Você está na página 1de 25

SEMINÁRIO

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de


Estruturas de Concreto Armado

Sapatas Isoladas

1
Dimensionamento de estrutural de fundações
APRESENTAÇÃO
Sapatas; Blocos sobre estacas; Tubulões.

Bibliografia sugerida:
- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMA TÉCNICAS (ABNT). Projeto de
estruturas de concreto – Procedimento. NBR 6118:2014. Rio
de Janeiro, 2014.
- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMA TÉCNICAS (ABNT). Projeto e
execuções de fundações. NBR 6122:2010. Rio de Janeiro, 2010.
- DA ROCHA (1983). Curso prático de concreto armado. Vol. 3, Editora
Nobel, Rio de Janeiro;
- DA SILVA, R. C. & GIONGO, J. S. (2000). Modelos de bielas e tirantes
aplicados a estruturas de concreto armado. USP, São Carlos;
- FUSCO (1994). Técnicas de armas as estruturas de concreto. Editora
Pini Ltda., São Paulo.
- ALONSO, R. U. (1983). Exercícios de fundações. Editora Edgard
Blüncher Ltda., São Paulo.
- VELLOSO, D. A. (1996). Fundações. COPPE – UFRJ, Rio de Janeiro.
2
SAPATAS ISOLADAS

Sapata isolada

Sapatas isoladas, Fonte: Internet.


3
SAPATAS ISOLADAS

Os esforços solicitantes (N, V e M) são transferidos para as sapatas por


meios dos pilares

4
SAPATA CORRIDA
As sapatas corridas podem ser classificadas em: rígidas e flexíveis.

5 Distribuição de tensões nas sapatas flexíveis, Guerrin (1990).


SAPATA CORRIDA
As sapatas corridas podem ser classificadas em: rígidas e flexíveis.

6 Distribuição de tensões nas sapatas rígidas, Guerrin (1990).


SAPATAS ISOLADAS
De ordem prática tem-se (critério CEB-FIP):

7
Normalmente, utiliza-se sapatas rígidas.
h
SAPATAS ISOLADAS
h0

a p,x
a b,y

a b,y

ab,y
a b,x NBR 6118:2014
ab  ap
h  Sapata rígida;
3

ab  ap
8 Sapata isolada – altura. h  Sapata flexível.
3
SAPATAS ISOLADAS
Tensões na interface sapata-solo.

Sapata isolada – ações Sapata isolada – Núcleo central de inércia.


9
SAPATAS ISOLADAS

10
SAPATAS ISOLADAS
Tensões na interface sapata-solo.

Tensões na interface
sapata-solo.

11
SAPATAS ISOLADAS
Tensões na interface sapata-solo.

12
SAPATAS ISOLADAS
Tensões na interface sapata-solo.

13
SAPATAS ISOLADAS

14
SAPATAS ISOLADAS

15
SAPATAS ISOLADAS

16
Dimensionamento estrutural
Flexão
SAPATAS ISOLADAS

Dimensionamento
estrutural
Flexão

17
Dimensionamento estrutural
Flexão
SAPATAS ISOLADAS

18
Dimensionamento estrutural
Verificação da força cortante – Modelo do CEB-FIP
SAPATAS ISOLADAS

Dimensionamento
estrutural
Cortante

19
Dimensionamento estrutural
RESUMO DE VERIFICAÇÕES
SAPATAS ISOLADAS

Tombamento Deslizamento

Dimensionamento do concreto armado no E.L.U, NBR 6118:2014.


A st
ρ1 
a(b)  d
- Flexão; - Força cortante.
Vsd  VRd 1 f
m1d fctd  ctk,inf
Ast  VRd 1  0,25  f ctd  1,2  40  1   a  d
* * γc
0,8  d1  f yd 2
fctk,inf  0,7  0,3  fck3
Na equação de verificação da Força cortante, “a*” é a dimensão
dm
da sapata na direção considerada e d*, a altura útil da mesma, na
seção S2. fck  MPa
20
Verificação da tração diagonal
MÉTODOS DE CÁLCULO
NBR 6118:2014

u = u0 = perímetro do pilar (ou estacas)


d = (dx + dy)/2
Item: 19.5.3.1 – NBR 6118:2014

21
SAPATAS ISOLADAS

Critérios de detalhamento – NBR 6118:2014

Armadura de flexão
- ø  20 mm, utilizar ganchos (135º ou 180º);
- Armadura de flexão deve ser distribuída ao longo da largura da sapata;
- ø  25 mm deve ser verificado fendilhamento em plano horizontal;
- A sapata deve ter altura suficiente para permitir a ancoragem da
armadura de arranque do pilar;
- Todas as barras da armadura principal devem terminar em ganchos.

23
SAPATAS ISOLADAS

24
SAPATAS ISOLADAS

25

Você também pode gostar