Você está na página 1de 397

TALMUD BAVIL

Livro 5

traduzido por MICHAEL L. RODKINSON


Livro 5 (Vol. IX e X)

[1918]
TALMUD
BAVIL
traduzido por MICHAEL L. RODKINSON
Livro 5 (Vol. IX e X)

[1918]

Tracts Aboth, Derech Eretz-Rabba, Eretz-Zuta e Baba Kama (Primeiro Portão)

Tratado Aboth Tratados Eretz-Rabba e Eretz-Zuta Tratado Baba Kama

Tratado Aboth

Página de Título
Observações Explicativas e
Dedicação de Direitos Autorais
Introdução à Seção Jurisprudência
Sinopse do Abuso de Trato (Padres da Sinagoga).
Capítulo I
Capítulo II.
Capítulo III.
Capítulo IV.
Capítulo V.
Capítulo VI.

Tratado Derech Eretz-Rabba. (Assuntos mundanos).

Sinopse do Tratado Derech Eretz-Rabba e Zuta


Capítulo II.
Capítulo III.
Capítulo IV.
Capítulo V.
Capítulo VI.
Capítulo VII.
Capítulo VIII.
Capítulo IX.
Capítulo X.
Capítulo XI.
Tratado Derech Eretz-Zuta

Capítulo I.
Capítulo II.
Capítulo IV.
Capítulo V.
Capítulo VI.
Capítulo VII.
Capítulo IX.
O Capítulo sobre Propaganda da Paz
no final do Volume

Tratados Baba Kama (Primeiro Portão)

Conteúdo da Página de Título


Introdução às Três Portas da Seção Jurisprudência
Sinopse dos Sujeitos do Tratado Baba Kama (O Primeiro Portão)
Capítulo I.
Capítulo II.
Capítulo III.
Capítulo IV.
Capítulo V.
Capítulo VI.
Capítulo VII.
Capítulo VIII
NOVA EDIÇÃO

DO

TALMUD BAVIL
Texto Original, Editado, Corrigido, Formulado e Traduzido para o
Inglês
DE

MICHAEL L. RODKINSON

SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA (DANOS)

TRAÇOS TAMBÉM (PAIS DA SINAGOGA), COM ABOTH DE R.


NATHAN, DERECH ERETZ RABBA E ZUTA
Revisado pelo Rev. Sr. GODFREY (Shajah) TAUBENHAUS Rabino Cong. Beth Elohim, Brooklyn

Volume I. (IX.)

BOSTON

A SOCIEDADE DE TALMUD

[1918]
escaneado em sacred-texts.com, agosto de 2002. JB Hare, Redactor
p. ii

OBSERVAÇÕES EXPLICATIVAS
Na nossa tradução, adotamos esses princípios:

1. Tenan do original - Nós aprendemos em um Mishna; Tania - Nós


aprendemos em um Boraitha; Itemar - foi ensinado.

2. As perguntas são indicadas pelo ponto de interrogação e são imediatamente


seguidas pelas respostas, sem serem marcadas.

3. Quando no original ocorrem duas declarações separadas pela frase, Lishna


achrena ou Waïbayith Aema ou Ikha d'amri (literalmente, "interpretadas de
outra forma"), traduzimos apenas o segundo.

4. Como as páginas do original são indicadas em nossa nova edição em


hebraico, não é considerado necessário marcá-las na edição em inglês, sendo
esta apenas uma tradução da segunda.

5. Palavras ou passagens entre parênteses () denotam a explicação dada por


Rashi à sentença ou palavra anterior. Os parênteses quadrados [] contêm
comentários das autoridades do último período de construção do Gemara.

COPYRIGHT, 1903,

POR MICHAEL L. RODKINSON.

COPYRIGHT 1916, BY

NOVA SOCIEDADE PUBLICAÇÃO DE TALMUD


p. iii

À sua excelência

O filantropo bem conhecido, que esquenta a causa do judaísmo e sua literatura

BARON EDMUND DE ROTHSCHILD

ESTE VOLUME É MAIS RESPECTAMENTE INSCRITA PELO EDITOR


E TRADUTOR

MICHAEL L. RODKINSON

Nova Iorque, Purim, 5660


15 de março de 1900
p. v

INTRODUÇÃO À SEÇÃO
JURISPRUDÊNCIA.
Com o presente volume, começamos a seção "Danos", também chamada de
"Jurisprudência", da ocorrência de discussões sobre direito penal. Esta seção
forma a quarta na edição antiga e compreende os seguintes tratados: "Primeiro
Portão", "Portão do Meio", "Último Portão", "Sanhedrin", "Listras",
"Juramentos", "Testemunhos", "Idolatria, "" Padres "(ou" Ética dos Padres da
Sinagoga ") e" Decisões ".

Não obstante o fato de que na antiga edição do Talmude "Padres" fica ao lado
do último trato, nós o colocamos à frente da seção, confiando na decisão de
Sherira Gaon em sua carta (Goldberg edição, Mayence, 1872, p. 14) declarar
que é perfeitamente permissível mudar a ordem de seqüência dos setores nas
diversas seções. Portanto, porque o tratado intitulado "Pais" lida inteiramente
com a ética da vida, julgamos melhor dar prioridade aos outros
tratados. Assim como no Pentateuco, encontramos os dez mandamentos - a
base de toda a religião ética - liderando as subsequentes leis e ordenanças
detalhadas, de modo que parece adequado que a Seção "Danos" seja
encabeçada pelo folheto que estabelece os principais princípios éticos, e ser
continuado pelas discussões detalhadas. Somos ainda confirmados pelo
próprio Talmude, que diz (Primeiro Portão, Cap. III., Mishna 3): "Aquele que
deseja ser piedoso deve observar as leis dos danos. Rabina disse: 'Ele deve
observar os ensinamentos do Padres ”. A declaração de Rabhina deveria, em
nossa opinião, não ser tomada literalmente, mas como indicativa da opinião de
que as decisões contidas tanto em“ Padres ”quanto em“ Danos ”geralmente
são equivalentes.

"Padres" é um dos poucos tratados que consiste apenas em Mishna; isto é ,


não tem Gemara suplementar nem no Talmud Babilônico ou Palestino,
embora intercaladas ao longo de todo o conteúdo do Talmud possam ser
encontradas amplificações ou comentários sobre algumas das sentenças dos
"Padres". Há, no entanto, um Tosephtha intitulado "Padres do Rabino
p. vi

Nathan "que discute a maioria das sentenças dos" Pais "originais


[parágrafo continua]

separadamente; na verdade, começa a discussão de cada sentença com o


interrogatório" Como assim? "Formando, portanto, uma adição valiosa à
literatura muito valorizada do "Padres", consideramos nosso dever incorporá-
lo em nossa edição e, portanto, inserimos o dito Tosephtha no lugar onde, em
outros setores, colocamos o Gemara.
Devido ao fato de que o Tosephtha mencionado acima tem o nome de Rabi
Nathan da Babilônia, um dos mestres mais ilustres de sua geração, mas ao
mesmo tempo contém ética semelhante à da Mishna, bem como palestras e
discussões que poderiam não foram compilados por esse autor e são
evidentemente contribuições de estudiosos de um período posterior, os
historiadores dos tempos modernos, de Zunz em seu "Gottesdienstliche
Vortraege" para Brill em seu "Jahrbuecher" e Weiss em seu "Dor Dor
Vedorshov" em elaborada especulação sobre quem era o compilador dos
"Padres de R. Nathan" e em que momento ela foi compilada. A natureza
complicada do Tosephtha em questão trouxe para a frente um número de
comentaristas e revisores de texto, e finalmente Solomon Tausik e Solomon
Shechter fizeram uma pesquisa de manuscritos e publicaram novas edições do
Tosephtha, com acréscimos do material encontrado nos manuscritos. O
último, de fato, procurou tão completamente que encontrou uma versão
completamente diferente do Tosephtha, e então publicou em sua edição dois
textos separados, chamando-os Primeiro Texto e Segundo Texto,
respectivamente, com suas próprias correções, notas e um longo introdução
(Viena, 1887).

Fiéis aos nossos métodos de tradução do Talmud, temos, no entanto, ignorou


as novas versões de "Padres do rabino Nathan," e têm limitado a adaptar a
versão antiga que faz parte do Talmud, simplesmente aderindo às correcções
efectuadas pelos Elias Wilner e os comentários de Joshua Falk e outros
contidos na grande edição de Wilna (1890) do Talmud. Além disso, de acordo
com nosso costume, omitimos as passagens que já apareceram nos trechos
precedentes de nossa edição, meramente indicando os lugares onde elas
podem ser encontradas. Sempre que necessário, é claro, acrescentamos notas
de rodapé, observações etc.

Nossas razões para não fazer uso das novas versões do Tosephtha em questão
são as seguintes:

Em um artigo anterior abordando o assunto, que apareceu em nossa


publicação "Hakol", assinalamos que
p. vii

não podemos dar preferência a manuscritos recentemente descobertos sobre


aqueles usados pelos compiladores do Talmud, e por uma razão que é
perfeitamente óbvia, a saber: Se aqueles manuscritos existissem durante o
período de construção do Talmud, os compiladores, que peneiravam cada
manuscrito com o maior cuidado, sem dúvida, rejeitou-os como sem valor. Se,
por outro lado, eles não existiam naquele tempo, mas foram escritos em um
período posterior, eles certamente não podem ser usados como um meio para
corrigir os manuscritos anteriores.
Quanto aos textos revisados e corrigidos de Schechter, não podemos aceitá-los
pelo motivo que ele presume comentar, e por causa das correções de Elias
Wilner, "não as favor" ou "são desnecessárias". Após uma investigação
cuidadosa, descobrimos, no entanto, que quase todas as correções feitas por
Elias Wilner e adotadas por nós são baseadas diretamente em passagens
Talmudicais e Midrasicas espalhadas pelo Talmude, um fato que o erudito Dr.
Schechter sem dúvida ignorou.

Por outro lado, descobrimos que os comentários publicados na edição de


Wilna acima mencionada e creditados a Joshua Falk, Chayim Joseph David
Azulayi e Baruch Frankel Theomim são referidos diretamente às passagens do
Talmud nos diversos tratados. Portanto, usamos essas autoridades bem
conhecidas em nossa tradução, eliminando apenas suas longas discussões e
aditamentos de provas.

Quanto à origem dos ditos dos "Padres do Rabino Natã", o período durante o
qual eles foram compilados, e outros eventos históricos que assistiram à sua
concepção, nós nos abstivemos de dar a nossa opinião, embora tenha se
tornado habitual fazer isso de uma forma introdução, deixando estas questões
para os filólogos e historiadores em cuja província essas discussões caem
corretamente. Nossa única razão para a tradução é que os ditos ditos nunca
foram antes convertidos em qualquer linguagem moderna e sem eles nosso
trabalho não estaria completo.

Os "Padres do Rabi Nathan" contém nos quarenta e um capítulos originais. Ao


processá-los, no entanto, na forma de uma Gemara para a Mishna dos "Pais",
não numeramos os capítulos, mas meramente indicamos ao pé da página a que
capítulo cada parágrafo pertence.

Com relação à tradução de "Padres", isto é , a original Mishna nos primeiros


cinco capítulos, descobrimos que a tradução de C. Taylor (Cambridge, 1877) é
inteiramente literal e quase incompreensível, sem notas de rodapé e
comentários.
p. viii

Por outro lado, a tradução parcial contida no Livro de Oração em Casa,


compilado em grande parte pelo Dr. G. Gottheil e pelo Dr. F. De Sola
Mendes, é lúcida e está de acordo com o texto original. Por isso, fizemos uso
desta última versão, com pequenas alterações. A parte restante não traduzida
no Livro de Oração nós adaptamos da versão de C. Taylor, tornando-a um
pouco mais abrangente. Na versão do sexto capítulo, que não faz realmente
parte da Mishna, mas é acrescentada pelos sábios na língua mishnaica,
seguimos Taylor, fazendo numerosas notas e correções, a fim de torná-lo
inteligível para o leitor leigo.
Não consideramos necessário acrescentar um comentário aos "Padres" como
fizemos aos Tratados Shekalim e Ebel Rabbathi, porque os "Pais" foram
traduzidos para todas as línguas modernas e porque já existe uma literatura
considerável a respeito da ética do Judaísmo, especialmente a recente
publicação do Prof. Dr. M. Lazarus intitulado "Ethik des Judenthums" uma
obra admirável, emitida em Leipzig (1899), e dando uma exposição magistral
das tendências filosóficas de "Padres". Também dedicamos um capítulo
especial a esse assunto em nossa próxima "História do Talmude".

Nós também pensamos que é bom dar neste volume, que trata exclusivamente
da ética do judaísmo, os dois Tracts Derech Eretz (Rabba e Zuta), que contêm
as "regras essenciais de conduta da vida", como interpretadas pelo Dr.
Mielziner. , ou Assuntos Mundiais, como nomeados por nós, qual último é a
interpretação predominante entre os leitores hebreus.

Quanto à origem desses dois tratados, discussões elaboradas podem ser


encontradas em Zunz, "Gottesdienstliche Vortraege", pp. 110-112, bem como
em "Der Talmud - Trato Derech Erez Sutta, Kritisch bearbeitet, übersetzt und
erläutert". 1885), por Abr. Tawrogi Para as razões de Tawrogi para não
traduzir Derech Eretz Rabba, veja o seu trabalho; no entanto, na medida em
que Derech Eretz Rabba nunca foi traduzido para qualquer idioma, de Derech
Eretz Zuta, enquanto há uma tradução crítica para o alemão, não há nenhum
em inglês, para fazer este volume, que trata da ética do judaísmo. concluímos
que é conveniente traduzir literalmente para o inglês ambos os folhetos,
embora não sejam contados entre os trinta e sete tratados propriamente ditos
do Talmud babilônico, mas apenas entre os tratados menores adicionados a
eles. No entanto, não consideramos necessário acrescentar nenhum
comentário, porque os ditos
p. ix

são muito claros e lúcidos, e podem ser facilmente entendidos até mesmo por
aqueles que não são estudantes do Talmude.

Por causa da semelhança na linguagem e estilo desses dois tratados e do


chamado Mishnayoth do sexto capítulo de Aboth, eles aparecem no mesmo
tipo grande que o Mishnayoth. Seguindo este tratado, serão publicados os
outros folhetos desta seção na seqüência regular da edição antiga.

O EDITOR E TRADUTOR.

NOVA YORK, março de 1900


p. XI

SEÇÃO NEZIKIN (JURISPRUDÊNCIA).

SINOPSE DE ASSUNTOS

DO

TRACT ABOTH (PAIS DA


SINAGOGA).
[Vários pedidos foram recebidos pelo tradutor de que deveria ser feito um
índice para os volumes do Talmud, como é habitual em todos os trabalhos
modernos. Seria uma impossibilidade absoluta fornecer um índice completo
de tudo o que está contido no Talmud. Se fosse como outros trabalhos
científicos, que tratam cada assunto separadamente, isso poderia ser feito
facilmente; mas com o Talmud é diferente. Em uma página, muitos assuntos
diferentes podem ser discutidos e, novamente, um único assunto pode ocupar
várias páginas. O Talmud, portanto, nunca teve um índice.

Após um exame cuidadoso dos volumes, página por página, foi decidido fazer
uma sinopse, ou seja , dar brevemente as cabeças das discussões e conversas
sobre cada Mishna, indicando a página onde a Mishna deve ser encontrada, e
a Gemara. de cada um, que serve como comentário. Com isso, o leitor deve
poder se referir ao que deseja conhecer.

Uma sinopse é, portanto, dada de cada Mishna que discute um único assunto,
com o acompanhamento de Gemara - neste volume, o Tosephtha; mas quando
vários Mishnas curtos cobrem o mesmo assunto, uma única sinopse é dada do
todo, incluindo o Gemara de cada um; e onde um capítulo é curto, uma
sinopse de todo o capítulo é feita, sem dividi-lo em Mishnas.

Isso é o melhor que pode ser feito, e espera-se que os leitores achem
satisfatório.]

CAPÍTULO I.

Mishná A . A Grande Assembléia originou três máximas. Seja deliberado em


juízo. Como assim? Os livros de Provérbios, Cântico dos Cânticos e
Eclesiastes estavam ocultos. Como foi Adam criado? Por que Adão foi criado
na última hora do sexto dia? No mesmo dia em que ele foi formado, no
mesmo dia seu rosto foi criado. Segundo os outros: "Seja deliberado no
julgamento" significa não ter uma maneira irascível. Proteja as salvaguardas
para a lei. A salvaguarda do Senhor, de Adão o primeiro. A lenda sobre Eva e
a serpente, etc. As dez maldições com que Eva foi amaldiçoada naquele
tempo. "Devo eu e meu gado comer fora do mesmo cocho?" A tradição sobre
o boi de Adão, o novilho de Noé e o carneiro sacrificado por Abraão, 1 - 11
p. xii

CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO II. DE TOSEPHTHA. - Qual é a


salvaguarda que a Torá fez com suas palavras? O que Elias, o profeta,
respondeu à viúva do erudito que morreu no auge de sua vida. Qual é a guarda
segura que Moisés fez para suas palavras? A razão pela qual Moisés quebrou
as tabelas? Qual é a salvaguarda que Jó fez com suas palavras? A guarda
segura que os profetas fizeram para suas palavras. A salvaguarda que os
Hagiografistas fizeram para suas palavras. A salvaguarda que os sábios
fizeram em suas palavras, 11 - 19

CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO III. DE TOSEPHTHA. Quem leva uma


moeda da caridade quando não precisa dela, etc. Estude a Lei na sua velhice,
mesmo que você a tenha estudado na sua juventude. Se você der uma moeda a
um homem pobre pela manhã, e outro implorar a você à noite, dê também a
ele. O que aconteceu com um homem pobre com R. Aqiba. O que aconteceu
com Benjamin o justo, 19 - 21

Mishna B . O lema de Simeão, o Justo. Sobre a Torá, como assim? Após o


serviço, como assim? Após a outorga de favores, como assim? Rabban
Johanan b. Zakkai e Vespasiano. Em três coisas a humanidade difere uma da
outra, 22 - 26

MISHNAS C E D . Não seja como os escravos que servem seus senhores por
causa da compensação. Deixe o medo do céu estar em você. Deixe a sua casa
ser o ponto de encontro dos sábios. Como R. Aqiba começou sua carreira
maravilhosa? Não menos surpreendente foi a carreira literária de R.
Eliezer. Como seu pai Hyrkanus chegou aos assentos de Ben Zizith Ha
Kesseth, Nakdimon b. Gurion e Calba Shebua, 26 - 32

MISHNAS E E F . Deixe a tua casa aberta para os pobres. Quando a grande


aflição veio sobre Jó, ele orou, etc. Ensine a tua casa a humildade - as
diferentes explicações deste ditado. Compre um professor sábio. Julgue todos
do seu lado favorável. A lenda sobre uma donzela que foi levada em cativeiro
e os homens piedosos que foram para redimi-la. Não só os próprios antigos
tempos eram muito rigorosos e particulares, como também o seu gado era
assim. O rabo de R. Hanina b. Dosa, 32 - 38

Mishná G . Mantenha-se distante de um vizinho perverso. Os caluniadores são


punidos com pragas. A lenda sobre Moisés, Aarão e Miriã. Não se considere
isento do castigo de Deus, 38 - 41
MISHNAS H A K . Faça-se não como aqueles que predispõem os juízes. Love
work - como assim? Não se importe com a superioridade. Veja por que seu
nome não seja conhecido pelo governo. Você sábio, seja guardado em suas
palavras. Ame a paz - como assim? Moisés desejou morrer a mesma morte
que Arão fez - como assim? A lenda da morte de Moisés, por fim. Perseguir a
paz - como assim? Ame também a todos os homens e aproxime-os da Lei, 41 -
50

MISHNAS L PARA Q . Se eu não olhar para mim mesmo, quem fará isso? Se
não agora, quando? Aquele que não deseja aprender com seus mestres não é
digno de viver. Aquele que não aumenta, diminui - como assim? Quem se
serve com uma tiara perece. Conserte um tempo para o estudo. Prometa pouco
e faça muito. Receba todos com rosto amigável. Faça um mestre para você
mesmo. "Eu nunca encontrei nada melhor para um homem do que o
silêncio." Três coisas apóiam o mundo. Os discípulos de Hillel; de R. Johanan
b. Zakkai - o que foi dito sobre eles e o que eles costumavam dizer. O consolo
de R. Johanan b. Zakkai por seus discípulos quando seu filho morreu. Teus
p. xiii

A honra do companheiro deve ser tão querida para ti como a tua. Não permita
que você fique facilmente irritado. Os dois prosélitos que vieram antes de
Hillel e Shammai. Arrependa-se um dia antes de sua morte, 50 - 58

CAPÍTULO II.

MISHNAS A PARA M. Ao escolher o caminho certo, veja que ele é honroso


para com você mesmo e sem ofender os outros. Todos os que se ocupam com
os assuntos comunais devem fazê-lo em nome do céu. Faça a sua vontade
como se fosse sua, para que Ele possa fazer a tua vontade como se fosse a
sua. Não julgue o teu próximo até que te ponha no lugar dele. O cafajeste
nunca pode temer o pecado, e o ignorante nunca pode ser verdadeiramente
piedoso. Quanto mais festejar mais alimento para vermes. Qual é a melhor
coisa para cultivar? Qual é o caminho do mal que um homem deve
evitar? Aqueça-se diante da luz dos sábios. Um olhar invejoso, propensões
malignas e misantropia expulsam um homem do mundo. A lenda sobre José, o
Justo, R. Zadoq, R. Aqiba, R. Eliezer, o Grande, etc. Quão difícil é para o
homem evitar as propensões do mal. Ame a todos, exceto os infiéis, os
entificadores, os enganadores e os informantes. A propriedade de teu vizinho
deve ser tão sagrada quanto a tua,58 - 65

Mishna N . Prepare-se para aprender a lei. Joanã b. Zakkai e a filha de


Nakdimon b. Gurion Deixe nobre propósito subjacente a cada ação. Os sábios
que foram relatados de R. Jehudah o príncipe. Como eles foram nomeados por
Issi b. Jehudah, 65 - 70
CAPÍTULO III

MISHNAS A PARA V. Considere três coisas e você não cairá em


transgressão. Ore sempre pelo bem do governo. Quem leva as palavras da
Torá ao seu coração. Dá a Deus o que lhe pertence, pois tu e tudo o que tens é
dele. Quem tem medo do pecado precede, sua sabedoria prevalece. Aquele
cujas obras excedem sua sabedoria, sua sabedoria irá perdurar. Seja flexível
com o teu chefe. Receba todo homem com alegria. Mockery e frivolidade são
os precursores da imoralidade. Tudo é previsto e o livre arbítrio é dado. O
mundo é julgado pela graça. Tudo o que possuímos é meramente uma
confiança. Sem o conhecimento da religião, não pode haver cultura verdadeira
e, sem cultura verdadeira, não há conhecimento de religião. Qinim, cânones,
astronomia e geometria são pós-cursos de sabedoria, 70 - 81

CAPÍTULO IV

MISHNAS Um PARA P . Quem é um homem sábio? Aquele que aprende


com todos. Não despreze nenhum homem e não considere nada muito distante
para acontecer. Seja excessivamente humilde de espírito. Não use a lei de
Deus como uma coroa para se exaltar. Não julgue sozinho, pois ninguém pode
julgar sozinho exceto um. Qualquer congregação é para o Céu, no final, terá
sucesso. Que a honra do teu discípulo seja tão querida para ti como a honra do
teu companheiro.
p. xiv

Tenha cuidado em seu estudo, pois o erro no estudo conta para um pecado
intencional, 81 - 86

MISHNA Q. Nem a segurança dos ímpios nem as aflições dos justos estão ao
alcance de nosso entendimento. Seja antecipadamente em saudar todo
homem. Seja a cauda do leão em vez da cabeça da raposa. Não busque
apaziguar teu amigo na hora de sua paixão. Não olhe para o jarro, mas para o
que contém. Inveja, sensualidade e ambição destroem a vida. Não aceites a
certeza das tuas paixões, que a sepultura será um lugar de refúgio para ti. Sem
o teu consentimento tu criaste, nascido no mundo sem tua escolha. Tu estás
vivendo sem tua própria vontade, sem tua aprovação tu terás que
morrer. Sobre a morte de Eliezer, o Grande. Separe algo para caridade, antes
de ser obrigado a fazê-lo por outros. Abaixe o assento duas ou três fileiras do
lugar que você pretende ocupar. Há três pessoas cuja vida não vale a pena ser
vivida. A salvaguarda da honra é abster-se do riso. A salvaguarda da sabedoria
é o silêncio. Quem quer que se case com uma mulher que não lhe seja
adequada transgrida cinco mandamentos negativos. Não seja como o lintel,
que nenhuma mão pode alcançar, etc.86 - 95
MISHNA Q. (contínuo). Aqueles que me desprezam serão levianamente
estimados. O apoio dos sábios, etc. Não fique longe de um preceito que não
tem limite. Deixe a honra do teu discípulo, etc. Há grãos na Judéia, palha na
Galiléia, e joio do outro lado do Jordão. Não há amor como o amor da
Torá. Não há sabedoria como a sabedoria das boas maneiras. Quem quer que
mantenha a paz em sua própria casa, etc. As palavras da Torá são tão difíceis
de adquirir quanto roupas de seda e são perdidas tão facilmente quanto, etc.
Todas as coisas que são feitas em particular devem ser feitas como se fossem
feitas publicamente. Não se isole da comunidade. Os discípulos são divididos
em três classes, etc. Quem constitui a Torá como o bem principal, e considera
os assuntos mundanos como uma coisa secundária, etc. Não concilie seu
amigo na hora de sua ira. Os estudiosos são divididos em quatro classes. Um
estuda, mas não ensina aos outros, etc. Se alguém honra seu amigo por
considerações pecuniárias, ele será, no final, descartado em desgraça, etc. Por
causa dos quatro diferentes meios de perdão, etc. O arrependimento deve ser
para cada um dos eles. No entanto, quem profanou o nome do céu não tem o
poder de se arrepender. Portanto, os eruditos morrem antes de seu
tempo. Tenha cuidado ao saudar o teu próximo Aquele que negligencia as
palavras da Lei por causa das suas riquezas. Há um caso em que alguém
transgride ignorantemente, etc. Alguém que se conecta com transgressores,
etc. O castigo do mentiroso é que, mesmo quando ele diz a verdade, ele não é
acreditado, no final, ele será demitido em desgraça, etc. Por causa dos quatro
diferentes meios de perdão, etc. O arrependimento deve ser para cada um
deles. No entanto, quem profanou o nome do céu não tem o poder de se
arrepender. Portanto, os eruditos morrem antes de seu tempo. Tenha cuidado
ao saudar o teu próximo Aquele que negligencia as palavras da Lei por causa
das suas riquezas. Há um caso em que alguém transgride ignorantemente, etc.
Alguém que se conecta com transgressores, etc. O castigo do mentiroso é que,
mesmo quando ele diz a verdade, ele não é acreditado, no final, ele será
demitido em desgraça, etc. Por causa dos quatro diferentes meios de perdão,
etc. O arrependimento deve ser para cada um deles. No entanto, quem
profanou o nome do céu não tem o poder de se arrepender. Portanto, os
eruditos morrem antes de seu tempo. Tenha cuidado ao saudar o teu próximo
Aquele que negligencia as palavras da Lei por causa das suas riquezas. Há um
caso em que alguém transgride ignorantemente, etc. Alguém que se conecta
com transgressores, etc. O castigo do mentiroso é que, mesmo quando ele diz
a verdade, ele não é acreditado, Tenha cuidado ao saudar o teu próximo
Aquele que negligencia as palavras da Lei por causa das suas riquezas. Há um
caso em que alguém transgride ignorantemente, etc. Alguém que se conecta
com transgressores, etc. O castigo do mentiroso é que, mesmo quando ele diz
a verdade, ele não é acreditado, Tenha cuidado ao saudar o teu próximo
Aquele que negligencia as palavras da Lei por causa das suas riquezas. Há um
caso em que alguém transgride ignorantemente, etc. Alguém que se conecta
com transgressores, etc. O castigo do mentiroso é que, mesmo quando ele diz
a verdade, ele não é acreditado,95 - 103
CAPÍTULO V.

MISHNAS A TO G . Por dez ditos o mundo foi criado. Para que finalidade
isso é afirmado? De onde se deduz que uma única pessoa é igual a toda a
criação? O Santo, bendito seja Ele, mostrou a Adão todas as gerações
sucessivas, junto com seus pregadores, diretores, líderes, profetas, heróis,
criminosos e seus devotos. Novecentos e setenta e quatro
p. xv

gerações antes da criação do mundo, a Torá já estava escrita, etc. Ele criou no
homem tudo o que ele criou em seu mundo - como Então? Dez gerações
foram de Adão até Noé. Para que finalidade isso foi afirmado? O Senhor
disse: Eu não vou igualar os maus pensamentos aos bons pensamentos, desde
que seu destino ainda não tenha sido selado. Dez gerações estavam lá de Noé
a Abraão. Para que finalidade foi necessário afirmar isso? Com dez tentações,
nosso pai, Abraão, foi tentado. Eles são os seguintes, etc. Em contraste com
essas dez tentações, o Senhor realizou dez milagres para seus descendentes no
Egito. Quando nossos pais ficaram junto ao mar, etc. "Levanta-te e passa por
ela" etc. Com dez tentações, nossos ancestrais tentaram a Deus no deserto. Por
meio de dez provações, o Santo, bendito seja Ele, testou nossos
antepassados. Este pecado com o qual os israelitas foram afligidos é suficiente
para aquele tempo, etc. Dez nomes de louvor são aplicados ao Santo, bendito
seja Ele. Dez nomes ignominiosos são aplicados aos ídolos. Existem dois
filhos do óleo claro. Isso se refere a Aarão e ao Messias. Na Torá há onze
vezes a palavra "ela" quando deveria ser "ele". Dez vezes a Shekhina desceu
sobre a terra. Dez graus a Shekhina se removeu de um lugar para outro. Um
profeta é chamado por dez nomes diferentes. Existem dez nomes para o
Espírito Santo. Dez são chamados de "vivos". Dez milagres foram feitos para
nossos pais no Egito, Existem dois filhos do óleo claro. Isso se refere a Aarão
e ao Messias. Na Torá há onze vezes a palavra "ela" quando deveria ser
"ele". Dez vezes a Shekhina desceu sobre a terra. Dez graus a Shekhina se
removeu de um lugar para outro. Um profeta é chamado por dez nomes
diferentes. Existem dez nomes para o Espírito Santo. Dez são chamados de
"vivos". Dez milagres foram feitos para nossos pais no Egito, Existem dois
filhos do óleo claro. Isso se refere a Aarão e ao Messias. Na Torá há onze
vezes a palavra "ela" quando deveria ser "ele". Dez vezes a Shekhina desceu
sobre a terra. Dez graus a Shekhina se removeu de um lugar para outro. Um
profeta é chamado por dez nomes diferentes. Existem dez nomes para o
Espírito Santo. Dez são chamados de "vivos". Dez milagres foram feitos para
nossos pais no Egito,103 - 115

MISHNAS H TO O. Dez milagres foram realizados para nossos antepassados


em Jerusalém. Jerusalém nunca foi contaminada pela lepra. Como Kimchith, a
mãe de R. Ishmael, viu seus dois filhos como sumos sacerdotes no mesmo
dia. Os homens de Sodoma não têm parte no mundo por vir. Sobre Kora e sua
companhia. "O Senhor mata e faz viver; ele desce ao túmulo e traz à sua
volta", referiu-se a eles. A geração do deserto "Juntem-se a mim meus
piedosos servos, que fazem um pacto comigo pelo sacrifício", tem referência a
eles. As dez tribos não têm participação no mundo por vir. R. Aqiba, no
entanto, disse: "Como o dia está escuro e depois se ilumina, também a
escuridão deles será seguida pela luz". Os sete seguintes não têm participação
no mundo por vir, etc. Há três reis e quatro plebeus que não têm participação
no mundo por vir. Absalão não tem parte no mundo por vir. Sete coisas
marcam o torrão e sete há para o sábio. Existem sete criações de tantos graus
de importância. O homem possui seis qualificações, três das quais pertencem
também à besta e três aos anjos. Os espíritos malignos possuem seis
qualificações, três das quais pertencem ao homem. Existem sete tipos de
hipócritas. Aquilo que está oculto é somente de seres humanos, mas não do
céu. Há sete coisas que, se usadas moderadamente, são saudáveis para o corpo
e, se em excesso, são o inverso. Com sete coisas, Deus criou o mundo. Sete
atributos estão servindo diante do trono da graça. Existem sete moradas. Um
homem sábio não fala diante daqueles que o superam em sabedoria e anos; e
não interrompe outro em seu discurso; admite a verdade, etc. Sete tipos de
punições vêm por conta de sete transgressões cardeais. Sobre a execução de R.
Simeon b. Gamaliel e R. Ismael b. Eliseu, o sumo sacerdote. O cativeiro vem
sobre o mundo, etc. Cinco não devem ser perdoados. Quatro tipos de pontos
de vista são mantidos pelos homens em relação à propriedade,115 - 131 .
p. xvi

MISHNAS P PARA GG . Existem quatro tipos de disposições entre os


homens. Existem quatro tipos de alunos. Existem quatro tipos de doadores de
caridade. Existem quatro tipos de visitantes da casa de aprendizado. Existem
quatro tipos de discípulos dos sábios. Amor inspirado por segundas intenções,
etc. Qualquer coisa que defenda é para o Céu terá bons resultados. Todo
aquele que faz com que muitos sejam justos, o pecado não prevalece sobre
ele. Em quem quer que seja as três coisas seguintes, ele é um discípulo de
Abraão, etc., Seja corajoso como a pantera, leve como a águia, rápido como o
cervo e forte como o leão, Um cinco anos de idade deve estudar as Escrituras,
etc. Gire e gire de novo, pois tudo pode ser encontrado nele, 131 - 133

CAPÍTULO VI

MISHNAS A PARA R. Quem está ocupado na Torá pelo seu amor merece
muitas coisas. Todos os dias uma voz celestial sai do Monte Horebe e
proclama da seguinte maneira, etc. Aquele que aprende com seu companheiro
um capítulo, etc., é obrigado a honrá-lo. O caminho da Torá, etc. Não busque
grandeza para si mesmo e não deseje honrar. Maior é a Torá do que o
sacerdócio e que o reino. Há quatro coisas que dão bons frutos neste
mundo. Um ato meritório tem tanto o principal quanto o benefício. Aquele
que faz com que muitos sejam justos, nenhum pecado prevalece sobre ele. Em
relação aos sonhos, há quatro sábios, três estudiosos, três livros dos profetas e
três livros do Hagiographa. Toda assembléia que serve para realizar um dever
religioso permanece eterna. Comeliness, força, riqueza, honra, sabedoria,
idade, hoariness e filhos estão se tornando para os justos, etc. Se me dessem
toda a prata, ouro e pedras preciosas e pérolas que estão no mundo, eu não
moraria senão em um lugar de Torá. Cinco posses tinham o Santo neste
mundo. Tudo o que o Senhor criou neste mundo, Ele criou apenas para a Sua
glória. Existem três coroas: a coroa da Torá, o sacerdócio e o reino. Três
coisas foram ditas de homens caridosos. Existem três tipos diferentes entre os
estudiosos. Existem três tipos diferentes de suor que são benéficos para o
corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de
barro. Existem três vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os
israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado
para o seu companheiro, será considerado por você o maior erro, etc. Os
seguintes artigos foram ocultados, etc., ouro, e boas pedras e pérolas que estão
no mundo, eu não iria morar, mas em um lugar de Torá. Cinco posses tinham
o Santo neste mundo. Tudo o que o Senhor criou neste mundo, Ele criou
apenas para a Sua glória. Existem três coroas: a coroa da Torá, o sacerdócio e
o reino. Três coisas foram ditas de homens caridosos. Existem três tipos
diferentes entre os estudiosos. Existem três tipos diferentes de suor que são
benéficos para o corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três vantagens
em um vaso de barro. Existem três vantagens em um vaso de vidro. O
dinheiro que os israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se você fizer o
mínimo errado para o seu companheiro, será considerado por você o maior
erro, etc. Os seguintes artigos foram ocultados, etc., ouro, e boas pedras e
pérolas que estão no mundo, eu não iria morar, mas em um lugar de
Torá. Cinco posses tinham o Santo neste mundo. Tudo o que o Senhor criou
neste mundo, Ele criou apenas para a Sua glória. Existem três coroas: a coroa
da Torá, o sacerdócio e o reino. Três coisas foram ditas de homens
caridosos. Existem três tipos diferentes entre os estudiosos. Existem três tipos
diferentes de suor que são benéficos para o corpo. Existem seis tipos de
lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de barro. Existem três
vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os israelitas levaram do Egito
retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado para o seu companheiro,
será considerado por você o maior erro, etc. Os seguintes artigos foram
ocultados, etc., Eu não iria morar, mas em um lugar de Torá. Cinco posses
tinham o Santo neste mundo. Tudo o que o Senhor criou neste mundo, Ele
criou apenas para a Sua glória. Existem três coroas: a coroa da Torá, o
sacerdócio e o reino. Três coisas foram ditas de homens caridosos. Existem
três tipos diferentes entre os estudiosos. Existem três tipos diferentes de suor
que são benéficos para o corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três
vantagens em um vaso de barro. Existem três vantagens em um vaso de
vidro. O dinheiro que os israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se
você fizer o mínimo errado para o seu companheiro, será considerado por
você o maior erro, etc. Os seguintes artigos foram ocultados, etc., Eu não iria
morar, mas em um lugar de Torá. Cinco posses tinham o Santo neste
mundo. Tudo o que o Senhor criou neste mundo, Ele criou apenas para a Sua
glória. Existem três coroas: a coroa da Torá, o sacerdócio e o reino. Três
coisas foram ditas de homens caridosos. Existem três tipos diferentes entre os
estudiosos. Existem três tipos diferentes de suor que são benéficos para o
corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de
barro. Existem três vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os
israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado
para o seu companheiro, será considerado por você o maior erro, etc. Os
seguintes artigos foram ocultados, etc., Tudo o que o Senhor criou neste
mundo, Ele criou apenas para a Sua glória. Existem três coroas: a coroa da
Torá, o sacerdócio e o reino. Três coisas foram ditas de homens
caridosos. Existem três tipos diferentes entre os estudiosos. Existem três tipos
diferentes de suor que são benéficos para o corpo. Existem seis tipos de
lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de barro. Existem três
vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os israelitas levaram do Egito
retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado para o seu companheiro,
será considerado por você o maior erro, etc. Os seguintes artigos foram
ocultados, etc., Tudo o que o Senhor criou neste mundo, Ele criou apenas para
a Sua glória. Existem três coroas: a coroa da Torá, o sacerdócio e o reino. Três
coisas foram ditas de homens caridosos. Existem três tipos diferentes entre os
estudiosos. Existem três tipos diferentes de suor que são benéficos para o
corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de
barro. Existem três vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os
israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado
para o seu companheiro, será considerado por você o maior erro, etc. Os
seguintes artigos foram ocultados, etc., Existem três tipos diferentes de suor
que são benéficos para o corpo. Existem seis tipos de lágrimas. Existem três
vantagens em um vaso de barro. Existem três vantagens em um vaso de
vidro. O dinheiro que os israelitas levaram do Egito retornou ao Egito. Se
você fizer o mínimo errado para o seu companheiro, será considerado por
você o maior erro, etc. Os seguintes artigos foram ocultados, etc., Existem três
tipos diferentes de suor que são benéficos para o corpo. Existem seis tipos de
lágrimas. Existem três vantagens em um vaso de barro. Existem três
vantagens em um vaso de vidro. O dinheiro que os israelitas levaram do Egito
retornou ao Egito. Se você fizer o mínimo errado para o seu companheiro,
será considerado por você o maior erro, etc. Os seguintes artigos foram
ocultados, etc.,133 - 143

p. 1
TRADUZIR SOBRE.
( Padres da Sinagoga - Ética .)

CAPÍTULO I.

Mishná A . Moisés recebeu a Lei no Sinai e a entregou a Josué; Josué, por sua
vez, entregou aos anciãos (não aos setenta anciãos do tempo de Moisés, mas
aos últimos anciãos que governaram Israel, e cada um deles o entregou ao seu
sucessor); dos Anciãos, desceu aos profetas (começando com Eli e Samuel), e
cada um deles entregou aos seus sucessores até alcançar os homens da Grande
Assembléia. O último, nomeado, originou três máximas: "Não seja apressado
em julgamento; Traga muitos discípulos; e, Erig seguro guardas para a lei."

Tosephhta - Aboth de R. Nathan.

1 Moisés foi santificado na nuvem e recebeu a Torá do Sinai, como está


escrito. xxiv. 16]: "E a glória do Senhor ficou no Monte Sinai", o que significa
em Moisés (para qual propósito?), Para purificá-lo; isso ocorreu depois que os
dez mandamentos foram dados. Assim diz R. José, o galileu; R. Aqiba, no
entanto, diz: Está escrito [ibid.]: "E a nuvem cobriu seis dias". Isso se refere
à montanha , antes dos dez mandamentos terem sido dados, e é isso que está
escrito mais adiante [ibid.]: "E ele chamou a Moisés no sétimo dia para fora
da nuvem" (com que propósito? - somente) para conferir honra a ele.

Disse R. Nathan: Por que Moisés ficou os seis dias inteiros?


p. 2

sem comunicação da Shekhina? Para limpar seu corpo de toda a comida e


bebida que continha, para que ele pudesse ser como anjos no momento de sua
consagração.

Disse R. Mathia b. Heresh para ele: Rabino, tudo isso dito acima foi feito
apenas para intimidar ele, para que ele possa receber as palavras da Torá com
admiração, terror, medo e tremor, como está escrito. ii. "Sirva ao Senhor com
medo e regozije-se com o tremor."

Aconteceu que R. Josiah e R. Mathia b. Heresh estava ambos sentados e


estudando a Lei. R. Josiah então partiu para atender aos assuntos
mundanos. Disse R. Mathia para ele: "Rabino, o que você ganha por
abandonar as palavras do Deus vivo, e se dedicar aos assuntos mundanos?
Mesmo que tu seja meu mestre, e eu teu discípulo, eu ouso dizer que não é
direito de fazê-lo. " (Para que ninguém diga que R. Josiah o fez por inveja),
foi dito: Enquanto estavam sentados e estudando a Torá, eles estavam com
ciúmes um do outro, mas quando se separaram, eram como amigos da
juventude.

Através de Moisés, a Torá foi dada no Sinai, como está escrito [Deut. v. 19]:
"E escreveu-os em duas tábuas de pedra e deu-as a mim". E também
[Lev. xxvi. 46]: "Estes são os estatutos e ordenanças e leis, que o Senhor fez
entre ele e os filhos de Israel no Monte Sinai, pela mão de Moisés." A Lei que
o Santo, bendito seja Ele, deu a Israel, foi dada somente na mão de Moisés,
como está escrito. xxxi. 17]: "Entre mim e os filhos de Israel." Então Moisés
(por causa de sua purificação e santificação) teve o privilégio de ser o
representante de Israel perante o Senhor.

Moisés ofereceu o carneiro da consagração e preparou o óleo da unção, e


ungiu-o com Arão e seus filhos durante todos os sete dias da
consagração. Com os mesmos altos sacerdotes e reis do petróleo foram depois
ungidos, e Elazar queimou a (primeira) vaca vermelha, com as cinzas das
quais os impuros foram purificados em gerações posteriores. Disse R. Eliezer:
"O óleo da unção era de tal importância que permaneceu até mesmo para as
gerações posteriores, pois Arão e seus filhos foram consagrados com o óleo da
unção, como está escrito [Ex. 30: 30]:" E Arão e seus filhos ungirão e os
consagrarão para serem sacerdotes. ”(Por isso vemos que, embora Arão fosse
sumo sacerdote, seus filhos, no entanto, precisavam de unção.)

Josué recebeu (a Lei) de Moisés, como está escrito


p. 3

[Numb. xxvii. 20]: "E você deve colocar um pouco de sua


[parágrafo continua]

grandeza sobre ele, a fim de que toda a congregação dos filhos de Israel pode
ser obediente". Os anciãos (que viveram depois de Moisés) receberam-no de
Josué, como está escrito [Juízes ii. 7]: "E o povo serviu o Senhor todos os dias
de Josué, e todos os dias dos anciãos que viveram muitos dias depois de Josué,
que tinha visto todas as grandes obras do Senhor, que ele tinha feito por
Israel." Os juízes a receberam dos anciãos, como está escrito [Rute, i. 1]: "E
aconteceu nos dias em que os juízes julgavam." 1 Os profetas receberam-no
dos juízes (começando com Samuel, o profeta, que também era juiz), como
está escrito [Jerem. vii. 25]: "E eu enviei a você todos os meus servos, os
profetas, enviando-os diariamente de manhã cedo." Ageu, Zacarias e
Malaquias receberam-no dos profetas. Os homens da Grande Assembléia
receberam de. Ageu, Zacarias e Malaquias, e eles disseram as seguintes três
coisas mencionadas no Mishná:

" Seja deliberado no julgamento ." Como assim? Significa que o homem será
lento em seu julgamento, pois quem é vagaroso é deliberado, como está
escrito [Prov. xxv. 1] "Também estes são os provérbios de Salomão, que os
homens de Ezequias, rei de Judá, colecionaram". Eles não os coletaram, mas
eles estavam deliberando sobre eles antes (tornando-os públicos). Abba Saul,
no entanto, disse: "Não apenas eles estavam deliberando sobre eles, mas
também os explicaram".

Antigamente dizia-se: Os livros de Provérbios, Cântico dos Cânticos e


Eclesiastes estavam ocultos, porque são apenas parábolas e não pertencem ao
Hagiógrafo; os homens da Grande Assembléia, porém, vieram e os
explicaram, como está escrito [Prov. vii. 7-20]: "E eu vi entre os simples, eu
discerni entre os jovens, um rapaz vazio de sentido, etc. e, eis que uma mulher
veio ao encontro dele com o traje de uma prostituta e obstinado de coração;
ela é barulhenta e ingovernável, em sua casa os pés dela nunca descansam,
uma vez ela está na rua, outra em lugares abertos, e perto de cada esquina ela
se esconde, e ela o segura, e o beija, e com Em face impudente disse-lhe: Eu
me comprometi a fazer ofertas pacíficas, hoje paguei os meus votos; pelo que
saí ao teu encontro para buscar a tua presença com diligência.
p. 4

te. Com tapeçarias cobri minha cama com cobertas bordadas do linho fino do
Egito. Eu polvilhei meu sofá com mirra, aloés e canela. Venha, deixe-nos
entrar em amor até a manhã: vamos nos deliciar com flertes. Pois o homem
não está em sua casa, ele partiu em uma jornada a grande distância; a bolsa de
dinheiro ele levou com ele; no dia do festival da lua nova, ele voltará para
casa. ”E está escrito também em Cântico dos Cânticos [vii. 12, 13]:“ Vem,
meu amigo, vamos para o campo; passemos a noite nas aldeias; vamos
levantar cedo para as vinhas; vejamos se o vinho floresceu, se a uva jovem se
abriu (à vista), se a romã brotou: eu lhe darei minhas carícias. "E está escrito
novamente em Eclesiastes [xi. 9]: " Alegra-te, ó jovem, na tua infância; e que
teu coração te anime nos dias de teu vigor juvenil, e ande firmemente nos
caminhos do teu coração e na direção que os teus olhos vêem; mas sabe tu,
que a respeito de todas estas coisas Deus te trará a julgamento. "E novamente
em Cântico dos Cânticos [vii. 10]:" Eu sou meu amigo, e para mim é o seu
desejo. "Assim, vemos que o último- A passagem mencionada do Cântico dos
Cânticos explica tudo o que foi mencionado acima, sob o termo "meu amigo"
o Senhor é compreendido. Por isso (é certo) que eles não estavam apenas
deliberando, mas também explicando-os.

Segundo outros, a afirmação "Seja deliberado em juízo significa ensinar que


se deve ter cuidado com suas palavras, e também não ter uma maneira
irascível contra aqueles que receberam suas palavras, por alguém que é
facilmente provocado por aqueles que receberam sua muitas vezes as palavras
se esquecem de suas palavras (originais), pois assim encontramos Moisés,
nosso mestre, que havia esquecido suas palavras (originais) (ver Pesachim, p.
129: "Resh Lakish disse", etc.)
E onde encontramos que Moisés era irascível com seus ouvintes? Está escrito
[Numb. xxxi. 14]: "E Moisés se indignou ... Você permitiu que todas as
mulheres vivessem?" E está escrito [ibid., Ibid. 16]: "Eis que ... pelo conselho
de Bilam". Como assim? Inferir disto que este foi o conselho de Balaão dado a
Balaque: "Essas pessoas, seus inimigos, estão com fome de comida e estão
com sede de bebida, como eles têm nada mais do que maná. Vá e coloque-se
tendas para eles, coloque em lhes servem comida e bebida, e nelas assenta
mulheres formosas, filhas de nobres, para que o povo se volte para Baal-
Peor. (Isso será dado em Sanhedrin em detalhe.)

Agora disto podemos tirar uma conclusão a fortiori . E se


p. 5

Moisés, nosso mestre, o mais sábio dos sábios e o pai dos profetas, na época
em que ficou zangado com seus ouvintes, esqueceu suas palavras originais,
tanto mais nós, plebeus. A partir disso, devemos aprender como é necessário
ser cuidadoso e não irascível.

Ben Azai diz: Cuidado nas tuas palavras, para que os teus ouvintes não erram
através deles.

" E erigir salvaguardas para a lei ." Isso significa que alguém deve
salvaguardar suas palavras como o Santo, bendito seja Ele. Adão o primeiro
fez um para o seu; a Torá fez uma para suas palavras; Moisés e o trabalho
também salvaguardaram suas palavras, e assim também os Profetas e
Hagiógrafos têm salvaguardado suas palavras.

A salvaguarda que o Santo, bendito seja Ele, é isto [Deut. xxix. 23]: "Todas as
nações dirão: por que fez o Senhor assim a esta terra?" Inferir disto que se
soube de antemão a Ele, por cujo uma palavra o universo foi criado, que as
gerações futuras perguntarão isto; portanto, ele disse a Moisés: Escreva a
resposta para as futuras gerações [ibid., ibid. 24, 25]: "Então dirão os homens,
porque deixaram o pacto do Senhor, etc., e eles foram e serviu outros deuses e
se curvou para eles - deuses que eles não conheciam, e que ele não tinha
atribuído para eles. "

Vemos, então, que o Santo, abençoado seja Ele, fez estas respostas, para
impedir que Seu povo incorresse em Sua ira por suas perguntas, e que eles
pudessem viver em paz.

A salvaguarda de Adão o Primeiro às suas palavras foi assim [Gen. ii. 16, 17]:
"E o Senhor Deus ordenou ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim
podes comer livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal,
não comerás dela; porque no dia que dela comerás, certamente morrerás.
Vemos, então, que Adão não quis dar a Eva as palavras exatas que recebeu,
mas acrescentou [ibid. iii. 3]: "Não comereis dele, nem o tocareis, para que
não morrais", a fim de que tenham cuidado de não tocar a árvore. Naquele
tempo a serpente ímpia disse para si mesmo: "Como é impossível para mim
fazer Adão tropeçar (pois ele mesmo recebeu as palavras do Senhor), eu farei
Eva tropeçar." Ele sentou-se ao lado dela e teve uma longa conversa com
ela. Ele disse a ela: "Como tu dizes que o Santo, bendito seja Ele, proibiu-te
de tocá-lo, ver que eu estou tocando e não vai morrer, e o mesmo
p. 6

fica contigo. "E assim ele fez: ele levantou e sacudiu a árvore com suas mãos
e pés até que a fruta caiu. [De acordo com outros a serpente realmente não
tocou a árvore, porque assim que a árvore viu o a serpente o deteve e disse:
"Maligno, não me toquem", como está escrito [Sl xxxvi. 12]: "Não venha
contra mim o pé do orgulho, nem deixe a mão dos perversos caçar Outra
explicação da passagem acima é que se referiu a Tito, que acenou com a mão,
e bateu no altar, dizendo: "λυχος! λυχος! (lobo!) tu és um rei, e eu sou um rei,
venha e envolva-se comigo em batalha. Quantos bois foram abatidos sobre
ti; quantos cabeças de aves foram arrancadas de ti; Quantas medidas de vinho
foram derramadas sobre ti; quanto incenso de especiariasfoi queimado sobre
ti, tu és aquele que destrói o mundo inteiro ", como está escrito [Is. xxix 1]:"
Ai de Ariel, a Ariel, a cidade onde Davi morava! Adicione ano a ano; deixe os
festivais virem em ordem. "]

A serpente disse novamente a ela (Eva): "Se disseres que o Santo, bendito seja
Ele, proibiu comê-lo, vejas que eu o como e não morro, e tu poderás fazer o
mesmo e tu não morrerás" " Então, Eve disse para si mesma, as injunções do
meu mestre são infundadas. [Há uma tradição que a princípio Eva não chamou
Adão senão mestre.] Ela então comeu do fruto eo deu a Adão, e ele também
comeu, como está escrito [Gen. iii. 6]: "E quando a mulher viu que a árvore
era boa para comida, e que, era agradável aos olhos", etc.

Com dez maldições foi Eva amaldiçoada naquele tempo, como está escrito
[ibid., Ibid. 16]: "À mulher que ele disse, multiplicarei grandemente a tua dor
e (o sofrimento de) a tua concepção; com dores darás à luz (filhos), e teu
marido será o teu desejo, mas ele te governará " "Eu vou multiplicar muito" -
essas são as duas aflições de sangue que uma mulher tem que sofrer: a da sua
menstruação e aquela primæ noctis. "E o teu sofrimento" significa a criação
de filhos; "e tua concepção" significa a dor da gravidez. "Na dor tu trarás
filhos" é para ser tomado em seu sentido literal. "E para teu marido será teu
desejo"; inferir disso que a mulher deseja seu marido durante sua ausência em
uma jornada. Ela está enrolada como uma enlutada, separada de todos os
homens como se estivesse na prisão e como se tivesse sido excomungada de
toda a humanidade. E quem causou tudo isso? As palavras que Adão
acrescentou: "Não toques". A partir disso, eles deduziram as máximas que
p. 7

se alguém faz uma salvaguarda para suas palavras (sem afirmar que é assim),
ele não pode suportar isso. Consequentemente, eles disseram que não se deve
acrescentar ao que ele ouviu. Disse R. José (isto é o que as pessoas dizem): "É
melhor ter uma parede de dez vãos que seja sólida, do que uma de cem vaus
que está cambaleante."

Quais eram os pensamentos da serpente perversa naquela época? "Matarei


Adão e casarei com sua esposa, e serei o rei do mundo inteiro, andarei ereto e
banquetear-me-ei no melhor da terra." Então o Santo, bendito seja Ele, disse-
lhe: "Tu pensaste em matar Adão e casar com sua esposa, por isso vou colocar
inimizade (entre ti e a mulher); tu pensaste em ser o rei do mundo, portanto,
ser tu amaldiçoaste entre todo o gado: tu pensaste em andar ereto, por isso no
teu ventre tu irás, tu pensaste em banquete no melhor da terra, portanto pó
comerás todos os dias da tua vida.

R. Simeon b. Menassia diz: "Ai que um grande servo se perdeu para o mundo,
pois se a serpente não tivesse sido amaldiçoada, cada um teria duas serpentes
em sua casa. Ele enviaria uma para o oeste e outra para o leste, e eles lhe
trariam diamantes, pedras preciosas e pérolas, e todas as coisas valiosas do
mundo, e nenhuma criatura poderia ficar contra eles, e além disso eles
poderiam ser usados em vez de um camelo, jumento e mula no campo, jardim,
"etc.

R. Jehudah b. Bathyra diz: "Adão estava sentado no Jardim do Éden e os anjos


lhe serviram com carne assada e vinho gelado". Quando a serpente viu isso e
observou essa honra, ficou com ciúmes.

Como foi Adam criado? A primeira hora sua poeira foi recolhida, o segundo a
forma foi criada, o terceiro ele se tornou um corpo, o quarto seus membros
foram unidos, o quinto as aberturas foram desenvolvidas, o sexto a alma foi
colocado a ele, o sétimo ele subiu para seus pés, a oitava Eva foi acasalada
com ele, o nono ele foi levado para o Jardim do Éden, o décimo o comando
foi dado a ele, o décimo primeiro ele pecou, o décimo segundo ele foi expulso
e foi embora; isto é o que está escrito [Ps. xlix. 21]: " Ve Adam bikor bal
yolin ". 1(Adão, "Bal Yolin" - ele não passará a noite inteira). [Aprendemos no
Tratado Rosh Hashana, p. 55: No primeiro dia em que o salmo fez
p. 8

eles dizem? "O Senhor pertence a terra com o que a enche" [Sl. xxi. 17]; isso
foi porque Ele criou e continua a criar, e está julgando o mundo. No segundo
dia eles disseram: "Grande é o Senhor e altamente louvado, na cidade de
nosso Deus" [ibidem. xlviii. 2]; é porque Ele dividiu todas as Suas criaturas e
se tornou o único governante do universo. No terceiro eles disseram: "Deus
está na congregação de Deus, no meio dos juízes julga" [ibidem. lxxxii. 1]; é
porque Ele então criou o mar, a terra, e a terra foi rolada para o lugar certo, e
espaço foi feito para a Sua congregação. No quarto dia eles disseram: "Ó Deus
da vingança, Senhor! Ó Deus da vingança, resplandeça" [Sl. xciv. 1]; porque
então Ele criou o sol, a lua, as estrelas, e os planetas que iluminam o mundo, e
o Senhor castigará aqueles que os adoram. No quinto, eles disseram: "Cantem
em voz alta a Deus a nossa força; gritem alegremente ao Deus de Jacó"
[Sl. lxxxi. 2]; porque Ele então criou os pássaros, os peixes e os grandes
monstros marinhos que (os pássaros) enchem o mundo de música. No dia 6,
eles disseram: "O Senhor reina, está revestido de excelência; o Senhor está
vestido, cingiu-se com força; (portanto) também o mundo está firmemente
estabelecido, para que não seja movido". Porque então Ele terminou todo o
Seu trabalho Ele se tornou exaltado e colocou-se no ponto mais alto do
mundo. No sétimo eles disseram: "Um salmo ou canção para o dia de sábado"
[ibid. xcii. 1]. Um dia de descanso completo, quando não há comer nem beber
nem traficar, mas os retos sentam-se com suas coroas em suas cabeças e são
nutridos da glória da Shekhina, como está escrito [Ex. xxiv. 11]: "E eles viram
(a glória de) Deus, e comeram e beberam", exatamente como os anjos.

Por que Adão foi criado na última hora do sexto dia? Para que ele pudesse
participar imediatamente da refeição sabática.

R. Simeon b. Elazar disse: Adão pode ser comparado a um israelita que se


casou com uma prosélita, e ele constantemente procurava imprimir em sua
mente os seguintes regulamentos: "Minha filha, não coma pão quando as tuas
mãos estiverem impuras, não coma de frutas que não foram pagas." não
violem o sábado, não adquiram o hábito de fazer votos e não andam com
outro homem. Se você violar qualquer um dos mandamentos, morrerá. Outro,
que queria enganá-la, fez aquelas mesmas coisas diante dela que lhe disseram
que eram pecadores: ele comeu
p. 9

pão quando suas mãos eram impuras, tomavam frutos que não eram dízimos,
violavam o sábado, etc., e assim faziam com que esse prosélito pensasse que
tudo o que seu marido lhe dizia era inteiramente falso, então ela violou todos
os seus mandamentos.

R. Simeon b. Johai disse: O caso de Adão pode ser comparado a alguém que,
quando pretendia deixar sua casa, pegou um barril e colocou nele certo
número de tâmaras e nozes; depois apanhou um escorpião e colocou-o no topo
do barril, cobriu-o bem e colocou-o num canto, e disse à sua mulher: "Minha
filha, tudo o que tenho nesta casa é colocado à tua disposição, excepto este
barril, que tu não deve tocar em nada. " Assim que o marido foi embora, ela
abriu o barril, colocou a mão nele e o escorpião a mordeu. Ela adoeceu e foi
para a cama. Quando o marido voltou, perguntou-lhe qual era o problema. Ela
disse: "Eu coloquei minha mão no barril, e o escorpião me mordeu, e eu estou
morrendo". Ele disse a ela: "Eu não te disse antes que você não deve tocar o
barril?" Ele ficou bravo e a expulsou de sua casa. O mesmo aconteceu com
Adão quando o Santo, bendito seja Ele, disse a ele: "De toda árvore no jardim
podes comer livremente; mas da árvore do conhecimento do bem e do mal,
não comerás dela; porque o dia em que dela comeres, certamente morrerás
"; mas assim que ele comeu, ele foi expulso do Jardim do Éden, e é isso que a
passagem dizia [Sl. xlix.] (veja acima).

No mesmo dia em que foi formado, no mesmo dia seu rosto foi criado; no
mesmo dia em que ele foi feito um corpo, e seus membros foram unidos e
suas aberturas desenvolvidas, e no mesmo dia em que a alma foi colocada a
ele. No mesmo dia ele ficou em pé, e Eva estava acasalada com ele. No
mesmo dia ele pronunciou os nomes de todas as criaturas, e no mesmo dia ele
foi colocado no Jardim do Éden e recebeu o comando (não comer, etc.), e no
mesmo dia em que o violou e foi expulso, para cumprir o que está escrito
[Ps. xlix.] (veja acima). No mesmo dia, foram para a cama dois e desceram da
cama quatro. R. Jehudah b. Batyra, no entanto, diz que eles desceram seis
(dois filhos e duas filhas). Naquele dia três sentenças foram pronunciadas
sobre Adão, como está escrito [Gen. iii. 17, 18]: "
p. 10

Assim que Adão o primeiro ouviu que o Santo, bendito seja Ele, disse: "E
comerás as ervas do campo", ele tremeu em todo o seu corpo. Ele disse diante
dele: "Senhor do Universo e eu e meu gado comeremos do mesmo cocho?
"Disse o Santo, bendito seja Ele:" Como tu tremeu, então no suor de seu rosto
comerás pão "[ibid., ibid. 19].

Como Adão foi colocado sob três sentenças, da mesma forma foi com
Eva. Como está escrito [ibid., Ibid. 16]: "multiplicarei grandemente a tua dor e
(o sofrimento de) a tua concepção; na dor darás à luz filhos". Os primeiros
dias da menstruação são dolorosos. Assim também são os primeiros
momentos de sua relação sexual com um homem. Além disso, quando a
mulher engravida, o rosto perde a beleza e fica amarelo nos primeiros três
meses.

Quando a noite se aproximava, e Adão, olhando para o oeste, viu que estava
ficando cada vez mais escuro, ele disse: "Ai de mim é isto, porque pequei, que
o Senhor escurece o mundo sobre mim!" Ele não sabia que era o curso da
natureza. De manhã, quando a viu iluminada e o sol se levantou no leste, ele
se alegrou muito. Ele construiu um altar e sacrificou nele como um holocausto
um boi, os chifres dos quais foram formados antes de seus cascos. (Rashi
explica isso em outro lugar como segue: Todas as criaturas dos primeiros dias
da criação foram criadas em seus tamanhos crescentes, e como a cabeça foi
formada primeiro os chifres sobre ela precederam os cascos no ponto do
tempo. Isto significa dizer que Adão sacrificou um boi da primeira criação.)
Como está escrito [Ps. lxix. 32]: "

(Existe uma tradição) que o boi de Adão, o novilho de Noé, o carneiro


sacrificado por Abraão no lugar de seu filho, eram todos da primeira criação,
como está escrito [Gen. xxii. 13]: "E Abraão levantou os olhos e viu, e eis que
havia um carneiro Achar " (outro, que significa que era um diferente dos
habituais). Naquela época (do sacrifício do boi, o Santo, abençoado seja Ele,
tornou-se misericordioso com ele e) três divisões de anjos desceram com
harpas, e saltérios, e todos os instrumentos musicais, e cantaram com Adão,
como está escrito [Ps. xcii. 1-3]: "Um cântico de salmo para o dia de sábado.
É uma coisa boa dar graças ao Senhor, etc. Para contar de manhã a tua
bondade e a tua fidelidade nas noites." "Para contar no
p. 11

manhã da tua bondade ", isto significa o mundo vindouro, que é comparado à
manhã, como está escrito [Lam. 3:23]:" São novas todas as manhãs, grande é
a tua fidelidade ", e [Ps. xcii .] "E da tua fidelidade de noite" significa este
mundo, que é comparado a noite, como está escrito [Is. Xxi. 11]: "O destino
de Dumah. Para mim, um chama de Se'ir, Watchman, e a noite? Vigia, qual a
da noite?"

O Santo, bendito seja Ele, disse então: "Se eu não punir a serpente, isso seria
como se eu estivesse destruindo o mundo, porque seria dito que aquele que eu
estabeleci como rei sobre o mundo inteiro desobedeceu ao Meu mandamento
e comeu do fruto proibido "; por isso, imediatamente, voltou-se para a
serpente e amaldiçoou-o, como está escrito [Gen. iii. 14]: "E o Senhor Deus
disse à serpente", etc. R. José disse: "Se a serpente não tivesse sido
amaldiçoada, o mundo teria sido destruído imediatamente depois".

Quando Deus criou Adão, Ele formou-o com dois semblantes, frente e verso,
como está escrito [Ps. cxxxix. 5]: "Atrás e antes tu me entranhas, e me puseste
a mão." E os anjos desceram para servi-lo, e o Santo, bendito seja Aquele,
tomou-o debaixo das suas asas, como está escrito: "E me agrida a tua mão."

De acordo com os outros, a partir dessa passagem, infere-se que Adão e o


Templo foram ambos criados com as duas mãos. Esta visão é suportada pelas
seguintes passagens [Ps. cxix. 73]: "Tuas mãos me fizeram e me
estabeleceram"; e também é escrito sobre o Templo [Ex. xv. 17]: "O
santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan.


1 Qual é a salvaguarda que a Torá fez para suas palavras? Está escrito
[Lev. xviii. 19]: "E uma mulher na separação de sua impureza não se
aproximará." Pode-se dizer que é permitido abraçá-la e beijá-la, e conversar
com ela, portanto, está escrito: "Você não se aproximará"; teste um diz que é
permitido dormir com ela em uma cama quando ambos estão vestidos, por
isso está escrito [Lev. xv. 33]: "E dela que está sofrendo em sua separação",
isso significa que durante todo o
p. 12

dias de sua separação, ela será como se estivesse sob uma proibição; A partir
disso, pode-se dizer que uma mulher que se torna caseira durante sua
separação faz isso de acordo com a vontade dos sábios, e aquela que se adorna
durante esse tempo incorre na insatisfação dos sábios.

Aconteceu que um homem, embora fielmente estudando (a Bíblia),


aprendendo (o Mishna), e servindo (nas faculdades) dos sábios, morreu no
auge da vida. Sua esposa costumava ter seus filactérios 2e ir ao redor e visitar
todas as sinagogas e colégios, chorando e chorando: "Meus mestres, na Lei
está escrito [Deut. xxx. 20]:" Porque ele é a tua vida ea duração dos teus dias
", agora há meu marido, que leu e aprendeu muito e serviu os sábios, por que
ele morreu no auge da vida? " E não havia ninguém que lhe desse uma
resposta satisfatória. Uma vez que ela conheceu Elias, o profeta, de abençoada
memória, ele disse a ela: "Minha filha, por que clamas tu?" e ela fez a mesma
queixa. Ele então disse a ela: "Qual era o seu costume contigo nos primeiros
dias de separação?" Ela respondeu: "Rabino, ele nem sequer me tocou com o
dedo mindinho; além do mais, ele me disse: 'Não toque em nada, para que não
o ponha em causa.'" " E qual era o seu hábito contigo nos últimos dias de
separação? "Ele repetiu. Ela respondeu:" Rabino, eu costumava comer e beber
com ele, e dormir com ele completamente vestido na cama, e seu corpo
tocado. meu, mas sem intenção de qualquer outra coisa. "Elias então disse:"
Bendito seja o onipotente que o matou, porque está escrito [Lev. xviii. 19]:
"Você não deve se aproximar."

Está escrito [ibid., Ibid. 6]: "Nenhum de vocês deve se aproximar de alguém
que esteja próximo a ele." A partir disso, foi dito que não se deve ficar em
uma sala separada com qualquer mulher em uma pousada, embora ela seja sua
irmã ou filha, por causa da opinião pública. Pela mesma razão, não se deve
conversar com uma mulher no mercado, nem mesmo com sua esposa. Pela
mesma razão, um homem não deve andar atrás de uma mulher, mesmo que ela
seja sua esposa. Isso foi deduzido da seguinte analogia de expressão: Está
escrito na passagem de uniões ilegais: "Não abordareis"
p. 13
e aqui também está escrito: "Não nos aproximaremos", a partir do qual se
deve inferir que não se deve abordar coisas que possam levá-lo a pecar (ou
levar as pessoas a falar sobre ele).

Há um ditado antigo: Mantenha-se separado do abominável e das coisas que


são iguais a ele; e os sábios explicaram assim: Mantém-te do pecado trivial,
para que não te leve a um pecado grave. Corra para realizar um pequeno ato
meritório, pois isso te levará ao desempenho de um grande feito.

Está escrito [Cântico dos Cânticos, vii. 3]: "O teu corpo é como um monte de
trigo cercado de lírios." "O teu corpo é como um montão de trigo" refere-se à
assembleia de Israel e "cercado de lírios" refere-se aos setenta anciãos. Outra
explicação das palavras: "Teu corpo é como um monte de trigo", é que eles se
referem aos deveres religiosos indulgentes que parecem não ter
consequências; "cercados de lírios", no entanto, quando os israelitas os
realizam, trazem-nos para o mundo vindouro. Como assim? Quando alguém
está com sua esposa em sua casa, ele pode fazer com ela o que lhe agrada
mesmo durante a separação, já que não há ninguém para controlá-lo ou
reprová-lo; mas quando ele se abstém de ter relações sexuais com ela até ela
se submergir, ele só o faz porque tem medo daquele que comandou o
mergulho (no banho legal); e o mesmo acontece com a primeira massa, a
primeira lã de cisalhamento (nenhum controle pode ser exercido). Por isso,
esses deveres, tão leves quanto os lírios, trazem os israelitas que os realizam
para o mundo vindouro.

Qual é a salvaguarda que Moisés fez para suas palavras? Está escrito
[Ex. xix. 10]: "E o Senhor disse a Moisés: Vai ao povo e santifica-os hoje e
amanhã." Como Moisés, o justo, considerava inconveniente falar às pessoas
da maneira como Deus lhe falava, acrescentou um dia por sua própria vontade
e disse-lhes [Ex. xix. 15]: "Prepare-se por três dias." 1 Por que ele fez
isso? Porque ele pensou que poderia acontecer que alguém pudesse ter
relações seminais com sua esposa naquele dia, e assim eles receberão a Torá
quando eles forem impuros; "portanto, acrescentarei um terceiro dia, que em
todos os três dias eles se absterão de intercurso, a fim de que
p. 14

eles podem estar limpos quando receberem a Torá do Monte Sinai.

Esta é uma das coisas que Moisés fez por sua própria vontade, desenhando a
fortioriconclusão (como será explicado mais adiante), e seu ato foi
posteriormente sancionado pelo Onipotente. O mesmo aconteceu com a
quebra das mesas, com a saída do Tabernáculo e com a separação de uma
mulher. Como assim? Ele disse: "Já que em relação aos israelitas que seriam
santificados apenas por enquanto, com o propósito de receber os dez
mandamentos do Monte Sinai, o Santo, bendito seja Ele, disse-me: 'Vá ao
povo e santificá-los hoje e amanhã, 'quanto mais incumbência de mim ser
especial sobre a limpeza da minha pessoa, como eu devo estar pronto para tal
chamado divino todos os dias e todas as horas, e não sei quando Ele falaria
comigo de dia ou de noite ". E isso foi exatamente de acordo com a vontade
de Deus. R. Jehudah b. Bathyra, no entanto, disse: Moisés não deixou sua
esposa antes que lhe foi dito para fazê-lo pelo Poderoso, como está
escrito. xii. 8]: "boca a boca falo com ele." Isso significa que, boca a boca, eu
disse a ele para se separar de uma mulher. Segundo outros, é da seguinte
passagem: Está escrito [Deut. v. 27]: "Vá dizer-lhes, volte para suas tendas"; e
imediatamente após [ibid., ibid. v. 28]: "Mas quanto a ti, fica aqui por
mim." Por isso ele voltou e se separou. Este foi exatamente o significado desta
passagem.

O a fortiori no caso do Tabernáculo era assim: Ele disse: Quanto ao meu


irmão Arão, que é ungido com o óleo da unção, e vestido em vestes sagradas
para o serviço, o Santo, bendito seja Ele, em relação a ele disse [ Lev. xvi. 2]:
"Fala a Arão, teu irmão, para que ele não venha em todo momento para o
lugar santo". Agora eu que não sou escolhido para tal serviço, como não sou
sacerdote, quanto mais razão há para eu deixar o Tabernáculo? Ele fez isso e
estava de acordo com a vontade do Onipotente.

O a fortiori no caso das mesas era assim: Diz-se quando Moisés subiu ao alto
para receber as mesas [que foram escritas e preservadas desde a criação do
mundo, como está escrito [Ex. xxxii. 16]: "E as mesas eram obra de Deus, e a
escrita era a escrita de Deus, gravada sobre as mesas", não se lê "Charute"
(gravada), mas Cheiruth (grátis), para todo aquele que está estudando a lei é
um homem livre].
p. 15

Os anjos conspiraram contra Moisés, dizendo: "Senhor do


[parágrafo continua]

Universo, o que é o mortal, que você lembra dele?" etc [Ps. viii. 5-
9]. Murmuraram contra Moisés e disseram: Qual é a distinção de um nascido
de mulher, que ele deveria entrar no conselho no alto? Como está escrito
[Ps. 1xviii. 19]: "Tu subiste ao alto, conduzi cativos, recebes presentes". Ele,
no entanto, pegou as mesas e desceu com grande regozijo. Quando ele viu a
contaminação com a qual eles se mantiveram adorando o bezerro de ouro, ele
disse: Se eu lhes der as mesas, eu lhes imponho uma responsabilidade que
poderia resultar em pena de morte pelo poder divino, pois nas mesas está
escrito : "Não terás outros deuses diante de mim" [Ex. xx. 3]. Ele começou a
voltar, mas os setenta anciãos o viram e correram atrás dele, e agarrou as
mesas de um lado, a outra extremidade ainda na mão de Moisés, e ele
dominou a todos, como está escrito [Deut. xxxiv. 12]: "E a respeito de toda
aquela mão poderosa e de todas as grandes e maravilhosas ações que Moisés
mostrou diante dos olhos de todo o Israel". Ele olhou para as mesas e viu que
elas estavam sem escrever sobre elas. Ele então disse: Como eu daria a Israel
as mesas, agora que elas não têm valor? Eu prefiro quebrá-los. Como está
escrito [Deut. ix. 17]: "E peguei nas duas mesas, e as lancei das minhas duas
mãos, e as quebrei." Disse José Jose, o Galileu: vou explicar isso com uma
parábola. Um rei disse ao seu embaixador: "Vai, noiva de mim uma donzela
que é bonita, casta e de maneiras agradáveis". O embaixador foi e prometeu
isso para ele. Logo ele descobriu que ela agia como a prostituta. O
embaixador estava em uma situação difícil. "O que deve ser feito? Se eu lhe
conceder o contrato de casamento agora, posso sujeitá-la à pena capital. Não",
disse ele, "vou romper o contrato de casamento e, assim, libertá-la do meu
amo e salvá-la." Então Moisés, o justo, disse, como afirmado acima: "Antes,
vou apoderar-me deles e quebrá-los (as mesas) e salvar os israelitas,
permitindo-lhes, caso sejam acusados de idolatria, dizer: 'Onde estão as
mesas? não existe nada. '"

R. Jehudah b. Batyra disse: Moisés não teria quebrado as mesas se não tivesse
sido dito pelo Poderoso para fazê-lo, como está escrito: "boca a boca falo com
ele"; isso significa que eu disse a ele para quebrar a mesa. Segundo outros,
esse pensamento é expresso na seguinte passagem [Deut. ix. 16]: "E olhei, e
eis que vós pecastes contra o Senhor." Ele não diria "olhei", a menos que visse
a escrita do
p. 16

mesas voando para longe. Professores anônimos encontram o mesmo na


seguinte passagem [Deut. x. 5]: "E eles permaneceram lá, como o Senhor me
ordenou." Ele não teria dito que foi ordenado, a menos que lhe dissessem para
quebrá-las. R. Elazar b. Azarias infere da seguinte passagem [ibid. xxxiv. 12]:
"Moisés mostrou diante dos olhos de todo o Israel"; ou, "Tudo o que Moisés
fez foi por ordem do Senhor", como em outros casos, Moisés agiu de acordo
com o mandamento de Deus. [R. Aqiba infere da seguinte passagem: "E eu
peguei as duas mesas". O que um homem pode pegar? Apenas o que ele pode
destruir ( iese ele não tivesse sido ordenado a fazê-lo, ele não poderia ter sido
capaz de destruir uma coisa dada por Deus). R. Meir infere da seguinte
passagem: "Que tu quebraste"; isso realmente significa "o que tu quebraste
justamente" (ver Sábado, pág. 165).]

Também Ezequias, rei de Judá, fez quatro coisas por sua própria vontade, que
estavam de acordo com a vontade do Senhor (ver Pesachim, p. 99 em
Mishna): "Ezequias prosperou em todas as suas obras" [II Cron. xxxii. 30].

Qual é a salvaguarda que Jó fez com suas palavras? (Vamos ver), está escrito
[Jó i. 1]: "E este homem era perfeito e reto, temente a Deus e evitando o
mal." Aprendemos com isso que o trabalho se manteve distante de tudo que
levou ao pecado, da abominação e do que é igual a ele. Pode ser perguntado
[se é assim, não são os termos "perfeito" e "direito" supérfluos? (as palavras
"temendo a Deus" e "evitando o mal", não são suficientes)? Inferir disto que o
termo "perfeito" significa que ele nasceu circuncidado. Adão o primeiro
homem também saiu circuncidado, como está escrito [Gen. Eu. 27]: "E Deus
criou o homem à sua imagem." Também Seth nasceu assim, como está escrito
[ibid. v. 3]: "E gerou um filho à sua semelhança, segundo a sua imagem." Noé
também nasceu circuncidado como [ibid. vi. 9] o termo "perfeito" foi usado
em referência a Noé. Shem também nasceu assim, como está escrito
[ibid. xiv. 19]: "E Malkizedek, rei de Salem". 1 Jacó, o patriarca, também
nasceu assim, como a denominação "perfeita" também foi aplicada a ele
[ibid. xxv. 27]. E José também nasceu assim, como está escrito
[ibidem. xxxvii. 2]: "Estas são as gerações de Jacó: José". Deveria ser a
geração de Jacó: Rúben (como ele era o primogênito).
p. 17

Por que é José? Inferir disto, que como Jacob nasceu circuncidado,
[parágrafo continua]

também foi Joseph. E Moisés nasceu circuncidado, como está escrito. ii. 2]:
"E quando ela o viu, ele era uma criança boa." Que bem sua mãe podia ver
nele? Ele era então mais bonito que toda a humanidade? Diga, então, ele
nasceu circuncidado. Também Balaão, o ímpio, nasceu circuncidado, como
está escrito: xxiv. 4]: "Assim diz o que ouve as palavras de Deus". (De acordo
com a tradição dos talmudistas, aquele que não é circuncidado não podia ouvir
as palavras de Deus, e como Balaão era um gentio, e não circuncidado por
seus pais, e ainda assim ele ouviu as palavras de Deus, conseqüentemente ele
deve ter sido Nascido circuncidado.) Samuel também nasceu assim, como ele
também é agraciado com a denominação boa[É sou. ii. 26]. David também
nasceu assim, tradicionalmente, como (o apoio do Ps. Xvi. 1 não implica
nada). Também Jeremias nasceu circuncidado, como está escrito [Jer. Eu. 5]:
"Antes eu ainda te havia formado no corpo de tua mãe Eu te conheci, e antes
que saísse ainda do útero eu te santifiquei ." Também Zerubabel nasceu assim,
como está escrito [Ageu, ii. 23]: "Naquele dia, diz o Senhor dos exércitos, eu
te tomarei , ó Zerobabel, filho de Sealtiel, meu servo ."] E ele (Jó) disse [Jó
xxxi. 1]: "Um pacto que fiz com os meus olhos: como então eu deveria fixar a
minha aparência em uma virgem?" Inferir com isso que o trabalho era tão
escrupuloso consigo mesmo que ele nem sequer olhou para uma virgem. Isso
deve ser feito a fortioriconclusão - ou seja, se uma virgem com quem ele
poderia se casar, ou a seu filho, irmão ou parentes não fosse olhada por ele
porque ele era tão rigoroso consigo mesmo, tanto mais ele se absteve de olhar
para uma mulher casada. . Mas qual foi a razão pela qual Jó era tão rigoroso
consigo mesmo quanto a olhar para uma virgem? Porque ele pensou, se eu
olhar para ela hoje (e como ela) e amanhã ela se casar com outra pessoa, eu
vou ter visto (e gostado) uma mulher casada.

Que salvaguarda os profetas fizeram para suas palavras? Está escrito


[Is. xlii. 13]: "O Senhor, como um poderoso, ele irá adiante, como um homem
de guerra, ele irá despertar sua vingança: ele irá gritar, sim, levantar o grito de
guerra." É então o Senhor como um poderoso? Ele não é mais forte do que
todos os poderosos do mundo juntos? O mesmo está em Amós [iii. 8]: "O leão
rugiu, quem não temerá ?, disse o Senhor Eterno, quem não profetizará?" É
então a voz do Senhor igual a um leão - não é como de todos os leões do
mundo inteiro
p. 18

juntos? O mesmo significado é transmitido pela seguinte passagem


[Ezek. xliii. 2]: "Eis que a glória do Deus de Israel veio do caminho do
oriente; e a sua voz era como o ruído de muitas águas; e a terra dava luz à sua
glória." (Agora vamos ver. Sabemos de uma tradição que as palavras) "como
um barulho de muitas águas" significam o anjo Gabriel; e por "a terra deu
luz", etc., significa a aparição da Shekhina. Não está aqui uma conclusão a
mais a fortiori ? Gabriel, que é apenas um dos milhares de milhões de servos
que ministram diante do Senhor, se o seuVoz alcançada de um fim do mundo
para o outro, tanto mais do que o Rei dos reis, o Santo, abençoado seja Ele,
que criou o universo, que criou o mais alto e o mais baixo; mas a razão pela
qual os profetas falam assim é que somente tais coisas são mencionadas que o
olho de um ser humano pode ver, e somente tais coisas são escritas que o
carro de um ser humano pode ouvir.

Qual foi a salvaguarda que os Hagiografistas fizeram para suas palavras? Está
escrito [Prov. v. 8]: "Retire-se do seu caminho e não se aproxime da porta de
sua casa". "Remover longe do seu caminho" significa heresia contra a qual um
é avisado. Para que ninguém diga, eu tenho confiança em mim mesmo e tenho
certeza de que isso não me influenciaria, pois está escrito [Sl. ii. 19]: "Todos
os que vêm para ela não retornam novamente, e eles não alcançarão os
caminhos da vida." [Está escrito [ibid. ix. 2]: "Ela matou o gado dela, ela
misturou o vinho dela; ela também pôs em ordem sua mesa." Isso se refere ao:
perverso. Quando alguém se vai com eles, dão-lhe comida e bebida, vestem-se
e cobrem-no e dão-lhe muito dinheiro; mas assim que ele se torna um
deles, cada um reconhece o que lhe pertence e tira dele. Concernente a eles
está escrito [ibid. vii. 23]: "Até que uma flecha se apareça em seu fígado,
como uma ave apressa-se no laço, e não sabe que isto é feito para tirar sua
vida."]

Outra explicação para a passagem acima é a seguinte: "Afasta-te do teu


caminho" refere-se a uma prostituta. Quando alguém é avisado a não ir neste
mercado, e não entrar nesse beco, como há uma prostituta célebre e muito
falada, e ele diz, eu tenho confiança em mim mesmo, embora eu vá lá, eu não
seria seduzido por ela; no entanto, eles devem dizer-lhe: Não vá, pois afinal de
contas você pode ser seduzido por ela. Os nossos sábios não disseram: "Um
homem não terá o hábito de passar pela porta de uma prostituta, porque está
escrito [ibid. Vii. 26]:" Para muitos mortais
p. 19

ferida ela fez cair: sim, muito numerosos são todos aqueles mortos por ela ""?

Qual é a salvaguarda que os sábios fizeram para suas palavras? por exemplo ,
a leitura de Shema (ver Berachoth), e assim também os últimos sábios
salvaguardaram suas palavras; e multiplicaram discípulos que fizeram a
mesma coisa. Quanto a isso, no entanto, as escolas de Shammai e Hillel
diferem. A Escola de Shamai sustenta que a pessoa deve ensinar somente
aqueles que são sábios, modestos, ricos e vêm de uma boa família; a Escola de
Hilel, no entanto, sustenta que cada um pode ensinar, como havia muitos
transgressores em Israel, e depois que eles se tornaram retos, piedosos e
justos, engajados no estudo da Lei, eles tiveram a boa sorte que Deles
descendem homens de retidão, piedade e justiça.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan.

1 R. Aqiba disse: "Quem pega uma moeda do fundo destinado à caridade para
os pobres quando não precisa dela, não morre antes de realmente precisar de
ajuda." 2Ele costumava dizer: Um que enfaixa os olhos ou os ombros, e diz:
"Dê caridade aos cegos ou ao leproso", no final falará a verdade - isto é, ele
será assim. Ele também disse: Aquele que joga seu pão no chão, ou espalha
seu dinheiro em sua ira, não morrerá antes que ele realmente precise de
ajuda. Ele disse novamente: Um que rasga suas vestes ou quebra seus vasos
em sua ira, eventualmente adorará ídolos, pois este é o caminho dos maus
pensamentos: hoje eles o incitam a rasgar suas vestes, e amanhã eles
aconselharão ele para adorar ídolos. E novamente: Alguém que deseje que sua
esposa morra para herdar sua propriedade, ou se casar com sua irmã, ou
alguém que esteja desejoso de que seu irmão morra para se casar com sua
esposa, no final será enterrado por eles. . Quanto a isso, está escrito
[Eccl. x. 8]:

(Aqui segue uma repetição de um Mishna em Baba Kama, que, de acordo com
o nosso método, omitimos.)
p. 20

R. Dostai b. Janai disse: Embora tu tenhas escolhido e semeado no


[parágrafo continua]

primeiro trimestre, semeias também no segundo: talvez um granizo possa


destruir o primeiro, mas o segundo será preservado; porque não sabes qual
delas terá êxito, se isto ou aquilo, ou ambos, podem ser preservados, e ambos
serão igualmente bons, como está escrito [Ecl. XI. 6]: "De manhã semeia a tua
semente e à tarde não descanse a tua mão." E mesmo que você tenha semeado
no primeiro e segundo quartos, não deixe de fazê-lo também no terceiro, pois
pode acontecer que uma explosão possa destruir o primeiro, mas este último
será preservado, como é dito na passagem apenas mencionado.

R. Ismael b. R. Jose disse: A passagem acima se refere ao estudo, assim:


Estude a Lei em sua velhice, mesmo que você tenha estudado isso em sua
juventude. Não diga: "Não quero estudar quando estiver com idade"; mas
estuda-o sempre, porque não sabes qual terá êxito. Se você estudou a Lei em
anos de abundância, não conte para os anos de fome. O estudo em tempos de
facilidade não conta para aqueles de aflição, porque uma coisa feita em aflição
é melhor que cem em facilidade, como está escrito [ibid.]: "De manhã semeia
tua semente, e à tarde deixa não descansa a tua mão. " R. Aqiba também disse
o mesmo.

R. Meir disse: Quando você estudou com um mestre, diga não: "É o
suficiente", mas vá estudar sob outro; contudo não vá a todos eles, mas
somente àqueles que estavam próximos da Lei desde o começo (significando
um erudito de uma casa erudita), como está escrito. v. 15]: "Beba a água da
tua própria cisterna e da água do teu poço".

É um dever estudar sob três mestres, como R. Eliezer, R. Joshua e R. Aqiba,


como está escrito [Ps. viii. 34]: "Feliz é o homem que me dá ouvidos,
esperando dia a dia em meus portões, esperando nos postes das minhas
portas." 1 Porque não sabes qual dos ensinamentos de teu senhor permanecerá
contigo, ou talvez tudo seja bom, como se pode aprender na passagem acima
mencionada.

R. Joshua disse: "A mesma passagem se aplica também a isto: Casar com uma
mulher em sua juventude; casar com alguém também (se necessário) quando
você estiver velho; gerar filhos em sua juventude e fazê-lo também em sua
velhice. não diga, não vou casar de novo como tenho filhos, mas casar e gerar
mais filhos, como você não sabe qual deles será o bem ".
p. 21

Ele também costumava dizer: "Se deres uma moeda a um homem pobre pela
manhã e outro te pedir à tarde, dá-lhe também, como não sabes se ambos
serão beneficiados por tua doação, e se ambos são igualmente merecedores,
como está escrito: "De manhã semeia a tua semente." 1

Aconteceu que um homem piedoso que costumava gastar muito em caridade,


enquanto a bordo de um navio encontrou uma grande tempestade, e o navio
afundou. R. Aqiba viu-o cair e veio testemunhar perante a corte para que sua
esposa se casasse novamente. Antes de o tribunal ser suspenso, o homem
chegou e parou diante deles. Disse R. Aqiba para ele: "Você não afundou no
mar?" Ele respondeu: "Sim". "E quem te tirou do mar?" R. Aqiba perguntou
novamente. Ele respondeu: "As instituições de caridade que eu dei me
salvaram do mar." "De onde você sabe disso?" Ele disse: "Quando eu desci no
fundo, ouvi o barulho das ondas. Pareceu-me que eles disseram um ao outro:
Este homem fez caridade todos os seus dias (e eles realmente me jogaram em
terra)." R. Aqiba então se levantou e disse: Bendito seja o Senhor, o Deus de
Israel, que escolheu as palavras da Torá e as palavras dos sábios, pois elas são
preservadas eternamente. Como está escrito [Eccl. XI. 1]: "Lança o teu pão
sobre a face das águas; porque depois de muitos dias o encontrarás
novamente". Está escrito de novo [Prov. x. 2]: "E a caridade livrará da morte".

Aconteceu que para Benjamin, o justo, que era o tesoureiro das instituições de
caridade, veio uma mulher e pediu comida. Ele disse: "Eu lhe asseguro que o
tesouro está vazio". Ela disse: "Rabino, se você não me ajudar, matará uma
viúva e seus sete filhos." Ele então os alimentou às suas próprias custas. Anos
depois Benjamim, o justo, adoeceu, e sofreu muito em seu leito de enfermo,
disse os anjos diante do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo, Tu
disseste: Aquele que preserva uma alma de Israel é considerado Escritura)
como se ele preservasse um mundo inteiro. Benjamin, o justo, que preservou
uma viúva e sete filhos, (tem direito) muito mais a tal consideração, ainda
assim ele está ansiando no sofá. de uma doença dolorosa. "Eles imploraram a
misericórdia de Deus em seu favor, e seu decreto foi anulado,
p. 22

Mishna B . Simeão, o justo, era um dos remanescentes da Grande


Assembléia. Seu lema era: "A ordem do mundo repousa sobre três coisas: na
lei, na adoração e na outorga de favores".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan.

1 " Sobre a Torá"Como assim? Está escrito [Oséias, vi. 6]: Por piedade eu
desejei, e não sacrifício; e o conhecimento de Deus mais do que
holocaustos". Inferir disto que o holocausto é mais favorecido do que os
sacrifícios comuns, porque é tudo queimado no fogo, como está
escrito. Eu. 9]: "E o sacerdote queimará o todo sobre o altar", e em outros
lugares [I Sam. vii. 9]: "E Samuel pegou o cordeiro e ofereceu-o por um
holocausto inteiro ao Senhor." Contudo, o estudo da Lei é mais aceitável aos
olhos do Senhor do que os holocaustos, porque aquele que está estudando a
Torá conhece a vontade do Senhor, como está escrito [Prov. ii. 5]: "Então tu
compreenderás o temor do Senhor, e o conhecimento de Deus que
encontrarás."

Dois estudiosos estudando juntos, quando uma noiva ou um esquife


carregando um cadáver passar diante deles, devem observar a seguinte regra:
Se a noiva tem tudo o que precisa para sentir que é assim, e se os mortos têm
tudo o que é necessário para um enterro decente , os estudantes não devem se
interromper; mas se esse não for o caso, deixe-os suspender o estudo e vá para
aumentar a alegria da noiva e honrar os mortos. [Aconteceu que uma
procissão de casamento passou enquanto R. Tarphon estava estudando com
seus discípulos, e ele ordenou que a noiva fosse levada para sua casa, e ele
disse a sua mãe e sua esposa para lavá-la, ungir e ornamentá-la, e dançar para
ela até ela chegar ao noivo. Segundo Elias Wilna.]

Aconteceu também que, enquanto R. Judah b. Ilai estava ensinando seus


discípulos, uma procissão de casamento, que não tinha seguidores suficientes,
passou, e ele com seus discípulos participaram da procissão até a noiva passar.

Aconteceu novamente que, enquanto o mesmo estava empenhado em ensinar


seus discípulos, um grupo de noivas passou. Ele perguntou: "O que é
p. 23

isso e eles responderam: "Uma festa nupcial". Ele então disse: "Meus filhos,
levante-se, mostrem seu interesse pela noiva". Assim, descobrimos que o
Santo, bendito seja Ele, concedeu Seu favor a uma noiva, como está escrito
[Gen. ii. 22]: "E o Senhor Deus formoua costela." E nas cidades junto ao mar
uma noiva é chamada Beniatha ", o formado um. "Se Ele fez isso, quanto
mais razão há para nós fazermos? Inferir disto que o Senhor formou Eva e a
ornamentou como uma noiva, e a trouxe a Adão, como está escrito." : "E a
trouxe a Adão". Só uma vez o Senhor se tornou um mediador de Adão, daí o
homem deve adquirir um mediador para si, como está escrito [ibid., Ibid. 23]:
"osso dos meus ossos e carne da minha carne. "Uma vez apenas Eva foi
formada por Adão; daí em diante o homem promete a filha de seu semelhante.

" Em serviço"Como assim? Enquanto existiu o serviço do Templo, o mundo


foi abençoado por causa de seus habitantes, e a chuva caiu no devido tempo,
como está escrito [Deuteronômio 13,14]:" Eu amo o Senhor seu Deus e o
sirvo. . . que eu mandarei chuva para a sua terra no devido tempo. "Mas
quando o serviço do Templo cessou, os habitantes não foram abençoados, e a
chuva não desceu no devido tempo, como está escrito [ibid., ibid. ]: "Tome
cuidado para que seu coração não seja enganado. . . e ele calará os céus para
que não chova ". Também Ageu disse [ii. 15, 16]:" Dirija, peço-lhe, seu
coração deste dia e para cima, antes do tempo em que uma pedra foi colocada
sobre um pedra no templo do Senhor: desde aqueles dias, quando chegamos a
um monte de feixes de vinte (em número), e havia apenas dez; quando ele
chegou ao lagar para tirar cinquenta medidas do tanque, e havia apenas vinte.
"[Por que não foi dito do lagar também" vinte, e havia apenas dez ", o mesmo
que do trigo? Porque o lagar é um sinal melhor do que o trigo. Há uma
tradição que quando a videira é estragada é um mau sinal para o ano corrente.]

Disse aos Israelitas antes do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo, por
que fizeste assim a nós?" O Espírito Santo respondeu: "Procurastes muito, e
eis que veio a ser pequeno, (…) por causa da minha casa que está em ruínas,
enquanto cada um corria para a sua casa" [Ageu, i. 9]. "Se vos empregardes
com o serviço do Templo, eu os abençoarei como antes", como está
escrito. ii. 18, 19]: "Direto, eu rezo, seu coração ... dos quatro e
p. 24

vigésimo dia do nono mês, desde o dia em que a fundação do templo do


Senhor foi colocada. . . . A semente ainda está no celeiro? Ainda assim o
vinho, a figueira, a romeira e a oliveira não produziram; (mas) a partir deste
dia eu te abençoarei. "Inferir disto que não há serviço que é favorecido pelo
Senhor mais do que o serviço do Templo.

" Após a outorga de favores ." Como assim? Está escrito [Oséias, vi. 6]: "Por
bondade eu desejei, e não sacrifício". Além disso, no princípio o mundo foi
criado com bondade, como está escrito [Ps. lxxxix. 3]: "Para a eternidade a
bondade será edificada ( por exemplo , o mundo é edificado com bondade), os
céus - neles, tu estabelecerás tua fidelidade."

R. Johanan b. Zakkai uma vez saiu de Jerusalém, seguido por R. Joshua, e


vendo o Templo destruído, R. Joshua disse: "Ai de nós, que isto é destruído, o
único lugar onde os pecados dos israelitas foram expiados!" R. Johanan o
corrigiu, dizendo: "Meu filho, não sofra com isso. Temos outros meios de
expiação como eficazes - a saber, conceder favores, como está escrito [Oséias,
vi. 6]:" Por bondade eu desejado, e não sacrifício. ' Como encontramos com
Daniel, que estava ocupado em fazer o bem. E que bem fez ele? Ele
certamente não sacrificou holocaustos e ofertas voluntárias, como estava na
Babilônia, e no que diz respeito ao lugar do sacrifício, está escrito [Deut. Xii.
13, 14]: 'Tem cuidado de não oferecer o teu holocausto em todo lugar que
podes ver; mas no lugar que o Senhor escolher numa das tuas tribos,
oferecerás os teus holocaustos. Que bem, então, ele fez? Ele se alegrou com as
pessoas em sua alegria, ele chorou com eles em sua tristeza, ele ajudou e
aplaudiu noivas pobres, ele honrou os mortos, seguindo-os até o último local
de descanso, ele deu ajuda material aos necessitados, e orou três vezes a cada
dia, e suas orações foram recebidas com benevolência, como está escrito
[Dan. vi. 11]: 'E três vezes por dia ele se ajoelhou e orou, e ofereceu graças
diante de seu Deus' etc. " ele deu ajuda material aos necessitados, e orou três
vezes por dia, e suas orações foram recebidas com benevolência, como está
escrito [Dan. vi. 11]: 'E três vezes por dia ele se ajoelhou e orou, e ofereceu
graças diante de seu Deus' etc. " ele deu ajuda material aos necessitados, e
orou três vezes por dia, e suas orações foram recebidas com benevolência,
como está escrito [Dan. vi. 11]: 'E três vezes por dia ele se ajoelhou e orou, e
ofereceu graças diante de seu Deus' etc. "

Quando Vespasiano veio para destruir Jerusalém, ele disse aos habitantes:
"Tolos, por que procurais destruir esta cidade e queimar o Templo? Tudo o
que quero de você é enviar-me um arco ou uma flecha - isto é , reconhecer
meu domínio sobre você, eu te deixarei em paz ". Eles, no entanto, disseram:
"assim como matamos os dois que vieram antes de ti, assim será
contigo". Quando R. Johanan b. Zakkai ouviu isso, ele convidou os líderes de
p. 25

Jerusalém a uma conferência, e disse-lhes: "Meus filhos, por que


[parágrafo continua]

você deve causar a destruição da cidade e insistir sobre ela, como se fosse, que
o Templo ser queimado? Tudo o que o inimigo quer é que você envie a ele um
arco ou uma flecha, e está disposto nessa condição a partir. " Mas eles
responderam-lhe da maneira como responderam a Vespasiano. Este último
tinha espiões dentro das muralhas de Jerusalém e, o que quer que ouvissem,
escreviam sobre uma flecha e atiravam-na do lado de fora do muro. Dessa
maneira, Vespasiano aprendeu que R. Johanan b. Zakkai era amigo de César
(e assim ele realmente era, e confessou francamente aos líderes de
Jerusalém). Quando R. Johanan b. Zakkai viu que seus esforços durante vários
dias consecutivos para ganhar os líderes pela paz se mostraram inúteis, pois os
líderes não o ouviram, ele enviou para seus discípulos, R. Eliezer e R.
Joshua, e disse: "Meus filhos, tentem me tirar daqui. Faça-me um caixão e eu
vou dormir nele". Eles o fizeram, e R. Eliezer segurou o caixão por um lado, e
R. Joshua o segurou pelo outro, e assim o levou ao pôr do sol até os portões de
Jerusalém. Quando os porteiros perguntaram quem eles tinham lá, eles
responderam: "Um cadáver; e você sabe que um cadáver não pode permanecer
em Jerusalém durante a noite". Eles foram autorizados a ir, e eles o levaram
até chegarem a Vespasiano. Lá eles abriram o caixão, e ele se levantou e
apresentou-se a Vespasiano, que disse: "Como tu és o Rabban Johanan b.
Zakkai, eu te dou o privilégio de pedir um favor de mim." Ele respondeu: "Eu
não peço nada a não ser que a cidade de Jamnia esteja livre para eu instruir
meus discípulos lá. Eu construirei lá uma casa de oração, e cumprirá todos os
mandamentos do Senhor. "Então Vespasiano disse:" Está tudo bem. Tu
poderás ir para lá, e sem perturbação realizar o objeto do teu desejo. "R.
Johanan b Zakkai então pediu permissão para dizer algo a Vespasiano. Tendo
isto sido concedido, ele disse:" Eu posso garantir que você se tornará um rei.
"" Como você sabe disso? "Ele respondeu:" Temos a tradição de que o
Templo não será entregue a um homem comum (em nome do rei), mas ao
próprio rei. "Como está escrito [ É. X. 34]: "E ele cortará os bosques da
floresta com ferro, eo Líbano cairá por meio de um poderoso." Zakkai então
pediu permissão para dizer algo a Vespasiano. Isto tendo sido concedido, ele
disse: "Posso assegurar-lhe que você se tornará um rei". "Como você sabe
disso?" Ele respondeu: "Temos a tradição de que o Templo não será entregue
a um homem comum (em nome do rei), mas ao próprio rei". Como está
escrito [Is. x. 34]: "E ele cortará os bosques da floresta com ferro, e o Líbano
cairá por meio de um poderoso". Zakkai então pediu permissão para dizer algo
a Vespasiano. Isto tendo sido concedido, ele disse: "Posso assegurar-lhe que
você se tornará um rei". "Como você sabe disso?" Ele respondeu: "Temos a
tradição de que o Templo não será entregue a um homem comum (em nome
do rei), mas ao próprio rei". Como está escrito [Is. x. 34]: "E ele cortará os
bosques da floresta com ferro, e o Líbano cairá por meio de um
poderoso". 1 Foi dito que poucos dias se passaram quando um mensageiro
veio da cidade de Roma com a notícia de que César estava morto, e foi
adotada a resolução de que Vespasiano seria seu sucessor.
p. 26

Na época em que Jerusalém foi tomada, R. Johanan b. Zakkai, com um


coração trêmulo, estava sentado e observando como Eli fez, como está escrito
[I Sam. iv, 13]: "Eis que Eli estava sentado em uma cadeira à beira do
caminho, observando; porque seu coração estava ansioso pela arca de
Deus". Quando ele ouviu que Jerusalém foi destruída e o Templo queimou,
ele e seus discípulos rasgaram suas vestes, choraram, choraram, lamentaram e
disseram: "Abre as tuas portas, ó Líbano!" [Zech. XI. 1] - isto é, o templo; "e
o fogo comerá dos teus cedros" - isto é, os sacerdotes do Templo, que
pegaram as chaves e as jogaram para o alto e disseram, diante do Santo,
bendito seja Ele: "Senhor do Universo, aqui estão as chaves nas quais nos
confiaram, já que não éramos tesoureiros fiéis e não somos mais dignos de
fazer a obra do rei e comer à sua mesa. "

Abraão, Isaque e Jacó e as doze tribos todos choraram, choraram, lamentaram


e disseram [ibidem. 2, 3]: "Lamento, o abeto, para o caído é o cedro; os que
eram poderosos são despojados", etc. "Lamento, o abeto, pois caído é o cedro"
- isto é, o Templo; "aqueles que eram poderosos são despojados", aplica-se a
Abraão, Isaque, Jacó e seus doze filhos. "Lamentai, ó carvalhos de Basã" -
isto é, Moisés, Arão e Miriã; "porque a floresta impermeável é derrubada" -
isto é, o Santo dos Santos; "o estrondo do clamor dos pastores, porque a sua
glória é desperdiçada" - isto é, Davi e Salomão, seu filho; "o ruído do rugido
dos jovens leões, pois é desperdiçado o orgulho do Jordão" - isto é, Elias e
Eliseu.

Em três coisas tem o Santo, abençoado seja ele, feito a humanidade diferir um
do outro: na voz, comportamento e características. "Na voz": com que
propósito ?, O Santo, bendito seja Ele, variou as vozes da humanidade umas
das outras, para evitar que as gerações adultas; porque, se assim não fosse,
quando um homem deixasse a sua casa, alguém poderia entrar (à noite) e
violentar sua esposa; mas como as vozes são diferentes, ela podia reconhecer
o do marido.

"Comportamento": com que finalidade? O Santo, bendito seja Ele, variou o


comportamento da humanidade uns dos outros, para evitar o ciúme; se assim
não fosse, a humanidade ficaria com ciúmes um do outro; portanto, o
comportamento de um é diferente do de outro. "Nos recursos": com que
finalidade? O Santo, bendito seja Ele, tem variado as características da
humanidade que as mulheres podem reconhecer seus maridos, e os homens
suas esposas, caso contrário, tudo seria confundido.
p. 27

Mishna C . Antígono de Socho, que o recebeu de Simeão, o justo, tinha o


hábito de dizer: "Não sejam como escravos que servem ao seu senhor por
causa da compensação; sejam como servos como trabalho para seu senhor
sem recompensa; e que o temor do céu esteja sobre você ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " O temor de Deus estará sobre você, para que sua recompensa seja dupla
no mundo vindouro"Antígono de Socho tinha dois discípulos, que estavam
estudando suas palavras. Eles os comunicaram aos seus discípulos, e eles, por
sua vez, aos deles, que procuravam a razão que levou o sábio a fazer tal
expressão." Portanto, "eles perguntaram, "nossos ancestrais disseram tal
coisa? É possível que um trabalhador trabalhe o dia todo, e não espere ser
recompensado à noite? "E se eles soubessem que há um futuro, e que haverá
uma ressurreição? Eles não teriam se expressado nesse caso". O resultado foi
que esses discípulos se desviaram do caminho da Torá e formaram duas novas
escolas com tendências exclusivamente mundanas, a dos saduceus e a dos
baituseus: os saduceus - porque o nome do fundador dos seus a escola era
Zadoque; e Buseus - porque o nome do fundador da escola deles era
Baitus. Eles se cercaram de pompa e o brilho de metais reluzentes, ouro e
prata, não tanto pelo prazer e prazer que eles derivavam daquelas coisas como
a despeito dos fariseus, que se privavam de prazer aqui, a fim de herdar o
mundo para vem, que na sua opinião foi uma mera ilusão.

MISHNA D. Jose b. Joezer de Zereda e Jose b. Joanã de Jerusalém recebeu


deles. Jose b. Joezer costumava dizer: "Que a tua casa seja o ponto de
encontro dos sábios; sente-se contente a seus pés e beba em suas palavras com
avidez".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2 " Tua casa será o local de encontro para os sábios ." O que isto
significa? Que a casa deve ser para o uso de
p. 28

estudiosos, seus discípulos e seus discípulos, no sentido de que um homem diz


ao outro: "Eu vou esperar por você naquele lugar." Outra explicação dessa
frase é esta: Se um erudito vier a ti com o propósito de ser instruído por ti, e tu
és capaz de cumprir com o seu desejo, faça-o; se tu não fores capaz de ensiná-
lo, despede-o imediatamente. Nem se sentará diante de ti na cama, na cadeira
ou no banco, mas no chão; e toda a palavra que dizeis receberá com
admiração, terror, medo e tremor.

" Sente-se alegremente a seus pés ." Isso significa que quando um renomado
estudioso vier à cidade, você não dirá: "Eu não preciso dele", mas vá até ele; e
não se sente diante dele na cama, na cadeira ou no banco, mas sim no chão; e
cada palavra que vem de seus lábios, recebe com admiração, terror, medo e
tremor, pois assim nossos ancestrais receberam a Torá do Monte Sinai. De
acordo com outra explicação, as palavras: "Sente-se alegremente a seus pés",
referem-se ao rabino Eliezer, e as palavras: "Beba suas palavras enquanto um
homem sedento bebe água" são encaminhadas ao rabino Aqiba.

Como R. Aqiba começou sua carreira maravilhosa? (Não foi da maneira


sugerida nas palavras acima?) Foi dito que quando ele tinha quarenta anos de
idade, ele não havia aprendido nada ainda. (Naquela idade, entretanto, ele
concebeu a ideia de se dedicar ao estudo.) Certa vez aconteceu que, parado em
um poço, ele perguntou: "Quem fez essa cavidade na pedra?" As pessoas a
quem ele perguntou responderam: "A água que continuamente, dia após dia,
cai sobre ela". Eles também disseram (por meio de reprovação): "Ó Aqiba, é
estranho que você não saiba a passagem na Escritura que diz: 'A água
consome pedras'", [Jó, xiv. 19]. Aqiba então desenhou a fortioriconclusão. Ele
disse: "Se o mole tem tanto poder sobre o duro a ponto de aborrecê-lo (água
sobre pedra), quanto mais poder a Torá, cujas palavras são tão duras quanto o
ferro, têm sobre meu coração, que é carne? e sangue? Ele imediatamente se
voltou para o estudo da lei. Ele e o filho 1 foi para uma escola onde as
crianças foram instruídas, e dirigiu um dos professores: "Mestre, ensina-me
Torah" Aqiba e seu filho seguraram a lousa, e o professor escreveu nela o
alfabeto, e ele rapidamente a aprendeu; e então escreveu na ordem inversa e
aprendeu tão rápido; então ele aprendeu o livro de Levítico, e procedeu de um
livro para o outro,
p. 29

até que ele terminou o estudo da Bíblia. Em seguida, sentou-se aos pés de R.
Eliezer e R. Joshua e disse: "Mestres, peço-lhe que me abra o principal
Mishnayoth subjacente". Assim que recitaram uma Halachá para ele, ele foi
embora; e, contemplando o que eles disseram, um novo campo de pensamento
estava aberto para ele. Ele viu que deve haver uma razão pela qual essa coisa
foi escrita aqui; por que essa coisa foi escrita lá, e por que isso foi dito e não
de outra forma, e por que foi dito. Ele voltou ao seu interrogatório de mestres
e os fez levantar e deliberar.

Rabi Simeon b. Elazar disse: Ilustrarei este ponto com a seguinte parábola:
Um cortador de pedras que estava fazendo seu trabalho nas montanhas foi
visto uma vez em pé sobre uma altura rochosa, derrubando pequenos pedaços
dele. "O que você está fazendo?" as pessoas perguntaram a ele. Sua resposta
foi: "Estou tentando arrancar esta montanha e jogá-la no Jordão". Eles riram
dele. Ele, no entanto, continuou seu trabalho; derrubou pedaço após pedaço, e
quando ele reduziu a montanha a uma pedra grande, ele plantou ele mesmo
contra isto, e empurrou e empurrou até que ele tinha desenraizado a pedra, e
então lançou isto no Jordan, dizendo: "Isto não é teu lugar, esse é. " Então R.
Aqiba também fez, com R. Eliezer e R. Joshua (ele os obrigou a melhorar e
retificar seu método).

Disse R. Tarphon para ele: Aqiba, para ti aplica a seguinte passagem [Jó,
xxviii. 11]: "Os vários excrementos de água ele une em correntes, e o que está
oculto ele traz à luz." Coisas que foram escondidas da humanidade, R. Aqiba
trouxe à luz.

Todos os dias, durante todo o tempo de aprendizado, ele costumava cortar um


fardo de palha, metade do qual ele vendia para suas necessidades e a outra
metade ele usava para a luz. Seus vizinhos murmuraram, dizendo: "Aqiba, tu
nos irrita muito com a fumaça; em vez de nos vender, comprar óleo com o
dinheiro e estudar com sua luz." Ele lhes respondeu: "O canudo me dá muitas
coisas: primeiro, me dá luz para estudar; em segundo lugar, eu me aqueço por
sua chama; e, em terceiro lugar, faço minha cama quando vou dormir."

No mundo futuro, R. Aqiba será uma ameaça para os pobres que


negligenciaram o estudo. 1Quando eles serão questionados porque
p. 30

eles não haviam estudado a Lei, e eles responderiam porque eram pobres e
tinham que trabalhar para um sustento, então R. Aqiba será apresentado a eles
como alguém que também era pobre e cansado, e ainda estudava; e se
disserem por causa de seus filhinhos, mais uma vez será apontado R. Aqiba a,
que teve muitos filhos e filhas, e ainda os apoiou e a sua esposa Raquel. Com
a idade de quarenta anos Rabi Aqiba começou seus estudos e, ao final de treze
anos, lecionou em público. Foi dito que ele não deixou este mundo até ter
mesas de ouro e prata, e também degraus dourados para subir à sua cama. Sua
esposa saiu com um ornamento de ouro que representava Jerusalém "em sua
cabeça, e quando seus discípulos lhe disseram: Rabino, tu nos puseste
vergonha pelo profuse jóias tua esposa está vestindo", ele respondeu: "

Não menos surpreendente é o início da carreira literária do rabino Eliezer. Ele


tinha vinte e dois anos quando, pela primeira vez, sentiu desejo de estudar; e
quando ele sugeriu a seu pai que sua intenção era sentar-se aos pés de R.
Johanan b. Zakkai, seu pai Hyrcanus disse a ele para arar um Maanah (um
pedaço de terra) sem comer nada. R. Eliezer acordou cedo de manhã e fez a
vontade de seu pai, mas depois o deixou. Diz-se que aquele dia foi sexta-feira
e que ele foi à noite ao seu sogro para comer. Outros dizem que ele não comeu
nada, que ele jejuou da sexta hora da véspera do Sábado até a sexta hora da
expiração do sábado. Na estrada, ele viu algo que lhe parecia comida - diz-se
que era estrume de vaca -, pegou-o e colocou-o na boca. Ele continuou sua
jornada e finalmente chegou ao lugar onde R. Johanan b. Zakkai tinha sua
residência e sua escola. R. Eliezer permaneceu durante a noite em uma
hospedaria no bairro. De manhã, sentou-se aos pés do grande sábio, e cuja
atenção ele atraiu pelo odor ofensivo que vinha de sua boca. R. Johanan,
atribuindo o mau cheiro a um estômago vazio, disse-lhe: "Comeu alguma
coisa hoje?" R. Eliezer não respondeu. Novamente o mestre colocou a mesma
pergunta para ele e novamente ficou em silêncio. Seu anfitrião foi enviado, de
quem o sábio perguntou se o rabino Eliezer tomava alguma comida em seu
lugar. "Não, ele não", disse o anfitrião. "Eu não lhe ofereci nenhuma comida,
pensando que ele poderia comer com o rabino." "E eu", disse o rabino, "não
lhe oferecia nenhum alimento, presumindo que ele tivesse comido em sua
casa.
p. 31

estamos conversando Eliezer está morrendo de fome. "(Comida foi dada a


Eliezer, e então) Rabino Joanã abençoou Eliezer, e disse a ele:" Como o teu
odor ofensivo é o resultado da privação por causa do estudo, pode o teu nome
brilhar com a glória da erudição. "

Hircano estava zangado com o filho pelo curso que havia tomado e decidira
desgraçá-lo e deserdá-lo. Mas chegou aos ouvidos de R. Johanan o que
Hyrcanus resolveu fazer. Foi o dia em que R. Johanan estava falando para os
grandes homens em Israel que Hyrcanus pretendia punir seu filho
desobediente. E o rabino designou vigias e aconselhou-os: "Se Hircano
chegar, não permita que ele entre no auditório." Eles tentaram executar suas
instruções. Mas Hyrcanus conseguiu se empurrar e alcançar os assentos de
Ben Zizith Ha Kesseth, Nakdimon b. Gurion e Calba Shebua, onde ele sentou-
se tremendo. Diz-se que naquela ocasião R. Johanan lançou olhares de afeição
em Eliezer e pediu-lhe para abrir uma discussão. Modestamente, R. Eliezer
tentou recusar a honra, dizendo que não sabia como começar. Mas o mestre e
seus discípulos prevaleceram, e Eliezer se levantou e discutiu as coisas de
maneira surpreendente, e todos os assuntos que ele tocou e elucidou
agradaram ao Rabino Johanan a tal ponto que ele se levantou e o beijou na
testa. Mas o rabino Eliezer comentou: "Mestre, tudo que eu disse eu aprendi
de ti". Antes do adiamento Hircano, o pai de Eliezer, levantou-se e disse:
"Mestres, eu vim aqui com a intenção de desgraçar meu filho Eliezer
deserdando-o; mas agora, no entanto (depois de ter visto isso), digo que todas
as minhas propriedades seja dado a ele, e seu irmão não terá nenhum deles. " e
todos os assuntos que ele abordou e elucidou agradaram ao Rabino Johanan a
tal ponto que ele se levantou e o beijou na testa. Mas o rabino Eliezer
comentou: "Mestre, tudo que eu disse eu aprendi de ti". Antes do adiamento
Hircano, o pai de Eliezer, levantou-se e disse: "Mestres, eu vim aqui com a
intenção de desgraçar meu filho Eliezer deserdando-o; mas agora, no entanto
(depois de ter visto isso), digo que todas as minhas propriedades seja dado a
ele, e seu irmão não terá nenhum deles. " e todos os assuntos que ele abordou
e elucidou agradaram ao Rabino Johanan a tal ponto que ele se levantou e o
beijou na testa. Mas o rabino Eliezer comentou: "Mestre, tudo que eu disse eu
aprendi de ti". Antes do adiamento Hircano, o pai de Eliezer, levantou-se e
disse: "Mestres, eu vim aqui com a intenção de desgraçar meu filho Eliezer
deserdando-o; mas agora, no entanto (depois de ter visto isso), digo que todas
as minhas propriedades seja dado a ele, e seu irmão não terá nenhum deles. "

(É mencionado que Hircano tomou seu assento por Zizith Ha Kesseth, etc., e é
explicado por que ele foi assim chamado; mas como não é completado aqui, a
explicação completa é dada em Trato Gittin.)

Concernente a Nakdimon b. Gurion, dizia-se que a cama de sua filha era do


valor de doze mil dinares de ouro da cidade de Tiro, e um dinar de ouro de
Tiro que ela costumava gastar para apimentar a culinária para toda
semana. Ela era uma viúva sem filhos e estava esperando que seu cunhado se
casasse com ela.

E por que ele foi chamado Nakdimon? Porque o sol se apressou por ele. (Ver
Vol. VIII. Da Seção Moed, Tratado Taanith, pp. 51, 52).
p. 32

Por que ele foi chamado Calba Shebua? Porque quem entrou, sua casa com
fome como um cão, saiu saciado. 1Quando Vespasiano veio para destruir
Jerusalém, os fanáticos zelosos iriam queimar toda a sua riqueza. Disse-lhes
ele: "Por que vocês estão destruindo esta cidade e vão queimar minha riqueza?
Espere até eu descobrir o que tenho em minha casa." Ele descobriu que tinha
comida por vinte e dois anos, dos quais pelo menos uma refeição por dia
poderia ser feita por cada habitante de Jerusalém. Ele imediatamente deu
ordens para debulhar, peneirar e moer, amassar e assar, e preparou comida
para vinte e dois anos para cada um em Jerusalém, mas eles não prestaram
atenção a ele. O que os habitantes de Jerusalém fizeram? Eles trouxeram as
carroças, as cortaram e as mancharam com barro. Eles também fizeram mais
do que isso: eles cozeram palha e comeram, e todos os israelitas que
participaram da guerra foram colocados nas muralhas da cidade. Disse um: Se
alguém me der cinco datas, Eu vou descer e trazer de volta cinco cabeças do
inimigo. Ele recebeu cinco datas, e ele desceu e levou cinco cabeças dos
homens de Vespasiano. Quando Vespasiano observou seu excremento e
descobriu que não havia nada de cereal nele, ele disse ao seu exército: "Se
aqueles que comem nada além de palha ainda massacrarem tantos de vocês, se
eles comerem e beberem como você, quantos mais vocês matariam eles?
Mishná E . Jose b. Joanã de Jerusalém tinha o hábito de dizer: "Que a tua casa
esteja tão aberta que os pobres possam entrar nela, como ali estavam os seus
internos; e não discuta demais com a mulher." Os sábios advertiram contra
falar demais com a própria esposa. Uma inferência pode então ser feita em
relação a conversar com a esposa de um vizinho. Por isso, o homem sábio
disse que o homem que fala demais com a mulher causa o mal a si mesmo, se
torna insensível às palavras da Tora e, no final, será um herdeiro da Geena ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2 "A tua casa deve estar bem aberta ". Isso significa que a casa de alguém
deve estar bem aberta ao sul, leste, oeste e norte, como era
p. 33

a casa de Jó, que tinha quatro entradas, para que os pobres não tivessem o
trabalho de andar pela casa procurando a entrada, mas a encontrassem de
qualquer maneira que viessem sem dificuldade.

" Como eram os presos lá " [literalmente: "Os pobres serão da tua casa"]. Não
significa que o povo da tua casa seja pobre, mas que os pobres falem do que
comeram e do que beberam na tua casa, como costumavam dizer, o que
comiam e bebiam na casa de Jó. E quando eles se encontraram na estrada e
perguntaram: "De onde você vem?" a resposta foi: "Da casa de Jó". "Onde
você está indo?" "Para a casa de Jó." A casa de Jó era em certa medida a casa
dos pobres.

Quando as grandes aflições chegaram ao trabalho, ele orou diante do Santo,


bendito seja Ele: "Senhor do Universo, não tenho alimentado os famintos e
não dei bebida aos sedentos?" como está escrito [Jó, xxxi. 17]: "Ou se alguma
vez comesse o meu pão sozinho e o órfão não o comesse". "E eu não vesti o
nu?" como está escrito [ibid., ibid. 20]: "E se não ter sido aquecido com o velo
de minhas ovelhas." (Não obstante, sou tão castigado.) O Santo, bendito seja
Ele, respondeu-lhe: trabalho, como ainda não alcançaste metade das exibições
de Abraão. Sente-se e espere em tua casa, e os viajantes entram. Aquele que
está acostumado com o pão de trigo recebe pão de trigo, aquele que está
acostumado a comer carne, aquele que está acostumado a beber vinho recebe
vinho. Não é assim Abraham. Ele tinha o hábito de sair de sua casa para caçar
viajantes, que ele trazia sob seu teto, e os entretinha de uma maneira melhor
do que eles estavam acostumados. Ele ofereceu pão de trigo, carne e vinho
para aqueles que em casa viviam com comida mais grossa. Além disso, ele
construiu barracas na estrada e forneceu-lhes refrescos, e aqueles que
entraram comeram e beberam, e abençoaram a Deus por isso. Ele era
favorecido pelo céu, e tudo o que o coração desejava e a boca pedia era para
ser encontrado na casa de Abraão, como está escrito [Gen. xxi. 33]: "E Abraão
plantou um ‫( אּשל‬pomar) em Beer-Sheba." (As letras da palavra ‫ אשל‬são as
iniciais das palavras ‫ לויה‬,‫ ּשתיה‬,‫אכילה‬, comendo, bebendo, e acompanhando.
Daí a declaração acima.) e entretinha-os de uma maneira melhor do que eles
estavam acostumados. Ele ofereceu pão de trigo, carne e vinho para aqueles
que em casa viviam com comida mais grossa. Além disso, ele construiu
barracas na estrada e forneceu-lhes refrescos, e aqueles que entraram
comeram e beberam, e abençoaram a Deus por isso. Ele era favorecido pelo
céu, e tudo o que o coração desejava e a boca pedia era para ser encontrado na
casa de Abraão, como está escrito [Gen. xxi. 33]: "E Abraão plantou um ‫אּשל‬
(pomar) em Beer-Sheba." (As letras da palavra ‫ אשל‬são as iniciais das
palavras ‫ לויה‬,‫ ּשתיה‬,‫אכילה‬, comendo, bebendo, e acompanhando. Daí a
declaração acima.) e entretinha-os de uma maneira melhor do que eles
estavam acostumados. Ele ofereceu pão de trigo, carne e vinho para aqueles
que em casa viviam com comida mais grossa. Além disso, ele construiu
barracas na estrada e forneceu-lhes refrescos, e aqueles que entraram
comeram e beberam, e abençoaram a Deus por isso. Ele era favorecido pelo
céu, e tudo o que o coração desejava e a boca pedia era para ser encontrado na
casa de Abraão, como está escrito [Gen. xxi. 33]: "E Abraão plantou um ‫אּשל‬
(pomar) em Beer-Sheba." (As letras da palavra ‫ אשל‬são as iniciais das
palavras ‫ לויה‬,‫ ּשתיה‬,‫אכילה‬, comendo, bebendo, e acompanhando. Daí a
declaração acima.) ele construiu barracas na estrada e forneceu-lhes refrescos,
e aqueles que entraram comeram e beberam, e abençoaram a Deus por
isso. Ele era favorecido pelo céu, e tudo o que o coração desejava e a boca
pedia era para ser encontrado na casa de Abraão, como está escrito
[Gen. xxi. 33]: "E Abraão plantou um ‫( אּשל‬pomar) em Beer-Sheba." (As
letras da palavra ‫ אשל‬são as iniciais das palavras ‫ לויה‬,‫ ּשתיה‬,‫אכילה‬, comendo,
bebendo, e acompanhando. Daí a declaração acima.) ele construiu barracas na
estrada e forneceu-lhes refrescos, e aqueles que entraram comeram e beberam,
e abençoaram a Deus por isso. Ele era favorecido pelo céu, e tudo o que o
coração desejava e a boca pedia era para ser encontrado na casa de Abraão,
como está escrito [Gen. xxi. 33]: "E Abraão plantou um ‫( אּשל‬pomar) em
Beer-Sheba." (As letras da palavra ‫ אשל‬são as iniciais das palavras ,‫ ּשתיה‬,‫אכילה‬
‫לויה‬, comendo, bebendo, e acompanhando. Daí a declaração acima.)

" Ensine a humildade de sua família ." Pois se ele é humilde, os membros de
sua casa também são humildes, e a conseqüência é que, se um homem pobre
chega à porta e pergunta:
p. 34

pai em casa? "eles respondem:" Sim, senhor. Por favor, entre. "Assim que ele
entrar, ele encontrará uma mesa e comerá e beberá, e abençoará o céu pelo
prazer proporcionado a ele." Quando, no entanto, alguém não é humilde e os
membros de sua família são irascíveis, o resultado é que, se um homem pobre
perguntar: "O seu pai está em casa?" eles respondem asperamente: "Não", e
atacam o pobre homem com palavras furiosas e ameaçadoras.
Outros tomam as palavras: "Ensina aos membros da tua humildade familiar",
a dizer isto: Quando um homem é humilde e os membros da sua família
também o são, o resultado é que quando ele tem que ir para países do outro
lado do mar, ele diz: "Eu te agradeço, Senhor meu Deus, que minha esposa
está em paz com seus vizinhos"; e assim sua mente está tranquila quando ele
está longe de casa. Mas quando alguém não é humilde e os membros de sua
família são irascíveis, segue-se que, quando ele tem que ir para países do
outro lado do mar, ele tem que orar: "Que seja Tua vontade, Senhor meu
Deus, que minha esposa não brigará com os vizinhos, e meus filhos não
brigarão entre si "; seu coração está sempre tremendo e sua mente está
inquieta até ele retornar. Foi dito: "E não prolongar conversa com uma
mulher." Significa nem mesmo com sua própria esposa, muito menos com a
esposa de seu vizinho; pois quem fala muito com uma mulher causa o mal a si
mesmo, negligencia o ensino da Lei e, finalmente, está condenado a Geena.

Outra explicação do dito acima é que quando alguém entra na casa de


aprender e não é tratado com a honra devida a ele, ou tem uma briga com seu
vizinho, ele não deve informar sua esposa do que aconteceu, por informar a
ela. ele se desonra, e também o seu próximo; e sua esposa, que até então o
respeitava, agora rirá dele. Quando seu vizinho ouve isso, ele diz: Ai de mim,
palavras que eram estritamente entre ele e eu, ele revelou a sua esposa. A
conseqüência disso é que ele se degrada, sua esposa e seu vizinho.

Mishna F . Josué b. Pera'hia e Nithai o Arbelite recebeu deles. O primeiro


costumava dizer: "Arranje um professor sábio, adquira um camarada e julgue
cada um pelas suas boas qualidades ( isto é , pelo seu lado favorável)".
p. 35

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 "Consiga um professor sábio." Isso significa que se deve procurar um


professor constante de quem ele deve aprender as Escrituras, Mishna,
Midrash, Halakhoth e Agadoth. O que ele deixou inexplicado na Escritura, ele
finalmente explicará na Mishná, o que não é explicado na Mishna será
explicado na Halakha, e o que é inexplicável na última será explicado na
Agadah. A conseqüência de tudo isso é que ele adquire tudo o que ele deseja
em seu próprio lugar e é cheio de bênçãos.

R. Meir costumava dizer: Aquele que aprende a Torá de um professor, pode


ser comparado a alguém que tem um campo, parte do qual ele semeou com
trigo e parte com cevada; em uma parte ele plantou azeitonas e em outras
árvores frutíferas. E assim esse homem adquire riqueza e bênçãos. Aquele, no
entanto, que estuda com dois ou três mestres, deve ser comparado àquele que
possui muitos campos: em um ele semeia trigo, em outra cevada; em um ele
planta azeitonas e nas outras árvores frutíferas. E assim este homem tem que ir
de um lugar para outro em muitos países, e não tem prazer em sua riqueza.

Diz-se: "Ganhe um amigo". Como é que um amigo venceu? Isto é para nos
ensinar que um homem tem que adquirir um sócio com quem ele deve comer,
beber, ler, aprender e dormir; a quem ele deve revelar seus segredos, os
segredos da Torá e os segredos da vida cotidiana. O bem que advém de tal
intimidade é que, se um deles errar na recapitulação de uma lei tradicional ou
na divisão de capítulos, ou se deve declarar qualquer coisa que seja impura
como limpa, e vice-versa , e qualquer coisa que seja proibida como
permissível e vice-versa, seu associado irá corrigi-lo. Como sabemos que, se o
associado realmente voltar sua atenção para o erro e o acertar, ambos serão
recompensados grandemente por seu bom esforço? Aprendemos a partir da
passagem bíblica que diz [Eccl. iv. 9]: "Dois são melhores que um"; isto é, os
esforços de ambos serão coroados com sucesso.

Quando três estão sentados e estudando a Lei juntos, o Santo, bendito seja o
Seu nome, conta-os como se tivessem formado uma liga para Seu louvor,
como está escrito: "Aquele que edifica nos céus seu palácio e estabeleceu na
terra sua
p. 36

tabernáculo. "A partir dessa passagem, você deve aprender que, se três se
sentam e estudam juntos, isso é considerado como se constituíssem uma liga
para glorificar o Santo, bendito seja Ele.

Quando duas pessoas estão estudando a Lei juntas, sua recompensa será
recebida acima, como está escrito [Mal. iii. 16]: "Então conversaram os que
temem o Senhor um com o outro: e o Senhor ouviu e ouviu" etc. Mas o que se
quer dizer com as palavras: "Eles que temem o Senhor? Que quando eles se
decidiram para resgatar os cativos e libertar os prisioneiros, e o Santo, bendito
seja Ele, deu-lhes a oportunidade de fazê-lo, eles o abraçam imediatamente O
que se quer dizer com as palavras: "E para aqueles que pensam em seu nome"
? 1Aqueles cuja idéia de fazer as grandes coisas mencionadas acima nunca
amadurece em firme resolução, mas duvidam no Senhor se terão sucesso e,
portanto, o Senhor não lhes dá a oportunidade, e se perdem antes de fazer
qualquer coisa que pensem em fazer. Também um indivíduo que se dedica ao
estudo da Lei, sua recompensa é marcada no Céu, como está escrito
[Lam. iii. 28]: "Que ele se sente em solidão porque ele colocou sobre
ele." Isso é ilustrado pela seguinte anedota: Um homem tinha um filho
pequeno a quem ele deixava sozinho quando ia para algum negócio. O garoto,
em vez de gastar seu tempo brincando, pegou um pergaminho e o espalhou
sobre os joelhos, e assim ele se sentou e estudou. Quando seu pai voltou e
encontrou seu filho naquela posição louvável, ele disse alegremente: "Veja o
que meu filhinho fez! Deixado sozinho, ele levou para estudar por conta
própria. Mesmo assim, o Todo-Poderoso considera um indivíduo absorto em
pensamentos sagrados. Sua recompensa é marcada no céu.

" Julgue todos do seu lado favorável ." Aconteceu que uma menina foi levada
em cativeiro e dois homens piedosos foram para redimi-la. Um deles entrou
em uma casa de prostitutas. Quando ele saiu de novo, ele disse ao seu
companheiro: "Quais eram as suas suspeitas de mim (quando você me viu
entrar nesta casa)?" Ele disse: "Eu pensei que você fosse investigar a quantia
que seu resgate seria". Ele respondeu: "Eu lhe asseguro que assim foi. Assim
como tu me julgaste do meu lado favorável, assim pode o Senhor julgar-te da
mesma maneira."

Aconteceu, novamente, que uma donzela foi levada ao cativeiro e dois


homens piedosos foram para redimi-la. Um deles é suspeito
p. 37

como um ladrão, e foi confinado na prisão, e sua esposa lhe trouxe comida e
água todos os dias. Um dia ele perguntou-lhe: "Vá ao meu companheiro e
diga-lhe que estou na prisão porque fui resgatar a donzela em questão, e
aquele que pretendia participar dela não está fazendo nada e não presta
atenção a ela". Ela se reuniu: "Você está na prisão e pensa em coisas
tolas?" Ela, portanto, não o escutou. Ele novamente pediu que ela fosse e
notificasse sua companheira, e finalmente ela o fez. O que esse homem
fez? Ele pegou ouro e prata e, acompanhado de outras pessoas, veio e libertou
os dois. Quando ele foi solto, ele disse: "Deixe essa donzela dormir
comigo 1 na cama com suas roupas. "De manhã ele disse:" Deixe-me ir e
mergulhe (em um banho legal), e deixe-a fazer o mesmo. "Eles fizeram isso.
Ele então disse a eles:" De que Suspeitas de mim quando fui mergulhar? "Eles
responderam:" Pensávamos que em todos os dias que foste na prisão, sentias
fome e sede, e agora, quando viste ar fresco, aqueceste e talvez tenhas tornou-
se Keri . "" E o que você suspeitou quando ela foi mergulhado? "Eles
responderam:" Nós pensamos que em todo o tempo que ela estava na prisão
entre os idólatras, ela foi obrigada a comer e beber com eles, e então você
ordenou ela a mergulhar com o propósito de purificação. "Ele então se juntou
novamente:" Garanto-lhe que tal era o caso, e como você me julgou
favoravelmente,

Não só as pessoas íntegras dos primeiros tempos eram muito rigorosas e


particulares, como também o seu gado era assim. Há uma tradição que os
camelos de Abraão, nosso pai, nunca entraram em um lugar onde havia ídolos,
como está escrito [Gen. xxiv. 31]: "Enquanto eu limpei a casa e espaço para
os camelos." A primeira parte desta passagem relata que ele limpou a casa de
Teraphim; mas o que significa a segunda parte, que parece supérflua? Espera
que os camelos não entrem na morada de Labão, o arameu, até que todos os
ídolos sejam removidos.
Aconteceu que o asno de R. Hanina b. Dosa foi roubada por
ladrões. Amarraram-no no quintal e puseram palha, cevada e água diante
dele; mas ele não comeu nem bebeu. Eles disseram então: "Se o deixarmos
aqui, ele vai morrer e infectar o quintal". Então eles abriram o portão e o
deixaram sair, e ele se regozijou até chegar ao lugar de R. Hanina b. Dosa
p. 38

Quando o filho deste último ouviu a sua voz, disse ao pai: "A voz deste
jumento não é semelhante à nossa?" Ele se reuniu: "Meu filho, se apresse em
abrir o portão para ele, senão ele morrerá de fome". Ele fez isso; Ele colocou
comida e água diante dele, e ele alimentou e bebeu. Daí o dito acima: "Nos
tempos antigos os homens justos eram piedosos, assim como o gado deles".

Mishná G . Nithai, o Arbelita, estava acostumado a dizer: "Mantenha-se


afastado de um vizinho iníquo, não associe-se a um pecador e nunca se
considere isento do castigo de Deus."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Mantenha-se distante de um vizinho perverso ". Isso significa que


qualquer vizinho ruim em casa, ou fora, ou no campo. "Na casa", porque as
pragas vêm somente na casa do ímpio, como está escrito [Prov. v. 22]: "Suas
próprias iniqüidades vão realmente pegar os ímpios." Inferir disto, que as
pragas vêm apenas pelos pecados dos ímpios. Os pecados dos ímpios
causaram a demolição do muro dos retos. Por exemplo, se a lepra irrompe na
parede da casa dos ímpios, que é também a parede da casa contígua dos retos,
toda a parede deve ser demolida. Por isso, o muro dos retos é demolido pelos
pecados dos ímpios. É isso que R. Ismael, filho de R. Johanan b. Brokah
disse: "Ai dos ímpios e ai dos seus vizinhos".

Com dez provações, nossos ancestrais tentaram o Santo, bendito seja Ele, mas
foram punidos apenas por um deles, que é a calúnia. Eles são os seguintes:
Um no mar, um no início do período maná e um no final dele, um no primeiro
e último aparecimento das codornas, e em Marah, em Rephidim, um no
Horeb, outro no a ocasião do bezerro de ouro, e um quando eles enviaram
espiões. O dos espiões foi o mais difícil de todos, como está escrito
[Numb. xiv. 22]: "E (eles) me tentaram estas dez vezes, e não deram ouvidos à
minha voz." Também está escrito [ibid., Ibid. 37]: "Mesmo aqueles homens
que tinham levantado o relatório do mal da terra morreram pela praga diante
do Senhor". Daqui é tirada uma conclusão a fortiori :
p. 39

Se por causa da terra, que não tem boca para falar, sem semblante
[parágrafo continua]

e sem vergonha, o Santo, bendito seja Ele, castigado os espiões que o fizeram
sofrer, quanto mais razão houver para o Santíssimo, bendito seja Ele, para
vingar o sofrimento daquele que foi caluniado e envergonhado pelo seu
próximo.

R. Simeon disse: Os caluniadores são punidos com pragas, pois descobrimos


que Aarão e Miriã, que difamaram a Moisés, foram acometidos de pragas,
como está escrito [ibidem. xii. 1]: "E Miriã e Arão falaram contra
Moisés." Por que Miriam é mencionada antes de Aaron? A partir disso,
Miriam fez o começo. (Como assim?) O que ela tinha ouvido de Zípora [a
esposa de Moisés] ela disse a Arão, e ambos falaram contra este homem
correto; por isso as pragas vieram sobre eles, como está escrito. xii. 9]: "E a
ira do Senhor se acendeu contra eles , e ele foi embora." Para que propósito
está escrito: "e eleA intimidação foi removida de Arão, e colocada sobre
Miriã, porque Arão não entrou em detalhes sobre o assunto, como fez Míriam;
portanto, ela foi mais castigada. Míriam disse: "Embora eu não tenha me
separado do meu marido, ainda o Senhor falou comigo. "Arão disse:" A
palavra do Senhor veio a mim, embora eu não tenha me separado de minha
esposa; e também aos nossos antepassados veio a palavra do Senhor, embora
eles não fossem separados de suas esposas; mas ele (Moisés), que é muito
orgulhoso em sua mente, separou-se de sua esposa. "Além disso, eles o
julgaram não em sua presença, mas em sua ausência, e por uma simples
suposição. A partir deste sorteio, a fortioriConclusão: Se Miriam, que falara
contra seu irmão (secretamente), e não em sua presença, fosse tão
severamente punida, quanto mais severo deveria ser o castigo de uma pessoa
comum que fala contra seu próximo em sua presença e o envergonha.

[Naquele tempo, Arão disse a Moisés: "Moisés, meu irmão, pensas que a lepra
é colocada apenas na carne de Miriã, mas também na carne de nosso pai,
Amram." Isto é para ser comparado a alguém que leva um carvão vivo em sua
mão, e mesmo se ele continuar a girá-lo de um lugar para outro, ainda todo
lugar que ele toca é empolado (e como Miriam é a carne e sangue de nosso
pai, a lepra aflige também a sua carne), como está escrito [ibid., ibid. 12]:
"Que ela não seja como uma criança morta". Ao mesmo tempo, Aaron
começou a apaziguar Moisés, dizendo: "Moisés, meu irmão, já ferimos
alguém no mundo?" Ele
p. 40

disse: "Não, você não tem." "Agora, então", disse ele, "se nós não tivermos
ferido ninguém, como poderíamos intentar uma ofensa ao nosso próprio
irmão? Mas o que podemos fazer? Através deste erro, nossa aliança fraternal
será abolida, e nossa própria irmã se perder? " Então Moisés fez um círculo,
entrou nele, e orou por sua irmã e disse: "Eu não vou me mover daqui até que
ela seja curada", como está escrito [ibid., Ibid. 13]: "Ó Deus, cura-a, peço-
te". O Santo, abençoado seja Ele, então disse a Moisés: "Se um rei humano a
repreendesse, ou seu próprio pai faria isso com ela, ela não estaria
envergonhada por sete dias? Agora, se eu, que sou o Rei dos reis dos reis
repreendê-la, não seria correto que ela se envergonhasse catorze dias? Por
amor de ti, eu a perdoarei. como está escrito [ibid., ibid. 14]: "Se o pai dela
tivesse cuspido na cara dela", etc.

"Mas o homem Moisés era muito manso" [ibid., Ibid. 3]. Vamos supor que ele
era manso, mas não bonito e elogiado? Não está escrito [Ex. xl. 19]: "E ele
espalhou a tenda sobre o tabernáculo"? Como o Tabernáculo tinha dez alturas,
também era Moisés. Vamos supor que ele era tão manso quanto os anjos, já
que está escrito? xii. 3]: "Mais do que qualquer homem"? Considere que o
homem é dito, mas não anjos. Talvez você pense que ele teria sido
considerado manso na geração anterior. Marque que está escrito [ibid.]:
"Sobre a face da terra", implicando apenas sua própria geração. [Mas o que
significa "ele era manso"? . . . Existem três tipos de pessoas leprosas: úmidas,
secas e poliposas (úlcera no nariz), mas Moisés era mais humilde que os
aflitos.]

R. Simeon b. Elazar disse: A lepra vem também pelo pecado da calúnia, como
encontramos no caso de Geazi, que difamou seu mestre, e foi tão castigado,
como está escrito [II Reis, V. 27]: "Pode então a lepra de Naamã se apega a ti
... e ele saiu de sua presença um leproso, (branco) como a neve. "

Ele também costumava dizer que a lepra veio sobre os que eram arrogantes,
pois assim encontramos no caso de Uzziyahu, como está escrito [II
Chron. xxvi. 16-19]: "Seu coração foi levantado para a sua destruição, infiel
contra o Senhor seu Deus, e entrou no templo do Senhor para queimar incenso
sobre o altar de incenso. E lá entrou depois dele ... a lepra até estourou na testa
". Neste momento, o templo foi dividido por uma distância de doze
quilômetros quadrados, e os sacerdotes se apressaram. "E ele também se
apressou a sair, porque o Senhor o havia afligido. E ele era leproso até o dia
de sua morte, e morava
p. 41

na casa dos leprosos como tal; porque ele foi excluído da casa do Senhor, e
Jotão, seu filho, estava sobre a casa do rei, e julgou o povo da terra "[ibidem.
20, 21].

" E não associarás com um pecadorPor isso se entende que não se deve ligar-
se a um homem mau ou perverso, como encontramos com o rei Josafá, que se
apegou a Acabe e subiu com ele a Ramote-Gileade, e houve uma ira sobre ele
de diante do Senhor, o mesmo aconteceu quando se tornou uma festa para o
rei Ahazyahu, com quem ele fez naves em 'Ezyon-geber, que o Senhor
quebrou, como está escrito [II Chron. xx. 37]: "Porque tu te conectaste com
Ahazyahu, o Senhor quebrou a tua obra. E os navios foram destruídos. "E
assim encontramos com Amnom, que se associou com Jonadabe, e recebeu
dele maus conselhos, como está escrito [II Sam. Xiii. 3]:" Mas Amnom tinha
um amigo cujo nome era Jonadabe, o filho de Shim'ah, irmão de Davi; e
Jonadabe era um homem muito sensato - sensível à iniqüidade, como está
escrito [Jer. iv. 22]: "Sábios são eles para fazer o mal." Segundo outros,
significa que não se deve associar com os ímpios, nem mesmo para estudar a
Torá.

" Não se considere isento do castigo de Deus ." Como assim? Deve-se sempre
temer em seu coração todos os dias para que a aflição venha sobre ele hoje ou
amanhã, pois assim está escrito sobre Jó [Jó, iii. 25]: "O que eu mais temia"
etc. Outra explicação é: se alguém vê que é bem-sucedido em tudo o que
empreende, não deve dizer: "Eu mereço tudo isso; o Senhor me dá comida e
bebida" como interesse), e o principal permanece para o mundo por vir "; mas
ele deve ter medo e pensar: "Talvez eu possua apenas um deserto e toda a
recompensa que me é dada neste mundo, para que eu não tenha direito sobre o
mundo vindouro".

Mishna H . Jehudah b. Tobai e Simeon b. Shata'h recebeu deles. O primeiro


costumava dizer: "Não se faça como aqueles que predispõem os juízes, 1 e
enquanto os litigantes estiverem diante de ti, que eles sejam tidos como
culpados; e quando demitido de diante de ti deixá-los
p. 42

esteja em seus olhos como justos, porque eles receberam o veredicto sobre
eles. "

Simeon b. Shata'h costumava dizer: "Interrogue as testemunhas muito de


perto, e tenha cuidado com as tuas palavras, para que não sejam postas por
elas no caminho da falsidade."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Faça-se não como aqueles que predispõem os juízes ". Aprenda disto, que
ao entrar em um colégio e ouvir um ditado ou uma Halachá, você não
responderá apressadamente, mas sente-se e pense sobre a razão pela qual eles
disseram isso [e de que fontes eles derivaram tal julgamento; também
investigar sobre quais halakha eles foram questionados, e também considerar
o momento em que aconteceu]. Quando dois litigantes vêm diante de ti para
julgamento, um dos quais é pobre e o outro rico, não diga: "Como devo
declarar os pobres inocentes e os ricos culpados, ou vice-versa ? Se eu
declarar um deles culpado, ele irá tornar-se meu inimigo "; nem diga: como
vou tirar o dinheiro e dar para o outro? para a Torá disse [Deut. Eu. 17]: "
De acordo com outros, com que propósito a seguinte passagem é escrita: "O
pequeno bem como o grande deve ouvir" [ibid.]? Isso significa que ambos os
litigantes receberão o mesmo tratamento: um não poderá sentar-se enquanto o
outro estiver de pé, ou um não poderá pleitear em comprimento enquanto o
outro deverá ser curto em sua defesa.

Disse R. Jehudah: "Ouvi dizer que não é proibido ter ambos os litigantes se
sentar (na audiência), mas o que é proibido é, para permitir um para se sentar
enquanto o outro um é direcionado para estar de pé", etc. Da passagem acima
deve-se inferir que o tratamento deve ser semelhante, mesmo que um dos
litigantes seja um grande homem. O caso de um homem comum deve ser tão
cuidadosamente considerado como o de um grande homem. O processo de
uma quantia muito pequena receberá a atenção de uma ação judicial de uma
grande soma de dinheiro.

Ele também costumava dizer: "Quem quer que tenha me dito antes de eu ter
entrado nesta grande posição," Enter ", eu teria desafiado ele, e agora que eu
sou o encarregado disso, se alguém ousasse me dizer para abandoná-lo, eu ser
de uma mente para
p. 43

jogue na sua cabeça uma chaleira de água fervente, pois há uma dificuldade na
subida, mas quando se chega ao topo, é difícil descer. Assim, descobrimos que
foi com Saul que, quando lhe foi dito para ascender ao trono, ele se escondeu,
como está escrito [I Sam. X. 22]: "E o Senhor disse: Eis que te escondes entre
os vasos"; mas quando foi dito para desistir da coroa, ele seguiu Davi até para
tirar sua vida.

Simeon b. Shata'h disse: Examine as testemunhas muito de perto, mas


enquanto você está fazendo isso, tenha cuidado com as tuas palavras por causa
dos enganadores. Tuas palavras podem dar-lhes a pista para mentir.

MISHNA eu . Shemayah e Abtalion receberam deles. O primeiro tinha o


hábito de dizer: "Amar o trabalho e odiar alcançar a superioridade e fazer com
que seu nome não seja conhecido pelo governo". 1

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2 " Amo o trabalho ". Como assim? Isto é, deve-se amar o trabalho; em todo
caso, ele não deve odiá-lo, pois como a Torá foi dada em um pacto, assim foi
o trabalho, como está escrito [Ex. xx. 9, 10]: "Seis dias trabalharás e farás toda
a tua obra, mas o sétimo dia é o sábado em honra do Senhor teu Deus".

Disse R. Aqiba: Chega uma hora em que alguém faz seu trabalho, e assim
escapa da morte; e na outra banda chega um momento em que não se faz
nenhum trabalho, e incorre na penalidade da morte pelo céu. Como
assim? Alguém que está ocioso a semana inteira e não tem nada para comer na
véspera do Sábado, mas ter em sua posse dinheiro consagrado apropria-se
indevidamente para seu próprio uso, incorre na penalidade da morte pelo
céu; mas se ele estava fazendo reparos no Templo, e é pago com dinheiro
consagrado e o usa, ele escapa da pena de morte.

R. Dostai disse: "Como pode acontecer que alguém que não trabalhou todos
os seis dias seja finalmente obrigado a trabalhar todos os sete dias? Por
estranho que pareça, ainda assim pode acontecer. Por exemplo, um homem
que não trabalhou durante a semana, sexta-feira vem
p. 44

e ele não tem nada para comer. Ele começa a procurar trabalho, mas é
confiscado por oficiais de recrutamento, que, segurando-o por uma corrente de
ferro, o obrigam a compensar no sábado o que ele negligenciou durante os seis
dias ".

R. Simeon b. Elazar disse: Até mesmo Adão o Primeiro não provou nada
antes de realizar algum trabalho, como está escrito [Gen. ii. 15]: "E colocá-lo
no jardim do Éden, para, até e para mantê-lo"; e depois ele foi ordenado: "De
toda árvore no jardim podes comer livremente" [ibid., ibid. 16].

R. Tarphon disse: Mesmo o Santo, abençoado seja Ele, não descansou Sua
Shekhina no meio de Israel antes de algum trabalho ser realizado por eles,
como eles são; escrito [Ex. xxv. 9]: "E eles me farão um santuário; e eu
habitarei no meio deles".

Rabi Jehudah b. Batyra disse: O que alguém fará sem trabalho? (Deixe-o
procurá-lo, e ele vai encontrá-lo.) Deixe-o ver se não há demolição em seu
quintal ou campo, e empregar-se dessa maneira, como está escrito
[ibid. xx. 9]: "Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra." Por que se diz: "E
faz todo o teu trabalho"? R. Tarphon disse: Um é condenado à morte apenas
pela ociosidade. R. José, o Galileu, explicou (o dito de R .. Tarphon) assim: Se
alguém por ociosidade estava na borda de um telhado, castelo ou edifício, ou
na beira de um rio e caiu e morreu, sua morte foi causado pela ociosidade.

R. Nathan disse: Moisés trabalhou no Tabernáculo sem consultar os príncipes


de Israel, os quais pensaram que a qualquer momento ele poderia solicitar sua
cooperação. Quando ouviram a voz que percorreu o acampamento,
proclamando que o material preparado era suficiente para toda a obra,
gritaram: "Ai de nós, que não participamos da obra do santo
tabernáculo". Eles, portanto, se levantaram e acrescentaram uma grande coisa
por vontade própria, como está escrito [Ex. xxxv. 27]: E os príncipes
trouxeram as pedras de ônix. "
" Não se importe com a superioridade ." Isso significa que não se deve
colocar a coroa merecida por ele sobre sua própria cabeça, mas deve deixar
que outros o façam, como está escrito [Prov. xxvii. 2]: "Deixa outro homem te
louvar, e não a tua própria boca; estranho. E não os teus próprios lábios."

R. Aqiba disse: Aquele que se torna superior à Lei é comparado a uma carcaça
putrefata que fica na estrada, de modo que todo transeunte coloca sua mão na
sua; nariz e se apressa, como está escrito [Prov. xxx. 32]: "Se tu te tornaste
p. 45

degradado, levantando-se, ou se tu planejou o mal, coloque a mão na boca.


"Disse Ben Azai para ele: O sentido desta passagem parece ser assim: Aquele
que se degrada por causa da Lei, e come Em datas deterioradas, vestidos com
roupas gastas e observando à porta dos sábios, os transeuntes o chamam de
idiota, mas certifique-se de que, no final, se descobrirá que ele é cheio de
conhecimento. o que as pessoas dizem: Aquele que se faz superior à Lei será
finalmente abatido, e aquele que se abaixa por causa da Lei será finalmente
grandemente elevado.

" E fazer com que seu nome não seja conhecido pelo governo"Não se deve ter
a ambição de ser proeminente entre os oficiais do governo, senão eles ficarão
com ciúmes dele, o matarão e confiscarão seus bens. Nem um proclamará o
nome do vizinho ao governo, isto é, não se dirá: "Que o Senhor proteja isso e
aquilo, de cuja casa hoje saíram cem bois, cem ovelhas e cem cabras", etc.,
como pode acontecer que naquele momento o oficial passe e ouça isto. e relata
isso ao seu chefe, e este último circunda a sua casa e tira tudo o que ele tem,
quanto a isso, a seguinte passagem se aplica [Prov. xxvii. 14]: "Quando
alguém sauda o amigo em voz alta. . . isso será contado como uma maldição
para ele. "Segundo outros, a palavra Rashuth significa não o governo, mas a
publicidade, e a passagem deve ser interpretada assim:" s amigos dizem
publicamente no mercado: "Que Deus proteja isso e aquilo; hoje ele trouxe
para sua casa muitas medidas de trigo e cevada", etc., etc., ladrões podem
ouvir sobre isso e vir à noite, cercar a casa, e tirar tudo o que ele possui, e de
manhã ele não tem mais nada. Dele é dito nas Escrituras: "Quando alguém
sauda o seu amigo em voz alta", etc.

Outros, novamente, dizem que isso significa que o governo, e a expressão "ele
não anunciará", etc., significa que alguém não deve se empenhar para ser um
procurador para o governador da cidade ou seu vice, pois eles roubam o
dinheiro de Israel. .

Outra explicação ainda é: não se deve procurar nenhum poder governante,


pois, embora no começo pareça muito agradável, no final ele achará muito
pesado.
MISHNA eu . Abtalion costumava dizer: "Vocês sábios, guardem-se em suas
palavras; para que não se carreguem em cima de si mesmos".
p. 46

a penalidade do exílio e ser exilado para o lugar das águas do mal; e os


discípulos que vierem depois de você podem beber e morrer, e o nome do Céu
será profanado ”.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

" Ó sábios, guardem-se em suas palavras ." Talvez eles decidam algo em seu
nome que não será de acordo com os ensinamentos da Lei, e você se tornará
responsável pela punição do exílio e será banido para um lugar onde a água é
ruim. O que se entende por "má água"? É permissível dizer que se refere aos
vícios daquele lugar, como está escrito [Ps. xvi. 35]: "E eles se misturarão
com as nações e aprenderão suas ações". Alguns pensam que isso deve ser
tomado literalmente. Outros, no entanto, pensam que se refere ao trabalho
duro.

MISHNA K. Hillel e Shammai receberam deles. Hillel disse: "Seja um


discípulo de Aarão, ame a paz, busque a paz, ame todos os homens também e
aproxime-os da Lei".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Ame a paz ". Como assim? A pessoa deveria amar ver paz em Israel e paz
em toda parte, como Arão amava a paz, sobre quem está escrito [Mal. ii. 6]:
"O amor da verdade estava em sua boca, e falsidade não foi encontrada em
seus lábios; em paz e equidade andou comigo, e muitos se desviaram da
iniquidade." Quando Aaron foi para a estrada e encontrou um homem
perverso, pediu-lhe paz na costumeira forma de saudação. O resultado foi que
esse homem se reformou. Para quando ele estava prestes a cometer um
pecado, ele lembrou que Arão, o sumo sacerdote, saudou-o, e diria: "Ai, se eu
pecar, como ousaria levantar os olhos e olhar Arão na cara, que era tão
amigável para mim? " e assim ele é impedido de pecar.

Da mesma forma, quando dois homens brigaram entre si (e chegou aos


ouvidos de Aarão), ele foi até um deles e disse: "Meu filho, veja o que o seu
vizinho faz. Ele bate no peito, arranca as roupas e chora, dizendo: "Ai de
mim! Como ousarei levantar os olhos para olhar o rosto de meu vizinho?
Estou
p. 47
Tenho vergonha de mim mesmo, pois fui eu quem o enganei. "Assim Aaron
dissipou a amargura do sentimento daquele homem. Então Aaron foi até o
outro homem e se dirigiu a ele no mesmo estilo, e também pacificou seu
coração. Quando aqueles dois homens se encontraram , eles não mais se
olhavam como inimigos, mas se abraçavam e se beijavam, como amigos
fazem. Por causa da paz de Arão, está escrito sobre ele [Enx .: xx. 29]: "Eles
choraram por Arão trinta dias".

As passagens sobre o luto de Moisés e Arão são escritas de maneira


diferente. Sobre Aaron está escrito "mesmo tudoa casa de Israel ", que inclui
também as mulheres; sobre Moisés, no entanto, está escrito apenas", e os
filhos de Israel, "o que exclui as mulheres. Para explicar isso, há opiniões
diferentes. Alguns dizem porque Moisés, que era um juiz verdadeiro e julgado
justamente sem favoritismo, usado para repreender o pecador e dizer-lhe: Tu
pecaste em tal e tal coisa. Aarão, no entanto, ao julgá-los, julgou-os
verdadeiramente, mas ao mesmo tempo não os repreendeu, mesmo quando os
pecadores eram machos, muito menos quando, eles eram fêmeas E, em
segundo lugar, muitos milhares eram chamados Arão, depois do sumo
sacerdote, pois, se não fosse por Arão eles, não teriam sido trazidos ao mundo
de todo, como Os esforços especiais de Arão foram dirigidos para fazer a paz
entre o homem e a esposa, de modo que se, depois disso, uma criança
nascesse para eles, eles o batizaram de acordo com o seu pacificador.

De acordo com os outros, a razão pela qual até mesmo toda a casa de Israel
chorou é porque eles tinham visto Moisés nosso mestre sentado e chorando, e
quem então não choraria? E também viram Elazar e Pinechas, que eram
sumos sacerdotes chorando, e quem não choraria com eles?

Então Moisés desejou morrer a mesma morte que Arão morreu. Por
quê? Porque foi dito que Moisés viu seu esquife adornado com grande pompa
e muitas divisões de anjos lamentando sobre ele. E embora Moisés nunca
tenha expressado esse desejo, mas apenas pensado assim em seu coração, o
Santo, bendito seja Ele, concedeu-lhe seu desejo, como está escrito
[Deut. xxxii. 50]: "E morre no monte para onde subires e reúna-se no teu
povo; como Arão, teu irmão, morreu no monte Hor". A partir disso, infere-se
que Moisés tinha o desejo de morrer da morte de Aarão.

Na época (quando Moisés estava prestes a morrer), Deus disse ao anjo da


morte: "Vá e traga-me a alma de Moisés". Chegando a Moisés, ele exigiu sua
alma. Mas Moisés censurou
p. 48

O anjo da morte. Ele disse-lhe: "Não tens o direito de estar onde estou e estás
a perguntar-me a minha alma?" e Moisés levou-o embora com
degradação. Finalmente, o Senhor disse a Moisés: "Moisés, Moisés, tu tens
vivido o suficiente neste mundo, como a tua quota no mundo por vir tem te
esperado desde a criação", como está escrito [Ex. xxxiii. 21]: "E disse o
Senhor: Eis que há um lugar ao meu lado e estarás sobre a rocha." Então o
próprio Senhor tomou a alma de Moisés e colocou-a sob o Seu trono, como
está escrito [I Sam. xxv. 29]: "Mas a alma do meu Senhor será amarrada no
vínculo da vida." E Ele tomou sua alma com um beijo, como está escrito
[Deut. xxxiv. 5]: "Pela boca de Deus". 1

[Não apenas a alma de Moisés é colocada sob o Seu trono, mas todas as almas
dos justos, como está escrito: "Contudo, a alma de meu Senhor será presa no
vínculo da vida." Deve-se supor que as almas dos ímpios também estão
escondidas lá, por isso está escrito [I Sam. xxv. 29]: "E a alma dos teus
inimigos ele vai disparar, como a partir do meio da funda".

Para melhor compreensão disso, pensemos em quem coloca uma pedra na sua
funda: embora ela a jogue de um lugar para outro, ele não sabe onde ela
finalmente pousará. Assim são as almas dos ímpios: estão vagando e pairando
no mundo sem descanso.

Após a morte de Moisés, o Senhor ordenou novamente ao anjo da morte que


trouxesse a alma de Moisés. Ele foi para o lugar onde costumava ser
encontrado quando vivo, mas não o encontrou. Ele então foi para o oceano e
perguntou se Moisés estava lá. Respondeu: Desde o dia em que os israelitas
passaram por mim, eu não o vi. Ele foi para as montanhas e colinas, e fez a
mesma pergunta, e eles disseram: Desde o dia em que os israelitas receberam
a Lei do Monte Sinai, nós não o vimos. Então ele foi para o mundo inferior e
para o lugar da perdição, e fez a mesma pergunta, e eles disseram: Nós
ouvimos sobre o seu nome, mas nunca o vimos. Finalmente, ele perguntou aos
anjos, e eles disseram: "Deus (sozinho) entende o seu caminho, e ele conhece
o seu lugar" [Jó, xxviii. 23]. O Senhor o preservou por uma vida no mundo
vindouro, e nenhuma criatura sabe onde ele está, como está escrito [Jó,
xxviii. 20-22]: "Mas sabedoria ... um relatório dela". Ao mesmo tempo Joshua
estava sentado e de luto
p. 49

porque ele não sabia onde estava o seu senhor, até que o Santo, bendito seja
Ele, disse-lhe: Josué, não se aflija. Meu servo Moisés está morto.]

" Perseguir a paz ." Como assim? Um será um perseguidor da paz em Israel
entre todos os tipos de pessoas. Se um homem permanece em seu lugar
silencioso, ele não pode ser um perseguidor da paz. Mas o que ele fará? Ele
deve deixar seu lugar em busca de paz, como está escrito [ibid.]: "Busque a
paz e persiga-a". O que significa, busque-o em teu lugar, e se tu não o podes
encontrar, prossiga em outro.
O Santo, bendito seja Ele, também fez a paz no céu, em que ele não nomeou
dez anjos Gabriel, Miguel, Uriel ou Rafael, como, por exemplo, muitas
pessoas levam o mesmo nome; caso contrário, quando Ele convocasse um
deles, todos responderiam e ficariam com ciúmes um do outro. Portanto, Ele
deu a cada um deles um nome separado. Quando Ele convoca um, somente
aquele vem, e Ele o envia onde quer que Ele deseje. Reverenciam-se e
respeitam-se mutuamente, e são mais humildes que os seres humanos, pois
quando começam a cantar os louvores do Senhor, um diz ao outro: "Começa
tu, como és maior do que eu"; e o outro diz: "Tu és maior do que eu e,
portanto, tu começas". Com os seres humanos, no entanto, é o inverso. Cada
um diz: "Eu sou maior do que tu". Alguns dizem que não anjos individuais,
mas divisões de anjos, digam uns aos outros: "Começam, vocês são maiores
do que nós", como está escrito. vi. 3] E um chamou ao outro e disse.

" Ame todos os homens também ." Isto é, que se deve amar todos os homens e
não odiá-los; pois assim encontramos com os homens da "geração da divisão",
porque eles se amavam, o Senhor estava relutante em destruí-los, mas apenas
os espalhou pelos quatro cantos do mundo. Os homens de Sodoma, no
entanto, porque se odiavam, foram aniquilados pelo Senhor, tanto neste como
no mundo por vir, como está escrito [Gen. xiii. 13]: "Mas os homens de
Sodoma eram iníquos e pecadores diante do Senhor excessivamente." E
pecadores "implica que eles eram culpados de uniões ilegais;" perante o
Senhor "implica que eles eram culpados de profanação do Santo nome";
excessivamente, "que eles pecaram intencionalmente.

" E traze-os para a lei ." Como assim? Deve-se tentar elevar 1 pessoas e trazê-
los sob as asas de
p. 50

o Shekhina, como nosso pai Abraão fez; e não só Abraão, mas também Sara,
como está escrito [Gen. xii. 5]: "E Abraão tomou Sara sua mulher, e o filho de
seu irmão, e todos os seus bens que eles tinham adquirido, e as pessoas que
eles fizeram 1 em Charan. "É possível? Mesmo toda a humanidade combinada
não poderia criar nem mesmo um pequeno inseto. Devemos, portanto, dizer
que o Senhor considerou o povo que eles trouxeram sob as asas da Shekhina
como se os tivessem feito.

Como não se pode dividir sua vida com seu próximo neste mundo, então ele
não pode dividir com ele sua merecida recompensa no mundo por vir, como
está escrito [Eccl. iv. 1]: "E eis que as lágrimas dos oprimidos não têm
consolador, e da mão dos seus opressores sofrem violência, e não têm
consolador." Por que está escrito "e eles não têm consolador" duas
vezes? Para inferir que, embora existam homens que comem
(abundantemente), bebam e sejam bem-sucedidos com seus filhos e filhas
neste mundo, eles podem não ter nada no mundo vindouro, e não terão
nenhum consolador ali. Neste mundo, quando algo é roubado de um, ou uma
morte ocorre na família, seu filho, irmão e outros parentes vêm e consolam-
no, mas isso não pode ser feito no mundo por vir, como está escrito [ibid. ,
ibid. 8]: "

O mesmo acontece com alguém que gerou um filho ilegítimo; pois o último
pode dizer-lhe: "Canalha, tu te perdeste tão bem quanto eu". Para o bastardo
pode ter uma sede de conhecimento e, portanto, desejo estudar a lei em
Jerusalém, juntamente com os outros discípulos, mas não pode fazê-lo porque,
sendo um bastardo, ele é proibido de entrar em Jerusalém. Aconteceu uma vez
que um bastardo não foi autorizado a passar Ashdad, como está escrito
[Zech. ix. 6]: "E bastardos habitarão em Ashdad, e eu cortarei a soberba dos
filisteus."

Mishná L . Ele também costumava dizer: "Um nome grandioso é um nome


destruído; aquele que não aumenta, diminui; e aquele que não aprende com
seus mestres não é digno de viver; e aquele que usa seu conhecimento como
uma tiara perece".

Mishna M . Ele também costumava dizer: "Se eu não olhar


p. 51

para mim mesmo, quem fará isso? Mas se eu olhar apenas para mim mesmo, o
que sou eu? Se não agora, quando?"

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

" Ele costumava dizer: 'Se eu não olhar para mim mesmo, quem fará
isso?' "(Isto é), se eu não puder alcançar qualquer recompensa enquanto
estiver vivo, quem pode alcançá-la depois da minha morte?

" E se não for agora, quando ?" (Isto é), se eu não puder fazer nada para mim
enquanto estiver vivo, quem pode fazer isso por mim depois da minha
morte? Assim também disse Eclesiastes [ix. 4]: "Para um cão vivo fareth
melhor do que um leão morto." Por "um cão vivo" entende-se uma pessoa má
que existe neste mundo, e "que um leão morto" refere-se a todos os justos, que
são altamente recebidos no mundo por vir, incluindo até mesmo os patriarcas
Abraão, Isaque e Jacó. . O cão vivo, isto é, um homem iníquo que ainda está
vivo, é melhor que seja aceito pelo Santo, bendito seja Ele, quando se
arrepender e se tornar virtuoso e receber uma parte do mundo por vir,
enquanto um leão morto não pode acrescentar nada a suas boas ações depois
que ele está morto. O mesmo costumava dizer: "Se tu fores à minha casa" etc.
(Ver Seção Moed, Vol. vii .; Succah, págs. 83, 84.)
Aconteceu que Hillel, o Primeiro, durante uma jornada, encontrou homens
carregando trigo. Ele perguntou quanto era um saah e foi-lhe dito dois
dinares. Depois ele conheceu outros, que lhe deram o preço de três
dinares. Ele disse: "Os primeiros homens não disseram que eram apenas dois
dinares?" Eles se reuniram: "Tolo babilônico, tu não sabes que a recompensa
está de acordo com o problema?" (Eles vieram de uma distância maior). Mas
ele disse: "Essa é a sua resposta para a minha questão civil?" Finalmente ele
conseguiu torná-los gentis e complacentes.

Ele também costumava dizer quatro coisas no dialeto babilônico:

" Um nome ótimo é um nome destruído ." Isso significa que um homem não
desejará que seu nome seja proclamado ao governo, pela razão declarada
acima, p. 45

" E aquele que não deseja aprender com seus mestres ." Foi dito que isso
aconteceu com um habitante de Beth Ramah que adotou os costumes dos
piedosos, e Rabban Johanan b. Zakkai enviou um de seus discípulos para
examiná-lo. Ele encontrou-o ocupado em aquecer o óleo em um intervalo e,
em seguida, despejá-lo em grãos descascados. Ao ser questionado sobre o que
ele estava fazendo, ele respondeu, eu sou cuidadoso com a oferta, para comer
em sua
p. 52

pureza, como se eu fosse um sumo sacerdote. Então ele perguntou de novo:


esta faixa é limpa ou impura? Ele se reuniu: Será que então achamos em
algum lugar na Torá que um alcance pode ser impuro? Um forno só é
mencionado, como está escrito [Lev. XI. 33]: "Tudo o que estiver nele será
imundo". Então o discípulo reuniu novamente: A lei do forno se aplica
também ao alcance, como está escrito [ibid., Ibid. 35]: "Um forno ou fogão
deve ser quebrado, eles são impuros." O mesmo acrescentava: Se tal fosse o
teu hábito, nunca fizeste, na tua vida, ofertas voluntárias limpas.

" Aquele que não aumenta, diminui ." Como assim? Se alguém aprendeu um,
dois ou até mesmo três tratados, e não adicionou nada a ele, ele finalmente
esquecerá isso.

" E quem se serve com a tiara perece ." Qualquer um que use o nome do
Senhor, como está escrito, que é proibido, não tem parte no mundo por vir.

Mishna N . Shammai tinha o hábito de dizer: "Reserve um tempo para estudar;


prometa pouco e muito receba a todos com um rosto amistoso".

Mishna ó . Rabban Gamaliel disse: "Torne-se um mestre, liberta-se da dúvida


e não dê muito dízimo por estimativa".
Mishna P . Simeão, seu filho, costumava dizer: "Todos os dias da minha vida
foram passados entre os sábios, e nunca encontrei nada melhor para um
homem do que o silêncio; e a discussão da lei não é tão importante quanto a
prática. quem fala muito, não pode evitar o pecado ".

Mishná Q . Ele também disse: "Três coisas apóiam o mundo - lei, verdade e
paz - como está escrito [Zacarias, VIII]:" A verdade e o juízo de paz, julgueis
em vossas portas. "

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Fixar um tempo para estudo ", etc. Significa, quando alguém ouviu algo
de um sábio no colégio, ele não deve tratá-lo como algo não essencial, mas
como um ditado padrão a ser estudado
p. 53

diligentemente, e o que ele aprende com os sábios, ele os ensinará aos outros,
como está escrito [Deut. v. 1]: "Para aprendê-las e para que possais observá-
las." E também de Esdras é escrito pela primeira vez [vii. 10]: "Para Esdras
tinha dirigido seu coração para inquirir na lei do Senhor, e fazê-lo." E
imediatamente depois é escrito [ibid.]: "E ensinar em Israel estatutos e
ordenanças".

" Prometa pouco e faça muitoE de onde vem ele que assou para eles três
bois? Do seguinte [ibid., Ibid. 7]: "E Abraão correu até o rebanho", etc. "O
rebanho" significa um "um bezerro", um "concurso" um. De acordo com
outros, era quatro, porque a palavra "bom", que é adicionada, também é
contada como uma. "E deu isto a um homem jovem" [ibid.]. Isso significa
Ismael, seu filho, para acostumá-lo à prática religiosa.

Também o Santo, abençoado seja Ele, prometeu pouco e fez muito, como está
escrito [ibidem. xv. 13, 14]: "E disse a Abrão, tenho certeza de que a tua
semente será estrangeira em uma terra que não é deles, e eles farão com que
eles sirvam, e os afligirão por quatrocentos anos. E também isso nação a quem
eles devem servir, eu vou julgar, e depois eles devem sair com grande
substância ". Ele prometeu a ele com ‫ ד‬e ‫ ן‬cujo valor numérico é 54. Mas
quando o Senhor finalmente se vingou dos inimigos de Israel, Ele o fez com
setenta e duas cartas (contidas no versículo 34, Deut. Xxxiv.) : 1 "Ou tem um
p. 54

Deus tentou ir para si mesmo uma nação do meio de uma nação, através de
provas, sinais e maravilhas. . . e por grandes terrores ".
De onde deriva que os ímpios prometem muito e não fazem nada? De Efrom,
que disse a Abraão [Gen. xxiii. 15]: "Um pedaço de terra vale quatrocentos
shekels de prata, o que é isso entre mim e ti?" No entanto, no final, ele aceitou
toda a soma do dinheiro, como está escrito [ibid., Ibid. 16]: "E Abraão
entendeu o significado de Efrom; e Abraão pesou para Efron a prata."

" Receba cada um com um semblante amigável ." Como assim? Isso significa
que, mesmo que alguém apresente ao seu próximo as coisas mais preciosas
com a má graça, isso é considerado para ele nas Escrituras como se ele não
tivesse dado nada; mas se alguém recebe seu vizinho com um semblante
amistoso, embora ele não lhe dê nada, é considerado a ele nas Escrituras como
se ele tivesse lhe conferido grandes favores.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 Rabban Johanan b. Zakkai recebeu de Hillel e Shammai. Hillel, o primeiro,


tinha oitenta discípulos, trinta dos quais mereciam que a Shekhina repousasse
sobre eles como em Moisés, mas a geração deles não merecia isso. Trinta
outros foram dignos de instituir os anos intercalares, etc., etc. (Continua em
Succah, pp. 36, 37.)

" Ele costumava dizer: 'Se você acumulou muito conhecimento, não se gabe
disso, pois é por isso que você foi criado.' "

Existem cinco discípulos do rabino Johanan b. Zakkai quem ele caracterizou


da seguinte maneira: Eliezer b. Hyrcanus como "uma cisterna rebocada que
não perde uma gota"; Josué b. Hananias como "uma corda tripla que não pode
ser rasgada rapidamente"; José o sacerdote como "o mais piedoso de sua
geração"; Ismael b. Hananias como "uma cama de jardim no deserto que
absorve a água"; e Elazar b. Arach ele nomeou "como um ribeiro que flui e
incha nascente cujas águas sobem e transbordam no exterior", como está
escrito [ibid. v. 16]: "Assim farão as tuas molas transbordarem, e nas ruas
abertas haverá os teus regatos de água.
p. 55

" Eu considero o julgamento de R. Elazar B. Arach ," etc. Feliz é o discípulo


que recebe de seu mestre tal testemunho de louvor e reconhecimento. Quando
o filho de Rabban Johanan b. Zakkai morreu, seus discípulos vieram para
consolá-lo. R. Eliezer entrou primeiro, sentou-se diante dele e pediu
permissão para dizer alguma coisa. O pedido tendo sido concedido, ele disse:
"Adão aceitou o primeiro consolo quando seu filho morreu. E de onde o
encontramos? Está escrito [Gênesis iv. 25]:" E Adão conheceu sua
esposa novamente "(" novamente 'significa após este consolo). Tu também
deve aceitar consolo. " Ele se reuniu: "Meu próprio sofrimento não é
suficiente para que me lembres de Adão o primeiro?"
Em seguida, entrou R. Joshua, e também pediu permissão para dizer algo, que
foi concedido, que então disse: "Jó, que teve muitos filhos e filhas, todos os
quais morreram em um dia, mas ele aceitou consolo. Como está escrito [Job, i.
21]: "O Senhor o deu e o Senhor o tirou; que o nome do Senhor seja
abençoado". Ele voltou: "Meu próprio sofrimento não é suficiente para me
lembrar da de Jó? "

Em seguida entrou R. Jose. Ele sentou-se diante dele e disse: "Seja seu desejo
que eu diga alguma coisa." E sendo incentivado pelo sábio, ele continuou:
"Arão teve dois filhos adultos, e ambos morreram em um dia, mas ele aceitou
consolo, como está escrito [Lev. X. 3]:" E Arão manteve a paz, "O que
significa que ele foi consolado. Não seria certo que você devesse fazer o
mesmo?" O sábio se juntou: "Não tenho o suficiente da minha própria dor?
Por que você me lembra da dor de Aaron?"

Em seguida, entrou em R. Simeon, e disse: "Rabino, posso ser favorecido por


ti para dizer uma palavra na tua augusta presença?" E o sábio respondeu:
"Prossiga". Então o primeiro disse: O rei Davi teve um filho que morreu e ele
recebeu condolências. Bem te faz te persuadir em consolo. Quanto ao rei
Davi, está escrito [II Sam. xii. 24: 'E Davi consolou Bate-Seba, sua esposa, e
entrou a ela, e deitou-se com ela; e ela deu à luz um filho e chamou o seu
nome de Salomão. ”Ele voltou:“ Meu próprio sofrimento não é suficiente para
que todos vocês me lembrem da dor dos outros? ”

Finalmente R. Elazar b. Arach entrou, e quando o mestre o viu, ele disse ao


seu servo: "Pegue um vaso e siga-me até a casa de banho; o homem que está
entrando agora é um grande homem, e tenho certeza de que não poderia
suportar seus argumentos". " Ele entrou, sentou-se diante dele e disse: "Eu vou
te entreter
p. 56

contando uma parábola: Um rei havia confiado a um de seus súditos um artigo


precioso. O homem costumava exclamar, chorando: 'Ai de mim! Quando vou
ser aliviada dessa responsabilidade? Este, ó rabino, é o teu caso. Teu filho,
que passou seu tempo no estudo sagrado, partiu do mundo sem pecado. Que
conforto deve ser para ti que devolveste o artigo confiado aos teus cuidados
intacto! "Então o sábio disse:" Elazar, meu filho, tu me consolaste como as
pessoas deviam consolar umas às outras. "

Quando eles o deixaram, Elazar disse: "Eu irei a Damsith, que é um ótimo
lugar com excelentes águas"; e os outros discípulos disseram: "Iremos a
Jamnia, onde há muitos estudiosos, e amamos o estudo da lei". Aquele que foi
a Damsith perdeu uma boa dose de sua autoridade, mas os nomes daqueles
que foram para Jamnia, a sede da grande erudição, tornaram-se legiões em
círculos eruditos.
Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " A honra do teu companheiro deve ser tão querida para ti como a
tua ." Como assim? Como alguém cuida de sua própria honra, ele também
deve guardar a honra de seu vizinho, e como alguém está relutante em ver sua
própria honra atacada, ele deve ser assim em relação à honra de seu vizinho.

Outra explicação do que foi dito acima é: quando alguém possui cem mil, e
tudo lhe é tirado, ele deve manter sua consciência clara mesmo do valor de
uma pequena moeda.

" Não permita que você fique facilmente irritado ". Isto é, deve-se ser tão
manso quanto Hillel, o Velho, e não tão irritável quanto o Shamai, o
Velho. Diz-se sobre Hillel que dois homens uma vez apostaram a soma de
quatrocentos zuz em sua paciência; Aquele que poderia ter sucesso para
provocar sua ira era receber a quantia. (Veja o sábado, p. 50; toda a lenda
termina com): "Cuide do teu temperamento. Um Hillel é, digno de que duas
vezes essa quantia se perca através dele; um Hillel não deve ficar excitado".

2 Qual era a irascibilidade de Shammai o Ancião? isso foi

p. 57

Relacionado que uma vez um homem veio a Shammai e disse: "Rabino,


quantas Leis você tem?" "Duas leis: a escrita e a lei oral." Ele respondeu: "Eu
acredito na escrita, mas não na lei oral", disse o homem. Mas Shammai
repreendeu-o e levou-o embora.

O mesmo homem veio a Hillel e disse: "Rabino, quantas Leis foram dadas?" E
ele disse a ele dois - o escrito e o oral. O homem disse: "Eu acredito na escrita,
mas não na lei oral". E Hillel disse: "Sente-se, meu filho, e escreva para mim
o Aleph-Beth. Depois que ele fez isso, ele perguntou qual era a primeira
carta." Um Aleph ", disse o homem." Não é Aleph, mas uma Beth ", disse
Hillel. E ser novamente perguntou:" O que é isso? "E o homem disse:" A Beth
"." Não é uma Beth, mas um Gimel ", disse Hillel." De onde você sabe que
este é Aleph, o outro é Beth e o terceiro é Gimel? Porque é uma tradição de
nossos antepassados, e enquanto você acredita em uma tradição, acredite
também na outra. "

Aconteceu que um gentio que passava por uma sinagoga ouviu uma criança
lendo: "E estas são as vestes que devem fazer: um peitoral, um éfode e um
manto" [Ex. xxviii. 4]. Ele veio a Shammai e disse: "Rabino, a quem pertence
toda aquela honra?" "Para o sumo sacerdote que serve no altar", foi a
resposta. Os gentios então disseram: "Converta-me, com a condição de que eu
seja feito um sumo sacerdote". Samamai disse: "Não há sacerdotes em Israel,
ou não temos nenhum sumo sacerdote, mas que devemos elevar a esta
dignidade este humilde estranho, que veio a nós, mas com sua equipe e
mochila?" Ele repreendeu-o e levou-o embora.

Ele então veio a Hillel com o mesmo pedido, e este último disse: "Sente-se, e
eu te direi algo. Se alguém deve comparecer diante de um rei humano, não é
exigido dele que ele aprenda a fazer sua entrada?" e sair? " "É assim", disse o
gentio. Então continuou Hillel: "Tu, que és desejoso de aparecer diante do Rei
dos reis dos reis, quanto mais necessário para você aprender como entrar no
Santo dos Santos, como aparar as lâmpadas, como se aproximar do altar,
como ordenar a mesa, e como preparar o fogo no altar ". O homem então
respondeu: "O que parece certo para você?" Então Hillel escreveu para ele o
Aleph-Beth, e ele aprendeu; então ele o instruiu em Levítico, e ele continuou
aprendendo até que ele chegou à passagem: E o estranho que vem próximo
será posto à morte. Eu. 51].
p. 58

dedução: Se o povo de Israel, que são chamados os filhos do Senhor, e de


quem o Shekhina disse [Ex. xix. 6]: "E vós sereis para mim um reino de
sacerdotes e uma nação santa", foram tão advertidos pela Escritura, não
deveria eu, um insignificante estranho que veio apenas com a sua mochila, ter
a dica? Assim, o estranho se reconciliou por vontade própria.

Ele veio para Hillel, o Velho, e disse: "Todas as bênçãos contidas na Torá
repousarão sobre a tua cabeça, pois se tivesses sido como Shammai o Ancião,
eu não teria me tornado como um de Israel. Sua irascibilidade chegou perto de
mim. a perder-se tanto neste mundo como no que está por vir, mas a paciência
de Hillel me trouxe a uma vida neste mundo e aquela que virá ". Foi dito que a
este prosélito nasceram dois filhos: ele nomeou um Hillel e o outro Gamaliel,
e eles foram chamados de prosélitos de Hillel.

" Arrependa-se um dia antes da tua morte ." Os discípulos de R. Eliezer


perguntaram-lhe: "Como alguém pode saber o dia de sua morte para depois se
arrepender?" Ele respondeu: "Por isso mesmo, ele deveria fazer todos os dias
hoje um dia de arrependimento"; isto é, ele deveria estar se arrependendo toda
a sua vida.

R. José bar Jehudah disse em nome de seu pai R. Jehudah bar Ilai, que disse
em nome de Ilai, citando R. Eliezer, o Grande: "Arrependa-se um dia antes de
sua morte, e aqueça-se diante da luz do sábio, mas cuidado com suas brasas,
talvez você possa ser chamuscado, pois sua mordida é a mordida de uma
raposa, e seu ferrão é o ferrão de um escorpião e também suas palavras são
como brasas de fogo ".
Notas de rodapé

1: 1 Capítulo I do original.

3: 1 O Talmud infere isso das duas palavras shephot hashophtim , que


literalmente significam que os juízes foram julgados. Por isso, quem julgou os
juízes? Os mais velhos.

7: 1 A tradução desta passagem é totalmente diferente. O Talmude, no


entanto, interpreta isso como Adão, o Primeiro, e o leva literalmente.

11: 1 Capítulo II. do original.

12: 1 Nos tempos antigos, e mesmo agora em alguns lugares do Oriente, uma
mulher em sua separação deve ser separada e evitar toda a comunicação com
alguém durante todo o tempo.

12: 2 Explicamos em nosso "Philac. Ritus", que naquela época apenas grandes
homens podiam ter filactérios e, portanto, ela os levava para provar que seu
marido era um deles.

13: 1 Leeser traduz "contra" o terceiro dia, mas o Talmud traduz como nós
damos.

16: 1 Há uma tradição no Talmud de que Malkizedek é idêntico a


Shem. Salem em hebraico significa também "perfeito". Daí a analogia.

19: 1 Capítulo III. do original.

19: 2 Em uma Mishna no final do Trato Pëah, é dito o contrário, viz. Aquele
que precisa de caridade e se recusa a aceitá-lo não se afastará deste mundo até
que ele esteja em posição de dar caridade.

20: 1 Isto é inferido da letra supérflua ‫ ו‬e ‫ ;ת‬como portões ‫דלתי‬, "também é
plural, não menos que dois, do acrescentado e eles deduzem um mais.

21: 1 Nós omitimos a narrativa de um homem piedoso que foi obrigado a


permanecer durante a noite em um cemitério, já que seu lugar apropriado é em
Berachoth.

22: 1 Capítulo IV. do original.

25: 1 Em outra parte, o Talmud explica que o Líbano significa o Templo e


"poderoso" um rei.

27: 1 Capítulo V. do original.


27: 2 Capítulo VI. do original.

28: 1 De acordo com essa lenda, R. Aqiba teve um filho antes de se casar com
a filha, de Calba Shebua, e assim pode ser explicada a questão de Tossaphat
no sábado, antiga edição 106 b , começando com o parágrafo "R. Josué
Karcha "

29: 1 Ver Seção Moed, vol. VI, Trato Yomah, p. 49, que é Hillel quem será
uma ameaça para os pobres.

32: 1 Calba , significa "cão"; Shebua , "saciada".

32: 2 Capítulo VII. do original.

35: 1 Capítulo VIII. do original.

36: 1 O Talmud traduz ‫" חושב‬pensar depois" (dúvida), mas Leeser traduz
"respeito".

37: 1 Ele fez isso para evitar que outros fizessem sua violência.

38: 1 Capítulo IX. do original.

41: 1 O termo hebraico é Kehorkhe Hadaionin . Esta tradução está de acordo


com Rashi. Maimônides explica isso da seguinte maneira: "Não se faça como
quem instrui os litigantes sobre o que alegar". A explicação, no entanto, dos
antigos sábios será encontrada no Gemara.

42: 1 Capítulo X. do original.

43: 1 i.e. , não entre em tais assuntos que farão com que o governo investigue
sobre você. Os comentaristas, no entanto, interpretam isso de outra forma. -
Veja Gemara.

43: 2 Capítulo XI. do original.

46: 1 Capítulo XII. do original.

48: 1 in‫ ה‬em hebraico significa "boca", e o Talmude a toma literalmente.

49: 1 O termo hebraico para isso é "Mekapeah", derivado de


"K'apah", alto (Bechoroth, 45 b).

50: 1 De acordo com a interpretação do Talmud, mas Leeser traduz "obtido".

52: 1 Capítulo XIII. do original.


53: 1 Há setenta e cinco letras no texto hebraico começando com a palavra
‫ לבוא‬e terminando com ‫גדלים‬, cuja tradução é "vai levar para si uma nação do
meio de uma nação, por meio de provas, por sinais, e maravilhas, e por guerra,
e por uma mão poderosa, e por um braço estendido, e por grandes terrores ". E
no Midrash é explicado que uma palavra, of‫ וי‬de três letras não é contada, pois
tem referência a p. 54 Egito. Dos muitos comentários sobre esta passagem difícil
e complicada, parece-nos ser o melhor, segundo Isaiah Berlin (Pick).

54: 1 Capítulo XIV. do original.

56: 1 Capítulo XV. do original.

56: 2 Isto também é declarado no sábado, p. 51; mas porque é aqui mais em
detalhe, nós damos novamente.
p. 59

CAPÍTULO II.
Mishná A . Rabi (Jeudah o Príncipe) tinha o hábito de dizer: "Ao escolher o
caminho certo, ver que é um que é honroso para si mesmo e sem ofensa aos
outros. Seja tão escrupuloso sobre o comando mais leve quanto sobre o mais
pesado, para não o homem conhece o resultado de suas ações Pesar as
desvantagens temporais presentes de um curso obediente contra a recompensa
do futuro, e os presentes frutos desejáveis de um ato pecaminoso contra o
dano à sua alma imortal Em geral, considere três coisas e tu queres nunca caia
em pecado: lembre-se de que existe acima de ti um olho que tudo vê, um
ouvido que tudo escuta, e um registro de todas as tuas ações. "

Mishna B . Rabban Gamaliel, filho de R. Jehudah, o Príncipe, costumava


dizer: "Belo é o estudo da Lei quando associado a uma vocação mundana,
pois os esforços exigidos por ambos sufocam toda inclinação ao pecado. Mas
estudo que não está associado todos os que se ocupam dos assuntos
comunitários devem fazê-lo em nome do Céu, pois o mérito de seus pais os
sustenta e sua retidão permanece para sempre, e vós mesmos terão
recompensa. contado a vós como se fizestes.

Mishna C . ["Seja cauteloso com os que têm autoridade, pois eles não deixam
que um homem se aproxime deles, mas para seus próprios propósitos; e eles
aparecem como amigos quando é para seu proveito, e não são suportados por
um homem no tempo de sua necessidade.]

Mishna D . Ele também costumava dizer: "Faça a sua vontade como se fosse
sua, para que Ele possa fazer a tua vontade como se fosse a sua.
p. 60

Anula a tua vontade perante a sua, para aniquilar a vontade dos outros antes
da tua vontade.

Mishná E . Hillel tinha o hábito de dizer: "Não se isole da comunidade e do


seu interesse. Não confie na sua força espiritual até o dia da sua morte. Não
passe o julgamento sobre o seu próximo até que você se coloque em seu
lugar." não é algo que não deve ser ouvido, porque eventualmente será
ouvido, diga nunca, "em algum momento, quando eu tiver prazer, vou cuidar
de meu progresso espiritual", talvez você nunca tenha tempo livre.

Mishna F . Ele também disse: "O javali nunca pode temer o pecado, o
ignorante nunca pode ser verdadeiramente piedoso. Quem tem vergonha de
pedir nunca aprenderá; nenhum homem irritável pode ser um professor.
Aquele cuja mente é dada ao ganho mundano não adquirirá sabedoria. Onde
um homem é necessário, esforce-se para que você seja o homem ".

Mishná G . Além disso, ele viu um crânio que flutuava na face da água, e ele
disse: "Porque você se afogou, eles se afogaram, e no fim, aqueles que se
afogaram serão afogados". 1

Mishna H . Ele disse ainda: "Quanto mais festejar mais alimento para vermes;
quanto mais riqueza mais cuidados, mais mulheres, mais feitiçaria; mais
servas, mais lascívia; mais servos, mais roubo. Mas quanto mais
conhecimento, mais comida para a vida;
p. 61

mais estudo quanto mais sabedoria; quanto mais reflexão, melhor o


conselho; quanto mais caridade, mais paz. Aquele que ganha um bom nome
ganha algo que nunca pode ser tirado. Aquele que chegou a si mesmo as
palavras da Lei, chegou a si mesmo a vida do mundo por vir ".

MISHNA eu . Rabban Johanan b. Zakkai recebeu de Hillel e Shammai. Ele


costumava dizer: "Se aprendeste muito, não te gabes disso, pois é por isso que
foste criado".

Mishna J . O texto acima tinha os seguintes cinco discípulos: R. Eliezer


b. Hyrkanos, R. Joshua b. Hananiah, R. José o padre, R. Simeon b. Nathaniel
e R. Elazar b. Arach. Ele costumava contar seus elogios: "Eliezer b. Hyrkanos
é uma cisterna rebocada, que não perde uma gota; Josué B. Hananias - feliz é
ela que o descobre; José é piedoso; Simeão b. Natanael é um pecador; Elazar
B. Arach é uma fonte de primavera. "

Ele costumava dizer: "Se todos os sábios de Israel estivessem em uma escala
de equilíbrio, e Eliezer b. Hyrkanos na outra escala, ele superaria todos
eles." Abba Saul, no entanto, disse em seu nome: "Se todos os sábios de Israel
estivessem em uma balança e Eliezer b. Hyrkanos com eles, e Elazar b. Arach
na outra escala, ele superaria todos eles."

Mishná K . Ele (Johanan b Zakkai) disse aos seus. uma vez: "Saia e descubra
qual é a melhor coisa para cultivar". R. Eliezer disse: Um olho generoso; R.
Joshua disse: Um amigo leal; R. Jose disse: Um bom vizinho; R. Simeon
pensou: Prudência e previsão; R. Elazar disse: Um bom coração. Então o
Mestre disse: "Eu considero R. Elazar b. O julgamento de Arach é o melhor,
pois em todos os seus estão incluídos."

Ele disse a eles novamente: "Vá e descubra qual é o caminho maligno que um
homem deve evitar." R. Eliezer disse: Um olho do mal; R. Josué disse: Um
companheiro maligno; R. Jose disse: Um vizinho malvado; e R. Simeon
disse; Aquele que tomou emprestado e não retribuiu; aquele que pede
emprestado de um homem é
p. 62

o mesmo como se ele pegasse emprestado do Onipotente, como está escrito


[Ps. xxxvii. 2 1]: "O ímpio toma emprestado e não paga, mas o justo é
beneficente e dá.", R. Elazar disse: Um coração maligno. Então o Mestre
disse: "Eu considero R. Elazar b. O julgamento de Arach é o melhor, pois em
todos os seus estão incluídos."

Mishná L . Cada um desses discípulos teve três máximas. R. Eliezer: "A honra
do teu semelhante deve ser tão querida para ti como a tua. Não te permitas
ficar facilmente irada. Arrependa-te um dia antes da tua morte." (Ele também
disse :) "Aconcheça-se diante da luz dos sábios, mas cuidado com suas brasas,
talvez você possa ser chamuscado; pois sua mordida é a mordida de uma
raposa e sua picada a picada de um escorpião e seu assobio é o de uma
serpente de fogo, e todas as suas palavras são como brasas de fogo ".

Mishna M . R. Joshua: "Um olhar invejoso, propensões pecaminosas e


misantropia afastam um homem do mundo".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Um olho invejoso " etc. Como assim? Significa que se deve olhar para a
casa do seu vizinho com o mesmo olho que ele olha para o seu; e como se está
ansioso para que não haja má reputação contra a esposa e os filhos, ele
também deve ficar ansioso em relação aos filhos do seu próximo ou de seus
filhos.

Outra explicação desta passagem é: Não se deve invejar a erudição do


próximo. Aconteceu a um que tinha inveja, que seus dias foram encurtados e
ele partiu prematuramente deste mundo em conseqüência disso.

" Propensões pecaminosas ." Como assim? Dizem que as propensões do mal
são treze anos mais velhas do que as boas propensões, quando começam a
crescer com a criança no ventre da mãe, de modo que ele corrompe o sábado e
comete outras transgressões, e não há nada em sua mente para protestar com
ele. Mas quando ele tem treze anos, nascem os bons pensamentos. Se ele
corrompe o sábado, eles lhe dizem: Canalha, não está escrito? xxxi. 14]:
"Todo aquele que o contamina certamente será morto". Se ele está prestes a
cometer adultério, eles dizem para ele:
p. 63
Canalha, não está escrito [Lev. xx. 16]: "Então o adúltero será
[parágrafo continua]

morto, juntamente com a adúltera". Quando alguém fica excitado e está


prestes a cometer o incesto, todos os membros do seu corpo estão dispostos,
pois os maus pensamentos reinam sobre todos os duzentos e quarenta e oito
membros; mas quando ele está prestes a realizar um ato meritório, todos os
seus membros começam a doer, pois os maus pensamentos dentro dele reinam
sobre todos os duzentos e quarenta e oito membros de seu corpo; e os bons
pensamentos são comparados com aquele que está aprisionado, como está
escrito [Eccl. iv. 14]: "Para fora da prisão vem um para reinar", que se refere
aos bons pensamentos.

[Há outros que dizem que se refere a José, o justo. Essa mulher perversa (sua
amante) costumava persegui-lo com suas palavras. Ela disse: "Eu vou
aprisionar-te." Ele respondeu: "O Senhor afrouxa os prisioneiros". Ela disse:
"Vou arrancar seus olhos". Ele respondeu: "O Senhor faz o cego ver". Ela
disse: "Eu vou dobrar a tua estatura". Ele respondeu: O Senhor levanta os que
estão abatidos.

E, na realidade, não é de admirar que José, o justo, tenha se recusado a ouvi-


la, como aconteceu com R. Zadoq, como foi dito: Para R. Zadoq, que era
grande em sua geração, enquanto estava em cativeiro, certa matrona mandou
uma linda escrava feminina; mas assim que ele a notou, virou-se para a
parede, para não vê-la, e absorveu-se com a Torá a noite toda. De manhã, ela
foi se queixar à sua amante e disse: "A morte é preferível a mim do que estar
com esse homem". A matrona mandou chamá-lo e perguntou: "Por que não
trataste essa mulher como os homens costumam tratar as mulheres?" Ele
respondeu: "Eu não poderia fazer o contrário. Eu pertenço a uma grande
família de padres. Ignorei-a completamente, para não ficar tentada a ter
relações sexuais com ela, e adicionar bastardos a Israel". Quando ela ouviu
isso, ela deu ordens a respeito dele e depois o dispensou com grande
honra. Tampouco é de admirar a recusa de R. Zadoq, pois R. Aqiba foi maior
em seu ato; e a ele aconteceu o seguinte:

R. Aqiba, enquanto uma vez em um determinado país, foi calumniated antes


do sultão (e foi preso). Ele enviou duas lindas mulheres, que foram lavadas,
ungidas e adornadas como noivas. Eles estavam abraçando-o a noite toda,
cada um convidando-o para si. Ele, no entanto, repeliu-os. Eles reclamaram
diante do sultão e disseram: "A morte é preferível a nós do que estar com
aquele homem". Ele mandou chamá-lo e perguntou;
p. 64

"Por que você não tratou essas mulheres como homens tratam até
[parágrafo continua]

mesmo mulheres caseiras - elas não são seres humanos como a si mesmo? Por
que o teu Criador também não as criou?" Ele respondeu: "Eu não podia fazer
o contrário: o odor deles parecia ser o de carcaças putrefatas".
E mesmo R. Aqiba não deve ser admirado por seu ato, pois R. Eliezer, o
Grande, excedeu-o com o seguinte ato: Ele criou a filha de sua irmã e por
treze anos dormiu com ela em uma cama. Quando ela ficou em idade de casar,
ele disse a ela para se casar. Ela, no entanto, respondeu: "Não sou teu servo?
Usa-me como escravo para lavar os pés dos teus discípulos". Ele novamente
disse a ela: "Eu sou velho demais. Casem-se com alguém adequado à tua
idade". Ela respondeu: "Eu já não te disse que sou teu servo e que me usa
como escravo para lavar os pés dos teus discípulos?" Quando ele ouviu isso,
ele propôs a ela e se casou com ela.]

Disse R. Reuben b. Aztrobli: Como é difícil para alguém evitar as propensões


do mal que estão dentro dele desde o minuto de seu nascimento! Como está
escrito [Gen. iv. 7]: "O pecado jaz à porta". Assim, vemos que um animal
jovem é sempre cuidadoso para não se aproximar de coisas nocivas, como
fogo ou um poço, porque não tem propensões maléficas, enquanto uma
criança humana deve sempre ser protegida contra colocar a mão no fogo e
outras coisas prejudiciais, porque ele tem o desejo de fazer essas coisas, e isso
se deve às más propensões nascidas com ele.

Disse R. Simeon b. Elazar: "Quais são os maus pensamentos para

ser comparado a? Para um pedaço de ferro que é colocado no fogo;

enquanto estiver lá, vários vasos podem ser formados a partir dele.

O mesmo acontece com os maus pensamentos: não há outro preventivo a não


ser a Torá, que é comparada ao fogo. Como está escrito [Prov. xxv. 21, 22]:
"Se o teu inimigo estiver com fome, dá-lhe pão

comer; e se ele estiver com sede, dê-lhe água para beber; porque ainda que
reúnam brasas de fogo sobre a sua cabeça, ainda assim o Senhor a
recompensará. "Não leia ‫( יְ שלֵמ לְך‬retribuir a ti), mas ‫( י ְַשלִ ים לְך‬fazer-te em
paz).

Disse o Príncipe R. Jehudah: Para a seguinte parábola os maus pensamentos


podem ser comparados: Dois homens entraram em uma hospedaria, e um
deles foi preso por roubo. Quando perguntado por um cúmplice, ele disse que
tinha um, embora pudesse negá-lo facilmente, mas ele o disse para implicar
também seu companheiro e fazê-lo compartilhar seu próprio destino. O
mesmo se aplica a
p. 65

maus pensamentos: eles não estão satisfeitos com a destruição da alma, eles
também destroem o corpo.
Disse R. Simeon b. Johai: A partir do seguinte deve-se deduzir que os
israelitas nunca verão a Gehenna. A seguinte parábola pode ser aplicada a
isto: Um rei que tinha um campo estéril alugou-o a algumas pessoas em um
aluguel anual de dez medidas de trigo. A terra era adubada, regada e cercada
de valas, e geralmente bem cuidada. Ainda assim, no final do ano, os
arrendatários pagavam ao rei apenas uma medida de trigo em vez de
dez. Quando o rei lhes pediu uma explicação, eles disseram: "Nosso senhor e
rei, tu sabes bem que a terra era estéril, e não te trouxe nenhuma receita;
agora, mesmo depois de muito do nosso trabalho investido, não produziu mais
que esta medida ". Um pedido similar que os israelitas farão no futuro antes
do Santo, bendito seja Ele: "Senhor do Universo!

" E misantropia ." Isto significa: Não se deve dizer: ame os sábios, mas odeie
os discípulos; ou amem os discípulos e odeiem as pessoas comuns; mas,
amem cada um exceto os infiéis, os aliciadores, os enganadores e os
informantes. Assim também diz David [Ps. cxxxix. 21, 22]: "Eis que os que te
odeiam odeio, ó Senhor! E, por causa dos que se levantam contra ti, sinto
aversão. Com o maior ódio os odeio; inimigos são eles que se tornam para
mim".

Também está escrito [Lev. xix. 18]: "Mas amarás o teu próximo como a ti
mesmo: eu sou o Senhor." Porque eu o criei; e se ele pratica o que o teu povo
fizer, amá-lo-á, mas não o contrário.

R. Simeon b. Elazar disse: A passagem acima foi dita como uma admoestação
estrita: Se você o amar, terá a garantia de uma boa recompensa; caso contrário
(lembre-se), eu sou o juiz e cuidarei para que você seja punido.

Mishna N . R. José: "A propriedade do teu próximo deve ser tão sagrada
quanto a tua. Prepara-te para aprender a Lei, pois não é uma herança para ti.
Que nobre propósito seja subjacente a toda a tua acção."

MISHNA OU Simeon: "Tenha cuidado ao ler o


p. 66

Shema e, em oração; não olhe para a oração como uma tarefa


[parágrafo continua]

obrigatória, mas como um privilégio concedido pela misericórdia e graça


diante de Deus, pois está escrito [Joel, ii. 13]: "Pois ele é misericordioso e
misericordioso, longânimo e de grande bondade; e ele se considera do que é
mau." Nunca se considere um pecador grande demais para se aproximar Dele
".

Mishna P . R. Elazar: 1 "Seja mais zeloso na busca do estudo; esteja sempre


preparado para responder a um escarnecedor; lembra-te em cujo serviço
trabalhais". (Ele também acrescentou :) "Saiba quem é o teu Mestre, que ele
pode ser confiável para te recompensar pela tua obra."

Mishná Q . R. Tarphon tinha o hábito de dizer: "O dia é curto, o trabalho é


ótimo, os trabalhadores são preguiçosos, a recompensa é rica e o Mestre é
urgente".

Mishna R . Ele também disse: "Não cabe a ti completar toda a tarefa, mas tu
não és livre, portanto, negligenciá-la completamente. Se tu tens aprendido
muito, tu receberás muita recompensa, e fiel é o Mestre da tua obra." que te
pagará a recompensa da tua obra, e saberá também que o dom da recompensa
dos justos é para o mundo vindouro.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2" A propriedade de teu próximo deve ser tão sagrada quanto a tua ." Isso
significa que alguém deve ser tão cuidadoso com a propriedade de seu amigo
quanto ele próprio; e como ele está desejoso de que não haja insultos em seus
bens, assim desejará que não haja nenhum sobre os de seu amigo.

Outros explicam o seguinte: Quando um discípulo chega a ti com o pedido de


ensiná-lo, se és capaz de cumprir com o seu pedido; caso contrário, rejeite-o
imediatamente e não aceite seu dinheiro, como está escrito [Prov. iii. 28]:
"Não digas ao teu próximo: Vai, e retorna, e amanhã eu darei, quando tiver
por ti."

" Prepare-se para aprender a lei ." Como assim? Quando Moisés
p. 67

nosso mestre viu que seus filhos não conheciam o suficiente da Lei para poder
sucedê-lo, ele se envolveu e orou: Senhor do Universo! designe para mim
aquele que deveria estar na cabeça do povo, como está escrito. xxvii. 15-17]:
"Então Moisés falou ao Senhor, dizendo: O Senhor, o Deus dos espíritos de
toda a carne, designe um homem para a congregação, que possa sair diante
deles, e que entre diante deles. " Disse o Santo, bendito seja Ele: "Moisés,
toma Josué, nomeia um intérprete para ele, e à frente dos grandes homens em
Israel, faça-o palestra em tua presença." Então Moisés disse a Josué:
Josué! essas pessoas que eu entrego ao seu cuidado não devem ser
consideradas como bodes ou ovelhas, mas como crianças e cordeiros; pois
eles ainda não tiveram experiência nos mandamentos, e, portanto, não pode
ser considerado como tal. Como está escrito [Songs, i. 8]: "Se tu não sabes
isto, ó mais bela das mulheres! Siga adiante nas pegadas do rebanho, e
alimente os teus filhos em volta das moradas dos pastores."
Rabban Johanan b. Zakkai certa vez foi ao mercado, e notou uma menina
pegando cevada debaixo dos pés do gado dos árabes. "Minha filha, quem és
tu?" ele perguntou a ela, mas ela não respondeu. Novamente ele colocou a
mesma pergunta para ela, mas novamente ela ficou em silêncio. Finalmente
ela disse: "Espere um pouco". Ela envolveu-se com os cabelos, aproximou-se
dele e disse: "Rabino, eu sou a filha de Nakdimon b. Gurion". "E o que
aconteceu com o dinheiro do teu pai?" Ele perguntou a ela; e ela
respondeu. "Rabi, sobre ele foi verificada a palavra que era proverbial em
Jerusalém: 'Aquele que deseja preservar sua riqueza, deve diminuí-la (gastá-la
em caridade; mas como meu pai não gastou o suficiente em instituições de
caridade, tudo desapareceu)". "" E o que aconteceu com o de teu sogro? ”Ele
novamente a interrogou, e ela respondeu:“ Rabbi, através de meu pai também
o dele estava perdido. ”Então, disse Rabban Johanan b. Zakkai aos seus
discípulos: "Sempre que eu costumava ler a passagem: 'Se tu não sabes isto, ó
tu mais bela das mulheres! Siga adiante nas pegadas dos rebanhos,' eu não
pude discernir qual punição estava contida ali; mas depois do que tenho visto
hoje, posso dizer com segurança que a punição significa que Israel deve estar
sob o domínio da mais baixa nação dos pagãos; e não apenas isso, mas
também deve estar entre o esterco de seus animais. " Sempre que eu
costumava ler a passagem: 'Se tu não sabes isto, ó tu mais bela das
mulheres! Mas, seguindo adiante os passos dos rebanhos, não pude distinguir
que castigo havia nela; mas depois do que tenho visto hoje, posso dizer com
segurança que a punição significa que Israel deve estar sob o domínio da
nação mais baixa dos pagãos; e não apenas isso, mas também deve estar entre
o estrume do seu gado ". Sempre que eu costumava ler a passagem: 'Se tu não
sabes isto, ó tu mais bela das mulheres! Mas, seguindo adiante os passos dos
rebanhos, não pude distinguir que castigo havia nela; mas depois do que tenho
visto hoje, posso dizer com segurança que a punição significa que Israel deve
estar sob o domínio da nação mais baixa dos pagãos; e não apenas isso, mas
também deve estar entre o estrume do seu gado ".

A mesma moça perguntou-lhe: "Rabino, lembra-te de que assinaste o teu


nome ao meu contrato de casamento?" Ele
p. 68

respondeu: "eu faço"; e voltando-se para seus discípulos, ele continuou: "Na
verdade, assinei meu nome para o contrato de casamento desta menina, que
era para um milhão de dinares Tyrian. A família de seu pai nunca saiu de casa
para entrar no Templo, até que um tecido de lã se espalhou. para eles."

Aconteceu que uma menina e suas dez empregadas foram capturadas, e um


pagão a trouxe para sua casa. Um dia ele deu-lhe um jarro e disse-lhe para
trazer-lhe um pouco de água. Uma de suas empregadas levantou-se e pegou-a
dela. "Por que fizeste isto?" ele perguntou a ela; e ela respondeu: "Mestre, juro
pela tua vida que sou uma das quinhentas donzelas que pertencem à mãe
dela". Quando ele ouviu isso, libertou a menina e suas dez empregadas.

O seguinte aconteceu com outra jovem que foi capturada e criada na casa de
um pagão. Uma noite ele teve um sonho, no qual recebeu o mandamento de
mandá-la embora. Sua esposa, no entanto, impediu que ele fizesse isso. Mais
uma vez ele teve um sonho, no qual lhe foi dito que, se ele não mandasse
embora a garota, ele morreria. Ele fez isso, mas desejando saber o que
aconteceu com ela, segui-la. Ela continuou andando até ficar com sede. Ela
desceu para uma fonte para beber e, colocando a mão na parede, foi mordida
por uma cobra e morreu. Ela flutuou sobre a água até que ele desceu, tirou-a e
enterrou-a. Quando ele voltou para casa, foi dito à sua esposa: "As pessoas às
quais esta menina pertencia não são punidas por ninguém além de seu Pai no
céu".

" Deixe nobre propósito subjacente a todas as suas ações ." Significa, por
causa da Torá, como está escrito [Prov. iii. 6]: "Reconhece-o em todos os teus
caminhos, e ele nivelará os teus caminhos."

Disse R. Simeon: Seja pontual na leitura de Shema e na oração; e quando


orares, que não seja como uma conversação, mas súplica diante do Santo,
bendito seja Ele, como está escrito [Jonas, iv. 2]: "Que tu és um Deus
misericordioso, e misericordioso, longânimo e abundante em benignidade, e
arrependido do mal."

Disse R. Elazar (ver Mishna, e além disso ele disse): "Nada da Torá será
esquecido por ti. Saiba quem é o teu esforço e com quem fizeste um pacto; e
quem é teu mestre, que é certamente para ter a confiança de que ele te
recompensará pela tua obra.
p. 69

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1(Como Raban Johanan Zakkai costumava recontar o louvor de seus


discípulos), assim como R. Jehudah o Nassi recontou dos seguintes sábios: R.
Tarphon, R. Aqiba, R. Elazar b. Azarias, R. Johanan b. Nuri e R. José o
Galileu.

Ele chamou R. Tarphon de "uma pilha de pedras"; outros dizem, "uma pilha
de nozes", que, se alguém for levado, toda a pilha é agitada e há um rolamento
de porcas uma sobre a outra. Assim foi com R. Tarphon, quando um discípulo
veio até ele e disse. "Ensina-me", ele ensinou-lhe as Escrituras, Mishna,
Midrash, Halakhoth e Agadoth; e quando ele o deixou, ele estava cheio da
bênção da Torá.
Ele chamou R. Aqiba de "um tesouro selado", e comparou-o a um operário
que, levando sua cesta, sai para fora e o que quer que ele possa encontrar,
coloca nela. No entanto, quando ele volta para casa, ele escolhe cada
artigo. Assim R. Aqiba fez (quando ele estava estudando), e fez regras para a
Torá para ser facilmente compreendida, como anéis são feitos para vasos para
tornar mais fácil para segurá-los.

Ele chamou R. Elazar b. Azariah "uma cesta de vendedores ambulantes", e


comparou-o a um vendedor ambulante que, levando sua cesta, percorre o país,
e as pessoas vêm reunidas em torno dele pedindo vários artigos, e descobrem
que ele tem tudo. Assim foi com R. Elazar b. Azarias, quando um discípulo
veio a ele, ele ensinou-lhe tudo o que ele desejava; e quando ele o deixou, ele
estava cheio das bênçãos da Torá.

Ele chamou R. José, o Galileu, "um coletor de coisas boas, sem orgulho para
ele", que recolheu as boas maneiras de todos os sábios e os Mishnaioth que
todos os sábios ensinaram.

Quando R. Jehoshua ficou velho, etc. (Veja Seção Moed, Vol. VI., Trato
Hagiga, pp. 3 e 4: "Aconteceu que Johanan B. Broka", etc., até o parágrafo
começando com "Aconteceu uma vez.")

Issi b. Jeudah deu os nomes dos sábios. Para R. Meir, ele deu o nome de
"sábio e escriba"; para R. Jehudah, "um sábio quando ele deseja ser"; para R.
Elazar b. Jacó, "um pequeno vaso (não de muito conhecimento), mas muito
claro"; a R. José, "um homem de bom raciocínio na ciência da Lei"; para R.
Johanan b. Nuri, "uma cesta de um mascate contendo uma variedade de tudo";
p. 70

para R. Jose, o Galileu, "um coletor das melhores coisas, sem orgulho sobre
ele"; para R. Simeon b. Gamaliel, "um cofre cheio da melhor tintura
roxa"; para R. Simeon, "aprende muito e esquece pouco".

Quando, mais tarde, R. Simeon conheceu Issi b. Jeú perguntou-lhe: "Por que
me atacaste diante dos eruditos?" E ele respondeu: "Eu disse apenas que você
aprende muito e esquece pouco, e até mesmo esse pouco não tem
importância".

Notas de rodapé

60: 1Todos os comentaristas concordam na opinião de que a Mishna acima


nos ensina nada mais que uma lição de retaliação; ou seja, que "o Todo
Poderoso paga medida por medida", ou, em outras palavras, que a punição se
encaixa no crime. Estou, no entanto, inclinado a acreditar que, se o autor do
acima mencionado Mishna tinha a intenção de nos ensinar apenas a dita lição,
ele poderia encontrar ilustrações melhores e mais marcantes do que "o
crânio", etc. Eu sou, portanto, da opinião que um fato histórico está subjacente
ao Mishna acima. Hillel viveu durante o tempo de Herodes e testemunhou
todas as atrocidades cometidas por aquele tirano no povo e, mais
especialmente, nos rabinos. Hillel também era uma testemunha ocular do
crime imundo que Herodes havia cometido por ter afogado em um banho seu
cunhado, o sumo sacerdote Aristóbulo III. (Veja Grätz ' s História, vol. III.,
Página 203.) O (‫( לגולת‬caveira) do Mishna se refere, portanto, Aristobule, e
desde que Hillel não podia expressar abertamente sua indignação, por medo
do tirano, ele fez uma alusão indireta à ocorrência. Do israelita americano,
pelo Rev. Dr. Falk Vedaver.

62: 1 Capítulo XVI. do original.

66: 1 O texto diz "Eliezer", mas este deve ser um erro de impressão, pois
Elazar foi o quinto de todos os discípulos, cada um dos quais tinha três
máximas.

66: 2 Capítulo XVII. do original.

69: 1 Capítulo XVIII. do original.


p. 71

CAPÍTULO III
Mishná A . Aqabia b. Mahalallel costumava dizer: "Considere três coisas, e tu
não cair em transgressão: sabe onde tu vens, que vais, e diante de quem tu és
prestes a dar conta e acerto de contas; sei onde tu vens - de uma gota fétida e
para onde vais - para verme e larva, e diante de quem tu estás prestes a dar
conta e avaliação: diante do Rei dos reis dos reis, o Santo, bendito seja Ele ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 " Disse Aqabia b. Mahalallel, quem leva ao seu coração as seguintes quatro

coisas nunca pecarão ": De onde ele vem; para onde ele vai; o que será dele; e
quem é seu juiz? De onde ele vem? de um lugar escuro! Para onde ele
vai? para um lugar escuro! O que será dele? poeira e vermes! E quem é o juiz
dele? o rei dos reis dos reis, o Santo, abençoado seja ele!

Disse R. Simeon: Ele vem de um lugar escuro e retorna para lá; ele brota de
uma gota fétida, de um lugar que nenhum olho pode contemplar, e finalmente
se torna pó e vermes, como está escrito [Jó, xxv. 6]: "Quanto menos o mortal,
o mero verme? E o filho da terra, o mero verme?"

Disse R. Elazar b. Jacob: Ele é um verme enquanto vive e um verme quando


morto. O que se entende por "um verme enquanto vive"? os vermes que o
infestam; "e uma larva quando morta" aplica-se àqueles que são criados a
partir dele após a sua morte.

Disse R. Simeon b. Elazar: Para o que isso pode ser comparado? Para um rei
que construiu um magnífico palácio, no qual ele morava, e a vala de um
curtidor passou em frente à sua entrada. Quem quer que
p. 72

Passou por disse: "Como bonito e quão glorioso este palácio teria sido, se esta
vala do curtidor não tivesse passado na frente de suas entradas." Então é
homem. Se agora, quando de suas entranhas emite um fluxo rançoso, ele é tão
orgulhoso e arrogante, tinha um fluxo de água ou óleo de cheiro doce emitido
por ele, quanto mais orgulhoso e altivo ele teria sido.

Quando R. Eliezer adoeceu, seus discípulos foram visitá-lo. Eles se sentaram


diante dele e disseram: "Nosso mestre, ensina-nos o melhor de todas as coisas
que você nos ensinou." Ele disse: "Tenha cuidado com a honra de seu amigo;
e quando você orar, saiba diante de quem você está, e através disso você será
recompensado com a vida no mundo por vir".
Mishna B . R. Haninah, o Segan do sumo sacerdote, disse: "Ore sempre pelo
bem-estar do governo; se não fosse pelo medo, os homens engoliriam uns aos
outros vivos". R. Haninah b. Phradyon disse: “Dois que se sentam juntos e
não discutem nenhuma parte da Lei, a sua posição é considerada a dos
escarnecedores, como está escrito [Sl. 1:]:“ E não está assentado na casa dos
escarnecedores ”; dois que se sentam juntos e estão discutindo algumas
palavras da Lei têm a Shekhina entre eles, como está escrito [Mal. iii. 16]:
'Então conversaram os que temeram ao Senhor um com o outro; e o Senhor
ouviu e ouviu 'etc. "

Isso é como dois. De onde se deduz alguém que se ocupa com o estudo da Lei,
que o Santo, abençoado seja Ele, fixe sua recompensa? Está escrito
[Sam. iii. 28]: "Que ele se sente em solidão e fique em silêncio; porque Ele
colocou sobre ele."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1Disse R. Hananiah o Segan: Aquele que leva as palavras da Torá ao seu


coração, todos os pensamentos da espada e fome, de loucura e fornicação,
maus pensamentos em geral e pensamentos de adultério, pensamentos de
tolices e pensamentos de preocupações humanas, são destruídos por ele, pois
assim está escrito nos Salmos de Davi
p. 73

[xix. 9]: "Os preceitos do Senhor são retos, regozijando o coração:


[parágrafo continua]

o mandamento do Senhor é claro, iluminando os olhos. P, Mas aquele que não


leva a sério as palavras da Torá, para ele o reverso vem, como Moisés
escreveu em seu Deuteronômio [xxviii. 46-48]: "E eles permanecerão sobre ti
por sinal e por sinal, e por tua semente para sempre. Porque tu não serviste ao
Senhor teu Deus com alegria e com alegria de coração, enquanto houve
abundância de todas as coisas; portanto servirás aos teus inimigos, que o
Senhor enviar contra ti, em fome e sede, e em nudez, e em falta de tudo.

Desde que diz: "Na fome", o que se entende por isso? Na época em que não se
tem sequer um pedaço de pão de cevada, seus inimigos exigem pão de trigo e
carne gorda. E o que significam as palavras: "E na sede"? Na época em que
não se tem sequer uma gota de vinagre ou cerveja, seus inimigos exigem dele
o melhor vinho da terra. E o que significam as palavras: "E na
nudez"? Quando não se tem sequer uma camisa de lã ou de linho, seus
inimigos exigem dele os de seda, a melhor de todas as terras. As palavras "E
na falta de tudo" significam que ele ficará sem luz, faca e mesa. Outros diz:
sem vinagre e sal. Isso corresponde à maneira pela qual as pessoas
amaldiçoam quando dizem: "Não pode haver vinagre nem sal em tua casa!"
Ele costumava dizer as palavras: "Não olhe para mim, porque eu sou um
pouco negro, porque o sol tem olhado ferozmente para mim" [Cântico dos
Cânticos, i. 6], referem-se aos conselheiros de Judá, que se libertaram do jugo
do Santo, bendito seja Ele, e escolheram um rei humano para reinar sobre eles.

"Os filhos de minha mãe estavam zangados comigo" [ibidem] refere-se a


Moisés, que matou o egípcio, como está escrito [Ex. ii. 11, 12]: "E aconteceu
naqueles dias que, sendo Moisés já crescido, saiu a seus irmãos, e atentou a
seus trabalhos penosos... E ele olhou para este e aquele caminho, e quando ele
viu que não havia ninguém. " O que se entende por "e quando ele viu que não
havia ninguém por"? Inferir disso, que Moisés perguntou aos grupos
deliberados de anjos, se ele deveria matá-lo (o egípcio). Eles disseram a
ele. para fazê-lo, e ele fez isso, não com uma espada, mas com uma palavra,
como está escrito [ibid., ibid. 14]: "Sayest (tu queres) matar-me, como mataste
o egípcio?" A partir disso pode ser aprendido que ele o matou pelo Santo
Nome.
p. 74

Outros dizem que a passagem: "Os filhos de minha mãe estavam com raiva de
mim", refere-se a Moisés, que fugiu para Midiã, como está escrito [Ex. ii. 15-
17]: "E Faraó ouviu isso, e ele tentou matar Moisés, mas Moisés fugiu da face
de Faraó, e permaneceu na terra de Midiã, e ele sentou-se perto de um poço...
E os pastores veio e levou-os embora, mas Moisés levantou-se e ajudou-os e
regou seus rebanhos ". Moisés constituiu a si mesmo como juiz e disse: "É
comum os machos extraírem a água e as fêmeas regarem os rebanhos, e aqui
vejo o contrário. Há neste lugar muita perversão".

Há outros que dizem que, enquanto Moisés ficou ao lado do poço, a água
subiu e veio em sua direção, mas quando ele saiu, a água também recuou. Ao
mesmo tempo, ele disse: "Ai de mim, que deixei meu povo e venha morar
entre os pagãos".

Outra explicação da passagem acima é que ela se refere aos israelitas que
fizeram o bezerro de ouro, pois, a princípio, eles disseram [Ex. xxiv. 7]:
"Tudo o que o Senhor tem falado faremos e obedecer", no entanto, logo
depois exclamou: "Estes são teus deuses, ó Israel" [Ex. xxxii. 4].

Outros ainda dizem que a passagem acima se refere aos espiões que trouxeram
e espalharam um relatório maligno sobre a terra, e fizeram com que as
carcaças dos israelitas caíssem no deserto, como está escrito. xiv. 29]: "Neste
deserto cairão suas carcaças."

"Eles me designaram para cuidar das vinhas" [Cântico dos Cânticos,


i. 6]. Disse o Santo, bendito seja Ele: Quem me fez regar gentileza sobre os
pagãos, mas o próprio Israel? Pois quando os pagãos vivem em prosperidade,
são empurrados, amaldiçoados e perseguidos.

Outros dizem que a passagem acima se refere aos israelitas que foram
exilados na Babilônia, e os profetas que estavam então entre eles disseram-
lhes para observar as leis das ofertas e dízimos. Eles, no entanto,
responderam: "Fomos exilados porque nos recusamos a observar essas leis, e
você deseja que as observemos agora?"

Mishna C . R. Simeon disse que Três que comeram à nossa mesa, e não
abençoaram o Senhor por Sua bondade, são como se tivessem comido dos
sacrifícios dos mortos, como está escrito. xxviii. 8]: 'Para todas as mesas estão
cheias de
p. 75

vômito de imundícia, não há lugar (limpo). ' Mas três que abençoaram o
Senhor quando comeram à nossa mesa, são como se tivessem comido da mesa
do Onipotente, como está escrito [Ezek. xli. 22] E falou-me: Esta é a mesa que
está diante do Senhor.

Mishna D . R. Hanina b. Hakhinai costumava dizer: "Aquele que acorda à


noite, e aquele que anda sozinho na estrada e desvia o coração para a
ociosidade, é culpa dele se incorre em problemas para si mesmo".

Mishná E . R. Nehunia b. Haqanah disse: "Aquele que recebe sobre ele o jugo
da Lei ( ou seja , aquele que se dedica inteiramente ao estudo), a comunidade
remove dele o jugo do governo e o jugo dos cuidados mundanos; mas um
estudante que quebra dele o Jugo da Lei, a comunidade coloca sobre ele o
jugo do governo eo jugo de preocupações mundanas ".

Mishna F . R. "Halaphtha da aldeia de Hananias disse:" Quando os dez se


sentam e estão ocupados em palavras de Lei, a Shekhina está entre eles, como
está escrito [Ps. Lxxxii 1]: "Deus está na Congregação de Deus". E de onde
está provado até cinco? Está escrito [Amos, IX 6]: 'E fundou o seu pacote 1 na
terra '(e um pacote é pelo menos de cinco). E daí até três? Está escrito
[Ps. lxxxii. 1]: 'No meio dos juízes julga' (e o número de juízes é geralmente
três). E daí até dois? Está escrito [Mal. iii. 16]: "Então os que eram favoráveis
ao Senhor falavam com freqüência um ao outro." (O menor número de
pessoas que podem falar umas com as outras é de dois.) E de qual delas? Está
escrito [Ex. xx. 24 (21)]: 'Em todos os lugares onde vou permitir que meu
nome ser mencionado, irei até ti e te abençoareiti .'"

Mishná G . R. Eliezer de Bartota disse: "Dai a Deus o que lhe pertence, pois tu
e tudo o que tens é seu, como disse Davi [I Crônicas XXIV 14]:" Porque tudo
o que vem de ti e de ti mesmo nós te demos. '
p. 76

Mishna H . R. Jacob disse: "Aquele que anda pelo caminho e aprende, e


interrompe seu estudo e diz: 'Que linda é essa árvore!' e, 'Quão bem é este
campo de sulcos!' está colocando em risco sua própria vida ".

MISHNA eu . R. Dosithai b. R. Janai disse em nome de R. Meir: "Quando um


erudito dos sábios se senta e estuda, e depois esquece o que ele estudou, a
Escritura o compara a alguém que põe em perigo sua própria vida, como está
escrito [Deut. Iv. 9]: 'Atendei-te a ti mesmo e guarda a tua alma com
diligência, para que não te esqueças das coisas que teus olhos viram, e de que
não se apartem do teu coração todos os dias da tua vida' etc. pensava que ele é
culpado de esquecer, mesmo quando seu estudo ficou difícil para ele, por isso
está escrito [Deut. iv. 19]: "E eles não partem do teu coração todos os dias da
tua vida", do que é para Pode-se inferir que ele não é culpado, a menos que ele
intencionalmente leve tal vida a esquecê-los.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1R. Hanina b. Dosa disse: Quem temer o pecado precede, a sua sabedoria
prevalece, como está escrito. cxi. 10]: O princípio da sabedoria é o temor do
Senhor ".

" Ele também costumava dizer: 'Aqueles que fazem as coisas excederem' "
etc., como está escrito [Ex. xxiv.]: "Nós faremos e obedeceremos." Foi
perguntado a R. Johanan b. Zakkai: "Que louvores devem ser aplicados àquele
que é sábio e temente ao pecado? Ele respondeu:" Um mecânico que tem suas
ferramentas com ele. "E que elogio deve ser aplicado àquele que é apenas
sábio, mas não temeroso de pecado? E ele respondeu: "Ele é um mecânico que
não tem ferramentas". Ele foi novamente perguntado sobre qual elogio deve
ser aplicado àquele que teme o pecado, mas não tem sabedoria, e ele
respondeu: "Nenhum mecânico, mas tem ferramentas".

" R. Elazar b. Azarias disse: 'Se não há Lei' " etc. Ele costumava dizer:
Alguém que é possuidor de boas obras e que estudou muita lei, a que ele é
para ser comparado? a uma árvore que é plantada pelas águas, cujos
ramos; são poucas, mas cujas raízes são muitas, e que podem suportar a mais
severa tempestade, como
p. 77

está escrito [Ps. Eu. 3]: "E ele será como uma árvore plantada por riachos de
água", etc. Alguém que não tem boas obras, mas que estudou direito, a que ele
é para ser comparado? a uma árvore plantada no deserto cujos ramos são
muitos e suas raízes poucas, que é facilmente arrancada por qualquer vento,
como está escrito [Jer. xvii. 6]: "Ele será como uma árvore solitária no
deserto".

" R. Gamaliel disse: 'Defina um professor' " etc. Um professor de sabedoria e


um companheiro para estudar, e ficar de fora da dúvida e não dar muito
dízimo por estimativa.

Simeão, seu filho, costumava dizer: Todos os meus dias passei entre os sábios,
e achei o silêncio a coisa mais aconselhável, e que não a discussão, mas a
prática, é o principal; e se o silêncio é aconselhável para pessoas inteligentes,
tanto mais para os tolos. A sabedoria não traz muita conversa, nem muita
conversa traz sabedoria; O principal é praticar. Todo aquele que fala, causa
muito o pecado, como está escrito. x. 19]: "Em uma infinidade de palavras, a
transgressão não pode ser evitada"; e também está escrito [ibid. xvii. 28]:
"Mesmo um tolo, quando ele guarda silêncio, é considerado sábio". R. Simeon
b. Eliezer disse: "Aquele que estuda a lei e teme o pecado é como um médico
que é consultado sobre uma ferida e quem tem seus instrumentos e drogas
com ele; mas quem estuda a Lei e não tem medo do pecado é como um
médico". quem,

Mishna J . R. Hanina b. Dosa disse: "Aquele em quem o medo do pecado


precede a sua sabedoria, (pode estar certo de que) a sua sabedoria perdurará; e
aquele em quem a sabedoria precede o seu medo do pecado, (pode estar certo
de que) a sua sabedoria não perdurará".

Ele também costumava dizer: "Aquele cujas obras são superiores à sua
sabedoria, (é certo que) a sua sabedoria perdurará; e aquele cuja sabedoria
excede as suas obras, (é certo que) a sua sabedoria não perdurará "

Ele também disse: "Aquele que ganhou a estima e o amor do homem, também
receberá o favor do Céu; mas aquele que não é digno de tal estima, não pode
esperar encontrar favor diante de Deus".

Mishná K . R. Dosa b. Horkhinas disse: "Dormindo a manhã, festejando ao


meio-dia, insignificante e infantil,
p. 73

e a companhia do vulgar desperdiça a vida de um homem.

Mishná L . R. Elazar, o Modai, disse: "Aquele que profana coisas sagradas e


despreza as festas; aquele que faz o seu vizinho corar em público, e anula a
aliança de Abraão, nosso pai, e age descaradamente contra a Torá, 1 embora
ele seja possuidor de Torá e boas ações, ele não tem parte no mundo por vir ".
Mishna H . R. Ishmael disse: "Seja flexível com o teu chefe (embora ele não
seja merecedor) e cedendo à impressão, 2 e receba todo homem com alegria. "

MISHNA NR Aqiba disse: "Mockery e frivolidade são os precursores da


imoralidade. Tradição é o baluarte da Lei; dízimos (caridade) são o baluarte
da riqueza; boas resoluções são o preservativo da abstinência; e a salvaguarda
da sabedoria é - silêncio "

Mishna ó . Ele costumava dizer: "Amado é o homem, que ele foi criado à Sua
imagem, e, além disso, que ele foi notificado de que ele foi criado assim,
como está escrito [Gênesis Ix. 6]:" Para a imagem de Deus fez ele homem. '

Mishna P . "Amados são Israel, que eles são chamados filhos de Deus; além
disso, foi-lhes dito que eles são assim chamados, como está escrito [Deut. Xiv
1]:" Vocês são os filhos do Senhor seu Deus '"

Mishná Q . "Amados são Israel, que lhes foi dado um precioso artigo; além
disso, foi-lhes dado a conhecer que lhes foi dado o precioso artigo" [como se
afirma noutro lugar que com este mundo foi criado, como está escrito
[Prov. iv. 2]: "Para uma boa informação eu te dou; meu ensino não deveis
abandonar"].

Mishna R . "Tudo é previsto e o livre-arbítrio é dado. E o mundo é julgado


pela graça; e cada um
p. 79

é julgado de acordo com a maioria de seus atos "( ou seja , se alguém fez mais
bem do que mal, ele é julgado mais favoravelmente - Rashi).

Mishna S . Ele (Aqiba) costumava dizer: "Tudo o que possuímos é meramente


uma confiança e, ao longo de toda a vida, uma rede está espalhada. O
armazém está aberto, o proprietário vende a crédito; o livro está pronto e a
mão do comprador faz a entrada. quem quiser pode vir e pedir emprestado,
mas os coletores estão continuamente indo os círculos dos devedores, e obter
pagamento deles voluntariamente ou involuntariamente, eles sabem em que
baseiam suas reivindicações, e sua corte é um tribunal de justiça, e tudo está
preparado para o banquete "( ou seja , até os ímpios têm uma parte no mundo
por vir - Rashi).

Mishná T . R. Elazar b. Azariah costumava dizer: "Sem conhecimento de


religião não pode haver verdadeira cultura, e sem cultura verdadeira não há
conhecimento de religião. Onde não há sabedoria, não há temor de Deus; e
sem temor a Deus não há Sem aprendizado não pode haver conselho, e sem
conselho haverá falta de aprendizado. Onde há uma falta de pão, a cultura não
pode prosperar e a falta de cultura causa a falta de pão ”.
Mishná U . Ele também costumava dizer: "Com o que ele deve ser
comparado, quem pode se gabar de mais aprendizado do que obras de
caridade? Com uma árvore de muitos galhos e poucas raízes - surge uma
tempestade que arranca e prostra, como é escrito [Jer. 18: 6]: "E ele será como
uma árvore solitária no deserto, que não sente quando vem o bem, mas
permanece nos lugares áridos no deserto, em uma terra salgada que não pode
ser habitada." Mas a que ele se assemelha, quem pode mostrar mais atos do
que aprender? Uma árvore de poucos galhos e muitas raízes: todas as
tempestades e ventos podem baixar e atacar, eles não podem movê-la de seu
lugar. Jr. 8:] 'E será como uma árvore que é plantada junto às águas, e por um
ribeiro estende as suas raízes, que
p. 80

não sente quando vem o calor, mas a sua folha permanece verde; e num ano
de seca não é perturbado pelo cuidado, e não deixa de dar fruto. '"

Mishna V . R. Elazar b. 'Hasma disse:' 'Qinim' 1 e 'Pitteche Niddah' 2 são


essenciais da Torá; Cânones de astronomia e geometria são pós-cursos de
sabedoria ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

3" Dormir de manhã ." Significa: Não se deve dormir intencionalmente até
depois da hora da leitura do Shemá, pois assim ele negligencia a Lei, como
está escrito [Prov. xxvi. 13]: "Assim como uma porta gira sobre as suas
dobradiças, assim também o preguiçoso na sua cama. Diz o preguiçoso: Há
um leopardo no caminho: um leão está entre as ruas."

" Carousing ao meio-dia " significa: Não se deve praticar o consumo de vinho
ao meio-dia, pois assim ele é impedido de observar a Lei, como está escrito
[Eccl. x. 16]: "Ai de ti, ó terra! Quando teu rei é desanimado, e quando teus
príncipes comer da manhã." Também: "Feliz és, ó terra, quando teu rei é
nobre espírito, e teus príncipes comem no devido tempo." Quando é a hora
certa? Diga, então, no mundo vindouro, como está escrito [Is. ix. 22]: "Eu, o
Senhor, apressarei a sua hora"; também: "No tempo apropriado, será dito a
Jacó e a Israel", etc. [Numb. xxiii. 23]. Disse o Santo, abençoado seja ele, para
Balaão: " Na época, mas não no tempo; não no seu tempo, o tempo quando eu
vou redimir Israel ".

" Bolinha infantil " Com isto se entende que não se deve praticar falar com
sua esposa, filhos ou filhas quando ele está estudando em casa; porque com
isso ele negligencia a Torá, como está escrito [Josué. Eu. 8]: "Este livro da lei
não deve sair de sua boca, mas tu deve meditar nele dia e noite."
" A companhia do vulgar " significa: Não se deve ficar com ociosos no
mercado, para que ele não negligencie a Torá, como está escrito. Eu. 1, 2]:
"Feliz é o homem que não anda no
p. 81

conselho dos ímpios. . . e não está no caminho dos escarnecedores; mas cujo
prazer é a lei do Senhor. "Disse R. Meir: Para que propósito é dito:" E não se
assenta no modo de escarnecedores "? Diga, então, refere-se aos salões de
assembléia dos escarnecedores, como está escrito [ibid. xxvi. 5]: "Eu odiei a
assembléia de malfeitores; e com os iníquos não me sentarei "; e também está
escrito:" Pois eis que vem o dia, que arderá como fornalha e todos os
pretensos, sim, e todos os que pratique maldade, seja palha ”, e“ presunçoso
sim, são escarnecedores, como está escrito [Prov. xxi. 24]: "O presunçoso e
orgulhoso, zombador é o seu nome."

Certa vez, R. Aqiba, sentado e ensinando seus discípulos, lembrou-se da


maneira como passava seus dias de juventude. Ele disse: "Eu te agradeço,
Senhor meu Deus, que me puseste entre os estudiosos, e não entre os ociosos
nos mercados".

Notas de rodapé

71: 1 Capítulo XIX. do original. A fraseologia dessas sentenças é um pouco


diferente no Mishna.

72: 1 Capítulo XX. do original.

75: 1 Leeser traduz "abóbada", mas o Talmud traduz literalmente.

76: 1 Capítulo XXII. do original.

73: 1 Isto é de acordo com Maimônides; Rashi, no entanto, diz que significa:
alguém que diz que Moisés escreveu no Pentateuco coisas ridículas, como,
por exemplo, que Thinna era a concubina de Elifaz [Gen. xxxvi. 12].

73: 2 Maimônides explica o contrário.

80: 1 Os jovens pombas sacrificados por uma mulher após o confinamento.

80: 2 Os três tipos de sangue menstrual, que são difíceis de distinguir uns dos
outros.

80: 3 Capítulo XXI. do original.


p. 82

CAPÍTULO IV
MISHNA A. Ben Zoma tinha o hábito de dizer: quem é um homem
sábio? Aquele que aprende com todos, como está escrito [Ps. cxix. 99]:
'Acima de todos os meus professores tenho obtido inteligência!' Quem é um
herói? Aquele que conquista as suas paixões, como está escrito
[Prov. xvi. 32]: 'Aquele que é lento para se irar é melhor que um herói; e o que
governa o seu espírito é superior ao conquistador de uma cidade. Quem é um
homem rico? Aquele que está satisfeito com a sua sorte, como está escrito
[Ps. cxxviii. 2]: 'Pois comeste o trabalho das tuas mãos: então serás feliz e te
irá bem.' 'Você será feliz' neste mundo, 'estará bem contigo' no mundo
vindouro. Quem é honrado? Aquele que honra a seus semelhantes, como está
escrito [I Samuel ii. 30]: "Para aqueles que me honram honrarei, e aqueles que
me desprezam serão levianamente estimados.

Mishna B . Ben Azai tinha o hábito de dizer: "Apresse-se em cumprir o


mandamento de pouca importância como se fosse de muita importância, e fuja
de todo tipo de pecado, pois o cumprimento de um preceito produz o de outro,
e uma transgressão traz por outro, porque a recompensa da virtude é a própria
virtude, e a recompensa do pecado é o pecado ". Ele também disse: "Não
despreze ninguém, e não considere nada como muito distante para acontecer;
porque não há homem senão o seu dia, e nenhum acontecimento que não
venha".

Mishna C . R. Levitas de Jabneh disse: "Seja excessivamente humilde de


espírito, pois a esperança do homem é o verme". "R. Johanan B. Baroquah
disse:" Quem profana o nome do Céu em segredo, eles o castigam
abertamente.
p. 83

erro, como o design, é punível quanto à profanação do seu nome.


[parágrafo continua] O

"

Mishna D . R. Ishmael disse: "Aquele que aprende a fim de ensinar, eles lhe
concedem a faculdade de aprender e ensinar; aquele que aprende para praticar,
eles lhe concedem a faculdade de aprender, ensinar, preservar e praticar "

Mishná E . R. Zadoq tinha o hábito de dizer: "Não use a lei de Deus como
uma coroa para se exaltar, nem use-a como uma pá para cavar com ela (por
riqueza)." [E assim Hillel costumava dizer: "E aquele que se serve com a tiara
perece."] Assim, você deve aprender que aquele que faz uso de seu
aprendizado na Lei para promover seus próprios fins egoístas perde todo o
mérito.
Mishna F . R. Jose disse: "Todo aquele que honra a Torá é ele mesmo
considerado em honra, e quem desonra a Torá é ele mesmo desonrado com os
homens".

Mishná G . R. Ismael disse: "Aquele que se abstém do juízo, liberta-se da


inimizade, da rapina e do falso juramento; e aquele que é arrogante na decisão
é tolo, iníquo e cheio de espírito".

Mishna H . Ele costumava dizer: "Não julgueis sozinhos, pois ninguém pode
julgar sozinho senão Um; e não diga: 'Aceite minha opinião', pois eles são
livres para escolher, e não tu."

MISHNA eu . R. Jonathan disse: "Todo aquele que cumpre a Lei na pobreza,


por fim, a cumprirá em riqueza, e quem negligenciar a Lei em riqueza, por fim
a negligenciará na pobreza."

Mishna J . R. Meir disse: "Reduza o seu negócio, que você tenha mais tempo
para o estudo da Lei, e seja humilde em espírito para com todo homem; e se te
desviares do teu tempo sem estudo da Lei, terás muitos ociosos contra e se
trabalhares na lei, muito te recompensará a ti.

MISH NA K . R. Eliezer b. Jacó disse: "Aquele que realiza um preceito


adquiriu para si um advogado, e aquele que comete uma transgressão obteve
p. 84

para si mesmo um acusador. Arrependimento e boas ações são como um


escudo contra a punição ".

Mishná L . R. Jehudah, o Sandlar, disse: "O que quer que a congregação seja
para o Céu, no final, terá sucesso; e o que não for para um propósito divino,
no final, não terá êxito."

Mishna M . R. Elazar b. Shamna disse: "Que a honra do teu discípulo seja tão
querida para ti como a honra do teu companheiro; e a honra do teu
companheiro como o medo 1 de teu mestre; e o medo do teu senhor como o
temor do céu ".

Mishna N . R. Jehudah disse: "Tenha cuidado em seu estudo, pois o erro no


estudo conta para um pecado intencional".

MISHNA OU Simeão costumava dizer: "Existem três coroas - a coroa da Lei,


a coroa do sacerdócio e a coroa da realeza. Mas a coroa de um bom nome é
excelente para todos".
Mishna P . R. Nehorai disse: "Betake-te a um lugar de Torá, e não diga que
ele virá atrás de ti, porque teus companheiros irão confirmar isso a ti, e (além
disso) não se apoiará em teu próprio entendimento."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2" Quem é um homem sábio? Aquele que aprende com todos ." Quem é o
mais modesto? Alguém que é tão modesto quanto Moisés, nosso mestre, como
está escrito. xii. 3]: "Mas o homem Moisés era muito manso." Quem é o mais
rico de todos? Aquele que está satisfeito com sua sorte, como está escrito
[Ps. cxxviii. 2]: "Quando comeres o trabalho das tuas mãos: (então) serás
feliz, e te irá bem." Quem é o maior de todos os heróis? Aquele que controla
sua paixão, como está escrito [Prov. xvi. 32]: "Aquele que é tardio em irar-se
é melhor do que um herói; e quem governa o seu espírito é mais do que o
conquistador de uma cidade." E um que
p. 85

é o governante do seu espírito é considerado como se tivesse conquistado uma


cidade cheia de heróis, como está escrito [ibid. xxi. 22]: "Um homem sábio
escala a cidade dos poderosos"; e "poderoso" significa poderoso na Torá,
como está escrito [Ps. ciii. 20]: "Poderoso em força, que executa sua
palavra." Há outros que dizem que isso significa os anjos ministradores, como
está escrito [ibid.]: "Abençoa o Senhor, vós, seus anjos, poderosos em força",
etc. Há ainda outros que dizem que o maior herói é aquele que faz seu inimigo
seu amigo.

"Não despreze nenhum homem ." Como está escrito [Prov. xiii. 13]: "O que
despreza a palavra cairá em dívida para com ela; mas o que teme o
mandamento será recompensado."

Ele também costumava dizer: "Aquele que é ensinado a Lei enquanto jovem é
como uma novilha que foi domesticada enquanto pequena, como está escrito
[Oséias, 11]:" E Efraim é como uma novilha bem ensinada que amei a pisar
fora o milho. "Aquele que é ensinado a Torá em sua velhice, no entanto, é
como uma vaca que foi domado quando já velho, como está escrito [ibid. iv.
16]:" Para como um indomável vaca é Israel desobediente ".

Ele também costumava dizer: "Aquele que é ensinado a Torá em sua


juventude é semelhante a uma mulher que amassa a massa com água morna, e
uma que é ensinada a Torá em sua velhice é semelhante a uma mulher que
amassa a massa com água fria."

1R. Eliezer b. Jacob disse: "Aquele que é ensinado a Lei quando jovem é
semelhante a uma mesa que foi escrita em papel novo, e a quem se ensina a
Lei quando a idade é semelhante a uma mesa que foi escrita em papel velho".
R. Simeon b. Gamaliel acrescenta ao exposto o seguinte: "Aquele que é
ensinado a Lei quando jovem é semelhante a um jovem que se casa com uma
jovem; eles são adequados e desejam um ao outro. Um que é ensinado em sua
velhice, no entanto, é semelhante a um homem velho que se casa com uma
jovem mulher: ela é adequada para ele, mas não ele a ela ela deseja, mas ele
evita-la, como está escrito. [Sl CXXVII 4..]: "como flechas na mão de um
homem poderoso, assim são os filhos da juventude ", e imediatamente depois
está escrito [ibid., ibid. 5]:" Feliz é o homem que tem o seu quiver cheio com
eles.

Aquele que aprende e esquece é semelhante a uma mulher que tem filhos, mas
os enterra, como está escrito [Oséias, IX. 12]: "Mas, apesar de terem criado
seus filhos, eu ainda
p. 86

eles, que não deve haver homem. "Não leia ‫( ושכלתים‬eu os privaria), mas
‫( ושכחתים‬os esquecerei?) Como está escrito [Deuteronômio 18]:" Portanto,
coloque estas minhas palavras em seu coração ", etc., ou seja , as palavras da
Torá devem ser distinguidas umas das outras, e ao mesmo tempo serão
marcadas em cima de ti lado a lado, como está escrito [Prov. vii. 3 ]: "Amarre-
os ao redor de seus dedos; escreva-as na tábua do teu coração "( ie , como os
dedos estão separados um do outro e ainda lado a lado um do outro), e
também está escrito [Ibid. vi. 21]:" Amarre-os continuamente ao seu coração
amarre-os sobre a sua garganta ".

Mishná Q . R. Janai disse: "Nem a segurança dos ímpios nem as aflições dos
justos estão ao alcance de nosso entendimento".

Mishna R . R. Mathia b. Heresh tinha o hábito de dizer: "Seja antes de saudar


todo homem! Seja o rabo do leão e não a cabeça da raposa!"

Mishna S . R. Jacob disse: "Este mundo é, por assim dizer, a antecâmara do


mundo a seguir; portanto, prepare-se na antecâmara, para que você seja
admitido no salão de banquetes!"

Mishná T . Ele costumava dizer: "Melhor é uma hora de arrependimento e


boas ações neste mundo do que toda a vida do mundo por vir, embora uma
hora de renovação de espírito no mundo por vir seja melhor do que toda a vida
neste mundo. "

Mishná U . R. Simeon b. Elazar disse: "Não busque apaziguar teu amigo na


hora de sua paixão, e não busque consolá-lo na hora em que seus mortos estão
diante dele; e não o interrogue na hora de seu voto, e esforce-se para não vê-lo
na hora de sua desgraça ".
Mishna V . Samuel, o Pequeno, costumava sempre repetir a seguinte passagem
[Prov. xxiv. 17, 18]: "Ao cair do teu inimigo não se regozije, e em seu tropeço
não se alegrará o teu coração, para que o Senhor não o veja, e seja
p. 87

desagradável em seus olhos, e ele se afasta dele sua ira. '"

Mishna W . Eliseu b. Abuyah disse: "Aquele que aprende como rapaz, como
ele é? A tinta escrita em papel novo. E quem aprende quando velho, como ele
é? A tinta escrita em papel absorvente.

Mishná X . R. Jose b. Jeudá, o aldeão da Babilônia, 1 disse: "A quem ele se


assemelha, quem aprende com os jovens? Aquele que come uvas verdes e
bebe o vinho fresco do lagar! Mas com quem ele se parece, quem aprende
com os velhos? Aquele que come uvas e bebidas maduras vinho velho!

Mishna Y . O rabino tinha o hábito de dizer: "Não olhe para o cântaro, mas
para o que contém. Muitos jarros novos estão cheios de vinho velho, e muitos
um vinho velho nem sequer contém vinho novo".

Mishna Z . O rabino Eliezer, o Kapar, disse: "A inveja, a sensualidade e a


ambição destroem a vida".

MISHNA AA. Ele também disse: "Os nascidos para o mundo estão destinados
a morrer; os mortos a viver de novo; e aqueles que entram na vida eterna, para
serem julgados. Portanto, seja reconhecido, compreendido e lembrado, que
Ele, o Todo-poderoso, o Criador, Arquiteto, Ele é o conselheiro, Ele o juiz,
Ele a testemunha, Ele o acusador Ele está sempre pronto para julgar, bendito
seja Ele !, diante Dele não há injustiça, nem supervisão, nem consideração por
posição , não há suborno, sabei que todos aparecerão no relato, não aceites a
certeza das tuas paixões, que a sepultura será um lugar de refúgio para ti, pois
sem o teu consentimento tu foste criado, nasceste no mundo sem a tua
escolha; tu agora estás vivendo sem tua própria vontade, sem tua aprovação tu
terás que morrer;
p. 88

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1Disse Eliseu b. Abuyah: "Um homem virtuoso que estudou diligentemente a


Lei é semelhante àquele que constrói uma fundação de pedras e uma
superestrutura de tijolos; embora sejam inundados, ainda assim não podem ser
movidos. Aquele que não é virtuoso, apesar de ter estudado a Lei é
semelhante a alguém que põe pedras sobre uma fundação de tijolo: a menor
novidade derrubará o edifício. "
Ele costumava dizer: "O primeiro também é parecido com o calcário, que é
espalhado sobre pedras; mesmo a chuva forte não pode derreter; o segundo é
semelhante ao calcário, que é espalhado sobre tijolos, e o chuveiro mais leve o
derrete".

Ele também costumava dizer: "O primeiro também é semelhante a um copo


que tem um ψηφος (uma pedra polida de quatro cantos), mesmo quando é
virado, ainda alguns dos seus conteúdos permanecem, mas o último é
semelhante a um copo sem um ψηφος, assim que é virado, tudo nele é
derramado.

Ele costumava dizer: "O primeiro também é semelhante a um cavalo que tem
um arreio completo; e o segundo é semelhante a um cavalo que não tem freio:
o homem que o monta é logo expulso".

Ele também costumava dizer: Aquele que é ensinado quando jovem, absorve
as palavras da Torá em seu sangue, e ele pode expressá-las explicitamente,
mas o inverso é com alguém que é ensinado quando velho. Há também um
provérbio para esse efeito: "Se não os desejaste na tua juventude, como os
alcançarás na tua velhice?"

Ele também costumava dizer: "As palavras da Torá são tão difíceis de
comprar quanto vasos de ouro, e tão fáceis de perder quanto os objetos de
vidro, como está escrito [Jó, xxviii. 17]:" Ela não pode ser estimada depois de
ouro e vidro "Ele reúne ouro com vidro, pois os vasos de ouro quando
quebrados podem ser consertados; mas os copos quando quebrados não
podem ser consertados, a menos que derretam e se formem novamente. E o
que significa: "E não em troca dela (pode) vasos de ouro refinado (ser
tomado)"? [ibid.] Que o semblante daquele que se ocupa com as palavras da
Torá, e as observa, brilha como ouro refinado; mas o semblante daquele que
se ocupa com eles e não os observa fica escuro como o vidro.

Ele também costumava dizer: "É possível para um homem estudar a Lei
continuamente por vinte anos e esquecê-la no curso de
p. 89

dois anos. "Como assim? Se ele não tiver repassado o que aprendera por seis
meses, ele pronunciaria a limpeza impura, ou vice-versa . Se ele negligenciar
seus estudos por doze meses, ele irá confundir os ditos dos sábios, em dezoito
meses, ele esquecerá o início dos tratados, e em vinte e quatro, até mesmo dos
capítulos, e finalmente terá que ficar completamente em silêncio.Ele disse
Salomão [Provérbios 24:31, 31]. ]: "Pelo campo de um homem preguiçoso
que uma vez eu passei, e pela vinha de um homem sem sentidos; e eis que
tudo cresceu com espinhos, urtigas cobriram sua superfície, e sua parede de
pedra foi quebrada abaixo. "E quando a parede de uma vinha cai, a vinha
inteira é logo destruída.

Ele também costumava dizer: "Aquele que faz seu amigo realizar um ato
meritório, é como se ele próprio tivesse feito isso". Isso pode ser comparado a
um rei humano que pegou um pássaro e deu a um de seus servos, dizendo: "Se
tiveres cuidado com esta ave, eu te recompensarei; caso contrário, tirarei tua
vida por ela". Assim também o Santo, bendito seja Ele, disse aos israelitas:
"As palavras da Torá que eu te dei, se você as observar, eu as recompensarei;
caso contrário, tirarei suas vidas por elas", como está escrito [Deut. iv. 9]:
"Pois não é uma palavra vã para você; ao contrário, é a sua vida."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1Ben Azai disse: "Se a mente está tranquila por causa da sabedoria adquirida,
é um bom sinal; 2 mas, se tornado inquieto pela sabedoria adquirida, é um mau
sinal. Se a mente está tranquila por causa da fé no Criador, isso é um bom
sinal; mas se a mente está inquieta por acreditar no Criador, isso é um mau
sinal. Se alguém tem a simpatia dos sábios na hora de sua morte, é um bom
sinal para ele; se ele não o fez, é um mau sinal para ele. Quando está
morrendo, se seu rosto está virado para cima, ou ele olha diretamente nos
rostos das pessoas ao seu redor, ou se seu semblante brilha, é um bom sinal
para ele. O reverso é desfavorável ".

Quando R. Johanan b. Zakkai estava morrendo, ele levantou a voz


p. 90

em choro. Disse-lhe seus discípulos: "Mestre, tu és como um alto pilar, a luz


do mundo, um martelo forte - por que clamas tu?" Ele respondeu: "Eu estou
indo diante de um rei humano? Tal pessoa está com raiva de mim, pode ser
apenas para este mundo; se ele me aprisiona ou me mata, é apenas para este
mundo. Além disso, eu poderia satisfazê-lo com palavras ou suborná-lo com
dinheiro, mas eu vou diante do Rei dos reis dos reis, o Santo, bendito seja Ele:
se ele deveria estar com raiva de mim, inclui os dois mundos, e quem eu não
posso apaziguar com palavras ou suborno com dinheiro Além disso, há dois
caminhos antes de mim: um leva ao jardim do Éden e outro ao Geena, e eu
não sei se serei condenado a Geena, ou entrarei no Jardim do Éden, como está
escrito [ Ps. Xxii 30]: '

Também é escrito [Ex. xxx. 23]: "E então eu vou tirar a minha mão"; também
[Ezek. ii. 10]: "E ele espalhou-se diante de mim, e foi escrito dentro e fora"
etc. "Dentro" significa este mundo; "sem" significa o mundo por vir. Outros
dizem: "Dentro" significa o sofrimento dos justos e o bem-estar dos ímpios
neste mundo; e "sem" refere-se à recompensa dos retos e à expiação dos
ímpios no mundo vindouro.
"E ali estavam escritas lamentações, e lamentos, e ai"
[ibidem]. "Lamentações" refere-se à expiação dos ímpios neste mundo, como
está escrito [ibid. xxxii. 16]: "Esta é a lamentação com a qual eles se
lamentarão por ela; as filhas das nações se lamentarão por
ela." " Dirge" 1 refere-se à recompensa dos justos no mundo por vir, como está
escrito [Ps. xcii. 4]: "Sobre um instrumento de dez cordas, e sobre o saltério; e
com o doce som 1 da harpa. "" E ai "refere-se à expiação dos ímpios no mundo
vindouro, como está escrito [Ezequiel vii. 26]:" O trapaceiro virá em caso de
acidente, e o relatório será espalhado sobre o relatório. "

Antes de morrer (Rabban Johanan b Zakkai), ele disse: "Limpe a casa de toda
contaminação e ponha uma cadeira para Ezequias, rei de Judá".

Ele costumava dizer: "Quem morre com uma mente sã, ou quando ainda é
capaz de falar, ou enquanto conversa sobre a Lei, ou enquanto
p. 91

fazer algo meritório, ou em estado de alegria, ou ao rir, é um bom presságio


para ele; se de outra forma, é um mau presságio. Se alguém morrer na véspera
do sábado, ou no final do Dia da Expiação, é um bom presságio para ele; mas
se no final do sábado ou na véspera do dia da expiação, é um mau presságio ".

Há uma tradição que quando R. Eliezer adoeceu, foi na véspera de um


sábado. Quando R. Aqiba e seus camaradas o visitaram, ele estava dormindo
em seu quarto; então eles ficaram na sala de jantar. Quando Hircano seu filho
entrou para remover seus filactérios, ele foi impedido de fazê-lo por seu pai,
que começou a chorar. Ele deixou a câmara e disse aos sábios: "Meus
senhores, parece que meu pai não está claro em sua mente". R. Eliezer, no
entanto, ouviu-o e voltou: "Meu filho, não sou eu que não estou claro em
minha mente, mas tu. Pois tu negligenciaste a iluminação das lâmpadas, pelas
quais tu és passível de uma pena de morte pela mão do céu, e em vez disso
ocupou-se com a remoção dos meus filactérios, pelos quais tu és culpado
apenas por causa do Shbuth"Quando os sábios ouviram que sua mente estava
clara, sentaram-se a uma distância de quatro ells 1 de sua cabeceira. Eles
perguntaram a ele quanto à limpeza e impureza de muitos assuntos entre
eles; também um amuleto ou phylacteries rasgados, eles estão sujeitos a
contaminação ou não? Ele respondeu: "Eles são. Mergulhe-os como eles são,
e tenha cuidado com eles, pois eles fazem parte do grande Halakote que foi
dito a Moisés no Sinai." E eles continuaram a perguntar-lhe sobre limpeza,
contaminação e banhos legais, dizendo: Rabino, o que é isto? e o que é isso? e
ele respondeu de acordo - limpo ou imundo.

Então R. Eliezer disse aos sábios: "Eu me pergunto se os estudiosos desta


geração serão punidos com a morte pela mão do céu?" Eles perguntaram:
"Rabino, por quê?" E ele se reuniu: "Porque eles não me serviram".
Mais tarde, ele disse a Aqiba b. José: "Aqiba, por que não me serviste?" Ele
respondeu: "Rabino, eu não tive a oportunidade". E ele se juntou novamente:
"Eu me pergunto se você morrerá uma morte natural". Há outros que dizem
que ele não se juntou a nada.

Quando R. Eliezer falou assim para seus discípulos, seu sangue congelou
dentro dele. Disse R. Aqiba: "Rabino, qual será a minha morte?"
p. 92

Ele respondeu: "Aqiba, teu será o mais difícil de todos!" Então o


[parágrafo continua]

último sentou-se diante dele e disse: "Rabino, agora me ensine." E ele


ensinou-lhe trezentos Halakote sobre um ponto brilhante (na pele da
carne). Ao mesmo tempo, levantou os dois braços e colocou-os sobre o peito,
dizendo: "Ai de mim! Que meus dois braços, que são como dois rolos
sagrados, tenham que deixar este mundo. Se todos os mares fossem tinta, e
todos os juncos eram canetas, e toda a humanidade era escritora, eles não
podiam escrever tudo o que eu aprendi e repeti, e o que eu ouvi enquanto
servia aos sábios na faculdade, e eu não deixei de fora da Torá, tanto quanto
uma gota Além disso, aprendo trezentos Halakhoth no verso: "Não permitirás
que uma bruxa viva" [Ex. XXII. 17] [há outros que dizem três mil Halakhoth],
e ninguém nunca me perguntou sobre eles, exceto Aqiba b. Joseph; pois ele
disse-me uma vez: "Rabino, ensina-me como os melões são plantados e como
são arrancados". Eu disse uma coisa, e todo o campo ficou coberto de melões,
Ele então disse: 'Rabino, tu me ensinaste a plantação; ensina-me também
como são retirados. E eu disse uma coisa e todos os melões estavam reunidos
em uma pilha ".

R. Elazar b. Azarias perguntou-lhe quanto à limpeza e impureza de muitos


assuntos, e ele respondeu: "É limpo" ou "impuro", corretamente; e ao
responder de uma coisa que estava limpo, sua alma o deixou dizendo
"limpo". Em que R. Elazar b. Azarias rasgou suas vestes e, chorando, saiu e
disse aos sábios: "Meus senhores, venham e vejam R. Eliezer, que está limpo
para o mundo vindouro, porque sua alma o deixou dizendo 'limpo'".

Depois do sábado, R. Aqiba veio e encontrou seu caixão enquanto estava


sendo levado de Cesarius para Luda; Ele imediatamente alugou suas vestes e
rasgou os cabelos até que o sangue escorreu e caiu no chão. Ele chorou e
gritou: "Ai de mim! Rabino, porque tu morreste. Ai de mim! Meu mestre,
porque deixaste toda a geração como um órfão". Quando estava na fila ele
disse: "'Meu pai, meu pai, o carro de Israel e seus cavaleiros' [II Reis, ii. 12],
existem muitas moedas estrangeiras que nenhum trocador de dinheiro pode
mudar além de você ( isto é , eu tem muitas questões difíceis de lei que não
podem ser resolvidas por ninguém além de você. "

1 " Ben Azai disse: 'Apresse-se' " etc. Ele costumava dizer: Se
p. 93

tu fizeste um ato meritório, e não lamentes por isso, ele atrairá muitos atos
meritórios em sua jornada; mas se alguém transgride e não se arrepende,
atrairá muitos pecados em sua jornada. Pois um ato meritório atrai outro, e
uma transgressão atrai outra em sua jornada, como a recompensa por um ato
meritório é a execução de outro, e a punição por uma transgressão é uma
transgressão ”.

Ele também costumava dizer: "Separe algo para a caridade, antes que você
seja compelido a fazê-lo por outros, de modo que você receba a recompensa
tanto da caridade quanto da separação, e não que a recompensa por esta vá
para aquele que te obrigou a fazer isso ".

Ele também costumava dizer: "Abaixe o seu assento duas ou três fileiras, do
lugar que você pretende ocupar. Porque é melhor que se diga para subir do
que descer, como está escrito [Prov. Porque melhor é que se te diga: Sobe
mais alto do que serás posto na presença do príncipe.

Há três pessoas cuja vida não vale a pena ser vivida: alguém que deve comer à
mesa dos outros; aquele que vive em um sótão; e aquele cuja esposa domina
sobre ele. Há outros que dizem: Aquele que sofre em seu corpo.

Ele costumava dizer: "É mais fácil governar o mundo inteiro do que associar e
discutir com os hipócritas".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 R. Aqiba disse: "A salvaguarda da honra é abster-se do riso; a salvaguarda

da sabedoria é o silêncio; a salvaguarda dos votos é a abstinência; que a


pureza é a santidade; e a mansidão é o medo do pecado".

Ele costumava dizer: Não se misture com os escarnecedores, pois você pode
aprender seus feitos; não coma com um padre ignorante, pois corre o risco de
profanação. Não seja livre com votos, para que não vinges em juramentos; não
adquira o hábito de jantar suntuosamente, pois isso pode levá-lo a comer o pão
da caridade; não chegue a duvidar (com ligeira evidência), e isso impedirá que
você chegue a uma certeza (por falta de provas); e não vá para um país
estrangeiro, pois você pode ser obrigado a seguir os caminhos dos
idólatras. Assim também disse David [I Sam. xxvi. 19]:
p. 94

"Porque eles me expulsaram hoje para que eu não possa me apegar


[parágrafo continua]

à herança do Senhor, dizendo: Vá, sirva a outros deuses". Você pode por um
momento pensar que o rei Davi era um idólatra? Ele só pretendia inferir que
aquele que deixa a Palestina e vai para um país estrangeiro é considerado
como se fosse um idólatra.

Ele também costumava dizer: "Quem é enterrado em outros países, é como se


ele fosse enterrado na Babilônia; quem está enterrado na Babilônia, é como se
ele fosse enterrado na Palestina; seja quem for enterrado na Palestina, é como
se ele foi sepultado sob o altar, porque todo o solo da Palestina está apto para
um altar, e quem está enterrado debaixo do altar, é como se ele estivesse
enterrado sob o trono da glória, como está escrito. 12]: 'Um trono de glória,
exaltado desde o princípio, é o lugar do nosso santuário' ”.

Ele costumava dizer: "O ignorante nunca pode ser verdadeiramente piedoso".

Ele também costumava dizer: "Por que os discípulos morrem quando jovens?
Não porque sejam adúlteros ou ladrões, mas porque interrompem seus estudos
e se ocupam em conversas vagas, e também porque não recomeçam onde
pararam".

R. Simeon b. Elazar disse: "Os israelitas que vivem fora da Palestina estão
adorando ídolos inconscientemente. Como assim? E idólatra dá uma festa em
homenagem ao seu filho, e ele convida todos os judeus do lugar, e apesar de
comerem e beberem, e os seus próprios servos esperam nelas, mas é
considerado como se tivessem comido os sacrifícios dos mortos, como está
escrito [Ex. 15: 15]: 'Qualquer um te chame, e tu comer do seu sacrifício' ”.

" E despreza festivais ." R. Aqiba disse: "Todo aquele que se casa com uma
mulher que não lhe é conveniente transgride cinco mandamentos negativos;
porque 'não vingarás', nem guardarás rancor '[Lev. Xix. 18], pois" não odiarás
teu irmão teu coração '[ibid., ibid. 17], pois' amarás o teu próximo como a ti
mesmo '[ibid., ibid. 18], e [Lev. xxv. 36]' que teu irmão possa viver contigo ':
como ele a odeia, ele deseja a morte dela, conseqüentemente ele abole o
mandamento da multiplicação da humanidade ".

Ele também costumava dizer: "Quem come comida não saudável transgride
três vezes: despreza-se a si mesmo, assim como a comida, e pronuncia uma
bênção sobre coisas prejudiciais".

R. Jehudah b. Ilai disse: "Quando alguém morre e deixa um filho, que não se
importa em aprender a Torá com ele, e ele vai e
p. 95

aprende-lo dos outros, seu único desejo é ser lisonjeado (e como o pai era
muito orgulhoso para lisonjear, portanto, não ter o mérito de ensinar seu
filho). "
R. Elazar, o Kapar, disse: "Não seja como o lintel, que nenhuma mão pode
alcançar; nem como a travessa superior, na qual as gravuras são desfiguradas;
e não como o limiar do meio, ao qual às vezes os pés batem; mas como o mais
baixo, no qual cada um pisa, e que, quando no final todo o edifício é
demolido, ainda é deixado em seu lugar ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 R. José disse: Quem venera a Torá é ele mesmo honrado pelo povo, como

está escrito [I Sam. ii. 30]: "Para aqueles que me honram honrarei, e aqueles
que me desprezam serão levianamente estimados." " Aqueles que me honram "
refere-se a Faraó, rei do Egito, que honrou Aquele que disse: "Haja o mundo",
e saiu à frente de sua corte; e quando seu servo comentou que os reis
geralmente iam para a retaguarda de sua corte, ele respondeu: Estou indo
então a um rei humano? Eu vou diante do Rei dos reis dos reis, o Santo,
abençoado seja ele. Portanto, o Santo, bendito seja Ele, também o honrou e
distribuiu sua própria retribuição, como está escrito [Habacuque, iii. 15]: "Tu
passaste ao longo do mar com teus cavalos."

R. Joshua b. Kar'hah disse: "Faraó andou no mar em um garanhão, como está


escrito [Ex. Xv. 19]:" Para o cavalo de Faraó entrou ", etc, mas quando a sua
retribuição veio, foi feito com um cavalo e uma carruagem, como está escrito
[Habacuque, iii. 15]: "Passaste ao longo do mar com teus cavalos", etc.

" Aqueles que me desprezam serão levianamente estimados ", refere-se a


Senaqueribe, que desprezou Aquele que disse: "Haja o mundo"; por isso, foi
desprezado pelo Santo, bendito seja Ele, como está escrito. xxxvii. 24, 25]:
"Por meio de teus servos tu tens ... até lugares sitiados." Portanto, o Senhor o
castigou por meio de um anjo, que raspou a cabeça e a barba, e voltou ao seu
reino com vergonha.

" R. Ismael o filho de R. Johanan B. Broka disse: 'Quem aprende com a


finalidade de ensinar' " etc. Ele costumava dizer:
p. 96

"Embora você não tenha se comprometido a cumprir toda a Lei,


[parágrafo continua]

ainda assim você não está livre para negligenciá-la completamente; quanto
mais a pessoa se ocupa com ela, mais recompensa ela acumula."

" R. Eliezer b. Hisma disse ," etc. R. Johanan b. Nuri, no entanto, disse: "O
Halakhoth, a purificação e a lei da menstruação e Qinim são os fundamentos
da Torá".

Ele costumava dizer: "O apoio dos sábios, a instituição dos tribunais e sua
manutenção, trazem muito bem para o mundo".
R. Johanan b. Dehabai disse: "Quem quer que diga que esta Halakha não é
adequada, perde sua parte no mundo por vir".

Ele costumava dizer: "Não se afaste de um preceito que não tem limite, ou de
um trabalho que não tem fim. Isso pode ser comparado a alguém que foi
contratado para tirar água do mar e derramar na terra. Quando , vendo que o
mar não diminui e a terra não está submersa, ele fica enojado e se recusa a
continuar o trabalho, ele deve ser dito da seguinte forma: "Você é ignorante!
Por que você deveria ficar enojado? Continue seu trabalho, e consiga o seu
pagar de um dinar de ouro todos os dias.

" R. Eliezer B. Shamua disse: 'Deixe a honra do teu discípulo' " etc. De onde
sabemos que alguém será tão particular quanto à honra do seu discípulo
quanto ao do seu colega? De Moisés nosso Mestre, que disse a Josué:
"Escolha por nós homens" [Ex. xvii. 9]. Ele não disse escolha por mim ,
mas por nós. Inferir disto que ele o considerava como seu igual, embora ele
fosse mestre e Josué o discípulo. E de onde sabemos que alguém deve ser tão
particular quanto à honra de seu colega quanto ao de seu mestre? Está escrito
[Numb. xii. 11]: "Então disse Arão a Moisés: Ah, meu senhor." Não era
(Moisés) seu irmão mais novo? Inferir disso que ele o considerava como se
fosse seu mestre. E de onde sabemos que alguém deve ser tão particular em
relação à honra de seu mestre quanto a respeito do céu? Como está escrito
[ibid. XI. 28]: "E Josué, filho de Nun, o servo de Moisés desde a sua
juventude, respondeu e disse: Meu senhor Moisés, proibi-los:" Nós vemos que
Josué igualou Moisés à Shekhina.

A princípio eles costumavam dizer: Há cereal na Judéia, palha na Galiléia e


joio do outro lado do Jordão; depois mudaram para: Não há grão na
Judéia; não há palha na Galiléia, mas palha; e do outro lado do Jordão não há
nenhum.
p. 97

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1R. Nathan disse: "Não há amor como o amor da Torá; não há sabedoria
como a sabedoria dos costumes; não há beleza como a beleza de Jerusalém;
não há riquezas como as riquezas de Modea, não há força, como a força da
Pérsia, não há adultério como o adultério dos árabes, não há altivez como a
soberba de Elam, não há hipocrisia como a hipocrisia da Babilônia, como é
escrito [Zech. v. 11]: "E ele me disse: Para construir uma casa na terra de
Shinar", e não há feitiçaria como a feitiçaria do Egito.

R. Simeon b. Elazar disse: "Um sábio vivendo na Palestina é louvável.


Quando ele deixa para um país estrangeiro, sua sabedoria diminui, e embora
sua sabedoria diminua, ele ainda prefere um sábio que nunca viveu na
Palestina. Isso pode ser comparado ao metal." de Nadai, que é trazido para os
países do mar: embora depreciado em seu valor original, é, no entanto, mais
valioso do que todos os outros ferros do mundo ".

Rabban Simeon b. Gamaliel disse: "Quem mantém a paz em sua própria casa,
é considerado como se ele a mantém entre todos em Israel; e quem causa
inveja e contenda em sua casa, é considerado como se tivesse feito isso entre
todos em Israel porque cada um é rei em sua própria casa, como está escrito:
(Ester, I 22): "Que todo homem governe em sua própria casa."

Rabban Gamaliel disse: "Os seguintes quatro regulamentos dos romanos


aniquilaram as nações subjugadas: os impostos ilimitados, a alta licença em
casas de banho e teatros, e o grão dos dízimos".

Ele costumava dizer: "As palavras da Torá são tão difíceis de adquirir como
roupas de seda, e são perdidas tão facilmente quanto as de linho. Coisas sem
sentido e tolas são facilmente adquiridas, mas são difíceis de perder como um
saco é; compra um saco no mercado por um sela e o usa por quatro ou cinco
anos. "

R. Jehudah, o Príncipe, disse: "Quem se entregar aos prazeres deste mundo, os


prazeres do próximo lhe são negados; mas aquele que não o fizer, não os
abandonará ali".

Ele também costumava dizer: "Os que se saem mal neste mundo podem ser
comparados a um cozinheiro que prepara um banquete para si mesmo:
p. 98

embora tenha lhe custado muito trabalho, ainda assim ele fez isso por si
mesmo. Os ímpios, no entanto, que se saem mal neste mundo, é como o
cozinheiro que preparou uma festa para os outros:. Embora lhe custou muita
dificuldade, no entanto, ele não fez nada para si, mas para os outros"

Ele também costumava dizer: "Todas as coisas que são feitas em particular
devem ser feitas como se fossem feitas publicamente".

" Hillel disse: 'Não se isole da comunidade.' "Ele também costumava dizer:
'Aquele que come muito, apenas aumenta o seu excremento, e que (acrescenta
carne ao seu corpo) multiplica worms e traças; mas aquele que aumenta as
suas boas obras, assegura resto do corpo'.

R. Elazar b. Shamua disse: "Os discípulos são divididos em três classes:


pedras, pedras angulares e pedras polidas. Um discípulo que estudou Midrash,
e só sabe responder à pergunta do erudito pertencente ao Midrash, e responde
naquele é comparado a uma pedra talhada que tem apenas uma superfície:
aquela que estudou Midrash e Halakhoth, e que é capaz de responder a um
erudito em ambos, é como uma pedra de esquina que tem duas superfícies, e
uma que adquiriu uma conhecimento em Midrash, Halakhoth, Agadoth e
Tosephthas, e é capaz de responder em todos os quatro ramos, é como uma
pedra polida que tem quatro superfícies, uma em cada um dos seus quatro
lados. "

R. Jehudah b. Ilai disse: "Quem constitui a Torá como o bem principal, e


considera osassuntos mundanos como uma coisa secundária, alcançará
importância no mundo. Se, no entanto, ele fizer o contrário, ele se tornará
insignificante no mundo. Isso pode ser comparado a um regimento que tem
que passar entre duas estradas, uma de fogo e outra de neve. Se ficar perto da
de fogo, será queimada e, se perto da neve, congelará. Portanto, é melhor ir no
meio, e assim será protegido do calor e do frio ".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1"R. Simeão B. Elazar (em nome de R. Meir) disse: ' Não concilie teu amigo
na hora de sua ira '" etc. Ele costumava dizer: "Se alguns dos teus vizinhos
louvam, e outros te repreenda, ame o último e odeie o primeiro, pois os
últimos são
p. 99

trazendo-te para uma vida no mundo por vir, e os outros estão se afastando de
você ".

Ele também costumava dizer: "Onde quer que um homem justo vá, seu
coração continua; se ele ficar parado, seu coração também o fará".

Ele também costumava dizer: "Aquele que se aplica ao estudo da Lei é


auxiliado em sua aplicação. No entanto, se ele a negligencia, ele é impedido
por ela, tal como um leão, lobo, tigre, hiena e cobra. ou soldados ou ladrões o
cercam e castigam, como está escrito [Sl 12]: "Em verdade, há um Deus que
julga na terra".

Abba Saul (n. Nanes) disse: "Os estudiosos são divididos em quatro classes:
Um estuda, mas não ensina os outros; um segundo ensina os outros, mas não
estuda a si mesmo; um terceiro estuda para si mesmo e ensina outros; e um
quarto não estuda a si mesmo nem ensina aos outros.A primeira aula aprende
um capítulo, ou dois ou três, estuda-os repetidamente até que os conheçam de
cor, mas não os ensine aos outros, os segundos aprendam uma seção inteira
duas ou três vezes, ensiná-lo aos outros, mas não tendo estudado isso
repetidamente esquecê-lo, o terceiro aprender um, ou dois, ou até três, seções
inteiras, ensiná-los aos outros e estudá-los-se e, portanto, não esquecê-los e a
quarta classe são aqueles que aprenderam uma seção inteira duas ou três
vezes, mas não a ensinaram a outros, nem a estudaram por si mesmos,e assim
eles esquecem. "

R. Hanania b. Jacó disse: "Aquele que fica acordado à noite estudando a Lei, é
um bom presságio para ele; no entanto, se ele passa a noite apenas
conversando, é um mau presságio para ele".

R. Jacob b. Hananias disse: "Aquele que está acordado à noite, mas não
estuda, era melhor que ele não tivesse nascido".

R. Elazar, o Kapar, disse: "Se alguém honrar seu amigo por considerações
pecuniárias, ele será finalmente demitido em desgraça; mas se ele o despreza
por um propósito meritório, no final ele será demitido honradamente. De onde
vem o antigo deduzido? Do caso de Balaão, o ímpio, que honrou Balaque por
um propósito mercenário, como está escrito: (Números 22:18): "E Balaão
respondeu e disse aos servos de Balaque: Se Balaque me desse sua casa cheia
de prata e ouro. "E como sabemos que ele foi despedido em desgraça? Como
está escrito [ibid. xxiv. 11]:" E agora fuja para o seu lugar. . . mas, eis que o
Senhor os impediu de honrar. "De onde vem o último caso? Do de Moisés,
nosso mestre, que
p. 100

Desprezou Faraó para um propósito meritório, como está escrito [Ex. XI. 8]:
"E todos estes teus servos descerão até mim, e se inclinarão até mim,
dizendo." Então, o faraó estava de pé no telhado e Moisés estava no
chão? Diga, então, que Moisés disse ao Faraó: "Todos os teus servos que se
inclinarem diante de ti no teu altar descerão e implorarão a mim, mas eu não
os escutarei." E de onde sabemos que ele foi demitido com honra? Está escrito
[ibid. xii. 3 1]: "E ele chamou Moisés e Arão de noite".

Eles responderam: "Somos nós, então, ladrões, que sairemos à noite?" Espere
até que o Santo, bendito seja Ele, nos traga sete colunas de honrarias, e
acompanhado 'por eles sairemos com alegria e abertamente, como está
escrito. xxxiii. 3]: "No dia seguinte ao sacrifício da Páscoa os filhos de Israel
saíram com a mão alta".

Por causa dos quatro diferentes meios de perdão, R. Mathia b. Heresh foi
visitar R. Ismael b. Elazar o Kapar em Ladakia. Ele o interrogou: "Você ouviu
os quatro meios diferentes de perdão que R. Ismael costumava dar?" Ele se
reuniu: "Eu ouvi que eles são três, mas o arrependimento deve ser para cada
um deles." Está escrito [Jer. iii. 22]: "Retornando, filhos desviados, eu vou
curar suas apostasias." E mais uma vez [Lev. xvi. 30]: "Pois naquele dia (o
sumo sacerdote) fará expiação por você para purificá-lo." Também
[Ps. lxxxix. 33]: "Então eu vou visitar com a vara as suas transgressões, e com
pragas a sua iniquidade." E também [é. xxii. 14]: "Certamente esta iniquidade
não lhe será perdoada até a sua morte". Como essas quatro passagens
contraditórias podem ser explicadas? Assim: Se alguém violou um preceito
positivo e se arrependeu, ele é perdoado imediatamente - neste caso, a
primeira passagem é aplicada. Se alguém violou um preceito negativo e se
arrependeu, o arrependimento é suspenso até o Dia da Expiação, quando ele é
perdoado - a isso a segunda passagem é aplicada. Se alguém cometeu um
pecado pelo qual está sujeito a Kareth, ou morte pelo tribunal, e se
arrependeu, o arrependimento e o Dia da Expiação são suspensos até que ele
seja inocentado por sofrimentos - neste caso, a terceira passagem é
aplicada. Contudo, aquele que profanou o nome do céu não tem o poder de se
arrepender, e nenhum sofrimento o esclarece, e o Dia da Expiação não expia
por ele; mas o arrependimento e os sofrimentos estão suspensos,
p. 101

Issi b. Jehudah disse: "Por que os eruditos morrem antes de seu tempo? Não
porque cometem adultério ou roubo, apenas porque se condenam".

R. Itz'hak b. Pin'has disse: "Quem é versado em Midrash, mas não em


Halakha, não provou de sabedoria; e quem é o oposto, não provou do medo do
pecado."

Ele costumava dizer: "Alguém que é versado em Midrash, mas não em


Halakha, é como um homem forte, mas que está desarmado; um que é o
oposto é como um fraco armado. Um, no entanto, que é versado em ambos é
como um homem forte e armado ".

Ele também costumava dizer: "Tenha cuidado ao saudar os teus vizinhos. Não
entre em uma casa de conflitos, nem se esforce para vê-lo. Esteja entre os teus
colegas e seja uma cabeça para uma raposa em vez de uma cauda para um
leão."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1" R. Nathan b. Joseph disse: 2 Aquele que negligenciar as palavras da lei


por causa de suas riquezas, ele finalmente fará por causa da pobreza; mas
aquele que observa a Lei mesmo quando é pobre, ele finalmente fará isso
quando for rico. "Ele costumava dizer:" O consolo dos enlutados, a visita dos
doentes e a concessão de favores trazem muito bem ao mundo ".

R. Meir disse: "Aquele que transgride um preceito duvidoso, é considerado


como se tivesse feito isso com certeza. Como assim? Um comete um pecado e
tem conhecimento disso, ele traz uma oferta pelo pecado do valor de um sela ,
ou a décima parte de um efa do valor de um Dupondius.No entanto, se ele está
em dúvida se ele pecou ou não, ele deve trazer uma oferta de transgressão do
valor de dois selaim. (Assim é a Lei.) Agora Vejamos, é certo que a bondade
do céu excede consideravelmente o castigo celestial, não há lugar para
desenhar a fortiori conclusão de que, se o castigo, que é menor do que o bem,
ainda que alguém duvide se ele pecou ou não, o céu requer que ele traga uma
oferta pela transgressão para pacificar sua consciência e ser recompensado por
trazer a oferta; mais no caso de bondade do céu que excede o castigo, que o
céu o recompensa em caso de dúvida, como se tivesse certeza de que ele o fez
".
p. 102

R. Nathan b. Joseph disse: Há um caso em que alguém transgride


ignorantemente, e, no entanto, é considerado como se tivesse feito isso com
desinteresse. Como assim? Se alguém matou uma pessoa desprevenida e
escapou para uma cidade de refúgio, e o vingador do sangue o encontrou antes
de chegar à cidade de refúgio e matá-lo, ele está livre. No entanto, se alguém
matou uma pessoa arbitrariamente, e o vingador do sangue o mata (antes que
o tribunal pronuncie sentença, não atendendo ao aviso de testemunhas), é
igual ao assassinato comum, embora o vingador pensasse que ele poderia
fazê-lo como um parente da pessoa assassinada, e ele pode ser morto pelo
crime. Agora, vamos ver: Qual é o excesso, bondade ou castigo do
céu? Certamente o primeiro. Agora, se castigo, que é menos, se alguém
cometer um pecado erroneamente, ainda em tal caso,

R. Aqiba disse: "Aquele que se conecta com transgressores, embora não tenha
feito o que fez, ele é punido como eles são. No entanto, se ele se conecta com
os intérpretes dos preceitos, embora ele não tenha participado o desempenho,
ele, no entanto, é recompensado como eles são.Como assim? Quando duas
pessoas dão seu testemunho de que alguém tenha matado uma pessoa, e
verificou-se que seu testemunho é colusivo, eles são condenados à morte, e
como eles são levados para o apedrejamento, alguém vem correndo, dizendo:
"Eu sei alguma coisa sobre essas testemunhas", e quando seu testemunho
também é encontrado para ser conivente, ele também é condenado à morte, e
quando ele é levado para o apedrejamento, ele lamenta: "Ai de mim! Se eu
não tivesse vindo com eles, não teria sido condenado".Daí o mesmo a
fortioriconclusão declarada antes deve ser tirada. Se alguém se conecta com
transgressores e é assim, muito mais um será recompensado se ele se conectar
com intérpretes de preceitos ".

R. Simeon disse: "A punição do mentiroso é que, mesmo quando ele diz a
verdade, ele não é acreditado, como encontramos com os filhos de Jacó, que a
princípio mentiu para seu pai, e ele acreditou neles, como está escrito [Gen.
xxxvii. 31]: "E eles levaram o casaco de José, e mataram um bode", também
[ibid., Ibid. 33]: "E ele reconheceu, e disse: É casaco do meu filho." No final,
porém, quando eles falaram a verdade, ele não acreditou neles, como está
escrito [Ibid., XIV, 26]: 'Mas seu coração permaneceu frio, porque ele não
acreditou neles' e [ibid.]: 'E eles disseram a ele, dizendo: José ainda está vivo,
e ele não acreditou neles.' "Há outros que
p. 103

diga: "O espírito santo que deixou Jacó, nosso pai, durante a ausência de José,
voltou a ele naquele tempo, como está escrito [ibid., ibid. 27]:" O espírito de
Jacó, seu pai, ressuscitou. "

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1R. A'hai b. Josias disse: "Aquele que compra grãos do mercado é comparado
a uma criança cuja mãe morreu, e que, embora nutrida por muitas outras
enfermeiras, nunca é saciada. Aquele que compra pão do mercado é
comparável àquele para quem um túmulo foi cavado para o enterro. Quem
come de si mesmo é como uma criança criada nos seios de sua mãe. "

Ele costumava dizer: "Aquele que come de si mesmo, sua mente está
tranquila; mas se ele come daquele que pertence a seu pai, mãe ou seus filhos,
e especialmente daqueles que pertencem a estranhos, sua mente nunca pode
ser tranquila. "

Notas de rodapé

84: 1 Rashi explica: A honra de um discípulo pode ser tão querida para
alguém como para si mesmo, porque a honra do discípulo é a própria glória,
que não pode ser assim no caso de um vizinho; e, portanto, a Torá é igual ao
medo do seu mestre, que inclui honra também.

84: 2 Capítulo XXIII. do original.

85: 1 Isto é adicionado aqui ao R. Eliezer b. Jacob. No Mishna, no entanto,


esta afirmação é atribuída a R. Elisha b. Abuyah

87: 1 A maioria dos tanaim veio da Palestina, e quando havia um da


Babilônia, ele foi apontado.

88: 1 Capítulo XXIV. do original.

89: 1 Capítulo XXIV. do original.

89: 2 A explicação detalhada deste ditado está em p. 50 do nosso "Eben


Harosha". Veja também a carta do falecido professor Steinthal impressa em
nosso "Schulchan Aruch und seine Beziehungen, etc.", na qual ele concorda
plenamente conosco. Veja também Seção Moed, vol. VI., Tract Hagiga, p. 32,
nota de rodapé, sobre Ben Azai.

90: 1 "som doce" em hebraico é ‫" ;הגיונ‬canto" é ‫הגה‬. O Talmud joga com a
semelhança das duas palavras.

91: 1 Como ele estava naquele momento excomungado.

92: 1 Ver Capítulo IV, Mishná. B .

93: 1 Capítulo XXVI. do original.

95: 1 Capítulo XXVII. do original.

97: 1 Capítulo XXVIII. do original.

98: 1 Capítulo XXIX. do original.

101: 1 Capítulo xxx. do original.

101: 2 Na Mishná, no entanto, esse dito é atribuído a R. Jonathan.

103: 1 Capítulo XXXI. do original.


p. 104

CAPÍTULO V.
Mishná A . Por dez ditos o mundo foi criado; e por que isso? Não poderia ter
sido criado por um ditado? Mas foi que a vingança pode ser tomada sobre os
ímpios, que destroem o mundo que foi criado por dez ditos; e dar uma boa
recompensa aos justos, que mantêm o mundo que foi criado por dez ditos.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

" Por dez ditos o mundo foi criado"Para que propósito isso é indicado?
Ensinar que se alguém pratica um preceito, ou observa um sábado, ou
preserva uma alma, é considerado como se tivesse preservado o mundo
inteiro, que foi criado com dez palavras. Mas ele quem transgride uma vez, ou
viola um sábado, ou destrói uma só alma, é considerado como aquele que
destruiu o mundo inteiro, que foi criado com dez palavras, e assim
encontramos Caim, que matou seu irmão Abel, como está escrito. [Gênesis iv.
10]: "A voz do sangue de teu irmão (no plural)." Ele derramou apenas o
sangue de uma pessoa - por que o plural é usado? Inferir a partir disso que o
sangue dos filhos, netos do falecido e todos os descendentes que estavam
destinados a ser descendentes dele, estavam todos chorando diante do Santo,
bendito seja Ele.

R. Nehemiah disse: "De onde se deduz que uma única pessoa é igual a toda a
criação? Está escrito [ibid. V. 1]:" Este é o livro das gerações de Adão. ' E
antes disso está escrito [ibid. Ii. 4]: 'Estas são as gerações dos céus e da terra,
quando eles foram criados.' Vemos que, com referência à criação do homem,
quase a mesma palavra é usada com referência à criação do céu e da terra, que
mostra que um é tanto quanto o outro. Um deles, abençoado seja Ele, mostrou
a ele (Adão) toda a geração que deveria nascer dele, como se eles estivessem
de pé e brincando diante dele ". Lá
p. 105

são os outros que dizem que os justos só foram mostrados a ele, como está
escrito [Is. iv. 3]: "Todo aquele que está escrito em vida em Jerusalém.

R. Joshua b. Kar'hah disse: "Está escrito [Ps. Cxxxix. 16]:" Minha substância
subdesenvolvida, os teus olhos vêem, e no teu livro, "etc. Inferir disto que o
Santo, bendito seja Ele, mostrou a Adão tudo gerações sucessivas, junto com
seus pregadores, diretores, líderes, profetas, heróis, criminosos e seus
piedosos. Nessa ou naquela geração, tal e tal rei reinará; em outro, um certo
sábio existirá, etc. "
R. Eliezer, filho de R. José, o Galileu, disse: "Novecentos e setenta e quatro
gerações antes da criação do mundo, a Torá já estava escrita e repousando no
colo do Senhor, e cantada louvores junto com os anjos, como está escrito [Sl
8: 9]: 'Então eu estava perto dele como um lactente, e eu estava no dia-a-dia
(dele) deleite, brincando diante dele em todos os momentos, brincando no
mundo, sua terra. ' Eles compararam isso a alguém que desejava gravar muitos
assuntos em um pedaço de madeira, e como não era de tamanho suficiente, ele
estava em desespero.O que ele poderia fazer? Deixe-o gravar na terra, onde
ele tem espaço suficiente. Assim também o Santo, bendito seja Ele, cujo
grande nome será louvado para todo o sempre, quando Ele em Sua sabedoria e
entendimento criou o mundo inteiro. Ele criou os céus e a terra nas regiões
superiores e inferiores, e criou no homem tudo o que ele criou em seu mundo:
o mundo contém florestas, assim como o homem, isto é, seu cabelo; o mundo
contém bestas do mal, assim o homem, isto é, piolhos; há espinhos no mundo,
assim também eles estão no homem - seus ouvidos; há odor, assim também no
homem - o nariz dele; luz - visão do homem; líquidos mal cheirosos, assim
também no homem - a excreção do nariz; água salgada, assim também no
homem - lágrimas; rios, assim também no homem - sua urina; castelos, assim
também no homem - seus lábios; portões, assim também no homem - seus
dentes; água doce, assim também no homem - sua saliva; estrelas, assim
também no homem - suas bochechas; torres, assim também no homem - seu
pescoço; catedrais, assim também no homem - seus braços; unhas, assim
também no homem - seus dedos; um rei, assim também no homem - sua
cabeça; conselheiros, assim também no homem - seus rins; pedras de
moer, assim também no homem - seu estômago; regulamentos, assim também
no homem - seu baço; estrume, assim também no homem - sua barriga; covas,
assim também no homem - seu umbigo; água da primavera, assim também no
homem - seu sangue; árvores, assim também no homem - seus ossos; colinas,
assim também no homem - suas cinzas; um almofariz e pilão, assim também
no homem - seus joelhos; cavalos, assim também no homem - suas
pernas; colinas e vales, assim também no homem - quando
p. 106

de pé ele é como uma colina e quando está deitado, é como um vale. Portanto,
tudo o que o Santo, bendito seja Ele, criado em seu mundo, também criou no
homem ".

Mishna B . Dez gerações foram de Adão até Noé, para mostrar quão grande
era a sua longanimidade; porque todas as gerações o provocavam, até que ele
trouxe o dilúvio sobre eles.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1" Dez gerações foram de Adão até Noé ." Para que finalidade isso foi
afirmado? Para ensinar que todas estas gerações persistiram em provocar o
Senhor, todavia, Ele não trouxe o dilúvio sobre o mundo, por causa dos retos e
piedosos. Há outros que dizem: Enquanto Matusalém viveu, a inundação não
desceu sobre o mundo; e foi suspenso por sete dias após sua morte; como está
escrito [Gen. vii. 10]: "E aconteceu depois dos sete dias." Que sete dias? O
período de luto pelos retos, que impediu a retribuição.

Outra explicação é: A passagem acima ensina que o Santo, bendito seja Ele,
concedeu-lhes uma pausa adicional, após os cento e vinte anos originais, de
sete dias, em que tempo para se arrepender.

Outra explicação ainda é que o Senhor mudou a ordem do mundo por sete
dias, fazendo com que o sol nascesse no oeste e se pusesse no leste, de modo
que, talvez, eles o notassem, ficassem assustados e se arrependessem; no
entanto, não teve efeito.

Outra explicação é que o Senhor espalhou Sua mesa diante deles durante sete
dias, e lhes deu uma idéia do que havia no mundo por vir, para que pudessem
refletir e dizer: Ai de nós, por todo esse bem que está perdido para nós, e para
a destruição da nossa descendência, como está escrito [ibidem. vi. 12: E olhou
Deus sobre a terra, e eis que era corrupto.

R. Elazar b. Parta disse: "Está escrito [ibid., Ibid. 3]:" Meu espírito nem
sempre se esforçará por causa do homem. ' Significa que o Senhor disse: 'Eu
não os julgarei até que eu duplique suas recompensas', como está escrito [Jó,
xxi. 13]: 'Eles se desgastam
p. 107

seus dias em felicidade; e em um momento eles descem para o mundo


inferior.

R. José, o Galileu, disse: "Está escrito: 'Meu espírito nem sempre se


esforçará.' Isso significa que o Senhor disse: 'Eu não vou igualar os maus
pensamentos aos bons pensamentos, desde que o destino deles ainda não tenha
sido selado'. Depois disso, no entanto, ambos são iguais em transgressão ".

Ele costumava dizer: "O espírito maligno é removido dos retos e o bom
espírito predomina, como está escrito [Ps. Cix. 22]:" E meu coração está
profundamente ferido dentro de mim ". Dos ímpios, porém, os bons
pensamentos são removidos e maus pensamentos são dados a eles, como está
escrito [ibid. Xxxvi. 2]: 'Diz o próprio vício aos ímpios, Então eu sinto dentro
do meu coração, que ele deveria não tenha medo de Deus diante de seus
olhos. Às pessoas de mediocridade são dadas: aquele que está mais perto dos
bons pensamentos é governado por eles, e aquele que está mais próximo dos
maus pensamentos é governado por eles, como está escrito [ibid. Cix. 31]: ele
sempre está à direita do necessitado, para salvá-lo daqueles que julgam a sua
alma. '"

R. Simeon b. Elazar disse que está escrito [Gen. vi. 3]: "Meu espírito não deve
se esforçar", etc. Isto significa que o Senhor disse: "Eu não os julgarei antes
de ter recompensado os retos". Isto é apenas para este mundo; mas quanto ao
mundo por vir, está escrito [ibid. cxlvi. 46]: "Quando seu espírito sai, ele volta
para sua terra (nativa)."

R. Aqiba disse, do mesmo verso: "O Senhor disse: 'Eles não refletiram que
são carne e sangue'. Pelo contrário, eram soberbos e diziam a Deus: 'Parte de
nós' "[Jó, xxi. 14].

R. Meir disse, do mesmo verso: "Isto significa que o Santo, bendito seja Ele,
disse: 'Esta geração disse: Deus não julga, não há juiz no mundo; Deus o
deixou.'"

Rabi disse, do mesmo verso: "Isto significa que o Santo, bendito seja Ele,
disse: 'Eles não instituíram um Sinédrio na terra, portanto, eu vou instituir
para eles um Sinédrio nas alturas'".

Mishna C . Dez gerações foram de Noé até Abraão, para mostrar quão grande
era a sua longanimidade; porque todas as gerações O provocavam até que
Abraão, nosso pai, chegasse e recebesse a recompensa de todos eles.
p. 108

Tosephtha-Aboth de R. Nathan .

1"Dez gerações", etc. Para que propósito foi necessário afirmar isso? Para
ensinar que todas estas gerações O provocaram, e não houve quem andasse no
caminho do Santo, bendito seja Ele, até que Abraão, nosso pai, como está
escrito. xxvi. 5]: "Porque esse Abraão obedeceu a minha voz ... e minhas
leis". Existem então duas leis? Deduzi disto que o Senhor providenciou a
Abraão duas rédeas, as quais, como dois sábios, o fizeram entender,
aconselharam-no e ensinaram-lhe a noite toda, como está escrito [Sl. xvi. 7]:
"Abençoarei ao Senhor, que me deu o conselho; também no meio da noite os
meus rins me advertem". E não somente isso, mas Abraão, nosso pai,
costumava praticar a caridade primeiro e depois a justiça, como está escrito
[Gen. xviii. 19]: "Porque eu o conheço, ele comandará" etc. Quando dois
contendores vieram antes dele, e um deles reclamou que o outro lhe devia um
maná, Abraão estava acostumado a depositar um manah com um deles, e
então disse: Faça suas reclamações. Quando ele descobriu que um realmente
devia ao outro, ele disse àquele com quem ele depositou o maná: "Dê ao teu
próximo"; e se nenhum devia ao outro, ele disse: "Divida-o entre si e parta em
paz". Contudo, o rei Davi praticou a justiça primeiro e depois a caridade,
como está escrito [II Samuel, viii. 15]: "E Davi fez o que era justo e reto para
todo o seu povo". Quando dois contendores chegaram até ele, e um deles
alegou que o outro lhe devia um manah, ele lhes disse que fizessem suas
reclamações, e depois de encontrar um deles responsável, ele costumava dar
ao outro o maná; caso contrário, ele disse: "

Mishna D . Com dez tentações estava Abraão, nosso pai, tentado, e ele resistiu
a todos eles, para mostrar quão grande era o amor de Abraão, nosso pai.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

" Com dez tentações ", etc. Eles são os seguintes: dois para "sair da tua
terra"; dois com seus dois filhos; dois
p. 109

com suas duas esposas; um com os reis; um em " as partes"; um em Ur dos


caldeus; e um na circuncisão. Por que tantos? Pela razão que quando Abraão,
nosso pai, reivindicar sua recompensa, os anjos dirão: Mais do que nós, mais
do que todos nós, ele é digno de receber suas recompensas, como está
escrito. ix. 7]: "Vai, come com alegria o teu pão e bebe com um coração
alegre o teu vinho."

Em comparação com estas dez tentações, o Santo, bendito seja Ele, realizou
dez milagres para seus descendentes no Egito e também trouxe dez pragas
(sobre os egípcios); e realizou dez milagres para os israelitas no mar, e trouxe
dez pragas sobre os egípcios no mar. Os egípcios rugiam para eles com suas
vozes, assim também o Senhor rugia no meio deles, como está escrito: Jó,
xxxvii. 5]: "Deus troveja com a sua voz maravilhosa". Os egípcios vieram ao
mar com arcos e flechas, assim também o Senhor apareceu, como está escrito
[Habacuque, iii. 9]: "Está bem nu o teu arco"; também [Ps. xviii. 15]: "E ele
enviou suas flechas, e as espalhou". Os egípcios vieram para o mar armados
com espadas, assim também fez o Senhor, como está escrito [ibid.]: "E ele
disparou relâmpagos, 1 é polido ". 1 Os egípcios vieram armados com lanças,
assim também fez o Senhor, como está escrito [Habacuque, iii. 11]: "No
brilho do brilho flamejante da tua lança." Os egípcios se orgulhavam de seu
escudo e broquel; assim foi o Senhor, como está escrito [Ps. xxxv. 2]: "Segure
o escudo e o broquel e levante-se para minha ajuda." Os egípcios vieram com
pedras de funda, mas o Senhor com pedras de granizo, como está escrito
[Sl. xviii. 13]: "Do brilho diante dele suas densas nuvens passaram (com)
pedras de granizo e brasas de fogo".

Quando nossos pais ficaram junto ao mar, Moisés disse-lhes: "Levanta-te e


passa por ela!" e eles se juntaram novamente: "Não vamos passar, até vermos
o mar virar fichas, fichas". 2 Ao que Moisés golpeou o mar com seu bastão, e
foi convertido em lascas, como está escrito [Habacuque, iii. 14]: "Tu
golpeaste com as próprias lanças os chefes das suas aldeias." Novamente
p. 110

Moisés disse-lhes: "Levanta-te e passa por ela", e eles se juntaram novamente:


"Não passaremos até que o mar se torne um vale". Moisés atingiu o mar
novamente, e tornou-se um vale, como está escrito. lviii. 13]: "Ele dividiu o
mar, e fez com que eles passassem"; também é. lxiii. 14]: "Como uma besta
desce no vale." Moisés novamente instou-os a atravessar o mar, e eles
responderam: "Nós não iremos, até que ele se separe em partes"; como está
escrito [Ps. cxxxvi. 13]: "Para aquele que dividiu o Mar Vermelho em
partes." Quando instados novamente, eles disseram: "Nós não passaremos até
que o fundo se torne argiloso". Então, Moisés feriu o mar com seu bastão, e o
fundo ficou franco, como está escrito [Habacuque, iii. 15]: "Mas tu passaste
pelo mar com teus cavalos, 1de grandes águas. "Mais uma vez eles se
recusaram a passar, até que o fundo do mar se torne um deserto; e Moisés fez
com que fosse assim, como está escrito [Ps. cvi. 9]:" E ele levou-os através do
profundidades, como através do deserto. "Eles se recusaram novamente até
que o mar se converteu em pequenas partículas, e Moisés fez com que fosse
assim, como está escrito [Ibid. lxxiv. 13]:" Foi tu que dividiu pela tua força o
mar. "Eles novamente recusaram até que ele se tornasse rochoso, e Moisés fez
com que fosse assim, como está escrito [ibid.]:" Quebrou em pedaços as
cabeças dos crocodilos na água ", e isso pode ser quebrado Eles novamente se
recusaram até que o mar se tornasse terra seca, e Moisés fez assim, como está
escrito [Ibid. Ixvi. 6]: "Ele transformou o mar em terra seca", também [Êxodo
19 ]: "Mas os filhos de Israel ficaram em terra seca pelo meio do mar. "Eles se
recusaram novamente até que as águas se tornaram como paredes, e Moisés os
fez assim, como está escrito [Êxodo 22]:" E as águas eram um muro para eles,
à sua direita e à sua esquerda. "Eles ainda recusaram até que houvesse
garrafas, e Moisés obedeceu novamente, como está escrito [ibid. xv. 8]:" O
dilúvio ficou em pé como uma parede """ 2 E as crianças bebiam óleo e mel
destas garrafas, como está escrito [Deut. xxxii. 13]: "E ele fez com que ele
chupasse o mel da rocha", etc. Há outros que dizem: "A água viva saiu do
mar, quando eles estavam entre as paredes, e eles beberam, como o mar a
água é salgada, pois é declarado "o dilúvio", e isso significa água doce, como
está escrito [Songs, iv. 15]: "Um poço de águas vivas,
p. 111

e descendo do Líbano. "As nuvens de glória estavam acima de suas cabeças,


para protegê-las do sol.

R. Eliezer disse: "As profundezas estavam arqueadas sobre suas cabeças,


enquanto passavam pelo mar, para salvá-los da dor." O primeiro e o último
dizem ambos: As águas superiores e inferiores derrubaram os egípcios, como
está escrito [Ex. xiv. 27]: "E o senhor derrotou os egípcios no meio do mar."

Mishna F . Com dez tentações, nossos ancestrais tentaram a Deus no deserto,


como está escrito. xxv. 22]: "E tentaram-me estas dez vezes, e não deram
ouvidos à minha voz."

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1" Por meio de dez provações, o Santo, bendito seja Ele, testou nossos
antepassados"e foram achados em falta em todos eles. Eles são como segue:
No deserto, na planície, oposto a Suph, entre Paran e Thophel e Laban e
Chazeroth e Di-zahab." No deserto "eles fizeram o dourado bezerro, como
está escrito [Ex. xxxii. 8]: "Eles fizeram de si mesmos um bezerro fundido."
"Na planície" eles brigaram com Moisés por causa da água, como está escrito
[ibid. xvii. 3]: "E o povo tem sede por água." "Oposto Suph" - a rebelião deles
no Mar Vermelho. Há outros que dizem: Isto tem referência à imagem de
escultura de Michah. "Entre Paran" - onde ocorreu o incidente dos espiões.
[Numb. Xiii. 3]: "E Moisés os enviou do deserto de Parã." "E Thophel" refere-
se ao absurdo (difamação) 2 eles falaram do maná. "E Labão" - esta é a
dissensão de Coré. "E Chazeroth" - perto de onde ocorreu o incidente das
codornas. Todos estes são sete, e em outro lugar está escrito [Deut. ix. 22]: "E
em Thah'erah, e em Massah, e em Kibroth-hat-thavah". (Fazendo no total
dez.) O que Di-zahab se refere? Arão disse-lhes: "Temos o suficiente do
pecado do ouro que trouxeste para o bezerro".

R. Eliezer b. Jacó disse: "Este pecado com o qual os israelitas foram afligidos,
é suficiente para aquele tempo até a ressurreição dos mortos."
p. 112

Dez nomes de louvor são aplicados ao Santo, bendito seja Ele: "Adonai",
"Jah", "Eloim", "Eloah", "Eloechu", "Eloechem", "El", "Eheh-ascher-Eheh, ""
Shadai "," Zebaoth ". Disse R. José: "Eu não concordo quanto ao nome"
Zebaoth ", pois está escrito [Deuteronômio XX. 9]:" Que eles nomearão
capitães para os exércitos ", o termo hebraico para" exército "sendo" Zebaoth.
"(Sendo nomes próprios de Deus, nós não os traduzimos.)

Dez nomes ignominiosos são aplicados aos ídolos. Eles são os seguintes:
abominações, ídolos, imagens de fundição, imagens de escultura, falsos
deuses, bosques, imagens do sol, Atzabim, Aven, imagens.

Dois sinais (a letra invertida Nun) são colocados na Torá em uma pequena
seção, a saber: "E aconteceu que, quando a arca se adiantou", etc.
[Numb. x. 35, 36]. Disse Rabban Simeon b. Gamaliel: "Teria sido
aconselhável remover esta seção e colocá-lo em outro lugar. Algo como isto
nós encontramos em outro lugar [Juízes, xviii. 20]:" E Jônatas, filho de
Gérson, o filho de Menasseh, 'ele era o filho de Menasseh, e não o filho de
Moisés? Mas porque suas ações não eram como as de seu pai Moisés,
portanto, ele é traçado a Menasseh ".

Da mesma forma nós encontramos [Zech. iv. 14]: "Estes são os dois filhos do
óleo claro, que estão ao lado do Senhor de toda a terra." Isso se refere a Aarão
e ao Messias, e não sabemos quem é mais amado; mas como está escrito
[Ps. cx. 4]: "O Senhor jurou, e não se arrependerá dele, tu serás sacerdote para
sempre." É para ser inferido disto que o último é mais amado.

Diz-se [Ps. lxxx. 14]: "O javali fora da floresta o atormenta". Não está
escrito fora do rio ? 1A diferença nas duas palavras implica isto: Enquanto
Israel agir contra a vontade do Onipotente, os idólatras são comparados a eles
como um javali fora da floresta, que mata o povo, danifica o gado e é uma
aflição. para a humanidade. No entanto, quando os israelitas agem de acordo
com a vontade do Onipotente, os idólatras são comparados a eles, como o
javali do rio (hipopótamo), que não mata pessoas, nem prejudica quaisquer
criaturas. Muitas palavras da Torá são pontilhadas. Eles são os seguintes:
"Que o Senhor julgue entre mim e ti" [Gen. xvi. 5].
p. 113

O segundo Yod é pontilhado na palavra "ubenecha", que sugere


[parágrafo continua]

que ela (Sarah) aplicou a Hagar. Outros dizem que ela quis dizer aqueles que
causaram brigas entre ela e ele. "E disseram- lhe : Onde está Sara, tua
mulher?" [ibid. xviii. 9]. O Aleph, Yod e Vav são pontilhados para implicar
que, embora eles soubessem onde ela estava, ainda perguntaram por ela. "E
ele não percebeu quando ela se deitou, nem quando ela se levantou "
[ibid. xix. 33]. O segundo Vav é pontilhado, para implicar que ele só percebeu
quando o mais novo surgiu. "E Esaú correu ao seu encontro, abraçou-o, caiu
sobre o seu pescoço e beijou-o"[ibid. xxxiii. 4]. Todas as letras da palavra"
vayishokehu "são pontilhadas, para significar que ele não era sincero. R.
Simeon b. Elazar disse:" Implica, pelo contrário, que este beijo foi sincero ,
mas todos os seus outros atos eram insinceros "." E seus irmãos foram para
alimentar os rebanhos de seu pai em Siquém "[ibid. xxxvii. 12]. Há pontos na
palavra" eth ", para implicar que eles não foram para alimentar os rebanhos,
mas para comer, beber e cometer loucuras. "Todos os que foram contados dos
levitas, que Moisés contou com Arão " [Numb. III. 39]. A palavra inteira é
pontilhada, para implicar que Arão não foi incluído no o número. "Ou estar
em um distanteviagem "[ibid. ix. 10]. O Heh na palavra" rechokah "é
pontilhado, para implicar que realmente não significa uma viagem distante, só
que ele foi proibido de passar o limiar da quadra exterior (do Templo "E nós
demitimos (todos) até Naphach, que chega até Medeba" [ibid. Xxi. 30]. O
Resh na palavra "asher" é pontilhado, para implicar que só os idólatras
assolaram os países. No que diz respeito ao primeiro dia dos Tabernáculos,
está escrito [ibid. Xxix. 15]: "E uma décima parte cada ." O Vav da palavra
"eissoron" é pontilhado, para implicar que deve haver apenas um décimo da
parte. por último: "As coisas secretas pertencem ao Senhor fora de Deus;mas
essas coisas que são publicamente conhecidas pertencem a nós e aos nossos
filhos parasempre "[Deut. xxix. 30]. As duas primeiras palavras inteiras e o
Ayin do terceiro são pontilhados, para implicar que Esdras disse: Se Elias vir
e me questionar por que escrevi assim, responderei:" Eu já pontilhou-os. No
entanto, se ele disser: "Você escreveu bem, vou apagar os pontos".

Na Torá há onze vezes a palavra ‫( היא‬que significa "ela"), quando deveria ser
‫( הוא‬ele). (Veja Massorah.)

Dez vezes a Shekhina desceu sobre a terra. Uma vez no Jardim do Éden, como
está escrito [Gen. iii. 8]: "E eles
p. 114

ouvi a voz do Senhor Deus andando no jardim. "Uma vez na geração dos
(construtores da) torre, como está escrito [ibid. xi. 5]:" E o Senhor desceu para
ver a cidade eo torre. "Uma vez em Sodoma, como está escrito [ibid. xviii.
21]:" E eu vou descer agora, e ver se eles fizeram de acordo com o clamor
contra eles. "Uma vez no Egito, como está escrito [ Ex. Iii. 8]: "E desci para
livrá-lo da mão dos egípcios." Uma vez no mar, como está escrito [Sl xviii.
10]: "E ele inclinou os céus, e Uma vez no Sinai, como está escrito [Ex. xix.
20]: "E o Senhor desceu sobre o Monte Sinai." Uma vez no Templo, como
está escrito [Ezek. xliv. 2]: "Este a porta permanecerá trancada, não será
aberta. . . porque o Senhor Deus de Israel

Dez graus a Shekhina removeu-se de um lugar para outro: Da tampa para o


querubim, como está escrito [II Samuel, xxii. ii]: "E cavalgou sobre um
querubim e voou"; desde o querubim até o limiar, como está escrito
[Ezek. ix. 3]: "E a glória do Deus de Israel subiu do querubim ao que tinha
sido, até o limiar da casa"; do limiar aos dois querubins, como está escrito
[ibid. x. 18]: "E a glória do Senhor saiu da entrada da casa e parou sobre os
querubins"; desde o querubim até o teto, como está escrito [Prov. xxi. 9]: "É
melhor morar em um canto de um telhado"; do telhado para a parede do átrio
exterior, como está escrito [Amos, vii. 7]: "E eis que o Senhor estava em cima
de um muro (feito) por um prumo"; desde a parede do átrio exterior até ao
altar, como está escrito [ibidem. ix. 1]: "Vi o Senhor de pé sobre o
altar"; desde o altar até a cidade, como está escrito [Miquéias, vi. 9]: "A voz
do Senhor chama a cidade"; da cidade para o monte, como está escrito
[Ezek. XI. 23]: "E a glória do Senhor subiu do meio da cidade, e parou no
monte", etc .; desde o monte até o deserto, como está escrito [Prov. xxi. 19]:
"É melhor morar numa terra deserta"; e uma vez quando subiu ao alto, como
está escrito [Oséias, v. 15]: "Eu irei (daqui e voltarei ao meu lugar)".
Um profeta é chamado por dez nomes diferentes. Eles são tão
p. 115

segue: Embaixador, fiel, servo, mensageiro, vidente, vigia, homem de


escrutínio, sonhador, profeta, homem de Deus.

Existem dez nomes para o Espírito Santo, a saber: Provérbio, metáfora,


enigma, palavra, dizer, chamar, mandamento, profecia, fala sagrada e visão.

A alegria tem dez expressões diferentes: alegria, alegria, alegria, alegria,


prazer, satisfação, complacência, alegria, alegria.

Dez são chamados "vivos": O Santo, abençoado seja Ele, como está escrito
[Jer. x. 10]: "Mas o Senhor Deus é a verdade: ele é o Deus vivo"; a Torá,
como está escrito [Prov. iii. 18]: "Ela é uma árvore da vida para aqueles que a
apóiam, e todo aquele que a aperta com firmeza será feliz"; Israel, como está
escrito [Deut. iv. 41: "Mas os que se apegam ao Senhor vosso Deus estão
vivos, cada um de vós, neste dia"; boas obras, como está escrito
[Prov. XI. 30]: "O fruto do justo é da árvore da vida"; o Jardim do Éden, como
está escrito [Ps. cxvi. 9]: "Andarei perante o Senhor nas terras da vida"; a
árvore, como está escrito [Gen. ii. 9]: "E a árvore da vida no meio do
jardim"; Palestina, como está escrito [Ezek. xxvi. 20]: "

Mishná E . Dez milagres foram feitos para nossos pais no Egito e dez para o
mar.

Mishná G . Dez milagres foram realizados no Santuário: Nenhuma mulher


abortou do cheiro da carne sagrada, e a carne sagrada nunca fedia; e uma
mosca não foi vista no matadouro; e uma impureza não se abateu sobre o
sumo sacerdote no Dia da Expiação; e não se encontrou defeito algum nas
ovelhas, nem nos dois pães nem no pisco de farinha; e as chuvas não
extinguiram o fogo do combustível amontoado sobre o altar, e o vento não
prevaleceu contra a coluna de fumaça; ficaram em pé e curvaram-se à
vontade; e a serpente e o escorpião não feriram em Jerusalém, e um homem
nunca disse a seus companheiros: "O lugar é muito estreito para eu alojar-me
em Jerusalém".
p. 116

Mishna H . Dez coisas foram criadas no crepúsculo da véspera do sábado: a


boca da terra e a boca do poço, e a boca da jumenta, e o arco, e o maná, e a
vara, e o verme de Shomir; personagem e a escrita e as tabelas. E alguns
dizem que os espíritos malignos também; o sepulcro de Moisés e o carneiro de
Abraão, nosso pai; e alguns dizem as primeiras tenazes com as quais
subsequentemente outras tenazes foram feitas.
Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1Dez milagres foram realizados para nossos antepassados em Jerusalém: A


carne sagrada nunca foi estragada; nenhuma mulher abortou do cheiro da
carne sagrada; ninguém nunca foi ferido; Nenhum acidente aconteceu a
ninguém; ninguém nunca tropeçou; nenhuma conflagração ocorreu; nenhuma
chuva estava lá; Ninguém jamais disse: "Não encontrei forno onde assar o
cordeiro pascal"; Nenhum homem disse. "Não encontrei cama onde
dormir"; Nenhum homem jamais disse a outro: "Não encontrei aposentos para
passar a noite".

Jerusalém nunca foi contaminada pela lepra, nem condenada como cidade
enganada; não há saliências, galerias nem canais que pudessem ser
construídos nas ruas públicas, porque formariam uma tenda para a
impureza; um cadáver não poderia ser deixado lá durante a noite, nem ossos
humanos seriam levados pelas ruas, e nenhum estranho teria permissão para se
estabelecer dentro de suas paredes. Nenhuma sepultura poderia ser mantida
ali, exceto as da casa de Davi e da profetiza Hulda, que existia desde os dias
dos primeiros profetas. Dizem que havia uma gruta que fez com que a
impureza corresse para o riacho Kidron. Nenhuma planta deve ser plantada lá,
e nenhum jardim ou parque pode ser colocado lá, exceto jardins de rosas, que
existiam desde os dias dos primeiros profetas. Não há gansos nem galinhas ali,
muito menos porco; nenhum esterco pode permanecer ali, por causa da
contaminação. Um filho teimoso e rebelde não é julgado lá, tal é o decreto de
R. Nathan, pois está escrito [Deut. xxi. 19]: "Então seu pai e sua mãe se
apegarão a ele, e o levará aos anciãos de sua cidade, e à porta de seu lugar,
mas como eles não são sua cidade e lugar, ele não pode ser julgado. Casas não
podes
p. 117

ser vendido lá junto com o chão em que eles estão. Nenhuma casa pode
permanecer como posse permanente depois de doze meses. Nenhum aluguel
pode ser tomado para casas, mas pode ser para camas e colchões. Disse R.
Jehudah: "Não é permitido tomar o aluguel mesmo por isso." O que eles
fizeram com as peles do holocausto? Eles foram entregues aos guardiões das
hospedarias. R. Simeon b. Gamaliel disse: "Os estalajadeiros estavam do lado
de dentro e os guardiães da hospedaria do lado de fora. Os proprietários
costumavam comprar ovelhas, tendo boa lã, por quatro a cinco selahs, e
vendê-las aos habitantes de Jerusalém, e obtinham grandes lucros sobre elas. "

Um verso diz: "Em uma das tuas tribos" [Deut. xii. 14]; e outro diz: "De todas
as suas tribos" [ibid., ibid. 5]. A primeira diz respeito às tribos de Judá e
Benjamim e a segunda a Jerusalém, que pertence a todo o Israel. O que
pertencia a Judá? O Monte do Templo, as câmaras e as quadras externas; e
para Benjamim pertenciam o Templo, o pórtico e o Santo dos Santos, e um
triângulo estendido para a parte de Judá na qual o altar foi
construído. Benjamim foi favorecido e tornou-se o anfitrião do Poder, como
está escrito [ibid. xxxiii. 12]: "E entre seus ombros ele vai morar."

Disse R. Jehudah: Na época em que se tornou conhecido que o Templo seria


construído sobre os limites de Judá e Benjamim, eles melhoraram e separaram
o subúrbio de Jericó. E quem comeu seus produtos todos esses anos? Os filhos
do queneu, sogro de Moisés, como está escrito: x. 32]: "Deverá, que a mesma
bondade que o Senhor nos faz, faremos a ti." No entanto, quando o templo foi
construído, eles desocuparam. E de onde sabemos que foram sustentados pela
caridade? Eles disseram: "Quando o Senhor revelar Sua Shekhina, Ele
recompensará Jetro e seus filhos, como está escrito [ibid., Ibid. 29]: Porque o
Senhor falou (para trazer) o bem sobre Israel". Disse R. Simeon: Eles eram
homens proeminentes e eram proprietários de casas, campos e
vinhedos. Contudo, por causa da obra do Senhor, eles deixaram tudo e foram
embora, como está escrito [I Cron. iv. 23]: "Havia os oleiros e os que
habitavam nas plantações" etc. Eles moravam com o rei em sua obra. E para
onde eles foram então? Para Jabez, estudar a Torá e assim ter se tornado um
povo do Onipotente. Jabez era um homem muito bom e justo: ele era um
homem sincero e piedoso e ocupava-se com o estudo da lei; portanto, o
piedoso foi para um piedoso. e ocupou-se com o estudo da lei; portanto, o
piedoso foi para um piedoso. e ocupou-se com o estudo da lei; portanto, o
piedoso foi para um piedoso.

" Dez milagres foram feitos , etc .; e uma impureza se abateu


p. 118

não o sumo sacerdote no Dia da Expiação "- exceto R. Ishmael b. Kimchith,


que saiu para conversar com um certo dignitário, e alguma saliva caiu de sua
boca em suas vestes; e seu irmão entrou e oficiou como alto sacerdote em seu
lugar, e sua mãe teve a satisfação de ver seus dois filhos como sumos
sacerdotes no mesmo dia.

Os sábios a viram e disseram: "Que piedade praticaste?" E ela se reuniu: "Os


tetos da minha casa nunca viram meu cabelo".

" Nenhuma mulher abortou ." Nunca aconteceu que sobrou alguma coisa da
carne sagrada; e quando eles comiam demais, bebiam as águas de Shiloach,
que ajudavam na digestão.

" E um defeito não foi encontrado ", etc. Vasos de barro quebrados foram
afundados no chão.
" E o vento não prevaleceu ", etc. E quando a coluna de fumaça subiu do altar
do sacrifício, a fumaça subiu como um cajado até alcançar as nuvens; mas a
coluna do incenso subiu do altar de ouro na direção do Santo dos Santos.

“ Eles se levantaram e se curvaram ”, etc. Quando os israelitas se ajoelharam


diante do Pai Celestial, eles eram compactos e ninguém conseguia colocar o
dedo entre eles, mas quando se ajoelhavam, todos tinham um espaço amplo. A
maior maravilha de tudo era que, mesmo quando cem pessoas entravam de
uma só vez, não havia necessidade de os inspetores da sinagoga proclamarem:
"Abram espaço para o seu irmão!" (Alguns acham que) a maior maravilha de
tudo era que, quando todos se levantavam em oração, eram compactos e
ninguém conseguia colocar o dedo entre eles, mas quando se curvavam havia
um espaço de altura de um homem entre eles.

Disse Rabban Simeon b. Gamaliel: Jerusalém é destinada a que todas as


nações e reinos sejam reunidos nela, como está escrito [Jer. iii. 17]: "E todas
as nações devem ser reunidas a ele, para o nome do Senhor"; e mais: "Deixa
que as águas sejam reunidas" [Gen. Eu. 9]. Como "o ajuntamento" significa
que todas as águas da criação estarão em um lugar, assim também "o
ajuntamento" aqui significa que todas as nações e reinos estarão reunidos nele.
p. 119

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1" Os homens de Sodoma " - não têm parte no mundo por vir, e eles não são
julgados, como está escrito [Gen. xiii. 13]: "Mas os homens de Sodoma eram
iníquos e pecadores diante do Senhor excessivamente". "Mau" - um com o
outro; "pecadores" - em consanguinidade; "diante do Senhor" - na medida em
que profanam o nome de Deus; "excessivamente" - eles fizeram tudo isso
intencionalmente. E está escrito [Ps. Eu. 5]: "Portanto, o ímpio não poderá
permanecer no julgamento, nem os pecadores na congregação dos justos." A
primeira parte da passagem refere-se à geração do dilúvio e a segunda aos
homens de Sodoma. R. Nehemiah disse: "Mesmo na congregação dos iníquos
eles não estão incluídos, como está escrito [ibid. Civ. 35]:"

Os filhos pequenos dos ímpios não têm parte no mundo por vir e não são
julgados, como está escrito [Mal. iii. 19]: "Pois eis que aquele dia vem
ardendo como fornalha... Que não vai deixá-los raiz ou ramo." Tal é o ditado
de R. Eliezer. R. Joshua, no entanto, disse: Eles estão incluídos, e as palavras
"quem não vai deixá-los raiz ou ramo", referem-se a seus próprios corpos,
como está escrito [Dan. iv. ii]: "Ele chamou com força, e assim ele disse:
Desbaste a árvore e arranque os seus ramos, retire as suas folhas e espalhe os
seus frutos"; e ainda [ibid. 12]: "No entanto, deixe o corpo de suas raízes na
terra, mas (preso) com grilhões de ferro e cobre". Como em ambas as
passagens as raízes são mencionadas, e como as raízes mencionadas ali se
referem ao tronco da árvore, então as raízes aqui se referem ao corpo do
homem. Em caso afirmativo, o que significam as palavras "quem não vai
deixá-los raiz ou ramo"? Que nenhuma recompensa será encontrada na qual
eles poderiam depender.

Outros dizem: "Eles estão incluídos, e para eles se refere o que está escrito [Is.
Xliv. 5]:" Este dirá, eu pertenço ao Senhor; e o outro se chama pelo nome de
Jacó; e o outro se inscreverá com a mão ao Senhor, e se apelidará pelo nome
de Israel. "" Este alguém dirá, eu pertenço ao Senhor "refere-se aos
perfeitamente justos; o nome de Jacó "refere-se aos filhos pequenos dos
ímpios" e o outro se inscreverá
p. 120

com a mão para o Senhor "refere-se ao ímpio que deixou a sua maldade,
voltou atrás, e se arrependeu; e", e apelidar-se pelo nome de Jacó "refere-se
aos prosélitos.

Coré e sua companhia não têm parte no mundo por vir e não são julgados,
como está escrito. xvi. 33]: "E a terra se fechou sobre eles, e eles
desapareceram do meio da congregação". Essa é a decisão do R. Eliezer. R.
Josué, no entanto, disse: "Eles estão incluídos, e as palavras: 'O Senhor mata e
faz vivo: ele desce ao túmulo e traz até' [I Samuel, II. 6], têm referência a eles
porque aqui é mencionado o túmulo, como está escrito [Núm. XVI. 33]: "E
eles desceram, eles e todos os que lhes pertenciam, vivos no
abismo." 1 Também ali é mencionado. em ambos os casos, é incluída a
ressurreição da sepultura. "Disse-lhe R. Eliezer:" Se for assim, como
entenderemos: 'E a terra se fechou sobre eles e desapareceram do meio da
congregação'? " respondeu: "Devemos entender que eles desapareceram do
meio da congregação, mas não do mundo por vir".

A geração do deserto não tem parte no mundo por vir e não é julgada, como
está escrito [ibid. xiv. 35]: "Neste deserto eles devem ser gastos, e aí eles
devem morrer"; e ainda [Ps. xcv. ii]: "Então jurei na minha ira que não
entrassem no meu descanso." Tal é o ditado de R. Eliezer. R. Josué, no
entanto, disse: "Eles estão incluídos, e as palavras: 'Juntem-se a mim meus
piedosos servos, que fazem um pacto comigo por sacrifício' [Sl 5], têm
referência a eles." Disse R. Eliezer a ele: "Se sim, como explica as palavras,
'assim jurei na minha ira'?" Ele respondeu que isso tinha referência aos
espiões, e todos igualmente perversos daquela geração. "Mas", continuou R.
Joshua, "estou ansioso para saber como você aplica as palavras: ' Reúna-se. ”“
Eu os aplico ”, disse o outro,“ a Moisés, Aarão, os piedosos da geração e à
tribo de Levi ”. R. José, o galileu, disse:“ Eles não estão incluídos, pois é
escrito [Numb. xiv. 35]: 'Neste deserto eles devem ser gastos, e aí eles devem
morrer'; e ainda [Deut. xxi. 4]: 'E eles quebrarão o pescoço da novilha no
vale.' Como a palavra "lá" mencionada aqui significa que ela deve morrer e
não ser movida de seu lugar, assim também o 'lá' mencionado naquele e aí
morrerão; e ainda [Deut. xxi. 4]: 'E eles quebrarão o pescoço da novilha no
vale.' Como a palavra "lá" mencionada aqui significa que ela deve morrer e
não ser movida de seu lugar, assim também o 'lá' mencionado naquele e aí
morrerão; e ainda [Deut. xxi. 4]: 'E eles quebrarão o pescoço da novilha no
vale.' Como a palavra "lá" mencionada aqui significa que ela deve morrer e
não ser movida de seu lugar, assim também o 'lá' mencionado naquele
p. 112

passagem significa que eles devem morrer e não ser movidos de seus lugares.
"Uma objeção foi levantada, a saber: Está nessa passagem a palavra" lá
"mencionada em conexão apenas com o perverso, e não com o justo? Não é
dito [ . Gen. XLIX 31]: " há que enterraram Abraão e Sara, sua mulher"; e
mais [ibid 5]: "em minha sepultura, que cavei para mim na terra de
Canaã, há assim me enterrar"; e também [Numb. xx.1]: "E Miriam
morreu lá e foi enterrado lá ", e mais [ibid xxxiii. 38]: "E Arão, o sacerdote,
subiu. . . e morreu lá"; e ainda [Deut. xxxiv. 5]:" E Moisés, o servo do Senhor,
morreu ali na terra de Moab, de acordo com a ordem do Senhor "? Disse
Rabban Gamaliel: Está escrito [Deuteronômio 21]. ]: "Para que se
multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor,
com juramento, prometera a vossos pais". Refere-se à ressurreição, quando
ambos os pais e os filhos desfrutarão da mesma longevidade: R. José, os lados
galileus com R. Eliezer e R. Gamaliel ao lado de R. Joshua.

As dez tribos não têm parte no mundo por vir e não são julgadas, como está
escrito [Deut. xxix. 27]: "E o Senhor os arrancou de suas terras ... e os lançou
em outra terra, como neste dia". Disse R. Simeon b. Jacó: "Como o dia em
que eles se rebelaram nunca retornará, assim eles não retornarão". R. Aqiba,
no entanto, disse: "Como o dia está escuro e depois se ilumina, também a
escuridão deles será seguida pela luz".

Os sete seguintes não têm nenhuma participação no mundo por vir: um


escriba, um professor de criancinhas, até mesmo os melhores médicos, o juiz
da cidade, o guardião da loja, o beadle e o açougueiro.

Há três reis e quatro plebeus que não têm participação no mundo por vir. Os
três reis são: Jeroboão, Acabe e Menasseh; os quatro plebeus são: Balaão,
Doeg, Achitophel e Gechazi. Disse R. Jehudah: Menasseh já se arrependeu,
como está escrito [II Chron. xxxiii. 13]: "E ele orou a ele, e ele permitiu-se ser
suplicado por ele ... e trouxe-o de volta para Jerusalém, para o seu reino." Eles
argumentaram contra ele assim: "Se o versículo declarasse meramente", e o
trouxesse de volta a Jerusalém, "nós então concordaríamos com você, mas
desde que foi acrescentado" ao seu reino ", pode-se dizer que Ele o devolveu a
Seu reino, mas não para uma vida no mundo por vir ".
Disse R. Meir: "Absalão não tem parte no mundo por vir".
p. 122

Disse R. Simeon b. Elazar: "Acaz, Acazias e todos os reis de Israel


[parágrafo continua]

que eram iníquos não têm parte no mundo vindouro". Disse R. Johnan b. Nuri:
"Também quem pronuncia o Nome como está escrito não tem parte no mundo
por vir".

Ele costumava dizer: "Aquele que escaneia o Cântico dos Cânticos (como um
poema secular), e aquele que não pode falar acima do sussurro ou se tornou
amarelo em consequência de uma ferida ou recita (no ridículo) a passagem:
'Eu não colocarei nenhuma dessas doenças sobre eles, 'etc. [Gn xv. 26], não
tem parte no mundo por vir. " E os sábios dizem: Todo discípulo que estudou,
e depois abandona seus estudos, não tem parte no mundo por vir, como está
escrito. xv. 31]: "Porque a palavra do Senhor desprezou"; e mais [Jer. ii. 5]:
"Que culpa seus pais encontraram em mim, que eles se afastaram de mim?"

R. Meir disse: "Quem não visitar a faculdade que está em sua cidade não tem
parte no mundo por vir"; e R. Aqiba disse: "Também aqueles que não servem
aos sábios".

MISHNA eu . Sete coisas marcam o torrão, 1 e sete há para o sábio. O sábio


não fala diante daqueles que o superam em sabedoria e anos; ele não
interrompe outro em seu discurso, ele não é apressado em responder; ele não
faz perguntas precipitadas; pergunta com propriedade e ao ponto; fala
primeiro sobre o assunto primeiro em ordem e por último e por
último; quando ele não entende o assunto em discussão, ele confessa: "Eu não
entendo"; e admite quando ele está convencido. O oposto dessas coisas marca
o torrão.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2Há sete criações de tantos graus de importância. O céu é muito


importante; mas mais importantes são as estrelas, porque elas iluminam o
mundo. De um grau mais elevado do que as estrelas são as árvores, porque
produzem frutos e as estrelas não. Mais significantes que as árvores são os
ventos perniciosos, porque eles se movem para cá e para lá, e as árvores
não. Maior que os ventos perniciosos é a besta, pois a besta é
p. 123

ativo e come, o que o primeiro não pode fazer. De um tipo mais elevado de
desenvolvimento é o homem; pois o homem é intelectual e a besta não é. Mais
excelente que o homem são os anjos ministradores; pois eles são capazes de
atravessar de um fim do mundo para outro, o que o homem não pode fazer.
O homem possui seis qualificações, três das quais pertencem também à besta
e três aos anjos: o homem come e bebe, multiplica-se e excreta como uma
besta; mas ele é dotado de intelecto, anda ereto e fala na língua santa, assim
como os anjos.

Os espíritos malignos (Shedim; Deut. Xxxii. 17) possuem seis qualificações,


três das quais pertencem ao homem e três aos anjos; ou seja, comem e bebem,
multiplicam-se e morrem como os homens; mas eles têm asas, um
conhecimento do futuro, e atravessam de um fim do mundo para outro, assim
como os anjos fazem. 1 Há outros que dizem: Eles também podem assumir
qualquer formato e forma que gostem e ver, mas não são vistos.

Os rabinos ensinaram: 2 Existem sete tipos de hipócritas (que tentam se


mostrar como se fossem verdadeiros fariseus), e eles são:
Shichmi; Niqpi; Qoosai; Medukhia; "O que mais é meu dever, e eu farei
isto?"; Fariseu do amor; e fariseu do medo.

Shichmi - ou seja , que age como Shechem (Gen. xxxiv.), (Que se permitiu ser
circuncidado, não para agradar a Deus, mas para seu próprio
benefício). Niqpi - isto é , aquele que anda na ponta dos pés (de modo que ele
atinja seus pés contra pedras ou outros obstáculos no caminho), a fim de
mostrar sua mansidão e, assim, atrair a atenção. Qoosai - isto é , aquele que se
mostra andando com os olhos fechados para não olhar para as mulheres, e bate
a cabeça contra a parede e sangra. Tal é a interpretação de R. Nahman
b. Itz'hak. Medukhia - isto é , que tanto dobra seu corpo enquanto caminha,
que se assemelha a um pilão. Tal é a interpretação de Rabba b. Shila "O que
mais é meu dever , "etc. Por que essa hipocrisia? Isso significa que ele está se
vangloriando de ter feito todas as coisas boas possíveis, e desafia que ele deve
saber o que mais há para ser feito e ele fará." Fariseu de amor ", etc Abayi e
Rabha ambos disseram ao estudioso que repetiu
p. 124

isto: "Não coloque amor e temor com os hipócritas, como R. Jehudah disse em
nome de Rabh: 'Sempre alguém deve ocupar-se da Torá e méritos mesmo não
pelo Céu, pois uma vez ele faz o costume de faça isso, ele finalmente chegará
a fazê-lo pelo Céu. '"

Disse R. Nahman b. Itz'hak: "Aquilo que está oculto (no coração de uma
pessoa) é somente de seres humanos, mas não do Céu; e até a hipocrisia
visível só pode ser punida pelo Tribunal Superior." Disse o rei Janai à sua
mulher: "Não temam os fariseus, nem daqueles que afirmam ser seus
oponentes, mas temem os de cor (que colocam cores falsas), que na realidade
agem como Zimri (Numb. xxv.), e exigem a recompensa de Phinehas ".
Há sete coisas que, se usadas moderadamente, são saudáveis para o corpo e, se
em excesso, são o contrário: vinho, trabalho, sono, riqueza, viagens, água
morna e a liberação de sangue.

Com sete coisas, Deus criou o mundo. Eles são os seguintes: Sabedoria,
compreensão, conhecimento, força, poder, bondade e misericórdia. E como
criou o mundo com sete coisas, também criou sete ancestrais - três pais e
quatro mães.

Sete atributos estão servindo diante do Trono da Graça, a saber: Fiel, Justo,
Justiça, Gentil, Misericordioso, Verdade, Paz, como está escrito [Oséias,
ii. 21, 22]: "E desposar-te-ei comigo para sempre; sim, desposar-te-ei com
justiça, e com justiça, com amor-bondade e com misericórdia. E desposar-te-
ei comigo em fidelidade; e conhecerás o Senhor "; e ainda [Ps. lxxxv. 11]: "A
bondade e a verdade são encontradas juntas; a justiça e a paz se beijam". E o
que significa "e conhecerás o Senhor"? Qualquer um que possua esses
atributos tem conhecimento da sabedoria do Onipotente.

Há sete moradas: o alto, o baixo, a atmosfera e os quatro ventos. Disse R.


Meir: Há sete céus: Cortina, firmamento, céu, casa de habitação, habitação,
lugar estabelecido, nebulas. Assim, a Terra tem sete nomes: Terra, Terra,
Reino, Terra Seca, Globo e Mundo Inferior. Por que é assim
chamado? Porque é temperado com tudo. Outros dizem, porque destrói tudo.

" Um homem sábio não fala diante daqueles que o superam em sabedoria e
anos ." Isso se refere a Moisés, como está escrito [Ex. iv. 30]: "E Arão falou
todas as palavras que o Senhor tinha
p. 125

falou a Moisés, e ele fez os sinais diante dos olhos do povo. "Agora, então,
qual dos dois era competente para falar? Naturalmente, Moisés; pois ele tinha
a mensagem direta de Deus, e Arão só ouviu isso de Moisés Mas Moisés
considerou que não era apropriado falar na presença de seu irmão mais velho,
portanto, ele conferiu a Arão a honra de ser o orador.

" Não interrompe ", etc., refere-se a Aarão, como está escrito [Lev. x. 19]: "E
Arão falou a Moisés: Eis que hoje eles ofereceram a sua oferta pelo pecado eo
seu holocausto" etc. Ficou em silêncio até Moisés cessar de falar, e nem disse
a Moisés que fosse breve em suas declarações. Há outros que dizem que Arão
o chamou de lado e disse: "Meu irmão Moisés, dízimos, que são menos
importantes do que qualquer outra oferta, um enlutado (antes do sepultamento
dos mortos) é proibido de comê-los; uma oferta pelo pecado, o que é de
grande importância, tanto mais deve ser proibido a ele ". E Moisés
imediatamente admitiu que ele estava certo, como está escrito [ibidem. 20]: "E
quando Moisés ouviu isso, foi agradável aos seus olhos", e aos olhos do
Poder.

"E ele estava zangado com Elazar e Itamar, os filhos de Arão"


[ibidem. 16]. Aprende com isto que quando alguém ensina seus discípulos, ele
normalmente mantém seus olhos no grande, e quando ele está zangado, ele
transforma sua raiva naquele que é o menor: pois ele estava zangado até com
Arão.

Aarão era mais velho que Moisés, e o Senhor é maior do que Aarão e por que
não falou com Aarão? Porque seus outros filhos não impediram Nadabe e
Abiú de cometer um pecado.

Encontramos com Abraão, nosso pai, quando ele estava orando pelos homens
de Sodoma, o Santo, bendito seja Ele, disse: "Se eu encontrar em Sodoma
cinqüenta justos dentro da cidade, então pouparei o lugar todo por causa
deles" [Gen. xviii. 26]. Aquele que disse: "Haverá o mundo", muito bem sabia
que não havia em Sodoma nem quatro ou cinco justos, apenas esperou até que
Abraão terminasse, e então lhe respondeu, como está escrito [ibid. 33]: "E o
Senhor foi embora quando ele terminou de falar com Abraão, e Abraão voltou
para o seu lugar."

" Ele não se apressa em responder " - refere-se a Eliú, filho de Baraque, o
buzita, como está escrito [Jó, xxxii. 7]: "Eu havia dito: Dias falariam". Inferir
disto que eles estavam sentados em silêncio antes de Jó. Quando ele se
levantou, eles também surgiram; quando ele se sentou, eles fizeram o
mesmo; quando ele comeu ou bebeu, eles fizeram o que ele fez, até que Jó
pediu permissão para falar, como está escrito
p. 126

dez [ibid. iii. 1-3]: "E após esse tempo o trabalho abriu sua boca, e amaldiçoou
seu dia ... Deixe aquele dia em que eu nasci perecer, e a noite quando foi dito,
Tem havido uma criança do sexo masculino concebida." Na noite em que
minha mãe veio ao meu pai e disse que ela estava grávida, perecerá. E de onde
sabemos que eles não fizeram todos falam ao mesmo tempo? Como está
escrito [ibid. 2]: "E Jó começou e disse"; e, "Então respondeu Elifaz o
themanita, e disse" [ibid. iv. 1]; e, "Então respondeu Bildad, o shuchita, e
disse" [ibid. viii. 1]; e, "Então respondeu Zofar, o naamatita, e disse"
[ibid. XI. 1]; e "E Eliú, filho de Baraque, o buzita, começou e disse"
[ibid. xxxii. 6].

" E não interrompe outra em seu discurso; pergunta com propriedade " -
refere-se a Jehudah, como está escrito [Gen. xliii. 9]: "Eu serei fiador por ele."
" Pergunta injustificado " - refere-se a Reuben, como está escrito
[ibid. xlii. 37]: "E Rúben disse a seu pai, assim: Dois dos meus filhos
matarás."

" Fala primeiro sobre o assunto que é o primeiro em ordem " - etc. refere-se a
Jacob. Outros dizem a Rebeca, e ainda outros dizem aos homens de Harã.

" E diz: 'Eu não ouvi isto', quando ele realmente não ouviu " - refere-se a
Moisés, como está escrito. ix. 7, 8]: "E estes homens disseram-lhe ... e Moisés
disse-lhes: Esperem, e eu vou ouvir o que o Senhor", etc.

" Admite a verdade " - também se refere a Moisés, como está escrito
[Lev. x. 20]: "E quando Moisés ouviu isso, foi agradável aos seus
olhos." Também o Santo, bendito seja Ele, confessou a verdade, como está
escrito. xxvii. 7]: "As filhas de Zelofchad falam corretamente".

Mishna J . Sete tipos de punições vêm por conta de sete transgressões


cardeais. Quando alguns homens dão o dízimo e outros não dão o dízimo, a
escassez vem da seca; alguns deles estão com fome e alguns deles estão
saciados. Quando não têm dízimo, a escassez vem do tumulto e da seca. E
quando eles não separaram a primeira massa, vem uma escassez mortal.
p. 127

Mishná K . A pestilência vem ao mundo pelos crimes capitais mencionados na


Torá, que não devem ser levados perante o tribunal, 1 e para os frutos do
sétimo ano.

Mishná L . A espada vem sobre o mundo para a repressão ou perversão do


juízo, e também para a falsa interpretação da lei.

Mishna M . Bestas barulhentas vêm ao mundo para palavrões vãos e


profanação do Nome. Cativeiro vem sobre o mundo por idolatria, por incesto
e por derramamento de sangue, e por não observar o ano sabático.

Mishna N . Em quatro estações, a pestilência aumenta: no quarto ano, no ano


sabático; no final do último, e no final da festa em cada ano - no quarto, por
conta do dízimo do pobre no terceiro; no sétimo, por conta do dízimo do
pobre no sexto; e no final do sétimo, por causa do fruto do ano sabático; e no
final da festa em cada ano, por causa das generosidade dos pobres.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2" Sete tipos de castigos ", disse R. José: Por causa do pecado da primeira
massa, não há bênção no fruto, e o povo é entregue nas mãos de seus
inimigos, como está escrito. . xxvi. 16]: "E semearás em vão a tua semente;
porque os teus inimigos a comerão." Pelo pecado das ofertas e dízimos, os
céus retiveram a chuva e o orvalho, como está escrito: Job, xxiv. 19]: "A seca
e o calor consomem rapidamente as águas da neve" etc.

Uma praga vem ao mundo por causa do pecado das espigas, dos feixes
esquecidos, dos cantos e dos dízimos para os pobres.

Aconteceu que uma mulher que era vizinha de um proprietário de terras


mandou seus dois filhos para recolher o seu campo, mas ele não o fez.
p. 128

deixe eles. Na ausência deles, a mãe desejava que voltassem para casa,
achando que poderiam trazer algo para comer; e eles também queriam voltar
para casa, pensando que a mãe deles poderia ter algo para lhes dar de
comer. Chegando em casa de mãos vazias e não encontrando nada em casa
para comer, a decepção e a tristeza ao redor eram tão grandes que todos os três
morreram em um dia. Disse o Senhor: Ye tirou suas vidas, eu também vou
tirar suas vidas, como está escrito [Prov. xxii. 22, 23]: "Não roube os pobres,
porque ele é pobre, nem esmague os aflitos na porta; porque o Senhor
defenderá sua causa e destruirá a vida daqueles que os despojam".

" A espada vem ao mundo"Etc. Quando R. Simeon b Gamaliel e R. Ismael b


Eliseu, o sumo-sacerdote foram apreendidos e condenados a morrer, e da
antiga estava pensando e dizendo:.." Ai de nós, que somos para ser morto
como intencional violadores do sábado, idólatras, descobridores de
consangüinidade ou sanguessugas. "Disse-lhe este último:" Tu queres que eu
diga alguma coisa diante de ti? "E ele respondeu:" Diga! "E então ele disse:"
Talvez quando jantavas de pessoas pobres vieram à tua porta, mas foram
proibidas de entrar pelo porteiro? "E R. Simeon respondeu:" Pelo céu, isso
não foi feito. Ao contrário, sentinelas foram colocadas à minha porta: quando
viram os pobres se aproximando, eles as trouxeram à minha mesa e receberam
comida e bebida, e abençoaram o céu. "" Talvez quando tu foste sentado no
Monte do Templo e palestras, e todas as multidões de Israel estavam sentados
diante de ti, tu tornar-se arrogante por um momento " "Não, meu irmão
Ismael, eu nunca fiz isso?; mas o homem deve estar preparado para aflição
(sem qualquer razão). "

Eles então imploraram ao carrasco da seguinte maneira: Um deles disse: "Eu


sou um sacerdote, filho de um sumo sacerdote. Mate-me primeiro e poupe-me
da dor de ver meu colega morrer". E o outro dizia: "Eu sou um príncipe, filho
de um príncipe. Mate-me primeiro e poupe-me da dor de ver meu colega
morrer". E ele aconselhou-os a lançar lotes. Eles fizeram isso, e isso caiu em
Rabban Simeon b. Gamaliel Ao que o carrasco tomou a espada e cortou sua
cabeça. R. Ismael segurou-a ao peito e chorou e gritou: "A boca sagrada, a
boca verídica, a boca de onde lançaram pedras preciosas, diamantes e pérolas,
que te esconderam no pó e que encheram a tua língua com pó e cinzas? Tu és
significada na exclamação profética
p. 129

[Zech. xiii. 7]: "Desperta, ó espada, contra o meu pastor, e contra o


[parágrafo continua]

homem que associei comigo". Mal terminara ele quando também a sua cabeça
foi arrancada. Para eles, a Escritura refere-se quando se diz [Ex. XXII]. 23]:
"A minha ira se acenderá, e eu te matarei à espada; e as vossas mulheres
ficarão viúvas e os vossos filhos sem pai. "Assim como os homens são
mortos, não é evidente que as mulheres se tornam viúvas? (Por que, então, as
Escrituras dizem:" E suas esposas ficarão viúvas "?) para transmitir a idéia de
que eles eram e não eram viúvas; ou seja,Não havia provas de que os homens
tivessem sido mortos, como aconteceu em Bythar, onde nem uma alma
escapou para dar provas da morte de qualquer homem e, consequentemente,
as mulheres não puderam casar de novo. "E os filhos tornar-se-ão órfãos"
significa que eles não poderiam herdar a propriedade de seu pai, pela mesma
razão.

"O cativeiro vem sobre o mundo ", etc. Por causa da idolatria, como está
escrito [Lev. xxvi. 30]: "E eu vou destruir os vossos altos e [ibid. 33]:" E eu
vou espalhar entre as nações e mais [Deut. iv. 25]: "Quando você gerar
filhos", etc .; e [ibid. 27]: "E o Senhor vos espalhará entre as nações"; e
[ibid. 28]: "E servirás aos seus deuses, obra das mãos do homem." O Santo,
bendito seja Ele, disse: "Como você está desejoso de ser idólatra, eu vou
exilar você para um lugar onde a idolatria prevalece."

Por não observar o ano sabático. De onde sabemos isso? Está escrito
[Lev. xxvi. 34]: "Então a terra satisfará os seus sábados", etc. Disse o Santo,
bendito seja Ele: "Porque não observareis o ano sabático, a própria terra o
observará; e o número de meses que deixareis observá-lo, a própria terra vai
observá-lo ". Por essa razão, está escrito [ibid.]: "Então a terra satisfará os
seus sábados, todos os dias da sua desolação".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1Cinco não devem ser perdoados: Aquele que peca confiando que ele vai se
arrepender, e se arrepende e peca novamente (e assim ele peca muito e se
arrepende demais); aquele que peca confiando no perdão do dia da expiação; e
aquele que instiga os outros a pecar; e aquele que é culpado de profanar o
Santo
p. 130

Nome. E se não fosse pelos pecados da humanidade, as chaves dos


[parágrafo continua]

mistérios teriam sido confiadas ao homem, e ele saberia por que meios a terra
e o céu foram criados e também o que há acima. R. Aqiba costumava dizer:
"Tudo é previsto e revelado, e tudo está de acordo com o entendimento da
pessoa". Ele também costumava dizer que tudo era dado como um penhor, e
uma rede está espalhada para todos os vivos, etc. O arrependimento dos
ímpios retarda a execução de seu julgamento; seu veredicto, no entanto,
permanece selado até que eles façam a restituição. A quietude dos ímpios
(sem ter remorso) acaba mal. A superioridade enterra seus pretendentes.

Um homem chega a este mundo nu e deixa-o no mesmo estado, e é desejável


que a saída deva ser tão (sem pecado) quanto a vinda. Para profanar o Santo
Nome, não há arrependimento pendente e o Dia da Expiação não perdoa. O
arrependimento perdoa até o dia da morte, e esse dia acaba (todo pecado). Os
iníquos são pagos (neste mundo) e os justos recebem crédito (isto é, os ímpios
que estudaram a Lei sem executar o que está escrito nela e de outra maneira
não fizeram nada de bom, e aqueles íntegros que estudaram a Lei com uma
boa intenção e não fizeram nenhum mal - estes e aqueles recebem uma
pequena porção do que ganharam), e a maior parte é contada a eles para o
futuro.

R. Elazar b. Zadoq diz: O reto neste mundo pode ser comparado com uma
árvore cujo tronco cresce em um local limpo, enquanto um de seus ramos se
estende sobre um ponto sujo, do qual as pessoas dizem: Corte o galho e toda a
árvore estará em um ponto limpo. Os iníquos podem ser comparados a uma
árvore que está sobre um ponto impuro e estende seus galhos até um local
limpo; nesse caso, se os galhos forem cortados, toda a árvore ficará em um
lugar sujo.

Seis nomes diferentes foram aplicados ao leão: Arjah, Cphir, Lobhi, Laish,
Sha'hal, Sha'haz. Seis nomes foram aplicados à serpente; Na'hash, Soroph,
Tanin, Ziphoni, Epheh, Achshubh. Seis nomes foram aplicados a
Salomão; Salomão, Jedidiah, Koeleth, Ben Iokoh, Ogur, L'muel.

Mishna ó . Quatro tipos de pontos de vista são mantidos pelos homens em


relação à propriedade. Aquele que diz: "O que me pertence continuará a ser
meu e tu manterás o teu", sustenta a visão comum. Alguns consideram isso a
visão de
p. 131

os homens de Sodoma. 1 "Os meus serão teus, e os teus serão meus", assim diz
o ignorante. "O meu será teu, e tu também guardarás o teu", assim diz o
magnânimo. "Tua será minha, e a minha continuará a ser minha", são as
palavras dos ímpios.

Mishna P . Existem quatro tipos de disposições entre os homens. Alguns são


facilmente enfurecidos, mas tão rapidamente acalmados - aí a culpa é
neutralizada pelo mérito. Alguns demoram a irar-se, mas são acalmados
apenas com dificuldade - aí o mérito é contrabalançado pela falha. Um é lento
para irritar e facilmente pacificado - ele é de uma disposição gentil. Outra é
facilmente irritada e difícil de acalmar - ele é um homem mau.

Mishná Q . Existem quatro tipos de alunos: um entende prontamente mas


esquece logo - aí a vantagem é engolida pela falha; outro agarra, mas
lentamente, e raramente esquece - aí a falha é superada pelo talento; um
terceiro entende prontamente e demora a esquecer - a sua é uma boa parte; um
quarto entende vagarosamente e esquece rapidamente - o seu é um pobre dom.

Mishna R . Há quatro tipos de doadores de caridade: aquele que dá, mas não
se importa que os outros devam dar - seu olho é mau para os outros ( ou seja ,
o doador de caridade não terá o prazer de fazer caridade e os pobres serão
privados de isto); Aquele que faz os outros dar, mas não se doa, não faz o
melhor uso do seu; aquele que dá e faz outros dar é piedoso; mas aquele que
não dá nem sofre para dar é um homem cruel.

Mishna S . Existem quatro tipos de visitantes da casa de aprendizado: aquele


que vai e não pratica ( isto é , ele aceita as lições sem qualquer exame ou
estudo deles), a recompensa de ir somente permanece com ele; aquele que
pratica ( isto é , aquele que estuda em casa) e não vai, a recompensa da prática
permanece com ele; ele
p. 132

isso faz ambos é piedoso; Aquele que se enrola entre os visitantes da


faculdade, mas não vai nem pratica, é mau.

Mishná T . Existem quatro tipos de discípulos dos sábios: esponja, funil,


coador e peneira; esponja - sugando todas as coisas; funil - permitindo que
tudo o que é recebido em uma extremidade flua na outra; filtro - deixando o
vinho correr e reter a escória; peneira - soprando o farelo e mantendo a
farinha.

Mishná U . O amor, inspirado por motivos ocultos, desaparece quando esses


motivos desaparecem; mas o amor sem tais motivos nunca se desvanece.

Mishna V . Que amor é aquele que é inspirado por motivos ocultos? Por
exemplo, o amor de Amnon e Thamar. E que amor é sem tais motivos? Por
exemplo , o amor de Davi e Jônatas.

Mishna W . Qualquer contrariedade é para o Céu terá bons resultados, e aquilo


que não é para o Céu não terá o resultado desejado.
Mishná X . O que rebaixar é aquilo que é para o benefício do céu? Por
exemplo , a contestação de Hillel e Shammai. E aquilo que não é para o bem
do céu? Por exemplo , a contradição de Coré e seus seguidores.

Mishna Y . Todo aquele que faz com que muitos sejam justos, o pecado não
prevalece sobre ele; e quem faz muitos pecar, eles não lhe concedem a
faculdade de se arrepender.

Mishna Z . Moisés, que era justo e fez com que muitos se tornassem justos, a
justiça de muitos foi colocada sobre ele, como está escrito. xxxiii. 21]: "Ele
executou a justiça do Senhor, e seu julgamento com Israel."

Jeroboão, que ao contrário pecou e causou muitos a pecar, o pecado de


muitos, portanto, foi colocado sobre ele, como está escrito [I Reis xiv. 16]:
"Por causa dos pecados de Jeroboão, que pecou e induziu Israel a pecar".

MISHNA AA . Em quem quer que seja as três coisas seguintes, ele é um


discípulo de Abraão, e em quem quer que seja o contrário, três coisas, ele é
um discípulo de Balaão.
p. 133

MISHNA BB . Aquele que possui um olho bom, um espírito modesto e uma


mente humilde é para ser contado como o discípulo de Abraão, nosso pai; um
mau olhado, um espírito altivo e uma mente bombástica devem ser contados
como o discípulo de Balaão. E que diferença há entre os discípulos de Abraão
e os de Balaão? Os discípulos de Balaão descem para Gehenna, como está
escrito. lv. 24]: "Mas tu, ó Deus, tu os introduzirás no poço da destruição: não
deixem passar os homens de sangue e engano metade dos seus dias; mas eu
verdadeiramente confiarei em ti." Mas os discípulos de Abraão obtêm
benefício neste mundo e herdam o mundo por vir, como está escrito
[Prov. viii. 21]: "Para que os que me amais herdem uma possessão duradoura,
e os seus tesouros preencherei".

MISHNA CC . Jehudah b. Tema tinha o hábito de dizer: "Seja corajoso como


a pantera, levemente alada como a águia, veloz como o cervo e forte como o
leão, para executar a vontade de teu Pai Celestial".

MISHNA DD . Ele costumava dizer: "Gehenna será o lugar para o negrito de


rosto, e o Jardim do Éden será aquele para os envergonhados".

MISHNA EE . Ele costumava dizer: "Um cinco anos de idade deve estudar as
Escrituras; dez anos - Mishna; treze anos - deve praticar os mandamentos;
quinze anos - deve estudar Gemara; dezoito anos - o nupcial; vinte -
perseguições, a trinta - força, a quarenta - discernimento, a cinquenta -
conselho, a sessenta - idade, a setenta - hoariness, a oitenta - poder, a noventa
- decrepitude, a cem - ele é como se ele estivesse morto e desaparecido e
tivesse cessado do mundo ".

MISHNA FF . Ben Bag-Bag disse: "Vire-o e gire-o novamente (a Torá), pois


tudo pode ser encontrado nele. Estude-o, fique velho e cinzento com ele, e
nunca se afaste dele; pois não há melhor medida de um vida moral do que - a
Torá ".

MISHNA GG . Ben He-He disse: "A recompensa é compatível com a


aflição".

Notas de rodapé

106: 1 Capítulo XXXII. do original.

108: 1 Capítulo XXXIII. do original.

109: 1 O termo hebraico para ambos "brilho" e "relâmpago" é ‫ברק‬.

109: 2 O texto diz "nekabim" e o verso citado começa com "nakab-tha", daí a
suposição.

110: 1 significa tanto "marga" quanto "vagas".

110: 2 ‫ נד‬é 'parede', ‫ נאד‬é 'garrafa', o Talmude joga com a semelhança das duas
palavras.

111: 1 Capítulo XXXIV. do original.

111: 2 ‫ תפל‬em hebraico significa também "absurdo".

112: 1 ‫ יאר‬em hebraico significa "rio" e ‫ יער‬significa "floresta"; no versículo


citado, a última palavra é usada, mas a Massorah diz que a letra do meio está
suspensa acima da linha, e o Talmud sustenta que isso mostra que
originalmente a primeira palavra mencionada foi usada, mas
subsequentemente a letra do meio foi mudada e mudança indicada pela
suspensão.

116: 1 Capítulo XXXV. do original.

119: 1 Capítulo XXXVI. do original.

120: 1 O termo hebraico para ambos "grave" e "cova" é sheol , daí a analogia.
122: 1 De acordo com Maimônides.

122: 2 Capítulo XXXVII. do original.

123: 1 Ver Seção Moed, vol. VI., Hagiga, 37. A repetição aqui é por causa
dessa adição.

123: 2 Aqui está uma declaração que é repetida em Tract Sota, 22 b , sob o
título: "Os rabinos ensinaram." Como lá é mais compreensível, preferimos dar
aqui dessa forma.

127: 1 De acordo com Rashi, significa quando o tribunal judaico cessou sua
existência durante os últimos anos do Segundo Templo; e, de acordo com
outros comentários, significa Kareth e a morte celestial, com a qual os
tribunais da terra nada tinham a fazer.

127: 2 Capítulo XXXVIII. do original.

129: 1 Capítulo XXXIX. do original.

131: 1 i.e. , "Eu não desejo obter benefício de outros, e ninguém deve obter
benefício de mim." Esse foi o método dos sodomitas.
p. 134

CAPÍTULO VI
[Homens sábios ensinaram na língua Mishna. Bendito é aquele que fez a
escolha deles e sua Mishna.]

MISHNA A. R. Meir disse: "Todo aquele que está ocupado na Torá pelo seu
amor merece muitas coisas, e não apenas assim, mas ele vale o mundo inteiro,
como é chamado amigo, amado, ama o Onipotente e a humanidade; agrada o
Onipotente e a humanidade veste-o com mansidão e temor, e serve-lhe para
tornar-se justo, piedoso, reto e fiel, e remove-o do pecado, e leva-o para o lado
do mérito, e dele derivam o benefício do bem. conselho, e sabedoria sã,
entendimento e força, como está escrito [Prov. 14:]: 'Os meus são conselho e
sabedoria sadia: eu sou compreensivo; o meu é poder'. E isso lhe dá reino e
domínio, e faculdade de julgamento, e eles revelam a ele os segredos da Torá,
e ele é feito, por assim dizer, uma fonte que cessa não e como um rio que flui
aumentando.

MISHNA B. Disse R. Jehoshua b. Levi: "Todos os dias uma voz celestial sai
do Monte Horebe, e proclama da seguinte forma: 'Ai das criaturas por
desprezo da Lei, pois quem não se ocupa na' Lei 'é chamado de' culpado ','
como é escrito [Prov. xi. 22]: 'Como um anel de ouro no focinho de um porco,
assim é a mão de uma mulher que desprezou a discrição', e também está
escrito [Ex. xxxii. 16]: 'E as mesas eram a obra de Deus; também a escritura
era a mesma escritura de Deus, gravado ( charuth ) sobre as mesas. Não
leia charuto , graven ,
p. 135

mas cheruth , liberdade, porque não há homem livre senão aquele que está
ocupado no estudo da lei; como todo aquele que está ocupado em tal estudo,
eis que ele se exalta, como está escrito: xxi. 19]: 'E de Mattana para
Nachaliël; e de Nachaliël a Barmoth. '"

Mishna C . Aquele que aprende de seu companheiro um capítulo, ou uma


Halakha, ou um verso, ou uma palavra, ou mesmo uma carta, é obrigado a
honrá-lo, pois assim encontramos Davi, o rei de Israel, que aprendeu com
Achitophel apenas duas coisas. e, no entanto, ele nomeou-o seu mestre, seu
guia e seu conhecimento, como está escrito [Ps. lv. 14]: "Mas és tu, homem
meu igual, meu guia e meu conhecido". E não há a fortioriA conclusão a ser
tirada disso é que, como Davi, rei de Israel, que aprendeu com Achitofel
apenas duas coisas, chamou-lhe seu mestre, seu guia e seu conhecido, aquele
que aprende de seu companheiro um capítulo, ou uma Halakha, ou um verso,
ou até mesmo uma carta é tanto mais obrigada a honrá-lo? E a honra não é
nada além da Torá, como está escrito [Prov. iii. 35]: "O sábio herdará a
glória"; e também [ibid. xxviii. 10]: "Mas os homens de integridade herdarão
o que é bom"; e bom não é nada além da Torá, como está escrito [ibid. iv. 2]:
"Para uma boa informação eu te dou, meu ensinamento (Torá) não deve
abandonar."

Mishna D . Este é o caminho da Torá: Um bocado com sal, tu


comerás. Também beberás água por medida (Ezequiel 5:11) e dormirás no
chão, e viverás uma vida dolorosa, e na Torá deverás trabalhar. Se tu fizeres
assim, "feliz serás e te irá bem" [Ps. cxxviii. 2]. "Feliz serás" neste mundo e
"tudo ficará bem contigo" no mundo vindouro.

Mishná E . Não busques grandeza para ti e não desejes honras. Pratica mais do
que aprendes, e não cobiça a mesa dos reis, pois a tua mesa é maior do que a
deles, e a tua coroa maior que a coroa, e fiel é
p. 136

teu capataz, que te pagará o salário da tua obra.

MISHNA F. Maior é a Torá do que o sacerdócio e que o reino; pois o reino é


adquirido por trinta graus e o sacerdócio por vinte e quatro, e a Torá é
adquirida por quarenta e oito. E estes são eles: aprendendo, por um ouvido
atento, pela fala organizada, pelo discernimento do coração, pela reverência,
pelo medo, pela mansidão, pela alegria, pela pureza, pelo comparecimento aos
sábios, pela discussão com os associados, pela argumentação. dos discípulos,
pela sedução, pela Escritura, por Mishna, pela moderação dos negócios,
limitação das coisas mundanas, pela temperança no prazer, pelo pouco sono,
pela diminuição do conversar, pela redução da alegria, pela longanimidade,
por um bom coração, fé no sábio, pela aceitação de castigos; aquele que
conhece o seu lugar, e que se alegra em sua porção, e que faz face a suas
palavras, e não reivindica mérito para si mesmo: ele é amado, ama a Deus,
ama todas as criaturas, ama a retidão, ama a retidão, ama reprovações e se
retira da honra, e não exalta o coração por causa de seu aprendizado, e não se
regozija porque tem o privilégio de decidir, carrega o jugo com seus
associados, e o inclina para a escala de Mérito, e o fundamenta sobre a
verdade e sobre a paz, e concentra sua mente no estudo, pergunta e responde,
ouve e acrescenta a ele; aquele que aprende para ensinar e aprende para
praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu, e
conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo
aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção para o
mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu". ama todas as criaturas, ama a justiça, ama a retidão, ama as
repreensões, e se retira da honra, e não exalta o coração por causa de seu
conhecimento, e não se regozija porque tem o privilégio de decidir, carrega o
jugo com seus associados, e inclina-o à escala do Mérito, e baseia-o na
verdade e na paz, e concentra sua mente no estudo, pergunta e responde, ouve
e acrescenta a ele; aquele que aprende para ensinar e aprende para
praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu, e
conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo
aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção para o
mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu". ama todas as criaturas, ama a justiça, ama a retidão, ama as
repreensões, e se retira da honra, e não exalta o coração por causa de seu
conhecimento, e não se regozija porque tem o privilégio de decidir, carrega o
jugo com seus associados, e inclina-o à escala do Mérito, e baseia-o na
verdade e na paz, e concentra sua mente no estudo, pergunta e responde, ouve
e acrescenta a ele; aquele que aprende para ensinar e aprende para
praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu, e
conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo
aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção para o
mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu". ama a retidão, ama as repreensões, e retira-se da honra, e não
exalta o coração por causa de seu aprendizado, e não se regozija porque tem o
privilégio de decidir, carrega o jugo com seus associados e o inclina à escala
de Mérito, e fundamenta-o na verdade e na paz, e concentra sua mente no
estudo, pergunta e responde, ouve e acrescenta a mesma; aquele que aprende
para ensinar e aprende para praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso
considera o que ele ouviu, e conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis
que aprendeste que todo aquele que diz algo em nome daquele que disse isso
traz a redenção para o mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei
em nome de Mardoqueu". ama a retidão, ama as repreensões, e retira-se da
honra, e não exalta o coração por causa de seu aprendizado, e não se regozija
porque tem o privilégio de decidir, carrega o jugo com seus associados e o
inclina à escala de Mérito, e fundamenta-o na verdade e na paz, e concentra
sua mente no estudo, pergunta e responde, ouve e acrescenta a mesma; aquele
que aprende para ensinar e aprende para praticar; isso faz seu mestre mais
sábio, e isso considera o que ele ouviu, e conta uma coisa em nome dele que
disse isto. Eis que aprendeste que todo aquele que diz algo em nome daquele
que disse isso traz a redenção para o mundo, como está escrito. 22]: "E Ester
disse isso ao rei em nome de Mardoqueu". e não exalta o coração por causa de
seu conhecimento, e não se regozija porque tem o privilégio de decidir, leva o
jugo com seus associados e o inclina para a escala de Mérito, e o fundamenta
na verdade e na paz. e concentra sua mente no estudo, pergunta e responde,
ouve e acrescenta; aquele que aprende para ensinar e aprende para
praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu, e
conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo
aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção para o
mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu". e não exalta o coração por causa de seu conhecimento, e não se
regozija porque tem o privilégio de decidir, leva o jugo com seus associados e
o inclina para a escala de Mérito, e o fundamenta na verdade e na paz. e
concentra sua mente no estudo, pergunta e responde, ouve e
acrescenta; aquele que aprende para ensinar e aprende para praticar; isso faz
seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu, e conta uma coisa em
nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo aquele que diz algo em
nome daquele que disse isso traz a redenção para o mundo, como está
escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de Mardoqueu". carrega o
jugo com os seus associados e o inclina para a escala do Mérito, e o
fundamenta na verdade e na paz, e concentra sua mente no estudo, pergunta e
responde, ouve e acrescenta a ele; aquele que aprende para ensinar e aprende
para praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que ele ouviu,
e conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste que todo
aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção para o
mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu". carrega o jugo com os seus associados e o inclina para a escala
do Mérito, e o fundamenta na verdade e na paz, e concentra sua mente no
estudo, pergunta e responde, ouve e acrescenta a ele; aquele que aprende para
ensinar e aprende para praticar; isso faz seu mestre mais sábio, e isso
considera o que ele ouviu, e conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis
que aprendeste que todo aquele que diz algo em nome daquele que disse isso
traz a redenção para o mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei
em nome de Mardoqueu". isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o
que ele ouviu, e conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que
aprendeste que todo aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a
redenção para o mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em
nome de Mardoqueu". isso faz seu mestre mais sábio, e isso considera o que
ele ouviu, e conta uma coisa em nome dele que disse isto. Eis que aprendeste
que todo aquele que diz algo em nome daquele que disse isso traz a redenção
para o mundo, como está escrito. 22]: "E Ester disse isso ao rei em nome de
Mardoqueu".

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

1 Há quatro coisas que dão bons frutos neste mundo, e produzem maiores

benefícios para o mundo vindouro, se o homem observar


p. 137

eles. Eles estão honrando os pais, conferindo favores, reconciliação dos


adversários e, acima de tudo, o estudo da lei. Há quatro coisas pelas quais
aquele que é culpado delas é punido tanto neste como no mundo
vindouro; isto é, idolatria, incesto, derramamento de sangue e, acima de tudo,
difamação.

Um ato meritório tem tanto princípio quanto benefício, como está escrito
[Is. iii. 10]: "Dizei aos justos que bem fez; porque comerão do fruto das suas
ações." Uma transgressão tem principal, mas nenhum benefício, como está
escrito [ibid. 11]: "Ai dos ímpios ... pela recompensa de suas mãos" etc. De
acordo com os outros, os transgressores se beneficiam, como está escrito
[Prov. Eu. 31]: "Portanto, eles comerão do fruto do seu próprio caminho", etc.

" Aquele que faz com que muitos sejam justos, nenhum pecado prevalece
sobre ele ." Para que ele não vá a Gehenna, enquanto seus discípulos
apreciarão o mundo por vir, como está escrito. xvi. 10]: "Pois não abandones a
minha alma ao sepulcro". Por outro lado, " Aquele que faz com que os outros
pequeis nunca é concedido a faculdade de se arrepender " - também pela
razão de que o reverso do acima não será o caso, como está escrito
[Prov. xxviii. 17]: "Um homem oprimido pela carga de ter derramado sangue
humano vai fugir até o poço."

Aquele que diz: "Eu vou pecar e depois arrepender-me" não tem a
oportunidade de se arrepender; "Pecarei e o Dia da Expiação o expiará" ou
"Porei, e o dia da morte o apagará" - isso não acontece.

R. Elazar b. José diz: "Aquele que pecou e se arrependeu, e desde então busca
aperfeiçoar a si mesmo, não se move de seu lugar até que seja perdoado; e
aquele que diz que vai pecar e se arrepender depois, ele é perdoado apenas até
três vezes, e nada mais."

" Há quatro personagens entre os homens ", etc. Existem quatro personagens
entre os discípulos: aquele que deseja ensinar e que os outros devem fazer o
mesmo, ele é de boa disposição; se ele deseja ensinar, mas não gosta de ver os
outros fazendo a mesma coisa, ele é de má disposição. Que os outros ensinem,
e não ele - isso é meio. De acordo com outros, este é o caráter de Sodoma
(como os sodomitas não queriam que ninguém conseguisse nenhum benefício
deles). Se, no entanto, ele deseja que nem ele nem outros ensinem, ele é
decididamente mau.

Existem quatro personagens entre os que se sentam na casa do


aprendizado. Aquele que se torna amigável (com os sábios que
p. 138

estudo lá) e estudos com eles tem uma parte (com os sábios); aquele que se
torna amigo, mas não estuda com eles, não tem parte; aquele que se
desentende (dos sábios), mas o próprio estudo tem uma parte; e aquele que
tanto se desentende e não estuda não tem parte.

Aquele que propõe perguntas e dá suas respostas tem uma parte (no mundo
por vir); aquele que só pergunta não tem nenhum; quem senta e fica em
silêncio tem uma parte. Aquele que se torna amigo para poder ouvir e
aprender tem uma parte; se ele se tornar amigo para que os outros possam
dizer que ele se torna amigo e se senta diante de um homem sábio, ele não tem
nenhum. Se ele se senta à distância para honrar alguém que é superior a ele,
ele tem uma parte; se, no entanto, a razão é que os outros podem dizer que ele
não precisa desse sábio, ele não tem nenhum. Aquele que propõe perguntas e
dá suas respostas para que outros possam dizer que ele propõe perguntas e dá
suas respostas e serve aos eruditos, não tem participação; se, no entanto, ele
faz isso para realmente aprender alguma coisa, ele tem. Se ele se senta em
silêncio, a fim de ouvir e aprender, ser tem uma parte; se, no entanto, o
objetivo é que os outros possam dizer que ele o faz, ele não tem nenhum.

" Há quatro personagens diferentes entre os alunos ", etc. Um se assemelha a


uma esponja: como uma esponja absorve todos os líquidos, esse tipo de aluno
absorve tudo o que estuda: Escritura, Mishná, Midrash, Halakhoth e
Agadoth. Uma é como uma peneira: como uma peneira passa através da
farinha fina e retém as partículas grosseiras, assim um estudante inteligente
retém o que é bom no estudo e deixa de fora o que não é. Um é como um
funil: como ele deixa entrar o líquido através de uma abertura e deixa sair
através do outro, assim é com o estudante não inteligente - o que entra em seu
ouvido sai pelo outro, até que tudo acabe. O quarto estudante é como um
coador de vinho que deixa o vinho passar e absorve a escória: assim também o
estudante perverso esquece os bons ensinamentos e retém os maus.

R. Eliezer b. Jacó nomeou o último um chifre (que deixa os líquidos em uma


extremidade e os deixa na outra). Como assim? Por exemplo, uma criança que
é dada uma pérola, ele vai largar o último quando receber uma fatia de pão; e
quando dado um potsherd ele deixará cair o pão, e finalmente ele não tem
nada além do potsherd.

Quanto aos discípulos, R. Gamaliel, o ancião, compara-os com os seguintes


quatro tipos de peixe: um impuro, um peixe limpo, um peixe encontrado
p. 139

no Jordão, e um encontrado no Oceano. Por um peixe imundo entende-se um


discípulo de pobre intelecto, que, apesar do seu estudo das Escrituras, Mishná,
Halakhoth e Agadoth, ainda permanece fraco de espírito. Por um peixe limpo
entende-se um discípulo de rico intelecto, que estuda as Escrituras, Mishna,
Halakhoth e Agadoth, e desenvolve sua mente. Por um peixe do Jordão
entende-se um estudioso que estudou todos os assuntos mencionados, mas não
adquiriu a faculdade de responder perguntas que lhe foram colocadas. E por
um peixe encontrado no Oceano entende-se um estudioso que estudou todos
os assuntos acima e tem a capacidade de responder às questões colocadas a
ele.

No que diz respeito à visão, pode-se dizer que existem quatro infortúnios
diferentes: aqueles que vêem e são visíveis, por exemplo , o lobo, o leão, o
leopardo, o urso, a hiena, a serpente, ladrões e soldados (que tempo de guerra
cometer roubo); aqueles que são visíveis, mas não vêem, por exemplo , a
espada, a flecha, a lança, a faca, o bastão, a lança; aqueles que vêem mas não
são visíveis, por exemplo , a praga de um espírito maligno; e aqueles que não
vêem nem são visíveis, por exemplo , a praga do problema do estômago.

Há quatro sábios: Um que vê R. Johanan b. Nuri em seu sonho pode esperar


ter medo do pecado; R. Elazar b. Azarias - ele pode esperar riquezas e
grandeza; R. Ismael - ele pode esperar sabedoria; R. Aqiba - ele pode temer
ser castigado.

Há outros três estudiosos (em relação aos sonhos): um que vê Ben Azai pode
esperar ser um dos piedosos; Ben Zoma - ele pode esperar pelo
conhecimento; Eliseu b. Abuyah - pode temer ser castigado.

(O mesmo é o caso) com os três livros seguintes dos profetas: Reis - ele pode
esperar riquezas, grandeza; Isaías - satisfação; e Jeremias - castigo.

(O mesmo é o caso) com os seguintes livros do Hagiographa: Salmos - ele


pode esperar ser modesto; Provérbios - ele pode esperar sabedoria; e Jó - ele
pode temer ser castigado.

Há também três coisas sobre os justos e os iníquos (que serão explicados no


Trato do Sinédrio).

" Toda negação ", etc. Toda assembléia que é para o cumprimento de um
dever religioso permanece eterna; por exemplo , a Grande Assembléia. E toda
assembléia que não é para tal propósito finalmente cessará; por exemplo , a
assembléia para a divisão [Gen. XI.].

Mishná G . Grande é a Torá, que dá vida àqueles que a praticam neste mundo
e no mundo por vir, como
p. 140

está escrito [Prov. iv. 22]: "Porque são vida para todos os que os acham, e
para todo o seu corpo uma cura." E também está escrito [ibid. iii. 8]: "Será
cura para o teu corpo e medula para os teus ossos." E é novamente escrito
[ibid., Ibid. 18]: "A árvore da vida é ela para aqueles que se apegam a ela, e
todo aquele que a agarre firmemente será feliz." E mais uma vez [ibid. Eu. 9]:
"Para uma coroa de graça estão na tua cabeça e cadeias na tua garganta." E
mais uma vez [ibid. iv. 9]: "Ela dará à tua cabeça uma coroa de graça; uma
coroa de ornamento ela entregará a ti." E mais uma vez [ibid. iii. 16]: "A
duração de dias está em sua mão direita; à sua esquerda estão riquezas e
honra." E mais uma vez [ibid. iii. 2]: "Por duração de dias e anos de vida e
paz,
Mishna H . R. Simeon b. Menassia disse em nome de R. Simeon b. Jo'hai: "A
força e a força, e a riqueza, e a honra, a sabedoria, a idade e o rouxinol, e os
filhos estão se tornando para os justos e tornando-se ao mundo, como está
escrito [Provérbios 31]. : 'Uma coroa ornamental é a cabeça do hoary, no
caminho da justiça pode ser encontrada.' E também está escrito [ibid. XX. 29]:
"O ornamento dos homens jovens é a sua força; e a glória dos anciãos é uma
cabeça velha" e novamente [ibid. Xvii. 6]: "A coroa da velha os homens são
filhos de crianças, e o ornamento dos filhos é de seus pais, e de novo [Is
24:23]; 'E a lua será posta à vista, e o sol se envergonhará, porque o Senhor
dos Exércitos reinará no monte Sião e em Jerusalém,

S. Simeon b. Menassia disse: "Essas sete qualidades que os sábios


consideraram para os justos foram todas confirmadas em Rabino e seus
filhos."

MISHNA eu . R. Jose b. Qisma disse: "Uma vez eu estava andando pelo


caminho e lá conheci um homem, e ele me deu 'Paz!' e eu devolvi a ele
'Paz!' Ele me disse: 'Rabino, de que lugar és tu?' Eu disse a ele: 'De uma
grande cidade de sábios e escribas sou eu'. Ele disse para
p. 141

eu: 'Rabino, você gostaria de morar conosco em nosso lugar? Dar-te-ei mil mil
dinares de ouro e pedras preciosas e pérolas. Eu disse a ele: Se eu me desse
toda a prata, ouro e pedras preciosas e pérolas que estão no mundo, eu não
moraria senão no lugar da Torá, como está escrito no livro dos Salmos, a mão
de Davi, rei de Israel [Ps. cxix. 72]: "Melhor é para mim a lei da tua boca do
que milhares de ouro e prata." Além disso, na hora da morte de um homem,
não a prata, nem o ouro, nem as pedras e as pérolas, acompanham o homem,
mas somente a Torá e as boas palavras, como está escrito [Prov. vi. 22]:
"Quando tu andas, te conduzirá, quando te deitares, vigiará sobre ti; quando
estiveres acordado, conversará contigo." "

Cinco posses tiveram o Santo, abençoado seja Ele, neste mundo, e estes são
eles: Torá, uma possessão; Céu e terra, uma possessão; Abraão, uma
possessão; Israel, uma possessão; o Santuário, uma possessão. Torá, de
onde? Como está escrito [Prov. viii. 22]: "O Senhor criou 1 me como o início
do seu caminho; a primeira de suas obras desde o início: "Céu e terra, de
onde? Como está escrito:" O céu é o meu trono, e a terra é o meu escabelo,
onde há uma casa para edificar. mim? e onde está o lugar do meu descanso?
”E também está escrito [Sl. civ. 24]:“ Quão múltiplas são as tuas obras, ó
Senhor! na sabedoria fizeste todos eles; a terra está cheia das tuas riquezas
". 1 Abraão, de onde? Está escrito [Gen. xiv. 19]: "E abençoou-o e disse:
Bendito seja Abrão
p. 142
do mais alto Deus, o possuidor do céu e da terra. "Israel, como está escrito
[Êxodo 16]:" Até que o teu povo passe, ó Senhor, até que passem estas
pessoas que compraste. "E também está escrito [Sl xvi. 3]:" Nos santos que
estão na terra, e nos excelentes - neles está todo o meu prazer. "O Santuário,
como está escrito? xv.7]: "O santuário, ó Senhor, que as tuas mãos
estabeleceram." E também está escrito [Sl 54]: "E ele os trouxe para o seu
território sagrado, mesmo para este monte, que o seu direito mão tinha
adquirido ". 1

Qualquer que seja o Santo, abençoado seja Ele, criado neste mundo, Ele criou
não, mas para a sua glória, como está escrito. xliii. 7]: "Todo aquele que é
chamado pelo meu nome e que criei para a minha glória; que formei; sim, a
quem fiz". E também está escrito [Ex. xv. 18]: "O Senhor reinará para todo o
sempre".

R. Hanania b. Aqashia disse: "O Santo, bendito seja Ele, teve o prazer de dar
mérito a Israel, por isso ele multiplicou para eles a Torá e os preceitos, como
está escrito [Is 21:21]: 'O Senhor quis fazer isso para o por causa da sua
justiça, por isso ele magnifica a lei e a faz honrosa ”.

Tosephtha - Aboth de R. Nathan .

2 R. Simeon disse que há três coroas: a coroa da Torá, a do sacerdócio e a do


reino; a coroa de um bom nome, no entanto, é acima de tudo. Concernente à
coroa do sacerdócio: Se alguém oferecesse todo o ouro e prata do mundo para
ele, ele não poderia adquiri-lo, como era somente para Aarão e seus
filhos. xxv. 13].

O mesmo acontece com a coroa do reino, que não pode ser obtida por todo o
ouro e prata do mundo, como foi somente para Davi, como está escrito
[Ezek. xxxvii. 24]: "Meu servo David será o príncipe para sempre." Mas com
a coroa da Torá
p. 143

é diferente; todo aquele que quer possuí-lo, ele pode vir e levá-lo, como está
escrito. Iv. 1]: "Todo aquele que tem sede, venha à água" (ou seja, a
Torá). Ocupe-se das palavras da Torá e não se ocupe com coisas ociosas.

Aconteceu com R. Elazar b. Simeão, etc. 1

Três coisas foram ditas de homens de caridade: aquele que dá caridade pode
ser abençoado, mas se ele o der na forma de um empréstimo ainda é
melhor; mas ele, no entanto, que dá um dinheiro para fazer negócios, com o
entendimento de que ele lhe pagará metade dos lucros, é acima de tudo.
Existem três tipos diferentes entre os estudiosos; aquele que é capaz de fazer
perguntas e respondê-las é sábio; aquele que só é capaz de fazer perguntas,
mas não de respondê-las, é inferior a ele; mas aquele que não é capaz de
perguntar nem responder a perguntas não deve ser considerado.

Existem três tipos diferentes de suor que são benéficos para o corpo: o suor
após uma doença; o suor produzido por um banho; o suor do trabalho. O suor
após uma doença é curativo, mas o suor produzido por um banho não tem
igual.

Existem seis tipos de lágrimas: três são boas e três são ruins. Aqueles
produzidos por choro, fumaça e no banheiro são ruins (ver sábado, p.
355). Aqueles produzidos por especiarias, rindo e por fruta afiada são bons.

Há três vantagens em um vaso de barro: ele absorve, não transpira e não dá


mau cheiro à coisa que está nele.

Há três vantagens em um recipiente de vidro: ele não absorve nem transpira e


expõe para ver o que contém; e mantém quente em uma temperatura morna e
frio em uma temperatura fria.

O dinheiro que os israelitas levaram do Egito retornou ao Egito, como está


escrito [Ex. xii. 36]: "E eles esvaziaram o Egito"; e também está escrito
[Gen. xlvii. 14]: "E José recolheu todo o dinheiro", etc .; e está escrito [I Reis,
xiv. 25, 26]: "E aconteceu no quinto ano" etc.

A escrita celestial nas mesas retornou à sua origem (ver Pesachim, 178).

" R. Jehuda b. Thema disse ," etc. Ele também usou para dizer: Ame o Céu,
ame todos os mandamentos. Se você fizer o mínimo errado
p. 144

para o seu companheiro, será considerado por você o maior erro; mas se você
fez bem a ele, embora tenha sido muito, você deve considerar pouco. Ao
contrário, se o seu companheiro lhe fez o mínimo de bem, você deve
considerá-lo muito; e se ele fez um grande erro, considere-o pouco. Seja como
um saco de couro apertado que não tenha abertura para deixar entrar o
vento. Esteja preparado para receber aflições e perdoar aqueles que o
oprimem.

Os seguintes artigos foram feitos e foram escondidos: O primeiro tabernáculo


e os vasos nele contidos; a arca, as mesas quebradas e o receptáculo do maná,
o cajado, a garrafa do óleo da unção; o cajado de Aarão, seus brotos e
flores; as vestes dos primeiros sacerdotes e as vestes do sacerdote ungido. Mas
a argamassa da casa de Abtinas, a mesa, o candelabro do Templo, a cortina, o
prato de ouro, ainda estão em Roma.

Tudo o que o Santo, bendito seja Ele, criado em seu mundo foi criado para a
sua glória, como está escrito. xliii. 7]: "Todo aquele que é chamado pelo meu
nome e que criei para a minha glória, a quem formei, sim, a quem fiz"; e
também está escrito [Ex. xv. 18]: "O Senhor reinará para todo o sempre".

R. Hananiah b. Akashia disse: O Santo, abençoado seja Ele, desejou


recompensar Israel no mundo por vir, e por isso Ele ampliou a Lei para eles e
deu-lhes um grande número de méritos, como está escrito. xlii. 21]: "O Senhor
quis fazer isso por causa de sua justiça; por isso ele magnifethh lei, e torna
honorável."

FIM DO TRATADO ABOT E ABOT DE R. NATHAN.

Notas de rodapé

136: 1, Capítulo XL. do original.

141: 1 Os termos hebraicos para estes são derivados do verbo ‫קנה‬, que o
Talmud traduz literalmente, "possuir", "adquirir".

142: 1 Os termos hebraicos para estes são derivados do verbo ‫קנה‬, que o
Talmud traduz literalmente, "possuir", "adquirir".

142: 2 Capítulo XLI. do original.

143: 1 Veja a seção Festivais, vol. VIII., Tract Taanith, pp. 52-53, a lenda em
extensão.
TRACTO DERECH ERETZ-RABBA E
ZUTA RABBA.
CAPÍTULO II.

Dos saduceus, informantes comuns, os ímpios, os hipócritas, os hereges,


dizem as Escrituras, etc. Do aterrorizante, do prepotente, do altivo, do
despojado e daqueles que desenvolvem apenas sua força muscular, dizem as
Escrituras, etc. Dos mal-pensadores, contadores de histórias, portadores de
conto, pessoas de língua suave, dizem as Escrituras, etc. Quem agride seu
vizinho em particular, e quem o insulta em público, etc. Quem evita frutos,
aumenta os preços, diminui a medida, aceita pagamento apenas em shekels de
grande porte, e quem vive de usura, Os seguintes não deixam herança para
seus filhos, etc. Os vaidosos, os caluniadores e aqueles que se entregam à
linguagem obscena, que são sábios aos seus próprios olhos etc. Quem deixa
seu filho pequeno casar com uma mulher mais velha e que se casa com um
velho,e que concede favores àqueles que são indignos, etc. Quem trai seu
parceiro, não devolve uma coisa perdida a seu legítimo dono, empresta
dinheiro a outro para obter posse de sua casa e campo, e quem vive
imoralmente com sua esposa e maliciosamente difama sua esposa, etc. Quem
é injustiçado e não errado, quem se considera desprezível, e quem supera sua
paixão, etc. Quem ama sua esposa como a si mesmo, a honra mais do que a si
mesmo, que leva seus filhos à direita caminho, e que casar com seu filho no
devido tempo, etc. Quem ama o próximo, empresta mesmo uma pequena
quantia a um homem pobre, etc. Quem verdadeiramente se arrepende, quem
recebe o arrependido no meio deles, quem julga corretamente, reprova com
sinceridade, propagar pureza, são puros de coração, são misericordiosos,
distribuem caridade, se esforçam no estudo da Lei.Busque uma oportunidade
de fazer o bem, busque a justiça, etc. Por causa das quatro coisas seguintes,
ocorre um eclipse do sol, etc. Por conta das quatro coisas seguintes, ocorre um
eclipse tanto do sol quanto da lua, etc. conta dos quatro seguintes
p. xviii

coisas as propriedades dos cidadãos são destruídas, etc. Não se preocupe em


ser igual aos malfeitores. Não há sessão acima, nem há comer, etc., 1 - 6

CAPÍTULOS III. Para VI.

Aquele que tem em mente as seguintes quatro coisas, etc., nunca


pecará. Pense em um grande palácio no centro do qual o tanque de um
curtidor é colocado. Se um homem permite que seus lábios passem apenas
palavras respeitáveis. Tenha cuidado, cada um de vocês, em honrar o seu
próximo. Seja sempre agradável ao entrar e sair. Os anjos, Abraão e Ló. É
costume que, ao entrar, o dono da casa entre primeiro e o convidado atrás
dele; o inverso ao sair. Nunca um homem entrará na casa de seu vizinho sem
permissão. O filósofo Rabban Gamaliel e seus companheiros. Sempre
considere estranhos como ladrões e, ao mesmo tempo, honre-os como se cada
um deles fosse o próprio R. Gamaliel. Aquele que entrar na casa do seu
vizinho fará o que lhe for dito pelo anfitrião (desde que seja legítimo). A lenda
sobre o Simon b. Antiptaris, seus convidados, e R. Jehoshua. Um homem
nunca ficará zangado com suas refeições. Sempre um homem tentará
concordar com a maioria das pessoas. Hillel, o Velho, sua esposa e o pobre
homem. Não se deve começar a comer as cabeças, mas as folhas de alho ou
cebola.6 - 12

CAPÍTULOS VII. TO IX.

QUANDO dois estão sentados à mesa, o mais velho começa a comer primeiro
e o mais novo atrás dele. Não se deve comer antes da quarta hora. Quem entra
numa casa não pede comida, mas espera até ser convidado. Não se deve
oferecer presentes ao seu vizinho, sabendo que ele não os aceitaria. Quando
alguém que não pretende comprar está no mercado, ele não deve pedir os
preços, pois ele engana os vendedores. Não se deve usar uma fatia de pão para
cobrir com ela um prato. Cinco coisas diziam ao rabino em relação ao
pão. Quem chega à mesa para tomar sua refeição não deve levar sua porção e
entregá-la ao garçom. Os hóspedes não devem dar nada ao filho do anfitrião,
etc., 12 - 15

CAPÍTULOS X. E XI.

Quem entra na casa de banho pode dizer, etc. Como se deve conduzir antes de
tomar banho? Quem não é cuidadoso é igual a um burro; quem come no
mercado é igual a um cachorro. Não se deve cuspir na presença de seu
vizinho, mesmo em uma casa de banho. Não se deve saudar o próximo
quando ele está se lavando. Aquele que anda na estrada. Um informante
comum é considerado um assassino. Aquele que odeia o seu próximo sem
causa também é considerado tal. Quem estabelece um tempo definido para a
redenção de Israel através do Messias não terá parte no mundo por vir, 16 - 19
p. xix

ZUTA
CAPÍTULOS I. A IV.

QUAIS são as qualidades dos sábios? Seu pensamento sobre este mundo. Se
você sofreu uma perda de sua propriedade, lembre-se desse trabalho etc.
Quando ouvir os outros insultarem você, não os responda. Ame a lei; Ame
todas as criaturas e respeite-as. Amor duvidoso. Mantenha-se afastado de tudo
isso. pode trazer ao pecado. Fique longe de resmungar. Sete patriarcas estão
descansando em glória. Que todos os teus caminhos sejam pelo amor do
céu. Não discuta na presença de alguém que é maior que você em
sabedoria. Aceite as palavras da lei, mesmo quando você está em
aflição. Tenha medo de um pecado leve. Não diga: "Vou lisonjear este
homem" etc. Se você fez muito bem a alguém, considere-o muito pouco. Se os
outros te fizeram muito errado, etc. Não odeie aquele que te reprova. Que seja
seu hábito dizer: "Eu não sei" O começo de fazer votos é a porta para a
insensatez. Quinze costumes são atribuídos aos sábios. Seja como o limite
inferior, sobre o qual todas as pessoas andam. A sociedade dos estudiosos é
sempre agradável. O que se deve estudar mais - Escritura, Mishnayoth ou
Talmud? Nenhum pagamento será exigido para o ensino. Não reclame do seu
ser menos sábio que o outro. Não reclame que outro é lindo e você é
feio. Deixei. seus ouvidos não ouvem conversas vãs. Não tenha medo do
tribunal de justiça na terra. Se você realizar todos os mandamentos com
alegria, etc. Tudo que é dito acima é um aviso para você, ou
Talmud? Nenhum pagamento será exigido para o ensino. Não reclame do seu
ser menos sábio que o outro. Não reclame que outro é lindo e você é
feio. Deixei. seus ouvidos não ouvem conversas vãs. Não tenha medo do
tribunal de justiça na terra. Se você realizar todos os mandamentos com
alegria, etc. Tudo que é dito acima é um aviso para você, ou
Talmud? Nenhum pagamento será exigido para o ensino. Não reclame do seu
ser menos sábio que o outro. Não reclame que outro é lindo e você é
feio. Deixei. seus ouvidos não ouvem conversas vãs. Não tenha medo do
tribunal de justiça na terra. Se você realizar todos os mandamentos com
alegria, etc. Tudo que é dito acima é um aviso para você,25 - 27

CAPÍTULOS V. A IX

Um SCHOLAR não deve comer em pé, etc., etc. Por quatro coisas o erudito é
reconhecido, etc. A beleza da sabedoria é modéstia. A beleza do desempenho
nobre é segredo. Quatro coisas são depreciativas para os estudiosos, etc. Ao
entrar, o maior será o primeiro, etc. Para dizer bênção, quanto maior for o
primeiro. O primeiro passo para o pecado é nos pensamentos da pessoa. Um
estudioso deve ter cuidado em comer, beber, lavar, unir, etc. Depois da paz,
mas não depois da guerra. Em vez disso, siga atrás de um leão do que atrás de
uma mulher. Quem respeita os sábios ?, etc. Mantenha-se distante da
raiva. Ame os pobres para que seus filhos não venham a pobreza, etc. Se você
mantiver sua boca de calúnia, passará todos os dias da vida em paz. Quando
você vir que seu vizinho se tornou pobre, não se recuse a ajudá-lo. Se você se
abaixa, o Senhor vai te levantar.27 - 31
O CAPÍTULO DA PAZ

Apesar de decretos maus serem decretados, um após o outro, contra Israel,


eles ainda permanecem eternamente. Procure a paz no lugar onde você está, e
se você assim fizer e
p. xx

não o encontrou, procure em outros lugares. Todo tipo de mentira é proibido,


exceto para fazer a paz entre um e seu vizinho. Grande é a paz, em que o
pacto dos sacerdotes foi feito com paz. Quando o Messias vier a Israel, ele
começará com paz. Grande é a paz, em que todas as bênçãos e orações se
concluem com paz. Quem ama a paz corre atrás da paz, oferece a paz e
responde a paz, o Santo, etc. 31 - 33

Notas de rodapé

xvii: 1 Redactors note: por razões técnicas, a Sinopse de Assuntos para este
volume foi movida de sua localização original no volume um. Os números das
páginas (do volume I) foram retidos, daí a lacuna nos números das páginas.
p. 1

TRACÇÃO DERECH ERETZ -


RABBA. (ASSUNTOS MUNDIAIS)
CAPÍTULO II. 1

Os saduceus, os informantes comuns, os ímpios, os hipócritas, os hereges,


deles a Escritura diz [Jó, xiii. 16]: "Para um hipócrita não pode vir antes
dele"; o aterrorizante, o arrogante, o arrogante, o desnorteado, aqueles que
desenvolvem apenas sua força muscular, deles a Escritura diz [Salmos,
xxxvii. 17]: "Pois os fornos dos ímpios serão quebrados, mas o portador dos
justos é o Senhor". Pensadores do mal, contadores de histórias, contadores de
asfalto, pessoas de língua suave, deles dizem as Escrituras [ibidem. xxxv. 5]:
"Que o seu caminho seja escuro e escorregadio, e que o anjo do Senhor os
persiga." Aqueles que assaltam seu próximo em particular e aqueles que o
insultam em público, aqueles que brigam com maiorias, e aqueles que
provocam brigas, eles se tornarão como Coré e sua sociedade, dos quais as
Escrituras dizem. xvi. 33]: "E a terra se fechou sobre eles, e eles
desapareceram do meio da congregação". Aqueles que previnem frutas,
aqueles que aumentam os preços, aqueles que diminuem a medida, aqueles
que aceitam pagamento em shekels de grande porte e aqueles que vivem de
usura, diz a Escritura [Amos, viii. 7]: "Jurou o Senhor pela excelência de Jacó.
Certamente não vou esquecer a eternidade de todas as suas obras."

Os seguintes não deixam herança para seus filhos,


p. 2

e se eles deixam para seus filhos, nada disso é para seus netos: aqueles que
jogam dados e aqueles que criam gado macio (na Palestina); aqueles que
fazem negócios com o dinheiro obtido do fruto do ano sabático, e aqueles que
pagam com moedas (de genuinidade duvidosa) provenientes dos países do
mar, e um sacerdote e um levita que obteve adiantamentos em suas ações (de
lucro). oferta e dízimos), e aqueles que desgraçam o Santo Nome, deles as
Escrituras dizem [Ps. ix. 18]: "Os ímpios voltarão para o inferno, todas as
nações que se esquecem de Deus". E deles também está escrito
[Eccles. Eu. 15]: "O que é torto não pode ser endireitado". Aqueles que
movem com as mãos, batem os pés, andam na ponta dos pés (para mostrar
orgulho), deles as Escrituras dizem [Sl. xxxvi. 12]: "

Aquele que deixa seu filho se casar com uma mulher mais velha, e aquele que
casa sua filha para um homem velho, e aquele que concede favores àqueles
que são indignos, concernente a tal Escritura, diz [Deut. xxix. 19]: "O Senhor
não o perdoará". Os colecionadores, os instigadores de guerra, os publicanos,
das Escrituras, dizem [Ezek. xxvii. 27]: "A tua riqueza e os teus armazéns, o
teu comércio, os teus marinheiros e teus pilotos, os teus calafatadores e os
administradores do teu comércio, e todos os teus homens de guerra que
estavam em ti, e em todo o teu ajuntamento que estava no meio de tu caíste no
coração dos mares no dia da tua queda. Aquele que trai o seu parceiro, aquele
que não devolve uma coisa ao seu dono legítimo, alguém que empresta
dinheiro a outro para obter a posse da sua casa ou campos em caso de não
pagamento,
p. 3

calunia sua esposa para se divorciar dela, diz a Escritura [Jer. xvii. 10]: "Eu, o
Senhor, revelo o coração, sondava as veias".

Aqueles que estão enganados e não estão errados, etc. [ver Yomah, p. 33,
l. 9]; aqueles que se consideram desprezíveis e desprezíveis, aqueles que
superam suas paixões, e são completamente modestos, deles as Escrituras
dizem. xlix. 8]: "Assim diz o Senhor: No tempo de benevolência te respondi, e
no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te designarei como um povo do
meu pacto para ressuscitar." a terra, para dividir as heranças desoladas
". Homens dignos de confiança, aqueles que guardam os segredos de outras
pessoas, aqueles que de bom grado devolvem artigos confiados a seus
cuidados, e encontram coisas para seus legítimos donos, das quais dizem as
Escrituras [Ps. ci. 6]: "Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que
eles possam ficar comigo." Aquele que ama sua esposa como ele mesmo, que
a honra mais do que a si mesmo,

Aquele que ama seus vizinhos e é amistoso com seus parentes, e aquele que
casa com a filha de sua irmã, e aquele que empresta uma pequena quantia para
um pobre homem em sua necessidade, 1 deles a Escritura diz [Is. lviii. 9]:
"Então tu chamarás, e o Senhor responderá."

Aquele que executa sua confiança por direito, 2 os que verdadeiramente se


arrependem, e os que recebem o arrependido no meio deles, e os instruem
para que não
p. 4

retornam aos seus antigos pecados, deles está escrito [ibid. 8] Então partirá
como a aurora da manhã, a tua luz.

Aqueles que julgam corretamente, aqueles que reprovam de verdade, aqueles


que propagam pureza, e aqueles que são puros de coração, deles está
escrito. lxxiii. 1]: "Verdadeiramente, Deus é bom para Israel, para os que são
puros de coração." Aqueles que suspiram, choram e em suas lamentações são
esperançosos da redenção de Jerusalém, deles está escrito. lxi. 3]: "Para
conceder aos que pranteiam Sião, para lhes dar ornamento em lugar de
cinzas." Aqueles que são misericordiosos, alimentam os famintos, saciam a
sede dos sedentos, vestem os nus e distribuem caridade, diz a Escritura
[ibid. iii. 10]: "Dizei aos justos que ele fez bem". Os pobres, os tímidos e os
humildes de espírito, os que são submissos aos jovens e os que cumprem suas
promessas, a Escritura diz: [Jó, xxii. 23]: "E se tu decretares uma coisa, te será
cumprida, e nos teus caminhos a luz brilhará." Aqueles que se esforçam no
estudo da Lei, e estudam-no com o propósito de observá-lo, e aqueles que
buscam a oportunidade de fazer o bem, e aqueles que freqüentam os templos,
deles as Escrituras dizem [Prov. viii. 24]: "Feliz é o homem que me dá
ouvidos, vigiando dia a dia aos meus portões, esperando nas ombreiras das
minhas portas." Aqueles que buscam a justiça, e buscam a paz para a sua
nação, e aqueles que participam da aflição da comunidade, e aqueles que
ficam ao lado da comunidade em caso de aflição, deles as Escrituras dizem
[Naum, i. 7]: "O Senhor é bom, uma fortaleza no dia da angústia." e aqueles
que freqüentam os templos, deles as Escrituras dizem [Prov. viii. 24]: "Feliz é
o homem que me dá ouvidos, vigiando dia a dia aos meus portões, esperando
nas ombreiras das minhas portas." Aqueles que buscam a justiça, e buscam a
paz para a sua nação, e aqueles que participam da aflição da comunidade, e
aqueles que ficam ao lado da comunidade em caso de aflição, deles as
Escrituras dizem [Naum, i. 7]: "O Senhor é bom, uma fortaleza no dia da
angústia." e aqueles que freqüentam os templos, deles as Escrituras dizem
[Prov. viii. 24]: "Feliz é o homem que me dá ouvidos, vigiando dia a dia aos
meus portões, esperando nas ombreiras das minhas portas." Aqueles que
buscam a justiça, e buscam a paz para a sua nação, e aqueles que participam
da aflição da comunidade, e aqueles que ficam ao lado da comunidade em
caso de aflição, deles as Escrituras dizem [Naum, i. 7]: "O Senhor é bom, uma
fortaleza no dia da angústia." e aqueles que estão ao lado da comunidade em
caso de angústia, deles as Escrituras dizem [Naum, i. 7]: "O Senhor é bom,
uma fortaleza no dia da angústia." e aqueles que estão ao lado da comunidade
em caso de angústia, deles as Escrituras dizem [Naum, i. 7]: "O Senhor é bom,
uma fortaleza no dia da angústia."

Por causa das quatro coisas seguintes, ocorre um eclipse do sol (Succa, p. 40):
Quando o chefe de um colégio (Ab Beth Din) morreu e não lamentou
devidamente; quando uma donzela prometida gritou por socorro
(Deuteronômio 22:23) na cidade e ninguém ofereceu ajuda; sodomia
masculina; e o derramamento do sangue de dois irmãos ao mesmo tempo (não
há explicação para isso
p. 5

em qualquer um dos comentários, e parece-nos que houve algo parecido no


tempo do autor que é desconhecido para nós).
Por causa das quatro coisas seguintes, o eclipse do sol e da lua ocorre:
Aqueles que escrevem relatos difamatórios sobre outros, dando falso
testemunho, levantando o gado tenro e destruindo árvores frutíferas. Por conta
das quatro coisas seguintes, a propriedade pessoal dos cidadãos é apreendida
pelo governo: por manter anotações pagas (com a intenção de exigir outro
pagamento), pela prática da usura, por não exercer o poder de prevenir o
pecado quando ele poderia fazer assim, por se inscrever publicamente para
caridade e não pagar a assinatura.

Por causa das quatro coisas seguintes, as propriedades do cidadão são


destruídas: por roubar ou reter os salários de um assalariado
[Lev. xix. 13]; para remover o jugo do próprio pescoço e colocá-lo no pescoço
de outro, e por altivez acima de tudo.

R. Dusthai b. R. Jehudah disse: Provoque os ímpios (ver Megila, p. 13), como


está escrito [Prov. xxviii. 41: "Os que abandonam a lei louvam os ímpios, mas
os que observam a lei lutam contra eles"; mas para que ninguém diga, não está
escrito? xxxvii. 1]: " Não te aflijas por causa dos malfeitores, nem tenhas
inveja dos que praticam a iniqüidade"? diga-lhe que esta é a resposta daquele
cujo coração-batendo o impede de fazê-lo (por causa desta passagem), mas a
verdadeira interpretação desta passagem é assim: "Não te preocupes em
ser igual aos malfeitores, nem tenhas inveja de ser como os trabalhadores da
iniqüidade.

Não há sessão acima (no céu), nem há comer, beber, dormir, multiplicação,
animosidade, ódio, provocação, inveja, nem teimosia, cansaço nem demora, e
é isso que Davi, o rei de Israel disse [ibidem. xviii. 12]: "Ele fez das trevas seu
esconderijo" ( isto é , é escuro e oculto para todos os mortais). Para que fim
David
p. 6

diga isso? Para ninguém mais do que louvor do Santo, bendito seja Aquele
que é "Yah", as regras do alto, cuja unidade é uma, cujo nome é um, e que
descansa em trezentos e noventa céus, e em cada um o seu nome e o modo de
pronúncia está marcado; e em cada um deles há servos,
serafins, ophanim (rodas, Ezequiel I.), querubins, galgalime um trono de
glória; e não é de se admirar, pois, assim como um rei mortal tem muitos
palácios para as estações do ano, tanto mais o Eterno, visto que tudo é Seu. E
quando Israel está fazendo a Sua vontade, Ele descansa no sétimo céu,
chamado Araboth, e não fica distante de Seu mundo, como está
escrito. vii. 89]: "Entre os dois querubins, e assim falou a ele." Quando
ofendido Ele ascende ao mais alto dos céus, e todos os gritos e choros não são
ouvidos, e jejuns são ordenados, e eles rolam em cinzas, cobrem-se com sacos
e derramam lágrimas (e tudo em vão, até que Ele tenha misericórdia eles).
Notas de rodapé

1: 1 Capítulo I. pertence ao Trato Kedushin, e será adicionado a esse trato.

3: 1 Alguns dizem que significa quando o próprio credor está em necessidade,


e nos parece que é o significado correto.

3: 2 O texto diz "Hamnadin", que significa "aqueles que colocam sob a


proibição", mas os comentaristas chegaram à conclusão de que isso é um
erro. Nós o traduzimos de acordo com Elias Wilna.
CAPÍTULO III
BEN AZAI disse: Aquele que tem em mente as seguintes quatro coisas, e
nunca as perde de vista, nunca pecará, de onde veio e para onde vai, quem é
seu juiz e o que será dele. De onde ele veio, de um lugar de escuridão; e para
onde ele vai - para a escuridão. De onde ele veio? - de um lugar sujo; Para
onde ele vai? - Para tornar impuro todo aquele que vai tocá-lo. De onde ele
veio? - de uma secreção fétida e de um lugar que é invisível para um ser
humano; Para onde ele vai? Para sheol e Gehenna, para serem queimados no
fogo. E quem é seu juiz? Lembre-se de que seu juiz não é de carne e sangue,
mas o Senhor de toda a criação, abençoado seja Ele, diante de quem não há,
iniqüidade, não há esquecimento, nenhuma consideração de pessoa, não,
suborno. E o que será dele? - vermes e
p. 7

larva, como está escrito [Jó, xxv. 6]: "Quanto menos o mortal, o mero verme?
E o filho da terra, o mero verme?" R. Simeon disse: Um ser humano tem
vermes em seu corpo quando vivo - isto é , piolhos, e ele é convertido em uma
larva após sua morte.

R. Eliezer b. Jacob disse: Pense em um grande palácio no centro do qual o


tanque de um curtidor é colocado: assim é um homem bonito e respeitado que
deixa uma palavra imprópria passar por seus lábios. Se um ser humano
emitisse seu perfume corporal (em vez de excremento), como se orgulharia de
todas as outras criaturas? (Então, se esse homem permite que seus lábios
passem apenas palavras respeitáveis, ele pode se orgulhar.) Quando R. Eliezer
estava prestes a partir, seus discípulos fizeram uma visita e pediram que ele
lhes ensinasse apenas mais uma coisa. E ele disse-lhes: Vai, e tem cuidado,
cada um de vós, em honrar o teu próximo; e quando você estiver orando,
lembre-se diante de quem você está orando e, para a observação deles, você
terá uma parte no mundo por vir.
CAPÍTULO IV
SEJA sempre agradável na sua entrada e na sua partida. Diminua seus
negócios mundanos para estudar a lei. Aconteceu com R. Simeon b. Elazar,
etc. (Veja Taanith, pp. 52 e 53, para toda a lenda repetida aqui.) Como alguém
deve honrar seu mestre? (Ver Yomah, p. 52.) E assim também encontramos
com os três anjos Gabriel, Miguel e Rafael, que vieram a Abraão, nosso pai. A
missão de Gabriel era destruir Sodoma e Gomorra; O de Rafael era para curar
Abraão; e Michael, para informar Sarah. E quando Abraão viu os anjos, a
Shekhina veio e ficou acima dele, e ele se dirigiu aos anjos, dizendo: "Meus
mestres, esperem um pouco, até eu me despedir da Shekhina, pois vocês
também devem respeitá-la", como está escrito. [Gen. xviii. 3]: "E
p. 8

ele disse: Senhor meu, se agora tenho achado favor aos teus olhos, não passes,
peço-te, da tua serva. "E depois que Abraão despediu-se da Shekhina ele
retornou, e se curvou para eles e os trouxe debaixo da árvore como está escrito
[ibid. 4]: "Deixe um pouco de água, etc., ser buscado, e lavar, etc"; E então ele
disse [ibid., ibid.]: "Vou buscar um pedaço de pão "Ló, no entanto, disse [ibid.
Xix. 2]:" E demora a noite toda, e (então) lavar os pés? "Alguns dos
professores anônimos observam que neste exato momento Ló mostrou sua
prudência. Ele raciocinou: Se os sodomitas os verão depois de lavarem seus
rostos, mãos e pés ( ie, Dou-lhes abrigo durante a noite), eles vão me matar,
minha esposa e minhas filhas; mas que os sodomitas os vejam com o pó em
seus pés, eles então pensarão que acabaram de chegar.

Aquele que acompanha seu mestre não deve se afastar dele sem
permissão. Quando dois discípulos vão ou sentam juntos (eles não precisam
pedir permissão uns dos outros), ambos são iguais.

É costume que ao entrar, o dono da casa entre primeiro e o convidado atrás


dele, e ao sair de casa o hóspede sai primeiro e o mestre atrás dele. E aquele
que se afasta de seu companheiro, se seu companheiro é maior do que ele ou
ele é maior do que seu camarada, ele deve informá-lo de sua partida. E cada
um pode aprender isto do Senhor, que disse a Abraão: "Eu deixo-te", como
está escrito [Gen. xviii. 33]: "E o Senhor foi embora quando ele terminou de
falar com Abraão; e Abraão voltou ao seu lugar" (a partir do texto ", e o
Senhor foi embora", infere-se que Ele informou).
CAPÍTULO V.
NUNCA um homem entrará na casa de seu vizinho sem permissão, e essa
conduta pode ser aprendida,
p. 9

do Santo, bendito seja Aquele que estava junto ao portão do jardim, e chamou
a Adão [Gen. iii. 9]: "E o Senhor Deus chamou o homem, e disse-lhe: Onde
estás?" Aconteceu com os quatro anciãos Rabban Gamaliel, R. Jehoshua, R.
Elazar b. Azariah, e R. Aqiba, que foi para as cidades do interior de Roma, em
um dos quais lá viveu um amigo deles, um filósofo - R. Jehoshua perguntou a
Rabban Gamaliel se ele gostaria de ir ver seu amigo filósofo, e ele respondeu
que não. Na manhã seguinte, no entanto, ele perguntou novamente, e ele disse
que sim. Eles então foram, e R. Jehoshua bateu na porta do filósofo, e
imediatamente o filósofoconcluiu que esta deve ser a maneira de um homem
sábio. Quando ele bateu de novo, o filósofo se levantou e lavou seu rosto,
mãos e pés. Quando ele bateu na terceira vez, o filósofo abriu a porta e viu
que os sábios de Israel vinham de ambos os lados da rua; a saber, Rabban
Gamaliel estando no centro, R. Jehoshua e R. Elazar b. Azariah à sua direita e
R. Aqiba à sua esquerda, e o filósofo ficou um tanto confuso quanto à maneira
de saudá-los. Ele disse dentro de si: "A quem devo saudar primeiro? Se eu
deveria saudar R. Gamaliel primeiro, eu poderia ofender os outros sábios, e se
eu deveria dirigir minha saudação a todos eles (sem nomear a cabeça deles)".
Eu ofenderei R. Gamaliel. " Concluiu, portanto, para abordá-los assim: "Paz
para vocês, sábios de Israel, e para R. Gamaliel primeiro".

Sempre considere estranhos como ladrões e, ao mesmo tempo, honre-os como


se cada um deles fosse o próprio R. Gamaliel. Aconteceu com R. Jehoshua
que um homem chamou em sua casa, e ele deu-lhe para comer e beber, e
levou-o até o telhado para dormir lá, e depois removeu a escada que leva ao
telhado. O homem era um ladrão, e levantou-se durante a noite, e pegou coisas
de valor que Rabbi Jehoshua tinha no telhado e as empacotou em sua roupa, e
na tentativa de descer e levar embora
p. 10

o espólio ele caiu e quase quebrou o pescoço. Quando R. Jehoshua veio de


manhã e encontrou-o naquela condição, ele disse: "Você é ignorante, é assim
que pessoas como você fazem?" Ele respondeu: "Rabino, eu não suspeitei que
as pessoas da sua estação removeriam a escada." E ele se reuniu: "Você não
percebeu ontem que eu estava cauteloso sobre você?" Daquela época em
diante, R. Jehoshua proclamou que sempre deveriam ser considerados
estranhos como ladrões, e ainda assim deveria-se homenageá-los como o faria
R. Gamaliel.
CAPÍTULO VI
Aquele que entrar na casa do seu vizinho fará o que lhe for dito pelo anfitrião
(desde que seja legítimo). E aconteceu que os convidados vieram à casa de
Simeão b. Antiptaris, e ele os convidou para comer e beber, e juraram pela
Torá que eles não o fariam. No entanto, eles depois comiam e bebiam; mas
quando eles estavam prestes a partir, ele os puniu com listras. Quando isso
chegou aos ouvidos de R. Johanan b. Zakkai e os sábios ficaram zangados e
disseram: "Quem o informará de nosso descontentamento?" Disse R.
Jehoshua: "Eu irei investigar." Quando ele chegou lá, encontrou-o no limiar
de sua casa, e ele cumprimentou-o, dizendo: "Paz para você, mestre"; e ele
respondeu: "Paz para você, meu mestre e professor." Então Rabbi Jehoshua
disse: "Eu preciso de abrigo". E ele respondeu: "Tome aqui em paz." Eles
então se ocuparam com o estudo da Lei até a tarde. De manhã, ele disse:
"Rabino, eu gostaria de tomar um banho". E ele se juntou: "Faça o que
quiser". R. Jehoshua, no entanto, temia que ele fosse espancá-lo. Quando ele
voltou do banho, eles comeram e beberam. Quando ele desejou sair, ele disse:
"Quem vai me acompanhar?" E o anfitrião disse: "Eu vou". R. Jehoshua então
pensou
p. 11

para si mesmo: "Que informação posso dar aos sábios que me enviaram
aqui?" Ele então olhou para trás, e quando ele perguntou: "Rabino, o que você
está procurando?" ele respondeu: "Eu gostaria de questioná-lo sobre uma
coisa. Por que você bateu outros que vieram a sua casa com listras, e você não
fez assim para mim?" Ele se juntou: "Você é meu mestre. Você é um grande
sábio, e é claro que suas maneiras são refinadas. Os outros homens, entretanto,
que vieram a mim, eu disse para comer e beber, e eles juraram pela Torá que
eles não, e depois eles desconsideraram seu voto, e eu ouvi dos sábios que
aquele que jura pela Torá e desconsidera seus votos é para ser punido com
quarenta açoites ”. Ele então respondeu: "Seja abençoado pelo céu, que você
fez assim.

Um homem nunca ficará zangado com suas refeições. Aconteceu com Hillel o
Primeiro que ele convidou um homem para uma refeição. Nesse meio tempo,
um homem pobre veio e ficou à sua porta, e disse à sua esposa: "Eu devo
casar-me hoje e não tenho nada em minha casa". Sua esposa então tomou a
refeição que ela havia preparado para a casa e deu a ele. Ela então amassou
uma nova massa e preparou outros pratos, servindo-os diante do marido e do
hóspede. Hillel disse então a ela: "Meu filho, qual é o motivo do atraso?" E
ela contou a ele o que aconteceu. Ele então comentou: "Minha filha, eu
também te julguei do lado favorável, porque é sabido para mim que tudo o
que você faz é por causa do céu".
O dízimo de canto para os pobres não é colocado de lado na panela, mas no
prato. Aconteceu com R. Jehoshua, etc. (Veja Erubin, pp. 120, 121, para toda
a lenda repetida aqui).
p. 12

Sempre um homem tentará concordar com a maioria das pessoas (isso é


explicado em Khethuboth, p. 16 b , e será traduzido para lá). Para a primeira
refeição-bênção, a parte dura e não a parte macia do pão deve ser
usada. Nunca um homem segurará uma fatia de pão do tamanho de um ovo e
morderá dele, e quem o fizer é chamado de glutão; e não se deve drenar seu
cálice de vinho com um gole (ver Pesachim, p. 171) e, se o fizer, será
considerado um glutão. Mas como ele fará? Se ele faz isso em dois rascunhos,
é respeitável; se em três. Considera-se colocar em ares.

Não se deve começar a comer as cabeças, mas as folhas de alho ou cebola. Se


ele faz isso, ele também é chamado de glutão. Não se deve beber duas xícaras
de vinho antes da bênção pós-refeição (e subseqüentemente pronunciar a
bênção sem uma taça, mas ele deixará uma taça para a bênção. Os
comentários explicaram isso de outra forma, não havendo "pares" "- ver
Betzah, p. 49 - mas não podemos concordar com eles); se ele fizer isso, ele
pode ser tomado por um glutão.
CAPÍTULO VII
QUANDO dois estão sentados à mesa, o mais velho começa a comer primeiro
e o mais novo atrás dele; e se o mais novo começa primeiro, ele é um
glutão. Aconteceu que R. Aqiba preparou uma refeição para seus discípulos,
consistindo de dois pratos de carne, um meio assado e outro bem cozido. O
meio assado foi servido primeiro; o mais sensato deles pegou a peça toda em
sua mão e com a outra mão ele tentou quebrar uma parte dela, mas não
conseguiu, e a colocou de volta e comeu pão sozinho. Um deles, que era
menos sensato, pegou a peça inteira e arrancou um pedaço. Disse R. Aqiba
para ele: "Não é assim, meu filho. Coloque o pé sobre ele no prato, e então
você provavelmente terá mais sucesso." finalmente, o
p. 13

carne bem cozida foi servida, e eles comeram e ficaram satisfeitos. Em


seguida, disse R. Aqiba para eles: "Meus filhos, eu fiz tudo isso para ver se
você tinha maneiras refinadas".

Ninguém deve comer antes da quarta hora, nem tomar banho antes daquela
hora. A água quente em grandes quantidades é prejudicial para o corpo, mas
em pequenas é benéfica. O mesmo acontece com o vinho. Três coisas são
iguais uma à outra: sabedoria, temor a Deus e modéstia. Não se regozijará
entre os que choram, nem chorará entre os que se alegram; não acordará entre
os que dormem, nem dormirá entre os que estão despertos; ele não estará de
pé entre os que estão sentados, nem se assentará entre os que estão de pé. Esta
é a regra: não se deve ter maneiras diferentes das de seus amigos e das pessoas
em geral entre as quais ele é.
CAPÍTULO VIII
Aquele que entra numa casa não deve pedir comida, mas deve esperar até ser
convidado. Quando a taça estiver cheia, ele deve beber devagar. O que se
entende por devagar? Se é uma bebida fria - em quatro rascunhos; se uma
bebida quente - em trs. Disse R. Jehudah: Isso se aplica aos cálices da
Galiléia, mas no que diz respeito às taças de Judá, que eram maiores, ele pode
beber o mais lento que ele quiser. Não se deve dizer ao amigo: "Venha comer
comigo, como fiz com você", pois dá a impressão de que ele quer retribuir
com juros. Em Jerusalém, no entanto, eles se convidaram um ao outro. Não se
deve enviar ao seu amigo um barril de vinho com óleo no topo, porque pode
resultar em um sério acidente. Aconteceu mesmo que alguém convidou seus
amigos para o casamento de seu filho, e quando foi ao seu porão pegar vinho,
p. 14

estava todo cheio de óleo) ele se enforcou por vergonha e morreu. Daí o aviso
acima é dado.

Não se deve dizer ao próximo: "Tome óleo daquele jarro e unge a si mesmo",
sabendo que está vazio (mesmo sabendo que o homem não tem o hábito de se
ungir), porque ele o coloca sob obrigação por nada . O mesmo vale para a
comida: não se deve pedir ao vizinho para levar uma refeição com ele quando
ele sabe que não o faria. Também não se deve oferecer presentes ao seu
vizinho, sabendo que ele não os aceitaria, pelo mesmo motivo. Não se deve
servir ao seu vizinho com vinho novo, dizendo-lhe que é vinho velho, porque
é equivalente a roubo (se ele recebe dinheiro dele, e mesmo que ele não tire
dinheiro dele, ele o engana). Pela mesma razão, quando alguém serve vinho
aos motoristas de assalto, ele não dirá: "Tire isto deste (de quem ele não
gosta), e dê isto ao outro."
CAPÍTULO IX
Não se deve usar uma fatia de pão para cobrir com ela um prato. Não se deve
limpar o prato com um pedaço de pão e colocá-lo sobre a mesa, pois ele
perturba a mente de seu vizinho. Pela mesma razão, não se deve morder um
pedaço de pão e colocar o restante no prato destinado a outra pessoa. Deve-se
também não beber de uma taça e dar a balança a outra pessoa para beber, pois
isso pode causar perigo à vida. Aconteceu que R. Aqiba parou na estalagem
de certa pessoa, que lhe ofereceu uma taça, primeiro provando seu conteúdo, e
R. Aqiba lhe disse para beber tudo isso. Ele ofereceu a ele outro, primeiro
tendo provado isto. R. Aqiba disse a ele para beber tudo, até que Ben Azai
disse a ele: "Por quanto tempo
p. 15

Você continuará fazendo isso? "Mais uma vez aconteceu que R. Aqiba estava
alojado com uma certa pessoa, e ele colocou um pedaço de pão debaixo do
prato para apoiá-lo, e R. Aqiba segurou-o e engoliu-o. Disse o homem. para R.
Aqiba: "Rabi, você não tinha outro pão para comer do que aquela peça com a
qual eu apoiei o prato?" E ele respondeu: "Primeiro, eu pensei que você
poderia se queimar com água morna ( ou seja , você entenderia um ligeira
dica). Agora vejo que você não pode se queimar mesmo com água fervente.
"Também não se deve esvaziar o seu copo e depois colocá-lo sobre a mesa,
mas ele deve mantê-lo em sua mão até ser levado pelo garçom.

Cinco coisas diziam ao rabino em relação ao pão, a saber: A carne crua não
deve ser colocada no pão, nem um copo ou prato deve ser colocado no pão,
nem o pão deve ser usado para sustentar um prato, nem deve ser jogado de um
lugar para outro ; nem se sentará à mesa quando os outros estiverem comendo,
pois ele perturba seu apetite. Quem chega à mesa para fazer sua refeição não
deve levar sua porção e dá-la ao garçom, porque alguma coisa imprevista
pode acontecer durante a refeição (e sua porção pode ser necessária); mas ele
deve colocá-lo na frente dele até o final da refeição e, em seguida, dar a
ele. Os convidados não devem dar nada ao filho do anfitrião, nem ao seu
empregado ou mensageiro, sem a permissão do anfitrião. Aconteceu uma vez
com um homem que convidou três convidados em anos de fome, que ele lhes
serviu três ovos. O filho do anfitrião então veio e ficou na frente deles, e o
primeiro convidado tomou sua porção e deu a ele, e assim fez o segundo e
terceiro. Quando o anfitrião retornou, e encontrou seu filho segurando um em
sua boca e um em cada mão, ele levantou-lhe toda a sua altura e o atingiu no
chão, e ele morreu. A mãe, ao ouvir o que aconteceu quando estava no
telhado, ficou tão chocada que caiu morta. Quando o pai ouviu isso, ele
também se jogou do telhado e morreu. Então R. Elazar disse: "Três seres
humanos foram mortos por conta disso." ouvir o que aconteceu quando estava
no telhado ficou tão chocado que ela caiu morta. Quando o pai ouviu isso, ele
também se jogou do telhado e morreu. Então R. Elazar disse: "Três seres
humanos foram mortos por conta disso." ouvir o que aconteceu quando estava
no telhado ficou tão chocado que ela caiu morta. Quando o pai ouviu isso, ele
também se jogou do telhado e morreu. Então R. Elazar disse: "Três seres
humanos foram mortos por conta disso."
p. 16

CAPÍTULO X.
Aquele que entra na casa de banho pode dizer: "Que seja a tua vontade, Deus
meu Senhor, que me faça entrar e sair em paz, que me faça regressar ao meu
lugar em paz, e me salve isso e de um perigo semelhante no mundo por vir ".

Como se deve conduzir a si mesmo antes de tomar banho? Assim: Ele


primeiro removerá os sapatos, tirará o chapéu, tirará o sobretudo, tirará o
cinto, depois tirará a camisa e depois de todas as gavetas. Depois do banho,
quando uma toalhaé trazido para ele, ele primeiro limpa a cabeça e depois as
outras partes do corpo. Quando o óleo é trazido a ele, ele deve primeiro ungir
sua cabeça e depois outros membros de seu corpo, e então ele deve colocar em
primeiro suas gavetas, depois sua camisa, o cinto, então ele deve envolver-se
em seu manto, e depois ele colocará o chapéu e depois os sapatos. E se ele tem
seu filho, seu escravo ou escravo, eles farão isso por ele. Sempre o sapato
direito será colocado primeiro e depois o esquerdo; e ao tirar os sapatos, o
esquerdo deve ser retirado primeiro. Quem entra numa casa de banhos não
deve se fatigar nem se excitar, mas seja cuidadoso em todos os aspectos. Disse
R. Simeon b. Gamaliel: "Quem não é cuidadoso é igual a um asno; quem
come no mercado é igual a um cachorro"; e de acordo com os outros, ele é
inelegível para ser uma testemunha. No banheiro, aquele que entra não deve
apressar quem está sentado ali, e o mesmo está em uma casa de banho. Não se
deve levar óleo a uma casa de banhos em um recipiente de vidro (pois ele
pode quebrar e causar ferimentos). Não se deve cuspir na presença de seu
vizinho, mesmo em uma casa de banho. A lei relativa a uma casa de banhos e
toalete pode ser discutida nos respectivos locais, mas outras coisas não devem
ser discutidas, não só na sala de banho, mas no vestiário, e mesmo
p. 17

quando a maioria das pessoas também estava vestida, porque, mesmo quando
poucas estão despidas, todas são consideradas despidas. Não se deve saudar o
próximo quando ele está se lavando; e se ele fizer isso, o outro pode
responder-lhe que é uma casa de banho. Segundo outros, ele pode responder a
saudação e não há nada nela. Não se deve colocar o pé na banheira quando o
outro está sentado, pois é uma vergonha para o banho.
CAPÍTULO XI
Aquele que anda na estrada, etc. (Veja todo o Boraitha em Yomah, páginas
27, 28, parágrafo: "Aprendemos de acordo com R. Shila"). Aquele que, logo
depois de voltar da estrada, toma banho, fica embriagado, dorme no chão nu e
se entrega ao congressu feminæ , seu sangue está em sua cabeça (isso equivale
ao suicídio). 1 Aquele que vende seus livros, ou sua filha, etc. (Veja Megilla,
p. 73.) R. Itzhak diz: "Um informante comum é considerado um assassino,
como está escrito [Lev. Xix. 16]: 'Tu não vai subir e descer como um portador
de histórias entre o teu povo. "R. Eliezer disse:" Aquele que odeia o seu
próximo sem causa também é considerado tal, como está escrito [Deut. xix.
ii]: 'Mas se qualquer homem seja um inimigo para o seu próximo, etc. ( ie , se
ele é assim, ele é capaz de fazer o que está escrito no verso). " Ben Azai diz:
"Aquele que odeia sua esposa também é considerado tal, como está escrito
[ibid. Xxii. 13 e 14] ( iese ele a odeia, ele finalmente fará uma acusação contra
ela, etc., e ele vai contratar testemunhas para acusá-la com a intenção de tirar
a vida dela. "R. José diz:" Aquele que define um tempo definido para a
redenção de Israel através do Messias não terá parte no mundo por vir. E o
mesmo se aplica àquele que odeia os estudiosos e seus discípulos. O mesmo
se aplica a um
p. 18

falso profeta e um caluniador. "R. Meir diz:" Aquele que tem uma casa de
aprendizado em sua cidade, e é capaz de ir até lá, mas não o faz, não é digno
de viver, como está escrito. xv. 31]: 'Porque a palavra do Senhor ele
desprezou;' "A arrogância é equivalente à idolatria, como está escrito [Deut.
vii. 26]:" E não abominarás a tua casa com a tua casa ", e também está escrito
[Prov. xvi. 5]:" Uma abominação do Senhor é todo aquele que se orgulha de
coração. "Já que a abominação mencionada em Deuteronômio é idolatria, e a
mesma expressão é usada em Provérbios, daí aprendemos que altivez é
equivalente a idolatria. 1

Notas de rodapé

17: 1 Aqui a Boraitha continua a enumerar coisas perigosas para a vida e a


saúde que nos parecem sem importância em nossa época, e portanto as
omitimos.

18: 1 Aqui segue a bênção antes de se aposentar, etc., que será explicada no
tratado apropriado.
p. 19

TRATADO DERECH ERETZ-ZUTA.


CAPÍTULO I.

As qualidades dos sábios são: Modéstia, mansidão, ânsia, coragem, suportar


erros cometidos a eles e ser afeiçoado a todos; submissão aos membros de sua
casa, medo do pecado e julgamento de cada um de acordo com suas ações.

Seu pensamento concernente a este mundo é: Tudo o que existe neste mundo
não tem importância para mim, pois este mundo não é meu. Eles estão
ocupados em ensinar os outros, e ninguém pode ver em seus ensinamentos
nada de errado. Suas perguntas são diretas e suas respostas estão de acordo
com a lei.

Uma pessoa será sempre como uma bolsa de ar que está aberta para receber o
ar, e como uma escavação profunda que preserva a água contida nela, e como
um jarro de vidro que preserva o vinho nela; como uma esponja que absorve
tudo. Seja como o limiar mais baixo que todos pisa, e como um prego na
parede que está ao alcance de cada um para pendurar suas roupas.

Se você sofreu uma perda de sua propriedade, lembre-se de que o emprego


perdeu sua propriedade, filhos e saúde. Tenha cuidado com tudo o que você
vê com os olhos, pois o principal engano está nos olhos. Tenha cuidado com
seus dentes (com suas refeições), que você não deve comer demais. Não
discuta com os saduceus, para que você não caia na geena. Quando você ouvir
os outros insultarem você, não os responda. Se as pessoas o louvam por ter
feito uma grande coisa, você, no entanto, não considerará isso importante.
p. 20

Um homem comum deve ser considerado aos seus olhos grande, se


[parágrafo continua]

você o insultou, até que você tenha pedido a ele para perdoá-lo. Esta
passagem também pode ser assim traduzida: Se os outros disserem algo ruim
sobre você, embora seja de uma natureza séria, trate-o como
insignificante. Mas, por outro lado, se você diz algo ruim sobre os outros,
embora seja insignificante, você deve considerá-lo como sério e não ter
descanso até que você implore perdão. Seu comportamento não será ruim,
pois isso não é louvor à Torá (que você possui, mas que seu comportamento
seja bom, pois isso é um louvor à Torá).

Ame a Lei e respeite-a; ame todas as criaturas e respeite-as. Submeta sua


vontade à vontade dos outros, como foi feito por Leah para Raquel e por Davi
para Saul. Mas ignore sua vontade, e até mesmo a vontade dos outros, pela
vontade do Céu, como descobrimos por Jacob que ele não beijou Joseph
(porque ele estava envolvido em oração). A dúvida do amor ( isto é , tudo lhe
será duvidoso até que você se convença disso), e odeie a expressão: "E quanto
a isso?" ( isto é, mesmo das coisas menos importantes, você não deve se
expressar assim). Mantenha-se distante de tudo o que pode trazer ao pecado, e
do abominável, e do que é igual a ele, que você não deve ser suspeito por
outros de transgressão. Não calunie o seu próximo, porque aquele que o faz
não tem remédio. Mantenha-se distante de resmungar, pois resmungando você
pode vir a rosnar para os outros, e isso será acrescentado às suas
transgressões. Com sete convênios dos patriarcas foram feitos, e eles são:
Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Arão, Pinchas e Davi - Abraão [Gen. xv. 18],
Isaac [ibid. xvii. 21], Jacob [Lev. xxvi. 421, Moisés [Ex. xxxiv. 271, Aaron
[Numb. xviii. 19], Pinchas [ibid. xxv. 12], David [Ps. lxxxix. 41. Sete
patriarcas estão descansando em glória, e verme e vermes não afetam seus
restos mortais, e eles são: Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Arão, Amram seu pai
e, de acordo com outros, também David, como está escrito [ibidem. xvi. 9]:
"Portanto, alegra-se o meu coração
p. 21

e meu espírito está feliz; também minha carne descansará em segurança.


”Nove entraram no Jardim do Éden quando ainda estavam vivos, e são:
Enoque (Chanoque), filho de Jarede, Elias, o Messias, Eliezer, servo de
Abraão, Hirom, rei de Zor, Ebed -melech o Cushi [Jr. xxxviii. 7], e Jabetz o
filho de R. Jehudah o Príncipe, Bothiah a filha de Faraó e Serech a filha de
Ascher, e, de acordo com outros, também R. Jehoshua b Levi.
CAPÍTULO II.
TODOS os teus caminhos sejam pelo amor do céu. Ame o céu e tenha
medo. Tremer e, ao mesmo tempo, regozijar-se com todos os
mandamentos. Sente-se diante dos anciãos e deixe que seus carros estejam
atentos às suas palavras. Incline os teus ouvidos para as palavras do teu
companheiro. Não se apresse em responder, e considere tudo do ponto certo, e
responda primeiro à primeira pergunta, e ao último, por último; e confessar
sempre a verdade. Não discuta na presença de alguém que é maior que você
em sabedoria. Se alguém quiser ensinar algo a você, não diga que já o
ouviu. Se você é questionado sobre o assunto menos importante, e você não o
conhece, não se envergonhe de dizer: "Eu não sei". Se alguém lhe ensinou
algo e você não o ouviu, não se envergonhe de dizer "Repita novamente"; e
não diga que você não ouviu, mas que não entendeu. Faça tudo por causa do
Criador, e fale de seus feitos no mesmo sentido (de acordo com Elias
Wilna). Não faça seus méritos como uma coroa a ser glorificada por ela, e não
como um machado para se apegar a ela, nem uma enxada para cavar com
ela. Aceite as palavras da lei, mesmo quando você está em aflição. Não
procure enganar quem te ofendeu. Deixe seus relatos sempre estarem corretos
e sua conduta excelente. Mantenha sua promessa. Ame a lei, justiça,
repreensão, franqueza. mesmo quando você está em aflição. Não procure
enganar quem te ofendeu. Deixe seus relatos sempre estarem corretos e sua
conduta excelente. Mantenha sua promessa. Ame a lei, justiça, repreensão,
franqueza. mesmo quando você está em aflição. Não procure enganar quem te
ofendeu. Deixe seus relatos sempre estarem corretos e sua conduta
excelente. Mantenha sua promessa. Ame a lei, justiça, repreensão, franqueza.
p. 22

Não corra atrás de honra. Não fique orgulhoso ao tomar uma


[parágrafo continua]

decisão: considere que tudo o que você possui hoje pode não ser seu
amanhã; e se tu não é certo, quanto à propriedade já em tua posse, que
permanecerá contigo, qual é o uso do teu esforço para possuir o que pertence
aos outros? Lembre-se do que o profeta diz [Habacuque, ii. 6]: "Ai daquele
que aumenta o que não é dele! Por quanto tempo? E àquele que se carrega
com um fardo de culpa!" Que seja seu hábito terminar tudo de uma maneira
boa. Deixe a sua língua ser sempre suave. Seja um bom comerciante, pague
bem e esforce-se sempre para fazer o bem. Tenha medo de um pecado leve,
pois isso pode levá-lo a um grave pecado. Respeite todos os tipos de
homens. Não diga, eu vou bajular este homem, para que ele possa me dar
comida; aquele homem, para me dar bebidas; esse homem, para me
cobrir: porque é melhor que tu suportes a tua própria vergonha do que
envergonhar-te de outros que farão isso contigo. Cuida para que teus dentes
não te envergonhem, e não te envergonhes de tua boca, nem amaldiçoados por
tua língua, nem envergonhados por teus lábios. Tome cuidado para que você
não precise se curvar a alguém por causa de suas próprias palavras. Se você
deseja tornar-se ligado ao seu próximo através de laços de amor, considere
sempre o bem que você é capaz de fazer para ele. Se for teu desejo ficar longe
do pecado, sempre olhe para o resultado disso. Se você deseja anseio por
méritos, considere cuidadosamente seus detalhes. Se tu fizeste muito bem a
alguém, considera-o muito pouco; e também não deves dizer que o fizeste do
que te pertence, porque há alguém que te fez isso, e tu és obrigado a agradecer
ao Céu por isso. Se, no entanto, alguém lhe fez algum bem, considere como se
ele tivesse feito muito. Não diga que o Céu fez bem a mim por causa de
minhas boas ações; pelo contrário, tenha medo de que te foi feito por causa de
teus atos indignos [Deut. vii. 10]: "E recompensa aqueles que o odeiam em
sua face, para destruí-los." E se,
p. 23

no entanto, fizeste algum mal, considerai-o muito e disseste: "Ai de mim que
pequei" ou "Ai de mim que fui a causa do erro". Se os outros te fizeram algo
muito errado, isso será considerado aos seus olhos tão pouco, e dirá: "Esta é
apenas uma parte da retribuição que eu mereço".

CAPÍTULO III

DELIBERE-SE antes que uma palavra passe pelos seus lábios e seja atencioso
sobre como deve agir em assuntos mundanos. Veja sempre que teus passos
serão recompensados. justifique o julgamento que foi imposto a ti e livre-se da
ira. julgue favoravelmente o teu próximo, e vê que o teu veredicto não o fará
culpado (se a sua culpa não estiver completamente estabelecida). Fica
contente com a tua parte e adorna-te com o pouco que possuis. Não odeie
aquele que te reprova. A tua parte será abençoada para sempre se os teus olhos
forem sempre: bons e a tua alma sempre satisfeita. Que seja seu hábito dizer:
"Eu não sei" (de uma coisa sobre a qual você duvida), pois você pode ser pego
mentindo. Se você negligenciar um comando, você será finalmente negligente
de outros mandamentos. O mesmo acontece se tu negligencias as palavras da
Lei de bom grado: finalmente, você será negligenciado, de boa vontade ou
não. Se tu tiraste a propriedade dos outros, tua será tirada.

O começo de fazer votos é a porta para a insensatez. A frivolidade com as


mulheres é o começo do adultério. Se você tiver garantido para alguém,
lembre-se de que deve ser pago por você mesmo. Se você emprestou dinheiro,
saiba que você emprestou para ser pago no tempo. Se você emprestou
dinheiro a alguém, esteja preparado para ter dificuldade em coletá-lo. Lembre-
se do tempo que você tem que pagar, e liquidar suas contas.

Os quinze costumes seguintes são atribuídos aos sábios: Ele é agradável ao


entrar, e assim também ao sair; é
p. 24

prudente em seu medo pelo céu; versado em sabedoria; sábio em seus


caminhos, tem uma boa concepção, uma memória retentiva, é clara em suas
respostas, perguntas diretas, e respostas de acordo com a Lei; ele aprende algo
novo de cada capítulo ensinado a ele; ele está indo para o sábio; ele aprende
com o propósito de ensiná-lo e realizá-lo.

Seja como o limiar inferior, sobre o qual todas as pessoas andam, e ainda dura
mesmo quando todo o edifício é demolido.
CAPÍTULO IV
BOLSAS sempre são agradáveis na sociedade, mas não são pessoas tão
comuns. Aquele que se ocupa apenas com o estudo da Escritura persegue o
caminho certo, mas os sábios não pensam assim; com Mishnayoth, é um curso
a ser recompensado; mas aquele que se ocupa com o estudo do Talmud
persegue um caminho que não é melhor. Ainda assim, é aconselhável que
alguém se ocupe mais com o estudo de Mishnayoth do que com o do
Talmude. Não exija pagamento pelo teu ensino. Além disso, não faça
nenhuma compensação por isso, pois o Onipotente deu Seu ensino a você
gratuitamente; pois quem pede recompensa destrói o mundo inteiro (porque há
muitos que não podem pagar e permanecerão ignorantes). E não diga: "Não
tenho dinheiro para viver e, portanto, devo receber recompensa pelo meu
ensino". Lembre-se de que todo o dinheiro é do Senhor, como está escrito
[Ageu, ii. 8]: "A minha é a prata, e o meu é o ouro, diz o Senhor dos
Exércitos" (e Ele lhe suprirá dinheiro).

Se você fez caridade, tenha certeza de que será favorecido com dinheiro; e se
tiver sido sua boa parte adquirir dinheiro, faça caridade com ele enquanto
estiver em seu poder. Dê a quem precisa neste mundo, para que você possa ter
o mundo por vir; pois se você não usá-lo para fins de caridade, ele
desaparecerá de repente,
p. 25

como está escrito [Prov. xxiii. 5]: "Quando você deixar apenas os seus olhos
voarem sobre ela, não é mais". Não reclame do fato de você ser menos sábio
do que outro, pois você não serviu (aos sábios) tanto quanto ele. Nem
tampouco se queixará de que o outro é rico e você não é, pois não é todo
homem que é favorecido com duas tábuas (deste e do mundo por vir). Não
reclame que o outro é lindo e você é feio, pois na hora da morte o homem se
torna uma carcaça; além disso, uma carcaça de qualquer animal pode ser
vendida ou apresentada a alguém, enquanto ninguém se importa nem mesmo
em olhar para uma carcaça humana. Não diga: "Esse homem é justo, enquanto
eu não sou"; para ambos você terá que prestar contas. Não diga: "Esse homem
é poderoso, enquanto eu sou fraco"; porque não há poder além da Torá, como
está escrito [Ps. ciii. 20]: "Abençoa o Senhor, vós anjos seus, poderosos em
força, que executam a sua palavra, atendendo à voz da sua palavra." Tenha
sempre em mente o seguinte: saiba de onde vem, para onde vai e diante de
quem terá que prestar contas, e não volte seus olhos para o dinheiro que não é
seu; porque eles fecham as portas do céu contra. oração. Deixe que seus
ouvidos não escutem conversas vãs, pois eles são mais propensos a se
queimar. Não calunie, pois a boca será a primeira no dia do juízo para dar
conta. Não tenha calúnias ou outras coisas ruins, ou roubo, pois todos os
membros do teu corpo testificarão contra ti no dia do juízo. Que teus pés não
te apressem a fazer o mal, porque é provável que o anjo da morte chegue lá
antes, e espere por ti. Não tenha medo do tribunal de justiça na terra, onde
somente as testemunhas podem ser compradas, mas temem a corte acima,
porque tu és certo de que haverá testemunhas que testificarão contra ti. E não
somente isso, mas seus próprios atos proclamam sua acusação de tempos em
tempos.

Se você tiver realizado todos os meus mandamentos com alegria, meus


atendentes virão ao seu encontro e até eu
p. 26

Eu te direi: "Que a tua vinda seja em paz." Seus olhos que nunca olharam para
a propriedade que não pertencem a você, terão luz nas trevas, como está
escrito. lviii. 10]: "Então resplandecerá na escuridão a tua luz, e a tua
obscuridade será como o meio-dia." Os vossos ouvidos que não ouviram falar
vão ouvirão a paz no mundo vindouro, como está escrito. xxx. 21]: "E os teus
ouvidos ouvirão o mundo atrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai por ele,
quando te volveres para a destra, e quando te desviares para a esquerda." Sua
boca que não caluniou será cobiçada por aqueles que estavam acostumados a
difamar. Sua boca que estudou a Torá será uma bênção para aqueles que
desejam ser abençoados. Suas mãos que se mantiveram longe do roubo, O que
você pode fazer com aqueles que praticam injustiça? Suas mãos que você não
retirou de fazer caridade, o que pode fazer com você aqueles homens
poderosos? Os teus pés que não te levaram a pecar, o que o anjo da morte
pode fazer contigo?

Tudo o que é dito acima é um aviso para você, e você pode fazer o que quiser,
mas não diga que não foi avisado.
CAPÍTULO V.
Um bolco não deve comer de pé, nem lamber os dedos, nem bocejar na
presença de outros. Fale pouco, ria pouco, durma pouco, regale-se pouco de
prazer, diga pouco "sim" e pouco "não". É preciso sempre saber com quem ele
está sentado, perto de quem ele está, com quem ele está comendo, com quem
ele está conversando, para quem ele assina contratos e notas de dívida. Por
quatro coisas o estudioso é reconhecido: seu bolso, sua taça, sua raiva e seu
vestido; e, dizem alguns, até mesmo a conversa dele. A beleza da lei é
sabedoria; a beleza da sabedoria é modéstia; a beleza da modéstia é o medo do
céu; a beleza do medo do céu é uma atuação nobre; a beleza
p. 27

de desempenho nobre é segredo ( ou seja , não publicamente, com o propósito


de ser elogiado). Um não deve estar acordado, etc. (veja acima).
CAPÍTULO VI
QUATRO coisas são depreciativas para os estudiosos: caminhar sozinhas no
escuro (e despertar suspeitas); para ser perfumado; ser o último a entrar em
uma casa de oração e manter muito discurso em uma reunião de dunces.

Ao entrar, o maior será o primeiro; ao sair, o menor será o primeiro. Quando


subindo os degraus, maior será o primeiro; quando descer, o menor será o
primeiro. Em uma reunião pública, o maior terá a preferência. Ao entrar em
uma prisão, os menores devem fazê-lo primeiro. Para dizer bênçãos, o maior é
o primeiro. Aquele que entra na casa deve sempre cumprimentar primeiro
quem está na casa. Não se deve se inclinar nas refeições (como era o costume
no Oriente) quando um homem maior do que ele está à mesa. Não se deve
beber em público, a menos que ele afaste o rosto dos espectadores. O primeiro
passo para o pecado está nos pensamentos, o segundo é o desprezo, o terceiro
é a arrogância, o quarto é a crueldade, o quinto é a ociosidade, o sexto é o ódio
sem causa, e o sétimo é um mau olhado; e estes foram entendidos por
Salomão [Prov. xxvi.
CAPÍTULO VII
Sete coisas marcam o torrão, etc. (Veja Aboth, Cap. V., Mishna J. ) Um
estudioso deve ter cuidado em comer, beber, lavar, unir, usar sandálias, andar,
vestir-se, usar de sua voz, no ato de cuspir, e também com todas as suas boas
ações. Como uma noiva, que desde que ela está na casa de seu pai persegue
p. 28

privacidade e modéstia, e quando ela é doada em casamento anuncia


publicamente, dizendo: "Todos aqueles que podem vir para testemunhar
contra mim, deixá-los vir e fazê-lo", então um estudioso deve buscar
privacidade em seus atos, mas publicidade em seus caminhos ; ou seja, ele
deve correr atrás da verdade, mas não depois da falsidade, depois da
honestidade, mas não depois do roubo, depois da modéstia, mas não depois da
soberba, depois da paz, mas não depois da guerra, após o conselho dos mais
velhos, mas não dos jovens. Ele prefere seguir atrás de um leão do que atrás
de uma mulher.

Quem respeita os sábios? aquele que dá comida, bebida, vestido, sapatos, sai
ao encontro e acompanha quando sai, sem distinção entre rabino ou
discípulo. E quem lhes mostra desrespeito? aquele que ocupa o assento de seu
mestre mesmo durante sua ausência, ou o substitui (sem permissão) em dar
palestras ou contradizê-lo.
CAPÍTULO IX 1

R. Eliezer, o Kapar disse: Mantenha-se distante da raiva, pois por estar


zangado com os outros, você aumentará sua transgressão. Ame seu admonitor,
pois ao fazer isso você adicionará sabedoria à sua habilidade; e evita aquele
que te honra, para que tua sabedoria não seja diminuída. Ame a casa de
oração, para que você seja recompensado diariamente; e a casa do
aprendizado, para que vossos filhos venham estudar. Ame os pobres, para que
seus filhos não cheguem à pobreza. Ame a modéstia, para que você desfrute
da longevidade; ame o piedoso, para que você seja salvo do anjo negro. Tenha
cuidado na leitura de Shema e na oração em geral, para que você seja salvo da
Gehenna. A tua casa será de todo aberta, para que nunca te falte
comida. Tenha cuidado para que as portas da sua casa não sejam fechadas
quando você fizer suas refeições,
p. 29

por isso com a pobreza. Tenha cuidado com a honra de sua esposa. Fique
contente com seu castigo, pois isso provavelmente o salvará da
Gehenna. Alegre-se com a sua mesa quando os famintos se beneficiam dela,
para que você desfrute da longevidade e tenha uma participação no mundo por
vir. Alegre-se também ao dar caridade à sua casa, a fim de pacificar a ira da
morte, como está escrito [Prov. xxi. 14]: "Um presente em segredo pacifieth
raiva, e um suborno no peito, forte fúria." Se você incomodou seus pés pelos
pobres ou por causa de um mérito, as seguintes passagens podem ser aplicadas
a você [Deut. xxviii. 6]: "Bem-aventurado serás à tua chegada, e bendito serás
quando saires". Se você mantiver sua boca de calúnia, passará todos os dias da
vida em paz. Aquele que é audaz em relação a alguém que é maior do que ele
será finalmente punido com uma praga. Se você correr para honrar um sábio,
será recompensado com filhos invejáveis; e para correr para fazer honra aos
pobres, você será recompensado com filhos de aprendizado e um registro
respeitador da lei em Israel. Você vê um sábio morrer, não se afaste dele até
depois do enterro, para que também você receba respeito e atenção quando for
a sua hora de morrer. Quando você vê que seu vizinho se tornou pobre e seu
poder está em declínio, não se recuse a ajudá-lo, como está escrito
[Eccl. viii. 5]: "Quem guarda o mandamento não experimentará nenhuma
coisa má." Se você emprestou algo a ele quando ele estava precisando, a
seguinte passagem será cumprida em você [Is. lviii. 9]: "Então tu chamarás, e
o Senhor responderá." Se você se abaixa, o Senhor te levantará; mas se você
assumir superioridade sobre seus semelhantes, o Senhor os abaixará. Se outros
brigam contigo, seja em uma casa de aprendizado ou em um lugar comum de
reunião, não parta até que a paz seja restaurada, e eles te louvarão em tua
ausência como Pinchas b. Elazar Grande é a paz, que mesmo quando reina
entre os idólatras, nada pode ser feito a eles, como está escrito [Oséias, iv. 17]:
"Efraim como está escrito [Oséias, iv. 17]: "Efraim como está escrito [Oséias,
iv. 17]: "Efraim
p. 30

está ligado(unidos) a ídolos; deixe-o em paz. "Mas se eles brigam entre si, é
dito deles [ibid. X. 2]:" Seu coração está dividido; agora eles devem levar sua
culpa. "Por isso a casa em que há conflito será destruída, e os sábios dizem
que até mesmo uma casa de oração em que há conflito será demolida. O
mesmo acontece com dois chefes da corte que vivem em uma cidade e brigam
entre si, eles finalmente morrerão Abba Saul disse: A disputa entre as cortes é
uma destruição do mundo Abba Issi b .Joanan disse em nome de Samuel o
pequeno: Este mundo se assemelha ao globo ocular de um O branco é o
oceano que circunda toda a terra, o negro é o mundo, o círculo no negro é
Jerusalém, e a imagem (o aluno) no círculo é o Templo, que será reconstruído
no futuro próximo. Um homem.

Notas de rodapé

28: 1 capítulos VIII. e X. são uma repetição do que foi declarado em outros
lugares.
O CAPÍTULO DA PAZ 1

R. Jehoshua b. Levi disse: Grande é a paz, pois é como o fermento para a


massa. Se o Santo não tivesse dado paz ao mundo, espada e animal
devorariam o mundo inteiro, como está escrito [Lev. xxvi. 6]: "E eu darei a
paz na terra."

Está escrito [Eccl. Eu. 4]: "Uma geração passa, e outra geração vem, mas a
terra dura para sempre." O Rei Salomão quis dizer assim: Embora uma
geração passe e outra venha, um reino desaparece e outro aparece; e embora
os decretos do mal um após o outro sejam decretados contra Israel, ainda
permanecem eternos. O Senhor não os abandona e nunca são
abandonados. Eles nunca são aniquilados, nem diminuem, como está escrito
[Mal. iii. 6]: "Pois eu, o Senhor, não mudei: e vós, filhos de Jacó, não
deixastes de ser" ( isto é , como eu
p. 31

nunca mudaram e nunca mudarão, então os filhos de Jacó nunca cessaram e


nunca deixarão de existir). Mas [Deut. iv. 4]: "Vocês que aderiram ao Senhor
seu Deus estão vivos, cada um de vocês, neste dia." R. Jehoshua disse: Grande
é a paz, pois na época Israel se levantou e disse [Exod. xxiv. 7]: "Tudo o que o
Senhor tem falado faremos e obedeceremos", o Santo teve o prazer de dar-lhes
a sua Torá e abençoou-os com paz, como está escrito [Ps. xxix. 11]: "O
Senhor abençoará seu povo com paz". Ezequias disse: Grande é a paz, pois a
cada mandamento na Torá está escrito "se", como, por exemplo,
Exod. xxiii. 4, "Se tu encontrares", etc., o que significa, setal coisa lhe ocorre,
você deve fazer o mandamento; mas concernente à paz, é diferente, ali está
escrito [Sl. xxxiv. 15]: "Busque a paz e siga-a", o que significa, busque a paz
no lugar onde você está e, se não a encontrar, procure-a em outros
lugares. Grande é a paz: sobre todas as jornadas de Israel está escrito:
"E elesremoveram ... e ... acamparam", o que significa que eles foram
removidos em contenda e acampados em contenda, mas quando chegaram ao
Sinai não houve mais conflito e elesacamparam em paz, como está
escrito. xix. 2]: "E Israel acampou em frente ao monte" ( ou seja , todosIsrael
estava unido). O Santo, bendito seja Ele, então disse: "Porque Israel odeia
discórdia e ama a paz, e todos estão unidos, este é um momento favorável que
eu deveria dar-lhes a minha Torá". Adoniah, filho de Davi, foi morto porque
era briguento, e é permitido apoiar a acusação de um homem briguento, como
o profeta Natã fez quando Bate-Seba acusou Adonia [I Reis, i. 14]: "Eu
mesmo entrarei depois de ti e confirmarei as tuas palavras." E o rabino disse:
Todo tipo de mentira é proibido, exceto para fazer a paz entre um e seu
vizinho. Bar Kappara disse: Grande é a Paz, pois entre os anjos não há
animosidade, nem ciúme, nem ódio, nem mandamento, nem brigas, porque o
Santo, bendito seja Ele, fez a paz entre eles,
p. 32

como está escrito [Job, xxv. 2]: "Dominação e pavor estão com ele: ele faz a
paz em seus lugares altos". "Domínio" é o anjo Miguel e "Medo" é Gabriel,
um dos quais é de fogo e o outro de água, e ainda assim eles não se opõem,
pois o Santo, abençoado seja Ele, fez a paz entre eles. .

R. Jehoshua disse: Grande é a paz, em que o pacto dos sacerdotes foi feito
com paz, como está escrito. xxv. 12]: "Dou-lhe meu pacto de paz." O nome do
Santo, bendito seja Ele, é também "paz" (Shalom), como está escrito [Juízes,
vi. 24]: "E chamou Adonay-shalom". R. Jose o Galileu disse: O nome do
Messias é também "paz" (Shalom), como está escrito [Is. ix. 5]: "O príncipe
da paz". Disse R. Jehoshua: Israel também é chamado de "paz", como está
escrito [Zech. viii. 12]: "Pois a semente será imperturbável, a videira dará o
seu fruto", que deve ser interpretado assim: "A videira dará seu fruto à
semente da paz" (Israel). R. Jose, o Galileu disse: Quando o Messias vier a
Israel, ele começará com paz, como está escrito [Is. lii. 7]: "Quão bonito nas
montanhas são os pés do mensageiro da boa nova, que anuncia a paz, anuncia
novas de felicidade, que anuncia salvação, que diz a Sião: O teu Deus
reina." Ele também disse: Grande é a paz, porque até as guerras são travadas
por causa da paz, como está escrito [Deut. xx. 10]: "Quando estiveres perto de
uma cidade para guerrear contra ela, convoque-a com a palavra da paz." R.
Jehoshua disse: No futuro, o Santo, abençoado seja Ele, defenderá os justos
com paz, como está escrito. xxvi. 3]: "A mente confiante tu manterás em
perfeita paz; porque ele confia em ti." Mais uma vez ele disse: Grande é a paz,
porque acompanha tanto os vivos como os mortos - os vivos, como está
escrito [Êx. iv. 18]: "
p. 33

R. Jehoshua de Sachnin disse em nome de R. Levi: Grande é a paz,


[parágrafo continua]

em que todas as bênçãos e orações concluem com "paz". A leitura de Shema


nós concluímos com "paz", "e espalhe a tenda da tua paz"; a bênção dos
sacerdotes conclui com paz "e dá-te a paz"; e as dezoito bênçãos concluem:
"Bendito seja tu, senhor da paz".

Disse R. Jehoshua b. Levi: O Santo, bendito seja Ele, disse a Israel: Você me
fez destruir minha casa e exilar meus filhos, ora agora pela paz e eu te
perdoarei, como está escrito. cxxii. 6]: "Rezai pela paz de
Jerusalém". Portanto, aquele que ama a paz, corre atrás da paz, oferece paz e
responde à paz, o Santo, bendito seja Ele, fará com que ele herde a vida deste
mundo ea vida do mundo por vir, como está escrito. xxxvii. 11]: "Mas os
mansos herdarão a terra e se deleitarão por causa da abundância de paz."

FIM DO TRAÇO DERECH ERETZ - RABBA E ZUTA.


Notas de rodapé

30: 1 Este capítulo é considerado um tratado separado. Veja Zunz e outros


bibliógrafos.
NOVA EDIÇÃO

DO

TALMUD BABILÔNIA

DE

DR. MICHAEL L. RODKINSON

SEÇÃO MOED (FESTIVAIS) COMPLETA, constituída pelos seguintes


volumes:

Vol. I. TRATADO SABBATH, primeiros dez capítulos, pp. Xxxv + 188.

Vol. II. TRATADO SABBATH (continuação), quatorze capítulos, pp. Xxxvi-


xlvii + 189-390-

Vol. III TRATADO ERUBIN, pp. Xvi + 252.

Vol. IV. TRATADOS SHEKALIM E ROSH HASHANA, hebraico e inglês,


pp. Xliv; Inglês, 104; Hebraico, 66.

Vol. V. TRATADO PESACHIM, pp. Xii + 264-

Vol. VI. TRATADOS YOMAH E HAGIGA: Yomah, pp. Xx + 148; Hagiga,


pp. Vi + 54.

Vol. VII. TRATADOS BETZAH, SUCCAH E MOED KATAN: Betzah, pp.


Xiv + 78; Succah, pp. X + 93; Moed Katan, pp. Iv + 46.

Vol. VIII. TRATADOS TAANITH, MEGILLA E EBEL RABBATHI (com o


comentário do Editor): Taanith, pp. Xiv + 94; Megilla, pp. Vi + 90; Ebel
Rabbathi, pp. Iv + 62.
TRACTE SHEKALIM, edição separada, hebraico e inglês (com o comentário do editor sobre ambos),
não vinculado. Preço 1,50. SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA (DANOS). Volume I. Ética do Judaísmo (Tracts Aboth, Aboth de R.
Nathan, Derech Eretz Rabba e Zuta). Acabei de publicar; volumes sucessivos na imprensa .

História dos Amuletos, Feitiços e Talismãs ; uma investigação histórica sobre sua natureza e origem. Por ML RODKINSON. págs. x + 93.
Preço 2,00.

NEW TALMUD PUBLISHING CO.

100 BOYLSTON ST., BOSTON


NOVA EDIÇÃO

DO

TALMUD BAVIL
Texto Original, Editado, Corrigido, Formulado e Traduzido para o
Inglês
DE

MICHAEL L. RODKINSON

SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA (DANOS)

TRATADOS BABA KAMA (PRIMEIRA PORTA)


p. ii

OBSERVAÇÕES EXPLICATIVAS
Na nossa tradução, adotamos esses princípios:

1. Tenan do original - Nós aprendemos em um Mishna; Tania - Nós


aprendemos em um Boraitha; Itemar - foi ensinado.

2. As perguntas são indicadas pelo ponto de interrogação e são imediatamente


seguidas pelas respostas, sem serem marcadas.

3. Quando no original ocorrem duas declarações separadas pela frase, Lishna


achrena ou Waïbayith Aema ou Ikha d'amri (literalmente, "interpretadas de
outra forma"), traduzimos apenas o segundo.

4. Como as páginas do original são indicadas em nossa nova edição em


hebraico, não é considerado necessário marcá-las na edição em inglês, sendo
esta apenas uma tradução da segunda.

5. Palavras ou passagens entre parênteses () denotam a explicação dada por


Rashi à sentença ou palavra anterior. Os parênteses quadrados [] contêm
comentários das autoridades do último período de construção do Gemara.

COPYRIGHT, 1903,

POR MICHAEL L. RODKINSON. COPYRIGHT 1916, BY NOVA


SOCIEDADE PUBLICAÇÃO DE TALMUD
CONTEÚDO.
PÁGINA
INTRODUÇÃO AOS TRÊS PORTÕES DA SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA, v
SINOPSE DE SUJEITOS DE VOL. X.-- TRACT BABA KAMA (O ix
PRIMEIRO PORTAL),
CAPÍTULO I.
OS QUATRO TORT-FEASORS PRINCIPAIS; OS DIFERENTES MODOS 11
DE RESTITUIÇÃO; OS ANIMAIS VICIOSOS E NÃO-VICIOSOS A
AVALIAÇÃO PERANTE O TRIBUNAL,
CAPÍTULO II.
REGRAS QUE REGULAM O PRINCÍPIO DE VICIEDADE; E NÃO- 30
VICIEDADE NAS QUATRO PRINCIPAIS FERRAMENTAS
TORTORADAS ENUMERADAS NA PRIMEIRA MISHNA,
CAPÍTULO III
REGRAS RELATIVAS À COLOCAÇÃO DOS NAVIOS NO TERRENO 51
PÚBLICO LESÕES CAUSADAS POR PEDESTRES PARA CADA UM
COM SUAS CARGAS. O OXEN VICIOSO E NÃO-VICIOSO - SE ELES
FIZERAM DANÇAR-SE OU AOS SERES HUMANOS, ETC.
CAPÍTULO IV
REGRAS RELATIVAMENTE AO OXEN REUTILIZANDO OUTROS 82
HOMENS OXENOS E HUMANOS. OXEN DE ÓRFÃOS E GUARDIÕES
E O QUE É CONSIDERADO "GUARDADO"
CAPÍTULO V.
REGRAS RELATIVAS A UM BOI DE GOLA; EXCAVAÇÕES DE 106
PREMISSAS PÚBLICAS E PRIVADAS; EXCAVAÇÕES FEITAS POR
PARCEIROS, ETC.
p. iv

PÁGINA
CAPÍTULO VI
REGULAMENTO RELATIVO À GUARDA DE ANIMAIS CONTRA 131
DANOS. RELATIVO AO ARRANQUE DE INCÊNDIOS; SE PASSA
SOBRE UMA PAREDE. PARA QUE DISTÂNCIAS PASSADAS POR
UM O FOGO É AQUELE QUE INICIUU-SE RESPONSÁVEL?
CAPÍTULO VII
REGRAS E REGULAMENTOS RELATIVOS AO PAGAMENTO DE 149
TESTEMUNHAS DUPLAS E DE QUATRO E CINCO E DE
CONFIANÇA; A CRIAÇÃO DO GADO NOVO NA PALESTINA, ETC.
CAPÍTULO VIII
OS CINCO ITEM DE PAGAMENTO EM CASO DE LESÃO A UM SER 182
HUMANO, INDEPENDENTEMENTE DA RESPONSABILIDADE
CRIMINAL. A RESPONSABILIDADE PELO ASSALTO QUANDO NÃO
SEJA LESÃO SUSTENTADA,
p. v

INTRODUÇÃO AOS TRÊS PORTÕES


DA SEÇÃO JURISPRUDÊNCIA.
Os três tratados Baba Kama , Metzia e Bathra(o Primeiro, Segundo e Terceiro
Portões) são únicos em todo o Talmud a este respeito, que eles não têm
nenhum nome indicando o conteúdo, como é o caso com todos os outros
tratados do Talmud, e não encontramos em nenhum comentário qualquer
explicação ou discussão do fato. Pode ser porque a razão é muito simples, a
saber, que esses três tratados são os únicos que tratam puramente do direito
civil, pois mesmo em casos de furto, apenas o lado civil (como o dano real e a
multa por causá-lo) é tratado (se aqui e ali mencionou alguma
responsabilidade criminal, é apenas incidentalmente como uma citação no
curso da discussão); e como os casos são muito numerosos e variam em
caráter, nenhum título apropriado pode ser encontrado para indicar o conteúdo
de cada tratado. De fato, São tão numerosos que podemos afirmar com
segurança que não há nenhum caso civil que possa surgir entre o homem e o
homem que não seja tratado nesses tratados. As outras seções desta seção,
enumeradas em nossa introdução ao Volume I. (IX.), Tratam cada uma de um
assunto separado e distinto e não de uma lei puramente civil.

Para aqueles especialmente interessados em jurisprudência comparativa,


damos abaixo dois artigos de proeminentes publicistas, que ilustram apenas
dois dos muitos princípios importantes espalhados por todo o Talmude.

O primeiro, "O Talmude", de I. D'Israeli, é um extrato de "Curiosidades da


Literatura" e é o seguinte:

Na ordem dos danos que contêm regras sobre como tributar os danos causados
pelo homem ou pela fera ou outras baixas, suas distinções são tão boas quanto
seus casos são numerosos. Que bestas são inocentes e que condenadas. Por um
eles significam criaturas que não são naturalmente usadas para fazer
travessuras de qualquer maneira particular, e pelo outro, aquelas que
naturalmente ou por um hábito vicioso são maliciosas desse jeito. O dente de
uma besta é condenado, quando é provado que ele come a sua comida
habitual, a propriedade de outro homem e a restituição completa deve ser
feita; mas se uma fera que é usada para comer frutas e ervas, roer roupas ou
danificar ferramentas, que não são sua comida habitual, o dono da besta
pagará apenas metade da comida.
p. vi

danos quando cometidos na propriedade da pessoa lesada, mas se a lesão é


cometida na propriedade da pessoa que faz o dano, ele é livre, porque a besta
roeu o que não era sua comida habitual. E assim, se a besta de A roer ou
rasgar as roupas de B na casa ou terrenos de B, A pagará metade dos danos,
mas se as roupas de B forem feridas nos terrenos de A pela besta de A, é livre,
pelo que B tinha fazer para colocar suas roupas no chão do A? Fizeram sutis
distinções, como quando um boi chifra um homem ou animal, a lei indagava
sobre os hábitos da besta; se era um boi que costumava chorar, ou um boi que
não era usado para chorar.

Por mais agudas que essas sutilezas fossem, às vezes eram ridículas. Nenhuma
besta poderia ser condenada por ser viciosa até que fosse dada evidência de
que ele fizera o mal três dias consecutivos; mas se ele deixar esses truques
viciosos por mais três dias, ele é inocente novamente. Um boi pode ser
condenado por ferir um boi e não um homem, ou de ferir um homem e não um
boi; não, de goring no sábado e não em um dia de trabalho. Seu objetivo era
fazer com que a punição dependesse das provas do projeto da besta que
causou a lesão, mas essa tentativa evidentemente os levou a distinções muito
sutis e obscuras. Assim, alguns rabinos dizem que a oração da manhã
do Shem'ah deve ser lida no momento em que eles podem distinguir
o azul do branco; mas outro, mais indulgente, insiste que pode ser quando
podemos distinguir azul de verde! quais últimas cores são tão próximas
quanto exigir uma luz mais forte. Com a mesma agudeza notável em
distinguir coisas é a lei deles / delas respeitando não tocando fogo no
sábado. Entre aqueles que são especificados nesta constituição, os rabinos
permitem que o ministro olhe para as crianças por luz de lâmpada, mas ele
não lerá a si mesmo. O ministro está proibido de ler à luz da lâmpada, a fim de
não cortar a lâmpada; mas ele pode dirigir as crianças para onde elas devem
ler, porque isso é feito rapidamente, e não haveria perigo de aparar sua
lâmpada na presença delas, ou de sofrer alguma delas para fazê-las na
sua. Todos esses regulamentos, que alguns podem conceber como minuciosos
e frívolos, mostram uma grande intimidade com o coração humano e um
espírito de observação profunda que foi capaz de alcançar grandes propósitos.

O dono de uma fera inocente paga apenas metade dos custos do dano
incorrido. O homem é sempre convencido e, para todo o mal que faz, deve
pagar os custos totais. No entanto, existem danos casuais - como quando um
homem derrama água acidentalmente em outro homem; ou faz uma sebe
espinhosa que irrita seu vizinho; ou cair, e outro por tropeçar nele me
prejudica: como tais compensações devem ser feitas. Aquele que tem um vaso
do outro à sua guarda, e o remove, mas na remoção o quebra, deve jurar para
sua própria integridade; ou seja, que ele não tinha nenhum design para
quebrá-lo. Todo ofício ofensivo ou barulhento deveria ser realizado a certa
distância de uma cidade. Onde há uma propriedade, os filhos herdam, e as
filhas são mantidas, mas se não há o suficiente para todos, as filhas são
mantidas e os filhos devem ganhar a vida como podem, ou até implorar. O
contrário a esta excelente ordenação foi observado na Europa.
A segunda, da qual uma tradução literal segue, foi escrita em hebraico pelo
Dr. DH Farbstein, um conselheiro em lei em Zurique,
p. vii

Suíça, no "Hashana" (Anuário) de 1900, sob o título "Não se pode conceder


aquilo que não está em existência".

Não há lei que não tenha sua razão. Todo princípio legal é o resultado de uma
certa condição econômica e política; é o produto de uma certa época, visando
beneficiar a vida política e econômica daquela época histórica.

O princípio legal de que não se pode conceder aquilo que ainda não existe
teve sua origem na nação hebraica e foi o produto de uma certa época, e nos
esforçaremos aqui para explicar os motivos que motivaram o desenvolvimento
desse preceito legal.

Este princípio também existia nas leis de outras nações semíticas em geral e
nas leis de Mahometan em particular. Era, no entanto, desconhecido para o
direito romano, como de acordo com a lei romana se poderia conceder o que
ainda não existia, e a venda de um artigo que existia apenas na expectativa era
válida, e mesmo a mera expectativa poderia formar o assunto de uma compra
ou venda.

A razão dessa diferença entre as leis semíticas em geral, e as leis judaicas em


particular, e as leis romanas a esse respeito está, em minha opinião, na
proibição de tomar a usura.

"O teu dinheiro não o darás sobre a usura, nem emprestará o seu sustento para
aumentar" [Lev. xxv. 37] é uma das principais leis mosaicas. E como é
proibido dar dinheiro à usura, também é proibido aumentar o preço; como, por
exemplo, se o preço de um artigo é tal e tal em dinheiro, é proibido aumentar
o preço de tal artigo se vendido a crédito por um certo tempo, pois não é nada
além de usura indireta.

Esta lei era necessária desde que fosse proibido dar dinheiro à usura; em
nossos tempos, no entanto, quando a indústria e o comércio se desenvolveram
tanto, é muito comum comprar e vender coisas que existem apenas na
expectativa. Na época dos talmudistas, aquele que vendia o que não existia
não era um comerciante comum, mas apenas um que precisava de
dinheiro. Por exemplo, um agricultor precisava de dinheiro. Ele pediu ao
emprestador de dinheiro um empréstimo. O credor estava disposto a fazer o
empréstimo, mas foi impedido pela proibição de dar dinheiro à usura. Para
evitar essa proibição, ele comprou do agricultor os futuros produtos de sua
fazenda, pagando-lhe apenas um preço muito baixo. A diferença entre o valor
real dos produtos e o preço pago pelo credor não é senão usura indireta.
Métodos semelhantes são praticados até agora nos países em que a usura é
proibida pela lei da terra. Os talmudistas, para evitar tais e semelhantes
evasões da proibição de tomar a usura, estabeleceram o princípio de que
ninguém pode conceder aquilo que ainda não existe; pela mesma razão, eles
também proibiram a fixação de um preço sobre produtos futuros antes que o
preço de mercado fosse estabelecido. Eles foram, ao mesmo tempo,
cuidadosos em afirmar que não se pode conceder , e não que não se
pode comprar , garantindo assim proteção ao concedente apenas para que ele
possa rescindir a venda se ele optar por fazê-lo.

Vemos, então, que a regra de que "não se pode conceder", etc., foi
estabelecida com o objetivo de impedir qualquer evasão da proibição de tomar
a usura.
p. viii

Naqueles dias, o comércio não era tão desenvolvido como hoje em dia, nem o
dinheiro de tal moeda estabelecida como é hoje. Hoje em dia, alguém investe
dinheiro em mercadorias e então vende a mercadoria e realiza seu dinheiro
com lucro, o que não era assim naqueles dias; e por essa razão, a usura de
usura era proibida, pois o dinheiro não trazia nenhum benefício econômico
para seu dono.

Mas embora fosse proibido conceder o que ainda não existia, ainda assim foi
permitido conceder aquilo que traria benefícios no futuro - como, por
exemplo, arrendar terras para cultivo - pois a substância que produz o
benefício está em existência.

Essa distinção entre juros (indenização pelo uso do dinheiro) e aluguel


(indenização pelo uso de um artigo que produz benefício) foi feita também
pelos teólogos católicos da Idade Média, que também proibiam a usura, mas
permitiam o recebimento de aluguel.

Nós, no entanto, não podemos concordar plenamente com o Dr. Farbstein,


pelas seguintes razões:

( a ) As principais coisas sobre as quais esta regra foi feita foram casamento e
herança. Se alguém se casa com uma mulher com a condição de que ela se
torne prosélito, o casamento é nulo e vazio, porque está em condição de algo
que ainda não existia. O mesmo acontece com a herança - não se pode dizer a
uma mulher: "Deixarei meu espólio para os filhos que você possa ter". Em
ambos os casos, a usura não pode ser o motivo.

( b ) A regra de que um homem não pode conceder aquilo que ainda não existe
não é estabelecida por todos os sábios, pois havia muitos dos mais populares -
como R. Eliezer b. Jacob, R. Meir e R. Juhudah, o Príncipe - que sustentavam
que se poderia conceder aquilo que ainda não existe (ver Kiddushin, 62 b , no
final), e certamente todos esses sábios estavam cientes da proibição. de usura.

Parece-nos, portanto, que os sábios que sustentam que tal coisa não pode ser
vendida é porque eles consideraram transações especulativas como roubo, de
modo que proibiram todos os tipos de jogos existentes naquela época; e aquele
que participou de tais jogos foi desclassificado como testemunha, porque ele
era considerado um ladrão. Encontramos, no entanto, neste volume, p. 198 ,
que uma mulher pode vender o benefício de seu contrato de casamento,
embora pareça especulação; pois ela pode morrer durante a vida do marido, e
o marido dela herdará dela. Mas até isso é discutido e parece ser uma
representação de alguns sábios para o benefício da mulher. (Veja o texto.)
p. ix

SINOPSE DE ASSUNTOS

DO

TRATADO BABA KAMA


(O PRIMEIRO PORTAL). 1

CAPÍTULO I.

MISHNA eu . Existem quatro casos principais de responsabilidade civil, etc.


Uma coisa é comum a todos. Eles são todos susceptíveis de causar danos e
devem ser protegidos contra. O caso de causar dano cavando cascalho. As
diferentes explicações da palavra "mabeh" por Rabh e Samuel (nota de
rodapé). Existem treze principais torturadores. O depositário, 2 etc. Existem
vinte e quatro principais infratores. Quais são os derivados de todos esses
princípios? Por que os quatro principais, boi, escavação, mabeh e fogo, são
enumerados separadamente nas Escrituras? De que e que tipo de propriedade
os danos devem ser coletados? Quando a norma é tomada, é tirada das
próprias terras ou das do público em geral? Para não fechar a porta aos
mutuários, os sábios promulgaram que os credores deveriam ser pagos fora
das propriedades médias. Se alguém transmite suas propriedades a uma ou
várias pessoas, de quem e de que propriedades os credores receberão o
dinheiro que lhes é devido? No caso de alguém fazer algo meritório, ele deve
fazer até um terço, 1 - 16

MISHNAS II . Para v . Em tudo o que eu sou encarregado de cuidar, preparei


o dano. Há uma regra mais rigorosa no caso do boi do que nos casos do poço e
do fogo, e vice-versa . Como assim? Se alguém deixasse seu boi no comando
de cinco pessoas, e uma delas fosse deixada intencionalmente e o boi causasse
dano, qual é a lei? Nenhuma avaliação é feita para um ladrão ou ladrão. Se
alguém hipoteca seu escravo ou seu boi e depois o vende. Há uma diferença
entre imóveis móveis e imóveis. Os escravos são considerados bens
móveis. Durante o assassinato, a apresentação do processo e a realização do
prêmio serão do mesmo proprietário. Existem cinco casos considerados não-
viciosos e
p. x

cinco que são considerados cruéis. O dente é considerado vicioso para


consumir, etc. O que é um Bardalis? O que se entende por "melhores
propriedades"? O significado do verso é. xxxii. 20, 16 - 29
CAPÍTULO II.

MISHNAS I TO III. Que tendência faz o pé ser considerado vicioso? Cocks


que estavam voando de um lugar para outro, e quebraram vasos com suas
asas. Os galos que pulavam na massa ou na fruta, faziam a mesma sujeira, ou
que voavam e o vento produzido pelas asas deles danificava os barcos, ou que
bicavam em uma corda da qual um balde de água estava suspenso e, cortando
a corda, quebrou o balde de água - o que é a lei? A distinção entre força
primária e secundária. Um cão que arrebatou e tirou um bolo das brasas, e
com o carvão queimado que ficou preso no bolo, incendiou o celeiro, etc.
Pode haver maldade em caso de "cascalho da maneira usual". Se um animal
andava em um lugar onde era impossível não chutar o cascalho, e ela chutou,
e ao fazê-lo, chutou o cascalho e causou danos; ou se um animal causou danos
agitando a cauda - qual é a lei? Que tendência faz com que o dente seja
considerado vicioso? Aconteceu que um burro consumiu um pedaço de pão
contido em uma cesta e mastigou a cesta, etc. Se um animal estava em terreno
privado e um artigo estava rolando em direção ao terreno privado, etc. Sobre
aquele que ocupa sua morada em a corte de seu vizinho sem o conhecimento
deste último. Aquele que aluga uma casa de Rúben deve pagar o aluguel a
Simeão, etc. Se alguém usa uma casa desocupada de outro para armazenar
madeira e palha, etc., qual é a lei? Uma certa pessoa erigiu um palácio sobre
as ruínas pertencentes a órfãos, etc. Um cão ou uma cabra que salta do alto de
um telhado e que quebra vasos responsáveis por todo o dano. Se, no entanto,
eles caem, não há responsabilidade. O fogo de alguém é considerado um? s
seta ou uma propriedade? Não há responsabilidade por danos causados pelo
fogo a artigos ocultos. Como pode tal caso ser encontrado na lei bíblica? A
boca de um animal (consumindo algo nas premissas do demandante), é
considerado como se ainda no tribunal do queixoso? Havia certas cabras
pertencentes à família de Tarbu que estavam causando danos à propriedade de
R. Joseph,30 - 47

MISHNAS IV . Para VI . Que boi é considerado não-vicioso e que


vicioso? Um que foi avisado por três dias. Os três dias em questão, são eles
que tornam o boi vicioso ou envolvem o dono? Para quem coloca o cachorro
do vizinho em uma terceira pessoa, qual é a lei? Um boi que chora, empurra,
morde, deita ou chuta enquanto em solo público paga metade. O a
fortioriargumento relativo ao pagamento da metade do chifre. Um boi que
pisa com o pé em uma criança deitada nas dependências da autora, qual é a lei
em relação ao pagamento do dinheiro da expiação? Um ser humano é
considerado sempre cruel. Aquele que carrega uma pedra em seu colo sem
estar ciente disso, e ao se levantar de seu assento, cai, no que diz respeito a
danos, ele é responsável. Aquele que deixa cair uma embarcação do topo de
um telhado sobre o chão que foi coberto com
p. XI
travesseiros, e se outra pessoa removê-los antes da queda do navio, etc, o que
é a lei? Um escravo considera o corpo de alguém e a propriedade de um
boi? 47 - 56

CAPÍTULO III

MISHNAS eu . Para V. Se alguém colocar um jarro em terreno público e outra


pessoa tropeçar e quebrá-lo, qual é a lei? Aquele que chuta outro com o joelho
é multado em três selas; com o pé, cinco; com o punho, treze; qual é a multa
se alguém agride seu vizinho com a alça ou o ferro da enxada? Um jarro que
quebrou em terreno público e seu conteúdo fez uma pessoa escorregar e cair,
ou alguém ser ferido por seus fragmentos, o que é a lei? Sobre um que
renuncia a propriedade para os artigos dele que causam dano. Aquele que
esvazia a água em terreno público, ou aquele que constrói sua cerca de
espinhos; ou uma cerca que cai em terreno público, e algumas pessoas foram
feridas com isso, ele é responsável. Os antigos homens piedosos costumavam
enterrar seus espinhos e vidro quebrado em seus campos três palmos abaixo
da superfície. Todos aqueles que obstruem uma via pública, colocando bens e
danos, são responsáveis. Se alguém carregando um barril seguiu um
carregando um feixe, e o barril foi quebrado pelo feixe, qual é a lei? Oleiros e
vidraceiros que andavam um atrás do outro, um tropeçava e caía, etc. Se todos
caíssem por causa do primeiro, o primeiro é responsável pelo dano de todos
eles,57 - 69

MISHNAS VI . Para XIII . Dois que caminharam em terreno público, um


correndo e o outro andando, etc., qual é a lei? Aquele que cortou madeira em
terreno público e causou danos em terrenos privados, etc. Alguém que entra
numa oficina de carpintaria sem permissão, e foi atingido no rosto por uma
lasca voadora. Sobre os empregados que vieram exigir seu salário do
empregador e foram feridos pelo boi ou mordidos por seu cachorro. Cerca de
dois bois não-viciosos que se feriram.

A diferença na explicação do verso Êxodo. xxi. 35. Sobre um boi não-vicioso


que fez dano e foi vendido, consagrado, abatido ou apresentado a
alguém. Sobre um boi do valor de duzentos selas que entornou outro boi de
igual valor e a carcaça não tinha valor algum. Há casos em que alguém é
responsável pelos atos de seu boi e é livre se eles são seus próprios atos,
e vice-versa . Como assim? A regra é que o ônus da prova cabe ao
queixoso. Se alguém afirma que ele é positivo, enquanto o outro não é
positivo, qual é a lei? 69 81

CAPÍTULO IV

MISHNAS eu . Para IV . Um boi que geme quatro ou cinco bois um após o


outro, o último deles deve ser pago do corpo do boi goring, se ele ainda fosse
considerado não-vicioso. Sobre um boi que é vicioso em relação à sua própria
espécie, mas não em relação a outras espécies, ou em relação a seres humanos,
etc. Há um caso em que um boi tornou-se vicioso - em ordem alternada.
p. xii

pertencente a um israelita que feriu um boi pertencente ao santuário (veja nota


de rodapé). Um boi de uma pessoa sadia que usou um boi pertencente a um
surdo-mudo, idiota ou menor, existe uma responsabilidade. Se o contrário foi
o caso, não há nenhum. Há uma diferença de opinião dos Tanaim quanto ao
fato de um guardião ser designado para coletar do corpo do boi. Os guardiões
pagam das melhores propriedades, mas não pagam o dinheiro da
expiação. Sobre alguém que toma emprestado um boi com o entendimento de
que ele não era vicioso e descobriu que ele era cruel, 82 - 93

MISHNAS V . TO IX. Um boi que matou um homem ao chocá-lo, se ele fosse


um viciado, o dinheiro da expiação deve ser pago, mas não quando ele era um
não-vicioso. Como pode ser encontrado um boi cruel em relação ao
homem? Se alguém confessar, dizendo: "Meu boi matou certa pessoa", ou
"seu boi", ele deve pagar seu próprio testemunho. Se o fogo de uma pessoa
causou dano sem intenção, existe uma responsabilidade ou não? Sobre um boi
que estava esfregando contra uma parede, por meio do qual a parede caiu
sobre um ser humano e o matou. Sobre um boi pertencente a uma mulher, para
órfãos, ou seu guardião, etc., que matou um homem. Sobre um boi que foi
condenado à morte e seu dono o consagrou. Sobre um boi entregue a um
cessionário gratuito ou a um devedor, etc. Sobre um boi que estava
devidamente trancado, mas que ainda estourou e causou danos.93 - 105

CAPÍTULO V.

MISHNAS eu . Para VI. Sobre um boi que feriu uma vaca e o recém-nascido
foi encontrado morto ao seu lado. A vaca e sua prole não são avaliadas
separadamente. Um oleiro que colocou sua cerâmica na corte de outra pessoa,
ou alguém que levou seu boi para a corte de outra sem permissão, qual é a
lei? Quando ele garantiu a segurança do boi, só se estendeu a ele ou a todo o
gado? Sobre uma mulher que entrou numa casa para assar, e a cabra do dono
da casa, tendo consumido a massa, ficou febril e morreu. Sobre aquele que
entra em um tribunal sem permissão e prejudica o tribunal. proprietário, ou o
último é ferido por ele. Sobre alguém que disse: "Lidere seu boi e cuide dele",
e ele causou dano ou ficou ferido. Sobre um boi que pretendia matar outro boi,
e feriu uma mulher e fez com que ela abortasse. A quem deve ser paga a
compensação pelo aborto, à mulher ou ao marido? O aumento na avaliação
também pertence ao marido? Sobre o penhor de um israelita que está nas
mãos de um prosélito, e este morre sem herdeiros. Sobre aquele que cava uma
cova em um chão privado e abre isto em terra pública ouvice-versa . Aquele
que escava e abre um poço e entrega para a comunidade é livre. Sobre alguém
que cava um buraco em terreno público e um boi ou um burro cai dentro
dele. Os vapores nele contidos são ou o choque recebido pelo animal, a causa
da morte ao cair em um buraco? 106 - 120

MISHNAS VII . TO IX . Quando um buraco pertence a dois parceiros, e um


deles passa e não o cobre, e assim também o segundo, este último é apenas
responsável. Sobre uma cova com dez palmos de profundidade e que foi
completada
p. xiii

por outro a vinte, e ainda outro a trinta de profundidade. Cada extensão de


água é igual a dois de terra seca. Se alguém cavar um buraco dez vezes mais
fundo e outro ampliar em direção a uma só direção, qual é a lei? Quem vende
sua casa, o título passa com a entrega das chaves. Se ele vende um rebanho de
gado, o título passa com a entrega do Mashkhukhith (a cabra anterior à cabeça
do rebanho como líder). Se ele cobrisse a cova o suficiente para resistir aos
bois, mas não aos camelos, e os camelos aparecessem e fizessem a cobertura
tremer e então os bois caíssem ali, qual é a lei? E quanto ao germede
dano? Sobre aquele que coloca uma pedra na beira da abertura de um poço, e
um boi tropeça na pedra e cai no poço. Sobre um boi e um homem que juntos
empurram algum outro para um buraco. Não há diferença entre um boi e outro
animal no que diz respeito a cair em um buraco, ter sido mantido distante do
monte Sinai, pagar o dobro, restituir a propriedade perdida, descarregar,
amordaçar, Kilayim e o sábado. Tampouco há diferença entre o acima
mencionado e um animal ou ave. Por que nos primeiros mandamentos não
está escrito "que talvez seja bem contigo", enquanto no segundo mandamento
é? 120 - 130

CAPÍTULO VI

MISHNAS eu . Para III. Se alguém levar sua ovelha para um curral e amarrar
corretamente o portão, mas mesmo assim eles conseguirem sair e causar dano,
ele estará livre. Há quatro coisas pelas quais alguém que as pratica não pode
ser responsabilizado perante um tribunal terrestre, embora ele seja punido por
elas pelo tribunal divino. O assalto à mão armada, quando não cometido
publicamente, ainda é considerado roubo em relação ao pagamento do
dobro? Para afugentar um leão do campo de um vizinho, a lei não concede
nenhuma compensação. Como paga o que danificou? Sobre um que veio antes
do Exilarch e queixou-se de outro que destruiu uma de suas árvores. Aquele
que destrói uma árvore de data jovem, que quantidade de dano ele deve
pagar? Houve um caso, e Rabh agiu de acordo com R. Meir; mas em suas
palestras, no entanto, ele declarou que a Halakha prevalece de acordo com R.
Simeon b. Gamaliel (veja nota de rodapé). Sobre alguém que coloca uma pilha
de grãos na terra de outra pessoa sem permissão. Aquele que iniciou um
incêndio através do meio de um surdo-mudo, etc., 131-142
MISHNAS IV . Para VIII . A lei sobre quem acende um fogo e consome
madeira, pedras ou terra. Nenhum castigo vem sobre o mundo a menos que
existam iníquos na existência. Quando a pestilência grassa na cidade, fica
dentro de casa, etc. Por que o verso começa com o dano causado pela
propriedade e termina com o dano causado pela pessoa? Sobre um incêndio
que passou por uma cerca de quatro quilos de altura. Se alguém começar um
incêndio em suas próprias instalações, até que ponto deve passar a
responsabilidade do iniciante? Sobre alguém que faz com que a pilha de
cereais de seu vizinho se queime, e nela há vasos que também são
queimados. Se alguém permitisse que outro colocasse uma pilha de trigo e ele
a cobrisse com cevada, ou vice-versaqual é a lei? É costume as pessoas
guardarem as pérolas numa bolsa de dinheiro? A lei sobre uma faísca que
escapa debaixo do martelo de um ferreiro e causa dano, 142 - 148
p. xiv

CAPÍTULO VII

MISHNA eu . O pagamento do dobro é mais rigoroso que o pagamento de


quatro e cinco vezes. A lei sobre alguém que roubou um cordeiro, e enquanto
em sua posse cresceu em um carneiro, etc. Que uma mudança adquire título é
escrita e ensinada. Por que as Escrituras dizem que, se ele abatesse e vendesse,
ele deveria pagar quatro e cinco vezes? Uma coisa roubada, que os donos não
renunciaram e esperam recuperar, não pode ser consagrada, etc. O homem
piedoso costumava colocar dinheiro na vinha em um ano sabático, declarando:
"Tudo o que é colhido e colhido deste fruto será resgatado. por esse dinheiro
". Um mandado de replevin que não contenha as seguintes instruções:
"Investigue, tome posse e guarde para si mesmo" não é válido, 149 - 159

MISHNAS II . Para VI. Cerca de duas testemunhas que testemunharam que


alguém roubou um boi ou uma ovelha, e o mesmo ou outras testemunhas
testemunham que ele abateu ou vendeu o mesmo. Se ele roubou de seu pai. De
que horas é uma testemunha colusiva desclassificada para dar testemunho? Se
duas testemunhas testemunharem que uma certa pessoa cegou o olho de seu
escravo e, depois disso, nocauteou um de seus dentes, e eles também
testemunharam que o proprietário do escravo o admitiu e, subsequentemente,
as testemunhas são encontradas colusivas, o que as testemunhas colusivas
devem pagar? Se duas testemunhas testemunharem que ele a roubou, e uma
testemunha, ou ele mesmo, testemunhou que ele a matou ou vendeu, ele paga
apenas dois, mas não quatro e cinco vezes. Aquele que admite ter incorrido na
responsabilidade de uma multa, e depois disso aparecem testemunhas, qual é a
lei? Sobre uma confissão que é feita depois do aparecimento de testemunhas,
e as opiniões diferentes a respeito disto. Se o ladrão vender apenas uma
centésima parte ou se for co-proprietário, qual é a lei? Aquele que rouba um
animal que é coxo ou cego, ou que pertence a um copartidismo, é responsável,
mas os parceiros que roubam juntos são livres. Sobre alguém que rouba um
animal dentro das instalações do proprietário e o mata ou vende fora dele,
ouvice-versa . Por que as Escrituras tratam mais rigorosamente com o ladrão
do que com o ladrão? Pondere sobre a grandeza do trabalho, etc., 159 - 174

MISHNA VII. Nenhum gado tenro deve ser criado na Palestina, mas em suas
florestas. Um pastor (que cria um gado tenro) que se arrependeu, não o
obrigamos a vender todo o seu gado de uma só vez. Nenhum animal tenro será
criado na Palestina, exceto cães, gatos e macacos. R. A'ha b. Papa disse em
nome de R. Hanina b. Papa três coisas. Em dez condições, Josué dividiu a
terra entre os colonos. Os dez decretos de Esdras. Nenhum suíno pode ser
criado em qualquer lugar. Rabi, o príncipe de Pales, objetou ao uso da língua
siríaca e insistiu que somente as línguas sagrada e grega deveriam ser usadas
na Palestina. R. José se opôs ao uso da língua arameia na Babilônia, e insistiu
que as línguas sagrada e persa deveriam ser usadas. Nenhum cão deve ser
mantido a menos que esteja em uma corrente.

CAPÍTULO VIII

MISHNAS eu . E II . Os quatro itens de dano: dor, cura, perda de tempo e


desgraça. Como assim? Aconteceu que um boi lacerou o braço
p. xv

de uma criança, e o caso veio antes de Rabha, etc. Quando o dano é pago,
como a dor deve ser avaliada separadamente? Cura. Se o pus for coletado por
causa da ferida, e a ferida começar novamente, etc. Os sábios dizem que a
cura e a perda de tempo andam juntas. Se o réu disser: "Eu mesmo vou curar
você, o queixoso pode objetar", etc. Devemos assumir que a avaliação da
surdez é suficiente ou cada um dos ferimentos deve ser avaliado
separadamente? (Veja a nota de rodapé.) Se alguém bater em outro e o fizer
temporariamente incapaz de trabalhar, qual é a lei? Desgraça - todos aqueles
que sofrem danos são vistos como se fossem homens independentes, etc.
Alguém que causa desgraça a uma pessoa nua, cega ou adormecida é
responsável. Se alguém causa vergonha a uma pessoa adormecida que morre
subseqüentemente durante o sono, qual é a lei? É a razão por causa do
sofrimento de seus próprios sentimentos, ou por causa dos sentimentos de sua
família? É necessário que uma pessoa cega faça por todos os mandamentos? e
o que R. Joseph, que era cego, disse sobre isso,182 - 193

MISHNAS III . Para V. A lei é mais rigorosa em relação a um homem do que


em relação a um boi, etc. Alguém que agride seu pai ou mãe, mas não os
machuca, e alguém que fere outro no Dia da Expiação, está sujeito a pagar
todo o dinheiro. itens de dano. A quem pertence a indemnização recebida pela
filha menor por uma ferida? Sobre um investimento para um menor e sua
natureza, um escravo é considerado um "irmão"? A Halakha prevalece que o
benefício no caso de uma mulher que a vende no contrato de casamento
pertence a si mesma; e se ela comprou propriedades com isso, seu marido não
tem nada mesmo em sua renda. Se alguém soprar no ouvido de outro, ele paga
uma sela pela desgraça que ele causou a ele. E se alguém bater em outro com
a palma da mão ou com as costas da mão na bochecha? Esta é a regra: Rank e
estação das partes são levados em consideração. Uma testemunha pode ser um
juiz no mesmo caso? Um boi não-vicioso que matou um homem e também
causou dano a outro, deve seu dono pagar pelos danos, além do pagamento do
dinheiro da expiação? Tudo o que foi dito sobre a desgraça é apenas para o
tribunal civil, quanto ao quanto o demandante deve receber, mas não pode
haver satisfação pelo dano aos sentimentos, pelo qual, se ele oferecer até
mesmo os melhores carneiros do mundo , eles não expiarão, a menos que ele
peça perdão ao demandante. A origem de uma série de declarações dos
rabinos e das pessoas comuns. Se alguém disser a outro, "Quebre meu
cântaro", etc. Uma bolsa de dinheiro contendo fundos de caridade foi enviada
para Pumbeditha e R. Joseph depositou-o com um certo homem que não
cuidou bem dele e foi roubado dele, e R. Joseph o responsabilizou. O que
Abayi disse a ele sobre isso,193 - 210

Notas de rodapé

ix: 1 Veja introdução à Sinopse em Tract Aboth, vol. I. (IX.), P. XI.

ix: 2 Mais adiante, usamos o termo "bailee gratuito" como sendo mais
abrangente.
p. 1

TRACT BABA KAMA (O PRIMEIRO


PORTAL).
CAPÍTULO I.

OS QUATRO TORT-FEASORS PRINCIPAIS; OS DIFERENTES MODOS


DE RESTITUIÇÃO; OS ANIMAIS VICIOSOS E NÃO VICIOSOS; A
AVALIAÇÃO PERANTE O TRIBUNAL.

MISHNA I : Existem quatro principais causas de responsabilidade civil


(expressamente mencionadas nas Escrituras): o boi; a escavação
(descoberta); o mabeh (o pasto de um gado no campo de outro); e o fogo. A
medida dos danos causados pelo boi é diferente da dos danos causados pelo
mabeh, e vice-versa; e a de ambos, que são seres animados, não é como a dos
danos causados pelo fogo, que não é animada. E a medida dos danos causados
pelas três últimas mencionadas, que são móveis, é diferente da dos danos
causados pela escavação (descoberta), que é estacionária. Uma coisa, no
entanto, é comum a todos, e isto é, todos eles são susceptíveis de causar
danos, que devem ser protegidos contra, e se o dano é feito, o responsável por
ele deve fazer o bem de seus melhores estados.

GEMARA: Se o Mishna afirma que existem "princípios, deve haver


derivados. Esses derivativos são seus princípios ou não?", Disse R. Papa:
"Alguns deles são e alguns deles não são?" (Como explicado mais adiante).
Os rabinos ensinavam: "Foi dito ao boi que ele tem três princípios, o chifre, o
dente e o pé. Do chifre os rabinos ensinaram: Está escrito [Ex. xxi. 28]: "Se
um boi gore ", e goring é apenas com o chifre, como está escrito
[Deut. xxxiii. 17]: "E seus chifres são como os chifres de reem; com eles ele
deve empurrar (gore)", etc Qual é o derivado do chifre? Ferindo, mordendo,
p. 2

deitado em cima 1 e chutando; (porque eles geralmente são feitos


intencionalmente, como goring). Por que "goring" é chamado de
principal? Porque está escrito [Ex. xxi. 28]: "Se um boi gore?" Deixe também
ferir ser um princípio, porque está escrito [ibid., Ibid. 35]. "E se o boi de um
homem se machucar ." Essa dor significa goring, como aprendemos no
seguinte Boraitha: "Começa com a dor, e termina com o goring, para te
ensinar que a dor aqui mencionada significa goring". Por que a Escritura, no
caso de um homem, usa o termo "gore", enquanto no caso de um animal, usa o
termo "mágoa"? Para um homem que é afortunado 2(quem é protegido por seu
planeta) "gore" é usado (porque é certo que o boi o feriu intencionalmente
com toda a sua força para prejudicá-lo), mas de um animal, que não é
afortunado, "ferido" é usado, e pela maneira como nos ensina que um boi
vicioso em relação a um ser humano é considerado vicioso em relação a um
animal, caso esse que não é o contrário. Mas é então "morder" não a derivada
do "dente"? Não, o dente geralmente se beneficia ao fazer o dano (consumir),
o que não é o caso da mordida. Não estão deitados e chutando os derivados do
pé (porque não pode ser feito sem dobrar os pés)? Não, o dano pelo pé é de
ocorrência freqüente (porque sempre que o animal anda e há algo na maneira
como ele o danifica), o que não é o caso com o acima. Mas a que R. Papa se
refere ao afirmar que os derivativos não são como seus princípios? Vamos
supor que ele se refere àqueles que acabaram de ser mencionados? Isso não
pode ser, pois eles são todos da mesma natureza, como dito acima, e o
proprietário deve se proteger contra isso, e ele deve pagar o dano. Devemos,
portanto, dizer que não há diferença entre o principal e os derivados do chifre,
e R. A declaração do Papa se refere à derivada do pé, no caso de causar dano
cavando o cascalho com o pé, caso em que apenas um metade do montante do
dano deve ser pago, e que é Sinaic ( e ele deve pagar o dano. Devemos,
portanto, dizer que não há diferença entre o principal e os derivados do chifre,
e R. A declaração do Papa se refere à derivada do pé, no caso de causar dano
cavando o cascalho com o pé, caso em que apenas um metade do montante do
dano deve ser pago, e que é Sinaic ( e ele deve pagar o dano. Devemos,
portanto, dizer que não há diferença entre o principal e os derivados do chifre,
e R. A declaração do Papa se refere à derivada do pé, no caso de causar dano
cavando o cascalho com o pé, caso em que apenas um metade do montante do
dano deve ser pago, e que é Sinaic (ou seja , a restituição é por dano real e não
como multa, que é sempre o caso sempre que um dano é pago pela
metade). Mas por que esse caso é chamado de derivado do pé? (apenas metade
do dano é pago, enquanto no caso Do principal o todo deve ser pago). É um
derivado em respeito que (pela mesma tradição que se o animal causador de
dano
p. 3

não é de valor suficiente para pagar o montante do dano) o saldo deve ser
pago a partir do melhor de uma das propriedades, que é só assim em caso de
danos pelo pé. A última parte disso é certa? Não Rabha mais adiante
(página 33 ) propôs uma pergunta de onde os danos serão coletados? (Isso não
importa.) Rabha não estava certo sobre isso, mas R. Papa estava. Por que,
então, isso é chamado de derivado do pé, mesmo de acordo com a teoria de
Rabha, que não tinha certeza disso? Para igualar o pé a esse respeito, que não
é responsável se o dano foi feito em terra pública (como danos feitos pelo pé
não são pagos a menos que seja feito no chão pertencente à parte danificada).

" E, mabeh ", etc, " e fogo ", etc O que se entende por mabeh 1 "Disse Rabh:"
Significa um homem "; Samuel, entretanto, disse que significa o dente (do
boi). Por que Rabh não o explica como Samuel? Porque quando o Mishna diz"
boi ", significa tudo com que o boi pode causar dano (conseqüentemente o
"mabeh" deve ser outra coisa). E qual é a razão de Samuel? A opinião de
Rabh, então, não é correta? A Mishna declara boi. Disse Rabh: dano causado
pelo pé, e 'mabeh' por aquele feito pelo dente, e deve ser explicado como
segue: A lei de danos feitos pelo pé, que é de ocorrência freqüente, não pode
ser aplicada àquela do dente, que não é de ocorrência frequente; por outro
lado, a lei do dano causado pelo dente, que geralmente se beneficia com isso,
não pode ser aplicada àquela do pé,

Mas qual é o problema com o chifre? Por que isso é deixado de fora? Isto está
incluído na declaração "E se eles causarem dano, o responsável" etc. Por que
não é mencionado expressamente?
p. 4

A Mishna declara apenas casos daqueles que são considerados


[parágrafo continua]

viciosos desde o início (e deve pagar o montante total de dano, como dente e
pé, etc.), mas não casos daqueles que não são considerados viciosos desde o
início (como o chifre, que paga o montante total de danos apenas na terceira
vez de fazer dano). Por que Samuel não concorda com Rabh? Ele sustenta que
não pode significar um "homem", porque este último é enumerado em um
Mishna subsequente: "Um boi cruel e um boi fazendo dano no estado do
partido que sofre o dano, e o homem". Por que o "homem" não é mencionado
na primeira parte da Mishná? Nossa Mishna trata apenas de lesões feitas pela
própria propriedade, mas não de lesões feitas pela própria pessoa. Agora
quanto a Rabh, então o "homem" não é enumerado no Mishna
subsequente? (Por quê, e a lei de um homem difere da de um boi em que o
primeiro é responsável (em caso de danos pessoais causados a outro homem,
além do pagamento de danos reais) a quatro coisas (explicadas mais adiante),
o que não é o caso com o boi; a única coisa comum a ambos é que eles são
propensos a causar danos, e um é encarregado de cuidar deles. "[É então usual
para um boi fazer mal? Significa um cruel. Mas é então usual para um homem
para fazer mal? Sim, quando adormecido. Como é para ser entendido? É
comum que um homem, quando adormecido, contraia e estique seus
membros, e tudo o que está em seu caminho prejudica.] Mas não é o homem
encarregado de cuidar de si mesmo? Isso pode ser explicado como R. Abbuhu
disse em outro lugar a um Tana: "Leia: 'O homem é encarregado de cuidar de
si mesmo'";

R. Oshiyah ensinou: Há treze principais torturadores:


p. 5

o depositário; o que empresta para uso; o bailee de aluguel; o bailador de


aluguel; o dano real sofrido pela lesão corporal; a despesa incorrida na cura da
lesão; os ganhos perdidos através de tal ferimento e a vergonha sofrida (isto
será explicado no Capítulo VIII), e aqueles quatro princípios mencionados em
nossa Mishná, que perfazem treze. (O depositário é responsável por danos
arbitrários; o que empresta para uso é responsável mesmo por um acidente; e
o fiança de aluguel e o fiador de aluguel são responsáveis até mesmo por
roubo e perda e, manifestamente, por danos arbitrários; que, se alguém infligir
uma lesão a outra pessoa, ele deve pagar a diferença de valor da pessoa ferida;
a dor sofrida, isto é ,tanto quanto um braço cujo braço, por exemplo, seria
amputado por um instrumento, pagaria para ser aliviado por uma droga com
tanta dor quanto a amputação causaria; todos os outros são explicados mais
adiante neste volume.) Por que o Tana de nossa Mishna não declarou esses
nove? Está correto, de acordo com Samuel, porque o Mishna trata apenas dos
ferimentos feitos pela propriedade, e não dos ferimentos, mas de acordo com
Rabh (que diz que "mabeh" significa um homem, e assim os danos causados
pela pessoa são tratados) por que ele não os declara? O Mishna tratando de
"um homem" significa incluir todos os danos causados por um homem. E de
acordo com R. Oshiyah, eles não estão incluídos no "homem" declarado no
Mishna? Existem dois tipos de danos causados pelo homem, isto é, aqueles
feitos por ele a outro homem (que constituem um crime), e aqueles feitos por
ele a um boi (caso em que a responsabilidade é restrita apenas a danos
civis). Se sim, por que não dizer a mesma coisa em relação a um boi? Deixe-o
declarar um caso em que um boi feriu um homem e um caso em que ele feriu
outro boi. Que pergunta é essa? Quanto ao homem, há uma diferença entre o
dano causado a um homem e aquele feito a um boi, pois no primeiro ele é
responsável pelas quatro coisas, e no último caso ele paga apenas danos reais
(e, portanto, ambos são declarados). ); mas no caso de um boi, que diferença
há entre a lesão feita por ele a um homem e aquela feita por ele a um boi? Em
ambos os casos, ele paga apenas danos reais. e um caso em que ele feriu outro
boi. Que pergunta é essa? Quanto ao homem, há uma diferença entre o dano
causado a um homem e aquele feito a um boi, pois no primeiro ele é
responsável pelas quatro coisas, e no último caso ele paga apenas danos reais
(e, portanto, ambos são declarados). ); mas no caso de um boi, que diferença
há entre a lesão feita por ele a um homem e aquela feita por ele a um boi? Em
ambos os casos, ele paga apenas danos reais. e um caso em que ele feriu outro
boi. Que pergunta é essa? Quanto ao homem, há uma diferença entre o dano
causado a um homem e aquele feito a um boi, pois no primeiro ele é
responsável pelas quatro coisas, e no último caso ele paga apenas danos reais
(e, portanto, ambos são declarados). ); mas no caso de um boi, que diferença
há entre a lesão feita por ele a um homem e aquela feita por ele a um boi? Em
ambos os casos, ele paga apenas danos reais. Que diferença há entre a lesão
feita por ele a um homem e aquela feita por ele a um boi? Em ambos os casos,
ele paga apenas danos reais. Que diferença há entre a lesão feita por ele a um
homem e aquela feita por ele a um boi? Em ambos os casos, ele paga apenas
danos reais.
R. Hyya ensinou: "Há vinte e quatro principais desventores, isto é, aqueles
que pagam o dobro [ver Ex. Xxii. 4], aqueles que pagam quatro ou cinco [ibid.
Xxi. 37]; o ladrão (que confessa sua culpa, caso em que ele paga apenas o
valor real) e o ladrão (que também é o principal porque é mencionado nas
Escrituras [Lev. 23]; o testemunho colusivo; aquele que comete estupro (é um
p. 6

principal porque mencionado em Deut. xxii. 29); o sedutor [mencionado no


Ex. xxii. 16]; o caluniador [Deut. xxii. 19]; aquele que contamina a oferta
alçada; o misturador (aquele que se mistura junto a oferta alçada com comida
comum); Aquele que traz uma oferta de bebida (aos ídolos); (os três últimos
não são mencionados nas Escrituras, mas ainda assim são os principais, pois
eles pagam danos pecuniários, e o último é declarado nas Escrituras); e estes
com aqueles treze mencionados acima fazem vinte e quatro.

Mas por que R. Oshiyah não enumera esses mencionados aqui? Ele enumera
apenas aqueles que pagam danos reais, mas não aqueles que pagam em forma
de multa. Em caso afirmativo, por que ele não enumera o ladrão e o ladrão
que pagam danos reais (como explicado acima)? Ele o faz, pois ele declara o
depositário e o que está emprestando para o uso (no caso do depositário,
muitas vezes ocorre que ele configura como uma defesa que foi roubado dele,
e nós aprendemos em outro lugar que se alguém configura uma defesa de
roubo ou roubo, ele é responsável como um ladrão e ladrão). E quanto a R.
Hyya, não declara o depositário e o que está emprestando para uso? Ele
declara separadamente a propriedade que entrou legalmente em sua posse
(como no caso do depositário, etc.), e a propriedade que veio ilegalmenteem
sua posse (como o ladrão).

É correto de acordo com o Tana de nossa Mishna, que afirma "princípios",


porque também existem derivados (que foram enumerados acima), mas de
acordo com R. Hyya e R. Oshiyah se eles afirmam "principais", deve haver
derivados; o que eles são? Disse R. Abbuhu: Eles são todos os principais a
esse respeito que o dano deve ser pago a partir das melhores
propriedades. Qual é a razão? É deduzido por uma analogia de expressão; em
todos esses casos, a palavra "para" ou "dar" ou "pagar" ou "dinheiro" é
escrita. (Onde está escrito "para" nós deduzimos isto por analogia do "para"
afirmou quanto ao boi vicioso, como lá é dos melhores estados (que por sua
vez é deduzido do dente e pé); assim também é aqui, se "dar" ou "pagar" está
escrito nós deduzimos isto do boi que escorou um escravo onde estas palavras
são escritas; se "dinheiro" é escrito, deduzimos do buraco onde a mesma
palavra está escrita; e em todos esses casos, é pago a partir das melhores
propriedades.)
" A lei do dano causado por um boi não é assim ", etc. Com que propósito ele
menciona isso aqui? Disse R. Zbid em nome de Rabha: "Ele quer dizer com
isso, que nenhuma questão deve ser levantada porque a Escritura não declara
p. 7

um dos tortuosos e deixa os outros a serem deduzidos (por analogia) daí, pois
um não pode ser deduzido do outro (como é dito acima; Rabh de acordo com
sua teoria e Samuel de acordo com o seu).

" E o de ambos que são animados ", etc. Para qual propósito o Tana menciona
isso? Disse R. Mesharshia em nome de Rabha: "Ele quer dizer que não deve
ser questionado por que a Escritura não declara dois dos infratores (o boi e o
mabeh), e o fogo seria deduzido desses dois; pois este não pode ser deduzido
desses dois (pois um não é como os outros, etc., como indicado no Mishna).
Disse Rabha: "Se qualquer um destes deve ser mencionado com o 'pit', todos
os outros poderiam deduzida desses dois por ter algo de comum a todos
(como, por exemplo,se ele declarasse a cova e o chifre, o dente poderia ser
deduzido assim: o buraco, cuja natureza não é se mover e causar danos, deve
pagar; quanto mais o dente, cuja natureza é fazê-lo; e se disser que a cova é
feita desde o princípio para causar dano, o que não é assim com o dente, vou
citar-lhe o chifre (que não é feito assim); e se você disser que o chifre causa o
dano intencionalmente, eu o citei e a conclusão retornará (o primeiro
argumento será reintegrado); a única coisa comum a todos é que é da natureza
deles causar danos, e um deles é encarregado de cuidar deles, etc. Eu também
trarei o dente. Desse modo, deduzo também o pé, se a cova e o chifre devem
ser declarados; e se deve ser objetado que o buraco é feito desde o início para
causar dano, o que não é assim com o pé, o chifre seria citado; e se deve ser
objetado no chão que o chifre causa dano intencionalmente, o buraco seria
citado. E assim por diante, para todos, com exceção do chifre, pois a objeção
pode ser levantada de que todos eles são considerados viciosos desde o
começo (o que não acontece com o chifre). Com que propósito, então, a
Escritura enumerou todos eles? Ensinar suas diferentes peculiaridades; a
saber, o chifre - para distinguir entre um vicioso e um não-vicioso; o dente e o
pé - para isentá-los da responsabilidade se o dano foi feito em terreno público
(pois está escrito, Êxodo 4: 4), e eles se alimentam com exceção do chifre,
pois a objeção pode ser levantada de que todos eles são considerados viciosos
desde o começo (o que não acontece com o chifre). Com que propósito, então,
a Escritura enumerou todos eles? Ensinar suas diferentes peculiaridades; a
saber, o chifre - para distinguir entre um vicioso e um não-vicioso; o dente e o
pé - para isentá-los da responsabilidade se o dano foi feito em terreno público
(pois está escrito, Êxodo 4: 4), e eles se alimentam com exceção do chifre,
pois a objeção pode ser levantada de que todos eles são considerados viciosos
desde o começo (o que não acontece com o chifre). Com que propósito, então,
a Escritura enumerou todos eles? Ensinar suas diferentes peculiaridades; a
saber, o chifre - para distinguir entre um vicioso e um não-vicioso; o dente e o
pé - para isentá-los da responsabilidade se o dano foi feito em terreno público
(pois está escrito, Êxodo 4: 4), e eles se alimentamcampo de outro homem ",
mas não em terreno público", o poço - para isentá-lo de responsabilidade se os
navios caíram nele (e foram danificados), o homem - para torná-lo obrigado a
pagar pelas quatro coisas (o que não é assim, no caso dos outros), fogo - para
isentá-lo de responsabilidade se consumiu artigos ocultos (como
p. 8

por exemplo , se os artigos foram escondidos em uma pilha de


[parágrafo continua]

grãos, caso em que o passivo é apenas para o grão, mas não para os artigos).

" A única coisa comum a todos eles " etc. O que isso significa incluir? (Como
a partir da declaração parece incluir todas as outras coisas cuja natureza é
causar danos, e um é encarregado de cuidar deles, que outras coisas podem
existir?) Disse Rabina: "Significa incluir aquilo que Aprendemos no seguinte
Mishna: 'Se um aviso for dado a um para remover (dentro de um certo tempo
geralmente dado por um Beth Din) uma parede, ou cortar uma certa árvore, (e
ele não o fará nesse tempo) eles caem, ele é responsável. '"Como é o caso? Se
ele renunciou a sua propriedade deles, então, de acordo com Rabh e Samuel, é
como o caso do poço; como um fosso, porque muitas vezes danifica um deve
cuidar disso, então também é o caso aqui. 1 Se ele não renunciou à
propriedade, então, segundo Samuel, que diz que todos são deduzidos da
cova, eles são o mesmo que a cova? Não, o caso é que ele renunciou à
propriedade, mas para que não se diga que eles não são como a cova que
originalmente é feita para causar dano, o que não é o caso com as coisas acima
(a construção de uma parede ou o plantio de um árvore), então o caso do boi
prova que; e para que ninguém diga que o boi é diferente por causa de seu
modo usual de causar dano com seus pés, então, novamente, o caso da cova
pode provar e, assim, a conclusão retornará (e o argumento original é
restabelecido).

" Para pagar os danos ." Os rabis ensinaram: Está escrito [Ex. xxii. 4]: "Com
o melhor do seu campo, e com o melhor da sua própria vinha, ele fará a
restituição." Isso significa o melhor campo e o melhor vinhedo do demandante
( por exemplo , se o boi de A pastava em uma parcela de terra pertencente a B,
a melhor terra de B é tomada como padrão, e A deve pagar uma quantia de
danos igual à diferença de valor de tal parcela de terra antes e depois de ter
sido pastada). Tal é o ditado de R. Ismael; R. Aqiba, no entanto, disse: "A
passagem pretende afirmar apenas que os danos são cobrados dos melhores
estados do réu ( ou seja,, a parcela de terra do queixoso é avaliada, e se o réu
deseja pagar em terra ele deve fazê-lo com a terra de seus próprios melhores
propriedades), e tanto mais em caso de danos aos artigos consagrados. É
possível que de acordo
p. 9

a restituição de R. Ishmael deve ser feita com a melhor terra mesmo se a terra
de qualidade inferior for danificada? Disse R. A'ha bar Jacob: "O caso tratado
aqui é que a melhor terra do queixoso era da mesma qualidade que a pior terra
do acusado, e eles diferem neste ponto. R. Ishmael sustenta que a terra do
autor é tomado como um padrão, ea passagem afirmando que ele deve pagar a
partir dos melhores estados, significa a partir dos melhores estados do autor, e
R. Aqiba afirma que o do réu é tomado como um padrão para melhor. "

Qual é a razão da afirmação de R. Ishmael? A palavra "campo" é escrita


abaixo (com o melhor de seu próprio campo ) e também acima (e eles se
alimentam no campo de outro homem )) (ibid., ibid.); como acima se refere à
terra do autor, assim também na declaração abaixo (e a passagem deve ser
exposta assim: Quando o réu tem terra que é igual ao melhor do autor, ele
deve pagar de tal terra a quantia dos danos). E R. Aqiba? Ele pode dizer, está
escrito: "Com o melhor dos seus próprios campos, etc., ele deve fazer a
restituição". Isso não significa que o autor (e nenhuma dedução por analogia é
admissível quando a declaração é tão clara). R. Ismael, no entanto, pode dizer:
Neste caso, devemos obter o benefício da analogia da expressão e das
passagens; a analogia da expressão, como expliquei, e o benefício da
passagem que deduzo para explicar que se refere a um caso em que o réu tem
as melhores e piores terras, e o queixoso tem apenas a melhor terra, e a pior
terra do réu é inferior à melhor do autor, caso em que ele não pode dizer ao
demandante, cobrar seus danos do meu pior (porque a passagem dá o
benefício para o autor ser pago do melhor), e, portanto. ele deve fazer a
restituição de sua própriamelhores propriedades.

Abayi propôs a contradição das seguintes passagens para Rabha: Está escrito
[ibid., Ibid.]: "Com o melhor dos seus próprios campos", etc., o que significa
das melhores propriedades apenas e com nada mais, e nós temos Aprendeu em
outro Boraitha: "Está escrito [Ex. xxi. 34]:" E para devolver o dinheiro (fazer
restituição) "significa isso para incluir equivalentes de dinheiro, mesmo
farelo? " (Rabha respondeu): Isso não apresenta dificuldade. Quando ele
retorna de sua própria vontade ele pode dar até mesmo farelo, mas se através
do tribunal ele paga dos melhores estados. Disse Ula, o filho de R. Ilai: "O
texto da passagem parece levar ao mesmo
p. 10

conclusão, pois está escrito 'ele fará a restituição', o que


significa involuntariamente . "Disse-lhe Abayi:" Está escrito: 'a restituição
será feita'? "(o que significaria involuntariamente). Está escrito" ele deve fazer
"etc., que também pode significar voluntariamente. Quando R. Papa e R.
Huna, filho de R. Jehoshua, retornaram da faculdade, eles explicaram a
passagem acima da seguinte forma:" Qualquer coisa (de propriedade pessoal)
é considerada como a melhor das propriedades, pois se ele não pode vendê-lo
(a um preço razoável) em um lugar, ele pode levá-lo para outro lugar (e,
portanto, se ele faz a restituição com propriedade pessoal, ele pode fazê-lo
mesmo com farelo); exceto (se ele faz restituição com) terra,

R. Samuel Bar Abba, de Akkrunia, propôs a seguinte pergunta a R. Abba:


Quando se toma o estandarte (sobre quais são as melhores e quais são as
piores terras), são tomadas daquelas terras de sua propriedade ou das o
público em geral? ( ou seja , tem o réu para fazer a restituição de
seus próprios melhores estados, e se suas piores terras são tão boas quanto as
melhores do público em geral, ele deve, no entanto, pagar por
conta própriamelhor, ou se suas piores terras são tão boas quanto as do
público em geral, ele pode fazer a restituição de suas piores terras? - porque
elas são tão boas quanto as do público em geral). De acordo com R. Ishmael,
isso não é questionável, pois ele diz que os do réu são tomados como padrão
(e, portanto, se o pior é tão bom quanto o do demandante que ele paga em suas
piores propriedades), mas a questão é: somente de acordo com R. Aqiba, que
defende que os do réu devem ser tomados como padrão. Como
é? Assumiremos que a passagem "o melhor dos seus próprios campos"
significa excluir as terras do queixoso, ou significa excluir as terras do público
em geral? E ele respondeu-lhe: A Escritura declara expressamente "de
sua própria terra, "e você pergunta se a terra do público em geral é tomada
como um padrão? R. Samuel objetou: Nós aprendemos (no caso de haver para
ser recolhida reivindicação de uma mulher sob seu contrato de casamento
[Kethubah], danos e outras dívidas): Se alguém tem apenas boas terras, todas
as reivindicações são coletadas das terras boas, se ele tem apenas terras
médias, todas são coletadas dessas terras, se apenas terras de baixa qualidade,
todas são coletadas dessas terras; ele tem todos os três, os danos são cobrados
do bem, credores ordinários recolhem do médium, o Kethubah é coletado das
terras de baixa qualidade, se ele tem apenas terra boa e média,
p. 11

os danos são coletados do bem; dívidas ordinárias e a reivindicação de sua


esposa são coletadas das terras médias; se ele tem terras de média e má
qualidade apenas, danos e dívidas ordinárias do médium e a reivindicação da
esposa das terras de baixa qualidade; se ele tem apenas terra boa e pobre,
danos do bem e os outros dois da terra de baixa qualidade. Agora, vemos que
a parte intermediária desta Boraitha afirma que "se ele tivesse terras médias e
pobres, os danos e dívidas ordinárias são cobrados do meio e os outros dois da
terra pobre", e se é como você diz, isso suas próprias terras são tomadas como
um padrão, deixe o meio que ele tem ser considerado o melhor (como eles
são seusmelhor), e os credores serão encaminhados para as terras
pobres? Portanto, disse Rabina: Eles diferem quanto à declaração de Ula. Para
Ula disse: "De acordo com a Escritura, os credores são pagos dos mais pobres,
pois está escrito [Deuteronômio 11:11]:" Na rua estarás de pé, e o homem a
quem o senhor emprestou trará para o penhor na rua. Agora, se depender da
vontade do devedor, ele geralmente traz o artigo mais pobre que ele possui
como penhor, mas por que os sábios promulgaram que os credores devem ser
pagos com o dinheiro para não fechar a porta para os devedores? " O único
mestre detém da promulgação de Ula, o outro não (mas adere estritamente ao
significado da passagem).

Os rabinos ensinavam: "(Aquele que tinha que pagar indenização, dívidas


ordinárias e a reivindicação da esposa), se ele transmitisse todas as suas
propriedades (as boas, médias e pobres) para uma pessoa, ou para três pessoas
diferentes ao mesmo tempo , eles passam para os donatários sujeitos aos
mesmos passivos como se estivessem nas mãos dos outorgantes ( ie, aquele
que comprou o bem compensa os danos, aquele que comprou o meio paga aos
credores, etc.). Se em épocas diferentes, todos são pagos da propriedade
vendida por último (para os compradores das propriedades anteriores, cada
um pode dizer: Quando comprei minhas terras, havia outras terras pelas quais
pagar). Se esta propriedade não é suficiente, o último, mas um é recorreu a; se
ainda for insuficiente, recorre-se à última, mas a duas. "Como é o caso, se ele
transmitisse a uma pessoa? Suponhamos que ele as transmitisse por uma ação,
então certamente passariam sujeitas à responsabilidade original, mesmo que
ele vendeu-os a três pessoas, caso em que um deve ter prioridade, você diz
que eles passam sujeitos a tais responsabilidades, ainda mais se ele vendesse
para um? (qual foi a necessidade de afirmá-lo?) Portanto, devemos dizer que
isso significa que eles foram transmitidos um após o outro (em três dias
diferentes), e
p. 12

Por que ele declara três? Ensinar que, embora cada um deles possa dizer:
"Deixei espaço suficiente para pagamento", a mesma coisa pode ser dita
mesmo se vendida para um. Ele vai dizer em cada parcela de terra: Quando eu
comprei este lote de terra, havia outras parcelas para pagar. O caso aqui é que
as boas terras foram as últimas a serem vendidas (caso em que é mais
vantajoso para ele deixá-las coletar de acordo com seus direitos do que
avançar no argumento de que ele deixou espaço para pagamento). Então
também disse R. Shesheth. Em caso afirmativo, todos eles colecionarão as
terras boas? (pois na época em que as duas primeiras propriedades foram
vendidas, toda a responsabilidade passou para as melhores terras). O
beneficiado pode dizer-lhes: "Se você ficar quieto e coletar de acordo com
seus direitos originais bem e bem,

É certo que quando o donatário transmitiu o médium e as terras pobres, e


deixou o melhor para si mesmo, que todos eles coletaram suas reivindicações
das melhores terras, pois esses foram os únicos que permaneceram, e os outros
não estavam mais em suas terras. possessão de modo que ele poderia se referir
a eles dizendo: "Eu não me importo com a promulgação dos sábios (para meu
benefício)", mas no caso ele transmitiu a boa terra e deixou para si o meio e os
pobres, como é? (as reivindicações serão cobradas do segundo outorgado
porque ele tomou suas terras sujeitas à responsabilidade? e do primeiro
beneficiário não podem cobrar, pois ele pode dizer que aceita a promulgação
dos sábios, e as boas propriedades que estavam na época do primeiro
transporte livre estavam sujeitos à responsabilidade pelo pagamento dos
créditos?). Abayi pretendia decidir que todos se reunissem das melhores
propriedades. Disse-lhe Rabha: "O primeiro donatário não transmitiu ao
segundo beneficiário todos os seus direitos e interesses que ele possa ter
neles? E agora, se eles chegassem ao primeiro beneficiário, eles poderiam
recolher somente das terras médias e, embora na época em que as terras
médias e pobres eram transmitidas, as boas ainda estavam livres, ele poderia
dizer: "Eu não quero me valer da promulgação dos sábios", assim também o
segundo beneficiado pode dizer-lhes: "Recolha suas reivindicações das terras
médias e pobres, "porque quando o segundo donatário comprou as fazendas,
ele o fez com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro
donatário tinha na época. R. Huna, entretanto, disse: um mencionando
"dinheiro" e o outro "o O primeiro beneficiado não transmitiu ao segundo
beneficiário todos os seus direitos e interesses que ele possa ter neles? E
agora, se eles chegassem ao primeiro donatário, eles poderiam recolher apenas
das terras médias e, embora na época as terras médias e pobres fossem
transportadas, as boas ainda estavam livres, ele poderia dizer: "Eu não quero
aproveitar-me da promulgação dos sábios "; assim também o segundo
beneficiário pode dizer-lhes: "Recolha suas reivindicações das terras médias e
pobres", pois quando o segundo donatário comprou as propriedades, ele o fez
com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro beneficiado
tinha na época. R. Huna, no entanto, disse: (As passagens acima, uma
mencionando "dinheiro" e a outra "a O primeiro beneficiado não transmitiu ao
segundo beneficiário todos os seus direitos e interesses que ele possa ter
neles? E agora, se eles chegassem ao primeiro donatário, eles poderiam
recolher apenas das terras médias e, embora na época as terras médias e
pobres fossem transportadas, as boas ainda estavam livres, ele poderia dizer:
"Eu não quero aproveitar-me da promulgação dos sábios "; assim também o
segundo beneficiário pode dizer-lhes: "Recolha suas reivindicações das terras
médias e pobres", pois quando o segundo donatário comprou as propriedades,
ele o fez com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro
beneficiado tinha na época. R. Huna, no entanto, disse: (As passagens acima,
uma mencionando "dinheiro" e a outra "a e embora na época as terras médias
e pobres fossem transmitidas, as boas ainda estavam livres, ele poderia dizer:
"Eu não quero me valer da promulgação dos sábios"; assim também o
segundo beneficiário pode dizer-lhes: "Recolha suas reivindicações das terras
médias e pobres", pois quando o segundo donatário comprou as propriedades,
ele o fez com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro
beneficiado tinha na época. R. Huna, no entanto, disse: (As passagens acima,
uma mencionando "dinheiro" e a outra "a e embora na época as terras médias
e pobres fossem transmitidas, as boas ainda estavam livres, ele poderia dizer:
"Eu não quero me valer da promulgação dos sábios"; assim também o
segundo beneficiário pode dizer-lhes: "Recolha suas reivindicações das terras
médias e pobres", pois quando o segundo donatário comprou as propriedades,
ele o fez com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro
beneficiado tinha na época. R. Huna, no entanto, disse: (As passagens acima,
uma mencionando "dinheiro" e a outra "a porque quando o segundo donatário
comprou as propriedades, ele o fez com a intenção de adquirir todos os
direitos e juros que o primeiro beneficiário tinha na época. R. Huna, no
entanto, disse: (As passagens acima, uma mencionando "dinheiro" e a outra
"a porque quando o segundo donatário comprou as propriedades, ele o fez
com a intenção de adquirir todos os direitos e juros que o primeiro
beneficiário tinha na época. R. Huna, no entanto, disse: (As passagens acima,
uma mencionando "dinheiro" e a outra "a
p. 13

melhores propriedades ", não se contradizem), isso significa dinheiro ou


melhores propriedades. 1

R. Assi, no entanto, disse: "O dinheiro é tão bom quanto a terra". Para que
finalidade é essa afirmação? Se para o propósito que é considerado o "melhor"
( ie, embora ele tenha boas terras, ele pode pagar em dinheiro), então é o
mesmo que R. Huna afirmou, e seria suficiente dizer "e assim também disse
R. Assi" Vamos assumir que é para o propósito de ensinando como no caso de
dois irmãos que dividiram terras entre si, e subsequentemente um credor (de
seu pai) vem e incide sobre a parte de um deles (que o outro pode pagar sua
porção de contribuição tanto em terra como em dinheiro)? Não R. Assi já
declarou este caso? Pois foi ensinado: "Dois irmãos dividiram suas
propriedades e posteriormente um credor veio e incumbiu a parte de um deles;
Rabh disse que a partição é assim anulada (e uma nova partição deve ocorrer
das terras que permaneceram), porque ele sustenta que irmãos em tal caso são
como herdeiros, mas Samuel disse que é válido, porque ele o considera como
uma venda comum e como alguém que compra sem responsabilidade. R. Assi
diz que ele (o outro irmão) deve pagar sua parte de um quarto em terra e um
quarto em dinheiro, pois ele estava em dúvida se eles são considerados
herdeiros, e ele deve contribuir com sua parte em terra e não em dinheiro, ou
como uma venda ordinária com responsabilidade, e ele deve pagar a ele o que
ele perdeu, mas em dinheiro, e, portanto, ele deve pagar um quarto em
dinheiro e um quarto em terra), portanto ele deve pagar um quarto em terra e
um quarto em dinheiro. Mas o que se entende pela declaração "é tão bom
quanto a terra"? que é considerado "melhor"? então é novamente a mesma
declaração feita por R. Huna? Diga: "E também disse R. Assi." Assi diz que
ele (o outro irmão) deve pagar sua parte de um quarto em terra e um quarto
em dinheiro, pois ele estava em dúvida se eles são considerados herdeiros, e
ele deve contribuir com sua parte em terra e não em dinheiro, ou como uma
venda ordinária com responsabilidade, e ele deve pagar a ele o que ele perdeu,
mas em dinheiro, e portanto ele deve pagar um quarto em dinheiro e um
quarto em terra), portanto ele deve pagar um quarto em terra e um quarto em
dinheiro. Mas o que se entende pela declaração "é tão bom quanto a
terra"? que é considerado "melhor"? então é novamente a mesma declaração
feita por R. Huna? Diga: "E também disse R. Assi." Assi diz que ele (o outro
irmão) deve pagar sua parte de um quarto em terra e um quarto em dinheiro,
pois ele estava em dúvida se eles são considerados herdeiros, e ele deve
contribuir com sua parte em terra e não em dinheiro, ou como uma venda
ordinária com responsabilidade, e ele deve pagar a ele o que ele perdeu, mas
em dinheiro, e portanto ele deve pagar um quarto em dinheiro e um quarto em
terra), portanto ele deve pagar um quarto em terra e um quarto em
dinheiro. Mas o que se entende pela declaração "é tão bom quanto a
terra"? que é considerado "melhor"? então é novamente a mesma declaração
feita por R. Huna? Diga: "E também disse R. Assi." ou como uma venda
ordinária com responsabilidade, e ele deve pagar a ele o que ele perdeu, mas
em dinheiro, e portanto ele deve pagar um quarto em dinheiro e um quarto em
terra), portanto ele deve pagar um quarto em terra e um quarto em
dinheiro. Mas o que se entende pela declaração "é tão bom quanto a
terra"? que é considerado "melhor"? então é novamente a mesma declaração
feita por R. Huna? Diga: "E também disse R. Assi." ou como uma venda
ordinária com responsabilidade, e ele deve pagar a ele o que ele perdeu, mas
em dinheiro, e portanto ele deve pagar um quarto em dinheiro e um quarto em
terra), portanto ele deve pagar um quarto em terra e um quarto em
dinheiro. Mas o que se entende pela declaração "é tão bom quanto a
terra"? que é considerado "melhor"? então é novamente a mesma declaração
feita por R. Huna? Diga: "E também disse R. Assi."

R. Zera em nome de R. Huna disse: No caso de alguém fazer algo meritório,


ele deve fazer até um terço. O que isto significa? Vamos supor que isso
signifique até um terço de sua propriedade? Se sim, então, se ele tem a ocasião
de realizar três coisas meritórias, ele deve gastar toda a sua
propriedade? Disse R. Zera: Significa até um terço em se esforçar para
adornar a coisa meritória ( por exemplo , se há dois pergaminhos de Lei, e um
é mais caro que o outro, ele deve gastar um terço a mais para comprar o mais
caro). R. Assi questionou:
p. 14

Significa um terço do mais barato, ou significa que um terço deve


[parágrafo continua]

ser adicionado? Esta questão permanece sem resposta. No Ocidente, foi dito
em nome de R. Zera: Até um terço ele gastará com o seu próprio (sem
expectativa de ser recompensado neste mundo), desde então, do Santo,
bendito seja Ele ( isto é , aquela parte será pago a ele neste mundo).

MISHNA II .: (O seguinte é a regra :) Em tudo o que eu sou encarregado de


cuidar, eu preparei o dano ( ou seja , se o dano foi feito, considero que eu fui
fundamental para fazê-lo). Se eu preparo apenas uma parte do dano, sou
responsável pelo todo, como se preparasse o todo. E somente quanto à
propriedade que não pode ser profanada (mas por aquilo que é profanado, não
há responsabilidade), ou propriedade de pessoas governadas por leis adotadas
por sua comunidade, 1 ou tal que tem um dono, e em qualquer lugar (o dano
foi feito), exceto se feito no terreno exclusivamente pertencente ao réu, ou em
que pertencem a ambos juntos, o réu e o autor. Se o dano foi feito, o réu deve
completar o pagamento dos danos com o melhor de suas propriedades.

GEMARA: Os rabinos ensinaram: "Em tudo o que eu sou encarregado de


cuidar", etc. Como assim? Se alguém confunde um homem surdo, um tolo ou
um menor com a carga sobre um buraco, ou um boi, e eles causam dano, ele
deve pagar por tal dano, o que não é assim em caso de incêndio (explicado
mais adiante). Que caso é tratado aqui? quando o boi era mantido em uma
corda, ou a cova estava coberta, equivalente a qual no caso do fogo é como se
fosse carvão vivo; e se você deve perguntar por que deveria haver uma
diferença (entre o primeiro e o segundo), (pode-se dizer) no caso do boi, é
provável que ele se afrouxe, e no caso de um buraco a cobertura é provável
escorregar (e, portanto, o proprietário deve ter isso em mente e conceder
melhores cuidados), mas, no caso do carvão, é o contrário, pois é provável que
se extinga cada vez mais. Mas de acordo com R. Johanan, que disse (em outro
lugar) que, se alguém confunde até mesmo uma chama (para os mencionados
acima), ele também é livre (e conseqüentemente a declaração acima, "que não
é assim em caso de incêndio", deve ser explicada como chama) e, nesse caso,
o equivalente aqui seria um boi solto e um poço descoberto. Por que deveria
haver um
p. 115

diferença? Lá (em caso de incêndio) o homem surdo se conectou tão


intimamente com o fogo ( ou seja , se ele não o movesse, ficaria parado),
considera-se que ele próprio fez o estrago (isto é, de acordo com Segunda
explicação de Rashi, e é afirmado em outro lugar que, se um homem surdo,
etc., causa dano, não há responsabilidade), mas aqui não é assim (pois o boi
ou a cova causou o dano sem a ajuda dos mencionados).

Os rabinos ensinavam: Há uma regra mais rigorosa no caso do boi do que nos
casos do poço e do fogo, e vice-versa . (Como assim?) O rigor da regra no
caso do boi é que ele (o dono) paga o dinheiro expiatório (quando o boi mata
um homem livre, e 30 shekels se for um escravo), o que não acontece no caso
do boi. o poço e o fogo. O rigor da regra nos casos da cova e do fogo é que a
cova é originalmente feita para causar dano, e o fogo é considerado "nocivo
desde o começo", o que não acontece no caso do boi. Existe uma regra mais
rigorosa no caso do fogo do que no caso do poço, e vice-versa. O rigor da
regra no caso da cova, que é originalmente feita para causar danos, está no
fato de que é responsável se a confiar a um surdo, menor ou tolo, o que não
acontece em caso de incêndio, e mais rigoroso é no caso do fogo, que tem em
sua natureza mover-se e causar dano, e é considerado nocivo porque consome
tudo, seja ele apto ou não, o que não é o caso da cova. Que ele também ensine
que o caso do boi é mais rigoroso porque ele é responsável por danos aos
vasos (quebrando-os intencionalmente com o chifre ou com o pé), o que não
acontece com o poço. O Tana enumera alguns e deixa de fora outros. É então
qualquer outra coisa deixada de fora que também este é deixado de fora? Sim,
o caso de artigos ocultos ( por exemplose um boi tiver chutado um saco
contendo vasos, ou se um boi carregando um saco contendo vasos cair em um
buraco e os vasos quebrarem, o proprietário é responsável pelos vasos, o que
não acontece em caso de incêndio).

" Se eu tiver preparado uma parte do dano ", etc Os rabinos ensinaram:
"Como assim? Se um cavou um buraco nove se estende profundo e outro veio
e completou-o para ser dez vãos de profundidade, o último é responsável (se o
boi cair dentro dele foi morto ou apenas ferido.) Devemos assumir que isso
não está de acordo com o rabino (quem disse mais sobre isso por danos ambos
são responsáveis)? Disse R. Papa: O caso é que o boi que caiu foi morto
(nesse caso, o rabino também concorda que aquele que cavou o último
período deve pagar.) R. Zera é contra: este é o único caso - não é?
p. 16

o mesmo se alguém deixasse seu boi no comando de cinco pessoas, e uma


delas fosse deixada intencionalmente e o boi causasse dano - será que quem
deixou de ser responsável? E R. Shesheth também se opôs, dizendo que há
outro caso quando um acrescentou combustível a um fogo em chamas, e este
último causou danos; o último é o responsável, e o próprio R. Papa se opõe,
dizendo que há também outro caso dos seguintes Boraitha quando cinco
pessoas sentam em um banco, e ele não quebra, e outro vem e senta e quebra,
o último um é responsável (por todo o dano); e ele próprio explicou como
tinha sido, Papa bar Abba (que era um homem pesado). Agora, vamos então
ver; Em todos esses três casos, como deve ser entendido? Se sem o último,
nenhum dano teria sido causado, então é evidente que ele é responsável? E se
mesmo sem ele o dano teria sido causado, então o que ele fez que o torna
responsável? (e, portanto, essas ilustrações não podem ser citadas, porque, no
caso da cova, quem cavou nove vãos pode dizer ao outro: se você não tivesse
cavado o décimo palmo o animal não teria sido morto (como há um a tradição
de que um buraco com menos de dez palmos de profundidade não pode
matar), mas apenas ferido, e eu teria que pagar apenas pela lesão, mas não
pelo animal todo). Mas finalmente como é que esta Boraitha, afinal de contas,
deve ser explicada? (para os dois primeiros casos que não são Boraithas, não
nos importamos). Pode-se dizer que, se ele não se sentasse, não teria quebrado
antes de decorrido o prazo de duas horas, e apressou-se a quebrar em uma
hora, caso em que os cinco primeiros podem dizer o último: "Se não fosse por
você, teríamos ficado um pouco mais de tempo sentado, e teríamos ido
embora (e o banco não teria quebrado)." Mas por que ele não deveria reverter
o argumento e dizer: "Se você não estivesse comigo no banco, ele não teria
quebrado em nada?" O caso é que ele quebrou enquanto ele estava se
apoiando neles. Qual é a diferença? Para que não se possa dizer que, como ele
causou o dano apenas por sua força (inclinada) e não por se sentar, ele não
deve ser responsabilizado, ele vem nos ensinar que a força de alguém é
equivalente ao peso do corpo. O caso é que ele quebrou enquanto ele estava se
apoiando neles. Qual é a diferença? Para que não se possa dizer que, como ele
causou o dano apenas por sua força (inclinada) e não por se sentar, ele não
deve ser responsabilizado, ele vem nos ensinar que a força de alguém é
equivalente ao peso do corpo. O caso é que ele quebrou enquanto ele estava se
apoiando neles. Qual é a diferença? Para que não se possa dizer que, como ele
causou o dano apenas por sua força (inclinada) e não por se sentar, ele não
deve ser responsabilizado, ele vem nos ensinar que a força de alguém é
equivalente ao peso do corpo.

" Eu sou responsável por pagar todo o dano ." Não declara "Eu sou
responsável pelo dano", mas "sou responsável por completar a compensação
pelos danos"; isso é um apoio ao que foi ensinado pelos rabinos: "A conclusão
da compensação pelos danos". Isso é para ensinar que o demandante deve se
preocupar com o descarte da carcaça.
p. 17

De onde deduzimos isso? Disse R. Ami: Está escrito


[parágrafo continua]

[Lev. xxiv. 21]: "E aquele que mata uma besta fará a restituição por ela"
(yeshalmenah). Não leia "yeshalmenah", mas leia "yashlimenah", ele a
completará ( ie, o demandante terá o último problema de dispor do mesmo
com a venda eo réu deve pagar o saldo do dano). Hezkyah diz, pode ser
deduzido da seguinte passagem [Ex. xxi. 34]: "E a besta morta será sua", o
que significa que será a do demandante. Assim foi explicado pelos discípulos
de Hezkyah. "Tu dizes que pertence ao demandante, talvez a passagem
significa que pertence ao réu? Foi dito:" Não foi assim. "O que isso significa?
Disse Abayi: Se tu deves pensar que a carcaça pertence ao réu, deveria ter
sido escrito "um boi para um boi" [ibid., ibid.], e nada mais (e eu saberia que o
acusado pode ter a carcaça); por que a adição da passagem acima? passagem
significa que permanecerá o requerente. Disse R. Kahana a Rabh: É assim
que, sem a adição dessa passagem, pode-se pensar que ela pertence ao
acusado? Onde está o senso comum? Como se ele (o réu) tem um número de
carcaças, ele pode entregá-las à outra parte (em pagamento dos danos), pois o
mestre disse acima: Está escrito [ibid.] "Ele deve 'retorno '; que inclui
equivalentes de dinheiro, e até mesmo farelo. "Quanto mais a carcaça em
questão, que é a sua própria? Esta declaração (como quem tem que se
preocupar com a eliminação da carcaça) foi necessária quanto à perda de valor
de a carcaça ( ou seja , que a partir do momento em que o animal foi morto,
seu proprietário é acusado de sua disposição, e se por sua negligência não foi
descartado, e daí resultou uma perda de valor, essa perda é cobrada do autor).

Devemos assumir que os Tanaim dos seguintes Boraitha diferem quanto a este
caso? Está escrito [ibid. xxii. 12]: "Se ele for rasgado em pedaços, deixe-o
levá-lo em evidência de que isso aconteceu por acaso, e ele não será
responsável" (para um resgate de aluguel não é responsável por
acidente). Abba Saul, no entanto, diz que ele deve levar a carcaça ao tribunal
(para ser avaliado). Não podemos supor que eles diferem assim (pois não
podemos supor que eles diferem no caso de ter sido feito por acidente, pois até
mesmo o Abba Saul deve conceder que um estorno de aluguel não é
responsável em tal caso, mas eles provavelmente diferem em um caso onde o
depositário é responsável): Um afirma que a perda de valor é imputável ao
autor, e o outro afirma que é exigível ao acusado?
p. 18

Não, ambos concordam que é exigível ao demandante, mas diferem quanto ao


problema de transporte da carcaça.

Como aprendemos na seguinte Boraitha: Os professores anônimos dizem: De


onde deduzimos que o dono da cova tem que trazer o boi morto da cova (às
suas custas)? Está escrito [ibid. xxi. 34]: "Ele fará a restituição em dinheiro ao
seu dono; e os mortos" ( ie, ele deve dar também a carcaça, que não pode ser
feita a menos que seja trazida da cova). Abayi disse a Rabha: "Como é este
caso de transporte da carcaça? Devemos assumir que, quando na cova vale
uma Zuz e quando à beira dela vale a pena quatro? Então esse problema é para
seu próprio benefício? Por que as passagens? Ele respondeu: "O caso é que,
em ambos os casos, não vale mais do que uma Zuz" (e, mesmo assim, ele
deve mencioná-la). Mas será que isso pode acontecer? Sim, como costumam
dizer as pessoas: "Um raio na floresta vale uma Zuz, e o mesmo, embora, na
cidade, também tenha apenas o mesmo valor".

Samuel disse: "(É costume dos tribunais que) nenhuma avaliação é feita para
um ladrão ou ladrão ( ou seja , se alguém roubou um artigo, etc., e o mesmo
foi quebrado, ele não devolve as partes quebradas e paga a diferença de valor,
mas deve retornar bons artigos), mas apenas em caso de danos. E eu, no
entanto, adicionar também o mutuário, e Aba (Rabh) concorda comigo. "
Foi ensinado: Ula disse em nome de R. Elazar: Uma avaliação é feita para um
ladrão e um ladrão. R. Papi, no entanto, disse: Nenhuma avaliação é feita. E a
Halakha prevalece que nenhuma avaliação é feita para um ladrão e
ladrão; mas para um mutuário, no entanto, pode ser feito, de acordo com R.
Kahana e R. Assi. Ula disse novamente em nome de R. Elazar: "Um
primogênito (de um homem) que foi morto por um animal dentro de trinta
dias não precisa ser redimido." Assim também Rami bar Hama ensinou:
Porque está escrito [Numb. xviii. 15] "tu redimirás" alguém poderia pensar
que isto era assim mesmo se fosse morto dentro dos trinta dias; portanto está
escrito [ibid., ibid.] "no entanto" 1 para distinguir (que, no caso de ter sido
morto, não precisa).

O mesmo disse novamente em nome da mesma autoridade: "Dos irmãos que


se dividiram (suas propriedades hereditárias), que o vestuário que vestem é
avaliado, mas o que seus filhos e filhas têm não é avaliado, porque
p. 19

eles não têm nenhum caso no tribunal e, portanto, não os incomodamos.


"Disse R. Papa:" Às vezes, no entanto, até mesmo o que eles têm também não
é avaliado; esse pode ser o caso se o irmão mais velho fosse o gerente das
propriedades e estivesse vestido com roupas melhores para fins comerciais. "

O mesmo dito novamente em nome da mesma autoridade: O Halakha


prevalece que dívidas são coletadas de escravos (porque eles são considerados
como propriedade real). Disse R. Na'hman para Ula: R. Elazar disse isso
mesmo quando os escravos caem em herança para órfãos? Não, só
dele. Dele? Você diria até da única roupa que ele veste? O caso aqui é que ele
hipotetizou o escravo, como Rabha disse: "Se alguém hipotecar seu escravo e
depois disso o vender, os credores, no entanto, replevem o escravo. Se ele, no
entanto, hipotetizou seu boi, e depois o vendeu, o credor não pode replicá-lo.
Por que assim? Porque quando um escravo é hipotecado as pessoas falam
sobre isso, e, portanto, o vendedor é acusado de aviso, o que não é o caso de
um boi. " Depois que R. Na'hman partiu, Ula disse aos presentes: "Então,
disse R. Elazar: ' Mesmo dos órfãos (para um escravo é como um imóvel).
"Disse R. Na'hman (quando ele ouviu falar disto):" Ula evitou-me (afirmar
que na minha presença, por medo eu o cortaria com numerosas objeções).
"Tal caso aconteceu em Nahardea e seus juízes cobraram uma dívida (dos
escravos que caíram uma herança aos órfãos). Em Pumbeditha tal caso
aconteceu, e R. Hana bar Bizna o coletou. Disse R. Na ' h to to to to to to to to
to to Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Go Sa Sa
Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Sa Rabina a R. Na'hman: "Ula, R.
Elazar, os juízes de Nahardea, e R. Hana bar todos os seus adversários; De
acordo com quem, então, é a sua decisão? "Ele respondeu:" Eu conheço um
Boraitha, que foi ensinado por Abimi: "A premonição (πρεοβολη) é eficaz
quanto à terra, mas não quanto aos escravos;vice-versa . Terra e propriedade
pessoal, se o comprador tomou posse da terra, a propriedade pessoal passa,
mas não vice-versa . Escravos e bens pessoais não passam, a menos que o
vendedor tome posse
p. 20

de ambos, como um não passa com o outro. Em outro Boraitha, foi ensinado
que, se alguém toma posse dos escravos, a propriedade pessoal vendida com
isso passa. Não assumiremos que eles diferem nisso: um afirma que os
escravos são considerados reais e o outro que eles são propriedade
pessoal? Disse R. Ika, o filho de R. Ami: "Não, todos concordam que um
escravo é propriedade pessoal, e que Boraitha que afirma que não passa é
correto, e que Boraitha que afirma que ele passa, trata de um caso em que as
roupas que estão no corpo do escravo foram vendidas ". [E mesmo quando, e
daí? Isto então não é considerado um tribunal em movimento, e com um
tribunal em movimento (propriedade pessoal) não passa? E se você disser que
ele não estava se movendo, não disse Rabha (Baba Metzia, Cap. I.

Mas não aprendemos em outra Boraitha que, se ele toma posse da terra, os
escravos também passam? Existe o caso que os escravos estão de pé sobre
ele. Você diria que os Boraitha, que afirmam que eles não passam, significa
que eles não o suportam? Isso seria correto de acordo com aquele que diz que
os escravos são considerados propriedade pessoal e, portanto, se eles estão
sobre eles, eles fazem, e se não, eles não passam; mas de acordo com aquele
que diz que os escravos são propriedade real, por que é necessário que eles
permaneçam sobre ela? Samuel não disse que, se uma pessoa transmitir a
outras dez parcelas diferentes de terra localizadas em tantos estados
diferentes, a posse de uma delas adquire título para todos? (Diz o
Gemara: Que pergunta é essa?) Mesmo de acordo com a opinião daquele que
diz que os escravos são considerados bens pessoais, por que é necessário que
eles apóiem isso? Não temos a tradição de que, se a propriedade pessoal for
vendida com propriedade real, a primeira não precisa estar na segunda,
quando a posse é tomada da segunda? Que resposta você pode dar a isto, que
há uma diferença entre propriedades pessoais quesão móveis e aqueles
que não são ? Diga a mesma coisa aqui: Há uma diferença entre imóveis
móveis e imóveis. Os escravos são considerados bens imóveis móveis, o
corpo da terra é aquele onde quer que esteja (conseqüentemente todas as suas
terras estão ligadas umas às outras).

" Propriedade que não pode ser profanada ", etc. R. Abba disse: "Um boi
destinado a ser sacrificado como uma oferta de paz, que tem
p. 21
feito dano, o (meio) dano é pago para fora de sua carne, mas não fora daquelas
peças preparadas para o altar. "Isso não é auto-evidente, pois essas peças são
para o Senhor? Significa ensinar que o valor de a metade dessas peças não é
coletada da outra metade da carne ( por exemplo,, um boi não-vicioso
consagrado por uma oferta de paz, do valor de duzentos Zuz quando abatidos,
que matou outro boi do mesmo valor quando vivo, caso em que de acordo
com a lei ele deve pagar o dano de metade do O corpo dele. Agora as peças
queimadas diminuem o valor do meio corpo, mas a quantidade diminuída não
pode ser coletada da outra metade do corpo). De acordo com quem é isso? De
acordo com os rabinos (que seguram no caso de um boi ter empurrado outro
boi para um buraco) que somente o dono do boi tem que pagar, mas não o
dono do poço (embora não seja suficiente); então isso é auto-evidente. Se é de
acordo com R. Nathan, quem no caso acima afirma que o dono do poço deve
completá-lo, por que neste caso as peças sacrificadas deveriam ser
isentas? Isso pode estar de acordo com R. Nathan e os rabinos; de acordo com
os rabinos, porque poderíamos dizer que os rabinos só o mantiveram onde há
dois elementos distintos (o boi e a cova), mas neste caso, onde há apenas um
corpo, o queixoso pode dizer: Eu vou cobrar meu dano de qualquer parte que
eu desejar. E de acordo com R. Nathan: Nesse caso, o dono do boi pode dizer
ao dono da cova: Achei o boi em tua cova; qualquer coisa que eu não possa
colecionar daquela festa, eu cobrarei de ti. Mas neste caso ele pode então dizer
que a carne fez o dano, mas não aquelas partes em questão? (Daí a
declaração.) Nesse caso, o dono do boi pode dizer ao dono da cova: Achei o
boi na tua cova; qualquer coisa que eu não possa colecionar daquela festa, eu
cobrarei de ti. Mas neste caso ele pode então dizer que a carne fez o dano, mas
não aquelas partes em questão? (Daí a declaração.) Nesse caso, o dono do boi
pode dizer ao dono da cova: Achei o boi na tua cova; qualquer coisa que eu
não possa colecionar daquela festa, eu cobrarei de ti. Mas neste caso ele pode
então dizer que a carne fez o dano, mas não aquelas partes em questão? (Daí a
declaração.)

" E essa propriedade que tem proprietários"O que isso significa para excluir?
Nós aprendemos em um Boraitha, isso significa excluir propriedade sem
dono. Como é o caso? Se o nosso boi gore um boi sem dono, que reivindica
danos? Se o contrário for o caso, deixe-o ir e tomar o boi? O caso é que
(depois que ele fez o dano) ele foi apropriado por alguém. ”Rabhina disse:“
Isto significa excluir o caso onde ele primeiro causou o dano, e então foi
consagrado por seu dono, ou declarado sem dono (por expulsá-lo). "Assim
também aprendemos em um Boraitha:" Além do que disse R. Jehudah:
Mesmo se ele danificado e, em seguida, foi consagrado, ou seu dono declarou-
lo sem dono ele está isento, como é escrito [Ex. xxi. 29], 'e advertência foi
dada ao seu dono, e ele matou um homem ou uma mulher', etc., o que
significa que durante o assassinato, a
p. 22
do terno e da realização do prêmio haverá um e o mesmo proprietário ".

" Exceto na propriedade do réu ." Pois ele pode dizer-lhe: O que o seu boi
tem para fazer nas minhas instalações?

" E na propriedade do réu e do demandante ." Disse R. Hisda em nome de


Abimi: Em um tribunal de parceria, um parceiro é responsável pelo outro por
danos causados pelo dente e pelo pé, e nosso Mishna deve ser explicado
assim: "Exceto em propriedade pertencente exclusivamente ao acusado, onde
ele é livre, mas nas instalações pertencentes ao réu e ao demandante, se o dano
for feito, aquele que o fizer é responsável ". R. Elazar, no entanto, os liberta e
explica ao Mishna que não há responsabilidade por pé e dente quando ele
pertence ao demandante ou ao réu e ao queixoso, e o que é declarado mais a
respeito da responsabilidade de alguém se refere a danos causados pelo chifre,
porque a propriedade da parceria é para esse propósito considerada um motivo
público.ante , p. 5), mas de acordo com Rabh, que diz que a expressão "boi"
no Mishna inclui tudo em relação a isso, o que isso significa para
incluir? Significa incluir aquilo que os rabinos ensinavam: "Se o dano é feito,
o réu é responsável". Isso significa incluir o depositário, o empréstimo para
uso, o empréstimo para aluguel e o financiador para aluguel; se um animal fez
dano em seu solo, um boi não-violento paga metade e um boi cruel paga o
valor total dos danos. Se a parede do recinto em bom estado quebrou durante a
noite, ou foi arrombada por assaltantes e (o animal) saiu e causou danos, não
há responsabilidade. "Como foi o caso? Vamos supor que o boi do fiador de
aluguel feriu o boi do cessionário, deixou o fiador dizer ao cessionário: Se ele
deveria danificar algum estranho ' s propriedade que você teria que pagar
(porque você está encarregado de cuidar dele); Por que eu deveria te pagar
quando ele machucou seu boi? E se o inverso fosse o caso (e ainda se diz que
só metade é paga), deixe o dono dizer ao estipulado: Se ele fosse ferido por
um boi de uma terceira pessoa, você não teria que me pagar a quantia
completa? quantidade de dano? (porque no caso de um empréstimo para uso
ele é responsável por danos que ocorram por acidente), agora quando Se ele
fosse ferido por um boi de uma terceira pessoa, você não teria que me pagar o
valor total do dano? (porque no caso de um empréstimo para uso ele é
responsável por danos que ocorram por acidente), agora quando Se ele fosse
ferido por um boi de uma terceira pessoa, você não teria que me pagar o valor
total do dano? (porque no caso de um empréstimo para uso ele é responsável
por danos que ocorram por acidente), agora quandoseu próprio boi causou a
lesão que você quer me pagar apenas metade? O caso é que o boi do bailante
feriu o boi do cessionário, e a objeção que acabamos de dizer pode ser
explicada que o cessionário concordou em tomar cuidado para que o boi
não seja ferido , mas não que ele não faça nenhum dano a ele. outros.
p. 23
Em caso afirmativo, como será explicado a parte posterior, que afirma que se
a parede foi quebrada durante a noite, ou o mesmo foi invadido por
assaltantes, e o animal saiu e causou danos, ele está livre, do qual é inferir
que, se durante o dia houver responsabilidade. Por que deveria ser assim? Ele
então garantiu contra o seu prejuízo para os outros? O Boraitha significava
assim: Se ele tem garantido contra o seu prejuízo para os outros, ele é
responsável apenas durante o dia, mas não se durante a noite ou por
acidente. É assim mesmo? R. não ensinou: "Em um tribunal de parceria e uma
pousada, um é responsável por danos causados pelo dente e pelo pé?" Isso não
é contrário à afirmação de R. Elazar? R. Elazar poderia responder: Os próprios
Boraithas não se contradizem? Não aprendemos em outro Boraitha: R.
Simeon b.vice-versa, não há responsabilidade alguma; se no terreno
pertencente a ambos, como por exemploem um pátio ou vale de parceria, não
há responsabilidade para o pé e o dente, mas para morder, empurrar, morder,
deitar e chutar, um não-vicioso paga metade e um vicioso paga o todo. Se no
terreno não pertencer a nenhum deles, como, por exemplo, um pátio que não
pertença a nenhum deles, existe uma responsabilidade para o dente e o
pé; para morder e morder, empurrar e deitar e chutar, um boi não-vicioso paga
metade e um vicioso paga todo o dano. "Assim, vemos que é afirmado que em
um pátio de parceria ou em um vale não há responsabilidade para o dente e o
pé, e portanto os dois boraítas se contradizem. Aquele (que diz que não há
responsabilidade) trata de um pátio que é mantido em parceria tanto para
armazenar frutas quanto para guardar bois (caso em que é considerado um
pátio de parceria tanto para o pé quanto para o chifre) e, portanto, no caso do
dente ele é livre, e no caso do chifre ele paga metade, como é igual a chão
público; e que Boraitha ensinada por R. Joseph trata de uma corte realizada
em parceria apenas em relação a frutas, mas não em relação a bois, caso em
que, quanto ao dente, é considerado o fundamento exclusivo do
demandante. Parece ser assim também da diferença usada no texto dos
Boraítas. Em um caso, coisas semelhantes a uma hospedaria (que não é usada
para bois), e no outro - aquelas similares a um vale (onde geralmente bois são
pastos) são declaradas. Inferir aqui. R. Zera se opôs: se houvesse uma parceria
para frutas,o campo de outro homem
p. 24

conforme exigido pelo Ex. xxii. 4? Disse-lhe Abayi: "Desde que não seja
parceria como bois , é considerado o campo de outro homem ".

MISHNA III .: Danos são avaliados em dinheiro, e são coletados a partir do


que tem um valor em dinheiro; e isso deve ser feito perante o tribunal, e
somente com depoimentos de testemunhas que sejam homens livres, e eles
devem ser membros de uma comunidade que tenha adotado um conjunto de
leis para seu governo; e as mulheres estão em pé de igualdade com os homens
quanto aos danos; tanto o réu quanto o autor devem contribuir (às vezes) para
o pagamento dos danos. (Toda a Mishna será explicada mais adiante no
Gemara.)

GEMARA: Qual é o significado de "avaliar em dinheiro"? Disse R. Jehudah:


Significa que a avaliação será feita somente por Beth Din, e isso é explicado
no seguinte Tosephtha que os rabinos ensinaram: "Se uma vaca danificou uma
peça de roupa (no chão pertencente ao seu dono, ), e subseqüentemente a
vestimenta do mesmo proprietário deitado em solo público foi pisado pela
vaca, e foi danificado, não é dito, porque cada parte tem direito a dano do
outro, que ambos serão dispensados de pagar um ao outro em todos, mas os
danos em cada caso são avaliados separadamente, e o excesso pago à parte
devido. "

" Eles são coletados apenas do que é valorizado em dinheiro34]: "(ele deve
dar) ao proprietário", que inclui mesmo equivalentes de dinheiro, e até mesmo
farelo? (Daí uma contradição?) O caso tratado aqui é que, se eles devem ser
recolhidos de propriedades de órfãos, por danos devidos por seu pai falecido,
caso em que eles devem ser recolhidos de realty
p. 25

só. Se é de órfãos, o que a última parte afirma - se a parte confiscou


propriedade pessoal a Beth Din pode coletar dela? O caso é como Rabha disse
em nome de R. Na'hman em outro lugar, que ele fez a apreensão durante a
vida do pai, assim também é o caso aqui.

" Em testemunho de testemunhas ." Isto é para excluir o caso quando se


admite a sua culpa, e depois aparecem testemunhas, de modo que ele não é
mais obrigado a pagar uma multa. Isto é correto de acordo com aquele que
sustenta que se alguém admite sua culpa e depois testemunhas parece que ele
não está mais sujeito a multar, mas de acordo com aquele que diz que em tal
caso ele é, o que a declaração na Mishná quer dizer excluir? É necessário em
relação à última parte, que afirma que as testemunhas devem ser livres, para
excluir escravos.

" E as mulheres estão em pé de igualdade ", etc. De onde isso é


deduzido? Nas escolas de Ezequias e R. José o Galileu foi ensinado: Está
escrito [ibid. xxi. 28]: "Se um boi ferir um homem ou uma mulher "; isso
significa que a Escritura tornou igual uma mulher e um homem em relação a
todos os crimes mencionados nas Escrituras.

Foi ensinado: O meio dano pago (no caso de um boi não-vicioso); R. Papa
disse que os danos, porque ele é da opinião de que geralmente os bois
requerem um cuidado especial e de acordo com a lei ele teria que pagar todo o
dano, mas como isso aconteceu apenas uma vez que a Escritura teve pena dele
e remeteu metade; e R. Huna o filho de R. Jehoshua sustenta que é uma multa,
porque ele é da opinião de que os bois geralmente são considerados cautelosos
e de acordo com a lei ele teria que pagar nada, mas a Escritura mesmo assim o
multou em ordenar que ele tenha um cuidado especial. Uma objeção foi
levantada, baseada no Mishna. Tanto o demandante quanto o réu às vezes
contribuem para o pagamento do dano. Está certo de acordo com o que diz
que a metade dos danos pagos é considerada dano;isto é , ele leva menos do
que ele sofreu), mas se de acordo com o que afirma que é uma multa, então
ele toma o que ele não tem direito, como você pode dizer que ele está
contribuindo? Esta declaração é apenas no que diz respeito à perda de valor da
carcaça. Mas isso já foi dito no primeiro Mishna, como explicado acima, "para
completar o dano". Inferir que os proprietários são cobrados com o descarte
do cadáver? Isto precisa ser declarado duas vezes, uma vez no caso de um
vicioso e uma vez em caso de
p. 26

animal não vicioso; e não seria suficiente declará-lo apenas uma vez; porque,
se fosse indicado apenas no caso de um animal não-vicioso, argumentar-se-ia
que é por causa desse fato que ele não era cruel, mas no caso de um animal
cruel eu diria que não é assim; e se fosse declarado apenas no caso de um
animal vicioso, poderia ser dito que é assim porque o montante total do dano é
pago, mas no caso de um animal não vicioso não é assim, daí a necessidade de
afirmando duas vezes.

(Uma objeção foi feita.) Venha e ouça: “O seguinte é a regra: Todos aqueles
que pagam mais do que dano real (punitivo) ( por exemplo , no caso de matar
um escravo onde trinta shekels devem ser pagos) não pagam por sua própria
admissão (mas deve ser provado por outras provas). Não é inferir aqui que,
em caso de pagar menos (do que os danos reais), se paga por conta própria?
Não, isso significa no caso onde todo o dano é pago, mas como é que, no caso
de pagar menos - é o mesmo ?, então por que deveria declarar, a regra é que
todos aqueles que pagam mais, "etc .; por que não declarar, a regra é que
todos aqueles que pagam indenização não de acordo com a quantidade real de
danos causados", o que tornaria claro para aqueles que pagam mais, bem
como para aqueles que pagam menos? Esta objeção permanece, e a Halakha,
no entanto, prevalece que o meio dano é uma multa. Pode haver uma Halakha
resolvida apesar de uma objeção? Sim, pois qual é a razão de levantar a
objeção, porque ela não ensina "tanto quanto danificaram"? Não foi possível
afirmar isso porque há metade do dano em caso de remoção de cascalho, que é
o Mosaic, que é um dano e não está bem. Agora, quando a conclusão é que o
meio dano é uma multa, quando um cão consome uma ovelha ou um gato
consome uma galinha, é incomum (e, portanto, considerado o derivado do
chifre e paga apenas metade do dano); tal dano não é coletado na Babilônia,
onde as multas não são cobradas. Mas isso é tão somente onde aqueles que
foram mortos eram grandes, mas no caso de serem pequenos, é comum, e
deve ser coletado na Babilônia também; mas se o queixoso se apossou da
propriedade pertencente ao réu (mesmo no primeiro caso), não o obrigamos a
entregá-lo, e também se ele disser: "Conserte-me um tempo para ir à
Palestina", seu pedido talvez concedido. E se ele não for, ele é colocado sob a
proibição. Em qualquer um dos casos, colocamo-lo sob a proibição até que os
infratores sejam removidos, como dito mais adiante (fim do capítulo IV), em
nome de R. Nathan. mas se o queixoso se apossou da propriedade pertencente
ao réu (mesmo no primeiro caso), não o obrigamos a entregá-lo, e também se
ele disser: "Conserte-me um tempo para ir à Palestina", seu pedido talvez
concedido. E se ele não for, ele é colocado sob a proibição. Em qualquer um
dos casos, colocamo-lo sob a proibição até que os infratores sejam removidos,
como dito mais adiante (fim do capítulo IV), em nome de R. Nathan. mas se o
queixoso se apossou da propriedade pertencente ao réu (mesmo no primeiro
caso), não o obrigamos a entregá-lo, e também se ele disser: "Conserte-me um
tempo para ir à Palestina", seu pedido talvez concedido. E se ele não for, ele é
colocado sob a proibição. Em qualquer um dos casos, colocamo-lo sob a
proibição até que os infratores sejam removidos, como dito mais adiante (fim
do capítulo IV), em nome de R. Nathan.

MISHNA IV .: Existem cinco casos que são considerados


p. 27

não-vicioso e cinco que são considerados viciosos. Um animal doméstico é


considerado não-vicioso para ferir, empurrar, morder, deitar-se ou chutar; o
dente (de um animal) é considerado vicioso para consumir o que é adequado
para ele; o pé é considerado vicioso para quebrar tudo enquanto caminha; o
boi cruel; o boi fazendo dano nas propriedades pertencentes ao demandante
exclusivamente; e um homem. O lobo, o leão, o urso, o leopardo, o bardalis e
a serpente são considerados cruéis. R. Elazar diz: Quando são domesticados,
não são, com exceção da serpente, que é, em todas as circunstâncias, viciosa.

GEMARA: A partir do ensinamento do Mishna que "o dente é considerado


vicioso para consumir", deve-se inferir que o caso é quando o dano foi feito
no chão pertencente ao autor, e é, no entanto, ensinado "o animal não é
vicioso ", o que significa não pagar o todo, mas para pagar metade, e isso é de
acordo com os rabinos, que dizem que a buzina fazendo dano na propriedade
do demandante é considerado incomum, e paga apenas metade do dano
; então, de acordo com quem seria a última parte? "O boi vicioso e o boi
fazendo dano na propriedade do autor e do homem", o que significa que eles
pagam todo o dano, segundo R. Tarphon, que diz que o chifre, embora seja
incomum para ele causar danos nas instalações do autor, ainda paga o
todo. Então a primeira parte da Mishna estará de acordo com os rabinos, e a
última parte de acordo com R. Tarphon? Sim, assim é, como Samuel disse a
R. Jehudah: Gênio, não se preocupe com a explicação de nossa Mishna, e siga
minha teoria de que a primeira parte está de acordo com os rabinos e a última
parte está de acordo com R Tarphon. R. Elazar em nome de Rabh, no entanto,
disse que ambas as partes estão de acordo com R. Tarphon, mas a primeira
parte trata de um tribunal que foi separado por frutas apenas para uma das
partes, e para bois para ambos, e em tal caso acerca de "dente" considera-se as
premissas do demandante só, e acerca do "chifre" considera-se a terra
pública. Gênio, não se preocupe com a explicação de nossa Mishna, e siga
minha teoria de que a primeira parte está de acordo com os rabinos e a última
parte está de acordo com R. Tarphon. R. Elazar em nome de Rabh, no entanto,
disse que ambas as partes estão de acordo com R. Tarphon, mas a primeira
parte trata de um tribunal que foi separado por frutas apenas para uma das
partes, e para bois para ambos, e em tal caso acerca de "dente" considera-se as
premissas do demandante só, e acerca do "chifre" considera-se a terra
pública. Gênio, não se preocupe com a explicação de nossa Mishna, e siga
minha teoria de que a primeira parte está de acordo com os rabinos e a última
parte está de acordo com R. Tarphon. R. Elazar em nome de Rabh, no entanto,
disse que ambas as partes estão de acordo com R. Tarphon, mas a primeira
parte trata de um tribunal que foi separado por frutas apenas para uma das
partes, e para bois para ambos, e em tal caso acerca de "dente" considera-se as
premissas do demandante só, e acerca do "chifre" considera-se a terra pública.

Disse R. Kahana: Eu expliquei essa Halakha para R. Zbid de Nahardea, e ele


se juntou: Como as duas partes da Mishna podem estar de acordo com R.
Tarphon? Não disse o Mishna, "o dente é vicioso para consumir o que
está apto para isso", o que significa que é vicioso apenas quanto ao que está
apto para isso, mas não quanto ao que é inadequado(como então é como o
chifre e paga apenas metade), e R. Tarphon diz claramente que até mesmo o
chifre paga tudo nas premissas do demandante?
p. 28

Portanto, Rabhina disse: "O Mishna não está completo, e deve ler o seguinte:
Há cinco casos que são considerados não-viciosos até que sejam declarados
viciosos; o dente, o pé, no entanto, são considerados cruéis desde o
começando, e isso é chamado de boi cruel, como o boi fazendo dano na
propriedade do autor, os rabinos e R. Tarphon diferem, e há outros animais
viciosos semelhantes aos: o lobo, o leão, o urso, o bardalis, o leopardo e a
serpente ". Assim também aprendemos claramente em uma Boraitha.

" E não mentir sobre ". Disse R. Eliezer: "É assim só quando está em navios
grandes, mas se em pequenos é habitual, e vem abaixo da lei que aplica ao
pé".

" O lobo, o leão, etc., e o bardalis ." O que é um bardalis? Disse R. Jehudah:
É um Nephrasa. O que é um Nephrasa? Disse R. Joseph: É um Apa
(hiena). 1 Samuel disse que se um leão em terreno público tivesse capturado
um animal e o comido vivo, não haveria responsabilidade, pois é a maneira
usual de fazê-lo e, portanto, é como se um boi tivesse consumido frutas ou
ervas em terreno público; mas se ele o matou primeiro e depois o devorou, ele
é responsável, pois não é comum, e está sob a lei aplicável ao chifre.

MISHNA V .: Não há diferença entre um animal vicioso e um não-vicioso,


apenas que um não-vicioso paga metade do dano, e somente do (dinheiro
percebido da venda do) corpo do animal tendo feito o dano; e um animal cruel
paga todo o dano e as melhores propriedades.

GEMARA: O que se entende por "melhores propriedades"? disse R. Elazar:


Significa a mais alta de suas propriedades; e assim é dito [II Chron. xxxii. 33]:
"E Ezequias dormiu com seus pais, e eles o enterraram no melhor lugar dos
sepulcros" etc., e R. Elazar disse, "melhor" significa entre os "mais altos de
sua própria família" - isto é Davi e Salomão. "

Está escrito [ibid. xvi. 14]: "E o sepultaram nos seus sepulcros, os quais ele
cavara para si na cidade de Davi, e o puseram na cama cheia de doces odores
e diversos tipos de especiarias", etc. "E todo o Jehudá e os habitantes de
Jerusalém mostraram-lhe honra em sua morte "[ibid. xxxii. 33]. Inferir disto
que seus discípulos foram colocados em seu
p. 29

grave para estudar a lei. R. Nathan e os sábios diferem quanto tempo


continuou; um diz que durou três, os outros dizem sete e outros ainda dizem
que durou trinta dias.

Os rabinos ensinaram (referindo-se à passagem que acabamos de citar) que


significa as trinta e seis mil pessoas que precederam o caixão de Ezequias, o
rei de Judá, com todos os ombros à mostra. Assim disse R. Jehudah. Disse R.
Ne'hemiah para ele: "Não foi a mesma coisa após a morte de Acabe?" A
grande honra consistiu em que os Manuscritos Sagrados foram colocados em
seu caixão, e foi anunciado: " Aquele que descansa no caixão executou tudo o
que está escrito nestesPergaminhos. "Mas nós não fazemos a mesma coisa no
presente? No momento nós só tiramos os Pergaminhos, mas não os colocamos
no esquife, e se você quiser, pode dizer que no momento nós até mesmo os
colocamos no esquife. , mas não diga "que ele realizou", etc Disse Rabba bar
bar Hana: Eu estava andando uma vez junto com R. Johanan, e ele disse que
no presente dizemos mesmo "ele se apresentou", etc, mas nós não diga "ele
ensinou" (o que está escrito nos Manuscritos, que foi dito no funeral de
Ezequias). Mas o mestre não disse: "O estudo da Lei é grande porque causa
ação"? tem preferência sobre o estudo, e por que foi dito de Ezequias que ele
"ensinou"? Isto não apresenta dificuldade. Sobre o aprendizado, a ação tem
uma preferência, o ensino, no entanto, tem preferência sobre a ação.
R. Johanan em nome de R. Simeon b. Joai disse: "Está escrito [Isaías XXIII
20]:" Felizes são os que semeiam ao lado de todas as águas, soltando
livremente os pés do boi e do jumento. "Significa que aqueles que se ocupam
com o estudo do a Lei e os que concedem favores a outros serão
recompensados com a herança de duas tribos, como está escrito [ibid., ibid.]:
"Felizes sois que semeiam", e "semear" nada significa senão a caridade, como
está escrito [Oséias x. 12]: "Por conseguinte, semei para vós, depois da
justiça, para que você possa colher (o fruto) da bondade"; e por "água"
entende-se a Lei, como está escrito [Isa. Iv. 1]: "Ho, cada um dos que tem
sede, vem para a água" ( ie, a Torá); "é recompensado com a herança", etc.,
significa que ele supera seus inimigos como a tribo de José, como está escrito
[Deut. xxxiii. 17]: "Com eles deve empurrar as nações juntas até os confins da
terra", e ele adquire entendimento como a tribo de Issacar, como está
escrito. xii. 32]: "E dos filhos de Issacar, aqueles que tinham entendimento dos
tempos para saber o que Israel deveria fazer."

Notas de rodapé

2: 1 Estragar os navios assim.

2: 2 De acordo com a outra explicação de Rashi, é porque um ser humano é


providente, ou seja , cuidadoso, e não é fácil matá-lo a menos que penetre seu
corpo com os chifres com grande força.

3: 1Os estudiosos modernos chegam à conclusão de que originalmente o


Mishna dizia ‫המבעיר‬, que significa aquele que iniciou um fogo, em vez de
‫המבעה‬, que não pode ser encontrada nem nas Escrituras nem no Mishna em
outro lugar, e que esta última palavra se origina de um erro por parte do
transcritor ao escrever um ‫ ה‬ao invés de ‫יר‬. E parece-nos que esta visão dos
estudiosos está correta, pois encontramos em um Tosephtha claramente a
palavra "Hamabir" em vez de "Hamabeh". Podemos acrescentar que a
explicação de Rabh, "Significa um homem", mostra também que "Hamabir" é
a palavra correta. Portanto, omitimos todas as citações das passagens para
explicar o significado da palavra "Hamabá", pois elas são exageradas e
provavelmente foram adicionadas pelos expositores da declaração de
Rabh. Abraham Krochmal, entretanto, sustenta que no primeiro Mishnayoth
foi usado "Hamabir", mas Rabino, o editor de seu Mishnayoth, escreveu
"Hamabeh", porque esta palavra tem dois significados que podem ser
aplicados a pé e dente. (Veja suas Notas sobre o Talmude, Lemberg, 1831,
página 260.)
8: 1 Isso não é uma contradição do que foi dito acima, que um buraco não
causa estragos com frequência, pois significa que ele não o faz tão
frequentemente quanto o pé, que pisa em tudo no seu caminho.

13: 1 A razão pela qual isto não foi dito até agora é que não deveria haver
interrupção na discussão de R. Ishmael e R. Aqiba.

14: 1 Esse parece ser o verdadeiro significado da expressão "Bene Brith", e


não, como alguns pensavam, que significa israelitas. Veja nossa introdução a
esta edição em nossa "História do Talmude".

18: 1 De acordo com a tradução de Leeser.

28: 1 Há uma longa discussão nos dicionários talmudicais quanto ao


significado correto de bardalis, que é mencionado em vários lugares no
Talmud e parece ter diferentes significados; traduzimos "hiena" de acordo
com o Sr. Sheinhack em seu "Hamashbir".
CAPÍTULO II.
REGRAS QUE REGULAM O PRINCÍPIO DE VICIEDADE E NÃO
VICIOSIDADE NAS QUATRO PRINCIPAIS FERRAMENTAS
TORTORAS ENUMERADAS NO PRIMEIRO MISHNA.

MISHNA I .: Que tendência faz o pé ser considerado vicioso? 1 Aquilo de


quebrar (tudo a seu modo) enquanto caminha. Um animal tem uma tendência
a causar a ruptura enquanto caminha nela 2 maneira usual. Se, no entanto, ela
estava chutando (o que não é seu hábito, e portanto considerada um derivado
do chifre), ou havia cascalho sendo chutado sob seus pés (o que às vezes tem
o hábito de fazer) e vasos foram quebrados metade do dano é pago. (No caso
do cascalho é assim, por tradição; e o caso é que foi feito nas instalações do
demandante.) Se ela pisasse em um vaso e o quebrasse, e os fragmentos dele
caíssem em outro vaso e o quebrasse, para o primeiro navio, o montante total
do dano é pago (pois é o dano do pé), mas para o segundo navio, apenas
metade é pago (pois é o mesmo que o do "cascalho"). Os machos tendem a
andar de maneira normal e causar ruptura. Se, no entanto, algo estava ligado a
seus pés, ou eles estavam
p. 31

pulando e eles quebraram embarcações, apenas metade é paga (a razão é


explicada mais adiante no Gemara).

GEMARA: Disse Rabina a Rabha: (Vamos ver). O termo "pé" no Mishna não
significa o pé do animal; e o termo "animal" não significa seu pé? Por que,
então, a mudança dos termos no Mishna? Ele respondeu: Nossa Mishna
começa com "pé", porque o mesmo termo foi usado em um Mishna anterior
(página 27 ), (mas o termo apropriado é "animal").

Os rabinos ensinavam: um animal tem uma tendência a andar de maneira


usual e causar quebras. Como assim? Um animal que entrava nas instalações
do demandante e causava danos com o corpo dela, ou com o cabelo dela
enquanto caminhava, ou com a sela em que ela estava, ou com o frete que ela
carregava, ou com o cabresto colocado em sua boca. ou com o sino suspenso
no pescoço dela; e um asno com sua carga o todo deve ser pago. Summachus
diz: No caso do cascalho e no caso de um suíno se alojando no lixo, se o dano
foi feito, o todo deve ser pago. "O dano foi feito?" Isso não é evidente? Leia,
portanto: Se ele atiroue, assim, fez dano, o todo deve ser
pago. "Cascalho?" Onde isso é mencionado aqui? A Boraitha não é completa,
e deveria ler assim: Em caso de cascalho, embora seja da sua natureza
retroceder, ainda metade é paga; e o mesmo é o caso se o dano foi causado por
um suíno que estava arrecadando lixo e arremessou um pouco. Summachus,
no entanto, diz: Gravel e suína pagam todo o dano.

Os rabinos ensinavam: os galos que voavam de um lugar para outro e


quebravam vasos com as asas pagavam tudo; se, no entanto, o dano foi
causado pelo vento produzido pelas asas, apenas metade é paga (pois o que
não é feito diretamente pelo corpo, mas apenas pela força produzida pelo
corpo, é considerado no mesmo nível com o vento). "cascalho" e paga
metade). Summachus, no entanto, sustenta que o todo deve ser pago.

Outra Boraitha declara: Os galos que pulavam na massa, ou na fruta, e faziam


a mesma coisa suja ou perfurada, todo o dano devia ser pago. Se eles jogam
poeira ou cascalho, metade é paga. Summachus, no entanto, sustenta que o
todo deve ser pago.

Ainda outro Boraitha ensina: Se um galo estivesse voando de um lugar para


outro, e o vento produzido pelas asas danificasse embarcações, apenas metade
deveria ser paga. Assim, vemos que a Boraitha anônima acima está de acordo
com os rabinos. Disse Rabha: Pelo contrário, o último Boraitha está correto de
acordo com Summachus
p. 32

(que se opõe que era uma tradição que "cascalho" paga apenas a
[parágrafo continua]

metade) e diz que o todo deve ser pago, porque ele afirma que a força de
alguém está no mesmo nível do corpo (e, portanto, danos causados pelo
corpo) o vento, causado pelas asas, equivale a danos causados pelas próprias
asas, mas de acordo com os rabinos, se for considerado como feito pelo corpo,
então o todo deve ser pago; se não for considerado como feito pelo corpo,
nada deve ser pago. Posteriormente, o próprio Rabha explicou: É indiscutível
que a força de uma pessoa é equivalente ao corpo da pessoa, mas a força
(vento) sendo incomum, é considerada como "cascalho", para a qual há uma
tradição que apenas metade é paga.

Rabha disse novamente: Tudo aquilo que, no caso de alguém que tenha um
problema em execução, é considerado um contato suficiente para tornar o
artigo impuro, em caso de danos, pagar o todo; e tudo aquilo que no caso de
um ter um assunto corrente não é contato suficiente para fazer impuro, paga
em caso de dano meio; e ele quer nos ensinar o caso do vagão transportando
um que tem uma questão em andamento ( iecomo no caso de um vagão
transportando um que tenha um problema de corrida que passa por cima de
embarcações, as quais se tornam impuras, mas se apenas o "cascalho" for
levantado de debaixo do vagão e cair sobre os barcos, estes não se tornarão
impuros; assim também em caso de danos, no primeiro caso, o todo, e no
último caso, apenas metade é paga). Há uma Boraitha apoiando Rabha: "Um
animal tem uma tendência", etc. (como dito acima, página 31), com a adição
de que uma carroça carregando uma pessoa paga todo o dano.

Os rabinos ensinavam: "Os machos que mordiscaram uma corda da qual um


balde de água estava suspenso e, cortando a corda, quebraram o balde de água
e pagaram tudo." Rabha propôs uma pergunta: Se um animal pisou em uma
embarcação que não quebrou de uma só vez, mas apenas rolou por alguma
distância e depois quebrou, qual é a lei? Nós seguimos a origem e a
consideramos como tendo sido quebrada pelo corpo (e o todo é pago), ou
seguimos o lugar onde a quebra aconteceu, e é o mesmo que no caso do
"cascalho" (e apenas metade deve ser paga)? Venha e ouça: Hopping não deve
ser considerado vicioso; de acordo com os outros, no entanto, pode. É possível
que o dano causado pelo salto não seja considerado vicioso (não é da natureza
dos galos fazê-lo)? Não deve presumir-se que, ao pular a embarcação, ela
rolou para fora e depois quebrou, e eles diferem quanto ao seguinte: Um
afirma que rastreamos o dano à origem, e um deles sustenta que consideramos
apenas o local onde o
p. 33

dano ocorreu? (Assim, vemos que neste caso existe uma diferença de
opinião.) Talvez (todos concordam que consideramos apenas o local onde o
dano ocorreu, mas) isso está de acordo com Summachus, que sustenta que até
mesmo "cascalho" paga o todo . Em caso afirmativo, como você explicaria a
última parte: "Se um fragmento voou e caiu em outro navio e este quebrou,
para o primeiro navio o todo, mas para o segundo, apenas metade deve ser
pago?" Agora, se é de acordo com Summachus, ele então se apega à teoria do
dano parcial? E se você disser que ele distingue entre força primária e
secundária (no caso do rolamento do balde de água era a força primária, mas
na do vaso danificado pelos fragmentos do balde era força secundária),
questão de R. Ashi sobre se Summachus distingue ou não entre força primária
e secundária pode ser resolvida a partir disso, que não está no mesmo nível
com força primária? Devemos, portanto, dizer que a Boraitha acima está de
acordo com os rabinos. Inferir disto que nós traçamos o dano a sua origem.

R. Bibi Bar Abayi, no entanto, disse: No caso do balde de água acima, o


último estava rolando pela ação original contínua do pênis (mesmo no
momento da quebra).

Rabha questionou: O dano meio pago em caso de "cascalho", é pago fora do


corpo do infrator, porque não encontramos em qualquer lugar que metade do
dano é pago da melhor propriedade; ou é pago do melhor estado, pois não
achamos que o dano feito pelos meios usuais deva ser pago fora do corpo do
infrator? Venha e ouça: "Um cão que arrebatou e tirou um bolo das brasas em
que estava sendo cozido a um celeiro, e lá consumiu o bolo, e com o carvão
em brasa que ficou preso no bolo atearam fogo ao celeiro, deve pagar pelo
bolo todo, e pelo celeiro só pela metade. " É a razão para isso não porque o
dano de consumir o bolo é que (diretamente) do dente, e o dano ao celeiro é
apenas indiretamente (remoto), como em "cascalho", e nós temos (no entanto)
aprendido em um Tosephtha em relação a este último que o meio dano é pago
fora do corpo? (Por isso que é pago fora do corpo?) Mas, por outro lado, pode
entrar na mente que a razão para a responsabilidade, neste caso, é porque é o
caso usual de "cascalho", de acordo com R. Elazar. dos Boraitha, mesmo que
ele concorde com Summachus que "cascalho" paga todo o dano? Nós
achamos em qualquer lugar que tal é pago fora do corpo? Devemos, portanto,
dizer que no caso usual de mesmo se ele concordar com Summachus que
"cascalho" paga todo o dano? Nós achamos em qualquer lugar que tal é pago
fora do corpo? Devemos, portanto, dizer que no caso usual de mesmo se ele
concordar com Summachus que "cascalho" paga todo o dano? Nós achamos
em qualquer lugar que tal é pago fora do corpo? Devemos, portanto, dizer que
no caso usual de
p. 34

"cascalho" o dano é pago fora do corpo, mas o caso no acima


[parágrafo continua]

Mishna é que o carvão foi tratado não da maneira habitual, e R. Elazar detém
a este respeito com R. Tarphon, que disse (página 50) que, quando o chifre
tenha sido danificado de maneira incomum nas instalações do requerente, todo
o dano deve ser pago. Na realidade, no entanto, não é assim. Pois qual é a
razão da afirmação de que é, segundo R. Tarphon, por causa de todo o
dano? Podemos dizer que R. Elazar sustenta, de acordo com Summachus, que
"cascalho" paga o todo, e ele concorda também com R. Jehudah, que diz ainda
que o elemento não-vicioso (mesmo em caso de maldade) permanece intacto,
e, portanto, quando é aqui declarado que deve ser pago fora do corpo, refere-
se a esse elemento (e, em caso de não-crueldade, é sempre pago pelo corpo).

Disse R. Sama, o filho de R. Ashi, para Rabhina 1 : (Mesmo de acordo com


essa teoria) você pode explicar a afirmação de R. Jehudah apenas no caso de
um animal não-vicioso que se tornou cruel, mas como você pode explicar sua
declaração quando o animal é considerado vicioso desde o começo, como no
caso de "cascalho da maneira incomum"?

Devemos, portanto, dizer (se você quiser explicar que é "cascalho da maneira
usual") que R. Elazar sustentou que todo o dano deve ser pago, de acordo com
ele, somente quando se tornar cruel ao fazê-lo três vezes. e eles diferem no
seguinte: Um, sustenta que a teoria da crueldade não se aplica ao cascalho, e
alguém sustenta que isso acontece. Se assim fosse, então por que Rabha
questionou se pode haver maldade em caso de "cascalho da maneira usual"
( isto é,, como quando dizemos que a primeira vez que metade do dano é
pago, como no caso do chifre, assim também se torna cruel por ser feito três
vezes, como o chifre), ou a maldade não pode ser aplicada aqui (pois, como é
um derivado do pé (porque é natural) é considerado vicioso desde o início, e
ainda paga apenas metade dos danos); de acordo com os rabinos, certamente
não é, e de acordo com R. Elazar é? Rabha poderia responder: Minha dúvida
se a teoria da maldade se aplica ao cascalho está de acordo com os rabinos,
que diferem de Summachus; no nosso caso, no entanto, tanto os rabinos
quanto o R. Elazar
p. 35

Concordo com Summachus, e a razão pela qual os rabinos sustentam que


apenas metade é paga, é porque a causa estava na maneira incomum (caso em
que é um derivado do chifre), e não se torna vicioso, e o ponto de sua
diferença é a mesma que a dos rabinos e R. Tarphon. Nós ouvimos R.
Tarphon dizer apenas sobre todo o dano, mas nós já o ouvimos dizer que ele
deve ser pago fora do corpo? Sim, é suficiente que o resultado derivado de
uma inferência seja equivalente à lei da qual ele é extraído, e como este é um
derivado do chifre, ele não pode pagar mais do que o principal ou de outra
maneira. Mas sabemos que a R. Tarphon não se atém à regra que acabamos de
afirmar? (Não há dificuldade.) Ele não se apega a essa regra apenas nos casos
em que a regra de a fortiorié aplicável (como explicado mais adiante, página
51), mas onde esta regra não se aplica, ele não segurar a regra antiga.

R. Ashi questionou: De acordo com os rabinos, que diferem de Summachus e


afirmam que em "cascalho da maneira usual" apenas metade é paga, faz o
"caminho incomum" no cascalho (como, por exemplo, se feito por chutar
cascalho) mudá-lo para o pagamento de um quarto do dano ( ou seja , como o
"modo usual" é considerado vicioso, faz o caminho "incomum" torná-lo não-
vicioso para pagar metade do montante pago no caso de maldade)? Isso não
pode ser resolvido a partir da pergunta de Rabha, se há ou não há maldade no
caso de cascalho, a partir do qual é para ser inferido que ele não muda (para se
não o fizer)mudá-lo para um quarto, então, em caso de maldade, ele pagaria
apenas a metade, como pode Rabha duvidar se a crueldade, neste caso, paga o
todo - a maldade, então, paga mais do que o dobro da não-
crueldade? Podemos explicar que Rabha era duvidoso em ambas as regras
(tanto quanto a mudança e viciosidade). Se você afirmar que em caso de
cascalho a regra da mudança não se aplica, podemos aplicar a este caso a
regra da maldade? Esta questão permanece sem resposta.

" Se ela estava chutando ", etc R. Abba bar Mamal questionou R. Ami, e de
acordo com os outros R. Hyya bar Abba: Se ela (o animal) estava andando em
um lugar onde era impossível para ela não chutar cascalho, e ela chutou, e ao
fazê-lo chutou cascalho e causou danos, qual é a lei? Devemos dizer que,
porque era impossível para ela não fazê-lo, é, embora feito por chute,
considerado o caminho usual (e paga metade), ou não o consideramos assim,
porque ainda assim foi feito chutando? Esta questão permanece sem resposta.
p. 36

R. Jeremiah questionou R. Zera: Se ela estivesse andando em solo público e


cascalho sendo chutado debaixo de seus pés causou danos, qual é a lei? É um
derivado do "chifre" (porque o cascalho paga metade), e ela deve pagar
mesmo que fosse em terra pública, ou o cascalho é o derivado do "pé" (porque
é feito com o pé), e não há responsabilidade se feito em terreno público? Ele
respondeu: O senso comum diz que é um derivado do "pé". (Ele perguntou
novamente :) Se ela estivesse andando em solo público e levantasse
pedregulhos que caíssem em solo privado causando danos, qual é a lei? Ele
respondeu: Se não houver partida, haverá um descanso ( ie, sendo o início em
terreno público, onde não há responsabilidade, o local de descanso do
cascalho deve ser levado em consideração)? O questionador objetou: Não
aprendemos em outro lugar: se ela estava andando na estrada e levantando
pedregulhos, seja em terreno público ou privado, existe uma
responsabilidade. Não devemos supor que isso significa que tanto o
levantamento do cascalho quanto o dano foram feitos em terreno
público? (Agora, se chutar o cascalho é comparado com o "chifre", então
existe um passivo, como no último caso; mas se é um derivado do "pé", por
que deveria haver uma responsabilidade?) (Ele respondeu: Não, isso significa
que o chute foi em público, mas o dano foi feito em solo privado. Mas você
não argumentou: "Se não houver partida, haverá um descanso?" Ele
respondeu: Eu retiro meu argumento.

R. Jehudah, o segundo, e R. Oshiyah estavam sentados no alpendre da casa de


R. Jehudah, e uma pergunta foi feita: Se ela fez estragos abanando o rabo,
qual é a lei? (É considerado como seu hábito fazê-lo, e não há
responsabilidade, ou não?) Disse a outra: Existe algum dever do dono de
segurá-la pela cauda ao liderá-la? Se sim, por que não aplicar o mesmo
argumento ao chifre, o dono o segurará (o boi) pelo chifre ao guiá-lo? Que
comparação é essa? No segundo, não está em sua natureza fazê-lo, mas no
primeiro é (e, portanto, é um derivado do "pé"). Se está nela? natureza para
fazê-lo, então qual é a pergunta para? A questão era apenas em caso de tremor
extraordinário. (Esta questão permanece.)

"Os galos têm uma tendência ", disse R. Huna: A afirmação de que ele paga
apenas metade e não mais se refere apenas a um caso em que o artigo se
apegou a si mesmo; mas se um ser humano o anexar, aquele que o fez está
sujeito a todo o dano,
p. 37

(pois é considerado um "poço"). "Se se apegou a si mesmo", quem


[parágrafo continua]

é responsável? Se assumirmos que o proprietário do artigo anexado é


responsável, como foi o caso? Se ele mantivesse o artigo com bons cuidados,
então seria apenas um acidente; se não o fez, então foi voluntarioso, e o dano
total deve ser pago. Devemos, portanto, dizer que o dono do galoé
responsável.

Por que ele não paga todo o dano? Porque está escrito [Ex. xxi. 33]: "Se um
homem cavar um buraco", o que significa limitá-lo a um ser humano apenas, e
excluir o caso de um boi cavando um buraco (neste caso o artigo anexado é
considerado "um poço" que o galo criou ), o mesmo argumento se aplica até o
meio dano, e digamos: "Se um homem cavar um buraco, mas não se
um boicavar um buraco "(e não deve haver nenhuma responsabilidade em
tudo). Devemos, portanto, dizer que o nosso Mishna trata de um caso em que
o galo fez o dano, arremessando o artigo por alguma distância (caso em que é"
chutando cascalho ", e apenas metade do dano é pago), e a declaração de R.
Huna se aplica ao seguinte caso:" De um artigo sem dono, R. Huna diz que, se
se apegou a si mesmo, não há nenhuma responsabilidade; mas se foi anexado
por um ser humano, aquele que o anexou é responsável. "Em que princípio ele
é responsável (pois, afinal de contas, não se assemelha a um" poço "em todos
os aspectos, porque um" poço "é estacionário , enquanto aqui foi removido do
lugar onde foi amarrado) "Disse R. Huna bar Munoa'h: Ele é responsável pelo
princípio de um" poço móvel "se alguém colocar uma pedra na via pública
que, enquanto jaz naquele lugar, não causou nenhum dano; e outra pessoa ou
um animal o removeu daquele para outro lugar e dano foi causado lá, o último
é responsável).

MISHNA II .: Que tendência faz com que o dente seja considerado


vicioso? Que de comer o que é adequado para isso. Um animal tem uma
tendência a consumir frutas e legumes; se ela, no entanto, mastigou uma peça
de roupa ou vasos, apenas metade do dano é pago. Isto é dito apenas se nas
instalações do autor, mas em terreno público não há responsabilidade. Mas se
ela der algum benefício, o valor de tal benefício é pago. Como assim? Se ela
consumiu no meio da via pública, o valor do benefício é pago; se somente do
lado da estrada, a quantia do dano é paga; se da frente de uma loja, o valor do
benefício; se de dentro da loja, apenas o valor do dano é pago. (Este Mishna é
explicado mais adiante)

GEMARA: Os rabinos ensinaram: O dente tem uma tendência


p. 38

para consumir o que é adequado para isso. Como assim? Para um animal que
entrou na corte da queixosa e consumiu a comida que lhe cabia ou bebeu
líquidos que lhe cabem, todo o dano deve ser pago. O mesmo acontece
quando uma fera entra na corte do queixoso e mata um animal, ou consome
carne, todo o dano deve ser pago.

Para uma vaca, no entanto, que consumiu cevada e um burro que consumiu
beterraba, ou um cachorro que estava lambendo óleo ou um suíno que
devorava carne, todo o dano deve ser pago (embora não seja a comida habitual
deles). Disse R. Papa: Agora que você estabelece a regra de que um artigo
consumido que constitui o alimento do consumidor apenas em caso de
necessidade incomum é considerado alimento; para um gato que devorava
tâmaras e um rabo que consumisse peixe, o todo devia ser pago. Aconteceu
que um asno consumiu um pedaço de pão contido em uma cesta e mastigou a
cesta, e R. Jehudah decretou que o todo seja pago pelo pão e pela metade pela
cesta (porque o primeiro tem o hábito de comer e o pão último não). Por
quê? Não está em seu hábito mastigar também a cesta enquanto come o
pão? O caso foi que ele primeiro consumiu o pão e depois mastigou a
cesta. Então o pão é a comida habitual do gado? Não aprendemos: "Se ela
consome pão, carne ou comida cozida, metade é paga"? Não devemos assumir
que se trata de gado? Não, isso significa uma fera. Se sim, então é costume
comer carne? O caso é que a carne foi assada. Pode-se explicar também que a
carne estava crua, mas que o animal era um cervo. E se você quiser explicar
que trata de gado, então o caso foi que a comida foi colocada na mesa (o que é
incomum para o gado comer). Aconteceu que uma cabra, notando beterrabas
no topo de um barril, subiu e consumiu as beterrabas e quebrou o barril, e
Rabha ordenou que pagasse o total para ambos. Por quê? Porque: como é
costume dela consumir beterraba, também é costume dela subir o barril. Ilpha
disse: Um animal sendo em público, terra, que estendeu o pescoço e consumiu
algum artigo da parte de trás de outro animal, é responsável. Por quê? Porque
as costas do outro animal são consideradas como as premissas do
autor. Vamos supor que ele será apoiado pelos seguintes Boraitha: "Quando
sua cesta foi colocada em suas costas e um animal estendendo seu pescoço
chegou a comida nele e consumiu, é para ser pago"? Não, o caso é como
Rabha disse, isso! foi atingido pelo animal que saltou para ele, assim também
foi o caso aqui, isto é, saltando. Onde a explicação de Rabha foi ensinada?
p. 39

Na seguinte declaração de R. Oshiyah: Um animal em solo


[parágrafo continua]

público, se ela tiver consumido enquanto caminha, não há responsabilidade,


mas se ela o fez em pé em um lugar, há uma responsabilidade. (E foi
questionado): Por que isso é assim? Não é usual que um animal também esteja
na via pública? Disse Rabha: R. Oshiyah quis dizer se o animal pulou. R. Zera
propôs uma pergunta: se estava rolando, qual é a lei? Para qual caso a
referência de R. Zera? Se o animal estivesse em terreno privado e o artigo
estivesse rolando em direção ao terreno privado. 1 (Faça seguimos o local
onde foi consumido, e não há responsabilidade, ou vamos seguir o lugar de
onde ele foi removido, e não é um passivo?)

Venha e ouça: "R. Hyya ensinou: Um pacote de comida sendo colocado


parcialmente dentro e parcialmente sem (premissas privadas), se o animal
consumiu aquela porção colocada dentro, existe, e se essa porção colocada
sem, não há responsabilidade. " Não assumiremos que foi rolado ( isto é , que
o todo foi consumido, e foi rolado totalmente ou totalmente para fora,
respectivamente; portanto, que seguimos o lugar do consumo)? Não, R. Hyya
ensinou isso apenas na grama de folhas longas (caso em que cada folha está
parcialmente dentro e parcialmente sem as premissas, e assim que uma
extremidade é tocada, a outra vai atrás dela e, portanto, seguimos o local de
consumo , mas não é assim em caso de grão).

" Se ela mastigou uma peça de roupa ", etc. Para que parte da Mishna tem
essa referência? Disse Rabh: Para todas as partes. Por quê? Se alguém faz uma
coisa incomum (como neste caso a colocação de uma peça em terreno
público), e outra faz um ato incomum a essa coisa (como neste caso a
mastigação da roupa pelo animal), não há responsabilidade . Samuel, no
entanto, diz que isso foi ensinado apenas de frutas e legumes, mas para roupas
e vasos há uma responsabilidade. Resh Lakish, no entanto, concorda com
Rabh (porque ele adere à sua teoria mais adiante, Cap. III., Mishna 6.)

" Se ela derivou benefício ", etc. Quanto? Rabba disse o valor do feno. Rabha
disse o valor da cevada barata. Existe uma Boraitha de acordo com Rabba, a
saber: "R. Simeon b. Jo'hi diz: Apenas o valor do feno ou palha é pago, e não
mais." Há outro Boraitha de acordo com Rabha, a saber: "Se ela obteve
benefício, ela paga tanto quanto o valor do benefício. Como assim? Se ela
consumisse um kabh ou dois, não o
p. 40

o valor total é pago, mas apenas o necessário para alimentar seu animal com
comida adequada para ela, embora ele não tenha o hábito de usar tal
alimento. Portanto (como a adequação do alimento é levada em consideração)
se ela consumiu trigo ou outro alimento prejudicial a ela, não há
responsabilidade (se em terreno público). "

R. Hisda disse para Rami Bar Hama: Eu lamento que você não estivesse em
nosso bairro na outra noite, quando perguntas muito sérias foram feitas a
nós. O que eram eles? Assim: Aquele que toma sua morada na corte de seu
vizinho sem o conhecimento deste último, ele deve ou não deve pagar
aluguel? Como foi o caso? Se a corte não fosse deixada, e o morador fosse tal
que não precisasse alugar nenhum ( por exemplo,, se ele tivesse uma casa
própria, ou pudesse conseguir uma sem pagar aluguel), então a pessoa não
obtém nenhum benefício e a outra não sofre perdas? E se a corte fosse para ser
deixada e o morador precisasse de uma morada, então um tira benefício e o
outro sofre perda (e por que não deveria ser pago nenhum aluguel)? O caso
era onde a corte não deveria ser deixada, mas o morador precisava de
um. Como é? O morador pode dizer ao dono da corte: "Que perda eu causei a
você?" Ou pode o dono da corte dizer ao morador: "Não importa, para você,
pelo menos, o benefício derivado"? E ele respondeu: Para isso existe um
Mishna. Onde está aquela Mishna? Ele disse a ele: Se você me render alguns
serviços, eu lhe direi onde está. Ele tirou o casaco e enrolou-o para ele. Ele
então disse: É o Mishna acima que afirma que, se algum benefício for obtido,
o valor dele deve ser pago. Disse Rabha: Quão seguro e descuidado o homem
sente que sabe que o Senhor o ajuda. (Veja Yomah, página 31, um ditado
semelhante em nome de R. Huna.) Ele aceitou a Mishna como um caso
similar ao acima, quando na realidade os fatos da Mishna são diferentes
daqueles do caso acima, como no caso declarado no Mishna um deriva
benefício e o outro sofre dano, enquanto no seu caso um obtém benefício e o
outro não sofre nenhuma perda.

[O que Rami Bar Hama poderia dizer sobre isso? Geralmente, quem coloca a
fruta em terreno público renuncia à propriedade dela (e, portanto, não há
perda).]

Venha e ouça: R. Jehudah disse também que aquele que ocupa a corte do
vizinho sem o conhecimento deste último deve pagar o aluguel. Inferir disto
que no caso de um deriva benefício, embora o outro não sofra nenhuma perda,
há um passivo? Não, lá é diferente; trata-se de uma casa nova, cujas paredes
ficam sujas
p. 41

de uso (e isso é considerado uma perda para o proprietário). (Finalmente) essa


pergunta foi enviada para a escola de R. Ami e ele respondeu: O que ele fez,
que perdas sofreu ou que danos causou? Disse R. Hyya bar Abba: Nay, ainda
temos que considerar este assunto (como a sujidade pode ser considerada um
dano). Depois disso, eles enviaram a ele (para R. Hyya b. Abba) por sua
decisão neste assunto, e ele disse: Eles continuam me enviando esta
pergunta; se eu pudesse encontrar algum motivo para decidir isso, eu não teria
respondido?

(Em referência à pergunta acima) foi ensinado: R. Kahana disse em nome de


R. Johanan: Ele não precisa pagar nenhum aluguel. R. Abbubu disse em nome
da referida autoridade que ele precisa pagar o aluguel.

R. Abba bar Zabda enviou uma mensagem para Mari bar Mar para pedir a R.
Huna sua decisão no assunto acima. Nesse meio tempo, R. Huna partiu a
vida. Disse Rabba, seu filho: Então disse meu pai e professor em nome de
Rabh: Ele não precisa pagar. (Ele também disse): Aquele que aluga uma casa
de Rúben deve pagar o aluguel para Simeão. Como o Simeon entra aqui? Ele
quis dizer assim: Se a casa, na qual ele estava morando na época, fosse
vendida para Simeão, o aluguel deveria ser pago a Simeão (embora Simeão
não tivesse conhecimento de que ele estava ocupando a casa). Poderia, então,
R. Huna dizer duas coisas que se contradizem? Não há contradição, porque no
último caso o ocupante pretendia pagar pelo seu uso. O mesmo caso foi
ensinado por R. Hyya Bar Abin em nome de Rabh, e de acordo com outros em
nome de R. Huna. R. S'horah disse em nome de R. Huna, citando Rabh:
Aquele que mora na casa de seu vizinho (que estava desocupado e localizado
em um distrito instável) sem o conhecimento do proprietário não precisa pagar
qualquer aluguel, porque a não-ocupação causa danos, como está escrito [Is. x
xiv. 12]: "E em ruínas é batido a porta" (isto é , se desocupado o portão se
estraga e, portanto, o dono da casa obtém benefício da ocupação). Disse Mar
Bar R. Ashi: Uma vez eu vi uma casa que foi danificada e parecia como se
tivesse sido ferida por um boi. R. Joseph atribuiu outra razão, a saber, uma
casa que é habitada dura mais tempo (pois os habitantes fazem todos os
reparos necessários). Qual é a diferença entre essas duas razões? Há uma
diferença quando a casa é usada para armazenar madeira e palha. 1
p. 42

Uma certa pessoa erigiu um palácio sobre as ruínas pertencentes a órfãos, e R.


Na'hman recolheu o aluguel (para o uso das ruínas) do palácio. Devemos
supor que R. Na'hman sustente que aquele que mora na casa de seu vizinho
sem o conhecimento do proprietário deve pagar o aluguel? Neste caso, as
ruínas eram anteriormente ocupadas por antigos que costumavam pagar uma
renda nominal aos órfãos, e R. Na'hman ordenou que os Carmines fossem e
compensassem os órfãos, cuja ordem foi desconsiderada por ele e, portanto,
R. Na'hman coletou do palácio.

" Como ela paga pelo benefício?e por esse motivo não há responsabilidade de
consumi-lo). Samuel sustenta que, para a cova em questão, não há
responsabilidade (consequentemente, ele foi autorizado a colocar sua fruta lá
e, portanto, o consumidor é responsável). Não, Rabh pode responder, eu
seguro no caso de um "buraco no próprio território" que não há
responsabilidade; mas por que o consumidor é responsável? Porque o dono do
animal pode dizer: Você não pode ter tanto privilégio a ponto de colocar sua
fruta na vizinhança imediata da terra pública e manter meu boi à
responsabilidade. E o mesmo é o caso de Samuel, que pode dizer: No caso de
um "buraco no próprio território", eu sustento que existe uma
responsabilidade, mas aqui,
p. 43

o fruto foi exposto à vista e o boi não pôde escapar percebendo (e, portanto, se
o boi deve ser ferido, o dono do fruto não seria responsabilizado; o dono do
boi, no entanto, é responsável pelo fruto consumido pelo seu boi , porque ele
derivou benefício da propriedade de outro). Assumiremos que no caso acima
(virando a cabeça) os Tanaim dos seguintes Boraitha diferem: "Se um animal
consumido do meio da estrada, o valor do benefício derivado deve ser pago;
se do lado da rua, o O valor do dano deve ser pago, tal é o ditado de R. Meir e
R. Jehudah, mas R. Jose e R. Elazar sustentam que não é costume dela
consumir, mas apenas andar (no sideway, e, portanto, há uma
responsabilidade). Agora, vamos supor que R. Jose concorda com o primeiro
Tana, mas eles diferem apenas quanto a "campo de outro homem [Ex. xxii. 4]:
"E ele deixa seus animais entrar, e eles se alimentam no campo
de outro homem."

Sustenta-se que significa excluir o solo público (e, portanto, se ela consumiu a
partir do meio da rua, não há responsabilidade), e um detém significa excluir o
fundamento do réu. "O chão do réu?" (Por que deveria haver alguma
responsabilidade?) Deixe o réu dizer ao queixoso: Que direito você tinha de
colocar seus frutos no meu terreno? Devemos, portanto, dizer que eles diferem
nos casos declarados por Ilpha e R. Oshiyah (ver supra , página 38 ) (R. Meir
afirma, se no meio da rodovia só o valor do benefício deve ser pago em ambos
os casos declarado por Ilpha e aquele afirmado por R. Oshiyah, e R. Joseph
sustenta que não é seu hábito habitual, etc.

e segura para Ilpha e R. Oshiyah.)

MISHNA III .: Um cão ou uma cabra que pula do alto de um telhado e que
quebra os vasos, paga todo o dano; porque são cruéis (como saltar, e fala de
um caso nas premissas do demandante). Um cachorro que pegou um bolo (do
carvão em que estava assado) e levou para um celeiro e lá consumiu o bolo e
(com o carvão queimado preso no bolo) atearam fogo ao celeiro, o todo para o
bolo, mas apenas metade do dano para o celeiro deve ser pago (como
explicado mais adiante no Gemara).
p. 44

GEMARA: O Mishna afirma um caso de salto, porque em caso de queda não


há responsabilidade; Vemos então que o Tana sustenta que onde o início de
um ato é intencional (neste caso, permitindo que o bode ou o cão fique no
topo do telhado), mas o fim é apenas por acidente (a queda, que ele não
poderia antecipar), não há responsabilidade. Nós também aprendemos em um
Boraitha: "Um cão ou bode que pula de um telhado e que quebra os vasos,
paga todo o dano; se, no entanto, eles caírem , não há responsabilidade." Os
rabinos ensinavam: "Um cão ou uma cabra que salta de baixo, não há
responsabilidade; se, no entanto, eles pularem de cima para baixo. Um ser
humano ou um galo, no entanto, esse salto são responsáveis em ambos os
casos. "

" Um cão que arrebatou " etc. Ensinou-se: R. Johanan disse: O fogo de
alguém é considerado a flecha de alguém ( ie, aquele que permite que um
incêndio iniciado por ele se espalhe e cause dano é passível do mesmo
princípio que aquele que dispara de um arco quando a flecha causa
dano). Resh Lakish, no entanto, disse: A responsabilidade é porque o fogo é
considerado propriedade da pessoa. Há uma contradição de nosso Mishna:
"Um cão que arrebatou um bolo", etc. Seria correto, de acordo com aquele que
considera que o fogo de alguém é considerado uma flecha, pois neste caso é a
flecha do cão (e o cão). é propriedade da pessoa); mas de acordo com aquele
que afirma que é porque o fogo é considerado propriedade de alguém, neste
caso, é propriedade do dono do cão. Resh Lakish pode dizer: O caso foi que
ele o jogou, caso em que ele é responsável pelo bolo no valor total; para o
lugar em que o carvão caiu para a metade (pois é incomum); e para o celeiro
ele não é de todo responsável (pois a responsabilidade pelo fogo é porque é
propriedade dele e, nesse caso, não é). E R. Johanan pode explicar que ele
colocou (o bolo e o carvão em brasa) da maneira usual e, portanto, para o bolo
e o lugar onde o carvão estava, ele está sujeito à quantidade total, mas para o
celeiro ele é apenas responsável para metade. Disse Rabha: Há tanto uma
passagem bíblica quanto uma Boraitha em apoio a R. Johanan, a saber, uma
passagem bíblica, pois está escrito [Ex. xxii. 5]: "Se um incêndio mas para o
celeiro ele é responsável apenas pela metade. Disse Rabha: Há tanto uma
passagem bíblica quanto uma Boraitha em apoio a R. Johanan, a saber, uma
passagem bíblica, pois está escrito [Ex. xxii. 5]: "Se um incêndio mas para o
celeiro ele é responsável apenas pela metade. Disse Rabha: Há tanto uma
passagem bíblica quanto uma Boraitha em apoio a R. Johanan, a saber, uma
passagem bíblica, pois está escrito [Ex. xxii. 5]: "Se um incêndioirromper ";"
quebrar "significa que se ele faz isso por si mesmo, e ainda" aquele que
acendeu o fogo certamente fará restituição "[ibid.]. Portanto, vemos que o
fogo de alguém é considerado uma flecha. A Boraitha: Como temos
aprendido: "A passagem começa com danos feitos por sua propriedade (a
passagem acima citada, que significa 'quebrar' de si mesma ) sem a ajuda de
alguém, e termina com os danos causados pela própria pessoa : 'Aquele
acendeu, 'etc. [ibid., ibid.],
p. 45

para ensinar que a responsabilidade pelo fogo é porque é considerada a flecha


dele. "

Rabha disse novamente: Foi uma dificuldade para Abayi: Sabe-se que não há
responsabilidade por danos causados por fogo a artigos ocultos; como pode tal
caso ser encontrado na lei bíblica, de acordo com aqueles que sustentam que o
fogo é considerado uma flecha? Depois disso, ele mesmo tentou explicá-lo
assim, que o caso é onde um incêndio começou em uma quadra e a cerca da
corte caiu, não em razão do fogo (mas por alguma outra razão), e por causa
disso o fogo se espalhou para outro tribunal e causou danos, caso em que a
"seta" deixou de ser tal na fronteira do primeiro tribunal (pois no momento em
que o incêndio foi iniciado, não foi possível espalhar fora do tribunal, antes da
queda de a cerca).
Se sim, então a mesma coisa pode ser dita também no caso de artigos não
revelados? Devemos, portanto, dizer que aquele que sustenta que a
responsabilidade é porque é sua flecha, sustenta que é assim porque o mesmo
é também sua propriedade, e que nesse caso ele teve tempo suficiente para
consertar a cerca (antes da propagação de fogo), mas não o fez; e, embora não
seja responsável por iniciar o incêndio, ele é responsável por permitir que ele
se espalhe, caso em que é o mesmo que se ele tivesse mantido seu boi em uma
baia sem trancar a porta. Se assim for, aquele que sustenta que a
responsabilidade pelo fogo é porque é sua flecha também se aplica à outra
teoria, que é considerada sua propriedade (e se não for responsável por uma
razão é responsável por outra razão) ), então qual é a diferença entre
R. Johanan e Resh Lakish? A diferença é quanto à responsabilidade pelas
quatro coisas (veja acima, página6 ). (De acordo com aquele que sustenta que
é porque também é a flecha dele, há uma responsabilidade; e de acordo com o
que segura isto é porque é sua propriedade, não há nenhum.)

" Para o bolo ", etc, " paga ", etc Quem é o responsável - o dono do cão? Por
que também o dono do carvão não deve ser responsabilizado? (Pois, de acordo
com R. Johanan e Resh Lakish, a responsabilidade é porque é propriedade
sua, e de acordo com R. Johanan, que afirma que metade deve ser paga pelo
celeiro, o proprietário do carvão paga a outra metade e de acordo Para Resh
Lakish, que afirma que não há nenhuma responsabilidade pelo celeiro, que o
proprietário do carvão seja responsável pelo todo?) O caso é que o dono do
carvão cuidou bem dele. Se sim, como o cachorro poderia se apossar dele? O
caso é que o cão cavou por baixo da porta e obteve acesso. Disse Mari, o filho
de
p. 46

R. Kahana: A partir do fato de que o dono do cão deve pagar a totalidade dos
danos deve-se inferir que as portas comuns são consideradas inseguras em
relação aos cães (e não deve ser considerado incomum, de modo a pagar
apenas metade).

Vamos ver: O Mishna afirma que o cachorro consumiu o bolo, etc.


Consumido onde? Se não nas dependências do dono do bolo, por que deve ser
pago? Isso não é "em outroporque uma questão foi realmente levantada
quanto a isso. E não poderia surgir tal pergunta se fosse certo que a boca do
animal é considerada a premissa do réu; além disso, não poderia surgir
nenhum caso em que houvesse uma responsabilidade por danos causados pelo
dente, pois, para consumi-lo, ele deve necessariamente ser levado à
boca. Disse Mari, o filho de R. Kahana: Se não houvesse nenhum caso direto
de "dente", poderia surgir um caso que é sua derivada, como, por exemplo,
quando o animal estava esfregando contra a parede para seu próprio benefício
e desse modo danificou, ou ela rolou em cima de frutos para o benefício
próprio dela, e os fez sujo (que casos são derivados do "dente"). Mar Zutra se
opunha: Mas então não está escrito na Bíblia que deve haver completa
destruição [I Reis xiv. 10]: "nadasobrando "? O que não é o caso aqui (como a
parede ou a fruta ainda existe). Disse Rabhina: Pode ser explicado que
esfregando contra a parede ela obliterou completamente as gravuras nela (e no
caso da fruta ), disse R. Ashi, que rolando sobre as frutas ela as afundou na
lama (para que não pudessem ser removidas).

Havia certas cabras pertencentes à família de Tarbu que estavam causando


danos à propriedade de R. Joseph, e ele disse para
p. 47

Abayi: Vá e diga aos seus donos para mantê-los em


[parágrafo continua]

segurança. Este respondeu-lhe: Se eu fizer isso, eles me dirão que você deve
colocar uma cerca no seu terreno. [Se alguém tem que colocar uma cerca
sobre suas premissas a fim de evitar o consumo, ou de outro modo prejudicar,
seus frutos, como pode haver: um caso de responsabilidade por dano pelo
"dente", pelo qual a Escritura o torna claramente responsável? ? Isso pode ser
no caso de ela cavar sob a cerca ou a cerca cair na noite (se não houvesse
oportunidade de repará-la).] Anunciado R. Joseph, e de acordo com os outros
Rabba: Deve ser conhecido por todos aqueles que estão subindo para a
Palestina e para todos aqueles que estão descendo para a Babilônia que se os
bodes que são mantidos para abate durante os dias de mercado causarem
danos, seus donos serão avisados duas ou três vezes. Se eles ouvem bem e
bem,

MISHNA IV : O que é considerado um não-vicioso e o que é considerado


vicioso? Um boi cruel é aquele que foi avisado três dias. Um não-vicioso é
aquele que se abstém (de chiar) por três dias. Tal é o ditado de R. Jehudah. R.
Meir, no entanto, disse que um boi cruel é um que foi advertido três vezes, e
um não-violento é aquele que, quando as crianças lhe dão tapinhas nas costas,
não as engole.

GEMARA: Qual é a razão do R. Jehudah? Disse Abayi: Está escrito


[Ex. xxi. 36]: "No tempo passado" (no original: " Mi -tmol,
Shilshom"). Poderia ter sido escrito "tmol" (ontem), e depois teria contado
apenas uma vez, mas está escrito " Mi- tmol" (desde ontem), portanto significa
duas vezes; quando "shilshom" é acrescentado, significa três vezes, e então
segue, "e seu dono não o manteve" [ibid.], o que significa que a maldade
começa quando se fura a quarta vez (pela terceira vez, entretanto, apenas
metade é pago). Rabha, no entanto, não é tão particular sobre a adição de "mi"
a "tmol" e, portanto, esta palavra significa apenas uma vez, e a palavra
"shilshom" significa duas vezes, portanto " tempo, quando o boi se torna
cruel, e ele paga todo o dano.
E qual é a razão da teoria de R. Meir? Isto é explicado no seguinte Boraitha .:
R .. Meir disse: (Tire uma conclusão a fortiori ): Se ele entrasse em "longos
intervalos (apenas uma vez por dia), ele é considerado vicioso na terceira vez;
tanto mais se ele tivesse trespassado três vezes em um dia, ele deve ser
considerado
p. 48

vicioso. Eles se reuniram: Não há uma conclusão a fortiori a ser traçada aqui,
pois há uma semelhança no caso de uma mulher que tem um problema de
execução, que é impura por sete dias apenas quando ela percebe a doença três
dias consecutivos uma vez por dia mas se ela perceber três vezes ou mais em
um dia, terá que esperar apenas um dia. Ele disse novamente. (Nada disto
pode ser inferido) como o verso fez este caso excepcional pelas palavras " E
isto ", etc. [Lev. xv. 3], o que significa que é assim apenas neste caso, e
nenhum outro pode ser comparado a ele, pois vemos que, neste caso, o
versículo fez, no caso de um homem, depende do número de vezes de
perceber a questão, enquanto no caso de uma mulher, isso dependia do
número de dias.

Os rabinos ensinavam: Que boi é considerado vicioso? Um que foi avisado


por três dias; e um não-vicioso é aquele que é acariciado por crianças e não
gore; tal é o ditado de R. Jose. R. Simeon, no entanto, sustenta que um boi
cruel é tal que foi advertido três vezes (mesmo em um dia), e a declaração
quanto aos três dias é apenas sobre se abster (isto é, se depois de ter sido
advertido três vezes ele se abstém por três dias de goring, então ele é
novamente considerado não-vicioso). Disse R. Na'hman em nome de R. Ada
bar Ahba: O Halakha prevalece como afirmado por R. Jehudah em relação a
um boi cruel, e de acordo com R. Meir em relação a um boi não-vicioso, pela
razão que R. Jose concorda com eles. Disse Rabha a R. Na'hman: Deixe o
mestre dizer que a Halakha prevalece de acordo com R. Meir em relação a um
boi cruel, e de acordo com R. Jehudah em relação a um boi não-vicioso, pela
razão que R. Simeon concorda com eles em ambos. Ele voltou: eu concordo
com R. José, pois ele sempre tem suas razões válidas.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: Os três dias em questão são para


tornar o boi vicioso; mas o dono pode ser responsabilizado por um vicioso em
um dia; ou são aqueles três dias também quanto ao dono? Em que casos pode
haver uma diferença? Se aparecerem três conjuntos diferentes de testemunhas
em um dia (e testemunharem três coisas em três dias), se esses três dias forem
sobre o boi, então ele se torna cruel; mas se eles são como a responsabilidade
do proprietário, então este último pode dizer que todos os três conjuntos
aparecem apenas agora (e as Escrituras exigem que eles apareçam em três
dias).
Venha e ouça: "Um boi não se torna cruel até que o testemunho seja dado na
presença de seu dono e do tribunal. Se na presença de apenas um deles, ele
não se torna
p. 49

vicioso até que esteja na presença de ambos. Se duas testemunhas testificaram


sobre o primeiro goring, duas quanto ao segundo goring, e duas quanto ao
terceiro (cada goring sendo em um lugar, tempo e homem diferentes), temos
então três conjuntos de testemunhas, mas ainda assim todas três conjuntos são
considerados como provados em conluio. Se um conjunto for encontrado em
conluio, ainda há o testemunho dos outros dois conjuntos, e nem o dono está
sujeito a pagar por um vicioso, nem suas testemunhas são responsáveis (pagar
a outra metade por maldade). O mesmo acontece se também o segundo
conjunto for considerado colusivo. Se, no entanto, todos os três conjuntos se
mostrarem colusivos, todos eles são considerados como um conjunto, e todos
eles devem pagar a metade por maldade, e isso significa a passagem
[Deut. xix. 19: Então, farás a ele, como ele se propôs a fazer a seu irmão
"etc. Agora vamos ver. Se os três dias forem sobre o boi (mas o dono pode ser
responsabilizado se o testemunho for dado a ele três vezes em um dia), é
correto que as testemunhas sejam responsáveis somente quando todos os três
conjuntos provarem colusão (pois pode ser que aquele que foi ferido trouxe
todas as testemunhas para testemunhar os três fatores, e cada grupo sabia do
outro e do que eles deveriam testemunhar, e portanto eles não podem dizer
que eles pretendiam fazê-lo pagar apenas metade); mas se você disser que os
três dias são para o dono também, por que o primeiro conjunto de testemunhas
(se for provado ser conivente) será responsável? Deixe-os dizer que eles não
sabiam que os outros viriam em dois ou três dias depois para testemunhar
como para torná-lo vicioso. Disse R. Ashi: Quando li esta Halakha antes de R.
Kahana, ele me disse: Mesmo que os três dias sejam explicados apenas em
relação ao boi, seria então correto, pois (mesmo que o primeiro grupo não
possa argumentar que eles não tinham conhecimento do testemunho a ser
dado pelos outros, pois eles sabiam que em seu próprio testemunho, ele não
poderia ser ferido), o último grupo pode dizer: Como deveríamos saber que
todas essas testemunhas perante o tribunal iriam testemunhar sobre este
caso? nós pretendíamos testemunhar de modo a fazê-lo pagar apenas a
metade? Nós devemos, portanto, dizer (que se os três dias referirem-se ao boi)
um grupo de testemunhas deu ao outro uma pista sobre o que eles iriam
testemunhar. R. Ashi disse: O caso é que todos se reúnem e, portanto, devem
saber do testemunho um do outro. Rabhina disse: Pode ser que as testemunhas
conhecessem o dono, mas não conheciam o boi (e, portanto, ao testemunhar,
pretendiam tornar o boi vicioso e devem saber que já havia testemunho
dado). Se eles não conhecem o boi,
p. 50
como eles podem torná-lo vicioso? Eles testificam e avisam o dono que há um
boi "enjaulado" entre seu gado e, portanto, que ele deveria cuidar de todo
o seu gado.

Os escolásticos propuseram a seguinte pergunta: Para quem coloca o cachorro


do vizinho em uma terceira pessoa, qual é a lei? O primeiro não é certamente
responsável (pois ele foi apenas instrumental na lesão), mas o dono do cão é
ele ou ele não é responsável? Ele pode dizer: O que eu fiz nesse assunto? Ou
podemos dizer a ele: sabendo que seu cão é capaz de ser ativado, você não
deve ficar com ele? Disse R. Zera: Venha e ouça. É afirmado em nosso
Mishna: O que é considerado um boi não-vicioso? Aquele que quando bateu
com os tapinhas nas crianças, não as engole, mas se ele chorar, ele é
responsável (embora tenha sido causado pelo tapinha das crianças). Disse
Abayi: Isto é, então, assim declarado no Mishna? Talvez o Mishna quis dizer
que, se ele o fez, ele não é mais considerado inteiramente não-vicioso, mas
que ele não é responsável por isso.goring. Esta questão permanece
indecisa. Rabha disse: Se você disser que alguém que coloca o cachorro de
seu vizinho é responsável, isso aconteceria, se, nesse caso, o cão virasse com
o que o colocasse e o mordesse, o dono não seria responsável. Por quê? Como
dito acima, página 39 , aquele que faz algo incomum, etc., que é o mesmo
neste caso. O homem estava errado em se pôr no cão, e o cachorro não deveria
mordê-lo. Disse R. Papa para Rabha: Foi ensinado em nome de Resh Lakish
de acordo com sua teoria no caso de duas vacas (ver postagem ,
página 70 ). Reencontrei Rabha: Eu, nesse caso, o responsabilizo, pela razão
que podemos dizer a ele: Você tinha permissão para pisar em cima de mim,
mas você também tinha permissão para me chutar?

MISHNA V .: "Um boi que causou dano nas instalações pertencentes ao


demandante", afirmou no Capítulo I., Mishna IV .; como assim? Se ele chora,
empurra, morde, deita ou chuta em terreno público, paga metade; se enquanto
estiver nas instalações do autor, R. Tarphon detém o todo; os rabinos, no
entanto, dizem metade. Disse R. Tarphon a eles: (Não devemos, então,
desenhar a fortioriconclusão.) Num caso em que a lei é indulgente com o
"dente" e "pé" em terra pública, tornando-os não responsáveis, ela decreta
rigorosamente se o mesmo aconteceu nas premissas do autor, a saber, que o
todo deve ser pago; em um caso em que ele decida rigorosamente que o
"chifre" em público deve pagar metade, não é uma inferência lógica que
devamos julgar estritamente o mesmo, se nas premissas do autor,
p. 51

responsável pelo todo? Eles disseram-lhe: É suficiente que o resultado


derivado da inferência seja equivalente à lei da qual ele é extraído, isto é,
como se em solo público apenas metade, assim também se nas premissas do
demandante. Ele voltou: Eu também não deduzo "chifre" de "chifre", mas eu
deduzo o chifre de "pé", e raciocino assim: se em casos em que o "dente" e o
"pé" fossem tratados brandamente se em público terreno, o "chifre" foi tratado
com rigor, não é uma conclusão lógica que este último deve ser rigorosamente
tratado nos casos em que o primeiro também foram tratados? Eles se juntaram
novamente: É, no entanto, suficiente que o resultado derivado da inferência
seja equivalente à lei da qual ele é extraído.

GEMARA: R. Tarphon ignorou a teoria de "é suficiente" etc.? Esta regra,


então, não é bíblica? Como aprendemos na seguinte Boraitha:
"Uma conclusão a fortiori deve ser considerada bíblica. Onde é que ela pode
ser encontrada na Bíblia? Está escrito (Numb. Xii. 14):" E o Senhor disse a
Moisés, se ela o pai tinha cuspido na cara dela, se ela não se envergonhasse
sete dias? Tanto quanto mais se for para a Shekhina, deve ser catorze dias?
Mas há uma regra que é suficiente que o resultado derivado da inferência seja
equivalente à lei da qual é extraída ". (Por isso, vemos que a regra de "É
suficiente" também é bíblica.) R. Tarphon não se atém a essa regra apenas
quando a fortioriargumento pode refutar essa inferência, mas onde não há tal
refutação, ele faz, a saber, na Bíblia os sete dias da Shekhina NÃO são
escritos; somente por um argumento a fortiori nós estabelecemos que ele é
quatorze dias, e portanto, pela regra acima declarada, nós igualamos isto ao
caso do pai, mas no nosso caso o meio dano está escrito na Bíblia e se aplica
também às premissas do o queixoso, e por um argumento a fortiori , só
acrescentamos outra metade a ele. Agora, se você deve aplicar a regra acima,
então o a fortioriargumento seria refutado inteiramente por ele. Os rabinos, no
entanto, sustentam que os sete dias no caso da Shekhina ESTÃO escritos na
Bíblia, viz. [ibid., ibid.]: "Deixe ela ficar calada por sete dias." R. Tarphon, no
entanto, pode dizer que esse é o próprio verso que indica a aplicação da regra
de "É suficiente", etc. E de onde os rabinos deduzem a aplicação dessa
regra? Há outra passagem para isso, viz. [ibid. 15]: "E Miriam foi calada". R.
Tarphon, no entanto, pode dizer que esse outro verso é necessário para indicar
que a regra de "é suficiente", etc., é aplicável em casos comuns
p. 52

também, como se poderia dizer que é aplicável a este caso somente por causa
da honra de Moisés; daí a passagem.

Deixe o "dente" e "pé" ser responsável (se eles fazem dano) em público, pelo
seguinte argumento a fortiori : O chifre (fazendo dano) nas instalações do
autor paga apenas metade, ainda o mesmo é o caso mesmo em terreno
público; o "dente" e "pé", que pagam o todo se nas premissas do demandante,
não é lógico que eles devam ser responsáveis em público? Portanto a Escritura
lê claramente [Ex. xxii. 4]: "E eles se alimentam no campo de outro homem",
o que significa terreno privado, mas não público. Dizemos então que o todo
deve ser pago (como o dente, ao qual esta passagem faz referência), dizemos
que metade deve ser paga? Há outra passagem [Ex. xxi. 35]: "E
divida seu dinheiro"dinheiro (do chifre), mas não o dinheiro em outros casos
( isto é , em outros casos o todo deve ser pago).

Deixe o "dente" e "pé" ser responsável apenas a metade se nas instalações do


requerente pelo seguinte a fortiori argumento: A trompa que é responsável em
terra pública paga apenas metade nas instalações do demandante; o "dente" e
"pé", que não têm nenhuma responsabilidade em público, se não pagassem
tanto mais a metade nas premissas do demandante? Para isto, a Escritura lê
[ibid. xxii. 4], "fazer restituição", o que significa um pagamento satisfatório (o
todo).

Agora, deixe o chifre em terreno público não ser de todo responsável pelo
seguinte argumento a fortiori : O "dente" e "pé", que pagam o todo nas
premissas do queixoso, não são passíveis de responsabilidade em público; o
chifre, que paga apenas metade nas dependências do demandante, não deveria
ser mais livre em público? Disse R. Johanan: A Escritura acrescentou
[ibid. xxi, 35]: "Eles devem dividir" (que é supérfluo, como já foi dito antes
que seu dinheiro seja dividido), para significar que também é responsável em
público.

Deixe um homem (que mata outro intencionalmente, mas sem aviso, caso em
que ele não é nem sofrer a pena de morte nem ser banido) pagar uma quantia
de dinheiro em expiação pelo seguinte argumento a fortiori : Um boi que não
está sujeito a o pagamento das quatro coisas certas (mencionadas acima,
página 6 ) deve, no entanto, pagar uma quantia em dinheiro na expiação; para
um homem que é responsável pelo pagamento das quatro coisas acima, não é
lógico que ele deva ser responsável pelo pagamento de uma quantia em
dinheiro na expiação? Para isto, a Escritura lê [ibid. 30], "seja qual for
p. 53

pode ser colocado sobre ele ", o que significa apenas sobre ele (o boi), mas
não sobre um homem.

Agora que o boi seja sujeito ao pagamento das quatro coisas pelo
seguinte argumento a fortiori : Um homem que não é responsável pelo
pagamento de dinheiro na expiação é, no entanto, sujeito ao pagamento das
quatro coisas; por um boi, que está sujeito ao pagamento de dinheiro da
expiação, não é lógico que ele pague as quatro coisas? Para isso, a Escritura lê
[Lev. xxiv. 19]: "E se um homem , etc., em seu vizinho", o que não significa
um boi , etc.

Os escolásticos propuseram a seguinte pergunta: Um boi que pisa com o pé


em uma criança deitada nas dependências da autora, qual é a lei em relação ao
pagamento do dinheiro da expiação? Devemos dizer que deve ser igual ao
caso do chifre, como quando o chifre chumba duas ou três vezes é
considerado seu hábito e paga dinheiro por expiação, o mesmo deve ser
aplicado ao pé, como sempre é costume ? Por outro lado, pode-se dizer que
não há semelhança com o corno porque o corno chumba com a intenção de
causar dano, o que não pode ser dito de um pé que pisa sem tal
intenção? Venha e ouça: Aquele que leva seu boi para a corte sem a permissão
do dono e o boi leva o dono até a morte, o boi deve ser apedrejado e seu dono,
seja em caso de maldade ou não-crueldade, deve pagar a soma total da
expiação. Tal é o ditado de R. Tarphon. Agora vamos ver: De onde R.
Tarphon infere que, em caso de não-crueldade, a soma total do dinheiro da
expiação deve ser paga? Não é porque ele mantém com R. José o Galileu, que
diz (Texto, 486) que um boi não-violento paga metade do dinheiro da
expiação em terras públicas, e ele (R. Tarphon) desenha uma
fortiori conclusão a partir do "pé" (ou seja, o dente e pé, que não são
responsáveis em público em público ", pagar o valor total da indenização em
instalações pertencentes ao autor, e o chifre, que paga, de acordo para R. José,
o galileu, metade expia dinheiro em terreno público, tanto mais deveria ser
pago o dinheiro da expiação completa em instalações pertencentes ao
demandante. ”Daí vemos que o caso de dinheiro da expiação se aplica
também ao pé. A'ha de Difthi para Rabhina: O senso comum também dita
isso, pois se alguém pensar que não se aplica ao pé, e o Tana (R. Tarphon) só
o deduz das lesõescausadas pelo pé (mas não do assassinato) (ou seja, se o pé,
que em terras públicas não é responsável por danos, paga o
p. 54

dano total se nas dependências do queixoso, o chifre, que paga em dinheiro


público pela metade expiação, segundo R. José o Galileu, não é lógico que em
instalações pertencentes ao demandante deva pagar a quantia total de dinheiro
da expiação? Pode ser refutado e dito: No que diz respeito ao dano do pé, é
seu hábito (danificar todas as coisas que estão no seu caminho ao caminhar),
mas não é para matar. Inferir disto que o caso de dinheiro da expiação se
aplica ao caso do pé também, e R. Tarphon tirou a sua conclusão
a fortiori deste caso. E assim é.

MISHNA VI .: Um ser humano é considerado sempre cruel, quer atue


intencionalmente ou não, quando acordado e também quando dorme. Se
alguém cega o olho de seu vizinho ou quebra seus vasos, ele paga todo o
dano.

GEMARA: O Mishna ensina se alguém cega o olho de seu vizinho que, como
no caso de quebrar os vasos, apenas o dano é pago, mas não as quatro
coisas; assim também no primeiro caso apenas para o dano, mas não as quatro
coisas, deve ser pago (quando feito de forma não intencional). De onde é
deduzido (que o dano é pago mesmo quando não intencionalmente)? Disse
Hyzkiah, e assim também foi ensinado por seus discípulos: A passagem diz
[Ex. xxi. 25] "ferida por ferida" (o que é supérfluo, pois é declarado [Lev. 19:
19]: "E se um homem causar um defeito corporal"), responsabilizar-se por
danos não intencionais, como por danos intencionais, e por um acidental como
para um ato deliberado. Mas não precisamos dessa passagem para
responsabilizar pela dor (que é uma das quatro coisas explicadas acima) onde
os danos são pagos? Se então,em vez de 1 de uma ferida "? Inferir a partir de
ambos.

Rabba disse: Aquele que carrega uma pedra em seu colo sem estar ciente
disso, e ao se levantar de sua cadeira cai, no que diz respeito a danos ele é
responsável (pois não há diferença se foi intencional ou não), mas no que diz
respeito as quatro coisas que ele não é; em relação ao sábado, as Escrituras
proíbem apenas o trabalho intencional; quanto ao banimento (se um ser
humano foi morto), ele não é responsável; quanto à sua responsabilidade para
com um escravo (se ele caiu em um escravo e cegou ele), R. Simeon
b. Gamaliel e os rabinos diferem (quanto a se deve ou não manumitá-lo [Ex.
Xxi. 26]). Se no caso acima ele estava a princípio ciente da presença da pedra,
p. 55

mas subseqüentemente esqueceu, quanto a danos ele é responsável, como para


as quatro coisas que ele não é (para o fato que ele esqueceu isto não pode ser
considerado vontade); quanto ao banimento, ele é responsável, no que diz
respeito ao sábado, ele não é; no que diz respeito a um escravo, R. Simeon
b. Gamaliel e os rabinos diferem. Se ele pretendesse jogar a pedra dois (ell)
distante e jogasse quatro, quanto a danos ele é responsável; quanto às quatro
coisas que ele não é; no que diz respeito ao sábado, a intenção é
necessária; quanto ao banimento, a Escritura disse [ibid. xxi. 13]: "E se
ele não mentir à espera", com exceção deste caso em discussão; no que diz
respeito a um escravo, R. Simeon b. Gamaliel e os rabinos diferem. Se ele
pretendia jogar quatro (ells) e jogou oito (ells) distantes, quanto aos danos ele
é, quanto ao as quatro coisas que ele não é responsável, no que diz respeito ao
sábado, ele é livre a menos que ele disse: Deixe cair onde quer que seja, no
que diz respeito à proibição da passagem acima citada significa excluir tal
caso como a sua responsabilidade a um escravo. b) Gamaliel e os rabinos
também diferem. 1

Rabba disse novamente de alguém que deixa cair sua própria embarcação do
topo de um telhado, e antes que ela alcance o chão outra pessoa a bata com
sua bengala e a quebre, a última pessoa não é responsável, pois considera-se
que ele quebrou uma quebrada embarcação.

O mesmo disse novamente: Aquele que deixa cair um recipiente do topo de


um telhado sobre o chão que foi coberto com travesseiros, e outra pessoa os
remove antes da queda do vaso (sem o conhecimento da pessoa que o derruba)
e O vaso foi quebrado, não há nenhuma responsabilidade por parte da pessoa
que o derruba, pois no momento em que ele o soltou ele pensou que não
poderia quebrar, nem foi a pessoa que removeu os travesseiros responsável,
porque ele era apenas o controle remoto e não a causa imediata do dano.

O mesmo dito novamente: Se alguém deixar cair uma criança do topo de um


telhado, e antes que ela alcance o chão, outra pessoa a cortou com sua espada,
isto é similar ao caso da seguinte Boraitha, na qual R. Jehudah b. Batyra e os
rabinos diferem: Se alguém foi agredido por dez pessoas diferentes, não
importando se foi imediatamente ou em momentos diferentes, e foi morto,
nenhum deles tem que sofrer pena de morte, como de acordo com as
Escrituras, deve ser conhecido causa da morte. R. Jehudah b.
p. 56

Batyra, no entanto, sustenta, no caso de o ataque ter sido feito por um após o
outro, que o último é culpado, pois ele apressou sua morte (e esta regra pode
ser aplicada ao caso acima da criança).

Se (no caso da criança) um boi cruel o matou com seus chifres antes de chegar
ao chão, isso é semelhante ao caso dos Boraitha (post, páginas 90 e 91 ) em
que R. Ismael, filho de R Johanan b. Broka e os rabinos diferem.

O mesmo também dizia: Aquele que cai do alto de um telhado por um vento
extraordinário e causa dano, ou cai sobre uma mulher e causa sua vergonha, é
responsável pelo dano, mas não pelas quatro coisas. Se, no entanto, acontecer
por um vento comum e causar dano ou desgraça a uma mulher ao cair sobre
ela, ele é responsável por todas as quatro coisas, exceto pela desgraça.

Por último, Rabba disse: Aquele que causa a morte de outro, colocando brasas
vivas sobre o seu seio (nu), não tem nenhuma responsabilidade (pois os
defuntos poderiam removê-los); se ele coloca as brasas nas roupas de outra
pessoa e elas são queimadas, ele é responsável (porque no momento em que a
brasa foi colocada nas roupas, estas foram danificadas).

[Disse Rabha: Ambos os casos são explicados em Mishnayoth. O primeiro no


Tract Sanhedrin , Mishna II., E o segundo neste tratado, Capítulo VIII.,
Mishna 5.] Ele, entretanto, propôs a seguinte questão: Se alguém colocou uma
brasa viva sobre o peito do escravo do seu vizinho, é o escravo considerado
em tal caso como seu próprio corpo (e não há responsabilidade, pois o escravo
deve removê-lo), ou ele é considerado apenas sua propriedade (e ele é
responsável)? E se alguém disser que um escravo é considerado o corpo de
seu mestre, o que é um boi nessas circunstâncias? Ele posteriormente resolveu
ele mesmo. Um escravo é considerado um corpo, e um boi é considerado
propriedade de alguém (e há responsabilidade no último caso, pois o boi não
pode removê-lo).
Notas de rodapé

30: 1 Veja Gemara.

30: 2 Somos obrigados a usar em nossa tradução desta seção para animais
machos e fêmeas os mesmos termos usados quando se fala de seres humanos,
pelas seguintes razões: ( a ) Os tradutores da Bíblia usam os mesmos termos
quando falam de animais, seja de gênero comum ou distinto, por exemplo,
veja a tradução de Leeser (que seguimos na tradução do Talmud),
Numb. xxii. 25, Exod. xxii. 5, no que diz respeito "burro", que é de gênero
comum, também ibid., Exod. xxi. 29, Numb. xix. 3, no que diz respeito a um
gênero distinto; e assim em muitos, muitos outros lugares. Agora, como o
Mishna e o Gemara seguindo usam a palavra "animal" aqui no feminino
(provavelmente pela razão que naqueles tempos de animais domésticos a
fêmea era normalmente permitida a andar na estrada sem que ninguém a
dirigisse, o que não era assim com um boi, que geralmente estava preso a um
vagão e era responsável por um motorista cujo dever era cuidar de que o boi
não pisasse em artigos que se encontravam no caminho), e como "ele" é
usualmente usado para o gênero neutro, nós não poderíamos muito bem usar
este termo.

( b ) Se usássemos "it" e "its" em vez dos termos acima, seria muito difícil
para o leitor compreender o verdadeiro sentido das discussões.

34: 1 O Rabhina mencionado aqui é Rabhina Zuta, sobrinho do primeiro


Rabhina, que é mencionado em Kethuboth 100 b ; para Rabina, que era
discípulo de Rabha e colega de R. Ashi, morreu muito antes na época de R.
Sama, filho de R. Ashi. Veja Doroth Harishonim, Presburg, 1897.

39: 1 De acordo com Maimônides e outros.

41: 1 Rashi explica isso que o dono da casa o usou para armazenar madeira e
palha, e o inquilino morava no mesmo lugar usado para esse
armazenamento; e então, quanto à "ruína", não há nenhuma, pois está sendo
usada; mas quanto a reparos, o proprietário não veria p. 42 que reparos são
necessários, pois ele não mora lá; consequentemente, em tal caso, de acordo
com R. Joseph, ele não precisa pagar, e de acordo com R. S'horah ele precisa
pagar. Nós, no entanto, diríamos, que o Gemara significa que ele foi usado
para armazenar madeira e palha pelo estranho, e, pelo contrário, de acordo
com Rabh, ele não precisa pagar, pois a casa não está mais vazia; e de acordo
com R. Joseph ele precisa pagar, porque ele não se importará em fazer
reparos. Deixamos a escolha para o leitor.
54: 1 A tradução literal do texto diz "uma ferida em vez disso (ta'hath) uma
ferida".

55: 1 Nos dois últimos casos há apenas uma diferença em relação ao


sábado. No primeiro caso, mesmo que ele dissesse: "Que caia onde quer que
seja", também não há responsabilidade, pois a Escritura exige que seja obra
intencional e, no primeiro caso, a distância é tão pequena que pode haver Não
há dúvida quanto à sua intenção de fazer o trabalho.
CAPÍTULO III
REGRAS RELATIVAS À COLOCAÇÃO DOS NAVIOS NO TERRENO
PÚBLICO LESÕES CAUSADAS POR PEDESTRES PARA CADA UM
COM SUAS CARGAS. O OXEN VICIOSO E NÃO-VICIOSO - SE ELES
FIZERAM LESÕES UM COM O OUTRO OU COM OS SERES
HUMANOS, ETC.

MISHNA I : Se alguém coloca um jarro em um local público e outra pessoa


tropeça nele e o quebra, este último não é responsável; se ele for ferido, o
dono do barril é responsável pelos danos.

GEMARA: O Mishna começa com "jarro" e termina com "barril", e é o


mesmo em vários Mishnas subseqüentes. Disse R. Papa: Jarro e barril são uma
e a mesma coisa (quanto aos casos citados). (Se sim) com que propósito os
Mishna mudaram os termos? Para transações comerciais ( por exemplo , se
alguém vende barris, ele pode entregar jarras e vice-versa). Como é o
caso? Devemos assumir, no caso de uma certa localidade, onde esses termos
são decididamente distintos, então o jarro é uma coisa e o barril é outro? É
somente no caso em que a maioria das pessoas usa esses termos distintamente
e separadamente, mas há também uma pequena parte que os usa de forma
intercambiável, caso em que eu diria que a maioria deve ser seguida; daí a
afirmação de que, em dinheiro, a maioria não deve ser seguida (mas o ônus da
prova está no demandante).

" E outra pessoa ", etc. Por que ele não é responsável - ele deve, então, não
olhar para fora? Disseram os discípulos de Rabh em seu nome: O Mishna fala
de um caso em que ele preencheu toda a via com barris. Samuel disse:
Quando isso é feito na escuridão. R. Johanan, no entanto, disse: O Mishna
pode ser explicado em que ele colocou o jarro em um canto (onde não poderia
ser notado). Disse R. Papi: Nossa Mishna não pode ser explicada a menos que
de acordo com a interpretação de Samuel ou R. Johanan, mas não de acordo
com Rabh, porque se fosse de acordo com a interpretação de Rabh ele não
seria responsável se mesmo ele quebrasse o barril intencionalmente, como ele
não tinha passagem. (A Gemara, no entanto, diz que ela pode ser explicada
também de acordo
p. 58

para a interpretação de Rabh, como R. Zbid em nome de Rabha explica mais


adiante.) Disse R. Aba para R. Ashi: No Ocidente, foi dito em nome de Ula
que a razão para a declaração da Mishna é que os pedestres não têm o hábito
de olhar em volta.
Tal caso aconteceu em Nahardea, e Samuel o responsabilizou. Em
Pumbeditha - e Rabba o responsabilizou. Está correto para Samuel, pois ele
segue sua teoria; mas Rabba, vamos supor que ele concorda com
Samuel? Disse R. Papa: Foi em um canto de um moinho de óleo (e era
costume com aqueles que vieram ao moinho para colocar seus navios fora
quando esperam sua vez de entrar no moinho), e porque era costume colocar
lá os navios o pedestre teve que tomar cuidado para não quebrá-los. R. Hisda
enviou a seguinte mensagem para R. Na'hman: "Foi dito (é costume dos juízes
multar) aquele que chuta o outro com os joelhos três (selas); aquele que chuta
o outro com o pé cinco, um que golpeia o outro com o punho, treze - qual é a
multa se alguém bate no seu vizinho com o cabo de uma enxada ou com o
ferro da enxada? "Ele respondeu a seguinte resposta:" Hisda, Hisda, você está
coletando multas em Babilônia; diga-me os fatos do caso. "Ele então enviou-
lhe os seguintes fatos: Havia uma bacia hidrográfica de parceria da qual cada
um dos parceiros irrigava sua terra a cada segundo dia. Uma vez estava
irrigando sua terra da bacia quando Não era a sua vez, e quando o outro
perguntou por que ele fez isso e o primeiro não lhe deu atenção, ele o atingiu
com a alça da enxada, ele disse (R. Na'hman) para ele (R. Hisda) Ele teria sido
justificado se lhe tivesse dado cem golpes, pois mesmo segundo aquele que
sustenta que um homem não deve tomar a lei em suas próprias mãos, em
casos de perda pode-se fazê-lo, porque quando se está certo, ele não precisa se
incomodar (ir ao tribunal). E R. Na'hman diz isso, de acordo com sua teoria,
que foi ensinada em outro lugar, que um homem pode tomar a lei em suas
próprias mãos, mesmo que não em caso de perda. Segundo R. Jehudah, no
entanto, isso é permitido apenas em caso de perda. R. Kahana objetou: Há um
Tosephtha: "Ben Bag Bag diz: Não entre secretamente no pátio de seu vizinho
para pegar o que lhe pertence, com medo de que ele possa olhar para você
como um ladrão, mas faça isso publicamente, e diga-lhe que você leva o seu
próprio (em contradição com R. Jehudah, que afirma que não se deve tomar a
lei em suas próprias mãos). R. Jehudah voltou: Seu apoio, Ben Bag Bag, é um
indivíduo, que um homem pode tomar a lei em suas próprias mãos, mesmo
que não em caso de perda. Segundo R. Jehudah, no entanto, isso é permitido
apenas em caso de perda. R. Kahana objetou: Há um Tosephtha: "Ben Bag
Bag diz: Não entre secretamente no pátio de seu vizinho para pegar o que lhe
pertence, com medo de que ele possa olhar para você como um ladrão, mas
faça isso publicamente, e diga-lhe que você leva o seu próprio (em
contradição com R. Jehudah, que afirma que não se deve tomar a lei em suas
próprias mãos). R. Jehudah voltou: Seu apoio, Ben Bag Bag, é um
indivíduo, que um homem pode tomar a lei em suas próprias mãos, mesmo
que não em caso de perda. Segundo R. Jehudah, no entanto, isso é permitido
apenas em caso de perda. R. Kahana objetou: Há um Tosephtha: "Ben Bag
Bag diz: Não entre secretamente no pátio de seu vizinho para pegar o que lhe
pertence, com medo de que ele possa olhar para você como um ladrão, mas
faça isso publicamente, e diga-lhe que você leva o seu próprio (em
contradição com R. Jehudah, que afirma que não se deve tomar a lei em suas
próprias mãos). R. Jehudah voltou: Seu apoio, Ben Bag Bag, é um indivíduo,
p. 59

e a maioria difere com ele. R. Janai, no entanto, explicou que "tomar


publicamente" significa fazê-lo com a ajuda da lei .

Venha e ouça: Se um boi monta outro para matá-lo, e o dono dele vem e tira
seu próprio boi, e o primeiro cai no chão e é morto, ele não é responsável. Não
devemos assumir que isso é no caso de um boi cruel, caso em que não há
perda (pois se ele não tivesse agido assim, e seu boi tivesse sido morto, ele
teria sido pago integralmente). não há perda, a pessoa pode tomar a lei em
suas próprias mãos)? Não, é no caso de um boi não-vicioso onde há perda
(pois se ele tivesse esperado ser pago por lei, ele teria recebido apenas uma
metade). Em caso afirmativo, como é a última parte do Boraitha: "Se, no
entanto, ele derrubou o boi que montou e o boi foi morto, ele é
responsável". Agora, se é no caso de um boi não-vicioso, por que ele deveria
ser responsável (há perda, e ele agiu de acordo com a lei)? Porque ele deveria
ter puxado seu próprio boi e não empurrado o outro para matá-lo.

Venha e ouça: "Para quem obstrui a corte do outro colocando ali jarros de
vinho e óleo, o dono da corte pode quebrar os jarros enquanto entra e sai da
quadra". (Daí vemos que alguém pode fazê-lo, embora não haja perda?) Disse
R. Na'hman bar Itzhak: Significa que ele pode quebrá-los enquanto sai para ir
ao tribunal e também ao entrar para obter sua prova documental ( caso seja
necessário, por exemplo , quando houver uma disputa quanto à propriedade do
pátio).

Venha e ouça a declaração de nosso Mishna: "Aquele que coloca um jarro",


etc., "ele não é responsável". A razão é que ele tropeçou sobre isso, mas se ele
quebrou sem tropeçar, ele é responsável. (Daí vemos que, mesmo quando há
perda [para Rabh explicado, acima, isto acontece quando toda a via foi
preenchida com jarros], nenhuma pessoa pode tomar a lei em suas próprias
mãos.) Disse R. Zbid, em o nome de Rabha: Nay, o mesmo é o caso, mesmo
que ele quebrou intencionalmente, mas a razão por que ele mencionou tropeço
é porque ele teve que declarar na parte final que, se ele foi ferido o dono do
barril é responsável, em Que caso tropeçar é essencial, pois se de outra forma
ele próprio causou sua própria lesão; ele mencionou isso também na primeira
parte.

Venha e ouça: "Está escrito [Deut. Xxv. 12]:" Então tu cortarás a mão dela ",
isto significa que uma multa de dinheiro será imposto sobre ela". Não
podemos supor que isso é apenas quando ela não poderia salvar-se de outra
forma? (Assim, pode-se
p. 60

tomar a lei em suas próprias mãos?) Não, isso significa quando ela poderia
fazer o contrário. Então, como é o caso quando ela não podia - ela é livre? Se
assim for, em vez de os Boraitha afirmarem na última parte: Está escrito
[ibid. 11]: "Se ela estende a mão", isto significa excluir o mensageiro da corte,
se ele fez algo semelhante, ele é livre (de pagar pela desgraça), que os
Boraitha ensinem que há uma diferença também em seu próprio ato; a saber, o
caso é quando ela poderia se salvar de outra forma, mas se ela não pudesse,
ela é livre? A Boraitha sustenta assim: O caso é quando ela poderia se salvar
do contrário, mas se ela não pudesse, sua mão seria considerada como uma
mensageira da corte e ela estaria livre.

Venha e ouça: "Aquele que pôs de lado o dízimo de canto em um canto de seu
campo e os pobres vieram e tomaram sua parte devido em outro canto, ambos
são considerados o dízimo de esquina." Agora, se você disser que alguém
pode tomar a lei em suas próprias mãos, deixe o dono impedi-los de tomar em
outro canto pela força? Disse Rabha: A expressão que "ambos são dízimo de
canto" significa apenas que ambos estão livres do dízimo (dado aos levitas),
como aprendemos na seguinte Boraitha: "Aquele que renunciou à sua
propriedade para a sua vinha e depois apressou-se de manhã e arrancou a fruta
ele mesmo, ele tem que observar peret [Lev. xix. 10], recolhe [Deut. xxiv.
21], peah [lev. xix. 9], e esquece arde[Deut. xxiv. 19], mas ele é livre, no
entanto, do dízimo dos levitas.

MISHNA II .: Um jarro (cheio de água) que se rompe em terreno público e


seu conteúdo faz com que uma pessoa escorregue e caia, ou um é ferido por
seus fragmentos, ele (o portador do jarro) é responsável. R. Jehudah, no
entanto, diz, se ele quebrar intencionalmente ele é, caso contrário ele não é.

GEMARA: Disse R. Jehudah em nome de Rabh: Foi ensinado somente se ele


sujar suas roupas com o conteúdo do jarro, mas se ele danificar sua pessoa não
há responsabilidade, pelo público (que não tem dono particular) causa seu
dano. Quando afirmei isso antes de Samuel, ele me disse: Vamos ver; quanto
à responsabilidade por danos causados pela pedra, faca ou carga de alguém
(colocadas em solo público), deduzimos isso do "poço" em terreno público,
como explicado em post , página 111 (em que as Escrituras lêem "boi"). e
"ass"), e em todos eles eu leio "um boi , mas não um ser
humano"; "uma bunda, mas não vasos ", e apenas no que diz respeito à morte
(como a Escritura, neste caso, fala da morte), como a danos, no entanto, se a
pessoa existe, mas se a
p. 61

propriedade não há responsabilidade por parte daquele que os colocou


lá. (Portanto, a teoria de Samuel é o oposto da de Rabh.) O que Rabh tem a
dizer sobre isso? Isso (que nós deduzimos tudo isso de "cova") é só onde ele
renunciou a propriedade deles deles (como tal é o caso com a cova em chão
público), mas se ele não teve isto ainda é a propriedade dele (e nós deduzimos
isto sua responsabilidade do "boi"). R. Oshyiah objetou: (Existe um Boraitha
:) Está escrito [Ex. xxi. 33]: "E um boi ou um burro cai nele", e nós dizemos
um boi , mas não um ser humano; uma bundamas não vasos; e disto foi dito
que se um boi ou um burro carregado de vasos caísse na cova e eles fossem
quebrados, ele seria responsável apenas pelos ferimentos ao animal, mas não
pelos danos aos vasos. Semelhante a isto é a sua pedra, faca e carga colocada
em terreno público que causam danos. Portanto, se alguém quebrar seus vasos
de vidro golpeando-os contra a pedra colocada, ele é responsável. Agora a
primeira parte dos Boraitha estaria em contradição com Rabh, que também o
considera responsável pelos vasos, e a última parte (que trata de quebrar os
vasos de vidro batendo neles contra a pedra) contradizia Samuel? [Por que
isso seria uma contradição apenas para aqueles dois? Então, essas duas partes
do próprio Boraitha não se contradizem? Diga então

Agora, quando chegamos à conclusão de que a pedra, faca ou carga de alguém


é igual ao "poço" de alguém, de acordo com R. Jehudah, que afirma que existe
uma responsabilidade por danos causados aos vasos ao cair em um buraco, se
Bata sua garrafa contra uma pedra que ele é responsável. Disse R. Elazar: Tu
não deves pensar que ele é responsável apenas quando tanto o tropeço como o
rompimento foram causados pela pedra, e não se a quebra foi causada pela
pedra, como na realidade ele é responsável mesmo nesse caso, como nós
concordamos com a teoria de R. Nathan (que é explicada na página 120 ).

" Se intencionalmente ", etc. O que significa intencionalmente? Disse Rabba,


quando ele pretendia abaixá-los de seus ombros (e ao fazê-lo eles batiam
contra a parede, ele é responsável, pois seu descuido é considerado um ato
deliberado). Disse-lhe Abayi: Deveríamos inferir disso que R. Meir (que é
muito rigoroso) sustenta que alguém é responsável mesmo que o jarro se
dissolva (embora seja um acidente)? Ele respondeu: Sim, R. Meir
responsabiliza-se se apenas a alça permanecer na mão. Por quê? Isto não é um
acidente, e sendo assim, a Escritura liberta
p. 62

ele de responsabilidade, como está escrito [Deut. xxii. 26]: "Mas para a
donzela não farás nada"? E se você disser que isso é apenas em relação à pena
capital, mas no que diz respeito a danos, não aprendemos em um Boraitha:
"Se seu jarro quebrar e ele não conseguir remover os fragmentos, ou se o
camelo cair e ele R. Meir o considera responsável pelos danos que causam,
mas os sábios sustentam que ele está livre da justiça humana e está sujeito
apenas à justiça celestial, e os sábios concedem a R. Meir, onde se coloca sua
pedra, faca ou carga no topo de um telhado, e eles são soprados por um vento
comum e causar danos, que ele é responsável, por outro lado, R. Meir concede
aos rabinos que, onde um coloca jarros no telhado para que eles
sequem, portanto, mesmo de acordo com R. Meir, danos por um ato acidental
são desculpáveis)? Portanto, disse Abayi: Eles diferem (em nosso Mishna) em
dois casos: durante a queda e depois que os vasos pousaram no chão; alguém
sustenta que por tropeçar enquanto cai ele é responsável por descuido, e o
outro sustenta que é um acidente. E eles também diferem após o descanso dos
navios, no caso de ele renunciar a sua propriedade para os artigos que
causaram o dano; alguém o considera responsável mesmo em tal caso, e o
outro o mantém livre. E de onde é essa teoria? Do fato de que o Mishna
menciona dois casos, a saber: "Se ele deslizou em conta da água, portanto,
mesmo de acordo com R. Meir, danos por um ato acidental são
desculpáveis)? Portanto, disse Abayi: Eles diferem (em nosso Mishna) em
dois casos: durante a queda e depois que os vasos pousaram no chão; alguém
sustenta que por tropeçar enquanto cai ele é responsável por descuido, e o
outro sustenta que é um acidente. E eles também diferem após o descanso dos
navios, no caso de ele renunciar a sua propriedade para os artigos que
causaram o dano; alguém o considera responsável mesmo em tal caso, e o
outro o mantém livre. E de onde é essa teoria? Do fato de que o Mishna
menciona dois casos, a saber: "Se ele deslizou em conta da água, alguém
sustenta que por tropeçar enquanto cai ele é responsável por descuido, e o
outro sustenta que é um acidente. E eles também diferem após o descanso dos
navios, no caso de ele renunciar a sua propriedade para os artigos que
causaram o dano; alguém o considera responsável mesmo em tal caso, e o
outro o mantém livre. E de onde é essa teoria? Do fato de que o Mishna
menciona dois casos, a saber: "Se ele deslizou em conta da água, alguém
sustenta que por tropeçar enquanto cai ele é responsável por descuido, e o
outro sustenta que é um acidente. E eles também diferem após o descanso dos
navios, no caso de ele renunciar a sua propriedade para os artigos que
causaram o dano; alguém o considera responsável mesmo em tal caso, e o
outro o mantém livre. E de onde é essa teoria? Do fato de que o Mishna
menciona dois casos, a saber: "Se ele deslizou em conta da água, E de onde é
essa teoria? Do fato de que o Mishna menciona dois casos, a saber: "Se ele
deslizou em conta da água, E de onde é essa teoria? Do fato de que o Mishna
menciona dois casos, a saber: "Se ele deslizou em conta da água,ouse não
houvesse outra maneira, não é acidente? Portanto, deve ser explicado da
seguinte forma: ele próprio tropeça primeiro e o camelo tropeça nele, e nesse
caso seu tropeço é considerado
p. 63

descuido. Mas (de acordo com R. Jehudah, que requer intenção em nossa
Mishna no caso de alguém renunciar à propriedade de seus artigos que
causaram danos) que intenção pode haver para que ele seja
responsabilizado? Disse R. Joseph, e assim também disse R. Ashi: Se sua
intenção era que ele deveria recuperar a propriedade dos fragmentos. R.
Elazar também afirma que eles diferem mesmo durante a queda e concorda
com a teoria de Abayi descrita acima.

R. Johanan, no entanto, disse que eles diferem apenas depois de descansarem,


e ele vem para nos ensinar que só neste caso particular os rabinos o libertaram
da responsabilidade se ele renunciasse a sua propriedade aos artigos que
causaram o dano porque era acidental (mas onde não há acidente, ele é
responsável por renunciar a sua propriedade).

Foi ensinado: "Aquele que renuncia à posse de seus artigos que causam dano,
R. Johanan e R. Elazar: um o responsabiliza e o outro o liberta". Devemos
assumir que aquele que o responsabiliza está de acordo com R. Meir e o outro
está de acordo com os rabinos? Não, quanto a R. Meir, todos concordam (que
ele é responsável); eles só diferem quanto aos rabinos: aquele que o mantém
livre concorda com os rabinos, enquanto aquele que o responsabiliza pode
dizer: Eu digo que até mesmo os rabinos que o mantiveram livres o fazem
somente no caso de um acidente, como acima, mas em outros casos eles
também o responsabilizaram. Há bases para a suposição de que é R. Elazar
quem é o responsável. (Veja Pesachim, página 8, linha 22, "Duas coisas", etc.)
Não ouvimos dele sobre a seguinte Mishna (acima, página 30, fim):
" enquanto no caso do esterco, o ato do primeiro não existe mais (porque o
lugar que ocupou agora está vago). Se tem alguma semelhança com um
buraco é no caso de encontrar
p. 64

um fosso descoberto e enchê-lo, e depois novamente escavá-lo, caso em que o


primeiro ato desaparece completamente e é totalmente seu trabalho (e,
portanto, ele é responsável). Portanto, disse R. Ashi que o caso do estrume foi
que ele agitou-se menos de três vãos (e, portanto, é considerado sem agitar em
tudo [por causa de Lavud; ver sábado, página 12], e considerando que ele não
tinha intenção de exercer qualquer ato de propriedade, não pode ser
considerado sua propriedade, e se não podemos responsabilizá-lo como
propriedade dele, também não podemos responsabilizá-lo por cavar um poço
). E por que R. Elazar se esforça para explicá-lo, onde o incitou abaixo de três,
e a razão é apenas porque ele pretendia que fosse um ato de reivindicar a
propriedade, mas não de outra forma; deixe-o explicar que estava acima de
três e, embora não houvesse intenção de reivindicar a propriedade, ele é, no
entanto, responsável? (Porque ele sustenta que quem renuncia à posse dos
artigos que causam dano é responsável.) Disse Rabha: Ele o fez por causa da
fraseologia da Mishna, a saber; Por que "mexeu" - por que não
"levantou"? Daí que "mexer" significa abaixo de três vãos.

Agora, quando chegamos à conclusão de que é R. Elazar quem o


responsabiliza, então é R. Johanan quem o mantém livre. Então R. Johanan
realmente aguenta isso? Ele não disse em outro lugar que a Halakha prevalece
como uma Mishna anônima, e existe tal Mishna: "Aquele que cava um buraco
em solo público e um boi ou um burro cai nele e é morto, ele é
responsável"? Devemos, portanto, dizer que R. Johanan afirma que ele é
responsável. Agora, por outro lado, se R. Johanan afirma que é responsável,
então R. Elazar afirma que não é; mas não R. Elazar disse em nome de R.
Ishmael (Pessachim, página 8, "Duas Coisas", etc., portanto, que ele considera
que ele é responsável? Estes não apresentam dificuldade. O que é declarado
aqui é o seu próprio , e em Pesachim, é a opinião do seu professor.

MISHNA III : Aquele que esvazia a água em locais públicos e causa


ferimentos, é responsável pelos ferimentos. Aquele que esconde um espinho
ou vidro, ou alguém que constrói sua cerca de espinhos, ou uma cerca que cai
em terreno público e algumas pessoas foram feridas por causa disso, ele é
responsável pelos danos.

GEMARA: Disse Rabh: Foi ensinado somente se seus vasos estivessem sujos,
etc. (veja a página 60 ). Disse R. Huna para Rabh: Se isso deve ser
considerado até mesmo sua lama (ele deveria ser responsável)? Reencontrou
Rabh: Você entende que a água não foi absorvida? Quero dizer,
quando foi absorvido, e ainda assim ele se machucou
p. 65

pela terra coletada e, portanto, não há responsabilidade, pois ele deveria ter
sido cuidadoso.

[Por que Rabh repetiu sua declaração aqui? Ele disse que já em conexão com
o anterior Mishna.] Isso era necessário: Uma vez como para a estação de sol e
uma vez para a estação chuvosa, e está de acordo com o seguinte Boraitha:
"Embora seja permitido durante a estação chuvosa tubulações de lixo vazias e
escavações limpas, ainda assim não é permitido fazê-lo durante a estação
ensolarada; e mesmo na estação das chuvas, embora eles o façam com
permissão, eles são responsáveis pelos danos que causam. "

" Aquele que se escondeo primeiro é responsável (se algum acidente


ocorrer). Isso não é evidente? Para que ninguém diga isso porque o dono da
muralha não sabia quem escondeu os espinhos e não pôde informá-lo para
retirá-los, portanto ele está livre; mas no caso do poço, como o dono do balde
o conhece, ele deveria tê-lo informado de que ele levou o balde e, portanto, o
dono do poço deveria estar livre - ele vem para nos ensinar que não há
diferença .

Os rabinos ensinavam: Os antigos homens piedosos costumavam enterrar seus


espinhos e vidro quebrado em seus campos três palmos abaixo da superfície, a
fim de que não interferissem no arado. R. Shesheth costumava queimá-
los. Rabha costumava jogá-los no (rio) Chiddekel. Disse R. Jehudah: Aquele
que deseja ser piedoso deve observar as leis dos danos. Rabina disse: Ele deve
observar os ensinamentos dos pais (que foram enumerados no primeiro trecho
desta seção).

MISHNA IV .: Aquele que coloca palha ou feno em terreno público, a fim de


convertê-los em estrume, e alguns pedestres
p. 66

sustenta lesão através deles, ele é responsável; e aquele que toma posse deles
primeiro tem direito a eles. R. Simeon b. Gamaliel diz: Todos aqueles que
obstruem uma via pública, colocando bens e causando danos são
responsáveis; e aquele que toma posse deles primeiro tem direito a
eles. Aquele que desperta estrume em terreno público e um pedestre sofre
lesão, portanto, é responsável.

GEMARA: Devemos assumir que nossa Mishna não está de acordo com R.
Jehudah da seguinte Boraitha: "R. Jehudah diz: Durante a estação de
transporte de esterco pode-se remover seu esterco para a via pública e recolhê-
lo lá por trinta dias, a fim que deveria ser pisado por homem e animal, pois
nesta condição Josué distribuiu a terra "? Pode ser explicado que R. Jehudah
admite que, no entanto, ele é responsável pelo dano.

(Há uma objeção.) Venha e ouça: "Todos aqueles de quem foi dito que podem
obstruir a via pública, se causarem danos, são responsáveis; de acordo com R.
Jehudah, no entanto, eles não são." Disse R. Na'hman: Nosso Mishna trata da
estação quando o estrume não é transportado, e é de acordo com R.
Jehudah. R. Ashi, no entanto, diz: Nossa Mishna declara "palha" e "feno" (o
que significa antes de serem convertidos em esterco, e a razão é) porque são
escorregadios.

" Aquele que toma posse deles ", etc. Rabh disse: Isso se aplica tanto à
substância original quanto ao seu aperfeiçoamento. Zira, no entanto, afirma
que se aplica apenas à melhoria. Qual é o sentido da diferença deles? Rabh
sustenta que a substância original também deve ser confiscada (como multa)
por causa da melhora, e Zëira sustenta que apenas a melhoria deve ser
confiscada. Há uma objeção da cláusula de nossa Mishná: "Aquele que
desperta esterco", etc., e não menciona que aquele que toma posse dela
primeiro tem direito a ela. (Por isso, contradiz Rabh.) Disse R. Na'hman bar
Itzhak: Você cita uma contradição (para Rabh) do assunto do estrume. Nos
casos em que pode haver uma melhoria ( por exemplo,, palha) a substância
original também foi submetida à regra como uma multa, mas onde não pode
haver melhora ( por exemplo , esterco) não há multa alguma.
Os escolásticos propuseram uma pergunta: De acordo com aquele que sustenta
que a substância original deve ser multada por causa da melhoria, ela deve ser
multada imediatamente ou somente após a melhoria ter ocorrido? Isso pode
ser inferido do fato
p. 67

que foi tentado contradizer Rabh de "esterco (que não melhora; portanto, que
ele deve ser multado imediatamente). Que resposta é esta?" Os escolásticos
não propuseram sua pergunta depois que souberam da resposta de R.
Na'hman? e no entanto eles eram duvidosos? Vamos supor que, neste caso, os
Tanaim dos seguintes Boraitha diferem? "Aquele que remove sua palha e feno
para uma via pública para convertê-lo em esterco, e um pedestre sofre
ferimentos, ele é responsável, e aquele que toma posse deles primeiro adquire
título para eles, e se alguém os levar, é considerado Rabban Simeon
b.Gamaliel, no entanto, defende que todos aqueles que obstruem uma via
pública e causam danos, portanto, são obrigados a pagar os danos, e aquele
que põe a mão sobre os artigos de obstrução primeiro adquire título para
eles, Huna disse em nome de Rabh: A Halakha é assim, mas não é aplicada na
prática real. R. Adda bar Ahbah, no entanto, afirma que é aplicado na prática.
"Mas isso não é verdade, porque R. Huna uma vez declarou baley descascado
(colocado por um em solo público para secá-lo) sem dono, R. Adda bar Ahbah
fez O mesmo aconteceu com a casca de data. Foi correto para R. Adda bar
Ahbah, como ele seguiu sua teoria (declarado acima), mas vamos supor que
R. Huna se retratou de sua declaração acima? Nay, neste caso, os proprietários
foram avisados (várias vezes). Estava correto para R. Adda bar Ahbah, como
ele seguiu sua teoria (declarado acima), mas deveríamos assumir que R. Huna
se retratou de sua declaração acima? Não, neste caso, os proprietários foram
avisados (várias vezes). Estava correto para R. Adda bar Ahbah, como ele
seguiu sua teoria (declarado acima), mas deveríamos assumir que R. Huna se
retratou de sua declaração acima? Não, neste caso, os proprietários foram
avisados (várias vezes).

MISHNA V .: Dois ceramistas (cada um carregando cerâmica) que


caminhavam, um seguindo o outro, e o primeiro tropeçou e caiu, e o segundo
tropeçou no primeiro e também caiu, o primeiro é responsável pelos danos do
segundo.

GEMARA: Disse R. Johanan: Não é para ser dito que a nossa Mishna é
apenas de acordo com R. Meir, que sustenta que tropeçar
p. 68

é considerado voluntarioso e, portanto, ele é responsável, mas mesmo de


acordo com os rabinos que afirmam que é um acidente e ele é livre. Aqui, no
entanto, o caso é diferente porque ele teve que se levantar (de uma vez) e ele
não o fez. R. Na'hman bar Itzhak, no entanto, sustenta que, se ele não
conseguisse se levantar, seria responsável, porque pelo menos daria um aviso
ao outro, o que ele não havia feito. R. Johanan, no entanto, nega essa teoria,
pois se não conseguisse levantar, também não poderia dar aviso (por causa de
sua excitação).

Há uma objeção do seguinte Mishna: "Se alguém carregando um barril seguiu


um carregando um feixe, eo barril foi quebrado pelo feixe, ele é livre, mas se
ele quebrou porque os portadores do feixe parou, ele é responsável. " Não se
deve presumir que ele parou para colocar o raio no outro ombro, o que
geralmente é feito, e ainda se diz que ele é responsável, porque ele deveria dar
aviso? Não, ele parou para descansar. Mas como é no primeiro caso, ele é
livre? Então os Boraitha devem afirmar que é somente quando ele parou para
descansar, mas se colocar no outro ombro ele está livre. Por que então declara
na última parte que ele é livre apenas se lhe disser para parar com o
barril? Com isso, ele vem para nos ensinar que, embora ele parasse para
descansar, se ele pedisse para ele parar, ele estaria livre.

Venha e ouça: "Oleiros e vidraceiros que caminhavam, um seguindo o outro, e


o primeiro tropeçou e caiu, e o segundo tropeçou em cima dele e o terceiro
sobre o segundo, então o primeiro é responsável pelo dano do segundo. e o
segundo é responsável até o terceiro. Se, no entanto, todos eles caírem por
conta do primeiro, ele é responsável pelo dano de todos; mas, se eles se
advertirem mutuamente, não são responsáveis ”. Não é assim mesmo se eles
não pudessem se levantar? Não, eles podem se levantar, e isso nos ensina que,
mesmo nesse caso, quando eles avisam um ao outro, eles estão livres.

Disse Rabha (na explicação do acima Boraitha): "O primeiro é passível de o


segundo para ambos os danos à pessoa e à propriedade. O segundo, no
entanto, é passível de o terceiro por danos pessoais apenas." [Como isso deve
ser entendido?] Se o tropeço for considerado um ato deliberado, deixe o
segundo também ser responsabilizado; Se, por outro lado, o tropeço for
considerado um acidente, então deixe o primeiro também ser livre. O primeiro
é considerado intencional, pois é igual a um "poço em terreno público", caso
em que o escavador é responsável por ambos os ferimentos à pessoa.
p. 69

e à propriedade; o segundo, no entanto, que é considerado como se ele próprio


caiu no buraco (por causa do tropeço do primeiro) pode ser responsabilizado
apenas por danos pessoais, porque ele não se levantou a tempo, mas não por
danos à propriedade, como ele pode dizer que não cavou o buraco.

O Mestre disse: Se todos eles caírem por causa do primeiro, o primeiro é


responsável pelo dano de todos eles. Como foi o caso? R. Papa disse: Ele
obstruiu o caminho (transversalmente) como uma carcaça (que obstrui todo o
caminho). R. Zbid, no entanto, disse: Se tal fosse o caso, o primeiro não seria
responsável pelos danos do terceiro, que deveria ser cuidadoso, visto que o
segundo tropeçou na obstrução de toda a via; portanto, ele sustenta que o
primeiro caiu na diagonal e não obstruiu toda a via, e o terceiro em sua
intenção de andar na parte desobstruída da rua não viu o tropeço do segundo e
tropeçou nele. 1

MISHNA VI.: Se alguém estava vindo de um lado da rua carregando um


barril, e o outro estava vindo do outro lado carregando uma viga, e o barril foi
quebrado pela viga, não há responsabilidade, pois ambos tinham o direito de
siga cada um o seu caminho (e o suporte do cano deve ter cuidado para não
colidir com o raio). O mesmo acontece quando o portador do barril segue o
transportador do feixe. Se, no entanto, o transportador do feixe parou (sem
qualquer razão), e o portador do barril durante a caminhada quebrou-o,
golpeando contra o raio, ele é responsável; se o portador do barril foi dito para
parar pelo portador do feixe ele está livre. Se o portador do barril estava
precedendo, e o portador da viga estava atrás dele e quebrou seu barril
colidindo com o raio (embora sem intenção), ele é responsável (por causa do
descuido); se o portador do barril parou, ele está livre; mas se ele lhe dissesse
para parar e o portador do feixe não lhe desse atenção, ele seria responsável. O
mesmo acontece com um portador de fogo e o outro cânhamo.

GEMARA: Rabba bar Nathan questionou R. Huna: Quando alguém fere sua
esposa por ter relações sexuais com ela, como está a lei: ele está livre porque
ele fez isso com permissão, ou ele é
p. 70

não obstante responsável porque teve que cuidar de sua saúde? E ele
respondeu: Isto nós aprendemos em nossa Mishna: "Ele é livre, como ambos
tinham o direito de seguir o seu caminho". Disse Rabha a este último: não
deve ser tirado um a fortioriconclusão de uma madeira [Deut. xix. 5] caso em
que ambos tiveram permissão para entrar, e, no entanto, quando um foi ferido
ou morto, considera-se que o réu entrou nas instalações do autor, e ele é
responsável ou culpado; tanto mais quanto mais aqui deve ser considerado que
ele entrou em suas instalações e a feriu? [Mas o estado de Mishna não
permitiu que cada um deles seguisse seu caminho? Não há semelhança. No
caso do Mishna ambos tinham permissão igual, e cada um deles fez a mesma
coisa que o outro fez, mas aqui só ele agiu mas ela não fez nada. É assim
mesmo? Não disse a Escritura claramente [Lev. xviii. 29]: "Mesmo as almas
que cometemeles serão cortados "? Por isso, vemos que as Escrituras
consideram a fêmea também como atuando. Lá ambos recebem prazer e,
portanto, são punidos, mas aqui o ato é apenas dele." Resh Lakish disse: Se
houvesse duas vacas em terreno público, um dos quais estava deitado e o
outro andando, e este último chutou o primeiro, ela não é responsável, se, no
entanto, o contrário foi o caso, ela é responsável (isto foi explicado acima,
página 50 ).

MISHNA VII .: Dois que estavam em terreno público, um correndo e o outro


andando (normalmente), ou ambos correndo, e se feriram, ambos estão livres.

GEMARA: Nossa Mishna não está de acordo com Issi b. Jehudah do seguinte
Boraitha: "Issi b. Jehudah diz: Aquele que estava correndo é responsável, pois
é incomum. Ele, no entanto, cede que, se foi na véspera do sábado no
crepúsculo, que ele não é responsável , pois ele é permitido naquele momento
para executar (e, portanto, é considerado comum). " Disse R. Johanan: Então a
Halakha prevalece. Mas R. não disse R. Johanan em outro lugar que a
Halakha prevalece de acordo com uma Mishna anônima, e nossa Mishna (que
é anônima) declara que não é assim? O caso em nossa Mishna deve ser
explicado na medida em que fala do crepúsculo na véspera do sábado, do fato
de que ele declara: "ou ambos estavam fugindo, estão livres". Então, sem a
explicação acima, seria supérfluo após a afirmação de que, mesmo que apenas
um estivesse em execução, etc., pois é evidente que, se ambos estavam
correndo tanto, mais deveriam ser livres; portanto, o Mishna deve ser
considerado incompleto, e deve ler assim: Se um estava correndo e o outro
estava andando, não há
p. 71

responsabilidade, quando o caso estava no crepúsculo da véspera do


sábado; em um dia de semana, no entanto, o que corre é responsável; se
ambos estavam correndo, eles estão livres, mesmo em um dia de semana.

O Mestre disse: "E Issi admite que, se foi no crepúsculo da véspera do


Sábado, ele está livre, pois o fez com permissão". Qual é a permissão? É de
acordo com R. Hanina, que costumava dizer: Venha conosco para conhecer a
rainha nupcial. E, de acordo com os outros, "para encontrar a rainha nupcial
do sábado". R. Janai costumava se levantar, enrolar-se e dizer: Venha noiva,
venha noiva! (Por isso, é um mérito correr no crepúsculo na véspera do
sábado para conhecer o sábado.)

MISHNA VIII .: Aquele que cortou madeira em terreno público e causou


danos em terrenos privados, ou vice-versa ; ou em seu próprio terreno privado,
e causou dano no terreno privado de outra pessoa, ele é, em qualquer desses
casos, responsável.

GEMARA: E todos os três casos eram necessários para serem mencionados,


pois se o Mishna declarasse o caso de alguém que cortasse lenha em seu
próprio terreno privado, e causasse dano apenas em terra pública, pode-se
dizer que a responsabilidade é porque em um via pública geralmente há
muitos transeuntes; mas se vice-versanão há responsabilidade porque nas
instalações privadas não há muitas pessoas. E se for o caso de público a solo
privado, pode-se dizer que a responsabilidade é porque ele não tinha o direito
de cortar madeira lá, e como ele fez isso sem permissão, ele é responsável,
mas do privado ao público, onde ele tinha o direito de fazê-lo, não há
responsabilidade, mesmo se causou danos em terreno público. E se deve
declarar apenas estes dois casos, ainda se pode dizer que em um caso ele é
responsável, pois ele o fez sem permissão, e no outro caso porque há muitas
pessoas, mas de um terreno privado para outro, onde geralmente não muitas
pessoas são, e cada proprietário tem permissão para fazer uma coisa dessas em
suas próprias instalações, não há responsabilidade, portanto, foi necessário
mencionar tudo. Os rabinos ensinaram: " Aquele que entra em uma loja de
carpinteiro sem permissão, e foi atingido em seu rosto por uma lasca voadora
e morreu, não há responsabilidade. Mas se ele entrou com permissão o
carpinteiro é culpado. "Culpada de quê? Disse R. Jose b. Hanina: Significa a
responsabilidade de pagar as quatro coisas certas, mas ele está livre de
banimento, pois não é igual ao caso de uma floresta, que é considerada o solo
de cada um que entra nela, mas neste caso ele entrou na propriedade de seu
vizinho. ”Disse Rabha: Não é a seguinte pois não é igual ao caso de uma
floresta, que é considerada o solo de todo aquele que entra nela, mas nesse
caso ele entrou no estado de seu vizinho. Disse Rabha: Não é o seguinte pois
não é igual ao caso de uma floresta, que é considerada o solo de todo aquele
que entra nela, mas nesse caso ele entrou no estado de seu vizinho. Disse
Rabha: Não é o seguintea fortiori umaconclusão a ser tirada aqui:
p. 72

floresta, onde cada um entra por sua própria vontade (sem a permissão do
outro), ainda assim é considerado como se ele tivesse entrado pelo pedido do
outro, e ele deve ser banido no caso de ele matar um não
intencionalmente); no caso em bar, onde ele entra decididamente a pedido do
outro, ele não tanto mais será banido? Portanto, devemos explicar os Boraitha
assim: Ele está livre de banimento significa que isso por si só não seria
suficiente, e a razão de R. José b. Hanina é que é um tal ato de negligência que
quase equivale a um ato intencional (pois ele deve olhar para fora).

Uma objeção foi levantada a partir do seguinte: "Quem joga uma pedra em um
local público e mata alguém, ele deve ser banido". é estenão é um ato tão
negligente como quase chega a um ato intencional, pois ele tinha que ter em
mente que em público as pessoas vêm e vão, e ainda assim diz que ele deve
ser banido. Disse R. Samuel bar Itzhak. O caso é que ele estava derrubando
sua parede e jogou o material em lixo durante o dia. Qual era a natureza desse
lixo? Era tão lixo como as pessoas tendem a ser, então é intencional? Se não,
então é um acidente? Disse R. Papa: O caso é que era lixo que as pessoas
fizessem suas necessidades durante a noite, mas não durante o dia, mas ainda
assim pode acontecer que alguns possam fazê-lo durante o dia; não pode ser
considerado um ato intencional, pois é incomum fazê-lo durante o dia e, por
outro lado, também não é um acidente, pois pode acontecer.

R. Papa em nome de Rabha explicou que R. Jose b. A declaração de Hanina


faz referência apenas à primeira parte, a saber: "Aquele que entra numa loja
de carpinteiro sem permissão e foi atingido no rosto por uma lasca voadora e
morreu, o carpinteiro está livre". Disse R. Jose b. Hanina: Ele é obrigado a
pagar as quatro coisas, mas ele está livre de banimento (e a diferença é assim):
Aquele que explica que se refere à última parte da Boraitha acima, tanto
quanto à primeira parte ; mas de acordo com R. Papa, aquele que explica que
se refere apenas à primeira parte, na última parte onde é entrado por pedido
ele deve ser banido. É assim mesmo? Não aprendemos no seguinte Boraitha:
"Aquele que entra em uma loja de ferreiro e foi atingido por uma faísca que
escapou e morreu, não há nenhuma responsabilidade,
p. 73

deve sair da loja, e ele não o fez. Supondo que sim, ele pode ser morto? O
empregador pensou que ele partiu. Se assim for, então qualquer pessoa estaria
sob a mesma regra. No primeiro caso, o aprendiz geralmente obedece ao seu
empregador (e, portanto, o ferreiro presumiu que ele foi embora quando foi
instruído a fazê-lo), mas no caso de um estranho, o ferreiro deveria olhar em
volta e ver se o estranho saiu ou não.

R. Zbid em nome de Rabha apoiou a afirmação acima pela expressão do


verso, viz. [Deut. xix. 5]: "Ele (o ferro) encontrado" 1 mas não quando
se faz encontrar ao ferro. Deste R. Eliezer b. Jacó disse: Aquele que deixa cair
a mão de uma pedra, e outro põe a cabeça para fora e é ferido por ela, ele é
livre. Disse R. Jose b. Hanina: Ele não deve ser banido, mas ele deve pagar as
quatro coisas.

Aquele que aplica a explicação de R. José ao último caso, auto-evidentemente,


sustenta que também se aplica ao primeiro caso, e aquele que aplica a
explicação ao primeiro caso, no último caso, pode dizer que ele é totalmente
livre.

Os rabinos ensinavam: Empregados que vinham exigir seu salário de seu


empregador, e eram feridos por seu boi ou mordido por seu cachorro, até a
morte, ele é livre. Professores anônimos, no entanto, afirmam que os
funcionários têm o direito de exigir seus salários do empregador (e, portanto,
ele é culpado). Como é o caso? Se o empregador geralmente vem para a
cidade, que razão tem os professores anônimos para sua afirmação? Se, por
outro lado, ele pode ser encontrado apenas na casa, qual é a razão do primeiro
Tana? É um caso em que ele não tem certeza e o empregadoquando bater na
porta ou portão é dito "In"; um afirma que "in" significa "entrar" (e, portanto,
eles tinham o direito de entrar), e o outro afirma que "in" significa "fique onde
você está (e eu irei até você)". Há um suporte para a última construção de "in"
da seguinte Boraitha: "Um funcionário que entrou para exigir seu salário de
seu empregador, e ele foi ferido por seu boi ou foi mordido por seu cão, ele
não é culpado, embora ele entrou com permissão. " Por quê? Devemos dizer
que isso significa que, ao bater na porta ou no portão, foi-lhe dito "in", e ele
quis dizer que tinha permissão para entrar, mas na realidade "in" significava
apenas "ficar onde você está (e eu vou sair para você)."

MISHNA IX .: Dois bois não-viciosos que feriram cada


p. 74

outro: quem mais se machuca é receber metade do valor do valor da diferença


das lesões. Se ambos forem viciosos, o montante total da diferença das lesões
deve ser pago. Se alguém é não-vicioso e o outro é vicioso: se o perverso feriu
o não-vicioso mais do que ele próprio se machucou, ele paga a quantia total da
diferença, se o contrário for o caso, apenas metade é paga. Assim também, se
dois homens se ferem, aquele que mais doer deve pagar o valor total da
diferença.

Um homem que feriu um boi cruel e também foi ferido pelo boi, ou quando o
contrário foi o caso, o montante total da diferença deve ser pago. Se o caso foi
com um boi não-vicioso, o homem paga a quantia total e o boi paga a
metade. R. Aqiba, no entanto, diz: Mesmo que o boi não seja vicioso, o valor
total deve ser pago.

GEMARA: Os rabinos ensinaram: Está escrito [Ex. xxi. 31]: "De acordo com
este julgamento será feito a ele." Isso significa que, como o juízo em que dois
bois goreiam um ao outro, também o será quando um boi chocar um
homem. Como no primeiro caso, um boi não-vicioso paga metade e um
vicioso a quantia total; o mesmo é o caso se for um ser humano. R. Aqiba, no
entanto, diz: "De acordo com este julgamento" significa que o julgamento que
acabamos de mencionar se aplica ao homem, mas não ao caso anterior. Vamos
supor que deve ser pago a partir das melhores propriedades? Portanto, está
escrito [ibid., Ibid.]: "Deve ser feito a ele ", o que significa que ele paga
apenas do corpo do boi, mas não das melhores propriedades.

MISHNA X .: Um boi do valor de cem selas que perfurou outro do valor de


duzentos, e a carcaça não tinha valor, o queixoso pega o boi ( ou seja , metade
do dano).

GEMARA: Nosso Mishna está de acordo com R. Aqiba do seguinte Boraitha


(que trata do mesmo caso, e ensina): "O boi deve ser avaliado no tribunal, e se
ele vale a metade do morto, o autor pode levá-lo ". Tal é o ditado de R.
Ismael; R. Aqiba, no entanto, sustenta que o autor aceita o boi sem qualquer
avaliação. Em que ponto eles diferem? R. Ishmael sustenta que o demandante
se torna um credor, e sua demanda é dinheiro, e isso deve ser avaliado pelo
tribunal, e R. Aqiba sustenta que o autor torna-se sócio do réu, e eles diferem
quanto à explicação do caso. passagem seguinte [Ex. xxi. 35]: "Então eles
venderão o boi vivo e dividirão o seu dinheiro, e o boi morto também
p. 75

eles devem dividir. "R. Ismael explica que isso significa que isso deve ser
feito pelo tribunal, e R. Aqiba afirma que a passagem faz com que os
parceiros partes, se ambos os bois eram de igual valor, se, no entanto, o boi
goring foi vale metade do que ele pertence - é uma vez para o demandante.
Qual ainda é a diferença? Quando o requerente o consagrou (de acordo com
R. Aqiba ele é sagrado, e de acordo com R. Ismael ele não é até ser concedido
ao demandante pelo tribunal Rabha questionou R. Na'hman: Se o réu vendeu o
boi, como é que, segundo R. Ishmael, que o considera credor, a venda é válida
ou talvez porque o boi está sujeito à avaliação? do tribunal não é válido? Ele
respondeu: "A venda não é válida. Mas não aprendemos em um Boraitha
que éválido? Ele pode recuperá-lo. Se é assim, qual é a validade da venda? No
caso de o vendedor o usar nesse meio tempo, ele não precisa pagar por
isso. Em seguida, deduzir disso que, se um mutuário vender sua propriedade
pessoal, o Beth Din poderá recuperá-lo para o benefício do credor. Não, a
partir deste caso em que as Escrituras tornaram o boi hipotético, nada pode ser
inferido.

R. Ta'hlipha, da Palestina, ensinou na presença de R. Abuhu: Se ele o vendeu,


é inválido, mas se ele o consagrou, é válido. Quem o vendeu? O réu, e todos
concordam que a venda não é válida, porque mesmo de acordo com R.
Ishmael ainda está sujeito a apreciação no tribunal, e se ele consagrou todos
concordam que ele é sagrado, porque mesmo de acordo com R. Aqiba, que
considera que ele pertence ao autor sem qualquer avaliação, uma coisa
sagrada é diferente em razão da afirmação de R. Abuhu, que disse que foi
assim decretado por medo de que se possa dizer que as coisas consagradas se
tornam comuns sem serem redimidas.

Os rabinos ensinavam: "Um boi não-malvado que causou dano, se foi


vendido, consagrado, abatido ou apresentado a alguém, o ato é válido se foi
feito antes da entrega da sentença; se, no entanto, qualquer um desses as
coisas foram feitas após a entrega da sentença, é nula e sem efeito.Se os
credores cobrados sobre o boi, se o dano foi feito antes ou após o
reconhecimento do tribunal da dívida a taxa é nula, para os danos no caso de
um o boi não-violento é pago apenas por seu corpo.No caso de um boi cruel,
todos os atos acima de seu dono são válidos sem considerar se ele foi feito
antes ou depois da execução da sentença, e mesmo a arrecadação de credores
é válida independentemente de o dano foi feito antes ou depois
p. 76
reconhecimento, porque os danos em caso de um boi cruel são pagos apenas
pelas melhores propriedades.

O Mestre disse: "Se vendido é válido, na medida em que o não pagamento


para a lavra que ele fez, se foi consagrado, é válido para a razão declarada por
R. Abuhu; e se abatido ou apresentado a alguém o ato é válido." Seria correto
apresentar, porque significa quanto ao valor da lavra, mas no caso de ser
abatido, por que não se deveria cobrar o dano do valor de sua carne? Não
aprendemos em um Boraitha: "Está escrito: 'O vivo '". De onde sabemos se foi
abatido? Portanto, está escrito: "E eles venderão o boi", o que significa em
qualquer estado que ele é? Disse R. Shizbi: Isso (que o ato é válido) era
necessário apenas quanto à redução de valor por conta do abate ( isto é,, o
dono do boi não precisa pagar o valor de tal redução).

Por que eu deveria sofrer pela diminuição de valor causada por você? Disse R.
Ashi: O caso é que a magreza foi causada pelo golpe, caso em que o autor
pode dizer que o chifre do seu boi ainda está impressionado (no meu boi) e
isso causou magreza.

MISHNA XI .: Um boi do valor de duzentos que entornou outro boi de igual


valor e a carcaça não tinha valor algum. R. Meir sustenta que de tal caso está
escrito [Ex. xxi. 35]: "Então eles venderão o boi vivo e dividirão seu
dinheiro." Disse R. Jehudah para ele: Então a Halakha prevalece em referência
à passagem citada por você, mas como é a última parte desta passagem [ibid.,
Ibid.]: "E os mortos também eles dividirão"? Isso pode se aplicar a um caso
em que a carcaça do boi
p. 77

(que boi era do mesmo valor que o boi que chora) ainda vale cinquenta zuz,
em cujo caso cada um deles toma metade da vida e metade do boi morto.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: "Um boi do valor de duzentos zuz que


entalhava um boi de igual valor e a carcaça valia cinquenta, cada um deles
toma metade da vida e metade do boi morto, e isso é o caso do boi pretendido
pela Escritura. " Tal é o ditado de R. Jehudah. R. Meir, no entanto, sustenta
que este não é o boi pretendido pela Escritura, mas é onde está como
declarado no começo da Mishná, e a provisão da passagem que "também o boi
morto eles dividirão" é levada avaliando o quanto a carcaça vale menos do
que quando o boi estava vivo, e metade dessa diferença (setenta e cinco zuz) é
paga ao autor do boi vivo juntamente com a carcaça. Se é assim, então, de
acordo com ambos, se a carcaça vale cinquenta cada um deles recebe cento e
vinte e cinco, como ainda de acordo com R. Jehudah, que divide os dois bois
entre eles, a parte é apenas cento e vinte e cinco, qual é a diferença entre
eles? Disse R. Johanan: A diferença é quanto ao aumento no valor da carcaça
(desde o tempo da lesão). R. Meir afirma que pertence inteiramente ao
queixoso, e R. Jehudah afirma que eles são considerados parceiros, e cada um
deles recebe metade. E isso foi porque se apresentou uma dificuldade para R.
Jehudah: Se você diz que a Escritura simpatizava com o réu e queria que ele
compartilhasse o melhoramento (da carcaça), você diria no caso de um boi no
valor de cinco selas? (vinte zuz) que feriu um boi que valeu cem e a carcaça
vale cinquenta zuz, que eles também devem dividir igualmente o boi morto e
vivo (e assim o réu ainda lucrará nisso, porque a metade da carcaça vale vinte
e cinco zuz, e metade da vida vale dez zuz, o que faz trinta e cinco zuz,
enquanto o valor do boi do réu era apenas vinte zuz), e onde encontramos tal
coisa? caso em que o réu ainda deve lucrar? E além disso, não está escrito
claramente [ibid. 36]: "Ele certamente pagará", o que significa que o réupaga ,
mas não deve lucrar. [Para que propósito essa passagem adicional é
aduzida? Para que não se diga que ele paga apenas quando o demandante
realmente sofre danos, mas quando não o faz, como, por exemplo, um boi que
vale cinco selas que feriu um boi de igual valor, e a carcaça valeu seis selas
(por aumento preço, caso em que o queixoso lucra), em tal caso o réu pode
lucrar, portanto este
p. 78

passagem é apresentada para mostrar que o réu deve sempre pagar, mas nunca
lucrar.] Disse R. A'ha bar Ta'hlipha para Rabh: Se é assim, então, de acordo
com R. Jehudah, que insiste na divisão de ambos, nós encontre instâncias de
acordo com ele de que um boi não-vicioso paga mais da metade e a Escritura
fornece expressamente [ibid. 351: "Então eles devem vender o boi vivo e
dividir o seu dinheiro" ( por exemploquando um boi valeria cinquenta, um
valendo quarenta, e a carcaça valesse vinte, então o dano chegaria a vinte, e se
o queixoso pegasse metade do boi vivo que é vinte e cinco, e metade da
carcaça que é dez, ele receberia trinta e cinco, o que é mais do que a metade
do dano). Não, R. Jehudah também mantém a regra de que a diferença deveria
ser dividida e deduzida da viva. De onde ele deduz isso? De [ibid., Ibid.]: "E o
boi morto também eles devem dividir." Mas R. Jehudah deduz desta passagem
que cada um deles recebe metade dos mortos e metade do vivo? A passagem
poderia ler: "E o boi morto eles devem dividir". Por que "e o boi
morto também "? Para inferir ambos.

MISHNA XII .: Há casos em que alguém é responsável pelos atos de seu boi e
é livre se eles são seus próprios atos, e vice-versa . Como assim? Se o boi
causar desgraça, o dono é livre, 1 mas se ele fez isso ele é responsável. Se seu
boi cegou o olho de seu escravo ou bateu os dentes, o dono não é responsável
( isto é , o escravo não deve ser alforjado), mas se ele mesmo o fez, ele é. Se o
seu boi feriu um dos seus pais, ele é responsável, mas se ele próprio o fez, ele
está livre; e o mesmo é o caso quando seu boi atear fogo a um celeiro no
sábado, ele é responsável, enquanto que se ele fez isso, ele é livre, pois nos
dois últimos casos ele é culpado de um crime capital.
GEMARA: R. Abbuhu ensinou na presença de R. Johanan: Todos aqueles
cujos atos são de natureza destrutiva não são responsáveis (no que diz respeito
à observação do sábado), exceto aqueles que feriram e atearam fogo. Disse R.
Johanan para ele: Vá e ensine isso fora do colégio ( isto é , tal afirmação não
deve ser respeitada pelo colégio), já que os dois mencionados não são
exceções (e também são de natureza destrutiva); eles só podem constituir
exceções no caso do ferimento (de um animal quando ele precisava do
sangue) por seu cão, 2 e em caso de incêndio, quando ele precisava
p. 79

as cinzas ( isto é , quando o ato foi feito com a intenção de obter benefícios
das coisas sobre as quais agiu).

Há uma objeção de nosso Mishna: "Um boi que ateou fogo a um celeiro", etc.
E como o Mishna equivale ao dono de seu boi, não é para presumir que, assim
como o boi não precisou do fogo, o proprietário nenhum, e ainda é afirmado
que ele é livre (civilmente), porque ele é culpado de um crime capital (daí
vemos que atear fogo no sábado é uma exceção)? Não, a igualdade está no
reverso; isto é, como o proprietário fez com algum propósito, também fez o
boi. Como isso é possível de um boi? Disse R. Avia: Pode ser explicado que
era um boi inteligente que tinha uma coceira nas costas, e ele começou o fogo
para rolar nas cinzas. Mas de onde sabemos que essa era a intenção dele? Do
fato de que ele realmente rolou nas cinzas. Existem tais bois inteligentes? Sim,
há, como havia um boi que pertencia a R. Papa,

Disse os rabinos para R. Papa: Como você pode dizer que a igualdade é que o
boi imitava o dono? Os Mishna não afirmam que, se seu boi causa desgraça,
ele é livre, mas não se ele mesmo: agora um boi pode ter tal inteligência a
ponto de querer desgraça? Sim, por exemplo, quando ele pretendia causar
dano (mas causou apenas desgraça), caso em que o Mestre disse em outro
lugar, se ele pretendia causar dano, mas causou apenas desgraça, ele é
responsável.

MISHNA XIII.: Um boi que correu atrás de outro boi, e este último foi ferido,
o queixoso afirma que o boi o feriu enquanto o réu afirma que não era assim,
mas que o prejuízo foi causado por atrito contra uma pedra: a regra é que o
ônus da prova cabe ao queixoso. Se dois bois com proprietários diferentes
correram depois de um terço, cada um dos réus alegando que o boi do outro
causou o ferimento, ambos estão livres; se os dois bois pertenciam a uma
pessoa, ambos são responsáveis (como explicado mais adiante); se um boi era
grande e o outro pequeno, o demandante alega que o grande causou a lesão
enquanto o réu reclama que o pequeno causou (a diferença é que o maior tem
valor suficiente para pagar a metade dano enquanto o pequeno não é); ou se
um era não-vicioso e o outro vicioso,
p. 80

requerente. Se os bois do réu eram dois, um grande e o outro pequeno, e assim


também eram os bois da autora, o demandante alega que o grande feriu seu
grande boi e o pequeno feriu o pequeno boi, e o réu reclama. que o contrário
foi o caso (de modo a reduzir seus pagamentos); ou quando um era um não-
vicioso e o outro um vicioso, o demandante alega que o perverso feriu o
grande e o não-vicioso o pequeno, enquanto o réu alega que não era assim,
mas que o não -vicious feriu o grande e o vicioso o pequeno, o ónus da prova
está no autor.

GEMARA: Disse R. Hyya bar Abba: Esta declaração (no Mishna, que o autor
tem o ónus da prova) mostra que os companheiros de Summachus diferem
com ele, pois Summachus sustenta ( post , página 106 ) que dinheiro, cuja
propriedade é duvidoso, deve ser dividido entre os seus requerentes. Disse R.
Abba bar Mamel para R. Hyya bar Abba: Será que Summachus o mantém,
mesmo que ambos afirmem ser positivos em suas declarações? Ele respondeu:
Sim. E de onde sabemos que nosso Mishna também fala que ambos afirmam
ser positivos em suas declarações? Porque ensina claramente: Uma das partes
diz: Seu boi; e a outra parte diz (positivamente): Não é assim. R. Papa se opôs:
De acordo com sua explicação de que ambos afirmam ser positivos em suas
declarações, a última parte deve naturalmente também tratar de tal
caso; então, como deve ser entendido: se um era grande e um era pequeno,
etc., o queixoso tem o ônus da prova; como seria a lei se ele não prova: ele
toma de acordo com a declaração do acusado? Não estaria isto em contradição
com Rabba Bar Nathan, que diz que quando uma parte alega ter vendido outra
parte de trigo, e a outra parte admite ter comprado de cevada, que esta é livre
(e de acordo com a regra acima vendedor teria direito a recuperar por
cevada)? Devemos, portanto, dizer que o caso é quando se afirma que ele é
positivo, enquanto o outro não é positivo. Vamos ver quem afirma que ele é
positivo. Vamos supor que o demandante afirma que ele é positivo e o réu
não, então ainda haverá uma contradição para Rabba bar Nathan. Devemos,
portanto, dizer que o autor não alega que ele é positivo enquanto o réu o faz
(e, portanto, ele alega seus danos de ambos, e se ele não provar sua afirmação,
ele recupera apenas de acordo com a declaração do réu). Agora, como a
última parte fala de um caso em que o autor era incerto e o réu estava certo,
o e se ele não provar sua afirmação, ele se recuperará apenas de acordo com a
declaração do réu). Agora, como a última parte fala de um caso em que o
autor era incerto e o réu estava certo, o e se ele não provar sua afirmação, ele
se recuperará apenas de acordo com a declaração do réu). Agora, como a
última parte fala de um caso em que o autor era incerto e o réu estava certo, o
p. 81

o mesmo deve ser o caso na primeira parte do Mishna, e até mesmo


Summachus sustenta a sua teoria, porque se não fosse necessário que o
Mishna ensinasse este caso. Não, na última parte do Mishna, o demandante
não é positivo e o réu é positivo, e na primeira parte, o inverso é o caso.

Mas depois desta explicação a primeira parte e a última parte tratam de casos
diferentes; então você não poderia explicar que a primeira parte fala onde
ambos eram positivos (e só então Summachus diz que o dinheiro deveria ser
dividido), e a última parte trata onde um é positivo e o outro não é (caso em
que Summachus não se opõe ). Pode-se dizer: certeza e incerteza na primeira
parte, e incerteza e certeza na outra parte ainda é um e o mesmo caso, mas se
ambos afirmam certeza em um caso e certeza e incerteza no outro caso, há
dois diferentes coisas, e se o Mishna deveria significar, isso seria tão claro.

" Ambos são responsáveis ." Disse Rabha, da Pharsika, para R. Ashi: Inferir a
partir disso que, se os bois não-violentos causarem danos, o autor poderá
cobrar seus danos de qualquer um deles. Não, o caso no Mishna é que ambos
os bois eram viciosos. Disse R. A'ha o mais velho para R. Ashi: Se o caso
fosse que eles eram cruéis, por que se afirma que ambos são
responsáveis? Deveria ser " ele"(o homem) é responsável, ou seja, o
proprietário (como o dano é pago a partir dos melhores estados). Devemos,
portanto, dizer que o caso é que eles eram não-viciosos, e é de acordo com R.
Aqiba, que sustenta que eles (as partes) são considerados parceiros, e a razão
aqui é que ambos os bois estão à mão, caso em que ele não pode transferir a
responsabilidade sobre o boi perdido, mas onde um deles está faltando o réu
pode dizer ao autor Prove que este boi fez a lesão e eu te pagarei.

Notas de rodapé

69: 1 O texto diz: "como a bengala de um cego", e Rashi explica, que ao sentir
o caminho com sua bengala, o cego a coloca onde quer que ela aconteça,
longitudinal ou transversalmente. A explicação acima, no entanto, que é mais
lúcida, está de acordo com Tosphath.

73: 1 O termo hebraico [Deutr. xix. 5] sendo ‫ומצא‬, literalmente "achou".

78: 1 Como explicado acima, p. 53, do verso Levit. xxiv. 19

78: 2 De acordo com o comentário de R. Hananel.


p. 82

CAPÍTULO IV
REGRAS RELATIVAMENTE AO OXEN REUTILIZANDO OUTROS
HOMENS OXENOS E HUMANOS. OXEN DE ÓRFÃOS E GUARDIÕES
E O QUE É CONSIDERADO "GUARDADO".

MISHNA I : Um boi que chove quatro ou cinco bois um após o outro, o


último deles deve ser pago a partir do corpo do boi goring (se ele ainda era
considerado não-vicioso., Por exemplo , quando o goring não estava em
sucessão 1 ), e do saldo do meio corpo o último, mas um deve ser pago, e se
ainda havia um saldo deixado o último, mas dois devem ser pagos, de modo
que o mais tarde o mais privilegiado. Tal é o ditado de R. Meir. R. Simeon, no
entanto, diz que se um boi do valor de duzentos zuz chumbasse um boi do
mesmo valor, e a carcaça não valesse nada, cada um levaria cem; se ele
novamente enfiar outro do valor de duzentos, o último leva cem zuz, e o
primeiro leva cinqüenta, e cinquenta zuz permanecem para o dono do boi
ferido; se ele novamente derramar um terceiro do mesmo valor, o último leva
cem, o último, mas um leva cinquenta zuz, e o primeiro, assim como o
proprietário, recebe um dinar de ouro (vinte e cinco dinares de prata).

GEMARA: De acordo com quem é a nossa Mishna? Certamente não está de


acordo com R. Ishmael, que sustenta que os queixosos são considerados
credores, pois se assim for, então não o último, mas o primeiro seria mais
privilegiado, pois ele era anterior ao último em questão de tempo. . Tampouco
pode estar de acordo com R. Aqiba, que sustenta que, no caso de um boi não-
violento, o demandante e o réu são considerados coparteiros, pois, então, se
houver um saldo remanescente do corpo do boi após o goring do por último, o
mesmo teria que ser dividido igualmente entre todos os queixosos anteriores
ao último, e o decreto do Mishna é que o último mas um deve ser pago, etc.
Disse Rabha:
p. 83

O Mishna pode ser explicado de acordo com R. Ishmael, e a


[parágrafo continua]

dificuldade que se afirma é queo mais tardio , o mais privilegiado, que deveria
ser o primeiro(de acordo com R. Ishmael), deve ser explicado assim: que o
autor cobrado sobre o boi, e em tal caso, o autor torna-se responsável pelos
danos causados pelo boi, enquanto sob seu controle, como ele é então
considerado um bailee para contratar no que diz respeito a danos (e assim foi
o caso com todos os outros). Mas se esse era o caso, então por que se afirma
que, se restar um equilíbrio, vai para o último, mas um? Deveria ir para o
dono do boi (pois todos os restos subseqüentes ao primeiro foram feitos
enquanto o boi não estava sob seu controle). Disse Rabhina: A afirmação em
questão significa que se depois do último foi pago do corpo do boi, ainda
restava um saldo, o mesmo deveria ser pago ao anterior. 1 E então, quando
Rabhin veio da Palestina, ele disse em nome de R. Johanan que a Mishna deve
ser explicada no mesmo sentido que Rabha fez; isto é, que o Mishna trata
apenas da negligência dos queixosos que tomaram o boi sob seu controle e
negligenciaram guardá-lo suficientemente como era seu dever fazer.

Agora, quando a Mishna é explicada como estando de acordo com R. Ishmael,


como é a última parte: "R. Simeon disse, etc.,... O primeiro como também o
dono levam cada um dinar dourado"? Isso certamente está de acordo com a
opinião de R. Aqiba de que o boi goring torna-se propriedade comum de um
copartnership. Então a Mishna estaria de acordo com
p. 84

duas opiniões diferentes, a primeira parte de acordo com R. Ishmael e a última


parte de acordo com R. Aqiba. Os escolásticos disseram: Sim, assim é, porque
Samuel disse a R. Jehudah (sobre este Mishna): "Gênio, deixe sozinho a
explicação do Mishna e concorde comigo que a primeira parte é de acordo
com R. Ismael e o último parte de acordo com R. Aqiba ". 1

MISHNA II .: Um boi que é cruel para com sua própria espécie, mas não para
outras espécies, ou para seres humanos, mas não para animais, ou para gado
jovem, mas não para gado adulto, todo o dano deve ser pago a ele. aqueles
para os quais ele é cruel e metade para aqueles para os quais ele não é
vicioso. Os discípulos perguntaram a R. Jehudah qual era a lei quando um boi
era cruel nos sábados, mas não era vicioso nos dias da semana. Ele respondeu:
O mesmo é o caso também aqui. Ele paga o total pelos danos causados nos
dias de sábado e metade pelo que foi feito nos dias de semana. Quando é que
um boi é restaurado à não-crueldade? Se ele se abstivesse de causar dano por
três dias de sábado em sucessão.

GEMARA: Foi ensinado: R. Zbid disse: O Mishna ensina " e não vicioso ", o
que significa que, como para outras espécies, era certo que ele não era vicioso,
mas se não é certo que ele deve ser considerado vicioso para com todos . R.
Papa, no entanto, disse: O Mishna ensina "ele não é vicioso", o que significa
que um boi que é cruel com sua espécie não é considerado vicioso em relação
aos outros. A razão para a diferença de opinião é a seguinte: O primeiro
coloca mais ênfase na última parte do Mishna, que ensina que quando ele é
cruel com o gado jovem ele não é considerado vicioso em relação ao gado
adulto, e isso pode ser correto. somente de acordo com sua interpretação de
que é certoque ele não era vicioso, mas de acordo com a explicação de que ele
é considerado não-vicioso esta declaração é totalmente supérflua, como já foi
dito que ele não é considerado vicioso nem mesmo para o gado jovem se não
for certo, e é auto- evidente que tanto o menos para o gado adulto. O último
atribui mais importância à primeira parte da Mishná, que ensina que, se for
cruel para com os seres humanos, não é considerado para o gado, e isso só
poderia ser correto se fosse explicado que, se é incerto, ele é cruel para o
gado. ele também é considerado não-vicioso; então o
p. 85

A declaração do Mishna é necessária para nos ensinar que, embora ele seja
cruel com os seres humanos, ele ainda não é considerado para com o gado,
mas se você deve explicar que ele é considerado vicioso, mesmo quando é
incerto, então esta afirmação é inteiramente supérfluo, como já foi dito que ele
é considerado vicioso mesmo do gado para o gado, e é auto-evidente que tanto
mais quando ele é vicioso em relação aos seres humanos.

Disse R. Ashi: A última parte do Mishna só poderia suportar R. Zbid. Venha e


ouça: "Os discípulos questionaram R. Jehuda o que era a lei, etc., e ele
respondeu, etc." Agora, se o Mishna deve ser explicado de acordo com R.
Zbid, que quando não está certo que ele é considerado vicioso, tanto a
pergunta quanto a resposta estão corretas ( ie , eles o questionaram, quando
ele estava certo para os dias sabáticos e não certo para dias da semana, como
foi a lei); mas se você explicar a Mishna de outra forma ( ou seja,como R.
Papa, qual foi a pergunta deles? O Mishna afirma claramente que ele não é
vicioso. Eles pretendiam ensinar R. Jehudah e não questioná-lo? E, em
segundo lugar, foi então uma resposta do último? Ele só repetiu o que eles
disseram? Disse R. Janai: A opinião de R. Zbid é apoiada até mesmo da
primeira parte do Mishna, que afirma: "O todo é pago àqueles para quem ele é
cruel, e metade é pago àqueles para quem ele não é". Esta afirmação só pode
ser correta quando ele é certo que não é vicioso; então está correto que o
Mishna explica sua declaração anterior: Para aqueles para quem ele é vicioso
ele deve pagar tanto, e para aqueles, etc., mas se o Mishna significa afirmar
que um vicioso em relação aos seres humanos não évicioso em relação ao
gado, para que propósito é esta última afirmação? Então, não se sabe quanto
um boi cruel e quanto um não-vicioso paga? Se, no entanto, um boi feriu outro
boi, um jumento e um camelo, ele deve ser considerado vicioso em relação a
todas as espécies de gado, mesmo de acordo com a teoria de R. Papa (pois
essas três espécies têm certeza de que ele é cruel).

Os rabinos ensinaram: Há um caso em que um boi pode se tornar vicioso "em


ordem alternada", ou seja, se ele encontra um boi e o chifre, e
subsequentemente ele encontra outro boi e não o faz; quando encontra o
quarto, no entanto, ele não o faz, mas quando encontra o quinto ele o faz; e
novamente o sexto ele não. Há outro caso em que um boi pode se tornar
vicioso "em ordem alternada" em relação a todas as espécies, ou seja, se ele
encontra um boi e o choca, e subseqüentemente
p. 86
um asno e não faz, um cavalo e faz, um camelo e não, uma mula e faz, um
asno-selvagem e não o escoria.

Os escolásticos propuseram uma pergunta: como é que ele fura três bois em
sucessão e, subsequentemente, um asno e um camelo: contaremos o terceiro
boi junto com os dois primeiros, e ele deve ser considerado cruel apenas com
bois, mas não com outras espécies? de gado, ou vamos contar o último boi
com o burro e camelo, de modo que ele trespassou três vezes em sucessão três
espécies diferentes de gado, e ele é então considerado vicioso para todas as
espécies de gado? Esta questão permanece sem resposta. 1

Rabha disse: "Se um boi trespassado três vezes, cada vez que ouvir o som de
um chifre, ele é considerado cruel quando ouve o som de um chifre". Isso não
é evidente? Para que não se assuma que a primeira vez não seja contada
porque ele ficou com medo, ele vem nos ensinar que isso é contado.

MISHNA III .: Um boi pertencente a um israelita que feriu um boi pertencente


ao santuário, ou do santuário que ferveu um dos plebeus, não há
responsabilidade, pois está escrito [Ex. xxi. 31]: "O boi de outro " (homem),
mas não de santuário. 2

GEMARA: Esta Mishna não está de acordo com R. Simeon b. Menassia do


seguinte Boraitha: "Um boi de um plebeu que feriu um boi do santuário,
ou vice-versa , é livre, pois está escrito: 'O boi de outro ', mas não do
santuário. R. Simeon b. Menassia, no entanto, diz que um boi do santuário que
feriu um boi de um plebeu é livre, mas um boi de um plebeu que feriu um boi
do santuário, seja ele cruel ou não, todo o dano deve ser pago ". Vamos ver
qual é a razão da opinião de R. Simeon. Se R. Simeon interpretou a palavra
" outro homem"literalmente, por que, então, o boi do comum deve ser
responsabilizado quando ele mata um boi do santuário (o santuário não pode
ser chamado de outro homem)? E se ele interpretou a palavra não literalmente,
por que um boi do santuário deveria ser livre quando ser ferido boi de um
plebeu? E se alguém pode dizer que, apesar de ser interpretado a palavra
literalmente, ele, no entanto, faz o
p. 87

Povo comum pagar com base no seguinte a fortiori conclusão: Quando boi de
um plebeu fura um boi semelhante, ele deve pagar; tanto quanto mais se o boi
de um plebeu perde um pertencente ao santuário, e então sua afirmação de que
mesmo que ele fosse não-vicioso, todo o dano deve ser pago não seria correto,
pois há uma regra que é suficiente que uma inferência deve ser igual à lei da
qual é derivada (e sob nenhuma circunstância mais rigorosa); por que então
ele deve pagar todo o dano se for baseado apenas nesta conclusão
a fortiori ? Disse Resh Lakish: Na realidade, em todos os casos, todo o dano
deve ser pago; o verso, no entanto, fazendo uma exceção de goring e
afirmando que metade só é para ser pago, adicionado ao mesmo tempo a
palavra

‫( רעהו‬que significa, literalmente, "seu companheiro"), com a intenção de


excluir todos os casos em que não pode ser considerado de seu
companheiro, por exemplo , do santuário; e a exatidão desta afirmação pode
ser provada pelo fato de que quando o verso fala de um boi cruel a palavra
acima "Re-ehu" não é mencionada.

Quando a filha de R. Samuel bar Jehudah morreu, um dos rabinos disse a Ula:
Vamos consolá-lo. Ele disse-lhes: O que devo fazer com o consolo de um
babilônico, pois pode se transformar em uma blasfêmia, como costumam dizer
em tais casos: "O que pode ser feito?" (contra a vontade de Deus), o que
significa que se algo pudesse ser feito contra a Sua vontade eles o fariam, e
isso é certamente uma blasfêmia. Ele então foi sozinho, e seu consolo foi o
seguinte: Está escrito [Deut. ii. 9]: "E o Senhor disse-me: Não ataquem os
moabitas, nem contendam com eles em batalha". Poderia, então, entrar na
mente de Moisés para entrar em guerra sem o consentimento do Senhor? Mas
Moisés desenhou a fortioriconclusão para si mesmo, assim: Se dos midianitas
que vieram apenas para ajudar os moabitas, a Escritura diz:
[Insensato. xxv. 17]: "Atacar os midianitas e feri-los", os próprios moabitas
tanto mais? O Santo, bendito seja Ele, então disse: "Tua conclusão foi assim
porque não poderias imaginar o que eu carrego em minha mente. Tenho dois
bons pombos para tirá-los; a saber, Rute, a moabita, e Noemi, a amonita." Ora,
não há uma conclusão a fortiori a ser tirada? Se por dois bons pombos o
Santo, bendito seja Ele, salvou duas grandes nações e não as destruiu, tanto
mais salvaria a vida da filha do mestre se ela fosse justa e algo de bom viria
por diante dela.
p. 88

MISHNA IV : Um boi de uma pessoa sadia que usou um boi pertencente a um


surdo-mudo, idiota ou menor, existe uma responsabilidade. Se o contrário foi
o caso, não há nenhum. Um boi das três últimas pessoas nomeadas que geme,
o tribunal deve nomear um guardião e as testemunhas devem testemunhar na
presença do guardião. Se, entretanto, o surdo-mudo é curado, o idiota torna-se
de mente sã ou o menor torna-se de idade, o boi é restaurado à sua não-
crueldade. Tal é o ditado de R. Meir. R. José, no entanto, diz que ele
permanece na mesma posição. Um boi do estádio ( isto é , o lugar onde os
bois são treinados para lutar) não está sujeito a ser morto ao matar até mesmo
um ser humano, pois está escrito: "Se um boato de sangue", o que significa
sua própria inclinação, mas não quando ele é treinado para fazê-lo.

GEMARA: Então, a Mishna não se contradiz? Primeiro, declara que, se um


boi das três pessoas nomeadas que chupa um boi de uma pessoa sadia, não há
responsabilidade, a partir da qual pode-se inferir que nenhum guardião deve
ser nomeado quando o boi é não-vicioso para permitir que os demandantes
para coletar de seu corpo, e imediatamente após ele afirma que um boi dessas
três pessoas que gomos, o tribunal deve nomear um guardião e testemunhas
devem testemunhar perante ele, a partir do qual se pode inferir que um
guardião é nomeado com a finalidade de permitir coletar de seu corpo? Rabha
diz: Isto é para ser interpretado assim: Se eles eram conhecidos como bois
goring o tribunal nomeia um guardião, e as testemunhas são examinadas na
presença do guardião e o boi é declarado vicioso, de modo que, se ele voltar a
atacar novamente, o dano será coletado das melhores propriedades. De quem
melhores propriedades? R. Johanan disse: daqueles dos órfãos. 1 R. Jose
b. Hanina disse: Daqueles do guardião.

R. Joanan, de fato, disse isso? R. Jehud não disse em nome de R. Assi que a
propriedade dos órfãos não deve ser tocada (até que os órfãos cheguem à
maioria, mesmo quando há uma obrigação por escrito de que seu pai falecido
seja pago), a menos que cresçam juros sobre ele? a obrigação ( por exemplo ,
quando o falecido pediu dinheiro a um gentio). R. Johanan, no entanto, diz
também quando o contrato de casamento da viúva deve ser pago, porque ela
deve receber do imóvel uma quantia em dinheiro para sua subsistência, desde
que seu contrato de casamento permaneça não cobrado. Por isso, vemos que
apenas para o propósito de apoiar a viúva, ou onde há interesse crescente, R.
Johanan permite coletar
p. 89

das propriedades dos órfãos, mas não de outra maneira. Inverta a declaração
no nosso caso, que R. Johanan detém da herança do guardião, e R. Jose
b. Hanina disse daqueles dos órfãos. Disse Rabha: Porque há uma contradição
entre as declarações em nome de R. Johanan, você faz R. Jose errar. R. Jose
b. Hanina era uma juíza e ele sempre mergulhou no fundo da lei. Portanto, a
afirmação em nosso caso não deve ser revertida, mas a razão pela qual R.
Johanan declara no nosso caso que será coletada das fazendas dos órfãos, é
porque não há outro caminho, como se devesse ser coletado de as
propriedades do guardião ninguém consentiria em se tornar um. E a razão para
José b. A declaração de Hanina de que será recolhida do guardião '

Há uma diferença de opinião dos Tanaim quanto ao fato de um guardião ser


nomeado para coletar do corpo do boi no seguinte Boraitha: "Um boi que
esmiuçou e seu dono subseqüentemente se tornou um mudo surdo, um idiota,
ou foi para os países do mar, Jehudá Nekussa em nome de Summachus
sustenta que ele deve ser considerado não-vicioso até que a evidência de
crueldade foi dada na presença de seu dono, os sábios, no entanto, sustentam
que um guardião é nomeado e a evidência é dada em sua presença, caso o
surdo-mudo ficasse curado, o idiota da mente sã, ou o dono tivesse voltado
para casa, Jehudá b Nekussa, em nome de Summachus, diz que o boi é
restaurado à sua não- crueldade, e assim permanece até que a evidência seja
dada na presença do dono, e R.José diz que ele permanece na mesma posição
em que estava. "Agora vamos ver o que Summachus quer dizer com sua
primeira afirmação de que ele deve ser considerado não-vicioso, etc. Devemos
assumir que o boi ainda não era vicioso;ou seja , ele não havia escorrido três
vezes? Então como será explicada sua segunda afirmação, que ele
é restaurado à sua não-crueldade, o que significa que ele já era
vicioso? Devemos então dizer que a afirmação de que ele é considerado não-
vicioso significa que se considera que ele não havia escorrido, portanto
nenhum guardião deve ser designado para coletar de seu corpo, e os sábios
dizem que há um designado. Esta é a explicação da primeira parte do Boraitha
acima. Na última parte dos Boraitha eles diferem em outro ponto; isto é, se a
mudança de controle também muda seu estado ( ou seja , se a mudança do
controle do guardião para
p. 90

o dos donos muda também a sua crueldade para não-crueldade)? Summachus


afirma que sim, e R. Jose afirma que isso não acontece.

Os rabinos ensinavam: "Um boi de surdo-mudo, idiota ou menor que escorria,


segundo R. Jacob, a metade dos danos deve ser paga". Como foi o caso? Se
era um boi não-vicioso, é evidente que apenas metade deve ser paga, como é o
caso de um boi de um homem sadio, e se R. Jacob quer dizer que apenas
metade é paga mesmo se ele fosse vicioso, vamos ver em que circunstâncias
pode ser dito. Se o cuidado necessário foi tomado por ele, então nem a metade
deve ser paga (pois está claramente escrito [Êxodo, 29], "e
ele não temJehudah diferem um do outro em suas opiniões? Não aprendemos
na seguinte Boraitha que o boi em questão R. Jehudah o responsabiliza, e R.
Jacob afirma que ele deve pagar a metade? Disse Rabbah b. Ula: R. Jacob
apenas explica a responsabilidade a que R. Jehudah o detém, mas não difere
dele. Rabina, no entanto, diz que eles diferem, mas o caso foi que houve uma
mudança de controle; isto é, que o surdo-mudo foi curado, etc. R. Jehudah
afirma que ele permanece na mesma posição em que estava (e, portanto, paga
tudo), e R. Jacob diz que a mudança de controle também muda seu status. mas
não difere com ele. Rabina, no entanto, diz que eles diferem, mas o caso foi
que houve uma mudança de controle; isto é, que o surdo-mudo foi curado, etc.
R. Jehudah afirma que ele permanece na mesma posição em que estava (e,
portanto, paga tudo), e R. Jacob diz que a mudança de controle também muda
seu status. mas não difere com ele. Rabina, no entanto, diz que eles diferem,
mas o caso foi que houve uma mudança de controle; isto é, que o surdo-mudo
foi curado, etc. R. Jehudah afirma que ele permanece na mesma posição em
que estava (e, portanto, paga tudo), e R. Jacob diz que a mudança de controle
também muda seu status.
Os rabinos ensinavam: "Os guardiões pagam das melhores propriedades, mas
não pagam o dinheiro da expiação" (ver Ex. Xxi. 30). Quem é o Tana que
sustenta que o dinheiro (que deve ser pago de acordo com o versículo
mencionado) é expiação, e os órfãos não precisam ter expiação, pois eles não
são maiores de idade? Disse R. Hisda: É R. Ismael, o filho de R. Johanan
b. Broka, do seguinte Boraitha: "Está escrito [ibid., Ibid., Ibid.]:" E ele
p. 91

dará o resgate da sua vida '; isto é, o valor do falecido. R. Ismael, filho de R.
Johanan b. Broka, no entanto, diz que significa o valor do réu. "Não devemos
supor que o ponto de diferença é que os rabinos sustentam que o início desse
verso significa o valor do falecido em dinheiro como danos, mas não em
expiação. e R. Ismael afirma que é em expiação? Disse R. Papa: Não, todos
concordam que é em expiação, mas seu ponto de diferença é: Os Rabinos
sustentam que a avaliação deve ser da pessoa que foi morta (porque seu valor
deve ser pago), e R. Ismael sustenta que a avaliação deve ser da pessoa do
acusado, porque está escrito [ibid.]: "E ele pagará o resgate de sua vida". E os
rabinos? Sim, é verdade que afirma " vida ", o que significa que sua vida é
expiada, mas o montante a ser pago por tal expiação é o valor do falecido.

Rabha declarou uma vez antes de R. Na'hman que R. A'ha b. Jacó era um
grande homem, e R. Na'hman disse: Quando ele vem visitá-lo, traga-o para
mim. Quando ele fez isso, disse R. Na'hman para R. A'ha: Pergunta algo de
mim; e ele fez a seguinte pergunta: "Um boi pertencente a dois coparteiros
(que matou um homem), como será pago o dinheiro da expiação? Se cada
coparteiro pagasse o valor total, haveria duas expiações, e o versículo é lido."
um, e se dissermos que cada um deles deve dar apenas metade, então cada um
paga apenas a metade , enquanto o versículo declara que "será colocado
sobre eleuma soma de dinheiro ", o que significa a soma total, e não a
metade." Enquanto R. Na'hman estava sentado e deliberando sobre o caso, ele
colocou outra questão, sobre se a propriedade de quem precisa Pagar expiação
é cobrado, como é o caso de alguém que deve pecados e ofertas de
transgressão (isso será explicado no Trato Eruchin) .E R. Na'hman disse-lhe:
Deixe esta questão em paz. Eu ainda estou triste que Eu não pude responder a
primeira pergunta de uma só vez.

Os rabinos ensinaram: "Aquele que pega emprestado um boi com o


entendimento de que ele não era vicioso, e descobriu-se que ele era cruel (e,
apesar de estar sob o controle do devedor, ele novamente entornou), o
proprietário paga metade e o mutuário a outra metade Quando, no entanto, ele
se tornou vicioso enquanto estava sob o controle do mutuário, e ele o
devolveu ao dono (e ele enfartou mais uma vez), o dono deve pagar metade e
o mutuário é livre. " Vejamos: O Mestre disse que, no caso, ele foi emprestado
com o entendimento de
p. 92

sendo não-vicioso, e foi encontrado vicioso, cada um paga metade. Por que o
mutuário deve pagar alguma coisa? Deixe que ele diga ao dono: Eu peguei
emprestado um boi, mas não um leão. Disse Rabh: O caso era que era do
conhecimento do mutuário que ele era um boi enraizado. Mas ainda assim, ele
pode dizer que ele foi entendido como não-vicioso, e ele acabou por ser cruel,
por que devo pagar metade? Porque o dono pode respondê-lo: Que diferença
faz para você neste caso, se ele não for vicioso? Assim que ele chorar
enquanto estiver sob seu controle, você terá que pagar metade; o mesmo é
agora, você paga apenas metade. Mas ainda há uma diferença, pois um boi
não-vicioso paga de seu corpo, enquanto um vicioso das melhores
propriedades. O proprietário pode dizer: Mesmo neste caso, não há diferença
para você, pois você teria que pagar a outra metade do boi para mim em
dinheiro. Agora vamos ver (a segunda parte dos Boraitha): "Quando ele se
tornou vicioso, enquanto sob o controle do mutuário, etc., o mutuário é
livre"; portanto, vemos que a mudança de controle muda seu status, e a partir
da primeira parte deve-se inferir que ela não muda o status, pois todo o dano
deve ser pago se ele estiver sob o controle do mutuário. Disse R. Johanan:
Break 1este Boraitha: o Tana que ensinou a primeira parte não ensinou o
último. Rabba, no entanto, diz: O Boraitha não pode ser quebrado, pois na
primeira parte é declarado que a mudança de controle não muda o status, o
mesmo deve ser o caso com a segunda parte. A razão, no entanto, para a sua
decisão é porque o proprietário pode dizer no que diz respeito à maldade do
boi, que ocorreu enquanto sob o controle do mutuário: O último não cuidou
dele como ele não era dele, e, portanto, eu faço não considerá-lo vicioso em
tudo. R. Papa, no entanto, diz: Como na última parte do Boraitha o controle
muda o status, assim também é na primeira parte, mas a razão pela qual o
montante total deve ser pago é porque o boi sempre carrega. o nome de seu
dono, mesmo sob o controle do mutuário,

" O boi do estádio ", etc. Os escolásticos propuseram uma pergunta: O boi em
questão serve para o altar ou não? Rabh disse que ele é, pois ele estava
mordendo por compulsão, e Samuel disse que não é, pois de qualquer forma
uma transgressão foi cometida com ele. Há uma Boraitha apoiando Rabh, que
afirma
p. 93

É claro que o boi de um estádio não é culpado de morte e está apto para o
altar.

MISHNA V .: Um boi que matou um homem ao chocá-lo, se foi um malvado,


o dinheiro da expiação deve ser pago, mas não quando ele era um não-
vicioso. Ambos, no entanto, devem ser mortos. O mesmo acontece quando ele
faz um macho ou uma fêmea menores. Se ele tivesse um escravo masculino
ou feminino, ele deveria pagar trinta selas, sem considerar se seu valor era mil
zuz ou apenas um dinar.

GEMARA: Se um boi não-violento matar um homem deve ser morto, como


pode ser encontrado um boi cruel em relação ao homem? Disse Rabba: O caso
era que ele estava correndo atrás de três homens, dois dos quais escaparam, e
o tribunal determinou, a partir das circunstâncias, que se ele tivesse pego
aqueles dois, ele os teria matado. R. Ashi, no entanto, sustenta que tal
determinação não tem valor, mas o caso foi que ele feriu dois, ferindo, mas
não matando-os de uma só vez, e depois feriu um terceiro até a morte, quando
os dois primeiros também morreram. ele é considerado vicioso quanto ao
terceiro para pagar o dinheiro da expiação. R. Zbid, no entanto, diz: Por
"vicioso" entende-se simplesmente que ele matou três animais, e um boi que é
considerado vicioso quanto aos animais é considerado também como aos seres
humanos. 1

" Ambos"Os rabinos ensinaram:" De [Ex. xxi. 28]: 'Então o boi será
certamente apedrejado'; Não é evidente que ele se tornou uma carcaça, e uma
carcaça não deve ser comida, por que então o versículo é acrescentado 'e sua
carne não deve ser comida'? ”O verso vem para ensinar que se ele foi abatido
após o julgamento foi a carne não deve ser comida. Esta é a proibição de
comê-la, mas de onde se deduz que nenhum benefício deve ser derivado dela?
Portanto, está escrito [ibid., ibid.]: "Mas o dono do boi desista ", o que
significa que ele deve se demitir de qualquer benefício. Tal é a explicação de
Simeão b. Zoma. Mas de onde sabemos que as palavras" sua carne não deve
ser comido, "significa quando ele foi abatido após o julgamento foi rendido,
talvez significa que depois que ele foi apedrejado, e as palavras "
p. 94

"certamente apedrejado", e se o verso "sua carne não deve ser


[parágrafo continua]

comido" significaria proibir qualquer benefício, deveria ter declarado "não


será derivado nenhum benefício", ou "ele não será comido". Por que a adição
"sua carne" para indicar que, se ele foi transformado por abate em comida,
como outra carne, também é proibido?

Os rabinos ensinaram: Está escrito [ibid. 28]: "Mas o dono do boi será
demitido". Disse R. Eliezer: Ele deixou de pagar a metade do dinheiro da
expiação. (Pode-se dizer que um não-vicioso paga metade do dano em caso de
chocar um animal, o mesmo é o caso quando ele mata um homem pela
primeira vez.) Disse R. Aqiba para ele: Isso não é auto-evidente? O meio
pagamento é recolhido de seu corpo, e aqui, quando o boi é apedrejado, seu
dono certamente dirá: "Traga-o ao tribunal e recolha-o". Disse R. Eliezer para
ele: Você me considera tão comum quanto não conhecer tal caso? Eu falo de
um boi que não é culpado da morte; por exemplo, se ele matou um homem na
presença de uma testemunha, ou apenas na presença de seu dono (caso em que
o boi não pode ser morto, mas pode-se dizer que o dinheiro da meia expiação
deve ser pago). [Você diz na presença de seu dono, o que significa que o dono
admite que assim foi, então seria igual a um que confessasse estar sujeito ao
pagamento de uma multa, e a lei é que aquele que confessar ser responsável
bem está livre? R. Eliezer sustenta que esse dinheiro é em expiação e não uma
multa.]

Em outro Boraitha nós aprendemos: Disse R. Eliezer: "Aqiba, você me


considera tão comum a ponto de falar de um boi que deve ser morto? Eu falo
sobre um boi que pretendia matar um animal mas matou um ser humano, ou
quem pretendia matar uma criança não viável e matou uma criança viável
". Qual dessas duas afirmações R. Eliezer fez para R. Aqiba primeiro? R.
Kahana, em nome de Rabha, disse que o que acabamos de mencionar foi feito
primeiro. R. Tibiumi em nome da mesma autoridade disse que a primeira
declaração foi feita primeiro. A declaração do primeiro deve ser comparada a
um pescador que captura peixes no mar; se ele encontrar peixe grande, ele os
pega, e se depois encontrar os pequenos, ele os pega também (embora a
segunda afirmação seja uma evidência muito mais reta do que a primeira, ele
ainda fez a outra afirmação), e R. Tibiumi ' A declaração deve ser comparada
a um pescador que mantém o peixe pequeno se ele os pegar primeiro, mas
pegando depois peixes grandes, ele abandona os pequenos e guarda os
grandes. (Assim foi o caso com R. Eliezer. Ele tentou dar-lhe provas a partir
da primeira declaração, mas como isso
p. 91

foi facilmente censurável, ele tentou encontrar evidências mais fortes e deu a
ele.)

Aprendemos em outro Boraitha: "Mas o dono do boi deve se demitir". R. José


o Galileu disse que quer dizer que é desistir de pagar o valor das crianças(se
ela estava grávida). Disse R. Aqiba para ele (é necessário ter um verso
separado para isso)? Não está escrito [Ex. xxi. 22]: "Se os homens atacam e
machucam uma mulher com criança", etc., a partir do qual se pode inferir que
somente no caso de seres humanos há uma responsabilidade por ferir crianças,
mas não no caso de bois? (Diz o Gemara): O R. Aqiba não está correto? Disse
R. Ula, o filho de R. Idi: Outro verso é necessário pela seguinte razão: A partir
do versículo mencionado, pode-se dizer homens, mas não bois que são iguais
aos homens. Isso significa que, como os homens são considerados sempre
cruéis, os bois tão ferozes são isentos de responsabilidade por ferir crianças,
mas os bois não-perigosos devem ser responsabilizados. Portanto, vem o outro
verso, "O dono do boi deve parar", para ensinar que, mesmo nesse caso, não
há responsabilidade. Disse Rabha: 1 ( ou seja , como pode entrar na mente que
um boi cruel será livre e um não-vicioso será responsável?) Portanto, disse R.
Ada b. A'hba: (Este verso por si só não seria suficiente, pois) no caso dos
homens, eles são responsáveis pelos filhos somente quando eles pretendiam
atacar um ao outro e atingir a mulher, mas se eles pretendiam atacar a própria
mulher, não existe responsabilidade por dinheiro porque são culpados de um
crime capital; mas no caso dos bois, pode-se dizer que, mesmo quando eles
pretendem atingir a própria mulher, seu dono será punido também para pagar
pelos filhos, portanto, a expressão "será abandonada" indica que não é
assim. E assim foi ensinado claramente em um Boraitha que R. Hagi trouxe
quando veio do sul, como R. Ada b. A'hba explicou isso.

Aprendemos em outro Boraitha: R. Aqiba disse: "Mas o dono do boi deve


parar", significa o pagamento de um escravo (no caso de ele ter sido morto
pelo boi). Mas por que R. Aqiba não deveria dizer a si mesmo, como ele disse
acima, a R. Eliezer, página 143: "Traga isso para o tribunal e colete-o", como
o boi deve ser apedrejado? Disse Rabha: O verso é, no entanto, necessário
pela seguinte razão: Alguém poderia dizer: Porque há mais
rigorosidade; sobre um servo do que sobre um homem livre, como para um
escravo trinta shekels são pagos mesmo que ele valesse apenas um
p. 96

shekel, e no caso de um homem livre, seu valor real é pago apenas, portanto,
pode-se dizer que o pagamento para o servo deve ser dos melhores
estados; daí o verso para fazê-lo desistir.

Existe uma Boraitha em apoio a Rabha, como segue: "O dono do boi deve
desistir". Disse R. Aqiba: Saia do pagamento para o servo: mas por que um
verso é necessário para isso, não é senso comum? Ele é responsável por um
servo e é responsável por um homem livre: como na responsabilidade por um
homem livre você fez uma distinção entre um boi não-vicioso e um cruel, não
é senso comum que também deve ser feita a mesma distinção em a
responsabilidade por um servo. E, além disso, podemos extrair o seguinte a
fortioriConclusão: Um homem livre para quem existe uma responsabilidade
pelo seu valor total e, no entanto, há uma distinção entre um boi cruel e não-
cruel, um servo por quem apenas trinta selas são pagas (embora ele possa ter
valido cem ou mais ), tanto mais que deve haver uma distinção entre um
vicioso e não-vicioso (por que, então, é o verso necessário)? Há mais
rigorismo sobre um servo do que sobre um homem livre, pois, no caso do
último, se ele valer uma só, paga tanto - isto é, apenas o valor real - mas, no
caso de um servo, trinta selas são pagas. se mesmo ele valesse uma sela, e,
portanto, alguém poderia dizer que, se vicioso ou não-vicioso, o valor total
deve ser pago, daí o verso de que ele deve se demitir.

Os rabinos ensinaram: Está escrito [ibid., Ibid. 29]: "E ele mata um homem ou
uma mulher." Disse R. Aqiba: O que o versículo significa para nos ensinar
pela expressão "um homem ou uma mulher", se é apenas para ensinar que
uma mulher é igual a um homem? Isso já foi dito no versículo anterior: "Se
um boi feriu um homem ou uma mulher". Este verso é fazer uma mulher igual
a um homem neste aspecto, que como os danos do homem morto devem ser
pagos a seus herdeiros, assim também no caso de uma mulher se paga a seus
herdeiros. Mas R. Aqiba afirma que seu marido não herda dela? Não
aprendemos no seguinte Boraitha: "Está escrito [Numb. Xxvii. 11]:" E ele
deve herdá-lo '? A partir disso é para inferir que o marido herda de sua esposa.
" Assim disse R. Aqiba. Disse Resh Lakish: R. Aqiba significava o dinheiro
da expiação, cujo pagamento é feito somente depois de sua morte, e, portanto,
é considerado apenas incipiente e o marido não herda tal parte em sua
condição incoerente, como faz em suas propriedades existentes. Mas qual é a
razão pela qual é coletada somente depois
p. 97

a morte dela? Talvez seja coletado assim que o tribunal chegar à convicção de
que ela deve morrer pelos ferimentos. Por isso, lê [ibid., Ibid. 29, 30]: "E ele
matará um homem ou uma mulher, o boi será apedrejado, e seu dono também
deverá ser executado. Mas será depositado sobre ele uma soma de dinheiro em
expiação." A partir do qual se deve inferir que o dinheiro é pago apenas
quando "seu dono deve ser demitido", o que não pode acontecer quando ela
ainda estiver viva. Mas R. Aqiba não disse que, mesmo em casos de danos, o
marido dela não herda dela? Não aprendemos em um Boraitha: "Se alguém
bateu em uma mulher e a fez abortar, ele deve pagar pelo dano e dor a si
mesma, e o valor dos filhos para o marido; se o marido dela está morto, ele
paga ao seuherdeiros; se a mulher está morta, ele paga a seus herdeiros. Se ela
era uma escrava e se tornou livre, ou ela era um prosélito, aquele que tem que
fazer o pagamento não precisa pagar, pois ele mesmo adquire o título do
pagamento, já que essas classes de pessoas não têm herdeiros legais. que,
mesmo para o dano e a dor, o pagamento deve ser feito a seus herdeiros e não
ao marido. ”Disse Rabba: O caso era que ela era uma mulher divorciada, e
também disse R. Na'hman: Se o caso fosse com um mulher divorciada, por
que ela não deveria ter uma parte do dinheiro pago pelas crianças ?, disse R.
Papa: A Escritura concedeu o dinheiro para as crianças ao pai, mesmo se elas
foram geradas ilegalmente, como está escrito [Ex. 22]: "Como o marido da
mulher estava sobre ele".

Resh Lakish disse: Um boi que matou um servo inadvertidamente está livre do
pagamento dos trinta shekels, como está escrito [ibid., Ibid. 32]: "Trinta siclos
serão dados ao seu senhor, e o boi será apedrejado", a partir do qual se pode
inferir que somente quando o boi é apedrejado, o dinheiro deve ser pago, mas
não o contrário. Rabba disse: O mesmo é o caso no que diz respeito à
expiação dinheiro no caso do boi matou um homem livre involuntariamente,
pois está escrito [ibid.]: "O boi será apedrejado, e seu dono também deve ser
posto à morte, mas será colocado sobre ele uma quantia de dinheiro em
expiação, "da qual se deve inferir que somente quando o boi é apedrejado,
etc., o dinheiro da expiação deve ser pago, mas não de outra forma. Abayi
objetou: Nós aprendemos: "(Se alguém confessar, dizendo) meu boi matou
uma certa pessoa, ou seu boi,
p. 98

"Meu boi matou o escravo de um certo homem; não se compele a pagar por
seu próprio testemunho"? Agora, se isso não é bem, mas danos, por que ele
não deveria pagar? Disse Rabba para ele: Eu poderia responder-lhe que a
primeira parte trata de danos e o último de bom, mas eu não gosto de dar-lhe
uma exageradaresponda. Ambas partes tratam de danos, mas em primeira
instância o dinheiro da expiação é pago por seu próprio testemunho nas
seguintes circunstâncias: As testemunhas vieram e testificaram que seu boi
matou um homem, mas não puderam testemunhar se ele era cruel ou não-
vicioso. e o dono admite que ele era vicioso, em tal caso ele tem que pagar o
dinheiro da expiação por seu próprio testemunho, mas onde não há
testemunhas ele paga apenas o dano, mas não o dinheiro da expiação. E no
caso de um escravo, se as testemunhas vierem e testemunharem que o boi
matou o escravo, mas não podem testemunhar se ele era cruel ou não, e o
dono admite que ele era cruel, ele não tem que pagar a multa seu próprio
testemunho, e onde não há testemunhas, ele não precisa pagar nem os
danos. R. Samuel b. Itzhak objetou: Nós aprendemos: " mas sem multa; mas
se ele mesmo admitir, embora no caso de um homem livre ele tenha que pagar
uma indenização, no caso de um escravo em tais circunstâncias, ele é
livre. Rabha questionou Rabba: Se o fogo de uma pessoa causou dano sem
intenção, existe uma responsabilidade ou não? Devemos assumir que é
somente no caso de um boi onde, quando intencionalmente paga dinheiro pela
expiação, quando involuntariamente ele paga o dano, mas no caso do fogo,
onde não há dinheiro para expiação (como, se intencionalmente, ele é culpado
de um crime capital), se não foi intencionalmente ele não deve pagar uma
indenização, ou o dinheiro da expiação não deve ser levado em consideração,
e os danos s fogo fez danos sem intenção existe uma responsabilidade ou
não? Devemos assumir que é somente no caso de um boi onde, quando
intencionalmente paga dinheiro pela expiação, quando involuntariamente ele
paga o dano, mas no caso do fogo, onde não há dinheiro para expiação (como,
se intencionalmente, ele é culpado de um crime capital), se não foi
intencionalmente ele não deve pagar uma indenização, ou o dinheiro da
expiação não deve ser levado em consideração, e os danos s fogo fez danos
sem intenção existe uma responsabilidade ou não? Devemos assumir que é
somente no caso de um boi onde, quando intencionalmente paga dinheiro pela
expiação, quando involuntariamente ele paga o dano, mas no caso do fogo,
onde não há dinheiro para expiação (como, se intencionalmente, ele é culpado
de um crime capital), se não foi intencionalmente ele não deve pagar uma
indenização, ou o dinheiro da expiação não deve ser levado em consideração,
e os danos
p. 90

deve ser pago de qualquer forma; como não sabemos de nenhuma razão por
que o fogo deve ser distinguido de um boi quando feito de forma não
intencional, pois ambos são de sua propriedade? Isso permanece sem
resposta. Quando R. Dimi veio da Palestina, ele disse em nome de R. Johanan
assim: Poderia ser escrito: "Deve ser colocado sobre ele uma soma de dinheiro
em expiação". Por que a palavra "se" 1 adicionado? Ensinar que o dinheiro da
expiação deve ser pago quando feito de forma não intencional, bem como se
feito intencionalmente. Disse Abayi para ele: De acordo com sua teoria, por
que não deveríamos dizer o mesmo de um servo, onde também está escrito
[ibid. 31] "se", mesmo quando feito de forma não intencional; e se você disser
que assim é realmente, por que então disse Resh Lakish que se um boi matou
um escravo sem querer ele está livre dos trinta shekels? Ele respondeu: Que
contradição você usa? São duas pessoas diferentes e diferem em suas
opiniões. Quando Rabhin veio da Palestina, ele disse que R. Johanan declarou
claramente que o mesmo acontece com um escravo quando morto, mesmo que
não intencionalmente, e que ele o deduziu da palavra "se", como explicado
acima.

" Menor ou mulher menor ." Os rabinos ensinaram: Está escrito [ibid. 3 1]:
"Se ele tiver um filho ou ferir uma filha;" isto é, tornar um responsável por
crianças pequenas como por pessoas adultas. Mas isso não é senso
comum? Existe uma responsabilidade de um ser humano por um ser humano,
e a mesma responsabilidade é de um boi por um ser humano; como no
primeiro, não há diferença quanto a ser jovem ou velho, assim também no
último caso, e isso pode ser inferido também pela seguinte a
fortiori conclusão: No caso de seres humanos, em que o assassino só é
culpado quando ele é uma pessoa adulta, mas não uma criança, pois está
escrito claramente " homem"(e uma criança não é chamada de" homem "); no
caso de um boi, no qual não há diferença se é velha ou jovem (como a
Escritura o chama de boi desde o mesmo dia em que ele nasceu, Lev. Xxii
27), tanto mais que ele deve ser culpado por crianças, bem como por pessoas
adultas.Por que, então, é necessário um verso? Não (como para tudo o que foi
dito acima poderia ser objetado assim): No caso dos seres humanos há uma
responsabilidade pelas quatro coisas certas, o que não é o caso de um boi, e
poderíamos dizer, como no caso de um boi, não há responsabilidade para as
quatro coisas, assim também deve haver ser uma distinção entre crianças
p. 100

e pessoas adultas; daí a passagem acima. Desta passagem deduzimos apenas


um boi cruel; de onde sabemos que é não-vicioso? Isso é senso comum: como
existe uma responsabilidade para um homem ou uma mulher crescidos, e a
mesma responsabilidade é para crianças, e para pessoas adultas não é feita
nenhuma distinção entre um boi cruel e não-vicioso, o mesmo é o caso com
crianças. Isto também pode ser inferido por uma conclusão a fortiori : Pessoas
adultas, que são responsáveis por seus atos, se foram mortas por um boi, não
há distinção entre um vicioso e um não-vicioso; tanto menos no caso de
crianças, que não são responsáveis por seus atos, que nenhuma distinção deve
ser feita se o boi era cruel ou não. Não é contra a regra desenhar a
fortioriconclusão de um rigoroso para um leniente para tornar o leniente
rigoroso? (Deduz-se que nenhuma distinção é feita entre um boi cruel e não-
malvado em relação a pessoas adultas a partir do caso dos filhos, e o versículo
"Se ele teve um filho" etc., fala de um boi cruel; agora você compara
novamente o caso das crianças com o caso das pessoas adultas, para dizer que,
como não há distinção, então não há nenhuma aqui, conseqüentemente você
extrai do rigoroso, isto é ,, pessoas adultas, que são baseadas apenas no senso
comum, para o caso das crianças, onde a Escritura diz claramente que o boi
deve ser vicioso e consequentemente leniente, como se pode dizer que apenas
um cruel e não um não-vicioso se entende, para tornar um não-vicioso
também responsável.) E ainda podemos dizer que o caso das crianças é mais
indulgente, pois as crianças são livres da observância da Lei, o que não é o
caso do homem adulto; portanto, está escrito: "Se ele tiver um filho ou uma
filha", a repetição de "gore" sendo supérflua, para nos ensinar que não há
distinção entre um boi cruel e não-vicioso, entre feridos e mortos, e em todos
os casos, deve ser pago.

MISHNA VI .: Um boi que estava se esfregando contra uma parede pelo qual
a parede caiu sobre um ser humano e o matou; se o boi pretendia matar um
animal e matar um homem, ou um filho inviável e matar um animal viável, ele
está livre.

GEMARA: Disse Samuel: Ele está livre da morte, mas está sujeito a pagar o
dinheiro da expiação. Rabh, no entanto, diz que ele está livre de ambos. Mas
por que o dinheiro da expiação deve ser pago? Ele então não é não-
vicioso? (Não é dito que ele estava se esfregando contra a parede, nesse caso
ele certamente não é vicioso, pelo menos neste caso?) Como Rabha explicou
isso ( post , página 112 ), que era maldoso a respeito disso cair em poços,
então também aqui que
p. 101

Era cruel esfregar contra a parede. Mas se assim for, então ele deve ser
condenado à morte. Seria correto no caso da explicação de Rabha citada sobre
um poço, porque ele notou legumes, e com a intenção de comer deles, ele
caiu, mas neste caso aqui o que pode ser dito? Ele estava esfregando contra a
parede para obter benefícios. Como sabemos disso? Do fato de que ele
continuou esfregando mesmo após a queda da parede. Mas então esta é a
causa imediata? Não é a causa remota, como cavar o cascalho? Disse R. Mari,
o filho de R. Kahana: O caso foi que a parede foi pouco a pouco removida por
sua fricção até o momento em que caiu e, portanto, foi a causa imediata, mas
ainda não havia intenção de matar.

Existe uma Boraitha que é um apoio a Samuel e uma objeção a Rabh, a saber:
"Há casos em que o boi é condenado à morte e o proprietário paga dinheiro
pela expiação, e há outros casos em que o dinheiro da expiação é pago, mas o
boi não é morto, e ainda outros em que o boi é morto, mas não há pagamento
de perdão e, finalmente, casos em que não há responsabilidade para com
nenhum deles. Como assim? Se há maldade e intenção , tanto o dinheiro da
expiação é pago quanto o boi é morto.Se a crueldade sem intenção estiver
presente, somente dinheiro de expiação, não-crueldade, mas intencional, o boi
é morto, mas não há dinheiro para expiação Não-crueldade sem intenção,
nenhuma responsabilidade Mas se, no entanto, ele fez dano não
intencionalmente, R. Jehudah o responsabiliza e R. Simeon o mantém livre
”. Qual é o motivo de R. A decisão de Jehudah? Ele o compara a dinheiro da
expiação: como o último deve ser pago se não intencional, também em
danos; e R. Simeon a compara com a morte do boi: como o boi não deve ser
morto se não foi intencional, o mesmo acontece com os danos.

" Se o boi pretendia matar um animal ", etc. Mas como é o caso se ele
pretendia matar um homem e matar outro, existe uma responsabilidade? Se
assim for, então este Mishna não estará de acordo com R. Simeon do seguinte
Boraitha, em que ele diz "que, mesmo se ele pretendia matar um homem e
matou outro, ele também é livre". E a razão dele é porque está escrito
[Ex. xxi. 29]: "O boi será apedrejado, e seu dono", etc A morte do boi é igual
à morte de seu dono: como o proprietário não pode ser executado a menos que
ele matou estehomem intencionalmente, assim também o boi não é morto a
menos que tenha matado essehomem intencionalmente. Mas de onde
deduzimos que é assim em caso de assassinato? Porque
p. 102

é claramente escrito [Deut. xix. 11]: "E ele espera por ele , e se levanta contra
ele", etc., o que indica que ele deve ter a intenção para o homem que ele
matou.

MISHNA VII : Um boi pertencente a uma mulher, a órfãos, ou seu guardião,


ou um boi sem dono, ou um boi pertencente ao santuário, ou o boi de um
prosélito que morreu sem herdeiros, todos aqueles (se matarem um homem )
são mortas. R. Jehudah, no entanto, sustenta que um boi sem dono, ou
pertencente ao santuário ou ao prosélito em questão, não são mortos, porque
não têm donos.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: "A palavra 'boi' é repetida sete vezes no


capítulo da Escritura que trata do entorse de um homem por um boi, cuja
repetição significa incluir todos esses tipos de bois declarados no Mishna. R.
Jehudá, no entanto, diz que, apesar dessas repetições, um boi sem dono, ou um
pertencente ao santuário ou prosélito, não são mortos, porque não têm donos.
”Disse R. Huna: R. Jehudah o liberta mesmo se ele foi consagrada ou
declarada sem dono após o goring.Então, esta teoria? Porque é repetido na
declaração de R. Jehudah, "um boi que é proprietário ou um pertencente a um
prosélito, "etc., eles não são ambos igualmente sem dono? Daí para o
propósito declarado. E assim é claramente declarado no seguinte Boraitha:
Além disso, R. Jehudah disse: Mesmo se fosse consagrado ou feito sem dono
depois goring, eles também são livres, como está escrito [Ex. xxi. 29]: "E
aviso foi dado ao seu dono", etc., o que significa que é condenado à morte, em
seguida, apenas quando durante a apresentação ao tribunal , o julgamento e
sua execução, seu dono ainda existe.

MISHNA VIII .: Um boi que foi condenado a ser executado e seu dono o
consagrou, ele não é consagrado. Se seu dono o matou, sua carne é
proibida. Se, no entanto, isso foi feito antes da conclusão da sentença, ele é
consagrado e, se abatido, sua carne pode ser usada.

Se alguém entregou seu boi a um cessionário ou devedor gratuito, a um


cessionário contratado, a um alugador, todos os que substituem o proprietário
são responsáveis por danos: um vicioso paga o total e um não-vicioso a
metade.

GEMARA: Os rabinos ensinavam: "Um boi que matou um homem; se antes


da sentença ele foi vendido ou consagrado, o ato é válido, se abatido sua carne
pode ser usada. Se o bailado o devolveu ao seu dono o ato é válido. Se no
entanto, todos os enumerados
p. 103

foram feitas após a sentença, nenhum desses atos é válido. R. Jacob, no


entanto, disse que, no que diz respeito ao bailado, o ato é válido mesmo se
após a sentença, e o ponto de sua diferença é: Se o boi pode ser sentenciado
em sua ausência perante o tribunal. Os rabinos sustentam que a sentença deve
ser pronunciada na presença do boi. Agora o dono pode dizer ao depositário:
Se você o tivesse devolvido antes da sentença, eu o teria levado para o
pântano (para que ele não pudesse ser levado perante a corte), e R. Jacob, no
entanto, segura que, como a sentença pode ser pronunciada em sua ausência,
não há diferença. Qual é a razão para a teoria dos rabinos? O versículo citado
acima, "O boi será apedrejado, e seu dono", etc., a partir do qual se inferirá
que o boi é, a esse respeito, igual ao seu dono, como seu dono não podia ser
condenado à morte em sua ausência, o mesmo acontece com o boi. R. Jacob,
no entanto, objetou e disse: O proprietário é diferente, porque ele poderia
argumentar perante o tribunal, mas para que finalidade é a presença do boi
necessária no tribunal?
" Se ele entregou a um baileeDe acordo com quem é este Boraitha? Se de
acordo com R. Meir, que diz que um alugador é igual a um bailee gratuito:
"Por que os Boraitha não acrescentaram ao bailiado gratuito também o
alugador? E se é de acordo com R. Jehudah, quem diz que um alugador é
igual a um bailee de aluguel, por que os Boraitha não acrescentaram ao
bailado gratuito também que todos eles, no caso de um boi cruel, estão livres
do dinheiro da expiação? (como R. Jehudah sustenta que até mesmo cuidado é
suficiente para o acima mencionado substitutos)? Disse R. Huna b. Hinua: O
Boraitha está de acordo com R. Eliezer, que diz que não há guarda para um
boi cruel a menos que a faca, e ele Por que os Boraitha não acrescentaram ao
depósito gratuito também o alugador? E se é de acordo com R. Jehudah, quem
diz que um alugador é igual a um bailee de aluguel, por que os Boraitha não
acrescentaram ao bailado gratuito também que todos eles, no caso de um boi
cruel, estão livres do dinheiro da expiação? "(como R. Jehudah sustenta que
mesmo cuidado leve é suficiente para os substitutos acima)", disse R. Huna b.
Hinua: O Boraitha está de acordo com R. Eliezer, que diz que não há guarda
para um boi cruel a menos que o faca, e ele Por que os Boraitha não
acrescentaram ao depósito gratuito também o alugador? E se é de acordo com
R. Jehudah, quem diz que um alugador é igual a um bailee de aluguel, por que
os Boraitha não acrescentaram ao bailado gratuito também que todos eles, no
caso de um boi cruel, estão livres do dinheiro da expiação? "(como R. Jehudah
sustenta que mesmo cuidado leve é suficiente para os substitutos acima)",
disse R. Huna b. Hinua: O Boraitha está de acordo com R. Eliezer, que diz
que não há guarda para um boi cruel a menos que o faca, e ele
p. 104

também se mantém de acordo com R. Jehudah, que diz que o alugador é igual
a um bailee de aluguel. Abayi, no entanto, diz que os Boraitha estão de acordo
com R. Meir, e é como Rabbah b. Abuhu mudou a declaração dos rabinos da
seguinte forma: Alguém que contrata um boi, como ele deve pagar? R. Meir
diz que, como um bailee de aluguel, e R. Jehudah diz, como um bailado
gratuito.

R. Elazar disse: Aquele que entregou seu boi a um cessionário gratuito, e o boi
causou dano, o cessionário é responsável, mas se ele foi ferido ele está
livre. Vamos ver como foi o caso. Se o resgatador concordasse em protegê-lo
contra ferimentos, então seria responsável se ele estivesse ferido , e até mesmo
ele não o deixasse ser livre, mesmo que ele causasse dano. Disse Rabha: O
caso foi que ele fez assumir a responsabilidade, mas sabia que no momento em
que ele era um boi Göring e de senso comum dita que sua intenção era
protegê-lo contra Goring como era seu hábito, mas não podia Entre em sua
mente que ele será ferido pelos outros.
MISHNA IX .: Se seu dono o amarrou corretamente e o trancou, e ainda assim
ele estourou e causou dano, seja um vicioso ou um não-vicioso, existe uma
responsabilidade. Tal é o ditado de R. Meir. R. Jehudah, no entanto, afirma
que um não-vicioso é responsável, e um vicioso não é, pois está escrito
[Ex. xxi. 29]: "E ele não o guardou", mas aqui estava ele. R. Eliezer, no
entanto, diz que não há guarda para um boi cruel, exceto a faca.

GEMARA: Nós aprendemos em um Boraitha: R. Eliezer b. Jacó disse: "Sejam


cruéis ou não-viciosos, se eles são um pouco cautelosos (por negligência) ele
está livre de todo odano." A razão para isso é porque ele está de acordo com
R. Jehudah, que disse acima que o cuidado leve é suficiente para um boi cruel,
e ele sustenta que mesmo um boi não-violento também deve ser protegido da
analogia da expressão "gore". " Como no caso de um vicioso, é claramente
escrito: "Ele não o manteve", assim também é no caso de um não-vicioso.

R. Ada b. A'hba disse: R. Jehudah o libertou (em nosso Mishna) da maldade,


mas não da não- crueldade ( isto é , ele ainda deve pagar metade).

Rabh disse: Se ele era cruel para ferir com o chifre certo, ele não é
considerado vicioso quanto ao chifre esquerdo. De acordo com quem está
dizendo Rabh? (O dito de Rabh certamente não está relacionado ao
pagamento, pois é certo que mesmo quando ele era vicioso em relação aos
seres humanos, ele não é considerado vicioso em relação a um animal, e é,
portanto, evidente que se ele fosse conhecido por ser vicioso com seu chifre
direito, não se pode afirmar que o
p. 105

todo deve ser pago se ele chutar a primeira vez com o chifre esquerdo. O
provérbio de Rabh, portanto, deve ser interpretado como tendo referência a
"cuidar".) Se está de acordo com R. Meir, mesmo um não-vicioso deve ser
bem cuidado? E se, de acordo com R. Jehudah, quem sustenta que apenas
cuidados leves são suficientes, então por que é necessário fazer a distinção
entre crueldade e não-crueldade, como enfiar com chifres esquerdos e direitos:
há uma distinção também no próprio caso do chifre direito, isto é, se nenhum
cuidado foi tomado dele, então a maldade prevalece, mas se algum cuidado foi
tomado por ele, apenas a não-crueldade prevalece e a crueldade se foi? Pode-
se dizer que ele está de acordo com R. Jehudah, mas ele não sustenta a teoria
de R. Ada b. A'hba E a afirmação de Rabh deve ser explicada assim: Para
encontrar em um mesmo boi a crueldade e a não crueldade, pode ser apenas
quando ele é cruel para ferir com a direita e não com o chifre esquerdo; mas se
ele era vicioso quanto a ambos os chifres, então o elemento de não-crueldade
não pode mais ser encontrado nele (isto é , se nenhum cuidado foi tomado
dele, ele é cruel em todos os aspectos, mas se algum cuidado foi tomado, a
crueldade se foi e a não-crueldade permanece).
" R. Eliezer diz por um boi cruel " etc. Disse Abayi: A razão para R. Eliezer
dizer é como nós aprendemos na seguinte Boraitha: R. Nathan disse: De onde
nós deduzimos que não se deve criar um cão nocivo? em sua casa, nem
manter uma escada defeituosa? Pois está escrito [Deut. xxii. 8]: "Não traga
sangue sobre a tua casa."

Notas de rodapé

82: 1 Rashi explica isto da seguinte maneira: Após o primeiro goring ele viu
outro boi e não feriu e depois do segundo goring ele viu dois ou três outros
bois e não os feriu, e assim após o terceiro e quarto gorings em que caso ele
não é considerado vicioso mesmo em ordem alternada, como explicado mais
adiante no texto.

83: 1Isto é muito complicado, e os comentários diferem quanto à explicação e


ilustração do mesmo. Rashi sustenta que, se o valor do quinto era de apenas
cinquenta zuz, sendo a carcaça sem valor, ele recolhe do corpo do boi goring
sua metade inteira de vinte e cinco zuz e vira a balança para o quarto, cujo boi
tinha o valor de cem zuz, que coleta apenas vinte e cinco zuz, porque os vinte
e cinco zuz coletados pelo quinto deles são deduzidos de seu meio dano,
porque o boi estava então sob seu controle, e o saldo é transferido para o
terceiro, aplicando a mesma regra; um metade do valor do boi, no entanto,
pertence ao dono, pois o boi não estava sob seu controle desde o primeiro
goring. A ilustração de Hananel dessa regra, no entanto, está em ordem
inversa: O primeiro cujo boi tinha o mesmo valor do boi ferido, que teve que
recolher cem zuz do corpo do boi ferido, perde cinquenta se o boi gorgolejar
outro do valor de cem sob seu controle, e assim o segundo paga ao terceiro a
metade do dano causado a ele, de forma que somente o último leva seu dano
completo, já que o boi não estava sob seu controle. Tosphath observa que, em
tais casos, pode acontecer que o terceiro e o quarto não colecionem nada, e
mesmo a sujeira pode não ser capaz de cobrar sua metade inteira. Veja a
objeção de Samuel Eidlis (Marsha) a essas observações de Tosphath e a
resposta de Sabbati Kohen em seu comentário sobre o Schulchan Aruch,
§401, e suas ilustrações. perde cinquenta se o boi gorgorão fere outro do valor
de cem enquanto sob seu controle, e assim o segundo paga ao terceiro a
metade do dano causado a ele, de forma que somente o último leva seu dano
completo, como o boi não estava sob seu controle. Tosphath observa que, em
tais casos, pode acontecer que o terceiro e o quarto não colecionem nada, e
mesmo a sujeira pode não ser capaz de cobrar sua metade inteira. Veja a
objeção de Samuel Eidlis (Marsha) a essas observações de Tosphath e a
resposta de Sabbati Kohen em seu comentário sobre o Schulchan Aruch,
§401, e suas ilustrações. perde cinquenta se o boi gorgorão fere outro do valor
de cem enquanto sob seu controle, e assim o segundo paga ao terceiro a
metade do dano causado a ele, de forma que somente o último leva seu dano
completo, como o boi não estava sob seu controle. Tosphath observa que, em
tais casos, pode acontecer que o terceiro e o quarto não colecionem nada, e
mesmo a sujeira pode não ser capaz de cobrar sua metade inteira. Veja a
objeção de Samuel Eidlis (Marsha) a essas observações de Tosphath e a
resposta de Sabbati Kohen em seu comentário sobre o Schulchan Aruch,
§401, e suas ilustrações. Tosphath observa que, em tais casos, pode acontecer
que o terceiro e o quarto não colecionem nada, e mesmo a sujeira pode não ser
capaz de cobrar sua metade inteira. Veja a objeção de Samuel Eidlis (Marsha)
a essas observações de Tosphath e a resposta de Sabbati Kohen em seu
comentário sobre o Schulchan Aruch, §401, e suas ilustrações. Tosphath
observa que, em tais casos, pode acontecer que o terceiro e o quarto não
colecionem nada, e mesmo a sujeira pode não ser capaz de cobrar sua metade
inteira. Veja a objeção de Samuel Eidlis (Marsha) a essas observações de
Tosphath e a resposta de Sabbati Kohen em seu comentário sobre o Schulchan
Aruch, §401, e suas ilustrações.

84: 1 Aqui está uma omissão que será fornecida no oitavo capítulo deste
folheto, pois há o lugar apropriado para isso.

86: 1 Aqui seguem várias perguntas semelhantes, todas permanecendo sem


resposta, e elas não têm importância.

86: 2 Pela primeira vez em nossa tradução, omitimos aqui uma declaração do
Mishna referente ao goring de um boi pertencente a um idólatra, pois parece-
nos que ele foi inserido aqui não pelos editores do Mishna; a evidência para
isso foi apresentada em um longo artigo em hebraico no "Ner Hamarabi"
mensal. Nós provavelmente explicaremos isso aos nossos leitores ingleses em
um apêndice ao "terceiro portal" desta seção.

88: 1 i.e. , aqueles três nomeados no Mishna.

92: 1 Essa forma de expressão é freqüentemente usada no Talmude.

93: 1 No Gemara esta última sentença é colocada como uma questão, e há


muitas respostas a ela que consideramos irrelevantes para serem traduzidas. A
lei, no entanto, prevalece como traduzimos em nosso texto.

91: 1 Veja a explicação desta expressão em Tract Erubin, p. 16, nota de


rodapé.

90: 1 O texto diz "Im", que significa literalmente "se"; Leeser, no entanto,
traduz "mas", de acordo com o sentido do verso.
p. 106

CAPÍTULO V.
REGRAS RELATIVAS A UM BOI DE GOLA; EXCAVAÇÕES DE
PREMISSAS PÚBLICAS E PRIVADAS; ESCAVAÇÕES FEITAS POR
PARCEIROS, ETC.

MISHNA I : Se um boi tivesse uma vaca e o bezerro recém-nascido fosse


encontrado morto ao seu lado, e não se soubesse se ela deu à luz antes do
goring ou por causa da goring, o dono do boi paga metade do dano para a vaca
e um quarto para o bezerro. Assim também deve uma vaca ter um boi e seu
recém-nascido bezerro ser encontrado vivo ao seu lado, e não se sabe se ela
deu à luz antes do acasalamento ou em razão do tédio, o dono da vaca paga
metade do dano o corpo da vaca e um quarto do bezerro.

GEMARA: Disse R. Jehudah em nome de Samuel: Este é o ditado de


Summachus, que sustenta que o dinheiro sobre o qual há uma dúvida a
respeito de quem ele pertence, deve ser dividido. Mas os sábios disseram:
Existe uma regra principal - o ônus da prova está sobre o queixoso. [Para que
finalidade é a afirmação de que existe uma regra principal? Era necessário
que, mesmo quando o queixoso reclamasse positivamente enquanto o réu
apenas dissesse que ele duvidava disso (caso em que alguém poderia dizer que
não precisa haver nenhuma prova), esta regra se aplica.] O mesmo que nós
também aprendemos no seguinte Boraitha (a declaração exata do Mishna com
o acréscimo): Este é o ditado de Summachus, mas os sábios dizem que o ônus
da prova está sobre o demandante.

Disse R. Samuel b. Na'hmani: De onde esta regra é deduzida? De


[Ex. xxiv. 14]: "Quem quer que tenha alguma causa para ser decidido, que ele
venha a eles." Isso significa que ele produzirá provas diante deles. R. Ashi se
opôs: Por que um verso é necessário? Não é senso comum que alguém que
sente dor vá a um médico? Devemos, portanto, dizer que este versículo se
aplica ao dito de R. Na'hman em nome de Rabba b. Abbuhu: De onde se
deduz que, em caso de reclamação e reconvenção, a reclamação deve primeiro
ser passada e o julgamento deve ser julgado e executado, e então a
reconvenção deve ser provada (como neste
p. 107

estágio do ex-réu é agora o autor)? A partir da passagem acima citada, o que


significa que o requerente que tem a causa a ser decidida deve ser ouvido
primeiro. Os sábios de Nahardea, no entanto, disseram que em alguns casos
pode acontecer que o pedido reconvencional deve ser passado em primeiro
lugar, e isso é no caso de a sentença, se concedida contra o réu, teria que ser
coletada do imóvel do último; porque, se a sentença fosse permitida a ser
recolhida antes que o pedido reconvencional fosse provado, a propriedade
venderia muito mais barato do que se ele pudesse provar sua reconvenção e
vender sua propriedade a um preço adequado.

" Assim também uma vaca teria um boi ", etc. Metade e um quarto do
dano! Por que três quartos - ele tem que pagar apenas metade? Disse Rabha: O
Mishna quis dizer assim: Se a vaca está lá, metade do dano é coletado do
corpo da vaca; mas se ela não puder ser encontrada, um quarto é coletado do
corpo do bezerro, e a razão é porque é duvidoso se o bezerro estava com a
mãe no momento do ging ou não; mas se tivéssemos certeza de que era,
metade seria coletada do corpo do bezerro.

Essa decisão de Rabha está de acordo com sua teoria em outro lugar, quanto a
uma vaca que causou dano - o mesmo pode ser coletado de sua prole, porque a
última é considerada parte de seu próprio corpo. Uma galinha que fez dano -
este último não pode ser coletado de seus ovos, porque eles estão
completamente separados da galinha e não se importa mais com eles.

Rabha disse novamente (no primeiro caso, quando o boi feriu a vaca): A vaca
e seus descendentes não são avaliados separadamente, mas os dois juntos
( isto é,, o valor da vaca antes do parto e depois do parto, e não o valor da vaca
separadamente e do bezerro separadamente); caso contrário, causaria muito
dano ao réu. O mesmo é o caso se alguém cortar a mão do escravo do seu
vizinho ou se um deles danificar o campo do vizinho (isto é, em cada um
desses casos o valor antes de causar o dano e que depois de feito o dano é
verificado, e assim o dano é avaliado, e não avaliando separadamente a parte
danificada e o corpo principal). Disse R. A'ha o filho de Rabha a R. Ashi: Se
na realidade a lei é assim, o que nós importamos com o réu? deixe-o
sofrer. Por que, então, Rabha o protegeu? Porque o réu poderia dizer: "Eu
causei danos a uma vaca gravida e, portanto, a avaliação também deve ser
feita de uma vaca assim".
p. 108

É certo que, se a vaca pertencia a uma pessoa e o bezerro a outra, a redução da


gordura deveria ser paga ao dono da vaca; mas para a depreciação por conta
da redução da plenitude, a quem é que isso deve ser pago? ( Ou sejase,
enquanto a vaca era gravida, o dono da vaca vendia o bezerro para nascer de
outra pessoa, e através da lesão a vaca abortava, e por causa disso a vaca se
reduzia tanto em gordura como em plenitude (figura), ambos que são
elementos que compõem o valor de uma vaca; agora, para a redução da
gordura, o dono da vaca deve ser pago, pois o bezerro não contribuiu para
isso; mas para a depreciação por conta da diminuição da plenitude, o dono do
bezerro será pago? pois o bezerro deu-lhe essa plenitude, ou tanto a vaca
como o bezerro contribuíram para isso, e o valor desse dano deve ser
dividido.) R. O pai diz que é pago apenas ao dono da vaca. R. A'ha o filho de
R. Iki diz que deve ser dividido, e assim a Halakha prevalece.

MISHNA II.: Um oleiro que colocou sua cerâmica na corte de outro sem sua
permissão, e o gado do dono da corte os quebrou, não há responsabilidade. Se
o gado fosse ferido, o oleiro é responsável. Se, no entanto, ele os colocou lá
com permissão, o dono do tribunal é responsável. O mesmo é o caso de
alguém que colocou sua fruta no pátio de outro e foi consumido por um
animal do dono da corte. Se alguém levar seu boi para a corte de outro sem
permissão e for ferido pelo boi do dono da corte, ou ser mordido por seu cão,
não há responsabilidade. Se, no entanto, o boi em questão feriu o boi do dono
da corte, ou caiu no poço e estragou a água, ele é responsável. Se o pai ou
filho do dono da corte estava no poço (na época e foi morto), ele deve pagar o
dinheiro da expiação. Se, no entanto, ele levou lá com permissão, o dono do
tribunal é responsável. O rabino, no entanto, diz que em todos esses casos o
dono do tribunal não é responsável, a menos que ele expressamente se
encarregue de cuidar do boi.

GEMARA: É a razão para a declaração na primeira parte da Mishna apenas


porque ele os colocou sem permissão, mas se com permissão o oleiro não
seria responsável por ferimentos aos animais do dono da corte, e nós não
dizemos isso está implícito que o oleiro assumiu o cuidado com os animais, e
isso só pode estar de acordo com o rabino, que afirma que, onde quer que não
seja expressamente assumido, não há suposição implícita de que se
cuida? Agora, a última parte, que afirma: "Se ele os colocou lá com
permissão, o dono do tribunal é responsável", é
p. 109

certamente de acordo com os rabinos, que sustentam que há uma suposição


implícita mesmo quando nada foi expressamente mencionado; e na última
parte, Rabbi declarou que em todos os casos ele não é responsável a menos
que o dono do tribunal expressamente assumisse o cuidado; daí a primeira e
última parte estará de acordo com o rabino, e a parte do meio de acordo com
os rabinos? Disse R. Zera: Separe as cláusulas e diga que quem ensinou essa
parte não ensinou a outra. Rabha, no entanto, diz: Todo o Mishna pode ser
explicado de acordo com os rabinos, e que o caso foi que ele entrou com
permissão e o dono do tribunal garantiu a segurança da cerâmica (e o oleiro
não assumiu nada), em Nesse caso, ele é responsável se até o vento os
quebrar.

" Se ele colocou seus frutos ", disse Rabh: O caso é apenas se ela escorregou
por causa deles; mas se ela os consumiu (e por causa disso morreu) não há
responsabilidade, pois ela não foi obrigada a comê-los.
Venha e ouça: "Aquele que conduziu seu boi ao pátio de outro, e consumiu o
trigo que o causou diarréia e morreu, não há responsabilidade. Se, no entanto,
ele o guiar com permissão, o dono do tribunal é responsável". Por que não
discutir da mesma maneira e dizer que não foi obrigado a comer? Disse Rabh:
"Você deseja contradizer um caso compermissão por um caso sem permissão?
No primeiro caso ele assegurou a segurança do boi e, portanto, ele é
responsável se até mesmo o boi se sufocar".

Os escolásticos propuseram a seguinte pergunta: "Quando ele assegurou a


segurança do boi, só se estendeu a si mesmo ( isto é , para proteger o boi
contra o ferimento por seus próprios animais), ou também para todo o
gado?" Venha e ouça: "R. Jehudah b. Simeão ensinou na Seção Danos, da
escola de Qarna: Se alguém colocou seus frutos no pátio de outro sem
permissão e um boi veio de algum outro lugar e o consumiu, ele está livre; se,
no entanto, compermissão, ele é responsável. Quem é o responsável e quem é
livre - não é o dono do tribunal? "(Por isso vemos que ele deve protegê-lo
também contra ferimentos de outros?) Não, pode-se dizer que tem referência
ao dono do boi Em caso afirmativo, qual é a diferença se foi com ou sem
permissão? Existe: Se com permissão, deve ser considerado o local do autor,
caso em que o dente é responsável (pois assim que o dono do tribunal permitiu
que ele entrasse, ele lhe atribuiu o quarto em sua corte), mas sem permissão,
p. 110

não se pode considerar que ele a consumiu "no campo de outro homem", o
que é exigido no caso do dente, e, portanto, não pode haver responsabilidade.

Venha e ouça: "Se alguém levar seu boi para um pátio sem permissão e um
boi vier de outro lugar e derramar sangue, ele estará livre; se, no
entanto, com permissão, ele for responsável." Quem é livre e quem é
responsável - não é o dono do tribunal? Não, é o dono do boi. Se sim, que
diferença há com ou sem permissão? O Boraitha está de acordo com R.
Tarphon, que diz que há uma regra extra quanto ao chifre se nas instalações
do demandante, caso em que ele paga o todo. Agora, se com permissão, é
considerado as premissas do demandante (pela razão mencionada acima) e ele
paga todo o dano; mas se sem permissão, é igual ao caso do chifre em terra
pública, em cujo caso apenas metade é paga.

Aconteceu que uma mulher entrou em uma casa para assar, e a cabra do dono
da casa tendo consumido a massa, ficou febril e morreu. Rabha então fez a
mulher pagar pelo bode. Vamos supor que ele difere com Rabh, que disse que
não foi obrigado a consumi-lo? Que comparação é essa? Ali estava sem
permissão e, portanto, a segurança não estava assegurada; mas aqui estava
com permissão e, portanto, a segurança do bode era assegurada pela mulher
(pela razão declarada adiante, que no cozimento por uma mulher é necessário
recato, já que ela tem que mostrar os braços e o dono da casa. não pode ficar
no quarto, portanto, considera-se que ele atribuiu toda a sala para a mulher, e,
portanto, ela é responsável pelos danos causados ao proprietário da casa). E
por que isso é diferente do seguinte caso: Se uma mulher entrar em outra ' s
premissas para moer seu trigo sem permissão e o animal do dono da casa
consumir o trigo, não há responsabilidade. Se, no entanto, o animal foi ferido,
a mulher é responsável. A razão então é porque estava sem permissão, mas se
com permissão ela estaria livre? Há uma diferença: em caso de moagem de
trigo, onde não é necessário recato e o dono pode estar presente, o cuidado do
animal recai sobre ele; mas em caso de cozimento é necessário ter modéstia
(como dito acima). onde nenhuma modéstia é necessária e o dono pode estar
presente, o cuidado do animal recai sobre ele; mas em caso de cozimento é
necessário ter modéstia (como dito acima). onde nenhuma modéstia é
necessária e o dono pode estar presente, o cuidado do animal recai sobre
ele; mas em caso de cozimento é necessário ter modéstia (como dito acima).

" Se alguém levar seu boi para um pátio ", etc. Rabha disse: Aquele que leva
seu boi para um pátio sem permissão, e o boi cava uma escavação no pátio, o
dono do boi é responsável pelos danos causados ao pátio. tribunal, eo
proprietário do tribunal
p. 111

é responsável pelos danos causados pela escavação (se ele renunciou a


propriedade), embora o Mestre disse em outro lugar, com a força da passagem
[Ex. xxi. 33]: "Se um homem cava um poço", um homem e não um boi ; pois
aqui neste caso ele teve que encher o buraco (antes de renunciar à
propriedade), e por não fazê-lo é considerado como se ele tivesse cavado.

Rabha disse novamente: "Aquele que conduz seu boi a um tribunal sem a
permissão de seu dono, e fere o dono, ou o último é ferido por ele, ele é
responsável. Se, no entanto, ele se deitar (e ao fazê-lo quebra as embarcações,
ou enquanto estiver em tal posição, o dono do tribunal tropeça e fica ferido),
não há nenhuma. " Então, a deitar o livra da responsabilidade? Disse R. Papa:
Rabha quer dizer, não que o boi se deite, mas que ele deite (excretado) o
excremento e assim suja os vasos do dono da corte, em cujo caso o
excremento é considerado um poço; e não achamos que haja uma
responsabilidade por danos aos navios por um poço. Isso seria correto de
acordo com Samuel, que afirma que qualquer obstáculo é considerado um
poço; mas quanto a Rabh, que afirma que não é considerado um poço, a
menos que a propriedade seja renunciada, o que pode ser dito? Geralmente a
propriedade de esterco é renunciada.

Rabha disse novamente: Se alguém entrar em um tribunal sem permissão e


ferir o dono do tribunal, ou se este se machucar por ele (ao se opor a ele), ele é
responsável; se o dono da corte o ferir, ele está livre. Disse R. Papa: "Isso foi
dito apenas no caso de o dono do tribunal não ter notado ele, mas se ele tem,
ele é responsável." Qual é a razão? Porque ele pode dizer a ele: "Você tem o
direito apenas de expulsá-lo, mas não de feri-lo". E cada um segue sua própria
teoria, para Rabha, e de acordo com outros R. Papa, disse: Se os dois estavam
lá com permissão ( por exemplo,, em uma via pública), ou ambos sem
permissão, se um ferir o outro (golpeando com a mão, embora não
intencionalmente), ambos são responsáveis (quanto a danos não há diferença
se com ou sem intenção); mas se alguém foi ferido através do outro (como por
empurrões), eles estão livres. A razão, então, é porque ambos estavam com ou
sem permissão; mas se alguém estava com e o outro sem permissão, aquele
que estava com permissão é livre e o outro é responsável.

"Se ele cair no poço e estragar a água ", disse Rabá: Isso foi ensinado
somente quando foi estragado pelo corpo ( por exemplo , quando o corpo
estava sujo); mas se foi assim porque
p. 112

do cheiro (putrefied), ele é livre. E a razão é porque a carcaça é apenas


o germe (origem) do cheiro e, para o germão, não há responsabilidade.

" Se seu pai, seu filho " etc. Por que assim? Ele não é um não-vicioso? Disse
Ula: É de acordo com R. José Galileu, que detém, com R. Tarphon, que o
chifre nas instalações do autor paga todo o dano, assim também aqui ele paga
toda a soma de dinheiro da expiação, e por essa razão ele ensina, "se seu pai",
etc., para indicar que eram as premissas do demandante.

" Se ele o trouxer com permissão ", etc. Foi ensinado: "Rabh disse: A Halachá
prevalece de acordo com o primeiro Tana, enquanto Samuel afirma que a
Halakha prevalece de acordo com o rabino".

Os rabinos ensinavam: "Se ele dissesse: 'Leve seu boi e cuide dele', se ele
causou dano, ele é responsável; se ele foi ferido, não há responsabilidade. Se
ele, no entanto, disser: 'Lidere seu boi e eu cuidaremos dele, 'o reverso é o
caso'. Não há dificuldade na explicação dos Boraitha? Primeiro declara que, se
ele disser a ele para conduzir o boi e cuidar dele, ele é responsável se causar
danos, etc. - então a razão é porque ele disse expressamente para cuidar
dele; mas se nada foi dito para se importar, o contrário seria o caso, porque,
quando nada é mencionado, o dono do tribunal implicitamente assume o
cuidado. Como, então, deve a última parte: "Se ele, no entanto, disse-lhe:
'levar em seu boi e euvai cuidar dele, 'etc, ser explicado? Não é para inferir
que a razão foi porque ele expressamente disse que ele iria cuidar dele, mas se
nada foi dito para se importar, o dono do boi é responsável eo dono do
tribunal é livre, pela razão de que sob Em tais circunstâncias, o dono do
tribunal não assume o cuidado, que é de acordo com o Rabino, que afirma que
o dono do tribunal não é responsável, a menos que ele expressamente assuma
os cuidados, e assim a primeira parte seria de acordo com os rabinos e a
última parte. de acordo com o rabino? Disse Rabha: Todo o Mishna pode ser
explicado de acordo com os rabinos, assim: Porque afirma na primeira parte
"e você cuida dele", declara também na última parte ", e euvai cuidar dele. "R.
Papa disse: Todo o Mishna pode ser explicado de acordo com o rabino, mas
que ele detém com R. Tarphon, que diz que o chifre nas instalações do autor
paga o todo e, portanto, se ele diz a ele: " Você cuida", o dono do tribunal não
lhe atribuiu nenhum lugar, e assim
p. 113

é para ser considerado como o chifre nas premissas do autor, que paga o
todo; mas se ele ficar calado, considera-se que ele lhe atribuiu um quarto no
tribunal, e assim o tribunal se torna uma sociedade, e sob tais circunstâncias
apenas metade é paga.

MISHNA III .: Se um boi pretende ferir outro boi, ferir uma mulher e fazer
com que ela aborte, o dono do boi está livre de pagar pela criança. Se, no
entanto, um homem pretende machucar outro homem e machucar uma mulher
e fazê-la abortar, ele deve pagar pela criança. Como esse pagamento é
feito? A mulher é avaliada quanto à diferença em seu valor (como escrava)
antes e depois do parto. Disse R. Simeon b. Gamaliel: Se sim, então seu valor
aumenta depois de dar à luz. Devemos, portanto, dizer que o valor do bebê é
avaliado e seu valor é pago ao marido, se tiver um, ou a seus herdeiros, se não
tiver marido. Se ela era uma escrava ou prosélito, não há responsabilidade.

GEMARA: A razão é apenas porque pretendia matar outro boi, mas se


originalmente pretendia matar a mulher, ele seria responsável pela
criança. Devemos assumir que isso é uma contradição para R. Ada bar A'hba,
que disse em outro lugar que, mesmo em tal caso, não há
responsabilidade? Não, R. Ada b. A'hba pode responder que, mesmo de
acordo com a nossa Mishna, não há responsabilidade, mesmo que tenha
intenção de ferir a mulher. Mas por que os Mishna dizem que pretendiam
matar outro boi? Porque na última parte, afirma um caso em que
um homem pretendia ferir outro, no qual é essencial, pois assim afirma a
Escritura; portanto, a mesma expressão foi usada.

" Como esse pagamento pode ser feito " etc. O valor da criança? Deveria ler
"a valorização aumentada causada pela criança"? (assim como o estado de
Mishna, que a mulher é "avaliada", etc.). Isso realmente significa: "Como ele
paga o valor da criança e a valorização aumentada causada pela criança? A
mulher é avaliada", etc.

" Disse R. Simeon b. Gamaliel ", etc. O que ele quer dizer? Disse Rabha: Ele
quer dizer assim: É, então, o valor de uma mulher durante a gravidez maior do
que depois que ela dá à luz - não é o contrário? Devemos, portanto, dizer "que
o valor da criança", etc., e assim também aprendemos em uma Boraitha em
outro lugar. Rabha, no entanto, diz: Ele quer dizer assim: Será que, então, o
aumento no valor da mulher pertence inteiramente ao marido, e ela não tem
participação no aumento de valor causado mesmo
p. 114

por seu bebê? A criança é avaliada e seu valor é pago ao marido, e o dinheiro
para o aumento da avaliação é dividido entre o marido e a esposa. Nós
também aprendemos tão claramente em uma Boraitha, com o acréscimo de
que cada item deve ser avaliado separadamente: a dor, o dano; o valor do
bebê, no entanto, deve ser pago apenas ao marido, mas o aumento na
avaliação causado por ele deve ser dividido. Se sim, então as duas afirmações
de R. Simeon b. Gamaliel contradiz um ao outro? Isso não apresenta
dificuldade. O único caso é o do primeiro nascimento e o outro não.

E os rabinos, que sustentam que o aumento na avaliação também pertence ao


marido, qual é a razão deles? Como aprendemos no seguinte Boraitha: Da
Escritura, que lê [Ex. xxi. 22]: "E seus filhos partem dela", eu não sei que ela
estava grávida? Por que afirma, "uma mulher com criança"? Para te dizer que
o aumento de valor causado pela gravidez pertence ao marido. R. Simeon
b. Gamaliel, no entanto, aplica a passagem citada para o seguinte Boraitha: R.
Eliezer b. Jacó disse: Ele não é responsável a menos que ele a tenha atingido
no útero. E R. Papa explicou a afirmação acima de R. Eliezer b. Jacó, que ele
não se refere apenas ao útero, mas a qualquer parte do corpo, exceto ao braço
ou pé.

" Se ela era uma serva ", etc., " ou uma mulher prosélita", Disse Rabba: Isto
deve ser explicado que ele a feriu antes que o marido morresse, caso em que o
falecido adquiriu o título do dinheiro a ser pago, e após a sua morte o mesmo
é herdado pelo réu, em cuja posse o dinheiro ainda é (e assim é a lei no que
diz respeito à propriedade de um prosélito que morreu sem deixar herdeiros),
mas se ele a feriu após a morte de seu marido, o dinheiro deve ser pago a ela.
"Quem é o autor desta afirmação? São, então, crianças como pacotes de
dinheiro, que sua propriedade pode passar de um para outro? Onde há um
marido vivo, a Escritura abriu uma exceção, em que o dinheiro a ser pago
deveria pertencer a ele; mas onde não há nenhum, nenhum pagamento deve
ser feito. "A respeito desta afirmação, os Tanaim dos seguintes Boraitha
diferem:" Um israelita " A filha que foi casada com um prosélito e ela
concebeu por ele, e alguém a feriu, se durante a vida do prosélito, o valor da
criança vai para ele; se depois de sua morte, um boraíta afirma que o réu deve
pagar à mãe e outro Boraitha afirma que ele é livre ".
p. 115

De acordo com a teoria de Rabba, não há dúvida de que os Tanaim diferem,


mas de acordo com a teoria de R. Hisda, de acordo com quem serão os
Boraitha que declara que ele deve pagar? Está de acordo com Rabban Simeon
b. Gamaliel, que disse que a mãe recebe metade do dinheiro a ser pago,
mesmo quando o marido está vivo, e o todo se ele está morto.

R. Iba, o ancião, fez a seguinte pergunta a R. Na'hman: Aquele que tomou


posse dos documentos de um prosélito (que ele mantinha contra as terras de
um israelita), qual é a lei? Devemos assumir, de alguém que recebe hipotecas
sobre propriedades, que sua intenção principal é tomar posse das terras, e
considerando que este último ainda não tomou posse, aquele que tomou posse
dos documentos não adquiriu nenhum título. , porque estes documentos não
são considerados propriedade, ou é considerado que a intenção do prosélito
era também com relação aos documentos (e então eles são de sua
propriedade)? Ele disse a ele: Responda-me, meu Mestre, a intenção do
prosélito seria envolver uma garrafa neles? Ele respondeu: Sim, pode ter sido
também com esse propósito.

e, portanto, quando o dono está lá, e ele deseja que ele mesmo possa adquirir
título, suas premissas também podem fazê-lo por ele; mas onde não há dono
para adquirir o título, suas premissas não podem fazê-lo por ele. E assim a
Halakha prevalece.

MISHNA IV: quem cava um buraco em terreno privado e o abre em terreno


público, ou vice-versa , ou em terreno privado e o abre para o terreno privado
de outra pessoa, é responsável.

GEMARA: Os rabinos ensinaram: quem abre um buraco em instalações


privadas e o abre em locais públicos é responsável; e este é o tipo de um poço
que foi entendido pela Escritura. Tal
p. 116

é o ditado de R. Ismael. R. Aqiba diz: A cova mencionada na Escritura é onde


alguém renunciou a propriedade de suas instalações (em que havia um
buraco), mas não a renunciou ao poço. Disse Rabba: Quanto a um buraco em
terreno público, todos concordam que existe uma responsabilidade, mas
quanto a um em suas próprias instalações, R. Aqiba afirma que, mesmo em tal
caso, existe um passivo, pois está escrito [Ex. xxi. 34]: "O dono do poço"; isso
significa que a Escritura significava um buraco que tem um dono, enquanto R.
Ismael afirma que significa aquele para quem a causa da lesão anteriormente
pertencia. Mas o que R. Aqiba quer dizer com seu dizer: "Essa é a cova que
significa a Escritura"? Assim: Por que este caso deveria estar isento de
pagamento? Não é este o caso com o qual a Escritura começou em relação ao
pagamento? 1 R. Joseph, no entanto, diz que, quanto a um buraco em
instalações privadas, todos concordam que existe uma responsabilidade, pela
razão declarada por R. Aqiba; eles só diferem quanto a um buraco em terreno
público. R. Ismael sustenta que também se é responsável em tal caso, assim:
Está escrito [ibid., Ibid. 33]: "E se um homem abrir um buraco, ou se um
homem cavar um buraco"; agora, se para a abertura é responsável, tanto mais
ele é para a escavação? Devemos, portanto, dizer que a responsabilidade veio
a ele por causa da escavação e abertura apenas ( ou seja,, que nem as
instalações nem o buraco são dele, como estando em terreno público). R.
Aqiba, no entanto, pode explicá-lo assim: Ambas as afirmações são
necessárias, pois se a Escritura deve declarar apenas a abertura, pode-se dizer
que somente no caso de abertura é suficiente cobri-la, mas no caso de escavá-
la não é, a menos que ele conserte; e se a Escritura deve declarar apenas a
escavação, pode-se dizer que somente em tal caso deve ser coberto, pois ele
fez algum ato substancial; mas em caso de abertura apenas não há necessidade
de cobri-lo, pois nenhum ato substancial foi feito. Daí a necessidade de ambos
os versos. E o que R. Ishmael quer dizer com sua declaração: "Este é o
buraco" etc.? Ele quer dizer que este é o buraco com o qual a passagem
começou como danos.

Há uma objeção do seguinte: Aquele que escava um buraco em terreno


público e o abre em terreno privado é livre, embora não seja permitido fazê-lo,
porque nenhuma escavação deve ser feita sob a terra pública. Aquele que
curte
p. 117

um fosso redondo, oval ou em forma de ângulo obtuso em solo privado e


aberto em terreno público é responsável. E aquele que cava em prédios
privados adjacentes ao terreno público, como, por exemplo, aqueles que
cavam poços para fundar prédios, é gratuito. R. Jose b. Jehudá, no entanto, o
torna responsável, a menos que ele coloque uma divisória com dez vãos de
altura, ou a menos que a cova estivesse a pelo menos quatro vãos distantes do
caminho para homem e animal. Agora o primeiro Tana o mantém livre,
porque era para lançar fundações; mas caso contrário, ele também iria
responsabilizá-lo? (Portanto, há uma responsabilidade por um buraco em suas
próprias premissas?) De acordo com a teoria de quem é a afirmação do
primeiro Tana? Seria correto segundo Rabba, pois poderia ser explicado que a
primeira parte está de acordo com R. Ismael e a última parte segundo R.
Aqiba; mas de acordo com R. Joseph, a última parte está de acordo com todos
e a primeira parte de acordo com nenhum? R. Joseph pode dizer que todo o
Boraitha está de acordo com todos, mas a primeira parte trata de um caso em
que ele renunciou à propriedade nem às premissas nem ao poço (e embora ele
não deva fazê-lo, não há responsabilidade) . Disse R. Ashi: Agora que
chegamos à conclusão de que de acordo com a teoria de R. Joseph o Boraitha
está de acordo com todos, o mesmo pode ser explicado também de acordo
com a teoria de Rabba de que todo o Boraitha está de acordo com R.
Ishmael; mas a razão pela qual, de acordo com sua inferência, haveria uma
responsabilidade, se não fosse por estabelecer uma fundação, é porque ele
estendia a escavação sob o solo público (e, portanto, se não fosse para
estabelecer alicerces, deveria ser considerado escavação) em terra pública).

Os rabinos ensinavam: quem abre e abre um poço e o entrega à comunidade é


livre (se algum acidente aconteceu). Caso contrário, ele é responsável. E assim
também foi o costume de Nehunia, o escavador de fossas, cavar e abrir poços
e entregá-los à comunidade. E quando os rabinos souberam disso, disseram:
"Ele está agindo de acordo com a Halakha".

Os rabinos ensinaram: Aconteceu com a filha da mesma Nehunia, que ela caiu
em um grande poço. Eles vieram e informaram R. Hanina b. Dosa
disso. Durante a primeira hora ele lhes disse: "Vá em paz"; e assim também
durante o segundo. Na terceira (quando havia medo de que ela pudesse ter
morrido), ele disse que ela já estava fora e salvou. Quando a menina foi
perguntado quem a salvou, ela disse que um carneiro passou por liderado por
um homem velho (o carneiro de Isaque liderado por Abraão), que salvou
p. 118

dela. Quando R. Hanina b. Dosa foi perguntada se ele sabia de sua segurança
por profecia, ele disse: Eu não sou um profeta, nem eu sou o filho de um
profeta, mas eu pensei comigo mesmo: "Será que os filhos daquele homem
reto (Nehunia, que estava cavando poços para permitir que os peregrinos
bebessem água deles) deve morrer pela mesma coisa que ele estava tomando
tanto esforço para se preparar para o bem-estar de Israel? " Disse R. A'ha:
Apesar disso, seu filho morreu de sede. A razão é que o Santo, bendito seja
Ele, é particular com o justo ao redor Dele, mesmo em um fio de cabelo, como
está escrito [Ps. eu. 3]: "E ao redor dele há uma grande tempestade" 1 (e deve
ter havido algum pecado cometido por Nehunia pelo qual ele foi punido). R.
Nehunia diz: A partir da seguinte passagem [ibid. lxix. 8]: "Deus
é grandemente maravilhoso no conselho secreto dos santos, e no geral
inspirador de medo que são sobre ele". R. Hanina disse: Aquele que diz que o
Santo, bendito seja Ele, é liberal (para perdoar todos os seus pecados), sua
vida pode ser disposta liberalmente (pois ele encoraja as pessoas a pecar),
como está escrito [Deut . xxxiii. 4]: "Ele é a Rocha, seu trabalho é perfeito ;
porque todos os seus caminhos são justos." R. Hana, e de acordo com outros,
R. Samuel b. Na'hmani, diz: Está escrito [Ex. xxxiv. 6], "longanimidade" no
plural, e não no singular,

Os rabinos ensinaram: Não se deve remover pedras de suas próprias


instalações para o campo público. Aconteceu uma vez que alguém o fez, e um
piedoso passando na ocasião e vendo-o fazer isso, disse-lhe: "Tu ignoraste,
por que removes pedras de premissas que não te pertencem a tuas próprias
premissas?" Ele riu dele. Algum tempo depois, ele foi obrigado a vender suas
terras, e enquanto caminhava na via pública em frente a suas antigas terras, ele
tropeçou nas pedras que uma vez empilhadas. Ele então exclamou: "Eu vejo
agora que o piedoso estava certo em seu ditado!"

MISHNA V .: Aquele que cava um buraco em terreno público e um boi ou um


burro cai nele (e é morto), ele é responsável. Não importa a forma do poço,
seja ele redondo, oval ou cavernoso, retangular ou angulo-agudo, em todos os
casos ele é responsável. Se é assim, então por que está escrito "pit" [‫ ?]בור‬Para
inferir a partir disso que, como um poço redondo, para ser suficiente para
causar a morte,
p. 119

não menos que dez palmos de profundidade, assim também todas as outras
formas devem ter pelo menos dez palmos de profundidade. Se fossem de
menor profundidade, no entanto, não há responsabilidade pela morte; mas por
lesões existe.

GEMARA: Rabh disse: O poço para o qual a Escritura responsabilizou


alguém é por causa dos vapores (aí contidos), mas não por causa do choque (o
animal recebe). A partir disso, pode-se inferir que Rabh sustenta que os
vapores matam o boi pelo qual o escavador do poço é responsável; se o boi for
morto não pelos vapores, mas pelo choque recebido no fundo do poço, não
deve haver responsabilidade, porque o solo é considerado sem dono. Samuel,
no entanto, segura por causa dos vapores, e tanto mais por causa do choque; e
se alguém disser que as Escrituras significam apenas quanto ao choque e não
quanto aos vapores, e portanto se deve ser provado que a morte foi causada
pelos vapores e não pelo choque, não deve haver responsabilidade, seria
incorreto, pois a Escritura está testificando que o escavador de um poço é
responsável, e mesmo se a cova estivesse cheia de esponjas de lã, Em que
ponto elas diferem (porque, de acordo com ambos, se o boi foi morto, ele deve
ser pago)? A diferença é no caso de ele formar uma colina (dez palmos) em
terra pública (da qual o boi caiu e foi morto): de acordo com Rabh ele não é
responsável, enquanto que segundo Samuel, ele é. Qual é a razão da opinião
de Rabh? A passagem declara [Ex. xxi. 33] "Caia nela ", o que significa que
deve haver a maneira usual de cair (em uma escavação e de face para baixo),
mas de acordo com Samuel," cair "significa de qualquer maneira.

Há uma objeção de nossa Mishná: Se sim, então para qual propósito está
escrito "poço", etc.? Agora, seria correto de acordo com Samuel, pois o "assim
também", etc., incluiria também uma colina em terreno público; mas de
acordo com Rabh, o que isso inclui? Inclui poços retangulares e agudo-
angulares. Mas estes não estão expressamente declarados nisso? Eles são
primeiramente declarados, e então é explicado de onde eles são deduzidos; e
foi necessário enumerar todas as formas de um buraco, para ensinar que em
cada um deles há vapores suficientes para matar, se tiverem dez palmos de
profundidade. Aconteceu que um boi caiu em um lago do qual as terras
vizinhas costumavam ser irrigadas, e seu dono a matou. R. Na'hman, no
entanto, declarou-lhe trepha(ilegal, porque, de acordo com sua teoria, os
membros do boi foram quebrados pela queda). O mesmo, no entanto, declarou
que se o dono gastasse apenas uma kabh de farinha ao redor e pedisse a lei em
seu caso, ele aprenderia que se o animal
p. 120

Sob tais circunstâncias, deveria estar vivo vinte e quatro horas depois da
queda que poderia ser mantido apto para comer, e ele não perderia seu boi,
que vale muitos kabins de farinha. A partir disso, vemos que R. Na'hman
afirma que um animal pode ser morto por choque em um buraco com menos
de dez palmos de profundidade.

Rabha opôs-se a R. Na'hman da nossa Mishna: "Se eles tivessem menos de


dez palmos de profundidade e um boi ou um jumento caíssem neles e fossem
mortos, não há responsabilidade". Não é a razão porque não há choque? Não,
porque não há vapores. Se sim, então por que é dito mais: "Se ele for ferido,
ele é responsável". Por que então - não há vapores? Ele respondeu: "Não há
vapores suficientes para matar, mas suficientes para ferir".

Ele novamente objetou do seguinte Boraitha: Está escrito [Deut. xxii. 8]: "Se
alguém cair delá" - isso significa que significa apenas de lá, mas
não para lá . Como assim? Se o nível da via pública fosse dez vezes mais alto
que o telhado da casa, de modo que alguém pudesse cair da estrada para o
telhado, não haveria responsabilidade (porque não havia obrigação de fazer
uma ameia); se, no entanto, a rodovia tiver dez vãos mais baixos do que o teto,
há um passivo (para uma ameia ter que ser feita). Agora, então, se o choque
em uma escavação a menos de dez palmos de profundidade também mata, por
que dizer dez ? Ele respondeu: "Este caso é diferente, pois afirma 'casa', e
menos de dez não pode ser chamado de 'casa'".

MISHNA VI .: Quando um buraco pertence a dois parceiros, e um deles passa


e não o cobre, e assim também o segundo, este último é apenas responsável.

GEMARA: Vamos ver. Como pode haver uma cova de dois parceiros em
terreno público? Este caso poderia ser se disséssemos que a Halakha prevalece
de acordo com R. Aqiba, que detém uma pessoa responsável por um buraco,
mesmo que seja em suas próprias instalações, e a parceria na arena seria
possível se ambos os parceiros cavassem um buraco suas instalações e,
posteriormente, renunciar a sua propriedade para as instalações, mas não para
o poço; mas se a Halakha prevalecer de acordo com ele que diz que se alguém
cavar um buraco em suas próprias instalações, não há responsabilidade, como
é possível, por um lado, que haja responsabilidade pelo mesmo buraco em
solo público e, por outro lado? mão como pode haver um pit parceria no
terreno público? Vamos supor que os dois juntos contrataram um agente para
cavar o poço para eles? Não há uma regra que não pode haver agente para
cometer uma transgressão,
p. 121

faça isso? Consequentemente, os parceiros não poderiam ser responsáveis


pelos atos do agente. Se assumirmos que a parceria consistiu em que cada um
deles cavou cinco vãos de profundidade, então não pode haver parceria, pois o
ato do primeiro pode ser levado em conta de acordo com a teoria do Rabino
apenas quanto a lesões; mas mesmo de acordo com ele a respeito da morte, e
de acordo com a teoria dos rabinos quanto a lesões e morte, isso não pode ser
contado. Como, então, pode haver uma parceria em um buraco? Disse R.
Johanan: É possível que os dois juntos tenham removido um pedaço de terra
que o completou para torná-lo dez vezes mais profundo.

Onde estão as teorias do rabino e seus colegas, mencionadas acima? No


seguinte Boraitha: "Se alguém cavar uma cova nove se estende e outra
completa para torná-la dez profunda, esta última é responsável. Rabino, no
entanto, diz: A última só é responsável em caso de morte, e ambos são
responsáveis em caso de ferimentos. "

Qual é a razão da teoria dos rabinos? Está escrito [ibid., Ibid. 33]: "E se
um homem cavar um buraco", o que significa que deve ser por um só. Rabino,
no entanto, explica que esta passagem significa que deve ser cavada por
um homem e não por um boi.

Os rabinos ensinavam: "Se alguém cavar um poço de dez metros de


profundidade e outro completar para torná-lo vinte, e outro ainda o tornar
mais profundo, todos eles serão responsáveis". Há uma contradição com o que
aprendemos no seguinte: "Se alguém cavar um poço de dez metros de
profundidade e outro o engessar e limpe (e assim o fizer estreitar e aumentar
seus vapores), o último é responsável". Não assumiremos que o único caso
(onde todos são responsáveis) esteja de acordo com o rabino e o outro esteja
de acordo com seus colegas?

Disse R. Zbid: "Ambos podem ser explicados de acordo com Rabi apenas,
assim: O caso em que todos são responsáveis é correto, como declarado, e o
caso em que apenas o último é responsável é onde originalmente havia nele
não suficiente vapores até mesmo para ferir, e o outro por seus atos produzia
tanto vapor que era suficiente para ferir e matar.

Rabha disse: "Se alguém colocar uma pedra na beira de um fosso com menos
de dez metros de profundidade e assim completar suas paredes para medir dez
vãos, se ele é responsável ou não, isso suscitaria a mesma diferença de opinião
entre o rabino e seu colegas afirmou acima. " Isso não é evidente? Pode-se
dizer que, se alguém cavar mais um vão no fundo e, ao fazê-lo, aumentar os
vapores para que sejam suficientes para matar, ele é responsável,
p. 122

porque os vapores produzidos por ele mataram o animal; mas se ele elevar as
paredes no topo (colocando a pedra), através do qual ele não aumentou os
vapores, como eles já estavam lá, pode-se dizer que ele não era responsável,
porque o animal não foi morto pelos vapores produzidos por ele - ele vem
para nos ensinar que não há diferença.

Rabba bar bar Hana em nome de Samuel bar Martha disse: Um poço oito se
estende profundo, dois dos quais estão cheios de água, há um passivo. Por
quê? Cada extensão de água é igual a dois de terra seca. Os escolásticos
propuseram uma pergunta: Se a cova tivesse nove palmos de profundidade e
apenas uma extensão deles estivesse cheia de água, qual é a lei - digamos que,
como há apenas um pouco de água, não há vapores nela, ou Dizemos que,
como é nove palmos de profundidade, os vapores da água completam-na para
torná-la dez? Novamente, se a cova tivesse sete palmos de profundidade, três
dos quais estavam cheios de água, qual é a lei - digamos que, como há muita
água nela, há vapores, ou porque não é suficientemente profunda, não há
nenhum? Isso permanece sem resposta.

R. Shizbi questionou Rabba: "Se alguém cavar um buraco dez vezes mais
fundo e outro ampliar (em uma direção apenas), qual é a lei?" Ele respondeu:
"Então ele diminuiu os vapores!" O primeiro se juntou: "Mas ele aumentou a
possibilidade de ser ferido?" Rabba não respondeu. Disse R. Ashi: "Um caso
deste tipo deve ser examinado. Se ele caiu através do lado que foi alargado,
então ele certamente aumentou a possibilidade de cair, e ele é responsável; se,
no entanto, ele caiu através do outro lado, então ele diminuiu os vapores, e ele
não é ".

Foi ensinado: "Um poço cuja profundidade é das mesmas dimensões que a sua
largura, Rabba e R. Joseph, ambos em nome do bar de Rabba Hana citando R.
Mani, diferem quanto à decisão dos citados: Um sustenta que há sempre
vapores (suficientes para matar), a menos que a largura exceda sua
profundidade, e um sustente que não há vapores ali, a menos que a
profundidade exceda sua largura ".

" Se alguém passou e não cobriu isto ." De que horas é ele livre? (Que
dizemos que o outro foi acusado de cobri-lo, pois o caso, sem dúvida, é que o
primeiro não só passou, mas também usou o poço; porque, se não for assim,
então o primeiro também deve ser responsável, como foi negligência também
da parte dele não encobri-lo.) Quanto a isso, o seguinte Tanaim difere: "Um
está tirando água de um poço e outro vem dizendo-lhe para deixá-lo tirar água,
assim que ele o deixa fazer isso,
p. 123

a responsabilidade do primeiro cessa. R. Eliezer b. Jacob, no entanto, diz que


a responsabilidade cessa a partir do momento em que ele lhe entregou a tampa
do poço. Em que ponto eles diferem? R. Eliezer b. Jacob afirma que a teoria
da escolha 1 aplica-se a esse caso, e cada um extraiu água de sua própria parte
(e, portanto, o segundo não é considerado como tendo sido emprestado da
primeira parte dele, de modo a ser cobrado com o cuidado do todo, e por essa
razão ambos são responsável em caso de danos, mas se ele aceitou a capa, ele
assim ficou encarregado do cuidado com o todo), e os rabinos sustentam que a
teoria da escolha não se aplica a tal caso. R. Elazar disse: Aquele que vende o
seu bem, o título passa com a entrega da capa. Como foi o caso? Se ele
vendeu por dinheiro, deixe o título passar pelo pagamento do dinheiro; se por
ocupação, deixar o título passar por esse ato? O caso foi por ocupação, o que
requer que ele diga expressamente: "vá e ocupe e adquira título"; e se ele
entregou a capa para ele, é considerado como se ele lhe dissesse isso.

R. Jehoshua b. Levi disse: Aquele que vende sua casa, o título passa com a
entrega das chaves (como é o mesmo que a entrega da tampa do poço).

Resh Lakish em nome de, R. Janai disse: "Aquele que vende um rebanho de
gado, título passa com a entrega do Mashkhukhith (a corda de desenho).
Como foi o caso? Se ele desenhou-los (removidos de um lugar para outro),
deixar título passar por este ato? Se por entrega, deixe o título passar fazendo
isso? O caso foi que ele chamou-os, o que exige que o vendedor deve dizer ao
vendedor expressamente, "Desenhe-os e adquirir título" e assim que ele
entregou o Mashkhukhith é considerado como se ele tivesse dito ao vendedor
expressamente: "Desenhe, e adquira título para eles." O que significa
Mashkhukhith? Significa o sino. R. Jacob disse: "Significa o precursor. cabra
mantida na cabeça do rebanho como líder, como um certo galileu fez um
discurso na presença de R. Hisda: Quando o pastor se irrita com seu
rebanho,ele cega o cabrito à cabeceira do rebanho (para que o líder caia e com
ele todo o rebanho). "

MISHNA VII .: Se o primeiro o cobriu, mas quando o segundo passou por ele,
descobriu-o e não o cobriu, este último é responsável. Se o dono de uma cova
a cobrir corretamente, e ainda um boi ou um burro cair nela e for morto, não
há responsabilidade. Se, no entanto, ele não cobri-lo corretamente, ele é
responsável.
p. 124

Se um boi cair para frente, para baixo, em um buraco por causa do


[parágrafo continua]

barulho causado pela escavação, há uma responsabilidade; se, no entanto, cair


para trás, não há nenhum. Se um boi ou um asno com suas caixas caírem
dentro dele e os alojamentos forem danificados, existe uma responsabilidade
para o animal, mas não para os alojamentos. Se cair aí um boi, surdo, furioso
ou jovem, há um passivo (explicado mais adiante). Se um menino ou uma
menina, um homem ou uma escrava, cair, não há nenhum.

GEMARA: Até que horas é o primeiro livre? Disse Rabh: Até que ele saiba
novamente de seu próprio conhecimento que o buraco está
descoberto. Samuel, no entanto, diz: Até que ele seja informado, mesmo que
ele não tenha visto a si mesmo. R. Johanan diz: O tempo deve ser permitido
até que ele possa ser informado e possa contratar trabalhadores para cortar
madeira e cobri-lo.

" Se ele cobri-lo corretamente ", etc Se ele cobriu corretamente, como poderia
o animal cair? Disse Barra de R. Itz'hak bar Hana: O caso era, que a cobertura
se tornou podre do interior (e não pôde ser notada).

Os escolásticos propuseram a seguinte pergunta: "Se ele a cobrisse o


suficiente para resistir aos bois, mas não aos camelos, e camelos viessem e
fizesse a cobertura tremer e então bois caíssem ali, qual é a lei? Vamos ver.
Como foi o caso? Se camelos são habituais lá, então certamente o ato é
intencional, se eles não são, então é apenas um acidente? A questão é apenas
onde os camelos vêm lá às vezes. Vamos dizer que, porque os camelos vêm
lá, é considerado intencional porque ele deveria ter isso em mente, ou dizemos
que, porque naquela época eles não estavam lá, isso poderia ser considerado
um acidente? " Segundo outros, os escolásticos não questionaram tal
caso; pois não há dúvida de que, desde que viessem às vezes, ele deveria ter
isso em mente, mas o que eles questionaram foi: Se ele cobrisse
suficientemente para resistir a bois, mas não a camelos, e os últimos fossem
habituais ali e a cobertura ficasse podre por dentro, qual é a lei? Nós dizemos
issoporque é considerado voluntarioso quanto aos camelos, é também como
permitir que apodreça, ou que a teoria do porque não se aplica aqui? Venha e
ouça: "Um boi que era surdo, furioso, jovem ou cego, ou um boi que andava
durante a noite, ele é responsável; se, no entanto, o boi era sadio e era durante
o dia, ele é livre ". Agora, por que deveria ser assim? Por que não
dizer porque é considerado intencional quanto a um boi doente, também é
considerado como um som? Inferir a partir disso que a teoria do porque não se
aplica a esses casos,
p. 125

" Se caiu em frente", disse Rabh: Por" frente "significa que caiu em seu rosto,
e por" para trás "que atingiu a parte de trás de sua cabeça contra o fundo do
poço. E ambos têm referência ao poço. [E isso está de acordo com sua teoria
de que as Escrituras responsabilizavam em caso de um buraco apenas por
causa dos vapores, mas não por causa do choque.] Samuel, no entanto, diz:
"No caso de um buraco não há diferença se cai para frente ou para trás, mas
ele é responsável. "[Para ele segue sua teoria quanto aos vapores, e tanto mais
por causa do choque.] Mas como é possível que quando caia para trás do som
de a escavação, ele será livre? Como, por exemplo, quando ele tropeça sobre o
poço e cai para trás e bate fora do poço. Samuel opôs a Rabh do seguinte
Boraitha: "No que diz respeito a um poço, seja ele para trás ou para frente, ele
é responsável? "Essa objeção permanece.

R. Hisda disse: Rabh admite em caso de uma cova em suas próprias


instalações que ele é responsável, porque o dono do boi pode dizer: "Você é
responsável de qualquer maneira; para saber se ele morreu dos vapores ou do
choque, era seu ". Rabha, no entanto, diz: O caso no Boraitha acima, que
afirma que ele é responsável se até mesmo o boi cair para trás, foi que ele se
virou; isto é, ele primeiro caiu de cara para baixo, mas antes. Ele chegou ao
chão, virou-se e caiu de costas, e, portanto, são os vapores que ele inalou
enquanto caía de cara para baixo que o matam. R. Joseph diz: O Boraitha em
questão não significa dizer que o dono da cova é responsável, mas, ao
contrário, que o dono do boi é responsável, e se trata de um caso em que o boi
fez dano a um poço, ou seja, por (entrar em um pátio sem permissão, o
proprietário do qual renunciou a propriedade nem para o pátio nem para o
bem, e) caindo no poço, estragando a água contida nele; caso em que ele é
responsável, não importa o caminho que ele caiu. R. Hanina ensinou em apoio
a Rabh: Está escrito: "E cair" - isso significa que a queda deve ser da maneira
usual, virada para baixo. A partir disso, foi dito que, se ele caísse para a frente
em um buraco a partir do som da escavação, haveria uma responsabilidade; se
para trás da mesma causa, não há nenhum. A partir disso, foi dito que, se ele
caísse para a frente em um bu