Você está na página 1de 5

FABIANA DINIZ.

PROJETO FAMÍLIA NA ESCOLA.


Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e
aprendizagem das crianças.

A família tem sido e é a influência mais poderosa no desenvolvimento da


personalidade e na formação da consciência na criança. Assim, podemos dizer
que elas precisam sentir que fazem parte de uma família.

[...] a importância da primeira educação é tão grande na formação da


pessoa que podemos compará-la ao alicerce da construção de uma
casa. Depois, ao longo de sua vida, virão novas experiências que
continuarão a construir casa/indivíduo, relativizando o poder da
família. (LACAN, 1980, apud BOCK , 1989, p. 143)

Partimos da idéia de que a família é a base que qualquer pessoa de


modo especial na infância. Não fazemos aqui, somente referência à família
como laços de sangue, mas também as famílias constituídas por meio de laços
afetivos. É nela que a criança encontra um espaço natural para o seu
desenvolvimento. As crianças necessitam ser educadas e é na família que
encontra espaço para o cultivo e o desenvolvimento dos valores humanos.
O papel da família modificou-se ao longo do tempo. Hoje se busca
definir o diálogo e a co-responsabilidade entre as pessoas que fazem parte da
família, como sendo o gerador da solidificação da responsabilidade um para
com o outro e também, do bom relacionamento familiar. A convivência
prazerosa é o grande segredo para o crescimento do respeito mútuo. Essas
situações comprovam que a educação familiar é a verdadeira árvore da
ciência, cujos frutos alimentam a criança tornando-a uma cidadã consciente de
seus direitos e deveres.
Para processar e elaborar essas mudanças, é preciso considerar que
cada ser humano tem um ritmo próprio e lida ainda com a influência de
determinações socioeconômicas culturais, que têm contornos próprios em cada
contexto e o desconhecimento dessas condições leva a pressupor que a
família nuclearizou-se homogeneamente, muitas vezes rompendo vínculos com
sua geração de origem.
As famílias, educadoras/es, que levam a sério sua missão na arte de
educar, necessitam lembrar que a criança não é apenas criança, ela é um ser
humano, que necessita suprir as necessidades físicas, psíquicas e sociais; que
ela é dependente; precisa ser tratado sem humilhações e castigos, ser
orientada com critérios de verdade e justiça; que precisa de afeto, de elogios,
incentivos e sorrisos para a construção se seu caráter.
Outro papel da escola que percebemos é o de educar as crianças no
ensino aprendizagem de maneira contínua e permanente. Sentimos que as
crises da educação brasileira provem da falta de um bom relacionamento entre
a escola e a família. A presença do adulto dá para a criança segurança física e
emocional que a levam a explorar mais o ambiente, ou seja, aprender. A
interação humana envolve também a afetividade, a emoção como elemento
básico. E é através da interação com os indivíduos mais experientes do seu
meio social que a criança constrói suas funções mentais superiores.
Algumas famílias estão desgastadas em seus laços afetivos, e o lar
passou de um centro gerador de vida e diálogo para uma agitação e
desencontros, quando não apenas um ambiente em que as pessoas se fazem
presentes somente enquanto dormem.
E com a chegada da modernidade, a industrialização, as descobertas
cientificas e as tecnológicas provocaram grandes transformações sociais e a
elas associou-se um novo modelo de família como de espaço de amor
incondicionado, um refúgio do mundo da rua considerado estranho competitivo,
ameaçador, não dando conta de explicar a realidade como um todo tentando
superar esta falta criou-se então uma cultura emocional, sentimental baseada
na super proteção.
Cada momento histórico corresponde uma estrutura familiar
preponderante, ele não é único, ou seja, concomitante aos modelos
dominantes de cada época. Assim, não podemos falar de família, mas de
famílias, para que possamos tentar contemplar a diversidade de relações que
convivem em nossa sociedade. Outro aspecto a ser ressaltado, diz respeito ao
significado social da família, qual a sua razão de existência?
Sabemos que as crianças possuem como referencial: pessoas, palavras,
gestos...; Os quais proporcionam a construção do caráter em sua identidade,
são vínculos estabelecidos com a sua família.
Alguns desafios que precisam de um olhar especial em relação à
família/escola que ajudam na construção do caráter das crianças:
o Manterem-se informadas sobre o ensino-aprendizagem
adquiridos pelos filhos/as;
o Colaborar com educadores/as para tornar mais coerente e eficaz
a atuação escolar;
o Mostrarem-se interessados pelas atividades realizadas pelos
filhos/as na escola;
o Valorizar a escola, os conhecimentos e habilidades que propicia
para criar nos filhos/as hábitos de respeito e uma expectativa
positiva em relação ao conhecimento adquirido e socializado;
o Expressar em palavras e atitudes a confiança que têm em
ralação a escola e em seus/suas educadores/as;
o Procurar saber o que o filho/a realizou na escola e como foi seu
dia;
o Zelar por uma relação de carinho e respeito com os/as
educadores/as, pois a opinião da família influi sobre os/as
filhos/as;

o Observar os materiais escolares e auxiliar as crianças nas tarefas


de casa;
o Resolver problemas entre família e escola;
o Reforçar sempre a auto-estima e autoconfiança dos/as filhos/as.
É de fundamental importância a família ter tempo para as crianças, ser
exemplo de comportamentos (pontualidade, respeito, amor, gratuidade, entre-
ajuda, etc.) e oferecer espaços à liberdade de pensar e agir. Saber dizer "não",
introduzindo-os no mundo real, fazendo-as pensar no que foi negado para que
amadureçam com sabedoria. A educação não depende de si mesma, mas
principalmente do papel que a família desempenha dentro, fora e junto à
escola.
A família precisa ajudar a criança a descobrir-se como pessoa,
desenvolver suas potencialidades para que, no futuro, possa aplicar, de modo
que ela se perceba como um agente transformador, que transforma e é
transformado por esse meio. Na família é lugar de fazer a experiência de
conviver com as diferenças de idade, temperamento, relações interpessoais
marcadas pela colaboração, tolerância, serviço, aceitação, solidariedade,
limites e potencialidades. Este processo só poderá ocorrer por meio da família
primeiramente e da escola também.

Aproveitando o Plantão Pedagógico da escola, convocamos os pais para


uma palestra enfatizando a importância da sua presença na escola para que
possamos caminhar juntas para uma bem maior, que é seus filhos no caminho
da educação, as professoras do 1º ao 5º ano usaram a rotina diária para
recepção dos pais, com acolhida, correção do para casa, desenvolvimento,
slides de um filme mostrando quando a mãe começou a prestar atenção ao
filho a diferença que aconteceu em suas vidas.