rabha de Pharziqa a
R. Ashi: Por que, então, o recinto de todo? E
p. 8

ele respondeu: O Mishna trata de um caso em que alguém já fez tal recinto de
um lado; o outro deve segui-lo do outro lado, como sinal de que a parede
pertence a ambos. E ele perguntou: O Mishna ensina um remédio contra um
vigarista? E R. Ashi reuniu: Não é a primeira parte, que afirma que um
gabinete deve ser feito (dentro ou fora), um remédio contra um vigarista? Ao
que ele respondeu: A primeira parte ensina uma lei e, a propósito, dá também
o conselho que deve ser o remédio contra um vigarista; mas na última parte
não ensina uma nova lei, pois é evidente que, quando se juntaram à parede, o
material pertence a ambos (e o novo ensinamento é apenas o remédio contra
um vigarista)? Disse Rabhina: A última parte trata de um caso em que a
parede era feita de espinhos, e vem ensinar que não é como Abayi disse
acima, que não há remédio exceto por uma nota, etc .; mas se as caixas forem
feitas de ambos os lados, basta.

MISHNA II : Se as propriedades de alguém cercam os vizinhos em três lados,


e ele cercou todos os três lados, o vizinho não deve ser obrigado a juntar-se à
despesa (contanto que ela esteja aberta no quarto lado). Disse R. Jose: Se o
vizinho cercasse o quarto lado de seu campo, então ele deveria se juntar à
despesa de todas as cercas.

GEMARA: Disse R. Jehudah em nome de Samuel: A Halakha prevalece de


acordo com R. Jose. E não há diferença se a quarta cerca foi construída pelo
cercado ou pelo cercado (como em qualquer um dos casos, o campo [do
vizinho] está agora protegido). Foi ensinado: R. Huna disse: Ele deve ter uma
participação igual em todas as despesas, e Hyya b. Rabh sustenta que ele tem
apenas que pagar pelos trilhos de vedação mais baratos. Uma objeção foi
levantada de nosso Mishna, que afirma que quando ele cercou os três lados, o
vizinho não será compelido; a partir do qual é para ser entendido que se ele
tiver cercado o quarto lado também, então o vizinho deve se unir. Em seguida,
a decisão do R. José, que disse que, quando o quarto foi cercado, ele deve
juntar as despesas de todas as cercas, é para ser entendido que ele difere com o
primeiro Tana em que, de acordo com ele, ele deve dividir todas as despesas
igualmente, enquanto, de acordo com o primeiro Tana, ele deve pagar apenas
por grades baratas. E esta explicação só pode estar correta de acordo com R.
Huna. Mas de acordo com Hyya, que disse que todos eles tratam apenas do
pagamento de grades baratas, qual seria, então, o ponto de diferença entre o
primeiro Tana e o R. Jose?
p. 9

É para ser explicado como o cercador e o cercado. De acordo com


[parágrafo continua]

o primeiro Tana, mesmo quando o cercador cercou o quarto lado, o cercado


tem que pagar, pela razão declarada acima; e de acordo com R. José, somente
quando o cercado cercou o quarto lado, do qual vemos que as outras cercas o
agradaram; mas se o cercado o fizesse, o cercado não teria nada a pagar.

A propriedade de Runya estava cercada pela de Rabhina nos quatro lados. E


quando ele pediu que ele se juntasse às despesas da esgrima, ele não quis
ouvir. "Junte-se, pelo menos, à custa de grades de vedação baratas." Ele não
quis ouvir. "Dê algo para a proteção de sua propriedade"; e ele não faria. Um
dia, Runya estava empenhado em recolher as datas das suas árvores, e
Rabhina disse ao seu jardineiro: "Vá buscar um grupo de encontros". E Runya
o repreendeu. Então lhe disse Rabhina: "Agora sua intenção de que suas
árvores sejam protegidas, se não de ladrões, pelo menos de cabras, é clara." E
ele respondeu: "As cabras podem ser evitadas pela voz". E Rabhina se reuniu:
"Mas mesmo assim você deve ter um homem que erga a voz". Finalmente
Runya veio antes de Rabha,

O mesmo Runya comprou um campo que estava ligado a um dos de Rabhina,


e este estava prestes a impedi-lo, de acordo com a lei da preempção. Disse R.
Saphra b. R. Ieba para Rabhina: "As pessoas dizem que Zala, que é pobre,
precisava da sua família tanto pão quanto Zalla, o rico. Permita então que o
pobre Runya, que já tem uma propriedade entre as suas propriedades, tenha
outra, para que ele pode ganhar a vida ".

MISHNA III .: Se cair uma parede que separasse os pátios, os proprietários de


ambos os lados devem se juntar para reconstruí-la (até a altura de quatro
ell). Se houver uma parede, e um dos proprietários alegar que seu vizinho não
suportou a sua parte da despesa ao construí-la até a altura de quatro ells, ele
não é de confiança a menos que traga evidências (como se considera que seu
vizinho fez isso na época em que foi construído). Acima de quatro ells, não se
pode obrigar a ele. vizinho para se juntar a ele. Se não fosse uma parede acima
desse nível, eo vizinho construiu outra perto dele para a mesma altura, com a
intenção de cobertura, ele tem de dividir a despesa, mesmo antes de
telhados; e se ele reclama
p. 10

que ele já se juntou às despesas, ele não é confiável a menos que ele traga
evidências.

GEMARA: Disse Resh Lakish: "Um devedor que diz: 'Eu paguei minha
dívida com o credor, quando o tempo ainda não tivesse passado', não deve ser
acreditado, como geralmente os credores estão contentes em serem pagos no
devido tempo."

Abayi e Rabha disseram: Pode acontecer que alguém inesperadamente


recebesse dinheiro e pensasse: "Pagarei minha dívida antes do vencimento, de
modo que não farei mais problemas". Uma objeção foi levantada de nosso
Mishna, que afirma que ele é considerado como tendo pago no momento em
que foi construído. Agora vamos ver como foi o caso. Se o réu alegar que ele
deu a sua parte da despesa a tempo, não há razão para que ele não deva ser
acreditado, então deve-se dizer que ele afirma ter pagado antes do
vencimento, e no entanto a Mishna afirma que ele deve ser acreditado? O caso
da Mishna é diferente, assim como todo tijolo ou cada peça de material que
foi usada, o tempo para pagamento é considerado devido; ou seja, não é para
ser considerado que ele está afirmando que pagou antes do vencimento. Venha
e ouça a outra parte do Mishna sobre a altura ao longo de quatro ells, o que é
considerado não ter sido feito em conjunto. Vamos ver como foi o pedido. Se
o réu afirma: "Eu me uni a você a tempo", por que ele não deveria ser
acreditado (ele é o réu, e é para o queixoso trazer provas)? Deve ser, então,
que ele afirma que ele se juntou antes do tempo devido, e nós vemos que ele
não é acreditado. Há outra razão pela qual ele não deve ser acreditado, como
geralmente não se pagaria dinheiro antes que ele tenha certeza de que o
tribunal decidirá contra ele. R. Papa e R. Huna b. R. Jehoshua agiu de acordo
com a decisão de Abayi, e Rabha b. Mar R. Ashi agiu de acordo com Resh
Lakish, e assim a Halakha prevalece. E mesmo no caso dos órfãos, embora o
dono tenha dito em outro lugar que aquele que vem buscar os bens dos órfãos
não pode fazê-lo sem prestar juramento; no entanto, no nosso caso, a regra
"hazakha", que não se paga quando não é devida, é suficientemente forte até
mesmo para os órfãos.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: Se o demandante exigiu seu


dinheiro depois que o tempo passou há muito tempo, e o réu alegou que ele
pagou quando ainda não era devido, diremos que a regra acima, que não se
paga? antes, devido, nega a teoria de considerar uma afirmação que parece
confiável, porque, por que ele deveria
p. 11

contar uma mentira que só o prejudica, como, por exemplo , o réu poderia
dizer: "Eu paguei a tempo" (e, em seguida, seria para o requerente para trazer
provas), enquanto alegando "eu paguei antes do devido", o ónus da prova está
sobre ele, ou talvez tal afirmação deva ser considerada mesmo com a regra
permanente? Disse R. A'ha b. Rabha para R. Ashi: Venha e ouça! Se alguém
afirma: "Eu tenho um mana com você ", e o devedor responde," Sim "; no dia
seguinte, quando ele exige seu dinheiro, o devedor diz:" Eu já te paguei ",
então ele está livre. Se, no entanto, ele disser:" Você tem nada comigo ", ele é
responsável. Não é para ser assumido que, pela expressão," eu paguei a você
", isso significa com o tempo, e a expressão:" Você não tem nada comigo ",
significa:" Eu paguei Por isso, vemos que tal afirmação não é considerada
Nay, a expressão "Você não tem nada comigo" significa "Você nunca me
emprestou", como o mestre diz em outro lugar: Aquele que afirma, "Eu nunca
pedi emprestado", deve ser considerado como se ele dissesse: "Eu nunca
paguei".

" Se, no entanto, ele construiu outra paredeque diz que se uniu a ele na
construção da parede inteira (alegando que, se não o fizesse, não gastaria tanto
dinheiro em uma incerteza, talvez seu parceiro não se juntasse a ele e não
permitisse que ele abrisse janelas ao lado de seu quintal), mesmo quando os
μελαθγοω (os furos que sustentam as vigas) para as vigas de telhado já foram
colocados, como o construtor pode dizer: "Eu preparei a coisa toda, com o
propósito de não danificar o parede através de fazer buracos, ter certeza de
que isso seria adequado para você, e você vai participar da despesa depois
". R. Na'hman disse: Se alguém colocou na parede do vizinho pouco mesmo
quando os μελαθγοω (os furos que sustentam os feixes) para as vigas de
telhado já foram colocados, como o construtor pode dizer, "Eu preparei a
coisa toda, com o propósito de não danificar a parede através de fazer buracos
nela, sendo Certifique-se de que isso se adequaria a você e você se juntará à
despesa depois. " R. Na'hman disse: Se alguém colocou na parede do vizinho
pouco mesmo quando os μελαθγοω (os furos que sustentam os feixes) para as
vigas de telhado já foram colocados, como o construtor pode dizer, "Eu
preparei a coisa toda, com o propósito de não danificar a parede através de
fazer buracos nela, sendo Certifique-se de que isso se adequaria a você e você
se juntará à despesa depois. " R. Na'hman disse: Se alguém colocou na parede
do vizinho poucoplacas para coberturas, não é para ser considerado
p. 12

que o consentimento de seu vizinho é suficiente para cobri-lo com vigas . No


caso inverso, no entanto, tal deve ser considerado suficiente. O mesmo disse
novamente: Se o gotejamento de água de; o telhado de alguém no quintal de
um vizinho acontece, ele lhe dá o direito de colocar um cano no telhado para
que a água possa correr para um lugar no mesmo pátio; e o mesmo acontece
no reverso, mas não se a cobertura for de pequenos galhos, de modo que
contenha numerosos interespaços, estragando assim a terra onde há
gotejamento através dos interespaços. R. Joseph, no entanto, afirma que
mesmo isso é permitido, e por isso ele agiu.

R. Na'hman em nome de Rabba b. Abuhu disse: Se alguém deixar uma câmara


de sua casa para o seu vizinho, e esta fosse uma casa com muitos quartos para
inquilinos diferentes, o inquilino pode usar os buracos que estão na parede, as
vigas que se projetam até quatro ellas de sua câmara ; e se esta fosse uma
câmara superior, ele também pode usar a espessura da parede no telhado, se é
costume usar a mesma; mas ele não tem o direito de usar o jardim da frente. O
próprio R. Na'hman, no entanto, afirma que ele também tem direito ao jardim
da frente, mas não ao pátio traseiro; e Rabha afirma que ele também tem
direito no pátio traseiro.

Rabhina disse: Um telhado que é feito para sombra, se alguém o prendeu na


parede de seu vizinho, não deve ser considerado como "hazakha" até o lapso
de trinta dias. No entanto, se não houver protesto depois de trinta dias, é um
"hazakha" (e o proprietário é confiável se ele alegar que ele fez isso com o
consentimento do seu vizinho). Se isto, no entanto, foi feito com o propósito
de um estande para a Festa dos Tabernáculos, depois de sete dias é
considerado um "hazakha". Se, no entanto, alguém tiver anexado o telhado
com argila, ele será considerado imediatamente como "hazakha" (como isso
ele não faria sem o consentimento).

Abayi disse: Se houvesse duas casas em ambos os lados de uma via pública,
cada um dos proprietários teria que fazer um parapeito a metade de seu
telhado, mas não exatamente opostos um ao outro ( ou seja , um pode chegar
ao norte e outro ao outro). no sul), e cada um deles tem que adicionar um
pouco ao seu meio (com a finalidade de evitar olhar para a propriedade do
vizinho). [Questionado o Gemara:] Por que apenas em uma via pública - não
deveria em uma via privada ser o mesmo? A lei de uma via pública era
necessária para ele ensinar, para que ninguém dissesse: "Pode-se dizer que é
necessário para você fazer um parapeito para impedir que as pessoas que
passam na rua olhem para sua propriedade; parapeito em sua propriedade,
p. 13

e eu suportarei metade da despesa. "Então ele vem para nos ensinar que ele
pode responder:" Da via pública só se pode ver durante o dia, mas não à noite
"ou" Só quando eu estou de pé, mas não quando me sento ", e também"
quando se gosta de olhar. Para você, no entanto, é para ser visto em qualquer
circunstância. "O mestre disse:" Cada um deles tem que fazer um parapeito
para meio telhado ", etc. Isto não é auto-evidente? Ele quer dizer que se já fez
sua parte, para que ninguém diga que seu vizinho tem o direito de dizer-lhe:
"Tire de mim a despesa e faça tudo isso (pois é muito difícil para mim
encontrar um trabalhador para uma obra tão pequena); e se você não tivesse
feito o seu, eu teria levado os trabalhadores para fazer o todo na minha
propriedade e tirei de você sua parte da despesa), " Ele vem para nos ensinar
que seu vizinho pode dizer: "Como você não quer estragar o seu telhado com
o peso de todo o parapeito, eu não quero estragar o meu." R. Na'hman em
nome de Samuel disse: Em um telhado que olha para o quintal do vizinho, ele
tem que fazer um parapeito à altura de quatro ell. No entanto, entre os
telhados ele não precisa. E o próprio R. Na'hman sustenta que quatro ells não
são necessários, mas uma partição de dez extensões é. Para qual
finalidade? Se evitar olhar, então quatro ell são necessários; e se apenas para a
separação dos telhados, no caso de um passo além de seu teto, ele deveria ser
acusado de intenção de roubar, então qualquer partição é suficiente, e se
impedir que cabras ou ovelhas se desviem, uma pequena partição que eles não
podem pular é suficiente ? É para o segundo propósito mencionado
acima; mas se houver alguma separação, ele pode dizer: "Eu estendi a mão
para o telhado do vizinho porque queria medir as linhas limítrofes no telhado",
o que não é provável que ele diga quando a divisória é de dez vãos. . Uma
objeção foi levantada a partir do seguinte: "Se o seu pátio fosse mais alto que
o telhado do vizinho, isso não deve ser levado em consideração." Não
podemos assumir que isso significa que não há parapeitoo que for
necessário? Não. Isso significa a consideração de um parapeito de quatro ells,
mas um dos dez vãos é necessário.

Foi ensinado: Se houvesse dois pátios, um sobre o outro, de acordo com R.


Huna, o inferior tem que construir de seu lado superior para cima até alcançar
o superior, e o superior continua; e de acordo com Ula e R. Hisda o mais alto
tem que compartilhar também a despesa do inferior; e há uma Boraitha que
suporta R. Hisda como segue: Se houvesse dois pátios, um sobre o outro, o
superior
p. 14

Não posso dizer: "Vou começar a construir a partir de minha propriedade",


mas ele deve compartilhar com o mais baixo; e se, no entanto, seu pátio fosse
mais alto que o teto de seu vizinho, ele não tem nada a ver com ele.

Havia dois inquilinos, um no superior e outro na parte mais baixa de uma


casa, e o teto do inferior afundou, e ele chamou o superior para reconstruí-
lo. Ele recusou, dizendo: "Minha residência não está estragada". Então o
inferior pediu-lhe permissão para reconstruir a coisa toda às suas próprias
custas, mas o superior respondeu: "Eu não tenho lugar para viver até que você
tenha reconstruído". Então ele queria contratar uma residência para ele, mas
lhe disseram: "Eu não quero me incomodar removendo". E para a alegação do
inferior que ele não podia morar na casa, ele respondeu: "Tu podes curvar a
tua cabeça ao sair e entrar". Disse R. Hama: A alegação do superior poderia
ser levada em consideração, desde que o teto não tivesse alcançado a altura de
dez vãos do chão da casa; mas se assim o atingisse, o inferior poderia afirmar:
"Este lugar pertence à minha propriedade e deve ser removido". E tudo isso é
dito quando não havia estipulação no momento da construção; mas se
houvesse, o superior poderia ser obrigado a participar da reconstrução. Mas
até que ponto deve ter afundado que o inferior deveria ter o direito de
reconstruir? Diziam os rabinos, na presença de Rabha, em nome do Mar Sutra
b. R. Na'hman: Ele citou seu pai respondendo a essa questão, que se a altura
fosse menor do que é declarado (Capítulo VI., Mishna 4), a altura deveria ser
a metade do comprimento e a largura juntos. E Rabha respondeu: Eu não te
disse, você nunca deveria pendurar um βιχος; (panela de barro) no pescoço de
R. Na'hman? (Isso significa que o absurdo não deve ser citado em seu nome.)
Pois eu sei que a decisão de R. Na'hman foi: "Se foi estragado a partir do uso
comum de uma habitação." No entanto, afinal, para evitar controvérsias, a lei
deve indicar alguma dimensão. Disse R. Huna b. R. Jehoshua: Se a altura
diminuir, os feixes de gravetos normalmente feitos na cidade de Mehusa não
poderão ser trazidos e manipulados.

Houve um que construiu um muro contra a janela do seu vizinho, e para a


reivindicação do seu vizinho, "Você escurecer o meu lugar", ele respondeu:
"Vou fechar a minha custa esta janela e fazer-lhe um novo acima " Mas a
outra parte recusou, dizendo: "Ao fazê-lo, você estragará minha parede". Ele
disse então: "Vou desmontar sua parede até este lugar e
p. 15

construa-lhe um novo. "O outro reuniu-se:" O velho muro não suportará o


novo edifício. "Ele então se ofereceu para reconstruir a parede inteira de cima
para baixo e fazer dele uma nova janela, e novamente ele recusou, dizendo
que um novo muro não corresponderia aos três antigos.Finalmente a outra
parte concordou em reconstruir toda a casa, e ele ainda recusou: "Eu não
tenho lugar para morar". E mesmo assim seu vizinho concordou em contratar
para ele uma residência, e ele respondeu novamente: "Eu não quero o
problema de remover." E R. Hama decidiu que a lei não pode obrigá-lo a
cumprir o desejo de seu vizinho. Mas com que propósito isso é afirmado? Não
declarou R. Hama? sua decisão no caso acima? Ele quis dizer que, mesmo se
ele usou a casa em questão para manter palha e madeira apenas, mesmo assim
ele não pode ser obrigado.

Havia dois irmãos que dividiram um legado. Um tomou um palácio e o outro


tomou um belo jardim que estava em frente; e este construiu um muro na beira
do jardim, e à alegação de seu irmão que ele escureceu sua casa, ele
respondeu: "Eu construí na minha propriedade." E Rabh decidiu que a lei não
é contra ele. Disse Rabhina a R. Ashi: Por que este caso deve diferir do caso
no seguinte Boraitha: Dois irmãos dividiram um legado. Um pegou um
vinhedo e o outro pegou um campo. O dono da vinha tem direito a quatro
campos do campo para a entrada de animais para o trabalho, etc., uma vez que
se considera que assim foi a estipulação no momento da divisão. (Daí vemos
que os requisitos da vinha são levados em consideração. Por que não deveria
ser o mesmo com o palácio do caso acima?) E R. Ashi respondeu: Lá o dono
da vinha pagou ao seu parceiro a diferença entre as duas fazendas, e
conseqüentemente a estipulação de que sua vinha deveria ser trabalhada era
feita. A isso Rabhina se juntou: Você quer dizer que no caso do palácio não
havia nenhum acordo sobre o valor das duas partes do legado? A lei fala de
tolos? E R. Ashi reuniu-se: Pode ser que houvesse um assentamento, e o
homem do jardim tomou sua parte pelo valor da construção do palácio, mas
eles não fizeram nenhum acordo para o valor do ar. Mas não deveria ser
levado em consideração a reivindicação legítima do homem do palácio, que
ele pagou a diferença para um palácio, e então foi transformado em uma
câmara escura como uma prisão? Disse R. Shimi b. Ashi:
p. 16

construído, e a gratificação que o dono do jardim recebeu foi pelo


nome. Como aprendemos no Trato Intermediário (p. 275), se alguém disser:
"Eu vendo a propriedade, que contém um kur de terra, e não há mais do que
meio" etc., a venda é válida, como é assim chamado. Mas ainda assim, que
comparação é essa? Lá, ele lhe vendeu um pedaço de terra que recebeu esse
nome, e o comprador está ciente do que comprou; mas aqui, não poderia o
homem do palácio dizer: "Eu concordei com esta divisão com o propósito de
viver nela como meus pais fizeram, e agora está escurecido"? Segundo Mar
the Elder e Mar the Younger, os filhos de R. Hisda, para R. Ashi: Os Sábios
de Nahardai, entre eles R. Hama, decidiram, de acordo com sua teoria em
outro lugar, que eles mantêm com R. Na'hman, quem disse em nome de
Samuel que irmãos, depois da divisão de um legado, não tem nenhuma
reivindicação por um caminho, por janelas, por escadas e por canais, cada um
pelo outro (como deveriam considerá-los, considerando ao dividir), e deve ser
estrito nesta lei, como isso foi promulgado de uma vez por todas. Rabha, no
entanto, sustenta que tal alegação deve ser sempre levada em consideração.

Havia uma nota pertencente a órfãos, contra a qual a outra parte mostrou um
recibo, e R. Hama decidiu não cobrar nesta nota por causa do recibo, e não
destruí-la até que os órfãos devessem ter crescido, como eles poderiam achar
alguma evidência contra o recibo. R. A'ha b. Rabha questionou Rabhina:
Como a Halakha prevalece em todos os casos como os acima mencionados? e
ele respondeu: Todos eles devem ser praticados de acordo com R. Hama,
exceto no caso do recibo, como testemunhas não devem ser consideradas por
nós como mentirosos. 1 mar Sutra b. R. Mari, no entanto, disse que, mesmo no
último caso, R. Hama está certo; pois, se o recibo fosse genuíno, eles teriam
feito uso dele enquanto o credor ainda estivesse vivo, e porque eles não o
faziam, a falsificação deveria ser temida.

MISHNA IV : Os parceiros de um pátio devem dividir a despesa de construir


um portão ou uma porta para ele, se um deles o exigir. R. Simeon b. Gamaliel,
no entanto, diz: Nem todos os pátios precisam de uma porta (o Gemara
explicará quais precisam de um e quais não). Um habitante de uma cidade tem
que dividir a construção de um muro ao redor da cidade, com as portas e os
parafusos. R. Simeon b. Gamaliel, no entanto, afirma que nem todas as
cidades precisam de uma. Quanto tempo deve-se morar em uma cidade para
ser considerado
p. 17

um cidadão disso? Doze meses. Se, no entanto, ele comprou uma casa de
habitação, ele é considerado um cidadão de uma só vez.

GEMARA: Devemos assumir que um portão para um pátio é considerado


uma coisa boa? Não é fato que havia um homem piedoso a quem Elias
aparecia com frequência, e depois que ele construiu um portão para seu pátio,
Elias não falou com ele depois (porque isso impedia que os homens pobres
entrassem em suas necessidades)? Isso não apresenta dificuldade. Se a porta
deve ser aberta por dentro, não é boa; mas se de fora (para que qualquer um
possa abri-lo), é uma coisa boa.

" Construindo um portão ou porta para ele"Há uma Boraitha: R. Simeon b.


Gamaliel disse que apenas um quintal que fica perto da via pública precisa de
um portão, mas não um que não esteja próximo a ele. Os rabinos, no entanto,
sustentam que um pátio que é mesmo longe de uma via pública pode precisar
de um portão, pois pode acontecer que as pessoas passem a partir do que está
na rua, e irá causar danos à propriedade do proprietário. E também para uma
cidade que está longe da limite de uma parede circundante não é necessária,
de acordo com R. Simeon, e os rabinos sustentam que cada um deles pode
exigir um em tempo de guerra.Relácia Elazar questionou R. Johanan: Como
deve tal imposto ser repartido: de acordo com o número de almas, ou o
número de casas, ou de acordo com sua riqueza? E ele respondeu: De acordo
com o número de casas, e tu, Elazar, meu filho,coloque pregos nesta Halakha
(que nunca escape da sua mente).

R. Jehudah, o Segundo, taxou os rabinos para esse propósito, e Resh Lakish


disse a ele: Os rabis não precisam de nenhum guarda, como está
escrito. cxxxix. 18]: "Devo contá-los" etc. Contar quem - o justo? Eles podem
ser mais do que as areias? Não está escrito? xxii. 17] que todo o Israel é
apenas " como a areia"? Você deve então dizer que isso significa que os atos
dos corretos são mais do que as areias, etc. Agora, as pequenas areias guardam
o mar. Tanto mais não devem os atos dos retos, que são mais do que as areias,
guardá- los? R. Na'hman b. R. Hisda taxou os rabinos. Disse R. Na'hman
b. Itz'hak para ele: Por este ato você transgrediu o que está escrito no
Pentateuco, os profetas e o Hagiographa. O Pentateuco [Deut. xxxiii. 3]:
"Sim, tu também amaste as tribos; todos os seus santos estavam na tua mão; e
eles, prostrados aos teus pés, receberam tuas palavras." Assim disse Moisés
antes do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo, mesmo quando você
ama as tribos, os santos de Israel devem estar em tua
p. 18

mão "( ou seja , eles devem ser guardados por ti). Para a explicação adicional
deste verso R. Joseph ensinou que isso significa que os estudiosos que
arrastam os pés de cidade em cidade e de país em país para aprender a Torá e
discutir sobre os mandamentos do Onipotente Os Profetas [Oséias, VIII] 10:
"Mas, ainda que devam gastar presentes entre as nações, agora os ajuntarei; e
serão humilhados um pouco pelo fardo do rei dos príncipes. "E Ula disse: Este
versículo foi escrito em aramaico, e a expressão Yithnu deveria ser
lida Yethanoo que significa (em aramaico) "aprender", e deve ser interpretado
assim: Se todos os israelitas que estão no exílio devessem se ocupar com o
estudo da Torá, a reunião deles estaria à mão; mas se apenas alguns deles, eles
devem ser isentos das cargas impostas por reis ou príncipes. E
o Hagiographa [Esdras, vii. 24]: "... ninguém será autorizado a impor
qualquer imposto, tributo ou pedágio" etc. E R. Jehudah disse: Isso significa
libertar os estudiosos dos impostos do governo.

R. Papa havia taxado órfãos por cavar um novo poço. Disse R. Shesha b. R.
Idi para ele: Talvez nenhuma água seja encontrada (e então o dinheiro dos
órfãos seria tomado por nada, pois eles não têm idade para abandonar sua
propriedade). E ele respondeu: estou pegando o dinheiro; se houver água, eu a
usarei; se não, vou devolvê-lo.

O rabino abriu seus celeiros de cereais nos anos de fome e disse: Isto será para
o uso daqueles que estudaram a Bíblia, Mishna, Gemara, Halakha ou Hagada,
mas não para homens ignorantes que nunca desejaram estudar nada. . R.
Jonathan b. Amram entrou e disse: Rabino, alimente-me. Ele perguntou-lhe:
Meu filho, você leu a Bíblia? E ele disse que não. Você estudou a Mishna ou
algo assim? E ele disse que não. "Então por que eu deveria te alimentar?" E
ele respondeu: Alimente-me como as pessoas alimentam um cão ou um
corvo. E ele fez isso. Depois que ele saiu, Rabino se arrependeu, dizendo: Ai
de mim! que dei o meu pão a um homem ignorante. Disse R. Simeon seu filho
para ele: Talvez este homem fosse seu discípulo, Jonathan b. Amram, cujo
costume não é derivar qualquer benefício de sua sabedoria. Foi investigado, e
eles descobriram que assim foi. Então disse o rabino: Meus celeiros estarão
abertos a todos, sem qualquer distinção. O ato anterior do rabino, no entanto,
estava de acordo com sua teoria em outros lugares, de que os castigos são
infligidos ao mundo apenas por causa dos homens ignorantes que não desejam
estudar nada.
p. 19

" Quanto tempo deve um morar em uma cidadeele não deve derivar deles que
residiram lá por doze meses; mas ele pode tirar proveito daqueles que
residiram lá menos que esse tempo. Se, no entanto, ele promete não obter
benefícios dohabitantes desta cidade, então ele pode derivar deles somente
que ainda não residiram trinta dias. Mas não aprendemos em uma Boraitha
que um homem pobre que residiu trinta dias na cidade tem direito a receber
refeições da cozinha das instituições de caridade da cidade? Três meses lhe
dão direito a receber dinheiro do tesouro das instituições de caridade; seis
meses para se vestir; nove meses, para enterrar; e doze meses, ele deve
compartilhar a despesa de campos de esgrima ou jardins, o que era costumeiro
fazer de varas na forma da letra grega ψ? Disse R. Assi em nome de R.
Johanan: A declaração no Mishna, doze meses , significa também o mesmo.

O mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade: Todos, inclusive


órfãos, devem dividir as despesas da cerca, exceto os rabinos.

R. Papa disse: Para a reparação do muro da cidade, para a compra de cavalos


para os cavaleiros da cidade (para assistir e verificar o que é necessário) e para
um arsenal. todos, até mesmo órfãos, devem contribuir, exceto os rabinos. A
regra para isso é que, para tudo de que derivam benefícios, devem contribuir,
até mesmo órfãos. Rabba havia taxado os órfãos de Mar Mirion por
caridade. Disse Abayi para ele: Não tem R. Samuel b. Jehudá ensinou que os
órfãos não devem ser tributados por caridade, mesmo para o resgate de
prisioneiros? e ele respondeu: Eu fiz isso apenas para honrá-los.

Aiphra Hurmiz, a mãe do rei Sabur, enviou uma bolsa com


p. 20

dinares para R. Joseph, dizendo: Isto deve ser usado para a mais alta
caridade. E ele deliberou que tipo de caridade deveria ser considerado o mais
alto. Disse-lhe Abayi: Como se diz acima, que os órfãos não devem ser
tributados nem mesmo pelo resgate de prisioneiros, deve-se inferir que o
resgate de prisioneiros é considerado a mais alta caridade.

Rabha disse a Rabba b. Mari: Qual é a decisão do rabino de que o resgate de


prisioneiros é a maior caridade? E ele respondeu: Do que está escrito
[Jer. xv. 2]: "Como os destinados à morte, à morte; à espada, à espada; à
fome, à fome, ao cativeiro, ao cativeiro". E R. Johanan disse que tudo neste
verso que é mencionado mais tarde é mais difícil do que o que o precede -
como, por exemplo, "ser morto pela espada" é mais difícil que uma morte
natural, de acordo com o verso, bem como com bom senso. O verso
[Ps. cxvi. 15]: "Caro 1 aos olhos do Senhor é a morte (natural) do piedoso, "de
acordo com o senso comum - porque de uma morte natural o cadáver
permanece limpo, mas a espada o contamina com sangue. E essa fome é pior
que a espada também é aprendido do mesmo, como no verso [Lam. iv.], "Mais
felizes são aqueles mortos à espada do que aqueles mortos pela fome", etc., e
bom senso - pois o último tem que sofrer longos e grandes dor, enquanto a
morte do primeiro é rápida e repentina, o cativeiro, no entanto, é mais difícil
do que todos eles, já que todos os sofrimentos antes mencionados são
suportados.

Os rabinos ensinaram: A caridade deve ser coletada por duas pessoas e


distribuída por três. Coletado por dois, porque um corpo administrativo deve
ser constituído de não menos que dois; distribuído por três, porque requer
deliberação em juízo (quanto a se o candidato é digno de apoio, e em que
medida): portanto, é comparado a um caso civil que requer um corpo de
três. A coleta de alimentos deve ser feita todos os dias; mas dinheiro para o
tesouro de caridade, apenas nas vésperas dos sábados. A distribuição de
comida é para todo homem pobre, mas o dinheiro é distribuído apenas para os
pobres da cidade. No entanto, os anciãos da cidade têm o direito de trocar,
segundo seu critério, dinheiro por comida ou comida por dinheiro. Os anciãos
da cidade também têm o direito de fixar as medidas e os preços de alimentos e
bebidas, e também o salário dos trabalhadores, e multar ele ou os que
transgridem suas leis. Os mestres
p. 21

Diga: Nenhum corpo administrativo deve ser menor que dois. De onde isso é
deduzido? Disse R. Na'hman: Está escrito [Ex. xxviii. 5]: "E elesAmmi e
tomou dele quatrocentos zuz para caridade. Mas se ele não é rico, então
aquele que o pressiona será punido. Está escrito [Dan. xii. 3]: "E o inteligente
deve brilhar brilhantemente, como o brilho da expansão." Isso significa um
juiz que entra nas profundezas da lei e tenta sempre decidir de acordo com a
verdade. "E os que trazem muitos à justiça serão como as estrelas, para todo o
sempre." Isso significa que os colecionadores de caridade. Em uma Boraitha,
no entanto, é ensinado que a primeira parte do versículo citada significa tanto
os juízes quanto os colecionadores, enquanto a última parte significa os
instrutores das crianças. Quem, por exemplo, se entende? Disse Rabh: "R.
Samuel b. Shilath" - que Rabh encontrou uma vez em pé em um jardim, e ele
disse a ele: " e instrutores de crianças.) Mas e os rabinos? Disse Rabhina: O
versículo [Juízes, v. 31], "Mas aqueles que o amam como o nascer do sol em
seu poder" refere-se a eles. e instrutores de crianças.) Mas e os rabinos? Disse
Rabhina: O versículo [Juízes, v. 31], "Mas aqueles que o amam como o nascer
do sol em seu poder" refere-se a eles.

Os rabinos ensinavam: Os colecionadores de caridade não devem separar-se


uns dos outros (enquanto estão empenhados em colecionar). No entanto, um
pode ir para coletar dos armazenistas, enquanto o outro faz isso dos guardiões
dos estandes no mercado. Deve acontecer a um coletor de caridade encontrar
dinheiro
p. 22

nas ruas, ele não deve colocá-lo em sua bolsa particular, mas na bolsa da
caridade, e quando ele chegar em casa, ele pode tirá-lo. O mesmo é o caso se
ele encontrar um de seus devedores e pagar a ele o que lhe deve: ele não deve
colocá-lo em sua bolsa privada, mas na caridade (para evitar suspeitas), e
quando ele chega em casa ele pode tirá-lo.

Os rabinos ensinavam: Os tesouros da caridade, se não houver pobres entre os


quais distribuir, podem trocar as moedas menores do dinheiro coletado por
moedas maiores, mas não de sua bolsa particular. E o mesmo acontece com os
colecionadores de alimentos; se não houver pobres, eles poderão vendê-lo a
outros, mas não a si mesmos. As moedas de caridade não devem ser contadas
em pares, mas cada uma separadamente (para evitar suspeitas).

Abayi disse: Anteriormente, meu mestre não se sentava nos tapetes que
pertenciam à sinagoga (porque foram trazidos do tesouro das instituições de
caridade); mas depois que ele ouviu que os anciãos da cidade têm o direito de
mudar o dinheiro da caridade como bem entenderem, ele sentou-se.

Anteriormente (ele disse de novo), enquanto era tesoureiro, ele costumava ter
duas bolsas - uma para estranhos pobres e outra para os pobres da cidade; mas
quando ele ouviu que Samuel disse a R. Ta'hlipha b. Abdimi, "Você pode
guardar o dinheiro para a caridade em uma bolsa com a estipulação de
distribuir a quem achar digno", ele também guardava o dinheiro em uma só
bolsa, fazendo a mesma estipulação com sua congregação. R. Ashi, no
entanto, que também era tesoureiro, disse: Eu não preciso de nenhuma
estipulação, pois todas as doações são confiadas a meu critério.

Havia dois açougueiros que estipulavam que cada um deles deveria fazer
negócios todos os dias alternados, e aquele que violasse esse acordo, as peles
de seu gado abatido naquele dia deveriam ser destruídas. E finalmente um fez
negócios no dia que não era dele, e o parceiro destruiu suas peles. E quando o
caso chegou antes de Rabha, ele o fez pagar. R. Jimar b. Shlamyah objetou a
ele daquilo que foi ensinado acima, que eles podem multar aqueles que agem
contra a estipulação, e Rabha não se importou em responder-lhe. Disse R.
Papa: Ele fez bem em não responder, pois somente quando não há tribunal ou
homem honrado, os parceiros podem fazer uma estipulação entre si. Mas se
houver, então suas estipulações não serão consideradas quando o tribunal, etc.,
não tiver conhecimento disso.

Os rabinos ensinavam: não se deve examinar os tesouros da caridade, nem os


tesouros do santuário. Apesar
p. 23

não há apoio direto da Bíblia, uma pista disso pode ser encontrada [II Reis,
xii. 16]: "E eles não contaram com os homens em cujas mãos eles entregaram
o dinheiro", etc.

R. Elazar disse: É aconselhável que alguém conte seu dinheiro, embora ele
tenha um tesoureiro de confiança em sua casa, como está escrito [ibid.,
Ibid. 11]: "Eles colocam em sacos depois de ter contado o dinheiro", etc.

R. Huna disse: Se alguém veio pedir comida, pode ser investigado se ele está
em necessidade; mas nenhuma investigação deve ser feita sobre quem pede
vestimenta. Isso pode ser visto no verso [Is. lviii. 7]: "Não é para distribuir o
teu pão para o faminto ... quando vires o nu, que o vestes?" etc, como a
expressão distribuir, "Porosh" (com um sh em vez de um s ), significa
investigar primeiro e depois dar. E imediatamente depois disso, lê-se:
"Quando vires o nu", etc., o que significa imediatamente. R. Jehudah, no
entanto, mantém o contrário: Nenhuma investigação por comida, mas por
vestimenta. Ele apela ao bom senso e ao verso. Para o senso comum - aquele
que requer comida sofre as dores da fome, o que não é o caso com 'aquele que
pede vestuário; e o mesmo verso citado também deve ser interpretado assim:
"Não é para distribuir teu pão", etc., significa imediatamente, como o verso
deve ser explicado de acordo com sua pronúncia e não com a grafia; 1 "e se
tu vês o nu", etc., significa que ele devemostrarvocê que ele é assim. E há uma
Boraitha apoiando R. Jehudah. Se alguém disser: "Me vista", ele deve ser
investigado, mas se ele disser: "Alimente-me", ele deve ser cumprido
imediatamente sem qualquer investigação. Há um Mishna (mencionado no
sábado, p. 247): "Se um mendigo errante chegar a uma cidade, ele deve
receber um pão que pode ser comprado por um pundiano (um quarenta e oito
de um sela), quando o preço de farinha é um sela por quatro saahs. Se ele
permanecer durante a noite, ele deve ser dado alojamento, e se ele permanecer
durante o sábado, ele deve ser dado três refeições para o sábado. " O que se
entende por hospedagem? Disse R. Papa: Uma cama para dormir e um
travesseiro; e uma Boraitha, além disso, afirma que, se esse mendigo estivesse
implorando de porta em porta, a congregação não precisaria cuidar dele.

Havia um mendigo que implorava de porta em porta e R. Papai não lhe dava
atenção. Disse R. Samma b. R. Ieba para ele: Se o mestre não prestar atenção
a ele, então ninguém vai
p. 24

cuide dele, e ele pode morrer de fome. Mas os boraítas não disseram que, se
ele implorar de porta em porta, a congregação não tem nada a ver com
ele? Isto significa que para ele não deve ser dado o que é designado para
mendigos que não imploram na porta, mas algo deve ser dado a ele. R. Assi
disse: Não se pode recusar dar pelo menos um terço de um shekel anualmente
para caridade, como está escrito [Ne. x. 33]: "E nós estabelecemos para nós
(como um dos) mandamentosimpor a nós mesmos (para dar) a terceira parte
de um shekel em cada ano, "etc. E ele disse novamente: A virtude da caridade
é igual à soma das virtudes de todos os outros mandamentos juntos, como está
escrito (no apenas citou verso) "mandamentos", no plural e não no singular.
Disse R. Elazar: O coletor de caridade é considerado mais virtuoso do que
aquele que dá caridade, como está escrito [Is. xxxii. 17]: "E a obra da justiça
( ou seja , zedaka - caridade) será paz; e o efeito disso quietude e segurança
para sempre ", o que significa: Se ele fosse digno de recompensa, ele
distribuiria seu pão aos famintos; e se ele não fosse digno de recompensa, os
pobres seriam os membros de sua casa.

Disse Rabha aos habitantes de Mehusa, sua cidade: Eu te peço, veja que haja
concordância entre vocês, a fim de que vocês tenham paz do governo. R.
Elazar disse novamente: Quando o templo existia, dava-se o shekel e ele era
expiado. Agora, quando o Templo é destruído, se as pessoas fazem caridade,
bem e bem; se não, os idólatras vêm e levam seus bens à força. No entanto,
mesmo isso é contado como caridade no Céu, como está escrito [Is. lx. 17]:
"... e justiça como teus feitores". (Mesmo quando entregue aos mestres, é
contado no Céu como caridade.) Disse Mar Uqba: Fui informado pela criança
que foi corrigida por sua mãe, em nome de R. Elazar, da seguinte forma: Está
escrito [Is . lix. 17]: "E ele colocou a justiça como uma cota de malha", etc., o
que pode ser entendido,

R. Hanina, no entanto, disse a partir do seguinte verso [ibid., Lxiv. 5]: "... e
como uma roupa suja, todas as nossas justiças ..." Como cada fio de uma peça
de vestuário faz dela uma grande peça de roupa, o mesmo acontece com a
caridade, que cada moeda conta no grande conjunto.

Por que R. Shesheth chamou a criança que foi corrigida por


p. 25

a mãe dele? Porque aconteceu uma vez que R. A'hadbui b. Ammi lhe
perguntou algo sobre as pragas do direito; e enquanto discutia esse assunto, o
questionador respondeu-lhe com brincadeira. R. Shesheth ficou desanimado, e
em punição por isso, R. A'hadbui ficou mudo, e esqueceu seus estudos. A mãe
de R. Shesheth veio a ele e chorou antes dele, para que ele rezasse para R.
A'hadbui ser curado; mas ele não a ouviu até que ela lhe disse: "Veja os seios
pelos quais você foi amamentado", quando ele orou, e R. A'hadbui foi curado.

R. Elazar disse: Aquele que está fazendo caridade secretamente é maior que
Moisés, nosso mestre; como em relação a ele está escrito [Deut. ix. 19]:
Porque eu estava com medo da raiva e da indignação. . . e a respeito daquele
que faz caridade secretamente, está escrito [Prov. xxi .. 14]: "Um presente em
segredo pacifieth raiva, e um suborno no peito, forte fúria". Ele difere, no
entanto. com R. Itz'hak, que diz que só pacifica a raiva, mas não a fúria
forte. Porque ele sustenta que o começo do verso que acabamos de citar não
corresponde ao fim; como foi ouvido em seu nome que um juiz que aceita
suborno traz forte fúria ao mundo.

R. Itz'hak disse novamente: Aquele que dá uma moeda a um homem pobre é


recompensado com seis bênçãos; ele, no entanto, que o encoraja é
recompensado com onze. Os seis são [Is. lviii. 8, 9]: "Então partirá como a
aurora da manhã a tua luz... Então clamarás, e o Senhor responderá." Os onze
são [ibid., Ibid. 10]: "... E satisfazer a alma aflita, então resplandecerá na
escuridão a tua luz E tu serás chamado", etc.

O mesmo disse novamente: Está escrito [Prov. xxi. 21]: "Aquele que busca a
justiça e a bondade encontrará a vida, a justiça e a honra". Como este verso
deve ser entendido? Porque ele persegue a justiça, ele encontrará
justiça? Significa que quem busca a justiça e a caridade, o Santo, bendito seja
Ele, lhe abrirá os caminhos para obter dinheiro, a fim de poder fazer
caridade. R. Na'hman b. Itz'hak disse que o Santo, bendito seja Ele, lhe dá a
chance de encontrar homens que precisam e são dignos de apoio, para que ele
possa ter a recompensa completa por ele, no mundo vindouro. O que ele quer
dizer para excluir? Ele pretende excluir o que Rabha ou Rabba lecionou: está
escrito [Jer. xviii. 23]: "... No tempo da tua ira lidar com eles assim."
p. 26

Assim orou Jeremias diante do Santo, abençoado seja Ele: "Senhor


[parágrafo continua]

do Universo! Mesmo quando eles anulam seus maus pensamentos e estão


prestes a fazer caridade, Tu não deve dar-lhes a oportunidade de apoiar os
homens dignos; mas indigno aqueles para os quais eles não receberão
recompensa no mundo por vir ". R. Joshua b. Levi disse: "Todo aquele que
fizer o seu trabalho de fazer caridade, será abençoado com filhos que tenham
sabedoria, riqueza e que preguem a haggadah (moralidade)." Como está
escrito no verso citado acima, "encontrará vida", o que significa
sabedoria; "riqueza", como no mesmo verso está escrito zedaka(o que
significa caridade e, geralmente, ser capaz de fazer caridade, é preciso ser
rico); e "haggadah", como no mesmo versículo, diz "honra", e lê [Prov. iii,
35]: "Os sábios herdarão a glória..."
Há um Boraitha: R. Mair costumava dizer: Se um questionador comum
discute: "Se o seu Deus gosta dos pobres, por que não os alimenta?" Ninguém
pode responder: "Com o propósito de nos salvar da punição da
Gehenna". Este Tarnusruphus questionou R. Aqiba, e o acima foi sua
resposta. Ao qual Tarnusruphus se juntou: É, pelo contrário, por isso você
deve ser punido com Gehenna; e eu lhes darei uma parábola a partir da qual
você entenderá o porquê: Um rei ficou zangado com seu escravo e o colocou
na prisão, com a ordem de que ninguém o alimentasse; apesar disso, uma
pessoa o alimentou e lhe deu bebida. O rei não estaria zangado e puniria um
homem assim? E os israelitas são chamados servos, como está escrito
[Lev. xxv. 55]: "Para mim são os filhos de Israel servos..." R. Aqiba
respondeu: Eu lhe darei uma outra parábola, à qual minha resposta anterior
deve ser comparada: Um rei ficou zangado com seu filho, o colocou na prisão
e ordenou que ninguém lhe desse comida ou bebida; apesar de qual comando,
um o alimentou e lhe deu bebida. Quando o rei soubesse disso, ele não seria
grato a essa pessoa e lhe enviaria um presente? E nós israelitas somos
chamados filhos, como está escrito [Deut. xiv. 1]: "Vós sois os filhos do
Senhor", etc. Tarnusorra, porém, disse: Vós sois chamados filhos e também
servos - filhos, quando estais fazendo a vontade do Onipotente, e servos
quando vos ajusteis contra a Sua vontade. E você admitirá que agora você está
agindo contra a Sua vontade (como o seu Templo é destruído e você está no
exílio, o que não seria o caso, se você fizesse a Sua vontade). Portanto, aquele
que te favorece age contra a vontade de Deus.
p. 27

em relação a isso, está escrito [Is. lviii. 10]: "E se você derramar a fome a tua
alma, e satisfazer a alma aflita", etc A "alma afligida" refere-se a nós em
nossas circunstâncias presentes, e, no entanto, o início deste verso favorece tal
caridade.

R. Jehudah b. Shalom lecionou: Como as despesas anuais da casa para um são


designadas (no Céu) em cada Rosh Hashaná, assim são as suas perdas. Se ele
é digno, ele agirá de acordo com o começo do verso citado; mas se não, a
última porção deste verso, "as almas afligidas", serão os membros de sua
própria casa. Então Rabban Johannan b. Zakkai tinha visto em um sonho que
seus sobrinhos perderiam no ano atual mil e setecentos dinares, e ele os fez
distribuir esse valor para caridade. No entanto, dezessete dinares
permaneceram com eles e, na véspera da Expiação, o governo os levou para
longe deles. Então R. Johannan disse-lhes: "Não temas, dezassete dinares
foram tirados de ti e não vais perder mais". Para a pergunta: "De onde você
sabe?" ele respondeu: "Eu vi isso em um sonho". E para a pergunta: "Por que
você não nos informou, como então teríamos distribuído toda a quantia para
os pobres?" ele respondeu: "Para que você dê caridade apenas com o
propósito de fazer a vontade celestial".
Aconteceu com R. Papa que, enquanto subia os degraus, ele escorregou e
quase caiu (e teria sido morto, mas foi salvo milagrosamente). Então ele disse:
Se isso tivesse acontecido, meus inimigos teriam me acusado de ser um
violador do sábado ou um idólatra. Disse Hyya b. Rabh de Diphti para ele:
Talvez um pobre homem tenha chamado você e você não tenha prestado
atenção nele. Como aprendemos no seguinte Boraitha: R. Joshua b. Kar'ha
disse: Aquele cujos olhos estão fechados à caridade é comparado a um
idólatra; e isso deve ser tirado de uma analogia de expressão nos seguintes
versos: No que diz respeito à caridade, está escrito [Deut. xv. 9]: "Cuidado,
não haja Belial no teu coração"; e com relação à idolatria, está escrito [ibid.,
xiii. 14]: "Lá saíram filhos de Belial".

Há um Boraitha: "R. Elazar b. José disse: Caridade e bondade feita por Israel
neste mundo, são defensores e pacificadores entre eles e seu Pai celestial,
como está escrito [Jer. Xvi. 5]:" Por assim Disse o Senhor: Não entre na casa
do luto, nem vá lamentar-se, nem condolem com eles, porque tirei a minha
paz deste povo,
p. 28

diz o Senhor, sim, bondade e misericórdia. Bondade significa conceder


favores, e misericórdia significa caridade (portanto, porque estas foram
tiradas, portanto a paz também é tirada) ”.

Há outra Boraitha: "R. Josué disse: Graça é caridade, que se aproxima do


redentor; como está escrito:" Assim diz o Senhor: Mantém a justiça e pratica
o zedaka. 1 (caridade). O mesmo costumava dizer: Dez coisas difíceis foram
criadas no mundo: uma montanha é dura, ferro corta; o ferro é duro, o fogo
amolece; o fogo é duro, a água o extingue; a água é dura, as nuvens a
suportam; as nuvens são duras, os ventos os espalham; o vento é duro, o corpo
tolera; um corpo é duro, tremendo quebra-o; tremer é difícil, o vinho
dissipa; o vinho é duro, o sono o remove; a morte é mais difícil que todas
essas e a caridade salva da morte; como está escrito [Prov. X. 2]:
'. . . mas zedaka entregará da morte '. "

R. Dusthai b. Yannai lecionou: Venha e veja como a maneira do Santo,


bendito seja Ele, não é como a maneira dos seres humanos. Quando um ser
humano traz um presente ao rei, há uma dúvida se ele será aceito ou não; e se
for aceito, se ele verá o rei. Mas o Santo, bendito seja Ele, não é assim; se um
homem dá uma moeda a um homem pobre, ele é recompensado e experimenta
a aparência da Shekhinah; como está escrito [Ps. xvii. 15]: "Quanto a mim,
em zedeque (caridade) verei a tua face.

R. Elazar costumava dar uma moeda a um homem pobre antes de orar, citando
o versículo acima [ibid., Ibid.]: "Eu ficarei satisfeito, quando acordar,
contemplando a tua semelhança." O que isso significa? Disse R. Na'hman
b. Itz'hak: "Significa que eruditos que guardam o sono de seus olhos neste
mundo, o Santo, abençoado seja Ele, satisfaz-los com a aparência da
Shekhinah no mundo por vir." R. Johanan disse: Está escrito [Prov. xix. 17]:
"Ele empresta ao Senhor, que é liberal para os pobres". Se isso não fosse
escrito, seria impossível conceber; pois parece que Ele se torna um servo do
credor; porque está escrito [ibid., xxii. 7]: "... e o mutuário é servo do homem
que empresta". R. Hyya b. Abba, em nome de R. Johanan, disse: Está escrito
[ibid., Xi. 4]: "...vai entregar da morte "e [ibid., X. 2]:" Tesouros da iniqüidade
não trará nada; mas zedaka vai entregar da morte. "O que os
dois zedakas significam? Um, que
p. 29

salvou-o de uma morte não natural; o outro, que o salvou da Gehenna. Qual
deles fala de Gehenna? O do chap. xi., como lá é mencionado o dia da
"ira"; como está escrito [Zeph. Eu. 15]: "Um dia de ira é aquele dia", etc.,
significando Gehenna. E que tipo de zedakasalva alguém de uma morte não
natural? Se ele dá, e não sabe a quem, e quem o recebe não sabe de quem (se
ele doa ao tesoureiro da caridade). "Dá e não sabe a quem" exclui os actos de
Mar Uqba (que costumava colocar quatro zuz todos os dias na ranhura
debaixo da porta para um pobre homem, para que os pobres não soubessem de
quem ele recebeu, mas Mar Uqba sabia a quem ele deu). "O receptor não sabe
de quem" exclui os actos do R. Abba, que costumava embrulhar alguns
dinares no seu lenço e, vindo entre os pobres, estendia a mão que o continha, e
os pobres retiravam-no; de modo que ele não sabia quem o tomava, mas os
pobres sabiam quem era o doador. Uma objeção foi levantada a partir do
seguinte: O que alguém deve fazer para ter filhos do sexo masculino? R.
Elazar disse: Ele deveria distribuir seu dinheiro entre os pobres. R. Joshua
disse: Ele deveria aproveitar sua esposa antes de ter relações sexuais com
ela. E R. Eliezer b. Jacó disse: Ele não deve dar uma moeda para o tesouro da
caridade a menos que o tesoureiro seja como R. Hananya b. Theradion. (Por
isso, não se deve sempre dar ao tesouro da caridade?) O acima mencionado
Boraitha significava também quando o tesoureiro era desse tipo. R. Abuhu
disse: Moisés disse antes do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo,
como pode o chifre de Israel ser levantado?" Ao que ele respondeu: "Você
deve ter caridade de cada um de Israel que deve ser contado" [Ex. xxx. 12]. O
mesmo disse novamente: o rei Salomão b. David foi questionado: quão grande
é o poder da caridade? e ele respondeu: Vá e veja como Davi, meu pai,
explicou isto [Ps. cxii. 9]: "Ele distribui, ele dá aos necessitados; a sua justiça
permanece para sempre; seu chifre será exaltado em honra. "Rabha, no
entanto, disse, a partir do seguinte versículo [Is. xxxiii. 16]:" Ele deve habitar
no alto; fortalezas rochosas serão o seu refúgio; o seu pão lhe será dado; sua
água será certa. "E deve ser interpretado assim:" Por que ele deve habitar no
alto ", etc? Porque para os pobres ele deu o seu pão, e para o down-pisou sua
água estava certo. Abuhu disse novamente: Salomão foi questionado: Quem é
suposto ser o homem que tem uma parte no mundo por vir? E ser respondido
com o versículo [Is. Xxiv. 23]: o seu pão lhe será dado; sua água será certa. "E
deve ser interpretado assim:" Por que ele deve habitar no alto ", etc? Porque
para os pobres ele deu o seu pão, e para o down-pisou sua água estava certo.
Abuhu disse novamente: Salomão foi questionado: Quem é suposto ser o
homem que tem uma parte no mundo por vir? E ser respondido com o
versículo [Is. Xxiv. 23]: o seu pão lhe será dado; sua água será certa. "E deve
ser interpretado assim:" Por que ele deve habitar no alto ", etc? Porque para os
pobres ele deu o seu pão, e para o down-pisou sua água estava certo. Abuhu
disse novamente: Salomão foi questionado: Quem é suposto ser o homem que
tem uma parte no mundo por vir? E ser respondido com o versículo [Is. Xxiv.
23]:
p. 30

"... e antes de seus antigos na glória" (que significa aquele que é


[parágrafo continua]

respeitado em sua velhice pela sabedoria que ele reuniu durante toda a sua
vida. Como aconteceu com Joseph b. R. Joshua, que foi em um estado de
catalepsia, e quando ele acordou seu pai lhe perguntou: O que você viu no
mundo superior? E ele respondeu: Eu vi um mundo invertido: aquele que é
aqui muito estimado é considerado da classe mais baixa, e vice-versa. Seu pai
se reuniu: não um mundo invertido, mas racional, você viu? Ele continuou
questionando: E como somos considerados lá? E ele respondeu: O mesmo que
neste mundo. Eu também ouvi um ditado: felizes são aqueles que vêm aqui
com o estudo nas mãos. Eu também ouvi dizer que aqueles que foram mortos
pelo governo, nenhuma das criaturas poderia se aproximar deles (por causa de
sua alta posição).

Quem é significado por aqueles que foram mortos pelo governo? Vamos
supor que R. Aqiba e seus companheiros são feitos? É só porque eles foram
mortos? (Eles eram os maiores homens da geração, além disso). Isso
significava os que foram mortos em Louda. (Veja Tract Taanith, pp. 45-46.)

Existe uma Boraitha: Rabban Johannan b. Zakkai questionou seus discípulos


quanto ao significado do verso [Prov. xiv. 34]: " Zedaka exalta um povo; mas
a desgraça das nações é pecado". E R. Eliezer respondeu: " Zedaka exalta um
povo" significa Israel, como está escrito [II Sam. vii. 23]: "E quem é como o
teu povo, como Israel, a única nação na terra?" E "a desgraça das nações é
pecado" - todos os zedakae a bondade das nações, se entrarem nelas apenas
com o propósito de se tornarem grandes ou ganharem um bom nome, é um
pecado para elas. R. Josué (um dos discípulos) respondeu o primeiro meio
verso mesmo como R. Eliezer; e a segunda metade: Se as nações o fizerem
mesmo para que seu reino continue a existir por um longo tempo, como no
caso de Nabucodonosor [Dan. iv.]. Rabban Gamaliel respondeu a primeira
metade do verso como acima; a segunda metade: É um pecado para as nações,
se o fizerem apenas para se orgulharem contra outras nações. Assim, aquele
que é orgulhoso sem causa, cai na geena, como está escrito [Prov. xxi. 24]: "O
presunçoso e orgulhoso, escarnecedor é o seu nome, que trata da ira da
presunção." E por ira entende-se Gehenna, como mencionado acima. Disse R.
Gamaliel: Para a interpretação correta deste verso, ainda precisamos da
Modaith; como R. Eliezer b. Modaith interpretou assim: A primeira parte
como acima, e a segunda parte: Se as nações o fazem apenas para
p. 31

o propósito de insultar Israel; como está escrito [Jer. xl. 3]: "Agora o Senhor a
trouxe ... porque pecaram", etc., que foi dito por Nebusaradan. R. Ne'hunia
b. Hakana, no entanto, respondeu. Este verso deve ser interpretado
assim: Zedaka e bondade exaltam uma nação, significando Israel; mas para as
nações é considerada uma oferta pelo pecado. Seu mestre, R. Johannan
b. Zakkai, reencontrado: Parece-me que a interpretação de Ne'hunia é melhor
que a sua e a minha. "Do que o meu! Ele também disse algo sobre isso?" Sim,
como aprendemos na seguinte Boraitha: "Disse-lhes R. Johannan b. Zakkai:
Como uma oferta pelo pecado expia Israel, assim também a caridade expia
todas as outras nações."

Iphra Hurmiz, a mãe do rei Sabur, enviou quatrocentos dinares para caridade a
R. Ammi, e ele não a aceitou, mas a encaminhou para Rabha, que a aceitou, a
fim de ter paz com a casa real. R. Ammi, no entanto, ficou com raiva e disse:
Rabha não aceita o verso [Is. xxvii. 11]: "Quando seus ramos estiverem
murcos, serão quebrados; mulheres virão e porão fogo; porque não é um povo
de entendimento" etc.?

Mas por que R. Ammi fica com raiva? Ele não queria manter a paz com a casa
real? Ele pensou que esse dinheiro deveria ser distribuído somente entre os
pobres dos gentios. Rabha também fez isso, mas R. Ammi não estava ciente
disso.

Existe uma Boraitha: Foi dito sobre Benjamin, o Erguido, que era um
tesoureiro de caridade, que uma vez uma mulher veio a ele nos anos de fome,
pedindo-lhe para alimentá-la. E ele disse a ela: Eu juro que não há nada no
tesouro da caridade. Mas ela voltou: Rabino, se você não me alimentar,
encontrará uma mulher com seus sete filhos mortos. Ele então a alimentou de
seu próprio bolso. Mais tarde, ficou doente e quase morreu; os anjos disseram
antes do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo, Tu declaras que aquele
que salva uma alma de Israel é como aquele que salvou um mundo inteiro; e
Benjamin, o justo, que salvou uma mulher com seus sete filhos, ele deveria
morrer no auge? " Imediatamente o decreto adverso foi rasgado, e um
Boraitha afirma que vinte e dois anos foram adicionados à sua vida.
Os rabinos ensinaram: Aconteceu com o rei Monbas, que distribuiu seu
tesouro e de seus pais, nos anos de fome, que seus irmãos e toda a casa
murmuraram contra ele, dizendo: Seus pais salvaram e sempre acrescentaram
p. 32

o tesouro de seus pais e você está distribuindo tudo isso! E ele voltou: Meus
pais salvaram suas riquezas neste mundo e eu salvei no tesouro
celestial. Como está escrito [Ps. lxxxv. 12]: "A verdade crescerá da terra, e a
justiça olhará do céu." Meus pais salvaram em seu tesouro, o que não lhes
trouxe nenhum interesse, e eu salvei em um tesouro que traz juros. Como está
escrito [Is. iii. 10]: "Dizei aos justos que ele fez o bem; porque comerão do
fruto das suas ações." Meus pais salvaram em um lugar que pode ser
alcançado por uma mão, mas eu salvei em um lugar que pode ser alcançado
por nenhuma mão. Como está escrito [Ps. lxxxix. 15]: "Justiça e justiça são o
suporte do teu trono: bondade e verdade precedem a tua presença." Meus pais
salvaram para seus descendentes e eu guardei para mim. Como está escrito
[Deut. xxiv. 13]: "... ea ti será como justiça diante do Senhor teu Deus. "Meus
pais pouparam dinheiro em seu tesouro, e salvei almas em meu tesouro. Como
está escrito [Prov. xi. 30]:" O fruto dos justos é da árvore da vida; e o sábio
atrai almas para si mesmo. "Meus pais salvaram para este mundo e eu os
salvei para o mundo vindouro. Como está escrito:" [Is. 18]: ". . . e diante de ti
irá a tua justiça; a glória do Senhor será a tua recompensa ".

" Se, no entanto, ele comprou uma casa de moradia ", etc. Nossa Mishna não
está de acordo com R. Simeon b. Gamaliel do seguinte Boraitha, que diz que
se alguém comprou um pedaço de terra, por menor que seja, ele é considerado
um cidadão imediatamente. Mas nós não aprendemos em outra Boraitha que
ele ensinou, se alguém comprou um pedaço de terra que é apenas apto para
construir uma casa? Há dois Tanaim que relataram diferentemente em seu
nome.

MISHNA V .: Os parceiros não podem obrigar um ao outro a dividir um pátio,


a menos que cada uma das partes mede pelo menos quatro ells; nem um
campo pode ser dividido a menos que cada parte mede pelo menos nove kabs
para semeadura. R. Jehudah, no entanto, diz: Nove half-kabs. Nem um jardim
pode ser dividido, a menos que cada parte mede pelo menos metade de um
prego para semear. R. Aqiba, no entanto, diz: Um quarto. Tampouco se pode
obrigar seu parceiro a dividir uma sala de jantar, uma torre, um pombal, um
pano, uma casa de banho ou uma casa de lagar, a menos que cada um tenha
espaço suficiente para continuar seu antigo trabalho. Esta é a regra: se, após a
divisão, cada parte retiver seu nome anterior, então pode-se obrigar o parceiro
a dividir; mas não o contrário. Tudo isso é dito quando os parceiros
discordam;
p. 33
no entanto, quando eles concordarem, eles podem fazer o que quiserem. Uma
exceção é a Sagrada Escritura, se a possuírem, que não deve ser dividida,
mesmo que ambas concordem em fazê-lo.

GEMARA: Disse R. Assi em nome de R. Johanan: Os quatro elmos


mencionados devem ser medidos após as portas e partições necessárias terem
sido colocadas. E ele pode ser apoiado pelos seguintes Boraithas: Como um
deles declara que um pátio não deve ser dividido a menos que cada parte
contenha oito ells, e outro declare, a menos que quatro ells; para explicar a
contradição, é preciso dizer que se trata sem as portas e partições, e o outro
trata com elas.

R. Huna disse: Um quintal deve ser dividido de acordo com as portas


(significa que aquele que possui mais portas é obter uma parcela maior). R.
Hisda, no entanto, sustenta que quatro ells devem ser permitidos para cada
porta, e o restante deve ser dividido igualmente. Há uma Boraitha que suporta
R. Hisda: "Todas as portas que estão em um pátio, os donos delas têm direito
a quatro ells para cada uma; se uma possui uma porta e outra uma, a primeira
leva quatro, e os últimos oito ells, e o restante deve ser dividido igualmente.se,
no entanto, um deles possuir um portão que mede oito ells, ele tem direito a
oito almas opostas a ele e quatro ells no pátio. " O que se entende por quatro
ells adicionais? Assim disse Abayi: Ele leva oito ells no comprimento e quatro
ells na largura do quintal. Amemar disse:granumde fruta para a comida de
gado, quatro ells devem ser medidos a isto em um ou outro lado. No entanto,
isso é dito quando o proprietário não tem uma porta separada; mas se ele tiver
um, quatro ells para a porta devem ser medidos. R. Huna disse: "Para uma
varanda a lei de quatro ells não se aplica, como os quatro ells que são
permitidos para cada porta são para descarga, e de e para a varanda se passa
pela porta da casa. R. Shesheth opuseram-se ao seguinte: portões de casas,
bem como portões de varandas, têm direito a quatro ells? O Boraitha fala de
uma varanda que é particionada com windows; se assim for, então é auto-
evidente, pois é um bom câmara? Isso significa que as partições não atingiram
o teto.Os rabinos ensinaram: Um portão, uma varanda, ou uma galeria na qual
as portas dos compartimentos superiores se abrem, e de quais etapas
conduzem à corte, tenha cada um o direito a quatro ells. E mesmo que cinco
casas estivessem abertas para esta galeria, não mais do que quatro ells são
permitidos. R. Johanan, questionou R. Jannai: Tem um galinheiro direito a
quatro ells,
p. 34

ou não? E ele respondeu: Os quatro ells são dados para descarregar, e aqui ele
pode carregar e descarregar através do telhado do galinheiro. Portanto, não
tem direito a quatro ells.
Rabha questionou R. Na'hman: No caso de uma casa que é apenas metade
coberta, como é a lei sobre os quatro ells em questão? E ele respondeu: Não
tem direito a eles - não apenas quando é coberto por dentro, de modo que é
fácil para alguém entrar para descarregar; mas mesmo quando é coberto de
fora, ele pode se dar ao trabalho de entrar de dentro para descarregar.

R. Huna questionou R. Ammi: Se um dos habitantes de um beco deseja abrir a


porta que leva do seu quintal para outro beco, os habitantes daquele beco
podem impedi-lo ou não? E ele respondeu: Eles podem. Ele também o
questionou: Alojamentos para a milícia do governo, como devem ser
organizados? De acordo com o número de almas ou de acordo com o número
de portas? E ele respondeu: De acordo com o número de almas. E assim
também aprendemos na seguinte Boraitha: O estrume no quintal deve ser
dividido de acordo com as portas da casa; e alojamentos militares, de acordo
com o número de almas.

R. Huna disse: Se um dos habitantes de um beco deseja fazer uma cerca ao


redor da entrada, os outros habitantes podem impedi-lo, porque ele estende o
caminho (fazendo-os andar ao redor de sua cerca). Uma objeção foi levantada
a partir do seguinte: Se houvesse cinco pátios abertos para o beco (que era,
por sua vez, aberto à rua), todos eles poderiam usar o local limítrofe do quinto
pátio, que é o mais próximo da rua. descarregamento, etc.). O quinto, no
entanto, pode usar apenas o seu próprio lugar, mas não os lugares próximos
aos outros quintais. O mesmo acontece com os três primeiros no local, perto
do quarto pátio, os dois primeiros no terceiro e apenas o primeiro em todos
eles, enquanto nenhum deles tem o primeiro. (Assim, vemos que, para o
primeiro, nenhum deles tem o direito; e isso se opõe à teoria de R. Huna, que
disse quenenhum deles tem o direito de fazer uma cerca ao redor de sua
entrada.) Sobre essa lei, Tanaim. dos seguintes Boraitha diferem: Um dos
habitantes de um beco que deseja abrir sua porta em outro beco, os habitantes
desse beco podem impedi-lo. Se, no entanto, a porta estava lá , só estava
fechada, e ele queria abri-la, eles não podem impedi-lo. Assim é o decreto do
rabino. R. Simeon b. Elazar, no entanto, sustenta que, se houvesse cinco
metros de abertura para um beco, todos eles podem usar os lugares que
margeiam os pátios em
p. 35

beco. E para a pergunta: "Onde os pátios são mencionados?" foi dito que esta
Boraitha não está completa, e deveria ler assim: "E o mesmo é o caso de cinco
jardas que se abrem em um beco: todas elas podem usar a quinta que é mais
próxima da rua, e a quinta só pode usar seu próprio lugar, etc. Assim é o
decreto do rabino. R. Simeon, no entanto, sustenta que todos eles podem usar
os lugares igualmente ".
O mestre diz: Se houvesse uma porta e ela estivesse fechada, os habitantes não
poderiam impedi-lo. Disse Rabha: Esta lei só é válida quando ele não quebrou
as dobradiças; mas se ele tivesse quebrado as dobradiças, supõe-se que ele não
tivesse a intenção de abrir a porta novamente, e os habitantes podem impedi-
lo de fazê-lo. Disse-lhe Abayi: A seguinte Boraitha te apóia: "Se houvesse
uma casa com uma porta fechada, as quatro almas para descarregar se
aplicavam a ela; se, no entanto, o proprietário quebrasse as dobradiças da
porta, ele perderia o direito de eles." Rabba bb Hana, em nome de R. Johanan,
disse: Becos que estão abertos para uma estrada que leva a outra cidade, e os
habitantes desta cidade desejam fechá-los, os habitantes dessa cidade podem
impedi-los; não só quando não há outro caminho para aquela cidade, mas
mesmo que houvesse outra estrada, eles também podem impedi-los. Como R.
Jehudah, em nome de Rabh, declarou: Uma via que é ocupada pela maioria, é
proibido estragar.

R. Annan, em nome de Samuel, disse: Habitantes de becos que desejam fazer


portas para os seus fins que estão abertos para a rua podem ser impedidos pelo
público. Os escolásticos estavam prestes a interpretar isso que significava
apenas os primeiros quatro ells que estão ligados ao público, mas não além
disso. Como R. Zera disse em outro lugar, em nome de R. Na'hman: Os quatro
elis que estão ligados ao público devem ser considerados como o próprio
território público. Na realidade, porém, não é assim, como a decisão de R.
Na'hman havia apenas a respeito da lei da contaminação; mas aqui pode
acontecer que a rua esteja lotada e muitas pessoas entrem para além dos
quatro campos.

" Nem o campo pode ser dividido " etc. E R. Jehudah não difere do primeiro
Tana, pois cada um deles fala de acordo com o costume em seu país. Mas qual
é a lei na Babilônia? Disse R. Joseph: Ele pode ser dividido se houver o
suficiente para arar por um dia. Como isso deve ser entendido? Se isso
significa que, nos dias da semeadura, quando a terra já foi arada, então a lavra
não durará dois dias, e em um dia não poderia ser
p. 36

completado; e se nos dias da lavoura, então no tempo da colheita, não haverá


trabalho de um dia (e é um problema contratar trabalhadores por uma fração
de dia)? Se desejar, pode-se dizer que significa um dia de lavrar e semear
juntos; e se você desejar, pode-se dizer que significa um dia de semeadura e
rega artificial. R. Na'hman disse: Um vale pode ser dividido quando há para
cada parte a rega artificial de um dia. "Um vinhedo", diz o pai de Samuel,
"três provisões para cada parte". E assim também aprendemos na seguinte
Boraitha: "Se alguém disser: 'Eu te vendo uma parte da vinha', não é menos do
que três kabs. Assim é o decreto de Symmachos." Disse R. Jose: "Tal decreto
é apenas profético, pois não vejo razão para isso." Como a lei em questão
pode ser decidida na Babilônia? Disse Rabha b. Qisna: Não deve haver menos
de três arbustos, cada um deles contendo nada menos que doze ramos de uvas,
para cavar o que é um dia de trabalho do homem.

Disse R. Abdimi da cidade 'Haifa: Desde que o Templo foi destruído, a


profecia foi tirada dos profetas e foi dada aos sábios. (Como isso deve ser
entendido?) Pode um homem sábio não ser também um profeta? Em outras
palavras, todos os profetas eram tolos? Ele quer dizer que, embora tenha sido
tirado dos profetas que não eram sábios, não foi tirado dos sábios. Disse
Amemar: E um homem sábio é melhor do que um profeta, como está
escrito. xc. 12]: "... obter ( nobbi 1) um coração dotado de sabedoria. "E,
geralmente, quem depende de quem? O menor depende do maior. Por isso, a
sabedoria é maior do que a profecia. Disse Abayi: Esta teoria pode ser apoiada
pelo fato de que um grande homem declara algo novo e exatamente o mesmo
havia sido dito por outro grande homem, disse Rabha: "Que apoio é
esse? Pode ser que ambos sejam iguais em sabedoria. Portanto, "disse ele",
acontece freqüentemente que um grande homem declara algo novo, e depois
se descobre que Aqiba b. José já declarou isso (e é difícil dizer que ele era
igual em sabedoria a R. Aqiba). R. Ashi, no entanto, também se opôs a isso:
pode acontecer que nesse caso ele tenha sabedoria igual a ele. E ele apoiou
isso do fato de que muitas vezes ocorre que um sábio declara uma Halakha,
p. 37

Sinai. Mas mesmo assim, talvez tenha sido por acaso, como
[parágrafo continua]

acontece que um cego acidentalmente apanha algo. Isso significa que ele
também declara a razão disso.

R. Johanan disse: Desde que o Templo foi destruído, a profecia foi tirada dos
profetas e foi dada a lunáticos e crianças pequenas. O que se entende por
lunáticos? Assim aconteceu com Mar b. R. Ashi, que estava no mercado de
Mehuza e ouviu um lunático dizer que o futuro chefe da faculdade em Suria
seria Tibumi (o nome de Mar era Tibumi). E ele disse: "Quem dentre os
rabinos assina seu nome Tibumi, se não eu mesmo? Daí eu terei sucesso." E
ele foi para Suria. Nesse meio tempo, os rabinos do colégio pretendiam
nomear R. A'ha de Dipthi como sua cabeça. No entanto, quando souberam que
Mar havia chegado, enviaram-lhe dois dos rabinos para seguirem seu conselho
e os detiveram. Então eles enviaram outros dois, e ele fez o mesmo com
eles. Finalmente dez deles chegaram, e então ele começou a ensinar e a
palestrar, e proclamou-se chefe do colégio. [Ele fez isso porque não se deve
começar a lecionar se houver menos de dez pessoas presentes.] R. A'ha então
aplicou a si mesmo a palavra dos sábios: Aquele a quem o mal foi feito pelo
céu, não tem esperança de alívio num futuro próximo, evice-versa .

E o que diz respeito às crianças? Por exemplo, a filhinha de R. Hisda estava


sentada no colo do pai, e Rabha e Rami b. Hama estava sentado em frente e à
pergunta de seu pai: "Com quem você gostaria de se casar?" ela respondeu:
"Os dois." E Rabha imediatamente voltou: "Eu serei o último". (E assim foi.
Rabha se casou com ela após a morte de seu primeiro marido, Rami b. Hama.)

R. Abdimi de 'Haifa disse novamente: Antes de comer e beber, ele tem dois
corações, e depois disso ele tem apenas um, como está escrito dez [Jó,
xi. 13]. 1 Disse R. Huna b. R. Josué: Quem está habituado ao vinho, mesmo
que seu coração esteja trancado como o de uma virgem, o vinho o abre; como
está escrito [Zech. ix. 17]: "... e vinho novo, as virgens."

R. Huna b. R. Josué disse: É certo que quando um primogênito entre seus


irmãos (que tem direito biblicamente a duas ações) vierem a herdar suas ações
no mercado imobiliário, ele deverá receber duas porções adjacentes. Mas
como é se o primogênito morreu?
p. 38

sem filhos, e o irmão sobrevivente se casa com sua esposa e toma suas ações -
a lei da preempção também se aplica a ele, como ao irmão morto, ou
não? Abayi disse: Ele deve ser tratado como o morto. E Rabha disse: Está
escrito [Deut. xxv. 6]: "E será o primogênito", etc., o que significa que ele
será tratado como primogênito a esse respeito, mas não respeitando a divisão
de um patrimônio.

Havia um homem que comprou uma propriedade perto da propriedade de seu


sogro (que não tinha filhos homens), e quando eles vieram dividir a herança
do sogro, ele insistiu que a propriedade no limite do que ele comprou deve ser
dado a ele. Disse Rabha: Tal afirmação, se não ouvida, seria igual aos atos dos
sodomitas. Portanto, eles devem ser obrigados a cumprir o seu desejo. R.
Joseph opôs-se: os seus cunhados não poderiam afirmar que esta propriedade
lhes era agradável como a propriedade de Bar Marion (que era então
conhecida como a melhor propriedade)? E a Halakha prevalece de acordo com
R. Joseph (se a propriedade não precisar de rega artificial). Se um dos irmãos
que estão prestes a herdar duas fazendas de terra firme, cada uma com uma
lagoa para regar, compre uma propriedade ao lado de uma das duas fazendas
em questão, e exigir que isso lhe seja dado como sua parte, disse Rabha:
Como cada um deles tem um lago para regar, sua reivindicação é correta; e se
recusado, seria um costume sodomita. R. Joseph, no entanto, se opôs a isso,
dizendo: Seu irmão pode alegar: "Pode acontecer que uma lagoa se torne seca
e devemos ser obrigados a regar ambas as fazendas de uma lagoa; mas como
ele comprou outra propriedade, a lagoa não seria suficiente para regar todos
eles, e os meus permaneceriam secos ". E a Halakha prevalece de acordo com
ele também neste caso. Pode acontecer que uma lagoa se torne seca e devemos
ser obrigados a regar ambas as propriedades de uma lagoa; mas como ele
comprou outra propriedade, a lagoa não será suficiente para regar todos eles, e
a minha permanecerá seca. "E a Halakha prevalece de acordo com ele também
neste caso. Pode acontecer que uma lagoa se torne seca e devemos ser
obrigados a regar ambas as propriedades de uma lagoa; mas como ele
comprou outra propriedade, a lagoa não será suficiente para regar todos eles, e
a minha permanecerá seca. "E a Halakha prevalece de acordo com ele também
neste caso.

Se a herança consiste em duas propriedades que são irrigadas de uma lagoa, e


um dos irmãos comprou uma propriedade adjacente a uma delas, e exige que
esta seja uma parte adjacente - disse R. Joseph: Sua alegação é correta, como a
razão acima não pode ser aplicada aqui; e, portanto, se não deveria ser
escutado, seria um costume sodomita. A que Abayi se opunha: Alguém pode
afirmar: "É melhor para mim ter minha herança entre os seus dois, e então
será melhor preservada." No entanto, o Halakha prevalece novamente com R.
Joseph, como a última afirmação não deve ser considerada. Se dois irmãos
herdam uma propriedade que tem um rio de um lado e um lago do outro, o
p. 39

a propriedade deve ser dividida diagonalmente de modo que cada metade


limite o rio e a lagoa.

" Nem uma sala de jantar ", etc. Mas como é quando não há tanto espaço para
cada um? Segundo R. Jehudah, a lei "ou você concede ou eu concedo" deve
ser aplicada. Um deles pode dizer: "Ou eu te pago em dinheiro pela sua parte,
e toda a propriedade permanece para mim, ou vice-versa"E R. Na'hman disse:
Tal lei não pode ser aplicada, e eles devem permanecer em parceria. Disse
Rabha a R. Na'hman: De acordo com a sua decisão, que a lei da concessão não
se aplica em tal caso como é que, então, se um primogênito e seu irmão
herdaram de seu pai um escravo ou um animal que não é adequado para o
abate? Como um primogênito terá direito a dois terços? e, portanto, ele tomou
como sua instância um primogênito, porque é mais difícil para eles
permanecerem parceiros.) Respondido R. Na'hman: Porque eu digo que
mesmo então eles devem permanecer parceiros, e o escravo ou animal em
questão deve sirva a dois dias e ao outro.

Uma objeção foi levantada a partir do seguinte: Se houver um escravo


somente ao meio (como, por exemplo, ele foi um fiador de dois senhores e foi
libertado por um deles), ele pode servir seu mestre um dia, e atender seu
próprio negócio no outro dia. Assim é o decreto de Beth Hillel. Disse Beth
Shammai: Essa lei é parcial, pois você satisfez apenas o mestre, mas não o
fiador; como o escravo não pode se casar com uma escrava, pois ele é meio
livre, nem pode se casar com uma donzela livre, porque ele é meio escravo,
será decidido que ele permanecerá solteiro? Isso também seria impróprio, pois
o mundo é criado para reprodução; como está escrito [Is. xlv. 18]: "Não para
nada ele criou: para ser habitado ele formou." E, portanto, ele pode obrigar
seu mestre a libertá-lo e aceitar uma nota por metade de seu valor. E Beth
Hillel mudou sua decisão e cedeu a de Beth Shammai. (Assim, vemos que em
tal caso a lei da concessão se aplica?) Aqui é diferente, pois a concessão não é
igual para ambos os parceiros; pois o escravo só pode exigir do mestre que
aceite metade do seu valor para libertá-lo; mas o senhor não pode exigir do
escravo que lhe venda a metade livre, pois isso é contra a lei.

Outra objeção foi levantada: dois irmãos, um deles rico e o outro pobre,
herdam do pai um banho ou uma assessoria de imprensa. Se é alugado para
alguém, eles certamente devem dividir o aluguel; mas se o banho foi feito para
uso privado,
p. 40

o irmão rico pode dizer ao pobre: você pode contratar ou comprar servos que
prepararão o banho para o seu uso, mas eu não pagarei metade do trabalho,
nem comprarei azeitonas e as pressionarei na casa de imprensa. (Assim,
vemos que a lei da concessão não se aplica?) Aqui também a concessão não é
mesmo, como o pobre não tem dinheiro para oferecer para pagar por sua parte
na herança. Venha e ouça outra objeção de nossa Mishna. "Se, após a
subdivisão, cada parte puder reter seu nome anterior", etc., mas se não, deve
ser avaliado em dinheiro e um dos parceiros deve conceder sua parte à outra
quando for pago. (Daí a lei da concessão se aplica?) Neste ponto Tanaim
diferem, como aprendemos na seguinte Boraitha: "Se um dos parceiros diz ao
outro: 'Pegue a sua parte na íntegra e eu irei tomar o restante' ele deve ser
ouvido. R. Simeon b. Gamaliel, no entanto, diz que ele não deve ".

Agora vamos ver. Se o caso for semelhante ao de nossa Mishná, por que R.
Simeon b. Objeto Gamaliel? Devemos dizer, então, que a Boraitha citada não
está completa, e deve ler assim: "Você toma a quantidade prescrita para a sua
parte, e eu vou tomar o restante; ou, eu vou conceder ou então você conceder"
- ele é para ser escutado. E R. Simeon b. Gamaliel disse: "Não". Daí Tanaim
diferem. O caso pode ser semelhante ao citado em nossa Mishna, e a razão de
R. Simeon por que ele não deve ser ouvido é: ele pode alegar: "Eu não tenho
dinheiro para pagar pela sua parte, e eu não quero aceite um presente de você
". Como está escrito [Prov. XV. 27]: "Aquele que odeia presentes viverá".

Disse Abayi à R. Joseph: A decisão de R. Jehudah, que a lei da concessão se


aplica, está de acordo com Samuel, que disse, com relação às Sagradas
Escrituras, que se fosse uma propriedade de dois parceiros "não deve ser
dividida mesmo quando ambos concordam, "o caso sendo apenas quando foi
encadernado em um volume; mas se ligados em duas partes, eles podem. E
isso também pode estar correto quando a lei da concessão não se aplica; pois,
se fosse aplicado, não haveria diferença se estivesse ligado em uma ou em
duas partes. R. Shalman, no entanto, explicou a decisão de Samuel: Quando
ambos os parceiros concordam em dividir.
Amemar disse: A lei da concessão deve ser aplicada. Disse R. Ashi para ele: E
sobre a decisão de R. Na'hman? E ele disse: Eu não seguro com ele. "Isso é
verdade? Não aconteceu com Rabba e R. Dimi, os filhos de Hinna, que seu
pai lhes legou duas escravas, uma delas
p. 41

capaz de cozinhar e assar, e o outro de girar e tecer; e eles vieram antes de


Rabha, e ele decidiu que a lei da concessão não se aplicava aqui? "" Havia
outra razão; os dois irmãos precisavam dos serviços de ambos os escravos. E
decidir: "Você aceita uma e eu a outra" não seria a lei da concessão. "Mas
Samuel não decidiu que, quando ligadas em duas partes, elas poderiam se
dividir? Já foi explicado acima que ele fala de um caso. quando ambos os
parceiros estão dispostos a fazê-lo.

Os rabinos ensinaram: Pode-se anexar o Pentateuco aos Profetas, e ambos ao


Hagiographa, e mantê-los em um volume. Assim é o decreto de R. Meir. R.
Jehudah, no entanto, disse: "Cada um deles deve ser mantido
separadamente". Os sábios disseram, além disso, que o livro de cada Profeta
deve ser mantido separadamente. Disse R. Jehudah: Aconteceu com Beithus
b. Zonin, que ele tinha oito livros dos Profetas juntos, com a permissão de R.
Elazar b. Azarias. Segundo outros, no entanto, ele tinha os livros, mas cada
um deles era mantido separadamente. Disse Rabino: Aconteceu uma vez que o
Pentateuco, os Profetas e o Hagiógrafo, ligados um ao outro, foram trazidos
para nós, e nós o aprovamos.

Após cada livro do Pentateuco, quatro linhas devem ser deixadas em branco
durante a cópia. A lei é a mesma em relação a cada livro dos profetas; exceto
no caso dos livros dos Doze Profetas, três linhas depois de cada uma são
suficientes para serem deixadas em branco. No entanto, se um livro terminar
na parte inferior da página, o próximo livro pode ser iniciado no topo da
próxima página sem deixar linhas em branco.

Os rabinos ensinavam: "Se alguém deseja anexar os pergaminhos do


Pentateuco, Profetas e Hagiógrafo a um outro, ele pode fazê-lo, desde que ele
deixe uma página inteira em branco no começo, e no final espaço suficiente
em branco para envolver o pergaminho inteiro, e ele pode começar um novo
livro no topo de uma página quando o livro anterior terminar na parte inferior
da página anterior. E se ele desejar separar os livros depois, ele poderá fazê-lo.
" Como isso deve ser entendido? É evidente que um livro separado é melhor
do que se anexado. Significa dizer que alguém pode começar no topo da
página; como então, se ele decidir separar os livros, será mais fácil para ele
fazer isso. Há uma contradição na seguinte Boraitha, que afirma: "Deve haver
espaço em branco no início e no final de cada livro, suficiente para envolvê-
lo." Para encerrar o que? Por aí
p. 42

o livro todo? Então contradiz a antiga Boraitha, que afirma que no início uma
página é suficiente; e se isso significa apenas uma página, então ela contradiz
o acima, que afirma "o suficiente no final para envolver o livro"? Disse R.
Na'hman b. Itz'hak: Essa Boraitha também significa deixar espaço em branco
no começo e no final, conforme prescrito. R. Ashi, no entanto, disse: O último
Boraitha fala dos Manuscritos Sagrados, como aprendemos na seguinte
Boraitha: "Todos os rolos são enrolados (em torno de um suporte) da direita
para a esquerda; os Manuscritos Sagrados são rolados para o meio ( e deve ser
anexado a doistitulares) e uma página em branco deve ser deixada tanto no
início como no final. " E R. Eliezer b. R. Zadok disse: Então escreveu aos
escribas de Jerusalém seus Manuscritos Sagrados.

Os rabinos ensinavam: O comprimento dos Manuscritos Sagrados não deve


exceder a circunferência; nem o último deve exceder o comprimento.

O rabino foi questionado sobre as dimensões prescritas dos Manuscritos


Sagrados. Ele respondeu: Seis vãos de comprimento quando escritos em
pergaminho duplo serão iguais à circunferência; e quando em pergaminho
comum, eu não sei o tamanho.

R. Huna escreveu setenta Pentateuchs, e em apenas um deles o comprimento


passou a ser igual à circunferência. R. A'ha b. Jacó escreveu apenas um, em
pele de novilho, e as medições aconteceram exatamente como prescritas; e os
rabinos lançaram os olhos sobre ele e ele morreu.

[Disse os rabinos a R. Hamnunah: É verdade que R. Ammi escreveu


quatrocentos Pentateucos? E ele respondeu: Talvez ele tenha escrito apenas
um verso [Deut. xxxiii. 4]: "A lei que Moisés nos deu é herança da
congregação de Jacó", quatrocentas vezes. Da mesma forma, Rabha
questionou R. Zera: É verdade que R. Janai plantou quatrocentos vinhedos? E
ele respondeu: Talvez contenha cinco árvores, duas de cada lado e uma atrás
(que, com respeito à lei de Kilaim, é considerada uma vinha).]

Uma objeção foi levantada: A arca que foi feita por Moisés tinha dois anos e
meio de comprimento, um e meio de largura e uma hora e meia de altura:
todas essas medidas foram feitas com uma elipse de seis vãos. As tábuas que
foram trazidas por Moisés tinham seis vãos quadrados e três vãos de
espessura: eles foram colocados na arca no sentido do comprimento. Agora,
quanto espaço os tabletes ocupavam na arca? Doze vãos. Então, três vãos de
espaço foram deixados. Retire uma extensão para as duas paredes da arca,
cada uma com metade de um espaço, depois dois espaços
p. 43
foi deixado, onde os rolos sagrados foram colocados. Como está escrito [I
Reis, viii. 9]: "Não havia nada na arca além das duas tábuas de pedra" etc. As
expressões "nada" e "salvar" são uma exclusão após uma exclusão ; e há uma
regra de que, onde isso é encontrado, significa uma inclusão; e aqui estão
incluídos os Manuscritos Sagrados, que estavam na arca. Agora o
comprimento da arca é contabilizado. Como a largura deve ser
contabilizada? Os comprimidos ocupavam seis vãos de largura; e dos três
restantes uma extensão deve ser deduzida para as duas paredes. Isso deixa
dois espaços de espaço vazio, até o fim que os Manuscritos Sagrados não
devem ser esmagados enquanto são retirados ou devolvidos. Então, disse R.
Mair. R. Jehudah, no entanto, afirma que o ell era de cinco vãos. As tábuas,
com seis vãos de largura e três de largura, foram colocadas na arca no sentido
do comprimento e ocuparam doze vãos, deixando apenas uma meia extensão
do espaço: um dedo (um quarto de um vão) para cada parede. Isso é para o
comprimento. Quanto à largura, os tabletes ocupavam seis vãos; e do espaço
restante de um ano e meio se desdobram meia extensão - um dedo e
meio 1 para cada parede - deixando então um vão; e isso foi ocupado pelos
pilares. Como está escrito [Canção de Salomão, iii. 9 e 10]: "As suas colunas"
etc. E também o caixão em que os filisteus colocaram o presente ao Deus de
Israel foi colocado ao lado. Como está escrito [I Sam. vi. 8]: "Você deve
colocar um caixão ao lado dele e depois mandá-lo embora" etc. E no caixão
foram colocados os Manuscritos Sagrados. Como está escrito [Deut. xxxi. 26]:
"Tome este livro da lei, e coloque-o ao lado da arca", etc. Vemos, então, que
foi colocado ao lado e não dentro da arca. Mas o que deve ser incluído das
duas exclusõesMencionado acima? As mesas quebradas, que foram primeiro
quebradas por Moisés. Agora, se tivermos em mente que a circunferência dos
Manuscritos Sagrados foi de seis vãos, seu diâmetro deve ter sido de dois
vãos, pois há uma regra que tudo com uma circunferência de três vãos tem um
diâmetro de um palmo. Agora, como foi dito acima, que os Manuscritos
Sagrados foram rolados para o meio, então o diâmetro deve exceder dois vãos,
pois o espaço no meio entre os dois rolos não poderia ser calculado nos dois
vãos. Como, então, poderia entrar? Disse R. A'ha b. Jacó: "Os Manuscritos
Sagrados que foram escritos por Moisés (dos quais o rei leu a porção
p. 44

pertencendo a ele, e o sumo sacerdote lido no Dia da Expiação no pátio do


Templo) foram rolados da esquerda para a direita apenas, em um rolo. "Mas,
mesmo assim, como você pode colocar em uma coisa que é duas extensões em
espessura de um espaço de apenas dois vãos? Disse R. Ashi: "Um pedaço do
pergaminho foi deixado, a partir do rolo, de modo que ele poderia ser
colocado em duas vãos, e o que restou estava deitado no topo." Mas de acordo
com a teoria de R. Jehudah, onde os Pergaminhos Sagrados foram colocados
antes de os filisteus mandarem a urna? Uma pequena tábua estava presa aos
pilares, e os Manuscritos Sagrados foram colocados sobre ela.
Os rabinos ensinavam: "A ordem dos profetas é a seguinte: Jehoshua, Juízes,
Samuel, Reis, Jeremias, Ezequiel, Isaías e os Doze Profetas". Vejamos:
Oséias, dos Doze Profetas, foi antes de Isaías, como está escrito [Oséias, i. 2]:
"O começo da palavra do Senhor" etc. Isto certamente não pode ser entendido
que ele foi o primeiro dos profetas a quem o Senhor falou desde o tempo de
Moisés, como havia muitos profetas depois de Moisés preceder Oséias. E,
portanto, R. Johanan explica que ele foi o primeiro dos quatro profetas que
profetizaram naquele período; a saber: Oséias, Isaías, Amós e Miquéias. Daí
ele foi antes de Isaías. Por que ele é colocado depois? Porque seu livro é
contado entre os Doze, entre os quais Ageu, Zacarias e Malaquias, que foram
os últimos dos profetas: portanto, seu livro é colocado junto com o deles. Mas
por que o livro de Oséias não foi separado e colocado em primeiro
lugar? Porque o livro dele é pequeno e, se fosse colocado separadamente,
ficaria perdido. No entanto, não era Isaías antes de Jeremias e Ezequiel? Por
que ele não é colocado em primeiro lugar? Porque os "Reis" terminam com a
destruição do Templo, e todo o livro de Jeremias fala da destruição, e o de
Ezequiel no início fala da destruição e do fim do consolo, enquanto todo o
livro de Isaías fala de consolação: destruição foi colocado ao lado de
destruição e consolo próximo ao consolo. não era Isaías antes de Jeremias e
Ezequiel? Por que ele não é colocado em primeiro lugar? Porque os "Reis"
terminam com a destruição do Templo, e todo o livro de Jeremias fala da
destruição, e o de Ezequiel no início fala da destruição e do fim do consolo,
enquanto todo o livro de Isaías fala de consolação: destruição foi colocado ao
lado de destruição e consolo próximo ao consolo. não era Isaías antes de
Jeremias e Ezequiel? Por que ele não é colocado em primeiro lugar? Porque
os "Reis" terminam com a destruição do Templo, e todo o livro de Jeremias
fala da destruição, e o de Ezequiel no início fala da destruição e do fim do
consolo, enquanto todo o livro de Isaías fala de consolação: destruição foi
colocado ao lado de destruição e consolo próximo ao consolo.

A ordem do Hagiographa é a seguinte: Rute, Salmos, Jó, Provérbios,


Eclesiastes, Cantares de Salomão, Lamentações, Daniel, Livro de Ester, Livro
de Esdras e Crônicas. 1
p. 45

E quem escreveu todos os livros? Moisés escreveu seu livro e uma parte de
Balaão [Números, xxii.] E Jó. Jehoshua escreveu seu livro e os últimos oito
versos do início do Pentateuco: "E Moisés, o servo do Senhor,
morreu". Samuel escreveu seu livro, Juízes e Rute. Davi escreveu Salmos,
com a assistência de dez anciãos, a saber: Adão o primeiro, Malaquias
Zedeque, Abraão, Moisés, Hyman, Jedutum, Asafe e os três filhos de
Korach. Jeremias escreveu seu livro, Reis e Lamentações. O rei Ezequias e
sua companhia escreveram Isaías, Provérbios, Músicas e Eclesiastes. Os
homens da grande assembléia escreveram Ezequiel, os Doze Profetas, Daniel
e o Livro de Ester. Esdras escreveu seu livro e Crônicas - a ordem de todas as
gerações para si mesmo. [Isso pode ser um apoio à teoria de Rabh, como a
que, R. Jehudah disse em seu nome, que Esdras não havia ascendido da
Babilônia para a Palestina até que ele escreveu sua genealogia.] E quem
terminou o livro de Esdras? Neemias ben Chachalyah.

Há um Boraitha de acordo com ele que disse que os últimos oito versos da
Torá foram escritos por Josué; ou seja: "Está escrito [Deut. xxxvi. 5]:" E
Moisés, o servo do Senhor morreu ", etc. É possível que o próprio Moisés
deveria ter escrito" e ele morreu "? Portanto, deve ser dito que até este verso
que Moisés escreveu, e deste verso em diante Josué escreveu. Assim disse R.
Josué, segundo outros R. Neemias ". Disse R. Simeon para ele: É possível que
os Manuscritos Sagrados não estivessem completos até a última carta, e
mesmo assim deveria ler [Ibid., Xxxi. 26]: "Tome este livro da lei" etc.
Portanto, devemos dizer que até este versículo o Santo, bendito seja Ele, ditou,
e Moisés repetiu e escreveu; e deste verso para a frente Ele ditou, e Moisés
com lágrimas nos olhos anotou; como assim é lido [Jer. xxxvi. 18]: "Então
lhes disse Baruque: Com a sua boca ele me disse claramente todas estas
palavras, e eu as escrevi no livro com tinta."

De acordo com quem, então, é o seguinte - que R. Joshua b. Aba, em nome de


R. Gidel, citando Rabh, disse: "Os últimos oito versos do Pentateuco, quando
lidos dos Manuscritos Sagrados, devem ser lidos por uma pessoa sem
qualquer interrupção"?
p. 46

deveria estar de acordo com R. Simeon? Pode também estar de


[parágrafo continua] Não

acordo com R. Simeon; e a razão para a exceção destes oito versos é porque,
como já houve uma mudança na escrita de Moisés (como dito acima), a
mudança é feita também aqui. "Josué escreveu seu livro"; mas não está escrito
lá: "E Josué morreu"? Isto foi escrito por Elazar. Mas não está escrito lá: "E
Elazar morreu"? O livro foi terminado por seu filho Pinchas.

"Samuel escreveu seu livro." Mas não está escrito: "E Samuel morreu"? O
livro foi terminado por Gade, o vidente, e Natã, o profeta.

"Davi escreveu os Salmos", etc. Mas por que os Boraitha não enumeraram
também Ethan, o ezachita? Disse Rabh: "Este e Abraão são
idênticos". Enumera Moisés e também Hyman; Rabi não disse que por Hyman
se entende Moisés? Havia dois Hymans.

"Moisés escreveu seu livro", etc. Este é um apoio a R. Levy b. Lachma, que
disse que Jó viveu no tempo de Moisés. 1 Rabha, no entanto, disse: Jó viveu
no tempo dos espiões que foram enviados por Moisés para investigar a
Palestina.
Um dos rabinos estava sentado diante de R. Samuel b. Na'hmeni e disse: Job
nunca existiu; e é mencionado nas Escrituras apenas para um exemplo. Disse
ele para ele: A Escritura é contra a sua teoria, como afirma claramente [Jó,
i. 1]: "Houve um homem" etc. Mas, de acordo com sua teoria, também está
escrito [II Sam. xii. 3]: "Mas o pobre homem não tinha nada", etc. Foi assim
na realidade? Foi escrito apenas para um exemplo! O mesmo pode ser dito a
respeito de Jó? Se fosse assim, por que, então, seu nome e o nome do país de
onde ele veio?

R. Johanan e R. Elazar disseram que Jó estava entre os ancestrais dos exilados


babilônicos; e sua faculdade estava em Tiberíades.

Uma objeção foi levantada: Existe uma Boraitha: "A idade de Jó era desde o
tempo em que Israel veio ao Egito até ele deixá-la". Leia: "Todos os anos que
os israelitas estavam no Egito". Outra objeção foi levantada. Havia sete
profetas que profetizaram para as nações: Balaão e seu pai Job: Elifaz o
themanita, Bildad, o shuchita, Zofar, o naamathita, e Elihu ben Barael, o
buzita. (Daí nós
p. 47

Vê que Jó era um gentio?) E, de acordo com sua teoria, foi então Eliú,
mencionado apenas, um gentio? Ele era certamente um israelita, como está
escrito, "da família de Ram". E por que ele é chamado de profeta das
nações? Porque suas profecias foram para as nações. O mesmo pode ser dito a
respeito de Jó. Mas os profetas judeus também não profetizaram para as
nações? Os profetas judeus profetizaram a Israel e também às nações, mas os
sete mencionados acima profetizaram apenas para as nações.

Há uma objeção do seguinte: Um homem piedoso estava entre as nações e Jó


era seu nome; e ele veio a este mundo apenas com o propósito de receber sua
recompensa. O Santo, abençoado seja Ele, no entanto, trouxe castigos sobre
ele, e ele começou a blasfemar; o Senhor então dobrou sua recompensa neste
mundo, para que ele não tivesse participação no mundo vindouro. (Por isso
vemos que Jó era um gentio?) Nesse ponto, Tanaim, dos seguintes Boraítas,
difere: R. Elazar disse: Jó estava no tempo dos juízes; como está escrito [Job,
xxvii. 12]: "... lidar com essas vaidades?" E qual geração era uma inteiramente
de vaidades? É a geração dos juízes. R. Joshua b. Karha disse: Jó estava no
tempo de Assuero; como está escrito [Job, xlii. 15]: "E não foram encontradas
mulheres tão belas como as filhas de Jó" etc. E em que geração foram
procuradas mulheres bonitas, se não na geração de Assuero? [Mas talvez
tenha sido no tempo de Davi, quando mulheres bonitas também foram
procuradas [I Reis, i. 3] Lá eles procuraram apenas entre as filhas de Israel,
mas no tempo de Assuero está escrito: "em toda a terra".] R. Nathan disse que
Jó estava no tempo da Rainha de Sabá, como está escrito. , Eu. 15]: "Quando
os sabeus fizeram uma incursão". [E R. Samuel b. Na'hmeni disse em nome de
R. Jonathan: Ele que traduzMalchas Sheba "a rainha de Sabá" está errada,
pois a tradução correta é "o governo de Sabá".] E os sábios disseram: Ele
estava no tempo da Caldéia, como está escrito [ibid., Ibid. 17]: "Os caldeus se
colocaram" etc. Ainda outros disseram que Jó estava no tempo de Jacó e se
casou com Dina, a filha de Jacó. (Eles inferem isso de uma analogia de
expressão, Nebala .) E todos os sábios mencionados mencionam que Jó era
um israelita, exceto o último, que afirma que ele era um gentio. R. Johanan
disse: Está escrito [Ruth, i. 1]: "E aconteceu nos dias em que os juízes
julgaram", etc. Significa que foi uma geração que
p. 48

julgou os juízes. Se, por exemplo , o juiz lhes dissesse: "Tirem o palito do
dente", eles responderam: "Se você tirar o feixe de seus olhos, eu removerei o
palito de dente". Se, por exemplo , o juiz disse a um deles: "Tua prata se
tornou escória", a resposta foi: "Teu vinho é drogado com água" [Is. Eu. 22]
( ou seja , se o juiz acusou uma pequena transgressão, o acusado disse-lhe:
"Tu és um pecador maior do que eu").

Está escrito [Jó, i. 6-9]: "... Que o acusador (Satanás) também veio no meio
deles", etc Satanás disse diante do Senhor: "Eu tenho corrido por todo o
mundo, e não encontrei nenhum homem fiel como teu servo Abraão , a quem
tu disseste [Gênesis 17: 17]: 'Levanta-te, anda pela terra no comprimento dela
e na largura dela, pois a ti darei.' E não obstante isso, quando ele procurou por
um túmulo para enterrar sua esposa Sarah, e não encontrou um até que ele
comprou por quatrocentos shekels de prata, ele não murmurou ou tenha em
mente qualquer coisa contra ti. " "Então, disse o Senhor a Satanás", disse R.
Johanan: O que foi dito sobre Jó é mais importante do que o que foi dito sobre
Abraão, como sobre o último está escrito [Ibid., Xxii. 12]: "Agora eu sei que
você teme a Deus", etc. E em relação ao primeiro está escrito [Jó, i. 1]: "E este
homem era perfeito e reto, temente a Deus e evitando o mal." O que significa
"evitar o mal"? Disse R. Aba b. Samuel: Jó era liberal com seu dinheiro; é
costume, se um trabalhador fez algum serviço com o valor de metade da
menor moeda, que o empregador o leve até o almoxarifado, compre algo para
essa moeda e dê ao trabalhador a metade que lhe é devida. Jó, no entanto, deu-
lhe a moeda inteira por tais serviços. "Então Satanás respondeu: É por nada
que Jó teme a Deus? ... a obra de suas mãos abençoou." O que isto
significa? Disse R. Samuel b. R. Itz'hak: "Qualquer um que pegou uma moeda
de Jó para o negócio, conseguiu." E o que significa: "E o gado dele está bem
espalhado na terra"? Disse R. Jose b. Hanina: Seu gado mudou a ordem do
mundo. Normalmente os lobos matam cabras; As cabras de Jó, no entanto,
mataram lobos.

"Mas apenas estenda a mão", etc. [ibid. 11-19]: "Os bois aravam e as jumentas
se alimentavam ao lado deles". Como isso deve ser entendido? Disse R.
Johanan: A partir disso, deve-se inferir que o Santo, bendito seja Ele, deu a Jó
um antegosto do mundo por vir (assim como o mundo
p. 49

para vir está escrito [Jer. xxxi.] que a gravidez e o nascimento em uma mulher
ocorreram juntos). "Um fogo de Deus" etc. [ii. 5]. Satanás novamente
respondeu ao Senhor, como dito acima.

"E você me incitou contra ele", disse R. Johanan: Se isso não fosse escrito,
seria impossível para um ser humano concebê-lo: a Escritura fala do Senhor
como se Ele fosse um ser humano que pode ser influenciado pela incitação.

Existe uma Boraitha: Satanás desce e tenta os seres humanos; então ascende e
os acusa; então toma a ordem e toma a alma daquele a quem ele tentou.

"Então o acusador respondeu ao Senhor" etc. [ibid., Ibid. 4-8], disse R.


Itz'hak: Satanás foi mais afligido do que o próprio Jó. É semelhante a um
mestre que diz ao seu servo: "Quebre o barril, mas salve o vinho" (sem deixá-
lo ter um recipiente para salvá-lo). Assim foi com Satanás; o Senhor lhe disse
para tomar o corpo de Jó, mas para salvar sua alma. Disse Resh Lakish: A
partir disso vemos que aquele que se chama Satanás é ele mesmo o espírito
maligno que tenta alguém a pecar; e ele mesmo é o Anjo da Morte, como lhe
foi dito para salvar a vida: da qual se deve ver que a vida do homem estava em
suas mãos.

R. Levi disse: Satanás e Peninnah pretendiam (com sua acusação) agradar o


céu. Satanás, que tinha visto que o Senhor era favorável a Jó, temia que, pela
justiça de Jó, os méritos de Abraão fossem esquecidos e, portanto, ele falava
como acima. E Peninnah, como está escrito [I Sam. Eu. 6]: "E sua rival
também a provocou continuamente, a fim de fazê-la se preocupar", etc.
Significa para o propósito de fazê-la rezar e ter um filho. R. A'ha lecionou o
mesmo na cidade de Papuniah, e Satanás veio e beijou seus pés por isso.

"Com tudo isso, não Jó pecou com seus lábios". Disse Rabha: "Com seus
lábios ele não pecou, mas pecou em seu coração". O que foi isso? [Job,
ix. 24]: "A terra é entregue aos ímpios? Ele cobre o rosto de seus juízes; se
isto não é verdade, quem é então? 1 Disse Rabha. Jó estava prestes a virar o
prato para baixo ( isto é , negar o poder do Senhor).
p. 50

Disse Abayi para ele: Jó falou apenas sobre Satanás. Neste ponto,
[parágrafo continua]

Tanaim diferem. Sobre o verso citado, R. Elazar disse: Jó estava prestes a


virar o prato para baixo. E R. Joshua disse a ele: Jó falou somente em relação
a Satanás. Está escrito [ibid. x. 7]: "Ainda é do seu conhecimento que eu não
sou mau, e não há quem possa me livrar da tua mão." Disse Rabha: Jó queria
libertar o mundo inteiro de um julgamento. Ele disse assim: Senhor do
Universo, Tu criaste um boi com cascos separados, e nós sem (e Tu ordenaste
que somente as criaturas com os cascos partidos serão comidas, mas Tu
poderias ter feito o contrário). Tu criaste o Paraíso e Criaste Gehenna; Criaste
o justo, e criaste o ímpio. Quem pode te impedir? (Portanto, nenhuma
recompensa e nenhuma punição deve ser dada, como tudo foi feito de acordo
com a Tua vontade!) E o que os colegas de Jó responderam a
isso? [ibid. xv. 4]: "Sim, tu fazes verdadeiramente anulado o temor (de Deus),
e diminui a devoção diante de Deus." O que significa que o Santo, bendito
seja Ele, criou o espírito maligno e criou a sabedoria como remédio contra ele.

Rabha palestrou: Está escrito [ibid. xxix. 13]: "A bênção do que estava pronto
para perecer veio sobre mim, e o coração da viúva fiz com que cantasse de
alegria". A partir da primeira metade deste versículo, aprendemos que ser
usado para roubar um campo pertencente a órfãos, melhorá-lo e devolvê-lo a
eles; e na segunda metade aprendemos que, se havia uma viúva com quem
ninguém queria se casar, ele colocou seu nome sobre ela, dizendo que ela era
sua parente, e então era fácil para ela se casar. Está escrito [ibid. vi. 2]: "Oh,
que a minha aflição pudesse ser verdadeiramente pesada, e a minha
calamidade", etc. Foi dito por ou a Rabh: A terra pode cobrir a boca de Jó por
isto. Ele se faz um companheiro de providência [ibid. ix. 33]: "Não há
ninguém que possa decidir entre nós, que possa colocar a mão sobre nós
dois". Disse Rabha: Por isso também a sua boca pode estar coberta de terra:
deve um escravo repreender o seu senhor? [ibid. xxxi. 1]: "Um pacto que fiz
com os meus olhos: como, então, devo fixar o meu olhar em uma
virgem?" Disse Rabha: Ele não tinha visto mulheres estranhas, mas Abraão
não tinha olhado nem para a sua própria esposa; como está escrito
[Gen. xii. 11]: "Agora sei que és uma mulher de aparência bonita, "da qual se
deve inferir que antes daquela época ele não sabia disso.

[Job, vii. 9]: "Como a nuvem desaparece e passa:


p. 51

assim também o que desce ao mundo inferior não subirá novamente. "Disse
Rabha: A partir disso vemos que Jó negou a ressurreição. [Ibid. ix 17]:"
Aquele que me ferve com a sua tempestade e multiplica as minhas feridas sem
uma causa. "Disse Rabba: Jó tem blasfemado pela tempestade, e pela
tempestade ele foi atendido. Blasfemado pela tempestade - como ele disse:"
Senhor do Universo! Talvez uma tempestade passasse diante de Ti e mudasse
para Ti a palavra Iyabh para Oyabh ”. 1 E pela tempestade ele foi respondido -
como está escrito [ibidem. xxxviii. 1]: "Então o SENHOR se dirigiu a Jó do
vento da tempestade ... cingi como valente os teus lombos, e eu te perguntarei,
e tu me informas."
Então ele disse: "Eu criei muitos cabelos em seres humanos, e para cada
cabelo eu criei um buraco separado; pois se dois fossem nutridos de um
buraco, ele cegaria os olhos dos homens; agora de um buraco para outro ele
não foi mudado para mim, e de Iyabh para Oyabh, deveria ser mudado?
" [Ibidem, ibid. 25]: "Quem separou os cursos de água" etc. "Há muitas gotas
que eu criei nas nuvens, e para cada gota há um lugar separado; pois se duas
gotas entrarem em uma, elas fariam a terra era muito mole e não poderia
produzir; esses lugares não foram alterados para mim ". "... E um caminho
para o relâmpago (que é seguido por) trovões". "Muitos trovões eu criei nas
nuvens, e para cada trovão há uma pista separada, pois se dois devem seguir
pela mesma trilha, eles destruiriam o mundo. As faixas não foram alteradas
para mim; e de Iyabh para Oyabh, deveria ser? "[Ibidem. xxxix. 1]:" Sabe tu o
tempo quando a camurça da pedra traz para a frente? "" A camurça da pedra é
cruel para sua descendência, e quando o tempo de suportar, ela sobe ao topo
da montanha, para que os descendentes caiam e morram. E eu mando uma
águia que a recebe com suas asas. "" Tu marcas quando as crias parem? "" O
traseiro tem um ventre estreito, e quando chega o tempo de carregar, eu
procuro uma cobra que a pica no útero, para que ela seja capaz de gerar os
descendentes. Em ambos os casos, isso deve acontecer no exato
momento; pois se ocorrer um segundo antes ou um segundo depois, o jovem
no primeiro caso e a mãe no segundo morreria. Agora,
p. 52

nunca há uma mudança; e de Iyabh para Oyabh, deveria ser mudado? "[Ibid.
xxxiv. 35]:" Jó não falou com conhecimento, e as palavras dele são sem
inteligência. "Disse Rabha: disto isto pode ser deduzido que um não é para ser
responsabilizado por suas palavras no momento em que ele está aflito [Ibid. ii.
11-13]: "Quando, agora, os três amigos de Jó. . . e eles se reuniram, "etc. O
que se entende por" eles se encontraram "? Disse R. Jehudah em nome de
Rabh: Eles todos entraram ao mesmo tempo no portão da cidade onde Jó
vivia; embora um Boraitha afirme que cada um eles viviam trezentos parsas
longe dos outros, mas quem os informava? Segundo alguns, cada um deles
tinha uma coroa na qual estavam gravadas as imagens de seus três colegas, e
se um deles ficava aflito, a imagem era mudada. E de acordo com outros, eles
tinham em seu jardim três árvores, cada uma com o nome de um dos
amigos; e se alguém ficou aflito, a árvore foi mudada. Disse Rabha: Isso é o
que as pessoas dizem: "Ou ter colegas como Jó ou morte".

Está escrito [Gen. vi. Eu]: "E aconteceu quando os homens começaram a se
multiplicar ... e filhas", etc. R. Johanan disse: Com uma filha, a multiplicação
vem ao mundo, como na caldéia, uma menina é
chamada rabia ; literalmente, multiplique . Resh Lakish, no entanto, sustenta
que com uma contenda filha vem ao mundo, como rabia significa
também luta . Disse Resh Lakish para R. Johanan: Segundo sua opinião, a
multiplicação vem com filhas; Por que Jó não foi duplamente recompensado
com as filhas, como estava com os filhos e com toda a sua propriedade? E ele
respondeu: Embora não fossem dobrados em número, estavam em
beleza; como está escrito [Job, xlii. 13-15]: "Ele também tinha
quatorze 1 filhos e três filhas ", etc E mais adiante está escrito:" E não foram
encontradas tais mulheres bonitas ", etc. 2

Para R. Simeon, filho de Rabi, nasceu uma filha; e ele ficou


desanimado. Disse seu pai para ele: Com tua filha veio a multiplicação
( rabia ). Disse Bar Kapara para ele:
p. 53

consolo de seu pai é muito pobre. O seguinte Boraitha afirma: "O mundo não
pode ficar sem machos e fêmeas. No entanto, feliz é aquele cujos filhos são do
sexo masculino, e ai daquele cujos filhos são fêmeas. O mundo não pode ficar
sem um comerciante de especiarias e um curtidor ( burseus ); feliz é ele que é
comerciante de especiarias e ai daquele que é curtidor ". Neste ponto,
entretanto, os Tanaim dos seguintes Boraitha diferem. Está escrito
[Gen. xxiv. 1]: "O Senhor abençoou Abraão bakhol (em todas as coisas)". O
que a palavra bakholsignifica? R. Meir disse: Ele foi abençoado por não ter
filhas. R. Jehudah, no entanto, disse: Ele foi abençoado em ter uma
filha. Professores anônimos dizem: Ele teve uma filha com o nome Bakhol. R.
Elazar o Modai disse: Abraão, nosso pai, era um astrólogo; e, portanto, todos
os reis do Ocidente e do Oriente vieram à sua porta para pedir seu
conselho. 1 R. Simeon b. Joanã disse: Um diamante estava pendurado no
pescoço de Abraão e, quando um homem doente olhou para ele, ele ficou
curado. E quando Abraão faleceu, o Senhor o selou no planeta do sol. Disse
Abayi: Isso é o que as pessoas dizem: Quando o dia chega, os doentes ficam
melhores. Há outra explicação da palavra bakhol- que enquanto Abraão
estivesse vivo, Esaú não se rebelou. Segundo ainda outros: "Porque Ismael se
arrependeu em seus dias". Que Esaú não se rebelou em seus dias é declarado
em um Boraitha para explicar os versos Gen. xxv. 29-34 como se referindo ao
dia em que Abraão morreu. E que Ishmael se arrependeu é explicado por
Rabha, em nome de R. Johanan, a Rabhina e a R. Hama b. Buzi assim: Está
escrito [ibid., Ibid. 9]: "E seus filhos Isaac e Ismael", etc. E do fato de que
Isaque é nomeado em primeiro lugar, embora Ismael era mais velho, é para
ser entendido que Ismael se arrependeu e, sabendo que Isaque era melhor do
que ele, lhe deu a preferência. Mas talvez o verso só o faça porque assim foi, e
Ismael não teve nada a ver com isso? Então a Escritura [ibid. xxxv. 29] diria
também Jacó e Esaú, e não de acordo com a idade, como é agora. Por isso, a
construção anterior está correta.
Os rabinos ensinaram: Há três para quem o Santo, bendito seja Ele, deu um
gostinho do mundo que virá neste mundo; ou seja, Abraão, Isaque e Jacó:
Abraão
p. 54

porque a respeito dele está escrito bakhol ; Isaac - porque a respeito dele está
escrito mikhol ; e Jacó - a respeito de quem está escrito khol . Os mesmos três
superaram o espírito maligno, como as palavras que acabamos de mencionar
estão escritas a respeito deles.

Os rabinos ensinaram: Há seis que o Anjo da Morte não dominou: os três


primeiros, e Moisés, Aarão e Miriã - os três primeiros, por causa das palavras
mencionadas; e os três últimos, porque está escrito [Num. xxxiii. 38]: "Por
ordem do Senhor" etc. Há sete que os vermes não devoraram: os seis
primeiros e Benjamin ben Jacob; de acordo com os outros, também David - os
seis primeiros, por causa das razões expostas acima; e Benjamin, porque está
escrito [Deut. xxxiii. 12]: "O amado do Senhor (ele é), ele deve habitar em
segurança", etc Há quatro que morreram sem pecado, mas porque foi tão
decretado no momento em que a serpente fez Eva comer o fruto do árvore da
sabedoria; Benjamim b. Jacó, Anrão, pai de Moisés, Jessé, pai de Davi, e
Quilabe, b. David - para todos eles tradicionalmente, 1

Notas de rodapé

5: 1 A expressão hebraica é "Me'ainai hoaida", literalmente "dos olhos da


congregação"; daí os líderes são chamados os olhos da congregação.

5: 2 A expressão em hebraico é "Ma'hmad Ainechem", literalmente,


o deleite dos seus olhos.

7: 1 No texto, lê-se que R. Na'hman disse que pode haver um sinal feito
por Sinuphi Irikhi . Luria corrigiu para ler Ribhi em vez de Irikhi , mas não
deu nenhuma explicação. A explicação de Rashi é tão complicada que não
podemos entendê-lo. Ashri, no entanto, e Rabono Gershon omitem tudo isso
e, portanto, seguimos o exemplo deles.

16: 1 Nos tempos antigos, as notas promissórias eram escritas principalmente


por testemunhas.

20: 1 A expressão em hebraico é Yoqor , que tem dois significados - "caro" e


"doloroso": o Talmude toma o primeiro significado e Leeser toma o segundo.
23: 1 Suas Bíblias devem ter sido escritas diferentemente, como em nosso a
soletração da palavra é como é pronunciada.

28: 1 O termo hebraico é zedaka ; Leeser traduz "equidade", segundo o


sentido.

36: 1 A expressão na Bíblia é ve'nobbi , que tem; dois significados - "obter" e


também "um profeta". O Talmud considera literalmente que um profeta tem
um coração de sabedoria. Leeser traduz de acordo com o sentido.

37: 1 A expressão neste verso é nabub yilabab ; literalmente: "O vazio


receberá dois corações". A tradução de Leeser não corresponde.

43: 1 Um dedo e meio "- ou seja, o dedo mindinho, dos quais há seis a um
palmo.

44: 1 Rashi explica as razões da ordem do Hagiographa, que, em sua opinião,


foi organizada em ordem de tempo, e sustenta que Jó foi escrito depois de
Rute e Salmos, os dois últimos tendo sido escritos, segundo ele, por David; e
sobre os Cânticos, ele diz: "Parece-me que Salomão disse ou escreveu-os na
sua velhice." Contudo, a ordem de nossas Escrituras é diferente, e elas são
certamente p. 45 não na ordem de tempo, como os críticos modernos atribuem
um período muito posterior de tempo para quase todos os livros, e ainda
ignoram a razão pela qual a ordem foi alterada nos cânones que possuímos de
que no Talmud, e quem foi isso que substituiu a ordem existente.

46: 1 Seu apoio é de uma analogia de expressão; e o Gemara discute a


analogia, mas é muito complicado e, portanto, omitido. O mesmo acontece
com o dito de Rabha adiante.

49: 1 Esta é a tradução exata de Leeser, que seguimos em nossa edição. Os


comentários bíblicos diferem na explicação dessa passagem, que é muito
complicada, e Leeser, seguindo um deles, explica tudo isso como uma
questão. O último comentarista, Dr. Benjamin Szold, de Baltimore, interpreta
de acordo com o Talmud, que a primeira metade não deve ser entendida como
uma questão, mas como um fato; e parece-nos que ele está certo.

51: 1 Jó em hebraico é soletrado Iyabh: Oyabh significa inimigo; e isso


significa que talvez as vogais tenham sido alteradas, tornando assim, em vez
de Jó , o inimigo .

52: 1 Shibha em hebraico significa sete; então está escrito no Job ii. Nesta
passagem está escrito shibhnah , que, de acordo com o Talmud,
significa quatorze ; e o dobro do que foi antes, como toda a sua propriedade
foi duplicada. Leeser traduziu sete , não dando atenção à
letra freira adicionada nesta palavra.

52: 2 no texto deduz-se dos nomes das filhas; por exemplo , Yememah, linda
como o dia , etc. Nós omitimos isso, como é difícil, com as palavras
hebraicas, cada uma das quais tem vários significados, para indicar que
significado tem e para discuti-lo. E também é sem importância.

53: 1 O termo no texto para isto é aiztagninuth , e os comentaristas explicam


isto para significar astrólogo . De acordo com Schönhak, no entanto, ele é
composto de duas palavras gregas, στεγω, νοοω, que significam alguém que
possa compreender os mistérios da humanidade.

54: 1 Isso também é deduzido de diferentes versículos da Escritura, de uma


maneira muito complicada, que não seria de interesse para o leitor inglês, e
portanto foi omitida.
p. 55

CAPÍTULO II.
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS AO ESPAÇO A SER
ESQUERDO ENTRE UM IMÓVEL EO OUTRO, SER DE UM OU DOIS
TIPOS. Sob quais condições um inquilino pode colocar um forno em sua
habitação. EM QUE CIRCUNSTÂNCIAS UMA LOJA EM UM JARRO
PODE SER PREVENTIDA. RELATIVAMENTE AO ESPAÇO A SER
ENTREGUE ENTRE CIDADE E COBERTURAS DE POMBOS,
ÁRVORES, CEBOLINHOS E CEMITÉRIOS.

MISHNA I : Não se deve cavar um poço próximo ao seu vizinho, nem um


canal, caverna, aqueduto ou bacia, para lavar, a menos que seja removido a
uma distância de pelo menos três vãos do seu vizinho, e rebocado com
cal. Resíduos de oliveiras ou papoulas, esterco, sal, lima e pederneiras
também devem ser removidos a uma distância de três vãos e devem ser
cobertos com cal. À mesma distância, sementes, aragem e urina devem ser
removidos da parede; um moinho de mão a uma distância de três vãos da mó
inferior, que é quatro da mó superior; e um forno de três vãos da fundação,
que é de quatro vãos da borda superior.

GEMARA: O Mishna começa com um poço e termina com uma


parede? Disse Abayi, segundo outros, R. Jehudah: Pelo termo "muro"
entende-se a parede do poço. Mas então poderia ensinar: "A menos que ele o
remova do poço", e seria evidente que o significado é "da parede do poço"? A
Mishna vem nos ensinar pela maneira que uma parede de um poço deve medir
não menos do que três vãos, nos casos de venda e compra, como aprendemos
na seguinte Boraitha: "Se alguém disser: 'Eu estou vendendo a você o bem
com suas paredes, "as paredes devem medir três vãos".

Foi ensinado: se alguém vem cavar um poço na fronteira do terreno vago do


vizinho, ele deve removê-lo à distância mencionada no Mishna, ou não? De
acordo com Abayi ele não tem, e de acordo com Rabha ele tem. Eles diferem
em relação a uma parcela preparada apenas para obras; mas se não estiver
preparado para isso, ambos concordam que ele pode cavar na fronteira. E
p. 56

mesmo que fosse de acordo com Abayi, ele não é obrigado a remover o poço a
qualquer distância. Mesmo de acordo com a teoria dos rabinos, que afirmam
mais adiante que, se alguém chega a plantar uma árvore perto do poço de seu
vizinho, ele deve fazê-lo a uma distância de vinte e cinco elis, é porque o poço
já estava em existência lá no momento em que ele vem para plantar; mas aqui
o poço ainda não existe. E de acordo com Rabha ele deve manter a
distância. Mesmo de acordo com a teoria de R. José, que diz, mais adiante,
que cada um dos vizinhos tem o direito de fazer o que lhe agrada em sua
propriedade, etc., é porque, quando ele começa a plantar, raízes que pode ferir
o bem ainda não existem. Mas aqui o dono da trama, que está preparado para
poços, pode afirmar: "Toda vez que você usa a espada na minha fronteira,
você enfraquece minha propriedade".

Uma objeção foi levantada de nossa Mishná: não se deve cavar um poço
próximo do seu vizinho, do qual deve ser inferido - perto do poço já
existente; mas se não, ele pode. E isso contradiz a teoria de Rabha? Ele pode
responder: Não foi ensinado, além disso, que significa da parede do poço?

Outra objeção da última parte de nossa Mishna foi levantada, que enumera
todas as coisas que devem ser removidas da parede, das quais deve ser
entendido que fala de uma parede existente, mas não se ainda não existe . E a
resposta foi: Isso também pode ser explicado que o Mishna vem nos ensinar
que todas as coisas que ele enumera são prejudiciais à parede.

Venha e ouça o seguinte: Uma árvore deve ser removida de um poço a uma
distância de vinte e cinco ells. Isso não significa de um poço existente? Aqui
também pode ser explicado que significa que a uma distância de menos de
vinte e cinco ells as raízes são prejudiciais ao poço. Mas o mesmo acontece se
o poço ainda não existir. Se sim, então como a última parte, que afirma que se
a árvore já existe, não é preciso reduzi-la, ser entendido? Pois, se não se deve
plantar uma árvore perto de uma parcela, mesmo quando ela está apenas
preparada para paredes, como pode tal caso ser encontrado? Como R. Papa
explicou em outro lugar, fala de um caso em que se compra isso. Então,
também pode ser explicado aqui para significar: No caso de alguém ter
comprado uma árvore como essa, ele não precisa removê-la.

Venha e ouça o seguinte: É preciso remover uma lagoa para o linho de ervas,
alho de cebolas e mostarda de
p. 57

abelhas. Também não deve ser entendido que significa ervas já


existentes? Aqui também pode ser explicado, mesmo quando está preparado
apenas para eles, e ensina que as coisas mencionadas prejudicam umas às
outras. Mas, em caso afirmativo, como deve ser a última parte: "R. José
permite a mostarda ... Porque as abelhas consomem as flores da minha
mostarda", entendem-se? Como se alguém devesse remover as abelhas de um
lugar preparado apenas para mostarda, como pode ser encontrado um caso
desses? Disse R. Papa: "Isso significa, quando se compra tal." Mas se sim,
então qual é a razão da decisão dos rabinos? e também de acordo com R. José,
porque só com mostarda? Não deveria também ser o mesmo no caso acima de
ervas e linho? Disse Rabhina: Os rabinos sustentam que o injurioso tem que se
afastar das coisas que podem ser feridas por ele; por exemplo, se as raízes de
uma árvore são prejudiciais a um poço, a árvore deve ser removida, e não o
poço, (diz o Gemara :) Da afirmação de Rabhina é para ser inferido que R.
Jose sustenta que o ferido tem que remover ele mesmo - então porque só no
caso de mostarda? O mesmo deveria ser o caso das ervas. Se há uma lagoa
para o linho, as ervas devem ser removidas e não a lagoa? Portanto, devemos
dizer que R. José também é da opinião de que o injurador deve se retirar, e a
razão das ervas em questão é porque a lagoa prejudica as ervas, e não as ervas
para a lagoa; mas abelhas e mostarda ferem-se mutuamente. E assim disse R.
José aos rabinos: O caso das ervas e da lagoa está correto, porque a lagoa fere
as ervas, e não vice-versa.. Mas por que deveria ser o mesmo no caso das
abelhas e da mostarda, que prejudicam umas as outras? Os rabinos, no
entanto, são da opinião de que as abelhas não prejudicam a mostarda; porque
se eles tentam consumir a mostarda dentro das sementes semeadas, eles não
conseguem compreendê-las, em razão de seu tamanho extremamente
pequeno. E se eles prejudicarem as folhas, isso não importaria, pois os outros
crescerão. Mas como se pode dizer que R. José sustenta que o injetor deve se
retirar - não o seguinte estado de Mishna: R. José disse: Embora o poço já
existisse antes da árvore ser plantada, esta não deve ser cortada para baixo,
etc? Portanto, devemos dizer que R. José sustenta que o ferido tem que se
retirar. E ele disse ao rabino assim: Minha teoria é que o ferido deve ser
removido; mas mesmo de acordo com sua teoria, que o injetor deve remover,
p. 53

abelhas, que prejudicam uns aos outros? Para o qual os rabinos responderam
como dito acima. A mostarda, no entanto, prejudica as abelhas por causa de
sua pungência.

" Nem uma bacia para lavar ", disse R. Na'hman em nome de Rabba
b. Abuhu: O caso é quando é uma bacia para imersão de roupas (eles
costumavam imergir roupas por vários dias em esterco canino); mas se for
uma bacia para lavar, deve ser removido quatro ells (devido a salpicos durante
a lavagem). E assim também aprendemos no seguinte Boraitha: "Uma bacia
para lavar - quatro ells." Mas em nossa Mishna é dito "três vãos". Por isso,
deve ser explicado que os Boraitha tratam de uma bacia para lavar e estão de
acordo com R. Na'hman.

R. Hyya b. R. Ivya ensinou em nosso Mishna claramente: Desde que haja um


espaço de três vãos desde a borda do lago encharcado até a parede.

" E engessado com cal ." Os escolásticos propuseram uma pergunta: o Mishna
declara "e está cheio de cal" (o que significa que isso também deve ser feito),
ou, talvez, "ou rebocado com cal" (o que significa que um dos dois requisitos
é suficiente)? Certamente ensina " eengessado com cal"; para se ler outodas as
partes da Mishna seriam ensinadas juntas, pois não há diferença entre
elas. Mas talvez ele ensine separadamente, porque o efeito prejudicial não é o
mesmo em ambos os casos: no caso de um está molhando do poço, enquanto
no outro é o calor do lixo de azeitona? Venha ouvir o seguinte Tosephtha: R.
Jehudah disse: "Se uma pedra de sílex for colocada por um ser humano entre
as propriedades de duas pessoas, cada uma delas pode cavar um poço em sua
propriedade a uma distância de três vãos da pederneira. pedra, desde as
paredes do poço, ele rebocou com cal ". Vemos, então, que somente quando
aquilo de que a terra se torna fraca é colocado lá por um ser humano, o
calcário é necessário; mas se está lá naturalmente, não é necessário
cal? Não; o mesmo é o caso mesmo quando está lá naturalmente; e a
expressão "

" Desperdício de oliva ou papoula ", etc. Há um Mishna [Sabbath, p. 86]:


"Não deve ser depositado ... e também não na cal ou na areia", etc. Por que,
então, aqui a areia não é mencionada e uma pedra de sílex é, enquanto o verso
é ensinado? Disse R. Joseph: Porque não é costume depositar alimentos em
pedras de sílex.
p. 59

Disse-lhe Abayi: "Então é costume depositar em bandos de lã e,


[continua o parágrafo]

no entanto, é mencionado lá? Portanto," disse Abayi, "os Mishnayoth confiam


um no outro". ( Ou seja, nosso Mishna confia no citado no caso da areia,
enquanto o último Mishna confia no nosso no caso das pederneiras, como o
mesmo acontece com ambos.) Disse-lhe Rabha: "Se fosse esse o caso, , então
as outras coisas não seriam repetidas em ambos os Mishnas, mas algumas
delas seriam mencionadas em um Mishna, e outros no outro, Portanto, "disse
Rabha," a razão pela qual uma pedra de sílex não é mencionada no citado.
Mishna é porque uma panela com alimentos não pode ser depositada ali, pois
a pedra de sílex a quebraria E a razão pela qual a areia não é mencionada aqui
é porque a natureza da areia é tal que ela é aquecida por uma coisa quente,
mas é resfriada por uma coisa fria "(daí, aqui, não deve ser removida). Mas R.
Oshia não nos ensinou em sua Boraitha que a areia também deve ser
removida? R. Oshia o conta entre as coisas que são feridas por
molhar. Vamos, então, o Tana de nossa Mishna, também acrescentar isto à
categoria de coisas que ferem por molhar? O molhamento já é tratado no caso
do canal mencionado nele. Mas o estado de Mishna não é "uma bacia para
lavar", que também está na mesma categoria, embora um canal já tenha sido
mencionado? Ambos devem ser mencionados, porque não se pode inferir do
outro, pelas seguintes razões: Se um canal só foi mencionado, pode-se dizer
porque é estacionário - mas para uma bacia de lavagem, que não é
estacionária, o espaço em questão não é necessário. Por outro lado, se
mencionasse apenas uma bacia para a lavagem, pode-se dizer: "Por causa da
umidade da água estagnada que foi usada para lavar é prejudicial, mas um
canal não importa".
" Sementes, arando " etc. Por que é necessário que ambos sejam
mencionados? Se as sementes devem ser removidas, não é evidente que a
aração com o propósito de semear também significa? Significa mesmo quando
as sementes foram semeadas em um campo não lavrado, onde não são tão
profundas. E não arando seria entendido de sementes; como o que é um
campo arado, se não para semear? Significa mesmo quando foi arado para o
melhoramento das árvores. Mas por que tudo isso? Já mencionou as coisas
que ferem por molhar; e como um campo que foi arado ou em que as
sementes foram semeadas precisa ser umedecido, é evidente que ele deve ser
removido? O Tana fala
p. 60

da Palestina, sobre o que está escrito [Deut. XI. 11]: "... da chuva do céu bebe
água". Devemos então supor que o Tana sustente que as radículas procedentes
das sementes plantadas se estendem lateralmente, de modo que, a menos que a
distância percorra pelo menos três vezes, a parede seja ferida? Não
aprendemos [Kilaim, VII. 1] que quando alguém planta vinhas, ele não pode
semear sementes sobre elas, a menos que haja uma camada de terra com pelo
menos três vãos de profundidade sobre as vinhas; e uma Boraitha, além disso,
ensinou que ele poderia semear nos lados da trama onde as videiras são
plantadas (mesmo que não sejam três palmos de profundidade; portanto,
vemos que as raízes das raízes procedem das sementes para baixo, e não
lateralmente, pois na última caso seria proibido semear as sementes mesmo
nos lados)? Disse R. Haga em nome de R. José: As sementes são
mencionadas,

" E urina ." Disse Rabba bb Hana: Um é permitido para anular sua urina perto
da parede de seu vizinho; como está escrito [I Reis, xxi. 21]: " Mashtin
C'kir"Mas nossa Mishna não diz que a urina deve ser removida a uma
distância de três vãos? A Mishna significa urina que foi coletada em um
mictório. Venha e ouça outra objeção do seguinte Tosephtha:" Não se deve
anular sua urina contra a parede de seu vizinho, a menos que esteja a uma
distância de três vãos. "Isso é dito a respeito de uma parede de tijolos, mas no
caso de uma feita de pedras, uma distância de um vão é suficiente para evitar
danos ao amolecer o solo E se a parede é construída sobre uma rocha, então
não importa em tudo. Por isso, contradiz Rabba bb Hana? Esta objeção
permanece. Mas ele não cita um verso? O verso significa até mesmo uma
criatura como habitualmente vazia sua urina em cima de uma parede - a saber,
um cachorro.

" Um moinho de mão ", etc. Por quê? Porque faz o chão vibrar. Mas não
aprendemos em um Boraitha que um moinho a cavalo deve ser removido a
uma distância de três vãos da circunferência, que é de quatro vãos do funil; e
tal moinho não faz o chão vibrar? Portanto, deve ser dito que a razão de nossa
Mishna não é a vibração do solo, mas o ruído produzido pelo moinho.

" E também um forno ", disse Abayi: A partir disso, deve-se inferir que a
fundação deve ser mais larga que a borda superior por um vão. E este
regulamento diz respeito à compra e venda;
p. 61

pois se a sua fundação não contivesse mais espaço, o comprador pode


retroceder.

MISHNA II .: Não se deve colocar um forno no andar inferior de uma casa, a


menos que haja um espaço vazio de quatro metros acima dele. Se o forno é
colocado em uma câmara superior, deve haver pelo menos três vãos de piso de
pedra sob ele; Sob um fogão, é necessário apenas um palmo de piso de
pedra. No entanto, quando o dano é causado, ele deve ser reparado. R.
Simeon, no entanto, diz: Todas essas medidas são ordenadas de modo que,
quando elas são cumpridas e os danos sejam causados, a pessoa não é
responsabilizada por isso.

Não se deve estabelecer uma padaria ou uma tinturaria sob o celeiro de


outro; e também não é estável. Na realidade, foi dito que uma padaria pode ser
estabelecida em uma loja de vinhos; mas, em todos os eventos, não é um
estável.

GEMARA: Mas não aprendemos em um Boraitha que um forno requer quatro


vãos e um fogão três? Disse Abayi: Que Boraitha fala de padeiros, fornos e
fogões, e o forno mencionado em nosso Mishna é o de um homem particular,
e semelhante ao fogão de um padeiro.

" Não se deve estabelecer uma padaria ", etc. A Boraitha afirma que se o
estábulo tiver sido estabelecido antes do celeiro, ele poderá permanecer.

" Na realidade, foi dito ," etc. Existe uma Boraitha: Foi permitido debaixo de
uma loja de vinhos, porque melhora o vinho; mas não estável, porque dá um
mau cheiro ao vinho. Disse

R. Joseph: Nosso vinho é prejudicado até mesmo pela fumaça de uma


vela. Disse R. Shesheth: Um palheiro é comparado a um estábulo (porque
quando o feno está úmido, ele se aquece e emite um odor que prejudica o
vinho).

MISHNA III .: Parceiros em um quintal podem impedir que alguém


estabeleça uma loja lá, alegando que eles não podem dormir por conta do
barulho produzido pelo ir e vir das pessoas. Ele, no entanto, que faz utensílios,
que ele vende no mercado, não pode ser impedido pelos parceiros, com a
alegação de que o barulho do martelo perturba seu sono. O mesmo acontece se
um deles tiver um moinho de mão ou se for professor de crianças, pois a
alegação de que eles não podem dormir por conta do ruído não deve ser
considerada.

GEMARA: Por que, na primeira parte, a afirmação do barulho do povo indo e


vindo é considerada, enquanto na segunda parte o barulho de crianças
estranhas não é considerado? Disse
p. 62

Abayi: A última parte fala de um instrutor de crianças que residem


[parágrafo continua]

em um pátio adjacente. Disse Rabha para ele: "Se fosse assim, então a Mishna
declararia que em um pátio adjacente é permitido. Portanto," disse ele, "a
última parte da Mishna fala de uma escola para a educação das crianças, e foi
declarada depois a promulgação de Josué B. Gamla Assim, R. Jehudah disse
em nome de Rabh: Que a memória de Josué e Bate Gamla seja abençoada,
pois, se não fosse por ele, Israel teria esquecido a Torá, como antigamente A
criança que tinha um pai foi instruída por ele, mas a que não tinha, não
aprendeu nada.A razão é que eles usaram para explicar o verso [Deut. xi. 19]:
"E você deve ensiná-los a seus filhos "etc., literalmente--yepessoalmente. Foi,
portanto, promulgada que uma escola para a educação de crianças em
Jerusalém deveria ser estabelecida, com base no seguinte versículo [Is. ii. 3]:
"... pois de Sião sairá a lei, e a palavra do Senhor de Jerusalém." E ainda a
criança que tinha pai foi trazida a Jerusalém e instruída; mas aquele que não
tinha permaneceu ignorante. Foi, portanto, promulgada que tal escola deveria
ser estabelecida nas capitais de cada província; mas as crianças foram trazidas
quando tinham cerca de dezesseis ou dezessete anos de idade, e quando os
rapazes foram repreendidos por seus senhores, eles viraram o rosto e
fugiram. Então veio Josué b. Gamla, que promulgou que as escolas devem ser
estabelecidas em todas as províncias e pequenas cidades,

Rabh disse para o professor R. Samuel b. Shilath: Se a criança tiver menos de


seis anos de idade, não o aceite; mas acima dessa idade, aceite-o e alimente-o
(com conhecimento) enquanto você alimenta um boi. O mesmo disse
novamente para ele: Quando você precisa bater em uma criança, faça isso
apenas com uma alça de sapato; se isso produz o efeito desejado, então bem e
bem; se não, deixe-o na companhia de seus companheiros, cujo progresso
constante ele verá, e isso o aperfeiçoará. Uma objeção foi levantada a partir do
seguinte: Se um dos inquilinos de um quintal deseja estabelecer um escritório
para circuncisão, uma barbearia, um curtume ou uma escola para crianças, os
outros inquilinos podem impedi-lo? Fala dos filhos dos idólatras. Mas há
outro Boraitha que afirma que, se houver apenas dois inquilinos, e um deles
deseja fazer um dos estabelecimentos acima mencionados, o outro
p. 63

pode impedi-lo? Essa boraitha também fala de filhos de idólatras. Cónica e


ouvir outro Boraitha: Aquele que tem uma casa num quintal pertencente a
parceiros, não deve alugar esta casa para um dos estabelecimentos acima
mencionados; nem para um professor judeu ou gentio. Esta Boraitha fala do
diretor de escola de toda a cidade (que tem todos os professores subordinados
sob seu controle, e os instrui como ensinar, o que produz muito barulho).

Rabha disse: Desde a promulgação de Josué b. Gamla não transferimos uma


criança da escola de uma cidade para a outra; mas de uma congregação para
outra nós fazemos. No entanto, se houver um rio entre eles, nós não, a menos
que haja uma ponte sobre ele; mas se houver apenas uma doca, nós não. Ele
disse novamente: O número de crianças em uma escola não deve exceder
vinte e cinco, se houver um professor; se o número é entre vinte e cinco e
quarenta, um assistente deve ser fornecido para ele pela cidade; e se houver
cinquenta, dois professores devem ser nomeados. Ele disse novamente: Se há
um professor que pode executar suas tarefas bem o suficiente, mas há outro
que ainda é melhor, o primeiro não deve ser dispensado, para que seu sucessor
não tenha a certeza de manter a posição e não vá atender a sua tarefa. trabalhe
corretamente. R. Dimi de Nahardea, no entanto, disse: Pelo contrário, ele será
ainda mais diligente, pois o ciúme dos eruditos aumenta a sabedoria. Rabha
disse novamente: Se há dois professores, um dos quais é um bom expositor,
mas não é particular sobre a pronúncia exata das palavras nas Escrituras,
enquanto o outro é particular no último aspecto, mas não é tão bom um
expositor, o primeiro deve ser nomeado, pois os erros serão corrigidos por eles
mesmos. R. Dimi de Nahardea, no entanto, disse: Pelo contrário, um erro que
impressiona a mente de uma criança permanece lá para sempre (portanto a
última deveria receber a preferência), como está escrito [I Reis, xi. 16]. "Por
seis meses Joabe ficou lá com Israel, até que ele cortou todo homem em
Edom." Quando ele veio antes de David, e foi perguntado por que ele tinha
feito isso, ele disse. Porque assim está escrito [Deut. xxv. 19]:zochor (macho)
de Amaleque. "Disse David a ele:" Mas lemos zoicher (lembrança,
significando ambos - homens e mulheres)! E Joab respondeu: "Meu mestre me
instruiu a pronunciar zochor ." 1 Ele então foi até seu mestre e o questionou
p. 64

como pronunciar esta palavra e ele respondeu zochor . Então ele pegou sua
espada e queria matá-lo. E para a questão do mestre: "Por quê?" ele
respondeu: Porque está escrito [Jer. xlviii. 10]: "Maldito aquele que faz
negligentemente a obra do Senhor". E seu mestre reuniu-se: "Deixe, então,
este homem (eu mesmo) permanecer neste curso", e ele respondeu, citando o
fim do verso: "E maldito seja aquele que retém sua espada de sangue". Alguns
dizem que ele o matou, e outros dizem que ele não o fez. Rabha disse
novamente: Um instrutor de crianças, um plantador, um açougueiro, um
barbeiro e um escriba da cidade devem ser considerados como se já tivessem
sido avisados ( iese negligenciarem seus deveres, podem ser dispensados sem
aviso prévio); como a regra geral em relação a isto é: Todo dano irreparável
feito por um especialista, que é apontado como tal, deve ser considerado como
se ele tivesse sido previamente advertido. (Um instrutor de crianças que
estragou uma criança não pode reparar este dano; e o mesmo acontece com
um plantador que estragou as árvores; um açougueiro que, por negligência
sua, tornou a carne ilegal para uso; um barbeiro que matou um homem
realizando venesection, e um escriba que escreveu os Holy Scrolls de forma
falaciosa.)

R. Huna disse: Se um dos habitantes de um beco ali estabelece um moinho de


mão, e outro vem fazer o mesmo, a lei dá ao primeiro o direito de impedir o
segundo; pois ele pode afirmar: "Você está cortando meu sustento". Ele é
apoiado pelo seguinte: Os pescadores devem remover suas redes de um peixe
que já foi marcado por um deles enquanto tentava escapar dele a uma
distância que um peixe normalmente é capaz de atravessar. E para a pergunta,
até que ponto é isso? Rabba b. R. Huna disse: "A distância de um
parsa"? Não, com peixes, o caso é diferente, pois eles colocam espiões (para
procurar por isca, e o ex-pescador tem certeza de que o peixe morderá sua isca
e então ele certamente irá pegá-la; mas aqui seu camarada pode dizer-lhe : "Eu
não estou ferindo o seu sustento,

Disse Rabina a Rabha: Vamos assumir que R. Huna está de acordo com R.
Jehudah, que disse (Portão do Meio, pg. 143) que um dono de loja não deve
prover criancinhas com presentes de nozes, etc., para o propósito que eles
podem ligar de novo - e os sábios permitiram isso? Não, pode-se dizer que a
teoria de R. Huna está de acordo com a dos rabinos também, pois lá eles
permitem isso porque o dono da loja pode dizer: "Eu dou
p. 65

nozes, você pode dar ameixas ", mas aqui a afirmação", você está cortando
meu sustento ", é um direito, mesmo de acordo com os rabinos.

Uma objeção foi levantada. Pode-se estabelecer uma loja ou um balneário


próximo ou oposto ao de seu vizinho, e este não pode impedi-lo de fazê-lo,
pois ele pode dizer: "Você pode fazer negócios em seu estabelecimento, e eu
farei negócios nos meus " (Portanto, isso contradiz a teoria de R. Huna?)
Neste ponto, os Tanaim dos seguintes Boraitha diferem: "Os habitantes de um
beco podem se unir para evitar que um de outro beco abra uma alfaiataria,
curtume, escola de crianças ou qualquer outro estabelecimento especializado.
mas eles não podem fazê-lo contra um habitante de seu próprio beco. R.
Simeon b.Gamaliel, no entanto, sustenta que a maioria pode impedir um
habitante até de seu próprio beco ".
R. Huna b. R. Joshua disse: "É certo para mim que os habitantes de uma
cidade têm o direito de impedir que uma outra cidade concorra com eles,
desde que ele não pague os deveres da cidade. Também é certo para mim que
um Um habitante de um beco não pode impedir outro habitante do mesmo
beco, mas duvido que um habitante de um beco possa impedir um ou outro
beco ". E esta questão permanece indecisa.

Disse R. Joseph: R. Huna, que proíbe a concorrência em qualquer


especialidade, admite que, em relação aos instrutores de crianças, nenhuma
competição deve ser considerada; como o mestre disse que o ciúme dos
estudiosos aumenta a sabedoria. Disse R. Na'hman b. Itz'hak: R. Huna
também admite que nenhuma competição deve ser considerada no caso de
vendedores ambulantes nas grandes cidades, como o mestre disse que Ezra
decretou para Israel que vendedores ambulantes viajarão nas grandes cidades,
para o propósito que as filhas de Israel poderia facilmente obter seus
ornamentos. Isso é apenas sobre traficantes de viagem; mas o estabelecimento
de um local fixo pode ser evitado. E se o vendedor ambulante for um jovem
acadêmico para quem é uma humilhação viajar, ele poderá ter permissão para
estabelecer um lugar fixo; como Rabha permitia R. Yashia e R.

Havia três traficantes de cestas que levavam cestas para a Babilônia, e os


habitantes da cidade os impediram. Então eles vieram diante de Rabina, que
disse: Eles vêm do país, e podem vender seus bens para compatriotas que vêm
p. 66

aqui no dia do mercado; mas apenas naquele dia, e no mercado apenas, mas
não podem trafegar com seus bens em casas particulares da cidade.

Havia negociantes de lã que trouxeram lã para a cidade de Pumnahara, e os


habitantes de lá os impediram. Eles vieram antes de R. Kahana, que disse a
eles: "Eles têm o direito de fazê-lo". Eles, no entanto, alegaram que tinham
que cobrar suas dívidas, o que deveria levar tempo, e não tinham nada para
viver se fossem impedidos de vender seus bens; e ele permitiu que eles
vendessem tanto quanto precisassem apenas para sobreviver, enquanto
estavam lá, mas não mais.

R. Dimi de Nahardea trouxe figos secos em um barco. Disse o Exilarch para


Rabha: Vá e veja se ele é um estudioso; então você pode segurar o mercado
para ele. E Rabha enviou R. Ada b. Abba para examiná-lo. Ele o questionou
sobre algo da Lei, que ele não pôde responder. Então R. Dimi disse a ele: O
mestre é Rabha? Bateu-o com bom humor na sandália e respondeu: "De mim
para Rabha há uma grande diferença; mas, no entanto, sou seu mestre,
enquanto Rabha é o mestre de seu mestre". Em conseqüência disso, o mercado
não foi ocupado por ele; e R. Dimi perdeu seus figos secos e veio se queixar
diante de R. José, dizendo: Veja, mestre, o que foi feito comigo! E ele
respondeu: Aquele que não se negou a vingar-se da vergonha do rei de Edom,
não negligenciará a vingança da sua vergonha. (A vergonha de Edom, como
está escrito [Amos, ii. 1]: "... porque ele queimou os ossos do rei de Edom em
cal.") Consequentemente, a alma de R. Ada foi para o seu descanso. Então R.
Joseph disse:Eu ocastiguei porque o amaldiçoei. R. Dimi disse: eu ter punido ,
porque ele tinha causado a minha perda sobre os figos secos. Abayi disse: Eu
o castiguei, porque ele costumava dizer aos rabinos: Enquanto você lambe os
ossos no colégio de Abayi, não seria melhor para você comer carne gorda no
colégio de Rabha? E Rabha disse: Eu o castiguei porque, quando ele
costumava comer carne, costumava dizer ao açougueiro: "Você deve me dar
carne antes de dar ao servo de Rabha, pois sou melhor do que ele". R.
Na'hman b. Itz'hak disse: Eupunido ele. Para R. Na'hman b. Itz'hak era a
cabeça dos pregadores nos dias antes dos festivais; e todos os dias, antes de
pregar, ele revisava seu sermão junto com R. Ada b. Abba Naquele dia, no
entanto, em que R. Ada b. Abba morreu, R. Papa e R. Huna b. R. Joshua
deteve-o, de modo que ele deveria explicar-lhes o que Rabha
p. 67

lecionou no último sábado a respeito do dízimo de gado, e repetiu para eles


tudo o que Rabha disse. Enquanto isso, chegou a hora da pregação de R.
Na'hman, e R. Ada não ligou para ele. Disse os rabinos para R. Na'hman: Por
que o mestre senta? Já está amanhecendo e você tem que ir pregar. E ele
respondeu: Estou sentado e esperando pelo caixão de R. Ada. E, de fato, a
morte de R. Ada foi anunciada em breve. Parece, portanto, que R. Na'hman o
puniu.

MISHNA IV : Se a parede de alguém está presa à de seu vizinho, ele não deve
construir uma parede paralela a ela, a menos que ele deixe um intervalo de
quatro ells. Também não se deve construir uma parede oposta às janelas de
seu vizinho, onde quer que estejam, a menos que esteja a uma distância de
quatro almas.

GEMARA: Mas o Mishna declara que seu muro já estava ligado ao do seu
vizinho. Quem lhe deu o direito de fazê-lo? Disse R. Jehudah: Significa que,
se alguém quisesse fazê-lo, ele não deveria, a menos que ele deixasse o espaço
acima mencionado. Rabha se opôs: "Mas o Mishna afirma que já estava
ligado?" Por isso ele disse que o Mishna quis dizer assim: Se já havia uma
parede a uma distância de quatro ells da do seu vizinho, e ela caiu, ele não
deve construir outra a menos que à mesma distância, como o pisar no terra
entre as duas paredes é útil para a força de suas fundações. 1 Rabh, disse: "O
Mishna trata apenas de uma parede de um jardim (porque, como dentro não há
pisar a terra perto da parede, precisa do pisar lá fora), mas a respeito de uma
parede de um quintal, não R. Oshia, no entanto, sustenta que o mesmo
acontece com uma parede de um quintal também, disse R. José b. Hanina: E
eles não diferem, como o primeiro fala de uma cidade velha (onde o solo é já
trilhado), enquanto o segundo fala de uma nova cidade.

Nossa Mishna afirma que, para as janelas, onde quer que sejam colocadas, é
necessário um espaço de quatro ells; a que uma Boraitha acrescenta: "Se uma
janela é colocada no topo, a parede em questão deve atingir tal altura que
quando o dono estiver sobre ela e inclinar-se, ele não poderá ver nada olhando
pela janela. se uma janela é colocada no fundo - a tal altura que ele não podia
ver quando estava em pé sobre ela. E se a janela estivesse em frente à parede,
ele deveria deixar um espaço que não escurecesse a janela. " Vemos, então,
que a razão do
p. 68

regulamento relativo a uma parede paralela é o escurecimento, mas não o pisa


mencionado acima? O Boraitha fala de uma parede lateral. Quanto espaço, no
entanto, deve-se deixar, para que a janela não seja escurecida? Disse R.
Jyobha, o sogro de Ashian b. Nadbach, em nome de Rabh: Tanto quanto a
largura da janela. Mas a partir de tal altura ainda se pode olhar pela
janela? Disse R. Zebid: Ele fala de uma parede com um topo de
cumeeira. Mas o Mishna não afirma quatro ells? Isso não apresenta
dificuldade. A Boraitha fala de uma parede lateral na qual o espaço da largura
de uma janela é suficiente; e nossa Mishna fala de duas paredes laterais; então
quatro ells são necessários, para que a janela não seja escurecida. Venha e
ouça: Deve-se deixar um espaço de quatro ells perto dos drenos do teto do
vizinho, para que este possa colocar uma escada ali. (Ele fala, no caso de o
dono da casa ter permissão para direcionar seus drenos para o quintal do
vizinho; e, enquanto ele permite isso, ele também deve permitir-lhe um espaço
para uma escada.) Nós vemos novamente que o propósito de deixar o espaço é
para colocar uma escada, e não para pisar a terra? Ele fala de um telhado
inclinado sobre o quintal do vizinho, com os drenos colocados na borda, o que
não impede a pisada no quintal sob ele; e, portanto, não poderia haver razão
senão a última. e não por pisar a terra? Ele fala de um telhado inclinado sobre
o quintal do vizinho, com os drenos colocados na borda, o que não impede a
pisada no quintal sob ele; e, portanto, não poderia haver razão senão a
última. e não por pisar a terra? Ele fala de um telhado inclinado sobre o
quintal do vizinho, com os drenos colocados na borda, o que não impede a
pisada no quintal sob ele; e, portanto, não poderia haver razão senão a última.

MISHNA V .: Deve-se remover a escada de seu quintal do pombal de seu


vizinho até a distância de quatro ells, para que uma doninha não possa pular
dela para a última; e também a parede do telhado do vizinho, a uma distância
de quatro léguas, para permitir ao vizinho colocar uma escada ali.

GEMARA: Devemos assumir que nossa Mishna não está de acordo com R.
Jose, que diz mais sobre o que todo mundo pode fazer em sua propriedade o
que ele agrada? Este Mishna também pode estar de acordo com ele, como R.
Ashi disse: Quando eu estava na casa de R. Kahana, ele disse que R. José
admitiu que alguém é responsável por qualquer dano causado ao seu vizinho
por suas flechas ( eg , se ele colocar uma escada para que seja fácil para uma
doninha pular dela para o pombal). Mas, afinal de contas, isso não é dano
direto, mas germán? (Ver Primeira Porta, p. 125.) Disse R. Tubi b. Mathna:
Inferimos, então, a partir disso, que causar dano por germen é proibido ( isto
é , dano indireto).

R. Joseph tinha em seu quintal pequenas árvores de data, sob as quais os


barbeiros costumavam realizar a vesificação; e os corvos, ao consumirem o
sangue, causaram dano às datas; e R. José ordenou: "Remova a cur-cur da
minha propriedade!" ( isto é ,
p. 69

que os barbeiros não deveriam mais poder trabalhar lá e então os corvos não
viriam pelo sangue). E à pergunta de Abayi: Não são os barbeiros
um germon ? ele respondeu com a declaração de R. Tubi b. Mathna acabou de
citar. Mas os barbeiros já não faziam hazakah ? Para este R. Na'hman em
nome de Rabba b. Abuhu disse: Não há hazakah sobre danos. Mas não foi
ensinado que, sobre isso, R. Mari disse: "Como, por exemplo, a fumaça, que
fere os olhos", e R. Zebid disse: "Como, por exemplo, um banheiro, que é
nojento para a visão" ? Disse R. Joseph: Para mim, quem é bondoso de
coração, o sangue é tão repugnante quanto as coisas que acabamos de
mencionar.

MISHNA VI .: Um pombal não deve ser colocado dentro de cinquenta elilos


da cidade: nem tem o direito de fazer um pombal em sua propriedade, a
menos que sua propriedade se estenda a cinquenta ell de cada lado. R.
Jehudah disse: "Ele deve ter quatro kurs de cada lado - o espaço que uma
pomba pode cobrir em um voo sem descansar". Se, no entanto, alguém
comprou um, ele está em seu direito mesmo quando há apenas um quarto de
kur de espaço.

GEMARA: São cinquenta ells suficientes para isso? Não aprendemos em uma
Boraitha que uma rede para pombas não deve ser espalhada a menos que a
localidade esteja a trinta quilômetros de distância de um lugar habitado? Disse
Abayi: "No que diz respeito a voar, é a uma grande distância; mas com
cinquenta ells, normalmente recebe comida suficiente" (após o que voa
trinta anos).; daqui além dos cinquenta ells não faz dano aos jardins ou
vinhedos). Mas um Boraitha não afirma que em um lugar habitado, mesmo
dentro de cem milhas, um não deve espalhar uma rede? Disse R. Joseph: Isso
fala do caso quando há vinhas, de modo que elas voam de um vinhedo para
outro, e assim elas podem voar através de uma distância muito maior. E
Rabha disse que fala de um caso em que há muitos pombos. Se é assim, por
que os Boraitha afirmam que cem milhas de uma cidade não deve fazê-lo,
porque ele pode pegar pombos de outro pombal, mesmo não na cidade? Pode-
se dizer que as cooperativas de pombos em questão eram dele ou não tinham
dono.

" Ele está em seu direito ", disse R. Papa, e de acordo com os outros R. Zebid:
A partir disto, deve-se inferir que o tribunal tem que abrir a boca de um
comprador ou de um herdeiro para reivindicar hazakah . ( Ou seja , se o
demandante alega que a propriedade é dele e traz provas de que tal
propriedade é de seus pais, e o réu diz: "Eu herdei de meus pais", ou "eu
comprei isso de
p. 70

e assim, quem ocupoupela seguinte razão: Do caso na citada Mishna pode-se


dizer que, porque fala de um quintal que ficava perto da via pública, a
alegação deve ser considerada correta; porque, se não fosse como ele diz, o
público o impediria; ou, a seu pedido, o público renunciou ao seu direito
àquele pátio. Mas aqui, em um caso particular, é diferente; e se este caso
apenas fosse declarado, poder-se-ia dizer que isso deve ser levado em
consideração, já que uma parte privada geralmente resolve a diferença, ou
então ele renuncia ao seu direito; mas lá, no caso do público, com quem ele
pode se estabelecer, ou quem pode renunciar? Portanto, ambos os casos foram
necessários para serem declarados. a alegação deve ser considerada
correta; porque, se não fosse como ele diz, o público o impediria; ou, a seu
pedido, o público renunciou ao seu direito àquele pátio. Mas aqui, em um caso
particular, é diferente; e se este caso apenas fosse declarado, poder-se-ia dizer
que isso deve ser levado em consideração, já que uma parte privada
geralmente resolve a diferença, ou então ele renuncia ao seu direito; mas lá,
no caso do público, com quem ele pode se estabelecer, ou quem pode
renunciar? Portanto, ambos os casos foram necessários para serem
declarados. a alegação deve ser considerada correta; porque, se não fosse
como ele diz, o público o impediria; ou, a seu pedido, o público renunciou ao
seu direito àquele pátio. Mas aqui, em um caso particular, é diferente; e se este
caso apenas fosse declarado, poder-se-ia dizer que isso deve ser levado em
consideração, já que uma parte privada geralmente resolve a diferença, ou
então ele renuncia ao seu direito; mas lá, no caso do público, com quem ele
pode se estabelecer, ou quem pode renunciar? Portanto, ambos os casos foram
necessários para serem declarados. como uma festa privada geralmente
resolve a diferença, ou então ele renuncia ao seu direito; mas lá, no caso do
público, com quem ele pode se estabelecer, ou quem pode
renunciar? Portanto, ambos os casos foram necessários para serem
declarados. como uma festa privada geralmente resolve a diferença, ou então
ele renuncia ao seu direito; mas lá, no caso do público, com quem ele pode se
estabelecer, ou quem pode renunciar? Portanto, ambos os casos foram
necessários para serem declarados.

Novamente - "ele está em seu direito" ( hazakah ). Mas não R. Na'hman em


nome de Rabba b. Abuhu diz que não há hazakah em relação a danos? Disse
R. Mari em nome de Rabh: Isto é dito apenas sobre a fumaça, como
mencionado acima.

MISHNA VII : Uma pequena pomba que é encontrada dentro de cinquenta


ells de um pombal pertence ao proprietário do último; se fora de cinquenta
ells, pertence ao localizador. Se for encontrado entre dois pombos, pertence ao
mais próximo; mas se no meio exato, é para ser dividido.

GEMARA: Disse R. Hanina: Em um caso que deveríamos julgar por maioria,


seria assim; e se, de acordo com a proximidade, for diferente, a decisão da
maioria deve ser levada em consideração; e embora a maioria e a proximidade
sejam bíblicas, a maioria tem a preferência.

R. Zera objetou: Está escrito [Deut. xxi. 3]: "A cidade que é a mais próxima"
etc. Isso não significa mesmo que existam outras cidades mais populosas do
que a mais próxima?
p. 71

Não; isso significa que se eles não são. Mas, mesmo assim, por
[parágrafo continua]

que a maioria do mundo não deveria ser considerada? Isso significa, se a


cidade em questão está situada entre as montanhas, onde não é comum os
ladrões virem de um lugar distante. Mas nossa Mishna não declara que uma
pomba dentro de cinqüenta almas do galinheiro pertence a ela, mesmo quando
há outras fora dos cinqüenta ell que têm mais pombas do que a mais
próxima? Não; significa quando não há. Se é assim, como é a última parte,
que afirma, "se fora de cinquenta ells, pertence ao inventor", para ser
entendido? Se não houver outros pombos, só pode ser daquele? Fala de um
pombo que só pode pular; e R. Uqba B. Hama disse que um pombo que pula
não pode fazer mais do que cinquenta ells. R. Jeremiah então questionou na
faculdade: Como é a lei se um pé estava dentro dos cinquenta e o outro
sem? E para essa pergunta ele foi expulso da faculdade.

Venha e ouça outra objeção do nosso Mishna, que afirma que, se for
encontrado entre dois pombos, pertence ao mais próximo. Isso não significa
mesmo quando o mais distante tem mais pombos? Não; Isso significa que
ambos têm um número igual. Mas por que, então, a maioria do mundo não
deveria ser considerada? Ele fala de um caso em que os vinhedos ocupam toda
a distância entre os dois pombaleiros, e o pombo é encontrado em um passeio
dentro do vinhedo; e então não se pode supor que tenha vindo de outro lugar,
como é sabido que uma pomba saltitante não sai de vista de seu pombal. Por
isso ela deve ser de um desses dois em questão; como se ela fosse de outro,
ela não podia ver por conta das árvores e partições.

Foi ensinado: Um barril de vinho flutuando em um rio, se encontrado em


frente a uma cidade da qual a maioria dos habitantes são judeus, pode ser
usado; se oposto a uma cidade da maioria dos gentios, não deve ser
usado. Assim disse Rabh. Samuel, no entanto, sustenta que, mesmo quando a
maioria é judia, também é proibido, pois talvez tenha vindo de Dagra (um país
próximo ao rio Eufrates, onde não havia judeus). Assumiremos que o ponto de
diferença deles é a afirmação acima de R. Hanina - que um está de acordo
com ele e o outro não? Não; ambos concordam com R. Hanina, e o ponto de
sua divergência é assim: Um sustenta que se fosse de Dagra, teria afundado
enquanto flutuava nas baías formadas pelas rochas salientes ao longo da costa
de Tiro a Accho, e no águas rasas
p. 72

causada pelo derretimento da neve; e o outro sustenta que, porque o rio no rio
é forte, pode chegar até aqui.

Um jarro de vinho foi encontrado em um vinhedo de arla(o terceiro ano após


o plantio); e Rabhina permitiu usá-lo. Vamos supor que ele fez isso porque ele
mantém a teoria de R. Hanina? Não; Sua razão era porque se fosse roubado
deste vinhedo eles não o teriam escondido no mesmo. Isto é somente relativo
ao vinho (porque o ladrão não deixaria o vinho para que o espremedor das
uvas não o encontrasse); quanto às uvas, no entanto, elas não temiam deixá-las
onde eram roubadas e depois as tiravam. Havia alguns sacos de couro de
vinho que foram encontrados entre as vinhas de uma vinha pertencente a um
judeu; e Rabha permitiu seu uso. Vamos supor que ele fez isso porque ele não
mantém a teoria de R. Hanina (como a maioria dos homens são gentios e não
judeus)? Não; Sua razão é que todos os que pressionam e os que derramam o
vinho em barris são judeus. Esta lei, no entanto, aplica-se apenas a grandes
bolsas de couro, mas não a pequenas, por medo de que elas sejam largadas por
viajantes, a maioria dos quais são gentios; e mesmo se houvesse grandes com
eles, a lei, no entanto, aplica-se, por medo de que eles foram deixados por um
viajante em cima de um asno, que os pendurou em ambos os lados do asno. 1

MISHNA VIII .: Ao plantar uma árvore, um espaço de vinte e cinco ells deve
ser deixado fora da cidade; para uma alfarroba ou um sicômoro, cinquenta ells
são necessários. Aba Shaul disse: "Por uma árvore silvestre, cinquenta
ells." Se a cidade fosse construída primeiro, a árvore poderia ser cortada sem
pagar por ela; mas se a árvore foi plantada primeiro, ela deve ser cortada e
paga; Se duvidoso sobre o que estava lá primeiro, é para ser cortado sem
pagar por isso.
GEMARA: Qual é a razão de tudo isso? Disse Ulla: "Por causa da beleza da
cidade." Mas por que não porque não é permitido fazer um campo do espaço
aberto ao redor da cidade e vice-versa ? Significa dizer que mesmo de acordo
com R. Elazar, que afirma, que isso é permitido, aqui não é para ser tolerado,
porque estraga a beleza da cidade. E também de acordo com os rabinos, que
permitem plantar árvores em um espaço aberto pertencente à cidade, mas não
sementes; aqui, em relação a uma única árvore, não permitiriam, pois estraga
a beleza da cidade. E de onde você sabe que os rabinos fazem a diferença
entre
p. 73

sementes e árvores a este respeito? De uma Boraitha [Erubhin, pág. 57]: "Se
um galpão de madeira de mais de dois saahs ... fosse usado para semear o grão
... as coisas não devem ser movidas nele ... Se, no entanto, árvores fossem
plantadas na maior parte dele, as coisas poderiam ser levado lá. " O Mishna
afirma que, se a árvore foi plantada primeiro, ela deve ser cortada e paga; mas
por que deveria: o dono da árvore não reivindicar que ela deveria ser paga e,
então, cortada? Disse R. Kahana: Porque um pote pertencente a parceiros não
é quente nem frio (isso significa que um depende do outro para aquecê-lo ou
esfriar, e ele permanece como estava); e aqui também, se ele esperasse até
conseguir o dinheiro, cada um dos habitantes o encaminharia para pagamento
ao próximo, e assim as árvores permaneceriam indefinidamente; portanto,
deve ser cortado,

" Se houver uma dúvida ", etc. Por que esse caso é diferente daquele de uma
árvore e um poço, em relação ao qual, se houver uma dúvida sobre o que
havia primeiro, a árvore não deve ser cortada? Porque lá, se é certo que a
árvore estava lá primeiro, ela não deve ser cortada, o mesmo acontece quando
há uma dúvida; enquanto no nosso caso, mesmo quando é certo que a árvore
foi plantada primeiro, ela deve ser cortada, o mesmo sendo o caso quando há
uma dúvida. E com relação ao pagamento por isso, a cidade pode dizer: Traga
evidências de que sua árvore foi plantada primeiro, e então você receberá o
dinheiro.

MISHNA IX .: Um celeiro não deve ser colocado dentro de cinquenta ells da


cidade; o mesmo é o caso se alguém deseja fazer um celeiro em sua própria
propriedade, ele pode fazê-lo, desde que ele tenha cinquenta ells de espaço em
cada lado dele. É preciso também remover um celeiro das plantas e do campo
recém arado de seu vizinho (que deve esperar um ano antes da semeadura), a
uma distância suficientemente grande para evitar qualquer dano às plantas ou
ao campo.

GEMARA: Por que, na primeira parte, é necessário um espaço de cinquenta


ellas e, na segunda parte, um espaço apenas grande o suficiente para evitar
danos. Disse Abayi: A última parte do Mishna fala de um celeiro temporário,
e não de um permanente. O que é chamado de celeiro temporário? Disse R.
Jose b. Hanina: Se não se joeirar com a pá. R. Ashi, no entanto, afirma que
não há duas partes na Mishna, apenas a última parte é uma explicação da
primeira, portanto: Por que um celeiro permanente deve ser removido da
cidade cinquenta ells? Para o propósito que não fará nenhum dano à
cidade. Uma objeção foi levantada a partir do seguinte: "Um celeiro
permanente deve ser removido
p. 74

ellas da cidade, e a mesma distância deve ser permitida a pepinos, plantas e


um campo arado, para evitar danos. "Agora isso é correto apenas de acordo
com a explicação de R. Ashi, mas contradiz Abayi. A dificuldade permanece.

No entanto, é correto apenas em relação aos pepinos, etc., como o pó do


celeiro pousa em seus corações e os estraga; mas que mal isso pode causar a
um campo arado? Disse R. Aba b. Zabda, segundo outros b. Zutra: Porque o
pó do celeiro aumenta a quantidade de estrume no campo (e estraga as
sementes).

MISHNA X: Carcaças. cemitérios e curtumes devem ser removidos a uma


distância de cinquenta ells. Um curtume não deve ser estabelecido, exceto no
lado leste da cidade; R. Aqiba, no entanto, sustenta que pode ser estabelecido
em todos os lados, exceto no oeste, e um espaço de cinquenta élfes deve ser
deixado. Deve-se também remover sua lagoa para embeber o linho das ervas
de um vizinho; alho de cebolas; e mostarda das abelhas. Mas R. José permite
mostarda.

GEMARA: Os alunos propuseram uma pergunta: o que significa R.


Aqiba? De cada lado ele pode estabelecer sem o espaço de cinquenta ells, com
exceção do lado oeste, onde os cinquenta ells são necessários; ou ele quer
dizer que de cada lado ele pode estabelecer, desde que ele deixe o espaço de
cinquenta ells, exceto o lado oeste, onde ele não deve fazer isso? Venha e
ouça o seguinte Boraitha: "R. Aqiba disse: Em cada lado pode-se estabelecer
um curtume, se ele deixa um espaço de cinquenta ells, com exceção do lado
oeste, onde ele não deve fazê-lo por causa de sua freqüência." Disse Rabha
para R. Na'hman: "O que significa a frequência de expressão - significa ventos
frequentes? Não R. Hanan b. Aba diz em nome de Rabh, que quatro ventos
sopram todos os dias e o norteo vento sopra com eles? Portanto, a freqüência
de expressão significa que a Shekhinah repousa lá freqüentemente. "Como R.
Joshua B. Levi disse:" Devemos ser gratos a nossos antepassados por nos
terem informado do lugar onde devemos orar; como está escrito
[Neemias ix. 6: E o exército dos céus se prostrará diante de ti. ”R. Aha b. Jacó
se opôs:“ Talvez isso signifique, pelo contrário, que eles estão orando no lado
leste, e então eles recuam, como um escravo geralmente faz antes de seu
mestre; e quando eles vêm para o lado oeste, eles se curvam. "Portanto, a
Shekhinah está no lado leste. A objeção permanece.

R. José, no entanto, afirma que a Shekhinah ocupa todos os


p. 75

lugar, como ele disse: Está escrito [ibid., ibid.]: "Tu realmente és o Eterno só:
és tu que fizeste os céus", etc. Os teus mensageiros não são como os
mensageiros dos seres humanos, que geralmente retornam do lugar para onde
foram enviados, para onde foram enviados, anunciando que cumpriram seu
dever. Os teus mensageiros, no entanto, estão fazendo o mesmo no mesmo
lugar para o qual foram enviados; como está escrito [Job, xxxviii. 35]: "Você
pode enviar raios, para que eles possam ir e te dizer: 'Aqui estamos nós'?" Não
lê que eles vêm e dizem "Aqui estamos nós", mas que eles vãoe dizê-lo no
lugar para onde foram enviados: daí a Shekhinah ocupa todo lugar. E R.
Ismael também mantém o mesmo, inferindo isso de [Zech. ii. 7]: "E eis que
saiu o anjo que falava comigo e saiu outro anjo ao seu encontro." Não
lê depois dele ( achrov ), mas contra ele ( likrono ): do qual se infere que o
Shekhinah está em todo lugar. E R. Shesheth também o afirma, pois ele (que
era cego) disse ao seu servo: Levante e gire-me por orar a qualquer lado do
mundo, exceto ao oriente; não porque o Shekhinah não está descansando lá,
mas porque o minimDecidimos que é preciso rezar apenas para o lado leste. R.
Abuhu, no entanto, afirma que o Shekhinah está descansando no oeste, como
ele disse: Por que o lado oeste é chamado Oriah ? Porque está cheio do ar de
Deus. 1

R. Jehudah disse: Está escrito [Deut. xxxii. 2]: "Minha doutrina deve cair
como a chuva"; o que significa o vento do oeste, que vem do pescoço do
mundo; 2 "meu discurso destilará como o orvalho", que significa o vento
norte, que torna o ouro barato (porque traz fome, e que torna o ouro barato),
como está escrito [Is. xlvi. 6]; 3 "como chuvas pesadas sobre a grama",
significa um vento oriental que faz tempestades no mundo; 4 "e como
chuveiros sobre ervas", Significa um vento sul, que traz chuva benéfica e
provoca o crescimento de gramíneas.

Há um Boraitha: R. Elazar disse: O mundo é como uma varanda sem a quarta


parede; e quando o sol chega no
p. 76

noite no canto noroeste, é desviado por este vento e sobe acima do céu. E R.
Joshua disse: O mundo é como uma tenda que é cercada por todos os lados, e
quando o sol chega à noite no canto noroeste, ele se vira e retorna além do
céu; como está escrito [Eccl. Eu. 6]: "Indo para o sul, e voltando-se para o
norte, o vento move-se continuamente ao redor; e ao redor de seus círculos o
vento retorna novamente." "Indo para o sul" - durante o dia; "e virando-se
para o norte" - durante a noite; "gira em torno" - significa virado para o leste e
para o oeste, de modo que às vezes, quando os dias são longos, passa por eles,
e quando os dias são curtos, passa por eles. R. Elazar costumava dizer [Jó,
xxxvii. 9]: "De sua câmara vem o redemoinho" o que significa o vento sul; "e
fora do norte, o frio", o que significa o vento norte. "Da respiração de Deus é
dado gelo" - significa o vento oeste; "e as águas largas se tornam sólidas" -
significa o vento oriental. - Mas o mestre não disse que o vento sul traz chuva
benéfica? etc.? Isso não apresenta dificuldade: se a chuva vem devagar, faz a
grama crescer; mas se desce em torrents, faz mal.

R. Hisda disse: Está escrito [ibid., Ibid. 22]: "A luz dourada que vem do norte"
- significa o vento norte, que torna o ouro barato, como está escrito em Isaías,
verso citado acima.

Raphram b. Papai em nome de R. Hisda disse: "Desde que o Templo foi


destruído, o vento sul nunca trouxe chuva, como está escrito [Is 9: 9]:" E ele
arrebata a mão direita, 1 e ainda está com fome; e ele come da esquerda, e
ainda não está satisfeito; Comereis cada um a carne do seu próprio braço. Está
escrito também [Ps. lxxxix. 13]: "O norte e o sul - estes tu criaste" etc. "O
mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade;" Desde que o
Templo foi destruído, as chuvas não vêm do bom tesouro; como está escrito
[Deut. xxviii. 12]: O Senhor abrirá para você o seu bom tesouro, o céu, para
dar a chuva da tua terra, 'etc. A partir do qual é para ser visto que quando
Israel fez a vontade do Onipotente, e Israel estava em sua própria terra, a
chuva veio do bom tesouro; e agora que Israel não está mais em sua terra, a
chuva não vem do bom tesouro. "

R. Itz'hak disse: Aquele que deseja aumentar sua sabedoria deve


p. 77

recite suas orações para o sul; e aquele que deseja tornar-se rico, fará isso para
o norte; e como um sinal para ajudar a lembrar dessa direção, pode ser
considerado o fato de que no tabernáculo a mesa de ouro foi colocada ao
norte, e o candelabro, que dá luz (sabedoria) - no sul. E R. Josué b. Levi disse:
Um sempre recitará suas orações para o sul, como quando sua sabedoria
aumentar, ele também se tornará mais rico; como está escrito [Prov. iii. 16]:
"A duração dos dias está em sua mão direita: à sua esquerda estão as riquezas
e a honra." Mas não R. Joshua b. Levi diz que a Shekhinah está no oeste? Ele
não quer dizer que ele deve ficar no sul exatamente, mas que ele deve ficar no
oeste (canto sudoeste) e se inclinar para o sul.

Disse R. Hanina para R. Ashi: Vocês que estão localizados no lado norte da
Palestina devem recitar suas orações para o sul (para que você possa enfrentar
Jerusalém). E de onde sabemos que Babilônia estava situada ao norte da
Palestina? De [Jer. Eu. 14]: "Do norte sairá o mal" etc.

" Uma lagoa para embeber linho ", etc. Há uma Boraitha: "R. José permite
mostarda; como o dono dela pode reivindicar: 'Em vez de me dizer que eu
deveria remover minha mostarda de suas abelhas, é para você retira as tuas
abelhas da minha mostarda, porque elas vêm e consomem as suas flores. '"

MISHNA XI .: De uma distância de vinte e cinco ells deve ser deixado ao


plantar uma árvore; e cinquenta ells ao plantar sycamores ou alfarroba. Não
faz diferença se está acima ou ao lado. Se o poço esteve lá primeiro, a árvore
deve ser cortada e paga; mas se a árvore esteve lá primeiro, ela pode
permanecer. O mesmo é o caso quando há uma dúvida. R. José, no entanto,
sustenta que, mesmo quando o poço estava lá antes da árvore, não há
necessidade de cortar o último, pois um deles cava sua propriedade enquanto
outro planta sozinho.

GEMARA: Existe uma Boraitha: "Não faz diferença se o poço está abaixo da
árvore ou vice-versa "? Isso estaria correto quando a árvore estivesse acima do
poço, pois suas raízes a machucariam; mas se o poço estiver acima da árvore,
que mal pode ser feito? Disse R. Haga em nome de R. José: Porque as raízes
tornam a terra friável, e assim prejudicam o fundo do poço.

" R. José, no entanto, mantém ", disse R. Jehudah em nome de Samuel: A


Halakha prevalece de acordo com R. Jose. E R. Ashi disse: Quando eu estava
com R. Kahana, chegamos à conclusão de que R. José admite que quando as
flechas fazem
p. 78

dano, etc. (veja acima, p. 68 ). Papi di Unaha, que era pobre e depois
enriqueceu, construiu um palácio. No vizinho. capô foram estabelecidas
poppy pressiona; e quando eles estavam em operação, o palácio costumava
tremer. Ele veio reclamar diante de R. Ashi, que contou a ele o que R. Kahana
disse a ele. Mas quanto o palácio deveria agitar para tornar as
prensas responsáveis ? Quando um jarro está no telhado do palácio e sua
tampa treme.

Os discípulos de Bar Marian b. Rabbin costumava jogar linho e o pó dele


prejudicava os homens que passavam; e eles vieram se queixar diante de
Rabina, que disse a eles: O que foi dito, que José admite que alguém deve ser
responsabilizado pelos danos causados por suas flechas, foi dito somente
quando eles vêm diretamente dele; aqui, no entanto, como a poeira não vem
diretamente, mas é soprada pelo vento, não há responsabilidade. Mar b .. R.
Ashi se opôs: Por que deveria ser diferente no caso de joeirar, quando o vento
ajuda um, sobre o que é dito, no Primeiro Portal, que ele é
responsável? Quando isso foi dito antes de Miramar, ele decidiu que Mar
estava certo em sua suposição, e os discípulos de Marian eram
responsáveis. Mas para Rabhina: Por que este caso deve ser diferente daquele
de uma faísca que provém de debaixo do martelo e causa dano, e nesse caso
ele é responsável? "É de se agradar que as faíscas escapem para fora e não
para dentro - onde possam causar danos; mas, no nosso caso, não estão nem
um pouco satisfeitas de que o pó escape para onde passam os homens."

MISHNA XII : Não se deve plantar uma árvore perto do campo de seu
vizinho, a menos que esteja a uma distância de quatro ells; e não faz diferença
se são videiras ou outras árvores. Se, no entanto, houver uma cerca entre as
duas propriedades, cada uma delas pode plantar em seu lado da cerca. Se as
raízes se espalharem para o estado do vizinho, o último poderá substituí-las
por três vãos mais fundo, de modo que não atrapalhem a lavra. Se ele tem que
cavar um buraco ou uma caverna, ele pode cortar as raízes que o impedem de
fazê-lo, e o combustível é dele.

GEMARA: Há um Boraitha: "Os quatro ells em questão são para o propósito


que o proprietário do vinhedo deveria poder trabalhar isto." Samuel disse:
"Isto é dito apenas sobre a Palestina, onde eles têm longos arados; mas na
Babilônia, onde os arados são curtos, duas alas são suficientes". E o mesmo é
declarado no seguinte Boraitha: "Não se deve plantar uma árvore perto do
campo de seu vizinho, a menos que ele deixe um espaço de dois ells."
p. 79

E como isso contradiz nossa Mishna, que afirma quatro ells, deve
[parágrafo continua]

ser explicado que a Boraitha fala da Babilônia, e está de acordo com a teoria
de Samuel. Inferir disto que assim é.

Rabha b. R. Hanon tinha árvores no limite da vinha da R. Joseph; e os


pássaros que costumavam descansar nas árvores desciam para a vinha e
faziam mal. E R. Joseph disse a ele para cortar suas árvores. E a sua alegação
de que as árvores foram colocadas à distância prescrita, R. Joseph disse: "Isto
é prescrito apenas para árvores, mas para as videiras é necessário mais
espaço". Mas nossa Mishna não afirma que não há diferença entre videiras e
árvores? R. Joseph reuniu-se que significa uma árvore de uma árvore e
videiras de videiras; mas de uma árvore a videiras é necessário mais
espaço. Disse Rabha: "Eu não vou cortá-lo, como Rabh disse que uma árvore
que dá fruto à medida de um kab é proibida de ser cortada; e também R.
Hanina disse: 'Shakkhath, meu filho, não teria morrido se ele não tivesse
cortado uma figueira antes do tempo, mas você, mestres,

R. Papa tinha árvores no limite de R. Huna b. Propriedade de R. Joshua. Uma


vez ele encontrou-o cavando e cortando suas raízes; e à pergunta por que ele
fez isso, R. Huna respondeu: De acordo com a nossa Mishna, que afirma que
se pode substituir as raízes à profundidade de três vãos, a fim de não impedir a
aragem. Disse R. Papa para ele: Mas o mestre vai mais fundo. E ele
respondeu: Eu estou cavando uma escavação, e nossa Mishna permite fazer
isso. Disse R. Papa: Eu tentei repetir para ele muitos apoios à declaração de
que ele não estava certo, mas ele não me escutou; até que o lembrei da decisão
de R. Jehudah, que um caminho usado pela maioria era proibido de ser
estragado. Depois que R. Papa saiu, R. Joshua disse para si mesmo: Por que
eu não me opus também a essa afirmação? com isto foi dito apenas dentro de
dezesseis ells de uma árvore; mas, no meu caso, estava fora de dezesseis ells,
e o corte da raiz não causava dano à árvore.

" E o combustível é dele ", etc. Jacob de Daiba questionou R. Hisda: Quem se
entende por "seu"? E ele respondeu: Isto nós aprendemos no seguinte: "De
raízes de uma árvore pertencente a um homem privado, que se espalhou para a
propriedade do santuário, não deve ser derivado qualquer benefício; mas se
alguém tem assim derivado, ele não é responsável por uma oferta pelo
pecado.Esta só pode ser correta quando se diz que as raízes vão com a árvore,
portanto, uma não é responsável por uma oferta pelo pecado.Mas se deve ser
dito que eles vão com a propriedade em que se espalharam , por que alguém
não deveria ser responsabilizado?
p. 80

a teoria de que as raízes vão com a árvore permanece, como a última parte da
Mishna deve ser entendida: se a árvore é do santuário e suas raízes se
espalham em uma propriedade particular, o mesmo é o caso? Agora, se as
raízes vão com a árvore, por que alguém não é responsável quando tira
proveito dela? Essa objeção não pode ser válida, pois fala de uma raiz que
cresceu depois que a árvore já havia sido santificada; e há um Tana que afirma
que, após o crescimento que ocorre após a santificação, nenhuma transgressão
é considerada. Rabina, no entanto, diz que não há contradição em que
Boraitha, como a primeira parte fala das raízes que estavam dentro de
dezesseis ells da árvore, ea última parte daqueles que estavam fora dos
dezesseis ells. Daí a Mishna, que afirma "seu", significa o dono da árvore.

Ulla disse: Uma árvore que fica a dezesseis quilômetros da fronteira da


propriedade de outro é considerada roubo, já que ela se alimenta da
propriedade alheia e seu fruto não deve ser usado para a oferta da primeira
fruta. De onde Ulla deduziu isso? Devemos assumir a partir do Mishna
[Sh'byith, I. 7]: "Dez plantas que estão espalhadas dentro de um campo que
um saah de grão pode ser semeado, todo o pedaço de terra pode ser lavrado
por causa das árvores até o novo ano sabático vem (como as árvores extraem
alimento de todo o campo em que estão espalhadas, o que não é permitido em
um campo para semear). " Quantas ells existem ao todo num pedaço de terra
que tem cinquenta metros quadrados (esta é a extensão do solo em que um
saah de grão pode ser semeado), se dividido em tiras de um só? Dois mil e
quinhentos. Então cada árvore precisa de sua nutrição duzentos e cinquenta; e
isso não corresponderia à teoria de Ulla, já que ele requer dezesseis ells de
cada lado, o que significa trinta e dois quadrados quadrados. E se fosse
dividido em tiras de um ell, seriam 1.024 ells. E digamos que a partir do
Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes árvores (que estão
espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas diferentes, de acordo
com a lei sabática, conta como um campo de árvores, para que também possa
ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil e quinhentos hectares
cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas mesmo assim a
quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era particular. Mas a
não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é levado
rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, e isso não
corresponderia à teoria de Ulla, já que ele requer dezesseis ells de cada lado, o
que significa trinta e dois quadrados quadrados. E se fosse dividido em tiras
de um ell, seriam 1.024 ells. E digamos que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5):
Um campo com três grandes árvores (que estão espalhadas no espaço acima),
pertencentes a três pessoas diferentes, de acordo com a lei sabática, conta
como um campo de árvores, para que também possa ser arado até o novo ano
sabático? Então, dos dois mil e quinhentos hectares cada árvore recebe seu
alimento de 833 1/3 ells; mas mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla
difere ainda mais. Ulla não era particular. Mas a não-particularidade pode ser
aplicada quando o assunto é levado rigorosamente; mas quando tomado
brandamente (como, e isso não corresponderia à teoria de Ulla, já que ele
requer dezesseis ells de cada lado, o que significa trinta e dois quadrados
quadrados. E se fosse dividido em tiras de um ell, seriam 1.024 ells. E
digamos que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes
árvores (que estão espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas
diferentes, de acordo com a lei sabática, conta como um campo de árvores,
para que também possa ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil
e quinhentos hectares cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, como ele
requer dezesseis ells de cada lado, o que significa trinta e dois ells
quadrados. E se fosse dividido em tiras de um ell, seriam 1.024 ells. E
digamos que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes
árvores (que estão espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas
diferentes, de acordo com a lei sabática, conta como um campo de árvores,
para que também possa ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil
e quinhentos hectares cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, como ele
requer dezesseis ells de cada lado, o que significa trinta e dois ells
quadrados. E se fosse dividido em tiras de um ell, seriam 1.024 ells. E
digamos que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes
árvores (que estão espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas
diferentes, de acordo com a lei sabática, conta como um campo de árvores,
para que também possa ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil
e quinhentos hectares cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, E digamos
que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes árvores
(que estão espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas diferentes,
de acordo com a lei sabática, conta como um campo de árvores, para que
também possa ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil e
quinhentos hectares cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, E digamos
que a partir do Mishna (ibid., Ibid. 5): Um campo com três grandes árvores
(que estão espalhadas no espaço acima), pertencentes a três pessoas diferentes,
de acordo com a lei sabática, conta como um campo de árvores, para que
também possa ser arado até o novo ano sabático? Então, dos dois mil e
quinhentos hectares cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, dos dois mil
e quinhentos elfos cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como, dos dois mil
e quinhentos elfos cada árvore recebe seu alimento de 833 1/3 ells; mas
mesmo assim a quantidade prescrita por Ulla difere ainda mais. Ulla não era
particular. Mas a não-particularidade pode ser aplicada quando o assunto é
levado rigorosamente; mas quando tomado brandamente (como,por exemplo ,
no caso de Ulla, em que a árvore fica livre da oferta da primeira fruta), ela não
deve ser aplicada. Ulla queria dizer, não dezesseis elmos quadrados, mas
dezesseis ells em um círculo, e como
p. 81

um quadrado mede mais do que um círculo em um quarto, produz apenas 768


ells para nutrição; e, de acordo com o citado Mishna, cada árvore precisaria de
16 2/3 ells para nutrição, portanto ele não era específico nos dois terços, e isso
o torna mais rigoroso - ao qual a não-particularidade se aplica. 1
Mas por que apenas dezesseis ells - nossa Mishna não declara que um espaço
de vinte e cinco elfos deve ser deixado da árvore para o poço? Said, Abayi:
"As raízes se espalham muito mais longe, mas a uma distância de dezesseis
ells eles nutrem e tornam a terra pobre; enquanto que além dessa distância,
eles não". Quando Rabbin veio da Palestina, ele disse em nome de R. Johanan
que de uma árvore perto da fronteira, bem como de uma árvore cujos galhos
se inclinam para outra propriedade, a oferta da primeira fruta pode ser
trazida; e pode-se ler a este respeito as passagens das Escrituras que se
referem a ele, como com esta estipulação Josué legou a terra a Israel.

MISHNA XIII .: Se os ramos de uma árvore estiverem inclinados para outro


campo, o dono do campo pode cortá-los em uma extensão suficiente, de modo
a não impedir que uma equipe de bois passe com o arado. No caso de uma
alfarroba ou de um plátano, no entanto, ela deve ser medida com um prumo
(cortando todos os galhos até o limite da linha de fronteira); e se o campo é de
terra seca, os ramos de qualquer árvore, que a saliente, podem ser
cortados. Aba Shaul disse que o mesmo acontece com todas as árvores
silvestres.

GEMARA: Os escolásticos propuseram uma pergunta: Aba Shaul pretende se


opor com sua decisão na primeira parte do Mishna, dizendo que mesmo que
não seja terra seca, os galhos de uma árvore silvestre devem ser cortados; ou a
segunda parte, que afirma que os ramos de qualquer árvore devem ser
cortados - ele se opõe, dizendo apenas de uma árvore silvestre, mas não de
uma árvore frutífera? Venha e ouça o seguinte Boraitha: "Aba Shaul disse:
Toda árvore da qual os galhos pendem sobre um campo seco deve ser medida
com um prumo, porque a sombra prejudica um campo seco". Daí sua oposição
foi à primeira parte. Disse R. Ashi: "Mesmo que os Boraitha não o
declarassem tão claramente, isso poderia ser entendido pela expressão de R.
Shaul em nosso Mishna, como afirma cada árvore selvagem; e se ele se
opusesse apenas à segunda parte, ele teria especificado uma árvore selvagem.
p. 82

MISHNA XIV : Os ramos de uma árvore que pendem do solo público podem
ser cortados, de modo que um camelo com seu cavaleiro possa passar
livremente. R. Jehudah diz: Um camelo carregado de linho ou com feixes de
galhos. R. Simeon diz: Toda árvore desse tipo deve ser medida com um
prumo, por causa da lei da impureza.

GEMARA: Quem é o Tana que defende os danos que temos que considerar
apenas o tempo presente, e não o futuro? (Como o Mishna declara, ele deve
ser cortado apenas para um camelo; e não considera que os ramos cresçam
novamente.) Disse Resh Lakish: Tanaim diferem neste caso; e nosso Mishna
está de acordo com R. Eliezer, que permite em um Mishna mais longe cavar
cavernas e escavações sob um solo público, de tamanho suficiente para um
vagão carregado de pedras passar. R. Johanan, no entanto, sustenta que nosso
Mishna também pode estar de acordo com os rabinos daquele Mishna que
proíbem isso, pois deve-se temer que possa cair repentinamente; mas aqui,
cada ramo que cresce pode ser cortado.

" R. Simeon diz ," etc. A Boraitha acrescenta a isto "para o propósito que não
pode formar uma tenda de contaminação". Isso não deve ser entendido a partir
da própria Mishna? (Como que outra lei de impureza pode significar?) Se a
partir daí se pode dizer que isso significava, por medo de um corvo deve
trazer algo impuro e depositá-lo na árvore; e então seria suficiente cortar
alguns galhos, para que os galhos não segurassem nada, isso vem nos ensinar
que isso significa que ele não deve formar uma tenda, e então deve ser medido
com um prumo.

Notas de rodapé

63: 1 As Escrituras foram então escritas sem vogais, sendo estas adicionadas
mais tarde.

67: 1 Esta explicação de Rabha não justifica muito bem a sua própria
oposição, e é, de fato, contestada por Tothpath, sem qualquer resposta a
seguir.

72: 1 O termo no texto é abruri , e Schönhack sustenta que se origina do


grego άβαρης, que significa sem peso , o primeiro hebraico r sendo
interpolado.

75: 1 Rashi diz que ouviu que na língua persa Oriah significa oeste; ele
mesmo, no entanto, sustenta que, pelo contrário, Oriah (orient) significa
leste. E é assim chamado porque o Shekhinah repousa no lado oeste, voltado
para o leste. Daí o lado leste é o seu ar; avir , que contém as primeiras quatro
letras de Oriah , em hebraico significa ar .

75: 2 A palavra em hebraico é yaarof ; e ohraf significa pescoço .

75: 3 O termo em hebraico é zol em ambas as passagens -


literalmente, barato . A tradução certamente difere em ambos, de acordo com
o sentido.

75: 4 O termo é sair , o que significa também tempestade .

76: 1 A expressão para a mão direita é yomin , e nos Salmos a expressão para
o sul também é yomin ; daí a analogia.
81: 1 Há muitos comentários sobre esse cálculo, que seriam muito
complicados para a tradução, e deixamos isso para os matemáticos. No
entanto, omitir isso seria contra nosso método.
p. 83

CAPÍTULO III
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS À OCUPAÇÃO
(HAZAKAH) - EM QUE TEMPO E EM QUE RESPEITAR DÁ
TÍTULO. REPLEVINS POR TRIBUNAL. PROPRIEDADES OCUPADAS
POR UM DEFENDENTE QUE É MAIS DO QUE O AUTOR, MAS IGUAL,
EM EVIDÊNCIA. UM PROTESTO CONTRA A OCUPAÇÃO EM SUA
PRESENÇA: OU AUSÊNCIA DE UM DOS ADIANTADOS. A escrita das
contas de venda e ações de presente. OCUPANTES QUE VINHAM DE
HERANÇA. AS OCUPANTES DE ESPECIALISTAS, PARCEIROS,
JARDINS E GUARDIÕES. OBTER PROPRIEDADES DOS
COLECIONADORES CONTRATANTES DE ATRIBUIÇÕES E
IMPOSTOS. ASSISTÊNCIA - DE QUEM PODEM SER
ACEITES. PROPRIEDADES PESSOAIS PARA AS QUAIS A LEI DE
OCUPAÇÃO FAZ E NÃO SE APLICA. ABERTURA DE JANELAS E
PORTAS PARA PROPRIEDADES DE VIZINHOS OU PARCEIROS, E
CONSTRUÇÃO DE CAVERNAS, PITES, ETC., SOB TERRA PÚBLICA.

MISHNA I.: A lei de hazakah (ocupação) é, se alguém tiver ocupado alguma


propriedade por três anos (sem nenhum protesto de outra parte), e isso se
aplica a casas, poços, escavações, cavernas, gaiolas, banho casas, casas de
imprensa, terra seca, escravos, e o mesmo acontece com todos os outros
artigos que trazem frutos com frequência. No entanto, para um campo não
artificialmente irrigado, os três anos de hazakah não devem ser contados a
partir da data até a data. Assim, de acordo com R. Ishmael: Se alguém tivesse
ocupado dezoito meses - ou seja, três meses no primeiro ano, no ano seguinte
e três meses no terceiro, é considerado três anos e constitui uma hazakah. R.
Aqiba, no entanto, disse: "Catorze meses - ou seja, um mês do primeiro, um
mês do terceiro e todo o segundo ano é suficiente para constituir uma
hazakah". Disse R. Ishmael: Isso é dito de um campo de grãos dos quais os
produtos são colhidos de uma só vez; mas se um pomar estivesse lá dentro,
levando azeitonas e figos, então, se alguém tivesse colhido o grão,
pressionado as azeitonas e secado os figos, seriam considerados três anos.

GEMARA: R. Johanan disse: Ouvi dizer que o Sinédrio de Usha costumava


dizer: De onde sabemos que para constituir um
p. 84

hazakah três anos são necessários? Da lei de um boi goring; como um boi,
quando choca três vezes, sai da categoria "não vicioso" e é colocado sob a
categoria de "vicioso". Então, também, se alguém ocupou uma propriedade
por três anos (sem protesto), ela sai do controle do vendedor e é colocada sob
o controle do comprador.

Mas se é assim, pode-se dizer que, como um boi cruel não é culpado, a menos
que chore pela quarta vez, assim também deve ser com a hazakah, que não
será considerado até o quarto ano. Não, isso não é uma comparação. Um boi
que geme três vezes se torna cruel; mas, mesmo assim, se ele não tiver
chorado mais frequentemente, o que ele pagará? Mas aqui, quando alguém
ocupa uma propriedade por três anos, ela se torna sua. Mas de acordo com
isto, seja considerada uma ocupação para a qual nenhuma razão pode ser dada
pelo ocupante; e isso não é permissível, uma vez que um Mishna ensina ainda
que tal não deve ser considerado? A razão que três anos são considerados
hazakah é porque aprova a reivindicação do ocupante - por exemplo, se o
demandante alega: "Você o roubou", e o réu diz: "Eu comprei", a ocupação de
três anos aprova o fato de que o réu diz a verdade. Mas se a pergunta: "O que
você está fazendo na minha propriedade?" ele não tem resposta, o que a
hazakah aprovará? O tribunal fará por ele tal afirmação como ele próprio
não? R. Avira se opõe: Se hazakah é inferido de um boi cruel, então um
protesto não feito na presença de um ocupante não deve ser considerado,
como a respeito de um boi cruel, a mutilação deve estar em sua presença
[Ex. xxi. 29] Não; a este respeito, não há comparação, pois ali as Escrituras
ordenam que a advertência esteja na presença do dono. Mas aqui o protesto é
apenas para mostrar que ele não renunciou à sua propriedade, e se ele
protestou por outras pessoas, é suficiente, já que ele (que ouviu o protesto)
tem um colega, e seu colega tem outro, etc .; e se for dito em público,
certamente alcançará o ouvido do ocupante. De acordo com isso, se ele a
ocupou por três meses e consumiu a fruta que cresceu a cada mês -por
exemplo , um pastio - será considerado um hazakah? Não foi R. Ismael 1 do
Sinédrio de Usha? E de acordo com ele esta lei é válida; como é declarado em
nosso Mishna que se ele tiver colhido seu grão, etc., são considerados três
anos, de acordo com R. Ismael. Mas qual é a razão da decisão dos
rabinos? Disse Rabha: Porque para o primeiro
p. 85

três anos um geralmente cuida de sua ação; mas não por mais que isso. Disse
Abayi para ele: De acordo com sua teoria, deixe que um protesto que não
esteja em sua presença não seja considerado; como o ocupante poderia
afirmar: "Se você me desse o protesto, eu cuidaria da nota de venda", essa
reivindicação não pode ser considerada pelo motivo declarado acima, "que seu
colega tem um colega" etc.

R. Huna disse: "Os três anos em questão devem ser ininterruptos". O que ele
vem para nos ensinar? Não está indicado em nossa Mishna, três anos a partir
da data até hoje? Para que ninguém diga que isso significa excluir o caso que
é contado na Mishná, de um campo que não é regado artificialmente, mas se
alguém o ocupou por três anos em média, é considerado um hazakah mesmo
que fosse com interrupção, ele vem nos ensinar que não é assim. Disse R.
Hamma: R. Huna admite que em lugares onde é usual deixar os campos
descansar um ano, os três anos são considerados hazakah, embora haja
interrupção. Isso não é evidente? O caso foi quando ele teve seu campo em
um pagus, onde alguns deixam descansar enquanto outros não: para que
ninguém diga que o queixoso poderia alegar: "Se fosse seu, você não faria
qualquer interrupção", ele vem para nos ensinar que o réu pode afirmar: "Foi
mais agradável para mim assim, porque depois de um ano ele traz mais
produtos ". Mas a nossa Mishna não aplica hazakah a casas nas quais o
testemunho poderia ser dado por ocupar o dia, mas não à noite? (Por isso, uma
hazakah é considerada mesmo quando não há testemunho de que não foi
interrompida.) Disse Abayi: Quem atesta a ocupação das casas? Vizinhos. E
os vizinhos estão cientes das noites e dos dias. Rabha disse: O Mishna
significa quando duas testemunhas vieram e testificaram: "Nós alugamos a
casa do réu e nela vivemos três anos, dia e noite." Disse R. Jimir para R. Ashi:
As testemunhas não estão interessadas nisso? porque se eles não
testemunhassem, seriam informados de que pagariam o aluguel ao
queixoso. Respondeu ele: "Os juízes ignorantes dariam tal decisão. Não pode
ser que as testemunhas mantenham o aluguel da casa, perguntando: a quem
devemos pagar?" Mar Zutra disse: No entanto, se o demandante exigir que os
réus tragam duas testemunhas que devem testemunhar que moravam na casa
três anos, dia e noite, o tribunal deve ouvi-lo. E Mar Zutra admite, se o
queixoso era um viajante que tinha viajado nas grandes cidades com o seu
estoque que, embora ele não exija o testemunho de dia e de noite, o tribunal
pode reivindicá-lo para ele. E R. Huna admite, eles seriam instruídos a pagar o
aluguel ao queixoso? Respondeu ele: "Os juízes ignorantes dariam tal decisão.
Não pode ser que as testemunhas mantenham o aluguel da casa, perguntando:
a quem devemos pagar?" Mar Zutra disse: No entanto, se o demandante exigir
que os réus tragam duas testemunhas que devem testemunhar que moravam na
casa três anos, dia e noite, o tribunal deve ouvi-lo. E Mar Zutra admite, se o
queixoso era um viajante que tinha viajado nas grandes cidades com o seu
estoque que, embora ele não exija o testemunho de dia e de noite, o tribunal
pode reivindicá-lo para ele. E R. Huna admite, eles seriam instruídos a pagar o
aluguel ao queixoso? Respondeu ele: "Os juízes ignorantes dariam tal decisão.
Não pode ser que as testemunhas mantenham o aluguel da casa, perguntando:
a quem devemos pagar?" Mar Zutra disse: No entanto, se o demandante exigir
que os réus tragam duas testemunhas que devem testemunhar que moravam na
casa três anos, dia e noite, o tribunal deve ouvi-lo. E Mar Zutra admite, se o
queixoso era um viajante que tinha viajado nas grandes cidades com o seu
estoque que, embora ele não exija o testemunho de dia e de noite, o tribunal
pode reivindicá-lo para ele. E R. Huna admite, Mar Zutra disse: No entanto, se
o demandante exigir que os réus tragam duas testemunhas que devem
testemunhar que moravam na casa três anos, dia e noite, o tribunal deve ouvi-
lo. E Mar Zutra admite, se o queixoso era um viajante que tinha viajado nas
grandes cidades com o seu estoque que, embora ele não exija o testemunho de
dia e de noite, o tribunal pode reivindicá-lo para ele. E R. Huna admite, Mar
Zutra disse: No entanto, se o demandante exigir que os réus tragam duas
testemunhas que devem testemunhar que moravam na casa três anos, dia e
noite, o tribunal deve ouvi-lo. E Mar Zutra admite, se o queixoso era um
viajante que tinha viajado nas grandes cidades com o seu estoque que, embora
ele não exija o testemunho de dia e de noite, o tribunal pode reivindicá-lo para
ele. E R. Huna admite,
p. 86

que em lojas como as de Mehusa, que geralmente são ocupadas apenas


durante o dia, três anos é considerado uma hazakah.

Rami e R. Uqba, os filhos de Hamma, compraram uma escrava conjunta: uma


manteve o primeiro, terceiro e quinto anos, e a outra a segunda, quarta e
sexta. E, posteriormente, uma reclamação foi feita sobre este escravo. E eles
vieram antes de Rabha. Disse ele a eles: Por que você fez isso - até o fim que
nenhum de vocês deveria poder reivindicar hazakah? Como não é uma
hazakah para cada um de vocês, então não é considerada uma hazakah para o
mundo inteiro. Isso, no entanto, se aplica porque não houve acordo escrito
entre vocês de que ela deveria lhe servir dessa maneira. Mas se tal coisa
tivesse sido escrita, poderia ser considerada como se fosse tornada pública, e
nenhuma reivindicação deve ser considerada. Rabha disse: Se alguém usou
um campo inteiro nos anos de hazakah, exceto um quarto de saah, ele adquiriu
o título de todo o campo, exceto o que ele não usou. Disse R. Huna para R.
Joshua: É assim se esta peça também fosse adequada para semear. Se, no
entanto, não foi adequado para isso, o título é adquirido para ele também, com
o campo. R. Bibi b. Abayi se opôs: De acordo com sua teoria, como alguém
deveria fazer uma hazakah em solo rochoso, se não colocando gado ou
secando frutas lá? O mesmo deveria ser feito com aquilo que não estava apto
para semear; e porque ele não fez isso, o título não é adquirido.

Houve um que disse ao vizinho: "O que você está fazendo nesta casa?" ao
qual ele respondeu: "Eu comprei de você e tenho ocupado os anos de
hazakah". Disse o demandante: "Eu costumava morar nos quartos da frente,
passando pela sua, e por isso não me importava em protestar". E quando o
caso chegou antes de R. Na'hman, ele disse ao réu: Vá e traga evidências de
que você ocupou toda a casa sozinha. Disse Rabha para ele: A lei não dita que
é para o autor trazer provas?

O seguinte caso, no entanto, contradiz tanto R. Na'hman e Rabha. Certa vez,


um deles disse ao vizinho: "Eu vendo todas as propriedades que antes
pertenciam a Bar Sisin". Havia, no entanto, outra propriedade que também
tinha o nome de propriedade de Bar Sisin, e o comprador queria tomar posse
dela; mas o vendedor alegou que isso nunca pertencera a Bar Sisin, e que era
apenas assim chamado. E quando o caso chegou antes de R. Na'hman, ele
decidiu que pertencia ao comprador; e Rabha disse a ele: A lei não dita que é
para o autor trazer provas? Daí a decisão deste caso contradiz
p. 87

o primeiro inteiramente? Não; no primeiro caso, o demandante era o dono da


casa e, no segundo caso, o comprador era o autor da ação. Por isso, Rabha não
mudou sua decisão. E sobre R. Na'hman, ele também não se contradisse; mas
meramente porque se chamava Bar Sisin, ele afirmava que era de propriedade
do Bar Sisin, e foi para o reclamante, que disse que não era assim, trazer
provas. E este caso é semelhante a um caso em que se quer negar hazakah
com uma nota. Não lhe seria dito: Traga evidências de que a nota é correta, e
só você pode ter isso?

Houve um que perguntou ao seu vizinho: "O que você está fazendo nesta
casa?" e ele disse: "Comprei de você e o tenho ocupado nos anos de
hazakah". Mas o proprietário alegou que ele estava sempre fora da cidade e
não estava ciente de que ele estava ocupando esta casa e, portanto, nenhum
protesto foi feito. O réu, no entanto, declarou que ele tinha testemunhas do
fato de que trinta dias a cada ano o dono costumava estar na cidade, ao qual a
autora respondeu novamente: "Esses trinta dias eu sempre estive ocupado no
mercado, e nunca pensei em minha casa." Quando o caso chegou antes de
Rabha, ele decidiu que o dono da casa era confiável.

Havia outro que perguntou ao vizinho: "O que você está fazendo na minha
propriedade?" ao que ele respondeu: "Eu comprei de tal e qual, que me disse
que ele comprou de você." Então ele disse: "Você admite, no entanto, que a
propriedade era minha e que você não a comprou de mim. Então vá (e veja o
homem de quem você comprou). Eu , no entanto, não tenho nada a ver com
você." E Rabha decidiu que a reivindicação do queixoso estava de acordo com
a lei.

Houve outro que respondeu à mesma pergunta acima: "Comprei-o de tal e tal
modo e ocupei-o nos anos de hazakah". Mas o dono respondeu: "Esse homem
é conhecido como ladrão". O réu, no entanto, alegou que ele tinha
testemunhas de que no momento em que ele comprou, ele tomou o conselho
do proprietário. Ao que o queixoso respondeu: "É verdade que eu o aconselhei
a comprá-lo, porque seria mais fácil para mim tirá-lo de você do que do
ladrão". Após o que, Rabha decidiu que o pedido do demandante estava de
acordo com a lei. Isso está de acordo com Admon da seguinte Mishna: "Se
alguém afirma que esta propriedade pertence a ele, não obstante o fato de que
ele era uma testemunha na nota de venda para este campo, pode ser
considerado, porque ele pode alegar que a partir desta homem é mais fácil
para
p. 88

me para tirá-lo do que a partir do primeiro. Assim é o decreto de Admon. Os


sábios, no entanto, sustentaram que quando ele foi qualificado como uma
testemunha ele perdeu seu direito. "Pode ser mesmo de acordo com os
rabinos, como no caso da citada Mishna ele foi uma testemunha por escrito;
mas aqui ele só deu seu conselho em palavras e não perdeu seu direito.

Houve outro caso em que um questionou e respondeu o mesmo que


acima. Disse o réu: "Eu tenho testemunhas de que você me chamou naquela
noite e me pediu que eu deveria vendê-lo para você, sem que você
mencionasse que ele pertencia a você." E o queixoso respondeu: "Eu pensei
que compraria minha propriedade por um pequeno valor, em vez de levar o
assunto ao tribunal". E Rabha, diante de quem o caso chegou, decidiu que tal
afirmação poderia ser considerada.

Houve outro caso em que o réu alegou que ele o comprou de tal e tal, e o
ocupou nos anos de hazakah, ao qual a autora se opôs: "Aqui está uma nota de
venda, mostrando que comprei há quatro anos do mesmo homem que você diz
que comprou. " Ao que o réu respondeu: "Você acha que pela expressão 'os
anos de hazakah' eu quis dizer três anos? Eu quis dizer muitos anos - de modo
que eu a ocupei três anos antes de você comprá-la." E Rabha decidiu que as
pessoas chamam muitos anos de anos de hazakah. Mas isso só pode valer
quando ele o ocupar por sete anos, de modo que os anos de hazakah tenham
precedido a nota fiscal; mas se ele ocupou apenas seis anos, então a
reivindicação de hazakah não pode ser considerada, porque a nota de venda é
o maior protesto.

Se duas pessoas comparecerem perante o tribunal, uma afirmando: "Esta


propriedade era meus pais", e a outra alegando "era meus pais", e um deles
traz testemunhas de que era de seus pais, e as outras testemunhas que ele
ocupou os anos de hazakah? Rabá disse: Aquele que traz provas de que ele
ocupou os anos de hazakah é de confiança, pois, se ele quisesse dizer uma
mentira, ele poderia afirmar: "Eu comprei de você e tenho ocupado os anos de
hazakah. " Disse Abayi para ele: "A suposição se ele se importou em contar
uma mentira não pode ser aplicada em um caso onde há testemunhas." Se
depois disso, no entanto, o autor afirma: "É verdade que era propriedade de
seus pais, mas eu comprei E de acordo com o que eu disse antes, eu era dos
meus pais.
p. 89

De acordo com Ula, ele pode fazê-lo dando uma boa razão; mas de
[parágrafo continua]

acordo com os sábios de Nahardea, ele não pode. Ula, no entanto, admite que
se a primeira alegação foi: "Foram os meus pais, e não os seus", não pode ser
alterada em nenhuma circunstância. O mesmo é também o caso se, antes do
tribunal, ele alegou assim, e depois, como ele estava saindo, ele alegou o
contrário, uma vez que é para supor que a tais alegações ele foi aconselhado
por alguém mais, e eles devem não ser considerado. Os Nahardeans, no
entanto, admitem também que, se este homem alegar: "Quando eu disse a
propriedade dos meus pais, eu quis dizer que meus pais a compraram da sua",
tal afirmação deve ser considerada; e também que se um, ao discutir um caso
fora do tribunal, não mencionasse nada do que ele está reivindicando agora
perante o tribunal, ele não pode ser acusado de não tê-lo dito antes, pois pode-
se supor que não se gosta de dizer a sua reivindicação correta às pessoas na
ausência do tribunal. Amemar disse: "Eu sou um nahardeano e, no entanto,
defendo que, se houver uma boa razão, alguém pode mudar sua reivindicação
anterior". E assim a Halakha prevalece.

Se alguém afirma: "Foi de meus pais", e o outro afirma o mesmo, e um traz


evidências de que era de seus pais e que ele ocupou os anos de hazakah, e o
outro também traz evidências de que ele o ocupou os anos de hazakah? Disse
R. Na'hman: Desconsidere as alegações de hazakah que contradizem uma à
outra, e decida-a sob a evidência de que ela foi dos pais, o que não foi
negado. Disse-lhe Rabha: Mas as testemunhas não se contradizem e, em tal
caso, nenhuma delas deve ser levada em consideração? E ele respondeu: Eles
se contradizem quanto aos anos de hazakah, mas eles se contradizem em
relação aos pais?

Vamos supor que Rabha e R. Na'hman diferem da mesma maneira que R.


Huna e R. Hisda diferem? Como foi ensinado. Se duas partes de testemunhas
se contradizem, elas podem ser ouvidas em outro caso em que não há
contradição. R. Hisda, no entanto, sustenta que, sendo manifesto que são
perjuros, nada deve ser confiado a eles.

Devemos então assumir que R. Na'hman está de acordo com R. Huna e Rabha
com R. Hisda? Não; se a decisão estivesse de acordo com R. Hisda, Rabha e
R. Na'hman não seriam diferentes (como, de acordo com R. Hisda, tais
testemunhas não podem ser usadas novamente em nenhum caso). Portanto,
devemos dizer que ambos estão de acordo com R. Huna; e, no entanto, eles
diferem, como Rabha afirma que, mesmo de acordo com R. Huna, as
testemunhas estão em forma
p. 90

para outro caso, mas neste caso eles não devem ser ouvidos em nenhuma
circunstância. O homem que anteriormente trouxera provas de que ele havia
ocupado os anos de hazakah, descobriu depois disso que a propriedade era de
seus pais. Disse R. Na'hman: Despojamos o réu daquela propriedade (por um
bom motivo), e agora que as circunstâncias mudaram, podemos trazê-lo de
volta, sem medo de que isso seria uma humilhação para a corte. Rabha, ou, de
acordo com outros, R. Zera, objeta de um Mishna em Tract Kethuboth, que
declara, relativo a casamento, que depois que a corte decidiu que nenhuma
modificação deve ser feita, mesmo no caso de novas provas serem
introduzidas. Disse R. Na'hman para ele: Eu estava prestes a praticar de
acordo com a minha teoria. Agora, como você se opõe, e R. Hamnuna de
Suria faz o mesmo, eu não farei isso. No entanto, depois disso R. Na'hman
agiu de acordo com sua teoria. Aquele que o viu fazendo isso achou que era
um erro da parte dele. Na realidade, porém, não foi, pois ele fez isso com base
no fato de muitos outros grandes homens terem decidido que a humilhação da
corte não deveria ser levada em consideração.

Houve um que disse ao seu vizinho: "O que você está fazendo nesta
propriedade?" ao que ele respondeu: "Eu comprei de você, e aqui está a
escritura", à qual o réu se opôs que a escritura era falsa: O autor se curvou e
sussurrou para Rabba: Com relação a essa nota, sua afirmação está correta. No
entanto, eu possuía, mas perdi, a verdadeira; e esta é uma cópia correta. Disse
Rabba: Ele pode ser confiável, pois se ele quisesse dizer uma mentira, ele
alegaria que o documento era genuíno. Disse R. Joseph para ele: "Mas, afinal,
qual é a base da evidência do autor? Não é a ação em questão, na realidade,
nada mais que um pedaço de barro quebrado, como ele mesmo admitiu que foi
feito por ele?"

Houve outro caso similar a respeito de uma centena de zuz em dinheiro, na


que o demandante admitia que a nota em sua mão era falsa, feita em lugar do
genuíno, perdida; e Rabba levou isso em consideração por sua razão declarada
acima, e R. Joseph se opôs a ele como acima. E R. Iddi b. Abbin disse: A
Halakha prevalece de acordo com Rabba se o caso tratou de bens imóveis,
porque nós deixamos a propriedade nas mãos do possuidor. E a Halakha
prevalece de acordo com R. Joseph se o caso se referisse a dinheiro pronto,
pela mesma razão que temos que deixar o dinheiro nas mãos do possuidor
( isto é , de acordo com a regra que é para o demandante trazer evidência).

Houve uma garantia que alegou que ele tinha pago para o
p. 91

credor para o mutuário cem zuz, mostrando a nota. Disse o mutuário: "Eu não
te paguei?" E ele respondeu: "Mas você não tirou isso de mim
novamente?" Quando o caso chegou antes de R. Iddi b. Abbin, ele entregou a
Abayi, e Abayi enviou uma mensagem para R. Iddi: Por que você está
duvidoso neste caso? Não foi você quem disse que a Halakha prevalece com
R. Joseph em caso de dinheiro pronto - isto é, que deixamos o dinheiro com o
seu possuidor? Esta lei, no entanto, é válida quando a garantia afirma que ele a
emprestou novamente, sem dar qualquer razão; mas se ele afirma, "eu devolvi
o dinheiro porque não estava circulando", essa afirmação deve ser
considerada, e a nota está em vigor.
Foi murmurado entre as pessoas que Rabha b. Sharshum se apropriara de
terras pertencentes a órfãos; e Abayi mandou chamá-lo e lhe pediu que lhe
contasse o caso. E ele lhe disse assim: Esta propriedade foi prometida a mim
pelo pai dos órfãos. Eu, no entanto, tinha outro dinheiro com ele sem qualquer
compromisso; e depois de ter recolhido a primeira dívida do produto do
penhor que eu conhecia, se eu entregasse a propriedade aos órfãos e alegasse
que tinha outro dinheiro com o pai deles, teria de prestar juramento de acordo
com a decisão de os rabinos (mencionados acima, p. 10). Por isso, mantive o
compromisso, com a escritura, até que eu devesse recolher dos produtos o que
me devia, e depois eu os devolveria. E o tribunal deve levar em conta a minha
reclamação de acordo com a teoria do "porque" - isto é, porque eu poderia
alegar que eu tinha comprado a propriedade do falecido, e eu seria confiável
depois de tê-la ocupado nos anos de hazakah, portanto, minha alegação de que
eu tinha dinheiro com o falecido deve ser considerada. Disse Abayi para ele:
Você não poderia alegar que o comprou, pois as pessoas ainda estão
murmurando que a propriedade pertence aos órfãos. Portanto, você deve
devolver a propriedade aos órfãos e, quando eles tiverem mais idade, você
poderá processá-los.

Um parente de R. Iddi b. Abbin morreu e deixou uma árvore, e outro parente


tomou posse dela. Mas R. Iddi alegou que ele era um parente mais próximo, e
que pertencia a ele, enquanto o outro alegou que ele era um parente mais
próximo. Finalmente, a outra parte admitiu que R. Iddi era um parente mais
próximo, e R. Hisda transferiu a árvore para R. Iddi. Disse R. Iddi a R. Hisda:
Este homem deve devolver-me todo o produto desta árvore que ele consumiu
desde a morte do dono. Disse R. Hisda para ele: Você é o homem sobre quem
é dito que ele é um grande homem? Sua reivindicação depende de sua
admissão de que você é um parente mais próximo,
p. 92

depois que você deu provas; mas até aquele momento ele tinha certeza de que
ele era um parente mais próximo. Consequentemente, ele consumiu a fruta
corretamente, e sua admissão agora deve ser considerada como se ele lhe
fizesse um presente. Tanto Abayi quanto Rabha discordaram de R. Hisda, já
que sua admissão agora deve ser levada em consideração, mesmo em relação
ao produto anterior.

Houve um que questionou seu vizinho sobre o que ele estava fazendo em sua
propriedade, e ele respondeu: "Eu comprei de você, e ocupei os anos de
hazakah". No entanto, ele encontrou testemunhas para a ocupação de apenas
dois anos; e R. Na'hman decidiu devolver a propriedade e também o valor da
fruta que consumira em dois anos. Disse R. Zebid: Se ele alegasse: "Eu não
pretendia guardar o espólio, mas tinha o direito de consumir o fruto dele,
porque o aluguei", ele é de confiança; porque não disse R. Jehudah: Se alguém
segura uma foice e uma cesta, dizendo: "Vou recolher as datas de tal e tal
árvore, que comprei", ele é de confiança, porque não se ousaria tomar posse
de uma árvore que não lhe pertence? E o mesmo é o caso aqui, porque
ninguém ousaria consumir frutos que não lhe pertencessem. Se sim, por que
esta lei também não se aplica a uma propriedade? Para a terra, uma ação é
exigida (como ninguém compraria uma propriedade sem ação); mas ao
contratar produtos, uma ação é incomum e, portanto, não pode ser exigida.

Havia outro homem que interrogou o vizinho sobre o que estava fazendo em
sua propriedade e respondeu: "Comprei de você e o ocupei durante os anos de
hazakah", para o qual ele trouxe uma testemunha. Os rabinos que estavam na
presença de Abayi, diante dos quais o caso foi levado, estavam prestes a dizer
que isso era semelhante ao seguinte caso: Um arrancou um pedaço de prata de
seu vizinho e o caso foi levado perante R. Ami. na presença de R. Abba, e o
queixoso trouxe uma testemunha que ele arrebatou. E o réu respondeu: "Sim,
eu aceitei, mas o fiz porque era meu". E R. Ami estava deliberando: "Como
você decide este caso?" Ele deve pagar? Não há duas testemunhas. Vamos
libertá-lo? Existe uma testemunha. Vamos dar-lhe um juramento? O
demandante alega que ele roubou, que é roubo, e um ladrão não é confiável
com um juramento. Disse R. Abba para ele: Por conseguinte, este homem é
obrigado a prestar juramento, pelo qual ele não é confiável. E a lei é que
aquele que é obrigado a prestar juramento e não pode jurar, deve pagar. Disse
Abayi para eles: Que comparação é essa? Um caso
p. 93

semelhante ao R. Abba seria se o autor tivesse trazido uma testemunha de que


ele havia consumido o produto por dois anos; então ele teria que pagar, porque
não lhe seria confiado um juramento, pois quanto ao fruto consumido ele seria
considerado um ladrão. 1 Mas aqui, oréu trouxe uma testemunha para se
sustentar; e se ele tivesse outro, nós deixaríamos toda a propriedade em sua
mão. Por isso, ele não pode ser considerado um ladrão que não é confiável
para fazer um juramento e, portanto, não podemos fazê-lo pagar.

Havia um barco sobre o qual duas partes brigavam, cada uma alegando que
era dele, e uma delas solicitou ao tribunal que ele tomasse conta do barco até
que ele pudesse obter testemunhas de que era dele. O seu pedido deve ser
concedido ou não? Segundo R. Huna, deveria; e de acordo com R. Jehudah,
não deveria. Mas caso o pedido fosse concedido e o tribunal tomasse conta
dele, e a outra parte, vendo que seu oponente não conseguiu encontrar provas,
solicitou que o tribunal renunciasse a seu cargo e o deixasse às partes, para
que ele, deve tomar posse dela - este pedido deve ser concedido ou
não? Segundo R. Jehudah, não deveria; mas de acordo com R. Papa, pode. A
Halakha, no entanto, prevalece que, em tal caso, o tribunal não deve tomar
conta dela; mas, se já foi feito,
Se cada uma das partes afirma: "Esta propriedade pertencia aos meus pais" -
disse R. Na'hman: "Nesse caso, a lei do mais forte deve ser aplicada." Mas por
que este caso deve ser diferente de um caso em que duas notas são dadas na
mesma data para duas pessoas diferentes, e a propriedade do devedor é
suficiente para o pagamento de apenas uma nota, na qual a decisão de Rabh
era que a propriedade deve ser dividido entre os dois credores igualmente; e a
de Samuel, que deve ser deixado à consideração dos juízes, para que eles
possam dar a preferência àquele que tivesse mais razão de acordo com sua
opinião? É porque não há esperança de que um deles traga evidências de que
ele tem a preferência (já que as anotações foram escritas em um e no mesmo
dia,
p. 94

questão de horas); mas em um caso há esperança de que um deles possa trazer


evidências. Mas por que este caso não deveria ser igual ao de Mishna 4,
p. 261, Portão do Meio, sobre a dúvida quando o jumentinho nasceu, e foi
decidido que deveria ser dividido? Lá cada uma das partes, alegando que
nasceu enquanto sob seu controle, tem uma chance igual; mas aqui cada um
deles afirma que o artigo inteiro é dele, e o tribunal não pode decidir que ele
deve ser dividido, uma vez que, se a alegação de um é verdadeira, o outro
nunca teve qualquer direito a ele. Disse o Nahardeans: Se um terceiro do
mercado veio e tomou posse dele, o tribunal não tem o direito de tirá-lo dele,
porque não há demandante. Como R. Hyya ensinou: Se alguém rouba um
artigo pertencente a muitas pessoas, ele não pode ser considerado um ladrão a
quem o tribunal pode obrigar a devolvê-lo, como não há demandante. Disse R.
Ashi: R. Hyya quis dizer que ele não pode ser considerado um ladrão que
expia devolvendo o artigo, pois ele não sabe quem ele roubou; mas o tribunal
pode obrigá-lo a colocar o artigo sob sua responsabilidade.

" Três anos a partir da data até a dataantes do lapso de tempo, deve
proclamar seu protesto, para que se saiba que a propriedade lhe pertence. O
mesmo é a lei no nosso caso. antes do lapso de tempo, deve proclamar seu
protesto, para que se saiba que a propriedade lhe pertence. O mesmo é a lei no
nosso caso.

R. Jehudah em nome de Rabh disse: Um israelita que comprou um campo de


um gentio, que o ocupou
p. 95

Anos de hazakah, alegando tê-lo comprado de outro israelita, mas não tendo
mostrado qualquer ação, a lei de hazakah não se aplica ao último comprador,
mesmo que ele tenha ocupado três anos ou mais, porque ele confia nos
gentios, e a lei do hazakah não se aplica aos gentios (que são mais
poderosos); e pode acontecer que ele tenha ocupado a propriedade sem
nenhum direito, porque o israelita tinha medo de reivindicá-la (a menos que
mostrasse uma ação). Disse Rabha: Se o último comprador alegar, "foi-me
dito pelo gentio que ele comprou de você", ele é de confiança, porque ele
poderia reivindicar, "eu mesmo comprei de você, e ocupei os anos de hazakah
" Mas é tal coisa possível, que se o gentio reivindicasse a propriedade em seu
próprio nome, ele não seria invocado porque a lei de hazakah não se aplica a
ele, e quando o israelita reivindica em nome do gentio ele deve ser
confiável? Portanto, a declaração de Rabha era assim: Se o último comprador
afirma: "Na minha presença, os gentios compraram de você, e então ele me
vendeu", ele é confiável, porque ele poderia reivindicar, "eu comprei
diretamente de você " R. Jehudah disse novamente: Se alguém segura uma
foice e uma cesta, dizendo: "Eu vou cortar as tâmaras da árvore que eu
comprei de seu dono", ele é de confiança, como não se atreveria a ir
publicamente cortar produtos que não lhe pertencem. O mesmo disse
novamente: Se alguém ocupou um pedaço de terra que estava fora da cerca do
campo de uma pessoa (que eles geralmente semearam para os animais
selvagens se alimentarem), ele não pode reivindicar hazakah, como o
proprietário pode dizer, "arla , não é para ser considerado. E assim, também,
aprendemos no seguinte Boraitha: Se um dos anos foi um Sabbatic ou
um arlaano, ou um semeou com Kilaim, não deve ser considerado. R. Joseph
disse: Se nos anos hazakah ele colheu os talos enquanto ainda não maduro,
não deve ser considerado (porque ele não o ocupou como de costume). Disse
Rabha: Mas se isso foi em torno da cidade de Mehusa, deve ser considerado,
porque todos os agricultores, por conta de seu gado, têm o hábito de fazê-
lo. R. Na'hman disse: Para pousar que está cheio de poços e não pode ser
trabalhado corretamente a lei de hazakah não se aplica, porque o proprietário
pode afirmar: "Como não tinha utilidade para mim, eu não protestei". O
mesmo é o caso com campos como retorno não mais do que foi semeado
neles. E também no caso dos exilarchs, a uma propriedade que é comprada
deles, ou que eles compram, a lei de hazakah não se aplica, porque eles
p. 96

são poderosos e ninguém se atreveria a protestar contra eles; e, também, eles


próprios não se importam em protestar.

" Escravos ". A lei do hazakah se aplica aos escravos? Não disse Lakish Resh:
Para toda criatura viva a lei de hazakah não se aplica? Disse Rabha: Ele
pretende dizer que não se aplica antes de três anos ( ou seja , não se pode
afirmar que ele comprou como ele pode fazer com outra propriedade pessoal
para a qual nenhuma evidência é necessária quando encontrada em sua posse),
mas depois de três anos faz. E Rabha disse novamente: Se esse escravo era um
bebê deitado em seu berço, a lei de hazakah se aplica imediatamente. Isso não
é evidente? Ele quer dizer mesmo que tenha mãe; e para que não se diga que é
para temer que sua mãe o deixe lá, vem nos ensinar que isto não deve ser
temido, porque geralmente uma mãe não esquece seu filho.

Havia cabras que consumiam cevada descascada na cidade de Nahardea, e o


dono da cevada os pegou e não os devolveu até que o valor da cevada fosse
pago. E sua reivindicação era de quantia considerável, e o pai de Samuel
decidiu que ele poderia reivindicar o valor de todas as cabras, como se ele
fosse reivindicar que ele as comprou, ele deve ser confiável, vendo que eles
foram encontrados em sua posse. Mas Resh Lakish não disse que a lei de
hazakah não se aplica a criaturas vivas? Por que o pai de Samuel decidiu
(Portão do Meio, pp. 306 seq.) que ele poderia coletar todo o valor das
cabras? (Veja lá.) Com cabras é diferente, como geralmente são transferidas
para o pastor. Mas os bodes não vão de manhã e à noite sem o pastor? Na
cidade de Nahardea, ladrões eram freqüentemente encontrados, e os pastores
costumavam entregar o gado nas mãos de seus donos.

" Três meses no primeiro ano ", etc. Devemos assumir que o ponto de
diferença entre R. Ishmael e R. Aqiba é que a posse de arar é uma hazakah
( isto é , se alguém arar um campo e o proprietário não protestar, é suposto
que ele comprou dele). E um sustenta que é? Mas como você pode ter em
mente que R. Aqiba mantém arado para ser uma hazakah, quando quer dizer
um mês inteiro em dois anos de hazakah? Um dia não é suficiente para
arar? Portanto, devemos dizer que, de acordo com tudo, a lavoura não é
considerada uma hazakah, e o ponto de sua diferença são frutos maduros e
imaturos. De acordo com R. Ishmael, a hazakah aplica-se apenas aos frutos
maduros e, de acordo com R. Aqiba, aos imaturos.

Os rabinos ensinavam: arar não é uma hazakah. De acordo


p. 97

para os outros, é. Quem são os outros? Disse R. Hisda: É R. Aha do seguinte


Boraitha. Se alguém lavrou um ano e semeou dois, ou vice-versa , não é uma
hazakah. R. Aha, no entanto, diz que é. Disse R. Ashi: Eu questionei todos os
grandes homens desta geração, e eles me disseram que arar é uma
hazakah. Disse R. Bibi a R. Na'hman: A razão de quem segura aquela lavra é
uma hazakah é porque normalmente não se cala se um estranho vier e arar sua
terra. E a razão dele que sustenta aquela lavra não é uma hazakah, é porque o
dono pode pensar: "Eu posso tirar proveito de todo sulco que ele faz com o
arado na minha terra, então eu vou protestar depois".

Os habitantes da cidade de Pumnahara enviaram uma mensagem para R.


Na'hman b. R. Hisda assim: Deixe o mestre nos ensinar se arar é uma hazakah
ou não. E ele respondeu: R. Aha e todos os grandes homens desta geração
decidiram que arar é uma hazakah. Disse R. Na'hman b. Itz'hak: Era demais
dele afirmar: "Todos os grandes homens". Não são Rabh e Samuel na
Babilônia, e R. Ishmael e R. Aqiba na Palestina, quem ousou que arar não é
uma hazakah? R. Ishmael e R. Aqiba ouvimos dizer isso em nossa Mishna,
mas onde Rabh e Samuel disseram isso?

Como R. Jehudah disse em nome de Rabh: R. Ishmael e R. Aqiba eram uma


minoria dos sábios, mas a maioria dos sábios sustentou que uma hazakah é de
três anos a partir de hoje. E isso certamente excluía a lavoura. E sobre
Samuel. disse também R. Jehudah em seu nome: Esta era apenas a opinião de
R. Ismael e R. Aqiba; mas todos os outros sábios sustentaram que o hazakah
não se aplica a menos que alguém tenha colhido, colhido a safra e pressionado
azeitonas, cada uma delas três vezes. Qual é a diferença entre Rabh e Samuel -
como, de acordo com os dois, são necessários três anos? Disse Abayi: Uma
árvore jovem que dá três frutos em média três vezes em menos de três anos,
de acordo com Samuel, é uma hazakah, e de acordo com Rabh deve ser de
data para data.

" Disse R. Ismael ... um campo para grãos " etc. Disse Abayi: Da decisão de
R. Ishmael, que três colheitas são suficientes para constituir hazakah,
podemos entender a opinião dos rabinos que se opõem a ele: Se o campo
contém trinta árvores cada qual dez ocupa um espaço onde um saah de grão
pode ser semeado, e o réu usou dez o primeiro ano, dez o segundo, e dez o
terceiro, é um hazakah, embora três anos ainda não se passaram
p. 98

(como ele consumiu em cada ano o que estava maduro). E isso


[parágrafo continua]

deve ser inferido da afirmação de R. Ishmael de que cada apresentação dos


três artigos é contada como se fosse feita três vezes, para constituir uma
hazakah. O mesmo acontece com as trinta árvores: o consumo de cada dez é
contado com o consumo dos outros e, portanto, constitui uma hazakah. Mas
este é apenas o caso quando apenas dez deles estavam maduros a cada
ano; mas se mais estiver maduro, e ele só consumiu dez, não é. E o mesmo é o
caso se as dez árvores estivessem maduras em um lugar apenas no primeiro
ano, dez em outro no segundo e dez no terceiro no último ano; pois, para
constituir uma hazakah, as árvores devem ser espalhadas por todo o campo,
três ou quatro delas crescendo no espaço de um saa a cada ano.

Se alguém fez um hazakah nas árvores e outro no chão, cada um deles adquire
o título do que ele possui. Assim disse R. Zebid: R. Papa se opôs; pois, de
acordo com essa teoria, aquele que fez hazakah nas árvores não tem nada no
chão. Então deixe o dono do campo dizer ao dono das árvores: "Cortem suas
árvores e vão". "Portanto," disse ele, "em tal caso, a pessoa adquiriu o título
das árvores e metade do solo, e a outra metade da terra."

É certo que se alguém vendeu o seu terreno e deixou as árvores, o terreno


requerido pelas árvores deve ser deixado para elas; para mesmo de acordo
com R. Aqiba, que disse em outro lugar que normalmente quando se vendeu
uma coisa que ele fez com um bom olho ( ie, com a intenção de beneficiar o
comprador), isto é apenas no caso de ele lhe vender um poço. Devemos dizer
que as paredes de pedra do poço em sua propriedade também são vendidas a
ele. Mas neste caso, onde ele retém as árvores, que tornam o solo pobre, e
também suas raízes podem atrapalhar o arado, é certamente sua intenção que o
solo necessário para as árvores permaneça seu, caso contrário o comprador
terá um direito. para exigir dele que ele cortará as árvores dele. Mas se ele
vendeu as árvores e reteve o solo, neste caso os rabinos e R. Aqiba
diferem. Segundo R. Aqiba, que afirma que geralmente o vendedor vende com
um bom olho, o comprador tem direito ao cultivo das árvores. Mas de acordo
com os rabinos, que não o fazem, o comprador não tem esse direito. E mesmo
de acordo com R. Zebid, que disse acima, no caso de hazakah,
p. 99

Mas em caso de venda, de acordo com a regra que um vendedor


[parágrafo continua]

vende com um bom olho, esta alegação não pode ser aplicada mesmo de
acordo com a opinião dos rabinos. E mesmo R. Papa, que disse acima que o
dono das árvores tem uma parte no solo, é apenas no caso acima, onde havia
dois compradores - aquele que compra as árvores e o comprador do solo - que
cada um deles pode reivindicar: "Como o proprietário vendeu a você com um
bom olho, ele também fez para mim". Mas, neste caso, de acordo com os
rabinos, que afirmam que um homem geralmente vende com um olho ruim
( ou seja,, com a intenção de beneficiar apenas a si mesmo, R. Papa também
pode concordar que, de acordo com a teoria dos rabinos, o comprador das
árvores não tem direito ao solo. Os Nahardeans disseram que se, das trinta
árvores acima mencionadas, quinze delas foram plantadas no espaço de um
saah, embora ele tenha consumido o produto de todos eles três anos
sucessivamente, não é considerado um hazakah, porque ele tem não feito
como as pessoas fazem ( isto é , quinze árvores no espaço de um saah não
podem produzir bons produtos, e aquele que o possui geralmente corta muitos
deles para dar lugar aos outros; e como ele não o fez, parece que ele não
considera isso como sua propriedade). Rabha se opôs a isso. Pois, de acordo
com esta teoria, nunca se poderia adquirir o título de uma cama de um pastio,
que geralmente é semeada três vezes por ano, e a superlotação é reduzida para
dar espaço para o restante (e quando o ocupante apenas os consumiu, e não
diminuiu, ele não adquiriu o título). "Portanto", disse ele, "nesse caso, ele
adquire títulos para as árvores e não para o solo". Disse R. Zera: Neste caso,
os Tanaim do seguinte Mishna diferem: Um vinhedo que foi plantado em
menos de quatro ells 'espaço, R. Simeon disse: Sobre Kilaim, não é
considerado um vinhedo em tudo. Os sábios, no entanto, sustentam que isso é
considerado, e os intermediários devem ser considerados como se não
existissem ( iea lei de um vinhedo, que deveria interferir com outros tipos de
sementes, é que deve ser plantada de modo que entre cada fileira de videiras
devam restar quatro espaços; e se não, não é chamado de vinhedo. Mas de
acordo com os rabinos, o do meio não é considerado; Consequentemente, há
mais de quatro ells entre eles, e interfere - portanto, de acordo com essa teoria,
das árvores em questão que estavam superlotadas, quinze no espaço de um
saah, as do meio não devem ser consideradas, de acordo com os rabinos; mas
eles são considerados, de acordo com R. Simeon).

Os nahardeanos disseram novamente: Se alguém vendeu uma árvore para seu


vizinho, o comprador adquiriu o título dela de debaixo dela até o
p. 100

profundo. Rabha se opôs. Por que se dirá que todo o solo até o fundo será
vendido a ele? O vendedor pode alegar: Eu o vendi para você como as pessoas
costumavam vender uma açafrão, da qual o comprador obtém o benefício
contanto que a árvore dê frutos, mas depois que ela se tornou seca, o
comprador teve que removê-la e deixar o solo para o vendedor. Portanto, disse
Rabha: Isso se aplica apenas àquele que alega que ele comprou com a
estipulação de que, se a árvore morrer, ele pode plantar outra em seu lugar, e
depois que ela possuísse os anos de hazakah. Disse Mar the Elder, o filho de
R. Hisda, para R. Ashi: Mesmo se fosse uma açafrão, e em tal caso o
comprador geralmente cuida do valioso açafrão, e não do solo abaixo, o que o
vendedor deveria fazer? se, após os três anos, o comprador alega que também
comprou o terreno (para poder plantar outro)? E ele respondeu: O vendedor
deve protestar antes que passem os anos de hazakah, como é dito acima.

Mishna II : Há três terras concernentes à lei de hazakah: a terra da Judéia, a


terra do outro lado do Jordão e da Galiléia. Se o dono da propriedade estava
na Judéia, e um deles fez hazakah na Galiléia, ou vice-versa , não é
considerado hazakah, a menos que o dono da propriedade deva ficar com o
ocupante em um mesmo país. Disse R. Jehudah: A lei de três anos é feita
apenas para o propósito que se o dono, por exemplo, estivesse na Espanha, e
sua propriedade estivesse na Judéia, que é um ano de viagem dali, se alguém
ocupasse sua propriedade enquanto na estrada, um ano é dado para ele ser
notificado, e outro ano para o seu retorno ( ou seja , não importa onde ele
esteja, três anos são suficientes para a hazakah).

GEMARA: Vamos ver! O que o primeiro Tana da Mishna espera? Se um


protesto na ausência do ocupante é considerado, então, mesmo quando um
estava na Judéia e o outro na Galiléia, ele poderia protestar; e se não for
considerado, então, mesmo que ambos estivessem em um país, quando eles
não estivessem em uma cidade, o hazakah não deveria se aplicar, pois ele não
poderia protestar. Disse R. Abba b. Mamal em nome de Rabh: Ele sustenta
que um protesto não em sua presença deve ser considerado. Mas o nosso
Mishna trata de um caso de guerra, durante o qual este protesto seria inútil
(porque não haveria ninguém para notificá-lo). E por que ele menciona a
Judéia e a Galiléia? Ensinar que esses dois países são sempre considerados
como se houvesse uma guerra entre eles, pois caravanas que vão de um país a
outro são muito raras.
p. 101

R. Jehudah em nome de Rabh disse: Se alguém foge de uma cidade por causa
do crime, etc., e um ocupa sua propriedade, a lei de hazakah se aplica. E R.
Jehudah continuou: Depois da morte de Rabh, eu disse isso Halakha em seu
nome antes de Samuel, e ele disse para mim: Isso não é auto-evidente? Deve,
então, um protesto estar na presença de alguém? (Diz o Gemara :) E, de fato,
que notícias Rabh ensinou com esta declaração, a menos que um protesto não
na presença de alguém seja considerado? Ele já disse isso em outro
lugar. Com essa afirmação, ele nos ensina que, mesmo quando o protesto foi
diante de duas testemunhas que não puderam notificar o ocupante, isso é
considerado um protesto. Como R. Anan disse. Mar Samuel me explicou sua
opinião de que somente quando alguém protestasse na presença de duas
testemunhas que pudessem notificar o ocupante, isso seria considerado; mas
não o contrário. Rabh, no entanto, é da opinião: "Teu colega tem outro
colega", etc .; e assim, quando protestado antes de dois, será conhecido. Disse
Rabha: A Halakha prevalece que a lei de hazakah não se aplica à propriedade
de alguém que foge, e também que um protesto que não é na presença de
alguém é considerado. Não são os dois Halakhas contraditórios entre si? Isso
não apresenta dificuldade. Se alguém foge por causa de dinheiro, ele não tem
medo de protestar, já que não se importa se sua residência é conhecida; mas se
alguém fugir por conta de um crime, ele não poderá protestar, pois isso
tornaria conhecido seu esconderijo. A Halakha prevalece que a lei de hazakah
não se aplica à propriedade de alguém que foge, e também que um protesto
que não é na presença de alguém é considerado. Não são os dois Halakhas
contraditórios entre si? Isso não apresenta dificuldade. Se alguém foge por
causa de dinheiro, ele não tem medo de protestar, já que não se importa se sua
residência é conhecida; mas se alguém fugir por conta de um crime, ele não
poderá protestar, pois isso tornaria conhecido seu esconderijo. A Halakha
prevalece que a lei de hazakah não se aplica à propriedade de alguém que
foge, e também que um protesto que não é na presença de alguém é
considerado. Não são os dois Halakhas contraditórios entre si? Isso não
apresenta dificuldade. Se alguém foge por causa de dinheiro, ele não tem
medo de protestar, já que não se importa se sua residência é conhecida; mas se
alguém fugir por conta de um crime, ele não poderá protestar, pois isso
tornaria conhecido seu esconderijo. como ele não se importa se sua residência
é conhecida; mas se alguém fugir por conta de um crime, ele não poderá
protestar, pois isso tornaria conhecido seu esconderijo. como ele não se
importa se sua residência é conhecida; mas se alguém fugir por conta de um
crime, ele não poderá protestar, pois isso tornaria conhecido seu esconderijo.
Como se deve protestar? Disse R. Zebid: Se o protesto foi, assim e assim é um
ladrão; não é suficiente, mas ele deve protestar: "Ele é um ladrão que me
roubou meu patrimônio e, assim que possível, eu o convoco". Mas como é a
lei se ele adicionou a este protesto: "Não notificá-lo do meu protesto"? Disse
R. Zebid: Como isso pode ser considerado, quando ele diz claramente: Não
notificá- lo. R. Papa, no entanto, é da opinião de que isso significa: Não o
notifique, mas diga a outras pessoas, para que ele fique ciente disso
depois. Como está a lei se as testemunhas lhe disseram: não o
notificaremos? De acordo com R. Zebid, tal protesto não deve ser
considerado, e de acordo com R. Papa, é porque, embora não devam notificá-
lo, eles ainda assim o informarão a outras pessoas. Mas como é que o
protestante disse: não menciona isso a ninguém? Segundo R. Zebid,
certamente não deve ser considerado. Mas como foi quando eles disseram:
Nós não vamos mencionar isso para ninguém? Segundo R. Papa, isso não
deve ser considerado. R. Huna b. R. Jehoshua, no entanto, sustenta que,
mesmo assim, é um protesto, como algo que não
p. 102

pertence a um homem, ele falará sobre isso algum tempo, e ele será
conhecido.

Rabha disse em nome de R. Na'hman: Um protesto não na presença de alguém


deve ser considerado; e ele se opôs a ele da declaração de R. Jehudah em
nossa Mishna, que disse que um ano é permitido para notificá-lo e um ano
para o retorno. E se um protesto não na presença de alguém fosse suficiente,
por que ele deveria voltar? E ele respondeu: R. A afirmação de Jehudah é
apenas um conselho para alguém de que ele próprio deveria ir, de modo que
ele possa tomar posse das propriedades e dos produtos. (Diz o Gemara :)
Daquilo que Rabha objetou, deve-se dizer que ele mesmo não o segura com
respeito a um protesto na ausência do ocupante; e acima foi dito que o próprio
Rabha tinha decidido isso? Depois que ele ouviu de R. Na'hman, ele aceitou.

R. Jose b. Hanina encontrou-se com os discípulos de R. Johanan e perguntou-


lhes se R. Johanan havia dito antes quantas pessoas deveriam fazer um
protesto. R. Hyya b. Abba disse em nome de R. Johanan: Na presença de
dois. E R. Abuhu disse em seu nome: Três são necessários.

Vamos supor que o ponto de sua divergência é o dito de Rabba b. R. Huna:


"Tudo o que é dito na presença de três pessoas não pode ser considerado
calúnia"? Agora, aquele que sustenta que duas pessoas são suficientes não
concorda com Rabba, e quem afirma que as três são necessárias fá-lo, porque
ele mantém com ele? Não, todos concordam com Rabba, e o ponto de sua
divergência é - um protesto não na presença de alguém: aquele que diz que
dois são suficientes, porque tal não deve ser considerado (e, portanto, ele
precisa de dois, para que eles testemunhem que o ocupante estava presente no
protesto). 1 E aquele que sustenta que esses três são necessários fá-lo porque
um protesto não na presença de alguém é considerado e, portanto, três são
necessários para tornar o protesto público. Se você desejar, pode-se dizer que
todos concordam que tal protesto deve ser considerado, e o ponto de sua
divergência é que alguém sustenta que, para esse propósito,
as testemunhas são necessárias, e a outra sustenta que é necessário apenas
fazer isso público.

Giddle b. Minjumi teve que fazer um protesto contra alguém,


p. 103

e aconteceu para atender R. Huna, Hyya b. Rabh e R. Hilkiah b. Tubi, que


estavam sentados juntos, e ele protestou diante deles. No ano seguinte, ele
voltou para protestar. Disse Hyya b. Rabh para ele: O protesto do ano passado
é suficiente. Disse Resh Lakish em nome de B. Kapara: É, no entanto,
necessário que alguém repita seu protesto após o lapso de cada três anos. R.
Johanan, no entanto, duvidou sobre esta decisão, dizendo: A lei de hazakah se
aplica a um ladrão? Um ladrão! Então, é certo que ele é um ladrão? (Ele não
afirma que teve uma ação, que foi perdido?) Ele quer dizer que, como após o
primeiro protesto ele não fez nada para encontrar a ação ou para trazer
qualquer outra evidência, ele é assim considerado, e o lei de hazakah não deve
se aplicar a ele. Disse Rabha:

Bar Kapara ensinou: Se alguém protestou uma vez, duas vezes e três vezes, se
na segunda e terceira vezes ele reivindicou o mesmo que afirmou pela
primeira vez, o ocupante não tem hazakah; mas se ele vier com outras
reivindicações, o hazakah prevalecerá com o ocupante.

Rabha disse em nome de R. Na'hman: Quando um protesto é feito antes de


duas pessoas, não há necessidade de pedir que seja escrito. O mesmo acontece
com um anúncio. (Existe uma lei que se alguém for obrigado a vender sua
propriedade, ou a fazer qualquer outra coisa contra sua vontade, ele pode
anunciar isso antes de duas pessoas, e depois ele pode processar o comprador.)
Para uma admissão, no entanto (que ele deve algo a um), ele deve pedir às
duas testemunhas para anotá-lo. A cerimônia de um sudário deve ser feita
antes de duas pessoas sem escrever. A aprovação de um juramento, no
entanto, deve ser feita por três pessoas. Disse Rabha: Eu não conseguia
entender porque o sudáriodeve ser feito antes de dois. Se for considerado um
ato de Beth Din, então três são necessários; e se não for considerado como tal,
por que não deveria ser escrito? Depois de deliberar, no entanto, ele disse:
Este ato não é considerado como um ato de Beth Din, e escrever não é
necessário, porque esse ato é tão bom quanto se estivesse escrito. (Esta é a
conclusão final do ato, e não pode ser negada.)
Rabha e R. Joseph disseram: Não escrevemos um anúncio a menos que em um
caso em que o réu não ouça o tribunal. Abayi e Rabha, no entanto, disseram
que, mesmo para pessoas como nós, ela pode ser escrita. Os Nahardeans
disseram: Um anúncio no qual não está escrito:
p. 104

"Nós testemunhamos testemunhar que era conhecido para nós que


[parágrafo continua]

este homem foi compelido", etc., não é para ser considerado. Que tipo de
anúncio eles querem dizer? Se se trata de um divórcio ou um presente, é
suficiente quando é tornado público apenas. E se por uma venda, Rabha não
dissesse em outro lugar: não escrevemos anúncios sobre coisas vendidas? Isso
significa uma venda, e Rabha admite que quando alguém foi obrigado a
vender contra sua vontade, como, por exemplo, no caso de certas vinhas
(Middle Gate, p. 176), nós escrevemos tais anúncios.

R. Jehudah disse: Um ato oculto de presente não é suficiente para a coleta. O


que isto significa? Disse R. Joseph: Se alguém dissesse às testemunhas: "Vá
para um lugar que é invisível, e escreva-lhe um feito de presente". Segundo
outros, R. Joseph disse: Se o doador não dissesse à testemunha: "Vá ao
mercado e, na presença do povo, escreva-lhe este feito". E a diferença entre
esses dois dizeres é quando ele lhes diz: "Vá e escreva", sem qualquer
acréscimo. Disse Rabha: Tal feito é suficiente para ser um anúncio no caso de
alguém ter que fazer o mesmo para o outro.

Disse R. Papa: Esta declaração atribuída a Rabha não foi claramente dito por
ele, mas foi inferida a partir de sua decisão do ato seguinte. Havia um homem
que queria se casar com uma certa mulher, e ela disse a ele: "Se você vai
transferir todos os seus bens para mim, eu serei seu, e não o contrário." E ele
fez isso. Então veio seu filho mais velho, e disse-lhe: "O que então se torna de
mim?" E o pai disse a duas testemunhas que deveriam se esconder em um
determinado lugar e escrever uma escritura de que a propriedade pertencia a
seu filho. E quando o caso chegou antes de Rabha, ele decidiu que nenhum
deles tinha adquirido o título da propriedade (o filho, porque estava escrito em
um lugar oculto; e a mulher, porque a primeira ação foi um anúncio contra o
último feito). Isso, no entanto, foi apenas uma suposição por aqueles que
ouviram essa decisão. Na realidade, no entanto, Rabha fez isso porque
qualquer um podia ver que a ação para a mulher foi escrita apenas sob
compulsão. Mas no caso acima de uma ação oculta, não poderia servir como
um anúncio, porque o último foi feito em público. E deve-se presumir que ele
o fez porque tal era a sua vontade, e o primeiro foi feito contra a vontade; e,
portanto, ele disse às testemunhas para escrevê-lo em um lugar secreto.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: Como é quando ele lhes disse para
escrever um ato de presente sem qualquer explicação? (A questão é sobre as
duas palavras de R. Joseph mencionadas
p. 105

acima.) Segundo Rabina, é considerado adequado; e de acordo com R. Ashi,


não é apropriado (a menos que ele tenha dito para fazer isso publicamente). E
assim a Halakha prevalece.

MISHNA III .: Um hazakah para o qual não há reclamação não deve ser
considerado. Como assim? "O que você está fazendo na
minha propriedade ?" E se ele respondeu: "Porque não houve reclamação
contra isso", não é para ser considerado. Mas se ele diz: porque você o
vendeu; ou você me apresentou; ou, porque seu pai fez isso, isso deve ser
considerado. Uma propriedade, no entanto, que uma pessoa possui por
herança, não precisa de qualquer explicação (o que significa que a alegação
"eu herdei" é suficiente).

GEMARA: A primeira declaração da Mishna não é auto-evidente? Para que


ninguém diga: como o homem ocupou a propriedade, deve-se supor que ele a
comprou, mas perdeu a escritura; e a razão pela qual ele não reivindica
"comprado" é porque ele temia que o demandante pedisse para ver a escritura,
portanto é para o tribunal perguntar-lhe: "Talvez você tivesse uma ação, que
foi perdida?" como está escrito [Prov. xxxi. 8]: "Abra a boca para o mudo",
etc .; vem nos ensinar que não é assim.

Aconteceu que um estouro levou a cerca do campo de R. Anan, e ele construiu


um novo no espaço pertencente ao vizinho. E seu vizinho reclamou diante de
R. Na'hman, que decidiu que ele deveria removê-lo. Disse R. Anan para ele:
Mas eu fiz uma hazakah sobre ele. E ele respondeu: Você deseja que eu
decida de acordo com R. Jehudah e R. Ishmael, que disse que, se foi feito na
presença do demandante, é imediatamente considerado uma hazakah. A
Halakha não prevalece de acordo com eles. Disse R. Anan: Mas este homem
renunciou ao seu direito para mim, como ele mesmo me ajudou a fazer a
cerca. E ele respondeu: Tal renúncia era apenas um erro e não pode ser
considerada; como você mesmo, se estivesse ciente de que estava construindo
a cerca em um espaço que não lhe pertencia, não o faria.

O mesmo aconteceu com R. Kahana, e seu vizinho chegou a reclamar diante


de R. Jehudah, trazendo duas testemunhas. Um deles declarou que R. Kahana
ocupou duas filas da propriedade de seu vizinho e a outra testemunhou três. E
R. Jehudah decidiu que ele deveria pagá-lo por duas das três fileiras. Disse R.
Kahana para ele: Não é sua decisão de acordo com R. Simeon b. Elazar, que
disse em outro lugar que a escola de Hillel concorda que
p. 106

a menor quantidade é incluída na maior ( ou seja , como não há contradição


para as duas linhas, é considerado como duas testemunhas para duas linhas
que devem ser pagas)? Mas posso lhe trazer uma carta da Palestina que a
Halakha não prevalece com R. Simeon b. Elazar E ele respondeu: Se você me
trouxer esta carta, veremos.

Aconteceu na cidade de Kashta que alguém morou num sótão por quatro anos,
e então o dono da casa veio perguntar-lhe o que estava fazendo na casa. Ao
que ele respondeu: Eu comprei de tal e qual, quem comprou de você. E o caso
veio antes de R. Hyya, que disse ao réu: Se você trouxer testemunhas de que o
homem de quem você o comprou viveu neste sótão até um dia, deixarei o
sótão em sua posse, mas não o contrário. Disse Rabh: Eu costumava me sentar
diante do meu tio, e eu disse a ele: não pode acontecer que alguém deva
vender sua propriedade durante a noite e deixá-la imediatamente? E eu
entendi pela aparência do meu tio que se o réu alegasse: "Eu estava presente
quando meu vendedor o comprou de você", ele confiaria nele, porque, se ele
quisesse mentir, poderia alegar: Eu comprei de você diretamente. Disse
Rabha: Parece-me que R. Hyya estava correto em sua decisão, como nosso
Mishna afirma que se o réu reivindicou herança, nenhuma outra explicação é
necessária, o que significa que uma explicação não é necessária, mas mesmo
assim a evidência é herdada. necessário. (Disse o Gemara :) Este apoio não é
válido, pois pode-se dizer que a expressão "nenhuma explicação é necessária"
significa também nenhuma evidência. Além disso, a reivindicação
"comprada" deveria ter mais chance do que um herdeiro; porque se não
soubesse que o vendedor tinha o direito de vendê-lo, ele não jogaria fora seu
dinheiro. mas, no entanto, evidências de que ele herdou isso são
necessárias. (Disse o Gemara :) Este apoio não é válido, pois pode-se dizer
que a expressão "nenhuma explicação é necessária" significa também
nenhuma evidência. Além disso, a reivindicação "comprada" deveria ter mais
chance do que um herdeiro; porque se não soubesse que o vendedor tinha o
direito de vendê-lo, ele não jogaria fora seu dinheiro. mas, no entanto,
evidências de que ele herdou isso são necessárias. (Disse o Gemara :) Este
apoio não é válido, pois pode-se dizer que a expressão "nenhuma explicação é
necessária" significa também nenhuma evidência. Além disso, a reivindicação
"comprada" deveria ter mais chance do que um herdeiro; porque se não
soubesse que o vendedor tinha o direito de vendê-lo, ele não jogaria fora seu
dinheiro.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: se o vendedor fosse visto nesta


propriedade, não como inquilino, mas como dono, para medi-lo, isso seria
suficiente, segundo R. Hyya? Disse Abayi: "Sim". Rabha, no entanto, sustenta
que pode acontecer de alguém medir sua propriedade sem qualquer intenção
de vender. Se houvesse três compradores para uma propriedade ( ie , A
vendeu para B, que a ocupou por ano, e depois a vendeu para C, que também
após um ano de ocupação a vendeu para D, com uma nota de venda: então
veio A e alegou que a propriedade era sua - ele nunca a vendeu - e B não
possui qualquer nota de venda, digamos que, como entre B, C e D, três anos
de hazakah tenham decorrido, e como A não tem protestou, D tem direito a
isso? ou, como cada um deles não ocupou
p. 107

nos anos de hazakah, a alegação de A deve ser considerada), os anos de


contagem de ocupação. Disse Rabh: Isto é somente quando ambos C e D
possuíam seus feitos, mas não de outra maneira.

Vamos assumir que Rabh afirma que apenas um ato é considerado conhecido
pelo povo, mas não como testemunhas; e a razão pela qual ele disse em outro
lugar que aquele que vende seu campo na presença de testemunhas, e depois
foi tirado do comprador, o comprador tem o direito de cobrar seu dinheiro de
propriedades oneradas, é porque as pessoas que compraram suas propriedades
depois do vendedor teve que investigar se ele não tinha vendido suas
propriedades anteriormente com segurança, mas não porque as testemunhas
são consideradas conhecidas do povo? Mas como Rabh poderia dizer
isso? Não há uma Mishna mais distante em que afirma que, se apenas por
testemunhas, ele pode coletar apenas de propriedades desimpedidas? E para
que ninguém diga que Rabh é um Tana que tem o direito de diferir com um
Mishna, Rabh e Samuel não declararam que um empréstimo feito oralmente
não é cobrado de herdeiros ou de compradores? Você contradiz um caso de
empréstimo com um caso de venda. Eles são totalmente diferentes, já que
quem faz um empréstimo faz isso em particular, já que ele não gostaria que as
pessoas soubessem que ele precisava de dinheiro, e o valor de seu patrimônio
diminuiria. Mas quem vende uma propriedade faz isso publicamente, já que
procura um comprador que lhe dê um preço melhor.

Os rabinos ensinavam: Se o pai consumiu um ano e seu filho dois, ou vice-


versa , ou cada um deles um ano, e o comprador deles um ano, isso é
considerado uma hazakah. Devemos assumir que é uma hazakah porque uma
venda é considerada conhecida pelo povo e, portanto, o proprietário deve
protestar? O seguinte não contradiz: Se alguém ocupou ou consumiu em face
do pai um ano, e em face de seu filho dois, ou vice-versa?, ou em face de cada
um ano, e em face do comprador que comprou do filho um ano, é considerado
uma hazakah para o ocupante? Agora, se você tivesse em mente que vender e
comprar são considerados conhecidos das pessoas, por que a venda em si não
é considerada o maior protesto? Disse R. Papa: Isso pode não contradizer,
como o citado Boraitha pode tratar de alguém que vendeu o campo entre seus
outros campos. (E assim a venda deste campo particular provavelmente não
era conhecida pelas pessoas e, portanto, não pode ser considerada um
protesto.)

MISHNA IV : A lei da hazakah não se aplica ao seguinte: especialistas,


agricultores, parceiros, jardineiros e guardiões. Também não há hazakah para
um marido na propriedade de sua esposa,
p. 106

e vice-versa ; e não hazakah a um pai na propriedade de seu filho e vice-


versa . Tudo isso é dito a respeito de hazakah, mas concernente a um presente
ou uma herança de irmãos, ou aquele que toma posse do espólio de um
prosélito sem vida, se ele tiver feito qualquer trabalho ( por exemplo , se ele a
trancou, ou fez qualquer partição ou derrubou o antigo), é considerado uma
hazakah.

GEMARA: Tanto o pai de Samuel e Levi ensinou: Não há hazakah para um


parceiro, e tanto para um especialista. Samuel, no entanto, ensinou: Não há
hazakah para um especialista, mas para um parceiro que existe. E Samuel está
de acordo com a sua teoria em outros lugares, que, em relação aos parceiros, a
lei da hazakah se aplica. Eles também podem ser testemunhas um do outro, e
também são considerados bailees para contratar um ao outro. R. Abba
levantou a seguinte contradição para R. Jehudah "Na caverna de R.
Zakkai." Como você pode dizer que Samuel afirma que hazakah se aplica a
parceiros? Ele não disse que quando alguém trabalha na propriedade de seu
parceiro, deve ser considerado como se tivesse feito isso com a permissão de
seu parceiro. Isso não deve ser entendido como significando que um parceiro
não tem direito de hazakah? Isso não apresenta dificuldade. Um de Samuel s
decisões falam de quando o parceiro consumiu os produtos de toda a
propriedade que pertence a ambos, e a outra decisão trata de quando ele tomou
posse de uma parte de metade, alegando que eles tinham dividido suas
propriedades muito antes e que ele tinha feito uma hazakah da parte que ele
detém agora. Ao qual seu parceiro se opõe, dizendo: Nossa estipulação era tal
que você deveria mantê-lo por três anos, e então eu deveria mantê-lo por três
anos.

Ao explicar isso, duas partes diferem. Um deles sustenta que a decisão de


Samuel de que um parceiro tem o direito de hazakah é para o caso de ele ter
consumido todos os produtos da propriedade pertencente a ambos. Para um
parceiro geralmente consome os produtos de metade da propriedade, levando-
os a partir de um meio ano e da outra metade o seguinte, a fim de equalizar as
questões. E como vemos que um tomou posse de toda a propriedade por três
anos consecutivos, é suposto que ele comprou o mesmo. E a outra decisão de
Samuel fala de quando eles fazem como é costumeiro, consumindo os
produtos da mesma metade três anos consecutivos: não hazakah se aplica,
porque seu parceiro pode reivindicar que tal foi a estipulação, como dito
acima.

E o outro mantém o contrário. Se ele consome o todo, não há hazakah, porque


pode ser que esse tenha sido o arranjo deles; ou seja, que se deve usar os
produtos
p. 109
primeiros três anos e seu parceiro os três anos sucedendo. Mas se alguém
utiliza exatamente a metade por três anos consecutivos, pode-se dizer que ele
a comprou e, portanto, hazakah se aplica. Rabina, no entanto, diz que ambas
as decisões de Samuel podem se aplicar ao caso de se ter consumido todo o
patrimônio; mas a decisão de que ele tem uma hazakah fala de um campo que
contém a quantidade prescrita para divisão. Consequentemente, se alguém
consome todo o campo (sem qualquer protesto de seu parceiro), deve-se supor
que ele o comprou. E a decisão de que não há hazakah fala de um campo que
não tem a quantidade prescrita. E deve-se supor que o arranjo deles era que
cada um deveria usá-lo por três anos, como dito acima.

O texto diz: "Samuel afirma que quando alguém trabalha na propriedade de


seu parceiro", etc. O que Samuel queria ensinar, que em parceria a lei da
hazakah não se aplica? Deixe-o então dizer claramente. Disse R. Na'hman em
nome de Rabba b. Abuhu: Ele quer dizer que quando alguém toma o campo
de seu parceiro, que é apto para semear e planta árvores nele, ele não é
responsável por danos, uma vez que é considerado feito com a permissão de
seu parceiro, e, além disso, seu sócio pode reivindicar metade de qualquer
lucro que possa acumular depois que a despesa de plantação for
deduzida. Mais adiante, Samuel diz: "Eles podem dar testemunho uns dos
outros" etc. Por quê? Eles não estão interessados nos assuntos um do
outro? Ele quer dizer, no caso de um deles dar uma ação ao outro, dizendo que
ele não tinha mais nada a ver com o campo. Mas mesmo assim, O que é
isso? Não aprendemos no seguinte Boraitha: Se alguém disser ao seu parceiro:
"Eu não tenho direito sobre este campo", "Eu não tenho nada a ver com isso",
ou "eu mantenho minhas mãos longe", ele não diz nada (ou seja, a menos que
ele distintamente diga: "É seu, e eu não terei mais nada a ver com isso", não
deve ser considerado, porque pode ser que ele o tenha dito de uma maneira
indicando que ele desejava não ter nada para fazer com isso, etc.)? Isso
significa que isso foi feito com a cerimônia de um sudário (e certamente ele
não tem nada a ver com isso). Mas, afinal de contas, ele ainda está interessado
neste caso, pois se o requerente ganhasse o caso, e a propriedade fosse retirada
do réu, poderia ser considerado insuficiente para cobrir a dívida feita enquanto
ele ainda era um parceiro, e então ele iria se dedicar a ele. E ele também pode
estar interessado em ver que esta propriedade deve permanecer com o seu
parceiro, como pode acontecer depois que alguém deve alegar que seu
parceiro tinha emprestado algum dinheiro enquanto eles ainda eram parceiros,
p. 110

dívida ser entregue a ele? Isto significa que quando ele transferiu sua
propriedade para ele, ao mesmo tempo, por escrito, assumiu a
responsabilidade. A responsabilidade de quê? Se a responsabilidade desse
patrimônio, caso fosse levada por alguém, devesse recair sobre ele, então ele
certamente está interessado neste caso; e se isso significa que ele assume a
responsabilidade de reclamações que podem estar sobre o espólio por suas
próprias dívidas, então ele não tem nada a ver com quaisquer outras
reivindicações: ele é desinteressado na medida em que ele não tem nada a ver
com a própria propriedade - só o que faz as próprias dívidas. Mas ele tem o
direito de se isolar de todas as outras responsabilidades? Não aprendemos em
uma Boraitha que, se os Pergaminhos Sagrados foram roubados de uma
cidade, os ladrões não devem ser julgados pelos juízes daquela cidade,

Agora, se alguém tivesse o direito de dizer: "Eu me desliguei completamente


deste estado", seria possível, no caso acima, que dois juízes dissessem:
"Abandonamos nossas ações nos Manuscritos Sagrados, "e testemunhas da
mesma maneira, e então os juízes poderiam decidir o caso e a evidência das
testemunhas ser usada. Com os Manuscritos Sagrados é diferente, pois são
feitos para leitura e não se pode evitar ouvi-los. Venha e ouça! Se alguém
disser: dê um maná aos pobres daquela cidade - se houver um julgamento
sobre isso, o caso não deve chegar aos juízes daquela cidade, e nenhuma
evidência de testemunhas da mesma cidade deve ser admitida. Agora, como
você pode manter, porque os pobres da cidade fazem a caridade, que os juízes
da cidade não deveriam ser elegíveis para decidir o caso? Você deve dizer,
então, que os juízes não devem ser dos pobres que tomam a caridade, nem das
testemunhas que dela se beneficiam. E por que deixar os juízes ou as
testemunhas renunciarem a sua parte nesta caridade e serem usadas? A
Boraitha fala também Quando o maná em questão foi dado para os
Manuscritos Sagrados, e a expressão "pobre" é porque, concernente aos
Manuscritos Sagrados, todos são considerados pobres; e se você desejar,
pode-se dizer, a expressão "pobre" deve ser tomada literalmente, e fala dos
pobres a quem os juízes ou testemunhas são obrigados a ajudar. E, portanto, o
julgamento não poderia vir antes deles, porque eles estão interessados nele ( E
por que deixar os juízes ou as testemunhas renunciarem a sua parte nesta
caridade e serem usadas? A Boraitha fala também Quando o maná em questão
foi dado para os Manuscritos Sagrados, e a expressão "pobre" é porque,
concernente aos Manuscritos Sagrados, todos são considerados pobres; e se
você desejar, pode-se dizer, a expressão "pobre" deve ser tomada literalmente,
e fala dos pobres a quem os juízes ou testemunhas são obrigados a ajudar. E,
portanto, o julgamento não poderia vir antes deles, porque eles estão
interessados nele ( E por que deixar os juízes ou as testemunhas renunciarem a
sua parte nesta caridade e serem usadas? A Boraitha fala também Quando o
maná em questão foi dado para os Manuscritos Sagrados, e a expressão
"pobre" é porque, concernente aos Manuscritos Sagrados, todos são
considerados pobres; e se você desejar, pode-se dizer, a expressão "pobre"
deve ser tomada literalmente, e fala dos pobres a quem os juízes ou
testemunhas são obrigados a ajudar. E, portanto, o julgamento não poderia vir
antes deles, porque eles estão interessados nele (isto é , se os pobres ganharem
o caso, sua parcela de assistência seria menor do que antes). E mesmo que os
juízes ou testemunhas fossem taxados para ajudar os pobres daquela cidade
com uma certa quantia por ano, eles ainda são considerados interessados nesse
caso, pois estão satisfeitos com o fato de os pobres receberem mais apoio.

Samuel diz ainda: "Eles também são considerados bailees para


p. 111

contratar ", etc. Por que assim? Isso não é um guarda na presença de seu dono,
e é dito acima que, em tal caso, ele não é responsável? Disse R. Papa: Ele quer
dizer, se alguém disse ao seu parceiro: Guarda para mim hoje e eu vou
guardar para você amanhã.

Os rabinos ensinavam: Se alguém vende a outra uma casa ou um campo, ele


não tem permissão para ser uma testemunha, porque ele é sempre responsável
por isso, se deve haver uma queixa contra ela. Mas se ele lhe vendeu uma
vaca ou uma peça de vestuário, ele pode ser uma testemunha, porque ele não
tem mais nada a ver com eles. Qual é a diferença entre o primeiro e o
segundo? O vendedor não é responsável no caso de se descobrir que a vaca ou
peça em questão foi roubada por ele? Disse R. Shesheth: A primeira parte fala
do seguinte caso: Se A roubou B de um campo e o vendeu para C, então D
vem com uma reclamação, B então não tem o direito de ser uma testemunha
de C, porque ele está interessado em tê-lo devolvido a A, para que ele possa
estabelecer sua reivindicação. Mas se B deveria ser uma testemunha de que C
está certo, como ele pode afirmar depois que o campo é dele? Ele só pode
testemunhar que a afirmação de D está errada. Mas B não poderia exercer seu
direito, mesmo que fosse de D? Ele pode pensar que C, que não é tão
poderoso, poderia conviver com ele, enquanto que com D não seria tão
fácil. E se você desejar, pode-se dizer que fala de um caso da seguinte forma:
B tem testemunhas de que essa propriedade pertence a ele, e D tem
testemunhas que contradizem as testemunhas de B. E em tal caso, geralmente
os juízes decidem que a propriedade permanecerá com seu atual dono. E,
portanto, B está interessado nela, e não deve ser confiável como uma
testemunha. Mas por que foi necessário para R. Shesheth para ilustrar este
Boraitha no caso do ladrão tinha vendido o campo para outro? Não poderia
ilustrar isso dizendo que C havia anunciado sua reivindicação enquanto o
campo ainda estava nas mãos do ladrão A - então B não pode ser uma
testemunha? Porque tem que ensinar na última parte que se ele vendeu
propriedade móvel para alguém, o que significa aquele que roubou a
propriedade em questão e a vendeu, aquele que foi roubado pode ser uma
testemunha, e isso só pode ser válido. bom em caso de propriedade móvel que
estava passando para as mãos de outro e da renúncia da esperança de
recuperá-lo pelo proprietário. Como a lei determina que essas duas coisas
dêem título ao possuidor, conseqüentemente o assaltado, que não tem mais
nada a ver com esses artigos, pode ser uma testemunha. Mas se o artigo ainda
estivesse na mão do ladrão, o assaltado não renunciaria a sua esperança de
recuperar-se, e ainda seria considerado sua propriedade e, conseqüentemente,
não poderia ser uma testemunha. Portanto, ele ilustrou a primeira parte
p. 112

também da mesma maneira. Mas, afinal de contas, embora o assaltado tenha


renunciado à sua esperança de recuperar o artigo, ele fez o mesmo com o
valor dele? Ele fala quando o ladrão não existe mais - quando ele não tem
mais esperança nem mesmo pelo valor, como aprendemos em um Mishna que
se alguém roubou propriedade móvel e a legou a seus filhos, eles estão livres
de pagar por isso. Mas por que R. Shesheth não explica esta Boraitha como
falando de um herdeiro (isso significa que se o ladrão morre e a deixa para
seus herdeiros)? Esta objeção não seria válida, de acordo com aquele que,
sustenta que o controle de um herdeiro não é igual ao controle de
um. comprador. Mas para aquele que afirma que eles são iguais, o que pode
ser dito? Além disso, havia uma dificuldade para Abayi: por que; os Boraitha
usam as expressões "responsável" e "não responsável" - como, de acordo com
a explicação de R. Shesheth, deveria ser dito, porque isto é "retornando" e
"não retornando"? Portanto, os Boraitha devem ser explicados de acordo com
Rabbin b. Samuel, que disse em nome de Mar Samuel da seguinte forma: Se
alguém vender um campo para seu vizinho sem segurança, ele não tem o
direito de se qualificar como testemunha a respeito dele, porque no caso de
um credor ele pode mostrar isso como uma fonte de coleção. Mas isso. só
pode ser no caso de uma casa ou outro imóvel, e não de bens móveis; e não
somente quando foi vendido sem qualquer estipulação de que a coleta não
deve ser feita em bens móveis para a reivindicação de um credor, mas mesmo
no caso de estar escrito: "Você deve recolher seu dinheiro da roupa que está
em meus ombros, "ele só pode fazê-lo quando a propriedade móvel ainda está
na sua; posse, mas não o contrário. Como até então a propriedade em questão
foi feita uma hipótese, ele só pode coletar quando ainda está sob o controle do
mutuário; mas quando não está sob o seu; controle, ele não pode. Como
Rabha disse (First Gate, p. 19): Se alguém fez de seu escravo uma hipótese, e
depois disso ele a vendeu, uma coleta pode ser feita; mas se a hipótese era um
boi ou um jumento e ele a vendeu, o credor não pode cobrar. Por quê? Porque
imobiliário, quando é vendido, as pessoas falam sobre isso, o que não é o caso
de bens móveis. Mas temo-se que o dono do bem móvel tenha hipotecado
junto com o imóvel. Como Rabba disse em outro lugar: Tal acordo mantém:
bom para coletar também a partir da propriedade pessoal. E R.
Hisda.asmachtah , ou um acordo copiado? Ele fala de um caso em que o bem
móvel foi comprado e vendido imediatamente.
p. 113

Deixe ainda, no entanto, temer que ele escreveu na hipoteca do


[parágrafo continua]

imóvel: "Todos os bens pessoais que possuo e que eu possuo daqui em


diante." Devemos supor que, como tal não é temido, um acordo semelhante
não deve ser considerado? E se, apesar de tal acordo, ele ter vendido ou
legado sua propriedade móvel, a venda é válida? Não; Pode-se dizer que o
caso acima trata de quando há testemunhas que testemunham que esse homem
nunca possuiu nenhum imóvel. Mas R. R. não disse que, embora os rabinos
tivessem decretado que se um vendesse imóveis sem segurança, e um credor o
tirasse do comprador, este não poderia reclamar o dinheiro do vendedor? Se,
no entanto, a investigação mostra que o vendedor nunca possuiu esta
propriedade, ele deve pagar?

Ele fala que o comprador estava ciente de que a bunda em questão nasceu de
seu gado. R. Zebid, no entanto, sustentou que, se vendido sem segurança,
mesmo se fosse descoberto que nunca o possuía, o comprador poderia
reclamar seu dinheiro, porque o vendedor poderia alegar que, por essa conta,
ele foi vendido sem segurança.

É dito acima, em nome de Samuel, que aquele que vendeu um campo sem
segurança não pode ser uma testemunha a respeito deste patrimônio, pois ele
está interessado nele; caso seu credor venha, ele pode mostrar este campo para
coleta. Vamos ver como foi o caso. O vendedor possui outro imóvel? Então,
certamente, o credor fará sua reclamação contra essa propriedade primeiro,
pois há uma regra de que nenhuma cobrança deve ser feita da propriedade
onerada quando houver propriedades desonradas do réu. E se ele não possui
nenhum outro, então o que o credor pode tirar dele, mesmo que permaneça
com o comprador? Pode-se dizer que ele não possui outras propriedades. No
entanto, ele pode dizer: "Eu não quero ser mau", que o verso em
Ps. xxxvii. 21: "O ímpio toma emprestado e não paga" deve aplicar-se a
mim. Mas o mesmo versículo não se aplica a ele em relação ao
comprador? Não; como ele pode dizer: eu disse claramente a ele que não iria
garantir esse campo para ele. Consequentemente, ele estava disposto a
comprá-lo, mesmo que ele pudesse ser tirado dele depois.

Rabha, de acordo com outros R. Papa, anunciou: Será conhecido para aqueles
que estão subindo para a Palestina ou descendo para a Babilônia, que se um
israelita vendeu a outro um jumento, e um gentio veio e levou-o embora,
alegando que era roubado dele, é certo que o vendedor deve resolver com o
comprador, para que ele não deve sofrer todo o dano. Isso, no entanto, é dito
p. 114

quando o comprador não estava ciente de que esta bunda nasceu entre seus
animais. Mas se o comprador estava ciente disso, ele não pode esperar
qualquer acordo (como tal foi o seu destino). E mesmo no caso de ele não
estar ciente, ele pode fazê-lo quando o gentio tira a bunda apenas, mas quando
ele tira a sela e também o homem, já que ele leva não só o que lhe pertence,
mas tudo o que o comprador possuía , então, novamente, é o seu destino.
" Especialistas", disse Rabba:" Isto é dito quando o proprietário foi transferido
para o especialista na presença de testemunhas; mas por outro lado, porque ele
pode alegar que ele nunca tomou dele, ele é confiável se ele diz que ele
comprou dele. Disse Abayi para ele: De acordo com sua teoria, mesmo que
fosse na presença de testemunhas, ele também deveria ser confiável, porque
ele poderia alegar que ele já havia retornado. Respondeu Rabba: Você quer
dizer que se alguém depositar um artigo com seu vizinho na presença de
testemunhas, o depositário deve devolvê-lo a ele sem testemunhas, e que não
deve nascer em mente (que ele usou testemunhas ao apresentar)? Este último
deve fazer o mesmo ao retornar; pois, se não, ele não será confiável quando
ele alegar ter devolvido. Abayi objetou do seguinte: Se alguém viu seu
escravo aprendendo uma profissão em um especialista, ou sua roupa em um
faxineiro, e a pergunta "O que isso lhe diz respeito?" ele responde: "Você
vendeu ou fez um presente para mim", ele não disse nada. Mas se ele afirma:
"Eu estava presente quando você disse isso e aquilo para vendê-lo, ou dá-lo
para um presente", ele pode ser confiável. E para a explicação da diferença na
lei entre a primeira parte e a segunda, disse Rabba: A última parte significa
dizer: Se o artigo em questão chegou ao atual possuidor de uma terceira mão,
e este último disse ao demandante : Na minha presença você disse isso e para
que ele pudesse vendê-lo ou dar de presente. E a razão é porque, se ele
quisesse mentir, poderia alegar: eu mesmo comprei de você. Agora vemos que
a primeira parte diz: "Se alguém viu. ele pode levá-lo embora (portanto, isso
contradiz a sua declaração de que, se não houvesse testemunhas, ele seria
digno de confiança, alegando: "Eu comprei de você"). Diz Rabba:
Não; significa que havia testemunhas (quando ele as apresentou a ele) e,
mesmo assim, apenas quando ele as viu em sua posse. (Disse Abayi :) Mas
você não declarou que aquele que depositou um artigo na presença de ele
pode levá-lo embora (portanto, isso contradiz a sua declaração de que, se não
houvesse testemunhas, ele seria digno de confiança, alegando: "Eu comprei de
você"). Diz Rabba: Não; significa que havia testemunhas (quando ele as
apresentou a ele) e, mesmo assim, apenas quando ele as viu em sua
posse. (Disse Abayi :) Mas você não declarou que aquele que depositou um
artigo na presença de
p. 115

testemunhas, o retorno também deve ser feito na presença do mesmo? E ele


respondeu: eu retiro essa declaração. Rabha, no entanto, se opôs a Abayi, e
trouxe o seguinte como um apoio a Rabba: Se alguém deu sua roupa para um
especialista, o último alegando, "A estipulação era que você deveria me dar
duas zuzes", e o proprietário afirma que estipulação era para um zuz, contanto
que o. artigo está na mão do especialista, é para o proprietário para trazer
provas. Se, no entanto, o especialista já o devolveu ao proprietário, se ele
anunciou o seu pedido a tempo ( ou seja,antes do pôr-do-sol, momento em
que um trabalhador tem que receber o pagamento), ele faz um juramento e
recebe o pagamento integral. Mas se foi depois desse tempo, ele é o autor, e é
para ele trazer testemunhas. Agora vamos ver como foi o caso. Se houver
testemunhas, isso deve ser feito como testemunham as testemunhas. Deve-se
dizer, portanto, que não há testemunhas, mas o especialista é confiável. Isto
não é porque ele poderia afirmar, "eu comprei", para que ele fosse
confiável? Então, quando ele reivindica o pagamento? Não; trata-se de quando
não havia testemunhas, e também quando o dono do artigo não o via nas mãos
do especialista (para que o especialista pudesse afirmar que ele havia
devolvido).

R. Na'hman b. Itz'hak objetou de nossa Mishna, que afirma que um


especialista não tem hazakah, do qual se pode inferir que apenas um
especialista não tem, mas um homem comum o fez. E este é certamente o caso
se não houver testemunhas; porque se houvesse, por que ele deveria? Por isso,
vemos que um especialista não tem hazakah mesmo quando havia
testemunhas. E isso contradiz a afirmação acima de Rabba, e essa objeção
permanece.

Os rabinos ensinavam: Se alguém trocou seus utensílios por outros na casa de


um especialista, ele pode usá-los até que o proprietário venha e reconheça o
dele. Se o mesmo foi feito na casa de um enlutado ou em uma casa de
casamento, ele não deve usá-los antes que eles sejam reconhecidos. E qual a
razão da diferença nos dois casos? Disse Rabh: Eu costumava sentar-se diante
do meu tio, e ele explicou-me que poderia acontecer que o dono de um artigo
dissesse a um especialista: "Venda este artigo para mim" (daí o artigo poderia
ser dado a ele, não por um erro, mas intencionalmente pelo especialista, que
tem o direito de vendê-lo), que não pode ser o caso na casa de um enlutado ou
de um casamento. Disse R. Hyya b. R. Na'hman: Então pode ser usado
somente quando o próprio especialista o tiver trocado;
p. 116

E mesmo quando foi apresentado pelo próprio especialista, a lei é


[parágrafo continua]

válida se ele dissesse: "Aqui está este artigo"; mas se ele lhe dissesse: "Aqui
está o seuartigo ", então ele não deve usá-lo, como vemos que o especialista
tem errado em dar a ele. Disse Abayi para Rabha: Venha e eu vou lhe dizer o
que os vigaristas de Pumbeditha estão fazendo. Se alguém afirma:" Dê-me o
meu manto que eu dei a você para reparação ", o outro responde que isso
nunca ocorreu. E se ele afirma:" Eu tenho testemunhas que viu em seu lugar ",
ele afirma que era de outro." Mas trazê-lo e vamos ver. "Ele responde:" Não,
de fato! Eu não tenho o direito de mostrar-lhe os bens dos outros. "Respondeu
Rabha: Embora ele é um vigarista, no entanto, ele faz de acordo com a lei,
como o Boraitha afirma claramente, quando ele vê com os olhos. Disse R.
Ashi : Se o requerente for um homem inteligente, ele pode fazer com que o
especialista lhe mostre o artigo em questão, dizendo: Eu entendo que você
guarda porque tem medo de eu negar a dívida que eu devo a você. Eu admito
a você na presença de testemunhas que eu lhe devo, e lhe pagarei quando você
trouxer esta vestimenta e ela será avaliada. Então você tomará o seu e eu
tomarei o meu. Disse R. Aha b. R. Ivya para R. Ashi: O vigarista pode
responder: Eu não preciso de sua avaliação, como foi avaliada há muito tempo
por homens mais competentes do que você.

" Jardineiros " etc. Por que assim? Até agora ele levou apenas a metade, e
agora vemos que ele consumiu o todo por três anos, por que ele não
hazakah? Disse R. Johanan: fala de jardineiros familiares ( ieos mesmos
jardineiros costumavam guardar e trabalhar nos campos como jardins daquela
família desde que ela estava em sua posse, e como isso era uma espécie de
herança, os donos não podiam dispensá-los substituindo outros, e com tais
jardineiros isso poderia acontecer. que eles consumiram a fruta por três anos
consecutivos e, posteriormente, os donos consumiram a fruta pelo mesmo
período e, portanto, nenhuma hazakah se aplica a eles. Mas para os jardineiros
comuns, se eles consumirem a fruta por três anos, a hazakah se aplica. R.
Na'hman disse: Um jardineiro que contratou outros jardineiros para substituí-
lo pelos anos de hazakah (mesmo que ele fosse do tipo mencionado por R.
Johanan), hazakah pode ser considerado, porque nesse caso os proprietários
protesto. R. Johanan disse novamente: Para um jardineiro do tipo acima, que
dividiu o trabalho que é necessário para os jardins,
p. 117

R. Na'hman b. R. Hisda enviou uma mensagem para R. Na'hman b. Jacó:


Deixe o mestre nos ensinar. Pode um jardineiro ser levado como testemunha
em caso de reclamação ou não? R. Joseph estava sentado antes do último,
quando chegou a mensagem, e disse-lhe: "Assim disse Samuel: Um jardineiro
pode ser uma testemunha". Mas não existe uma Boraitha que declara que eles
não devem? Isso não apresenta dificuldade. Se ainda houver produtos na
propriedade, o jardineiro pode não se qualificar como testemunha; mas se não
houvesse nenhum, então ele pode.

Os rabinos ensinavam: Uma certeza talvez seja uma testemunha para o


mutuário, caso este tenha outras propriedades além daquelas a que se refere a
reivindicação. E o mesmo acontece com um credor. O primeiro comprador
pode ser uma testemunha do segundo (por exemplo, se A vendeu um campo
para B e outro para C, e D alega que o campo vendido para C lhe pertence
como A lhe roubou, B pode ser uma testemunha nesse caso, em nome de C,
no caso A tem outra propriedade), de modo que, se houver outra queixa, ele
poderá pagar pelo restante.

Um receptor ( ou seja , aquele que recebe o dinheiro do credor e o encaminha


ao devedor, sobre o qual a lei determina que o credor tem o direito de cobrar
de quem ele escolher - seja do recebedor ou do devedor) - De acordo com
alguns ele pode, e de acordo com outros ele pode não ser uma
testemunha. Aquele que permite isso sustenta que o receptor é considerado
uma garantia comum que a lei permite ser uma testemunha, e aquele que a
proíbe afirma que o receptor está sempre satisfeito quando o devedor tem mais
propriedades, de modo que, no caso de um credor aparecer, ele será capaz de
pagá-lo de sua propriedade do meio.

R. Johanan disse novamente: Um especialista não tem hazakah, mas seu filho
tem; e o mesmo acontece com um jardineiro. Um ladrão, no entanto, nem ele
nem seu filho tem hazakah, mas seu neto tem. Vamos ver como foi o caso? Se
todos os mencionados acima alegassem que a propriedade era de seus pais,
então eles também não deveriam ter hazakah; e se eles reivindicam para si
mesmos, significa que eles mesmos compraram. Por que esta lei não se aplica
ao filho do ladrão também? Ele fala de um caso em que há testemunhas que
atestam que os proprietários admitiram a seus pais na presença deles que o
venderam; e então os filhos de um jardineiro ou especialista são confiáveis se
alegam ter herdado de seus pais; mas o filho de um ladrão não é confiável
mesmo nesse caso. Como R. Kahana disse:
p. 118

para que ele não faça mais problemas. Disse Rabha: Pode acontecer que até o
neto de um ladrão não tenha hazakah. É quando a base de sua reivindicação é
seu avô. Quem deve ser considerado um ladrão, para que a lei de hazakah não
se aplique? Disse R. Johanan: Quando ele ocupou um campo que não lhe
pertence (e como ele era um homem influente, o dono tinha medo de
processá-lo). R. Hisda, no entanto, afirma que significa apenas pessoas como
uma certa família de N, que costumava matar homens quando se opunham a
eles em questões de dinheiro.

Os rabinos ensinavam: Um especialista não tem hazakah, desde que mantenha


sua profissão, mas, por outro lado, quando tiver cessado. E o mesmo acontece
com um jardineiro quando ele deixa de jardinar. O mesmo acontece com um
filho que se separou do pai e com uma mulher divorciada do marido - todos
são considerados, no caso da hazakah, homens em geral. É correto ensinar
sobre um filho que se separou, para que não se diga que geralmente um pai
renuncia ao seu direito a um filho; mas também era necessário ensinar sobre
uma mulher divorciada? Isso não é evidente? Significa que o divórcio foi feito
por um documento como o que é duvidoso na legalidade e, nesse caso, ela é
considerada divorciada e não divorciada; e está de acordo com R. Zera, que
disse em nome de Jeremias b. Abba, citando Samuel,

R. Na'hman disse: Huna me disse que todas as pessoas mencionadas acima


que não têm o direito de hazakah, se elas trazem evidências, isso deve ser
considerado, e o tribunal pode deixar a propriedade em sua posse; exceto um
ladrão, pois mesmo que ele trouxesse provas, isso não deve ser considerado, e
o tribunal replevera a propriedade. Mas que novidades vem ele nos
ensinar? Não aprendemos isso já em outro lugar, que se alguém comprou
propriedades de um sicarius(um homem que tirou o espólio ameaçando
assassiná-lo se não lhe foi dado), e depois ele recebeu uma nota de venda do
proprietário (sem lhe dar nenhum dinheiro), a nota de venda não é considerada
e ele não tem título (portanto, já está ensinado que um ladrão e todos aqueles
que baseiam suas reivindicações em suas ações, mesmo que tragam
evidências, não devem ser considerados)? Este ensinamento foi necessário
para negar a teoria de Rabh, que disse que o citado Mishna fala apenas de um
caso em que o proprietário disse ao comprador: "Vá fazer uma hazakah na
propriedade e adquirir título", mas não lhe forneceu qualquer escritura.
p. 119

Mas se ele lhe deu um título, o título é adquirido. R. Huna vem nos
[parágrafo continua]

ensinar que a Halakha prevalece de acordo com Samuel, que disse que, em tal
caso, mesmo que ele lhe desse uma ação, o título não é adquirido a menos que
ele assuma a responsabilidade pelo futuro. E R. Bibi adicionou à declaração
acima de Huna em nome de R. Na'hman, que a propriedade não permanece
em sua posse, mas a reivindicação por seu dinheiro, no caso de ele pagar
depois ao assaltado, é para ser considerado, desde testemunhas testemunham
que ele lhe deu o dinheiro em sua presença. Mas se eles testemunharem que
na presença deles, o assaltado admitiu ao assaltante que ele foi pago por isso,
isso não deve ser considerado. Como R. Kahana disse em outro lugar: Tal
admissão pode ter sido feita apenas por causa do medo de que ele seria
morto. R. Huna disse: Se alguém vendesse sua propriedade por coação, a
venda é válida. Por quê? Pois se alguém vende cada propriedade que pertence
a ele, ele geralmente o faz porque é compelido a fazê-lo pelas circunstâncias
e, mesmo assim, a venda é válida.

Mas talvez haja uma diferença entre a pressão de suas circunstâncias


particulares e a coação, que é uma pressão dos outros? Isto deve ser explicado
como aprendemos na seguinte Boraitha: Está escrito [Lev. Eu. 3]: "Ele deve
trazê-lo", o que significa que ele pode ser obrigado a trazê-lo - que pode
ser Lirzuno (literalmente, de acordo com sua vontade). E o que isso significa -
que ele será compelido até que ele diga: "Estou dispostopara fazê-lo. "Mas
ainda assim pode ser que haja uma diferença, porque um gosta de expiar (e,
consequentemente, ele faz, finalmente, com boa vontade). Portanto, podemos
inferir o mesmo a partir da última parte do Mishna citada: E o mesmo
acontece com as mulheres divorciadas - ele pode ser compelido até que diga:
"Estou disposto a fazê-lo". Mas ainda assim pode ser que isso seja feito
porque é um ato meritório ouvir a lei. (o que não é o caso com a teoria de R.
Huna) Portanto, devemos dizer que a decisão de R. Huna foi do ponto de vista
do senso comum, que quando um homem está em tais circunstâncias ele
resolve dar título ao comprador. o seguinte: Um divórcio forçado pelo tribunal
dos israelitas é válido. Por gentios, não é, a menos que eles o espancem,
dizendo: "Faça como o tribunal israelita dita a você. "Agora, se você disser
por causa das circunstâncias que ele resolveu dar título, por que o divórcio
seria inválido, mesmo em um tribunal de Gentios? Também pode ser suposto
que por causa das circunstâncias era resolveu dar o divórcio legalmente.A
resposta é: Não foi ensinado em adição a isto que R. Mesharshiah disse:
Biblicamente
p. 120

o divórcio é válido, mesmo quando foi obtido em um tribunal de gentios. E


por que os rabinos decretaram que tal deveria ser inválido - que toda mulher
que não gostasse de seu marido não deveria ir à corte Gentia para se divorciar
de seu marido? R. Hamnuna objetou do acima mencionado Mishna: Se ele
comprou de um sicarius , etc. Por que, então, não deveria ser dito também
nesse caso, que por causa das circunstâncias ele resolveu dar título? Disto,
também, foi ensinado que Rabh disse que isso só é válido quando não houve
nenhuma ação (como dito acima). Mas ainda haveria uma objeção a Samuel,
que disse acima que, mesmo com uma ação, o mesmo é inválido?

O próprio Samuel. concorda que tal venda é válida no caso de o comprador ter
pago o proprietário em dinheiro. Mas a declaração acima de R. Bibi, em nome
de R. Na'hman, não contradizia R. Huna? A declaração de Bibi não é uma
Boraitha e nem uma Mishna, mas apenas um ditado, ao qual R. Huna não
precisa prestar atenção. Disse Rabha: O Halakha prevalece que, se alguém
vende seus bens sob coação, a venda é válida, desde que ele foi obrigado a
vender uma de suas propriedades, e ele mesmo fez a seleção. Mas se ele foi
obrigado a vender este campo, a venda não é válida, desde que ele não conte o
dinheiro que lhe foi dado (como mostra que ele o faz sem vontade); mas se ele
tiver contado o dinheiro, a venda é válida. E tudo isso é dito no caso de ele
não ter oportunidade de se libertar; mas se ele teve, e não aproveitou, as
vendas são válidas.neste campo, como uma mulher é semelhante
a este campo; e Amemar disse que se uma mulher é obrigada a comprometer-
se sob coação, o noivado é válido. Mar b. R. Ashi, no entanto, disse que, no
caso de uma mulher, o noivado é nulo e sem efeito. Como ele agiu
ilegalmente, ele também deve ser tratado ilegalmente, e os rabinos negam seu
noivado e o consideram nulo.

Tabba pendurou Pappi em uma árvore chamada khidra, para obrigá-lo a


vender-lhe seu campo, e ele o fez. E Rabha bb Hana assinou seu nome em
ambos - no protesto de Pappi feito antes de ser obrigado, e na nota de venda
feita sob coação. Disse R. Huna: Aquele que assinou seu nome para o
protesto, e também aquele que assinou seu nome na nota fiscal, fez
bem. Como isso deve ser entendido? Se houve um protesto, a nota fiscal não
pode ser válida e vice-versa ? Ele pretendia dizer que, se não houvesse
protesto, ele que assinou seu nome na nota fiscal fez bem, pois, de acordo com
sua teoria, uma venda sob coação é válida. Mas por que
p. 121

o protesto deve anular a nota fiscal, quando as mesmas testemunhas que


assinaram o protesto assinaram a nota fiscal também? R. Na'hman não disse:
Testemunhas que testemunharam que assinaram seus nomes com uma nota
cujo valor ainda não havia sido pago, mas que foi preparado pelo mutuário
para o caso de ele encontrar alguém que lhe desse o empréstimo, não são ser
confiável? E o mesmo é o caso se alguém vendeu uma nota de venda, e as
testemunhas cujas assinaturas estavam na mesma testemunharam que aquele
que fez a nota de venda fez também um protesto anteriormente "diante de nós,
que ele foi obrigado a fazer estanota de venda, e nós reconhecemos a verdade
do seu protesto ".

Por que, então, disse R. Huna que, se não fosse pelo protesto, a venda seria
válida? Que ele diga que é válido, apesar deste protesto, de acordo com a
decisão de R. Na'hman? A declaração de R. Na'hman foi quando o protesto foi
oral, como tal, não pode prejudicar um documento escrito. No nosso caso, no
entanto, o protesto foi escrito e, portanto, anula a nota fiscal.

Mar b. R. Ashi, no entanto, sustenta que, se testemunhas testemunharem:


"Nós assinamos nossos nomes antes que o dinheiro fosse dado" (como
explicado acima), eles não são confiáveis; mas se eles testemunharem que
essa nota de venda foi "protestada antes de nós e por nós reconhecida", eles
podem ser confiáveis. Por quê? Porque no primeiro caso, depois que as
testemunhas assinaram seus nomes para o fato de que fulano tinha emprestado
dinheiro de tal e tal, eles não podiam assinar outro documento que o mutuário
não tinha recebido o dinheiro ainda, pois contradizia seu primeiro declaração,
e parece que eles se fizeram mentirosos; e, portanto, se eles testificarem
assim, eles não são confiáveis, pois há uma regra de que alguém não pode se
fazer mau; ou sejase alguém vem perante o tribunal e diz: "Eu sou um
mentiroso" ou "iníquo", para o propósito de que outro beneficie dessa
confissão, ele não é confiável. Mas no outro caso, no entanto, ambos os
documentos podem ser escritos pelos mesmos homens; ou seja , se eles virem
um homem com problemas, eles podem ouvir seu protesto, anotá-lo, assiná-lo
e, posteriormente, também assinar a nota fiscal à qual ele foi obrigado. E,
portanto, mesmo que o protesto não tenha sido escrito por eles, eles podem ser
confiáveis se testemunharem que ouviram o protesto e reconheceram a
verdade dele.

" Não há hazakah para o marido " etc. Isto não é auto-evidente? Como ele
tem o direito de usar o fruto de sua propriedade. como pode ser considerado
um hazakah? Ele fala mesmo quando ele deu a ela um documento que ele não
tem interesse em sua propriedade. Mas mesmo assim,
p. 122

O que é isso? Não aprendemos em um Boraitha acima (p. 109) que, se alguém
disser: "Eu não tenho nada a ver com este campo", "eu não tenho direito a
isso", e "eu mantenho minhas mãos longe", ele não diz nada? Disseram os
discípulos de R. Yanai: Nossa Mishna trata de quando ele deu a ela tal
documento quando ela ainda estava prometida. E isso está de acordo com R.
Kahana, que diz que uma propriedade da qual se espera tomar posse no futuro,
ele tem o direito de fazer uma estipulação de que ele não deveria herdá-la. E
também está de acordo com Rabha, que disse: Se alguém declarar: "Eu não
me importo de ter o privilégio da promulgação pelos sábios em algo
semelhante ao acima", ele pode ser ouvido. O que isto significa? Aquilo que
R. Huna disse em nome de Rabh: Uma mulher tem o direito de dizer ao
marido "

Agora a Mishna afirma que o consumo de frutas não faz uma hazakah; mas se
ele trouxer provas de que ela vendeu sua propriedade para ele, seria uma
hazakah. Por quê? Deixe-a afirmar que ela o fez apenas para agradar o
marido. Não aprendemos em uma Mishná: Se alguém comprou uma
propriedade de outra cujas propriedades foram oneradas pelo contrato de
casamento de sua esposa, e depois ele também tomou uma escritura de sua
esposa, a venda é inválida? Não é porque ela pode dizer: eu fiz isso apenas
com a intenção de agradar meu marido, mas não com a intenção de vendê-
lo? Não foi ensinado em adição a este Mishna que Rabha b. R. Huna explicou
que o Mishna trata de certos três campos - ou seja, um, de um que ele havia
separado no contrato de casamento antes do casamento; e outro, de um dos
quais ele havia feito uma hipotecano contrato de casamento depois do
casamento; e a terceira, de uma que ela lhe deu como presente de seu pai, que
foi avaliada com certa quantia de dinheiro, pela qual o marido se tornou
responsável no contrato de casamento? O que ele quer dizer para
excluir? Vamos supor que excluímos todas as outras propriedades que
também estavam sobrecarregadas com ela? Então, certamente, criaria tanto
mais animosidade entre o marido e ela mesma, porque ele diria: Você não
queria assinar isto porque está esperando minha morte ou se divorciar. Daí a
alegação de que "eu fiz isso para agradar meu marido" estaria certo. E
devemos dizer que ele quer excluir o uso de frutas? Não disse Amemar que, se
o marido e sua esposa venderam o uso de frutas de sua propriedade, isso não
deve ser considerado (por causa da mesma alegação ",
p. 123

por favor meu marido ")" Ele quer excluir o uso de frutas, e a afirmação de
Amemar era apenas no caso de ele ter vendido e morrido, para que ela
pudesse, após sua morte, fazer uso dessa alegação, ou em caso de sua morte,
ele tinha o direito de fazer uso de tal afirmação, de acordo com a promulgação
dos rabinos.E é como R. Jose b.Hanina disse (First Gate, pág. 197) .Mas
quando ambos estão vivos e se esgotaram e, mesmo quando o marido apenas
se vendeu, a venda é válida e, se desejar, pode-se dizer que a declaração de
Amemar é baseada em outro lugar, de R. Eliezer, que um artigo que não leva
o nome de seu dono. como, por exemplo, o fruto do espólio da esposa, que
não pode ser dito pertencer a ela ou pertencer a ele - não pode ser vendido por
nenhum deles.E Rabha disse que R. Eliezer baseou sua declaração em [Ex
xxi]. 21], "porque ele éseu dinheiro ", que significa o dinheiro que pertence a
ele sozinho.

"Na propriedade de sua esposa." Mas Rabh não disse que uma mulher casada
deve protestar (no caso de alguém ter ocupado sua propriedade). Quem é
aquele que ocupou sua propriedade? Vamos assumir qualquer um? Rabh não
disse: "Não há ocupação nas propriedades de uma mulher casada"? Devemos
dizer, portanto, que ele quer dizer mesmo quando o marido dela ocupou seu
patrimônio? Disse Rabha: Ele quer dizer o marido, e caso ele tenha cavado em
suas escavações, poços e cavernas, então ela deve protestar, já que ele tem o
direito de seu patrimônio apenas para o uso de frutas; e se não o fizesse, ele
teria uma hazakah, pois, se não a tivesse comprado, não se atreveria a cavar
nela. Mas R. Na'hman não disse em nome de Rabba b. Abuhu que não há
hazakah sobre danos (portanto, se o marido danificou seu patrimônio, ela não
teve que protestar).p. 69 ), R. Mari disse: Sobre fumaça, etc? R. Joseph, no
entanto, disse: Rabh significa um estranho, e ele fala no caso de ele ter
ocupado em um certo tempo enquanto seu marido ainda estava vivo e três
anos após sua morte; e porque o ocupante poderia afirmar, "eu comprei de
você" (como três anos já se passaram desde o falecimento de seu marido), ele
é de confiança se ele afirma: "Você vendeu sua propriedade para o seu
marido, e eu comprei dele." O texto afirma: Rabh diz: Não há ocupação na
propriedade de uma mulher casada. Os juízes do Exílio, no entanto, afirmam
que existe. E o próprio Rabh, quando foi informado disso, disse: O Halakah
prevalece de acordo com os juízes do Exílio. (Samuel e Karna foram
chamados os juízes do Exílio.) E para a questão de R. Kahana e R. Assi:
p. 124

recuou de sua declaração? ele respondeu: Eu quis dizer, como foi ilustrado
acima por R. Joseph. 1

"E vice-versa ." Isso não é evidente? Ela não deve ser apoiada na propriedade
de seu marido? Trata-se no caso de ele ter separado outra propriedade para seu
apoio. Mas como é que ela traz provas de que ela pagou por isso? Ela tem o
direito? Deixe-o afirmar: pretendia apenas descobrir o dinheiro que ela
escondera de mim e, portanto, disse-lhe que o venderia, nunca pretendendo,
no entanto, transferi-lo para ela. E porque não foi dito, que seja inferido a
partir disso que, se um marido vendesse sua propriedade à esposa, a alegação
acima não deveria ser levada em consideração? Não; Pode-se dizer que o
Mishna significa evidência na forma de uma transferência como um presente.

R. Na'hman disse a R. Huna: "O mestre não estava conosco ontem, em nosso
colégio, e foram ensinadas muitas coisas boas". "E quais eram eles?" "Que
quando um marido vende sua propriedade para sua esposa, ela adquire título, e
a alegação, 'eu fiz isso apenas para descobrir seu dinheiro', etc., não deve ser
considerada." E Huna respondeu: Isso é auto-evidente, como se você tirasse o
fato de que ela lhe deu dinheiro, a nota de venda dá seu título. Pois não
aprendemos em uma Mishna que o imóvel pode ser comprado com dinheiro
ou com um documento, ou com hazakah? R. Na'hman: Mas não foi ensinado,
além disso, que Samuel disse que fala apenas de uma nota de um presente,
mas uma nota de venda não dá título a menos que ele pagasse o dinheiro por
ela? Disse Huna: Mas isso não foi contestado por R. Hamnuna, a partir do
seguinte: Com um documento - como assim? Se ele escreveu em um pedaço
de papel [ou em um pedaço de barro quebrado, embora não tenha valor
algum], "Meu campo é vendido a você" ou "Meu campo é comprado de você",
é vendido e transferido para o comprador? E R. Na'hman respondeu a isto: o
próprio R. Hamnuna não respondeu à sua objeção de que fala de alguém que
vende sua propriedade por causa de sua aridez? R. Ashi, no entanto,
respondeu (a objeção de Hamnuna): A citada Boraitha fala de um presente que
foi escrito à maneira de uma nota de venda, para fortalecer seu poder ( O
próprio Hamnuna responde a sua objeção de que fala de alguém que vende
sua propriedade por causa de sua esterilidade? R. Ashi, no entanto, respondeu
(a objeção de Hamnuna): A citada Boraitha fala de um presente que foi escrito
à maneira de uma nota de venda, para fortalecer seu poder ( O próprio
Hamnuna responde a sua objeção de que fala de alguém que vende sua
propriedade por causa de sua esterilidade? R. Ashi, no entanto, respondeu (a
objeção de Hamnuna): A citada Boraitha fala de um presente que foi escrito à
maneira de uma nota de venda, para fortalecer seu poder (ou seja , o vendedor
tem que fazer valer todas as reivindicações a ele). Uma objeção foi levantada
a partir do seguinte: Se alguém pediu emprestado ao seu fiador e onerou sua
propriedade para ele por um documento, e depois ele o libertou, ou de sua
esposa e depois disso ele se divorciou dela, eles não têm nada
p. 125

alegar. Não devemos supor que a razão é porque supomos que ele pretendia
apenas descobrir o dinheiro que estava escondido dele? Esse caso é diferente,
pois não gostaríamos de tornar-se um escravo do credor (Provérbios 23: 7):
"O devedor é servo do credor".

R. Huna b. Abbin enviou uma mensagem ao colégio relatando que se alguém


vendesse seu campo para sua esposa, ela ganharia o título, mas ele ainda tem o
direito de usar os produtos. No entanto, R. Abba b. Abuhu, e todos os grandes
homens da geração, disseram que tal nota de venda deve ser considerada uma
escritura de presente, mas foi escrita à maneira de uma nota de venda com o
propósito de fortalecer seu poder. Esta mensagem foi contestada pelo colégio,
do Boraitha que acabamos de citar, e foi respondida com a mesma resposta.

Rabh disse: Se alguém vender seu campo para sua esposa, ela adquire o título
e o marido usa os produtos. Se, no entanto, ele a presenteou como um
presente, ela adquire o título e ele não deve usar a fruta. R. Elazar, no entanto,
sustenta que, em ambos os casos, o título é adquirido e o marido não tem o
direito de usar a fruta. R. Hisda agiu de acordo com R. Elazar. Rabban Uqba e
Rabban Nehemiah, filhos da filha de Rabh, disseram a R. Hisda: "O mestre
deixa de lado os grandes homens e age como os pequenos?" (R. Elazar foi
apenas um discípulo de R. Johanan.) E ele respondeu: Eu também agi de
acordo com a teoria dos grandes homens, como quando Rabbin veio da
Palestina, ele disse em nome de R. Johanan que em ambos casos, ela adquire
título, eo marido não tem o direito de usar os produtos. Disse Rabha: A
Halakha prevalece que, se alguém vender seu campo para sua esposa, ela não
adquire o título e o marido pode usar a fruta; e se for um presente, ela adquire
título e ele não pode usar os produtos. Rabha não se contradiz? (Ele diz que
ela não adquire título, e é evidente que ele pode usar a fruta; e quando ele diz
que pode usar a fruta, isso significa que ela adquiriu o título.) Isso não
apresenta nenhuma dificuldade. Se ela comprou com o dinheiro que estava
escondido do marido, ela não adquire título nenhum; mas se com dinheiro que
não foi escondido dele, ela adquire título; mas ele pode, no entanto, usar o
fruto. Então foi dito em nome de R. Jehudah. Rabha não se contradiz? (Ele diz
que ela não adquire título, e é evidente que ele pode usar a fruta; e quando ele
diz que pode usar a fruta, isso significa que ela adquiriu o título.) Isso não
apresenta nenhuma dificuldade. Se ela comprou com o dinheiro que estava
escondido do marido, ela não adquire título nenhum; mas se com dinheiro que
não foi escondido dele, ela adquire título; mas ele pode, no entanto, usar o
fruto. Então foi dito em nome de R. Jehudah. Rabha não se contradiz? (Ele diz
que ela não adquire título, e é evidente que ele pode usar a fruta; e quando ele
diz que pode usar a fruta, isso significa que ela adquiriu o título.) Isso não
apresenta nenhuma dificuldade. Se ela comprou com o dinheiro que estava
escondido do marido, ela não adquire título nenhum; mas se com dinheiro que
não foi escondido dele, ela adquire título; mas ele pode, no entanto, usar o
fruto. Então foi dito em nome de R. Jehudah. mas ele pode, no entanto, usar o
fruto. Então foi dito em nome de R. Jehudah. mas ele pode, no entanto, usar o
fruto. Então foi dito em nome de R. Jehudah.

Os rabinos ensinavam: não se deve aceitar resgates de mulheres, de escravos


ou de crianças: se, no entanto, alguém aceitou de uma mulher, ele deve
devolvê-la a ela; e caso ela morra, ele deve devolvê-lo ao marido. De um
escravo, ele deve retornar a ele; e no caso de ele morrer, então para o seu
mestre. Se de
p. 126

Um menor, ele deve investir em tal coisa como dará bons frutos até que ele
seja maior de idade, e em caso de morte devolvê-lo aos seus herdeiros. Todos
eles, no entanto, se eles disseram, enquanto morrem, "Isto pertence a isto e
aquilo", ele deve agir de acordo (mesmo quando o depositante era um
menor); e se eles não declararam nada, ele pode fazer de acordo com a sua
consciência - ( ie, ele deve devolvê-lo a quem ele pensa ser o próprio
herdeiro. A esposa de Rabba bb Hana, enquanto morria, disse: Estes brincos
pertencem a Marta e aos filhos de sua filha. E Rabba chegou a questionar
Rabh o que ela deveria fazer. E ele respondeu: Se essas pessoas que ela
mencionou são dignas, para que possam se dar ao luxo de guardar fianças com
ela, então faça o que ela declarou; e se não, então você pode explicar sua
declaração como quiser. "De um menor, ele deve investir", etc. R. Hisda
mantém em Holy Scrolls; e Rabha b. Huna disse: Uma árvore que carrega
datas.

" Um pai na propriedade de seu filho ", disse R. Joseph: Mesmo se eles se
separaram. Rabha, no entanto, sustenta que, em caso de separação, a lei é
diferente. Disse R. Jeremiah de Diphti: R. Pappi agiu de acordo com a
declaração de Rabha. Disse R. Na'hman b. Itz'hak: Foi-me dito por R. Hyya de
Hurmiz Ardshir que ele foi informado por R. Aha b. Jacob, citando R.
Na'hman b. Jacó, que quando se separaram cada um deles tem direito de
hazakah. E assim a Halakha prevalece.

Foi ensinado: Se um dos irmãos que era o homem de negócios da casa, e as


notas de venda e notas estavam em seu nome, afirma: "Tudo isso é meu,
herdado do pai de minha mãe", segundo Rabh, o ônus da prova está sobre
ele; e de acordo com Samuel, repousa sobre seus irmãos. Samuel disse: Abba
admite que, no caso de ele morrer, o ônus da prova é lançado sobre seus
irmãos. R. Papa se opôs: Devemos fazer para órfãos tal reivindicação como
seu pai enquanto vivo não tinha nenhum direito a ( ou seja,Quando este irmão
estava vivo, era para ele trazer provas, e se ele não podia, os bens pertenciam
a todos os irmãos, e porque ele estava morto, diríamos que os irmãos têm que
trazer provas, e se eles não podem pertence aos seus órfãos)? Rabha não
cobrava um par de sapatos e um livro de Hagadá de órfãos sem qualquer
evidência de que eles eram coisas que geralmente são contratadas e
emprestadas? E ele fez isso de acordo com a mensagem de R. Huna b. Abbin,
aquele de coisas que geralmente são emprestadas e contratadas não é
confiável para dizer: "Elas foram compradas por mim". Essa dificuldade
permanece.
p. 127

Disse R. Hisda: A decisão de Rabh sobre o irmão que administra os negócios


da casa, só é válida quando todos os irmãos não estão separados na casa -
mesmo na massa de pão que eles levam para a casa. Mas se eles são, ele pode
reivindicar que ele poupou de seu lar o montante que ele tem em sua mão, e os
irmãos não têm nada a ver com isso. A evidência mencionada na decisão de
Rabh - o que deveria ser? Segundo Rabba, a evidência deveria ser com
testemunhas que ele salvou o dinheiro ou veio de outras fontes; e de acordo
com R. Shesheth, é suficiente quando o tribunal aprovou a nota de venda ou
outras notas que levam seu nome (como é de se supor que o tribunal não
aprovaria se não tivesse certeza de que pertencia a ele apenas) . Disse Rabha a
R. Na'hman: Há Rabh e Samuel, com Rabba e R. Shesheth, que discutem esse
assunto, e gostaria de saber a opinião de vocês, mestre - com quem vocês
concordam. E ele respondeu: Estou ciente do seguinte Boraitha: Um dos
irmãos que era o homem de negócios da casa, e havia notas de venda e outras
notas com apenas o seu nome, e ele afirma: "Eles são meus, herdados de o pai
da minha mãe ", o ônus da evidência cabe a ele. E o mesmo acontece com
uma mulher que administrava o negócio em uma casa e havia documentos
com apenas o nome dela, e ela afirma que são propriedade dela que veio de
seu avô do lado do pai ou da mãe - é sobre ela para trazer provas. (Diz o Estou
ciente do seguinte Boraitha: Um dos irmãos que era o homem de negócios da
casa, e havia notas de venda e outras notas com apenas o seu nome, e ele
afirma: "Eles são meus, herdados do pai de minha mãe, "o ônus da evidência
cabe a ele. E o mesmo acontece com uma mulher que administrava o negócio
em uma casa e havia documentos com apenas o nome dela, e ela afirma que
são propriedade dela que veio de seu avô do lado do pai ou da mãe - é sobre
ela para trazer provas. (Diz o Estou ciente do seguinte Boraitha: Um dos
irmãos que era o homem de negócios da casa, e havia notas de venda e outras
notas com apenas o seu nome, e ele afirma: "Eles são meus, herdados do pai
de minha mãe, "o ônus da evidência cabe a ele. E o mesmo acontece com uma
mulher que administrava o negócio em uma casa e havia documentos com
apenas o nome dela, e ela afirma que são propriedade dela que veio de seu avô
do lado do pai ou da mãe - é sobre ela para trazer provas. (Diz o E o mesmo
acontece com uma mulher que administrava o negócio em uma casa e havia
documentos com apenas o nome dela, e ela afirma que são propriedade dela
que veio de seu avô do lado do pai ou da mãe - é sobre ela para trazer
provas. (Diz o E o mesmo acontece com uma mulher que administrava o
negócio em uma casa e havia documentos com apenas o nome dela, e ela
afirma que são propriedade dela que veio de seu avô do lado do pai ou da mãe
- é sobre ela para trazer provas. (Diz oGemara :) Era necessário que os
boraítas declarassem a mesma lei no caso de uma mulher, para que ninguém
dissesse que, porque é uma honra para uma mulher ser confiada a gerência de
uma casa, ela certamente tomaria cuidado para não roubar os órfãos e,
portanto, ela deve ser confiável sem provas, vem ensinar que não é assim.

"A respeito de um presente ou herança de irmãos ", etc. Como isso deve ser
entendido? A lei de hazakah não se aplica às pessoas mencionadas mais
adiante na Mishná? O Mishna não é completo, e deve ler assim: Tudo isso é
dito de uma hazakah para a qual há uma reivindicação; como, por exemplo, o
vendedor diz "não vendi" e o comprador diz "comprei". Mas um hazakah para
o qual não há reivindicação, como, por exemplo, que apresenta um presente
ou uma herança de irmãos, ou que toma posse da propriedade de um prosélito,
ao qual a lei prescreve que ele precisa adquirir título fazendo algo -se ele
trancou ou fez qualquer partição, etc.-- é uma hazakah. R. Houshia ensinou:
Em um
p. 128

Tosephthado Tratado Kidushin, escrito pela escola de Levi, "Se ele


[parágrafo continua]

trancou", etc, em face da outra parte - é uma hazakah. Isso é para ser
entendido, apenas na face dele, mas não na ausência dele? Disse Rabha: Ele
queria dizer: Se isso foi em face da outra parte, não é necessário que o último
diga a ele: "Vá fazer uma hazakah e adquira título." Mas se não ao seu rosto,
não é considerado uma hazakah a menos que ele lhe tenha dito claramente as
palavras que acabamos de mencionar. Pergunta Rabh: Como está a lei
referente a um presente, de acordo com o Boraitha que acabamos de
mencionar (o doador também deve dizer ao receptor: "Vá e faça um hazakah"
ou não)? Samuel disse: Por que o Abba era duvidoso? Quando, com respeito a
uma venda pela qual o vendedor recebe dinheiro, não é uma hazakah a menos
que ele lhe diga: "Vá e faça uma hazakah" tanto menos deve ser assim com
um presente, para o qual ele não recebeu nada. Rabh, no entanto, afirma que
quem faz um presente geralmente faz isso com um bom olho, e nenhuma
explicação é necessária.

O Mishna afirma: "Qualquer trabalho, seja qual for". O que isto


significa? Como Samuel disse: Se ele completou a partição que já estava lá
para o tamanho de dez vãos, ou ele quebrou um buraco na partição através da
qual ele pode entrar ou sair, isso é considerado uma hazakah. Vamos ver
como foi a partição! Se foi colocado em tal posição que não se podia subir até
a propriedade, e após sua conclusão pelo ocupante também é o mesmo, o que,
então, ele fez que deve ser considerado uma hazakah? E se, em sua condição
anterior, alguém pudesse escalá-lo e, depois de concluído, não se pode fazer,
então ele fez muito que não corresponde à expressão "o que quer que
seja"? Isso significa que, na condição anterior, alguém poderia facilmente
ultrapassá-la e, depois de concluída, não é tão fácil fazê-lo; e o mesmo é o
caso de um buraco em uma partição, pelo qual, na condição anterior, não era
fácil entrar, e um o quebrou de tal maneira que é fácil entrar. R. Assi em nome
de R. Johanan disse: Se o ocupante da propriedade de um prosélito colocar um
pequeno pedaço de madeira muito perto do buraco que estava na partição e
com isso ele melhorou, ou ele tirou uma peça de madeira e com isso ele
melhorou, é considerado uma hazakah. O que ele quer dizer com a expressão
"ele colocou ... ou tirou"? Assumiremos que com este pedaço de madeira ele
fechou o buraco para impedir que a água penetrasse, ou tirou um pedaço de
madeira, e com isso ele fez lugar para que a água se juntasse para sair? Por
que deveria ser considerado uma hazakah? Não é dever de todo israelita salvar
a propriedade e com isto ele fez lugar para a água reunida para sair? Por que
deveria ser considerado uma hazakah? Não é dever de todo israelita salvar a
propriedade
p. 129

do vizinho de dano quando vendo perigo está próximo? Portanto, deve-se


supor que ele quer dizer que ele colocou um pedaço de madeira com o
propósito de que a água que é útil para a propriedade permaneça, ou ele pegou
um pedaço de madeira para que ele abrisse um canal permitindo que a água
alcançasse o Estado. O mesmo dito novamente em nome da mesma
autoridade: Se houvesse duas propriedades deixadas por um prosélito e
houvesse um limite entre elas, e uma delas fizesse uma hazakah em uma delas
com o propósito de adquirir título para ela, é adquirido. Se para o propósito de
adquirir título para ambos, o título é adquirido apenas àquele em que ele fez
uma hazakah, mas não àquele que estava do outro lado da fronteira; e se para
o propósito de adquirir título para o último, mesmo àquele em que ele fez
hazakah, o título não é adquirido.

R. Zera questionou: Se alguém fez uma hazakah com o propósito de adquirir


título para ela, para a fronteira e para a propriedade que está além dela, como
é a lei? Devemos assumir que, como todos estão conectados, o título é
adquirido ou porque o limite intervém entre eles, é considerado como se eles
estivessem separados e o título não fosse adquirido? Esta questão permanece
indecisa. R. Elazar questionou: Como é que este homem fez uma hazakah no
próprio limite com o propósito de adquirir títulos para ambos? Deveria o
limite ser considerado uma largura da terra que une os dois campos e,
portanto, o título é adquirido, ou os campos são, no entanto, considerados
separados e o título não é adquirido?

Esta questão também permanece indecisa.

R. Na'hman disse em nome de Rabba b. Abuhu: Se houvesse duas casas, uma


dentro da outra, e uma fizesse hazakah na outra com o propósito de obter
título para ela, o título é adquirido. Se para o propósito de adquirir título no
interior também, o exterior é adquirido, mas não o interior. Com o propósito
de adquirir apenas o interior, mesmo o exterior não é adquirido. O mesmo é
dito novamente em nome da mesma autoridade: se alguém construiu um
palácio sobre a propriedade pertencente ao prosélito em questão, e outro vem
e põe as portas do palácio, este último adquiriu o título de todo ele. Por
quê? Porque o trabalho do primeiro é considerado como se ele tivesse apenas
transformado tijolos sem usá-los, já que as portas para ele são a principal
coisa.
R. Dimi b. José em nome de R. Elazar disse: Se na propriedade do prosélito
em questão havia um palácio e um revestiu uma das paredes com cal, ou
pintou uma das fotos
p. 130

Nesse caso, o título é adquirido. Quanto da parede ele deve cobrir ou quão
grande ele deve pintar? Disse R. Joseph: Um ell. E R. Hisda acrescentou que
este ell deve estar em frente à porta (mas em outro lugar ele deve revestir ou
pintar mais do que isso).

R. Amram disse: O seguinte foi-nos dito por R. Shesheth, que para esclarecer
os nossos olhos explicou uma Boraitha. Ele disse: Se alguém preparou sua
cama na propriedade do prosélito em questão e dormiu lá, ele adquire o título
de propriedade inteira. E ele iluminou nossos olhos para os Boraitha da
seguinte forma: Como alguém pode adquirir o título de fiador com
hazakah? Se o escravo calçou os sapatos do mestre ou tirou os sapatos, ou
levou suas vestes atrás dele para a casa de banho, despiu-o e lavou-o, ungiu-o,
esfregou-o, vestiu-o, calçou os sapatos ou até mesmo levantou-o, o título é
adquirido.

Disse R. Simeon: Não pode haver um melhor hazakah do que levantar, já que
este ato dá título a um em tudo. Como isso deve ser entendido? O Boraitha diz
que se o escravo levantou seu mestre, dá título ao mestre; mas, se vice-versa ,
isso não acontece. E a isso respondeu R. Simeon: Não há melhor hazakah do
que levantar, o que significa que isso dá título mesmo se o escravo foi
levantado pelo mestre. R. Jeremiah de Bira em nome de R. Jehudah disse: Se
a propriedade do prosélito em questão já foi arada e a pessoa põe rabanetes
nos sulcos, não se considera um hazakah, porque na ocasião pôs os rabanetes
em, sem cobertura, não houve melhora alguma; e mesmo que em poucos dias
depois estes comecem a crescer, não é considerado como feito por ele, mas
por si mesmo.

Samuel disse: Se alguém descasca a casca de uma árvore, se ele fez isso para
o melhoramento da árvore, o título é adquirido; e se por comida para o gado
dele, não é. [E como podemos saber isso? Se ele tira a árvore dos dois lados,
supõe-se que ele a faça para o melhoramento da árvore; mas se por um lado é
por seu gado.] Ele disse novamente: Se alguém limpa a propriedade em
questão, se ele fez isso para o melhoramento da terra, o título é dado; mas se
ele fez isso com a idéia de usá-lo para combustível, isso não acontece. [E
como isso será provado? Se ele tira tudo o que existe, supõe-se que ele o faça
para melhorar; mas se ele escolher os pedaços maiores e deixar os menores,
deve-se presumir que ele o faz com a finalidade de usá-lo como combustível.]

E o mesmo disse novamente: Se alguém se empenha em nivelar o solo em


favor da própria terra, isso lhe dá título; e se
p. 131

com a intenção de colocar um celeiro temporário lá, isso não acontece. [E


como isso será provado? Se, por exemplo, ele tira a terra supérflua das colinas
e a coloca nas cavidades (e assim fez com todas elas), deve-se supor que ele a
faz para a melhoria do solo; mas se ele apenas fez as colinas mais baixas, e
apenas nas bordas das cavidades, ele as preencheu, então deve-se supor que
ele o faz com a intenção de erguer um celeiro temporário.] Ele também disse:
Se ele abrir um fluxo de água para este solo, se ele faz isso para a melhoria da
terra, o título é dado a ele; mas se com a ideia de pegar peixe, isso não
acontece. [E como isso será provado? Se ele abre ambos os lados da
propriedade, um com a finalidade de deixar a água entrar e o outro lado para
liberá-la, supõe-se que ele o faça com a intenção de pegar peixe; e se ele abrir
apenas um lado, de modo que a água possa entrar, presume-se que ele o faça
para o melhoramento da Terra.] Havia uma mulher que arrancou de um lado
as árvores do espólio do prosélito em questão para Treze anos. Veio outro
homem que cavou um pouco debaixo da árvore; e o caso veio antes de Levi,
de acordo com outros, antes de Mar Uqba, e deixou-o na posse do último. E
esta mulher veio e protestou, e ele disse a ela: O que posso fazer por você, em
que você não fez a hazakah como deveria ser? ] Havia uma mulher que
arrancou árvores de um lado da propriedade do prosélito em questão durante
treze anos. Veio outro homem que cavou um pouco debaixo da árvore; e o
caso veio antes de Levi, de acordo com outros, antes de Mar Uqba, e deixou-o
na posse do último. E esta mulher veio e protestou, e ele disse a ela: O que
posso fazer por você, em que você não fez a hazakah como deveria ser? ]
Havia uma mulher que arrancou árvores de um lado da propriedade do
prosélito em questão durante treze anos. Veio outro homem que cavou um
pouco debaixo da árvore; e o caso veio antes de Levi, de acordo com outros,
antes de Mar Uqba, e deixou-o na posse do último. E esta mulher veio e
protestou, e ele disse a ela: O que posso fazer por você, em que você não fez a
hazakah como deveria ser?

Havia uma mulher que fizera uma partição àquela que já estava lá na
propriedade de um prosélito. Outro homem, no entanto, veio e cavou na
propriedade; e quando o caso chegou antes de R. Na'hman, ele deixou a
propriedade com o último. E esta mulher veio e causou um distúrbio, e R.
Na'hman respondeu: O que eu posso fazer por você, já que você não fez uma
hazakah como as pessoas deveriam fazer? 1

Rabh disse: Se alguém pintar na propriedade em questão a semelhança de um


animal ou um pássaro, o título é adquirido. Assim, o próprio Rabh fez tal
hazakah em um jardim que ficava perto de sua faculdade, deixado por um
prosélito que morreu sem filhos.
Foi ensinado: Um campo que foi delimitado por limites em quatro lados, disse
R. Huna em nome de Rabh: Assim que alguém cavou uma pá de terra, ele
adquiriu o título de todo o campo. Samuel, no entanto, afirma que ele adquire
apenas o lugar que ele cavou. E qual é a lei referente a um campo não
delimitado por fronteiras? Disse R. Papa: Se ele cavar tanto quanto uma
equipe de bois em um sulco e o retorno.
p. 132

R. Jehudah disse em nome de Samuel: O patrimônio dos idólatras, se vendido


a um israelita e o segundo não fez hazakah sobre ele, é como um deserto; e o
primeiro que faz uma hazakah adquire título. Por quê? Porque o idólatra,
assim que recebe o dinheiro, se separa dele; e como o israelita ainda não
adquiriu o título até obter a nota de venda, é, portanto, como um deserto, e
cada um pode tentar tomar posse dele (devolver o dinheiro ao comprador). (O
comentarista RashbamNo entanto, sustenta que a partir da expressão "é como
um deserto", é para ser entendido que o ocupante tem que pagar nada, eo
comprador tem que processar o vendedor se ele puder fazê-lo. Disse Abayi
para R. José: É possível que Samuel diga isso? Ele não declarou em outro
lugar que a lei do governo deve ser respeitada como a lei da Torá, e o governo
dita que o título é adquirido apenas por uma ação, e não de outra forma? Daí o
outro que fez uma hazakah também está sem o ato necessário. E ele
respondeu: Eu sei só por experiência. Como aconteceu na aldeia Dura dos
pastores, um israelita comprou uma propriedade de idólatras, e o israelita veio
cavar um pouco nesta propriedade, e quando o caso chegou antes de R.
Jehudah, ele o deixou na mão deste último. . E Abayi reuniu-se: Você quer
comparar quaisquer outros casos para o caso da aldeia Dura? Havia
umpagus com as propriedades escondidas do governo, e os possuidores
daquelas propriedades não pagaram impostos para ele. E o governo determina
que quem paga os impostos é dono da terra.

R. Huna comprou uma propriedade de um idólatra e outro israelita cavou


nela; e o caso chegou antes de R. Na'hman, e ele deixou nas mãos do
último. Disse Huna para ele: A base de sua decisão é o que Samuel disse, que
as propriedades que são vendidas por um idólatra são como um deserto, e
quem toma posse delas adquire título. Por que o mestre não deve decidir de
acordo com o outro ditado de Samuel, que o escavador adquire o título
somente no lugar onde ele cavou? E ele respondeu: A esse respeito, eu
mantenho concordância com Rabh, em cujo nome R. Huna disse: Assim que
alguém cavou um que é pá ele adquire o título para o todo dele.

R. Huna b. Abbin enviou uma mensagem: Se um israelita compra um campo


de um gentio, e outro israelita vem e toma posse dele (antes que a nota fiscal
chegue ao comprador), o tribunal não tem o direito de retirá-lo do segundo. E
a isso, R. Abbin, R. Elaa e todos os nossos mestres da época concordam.
p. 133

Rabba disse: Foi-me dito pelo Exilarch Uqban b. Neemias, em nome de


Samuel, as seguintes três coisas: ( a ) Que a lei do governo deve ser respeitada
como a lei da Torá. ( b ) A hazakah dos persas não é inferior a quarenta
anos. ( c ) E os fazendeiros ricos que compram terras dos oficiais do governo
para os impostos que não foram pagos pelos proprietários anteriores, as
vendas são válidas. Mas isso é somente quando os proprietários devem aos
impostos do governo. Mas se a terra foi levada para impostos, a venda não é
válida. Por quê? Porque os impostos da pesquisa repousam sobre suas
cabeças, não sobre suas terras. R. Huna b. Jehoshua, no entanto, sustenta que
até mesmo a cevada no cântaro é hipotecada para os impostos de pesquisa ( ie,
quando a terra foi levada para impostos, eles têm o direito de vendê-la). Disse
R. Ashi: Huna b. Nathan disse-me que Amemar se opôs à decisão de R. Huna,
dizendo: Segundo esta teoria, a regra prescrita pela Escritura, que um
primogênito deve tomar duas partes na herança, deve ser abolida, como se
todo o patrimônio é sobrecarregado para o governo para os impostos de
pesquisa, a propriedade legada será cabida apenas no futuro para herança, mas
não como ainda. E existe uma regra de que o primogênito tem o direito de
participar apenas daquilo que já está em forma. E ele respondeu: Por que essa
objeção para pesquisar impostos? O mesmo pode ser levantado em relação aos
impostos sobre a terra também. Mas a isso pode-se responder que ele fala de
quando morre depois de pagar os impostos sobre a terra, e o mesmo pode ser
dito com as pesquisas.

R. Ashi disse: Huna b. Nathan disse-me: perguntei ao escriba de Rabha e ele


me disse que a Halakha prevalece de acordo com R. Huna b. R.
Jehoshua. (Diz o Gemara :) Na realidade não é assim, como o escriba de
Rabha diz isso apenas para aprovar seus atos. R. Ashi disse novamente que
um απραχτος; (um homem que fica ocioso) deve arcar com os impostos da
cidade. Mas isso só é dito quando ele foi libertado por alguns de seus amigos
naquela cidade, que disseram ao chefe que não possuía nada para pagar e que
o soltou; mas se o próprio chefe ou os oficiais que foram nomeados pelo
governo não gostam de cobrar dele porque ele está ocioso (embora eles
colecionem a parte dele dos outros habitantes da cidade), deve ser considerado
como uma ajuda divina para ele e ele não deve ser incomodado novamente. R.
Ashi disse em nome de R. Johanan: Um limite ou uma árvore que é
encontrada entre duas propriedades de um prosélito é considerada uma
intervenção concernente à hazakah, mas não concernente ao dízimo de canto e
à contaminação. Quando Rabbin veio da Palestina, ele disse em nome de R.
Johanan: Considera-se uma intervenção sobre os dois últimos mencionados
também.
p. 134
Mas como é a lei se não havia limite e nem árvore, e mesmo assim
[parágrafo continua]

eles foram separados? R. Mrinus em nome de R. Johanan explicou que ele


adquire o título para todo o campo que é chamado após o seu nome. O que
isto significa? Disse R. Papa: Se as pessoas chamam isso de campo que o
prosélito costumava molhar de seu vale. R. Aha b. Ivya estava sentada diante
de R. Assi e disse em nome de R. Assi b. Hanina que um hazuba faz uma
intervenção na propriedade de um prosélito. O que é um hazuba? Disse R.
Jehudah. em nome de Rabh: Este foi um marco pelo qual Josué marcou a terra
que ele dividiu entre as tribos de Israel. Ele diz novamente em nome da
mesma autoridade: Josué não conta, mas as cidades que foram colocadas nos
limites ( ou seja,, as cidades que são enumeradas no livro de Josué). Ele disse
novamente em nome de Samuel: Tudo o que o Santo, bendito seja Ele, havia
mostrado a Moisés da terra de Israel estava sujeito aos dízimos. (Isso significa
que, a partir dos produtos que crescem nesses lugares, os dízimos devem ser
separados biblicamente.) O que significa excluir? A terra dos queneus,
quenezitas e quaditas [Gn. xv. 19].

MISHNA IV .: Se houver duas testemunhas que o ocupante tenha consumido


os produtos de um campo três anos, e após a investigação constatar que eles
eram coniventes, as testemunhas têm que pagar o valor total dos produtos dos
últimos três anos para o autor. Se, no entanto, dois testemunharam para o
primeiro ano e dois outros para o segundo ano, e ainda outros dois para o
terceiro ano (e todos eles testemunharam falsamente), o pagamento
mencionado acima deve ser dividido entre eles, dos quais cada das partes tem
que pagar um terço.

Se houvesse três irmãos testemunhando, e um estranho testemunhasse o


mesmo que eles, eles poderiam ser considerados como três partes de
testemunhas - isto é , um dos irmãos disse: Estou ciente de que o réu ocupou
essa propriedade no primeiro ano; o segundo: estou ciente de que ele o ocupou
no segundo ano; e o terceiro testemunhou pelo terceiro ano. Se o estranho,
como. sempre, diz: Eu testifico que o réu ocupou isto todos os três anos, o
testemunho dele é contado a cada deles, de forma que para cada ano há duas
testemunhas. Se, no entanto, o testemunho foi considerado colusivo, eles
devem ser considerados como uma das partes das testemunhas, e os irmãos
têm que pagar toda a reivindicação.

GEMARA: Nossa Mishna não está de acordo com R. Aqiba dos seguintes
Boraitha: R. Jose disse: Quando Abbah 'Halaftha foi estudar a Torá de R.
Johanan b. Muri
p. 135

de acordo com os outros, o inverso era o caso, ele o questionou: Como é se


alguém ocupou uma propriedade no primeiro ano na presença de duas
testemunhas, e a segunda na presença de outras duas, e a terceira na presença
de ainda outros dois, isto deveria ser considerado um hazakah, ou não? E ele
respondeu: É. Reuni o primeiro: sou da mesma opinião; mas R. Aqiba se
opõe, como ele costumava dizer: Está escrito [Deut. xix. 15]: "Um caso ser
estabelecido." Um caso , mas não metade de um caso ( ou seja , como cada
parte atesta apenas por um ano, eles estão testemunhando apenas metade de
um caso; mas não o caso todo).

R. Jehudah disse: Se uma das testemunhas testifica que o ocupante ocupou a


propriedade todos os três anos com trigo, e a outra testemunhou com cevada,
constitui uma hazakah. R. Na'hman se opôs: De acordo com essa teoria, se
alguém atesta que a ocupou no primeiro, terceiro e quinto anos, e a outra na
segunda, quarta e sexta, isso também deveria ser considerado uma
hazakah? Respondeu R. Jehudah: Que comparação é essa? No seu caso, um
testemunha para este ano e o outro para outros anos; mas no meu caso ambos
estão testificando pelo mesmo ano. A diferença é apenas sobre a cevada e o
trigo, sobre os quais as pessoas não costumam ser muito particulares.

" Se houvesse três irmãos " etc. Havia uma nota promissória assinada por duas
testemunhas, das quais uma morreu, e seu irmão com um estranho vem
perante a corte para testemunhar que a assinatura do falecido é
correta. Rabhina estava prestes a dizer que este caso era familiar para a nossa
Mishna, que afirma que três irmãos e um estranho são contados como
testemunhas legais. Disse R. Ashi para ele: Não há semelhança alguma. No
caso da Mishná, metade do valor da reivindicação é coletada, por causa do
testemunho dos irmãos, e a outra metade por causa do testemunho do
estranho. Neste caso, no entanto, o depoimento dos irmãos recolhe três
quartos do total ( ie, a assinatura da testemunha falecida dá o direito de coletar
metade do valor. Agora, quando este irmão veio para depor sobre a assinatura,
seu testemunho é de um quarto do total, e o testemunho do estranho que
estava com ele no outro quarto. Por isso, três quartos do total devem ser
recolhidos pelo testemunho dos irmãos, o que não é legal.

MISHNA V .: Há uma diferença no uso de artigos: Em alguns casos a lei de


hazakah se aplica, e em alguns casos não. Por exemplo , se alguém costumava
manter seu gado no quintal de seu vizinho, ou um fogão, forno ou moinho de
mão, ou criados ali galinhas, ou ele
p. 136

mantido lá seu esterco, não é considerado uma hazakah. Entretanto, se ele fez
uma partição dez vezes maior para seu gado, ou para os outros artigos
mencionados acima, ou ele manteve suas galinhas na casa de seu vizinho, ou
cavou três vãos no solo de seu vizinho para seu esterco, ou ele fez uma pilha
de três palmos no mesmo chão, é uma hazakah.
GEMARA: Por que a lei deve diferir na última parte da primeira parte (não é
um fato que o dono do quintal protestaria quando um estranho mantivesse seu
gado sem qualquer direito)? Ula disse: É por causa da seguinte regra: O uso
que não dá título à propriedade de um prosélito sem filhos falecido, também
não o dá à propriedade do vizinho; e o uso que dá título nesse caso, também
dá título no último caso.

R. Shesheth se opõe: essa regra sempre é válida? Não é fato que arar, que não
é considerado uma hazakah a respeito do patrimônio do vizinho, dá título
quando é feito na propriedade de um prosélito? Por outro lado, o uso de frutas,
que é considerado referente ao patrimônio de um vizinho, não dá título ao
patrimônio de um prosélito. "Portanto," disse R. Na'hman em nome de Rabba
b. Abuhu, "o Mishna trata de um quintal pertencente a parceiros, que
geralmente não são particulares se um deles mantém seu gado lá; mas eles
são, se alguém separa seu gado por uma partição". É assim mesmo? Não
aprendemos em uma Mishná: Se os parceiros juraram não obter nenhum
benefício um do outro, eles não devem entrar em seu quintal, pois ao entrar,
um deles obtém benefício da parte de seu vizinho. Portanto R. O acima dito de
Na'hman era relativo a um pátio traseiro, em que geralmente um não é
particular se seu vizinho deixa lá seu gado. Mas com relação a uma partição,
eles seriam específicos. R. Papa, no entanto, afirma que tanto a nossa Mishna
quanto a citada falam de um quintal pertencente a parceiros; mas alguns são
particulares sobre deixar gado e outros não. Portanto, em um caso que pode
levar a uma ofensa, como no Mishna citado, é decidido rigorosamente; e no
que diz respeito a dinheiro, é decidido brandamente. Rabina, no entanto,
afirma que os parceiros nunca são particulares um com o outro. E no caso de
obter benefícios, o Mishna que trata dos votos está de acordo com R. Eliezer,
p. 137

R. Johanan em nome de R. Bnaha disse: Tudo (o que não está no acordo) pode
impedir os parceiros de fazerem no quintal que lhes pertença, exceto a
lavagem, porque as filhas de Israel não devem ser deixadas em desgraça por si
mesmas. lavar na margem do rio (como eles devem estar lá com os pés
descalços). E Hyya b. Aba disse: Está escrito [Is. xxxiii. 15]: "E fecha os
olhos para não ver o mal", ou seja, aquele que não olha para as mulheres
quando elas estão ocupadas na lavagem. Como isso deve ser entendido? Se há
outro modo de passar, e um passa por esse caminho com o propósito de olhar,
então ele é mau; e se não há outro caminho, o que ele pode fazer, como ele é
obrigado a passar por eles? Significa, mesmo no último caso, e, no entanto, é
preciso não olhar para eles.

R. Johanan questionou R. Bnaha 1: O que se entende por uma camisa de um


estudioso? E a resposta foi: ele cobre todo o corpo, para que nenhuma parte
dele possa ser vista. E o que se entende por uma roupa de um estudioso? Se
ele cobrir a camisa, para que um fragmento não seja mais do que um vão deve
ser visto. O que se entende por uma mesa de um estudioso? Que o pano de
mesa cobre duas partes da mesa, e a terceira parte é descoberta para colocar
ali pratos e ervas, e o anel da mesa (eles costumavam ter um anel para manter
juntos a toalha de mesa, para pendurar depois da refeição), e o anel deve estar
do lado de fora. [Mas não aprendemos em um Boraitha que o anel deve estar
dentro? Isto não apresenta dificuldade, como diz um Boraitha quando há uma
criança sentada à mesa - então deve estar dentro; ou fala da refeição da noite,
quando é melhor que esteja dentro, para que o servo não toque nele enquanto
estiver escuro; e outra Boraitha fala de uma refeição do dia, sem uma criança.]
E de um homem comum parece umtam , como os pratos são colocados ao
redor e o pão está no meio. O que se entende por leito de estudioso? Se sob ela
não se encontra nada além de sandálias no verão e sapatos na estação das
chuvas; e a cama de um plebeu parece um tesouro de vilis onde você pode
encontrar tudo?

R. Bnaha costumava marcar cavernas dos mortos (com a finalidade de


corrupção). Quando ele chegou à caverna de Abraão (o Patriarca), ele
encontrou Eliezer seu servo do lado de fora, e à pergunta: O que Abraão está
fazendo agora, ele respondeu: Ele dorme nos braços de Sara, e ela olha em sua
cabeça. E Bnaha pediu a Eliezer que pedisse permissão para ele entrar. Ele
disse para
p. 138

Abraão: Bnaha está esperando na porta. Disse Abraão: Deixe-o


[parágrafo continua]

entrar: sabe-se que o espírito maligno não permanece em nosso mundo. Bnaha
então entrou, tomou a medida da caverna e saiu; quando chegou, no entanto,
na caverna de Adão o primeiro, ouviu uma voz celestial dizendo: Você viu a
imagem de Adão; mas diante do próprio Adão, que é a obra de (o Senhor),
você não tem o direito de olhar. E para o protesto: eu preciso marcar a medida
da caverna, ele foi respondido: A medida do lado de fora da caverna de
Abraão é igual ao interior de Adão.

Disse R. Bnaha: Eu vi os saltos de Adão e eles apareceram para mim como a


circunferência do sol. Ao lado da face de Sarah, a de qualquer outra pessoa
parece o rosto de um macaco para a de um homem. E a de Sara para aquela de
Eva é também como o rosto de um macaco para o de um homem; e Eva para a
do próprio Adão é também como o rosto de um macaco para a de um
homem. A beleza de R. Kahana é semelhante à de R. Abuhu, etc. (Veja
Middle Gate, pp. 212, 213).

Havia um mago que costumava cavar depois dos mortos com o propósito de
tirar suas mortalhas. Quando ele chegou na caverna de R. Tubi b. Mathna, ele
agarrou-o pela barba, e Abayi veio e pediu-lhe para deixá-lo, e ele fez isso. No
ano seguinte, o mago voltou para esta caverna, e Tubi novamente o agarrou
pela barba, e o pedido de Abayi foi recusado, até que uma tesoura foi trazida e
a barba foi cortada.

Houve um homem que disse enquanto estava morrendo: De um barril de terra


a um filho, um barril de ossos a outro e um barril até o terceiro. E eles não
entenderam o que ele queria dizer, e vieram com essa pergunta a R. Bnaha. E
ele perguntou se eles possuíam propriedades. Eles disseram: Sim. Você tem
gado? Sim. Você também tem vestes-stragula (cobertores, colchas,
colchões)? Sim. Então ele disse: Se assim for, isso é o que o seu pai legou a
você (isso significa que um terá o espólio, um o gado etc.).

Houve um homem que ouviu sua esposa dizendo a sua filha: Por que você não
é cuidadoso em seus atos ilegais? Eu tenho dez filhos e apenas um é do seu
pai. Quando ele estava morrendo, ele disse: Eu deixo todas as minhas
propriedades para um filho (como ele não sabia qual delas era dele). E como
não sabiam a qual dos filhos o caso chegou a R. Bnaha, que os aconselhou a ir
bater no túmulo do pai até que ele viesse e explicasse a quem ele se
referia. Nove dos filhos o fizeram, mas aquele que foi
p. 139

a dele não. Então R. Bnaha decidiu que todas as propriedades deveriam ser
dadas a esta. Seus irmãos então o denunciaram ao governo, dizendo: Há um
homem entre os judeus que recolhe dinheiro sem testemunhas e sem nenhuma
evidência. E ele foi preso. Sua esposa então se queixou: eu tinha um
escravo. As pessoas vinham e cortavam a barba, tiravam a pele, consumiam a
carne, enchiam a pele de água, que davam para beber aos companheiros, e não
me davam dinheiro nem outro equivalente para isso. Os oficiais não a
entenderam e decidiram questionar o torno dos judeus; talvez ele entendesse o
que isso significava. Eles o fizeram, e ele respondeu: Ela está reclamando de
uma bolsa de couro (significa que ela tinha um dinheirinho: eles roubaram
dela, mataram, consumiram a carne, e da pele eles fizeram uma bolsa de couro
para beber água. Eles disseram então: Porque ele é tão sábio, ele deve se
sentar no tribunal e julgar. Ele viu, então, que estava escrito no αμβολαη: Um
juiz convocado não pode ser nomeado juiz. Disse R. Bnaha para eles: Se
assim for, então qualquer um pode vir e convocar o juiz (embora ele nunca
tenha tido nenhum negócio com ele). Caso ele não esteja mais qualificado
para ser um juiz, deve ser assim: Um juiz que é considerado culpado no
tribunal, de modo que o dinheiro deve ser recolhido dele, não é mais
qualificado como juiz. E assim eles corrigiram isso: No entanto, o sábio da
Judéia afirma que um juiz de quem o dinheiro é coletado por um julgamento
não é considerado um juiz. Um juiz convocado não pode ser nomeado
juiz. Disse R. Bnaha para eles: Se assim for, então qualquer um pode vir e
convocar o juiz (embora ele nunca tenha tido nenhum negócio com ele). Caso
ele não esteja mais qualificado para ser um juiz, deve ser assim: Um juiz que é
considerado culpado no tribunal, de modo que o dinheiro deve ser recolhido
dele, não é mais qualificado como juiz. E assim eles corrigiram isso: No
entanto, o sábio da Judéia afirma que um juiz de quem o dinheiro é coletado
por um julgamento não é considerado um juiz. Um juiz convocado não pode
ser nomeado juiz. Disse R. Bnaha para eles: Se assim for, então qualquer um
pode vir e convocar o juiz (embora ele nunca tenha tido nenhum negócio com
ele). Caso ele não esteja mais qualificado para ser um juiz, deve ser assim:
Um juiz que é considerado culpado no tribunal, de modo que o dinheiro deve
ser recolhido dele, não é mais qualificado como juiz. E assim eles corrigiram
isso: No entanto, o sábio da Judéia afirma que um juiz de quem o dinheiro é
coletado por um julgamento não é considerado um juiz.

Ele viu novamente que havia escrito na cabeça de cada morto, eu, sangue, sou
a causa; e na cabeça de cada vida, eu, vinho, sou a causa. E ele lhes disse:
Segundo isto, se alguém cair do telhado ou da árvore e morrer, também o
sangue o mata; e também, se você vir um moribundo, dê-lhe vinho e ele
ressuscitará? Deveria ser escrito assim: Na cabeça de toda doença, eu, sangue,
sou a causa; e na cabeça de todo medicamento, eu, vinho, sou a causa. E eles
corrigiram assim: Na cabeça de toda doença, eu, sangue, sou a causa; na
cabeça de todos os remédios, eu, vinho, sou a causa ( ou seja , se o homem
usasse vinho de acordo com sua saúde, ele nunca viria à doença, e somente em
lugares onde não há vinho é necessário remédio - isto é,porque não há vinho, a
doença é frequente). Nos portões da cidade de Kaputkaya estava escrito:
Anipak, Anbag e Antell são todos de igual medida (de modo que não se pode
afirmar que se alguém comprou um Anpak e recebeu um Anbag, etc.). Estas
medidas são iguais a um quarto de um lug bíblico (disse o Gemara).
p. 140

MISHNA VI .: A lei da hazakah não se aplica a canos móveis presos às calhas


do telhado (drenos), mas se aplica aos locais deles e também aos bicos. Não se
aplica a uma escada egípcia ou a uma janela egípcia; mas a ambos de Tiro
aplica-se. O que deve ser considerado uma janela egípcia? Se uma cabeça
humana não pode entrar nela. R. Jehudah, no entanto, sustenta: Se tem uma
moldura, embora uma cabeça humana não possa entrar nela, a lei de hazakah
se aplica.

GEMARA: Como deve ser entendido que os canos não têm hazakah e o lugar
tem? Disse R. Jehudah em nome de Samuel: Significa assim: Os canos móveis
não têm hazakah de um lado ( ou seja , se os canos fossem fixados, a água
deveria sair; por exemplo, no lado norte do quintal do vizinho, de modo que se
o dono do quintal precisar desse lugar, ele tem o direito de obrigar o dono da
casa a removê-lo para o lado sul). No entanto, ele não tem o direito de, após
longo uso sem perturbações, insistir para que as calhas ou canos sejam
totalmente removidos. R. Hanina, entretanto, explicou a Mishna assim: A lei
da hazakah não se aplica a canos no sentido de que, se forem muito longos, o
dono do pátio pode insistir para que sejam encurtados; o lugar, no entanto,
tem um hazakah, de modo que, se o proprietário alegar que eles serão
removidos, ele não deve ser ouvido. E R. Jeremiah b. Abba disse: Significa
que se o dono do quintal deseja construir algo abaixo, ele pode; mas ele não
tem o direito de insistir em sua remoção. Uma objeção foi levantada de nosso
Mishna, que afirma que a lei de hazakah se aplica a um bico, o que está
correto nas duas primeiras explicações (como um bico, que é mais
estacionário que um cano, não deve ser removido ou encurtado); mas no
terceiro, aquele que pode ser construído abaixo, a que propósito o Mishna o
ensina? Por que não? Que mal pode ser feito com isso para o bico? O Mishna
fala de quando o bico foi cercado por um edifício de pedra, de modo que o
proprietário do mesmo pode reivindicar que o novo edifício enfraqueceria o
edifício de pedra cercado pelo bico.

R. Jehudah em nome de Samuel disse: Drenos que descarregam água no


quintal do vizinho, e o dono do telhado quer pará-lo - o dono do terreiro tem o
direito de pré. desabafar ele, alegando, como você adquiriu o título para o meu
quintal para descarregar a água do seu telhado, então eu adquiri o título para a
água do seu telhado.

Foi ensinado: R. Oshyah disse: Ele pode impedir. E R. Hamma disse: Ele não
pode. Ele então foi e questionou R. Bissa (seu pai, que também era o avô de
R. Oshyah)
p. 141

e ele decidiu que poderia evitar. Rammi b. Hamma então aplicou-lhe o verso
[Eccl. iv. 12]: "E um cordão tríplice não pode ser rapidamente despedaçado",
o que significa R. Oshyah, filho de R. Hamma, filho de R. Bissa.

" Para uma escada egípcia ." O que se chama escada egípcia? Disse a escola
de R. Yanai: Tal como não tem quatro etapas.

" Uma janela egípcia ", etc. Por que o Mishna explica o que uma janela
egípcia significa, e não o fez a respeito de uma escada egípcia? Porque para
o. este último tinha que declarar a opinião de R. Jehudah.

R. Zera disse: A janela em questão tem uma hazakah quando é colocada


abaixo de apenas quatro almas do solo; e pode-se impedir que o vizinho o abra
em um prédio que fica ao lado de seu quintal apenas quando exceder quatro
ells. R. Ailah, no entanto, afirma que o mesmo é o caso, mesmo quando é
superior a quatro ells. Devemos assumir que o ponto de sua diferença é, se o
tribunal tem que coagir aquele que age de acordo com a maneira dos
sodomitas ( por exemplo,, se alguém obtém benefício de uma coisa que não
prejudica ninguém, o preventor é igualado aos sodomitas, e a questão é, o
tribunal deve se sobrepor a um preventor ou deve ser deixado à consciência
deste homem, e o tribunal não tem nada a ver com isso? Não; todos
concordam que, em tal caso, o tribunal deve prevalecer sobre o
preventor. Aqui, no entanto, é diferente, como o vizinho poderia dizer: pode
acontecer de você pegar um banquinho, ficar de pé sobre ele para olhar para a
minha janela e então ficar visível para você o que está acontecendo na minha
casa.

Havia alguém que queria abrir uma janela superior a quatro jardas do quintal
do vizinho, e o caso chegava antes de R. Ami; e ele se referiu a R. Abba
b. Mamal, que decidiu de acordo com R. Ailah. Samuel disse: Para uma janela
que deve ser aberta para luz, qualquer que seja o tamanho, a lei de hazakah se
aplica.

MISHNA VII .: Para um invólucro, o tamanho de um vão na largura hazakah


se aplica; e se alguém veio para fazê-lo em seu prédio que enfrenta o quintal
do vizinho, este tem o direito de protestar. Para menos do que o tamanho
acima, hazakah não se aplica, e também nenhum protesto pode ser feito contra
ele.

GEMARA: R. Assi, ou R. Jacob, em nome de R. Manni, disse: Se ele fez uma


hazakah com o recinto que tinha a largura de um vão, ele fez isso por quatro
vãos. Como isso deve ser entendido? Disse Abayi: Ele quer dizer que se o
recinto de um palmo de largura tiver o comprimento de quatro vãos, ele pode
p. 142

aumentá-lo para quatro vãos quadrados (como seu vizinho não o perturba de
tomar o espaço de quatro vãos no comprimento, seria o mesmo que se fosse
quadrado).

" Menos que esse tamanho não hazakah", disse R. Huna: Isto é dito sobre o
dono do telhado apenas, mas o dono do quintal pode impedir que seu vizinho
faça um recinto até menos do que um vão. R. Jehudah, no entanto, sustenta
que nenhum dos eles podem impedir o outro. Devemos assumir que o ponto
de sua diferença é, se o dano causado pelo olhar é considerado dano, ou não?
Não, todos concordam que é considerado.Mas neste caso, tal gabinete não está
apto para uso , exceto para pendurar algo nele, é diferente, como se pode
dizer: posso fazê-lo sem olhar para sua propriedade, mas aquele que proíbe
isso, afirma que seu vizinho pode alegar: pode acontecer que enquanto
pendurar suas coisas Nesse recinto ele ficará assustado, e mesmo sem querer
seu rosto voltará para minha propriedade e verá do que não gostaria.

MISHNA VIII .: Não se deve abrir as janelas do quintal mesmo quando ele é
um parceiro (sem o consentimento do outro parceiro). Se ele comprou uma
casa em outro quintal, ele não deve abrir uma porta para o quintal em que ele
é um parceiro. Se ele construiu um sótão em sua casa, ele não deve fazer sua
entrada no pátio em questão. Ele pode, no entanto, dividir uma câmara dentro
de sua casa, e construir uma câmara superior sobre ela, de modo que a entrada
deve ser através de sua casa.

GEMARA: Por que os Mishna tratam de um pátio de parceiros? Não é o


mesmo com o quintal do vizinho, sem nenhuma parceria? Significa dizer não
apenas ao quintal do vizinho que ele não é permitido, mas até mesmo àquele
em que ele é um parceiro. Para que ninguém diga: como seu parceiro tem que
se esconder dele (coisas que ele não gostaria que seu parceiro veja) no quintal
de qualquer maneira, não importa se ele deveria abrir uma janela para aquela
parte que pertence a ele; trata-se de nos ensinar que seu parceiro pode dizer:
Até agora eu tive que me esconder de você apenas no quintal; mas abrindo
uma janela da qual minha casa será visível, terei que me esconder em minha
casa também.

Os rabinos ensinaram: Aconteceu com um que abriu suas janelas para o


quintal de um parceiro, e ele veio antes de R. Ismael b. R. José, que disse a
ele: Meu filho, teu hazakah é válido, como teu parceiro não protestou. Quando
este caso surgiu novamente antes de R. Hyya, ele disse: Você se incomodou
em abri-lo, se preocupou em fechá-lo. Disse R. Na'hman: Se um dos parceiros
p. 143

construiu uma parede contra a janela que foi aberta para o quintal em questão
e não foi perturbada pelo dono dela, é considerada uma hazakah
imediatamente; como alguém não toleraria que sua luz deveria ser fechada em
seu rosto e ficar em silêncio.

" Se ele comprou uma casa ... ele não deve abrir uma porta para aquele
quintal ", etc. Por quê? Porque ele aumenta os caminhantes pelo quintal (e
isso seria desagradável para os habitantes dele, pois seu trabalho no quintal
seria visível para as pessoas, do qual eles não gostariam). Mas, se assim for,
por que então a última parte permite construir uma câmara superior dentro da
casa de alguém? Ele também não aumenta os caminhantes com isso? Disse R.
Huna: Isso significa que ele pode dividir sua câmara horizontalmente, para
que ela sirva para um sótão; mas não para ampliar o prédio.

MISHNA IX : Não se deve abrir em um pátio pertencente a parceiros uma


porta ou janela oposta à porta ou janela de seu parceiro: se houver um
pequeno, ele não deve ampliá-lo; e se há uma porta, ele não deve fazer duas
delas. Tudo isso, no entanto, pode ser feito na rua pública.

GEMARA: De onde deduzimos tudo isso? Disse R. Johanan: De


[Num. xxiv. 2]: "Quando ele viu Israel acampado de acordo com suas
tribos." O que ele viu? Que suas portas não eram exatamente opostas uma à
outra. E então ele disse: Eles são dignos de que o Shekhinah deve descansar
sobre eles.

" Ele não deve ampliá-lo ." Rammi b. Hamma estava prestes a dizer, por
exemplo , que, se fosse do tamanho de quatro ells, ele não deveria chegar a
oito; porque ele leva quatro ells espaço do quintal. Mas se fosse dois ellos, ele
poderia aumentá-lo para quatro. Disse Rabha para ele: Seu parceiro pode
alegar: Quando você tinha uma pequena porta, eu podia me esconder de você,
o que não é o caso de uma grande.

" Se houvesse um ", etc. Rami b. Hamma estava prestes a dizer que, quando a
porta tinha quatro metros de largura, ele não deveria dividi-la em duas; mas se
ele tivesse oito jardas de largura, ele poderia dividi-lo em dois - cada um dos
quatro. Disse Rabha para ele: Seu parceiro pode reivindicar quando ele tinha
uma porta: eu poderia me esconder de você, o que não é o caso quando você
terá dois.

" Para a rua pública ." Porque alguém pode dizer: não importa que a minha
porta esteja aberta em frente à sua, como você deve se esconder dos
transeuntes.

MISHNA X : Não se deve fazer um buraco em terreno público; cavidades,


escavações ou cavernas. R. Eliezer, no entanto, permite isso, se a superfície do
solo permanecer forte o suficiente para suportar vagões carregados de pedras.
p. 144

Não se deve construir cercados ou varandas no espaço que pertence ao terreno


público; ele pode fazê-lo, no entanto, no espaço de sua propriedade que
enfrenta o público. Se alguém comprou um quintal e havia cercados ou
varandas em terreno público, isso constitui uma hazakah e pode permanecer
assim.

GEMARA: Por que os rabinos não permitem o mesmo que R. Eliezer


ilustrou? Porque pode acontecer que ele se quebre repentinamente e cause
danos.

" Recintos " , etc. Havia recintos da propriedade de R. Ammi em frente a um


beco, e havia também outro homem cuja propriedade estava voltada para o
terreno público; e o público reclamou, e o caso chegou antes de R. Ammi, que
decidiu que o recinto deveria ser cortado. Disse o réu: Os recintos do mestre
não estão de frente para o beco? E ele respondeu: Meus recintos estão
voltados para um beco , cujos habitantes renunciaram a seu direito em meu
nome; vocês, no entanto, estão enfrentando o públicochão. Quem pode
renunciar a você? R. Yanai tinha uma árvore curvada sobre o solo público, e
outro homem tinha o mesmo, do qual o público reclamava (que um camelo
montado não podia passar). E o réu veio antes de R. Yanai, que, disse-lhe para
deixá-lo hoje e vir amanhã. Naquela noite, R. Yanai ordenou a remoção de sua
própria árvore. E quando o réu chegou de manhã, ele disse a ele para removê-
lo. E para a pergunta: O próprio mestre não possui tal coisa? ele respondeu:
Vá e veja se o meu não é removido; se não, o seu pode permanecer; mas se
for, você deve fazer o mesmo. Mas por que R. Yanai não removeu antes que o
caso chegasse antes dele? Ele pensava anteriormente que os transeuntes
gostavam de se sentar à sua sombra; mas quando ele viu que eles estavam
reclamando, ele ordenou a remoção. E por que ele não ordenou ao réu que
retirasse a árvore antes de remover a dele? Por causa do que foi dito por Resh
Lakish (Portão do Meio, p. 287): Corrija primeiro a ti mesmo e depois aos
outros.

" No espaço de sua propriedade ." Os escolásticos propuseram uma pergunta:


se alguém deixasse espaço para isso, mas ainda não fizesse o recinto, pode
fazê-lo depois ou não? Segundo R. Johanan, ele pode; de acordo com Resh
Lakish ele não pode. Disse R. Jacob, a R. Jeremiah b. Thalipha: Eu sou capaz
de explicar a você que não houve diferença entre os dois rabinos que
acabamos de mencionar, com relação aos cercados em questão, pois ambos
concordam que eles podem ser feitos mesmo a qualquer momento. No que
eles diferem é, se alguém quiser substituir as paredes de sua propriedade em
sua posição anterior,
p. 145

e a decisão deles foi justamente o contrário. Segundo R. Johanan, ele não


pode; por causa do que foi dito por R. Jehudah (acima, p. 35 ): Um caminho
que é usado pela maioria não deve ser destruído. E de acordo com Resh
Lakish ele pode; porque mesmo assim ainda há lugar para passar.

" Se alguém comprou um quintal ", disse R. Huna: Se a parede do quintal em


questão cair, ele pode reconstruí-lo com os antigos recintos. Uma objeção do
seguinte Tosephtha: Um não deve pintar sua casa com cal ou qualquer outro
corante colorido neste momento para mostrar que ele está de luto pelo Templo
destruído. No entanto, se ele comprou tal já pintado, ele pode mantê-lo como
está; mas se cair, ele não deve fornecer a mesma pintura para os que foram
reconstruídos. (Daí o banimento é proibido.) Você não pode se opor ao luto
pelo Templo para assuntos de dinheiro comuns.

Os rabinos ensinaram: Quando o segundo templo foi destruído, muitos de


Israel se separaram de comer carne e beber vinho. E R. Josué aproximou-se
deles, dizendo: Meus filhos, por que vocês não comem carne e bebem
vinho? Eles responderam: Devemos comer carne de que os sacrifícios foram
trazidos, ou beber vinho que foi oferecido no altar? Disse R. Josué a eles: Se
assim for, não comamos pão, como a oferta de refeição também é abolida?
Então podemos viver de frutas? Eles responderam: Mas não havia também a
oferta da primeira fruta? E não era também o costume de colocar água no
altar, que não existe mais? Vamos, então, cessar o uso da fruta e da água
também. E eles ficaram em silêncio. Então disse R. Joshua para eles: Meus
filhos, venha e me escute. Seria errado não lamentar, porque o decreto
maligno é executado. Mas lamentar demais também é impossível, pois não
deve ser decretada uma proibição para a congregação que eles não poderiam
suportar, como está escrito [Mal. iii. 9 1 ]. E, portanto, os sábios disseram:
Quando alguém pintar sua casa, ele deixará parte sem pintura como sinal de
luto. [Quantos? Disse Rab Joseph: Um quadrado de ell. E Rab Hisda disse:
Isso deve ser oposto à porta.] Pode-se preparar tudo o que ele precisa para sua
refeição, deixando de fora algumas pequenas coisas como um sinal de luto. E
o mesmo acontece com uma mulher: ela pode se vestir com todos os seus
ornamentos, deixando de fora alguns dos sem importância para esse
propósito. Como está escrito [Ps. cxxxvii. 5]: "Se eu me esquecer de ti, ó
Jerusalém, a minha mão direita pode esquecer. Maio
p. 146

a minha língua se apega ao meu paladar se eu não me lembrar de ti; se não me


lembro de Jerusalém à frente da minha alegria. "O que significa a cabeça da
minha alegria? Disse R. Itz'hak: É costume colocar algumas cinzas na cabeça
do noivo no dia do casamento E R. Papai disse a Abayi: Eles costumavam
colocá-lo em suas testas no lugar de filactérios, como está escrito [Is. 11]:
"Para conceder aos enlutados de Sião - para dar-lhes ornamento "etc. E todo
aquele que está de luto por Jerusalém será recompensado ao ver sua alegria.
Como está escrito [ibid. 11: 10]:" Alegre-se muito com ela, todos os que
choram por ela ".

Há uma Boraitha: R. Ismael b. Eliseu disse: A partir daquele dia em que o


Templo foi destruído, seria justo que tomássemos sobre nós mesmos não
comer carne e não beber vinho; mas tal coisa não deve ser decretada, o que a
maioria da congregação não poderia suportar. E a partir do dia em que o
governo romano nos impôs maus decretos, proibindo-nos a Torá e seus
mandamentos, não nos permitiu circuncidar e redimir nossos filhos, seria justo
nós deveríamos tomar sobre nós mesmos para não casar e ter filhos para que
os filhos de Abraão fossem destruídos por eles mesmos; mas deixe Israel,
deixe-os fazer o que quiserem, pois é melhor que eles pecem
involuntariamente do que intencionalmente (como se isso fosse ordenado, eles
certamente não o observariam).
Notas de rodapé

84: 1 Rashbam diz que é desconhecido para ele de onde a Gemara entendeu
que R. Ismael estava entre o Sinédrio em questão.

93: 1 O texto contém apenas algumas palavras, mas é muito complicado; os


comentaristas tentam explicá-lo detalhadamente, mas diferem quanto ao
significado, e sua interpretação não é menos complicada. Fizemos o melhor
que podíamos para que o leitor tivesse uma ideia disso.

102: 1 Isso está de acordo com Rashbam. R. Gershom, no entanto, sustenta


que os dois que testemunharam o protesto notificariam o ocupante, pois
somente para esse propósito eles foram nomeados. No entanto, a partir do
texto, é impossível decidir qual dos comentadores está correto, pois existem
apenas algumas palavras. Aquele que sustenta que "dois" são suficientes é da
opinião de que "um protesto na ausência" não é considerado.

124: 1 R. José foi duas gerações depois de Rabh. Mas é costume do Gemara
escrever como se Rabh tivesse dito: "Eu ilustro isso como R. Joseph fez."

131: 1 Este parágrafo é transferido de Erubhin, 25a, pois este é o lugar


apropriado.

137: 1 Isto é colocado aqui no texto porque tudo o que foi dito e feito por
Bnaha deveria estar junto.

145: 1 A tradução de Leeser não corresponde a. Os comentaristas tentam


explicá-lo, mas não conseguem. Nós, portanto, omitimos a tradução do verso,
deixando, no entanto, a referência a ele.
p. 147

CAPÍTULO IV
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS A VENDAS
INCONDICIONAIS E CONDICIONAIS OU PRESENTES DE EDIFÍCIOS,
CASAS E PALÁCIOS: O QUE É E O QUE NÃO ESTÁ INCLUÍDO; E
TAMBÉM RELATIVAMENTE AOS JARDINS, CASAS DE BANHO E
CASAS DE PRENSA PARA O PETRÓLEO E VINHO. VENDAS DE
TODAS AS CIDADES, VALES, CAMPOS, POÇOS, ETC.

MISHNA I : Se alguém vende uma casa incondicionalmente, o yeziah que


está sobre ele não está incluído na venda, mesmo quando está aberto para a
casa, nem a câmara que está dentro, nem o telhado se tem um corrimão de dez
palmos Alto. R. Jehudah, no entanto, sustenta que, se tem a aparência de uma
porta, embora tenha menos de dez vãos, ela não está incluída na venda.

GEMARA: O que yeziah significa? Aqui (nesta faculdade) foi explicado


como αετο - gable. 1R. Joseph, no entanto, afirma que é um andar superior
com janelas. De acordo com a primeira explicação, a segunda, que é mais
valiosa, é auto-evidente e não está incluída na venda. Mas de acordo com a
última explicação, o primeiro está incluído. R. Joseph ensinou: Encontramos
dois nomes adicionais para yeziah, mencionados em I Reis, vi. 5: "E ele
construiu na parede da casa uma galeria (yeziah) ao redor." É também
chamado Zelah [Ezek. xli. 6]: "E as câmaras laterais - Zelah ", etc E
também Para [ibid. xl. 7]: "E cada célula ( para), "etc. O último também é
usado em Midoth, IV. 6: Disse Mar Zutra: Tudo o que é mencionado acima se
aplica somente quando contém quatro ells. Disse Rabhina para ele: De acordo
com sua teoria, a Mishna seguinte, que afirma : "Não o poço (não importa se o
poço é meramente escavado no chão ou cercado por muros de pedra), embora
tenha sido escrito na nota de venda que ele vendeu para ele tudo o que estava
na altura e profundidade, não está incluído na venda "- significa, também que
se não contém quatro ells é (e isso certamente não é assim)? Que comparação
é essa? O uso de um poço não é
p. 148

o mesmo que o uso de uma casa, enquanto o uso de um andar superior é


idêntico ao uso da casa; se contém quatro ells, é de valor e não está incluído
na venda; mas se menos que isso, não tem valor.

" Nem a câmara internae a nota de venda especifica uma casa, então
certamente ele lhe vendeu uma casa, não um palácio. E se as pessoas chamam
o edifício inteiro de uma casa (não um palácio), então ele certamente lhe
vendeu a casa com todo o seu conteúdo? Ele fala de um caso em que a maioria
chama de casa, mas a minoria o nomeia palácio. Pode-se dizer que ele vendeu
todo o edifício. R. Na'hman vem nos ensinar que, em tal caso, ele deveria
escrever na nota fiscal: "O edifício inteiro é vendido para você e eu não
reservo nada para mim". E porque isso não foi mencionado, é para ser
considerado que ele lhe vendeu apenas uma casa deste edifício e o restante ele
deixou para si mesmo. O mesmo disse novamente em nome da mesma
autoridade: Se alguém vendesse um campo situado em um vale, embora na
nota de venda sejam especificados os limites do vale, ele vendeu apenas o
campo e não o vale inteiro, já que a especificação deve ser considerada
necessária apenas para definir a situação do vale. Vamos ver como foi o
caso? Se as pessoas fazem uma distinção em chamar o um campo e o outro
vale, e a conta de vendaespecifica um campo, então certamente ele lhe vendeu
um campo (etc., etc., como acima). E a resposta também é a mesma que
acima, porque, como não estava escrito na nota de venda que ele não reservara
nada para si mesmo, ele lhe vendeu apenas um campo. E ambos os casos eram
necessários para R. Na'hman ensinar; já que, se ele tivesse ensinado apenas
uma casa, pode-se dizer que há uma diferença entre usar um palácio e usar
uma casa. Mas no caso de um vale de que o uso de
p. 149

cada parte é igual, todo o vale é vendido. E se ele ensinasse apenas a partir de
um vale, poder-se-ia dizer que, porque não havia necessidade de o vendedor
especificar que campo do vale ele o vendia, pois cada parte dele é usada para
um mesmo propósito; considerou que ele lhe vendeu apenas um campo. Mas
no caso de um palácio cujas câmaras são para usos diferentes, deve ser
especificado na nota de venda que a casa foi vendida; e como não era, todo o
edifício foi vendido: portanto ambos eram necessários.

Segundo quem é a afirmação de R. Mari, filho da filha de Samuel, em nome


de Abayi, que se alguém vender ao seu vizinho uma propriedade, deve
escrever na nota fiscal: "Não reservo nada para mim "? De acordo com a
declaração de R. Na'hman em nome de Rabba b. Abuhu.

Houve um que disse ao seu comprador: Eu vendo para você o terreno de B.


Hyya. E havia dois pedaços de terra que se chamavam B. Hyya (e o
comprador alegou que ambos foram vendidos a ele, enquanto o vendedor
insistia que apenas um deles era vendido a ele). Quando o caso chegou antes
de R. Ashi, ele decidiu que apenas um foi vendido (como o vendedor disse a
ele, "eu te vender o chão" - singular, e não os "motivos"); e se até o vendedor
dissesse as terras, então significaria duas. E se fossem três, o terceiro não seria
vendido, a menos que ele dissesse: "Eu vendo todo o terreno que possuo." E
mesmo assim, se o vendedor possuísse, além deste solo, pomares e vinhedos,
estes últimos não seriam vendidos. E se o vendedor disser: "Eu te vendo
meu zihra"(o que significa nos campos e plantas da língua persa), então os
pomares e vinhedos pertencem ao comprador, mas não casas nem escravos, a
menos que ele dissesse:" Eu vendo para você todas as propriedades que
possuo. "

Se em uma nota de venda para o setor imobiliário, foi especificado um limite


de um comprimento de cem ells no lado oeste, e do comprimento de cinquenta
ells somente no lado leste? Disse Rabh: O título é dado ao comprador
correspondendo apenas ao limite mais curto ( isto é , que a especificação de
cem ellas no lado oeste deve ser considerada apenas uma marca para
identificar o início de seu campo).

Disse R. Kahana e R. Assi para Rabh: Que seja considerado que ele vendeu
para ele um triângulo ( isto é , que deveria ser medido a partir do final de
cinquenta no lado leste para o cem do lado oeste, e a outra propriedade não
deve pertencer a ele). E Rabh não respondeu. (Diz o Gemara :) Se o
p. 150

campos adjacentes no lado oeste pertenciam a A e B, e no lado leste a C e D, e


na nota de venda foi especificado a partir do limite de A e B para o limite de
D do outro lado, então mesmo Rabh admite que é para ser considerado que ele
lhe vendeu um triângulo, como o limite de C não foi mencionado.

Se E possuir um campo adjacente ao campo de A de leste a oeste, e B de norte


a sul, e ele vier vendê-lo, deverá escrever na nota fiscal: "Eu vendo o campo
adjacente ao campo de A de ambos os lados, e também B de ambos os lados
". E não é suficiente que ele escreva: "Meu campo, que é entre os campos de
A e B", como então ele poderia alegar que ele vendeu a ele apenas a metade
( ie, uma metade no lado oeste ao lado de A e uma metade no lado sul
adjacente a B, e o restante ele reservou para si mesmo). Se na conta de venda
os três limites do campo foram especificados, mas não o quarto, de acordo
com o título Rabh é dado ao comprador de todos os três limites, exceto uma
cama do quarto, que não foi especificado na nota de venda . Samuel, no
entanto, afirma que o título é dado ao todo, até o quarto. Mas R. Assi afirma
que o título é dado ao comprador para uma cama em todo este campo
apenas. E a razão de sua teoria é que ele concorda com Rabh, que a partir do
fato de que o quarto limite é omitido na nota fiscal, deve-se presumir que ele o
reservou para si mesmo. E isso sendo reservado para si mesmo, assim como
sua intenção com os outros limites,

Disse Rabha: O Halakha prevalece que o comprador adquire título para o


campo inteiro, até o quarto limite, contanto que esteja contido nos três
limites; mas se não for contido, o título não é dado. E mesmo que seja, mas
contém árvores inoculadas, ou o quarto limite era de um tamanho no qual
nove kabs de grãos podiam ser semeados, é excluído.
Deixe-nos ver! Rabha afirma que se houvesse árvores inoculadas, ou eram
nove kabs, o título não é dado, a partir do qual se deve entender que, se não
for contido corretamente, o título não é dado ao quarto limite, embora não
contenha acima. Podemos inferir desta afirmação que, embora ele não tenha
escrito na nota fiscal de que ele não reservou nada para si mesmo (como é dito
acima que assim deve ser escrito em uma nota fiscal), supõe-se que ele não
reservou nada para si mesmo. , e também que o Halakha prevalece que se está
contido o título é dado, desde que não houvesse árvores, e o tamanho fosse
menor que nove kabs. Mas
p. 151

se houvesse, o título não é adquirido. No entanto, foi ensinado em nome de


Rabha apenas o inverso; e, portanto, se tal caso for apresentado a um tribunal,
devemos deixá-lo à consideração dos juízes.

Rabba disse: Se A e B eram parceiros em um campo, e A vendeu sua parte


para C, declarando na nota de venda: "Eu te vendo a metade que eu tenho
desse terreno", então toda a sua parte é vendida, e ele não reservou nada para
si mesmo. Se, no entanto, afirma, "Metade do terreno que possuo", então ele
vendeu apenas um quarto de todo o campo, que é metade do seu. E para a
pergunta de Abayi: "Por que deveríamos fazer uma diferença entre as duas
afirmações (é somente porque na primeira afirmação a 'base' foi mencionada
mais tarde, e na outra afirmação a expressão 'base' é mencionada primeiro)?
" Rabba ficou em silêncio. Disse Abayi: Eu pensei que porque ele estava em
silêncio, ele recuou de sua declaração, e aceitou minha opinião; mas não foi
assim, como eu vi as contas de venda que foram aprovadas pelo tribunal do
meu mestre, e em referência à expressão "Eu vendo a metade que possuo no
solo", o tribunal assinalou em sua aprovação "que metade de todo o campo é
vendido para assim e assim", e em referência ao projeto de lei venda que foi
escrita, "Metade do terreno que possuo", a aprovação do tribunal foi: "Um
quarto de todo o campo é vendido para assim e assim." Rabha disse
novamente: Se dois parceiros dividiram seus bens, e um deles diz para outro:
"Eu vendo a você a sua parte no chão", e ele mostra a fronteira, que começa
do chão pertencente ao seu parceiro depois da morte. divisão, então toda a sua
parte é vendida. Mas se o mesmo mostra-lhe o limite de sua propriedade não
do lugar que pertence após a divisão ao seu ex-parceiro, mas do lado
oposto, 1 E também aqui Abayi o questionou sobre a razão das diferentes
decisões, nas quais ele novamente ficou em silêncio; e os escolásticos que
ouviram isso pensaram que ele havia recuado de sua declaração, e em ambos
os casos toda a sua parte foi vendida. Na realidade, porém, não foi
assim. Como R. Youmar b. Shlamjah disse: Abayi me explicou que não há
diferença se ele mostrou a fronteira a partir da qual ele dividiu, ou o lado
oposto. Se ele adicionou
p. 152
a sua declaração "e todos os seus limites", então toda a sua parte é
vendida; mas se ele não adicionou nada, então um campo de nove kabs só é
vendido.

É certo que, se um homem doente dissesse em seu último testamento: "Assim


e assim compartilharão minhas propriedades", ele quis dizer a metade
exata; mas como é se ele dissesse: "Dá uma parte para isso e aquilo em
minhas propriedades"? Disse Rabhina b. Kisi: Venha e ouça o seguinte
Boraitha: Se alguém dissesse: "Dê uma parte para fulano no meu bem" - disse
Symmachos: Não menos de um quarto é para ser (como é certo que ele queria
ajudá-lo em regando seus campos, e os rabinos supõem que um quarto do
poço é suficiente para esse propósito). Se, no entanto, ele disse: "Dê uma parte
do meu poço em seus barris" (em que o propósito acima não pode ser
suposto), não menos do que uma oitava parte se entende. (Este Rashbam
explica como implicando que ele queria ajudá-lo a regar o seu gado. R.
Gershom afirma: Então foi o costume - encher seus barris com água, com o
propósito de usá-lo o ano inteiro.) E se foi dito: "Dê-lhe uma parte do meu
poço para suas panelas", não menos do que uma décima segunda parte. é
considerado; e se foi dito: "Dê-lhe por seus pequenos vasos", então uma
décima sexta parte 1 do poço é destinado.

Assim, vemos que, de acordo com Symmachos, se ele dissesse: "Dê a ele uma
parte do meu bem", sem quaisquer observações adicionais, significa que um
quarto é necessário; e o mesmo é o caso quando ele disse: "Dê-lhe uma parte
em minhas propriedades".

Os rabinos ensinavam: Um levita que vendeu um campo a um israelita com a


estipulação de que os dízimos do campo (que o israelita deve separar)
deveriam pertencer a ele, esta estipulação é válida; e se a estipulação fosse
"para mim e para meus filhos", se o levita morrer, o dízimo deve ser dado a
seus filhos. Mas se ele disser: "Enquanto o campo estiver em suas mãos",
então, se o israelita o vender e rebitar depois, o levita não tem mais nada a ver
com isso. Mas por que o dízimo pertence a ele? Não há uma regra que não se
pode conceder uma coisa que ainda não existe, e como os produtos do campo
ainda não surgiram, conseqüentemente o dízimo não existe? A estipulação
acima deve ser considerada como
p. 153

se ele dissesse: O espaço em que o primeiro dízimo deve crescer eu reservo


para mim mesmo.

Disse Resh Lakish: A partir disso podemos inferir que, se alguém vendeu uma
casa com a estipulação, "A diáta superior (câmara) permanecerá para ele", a
estipulação é válida. Para que finalidade ele afirma isso? Não é dito acima
que, mesmo sem qualquer estipulação, se não está claramente indicado na
nota de venda que esta diáta vai com a casa, continua a ser do
proprietário? Disse R. Zebid: Resh Lakish tinha a intenção de ensinar que, se
houvesse tal estipulação, o proprietário teria o direito de fazer recintos no
sótão, de frente para o quintal desta casa, e o comprador não pode impedi-lo,
pois a estipulação era para este propósito. E R. Papa sustenta: Se o vendedor
quiser construir outro sótão, poderá fazê-lo.

(Diz o Gemara :) De acordo com a explicação de R. Zebid, está correto, o que


Resh Lakish disse: "A partir disso podemos inferir", como ensina a Boraitha
acima, que sua estipulação deve ser considerada como reservando espaço para
si mesmo. Assim também com a estipulação quanto ao sótão - ele reserva
espaço para si mesmo para fazer recintos, etc. Mas, de acordo com a
explicação de R. Papa, como este caso pode ser inferido a partir daquele
Boraitha? Essa dificuldade permanece.

R. Dimi de Nahardea disse: Se alguém vende uma casa com a intenção de dar
título a todo o seu conteúdo, embora a nota de venda indique de baixo para
cima, o título não é adquirido em poços, etc. ), a menos que ele escreva:
"Você deve adquirir título das profundezas da terra até a altura do céu." E não
é suficiente afirmar: "Desde a profundidade até a altura desta casa é vendido a
você"; e a razão é porque a última expressão dá título somente àquilo que está
abaixo da casa, como um porão, porão, etc., e também ao telhado e ao sótão,
mas não é suficiente para o poço e suas paredes de pedra, que não estão
incluídos no mesmo. No entanto, a expressão "desde a profundidade da terra
até a altura do céu" inclui também

Os escolásticos 1 propôs uma pergunta: Se alguém vendeu ou apresentou a


casa a um homem e os diæta a outro, deveria ser considerado uma reserva, ou
porque ele vendeu os diæta para
p. 154

outra pessoa, ele não reservou nada para si mesmo, e isso não pode ser
considerado? E se você vai dizer que tal não é considerado, como é se o
vendedor disse: "A casa é vendida para você, exceto os diæta " (mas não
disse: "eu reservei para mim")? Disse Rabha em nome de R. Na'hman: Se
concluirmos que a casa para um e os diæta para outro não é considerada uma
reserva, o último caso, além dos diæta , deve ser considerado, e estará de
acordo com R. Zebid, que disse acima que, se ele gosta de fazer recintos, etc,
ele pode fazê-lo. Daí vemos que, como ele deixou o diæta para si mesmo
assim ele fez com o espaço dos recintos.

MISHNA II .: Título não é dado a um poço, ou ao seu muro de pedra (se isso
não foi claramente mencionado na nota de venda da casa), embora seja
mencionado que ele lhe vendeu a profundidade e a altura; no entanto, o
vendedor deve comprar um caminho para o poço do novo dono da
casa. Assim é o decreto de R. Aqiba. Os sábios, no entanto, sustentam que
isso não é necessário; e R. Aqiba admite que não é necessário que o vendedor
compre uma forma se ele disse claramente que o poço em questão não foi
incluído na venda. Se, no entanto, a casa foi vendida para alguém, e o poço
para outra pessoa, não é necessário que este compre o caminho do dono da
casa, segundo R. Aqiba; mas de acordo com os sábios é.

GEMARA: Rabhina estava sentado e deliberando sobre a dificuldade das


expressões no Mishna, Bour (bem) e Duth (um poço cercado por um muro de
pedra). Eles não são para o mesmo propósito? Por que, então, era necessário
mencionar os dois? Disse Rabha para ele: Venha e ouça os seguintes
Boraitha: Bour and Duthambos significavam um poço escavado no solo, mas
o primeiro significa um solo sólido sem uma parede para conter água, e o
segundo meio rodeado por um muro de pedra. (Portanto, se o Mishna deve
mencionar o primeiro, pode-se dizer que, porque não é cercado por alvenaria
não está incluído na venda, mas o segundo, que é um tipo de construção, está
incluído. E se o segundo foram mencionados, pode-se dizer que, porque é um
edifício separado e de valor, portanto, não está incluído, mas o primeiro, que
não é de grande valor, é, portanto, ambos são necessários.) E assim também
explicou Mar o Elder, o filho de R. Hisda, para R. Ashi.

" Ele deve comprar um caminho ", etc. E o ponto de diferir deles é que R.
Aqiba afirma que geralmente o vendedor vende seus bens com um bom olho
(explicado acima, p. 98 ), e os rabinos seguram
p. 155

o contrário. E onde quer que seja dito: "R. Aqiba está de acordo com sua
teoria de que o vendedor vende seus bens com um bom olho", o argumento é
baseado nesta afirmação. [E para que ninguém diga que o ponto de sua
diferença é outra coisa, como, por exemplo , o vendedor não poderia pretender
que alguém deveria voar para seu poço através do ar, etc., portanto, há
repetido na última parte do Mishna o mesma diferença de opinião, ensinar que
somente na suposição de um olho bom e ruim é o ponto de sua diferença.]

Foi ensinado: R. Huna em nome de Rabh disse: A Halakha prevalece de


acordo com os sábios; e R. Jeremiah b. Aba em nome de Samuel: A Halakha
prevalece de acordo com R. Aqiba. Disse o último ao primeiro: Por que,
muitas vezes eu disse diante de Rabh que a Halakha prevaleceu de acordo
com R. Aqiba, e ele não disse nada para mim. E ele se reuniu: "Isso porque
você ensinou antes dele o contrário - que R. Aqiba era da opinião de que o
vendedor vende com um olho ruim". 1 Disse Rabhina a R. Ashi: Devemos
assumir que Rabh e Samuel decidiram de acordo com suas teorias em outros
lugares (Cap. I, p. 16), onde eles diferem também em relação a irmãos que
dividiram sua herança; e se é assim, por que repetiram esta afirmação duas
vezes? (Respondido R. Ashi :) Era necessário, como, se um dos dois fosse
citado, alguém poderia dizer que Rabh decidiu sobre os irmãos, como alguém
poderia dizer: "Eu gosto de morar na casa onde meus pais moravam." Como
está escrito [Ps. xlv. 17]: "Em vez de teus pais serão teus filhos." Mas nos
outros casos ele concordaria com Samuel. E se o outro caso fosse declarado,
poder-se-ia dizer que somente neste Samuel difere com Rabh, mas
concernente aos irmãos, Samuel concorda com ele. Portanto, ambas as
declarações foram necessárias.

Disse R. Na'hman para R. Huna: Deve a Halakha prevalecer como


declaramos, ou de acordo com você? E ele respondeu: A Halakha deve ser
estabelecida de acordo com você, pois você está mais perto dos Exilarchs,
cujos juízes são competentes e podem ser confiáveis.

Foi ensinado: 2 Duas casas, uma além da outra, de modo que uma passa pela
outra indo para a rua ou para o quintal, e ambas são vendidas, ou presenteadas
como presente, a duas pessoas diferentes ---
p. 156

nenhum deles tem o direito de passar pela casa do outro sem sua permissão, e
muito menos quando a casa interior é vendida e o exterior é apresentado como
um presente. Mas como é o caso se a casa exterior é vendida, e o interior é
apresentado como um presente? Os escolásticos estavam prestes a dizer que o
mesmo é o caso. No entanto, eles se opuseram ao seguinte Mishna, que
afirma, no último Mishna deste capítulo, que "há uma diferença com um dom"
etc., do qual vemos que todos concordam que aquele que faz um presente o
faz com um bom olho. O mesmo é o caso aqui, quando o dono da casa vendeu
uma vez o exterior, e fez um presente do interior, como foi com um bom olho,
para que ele tenha o direito de passar.

MISHNA III .: Se alguém vende uma casa, a porta é vendida, mas não a chave
para ela; a argamassa estacionária na casa, mas não o móvel - o
ετροβιλος; (todo corpo giratório - aqui, no entanto, significa a pedra inferior
de um moinho de mão), mas não o funil de moinho, nem um forno ou
fogão. Se, no entanto, ele lhe dissesse: "A casa com todo o seu conteúdo",
todos eles são vendidos.

GEMARA: Esta Mishna não está de acordo com R. Meir, que disse: Se
alguém vendeu um vinhedo, ele vendeu todos os vasos que são usados para o
mesmo.

Os rabinos ensinavam: Se alguém vendeu uma casa, vendeu com ela a porta, o
ferrolho e a tranca, mas não a chave; a argamassa gravada, mas não aquela
que só é anexada; a pedra mais baixa, mas não o funil do moinho, nem o forno
ou fogão nem o moinho de mão. R. Eliezer, no entanto, sustenta que tudo o
que está ligado ao solo deve ser considerado como o solo propriamente
dito. Se, no entanto, o vendedor disser: "A casa e todo o seu conteúdo", todos
eles são vendidos. Mas, em todo caso, o poço, as pedras ao redor e
o yeziah não são vendidos.

R. Nehemiah b. R. Joseph enviou uma mensagem de uma mulher para Rabha


b. R. Huna o menor 1 na cidade de Nahardea: Quando esta mulher aparecer
diante de você, você deve coletar em seu nome o décimo de todas as
propriedades pertencentes a seu pai, para seu apoio, mesmo das pedras
inferiores das moendas. Disse R. Ashi: Quando estávamos com R. Kahana,
costumávamos coletar para tal propósito até mesmo do aluguel das casas (a lei
é que, para o sustento de uma filha, um décimo do real
p. 157

a propriedade deve ser recolhida, e R. Ashi defende que o aluguel de imóveis


deve ser considerado o mesmo para este propósito).

MISHNA IV : Se alguém vendeu um quintal, as casas, poços, caves e cavernas


estão incluídos, mas não propriedade móvel. Se, no entanto, ele disse "com
todo o seu conteúdo", tudo é vendido; em qualquer caso, se houvesse casas de
banho ou de imprensa, elas não estão incluídas. R. Eliezer, no entanto,
sustenta: Se alguém vendeu o quintal sem nenhuma explicação, ele vendeu
apenas o terreno, mas nada mais. (Mesmo se, de acordo com o montante que
foi pago pelo comprador, parece que todo o seu conteúdo é vendido, como a
lei de enganar não se aplica ao setor imobiliário .-- Rashbam.)

GEMARA: Os rabinos ensinavam: Se alguém vende um quintal, as casas


exteriores, as internas, Beth Hulsauth , 1 e as lojas que estão abertas no interior
estão incluídas na venda, mas não as que estão abertas no exterior. Se, no
entanto, eles estão abertos em ambos os lados, eles estão incluídos. R. Eliezer,
no entanto, afirma que se vendesse o estaleiro, ele venderia apenas
as toupeiras ( ou seja , a grande massa do ar). O texto diz que, se estiverem
abertos de ambos os lados, serão vendidos com ele; mas não R. Hyya ensinou
que eles não são? Isso não apresenta dificuldade. Nossa Boraitha fala daquilo
de que o principal uso estava dentro, e R. Hyya fala daquilo de que o principal
uso estava do lado de fora.

" Eliezer disse ," etc. Disse Rabha: Se o vendedor dissesse: "Eu te vendo este
foreyard", todos concordam que as casas estão incluídas; mas se ele dissesse:
"Eu te vendo o quintal", eles diferem. De acordo com os rabinos, o quintal
com todo o seu conteúdo significa, como o pátio do tabernáculo, que está
escrito: "o comprimento do pátio" [Ex. xxvii.], e todo o seu conteúdo é
significado; e R. Eliezer sustenta que com a palavra "quintal" se entende
apenas o ar.
Rabha, em nome de R. Na'hman, disse: Se alguém fez uma hazakah
no Chulsu , o título é adquirido no solo até uma profundidade na qual a prata
ou o ouro, se encontrados, pertencem a ele. Isso não é evidente? Samuel não
disse: Se alguém vendesse dez campos em dez países diferentes, assim que
fizesse uma hazakah em um deles, o título seria adquirido para todos? Para
que não se diga que há uma diferença, como a superfície da terra é igual em
todos os lugares, e os campos são similarmente adaptados para o plantio, eles
são, portanto, considerados como se fossem unidos uns aos outros; mas no
nosso caso o uso das duas coisas mencionadas é diferente,
p. 158

e pode-se dizer que o título não é dado ao chão - portanto, a declaração de


Rabha.

MISHNA V .: Se alguém vende uma gráfica, a venda inclui a calha, a viga de


impressão ou a pedra de estaca, e os pólos, mas não as placas que são
colocadas em uvas enquanto pressionadas; nem a roda nem a vara de
pisar. Se, no entanto, ele lhe dissesse: "Esta casa de imprensa, com todo o seu
conteúdo", tudo é vendido. R. Eliezer, no entanto, sustenta que a expressão
"casa de imprensa" significa apenas o pisa-de-pau.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: Se alguém vender uma gráfica, a venda


inclui as placas de bronze que impedem a dispersão das uvas, a depressão, as
vigas de pressão e as pedras inferiores do moinho de mão, mas não as pedras
superiores. Se, no entanto, ele disse: "Com todo o seu conteúdo", tudo é
vendido. Em qualquer caso, nem as tábuas que são colocadas nas uvas durante
a prensagem, nem os sacos, nem os sacos de embalagem são vendidos. R.
Eliezer, no entanto, sustenta que quem vende uma assessoria de imprensa
também vende o trenó, já que a expressão "assessoria de imprensa" significa
principalmente o "trenó".

MISHNA VI .: Se alguém vender uma casa de banho, a venda não inclui as


tábuas no chão (os banhos naquela época eram aquecidos sob o piso de pedra,
e as tábuas eram colocadas no chão para pisar), a bacia, nem as cortinas nas
portas. Se, no entanto, ele dissesse: "Com todo o seu conteúdo", tudo é
vendido; mas em qualquer caso a venda não inclui os canais com água, nem as
pilhas de madeira preparadas para a casa de banho.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: Se alguém vendeu uma casa de banhos, a


venda inclui as casas separadas para guardar as tábuas, as banheiras, as bacias
e as cortinas; mas não as pranchas, nem as banheiras, nem as bacias, nem as
cortinas. Se, no entanto, ele lhe dissesse: "Com todo o seu conteúdo", tudo é
vendido. Em qualquer caso, no entanto, os canais que contêm água para o uso
de banho no verão e estações chuvosas não são vendidos, nem as casas para
armazenar a madeira, a menos que ele disse: "A casa de banhos com todos os
seus implementos", então a venda inclui tudo o que pode ser usado para fins
de banho.

Havia um homem que disse: "Eu vendo a casa de imprensa com todos os seus
implementos", e havia algumas lojas fora da casa de imprensa, onde a papoula
estava espalhada para secar, e o comprador alegou que elas estavam também
incluído, enquanto o vendedor alegou que não eram. O caso chegou antes de
R. Joseph, que decidiu de acordo com o Boraitha acabou de citar,
p. 159

que, nesse caso, tudo o que talvez usado para esse fim é vendido. Disse Abayi
para ele: Mas o R. Hyya não ensina o contrário? Portanto, disse R. Ashi: Deve
ser investigado como a venda foi; se ele dissesse "a casa de imprensa com
todos os seus implementos e também seus limites", então o título é dado a
todos eles, mas não de outra forma.

MISHNA VII .: Se alguém vende uma cidade, a venda inclui casas, poços,
cavernas, casas de banho e imprensa, casas de pombos, e também Beth
Hashal'hin, mas não a propriedade móvel, a menos que ele disse, "a cidade
com todos seu conteúdo"; então, mesmo se houvesse gado ou escravos, eles
também são incluídos na venda. R. Simeon b. Gamaliel disse: Aquele que
vende uma cidade vende também o santer (o significado será explicado mais
adiante).

GEMARA: Disse R. A'ha b. R. Ivya para R. Ashi: A partir desta Mishna deve
ser entendido que os escravos são considerados propriedade móvel; como, se
fossem considerados imóveis, seriam vendidos com a cidade sem qualquer
estipulação. Respondeu ele: Mesmo de acordo com a sua teoria de que eles
são considerados bens móveis, por que os Mishna afirmam que se ele dissesse,
" mesmo com todo o seu conteúdo", os escravos também são vendidos, dos
quais deve ser entendido que não são bens móveis adequado? E o que você
poderia responder a isto - que há uma diferença entre a propriedade móvel que
deve ser carregada e a que é autocomprometida? A mesma resposta pode
aplicar-se também à teoria de que os escravos são considerados bens imóveis,
pois há uma diferença entre imóveis estacionários "e aqueles que se movem
por si mesmos".

" Vendeu o santer ." O que essa palavra significa? Aqui na Babilônia eles
explicaram "guarda" ou "oficial de justiça" (um escravo). Simeon b. Abtulmus
disse: Significa um pagus (terra que circunda a cidade). Segundo ele, que
explica isso como "guarda" etc., tanto mais é o pagusincluído na venda; mas
de acordo com ele que explica isso como um pagus , o guarda não está
incluído. Uma objeção foi levantada de nossa Mishna, que afirma: "casas de
imprensa e Beth Hashal'hin", e os escolásticos explicaram a
expressão shal'hin (que em toda parte significa campo seco) como
significando os jardins ao redor da cidade, que também normalmente para ser
regada.como um pagus , quando o Mishna deve ser explicado assim: O
primeiro Tana afirma que apenas os jardins ao redor da cidade estão incluídos,
mas não qualquer outra coisa; e R. Simeon b. Gamaliel veio para adicionar
o pagus ; que, de acordo
p. 160

a sua opinião, também está incluído. Mas de acordo com ele que
explica santer como um "guarda", se for assumido que o primeiro Tana fala
sobre jardins, o R. Simeon deve respondê-lo com um "guarda"? Não! A
explicação da palavra shal'hin não é jardins, como você pensou, mas, como
em toda parte é explicado, terra seca, que significa pagus . [E esta explicação
está correta, como está escrito [Jó, v. 10]: "E envia águas", etc., que é a
tradução de Veshilea'h .] E R. Simeon b. Gamaliel chegou a dizer: Não apenas
um pagus , mas até mesmo o "guarda", também está incluído.

Venha e ouça outra objeção! R. Jehudah disse: O santer não está incluído,
mas o anqlmus (o escriba da cidade, que geralmente era um escravo para
quem todos os campos circunvizinhos em que os impostos deviam ser
coletados eram conhecidos). Assim como o escriba anqlmussignifica um
homem, assim também deve Santer significar um homem? Por
quê? Santer pode significar um pagus e anqlmus a man. Mas isso não pode
ser, por causa da última parte do dito Boraitha, que afirma: Não inclui, no
entanto, o shirih , nem as aldeias ao redor da cidade, nem as florestas que
estão perto dele, e também não o viveiro.de animais selvagens, aves ou
peixes. E para a pergunta, o que significa a palavra shirih ? foi dito por R.
Aba: Significa pedaços de pagode ( isto é , terra seca que circunda a cidade,
quebrada por pedras). Agora você pode dizer que parte do pagus não é
vendida, enquanto todo o pagus é? Inverta os nomes! R. Jehudah disse:
O anqlmus não é vendido, mas o santer é.

Mas como você pode dizer que R. Jehudah está de acordo com R.
Simeon? Ele não segura os rabis, que disseram: "As aldeias que cercam a
cidade não são vendidas", enquanto R. Simeon b. Gamaliel disse claramente
em um Boraitha: A venda da cidade inclui as aldeias por perto também? Isso
não importa. R. Jehudah pode concordar com ele em uma coisa e diferir em
outra.

" 'Biotério' de animais selvagens " etc. Há uma contradição da seguinte


Boraitha: Se aldeias pertencem à cidade, elas não são vendidas com ela; se a
cidade contém uma parte do mar, ou tem um viveiro de feras, aves ou peixes,
eles são vendidos com eles. Isso não apresenta dificuldade! Um Boraitha fala
de quando a entrada do viveiro era da cidade, e o outro fala de quando a
entrada era do campo. Mas não o primeiro estado Boraitha: Nem as florestas
que enfrentam a cidade (o que significa também a entrada da cidade)? Leia:
As florestas separadas dele.
p. 161

MISHNA VIII .: Se alguém vende um campo, a venda inclui as pedras que são
necessárias para o seu uso; e se era um vinhedo, os paus que são usados para
manter as videiras em ordem. Também os caules que estão presos ao solo, os
arbustos de cana se eles ocupam um espaço menor do que aquele em que um
quarto de um canguru pode ser semeado, a cabana (onde o vigia guarda) se
não está suja de argila, e uma alfarroba ou um sicômoro não inoculado; mas
não as pedras, as varas de uma vinha que não são para uso naquele tempo,
nem o grão que não está preso ao solo. Se, no entanto, ele diz "com todo o seu
conteúdo", tudo é vendido. Em qualquer caso, no entanto, a venda não inclui
os canaviais se eles ocuparem mais espaço do que o mencionado acima, e não
a cabana se manchada com argila, e não uma alfarroba ou plátano quando
inoculados.

GEMARA: Que pedras devem ser consideradas necessárias para uso? Aqui
nesta faculdade foi explicado, pedras que são preparadas para colocar sobre os
feixes, para que elas não sejam espalhadas pelo vento. Ula, no entanto, disse:
Significa que as pedras estão dispostas para uma parede.

Mas não ensinou R. Hyya: As pedras que foram reunidas em pilhas para este
propósito? Leia: arranjado. Para aquele que explica as pedras como para
colocar sobre os feixes - de acordo com R. Meir, que diz em outro lugar que
se alguém vende uma vinha todas as coisas que são úteis para ela são vendidas
com ela, as pedras em questão são incluídas, mesmo quando eles são
colocados fora do campo; e de acordo com seus oponentes, somente quando
eles são colocados no campo e preparados para este propósito. E para a
explicação de Ula que isso significa pedras para uma parede - de acordo com
R. Meir mesmo quando eles não foram arranjados, e para seus oponentes
somente quando eles foram arranjados.

" Os paus ", etc. A escola de R. Yanai diz: Significa postos para apoiar a
videira, a fim de evitar a sua flexão. E de acordo com R. Meir, mesmo quando
eles não estavam preparados para esse propósito; e para os rabinos seus
adversários, no entanto, somente quando já colocados sob a videira.

" Caules que estão ligados ", etc. Mesmo quando estão maduros para a
colheita.

" Os canaviais ", etc Embora eles estão crescendo separadamente, ou os mais
grossos, que não têm nada a ver com a vinha.

" A cabana " etc. Embora não estivesse presa ao solo.


" E a alfarroba ", etc. Embora grossa e forte.
p. 162

" Mas não as pedras " etc. De acordo com R. Meir, quando eles não estavam
preparados para esse propósito, e de acordo com os rabinos quando eles
estavam fora do campo; e também à explicação de Ula - segundo R. Meir,
quando não estavam preparados, e aos rabinos, quando não estavam dispostos.

" Os postos de apoio ", etc Segundo R. Meir, quando eles não estavam
preparados, e de acordo com os rabinos, quando eles não foram colocados sob
a videira.

" Quando eles não estavam ligados ", etc Mesmo assim eles ainda precisavam
de terreno para secar.

" E não os canaviais ." Embora eles ainda sejam pequenos. E R. Hyya b. Aba
disse em nome de R. Johanan: Não apenas arbustos de caniço, mas mesmo se
houvesse um pequeno leito de especiarias, tendo um nome separado, ele não
está incluído na venda. Disse R. Papa: Desde que eles são chamados as
especiarias de tal e tal.

" E não a cabana ", etc. Embora estivesse preso ao chão.

" Nem a alfarroba " etc. De onde é deduzido isso? Disse R. Jehudah em nome
de Rabh: De [Gen. xxxiii. 17]: "E o campo de Ephron ... e todas as árvores
que estavam no campo, que estavam em todas as suas cercanias ao redor,
foram certificadas"; a partir do qual deve ser entendido que todos aqueles sem
as fronteiras foram excluídos (e assim também a alfarroba inoculada, etc., são
de valor separado e não tinham nada a ver com o seu campo). Disse R.
Mesharshia: Desta passagem inferimos que o limite é vendido ao comprador
com o campo biblicamente; isto é , porque está escrito "ao redor", que é o
limite, e foi vendido por Ephron com o campo.

R. Jehudah disse: É aconselhável para alguém que vende sua propriedade para
escrever na nota de venda "adquirir título para as árvores, para as plantas
jovens, também para aquelas árvores que não dão frutos". E embora o título
seja dado a todos esses, mesmo que não tenha sido escrito, é melhor que a
nota fiscal contenha as palavras que acabamos de mencionar. Se alguém
dissesse: "Eu te vendo o chão e darei árvores", então, se houvesse tal coisa em
sua propriedade, ele deveria dar a ele dois deles; e se não houvesse, ele teria
que comprar dois para ele; e se ele os possui, mas eles estavam hipotecados,
ele tem que resgatar dois para ele. Se ele dissesse: "Eu vendo a propriedade
com as árvores de data", se a propriedade contiver tal, a venda é válida; e se
não, a venda é nula. Se ele disse: "Uma propriedade em que existem árvores
de data", e não havia nenhuma, a venda é válida; porque ele quis dizer, é
adequado para eles. Se ele dissesse: "Eu vendo para você esta propriedade,
p. 163

exceto tal e tal árvore, "deve-se investigar se esta árvore é boa e produz muito
fruto - então ele a reserva para si mesmo; mas se foi uma má, que não produz
frutos, ou apenas um pouco, e neste campo eram melhores, tanto mais ele os
reserva para si mesmo, se ele dissesse: "Eu te vendo este campo, exceto as
árvores", se houvesse muitos tipos de árvores eles certamente não seriam
incluídos. mas mesmo que contivesse apenas árvores ou vinhas, elas também
são excluídas.Se, no entanto, houvesse árvores e vinhas, as árvores só são
excluídas, e se houvesse árvores e vinhas de data, as árvores de data são
excluídas, mas não videiras.

Rabh disse: Uma árvore de data é considerada uma reserva somente quando
ele deve subir com uma corda para coletar a fruta; mas se não for tão alto, não
é considerado uma reserva. Os juízes do Exílio (Samuel e Karna), no entanto,
sustentam: Se isso não impede o jugo de bois que estão arando ao redor, isso
não é considerado uma reserva; mas se isso impede, é. No entanto, eles não
diferem, como Rabh fala de uma árvore de data e eles tratam de outras
árvores.

R. A'ha b. Huna questionou R. Shesheth: Como é que o vendedor diz: Aceite a


metade de tal e tal alfarroba? É certo para mim que ele não adquire títulos
para outras alfarrobeiras; mas duvido que ele adquira título para a metade da
alfarroba em questão? E a resposta foi: ele não. Ele se opôs a ele do seguinte
Boraitha: Se ele dissesse: "Aceite a metade de tal e tal alfarrobeira", o título
não é adquirido para o outro alfarroba, pelo que é para ser entendido que ele
não faz para o outro alfarroba, mas ele faz para a metade em questão? E ele
respondeu: não! Mesmo para a metade esquerda para o comprador, o título
não é dado, neste caso, sendo semelhante a um em que foi dito: "Eu te vender
este campo, exceto a metade de tal e tal." Se assumirmos que o comprador
adquire o título em todos os seus campos, exceto a metade em
questão,Neste campo, "deve ser dito que ele não adquire título para qualquer
um exceto àquilo que ele lhe havia mostrado; e que sua observação," exceto o
meio campo ", etc., era apenas redundância. O mesmo é o caso aqui. Se ele
dissesse: "Eu te vendo este campo, exceto a meia árvore", a última palavra
deve ser considerada redundância.

R. Amram questionou R. Hisda: Se alguém depositou alguma coisa com seu


vizinho e lhe tirou um recibo (aprovado por testemunhas), e depois disso o
depositário alega que ele devolveu o resgate, como está a lei? Pode ser dito
que,
p. 164
porque se ele alegasse que o resgate foi tirado dele pela força, ele seria de
confiança, o mesmo deveria ser o caso com a alegação, "eu voltei", ou o
depositante tem o direito de dizer: se fosse então, como vem o teu recibo nas
minhas mãos? E ele respondeu: Ele é de confiança quando ele faz um
juramento, o mesmo sendo o caso quando o depositário alega que "foi tirado
de mim pela força" - ele deve fazer um juramento.

Devemos assumir que R. Amram e R. Hisda diferem no mesmo ponto em que


diferem os Tanaim dos seguintes Boraitha: Se alguém possuir um documento
que testemunhe uma quantia em dinheiro dada por ele ao seu parceiro falecido
por metade do lucro, e afirma que o montante não foi devolvido a ele,
enquanto os órfãos dizem que eles não têm certeza se o montante foi
devolvido? Os juízes do Exílio disseram: O autor tem que fazer um juramento
e cobra o valor total. Os juízes da Palestina, no entanto, sustentam que ele
recolhe apenas a metade com esse juramento. E todos eles concordam com os
sábios de Nahardea, que do dinheiro que é dado com a finalidade de metade
do lucro metade do montante é considerado um empréstimo e a outra metade
um depósito. (Veja Portão do Meio, p. 277. ) Ora, não se deve supor que a
diferença entre eles é que uma das partes sustenta que a alegação do queixoso,
"O documento em minhas mãos evidencia que a quantia não foi devolvida",
deve ser ouvida e outra parte (que diz que com o juramento ele recolhe apenas
a metade) sustenta que tal não é considerado prova? Não! Todos concordam
com R. Hisda, e a questão de diferir é a de que uma das partes detém se o
falecido tivesse retornado, ele teria notificado seus herdeiros, e a outra parte
pode ser que a morte o tenha impedido de fazê-lo.

R. Huna b. Abi enviou a seguinte mensagem: Um depositário que alega ter


devolvido o resgate, embora seu recibo ainda esteja nas mãos do depositante,
é de confiança (com juramento) e com um documento de meio lucro nas
mãos. do autor processando os órfãos, ele pode jurar e coletar o valor
total. Estas duas declarações contradizem umas às outras (como no caso de
um depositário, o documento está na mão do demandante, e o réu é confiado
com um juramento e, no caso de metade do lucro, o demandanteé confiável
com um juramento)? O último caso é diferente, porque, se o falecido tivesse
retornado, ele teria notificado seus herdeiros. Disse Rabha: O Halakha
prevalece sobre órfãos, que ele leva apenas a metade com um juramento. Mar
Zutra, no entanto, disse: O Halakha
p. 165

prevalece com os juízes do exílio. E para a objeção de Rabina, que Rabha há


muito tempo decidiu que ele toma apenas a metade com um juramento, ele
respondeu: Nós aprendemos o contrário; isto é , que os juízes do Exílio
afirmam que ele aceita a metade apenas com um juramento, e os palestinos,
que ele coleta toda a quantia. Daí minha decisão é a mesma que a de Rabha.
MISHNA IX.: Ao vender um campo, se ele contém um poço, cisterna ou
pombal, não importa se eles ainda estão em uso ou danificados, eles não estão
incluídos na venda. No entanto, o vendedor deve comprar um caminho do
comprador para passar para eles. Assim é o decreto de R. Aqiba. Os sábios, no
entanto, dizem que isso não é necessário. R. Aqiba, no entanto, admite que, se
a nota de venda declara "exceto as coisas acima", ele não precisa comprar um
meio. Se o vendedor vendeu o acima separadamente a outro - segundo R.
Aqiba não é necessário para o comprador deles comprar uma passagem, e
segundo os sábios é. Isso tudo é dito sobre uma venda; mas se o dono do
campo fez um presente, o título é dado ao campo com todo o seu conteúdo. O
mesmo é o caso quando os irmãos dividem sua herança, e o campo cai em
uma parte de um deles:

Se alguém fez uma hazakah na propriedade de um prosélito sem filhos, a


hazakah se aplica a todas as coisas mencionadas acima, se forem encontradas
nela. Se alguém consagrar seu campo, tudo o que é encontrado nele é
santificado. R. Simeon, no entanto, disse: As coisas acima mencionadas não
estão incluídas na santificação; mas se havia uma alfarroba inoculada ou um
tronco de um sicômoro, ela está incluída, porque enquanto crescem são
nutridas pelo solo santificado.

GEMARA: Qual é a diferença entre uma venda e um presente? Jehudah


b. N'qusa explicou antes de Rabi: Aquele que faz um presente, se ele deseja
reservar qualquer parte dele para si mesmo, ele deve declarar tão claramente,
o que não é o caso de um vendedor, que precisa de dinheiro: os detalhes do a
venda deve ser determinada pelo comprador e, se não for assim, o vendedor
tem a preferência.

Havia um homem que disse em seu testamento: Dê a essa e a minha casa que
contém cem barris ( isto é , que dentro da largura, comprimento e altura da
casa, dez barris quadrados poderiam ser colocados). Após a investigação,
descobriu-se que a casa continha cento e vinte barris ( ou seja , doze fileiras,
cada uma de dez barris), e nenhuma outra casa foi encontrada na propriedade
do falecido. E Mar Zutra disse: O testamento declara cem, mas não cento e
vinte. Disse R. Ashi para ele:
p. 166

Não disse o nosso estado Mishna: Tudo isso é dito sobre uma
[parágrafo continua]

venda, mas sobre um título de presente é dado a todos; e a razão é que aquele
que faz um presente faz isso com um bom olho? O mesmo é o caso aqui. O
falecido pensou que continha apenas cem. Por isso, ele disse que o donatário
deveria estar ciente de que lhe legara uma casa tão grande, mas não de excluí-
la, se contivesse ainda mais do que pensava, como se supõe que lhe foi dado
com um bom olho.
" Se alguém consagrou seu campo", etc R. Huna disse: Embora os rabinos
declararam que quem compra duas árvores que estão entre os outros não
adquire título para o chão abaixo, se o vendedor vendeu o solo com as árvores,
mas reservou duas árvores para si mesmo , o chão abaixo pertence a ele e
mesmo a teoria de R. Aqiba, que geralmente um vendedor vende com um bom
olho, é apenas sobre um poço, etc., que não causa nenhum dano ao solo, mas
como para árvores, que enquanto o alimento o faz, se o comprador não
concordar que o solo abaixo deve pertencer ao vendedor, ele dirá para ele
cortar as árvores e ir embora; e se ele não o fizer, deve-se supor que ele estava
disposto a isso. as árvores com o solo abaixo devem permanecer para o
vendedor para sempre, de modo que, no caso de as árvores murcharem, ele
possa plantar outras.

Notas de rodapé

147: 1 O comentarista Rashbam explica isso como um abrigo na retaguarda; e


a explicação de R. Joseph significa o mesmo, mas com janelas. Nossa
explicação, no entanto, está de acordo com o Dicionário de Schönhak, que nos
parece ser o correto.

151: 1 No texto há apenas algumas palavras, seu significado é muito


obscuro. Os comentaristas Rashbam e Rabana Gershom diferem em suas
explicações, e no primeiro ditado de Rabba nós adotamos a interpretação de
Rashbam, e no segundo Gershom, embora ambos sejam muito complicados e
difíceis.

152: 1 A razão é, de acordo com Rashbam, que todas essas quantidades eram
conhecidas pelos referidos Propósitos. No entanto, ele mesmo não estava
satisfeito com esta exposição, e explicou-a de acordo com a teoria de
Symmachos em outro lugar, de que todos os valores ou propriedades
duvidosas devem ser divididos. Mas é muito complicado e, portanto,
deixamos sua interpretação para o leitor.

153: 1 Transferido de 148 b neste Trato.

155: 1 Essa explicação é o melhor que podemos oferecer, não para contradizer
Rashbam e R. Gershom ( qv ).

155: 2 Este é um Boraitha com a expressão incomum Itemar. Veja as


Observações Explicativas (verso da página do título).

156: 1 De acordo com Halpern ele era da época de R. Huna o Exilarch, e foi
chamado de "menor" para distingui-lo do primeiro. Outros, no entanto, dizem
que deve ser Hamnunah.
157: 1 A Beth Hulsauth, de acordo com Rashbam, significa areia de que vidro
é feito; para Gershom, isso significa rock. Schönhak, no entanto, afirma que é
uma palavra grega que significa banco . O leitor pode escolher.
p. 167

CAPÍTULO V.
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS VENDAS DE NAVIOS,
BARCOS, ANIMAIS E EQUIPAS; SOBRE OS OLHOS DE POMBOS E
BEASTS; ÁRVORES, COM O SOLO E SEM. COMO ADQUIRIR TÍTULO
À FRUTA E FLAX DE ARTIGOS QUE SE TORNARAM MAIS OU MAIS
BARATOS ENTRE O TEMPO DE VENDA E ENTREGA. No momento em
que os atacadistas e os lojistas tinham que corrigir seus pesos e medidas, e de
que material os pesos poderiam ou não ser feitos.

MISHNA I : Se alguém vende um barco, a venda inclui o mastro, a bandeira,


as pás e todas as coisas relativas à direção do barco, mas não os escravos, e os
sacos para transportar mercadorias, nem a entheca . Se, no entanto, ele vender
o barco com todo o seu conteúdo, tudo é vendido.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: Se alguém vendesse um barco, a venda


incluiria a scala e também o poço com água. R. Nathan disse: A venda inclui
também os barcos de segurança. E assim também disse Symmachos, mas ele
os nomeou dugit como na Palestina, enquanto R. Nathan os chamou
de bizit como na Babilônia. 1

Ensinou-se: Adquirir o título a um barco, segundo Rabh, logo que se faz um


pequeno desenho nele o título se dá. Samuel, no entanto, sustenta que o título
não é dado a menos que ele movesse o barco inteiro. Assumiremos que eles
diferem da mesma maneira que os Tanaim dos seguintes Tosephtha: Como
alguém adquire título transferindo? Ao segurar os pés do animal ou de seus
cabelos, sua sela ou a carga que está sobre ele, o freio, o sino em seu pescoço
(embora o animal não tenha se movido de seu lugar), o título é dado. E como
alguém adquire título desenhando? Ao chamá-lo e segue a voz, ou golpeando-
o com uma vara e corre dele: assim que o animal moveu a mão ou o pé, o
título é adquirido. R. A'hi,
p. 168

e de acordo com os outros R. A'ha, disse: Não a menos que tenha movido todo
o seu corpo. Por isso, deve ser assumido que Rabh mantém com o primeiro
Tana e Samuel com R. A'ha? Não. Rabh pode dizer: Minha decisão está de
acordo com R. A'ha também, como R. A'ha fala de um corpo vivo, que,
mesmo que tenha levantado mão ou pé, permanece em seu lugar sem sair dele
( e, portanto, ele requer a movimentação de todo o seu corpo); mas falo de um
barco que, se alguém o desenha um pouco, todo o corpo dele é posto em
movimento. E Samuel também pode dizer: Minha decisão também pode estar
de acordo com o primeiro Tana, que fala de um corpo vivo que levanta sua
mão ou pé, e geralmente é para mover o outro também; mas com respeito a
um barco, não é considerado um desenho a menos que ele mova o barco
inteiro.

Devemos assumir que eles diferem da mesma forma que os Tanaim dos
seguintes Tosephtha fazem? Para um barco, o título é dado pelo desenho. R.
Nathan diz: Para um barco, e também para notas promissórias, o título é dado
por sorteio ou por uma nota de venda. E para a pergunta: Onde estão as notas
promissórias mencionadas, para que a declaração de R. Nathan se
aplique? foi-lhe respondido que o Tosephtha não é completo, e deve ser lido
assim: Para um barco, o título é dado pelo desenho, mas para notas
promissórias por transferência. R. Nathan, no entanto, sustenta que tanto o
título é dado pelo desenho, quanto por uma nota de venda.

Mas é, então, uma nota de venda necessária para um barco - não é uma
propriedade móvel, para a qual o desenho é suficiente? Deve-se então dizer
que foi ensinado assim: Para um barco, o título é dado pelo desenho e para
notas promissórias por transferência. R. Nathan, no entanto, diz: Para um
barco por sorteio e para notas promissórias por uma nota de venda. E como a
declaração de R. Nathan sobre um barco seria supérflua se sua decisão fosse a
mesma do primeiro Tanaim, devemos então dizer que eles diferem da mesma
maneira que Rabh e Samuel diferem ( ie, que R. Nathan exige que todo o
corpo do barco seja movido, enquanto que de acordo com o primeiro Tana,
um pequeno desenho é suficiente? Não; ambos podem concordar com Rabh
ou com Samuel, e não diferem de modo algum em relação a um barco. Em
que diferem é, mas quanto às notas promissórias. Disse R. Nathan ao primeiro
Tana (do Tosephtha acima): Com relação a um barco, eu certamente concordo
com você, mas em relação às notas promissórias, sustento que, se houvesse
uma nota de venda, a transferência dava título, mas não o contrário. E diferem
no mesmo ponto que os Tanaim dos seguintes Boraitha: O título das notas
promissórias é dado por transferência.
p. 169

Assim é o decreto do rabino. Os sábios, no entanto, dizem: O título


[parágrafo continua]

não é dado por escrito (como a todas as dívidas contidas nas notas
promissórias) a menos que as notas em questão sejam transferidas para o
comprador, e o mesmo é o caso quando as notas foram transferidas sem uma
conta. de venda: quanto a essas coisas, tanto a escrita como a transferência são
necessárias.

Agora vamos ver. O Boraitha acima é explicado de acordo com o


rabino. Deixe, então, o caso do barco também ser explicado de acordo com o
Rabino, que afirma que o título de um barco é adquirido por transferência, na
medida em que aprendemos na seguinte Boraitha que tal é o decreto do
Rabino. Mas os sábios dizem que o título não é dado a menos que ele faça um
desenho ou ele contrata o lugar no qual ele é colocado? Isso não apresenta
dificuldade. Rabi fala de quando o barco foi colocado em um terreno público
(como então não se podia desenhar, porque ele deve se dirigir a um lugar que
está sob seu controle, o que não é o caso quando está em solo público; e o
Boraitha fala de quando estava em um lugar onde ele poderia fazer um
desenho para um sob seu controle). Agora vemos que a Boraitha citada apenas
fala de um barco que foi colocado em terreno público. Como, então, é para ser
entendida a última parte dela, que afirma: E os sábios dizem que o título não é
dado a menos que o comprador faça um desenho? Agora, se fosse em terreno
público, de quem poderia o comprador contratar o local para que um desenho
fosse suficiente? E, além disso, um desenho dá título em terreno
público? Abayi e Rabha não disseram: A transferência dá título em terreno
público, e também em um pátio que não pertence a ambos (o vendedor e o
comprador)? Em um e também em um quintal que não pertence a ambos (o
vendedor e o comprador)? Em um e também em um quintal que não pertence
a ambos (o vendedor e o comprador)? Em umsemita (caminho), no entanto, ou
em um quintal pertencente a ambos, o desenho dá título, e "levantar" dá título
em todos os lugares? A expressão "a menos que ele faça um desenho"
significa que ele deve passar do terreno público para a semita , e a expressão
"a menos que ele contrate o lugar" também deve ser explicada como
significando que se acontecer de ser colocado em premissas pertencentes a um
deles título não é dado a menos que ele contrata o lugar.

Devemos assumir que Abayi e Rabha estão de acordo com o rabino (quem
afirma que a transferência é suficiente para um barco)? Disse R. Ashi: Se ele
dissesse: "Vá fazer uma hazakah e adquira título", então o título seria
dado. Aqui, no entanto, entende-se o vendedor disse-lhe: "Vá fazer um
desenho e adquirir título". E o ponto de sua divergência é que se sustenta que
o vendedor era particular com suas palavras, que somente desenhando
p. 170

título deve ser dado (mas não o contrário), e o outro sustenta que sua
expressão deve ser considerada apenas como se ele devesse mostrar-lhe o
lugar onde ela deve ser encontrada ( ie, "Se você deseja fazer um desenho,
aqui é").

R. Papa disse: Se alguém vender uma nota promissória, ele deve escrever na
nota fiscal: "Adquira título para ela e para todas as dívidas que ela contém".

Disse R. Ashi: Eu expliquei a Halakha antes de R. Kahana e o questionei:


Como seria se isso não fosse inserido - o título não seria dado? Então, o
comprador precisou disso com a finalidade de cobrir um copo com ele (é
possível que um homem invista seu dinheiro em um pedaço de papel que ele
não pode usar, mas para cobrir algo - não deve ser assumido que ele comprou
as dívidas que continha)? E ele respondeu: Sim! para este fim, ele
comprou. (E se a quantia mostrar que era o dobro do valor do papel, então a
venda seria, em qualquer caso, nula e sem valor, já que a exigência além de
um sexto torna a venda nula.)

Amemar disse: A Halakha prevalece que o título das notas promissórias é


dado por transferência de acordo com o rabino. Disse R. Ashi para Amemar:
A sua decisão é tradicional ou de acordo com o senso comum? E ele
respondeu: Tradicional. Retomado R. Ashi: É também de acordo com o senso
comum, como notas promissórias são apenas palavras. (A nota propriamente
dita não contém as dívidas ou qualquer dinheiro, mas a promessa do mutuário,
que são palavras e título, não pode ser dada apenas por palavras.)

" Mas não a entheca ." O que isto significa? Significa o conteúdo da entheca .

MISHNA Se: Se alguém vendeu um vagão, a nota de venda não inclui as


mulas para ele (quando não engatado), e vice-versa . Se o jugo com o vagão
fosse vendido, os bois quando não engatados não eram incluídos, e vice-
versa . R. Jehudah, no entanto, sustenta: O valor pago pode servir como
prova. Como assim? Se alguém dissesse: Venda-me seu jugo por duzentos
zuz, é evidente que ele quis dizer todo o time, pois não há jugo que valha
duzentos zuz. Os sábios, no entanto, dizem que isso não pode ser tomado
como prova (como pode ser que ele deseje fazer dele um presente sem
humilhá-lo).

GEMARA: R. Ta'hlipha b. Merba ensinou um Boraitha antes de R. Abuhu: Se


alguém vendeu um vagão, a venda inclui as mulas. Disse R. Abuhu: Mas a
nossa Mishna ensina que isso não acontece. Reuniu o primeiro: Então ignore
meu Boraitha. Abuhu disse:
p. 171

não é necessário, como pode ser explicado que o seu Boraitha fala de quando
as mulas foram amarradas ao vagão.

" Se alguém vendeu o jugo ", etc. Vamos ver como foi o caso? Se as pessoas
pela expressão "jugo" significam o jugo sem o gado, então é evidente que ele
lhe vendeu somente o jugo; e se a expressão significa "um time", ele
certamente o vendeu para todo o time? Fala de um lugar em que algumas
pessoas por jugo significam toda a equipe, enquanto outras por essa expressão
significam o jugo com arreios, mas não o gado. Segundo R. Jehudah, isso
pode ser determinado a partir da quantidade; mas os rabinos sustentam que a
quantia não pode ser tomada como evidência (como é para o comprador
explicar seu desejo claramente, como há alguns que por jugo significam o
vagão preparado para os bois, não os incluindo, e portanto a preferência é
dada para o vendedor).
Mas mesmo que a quantia não seja uma evidência, deixe a venda ser anulada
se houver uma exação além de um sexto do valor. E se você disser que os
rabinos não sustentam a teoria de que uma exação além de um sexto anula a
venda, mas que eles sustentam que a venda é válida, e o vendedor tem apenas
que devolver o montante que foi cobrado em excesso, a resposta é: Isto não é
assim, como aprendemos em Middle Gate, Mishna, p. 132, que os rabinos
guardam essa teoria? Sim! Eles mantêm a teoria apenas em um caso em que
uma exação poderia ser feita ( ou seja , em um sexto ou mais do valor); mas
no nosso caso (duzentos zuz apenas para o jugo), onde a exação não pode ser
feita, pode-se supor que o comprador deseja dar um presente ao vendedor
(mas não deseja humilhá-lo, e assim apresenta-lhe o dinheiro). para o jugo).

MISHNA III .: Se alguém vende uma bunda, o arnês não está incluído. Naum,
o modaite, no entanto, afirma que é. Disse R. Jehudah: Em um momento eles
podem ser vendidos, e em algum outro momento eles não podem. Como
assim? Se a bunda com seu arreio estiver diante dele, e o comprador disser:
"Venda-me esta bunda", e o vendedor concordar, o arreio também será
vendido; mas se ele disser: "Este é o seu rabo? Venda-o para mim", então o
arreio não está incluído.

GEMARA: Disse Ula: O primeiro Tana e Nahum diferem apenas nos sacos
e disacos e khumni , como o primeiro Tana sustenta que normalmente um
burro é comprado para montar (conseqüentemente os utensílios que não são
para esse propósito não estão incluídos); Mas Naum sustenta que uma bunda é
geralmente vendida por carregar cargas, conseqüentemente os utensílios para
este propósito estão incluídos, como a sela, a sela-sujeira, o cinto e a cinta.
p. 172

Uma objeção foi levantada a partir do seguinte: "Eu te vendo a bunda com seu
arreio": a sela, a sela-sujeira, o cinto e o cinto são vendidos, mas não o saco,
as disacos , nem os khumni , a menos que ele disse: "e tudo relacionado a
ele"; então tudo é vendido. Vemos, então, que somente quando ele disse "a
bunda com seu arreio", a sela, etc., são vendidos; mas não, se ele não
mencionou o arnês? Não; o mesmo é o caso, mesmo que ele não o tenha
mencionado, e os Boraitha vêm para ensinar que o saco, etc., não são
vendidos, mesmo se ele dissesse: "o asno com seu arreio".

O que significa khumni ? Disse R. Papa b. Samuel: Uma sela usada apenas por
mulheres.

Os mestres propuseram uma pergunta: Os Mishná tratam de quando as coisas


mencionadas acima estavam no cútis, de modo que, se não fossem assim,
Nahum, o Modaite concordaria com o primeiro Tana, ou, ao contrário, ele
trataria de quando a bunda não estava vestida neles, caso em que o primeiro
Tana concordaria com Naum? Venha e ouça! Se, no entanto, ele disse, "e tudo
o que está sobre ele", tudo é vendido. E isto está correto de acordo com a
suposição de que eles diferem quando o asno estava vestido com estas coisas,
e o Boraitha está de acordo com o primeiro Tana de nossa Mishna; mas na
suposição de que eles diferem quando o asno não estava vestido, de acordo
com quem seriam os Boraitha? Não; isso não pode ser tomado como apoio,
pois pode ser que eles difiram mesmo quando o asno não estava vestido, e o
citado Boraitha deve ser lido: Se ele dissesse,

Venha, então, e ouça o que R. Jehudah diz em nossa Mishna, e não há dúvida
de que ele fala de quando a bunda estava vestida neles, como sua expressão
"essa bunda" significa que tudo é vendido. Não é para ser assumido que esta
foi uma resposta para o primeiro Tana (quem disse que, mesmo em tal caso, as
coisas não são vendidas)? Não! R. Jehudah não estava respondendo, mas
ensinou uma Halakha separada. Disse Rabhina a R. Ashi: R. não disse Abuhu,
respondendo a R. Ta'hlipha (acima, no Gemara ao segundo Mishna): Explique
aos seus Boraitha: "Quando eles foram engatados", etc.? a partir do qual é
para ser inferido que o Mishna fala de quando eles não foram engatados; e
quando o segundo Mishna trata deles não engatado, deve ser assumido que o
terceiro Mishna também fala do mesmo caso? Pelo contrário, tome a primeira
Mishna, que declara: "não os escravos nem oentheca "; e para a questão que
significa entheca , R. Papa respondeu:
p. 173

conteúdo da entheca . Daí o Mishna trata de quando a carga estava sobre ele, a
partir do qual é para ser inferido que o segundo Mishna fala também de
quando eles foram engatados (e isso não é assim). Portanto, você não pode
objetar ou apoiar seus ensinamentos, pois cada Mishna fala de um caso
diferente.

Abayi disse: R. Eliezer, R. Simeon b. Gamaliel, R. Meir, R. Nathan,


Symmachos e Nahum the Modaite, todos sustentam que, se alguém vende
uma coisa, a venda inclui também todas aquelas coisas que são usadas com ela
- Eliezer, que disse: Se alguém vende uma gráfica, o pisa-pau está
incluído; Simeon b. Gamaliel, que disse: Se alguém vende uma cidade,
o santerestá incluído; R. Meir, que disse: Se alguém vendeu um vinhedo,
todos os vasos em uso para o mesmo estão incluídos; Nathan e Symmachos,
que disseram acima que os barcos de segurança estão incluídos na venda do
barco; e Naum o Modaite com sua declaração em nossa Mishna.

" R. Jehudah disse ," etc. Qual é a diferença se ele disse "essa bunda" ou "esta
é sua bunda"? Disse Rabha: Se ele dissesse "essa bunda" ele tinha certeza de
que o jumento pertencia a ele, e com a palavra "isso" ele quis dizer o
arreio; mas se ele lhe perguntasse: "Este é o seu rabo?" ele não tinha certeza
se era dele. E ele perguntou, se fosse dele, que ele deveria vendê-lo para ele,
ou seja, o rabo só, sem o arnês.
MISHNA IV : Se alguém vendeu uma bunda, seu potro é vendido; mas se uma
vaca, o bezerro não é. Se ele vendeu o lugar onde o estrume é mantido, o
estrume nele é vendido com ele; um poço, a água que contém está
incluída; uma colméia, as abelhas são incluídas; um pombal, as pombas que
contém são incluídas.

GEMARA: Vamos ver como foi o caso? Se ele disse "com seus
descendentes", mesmo que seja uma vaca, por que a prole não deveria ser
incluída? e se ele não disse, por que a descendência de um asno deveria ser
incluída? Disse R. Papa: Ele fala de onde ele disse a ele: Eu te vender uma
bunda de enfermagem, ou uma vaca de enfermagem. Deste último, o
comprador pode usar o leite, mas com que propósito ele disse uma bunda de
enfermagem? Devemos supor que ele significa a bunda de enfermagem com
seus filhos. 1

" Um poço, a água que contém é vendida ." Disse Rabha: Nosso Mishna está
de acordo com um indivíduo Tana dos seguintes Boraitha (mas a maioria não
concorda com ele). Se alguém vende um poço, a água que contém não está
incluída. R. Nathan, no entanto, afirma que é.
p. 174

MISHNA V .: Se alguém compra a ninhada de um galinheiro ( por exemplo ,


se ele compra no mês Nisan todos os pombos para chocar durante o ano todo,
mas não os antigos, e geralmente cada pomba choca dois filhotes a cada mês,
macho e fêmea, e aqueles pombos depois de dois meses eclodem também, e
assim é durante todo o ano, o mês de Adar excluído), ele deve deixar o
primeiro par de pequeninos com os pais. Se alguém compra a ninhada de uma
colmeia, ele tem que tomar as primeiras três ninhadas, após as quais o dono
pode tornar as abelhas impotentes de propagação. Se ele compra o mel em
pentes, ele deve deixar dois com a colméia. Se alguém compra oliveiras com o
propósito de cortá-las, ele deve deixar os galhos com apenas dois palmos para
o vendedor.

GEMARA: Mas não aprendemos em um Boraitha, sobre um pombal, que ele


deve deixar o primeiro e o segundo par? Disse R. Kahana: Isso não apresenta
dificuldade. A Mishna fala da velha pomba e da Boraitha de mãe e filha que
nasceram - uma para a velha e outra para a jovem mãe. Mas por que a dupla
que deixaria para a velha mãe não bastaria também para a jovem, pois ela não
deixaria o pombal, porque a mãe e o par restantes a obrigariam a ficar lá,
mesmo que a pomba velha seja obrigada a ficar? o mesmo? O antigo está
ligado a ambos - à jovem mãe, bem como aos dois à esquerda, enquanto a
filha, assim que choca, não tem mais nada a ver com a mãe, mas está ligada
aos filhos.
" Três ninhadas " etc. De que maneira alguém as torna impotentes? Disse R.
Jehudah em nome de Samuel: Alimentando-os com mostarda. Na Palestina,
no entanto, foi dito em nome de R. Jose b. Hanina: Não a mostarda, mas o mel
que eles consomem depois de terem comido a mostarda dura, causa a
impotência. R. Johanan disse: Ele não deve levar as três espécies ao mesmo
tempo, mas gradualmente, tomando uma e deixando uma, etc .; e um Boraitha
afirma que os três primeiros ele pode tomar um após o outro, e depois disso
ele pega um e deixa um. 1

" Oliveiras " , etc. Os rabinos ensinavam: Se alguém compra uma árvore com
o propósito de cortá-la, ele deve começar uma extensão do solo; se fosse um
sicômoro não inoculado, ele deve
p. 175

deixe três vãos; e se um tronco de um sicômoro, dois palmos. Se paus ou


videiras, dos nós para cima. Se forem árvores de data e cedro, ele pode pegá-
las com as raízes, pois se fossem cortadas no topo, elas não voltariam a
crescer.

Precisamos de três extensões para um sicômoro não inoculado? Não


aprendemos (Shebiith, IV. 5): Não se deve cortar um sicômoro não inoculado
em um ano sabático, porque é considerado um trabalho em um campo? R.
Jehudah disse: Não se deve fazê-lo da maneira usual, mas acima de dez vãos
ele pode, ou ele pode cortá-lo no nível do solo. Por isso, vemos que ela só
prejudica se for cortada ao nível do solo, mas não se for um pouco mais alta
que três vãos. Disse Abayi: Se exatamente três vãos, é benéfico para o
crescimento da árvore, e ao nível do solo certamente prejudica, mas até três
vãos não faz bem nem prejudica. Concernente a um ano sabático, somente
quais danos podem ser causados; e sobre compra e venda, apenas coisas que
são benéficas.

Dizem que a data e as árvores de cedro podem ser colhidas com as raízes,
porque se cortadas no topo elas não melhoram. Não tem R. Hyya b. Luliyni
falou que está escrito [Ps. xxxii. 13]: "O justo brotará como uma palmeira,
como um cedro" etc.? Por que as duas árvores são mencionadas? Se
mencionasse apenas o cedro, poder-se-ia dizer: Como o cedro não produz
nenhum produto, o mesmo acontece com o reto. Por isso, menciona a
palmeira. E se este último for mencionado apenas, poder-se-ia dizer: Como a
palmeira não melhora após ser cortada, o mesmo acontece com os
justos. Portanto, ambos são mencionados. Por isso, vemos que um cedro
melhora? Isso fala de outro tipo de cedro que faz isso. Como Rabba b. R.
Huna disse (Taanith, pág. 75): Existem dez tipos diferentes de cedros.

MISHNA VI : Se alguém comprar duas árvores dentro do campo de seu


vizinho, o solo abaixo não é vendido. R. Meir, no entanto, afirma que é. Se os
galhos se espalharem largamente, o vendedor não tem o direito de cortá-los,
embora a sombra deles prejudique seu campo. Aquilo que cresce do tronco
pertence ao comprador e das raízes ao vendedor. Se as árvores morrem, o
comprador não tem direito ao solo; no entanto, se comprou três árvores, o
terreno está incluído e, se os galhos se espalharem, o dono do terreno poderá
cortá-los, e tudo o que estiver crescendo a partir dos troncos e raízes pertence
ao comprador; e se as árvores morrerem, ele tem o direito de plantar outras.

GEMARA: Há um Mishna (Bikurim, eu. 6): Se um comprar


p. 176

duas árvores dentro do terreno de seu vizinho, ele pode oferecer o primeiro
fruto, mas ele não deve ler [Deut. xxvi. 10]: "O solo que tens dado a mim ",
como a terra não é sua . R. Meir, no entanto, disse: Ele pode oferecer e
também ler. Disse R. Jehudah em nome de Samuel: Segundo R. Meir, a
pessoa é obrigada a oferecer a primeira fruta, mesmo que a tenha comprado no
mercado. E de onde ele inferiu isso? Do supérfluo Mishna-- ieJá é dito em
nosso Mishna que quem compra até duas árvores comprou o solo com elas de
acordo com R. Meir. Por que, então, era necessário repetir isso no Mishna
citado? Devemos dizer que apenas para ensinar que, sete, se alguém não
possuir qualquer fundamento, ele é obrigado a oferecer a primeira fruta se a
possuir, mesmo do mercado (e a citada Mishna deve ser explicada assim: R.
Meir disse para o primeiro Tana: Mesmo que eu concorde com você que
aquele que compra as duas árvores não possui nenhum fundamento, ele é
obrigado a oferecer a primeira fruta). Mas não está escrito [Deut. xxvi. 2]:
"Que trazerás da tua terra"? Isso é para excluir a terra fora da Palestina. Mas
não está escrito [Ex. xxiii. 19]: "A primeira das primícias do teuás terras tu
trazer "? etc. Isso é para excluir o motivo de um gentio Mas não está escrito.
[Deut ibid..]:" Que tens dado me "Isto significa que já tens me dado dinheiro
para comprar?. "

Rabba objetou do seguinte: Se alguém comprasse uma árvore dentro das


árvores de seu vizinho, ele poderia trazer a primeira fruta; mas não lê, "... tu
tens dado", porque ele não tem chão. Assim é o decreto de R. Meir. Por isso,
vemos que, se ele não tem base, não pode ler "a terra que deste". Esta objeção
permanece.

Disse R. Simeon b. Elyakum a R. Elazar: Em que razões R. Meir baseava sua


teoria a respeito de uma árvore, e os rabinos deles a respeito de duas árvores -
que os homens deviam trazer a primeira fruta e não deveriam ler? A Escritura
não o exclui de trazer também? Disse R. Elazar para ele: A respeito de uma
coisa para a qual um mestre anterior não deu nenhuma razão, você está me
questionando na faculdade com o propósito de me envergonhar? Disse Rabba:
Eu não vejo nenhuma dificuldade nisso, pois pode-se supor que os rabinos,
assim como R. Meir, estavam duvidosos quanto à precisão da lei: os rabinos
não podiam absolutamente decidir que aquele que comprou duas árvores não
tinha chão, e R. Meir não podia ter certeza sobre uma árvore e, portanto,
decidiram que ele deveria trazer, mas não ler.
p. 177

Mas como você pode dizer que R. Meir era duvidoso - ele não disse
claramente acima, porque não adquiriu o título? Leia: "Talvez ele não tenha
adquirido títulos" etc. Mas, de acordo com ambos, por que o homem em
questão deveria trazer? Suponha que, de acordo com a lei, eles não sejam
considerados primitivos de modo algum, e que ele traga frutos comuns para o
santuário, o que é proibido - isto é , que ele primeiro os santificou. Mas o fruto
deve ser consumido pelos sacerdotes, e se eles não são considerados
primícias, eles são consagrados para uma oferta ou para outro propósito, e é
proibido que qualquer um obtenha benefício disso - iedepois de trazê-los, ele
os redime. Mas, mesmo assim, se eles não forem considerados primitivos,
estarão sujeitos a separar "oferenda e dízimo"; e ao trazê-los, ele os isenta
desses deveres - isto é,, ele anteriormente separa o acima deles. Isto pode ser
correto em relação à oferenda, que pertence ao sacerdote, e o mesmo
concernente ao "segundo dízimo"; e também o "dízimo para os pobres" que
ele pode dar a um pobre sacerdote, mas a quem dará o primeiro dízimo que
pertence ao levita, já que o levita não deve obter nenhum benefício das coisas
consagradas? Isso ele também pode dar ao sacerdote de acordo com R. Elazar
b. Azaryha do seguinte Boraitha: oferta de elevação deve ser dada ao
sacerdote, primeiro dízimo para o levita. Assim é o decreto de R. Aqiba. R.
Elazar b. Azaryha, no entanto, afirma que até mesmo o primeiro dízimo pode
ser dado ao sacerdote (depois de Ezra multar os levitas). Mas se eles são
considerados primitivos, a leitura das passagens é obrigatória? A obrigação
não impede a vinda. Como R. Jose b. Hanina disse em outro lugar: Se alguém
reuniu a primeira fruta, e a enviou por um mensageiro que morreu enquanto
estava na estrada, então a primeira fruta pode ser trazida para o santuário; mas
as passagens não devem ser lidas, pois está escrito [Deut. xxvi. 2]: "Tu
deves", e mais adiante, "Tu deves", etc., o que significa que o ajuntamento,
assim como o trazer, deve ser feito por uma pessoa, e como o mensageiro está
morto, a leitura não pode acontecer. .

Disse R. A'ha b. R. Ivya a R. Ashi: Vejamos I A leitura consiste em passagens


da Escritura, que podem ser lidas por todos e a qualquer momento. Deixe-o
então ler: "E ele respondeu": quando ele lê isto com o trazer, parece uma
mentira, o que não é o caso quando ele lê a Escritura.

R. Mesharshia b. R. Hyya disse: A razão é que, se o


p. 176
a leitura foi permitida, outra, que tem fruto semelhante, pode pensar que tal é
realmente considerado primitivo, e não separará a oferenda do mesmo.

" Se os galhos fossem espalhados ." O que é ser considerado tronco e que
raízes? Disse R. Johanan: Todos acima da superfície do solo é considerado
tronco e abaixo das raízes. Mas suponha que ocorra uma reviravolta que cubra
o tronco, de modo que os galhos tenham a aparência de três árvores, e então o
comprador possa reivindicar: Você me vendeu três árvores e eu tenho direito
ao solo. Portanto, disse R. Na'hman: A expressão no Mishna, "do tronco
pertence ao comprador", significa cortá-lo, mas não deixá-lo. E assim também
disse R. Johanan.

R. Na'hman disse: Nós temos uma tradição que uma árvore de data não tem
tronco. R. Zebid estava prestes a explicar a afirmação de R. Na'hman pelo que
nosso Mishna afirma, que se tal árvore é cortada no topo, não aumenta mais,
e, portanto, o comprador não pode reivindicar o direito ao crescimento do
tronco, como o restante da árvore era apenas para remoção, ele renunciou a
sua esperança de obter qualquer benefício dela. Ao qual R. Papa se opôs à
afirmação em nosso Mishna de que aquele que comprou duas árvores que
também são para remoção não tem direito ao solo, e mesmo assim ele tem o
direito à conseqüência do tronco? "Portanto," disse ele, "R. Na'hman significa
que nunca pode ocorrer que troncos de árvores de data possam produzir
conseqüências."

Mas o Mishna não se opõe à teoria de R. Zebid? Ele pode dizer: O Mishna
trata de um caso em que o comprador comprou as árvores pelo prazo de cinco
anos ( ou seja , se acontecer que elas morram, ele tem o direito de plantar
outras) e, portanto, ele tem o direito também ao crescimento dos troncos.

" Se ele comprou árvores " etc. Em que medida ele adquiriu o título? Disse R.
Hyya b. Abba em nome de R. Johanan: Ele adquire título no chão sob os
galhos e entre eles; e fora, na medida em que ele pode ficar com sua cesta para
recolher o fruto dos ramos externos. R. Elazar se opôs: Como é possível que
isso seja concedido ao comprador, quando um caminho pelo campo não é
concedido, pois ele não tem nenhum direito sobre o solo que está fora das
árvores?

Disse R. Zera: A partir do ensinamento de nosso mestre (R. Elazar) podemos


aprender que se ele comprou três árvores ele não tem caminho, mas
p. 179

se ele comprou duas árvores, ele tem, como ele pode afirmar: As árvores estão
situadas no seu terreno, e como você me vendeu árvores situadas no seu
terreno, você também me concedeu um caminho para elas.
Disse R. Na'hman b. Itz'hak para Rabha: Vamos assumir que R. Elazar não
concorda com seu mestre Samuel, que disse que o Halakha prevalece de
acordo com R. Aqiba, que afirma que geralmente o vendedor vende com um
bom olho (e de acordo com isso teoria, se ele vendeu três árvores, ele lhe
concedeu também um caminho para elas). E ele respondeu: Nossa Mishna não
pode estar de acordo com R. Aqiba, pois afirma que quando as filiais estão se
espalhando, o vendedor tem o direito de limpá-las, e de acordo com R. Aqiba,
esse direito não poderia ser dado a ele, para a suposição é que ele os vendeu
com um bom olho. R. Na'hman: Nós ouvimos R. Aqiba dizendo apenas sobre
um poço, etc., que não empobrece o solo; mas você o ouviu dizer a respeito de
uma árvore? R. Aqiba não concorda que,

Há um Boraitha de acordo com R. Hyya b. Aba que o comprador de três


árvores adquire título para o chão abaixo, entre e fora, na medida em que ele
pode ficar lá com uma cesta na mão. Disse Abayi a R. Joseph: Quem tem o
direito de semear o terreno exterior que pertence ao comprador (o comprador
das árvores, a quem pertence, ou o dono do terreno, que permite que o
comprador esteja presente lá apenas em o tempo de se reunir - portanto ele
pode semear, e o comprador tem o direito de pisar naquele momento)? E ele
respondeu: Isso aprendemos na Mishna mais adiante, que o forasteiro pode
semear o caminho que leva ao campo interno. Reencontrou Abayi: Que
comparação é essa? Lá, o comprador do campo interno não sofre nenhum
dano quando pisa no caminho semeado para seu campo; mas aqui, se o dono
do solo deve semear, há um dano ao comprador das árvores em não ter os
produtos do chão que pertence a ele. Portanto, se este caso deve ser
comparado ao do Mishna citado, é apenas para a última parte, que afirma que
nenhum deles tem o direito de semear. Há um Boraitha de acordo com Abayi,
que afirma claramente que nenhum deles tem o direito de semear.

Quanto espaço deve ser deixado entre as árvores em questão, que deve ser
considerado o comprador? R. Joseph em nome de R. Jehudah, citando
Samuel, disse: De quatro a oito
p. 160

ells. E Rabha, em nome de R. Na'hman, citando Samuel, disse: De oito a


dezesseis anos. Disse Abayi a R. Joseph: Não brigue com R. Na'hman, como
há um Mishna (Kilaim, IV. 9) de acordo com ele: Se alguém plantou sua
vinha dezesseis metros quadrados, ele pode semear outras sementes entre as
linhas. E R. Jehudah disse: Aconteceu na cidade de Zalmon que alguém
plantou sua vinha dezesseis metros quadrados. Um ano ele treinou os ramos
de cada duas filas em uma direção e semeou na direção oposta; e no ano
seguinte ele treinou os galhos em outra direção e semeou no chão que havia
ficado em pousio. E quando o assunto foi levado aos sábios, eles o
sancionaram [sua maneira de proceder]. E ele respondeu: Tomei minha teoria
de um caso como o que aconteceu na aldeia dos pastores, que foi trazida antes
de R. E ele decidiu dar-lhes espaço para um jugo de bois com o seu
arreio; mas eu não conhecia a medida de tal espaço, e depois de ter dado
minha atenção a um Mishna declarado acima, como segue: "Não se deve
plantar uma árvore perto do campo de seu vizinho a menos que ele deixe
quatro espaços", e um Boraitha Além disso, afirma-se que as quatro unidades
mencionadas destinam-se à elaboração de um vinhedo (como explicado
acima,p. 78 ), deduzi a partir disso que a medida de um jugo com o arnês é de
quatro ell. Mas não há um Mishna (Kilaim, IV. 9) de acordo com R. Joseph:
Beth R. Meir e R. Simeon dizem: Se alguém planta sua vinha oito oitocentos
quadrados, ele é permitido semear outras sementes nela? Sim; no entanto, um
ato praticado é mais importante para a evidência.

Está correto de acordo com R. Joseph, que está de acordo com a teoria de R.
Simeon, como ouvimos dizer que a teoria de R. Simeon é igual a ambos os
casos, quando as videiras estão espalhadas e também quando estão crescendo
juntas - "espalhadas" da Mishna citada, e "crescendo juntos", da seguinte
Mishna. Um vinhedo que é plantado em menos de quatro hectares não deve
ser considerado um vinhedo. Assim é o decreto de R. Simeon, etc. Mas de
acordo com R. Na'hman, que está de acordo com a teoria dos rabinos, nós
ouvimos a opinião deles sobre os dispersos (como dito acima no caso de
Zalmon); mas você também ouviu a opinião deles sobre crescer juntos? Isso é
senso comum. Como R. Simeon considera o meio espaço em sua teoria de
crescer juntos, o mesmo acontece com os rabinos:

Disse Rabha: A Halakha prevalece - de quatro a dezesseis


p. 181

ells; e há uma Boraitha que o suporta da seguinte forma: O que significa estar
perto de um para o outro? Quatro ells. E o que significa estar longe? Dezesseis
ells. Neste último caso, se alguém comprasse as árvores, compraria também o
solo e também os arbustos entre eles; e, portanto, se acontece que uma árvore
murcha ou é cortada, o solo permanece seu. Se, no entanto, fosse menor ou
maior que o espaço acima, ou ele comprasse as árvores não de uma só vez,
mas uma após a outra, o solo e os arbustos entre não lhe pertencem; e,
portanto, se uma árvore se torna seca ou cortada, ela não tem direito ao solo
(para plantar outra vez).

R. Jeremiah questionou. Como o solo pertencente ao comprador deve ser


medido - a partir do final dos galhos ou do tronco (de modo que ele teria mais
espaço do que medindo dos galhos)? E R. Gibiahh da cidade de Khthil disse a
R. Ashi: Venha e ouça a seguinte Mishna [Kilaim, VII. 1]: Se uma videira foi
dobrada de tal maneira que a haste principal esteja fora da vista [subterrânea],
a medida [como a distância legal] deve ser calculada a partir da segunda haste
- ie, o lugar onde se eleva do chão e novamente se torna visível. R. Jeremiah
questionou novamente: Como é a lei se alguém vendeu uma árvore da qual os
ramos estão separados por quatro ells um do outro: E o R. R.hviahh acima
disse R. Ashi. Venha e ouça o segundo Mishna [ibid., Ibid.]: Se três vinhas
são dobradas [e parcialmente cobertas com mofo] e seus caules permanecem
visíveis, R. Elazar ben Zadok disse: Se houver entre eles não menos que
quatro e não superior a cinco ells de largura, eles [as vinhas] devem ser vistos
como conectados; caso contrário, eles não devem ser considerados.

R. Papa questionou: Se alguém vendeu duas árvores situadas em seu campo e


uma na fronteira, elas devem ser contadas juntas ou não? A mesma questão
surge quando alguém vendeu dois situados em seu próprio terreno e um no
vizinho, e ambas as questões permanecem indecisas. R. Ashi questionou: (Se
nas perguntas acima foi decidido que eles deveriam ser contados juntos),
como é a lei se havia um poço, ou um canal, ou intervenção por uma base
pública ou uma fileira de árvores jovens? Esta questão também permanece
indecisa.

Hillel questionou Rabino: Se uma árvore de cedro interveio, como é a lei? E


ele respondeu: Então o título é dado a ele nas árvores, assim como no
cedro. Como as árvores devem estar situadas de modo que os dezesseis elmos
em questão devam ser medidos? De acordo
p. 182

para Rabh de uma vez (...) e de acordo com Samuel na diagonal ('.'); e a
diferença é que, segundo ele, quem disse "em linha" o solo pertence ao
comprador, tanto mais quando estão situados na diagonal; enquanto de acordo
com ele que diz "diagonalmente", se eles estão em uma linha o chão não
pertence ao comprador, como se em uma fileira o terreno entre está apto para
a semeadura. R. Hamnuna se opõe: De acordo com a teoria de que se eles
fossem colocados diagonalmente, o solo pertenceria ao comprador apenas pela
razão de que tal terreno não é apto para semear, como seria se alguém
vendesse três espinhos que são chamados de Higi Runiitha?, o solo entre o
qual também é impróprio para semear - nós também assumimos que o chão
pertence a ele? E foi-lhe dito que os espinhos em questão são de pouco valor,
o que não é o caso das árvores em questão (e a lei determina tanto que as
árvores devem ser valiosas quanto o solo entre as que são impróprias para
semear).

MISHNA VII .: Se alguém vendeu a cabeça de uma vaca, os pés não estão
incluídos e vice-versa ; a traquéia, o fígado não está incluído e vice-
versa . Contudo, acerca de um bezerro, os pés incluem-se na venda de uma
cabeça, e vice-versa ; e o mesmo acontece com a traquéia e o fígado.

Existem quatro costumes legais relativos a vendas: Se alguém alegar ter


vendido um bom trigo e depois ter sido considerado ruim, o comprador pode
se retratar; se ele alegou ter vendido mal e depois foi encontrado bom, o
vendedor pode se retratar. Se, no entanto, foi apurado como alegado, nenhum
deles pode retratar (embora da venda do trigo para a entrega o preço para o
mesmo aumentou ou diminuiu). Se alguém vendesse trigo vermelho escuro e
se descobrisse branco, ou vice-versa ; árvores de azeitonas, e eles foram
encontrados para ser sycamore, ou vice-versa ; vinho, se foi encontrado para
ser vinagre, ou vice-versa - ambos têm o direito de retratar.

GEMARA: Disse R. Hisda: Se alguém vendeu trigo no valor de cinco zuz por
seis, e subseqüentemente aumenta para oito, quem foi imposto antes do
aumento? O comprador. Portanto, o direito de retratação da venda é dado a ele
apenas, mas não ao vendedor, pois o comprador pode dizer: Se você não
tivesse me imposto no começo, você não poderia se retratar da venda mesmo
que o preço aumentasse, e tendo me imposto, você deveria ter o direito de se
retratar? E aprendeu-se em nosso Mishna que se alguém alegasse ter vendido
o bem e ele fosse considerado ruim, o direito de retratação foi dado ao
comprador e não ao vendedor, mesmo que tivesse aumentado de preço mais
do que o vendedor.
p. 183

O mesmo disse novamente: Se alguém vendeu para cinco o valor de seis, e


depois baixou para três zuz, que foi imposta antes dessa diminuição? O
vendedor. O direito de retratar é apenas para ele e não para o comprador, pelo
motivo acima, que o vendedor pode dizer ao comprador: Se eu não tivesse
sido imposta no começo, você não poderia retratar embora o preço devesse
diminuir, e desde que eu tenha sido imposta, você deveria ter tal direito? E
assim ensina a nossa Mishná: Se alguém alega ter vendido mal e, depois disso,
o bem foi encontrado, o direito de retratação é dado ao vendedor e não ao
comprador.

Mas o que então veio R. Hisda para ensinar? O Mishna não afirma isso? Sem
sua declaração, poder-se-ia dizer que, segundo a Mishna, naqueles casos
ilustrados por R. Hisda, ambos têm o direito de se retratar, pois houve
imposição no início da venda (enquanto a Mishna trata de onde nenhuma
imposição ocorreu ), e, portanto, R. Hisda veio para nos ensinar que o Mishna
deve ser interpretado de acordo com sua ilustração.

" Vinho, e foi encontrado vinagre ." Devemos assumir que nosso Mishna está
de acordo com o rabino, e não com os rabinos dos seguintes Boraitha? O
vinho e o vinagre são considerados um tipo, no que diz respeito ao
oferecimento de libras (de modo que, se ele separou troomahdo vinho
também para o vinagre, ou vice-versa , é válido). O rabino, no entanto,
sustenta que não é, porque são dois tipos separados? Não! Nossa Mishna pode
estar de acordo com os rabinos também, já que eles diferem com Rabi apenas
em relação ao dízimo e oferenda, e está de acordo com R. Ilaha, que inferiu
em outro lugar da Escritura que se alguém separou o dízimo ou a troomahdo
mal, para os bons do mesmo tipo (grão ou fruta), sua ação é válida; mas a
respeito de vender e comprar os rabinos também concorda que aquele que
deseja vinho não pode se satisfazer com o vinagre, e vice-versa .

MISHNA VIII .: Se alguém vendeu frutas e o comprador fez um desenho,


embora ainda não tenha sido medido, o título é dado, mas não se foi medido
por ele, e o desenho não foi feito; e se o comprador fosse perspicaz, ele
contrataria o local onde a fruta seria medida, de modo que o vendedor não
tivesse o direito de retratar antes mesmo que o desenho fosse feito.

Se alguém compra linho, o título não é dado, a menos que ele o remova de um
lugar para outro; mas se o linho ainda estivesse preso ao chão e o comprador
puxasse um pouco, o título é dado.

GEMARA: Disse R. Assi em nome de R. Johanan: Se ele


p. 184

mediu, e colocou na semita (caminho) para o comprador, título é dado. Disse


R. Zera para ele: Talvez o mestre tenha ouvido de R. Johanan que ele mediu e
colocou na cesta do comprador. E ele respondeu: A questão deste erudito é
semelhante à dos homens que não entendem a Halakha, pois é preciso então
ensinar que o título é dado se o vendedor o colocar na cesta do comprador?

(Diz o Gemara :) R. R. Zera aceitou ou não a teoria de R. Assi? Venha e


ouça! R. Yanai disse em nome de Rabino: Se o quintal onde a fruta foi
colocada pertence tanto ao vendedor como ao comprador, o título é dado a
este último.

Não se assume que o título seja dado, mesmo que tenha sido colocado no chão
do pátio? Não; isso significa que se foi colocado na cesta do comprador; e
parece ser assim, como R. Jacob, em nome de R. Johanan, disse. Se depois de
medir ele coloca na semita , o título não é dado. E como isso contradiz a
afirmação acima de R. Assi em nome de R. Johanan, devemos então dizer que
alguém ouviu falar dele quando a cesta do comprador foi colocada na semita ,
e da outra, quando a cesta do comprador não era. Inferir disto que R. Zera não
aceitou. Venha e ouça outra objeção! Mas quando medido, e um desenho não
foi feito, o título não é dado. Isso não significa na semita? Não; significa
"terreno público". Se sim, como é a primeira parte a ser entendida: "Se ele fez
um desenho, mas não mediu, o título é dado". Então, um desenho dá título em
terreno público? Não é dito acima, p. 169 , que em público só transferindo
terra dá título, mas não desenhando? A expressão "desenho" significa que ele
o removeu do terreno público para a semita . Mas como sobre a última parte:
"Se o comprador é perspicaz, ele contrata o lugar", etc? Se fala de um terreno
público, de quem ele pode contratá-lo? Isso significa dizer que, se ainda
permanecesse nas dependências do proprietário, se o comprador fosse
perspicaz, contrataria o local.

Tanto Rabh como Samuel disseram: Os vasos do comprador dão título a ele
em todo lugar, exceto em terreno público. R. Johanan e R. Simeon b. Lakish
ambos são da opinião que dá o título até quando em terras públicas. Disse R.
Papa: As partes acima não diferem, como o último fala de uma semita ; e por
que eles chamam isso de terreno público é porque não é um terreno
privado. (Diz o Gemara :) Parece ser assim, como R. Abuhu disse em nome de
R. Johanan: Os vasos de um dão-lhe
p. 185

título em todo lugar onde lhe é permitido colocá-los. Por isso, vemos que
apenas àqueles lugares onde lhe é permitido colocá-los é dado título, mas não
ao terreno público, onde não é permitido colocar os vasos. Venha e ouça o
seguinte Tosephtha: Há quatro costumes legais sobre vendedores: ( a ) Se a
medida não pertence a ambos e foi colocada em terreno público, ou em um
pátio que não pertence a ambos, então, se a medida ainda não foi preenchida e
o vendedor deseja, por algum motivo, desistir de sua venda, ele pode fazê-
lo; mas se encheu-se, então considera-se já o comprador (como se supõe que
com esta finalidade se emprestou ao comprador, que logo que encheu pode
tomá-lo com o seu conteúdo); ( b) se a medida pertence a um deles, a cada
átomo que é colocado na medida em que o dono da medida adquire o título,
desde que esteja nos lugares mencionados acima; ( c ) se estava nas premissas
do vendedor, o comprador não adquire título a menos que ele o levante ou o
retire das instalações do vendedor; e ( d) se estava nas instalações do
comprador, assim que o vendedor concordasse em vender-lhe o grão por tal e
tal preço, o comprador adquiriu o título. Se, no entanto, o grão em questão foi
depositado anteriormente pelo vendedor sem a intenção de vendê-lo, e depois
o depositário o comprou, o título não é dado a menos que o vendedor
concorde em renunciar ao seu direito ao lugar onde o grão está agora.
colocado, ou o comprador o contrata. Vemos, então, que, se a medida foi
preenchida, o título é dado ao comprador, mesmo que fosse no terreno
público? Além disso, aqui, por motivo público, entende-se uma semita ; mas
em caso afirmativo, por que a repetição ", um quintal que não pertence a
ambos"? Não é o mesmo que uma semita?? Por esta expressão entende-se
também que o quintal inteiro não pertence a um deles, pois eram parceiros
nele.

R. Shesheth questionou R. Huna: Se os vasos do comprador foram colocados


nas premissas do vendedor, o comprador adquire ou não o título? E ele
respondeu: Isto nós aprendemos (Githin, I. 1): "Se ele colocou o divórcio no
bolso do vestido dela ou na cesta dela, ela é divorciada" (daqui vemos que os
vasos da pessoa lhe dão título). Disse R. Na'hman para R. Huna: Por que você
decidiu essa questão daquela Mishna a qual foi objetada, e havia cerca de cem
explicações do significado dela ( qv )? Você deve decidir isto a partir do
Tosephtha citado acima: Se estava nas premissas do vendedor, o título não é
dado a menos que ele o levante ou o remova; e deve-se supor que fala de
quando a medida era do comprador. (Respondeu ele :)
p. 186

Não; Isso significa que os navios pertencem ao


[parágrafo continua]

vendedor. (Rejoined ele :) Se a primeira parte fala de quando os navios


pertencem ao vendedor, a segunda parte também deve tratar do
mesmo. Como, então, é a decisão a ser entendida: "Se fosse nas premissas do
comprador, assim que o vendedor concordasse", etc., o título é adquirido? Por
que, então, ainda não está nas mãos do vendedor? Não; a última parte fala de
quando as embarcações pertencem ao comprador. Mas o que obriga a explicar
as duas partes em diferentes aplicações? Porque, geralmente, se nas premissas
do vendedor suas medidas são usadas, e nas premissas do comprador são
usadas.

Disse Rabha: Vem e ouça outra objeção: Se o comprador ou seus servos


levaram as provas do vendedor, com a carga, para suas instalações (e a carga
ainda estava sobre as jumentas ou nas mãos dos servos), se o preço foi feito,
mas nenhuma medida tomada, ou medida tomada, mas nenhum preço feito,
ambos têm o direito de retratar. Se, no entanto, eles foram descarregados na
rua e um trouxe o material para sua casa, se o preço foi feito antes de medir
nenhum deles pode se retrair; mas se medido antes do preço ser feito. a venda
não é considerada liquidada e ambos podem ser recolhidos. Agora, como
vemos que os vasos pertencentes ao vendedor, se eles estão nas instalações do
comprador, não dão título, deve ser o mesmo com os navios do comprador nas
instalações do vendedor - nem eles dar título? Disse R. Na'hman
b. Itz'hak, Ele fala de quando o comprador removeu dos navios e colocou em
suas instalações. Rabha ficou zangado com esta explicação: O Tosephtha não
ensina claramente "descarregado", e ele diz, "removeu e colocou em suas
premissas"? Disse Mar b. R. Ashi: Pode-se explicar que a carga era de feixes
de alho dos quais o próprio descarregamento o faz descansar nas dependências
do comprador, e não precisa mais de trabalho. Disse Huna b. Mar Zutra para
Rabhina: Vamos ver. Ele afirma "descarregado" (a partir do qual deve ser
suposto que ele fez isso com o consentimento do proprietário). Qual é, então,
a diferença se o preço foi feito ou não? (Não é dito acima que, se nas
instalações do comprador, logo que acordado, nenhuma retratação pode
ocorrer, como as premissas do comprador dão título?) Por que, então, deve
ocorrer uma retratação em tal caso? E ele respondeu: Se o preço foi feito, o
vendedor depende dele, e a venda é feita; mas se de outra forma, ele não
faz. Disse Rabhina a R. Ashi: Venha e ouça o que Rabh e Samuel declararam
acima: Os vasos de um deles lhe dão o título em cada
p. 187

Lugar, colocar. Isso não equivale a dizer mesmo nas premissas do


vendedor? Sim, contanto que ele lhe dissesse: Vá e adquira título.

Há um Mishna (Kidushin): O título de propriedade é adquirido por dinheiro,


escritura ou hazakah, e o título de propriedade pessoal é dado apenas por
sorteio. Quanto ao que na Surah foi ensinado em nome de R. Hisda, e em
Pumbeditha em nome de R. Kahana, de acordo com outros em nome de
Rabha, como segue: Isto é dito sobre coisas que não é usual erguer; mas para
aqueles que é usual levantar, o título é dado apenas levantando, mas não
desenhando.

Abayi estava sentado repetindo esta Halakha e R. Ada b. Mathna se opôs a ele
do seguinte: Se alguém rouba uma bolsa no sábado e a leva para a rua, ele é
obrigado a pagar pela bolsa, porque ele era culpado de roubar antes que a
violação do sábado fosse cometida. (Há uma regra que se em uma e a mesma
coisa uma responsabilidade por dinheiro e um crime foram cometidos, a
punição pelo crime o isenta do pagamento.) Em tal caso. no entanto, dois
crimes separados são considerados, pois depois que ele rouba a bolsa, torna-se
dele (e a violação do sábado é feita com a dele). Se, no entanto, ele sacou a
bolsa pouco a pouco, e a pegou quando já estava em terreno público, ele é
absolvido do pagamento, pois ambos os crimes foram cometidos
juntos. Agora uma bolsa é certamente uma coisa que geralmente é
levantada, e, no entanto, adquire-se título por meio do desenho; porque, se não
fosse o sábado, ele seria obrigado a pagar por isso, mesmo que não o tivesse
levantado até chegar à rua? E ele respondeu: Fala de uma bolsa presa com
uma corda, da qual o desenho é usual. Disse R. Ada: Eu também falo de tal
tipo de bolsa. E ele se juntou: quero dizer uma bolsa tão grande que não
poderia ser levantada a não ser puxando-a pelo cordão. Foi objetado
novamente a partir do Tosephtha acima que, se nas premissas do vendedor, o
título não é dado, a menos que ele o tenha levantado ou desenhado, do qual
vemos que uma coisa que pode ser levantada é adquirida pelo desenho
também. Disse R. Na'hman b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que
geralmente é levantada, o título é dado pelo levantamento, e geralmente
desenhado, pelo desenho. porque, se não fosse o sábado, ele seria obrigado a
pagar por isso, mesmo que não o tivesse levantado até chegar à rua? E ele
respondeu: Fala de uma bolsa presa com uma corda, da qual o desenho é
usual. Disse R. Ada: Eu também falo de tal tipo de bolsa. E ele se juntou:
quero dizer uma bolsa tão grande que não poderia ser levantada a não ser
puxando-a pelo cordão. Foi objetado novamente a partir do Tosephtha acima
que, se nas premissas do vendedor, o título não é dado, a menos que ele o
tenha levantado ou desenhado, do qual vemos que uma coisa que pode ser
levantada é adquirida pelo desenho também. Disse R. Na'hman
b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo
desenho. porque, se não fosse o sábado, ele seria obrigado a pagar por isso,
mesmo que não o tivesse levantado até chegar à rua? E ele respondeu: Fala de
uma bolsa presa com uma corda, da qual o desenho é usual. Disse R. Ada: Eu
também falo de tal tipo de bolsa. E ele se juntou: quero dizer uma bolsa tão
grande que não poderia ser levantada a não ser puxando-a pelo cordão. Foi
objetado novamente a partir do Tosephtha acima que, se nas premissas do
vendedor, o título não é dado, a menos que ele o tenha levantado ou
desenhado, do qual vemos que uma coisa que pode ser levantada é adquirida
pelo desenho também. Disse R. Na'hman b. Itz'hak. Significa em partes. Para
uma coisa que geralmente é levantada, o título é dado pelo levantamento, e
geralmente desenhado, pelo desenho. mesmo que ele não devesse ter
levantado até chegar à rua? E ele respondeu: Fala de uma bolsa presa com
uma corda, da qual o desenho é usual. Disse R. Ada: Eu também falo de tal
tipo de bolsa. E ele se juntou: quero dizer uma bolsa tão grande que não
poderia ser levantada a não ser puxando-a pelo cordão. Foi objetado
novamente a partir do Tosephtha acima que, se nas premissas do vendedor, o
título não é dado, a menos que ele o tenha levantado ou desenhado, do qual
vemos que uma coisa que pode ser levantada é adquirida pelo desenho
também. Disse R. Na'hman b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que
geralmente é levantada, o título é dado pelo levantamento, e geralmente
desenhado, pelo desenho. mesmo que ele não devesse ter levantado até chegar
à rua? E ele respondeu: Fala de uma bolsa presa com uma corda, da qual o
desenho é usual. Disse R. Ada: Eu também falo de tal tipo de bolsa. E ele se
juntou: quero dizer uma bolsa tão grande que não poderia ser levantada a não
ser puxando-a pelo cordão. Foi objetado novamente a partir do Tosephtha
acima que, se nas premissas do vendedor, o título não é dado, a menos que ele
o tenha levantado ou desenhado, do qual vemos que uma coisa que pode ser
levantada é adquirida pelo desenho também. Disse R. Na'hman
b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo desenho. E ele
se juntou: quero dizer uma bolsa tão grande que não poderia ser levantada a
não ser puxando-a pelo cordão. Foi objetado novamente a partir do Tosephtha
acima que, se nas premissas do vendedor, o título não é dado, a menos que ele
o tenha levantado ou desenhado, do qual vemos que uma coisa que pode ser
levantada é adquirida pelo desenho também. Disse R. Na'hman
b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo desenho. E ele
se juntou: quero dizer uma bolsa tão grande que não poderia ser levantada a
não ser puxando-a pelo cordão. Foi objetado novamente a partir do Tosephtha
acima que, se nas premissas do vendedor, o título não é dado, a menos que ele
o tenha levantado ou desenhado, do qual vemos que uma coisa que pode ser
levantada é adquirida pelo desenho também. Disse R. Na'hman
b. Itz'hak. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo
desenho. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo
desenho. Significa em partes. Para uma coisa que geralmente é levantada, o
título é dado pelo levantamento, e geralmente desenhado, pelo desenho.

Venha e ouça! Se alguém vendeu frutas, se ele fez um desenho, embora não
seja medido, o título é dado. Agora a fruta é normalmente transportada e, no
entanto, o desenho é suficiente? Isso significa grandes cargas de frutas. Em
caso afirmativo, como é a última parte a ser entendida: "Se alguém compra
linho, o título não é dado a menos que ele o remova para outro
p. 188

lugar "? Não é usual para linho estar em grandes cargas? Com linho é
diferente, porque é geralmente destacável em grandes cargas.

Disse Rabhina para R. Ashi: Venha e ouça! Para uma vaca, o título é dado por
transferência; e para um bezerro, levantando. Assim é o decreto de R. Meir e
R. Simeon b. Elazar Mas os sábios dizem: para um bezerro, desenhando
também. Agora um bezerro pode ser levantado e, no entanto, o desenho dá
título? Com um bezerro é diferente, pois resiste. Portanto, é difícil levantá-lo.

Rabh e Samuel disseram: Se alguém diz: Eu te vendo um kur de trinta saahs


por tal quantia, o vendedor tem o direito de se retratar mesmo no último
saah. Se, no entanto, ele disse: Eu te vender um kur de trinta saahs, cada saah
para um selah, título é adquirido para cada saah como medido. Venha e
ouça! Se a medida pertence a um deles, a cada átomo que foi colocado no
título é adquirido, embora a medida toda ainda não tenha sido preenchida. Por
isso, vemos que o título é dado mesmo quando não se diz: eu te vendo cada
medida por um determinado preço? Fala-se de quando na medida eram
marcas, como onde se dizia: Eu te vendo uma lixeira por doze selahs, cada um
puxando por um selah. E R. Kahana ilustra assim: Havia marcas na lixeira de
um, dois, três talões, etc. O mesmo acontece com a medida em questão: havia
marcas para cada saah. Venha e ouça! Se alguém contratar um empregado
para trabalhar para ele no celeiro (não em tempo de colheita) por um dinar por
dia, com a estipulação de que ele deve trabalhar para ele pelo mesmo preço na
época da colheita, embora naquela época o preço é um selah por dia (e avança
o salário para todo o tempo), é proibido fazê-lo, pois parece usurário; mas se
ele o contratar por cem dias a partir de hoje por um dinar por dia, e avança
cem dinares, embora durante o tempo em que a colheita começa e cada dia
valha a pena, é permissível. Agora, se você disser que a um kur de trinta
saahs, cada saah para um selamento, o título é dado para cada saah medido,
deve ser o mesmo com os dias em questão - para cada dia de trabalho um
dinar será cobrado, e quando a colheita vier, ele acrescentará todos os dias o
aumento do preço naquele tempo, e, ao não fazê-lo, deve ser considerado
usura? Disse Rabha: De onde você descobriu que não é permitido a alguém
baixar o preço de seu trabalho? Daí isso não contradiz a declaração de Rabh e
Samuel em tudo. Mas se sim, por que há uma diferença entre a primeira parte
do Boraitha e a segunda? Na primeira parte não diz: Trabalhe a partir de
hoje. E se ele começa seu trabalho na época da colheita por um preço menor,
parece usurário, como ele tem
p. 189

baixou o preço para avançar o dinheiro. Na segunda parte, no entanto, onde


ele começa a trabalhar imediatamente e trabalha todos os dias pelo mesmo
preço, não pode ser considerado usura se ele não aumentar o preço no
momento da colheita.

" E o comprador puxou um pouco disso ", etc. Porque ele puxou um pouco,
ele adquiriu o título do todo? Disse R. Shesheth: Trata-se de um caso em que
o vendedor lhe disse: conserte algo no chão e adquira título para tudo o que
está ligado a ele.

MISHNA IX : Se alguém vendesse vinho ou óleo, e se tornasse mais caro ou


mais barato, se antes a medida fosse preenchida, ela deveria ser cobrada do
vendedor; e se depois, para o comprador. Se a venda foi feita através de um
corretor, e acontece que um barril vaza, deve ser cobrado ao corretor, e o
vendedor é obrigado a adicionar algumas gotas à medida. Depois que o
vendedor entregou a medida e parte do líquido se acumulou, ela pertence ao
vendedor; O dono da loja, no entanto, não é obrigado a manter a medida até
que as últimas três gotas tenham vazado. R. Jehudah diz que na véspera do
sábado, quando escurece, a pessoa fica isenta desse dever.

GEMARA: Vamos ver a quem a medida em questão pertence? Se para o


comprador, por que deveria ser cobrado ao vendedor, mesmo que não tenha
sido preenchido; e se para o vendedor, por que ele deveria ser cobrado do
comprador, mesmo que fosse preenchido? Disse R. Ilaah: Ele fala de quando a
medida era do corretor. Mas o estado de Mishna não faz parte da última parte,
"se houvesse um corretor", do qual se inferiria que a primeira parte significa
sem corretor? A primeira parte fala da medida do corretor em sua ausência; e
o segundo, em sua presença.

" Depois que o vendedor entregou a medida ", etc. Quando R. Elazar chegou à
Palestina, ele se encontrou com Zeeri e perguntou-lhe- Há algum estudioso a
quem Rabh ensinou as leis sobre medidas? E ele mostrou a ele R. Itz'hak
b. Abdimi. E ser perguntado a ele: Qual é a sua dificuldade? A declaração do
nosso Mishna, que diz que isso pertence ao vendedor, e outro: Se,
de troomah que foi dado ao padre, depois que o barril foi virado e vazou lá
ainda era algum resto, é troomah (daqui nós ver que ele pertence ao
comprador)? E ele respondeu: Isto não apresenta dificuldade, pois adicional a
nossa Mishna foi ensinado por R. Abuhu: A razão é que geralmente o
vendedor renunciava a seu direito a tal coisa (que não pode ser dito ali, como
quem pode renunciartroomah ?).

" O dono da loja ", etc. Os alunos propuseram uma pergunta:


p. 190

[R.continua] Será que R. Jehudah com sua declaração quer dizer que o atacadista
está isento de adicionar as gotas na véspera dos sábados, sendo, portanto, mais
tolerante do que o primeiro Tana, ou ele significa o dono da loja, e é rigoroso,
como ele o isenta na véspera dos sábados e não nos dias da semana? Venha e
ouça o seguinte Boraitha, que afirma claramente: R. Jehudah disse na véspera
dos sábados o lojista está isento, pois ele está ocupado.

MISHNA X .: Se alguém manda seu filhinho ao dono de loja com


um pundiun (dupondius) para comprar o equivalente a um issar de óleo e
trocar um issar, e o dono da loja assim age, mas a criança perde o issar e
quebra o copo contendo o óleo, o dono da loja é responsável. R. Jehudah, no
entanto, liberta-o, pois para este propósito a criança foi enviada. Os sábios, no
entanto, admitem que quando o copo estava na mão da criança e o lojista
despejava óleo nele, o dono da loja estava livre.

GEMARA: É correto, na diferença deles / delas sobre o óleo e a mudança do


issar que de acordo com os rabinos a criança foi enviada só para notificar o
comerciante do desejo dele, de forma que o armazém proverá isto, e de acordo
com R. Jehudah que foi enviado para trazê-lo; mas por que o dono da loja
deveria ser responsável pelo vidro, que o pai não deveria ter confiado ao filho,
que não podia cuidar dele? Disse R. Houshiah: O Mishna trata de quando o
remetente era um vendedor de vidro, e o dono da loja o levou para examiná-lo
e ele quebrou. E está de acordo com Samuel, que disse em outro lugar que, se
alguém leva um vaso a um especialista para exame, e ele é destruído por um
acidente, este é o responsável. É para ser assumido que nesta simples
declaração de Samuel os Tanaim diferem? Portanto, disse tanto Rabba e R.
Joseph: Trata-se de quando o lojista era um vendedor de vidro também, e ele
deu o copo para a criança; e a decisão de R. Jehudah de que o remetente é, no
entanto, responsável pelo vidro também é porque ele foi enviado com o
propósito de trazer o óleo (e como o pai não dava nenhum vaso, o dono da
loja fazia apenas o que era exigido); e os rabinos estão de acordo com sua
teoria de que o dono da loja tinha que fornecer. Mas se assim for, como é a
última parte, "Se o copo estava na mão da criança", etc., para ser
entendido? Não é dito que a criança foi enviada apenas para notificá-lo? Por
isso, Abayi e R. Hanina, filhos de Abin, disseram ambos: O Mishna fala de
um caso em que o dono da loja tomou o copo para medir com (e embora o
dono da loja
p. 191
não havia solicitado que tal lhe fosse enviado, tão logo ele o tomou com a
finalidade de medir sua responsabilidade). E isso está de acordo com Rabba,
que disse (Portão do Meio, p. 69): "Se ele atacou o animal, embora ele não
fosse obrigado a devolvê-lo, ele é responsável. Mas a afirmação de Rabba
dizia respeito a algo vivo, que Você também o ouviu declarando em um caso
como o nosso? Portanto, disse Rabha: Eu e o leão da nossa sociedade, que é
R. Zera, explicamos assim: O Mishna trata de quando o dono da loja tomou o
vidro para medir para outros clientes - eo ponto de sua diferença é, "um
mutuário sem o consentimento." Segundo um, ele é considerado um ladrão e é
responsável, e de acordo com o outro, ele é considerado um mutuário que não
é responsável por um acidente.

O texto diz: Samuel disse: "Se alguém pegou um vaso de um especialista, para
examiná-lo, ele é responsável por um acidente". Isso é somente quando o
preço do artigo foi corrigido.

Havia um homem que entrou em um açougue e ergueu um ombro de carne, e


ao examiná-lo um triturador veio e levou-o para longe dele; e quando o caso
chegou antes de R. Ziemar, ele o responsabilizou, pois o preço já havia sido
feito.

Havia um homem que trouxe pepinos para a cidade de Pumnahara, e uma


multidão chegando, cada um deles levou um com o propósito de comprar, mas
o vendedor não podia ver de quem exigir o dinheiro. E ele exclamou: "Todos
eles são consagrados para o céu". Quando o caso chegou antes de R. Kahana,
ele decidiu que não se pode consagrar uma coisa que não lhe pertence (e como
o preço de cada pepino foi fixado e eles estavam nas mãos dos compradores,
eles adquiriram o título antes mesmo de pagar mas se o preço não fosse
fixado, eles ainda estariam sob o controle do proprietário e a consagração
válida).

Os rabinos ensinavam: Se alguém estivesse examinando as ervas no mercado,


selecionando-as e pondo a mesma coisa de lado, mesmo que o fizesse durante
todo o dia, o título não é adquirido, e não há obrigação para o dízimo. (Trata-
se de quando o vendedor era uma das pessoas comuns que suspeitava que ele
não separasse o dízimo). Se, no entanto, ele tivesse decidido comprar, o título
é adquirido e eles se tornam um sujeito para o dízimo. Em caso de
reconsideração, ele não tem o direito de retornar, porque eles já são um
assunto obrigatório para o dízimo; e também ele não tem o direito de separar o
dízimo se ele pretendesse retornar, pois ele diminuiria
p. 192

O valor que. Portanto, ele não pode fazer outra coisa senão separar o dízimo e
pagar o dono por eles.
Mas é assim que, porque se decidiu comprar, ele adquire título e faz uma coisa
sujeita a dízimo? Disse R. Houshiah: O Boraitha trata de quem tem o céu
como R. Saphra, que sempre agiu como está escrito [Ps. xv. 2]: "E fala a
verdade em seu coração."

MISHNA XI.: O atacadista tem que limpar suas medidas uma vez dentro de
trinta dias (porque as coisas grudam nelas e prejudicam a medição
precisa). Um varejista, no entanto, tem que fazê-lo uma vez dentro de doze
meses. R. Simeon b. Gamaliel, no entanto, afirma que o inverso é o
caso. (Com o atacadista, que mede continuamente, o material não gruda, e é
suficiente para limpá-lo uma vez em um ano; mas com o varejista, que não
mede continuamente, o material gruda, e ele é obrigado a limpá-lo uma vez
dentro de trinta dias.) O lojista deve fazer o mesmo com suas medidas duas
vezes por semana, e os pesos uma vez por semana (quando ele os pega com as
mãos molhadas, e consequentemente eles ficam mais pesados, e quando ele
compra algo, pesando coisas ele engana o vendedor). A balança, no entanto,
ele deve limpar antes de cada pesagem. Disse R. Simeon b. Gamaliel: Tudo
isso é dito quando ele vende líquidos, mas por outro lado não é necessário. O
lojista é obrigado a dobrar o bit transversal do tamanho de um palmo à escala
que contém o material vendido (caso ele venda umlitra ou mais). Se, no
entanto, ele pesa estritamente, ele deve dar-lhe o excesso de peso devido - um
décimo de um líquido e um vigésimo de uma coisa seca. Onde é costume
medir com pequenas medidas, não se deve fazê-lo com as grandes e vice-
versa . Onde é costume suavizar as medidas, não deve ser amontoado; e para
heap, não deve ser suavizado.

GEMARA: De onde tudo isso é deduzido? Disse Resh Lakish: De


[Deut. xxv. 15] "Você terá um peso perfeito e justo"; e como a palavra "justa"
é supérflua, deve ser explicada da seguinte forma: justifique a medida perfeita
da sua própria. Se sim, como é a última parte, "se ele pesa estritamente", para
ser entendida? (Se é uma obrigação bíblica para adicionar ao peso exato,
reboque pode ser permitido pesar estritamente?) Por isso, deve ser ajuda que a
primeira parte do Mishna trata de lugares onde é habitual, e a interpretação de
Resh Lakish refere-se à última parte, que afirma que ele deve dar-lhe o
excesso de peso. E para a pergunta: De onde isso é deduzido? Resh
p. 193

Lakish interpretou o verso acima citado. E quanto será o excesso


[parágrafo continua]

de peso? Disse R. Abba b. Mamal em nome de Rabh: Um décimo de litra em


líquido para uma quantidade de dez litras .

" Um décimo a líquido ", etc. Os colegiais propuseram uma pergunta:


Significa um décimo de um líquido a dez medidas molhadas e um vigésimo a
vinte medidas secas, ou um décimo a dez líquidos e vinte secos? ? Esta
questão não foi decidida.
R. Levi disse: A punição por medições falsas é mais difícil do que por
adultério, pois quanto ao primeiro é a expressão nas Escrituras
[Lev. xviii. 24], "com todos " e o último [Deut. xxv. 16], "com o iele ". E de
onde se infere que essas palavras significam punição dura? De
[Ezek. xvii. 13]: "Mas o poderoso ( iele ) ele tirou."

E qual é o motivo? Em relação ao adultério, pode-se expiar pelo


arrependimento, o que não é o caso com uma medida injusta, pois ele não
pode saber quem ele trapaceou, a fim de fazer as pazes.

O mesmo dito novamente: É mais difícil enganar um plebeu do que enganar o


santuário, pois a punição por roubar um homem comum é mais grave do que
roubar o santuário. 1 A respeito de um plebeu está escrito [Lev. v. 21]: "Se
alguém pecar e cometer uma transgressão contra o Senhor - se, a saber, ele se
deitar ao seu próximo ... em uma coisa tirada", etc. Portanto, mesmo no início
do engano a passagem o chama de pecador, enquanto se refere ao roubo do
santuário [ibid., ibid. xiv. 15], "Se alguém cometer uma transgressão", etc., ele
não é chamado de pecador no momento em que o tomou, a menos que
obtenha benefício disso.

Os rabinos ensinavam: De onde se deduz que não deve ser suavizado onde o
costume é amontoado e vice-versa ? De [Deut. xxv. 15]: "Você terá uma
medida perfeita e justa." E de onde se deduz que, se alguém disser, onde o
costume não é suavizar, "suavizarei e diminuirei a quantidade", ou, nos
lugares em que for suavizado, "amontoarei e aumentarei a quantidade", ele
não deve ser ouvido? Do mesmo verso citado e da palavra supérflua "justa",
como dito acima.

Os rabinos ensinavam: De onde se deduz que não se deve pesar com precisão
onde é costume acrescentar peso e vice-versa ? Do mesmo verso citado:
"perfeito e justo
p. 194

peso. "E se alguém se importasse em fazer diferente do que de acordo com o


costume, e pagasse a diferença? Ele não deve ser ouvido, como dito acima.

Disse R. Jehudah de Sura: Está escrito [ibid., Ibid. 14]: "Não terás tu na tua
casa", etc. (o termo "em tua casa", que é supérfluo, deve ser interpretado
assim: tu não terás dinheiro em tua casa, com o propósito de alisar onde é o
costume de amontoar, e vice-versa , ou para excesso de peso, etc.), porque
isso traria um para manter em sua casa duas medidas diferentes. E a mesma
explicação deve ser dada a [ibid., Ibid. 13]: "Como é desejado de cada um ter
um peso e uma medida, justo e perfeito."
Os rabinos ensinaram: Do mesmo verso deve-se inferir que gradums devem
ser designados para investigar medidas, mas não para investigar preços. Os
exilados costumavam designar gradums para ambos (medidas e preços). E
Samuel disse a Karna: Vá e diga-lhes que os graduados devem ser indicados
apenas para medidas. Ele, no entanto, lecionou que para ambos (medidas e
preços) os graduados devem ser designados. E Samuel amaldiçoou-o por
isso. No entanto, Karna fez isso de acordo com Rami b. Hama, que disse em
nome de R. Itz'hak: Gradums devem ser indicados para medidas, bem como
para preços, por causa da trapaça.

Os rabinos ensinavam: Se alguém deseja um litra , meio ou um quarto, pode


ser dado a ele com seu peso, mas por menos que isso nenhum peso deve ser
feito; mas ele pode dar a ele de acordo com o dinheiro ou em peso de moedas.

Os rabinos ensinavam: Se alguém deseja três quartos de litra , ele não tem o
direito de exigir que um o pese em cada trimestre separadamente (e dê a ele
sobrepeso para cada um deles); mas pode-se pesá-lo um litra e deixar o quarto
trimestre acima do peso. O mesmo é o caso se ele precisa de dez litras : ele
não tem o direito de exigir que ele pese cada litra separadamente com um
excesso de peso; mas ele pesa todos os dez em uma escala, e dá um sobrepeso
para todos.

Os rabinos ensinavam: As balanças devem estar penduradas em três vãos no


ar - isto é , três vãos do teto ou três vãos do solo; e a cruzada com os cordões
da balança deve ter o tamanho de doze palmos; para lã e material de vidro,
duas vãos, e a cortada com cordas da escala de nove vãos; o lojista e privados,
no entanto, um vão, e o bocado com cordas da escala de seis palmos; e para
ouro e prata três dedos
p. 195

no ar, e no bocado da cruz e no cordão das escamas, não conheço o tamanho


(o Tana deste Boraitha assim o diz).

(Diz o Gemara :) Para que finalidade é a primeira escala mencionada da qual


não se afirma o que deve ser pesado sobre ela? Disse R. Papa: Para gravita (de
ferro e ferreiros de cobre, que pesam pedaços de cem litras em uma escala.,
De acordo com os outros, os seus arquivos).

Disse R. Mani b. Patish: Os mesmos tamanhos de escalas são necessários para


fazer um assunto para a impureza (isso será explicado no lugar certo).

Os rabinos ensinaram: Os pesos não devem ser feitos de estanho, chumbo,


cassiterita ou outros tipos de metal, mas podem ser feitos de granito ou vidro.
Os rabinos ensinaram: O rolo para alisamento não deve ser feito de uma haste
de melão, pois é muito leve; nem de ferro, porque é muito pesado; mas de
oliveira, noz, sicômoro ou árvore de caixa.

Os rabinos ensinaram: O rolo não deve ser feito grosso em uma extremidade e
estreito na outra; não se deve atacar rapidamente, porque isso seria um
benefício para o comprador e uma desvantagem para o vendedor; e também
não muito lento, o que é uma desvantagem para o comprador e benéfico para
o vendedor. E tudo isso foi dito por Rabban Johanan b. Zakkai: Seria doloroso
para mim declarar a arte de medir, pois isso serviria de lição para os
vigaristas, e também seria doloroso não declará-la, pois os vigaristas diriam
que os rabinos não têm idéia da arte de nossa profissão.

E à pergunta dos escolásticos: R. R. Johanan declarou isso ou não? disse R.


Samuel b. R. Itz'hak: Ele fez; e com base no seguinte verso [Hos. xv. 10]:
"Pois os justos são os caminhos do Senhor, e os justos andam neles, mas os
transgressores tropeçam neles." 1

Disse R. Jehudah em nome de Rabh: Não se deve manter em sua casa uma
medida injusta, mesmo que ele a use para uma câmara. Disse R. Papa: Isso é
dito de lugares onde as medidas não são carimbadas; mas em lugares onde
eles estão, não importa, pois ninguém tomaria uma medida sem ser
estampado. E mesmo onde não estão carimbados, é proibido mantê-los
quando não são examinados pelo governo; mas se são, isso não importa.

(Diz o Gemara :) Na realidade, no entanto, não é assim,


p. 196

pode acontecer que alguém possa medir com ela pelo crepúsculo. E assim
também aprendemos em um Boraitha: Não se deve manter em sua casa uma
medida injusta, mesmo que ele a use para uma câmara. Ele pode, no entanto,
manter um saah, um tarkab, metade dele; um kab, meio ou um quarto dele; um
thuman ou uma metade dele; e um ukla. [E quanto custa um ukla? Um quinto
de um talão.] E de líquidos - um hin, meio, um terço de um quarto; um lug,
meio, um quarto e um oitavo, e um oitavo de um oitavo, que é chamado de
kartub. Mas por que não é permitido manter uma medida de dois kabs? para
um pode levá-lo para um tarkab. Vemos, então, que um erro pode ser
cometido em um terceiro. Então não deve ser permitido manter um kab, como
podemos levá-lo para um meio tarkab. Portanto, devemos dizer que uma
medida de dois kabs não é permitida, pois uma pode levá-la para um meio
tarkab. Nós vemos, então, que um erro pode ser cometido em um quarto,
enquanto um meio tarkab mede uma quantidade e meia. Por que, então, é
permitido manter um meio thuman e ukla? Disse R. Papa: Pequenas medidas
são conhecidas pelas pessoas, e nenhum erro pode ser cometido. Mas por que
é permitido manter um terço e um quarto de um hin? Como essas medidas
foram usadas no Templo, os rabinos não se importariam em proibi-las. Mas
por que eles não foram proibidos no Templo também? Porque os padres
sempre foram cuidadosos. Mas por que eles não foram proibidos no Templo
também? Porque os padres sempre foram cuidadosos. Mas por que eles não
foram proibidos no Templo também? Porque os padres sempre foram
cuidadosos.

Samuel disse: Se os anciãos da cidade querem ampliar as medidas, não deve


ser mais do que um sexto deles; e o mesmo acontece quando querem aumentar
uma moeda. E o vendedor não deve fixar seu lucro em mais de um sexto
(desde que o preço do material não tenha aumentado; mas se tiver, então o
lucro pode ser até mesmo duplo).

Vamos ver qual é a razão da decisão de Samuel? Devemos supor que a razão é
que, se os atacadistas não aumentarem o preço proporcionalmente, eles podem
fazê-lo mesmo quando ampliados para um sexto exatamente? E se a razão não
é anular a venda (como exigindo mais de um sexto torna a venda nula e sem
efeito)? Rabha não disse: Toda venda por medida, peso ou número, se houver
uma exigência ainda menor do que a lei prescreve, pode ser retirada? Por isso,
deve-se dizer que a razão é que um vendedor do lado de fora não deve sofrer
qualquer dano ( ie, se um vendedor externo, que não tem conhecimento do
aumento, vende pelo mesmo preço de antes, e seu lucro é geralmente um
sexto, se foi aumentado para um sexto, então ele não obtém lucro, mas
também não sofre nada. dano no preço de custo). É assim mesmo? O
vendedor não precisa lucrar com
p. 197

sua venda? Alguém que venda a preço de custo deve ser chamado de
comerciante? Portanto, disse R. Hisda: Samuel tomou como base para sua
decisão o seguinte versículo [Ezek. xlv. 12]: "E o siclo será de vinte geras: em
vinte vinte siclos, com vinte e cinco siclos, e quinze siclos, será a tua
alma." Era, então, um maneh sessenta shekels, o que faz duzentos e quarenta
zuz? Portanto, deste versículo pode-se inferir três coisas: ( a ) Que o maneh do
santuário estava em valor duas vezes mais do que o shekel comum; ( b ) que é
permitido aumentar um sexto, mas não mais; e ( c ) que o sexto pode ser
adicionado mesmo de fora ( por exemplo, para adicionar dez a cinquenta, de
modo que o sexto pode ser contado depois de ser adicionado, como o maneh
de Ezequiel é sessenta shekels, enquanto um maneh em geral contém vinte e
cinco shekels).

R. Papa b. Samuel fez uma kielah de três kpiz. 1 E para a pergunta: Samuel
não disse que não deve ser acrescentado mais do que um sexto? respondeu
ele: Eu inventei uma medida inteiramente nova. Ele enviou para Pumbeditha e
não foi aceito; mas a cidade de Papunia aceitou e chamou de Rus-Papa ( ou
seja , a medida de papai).
Os rabinos ensinavam: "Aqueles que previnem frutos" etc. (aqui como em
Derech Eretz - Rabba, Vol. IX., P. 1, linha 17 seq .-- qv). Aqueles que evitam
as frutas - que se destinam a isso? Disse R. Johanan: Pessoas como Sabbati, o
arauto das frutas (cujo costume era comprar frutas apenas com o propósito de
vendê-las aos pobres a um alto preço; mas se alguém compra frutas na estação
barata não para esse fim, e o preço aumenta, e ele vende no preço existente,
não importa). O pai de Samuel costumava comprar grãos na época da colheita
e vendia-os pelo mesmo preço. Samuel, seu filho, no entanto, armazenava o
grão que comprava na colheita até o preço subir e depois vendia-o ao mesmo
preço da colheita. E da Palestina foi enviada uma mensagem de que os atos do
pai eram mais meritórios do que os de seu filho. Por quê? Porque através dos
atos do pai o atacadista não poderia aumentar o preço,

Rabh disse: Pode-se armazenar os grãos que ele colheu de seu campo (como é
proibido apenas comprar no mercado em
p. 198

tempo de colheita com a finalidade de aumentar o preço). E assim também


aprendemos na seguinte Boraitha: Não se deve evitar frutas, grãos, etc., pelos
quais se sustenta a vida, como, por exemplo.vinho, óleo e farinha; mas
temperos, pimenta, etc., um pode. Isto é dito, no entanto, se alguém comprar
do mercado; mas do próprio campo é permitido armazenar tudo. Também é
permitido que um se armazene na Palestina pelos três anos seguintes - na
véspera de um ano Sabático, para o ano Sabático e para o ano seguinte (como
no ano passado, as pessoas devem esperar pela nova safra). Nos anos de fome,
no entanto, até mesmo um punhado de alfarroba não deve ser armazenado,
pois produz uma maldição para os preços. R. Jose b. Hanina disse a Puga, seu
servo: Vá, guarde-me grãos por três anos - na véspera do ano sabático, do ano
sabático e do ano seguinte.

Os rabinos ensinavam: Não deve ser exportado da Palestina coisas pelas quais
se sustenta, como vinho, óleo e boa refeição. R. Jehudah b. Bathyra permite
exportar vinho, porque diminui a intoxicação; e mesmo da Palestina para a
Síria, a exportação dos itens acima é proibida. O rabino, no entanto, permite a
exportação da última província da Palestina para a primeira província da Síria
que a delimita.

Os rabinos ensinavam: não se deve comprar do agricultor coisas pelas quais se


sustenta um meio de subsistência com o propósito de vender no mercado a um
preço mais alto nas províncias da Palestina; mas para o próprio agricultor é
permitido vender nos mercados.

Foi dito, no entanto, que R. Elazar b. Azarya costumava vender vinho e óleo
para os revendedores, e eles o vendiam a um preço mais alto; e a razão foi que
ele mantém com R. Jehudah sobre o vinho; e o petróleo era abundante nos
mercados de seu lugar, de modo que os revendedores não podiam afetar o
preço.

Os rabinos ensinavam: não se deve obter duas vezes mais lucro com os
ovos. Disse Mari b. Mari: Na interpretação dos Boraitha Rabh e Samuel
diferem. De acordo com um, isso significa que não se deve dobrar o preço; e
de acordo com o outro, significa que um vendedor não o venderá a outro
vendedor para que ele tenha lucro, e o vendedor no mercado também terá
lucro - mas ele mesmo deve vendê-lo no mercado.

Os rabinos ensinavam: pode ser rezado pelo sopro de chifres, mesmo no


sábado, quando os negócios se tornam monótonos. Disse R. Johanan: Isso
deve ser feito no caso de restos de linho ficarem muito baixos na Babilônia, e
vinho e óleo na Palestina. Disse R. Joseph: Desde que o material foi reduzido
para quase metade do preço.
p. 199

Os rabinos ensinaram: não se deve emigrar da Palestina para outras


províncias, a menos que o preço do grão tenha aumentado até um ponto de
dois saahs. Disse R. Simeon: Isto é somente quando não se pode encontrar
nenhum grão para comprar; mas se ele pode obtê-lo mesmo ao preço de um
selah para cada saah, não se deve emigrar. E assim também foi a opinião de R.
Simeon b. Joai, que costumava dizer que Elimeleque, Maomé e Quiléia eram
os grandes homens de sua geração e eram seus líderes; e eles foram punidos
apenas porque emigraram da Palestina. Como está escrito [Ruth, i. 19]: "Toda
a cidade estava em comoção sobre eles, e as pessoas diziam: Isto é Noemi?" E
para a pergunta: o que isso significa? disse R. Itz'hak: Significa: Veja o que
aconteceu com Noemi, que emigrou da Palestina.

Ele disse novamente: Naquele dia em que Rute chegou à Palestina, a esposa
de Boaz havia morrido; e é isso que as pessoas dizem, que antes que o
falecido partisse, o substituto para administrar a casa já estava
preparado. Rabba b. R. Huna, em nome de Rabh, disse: Boaz é idêntico a
Ibzan. O que veio para nos ensinar? Aquilo que foi dito em seu nome em
outro lugar, a saber: Cento e vinte banquetes que Boaz fez para seus
filhos. Como está escrito [Juízes, xii. 9]: "E ele teve trinta filhos, e trinta filhas
ele enviou no exterior, e trinta filhas ele trouxe para seus filhos de fora", etc E
em cada casamento dois banquetes foram dados - um no pai e um no casa do
sogro - e para nenhum deles ele convidou Manoah, dizendo: Que retorno
posso esperar desse homem sem filhos? E há uma Boraitha que todas as
crianças morreram quando ele (Boaz) ainda estava vivo. E ele se casou e
gerou alguém que era melhor do que todos os sessenta, o mesmo era Obed,
que nasceu de Ruth, de quem David desceu.
R. Hanan b. Rabha, em nome de Rabh, disse: Elimeleque, Shalman, o parente,
[Rute, iv. e o pai de Naomi todos eram descendentes de Naasson ben
Aminadabe. Para que propósito foi dito? Para ensinar que mesmo aquele que é
descendente de tais grandes homens, os atos meritórios de seus pais não o
absolvem quando ele emigra da Palestina. O mesmo disse novamente em
nome da mesma autoridade: O nome da mãe de Abraão era Amthlai banho
Khrubu, e o nome da mãe de Haman era Amthlai banho Urbthi; o nome da
mãe de Davi foi Nzb'th banho Edal; a mãe de Sampson, Z'llpunith e sua irmã
N'shiin. Para que propósito isso foi dito? Para uma resposta ao Epicuristen
(que nega tudo
p. 200

as lendas da Bíblia, dizendo, por exemplo: Se Abraão existisse, por que o


nome de sua mãe não era mencionado, como sem dúvida seu pai tinha muitas
esposas, e a mãe de Abraão deveria ser distinguida, o mesmo acontecendo
com as outras mencionadas acima? ? e nós respondemos a eles que todos os
seus nomes são conhecidos por nós tradicionalmente).

O mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade: Abraão, nosso pai,


estava na prisão dez anos três na cidade de Khutha e sete em Qurdu. R. Dimi
de Nahardea, no entanto, ensinou o contrário (sete em Khutha e três em
Qurdu; alguns dizem que ele foi preso por Nimrod e outros por seu pai,
porque ele quebrou seus ídolos). R. Hisda disse: A cidade Eibra-Zeira de
Khutha é a cidade que Ur Kasdim mencionou na Bíblia.

R. Hanan b. Rabha, em nome de Rabh, disse novamente: No dia em que nosso


pai Abraão partiu deste mundo, todos os grandes homens das nações se
levantaram em fila e disseram: Ai do mundo, que perdeu seu líder! e ai do
navio, que perdeu seu χυβερνηϩης; (direção)!

Está escrito [I Chron. xxix. 11]: "E tu és exaltado como a cabeça acima de
tudo." E o dito acima em nome de Rabh: Até mesmo um oficial de poços (que
tem que manter ordem em usá-los para regar os campos) é designado pelo Céu
( isto é , que até mesmo um ofício tão insignificante não é preenchido sem o
decreto do Céu e ele toma o verso literalmente "e tu és exaltado sobre todas as
cabeças que são apontadas por ti").

R. Hyya b. Abin em nome de R. Jehoshua b. Karsha disse: Elimelech não iria


emigrar da Palestina, se pudesse obter até farinha de farelo para uso. Mas por
que ele foi punido? Porque ele deveria ter orado por sua geração, o que ele
não fez. Como está escrito [Is. lvii. 13]: "Pelo teu choro tu podes ser salvo
com todos os que estão reunidos contigo". 1 Disse Rabba bb Hana em nome de
R. Johanan: Não se deve emigrar da Palestina quando o dinheiro é barato, mas
o grão alto; mas, se vice-versa , mesmo quando o preço de quatro saas é
apenas um, é possível. Como R. Johanan disse: Eu me lembro de uma época
em que havia quatro saahs para uma selah, e havia muitos que passavam
fome, já que eles não tinham um issar. E ele disse novamente: Eu me lembro
que os trabalhadores não queriam trabalhar no lado leste da cidade, como o
cheiro de pão (que o vento do oeste levava
p. 201

para eles) iria matá-los, como eles não tinham comido pão fresco por um
longo tempo. O mesmo se repetiu: lembro-me de quando uma criança
costumava quebrar um pedaço de alfarroba, gotas de mel vazavam e
umedeciam suas mãos. R. Elazar disse: Eu me lembro, quando um corvo
pegava um pedaço de carne, um fio de gordura era visto caindo da altura para
o chão. R. Johanan disse novamente: Eu me lembro de vezes em que uma
jovem de dezesseis anos e um menino de dezessete anos andavam juntos e não
pecavam. Ele disse novamente: Eu me lembro do que foi dito na faculdade:
Quem cede aos idólatras em discussão, o fim será que ele cairá em suas
mãos; e quem confia neles, tudo o que possui permanecerá em suas mãos.

Está escrito [Ruth, i. 2]: "Mahlon e Kilyon", e em [I Chron. iv. 22]: "Joás e
Saraph". Rabh e Samuel diferem. Um deles disse que os nomes verdadeiros
eram Mahlon e Kilyon; mas por que eles foram chamados Joás e
Saraph? Joás, porque se desesperaram da redenção, e Sarafá, porque eles
estavam sujeitos à queimadura. E o outro diz que seus nomes verdadeiros
eram Joás e Sarafá; e por que eles foram chamados Mahlon e
Kilyon? Mahlon, porque eles se tornaram muito comuns por sua emigração, e
Kilyon, porque eles estavam sujeitos à destruição. 1

Parece que Mahlon e Kilyon eram seus nomes verdadeiros, como aprendemos
na seguinte Boraitha: Está escrito [ibid., Ibidem]: "E Jokim e os homens de
Coseba, e Joás e Sarafá, que dominavam em Moabe e Jashubi-lechem. E estas
são coisas antigas. "

Jokim significa Josué, que confirmou o juramento que foi dado aos homens de
Gibeão; e "os homens de Coseba" 2 significa os homens de Gibeão, que
mentiram diante de Josué. Joás e Sarap eram Maomon e Quilon; e por que
eles foram chamados Joás e Saraph? Porque eles se desesperaram da
redenção, e por isso eles estavam sujeitos a queimar. "Quem tinha domínio em
Moabe" significa que eles se casaram com filhas de Moabe. "E Jabucubi-
lechem" significa Rute, a moabita, que havia retornado e estava ligada a Bete-
Se'hem. "E estas são coisas antigas" significa que o acima foi dito por aquele
que é mais velho que os dias. Como está escrito [Ps. lxxxix. 21]: "Achei a
Davi, meu servo". Também é escrito [Gen. xix. 15]: "E
p. 202
as tuas duas filhas, que são achadas ". 1 Está escrito [I Cron. iv. 23]: "Estes
eram os ceramistas (Hayozrim), e aqueles que habitavam em plantações e
currais, por causa do rei, para fazer o seu trabalho, eles moravam
lá." Hayozrim 2 significa os filhos de Jonadabe b. Rechab, que preservou o
juramento de seu pai. "Nas plantações" significa o rei Salomão, que era uma
planta em seu reino. Vegidroh (curral) significa o Sinédrio, que havia cercado
a divisória quebrada de Israel. "Por amor do rei", etc., significa Rute, a
moabita, que viveu para ver o reino de Salomão, seu bisneto. Como está
escrito [I Reis, ii. 19]: "E colocou uma cadeira para a mãe do rei." E R. Elazar
disse que isso significa "para a mãe do reino".

Os rabis ensinaram: Está escrito [Lev. xxv. 22]: "Comereis ainda da velha
colheita", o que significa sem necessidade de preservar. Como isso deve ser
entendido? Disse R. Na'hman: Não será comido por vermes. E R. Shesheth
disse: Não será chamuscado. Há um Boraitha de acordo com R. Na'hman: "Da
velha colheita", para que ninguém diga que Israel deve esperar pela nova
colheita, como o velho já foi, por isso está escrito [ibid., Ibid.] : "Até a
colheita chegar", o que significa, até que a colheita venha por si mesma (e ele
não precisará tomá-la antes que esteja madura, e torná-la adequada para uso
por secagem).

E há também uma Boraitha de acordo com R. Shesheth: "Ainda comereis da


velha colheita", para que se diga que Israel teria de esperar pela nova colheita,
porque a antiga se estragou, por isso está escrito " Até que sua colheita
chegue, "o que significa que o velho será suficiente até que o novo venha em
seu caminho natural, sem qualquer necessidade de tomá-lo antes que esteja
maduro.

Os rabinos ensinaram: Está escrito [ibid. xxvi. 10]: "E você deve comer loja
muito antiga." A partir disso, pode-se inferir que algo mais antigo é melhor,
mas isso é dito de coisas que costumavam ser preservadas. Mas de onde
sabemos as coisas que não devem ser preservadas? Portanto, está escrito:
"Joshon Noshon" (literalmente, velho, velho) [ibid., Ibid.], "E os velhos
removereis por causa do novo", do qual se deve inferir que naquele tempo
todos os seus celeiros foram preenchidos com a safra antiga e seus celeiros
com o novo. E Israel costumava dizer: "Por que
p. 203

devemos remover o antigo, que é tão bom quanto o novo, para o último? "

Disse R. Papa: Todas as coisas antigas são boas, exceto as tâmaras e sua
cerveja, e harsnah(um prato naquele tempo usado pelos pobres - veja Aboda
Zara, 73 a ).
Rabba disse: 1Os marinheiros me disseram que a onda que geralmente faz o
navio afundar é visível por um raio de luz esbranquiçada, e nós o atingimos
com um bastão, sobre o qual está gravado: "Eu serei o que serei"
[Ex. iii. 14]. Então ficou quieto. Ele disse novamente: Os marinheiros me
disseram que de uma onda para a outra são trezentas parsas, e a altura de cada
onda é também de trezentas parcas. Certa vez aconteceu que eu estava no
barco, e uma onda me elevou a tal altura que pude ver a base de uma
estrelinha, e em meus olhos parecia um espaço onde quarenta sementes de
mostarda podiam ser semeadas. Se a onda me levantasse mais alto, eu teria
sido queimada pelo calor daquela estrela; e ouvi uma voz, uma onda falando
uma com a outra: Meu colega, você deixou algo no mundo que não destruiu,
para que eu possa realizá-lo? E a resposta foi: Vá e veja o poder do teu
Mestre, pois há apenas uma fileira de areia que separa o mar da terra; e ainda
assim eu não pude passar por cima. Como está escrito [Jer. v. 22]: "Não me
temerás? diz o Senhor; não tremerás diante de mim, que puseste a areia como
um limite para o mar, por uma lei perpétua, a qual jamais poderá passar? suas
ondas podem ser subjugadas, mas não podem prevalecer, embora rugam, mas
não podem passar por cima dela. qual nunca pode passar? e, ainda que as suas
ondas sejam subjugadas, não podem prevalecer; ainda que rugam, não podem
passar por cima disso. " qual nunca pode passar? e, ainda que as suas ondas
sejam subjugadas, não podem prevalecer; ainda que rugam, não podem passar
por cima disso. "

Ele disse novamente: Eu vi Hurnim barrar Lilith, que pulou no topo das casas
de tijolos da cidade de Mehusa, e estava correndo tão rápido de um para o
outro que um cavaleiro não conseguiu alcançá-lo. Uma vez aconteceu que
duas mulas foram seladas para ele nas duas pontes sobre o rio Druggring, que
estavam longe umas das outras, e ele saltou continuamente de uma sela para a
outra, enquanto segurava duas taças de vinho, vertendo de uma para a outra.
continuamente sem derramar uma gota, e isso
p. 204

dia foi tão tempestuoso, como ilustrado [Ps. cvii. 28], até que o governo
tomou conhecimento dele, e ele foi morto. 1

Ele disse novamente: Eu vi um cabrito com um dia de idade, que era como a
montanha de Tabur, que mede quatro parsas; e o comprimento de seu pescoço
era de três parsas e o espaço coberto por sua cabeça de uma e meia parsas; e
quando emitiu excremento, parou o Jordão.

Rabba bb Hana disse novamente: Eu vi um jacaré tão grande quanto a cidade


de Hagrunia, que continha sessenta casas. Uma cobra veio e engoliu, e um
corvo de cauda grande veio e engoliu a cobra, e então o corvo se sentou em
uma árvore. Venha e veja quão forte era aquela árvore! R. Papa b. Samuel
disse: Se eu não estivesse lá, não teria acreditado.
Rabba disse novamente: Certa vez, quando a bordo de um navio, vi um peixe
em cujas brânquias um réptil rastejou e morreu, o mar jogou-o em terra. E
sessenta ruas foram destruídas por sua queda, e sessenta ruas consumiram sua
carne, e sessenta outras ruas salgaram a carne que restava; e de um olho
encheram trezentas medidas de óleo; e quando voltei para lá depois de doze
meses, vi seus ossos serem serrados para restaurar as ruas que foram
destruídas por ele.

Ele disse novamente: Uma vez eu estava a bordo de um navio, que era
conduzido entre duas barbatanas de um peixe, três dias e três noites. O peixe
estava nadando contra o vento e nós estávamos navegando com o vento o
navio não foi rápido o suficiente, quando R. Dimi veio da Palestina, ele disse
que era tão rápido que na hora de esquentar uma cumcuma de água o navio
fazia 60 parsas, e um cavaleiro atirando uma flecha ao mesmo tempo podia
não seja mais rápido que o navio]. E R. Ashi disse que este era um dos
menores peixes do mar que tem duas barbatanas.

O mesmo Rabba disse novamente: Certa vez aconteceu que eu estava indo em
um barco, e vi um peixe em que a areia foi recolhida e grama crescida logo
em seguida. E nós pensamos que era uma ilha, descendente, cozido e cozido
sobre ela. Quando a parte de trás do peixe ficou quente, ele virou, e se o navio
não estivesse tão perto, teríamos nos afogado.

O mesmo Rabba disse de novo: certa vez, a bordo de um navio, vi um pássaro


que estava em pé na água e chegava apenas até os dedos dos pés; sua cabeça,
no entanto, atingiu o céu, e nós
p. 205

achava que a água era rasa, então estávamos prestes a nos banhar ali, quando
ouvimos uma voz celestial. Não desça, pois um carpinteiro aqui perdeu um
machado há sete anos, e ainda não atingiu o chão - não por ser tão profundo,
mas por causa da correnteza. Disse R. Ashi: Este pássaro é o Zeez
Sodai mencionado em Ps. eu. 11

Rabba bb Hana disse novamente: Aconteceu uma vez, enquanto no deserto,


que eu vi gansos dos quais as penas caíram devido à sua gordura, e um rio
inteiro de gordura estava abaixo deles, e à minha pergunta: "Eu tenho uma
parte? em você no mundo por vir? um deles levantou a asa e um deles um
pé. Quando contei isso a R. Elazar, ele disse: Israel será punido por eles, pois
por seu pecado o Messias não vem, e os gansos devem suportar sua gordura.

O mesmo Rabba disse novamente: Certa vez, no deserto, fomos


acompanhados por um comerciante árabe que costumava tomar um torrão de
terra, cheirá-lo e dizer: Esse caminho leva a tal lugar, e isso a um tal. E
perguntamos a ele: A que distância estamos da água? E ele cheirou a terra,
dizendo: Oito parsas. Depois disso, demos a ele outra terra para cheirar, e ele
disse: Três parsas. Mudei os torrões de terra, mas não conseguimos enganá-lo,
e ele me disse: Venha comigo. Mostrarei os cadáveres dos mortos no deserto
na época de Moisés. Eu fiz isso, e sua aparência era tão fresca como se fossem
dormir enquanto bebiam. Todos eles estavam deitados de costas. O pé de um
deles, no entanto, foi levantado, e o comerciante, enquanto montava e
segurava uma lança na mão, passou por baixo dela, sem alcançar a articulação
do joelho.taliths , 1 em que foram tsitsith. Então nem nós nem nosso gado
poderia mexer. Disse-me o comerciante: Talvez você tenha pegado alguma
coisa pertencente aos mortos, pois tenho a tradição de que, se alguém tira
alguma coisa deles, não consegue se mexer. Quando contei isso aos rabinos,
eles disseram: Todo o Abba é um idiota, e todo o Bar Bar Hanah é um
absurdo (todas as suas histórias são). Para qual propósito você tomou? Saber
com quem prevalece a Halakha sobre tsitsith - seja com a escola de
Shammai 2 ou com a escola de Hillel? Então você deve ter investigado seu
tsitsith contando os fios e nós. Então (continuado Bar Bar
p. 206

Hanah) o comerciante disse-me: Vem e eu te mostrarei a montanha


[parágrafo continua]

do Sinai. Eu o segui e vi que estava cercado de serpentes. Todos eles estavam


de pé e pareciam jumentos brancos. Eu também ouvi uma voz celestial
dizendo: Ai de mim, que tenho jurado; e agora, depois de ter feito isso, quem
me absolverá desse juramento? Quando contei isso aos rabinos, eles disseram
novamente: Todo o Abba é um jumento, etc. Por que não dissestes: Tu és
absolvido, és absolvido? [Ele, no entanto, não o fez, porque pensou: Talvez
signifique o juramento para o dilúvio, referindo-se ao que está escrito em
Is. liv. 9: "Como eu jurei que as águas de Noé", etc Os rabinos, no entanto,
estavam certos em acusá-lo, como se fosse sobre o dilúvio, porque, então, "ai
de mim"?] O mesmo comerciante disse para mim: Venha e eu mostrarei o
lugar onde os filhos de Coré foram engolidos. E vi duas fendas no chão de
onde saía fumaça. Peguei um pedaço de lã, molhei-o com água, coloquei-o na
minha lança, coloquei-o na fenda, e quando o tirei estava manchando. E o
comerciante me disse: abaixe-se e ouça. E eu os ouvi dizendo: Moisés e sua
Torá são verdadeiros, e nós somos mentirosos. Disse o comerciante para mim:
A cada trinta dias do mês, a Gehenna os vira aqui, como carne em uma
chaleira, e eles (os engolidos) repetem o que precede. Moisés e sua Torá são
verdadeiros e nós somos mentirosos. Disse o comerciante para mim: A cada
trinta dias do mês, a Gehenna os vira aqui, como carne em uma chaleira, e eles
(os engolidos) repetem o que precede. Moisés e sua Torá são verdadeiros e
nós somos mentirosos. Disse o comerciante para mim: A cada trinta dias do
mês, a Gehenna os vira aqui, como carne em uma chaleira, e eles (os
engolidos) repetem o que precede.
Ele disse novamente para mim: Venha e eu mostrarei a você onde o céu e a
terra se encontram. Eu o segui, peguei minha cesta e coloquei na janela do
céu. Depois de orar, procurei, mas não consegui encontrá-lo. Então eu disse ao
comerciante: Há ladrões aqui? E ele respondeu: Foi a roda do céu que a levou
com ela. Espere até amanhã neste mesmo horário e você o encontrará.

R. Johanan costumava dizer: Uma vez a bordo de um barco, vi um peixe que


levantou a cabeça para fora da água e seus olhos pareciam duas luas; a água
escorria de suas narinas como os dois rios de Sura.

R. Saphra costumava dizer: Uma vez a bordo de um barco eu vi um peixe que


tinha chifres levantando a cabeça da água, e em seus chifres estava gravado
assim: "Eu sou das pequenas criaturas no mar e medi três cem parcas, e eu
vou para a boca do leviatã ". Disse R. Ashi: Este é um cabrito que cava com
seus chifres o chão do mar.

R. Johanan contou novamente: Uma vez a bordo de um barco eu vi um


χαρταλος; (um tipo de cesta) que foi definido com diamantes e
p. 207

pérolas e cercadas por um tipo de peixe chamado karshah , e um mergulhador


desceu para pegá-lo; mas a cesta fez um movimento e ameaçou quebrar a
perna dele. Ele, no entanto, jogou uma bolsa de couro contendo vinagre (de
acordo com os outros, uma bolsa de couro com areia) em direção a ela, e a
cesta afundou. Ao mesmo tempo, uma voz celestial falou para nós: Que
negócio você tem com essa kartilitha , que pertence à esposa de R. Hanina
b. Dosa, quem depositará nele o roxo para os que estão no mundo vindouro?

R. Jehudah, da Mesopotâmia, costumava dizer: Uma vez, enquanto a bordo de


um navio, vi um diamante cercado por uma cobra e um mergulhador foi pegá-
lo. A cobra então abriu a boca, ameaçando engolir o navio. Então um corvo
veio, mordendo sua cabeça, e toda a água ao redor se transformou em
sangue. Então outra cobra veio, pegou o diamante, colocou-o na carcaça e ele
ficou vivo; e novamente abriu a boca para engolir o navio. Um outro pássaro
então veio, mordeu a cabeça, pegou o diamante e o jogou no navio. Nós
tínhamos conosco pássaros salgados, e queríamos tentar se o diamante os
traria à vida, então colocamos a gema neles, e eles ficaram animados, e
voaram com a gema.

Os rabinos ensinaram: Aconteceu com R. Eliezer e R. Jehoshua que estavam


em um navio, que R. Eliezer estava dormindo e R. Jehoshua acordado. Este
último ficou assustado, de modo que R. Eliezer acordou e disse: Qual é o
problema, Jehoshua? O que você viu que te assustou? E ele respondeu: Eu vi
uma grande luz no mar. Retornou R. Eliezer: Talvez você tenha visto os olhos
do leviatã sobre o qual está escrito [Jó, xli. 10]: "E seus olhos são como as
pálpebras da madrugada da manhã."

R. Ashi disse: Huna b. Nathan disse-me: aconteceu uma vez, enquanto eu


estava no deserto, e tínhamos uma perna de carne, cortamos, legamos para
comer, colocamos na grama e fomos colher lenha para assar. Quando
voltamos, a perna retomou a forma que tinha antes de ser cortada; e depois
nós assamos. Quando voltamos depois de doze meses, os carvões em que
estava torrado ainda estavam vivos. Quando contei isso a Amemar, ele disse
que a grama era samtrie , que tem a qualidade de combinar coisas que antes
eram separadas; e os carvões eram de escova de vassoura, que quando
inflamados permanecem vivos por um longo, longo tempo.

Está escrito [Gen. Eu. 21]: "E Deus criou o grande mar
p. 208

monstros. "Aqui na Babilônia eles traduzem este o reem do mar. R. Johanan,


no entanto, diz: Significa leviatã - leviatã macho e fêmea, como está escrito
[Is. xxvii. 1]:" Naquele dia o Senhor castigue com seu pesado, grande e forte
espada o leviatã, a serpente voadora e o leviatã, a serpente tortuosa, e ele
matará o crocodilo que está no mar. "

R. Jehudah em nome de Rabh disse: Tudo o que o Santo, bendito seja Ele,
criado, era macho e fêmea, e também o leviatã - a serpente voadora macho e a
serpente serpente; e se tivessem relações, destruiriam o mundo. Portanto o
Senhor fez o macho impotente, e matou a fêmea e a salgou para os justos no
mundo vindouro, como está escrito [ibid.]: "E ele matará o crocodilo", etc. "e
também o gado sobre mil montanhas "[Ps. 1. 10]. Ele os criou macho e fêmea,
e se eles tivessem relações sexuais, eles destruiriam o mundo. Portanto, o
Santo, bendito seja Ele, fez impotente o macho e fez frio a fêmea, e
preservou-a para os retos no mundo vindouro, como está escrito [Jó, xl. 16]:
"veja só (quão grande) é a força em seus lombos"

Mas por que ele não fez frio a fêmea do leviatã também? Porque uma fêmea
salgada tem um sabor melhor. E por que Ele não salgou as fêmeas do gado em
questão? Peixe salgado dá um bom gosto, mas a carne salgada não.

O mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade: Na hora em que o


Santo, bendito seja Ele, quis criar o mundo, Ele disse ao soberano do mar:
Abra a boca e engula todas as águas que serão encontrado no mundo. E ele
disse: Senhor do Universo, não é suficiente que eu engula a água sob meu
domínio? E ele foi, portanto, morto imediatamente, como está escrito
[ibid. 12]: "Pelo seu poder ele dividiu em pedaços o mar, e pelo seu
entendimento ele esmagou Raabe ." Disse R. Itz'hak: Inferir disso que o nome
do governante deste mar é Rahabe as águas do mar não cobriram o corpo,
nenhuma das criaturas pôde permanecer viva devido ao mau cheiro, como está
escrito. XI. 9]: "Eles não devem ferir nem destruir ... como as águas cobrem o
mar." Não leia "cubra o mar", mas "cubra a régua do mar".

R. Jehudah em nome de Rabh disse novamente: O Jordão dispara pela caverna


de Pmias. Há também uma Boraitha: O Jordão descarrega pela caverna de
Pmias e flui para o mar de
p. 209

Sipchi, de Tiberíades, até atingir o oceano; e através dela flui até alcançar a
boca do leviatã, como está escrito [Jó, xl. 23]: "Ele fica quieto, apesar de um
Jordão chegar à sua boca."

Rabha b. Ula se opôs: "Este verso não fala do gado nas mil montanhas?
Portanto," disse ele, "este versículo deve ser interpretado assim: Quando o
gado em questão tem certeza de que eles permanecerão vivos? Quando o
Jordão alcançar a boca do leviatã ( ou seja , enquanto o leviatã viver, eles têm
certeza de que eles permanecerão vivos, pois todos estão preparados para o
mundo por vir quando o Messias aparecer). "

Quando R. Dimi veio da Palestina, ele disse em nome de R. Johanan: Está


escrito em Ps. xxiv. 2: "Pois sobre os mares ele a fundou, e sobre os rios ele
estabeleceu." Significa os sete mares e quatro rios que circundam a terra de
Israel (Palestina); e eles são o mar de Tiberíades, Sodoma, Chirat, Chiltha,
Sipchi, Aspâmia e o Oceano: estes são os sete mares, e os quatro rios são
Jordão, Jarmuch, Kirumyun e Phiga.

O mesmo R. Dimi disse em nome de R. Jonathan: O anjo Gabriel vai caçar o


leviatã, como está escrito [Jó, x1. 25]: "Você pode tirar o crocodilo (leviatã)
com um anzol ou fazer sua língua afundar na corda de isca?" E não deve o
Santo, abençoado seja Ele, ajudá-lo, ele não iria conquistá-lo, como está
escrito [ibid., Ibid. 19]: "Ele é o primeiro no ranking ... aquele que o fez
sozinho pode trazer sua espada para perto dele."

O mesmo dito novamente em nome de R. Johanan: Quando o leviatã fica com


fome, ele expele de sua boca um gás que faz ferver todas as águas nas
profundezas, como está escrito [ibid. xli. 23]: "Ele faz a profundidade
ferver." E se ele não entrar em sua cabeça no paraíso, nenhuma das criaturas
poderá suportar o mau cheiro do gás, como está escrito [ibid., Ibid.]: "Ele
transforma o mar como uma mistura de boticário". E quando ele fica com
sede, ele faz o mar oco como camas, como está escrito mais adiante: "Atrás
dele ele faz seu caminho brilhar". E R. Aha b. Jacó disse: As profundezas não
chegam ao seu caminho natural antes de setenta anos, como está escrito: "Os
homens estimam que as profundezas sejam grisalhas" - e hoary não é inferior
a setenta anos.
Rabba disse em nome de R. Johanan: O Santo, bendito seja Ele, fará um
banquete para os justos do
p. 210

carne do leviatã, como está escrito [ibid. xl. 30]: " Yichrov 1 Olof Chahvierim .
"Yichrov significa um banquete, como está escrito [II Reis, vi. 23]:" E ele
preparou para eles uma grande refeição "(a expressão em hebraico
sendo Veyichre , etc.) e Chahvierim significa estudiosos, como está escrito
[Cântico de Salomão, viii. 13]: "Os companheiros (Chaverim) escutam a tua
voz", etc. E o restante será cortado em pedaços, e vendido nos mercados de
Jerusalém, como está escrito [Jó, 30]: "Divida-o entre os mercadores".

O mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade: O Santo,


abençoado seja Ele, fará um estande para o reto da pele do leviatã, como está
escrito [ibid., Ibid. 31]: "Você pode encher sua pele com Soukoth ?" 2 Se o
justo é ter um estande, um estande é feito para ele dele; e se menos, uma
pequena cabana; e se ainda menos, um colar será feito para ele, como está
escrito [Prov. Eu. 9]: "E cadeias para a tua garganta -; e se ainda menos, um
amuleto será feito para ele, como está escrito [Jó, xl. 29]:" E amarrá-lo para as
tuas donzelas "? E o restante de a pele o Senhor espalhará nas paredes de
Jerusalém, e o brilho do que vai brilhar de um fim do mundo para o outro,
como está escrito [Is. lx 3]: "E as nações devem andar pela tua luz, e reis pelo
brilho do teu resplendor. "

Está escrito [ibid. liv. 12]: "E eu vou fazer de kadkad (rubis) tuas ameias", etc
Disse Samuel b. Nahmeni: Dois anjos - no céu, Gabriel e Michael, de acordo
com outros dois Amoraim da Palestina, e eles são Jehudah e Hiskiyah os
filhos de R. Hyya - um diz que significa shoham(ônix) e outros jaspe, e o
Santo, bendito seja Ele, disse: Que seja como ambos dizem. [É. liv. 12]: "E as
tuas portas" etc. Isto é como R. Johanan lecionou enquanto estava sentado: O
Santo, bendito seja Ele trará joias e pérolas do tamanho de trinta ells
quadrados, vinte elles de altura e dez de largura, e os colocará nas portas de
Jerusalém. E um discípulo o ridicularizou: não encontramos nem mesmo uma
jóia tão grande quanto o ovo de uma pomba, e ele falou sobre esses
tamanhos? Depois disso aconteceu que o mesmo discípulo estava em um
barco no alto mar, e viu anjos que viram joias e pérolas do tamanho de trinta
furos quadrados, furos neles, vinte de altura e dez de largura. Ele perguntou-
lhes: Com que finalidade? E eles responderam: O Santo
p. 211

Um, abençoado seja Ele, os colocará nos portões de Jerusalém. E


[parágrafo continua]

quando ele voltou, ele disse a R. Johanan: Palestra, Rabino, por tudo que você
disse é verdade, como eu mesmo vi. E R. Johanan disse a ele: Ignoramus, se
você não tivesse visto, você não teria acreditado. Então você ridicularizaria as
palavras dos sábios? Ele lançou os olhos para ele e tornou-se um monte de
ossos.

Uma objeção foi levantada: Está escrito [Lev. xxvii. 13]: "Eu vou levar
você qummiuth ." 1 R. Meir disse: Isso significa duzentos ells, o dobro da
altura de Adão o primeiro, que tinha cem ells de altura. R. Jehudah, no
entanto, disse: Significa cem ells, o tamanho do templo com suas paredes,
como está escrito [Ps. cxliv. 12]: "Para que nossos filhos possam ser como
plantas crescidas em sua juventude, nossas filhas como pilares de canto,
esculpidas segundo o modelo de um palácio". (Por isso, vemos que, de acordo
com a altura do Templo, pelo menos cem ells. Por que, então, R. Johanan
tinha apenas vinte metros de altura?) R. Johanan queria apenas as janelas nos
portões que deixavam entrar ar .

Rabba em nome de R. Johanan disse: O Santo, abençoado seja Ele, fará sete
copas ( chupas ) para cada um, como está escrito [Is. iv. 5]: "E então o Senhor
criará em cada morada do Monte Sião, e em seus lugares de reunião, uma
nuvem e fumaça durante o dia, eo brilho de um fogo flamejante à noite, pois
sobre toda a glória será uma cobertura ( chupa ) " De onde deduzimos que o
Santo, bendito seja Ele, fará uma chupa para cada um, de acordo com Sua
dignidade. Mas por que fumar uma chupa ? Disse R. Hanina: Cada um que
olha com um olho ruim para os estudiosos deste mundo, seus olhos estarão
cheios de fumaça no mundo por vir. E por que fogo (na chupa)? Disse R.
Hanina: Inferir a partir disso que cada um dos íntegros será queimado
pela chupa de seu vizinho. E ai de tal queimadura e tal vergonha! ( ou seja ,
a chupa do vizinho é tão bonita e grande que minha chupa parece uma
pequena cabana contra a dele). Semelhante a isto é o que está escrito
[Num. xxvii. 20]: "E você deve colocar um pouco de sua grandeza sobre
ele." Mas não toda ela. Os anciãos daquela geração costumavam dizer: O
aparecimento de Moisés era como o sol e a aparição de Josué como a lua. Ai
de tal queimadura! ai de uma vergonha!

R. Hama b. Hanina disse: Dez chupas foram feitas pelo Santo


p. 212

Um, bendito seja Ele, por Adão o primeiro no paraíso, como está
[parágrafo continua]

escrito [Ezek. xxviii. 13]: "No Éden, jardim de Deus que te respeitar; toda a
pedra preciosa era a tua cobertura, a cornalina, o topázio, o diamante, o berilo,
o ônix, o jaspe, a safira, a esmeralda, e o carbúnculo e ouro .-- (Da
palavra sardius , incluindo a palavra ouro, são dez tipos diferentes.) Mar Zutra
diz: Onze - como ele conta todas as pedras preciosas também. Disse R.
Johanan: O ouro era menos valioso do que todos (como é colocado por
último). O que se entende pela continuação do mesmo verso: "Teus escabelos
e tuas flautas" etc.? Disse R. Jehudah em nome de Rabh: Assim disse o Santo,
bendito seja Ele, para Hirão o rei de Tiro: Quando eu criei o mundo, e vi que
você iria se rebelar, julgando-se um deus, criei buracos e flautas em homens,
para que sejas conhecido como humano. E de acordo com os outros Ele disse:
"Eu vi que você se rebelaria", etc. Eu, portanto, castiguei Adão o primeiro
com a morte, para que se soubesse que você era humano. O que significam as
palavras "em seus lugares de reunião" (Isaías, no verso acima citado)? Disse
Rabba em nome de R. Joanã: Jerusalém no mundo vindouro não é como
Jerusalém deste mundo. Neste último, todo aquele que gosta de entrar o faz,
mas no mundo por vir, somente os convidados entrarão.

Ele disse novamente em nome da dita autoridade: No mundo vindouro, os


retos serão nomeados com os nomes do Santo, bendito seja Ele, como está
escrito [Is. xliii. 7]: "Todo aquele que é chamado pelo meu nome e que criei
para a minha glória, a quem formei; sim, a quem fiz".

Samuel b. Nahmeni disse em nome de R. Johanan: Os três seguintes serão


nomeados com o nome do Santo, bendito seja Ele: o justo, como dito acima; o
Messias, como está escrito [Jer. xxiii. 6]: "E este é o seu nome pelo qual ele
será chamado - O Senhor Nossa Justiça"; e Jerusalém, como está escrito
[Ezek. xlviii. 35]: "E o nome daquela cidade será daquele dia, o Senhor está
lá" ( shamah ). Não leia shamah (lá), mas shmah (nome dela).

R. Elazar disse: No futuro, santo será dito antes do justo como agora é dito
antes do Santo, bendito seja Ele, como está escrito [Is. iv. 3]: "E será que todo
aquele que for deixado em Sião, e permanecer em Jerusalém, será chamado
santo - todo aquele que está inscrito para a vida em Jerusalém".
p. 213

Ele disse novamente em nome da mesma autoridade: O Santo, bendito seja


Ele, aumentará Jerusalém três parsas, como está escrito [Zech. xiv. 10]: "E ela
mesma deve ser elevada, e ser habitada em seu antigo local", o que significa
que será aumentada para o seu tamanho anterior. E de onde você sabe que o
tamanho da antiga Jerusalém foi de três parsas? Disse Rabba: Havia um certo
homem que me disse que ele tinha visto a primeira Jerusalém, e o tamanho
dela era de três parsas. E para que ninguém diga que seria difícil ascender, por
isso está escrito [Is. lx. 8]: "Quem são estes que são como uma nuvem", disse
R. Papa: Inferir disto que as nuvens estão a uma altura de três parsas do chão.

R. Hanina b. Papai disse: O Senhor quis dar uma medida a Jerusalém, como
está escrito [Zac. ii. 6]: "Para medir Jerusalém". E os anjos disseram antes do
Santo, bendito seja Ele: Senhor do Universo, existem muitas grandes cidades
que você criou em teu mundo, pertencendo às nações, das quais tu não
determinaste o seu comprimento e sua largura. Para Jerusalém, sobre a qual
descansa o teu nome, onde está o teu templo e habita os retos, determinas a
medida.
[Ibidem. 8]: "E disse-lhe: Corre, fala a este jovem, dizendo: Sem muralhas
Jerusalém será habitada, por causa da multidão de homens e gado no meio
dela."

Resh Lakish disse: O Santo, bendito seja Ele, irá adicionar


um Litsuy (provavelmente um subúrbio) a Jerusalém mil vezes a área de um
contendo assentos de campo e mil e trezentos T'trplirus , mil torres e cento e
sessenta e nove mil jardins, e cada um de tudo que é dito acima será
como Ziporias em sua glória. E há uma Boraitha que afirma: R. Jose disse: Eu
vi Ziporias em sua glória, e havia cento e oitenta mil mercados em que apenas
especiarias para pratos eram vendidos. Está escrito [Ezek. xli. 6]: "E as
câmaras laterais eram três uma sobre a outra e trinta vezes." O que isso
significa? Disse R. Levi em nome de R. Papi, citando R. Jehoshua de SkhuiSe
houvesse três jerusalems, cada um deles tinha trinta câmaras no topo; e se
trinta jerusalems, cada um deles tinha três câmaras no topo.

FIM DA PRIMEIRA PARTE DO TRACT BABA BATHRA E DE VOL. V.


(XIII.).

Notas de rodapé

167: 1 Aqui no texto estão as famosas lendas de Rabba bb Hana entre as


outras Hagadá, as quais achamos necessário transferir para o final deste
capítulo.

173: 1 A Hagadá aqui também transferimos para o final do capítulo, pois não
tem nada a ver com este texto.

174: 1 No texto há uma declaração de R. Elazar repetida várias vezes, que


deixamos para o próximo Tract Uktzin no lugar apropriado.

193: 1 A Hagadá no texto será colocada no final deste capítulo.

195: 1 Aqui está o assunto repetido nas páginas 147-148 do vol. XII para
"Rabha disse."

197: 1 Um kpiz tinha nove lugs, ou um kab menos um lug; de acordo com os
outros, um puxão e o kielah era o mesmo que um meio tarkab, que contém um
e meio cansaço.
200: 1 Leeser traduz diferente; o Talmude, no entanto, leva isso literalmente.

201: 1 Joás significa desespero ; Saraph, queimar ; Choolin, comum ; e


Kilyon, destruindo .

201: 2 Khzb em hebraico significa mentira.

202: 1 Leeser traduz "eles estão aqui"; mas na Bíblia está escrito Hinizouth,
literalmente "quem é encontrado".

202: 2 Nozar em hebraico significa preservado .

203: 1 Esta questão é transferida do seu lugar em p. 167 . Veja a nota de pé lá.

A Hagadah é conhecida sob o nome Rabba's ou Rabha bb Hana's Legends. O


grande número de comentaristas diz que isso é alegórico, e cada um deles
tenta explicar de acordo com sua maneira ( por
exemplo , filósofo , filosoficamente , moralista, moralmente, etc.). Nós, no
entanto, traduzimos literalmente, sem qualquer explicação, deixando-o para a
consideração do leitor.

204: 1 Se ele era um ser humano ou um demônio, é difícil dizer. Quanto a


isso, os comentaristas diferem, e também quanto a qual governo - seja natural
ou sobrenatural.

205: 1 A vestimenta em que tsitsith são tecidos.

205: 2 No Trato Menacótico, as escolas diferem no número de fios e nós.

210: 1 A tradução de Leeser não pôde ser usada aqui.

210: 2 Na Escritura está escrito com Seen , que se lê como Samach , e Sukkah
significa um estande. A tradução de Leeser não pode ser usada aqui.

211: 1 Quomah significa a altura de uma pessoa, qummiuth significa duas


alturas. A tradução de Leeser não pode ser usada.
p. 214

APÊNDICE A MISHNA I, CAP. III, PÁGINA 83 .

Consideramos necessário chamar a atenção do leitor para o fato de que a lei da


ocupação foi tomada principalmente da antiga lei
romana. 1 sobre usucapião (ocupação), que determina que
cada usucapião sem titulius (reivindicação) não é considerado. As
reivindicações devem serpro-uso (compra) ou pro donato (presente), pro
legato , pro dote ou pro herede (herança); e com usucapio, que é baseado na
herança, nenhuma outra reivindicação era necessária. A lei aplicava-se mesmo
quando se sabia que o ocupante nunca tinha feito o que ele havia ocupado, e a
razão foi porque o requerente teve tempo de protestar por três anos, ou em três
colheitas, e quando não fez nenhuma reclamação nem protestar, era evidente
que o ocupante tinha o direito de ocupar, e nenhuma outra evidência era
necessária. Há também uma diferença entre præsentes e absentes do
ocupante. No entanto, em relação aos servitutes (serviço) havia
também usucapio , no reverso; ou seja, pro libertar (liberdade), o que
significa que o servo ou fiador tinha o direito de se libertar por não
ususQuando, durante três anos, ele nunca foi colocado em obra pelo seu
mestre, ele ficou livre. Mas não houve usucapio usando o fiador, mesmo que
por vários anos: a propriedade nele não foi adquirida se ele não tivesse
nenhuma outra evidência. (Veja-se Lt. Schweppe, § 305.) De acordo com isto,
Abraham Krochmal, em seu Scholia ao Talmude Babilônico (p. 278) sustenta
que o termo "para escravos" no Mishna em questão significa que a lei de
ocupação se aplica a esses escravos eles mesmos; a saber, após três anos de
descanso de qualquer serviço a seus senhores, os escravos se tornam livres,
mas não, de acordo com a Gemara, ao contrário. E assim ele também explica a
afirmação de Resh Lakish ( p. 96 ), "que a lei de hazakah não se aplica a uma
criatura viva", como imutável,

Notas de rodapé

214: 1 A lei da ocupação também existia na Pérsia, mas prescrevia não menos
do que vinte anos. Veja o texto, p. 101 .
p. Eu

NOVA EDIÇÃO

DO

TALMUD BAVIL
Texto Original, Editado, Corrigido, Formulado e Traduzido para o Inglês

DE

MICHAEL L. RODKINSON
SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA (DANOS)

TRATADO BABA BATHRA

(ÚLTIMA PORTA, PARTE I.)

Volume VI. (XIV)

BOSTON

A SOCIEDADE DE TALMUD

1918
p. ii

OBSERVAÇÕES EXPLICATIVAS
Na nossa tradução, adotamos esses princípios:

I. Tenan do original - Nós aprendemos em um Mishna; Tania - Nós


aprendemos em um Boraitha; Itemar - foi ensinado.

2. As perguntas são indicadas pelo ponto de interrogação e são imediatamente


seguidas pelas respostas, sem serem marcadas.

3. Quando no original ocorrem duas declarações separadas pela frase, Lishna


achrena ou Waïbayith Aema ou Ikha d'amri (literalmente, "caso contrário
interpretado :), traduzimos apenas o segundo.

4. Como as páginas do original são indicadas em nossa nova edição em


hebraico, não é considerado necessário marcá-las na edição em inglês, sendo
esta apenas uma tradução da segunda,

s. Palavras ou passagens entre parênteses () denotam a explicação dada por


Rashi à sentença ou palavra anterior. Os parênteses quadrados [] contêm
comentários das autoridades do último período de construção do Gemara.

COPYRIGHT, 1903, DE MICHAEL L. RODKINSON.

COPYRIGHT 1916, DA NOVA SOCIEDADE PUBLICAÇÃO DE


TALMUD
p. iii

AO REVERENDO OS CAVALHOS

HERRN GEHEIMER REGIERUNGSRATH

MORITZ LAZARUS, PH.D., DD

PROFESSOR DE UNIVERSIDADE

MONS. ZADOC KAHANA

GRAND RABBIN

DU CONSISTOIRE CENTRAL DES ISRAÉLITES DE FRANCE

QUAIS OS NOMES SÃO FAMOSOS

NO MUNDO SCHOLARLY EM TODO O GLOBO

ESTE QUARTO DÉCIMO VOLUME

É MAIS SINCERAMENTE INSCRITA POR SEU ADMIRER E

AMIGO PESSOAL

MICHAEL L. RODKINSON

Nova Iorque, véspera da Páscoa, 5662 (21 de abril de 1902)


p. v
CONTEÚDO. (PARTE II.)
CAPÍTULO VI
PÁGINA
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS À VENDA DE SEMENTES QUE
SE TORRAM OBRIGATÓRIAS, À QUANTIDADE DE POEIRA QUE PODEM
OU NÃO PODEM SER ACEITADAS NAS MEDIDAS DE GRÃO E FRUTOS E
VINHO QUE SE TORNA APÓS A VENDA ANTES DA ENTREGA - RELATIVA
ÀS CONTRATANTES PARA CASAS E ESTALEIROS, POÇOS E JARDINS,
SITUADOS NAS PROPRIEDADES DOS VIZINHOS OU PELAS LOJAS
PÚBLICAS EM TERRENO PRIVADO, E EM RELAÇÃO ÀS GRAVES E
CAVERNAS PARA ENCHIMENTO 215
CAPÍTULO VII
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS ROCHAS E AOS PITS NO
SOLO VENDIDO; QUANTIDADES DE MAIOR OU MENOS MEDIDA QUE
PODEM OU NÃO PODEM ANULAR UMA VENDA DE CAMPOS, VILAS, ETC. 231
CAPÍTULO VIII
REGRAS E REGULAMENTOS APLICÁVEIS AOS BATIDOS E À HERANÇA
POR PARENTES PRÓXIMOS E DISTANTES, ESCRAVOS MASCULINOS E
FÊMEAS E SEUS DESCENDENTES, PRIMENTOS NASCIDOS E
MARIDOS. UM MAIO OU NÃO PODERÁ BEQUEATH SUA PROPRIEDADE A
STRANGERS QUANDO TEM CRIANÇAS. QUAIS AS VONTADES DEVEM
SER CONSIDERADAS E QUAIS AS VONTADES NÃO DEVEM. A
DIVIDENDO DE UMA HERANÇA ENTRE CRIANÇAS CRESCIDAS E
MENORES, MASCULINAS E FÊMEAS 241
p. vi

CAPÍTULO IX
PÁGINA
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS AO APOIO DE FILHAS NÃO
CASADOS APÓS A MORTE DO SEU PAI, ENTRE AS CRIANÇAS FORAM UM
HERMÁFRODITO OU UM ANDROGINHO. PODE OU NÃO PODE
APROXIMAR A SUA PROPRIEDADE AOS ESTRANHOS SE TIVER
CRIANÇAS? O SEGUNDO ABOLA O PRIMEIRO? SE UMA PESSOA DOENTE
RECUPERAR APÓS FAZER UM PRESENTE QUANDO DOENTE, PODE ELE
RETRAIR OU NÃO? SE MORTE SURPREENDIDA OCORRE A MUITAS
PESSOAS, E NÃO É CONHECIDO QUEM MORREU PRIMEIRO, E CADA DOS
HERDEIROS REIVINDICAM PELO SEU BENEFÍCIO 312
CAPÍTULO X.
COMO OS ATRIBUTOS DEVEM SER ESCRITOS E ONDE AS
TESTEMUNHAS DEVEM ASSINAR. SOBRE AS MEDIDAS DE ALGUMAS
PALAVRAS EM ATOS. Em que casos ambas as partes devem estar presentes na
escrita dos atos, e em qual deles um deles. RELATIVO A UMA LEI DEPOSITADA
QUE FOI PAGA EM PARTE. COMO O TRIBUNAL DEVE APROVAR UM
DOCUMENTO APAGADO? PROPRIEDADE PARA USO PRIVADO QUE FOI
DEIXADA A IRMÃOS POBRES E RICOS 358

p. xiii
SINOPSE DE ASSUNTOS

DO

TRACT BABA BATHRA (ÚLTIMA


PORTA).
(PARTE II)

CAPÍTULO VI

MISHNAS eu . Para VIII . Se alguém vendesse frutas e não brotasse, ou um


boi e depois disso fosse encontrado um goring. O problema de abater e vender
a carne pode ser levado em consideração? Se um boi foi encontrado morto ao
lado de outro pastando. Entre a maioria e hazakah, que deveria ser preferida
(ver nota de rodapé p. 217).)? Todos sustentam a teoria da maioria. Se alguém
entregasse trigo para moer a farinha, mas o moleiro não o moeria
adequadamente; ou se a refeição fosse entregue a um padeiro e ele não o
assasse corretamente. Se alguém compra frutas, ele tem que aceitar um quarto
de um kabh de pó em um saah. Se ele vendeu um porão de vinho, ele deve
aceitar dez barris duros em cada cem. Se trigo, um quarto de um kabh de
ervilhas; se cevada, um quarto de palha; se lentilhas, de poeira. Se o
comprador encontrou mais do que a quantidade prescrita acima. A diferença
entre uma adega e esta adega, e também se guardando foi acrescentada. Pode
ou não pode o vinho que é vendido em lojas de varejo ser considerado
produtos da videira? Se alguém vende vinho e fica azedo. Qual vinho é
considerado um antigo. Se alguém está orgulhoso, ele não é tolerado nem
mesmo pela sua família. Um plebeu que se disfarça na vestimenta de um
erudito não pode entrar na habitação do Santo, etc. Se alguém vende, ou um
empreiteiro se compromete a construir, um casamento ou uma casa de
viúvas. Um noivo que reside na casa de seu sogro é mais leve que o farelo, e
ainda mais leve é um convidado que traz consigo um não convidado, e ainda
mais leve é aquele que responde antes de ouvir a pergunta. Se alguém deseja
construir um estábulo. Se alguém possui um poço, situado do outro lado da
casa do vizinho, ou um jardim dentro do vizinho. Se houvesse uma via pública
pelo campo de alguém, etc. Se alguém vende um lugar para cavar um túmulo,
ou um agente funerário faz um lugar para um, o interior da caverna deve ser
quatro por seis, etc. ou um empreiteiro se compromete a construir, um
casamento ou uma casa viúva. Um noivo que reside na casa de seu sogro é
mais leve que o farelo, e ainda mais leve é um convidado que traz consigo um
não convidado, e ainda mais leve é aquele que responde antes de ouvir a
pergunta. Se alguém deseja construir um estábulo. Se alguém possui um poço,
situado do outro lado da casa do vizinho, ou um jardim dentro do vizinho. Se
houvesse uma via pública pelo campo de alguém, etc. Se alguém vende um
lugar para cavar um túmulo, ou um agente funerário faz um lugar para um, o
interior da caverna deve ser quatro por seis, etc. ou um empreiteiro se
compromete a construir, um casamento ou uma casa viúva. Um noivo que
reside na casa de seu sogro é mais leve que o farelo, e ainda mais leve é um
convidado que traz consigo um não convidado, e ainda mais leve é aquele que
responde antes de ouvir a pergunta. Se alguém deseja construir um
estábulo. Se alguém possui um poço, situado do outro lado da casa do vizinho,
ou um jardim dentro do vizinho. Se houvesse uma via pública pelo campo de
alguém, etc. Se alguém vende um lugar para cavar um túmulo, ou um agente
funerário faz um lugar para um, o interior da caverna deve ser quatro por seis,
etc. e ainda mais leve é aquele que responde antes de ouvir a pergunta. Se
alguém deseja construir um estábulo. Se alguém possui um poço, situado do
outro lado da casa do vizinho, ou um jardim dentro do vizinho. Se houvesse
uma via pública pelo campo de alguém, etc. Se alguém vende um lugar para
cavar um túmulo, ou um agente funerário faz um lugar para um, o interior da
caverna deve ser quatro por seis, etc. e ainda mais leve é aquele que responde
antes de ouvir a pergunta. Se alguém deseja construir um estábulo. Se alguém
possui um poço, situado do outro lado da casa do vizinho, ou um jardim
dentro do vizinho. Se houvesse uma via pública pelo campo de alguém, etc.
Se alguém vende um lugar para cavar um túmulo, ou um agente funerário faz
um lugar para um, o interior da caverna deve ser quatro por seis, etc.215 -230

CAPÍTULO VII

MISHNAS eu . Para VI . Eu te vendo terra do tamanho onde um kur pode ser


semeado, etc., ou medido com uma linha. Caso o comprador tenha que fazer
devolução, será em dinheiro. Se o vendedor dissesse "o tamanho de um kur",
sem
p. xiv

qualquer adição, como é a lei? "Eu te vendo a propriedade", com uma medida
um pouco mais ou menos; ou "esta propriedade ... com suas marcas e
limites". Se duas versões do vendedor se contradizem, o que deve ser
considerado? A diferença de opinião dos Amoraim na explicação de Mishna
IV. R. Papai comprou uma propriedade que se diz ter vinte saas - depois de ter
sido medido, foram encontrados apenas quinze. Para dois irmãos que
dividiram sua herança, veio um terceiro irmão (de cuja existência eles não
tinham conhecimento prévio). Se os irmãos dividissem sua herança, e um
credor de seu pai viesse e tirasse a parte de um deles. Se os membros do
tribunal diferem no valor, mediante avaliação trazida diante deles. "Eu te
vendo a metade do campo"; "A metade sul deste campo" etc.231 -240

CAPÍTULO VIII
MISHNA I. Há aqueles que legam e também herdam outros que herdam, mas
não legam; e também aqueles que não legam nem herdam. A passagem
[Num. xxvii. 8] nas Escrituras não corresponde com tudo o que é ensinado
acima. Quem eram os avôs de Pinchos ben Elazar do lado de sua mãe. Se
alguém está prestes a se casar, é aconselhável que ele investigue o caráter dos
irmãos da noiva. É melhor se contratar para a Abhada Zarah (idolatria) do que
confiar nas pessoas que o apóiam. Abhada Zarah significa
"idolatria". Literalmente, no entanto, é "um serviço estranho". A tribo do lado
da mãe é igual à tribo do lado paterno? O que aconteceu com Janai e Jehudah
no segundo quando eles se reuniram? O marido da esposa dele. De onde isso é
deduzido? De onde veio Pinchos ben Elazar para ter uma montanha que seu
pai não possuía? De onde se deduz que o marido não herda a propriedade à
qual sua esposa durante sua vida é apenas sua aparente herdeira? No caso de
um presente com a cerimônia de um sudário, seja saudável ou doente, que
horas pode ser dado a ele para se retratar,241 -255

MISHNAS II . Para IV. A ordem da herança é assim, etc. Se alguém decide


que uma filha herdará, quando há uma filha de um filho, mesmo que ele fosse
um príncipe em Israel, ele não deve ser ouvido. O que aconteceu com Rabban
Joanan com os saduceus? "As filhas de Z'lophchod herdaram", etc. A terra de
Israel foi dividida entre os ascendentes do Egito, e não entre seus filhos. Josué
e Caleb herdaram as ações dos espiões. De onde isso é deduzido? Pode ou não
um discípulo ser honrado na presença de seu mestre? Por que a ordem em
mencionar as filhas de Z'lophchod é diferente nas Escrituras? Se uma mulher
se casa com menos de vinte anos de idade, ela tem filhos até os sessenta; mas
quando ela se casa depois dos quarenta anos, ela não tem filhos. Havia sete
homens que cercaram o mundo inteiro desde a sua criação até agora, etc.
Como a terra de Israel foi dividida - em doze partes, ou entre as pessoas
separadamente? A terra de Israel será dividida entre treze tribos. Um filho e
uma filha são iguais em relação à herança, etc. Como será contada a dupla
parte do primogênito - o dobro em relação a cada irmão ou a toda a
propriedade. Qual é a razão pela qual Jacó tirou o privilégio do primogênito
de Rúben e o deu a José? Os filhos de Jacó, que vieram para o Egito, em
suma, você encontra setenta; no entanto, se você vai numerar Como será
contada a dupla parte do primogênito - o dobro de cada irmão ou de todo o
estado. Qual é a razão pela qual Jacó tirou o privilégio do primogênito de
Rúben e o deu a José? Os filhos de Jacó, que vieram para o Egito, em suma,
você encontra setenta; no entanto, se você vai numerar Como será contada a
dupla parte do primogênito - o dobro de cada irmão ou de todo o estado. Qual
é a razão pela qual Jacó tirou o privilégio do primogênito de Rúben e o deu a
José? Os filhos de Jacó, que vieram para o Egito, em suma, você encontra
setenta; no entanto, se você vai numerar
p. xv
detalhadamente, você encontrará apenas sessenta e nove. No caso da herança
de uma nota promissória, o primogênito tomou uma dupla ação, etc. Um
primogênito não aceita uma parcela dupla em um empréstimo. Os palestinos,
no entanto, dizem que ele faz. O que deve ser feito com uma propriedade
legada apenas para a vida, que o herdeiro in vendeu? Um primogênito não
herda a propriedade para vir no futuro, e o mesmo acontece com o marido. Se
os primogênitos protestos quando seus irmãos vêm para melhorar a
propriedade deixada por seu pai, 255 -271

MISHNAS V . PARA VII. A vontade que é contra a lei da Escritura não deve
ser ouvida; no entanto, se é como um presente, pode. "Meu filho é meu
primogênito", ele divide em dobro; "Meu filho é primogênito", ele não
sabe. "Vá para Sh'kh'at meu filho, que é um primogênito, cuja cuspe cura os
olhos." Se duas esposas de um nasceram dois filhos em um lugar secreto que
era escuro, e não se sabe quem nasceu primeiro, eles podem escrever uma
procuração para o outro, etc. Se alguém era conhecido pelo povo como um
primogênito, e seu pai falou de outro, etc. Um credor pode cobrar de fiadores
pertencentes a órfãos pela dívida de seu pai. Um primo de segundo grau, um
primo de terceiro grau, pode ser uma testemunha (de acordo com a lei). Se
alguém disser: "Esta criança herdará tudo" ou "Minha esposa terá uma parte
igual com um de meus filhos". ele deve ser ouvido. Se a palavra "presente" foi
mencionada no começo, etc. Como isso pode ser ilustrado? Se alguém
escreveu: "O campo no lado leste será dado a A, e B herdará aquele no lado
oeste", é título dado ou não? Tudo o que é dito em um discurso é válido,
exceto quanto à idolatria. Se alguém disser: "A herdará minha herança", e ele
tiver uma filha, ele não disse nada; ou "A herdará minha propriedade em vez
da minha filha" ou "Minha filha em vez do meu filho" - como é a lei? Uma
Halakha não deve ser tomada como garantida em uma discussão ou em um
ato, a menos que alguém seja instruído a fazê-lo. Rabino disse: Minha
juventude me fez presumir contradizer Natã, o babilônico. Se alguém legar
todas as suas propriedades à sua esposa, ele faz dela apenas um
guardião. (Tudo o que é dito acima trata de uma vontade de um homem
doente. ) Como é se isso foi feito em boa saúde? Se alguém legou todas as
suas propriedades para seus filhos, mas deixou para sua esposa uma pequena
porção de terra.

Como é que acontece um caso semelhante quando se está bem de saúde? Uma
pessoa doente que legou todos os seus bens a um estranho, deve ser
investigada se esta estiver de alguma forma apta para ser chamada de herdeira
direta. Uma herança não tem interrupção e vai direto para os herdeiros do
herdeiro. Os rabinos condenaram aquele que deixou seus bens a estranhos,
deixando de fora seus filhos. O que aconteceu com Shamai o mais velho com
Jonathan b. Uziel, 271 -297
MISHNAS VIII . Para XII. "Este é meu filho", ele é confiável; "Meu irmão",
ele não é. se alguém testemunhar que se divorciou de sua esposa, ele é
confiável. Se um curto período de tempo, o testemunho de uma pessoa pode
ser dividido - que, para o passado, ele não deve ser confiável, e para o futuro,
ele deveria? Se uma pessoa doente disser às testemunhas: "Escreva e dê um
mana a esse e aquele", e antes que o fizesse, ele morreu. Como é se o mesmo
foi dito por alguém em boa saúde? Se alguém deseja legar sua propriedade a
seus filhos, etc. Como se ele escreveu "a partir de hoje e depois da minha
morte"? Se um sudário é mencionado, não importa qual versão foi usada, nada
é necessário para ser adicionado. "Minhas propriedades são legadas para você,
e depois de você para B", etc. Quem é chamado de um vilão astuto? Para um
presente apresentado por alguém que está morrendo, a que horas é dado o
título? Havia uma mulher que tinha uma árvore na propriedade de
p. xvi

R. Bibbi b. Abayi, etc. Se A disse a B: "Eu lhe dou este boi como
[parágrafo continua]

um presente, com a estipulação de que você deve devolvê-lo para mim." Se


um homem doente disser: "Eu tenho um mana com isso e aquilo", as
testemunhas podem escrever isso, etc. A Halakha prevalece que não deve ser
temido que o tribunal erre. O pai tem o direito de recolher os produtos legados
a seu filho, etc. Se ele deixou filhos pequenos e adultos, os adultos não têm o
direito de obter qualquer benefício por conta dos menores, etc. Como é se uma
mulher tomou dinheiro emprestado, consumiu-o e, depois disso, casou-se sem
pagar a dívida e trouxe propriedades para casar-se com ela? "O seguinte não
deve ser devolvido no ano do jubileu" etc. (p. 310). Em alguns aspectos, o
marido deve ser considerado um herdeiro,-311

CAPÍTULO IX

MISHNAS eu . E II. Se alguém deixar filhos e filhas, se a herança for de


grande valor, as filhas devem ser apoiadas por ela; se for moderada, as filhas
devem ser apoiadas e os filhos podem implorar. Se as propriedades eram de
grande valor, mas havia uma nota promissória nas mãos de um credor. Se o
falecido deixou uma viúva e uma filha, e as propriedades deixadas só
poderiam suportar uma delas. Se alguém deixar filhos, filhas e um
hermafrodita. "Se minha esposa grávida tiver um macho", etc. Uma criança de
um dia herda e lega, etc. Tudo o que foi dito aqui foi ensinado na cidade de
Sura. Em Pumbeditha, porém, foi ensinado de outra maneira, etc. Um deles
disse: "Eu deixo meu estado aos filhos que nascerem de ti por mim", etc. Um
deles disse: "Minha propriedade será para você e seus filhos". E R. Joseph
decidiu: Metade da propriedade pertence a ela e a outra metade aos
filhos. Havia alguém que enviara peças de seda para casa, sem qualquer
ordem a que membro de sua casa pertencia,312-321
MISHNAS III . PARA VII . Se alguém deixasse filhos crescidos e menores, e
o primeiro melhorasse a propriedade, etc. Se alguém fez o casamento de seu
filho em uma de suas casas, o filho adquire o título da casa, etc. Três coisas
que os rabinos promulgaram como leis sem dar qualquer razão. Irmãos
parceiros nos negócios; se um deles foi levado pelo governo para trabalhar,
etc. Se um dos irmãos levou duzentos zuz para começar o estudo da Torá ou
para aprender um ofício, etc. Os presentes de casamento podem ser resolvidos
pelo tribunal. Se alguém se comprometer com uma mulher e morrer antes do
casamento, uma virgem arrecada duzentos e uma viúva cem zuz. Cinco coisas
foram ditas sobre presentes de casamento: ( a ) Elas podem ser recolhidas pelo
tribunal; ( b) eles retornam no momento em que o doador se casa, etc. Quem é
semelhante a um homem rico que é conhecido por ser rico por seus muitos
rebanhos e propriedades, etc.? As diferentes explicações de Prov. xv. 15. Se
alguém mandar presentes para a casa do pai de sua noiva, no valor de cem
manas, e tiver participado da refeição de noivado, mesmo que por um dinar,
eles não serão devolvidos. Como é quando os presentes melhoraram, etc.? Se
uma pessoa doente tivesse legado todas as suas propriedades a estranhos, etc.
Três coisas que Aquitofo cobrava de seus filhos, etc. Se uma pessoa doente
dissesse: "A residiria em tal casa", ou "B consumiria os produtos de tal e tal
árvore ", etc. Uma pessoa doente que legou todas as suas propriedades a
estranhos, deve ser investigada como foi o caso. Se uma pessoa doente legou
todas as suas propriedades para estranhos e depois disso é curada. As
expressões "Ele tomará", "serão recompensadas".
p. xvii

Como deve ser feito se ele se expressar A é aquele que deve obter
[parágrafo continua]

benefícios de minhas propriedades? Se uma pessoa doente confessou, "devo


muito a isso e aquilo", será tomada como certa, etc.? Em cinco casos, o ato de
um presente não é considerado, a menos que o bequeather escreva "todas as
minhas propriedades". O que é considerado propriedades? Como é o caso dos
Manuscritos Sagrados - como eles não devem ser vendidos, eles são
considerados bens ou não, etc.? A mãe de Rami b. Hama legou a ele suas
propriedades em uma noite. A mãe de R. Amram, o Piedoso, possuía um
pacote de ações, etc. A respeito de um presente em parte de uma pessoa
doente - em um aspecto é igual a um presente de boa saúde, etc. Uma pessoa
doente que legou todos suas propriedades para estranhos, embora feitas com
um sudário, se ele foi curado, ele pode se retrair.321 -345

MISHNA VIII. Se na escritura não foi mencionado que ele estava doente, e
ele afirma que ele estava doente no momento da escrita e tinha o direito de se
retratar. Que tipo de evidência é necessária, etc. Aconteceu na cidade de Bene
Brack, que vendeu a propriedade de seu pai e morreu; e seus parentes
reclamaram que ele não tinha idade quando morreu. Qual deve ser a idade de
alguém que tem o direito de vender as propriedades deixadas por seu
pai? Como ele deve ser considerado durante o décimo nono ano - dezenove
anos, que ainda não tem idade, ou vinte? Havia um rapaz com menos de vinte
anos que vendera a propriedade de seu pai. Se um rapaz de treze anos e um
dia apresentou um presente a alguém, seu ato é válido. Se alguém divide suas
fazendas verbalmente, não importa se ele está de boa saúde ou perigosamente
doente, de acordo com R. Elazar, o título de propriedade é dado por dinheiro,
etc. Aconteceu com um habitante da cidade de Mruni, que estava em
Jerusalém, que ele possuía muita propriedade valiosa que ele desejava
apresentar a pessoas diferentes, etc. Se acontece que uma pessoa doente divide
suas propriedades verbalmente no sábado, etc. Suponha que uma casa caia
sobre A e seu pai ou sobre qualquer pessoa, que uma delas tenha que ser uma
pena e a outra herdeira, e não se saiba quem morre primeiro. Se um filho
vendeu sua parte da herança de seu pai para alguém e morre enquanto o pai
ainda estava vivo e, posteriormente, seu pai morreu, o filho do vendedor tem o
direito de retirar as mercadorias do comprador. E este é um caso complicado
na lei dos assuntos monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está
no túmulo, para que seus irmãos do lado de seu pai herdem dele, que estava
em Jerusalém, que possuía muita propriedade valiosa que desejava apresentar
a pessoas diferentes, etc. Se acontece que um doente divide suas propriedades
verbalmente no sábado, etc. Suponha que uma casa caia sobre A e seu pai ou
sobre qualquer pessoa, que um deles tem que ser dobre e o outro herdeiro, e
não se sabe quem morre primeiro. Se um filho vendeu sua parte da herança de
seu pai para alguém e morre enquanto o pai ainda estava vivo e,
posteriormente, seu pai morreu, o filho do vendedor tem o direito de retirar as
mercadorias do comprador. E este é um caso complicado na lei dos assuntos
monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está no túmulo, para que
seus irmãos do lado de seu pai herdem dele, que estava em Jerusalém, que
possuía muita propriedade valiosa que desejava apresentar a pessoas
diferentes, etc. Se acontece que um doente divide suas propriedades
verbalmente no sábado, etc. Suponha que uma casa caia sobre A e seu pai ou
sobre qualquer pessoa, que um deles tem que ser dobre e o outro herdeiro, e
não se sabe quem morre primeiro. Se um filho vendeu sua parte da herança de
seu pai para alguém e morre enquanto o pai ainda estava vivo e,
posteriormente, seu pai morreu, o filho do vendedor tem o direito de retirar as
mercadorias do comprador. E este é um caso complicado na lei dos assuntos
monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está no túmulo, para que
seus irmãos do lado de seu pai herdem dele, que ele possuía muita propriedade
valiosa que ele desejava apresentar a pessoas diferentes, etc. Se acontece que
uma pessoa doente divide suas propriedades verbalmente no sábado, etc.
Suponha que uma casa caia sobre A e seu pai ou sobre qualquer pessoa,
aquela deles tem que ser de pena e o outro herdeiro, e não se sabe quem morre
primeiro. Se um filho vendeu sua parte da herança de seu pai para alguém e
morre enquanto o pai ainda estava vivo e, posteriormente, seu pai morreu, o
filho do vendedor tem o direito de retirar as mercadorias do comprador. E este
é um caso complicado na lei dos assuntos monetários. Um filho herda de sua
mãe quando ele já está no túmulo, para que seus irmãos do lado de seu pai
herdem dele, que ele possuía muita propriedade valiosa que ele desejava
apresentar a pessoas diferentes, etc. Se acontece que uma pessoa doente divide
suas propriedades verbalmente no sábado, etc. Suponha que uma casa caia
sobre A e seu pai ou sobre qualquer pessoa, aquela deles tem que ser de pena
e o outro herdeiro, e não se sabe quem morre primeiro. Se um filho vendeu
sua parte da herança de seu pai para alguém e morre enquanto o pai ainda
estava vivo e, posteriormente, seu pai morreu, o filho do vendedor tem o
direito de retirar as mercadorias do comprador. E este é um caso complicado
na lei dos assuntos monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está
no túmulo, para que seus irmãos do lado de seu pai herdem dele, Suponha que
uma casa caia sobre A e seu pai ou sobre qualquer pessoa, que uma delas
tenha que ser uma pena e a outra herdeira, e não se saiba quem morre
primeiro. Se um filho vendeu sua parte da herança de seu pai para alguém e
morre enquanto o pai ainda estava vivo e, posteriormente, seu pai morreu, o
filho do vendedor tem o direito de retirar as mercadorias do comprador. E este
é um caso complicado na lei dos assuntos monetários. Um filho herda de sua
mãe quando ele já está no túmulo, para que seus irmãos do lado de seu pai
herdem dele, Suponha que uma casa caia sobre A e seu pai ou sobre qualquer
pessoa, que uma delas tenha que ser uma pena e a outra herdeira, e não se
saiba quem morre primeiro. Se um filho vendeu sua parte da herança de seu
pai para alguém e morre enquanto o pai ainda estava vivo e, posteriormente,
seu pai morreu, o filho do vendedor tem o direito de retirar as mercadorias do
comprador. E este é um caso complicado na lei dos assuntos monetários. Um
filho herda de sua mãe quando ele já está no túmulo, para que seus irmãos do
lado de seu pai herdem dele, e morre enquanto o pai ainda estava vivo, e
depois disso seu pai morreu, o filho do vendedor tem o direito de tirar as
mercadorias do comprador. E este é um caso complicado na lei dos assuntos
monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está no túmulo, para que
seus irmãos do lado de seu pai herdem dele, e morre enquanto o pai ainda
estava vivo, e depois disso seu pai morreu, o filho do vendedor tem o direito
de tirar as mercadorias do comprador. E este é um caso complicado na lei dos
assuntos monetários. Um filho herda de sua mãe quando ele já está no túmulo,
para que seus irmãos do lado de seu pai herdem dele,345 -357

CAPÍTULO X.

MISHNAS eu . Para v . Um simples get (documento) que as testemunhas


devem assinar no final do conteúdo. Um dobrado, no entanto, as testemunhas
devem assinar fora, etc. Em que lugar as testemunhas devem assinar um
documento dobrável? Se as assinaturas das testemunhas foram separadas por
um espaço de duas linhas da escrita, o documento é inválido; significa com o
seu espaço habitual ou sem? Havia um documento dobrável que veio antes do
rabino, e ele disse: "Não há data para isso", etc. Tudo deve ser feito como é
habitual no país. Se houvesse apenas uma testemunha de um simples, etc. Se
no documento estava escrito "cem zuz", que fazem vinte selas, etc. Se no topo
do documento estava escrito "um mana", e no fundo "dois cem zuz ", ou vice-
versaetc. Havia um documento em que estava escrito "seiscentos e uma zuz"
etc. Havia um pedágio de uma ponte que era um
p. xviii

Judeu que disse a Abayi: "Deixe o mestre me mostrar sua assinatura", etc. Um
divórcio pode ser escrito pelo tribunal para um marido na ausência de sua
esposa, o marido deve pagar as taxas. Documentos de arbitragem e todos os
outros atos de mediação pelo tribunal não devem ser escritos a menos que
ambas as partes estejam presentes - às custas de ambos. Houve um recibo
aprovado por Jeremias b. Abba No entanto, a mesma mulher entrou em seu
tribunal para reivindicar seu contrato de casamento vários anos depois, etc. Se
alguém pagou uma parte. de sua dívida, e depositou seu documento com
alguém. Se aconteceu com um que uma nota promissória foi apagada, ele deve
achar testemunhas. A aprovação deve ser escrita: "Nós três, E, F, G, os abaixo
assinados, estávamos sentados juntos e diante de nós foi trazido por A, o filho
de B, uma nota apagada" etc. Se alguém vem perante o tribunal alegando que
ele perdeu uma nota promissória de tal e tal, etc Se alguém apresentou um
presente ao seu vizinho por um ato, se o ato foi devolvido pelo beneficiário do
presente é considerado devolvido. A seguir, a ordem dos pedidos perante o
tribunal. O credor chega ao tribunal para reclamar que o mutuário não paga
sua dívida, etc. Quanto às ações, eles podem escrever outro sem mencionar a
responsabilidade do vendedor pela propriedade, etc. Houve uma mulher que
deu dinheiro a um que ele poderia comprar propriedades para ela, etc. Se
alguém viesse reivindicar um campo dizendo que ele possuía uma escritura, e
também que estava em sua posse os anos de hazakah, etc. Se houvesse
qualquer falsificação no documento, ou se houvesse testemunhas
incompetentes, a transferência não é considerada, etc. Se alguém apresentou
um presente ao seu vizinho por uma escritura, se a escritura foi devolvida pelo
beneficiário, o presente é considerado devolvido. A seguir, a ordem dos
pedidos perante o tribunal. O credor chega ao tribunal para reclamar que o
mutuário não paga sua dívida, etc. Quanto às ações, eles podem escrever outro
sem mencionar a responsabilidade do vendedor pela propriedade, etc. Houve
uma mulher que deu dinheiro a um que ele poderia comprar propriedades para
ela, etc. Se alguém viesse reivindicar um campo dizendo que ele possuía uma
escritura, e também que estava em sua posse os anos de hazakah, etc. Se
houvesse qualquer falsificação no documento, ou se houvesse testemunhas
incompetentes, a transferência não é considerada, etc. Se alguém apresentou
um presente ao seu vizinho por uma escritura, se a escritura foi devolvida pelo
beneficiário, o presente é considerado devolvido. A seguir, a ordem dos
pedidos perante o tribunal. O credor chega ao tribunal para reclamar que o
mutuário não paga sua dívida, etc. Quanto às ações, eles podem escrever outro
sem mencionar a responsabilidade do vendedor pela propriedade, etc. Houve
uma mulher que deu dinheiro a um que ele poderia comprar propriedades para
ela, etc. Se alguém viesse reivindicar um campo dizendo que ele possuía uma
escritura, e também que estava em sua posse os anos de hazakah, etc. Se
houvesse qualquer falsificação no documento, ou se houvesse testemunhas
incompetentes, a transferência não é considerada, A seguir, a ordem dos
pedidos perante o tribunal. O credor chega ao tribunal para reclamar que o
mutuário não paga sua dívida, etc. Quanto às ações, eles podem escrever outro
sem mencionar a responsabilidade do vendedor pela propriedade, etc. Houve
uma mulher que deu dinheiro a um que ele poderia comprar propriedades para
ela, etc. Se alguém viesse reivindicar um campo dizendo que ele possuía uma
escritura, e também que estava em sua posse os anos de hazakah, etc. Se
houvesse qualquer falsificação no documento, ou se houvesse testemunhas
incompetentes, a transferência não é considerada, A seguir, a ordem dos
pedidos perante o tribunal. O credor chega ao tribunal para reclamar que o
mutuário não paga sua dívida, etc. Quanto às ações, eles podem escrever outro
sem mencionar a responsabilidade do vendedor pela propriedade, etc. Houve
uma mulher que deu dinheiro a um que ele poderia comprar propriedades para
ela, etc. Se alguém viesse reivindicar um campo dizendo que ele possuía uma
escritura, e também que estava em sua posse os anos de hazakah, etc. Se
houvesse qualquer falsificação no documento, ou se houvesse testemunhas
incompetentes, a transferência não é considerada,357 -379

MISHNAS VI . TO IX. Se alguém pagou uma parte de sua dívida, de acordo


com R. Jehudah, a nota promissória deve ser alterada. De acordo com R.
Jose. o credor tem que dar um recibo para o valor pago. A Halakha não
prevalece nem com R. Jehudah nem com R. José, etc. Se o documento foi
escrito na data usada pelo governo, e tal data caiu num sábado ou no Dia da
Expiação, etc. Aconteceu com R Itz'hak b. Joseph, que tinha dinheiro com R.
Abba, etc. Abba disse ao seu escriba. "Quando acontecer de você ter que
escrever um documento com uma data posterior, você deve escrever o
seguinte: este documento foi postado por nós por um certo motivo," etc. Se
alguém tiver uma nota promissória para cem zuz, e solicitar que será reescrito
em duas notas cada uma de cinquenta zuz, etc. Se houvesse dois irmãos, um
rico e um pobre, e herdaram de seu pai uma casa de banhos, ou uma casa de
lagar de azeite, se para os negócios eles devem compartilhar igualmente; mas
se para uso privado, etc. Se houver duas pessoas portadoras de um e o mesmo
nome, elas não poderão dar notas promissórias entre si, nem a nenhum dos
habitantes. Se uma nota promissória foi paga, etc. Se alguém (enquanto luta
com a morte) disser a seu filho: "Uma nota promissória entre as notas que
possuo é paga, mas não me lembro qual", etc. seu vizinho, com certeza, ele
não deve cobrar primeiro da garantia, etc. Se uma fiança tem que pagar ou
não, R. Jehudah e R. perdem diferença, etc. Se a garantia disser: "Empreste a
este homem, e eu sou a garantia ", etc. Se a expressão fosse:" Dê a ele, e eu
lhe retornarei ", então o credor não tem nada a ver com o mutuário. Houve um
juiz que transferiu a propriedade do mutuário para o credor. antes que o credor
exigisse dinheiro do mutuário, etc. Havia uma garantia para os órfãos que
haviam pago o credor antes de notificar os órfãos. Se alguém foi colocado sob
a proibição, porque ele se recusou a pagar suas dívidas. Se a promissória
p. xix

nota do falecido estava nas mãos do fiador, que alega ter pago o credor, etc.
Havia uma garantia para um devedor falecido de um pagão, que pagou os
pagãos antes que ele tivesse exigido sua dívida com os órfãos. Se alguém
ficasse a cargo de uma mulher por um contrato de casamento, etc. Uma pessoa
doente que consagrou todas as suas propriedades e, ao mesmo tempo, disse:
"Assim e assim tem um mana comigo", ele pode ser confiável. Uma pessoa
doente que disse: "A tem um mana comigo", e depois disso os órfãos
alegaram que eles pagaram, eles são confiáveis. Se alguém pede dinheiro
emprestado em uma nota promissória, o credor tem o direito de cobrar de
propriedades oneradas. Se acontecer de um credor ver o seu devedor no
mercado, lida com ele pela garganta e um passa e diz: "Deixe-o em paz, eu
vou pagar", ele é, no entanto, livre, porque o empréstimo não foi feito em sua
garantia. Biblicamente, não há diferença entre um empréstimo em um
documento e de boca em boca, e ele deve ser coletado de propriedades
oneradas. Um empréstimo verbal não é colecionável - nem de herdeiros nem
de compradores. Se a garantia assinada antes das assinaturas, ela pode ser
coletada de propriedades oneradas. Apenas uma garantia na presença do
tribunal é livre de um sudário, mas todos os outros não são.379 -395
p. 215

TRACT BABA BATHRA (ÚLTIMA


PORTA).
(PARTE II.)

CAPÍTULO VI

REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS À VENDA DE SEMENTES


QUE SE TORRAM OBRIGATÓRIAS, À QUANTIDADE DE POEIRA
QUE PODEM OU NÃO PODEM SER ACEITADAS NAS MEDIDAS DE
GRÃO E FRUTOS E VINHO QUE SE TORNA APÓS A VENDA ANTES
DA ENTREGA - RELATIVA ÀS CONTRATANTES PARA CASAS E
ESTALEIROS, POÇOS E JARDINS SITUADOS NAS PROPRIEDADES
DOS VIZINHOS OU PELAS LOJAS PÚBLICAS NO TERRENO
PRIVADO, E NO QUE SE REFERE A GRAVES E CAVERNAS PARA
ENCHIMENTO.

MISHNA I : Se alguém vendesse frutas ou grãos (sem qualquer estipulação),


e o comprador semeasse, mas não brotasse, mesmo que fosse semente de
linho, o vendedor não é responsável. R. Simeon b. Gamaliel, no entanto,
sustenta que, se ele vendesse sementes para hortas, que não poderiam ser
usadas para comer, o vendedor é responsável.

GEMARA: Ensinou-se: Se alguém vendeu um boi, e depois descobriu-se que


era um goring, a venda é anulada de acordo com Rabh. Samuel, no entanto,
disse: O vendedor pode dizer: "Eu o vendi para você por abate". Vejamos: Se
o comprador era um daqueles que compram para o abate ( por exemplo , um
açougueiro), por que então a venda deveria ser anulada de acordo com
Rabh? E se ele era alguém que compra para fins de trabalho ( por exemplo ,
um agricultor), por que a venda deveria ser válida de acordo com
Samuel? Trata-se de quem compra para ambos os fins ( por exemplo, se ele
fosse um fazendeiro e um açougueiro). Mas, mesmo assim, vamos ver a
quantia que ele pagou por isso, a partir da qual podemos julgar se ele comprou
para o abate ou para o trabalho. Trata de onde a carne aumentou de preço ao
ponto do valor de um boi para trabalhar. Se sim, qual é a diferença (o
comprador obtém o valor total por sua
p. 216

dinheiro em qualquer caso,? A diferença é que, se o problema de abater e


vender a carne deve ser levado em consideração (de acordo com Rabh
deveria, e, portanto, a venda é nula; e de acordo com Samuel, não
deveria). Mais uma vez, vamos ver como foi o caso. Se o vendedor não tiver
dinheiro para devolver, por que, segundo Rabh, a venda deve ser anulada, para
que o comprador deva devolver o boi? Que ele fique com o boi por
dinheiro; como as pessoas dizem: "Se você mantiver algo na mão pertencente
ao seu devedor, mesmo que seja farelo, se dê ao trabalho de ganhar dinheiro
com isso." Isso significa que quando o vendedor não está sem
dinheiro. Segundo Rabh, a venda é nula porque a maioria deve sempre ser
levada em consideração, e a maioria dos compradores de gado são
comerciantes; e Samuel sustenta que somente em leis proibitivas a maioria
deve ser levada em consideração,

Venha e ouça uma objeção do seguinte (Primeiro Portão, V., Mishna I.): "Se
um boi tivesse uma vaca e o recém-nascido fosse encontrado morto ao seu
lado, e não se soubesse", etc. ( veja ali, fim do Mishna, p. 106). Agora, de
acordo com a teoria do nosso Mishna, a decisão do Mishna citado não seria
correta, como a maioria do gado deve ser levado em consideração, que
conceber e trazer descendentes vivos. Por isso, o morto encontrado ao seu
lado está morto por causa do goring. Por que, então, é considerado duvidoso
lá? A dúvida era se o boi trespassava a vaca na frente, para que o parto
prematuro acontecesse por causa do terror antes de ser machucado, ou se a
vaca estivesse machucada nas costas, e o parto prematuro fosse ocasionado
pelo goring e, portanto, a extensão da lesão é considerada duvidosa.

Devemos assumir que o ponto de diferença entre Rabh e Samuel é o mesmo


que aquele em que os Tanaim dos seguintes Boraitha diferem? "Se um boi
estava pastando e outro foi encontrado morto ao seu lado, embora a
investigação mostre que a morte ocorreu por meio de gorgulho, e o boi
pastoril foi cruel em goring, ou a morte ocorreu por morder, e o boi pastando
era cruel em morder , ainda é incerto que este boi tenha ferido ou mordido o
outro ". R. Aha, no entanto, disse: Se foi encontrado um camelo morto ao lado
de um camelo, embora este ainda não tenha sido viciado, deve ser tomado
p. 217

por uma certeza que ele matou o outro. Os escolásticos achavam maioria e
hazakah 1 idêntico; pois, como um animal agonizante ou mordedor tem um
hazakah para ferir, morder e matar, deve-se ter a certeza de que o ferido ou
mordido encontrado ao seu lado foi morto por ele, e o mesmo acontece com o
animal. maioria.

Não é para assumir que Rabh detém com R. Aha e Samuel com o primeiro
Tana?

Não! Rabh pode dizer: Minha decisão está correta, mesmo de acordo com o
primeiro Tana do citado Boraitha, já que a razão de sua decisão não é a
maioria, mas hazakah "- isto é , não havia uma maioria de bois viciosos, mas
um, que tinha um hábito (hazakah) de morder ou morder, como hazakah e
maioria não são idênticos, mas se houvesse uma maioria, isso seria levado em
consideração.E, também, Samuel pode dizer: Minha decisão está correta,
mesmo em acordo com R. Aha, como sua razão é o hábito (hazakah) desse
animal que foi encontrado próximo, e uma maioria não seria levada em
consideração.

Venha e ouça uma objeção do nosso Mishna, que afirma que o vendedor não é
responsável, mesmo por sementes de linho. O termo "par" não significa,
embora a maioria seja para semear e, no entanto, não é levado em
consideração? Por isso, ele se opõe a Rabh? Neste ponto, os Tanaim dos
seguintes Boraitha diferem: "Se alguém vendeu frutas, e o comprador semeou
mas não brotou, se foi semente de jardim, que não pôde ser usada para comer,
ele é responsável; mas se foi semente de linho, ele não é. " R. José, no entanto,
disse que o vendedor tem que devolver ao comprador o valor da semente, já
que a maioria a compra somente para sementeira. Os sábios, no entanto,
responderam-lhe: Há muitos que compram para outros fins.

Mas quem dos Tanaim neste Boraitha não detém a teoria da maioria? Vamos
supor que isso signifique R. Jose; e os sábios responderam- lhe que há muitas
pessoas que compram sementes, etc.? Então todos eles mantêm a teoria da
maioria, mas um leva em consideração a maioria da semente ( ie , a maioria
da semente que é comprada para semear, e a outra a maioria dos
homens)? Portanto, devemos dizer que isso significa, a diferença de opinião
entre o primeiro Tana e R. José, ou a diferença de opinião entre o primeiro
Tana e os sábios,
p. 218

quem respondeu a ele ( ie , a declaração no Boraitha, "e eles disseram a ele,"


significa o primeiro Tana, não R. Jose).

Os rabinos ensinavam: "O vendedor tem que devolver ao comprador o valor


da semente, mas não as despesas de arar, semear, etc; porém, de acordo com
outros, as despesas também." Quem são os outros? Disse R. Hisda: R. Simeon
b. Gamaliel Qual R. Simeon b. Gamaliel? Vamos supor de nossa Mishna, que
afirma que para sementes que não poderiam ser usadas para comer, ele é
responsável, e desde a primeira declaração de Tana, que o vendedor não é
responsável por sementes de linho, que é para ser inferido para sementes. de
linho apenas, mas para outras sementes que não podem ser usadas para comer,
o Tana também é da opinião de que o vendedor é responsável? Então eles não
diferem em tudo. Portanto, deve ser dito que eles diferem nas despesas, o
primeiro Tana segurando o vendedor deve retornar apenas o valor das
sementes, e R. Simeon todas as despesas também (e assim R. Hisda significa
R. Simeon da nossa Mishna). Mas talvez o inverso seja o caso - R. Simeon
detém o valor das sementes apenas, enquanto o primeiro Tana detém as
despesas também? Isso não apresenta dificuldades; pois, como de costume, o
segundo Tana acrescenta algo. Mas talvez toda a Mishna esteja
emconformidadecom R. Simeon e não está completo, mas deve ler assim: Se
alguém vende frutas e elas foram semeadas e não brotaram, mesmo que
fossem sementes de linho, ele não é responsável. Tal é o decreto de R. Simeon
b. Gamaliel, que afirma que apenas para sementes de jardim que não podem
ser usadas para comer o vendedor é responsável. Portanto, devemos dizer que
R. Hisda significa R. Simeon b. Gamaliel do seguinte Boraitha: "Se alguém
entregou trigo para moer farinha, mas o moleiro não moeu corretamente, mas
fez isto em grão machucado ou farelo; ou se refeição foi entregue a um
padeiro e ele não assou isto corretamente mas, quando ele a tirou, caiu em
pedaços; ou, se um boi foi entregue a um matador e ele o tornou ilegal, cada
uma dessas pessoas é responsável, pois são consideradas bailees de aluguel.
" R. Simeon b. Gamaliel disse: que eles não só têm que pagar os danos, mas
também pela vergonha do proprietário aos olhos dos convidados que foram
convidados para a refeição, bem como pela vergonha dos próprios hóspedes; e
assim o mesmo R. Simeon costumava dizer: Havia um grande costume em
Jerusalém, se alguém pedisse um banquete para convidados, e o anfitrião o
estragasse, ele teria que pagar por sua própria vergonha e pela vergonha.
p. 219

dos convidados. Havia também outro grande costume em Jerusalém: "uma


bandeira foi colocada na porta, onde um banquete era para ser dado, e os
convidados tiveram que entrar apenas quando a bandeira ainda estava na
porta, mas quando foi tirada eles estavam não entrar mais. "

MISHNA II : Se alguém compra frutas, ele tem que aceitar um quarto de um


kabh de pó em um saah; de figos secos, ele tem que aceitar dez vermes em
cem; em um porão de vinho, ele deve aceitar dez duros em cada cem; se ele
lhe vender jarros de barro feitos em Sharon, ele terá que aceitar dez sem
vitrificados em cada cem.

GEMARA: R. K'tina ensinou: Por um quarto de um kabh de pó entende-se


ervilhas, mas não a terra propriamente dita. É assim mesmo? Não Rabba
b. Hyya Ktuspha'h disse em nome de Rabba: Se alguém limpou as pequenas
pedras do celeiro de seu vizinho, ele tem que pagar a ele o valor do trigo ( ie,
como se eles estivessem lá, ele pode colocá-los na medida, mas para colocá-
los intencionalmente ele não é permitido)? Ervilhas, ele tem que aceitar um
quarto de um kabh em um saah, mas pó ele também tem que aceitar, embora
um menos quantidade. Você diz menos de um quarto de poeira, mas não disse
o seguinte Boraitha: "Se alguém vende trigo, ele tem que aceitar um quarto de
um kabh de ervilhas em um saah; se cevada, um quarto de palha em saah; e se
lentilhas, um quarto de poeira ". Não é para supor que um quarto de pó seja
aceito também para trigo e cevada? Com as lentilhas é diferente, porque elas
não são cortadas, mas arrancadas da terra e, portanto, normalmente uma
grande quantidade de poeira permanece com elas, o que não é o caso do trigo
e da cevada; mas se é assim, inferir daí que, para trigo e cevada, nenhum pó
deve ser aceito, enquanto é dito acima que menos de um kabh deve ser
aceito? Não, da afirmação de que para as lentilhas ele tem que aceitar um
quarto, nada deve ser inferido; Dito isto, para que ninguém diga que
geralmente há muito mais pó do que essa quantidade deve ser aceita, ela nos
ensina que não é assim.

R. Huna disse: Se o comprador encontrou mais do que a quantidade prescrita


acima e peneira, ele pode peneirar a quantidade total que ele comprou, sem
deixar qualquer poeira, e o vendedor tem que preencher a medida sem
permitir a quantidade prescrita. . De acordo com alguns, é a lei estrita, como
geralmente dá o seu dinheiro para a fruta limpa, mas se por um pouco de
poeira, como
p. 220

tanto quanto um quarto de um kabh em um saah, o comprador não é muito


particular e não se dá ao trabalho de peneirá-lo; mas no nosso caso, quando
ele é compelido a se incomodar com a peneiração, ele pode tornar toda a fruta
extremamente limpa; e de acordo com outros, é uma multa, como
normalmente não mais que um quarto de um kabh deveria ser achado em um
saah, e quando foi achado mais, é presumido que o vendedor pôs isto
intencionalmente, e então ele é multado pelos rabinos.

Venha e ouça uma objeção do seguinte Boraitha: "Se um plantador se


compromete a plantar um campo com árvores frutíferas, o dono deve aceitar
espaço vazio para dez árvores em cada cem, mas se, no entanto, for
encontrado vazio por mais de isso, ele tem que plantar árvores em todo o
espaço vazio ". Daí a lei de declaração acima de R. Huna? Disse R. Huna b. R.
Jehoshua: Este não é um apoio para R. Huna, pois um lugar vazio para mais
de dez árvores deve ser considerado como um campo separado, e o plantador
que se encarregou de plantar os campos do proprietário deve ser considerado
como se tivesse para começar a plantação neste campo vazio, e portanto ele
tem que plantar todo o campo, caso esse que não é semelhante ao de R. Huna.

" Se ele vendeu uma adega de vinho ", etc. Vamos ver como é o caso. Se o
vendedor disse ao comprador: "Eu te vendo uma adega de vinho" ou "esta
adega de vinho", é uma dificuldade da seguinte Boraitha. "Se ele disser 'eu te
vender um porão de vinho', tudo isso deve ser bom; se ' este porão de vinho',
ele deve dar-lhe vinho que é vendido nas lojas de varejo; mas se ele disser: 'eu
vendo você esta adega, 'mesmo se foi encontrado para ser todo o vinagre, a
venda é válida. " Nossa Mishna fala do caso em que o vendedor disse:
" umadega de vinho ", e não há nenhuma contradição do Boraitha citado como
deveria ler, eo comprador tem que aceitar os dez mimados na centena. Mas
não R. Hyya ensinou: Se alguém vende um barril de vinho, ele deve dar ao
comprador todo bom vinho? Com um barril é diferente, como um barril
contém apenas um tipo de vinho, mas não tem R. Z'bid em nome da escola de
R. Ossiah ensinou em "uma adega de vinho "tudo deve ser bom, em" o porão
do vinho "o vendedor deve dar ao comprador todo o vinho bom, mas este
último deve aceitar dez maus na centena; e esta é a palavra Outzar (" tesouro
de vinho ") que os sábios ensinou em nossa Mishna? Portanto, deve ser dito
que o nosso Mishna trata do caso em que o vendedor disse
p. 221

"esta adega", e a contradição do acima Boraitha no caso, se "esta


[parágrafo continua]

adega", não apresenta dificuldade, como R. Z'bid diz, se o vendedor disse ao


comprador, "eu te vendo vinho por manter ", e os Boraitha dizem que as
palavras" para guardar "não foram ditas, e portanto (a Halakha prevalece
assim) se o vendedor disser:" um porão de vinho para guardar ", tudo isso
deve ser bom; se " esta adega de vinho para guardar", o comprador deve
aceitar dez na centena; se " esta adega de vinho", sem a adição "para manter",
o vendedor pode dar ao comprador vinho que é vendido em lojas de varejo.

Os escolásticos propuseram uma pergunta; Como é que se o vendedor disse,


"um porão de vinho", sem a adição "para manter"? Neste ponto R. Aha e
Rabhina diferem. De acordo com um o comprador tem que aceitar dez na
centena, e de acordo com o outro ele não tem, o que diz "ele deve aceitar"
inferir de R. Z'bid, que afirma no caso de "uma adega de vinho ", tudo isso
deve ser bom, e foi explicado acima que ele fala do caso em que o vendedor
acrescentou" para manter ", a partir do qual é para ser inferido que, se estas
palavras não foram adicionadas, o comprador deve aceitar ; e o outro, que diz
que o comprador não deve, infere da Boraitha acima, que afirma que no caso
de "um porão de vinho" tudo deve ser bom; e foi explicado acima que os
Boraitha tratam do caso em que "para guardar" não foi dito. Mas para aquele
que infere da R. Z'bid, não é o contraditório Boraitha? Ele pode dizer que o
Boraitha não está concluído, mas deve ler assim: Isto é dito, se o vendedor
disse ao comprador "para manter", mas se não, o comprador deve aceitar, e se
o vendedor disse "esta adega de vinho" sem qualquer adição, ele pode dar ao
comprador vinho que é vendido nas lojas; mas para aquele que infere dos
Boraitha, não é contraditório R. Z'bid quem, como explicado, disse que o
vendedor disse ao comprador que o vinho era "para manter"? Ele pode dizer
que o mesmo é o caso se o vendedor não disser "por manter", e a explicação
acima foi apenas para que os Boraitha e R. Z'bid não se contradigam;

R. Jehudah disse: No vinho que é vendido em lojas a benção usual pode ser
feita. (A bênção é: "Bendito seja o Senhor nosso Deus Rei do Universo que
criou os produtos da videira") e R. Jehudah quer dizer que
p. 222
embora o vinho nas lojas seja geralmente ruim, ainda é chamado de produto
da videira. R. Hisda, no entanto, disse: O que temos a ver com tal vinho ( ou
seja , como esse vinho pode ser chamado de produto da videira)?

Uma objeção foi levantada: No caso de pão moldado e vinho azedo, e


qualquer prato do qual a aparência é estragada, a bênção deveria ser "Que
tudo é criado por Suas palavras" (daí contradiz R. Jehudah). Disse R. Z'bid: R.
Jehudah admite que acima do vinho feito de grãos, que geralmente é vendido
nos cantos das ruas, a bênção correta pode ser dita. Disse Abayi a R. Joseph:
"Há R. Jehudah, e há R. Hisda, cada um deles com sua opinião; gostaria de
saber como é o seu, mestre?" E ele respondeu: "Estou ciente da seguinte
Boraitha: 'Se alguém examina um barril de vinho com o propósito de separar a
oferenda dele, para todos os outros, e ele o fez por um mês ou dois, e depois
disso foi Descobri que o vinho se transformou em vinagre, três dias é
considerado certo, e ainda mais duvidoso. Como isso deve ser
entendido? Disse R. Johanan assim: Os primeiros três dias do exame devem
ser considerados certamente vinho, e depois disso deve ser considerado
duvidoso. Por quê? Porque normalmente o vinho se torna azedo do topo, e
quando ele provou isto, não era azedo, e se você disser que tinha ficado azedo
imediatamente depois que ele provasse isto, o cheiro só era vinagre-como,
mas o gosto ainda de vinho (como os sábios tinham uma tradição que menos
de três dias desde o começo não se torna vinagre) e tal é considerado vinho. R.
Jehoshua b. Levi, no entanto, disse que tudo o que ele separou nos últimos três
dias é certamente o vinagre, mas antes disso é duvidoso. Por quê? Porque
geralmente o vinho começa a azedar do fundo, e talvez quando ele o provou já
estava azedo, do qual ele não estava ciente;

Os sábios do Sul ensinaram em nome de R. Jehoshua b. Levi assim: Os


primeiros três dias devem ser considerados como vinho,
p. 223

os últimos três dias como vinagre e nos dias entre duvidosos. Mas esta
afirmação não se contradiz? Nos três primeiros dias certamente é vinho,
portanto, se o cheiro é de vinagre e o sabor do vinho, é considerado vinho; e
depois disso disseram, nos últimos três dias é certamente vinagre, do qual se
pode inferir que, se o cheiro é de vinagre e o sabor do vinho, é considerado
vinagre. O caso era que foi achado um vinagre totalmente forte, e é declarado
acima que leva não menos que três dias depois que azedar para se tornar
completamente vinagre; por isso, deve-se supor que nos últimos três dias já
era vinagre. No entanto, de acordo com qual desses dois foi a conclusão de R.
Joseph? Neste, também, R. Mari e R. Z'bid diferem, um dizendo que sua
conclusão estava de acordo com R. Johanan, e o outro dizendo que estava de
acordo com R. Jehoshua b. Levi.
Foi ensinado: Se alguém vende um barril de vinho e fica azedo, de acordo
com Rabh os primeiros três dias é considerado sob controle do vendedor, e
depois disso "é considerado sob o controle do comprador". Samuel, no
entanto, sustenta que o vendedor não é responsável, mesmo quando ainda
estava em seu barril, como este deve ser considerado o destino do comprador.

R. José agiu de acordo com Rabh com relação a cerveja de datas, e de acordo
com Samuel com vinho, a Halachá, de acordo com Samuel, no entanto,
prevalece em todos os aspectos. 1

MISHNA III .: Se alguém vende vinho e fica azedo, o vendedor não é


responsável; se, no entanto, soubesse que a natureza do seu vinho era azedar
(e o comprador não estava ciente disso), a venda é nula. Se ele dissesse: "Eu te
vendo vinho, preparado com especiarias, em boa ordem", o vinho deve
permanecer em boa ordem até a festa de Pentecostes. (Depois disso, pode ficar
estragado pelo calor.) Se o vendedor vendeu o vinho velho ao comprador,
deve ser do ano passado; e se ele disse "muito velho", deve ser envelhecido
não menos de três anos.

GEMARA: Disse R. Jose b. Hanina: Tudo isso é dito do caso em que foi
entregue ao comprador em seus próprios jarros; mas se fosse colocado nos
jarros do vendedor, o comprador poderia dizer: "Aqui estão seus jarros e seu
vinho". Por que então não pode
p. 224

a alegação de vendedor: você não deveria manter isto tanto tempo? Isso
significa que, durante a venda, o vendedor disse ao comprador "por
manter". Mas o que obriga R. José a uma interpretação tão difícil, em que os
jarros eram o comprador, e o vendedor diz "por manter"? Por que não se diz
simplesmente que os jarros eram o vendedor e ele não disse nada? Disse
Rabha: É porque a declaração adicional do Mishna, "que se soubesse que a
natureza do vinho do vendedor era azedar a venda é nula" foi uma dificuldade
para ele. Por que, então, deixar o vendedor afirmar que ele não deveria mantê-
lo por tanto tempo? Nós devemos então dizer, que o Mishna trata do caso em
que o vendedor disse ao comprador "por manter" (ele então interpretou o
Mishna inteiro, que tal era a estipulação), e inferiu disto que assim é. Ele, no
entanto, difere com R. Hyya b. José, que disse que o destino de um deles
causa a deterioração de seu vinho; como está escrito [Habacuque, ii. 5]: "E até
o vinho de um homem orgulhoso se rebela."

Disse R. Mari: Se alguém é orgulhoso, ele não é tolerado nem mesmo por sua
família, como o verso acima diz "o homem orgulhoso cuja casa não vai ficar",
o que significa dizer que ele não é tolerado por sua família. R. Jehudá, em
nome de Rabh, disse: Um plebeu que se disfarça em traje de erudito não pode
entrar na morada do Santo, bendito seja Ele; e isso é deduzido de uma
analogia de expressão, Nvie , que se encontra em Ex. xv. 13. A expressão
hebraica no verso acima citado é também Y'nvie (literalmente, "morando",
"habita").

Rabha disse: "Se alguém vender um barril de vinho a um lojista (com a


estipulação de que ele deve vendê-lo no varejo e depois pagar o proprietário),
e metade ou um terço do vinho azeda, a lei é que o vendedor deve aceitar o
retorno de seu vinho, e isto é dito apenas no caso de a torneira não ter sido
trocada pelo dono da loja, mas se ela foi trocada e colocada perto do fermento,
não há responsabilidade, e também não há responsabilidade se o dono do
armazém mantiver o vinho no dia do mercado ". Ele disse novamente: "Se
alguém aceitou vinho por meio interesse, com a intenção de levá-lo para o
subúrbio de Dwulchpht (onde geralmente o vinho é caro), e quando chegou lá
o preço baixou, a lei é que o proprietário tem que aceitar o retorno do vinho
". Os escolásticos propuseram uma pergunta: Como é quando o mesmo era
vinagre? Disse R. Hillel para R. Ashi:
p. 225

Quando estávamos no R. Kahana ele nos disse, o mesmo acontece


[parágrafo continua]

com o vinagre, pois ele concorda com R. Jose b. Declaração de Hanina acima.

" Vinho velho " , etc. Um Boraitha, além de nosso Mishna, afirma que, se foi
dito, "vinho muito velho, deve manter sua boa qualidade até a festa do
tabernáculo no terceiro ano".

MISHNA IV : Se alguém vende para um lugar com o propósito de construir


uma casa de casamento para seu filho ou uma casa de viúva para sua filha, e o
mesmo é o caso se um empreiteiro se compromete a construir tal para ele, o
tamanho não deve ter menos de quatro comprimentos de comprimento por
seis de largura; tal é o decreto de R. Aqiba. R. Ismael, no entanto, afirma que
este é o tamanho de um estábulo. Se alguém deseja construir um estábulo para
gado, ele o constrói quatro por seis. A casa mais pequena não é menos que
seis por oito, uma grande oito por dez e um triclinum (restaurante) dez por
dez, e a altura deve ser metade do seu comprimento e largura. Um exemplo
disso, disse R. Simeon b. Gamaliel, foi a construção do templo.

GEMARA: Por que o Mishna declara "uma casa de casamentos para seu filho
e uma viúva para sua filha"? Deixe-o declarar um casamento ou uma casa de
viúva para seu filho ou filha. O Mishna incidentalmente nos ensina que não é
um bom costume para um genro habitar com seu sogro, como está escrito no
livro de Ben Sira: "Eu pesei tudo na balança e fiz não acha coisa mais leve do
que farelo, mas um noivo que mora na casa do sogro é mais leve que o farelo,
e ainda mais leve que ele é um convidado que traz consigo um companheiro
não convidado, e ainda Mais leve é aquele que responde antes de ter ouvido
completamente a questão, como está escrito [Prov. XVIII 13]: 'Quando
alguém retorna uma resposta antes de entender (a pergunta), é uma loucura
para ele e uma vergonha. '"

" Se alguém deseja construir um estábulo " etc. Quem disse isso? De acordo
com alguns, o próprio R. Aqiba, e ele disse isso; e embora este seja o tamanho
de um estábulo para gado, não obstante, acontece que os seres humanos vivem
em tal edifício (e como o vendedor ou o contratado não estipulou o tamanho,
o mínimo pode ser tomado). Outros dizem que R. Ishmael ensinou este ditado:
que se alguém deseja construir um estábulo, é o tamanho de quatro por seis.

" Triclinum " , etc. Existe uma Boraitha: Para um quantir ,


p. 226

doze ells quadrados são necessários. O que isso significa? Um jardim de


frente?

" Um exemplo disso ", etc. Quem ensinou isso? Alguns dizem que R. Simeon
b. Gamaliel, e deveria ler assim. De onde isso é deduzido? Disse R. Simeon
b. Gamaliel: Todos devem ser julgados de acordo com a construção do
Templo, e alguns dizem que o primeiro Tana ensinou um exemplo disso (e ele
estava prestes a terminar sua declaração com "a construção do Templo", mas
R. Simeon b. Gamaliel o interrompeu dizendo :) Você quer comparar todos os
edifícios comuns com a construção do Templo; todas as pessoas constroem
esses edifícios?

Aprendemos em um Boraitha: Professores anônimos dizem que a altura não


deve ser menor do que o comprimento das vigas do teto. Mas por que não
dizer simplesmente que a altura deve ser a largura? Se desejar, pode-se dizer
que geralmente uma casa é mais larga no topo do que no fundo; e se você
desejar, pode-se dizer que, porque as extremidades das vigas são colocadas
nos recintos da parede, elas são mais longas que a largura da casa.

MISHNA V .: Se alguém possui um poço, situado do outro lado da casa do


vizinho (por herança, ou até comprado dele com um caminho), de modo que
quando a água é necessária ele deve passar pela casa, ele pode entrar e sair no
horário em que as pessoas geralmente entram e saem. No entanto, ele não
pode levar seu gado para o poço, mas ele tem que levar água para eles fora da
casa e regá-los. O dono do poço, assim como o dono da casa, tem o direito de
trancá-lo.

GEMARA: Um bloqueio em quê? Disse R. Johanan: Ambas as fechaduras


podem ser colocadas no poço. É certo que o dono do poço ponha uma
fechadura no seu poço, para que ninguém possa usar a água; mas com que
propósito o dono da casa deveria trancá-lo? Disse R. Elazar: Para que seu
vizinho, ao passar sua casa para o poço em sua ausência, permanecesse
sozinho com sua esposa.

MISHNA VI : Se alguém tem um jardim dentro do jardim de seu vizinho, ele


pode entrar e sair somente quando as pessoas estiverem acostumadas a fazê-
lo. Ele não deve levar os compradores com ele para o seu jardim, e também
não tem o direito de passar pelo jardim do vizinho com o propósito de entrar
em outro campo ao lado deste, quando ele não tem negócios em seu próprio
jardim; e apenas o dono da
p. 227

o jardim externo tem o direito de semear o caminho. Se, no entanto, um


caminho for designado a ele pelo tribunal, ao lado, com o consentimento de
ambas as partes, ele poderá entrar e sair sempre que desejar e também poderá
levar consigo compradores; no entanto, o direito de passar para outro campo
não é dado, e nenhum deles tem o direito de semear o caminho.

GEMARA: R. Jehudá, em nome de Samuel, disse: Se alguém disser: "Eu te


vender um lugar para cavar um poço para regar sua terra seca", ele deve
conter a largura de dois ells, e ele também tem que acrescente-lhe dois ells de
seu campo às bordas do poço, sobre os quais erguer paredes para evitar o
transbordamento da água; e se ele dissesse: "Eu te vender um ell para fazer
um esgoto", deve ser um ell largo e meio ell para cada borda. Mas quem tem o
direito de semear as bordas (enquanto as paredes ainda não foram
negociadas)? R. Jehudah em nome de Samuel disse: O dono do campo; e R.
Nharnan, em nome de Samuel, disse: O dono do campo pode plantar árvores
ali, mas não semeá-lo, pois semeando ele prejudica a água.

R. Jehudah em nome de Samuel disse novamente: Se as paredes de um canal


caírem, o dono dele pode consertá-lo do material do campo sobre o qual as
paredes foram colocadas; como certamente eles caem no mesmo campo onde
foram colocados (mas o material foi espalhado pelo vento por todo o
campo). R. Papa, no entanto, se opôs, dizendo que o dono do campo pode
alegar que a água do "seu poço lavou o material e fez com que ele
caísse"; portanto, ele deu outra razão, que tal estipulação deve ter existido
quando ele contratou aquele lugar, pois de outra forma ele não teria
desperdiçado seu dinheiro.

MISHNA VII : Se houvesse uma via pública através do campo de uma pessoa
e ele a tomasse e designasse outra ao lado de seu campo, o que ele deu é
considerado do público, e àquilo que ele tomou para si ele não adquirir
título. Se alguém vende um caminho em seu campo para uma via particular,
deve ser de quatro ell, para o público não menos do que dezesseis. Um
caminho para o governo não tem limite. O caminho para transportar um
cadáver até o túmulo também não tem limite; no entanto, o espaço onde as
pessoas representam a condolência foi determinado pelos juízes de Ziboras de
um espaço onde quatro kabhs podem ser semeados.

GEMARA: Por que ele não deveria adquirir título para essa via?
p. 228

ele tomou para si, quando ele designou outro para o público; deixe-o levar
uma vara com a qual expulsar os intrusos, ou você quer inferir disso que não
se pode tomar. a lei em suas próprias mãos, mesmo quando ele sofreu
danos? Disse R. Zebid em nome de Rabha: É de recear que, se isso fosse
permitido, alguém desse ao público um caminho tortuoso; mas R. Mesharshia,
em nome de Rabha, disse que nosso Mishna trata de um caso em que o dono
do campo o designou. R. Ashi, no entanto, sustenta que um caminho é
colocado; de um lado é considerado torto, porque está perto de alguém que
mora perto deste lado, enquanto é longe para ele que reside do outro lado (e,
portanto, ele não adquire título) para o que ele tomou. Mas deixe que ele diga
ao público: "siga seu caminho e retorne o meu" (e o Mishna afirma que o que
ele deu está perdido). Está de acordo com R. Eliezer do seguinte Boraitha: "R.
Jehudah disse em nome de R. Eliezer, se o público escolheu um caminho para
si mesmo, o que foi feito permanece." Mas o público pode ser ladrão, de
acordo com R. Eliezer? Disse R. Gid'l em nome de Rabh: Ele fala no caso de
o público ter perdido um caminho neste campo (isto é , há algum tempo atrás
havia uma via que depois foi perdida). Se sim, por que então disse Rabba b. R.
Huna em nome de Rabh que a Halakha não prevalece com R. Eliezer? Aquele
que ensinou esta afirmação não estava ciente da outra afirmação ( isto é , R.
Gid'l não aprova a afirmação de Rabba B. R. Huna em nome de Rabh). Mas
de acordo com Rabba b. R. Huna, qual é a razão de nossa declaração de
Mishna, a de R. Jehuda, que disse acima ( p. 145) que um caminho do qual o
público assumiu não deve ser estragado? Por qual ato o público adquiriu o
título da via pública, segundo R. Eliezer? Passando, como aprendemos no
seguinte Boraitha: Se alguém passou (em um campo sem dono) em seu
comprimento e largura, ele adquiriu o título para o lugar que ele passou, assim
é o decreto de R. Eliezer. Os sábios, no entanto, sustentam que a passagem
não tem nenhum efeito, e o título não é adquirido a menos que ele faça uma
hazakah. Disse R. Elazar: A razão de R. Eliezer é o seguinte versículo
[Gênesis, xiii. 17]: "Levanta-te, anda pela terra no comprimento dela e na
largura dela, pois a ti darei". Os sábios dizem que isso não pode ser tomado
como apoio, no entanto, como Abraão foi amado pelo Céu, e foi dito a ele por
p. 229

o objetivo de tornar mais fácil para seus filhos a sujeição da terra. Disse R.
Jose b. Hanina: Os sábios admitem a R. Eliezer no caso de uma trilha entre
vinhedos, porque ela foi feita para passar, o título também é dado
passando. Quando tal caso veio antes de R. Itz'hak b. Ami decidiu que o
queixoso deveria pegar uma vereda sobre a qual deveria poder carregar um
feixe de galhos em seus ombros, que ao girar aqui e ali não deveria tocar as
paredes. Mas isso é dito em um caso em que os lugares para as paredes ainda
não estão designados; mas se fossem, o espaço deveria ser dado a ele, de
modo a colocar um pé após o outro.

" Para um privado ", etc. Há um Boraitha: Anônimos professores dizem:


"Tanto quanto um burro com sua carga poderia passar." Os juízes do exílio
disseram: Dois côvados e meio. E R. Huna disse: A Halakha prevalece com
eles. Mas R. Huna não disse em outro lugar que a Halakha prevalece com os
professores anônimos? O limite de ambos é "igual".

" Uma via pública é dezesseis ells ." Os rabinos ensinavam: Um caminho
particular é de quatro ells, um caminho de uma cidade para outra é oito ells,
um caminho público é dezesseis ells e o caminho para as cidades de refúgio
(Num. Xxxv. Ii) trinta e dois. [Disse R. Huna: De onde isso é deduzido? Da
Escritura (Deut. Xix. 3): " O caminho para eles ." Deveria ser "um caminho",
e a palavra "o" faz dobrar.] O caminho do governo não tem limite, pois o rei
tem o direito de erguer partições, casas, e ninguém tem o direito de impedi-lo,
e o caminho para enterrar um cadáver não tem limite, por causa da honra dos
mortos. 1

MISHNA VIII . Se alguém vende um lugar para cavar um túmulo, ou


um agente funerário faz um túmulo para um, o interior da caverna deve ser
quatro por seis e abrindo oito nichos para caixões, três de cada lado e dois a
parte superior e inferior. O comprimento dos nichos é de quatro ells, a altura
de sete vãos e a largura de seis. R. Simeon, no entanto, disse: O interior da
caverna deve ser seis por oito, os nichos devem ser treze, quatro de cada lado,
três no lado superior, e um no lado direito da porta e um no lado esquerdo
. Ele também faz um pátio na foz da caverna de seis metros quadrados, tanto
quanto o caixão com suas necessidades de transporte. Ele também tem que
abrir para esta frente dois,
p. 230

cavernas dos dois lados. R. Simeon, no entanto, disse quatro para todos os
seus quatro lados. R. Simeon b. Gamaliel, no entanto, sustenta que tudo deve
ser feito de acordo com a rocha ( ou seja , se a terra é macia, mais nichos
poderiam ser feitos, mas se for rochoso, o número deve ser limitado).

GEMARA: Os dois nichos que R. Simeon requer, um no lado direito da porta,


etc., como ele deve escavá-los? Se seu comprimento deve ser escavado da
parede da caverna sob o pátio da frente, então eles serão pisados; Além disso,
há um Mishna no sentido de que aquele que está no quintal de um túmulo é
limpo, mas se os nichos devem ser cavados sob o pátio, aquele que está acima
não seria limpo. Disse R. Jose b. R. Hanina: Ele fez os nichos como um
ferrolho; ou sejaColocou os corpos na posição vertical. Mas a R. não disse
que os jumentos são enterrados da mesma maneira? Segundo ele, os nichos
devem ser feitos nos cantos. Mas então cada um deles entraria em contato com
o outro. Disse R. Ashi: Se ele faz aqueles nos cantos mais profundos (de
acordo com R. Simeon, que disse que quatro nichos devem estar de cada
lado), se todos fossem igualmente cavados eles entrariam em contato. Deve
ser dito que ele cava alguns deles mais fundo, e o mesmo pode ser dito
aqui. 1 R. Huna b. R. Jehoshuah, no entanto, afirma que ele deixa os nichos
tortos. (Diz o Gemara :) Esta afirmação não se sustenta, pois de acordo com
ele ele teria que fazer oito polegadas no espaço de onze e um quinto ells, o
que é impossível. 2

Notas de rodapé

217: 1 A tradução de "hazakah" é principalmente "ocupação"; no entanto, este


termo é aplicável a tudo o que é o hábito de pessoas, animais, etc.

223: 1 O texto trata das bênçãos sobre o vinho, a cerveja, etc., para as quais o
local apropriado é a Bênção do Tratado, e para o qual será transferido.

229: 1 A continuação do texto sobre sepulturas e condolências, etc.,


traduzimos para Tract Great Mourning, página 60.

230: 1 O texto é tão complicado aqui que os comentaristas têm que fazer
muitas ilustrações, e afinal o assunto é dificilmente compreendido. No
entanto, de acordo com o nosso método, não podemos omitir isso, pois é
essencial, do ponto de vista histórico, saber como esses túmulos são
feitos. Fizemos o nosso melhor para torná-lo inteligível.

230: 2 No texto também são cálculos matemáticos pela regra que um


quadrado ell contém um ell e dois quintos quando torto, o que não é
exatamente correto. Já mencionamos isso em uma nota em Erubin e, portanto,
omitimos toda a discussão aqui.
p. 231

CAPÍTULO VII
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS ÀS ROCHAS E AOS PITS
NO SOLO VENDIDO; QUANTIDADES DE MAIOR OU MENOS
MEDIDA QUE PODEM OU NÃO PODEM ANULAR UMA VENDA DE
CAMPOS, VILAS, ETC.

MISHNA I : Se alguém diz: "Eu te vendo terra do tamanho onde um kur pode
ser semeado, e havia fendas com dez palmos de profundidade, ou rochas de
dez vãos de altura", elas não são medidas, mas se forem menores que esse
tamanho medido. Se, no entanto, ele lhe dissesse "do tamanho de um kur", e
houvesse fendas ou rochas até mais do que o tamanho de dez palmos, elas
seriam medidas.

GEMARA: Disse R. Itz'hak: A declaração do Mishna sobre rochas e fendas


que são medidas quando são menores que dez vãos só vale quando todos eles
juntos não medem quatro kabhs, mas não se o fizerem. Disse R. Uqba
b. Hama: Mesmo assim, eles são medidos somente quando estão espalhados
dentro do espaço de cinco kabhs (mas em menos eles não são medidos); e R.
Hyya b. Abba em nome de R. Johanan diz que cinco kabhs não são
suficientes, e eles são medidos somente quando estão espalhados na maior
parte do campo, que é pelo menos dezesseis kabhs, como um kur é trinta
kabhs; e R. Hyya b. O próprio Abba questionou: Como a lei está de acordo
(com a teoria de R. Johanan) se a maior parte das rochas em questão estivesse
espalhada na menor parte do campo, e a menor parte deles dentro da maior
parte do campo (e se ao todo eles mediram quatro kabhs)? Essas questões não
são decididas. 1

Existe uma Boraitha: "Se houvesse uma única rocha (mas tem um nome
separado; por exemplo , 'a pedra do oeste'), mesmo que tenha menos de dez
vãos, ela não é medida; e também se a rocha fosse colocada
p. 232

perto do limite, qualquer que seja o tamanho, não é medido ". 1

MISHNA II.: "Eu te vendo terra do tamanho em que um kur pode ser
semeado, medido com uma linha." Se houvesse um pouco menos, ele pode
deduzir; se um pouco mais, o comprador tem que devolvê-lo. Se, no entanto, o
vendedor disser "sobre esse tamanho, um pouco mais ou menos", mesmo que
houvesse menos de um quarto de kabh em cada saah, a venda é válida; mas se
fosse mais do que esse tamanho, uma conta deve ser tomada. No caso de o
comprador ter que fazer devolução, será em dinheiro; no entanto, se ele deseja
devolver a terra, ele pode fazê-lo. E por que foi dito que o comprador deveria
devolver o dinheiro do vendedor? Para favorecer o vendedor, de modo que, se
houvesse um pouco mais, o comprador não deveria ter o direito de lhe
devolver essa ninharia, que o vendedor não poderia usar; mas se houvesse um
kabh e meio a mais que o tamanho prescrito,

GEMARA: Os alunos propuseram uma pergunta: Se o vendedor dissesse "o


tamanho de um kur", sem qualquer acréscimo, como está a lei? Venha e
ouça. Se o vendedor disser: "Eu te vender uma propriedade do tamanho de um
kur", ou "mais ou menos do tamanho de um kur, um pouco menos ou mais, eu
te vendo", e depois disso foi encontrado um quarto de kabh a menos ou mais a
saah, a venda é válida. Por isso, vemos que, mesmo que seja, não acrescente
às palavras "o tamanho de um kur", é o mesmo que se ele dissesse
"sobre". Não, o Boraitha deve ser explicado assim: A última parte do Boraitha
explica a primeira parte. Se alguém diz: "Eu te vendo do tamanho de um kur",
"sobre" deve ser entendido no caso de ele acrescentar um pouco menos ou
mais. R. Ashi objetou: Se fosse assim, por que a repetição "Eu te vendo, eu te
vendo" ? Portanto, o Boraitha deve ser explicado como acima, que o tamanho
de um kur significa "aproximadamente", e assim é.

" Será em dinheiro ." Vemos a partir disso que a vantagem do vendedor e não
do comprador é levada em consideração; mas
p. 233

válido? Se, no entanto, a propriedade for maior, o tribunal obriga tanto o


vendedor a vender quanto o comprador a comprar; daí vemos que a vantagem
de ambos é levada em consideração? ( Ou seja, mesmo que não tenhamos
aprendido no seguinte Boraitha: Se houvesse menos ou mais de sete kabhs e
meia em um kur, a venda é se o vendedor insiste que o excesso deve ser
devolvido a ele, ele não deve ser escutado se é uma vantagem para o
comprador tê-lo.) O Boraitha trata que no momento em que foi encontrado ao
longo do tamanho prescrito, a propriedade foi menor no preço eo vendedor
disposto a vender. Portanto, dizemos ao comprador: "Você pode calcular o
preço existente", e o mesmo é dito ao vendedor: "Se você não deseja que a
propriedade seja devolvida, você deve aceitar o preço existente". Mas não
aprendemos em outro Boraitha que, se o comprador compensa o vendedor, ele
deve calcular a taxa anterior? Aquela Boraitha fala que quando o reverso era o
caso,

" Isso significa, no caso de nove kabhs", disse R. Huna: Isso se aplica mesmo
em um vale que é de mais de dez kurs. R. Na'hman, no entanto, diz sete e
meia a cada kur, mas se houvesse um kabh e meia mais (que conta nove
kabhs) até um kur, todos devem ser devolvidos, mesmo que para os outros
kurs a adição não tenha ultrapassado o tamanho prescrito Rabha objetou R.
Na'hman da nossa Mishna, que afirma que se ele deixou nove kabhs em um
campo, etc. O Mishna não significa pelo menos dois kurs como o tamanho do
campo usual? Não, significa um kur, mais adiante, em um jardim, metade de
um kabh é dado como o mínimo de excesso. Isso não significa pelo menos
dois saahs, como geralmente um jardim é chamado desse tamanho? Não, isso
significa um saah, e de acordo com R. Aqiba um quarto.Não significa, se o
jardim era um saah? significa se era meio saah. R. Ashi questionou:Se alguém
vendesse um campo, e depois, mas antes que o dinheiro fosse pago, ele se
tornaria um jardim, e foram encontrados mais de um quarto para um saah, mas
não deveria atingir o tamanho de nove kabhs ouvice-versa , como deve ser o
tamanho prescrito - como o de um campo ou de um jardim? Esta questão
permanece indecisa.

Existe uma Boraitha: "Se a propriedade acima do tamanho prescrito vendido


fosse conjunta com a outra propriedade do vendedor, mesmo se
p. 234

que foram apenas um pouco, o comprador tem que devolver o vendedor a


propriedade "R. Ashi questionou: Como é a lei se havia um bem entre este
imóvel vendido e os outros bens do vendedor, um canal, uma via pública, ou
uma fileira de árvores, se estas constituem linhas de demarcação ou não? Esta
questão permanece indecisa.

" E não apenas a terra que está em excesso " etc. Como isso deve ser
entendido? Ensinei Rabhin b. R. Na'hman: Não apenas aquilo que estava
acima do tamanho prescrito, o comprador devolve o vendedor, mas todos os
quartos de cada kur, embora o restante não tenha ultrapassado o tamanho
prescrito, ele deve retornar.

MISHNA III .: "Eu te vendo a propriedade com uma medida, um pouco mais
ou menos." As últimas palavras, "mais ou menos", anulam as que as
precedem. "Eu te vendo um pouquinho mais ou menos para ser medido com
uma linha." As últimas palavras aqui anulam as precedentes (e o vendedor
deve dar ao comprador uma medida justa; de modo que se a terra fosse em
excesso, o excesso deveria ser devolvido, e se menos o vendedor tivesse que
suprir a deficiência), tal é o decreto. de ben Nanas.

GEMARA: Disse R. Abba b. Mamal em nome de Rabh: "Os colegas de Ben


Nanas diferem com ele". O que veio ele nos ensinar? Não aprendemos no
Portão do Meio, p. 269, Mishna 8, que aconteceu em Ciphorius que um
alugou uma casa de banho por doze dinares de ouro por ano? O pagamento
deveria ser um dinar mensalmente; e depois disso o ano foi feito
intercalar. Quando o caso chegou antes de R. Simeon b. Gamaliel e R. José
decidiram que o pagamento pelo tempo intercalado deveria ser feito na mesma
taxa do horário normal. Se a partir disso Mishna diz que as últimas palavras,
"um dinar mensal", devem ser interpretadas como uma retratação das
primeiras palavras, "doze por ano", as últimas palavras, "um dinar mensal",
também podem ser interpretadas como explicando o primeiro, "doze por
ano" (sobre o qual os sábios diferiram com ben Nanas); entretanto, aqui, em
que as últimas palavras não podem ser interpretadas como uma explicação,
mas como uma retratação do primeiro, os sábios concordam com ele. Ele vem
para nos ensinar que eles diferem também neste caso. R. Jehudah em nome de
Samuel disse: Isto que é ensinado em nosso Mishna está nas palavras de ben
Nanas, mas os sábios dizem que a expressão mais curta deve sempre ter o
maior peso (isto é , "com uma medida" é menor que "a
p. 235

menos ou menos ", não importa se a frase mais curta foi dita antes ou depois
da mais longa. Diz o Gemara: Devemos assumir que com a expressão" isto
"Samuel quis dizer que ele próprio não concorda com ele? não tanto Rabh e
Samuel dizem (p. 188) que se alguém disser "um kur por trinta selas", ele
pode se retratar até mesmo no último saah; e se ele adicionar cada saah por
um sela, a todos que foi medido o título é adquirido , o que corresponde com a
decisão de ben Nanas? Portanto, devemos dizer que ele quis dizer "isso", e eu
concordo com isso. Mas é isso mesmo? Não disse Samuel (Middle Gate, p.
270): "A decisão foi tão feito. . "mas se eles tivessem aparecido no começo,
seria inteiramente do dono; e se no final, o locatário? (Isto, em todos os
eventos, não pode corresponder com a decisão de ben Nanas.) Portanto, deve-
se dizer novamente que pela palavra "isto" significa que "eu não concordo", e
a razão de sua decisão no caso de cada saah para selah é por causa daquilo que
foi medido é considerado já em suas mãos, e o mesmo é o caso com o aluguel
para o mês intercalar; se no final do mês, pertence ao locatário, porque já está
na mão dele. R. Huna disse: Foi dito no colégio de Rabh: Se alguém dissesse:
"Eu vendo isso para você por um e o mesmo acontece com o aluguel do mês
intercalar; se no final do mês, pertence ao locatário, porque já está na mão
dele. R. Huna disse: Foi dito no colégio de Rabh: Se alguém dissesse: "Eu
vendo isso para você por um e o mesmo acontece com o aluguel do mês
intercalar; se no final do mês, pertence ao locatário, porque já está na mão
dele. R. Huna disse: Foi dito no colégio de Rabh: Se alguém dissesse: "Eu
vendo isso para você por umistra cem moahs , ele deve dar-lhe cem
moahs; mas se ele disser cem moahs e istra, ele terá de lhe dar um istra,
embora tenha menos valor do que cem moahs. "

O que veio ele nos ensinar - que a última expressão deve ser
considerada? Rabh não disse isso já a respeito do caso da citada Mishna
(página 270): "Se eu estivesse lá, deveria entregá-la ao dono da casa" (e isso é
porque as últimas palavras eram "dinar mensalmente"). ? Para que não se
possa dizer que em um caso as últimas palavras ("cem moahs", ou vice-versa )
devem ser consideradas como uma explicação para as primeiras palavras, ele
vem para nos ensinar que não é assim.
MISHNA IV : Se alguém disser: "Eu te vendo esta propriedade, do tamanho
de um kur, com suas marcas e limites"; e depois descobriu-se que o tamanho é
menor do que o estipulado - se fosse inferior a um sexto do tamanho total, a
venda é válida; mas se houvesse uma sexta falta, o comprador pode deduzir do
pagamento.

GEMARA: Foi ensinado: R. Huna e R. Jehudah diferem na explicação de


nossa Mishna. Segundo o antigo
p. 236

o Mishna significa que um sexto exato deve ser considerado como menos de
um sexto, e o Mishna deve ser explicado assim: "Com menos de um sexto
desejo, um sexto inclusive, a venda é válida." Se, no entanto, mais do que um
sexto estiver faltando, pode ser deduzido. De acordo com R. Jehudah o
Mishna significa que um sexto exato deve ser considerado como mais, e é
para ser explicado assim: "Com menos de um sexto querer a venda é válida;
um sexto, no entanto, ou mais querer é ser deduzido. "

Uma objeção foi levantada a partir do seguinte Tosephtha: "Com suas marcas
e limites, e houve um sexto a menos ou um sexto a mais, é semelhante ao caso
em que o tribunal avalia um estado, e a venda é válida". Agora sabemos que
em um caso em que o tribunal avalia, se houve um erro quanto a um exato
sexto, é considerado como se fosse mais, e a avaliação é nula; daí isso
contradiz R. Huna? R. Huna pode dizer que não há contradição, pois o
Tosephtha termina com as palavras "a venda é válida", e se isso for paralelo
ao caso em que o tribunal avalia, como poderia ser válido caso houvesse mais
de um sexto? A lei não prevê que, no caso de um erro do tribunal em mais de
um sexto, o avaliador é nulo? Deve-se dizer então que é paralelo em um
aspecto, mas não no outro; 1

R. Papai comprou uma propriedade de alguém que lhe disse que mediu o
tamanho de vinte saahas. Depois que foi medido, descobriu-se que havia
apenas quinze; e o caso veio antes de Abayi, que decidiu que a venda era
válida, porque o vendedor tinha usado as palavras de qualificação "como você
vê suas marcas e limites". Mas não aprendemos que se houvesse mais de um
sexto faltando, seu valor seria deduzido, e aqui há uma quarta parte? No
primeiro caso, a condição não é conhecida pelo comprador antes da
venda; mas no último caso, como a condição era conhecida por R. Papa e ele
viu na época ele
p. 237

comprada, deve-se supor que ele a considerou e aceitou. Retomado R. Papa:


Mas ele não me disse que mediu vinte? Ele provavelmente quis dizer que
"esses quinze são melhores que vinte em outros lugares".
Há um Boraitha: R. Jose disse: "Alguns irmãos dividiram sua herança por
sorte, e quando para cada um deles a sua sorte caiu, todos eles adquiriram o
título de suas ações." Por quê? Disse R. Elazar: Na época a terra de Israel foi
destinada às tribos. Mas não havia também o Urim vumumim, como se diz
mais adiante que o sumo sacerdote Elazar tinha no Urim vumumim, e então os
lotes foram lançados? Disse R. Ashi: Por seu arranjo antes da colocação (pelo
qual a propriedade foi dividida em ações de igual valor) eles se prepararam
para que cada um deles adquirisse o direito à parte que o lote deveria lançar
para ele, e portanto nenhuma outra cerimônia era necessária. .

Foi ensinado: a dois irmãos que dividiram sua herança entre eles, veio um
terceiro irmão (de cuja existência eles não tinham conhecimento prévio). Sua
divisão é nula e vazia de acordo com Rabh. Samuel, no entanto, sustenta que
cada um dos dois deve renunciar a um terço de sua herança para o terceiro
irmão ( por exemplo,, eles herdaram seis campos, e cada um deles deve dar
um destes para o recém-chegado, para que os três irmãos possam ter dois
campos cada um). Disse Rabha a R. Na'hman: Segundo Rabh, que diz que a
divisão é nula e sem valor, deve-se dizer que, como todos eles não
participaram da primeira divisão, a herança deve ser redividida. Seria o
mesmo caso com três parceiros, dois dos quais se dividiram (na presença de
três pessoas que são consideradas um Beth Din) na ausência do terceiro, e há
uma decisão (Portão do Meio, p. 74) que isso é bom? Os casos são
diferentes. No último caso, os sócios dividiram a propriedade em três partes, e
como foi feito na presença de um Beth Din, a divisão é válida; mas no
primeiro caso os dois irmãos dividiram a herança em duas partes apenas,

Disse R. Papa a Abayi: Segundo a decisão de Samuel de que a primeira


divisão é válida, deve-se dizer que ele sustenta que tal ato, feito de acordo
com a lei, não deve ser revogado, embora depois pareça que os irmãos
tomaram mais do que lhes pertencia; mas não tanto Rabh e Samuel dizem: Se
p. 238

uma pessoa diz: "Eu te vendo um kurt por trinta selas", o vendedor pode se
retratar mesmo no último saah (acima, p. 235 )? (Nós vemos então que,
mesmo quando feito de acordo com a lei, um ato ainda pode ser revogado.)
Há, no entanto, aqui uma diferença. Os rabinos promulgaram essa lei para
agradar tanto o vendedor como o comprador. ( Ou seja , caso o preço deva
baixar, antes que o comprador receba a propriedade, é vantajoso para ele se
retratar; e caso o preço se torne mais alto, a vantagem é para o vendedor.
Portanto, essa lei é benéfica para ambos. )

Foi ensinado: Se os irmãos dividissem sua herança e um credor de seu pai


viesse e tirasse a parte de um deles, de acordo com Rabh, a divisão anterior é
nula e sem valor. Samuel, no entanto, disse que tal era o destino desse irmão e
não dizia respeito ao outro. R. Assi, no entanto, sustenta, não como Rabh, que
a divisão é nula, e eles devem dividir o restante, e não como Samuel, que não
diz respeito ao outro; mas que o segundo irmão deve entregar um quarto de
seu patrimônio e um quarto do dinheiro que herdou. Rabh sustenta que os
herdeiros, mesmo após sua divisão, ainda devem ser considerados herdeiros
(portanto, se um deles perdeu a propriedade através da dívida de seu pai, ele
ainda é um herdeiro para o restante), enquanto Samuel afirma que no
momento em que eles se dividem, eles são considerados compradores (cada
um deles comprando sua parte de seu irmão) sem qualquer segurança; e,
consequentemente, cada um não tem mais preocupação após a divisão. R. Assi
duvidava que fossem considerados herdeiros dos compradores; portanto, a
metade que deve ser tirada daquele que não sofreu a perda é considerada
dinheiro duvidoso, e há uma regra de que o dinheiro duvidoso deve ser
dividido. Disse R. Papa: A Halachá relativa aos dois casos, a do terceiro
irmão, bem como aquela em que a parte de um foi tirada pelo credor de seu
pai, prevalece de acordo com Samuel, que diz que a divisão é válida, e é para
eles dividirem suas ações em pagamento da dívida. Amimar, no entanto, disse:
A Halakha prevalece de acordo com Rabh,

Os rabinos ensinaram: Se há três que se qualificaram como um Beth Din para


avaliar o espólio de um falecido, para o sustento de sua viúva e filhas, e se
alguém disser que, em sua opinião, a propriedade vale vinte e cinco selas (a
moanah de
p. 239

100 zuz), e os outros dois dizem duzentos ou vice-versa, a opinião


[parágrafo continua]

do indivíduo não tem efeito; mas se alguém avaliar a propriedade a cem zuz,
que são vinte e cinco selas, a segunda a vinte e a terceira a trinta, o valor é
fixado em cem zuz. R. Eliezer b. R. Zadok, no entanto, diz que deve ser
tomado por noventa zuz, e professores anônimos dizem que um terço da
diferença entre a segunda e terceira avaliação deve ser adicionado ao segundo,
que dará 93 1/3, zuz. A razão dele que diz que a propriedade vale cem zuz é
que a opinião do árbitro deve ser levada em consideração, e a razão para a
opinião de R. Eliezer de que a propriedade vale noventa zuz é que ele que a
avaliou aos oitenta anos subestimado por dez zuz, enquanto aquele que o
avaliou em 100 superestimou por dez zuz, e como há uma maioria que o
avaliou em não mais que 100 zuz, o terceiro, que o avaliou em vinte zuz sobre
um moah, não deve ser levado em consideração. Por que não dizer que aquele
que disse que 100 zuz subestimou por dez e quem diz que trinta superestimou
por dez, e a propriedade deveria, portanto, ser avaliada em 100? Porque a
maioria declara que não vale mais do que 100 zuz, ou um moah. Os
professores anônimos sustentam que a propriedade vale 93 1/3 zuz, porque
aquele que estimou seu valor em vinte selas (oitenta zuz) subestimou em 13
1/3, e aquele que disse que 100 zuz superestimou por 13 1/3, embora ele
tivesse a intenção de dizer 103 1/3 zuz, mas pensou que não gostaria de fazer
sua diferença muito grande. E por que não dizer que aquele que disse trinta
selas (120 zuz) superestimou por treze, e a estimativa deve ser fixada em 113
zuz? A opinião da maioria de que a propriedade não vale mais do que uma
moa deve ser levada em consideração. Disse R. Huna: A Halakha prevalece
com os professores anônimos. Disse R. Ashi: A razão dos professores
anônimos não é aceitável; devemos decidir de acordo com eles? Há uma
Boraitha que os juízes do exílio estão de acordo com os professores anônimos,
e R. Huna disse novamente que assim a Halakha prevalece, mas R. Ashi
objetou novamente pelo mesmo motivo declarado acima. devemos decidir de
acordo com eles? Há uma Boraitha que os juízes do exílio estão de acordo
com os professores anônimos, e R. Huna disse novamente que assim a
Halakha prevalece, mas R. Ashi objetou novamente pelo mesmo motivo
declarado acima. devemos decidir de acordo com eles? Há uma Boraitha que
os juízes do exílio estão de acordo com os professores anônimos, e R. Huna
disse novamente que assim a Halakha prevalece, mas R. Ashi objetou
novamente pelo mesmo motivo declarado acima.

MISHNA V .: Se alguém disser "eu te vender a metade do campo" (a metade


do valor é significada), o melhor contra o inferior é o avaliado, e o vendedor
tem o direito de dar ao comprador o segundo . O mesmo é o caso quando ele
disse "eu te vendo"
p. 240

a metade sul deste campo ", eo comprador toma a metade determinada pelo
vendedor. O vendedor, no entanto, tem que dar espaço para uma divisória, e
para uma vala grande e pequena. Qual é a largura de uma grande vala? Seis
palmos E de um pequeno? Três.

GEMARA: Disse R. Hyya b. R. Abba em nome de R. Johanan: O comprador


tem que tomar o inferior. E ele (quando ouviu esta afirmação de R. Johanan)
disse a ele: A Mishná não diz que "o melhor contra o inferior deve ser
avaliado"? E isso não deveria ser explicado como significando que cada um
deles deveria receber metade do bem e do inferior? E ele respondeu: Parece-
me que você comeu muitas datas na Babilônia (de modo que você não tem
tempo para descer às profundezas da Mishná). A Mishna não contém a mesma
expressão, na última parte, 1 sobre a venda do lado sul do seu campo? E por
que a repetição? Deveria ler "ele deveria pegar uma metade no lado sul", e nós
entenderíamos que significaria metade do tamanho. Devemos então dizer que
é repetido ensinar que também nesse caso a metade do valor se destina, como
o mesmo ocorreu na primeira parte.

" A partição ", etc. Existe uma Boraitha: "A vala grande deve estar do lado de
fora e a pequena dentro do campo, mas ambas além da divisória, para que as
feras não pule sobre a partição no campo". Por que então a pequena vala? O
grande não é suficiente para esse propósito? Porque tem seis vãos de largura,
os animais podem entrar e pular. Mas a pequena vala não é suficiente? Por ser
pequena, as feras podem ficar na borda e pular. E quanto será o espaço entre o
grande e o pequeno fosso? Uma extensão.

Notas de rodapé

231: 1 No texto estão algumas outras perguntas: Se as pedras foram colocadas


em volta, ou quadradas, etc .; e estes precisam de muitas ilustrações, e todos
permanecem indecisos. Como eles não têm importância, nós os omitimos.

232: 1 O texto contém questões sem importância - por exemplo , se as pedras


foram colocadas em volta, tortas, etc - que permanecem indecisas. Portanto,
omitimos toda a discussão.

236: 1 Somos obrigados a explicar isso de acordo com R. Gershom, já que a


explicação de Rashbam ainda é mais complicada.

240: 1 O Mishna repete a mesma linguagem concernente à parte sul que nós,
de acordo com o sentido, traduzimos "o mesmo é o caso".
p. 241

CAPÍTULO VIII
REGRAS E REGULAMENTOS APLICÁVEIS AOS BATIDOS E À
HERANÇA POR PARENTES PRÓXIMOS E DISTANTES, ESCRAVOS
MASCULINOS E FÊMEAS E SEUS DESCENDENTES, PRIMAS
NASCIDOS E MARIDOS. UM MAIO OU NÃO PODERÁ BEQUEATH
SUA PROPRIEDADE A STRANGERS QUANDO TEM
CRIANÇAS. QUAIS AS VONTADES DEVEM SER CONSIDERADAS E
QUAIS AS VONTADES NÃO DEVEM. A DIVIDIR DE UMA HERANÇA
ENTRE CRIANÇAS CRESCIDAS E MENORES, MASCULINAS E
FÊMEAS.

MISHNA I : (No que diz respeito à herança, há uma diferença entre parentes.)
Há aqueles que legam na sua morte, e também herdam a morte de seus
parentes. Há aqueles que herdam, mas não legam, e também aqueles que não
legam nem herdam. O pai, seus filhos e também os irmãos do pai podem
herdar e herdar um do outro. O filho de sua mãe, e o marido de sua esposa, e
também os filhos de irmãs, herdam, mas os primeiros não dão herança aos
últimos. A mulher para seus filhos, seu marido e seus irmãos lega, mas não
herda deles. Os irmãos da mãe, no entanto, não legam nem herdam dela.

GEMARA: Por que o Mishna menciona o pai seus filhos primeiro? Primeiro,
porque a ordem inversa implicaria uma maldição, e geralmente o começo não
deve ser com uma maldição (pois quando o filho morre diante de seu pai é
certamente uma maldição), e, segundo, a Escritura [Números, xxvii. 8] diz:
"Se um homem morrer e não tiver filho", etc .; daí a morte do pai é
mencionada primeiro. O Tana da Mishna faz assim porque a lei que um pai
herdará de seu filho não está escrita nas Escrituras, mas é deduzida (como será
explicado mais adiante) e ele deseja mencioná-la primeiro. De onde eles
deduzem isso? Do seguinte Boraitha: "(Está escrito)" seu parente significa o
pai, do qual se deduz que se um morre e deixa irmãos e um pai, o pai é o
herdeiro e não os irmãos ";
p. 242

falecido é o preferido para seu filho, está escrito "que é ao lado dele", o que
significa, quem é o mais próximo, e o filho de seu pai é considerado mais
próximo do que um pai para seu filho. E qual a razão de você excluir o irmão
e incluir o filho? Porque a Escritura substituiu o filho pelo pai no caso de um
servo [Ex. xxi. 9] e também no que diz respeito à posse de um campo
[Levit. xxv. 13], do qual é dito em outro lugar que somente quando o filho
redimiu o campo santificado por seu pai, ele pode ser devolvido no ano do
jubileu, mas não se o irmão do pai ou qualquer outro parente o tiver feito. Mas
por que não dizer que o irmão terá a preferência, como ele herda de seu irmão
no caso de este último morrer sem filhos [Deut. xxv. 5] Isso não pode ser
bom, como o irmão assim herda somente se não houver filho; mas se há um
filho que o irmão não herda. "É somente por esta razão, e se fosse de outro
modo, o irmão seria o herdeiro? Que o filho seja substituído por seu pai nos
dois casos acima mencionados, e o irmão no único caso, não, a mesma razão é
dada no caso da posse acima mencionada de um campo, em que o filho é
preferido ao irmão, também porque o irmão herda somente quando não há
filho. digamos um parente significa o pai, do qual inferimos que ele é
preferido à sua filha? Para que ninguém diga que ele é preferido ao seu filho
também, por isso está escrito "quem está ao lado dele", e um filho está mais
perto seu pai que o pai para seu filho.Como dito acima, isso poderia ser oposta
assim: Vamos ver! Se alguém morre e deixa uma filha, é o mesmo com
relação ao Yeboom, como se a mentira deixasse um filho. Por isso, vemos que
um filho e uma filha são iguais perante a lei, e a mesma igualdade se obteria
em relação à herança. Mas por que não deduzir disso que o pai tem
preferência sobre o irmão? E para que não se diga que ele deve ter a
preferência sobre os irmãos do falecido também, está escrito "o próximo", e
irmãos são considerados mais próximos do que o pai de seu filho. Não é
necessário que o irmão dos pais seja considerado excluído na Escritura, pois
isso seria contrário ao senso comum. Qual é a base para a herança do tio do
falecido de seu sobrinho, se não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o
pai ainda está vivo, por que o irmão seria o herdeiro? é o mesmo em relação
ao Yeboom, como se a mentira deixasse um filho. Por isso, vemos que um
filho e uma filha são iguais perante a lei, e a mesma igualdade se obteria em
relação à herança. Mas por que não deduzir disso que o pai tem preferência
sobre o irmão? E para que não se diga que ele deve ter a preferência sobre os
irmãos do falecido também, está escrito "o próximo", e irmãos são
considerados mais próximos do que o pai de seu filho. Não é necessário que o
irmão dos pais seja considerado excluído na Escritura, pois isso seria contrário
ao senso comum. Qual é a base para a herança do tio do falecido de seu
sobrinho, se não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o pai ainda está
vivo, por que o irmão seria o herdeiro? é o mesmo em relação ao Yeboom,
como se a mentira deixasse um filho. Por isso, vemos que um filho e uma
filha são iguais perante a lei, e a mesma igualdade se obteria em relação à
herança. Mas por que não deduzir disso que o pai tem preferência sobre o
irmão? E para que não se diga que ele deve ter a preferência sobre os irmãos
do falecido também, está escrito "o próximo", e irmãos são considerados mais
próximos do que o pai de seu filho. Não é necessário que o irmão dos pais seja
considerado excluído na Escritura, pois isso seria contrário ao senso
comum. Qual é a base para a herança do tio do falecido de seu sobrinho, se
não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o pai ainda está vivo, por que
o irmão seria o herdeiro? Por isso, vemos que um filho e uma filha são iguais
perante a lei, e a mesma igualdade se obteria em relação à herança. Mas por
que não deduzir disso que o pai tem preferência sobre o irmão? E para que
não se diga que ele deve ter a preferência sobre os irmãos do falecido também,
está escrito "o próximo", e irmãos são considerados mais próximos do que o
pai de seu filho. Não é necessário que o irmão dos pais seja considerado
excluído na Escritura, pois isso seria contrário ao senso comum. Qual é a base
para a herança do tio do falecido de seu sobrinho, se não que seu irmão é o pai
do falecido; e quando o pai ainda está vivo, por que o irmão seria o
herdeiro? Por isso, vemos que um filho e uma filha são iguais perante a lei, e a
mesma igualdade se obteria em relação à herança. Mas por que não deduzir
disso que o pai tem preferência sobre o irmão? E para que não se diga que ele
deve ter a preferência sobre os irmãos do falecido também, está escrito "o
próximo", e irmãos são considerados mais próximos do que o pai de seu
filho. Não é necessário que o irmão dos pais seja considerado excluído na
Escritura, pois isso seria contrário ao senso comum. Qual é a base para a
herança do tio do falecido de seu sobrinho, se não que seu irmão é o pai do
falecido; e quando o pai ainda está vivo, por que o irmão seria o
herdeiro? Mas por que não deduzir disso que o pai tem preferência sobre o
irmão? E para que não se diga que ele deve ter a preferência sobre os irmãos
do falecido também, está escrito "o próximo", e irmãos são considerados mais
próximos do que o pai de seu filho. Não é necessário que o irmão dos pais seja
considerado excluído na Escritura, pois isso seria contrário ao senso
comum. Qual é a base para a herança do tio do falecido de seu sobrinho, se
não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o pai ainda está vivo, por que
o irmão seria o herdeiro? Mas por que não deduzir disso que o pai tem
preferência sobre o irmão? E para que não se diga que ele deve ter a
preferência sobre os irmãos do falecido também, está escrito "o próximo", e
irmãos são considerados mais próximos do que o pai de seu filho. Não é
necessário que o irmão dos pais seja considerado excluído na Escritura, pois
isso seria contrário ao senso comum. Qual é a base para a herança do tio do
falecido de seu sobrinho, se não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o
pai ainda está vivo, por que o irmão seria o herdeiro? e irmãos são
considerados mais próximos do que o pai de seu filho. Não é necessário que o
irmão dos pais seja considerado excluído na Escritura, pois isso seria contrário
ao senso comum. Qual é a base para a herança do tio do falecido de seu
sobrinho, se não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o pai ainda está
vivo, por que o irmão seria o herdeiro? e irmãos são considerados mais
próximos do que o pai de seu filho. Não é necessário que o irmão dos pais seja
considerado excluído na Escritura, pois isso seria contrário ao senso
comum. Qual é a base para a herança do tio do falecido de seu sobrinho, se
não que seu irmão é o pai do falecido; e quando o pai ainda está vivo, por que
o irmão seria o herdeiro?

Mas vamos ver. A passagem na Escritura não corresponde


p. 243
com tudo o que é ensinado acima [Num. xxvii. 8], "Se um homem morrer e
não tiver filho, então você deve fazer com que a herança passe para sua filha,
e se ele não tiver nenhuma filha ... para seus irmãos ... e se nenhum irmão,
para os irmãos de seu pai, e se ... nenhum irmão ... para o parente. " (Assim,
quando o parente é mencionado no final, como você pode dizer que significa o
pai, que é o primeiro caso o defunto não deixe nenhum filho?) As passagens
não são escritas em ordem, como o parente, significando o pai, deve ser
mencionado primeiro, mas a Escritura se baseia nas palavras "quem está ao
lado dele", e cabe ao tribunal decidir quem está mais próximo dele. O seguinte
Tana, no entanto, deduz da mesma passagem de outra maneira, como
aprendemos na seguinte Boraitha: R. Ishmael disse: "Está escrito".dê a
herança, "e não" ye fará com que passe", o que significa que se há uma filha,
seu pai pode passar a herança para ela, mesmo quando seu pai ainda está vivo.
Agora, o que significa parente na opinião de R. Ismael, que deduziu isso das
palavras "ye fará com que para passar"? O que o seguinte Boraitha afirma:
"Seu parente significa sua esposa. Deduce disto que o marido herda de sua
esposa. "Mas para aquele que infere isto da palavra parente, o que as palavras"
ye fará com que para passar "significam? O que nós aprendemos no seguinte
Boraitha: Rabbi disse: todas as passagens que está escrito "dareis", e somente
com relação à filha "passareis", para mostrar que não há ninguém que possa
passar uma herança a outra tribo, exceto uma filha, por isso, se ela se casar
com uma de outra tribo ,

Mas, afinal, onde é que você está certo de que parente significa o pai? Em
Levit. xix. 12: "Parente de teu pai". Então por que não dizer que significa a
mãe, como o próximo verso lê "parente da tua mãe"? Disse Rabha: Está
escrito [xxvi. 11] "ao lado dele desta família", e a família é nomeada
p. 244

somente do lado do pai como [ibid., 2] "depois de suas famílias, pela


descendência de seus pais". Mas não é o nome do lado da mãe também
empregado? Não está escrito? [Juízes, xvii. 7] "E havia um jovem de Belém
de Judá da família de Judá, mas era levita e peregrinava lá"? Agora esta
passagem não se contradiz? Está escrito "da família de Judá", do qual se deve
inferir que eles vieram da tribo de Judá, e então diz que ele é um levita, o que
significa que ele era da tribo de Levi. Devemos concluir que seu pai era de
Levi e sua mãe de Judá, e, no entanto, isso é chamado de sobrenome. Disse
Rabha b. R. Hanan: O verso diz "e ele é Levi", o que não significa que ele era
um levita, mas que seu nome era Levi. Se então, como deve ser entendido
(ibid., 17), "eu obtive um levita para um sacerdote"? Lá também está escrito
Levi e significa um homem chamado Levi. Mas como você pode dizer que o
nome dele era Levi? Não era seu nome Jônatas, como está escrito (ibid., Xviii.
30), "E Jônatas, filho de Gérson, ... eram sacerdotes" etc.? E ele respondeu:
Mesmo de acordo com sua teoria, ele era então o filho de Menashe? Ele era o
filho de Moisés, como está escrito [I Cron. xxiii. 15]: "Os filhos de Moisés
eram Gérson e Eliezer". Está escrito Menashe, porque ele agia como
Menashe, que era um idólatra; e, portanto, a frase "de Judá" é empregada
porque Menashe veio de Judá. R. Johanan em nome de R. Simeon b. Jo'hai
disse: A partir disso, inferimos que conferimos um nome corrupto a um
homem corrupto. R. Jose b. Hanina, no entanto, disse que isso pode ser
inferido a partir do seguinte [I Reis, i. 6]: "E sua mãe tinha depois de
Abshalom". Mas não foi Adoniya, filho de Chagith, e Abshalom, filho de
Maacha? Nós devemos dizer isso. porque ele agiu como Abshalom, que
também se rebelou contra o reino, o verso uniu-o a Abshalom.

R. Elazar disse: Nós vemos que quando Moisés se casou com a filha de Jetro,
Jônatas foi o resultado, e quando Arão se casou com a filha de Aminadab o
resultado foi Pinchos.

Mas não foi Pinchos também um descendente de Jethro, como está escrito
[Ex. vi. 251, "Elazar tomou das filhas de Putiel para esposa e ela lhe deu
Phinchas", e é dito em outro lugar que Jethro e Putiel são idênticos? Não, este
Putiel é Joseph, como também é dito em outro lugar que Joseph e Putiel são
p. 245

idêntico. 1 Mas não é dito em outra parte que as tribos repreendem Finchas,
dizendo: "Veja o descendente de Puti, cujo avô engordou bezerros para ídolos;
ou ousará matar um príncipe da tribo de Israel?" Ambos os nomes são
aplicáveis; pois se o pai de sua mãe era descendente de José, a mãe de sua
mãe era descendente de Jetro ou vice-versa, e a palavra Putiel em vez de Puti
pode significar ambos.

Rabha disse: Se alguém está prestes a se casar, é aconselhável que ele


investigue o caráter dos irmãos da noiva; como está escrito (ibid., 23), a "irmã
de Nachshon". Para que finalidade está escrito a "irmã de Nachshon"? Não é
evidente que ela era a irmã de Aminadab? Por isso, esta é uma intimação para
um prestes a se casar para investigar os irmãos de sua futura esposa. Há
também uma Boraitha no sentido de que a maioria das crianças se parece com
os irmãos de sua mãe. Está escrito [Juízes, xviii. 3] "Quem te trouxe
aqui?" ( halom ) que significa "Você não é descendente de Moisés?" de quem
está escrito [Ex. iii. 5] "aqui" ( halom) e "serás sacerdote do ídolo"? E ele
respondeu: "Eu tenho uma tradição da casa do meu avô que é melhor alguém
se contratar para a Abhada Zarah (idolatria) do que confiar nas pessoas que o
apóiam." [(Diz o Gemara :) Ele entendeu mal. Abhada Zarah significa
"idolatria". Literalmente, no entanto, é "um serviço estranho" e é como Rabh
disse a Kahana: (Se você está em necessidade), enrole uma carcaça no meio
do mercado e não diga que você é um grande homem, e é não serve para
você.]
Davi viu que gostava de dinheiro e o nomeou tesoureiro do governo, como
está escrito [I Chron. xxvi. 24], "Shebuël o filho de Gershom, o filho de
Moisés, superintendente dos tesouros". Era então o nome dele Shebuël? Não
foi Jonathan? Disse R. Johanan: Shebuël é composto de duas palavras, Shebu ,
que significa "arrependido", e El significa "Deus"; e "Shebuël" significa que
ele se arrependeu de Deus com todo o seu coração.
p. 246

" Seus filhos ... herdamIsso já está escrito [ibid., Xxxvi. 8], "E toda filha que
herda", etc. R. A'ha b. Jacó disse: Isto deve ser deduzido do seguinte [ibid.,
Xxvii. 4], "Por que o nome de nosso pai deve ser feito longe do meio de sua
família, porque ele não tem filho?" Mas se ele tivesse um filho, o filho teria a
preferência; mas talvez este fosse apenas o ditado das filhas de Zelofchod (ou
seja , eles achavam que tal era a lei, como era costume naquela época). Mas
depois que a Torá foi dada a lei foi mudada, que um filho e uma filha
deveriam herdar juntos; portanto, a explicação de Abayi é melhor.

Rabina disse: Isso deve ser deduzido das palavras "ao lado dele", e um filho
está mais perto do que uma filha; e porque? Como se diz acima, ele pode ser
substituído por seu pai nos casos relativos a uma empregada doméstica e um
campo, etc. Mas poderia então uma filha ser substituída por seu pai no caso de
uma empregada doméstica? Por isso, a melhor interpretação é de Abayi; e 'se
você desejar, pode ser deduzido de Levit. xxv. 46: "Para seus filhos depois de
você", etc., o que significa para seus filhos 1 e não para suas filhas. Mas, de
acordo com isso, o verso [Deut. XI. 21], "Os dias de vossos filhos", que
também está escrito com "Bniechein ", também devem ser explicados os filhos
e não as filhas? Com uma bênção é diferente.

" Os irmãos do pai ." De onde isso é deduzido? Disse Rabba: Por analogia da
expressão "irmãos" aqui [Números, xxvii. 9]
p. 247

e em Gênesis, xlii. 32. "Somos doze irmãos, filhos de nosso pai"; como lá eles
eram irmãos do pai, eles estão aqui também do lado do pai. Mas não foi dito
acima que do lado do pai a família é nomeada, mas não da mãe? (Veja acima,
p. 244.) Sim, isso é deduzido do verso 11, como acima, e a declaração de
Rabba foi ensinada sobre Yeboom (o casamento de um irmão com a viúva de
seu irmão sem filhos).

" O filho da mãe dele ." De onde tudo isso é deduzido? Daquilo que os rabinos
ensinaram. Está escrito [Num. xxxvi. 8], "Qualquer filha que herda a herança
das tribos". 1 Como uma filha pode herdar de duas tribos? Deve-se concluir
que seu pai era de uma tribo e sua mãe da outra, e ambos morreram deixando
propriedades, e ela herdou ambos. Isto é relativo a uma filha, mas de onde
temos conhecimento sobre um filho? Do a fortioriargumento de que, como
uma filha que não tem participação na herança de seu pai quando há um filho
é, no entanto, um herdeiro do patrimônio de sua mãe, um filho que herda tanto
de seu pai quanto mais herda de sua mãe. E a partir disso, deduz-se que, como
lá o filho tem a preferência sobre a filha como herdeiro do pai, assim é
também com a herança da mãe. Ambos R. Jose b. Jehudah e R. Elazar b. José,
porém, diz em nome de Zacarias, filho do açougueiro, que um filho e uma
filha são igualmente herdeiros de sua mãe. Por quê? Porque há uma regra: é
suficiente que o resultado derivado da inferência seja equivalente à lei da qual
é extraída (e como a lei que um filho pode herdar de sua mãe é tirada a
fortiorido caso da filha, basta dizer que ele herda também, mas não que ele
tenha a preferência). Mas o primeiro Tana ignora a teoria de "é
suficiente"? Isso não é bíblico, como aprendemos (Primeiro Portão, p. 51, no
começo da Gemara)? Em todos os outros casos, ele usa a teoria; aqui, no
entanto, é diferente, por causa da leitura "das tribos". Vemos então que a tribo
da mãe é igual à tribo do pai, e quanto ao pai, o filho tem a preferência, assim
também é relativo à mãe.

Nithai estava prestes a agir de acordo com Zacarias, e


p. 248

Samuel disse-lhe: Ignore Zacarias, pois a Halakha não prevalece


[parágrafo continua]

com ele. R. Tabla agira de acordo com R. Zecharia, e R. Na'hman perguntou-


lhe o que ele havia feito. E a resposta foi que ele fez isso porque R. Hinna
b. Shlamiah disse em nome de Rabh que a Halakha prevalece com R.
Zecharia, o filho do açougueiro, e R. Na'hman lhe disse: "Vá e retire-se de sua
declaração, e desfaça o que você fez, e se você não o fizer escute, eu vou tirar
a R. Hinna dos seus ouvidos "(eu colocarei você sob a proibição). R. Huna
b. Hyya também estava prestes a agir de acordo com R. Zecharia, e R.
Na'hman disse: "O que você está fazendo?" E ele respondeu: "Eu faço isso
porque R. Huna disse em nome de Rabh que a Halakha prevalece com R.
Zecharia. Disse R. Na'hman:" Vou mandar imediatamente uma mensagem
para R.

R. Janai se apoiou nos ombros de R. Simlai, seu criado, quando ele andou na
rua, e aconteceu que R. Jehudah o segundo estava vindo na direção oposta, e
R. Simlai disse a ele: "O homem que está vir em uma direção oposta é
respeitável, e ele também está bem vestido ". Quando eles se reuniram, R.
Janai se atrapalhou com o vestido de R. Jehudah 1 e disse: "É isso que você
chama bem vestido? Parece-me como um saco." Jeudá, o segundo, perguntou-
lhe: "De onde 1 deduziu-se que um filho tem a preferência sobre uma filha no
estado de sua mãe? "E ele respondeu:" Porque está escrito "tribos", e o verso
compara a tribo da mãe com a tribo do pai. Como no primeiro caso, o filho
tem a preferência, assim como no segundo. "Disse Jehudah:" Se sim, por que
não dizer que, como no caso do pai, o primogênito tem uma dupla
participação, assim deveria ser no mãe? "Disse R. Janai ao seu servo:" Leve-
me para longe dele, este homem não quer aprender. "E qual foi a razão? Disse
Abayi: Está escrito [Deut. xxi. 17]," de todos que é encontrado em sua posse
", não em sua posse. Mas por que não dizer que
p. 249

isto é assim quando um homem solteiro se casou com uma viúva que tem
filhos do primeiro marido, mas se um homem solteiro se casou com uma
virgem, o primogênito terá uma dupla parte? Disse R. Na'hman b. Itz'hak: O
mesmo versículo citado lê, "porque ele é o começo de sua força", sua , mas
não ela. Este verso não é necessário para incluir um primogênito que veio
depois de um aborto, que ele tem direito a uma dupla parte, embora ele não
seja considerado como tal para ser redimido? Porque deve ser lido, "ele é o
primeiro da força" e, da adição, ambas as inferências são extraídas. Mas ainda
assim pode-se dizer no caso de um viúvo se casar com uma virgem, mas se
um solteiro se casou com uma virgem, o primogênito também tem direito a
uma dupla participação de sua mãe. Portanto, disse Rabha: O verso termina "a
ele pertence o direito do primeiro nascimento"; o que significa para ele
um macho , mas não para uma fêmea .

" E o marido da esposa dele ." De onde isso é deduzido? Daquilo que os
rabinos ensinaram. Está escrito [Números, xxvii.], "Seu parente" e sua esposa
é o que se entende. Inferir disto que o marido herda de sua esposa; mas para
que ninguém diga que ela herda dele também, está escrito [ibid.] "e ele
herdará dela." " Outhoh " significa que ele herda dela, mas não ela dele. Mas
os versos não estão escritos nessa ordem, você diz? Disse Abayi: Leia assim:
"Então dareis a sua herança ao seu próximo parente e ele herdará dela". Disse-
lhe Rabha: Parece-me que você tem uma faca afiada para cortar os
versos. Portanto, disse ele, o versículo significa que ele deve dar a herança
de suaparente para ele; como ele sustenta que os sábios têm o direito de
subtrair, adicionar e interpretar. ( Isto é, está escrito nachlossou , literalmente
"sua herança", com um Vav no final; lishourou , literalmente "para seu
parente", com um Lahmed no começo. Subtraia o Lahmed de lishourou e o
Vav de nachlossou . Coloque estes duas letras juntas e eles vão ler lou,
Literalmente "a ele", e então o versículo irá ler assim: "Vós dê a herança de
seu parente para ele) O seguinte Tana, no entanto, infere isso a partir do
mesmo verso de outra maneira, como aprendemos na. seguinte Boraitha:. está
escrito: "E ele herdará dela" inferir a partir disso que o marido herda de sua
esposa Então disse R. Aqiba R. Ismael, no entanto, disse:. não é necessário
cortar os versos ( ele não sustenta a teoria de subtrair, adicionando,
p. 250
etc.), como existem outros versos [ibid., xxxvi. 8], "toda filha que herda", que
se refere à transferência de uma propriedade de uma tribo para outra através
do marido, que é de uma tribo e se casou com uma mulher de outra tribo. Está
escrito [ibid. 7], "E a herança dos filhos de Israel não passará de tribo para
tribo", e também está escrito ao lado "e nenhuma herança passará de uma tribo
a outra," e, em seguida, está escrito [Joshua, xxiv . 33] "E morreu Elazar, filho
de Arão, e o sepultaram no monte de Pinchas, seu filho." Onde então Pinchas
tinha uma colina que Elazar não possuía? Devemos então concluir que
Pinchas se casou com uma mulher que possuía uma colina, ela morreu e ele
herdou. E também está escrito [I Chronicles, ii. 22], "e Segub gerou Jair, Mas,
para que não se diga que este verso também é escrito com o propósito de
tornar o transgressor responsável perante dois mandamentos negativos e um
mandamento positivo, é o quarto verso citado; e para que ninguém diga que a
esposa de Elazar possuiu uma colina e Pinchas herdou dela, então é o quinto
verso citado. E para que ninguém diga que o mesmo aconteceu com Segub e
Jair, então por que dois versos contêm o mesmo caso?

Disse R. Papa para Abayi: Mas o que isso suporta? Pode-se dizer que o
marido não herda, e todos os versos acima citados afirmam que foi através do
filho, e ambos Jair e Pinchas compraram a propriedade em questão? E Abayi
respondeu: Você não pode dizer que Pinchas comprou a propriedade, como se
isso tivesse sido assim a propriedade teria sido devolvida ao vendedor no ano
do jubileu, e então o ereto Elazar teria sido enterrado no chão não o seu
próprio. Mas talvez a colina
p. 251

em questão foi transferido para Pinchas de propriedades separadas para os


sacerdotes [Numb. xviii. 14]. Disse-lhe Abayi: Se fôssemos concordar com
sua teoria, a propriedade ainda seria transferida de uma tribo para outra. Não
está explicado acima que o versículo 8 se refere a uma mulher que herdou de
pai e mãe, que eram de duas tribos diferentes? Por que, então, se ela se casasse
com um pertencente à tribo de seu pai, o espólio de sua mãe seria transferido
para outra tribo? E R. Papa disse: Isso não é uma objeção, já que o caso pode
ser diferente, e talvez a propriedade de sua mãe já tenha sido
transferida. Retornado Abayi: Tal suposição não pode ser levada em
consideração; como ninguém diria que, como uma parte já havia sido
transferida, a outra parte deveria agora ser transferida. Além disso, a
transferência estava de acordo com a lei, como quando uma mulher se casou
com outra tribo, seu irmão ainda estava vivo, ela então não possuía herança,
mas a recebia depois que ela já era casada. Depois, sua filha, que herdou a
herança de sua mãe, se ela se casasse com um pertencente à tribo de seu pai,
seu filho herdaria dela a propriedade que pertencia a outra tribo.
Disse R. Jiiman para R. Ashi: Mesmo de acordo com Abayi, que afirma que o
marido herda, está correto. Se o versículo deve ser explicado que a filha já
herdou de sua mãe, que era de outra tribo, a Escritura ordena que ela deve se
casar com outra tribo, para que o estado de uma tribo não seja transferido para
outra. um, não importa se através do filho ou do marido; mas se a propriedade
de sua mãe ainda não havia sido transferida, por que ela deveria se casar com
uma das tribos de seu pai? O patrimônio de sua mãe, que pertence a ela, se seu
marido herda dela, seria transferido para ele; daí a propriedade de uma tribo
seria transferida para outra. A resposta foi que ela poderia se casar com um
homem cujo pai era da tribo de seu pai e sua mãe da tribo de sua mãe, e, nesse
caso, a propriedade de seu pai permanece dentro da tribo de seu pai, e o estado
de sua mãe permanece também com o homem cuja mãe pertence à mesma
tribo. Mas se assim for, não deveria o versículo ler "para alguém que é da
família da tribo de seu pai e mãe"? Se o versículo assim o lesse, pode-se dizer
que, mesmo que o pai de seu marido fosse da tribo de sua mãe, e sua mãe
fosse de
p. 252

a tribo de seu pai, isso não estaria de acordo com a lei, pois a propriedade de
seu pai seria transferida para o marido dela, que é de outra tribo. Há uma
Boraitha que através do filho a propriedade é transferida, a saber: "O sétimo
versículo diz que 'a herança dos filhos de Israel não passará' etc., que se refere
ao filho. Mas talvez se refira ao marido? Isto não poderia ser, como o verso 9
diz "como nenhuma herança deve passar de uma tribo para outra", que se
refere ao marido; daí o verso 7 se refere ao filho ". Existe outra Boraitha: "O
verso 9 se refere ao marido, mas talvez se refira ao filho? Isso não pode ser,
como o versículo 7 já se referiu ao filho". Vemos, então, que ambos os
boraítas sustentam que o versículo 9 se refere ao marido. De onde isso é
tirado? Simão em nome de Rabba b. R. Shila disse: Da expressão "ish "no
versículo 8, que significa marido. Mas não é a mesma expressão nos versos 7
e 9? Disse R. N'ahman b. Itz'hak: A partir da expressão" Idbako "(aderir). Mas
também esta expressão está em 7 e 9 "Portanto, disse Rabha: A partir do final
do versículo 9, que lê" as tribos de Israel devem aderir ", e R. Ashi mantém, a
expressão" de uma tribo para outra tribo ", um filho não pode ser chamado de
outra tribo.

R. Abuhu em nome de R. Johanan, que falou em nome de R. Janai, que ouviu


do rabino, citando R. Joshua b. Kar'ha, disse: De onde se deduz que o marido
não herda a propriedade para a qual sua esposa durante sua vida é apenas sua
aparente ( por exemplo,, sua esposa é filha única e ela morre antes de seu pai,
deixando um filho, e depois disso seu pai morre, e seu filho, mas não seu
marido, herda)? De [I Crônicas, ii. 22]: "Segub gerou Jair, que tinha vinte e
três cidades." De onde Jair conseguiu isso, o que seu pai não possuía. A partir
disso, Segub se casou com uma esposa que tinha vinte e três cidades, e ela
morreu enquanto seus herdeiros mais próximos ainda viviam. Depois disso,
seus herdeiros mais próximos também morreram, e Jair, seu filho, não Segub,
seu marido, era seu herdeiro. E o mesmo é o caso de Elazar, que se casou com
uma mulher que possuía uma colina, e ela morreu enquanto seus herdeiros
mais próximos ainda estavam vivos, e depois os herdeiros mais próximos
também morreram e Pinchas herda dela. Como nos asseguramos que a esposa
de Elazar lhe trouxe o morro; talvez Pinchas esposa possuiu? Pelas palavras
"seu filho", em Josué, xxiv. 33 (que são supérfluos, como todos
p. 253

sabe que Pinchas era seu filho), significando seu filho que era o próprio
herdeiro ".

" E também os filhos das irmãs ." Existe uma Boraitha, "Filhos, mas não filhas
de irmãs". Como isso deve ser entendido? Disse R. Shesheth: Isso significa
que se houvesse filhos e filhas, os filhos teriam a preferência. Como R.
Samuel 1). R. Itz'hak ensinou na presença de R. Huna: Está escrito
[Numb. xxvii. 11] "e ele herdará", o que significa que a segunda herança será
igual à primeira; como no primeiro o filho tem a preferência, assim será com o
segundo. Rabba b. Hanina ensinou na presença de R. Na'hman: Está escrito
[Deut. xxi. 16], "então será (no dia 1 ) quando ele divide uma herança, "o que
significa que durante o dia ele pode dividir uma herança, mas não à noite.
Disse-lhe Abayi:" Você quer dizer que somente daquele que morre durante o
dia seus filhos podem herdar, mas caso contrário eles não podem? Talvez
você queira dizer que os juízes não devem discutir um caso de testamento, à
noite, como aprendemos na seguinte Boraitha: Está escrito [Numb. xxvii. 11]
"um estatuto de justiça", o que significa que toda a seção que trata de herança
é um estatuto de justiça (que deve ser discutido durante o dia apenase não
menos do que três juízes). É como R. Jehudah disse em outro lugar: Se três
pessoas visitassem um homem doente e ele fizesse verbalmente sua última
vontade antes deles, eles poderiam, se quisessem, anotá-la e, além disso, eles
poderiam executá-la. Se, no entanto, houvesse apenas dois, eles poderiam
anotar sua vontade (como testemunhas), mas não poderiam executá-la. E a
isto R Hisda acrescentou que assim é quanto ao dia apenas, mas se fosse à
noite, mesmo que houvesse três, eles podem escrever o testamento, mas não
executá-lo; porque eles são considerados apenas testemunhas, e uma
testemunha não pode se qualificar como um executor. E Rabba respondeu-lhe:
Sim, isto é o que eu quis dizer.

É ensinado: No caso de um presente com a cerimônia de um sudário por


qualquer pessoa, seja saudável ou doente, a que horas pode ser dado a
ele. retrair? Rabba disse: Enquanto eles estão sentados no local onde a
cerimônia foi realizada E R. Joseph disse: Enquanto eles estão discutindo este
assunto Disse R. Joseph também: Parece-me que estou certo na minha
decisão, como R. Jehudah disse que três pessoas que visitam uma pessoa
doente
p. 254

pode, se quiserem, anotar seu testamento e executá-lo; Agora, se você disser


que ele pode se retratar enquanto eles estiverem sentados lá, embora eles não
discutam o assunto, como eles podem executar a vontade, mas na dúvida de
que enquanto estão fazendo isso ele pode se retratar? Disse R. Ashi: Eu tenho
mantido antes de R. Kahana, mesmo de acordo com a teoria de R. Joseph, que
é de se temer que mesmo enquanto eles estiverem discutindo este assunto ele
se retrairá; como então eles podem executar a vontade? Diga, então, que eles
deixaram de discutir esse assunto e estão discutindo outro. O mesmo pode ser
dito aqui, que eles surgiram depois de ouvirem sua vontade, e novamente
tomaram seus lugares. A Halakha, no entanto, prevalece de acordo com R.
Joseph sobre o campo mencionado acima ( p. 38), sobre este caso, e sobre o
caso de "uma metade" (quando o homem doente diz: "Eu lego minha
propriedade a você e seu filho", sobre o qual, de acordo com R. Joseph, a
propriedade pode ser dividida igualmente) , assunto que será explicado no
Capítulo IX.

" A mulher para seus filhos ." Para que finalidade isso é repetido? A primeira
parte não diz "o filho da mãe" etc.? Vem nos ensinar que o caso da "mulher
aos filhos" equivale ao da mulher ao marido. Como o marido não herda no
lugar de sua esposa aquilo que ela teria herdado se ela tivesse vivido (como
ilustrado no caso da mulher que predecessa seu pai), assim também o filho
herda a parte de sua mãe, mas seus irmãos (de o único pai) não herda dele se
ele morrer. 1 R. Johanan em nome de R. Jehudah b. R. Simeon disse:
Biblicamente, um pai herda de seu filho, e uma mãe também herda de seu
filho, como está escrito "tribos", do qual é deduzida a tribo da mãe, bem como
a tribo do pai; quanto à tribo do pai, o pai herda de seu filho, o mesmo
acontece com a mãe. R. Johanan, no entanto, opôs-se a R. Jehudah, da nossa
Mishna, que afirma que uma mulher para seu filho, seu marido e os irmãos da
mãe podem legar, mas não herdar. R. Jehudah respondeu: Eu não sei quem
ensinou a nossa Mishna; mas que ele diga que nosso Mishna está de acordo
com R. Zacarias, que não se importa em explicar
p. 255

palavra "tribos" como uma comparação. Nossa Mishna não pode ser explicada
de acordo com R. Zacarias, como afirma “e os filhos de irmãs”, e uma
Boraitha acrescenta que os filhos, mas não as filhas, são destinados, o que foi
explicado por R. Shesheth como significando que os filhos a preferência, e de
acordo com R. Zacarias, filhos e filhas são herdeiros iguais de sua mãe. Mas
como deve ser explicado o ensinamento do Tana de nossa Mishna? Se ele
sustenta que a palavra "tribos" deve ser tomada como uma comparação de
uma tribo a outra, por que uma mulher não herdaria de seu filho; e se não o
faz, de onde tira sua teoria de que um filho tem a preferência no estado de sua
mãe? A comparação é boa, mas esse caso é diferente; porque está escrito
"toda filha que herda"

MISHNA II .: A ordem de herança é assim: Se um homem morre, não


deixando filho, a herança deve passar para sua filha (lê a passagem), pelo que
vemos que o filho tem preferência antes da filha, e o mesmo é o caso com
todos os descendentes do filho, que também têm preferência antes da filha. A
filha tem preferência sobre os irmãos de seu pai, e o mesmo acontece com
seus descendentes. Os irmãos do falecido têm preferência sobre os irmãos do
pai, e o mesmo acontece com seus descendentes. Esta é a regra: depois de
cada um que tem a preferência sobre uma herança, seus descendentes têm, na
ordem, uma preferência similar. O pai tem a preferência diante de todos os
seus descendentes.

Gemara: Os rabinos ensinaram: Está escrito "um filho do qual sabemos que o
filho se apenas, mas onde é que vamos deduzir o filho do filho ou a sua filha,
ou mesmo o neto de sua filha Está escrito? Ien lou , e lemos a
palavra ien como se fosse escrito ayin , o que significa investigar, pois talvez
seu filho tenha deixado um filho ou uma filha, etc. Também é escrito "uma
filha", pela qual sabemos de fato a filha, mas de onde deduzimos filha, filho e
filha de seu filho? Está escrito ien , " ayin ", como dito acima. E o mesmo é o
caso com investigação na direção oposta ( ou seja,talvez o pai do pai ainda
esteja vivo), de modo que uma investigação sobre a herança pode remontar a
Rúben, filho de Jacó. Por que só de volta a Reuben e não a Jacob? Disse
Abayi: Nós temos uma tradição que toda a tribo não pode ser
p. 256

extinta. 1 R. Huna em nome de Rabh disse: Se alguém decide que uma filha
herdará, quando houver uma filha de um filho, mesmo que ele fosse um
príncipe em Israel, ele não deve ser ouvido, como assim age o saduceu , que
aprendemos na seguinte Boraitha: No dia 24 do mês de Tebeth voltamos à
nossa antiga lei, a saber: os saduceus costumavam dizer que uma filha devia
herdar uma parte igual com a filha do filho, e Rabban Johanan b. Zakai disse-
lhes: "Vocês são tolos, de onde levaram isso?" E ninguém estava lá para
respondê-lo, exceto um homem velho que falava (infantilmente) contra ele
assim: Isso não é a fortioriconclusão? A filha de seu filho, que vem com a
força de seu falecido pai, herda o filho da descendência. Tanto mais a filha
que vem com a força do próprio plumagem deve tomar parte na herança. R.
Johanan leu então diante dele [Gen. xxxvi. 20], "Estes são os filhos de Seir, o
Chorite, que habitavam a terra, Lotan e Shobal e Zibon e Anah", e há também
escrito [ibid. 24]. "E estes são os filhos de Zibom, tanto Aja e Aná." Como
isso deve ser entendido? A partir disso, Zibon se deitou com sua irmã Ajah e
ela deu à luz Anah. [Mas talvez houvesse dois Anahs?] Disse Rabba: Eu direi
uma coisa que seria apropriado para o rei Sabur dizer [Samuel se refere,
embora, de acordo com outros, R. Papa tenha dito isso quando quis dizer
Rabba]. Está escrito no mesmo versículo citado "aquele Aná", que significa
um que é o mesmo que o Aná do versículo 20. Disse o saduceu a R. Joanã:
Rabino, com tal explicação você pensa em me substituir? R. Johanan
respondeu: E por que não? Não deveria nossa Torá com seus regulamentos
ignorar suas fofocas? Seuuma conclusão a fortiori poderia ser facilmente
derrubada pela seguinte teoria: Como você pode comparar a filha à filha de
seu filho, quando esta tem o direito de herança mesmo quando os irmãos de
seu pai ainda estão vivos, enquanto a primeira não tem tal herança? certo (para
uma filha não herda quando ela tem irmãos)? E com isso ele conquistou o
saduceu, e este dia foi estabelecido para um festival.

Está escrito [Juízes, xxi. 17]: "E eles disseram que sua herança deve ser
assegurada para Benjamim, que nenhuma tribo pode
p. 257

ser riscado de Israel ". Disse R. Itz'hak da escola de R. Ami: Inferir a partir
disso que, na época, uma estipulação foi feita que, enquanto a tribo de
Benjamin deve continuar, a filha de um filho não deve Herdar sua parte com
os irmãos existentes, a fim de que, através de seu casamento com um homem
de outra tribo, ela não poderia desviar a propriedade da tribo de seu pai R. R.
Johanan em nome de R. Simeon b Johai disse: Aquele que não deixa filho
para sucedê-lo não é amado do céu, como está escrito [Salmos, 20]: "Aqueles
que partem 1Mas não está escrito [Esdras, viii. 9]: "Dos filhos de Joabe,
Obadias b. Jechiel"? Portanto, como "dormido" é a palavra empregada por
Davi, devemos concluir que ele deixou um filho como ele, o que não era o
caso de Joabe. Portanto, no seu caso, o termo "morto" é usado. E ele também
disse: A pobreza na casa de um é mais do que cinquenta pragas, como está
escrito [Jó, xix. 21]: "Poupe-me, poupe-me, ó vós meus amigos! Porque a mão
de Deus me tocou". E ele foi respondido [ibid. xxxvi. 21]: "Tu escolheste isto
em vez de pobreza." Portanto, no seu caso, o termo "morto" é usado. E ele
também disse: A pobreza na casa de um é mais do que cinquenta pragas,
como está escrito [Jó, xix. 21]: "Poupe-me, poupe-me, ó vós meus amigos!
Porque a mão de Deus me tocou". E ele foi respondido [ibid. xxxvi. 21]: "Tu
escolheste isto em vez de pobreza." Portanto, no seu caso, o termo "morto" é
usado. E ele também disse: A pobreza na casa de um é mais do que cinquenta
pragas, como está escrito [Jó, xix. 21]: "Poupe-me, poupe-me, ó vós meus
amigos! Porque a mão de Deus me tocou". E ele foi respondido
[ibid. xxxvi. 21]: "Tu escolheste isto em vez de pobreza." 2 O mesmo disse
novamente: Se alguém tem uma pessoa doente em sua casa, ele irá até um
homem sábio e pedirá que ele ore pelo doente, como está escrito dez
[Prov. xvi. 14]: "A fúria de um rei é como os mensageiros (da morte; mas um
homem sábio o apaziguará").

" Esta é a regra ." Rami b. Hama questionou: Se o falecido deixou um avô e
um irmão, como fizeram Abraão e Jacó para a propriedade de Esaú, quem
teve a preferência? Disse
p. 258

Rabha: Venha e ouça a decisão da nossa Mishna, que afirma que o


[parágrafo continua]

pai tem a preferência antes de todos os seus descendentes. Rami, no entanto,


sustenta que o pai tem a preferência sobre seus descendentes, mas não sobre
os descendentes de seu filho. (Diz o Gemara :) Parece que Rami está
certo. Como o Mishna afirma, esta é a regra: Aquele que tem preferência
sobre herança, seus descendentes têm o mesmo. Agora, se quando Esaú
morresse Isaque e Abraão ambos estivessem vivos, Isaque teria a preferência
pela propriedade; o mesmo teria acontecido se Isaac estivesse morto. Então
Jacó teria tido preferência sobre Abraão, porque ele era descendente de
Isaque. Inferir disto que assim é.

MISHNA III .: As filhas de Z'lophchod herdaram três partes da herança de seu


pai, sua parte como um dos ascendentes do Egito, sua parte na divisão de
Chipher seu pai (que também estava entre os ascendentes do Egito) e, como
ele era primogênito, herdou uma parte dupla.

GEMARA: Nosso Mishna está de acordo com aquele que disse que a terra era
dividida entre os ascendentes do Egito, e não para seus filhos ( ieA pessoa que
entrou na terra de Israel, se ele estava entre os ascendentes do Egito, tomou a
sua parte e dividiu-a entre seus filhos; e se um ascendente tinha morrido e seus
filhos entraram na terra, a parte do pai falecido foi dada a eles e eles dividiram
entre si, como aprendemos na seguinte Boraitha: R. Iashiah disse: A terra foi
dividida em os ascendentes do Egito, como está escrito. xxvi. 55], "de acordo
com os nomes das tribos de seus pais." Mas como isso corresponde com
[ibid. 53] "para estes será dividida a terra", o que significa para aqueles que
entraram na terra? São aqueles que têm idade suficiente (vinte anos),
excluindo os menores. R. Jonathan, no entanto, disse que para aqueles
que entrarama terra foi repartida, não para seus pais, como está escrito no
verso que acabamos de citar. Mas como isso corresponderia com o versículo
55? Esta herança é diferente de todas as outras heranças, como em todos os
outros os vivos herdam dos mortos, e aqui os mortos herdam dos vivos, e para
ilustrar isso, disse Rabi, eu lhes darei uma parábola. É semelhante ao caso de
dois padres em uma cidade, um dos quais tem um filho, enquanto o outro tem
dois;
p. 259
e quando eles vão para o celeiro para tomar o Taruma, aquele que tem apenas
um filho leva uma parte ( por exemplo, e aquele que tem dois toma duas
ações, e as entregam a seus pais, que dividem as partes igualmente entre si, de
acordo com o número de almas. Essa também era a divisão da terra de
Israel. Cada um recebia terra de acordo com o número de suas almas e depois
dividia-as entre si de acordo com o número dos chefes da família que eram
dos ascendentes do Egito; daí os ascendentes mortos herdam dos vivos. R.
Simeon b. Elazar, no entanto, disse que a terra foi distribuída para ambos, da
maneira declarada em ambos os versos citados acima. Como assim? Aquele
que era dos ascendentes do Egito teve sua parte entre eles, e aquele que era
daqueles que entraram na terra de Israel teve sua parte entre eles, e aquele que
era tanto dos ascendentes como dos que entraram, tomou suas ações com os
dois. . As ações dos espias Josué e Calebe tomaram e dividiram
igualmente. Aqueles que murmuraram e a congregação de Kora'h não teve
nenhuma participação na terra, e seus filhos tomaram suas ações, como
herdeiros diretos de seus avós, tanto do lado paterno quanto materno. Mas de
onde você sabe isso em Num. xxvi. os ascendentes do Egito são
significados? Talvez signifique as próprias tribos que entraram na terra? Está
escrito [Ex. vi. 8]: "Eu te darei por uma herança." A herança implica de pais
para filhos, e isso foi dito aos ascendentes do Egito. Mas de onde você sabe
isso em Num. xxvi. os ascendentes do Egito são significados? Talvez
signifique as próprias tribos que entraram na terra? Está escrito [Ex. vi. 8]:
"Eu te darei por uma herança." A herança implica de pais para filhos, e isso
foi dito aos ascendentes do Egito. Mas de onde você sabe isso em
Num. xxvi. os ascendentes do Egito são significados? Talvez signifique as
próprias tribos que entraram na terra? Está escrito [Ex. vi. 8]: "Eu te darei por
uma herança." A herança implica de pais para filhos, e isso foi dito aos
ascendentes do Egito.

Disse R. Papa para Abayi: Entende-se por aquele que diz. que a terra foi
dividida entre os ascendentes do Egito [Num. xxvi. 54], "à grande tribo darás
a mais herança, e ao pequeno darás a menos herança", etc .; mas para aquele
que diz "àqueles que entraram na terra", o que esse versículo significa? Esta
objeção permanece.

R. Papa disse novamente para o mesmo: Para ele que disse que a terra foi
dividida para os ascendentes, deve ser entendido por que as filhas de
Z'lophchod processaram pela parte de seu pai; mas de acordo com aquele que
diz "àqueles que entraram na terra", por que eles processaram? Não havia
nenhuma parte para eles, como Z'lophchod estava morto e ele não teve
nenhuma parte. Eles processaram que a parte do pai falecido pudesse ser dada
ao seu avô Chipher, e que eles pudessem tomar suas ações
sucessivamente. (Ele disse novamente :) É compreendido por aquele que diz
"o
p. 260

E isso é o que Josué disse aos filhos de José [ibid. 15], "Se tu és um povo
numeroso, então sobe para o país de madeira", que significa: "Vá e esconda a
si mesmo na floresta, que nenhum olho cobiçoso possa te afligir"; e eles
responderam: Somos descendentes de José, a quem um olho cobiçoso não
pode afligir. Como está escrito, etc. [ver Portão do Meio, p. 213].

O texto diz que as ações dos espiões Joshua e Caleb herdaram. De onde isso é
deduzido? Disse Ula: Está escrito [Números, xiv. 38]: "Mas Josué, filho de
Nun e Calebe (...) permaneceu vivo". O que se entende por "permaneceu
vivo"? Vamos supor que se entende literalmente? Para isso existe outro verso
[ibid. xxvi. 65], "salva Calebe e Josué". Nós devemos então concluir que o
primeiro verso citado significa que eles viveram com suas ações. Mais adiante
eles murmuraram, e a congregação de Kora'h não teve nenhuma parte? Mas os
boraítas não afirmaram que as ações dos espias, dos murmuradores e da
congregação de Kora'h, Joshua e Caleb herdaram? Isso não apresenta
dificuldade. O Tana de nossa Boraitha compara o murmúrio aos espiões,
enquanto o outro mestre não, como aprendemos na seguinte Boraitha: Está
escrito [ibid. xxvii. 3], "Nosso pai morreu no deserto". Z'lophchod é
significado. "Mas ele não era da companhia" significa "os espiões"; "daqueles
que se reuniram" significa "os murmuradores na companhia de Kora'h",
literalmente. Por isso, comparamos os murmuradores aos espiões e um não.

Disse R. Papa para Abayi: E para aquele que não os compara, então Josué e
Calebe herdaram quase todo o
p. 261

terra de Israel (como os murmurantes eram muito numerosos)? E ele


respondeu: Ele quer dizer os murmuradores que estavam entre a companhia de
Kora'h. 1

" Como primogênito, ele herdou uma parte dupla ." Mas por que? Na época
em que Zlífzod morreu, a terra ainda não estava preparada para repartição
(como ainda estava na posse das nações), e é dito acima que um primogênito
não herda uma dupla participação naquilo que é ainda não existe. Disse R.
Jehudah em nome de Samuel: O Mishna deveria dizer "em sua propriedade
pessoal".

Rabba se opõe à afirmação de R. Jehudah de que as filhas de Z'lophchod


tomaram quatro ações, como está escrito [Joshua, xvii. 5], "Dez porções de
Menasseh". Portanto, disse Rabba: A terra de Israel foi considerada preparada
para a divisão, uma vez que o próprio Senhor prometeu dar-lhe como herança
a Israel. Uma objeção foi levantada a partir do seguinte: R. Hidqua disse: "Eu
tinha um colega, Simeão, o Shqmuni, que era um dos discípulos de R. Aqiba.
Ele costumava dizer assim: Moisés nosso mestre estava ciente de que as filhas
de Z 'lofchod eram herdeiras, mas ele não sabia se eles tinham direito à parte
do primogênito, e a passagem sobre a herança seria escrita através de Moisés,
mesmo que o caso das filhas de Z'lophchod não tivesse acontecido, mas eles
foram favorecidos pelo céu que esta passagem deveria ser escrita através
deles. O mesmo aconteceu com o coletor de madeira. Moisés, nosso mestre,
sabia que pelo crime que cometeu há uma pena capital, mas não sabia por qual
deles seria executado; e a passagem teria sido escrita através de Moisés,
mesmo que o caso do coletor de madeira não tivesse acontecido. Mas como
ele era culpado, foi escrito através dele; e é isso que significa a recompensa da
virtude, enquanto o castigo pelo pecado é distribuído por um pecador. (Veja o
sábado, 1ª ed., P. 55.) Agora, se fosse levado em conta que a terra de Israel
estava preparada para a divisão, por que Moisés era duvidoso? Ele duvidava
do seguinte: Está escrito [Ex. vi. 8] "E eu te darei por uma herança." Isso
significa "uma herança dos pais"? ? Portanto, um primogênito tem que ter
uma dupla participação; ou significa: "Eu dou a você - você deve legar a seus
filhos" (como o decreto era que as pessoas que ascendem de
p. 213

O Egito deveria morrer no deserto), e a decisão foi tanto de que a terra era
uma herança dos pais e ainda não para si mesmos, mas para legar aos seus
filhos? E isso é o que está escrito [ibid. xv. 17]: "Traga-os e plante-os". Não
foi dito "nós", e esta foi uma profecia, em que eles mesmos não sabiam que
estavam profetizando.

Está escrito [Num. xxviii. 2]: "E eles estavam diante de Moisés e diante de
Elazar, o sacerdote, e perante os príncipes e toda a congregação". É possível
que quando Moisés não respondeu, eles iriam reclamar perante os
príncipes? Portanto, este verso deve ser revertido. Assim disse R. Jashia. Abba
Hanan em nome de R. Elazar disse: Todos eles estavam no colégio quando
eles vieram para fazer sua denúncia. E o ponto de sua diferença é: se na
presença do mestre o discípulo deve ser honrado ou não. De acordo com um,
ele pode; e, portanto, ele sustenta que, antes de chegarem a Moisés, pediram
aos príncipes, e aquele que disse que este verso deveria ser invertido, sustenta
que todos eram da opinião de que na presença do mestre o discípulo não
deveria ser honrado com qualquer questão. Existe uma Boraitha que a
Halakha prevalece para que ele seja honrado. Mas outro Boraitha afirma: ele
não pode. E não apresenta dificuldade. Caso o próprio mestre honre o
discípulo, isso pode ser feito; e no caso dele não, não pode.

Existe uma Boraitha que as filhas de Z'lophchod eram sábias, entendiam


palestras e também eram retas. Eles eram sábios, como seu protesto foi ao
ponto. Como R. Samuel b. R. Itz'hak disse: Na época em que Moisés, nosso
mestre, estava sentado e falando sobre a lei de Yeboom [Deut. xxv. 57], "se os
irmãos morarem juntos", disseram-lhe: Se formos considerados filhos,
herdemos; e se não formos considerados, deixe nosso tio se casar com nossa
mãe. E portanto [Num. xxvii. 5]: "E Moisés trouxe a causa diante do
Senhor". Eles entenderam palestras, como eles disseram: Se ele tivesse um
filho, não diríamos uma palavra. Mas existe uma Boraitha que eles disseram:
Se deveria haver uma filha. Como isso deve ser entendido? Disse R. Jeremiah:
Ignore o Boraitha. Abayi, no entanto, disse: " Não é necessário ignorá-
lo. Como eles disseram: Se houvesse uma filha de um filho, não diríamos uma
palavra. Eles eram íntegros, em que cada um só se casou com ele
p. 163

que era respeitável e adequado para eles. R. Eliezer b. Jacó ensinou: Mesmo o
mais novo deles não tinha menos de quarenta anos quando se casou. É assim
mesmo? R. não disse: Se uma mulher se casa com menos de vinte anos de
idade, ela tem filhos até os sessenta anos. Depois dos vinte ela carrega até as
quarenta; mas quando ela se casa depois dos quarenta anos, ela não tem
filhos? Porque eles eram retos, um milagre aconteceu a eles, como a
Joquebede, a mãe de Moisés. Como está escrito [Ex. ii. 1]: "E foi um homem
da casa de Levi, e tomou uma filha de Levi." É possível que uma mulher de
cento e trinta anos de idade seja nomeada filha? Como R. Hama b. Hanina
disse: Isso significava Jochebed, cuja mãe estava grávida enquanto estava no
caminho para o Egito, e ela nasceu antes dos muros (quando chegaram ao
Egito). Como está escrito [Num. xxvi. 59]: "Joaquim, filha de Levi, a quem
(sua mãe) deu à luz, Levi, no Egito". E por que ela é chamada filha? Disse R.
Jehudah b. Zebidah: Inferir a partir disso que os sinais da juventude voltaram
para ela. As rugas desapareceram, a pele ficou melhorada e sua beleza voltou
para ela. Mas por que está escrito "ele pegou"? Deveria ler "ele se casou
novamente". Disse R. Jehudah b. Zebidah: Aprenda com isso que ele fez com
ela como se estivesse se casando pela primeira vez: ele a colocou sob um
dossel. Arão e Miriã cantaram diante dela e os anjos disseram: "A mãe dos
filhos se alegra". a pele ficou melhorada e sua beleza voltou para ela. Mas por
que está escrito "ele pegou"? Deveria ler "ele se casou novamente". Disse R.
Jehudah b. Zebidah: Aprenda com isso que ele fez com ela como se estivesse
se casando pela primeira vez: ele a colocou sob um dossel. Arão e Miriã
cantaram diante dela e os anjos disseram: "A mãe dos filhos se alegra". a pele
ficou melhorada e sua beleza voltou para ela. Mas por que está escrito "ele
pegou"? Deveria ler "ele se casou novamente". Disse R. Jehudah b. Zebidah:
Aprenda com isso que ele fez com ela como se estivesse se casando pela
primeira vez: ele a colocou sob um dossel. Arão e Miriã cantaram diante dela
e os anjos disseram: "A mãe dos filhos se alegra".

Mais adiante nas Escrituras menciona as filhas de Z'lophchod de acordo com


sua idade, e aqui de acordo com sua sabedoria. 1 E isso é um apoio para R.
Ami, que disse: Na faculdade, o mais erudito tem preferência à idade; em um
banquete, no entanto, a idade é considerada. Disse R. Ashi: Mesmo na
faculdade, apenas aquele que se destaca em sabedoria; e também concernente
a um banquete, somente aquele que é de idade avançada é considerado (mas
se alguém tem pouca sabedoria e pouco mais de idade que os outros, não
importa).

Na escola de R. Ishmael foi ensinado: Todas as filhas de Z'lophchod eram


iguais em sabedoria (e que elas são mencionadas na Escritura de maneira
diferente não significam nada).

R. Jehudá, em nome de Samuel, disse: Era permitido que eles se casassem


com qualquer um de qualquer tribo, como está escrito [Num. xxxvi. 6]: "Para
aqueles que são agradáveis aos seus olhos possam
p. 264

tornam-se esposas. "Mas o que dizer do que está escrito mais adiante:"
Somente para a família de sua tribo "etc. Isto deve ser considerado como um
bom conselho - que eles devem se casar apenas com homens respeitáveis que
foram apto para eles, e não como um mandamento positivo.

Rabba objetou: Está escrito [Lev. xxii. 3]: "Dize-lhes ... em vossas
gerações." (Como isso deve ser entendido?) Diga a eles, que estavam no
monte do Sinai; e para "suas gerações" significa que a mesma lei se aplicará a
"todas as suas gerações". Mas por que deveria ser mencionado "os pais e seus
filhos"? Porque havia alguns mandamentos apenas para os pais e outros
apenas para crianças. E quais são os mandamentos para os pais apenas? A lei
[Num. xxxvi. 8]: "E toda filha que herda alguma possessão", etc. E quais são
os mandamentos para as crianças? Muitos, como por exemplo , oferenda,
dízimo e todos os outros impostos sobre a terra de Israel.

Vemos, então, que o citado versículo 8 proibiu o casamento com outras tribos
somente naquela época? O próprio Rabba respondeu à sua objeção: As filhas
de Z'lophchod não foram incluídas nos mandamentos aos pais.

O mestre diz: "Os mandamentos pertencem aos pais, mas não aos filhos. Mas
de onde isso é deduzido? De [ibid., Verso 6]:" Isto é a coisa ", que significa:"
Essa coisa só deve ser costumeira ". em sua geração. ' Assim disse Rabha
". Disse Rabha, o menor (Zuti) para R. Ashi: De acordo com isso, deveria
Lev. xvii. 3, em que a mesma expressão é usada, também ser "apenas para sua
geração"? E ele respondeu: Lá é diferente, como o versículo 7 lê claramente:
"Para sempre, isso lhes será por todas as suas gerações."

Existe uma Mishna in Tract Taanith, p. 80: "Nunca houve festivais mais
alegres em Israel do que o dia 15 de Ahb e o Dia da Expiação", etc. Por que o
15 de Ahb é um festival? Disse R. Jehudah em nome de Samuel: Em seus dias
as tribos foram autorizados a casar-se.

(Aqui é repetido de Taanith, pp. 91, 92, q. V.)

Os rabinos ensinaram: Havia sete homens que cercaram o mundo inteiro


desde a sua criação até agora: a saber, Mesushelach viu Adão o primeiro,
Shem viu Mesushelach, Jacob viu Shem, Amram viu Jacob, Achiah o Shiloni
p. 265

visto Amram; Elias, o profeta, viu Aquéias, e o último (Elias) ainda está
vivo. Mas como você pode dizer que Achiah viu Amram? Não está escrito
[Num. xxvi. 65]: "Não sobrou deles um homem senão Calebe e Josué"? Disse
R. Hamnuna: A tribo de Levi foi excluída do decreto de que todos deveriam
morrer no deserto. Como está escrito [ibid., Xiv. 29]: "Neste deserto cairão os
seus cadáveres, e todos os que foram contados de acordo com o número
inteiro de vocês desde vinte anos", etc., excluindo a tribo de Levi, da qual o
número era de trinta anos. Mas o mesmo não aconteceu com outras
tribos? Não há Boraitha que Jair e Maquir, os filhos de Manassés nasceram no
tempo de Jacó, e não morreram até depois da entrada na terra de Israel? Disse
R. A'hab. Jacob: Nesse decreto, 1

Os alunos propuseram uma pergunta: Como a terra de Israel foi dividida? Foi
dividido em doze partes para doze tribos (e para cada tribo como um todo) ou
foi dividido separadamente? Venha e ouça! [Num. xxvi. 56]: "De acordo
como são, muitos ou poucos" (daí foi dividido entre as tribos e não
separadamente). E há também uma Boraitha: "No futuro, a terra de Israel será
dividida entre treze tribos", enquanto no passado foi dividida apenas entre
doze; e também foi dividido por dinheiro (a explicaçãoserá dado mais
adiante); e também foi dividido apenas "por sorteio" e pelo Urim v'tumim,
como está escrito [ibid., 56]: "pela decisão do lote". Como assim? Elazar
estava vestido no Urim v'tumim. Josué e todo o Israel estavam de pé, e uma
urna contendo os nomes das tribos, e outra, e os nomes dos limites da terra,
foram colocados ali; e Elazar, influenciado pelo Espírito Divino, diria assim:
"Zebulon sairá agora da urna e com ele, a fronteira de Akhu." E então um
membro da tribo de Zebulom colocava sua mão na urna e desenhava o nome
de sua tribo, e então colocava a mão em outra urna e desenhava Akhu. E então
novamente Elazar, influenciado pelo Espírito Divino, diria: Agora Naftali
virá, e com ele o limite Ginousar. E assim foi com cada tribo.
p. 266

terra neste mundo, como neste mundo, geralmente, o lote de um é um campo


de grãos e de outro, um dos frutos; mas no mundo vindouro, todos terão uma
participação nas montanhas, vales e planícies. Como está escrito
[Ezek. xlviii. 31]: "Os portões de Rúben, um", etc., o que significa que cada
um terá a mesma terra e ações, e o Santo, bendito seja Ele, Ele mesmo
designará as ações. Como está escrito [ibid., 29]: "E estas são suas divisões,
disse o Senhor Eterno". Vemos, então, que os Boraitha afirmam que no
passado a divisão era de doze partes para as doze tribos. Por isso foi dividido
entre as tribos e não separadamente. Inferir disto que assim é.

O mestre disse: A terra de Israel será dividida entre treze tribos. Quem será o
décimo terceiro? Disse R. Hisda "O príncipe de Israel será o décimo terceiro.
Como está escrito [Ibid., 19]:" E o trabalhador da cidade ( ou seja , o príncipe
que leva o jugo de toda a cidade), a quem os homens d