Você está na página 1de 2

Ficha de

Português – 9º ano

Episódio de Inês de Castro (III, 118-135)

Estrutura Interna: Narração


Narrador: Vasco da Gama (narrador heterodiegético) Narratário: Rei de Melinde
Planos narrativos: plano da História de Portugal

1ª parte: Introdução (III, 118-119): o Poeta caracteriza o acontecimento (“caso triste e dino da
memória” – III, 118); apresenta Inês de Castro como “mísera e mesquinha” – III, 118 e aquela que
“despois de ser morta foi Rainha” – III, 118; invoca o Amor como uma força superior aos homens, que os
conduz à fatalidade e que se alimenta do sofrimento humano.

2ª parte: Vida de Inês de Castro (III, 120-121): descrição da felicidade vivida por Inês, apenas
manchada pela saudade, que, durante o dia, lhe ocupava o pensamento e, durante a noite, a fazia
sonhar.

3ª parte: Razões justificativas da morte de Inês de Castro (III, 122-123): o narrador afirma que
D. Pedro não desejava casar-se com outras mulheres, pelo que o Rei decidiu matar Inês. Julgou que,
assim, acabaria também com a paixão do filho.

4ª parte: Os algozes trazem Inês junto do Rei (III, 124-125): o Rei sente piedade de Inês, mas o
povo não o deixa mudar a sua decisão de mandar matá-la. Inês surge banhada em lágrimas e
atormentada pelo receio de deixar os filhos órfãos.

5ª parte: O discurso de Inês (III, 126-129): Inês tenta convencer o Rei a não a matar:
 1º momento: Inês pede ao Rei que tenha piedade dos seus filhos, salvando-a, pois os
animais selvagens, incapazes de sentimentos humanos, conseguiram mostrar piedade
com crianças: a loba salvou Rómulo e Remo, findadores de Roma, e as aves alimentaram
a rainha Semíramis.
 2º momento: Inês apela ao espírito de justiça do Rei, que soube dar a morte aos Mouros,
porque a mereceram, pelo que deveria também saber dar a vida a quem não cometeu
erros e, logo, não merece morrer.
 3º momento: Inês apresenta alternativas à morte: o desterro num território gélido (Sibéria)
ou tórrido (Líbia) ou mesmo entre animais selvagens.
 4º momento: Inês invoca o amor de mãe e de mulher e a orfandade futura dosseus filhos,
apelando aos sentimentos do Rei.

6ª parte: Reação do rei ao discurso de Inês (III, 130): o Rei queria perdoar Inês, mas os algozes
(“peitos carniceiros” – III, 130) e o “pertinaz povo” – III, 130 não lhe permitem que recue.
7ª parte: Morte de Inês (III, 131-132): é feita uma comparação entre duas figuras que sofreram
uma morte injusta: Policena, que foi morta por Pirro, e Inês, que é assassinada pelos “brutos matadores”
(III, 132).

8ª parte: Conclusão – Intervenção do Poeta (III, 133-135): o Poeta mostra-se revoltado contra o
desfecho do caso narrado: invoca o Sol (III, 133), que, segundo ele, não deveria ter brilhado naquele dia
trágico, comparando a execução de Inês à trágica história de Tiestes, que comeu os próprios filhos sem o
saber; invoca os “côncavos vales” (III, 133), que prolongaram o eco dos gritos de Inês; compara a morte
de Inês ao desfalecimento de uma flor “cortada / antes do tempo” (III, 134); refere a natureza, que chora a
morte da sua confidente.

Indícios de lirismo
 O Amor é o culpado da morte de Inês.
 A natureza comunga com a protagonista sentimentos de felicidade ou tristeza.
 Recurso a metáforas e comparações que estão ligadas à natureza.

Indícios de tragédia clássica


HYBRIS (desafio) - 122 – “Vendo estas namoradas estranhezas”
CORO - 123 – “Que furor consentiu que a espada fina.
...
Contra hua fraca dama delicada.”
135 – “As filhas do Mondego a morte escura
...
Que lágrimas são a água e o nome Amores.”

FATUM (destino) – 120 – “Que a Fortuna não deixa durar muito”


130 – “Mas o pertinaz povo e seu destino
(Que desta sorte o quis) lhe não perdoam.
PERSONAGENS – D. Inês, D. Afonso IV, os conselheiros
PATHOS (terror/piedade) – 124 – “falsas e ferozes/ Razões” # “triste e piedosas vozes”
125 – “duros ministros rigorosos” # “olhos piedosos”; “avô cruel”
 Contraste : alegria e despreocupação / desgraça súbita
 Simplicidade / brutalidade
 Misericórdia implorada / castigo inumano
 “Humanização” das feras e da natureza / ferocidade dos algozes
 Inês – humilhada, fraca e suplicante, rodeada de seus filhos, netos de D. Afonso IV
CLÍMAX - 123 – “Tirar Inês ao mundo determina”
CATÁSTASE - 134 – “Tal está morta a pálida donzela”

A_Prova, Carla Marques e Inês Silva, ASA (adaptado)